Page 1


2

Restaurantes tradicionais fecharam as portas as últimas semanas vários restaurantes tradicionais fecharam as portas por culpa da crise econômica que assola o país. Os indicadores econômicos, sempre manipulados, escondem uma realidade gritante: o empresário, o comerciante, não suporta pagar a carga tributária gigantesca que se abate sobre os empreendedores. Outro fator que deixa qualquer empresa à beira de um ataque de nervos é a legislação trabalhista. O Brasil é o único país do mundo onde a insegurança jurídica é total – por isso os bancos estrangeiros fugiram do país. O empregador é tratado como criminoso em alguns tribunais. A Justiça do Trabalho é cara e a legislação atual está inviabilizando os negócios. O país chegou a esse ponto por culpa da “República Sindicalista” instituída pelos políticos de esquerda, e como consequência criaram os sindicatos mais corruptos do mundo. Não é raro ver presidente de sindicato de trabalhadores donos de iates, carros de luxo, vendendo greves como nos casos verificados na construção da usina de Belo Monte. Os políticos de direita foram incompetentes para mudar as leis. Excelentes restaurantes tradicionais como o Folha Seca da rua Petit Carneiro, Sapor Itália, Forneria Copacabana da rua Itupava, The Fifties, Carmina Bistro entre outros,

Após 15 anos de funcionamento, o bar e restaurante Folha Seca fechou suas portas.

não resistiram à crise - agravada pela legislação trabalhista em vigor. Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú/Unibanco e Santander – respondem a cerca de 130 mil processos. Do total de R$ 17,4 bilhões pagos em ações trabalhistas em 2015, R$ 5,6 bilhões vieram dessas instituições. O Itaú, por exemplo, foi condenado este ano a pagar R$ 3,9 milhões a uma exfuncionária de uma rede de supermercados. O banco é emissor do cartão de crédito com a marca do varejista e ela vendia o produto em uma de suas lojas. A funcionária, que

MER CADO FL OR DE LIZ MERCADO FLOR Pão fresquinho o dia todo! Tudo que você precisa, pertinho de você. Aceita cartões de crédito e débito Rede Shop, Master Card, Maestro, VISA, Diners Club e Elo.

Telefone 3342.2270 Rua Castro, 145 - Água Verde

CNPJ 14.985.553/0001-55

ganhava R$ 720 por mês, abriu ação contra o Itaú pedindo equiparação com o salário dos gerentes do banco. “A Justiça considerou o vínculo empregatício”, diz o diretor jurídico José Virgílio Vita. Em outro caso, um ex-funcionário alegou que trabalhava 12,5 horas por dia, de segunda a domingo, sem horário de almoço. Ganhou R$ 1,6 milhão em indenização por horas extras. “O juiz desconsiderou provas”, diz Vita. Alessandro Tomao, do Santander, cita casos de reintegração porque os funcionários dirigem cooperativas, embora muitas só existam no papel.

Para o professor de Direito do Trabalho da USP Nelson Manrich, muitos juízes veem as ações como forma de “corrigir injustiças” ao manter visão negativa das empresas. Cada empresa que fecha suas portas leva consigo dezenas de empregos que farão falta a centenas de famílias. Os recordes sucessivos dos índices de desemprego fazem explodir os índices de violência urbana. As recentes mudanças políticas foram incapazes de mudar este panorama sombrio que paira sobre a sociedade. Carla Regina


3

As “pegadinhas” dos supermercados uando escrevo “pegadinha”, não me refiro às filmagens com atores e comediantes em situações engraçadas em alguns supermercados, exibidas em programas de televisão para arrancar risos dos telespectadores. Neste caso, não há nada de engraçado: as “pegadinhas” são formas de ludibriar o consumidor, praticadas em alguns supermercados. Sempre que você observar algum produto na entrada do supermercado, em promoção, desconfie. Verifique a data de validade do produto, e na maioria das vezes, verificará que os produtos estão perto de vencer, isto é, de serem descartados. Isto não é uma regra, mas é visto com alguma frequência. Ora, será que não vale a pena pagar um pouco mais por um produto que tem maior validade? Uma vez adquirido, raramente o consumidor vai observar – o que é uma pena – a validade do produto em sua residência. Funciona como se ele ligasse o “automático”. Está na

geladeira, está no seu armário, está dentro da validade; mas nem sempre é assim, e uma forma de evitar o consumo de produto com validade vencida é evitar a compra de produtos com pouco tempo de validade.

Outra “pegadinha” é o rateio – involuntário – de produtos furtados. Nem as câmeras de segurança inibem a ação dos que tentam fazer o supermercado sem passar pelo caixa. Alguns nem tentam levar o produto

escondido e agem às claras. As perdas dos supermercados são grandes e o prejuízo é de todos os consumidores, mas nada se compara ao constrangimento de ser flagrado. “Muitas vezes o ladrão retorna e paga, muitas vezes ele devolve na mão do fiscal de loja e a gente leva para a loja”, diz José Luiz, subgerente de um supermercado. As perdas com roubos e furtos somam R$ 820 milhões por ano. Se contar os extravios de mercadoria, os produtos tirados da geladeira e deixados nas gôndolas e as embalagens abertas, isso aumenta o prejuízo para R$ 4,6 bilhões. Esses valores astronômicos são rateados entre os consumidores honestos, que pagam por aquilo que não autorizaram. Carla Regina

Hospital Cajuru ganha heliponto para serviço aeromédico Hospital Universitário Cajuru, em Curitiba, passa a contar com um heliponto para receber aeronaves transportando pessoas em situação de urgência e emergência. A estrutura já está em funcionamento e foi inaugurada no início do mês de junho pelo governador Beto Richa e pelo secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto. Ao todo, a obra recebeu o investimento de R$ 3,9 milhões em recursos próprios do Governo do Estado. A instalação desta estrutura faz parte das ações da Rede Paraná Urgência, que inclui o serviço de transporte aeromédico. Além de agilizar a transferência de pacientes em situação mais grave, o heliponto também dará mais rapidez para o transporte de órgãos para transplante. De acordo com o secretário Caputo Neto, a estrutura garante mais uma alternativa de pouso para helicóptero em Curitiba e região. "Trata-se de mais uma ação efetiva para agilizar o atendimento das pessoas, na hora que elas mais precisam. Uma obra moderna, custeada pelo Governo do Estado, e que com certeza vai melhorar as condições de resgate dos pacientes e aumentar as chances de sobrevivência das vítimas", declarou.

O hospital atende hoje cerca de 4.600 pacientes no pronto socorro por mês. A unidade é referência para receber pacientes em situação de urgência e emergência, como vítimas de acidentes de trânsito, violência, entre outros traumas. Por conta disso, também recebe recursos extras de custeio do Governo do Estado para auxiliar na manutenção das atividades. De acordo com o governador Beto Richa, o heliponto do Cajuru consolida ainda mais o serviço de transporte aeromédico, implantado em sua gestão. Hoje existem quatro bases de aeronaves (Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel), que atendem a todas as regiões do Estado. "São quatro helicópteros e um avião UTI. Em seis anos, nossa frota aérea já fez mais de 7,5 mil atendimentos. Uma ação importante que tem sido um sucesso absoluto em todo o Estado”, ressaltou.

entregue coloca a instituição na rota de transplantes no Paraná. “É um serviço espetacular”, afirma ele. “O órgão captado, bem armazenado e transportado rapidamente ajuda a salvar e melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas. O Hospital Universitário Cajuru, a partir de agora, também entra nessa rota. Captamos e transportamos a partir daqui. Não precisamos mais ir até o aeroporto para levar os órgãos”, comenta.

TRANSPLANTES - Para o diretorgeral do Hospital Cajuru, o heliponto

APOIO- O Hospital Universitário Cajuru recebe do Governo do Estado

R$ 3.3 milhões por ano, pelo Programa de Apoio e Qualificação de Hospitais Públicos e Filantrópicos (Hospsus). Também já recebeu uma UTI móvel. Com nove salas cirúrgicas e 206 leitos (29 de UTI, 167 de internação e 10 de cuidados progressivos), além de um ambulatório médico e todos os serviços de apoio diagnóstico e terapêuticos necessários, o hospital atende cerca de 4.600 pacientes no pronto socorro e 6.700 atendimentos ambulatoriais por mês. No ano, são cerca de 130 mil pacientes.


4


5

Livro lançado no bairro Água Verde será publicado na Europa e países árabes ançado em Curitiba na semana passada o livro do diretor do Jornal Água Verde, José Gil de Almeida, "A Líbia de Muamar Kadafi" está sendo publicado na Europa em inglês e árabe, para distribuição em alguns países europeus e árabes. A cerimônia de lançamento no bairro Água Verde contou com coquetel e apresentação de dança árabe pelo grupo ArtDança. O evento teve a presença de convidados ilustres como o Cônsul da Síria para o Paraná e Santa Catarina por 30 anos, industrial Abdo Abage; o presidente da Sociedade Árabe Brasileira do Paraná, Mountih Ibrahim; livreiro e editor Aramis Chain; o diretor da Federação Árabe Palestina, Ualid Rabat, o ex-prefeito de Goioerê, Gil Marques de Almeida, entre outros. O livro mostra uma Líbia jamais mostrada pela grande imprensa: um país próspero, progressista, com o maior IDH -- índice que mede a qualidade de vida do povo -- da África, maior até que o do Brasil. O autor viajou à Líbia de Kadafi 19 vezes, a última delas três meses antes da guerra de ocupação do país. Uma guerra liderada pelos EUA e Otan "para roubar petróleo", afirma o autor. O livro tem 120 páginas e está sendo vendido a 25 reais na Livraria do Chain, em Curitiba, na sede do jornal ou através do email midiabairros@gmail.com Fotos: Carolina de Andrade

IVO AZULEJISTA * PORCELANATO * PISOS E AZULEJOS * PASTILHAS * REPAROS EM GERAL * SERVIÇOS DE SOLDA EM DOMICILIO * ORÇAMENTO SEM COMPROMISSO 99101.2244 - VIVO WHATS 3333.6706 RUA CHILE, 1876 - REBOUÇAS


6

Celebração do Corpus Christi reúne cinco mil fiéis no Centro Cívico O prefeito Rafael Greca participou na tarde desta quinta-feira (15/6) da celebração do Corpus Christi, que atraiu centenas de fiéis ao Centro Cívico. A celebração iniciou às 14h em frente à Catedral e a procissão seguiu pela Avenida Cândido de Abreu até a Praça Nossa Sra da Salette, Centro Cívico. Durante a manhã, vários fiéis

trabalharam na confecção dos tapetes. “Alegria em participar ao lado de Margarita da 324ª edição da procissão do corpo de Deus no coração de Curitiba. Desde que a cidade foi fundada o Cristo foi levado em procissão pelas ruas de Curitiba”, afirmou Greca, que recebeu os fiéis em frente à Prefeitura. Depois da procissão, os

Conheça a Clínica Psicopedagógica SER, CRESCER E VIVER Os profissionais da Clínica Psicopedagógica SER, CRESCER E VIVER acreditam que o ser humano está sempre em busca da felicidade pessoal e sucesso na vida acadêmica ou profissional. No entanto, algumas situações impedem o sujeito de ser feliz ou de realizar conquistas em sua vida. Nestes momentos ele poderá optar pela mudança de tal situação, buscando profissionais qualificados que poderão avaliar e atender suas necessidades. A avaliação e atendimento das dificuldades de aprendizagem atendem às demandas das escolas, empresas e encaminhamentos médicos. Uma equipe multidisciplinar formada por psicopedagogas, psicólogos, fonoaudiólogos e professores especializados poderão oportunizar o autoconhecimento e resgatar no sujeito o “desejo de aprender”. Contamos com espaço físico acolhedor para atendimento clínico, cursos livres de línguas, reforço

escolar e grupos de estudos para profissionais das áreas da educação e saúde. Às escolas oferecemos assessoria educacional com palestras aos pais ou professores da sua instituição, assim como consultoria às empresas. A clínica está situada na Rua Buenos Aires nº 457, sala 112, no Bairro Batel bem próximo ao Shopping Curitiba. Kelly Guenza PEDAGOGA\PSICOPEDAGOGA Sonia Renner Ferreira PEDAGOGA\PSICOPEDAGOGA\ SCREENER Endereço: Rua Buenos Aires 457, sala 112. Bairro Batel – Curitiba Contato: (41) 98827-9245 ou kellyguenza@yahoo.com (41) 99193-0999 ou soniarenner1@gmail.com

participantes seguiram para apresentação do padre Reginaldo Manzotti, do Ministério Evangelizar é Preciso. A data é uma das mais especiais do calendário católico. "Agradeço a Deus a chance de poder encontrar o nosso povo em oração”, disse o prefeito. A solenidade de Corpus Christi é a grande festa que a Igreja Católica dedica ao sacramento da Eucaristia. Neste dia, é celebrado o Santo Sacrifício da Missa e, em seguida, com a hóstia consagrada, realizada a Procissão Eucarística, onde os fiéis dão testemunho público de sua fé. A procissão é realizada na quinta-

feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade. Desde 2005, a procissão curitibana acontece na Avenida Cândido de Abreu. Pela primeira vez, a procissão organizada pela Arquidiocese reuniu todas as paróquias da cidade. A decisão de fazer uma única procissão foi tomada para demonstrar a unidade e comunhão da comunidade católica. “Queremos ver a união das paróquias e mais pessoas se manifestando publicamente sobre o mesmo objetivo”, afirmou o padre José Airton Oliveira, coordenador da Comissão Litúrgica da Arquidiocese.


7

Richa apresentou experiências e potenciais do Paraná na Inglaterra governador Beto Richa foi um dos palestrantes do Global Expansion Summit, conferência internacional que aconteceu entre 18 e 20 de junho em Londres. O evento teve a participação de governantes, empresas e representantes de fundos de investimentos estrangeiros para discutir as transformações da era digital e as perspectivas para negócios internacionais. A experiência de enfrentamento à crise econômica, com o ajuste fiscal e o processo de industrialização do Estado, foram alguns dos temas da palestra, que ocorreu na segunda-feira passada. O Paraná também foi apresentado a possíveis investidores com foco na atração de investimentos na área de automotiva e do agronegócio, de acordo com o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, que acompanha Richa na conferência.

“Como resultado das políticas adotadas nos últimos anos, nossa economia hoje vai muito além d a s commodities”, afirma o governador. “O Paraná mudou de patamar: tornou-se o terceiro parque industrial do País, o segundo polo automotivo nacional e a segunda indústria de alimentos”, ressalta, lembrando que o agronegócio segue sendo um dos motores da economia paranaense. EXEMPLO - O convite à participação foi feito em dezembro do ano

passado pelo diretor do Briclab da Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos, Marcos Troyjo, que esteve no Palácio Iguaçu, em Curitiba. A conferência, organizada pela Global Expansion Summit, da Inglaterra, teve apoio do Briclab. “Queremos, sobretudo, que o Bra-

sil ofereça uma boa lição para os demais países. Realmente achamos que o Paraná é um exemplo não só para outros estados brasileiros, mas para toda a América Latina”, ressaltou o diretor do Briclab, na ocasião. COMPETITIVO - Por dois anos seguidos o ranking do grupo britânico The Economist apontou o Paraná como o segundo estado mais competitivo do País, atrás apenas de São Paulo. O Paraná Competitivo – apontado pelo jornal Financial Times como um dos programas de incentivos fiscais mais efetivos do mundo – atraiu uma massa de investimentos produtivos de dimensões sem precedentes na economia paranaense. Entre 2011 e 2016 o Paraná recebeu US$ 15 bilhões na instalação de novas indústrias – europeias, chinesas, norte-americanas, japonesas e brasileiras - que geraram 400 mil empregos diretos e indiretos.


8

R E F E R Ê N C I A

I N T E R N A C I O N A L

Cultura Inglesa de Curitiba é único centro independente de exames IELTS do Sul

Militares decepcionam intervencionistas com condecoração a políticos atolados na Lava Jato Este é para você, amigo ou inimigo, que defende uma onírica ‘Intervenção Militar’ como salvação para a quadra política e institucional medonha e insuportável vivida no Brasil neste momento da história. Com todas as vênias, peço que leia. Na quinta-feira, dia 8 passado, enquanto o ministro-relator Herman Benjamin fazia a leitura de seu histórico voto e Gilmar Mendes assava a mais vergonhosa pizza já produzida no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os ilustres comandantes das Forças Armadas condecoravam dezenas de políticos de colarinho-branco atolados até o pescoço nos crimes investigados pela Operação Lava Jato. Na sede do Clube do Exército, em Brasília, sob a batuta do ministro Raul Jungmann, os militares entregaram a Ordem do Mérito da Defesa a 11 ministros do governo Michel Temer — entre eles os encrencadíssimos Eliseu Padilha, Torquato Jardim e Aloysio

Nunes —, aos governadores de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Pernambuco, além de outros 87 deputados federais e senadores, destacandose a ‘honraria’ entregue ao atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Ao todo, 333 pessoas foram ‘agraciadas’. A quem interessar possa, segue o link oficial para a empolada matéria publicada no portal do Ministério da Defesa. Veja aqui: http:// www.defesa.gov.br/noticias/31736-entrega-da-ordem-do-merito-da-defesamarca-os-18-anos-do-md Então, antes de sair por aí pedindo ‘Intervenção Militar’, talvez seja oportuno saber em qual cumbuca as Forças Armadas do Brasil estão enfiando a mão… o braço… a cabeça… o corpo todo! Coisas de >#BananeiraJeitinho! Segue o enterro… Helder Caldeira

Além de preparar candidatos para exames internacionais de proficiência em inglês, a Cultura Inglesa de Curitiba está consolidada, desde fevereiro, como o único centro independente autorizado pelo British Council, e aberto ao público para aplicação de exames IELTS (International English Language Testing System) no Sul do país. Conforme o British Council, instituição pública do Reino Unido dedicada ao fomento da língua e cultura inglesas, mais de 2 milhões de candidatos realizam o exame por ano em todo mundo. Até dezembro passado, a Cultura Inglesa de Curitiba era apenas um local de exames sob responsabilidade do British Council. Contudo, depois de uma análise rigorosa da entidade, a escola conquistou o credenciamento como centro independente, o único dessa categoria no Sul do país. Desde maio de 2016, foram mais de 400 candidaturas recebidas e os números não param de crescer. “No primeiro trimestre deste ano, foram mais de 277 inscritos na prova do IELTS e até o fim do ano

estão previstas cerca de dez sessões para o exame, uma janela bastante ampla para atender a alta procura”, destaca a gerente de duas das quatro unidades da escola em Curitiba, Carla Probst. A gerente lembra ainda que, embora seja o único exame de inglês aceito para emissão de visto no Canadá, na Austrália, no Reino Unido e na Nova Zelândia, o IELTS tem alcançado visibilidade em outros países. “A qualidade, seriedade e confiabilidade do exame tem o posicionado como referência em outros países europeus, como a Itália. No Brasil, essa propagação tem sido mais intensa no meio acadêmico para candidatos à pós-graduação”, esclarece. Além das sessões monitoradas por docentes capacitados especialmente para o exame, a escola oferta cursos preparatórios para familiarizar o candidato com o formato do teste. “O material específico e alinhado às particularidades do aluno é outro recurso que adotamos para deixá-lo mais confiante e próximo das metas traçadas”, conclui Carla.

Leia o Jornal Água Verde na internet

www.jornalaguaverde.com.br


9

Mudanças nas regras de despacho de bagagem mexe no bolso e nos direitos dos consumidores sociedade assiste nesse momento mudanças no setor de transporte aéreo, uma delas permitiu que as companhias aéreas passem a cobrar taxas extras para os passageiros que precisam despachar bagagens. A alteração, realizada por regulamentação por parte da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), tem por objetivo reduzir o preço das passagens e colocar o Brasil no patamar de sistemas aéreos estrangeiros. No entanto, em recente entrevista, o presidente de uma grande companhia aérea brasileira afirmou que não haverá redução dos bilhetes em um comparativo antes e após a mudança, ou seja, no argumento de redução dos preços a Anac “esqueceu de combinar com os russos”. Em relação ao ponto de promover o sistema aéreo brasileiro ao patamar daqueles praticados no exterior, o argumento deve ser visto com muitas ressalvadas. Como imaginar que tal medida, que reduz direitos do consumidor, melhoraria o sistema aéreo

se resoluções que determinam assistências mínimas aos passageiros em casos de atrasos e cancelamentos de voos não são devidamente aplicadas? Os problemas dos atrasos e cancelamentos de voos injustificados continuam atormentando a vida dos consumidores sem que haja fiscalização adequada por parte da Anac e poucos consumidores têm conhecimento da assistência

obrigatória regulamentada, que é: a partir de 1 hora: comunicação (internet, telefonemas, etc); a partir de 2 horas: alimentação (voucher, lanche, bebidas, etc); a partir de 4 horas: acomodação ou hospedagem (se for o caso) e transporte do aeroporto ao local de acomodação; e superior a 4 horas ou se houver cancelamento de voo ou preterição de embarque: a empresa aérea deverá

oferecer ao passageiro, além da assistência material, opções de reacomodação ou reembolso. As empresas aéreas, na sua grande maioria, não concedem corretamente as assistências, contando com a ausência de fiscalização e com o desconhecimento dos consumidores, que muitas vezes suportam os prejuízos, perdendo compromissos e planejamentos de viagem, e precisam acionar o Poder Judiciário para ver seus danos reparados. Portanto, caso pretenda a Anac colocar o sistema aéreo brasileiro no patamar daqueles utilizados no exterior, que o faça inicialmente com a fiscalização e defesa dos direitos dos consumidores, e não com medidas que visam aumentar o lucro e a arrecadação das companhias aéreas com redução dos direitos dos passageiros. DIEGO MIALSKI FONTANA é advogado, sócio do escritório BALLAN & MIALSKI ADVOGADOS ASSOCIADOS. (diegomialski@bfm.adv.br)

Leia o Jornal Água Verde na internet: www.jornalaguaverde.com.br


10

Adolescente de 15 anos se destaca no Jiu Jitsu

Kinberly Carvalho hoje tem 15 anos de idade e já conquistou diversos prêmios, taças e medalhas, em mais de 10 campeonatos que participou entre São Paulo, Curitiba, Antonina e Guarapuava. Ela começou no Jiu Jitsu aos 13 anos de idade. Jiu Jitsu é uma arte marcial japonesa (Budô) que utiliza como principais técnicas golpes de alavancas, torções e pressões para derrubar e dominar um oponente. Filha de Waldir Ferreira de Souza

e Terezinha Aparecida Carvalho, ela se esforça para manter os treinamentos de Jiu Jitsu com a boa performance na escola. Em relação ao futuro, Kinberly pretende ser atleta profissional, mesmo considerando as dificuldades de patrocínio e apoio que existem nos esportes há muito tempo. Moradora na cidade de Antonina ela treina na academia Zumba Combat, dentro de umprojeto da Liga de Defesa Contra a Tuberculose.

LBV entrega cobertores a famílias que sofrem com o frio em Curitiba A Legião da Boa Vontade (LBV) deu início à entrega das doações arrecadadas por meio de sua tradicional campanha Diga Sim!, iniciativa de caráter emergencial, cujo slogan deste ano é “O que é urgente para você?”. Durante os meses de Junho e Julho, a Instituição entregará no estado do Paraná 2.750 cobertores a famílias em situação de pobreza que enfrentam as baixas temperaturas. Com essa mobilização social, a Entidade visa contribuir para minimizar o sofrimento de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos. Em Curitiba/PR, serão entregues no dia 20 de junho (terça-feira), às 15 horas, 880 cobertores a famílias atendidas pela LBV e a famílias da Vila Pantanal, no bairro Alto Boqueirão, amparadas por organizações parceiras. Além do Estado de Paraná, a campanha beneficiará com a doação dos cobertores famílias do Distrito Federal e de cidades dos Estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Mato Grosso do Sul. Em todo o Brasil, a LBV entregará 15 mil cobertores. Ainda dá tempo de ajudar! Quem quiser colaborar para a campanha pode fazê-lo entrando em contato pelo tel.: 0800 055 50 99 ou pelo site www.lbv.org.

Leia o Jornal Água Verde na internet: www.jornalaguaverde.com.br

Morretes ganha uma nova - e ótima - hamburgueria

Centro turístico do Paraná, a cidade de Morretes acaba de ganhar uma nova hamburgueria, a Hamburgueria Castelinho, na saída para Curitiba. O novo point da cidade serve os

melhores hamburgueres da região, com excelente qualidade e atendimento. O local é amplo, bem iluminado, com arquitetura moderna e conta com grande estacionamento.


1115

Nota de esclarecimento A AFBNDES, Associação dos Funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social vem a público manifestar surpresa com o pedido da Advocacia Geral da União, baseada em manifestação de um servidor, para que o Plenário do Tribunal de Contas da União avalie a possibilidade de decretar a indisponibilidade de bens dos responsáveis pelas operações da JBS junto ao BNDES. Tanto o BNDES quanto seus funcionários por nós representados já comprovaram tecnicamente, em diversas frentes e momentos, que não houve dano ao erário, qualquer tipo de irregularidade ou favorecimento nas operações objeto de investigação por parte de seu corpo técnico. Deve ficar claro que qualquer suspeição levantada, até o momento, decorre de iniciativas praticadas por empresários e agentes públicos que não integram o quadro de empregados do Sistema BNDES. É essencial enfatizar que todas as operações realizadas no âmbito do Sistema BNDES sempre se pautaram pelo rigor dos normativos in-

ternos e políticas operacionais vigentes à época de cada operação, alinhadas com as diretrizes determinadas pelo Governo Federal. As operações com a JBS seguiram rigorosamente os trâmites operacionais do Sistema BNDES, que se baseiam no princípio de segregação de funções e decisões colegiadas. Inclusive as operações realizadas entre 2005 e 2009 já foram objeto de manifestação do Tribunal de Contas da União (Acórdão 3.142/2010), que considerou regulares todas as operações do Sistema BNDES com o setor de frigoríficos nesse período. Exercendo a representação institucional dos funcionários do BNDES, reafirmamos nossa atuação na defesa dos interesses do Estado e nosso compromisso público com a transparência e a ética. Por fim, reiteramos que estamos permanentemente à disposição das instituições de controle e fiscalização para qualquer informação, além das já encaminhadas. a) Associação dos Funcionários do BNDES

Carta aberta aos funcionários municipais de Curitiba O Plano de Recuperação de Curitiba (PRC) é a favor da sustentabilidade da carreira de servidor público municipal. O PRC em nada modifica as regras ou os cálculos de rendimentos de aposentadoria dos atuais servidores da Prefeitura. Desde 2008, a Prefeitura recolheu indevidamente ao IPMC a parte patronal de pessoas já aposentadas. Nenhum empresário paga ao INSS a parte patronal de seus empregados após a aposentadoria. Por isso, o PRC propõe a devolução, ao tesouro municipal, de aproximadamente R$ 600 milhões pelo IPMC. Fruet não deixou no orçamento de 2017 os recursos para pagar a contrapartida da Prefeitura com o IPMC. Há ainda as pendências da gestão passada com os repasses de 2015 e 2016, que também não foram pagas. Por isso, os valores da devolução serão usados em 12 meses para retornando legalmente ao IPMC- solidificar as receitas da nossa Previdência Municipal. É uma reengenharia de sustentabilidade. Só a sustentação financeira e orçamentária assegura direitos sólidos. As licenças-prêmio a cada 5 anos e as regras de aposentadoria não mudam para os atuais funcionários, apenas para aqueles que ingressarão no serviço público. Precisamos garantir o PRC para continuarmos pagando os salários em dia, pagar os 50% do 13º ainda no mês de julho, termos o reajuste anual e, juntos, sairmos

da crise para bem servir Curitiba e honrar esta que já foi a melhor Prefeitura do Brasil. Não permita que o egoísmo ideológico jogue nossa Prefeitura no buraco, como aconteceu em Porto Alegre, Minas e Rio. Concordei com a emenda dos sindicatos proposta na reunião de quarta-feira antes do feriado de Corpus Christi: - cada vez que a arrecadação subir, 80% deste acréscimo poderá ser direcionado para avanços salariais do funcionalismo municipal. Reforço ainda que sempre estivemos abertos ao diálogo. Recebemos a comissão do Sismmac no Palácio 29 de Março. O Sismuc foi convidado, mas não quis vir. O PRC está em discussão há 99 dias na Câmara Municipal. Foram 44 reuniões na Prefeitura, 25 na Câmara Municipal, das quais cinco exclusivas aos sindicatos para explicação do plano pelos secretários de Finanças, Vitor Puppi, do Governo, Luiz Fernando Jamur, e pelo presidente do IPMC, José Luiz Rauen. Com amor pelo serviço público e responsabilidade imensa pelo bem de todos nós digo que não há maldade no pacote. Há o receio da gravidade da crise nos impedir de pagar em dia. Os cinco sindicatos não sabem o que fazem. Cavam a própria ruína. Sinceramente, prefeito Rafael


12

Filme Mulher Maravilha é outro desastre da Warner Começou. Sempre que a Warner se prepara para lançar um novo filme de super-herói, uma fonte anônima, supostamente funcionária do estúdio, resolve adiantar para os sites geeks que a produção é uma porcaria. Não se pode acusar o garganta profunda misterioso de passar informações enganosas, vide “Batman vs Superman” e “Esquadrão

Suicida”. Mas será que, como diz o ditado, três não é demais? O fato é que Sasha Perl-Raver, uma das apresentadoras do podcast do site Schmoes Know, disse que o mesmo insider que afirmou que “Batman vs Superman” era uma porcaria garante que “Mulher-Maravilha” tem os mesmos problemas. “Então, eu não quero matar esperanças, mas recebemos uma informação privilegiada que já partiu meu coração, porque eu tinha certeza de que ‘Mulher Maravilha’ ia ser incrível… e ouvi que é uma porcaria. A pessoa com quem falei, disse: ‘Estou muito

decepcionado com o que eu vi, e parece que todos os problemas são os mesmos, é descompassado, não tem fluidez narrativa, e tudo é muito desconjuntado.” Não é a primeira vez que uma fonte anônima da própria Warner ataca o filme. No ano passado, uma suposta exfuncionária publicou uma carta aberta detonando o estúdio por cometer sempre os mesmos erros sem nunca aprender nenhuma lição. Na ocasião, a fonte afirmava que “MulherMaravilha” era “outro desastre”: “As pessoas dentro da produção já estão dizendo que as coisas estão horríveis”. Além de ser um daqueles filmes comparados com sorvete, que derrete após algum – curto – tempo na memória das pessoas, o filme abusa de efeitos especiais e deve agradar apenas a crianças e adolescentes, que não são exigentes em termos de qualidade ou talento de atores. Finalmente, o filme repete a orientação do Pentágono onde os norte-americanos são sempre os mocinhos, que salvam o mundo, mas na verdade os EUA só vencem guerras nos filmes de Hollywood. O sucesso de bilheteria do filme está ancorado na propaganda massiva, nada mais. Não passa de outra propaganda vagabunda do belicoso ufanismo norteamericano, disfarçada de ficção.


13


14

Foz do Iguaçu é um dos destinos mais bonitos do mundo A Terra das Cataratas está entre as cidades escolhidas por uma das maiores agências de viagem online do mundo para se conhecer em 2017. A Expedia, uma das maiores agências de viagens online do mundo, elegeu os 51 destinos mais bonitos do mundo. A lista traz Foz do Iguaçu como um dos locais incríveis para se conhecer em 2017. A empresa é uma das melhores avaliadas por consumidores em 30 países de atuação direta, inclusive no Brasil. A gigante do mercado de vendas online realizou um levantamento de lugares com as seguintes características: belas paisa-

gens, magia do local, elegância da cidade, história, popularidade, entre outras. Levando em conta estes itens, foram divulgados os destinos que mais se destacaram, sem uma ordem em particular. A lista divulgada na Expedia Brasil traz como destaque o principal atrativo da cidade: As Cataratas do Iguaçu. As belas paisagens do local, visitadas por mais de 1,5 milhão de turistas de 172 países, são denominadas como uma das

Novas Maravilhas da Natureza graças a magnitude dos seus 275 saltos d’água. “Sua casa – Parque Nacional do Iguaçu – abriga o maior remanescente de floresta Atlântica da região sul do Brasil, protegendo uma riquíssima biodiversidade, algumas ameaçadas de extinção, como a onça-pintada e o gavião-real”, traz o artigo. Para o secretário de Turismo, Indústria e Comércio e Projetos Estratégicos de Foz, Gilmar Piolla, “ a escolha do destino pela

Expedia, uma das grandes agências do mercado online, mostra que Foz do Iguaçu está em evidência neste segmento e se destaca na preferência dos consumidores pela beleza e qualidade dos atrativos”, comenta. A Expedia reserva passagens aéreas, hotéis, carros e cruzeiros. A empresa dispõe de um banco de dados com 510 mil estabelecimentos com acomodações em todo o mundo e 500 linhas aéreas ligando dezenas de países.

41 3408.2860


15

O médico perguntou: - Por que você tomou a medicação às seis da manhã se eu disse pra você tomar às nove? - Doutor, era pra ver se eu conseguia pegar as bactérias de surpresa! -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oO Menino vem correndo e diz à mãe: - Mãe, você é uma mentirosa! - Mais por que você diz isso meu filho? - Você disse que meu irmãozinho era um anjo!! Eu joguei ele pela janela e ele nao voou... -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oEram três irmãos: pum, calaboca, e respeito.o pum cometeu um crime e foi preso, e o calaboca e o respeito foram lá soltá-lo.o respeito tinha horror a delegacia e então ficou na esquina e o calaboca entrou. O delegado logo perguntou: - Qual é o seu nome: - Calaboca. - Uai. Cadê o respeito? - Ficou na esquina. - O que você veio fazer aqui? - Soltar o pum. -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oUma perua era a mais nova rica de uma cidade pequena. Para chamar atenção resolveu decorar toda sua casa com motivos medievais. Estava terminando de decorar a sala de estar, quando notou que faltavam aquelas bolas de ferro que ficam penduradas nas armaduras de guerra. Desesperada, foi até o antiquário mais próximo, onde foi atendida por um vendedor corcunda. A mulher, querendo parecer fina e elegante, pergunta gentilmente: - O senhor tem bolas de ferro? Ao que o vendedor respondeu, sem pensar duas vezes: - Não, é desvio na coluna! -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oE no supermercado: - Olha, filho! Uma latinha com o seu nome! - Eu te odeio, pai! - Não diga isso, Mucilon. -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oUm amigo nosso ia sentar ao lado de uma senhora em um ônibus, sem perceber um pequeno embrulho no banco. Antes que sentasse em cima do embrulho, a senhora avisou: - Senhor, cuidado com os ovos. -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oNosso amigo, curioso, abriu o embrulho e disse: - Mas não são ovos. E a senhora: - Pois é. São pregos. O ladrão foi assaltar um político: - Passa o dinheiro! - Calma! Calma! Eu sou deputado. - Ah, nesse caso! Passa o MEU dinheiro. -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oO filho pergunta para a mãe: - Mãe, é verdade que as pessoas da nossa família morrem de repente? - Mãe? Mãe, mamãe! Mãããããe... E a mãe responde. - Era só uma brincadeirinha, meu filho.

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o--o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o--o-o-

-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o--o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o--o-o-

Filho? Filhinho? Fiiiiilho... -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oA mãe de Joãozinho chega do trabalho e pergunta ao filho: - Filho, cadê sua namoradinha, hein? - Qual delas, mamãe? - A que está grávida! - Qual delas? -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o- Querida, aonde você está? - Estou em casa, meu amor. - Certeza? - Sim! - Então liga o liquidificador - Rrrrrrrrrrrrr! No outro dia: - Querida, aonde você está? - Estou em casa, meu amor. - Certeza? - Sim! - Então liga o liquidificador. - Rrrrrrrrrrrrr! No dia seguinte, decide ir mais cedo para casa: - Meu filho, onde esta a mamãe? - Não sei papai, ela saiu e levou o liquidificador! -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oUm homem tinha três namoradas e não sabia com qual delas deveria se casar. Resolveu, então, fazer um teste para ver qual estava mais apta a ser sua mulher. Tirou R$ 15 mil do banco, deu R$ 5 mil para cada uma e disse: - Gastem com o que quiserem. A primeira foi ao shopping, comprou roupas, jóias, foi ao cabeleireiro e salão de beleza. Voltou para o homem e disse: - Gastei todo o seu dinheiro assim para ficar mais bonita para você, para lhe agradar. Tudo isso porque amo você. A segunda foi ao mesmo shopping, comprou roupas para ele, um tablet, uma televisão, dois pares de tênis para jogar basquete, tacos de golfe e filmes eróticos. Voltou para o homem e disse: - Gastei todo o seu dinheiro assim para lhe fazer mais feliz, lhe agradar. Tudo isso porque amo você. A terceira pegou o dinheiro e aplicou em ações. Em três dias duplicou o investido, retornou os R$ 5 mil para o homem e disse: - Apliquei o seu dinheiro e ganhei o meu. Agora posso fazer o que quiser com o meu dinheiro. Tudo isso porque eu amo você. Então o homem pensou... Pensou... Pensou... Pensou... E escolheu a que tinha a bunda maior. -o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-o-oExpulso de casa pela mulher, que não tava a fim de dormir cheirando bafo de pinga, vai a um beco, acaba dormindo no chão e tem o relógio roubado. No dia seguinte, já curado da manguaça, ao andar pela rua, vê um cara usando o seu relógio, e se aproxima dele dizendo: - Hei, cara, esse relógio é meu! - Não é seu não. Esse relógio eu peguei de um bêbado que eu comi ontem lá no beco. - Tem razão, não é meu mesmo. Mas bem que parece…


16

A história proibida: Revolta da Chibata s 22h55 minutos do dia 22 de novembro de 1910 ecoaram na Baía da Guanabara os tiros dos canhões da poderosa Armada do Brasil, recentemente renovada na Inglaterra com as mais mortíferas belonaves do mundo. Entre os navios rebelados estavam os poderosos dreadnoughts Minas Gerais e o São Paulo, encouraçados pesados de última geração, armados com canhões de grande alcance e enorme poder destrutivo. No elegante Clube da Tijuca, a nata da sociedade carioca participava de uma luxuosa recepção do recém empossado presidente da República – o marechal Hermes da Fonseca. Os telégrafos funcionam freneticamente dando notícias desencontradas, até que os primeiros oficiais e sub-oficiais fugidos desembarcam no cais e relataram que os marinheiros – em sua imensa maioria negros – haviam se apossado pela força dos navios e assumido o seu comando. A revolta teria causado a morte de diversos oficiais e marinheiros. O chefe dos revoltosos – o marinheiro de 1ª classe João Cândido Felisberto, gaúcho de Encruzilhada do Sul, manobrava a esquadra, com a maestria de um Almirante e ameaçava bombardear a capital da República, caso as suas reivindicações não fossem atendidas. E quais eram, 22 anos após a abolição da escravidão, as reivindicações dos marinheiros rebelados? Exigiam que o Presidente da República pusesse fim à chibata e aos castigos físicos na Marinha, houvesse tratamento digno aos marinheiros, soldos justos e anistia aos revoltosos: “Nós marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podendo mais suportar a escravidão na Marinha Brasileira (...) que durante vinte anos de República ainda não foi bastante para tratar-nos como cidadãos fardados em defesa da pátria (...) que V. Excia. faça (...) reformar o Código Imoral e Vergonhoso que nos rege, a fim de que desapareça a chibata, o bolo e outros castigos semelhantes; aumentar o nosso soldo (...) Tem V. Excia o prazo de 12 horas para mandarnos a resposta satisfatória, sob pena de ver a Pátria aniquilada.” Antecedentes O Brasil foi o último do mundo a abolir a escravidão, mas isso não significou uma verdadeira libertação do povo negro. Excluídos do direito à propriedade pela “Lei das Terras” de 1850, excluídos do trabalho livre pela imigração européia e por políticas racistas que pregavam o “branqueamento” da população brasileira, despossuídos dos mais elementares direitos civis, os negros sobreviveram na periferia dos centros urbanos ou em áreas rurais marginais, em condições de subemprego crônico. Na Marinha Brasileira, a oficialidade, era toda ela branca, sem exceção, e provinha de fa-

mílias oligárquicas, até bem pouco escravocratas. Já os marujos, na imensa maioria, cerca de 90%, eram negros, mulatos ou mestiços recrutados à força entre as camadas mais pobres da sociedade, muitos retirados das prisões. Assim – apesar de terem decorrido décadas desde a abolição –, as relações entre os oficiais e os marinheiros continuavam reproduzindo as relações das senzalas e o uso da chibata para o castigo dos marinheiros era visto como algo normal. É essa realidade anacrônica que entra em choque, no início do século XX, com a modernização da Marinha. De fato, em 1906, em um ambicioso plano de modernização de sua Armada, o governo brasileiro encomendou da Inglaterra dois grandes encouraçados – o Minas Gerais e o São Paulo – três cruzadores, seis contratorpedeiros, seis torpedeiros, seis torpedeiros menores, três submarinos e um navio carvoeiro, tornando-se a terceira mais poderosa marinha de guerra do mundo. Para aprender o manejo desses modernos navios, centenas de marujos brasileiros – entre eles João Cândido Felisberto, já então marinheiro de 1ª classe – foram enviados em 1908 para os estaleiros de New Castle, na Inglaterra, onde passaram a conviver com marinheiros de todo o mundo e tiveram contato com as idéias avançadas da classe operária européia. Da mesma forma, tomaram conhecimento da revolta do encouraçado Potenkim – ocorrida em 1905, na frota do Mar Negro. Todas essas experiências inspiraram a sua decisão de lutar por condições dignas de vida e de trabalho na Marinha Brasileira. O próprio João Cândido confirmou, anos depois, que a preparação da Revolta da Chibata teve início na Inglaterra. A Revolta De volta ao Brasil, no início de 1910, João Cândido passou a articular a revolta junto com Francisco Dias Martins, o “Mão Negra”, tendo como principais reivindicações a abolição da chibata, a melhoria da alimentação e a elevação dos soldos. O país vivia os rescaldos da campanha presidencial que dividira o país entre os partidários do Marechal Hermes da Fonseca – o vencedor – e o civilista Rui Barbosa. Inicialmente, a revolta foi marcada para o dia 15 de novembro, mas um forte temporal nesse dia fez com a mesma fosse adiada para 24 ou 25 de novembro. Um acontecimento inesperado, porém, antecipou a deflagração do movimento. No dia 16 de novembro, o marinheiro Marcelino Rodrigues de Menezes – do encouraçado Minas Gerais – foi retalhado por

250 chibatadas, por haver ferido levemente, com uma navalha de barbear, o cabo Valdemar de Sousa que lhe denunciara por haver tentado introduzir duas garrafas de aguardente no navio. Com requintes de selvageria e perante toda a tripulação reunida para assistir o castigo, Marcelino foi açoitado até perder os sentidos. Reanimado à força, o castigo prosseguiu, até quase a morte. Dias depois, quando o Comandante José Carlos de Carvalho visitou o encouraçado Minas Gerais, para negociar o fim da revolta, afirmou: “as costas desse marinheiro assemelhavam-se a uma tainha lanhada para ser salgada”. Naquela noite, nos porões do encouraçado, os marinheiros juraram que isso teria fim e que Marcelino seria o último marinheiro chibatado. A revolta foi antecipada para a noite do dia 22 de novembro, quando fosse dado o toque de recolher. Como disse João Cândido, anos depois: “Naquela noite o clarim não pediria silêncio e sim combate!” E assim foi. Às 22h55min do dia 22 de novembro explodiu a insurreição a bordo do encouraçado Minas Gerais. O Comandante João Batista das Neves e dois oficiais que resistiram foram mortos, os demais aprisionados. Pouco depois, a guarnição do São Paulo também se sublevou e forçou os oficiais a abandonarem o navio. Não houve mortes. Mas, no cruzador Bahia, a luta também cobrou vítimas. Às 22h50, quando o Minas Gerais disparou um tiro de canhão para comunicar-se com os navios comprometidos com a rebelião, o São Paulo e o Bahia responderam. Pouco depois, o encouraçado Deodoro, mais antigo, também respondeu. A revolta havia sido vitoriosa. Os rebeldes dominavam os navios mais poderosos e controlavam a baía da Guanabara, na capital da República. As tripulações dos navios menores haviam sido transferidas para esses quatro navios – onde tremulava a bandeira vermelha – para fortalecer a sua capacidade de combate. As baterias de terra e os poucos navios fiéis ao governo permaneciam silenciosos diante do poderio esmagador da frota insurreta. O Rio de Janeiro estava à mercê dos rebeldes. A esquadra rebelada manobrava – dirigida por João Cândido e seus marinheiros – com grande habilidade, sem qualquer oficial a bordo. Surpreendido pelos acontecimentos, o Presidente Hermes da Fonseca retornou ao Palácio do Catete, tomando conhecimento da primeira mensagem dos rebeldes: “Não queremos a volta da chibata. Isso pedimos ao Presidente da República, ao Ministro da Marinha. Queremos

resposta já e já. Caso não tenhamos, bombardearemos cidade e navios que não se revoltarem.” Sem meios para resistir à revolta, Hermes da Fonseca não sabia o que fazer. O Senador Pinheiro Machado, homem forte do governo, enviou o deputado Federal pelo Rio Grande do Sul – Comandante retirado José Carlos de Carvalho – para parlamentar com os marujos. Ao voltar de sua missão, Carvalho prestou um depoimento ao Congresso que estarreceu a nação, mostrando o barbarismo com que os marinheiros eram tratados. Em suas proclamações, os revoltosos deixam claro o motivo central da luta: “Por isto, pedimos a V.Excia. abolir o castigo da chibata e os demais bárbaros castigos pelo direito de nossa liberdade, a fim de que a Marinha Brasileira seja uma Armada de cidadãos e não uma fazenda de escravos que só têm dos seus senhores o direito de serem chicoteados.” Nesse contexto, coube ao Senador Rui Barbosa apresentar um projeto de anistia aos insurretos, à qual se somariam o compromisso do fim do castigo da chibata e a melhoria das condições de trabalho na Marinha. A anistia traída e a vingança contra os revoltosos Ainda não havia secado a tinta com que havia sido assinada a anistia e já as oligarquias dominantes começaram a tramar a repressão aos anistiados. No mesmo dia 26, o Comandante do cruzador Bahia enviou correspondência indicando 10 nomes que deveriam ser expulsos da Marinha. No dia 27, os canhões dos navios foram desativados e as munições desembarcadas. No dia 28 o decreto nº 8.400 autorizou a expulsão da Marinha de qualquer marinheiro “cuja permanência se tornar inconveniente à disciplina”. Mas o pior ainda estava por vir. No dia 9 de dezembro, depois de ampla difusão do boato de que o exército invadiria os navios e as bases navais para massacrar os marinheiros, teve início uma revolta no Batalhão Naval da ilha das Cobras e no cruzador ligeiro Rio Grande do Sul, sem a participação de João Cândido e seus seguidores. Isolados, os revoltosos foram dizimados, apesar de hastearem a bandeira branca. Em seguida, o governo se valeu do acontecido para obter a aprovação do Estado de Sítio e deflagrar a repressão aos anistiados. Na noite de Natal, mais de uma centena de marinheiros foi jogada no cargueiro Satélite, do Lóide Brasileiro, com destino a Santo Antônio da Madeira e Linha Telegráfica, na Amazônia. No caminho, muitos foram fuzilados. Os demais, ao chegarem na Amazônia, foram sendo entregues, ao longo do rio, a seringueiros que necessitavam de mão-de-obra. A maioria acabou morrendo de doenças tropicais ou na semi-escravidão. Raul Carrion

Jornal Água Verde junho 2017  

Jornal de bairros da cidade de Curitiba, Brasil

Advertisement