Page 1

Assim você não conseguirá

Para ex-professor da UnB, foi milagre queda de viaduto não ter matado ninguém

Dieta do Carnaval Páginas 14 e 15

Ano VII - 349

Brasília, 10 a 16 de fevereiro de 2018

E X C LU S I V O

PDT bate o martelo Carnaval: escolha onde cair na folia Tem programação para todos os gostos. Veja a lista completa no Brasília Capital Páginas 12 e 13

Caem as pontes da cidadania Colunista faz ligação entre desabamento do viaduto e rachaduras sociais do DF Página 10 - Chico Sant’Anna

Contrato do Centro Administrativo vira tabu no GDF Pelaí – Página 3

Joe Valle disputa o Buriti Dia 8 de março, haverá solenidade para oficializar o presidente da Câmara Legislativa como pré-candidato, em articulação feita pessoalmente pelo presidente nacional da legenda, Carlos Luppi. Para o evento, com convite enviado ao presidenciável Ciro Gomes, as obras na sede do partido foram aceleradas. Ele quer a presença da bancada do Congresso./ Página 5

PT pode lançar candidata que hoje é do PSol O nome da jurista Beatriz Vargas, da UnB, é cotado para ser cabeça de chapa e tem apoio da presidente regional do partido, deputada Érika Kokay Página 4

Páginas 8 e 9

www.bsbcapital.com.br

O Mecenas de Brasília

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

JÚLIO PONTES

ENTREVISTA / TEATINE Como concordar as cores?


Brasília Capital n Opinião n 2 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

E

ARTIGO

x p e d i e n t e

Para onde vai o navio do centro político Diretor de Redação Orlando Pontes ojpontes@gmail.com Diretor Comercial Júlio Pontes comercial.bsbcapital@gmail.com Pedro Fernandes (61) 98406-7869 Diretor-Executivo Daniel Olival danielolival7@gmail.com (61) 99139-3991 Diretor de Arte Gabriel Pontes redação.bsbcapital@gmail.com Tiragem 10.000 exemplares Distribuição Plano Piloto (sede dos poderes Legislativo e Executivo, empresas estatais e privadas), Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Riacho Fundo, Vicente Pires, Águas Claras, Sobradinho, SIA, Núcleo Bandeirante, Candangolândia, Lago Oeste, Colorado/Taquari, Gama, Santa Maria, Alexânia / Olhos D’Água (GO), Abadiânia (GO), Águas lindas (GO), Valparaíso (GO), Jardim Ingá (GO), Luziânia (GO), Itajubá (MG), Piranguinho (MG), Piranguçu (MG), Wenceslau Braz (MG), Delfim Moreira (MG), Marmelópolis (MG), Pedralva (MG), São José do Alegre, Brazópolis (MG), Maria da Fé (MG) e Pouso Alegre (MG). C-8 LOTE 27 SALA 4B, TAGUATINGA-DF - CEP 72010-080 - Tel: (61) 3961-7550 - bsbcapital50@gmail.com - www.bsbcapital.com.br - www. brasiliacapital.net.br

Os textos assinados são de responsabilidade dos autores

Siga o Brasília Capital no facebook.com/jornal.brasiliacapital

As incertezas políticas e sociais do pós-impeachment da ex-presidente Dilma (PT), somadas a um contexto de recessão e déficits macroeconômicos, carregaram em seu bojo, entre tantas apostas, um cenário de (re) ascensão de uma direita tipicamente identificada com um autoritarismo tacanho. Entretanto, o que temos acompanhado nos discursos de importantes atores políticos e de comentaristas é uma clivagem rumo a uma pretensa racionalidade, que reúne o desenvolvimento social com a responsabilidade fiscal. Essa proposta tem-se materializado em uma agenda de reformas estruturais, conduzida por Michel Temer (MDB). Desde os primórdios do documento “Uma ponte para o futuro”, Temer tem constituído uma retomada do crescimento a partir da reconquista da confiança do dito “mercado”, e assim formando uma lógica de transições em termos de políticas públicas. Essas medidas trouxeram sinais de recuperação econômica. A taxa de desemprego recuou quase 2% entre 2016/17. E a previsão otimista é de que sejam abertos novos 740 mil postos de empregos formais em 2018. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceria de 2,2% a 3,5%.

C

nCEAD O Centro Administrativo trará desenvolvimento para nossa região, reduzirá a lotação do metrô no horário de pico e irá melhorar significativamente o trânsito da EPTG, EPNB e Estrutural. Cesar Vasconcelos, via Facebook Dureza disso tudo é que, legal ou ilegal, correto ou incorreto, moral ou imoral,

Estabilidade econômica e volta do crescimento fortalecem candidaturas presidenciais de Henrique Meirelles, Rodrigo Maia e Geraldo Alckmin

Guilherme Carvalho (*)

no final das contas a responsabilidade pelo pagamento dessa pendenga irá pesar nos nossos bolsos de contribuintes... Nossos governantes estão simplesmente empurrando o problema com a barriga e não procuram solução. Cleiverson Mariano, via Facebook Tudo culpa do Agnelo Queiroz, que já teve intenção de roubar com a Ode-

Tanto o esforço orçamentário do governo para aprovar suas agendas, além das tentativas dos partícipes desse processo de capitalizarem sua parcela de responsabilidade no tímido avanço da economia brasileira, não podem ser ignorados para um contexto eleitoral. Um exemplo é o “capitão” do navio das reformas do governo, o ministro da Fazenda Henrique Meireles (PSD-GO), que tenta repetir o cenário de 1994, no qual o então ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a partir de uma série de medidas, incluindo a implantação do Plano Real, se cacifou para se eleger presidente. Outro que entra no páreo é o

presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), conhecido por uma plataforma mais conservadora, mas que tem dado entrevistas nas quais se diz liberal e o principal defensor e articulador das reformas na Câmara. Quem demonstra grandes possibilidades de um alcance nacional é Geraldo Alckmin. O governador de São Paulo ainda precisa passar pelas prévias do PSDB, reivindicadas pelo prefeito de Manaus (AM), Arthur Virgílio. No entanto, não se pode duvidar da astúcia política de Alckmin que costuma atrair apoios de outros espectros ideológicos para o seu campo, como fez com o PSB paulista. É cedo para afirmar categoricamente se haverá uma concentração e/ou dispersão de candidaturas no centro político. No entanto, as atuais mudanças econômicas, a força adquirida pelos partidos de centro nas eleições municipais de 2016, e a força da estrutura partidária, indicam um cenário de “vento em popa” para as candidaturas de centro, que encontram refúgio na “brisa” da retomada do crescimento econômico e a busca de alianças que alicercem e garantam sua chegada à terra firme em outubro.

(*) Professor de Ciência Política, especialista em Políticas Públicas e mestrando em Ciência Política pela UFG.

a r t a s

brecht e com o administrador de Taguatinga que aprovou o habite-se em um dia: 31/12/2015. Adriana Emerson, via Facebook Será que os referidos bancos vão perdoar a dívida, assim como o excelentíssimo presidente anda perdoando? Hilma Jesus, via Facebook Põe na conta do Agnelo, junto com o boleto do Es-

tádio Nacional. Augusto Cruz, via Facebook Sobre manchete da edição 348, que mostrou que dívida do Centro Administrativo já chega a R$ 1,2 bilhão. nTaguatinga Só assim mesmo, visto que o governo se mostra incompetente. Marcelo Marques, via Facebook Parabéns pela iniciativa

de manter a praça sempre limpa. A obrigação é do governo, mas se ajudarmos a conservar as praças e conscientizar as pessoas de que também temos que cuidar, todos ganharão. É nossa obrigação também. Gilson Almeida, via Facebook Sobre matéria que mostrou moradores das QNAs 32 e 43 fazendo vaquinha para manter a limpeza da praça


Brasilia Capital n Política n 3 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

A

aliança com o PSDB é considerada fundamental para as pretensões do governador Rodrigo Rollemberg (PSB). Por isso, a ordem no Buriti é dar todo o suporte para que o grupo de Maria de Lourdes Abadia ganhe

PEDRO VENTURA / AGÊNCIA BRASÍLIA

Desembarque e saia justa O PRB adiou para o final de março a decisão de sair ou não da base de apoio do governo. O desembarque deixaria a secretária de Esportes, Leila Barros (foto), numa saia justa. Afinal, ela está na equipe de Rollemberg desde o primeiro momento e ficaria feio abandonar o barco às vésperas da eleição.

a disputa com o atual presidente da legenda, deputado Izalci Lucas. Todo o esforço será feito para que o mandato da executiva provisória, comandada por ele, não seja prorrogado após o dia 15 de março.

Ninguém sabe, ninguém viu O assunto Centro Administrativo virou um grande tabu no Palácio do Buriti. Desde que o Brasília Capital passou a publicar matérias sobre o abandono do complexo de 17 prédios numa área de 182.000m² em Taguatinga, ninguém no GDF é autorizado a dar explicações sobre o futuro daquela estrutura. DÍVIDA – Construído numa Parceria Público-Privada com o consórcio Odebrecht/ Via Engenharia, o CEAD está pronto desde dezembro de 2014. Mas o governo se recu-

sa a recebê-lo. Isto fez a dívida do Centrad junto à Caixa Econômica Federal (CEF) e ao Santender passar de R$ 700 milhões em 2015 para mais de R$ 1,2 bilhão. COMISSÃO – A secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, criou uma comissão para acompanhar o caso. O grupo trabalha desde janeiro de 2016, mas, pelo menos para o público externo, até o momento não apresentou qualquer resultado. ESCLARECIMENTOS – A reportaJÚLIO PONTES

VOO MAIS ALTO – O único representante do PRB na Câmara Legislativa, Júlio César, o mais votado em 2014, concorrerá a deputado federal. O partido se mexe para manter a cadeira no legislativo local a partir de 2019.

CIDADE CAIXA – Também tramitam na CEF, sob segredo, tratativas para o banco receber o CEAD em pagamento à dívida do consórcio Centrad e instalar ali todas as suas atividades técnicas e administrativas. O projeto foi batizado, provisoriamente, de “Cidade Caixa”.

Justo na Rede ANTÔNIO SABINO

HERDEIROS – São quatro os pretendentes a herdeiros de Júlio César, com as bênçãos da Igreja Universal: Leila do Vôlei; Pastor Martins, atuante na igreja; George Motta, ouvidor da administração de Samambaia; e o jornalista Todi Moreno. DIVULGAÇÃO

TODI NA TV – Ex-diretor do Procon-DF Todi Moreno (foto) vai estrear o programa “O conciliador”, na TV Brasília (Rede TV). As gravações já começaram e muitos casos estão sendo resolvidos. A ideia é mediar conflitos e apurar denúncias, desde violações aos direitos do consumidor até briga de vizinhos.

gem apurou que pessoas que participaram do governo passado têm sido chamadas a prestar esclarecimentos. Entre elas, ex-secretários, ex-diretores de empresas e ex-administradores de Taguatinga.

Dr. Gutemberg no PR O presidente do SindMédico-DF, Gutemberg Fialho, que em 2014 ficou como primeiro suplente de distrital pelo PSB, depois se desentendeu com o governador Rodrigo Rollemberg e passou para o PPL, se filiará ao PR no dia 21 de fevereiro. AFINIDADE – Dr. Gutemberg admite que a nova troca visa uma maior aproximação com o pré-candidato ao GDF e também médico Jofran Frejat. Juntos, eles vão bater no calcanhar de Aquiles do governador: a saúde.

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Taguatinga (Acit), Justo Magalhães (foto), é o mais novo filiado à Rede Sustentabilidade. O empresário assinou a ficha quarta-feira (7) durante uma festa na Associação Portuguesa. Ele é pré-candidato a deputado distrital. SENADOR CHICO – O evento contou com a presença do senador Hélio José (Pros), que concorrerá a deputado federal, e do distrital Reginaldo Veras (PDT), morador de Taguatinga. Quem abonou a ficha de Justo na Rede foi o deputado Chico Leite, que neste ano tentará uma vaga no Senado.


Brasília Capital n Política n 4 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Jurista do PSol pode ser a candidata do PT Beatriz Vargas, da UnB, é cotada para concorrer ao GDF. Ela participou dos debates do processo contra Lula Orlando Pontes

A

jurista Beatriz Vargas, filiada ao PSol, pode ser a novidade do PT na corrida sucessória de Rodrigo Rollemberg (PSB). Sem um nome de peso para a disputa pelo Palácio do Buriti em outubro, os principais líderes petistas admitem que o perfil de uma candidata “fora da política” seria um caminho para recuperar a imagem da legenda após o fiasco do governo Agnelo Queiroz e o desgastante processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A acadêmica da Universidade de Brasília (UnB) adquiriu a admiração dos petistas após participar dos debates do processo contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva na Operação Lava-Jato. Beatriz Vargas ainda foi a anticandidata a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) para o lugar Teori Zavaski, morto em acidente aéreo em janeiro de 2017. Mas o presidente Michel Temer (PMDB) acabou nomeando seu ex-ministro da Justiça, Alexandre de Morais. “Seria uma grande honra para o Partido dos Trabalhadores ter em seus quadros uma pessoa como a jurista Beatriz Vargas, apesar de respeitarmos a opção partidária que ela fez”, disse a presidente do PT-DF, Érika Kokay. A deputada lembrou que ainda daria tempo de a advogada assinar a ficha de filiação e que, pelo calendário da legenda, qualquer militante pode se inscrever como pré-candidato até o dia 31 de março para participar das prévias partidárias.

Beatriz Vargas, que conquistou admiração de petistas, é recebida de braços abertos pela presidente da legenda no DF, Érika Kokay

Dos quatro petistas brasilienses detentores de mandatos eletivos, nenhum pretende concorrer ao Executivo. Os distritais Chico Vigilante e Ricardo Valle tentarão a reeleição. Wasny de Roure está disposto a disputar uma das duas vagas no Senado. Érika Kokay quer manter sua cadeira na Câmara Federal. A ex-vice-governadora Arlete Sampaio defende a “oxigenação” do partido, e não seria obstáculo a uma candidatura como a de Beatriz Vargas ou a uma aliança com partidos de esquerda. Nesse caso, ela se colocaria como vice, por exemplo, de Joe Valle (PDT). Do contrário, tentará retornar à Câmara Legislativa.

MILITANTE – A ideia de trazer um candidato de fora do partido, ou mesmo uma coligação em que o PT não seja cabeça de chapa, desagrada boa parte da base petista. Na última reunião do diretório, sábado passado (3), como noticiou em primeira mão o portal Brasília Capital, diante da desistência da diretora do Sindicato dos Professores (Sinpro), Rosilene Corrêa, de concorrer ao GDF, o bancário aposentado Afonso Magalhães se colocou como pré-candidato ao Executivo. “Meu nome está à disposição para uma discussão interna, mas não vejo clima no partido para um debate muito acirrado”, disse ele à re-

portagem. A candidatura de Afonso Magalhães, que concorreu à Câmara Legislativa em 1982 e 2002 e não se elegeu, é defendida pela Central de Movimentos Populares (CMP), coordenada no DF pelo pré-candidato a deputado federal Antônio Sabino. Na quarta-feira (7), Magalhães ganhou o apoio da Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), dirigida em Brasília por Juscelino Lopo. O Conam lançará o candidato Santiago à Câmara Legislativa, numa dobradinha com Sabino. “O PT terá candidato próprio ao GDF e será um nome aprovado pela militância. Sem paraquedistas”, rechaçou Sabino.


Brasília Capital n Política n 5 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

EXCLUSIVO

Sebastião Abritta, Antônio Mathias de Sousa, Édson de Castro e Talal Abu-Allan foram reeleitos para comandar o Sindivarejista pelos próximos quatro anos

Edson de Castro é reeleito presidente do Sindivarejista O empresário Edson de Castro foi reeleito para mais um mandato de quatro anos à frente do Sindicato do Comércio Varejista do Distrito Federal. Encabeçando a chapa única Varejo Forte, ele tem como vice-presidentes os empresários Tallal Abu-Allan, Sebastião Abritta e Antônio Matias de Sousa. Ao agradecer os votos que resultaram em sua vitória, Castro afirmou que “continuaremos trabalhando pelo fortalecimento não apenas do comércio, mas também do Sindivarejista. O sindicato, desde a sua fundação em agosto de 1970, defende e continuará defendendo as reivindicações do setor”.

PDT lança Joe ao GDF dia 8 de março JÚLIO PONTES

Carlos Luppi convoca Ciro Gomes e bancada do Congresso para o evento e manda reformar a sede do partido em Brasília Orlando Pontes

N

Joe Valle tem a candidatura articulada pelo presidente do PDT nacional, Carlos Luppi ANTÔNIO SABINO

Fecomércio discute refis de microempresa O sistema Fecomércio vai reivindicar ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a derrubada do veto ao projeto que estabelece condições para parcelamento de débitos tributários apurados pelo Simples Nacional. Estiveram reunidos em Brasília, quarta-feira (7), os presidentes das Fecomércio do DF e do Amapá, Adelmir Santana e Eliezer Viterbino. “O tratamento diferenciado dessas empresas é um princípio constitucional”, diz Adelmir.

Reforma da sede do partido é apressada para a solenidade, com convite a Ciro Gomes

a semana em que o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) Ibaneis Rocha (MDB) renunciou à pré-candidatura ao Governo de Brasília, o presidente nacional do PDT, Carlos Luppi (RJ), bateu o martelo: no dia 8 de março, oficializará a pré-candidatura do presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle, ao Palácio do Buriti. A informação foi confirmada ao Brasília Capital por dirigentes locais do partido. O PT também decidiu que terá candidato próprio (leia matéria na página 4). Luppi assumiu pessoalmente as articulações para o lançamento do nome de Joe Valle ao GDF. Reuniu-se com correligionários brasilienses e telefonou para o presidenciável Ciro Gomes reservando a data de 8 de março, Dia Internacional da Mulher, em sua agenda. Durante a semana, Carlos Luppi reuniu-se com correligionários brasilienses para definir os detalhes da festa. Além da data e do convite a Ciro Gomes, convocou a bancada pedetista no Congresso Nacional. Ele quer todos os deputados e senadores da legenda no evento. CASA NOVA – Outra providência de Carlos Luppi foi determinar celeridade na reforma da sede do PDT, ao lado do anexo IV da Câmara dos Deputados. O novo auditório será inaugurado naquele dia e terá capacidade para 800 pessoas. Inicialmente, a inteligência das campanhas de Joe Valle e de Ciro Gomes funcionará ali.


Brasília Capital n Política n 6 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

GUSTAVO GOES

A hora e a vez de quem produz O Brasil tem jeito e o centro desta virada, sem dúvida, será o setor produtivo Cláudio Sampaio (*)

Eliseu Kadesh, entende a vida da maioria: seus três filhos estudam em escola pública e ele recebe atendimento médico no SUS

Sintonia com os eleitores Eliseu Kadesh, com postura de outsider na política, vê sua pré-candidatura ao Buriti crescer a cada dia

O

professor e empresário Eliseu Kadesh tem percorrido as cidades do Distrito Federal reafirmando sua disposição de ser “o primeiro outsider” a disputar o Palácio do Buriti. Otimista, ele diz que, a cada dia, seu nome ganha mais aceitação junto à população. “As pessoas querem alguma novidade na política. Estão cansadas da mesmice”, atesta. Ele acredita que está recebendo a simpatia de eleitores que o enxergam como o novo no cenário atual do DF. Kadesh pretende aliar sua experiência administrativa como empresário ao conhecimento que tem dos problemas do DF somado às de-

“Sirvo-me dos serviços públicos. Então, sei enxergar onde estão os defeitos e as coisas boas de Brasília; onde a gente pode investir mais e melhorar. Também tenho experiência em gestão” mandas que tem ouvido nos contatos com a população. “Sirvo-me dos serviços públicos. Então, sei enxergar onde estão os defeitos e as coisas boas de Brasília; onde a gente pode investir mais e melhorar. Também tenho experiência em gestão. Há mais de 15 anos sou gestor escolar. Sou empreendedor”, exemplifica. O pedagogo está filiado ao Avante. Seu nome já desperta interesse em outras legendas, situação que o

deixa ainda mais confiante no seu projeto de ser candidato sem amarras com problemas que cansaram os cidadãos. Um diferencial que ele apresenta é marcante para o eleitorado. Com a vida dedicada a Taguatinga, e morador de Águas Claras, é usuário de serviços públicos, como a saúde e a educação – seus filhos estudam na rede oficial. Ele assumiu a pré-candidatura em novembro de 2016. “Um ponto fundamental para mim, que sou conhecedor por ser de família de um policial militar, é um investimento nas polícias. Principalmente, a que está na rua”, afirma, ao se referir à segurança. Kadesh diz que está muito sintonizado também com as deficiências na saúde e na educação. Uma de suas prioridades é a valorização dos profissionais dessas três áreas e do funcionalismo público como um todo. Antes de citar falta de recursos, Kadesh centra sua atenção em falhas administrativas. Ou seja, falta de gestão.

Percebe-se, em grande parte da população, um clima de desistência, na linha de “o Brasil só tem corruptos” e de “o País não tem mais jeito”. Se, de fato, é desalentador perceber tanta ineficiência e bilionários desvios no setor público, fomentados por maus políticos e por meia-dúzia de tubarões dos grandes conglomerados, por outro lado, existe um Brasil de gente produtiva e de cidadãos guerreiros precisando de apoio. Há milhões de brasileiros honestos e que trabalham muito, havendo outros tantos milhões com dificuldades de se enquadrar no mercado de trabalho, seja em razão da retração econômica, seja por dificuldades de obter qualificação profissional. Existem, ainda, milhões de empresários e de trabalhadores autônomos que atuam também com seriedade e insistem em criar empregos, circulando bens e serviços, mesmo diante de um quadro de enorme burocracia e de desestímulo estatal. Em consonância com os princípios constitucionais do trabalho e da livre iniciativa, é chegada a hora de a renovação política, esperada a partir das eleições de outubro, valorizar efetivamente o nosso setor produtivo. Cumpre ao Parlamento legislar em prol da simplificação dos sistemas tributário e previdenciário, sem que se extrapole a capacidade financeira dos contribuintes, bem como a favor da legalização ampla e da proliferação de cursos de formação técnica e profissionalizante. O Brasil tem jeito e o centro desta virada, sem dúvida, será o setor produtivo!

Cláudio Sampaio Advogado


Brasília Capital n Política n 7 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

A implosão de Rollemberg e os destroços do DF Era uma tragédia anunciada. O desabamento do viaduto da Galeria dos Estados, na última terça-feira (6), revelou a precariedade de várias estruturas do Distrito Federal e as trincas de um governo em queda. Uma gestão que não se preocupa em recuperar qualquer tipo de pilar: nem de prédios, casas ou viadutos e muito menos de direitos básicos da população, como saúde, educação e segurança. AsDr. Gutemberg, sim funciona, desde o início, a “adpresidente do Sindicato ministração” de Rodrigo Rollemdos Médicos do DF e advogado berg. E não vai mudar. Assim como várias obras da capital, incluindo alguns cartões postais, o governo Rollemberg está ruindo. Ao ser eleito para governar Brasília, detentora da maior área tombada do mundo, ele parece ter entendido, dentro de suas limitações, que o melhor seria não fazer nada. Adotou, então, o que chama de “nova política”: a da irresponsabilidade, que visa, sobretudo, as privatizações. Este é o socialismo do atual governador do DF. Infelizmente, foi preciso que uma tragédia acontecesse para que as veias de um governo sem rumo fossem expostas a toda a população. Agora, não há mais pilares para Rollemberg sustentar sua farsa. Especialistas apontam, inclusive, o risco de desabamentos em vários

outros pontos do Distrito Federal; estruturas que deveriam ter passado por manutenção e reparos há, pelo menos, cinco anos. O Teatro Nacional, um dos cartões postais da cidade, é uma delas. E esses alertas foram feitos tanto pelo TCDF quanto por outros órgãos de fiscalização e controle, como o próprio MPDFT. Mas, o GDF tem por hábito não escutar alertas. Tampouco críticas. O SindMédico-DF é outro exemplo disso. Há anos, denunciamos o caos na saúde pública do DF. E o que foi feito pelo governador para reverter a situação? Absolutamente nada. Prova disso é que, nesta semana, no mesmo dia do desabamento na Galeria dos Estados, a imprensa denunciou que “em dois anos e meio, 1.261 pessoas morreram esperando vagas na UTI no DF”. Os

números são de um relatório interno do GDF. E, frente a todos os destroços do Distrito Federal – em todas as áreas –, a inércia de Rollemberg é uma constante. Mesmo depois de ver seu reino da fantasia escancarado Brasil afora com a notícia do desabamento no centro de Brasília, o governador não consegue responder à altura, com dignidade e, principalmente, com transparência. Ele não explicou, por exemplo, por que o viaduto no Eixão não foi contemplado nas ações de manutenção. Tudo o que se sabe, até o momento, é que os R$ 4,2 milhões destinados à restauração de estruturas elevadas não foram aplicados. Agora, um dia antes do desastre no Eixão, outro alerta foi dado: a barragem do Lago Paranoá corre risco de desaba-

mento. A afirmação é do presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon), Luiz Carlos Botelho. E, se isso acontecer, o espelho d’água – que é artificial – desaparece. Mas o GDF, claro, nega que exista essa possibilidade. Garantiu que a estrutura foi fiscalizada no ano passado e, provavelmente, deve ignorar o aviso. Fiquemos atentos: Rollemberg se comporta como Nero, o imperador insano. Ele assiste sua própria ruína, refém de sua incompetência, e vai até o fim no seu propósito de ser reeleito. Mesmo que, para isso, seja necessário implodir Brasília. É o desmonte do desmonte do desmonte.


Brasília Capital n Política n 8 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

O desabamento do viaduto no Eixão Sul, sobre a Galeria dos Estados, é um acaso ou uma tragédia anunciada? – Primeiro, eu não gosto de usar a palavra acidente, que é quando ocorre uma coisa totalmente imprevisível. Eu também não vou dizer que seria uma crônica de uma morte anunciada porque é um pouco pesado. Mas o senhor é um dos autores de um estudo técnico que previa esse perigo... Em 2006, eu e o professor Antônio Nepomuceno fizemos um parecer técnico para a extinta Agência de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano do GDF (Agindu), que era ligada à Secretaria de Obras. Foi um trabalho longo, de oito meses, onde nós fizemos uma vistoria bastante pormenorizada, de 17 viadutos em torno da rodoviária. Incluia este. Naquele momento, já existia necessidade de manutenção? – Não só ele. A conclusão do nosso trabalho é que os 17 viadutos foram considerados em estado crítico, em que a que a intervenção na estrutura deveria ser feita num prazo de seis meses a 12 meses, no máximo. E nada foi feito nesses quase 12 anos? – Alguns desses viadutos o atual governo recuperou. Mas não chegou à metade dos 17 que precisariam passar por recuperação. São no mínimo três governos. É importante notar que esse trabalho começou porque houve a queda de uma laje no começo da Asa Norte, no viaduto conhecido como Buraco do Tatu. Houve a ruptura da laje superior. O senhor diria que a estrutura da rodoviária também está comprometida? – A rodoviária, são vários viadutos. Nós fizemos – nós que eu falo é uma equipe da UnB – um grande trabalho, de 1995 a 1998, de recuperação e reforço da plata-

ENTREVISTA / JOÃO CARLOS TEATINE

Deus é candango Professor aposentado do Departamento de Engenharia da UnB atribui a milagre o fato de ninguém ter morrido na queda de viaduto da Galeria dos Estados Orlando Pontes

Os relatos dos sobreviventes e testemunhas do desabamento de 600 m² do viaduto sobre a Galeria dos Estados, no Eixão Sul, terça-feira (6), levam a crer em milagre o fato de ninguém ter saído ferido ou morto do incidente. Mas o professor aposentado do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Brasília (UnB) João Carlos Teatini, não tem dúvida: foi um milagre. “Deus é candango”, diz. Ainda no final da tarde de terça, seis horas após a queda das três pistas, destruindo quatro automóveis e provocando outros danos materiais ainda não calculados, Teatine concedeu entrevista ao Brasília Capital. Contou detalhes do estudo que fez há doze anos para GDF sobre a situação de 17 viadutos na área central do Plano Piloto – incluindo aquele que veio abaixo quinze minutos antes do

meio meio-dia no local onde funcionava um restaurante que abria para o almoço. Antes de tomar conhecimento das medidas anunciadas horas depois pelo governador Rodrigo Rollemberg, como mudanças no trânsito, interdição da área em torno do viaduto pelo menos até o próximo dia 19, e liberação de R$ 50 milhões para obras emergenciais em viadutos e pontes do DF, culminando com a demissão do diretor-geral do DER, Henrique Luduvice. na quarta-feira (7), Teatini avaliou que será mais barato e eficaz implodir toda a estrutura afetada pelo incidente e construir uma nova. E não poupou críticas aos governantes em geral. “Manutenção permanente é a Cinderela, é o primo pobre. Ninguém dá atenção. Para a maioria dos governantes, o que dá voto é construir coisas novas, bonitas, impactantes. Isso, inclusive, bom até para caixa de campanha”, dispara o professor.

do concreto tem que ser muito mais fiscalizada.

forma superior da rodoviária, que é uma estrutura fantástica, construída na primeira obra de Brasília, com lajes e vigas de 30 metros e 36 metros com concreto protendido. O que é o concreto protendido? – É onde o aço é esticado antes, quando se lança o concreto. É um aço especial, de uma resistência muito maior. No entanto, esse aço ele tem que ser muito protegido contra a corrosão. Porque ele é um aço muito forte. A ação da corrosão sobre ele é muito mais prejudicial. E todas essas estruturas de que estou falando, em geral, são de concreto protendido. Portanto, a proteção deste aço dentro

“Alguns desses viadutos o atual governo recuperou. Mas não chegou à metade dos 17 que precisariam passar por recuperação. São no mínimo três governos”

Como é que se faz isso? – O que se faz primeiro é impedir a entrada de água e de poluição. Não só a impermeabilização, mas impedir uma coisa que é muito comum, que são as juntas de dilatação. Elas têm que existir em todas as pontes, para permitir que a estrutura se deforme. Numa ponte, por exemplo, os veículos passam por cima, inclusive ônibus e caminhões. Isto deforma a estrutura. Então, naquele viaduto que desabou, por exemplo, tem uma junta. Ali, onde tem uma junta, vai ter uma calha, um lugar que passa água. Essa água não deve ir pa-

João Carlos Teatini avalia que será

ra dentro da estrutura. Tem que ser protegido para que não vá água para dentro da estrutura. Isso exige um trabalho de proteção prévia e manutenção periódica. Exatamente o que nenhum governo fez... Manutenção permanente é considerada, segundo um termo de um livro inglês, a “Cinderela”, o primo pobre. Ninguém dá atenção. Para a maioria dos governantes, o que dá voto é construir coisas novas, bonitas, impactantes. Isso, inclusive, falando preto no branco, é bom até para caixa de campanha. Então, nessas horas ninguém lembra que tem que manter o antigo.


Brasília Capital n Política n 9 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

FOTOS: JÚLIO PONTES

uma previsão um pouco pesada, mas não acredito que aquilo seja possível recuperar porque o custo da recuperação vai ser elevadíssimo. Qual a solução? – De imediato, vai ter que escorar toda a parte que sobrou, sob risco de cair porque a estrutura é toda igual. Se não desabou agora, o risco é igual na outra parte. Mais iminente. As primeiras especulações davam conta de que o problema foi causado pela chuva... – Não foi por causa de chuva. Em Brasília até chove pouco. Ficará mais barato derrubar tudo e construir de novo do que recuperar o que sobrou? – Pelas condições da estrutura de corrosão nos cabos, substituir tudo isso seria um custo incalculável. Para mim, seria muito mais viável implodir aquilo, retirar e fazer até com outra forma, com uma tecnologia mais moderna.

mais barato e prático implodir toda a estrutura e refazer tudo com tecnologia mais moderna

Estamos falando de um problema que seria possível prevenir se houvesse investimento. – Eu fiz uma pergunta que não sei responder: quantos viadutos e pontes existem no DF? Mas eu acho que o governo deveria ter a resposta. São 31 administrações regionais. Caberia a cada administrador saber o total de sua região. Existe uma Secretaria das Cidades. Por que o secretário das Cidades não faz um trabalho desse? Administrar é dividir responsabilidades. Desde o início, o governo vem se queixando que não tem dinheiro. A crise finan-

“O que dá voto é construir coisas novas, bonitas, impactantes. Isso, inclusive, é bom para caixa de campanha. Nessas horas ninguém lembra que tem que manter o antigo”

ceira é tão profunda que justifique o abandono dessas obras? – Eu acho que não. Em primeiro lugar, o governo tem que evitar a perda de vidas humanas. Quando eu vi aquilo que caiu eu falei: “Deus é candango”. Se fosse aquela outra via, do lado onde as pessoas viram para ir para a Asa Sul, seria uma tragédia, com muitas mortes. Ali mesmo, é um restaurante. Era hora do almoço. A única explicação é a seguinte: Deus é candango. Como se explica naquela hora não ter ninguém ali embaixo! Como pode ser feita a recuperação de tamanho estrago? – Agora, eu vou fazer

Mas isto não comprometeria as regras do tombamento de Brasília? – É uma coisa que o Iphan não gosta que se fale, que aquela estrutura é uma laje dupla, chamada “caixão perdido”. Até o nome se justifica. No caixão perdido não se consegue fazer manutenção. O Iphan não gosta porque não se consegue ver nada por baixo. No entanto, se você verificar todos os viadutos novos, como da L4, você vê estrutura e fazer uma boa manutenção. No entanto, o Iphan defende que tem que manter porque foi assim que se construiu. O “caixão perdido” é como se fosse um forro de gesso numa construção comum? – Exatamente. Eu até já conversei com outros diretores do Iphan, que não vejo necessidade desse forro. Mas se o Iphan insistir,

que faça um forro de placa. Por exemplo, de argamassa armada, que você pode tirar e substituir quando quiser. O Iphan se preocupa na conservação da cidade, mas pode estar sendo negligente na preservação de vidas? – Eu acho que, às vezes, o excesso de conservadorismo não ajuda em nada. As cidades têm uma dinâmica. Se você fala: “caiu agora esse viaduto”. Se matasse muita gente, o que o Iphan ia fazer? Ia justificar: “Nós usamos isso aqui porque o Lúcio Costa gostava, porque a filha do Lúcio Costa, Maria Elisa Costa, até hoje gosta”. E a sociedade? As pessoas que perderiam seus filhos? E os filhos que perderiam seus pais? E o prejuízo material dos carros esmagados? E o custo da reconstrução? Quem vai pagar? Já houve tentativa de mudar essa prática? – Quando foram recuperados os viadutos em volta da rodoviária, nós sugerimos, eu e o colega que fez o laudo, que fossem colocadas placas removiveis. O Iphan não autorizou. Resultado: fizeram uma laje por baixo. Aí você fala o quê? Foi o Iphan que quis. E outra coisa: essa laje por baixo, pela movimentação da estrutura, vai trincar. O senhor tem alguma sugestão para Brasília parar de tomar esses sustos? – Quando caiu o Palace 2, no Rio de Janeiro, onde morreram oito pessoas, o Rio de Janeiro aprovou uma lei exigindo que toda construção deveria ter um seguro. O que é um seguro da construção? – Qualquer empresa para construir uma parede tem que ser habilitada. No Brasil isso não existe. Uma empresa que faz uma obra e essa obra cai, ela troca de nome e os responsáveis técnicos vão construir e fazer os mesmos erros.


Brasília Capital n Cidades n 10 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Por Chico Sant’Anna

As pontes estão desabando. Não só as de concreto

B

rasília foi planejada e executada com zelo. Tudo nela tem seu lugar, sua razão de ser. Prestes a completar 58 anos, a cidade – que sob o olhar do governador Rodrigo Rollemberg é envelhecida – ainda é uma adolescente, se comparada às urbes centenárias do Brasil, ou um bebê, quando colocada ao lado de outras milenares mundo afora. Mesmo assim, começa a ruir. E não são só os viadutos de concreto que desabam. As rachaduras sociais estão por toda parte. O viaduto do Eixão que acaba de desabar é um ícone do abandono generalizado e da falta de responsabilidade no administrar esta cidade-estado. Em 2006, a UnB alertou sobre a necessidade de se recuperar não só as pontes e viadutos, mas também os monumentos da cidade. Em 2011, o Sindicato de Engenharia e Arquitetura indicou a necessidade de reparos emergenciais no viaduto que ruiu e em outros nove. Em 2012, foi a vez do TCDF, e, em 2013, um estudo contratado pela Novacap fez o mesmo. Em abril 2017, a Câmara Legislativa – sempre acusada de ser ineficiente – aprovou a lei 5.825 que obrigava vistorias sistemáticas. Rollemberg vetou. Resultado: o DF é uma das ra-

Viaduto que desabou no Eixão é símbolo do abandono generalizado e da falta de responsabilidade na administração da cidade-estado. Há 12 anos, a UnB alertou sobre a necessidade de recuperação também de pontes e monumentos

ras unidades da federação onde a perícia e avaliação periódica de suas estruturas viárias não é obrigação do Estado. De 2006 aos dias de hoje, Brasília teve quatro governadores: José Roberto Arruda, Ro-

gério Rosso, Agnelo Queiroz e Rollemberg. Os três primeiros tinham mais preocupação com o Mané Garrincha do que com a cidade. Concluir ou reparar obras de antecessores não foi a predileção desses políticos.

PONTES DA CIDADANIA – O que acontece em Brasília é um desastre. Não são só com os viadutos de concreto. Os da cidadania também estão ruindo e desabando. Na Saúde, relatório do GDF revela que a cada dois dias,

Acompanhe também na internet o blog Brasília, por Chico Sant’Anna, em https://chicosantanna.wordpress.com Contatos: blogdochicosantanna@gmail.com

três pessoas morrem na fila de espera por uma vaga na UTI. Na Cultura, espaços como o Teatro Nacional e o Museu de Arte de Brasília ficam só na promessa de que serão recuperados. A Segurança pouco difere. Quatro secretários já passaram por lá em três anos. Delegacias abrem quando querem. À noite e em fins de semana, muitas fecham. Embora alguns indicadores da criminalidade tenham melhorado, estamos longe de ser um local seguro. Mais de uma pessoa é morta por dia. A cada dois dias, cinco mulheres são violentadas e quinze roubos ocorrem no interior dos ônibus. Não por menos, Alemanha, Itália e Estados Unidos alertam a seus nacionais a evitarem circular à noite na Ceilândia, Santa Maria, São Sebastião, Paranoá e nas áreas centrais do Plano Piloto. EDUCAÇÃO – Chega a ser heróica a missão de nossos educadores em ensinar nas escolas públicas, tal a decadência de suas instalações. A falta de estrutura reflete no desempenho escolar. O Setor Leste, melhor colégio público, segundo o ENEM de 2015, está na 4.242ª colocação, entre os 14.998 estabelecimentos do país. E o DF é a única unidade da federação, que além dos repasses dos Fundos de Participação de Estados e Municípios, recebe verba extra da União para a Segurança, Saúde e a Educação, por meio do Fundo Constitucional. Por que será que Estados com menos recursos do que Brasília conseguem melhores resultados? Os viadutos estão ruindo. Os de concreto e os de direitos sociais. Quem são os engenheiros que irão reconstruir a cidadania candanga, tão vilipendiada? Quem vai soerguer as pontes ruídas, que marginalizam centenas de milhares de pessoas? Afinal, moramos na Capital da Esperança!


Brasília Capital n Cidades n 11 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

#BORAVENCER – Os nove aulões preparatórios do #BoraVencer em 2017 foram muito proveitosos para quem pleiteou vagas em universidades públicas. Na UnB, foram 925 aprovados — 769 pelo Programa de Avaliação Seriada (PAS) e 156 pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). No Instituto Federal de Brasília (IFB), 128, e na Escola Superior de Ciências da Saúde, 20.

CRUZEIRO

ÁGUAS CLARAS

Melhoria no sistema de esgoto A elevatória de esgotos Águas Claras, no Setor Habitacional Bernardo Sayão, que receberá os dejetos de parte de Vicente Pires e de Águas Claras, está quase pronta. Serão atendidos cerca de 130 mil habitantes. O governador Rodrigo Rollemberg visitou as obras semiacabadas na segunda-feira (5) e para inspecionar a instalação de maquinário. Estão sendo gastos cerca de R$ 5,7 milhões, com recursos da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

DISTRITO FEDERAL

Lei proíbe uso de animais em circos Bloco do Cruzeiro Novo: os habitantes não desejam perder o que consideram medida de segurança pública

Moradores querem manter grades em prédios e casas Moradores do Cruzeiro podem provocar fato inédito na história de Brasília: um ato de desobediência civil para desrespeitar decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), obrigando-os a retirarem todas as grades que cercam prédios e casas. Mas há uma turma ainda tentando saída negociada. Neste caso, haveria um Termo de

Ajuste de Conduta (TAC) entre a comunidade, o GDF e o TJDFT, de forma que se evite que a decisão judicial venha a ser cumprida mediante o uso da força policial. Essa discussão arrastava-se há 20 anos na Justiça. Neste momento, moradores aguardam entendimentos com o Ministério Público Federal em busca de uma solução que mantenha as grades.

TAGUATINGA

Administração recolhe entulho com hora marcada A administradora de Taguatinga, Karolyne Magalhães, lançou o serviço Pega Entulho, “para resolver problemas causados por moradores que descartam restos de construção e objetos velhos em áreas públicas”. Os cidadãos poderão contar com o recolhimento do

que precisa descartar ligando para o telefone 3451-2521. Por esse número é possível agendar a data em que tudo será recolhido. A recomendação é colocar o que foi descartado fora da residência de acordo com o dia e a hora marcados.

O governador Rodrigo Rollemberg sancionou a lei que proíbe a utilização de animais em circos no Distrito Federal. A legislação, proposta pelo deputado Professor Israel (PV), impossibilita a apresentação e manutenção de animais nativos da fauna silvestre ou exóticos em estabelecimentos circenses. A utilização de animais de estimação é permitida. Quem infringir a norma pagará multa de R$ 20 mil por espécime, além da apreensão do animal. Os valores arrecadados serão destinados ao Fundo Único do Meio Ambiente do DF.

Crimes cibernéticos contra a mulher A delegada-chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), Sandra Gomes, chama a atenção para as ocorrências de mulheres vítimas de crimes cibernéticos. Entre as transgressões por meio virtual, estão o enfrentamento ao cyberbullying (agressão intencional, verbal ou física, feita de maneira repetitiva, nesse caso, em meio virtual), apologia à homofobia, xenofobia, intolerância religiosa, pornografia de vingança e ao tráfico de pessoas. A Deam recomenda que as mulheres evitem problemas dessa natureza adotando algumas medidas preventivas, como checar em fontes confiáveis o nome da pessoa com quem está conversando; encontrá-la em outras redes sociais; buscar fotos dela na internet; fazer o confronto dos dados e informações disponíveis; desconfiar de amizades e amores repentinos. Qualquer suspeita, deve-se denunciar à Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos.


Brasília Capital n Cidades n 12 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

O Governo do Distrito Federal tem investido numa ampla infraestrutura para que os foliões da cidade aproveitem o Carnaval. Muitas pessoas começaram a se divertir no início de fevereiro. O Brasília Capital listou onde você poderá cair na folia. É animação sob medida para todos os gostos SÁBADO (10) Circuito Pipoka Azul – 16h às 22h Praça da Moda - QE 40 Guará Bloco Libre – 17h às 3h - Museu Nacional Bloco Me Beija – 13h a 00h CLN 312 Bloco A

Escolha onde será sua folia Veja a programação até terça-feira

Carnabagagem – 17h às 20h SCE Quadra 40 Comércio Local Bloco Café com Samba – 10h às 16h - Torre de TV KD Você – 14h às 22h QN 10/14/7 - Quadrado Cultura Eu também vou reclamar! – 15h30 Via Boulevard Norte Bloco Santo Pecado – 16h à 1h Orla da Ponte JK Carnaval do Asé Dudu – 16h a 00h Taguaparque Bloco do Bafafá – 14h às 00h Estádio Ginásio Nilson Nelson Galinho de Brasília – 14h às 22h SAS Quadra 04 - Fundos da Matriz da Caixa Ki Bloco é Esse – 20h a 00h Estacionamento 09 Parque da Cidade - Ilê Praia Park Araucárias e Boulevard Sul Carnaval Mamãe Taguá 2018 – 16h às 20h Taguaparque Bloco do Bafafá – 14h a 00h Estádio Nacional Mané Garrincha

Carnapati – 9h às 19h Parque da Cidade, Estacionamento 4 Herdeiros do Samba – 14h às 20h Setor Comercial Sul Quadra 8

Bloco Ewè – Soul, Groove e Batucada - 9h às 23h SCLN 216 Bloco D Concentra Mas Não Sai – 16h à 0h 404/405 Norte

DOMINGO - (11) Agoniza mas não morre – 14h às 22h EQS 312/313 Rota 400 – 16h a 00h - 406 Norte

Essa Boquinha Eu Já Beijei – 14h às 23h Torre de TV

Mamãe me Carrega – 9h às 13h Parque da 104/105 Sul

Patubatê – Setor Carnavalesco Sul - 13h às 20h SCS - Praça Central; Praça do Metrô; Praça dos Artistas

Tuthankasmona - Tombando a Pyramide - 14h às 20h - Torre de TV

INFANTIL E MELHOR IDADE

Bloco das Perseguidas – 16h às 23h Praça dos Prazeres

Esquenta Mas Não Queima – 9h às 22h Rua 17 Sul - Estacionamento

Galinho Infantil – 11h às 14h SAS Quadra 04 - Fundo Matriz da Caixa

Baratona – 16h a 00h Estádio Nacional Mané Garrincha - Eixo Monumental

Salve Jorge – Lordes do Areal - 15h às 22h Rua 31 Sul transversal à Avenida

Bloco CarnaReggae – 17h às 2h Conjunto Cultural da República

II Carnaval Infantil e da Melhor Idade – 16h às 20h - SRIA II QE 25 - AE do CAVE

Baratinha – 14h às 21h Parque da Cidade - Estacionamento 12


Brasília Capital n Geral n 13 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Museu Nacional da República

Bloco das Divinas Tetas – 14h às 20h SBS - Quadra 5

Salve Jorge – Lordes do Areal - 15h às 22h Rua 31 Sul transversal a Avenida Araucarias e Bolevard Sul

Bloco Bem Meb – 18h às 02h Conjunto Cultural da República

Rainha da Folia – 16h às 2h CLN 07 - Estacionamento 03

Concentra Mas Não Sai – 16h a 00h 404/405 Norte

Me Dê Papai – 14h às 00h SCLN 404/405

Bloco Gagá Vião – 14h às 20h Ginásio do Cruzeiro

Bloco CarnaReggae – 17h às 02h Conjunto Cultural Museu da República

Populares em Pânico – 14h às 20h Torre de TV

Bloco do Bafafá – 14h a 00h 302 norte rumo a 506 Sul - Via W3

II Carnaval Infantil e da Melhor Idade – 16h às 20h SRIA II QE 25 - AE do CAVE

Calango Alternativo – 13h a 01h QR 502/504 - QI 616 Pacotão – 12h às 22h 302 Norte até a W3 Sul pela contramão da via Engenhoca – 12h às 23h Eixão Sul - altura da Quadra 106 Bloco dos Prazeres – 12h à 0h Praça dos Prazeres

Espírito Celta – 16h às 23h Praça dos Prazeres - Setor de Autarquias Norte, em frente ao Banco do Brasil Carnapati – 9h às 19h Parque da Cidade, Estacionamento 4 Bloco Me Beija – 13h à 0h SCLN 216 Bloco D Esquenta Mas não Queima – 9h às 22h Rua 17 Sul - Estacionamento

INFANTIL E MELHOR IDADE II Carnaval Infantil e da Melhor Idade – 16h às 20h - SRIA II QE 25 - AE do Cave Bloco Infantil – 16h às 23h Praça dos Prazeres - Setor de Autarquias Norte, em frente ao Banco do Brasil

Cabrueira – 15h às 20h SBN - Praça da Sede dos Correios Bloco Ewè – Soul, Groove, Batucada - 9h às 23h SCLN 216 Bloco D Bloco Me Beija – 13h às 00h - 216 Norte Esquenta Mas não Queima – 9h Rua 17 sul – Estacionamento Tetratônica – Setor Carnavalesco Sul - 13h às 20h Setor Comercial Sul - Praça Central, Praça do Metrô, Praça dos Artistas Groove do Bem – 16h à 0h

Taguaparque Circuito Pipoka Azul – Guará - 16 às 22h Praça da Moda - QE 40 Bloco Eduardo & Mônica – 15h às 23h30 SIG, Quadra 6/8, Sudoeste Montadas – O Bloco da Diversidade - 14h às 22h Torre de TV Bloco dos Raparigueiros – 16h às 00h Estádio Nacional Mané Garrincha - Eixo Monumental, Brasília - DF, Brasil Bloco Bem Meb – 18h às 02h

Mamãe Taguá – 16h às 20h Taguaparque Ewè – soul, groove, batucada - 09h às 23h SCLN 216 bloco D Carnaval do Asé Dudu – 16h à 0h Taguaparque

SEGUNDA-FEIRA (12)

INFANTIL

Aparelhinho – Setor Carnavalesco Sul - 13h às 20h Setor Comercial Sul, Praça dos Artistas, Praça Central, Praça do Metrô

Bloco Infantil – 16h às 23h Praça dos Prazeres - Setor de Autarquias Norte, em frente ao Banco do Brasil

Engenhoca – 12h 106/206 Sul, Eixão

Galinho Infantil – 11h às 14h Setor de Autarquias Sul, Quadra 4, Estacionamento da Caixa / SCLS 201

Galinho de Brasília – 14h às 22h Setor de Autarquias Sul, Quadra 4, Estacionamento da Caixa / SCLS 201 Bloco Do Quadrado – 16h à 23h Praça dos Prazeres - Setor de Autarquias Norte, em frente ao Banco do Brasil Bloco Reveirock – 18h às 3h Museu Nacional da República

TERÇA-FEIRA - (13) Blocada – 16h às 23h Praça dos Prazeres - Setor de Autarquias Norte, em frente ao Banco do Brasil Bloco dos Raparigueiros – 16h a 00h Eixo Monumental - Estádio Nacional Mané Garrincha


Brasília Capital n Geral n 14 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Como concordar as cores? Qual brasileiro nunca travou a língua ao tentar empregar o plural de uma cor? O Carnaval é a época das cores. A vasta quantidade de matizes atrai a atenção de qualquer um (até a minha, mesmo sendo daltônico). Colorir-se é a lei da folia! Agora, me diga: qual brasileiro nunca travou a língua ao tentar empregar o plural de uma cor? Isso é mais frequente do que você imagina! Por isso, resolvi escrever este artigo, a fim de evitar possíveis constrangimentos na avenida e nos blocos. Compare estas duas sentenças:

(1) Vi o ornamento verde-claro. (2) Vi o ornamento cinza-claro. Para analisar um adjetivo composto – no nosso caso, “verde-claro” e “cinza-claro” –, olhe para a primeira palavra (“verde” e “cinza”). “Verde” é originalmente o nome de uma cor, ao passo que “cinza” é um substantivo que deu nome à cor. Sempre que ocorrer o que foi apresentado no primeiro caso, deve haver concordância, ao passo que, no segundo caso, o adjetivo permanece invariável.

O Mecenas de Brasília Victor Alegria, da Thesaurus Editora, corre o risco de pedir falência Era quase meia-noite, mas o sono não chegava. A exemplo do que já ocorrera em situações anteriores, recorri à escolha de livros nas minhas improvisadas estantes, de preferência algum de contexto leve que produzisse relaxamento, mesmo na base da releitura. De início, separei “O Sermão da Montanha”, interpretação de Huberto Rohden, que foi meu mestre espiritual, quando estudei no Seminário Presbiteriano, em São Paulo.

De repente, deparei-me com um montículo de exemplares de O Livro na Rua, que os reconheci porque participei da feitura gráfica em formato de bolso, a fim de serem distribuídos gratuitamente, por iniciativa de Victor Alegria, dono da Thesaurus Editora. Os exemplares traziam na contracapa uma nota bibliográfica com foto do autor radicado na cidade, muitos dos quais conhecidos poetas, como o mineiro João Carlos

MARCELO RAMOS O REPÓRTER DO POVÃO

Programa O Povo e o Poder das 8h às 10h de segunda a sábado Notícias, Esportes e Músicas

Rádio JK - AM 1.410 Ligue e participe: (61) 9 9881-3086 www.opovoeopoder.com.br

Vamos fazer um teste: trocar “ornamento” por ornamentos: •Vi os ornamentos verde-claros. •Vi os ornamentos cinza-claro. Mais um: trocar “ornamento” por fantasia: •Vi a fantasia verde-clara. •Vi a fantasia cinza-claro. Vou resumir, em termos ainda mais simples: se o nome da cor for realmente nome de cor, haverá concordância; se for nome de outro objeto e passou a ser

Taveira e o gaúcho José Santiago Naud, seguidos de outros escritores, como Fernando Py e Marly de Almeida. No que se refere a Victor Alegria, ele sempre me fez lembrar de um notório personagem da Roma Antiga – Mecenas –, que se notabilizou como protetor e patrocinador de artistas e escritores, inclusive de Virgílio e Horácio, isto por volta dos 31 anos antes de Cristo. Português nascido em Arouca, Victor ficou preso vários anos pela ditadura salazarista, em companhia de outros intelectuais lusitanos, simplesmente porque eram livres-pensadores. Fugido, chegou ao Brasil em 1963, onde abriu a sua primeira bem-sucedida livraria em Brasília, na qual se reuniam escritores e estudantes, idem livres-pensadores. Pela mesma razão, também foi preso pela ditadura militar brasileira, sendo torturado em paus-de-

nome de cor, não haverá! Simples, não? Vejamos mais um exemplo: (3) O carro alegórico é azul-escuro. (4) O carro alegórico é rosa-escuro. Ao trocar “carro alegórico” por carros alegóricos, teremos: •Os carros alegóricos são azul-escuros. •Os carros alegóricos são rosa-escuro. Além disso, sempre que o nome da cor apresentar um substantivo, não deve haver concordância. (5) Aquela decoração amarelo-ouro. (6) Esses trios elétricos verde-bandeira. Agora, não há mais razão para dúvida ou timidez! Aproveite o carnaval com responsabilidade e moderação!

Elias Santana Professor de Língua Portuguesa e mestre em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB)

-arara para confessar o que não sabia. Ao ser libertado anos depois, mesmo com o corpo afetado pelas torturas físicas, Alegria retornou à sua atividade de livreiro em Brasília e, com a ajuda de seu filho Victor Tagore, transformou a Editora Thesaurus numa das mais importantes empresas culturais do País, com mais de três mil títulos publicados. Hoje, aos 82 anos, não perdeu a ideia fixa de levar cultura ao povo brasileiro, patrocinando os Livros de Rua. Mas, como semear cultura não rende dinheiro, o Cidadão Honorário de Brasília, Victor Alegria, corre o risco de pedir falência. Eis porque o sonho do Mecenas brasiliense virou pesadelo!

Fernando Pinto Jornalista e escritor


Brasília Capital n Geral n 15 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Assim você não conseguirá Se você tenta conseguir algo prejudicando seu semelhante, não alcançará o que busca Se você vai a uma igreja, centro espírita ou faz promessa para conseguir algo, mas, no seu dia a dia, sempre que pode, você procura tirar vantagens prejudicando seu semelhante, você não vai conseguir o que busca. Não perca seu tempo. Vivemos sob o comando de leis. Ninguém é anônimo neste planeta. Jesus dizia que até os cabelos de nossas cabeças

estão contados. Portanto, saia da ilusão do fácil. Você não pode beneficiar-se prejudicando seu próximo. As Leis de Progresso e de Solidariedade andam juntas. Como você pode querer beneficiar-se infrigindo a segunda lei? Se forçar a barra e conseguir, quando a Lei de Retorno se fizer valer, voltará em pacote, e você terá que fazer muito esforço para suportar a cobrança.

Dieta do Carnaval A dica é manter o corpo hidradato e consumir alimentos leves Estamos no Carnaval. São dias de alegria e de folia. Muitos foliões se prepararam durante meses – alguns o ano todo – para brincar nos blocos de rua, nos bailes ou nas escolas de samba. E não pensem que isto é exagero. Realmente, é preciso

muito preparo físico para dar conta de correr atrás do trio ou desfilar na avenida. Além de um bom condicionamento físico que conseguimos com exercícios regulares durante o ano, a alimentação também é um ponto

O que você quiser receber, faça-o ao seu semelhante, ensinou Jesus. Faça o bem para entrar na Lei do Mérito e receber, Porém, não basta fazer o bem. É preciso fazê-lo com o coração para transformar e elevar sua energia, mudando seu magnetismo, para melhor, e mudando sua vida. Entretanto, ao mudar de atitude, não espere milagres e nem respostas instantâneas. Você entrou numa nova fase de plantação e haverá o tempo da colheita. Estamos vivenciando uma era de impaciência e de encantamento com o ganho nocivo, fácil e rápido. Os pais relaxaram na preparação moral dos filhos e acham que apenas o conhecimento intelectual para ter uma profissão é suficiente. Não basta uma profissão. É preciso a consciência de profissional, de

fundamental. Durante os dias de Carnaval, período ainda de verão em nosso País, é importante manter o corpo hidratado. Para isso, beber pelo menos de 2 a 3 litros de água por dia pode ser uma boa estratégia. Se você for pra um lugar de temperaturas elevadas, talvez o consumo de 3 a 4 litros d’água seja o ideal. Outros líquidos podem ser usados para a hidratação, como água de coco, sucos naturais e chás gelados (cuidado com os ricos em cafeína, pois ela é diurética e pode aumentar a desidratação). A alimentação deve ser “leve”, ou seja, rica em frutas e hortaliças que tenham alto teor de liquido, peixes e carnes magras, além de fontes de car-

cidadão, de pátria. O Mestre André Luis ensina que “o dever bem cumprido durante o dia é excelente travesseiro para a noite”. Acorde enquanto é tempo, e confie nos ensinamentos dos grandes mestres que passaram na terra ensinando sobre uma vida com propósito. “De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua alma? Insensato! Hoje mesmo pedirão a tua alma e o que fará com o que ajuntaste?”. Caminhe com esforço, solidariedade e ética. “O errado é o errado mesmo que todos estejam fazendo. O certo é o certo mesmo que ninguém esteja fazendo”.

José Matos Professor e palestrante

boidrato para dar energia, como batata, mandioca, arroz e pão integral. Evite lanches de rua, pois você não sabe as condições de higiene em que foram preparados e armazenados. Claro que cada caso é um caso, e hoje temos muitos food trucks como boas opções de locais de refeição. Mas fique sempre atento às condições de higiene de onde você for comer. No mais, a dica mais importante da dieta do carnaval é aproveitar a folia! Bom carnaval a todos!

Caroline Romeiro Nutricionista e professora na Universidade Católica de Brasília (UCB)


Brasília Capital n Cidades n 16 n Brasília, 10 a 16 de fevereiro 2018 - bsbcapital.com.br

Cartão de Todos oferece consulta médica a R$ 20

A

unidade de Taguatinga da Cartão de Todos foi inaugurada quinta-feira (8). Presente em 11 estados pelo Brasil, o foco da empresa é saúde, lazer e educação da família. Promete assim, diminuir em 50% a fila do SUS na cidade. Após se cadastrar, o titular pagará R$ 19,50 por mês e terá um cartão que lhe dará desconto em todos os parceiros da empresa. Uma consulta com clínico geral sai por R$ 20 e uma especialidade a R$ 28 para os clientes do Cartão de Todos na rede filiada. A franquia que se instalou

ANTÔNIO SABINO

mas em breve serão empreendedores”, afirma Hycaro Luna, gerente da unidade de Taguatinga.

Karolyne (de rosa, no centro) junto com autoridades, na inauguração da unidade de Taguatinga no Centro-Oeste recentemente deseja ser o maior cartão de descontos da América Latina

em pouco tempo. Em Brasília já tem lojas em Sobradinho, Samambaia, Gama e em Cei-

lândia. A gestão solidária é o maior legado aos colaboradores. “Hoje são funcionários,

do aniversário da cidade. O Defensores, com o lema Taguatinga Tem Voz, conta com o apoio do Brasília Capital para ser o canal entre população e o GDF. “A finalidade é proporcionar um meio mais rápido,

on-line, pelo qual todos os moradores poderão expor os problemas que precisam ser resolvidos”, sintetiza José Luís Lopes, um dos coordenadores do grupo. Entre as vantagens para quem deseja contribuir

INAUGURAÇÃO – Autoridades locais estiveram presentes na inauguração da unidade na Comercial Norte: Justo Magalhães, presidente da Associação Comercial de Taguatinga; a administradora regional Karolyne Guimarães e o ex-deputado distrital Washington Mesquita. Serviço: - Cartão de Todos - cartão de descontos - QNA 16, Lote 8, Comercial Norte - Telefone: 3353 - 8899

Taguatinga em aplicativo Os moradores de Taguatinga ganharão, em março, um moderno aplicativo de celular para expor seus problemas e cobrar soluções das autoridades. A iniciativa é do grupo Defensores de Taguatinga, que se

reúne semanalmente para debater as demandas da comunidade. A meta é condensar as reivindicações num documento a ser entregue a todos os candidatos a governador do Distrito Federal no dia 5 de junho, data

com a administração pública, estão o envio de fotos, sugestões, reivindicações, com cada pessoa podendo acompanhar, em tempo real, as providências que estarão sendo tomadas. “Por exemplo: se uma praça estiver com mato alto, virá uma foto”, ilustra José Luís. O levantamento sobre as necessidades na área de educação está sendo feito nas escolas públicas, com a participação do coordenador regional de ensino, Juscelino Nunes Carvalho. Haverá um mapeamento das melhorias que deverão ser implementadas em cada um dos estabelecimentos. Na área de segurança pública, três delegacias já receberam ofícios para trabalharem juntas com o Defensores.

Jornal Brasília Capital 349  
Jornal Brasília Capital 349  
Advertisement