Page 1

C Y M K

Ano 5 - n°75 - Junho de 2013

O JORNAL QUE FALA COM O HOMEM DO CAMPO

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Lavoura

Estimativas para Safra de Trigo 2013 Pág. 25

Agricultura

Plantio de milho 2013

Saiba como escolher o melhor híbrido para essa cultura Pág. 10

Governo lança o Plano Safra para a Agricultura Familiar e cria Agência Nacional de Ater Pág. 11


2

Junho de 2013

Editorial Mais crédito, Mais renda

O

projeto Mais crédito, Mais renda tem como principais objetivos garantir a segurança alimentar e regionalizar as políticas de apoio ao produtor. Tem como foco nas realidades locais, aumentar o volume de crédito ao produtor e reduzir os custos financeiros, bem como ampliar a cobertura do Seguro Rural e do Proagro, além de apoiar o cooperativismo e incentivar a agricultura de baixa emissão de carbono (Programa ABC). Apresenta ainda taxas de juros atrativas e medidas de incentivo à produção, com redução das taxas de juros. Oferece também o Programa Nacional de poio ao Médio Produtor Rural – Pronamp, com apoio à pecuária bovina, caprina, ovina e suína, assim como Cooperativas agropecuárias. Investimentos que chegam no campo: O volume de recursos chega R$ 93,9 bilhões de juros controlados mais R$ 21,3 bilhões de juros livres, total de R$ 115,2 bilhões. Recursos ao alcance do produtor – Os R$ 115,2 bilhões para o financiamento rural representam um crescimento de 7,5% em comparação à safra passada. Os recursos oferecidos dividem-se em: custeio e comercialização; R$ 86,95 bilhões. Investimento; R$ 28,30 bilhões. Redução da taxa de juro; de 6,75% para 5,5% ao ano, para custeio e comercialização. Pronamp; de 6,25% para 5%, tendo como investimento de 6,75% para 5%, e capital de giro para cooperativa de 9,5% para 9%. Incentivo ao médio produtor – Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp): R$ 11,15 bilhões de recursos aportados, 34% a mais do que foi aplicado na safra anterior. Redução da alíquota do seguro rural em 10 pontos percentuais. Cobertura pelo Proagro em até R$ 300 mil.

Acesse as edições online do Correio Rural

Baixe um leitor QR Code no seu celular, smartphone ou tablet, fotografe o código e tenha acesso direto as edições online do Jornal Correio Rural.

Almeirão

Lantana

Esquilos

O almeirão (Cichorium intybus) é uma variedade de chicória-comum, da família das Asteraceae. Muito semelhante às outras chicórias-comuns, delas se diferencia por possuir folhas mais alongadas, mais estreitas, recobertas por pelos e com sabor amargo mais pronunciado. Camargo (1992) descreveu como as cultivares mais cultivadas: Folha Larga, Branco e Pão-de-Açúcar. Inclui também entre as mais cultivadas uma cultivar de folha dentada denominada Catalonha. Na região de Campinas-SP as cultivares Folha Larga, Pão-de-Açúcar e Catalonha são as mais cultivadas. No que diz respeito à produção, produtividade e área cultivada no Brasil, a Catalonha é apresentada separadamente do almeirão propriamente dito (as outras cultivares) pelo Instituto de Economia Agrícola, conforme Camargo & Camargo (1999). Embora do ponto de vista nutricional o almeirão seja superior à alface por ser m a i s calórico e mais rico em proteínas, amido, fibras, cálcio, ferro e vitamina A, é uma das hortaliças menos estudadas no Brasil quanto ao comportamento das cultivares mais comercializadas.

É um género com cerca de 530 espécies de plantas perenes, originário da Índia e nativo das regiões tropicais das Américas e África. Inclui plantas herbáceas e arbustos, atingindo até 2 m de altura. É dividido em cerca de 530 espécies. Tem como nomes populares; cambará-de-jardim, lantana-cambará, camarazinho. As flores são agrupadas em hastes florais aromáticas e florescem quase o ano inteiro. Apresentam várias cores, com destaque para as cores vermelha, amarela, laranja e branca. Atraem agentes polinizadores como borboletas, insetos e pássaros. As bagas da lantana são tóxicas para o homem. Em animais de produção pode causar fotossensibilização secundária (hepatógena). É largamente cultivada para bordaduras e maciços em climas tropicais e subtropicais, devido às cores das suas flores. Em climas temperados cultiva-se como planta anual. Exige poucos cuidados por ser uma planta rústica. Gosta de clima quente e úmido e solo arenoso e rico em matéria orgânica. Precisa ser regada com frequência nos primeiros meses após o plantio e uma vez por quinzena quando não chover. Prefere sol pleno. É bom podar apenas os ramos secos, doentes ou mal formados. Propaga-se no verão através da estaquia da ponta de ramos.

Os esquilos pertencem a uma grande família de mamíferos roedores de pequeno e médio porte conhecida como Sciuridae. No Brasil, são também conhecidos como serelepe, caxinguelê, caxinxe, quatimirim, quatipuru, agutipuru ou acutipuru. O nome mais comum na Galiza, também usado em zonas de Portugal, é esquio. Os esquilos estão espalhados por quase todo o mundo, a maioria nas zonas de climas temperado ou tropical, mas também em algumas zonas de clima frio. Como todos os roedores, possui presas fortíssimas, com que roem sementes com facilidade, principalmente bolotas. “Esquilo” é uma palavra com origem no termo grego skioúros. “Caxinguelê” é oriundo do termo quimbundo kaxinjiang’elê, que significa “rato de palmeira”. “Quatimirim”, origina-se do termo tupi kwa’ti mi’rim, que significa “quati pequeno”. “Acutipuru”, “agutipuru” e “quatipuru” vêm do termo tupi acutipu’ru, que significa “cutia enfeitada”. As sementes são as principais fontes de alimentação, mas também consomem insetos e frutas. Quando coletam alimento, enterram algumas sementes que encontram, sendo que algumas chegam a germinar, como pinhões e coquinhos, acabando por plantar árvores como araucária e jerivá.

Papagaio

Rúcula

Rabanete

O papagaio, também conhecido como louro, ajeru, ajuru, jeru e juru, é uma das muitas aves pertencentes à ordem dos Psitaciformes, família Psittacidae, principalmente do gênero Amazona. Vive cerca de 100 anos e, regra geral, forma um casal para toda a vida. Os papagaios têm como características, um bico curvo e penas de várias cores, variando muito entre as diferentes espécies. Alguns papagaios são capazes de imitar sons e, inclusive, a fala humana. Estão, junto com os corvos, entre as espécies de aves consideradas mais inteligentes. A família Psittacidae inclui, também, as araras, periquitos, maracanãs, jandaias eapuins. “Louro” (na acepção de “papagaio”) vem do malaio nori, através de “loiro”. “Ajuru”, “ajeru”, “jeru” e “juru” vêm do tupi ayu’ru.

A rúcula (Eruca sativa), também conhecida como mostarda-persa, é uma verdura da mesma família que a mostarda, Brassicaceae, e originária do Mediterrâneo e da Ásia Ocidental. Adapta-se em clima fresco, nem quente e nem frio. Possui sabor muito forte, picante e amargo. É muito utilizada na Itália. No Brasil, seu uso começou pelos estados do sul, mas hoje é bem conhecida em todo o país. Preparada crua, em saladas, ou refogada, é utilizada como complemento às refeições devido ao seu forte sabor, capaz de eliminar o sabor de outros alimentos. Com propriedade estimulante do apetite, é nutricionalmente rica em proteínas, vitaminas A e C, e sais minerais, principalmente cálcio e ferro. Contém também ômega 3 e é pobre em calorias.

(Raphanus sativus) é uma planta da família das Brassicaceae, originária da região mediterrânea. A sua raiz apresenta-se como um bulbo comestível de cor vermelha e sabor picante. Devendo ser consumido cru, em saladas, o rabanete tem a capacidade de limpar os dentes e desenvolver os músculos mastigadores das crianças. Ele também é um bom expectorante natural e estimulante da digestão. A raiz tuberosa apresenta grande variação de tamanho e de forma, podendo ser redonda, oval ou alongada. A casca é de cor branca, vermelha, ou vermelha e branca, enquanto a polpa é sempre branca. Em geral, as raízes são vendidas em maços, de cerca de 800g. As folhas devem estar com aspecto de produto fresco, com cor verde brilhante. As raízes devem ter a casca com cor uniforme, ser firmes e lisas, sem pontos escuros ou rachaduras. O rabanete é uma excelente alternativa para diversificar a dieta. O uso mais comum é na forma crua, em saladas. Devido à sua cor e formato, ajuda a decorar a salada quando cortado em rodelas e servido com tomate, aipo e pepino, estimulando assim o consumo de outras hortaliças.

Pontos de Distribuição do Jornal Correio Rural na região AJURICABA SINDICATO RURAL MERCADO DEPIERI FERRAGENS COTRIJUI SUPERM. COTRIJUI POSTO CENTRAL MILKTEC OSTER PNEUS AUGUSTO PESTANA SINDICATO RURAL AGRIPLAN CASA COLONIAL MERCADO PESTANENSE LOJA JOST SUPERM. COTRIJUI BOM GOSTO AGROAMBIENTAL SÃO RAFAEL BOA VISTA DO CADEADO CORREIO PADARIA BOA VISTA POSTO IPIRANGA SICREDI BOZANO AGRO-VETERINARIA BOZANO POSTO BOZANO COTRIJUI CATUÍPE SINDICATO RURAL AGROP. GIRASSOL CASA RURAL POSTO BURMANN AGROCENTRO LOJA JOST NEDEL DALLA CORTE AGRO CAMPO EMATER S.M. BARONI CORONEL BARROS CASA DO PRODUTOR LOJA JOST POSTO LARA COTRIJUI EMATER CONDOR SINDICATO RURAL POSTO LATINA DO CENTRO MERCADO AVENIDA POSTO COTRIPAL JOSCIL CRUZ ALTA AGROLAK STARMAQ CRUZAUTO MARASCA SEMENTES CENTROSUL NEG. RURAIS GARRAFA AGROCOM. RAZERA REDEMAQ REBELATTO FARM. VET. CRUZ ALTA AGRÍCOLA AGRICRUZ SUL PEÇAS JÓIA SINDICATO RURAL POSTO STA. TEREZINHA COTRIJUI SEMEAR LOJA JOST VET. BICHO DE 7 CABEÇAS EMATER IJUÍ SINDICATO RURAL EMATER SCHULZ MAT. CONSTRUÇÃO I SCHULZ MAT. CONSTRUÇÃO II TRATOR SUL REDEMAC AGROVEL IROPEL CENTRAL DA CONSTRUÇÃO SUPERM. COTRIJUI I SUPERM. COTRIJUI II ASSOCIAÇÃO ARAI NOVA RAMADA SUPERM. COTRIJUI PANAMBI SINDICATO RURAL VET. IVO GAERTNER CASA PRODUTOR DE LEITE COMERCIAL TRENTINI POSTO BR CENTRAL SEMENTES VAN ASS PEJUÇARA SINDICATO RURAL SIND. TRAB. RURAIS REBELATTO FARM. VET. SICREDI COTRIMAIO SANTO AUGUSTO SIND. TRAB. RURAIS COOMACEL PLANTASUL LUPA AGRÍCOLA GERAL AGROPECUÁRIA TARUMÃ PREFEITURA MUNICIPAL EMATER SANTA BARBARA DO SUL POSTO DO DICO SANTO ÂNGELO SINDICATO RURAL SIND. TRAB. RURAIS POSTO STA. TEREZINHA

C Y M K


C Y M K

Junho de 2013

3


4

Junho de 2013 Luiz Fernando Mainardi

SOJA

Plano Agrícola 2013/2014 terá R$ 136 bilhões

Recursos disponibilizados na safra serão 18% maiores que os do período anterior

O

Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2013/2014 foi lançado no Salão Nobre do Palácio do Planalto, em Brasília. A presidente Dilma Rousseff e o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade, anunciaram recursos da ordem de R$ 136 bilhões para o período, sendo R$ 97,6 bilhões para financiamento de custeio e comercialização da nova safra e R$ 38,4 bilhões para investimentos. O aumento é de 18% sobre o volume de recursos ofertado na safra passada.Dos recursos totais, R$ 115,6 bilhões serão com taxas de juros controladas, sendo que a taxa de juros anual média é de 5,5%. Já a aquisição de máquinas agrícolas, equipamentos de irrigação e estruturas de armazenagem terá taxa de 3,5%, enquanto o financiamento ao médio produtor, de 4,5% e as práticas sustentáveis, de 5%. O financiamento à agricultura sustentável continua prioritário e os recursos para o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) serão elevados em 32,3%, para R$ 4,5 bilhões. O médio produtor também teve desta-

que no PAP 2013/2014. Foram disponibilizados R$ 13,2 bilhões pelo Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) para custeio, financiamento e investimento, sendo que os limites de empréstimo para custeio passaram de R$ 500 mil para R$ 600 mil, e os de investimento subiram de R$ 300 mil para R$ 350 mil. Já os limites de custeio por produtor empresarial foi ampliado de

R$ 800 mil para R$ 1 milhão. Outra novidade do plano é o aumento da subvenção ao prêmio do seguro rural, de R$ 400 milhões para R$ 700 milhões. De acordo com o Ministro da Agricultura, Antonio Andrade, a expectativa é segurar uma área superior a 10 milhões de hectares e beneficiar 96 mil produtores. Também entre os destaques do novo plano estão R$ 25 bi-

lhões para a construção de novos armazéns. O objetivo é reduzir o déficit de armazenamento de grãos, estimado na safra 2012/2013 em 39 milhões de toneladas. Também serão disponibilizados R$ 500 milhões para modernizar e ampliar a capacidade de armazenagem da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que conta com 96 armazéns.

Cadeia de produção integrada é solução para resíduos agroindustriais

U

Rio Grande, do Brasil e do Mundo Seguindo os passos da nova política internacional do Governo Brasileiro, implantada pelo presidente Lula e seguida pela presidenta Dilma, o Governo Gaúcho continua procurando protagonismo nas relações comerciais com outros países, com o objetivo de fortalecer a economia local. Foi com este objetivo que lideramos, missão com 31 pessoas à Nigéria, o país africano que mais cresceu nos últimos anos. Conosco, além do presidente do Irga, Claudio Pereira, viajou o secretário adjunto da Saúde, Elemar Sand, o prefeito de São Leopoldo, Aníbal Moacir da Silva, o gerente de Desenvolvimento Cooperativista da Cotrijal, Enio Schroeder, além de empresários e representantes de empresas da construção civil, infraestrutura, móveis, avicultura, máquinas agrícolas e educação. •Mais arroz na África - Conhecemos, no Estado do Edo, a realidade da orizicultura, intensificando contatos que mantemos desde o ano passado, quando iniciamos conversações com o embaixador da Nigéria no Brasil, Vicent Okoedion. Visitamos em Ugbekpe, a 200 quilômetros da capital do Estado, um projeto do governo que pretendia implantar 10 mil hectares de arroz. Apenas 500 são ocupados e de uma forma muito rudimentar, onde apenas a colheita é mecanizada. Nas terras férteis, com abundância de água oferecida por sete rios que passam na região, eles não irrigam e contam apenas com as chuvas que caem de março a novembro. Embora obtendo duas safras por ano, têm uma produtividade média de cinco mil quilos por hectare. Com a tecnologia que dispomos, é possível dobrar estes números.

RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS

Pesquisadora da Embrapa sugere uso comercial de resíduos e unidades mais próximas

ma tonelada de banana gera quatro toneladas de resíduos orgânicos. No caminho entre a lavoura e o consumidor final, 20% a 30% dos grãos, frutas e hortaliças são desperdiçados. Metade do peso da laranja é feito de casca, sementes e bagaço, que também são desprezados. Para evitar o desperdício e gerar lucro a partir dos resíduos, a melhor solução é pensar em uma

Secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Estado do Rio Grandedo Sul

cadeia de produção integrada, segundo a engenheira química Ana Iraidy Santa Brígida. A pesquisadora da Embrapa falou sobre “Aproveitamento de coprodutos e resíduos agroindustriais: um olhar sustentável” durante a Semana do Meio Ambiente, realizada pelo Instituto de Biologia da Universidade de São Paulo. Para comemorar o Dia Mundial do Meio Am-

biente, o instituto realiza uma série de palestras sobre sustentabilidade. Segundo ela, cada processo de produção não deve ser pensado de forma isolada, mas interligada para evitar desperdícios. Unidades próximas e reaproveitamento de resíduos também estão entre as principais soluções. Além disso, algumas cadeias podem gerar resíduos ou subprodutos

bastante rentáveis. No caso da laranja, o óleo tem alto valor comercial para produção de aromas, alimentos, produtos de beleza ou de limpeza. Na cadeia produtiva da cana, o Brasil é um dos países pioneiros a pesquisar o etanol de segunda geração, feito a partir de resíduos agrícolas, como o bagaço da cana, palhas e outros tipos de biomassa vegetal.

•Modernizar a lavoura - Ao ministro da Agricultura do Edo, Abdul Oroh, propusemos um acordo de cooperação técnica, em que, através do Irga, difundiríamos a tecnologia desenvolvida pela orizicultura gaúcha, treinando e qualificando mão de obra. Aventamos, ainda, a possibilidade de trabalhar junto aos arrozeiros gaúchos a idéia que possam ir produzir na Nigéria, em regime de parceria, aproveitando as vantagens da política de incentivos do Governo local. Em troca, queremos a garantia da importação de um milhão de toneladas de arroz gaúcho por ano, o triplo do que vendemos em 2011 ao nosso maior comprador internacional. Devemos amarrar estas e outras questões na Expointer, agora em agosto. •Aprofundar a relação - Aproveitando o encontro com o presidente nigeriano Goodluck Ebele Jonathan, formalizamos convite do Governador Tarso Genro para que a Nigéria venha a ser uma das nações homenageadas na Expointer deste ano. É uma oportunidade de aprofundarmos nossa relação comercial e cultural com aquele País e abrir novas possibilidades de negócios, especialmente para os cadeias produtivas do setor primário. •Festival da Gastronomia - Não estive presente ao lançamento do 1º Festival de Gastronomia do Rio Grande do Sul, ocorrido no Palácio Piratini, em um grande ato, segundo me contaram, coordenado pelo governador Tarso Genro. O festival acontece entre os dias 25 e 30 de junho, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, numa realização da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa), Casa Civil - por meio do GT em Gastronomia Regional, com promoção da Associação dos Amigos da Tradição e Folclore (AATF). Mais de 60 entidades estão envolvidas na organização do evento que terá mais de 200 atividades, desde o encontro estadual de merendeiras até a reunião dos prefeitos gaúchos, com a presença de ministros do Governo Federal, além de mostras de cinema e feita de livros. O festival, o primeiro da nova agenda de programação do Parque Assis Brasil, que trabalhamos para deixá-lo vivo o ano inteiro, busca, acima de tudo valorizar a produção primária e promover a valorização das etnias responsáveis por termos este Estado tão rico, tão plural e com tantos sabores. •Menos água na pista – Entregamos de forma oficial, mais uma obra prevista em nosso plano de revitalização e reestruturação do Parque Estadual de Exposições Assis Brasil. Trata-se da drenagem das pistas centrais de equinos e ovinos, investimento de R$ 871.235,00. Quem conhece o parque e que vai a Expointer sabe da importância desta obra. É tradição chover durante a nossa maior exposição feira. O que tem um custo muito grande para o evento, já que as pistas ficam embarradas, situação que se complica com o trânsito de animais.

C Y M K


C Y M K

5

Junho de 2013 TRIGO

30° ENCONTRO ESTADUAL DE HORTIGRANJEIROS

Comissão prepara novidades para Preço mínimo

Mostra da Terneira no 30º Hortigranjeiros do trigo sobe Animais de agricultores familiares devem ter espaço de destaque durante o 30º Encontro Estadual de Hortigranjeiros, que ocorrerá de 2 a 6 de outubro, em Santa Rosa

U

ma comissão especial foi organizada para preparar a Mostra da Terneira, que deve apresentar animais das raças Holandesa, Jersey, Gir Holando de duplo propósito, entre outras. Algumas propostas para o evento deste ano foram apresentadas durante encontro da comissão organizadora. Entre as novidades, a ampliação do número de animais esperados em relação ao ano passado e a promoção de um dia de campo. “É uma oportunidade para mostrar o potencial da agricultura familiar. A expectativa é que participem do evento aproximadamente 200 animais, oriundos de 16 municípios da região. Serão duas possibilidades de participar: na Mostra ou no Concurso”, esclarece a vice-presidente do Hortigranjeiros e gerente adjunta da Emater/RS-Ascar, Neida Frohlich. O concurso morfológico será dividido em seis categorias, de acordo com a idade do animal. Antes da feira, médicos veterinários da Emater/RS-As-

Entre os animais apresentados estarão as raças Holandesa, Jersey, Gir Holando de duplo propósito, entre outras.

car devem visitar as propriedades dos agricultores familiares interessados em participar para conhecer os animais e orientar sobre a participação no evento. No Dia de Campo, que ocorrerá na quinta e na sexta-feira (03 e 04/10) pela manhã, serão apresentados aspectos

sobre a criação da terneira, manejo de pastagens, produção de leite, entre outros temas. “Nossa ideia é focar para além da genética: a criação. De nada adiante ter um bom material genético se o manejo e a criação do animal não forem coerentes”, destacou o presidente

do 30º Hortigranjeiros, Vânio Heimerdinger. O 30º Encontro Estadual de Hortigranjeiros é promovido pela Emater/RS-Ascar, prefeitura de Santa Rosa e Associação de Produtores de Hortigranjeiros de Santa Rosa (APRHOROSA).

Conab vende 71,08% da oferta de trigo dos estoques oficiais

O

O

Ministério da Agricultura confirmou o aumento de 5,99% para o preço mínimo de garantia do trigo na safra 2012/2013 para a Região Sul, como foi antecipado há dois meses pelo Broadcast. O valor de R$ 531/tonelada, ou R$ 31,86 a saca de 60 kg, foi publicado no Diário Oficial da União, em portaria do ministro Antônio Andrade sobre os preços mínimos das culturas de inverno. O preço mínimo do trigo melhorador na Região Sul passou para R$ 556/saca, ou R$ 33,36/saca. Para as demais culturas de inverno os preços mínimos fixados foram de R$ 16,02/saca para a aveia (Região Sul); de R$ 31,86 para a canola (Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste); de R$ 22,68/saca para a cevada (Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste); de R$ 30,60/saca para o girassol(Sul e Centro-Oeste); e de R$ 18,12 para o triticale (Sul, Sudeste e Centro-Oeste).

GRÃOS

O leilão, que comercializou 58,561,3 toneladas, atende os moinhos nesta época de entressafra

leilão de trigo dos estoques oficiais, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para atender os moinhos nesta época de entressafra, comercializou 58.561,3 toneladas. O volume arrematado corresponde a 71,08% das 82.389,4 toneladas de cereal ofertadas pela Conab. O preço médio ficou em R$ 633,00 a toneladas e o governo arrecadou R$ 38,8 milhões com a venda do produto. A Conab vendeu 22,5 mil toneladas (90%) das 25 mil toneladas ofertadas no Paraná. O preço médio saiu por R$ 649,62 por tonelada. Apenas um lote de 8 mil toneladas, depositado em Cascavel, não foi totalmente vendido, pois foram arrematadas 5,5 mil toneladas, ao preço de R$ 700 por tonelada. O único ágio re-

6%, confirma governo

gistrado no leilão foi para um lote de 8.743,4 toneladas depositado em Catanduvas (PR), após disputa foi arrematado a R$ 651 por saca, acima do valor de abertura que era de R$ 636 por tonelada. No leilão a Conab vendeu 35.790,3 toneladas de trigo depositadas no Rio Grande do Sul, que correspondem a 63% das 56.844 toneladas ofertadas. O preço médio ficou em R$ 662 por tonelada. Dois lotes, um de 30,04 toneladas, depositadas em Cruz Alta, e outro de 756,32 toneladas, depositadas em Maçambara, não despertaram interesse de compra e, por isso, foram retirados do pregão. A Conab ofertou no leilão de hoje 545,37 toneladas depositadas em Bauru (SP) e conseguiu vender 270 toneladas (49,5%), ao preço de R$ 639 por tonelada.


6

Junho de 2013 AGRICULTURA

Rio Grande do Sul poderia ter R$ 10 bilhões a mais com a soja Gigante na produção de soja no Brasil, atrás apenas de Mato Grosso e Paraná, o Rio Grande do Sul despenca para as últimas posições quando se calcula o ranking da produtividade - a quantidade colhida por hectare

A

o alcançar safra recorde do grão neste ano, graças ao aumento da área plantada, o baixo desempenho das lavouras gaúchas é mascarado. Se tivesse produtividade igual à do Paraná, por exemplo, o Estado poderia ter elevado o impacto econômico da atual safra de soja na economia em mais R$ 10 bilhões além dos R$ 32,9 bilhões estimados por Antônio da Luz, economista da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul). No ano em que colheu o volume recorde de 12,2 milhões de toneladas, o Rio Grande do Sul teve rendimento por hectare apenas superior ao do Piauí e da Bahia, conforme estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Enquanto a média gaúcha não passou de 2.640 quilos por hectare, o índice no país chegou a 2.941 quilos por hectare. E não se trata de uma situação isolada. O baixo rendimento, na comparação com outros Estados, repete-se em anos de safra cheia, normal ou com registro de seca.

Rio Grande do Sul é mais afetado pela falta de chuvas do que os outros estados. Fonte: Zero Hora

Não há consenso, mas não faltam respostas entre técnicos e pesquisadores para a baixa produtividade do grão no Rio Grande do Sul, mesmo sendo referência em plantio direto e avançando no uso de tecnologias e mecanização. As explicações vão desde instabilidade do

clima gaúcho, passando por irregularidade de solos e até uso de técnicas de manejo diversificadas e, nem sempre, apropriadas. No Estado, temos uma instabilidade de clima no verão que deixa nossa produção mais vulnerável - aponta Dirceu Gassen, gestor técnico da Coopera-

tiva de Agricultores de Plantio Direto (Cooplantio). Embora tenha terras consideradas mais férteis do que o Centro -Oeste, o Estado seria mais afetado pela irregularidade de chuvas - especialmente na fase de enchimento de grãos, o que ocorre nos meses de janeiro e fevereiro.

LEITE

Produção anual de leite da Cotrijui chega a quase 50 milhões de litros Na condição de acionista da Indústria de Laticínios da CCGL, a Cotrijui é um dos principais fornecedores de leite in natura ados divulgados pelo Médico Veterinário Jorge Schiffer, mostram que a produção mensal na microrregião de Ijuí atinge a marca de 4 milhões e 100 mil litros, com um volume diário superior a 136 mil e 200. Anualmente, segundo a mesma fonte, na área da Cooperativa esse volume é de mais de 49 milhões de litros de leite in natura. O principal produtor tem propriedade no Município de Ajuricaba com volume diário de 5 mil litros de leite. A coleta é feita de forma prioritária em municípios com o Boa Vista do Cadeado, Jóia, Augusto Pestana, Ajuricaba, Catuípe e Ijuí. Com os investimentos em novas tecnologias, a projeção é de que em pouco tempo esse número possa evoluir ainda mais. A produção de leite de forma criteriosa e com apoio técnico da equipe da Cotrijui, envolve, especialmente, os produtores com pequenas áreas rurais. Ressalte-se ainda, que, na maioria dos casos, a tendência é de evolução, tanto na qualidade como também na quantidade produzida.

Ferrugem asiática já causou prejuízos de US$ 25 bilhões em lavouras de soja no país Falta de um controle adequado da ferrugem asiática, praga que afeta a lavoura de soja, já causou prejuízos de US$ 25 bilhões desde a safra 2003/2004 na produção da oleaginosa, afirmou o representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Silvésio de Oliveira, na audiência pública realizada na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado, para discutir os impactos socioeconômicos da doença na cultura da soja. Em sua exposição, ele também apresentou dados que apontam perdas da ordem de US$ 1 bilhão na safra passada apenas em Mato Grosso, o que representa, dependendo da variedade da semente, 15 sacas a menos na comercialização do produto, comprometendo, em média, quase 30% da renda do agricultor. “Se Mato Grosso produz um terço da soja do país, pode-se dizer que a produção de soja no país inteiro teve um prejuízo de US$ 3 bilhões na safra passada”, afirmou o representante da CNA. Segundo ele, a ferrugem asiática tem prejudicado não apenas a produção, mas a geração de empregos, a economia dos municípios e a pecuária, na qual a soja é utilizada na criação e alimentação de animais. Diante deste quadro, ele defendeu mais agilidade por parte do governo na liberação do registro de novos agroquímicos, especialmente os fungicidas, que costumam ser mais utilizados no combate à ferrugem asiática. “É preciso ampliar a quantidade de produtos no mercado porque os que estão disponíveis estão perdendo eficácia”, justificou. A ferrugem asiática é uma doença fúngica que se espalha rapidamente em função da eficiente disseminação dos esporos do fungo pelo vento. As condições que favorecem o seu desenvolvimento são temperaturas próximas a 24ºC e 6 horas de molhamento das áreas cultivadas. A desfolha precoce, que impede a completa formação dos grãos, com consequente redução da produtividade, é o principal sintoma apresentado pelas lavouras. Participaram da audiência pública a gerente geral de Toxicologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ana Maria Vekic; o diretor substituto de Qualidade Ambiental e Coordenador Geral de Avaliação e Controle de Sustâncias Químicas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Márcio Rosa Rodrigues de Freitas; o coordenador geral de Registros de Agrotóxicos e Afins do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Luiz Eduardo Pacifi Rangel; o diretor executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), Eduardo Daher, e o representante da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja), Tadashi Yoirinore.

IRRIGAÇÃO

Projeto de irrigação de autoria do governo do RS é aprovado por unanimidade pelo legislativo

Fonte: Agrolink

SOJA

D

C Y M K

O projeto de autoria do Governo do Estado, que institui o Programa Estadual de Expansão da Agropecuária Irrigada - Mais Água, Mais Renda, foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Legislativa, por 49 votos. O Programa, que é coordenado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) agora deixa de ser uma ação de Governo e se transforma em Lei Estadual, passando a ser uma política de Estado. O Mais Água, Mais Renda é um programa de desenvolvimento econômico com o objetivo de aumentar as áreas irrigadas e prevenir os efeitos das estiagens no RS. O Programa prevê reembolso da primeira e da última parcela de valores financiados pelos produtores irrigantes, licença ambiental e outorga da água. O Projeto ainda cria o Comitê Gestor do Programa, que será coordenado pela Secretaria da Agricultura e integrado por nove órgãos do Estado: Secretarias do Meio Ambiente; Fazenda; Obras Públicas, Irrigação e Desenvolvimento Urbano; Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo e de Desenvolvimento e Programação do Investimento. Além da Fundação de Proteção ao Ambiente Natural Henrique Roessler (Fepam); da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) e do Instituto Rio-grandense do Arroz (Irga). O projeto foi aprovado com emenda do líder do Governo no Legislativo, Valdeci Oliveira, que ampliou a representatividade inicial prevista para o Comitê Gestor do Programa, bem como aperfeiçoou os mecanismos de participação e controle social. Também serão convidados a participar do Comitê Gestor um representante dos Comitês de Bacias Hidrográficas do Estado, um representante da Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural/Associação Rio-grandense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ascar-Emater/RS), e dois representantes de entidades de agricultores, um das cooperativas agropecuárias e um das indústrias de máquinas e equipamentos de irrigação.


C Y M K

Junho de 2013

7


8

Junho de 2013

Região FEIJÃO

JÓIA

Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jóia Aberto edital de convocação para Assembleia geral ordinária

D

e acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Jóia, Batista Tonelli, o sindicato está convocando os associados em dia com a tesouraria para participar da assembleia no dia 28 de junho de 2013, com a primeira convocação às 8h30min e a segunda e última posteriormente, com qualquer número de associados, tendo como local a sala de reuniões do sindicato, na Rua Travessa Vione, 193, centro. Para deliberar as seguintes ordens do dia; - Prestação das contas de 2012 e parecer do conselho fiscal. - Escolha para comissão eleitoral e assuntos gerais. O presidente destaca ainda que todos os agricultores que têm dívidas com o Banco do Brasil e queiram negociar as mesmas, devem procurar o banco até o dia 28 de junho para negociação, após esse prazo haverá cobrança.

Feijão safrinha apresenta boa qualidade Segundo dados do Informativo Conjuntural, elaborado pela Emater/RS-Ascar, a qualidade dos grãos da safrinha de feijão é considerada muito boa

A

evolução da cultura é normal no Estado com aproximadamente 80% da área colhida, outros 5% estão na fase de enchimento de grãos e 15% dos grãos estão maduros esperando a colheita. A produtividade estimada (1.388 kg/ha) se mantém, mas ocorrendo lavouras finais com rendimento superior a este, podendo ainda haver alterações na média final do Estado. Os produtores estão colhendo e ofertando o produto para fazer caixa e pagar dívidas próximas, uma vez que os preços são atrativos. A comercialização no RS, nesta semana, permaneceu estável, mantendo o preço médio da saca de feijão preto em R$ 131,64, mas estando 34,2% acima da média histórica geral. O plantio do trigo não evoluiu de maneira satisfatória durante a semana. A inconstância do tempo, alterando períodos longos de alta umidade, tem prejudicado o andamento do processo. Em âmbito estadual, o percentual chega a 12% do total projetado, mesmo percentual verificado na safra passada nesta mesma época. Na média, este percentual deveria ser de 20%. Na região de Santa Rosa, uma das maiores produtoras, os agricultores estão preocupados com o atraso e esperam entrar nas lavouras nesta semana. Em termos de

cotação, a saca de 60 kg do produto teve pequena desvalorização (-0,49%), ficando na média estadual a R$ 30,54. Na região do Vale do Caí, aumentou rapidamente o volume colhido das frutas cítricas. Entre as bergamotas, a cultivar Caí já atinge 60% das frutas colhidas e a Ponkan, 30%. A alta incidência da mosca-das-frutas também tem apressado a colheita das laranjas, bastante atacadas pelas pragas. As cultivares Umbigo Bahia e Céu Precoce já estão em final de colheita, com percentual de frutas colhidas de 90% e 85%, respectivamente. A qualidade das frutas cítricas continua muito boa, graças às boas condições climáticas atuais e ocorridas durante a fase de desenvolvimento. Há uma produção abundante de hortaliças folhosas, mas as altas umidades do ar, favorecidas pela ocorrência de precipitações no período, intensificam ataque de doenças fúngicas. Na região Sul, em algumas propriedades, houve danos devido à chuva forte e ao granizo. Na região Noroeste Colonial, durante a semana houve intensificação do transplante das espécies folhosas. Os preços começam a dar sinal de baixar, embora ainda haja procura por parte das escolas para a alimentação de escolares.

As lavouras de mandioca estão com desenvolvimento normal. Em andamento a colheita com boa produtividade e bom preço. Mandioca de primeiro ano passa a apresentar bom cozimento, em consequência das baixas temperaturas, o que favorece a comercialização. No Vale do Taquari, a colheita atinge 70% e o valor da caixa de 22 kg varia de R$ 12,00 a R$ 13,00. Houve aumento de oferta de pasto, devido ao bom estabelecimento e desenvolvimento das pastagens anuais de Inverno, especialmente as gramíneas anuais de Inverno mais cultivadas no Estado: aveia e azevém. Os agricultores seguem realizando os tratos iniciais necessários para o desenvolvimento das pastagens implantadas, principalmente adubação nitrogenada de cobertura, e piqueteamento dos potreiros. Neste período, observa-se um incremento gradual diário no volume de leite produzido em praticamente todas as regiões produtoras do Estado. O principal fator responsável pelo aumento da produção de leite é a maior oferta de plantas forrageiras, com redução do suprimento de concentrados protéicos para complementar a alimentação dos animais, contribuindo assim para reduzir o custo de produção.

REGIÃO

Piquenique ambiental marca Semana do Meio Ambiente Os últimos dias foram marcados pela passagem da Semana do Meio Ambiente, tendo como data especial 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente

A

Ceriluz não deixou esta data passar em branco e, aproveitando a demanda de visitas na Usina José Barasuol, realizou a segunda edição do Piquenique Ambiental na Usina, por meio do Projeto Atitude Limpa. Aproximadamente 120 estudantes de duas escolas municipais de Boa Vista do Cadeado, tiveram a oportunidade de conhecer e entender o funcionamento de uma usina, bem como os cuidados ambientais tomados no momento de sua construção e manutenção. Num primeiro momento os adolescentes, com idades entre 11 e 14 anos, de 6ª a 8ª séries, tiveram a oportunidade de conhecer toda a infraestrutura da usina identificando a função de cada uma das estruturas e equipamentos, recebendo explicações de colaboradores da Cooperativa. Depois, durante a realização de um lanche coletivo, foi a vez de comprovar o conhecimento acumulado por meio de um gincana de perguntas e respostas

aberta a todos. Num ato simbólico foram doadas mudas de árvores nativas para as escolas, como uma forma de estimular o plantio de árvores. A professora Suleima Maturana Roenkholl destaca que, apesar da visita estar relacionada à Semana do Meio Ambiente, o interesse foi além das questões ambientais e incluiu também as fontes de geração de energia, tema trabalhado entre os estudantes da 8ª série. “Ter esta visão prática é muito valiosa para o estudante, acrescentando ao aprendizado teórico”, comenta ela. As atividades do Projeto Atitude Limpa neste ano de 2013 não se limitaram às visitas nas usinas, mas também incluíram atividades com estudantes da pré-escola às 8ªs séries em educandários regionais. No mês de maio foram visitadas as escolas São Pio X, de Salto, em Bozano, no dia 09, e Dr. Pestana, em Rincão dos Müller, no dia 23. Esta ação trata especialmente do consumo de energia

e neste ano tem como iniciativa principal a palestra “Dicas de Economia e Uso Eficiente da Energia Elétrica”, ministrada por profissionais da Ceriluz. A atividade está baseada no Manual do Consumidor, material impresso distribuído entre os associados no ano de 2012 numa parceria com o Programa de Eficiência Energética, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Além da palestra a iniciativa disponibiliza a participação do mascote Cerileco e da palhaça Pipoca, que interagem com as crianças em atividades lúdicas e educativas. As ações do Projeto Atitude Limpa terão continuidade no segundo semestre, após período de provas e férias nas escolas locais.

C Y M K


C Y M K

Junho de 2013

9


10

Junho de 2013

ESPECIAL

O plantio de milho no Rio Grande do Sul A importância econômica do milho é caracterizada pelas diversas formas de sua utilização, que vai desde a alimentação animal até a indústria de alta tecnologia

O

milho é um cereal, cultivado em grande parte do mundo, é utilizado como alimento humano ou ração animal, devido às suas qualidades nutricionais. Todas as evidências científicas levam a crer que seja uma planta de origem mexicana, e que a sua domesticação começou 7.500 a 12.000 anos atrás. A cultura do milho é importante no sistema de rotação com a da soja, para diminuir problemas com doenças, plantas daninhas, pragas e reciclagem de nutrientes. É a cultura com maior volume de palha para cobertura de solo sob plantio direto. Também é utilizada como estratégia de redução de azevém e outras plantas daninhas para cultivo de trigo ou cevada em sucessão. De acordo com o Técnico em Agropecuária e

Consultor Técnico Comercial, Leonardo Rodrigues Ranzzi, a região noroeste tem a maior bacia leiteira do Rio Grande do Sul, se destacando não só pela quantidade, mas também pela qualidade do produto. “Uma importante ferramenta para o aumento desses índices é silagem de milho, como importante composição na dieta dos animais e está presente na alimentação dos animais o ano inteiro, aliado a isso cabe a nós técnicos, trabalharmos com seriedade, assistência técnica especializada e produtos de qualidade, para garantir a qualidade do alimento”, argumenta. Conforme explica Leonardo, na região noroeste do Rio Grande do Sul tem a tradição de semeadura antecipada, em final de julho, agosto e setembro. “Essa tendência de semear mais

cedo se estabeleceu como estratégia para superar os riscos de períodos de estiagem e de calor que ocorrem em novembro e dezembro, fase de floração e de enchimento de grãos”, relata. O Técnico em Agropecuária revela que o principal procedimento para se ter sucesso na cultura do milho é estabelecer um cronograma de atividades para que o produtor possa realizar o plantio de forma eficiente e segura:

- Na entre safra - De-

verá ser realizada análise do solo e aplicação do calcário e a manutenção de máquinas e equipamentos. A plantadeira deve estar preparada para o espaçamento entre fileiras adequado para a cultura. À medida que se aproximar a data do plantio, o agricultor deverá adquirir sua semente e regular

sua plantadeira para se ter o stand indicado para o híbrido escolhido.

- A Dessecação - Com no

mínimo vinte dias antes do plantio, contribui para a redução das pragas remanescentes da cultura anterior, e reduz os efeitos alelopaticos deixados por plantas antecessoras. A eliminação das plantas daninhas através da dessecação permite que a cultura tenha um desenvolvimento inicial rápido e vigoroso, propiciando um rendimento de 10 a 15% maior ao final do ciclo da cultura.

- A semente - Um ponto

decisivo para o sucesso na lavoura é a compra da semente. O agricultor deverá levar em conta o seu sistema de produção (nível tecnológico utilizado) e as condições de solo e clima da onde a lavoura será conduzida.

Existem sementes de vários preços e potencial produtivo; portanto, o agricultor deverá optar por uma cultivar que lhe ofereça maior relação de benefício/custo.

- O tratamento de sementes - A utilização de

sementes de excelente qualidade e livres de pragas e doenças é o primeiro passo para que o híbrido de milho possa expressar seu máximo potencial produtivo. O tratamento de sementes desempenha um papel fundamental para o sucesso da emergência de plântulas de maneira uniforme em condições normais e sob condições adversas. O uso de tratamento de sementes é feito para proteger as sementes, no início do desenvolvimento da cultura, de doenças e pragas que afetam a emergência das plântulas e o seu desenvolvimento inicial.

Por fim, Leonardo destaca que dentro dos sistemas de produção, existem muitas decisões a serem tomadas pelos produtores. Na cultura do milho uma decisão importante a ser tomada é a escolha do híbrido. “De modo geral, híbridos simples tem um grande potencial produtivo, necessitando de maior fertilidade do solo, umidade e condições ambienteis. Já híbridos triplos e duplos, são mais rústicos, ou seja mais adaptáveis e de menos exigência nutricional. A época de plantio é um ponto muito importante que deve ser levado em consideração na escolha do híbrido. Existem híbridos que se adaptam melhor no plantio do cedo por terem um excelente teto produtivo e outros que se adaptam nos plantios do tarde e safrinha, sendo esses com boa tolerância ás doenças”, conclui ele.

C Y M K


11

Junho de 2013 AGRICULTURA

Ao lançar Plano Safra para a Agricultura Familiar, Governo Federal cria Agência Nacional de Ater Durante o lançamento do Plano Safra para a agricultura familiar, o Governo Federal anunciou a criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater)

A

parceria da agência com a Embrapa vai ampliar o número de famílias produtoras atendidas e qualificar a assistência técnica realizada no país. O Plano Safra 2013/2014 foi lançado pela presidenta Dilma Rousseff e pelo ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Pepe Vargas, em Brasília. O presidente da Emater/RS, Lino De David, participou da solenidade e destaca, além da criação da Anater, o encaminhamento, pela presidenta Dilma, à Câmara dos Deputados, de um projeto de lei que determina que o agricultor que instalar e formalizar uma agroindústria não perderá a condição de segurado especial do INSS. “Há uma evolução no Plano Safra no sentido de articular as diferentes políticas públicas, como de apoio à produção e os diferentes tipos de crédito e de seguro, como Proagro e Proagro Mais, de incentivo à agroindustrialização e ao processamento, agora protegendo os agricultores com esse projeto de lei da presidenta Dilma, e com as políticas de comercialização, como PAA, Pnae e PGPaf”, observa De David, ao salientar que “aos poucos todas as cadeiras produtivas vão se estruturando, apontando para a produção com segurança de alimentos saudáveis, porque todas as políticas dão condições para isso”.

•Aumento da produção familiar A agricultura familiar vai contar com recursos de R$ 39 bilhões destinados ao conjunto de medidas do governo federal para o setor. “Do início do Plano Safra, em 2003, para cá, houve um aumento de 400% nos recursos ofertados. Agora estamos disponibilizando R$ 21 bilhões e, se os agricultores contratarem todo esse valor, serão liberados mais recursos para que eles produzam ainda mais”, ressaltou o ministro Pepe Vargas durante o seu discurso. Além do aumento, na safra 2013/2014, o programa de crédito ganhou mais uma linha: o Pronaf Inovação. Os produtores poderão financiar o cultivo protegido de hortifrutigranjeiros, automação para avicultura e suinocultura, atualização tecnológica para bovinocultura de leite, com juros de 2% ao ano e prazo de até 15 anos

Produtores terão até R$ 1 milhão em crédito para expandir negócios A produção leiteira passa a contar com o Programa Inovagro, que tem o objetivo de impulsionar a produtividade e a competitividade do agronegócio brasileiro por meio da inovação tecnológica

E

para pagar. O Plano Safra para a agricultura familiar comemora, em 2013, dez anos. Nesse período, o setor avançou 52%, permitindo que mais de 3,7 milhões de pessoas ascendesse para a classe média. O ministro Pepe Vargas atribui esse desenvolvimento no campo ao aperfeiçoamento desse conjunto de medidas para a agricultura familiar. Os R$ 39 bilhões liberados para o fortalecimento da agricultura familiar são distribuídos da seguinte maneira: - Crédito Pronaf: R$ 21 bilhões - Ater: R$ 830 milhões - Garantia-Safra: R$ 980,3 milhões - Seguro da Agricultura Familiar (Seaf): R$ 400 milhões - PGPAF: R$ 33 milhões - PAA: R$ 1,2 bilhão em compras da agricultura familiar (MDA e MDS) - Pnae: R$ 1,1 bilhão (FNDE) - PGPM: R$ 200 milhões - Outras ações: R$ 13,3 bilhões

•ATER - Paralelamente ao lançamento, a presidenta Dilma Rousseff assinou o Projeto de Lei que cria a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) que será enviado ao Congresso Nacional. A parceria da agência com a Embrapa vai ampliar o número de famílias produtoras atendidas e qualificar a assistência técnica. “O foco da Anater é aumentar o número de agricultores familiares assistidos pela Ater e aumentar a renda dos nossos produtores”, observou Pepe Vargas. Em 2013, serão 239 mil famílias de agricultores familiares atendidas. Além das medidas de inclusão produtiva, até 2014 serão beneficiadas mais 70 mil famílias com habitação pelo Programa Minha Casa Minha Vida Rural, e 37 mil famílias com água pelo Programa Água para Todos, especialmente nos assentamentos da Reforma Agrária. Outra novidade é que o Programa de Crédito Fundiário terá taxas de juros reduzidas para famílias do Cadastro Único, com assistência técnica garantida e seguro rural para proteção das parcelas do financiamento.

Fonte: Globo Rural

C Y M K

m relação aos empréstimos de investimento, cada produtor poderá contratar até R$ 1 milhão, com taxa de juros de 3,5% ao ano.O lançamento do programa faz parte do Plano Agrícola e Pecuário 2013/14. As medidas adotadas pelo Governo Federal para apoiar a pecuária leiteira durante a safra 2013/14 foram explicadas pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Andrade. “Essa iniciativa do Governo Federal vai financiar melhorias no padrão tecnológico das propriedades rurais, como possibilitar a automação da ordenha”, explicou o ministro.Além disso, por meio do Programa de Modernização da Agricultura e Conservação de Recursos Naturais (Moderagro), os produtores poderão financiar a reposição de matrizes que comprovadamente tenham doenças como brucelose e tuberculose. Os limites para essa finalidade aumentam na safra 2013/14 em relação à atual. Passam de R$ 3,5 mil para R$ 4,5 mil por matriz, e de R$ 150 mil para R$ 200 mil no valor máximo de crédito liberado por produtor. O prazo de pagamento é de até 10 anos, sendo três de carência. Os produtores de leite também vão ter melhores condições de financiamento de custeio a partir da próxima safra. O limite de financiamento passou de R$ 800 mil para R$ 1 milhão de reais, com taxas de juros de 5,5% ao ano. Antônio Andrade lembrou ainda das medidas de apoio do Governo Federal aos produtores da região. Entre elas, a proposta regionalizada do Plano Agrícola e Pecuária para o Semiárido, com a suspensão da execução das dívidas dos agricultores junto aos bancos; e a autorização por três anos para que indústrias sob fiscalização federal possam destinar 35% da capacidade total de produção para a reconstituição de leite em pó.


12

Junho de 2013 ALIMENTAÇÃO

SILOS

Governo anuncia pacote de R$ 25 bilhões para construir silos

O

Objetivo é melhorar as condições de armazenamento e auxiliar o escoamento da produção de grãos

governo anunciou um plano de investimentos de R$ 25 bilhões em cinco anos para a construção de silos, com o objetivo de melhorar as condições de armazenamento e auxiliar o escoamento da produção de grãos. As áreas beneficiadas se localizam em regiões onde há maior deficiência na infraestrutura para estocagem da safra. O lançamento coincide com o anúncio do novo Plano de Safra Agrícola e Pecuário 2013/2014, que deve somar R$ 136 bilhões. Uma das novidades é a inclusão de empresas produtoras de cereais entre os beneficiários do programa de incentivo à armazenagem, que antes só contemplava os produtores rurais e suas cooperativas. Os juros serão subvencionados com dinheiro público, o que permitirá a oferta de uma taxa de 3,5% ao ano. Como a inflação está acima desse patamar, na prática serão juros reais negativos. O governo pretende que os repasses de recursos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às instituições financeiras incentivem a construção de armazéns que permitam aumentar em 13 milhões de toneladas por ano a capacidade estática de armazenagem do país. O plano prevê a liberação de R$ 5 bilhões de financiamento ao ano, de forma a elevar a capacidade nacional de armazenamento em um total de 65 milhões de toneladas. O impacto real, porém,

Pesquisas avançam e alimentos fortificados devem cair no gosto do consumidor Básicos como arroz, feijão, milho e batata-doce rendem até salgadinhos e podem chamar a atenção nas prateleiras; Saiba como estes produtos podem prevenir deficiências nutricionais

U

ma boa dieta alimentar pode melhorar a qualidade de vida e diminuir a ocorrência de doenças. A má nutrição tem contribuído anualmente para a morte de milhões de crianças a cada ano em países em desenvolvimento. A deficiência de ferro afeta mais de 3,5 bilhões de pessoas, sendo responsável por milhares de mortes de mulheres durante o parto e de abortos espontâneos anualmente, segundo pesquisa do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). O Iapar desenvolve trabalhos relacionados à biofortificação de alimentos básicos como arroz, feijão, milho, mandioca e trigo e aposta na melhoria nutricional para reduzir uma série de deficiências provocadas pela falta de determinadas substâncias no organismo. Em geral, as principais faltas de nutrientes no organismo são de ferro, zinco e vitamina A. A carência de ferro resulta em anemia, a de zinco compromete o sistema imunológico e a de vitamina A leva a cegueira, retardamento do crescimento e desordens reprodutivas.

não será imediato, já que cada armazém leva, em média, dois anos para ser construído. Se não houver atrasos, os novos silos estarão prontos em sete anos. O governo também avaliou a questão da capacidade dos fabricantes de atender à demanda pela construção de armazéns. Conversou com a indústria e deixou claro que, se os custos subirem e os preços ficarem mais altos por causa da demanda que será criada com o plano, não hesitará em liberar a importação de matérias-primas, incluindo o aço.

•Déficit - Hoje, a cha-

mada capacidade estática de armazenagem é de 145 milhões de toneladas, aí incluídos os 96 armazéns públicos

e os 265 privados espalhados pelo Brasil. Só que a safra estimada no momento é de 184 milhões de toneladas, o que daria um déficit de armazenamento de grãos de cerca de 39 milhões. O governo federal, com seus 96 armazéns públicos, tem capacidade para guardar apenas 3,2 milhões de toneladas. A FAO, órgão das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, recomenda que os países tenham 20% a mais de capacidade estática de armazenagem. E essa é a meta do governo federal, embora não deva ser concretizada. Com esse plano de financiamento para construção de silos, a capacidade estática cresceria para 210 milhões de toneladas, considerando

que a produção ficasse estagnada em 184 milhões de grãos ao ano. Só que o volume ideal recomendado seria de 220 milhões de toneladas, diante do tamanho da safra. A ideia do governo é descentralizar a estocagem de alimentos com a transferência para novas regiões e assim facilitar o escoamento de grãos. A prioridade é a nova fronteira agrícola batizada de Matopiba, que representa as iniciais de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Mato Grosso e Paraná, tradicionais produtores de grãos, também apresentam graves problemas de falta de armazéns e receberão financiamentos para a construção de locais, com o objetivo de evitar que os produtos continuem a ficar a céu aberto.

• Mas afinal, o que é a fortificação? - A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) define biofortificação como “o processo utilizado para aumentar o conteúdo nutricional de micronutrientes, como vitaminas e minerais específicos, das porções comestíveis das plantas utilizadas como alimentos, o que pode ser feito através de técnicas de melhoramento convencional de plantas ou através da biotecnologia”. “Esse processo representa uma estratégia importante para reduzir a desnutrição da população e possibilitar que famílias carentes melhorem a dieta e a saúde”, afirma a pesquisadora Vânia Moda • Mercado - Muitas dessas variedades desenvolvidas pelos institutos de pesquisa já estão no mercado e servem até mesmo de inspiração para o desenvolvimento de produtos industrializados mais ricos em micronutrientes. A Pepsico, por exemplo, está investindo na elaboração de salgadinhos de milho e batata-doce. Os primeiros projetos da empresa, em parceria com a Embrapa, começaram em 2011. “O trabalho com as sementes fortificadas, de acordo com ele, é realizado nos laboratórios de 12 unidades da Embrapa em todo o Brasil, com coordenação da pesquisadora Marília Nutti. O objetivo dos trabalhos, ele afirma, é promover uma dieta com maior quantidade desses nutrientes. “Isso significa melhorar ainda mais o valor nutricional de nossos produtos e de forma natural”, ele explica. As pesquisas ainda estão em fase laboratorial e a empresa ainda não definiu qual produto será ofertado ao mercado. Sérgio acredita que muitos estudos devem ser feitos para comprovar o benefício dos alimentos pesquisados, mas ele acredita que a parceria vai promover muitos benefícios para os consumidores. • Grão enriquecido - No mês de maio a Embrapa lançou uma cultivar de milho com quantidade de pró-vitamina A (carotenoides) cerca de quatro vezes superior à encontrada em cultivares comuns do cereal. Segundo a Embrapa, o milho biofortificado – que será identificado pela sigla BRS 4104 – é específico para programas sociais, como os de merenda escolar. O trabalho de transferência de tecnologia vem sendo feito por meio de multiplicação de sementes pelas comunidades parceiras.

C Y M K


C Y M K

Junho de 2013

13


14

(F537A-5) Vende-se depurador de ar (suggar), marca Brastemp, para fogão 4 bocas, branco, em ótimo estado. Valor R$ 100,00. Fone:(55)8445-9699. (F5377-2) Vende-se máquina de lavar roupas, Wanke, em ótimo estado, semi nova, com timer. Valor R$ 350,00. Fone:(55)84459699.

Junho de 2013 do, mouse, tudo no estojo, adaptador com 4 entrada USB, duas câmeras, tela 7”. Um mês de uso. Fone:(55)9112-8061.

Completo F1000. Kit Completo Alternador p/Fusca e Brasilia. Volante para Caminhão Mercedes. Fone:(55)8406-9090.

(F5354-3) Compro fogão a lenha n°1 em bom estado. Vendo Sofá 3 e 2 lugares. Fone:(55)91384509.

(F5307-7) Vende-se 4 pneus Goodyer 205/55/16. Valor R$ 250,00 os quatro. Fone:(55)9161-2796.

(F534A-2) Vende-se 8 divisórias de madeira, com três portas de vidro e em ótimo estado, para escritório ou para loja. Preço á combinar. Urgente. Fone:(55)91910397. (F5338-2) Vende-se lava jato marca JACTO J6800 1,6 CV, 1.600 libras. produto sem uso (novo). Fone:(55)9900-5262. (F5337-1) Vende-se compressor de ar direto Motomil/Jetmil com Kit pintura, 2.3 1/3HP novo. Valor R$ 280,00. Fone:(55)9900-5262. (F533F-9) Excursão para balneário comburiu e beto carreiro. Participe, para mais informações pelo fone. Fone:(55)9196-4301. (F5334-7) Vende-se um modem da claro, 6 meses de uso com cabo USB. Valor R$ 100,00 aceita proposta. Fone:(55)9725-3808.

(F537E-9) Compro engate de carretinha para S10. Fone:(55)91529121. (F537C-7) Vende-se lenha em lasca ou pra lareira. Fone:(55)99999345. (F5371-5) Vendo 2 vestidos de prenda nº 38, 1 saia de armação e uma sapatilha nº 37. Fone:(55)8422-9437. (F536C-9) Vendo mesa de centro e lateral com vidro e madeira na cor bordô. Valor R$ 150,00 ambas. Fone:(55)9116-4053. (F536A-7) Vendo antena de internet via rádio, acompanha antena e rádio. Apenas R$ 250,00 (INSTALADA). Fone:(55)9116-4053.

(F533B-5) Vende-se uma televisão CCE 29”. Valor R$ 300,00. Um aparelho de som marca Philips. Valor R$ 200,00. Fone:(55)91274191. (F532B-7) Vende-se uma geladeira Consul de 410 litros duplex com 3 anos de uso. Valor de R$ 600,00 negocia-se. Fone:(55)8142-7778. (F5331-4) Vende-se locadora de DVDs, c/ 2500 títulos, prateleiras em MDF em bom estado, luminosos, computadores com sistema operacional(cadastro de clientes), apenas R$ 8.000,00 Fone:(55)9165-2680. (F532E-1) Vende-se estante de sala c/02 anos de uso, na cor marfim com fundo espelhado, R$ 300,00. Fone:(55)3333-1283. (F532D-9) Vendo posto galvanizado de 07 m pronto para usar R$ 400,00 Fone:(55)9129-8079.

(F52FF-8) Vendo máquina de costura industrial marca Brother em ótimo estado, valor à combinar. Fone:(55)9164-3339. (F52FD-6) Troco TV Philips 29” a cores, semi nova por um Fogão à Lenha nº 1 Fone:(55)9156-9772. (F52F3-5) Vendo Notebook da CCE DUAL CORE com windows 8, praticamente novo, com um mes e pouco de uso, nota fiscal, garantia de fabrica. Preço otimo comparando se for comprado novo. Fone:(55)9169-1463. (F52F2-4) Vendo churrasqueira giratória a gás de 8 espetos, horizontal com acendedor automático, com nota fiscal, praticamente sem uso. Valor R$ 500,00. Fone:(55)9118-2146. (F52EF-1) Vendo notebook de 14”, CCE, 4GB, 5OOGB, Windows 7, Intelcore, HDMI, Led, Wirelss, Webcam. R$ 1000.00 Fone:(55)9159-4159. (F52EB-6) Compro dois pneus usados semi novos 185/70/14. Fone:(55)9148-4341. (F52E9-4) Vende-se expositores e balcão de farmácia, completo, balança eletrônica, semi-novo. Negocia-se. Fone:(55) 96203679. (F52E3-7) Compro conjunto de estofado 2 e 3 lugares, em bom estado de preferência vermelho azul ou verde pago à vista. Fone:(55)9111-8014. (F52E1-5) Compro tv 21 polegadas ate R$ 100,00. Fone:(55)9103-3897. (F52DF-3) Precisa-se de vendedoras externas Fone:(55)96581821.

ricas, próximo aos principais bancos da cidade, a uma quadra da Praça da Republica. (aluguel acessível ao ponto). Aceito carro. Fone:(55)9972-4425. (F5375-9) Vende-se apartamento no condomínio bela vista, 1 quarto, sala, cozinha, banheiro. Valor R$ 85.000,00. Fone:(55)3332-6707. (F5333-6) Vende-se apartamento no condomínio 3 figueiras e apartamento no condomínio bela vista. Fone:(55)33328836. (F5326-2) Vende-se padaria completa (semi-nova), com todos equipamentos necessários para produção e comercialização de produtos, localizada no município de Sede Nova-RS. O valor é R$ 85.000,00 preferencialmente à vista, negocia-se propostas. Fone:(55)99134204. (F5301-1) Vende-se casa de alvenaria no bairro Glória, 85 m² com 2 dormitórios, 2 banheiros sala grande, cozinha, garagem e lavanderia. Terreno com 12,5 m x 25 m. Ótima localização. Valor R$ 150.000,00 ou aceita-se proposta. Fone:(55)33333961. (F52F5-7) Vendo 100 hectares p/ pecuária, campo grosso c/ pau ferro e arueira, bem gramado e varzeada, ótima aguada e cercada, dividida em 3 invernadas, com água encanada e luz elétrica a 2 km do asfalto de 16 de novembro, R$ 7.000,00 o hectare. Fone:(55)9606-1674. (F52D9-6) Vendo um galpão misto de 514 m2. c/ 2 moegas, balança e maq. de pré limpeza. Situado na saida de Augusto Pestana p/ Esquina Gaúcha. Preço a combinar. Fone:(55)9954-2040. (F52D8-5) Vende-se casa de alvenaria c/ 196 m2 na rua Guilherme Hasse, 1420 em Augusto Pestana. Valor R$ 250.000,00 aceita-se proposta. Fone:(55)9954-2040.

(F532C-8) Vende-se um classificador pré-limpeza HW 8, marca Weiller, semi novo, produção de 250 á 350 sacas/hora. Fone:(55)9152-2080.

(F52DD-1) Vendo sofá 2 e 3 lugares, uma sky, cortinas e varões, uma mesa com 6 cadeiras, uma cama de solteiro, um roupeiro 6 portas e 9 gavetas, um colchão de solteiro e um de casal, um botijão de gás, uma maneca e uma arara. Motivo mudança. Fone:(55)9658-1821.

(F5324-9) Vendo calculadora HP 12c ( financeira ) nova, sem uso, com manual + CD + capa de couro. Valor R$ 120,00. Fone:(55)8105-7963.

(F52DC-9) Vende-se Capota de fibra para F1000, cor prata, em ótimo estado de conservação.E Capota para C10 OU D10, cor preta. Fone:(55)9959-4341.

(F5323-8) Vendo jaqueta texx, tamanho 4XL, preto + prata, 7 meses de uso, proteções removíveis Evolution E.V.A. nos braços, ombros e costas, impermeável, acompanha forração interna extra para frio, ajustes nos braços e cintura. Valor R$ 160,00. Fone:(55)8105-7963.

(F52D5-2) Vendo ou troco aparelho de musculação. Fone:(55)3331-2928.

(F529E-1) Vende-se prédio de alvenaria com 120m, com garagem coberta, piso carga pesada, kit-net anexo, bem localizado, em diagonal a Cotrijuí matriz, prédio de esquina, com aluguel garantido. Fone:(55)8114-5257.

(F52D4-1) Vendo uma talha manual com guincho valor metade de uma nova.Tratar após as 18 horas. Fone:(55)3332-4279.

(F5284-2) Vende-se casa de madeira para retirar do local juntamente com as telhas. Fone:(55) 3308-0421.

(F5313-1) Vende-se climatizador de ar quente/frio MEDEA, 9000 btus, valor á combinar. Fone:(55)9171-2915.

(F52CF-5) Vendo play 2, com dois controles + memoricard + alguns jogos, funcionando perfeitamente. R$260,00 Fone:(55)91370277.

(F5358-7) Vende-se Bicicleta sundown aro 26, 18 marchas, em bom estado. Valor R$ 150,00. Fone:(55)9171-0686.

(F5310-7) Vende-se uma antena de internet via rádio, com suporte e cabo. Valor R$ 50,00. Cunheiras esmaltadas, 50 unidades. Valor R$ 1,50 cada. E pisos de vários tamanhos. Fone:(55)9179-2494.

(F52C3-2) Barbada! Vendo cozinha de madeira marfim, um balcão para pia (1,60mt), um aéreo quatro portas e uma cristaleira. Fone:(55)9985-1750.

(F5281-8) Vende-se uma casa de madeira medindo 7 x 8 mais garagem medindo 8 x 3.50, nova, madeira angelin, terreno de 13 x 30 m. Escriturado, planta, casa. Situado na rua principal do Bairro Santa Fé, em Catuípee localidade de José Maria Mello, nº 164, quase em frente a sede. Aceito carro no negócio. Valor R$ 18.000,00. Fone:(55)9625-1200.

(F5357-6) Vende-se Tablet genesis GT7204, acesso a internet 3G, android 4, google play, com tecla-

(F5305-5) Vende-se Eixo traseiro completo para caminhão Chevrolet e Ford. Eixo Traseiro

(F5369-6) Vendo 1 cama (madeira) de solteiro, sem colchão. Valor R$ 80,00. Fone:(55)9116-4053. (F5368-5) Vende-se computador para gamer em ótimo estado. Intel i7 2.67GHZ, 6GB mem RAM ddr3, placa de vídeo ATI Radeon HD5870 1GB Black Edition, 1,5TB HD sata II, fonte de 800w reais, leitor\gravador de DVD. Valor 2.000,00. Fone:(55)9183-6476. (F5363-9) Vendo estação de musculação, vários exercícios. Valor R$ 600,00. Fone:(55)91572160. (F535F-5) Vende-se uma estante. Valor R$ 200,00. E um rack. Valor R$ 150,00 E uma mesinha de centro. Valor R$ 50,00 ambas na cor mogno, em ótimo estado. Fone:(55)3333-4757. (F535D-3) Vendo jogo de rodas esportivas aro 13 com pneus 2 em bom estado, quatro furos. Valor R$ 500,00. E uma carabina de pressão 5.5 estado de nova. Valor R$ 450,00. Fone:(55)9156-2453.

(F52C2-1) Vendo playstation1, otimo estado, com 1 controle + m/card e alguns jogos. Apenas R$ 120,00. Fone:(55)9199-9278.

(F52D7-4) Vendo um apartamento de 2 dormitorios no residencial Boa vista, valor de R$100,00 pode ser financiado. Fone:(55)3332-4279. (F52A0-3) Vende-se kit-net em Canasvieiras, Florianópolis, 10 quadras do mar, preço de barbada. Fone:(55)8114-5257.

(F526E-7) Vendo loja completa ou somente o ponto, no centro de Ijuí, ao lado de duas loté-

(F525B-6) Vende-se loja, com estoque, no centro de Ijuí próximo a praça da República, excelente ponto, clientela formada, ótimo investimento. Motivo mudança para outro estado. Fone:(55)8426-8250. (F52D3-9) Alugo uma casa de 3 Dormitórios com garagem na Rua 19 de outubro 1223.Valor de R$550,00. Uma sala comercial na rua 19 de outubro próximo ao Colégio 25 de Julho, valor de R$400,00 e outra de R$ 500,00.tratar apos as 18 horas. Fone:(55)3332-4279. (F52CA-9) Alugo casa alvenaria com dois quartos, sala, cozinha, banheiro, garagem e lavanderia, em frente ao centro de lazer esportivo do bairro Storch. Prox ao lar da criança. Toda cercada e murada. R$500,00 Fone:(55)8117-8661. (F52FA-3) Vende-se terreno 10 m x 50 m à rua Jorge Leopoldo Weber, Bairro Modelo. Não financia. Aceita-se carro. Fone:(55) 91945686. (F52E7-2) Vende um terreno 12 X 30, bairro Luiz Fogliato, próximo ao posto de saúde. R$ 40.000,00, aceita trator no negócio. Lindo terreno com água e luz já instalada. Fone:(55)9195-9859. (F52BF-7) Vendo terreno 10 x 30, no bairro Storck, rua Santos Beal. Pronto para financiar pela caixa Fone:(55)9102-1981. (F5241-7) Vende um terreno no bairro Glória, na rua Maranhão com 12x21 metros quadrados. R$ 55.000,00. Não financia. Fone:(55)9155-7629. (E5235-4) Vende-se, Padaria e Confeitaria completa, (seminova) com todos os equipamentos necessários para produção e comercialização. Interessados entrar em contato. Fone:(55)9913-4204. (E5214-7) Vende-se casa na Rua Mariano de Matos 201, Penha Ijuí, com 222 m², suíte c/ banheira, 2 dormitórios, 2 banheiros, cozinha, sala, piscina aquecida, escritório, garagem p/ 2 carros c/ churrasqueira, lavanderia, alarme e aquecedor solar. Valor R$ 600.000,00. Fone:(55)9151-6593. (E520B-7) Vendo casa de madeira para retirar do local, medindo 7 x 11 cobertura de brasilite grosso, 7 janelas e duas portas de ferro, madeira de cerne. Fone:(55)9113-8815. (E5207-3) Vende-se Casa de alvenaria no Bairro Luiz Fogliatto, 06 peças, situada na Rua Alberto Muxfeld, 103. Valor R$ 12.000,00 aceita-se carro no negócio. Fone:(55)9612-4426. (E5205-1) Vende-se Apartamento no residencial Bela Vista, bloco 2, 4º andar, 100% reformado, janelas de alumínio, todo de parque. Com escritura no ato. Fone:(55)9113-7693. (E51F8-6) Vende-se casa mista parte em madeira, na rua Francisco Vanhger n° 81 ao lado do Posto de Saúde Luiz Fogliatto. Valor R$ 90.000,00. Fone:(55)9932-5683.

C Y M K


C Y M K

15

Junho de 2013

(E51F2-9) Vende-se casa de madeira para retirar do local. Preço de barbada. Fone:(55)9928-7986. (E51E5-5) Vende-se Casa localizada no Parque Aquatico Haway, de alvenaria, 2 quartos com sacada, cozinha/sala com churrasqueira e banheiro. Fone:(55)9116-4090. (E51E4-4) Vendo casa de alvenaria, cerca de 120 m², terreno arborizado, 320 m², rua Leão Vercelino 321, bairro Elizabeth, Ijuí. Casa precisa de reformas. Também aceito troca por chácara. Tratar com Uli Fone:(55)3331-2751. (E51DE-7) Vende-se mercado e aluga-se prédio medindo 8x15, bairro lvorada, 240. tratar com Marcos. Fone:(55)9137-8653. (E51DC-5) Vendo casa de alvenaria 3 quartos, sala e cozinha conjugada e banheiro, lavanderia e garagem para 2 carros c/ banheiro na garagem. Garagem e lavanderia falta piso e reboco e forro. Próx. Senai no bairro Glória. Valor R$ 115.000,00. Fone:(55)9179-6065. (E51D8-1) Vendo ótimo Terreno 13 m x 44 m na Rua Manaus, próximo do Hospital Unimed. Fone:(55)8414-7520. (E51D4-6) Vendo ou troco linda residencia de 113 m², com 2 quartos, 1 suite, 2 banheiros, sala, cozinha, lareira,terreno de 780m², pré-lage, gesso com sanca, porcelanato, janelas aluminium, portas intr. sob medida, intertravados, casa nova por R$ 230.000,00 + R$ 60.000,00 divida. Fone:(55)9130-3444.

(E5172-7) BARBADA! Chacara 4,1 ha prox. à Z18, área com casa, galpão, cocheiras, pocilgas, 4 açudes e área irrigada e cadastrada, patio asfaltado, arborizada, estufa, pomare animais, valor R$ 270.000. Porteira fechada vale a pena conferir, aceito troca. Fone:(55)9168-1678. (E516B-9) Vendo casa de alvenaria, no bairro São José de Ijuí. R$ 80.000.00. Fone:(55)9172-7292. (E5153-3) Vendo prédio comercial c/ mercado montado, mais moradia. Prédio de esquina c/sobra de terreno nos fundos. Ótima localização, 2 quadras da Av. Getulio Vargas. Aceita-se carro ou caminhão no negócio. interessados tratar. Fone:(55)3332-1706. (E522A-2) Aluga-se quarto semi mobiliado, cozinha mobiliada, sala e banheiro, para pessoa que trabalha ou estude. Com boa referencias, situado na Rua Pedro Schter, nº 214 Bairro Lulu Ilgenfritz, próximo da APAE e U nijui. Fone:(55)8132-7361. (E51E0-9) Aluga-se apartamento com 2 quartos, sala e cozinha juntos, sem garagem. Bairro Alvorada. Valor R$ 325,00 com 1 mês de caução + água e luz. De preferência sem filhos. Fone:(55)33321465. (E519E-6) Aluga-se 1 apartamento (Ed. Partenonn-Centro, ao lado do SESC, 2 dormitórios, banheiro, sala, cozinha, área de serviço.1 box de garagem. O prédio oferece salão de festa, porteiro 24hrs, zelador e faxineira. É prático e seguro. Fone:(55)9163-3930. (E51A4-3) Aluga-se peça comercial na Av. Alfredo Steglich, peça bem localizada e de esquina, medindo 8 x 10. Fone:(55)91939022.

(E51A6-5) Vende-se prédio comercial e residencial de esquina, 2 pisos, em frente a creche do bairro Alvorada. Aceita-se outro imóvel de menor ou maior valor. Também aceita-se carro como parte do pagamento. R$ 170.000,00 fn. Fone:(55)3332-1465.

(E5179-5) Alugo sala comercial, rua São Francisco, 437, a 50 metros da Fidene. Fone:(55)9144-0090.

(E5196-7) Vende-se sítio à 2 km da BR 285, atrás da Monzan, com 5,5 hectares com casa de alvenaria, galpões, 2 açudes, sanga, terra de plantio, mata nativa, potreiro, chiqueiro e mais animais. Valor R$ 250.000,00. Fone:(55)9147-4503.

(E5151-1) Alugo uma casa, com 1 quarto mais uma suite, garagem para dois carros, com churrasqueira. Bairro Pindorama à meia quadra da avenida 21 de abril. R$600,00. Dou preferência para imobiliária. Fone:(55)9662-4657.

(E5193-4) Vende-se Chácara situada na Linha 3 Norte Chorão, com uma casa, galpão, estrebaria, galinheiro, 100% mecanizada, açude na propriedade. Negocia-se. Fone:(55)9942-9973. (E5173-8) Vende-se casa mista com 2 pisos independentes, terreno medindo 558 m2. Av Alfredo Steglich, 164, bairro São José. Fone:(55)84057731.

(E5155-5) Alugam-se kitnetes na rua Carlos Guilherme Erig, nº 1162, próximo à sede da Unijuí. Fone:(55)8131-5220.

(E51EF-6) Barbada! Vendo Terreno de esquina 14x26, com ótima localização no bairro Thomé de Souza, plano, pode ser financiado. Fone:(55)9694-1125. (E51D7-9) Vende-se um terreno no bairro Luis Fogliato, pertinho do posto de Saúde. Não financio pela CEF mas estudo financiamento particular. Aceito carro no negócio, pode ser de maior ou menor valor. Documentos em dia. Fone:(55)9148-4341.

Fone : 3332 - 1366 /9109-6009 9176.6885

Rua do Comércio, 806 - Ijuí/RS


16

Junho de 2013

AGRICULTURA

Dia de campo em Porto Xavier aborda cana-de-açúcar como alternativa alimentar e energética Município possui a única usina de etanol do Estado

O

município onde está instalada a única usina de produção de etanol do Estado sediou a retomada do foco de atenção à importância da cana-de-açúcar para a agricultura familiar. Em Porto Xavier, estão cultivados 1.080 dos cerca de 8 mil hectares de cana-de-açúcar plantados nos 45 municípios de abrangência da Emater/RS-Ascar, na região administrativa de Santa Rosa. Diante deste cenário, foi realizado um dia de campo sobre a cana-de-açúcar como alternativa alimentar e energética. A intenção foi de divulgar e quebrar os paradigmas inerentes à cultura da cana-de-açúcar, motivar a ampliação da área de cultivo e divulgar as potencialidades com aplicação de novas tecnologias. Desde o melado até o biocombustível dependem desta importante matéria-prima, que resulta do trabalho dos agricultores familiares.] Durante o dia, foram realizadas diversas oportunidades de acesso à informação e de debate. Entre elas, aconteceu a apresentação do histórico e dos objetivos da Coopercana e explanação sobre possibilidades de acesso ao crédito, seguro e zoneamento agrícola. “Nos últimos anos ampliou de 7 para mais de

40 culturas seguradas pelo PROAGRO, entre elas, a cana-de-açúcar. A partir deste ano, todas as operações de busca de financiamento ou seguro acima de 5 mil reais, terão que ser encaminhadas mediante apresentação de análise de solo. O agricultor só pode plantar as cultivares que constam no zoneamento”, enfatizou o assistente técnico estadual da Emater/RS-Ascar na área de crédito, Cezar Henrique Ferreira. Os presentes puderam conferir também palestra sobre o panorama geral da cana-de-açúcar, à cargo da Embrapa. E, na parte da tarde, foram realizadas visitas a campo, onde foram conhecidas novas técnicas de plantio de cana-de-açúcar, recomendações de novas variedades de cana-de-açúcar, demonstração de colheita mecanizada e apresentação do sorgo sacarino como fonte para produção de etanol. “O cultivo de cana-de-açúcar é uma atividade que historicamente foi importante para a agricultura familiar, por isso merece atenção. O evento foi realizado diante da necessidade de buscar conhecimento e estratégias para que a atividade cresça de uma forma sustentável”, destaca o gerente regional da Emater/RS-Ascar Amauri Coracini.

• O fortalecimento por meio do cooperativismo - O cooperativismo é uma importante forma de fortalecer os agricultores familiares. Sozinho, pouco se consegue. Em grupo, as dificuldades são mais facilmente superadas e as conquistas compartilhadas. Neste contexto, Porto Xavier tornou-se referência na produção de cana-de-açúcar e associativismo entre produtores. Segundo a presidente da Cooperativa dos Produtores de Cana de Porto Xavier (Coopercana), Marina Theis Kohl, “com os resultados que estão sendo colhidos e ampliação do conhecimento é possível estar cada vez mais convicto da viabilidade e da facilidade de plantio da cana-de-açúcar e do sorgo sacarino”. A produção dos 287 associados da Coopercana abastece a única usina de etanol do Rio Grande do Sul, além de fornecer matéria-prima para agroindústrias de melado e açúcar mascavo. A perspectiva é de que, a partir dos resultados da safra de 2013, sejam produzidos cerca de 7 milhões de litros de etanol. Durante o evento, a presidente da Cooperativa, o prefeito de Porto Xavier, Paulo Sommer, e

o delagado da Receita Estadual, Jorge Maronese, assinaram o termo de ajuste para acesso ao incentivo de crédito presumido concedido aos produtores de etanol, pelo decreto 50.348 do Governo do Estado. “A intenção é consolidar a produção de álcool com incentivos fiscais, neste caso, com o retorno de 48% do ICMS aos cofres da cooperativa para investimento na qualificação de seus processos. Nesse primei-

ro ano de adesão da Coopercana o montante vai representar em torno de 900 mil reais”, destacou Maronese. O Dia de Campo sobre cana-de-açúcar foi promovido pela Coopercana, em parceria com Unidade de Cooperativismo da Emater/RS-Ascar, Regional de Santa Rosa, escritórios municipais da Emater/RS-Ascar e prefeituras de Porto Xavier e de Roque Gonzales.

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA

Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica deve ser lançado em junho

D

urante entrevista ao Programa Conexão Ciência, coordenador de Agroecologia do Mapa defendeu adesão do produtor à praticas sustentáveis. O coordenador de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Rogério Dias, participou do Programa Conexão Ciência da TV NBR e falou sobre o sistema orgânico de produção. Segundo ele, o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica deve ser lançado ainda este mês pelo Governo Federal. A produção orgânica vegetal e animal se caracteriza pelo uso responsável dos recursos naturais. Durante o processo não se utilizam agrotóxicos, adubos quí-

micos ou substâncias sintéticas. Rogério Dias explica que o objetivo é produzir em parceria com a natureza e não contra a natureza. “Dentro da agroecologia existe uma visão do completo, da paisagem, do espaço em que estou. O que se deseja é que o produtor incorpore gradativamente as práticas nesse processo, que a gente chama de transição agroecologica”, salientou. Sobre o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, Dias fala que vários atores do governo estarão envolvidos para preparar as diretrizes estabelecidas pela Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PNAPO), instituída em agosto de 2012 pela Presidência da

República. “São dez ministérios, mais as vinculadas como a Conab e Embrapa. Cada um dentro dos seus espaços de atuação. As ações do governo precisam estar integradas”, disse. Para ele, é preciso um conjunto de medidas, de curto, médio e longo prazo. “A Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica é uma forma do Governo mostrar que reconhece a importância do desenvolvimento sustentável no país. Estamos nos preparando para lançar em junho o primeiro plano nacional, que deixará claro quais são as iniciativas, o que vai ser feito, quem vai fazer, quanto dinheiro vai ser disponibilizado e quais são as metas para que a sociedade possa cobrar”, ressaltou.

C Y M K


C Y M K

Junho de 2013

17


18

Junho de 2013 (F5341-2) Vendo Golf ano 1997, GL, champagne, ar, direção, 4 portas. barbada. Valor R$ 7.500,00 FIPE é R$ 11.000,00. Fone:(55)3333-4913. (F533A-4) Vendo Fusca, 80/80, azul, em ótimas condições. Vale a pena conferir. Fone:(55)99594341.

(F5376-1) Vendo Kombi 96 envidraçada, ótimo estado, documentação ok, somente a vista. Fone:(55)9175-6559.

(F534B-3) Vende-se Kombi 89 motor 1.6 com alternador e setor novo em ótimo estado, documentos em dia. Valor R$ 6.500,00. Fone:(55)9134-5758.

(F52F1-3) Vendo Logus GLSi 2.0, AP, 94/94, Prata, completo, muito inteiro, valor R$ 9.500,00. Fone:(55)9982-4467.

(F52DE-2) Vende-se Golf 1.6, 2003, Prata, completo, com air-bags, rodas 15 originais de liga leve. Ótimo estado de conservação. Fone:(55)9959-4341.

(F536F-3) Vende-se Saveiro Trend 1.6 cabine estendida, branca, ano 2013, completa de tudo, caminhote semi nova, com menos de 18.000 KM, garantia até 2015. Fone:(55)9969-8080.

(F5355-4) Vendo Golf GLX ap 2.0 ano 95 completo, alarme, trava, vidros elétricos, interface, ar quente e frio, direção hidráulica, suspensão e correia dentada nova com nota, IPVA 2013 pago. Valor R$ 11.000,00 se for a vista negocia-se. Fone:(55)91259645.

(F52FC-5) Vende-se Gol 1.8, ano 90, completo, r.l.l em ótimo estado. R$ 7.500,00, aceita-se moto no negócio. Fone:(55)91176096.

(F52E8-3) Vendo Gol CL 1.6, ano 93, gasolina, 5 marchas, branco, roda esportiva, documentação em dia. Valor R$7.900,00 Fone:(55)9926-9805.

(F536D-1) Compro Gol G5, que aceite carro de menor valor na troca (UNO). Fone:(55)91484572.

(F536B-8) Assumo prestação de Gol/2000 em diante. Valor até R$ 350,00 mensais. Fone:(55)9116-4053.

cor vermelha, 4 portas. Valor R$ 16.500,00. Fone:(55)96839008.

(F5339-3) Vende-se ou troca-se Fox 2005, 4 portas, regulagem de banco motorista, direção escamoteável, pneus novos, IPVA 2013 pago, vidro elétrico, 4 portas. Valor R$ 16.900,00 mais 14 parcelas de R$ 316,19. Fone:(55)8404-1707. (F531C-1) Vendo Gol GTS 1.8, Ano 89, Completo, em ótimo estado, Aro 15 de liga leve com 4 pneus novos, pintura e interior impecáveis. Valor R$ 8,500,00. Fone:(55)8452-6707. (F5311-8) Vende-se Gol geração 3, ano 2005 básico, na

(F52CD-3) Vende-se Gol, 1.0, CHT, ano 94, Ipva 2013 pago, 4 pneus novos, em perfeito estado. R$ 7.800,00. Aceita-se troca menor valor Fone:(55)91242283. (F52CB-1) Vende-se Gol, 1.0, 8v, ano 2002, Ipva 2013 pago, com chave reserva, 2º dono. Em ótimo estado, aceita-se troca menor valor. Fone:(55)91242283. (F52BA-2) Vendo Gol 2001 MI básico. Preço de FIPE R$ 12,000,00. Sem troca. Fone:(55)9943-3295. (F52AF-9) Vendo Golf Generation, 1.6, prata, ano 2005/05, completo, Ar Digital, alarme original, vidro e retrovisores

elétrico, volante escamoteável, direção hidráulica, bancos em couro. IPVA 2013 Pago. Tabela FIPE R$ 25.900,00. Fone:(55) 9147-5752.

(F5245-2) Vendo Voyage LS ano 84 muito inteiro segunda dona cor cinza tudo em dia.Valor R$ 4.500,00 Fone:(55)99854783.

(F529B-7) Vende-se Pointer CLI, 1.8, quatro portas, branco, ano 95.Valor R$7.000,00. Aceita-se moto de menor valo. Fone:(55)9191-1373.

(F5243-9) Vendo gol G3, por fora e dentro, 8 válvulas, 1.0, ano 2001, branco, ipva pago, muito bom, básico. R$12.000,00 Fone:(55)8109-7050.

(F5295-1) Torro Gol Star, 1.8s, bancos e motor em bom estado, precisa de alguns reparos na pintura, mas no geral ótimo de estrutura, sem massa. Carro lacradinho, R$ 4.000,00. Fone:(55)9906-4640.

(E5230-8) Vende-se Gol G-5 1.0 Preto 09/10 com apenas 17.000 Km, som, alarme e trava elétrica. Único dono. Valor R$ 23.800,00 a Vista. Fone:(55)9116-7516.

(F5294-9) Barbada Gol 1000, 93, branco, rodas esportivas, super econômico, suspensao na garantia, interior e motor em bom estado. Alguns reparos na lataria, mas no geral em bom estado. R$ 5.700,00. Aceito moto Titan. Fone:(55)99064640. (F5271-1) Vendo gol, 1.0, 16v, 77cv, modelo 2005, 4 pneus bons, carro em ótimo estado de conservção , baixa km, cor preta, valor R$ 15.900,00 Fone:(55)3331-2985. (F525A-5) Vendo Gol ano 90 azul metálico, IPVA 2013 pago, possui spoilers laterais, dianteiro e traseiro, motor 1.6 CHT á gasolina. Valor R$ 5.500,00 a vista. Fone:(55)8139-3732. (F524A-7) Vende-se Gol Bolinha 98/99, 1.0, 8V com alarme,VE, TE e rodas de liga, em ótimo estado. Fone:(55)9962-4889.

(E522E-6) Barbada Gol 99, branco, 4 portas, rodas, 2013 pago, super inteiro, mecânica em dia, bom de pneu, placa I. A Fipe é R$ 10.500,00. À vista faço R$ 9.500,00 ou troco por carro mais novo popular com AR, Fipe por Fipe. Fone:(55)9133-2529.

(55) 3331.6000

C Y M K


C Y M K

19

Junho de 2013

(F5364-1) Siena 1.0 Celebration 2008, ar condicionado, Airbag duplo, direção hidráulica, vidros e travas elétricas, 4 portas, som, alarme, rodas aro 14, carro na cor Cinza. Fone:(55)9964-4582. (F5304-4) Vende-se Fiat Uno 1.5 CS, ano 92, 4 pneus novos, veículo em bom estado. Fone:(55)9168-2306. (F52CC-2) Vende-se Fiat, 93, 1.5, ingeção eletronica, em ótimo estado. R$ 5.200. Fone:(55)91242283. (F52C9-8) Vendo Palio ELX 2006, 4 portas, direção H, alarme, tra-

va elét., rodas de liga 14, computador a bordo, abridor de porta malas e tanque interno, motor 1.0 a gasolina, com manual. Preço bem abaixo da fipe R$ 16.000,00 a vista, sem troca. Fone:(55)91452167. (F5283-1) Vendo Uno, 2000, dois pneus novos, 4 amortecedores novos, Preço da FIPE. Aceito troca por carro de maior valor ( de preferencia completo ). Fone:(55)9148-4572.

(E51A3-2) Vende-se Fiat Uno 2 portas, 98 ótimo estado 4 pneus novos, bateria nova, ar quente, desembaçador e limpador traseiro, alarme. Vendo ou troco por carro de maior valor já financiado, assumo divida pode estar com parcelas atrasadas. Fone:(55)9109-6964. (E5192-3) Vendo Uno EX 99/00, dois pneus novos, amortecedores novos, em ótimo estado. Troco por carro de mais valor. Fone:(55)9148-4572.

(F5267-9) Vende-se, Fiat Fiorino, ano/modelo 96, verde, pick-up, R$ 12.900,00, e GM/Marajó, ano 87, motor, caixa e pneus novos. R$ 4.700,00. Fone:(55)91559955.

(E5198-9) Vende-se Fiat Uno Smart 2000/2001. IPVA 2013 pago. Fone:(55)9169-2336. (E517E-1) Vende-se Uno IE, 96, injetado, branco. R$ 5.900,00. Fone:(55)9154-9162.

(E51A5-4) Vende-se caminhonete furgão Fiat Uno Fiorino Furgão, 1.5, bege, 1991, gasolina Valor R$ 5,500,00. Fone:(55)3332-1465.

(E517D-9) Vende-se Uno Mille, ANO 92/93, ótimo estado, motor novo, gasolina. R$ 5.900.00 Fone:(55)9154-9162.

(E515A-1) Vende-se ou troca-se Siena bordô, 2008, completo. Carro super inteiro, preço a negociar. Fone:(55)8409-0632. (D5141-3) Vendo Fiat Strada ADV completa 2007, IPVA ok, carro único dono. Valor de FIPE R$ 26,500,00. Sem troca. Fone:(55)9659-0051. (D5101-2) Vendo Palio EX ano 2000, 4 portas, vidro elétrico, alarme trava, ar quente, carro muito inteiro. Valor R$ 12.000,00. Fone:(55)91668868. (D50E2-7) Barbada. Vendo uno mile Economic, fire, flex, 1.0, 2010/2010, 2 portas, branco, com 50.000 km, todo revisado. Valor R$ 17.000,00. Fone:(55)9154-2383. (D50DE-3) Barbada da sema-

na! Vendo ou troco Tempra serie ouro 8v prata fosco, suspensão esportiva, em bom estado,aceito moto shineray 200 ou kasinski comet na troca ou carro de meu interesse fone Fone:(55)91141760. (D50D4-2) Vendo camioneta Fiat Fiorino ano 88 1.5, a gasolina. Valor R$ 6.200,00. Fone:(55)91540716. (D5082-1) vendo Uno branco, 86, bom de pneu, documentos ok. R$ 4.000,00. Fone:(55)9156-3226. (D5077-8) Vendo Fiat Palio Celebration Fire Economy 2010 completo, 4 portas, cor branca, ótimo estado. Fone:(55)9963-8657. (D506F-9) Vende-se Fiat/Uno Eletronic 93/93, Cor Azul. ótimo estado de conservação, vale a pena conferir. Fone:(55)9959-4341.


20

Junho de 2013

C Y M K


C Y M K

2121

Junho de 2013 PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL

Mapa padroniza coleta de amostras de produtos de origem vegetal Publicação segue recomendações da legislação do PNCRC e regras internacionais

O

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) lançou o Manual de Coleta de Amostras do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal. A publicação tem por objetivo definir as diretrizes técnicas que devem ser seguidas durante a coleta de amostras que serão analisadas pela Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários, constituídas pelos Laboratórios Nacionais Agropecuários (Lanagros) e laboratórios credenciados que participam da execução do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC).

Além de estabelecer os procedimentos para a coleta, acondicionamento e envio de amostras aos laboratórios, também são padronizadas as ações específicas que devem ser adotadas na coleta de amostras destinadas à monitoria de resíduos de agrotóxicos, contaminantes biológicos (micotoxinas) e para a determinação de Salmonella. A publicação, disponível no site do Ministério da Agricultura, padroniza os procedimentos de coleta de acordo a Instrução Normativa N° 42, de 2008, e segue também as recomendações internacionais do Codex Alimentarius. Para o coordenador de Resíduos e

Contaminantes, Leandro Feijó, “o manual vai harmonizar os procedimentos de coleta de amostras em todas as unidades federativas, cumprindo com o compromisso do PNCRC/ Vegetal de estabelecer procedimentos padronizados, e permitirá que o setor produtivo privado possa utilizar os critérios oficiais de coleta em seus programas de autocontrole”. Produzido em formato de fichário, para facilitar as atualizações em seu conteúdo, a publicação será distribuída para as unidades descentralizadas do Mapa e divulgada em países integrantes da União Europeia e da Organização Mundial do Comércio.

LAGARTA

Monsanto diz que Intacta RR2 Pro é resistente à helicoverpa Testes realizados por pesquisadores em todo o Brasil apontam a eficiência da nova tecnologia no combate da praga que está assustando produtores de soja

O

s problemas que envolvem a multinacional Monsanto, produtores rurais e o pagamento de royalties sobre a patente da soja RR1 nem foram solucionados, mas a companhia já tem outra novidade. Ou pelo menos, garante que tem. A segunda geração dos grãos modificados geneticamente, a RR2, seria resistente à temida helicoverpa armigera, praga que só na região Oeste da Bahia fez um estrago de R$ 1 bilhão nesta safra. Após realizar testes em várias regiões do Brasil, a Monsanto diz que já tem subsídio para garantir que a tecnologia Intacta RR2 Pro, desenvolvida ao longo dos últimos 11 anos, com foco

no mercado nacional, é resistente ás lagartas helicoverpa. De acordo com os pesquisadores, nas áreas dos agricultores que experimentaram a tecnologia (a convite da empresa na safra 2012/13), em 14 estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Maranhão, Bahia, Rondônia, Piauí e o Distrito Federal), não foram verificados danos causados pela praga. A companhia já havia afirmado que a segunda geração da Intacta oferecia controle a quatro das principais lagartas que atacam a soja, a falsa medideira, a broca das axilas, das maçãs e a

dos ponteiros. Agora, também à helicoverpa. Na última safra nacional, ela foi a praga mais temida pelos agricultores. “Além de causar desfolha nas plantas de soja, ela causa danos diretos na produtividade ao se alimentar de flores e vagens”, explica Geraldo Berger, diretor de Regulamentação da Monsanto. Segundo dados da consultoria Kleffmann, o número médio de aplicações foliares com inseticidas para o controle de lagartas na cultura da soja no Brasil aumentou de 3,6 aplicações por hectare na safra 2010/2011 para 4,6 aplicações por hectare na safra 2012/13, levando a um aumento no gasto por hectare de inseticida de 107% em dois anos.

Multinacional já havia comprovado resistência às principais lagartas que atacam lavouras de soja, como a Falsa

Fetag considera insuficientes medidas do Plano Safra

M

esmo reconhecendo avanços no Plano Safra da Agricultura Familiar, anunciado pelo governo federal, como o aumento do volume de crédito de R$ 18 bilhões para R$ 21 bilhões, o incremento do limite de renda para enquadramento no Pronaf, que passou de R$ 320 mil para R$ 360 mil/ano, a elevação do limite de custeio e investimento, além da criação da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), o

presidente da entidade da Fetag, Elton Weber, destaca que pontos centrais e estratégicos da pauta do Grito da Terra Brasil 2013 não foram atendidos. “As medidas anunciadas são tímidas e não satisfazem as necessidades dos agricultores familiares”, ressalta. O dirigente acredita que em relação a ampliação das políticas de garantia de renda, o Plano Safra decepcionou, uma vez que o Programa de Seguro Agrícola (Proagro Mais) não avançou em

relação à safra passada, já que continua amparando apenas o valor financiado e até 65% da renda líquida limitado a R$ 7 mil. Outro programa importante na visão do dirigente, o PGPAF – Programa de Garantia de Preços da Agricultura Familiar continua assegurando apenas as operações financiadas, além de em muitos casos não cobrir sequer os reais custos de produção. Em relação à criação da modalidade do PGPAF Mais, anunciada pelo governo, ele avalia

que não tem por finalidade a garantia de renda para a agricultura familiar como um todo, visto que é o próprio governo quem define qual os produtos que devem ter o benefício como forma de garantir o abastecimento interno e, com isso, contribuir para o controle da inflação. Diante deste contexto, a Federação reunirá as suas regionais sindicais para avaliar as medidas anunciadas e definir ações futuras visando a retomada dos pontos não-atendidos.


22

Junho de 2013 (F5352-1) Vende-se Celta ano 2004, 4 portas, cor vermelha. Valor R$ 15.000,00. Fone:(55)91014785.

(E520E-1) Vende-se Ford Verona 94 1.8. Aceita-se troca por carro mais novo. Fone:(55)9200-8804. (F5361-7) Vendo Belina Del Rey ano 85 placa IDY-5459. Por R$ 2.000,00 necessita reparos na lataria. Aceito material de construção. Fone:(55)9199-9296. (F5345-6) Vendo ou troco Versailles ano 92, 4 portas, direção hidráulica, carro em bom estado. Preço á combinar, aceita-se moto no negócio. Fone:(55)91171116. (F5335-8) Vende-se uma Ford Belina modelo I, ano 76 cor verde, boa de motor e caixa, excelente opção para quem gosta de pescaria ou caça. Valor R$ 1.600,00 motivo da venda desocupar espaço. Fone:(55)9100-6307. (F5330-3) Vende-se Escort Hobby ano 94, ótimo estado R$ 5.500. Fone:(55)9963-9065. (F532F-2) Vende-se F-1000, ano 90 c/ carroceria de madeira motor MWM, reformada R$ 28.000,00, aceita-se troca. Fone:(55)99639065. (F52A3-6) REPASSE - Fiesta 1.0, GL, Rocam, 2001, manual e chave reserva, 2º dono, prata 2p., excelente oportunidade. R$ 9.000,00, somente venda. Fone:(55)8109-0123. (F528B-9) Vende-se Verona, 1.8, 4 portas, em ótimo estado, R$ 8.000,00. Aceita-se moto de menor valor na troca. Fone:(55)9130-3646. (F5261-3) Vendo Del Rey ano 89 cor dourada, direção hidráulica, carro em bom estado. Valor R$ 4.500,00. Fone:(55)9926-9805.

(E5203-8) Vende-se F- 4000 ano 84, estado de nova. Fone:(55)9955-5596. (E51FD-2) Vendo caçamba de lata para F-1000, até 91, modelo antigo, caçamba em ótimo estado, branca com santo antonio. R$: 1.500,00 aceito trocas. Falar com Sanderson Fone:(55)91174777. (E51F0-7) Vende-se Focus Prata, 2003, completo, alarme, ar, vidros e travas elétricas, antifurto, carro muito lindo, aceito troca e negocio pagamento. Fone:(55)9156-1952.

(F5382-4) Vende-se Montana 1.4 Flex 2009 completa, em ótimo estado. Cor branca. Fone:(55)81330807. (F5381-3) Vende-se Montana 1.4 Flex, ano 2009, encontra-se em ótimo estado, vidro elétrico, trava elétrica, alarme, direção hidráulica, preta. Fone:(55)8133-0807.

(F5321-6) Vendo Corsa sedam 2000, azul metálico, 4 portas, trava elétrica, básico. Valor R$ 13,500,00 aceito moto. Fone:(55)9652-588. (F5312-9) Vende-se Kadett SLE ano 89, á gaz. doc. 2013 ok, cinza com alguns reparos por fazer R$ 4.500,00, estudo proposta Fone:(55)8417-7720. (F5306-6) Vende-se Omega GLS ano 96/97, á gasolina, na cor preta, 6 cilindros, motor 4.1, ar condicionado, direção hidráulica, teto solar, vidro elétrico. Valor R$ 14.000,00. Fone:(55)9937-8719.

(E51EE-5) Vende-se Escort Hobby, ano 95, 1.0, super inteiro, aceito moto Honda ou Yamaha até 150cc. Fone:(55)9151-3035.

(F5300-9) Vende-Se Corsa Ano 1998, Branco, Básico, já financiado. Entrada de R$ 6.000,00 + 20 X R$ 307,00. Aceito proposta. Fone:(55)9110-5615.

(E51D5-7) Vendo corcel I, original, 77/77, série luxo, inteiro, revisado, a gasolina. Fone:(55)9175-0893. (E5190-1) Vende-se focus 1.6 flex 2009, impecável, 4 Pneus novos e IPVA 2013 pago. Fone:(55)8115-6536. (E517C-8) Vende-se Escort, ano 2001, GLX, completo, rodas 15, som mp3. R$ 8.900.00. Fone:(55)9154-9162.

(F5374-8) Vendo Astra 1.8 Sedan 99/00 completo, recebo veículo até R$ 8.000,00. Fone:(55)91756559.

(E516F-4) Vende-se Ford Del Rey, GL, 1.8, Motor AP, ano 90. R$ 3.500,00. Fone:(55)91366995.

(F5373-7) Vende-se C10 ano 73, estado regular. Valor R$ 6.000,00. E uma gabine para C10. Valor R$ 2.500,00. Fone:(55)9187-5312.

(E5160-7) Vendo Fiesta ano 98, duas portas, rodas esportivas, alarme e trava, acompanha aparelho de som. Fone:(55)91267575.

(F5372-6) Vende-se C10 ano 75, carroceria de madeira, em bom estado. Valor R$ 9.000,00. Fone:(55)9187-5312.

(F52FE-7) Vende-se ou troca-se Vectra GLS, prata, ano 2000, super inteiro, todo revisado, nunca foi batido, placa IJP 7719 R$ 18 500,00 á vista e R$ 20.000,00 na troca. Fone:(55)9134-9030. (F52E0-4) Vende-se Monza, 1.8, EFI, 93/94, vermelho, alarme, trava, roda esportiva. Ótimo estado de conservação. Fone:(55) 99594341. (F52D6-3) Vendo um kadett, 1996, cor preta,valor de R$8.000,00. Fone:(55)3331-2928.

(F52CE-4) Chevrolet S10 advantage, flex power, completa, 2010, 50.000 km rodados, freio ABS, GPS, som com dvd, santo antônio, estrivo e protetor de caçamba. Fone:(55) 8117-0526. (F52C8-7) Vendo corsa super MPFI, ano 97, trava elétrica, vidros elétricos, alarme, som, limpador traseiro. Valor R$ 9.500,00. Fone:(55)9154-9594. (F52BD-5) Vende-se Chevette 84, motor 1.6 novo baixa quilometragem (com notas), kit interface (vidro, alarme, trava, vácuo, desliga o som), Legalizado (xenom e rebaixado), 4 pneus meia vida, interior novo, (com detalhes). A negociar Fone:(55) 9193-9433.

C Y M K


C Y M K

23

Junho de 2013 (F5298-4) Vendo Corsa Classic, 2008, 4 portas. Fone:(55)91584494. (F524C-9) Vendo Chevette SL ano 87/88 verde metálico em ótimo estado, pneus novos e roda esportiva multi furo. Fone:(55)96565389.

Máquinas Implementos Agrícolas

Caminhões (E5237-6) Vendo Ford F600, 1979, graneleiro, toco, azul, motor caixa diferencial e freios revisados, bonito caminhão, vale a pena conferir. Ajuricaba-rs. Fone:(55)9136-9743.

(F5248-5) Vende-se Kadet GL, ano 93, á gas. injetado, em ótimo estado, alarme e rodas esp. IPVA 2013 pago. Fone:(55)9175-0893.

(E5232-1) Vende-se Trator Massey cinquentinha, totalmente revisado, pneus em ótimo estado, funcionamento perfeito. Fone:(55)3332-6450.

(D5134-8) Vende-se Caminhão 19-35 Caçamba, todo revisada, rodando e em ótimo estado de conservação. Valor R$ 130.000,00 mais um saldo financiado. Fone:(55)3332-9975.

Vende-se Toyota Hilux 4x4, carroceria de madeira, branca, impecável - revisada - ano/ mod 2007 - (55) 3333.4650 / 9172.4182

(D50F5-8) Vendo ou troco. Trator M.F 660 ano 95, 4x4, 150cv, em excelente estado de mecânica. Recebo, carro, camioneta, caminhão, trator, pulverizador ou Implemento. Fone:(55)9670-6006.

(D511A-9) Vende-se 608 D, ano 76, com a caixa feita nova a 1 mes, com boiadeira em maneira, funcionando perfeitamente. R$ 30.000,00 a vista, aceita-se carro na troca no valor de ate R$ 15.000,00. mais detalhes 55 9152 6759 ou 55 9181 8107 Fone:(55)91818107.

(D50F4-7) Vendo ou troco, Plantadeira Stara Sfil, modelo PSMT 9521, contendo 22 linhas de inverno e 9 linhas de soja. Reformada. Recebo carro, camioneta, trator, implemento, pulverizador e plantadeira. Fone:(55)96706006.

(D5104-5) Vendo VM 23 240, entrada de R$ 75.000,00 assume 19 x de R$ 2.073,00 ou R$ 110.000,00 a vista, aceito troca por carreta ou carro. Fone:(55)8111-2660.

Implementos Novos: ( Lista de preços SEM REAJUSTE! )

- Raspo Transportador mod. 2000 marca IBL. - Twister 1500 STARA ano 2011, com taxa variável. - Pulverizador Condor AM-14, 800Lt, com barra automática de 14m, ano 2011. - Plantadeira STARA, mod. 3150 7/7 linhas. - Plantadeira STARA, mod. 3150 7/8 linhas. - GPS marca STARA mod. TOPER 4500. -Semeadeira de trigo STARA mod. Ceries Master, 20 linhas -Semeadeira de trigo STARA mod. Ceries Master, 22 linhas -Distribuidor de ureia duplo STARA mod. Tornado 1300 geração IV

Implementos Usados:

- Plantadeira SFIL Hi-Tech geração 2, ano 2000, 10/9 linhas. - Plantadeira SFIL 6 linhas 5300, ano 97, hidráulica. - Plantadeira SFIL Hi-Tech geração 2, ano 2000, 12/11 linhas. - Plantadeira EICKHOFF 6 linhas, com rotor, hidráulica. - Pulverizador Advanced 3000Lt, barra com 24m, automático. - Distribuidor de ureia NOGUEIRA, mod. Rota Flw RS-N, ano 2002. - Classificadores de Semente marca WEILLER, mod. HW 4, e HW 12. - Pulverizador Autopropelido c/ Ford 6610 e Colubia Cross 2000Lt, 18m de barras. - Plantedeira GHIAL c/ 17 linhas de trigo e 8 linhas de soja, ano 2003. - Plantadeira IMASA, para trigo, c/ 20 linhas, revisada. - Plantadeira LAVRALE, para trigo, c/ 16 linhas, reformada.


24

Junho de 2013

C Y M K


C Y M K

Junho de 2013

25

TRIGO

O que esperar do trigo em 2013 A área de trigo no Brasil deverá crescer 5,9% em relação ao ano passado, mas o incremento na produção deverá chegar a 19,6%

A

estimativa considera um possível aumento no rendimento médio das lavouras depois da quebra de 30% na última safra. Clima e preço favoráveis constroem o cenário positivo da triticultura em 2013. Nesta safra, o Brasil deverá retomar a média histórica de produção de trigo, entre 5 e 6 milhões de toneladas. Segundo levantamentos de intenção de plantio, a área que começou a ser semeada em abril e se estende até julho deverá contar com pouco mais de 2 milhões de hectares (ha), apontando crescimento da área semeada nos estados do Paraná (+10,5% com 897 mil ha), Minas Gerais (+10,2% com 23,7 mil ha), Santa Catarina (+5% com 66,6 mil ha), Goiás (+4,5% com 9,4 mil ha) e Rio Grande do Sul (+3,8% com 1.027 mil ha). O rendimento médio esperado sobe de 2.260 kg/ha em 2012 para 2.700 kg/ha em 2013. Em SC, o crescimento deverá ser acompanhado de maior investimento pelo produtor. A razão apontada pela economista da Epagri, Márcia Cunha, é o bom preço do cereal no início dos plantios de inverno. “Em algumas regiões encontramos novos silos em construção destinados ao armazenamento do trigo. Mas ainda é cedo para projeções, pois tudo pode mudar em função dos preços dos insumos e da cotação do cereal”, avalia Márcia Cunha. De acordo com a Embrapa Trigo, o ganho genético nas lavouras de trigo tem sido de 50 kg/ha ao ano, refletindo nas lavouras que passaram de 2.000 para 2.500 kg/ha na última década, exceto em anos de frustrações climáticas como 2003, 2006 e 2012. Hoje, o produtor dispõe de mais de 106 cultivares de trigo (com sementes disponíveis no mercado e registradas no MAPA) para cultivo nas em três regiões

tritícolas e adaptadas às mais diversas realidades e padrões tecnológicos. Conforme o pesquisador Pedro Luiz Scheeren, “a pesquisa está oferecendo o que existe de melhor em termos de genética. O produtor está cada vez mais profissional na condução da lavoura. Neste cenário, eu acredito que, nos próximos dez anos, o Brasil será competitivo no mercado internacional de trigo. O mundo olha para nós com especial atenção, pois sabe do nosso potencial de crescimento e inovação”.

•Clima - O clima que prejudicou o trigo na última safra não deverá se repetir neste ano. Segundo o agrometeorologista da Embrapa Trigo, Gilberto Cunha, a tendência, em função dos grandes indicadores globais, é de uma condição climática normal em 2013. As chances de El Niño, trazendo excesso de chuva na primavera, são baixas. Este cenário indica menor incidência de doenças e melhor qualidade do produto colhido. Contudo, o pesquisador ressalta que, mesmo não sendo possível prever como será o tempo na época de colheita e quando exatamente ocorrerão as geadas, principais intempéries que representam riscos à cultura, “a antecipação de que não deveremos ter El Niño nessa safra é uma boa notícia para os triticultores do sul do Brasil”, e recomenda: “o produtor deve seguir o zoneamento agrícola, fazer escalonamento de semeadura com diferentes cultivares, investir em adubação e tratamento fúngicos conforme necessidade, enfim, zelar pelo manejo da lavoura do começo ao fim da safra”, orienta Cunha. Outra recomendação da pesquisa ao produtor é semear apenas o que terá capacidade de colher: “se eu posso plantar 50 hectares por dia, é porque minha

capacidade é para colher 50 hectares num único dia. O que acontece, muitas vezes, é que o trigo é plantado todo num dia, mas a colheita pode levar até uma semana. O cereal fica pronto para colher, mas acaba estragando enquanto espera na lavoura”, alerta o pesquisador Pedro Scheeren.

•Preços - Em 2012, a redução da produção mundial e a queda de rendimento e de qualidade do trigo no RS resultaram em pressão positiva sobre os preços, ultrapassando R$700,00/t. Fatores como o consumo (681,0 milhões de t) maior que a produção (653,6 milhões de t), resultaram em uma relação estoque/consumo de 26%, a menor observada nos últimos três anos, e, juntamente ao aumento de preços de milho e soja e restrições de exportações em alguns países, impulsionaram os preços no final de 2012. “Os preços internos têm forte influência dos preços do mercado internacional, seguindo um padrão de evolução de comportamento semelhante, com algumas exceções pontuais, principalmente, em decorrência de problemas de frustração de safra”, explica a pesquisadora da Embrapa Trigo, Cláudia De Mori. No entanto, o cenário mostra-se favorável à recuperação da oferta global, com ampliação da área semeada em países da União Europeia, Rússia, Ucrânia, Cazaquistão e Canadá. Também está previsto o retorno aos rendimentos normais na Rússia e na Ucrânia que sofreram com a seca no ano passado, embora um aumento de consumo dificulte a recomposição dos estoques. A primeira estimativa da FAO para a produção mundial de trigo em 2013 é de 695 milhões de toneladas, o que representa 35,4 milhões de toneladas acima da safra 2012 e a segunda maior safra no registro.

Porém, o consumo mundial tem apresentado crescimento de 2,1% ao ano, enquanto a produção tem crescido 1,54%. Some-se, ainda, a demanda crescente do uso do trigo na alimentação animal (impulsionado pelo balanço de oferta e demanda do milho) e na produção de biocombustível (tendência na Europa pela perda de mercados de exportação de trigo para os países do Mar Negro), além do mercado interno na China que está aquecido, são fatores que poderão influenciar a curva de preços. A redução de rendimento nas lavouras americanas, pelas adversidades enfrentadas pelos cultivos de inverno e a ocorrência de chuvas e alagamentos em algumas áreas que poderão refletir na qualidade, os possíveis problemas de qualidade na Ucrânia (especula-se que

metade possa ter destino forrageiro) e as chuvas excessivas na Europa Ocidental têm mantido as cotações do cereal firmes nos últimos meses. No mercado interno, a relação estoque/consumo estimada para a safra 2013/2014 é baixa, na ordem 6,3%, o que poderá neutralizar efeitos de queda de preços no mercado internacional em decorrência da maior oferta prevista. Apesar das estimativas de aumento de produção global, da isenção da TEC e importação de trigo americano, e dos leilões da CONAB ocorridos em maio, os preços internos têm se mantido firmes. O preço médio no RS, no mês de maio, de R$30,75/saca 60 kg, é 28,1% superior ao valor médio de maio de 2012 e, no PR, a cotação de R$38,39/saca de 60 kg,

é 49,6% superior ao registrado em maio de 2012. No mercado internacional, as cotações observadas na última quinzena de maio, para entrega em dezembro, foram de US$264,80/t FOB em Chicago, US$ 276,66/t FOB em Kansas e US$275,85/t FOB na Argentina. “É importante lembrar que além dos fatores tradicionais, como produção, consumo, estoques e comércio internacional, que exercem influência na formação de preços, os aspectos relacionados à qualidade tecnológica do cereal também condicionam a definição de preço do produto e devem ser considerados, assim como a implementação de formas de interação comercial com os elos industriais com especificação de produto fim”, conclui De Mori.


26

Junho de 2013

Região SANTO AUGUSTO

Crédito emergencial de R$ 10 mil beneficiou vários agricultores e o comércio regional

O

Sindicato Dos trabalhadores Rurais de Santo Augusto e a base Territorial em São Valério Do Sul, através do técnico agrícola Luiz Carlos Pommer, está trabalhando nos laudos de vistoria e aplicação dos recursos oriundos do credito emergencial de R$ 10 mil, referente a ajuda por causa da estiagem que atingiu nossa região no ano de 2012. Com base nas visitas realizadas é notório que os recursos estão sendo muito bem aplicados, dando suporte aos agricultores para continuarem na atividade, através de geradores de energia, correção de solo, ordenhadeiras, resfriadores, plataformas, roçadeiras, equipamentos para irrigação e muitos outros. Segundo o presidente do Sindicato Clovis Sequinato, foi uma grande conquista do movimento sindical. “Esses recursos onde foram contratados no banco do Brasil e Sicredi, tem prazo de dez anos para pagamento, 20% de rebate e juros de 1% ao ano o que beneficia e dá condições de pagar e ter mais condições de se manter na atividade”, explica. Conforme o gerente do Banco do Brasil agência de Santo Augusto, Roberto Zawaski, foram investidos aproximadamente dois milhões cento e vinte cinco mil reais, entre projetos elaborados pelo Sindicato e EMATER. “Além de beneficiar os agricultores também movimentou o comércio, pois foram adquiridos vários equipamentos e principalmente correção do solo o que vai proporcionar mais produtividade gerando mais renda para a atividade agrícola”, conclui o gerente.

IJUÍ

Mulheres preparam pratos à base de mel que foram servidos no no lançamento do Seminário Estadual de Apicultura

U

m grupo de aproximadamente 30 mulheres participou no último dia 06/06, na Cripta da Igreja São Geraldo, em Ijuí, da Oficina sobre Pratos à base de Mel, os quais foram apreciados por autoridades e imprensa, no mesmo local, durante jantar de lançamento do 17 ° Seminário Estadual de Apicultura. A oficina foi coordenada pela gerente adjunta da Emater/ RS-Ascar da região administrativa de Santa Maria, Clélia Lovato Brum. “O objetivo é valorizar e promover um produto que deveria estar diariamente na nossa culinária”, disse Clélia. A doçura do mel, segundo Clélia, não é nenhum impeditivo para adicioná-lo a pratos salgados. Dentre as 14 receitas que levou para Ijuí, a extensionista da Emater/RS-Ascar destaca as que contêm carne de porco, frango e gado, almôndegas e molhos. O segredo, segundo Clélia, é cuidar a “medida” de mel que se quer adicionar ao prato. O 17°Seminário Estadual de Apicultura será realizado em Ijuí, de 11 a 13 de julho, e irá reunir especialistas e apicultores do Rio Grande do Sul.

Análise Econômica

Prof°Dr. Argemiro Luís Brum Departamento de Economia e Contabilidade da UNIJUÍ

E AGORA, BRASIL? E o que se previa aconteceu! O governo brasileiro, e particularmente o povo brasileiro, acaba de receber uma ducha de realidade econômica. Tentando manter um crescimento econômico acima de 4% ao ano, a partir de 2010, diante de uma crise econômica mundial grave e duradoura, nosso governo, ignorando os avisos do mercado, e pensando muito eleitoreiramente, tentou manter em prática um processo que pode ser assim resumido: estimular continuamente o consumo interno, via redução de impostos e juros, este último “no grito”, incitando a população a consumir já que do exterior nada vem de significativo. Ora, diante de um país que não possui infraestrutura suficiente para receber o impacto de tal demanda, e com baixa taxa de investimentos, hoje na altura de 18% apenas do PIB (no acumulado dos últimos 12 meses encerrados em 31/03/2013, o investimento nacional ficou negativo em 2,5%), era natural que o modelo, embora interessante, se esgotaria rapidamente, estimulando a inflação. Não durou dois anos e estamos recebendo no colo a herança desta política desenvolvimentista irresponsável. Na prática, a pressão inflacionária aumenta, o índice oficial, com maquiagem e tudo, bate no teto da meta (6,49% ao ano); o governo, incrivelmente assustado com o fato, o que revela despreparo ou ignorância sobre os atos que praticava, decide inverter a lógica, aumentando os juros (nos últimos dois meses a Selic subiu 0,75%, batendo na taxa anual de 8%, devendo subir mais até o final do ano); isso num momento em que a economia não decola, tendo crescido apenas 0,6% no último trimestre, acumulando tão somente 1,2% ao ano no final deste último mês de março. A situação é tão séria que o mercado, já apoiado por alguns setores do próprio governo, avança agora a possibilidade de um crescimento econômico de apenas 2% a 2,5% em 2013, após 2,7% em 2011 e 0,9% em 2012. Lembramos que, para o tamanho da economia brasileira, nosso crescimento ideal deveria ser entre 6% e 7% anuais de forma sustentável. Ou seja, aumentar os juros agora, por absoluta necessidade de segurar a estabilidade econômica ameaçada pelas diatribes do próprio governo, é colocar mais combustível no freio da economia. Uma contradição que poderia ter sido parcialmente evitada se tivesse o governo, ao longo destes últimos anos, apostado no investimento como alavanca do crescimento e não no consumo desenfreado. Agora o mesmo parece ter caído na real, anunciando que não irá mais adotar medidas de estímulo ao consumo, priorizando finalmente o controle da inflação e adotando programas de apoio aos investimentos de infraestrutura, já que construir estádios de futebol em nada resolve o problema do país. Mas o custo social de tudo isso já é uma dura realidade!

C Y M K


27

Junho de 2013

SINDICATO DOS TRABALHADORES RURAIS DE IJUÍ

Sindicato dos N Trabalhadores Rurais de Ijuí completa 50 anos

o dia 29 de junho de 2013 o sindicato realizará uma grande comemoração devido ao seu cinquentenário. De acordo com o presidente, Carlos Karlinski, é preciso celebrar as lutas e conquistas ao longo desses anos. O evento terá início às 9h30min, com recepção aos associados e comunidade, na Vila Santana, após será apresentada a história do sindicato, seguido de almoço, já no turno da tarde acontecerá uma reunião dançante, com animação da Banda Eickhoff. Além disso, o presidente comentou que nos últimos anos, há dois destaques no sindicato, referindo-se ao Plano Safra, agroempresarial e ao familiar, sendo que o último completa dez anos. “O plano safra familiar completa 10 anos, e vemos que está havendo progresso. Já o Proagro continua com o mesmo sistema, mas está contemplado vários agricultores”, conclui ele.

Sicredi vai liberar R$ 7,6 bilhões Valor da produção das lavouras cresce 9,8% no Plano Safra 2013/2014 Estão previstas 165 mil operações de financiamento

O

ciclo 2013/2014 do Plano Safra começa no dia 1º de julho de 2013 e o Sicredi, instituição financeira cooperativa, projeta liberar R$ 7,6 bilhões em crédito rural. A previsão é de efetivar cerca de 165 mil operações, 10 mil a mais do que no período anterior. Enquanto no Plano Safra 2010/2011 foram liberados R$ 4,3 bilhões em 145 mil operações, no ciclo 2012/2013 - que está encerrando -, o montante é de R$ 6,3 bilhões em 155 mil financiamentos, um aumento de 47% e 7% respectivamente. Também foi registrada redução nos índices de inadimplência de crédito rural e recursos direcionados, de 0,65% para 0,22%, de março de 2012 para março de 2013, reflexo da natureza cooperativa do negócio. Do montante de R$ 7,6 bilhões para a Safra 2013/2014, 21% maior do que o Plano Safra 2012/2013, R$ 6,3 bilhões serão direcionados para custeio, comercialização e investimento com linhas do Programa Nacional de Fortalecimento da

Agricultura Familiar (Pronaf), do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp) e voltadas aos demais produtores. O outro R$ 1,3 bilhão será liberado em operações com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O custeio é uma das finalidades do crédito rural e destina-se a cobrir as despesas normais dos ciclos produtivos das atividades agrícola e pecuária, tais como plantio de lavoura e formação de pastagens. A comercialização engloba despesas posteriores ao cultivo e produção como transporte, beneficiamento e armazenamento dos pro-

dutos para venda futura. Os recursos para investimento podem ser usados na construção de silos, compra de maquinário, implementação de lavoura permanente, projeto de recuperação de pastagens e aquisição de rebanho. O gerente de Crédito Rural do Banco Cooperativo Sicredi, Antonio Sidinei Senger, recomenda que, antes de solicitar o crédito, o associado faça o planejamento da próxima safra – o que vai plantar, qual é a área de cultivo e o orçamento necessário com base na análise de solo e sob orientação técnica sobre o uso dos insumos e os demais serviços que serão utilizados.

Fonte: Globo Rural On-line

C Y M K

Soja liderou aumento, seguida do tomate, com faturamento 82% no ano passado

O

Valor Bruto da Produção (VBP) agrícola para este ano foi estimado em R$ 271 bilhões, levando em conta as projeções de safra e os preços nos últimos meses. Os cálculos são da Coordenadoria de Planejamento Estratégico do Ministério da Agricultura, que projeta crescimento de R$ 24,9 bilhões (+9,8%) em relação aos R$ 246,8 bilhões estimados para o ano passado. O faturamento das lavouras de soja, cana-de-açúcar, milho, laranja e café representam 73% do VBP agrícola. O estudo mostra que o maior aumento no valor da produção foi verificado para a soja, cuja renda para este ano foi estimada em R$ 79,9 bilhões, montante 17,1% (R$ 11,6 bilhões) superior ao do ano passado. O bom desempenho da soja se deve em grande parte ao aumento da produção, que foi expressivo em relação ao volume colhido na safra passada, quando a estiagem provou fortes quebras na Região Sul. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estimou a

produção de soja em 81,1 milhões de toneladas, volume 23,5% (15,4 milhões de toneladas) superior ao colhido em 2011/2012. O segundo melhor desempenho nas projeções do Ministério da Agricultura foi registrado para a renda proporcionada pelo tomate, cujos preços dispararam no início de ano, provocado por problemas climáticos, como excesso de chuvas em determinadas regiões e estiagem em outras. O estudo estima aumento de 82,3% (R$ 5,025 bilhões) no valor da produção do tomate, para R$ 11,1 bilhões. A renda proporcionada pelo tomate deve crescer menos nos próximos meses, na medida em que a oferta se normalize. O estudo do Ministério da Agricultura mostra uma recuperação da renda da citricultura, estimada em R$ 18,2 bilhões, valor 30,1% (R$ 4,212 bilhões) superior ao registrado no ano passado. A expansão se deve à recuperação dos preços, pois o IBGE prevê uma queda de 14,2% na produção nacional de laranja, para 402,3 milhões de caixas de 40,8 kg. O levantamento

também revela bom desempenho da cana-de-açúcar, com projeção de aumento de 9,4% (R$ 4,106 bilhões) para R$ 47,8 bilhões. O IBGE estimou a produção de cana-de-açúcar em 739,6 milhões de toneladas, volume 10,3% superior ao da safra passada. Outra cultura que apresenta crescimento expressivo no faturamento é o milho, impulsionado tanto pelo aumento da produção como pela alta de preços. O Ministério da Agricultura estimou o VBP do milho em R$ 36,9 bilhões, valor 30,1% (R$ 4,2 bilhões) superior ao do ano passado. Os destaques negativos do levantamento são café e algodão. No caso do café o VPB recuou 22,8% (menos R$ 4,38 bilhões), para R$ 14,8 bilhões, pressionado pelo aumento da produção brasileira, que derrubou os preços no mercado internacional. Já a renda do algodão recuou 30,7% (menos R$ 3,5 bilhões) para R$ 8 bilhões. A queda se deve à retração nos preços, uma vez que o IBGE estima a produção 30,6% inferior à da safra passada.


28

Junho de 2013

C Y M K


C Y M K

29

Junho de 2013

Augusto Pestana

Reunião define programação do X Degusta Evento terá sua décima edição nos dias 20 e 21 de julho

A

secretária de Desenvolvimento e Turismo, Leonair de Barros Sost, realizou reunião com equipe de trabalho nos eventos do município com o objetivo de definir a programação da décima edição do Degusta Augusto Pestana. O evento ocorre neste ano nos dias 20 e 21 de Julho, nas dependências da Praça Farroupilha e Comunidade São José. A programação ensejará de apresentações artísticas, artesanato, café colonial, exposição e comercialização de produtos advindos das agroindústrias e desfile de moda com um tema especial para esta edição: “Amendoim”. No dia 20 de julho acontece o lançamento do Concurso Fotográfico e resgate Histórico, o tema deste ano será casas construídas até o ano de 1953 no município, ou seja, aquelas que possuem mais de (60) sessenta anos de construção.

AUGUSTO PESTANA

Estabeleci- mentos do setor alimentício e comunidades do interior realizam curso de Boas Práticas

A

Secretaria Municipal de Saúde e Assistência Social parabeniza os estabelecimentos comerciais e comunidades do interior do município, que aderiram à proposta de capacitação de seus manipuladores de alimentos e enviaram seus representantes para participar do Curso de Boas Práticas de Manipulação de Alimentos que ocorreu nos dias 20 e 21 de maio. Esta iniciativa mostra a preocupação de cada um em se aperfeiçoar e oferecer um produto de qualidade aos seus clientes, buscando seguir as normas da legislação vigente e preservando assim a saúde da população. Sabe-se que muitas são as exigências para os estabelecimentos do setor alimentício, mas quando há consciência do risco existente em relação à sanidade do alimento oferecido, começa-se a ter a cultura de que não são gastos a fazer, mas sim, investimentos necessários, principalmente em infraestrutura e capacitações. De acordo com a secretaria, o conhecimento adquirido no curso irá refletir diretamente na saúde da população, prevenindo a ocorrência de surtos de doenças transmitidas por alimentos e agregando qualidade e segurança ao alimento oferecido.

REGIÃO

Colorado cria grupo para atender comunidade quilombola

A

Vila Padre Osmari, uma das mais de 1.500 comunidades quilombolas reconhecidas no Brasil pela Fundação Cultural Palmares, entidade vinculada ao Ministério da Cultura, vai receber atenção especial de um grupo de trabalho criado, no último dia 07/06, em Colorado. A decisão foi tomada após reunião com representantes do poder público municipal, Associação Afro-brasileira Coloradense Yansã, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Emater/RS-Ascar. O objetivo do grupo é aprofundar no município discussões sobre saúde, educação e cultura, tendo em vista encaminhar ao governo projetos que venham beneficiar as famílias. “Nós já temos uma unidade de saúde dentro da comunidade quilombola e desenvolvemos ações com grupos de hipertensos, diabéticos e com anemia falciforme (doença causada por desordem genética que afeta, principalmente, crianças da

etnia negra), mas queremos avançar, ouvir opiniões”, disse a funcionária da secretaria municipal de Saúde, Edite Desconsi. “Nosso objetivo é empregar os recursos da melhor forma possível”, completou o secretário municipal de Saúde, Zeno De Bortoli. O grupo de trabalho, conforme explicou a coordenadora de Bem-Estar Social da Emater/RS-Ascar da região administrativa de Ijuí, Márcia Barboza Breitenbach, será formado por representantes das secretarias municipais da Saúde, Assistência Social e Educação, além da Emater/RS-Ascar, Câmara de Vereadores e Associação Afro-brasileira Coloradense Yansã. Pelos cálculos da Associação Yansã, 128 famílias quilombolas vivem na comunidade Vila Padre Osmari, localizada na zona urbana de Colorado. A existência dessa comunidade foi formalizada em maio no ano passado, pela Fundação Cultural

Palmares. Contudo, a presidente da Associação Yansã, Jorgina de Quadros, destacou que existem cerca de 40 famílias de quilombolas que vivem na zona rural do município, na comunidade Vista Alegre. Por isso, está nos planos do grupo estender o atendimento também aos quilombolas do meio rural. Quilombolas - Na definição do governo, “quilombolas são descendentes de africanos escravizados que mantêm tradições culturais de subsistência e religiosas ao longo dos séculos. Uma das funções da Fundação Cultural Palmares é formalizar a existência destas comunidades, assessorá-las juridicamente e desenvolver projetos, programas e políticas públicas de acesso à cidadania”. Atualmente, a Fundação Palmares reconhece 89 comunidades quilombolas no Rio Grande do Sul. No país, são mais de 1.500.


30

Junho de 2013

C Y M K


31

Junho de 2013 AGRICULTURA

Pesquisa monitora a resistência de plantas daninhas no RS A produção de grãos, principalmente de soja no Sul do Brasil, vem de lavouras que utilizam sementes transgênicas, com o uso do herbicida glifosato em larga escala como forma de facilitar o manejo de plantas daninhas na lavoura

C

ontudo, esta prática tem resultado no aumento de casos de resistência de plantas daninhas aos diversos herbicidas disponíveis no mercado. Somente no Rio Grande do Sul, biótipos de azevém e de buva resistentes ao glifosato estavam presentes em mais de 80% das lavouras de soja na última safra. Custos adicionais e perdas no rendimento de grãos estimados em R$ 1,15 bilhão. Os números estão no levantamento realizado por pesquisadores e cooperativas para monitorar a dispersão do problema no Estado. O herbicida glifosato vem sendo utilizado há mais de 20 anos pelos agricultores, principalmente na dessecação da vege-

tação para formação da palhada, indispensável para implantação do sistema plantio direto. A introdução da soja transgênica, resistente ao glifosato, foi rapidamente aceita e adotada pelos produtores. Isso se deve, principalmente, ao fato do glifosato ser um herbicida eficiente sobre a maioria das espécies daninhas, relativamente de fácil aplicação e de baixo custo. Atualmente, são realizadas de duas a três aplicações de glifosato por ciclo da soja, uma na dessecação e uma ou duas na pós-emergência da cultura. Os dois primeiros casos de resistência ao glifosato no Brasil foram identificados no Rio Grande do Sul (azevém em 2003 e buva em 2005). Depois

disso, dispersou-se rapidamente por todo o Estado e também para Santa Catarina e regiões frias do Paraná. Em 2010 e 2011, foram identificados biótipos de azevém com resistência múltipla, tanto ao glifosato como a herbicidas inibidores da enzima Acetyl-CoA Carboxylase (ACCase) e inibidores da Acetolactato sintase (ALS). As resistências do azevém e da buva restringem o controle dessas espécies ao uso de herbicidas alternativos, que são menos eficientes, possuem maior custo e são fitotóxicos para as culturas. Dessa forma, o controle ineficiente de buva e azevém resistentes tem resultado em perdas de rendimento, em casos extremos, superiores a 45%.

Fonte: Agrolink

C Y M K

Diagnóstico no RS Uma ação conjunta da Embrapa Trigo e da Universidade Federal de Pelotas junto com 28 cooperativas e revendas do Rio Grande do Sul, está monitorando e mapeando a dispersão das resistências de azevém e buva no Estado, com coleta de sementes e levantamentos nas áreas infestadas. “Os locais de coleta de sementes são georeferenciados e as plantas originadas dessas sementes, usadas em estudos de ecofisiologia e determinação das bases genéticas da resistência. As informações são utilizadas na elaboração de mapas de dispersão das resistências. Após elaboração dos mapas, são enviados alertas e indicações de manejo específicas para cada região e realizados cálculos do custo da resistência,

ajudando a assistência na decisão de quando e qual produto aplicar”, explica o professor e pesquisador da UFPel, Dirceu Agostinetto. A partir dos levantamentos, identificou-se que, na safra 2012 de soja, os biótipos de azevém e buva resistentes ao glifosato estavam presentes em mais de 80% das lavouras do RS. Além disso, os biótipos de azevém resistentes aos inibidores da ACCase e da ALS, além de glifosato, estavam em mais de 30% das lavouras. A presença de azevém com resistência múltipla e de buva resistente ao glifosato elimina a possibilidade de uso dos principais herbicidas utilizados para controle dessas espécies. Com isso, aumentou a presença dessas plantas daninhas

Tem solução? nas lavouras. Com base nos mapas de dispersão e a partir de informações sobre a capacidade competitiva da invasora e o nível de dano que pode causar, foi possível estimar as perdas de rendimento e os custos da resistência em 2012, no RS. Assim, o custo adicional para controle de azevém e buva resistentes, com herbicidas ou medidas alternativas está entre R$140 e R$ 585 milhões por ano. Em média, as perdas são ao redor de 10%, aproximadamente R$ 1,15 bilhão no RS. Dessa forma, o retorno pelo uso das indicações de manejo está entre R$ 565 milhões a R$ 1,01 bilhão. De acordo com o pesquisador da Embrapa Trigo, Leandro

Vargas, os casos de resistência historicamente foram resolvidos com uso de moléculas alternativas ou com a introdução de novas tecnologias (como a soja RR). “O problema é que no momento não existem perspectivas de lançamento de novas moléculas ou tecnologia com potencial de controle eficiente do azevém e da buva. O produtor e a assistência técnica precisam estar conscientes do quanto é importante buscar estratégias alternativas para controle dessas espécies, que passam obrigatoriamente pelo manejo correto dos herbicidas e pelo próprio sistema de manejo da lavoura”, alerta Vargas.

Os pesquisadores têm avaliado o cultivo consecutivo, ou seja, sem períodos de pousio das áreas de lavoura, como a melhor estratégia de controle de plantas daninhas. Culturas como trigo, centeio, canola, aveia e soja, que apresentam elevada capacidade de cobertura do solo com reconhecido efeito alelopático, podem diminuir o número de plantas de buva e azevém em até 65%, quando comparado a áreas de pousio.

O uso de estratégias como sobre-semeadura de aveia em lavouras de soja e cultivo de culturas concomitantes, a exemplo de Brachiaria ruziziensis cultivada juntamente com o milho, também apresentaram excelentes resultados. “O uso dessas práticas associadas à alternância e à associação de diferentes mecanismos de ação herbicida, juntamente com o monitoramento e a eliminação mecânica ou manual de plantas daninhas sobreviventes aos tratamentos herbicidas, resultou em controle total das daninhas”, comemora Leandro Vargas.

AGRICULTURA

Agricultura de precisão ainda é pouco utilizada

M

esmo com os avanços tecnológicos das máquinas agrícolas nos últimos anos, o Brasil ainda está atrás de outros países na introdução dessas inovações, especialmente quando se trata de agricultura de precisão, um conjunto de equipamentos e técnicas que permite maior eficiência na colocação de insumos e garante maior produtividade e redução de custos. Apesar dessas tecnologias normalmente serem desenvolvidas em outros mercados e adaptadas ao Brasil, não há “gargalo” nesta frente, na avaliação de Milton Rego, diretor da Anfavea. “Absolutamente não é o impacto de tecnologia disponível, mas da difusão de tecnologia”, diz. Conforme Rego, de 10% a 15% da área plantada total no Brasil emprega agricultura de precisão, ante 40% ou mais nos EUA. O diretor da Anfavea diz que há potencial até para dobrar o uso desse conjunto de técnica e equipamentos, um mercado ainda concentrado nos agricultores empresariais. Segundo ele, algumas regiões do país nada devem ao cinturão de milho americano, mas outras são semelhantes a países da África subsaariana. Por isso, as empresas estão investindo. “Ninguém quer perder a corrida de inovação”. Pelos cálculos de Rego, cerca de 10% das máquinas agrícolas produzidas no Brasil saem de

fábrica com tecnologia de agricultura de precisão. E há um grande mercado para empresas que comercializam à parte equipamentos que podem ser acoplados a tratores e colheitadeiras. Na americana AGCO, 50% dos tratores acima de 150 cavalos de potência vêm com tecnologias de agricultura de precisão. Em colheitadeiras, 80% têm esses itens, segundo Jak Torretta, diretor de produtos da AGCO América do Sul. Os equipamentos promovem a passagem nas linhas com exatidão e evitam sobreposição e excesso ou falta de adubos e defensivos, que pesam no bolso do agricultor. A agregação de valor de um equipamento desse é estimada entre 10% a 40% do valor do produto. Na John Deere, essa tecnologia “embarcada” está em 70% dos equipamentos que saem da fábrica, de acordo com Rodrigo Bonato, gerente de contas estratégicas da empresa para a América Latina. Para Torretta, a nova geração de agricultores que têm experiência internacional adotam a tecnologia mais rapidamente. O segmento canavieiro foi o primeiro a adotar o piloto automático, diante da necessidade de se evitar o pisoteamento da soqueira da cana, que reduz em até 25% a produtividade. Hoje, segundo ele, se percebe uma adoção mais forte de agricultura de precisão em grandes propriedades do Centro-Oeste. (CF)


32

Junho de 2013

PLANTAS BIOATIVAS

Emater capacita extensionistas da região de Ijuí que atuam com plantas bioativas A Emate/RS-Ascar promoveu ações de capacitação e disseminação de informações para extensionistas e profissionais da área da saúde que atuam com plantas bioativas na região de Ijuí

H

á alguns dias uma das ações promovidas pela Instituição levou um grupo de oito pessoas até Nova Petrópolis, na Serra gaúcha, onde está localizado o Centro Regional de Qualificação Profissional de Produtores Rurais de Nova Petrópolis (Cetanp), um dos nove centros de treinamento mantido no Estado pela Emater/RS-Ascar e parceiros. “Nosso objetivo é trabalhar com as dimensões antropológica, ecológica, pedagógica, terapêutica, econômica e espiritual das plantas bioativas”, explicou a coordenadora de Bem-Estar Social da Emater/RS-Ascar da região administrativa de Ijuí, Silvana Canova. Participaram da capacitação no Cetanp, extensionistas de Ijuí, Jóia, Quinze de Novembro, Santa Bárbara do Sul, e Boa Vista do Cadeado, além do farmacêutico Fabrizio Marchetti e do assistente social Genésio Mafalda, ambos de Boa Vista do Cadeado.

A estratégia de capacitação, desenvolvida pelo Núcleo Social da Emater/RS-Ascar, leva em consideração a necessidade de preparar seus empregados e parceiros para o trabalho com plantas bioativas – medicinais, aromáticas, condimentares, inseticidas, repelentes, tóxicas e, inclusive, as que evocam sentido místico religioso. No Brasil, o uso racional e o acesso seguro a plantas medicinais e fitoterápicos tiveram suas diretrizes e ações definidas pela Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, que irá completar sete anos no dia 22 de junho. Outra ação do Ministério da Saúde, considerada um marco para a saúde pública brasileira, foi a criação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do Sistema Único de Saúde (SUS). Ao apresentar essa política ao SUS, em maio de 2006, o Governo Federal considerou que “a fitoterapia é um recurso terapêutico caracterizado pelo

Curso no Cetanp maio 2013

uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas e que tal abordagem incentiva o desenvolvimento comunitário, a solidariedade e a participação social.” No Rio Grande do Sul,

a Emater/RS-Ascar tem se colocado em sintonia com as políticas nacionais, tendo motivado, desde 2006, a realização das sete reuniões técnicas estaduais sobre plantas bioativas, bem como, levado

as diretrizes das políticas aos seus extensionistas. “Nossos grupos de estudo trabalham com hortos escolares, comunitários e domésticos”, exemplificou Silvana. Ainda segundo Silvana, a Emater/RS-Ascar é

responsável pela manutenção do Horto Didático do parque da Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque, considerado um dos mais diversificados do Estado, com aproximadamente 100 espécies.

ALIMENTAÇÃO

Encontro analisa sistemas alimentares

O

A Emater/RS-Ascar recebeu o Encontro Estadual do Fórum Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do RS (Fesans/RS)

s representantes regionais que, a partir do tema central “Que alimentos (não) estamos comendo?”, analisaram os sistemas alimentares vigentes, seus impactos sobre a soberania alimentar e nutricional e seus desdobramentos no RS. A mesa redonda que abriu as discussões contou com as presenças do diretor técnico da Emater/RS, Gervásio Paulus, da representante da Coordenação Nacional dos Quilombolas, Clédis Souza, do coordenador da Fian Brasil, Irio Conti, e da Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN), Vanessa Schottz. Entre diferentes questões apresentadas, a que permeou todas as falas foi a necessidade de construção coletiva de políticas públicas que deem conta da problemática segurança alimentar e nutricional no Brasil. No mundo, mais de um bilhão de pessoas passam fome. “No Brasil, em 2001, 10% da população encontrava-se na faixa E – de menor renda. Já em 2011, esse percentual caiu para 3%”, informou Paulus, que comentou também sobre os novos caminhos que devem ser percorridos para reduzir ainda mais esse índice, como a integração entre políticas compensatórias e estruturantes

na perspectiva da emancipação; o estímulo aos circuitos curtos de produção e comercialização; estratégias de armazenamento de alimentos para evitar desperdício; e avançar no apoio à transição agroecológica redesenhando os sistemas produtivos. As características do consumo contemporâneo, como a individualização dos padrões e o aumento dos produtos estéticos, foram apresentadas pelo coordenador Irio Conti. Para ele, é preciso haver uma mudança na relação com o consumo. É preciso começar a pensar no ato de consumir, nas normas jurídicas e na relação entre consumo-valores-responsabilidades. “O Estado tem que exercer um papel muito mais proativo na questão dos alimentos. Se temos agências reguladoras de energia, do petróleo, porque não temos uma de alimentos? Outros desafios são fortalecer os circuitos locais e regionais e diversificar a cesta de consumo”, alertou o palestrante. A alimentação dos povos tradicionais foi apresentada pela representante da Coordenação Nacional dos Quilombolas, Clédis Souza, que falou na dificuldade de produção desses povos em função da falta de terras. “Não produzir o seu próprio alimento causa a corrosão nos hábitos alimentares. E quan-

do, mesmo assim, eles conseguem produzir, quando as crianças vão para a escola, elas são alimentadas com produtos industrializados”, analisou Clédis que lembrou também as dificuldades de acesso a políticas públicas. O Encontro Estadual foi preparatório para o VII Encontro Nacional do FBSSAN. Vanessa Schottz, do FBSSAN, apresentou um balanço da ação do Fórum Brasileiro ao longo de 15 anos de atuação e do trabalho como articulador de vários atores sociais. “A partir do Fórum, foi construído um conceito de Segurança Alimentar e Nutricional e já há algumas estratégias importantes como a compra de alimentos da agricultura familiar pelas prefeituras”, lembrou Vanessa. Ela também falou no papel social que tem o alimento e que falar em comida é falar em política, em cultura. “Estamos vivendo uma crise profunda no sistema alimentar. Pesquisas apontam que 800 alimentos correm o risco de extinção atualmente no mundo.” Sistematização - A plenária foi dividida em grupos que construíram propostas a serem sistematizadas e formatadas em uma Carta do RS. Esse documento foi encaminhado para o Encontro Nacional, que aconteceu entre os dias 4 e 6 de junho, em Porto Alegre.

C Y M K


C Y M K

33

Junho de 2013 SOJA

PROJETOS INDÍGENAS

POVOS INDÍGENAS REÚNEM-SE PARA ELABORAR PROJETOS FINANCIADOS PELA SDR Indígenas da região Noroeste do Rio Grande do Sul reuniram-se para discutir projetos de custeio e investimento que serão financiados pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR)

FUNDAÇÃO PRÓSEMENTES E BAYER: PARCERIA TÉCNICA PARA O MERCADO DE SEMENTES DE SOJA Multinacional reafirma importância dos multiplicadores de sementes no Brasil

A

Fundação Pró-Sementes recebeu, recentemente, executivos da Bayer para reunião de alinhamento de negócios, após o anúncio das aquisições da multinacional de melhoramentos genéticos de sementes de soja. Uma das aquisições foi o banco de germoplasma de soja da Melhoramento Agropastoril, que mantinha parceria com a Fundação Pró-Sementes para o licenciamento de cultivares. “A Bayer vai respeitar e dar continuidade aos contratos firmados antes das aquisições”, afirmou Daniel Gobbi, gerente de Sementes de Soja da Bayer para o Sul do Brasil. A reunião contou ainda com a presença dos executivos Fabio Ruggiero, gerente de Negócios de Sementes de Soja, e André Kraide Monteiro, diretor de Operações de Sementes da Bayer no Brasil, que realizaram apresentações para produtores de sementes associados à Fundação Pró-Sementes sobre a estratégia da Bayer para o segmento de sementes de soja. O encontro aconteceu na sede da Fundação, em Pas-

O

s Projetos de Etnodesenvolvimento para as Comunidades Indígenas deverão ser desenvolvidos até o fim do ano e beneficiarão 95 aldeias indígenas, localizadas em 50 municípios gaúchos. Extensionistas técnicos e sociais da Emater/RS-Ascar participaram dos encontros, realizados nas aldeias Estiva, em Redentora, e Km 10, em Tenente Portela, ambas da etnia Kaingang. “Nosso sonho é produzir mais alimentos para a nossa comunidade”, disse o capitão da Estiva, Danilo Amaral. O técnico agrícola da Emater/RS-Ascar, Valdir Machado Soares, destacou que, ano após ano, a SDR tem aumentado os recursos

para os povos indígenas. Em 2011, lembrou Soares, cada família recebeu, em média, R$ 60,00, aplicados na compra de sementes de milho e feijão. No ano seguinte, foram R$ 120,00, empenhados na compra de mudas de árvores frutíferas. Em 2013, a SDR irá liberar R$ 300,00 para a família da etnia Kaingang ou Guarani que apresentar seu projeto produtivo. “Queremos discutir projetos que deem autonomia e sustentabilidade a vocês”, disse a coordenadora de Bem-Estar Social da Emater/RS-Ascar da região administrativa de Ijuí, Márcia Barboza Breitenbach. Para que a Emater/RS-Ascar executasse o trabalho, foi firmado convênio com a SDR.

•Os projetos - O Gover-

no irá financiar projetos de segurança e soberania alimentar e geração de renda e espera que, a partir desses eixos, os indígenas proponham ações que tenham a ver com suas vocações. Entre os Kaingangues da aldeia Estiva, por exemplo, há três grupos organizados para o artesanato e dois, para a agricultura. “Temos nos reunido com representantes desses grupos, porque eles é que sabem o que é preciso”, disse o técnico agrícola da Emater/RS-Ascar, Celso Souto. ”O objetivo é tentar beneficiar o número máximo de famílias”, concluiu o técnico agrícola, Juliano Porsch.

so Fundo (RS). Na ocasião, Monteiro afirmou que a empresa, referência em produtos para o tratamento das lavouras, está investindo alto na área de sementes e biotecnologia vegetal. O objetivo, segundo o diretor, é oferecer soluções integradas – sementes e traits (tecnologias inseridas nas sementes), defensivos e serviços que atendam as necessidades dos clientes e ajudem os produtores a produzirem mais e melhor. Gobbi explicou que a empresa pretende manter dois modelos de negócios: licenciamento e verticalização. Esta última terá como objetivo a venda direta para os sojicultores e atuação mais forte no Cerrado. No Sul, o foco será no licenciamento: “nosso negócio depende muito do sucesso do negócio de vocês”. Gobbi ressaltou ainda que os multiplicadores desempenham um papel muito importante no Brasil. A reunião reforçou a cooperação técnica entre a Fundação e a multinacional, o que inclui o trabalho com cultivares de soja resultan-

tes da parceria firmada entre a Melhoramento Agropastoril e a Pró-Sementes. Nesse sentido, a Fundação continuará licenciando as cultivares de soja FPS Paranapanema RR, FPS Iguaçu RR e FPS Solimões RR, desenvolvidas pela Melhoramento Agropastoril e adquiridas pela Bayer. Para o diretor técnico e administrativo da Fundação Pró-Sementes, José Hennigen, a entrada da Bayer neste mercado reforça a importância da semente como um veículo que transporta novas tecnologias aos agricultores e produtores de sementes. A expectativa do produtor de sementes Raul Basso, da Sementes com Vigor de Vacaria (RS), é que a Bayer disponibilize novos materiais. Ele destaca a força da empresa e a qualidade do germoplasma adquirido. “Diante do bom desempenho de cultivares como a FPS Paranapanema RR e FPS Iguaçu RR na nossa região, pretendemos continuar trabalhando estes materiais”, afirma Basso.


34

Junho de 2013

C Y M K


35

Junho de 2013

Variedades ‘‘Causos’’

Rurais

O caipira e o burro

O

sujeito chegou naquela cidade e ficou sabendo que o José queria vender um burrinho. Achando o bichinho muito simpático, ele perguntou: - Qual é o nome dele? - Num sei, não... - Como não sabe? O bicho não é seu? E o caipira: - Só qui eu num sei qual é o nome dele... eu chamo ele de Zeca, sô.

?? ? ? ? CURIOSIDADES ? ?Estudo ?? ? ?? revela que uma

taça de vinho equivale a 30 minutos de exercícios A bebida é rica em uma substância antioxidante que mantém o corpo mais bem preservado

A

notícia a seguir promete agradar a muitos preguiçosos e/ou beberrões de plantão: uma pesquisa realizada pela Universidade de Alberta, no Canadá, revelou que o consumo daquela taça de vinho durante o jantar, que muito médico por aí também já recomendou, não só faz bem para o coração e a saúde de uma maneira geral como pode equivaler a 30 minutos de atividades físicas. De acordo com o res-

ponsável pelo estudo, Gerald Weissmann, os cientistas já sabiam que o consumo regular e moderado de vinho faz bem à saúde; a grande novidade agora é que, aparentemente, o vinho tinto pode causar ao corpo alguns mesmos efeitos de atividades físicas. Nesse caso, a substância que proporciona esse auxílio chama-se resveratrol e tem o poder de ajudar na desaceleração do processo de deterioração corporal.

Benefícios

Se rá ?

C Y M K

O

Vegetarianos podem

viver mais,

aponta estudo americano

s pesquisadores da Loma Linda University, na Califórnia, nos Estados Unidos, descobriram novas evidências de que uma dieta vegetariana pode ser benéfica para a saúde. O estudo durou quase seis anos e contou com a participação de mais de 70 mil voluntários de ambos os sexos. Os resultados da pesquisa foram publicados no periódico Journal of the American Medical Association e revelam que os vegetarianos tem uma vida mais longa em comparação aos onívoros, que são aqueles que seguem uma dieta que inclui o consumo regular de carne. Todos os participantes eram membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia e, durante o período da pesquisa, registrou-se a morte de apenas 2.570 pessoas, o que indica que os vegetarianos têm um risco 12% menor de vir a óbito. “Esses resultados demonstram uma relação geral dos padrões de uma dieta vegetariana com um índice menor de mortalidade em comparação com os padrões

de uma dieta não vegetariana. Os números também mostram algumas relações de um índice menor de mortalidade nas dietas pesco-vegetarianas, veganas e ovolactovegetarianas em comparação com uma dieta não vegetariana”, é o que aponta o estudo de acordo com o Huffington Post.

•Todos os tipos de vegetarianos?

Especificamente, os veganos (que não consomem carnes e qualquer outro derivado de origem animal, como leite, mel e ovos) apresentaram um índice de morte 15% menor, enquanto os ovolactovegetarianos (que excluem a carne, mas mantêm o leite e os ovos) registraram 9% menos mortes. Os pesquisadores também notaram que os vegetarianos têm uma tendência maior a serem casados, têm melhores níveis de educação e são mais magros.

O mesmo grupo também se mostrou mais disposto a praticar exercícios físicos, não fumar e não consumir bebidas alcoólicas. Os pesquisadores ressaltam que esses hábitos também podem contribuir para uma vida mais longa. Essa não é a primeira pesquisa realizada pela Loma Linda University que busca revelar os benefícios do vegetarianismo para a saúde de todos nós. Em 2012, outro estudo mostrou que os homens vegetarianos viviam 9.5 anos a mais e as mulheres que seguiam esse tipo de dieta viviam 6.1 anos a mais do que os outros habitantes da Califórnia.

A pesquisa ressalta que aqueles que abrem mão da carne aumentam sua expectativa de vida

Os pesquisadores observaram dois grupos de pessoas: as que ingeriam resveratrol e as que não. Enquanto o primeiro grupo não sofreu alterações em suas condições de saúde, observou-se que o segundo apresentou algumas complicações relacionadas ao músculo sóleo (que fica na panturrilha), desenvolvimento de resistência à insulina e perca da densidade mineral óssea. O resveratrol já é bastante popular na Medicina Oriental, que recomenda o consumo também para auxiliar o tratamento da arteriosclerose, de infecções e alergias. A substância é conhecida, ainda, por ser um ótimo antioxidante e reduzir níveis de triglicerídeos. E aí, o que você achou dessa descoberta?


C Y M K

Correio rural 75  

Jornal Correio Rural Ed. 75