Page 1

Indicadores / Câmbio

Internacional

Compra

Governo espanhol pede desculpas ao presidente Evo Morales

Dolar Comercial Dólar turismo ibovespa

2,218 2,190

Venda % 2,220 2,330 46.738,90

2,20 2,92 2,65

►PÁGINA 2 Fechamento: 15 de JUlho de 2013

Ano 5 ● nº 167 www.jornalcapital.jor.br

MERCADO & NEGÓCIOS R$1

Capital EMpRESa JORNalÍStiCa ltDa ● ►16 a 22 de julho de 2013

Dólar cai 1,88% e fecha na menor cotação em quase 20 dias

Governo monitora gastos e previdência Antonio Cruz/ABr

O

dólar caiu para abaixo de R$ 2,23 e fechou na menor cotação em quase 20 dias. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (15) vendido a R$ 2,2243, o menor valor desde 28 de junho, quando a cotação havia fechado a R$ 2,2317. O câmbio operou em queda durante toda a sessão, fechando no menor nível do dia. A notícia de que a economia chinesa cresceu 7,6% no primeiro semestre de 2013 contribuiu para o dia positivo nos mercados financeiros em todo o mundo. Com o resultado de hoje, o dólar inverteu a tendência do mês acumulada, queda de 0,33% em julho. No ano, porém, a moeda norte-americana registra alta de 8,78%. Apesar de a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) chinês ter caído 0,2 ponto percentual em relação à média de crescimento do ano passado, a desaceleração foi comemorada porque ficou dentro do previsto.

Moradores de Caxias fazem protesto por água Marcelo Cunha

A

manifestação seguiu, com faixas e apitos, pelas ruas do centro até o escritório comercial da Cedae, na Avenid Dr. Manoel Teles. A direção da companhia recebeu uma comissão de moradores, que estava acompanhada do vereador Osvaldo Lima, representante da Vila Operária. ►PÁGINA 4

A

ministra do Planejamento, Miriam Belchior (foto), disse que os gastos com a folha de pagamento estão sob controle e que o governo tem se preocupado em conter as despesas de custeio. Segundo ela, as contas da previdência também estão sob controle. ►PÁGINA 3

Balança comercial tem déicit de US$ 619 milhões

A

pós um superávit pequeno na primeira semana de julho, de US$ 198 milhões, a balança comercial apresentou déficit na segunda semana do mês. O resultado, que expressa a diferença entre as vendas externas e as importações, ficou negativo em US$ 619 milhões. No mês, a balança acumula déficit de US$ 421 milhões, e no ano, de US$ 3,513 bilhões. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (15) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. No período de janeiro a julho do ano passado, a balança comercial teve um desempenho melhor, com superávit de US$ 7,68 bilhões.

Centrais sindicais e Fiesp criticam novo aumento da Selic ►PÁGINA 2

Papamóvel desembarca em avião da FAB no Rio de Janeiro Tania Rego/ABr

O

s dois veículos oficiais para o transporte do Papa Francisco chegaram na Base Aérea do Galeão no começo da tarde desta segunda-feira (15). Os veículos serão usados pelo papa na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ocorrerá na semana que vem. ►PÁGINA 5

Deputado Dica fala com exclusividade O

deputado abordo vários assuntos, como as manifestações que marcaram o País e sua repercussão na Alerj, a queda de popularidade do governador Sérgio Cabral, a insegurança na Baixada Fluminense e a gestão de Alexandre Cardoso. Ao abordar este assunto, não deixou de comentar a polêmica entrevista exclusiva concedida pelo ex-prefeito Zito ao Capital. ►PÁGINA5

Marcelo Cunha

Sobrevivência das pequenas e micro nos dois primeiros anos chega a 76% ►PÁGINA 8

Taxa Selic sobe 0,5 ponto percentual ►PÁGINA 7


2

MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

Centrais sindicais e Fiesp criticam novo aumento da Selic O

novo aumento dos juros anunciado na noite do último dia 10 pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central foi criticado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf). Com o reajuste de 0,5 ponto percentual, a taxa básica de juros (Selic) icou em 8,5% ao ano. “Esta medida é prejudicial para a economia, pois vai

frear a expansão do crédito, o fortalecimento da produção e do consumo e a geração de empregos, no momento em que a economia brasileira precisa de estímulos para aumentar o PIB [Produto Interno Bruto]”, disse o presidente da confederação, Carlos Cordeiro. A Força Sindical também criticou o aumento da taxa Selic, ressaltando que a decisão do Copom pre-

judica a economia como um todo. “A decisão do Copom, de subir a taxa básica de juros, é nefasta para o setor produtivo e para a classe trabalhadora. Esta medida mostra claramente a opção da equipe econômica do atual governo, amparada por insensíveis tecnocratas, de continuar privilegiando os especuladores, deixando em segundo plano a produção e a geração de novos empregos”,

declarou, em nota, o presidente da central sindical, Paulo Pereira da Silva. Para a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), decisão do Copom deverá comprometer o crescimento econômico. “A medida levará a uma nova revisão para baixo nas expectativas de crescimento do PIB em 2013, que pode icar abaixo de 2%”, diz o comunicado divulgado pela Fiesp.

Para Firjan, aumento era previsível A

Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) considerou previsível o aumento de 0,5 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic) da economia, que passou no último dia 10 para 8,5% ao ano. Foi o terceiro reajuste consecutivo decidido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Em nota, a Firjan considerou a alta previsível pois,

pela segunda vez no ano, a inlação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ultrapassou o teto da meta estabelecida. "Ao mesmo tempo, observa-se persistente deterioração das projeções de crescimento para a economia brasileira, especialmente após os frustrantes resultados do PIB [Produto Interno Bruto - a soma das riquezas produzidas no país] do primeiro

trimestre e da produção industrial de maio". Diante do quadro de inlação elevada e baixo crescimento, o Sistema Firjan reforça a importância da adoção de uma política iscal norteada pela redução dos gastos correntes e que efetivamente reduza a pressão exercida pelo consumo do governo sobre a inlação. "Essa política deve ser pautada por mudanças ins-

titucionais que sinalizem maior responsabilidade iscal, incluindo o comprometimento com um superávit primário maior para os próximos anos, livre de artifícios contábeis, bem como o estabelecimento de limites para o crescimento das despesas públicas. De fato, o país precisa resgatar o compromisso com as metas iscais e cumpri-las". (Agência Brasil)

Crédito imobiliário da Caixa cresce 44% bate recorde

O

volume de contratações de inanciamentos imobiliários concedidos pela Caixa Econômica Federal fechou o primeiro semestre com recorde. Segundo números divulgados hoje (15) pelo banco, o crédito imobiliário somou R$ 66,63 bilhões nos seis primeiros meses do ano, alta de 44% em relação aos R$

45,9 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. O desempenho levou a Caixa a ampliar, de R$ 126 bilhões para R$ 130,2 bilhões, a estimativa de contratações de inanciamentos imobiliários para 2013. De janeiro a junho, mais de 711 mil contratos foram assinados, o que equivale à concessão média

diária de R$ 537,2 milhões e 5.783 contratos por dia. Em valores, a maior parte do total emprestado, R$ 38,03 bilhões, foi destinada à compra de imóveis prontos, novos ou usados. O restante, R$ 28,6 bilhões, foi concedido para o inanciamento de empreendimentos habitacionais em construção ou prestes a

construir. Entre o número de unidades inanciadas, 67% representaram imóveis novos. De acordo com o banco, o Programa Minha Casa, Minha Vida foi o principal responsável pelo aumento da participação de unidades novas nos inanciamentos habitacionais da Caixa.

Conexão Brasília aUReo, deputado Federal (PRtB/RJ), é vice-presidente da Frente Parlamentar em defesa da Vida, contra a legalização do aborto e integra várias comissões.

Programa mais médico não pode ser visto como solução milagrosa

A

presentado na semana passada pela presidente Dilma Rousseff, o Programa “Mais Médico” pretende levar proissionais para o interior do país e para as periferias das grandes cidades. Os médicos deverão atuar na atenção básica da rede pública de saúde e poderão receber bolsas federais de R$10mil reias. O projeto pode ser um primeiro passo para digniicar e dar acesso aos cidadãos em locais mais carentes. Porém deve ser visto como apenas um primeiro passo. O problema da saúde no Brasil não passa apenas por falta de proissionais. Falta estrutura física, faltam investimentos inanceiros, aplicação correta por parte dos gestores, transparência nos gastos e, principalmente, im dos desvios de recursos. Sim, o nosso maior problema é de gestão. Outro aspecto é a falta de ofertas para uma carreira no SUS. Ou seja, pagar melhor aos que resolvem dedicar-se a trabalhar na rede pública. Um médico precisa de mais do que uma bolsa de R$10 mil reais para tal decisão. Ele precisa da certeza de que, ao chegar a um Posto de Atendimento da periferia, em um Hospital do interior, encontrará ataduras, remédios, equipamentos para exames. Encontrará meio e ferramentas para colocar em prática o que, em resumo, aprendeu: salvar vidas. Também divirjo no que considero verdadeira discriminação: importar médicos sem que precisem mostrar capacitação através de provas de revalidação dos diplomas. Por que nossos estudantes se preocuparão em, depois de formados, continuarem a estudar, realizarem especializações se os que chegam “de fora” merecem tratamento especial? Quem garantirá a capacidade de tais proissionais? E como o Poder Público garantirá que as falhas estruturais, a burocracia na liberação das verbas, por exemplo, não afetarão o resultado deste Programa? Durante o mesmo evento, o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anunciou a elevação da carga horária dos cursos de medicina da rede pública e privada do país de 6 para 8 anos de duração. A partir de 2015, os alunos que ingressarem nas faculdades terão de cumprir, obrigatoriamente, dois anos de serviço no Sistema Único de Saúde. Como podemos obrigar um estudante que muitas vezes, apesar de estudar em uma Universidade privada, fez enormes sacrifícios e depois de formado, será obrigado a trabalhar para o governo. Quem de nós não conhece a história de pais e até avós que se sacriicaram durante anos para pagar a faculdade do ilho ou neto que sonhou se formar em medicina? Estou apresentando Emenda à Medida Provisória que traz consigo uma forma de “trabalho forçado” para que apenas os estudantes oriundos de Universidades públicas, que de certa forma foram inanciados pelo Estado, tenham que prestar tal serviço. Os que se formam com recursos próprios devem ter o direito de optar se querem ou não participar do Programa. Com a palavra os maiores interessados: os estudantes!

Cambio

(*) Fechamento: 15 de JUlho de 2013

Compra (R$)

Moeda Dolar Comercial

2,218

2,220

2,20

2,190

2,330

2,92

Compra (u$)

Moeda

Venda (u$)

5,707

Coroa Dinamarca

Variação %

5,710

0,00

Dólar austrália

0,909

0,910

0,56

Dólar Canadá

1,042

1,043

0,34

Euro

1,306

1,306

0,08

0,948

0,948

0,20

99,890

99,980

0,75

Franco Suíça iene Japão

1,509

1,510

0,09

501,050

501,250

1,13

1.884,200

1.885,000

1,06

5,405

5,445

0,09

libra Esterlina inglaterra

peso Colômbia peso livre argentina

Justiça determina licitação de 2 mil linhas de ônibus

Variação %

Dólar turismo

peso Chile

Ponto de Observação

Venda (R$)

peso México

12,660

12,670

1,26

Peso uruguai

21,000

21,250

1,07

Bolsa Valor

Variação %

ibovespa

46.738,90

2,65

iBX

19.450,30

1,64

Dow Jones

15.484,26

0,13

3.607,49

0,00

3.348,98

3,80

Nasdaq Merval Commodities

alberto marques

T

ema que dominou as manifestações de rua no mês de junho, o transporte coletivo pode começar a abrir a “caixa preta” em que sempre se escondeu com a determinação da Justiça Federa de dar prazo de dez dias para que a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) publique os editais de licitação de cerca de 2 mil linhas de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros, com extensão superior a 75 quilômetros, vencidas desde 2008. A decisão é de primeira instância e cabe, portanto, recurso, embora a determinação esteja na Constituição desde 1988. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), autor da ação, o caso se arrasta desde

1993, quando um decreto presidencial ofereceu o serviço por 15 anos em caráter emergencial, sob o argumento de garantir a continuidade do serviço enquanto governo e empresas iriam se adequar às novas regras para fazer as licitações. O prazo venceu em 2008 e, desde então, as empresas têm operado com autorizações especiais concedidas pela ANTT “de forma precária e sem licitação”, novamente sob a justiicativa de ser necessária a preparação de estudos. Ainda segundo o MPF, o último cronograma previa a publicação do edital em abril de 2012, um ano após o MPF ter proposto a ação e a Justiça ter concedido liminar que determinava a conclusão da licitação das linhas no prazo de 120 dias. A ANTT, então, recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que prorrogou o prazo por mais 90 dias. O cronograma, no

entanto, novamente não foi cumprido. Em nota, o MPF informou que a juíza Lana Ligia Galati, da 9ª Vara Federal do Distrito Federal, manifestou que a situação “aponta falta de interesse das rés – União e ANTT – em concluir o processo licitatório”, já que o prazo de 15 anos seria suiciente. Caso a decisão judicial não seja cumprida, será aplicada multa de R$ 5 mil. Essa situação provisória nos transportes de competência federal se repete nos estados e nos grandes e pequenos municípios, onde as empresas continuam operando de foram provisória, sem garantir ao usuário um serviço de qualidade a um preço justo. O caso das linhas de ônibus que ligam Xerém ao centro de Duque de Caxias e a Nova Iguaçu dá bem um exemplo da ausência do poder público numa área de serviço tão importante como o transporte público. No caso da linha

Nova Iguaçu-Xerém, que passa por Belford Roxo e é da competência do Detro (estadual) a tarifa é de apenas R$ 2,60 enquanto a outra linha, mais curta e que só circula em Duque de Caxias, sendo portanto uma linha municipal, a tarifa é de R$ 4,60. Esse fato escândalos é provocado pela falta de estrutura do Poder Público para elaborar uma planilha de custos e iscalizar os serviços prestados pelas concessionárias, limitando-se a corrigir a cada ano, por um dos vários índices da inlação, as tarifas pagas pelos passageiros. Como dizia um velho ditado popular, em casa onde falta pão, todo mundo briga, mas ninguém tem razão. A solução para essa situação está na transparência das planilhas, para que o cidadão saiba se o que está pagando pela passagem é o preço justo. Simples assim!

unidade Petróleo - Brent Ouro

barril onça troy

Compra uS$

Venda uS$

Variação %

110,090

110,110

0,00

1.283,190

1.284,410

0,06

prata

onça troy

19,920

19,960

0,05

platina

onça troy

1.417,490

1.425,000

0,05

paládio

onça troy

729,470

735,020

0,00

poupança

16/07

0,500

tR

15/07

0,000

indicadores

Juros Selic meta

8,50

ao ano

Salário Mínimo (Federal)

R$ 678,00

MERCADO & NEGÓCIOS Av. Governador Leonel Brizola (antiga Presidente Kennedy), 1995 - Sala 804 Edifício Sul América - Centro, CEP 25.020-002 - Duque de Caxias, Rio de Janeiro Telefax: (21) 2671-6611 - CNPJ 11.244.751/0001-70 Na internet:

www.jornalcapital.jor.br Endereços eletrônicos: comercial@jornalcapital.jor.br contato.capitalmercado@gmail.com comercial.capitalmercado@gmail.com redacao@jornalcapital.jor.br contato@jornalcapital.jor.br redacao.capitalmercado@gmail.com TIRAGEM: 10.000 exemplares (assine o Capital: 21 2671-6611) IMPRESSÃO: ARETÉ EDITORIAL S/A CNPJ 00.355.188/0001-90 Filiado À aDJORi Associação de Jornais do Interior Capital Empresa Jornalística Ltda Departamento Comercial: (21) 2671-6611 / 8400-0441 / 7854-7256 ID 8*21653 Diretor Geral: Marcelo Cunha Diretor de Redação: Josué Cardoso (josuejornalista@gmail.com) Colaboradores: Alberto Marques, Arthur Salomão, Aureo Lídio, Carlos Erbs, Dilma Rousseff, Geiza Rocha, Moreira Franco, Roberto Daiub e Rodrigo de Castro. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores.


MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

3

Governo diz que gastos de custeio e da previdência estão sob controle A

ministra do Planejamento, Miriam Belchior, disse nesta segunda-feira (15) que os gastos com a folha de pagamento estão sob controle e que o governo tem se preocupado em conter as despesas de custeio, ao ser perguntada sobre os cortes adicionais no Orçamento da União, que deverão ser anunciados até a próxima semana. “Nossa folha de pagamento está sob controle e a Previdência está sob controle, que são os grandes gastos do governo federal. E as despesas de custeio administrativo também não têm crescido. Para se ter uma ideia, [gastos com] diárias e passagens, no ano passado, foram menor que em 2010. Isso mostra bem a preocupação do governo em conter gastos de custeio”, disse a ministra a jornalistas, após participar de uma reunião com membros do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo (Secovi-SP), na sede do sindicato, na zona sul. Segundo a ministra, é preciso “separar o joio do trigo para combater o mau custeio e valorizar aquele que leva à prestação de ser-

Antonio Cruz-ABr

Conversa com a Presidenta encaminhe perguntas para a Presidenta dIlma RoUSSeFF: redacao@jornalcapital.jor.br ou redacao.capitalmercado@gmail.com

Brasil em Pauta fala sobre atração de turistas e impacto econômico dos megaeventos

O

viços à população”, referindo-se como bons gastos o Bolsa Família e os com educação, que prefere não chamar de custeio, mas de investimento. A ministra não informou o valor e nem quando o corte no Orçamento será anunciado. Reportagem publicada pelo jornal “O Estado de S.Paulo” nesta segunda-feira (15) diz que as despesas do governo tiveram aumento real de 6,6% no primeiro semestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano anterior e que os desembolsos atingiram R$ 1,01 trilhão.

Segundo o jornal, o governo terá diiculdades em promover o corte no Orçamento entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões. Durante o evento com os empresários do setor imobiliário, a ministra destacou o Programa “Minha Casa, Minha Vida”, que contratou 2,783 milhões de unidades desde 2009, quando foi lançado. De acordo com Miriam Belchior, 45% delas foram entregues e a meta é chegar a 3,750 milhões de unidades contratadas até o próximo ano. O programa já recebeu R$ 177,5 bilhões em

investimentos. A ministra também comentou sobre as manifestações no país. “Esse movimento trouxe para as ruas uma série de demandas da sociedade. Ninguém tem hoje uma avaliação fechada sobre o que aconteceu, mas mais importante do que estudar as origens disso é escutar as mensagens que foram passadas a todos. E acho que a mensagem é clara de melhoria nos serviços públicos, sejam os prestados pelo setor público quanto os serviços públicos prestados pela iniciativa privada”. (Agência Brasil)

programa Brasil em Pauta que irá ao ar nesta terça-feira (16) terá como convidado o presidente do Instituto Brasileiro de Turismo, Embratur, Flávio Dino. Em pauta, o impacto econômico dos megaeventos - como a Copa das Confederações, a Jornada Mundial da Juventude e a Copa do Mundo -, além das perspectivas e ações da Embratur para atrair turistas a esses eventos. A entrevista é produzida e coordenada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, e transmitida ao vivo pela NBR TV e via satélite, das 8h às 9h. Copa das Confederações movimentou R$ 740 milhões no Brasil - Estudo da Embratur mostrou que durante as duas semanas da Copa das Confederações no Brasil foram movimentados na economia do turismo brasileira R$ 740 milhões por toda a cadeia que inclui hotéis, alimentação fora do lar, entre outros. Os gastos de turistas - brasileiros e estrangeiros foi estimado pela Embratur em R$ 321,79 milhões, enquanto a Fifa estimou o gastos de suas seleções e delegações em R$ 70 milhões. O efeito indireto na economia foi de R$ 348,69 milhões, segundo estimativa da Embratur. No quesito visibilidade, a inal da Copa das Confederações 2013 bateu o recorde de público televisivo da competição, segundo dados divulgados pela Fifa. A partida entre as seleções de Brasil e Espanha foi vista por 69,3 milhões de pessoas nos 10 principais mercados televisivos do mundo – como Alemanha, China, França e Estados Unidos, entre outros. A Embratur aproveitou os 15 dias da Copa das Confederações para promover roteiros associados às cidades-sede do campeonato – e também já da Copa do Mundo. Embratur desenvolve estratégias para atrair turistas ao Mundial de 2014 - A Embratur organiza uma série de ações para divulgar e promover o Brasil no exterior aproveitando a janela da Copa 2014, que projetará a imagem de, ao menos, 12 cidades brasileiras em todo o mundo. Um novo site, aplicativo para celular e tablets, além de promover nossas festas juninas e a beleza de nossas cidades históricas são alguns dos destaques que constam na cesta de produtos que o Instituto está desenvolvendo para atrair cada vez mais turistas estrangeiros ao Brasil. A Copa do Mundo FIFA 2014 vai coincidir com a realização das festas juninas, uma das maiores manifestações culturais do país. Pensando em promover os festejos e os destinos turísticos, a Embratur lançará um edital no valor de R$ 4 milhões para que as cidades divulguem as atrações típicas do mês de junho em feiras, workshops e seminários. As cidades e os monumentos históricos também estão no pacote que a Embratur enfatizará durante as ações de promoção do Brasil no exterior nos próximos 12 meses. Um edital no valor de R$ 2 milhões será lançado pelo Instituto para promover as cidades reconhecidas como patrimônio cultural. Competitividade turística é o desaio do setor A Embratur também está preocupada em dizimar a imagem de que o Brasil é um país caro. As altas tarifas cobradas pelos hotéis em algumas cidades e a diiculdade em conseguir passagens aéreas a preços razoáveis levaram o instituto a tomar algumas providências para coibir abusos. Uma delas é a realização da Pesquisa Internacional de Preços da Hotelaria, monitoramento feito em 10 cidades brasileiras e 10 cidades do exterior para comparar as tarifas cobradas nos hotéis. A equipe de economistas da Embratur constatou que os preços praticados por alguns hotéis de cidades-sede sofreram aumento de até 376% . Abrir a aviação doméstica para que empresas estrangeiras passem a operar no país é outro ponto considerado fundamental para incrementar o turismo brasileiro. Participam do programa, ao vivo, as rádios: Capital AM (São Paulo/SP); Globo Brasília (Brasília/ DF); Excelsior AM (Salvador/BA); CBN Manaus (Manaus/AM); Pioneira AM (Teresina/PI); Tribuna Bandnews (Fortaleza/CE); FM Cultura (Porto Alegre/ RS); Terra AM 760 (Montes Claros/MG); Mega 95,9 FM (Cuiabá/MT); Rede Brasil (Recife/PE); Iguaçu AM 830 (Curitiba/PR); Timbira AM (São Luís/MA); Difusora de Mossoró (Mossoró/RN); Record AM (Rio de Janeiro/RJ); e Tocantins AM (Porto Nacional/TO). O programa é transmitido ao vivo pela TV NBR e pode ser acompanhado por meio do link no portal da Secretaria de Imprensa da Presidência da República. Para as rádios, o sinal de transmissão é disponibilizado pelo mesmo canal da "Voz do Brasil". Após o programa, o áudio da entrevista estará disponível no site da Secretaria de Imprensa da Presidência da República.


4

MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

Moradores fazem manifestação reivindicando água para suas casas M

oradores do bairro Vila São Luiz, em Duque de Caxias, realizaram na manhã de sexta-feira (12) uma manifestação pelas ruas do centro de Duque de Caxias, com faixas e apitos, exigindo melhoria do abastecimento de água para suas residências. Organizado pela Associação de Moradores, o protesto seguiu até o escritório da Cedae (Companhia Estadual de Água e Esgotos), na rua Doutor Manoel Teles, centro do município. Ao chegarem ao local, a patrulha de número 54-5470, do 15º Batalhão de Polícia Militar, já estava estacionada

na porta da empresa, o que provocou apreensão entre alguns manifestantes. Uma comissão de moradores foi recebida por representantes da companhia, encontro acompanhado pela reportagem do Capital. Os moradores relatavam a precariedade do abastecimento de água no bairro e locais próximos e reclamaram do comércio de carros-pipa. Os moradores disseram que muitas vezes tem que apelar para a compra de água nesse comércio irregular, cujos preços aumentaram nos últimos meses. Os moradores disseram à reportagem que

Marcelo Cunha

entregaram um abaixo assinado à Cedae há cerca de 15 dias, com mais de 350 assinaturas, reivindicando solução para o problema. - A gente paga hoje R$ 60 por dois mil litros de

água. Um absurdo, sem falar que não conhecemos a procedência do produto. As contas, no entanto, chegam rigorosamente todos os meses”, relatou à reportagem a moradora Janice Saleti. E

acrescentou: “Esse problema acontece há muito tempo e a gente não quer mais viver essa situação. Vamos ver se as promessas que a empresa está fazendo serão cumpridas”, acrescentou Janice.

O funcionário Robson Paiva, da Gerência Regional da empresa, abriu o encontro com os moradores e explicou as ações que a companhia vem desenvolvendo para melhorar o abastecimento de água não apenas naquele bairro, mas em todo o centro da cidade. O Gerente Regional Marcelo Valadares Nowaski, assim como a Chefe do Setor Operacional da empresa em Duque de Caxias, Rita Calvet, se integraram ao encontro e também explicaram à comissão as medidas que estão sendo tomadas para acabar com o problema.

Solução deve acontecer até o inal de setembro O

Marcelo Cunha

vereador Osvaldo Lima fez questão de acompanhar os manifestantes e participar do encontro com a direção da Cedae. Ele lembrou que esteve com o vice-governador Pezão recentemente, com quem conversou sobre o problema do abastecimento na região que, além da Vila Operária, abriga vários bairros, como Jardim 25 de Agosto, Vila Guanabara, Parque Arthur Goulart, Itatiaia e Vila São Luiz, entre outros. - Além do problema de abastecimento de água, temos outras questões e O Reservatório do 25 de Agoswto tem capacidade de 18,5 mihões de litros reivindicações para esses bairros, desde os tempos Marcelo Nowaski exem que eu atuava como lí- seu primeiro mandato. “O convite par visitar o bairro, o que vai acontecer em brevice-governador Luiz Ferplicou ao vereador e aos der comunitário - lembrou moradores o que é o projeo vereador, que exerce o nando Pezão aceitou o meu ve”, completou Lima.

to de implantação da Nova Adutora da Baixada Fluminense, que deverá pôr im ao problema do abastecimento ainda este ano. O projeto, segundo ele, está em fase de ajustes e deverá estar concluído no mês de setembro. “O que estamos fazendo é a setorização das adutoras APBF (Adutora Principal da Baixada Fluminense) e a NABF (Nova Adutora da Baixada Fluminense), que foram interligadas no início de junho”. Segundo o engenheiro, que conversou com o Capital após o encontro, em companhia do vereador Osvaldo Lima, Duque de Caxias será abastecida pela APBF, que vai servir também o município de Belford Roxo. Com essas

obras, o booster (conjunto de bombas que mantêm as pressões da rede) funcionará em tempo integral, de forma a garantir o abastecimento nas residências dos bairros centrais de Duque de Caxias praticamente todos os dias, através dos reservatórios do Centenário e 25 de Agosto, com capacidade total de 28,5 milhões de litros. Enquanto os serviços não forem concluídos, icou acertado com os moradores que a empresa fará manobra na rede para abastecer os moradores três vezes na semana, às segundas, quartas e sextas-feiras. “Essa é uma solução provisória e será feita nos três dias das 19h às 7h”, explicou Nowaski.

Duque de Caxias recebe programa “Asfalto na porta” M

oradores de Duque de Caxias terão mais facilidade para ir e vir em algumas regiões da cidade. Num primeiro momento, o programa “Asfalto na porta” chegará a Vila Urussaí, Nossa Senhora do Carmo, Campos Elíseos e Jardim Grama-

cho. O pedido de prioridade foi feito pelo Deputado Estadual Dica. “Há muito tempo essa população precisa ter dignidade para ir e vir. Essas são regiões com muita urgência, mas há muito mais a fazer”, airma o deputado. No bairro Nossa Senhora

do Carmo, no 2° Distrito, as ruas asfaltadas serão Senador Nereu Ramos, Juventude, Felicidade, Pita, Maria Quitéria, Abraham Lincoln, Carlos Magno, Dr Augusto Frederich Smith, Paz, Alegria, Santiago Dantas, Santoro, Batoré, Paciicador,

Maria Batista e Harmonia. Em Campos Elíseos, as ruas beneiciadas serão 3, 60, 70, Jequitaí, Nancy, Tadeu Buono, Cartagena, Cisalpina, Guadiana, Alameda dos Cajueiros, Tadeu Kosciusko, Pedro Toledo, do Piano, 1, 9, 11, 25 e 49. Já em Vila Ma-

ria Helena, os locais são rua Sá Carvalho, Mário Feijó e Valim. Em Urussaí, Saracuruna, a pavimentação chegará às ruas B, C, M, N, Gomes Frei Orlando, Urussaí, Maia, Nelson Cintra, Minho, Zenobre da Costa e Galime

Freire. A região de Maruim, no Jardim Gramacho, teve as seguintes vias contempladas: Rua Painha, 1° de Janeiro, 15 de Março, 8 de Abril, Manaus, 11 de Maio, 2 de Fevereiro, Monte Alegre, 12 de Julho, 1° de Junho e Rua da Associação.


MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

5

“Quem teve chance de fazer e não fez, não pode cobrar nada” D

etentor de vários mandatos de vereador e deputado estadual, Jorge Moreira Theodoro, o Dica (PSD), concedeu entrevista ao Capital, abordando vários assuntos, como as manifestações que marcaram o País nas últimas semanas e sua repercussão na Alerj, a queda de popularidade do governador Sérgio Cabral, a insegurança na Baixada Fluminense e a gestão de Alexandre Cardoso. Ao abordar este assunto, Dica comentou a discutida entrevista exclusiva concedida pelo ex-prefeito Zito ao Capital, na qual também fez várias abordagens e críticas ao atual prefeito de Duque de Caxias. “Quem teve chance de fazer e não fez, não pode cobrar nada”, disparou o deputado, que acrescentou: “Isso, na verdade, é uma autodefesa dele, tentar bater para não apanhar mais”. Se você perguntar a população de Caxias se ela icou satisfeita com a maneira como ele entregou a cidade, com muito lixo e dívidas, certamente vai ouvir que não. Ele e seus secretários se esconderam de vergonha disse o deputado. “E isso também nos deixa muito triste, porque ele sabe que não se endireita em cinco, seis meses, erros de vinte e tantos anos de gestão. Alexandre Cardoso assumiu uma grande crise, a saúde e a educação em condições horrorosas, a área social com equipamentos acabados, sem alimentação, pessoas desassistidas, a falta de um tratamento adequado a idosos e crianças. A atual gestão, posso garantir, vai cuidar da família caxiense”, assinalou. O deputado também comentou as manifestações que tomaram conta do País e acha que a classe política não pode deixar de considerar o grande recado vindo das ruas: o atual formato político está ultrapassado. “Não podemos deixar de condenar esse modelo. Quando você coloca votação solta, livre, pode eleger em todo estado. Aí vem o poder inanceiro em favor daqueles que só aparecem na época da eleição. Sou favorável ao voto distrital, não ao distrital misto, mas ao distrital simples. Quando você elege pelo voto distrital, você elege aquele que você vê a todo momento, aquele que você sabe que trabalha”. Ainda sobre as manifestações, Dica explicou

que algumas das reivindicações levadas às ruas já eram motivos de preocupação dentro da Assembléia Legislativa e muitas já decididas. “O voto secreto, por exemplo, não existe mais na Alerj, é tudo voto aberto, seja em cassação, eleição para presidente. Temos uma lei estadual que contempla os estudantes do Estado com o passe livre. Acabamos com a previdência dos deputados, que no meu ver deveria acabar para todos. Agora, temos outras demandas, como o preço das passagens, por exemplo. Agora, uma questão que não foi para as manifestações foi a de abastecimento de água. Isso tem que ser debatido e deveria estar na pauta das manifestações, porque é impossível viver sem água e a Baixada Fluminense está vivendo uma crise de abastecimento. Essa é outra preocupação minha, além dos problemas na área da saúde, educação. Encaminhei um pedido de CPI para a Cedae e até por essa iniciativa, está tendo um investimento maior em Duque de Caxias. Dica disse acreditar que as manifestações reletiram na queda de popularidade do governador Sérgio Cabral. “Na verdade, eu acho que isso inluiu direto, porque os assuntos graves foram debatidos, a população não tinha essas respostas colocadas em prática e não viu o governador se mexer. Precisou realmente essa mobilização, mostrando que a população acordou e viu que os governantes

Marcelo Cunha

podiam fazer muito mais e não izeram”. Sobre a gestão do prefeito Alexandre Cardoso, iniciada em 1º de janeiro último, Dica vê com naturalidade alguns questionamentos nas ruas e nas redes sociais. “Muita gente não procurou saber de que maneira foi encontrada a cidade e nem reconhecer que a gestões anteriores não corresponderam. A última, então, foi catastróica, quebrou o município, deixando projetos inacabados, desvio de verbas, unidades de saúde caindo aos pedaços, colégios sem condições de se estudar, falta de merenda nas instituições públicas, IPMDC sem dinheiro, tudo muito ruim. Eu só espero que a população não esqueça, porque são muito imediatistas, os que cobram hoje são os esquecem amanhã, então, eu vejo que a gestão do Alexandre é uma gestão consciente, está preparando a cidade para o melhor.

Agora, é o que o Alexandre Cardoso fala: já está bom? ainda não está bom. O IPMDC, então, não tem caixa, se bobear em 2018, 2019 ou 2020, não vai ter dinheiro para pagar o pensionista e o aposentado. Hoje a cidade está mais limpa, mais iluminada, sofreu um choque de administração, não daquela maneira que ele queria fazer, mas da maneira que pode fazer. Agora, eu não tenho dúvida nenhuma que a gestão do Alexandre Cardoso vai ser muito melhor do que estas todas que passaram, não tenho dúvida nenhuma”. Dica voltou a enfatizar a necessidade de voltar as atenções para os mais carentes, como defendia quando candidato no primeiro turno das eleições para prefeito. “No segundo turno, levei essas propostas para o Alexandre Cardoso, que as abraçou de imediato. Estamos começando a quebrar barreiras. A primeira

ação do governo foi uma ação inédita no Brasil, que foi entregar às vítimas da tragédia de Xerém, em apenas seis meses, novas casas totalmente equipadas, com geladeira, televisão, móveis e utensílios. Na gestão passada, as únicas casas que eles entregaram do Minha Casa Minha Vida, são conhecidas com “Minha Casa Minha Tristeza”, foram todos em lugares horríveis, sem abastecimento de água e que enchem quando chove. E o exemplo maior foi ali no Parque Paulista, onde os únicos conjuntos entregues estão ao relento. Os moradores querem sair de lá, porque acham que aquele lugar não é habitável. E agora a ação social, vocês tem que rodar os equipamentos para ver de que maneira a cidade está sendo cuidada, está sendo humanizada, na verdade estão sendo valorizadas as famílias. Que as famílias vão ser valorizadas nesse governo eu não tenho du-

vida nenhuma, ao contrário das gestões anteriores que tentaram cuidar da cidade e nem isso izeram. Nós vamos cuidar da cidade, mas vamos cuidar das pessoas que moram nela”, disse. Perguntado sobre o assunto segurança pública, Dica airmou: “Sou contra esse negócio de fazer UPP em um lugar ou outro, ou você faz um negócio mais abrangente ou não faz, porque quando fez muito no Rio de Janeiro e privilegiou a cidade mas esqueceram da Baixada Fluminense. Isso acabou provocando um êxodo de bandidos para a nossa cidade, piorando ainda mais a situação, com a vinda de marginais para cá. Agora, temos que ter em mente que a educação é uma das grandes armas para se combater a insegurança. É preciso cada vez mais investimentos sociais, oferecendo ensino de maior qualidade, criando emprego e oportunidades para os jovens terem uma vida melhor, você não precisa criar UPP, que na verdade é algo imediatista e paliativo, uma maquiagem que um dia vai cair e você vai ver que não era para ser feito. Deveríamos é realizar um projeto consciente, investindo nas comunidades, com melhores colégios, melhores equipamentos, valorizando os proissionais da rede pública, pessoas que se preparam e se dedicam ao seu trabalho. Investir no social é investir no cidadão, na família. Creio que este é um caminho importante para diminuir a insegurança e combater a marginalidade”.

Papamóvel desembarca em avião da FAB no Rio de Janeiro s dois veículos oiciais para o transporte do papa Francisco chegaram na Base Aérea do Galeão no começo da tarde desta segunda-feira (15). Os veículos serão usados pelo papa na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ocorre na semana que vem. O tradicional papamóvel branco e o jipe verde fo-

O

ram trazidos por um avião Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB). O avião saiu de Roma na sexta-feira (12), com paradas nas Ilhas Canárias e em Fortaleza, totalizando 20 horas de voo. Os dois veículos icarão no 3º Comando Aéreo Regional, no centro, até a chegada do papa, no dia 22. O

pontíice virá em um avião da empresa Alitalia. O papamóvel deve ser usado 12 vezes, principalmente em trajetos por Copacabana, na zona sul, e em Guaratiba, na zona oeste. De acordo com a organização da JMJ, até o momento, há 320 mil peregrinos inscritos na jornada. O kit básico, com os

produtos oiciais, custa R$ 79,90. A expectativa é que 1,5 milhão de peregrinos participem dos eventos. A primeira edição, em 1986, reuniu 300 mil jovens na Praça São Pedro, em Roma. O maior público foi em 1995, em Manila, nas Filipinas, com a participação de 5 milhões de jovens.

Tânia Rêgo


6

MERCADO & NEGÓCIOS

Atualidade Secretaria oferece 3.202 oportunidades de emprego

A

Secretaria estadual de Trabalho e Renda divulgou esta semana a abertura de 3.202 vagas de emprego em todo o Estado do Rio. Os salários variam de R$ 678 (telefonista) a R$ 7.050 (coordenador de administração de pessoal), com benefícios que podem incluir vale-transporte, plano de saúde, assistência odontológica e auxílio refeição ou alimentação, a cargo de cada empre-

sa. Somente na Região Metropolitana estão disponíveis 2.179 oportunidades, com destaque para auxiliar de depósito (50 vagas), operador de telemarketing ativo e receptivo (70 vagas), pedreiro (20 vagas) e confeiteiro (20 vagas). As remunerações variam de R$ 678 a R$ 1,4 mil. Na Baixada Fluminense são 86 oportunidades de empregoOs locais dos postos de atendimento estão disponíveis pelo telefone da Setrab: (21) 2332-9999.

País AGU cobra R$ 1,5 milhão de sócios da Boate Kiss

A

Advocacia-Geral da União (AGU) cobrará R$ 1,5 milhão dos sócios da Boate Kiss pelo incêndio, na madrugada do dia 27 de janeiro, que provocou a morte de 242 pessoas. Elas estavam em uma festa na boate. O fato ocorreu em decorrência de descumprimento das normas de segurança do trabalho. Uma ação regressiva acidentária será ajuizada hoje (15) pela AGU para ressarcimento de benefícios previden-

ciários concedidos a 17 funcionários e terceirizados, ou seus dependentes, vítimas da tragédia. A Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU, ainda estuda ingressar com nova ação incluindo os demais mortos e feridos no incêndio. Segundo a AGU, “o pedido de indenização decorre da negligência do estabelecimento em relação às normas de proteção e saúde dos empregados em razão do descumprimento da legislação de prevenção e segurança do trabalho”.

Internacional Espionagem: EUA ainda devem esclarecimentos

O

ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reiterou nesta segunda-feira (15) que aguarda as informações oiciais do governo dos Estados Unidos sobre as denúncias de espionagem de cidadãos brasileiros, por agências norte-americanas. O chanceler disse ainda que considera “insuicientes” os esclarecimentos fornecidos até o momento. Na semana passada, o governo brasileiro pediu explicações ao Depar-

tamento de Estado norte-americano e à Embaixada dos Estados Unidos em Brasília. - Alguns esclarecimentos foram fornecidos, nós consideramos insuicientes - disse Patriota, após reunião com o ministro das Relações Exteriores da Nigéria, Olugbenga Ayodeji Ashiru. “Não há nenhum desenvolvimento adicional em relação aos esclarecimentos que eu forneci à Comissão de Relações Exteriores do Senado e da Câmara, quarta-feira passada.”

►16 a 22 de Julho de 2013

Duque de Caxias realiza Conferência de Assistência Social

A

secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de Duque de Caxias promoverá dias 17, 18 e 19 de julho, a XI Conferência Municipal de Assistência Social, no auditório da Unigranrio. O tema escolhido pelo Conselho Nacional de Assistência Social foi “A Gestão e o Financiamento

na efetivação do SUAS”. O encontro servirá ainda, para um avaliação das conferências realizadas no período de 2005 a 2011. - É importante para Política de Assistência Social do município, avaliarmos e propormos, com objetivo de cada vez mais consolidarmos o Sistema Único de Assistência Social, visando

a garantia e direito a todos que dele necessitarem - destacou a secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Claudia Peixoto. No dia 17 de julho, a palestrante Heloísa Mesquita, superintendente estadual do Serviço de Proteção Social Básica, irá debater o tema abrangendo a impor-

tância do inanciamento no estabelecimento de pisos para coinanciamento de ações na Proteção Social Básica, adequação de estruturas inanceiras para pisos de Média e Alta Complexidade e implementação de pesquisas na Vigilância Social.

10º Festival de Teatro de Duque de Caxias abre inscrições

A

té o dia 23 de agosto grupos de teatro de todo país poderão se inscrever para o 10º Festival Nacional de Teatro de Duque de Caxias, que este ano irá oferecer R$ 24 mil em prêmios para os três melhores espetáculos nas categorias: adulto e infantil. As peças selecionadas serão conhecidas no dia 2

de setembro. As apresentações serão no Teatro Raul Cortez entre os dias 23 de setembro e 6 de outubro. Também terão direito a troféus o melhor Diretor, Ator, Atriz, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante, Figurino, Maquiagem, Cenograia e Iluminação. O Centro de Pesquisas Teatrais (CPT), organizador do

evento, vai oferecer o Prêmio CPT de Dramaturgia. O festival conta com apoio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. Os grupos interessados em participar do festival podem acessar o s endereços eletrônicos: http:// duquedecaxias.rj.gov.br e no portal http://cptdc. blogspot.com.br/., onde

consta o regulamento e a icha de inscrição. Maiores informações podem ser obtidas no Teatro Municipal Armando Mello (Avenida Frei Fidelis, s/nº, centro, telefone (21) 2671-3056), durante o horário comercial ou pelo e-mail cptdc@ hotmail.com.

Banco do Brasil vai passar por auditoria do TCU

A

renegociação de dívidas rurais pelo Banco do Brasil (BB) passará por auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). O órgão atendeu ao pedido da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia da Câmara

dos Deputados para veriicar se a instituição inanceira atuou com regularidade na renegociação e na securitização (conversão) de débitos do crédito rural desde 2001 até hoje. O ministro José Múcio Monteiro será o relator do processo no TCU. A audi-

toria terá como objeto os seguintes pontos: correção monetária relativas aos planos Bresser e Collor, expurgo de honorários pagos a advogados do saldo devedor quando exigido pelas normas, continuidade da concessão de crédito rural e readequação das

garantias das dívidas renegociadas. O TCU veriicará ainda a cessão de créditos rurais para a União (quando o Tesouro Nacional assume parte das dívidas renegociadas), as mudanças de normas.

Receita libera segundo lote do Imposto de Renda

A

Receita Federal liberou nesta segunda-feira (15), na rede bancária, o dinheiro das restituições do segundo lote de declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física 2013. Neste lote, os valores foram corrigidos em 2,21% Com a liberação do segundo lote, sobe

para R$ 4,03 bilhões o valor total pago até agora. O número de contribuintes incluídos nos dois lotes chega a 2,9 milhões. Ao todo estão previstos sete lotes regulares, sendo o último em dezembro. O calendário de restituição está no Ato Declaratório 3 da Receita Federal, publicado no Diário

Oicial da União. A Receita lembra que a restituição icará disponível no banco durante um ano. O contribuinte que não recebeu a restituição deve procurar o extrato no site da Receita para veriicar por que caiu na malha ina ou se a declaração está na base de dados esperando a liberação.

As pessoas que identiicarem algum erro devem enviar a declaração retiicadora. O extrato da declaração é disponibilizado no Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) onde se encontram outras informações relativas ao Imposto de Renda.

Governo espanhol pede desculpas ao presidente Evo Morales

O

governo espanhol pediu nesta segunda-feira (15) desculpas à Chancelaria boliviana pelo incidente ocorrido com o avião do presidente Evo Morales na Europa, há duas semanas, e disse esperar que as relações bilaterais se mantenham boas. A

nota da Espanha dirigida à chancelaria da Bolívia foi entregue pelo embaixador espanhol em La Paz, Ángel Vázquez, que lamentou o procedimento do seu homólogo em Viena, Alberto Castro. Morales acusou Alberto Castro de querer inspecionar o seu avião para

verificar se viajava consigo Edward Snowden, que prestava serviços para a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos, que o governo norte-americano acusa de ter divulgado informação classificada. - Lamentamos esse fato, apresentamos as

nossas desculpas por esse procedimento, que não foi adequado - diz o documento, que refere ainda que Evo Morales "foi colocado em uma posição difícil e imprópria para um chefe de Estado".

Brasil conia que Paraguai aceite voltar ao Mercosul

O

governo do Brasil aguarda que, com a posse no próximo dia 15 do presidente eleito do Paraguai, Horacio Cartes, o governo paraguaio reveja a decisão de rejeitar a volta do país para o Mercosul bloco formado por Brasil, Uruguai, Argentina,

Venezuela e o Paraguai, que está suspenso há um ano. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, indicou nesta segunda-feira (15) que espera Cartes assumir o poder para negociar o retorno efetivo do Paraguai ao bloco. “O importante é ouvir o que o novo go-

verno tem a dizer, uma vez no pleno exercício do poder, o governo [de Cartes] está falando como governo eleito, mas não ainda como empossado. Isso será a partir do dia 15 de agosto”, ressaltou o chanceler. Patriota conirmou ainda que a presidenta Dilma

Rousseff, que sugeriu a presença de todos os líderes do bloco na cerimônia de posse de Cartes, mantém sua decisão de participar da solenidade, apesar de o paraguaio ter anunciado a recusa de reintegração ao Mercosul.


MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

7

Demarcações reduzem área agricultável, diz CNA A

presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, disse que o país corre o risco de diminuir em 48,8 milhões de hectares (ha) o tamanho das áreas de produção agrícola, entre 2011 e 2018, caso sejam mantidas as médias de demarcação de terras indígenas e de unidades de conservação ambiental dos governos Fernando Henrique Cardoso e Lula. Isso, segundo ela, representaria no período, uma perda de R$ 204,6 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB) - a soma de todos os bens e serviços produzidos no país -, considerando o preço de R$ 4,19 mil por hectare. “Se continuarmos aumentando essas áreas, a exemplo dos governos anteriores [ao da presidenta Dilma Rousseff], diminuiremos a área de produção do país em quase 50 milhões de hectares. Mantendo essa média, em 2031 o país terá perdido todas as áreas de produção agrícola e em 2043 todo o território nacional seria ocupado por unidades de conservação e terras indígenas”, disse Kátia Abreu.

Iza Fiúza-ABr

De acordo com números apresentados pela CNA, a média de demarcação de unidades de conservação ambiental dos quatro mandatos FHC-Lula, foi 3,16 milhões de ha para unidades de conservação ambiental por ano, enquanto a de terras indígenas foi 3,75 milhões de hectares/ano. “O problema é que quase todas essas demarcações são obras de icção porque o rito não foi completado, já que os produtores não foram indenizados no pra-

zo de cinco anos contados a partir da expedição de um decreto. E olha que esse prazo foi deinido por uma lei de 1941, quando sequer havia aparatos tecnológicos como o GPS [Sistema de Posicionamento Global]”, argumentou a presidenta da CNA. Para Kátia Abreu, não será fácil cumprir com as indenizações sem que o órgão responsável pelo ressarcimento – o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

– tenha aumentado seu orçamento que, em 2012, foi R$128 milhões. “O ICMBio estima um passivo de 19,5 milhões de hectares referentes a terras ainda por indenizar. Se essa indenização for feita tendo por base o preço deinido pelo Incra, de R$1,27 mil por hectare, serão necessários 209 anos para pagá-la. Se considerarmos o preço de mercado, de R$ 5,5 mil por hectare, serão necessários 836 anos”, argumentou Kátia Abreu. (Agência Brasil)

BC aumenta juros básicos da economia pela terceira vez seguida

P

ela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) reajustou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 8,5% ao ano. "O comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inlação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano", justiicou o Copom em comunicado. Em abril, o Copom iniciou um novo ciclo de alta nos juros básicos, depois de quase dois anos sem aumento, e elevou a Selic para 7,5% ao ano. Desde agosto de 2011, a taxa vinha sendo reduzida sucessivamente até atingir 7,25% ao ano em outubro de 2012, o menor nível da história. A Selic foi mantida nesse nível até março deste ano. A taxa Selic é o principal instrumento do BC para manter a inlação oicial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) dentro da meta estabelecida pela equipe econômica. De acordo com o Conselho Monetário Nacional (CMN), a meta de inlação

corresponde a 4,5% (centro da meta), com margem de tolerância de dois pontos percentuais, podendo variar entre 2,5% (piso da meta) e 6,5% (teto da meta). Segundo o Instituto Brasileiro de Geograia e Estatística (IBGE), desde julho do ano passado, o IPCA acumulado em 12 meses vem subindo. Em junho, o índice acumulado chegou a 6,7% e ultrapassou o teto da meta de inlação do governo. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições inanceiras divulgada pelo Banco Central, o IPCA encerrará 2013 em 5,81%. Por outro lado, o aumento da taxa Selic prejudica o reaquecimento da economia, que cresceu apenas 0,9% no ano passado e ainda está sob o efeito de estímulos do governo, como desonerações e crédito barato. De acordo com o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de 2,34% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2-013. A estimativa foi reduzida pela oitava semana seguida. (Agência Brasil)


8

MERCADO & NEGÓCIOS

►16 a 22 de Julho de 2013

Integração de programas melhora produção de leite no estado A

integração entre os programas Rio Rural, Rio Leite e Rio Genética, da secretaria estadual de Agricultura está beneiciando cada vez mais pequenos produtores e associados das cooperativas de leite do Norte e Noroeste Fluminense. Com investimentos diretos, inanciamentos e incentivos iscais, os pecuaristas têm melhorado a qualidade dos rebanhos e as condições de venda, além de reduzirem o impacto ambiental de suas atividades, preservando o ambiente. Na microbacia São Domingos, em Conceição de

Macabu, o agricultor assentado César Peixoto de Souza, de 59 anos, é um exemplo do sucesso das políticas da secretaria estadual de Agricultura para o setor. Ele está feliz com o investimento de R$12 mil do Rio Genética, para a compra de quatro animais, que paga em prestações trimestrais. “As vacas são ótimas e já deram crias. Além disso, a minha produção de leite subiu”, avalia o agricultor, que também recebeu do Rio Rural incentivo inanceiro, não reembolsável, para plantação de cana forrageira, para alimento do gado. A média da pro-

dução de leite na propriedade subiu de 60 para 70 litros por dia, vendidos à Cooperativa de Leite de Conceição de Macabu. César foi beneiciado ainda pelo Rio Rural com um kit de produção de mel para complementar a renda familiar. Como contrapartida ambiental, ele protege 1,7 hectares de mata, ajudando a preservar o meio ambiente e aumentando a produtividade das abelhas. Este ano, receberá recursos do programa para compra de uma ordenhadeira mecânica e formação de novo pasto. Por ter adquirido as vacas através do Rio Gené-

tica, o produtor teve direito à assistência técnica gratuita para realizar Inseminação Artiicial Por Tempo Fixo (IATF). A liberação de R$ 60 milhões de créditos de ICMS retidos, através do programa Rio Leite, está promovendo a reestruturação de cooperativas e laticínios em todo o estado. A Cavil – Cooperativa Agrária do Vale do Itabapoana Ltda, uma das primeiras beneiciadas com o incentivo, utilizou o crédito de R$ 3 milhões para construir seu novo parque industrial, em Bom Jesus do Itabapoana, no Noroeste Fluminense.

Sobrevivência das pequenas e micro nos dois primeiros anos chega a 76% O

índice de pequenas e microempresas criadas no Brasil que sobrevivem aos primeiros dois anos de existência é 75,6%, de acordo com o estudo Sobrevivência das Empresas feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). De acordo com os dados divulgados dia 10, todos os setores

analisados aparecem com sobrevivência acima de 70%. As indústrias são as empresas com mais sucesso nos primeiros dois anos, com 79,9% ativas. Depois vem o comércio com 77,7%, a construção civil, com 72,5% e os serviços, com 72,2%. Para fazer o censo, o Sebrae avaliou as bases cadastrais da Receita Federal entre

os anos de 2007 e 2010, abrangendo um universo de 500 mil empresas por ano. A região com maior taxa de sobrevivência é a Sudeste, com 78,2%. Em seguida aparecem o Sul (75,3%), Centro-Oeste (74%), Nordeste (71,3%) e Norte (68,9%). De acordo com o Sebrae, as pequenas e microempresas constituem

99% do total de empresas no país, concentrando 52% do saldo de empregos formais e 40% da massa salarial. Esse conjunto de empresas é responsável por 25% do PIB do país e por 70% das novas vagas geradas mensalmente. As micro e pequenas empresas contribuem ainda com 1% das exportações.

Edição nº 167  

Jornal Capital - Edição nº 167