Page 1

www.bsbcapital.com.br

Defesa de Brasília em primeiro lugar Pré-candidato do PSol ao Senado é defensor do meio ambiente e de causas sociais Páginas 7, 8 e 9 Ano VIII - 363

DIVULGAÇÃO

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Entrevista Chico Sant’Anna

Brasília, 19 a 25 de maio de 2018

Lojistas são alvo de falsos mendigos em Taguatinga Bandidos dormem nas calçadas enrolados em cobertores para esperar o momento de agir. Geralmente, eles atacam de madrugada, arrombando estabelecimentos comerciais. A prática está registrada pelas câmeras do 2º Batalhão da Polícia Militar, que tem 55 equipamentos de vídeo espalhados de norte a sul e no centro da cidade / Página 16 ANTÔNIO SABINO

Apartamentos têm janelas voltadas para a rua e UTIs são abertas a visitas 24 horas por dia

Sem terra vivem terror a 50 Km do Planalto

Anchieta é referência no tratamento do câncer

Jagunços derrubam barracos, espancam e roubam trabalhadores rurais, incendeiam carros e matam animais em colônia agrícola de São Sebastião

Características pessoais determinam o atendimento de forma individualizada. Este é o lema da unidade inaugurada oficialmente nesta semana. A cura pode chegar de 70 a 80% dos casos

Chico Sant’Anna – Página 10, Editorial e Artigo – Página 2

Página 11


Brasília Capital n Opinião n 2 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

E

EDITORIAL

x p e d i e n t e

Cadê a reforma agrária? Diretor de Redação Orlando Pontes ojpontes@gmail.com Diretor Comercial Júlio Pontes comercial.bsbcapital@gmail.com Pedro Fernandes (61) 98406-7869 Diretor-Executivo Daniel Olival danielolival7@gmail.com (61) 9 8356 1491 Diretor de Arte Gabriel Pontes redação.bsbcapital@gmail.com

Tiragem 10.000 exemplares Distribuição Plano Piloto (sede dos poderes Legislativo e Executivo, empresas estatais e privadas), Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Riacho Fundo, Vicente Pires, Águas Claras, Sobradinho, SIA, Núcleo Bandeirante, Candangolândia, Lago Oeste, Colorado/Taquari, Gama, Santa Maria, Alexânia / Olhos D’Água (GO), Abadiânia (GO), Águas lindas (GO), Valparaíso (GO), Jardim Ingá (GO), Luziânia (GO), Itajubá (MG), Piranguinho (MG), Piranguçu (MG), Wenceslau Braz (MG), Delfim Moreira (MG), Marmelópolis (MG), Pedralva (MG), São José do Alegre, Brazópolis (MG), Maria da Fé (MG) e Pouso Alegre (MG). C-8 LOTE 27 SALA 4B, TAGUATINGA-DF - CEP 72010-080 - Tel: (61) 3961-7550 - bsbcapital50@gmail.com - www.bsbcapital.com.br - www. brasiliacapital.net.br

Os textos assinados são de responsabilidade dos autores

Siga o Brasília Capital no facebook.com/jornal.brasiliacapital

Ter conflito agrário a poucos quilômetros da Praça dos Três Poderes, a meia hora do Palácio do Planalto, como relata o colunista Chico Sant’Anna (página 10), deveria ser um escândalo gigantesco. Ainda mais numa imensidão territorial como a do Brasil, o quinto maior país do mundo em tamanho e em plena capital da República. Naufragado em um número espantoso de problemas, o que o colunista relata vira um grão de areia. Até porque nas proximidades da sede do Poder Executivo e, claro, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal, há

é que não é a distância dos problemas que torna os governos inoperantes. Tudo que precisa ser resolvido mostra-se aqui mesmo no Distrito Federal. A lista é enorme: Favelização, fome, desigualdade social, analfabetismo etc. etc. etc.... Sempre há alguém disposto a chamar o DF de “ilha da fantasia”. O alto rendimento dos endinheirados daqui não sepulta, como nas 26 capitais de estado, a carência de parcelas significativas do povo brasileiro. Infelizmente, até na questão da reforma agrária, que nunca foi levada adiante. Afinal, só ela poderia resolver este problema.

Desde os tempos de vovô Valdeci Rodrigues Reforma agrária, invariavelmente, fazia parte das conversas de meu avô. Eu nada entendia. Apenas os vocábulos chamavam-me a atenção, a ponto de ficar gravado em minha memória. Os primeiros registros nas minhas recordações foram feitos quando eu tinha cinco anos. A idade reforça a impressão que as duas palavras provocavam em mim. Junto com reforma agrária, uma imagem, visualizada pela primeira vez igualmente na mesma época, carrego-a como uma fotografia no cérebro até hoje. Ao brincar nas imediações da casa

C

nWasny Nunca vi Wasny em Águas Claras ou em Taguatinga. Marcelo Marques, via Facebook Em Taguatinga eu estou sempre presente e tenho dado muitas contribuições à cidade. Já em Águas Claras, você pode me convidar para conhecer as demandas da sua região. Estou pronto a colaborar no que estiver ao meu alcance. Resposta de Wasny

de tudo. Em tempos de Lava Jato, quem não diria que não falta nada dentro dos símbolos do comando nacional? Mas o que Chico Sant’Anna expõe tem seu oceânico grau de malefício. A concentração de terras tem paralelo na concentração de renda. Mas no caso de propriedade rural, é igualmente chocante observar quantas glebas estão no nome de poucas pessoas, diante da quantidade de gente que daria tudo para ter onde plantar, viver, produzir e criar seus filhos. O que o conflito agrário nas redondezas de Brasília ensina, mais uma vez,

de Roure,via Facebook Wasny é um dos poucos políticos a quem admiro pelo trabalho. É claro que não é perfeito, porque ninguém é. Mas, nesse mundo nojento da política, ele ainda tem meu apoio.Nós, eleitores, temos que cobrar, sugerir reivindicar, mostrar as demandas – como ele mesmo disse – caso eles não venham conhecê- las por iniciativa própria. Arilda Avelar, via Facebook

de pau a pique, acabei afastando-me demais. Foi então que vi a imponência da sede da fazenda onde meu avô morava. Nada entendi, claro. Mas a situação, para mim estranha, ficou memorizada. A criança que então eu era, imaginava que a propriedade era do pai de minha mãe. Só depois entendi que o proprietário não era ele. Meu avô era tão-somente um agricultor que vendia sua força de trabalho. Independentemente de ter lido sobre o assunto, e de ele existir há muito mais tempo, é raro deparar-me com esta expressão sem me lembrar da minha infância. Essa manifestação espontânea em mim torna ainda mais amar-

ga a sensação de que temos problemas insolúveis orbitando apenas nos discursos políticos. É revoltante constatar que uma iniciativa que seria do interesse toda a nação esbarra praticamente nos mesmos grupos que também concentram a renda em todo o País. O Brasil fica longe de dar um passo rumo ao que aparece igualmente no palavrório das autoridades sem ter modificações indispensáveis a esse avanço. Uma delas, sem dúvida, é a reforma agrária. Uma dívida social do Brasil para com o seu povo desde muito antes dos tempos de vovô!

a r t a s

Lúcido, como sempre! Pedro Alves, via Facebook Sobre entrevista com deputado distrital Wasny de Roure. Ele rebateu as críticas do senador Cristovam Buarque ao PT e se colocou como pré-candidato ao Senado nas próximas eleições. nHRG sem pediatria Será que isso que é Brasília no rumo certo? Diógenes Jardel da Silva, via Facebook

Vamos dar o troco nas urnas. Não podemos esquecer. Infelizmente, muitos eleitores têm memória curta. Tudo isso é vergonhoso, um descaso total. Bacy Matos, via Facebook O governador Rodrigo Rollemberg não vai deixar legado nenhum em Brasília. Hospitais sem médicos, a violência só aumentando. A única coisa que ele diz fazer é colocar a contas públicas em dia, e nomear servidores. Mas

só está nomeando porque é ano eleitoral. Este ano ele não ganha pra nada.Em 2014 votei nele, mas agora não terá meu voto.Ah, além de tudo, comprou radares mais modernos, um para cada esquina. Verdadeira indústria das multas. Roberto Sarmento, via Facebook Sobre a coluna de Chico Sant’Anna, que revelou o fechamento da pediatria do Hospital Regional do Gama.


Brasilia Capital n Política n 3 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Continua farra no MCTIC

foram outorgados na sexta-feira (18) a TV News (Fundação Três Fronteiras, canal 24 de Boa Vista, em Roraima). A TV News tem sede em uma pequena sala na cidade de São Caetano e supostamente pertence ao Grupo Zampini.

Continua a farra no Ministério das Comunicações (MCTIC). Após denúncias de favorecimento a várias fundações do grupo de Claudio Zampini,

Povo doido Com uma foto do deputado distrital Lira (PHS/foto), circula nas redes sociais um forró cuja letra reproduz o refrão “o povo não é doido de votar mais em você”. A música reflete o aumento da insatisfação de moradores de São Sebastião após denúncia do Ministério Público do DF de supostas irregularidades em processos licitatórios conduzidos pelo administrador Alexley Gonçalves Pires, indicado por Lira. RÉU – Alexley tornou-se réu na quarta-feira (16) por suspeita de irregularidades em seis processos licitatórios em obras na cidade. O morador Keves Diogo diz que “a população de São Sebastião não se sente representada na Câmara Legislativa desde o início do mandato de Lira. Segundo ele, logo após ser eleito, o deputado se mudou da cidade. “Na campanha, ele prometeu grandes obras que não conseguiu cumprir, mesmo sendo da base governista”, dispara Keves.

PV alinhado com Rollemberg Rodrigo Rollemberg (PSB), aos poucos, começa a montar a chapa majoritária com que tentará a reeleição em outubro. Na quarta-feira (16), o governador compareceu ao lançamento da pré-candidatura de Rayssa Tomaz a deputada distrital pelo Partido Verde. O presidente da legenda, Eduardo Brandão, não poupou elogios ao chefe do Executivo: “Rodrigo é ético e isso é um grande diferencial”. COMPROMISSO - Brandão disse ao Brasília Capital que o PV “tem um compromisso com Rollemberg” e que o partido “sempre foi coerente”. Ele não descarta a possibilidade de vir a ser o vice do socialista, mas que “hoje sou pré-candidato ao Senado”.

Alhos misturados com bugalhos

Cristovam se alia a Izalci , em cuja coligação está o PSL de Bolsonaro. Senador poderia ser o vice

O deputado federal Izalci Lucas (PSDB), ligado aos donos de escolas particulares, lançou sua chapa ao Buriti que traz de carona, como candidato ao Senado, Cristovam Buarque (PPS), defensor da escola e educação públicas. Izalci já foi até dirigente do sindicado dos estabelecimentos privados, enquanto Cristovam projetou-se como reitor da UnB. ENGANO – Mas com esforço, é possível entender. Se Cristovam foi do PT e do PDT e hoje está no PPS. Recentemente, votou, a pedido de Michel Temer (MDB), pelo congelamento dos recursos para a educação, na PEC 95. Afinal, em política, quando se pensa que já se viu de tudo é ai que estamos enganados... BOLSONARO – A novidade é que na coligação de nove partidos montada para dar sustentação a Izalci está o PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro. Pergunta-se: Cristovam e Bolsonaro

subirão no mesmo palanque? Como usar do tempo do PSL na TV e excluir o líder máximo do partido. MÃOS DADAS – Para andar de mãos dadas com Bolsonaro, não teria sido melhor Cristovam assumir a vaga de vice na chapa do militar reformado? Afinal, tornar-se inquilino do Palácio do Jaburu é um sonho que o senador acalenta há muito tempo... FREJAT – Na véspera do anúncio da aliança com Izalci, Cristovam havia se encontrado com o pré-candidato do PR ao Buriti, Jofran Frejat. Aliados do ex-secretário de Saúde comemoravam um possível acordo entre eles, excluindo o petebista Alírio Neto. “Há um manifesto desejo de Cristovam e Frejat caminharem juntos”, disse um assessor do PR. Ele preferiu não se manifestar após a nova reviravolta no cenário.

Só depois da Copa

Multiplicação dos pães

O experiente blogueiro Renato Riella, ex-secretário de vários governos de Joaquim Roriz, sentencia: “Não acredite em nada que você estiver lendo sobre a política do DF. Somente depois da Copa do Mundo, em julho, teremos alguns sinais decisivos na composição das chapas e nas alianças partidárias”. Alguém duvida?

Engana-se quem pensa que o empresário brasiliense Fernando Gontijo cometeu um desatino ao arrematar o tríplex do Guarujá atribuído a Lula e que levou o ex-presidente à prisão. IMAGEM – “Trata-se de um imóvel icônico, raro, único, conhecido no Brasil e que tem forte apelo para negócios futuros, por ser objeto do desejo para muitas pessoas”, disse Gontijo. Dá pra perceber que seu interesse não é revender, mas, sim, explorar a imagem do controverso apartamento do Condomínio Solares...


Brasília Capital n Política n 4 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Foco na saúde Técnico em enfermagem Jorge Vianna quer usar sua experiência para ser fiscal do governo na Câmara Legislativa JÚLIO PONTES

Valdeci Rodrigues

O

técnico em enfermagem Jorge Vianna de Sousa quer utilizar sua experiência na área para ser um dos deputados distritais encarregados de melhorar o atendimento à saúde no Distrito Federal. Pré-candidato pelo Podemos, ele conta que recebeu quase uma intimação de colegas de profissão para entrar na campanha. Sindicalista, Jorge garante que sua atuação parlamentar irá além de apenas defender os interesses da categoria profissional. Explica que mesmo que agisse apenas no âmbito da defesa dos profissionais de saúde, estaria trabalhando por toda a população, porque o cidadão seria o maior beneficiado. Não será a primeira vez que Jorge Vianna tentará se eleger. Bem-humorado, relembrou, em visita ao Brasília Capital, duas campanhas anteriores. “Vieram da insistência e da necessidade de a categoria ter um representante”, afirma. Em 2014, ele recebeu quase 8 mil votos e espera ter dobra essa votação este ano. “Nossas propostas e compromissos são de interesse de todos os habitantes”, acredita. Sua principal meta é impedir que recursos destinados exclusivamente à saúde sejam usados para pagar outras despesas do GDF. “É um saco sem fundo. Tiram dinheiro e, a cada ano, a verba vem diminuindo”, exemplifica. Daí, sua determinação de “lutar para que a integralidade do que é destinado à saúde seja, de fato, aplicado no setor”. Jorge critica a ausência de um distrital realmente envolvido com a área da saúde, principalmente alguém com expe-

Negócios e Comunicação Será lançado terça-feira (22) um projeto destinado à troca de vivências e práticas que o Coaching Integral Sistêmico proporciona na vida das pessoas e dos negócios do Distrito Federal. O CIS Talk Day foi idealizado pela Febracis Brasília para promover encontros com empresários e profissionais. Nessa primeira edição, o tema em pauta será “O Poder da Comunicação para fazer Grandes Negócios”, que será apresentado pelo diretor-executivo da Febracis Brasília, Luiz Paulo Machado (foto), com a participação do Master Trainer Ircley Oliveira e do empresário Fábio Veloso. O evento acontecerá no Centro Conceito de Coaching da Febracis Brasília, na Asa Norte.

Projeto da LDO chega à Câmara Legislativa

Jorge Vianna diz que cedeu à insistência da categora em ter um representante

riência na rede pública. “Não existe um fiscal no Legislativo”, avalia. A respeito do fortalecimento dos enfermeiros, destaca que “o servidor funcional como fiscal do povo, comunicando ilícitos às autoridades, beneficiaria toda a sociedade”. E completa: “Trabalhamos 24 horas com os pacientes. Sabemos o que está faltando, desde material até pessoal, principalmente médicos”, diz. Outra proposta sua será a reserva de 20% das vagas na faculdade pública de medicina para os servidores da saúde. O percentual seria somente

para pediatria e clínica médica, o que mais faz falta na rede pública. Também vê como saída a parceria entre o governo e farmácias privadas para que nenhum cidadão fique sem medicamento receitado pelos médicos. Numa época de descrédito na classe política, Jorge garante trabalhar para jamais perder a credibilidade que tem com todos que o cercam, especialmente esposa e duas filhas. “Nunca ficarei com a imagem de um mentiroso”. Essa postura, ele pretende adotar firmemente durante todo o mandato como deputado distrital.

O GDF protocolou na Câmara Legislativa o texto do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019. A previsão de receitas para o próximo exercício é de R$ 39,8 bilhões, inclusos os recursos do Fundo Constitucional do DF — aporte da União para as áreas de segurança, saúde e educação de Brasília. A Câmara tem até 30 de junho para análise e aprovação do projeto. Estão previstas ainda 3.010 convocações de concursados para o Executivo, especialmente para a Saúde, a Educação e Polícia Civil, e 133 cargos para o Legislativo. Além disso, cerca de R$ 220 milhões serão destinados à implementação de reajustes para servidores, a partir do segundo semestre de 2019, caso a previsão de receitas se concretize. A proposta estabelece as metas e prioridades da administração para o exercício financeiro do próximo ano, com foco na busca de equilíbrio entre receitas (recursos que entram) e despesas (gastos públicos).


Brasília Capital n Política n 5 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Rollemberg promete o que não vai cumprir

S

e tivesse escrito um livro sobre a realidade do Distrito Federal hoje, Euclides da Cunha certamente diria: Rodrigo Rollemberg é, antes de tudo, um engodo. Um compulsivo por fazer promessas que não saíram e nem sairão do papel. É daqueles políticos que escrevem a lápis seus compromissos de campanha. E a mais nova prova disso é o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) para o exercício de 2019. A proposta prevê, para o próximo ano, reajustes aos servidores e mais de 3 mil convocações. Trocando em miúdos, o PLDO apresentado por Rollemberg e sua equipe não passa de um produto de mar­keting eleitoral. Na ân-

sia de ser reeleito, mais uma vez o atual governador do DF apela para “compromissos” que, a exemplo dos últimos quase quatro anos, não irá cumprir. A proposta é mais uma tentativa desesperada de se salvar em outubro, pois, desde que foi eleito, o único feito do representante do Buriti foi conseguir o título de “pior governador da história do DF”. E não é para menos. No que diz respeito à saúde, por exemplo, desde janeiro de 2015 as recorrentes tentativas de desmonte do SUS-DF são evidentes. Primeiro, com a ameaça das Organizações Sociais na gestão dos hospitais públicos. Depois, com a desvalorização dos servidores. E, agora, por último, com a terceirização do Hospital

de Base e a suposta “expansão” da Atenção Primária. O maior problema de tudo isso é que, enquanto Rollemberg brinca de governador, a população está morrendo sem conseguir atendimento. São mortes evitáveis. Nesta semana, estivemos, eu e o vice-presidente do SindMédico-DF, Carlos Fernando, no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) e o desespero, tanto dos pacientes quanto dos servidores, é evidente. Sem poder contar com o apoio do HBD­F desde que virou instituto, no início do ano, a superlotação passou a fazer parte do dia a dia da unidade. E, com um detalhe: falta até soro fisiológico no local e o tomógrafo está parado há quase um mês por fal-

ta de manutenção porque o GDF atrasou o pagamento da empresa responsável pelo conserto do aparelho. Enquanto Rollemberg brinca de governar e assume compromissos que não pretende honrar, pacientes com câncer estão morrendo porque não conseguem mais tratamento no Instituto Hospital de Base: faltam médicos para toda a demanda. Mas, para o governador, essas vidas, com certeza, não são prioridade. Agora, o foco de Rollemberg é a reeleição, em uma pré-campanha com muito discurso, palavras bonitas e promessas que, seja por incompetência ou falta de vontade, não passam de marketing eleitoral.

Dr. Gutemberg, presidente do Sindicato dos Médicos do DF e advogado


Brasília Capital n Política n 6 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

DIVULGAÇÃO

Lula: “Sou candidato a presidente. Posso fazer o país retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento, em benefício do nosso povo”

Lula reafirma que é candidato Em artigo no jornal francês Le Monde, ex-presidente diz que a situação crítica do Brasil o fez enfrentar a disputa

P

reso há um mês e meio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não desistiu de ser o candidato o PT à Presidência da República. É o que ele mesmo confirma em artigo publicado no jornal francês Le Monde, edição de quinta-feira (17). Lula abre o texto afirmando: “Sou candidato a presidente do Brasil, nas eleições de outubro, porque não cometi nenhum crime e porque sei que posso fazer o país retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento, em benefício do nosso povo”.

Ele acrescenta, em seguida, que “depois de tudo o que fiz como presidente da República, tenho certeza de que posso resgatar a credibilidade do governo, sem a qual não há crescimento econômico nem a defesa dos interesses nacionais. Sou candidato para devolver aos pobres e excluídos sua dignidade, a garantia de seus direitos e a esperança de uma vida melhor”. Lula conta que aprendeu a não desistir na sua própria vida e faz um histórico de quando começou na política há 40 anos. Acentua que não havia, então, eleições nem direito à organização sindical e polí-

tica. Aborda a criação do PT e suas derrotas para o mesmo cargo, três vezes seguidas, até ser eleito em 2002 para o primeiro mandato. Como exemplo de seu bom desempenho, lembra que terminou seus dois mandatos com “87% de aprovação popular. É o que o atual presidente do Brasil (Michel Temer-MDB), que não foi eleito, tem de rejeição hoje”, compara. Lula garante que não estava em seus planos ser candidato novamente, mas diante da crise que o Brasil enfrenta, sua candidatura é o “reencontro de uma proposta com o que toda a nação deseja”.

Inquérito contra Aécio deve ir para 1ª instância Caberá ao Ministro Ricardo Lewandowski, relator do processo que investiga o senador Aécio Neves (PSDB-MG/ foto) no Supremo Tribunal Federal, decidir se envia o caso para a primeira instância da Justiça. O inquérito apura suposto pagamento de vantagens indevidas pela Odebrecht a políticos, a pedido do tucano. A solicitação para que o STF tome a decisão partiu do delegado da Polícia Federal Marlon Cajado. Desde que as delações de ex-integrantes da empreiteira se tornaram públicas, no ano passado, o senador do PSDB tem negado todas as acusações. O pedido do delegado baseia-se em decisão do STF de que crimes de deputados e de senadores só terão foro privilegiado se cometidos durante o exercício do mandato.

Mantida condenação de Gim Argello O ex-senador Gim Argello (PTB-DF/foto) tentou ser absolvido, liberar seus bens ou ter sua pena reduzida, mas o recurso da defesa não foi aceito. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre, manteve, por voto de maioria, a condenação do político brasiliense por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 11 anos e oito meses. De seis desembargadores presentes à sessão, quinta-feira (17), apenas um votou de forma diferente. Gim está preso desde abril de 2016, na Operação Lava Jato.


Brasília Capital n Política n 7 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

ANTÔNIO SABINO

“Brasília está abandonada e maltratada”

Entrevista Chico Sant’Anna O senhor tentou se eleger senador em 2010 e deputado distrital em 2014 e não conseguiu. Quais experiências adquiriu nas duas campanhas e por que acha que deve representar Brasília no Congresso Nacional? - Em 2010 foi uma eleição para dar visibilidade ao PSol, numa missão de fazer um debate no cenário local. Foi uma campanha paupérrima. Arrecadamos entre amigos apenas R$ 11 mil e tivemos 17 mil votos, enquanto outras coligações tiveram apoio de grandes empreiteiras e grandes empresários. O PSol nunca aceitou doação de empresas. Em 2014, não consegui êxito para a CLDF, mas foi importante no sentido de nos inserirmos socialmente. Foi uma campanha difícil. Posso afirmar que a campanha para distrital é a mais difícil no DF, pela quantidade enorme de candidatos para poucas vagas e pouca visibilidade na mídia. E sem dinheiro torna-se ainda mais difícil. Porém, mais uma vez foi importante para colocar nossa proposta como diferencial para a cidade. Minha campanha hoje é importante porque nossos parlamentares federais esqueceram de um papel fundamental, que é o de fiscalizar. Diariamente vemos parlamentares de outros estados brigando por seus estados. Não vemos isso com os parlamentares de Brasília. Sofremos uma crise da falta de emprego, a saúde está um caos, assim como a educação e a segurança pública. Nossos par-

Pré-candidato ao Senado diz que a cidade perdeu a chance de expandir o metrô e de começar a implantar o VLT, e defende “a volta da educação de qualidade de antigamente”

Wyl Villas Bôas

C

arioca, mas cidadão brasiliense desde os primeiros meses de vida, o pré-candidato ao Senado Chico Sant’Anna (PSol) tem entre suas bandeiras a mobilidade urbana, a preservação da histórica qualidade de vida em Brasília e a volta dos padrões de Educação e Saúde Pública do passado. “Brasília está abando-

lamentares federais parecem ignorar tudo isso. O senhor é um defensor do meio ambiente e da preservação da história de Brasília. Qual sua avaliação sobre a preservação da cidade e o que propõe para essa área? - Brasília ficou abandonada e é maltratada. Parte do viaduto do Eixão que caiu simboliza esse abandono. É um conjunto de ausências de iniciativas que não preservaram a cidade. E nessas ausên-

nada”, diz ele ao analisar o momento político atual. Formado em jornalismo pela UnB, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas do DF e ex-vice-presidente da Fenaj, Sant’Anna é a favor de sindicatos fortes que defendam os interesses dos trabalhadores, ainda mais depois da reforma trabalhista; e que é contra a privatização da Saúde no DF,“por tirar dinheiro do SUS”. Defende a expansão do metrô para outras cidades-satélites e, se eleito, promete abrir mão do salário

cias ao longo dos anos, Brasília sucumbiu a uma indústria da especulação imobiliária e à grilagem agressiva. Brasília foi uma das primeiras cidades a ter um relatório de impacto ambiental. Nos anos 1940, apontavam a necessidade de ao chegar-se em 2000, pelo menos metade da área rural estivesse preservada para garantir a água para a população. Ignorou-se o alerta. Ultrapassamos a devastação do cerrado em muito mais que 50%, fruto da expansão urbana e

de senador. Filho de engenheiro civil e de professora de idiomas, pioneiros, formou-se pela UnB e concorre ao Senado pela segunda vez. Nesta entrevista ao Brasília Capital, ao ser questionado sobre a fakenews espalhada pelo deputado Alberto Fraga (DEM-DF) a respeito da morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSol-RJ), em março, avalia que “o mais grave é ele querer jogar Marielle no lixo, como se diminuir os valores de Marielle, justificasse o assassinato”.

da transformação de áreas de cerrado em áreas de agrobusiness. Resultado é que temos hoje uma temperatura mais elevada, a água está faltando, a qualidade do ar está decaindo. Tudo isso gera um impacto na saúde e na longevidade das pessoas. Mas o contrário disso não seria impedir o progresso? – Não sou um “ecochato”. Minha preocupação é que a qualidade de vida que tive quando criança, minhas filhas e netas

possam ter futuramente. Nossa proposta para o plano de governo ao GDF, juntamente com nossa futura governadora, Fátima Sousa, é assegurar um bem viver. Isso passa pela saúde, educação, segurança e também pelas questões ambientais. Não podemos permitir a deterioração do ar, a falta d’água, nem conviver numa cidade onde o trânsito engarrafa todo dia às 4 da tarde. Qual seria a melhor alternativa para a mobilidade


Brasília Capital n Política n 8 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Entrevista Chico Sant’Anna urbana de Brasília? – Primeiramente, é lamentável que quatro governos tenham passado e tenham perdido a chance de dar um salto de qualidade no transporte coletivo. Perdeu-se dinheiro do Plano de Aceleração do Desenvolvimento (PAC), nos governos Arruda, Rosso, Agnelo e Rollemberg. Perdemos a chance de expandir o metrô e começar a implantar o VLT. Temos agora que buscar recursos necessários para conseguir colocar nos grandes troncos de transporte, um transporte sobre trilhos – metrô de superfície e trem regional. Existe uma linha férrea de Luziânia a Brasília que poderia ser convertida em metrô de superfície. O Ceará fez isso. É desumano obrigar o morador do Gama ou Santa Maria acordar às 4 da manhã para chegar às 8h no Plano Piloto, enquanto de trem chegaria em 30 minutos. Hoje temos uma política de querer fazer mais pontes, mais viadutos, ampliar mais faixas, para atender as grandes empreiteiras. Temos que investir em mobilidade sobre trilhos. Menos rodoviarismo. O senhor fala que Brasília necessita de um recomeço. Em que área é mais urgente recomeçar? – Nossa educação pública precisa retomar a qualidade de antes. Tem que haver escola integral. A vida das pessoas mudou. Uma criança tem que aprender desde cedo um outro idioma, uma arte, música, dança ou artes plásticas, e, num segundo mo-

mento, uma profissionalização. Isso para que chegue com qualidade e capacidade para enfrentar esse mundo com uma concorrência muito desigual. Brasília é campeã em desigualdade, e se você investe em educação já começa a reduzir essa diferença social. Outro fator é a segurança. Hoje as pessoas têm medo de sair de casa e serem assaltadas. Antigamente as casas não tinham grades e todos brincavam na rua até tarde. O recomeço passa por isso. O PSol lançará a professora Fátima de Souza ao GDF. O que o eleitor pode esperar de um governo do PSol? - Em primeiro lugar, uma mudança total na forma de governar, sem o toma lá, dá cá das for-

É lamentável que quatro governos tenham passado e tenham perdido a chance de dar um salto de qualidade no transporte coletivo ças políticas. A ideia é trazer as pessoas de bem, com ideias progressistas, que tenham capacidade de trazer o novo para a cidade. Esse plano tem cinco eixos principais: Direito à Cidade, Bem Viver, Trabalho, Emprego e Renda; Cuidar das Pessoas, e O Povo Governa. Cultura e turismo associados podem, por exemplo, ser um fator de desenvolvimento sustentável e gerador de ren-

da e emprego. Um caminho é transformar Brasília num portão internacional de voos.Um hub. Estamos no centro geográfico da América do Sul. Brasília perdeu nos últimos dez anos mais de sete voos diferentes para os Estados Unidos, a Europa e países da América do Sul. Dá para fazer tantas mudanças em quatro anos de governo ou o senhor apoia a reeleição? – Os projetos têm que ser de Estado e não de governos. Acredito que em quatro anos não se resolve tudo. Os projetos de mobilidade urbana, por exemplo, não dão para fazer tudo em quatro anos. O metrô é uma obra que tem que atravessar governos. Agora, o governante é que não precisa ser o mesmo o tempo todo. Em recente entrevista ao Brasília Capital, o governador Rodrigo Rollemberg atribuiu seu alto índice de rejeição à comparação aos casos de corrupção envolvendo membros do governo federal, do legislativo, inclusive local. Segundo ele, na visão das pessoas, a classe política em geral atrapalha e lhes traz um sentimento de indignação. O senhor concorda com essa afirmação? - Não quero criticar os outros governos que passaram, e sim mostrar como podemos fazer diferente e melhor. Quanto à aceitabilidade do atual governo as pesquisas falam por si: 80% de rejeição não precisa mais nenhum outro tipo de comentário. Precisamos de um GDF mais ativo, mais eficiente. Não temos em Brasília uma política de incentivo à economia. O PSol vai vir com esse incentivo para gerar mais empregos, apoiando principalmente os pequenos. Temos uma falência no setor de saúde, e o que se vê é apenas propostas de privatização.

Chico Sant’Anna diz que exercerá o mandato tendo como vencimento sua O GDF anunciou que virá um hospital particular de São Paulo para cá. Isso é ruim, pois vai tirar dinheiro do SUS, da rede pública, e repassar ao estabelecimento comercial que não abrirá totalmente suas portas à população mais carente. Quando o governo privatiza a saúde pública, como fizeram com o Instituto Hospital de Base, abre mão do seu papel constitucional, pois saúde

é um direito do povo e obrigação do Estado. Rollemberg afirma que Brasília hoje está muito melhor do que era quatro anos atrás... – Quem melhor responde isso é o Eixão em cima da Galeria dos Estados. Anunciar o fim da crise hídrica foi uma decisão correta? - O grande proble-


Brasília Capital n Política n 9 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

FOTOS: ANTÔNIO SABINO

Entrevista Chico Sant’Anna Um senador ganha R$ 33 mil reais, fora benefícios, o que os colocam entre os mais bem pagos do planeta, segundo uma revista do Reino Unido. O nosso Legislativo (Câmara e Senado) custa R$ 1,16 milhão por hora aos nossos bolsos. A mudança no Brasil deveria começar por aí? - Tem que mudar por aí sim. Esse valor é um absurdo. Já adianto que, se eleito, não usarei moradia funcional, nem auxílio-moradia em dinheiro. Não usarei carro oficial, nem gasolina, e que desde já opto por manter meus vencimentos de servidor público aposentado. Vivo bem hoje em dia, não há necessidade de se mudar este comportamento. Assim, não receberei sequer salário de senador.

a aposentadoria de servidor ma é que não há transparência nos dados. Pode ser correta ou não. Nem os especialistas sabem. Agora não se sabe se o GDF tem essas informações e esconde. O reservatório de Santa Maria está no mesmo nível de quando começou o racionamento. Resta saber quanto tempo sem a chuvao do Descoberto vai ficar nesse nível tão alto, pois agora vem a seca.

O deputado Alberto Fraga (DEM) espalhou fake news sobre a ex-deputada Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro, e depois disse que não teve a intenção de propagar informação falsa. O Psol pediu a cassação do mandato dele... – Independente de ele saber se a informação era verdadeira ou falsa, ele falhou no princípio mais elementar do ser humano que é ter o respeito e a compaixão por quem morre. O intuito dele foi desconstruir a imagem de uma mulher negra, batalhadora, da favela, que lutava pelos direitos humanos, como se quisesse justificar que seria válido matar aquela pessoa, pois ela era um ser humano sem valor. Tentar

desmoralizá-la, como se isso justificasse seu assassinato. O fato de ele saber que era falso depois não importa. O mais grave é ele querer jogar Marielle no lixo. Isso revela o caráter do coronel Fraga. O senhor presidiu o sindicato dos jornalistas de 1992 a 1995. Nessa época o senhor não era filiado a nenhum partido. O senhor acha correto que os sindicatos sejam filiados a partidos políticos? - Uma postura ideológica se faz necessária sim, pois é aí que se define o perfil da entidade. Se vai ser combativa, ou não, se vai defender a coletividade ou privilegiar o individualismo. Acordos salariais bons se constroem com sindicatos fortes onde os trabalhadores efetivamente participam da vida sindical. As redes sociais proporcionaram o poder ver o histórico dos partidos e dos políticos. Como aliar internet e política e como convencer os eleitores de que o PSol é uma boa alternativas na atual política? - Os eleitores têm que acessar a internet e pesquisar o histórico dos políticos. Há agora um aplicativo que diz na hora se o politico é ficha suja. Nenhum político do PSol está envolvido em escândalos, como Lava Jato, Caixa de Pandora, Carne Fraca, Mensalinho do DEM e tantos outros. Isso revela o caráter das pessoas que estão no PSol e a postura ética do partido. Desde o surgimento fechamos as portas aos financiamentos privados de campanhas, não recebemos dinheiro de empreiteiras, frigoríficos e de laboratórios farmacêuticos. Nossas campanhas são mais simples por causa disso. O eleitor tem que fiscalizar. Temos que acompanhar o dia a dia dos políticos. Uma das minhas propostas é aprovar o voto revogatório, onde

a população convoca a justiça eleitoral, caso o parlamentar esteja fazendo algo errado, e faz-se uma nova eleição para confirmar ou não o mandato. Na Califórnia (EUA) isso deu certo. Um governador já saiu do poder nessas circunstâncias. Curiosamente foi um gestor que não soube administrar uma crise hídrica. Não sei se tem alguma coincidência com Brasília... Diversos políticos de direita e de esquerda estão atrás das grades. Como fazer com que o PSol não se manche com os eleitores devido a essas prisões? - Esses processos revelam que o modelo político eleitoral brasileiro não presta. Um modelo financiado por grandes empreitei-

Brasília vem sofrendo muito nos últimos cinco governos. Acredito numa mudança. Dia 7 de outubro é dia de recuperar as nossas esperanças ras não leva à democracia. Temos que mudar essas regras eleitorais feitas em 2014. Isso facilita a permanência das pessoas que sempre vivenciaram esse modelo. O PSol vai ter apenas de 12 a 14 segundos de tempo de televisão este ano, enquanto no passado tinha em torno de 2 minutos. Temos que criar mecanismos de democracia direta para que a população delibere.

O PSol está à frente de outros novatos, como o Pros, Rede, Partido Novo e Solidariedade? - Alguns desses partidos são novas siglas, mas são das velhas propostas. Partidos que não defendem saúde e ensino públicos de qualidade. Eles defendem o repasse dos recursos públicos para os empreendimentos empresariais. Eles estão repetindo o mesmo discurso feito lá atrás pela Arena, PDS, PFL, Democratas. Alguns deles surgiram da subdivisão de outros partidos. Você pega três partidos e percebe que na raiz são frutos de um mesmo. Nas eleições eles voltam a se juntar em uma só coligação para ter mais tempo de TV, e mais recursos do fundo eleitoral. Por isso o PSol é contra as coligações proporcionais. Uma eleição sem coligação será suficiente para eliminar metade dos partidos que aí estão. Cada partido tem que vir com suas ideias. São 33 partidos legalizados e outros pendentes no TSE, e não existem tantas ideologias para serem defendidas. São muitos partidos que nascem para venda do tempo de TV e auferir o fundo eleitoral e partidário. Partido não paga imposto. É muito bom criar um partido e ser um dirigente remunerado. Todos os partidos devem ter o mesmo tempo de televisão e rádio nas propagandas. Qual sua mensagem para Brasília? - Brasília vem sofrendo muito nos últimos quatro, cinco governos. Mas acredito numa mudança. Uma nova esperança. Brasília nasceu de uma utopia de sonhadores como Juscelino Kubitschek, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer. Temos que recuperar esse sonho. Dia 7 de outubro é um dia de recuperar as nossas esperanças, dia de sonhar com uma Brasília melhor. Isso está nas mãos do eleitor. Por isso peço: Não anule o voto.


Brasília Capital n Política n 10 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Acompanhe também na internet o blog Brasília, por Chico Sant’Anna, em https://chicosantanna.wordpress.com Contatos: blogdochicosantanna@gmail.com

Por Chico Sant’Anna

Conflito agrário a meia hora do Palácio do Planalto

D

errubada de barracos, motos e carros incendiados, animais mortos, trabalhadores rurais espancados e roubados por jagunços. Este cenário não é nos rincões da Amazônia ou em terras remotas do Centro-Oeste. Tudo isso acontece na Colônia Agrícola Aguilhada, região rural de São Sebastião, a menos de meia hora da Praça dos Três Poderes, cerca de 30 quilômetros. Em 2013, o GDF baixou decreto que abria a possibilidade de regularização dos terrenos antigos e criação de dois assentamentos para 50 famílias, sendo cada um para 100 famílias. Cada uma delas teria direito, em média, a dois hectares de terra. Esses assentamentos convivem com outras propriedades rurais de maior tamanho. No local ainda existia um projeto de reflorestamento com pinus, para a produção de madeira e celulose, da Proflora, estatal extinta no governo Cristovam Buarque, na década de 1990. É justamente nessa área que se verifica o conflito desde março deste ano. Após a retirada das árvores, cerca de 50 famílias de trabalhadores sem terra ocuparam a área. Em 15 de março, a Agefis foi ao local e, com a ajuda de

DIVULGAÇÃO

Terra arrasada: jagunços armados tacaram fogo e destruíram tudo que existia no acampamento dois tratores, derrubou as moradias, sob a proteção da Polícia Militar. Não houve choque violento com as famílias, mas elas não desistiram. Os trabalhadores rurais voltaram a levantar suas barracas e recomeçaram suas roças de

mandioca, abóbora, criação de galinha, porcos e outros pequenos animais. A área foi demarcada por eles mesmos e nascia ali o Assentamento Tamanduá 2, promovido pelo Grito Brasil da Terra. A permanência deles de-

sagradou a alguns fazendeiros lindeiros. Em abril,quatro jagunços armados, comandados por uma pessoa conhecida como Renato, segundo informa o trabalhador rural Antônio Santos, passaram a intimidar aqueles que busca-

vam ser assentados. O gado, cuja propriedade é atribuída à Fazenda Pouso Alegre, com 3.100 hectares de área, foi atiçado sobre os 100 hectares que eram da Proflora. Os animais pastaram nas terras dos assentados e destruíram todas as plantações. Como os trabalhadores rurais não arredaram das terras onde pretendem ser assentados, os jagunços voltaram, desta vez armados, e tacaram fogo em tudo que viam pela frente – moradias, motos, carros – e agrediram trabalhadores, espantaram os animais. No domingo Dia das Mães, o clima no Tamanduá 2 era de desolação. O cenário, de carvão e cinzas para todos os lados. Fumaça ainda exalava dos troncos utilizados para erguer as barracas. Nada sobrou. Telhas, móveis, roupas, tudo destruído. Um sentimento de desilusão. A agressão teve ocorrência registrada na delegacia de polícia de São Sebastião e levada à Ouvidoria do Incra. Mas nenhum avanço na apuração dos fatos foi comunicado.Enquanto isso, os trabalhadores continuam na área e esperam providências das autoridades.

DIVULGAÇÃO

Flanelinhas agentes financeiros

Na conta dos guardadores, R$ 9 em moeda valem R$ 10

A presença de flanelinhas nem sempre é bem recebida pelos motoristas. Muitos sentem-se constrangidos a terem que pagar por uma vaga em estacionamento público. Mas as moedinhas e trocados acabam remunerando os guardadores de carros. Cientes da falta de troco no co-

mércio, flanelinhas estão, agora, cobrando uma taxa de administração para trocar com os comerciantes das áreas centrais do Plano Piloto as moedas que receberam. Para cada nove reais em moedas eles querem uma cédula de R$ 10,00. Uma taxa de administração – ou seria de câmbio – de 10%.


Brasília Capital n Cidades n 11 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Prioridade no tratamento é lado humano do paciente Focar sempre na pessoa e não na enfermidade é a lógica do Hospital do Câncer Anchieta, em Taguatinga ANTÔNIO SABINO

reunião para dar a notícia para ele”, relembrou Karytha.

Valdeci Rodrigues

O

Hospital do Câncer Anchieta, em Taguatinga, foi inaugurado oficialmente nesta quarta-feira (16). A inauguração ocorre seis meses após o início dos atendimentos na unidade porque já há resultados para mostrar.“O grande diferencial é que oferecemos uma estrutura sempre partindo do lado humano”, disse ao Brasília Capital o diretor da instituição, médico oncologista Murilo Buso. “Preferimos atender primeiro para depois inaugurar”, complementou a gestora Naiara Porto. Segundo eles, a instituição ter o nome da doença é uma forma de tirar a carga pejorativa da palavra. Humanizar significa “olhar para o indivíduo e não para a doença. A de João é diferente da que acomete Maria”, exemplifica Buso. Um dos exemplos é ter apartamentos e áreas de tratamento virados para as janelas, além de gente sorrindo em todos os lugares. Murilo e Nayara falam sobre o primeiro hospital particular do câncer de Brasília com fervor incomum. “Temos de ter uma cara de casa”, acentua a gestora. Dentro do que denominam de “lógica do tratamento”, a meta é neutralizar toda a carga negativa que existe em torno de uma doença com possibilidade de cura que varia de 70% a 80%, nos casos de prevenção adequada. Por isso, há permis-

Naiara: inauguração depois de mostrar serviço

Murilo: até a manifestação varia a cada pessoa

Janelas sempre voltadas para fora e parentes na UTI são procedimentos que ajudam na cura

são para um parente entrar na UTI nas 24 horas do dia. Um exemplo de bom resultado é o auxiliar de contabilidade Leandro Bemimcasa Costa Viana, 31 anos. Ele descobriu que estava com leucemia (câncer no sangue) no fi-

nal de outubro de 2017. Foi ao Hospital Anchieta para descobrir o que o deixava cansado e debilitado. O choque foi transmitido pela noiva Karytha Fernanda Xavier Soares, 26 anos, estudante de direito. O casal estava na inau-

guração da unidade.“Estou ótimo”, disse Leandro. “Antes, o câncer era o fim, era só esperar a morte”, acrescentou, justificando seu susto quando soube do resultado de algo que ele pensava ser uma virose. “Tivemos uma

FUSÃO – O Hospital do Câncer é fruto da união entre o Grupo Anchieta e o Centro de Câncer de Brasília (Cettro), que investiram, aproximadamente, R$ 50 milhões na estrutura, na aquisição de tecnologia de ponta e na montagem da equipe assistencial multiprofissional de altíssima qualidade técnica. O Hospital do Câncer Anchieta dispõe de hospital-dia, com oito ambulatórios interdisciplinares e 18 boxes de quimioterapia, pronto-socorro oncológico com fluxo prioritário, internação com 28 flats, unidade de terapia intensiva oncológica com seis leitos exclusivos e centro cirúrgico. O objetivo é oferecer ao paciente assistência num único lugar, com o “onconavegador”, especialista para atender a todas as necessidades, da orientação de pacientes e familiares ao agendamento e encaminhamento de exames. No campo da humanização existe no hospital o OrbisScalp, conhecido como touca gelada, para evitar perda de cabelos durante a quimioterapia, dependendo do tipo do câncer, estágio e condições especialmente da paciente. O médico Murilo Buso explica que ficar careca “é um dos fatores de maior impacto psicossocial, podendo afetar severamente a autoimagem e a identidade, assim como a capacidade de enfrentamento da doença”.


Brasília Capital n Cidades n 12 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

INAUGURADO POSTO DO NA HORA – A unidade do Na Hora de Brazlândia foi inaugurada quarta-feira (16). O posto, no Setor Tradicional, é o primeiro na cidade e atende a uma antiga reivindicação da comunidade. Serão oferecidos serviços das Secretarias de Fazenda, de Justiça e Cidadania e do DFTrans. Aqueles antes oferecidos na Agência da Receita que funcionava no local permanecerão disponíveis. O atendimento será das 7h30 às 18h30, nos dias úteis, e das 7h30 às 12h30, aos sábados.

DISTRITO FEDERAL

VICENTE PIRES / Por Eliane Araújo

Tecnologia facilita pagamentos no Detran

Passarela parece que será realidade

JÚLIO PONTES

O contribuinte brasiliense tem, desde segunda-feira (14) a opção de parcelar em até 12 vezes – com juros – os débitos com o Detran. A tecnologia foi implantada em parceria com afintech Zapay, criada por estudantes e ex-alunos da Universidade de Brasília (UnB). “É a evolução da maquininha de cartões. Com a Zapay as pessoas não precisarão mais usar a maquininha para pagar compras. Tudo poderá ser resolvido via celular, sem tirar sua carteira do bolso”, diz Callebe Mendes, sócio da fintech. A opção on-line é apenas para o parcelamento com cartão em nome do

Callebe e Ricardo: “Evolução da maquinha de cartões” proprietário do veículo, de acordo com o Detran. A Zapay desenvolveu sistema com padrões de segurança internacionais como antifraude e criptografia de dados e informações. Para o cidadão, há a facilidade de quitar multas e débitos de qualquer lugar usando smartphone, tablet, notebook ou computador.

O software para pagamento fintech, também de forma parcelada no caso do Detran, é uma tendência irreversível, frisa Callebe. “A expectativa é de grande crescimento nos próximos dias”, acresce nta. Os indivíduos precisam de mais rapidez e simplicidade no pagamento de suas dívidas. Por isso, a Zapay

também atende empresas privadas em esquema semelhante. “Fila é uma coisa arcaica e dinheiro vivo também”, reforça o parceiro de Callebe na fintech, Ricardo Fiorillo. Ricardo cita ainda a vantagem do acúmulo de pontos. A dupla adianta que na próxima semana será possível fazer o parcelamento também do IPVA.

SERVIÇO Endereço: SHN – Q 1, Área Especial “A“, Bloco “A“, salas 1108 e 1109, Le Quartier Tel: (61) 98158-3263 (WhatsApp) Site: www.usezapay.com.br Email: luciano@usezapay.com.br Facebook: @zapaysolucoes Instagram: @usezapay

TAGUATINGA

ÁGUAS CLARAS

Praça revitalizada

Moto da PM vira transporte particular

A praça da QNG 45, em Taguatinga Norte, será totalmente revitalizada. O espaço vai ganhar área de convivência, parque infantil, quadra poliesportiva, bicicletário, calçamento e um ponto de encontro comunitário (PEC). A obra é executada pela Novacap com recursos de uma emenda de R$ 400 mil destinada pelo deputado Chico Vigilante (PT). O distrital acompanha a situação de abandono da praça há três anos e nos últimos meses supervisiona os trabalhos. Já foram instalados novos postes, proporcionando nova iluminação da área que, segundo os moradores, estava abandonada há mais de 25 anos.

Há alguns meses, tornou-se rotina para os moradores do edifício Piazza Di Itália, na Rua 9 Sul de Águas Claras, ver uma motocicleta da Polícia Militar estacionada na garagem privativa do prédio (foto). Um condômino que pede anonimato afirma que a viatura já chegou a passar finais de semana inteiros estacionada no local. “O absurdo é perceber que o veículo deveria ser utilizado exclusivamente no patrulhamento das cidades e está servindo de meio de transporte particular para as ‘autoridades’”, comenta o morador.

A rotina dos moradores está sofrendo mudança durante as obras de pavimentação e drenagem pluvial que interrompem o trânsito na rua 5. Posteriormente, virá o recapeamento da via. Os moradores devem se preparar, pois as obras serão feitas aos poucos, de 80 em 80 metros, nos próximos dois meses, para minimizar o impacto direto no dia a dia da população. Segundo o secretário-adjunto de Infraestrutura e Serviços Públicos, Sinésio Lopes Souto, a previsão para conclusão na rua 5 é em 60 dias, e todas as demais intervenções, que estão sendo executadas na cidade, até dezembro deste ano. O Detran e a Novacap devem sinalizar as ruas. Calçadas e rampas de acessibilidade estão previstas no projeto. Vamos ficar de olho, pois hoje não existem calçadas para caminhadas em Vicente Pires. Muito menos, rampas de acessibilidade e ciclovia. Melhor se preparar e sair de casa mais cedo! BOUTIQUE DE CARNES – A primeira vista, Primus Boutique de Carnes, na rua 12, parece uma casa de carnes comum. Mas, ao subir os degraus até o primeiro, o cliente vai observar a variedade dos produtos e degustar as delícias em um espaço gourmet. Além do chope gelado, vai encontrar deliciosos petiscos, como o jacaré, rã, costelinha de porco, T-Bone, bifes de chorizo e ancho, além das linguiças picadas na faca. A carta de vinhos também é um atrativo à parte, além de drinks especiais.

SERVIÇO Aberto de domingo a domingo, das 7h às 23h Rua 12 Ch. 129-A, Conj. A, Lt. 8 - Vicente Pires Telefone: (61) 3797-7070 Facebook: https://www.facebook.com/primusboutiquedecarnes/


Brasília Capital n Cidades n 13 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

DIREITO DO CONSUMIDOR

Bancos são proibidos de reter salário para pagar empréstimo

Fieis da Assembleia de Deus de Taguatinga têm descontos no BBB Saúde

Embora muitos clientes não saibam, uma instituição financeira não pode descontar de seus correntistas valores por empréstimo tomado, mesmo havendo assinatura de contrato A súmula 603 do Superior Tribunal de Justiça, aprovada em 22 de fevereiro de 2018, não deixa dúvidas: “É vedado ao banco mutuante reter, em qualquer extensão, os salários,vencimentos e/ou proventos de correntista para adimplir o mútuo (comum) contraído, ainda que haja cláusula contratual autorizativa”. O que isso significa é que caso não seja um empréstimo consignado (estes são lícitos, pois existe legislação que os regem), o banco não está autorizado a descontar nenhum valor de seu salário para pagar o empréstimo. No entendimento do STJ, mesmo que exista assinatura de um contrato que permita esse desconto, a ação é ilícita, pois a cláusula é abusiva e contraria o artigo 7º da Constituição Federal, e o artigo 833 do Código de Defesa do Consumidor. Além do mais, a retenção de parte do salário com o objetivo de quitar débitos existentes em conta-corrente mantida pela própria instituição financeira credora é conduta passível de reparação por danos morais. O que o banco deve fazer, se seu cliente não pagar o empréstimo conforme contrato, é acionar a Justiça, ajuizando ação de cobrança. Viveu situação semelhante? Quer tirar dúvidas sobre direito como consumidor? Entre em contato com o Central de Defesa do Consumidor (Cedec).

Telefones: (61) 98364-5125 e (61) 3548-9187

Wagner Amorim: “A saúde pública no Distrito Federal está na UTI, o que torna a parceria em uma ação social prestada pela igreja”

A

s seguradoras BBB Saúde e Unimed fecharam uma parceria com a Assembleia de Deus de Taguatinga (ADET) para oferecer benefícios exclusivos aos, aproximadamente, 5 mil fieis. Durante o mês de maio, os cristãos e seus dependentes terão 100% de desconto na cobertura odontológica caso adquiram o plano da BBB Saúde, e descontos na cobertura com internação e atendimento nacional da Unimed. Quem coordena a parceria é o pastor Wagner Amorim, auxiliar do pastor e deputado federal Ronaldo Fonseca (Podemos). Ele comemorou a parceria com as duas operadoras. Segundo o líder reli-

gioso, “a saúde pública no Distrito Federal está na UTI, o que torna a parceria em uma ação social prestada pela igreja”. Quem se interessar, deve procurar o pastor ou os corretores credenciados. Para o Wagner, mesmo a BBB Saúde sendo uma empresa nova no mercado, já demonstrou seriedade e seus usuários a recomendam. Já a Unimed é uma “gigante” que tem credibilidade para prestar o melhor serviço, com valores atrativos para os fieis. A BBB Saúde iniciou suas atividades no Distrito Federal em julho de 2017 e tem como objetivo atender a mais de 30 mil usuários até o final deste ano. O grande atrativo são as mensalidade a

partir de R$ 134,90 e as parcerias com segmentos específicos, como o evangélico. O diretor da BBB Saúde Renato de Paula comemora a aceitação de seus produtos em segmentos distintos. Afirma que “todos os trabalhadores e suas famílias merecem uma atenção especial à sua saúde, coisa que o poder público não tem sido capaz de oferecer. Por isso temos nos esforçado para disponibilizar propostas possíveis de atender a todas as faixas de renda”. Contatos: - Pr. Rodrigo Costa: (61) 98532-4084 - Irmã Januí Rocha: (61) 98411-1478 - Pr. Wagner Amorim, coordenador do projeto: (61) 98545-0000


Brasília Capital n Geral n 14 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Língua Portuguesa para (futuros) policiais “Quanto mais suor derramado em treinamento, menos sangue será derramado em batalha” (Dale Carnagie) Antes de qualquer discussão, preciso confessar algo a você, querido leitor: Eu não gosto dessa frase, embora seja quase um hino motivacional. Explico: Nesse trecho, há duas informações implícitas – haverá batalha e haverá sangue, inevitavelmente. Isso devido ao fato de ser uma construção sintaticamente dotada de uma subordinação adverbial proporcional (inversamente proporcional). Mais suor, menos sangue; menos suor, mais sangue. Em outras palavras, suar ao máximo no treinamento significa derramar a menor

quantidade de sangue possível em batalha. De todo modo, há sangue. E se houver muito sangue, a culpa é de quem não treinou o suficiente? Não quero parecer ufanista ou utópico, mas acredito que um agente (ou futuro agente) de segurança pública precisa pensar bem maior que isso. “Se você deseja alcançar o céu, deve mirar as estrelas”. Pensamentos pequenos são incompatíveis com o ímpeto dos que sentem no coração a chama da vocação pelo combate à violência e com os anseios da sociedade brasilei-

Assassinatos: CIA choveu no molhado Será que Deodato sumiu amarrado num foguete, tal qual Vladimir Herzog, enforcado em dependência do II Exército? Idem Honestino Guimarães, sumido em 1973 Diante da publicação da Central Intelligence Agency (CIA) de que nada menos de 103 brasileiros foram mortos covardemente, de 1974 a 1979, por ordem expressa do então ditador Ernesto Geisel, e como a matança pode ter sido reprisada posteriormente, escrevo estas linhas na esperança de pelo um dos leitores da tiragem (comprovada) de 10 mil exemplares deste hebdomadário, que me informe sobre o paradei-

ro do jornalista carioca Deodato Rivera. Para facilitar, forneço alguns dados: cabelo louro, já chegando ao grisalho, olhos claros, e que há uns 20 anos ingressou na lista dos cidadãos “nouveaux-riches”, adotados pelo santo padroeiro de Brasília, Dom Bosco. Conheci Deodato quando fomos colegas na Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro, no início da década de 1960, quando a FNI era co-

MARCELO RAMOS O REPÓRTER DO POVÃO

Programa O Povo e o Poder das 8h às 10h de segunda a sábado Notícias, Esportes e Músicas

Rádio JK - AM 1.410 Ligue e participe: (61) 9 9881-3086 www.opovoeopoder.com.br

ra, que clama por um futuro mais pacífico. A informação geral da frase é boa, mas não gosto da semântica proporcional empregada em função de “quanto mais...menos”. Podemos ser melhores que isso. Podemos, por exemplo, pensar em uma semântica Causal: Não haverá sangue derramado em batalha, porque muito suor foi derramado em treinamento. Consecutiva: Houve tanto suor derramado em treinamento que não haverá sangue derramado em batalha. Final: Para não haver sangue derramado em batalha, é preciso muito suor derramado em treinamento. Condicional: Se houver muito suor derramado em treinamento, não haverá sangue derramado em batalha.

nhecida pela fama de ser o QG dos estudantes atuantes na defesa de empresas estratégicas recém-criadas, a exemplo da Petrobras, que nasceu com o apoio de nosotros, estudantes, debaixo de borrachadas nas costas (como dói!), gritando nas ruas “O Petróleo é nosso!”. E nossa atuação fora da Faculdade era centralizada na União Nacional dos Estudantes (UNE), localizada no Flamengo, vizinha ao Palácio do Catete. Em 1963, nós dois, eu e o Deodato Rivera, fomos eleitos para ocupar o Conselho daquela respeitável instituição, que tinha como presidente o estudante paulista José Serra, então esquerdista e hoje ferrenho direitista, só Deus sabe contratado por quem. Voltando ao meu amigo Deodato Rivera, eis um detalhe inconfundível: em passeatas de estudantes brasilienses, operários ou professores, ele fur-

Temporal: Quando houver muito suor derramado em treinamento, não haverá sangue derramado em batalha. Gosto muito, principalmente, das duas últimas, pois preservam a tenacidade restrita aos vocacionados. Por isso, meu nobre amigo, derrame muito suor (físico e intelectual)! As batalhas são inevitáveis (e não consigo acabar com elas apenas com conectivos, infelizmente), mas sei que, no final delas, é melhor que não haja sangue. Se você conseguir isso (ou ao menos tentar), será o policial perfeito! Pense grande! Pense no improvável! “Para quem tem pensamento forte, o impossível é só questão de opinião” (gosto muito mais desta frase!).

Elias Santana Professor de Língua Portuguesa e mestre em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB)

ta a cena se destacando na dianteira, montado garbosamente num belo corcel branco, desfraldando uma enorme bandeira auriverde. O que é estranho é que, ultimamente, Deodato não tem aparecido. Será que ele sumiu amarrado num foguete, tal qual Vladimir Herzog, enforcado em dependência do II Exército, em São Paulo, em outubro de 1975; idem o estudante de Geologia da UnB Honestino Guimarães, preso pela sexta vez e sumido em outubro de 1973, já confirmado na lista dos 103 da CIA, que apenas choveu no molhado? Por favor, amigos leitores, qualquer dica, por menor que seja, sobre Deodato Rivera, me avisem. Desde já, agradeço, antecipadamente!

Fernando Pinto Jornalista e escritor


Brasília Capital n Geral n 15 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Você está jogando sua vida fora? “O objetivo da existência humana é o de acender uma luz na escuridão no ser” Doutor Inácio Ferreira, conhecido psiquiatra de Uberaba, alerta-nos para um novo carma: O Carma da Imprudência. Diariamente, milhões de pessoas entram no país da morte muito antes do que lhes foi programado. São os imprudentes de todos os tipos. Excesso de velocidade, uso de álcool e drogas, violência gratuita, assaltos praticados, brigas, etc. Toda atitude consciente, que abrevia a vi-

da, é considerada suicídio pelos códigos divinos. As pessoas, principalmente os jovens, estão arriscando suas vidas até em desafios pelas redes sociais. O resultado disso é a interrupção da experiência que vieram fazer, e sofrimento intenso e demorado para os pais. Até um homem de ciência, como o psicanalista Carl Jung, ensinou que a vida tem sentido, tem objetivo. Para ele, “o objetivo da existência hu-

Nutrição ajuda tratar a depressão Alimentos ricos em ácidos graxos ômega 3 e curcumina são importantes coadjuvantes nessas terapias

Cada vez mais a depressão tem se tornado um quadro comum em nossa sociedade. E a terapia anti-inflamatória tem se destacado como benéfica em tratamentos nos quais a

depressão está ligada à inflamação. Inflamação aumentada, como pode ocorrer em decorrência de maus hábitos de vida e do excesso de peso, pode interferir na forma

mana é o de acender uma luz na escuridão no ser”. Na mesma direção, outro psicanalista famoso, Viktor Frankl, sobrevivente de campos de concentração nazistas, percebeu que só sobreviviam nos campos de concentração aqueles que mantinham um ideal ou esperavam encontrar-se com pessoas queridas. A um velho judeu, desgostoso porque perdera mulher e filhos e queria suicidar-se, Dr Viktor, usando a crença dos judeus, aconselhou-o: “Se suicidar-se não poderá encontrar-se com suas pessoas amadas”. O velho judeu, desistiu. Não conheço um caso de alcoólatra que tendo perdido o fígado por cirrose encontre um doador compatível. Para quê? para continuar desrespeitando o corpo que ganhou para realizar uma missão e virar

como os neurônios interagem com os neurotransmissores serotonina, dopamina e norepinefrina, que são responsáveis pela percepção das emoções. Considerando esses casos específicos, alimentos ricos em compostos anti-inflamatórios, como é o caso dos ácidos graxos ômega 3 e a curcumina, aparecem como importantes coadjuvantes no tratamento. Claro, juntamente com a medicação adequada ao caso. Alguns trabalhos com o ômega 3 na depressão já têm mostrado potencial efeito dessa associação.

gente? Não. Possivelmente não aparecerá doador. Não é errado você tomar seu aperitivo no fim de semana, em festa, mas fazer da bebida um esporte é ‘suicídio indireto’. Ah, mas quem bebe morre e quem não bebe morre também. Não. Quem abusa da bebida morre antes do tempo e quem morre antes do tempo é suicida. Reflita com Mestre OSHO: “Nunca existiu uma pessoa como você antes, não existe ninguém neste mundo como você agora, e nem nunca existirá. Veja só o respeito que a vida tem por você. Você é uma obra de arte - impossível de repetir, incomparável, única”.

José Matos Professor e palestrante

Mas, como sempre, não será apenas um componente na dieta o responsável pelos benefícios alcançados, e sim uma mudança no estilo de vida, que envolve uma alimentação equilibrada e rica em compostos bioativos, bem como a prática regular de exercício, que é um “santo” remédio para os quadros depressivos.

Caroline Romeiro Nutricionista e professora na Universidade Católica de Brasília (UCB)


Brasília Capital n Polícia n 16 n Brasília, 19 a 25 de maio de 2018 - bsbcapital.com.br

Falsos moradores de rua apavoram Taguatinga Bandidos usam cobertores como disfarce, dormem nas calçadas e arrombam lojas na madrugada

O

s roubos e furtos a lojas comerciais assustam empresários de Taguatinga, principalmente porque muitos dos crimes são praticados por bandidos disfarçados de moradores de rua. O comandante do 2º Batalhão de Polícia Militar, major Elias Costa, responsável pelo policiamento da cidade-satélite, afirma que a estratégia dos bandidos já foi flagrada por câmeras de monitoramento da própria polícia. “Eles ficam sob as marquises, aparentemente dormindo sobre papelões e debaixo de cobertores, e entram em ação de madrugada, quando as ruas estão praticamente desertas”, explica o major Elias. Ele fez a observação ao ser informado pelo Brasília Capital sobre arrombamento de um salão de beleza no centro de Taguatinga, na madrugada de sexta-feira (18). Por volta das 4h30, um vigilante de uma galeria próxima alertou sobre a movimentação dos ladrões, que arrombaram a porta da loja. Talvez assustados com

THIAGO OLIVEIRA

conseguem depois de presos. “Nosso efetivo, que conta com 250 policiais e 14 viaturas por turno de serviço, está diuturnamente nas ruas para reprimir a ação dos bandidos”, diz o oficial. Ele comemora o apoio da comunidade no planejamento, reclama da precariedade das leis, já que quase 80% dos bandidos presos em flagrante ficam livres.

Salão de beleza com porta avariada. Ladrões, que se assustaram com barulho, levaram R$ 112 pessoas que chegavam a uma lanchonete próxima, eles fugiram, levando R$ 112 que estavam no caixa. Tentaram passar para outro estabelecimento no mesmo prédio, mas não tiveram tempo ou não conseguiram acesso pelo fosso de ventilação.

“É importante que as pessoas registrem ocorrência e comuniquem aos órgãos de segurança sobre a presença dessas pessoas, que são bandidos disfarçados de moradores de rua. Nosso efetivo está orientado a abordá-los, embora não seja crime per-

manecer na rua de madrugada”, diz major Elias. O policiamento preventivo foi intensificado e conta com 55 câmeras de monitoramento funcionando nas áreas comerciais norte, sul e central. Ele reclama sobre a liberdade que os bandidos

VICIADOS - Os bandidos - muitos realmente moram na rua - arrombaram, em dezembro, quatro comércios no mesmo prédio, na Samdu Norte. Eles furtam roupas, bebidas, equipamentos eletrônicos e, eventualmente, dinheiro, e pequenos objetos. “Como boa parte deles é dependente químico, acabam trocando o produto do crime por drogas ou vendem as mercadorias também para satisfazer o vício”, explica o major Elias. Além do 190, ele diz que a população de Taguatinga pode comunicar situações suspeitas pelo whatsApp do 2º BPM: 6198301-1149.

Crack no quarto da filha de 2 anos Na mesma noite da invasão ao salão na C-8, sexta-feira (18) um homem de 28 anos foi preso no centro. A equipe do Grupo Tático de Operações (GTOP 22) recebeu denúncia anônima de que o indivíduo transportava crack

diariamente de Samambaia para Taguatinga em um Fiat Palio, placa JFY 2712. O condutor foi abordado e flagrado com meio quilo de crack dentro do carro. Ele autorizou os policiais irem até sua residência,

na QR 501 conjunto 1, casa 11, em Samambaia. Lá, foi descoberto um laboratório de beneficiamento da droga, que funcionava no quarto da filha do traficante. Ele e a mulher foram autuados em flagrante por tráfico.

DROGAS – Outra investida da equipe GTOP 22 prendeu três homens que estavam em atitude suspeita no Uno Vivace branco, placas 3696, estacionado em frente às Casas Bahia. Nas buscas feitas dentro do veículo fo-

ram encontradas diversas porções de drogas: 200 gramas de crack, 50 gramas de skank e 50 gramas de maconha. Detido, o trio foi encaminhado à DP afim de serem tomadas as devidas providências.

Profile for Jornal Brasília Capital

Jornal Brasília Capital 363  

Jornal Brasília Capital 363  

Advertisement