Page 21

Bariri, 30 de Novembro de 2013

A Palavra a Serviço da Verdade e do Bem

Página 21

CIDADE

Prefeita admite rever índice de reajuste dos servidores Rosana Acçolini - Esta semana a prefeita Deolinda Antunes Marino (PT) admitiu que estuda aumentar o índice de reajuste do salário dos servidores da prefeitura, do Saemba e do Legislativo. Desde que enviou proposta de 7% - índice baseado no INPC - a chefe do Executivo sofre pressão de parte dos servidores, descontentes com o nível salarial do funcionalismo local. Deo Marino indica oferecer 8%. Na semana passada, comissão de ADI – auxiliares de desenvolvimento infantil (monitoras de creches) iniciou movimento reivindicando de 10 a 12% de aumento. A prefeita estava em Brasília e elas pro-

curaram o apoio de membros do Legislativo. Outras categorias também prometem estar na sessão de segunda-feira, 02, data marcada para a votação do reajuste. A diretoria do Sindicato dos Funcionários Municipais, liderada por Bel Furcin, que hoje ocupa cargo de confiança na administração, não se manifestou oficialmente. Os vereadores – quase em sua totalidade – criticam o índice proposto e vêm apoiando as reivindicações dos servidores. Na quartafeira a prefeita conversou com os vereadores no gabinete. Eles argumentam que a arrecadação tende a aumentar devido ao reajuste de tri-

butos municipais. Citam, em especial, a proposta de reclassificação fiscal dos imóveis, que incide sobre o valor do IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano, que tramita na Câmara e que pode render aos cofres públicos mais R$ 600 mil reais em 2014. De acordo com o vereador Airton Pegoraro (Pros), os integrantes do Legislativo iniciaram propondo índice de 12%, recusado pela prefeita. Depois, houve a proposta de 10%, também negada. Deo Marino explicou a recusa, citando dados técnicos fornecidos pela assessoria de Planejamento, Finanças e Administrativa.

De acordo com ela, a folha de pagamento da prefeitura sofre impacto do custo do plano de carreira dos servidores em vigor, em especial na área de educação. Como o reajuste de 7% e os encargos sociais, a folha deve consumir mais de 50% da receita corrente líquida, o que implica em ficar no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. Segundo a prefeita, para que a prefeitura adote política salarial de aumento real (acima da inflação), proposta pelos vereadores, é necessário antes realizar reforma administrativa que enxugue a máquina e racionalize os gastos. Deo Marino afirma que até

Divulgação

segunda-feira, dia da votação do reajuste, vai continuar reunida com equipe técnica para redimensionar alguns gastos e tentar atingir o índice de 8%. “Mas, não será fácil”, afirma. Pegoraro já adiantou que essa contraposta não é do agrado do Legislativo. O impasse pode levar a Câmara a rejeitar o reajuste proposto pelo Executivo. Se não houver sessão extraordinária, o as- Segundo Pegoraro, os vereadores apóiam sunto só volta na pauta proposta de aumento do índice de reajuste de votação no mês de e ameaçam rejeitar projeto da prefeita fevereiro, quando o Legisla- ve ser retroativa ao dia 1º de tivo retornar aos trabalhos. janeiro, data base da categoAi a proposta de reajuste de- ria.

Albertini conta a sua trajetória e desfiliação no PT Juliana Campos/Candeia

Juliana Campos - Francisco Albertini, 65 anos. Eletricista de Manutenção de Máquinas aposentado, escritor, integrante da Abla e da Orquestra de Violas. Participou da implantação do Partido dos Trabalhadores (PT) em São Bernardo do Campo, em 1982. Na última terçafeira, 26 de novembro, protocolou a sua desfiliação ao PT. Natural de Bariri, Albertini trabalhou na lavoura, cortava lenha, atuou na extinta indústria Resegue. Em busca de melhores oportunidades de trabalho, foi para São Bernardo e em 1976 ingressou na Volkswagen.

Era filiado ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, liderado por muitos anos pelo torneiro mecânico e expresidente Luis Inácio Lula da Silva (PT). Participou ativamente dos movimentos grevistas na década de 80. Conta que ao lado de Lula lutou por melhores condições de trabalho. Apenas na Volks, naquela época, eram 40 mil funcionários. O fato de ser filiado ao Sindicato e brigar por direitos culminou na sua demissão. Mas logo conseguiu emprego na Crysler e depois na empresa Autolatina. Foram 20 anos de trabalho em empresas de São Bernardo. Atu-

almente, Albertini reside em Bariri. “Foi uma luta difícil, violenta. Foram muitos os confrontos com o Exército, bombas de gás lacrimogêneo, até mesmo dentro de uma igreja que o padre cedeu para as nossas reuniões. Várias pessoas foram presas, muitos feridos, inclusive mortos”, recorda. Albertini conta que paralelo ao movimento grevista começou, em 1977, trabalho para a fundação do PT. Ele diz que o partido foi reconhecido em maio de 1982. Conta que fazia parte da Comissão de Mobilização e sempre atuou nos bastidores.

O ideal de Lula e seus seguidores, como destaca Albertini, era “tirar de quem tem mais”, “reduzir a carga tributária dos menos favorecidos”, “governar para e com o povo”. “A essência, o ideal do PT, caiu pela tangente. O partido se afastou do povo, hoje é elitista, egoísta. Com muita dor no coração tomei a difícil decisão de pedir a desfiliação, depois de 31 anos. Mas foi muito grande a minha decepção com o partido tanto em esfera local como nacional”, diz. Como curiosidade, Albertini conta que era amigo do então cunhado de Lula, co-

nhecido como Lambari. O ex-presidente foi casado com uma baririense, que faleceu muito jovem. “A esposa do Lula era irmã de Lambari. Eu e ele tocávamos modas de viola na ala IV da Volks”, relembra. Casado com Maria Teresa Frizzon Albertini, é pai de duas filhas e avô de duas netas. Começou a escrever durante as greves e venceu um concurso de poesia na década de 80, promovido pelo Jornal Diário do Grande ABC. Albertini é autor do livro Fio da Alma e pretende lançar um segundo título.

Francisco Albertini participou da fundação do Partido dos Trabalhadores

IPVA 2014 cai em média 5,16% em São Paulo Tributos - A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informou nesta terçafeira (26) a tabela do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2014. Ela apresenta queda média de 5,16% no valo-

res venais dos veículos. A redução dos valores ocorreu, assim como em anos anteriores, por causa da depreciação dos veículos. As alíquotas no imposto permanecem inalteradas em relação a 2013. Proprietários

Etapas do cálculo 1) Localizar valor venal Os valores venais dos veículos foram divulgados somente no Diário Oficial desta terça-feira (26). A secretaria prevê a divulgação de uma lista em formato mais acessível em até 48 horas. Por enquanto, para fazer o cálculo de quanto será o imposto é preciso primeiro clicar no link da seção Suplementos do Diário Oficial. No caderno, os valores venais dos veículos estão divididos por categorias. A lista dos automóveis, por exemplo, pode ser consultada em ordem alfabética. Uma outra possibilidade é usar, no Diário Oficial, o campo “Buscar nesta edição”, digitando ali o

de veículos a gasolina e os bicombustíveis (flex) recolherão 4% sobre o valor venal. No caso de veículos que utilizarem exclusivamente álcool, eletricidade ou gás,

ainda que combinados entre si, a alíquota é de 3%. As picapes cabine dupla pagam 4%. Os utilitários (cabine simples),ônibus e microonibus e motocicletas recolhem

2% sobre o valor venal. Os caminhões pagam 1,5%. Segundo a Secretaria da Fazenda, a Ferrari F12 Berlinetta, fabricada em 2013 e avaliada em R$ 2.532.325 mi-

lhões, pagará o IPVA mais caro: R$ 101,293 mil. Já o modelo IMP Lancia, fabricado em 1994 e avaliado em R$ 2,325 mil, pagará o menor IPVA: R$ 93. (Fonte: G1)

Agenda do IPVa em São Paulo Confira calendário do pagamento do exercício 2014

nome oficial do carro que deseja procurar. 2) Fórmula matemática Depois de localizar o modelo e ano do seu veículo, anote o valor venal. Para calcular o valor do imposto, é preciso aplicar a aliquota sobre o valor venal, como no exemplo abaixo: Valor venal do veículo: (exemplo: R$ 20.050) Alíquota: 4% Cálculo: 20.050 x 0,04 (R$ 802 é o valor que será cobrado no IPVA) Quem optar por pagar o IPVA em cota única em janeiro terá desconto de 3%.

Infográfico G1

30 11 2013 Jornal Candeia  

30 11 2013 Jornal Candeia

30 11 2013 Jornal Candeia  

30 11 2013 Jornal Candeia

Advertisement