Issuu on Google+

Paredes

CELSO FERREIRA LEVA CÂMARA ÀS FREGUESIAS

ano|62 número|36

Entrevista | Ermesinde

Sobrado

ÁRVORES DO MUNICÍPIO PROVOCAM DESTRUIÇÃO NO MIRITA PARK Pàg. 2

MINISTRO DA SAÚDE EM ERMESINDE

Pàg. 5

ALUNOS DE SOBRADO PLANTARAM ÁRVORES NA SANTA JUSTA

Pàg. 5

PS DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO:

UM SACO DE GATOS

sexta, 22 de fevereiro de 2013

Pàg. 13

BONS GESTORES SÃO OS QUE PREPARAM AS EMPRESAS PARA DURAR Júlio Sá investiu em tempo de crise, num local aparentemente pouco indicado e num sector especialmente sensível, a hotelaria. Apostou e venceu, realizando assim o seu “sonho de menino”. Orgulhoso, quando o questionam responde que essa coisa de “tempos difíceis” não o intimida antes parece motivá-lo.

Págs.8 e 9

Amarante

“JOSÉ LUÍS GASPAR É A PESSOA CERTA PARA RECOLOCAR AMARANTE NOS TRILHOS” Pàg. 3

Pág. 03


Actualidade Arquivo Histórico de Valongo

BarBeiro de ermesinde organiza carnaval em 1926 Continuando com a divulgação do seu acervo documental, o Arquivo Histórico Municipal de Valongo está a apresentar mais um Documento do Mês, desta feita sob o tema CARNAVAL EM ERMESINDE. Assim, durante Fevereiro, está patente ao público, como habitualmente, no átrio do edifício do Turismo, Museu e Arquivo Histórico Municipal, um

2 CD

interessante documento pertencente ao fundo da Administração do Concelho de Valongo. O documento exposto é um requerimento do ano de 1926, subscrito por um barbeiro de Ermesinde que, em nome de um grupo de cidadãos daquela freguesia solicita ao administrador do concelho autorização para a realização de festejos carnavalescos.

21 de fevereiro 2013

•••Sobrado

Árvores do município provocam destruição no Mirita Park A falta de manutenção de um terreno arborizado, pertença do município de Valongo, que ladeia as traseiras do Mirita Park, provocaram o derrube de um muro e redes de vedação naquele pólo industrial que alberga dezenas de empresas em Sobrado. O problema – a invasão da ramagem para o lado do Mirita Park, forçando as redes de vedação – já existe há muito, sem que os responsáveis municipais actuem. Porém o mau tempo que recentemente se fez sentir agravou drasticamente a situação, ao provocar a queda e arrastamento de arvoredo para o interior do pólo, tendo como consequência o derrube de muros e desabamento de parte da via de circulação que em alguns sectores impede a circulação normal de automóveis e camiões.

Contactada pelo CORREIO DO DOURO, fonte da autarquia afirmou desconhecer o assunto mas que a confirmar a sua responsabilidade, actuará rapidamente no sentido de repor a normalidade no local. Falta de água Recorde-se que o Mirita Park – gerido em sistema de condomínio fechado e em propriedade horizontal – nasceu como enorme promessa para o desenvolvimento, não apenas de Sobrado mas de toda a região. Todavia problemas de vária ordem, nomeadamente os da crise que se atravessa, e a que são alheios os responsáveis, têm impedido o seu normal progresso. Um desses problemas

está ligado ao abastecimento de água. Ou à sua falta! Em tempos, uma fuga nas condutas do contador principal originou uma factura da Veolia (Aguas de Valongo) de um valor absurdo que se aproximava dos 80 mil euros. Contestada a responsabilidade pelo condomínio do Mirita Park, a empresa que agora gere o abastecimento da água no concelho decidiu “fechar a torneira”, situação que se mantêm para desespero dos empresários que ali se acolheram, obrigados a “remediar-se” conforme podem, transportando para o interior do pólo o precioso liquido em depósitos e garrafões. Aqui também a autarquia presidida por João Paulo Baltazar poderá usar os seus bons ofícios para ajudar a normalizar uma situação que prejudica todos.


Regional

600 empresas jĂĄ aderiram ao “portugal sou euâ€? Mais de uma centena de empresas transmontanas aderiram ao programa “Portugal Sou Euâ€? uma iniciativa do Governo que jĂĄ conta com 500 aderentes e visa valorar a produção nacional e estimular o “processo de reindustrializaçãoâ€?. O programa governamental tem como objectivo a criação da marca que identifique os produtos de origem portuguesa, incen-

tivando os consumidores nacionais a comprarem estes produtos. Para Ă lvaro Santos Pereira, titular da Economia, este ĂŠ um dos caminhos capazes de combater a crise, susceptĂ­vel de provocar um aumento da procura interna dos produtos portugueses. O ministro defendeu que esta ĂŠ tambĂŠm uma forma de “salvaguardar empresas portuguesasâ€? e promover o crescimen-

to da economia. “Quando nĂłs compramos portuguĂŞs tem impacto no emprego em Portugal, numa altura em que temos a maior taxa de desempregoâ€?, afirmou o governante em Mirandela, acrescentando que o programa se assume como “um contributo ao reforço da industrialização de Portugalâ€?. O selo “Portugal Sou Euâ€? que

passarĂĄ a aparecer nos produtos das empresas aderentes, “ajudarĂĄ os consumidores a identificarem os produtos nacionaisâ€?. O Governo tem vĂĄrios parceiros sociais a impulsionar o programa como a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) que geriu os processos das 107 empresas que subscreveram hoje, em Mirandela, a adesĂŁo Ă  marca.

Paredes

Celso ferreira leva Câmara Ă s freguesias Depois de inaugurar hĂĄ trĂŞs semanas o ciclo de PresidĂŞncias Abertas na freguesia de Recarei, por iniciativa do presidente o executivo municipal de Paredes fez nova deslocação, desta vez Ă  Sobreira. Celso Ferreira decidiu exercer funçþes, seguindo um programa de descentralização e proximidade no atendimento Ă  população, “intensificando o contacto com os munĂ­cipesâ€? para melhor perceber dos seus problemas e necessidades, no actual contexto de crise econĂłmica, financeira e social. “Se dĂşvidas existissem quanto ao sucesso e Ă  oportunidade deste modelo, elas ficaram totalmente dissipadas durante a PresidĂŞncia Aberta realizada em Recarei e Sobreiraâ€?, afirmou o presidente salientando ter falado “com centenas de pessoas que

dificilmente se deslocariam Ă  Câmara Municipalâ€?. A experiĂŞncia permitiu ao autarca “perceber a nova dimensĂŁo dos problemas sociais que hoje existemâ€?, explicou. “Face Ă  gravidade e emergĂŞncia da situação que o PaĂ­s atravessa, temos a obrigação, mesmo o dever, de estabelecer um contacto ainda mais prĂłximo e directo com as populaçþes, auscultando os seus sentimentos mais profundos, os seus anseios e as suas necessidades. Mas, sobretudo, temos que agir no terreno e fazer tudo o que estĂĄ ao nosso alcance para resolver os pequenos problemas individuais que sĂŁo realmente importantes no dia-a-dia das pessoasâ€?, acrescentou o presidente, realçando a vontade de prosseguir com a experiĂŞncia.

•••Paços de Ferreira

Câmara muniCipal e deCo esClareCem sobre mudança de forneCedor de gås e eleCtriCidade

É obrigatĂłrio mudar jĂĄ de comercializador? Quais os passos a dar? É obrigatĂłria uma inspecção Ă  instalação e aos equipamentos de gĂĄs? É obrigatĂłrio haver um contrato assinado? Estas e outras questĂľes foram respondidas por tĂŠcnicos e juristas da DECO, durante uma sessĂŁo de esclarecimento subordinada ao tema “Mudar de comercializador de electricidade e gĂĄs naturalâ€?, promovida pelo MunicĂ­pio. As recentes alteraçþes no mercado energĂŠtico, com a extinção das tarifas reguladas e a mudança de comercializador de energia, exigem que o consumidor esteja mais informado para que no processo de transição tome as decisĂľes conscientemente e defenda os seus direitos. Informar o consumidor sobre o processo de mudança de comercializador e a contratação no mercado liberalizado e

o esclarecimento sobre os procedimentos associados à extinção das tarifas de venda

a clientes finais, foram os objectivos desta sessĂŁo, aberta a todos os pacenses.

reabilitação dos edifíCios da Quinta de fora Na última segunda-feira a Câmara Municipal de Santo Tirso procedeu à apresentação pública do Projecto de Reabilitação dos Edifícios da Quinta de Fora (Casa da Eira e Casa do Caseiro)

do Mosteiro de S. Bento - Escola Profissional Agrícola Conde S. Bento. Neste local jå foram concluídos significativos trabalhos de reabilitação que permitirão mais

dois importantes equipamentos para o concelho: o Centro de Educação Ambiental e a Escola Profissional de Hotelaria. Com esta intervenção, ficarão concluídas todas as acçþes-

-âncora da Parceria para a Regeneração Urbana (PRU) das Margens do Ave e serå reafirmada a estratÊgia de reabilitação patrimonial e ambiental da cidade de Santo Tirso.

Gondomar

festa do sĂĄvel e da lampreia

Realizou-se no Ăşltimo fim-de-semana a 22.ÂŞ edição da “Festa do SĂĄvel e da Lampreiaâ€?, uma iniciativa do pelouro de Turismo da Câmara Municipal de Gondomar, cujo principal objectivo ĂŠ, em primeiro lugar, a divulgação das potencialidades gastronĂłmicas do concelho. Desenvolvida em parceria com vĂĄrias unidades de restauração, a acção tambĂŠm se assegura a promoção da economia local, com especial destaque, obvio, para o sector da restauração gondomarense. ApĂłs a apresentação, que decorreu a bordo de um barco em Ribeira de Abade, Valbom, a prĂłxima etapa ĂŠ no dia 6 de Março, no AuditĂłrio Municipal, com a realização da prova de “Lampreia Ă  Bordalesaâ€? e “SĂĄvel Fritoâ€?. Ainda nesse dia, desta vez no SalĂŁo Nobre da Câmara Municipal de Gondomar, haverĂĄ uma cerimĂłnia de entrega de prĂŠmios e diplo-

mas aos restaurantes participantes no concurso. O “final da festaâ€?, marcado para os dias 8, 9 e 10 de Março acontecerĂĄ no pavilhĂŁo Multiusos, onde decorrerĂĄ o “9.Âş Fim-de-semana GastronĂłmico – SĂĄvel e Lampreia, um Sabor D’Ouroâ€?. Estes trĂŞs dias serĂŁo, tambĂŠm no Multiusos, a ocasiĂŁo para o “Artesanato com saborâ€?. A nĂŁo perder.



 



 

 



PUB

22 de fevereiro 2013

CD 3


Publicidade

4 CD

22 de fevereiro 2013


Valongo BoCCia para os seniores de ermesinde e alfena

ministro da saúde em ermesinde

No âmbito da Academia Sénior do Programa de Acção Sénior, foi criada uma nova turma de Boccia, na freguesia de Ermesinde, com treinos semanais às 6.ªs feiras, das 14h15 às 16h15, no Pavilhão Municipal de Ermesinde. Segundo a câmara municipal, este novo horário irá abranger a população sénior das Freguesias de Ermesinde e Alfena, dado que esta oferta já existe na Freguesia de Valongo, para os seniores de Valongo, Campo e Sobrado. O Boccia é um jogo de bolas, que tem como objectivo colocar as bolas de cor – seis azuis contra seis vermelhas, o mais perto possível de uma bola alvo – bola branca. Actualmente encontra-se em grande expansão junto da população sénior, porque é uma modalidade de cariz lúdico-recreativo, promove a competi-

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, e o presidente da Câmara Municipal de Valongo, João Paulo Baltazar, efectuaram recentemente uma visita às instalações da Unidade de Cuidados Continuados de Ermesinde onde constataram um excelente trabalho realizado por uma equipa de profissionais de saúde curta mas empenhada em dar continuidade a um projecto que tem sido fundamental junto da comunidade. A convite do bastonário da Ordem dos

ção salutar entre os praticantes, a inclusão, ajuda a estimular as capacidades funcionais e físicas, contribuindo para um “Envelhecimento Activo”. Neste sentido, os seniores residentes no Concelho de Valongo e portadores do cartão idoso municipal, poderão inscrever-se gratuitamente nesta actividade, na secretaria do Departamento dos Assuntos Sociais da C.M.V., nas Juntas de Freguesia de Alfena, Campo, Ermesinde e Sobrado, ou junto do professor, no decorrer dos treinos semanais, respectivamente: Pavilhão Municipal de Valongo – 2.ªs feiras, das 14h00 às 16h00; Pavilhão Municipal de Ermesinde – 6.ªs feiras, das 14h15 às 16h15. Os participantes deverão comparecer aos treinos equipados com fato de treino e sapatilhas.

Enfermeiros, Germano Couto, o ministro da Saúde e o presidente da autarquia acompanharam uma equipa de enfermeiros que presta apoio domiciliário junto da população de Ermesinde e Alfena. Presidente quer resolver problemas de Alfena e Campo João Paulo Baltazar aproveitou a oportunidade para sensibilizar Paulo Macedo para a urgência na resolução da situação em torno dos centros de saúde de Alfena e de Campo.

pais, mÃes e Companhia deBateu preConCeitos soBre espaço internet Comemorou oriental seXual nono aniversário O presidente e a vice presidente da Câmara de Valongo estiveram recentemente no Fórum Cultural de Ermesinde onde decorreu a festa que assinalou o 9º aniversário do Espaço Internet do Concelho de Valongo. João Paulo Baltazar e Maria Trindade Vale foram recebidos pelos juniores do curso OraJúnior Digital que foram os anfitriões da festa que teve como ponto alto a atuação da Escola de Artes Performativas Remix, com um espetáculo de dança acompanhado à bateria pelo monitor do EI, Pedro Sá Fer-

nandes. O evento compreendeu ainda a entrega dos Certificados de Participação das várias ações de formação (OraSénior Digital; OraJúnior Digital e Ora Digital) decorridas durante o ano de 2012 e foi finalizado com o tradicional bolo de aniversário acompanhado pelos “parabéns”. Para os responsáveis do município, o Espaço Internet (EI) tem sido ao longo destes nove anos o espelho de um “serviço de proximidade, de combate à infoexclusão e onde cada munícipe é atendido de uma forma personalizada”.

“Não sou uma pessoa preconceituosa!” Esta é uma frase que usamos com frequência, mas será que é mesmo assim?… Quando nos confrontamos com uma pessoa com orientação sexual “diferente” como reagimos? Será que aceitaríamos se os nossos filhos e filhas viessem a ter uma orientação sexual “diferente”? A sessão do Pais, Mães & Companhia que decorreu no início do mês no Fórum Cultural de Ermesinde foi pre-

cisamente dedicada aos que quiseram saber mais sobre este assunto, ainda hoje e para muita gente, um imenso “tabu”. A acção, intitulada “Sair do armário: Orientação Sexual e Preconceitos na família” e teve como orador principal Telmo Fernandes, da associação ILGA (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero), e contou com a colaboração da Associação de Mães e Pais Pela Liberdade de Orientação Sexual e Identidade de Género.

Ermesinde-cidade solidária

Casa Cheia no sarau Cultural 2013 Por José Luís Pinto Declaração de interesses; sou membro do Rotary Clube de Ermesinde. Acreditando no entanto que tal facto não me impede de manter a isenção na avaliação do Evento promovido por esta Associação, atrevo-me a realçar alguns aspectos do Sarau Cultural 2013, evento anual que já marca a Agenda cultural e social do nosso Concelho e que decorreu na passada sexta-feira, 15/Fev., pelas 21:30h, no Fórum Cultural de Ermesinde. Para quem não sabe, este Sarau anual tem como objectivo principal recolher fundos que se destinam a prestar apoio social a pessoas do nosso Concelho, ora através de Entidades de carácter social, como a Casa do Povo ou o Centro Social de Ermesinde, ora directamente a pessoas com carências, como é o caso do Programa de apoio à aquisição de medicamentos. Adicionalmente e cumprindo a tradição dos últimos anos, o Rotary Clube de Ermesinde premeia os melhores alunos da Escola de Ermesinde e de Alfena nesta cerimónia. Passada a azáfama que envolveu a preparação e realização deste Sarau, e reflectindo sobre os acontecimentos passados, houve dois factos que me deixaram positivamente surpreendido; Em primeiro, a adesão da população a este Evento. Não tenho dúvidas que vários factores contribuíram para essa adesão, mas a vontade de participar num projecto social que envolve apoio

aos mais desfavorecidos foi seguramente um deles. Muitos casos surgiram em que o que motivou a ida das pessoas ao Sarau foi a contribuição que podiam fazer para o apoio social. Se não fosse por isso não iriam, até para evitar esse gasto adicional. Pudemos confirmar neste projecto o carácter das nossas gentes, que à semelhança de projectos como o Programa Alimentar, é nos períodos de grandes dificuldades que mais contribui. E também por isso e mais este ano que os anteriores, tivemos casa cheia. Em segundo, não é demais realçar a participação da Associação Académica e Cultural de Ermesinde (AECE). Porque foi gratuita e com isso ajudou a maximizar o valor disponível para o projecto. Tivessem pedido um “cachet”, por pequeno que fosse, e o valor a disponibilizar seria outro. Mas também porque a qualidade que está manifesta nas diversas valências, nomeadamente as que actuaram no Sarau, a equipara às melhores, mesmo profissionais. O caminho que a AECE em feito desde a sua criação tem sido de engrandecimento, quer em quantidade quer em qualidade, sendo no seu curto período de vida uma das maiores associações do concelho, senão mesmo a maior. E quando colocam o que de bem fazem no âmbito cultural ao serviço dos mais desfavorecidos dão um exemplo de entrega que deve ser realçado, principalmente num tempo em que as condições para ajudar são as piores. Bem hajam por isso.

PUB

alunos de soBrado plantaram árvores na santa Justa Cerca de 25 alunos da Escola Básica de Fijós (Sobrado) participaram na quarta-feira de manhã naquela que foi a primeira acção de plantação de árvores no âmbito da iniciativa “Um Toyota, uma árvore”. Recorde-se que o município de Valongo venceu recentemente um concurso promovido pela Toyota, o que lhe valeu ser contemplado com 3000 árvores autóctones.

Dessas 3000, cerca de 200 foram plantadas num terreno propriedade da Câmara Municipal de Valongo situado na Rua Padre Santos Loureiro (na Serra de Santa Justa). Os jovens envolvidos tiveram o apoio de técnicos da autarquia e da Toyota e no fim do “trabalho” foram “premiados” com um lanche que lhes retemperou as energias gastas nesta nobre acção.

21 de fevereiro 2013

CD 5


Regional Baião

Foto notícia

câMara ceDe terreno para SeDe Da aSSociação eMpreSarial O presidente da Câmara Municipal de Baião e o presidente da Associação Empresarial de Baião assinaram há dias um protocolo tendo em vista a cedência de um terreno com 891,44 m2 na Feira do Tijelinho, destinado à construção da futura sede da associação que representa os empresários e comerciantes de Baião. O presidente da AEB, Paulo Portela, agradeceu a colaboração da autarquia na criação de condições para que a possa aprofundar o seu trabalho e desse modo apoiar os empresários concelhios e valorizar a imagem do concelho. O responsável destacou

ainda a presença de todos os associados daquela entidade e referiu que a assinatura do protocolo é apenas o primeiro passo a dar na concretização da nova sede da AEB. José Luís Carneiro, por sua vez, apelou aos empresários presentes para que colaborem com a implementação do programa de estágios para jovens licenciados do concelho de Baião. A autarquia e a AEB vão impulsionar a implementação deste programa que pretende proporcionar experiência profissional nas empresas locais a jovens licenciados em diversas áreas, sendo que a au-

tarquia irá suportar o valor dos subsídios de transporte, refeição e seguro. José Luís Carneiro disse ainda que a Câmara de Baião está disponível para apoiar no investimento da construção da nova sede da associação empresarial. O autarca disse que após a construção da sede da AEB e da instalação de um posto de abastecimento de combustíveis na zona do Tijelinho, terá lugar a requalificação daquele local. “Pretende-se ter a vila de Baião como uma sala de visitas para todos os que chegam ao concelho ou seja, ter um espaço qualificado e digno”. José Luis Carneiro acrescentou

que “a AEB poderá contar com a autarquia para projetos futuros, pois tem havido um diálogo franco e aberto entre as duas entidades. A CMB terá sempre uma atitude de humildade para ouvir e respeitar a opinião dos outros, mas também com um sentido de responsabilidade em relação ao interesse geral”. O presidente da autarquia referiu ainda que durante 7 anos a câmara municipal canalizou cerca de 12 milhões de euros para a economia local, fosse através de empreitadas ou de prestação de serviços e de fornecimentos por parte das empresas locais.

autarquia critica a falta De cooperação Da entiDaDe regional De eDucação A Câmara presidida por José Luis Carneiro aprovou, por unanimidade, na sua reunião de 13 de Fevereiro, um “voto de protesto” relativamente à falta de cooperação institucional que tem existido da parte da Direcção Geral dos Estabelecimentos de Ensino - Direcção dos Serviços da Região Norte (ex- Direcção Regional de Educação do Norte)

face ao município. Todos os vereadores eleitos pelo Partido Socialista e pelo Partido Social-Democrata assinaram a carta onde se lamenta a indisponibilidade, manifestada por aquela entidade, para a realização de uma sessão de esclarecimento, em Baião, sobre a constituição de Mega Agrupamento de Escolas.

No ofício dirigido ao delegado regional de educação, Aristides Sousa, os autarcas baionenses acusam, ainda, a Direcção dos Serviços da Região Norte de não responder às comunicações emitidas pela Câmara Municipal de Baião e de não se fazer representar nas reuniões do Conselho Municipal de Educação. Estas atitudes ocorrem desde

a eleição do actual governo, observam os membros da Câmara de Baião. “Esta Câmara Municipal lamenta, ainda, que não se verifique por parte desses Serviços o respeito institucional que se impõe a uma entidade pública que deveria funcionar, acima de tudo, como um elo de ligação entre o governo central e as autarquias locais”, conclui a missiva.

aciDente eM penafiel

Um embate, a semana passada, entre dois camiões na A4, em Penafiel, provocou um ferido grave e a interrupção durante várias horas de duas das faixas da via, no sentido norte-sul. O acidente, que ocorreu ao princípio da noite, deu-se porque o condutor do segundo camião não se apercebeu, por razões desconhecidas mas que poderão

estar ligadas ao cansaço, que o outro pesado estava parado (e devidamente sinalizado) na faixa de emergência. O motorista do primeiro camião saiu incólume (não ganhou para o susto). O mesmo, infelizmente, não aconteceu ao colega que embateu. Após mais de uma hora para ser desencarcerado, foi levado em estado muito grave para o hospital de Penafiel.

José Luís Moreira

Gondomar

internet Segura

Entre os dias 4 e 9 de Fevereiro, nas Casas da Juventude de Gondomar e na Biblioteca Municipal, realizaram-se acções de formação subordinadas à temática da “Internet Segura”. Numa altura em que os “perigos” da Internet são um assunto cada

vez mais referenciado, conceitos relacionados com segurança e confidencialidade foram alguns dos assuntos abordados. Esta “Semana SeguraNet”, terminou com o Workshop dinamizado na Biblioteca Municipal de Gondomar.

Parlamento dos jovens no Porto

Baião vai coMeMorar 500 anoS De foral

Cumprem-se, em 2013, cinco séculos desde a atribuição do Foral ao concelho de Baião por parte de D. Manuel I (1469-1521). Os forais atribuídos por aquele rei, conhecidos por “forais novos”, oficializaram por escrito os tributos, foros e direitos reais que localmente era costume pagar. A atribuição de forais permitiu clarificar e actualizar a linguagem, a conversão

6 CD

de pesos e medidas, fixar na moeda corrente valores a pagar, alterar o sistema de cobrança de portagem e outros tributos. Para comemorar este importante acontecimento, a Câmara Municipal de Baião está a preparar, entre outras iniciativas, uma Recriação Histórica para os dias 1 e 2 de Junho. Será uma verdadeira viagem no tempo, que irá pro-

22 de fevereiro 2013

porcionar uma visão sobre aquilo que era o concelho de Baião naquele período histórico, mas também em épocas como a pré-história ou o período romano, entre outros. A autarquia convida todos os cidadãos que queiram fazer parte destas comemorações a contactar a sua Junta de Freguesia ou o Museu Municipal através do telefone 255-540550 ou do e-mail museu@cm-baiao.pt.

Paredes - Bolsas de estudo 2012/13

apreSentação De canDiDaturaS A Câmara Municipal de Paredes irá atribuir, à semelhança de anos anteriores, bolsas de estudo a alunos do concelho que frequentam os ensinos secundário e superior. A formalização das candidaturas terá de ser efectuada entre os dias 1 de marco 2013 e 1 de Abril de 2013, através dos serviços online do município ou no Balcão Único de Atendimento ao Munícipe no edifício da Câmara Municipal.

DeputaDo Michael Seufert na SeSSão DiStrital para o enSino SecunDário As sessões distritais/regionais do programa Parlamento dos Jovens decorrem de 18 de Fevereiro até 12 de marco e contarão com a presença de 40 deputados da Assembleia da República. A sessão do Porto destinada ao ensino secundário teve lugar no dia 19 de Fevereiro, no auditório da Escola Secundária do Cerco, e contou com a presença do Deputado Michael Seufert. Após as sessões nas escolas, os jovens deputados vão aprovar, nestas sessões, as deliberações de cada círculo eleitoral e proceder à eleição dos deputados à Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens. O Parlamento dos Jovens

é uma iniciativa institucional da Assembleia da República, desenvolvida ao longo do ano lectivo com as escolas de todo o país, em que pode inscrever-se qualquer escola do universo do ensino público, privado e cooperativo. O programa culmina com a realização anual de duas Sessões Nacionais na Assembleia da República: a Sessão Nacional para o Ensino Básico decorrerá nos dias 6 e 7 de maio e para o Ensino Secundário, nos dias 27 e 28 do mesmo mês. Participam no programa, na presente sessão, 737 escolas e os temas em debate são os seguintes: Ensino Básico - Ultrapassar a crise; Ensino secundário - Os jovens e o emprego: que futuro?


Área Metropolitana Paços de Ferreira

Valongo

pedro pinto elogiA resistênciA dos Agricultores no 38º Aniversário dA cooperAtivA “A lAvourA”

AssembleiA municipAl reúne em sobrAdo

O Presidente do Município, Pedro Pinto, elogiou no passado fim-de-semana a capacidade de resistência dos agricultores, que, apesar das dificuldades, ainda se mantêm a cultivar os seus campos e a criar animais, sector importante para a economia local e nacional. Pedro Pinto falava na cerimónia solene de comemoração do 38º aniversário da Cooperativa Agrícola “A Lavoura”. À cerimónia

A Assembleia Municipal de Valongo vai reunir em sessão ordinária no próximo dia 28 de Fevereiro, no Centro Cultural de Sobrado. A reunião magna, que terá um período para intervenção do

acorreram mais uma centena de convidados, sobretudo agricultores, que mantêm vínculo à Cooperativa, alguns deles ainda do tempo ao antigo Grémio, fundado em 1948. A festa de aniversário da Cooperativa “A Lavoura” ficou também marcada pela presença do Presidente da FENACAM Federação Nacional das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo, Comendador Francisco Silva, cujo

balcão na Cidade de Paços de Ferreira está sediado no edifício da Cooperativa, uma instalação que se ficou a dever, em muito, nas palavras do Presidente da Cooperativa, Idalino Leão, “à intervenção do Presidente do Município, Pedro Pinto, pelo prestígio desta instituição bancária e pelo que a mesma significa para a dinamização da economia local”. De salientar que o concelho de Paços de Ferreira,

apesar de fortemente industrializado, é reconhecido a nível nacional também pelo facto de ser um concelho fértil ao nível do cooperativismo agrícola. Foi dos pioneiros a nível nacional a contar com uma associação de criadores de gado e uma cooperativa de produtores de leite, sendo que a Cooperativa “A Lavoura” foi a 5ª Cooperativa, a nível nacional, a aderir à AGROS.

público, irá analisar o pedido de renúncia do deputado José Filipe Bandeira, eleito pela “Coragem de Mudar”, e apreciará informação escrita do presidente da Câmara sobre a actividade do município e a sua actual situação financeira.

Paços de Ferreira

bAú dos contos de músicA nA bibliotecA de pAços Decorre amanhã (dia23) entre as 15 e as 17h00, na Biblioteca Vieira Dinis (Paços de Ferreira) o “Baú dos Contos de Música”, para crianças dos 3 aos 6 anos. Esta oficina de experimentação de instrumentos musicais, faz parte de um programa que pretende proporcionar uma maior aproximação dos munícipes do concelho, desde a mais tenra idade, dos equipamentos culturais do Município. Quem participa na iniciati-

va dos Baús terá direito a receber um passaporte. Existem dois tipos de passaporte: ”Passaporte Baú 3-6 anos” e “Passaporte Baú 7-12 anos”, que serão entregues a todas as famílias, de acordo com a idade das crianças participantes nas actividades. As famílias que preencherem o seu Passaporte com carimbos de todas as actividades receberão um Baú com livros cujos temas foram abordados nos “Baús dos Contos”.

Gondomar

FestA do sável e dA lAmpreiA Está a decorrer em Gondomar desde o passado dia 15, a 22.ª Edição da “Festa do Sável e da Lampreia”, uma iniciativa

“comunidAde de leitores” nA bibliotecA municipAl

Gondomar

proFissionAis de sAúde e comunidAde prepArAm Futuro

O Conselho da Comunidade do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Gondomar dinamizou uma Sessão de Trabalho (“brainstorming”) com o objectivo de reflectir sobre as necessidades de cuidados de saúde que os cidadãos experimentarão em

da Câmara Municipal que conta com 17 restaurantes aderentes. A festa prolonga-se até 17 de Março.

2015 (e as formas mais eficazes de as satisfazer). Este encontro, desenvolvido no âmbito da iniciativa “PROJET15” (através da qual se pretende identificar as principais prioridades e iniciativas que, por um lado, reforcem o acesso aos cuidados de saúde e, por outro

lado, melhorem a organização e o funcionamento das unidades prestadoras de cuidados), teve lugar no Multiusos no passado dia 8 de Fevereiro. “Que Cuidados Primários devem ser prestados à nossa comunidade em 2015?” foi o assunto que, participado por

inúmeros intervenientes, em representação de distintas entidades, esteve em discussão durante várias horas. É desejo dos profissionais de Saúde do ACES de Gondomar reforçar o envolvimento das Comunidades Locais e dos Parceiros Sociais na identificação das principais prioridades e iniciativas a desenvolver. Daí este “brainstorming”... Ouvir e envolver são, para o ACES Gondomar, prioridades para dinamizar formas de operacionalizar esta cooperação conjunta. Com esta iniciativa os profissionais de Saúde pretendiam reflectir em conjunto com os membros da Comunidade de Gondomar (que melhor conhecem as suas ansiedades e expectativas) quais as necessidades de cuidados de saúde que os cidadãos experimentarão em 2015. E, em paralelo, as formas mais eficazes de satisfazer tais anseios.

Depois de Richard Zimler e de Luís Miguel Rocha, foi agora a vez da “Comunidade de Leitores” ter como convidado o autor Miguel Miranda. A iniciativa, que se prolonga até finais de maio, traz sete autores até à Biblioteca Municipal de Gondomar. Para leitura e análise, na sessão que decorreu anteontem, Miguel Miranda escolheu “A paixão de K”.

A “Comunidade de Leitores” consiste no encontro de um grupo de pessoas que se juntam, periodicamente, para conversar sobre livros cuja leitura foi proposta pelo dinamizador. A experiência da leitura será sempre íntima e individual, feita em casa por cada um dos participantes. Mas essa experiência será, depois, enriquecida pela partilha de opiniões, comentários e pontos de vista que ocorrerá nos encontros, permitindo a descoberta de outras formas de interpretar o livro analisado. Richard Zimler, Luís Miguel Rocha, Miguel Miranda, João Tordo, Maria João Reynaud, Ruben Marks e Maria Cecília Santos são os “capítulos” que integram a “Comunidade de Leitores 2013”.

22 de fevereiro 2013

CD 7


Entrevista Entrevista com Júlio Sá

“Bons gestores são os q preparam as empresas p Júlio Sá investiu em tempo de crise, num local aparentemente pouco indicado e num sector especialmente sensível, a hotelaria. Apostou e venceu, realizando assim o seu “sonho de menino”. Orgulhoso, quando o questionam responde que essa coisa de “tempos difíceis” não o intimida antes parece motivá-lo. O que motivou o investimento de um hotel em Ermesinde, tendo em conta que aconteceu num período em que a crise já se fazia sentir e não augurava nada de bom? Eu costumo dizer que os grandes marinheiros se tornaram famosos com estados climáticos adversos e problemáticos, mas aqui não posso dizer que foi pela fama mas sim para concretizar um grande sonho de menino. Nunca tive medo do trabalho, na hotelaria comecei muito cedo (aos 13 anos) a ajudar os meus pais que sempre trabalharam na hotelaria e restauração, posso mesmo dizer que conheço em pormenor cada departamento do meu Hotel e estou perfeitamente a vontade para cooperar com os meus colaboradores no sentido positivo de ajuda e motivação.

8 CD

A fase não foi escolhida por ser melhor ou pior, mas sim pelo tempo em que consegui amealhar algumas poupanças para

A minha motivação passou pelo conhecimento do mercado, por amigos de empresas com quem convivia e que eu sentia

Não há défices no sector hoteleiro, o que há é um crescimento desregrado, sem princípios concretizar este sonho de forma estruturada, porque uma empresa não deve fazer suas construções em areias movediças mas sim em rocha firme.

22 de fevereiro 2013

nas suas conversas a necessidade de alojamento do nosso concelho, confirmada por um estudo de viabilidade económica que eu encomendei a uma empresa de

estudo de mercado. Mas para finalizar posso completar dizendo que para mim nunca me assustaram os tempos difíceis na gestão da minha empresa porque estou habituado a “pagar ordenados”, coisa que se a maior parte dos nossos gestores e Políticos Portugueses estivessem habituados a fazer o nosso Pais não estava com certeza a viver estes “tempos difíceis”. A localização obedeceu a algum critério ou foi apenas porque encontraram aí terreno disponível? Localização… Em parte já respondi a esta pergunta na anterior, mas posso completar dizendo que sempre tive um carinho especial por este concelho que me viu crescer; desenvolvi desde 1994 a minha actividade empresarial no concelho de Valongo, criei amigos, conhecimentos que

me ajudaram a sentir as necessidades do nosso concelho onde senti também esta oportunidade de negócio, pois o meu Hotel foi o primeiro e único Hotel de 4 estrelas até ao momento no concelho. Aqui residem os meus familiares, estrutura principal do meu sucesso. Teve e/ou tem apoio algum, nomeadamente da autarquia, do estado ou de programa da União Europeia? Não sei dizer se feliz ou infelizmente mas, após várias tentativas, nada me foi concedido. Não tive nenhum apoio, ninguém nem nenhuma instituição acreditou no meu projecto.Deparei-me apenas com barreiras e dificuldades mesquinhas de pessoas que ao sentir uma oportunidade de dificultar em vez de apoiar o desenvolvimento do concelho,

optavam por criar barreiras ao desenvolvimento. Isto, penso eu, porque a minha unidade não pertencia a nenhum grande grupo onde pudesse haver facilidades... Mesmo assim singrou. Como classifica os resultados obtidos até agora e as razões que os ditaram? Os resultados são fruto de muito trabalho da excelente equipa de que disponho. Sem os meus maravilhosos colaboradores nada teria sido igual. Estamos com excelentes taxas de ocupação, em contraciclo temos conseguido todos os anos aumentar a nossa taxa de ocupação conforme dados mensais fornecidos à autarquia e ao Instituto Nacional de Estatística (INE). Tem sido muito gratificante para mim a realização, de forma tão positi-


Entrevista

que para durar” va, deste que era o meu sonho de menino.

Referiu “excelentes taxas de ocupação”. Como as conseguiu? Com grupos turísticos? O facto de estar fora da cidade do Porto (embora a escassos minutos) influi nos resultados do hotel? O nosso Hotel é essencialmente corporate, onde 90% da nossa taxa de ocupação vem das empresas envolventes, é quase insignificante a ocupação por parte de grupos turísticos onde também tenho que admitir não ter capacidades de camas disponíveis para acolher com a qualidade que nos diferencia da concorrência. Falou de grupos turísticos. Essa é com certeza uma aposta que farei um dia que o mercado entre num novo ciclo de crescimento. Aí penso optar pela segunda fase de construção do hotel, aumentando a sua capacidade de oferta em 120%. Mas sempre com os pés assente no chão; o investimento no terreno para a segunda fase já foi feito, agora terá que ser o mercado a

dar sinais de crescimento e de suporte para esta nova aventura. Relativamente a estar ou não dentro da cidade, devo admitir haver vantagens e desvantagens, mas com os acessos de que dispomos estamos a 5 minutos de todos os locais principais do Distrito e por vezes bem mais perto do que se estivéssemos dentro da cidade. Posso garantir que as deslocações entre o nosso hotel e o aeroporto ou o porto de Leixões são muito mais rápidas do que se estivéssemos no centro do Porto. Estamos longe da confusão mas perto de tudo; e num local onde no fim de um dia de trabalho ainda se respira alguma natureza e calma que proporcionam um repouso tranquilo. Em sua opinião, o que deveria ser feito para minorar os evidentes défices no sector? Desculpe-me descordar, mas para mim não há défices no sector hoteleiro, há sim é um crescimento desregrado, sem princípios! Mas isto seria um tema para escrever muitas

linhas…

O que espera dO futurO? Do meu futuro espero ser abençoado com muita saúde e felicidade, mas para o futuro dos europeus onde se incluem os Portugueses, espero que se dê mais valor às pessoas, que se valorizem as relações humanas, que se mudem mentalidades para valorizar o realmente deve ser valorizado, as pessoas. Infelizmente vivemos actualmente numa sociedade cada vez mais consumistam, numa busca incessante por bens materiais, onde inacreditavelmente tem mais regalias um recluso do que um idoso.

vivemos actualmente numa sociedade cada vez mais consumistam, numa busca incessante por bens materiais, onde inacreditavelmente tem mais regalias um recluso do que um idoso

Lições de gestão em tempo de crise? Fico realmente preocupado quando assisto ao lançamento de livros, à proliferação de conferências e coisas do género, cujo tema versa sobre “a gestão em tempos de crise”, onde tentam “ensinar”, como se deve “gerir em tempos de crise”. Ora, isto significa que algo está profundamente errado, O que deve ser ensinada é a gestão em tempo de crescimento, porque quem gere bem esses nesses períodos consegue passar melhor pelos tempos mais conturbados, como o que se vive actualmente. Quando em crise, apenas se sobrevive, portanto, no máximo pode-se é falar de “gestão de sobrevivência”. Quem na crise consegue crescer, deve-o a dois factos: preparou-se em tempos de crescimento e, resistindo, vai ficando com quotas de mercado “disponibilizadas” pelos que não sobreviveram. Os gestores devem, em tempos de crescimento e periodicamente, fazer testes de stress à empresa para apurar até onde ela aguenta as quebras e outros dissabores do mercado. Para mim, não são bons os gestores que preparam as empresas apenas para crescer. Bons são os que as preparam para durar, para resistir aos maus ciclos económicos que, invariavelmente acontecem.

Tipo de hotel Hotel Urbano Ano de construção 2009 21 quartos 5 suites Serviços Serviço de quartos Serviço de lavandaria Recepção (serviço sob 24h) Snack-bar Business@center Sala de pequeno-almoço Sala de televisão Equipamento de quarto Climatização regulável Televisão via satélite/cabo Casa de banho Secador de cabelo Acesso à Internet Telefone com ligação directa Mini-bar Cofre Varanda

22 de fevereiro 2013

CD 9


Douro Lamego

Alijó

Novo Hospital já está a fuNcioNar

O novo Hospital de Proximidade de Lamego entrou em funcionamento no passado dia 11 de Fevereiro. Construída junto ao nó da A24, a nova unidade hospitalar disponibiliza aos utentes do Douro Sul um serviço de medicina interna com 30 camas de internamento para doentes agudos e uma urgência básica qualificada com o apoio de especialidades médico-cirúrgicas. De modo a garantir a melhor orientação de veículos e pessoas, e evitar quaisquer perturbações nesta fase de arranque, a Câmara Municipal de Lamego já está a proceder às necessárias alterações na sinalização de trânsito e das respectivas placas informativas. Em simultâneo, também está a ser avaliada a actual rede de transportes urbanos – Verdinho - com o objectivo de reforçar a mobilidade dos funcionários e dos utentes que vão passar a recorrer ao novo equipamento. Com um investimento estimado em cerca de 42 milhões de euros, o Hospital de Proximidade de Lamego privilegiará a componente de ambulatório com o objectivo de reduzir o impacto do internamento na vida dos do-

caseiro traficava arMas e MuNições NuMa quiNta de favaios A GNR de Alijó deteve esta semana um individuo sob a acusação de transformar e traficar armas e munições. O detido, conhecido na região por “Zé Mário”, era o caseiro da Quinta da Sertã, em Soutelinho (Favaios). Na “mira” da GNR desde há algum tempo, no início da semana foi tomada a decisão de partir para a sua detenção. Munidos de mandatos de busca emanados do MP de Alijó, as autoridades encon-

entes e das suas famílias. Centrará a sua actividade nas seguintes valências: cirurgia de ambulatório, consulta externa, urgência básica qualificada, hospital de

dia e visitas domiciliárias. Será o hospital de referência (preferencial) de cirurgia de ambulatório para toda a área de influência do Centro Hospitalar

de Trás-os-Montes e Alto Douro e também serão criadas, eventualmente, algumas camas reservadas à prestação de cuidados paliativos para doentes graves.

Peso da Régua

MuNicípio iNveste eM Mais cuidados de saúde

Desde 18 de Fevereiro que a câmara do Peso da Régua assegura o transporte para o Centro de Saúde à população residente nas freguesias rurais. O objectivo é garantir melhores cuidados de saúde a todos os munícipes. Esta medida resulta das diligências efectuadas pelo municí-

pio junto do Centro de Saúde do Peso da Régua e do ACES Douro I Marão e Douro Norte. Este serviço não invalida a marcação de consulta, que deverá ser feita antecipadamente com o médico de família, pelo que a autarquia aconselha os utentes a fazerem a marcação para o dia de semana em que têm transporte assegurado, por forma a beneficiarem deste apoio. Além de terem as consultas médicas asseguradas, os utentes poderão recorrer a serviços de enfermagem, que serão prestados na extensão de Saúde da freguesia onde residem. O serviço foi comunicado a todos os beneficiários através de informação distribuída pelo território do município. A autarquia considera que se trata de “um passo importante com vista a que Peso da Régua seja um concelho coeso, onde os cidadãos beneficiam de igualdade de oportunidades, sobretudo no que respeita ao acesso a cuidados de saúde”.

ERMESINDE

ALFENA

SEDE: Rua Manuel Ferreira Ribeiro. 30 4445-504 Ermesinde - TEL. / FAX.: 229 714 442 TI.M: 91 755 46 58 / 91 269 60 74 / 91 689 78 54 Serviço Permanente

Armazém: Rua das Passarias. 464 4445-171 Alfena - Zona Industrial de Alfena TEL.: 22 967 00 05

Site: www.afunerariamarujo.com / Email: afunerariamarujo@gmail.com

10 CD

22 de fevereiro 2013

traram em anexos da quinta “25 armas, entre caçadeiras e pistolas”, algumas delas modificadas, e “mais de cinco mil munições”. Foi ainda descoberta no local uma oficina com todos os apetrechos para a transformação de armamento, o que ocorria sempre que a “clientela” solicitava. O suspeito, de 50 anos foi ouvido na quarta-feira por um juiz, no tribunal de Alijó, que lhe decretou prisão preventiva.

Mesão frio Na bolsa de turisMo de lisboa A edição 2013 da Bolsa de Turismo de Lisboa irá decorrer entre os dias 27 de Fevereiro e 3 de Março, na FIL, em Lisboa e o Município de Mesão Frio estará presente, mais uma vez, aproveitando este importante evento de divulgação de potencialidades turísticas para promover o concelho. Assim, no próximo dia 2 de Março, Mesão Frio estará na

maior feira de turismo nacional, com uma mostra de artesanato, um espaço para degustação de produtos regionais e uma exibição de folclore, com a participação do Rancho Folclórico de Barqueiros do Douro. A autarquia vai aproveitar também para apresentar os operadores turísticos do concelho e mostrar a cultura e as tradições das gentes do Douro.

Vila Real

ageNtes locais cHaMados para o plaNo de Mobilidade susteNtável

A Biblioteca Municipal de Vila Real recebe, no próximo dia 26 de Fevereiro pelas 14h30, uma Sessão de Auscultação e Consulta realizada no âmbito da elaboração do Plano de Mobilidade Sustentável para as cidades do Eixo Urbano – Vila Real, Peso da Régua e Lamego

(PMEIXO). A sessão será orientada pela Cised Consultores, S.A., empresa contratada para a elaboração do PMEIXO, e é dirigida, exclusivamente, aos agentes locais cuja actividade esteja ligada à mobilidade ou que tenham interesse nesta temática. A autarquia pretende, com esta Sessão de Auscultação e Consulta dar a conhecer o PMEIXO aos agentes locais e “envolvê-los na sua elaboração entendendo que as suas opiniões, experiências e sugestões são importantes e podem constituir-se como um contributo muito positivo”.


Amarante

“JOSÉ LUÍS GASPAR É A PESSOA CERTA PARA RECOLOCAR AMARANTE NOS TRILHOS DA EVOLUÇÃO” À frente da juventude social-democrata amarantina desde 2006, Carlos Carvalho transformou aquela estrutura partidária num movimento de grande influência, não apenas no partido mas também no concelho. E tanto assim que, malgrado a sua “mocidade” são muitos, de todos os quadrantes, a vaticinar-lhe voos mais altos. Mas não é essa a sua preocupação. O líder da “jota” amarantina prefere falar do “novo rumo” para Amarante, representado pela coligação PSD/CDSPP que tem com timoneiro José Luis Gaspar Correio do Douro (CD) – Não é comum as lideranças em estruturas partidárias durarem tanto tempo. Há algum segredo que o tenha ajudado a presidir à JSD Amarante desde 2006? Carlos Carvalho (CC) – Não há segredos e é bem mais simples do que possa parecer. Aquando das Autárquicas de 2005 formou-se um grupo de jovens militantes da JSD que se juntaram em equipa que se propuseram a eleições na JSD Amarante. Encabecei esse grupo e fomos cumprindo mandato após mandato, que tem a duração de dois anos. Em 2009, após as eleições Autárquicas desse ano, ponderei pessoalmente e em equipa sobre se deveríamos continuar, ou não. Foi entendimento de todos que deveríamos conduzir a JSD até às Autárquicas deste ano e cá estamos. Durante este período a JSD renovou-se, ajudou a renovar o partido e atraiu para a participação cívica e política muitos jovens amarantinos. A equipa de hoje, além de mim, conta com muitas pessoas que estiveram na génese deste grupo. CD – Diz-se por aqui que JSD tem tido uma presença forte naquilo que é a política em Amarante. E quem fala acrescenta que no seio do PSD também é uma estrutura com muita relevância. Mas até onde vai a influência da JSD? CC – A influência que a JSD tem, ou pode ter, é, a meu ver, sempre diretamente proporcional à qualidade do trabalho que produz. Só assim se consegue a influência positiva que entendemos que devemos ter, defendendo causas, ideias e projetos que digam respeito, no nossa caso, aos amarantinos, sobretudo aos mais jovens. Depois, como felizmente é o caso em Amarante, cabe também ao partido aceitar o contributo da JSD.

CC – Penso que sim. Quanto mais abrangente for uma candidatura, mais hipóteses de vitória tem. E isto conta, não só pelo número de votos possível, mas essencialmente pela maior abrangência que se conseguirá em ternos de ideias e de causas a defender pela candidatura. Além disso, a coligação, a meu ver, torna possível que essa abrangência se alargue, não só no espectro político-partidário, mas também à sociedade civil, pois demonstra a abertura que esta candidatura, nascida no PSD, tem. CD – Surgem, cada vez com mais insistência, notícias sobre a eventualidade de aparecerem candidaturas independentes. Como encara esse facto? Podem prejudicar a eventual vitória da coligação PSD/CDS-PP?

B.I. Carlos Carvalho, desde 2006 Presidente da Comissão Política Concelhia da JSD Amarante, foi membro da Assembleia Municipal no mandato entre 2005 e 2009 e é atualmente Vereador pelo PSD (oposição) na Câmara Municipal de Amarante. Na JSD, além de presidir à concelhia de Amarante (DESDE 2006), integra a Comissão Política Regional do Porto, com a responsabilidade da Coordenação Autárquica. Já exerceu funções a nível da Comissão Política Nacional.

CD – Em 2009 o PSD esteve perto de vencer as eleições autárquicas em Amarante. Mas faltou o “quase”. Agora, em 2013, o partido apresenta o mesmo candidato, José Luís Gaspar. Acredita numa vitória desta vez? CC – Acredito plenamente. Em 2009 realmente faltou muito pouco para vencer e entendo que este ano as condições são [mais] favoráveis. E explico: as pessoas conhecem melhor o PSD agora; sabem que é um partido vivo – como se comprovou nas suas eleições internas – que discute Amarante e que está interessado em reconduzir o con-

celho à evolução que há muito deixou de ter; José Luís Gaspar é o candidato certo, conhecido da população, já não precisa de se apresentar porque todos o conhecem e pode, até por isso, usar o tempo que terá em campanha para explicar aquilo que a candidatura defende para o concelho; e hoje as pessoas percebem que Amarante necessita de um rumo diferente daquele que tem tido e essa mudança só acontece com a vitória do PSD, pois já se percebeu que a candidatura do Partido Socialista aposta, conforme afirmam, na continuidade. CD – A coligação com o CDS-PP ajudará a vencer?

CC – Sei dessa eventualidade pela comunicação social, mas tenho uma ideia bem definida sobre candidaturas independentes. São positivas, quando surgem do debate de ideias, da procura de soluções, de grupos de pessoas que a dada altura se uniram para pensar um projeto, neste caso para Amarante. Mas são negativas quando resultam da vontade pessoal de alguém que, a uns meses das eleições, diz “quero ser Presidente de Câmara” e tenta juntar um grupo de pessoas em seu torno. É a diferença, grande, entre ter uma candidatura que nasce das ideias e forma equipa para as defender e apresentar à população, ou ter uma candidatura que nasce com outro tipo de interesse. Se podem prejudicar uma eventual vitória da candidatura da coligação PSD/CDS-PP? Penso que não. Quem vota sabe que dos partidos nascem candidaturas assentes em ideologias e causas e, por isso e pelo que disse anteriormente, os eleitores sabem fazer a devida distinção.

Até 30 de Março

EXPOSIÇÃO DE RÉPTEIS, ANFÍBIOS E INSETOS EM AMARANTE Está patente desde do dia 9, na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira uma exposição de répteis, anfíbios e insetos Micro-Safari. A exposição pode ser visitada de segunda a sábado das 10:00 às 12:30 e das 14:00 às 18:30. Composto por cerca de 100 terrários com uma variedade de espécies

raras de répteis, anfíbios, insetos e aracnídeos, este Micro-Safari é uma exposição de caráter temático, didático, educacional e com uma vertente turística. Organizada com o objetivo de desmistificar os medos e crenças junto da população em geral, a exposição estará patente até 30 de março.

Mais de um milhar e meio de pessoas participaram na Feira das Papas de Ôlo

ÔLO OFERECEU PAPAS DE SARRABULHO, DE NABOS E DE COUVES Mais de um milhar e meio de pessoas deslocaram-se a Ôlo nos dias 9 e 10 de fevereiro, atraídas pela Feira das Papas, organizada pela Junta de Freguesia local. O evento teve início com a “Marcha das Papas”, promovida pelo Amarante Futebol Clube, que reuniu cerca de três centenas de caminheiros, num percurso de nove quilómetros pela serra, com partida e chegada junto ao espaço onde decorreu a feira. Terminada a marcha, seguiu-se a primeira degustação das papas (de sarrabulho, de nabos e de couves) com o salão do edifício-sede da junta a ser “invadido” pelos participantes na caminhada, ávidos de retemperar forças. Na tarde e noite de sábado, bem como durante o dia de do-

mingo, foram também muitos os comensais que subiram a Ôlo, numa “romaria” que se tornou já um hábito em cada fim de semana que antecede o Carnaval. Para além das papas, a feira ofereceu petiscos vários, baseados na matança do porco e no aproveitamento das suas carnes. E, como habitualmente, a população montou as suas bancas com produtos locais, cumprindo-se os dois objetivos essenciais do evento: divulgar e preservar os sabores tradicionais do Marão e promover a economia da freguesia. Paralelamente à feira foi proporcionada animação aos participantes, tendo a música popular estado em destaque com os grupos Eco-Gaiteiros de Baião, Unidos da Farrafa, cavaquinhos de Vila Meã e Sanzafos.

Travanca

MATANÇA DO PORCO E DEGUSTAÇÃO DE PAPAS NO MOSTEIRO

A Junta de Freguesia de Travanca, os jovens da “Luz da Vida” e o grupo local de catequistas, levam a efeito este fim de semana (22 e 23) uma matança do porco e a degustação de papas. O evento terá como palco o Mosteiro de Travanca. O início do que se espera seja uma grande festa será às 20:30 do dia 22, com a matança do porco. No dia seguinte, às 14h30 será a “desmancha”. E enquanto as carnes se prepara, have-

rá missa solene (às 16h30), finda a qual será servido grelhado de porco. Seguir-se-á, depois a degustação de papas (19h00), animada pela atuação do “Grupo de Cavaquinhos de Ataíde”. Segundo os organizadores, para além do convívio, o objectivo é a recolha de bens – roupa, mobiliário, pequenos electrodomésticos, brinquedos, enfim o que não faça falta a alguns – para ajudar os mais carenciados daquela freguesia.

22 de fevereiro 2013

CD 11


Diversos

2 Meses de teatro eM gondoMar Durante os meses de Fevereiro e marco, as noites de sábado, no Auditório Municipal de Gondomar, estão inteiramente reservadas para a 3.ª edição do Encontro de Teatro Amador “Arte e Ato”. A iniciativa, promovida pela Associação Social e Cultural “Vai Avante”, leva até Gondomar um total de quatro grupos de teatro amadores, designadamente de Gondomar, Famalicão, Vila do Conde e, por último, de Valença. O “arranque”, a 16 de Fevereiro, foi com a associação promotora do encontro. A peça “Casa de Pais”, de Francisco Ventura, foi apresentada pelo Grupo de Teatro da Associação “Vai Avante”. Com “casa cheia” – algo já habitual nestes encontros teatrais da Associação “Vai Avante” – a abertura do “Arte e Ato” contou, entre outros, com a presença do Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Gondomar, Fernando Paulo. O “Arte e Ato” conta com os apoios da Câmara Municipal de Gondomar, das juntas de freguesia de S. Pedro da Cova e de S. Cosme, da Associação Comercial e Industrial de Gondomar, da Fundação Inatel e, ainda, do Instituto Português do Desporto e da Juventude.

Vila Real

Prorrogação do Prazo de interdição do troço do Parque Corgo

No âmbito da empreitada de reabilitação do Parque Corgo, projecto SEIVACORGO, a câmara municipal procedeu ao encerramento temporário do percurso pedonal entre as Piscinas Municipais descobertas e os moinhos, por forma a proceder à construção de um muro gabião com estacaria viva. O encerramento deste troço tinha como principal objectivo a salvaguarda da segurança dos utilizadores do Parque Corgo, estando previsto que os trabalhos necessários decorressem entre 28 de Janeiro e 18 de Fevereiro de 2013. Com o decorrer dos trabalhos veio a

Próximas aPresentações: 23 de Fevereiro – “O Chá das Cinco” Grupo de Teatro Grutaca 2 de Março – “0% Caspa” Grupo de Teatro de Jovens “Os

Caminhantes” 9 de Março – “Arriscar ou petiscar” Verde Vejo – Grupo de Teatro Amador

Opinião

o desPaCho de CavaCo

verificar-se que todo o talude existente, em xisto, estava completamente desagregado, o que obrigou a um cuidado suplementar no seu desmonte, diminuindo assim o rendimento estimado. Com as chuvas recentes verificou-se a derrocada de grande parte do talude, implicando um grande aumento de trabalhos de remoção, que não eram de todo possíveis de prever. Assim, segundo a autarquia, não é possível devolver este troço do Parque corgo na data inicialmente prevista prorrogando-se o prazo de interdição até 1 de Março de 2013 inclusive.

Mirandela

Feira da alheira Mirandela promove de novo uma festa dedicada ao mais emblemático dos seus produtos gastronómicos, a alheira. A mostra, que decorre no Parque do Imperio, começa este fim-de-semana e vai durar até domingo, 3 de Março. Embora à volta da alheira, o mais destacado ex-libris da região, o programa da feira contêm outros “condimentos” que tornam

obrigatória a viagem a Mirandela. A saber: montarias, leilão de javalis, prova de alheiras, azeites e vinhos, passeios para os amantes do “Todo o Terreno” e uma mão cheia de espectáculos variados. Não ir até lá é perder uma ocasião soberana de celebrar a vida, sobretudo numa altura em que o cinzentismo persegue a maior parte de nós.

Tratamento de choque para baixar o desemprego. A receita vem da Presidência da República Por João Rodrigues A esposa de Fernando Ulrich – o tal banqueiro do BPI que diz que o povo e os sem-abrigo aguentam tudo – não corre o risco de, nos próximos tempos, acabar como muitos de nós, ao relento. A senhora foi abrigada pelo “padrinho”, Cavaco Silva, senão vejamos: Despacho n.º 5776/2011 Nos termos dos artigos 3.º, n.º 2, e 16.º, n. os 1 e 2, do Decreto-Lei n.º 28-A/96, de 4 de Abril, nomeio consultora da Casa Civil Isabel Diana Bettencourt Melo de Castro Ulrich, funcionária do Partido Social Democrata, com efeitos a partir desta data e em regime de requisição, fixando-lhe os abonos previstos nos n. os 1 e 2 do artigo 20.º do referido 15514 Diário da República, 2.ª série — N.º 66 — 4 de Abril de 2011 diploma em 50 % dos abonos de idêntica natureza estabelecidos para os adjuntos. 9 de Março de 2011. — O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

CavaCo no seu melhor

O Presidente que se diz muito preocupado com o desemprego, perdeu a oportunidade de dar um pequeno contributo para que os números galopantes deste drama nacional baixassem, mas como diz o velho ditado: “olha para o que eu digo e não para o que eu faço”. Se calhar preocupado com o ordenado que o seu partido, PSD, pagava à funcionária Isabel Ulrich, esposa do polémico banqueiro Fernando Ulrich, requisitou-a para se juntar a umas centenas de pessoas que engrossam as despesas da presidência da República que atinge o número astronómico de 16 Milhões de Euros/Ano, que é nada mais nada menos que o dobro do que gasta a Casa Real Espanhola que despende 8 Milhões Euros/Ano. São exemplos como este que levam a que o nosso país esteja numa situação económica e social tão degradante. Mas tenho cá para mim que mais degradante é termos que aturar e pagar isto, com governantes que apenas olham para o seu umbigo e para o dos seus amigos. Bravo Cavaco.

ficha técnica

CORREIO DO DOURO

– QUINZENÁRIO www.correiododouro.pt

Propriedade Condor Publicações, Lda. | Contr. 508923190 | Sede e Redacção Rua Dr. João Alves Vale, 78 – Est. D – 4440-644 VALONGO | Tel. 224210151 – Fax 224210310

12 CD

22 de fevereiro 2013

Director | Oscar Queirós Subdirector | José Luís Pinto Chefe de Redacção | João Rodrigues Redacção e Colaboradores | Victorino de Queirós - J. Rocha - J. Silva - E. Queirós -Nuno Victorino - Marquês do Vale. Fotografia - Editor | Miguel Pereira - João Rodrigues Filho Director comercial | Rui Simões

Correio Electrónico: • administracao@correiododouro.pt • director@correiododouro.pt • redaccao@correiododouro.pt • geral@correiododouro.pt • publicidade@correiododouro.pt Nº. Registo ERC 125216 Tiragem desta edição 5000 ex.


Opinião

PS de Santa Marta de Penaguião:

uM Saco de gatoS Por João Rodrigues

Diz o Povo que “quando as coisas nascem tortas, tarde ou nunca se endireitam”. É precisamente o que está a acontecer com esta espécie de partido socialista neste concelho. Todos se lembram da forma abruta como o processo de preparação das eleições para os órgãos do PS surgiu em Santa Marta, com fortes acusações dos candidatos que não eram afetos ao então presidente da comissão política concelhia e ainda atual presidente da Câmara, Francisco Ribeiro, que tinha o seu próprio candidato, José Alberto. Estes acusaram categoricamente o Presidente de, como que num ato de magia (qual ilusionista), fazer desaparecer as propostas (fichas) de novos candidatos afectos aos “adversários”. Entretanto, tudo fazia para que o caudal de novos militantes engrossasse o quantitativo final para que a vitória de José Alberto fosse uma realidade. A angariação de novos militantes efetuada por Francisco Ribeiro e pessoas que lhe eram afetas originou uma forte perseguição àqueles que tentavam resistir, mas o medo, dizem alguns, obrigava-os a ceder. Desta forma, o atual presidente do município pensou ter a passadeira vermelha para que o seu ainda protegido, José Alberto, nela caminhasse com segurança. Puro engano. Restando-lhe poucos meses à frente do Município, em virtude de não se poder recandidatar, as pessoas que alegadamente intimidou ao longo dos anos começam a aperceber-se que o fim político de Francisco Ribeiro está à vista. É precisamente com este cenário que o autarca se confronta, a sua força com o decorrer do tempo começa a esfumar-se, a situação agrava-se, pois aqueles que lhe eram mais dedicados, entre os quais o principal favorecido pelo astucioso processo, José Alberto,

começam a retirar-lhe o tapete, chegando-se ao cúmulo das desavenças serem tão grandes e graves, que já diz por Santa Marta que poderemos assistir, dentro de pouco tempo, a vias de facto, o que já esteve para acontecer. A confirmá-lo está o ambiente que se vive, mesmo dentro do próprio edifício da autarquia, onde por vezes, as acusações, o tom de voz e a linguagem usada, excedem os parâmetros que são exigidos em edifícios públicos como este.

sários, que a contarem, ditariam outro resultado. Francisco Ribeiro está numa encruzilhada e acreditamos que a rapidez com que a situação se está a degradar lhe tire muitas noites de sono. Em cada dia que passa mais tem um novo problema para resolver sendo cada um maior que outro. José Alberto quer continuar com o seu trabalho na escola por motivos de reforma, abdicando assim (se ainda for candidato em Outubro e se ganhar as eleições) dos

capacidade para ocupar esse lugar, pelo que tudo faria para que na Concelhia Machado fosse encostado, ficando assim o caminho aberto para que o Eng.º Catarino presidisse ao município, o que este categoricamente recusou, demonstrando que não é homem de memória curta. José Moreira é neste momento um homem desiludido, pois trabalhou arduamente na angariação de novos militantes para a candidatura de José Alberto, e recentemente, com uma grande

Todo o problema parece consistir em saber quem manda, quem convida, quem escolhe, quem exige, quem decide e quem vão ser os candidatos às Juntas de Freguesia. É precisamente esta a “chave-mestra” da grave situação que se vive no PS local. Por um lado o Presidente da Câmara, que foi mentor de toda esta situação, acha-se do direito de continuar a decidir quem vai para este e para aquele lugar. Já o seu ainda protegido, José Alberto, acha-se no direito de ser ele a escolher e a decidir, em virtude de ter ganho as eleição internas do PS, que em nossa opinião, são resultado final daquilo que muitos consideram “grande vigarice”, aludindo à pretensa trama que levou ao desaparecimento das fichas dos seus adver-

2 primeiros anos de mandato, passando a presidência com este novo cenário a ser ocupada pelo segundo da lista, Luís Machado. Ora este novo cenário não é do agrado do actual presidente que quer resolver a situação a seu gosto. Ao que consta já desabafou com amigos algo do género: “O José Alberto é um traidor, saiu melhor que a encomenda; afinal o melhor elemento de todos é o Engenheiro Catarino, os outros agora são todos um bando de traidores”. Num autêntico golpe de rins, Francisco Ribeiro, convida o inimigo de ontem, Engenheiro Catarino, dizendo-lhe que lhe garante o segundo lugar da lista, pois com esta situação, Luís Machado subiria a Presidente pelo menos durante esses dois anos. Mas ele não lhe reconhece

revolta disse o que tinha a dizer alto e bom som. Que não é justo o que lhe estão a fazer, depois de tanta dedicação, não é legítimo não ser o escolhido para a candidatura à mega-freguesia S. João de Lobrigos, S. Miguel e Sanhoane, recaindo a escolha a favor de João Borges, atual dirigente da Adega Cooperativa de Santa Marta, com esta nova lei o lugar de Presidente da Junta passa a ser a tempo inteiro. Mas não se ficam por aqui os problemas na preparação das listas para as freguesias. Em Alvações o actual presidente Manuel Liberato vai avançar como independente, isto porque Francisco Ribeiro terá convidado para encabeçar a lista, à revelia de tudo e de todos, um seu familiar. Em Medrões o actual presidente Paulo Mota, do PSD, foi

também convidado para encabeçar a lista do PS, com grande contestação. Na Cumieira, com algum repasto, o namoro ao actual presidente, do PSD, é uma realidade. O mau estar dos militantes do PS começa a ser demasiado e constante, pois não entendem estes convites a militantes do PSD para encabeçar as listas das Juntas pelo PS.. Tal como estão as coisas, a qualquer momento o PS “estoira”. Até José Alberto e Luís Machado, que no início se entenderam para serem primeiro e segundo para a Câmara, começam a entrar num choque real. A tudo isto assiste o Eng.º Luís Catarino à espera que o Partido lhe dê resposta a todas as denúncias de irregularidades que a seu tempo encaminhou para os órgãos de Jurisdição do Partido, afirmando a quem o quer ouvir que o que o move na política é a legalidade e não este lamaçal de pútrida política. O que aqui relatamos é muito pouco em relação ao que todos os dias acontece em Santa Marta de Penaguião à volta do tema “autárquicas 2013”. Quem esfrega as mãos é o PSD local que está a preparar um forte aproveitamento da situação para fazer ver à população que o que move estes homens ligados ao PS não é a defesa da melhoria de vida dos habitantes do concelho, mas sim a disputa de “tachos”, mesmo para aqueles que já estão reformados que assim barram o caminho aos jovens que de certeza têm novas e melhores ideias com futuro. Ninguém entende como é que os responsáveis distritais e nacionais do Partido Socialista deixam manter esta grande mentira política. Mas entendemos nós que são comportamentos como estes que levaram o país à situação em que se encontra.

22 de fevereiro 2013

CD 13


Sociedade Cruz Vermelha lança Campanha europeia para Chamar a atenção para desastres silenCiosos em todo o mundo A grande maioria das catástrofes e situações de emergência humanitária a nível mundial estão em risco de passar despercebidas, de ficar sem apoio ou simplesmente esquecidas, alerta hoje a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV). A crescente preocupação com muitos destes “desastres silenciosos” no mundo levou a FICV e a direcção de Ajuda

Humanitária e Protecção Civil da Comissão Europeia (ECHO) a lançarem hoje uma campanha para aumentar a sensibilização sobre estas emergências - acontecimentos que são tudo menos silenciosos para os indivíduos e famílias por elas afectados. “A Cruz Vermelha Crescente Vermelho responde a uma média de 91% de desastres que são de pequena ou média dimensão, a maioria dos quais nunca che-

ga a receber qualquer cobertura dos meios de comunicação mundiais,” diz o Secretário-geral da FICV Bekele Geleta. “Anualmente, a FICV e os seus parceiros da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho prestam assistência a milhões de pessoas afectadas por catástrofes que a maioria do mundo nunca ouviu falar”. No âmbito de uma campanha de sensibilização de quatro

Crimes a CresCer

semanas, a FICV, o ECHO e a Cruz Vermelha em 11 países europeus procuram destacar vários desastres silenciosos pouco conhecidas em todo o mundo. Desastres tais como a fome generalizada na África Austral, um sismo devastador no Tajiquistão, e vários surtos de doenças no Uganda que serão realçados e ilustrados num filme de 50 segundos que passará nos cinemas europeus e televisões, bem como

em websites, média sociais e imprensa. “Os desastres de pequena escala podem não chegar aos nossos ecrãs de televisão, mas causam ainda assim são um doloroso golpe em milhões de pessoas todos os anos, destruindo as suas casas e meios de subsistência,” diz a Comissária Europeia responsável pela Cooperação Internacional, Ajuda Humanitária e resposta a situações de crise

Kristalina Georgieva. “Trabalhando juntos – a Comissão Europeia, a FICV e as Sociedades Nacionais Europeias da Cruz Vermelha - trazemos alívio às pessoas que enfrentam desastres silenciosos. Ouvimos as suas vozes e eles ouvem a nossa mensagem – que graças à solidariedade dos Europeus podemos oferecer-lhes uma ponte de esperança e uma hipótese de um futuro melhor”

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima registou o ano passado um aumento de mais de 10% de crimes, registando 20.311 crimes, a maioria dos quais de violência doméstica.

ligeira descida percentual face ao total de crimes, passando de 85% (15.724) em 2011 para 83,6% (16.970) no ano passado. Apesar desta descida, alguns crimes nesta áreas demonstraram uma tendência contrária, designadamente o de injúrias/difamação, que mais do que duplicou (mais 861 crimes), e os crimes de natureza sexual que aumentaram 94,1% (mais 128 crimes). Os maus tratos psíquicos representaram cerca de 36% do total das situações de violência doméstica, seguindo-se os maus tratos físicos (26,7%). “Nos crimes de violência doméstica em sentido lato, foi o crime de violação de domicílio ou perturbação da vida privada que se destacou com 1,9% face ao total”, refere o documento. Nos crimes contra a vida, lideram as ofensas à integridade física simples (19,9%), nos crimes contra a liberdade pessoal são as ameaças e coacção (26,2%), nos crimes sexuais é

a violação (3,1%) e nos crimes contra a honra a difamação (12,4%). O crime de falsificação de documentos (27,5%), juntamente com o de violação da obrigação de alimentos (23,5%), destacaram-se nos crimes contra a vida em sociedade. O aumento dos crimes contra o património relativamente a 2011, foram “particularmente significativos”, nomeadamente o crime de dano, com 107 casos em 2012, contra 44 casos no ano anterior, e o abuso de confiança, que passou de 22 registos para 91 (313%). Quanto aos crimes rodoviários, as ofensas à integridade física registaram 17 casos (37%) e o crime de condução sob o efeito de álcool/droga 13 casos (28,3%). As ofensas à integridade física aumentaram cerca de 30% face a 2011, enquanto o crime de condução sob o efeito do álcool/drogas baixou 23% (11).

Segundo o relatório publicado há dias pela APAV entre 2010 e 2012, o número de processos de apoio aumentou 8,4%, passando de 11.145 para 12.084, respectivamente. Já o número de vítimas directas subiu 29% em dois anos, referindo o relatório que, em 2012, foram realizados 22.747 atendimentos aos utentes que procuraram os serviços da associação. Em 2012, a APAV prestou “algum tipo de apoio” a cerca de 23.500 pessoas, entre vítimas directas (8.945), indirectas, seus familiares e amigos. Embora os crimes de violência doméstica tenham aumentado em números absolutos em 2012, as estatísticas indicam que sofreram uma

14 CD

22 de fevereiro 2013


Passatempos

O papagaiO que Dizia “amO-te” Talvez por ser órfã de mãe e por o seu pai estar sempre fora de casa, Beatriz crescera triste e solitária. Na escola, chamavam-lhe “Beatriste”, porque se sentava sempre sozinha e não queria brincar com os colegas. Em casa, depois de feitos os deveres, metia-se no quarto e lia até adormecer. Beatriz tinha um pesadelo frequente: estava numa ilha deserta e não avistava nenhum barco. À noite, tinha frio e, de dia, fome e sede, pois o único alimento que havia na ilha era o coco. Ao acordar, Beatriz dizia para consigo: “Afinal, a minha vida é igual à do meu pesadelo”. Não tinha amigos e os dias sucediam-se sem sentido, uns atrás dos outros. Como dormia mal de noite, Beatriz acordava com sono e com poucas forças para falar com o pai. Este via o noticiário e saía logo a correr para o escritório, onde ficava a trabalhar até muito tarde. Quando voltava, já Beatriz estava a dormir, ou melhor, acordada, na sua ilha deserta cheia de coqueiros. A menina interrogava-se se o pai gostaria mesmo dela ou se viera a este mundo por acaso, já que ele nunca a abraçava, beijava ou dirigia palavras de carinho. As conversas com ele eram sempre do género: - Beatriz, não te esqueças, como ontem, do caderno dos deveres. - Sim, papá. - Já puseste o lanche na pasta? - Sim, papá. - Não atravesses a rua com o sinal vermelho ou amarelo! - Sim, papá. As trocas de palavras entre ambos não passavam disto, porque o pai, se calhar, era tão tímido como ela. Talvez ele também vivesse numa ilha, que barco algum jamais visitava…

Contudo, numa segunda-feira de manhã, aconteceu algo extraordinário que mudaria para sempre a vida de Beatriz. Ainda não bem desperta, a menina teve a impressão de estar a ser observada. Todavia, ao abrir os olhos, viu que não havia ninguém no quarto. Nem se ouvia sequer o barulho da televisão, sinal de que o pai já tinha saído e lhe deixara o pequeno-almoço em cima da mesa. Mas, quando olhou para a janela, Beatriz viu um papagaio grande e verde, pousado nas cordas do estendal. A ave olhava para ela de esguelha. Recuperada do susto, a menina perguntou-se de onde teria vindo aquele papagaio e o que faria ali, a espiá-la. Cheia de curiosidade, saltou da cama e abriu a janela para o ver melhor. - Papagaio, pequenino, vem cá! - chamou-o em voz baixa, para não o assustar. Tinha certamente escapado da casa de algum vizinho, pois logo respondeu ao convite de Beatriz, acercando-se dela. - Perdeste-te? - perguntou a menina. Vens de alguma ilha longínqua, cheia de palmeiras? A ave pousou no braço de Beatriz, que a princípio se assustou. Porém, quando viu que o papagaio não a picava e que queria ser seu amigo, pô-lo no seu quarto, onde colocou um copo de água e um prato com migalhas de pão. Em seguida, saiu para a escola, muito feliz. Ao meio-dia, telefonou ao pai para lhe contar o que se tinha passado e para lhe pedir que a deixasse ficar com o papagaio. Ia chamar-lhe Tequilha porque imaginava que ele tinha vindo de um país longínquo onde bebiam esse licor. O pai falava pouco mas era muito atento. Por isso, quando Beatriz voltou da escola, já encontrou Tequilha instalado numa gaiola dourada, com o comedouro cheio de sementes de girassol.

Descubra as 7 diferenças

- Olá! - cumprimentou-a, na sua voz estridente. - Sabes falar! - exclamou a menina, admirada. - Ora vê se consegues dizer o meu nome: Beatriz, Beatriz, Beatriz… Tequilha seguia atentamente a lição e movia o bico, mas não conseguia repetir o nome. Beatriz, que lera que os papagaios e os periquitos têm muita facilidade em pronunciar o “t”, disse-lhe: - Chama-me então Beatriste, como fazem na escola. Beatriste, Beatriste… Nem precisou de o repetir pela terceira vez, porque o papagaio logo exclamou: - Beatriste! A dona, orgulhosa, pulou de alegria. Depois de um dia tão bonito e emocionante, e logo após a empregada lhe ter servido o jantar, Beatriz deitou-se e adormeceu, cansada. Quando a luz da manhã a acordou, Tequilha estava a descascar uma semente, que segurava com uma pata. - Bom dia, Tequilha! Não cumprimentas a tua Beatriste? O papagaio acabou de descascar a semente, comeu-a com prazer e bradou: - Amo-te! Quando ouviu isto, Beatriz não conteve um grito de emoção. Depois, pensou que não era normal que o papagaio tivesse dito uma expressão típica de um galã de telenovelas. Será que vira muitas ou teria pertencido a algum par de recém-casados? Podia ser apenas uma casualidade. Os papagaios brincam com as palavras que vão ouvindo e, por vezes, dizem coisas com sentido. “Deve ser isso”, pensou Beatriz. Contudo, na manhã do dia seguinte, Tequilha acordou-a com uma saudação igual: - Amo-te! - Quem te ensinou isso? - disse Beatriz. - Só os adultos usam essa palavra. Como os papagaios falam, mas não conversam, Tequilha continuou a olhar para a sua dona e amiga com grande interesse, sem, contudo, dizer mais nada. Depois descascou outra semente. Quando na quinta-feira, logo de manhã, o papagaio voltou a exclamar “Amo-te”, Beatriz resolveu investigar. Era estranho que as declarações de amor do papagaio só ocorressem de manhã. Quer de tarde quer à noite, Tequilha só dizia “Olá!”, “Beatriste” ou “Caramba!”. Sabendo que o pai ainda estava a tomar o pequeno-almoço, Beatriz correu a expor-lhe o mistério. Mas o pai, muito vermelho e quase a engasgar-se, nada respondeu. Levantou-se, apressado, despediu-se da filha com um beijo e saiu de casa com a pasta. De repente, Beatriz compreendeu o que acontecera e teve vontade de chorar. Só que de felicidade, desta vez! É que Tequilha repetia, cada manhã, o que o pai de Beatriz lhe dizia à noite, quando ela já dormia

Rir faz bem à saúde Mulher numa farmácia: - Por favor, queria 200 gramas de arsénico. - Arsénico? Mas, não posso vender isso assim, sem mais nem menos! Qual é a finalidade? - Matar meu marido. - Para este fim nem pense. A senhora está louca. Eu não posso vender... Decidida, a mulher abre a bolsa e tira uma fotografia do marido, aos beijos com a mulher do farmacêutico. - Ah boooom!... assim já posso vender. Com receita é outra coisa! Um homem é chamado para a guerra. Mas tinha uma mulher muito linda e não queria deixa-la assim a deriva. Então mandou fazer-lhe um cinto de castidade que fechava à chave. Mas a consciência pesou-lhe. “E se eu morro em combate… Ela nunca mais poderá refazer a vida?”, questionou-se. Pesaroso, decidiu entregar a chave ao seu melhor amigo, com instruções precisas para o caso de morrer. Depois despediu-se dos dois e ainda não tinham passado 2 minutos surge-lhe o amigo a correr: - Espera João, entregaste-me a chave errada!!! A mulher para o marido: - Tomás avisa o teu filho para não casar com aquela moça. Aquilo não é mulher para ele, ela é uma...sei lá. - Nem penses. Eu não vou avisar ninguém porque quando foi comigo ninguém me avisou, percebeste?

Sudoku 5 3

3

4

8

9

9

1 2 9 5

7

9

7

5 3

4

7

5 4

1

9 1

6 9

2

7

4

3

6

9

4 3

5 6

9

5

1

4

9 6 8

8

1 8

5 2

1 2

6

6

1

8 6

8

3

2 3 8

3 5 7 3 2

2 8

8 1 5

22 de fevereiro 2013

CD 15


Publicidade

Escola EB1 / JI de Campelo

Escola EB1 / JI de Campelo

Novo Hospital de Amarante

Alvará de Construção n.º 1849 Rua D. Afonso IV, 214 Apartado 3013 4446-908 Alfena

 229 698 770  229 698 779  geral@cunhabarroso.pt 16 CD

22 de fevereiro 2013


Correio do Douro nº36