Page 1

Rollemberg dá guinada à direita

www.bsbcapital.com.br

sai. Fica a palhaçada

Governador arma frente evangélica para tentar reeleição em 2018

Em 7 anos, deputado faz 1º discurso e desiste da vida pública

Pelaí – Página 3 Páginas 4 e 5 Ano VII - 341

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Tiririca

Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017

CARTÓRIOS

Melhor que Mega-Sena AGÊNCIA SENADO

Proposta do Tribunal de Justiça de aumentar em até 769% os preços cobrados pelos cartórios do DF teve tramitação barrada na Comissão de Constituição e Justiça, pelo menos até fevereiro, por interferência do senador Reguffe. “É um projeto absurdo”, diz. Ele promete todo esforço possível para impedir a aprovação do que chama de “bolsa-cartório”.

Página 7

Bastante ou bastantes?

Todo poder ao forró!

Existe educação de berço?

Emagrecer para o verão Páginas 14 e 15

Brasília não festeja 30 anos de tombamento pela Unesco Chico Sant’Anna Páginas 10 e 11

Taguatinga terá primeira mulher como administradora Página 12

Indignação: Reguffe “descobriu” tramitação do projeto na CAE do Senado e foi à tribuna exigir sua rejeição


Brasília Capital n Opinião n 2 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

E

E D I T O R I A L

x p e d i e n t e

Contra o lobby dos cartórios Diretor de Redação Orlando Pontes ojpontes@gmail.com Diretor Comercial Júlio Pontes comercial.bsbcapital@gmail.com Pedro Fernandes (61) 98406-7869 Diretor-Executivo Daniel Olival danielolival7@gmail.com (61) 99139-3991 Diretor de Arte Gabriel Pontes redação.bsbcapital@gmail.com Tiragem 10.000 exemplares Distribuição Plano Piloto (sede dos poderes Legislativo e Executivo, empresas estatais e privadas), Cruzeiro, Sudoeste, Octogonal, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Riacho Fundo, Vicente Pires, Águas Claras, Sobradinho, SIA, Núcleo Bandeirante, Candangolândia, Lago Oeste, Colorado/Taquari, Gama, Santa Maria, Alexânia / Olhos D’Água (GO), Abadiânia (GO), Águas lindas (GO), Valparaíso (GO), Jardim Ingá (GO), Luziânia (GO), Itajubá (MG), Piranguinho (MG), Piranguçu (MG), Wenceslau Braz (MG), Delfim Moreira (MG), Marmelópolis (MG), Pedralva (MG), São José do Alegre, Brazópolis (MG), Maria da Fé (MG) e Pouso Alegre (MG). C-8 LOTE 27 SALA 4B, TAGUATINGA-DF - CEP 72010-080 - Tel: (61) 3961-7550 - bsbcapital50@gmail.com - www.bsbcapital.com.br - www. brasiliacapital.net.br

Os textos assinados são de responsabilidade dos autores

Siga o Brasília Capital no facebook.com/jornal.brasiliacapital

O contribuinte brasiliense escapou, pelo menos até fevereiro de 2018, de um reajuste de até 769 por cento nas taxas cobradas pelos cartórios do Distrito Federal. Projeto neste sentido, proposto pelo Tribunal de Justiça do DF e Territórios tramitava sorrateiramente pelo Congresso Nacional. Aprovado pela Câmara dos Deputados, já recebeu parecer favorável na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Só não avançou na Comissão de Comissão e Justiça e, quem sabe, no Plenário, graças a uma interferência providencial do senador José Antônio Reguffe (sem partido-DF). Reguffe apontou o projeto de lei como um absurdo que promove a elevação de preços aos consumidores em

pouco entende como ela funciona. Assim, todo o sistema de pressão no Parlamento funciona nas sombras e com ares de ilegalidade. A questão dos cartórios é mais uma atuação do Legislativo dirigida por um grupo específico e já famoso no País pelas mordomias que sustentam. Mas desta vez essa turma esbarrou em Reguffe, para sorte da população da Capital da República. A esperança é de que, durante as férias parlamentares, a opinião pública não se esqueça dessa verdadeira armadilha que estará à espreita já no início da próxima legislatura. E que nossos representantes no Congresso representem mais os interesses do cidadão do que dos grupos de pressão dos cartórios.

Desabafo

culpas” move montanhas, abranda os temperamentos e faz de nós, pessoas solidárias, agentes apaziguadores, construtores, e não o inverso. As dificuldades e os problemas do cotidiano são contendas que afetam o mundo. Intolerância e brutalidade, quanto mais, pior! O atalho para realizar, materializar e conquistar espaços pode ser construído com gentileza, cordialidade e respeito - elementos imprescindíveis para uma vida saudável.

Wanúbia Lima (*)

Ao assumirmos como postura definidora de nossa personalidade a inflexibilidade, o conservadorismo e a resistência oca, favorecemos o grito, a ignorância, a arrogância e a aversão ao diálogo. Ao negligenciarmos que o universo tende naturalmente à harmonia, fazemos de nós mesmos os promotores do caos, encorajados a encarar o mundo como terreno fértil para conturbadas disputas. O estresse, o cansaço e os infindos desafios do caminho são adver-

C

nMais arrocho para o servidor em 2018 Nós, brasilienses, estamos decepcionados com os políticos corruptos de nossa capital. Mas estamos contando os dias para esse desgoverno acabar. Andreza Paz, via Facebook. 42 bilhões. Para onde vai este dinheiro senhor? Para pagar funcionários? Porque pra investir não é. Não tem nada de investimento. Muitos estados maiores não têm um tanto de grana desses. Robson Leandro Teixeira,

patamares estratosféricos e conclamou seus colegas a votarem contra a proposta já na CCJ, onde a matéria deve ser apreciada provavelmente em fevereiro. O senador tenta conseguir entre seus colegas barrar o reajuste que atinge altas porcentagens nos serviços oferecidos pelos cartórios brasilienses. O que Reguffe denuncia é mais uma das atitudes tomadas no Congresso Nacional em nome de grupos que têm como exercer pressão sobre deputados e senadores. No Brasil, não existe o lobby de forma legalizada. Lobby é aquela forma de pressão por cidadãos organizados em torno de interesses que os beneficiam. Mas a grande maioria da população não conhece essa prática e tam-

via Facebook Sobre a manchete da edição 340, um furo do colunista Chico Sant’Anna. nEditorial Parabéns. É exatamente isso que penso sobre a tal reforma. Muitos números, muitas mentiras, manipulações, isenções fiscais, perdões de dívidas. E o povo novamente deve pagar essa conta? Caio Silva, via Facebook Sobre editorial da edição

Por mais cordialidade, profissionalismo e respeito no ambiente de trabalho

sidades que afetam a quase todos, tornando muitos de nós embrutecidos e pouco propensos à humanidade e à convivência pacífica. A força de palavras como “licença”, “obrigada”, “por favor” ou “des-

(*)Wanúbia Lima é jornalista e advogada

a r t a s

340, que abordou a reforma da previdência. nMarketing de Vandalismo Muito fácil: no cartaz tem o telefone e o endereço da festa. É só ir lá e embargar, aplicar uma bela de uma multa e ainda fazer ir à parada de ônibus arrancar esses cartazes. Rômulo Nascimento, via Facebook. Sempre foi assim. Todo ano fazem artes lindas nas paradas e vêm esses trastes sujar a paisagem da cidade. Igor Matheus

Adriano, via Facebook. Sobre nota na coluna de Chico Sant’Anna mostrando cartazes colados por cima de artes urbanas nas paradas de ônibus de Sobradinho. nA fome e o legado Não ter se envolvido em nenhum escândalo. A “Ponte” tirou dinheiro da saúde para ser concluída; o “Estádio” acabou com o caixa do DF, o “Paz no Trânsito” precisa ser renovado com novas campanhas. Rollemberg só peca

por permitir que o Valdeci permaneça esquentando a cadeira na Administração de Águas Claras. Marcelo Marques, via Facebook Brasília vem sofrendo há muito tempo com governos incompetentes e invasões permitidas por eles. Cecy Veras, via Facebook Sobre artigo do Dr. Gutemberg, que, contextualizando o caso de um menino que desmaiou de fome numa escola pública, perguntou qual é a herança do governo Rollemberg.


Brasilia Capital n Política n 3 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

O

deputado Alberto Fraga (DEM) vai ciceronear o presidenciável Jair Bolsonaro (PSC) no primeiro compromisso pré-eleitoral do candidato no DF. “Conheço ele desde 1982 e serei o responsável por

Com as bênçaos do padre

Direita, volver!

O ex-deputado Washington Mesquita (PTB/foto) sonha voltar à Câmara Legislativa com as bênçãos do Padre Moacir Anastácio, inocentado de acusações na Operação Lava-Jato.

Depois de perder aliados como o PDT e a Rede, Rodrigo Rollemberg (PSB) prepara uma guinada à direita para tentar permanecer no Palácio do Buriti. Além de atrair o PSDB, de onde espera que a ex-governadora Maria de Lourdes Abadia (foto) saia como sua vice, em substituição a Renato Santana (PSD), o governador articula uma poderosa frente evangélica para 2018.

RENASCIDO – Mesquita pode mudar de partido se não receber garantias de que terá um tratamento especial no PTB. Afinal, além da experiência como parlamentar, ele oferece os 12.918 votos em 2014. De quebra, é coordenador da festa de Pentecostes, que reúne milhões de pessoas anualmente no Taguaparque. NOVO – Na terça-feira (12), o Novo anunciará os nomes do partido para as eleições de 2018. Entre outros, estarão no evento o pré-candidato a presidente da República João Amoedo, e Alexandre Guerra, herdeiro da rede de restaurantes Giraffas, que pretende disputar o Palácio do Buriti.

Vendo a vida com as mãos O escritor brasiliense Luís Gabriel de Sousa lançou em Curitiba (PR) o livro “Vendo a vida com as mãos”. É a segunda obra do autor, que retrata, por meio de microcontos, histórias reais de brasileiros que ele ouviu e recebeu em redes sociais nos últimos dois anos. ALMA – Com uma escrita simples, mas tocante à alma, Luis Gabriel Sousa apresenta de maneira leve e cheia de catarse, microcontos baseados em histórias reais, elevando realidade e literatura a um só plano. PRAZER – A intenção de Luís Gabriel com a escrita de microcontos é justamente atingir pessoas não leitoras. Tentar despertar nelas o interesse pela leitura e por literatura e mostrar que existe sim um prazer e um aprendizado grande através dos livros. Em breve, a obra será lançada em Brasília.

UNIVERSAL – Publicamente, Rollemberg negocia com velhos caciques, como o deputado federal Augusto Carvalho (SD) e o presidente do PV, Eduardo Brandão. Mas, nos bastidores, quem comanda a festa é o presidente do PRB, Wanderley Tavares, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus. UNIÃO – Tavares entregou ao evangélico Nilo Cerqueira (foto), ex-administrador do Sudoeste no governo Arruda, a atribuição de unir o PRB a legendas como o PSC, o PHS e o Podemos. As conversas avançaram também com o PP, o PPS e o PR. E Nilo Cerqueira pode surgir em breve como novo administrador de Brasília. NOMES – Nesses partidos estão lideranças como a ex-deputada Eliana Pedrosa (Podemos/foto), o senador Cristovam Buarque e a deputada Celina Leão (PPS), o ex-vice-governador Paulo Octávio (PP) e o deputado federal Ronaldo Fonseca (PROS). CACIFE – Fonseca, que preside a Assembleia de Deus no DF e já anunciou que não tentará a reeleição, tem percorrido os templos de sua Igreja apresentando o ex-administrador de Brasília, Marcos Paco (PSB), como seu sucessor na Câmara. E assim passou a se cacifar como candidato ao Senado. PEDROSA E PO – Nilo Cerqueira é homem de confiança do ex-vice-governador Paulo Octávio, que pensa concorrer a deputado federal. Presidente do PP, PO evita o assunto porque ainda precisa se livrar de problemas com a Justiça.

recebê-lo em Brasília”, destacou Fraga à coluna. São esperadas 600 pessoas no Clube dos Oficiais da PM, na quarta-feira (13), a partir das 10h.

Um sucessor para Israel O distrital Professor Israel (PV), terceiro mais bem votado em 2014 (22.500 votos) vai concorrer a deputado federal em 2018. À procura de um correligionário para ocupar seu lugar na Câmara Legislativa, ele tem se reunido com lideranças regionais com potencial de se tornarem candidatas. A dúvida é: quem será o puxador de votos da legenda? APOSTA – Um nome que aparece é o do atual secretário do Trabalho, Thiago Jarjour. O empresário está na pasta desde o início do governo e saiu do PDT quando o partido desembarcou da base de apoio de Rollemberg. CAMPUS PARTY – Jarjour, de 34 anos, teve 3.678 votos para distrital em 2014 e vai apresentar como principal realização de sua gestão a Campus Party, maior evento de tecnologia e inovação do mundo, coordenado por ele em junho passado em Brasília. ALELUIA, IRMÃO! – Outro que também sonha em saltar da Câmara Distrital para a Federal é Júlio Cesar (PRB). Ele recebeu 29.384 votos e foi o primeiro nas urnas no último pleito. O pastor já arrebanha ovelhas para disputar o Legislativo local e não tem preferência religiosa na escolha dos pré-candidatos.


Brasília Capital n Política n 4 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

Tiririca diz que sai. E daí? No 2º mandato, deputado do PR de Valdemar Costa Neto faz primeiro discurso em sete anos e se diz envergonhado DIVULGAÇÃO

Gustavo Goes

O

deputado Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP), usou, pela primeira vez, o espaço da tribuna da Câmara Federal para tecer críticas, durante oito minutos, à forma de se fazer política e aos políticos. Depois de sete anos, em segundo mandato, afirmou estar “decepcionado” com os seus colegas de Parlamento. O palhaço garantiu que está “abandonando a vida pública” e que não tentará a reeleição em 2018. “Eu, como artista popular que sou e político que estou, estou bem chateado. Não com os meus sete anos aqui na política. Não fiz muita coisa, mas, pelo menos, fiz o que sou pago para fazer, estar aqui e votar de acordo com o povo”, disse. Para ele, há uma “mecânica louca” no Congresso. “Eu costumo dizer que o parlamentar trabalha muito e produz pouco”, acrescentou. As regalias concedidas aos políticos foram alvos do discurso do humorista. “A gente é bem pago, a gente tira livre R$ 23 mil. A gente tem apartamento, direito a carro. Sem falar na carteirada que muitos de vocês dão. Ando de cabeça erguida, mas já vi deputado se escondendo porque, para o povo, isso aqui é uma vergonha”, disse. COMPANHIA - Tiririca é do partido comandado pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), que renunciou duas

Tiririca só falava ao microfone para declarar o voto. Um dos mais assíduos em plenário, não mostrava presença nos debates com os colegas

vezes ao mandato para escapar de cassação de mandato por falta de decoro. O chefe de Tiririca foi condenado no esquema do mensalão, e só agora ele foi ao microfone para falar mal de seus colegas generalizadamente. O deputado se notabilizou pela frequência em que comparece ao plenário e comissões. Entre as matérias mais importantes votadas por Tiririca estão a admissibilidade das denúncias contra a ex-presidente Dilma Rousseff e o atual, Michel Temer. Aliás, neste ano ele votou pelo pros-

seguimento das duas investigações contra Temer e foi contra a reforma trabalhista. Já deu sinais de que não deve aprovar a reforma previdenciária. Tiririca teve seu primeiro projeto aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) em junho deste ano, quando passou sua proposta que reconhece a atividade circense como manifestação cultural nacional, alterando a Lei Rouanet. Outros 13 foram apresentados - a maioria relacionado à atividade circense. Nenhum foi aprovado.

“A gente é bem pago, a gente tira livre R$ 23 mil para a gente. A gente tem apartamento, direito a carro. Sem falar na carteirada que muitos de vocês dão. Ando de cabeça erguida, mas já vi deputado se escondendo porque, para o povo, isso aqui é uma vergonha”

PIOR QUE TÁ, NÃO FICA - O discurso de despedida contradiz seu slogan de campanha – “pior que tá, não fica” –, que foi um sucesso durante as eleições de 2010 e 2014. Na primeira delas, obteve 1,3 milhão de votos e foi o segundo deputado mais votado na história de São Paulo, atrás apenas do falecido Enéas Carneiro. O sucesso eleitoral fez com que Tiririca ganhasse o status de “puxador de votos”, o que lhe garantiu a permanência no PR de Valdemar Costa Neto mesmo ao contrariar a orientação partidária em votações polêmicas.


Brasília Capital n Política n 5 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

OPINIÃO

Lentidão, mero oportunismo ou descaramento? Valdeci Rodrigues Tiririca demorou sete anos para perceber o que disse em seu primeiro pronunciamento como deputado, em que criticou políticos e afirmou que nunca mais será candidato. Ele só não passou totalmente despercebido pelo Parlamento porque já é famoso palhaço na televisão. Senão, como integrante do baixo clero, teria apenas composto aquela massa anônima que se aglomera no plenário em dia de votação. Quem iniciou trajetória política patrocinando uma maracutaia, não tem estatura moral para criticar nada no Congresso Nacional. Ele não deu provas convincentes de que não burlou a legislação, apesar de ter sido absolvido da acusação de ser analfabeto, condição que impede um cidadão de ser eleito. Tudo indica que ele também sabe como tirar proveito de dinheiro público. Mês passado, o site Congresso em Foco publicou que Tiririca pediu ressarcimento de um bilhete aéreo no valor de R$ 2.746,52, da Gol, para voltar a Brasília, vindo de Ipatinga (MG), em viagem particular. “A passagem coincide com a data do show ‘Tiririca Minha História’, no Centro Cultural Teatro Usiminas, no dia 12 de agosto, às 20h. A notícia sobre o evento foi postada em sua página de humorista no Facebook”, escreveu o Congresso em Foco, que não obteve resposta do agora envergonhado deputado. A coluna Radar da revista Veja também noticiou o fato, igualmente com base no site da Câmara dos Deputados.

InformAção

Você merece saber tudo o que acontece na Câmara Legislativa.

Câmara Legislativa aprova mais de 50 projetos de distritais

E

m esforço concentrado para limpar a pauta de votações, o Legislativo local aprovou 56 projetos de lei apresentados por distritais na última semana. As proposições tratam de assuntos variados: saúde, educação, emprego, entre outros. Todas elas estão prontas para virar lei. Entre os itens aprovados está o PL nº 1.040/2016, que institui a Lei de Incentivo ao Esporte do DF (LIEDF). O texto cria incentivos que permitirão que empresas apoiem atletas e atividades esportivas em troca de isenção de impostos. A iniciativa complementa lei federal sobre o mesmo tema e garantirá o desenvolvimento do esporte local. Dívidas – A Câmara aprovou ainda o projeto de lei nº 941/2016, que permite aos servidores públicos utilizarem créditos referentes à licença-prêmio e aos precatórios para pagamento de dívidas pessoais contraídas no Banco de Brasília - BRB. Previdência – A CLDF concluiu a votação do projeto de lei complementar nº 118/2017, alterando a lei que autoriza a reversão de parte do superávit técnico atuarial do Fundo Previdenciário do Distrito Federal (Iprev/DF). A lei em vigor permite a cessão de ações do BRB ao Iprev como forma de compensar a retirada de recursos financeiros do Fundo Capitalizado Previdenciário por parte do governo. Já o texto aprovado nesta semana prevê a transferência de bens imóveis do DF, considerados investimentos de menor risco, como forma de recomposição. A proposição também prevê um prazo de 180 dias para o GDF recompor os recursos retirados do Fundo Previdenciário.

AGENDA DA SEMANA 11/12/2017 | Segunda-feira 10h

Sessão Solene: Aniversário da Igreja Ministério Ceifa

15h

Sessão Solene: Policiais da Divisão de Operações Aéreas (DOA)

19h

Sessão Solene: Semana do Samba

12/12/2017 | Terça-feira 9h30

16ª Reunião Ordinária da Comissão de Economia, Orçamento e Finanças

10h

Sessão Solene: Dia Distrital da Saúde Mental

10h30

32ª Reunião Ordinária da Comissão de Constituição e Justiça

15h

Sessão Ordinária

19h

Audiência Pública - Autódromo Internacional de Brasília Nelson Piquet

20h

Solenidade - Inauguração da placa do auditório AZIZ CURY

13/12/2017 | Quarta-feira

Participação popular na escolha de administrador regional vai sair do papel

A

Câmara Legislativa aprovou, em 6 de dezembro, projeto de lei que regulamenta a participação popular na escolha de administradores regionais, dispositivo previsto na Carta Maior do Distrito Federal. Com tramitação encerrada na Casa e pronto para ser enviado ao governador, para sanção ou veto, o PL nº 951/2016 estabelece critérios e procedimentos para a eleição de gestores, de forma a evitar indicações com viés estritamente político. De acordo com o projeto, para concorrer ao cargo, o candidato deverá ter idade mínima de 25 anos, residir na RA há mais de um ano, não haver praticado ato tipificado como causa de inelegibilidade, não estar inscrito em dívida ativa, não ter contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas do DF ou da União e não ter sido punido com demissão ou destituição de cargo público.

14h

3ª Reunião Comissão Especial de Defesa dos Direitos da Pessoa com Epilepsia

15h

Sessão Ordinária

19h

Sessão Solene - Dia Nacional do Forró

14/12/2017 | Quinta-feira 15h

Sessão Ordinária

15/12/2017 | Sexta-feira 10h

Sessão Solene - Dia do Fonoaudiólogo

15h

Sessão Solene - Semana da Declaração Universal dos Direitos Humanos

AGENDA SUJEITA A ALTERAÇÕES.

3271 www.cl.df.gov.br

Número de cidadãos que compareceram à CLDF de 04/12 a 08/12/2017


Brasília Brasília Capital Capital  Geral 11  Brasília, 09 de dezembro 13 de dezembro de- 2017 - bsbcapital.com.br n Política n 6 n Brasília, 9 a 15 dea dezembro de 2017 bsbcapital.com.br

Rollemberg deixa de gastar, mas desperdiça vidas Para onde vão e por que R$ 323 milhões destinados ao SUS-DF não foram executados pelo governo Rollemberg ao longo de 2017? A matemática é simples: quanto menor o investimento no sisDr. Gutemberg, tema público de Saúde, presidente do Sindicato dos maior o número de morMédicos do DF e advogado tes evitáveis. Ainda assim, a atual gestão do Buriti insiste na omissão e segue diminuindo a aplicação efetiva da verba destinada à área: uma queda de 70,55% no decorrer dos últimos quatro anos, segundo levantamento no Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo). A situação, diante do caos em hospitais e unidades públicas de saúde do DF, chama a atenção, inclusive, do Ministério Público do DF, que cobrou explicações ao secretário de Saúde, Humberto Fonseca. Contudo, por mais que o GDF se esforce para arranjar desculpas, a resposta é uma só. Os R$ 323 milhões que poderiam ter salvado centenas de vidas não foram executados por absoluta falta de vontade. Não foram usados nos hospi-

tais e unidades públicas de Saúde porque o objetivo está longe de ser esse. Será que Rollemberg e Humberto Fonseca pouparam para gastar naquilo que, de fato, lhes interessa? Estranhamente, após não executar - diante do atual caos na Saúde - R$ 323 milhões voltados à rede pública, agora, no início da última semana, foram publicados no Diário Oficial do DF (DODF) os regulamentos próprios de contratação de pessoal e de compras para o tal Instituto que, a qualquer custo – inclusive ao custo de vidas – deve começar a funcionar em janeiro do próximo ano. Até porque, como afirmei em outras situa-

ções, o Instituto Hospital de Base será utilizado por Rollemberg, na tentativa de reeleição, como a suposta solução para a saúde do DF. Neste sentido, o contingenciamento de R$ 323 milhões do SUS-DF parece apontar para um caminho tão obscuro quanto a própria criação do Instituto Hospital de Base. E se isso se confirmar ao longo dos próximos meses, Rollemberg provará que, na sua gestão, os fins justificam os meios. Tanto é que, enquanto os investimentos na Saúde caem, as cifras voltadas à publicidade aumentam a cada ano. Entre 2015 e 2016, por exemplo, o gasto com propaganda teve acréscimo de nada me-

nos do que 68,9%. No mesmo período, vale recordar, em vez de investimentos, a única coisa que cresceu nos hospitais públicos do DF foi o número de mortes evitáveis, um salto de 20%. E como os números não mentem, no fim das contas, entre investimentos e a não execução de orçamentos, o saldo é evidente. Em vez de vidas, Rollemberg prefere salvar a própria imagem, sem medir esforços para criar ilusões, como o próprio Instituto Hospital de Base: uma das maiores farsas da sua tentativa de reeleição.


Brasília Capital n Política n 9 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

Reguffe denuncia “bolsa-cartório”

AGÊNCIA SENADO

Projeto que reajusta taxas em até 769% tramitava sorrateiramente pelo Congresso mas foi “detectado pelo radar” do senador brasiliense

T

ramita no Senado Federal, após ser aprovado pela Câmara dos Deputados, projeto que reajusta em até 769% as taxas cobradas pelos cartórios brasilienses. A matéria passou pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no dia 21 de novembro, onde foi identificada pelo senador José Antônio Reguffe (sem partido-DF). “Isto é uma verdadeira bolsa-cartório”, indignou-se o parlamentar, ao ocupar a tribuna da Casa na terça-feira (5), conclamando seus pares a votar contra a proposta. O projeto chegou à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o presidente Édison Lobão (PMDB-MA) anunciou na quinta-feira (7) que ela só será votada após o recesso, provavelmente em fevereiro. “Até lá, vamos debater e aprofundar o assunto”, disse o maranhense em relação ao PLC 99/2017, de iniciativa do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). O levantamento feito pelo gabinete de Reguffe aponta, por exemplo, que a taxa de Reconhecimento de Firma teria aumento de 77%, passando de R$ 3,80 para R$ 6,73. O Reconhecimento de Firma de DUT, para transferência de veículos, subiria de R$ 3,80 para R$ 33,03, o que

Reguffe: senador sem partido “descobriu” a tramitação sorrateira do projeto que pode onerar ainda mais o bolso dos brasilienses

ARTE: THIAGO OLIVEIRA

significaria 769% de reajuste. Já a Autenticação Simples subiria de R$ 3,80 para R$ 6,12, num acréscimo de 61%; e a Procuração Simples, de R$ 37,30 para R$ 85,65, representando reajuste de 130%. A taxa de Escritura Pública, que passaria de R$ 113,00 para R$ 305,88, teria uma elevação de 169%. Procuração para Alienação de Veículos passaria de R$ 37,30 para R$ 305,88 (aumento de 720%); e Certidões Simples, de R$ 7,45 para R$ 29,36 (aumento de 294%). “O projeto é uma verdadeira ‘bolsa’ para be-

MELHOR QUE MEGA-SENA PREÇO ATUAL

PREÇO REAJUSTADO

REAJUSTE %

Reconhecimento de firma de DUT

r$ 3,80

r$ 33,03

769%

Procuração para alienação de veículos

r$ 37,30

r$ 305,88

720%

Certidões simples

r$ 7,45

r$ 29,36

294%

Escritura pública

r$ 113,00 r$ 305,88

169%

Procuração simples

r$ 37,50

r$ 85,65

130%

Reconhecimento de firma

r$ 3,80

r$ 6,73

77%

Autenticação simples

r$ 3,80

r$ 6,12

61%

neficiar os donos de cartório do DF. É um projeto absurdo, não tenho como concordar com isso. Como representante da população do DF, meu voto é contrário”, disse. Reguffe lamentou a forma com que o projeto passou pela Câmara dos Deputados. “Foi aprovado sem estardalhaço, de forma despercebida. Espero que a CCJ não aprove esse projeto”, disse. E convocou a bancada do DF, os senadores de outras unidades da Federação e assessores da Casa para barrar o avanço da matéria.


Brasília Capital n Política n 8 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

PREVIDÊNCIA

Votação só com garantia de vitória Temer anuncia dia 18 e Rodrigo Maia afirma que só colocará proposta na pauta se houve chance de aprovação ALAN SANTOS/PR

Valdeci Rodrigues (*)

O

presidente da República, Michel Temer, afirmou sexta-feira (8) que a votação da reforma da Previdência Social na Câmara deverá ocorrer nos próximos dias 18 ou 19 – confirmando mais um adiamento – e, logo depois do recesso parlamentar, no Senado. “Há convicção de que precisamos fazer agora (a votação) na Câmara dos Deputados para, na sequência, realizá-la no Senado Federal em fevereiro”, declarou. Temer também conclamou empresários a fazerem pressão sobre os deputados para que aprovem as alterações. “Eu gostaria de pedir a vocês: saiam em uma frente de trabalho. Porque nós temos nesta semana, marcado agora para 18 ou 19, a votação”, discursou o presidente num evento da indústria química em São Paulo. O presidente da República seguiu o que disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ): “O meu cálculo é o ambiente para votar. Eu não posso colocar uma matéria dessa importância sem voto. É uma sinalização importante para o Brasil”. Ou seja, se não houver garantia do mínimo de 308 votos para aprovar as alterações, a proposta não será colocada na pauta. TUCANOS – “A Câmara funciona até o dia 22, temos que trabalhar com todas as datas possíveis”, disse Rodrigo antes de o presidente da República falar em nova data. Durante a semana, apenas PMDB e o PDT fecharam questão ― quando os deputados são obrigados a seguir a orientação da cúpula partidária, sob pena de serem punidos. O governo gostaria que todos os aliados agissem assim. Mostrando-se mais uma vez em cima do muro, o PSDB, que sempre foi favorável à reforma da Previdência, mostrava-se rachado durante a semana. A posição dos tucanos pesou

Temer pede a empresários para formarem força-tarefa e, assim, pressionarem deputados para aceitarem proposta do governo

muito no adiamento da votação, inicialmente remarcada a última quarta-feira (6). O texto foi enviado ao Congresso Nacional em dezembro de ano 2016, mas a tramitação ficou prejudicada porque, primeiro, Temer teve que usar todas as suas forças para que Câmara não autorizasse abertura de processo contra ele no Supremo Tribunal Federal (STF). Foram dois pedidos votados, e negados, com farta distribuição de verbas para emendas parlamentares. Temer foi denunciado por executivos do grupo J&F. PRIVILÉGIOS – Para obter o apoio da opinião pública, com poder de pressionar os parlamentares, o governo tem focado sua propaganda nos privilégios do funcionalismo nos três po-

deres –Executivo, Legislativo e Judiciário. A estratégia provocou a reação das centrais sindicais, que promoveram protestos em várias cidades de 25 estados na terça-feira (5), dia que marcaram para uma greve geral, cancelada porque houve adiamento da votação. A CUT comemorou levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), em que 167 deputados declararam-se favoráveis à reforma; 152 contra; e 198, indecisos. O presidente da central, Vagner Freitas, diz que a falta de votos a favor do governo é resultado do trabalho feito pelas centrais sindicais pelo site Na Pressão.

10 anos menor para trabalhadores do INSS em relação aos servidores públicos e poupando os trabalhadores rurais; idade mínima de aposentadoria, com a regra de transição até 2042; 62 anos para mulheres e 65 para homens (INSS e servidores); 60 para professores de ambos os sexos; 55 anos para policiais e trabalhadores em condições prejudiciais à saúde; tempo mínimo de contribuição de 15 anos para segurados do INSS e de 25 anos para servidores públicos; novo cálculo do valor da aposentadoria, começando de 60% para 15 anos de contribuição até 100% para 40 anos; receitas previdenciárias deixam de ser submetidas à DRU (Desvinculação de Receitas da União).

REGRAS – A versão mais enxuta estabelece período mínimo de contribuição

(*) Com Agências


WELCOME

BEM-VINDO WILLKOMMEN BENVENUE BIENVENIDO

BENVENUTO

VIVER DF É TER O ESTILO DE VIDA DAS MELHORES CIDADES DO MUNDO FOTO DO COMPLEXO

RI: 30/3/2010, R.5 - 266.578. Empreendimento concluído, conforme Cartas de Habite-se nº 26/2014 (Torres A e B), 17/2016 (Mall), nº 07/2017 (Torres C e D) e 04/2017 (Torre E).


Brasília Capital n Cidades n 10 n Brasília, 2 a 8 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

ANTÔNIO SABINO

Acompanhe também na internet o blog Brasília, por Chico Sant’Anna, em https://chicosantanna.wordpress.com Contatos: blogdochicosantanna@gmail.com

Por Chico Sant’Anna

Tombamento: uma conquista pouco festejada

H

á 30 anos, no dia 7 de dezembro de 1987, Brasília entrava num seleto grupo de cidades consideradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A criação revolucionária de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer era inscrita na lista que confirmava o seu valor excepcional e universal. O status conferido à capital brasileira foi uma decisão inédita, pois a cidade era o primeiro bem contemporâneo com tal reconhecimento. Até então, somente bens culturais seculares eram tombados. Um dos motivos dessa distinção foi o fato de Brasília constituir, como relata a Unesco, “uma realização artística única, uma obra-prima do gênio criativo humano, além de ser exemplo de destaque que ilustra um estágio significativo da história da humanidade com a concepção urbana materializada no século 20, expressando os princípios do movimento moderno”. Brasília introduziu um no-

vo modo de viver. É a cidade-parque, é céu, horizonte, luz, amplos espaços, áreas verdes, eixos, tesourinhas, balões, superquadras, blocos, pilotis. Esse estilo refletiu na organização de novas cidades e bairros, dentro e fora do Brasil. DEVER DE CASA – Mas, ao honorificar Brasília, a Unesco e todas as nações do Planeta deixaram um dever de casa aos governos do Brasil, do DF e aos brasilienses: “a obrigação de identificar, proteger, conservar, valorizar e transmitir às futuras gerações” esse patrimônio cultural e “tudo fazer para esse fim”, inclusive “tomar as medidas jurídicas, científicas, técnicas, administrativas e financeiras adequadas para a identificação, proteção, conservação, valorização e reabilitação desse patrimônio”. Tombar Brasília foi uma jogada de mestre do então governador José Aparecido de Oliveira. Assim passaria a existir um freio legal e internacional às ofensivas da indústria imobiliária e da grilagem. O que ninguém contava é que o Poder Público, incumbido de

proteger a cidade, se transformasse em um dos principais agentes de deturpação do projeto original. Deturpações traduzidas em marcos jurídicos, projetos de lei, ações e omissões dos agentes públicos. Iniciativas como as do PPCUB do ex-governador Agnelo Queiroz (PT), que, dentre outras agressões, privatizava lotes de escolas públicas nas superquadras, ou as de Rodrigo Rollemberg (PSB), que projeta um shopping aberto nas proximidades do estádio Mané Garrincha. SETORIZAÇÃO – Omissões quando os olhos se fecham à proliferação de quiosques, puxadinhos e puxadões. Ações, quando ganham leis protetoras na Câmara Legislativa. Na Capital Federal, o errado parece ser o certo e erra quem rejeita o que está errado. A mais recente agressão é o fim da setorização utilizada para organizar essa urbi. Além de querer introduzir atividades econômicas onde apenas o residencial é previsto, agora quer transformar em residenciais setores econômicos, como o Bancário e o Comercial Sul.

Na Praça dos Três Poderes está o marco do tombamento de Brasília

Isso, sem falar nas investidas de alteração dos gabaritos em áreas do Plano Piloto. Tudo para atender a insaciável indústria imobiliária, que busca, com as alterações, ampliar o seu mercado consumidor e, consequentemente, maiores preços, já que a demanda dita o mercado. BAIXO ASTRAL – Neste momento de astral baixo da cidadania brasileira, o marco dos 30 anos deveria ter sido motivo de festas e regozijo de todos, já que é um sinal da capacidade inventiva dos brasileiros. Também deveria ser um momento de reflexão sobre o futuro de nossa cidade face às pressões advindas sobre os papéis desempenhados pela

União e pelo DF na preservação desse patrimônio e do futuro que se desenha para a Capital Federal. OLHAR BRASÍLIA – Construir Brasília foi um desafio. Desafio maior é preservá-la. Mas nossos políticos parecem mais interessados nas articulações das chapas que concorrerão nas urnas eleitorais. Projeto de cidade? Nenhum. É bom, porém, que estejam alertas. Para os candangos de coração prevalece o lema do site Olhar Brasília, das jornalistas Márcia Zarur e Samantha Sallum: “Mexeu com Brasília, Mexeu Comigo”, ou melhor, diria eu, Mexeu com Brasília, Mexeu com todos nós!


Brasília Capital n Cidades n 11 n Brasília, 2 a 8 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br Brasília Capital n Cidades n 9 n Brasília, 5 a 11 de agosto de 2017 - bsbcapital.com.br

Do lixo ao luxo O que fazer com aquele filtro de café descartável? E com os copinhos? E com aquela sombrinha que a ventania quebrou? Nas mãos da designer de moda sustentável Lua Guirra, nada vai para o lixo. Tudo isso vira moda, e moda de luxo. Lua Guirra é uma modelo de 40 anos que deixou os holofotes da passarela e foi para os bastidores desenhar e criar peças de roupas com material reciclável. Para ela, tudo é matéria-prima para a alta costura. Não é a Rainha da Sucata, mas seu trabalho tem a grandeza de mostrar que, como dizia o químico francês Antoine Laurent de Lavoisier,

nesta vida tudo se transforma. Mas, no caso da estilista, a primeira parte do enunciado de Lavoisier – nada se cria – é desconstruído, pois é exatamente com a criatividade dela que esta transformação acontece. Nem as folhas secas que tombam nos jardins de Brasília, ela dispensa. Juntas se transformam em um vestido. O desfile com sua última coleção provocou frisson por ocasião da apresentação do programa ECOS de Sustentabilidade, do Senac-DF. Beleza, elegância e delicadeza e, o mais importante, uma nova vida para o que iria parar nos lixões. A Natureza agradece.

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Pelas mãos da designer de moda Lua Guirra, materiais que iriam para o lixo transformam-se em matéria-prima para a alta costura

CUT e centrais deflagram estado de greve

E

m reunião na sede da CUT na sexta-feira (8), as principais centrais sindicais do Brasil definiram entrar em estado de greve contra a reforma da Previdência. Uma nova reunião já foi agendada para o próximo dia 14 para avaliar as movimentações na Câmara dos Deputados e a possível colocação da reforma em pauta. A greve acontecerá no dia em que os golpistas colocarem para votar a nova proposta de reforma. E durante todo o mês de dezembro, as centrais realizarão com seus sindicatos, federações e confederações uma jornada de luta para mobilizar, aquecer e preparar a greve em todo o Brasil. O centro da estratégia discutida na reunião da sexta é impedir a vo-

tação da nova reforma da Previdência, utilizando todo o tipo de pressão já a partir do domingo (10), quando começa a jornada de luta, que consiste em ações como recepção aos parlamentares nos aeroportos, idas aos gabinetes dos deputados e deputadas, denúncias em suas bases eleitorais, assembleias com os trabalhadores e trabalhadoras, panfletagens à população. O dia 13, quarta-feira, será um dia especial para a base da CUT mobilizar os trabalhadores e as trabalhadoras com atos em todas as capitais e grandes cidades, visitas às bases dos parlamentares e panfletagens. Tudo isso é um aquecimento para greve que faremos no dia em que a Câmara colocar a proposta em votação.


Brasília Capital n Cidades n 12 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

A

advogada Karolyne Guimarães participava de um evento na Câmara dos Deputados no final da tarde de terça-feira (5) quando foi abordada pelo prefeito de Águas Lindas, Hildo do Candango (PSDB): - Você é nova administradora de Taguatinga? – indagou ele. - Acho que sim. Só depende do Diário Oficial – respondeu. - Mas quem lhe disse isso? – ela quis saber. - A notícia está na internet – retrucou o prefeito da cidade do Entorno, mostrando no celular a página do portal Brasília Capital, com a foto de Karolyne e a notícia em primeira mão de sua escolha. Ela será a primeira mulher na função desde a fundação da cidade, em 1958. Karolyne é secretária-geral da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Taguatinga e professora de

ENTREVISTA / KAROLYNE GUIMARÃES

“Quero movimentar Taguatinga” Primeira mulher a administrar a cidade quer resgatar a cultura e incentivar o comércio e a indústria Orlando Pontes

Processo Penal das faculdades Estácio e Projeção. Seu nome foi apresentado a Rodrigo Rollemberg (PSB) pelo deputado federal Ronaldo Fonseca (PR). “Quando o governador telefonou confirmando o convite, a única coisa que eu disse é que minha visão em relação a

Karolyne: só falta o Diário Oficial confirmar

Taguatinga não se restringe à melhoraria da infraestrutura, revitalizando praças e paradas de ônibus e fazendo operações tapa-buracos. Se eu assumir a administração, quero movimentar a cidade, resgatar a cultura e incentivar o comércio e a indústria para gerar empre-

gos”, disse ao Brasília Capital na sexta-feira (8). Nascida em Taguatinga, Karolyne é evangélica (congrega na Assembleia de Deus El Shadai, coordenada pelo pastor Rubem Oliveira, na Samdu Norte). Além de atuar como professora e advogada criminal, é mestran-

Rollemberg cria Plano de Cultura

federal para o local, por meio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) sancionou, quinta-feira (7), a Lei Orgânica da Cultura (LOC). O texto estabelece o Plano de Cultura para o DF, com diretrizes e ações da pasta para os próximos dez anos. A assinatura ocorreu durante a cerimônia de reabertura do foyer da sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Cláudio Santoro, evento marcado pelo lançamento do Prêmio José Aparecido de Oliveira, com o objetivo de reconhecer trabalhos de relevância para a preservação e valorização do patrimônio cultural brasiliense. Entre as mudanças está a instituição do Sistema de Arte e Cultura, para criar mecanismos de gestão, e a transferência direta de recursos do governo

Defendendo seus salários

Os defensores públicos do DF pressionam o GDF para receber os salários de novembro. A categoria aguarda a sanção do governador Rodrigo Rollemberg ao texto aprovado terça-feira (5) na Câmara Legislativa, que suplementa em R$ 6 milhões o orçamento da Defensoria Pública. Mesmo com o possível reforço no caixa, o órgão quer obter outros R$ 11 milhões para sair do vermelho. O motivo para a falta de recursos, segundo o defensor público-geral do DF, Ricardo Batista, seria o veto do Buriti a uma emenda parlamentar de R$ 22 milhões prevista na Lei Orçamentária

da em Ciências Sociais (Antropologia, Sociologia e Ciências Políticas) e especialista em Direito Tributário e gestão de processos acadêmicos. Casada com o também advogado Sandoval Guimarães, é mãe de Clara, três anos. “Taguatinga não é cidade-dormitório. Ela tem vida e a comunidade se envolve em programas sociais e culturais. Não dependemos do Plano Piloto. Temos comércio e indústria dinâmicos. Precisamos incentivar isso”, resume. Nas palestras que ministra em escolas para pais e crianças, aborda temas polêmicos, como pedofilia e abordo. “Mas estes são assuntos que não dizem respeito à função de administradora. Lá, minha preocupação será entender o funcionamento da máquina pública e buscar verbas para desenvolver os projetos que considero importantes para a cidade. E o governador prometeu me apoiar nisso”, completou.

Anual. A assessoria do Buriti informou que os salários foram pagos na sexta-feira (8). A Defensoria confirmou.

IHBDF contratará mil profissionais

O Conselho de Administração do Instituto Hospital de Base do DF aprovou os regulamentos próprios de seleção e admissão de pessoal e de compras e contratações da unidade, além do regimento interno. O governo promete mil admissões em 2018. Cerca de 700 profissionais do hospital manifestaram a intenção de sair e as suas vagas terão que ser repostas em 180 dias por meio de processos seletivos. Uma nova pesquisa será realizada ainda neste mês para determinar quem sairá.


ir m u s n o c é e t n ie c s Ser con na medida certa. nça e r a difere e z fa s o m e d o p s Junto de água. s a rv e s re s a s s o n preservar

ESCOVAR OS DENTES

Não deixe a torneira aberta enquanto escova os dentes. De preferência, utilize um copo ou caneca para economizar água.

LAVAR LOUÇA Ao lavar louças, não deixe a torneira aberta o tempo todo. Primeiro passe a esponja e ensaboe, depois enxágue tudo de uma só vez.

LIMPEZA DE CALÇADA

Utilize a vassoura para varrer as calçadas. Se for preciso lavar, use um balde d’água em vez de mangueira.

TOMAR BANHO

Prefira banhos rápidos. Desligue a água do chuveiro quando for se ensaboar ou aplicar o shampoo.

DESCARGA

Aperte a descarga apenas o tempo necessário e avalie com frequência se ela não apresenta vazamentos.

TORNEIRA FECHADA

Certifique-se de que fechou bem a torneira após cada uso. Torneira pingando é sinônimo de desperdício.

Mesmo com o início das chuvas, o nível dos reservatórios no DF continua em situação crítica. Contamos com os esforços de todos para economizar água e evitarmos sérias consequências no período da seca.


Brasília Capital n Geral n 14 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

“comemos”, que é um verbo. Morfologicamente, o que circunstancia a semântica de um verbo é conhecido como advérbio (“muito” é, portanto, um advérbio de intensidade). Os vernaculistas afirmam categoricamente que esta classe gramatical é invariável, ou seja, não admite variações em gênero ou número. Existe a possibilidade de trocar “muito” por “bastante” sem oferecer qualquer alteração à correção gramatical. A oração então seria ontem comemos bastante. Nesse caso, necessariamente, a palavra sublinhada deve ficar no singular. Sabemos que o advérbio pode fazer

referência também a adjetivos ou advérbios (além do verbo). Por isso, são possíveis construções como (2) Elas são muito carinhosas./Elas são bastante carinhosas. (3) Eles moram muito longe. / Eles moram bastante longe. Desde que “bastante” mantenha-se no singular. Agora, considere a seguinte construção. (4) Muita gente fala sobre política. A palavra “muita” é responsável por acompanhar o substantivo “gente”, indefinindo-o. Por isso, “muita” é classificada como pronome indefinido adjetivo. Esta classe gramatical sempre estabelece concordância com o substantivo a que se refere. Em outras palavras, se “gente” é feminino e plural, emprega-se “muita”, por ter igual flexão. Se quisermos, podemos reescrever a mesma sentença assim: bastante gente fala sobre política. No entanto, se trocarmos “gente” por “pessoas”, qual será o resultado? Uma

possibilidade é muitas pessoas falam sobre política, mas outra, pouco comum, também é gramaticalmente correta: bastantes pessoas falam sobre política. Detalhe: “bastante” só admite flexão em número, e não em gênero. Em resumo: se bastante for um advérbio (referência a verbos, adjetivos e advérbios), deve permanecer no singular, por ser invariável; se bastante for pronome indefinido adjetivo (referência a substantivos), é possível que seja empregado tanto no singular quanto no plural – a depender da flexão do substantivo a que se refere! Se estudarmos carinhosamente o nosso idioma, procurando a lógica que há nele, podemos compreendê-lo mais facilmente!

da cabeça ou doente do pé”, segundo Dorival Caymmi: “O samba da minha terra deixa a gente mole, / Quando se canta, todo mundo bole...”. Porém, discordo de que “não sou bom sujeito” só porque não entendo de samba ou de forró! Claro que se trata de julgamento em causa própria, por sinal como está atuando a maioria dos distintos senhores do Supremo Tribunal Federal do Brasil. Sem falsa modéstia, confesso que nesse assunto de forró nordestino es-

tou bem longe do poeta baiano Caymmi, de quem sou fã incondicional, principalmente nas canções com cheiro de mar, como aquela “E a jangada voltou só!”, que por sinal não tem nada a ver com forró, nem em ritmo ou substância musical. Aliás, autêntica”Operetta”, em italiano, versão de uma ópera leve que conta um fato acontecido, a exemplo de: “A jangada saiu / Com Chico Ferreira e Bento / A jangada voltou só / Com certeza foi lá fora, / Algum pé de vento. / E a jangada voltou só. / Chico era o boi do rancho / Nas festas de Natá. / Não se ensaiava o rancho / Sem com Chico se contá. / E agora que não tem Chico / Que graça que pode ter / Se Chico foi na jangada / E a jangada voltou só!”. No entanto, para desfazer qualquer dúvida de que estou a fim de desmoralizar o forró, até porque sou

adepto dos compositores da Música Popular Brasileira - com destaque para Tom Jobim, Vinicius de Moraes e Chico Buarque, transcrevo a opinião do ex-ministro da Cultura e também valor da MPB, o baiano Gilberto Gil: “Sou aprendiz de forrozeiro. Desde menino, eu gosto do forró. Sempre separei certo espaço no meu trabalho para o gênero. É a música da infância, a primeira música que deixou resíduos muito fortes na minha alma”. Resumindo: consoante à última pesquisa feita por mim, o forró é sucesso no Brasil desde 1940. Entrego minha mão à palmatória: musicalmente, sou um ignorante de pai e mãe!

Bastante ou bastantes? Nossa língua é permeada por muitas formas pouco usuais, que chegam a soar de maneira estranha aos nossos ouvidos – mesmo que gramaticalmente corretas. Por isso, é fundamental estudarmos português, a fim de que possamos reconhecer a maior quantidade de variedades, uma vez que isso nos torna mais habilitados a entender o mundo ao nosso redor. Hoje, falaremos sobre duas palavras: bastante e bastantes. Analise a frase abaixo: (1) Ontem comemos muito. Perceba que o vocábulo “muito” funciona como um intensificador da palavra

Todo poder ao forró! Sob o título acima e edição de página inteira, a justificativa é que o forró é tradição da nossa jovem cidade, Brasília, muito embora eu não saiba, absolutamente, se esse ritmo inclui um passo pra cá e outro pra lá. Sou alheio em se tratando de rebolar os quadris, até por preconceito de não ser confundido por um boiola tradicional, doença contagiosa, tal qual a fila do cordão dos puxa-sacos, que a cada dia aumenta mais. E aceito o rótulo de que sou “ruim

MARCELO RAMOS O REPÓRTER DO POVÃO

Programa O Povo e o Poder das 8h às 10h de segunda a sábado Notícias, Esportes e Músicas

Rádio JK - AM 1.410 Ligue e participe: (61) 9 9881-3086 www.opovoeopoder.com.br

Elias Santana Professor de Língua Portuguesa e mestre em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB)

Fernando Pinto Jornalista e escritor


Brasília Capital n Geral n 15 n Brasília, 9 a 15 de dezembro de 2017 - bsbcapital.com.br

Na verdade, os pais burgueses querem mostrar uma importância que não têm. Por possuírem dinheiro, acham que isso os torna superiores. Mas o que ensinam os pais burgueses aos seus filhos? Que o trabalhador é escravo e o pobre é lixo? Que pobre tem que permanecer pobre para trabalhar pra eles ganhando migalhas? Que tudo de bom é somente pra eles? Que odeiam o trânsito congestionado porque os

pobres melhoraram de vida e compraram carros populares? Que quando morre um filho esbravejam e xingam perguntando “por que comigo?”, como se fossem especiais? Que acham que um sobrenome ou a cor branca os faz superiores? É essa visão discriminatória, exclusivista e excludente que passam para os filhos que chamam educação de berço? Obrigado, mas jamais aceitaria vir à Terra para receber tal deseducação. Ah, coitados! Por que será que Jesus afirmou que é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus? Por que será que Deus não os recompensa por darem a tal “educação de berço” aos filhos? Educar, verdadeiramente, é acender a luz da bondade e da justiça no

coração dos filhos, e isso só é possível quando se pode dar bons exemplos, por ter uma vida pautada na ética, na justiça e na solidariedade. Esta é a verdadeira educação de berço. Ela não depende de dinheiro, e a encontramos mais frequentemente em pessoas que vieram das classes pobre e média. Pais são educadores, ou deveriam sê-lo. Nesse sentido, cabe a pergunta do educador Paulo Freire: “quem educa o educador?”. Ele mesmo, pela consciência de que educação é um processo permanente e que se deve melhorar continuamente para melhorar a educação dos filhos.

solverá o problema, caso ele exista. Assim, minha dúvida é: por que as pessoas ainda acreditam nisso? Já falamos muitas vezes neste espaço no Brasília Capital que hábitos de vida saudáveis é que irão garantir um peso corporal adequado e melhor qualidade de vida.

Não significa corpos esculpidos. O que consideramos é a saúde! Quem quer viver muito, porém doente? Ninguém! Então, vamos começar um projeto verão, mas que se perpetue para a vida toda. Afinal, quantos verões você ainda quer viver? Já pensou nisso? Nas próximas semanas, abordaremos sobre a ceia de Natal e a festa de Réveillon, além das confraternizações que temos ao longo do mês de dezembro. Algumas dicas para que a gente não termine o ano colocando a culpa nas duas datas comemorativas. Consciência alimentar talvez seja o maior segredo

para sustentar o peso nesse período. Perceba quando tem fome, quando está comendo por comer e esteja consciente no ato da alimentação. Voltar a sua atenção para esse momento é essencial. Aqui vai uma receita milagrosa de final de ano que serve para o ano todo: alimentação saudável e exercícios físicos. Não tem jeito amigos, o “remédio” é e sempre será este!

Existe educação de berço? A burguesia sempre se orgulhou de alardear a forma de educar seus filhos, que ela chama de “educação de berço”. Não obstante, fica a dúvida: existe mesmo essa tal educação de berço? Se existe, por que não a vemos em muitos membros dos nossos parlamentos, das empresas, do Judiciário, do Executivo, com muitos deles presos ou processados por corrupção? Para onde foi a tal “educação de berço”, já que a maioria veio da burguesia?

Emagrecer para o verão Em dezembro, coincidentemente ou não, as academias aumentam o número de alunos matriculados e os consultórios dos nutricionistas ficam com as agendas cheias. Tenho certeza de que todos sabem que não temos milagres para vender, e que uma ação emergencial não re-

José Matos Professor e palestrante

Caroline Romeiro Nutricionista e professora na Universidade Católica de Brasília (UCB)


Encomende

#suavidabemmelhor

agora agorra ago ra

sua ceia de natal! 100 dotz extras para cada pedido do cardรกpio de natal

/supermercadobemmelhor

@superbemmelhor

Av. Jequitibรก, 485 รguas Claras

3381-7877

Jornal Brasília Capital 341  
Jornal Brasília Capital 341  
Advertisement