Page 1

http://go.to/jornalaguasclaras

Com o verão se aproximando, as academias ficam cheias e os cuidados com o tempo quente devem ser redobrados. É o que recomenda os médicos, quando o assunto requer hidratação e avaliação física, antes de começar a malhação pesada. Página 10

EDIÇÃO 16 - SETEMBRO DE 2010 EDIÇÃO 10 - DEZEMBRO DE 2009

Uma das reivindicações dos moradores feita ao candidato Agnelo Queiroz, no dia 26 de julho, inclui a Revitalização do Parque de Águas Claras, construção do corpo de bombeiros e a construção de escolas publicas na parte vertical da cidade. Confira outros itens da pauta. Página 4


2

Águas Claras, setembro de 2010

EDITORIAL

Morre lentamente

Morre lentamente Quem não viaja, Quem não lê, Quem não ouve música, Quem não encontra graça em si mesmo. Morre lentamente Quem destrói seu amor próprio, Quem não se deixa ajudar. Morre lentamente Quem se transforma em escravo do hábito Repetindo todos os dias o mesmo trajeto, Quem não muda de marca,

Não se arrisca a vestir uma nova cor ou Não conversa com quem não conhece. Morre lentamente Quem evita uma paixão e seu redemoinho de emoções, Justamente as que resgatam o brilho dos Olhos e os corações aos tropeços. Morre lentamente Quem não vira a mesa quando está infeliz Com o seu trabalho, ou amor,

Quem não arrisca o certo pelo incerto Para ir atrás de um sonho, Quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, Fugir dos conselhos sensatos... Viva hoje. Arrisque hoje. Faça hoje. Não se deixe morrer lentamente. Não se esqueça de ser feliz. Martha Medeiros

EXPEDIENTE Jornalista Responsável: Alexandra Costa Maia Colaboradores: José Júlio de Oliveira Priscilla Peixoto Luciano Maia

Renato Mendes Apoio: Águas Claras Shopping ASMAC - Associação dos Moradores de Águas Claras Periodicidade: Mensal

Distribuição: Gratuita Fone: 3436-1425 E-mail: aguasclarasurgente@gmail.com Site: http://go.to/jornalaguasclaras

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores não refletindo, necessariamente, a opinião deste jornal.


3

Águas Claras, setembro de 20103

A pré-escola da música Por Priscilla Peixoto

F

oi-se o tempo em que aprender música somente era possível a partir de uma idade mais avançada. Hoje, existe a possibilidade de despertar nas crianças, das mais variadas idades, o desejo de se sensibilizar aos efeitos sonoros, que promovem respostas de índole musical. A Bsb Musical de Águas Claras, localizada no Shopping Maggiore, oferece esse serviço, que tem por objetivo primordial a educação pela música, que engloba vários aspectos de desenvolvimento humano. Desses aspectos, pode-se destacar o despertar artístico e expressivo, o sentido ético e estético, a consciência

da aptidão inventiva e inovadora, a busca do equilíbrio emocional e o reconhecimento dos valores afetivos. “O professor de musicalização infantil é muito importante, pois se fizer algo errado, pode comprometer a vida musical de determinada criança”, comenta o professor da Bsb Musical Águas Claras, Nicolas Amorim. Ele, que é professor de música há 5 anos, relata que aprende muito com as crianças e que o desenvolvimento de cada uma é perceptível a cada semestre de aprendizado. “É apaixonante dar aula para crianças, além de ser divertidíssimo”, declara Nicolas.

As aulas na Bsb Musical são ministradas para pelo menos dois alunos por turma, através de um modo diferente e divertido para captar a atenção das crianças. Todo o processo de dicção, afinação, percepção de ritmo e som, são trabalhados com diferencial nas aulas para que os alunos possam se divertir através da música. Além disso, a escola possui duas apresentações ou audições por ano, sendo uma a cada semestre, em que os alunos montam suas aparições e exploram os seus lados artísticos. O professor Nicolas destaca que os pais ficam super satisfeitos, relatando que as crianças ficaram mais

calmas e concentradas e, o melhor de tudo, felizes. “O objetivo não é o de que a criança saia tocando, mas que ela se sinta feliz”, finaliza Nicolas. Além da musicalização infantil, a Bsb Musical oferece mais de outros dez cursos em que se explora a teoria e a prática musical de forma diversificada e diferenciada. Existente há mais de 23 anos, ela tem se consolidado no âmbito musical, possuindo diversos alunos em suas dez unidades. Para saber mais acesse: www.bsbmusical.com.br ou ligue (61)3435-0609 / (61)3435-0401 – Unidade Águas Claras.


4

Águas Claras, setembro de 2010

Pauta de reivindicações da Comunidade de Águas Claras Na noite do dia 26 de julho, a Diretoria da Asmac, na pessoa de seu Diretor-Geral, José Júlio de Oliveira, entregou formalmente ao candidato ao governo do DF, Agnelo Queiroz, a pauta de reinvidicações dos moradores da cidade. Mais de 200 pessoas estiveram presentes ao evento, que contou com a participação do candidato a Vice-Governador, Tadeu Felipelli, do candidato ao Senado, Cristóvão Buarque, além de outros candidatos aos cargos de Deputado Federal, como Geraldo Magela, Erika Kokai, João Maria e Wanderlei, e de Deputado Distrital, como Chico Leite, Prof. Nelson, dentre outros. Em sua fala, José Júlio destacou: "Pode soar estranho constar em nossa pauta de reivindicações a colocação de meio-fios, mas até isso nos falta! Águas Claras foi por muito tempo esquecida pelo Poder Público e hoje precisa muito que seu projeto original seja concluído. Não se admite mais dizer que Águas Claras é uma cidade em construção. Somos mais de 100 mil cidadãos!". Agnelo Queiroz reiterou o compromisso com a busca da qualidade de vida, como forma de resgatar a dignidade de todos que aqui moram e recebeu com entusiasmo a proposta de au-

mentar a área do Parque Ecológico de Águas Claras, reduto de todos aqueles que presam pelo meio-ambiente. Pauta de reivindicações da Comunidade de Águas Claras I - Política: 1. Legitimação das Administrações Regionais como canal de comunicação entre a população e o GDF. 2. Implantação do orçamento participativo. 3. Concessão de maior autonomia administrativa e financeira às Administrações Regionais. 4. Atribuição de poder de fiscalização às Administrações Regionais. II - Infraestrutura e Urbanização: 1. Construção dos viadutos sobre a linha do metrô: nas ruas Manacá, Ipê Amarelo, Alecrim, 36 e 37, conforme previsto no projeto original da cidade. 2. Conclusão da implantação da rede de iluminação pública, com fiação subterrânea e a substituição dos postes de concreto por outros de alumínio. 3. Aumento da capacidade do sistema de saneamento e esgotos.

4. Conclusão do sistema coletor de V. Meio ambiente águas pluviais, principalmente na região da Estação Águas Claras do me- 1. Ampliação da área do Parque Ecológico Águas Claras, na forma proposta trô, Boulevares e da Av. Flamboyant. já entregue para o Executivo do DF. III - Trânsito: 2. Implantação do Parque Central, na forma prevista no projeto original. 1. Implantação de programas de edu- 3. Implantação da coleta seletiva de lixo. cação para o trânsito. 2. Promoção de ajustes ao sistema de 4. Plantio contínuo de grama, flores e trânsito. árvores. 3. Melhora da sinalização vertical e ho- 5. Revitalização do Parque de Águas rizontal. Claras (plantio de árvores, construção 4. Maior fiscalização pelo DETRAN e de jardins, canalização de águas plupunição aos infratores. viais, construção de novos banheiros, 5. Manutenção contínua das faixas de construção de quadras poliesportivas, pedestres (sinalização e iluminação). ampliação da quantidade de cestos de lixo, placas educativas, etc.). 6. Construção de ciclovias. 6. Campanha de combate aos mosquiIV. Serviços Públicos: tos: remoção de entulhos, água parada, dedetização... 1. Instalação de Delegacia de Polícia na 7. Punir as construtoras pelo não acondicionamento/recolhimento área vertical. 2. Instalação de Centros de Saúde na correto de entulhos. 8. Fiscalizar e exigir dos proprietáárea vertical. 3. Construção de escolas públicas de rios a limpeza dos lotes vazios e o educação infantil, ensino fundamental fechamento de escavações de obras e médio na área vertical. não iniciadas. 4. Instalação de quartel do Corpo de Bombeiros na área vertical, com capa- Fonte: Associação de Moradores de cidade para atender aos prédios mais Águas Claras www.asmac.org.br altos da cidade.


5

Águas Claras, setembro de 2010

Salvador, o inovador da sua beleza

Salvador Oliveira começou a cortar cabelo em São Paulo, depois foi para Bahia e há nove anos está em Águas Claras, onde já possui dois salões de beleza, um no Centro Comercial Onix e outro no Green Park Center. Os dois levam seu nome: “Salvador Coiffeur”. Com o apoio dos três filhos, em especial do filho Anderson e da esposa Sônia, ele consegue administrar os dois estabelecimentos e pretende ampliar os espaços de massagem e estética. Com muita garra e determinação, chegou à Águas Claras quando a cidade ainda não tinha quase nada. “Eram três salões de beleza, contando com o meu”, diz ele. O Salvador Coiffeur passou a ser conhecido como o salão da família, como explica Lurdes Vianna, aposentada que corta o seu cabelo há nove anos com o profissional: “Ganhei um casal de amigos, acrescenta.” Beatriz Beltrame, de 31 anos, chegou insatisfeita com um corte que havia feito em outro salão, mas encontrou no profissional, a segurança e o talento para que tudo terminasse bem. “Adorei o corte. Estava sentindo meu cabelo pesado. Agora deu uma renovada. Gostei muito”, diz Beatriz. Especializado em corte e química, o veterano no assunto também faz

penteado, maquiagem e trabalha com uma equipe de profissionais qualificada que utilizam no salão as melhores marcas do mercado, tais como: Alfaparf, L’oreal, Redken e Matrix. De acordo com Salvador, seu diferencial é o aprimoramento constante da equipe e sua especialização em corte e química capilar. Além disso, sempre participa de congressos de cabeleireiros em outros estados. O Salvador Coiffeur também oferece Spa dos pés que é um profundo relaxamento através de massagens e hidratações. Na depilação a cera negra é muito utilizada no salão pela design de sobrancelhas Cheila Rabelo. Confira os demais serviços oferecidos através do site www.salvadorcabeleireiros.com. br ou ligue nos telefones abaixo:

Salvador Coiffeur

Av. castanheiras Rua 21 norte Ed. Green Park Lj. 27

Fone: 3435-4806

Av. Castanheiras Ed. Onix - Bl. B Lj. 04

Fone 3435-2793


6

Faz parte da educação conhecer as fases de desenvolvimento da criança.

Águas Claras, setembro de 2010

Meu filho tem amigos imaginários

Por Elaine Ribeiro

C

omo parte do desenvolvimento do comportamento infantil, temos presente, a partir do segundo ano de vida, o mundo do “faz de conta” de forma paralela ao mundo real, o qual se apresenta cheio de vivências fantasiosas, as chamadas fantasias infantis. Esta fase de vida da criança se estende até os 6 anos dela aproximadamente. Nessa fase, geralmente, os pais notam que os filhos criam os amigos invisíveis, com os quais brincam, conversam e até guardam doces ou comidas. Num primeiro momento parece algo “fora do normal”, mas, para lidar com o mundo real que ainda é muito difícil de ser aceito e também assimilado, a criança passa a criar seu próprio mundo, o qual lhe permite viver e encontrar solução para tudo e onde tudo é possível. A criança faz seus pensamentos mágicos e suas projeções, vivenciando suas fantasias e suas conversas secretas, aprendendo a lidar com um mundo subjetivo, ou seja, começa a perceber aspectos ligados à abstração, como por exemplo, que cabeça-dura não é apenas uma cabeça dura como pedra, e sim, uma expressão que significa alguém teimoso. É o que aparece nesse mundo do faz de conta; nele a criança “conviverá” com os mitos, os super-heróis, as lendas, tendo sentimentos de medo, de choro, de risadas súbitas, cujo objetivo é ajudá-la no desenvolvimento. É importante lembrar aos pais que, como toda fase de desenvolvimento, esta também vai passar, ou seja, por volta dos 6 ou 7 anos de idade; quando as funções de memória, lógica e inteligência já estão com um desenvolvimento mais avançado, tais fanta-

sias tendem a passar. A partir dessa época, a criança passa a vivenciar sensações de angústia e ansiedade, as quais, muitas vezes, são mais intensas do que podemos imaginar e nem sempre estão ligadas a experiências anteriores, mas sim, ligadas ao próprio desenvolvimento infantil. Você se lembra quando foi para a escola pela primeira vez? Para alguns indivíduos esse evento foi muito desejado e esperado? Já para algumas crianças, ir para escola foi extremamente triste e difícil por terem dificuldade de conviver com outras pessoas que não o pai e a mãe. Ao expressar seus medos (escuro, novas situações, da chuva, do vento forte ou de qualquer situação desconhecida) a criança mostra toda a fragilidade daquilo que não consegue do-

minar ou perceber a fonte. Portanto, cria seu próprio universo, seu mundo de fantasia, no desejo de resolver seus medos, trabalhar suas angústias e seus desejos, dando vida aos brinquedos, dando vozes aos seus bonecos. Por volta dos três anos de idade, ela inventa um companheiro imaginário para conversar e brincar. Geralmente este personagem é bom, prestativo e é dirigido e comandado por ela, o que lhe dá uma sensação de controle e poder. Se você perceber bem, quantas vezes já pegou sua filha dando bronca nas bonecas assim como você faz como ela? E seu filho, reproduzindo cenas de violência que vê na TV ou mesmo em casa, com seus soldadinhos fortes e poderosos? Fique alerta para o cuidado com

janelas ou objetos que possam gerar algum perigo para os filhos. Lembro-me de uma amiga cujo filho, vestido de homem-aranha, subiu na janela do apartamento para tentar saltar, pois ele tinha “poderes mágicos” de escalar paredes e ele não cairia. Ufa! Que susto! Nesses momentos vividos pela criança, faz-se necessário o redobrar de cuidados, principalmente com janelas ou objetos que ofereçam perigo, pois ela pode se sentir tentada a imitar o modo de atuar de seus personagens. Fonte: Elaine Ribeiro, colaboradora da Comunidade Canção Nova, formada em Psicologia Clínica e Pós-Graduada em Gestão de Pessoas. Site: http://temasempsicologia.wordpress.com


7

Águas Claras, setembro de 2010

Moda

Aquarius Moda Av. Castanheiras/ Rua 20/21 Norte - Ed. Green Park - Loja 03- Águas Claras - Fone: 3042-5225/8106-4953

Loja aquarius conquista clientes com visual moderno e diversificado Neide Magalhães (foto à esquerda) fala da sua coleção e do que a mulher de Águas Claras procura quando o assunto é moda. Jornal Águas Claras: Há quanto tempo trabalha com moda feminina? Neide Magalhães: Trabalho com moda feminina há exatos 10 anos. Comecei vendendo em casa mesmo.

JAG: ������������� Qual é o perfil ��������� da mulher que procura a loja? NM: Mulheres solteiras e jovens, muheres casadas, e jovens senhoras, pois o mix que tenho de peças atinge cada público desses sem deixá-lo de fora da moda com produções variadas e diferenciadas. JAG: ���������������������������� O que as mulheres estão buscando no mercado da moda?

JAG: Qual é o diferencialda loja? NM: O diferencial da loja são peças sem exageros, fashion, porém, com qualidade que compõem um visual ousado e ao e mesmo tempo confortável.

NM: As clientes da Aquarius Moda, e em geral, estão buscando looks arrojados, como é o caso da nossa cliente VIP Luciana Guimarães (foto à direita) que está sempre em busca de um visual moderno, sem perder o conforto e a elegância, misturando tudo isso com qualidade, mas apenas intensificando um visual mais natural e satisfatório.

JAG: ����������������� Quais são as marcas oferecidas na loja? NM: As marcas oferecidas na Aquarius Moda são: Lança Perfume, La Rossi, Lemon Cola, Chocoleite, Pistis, Disparate, Cabocla, Talento By And By,  e muito mais.

JAG: ������������ Como se comportam as mulheres de Águas Claras quando o assunto é roupa? NM: As mulheres de Águas Claras são bastante exigentes. Aqui, elas priorizam marcas de maior renome com qualidade e ousadia.

Conheça os picolés do cerrado na nutri & Cia Abacate Amendoim Abacaxi Abacaxi ao leite Açaí Brigadeiro Buriti

Banana Coco branco Coco queimado Coco com ameixa Chocolate branco Castanha de caju Cajá

Cajuzinho do cerrado Graviola Groselha Goiaba Jaca Jabuticaba

Kiwi Leite condensado Limão Limão suíço Morango Murici Mangaba

Maracujá Melancia Milho verde Mamão Manga Pequi Pé de moleque

Romeu e julieta Tapioca Tamarindo Taperebá Uva Umbu

Av. Castanheiras, Rua 20 Norte, Loja 31 - Green Parque - Águas Claras - Fone: 3046- 2236 / 3046-2230


8

Águas Claras, setembro de 2010

Turismo

Cruzeiros Marítimos

D

esde as duas últimas décadas que o TURISMO vem se firmando como segmento importante para a economia nacional. Além da realização pessoal na concretização de sonhos acalentados e do prazer inerente à satisfação de viajar e conhecer novos lugares, o TURISMO propicia o desenvolvimento econômico em uma cadeia produtiva invejável. Esta cadeia beneficia tanto quem viaja, como quem presta serviços ao turista, desde o “maleteiro” até as grandes redes de hotéis e companhias aéreas. No entanto, para quem vai viajar, é importante selecionar a viagem atendendo a algum dos temas a seguir,

ou seja: turismo de Sol e Praia, turismo Cultural, Ecoturismo, turismo de Aventura, turismo Rural, turismo Náutico, turismo de Saúde, turismo para Pesca, turismo Social, turismo de Estudos e Intercâmbio e turismo de Negócios e Eventos. Esta classificação temática pode até ser alterada à conveniência dos organismos que prestam serviços nesta importante cadeia produtiva da economia, no entanto, elas conferem especificidades interessantes e necessárias na hora de se decidir para ONDE ir ou O QUE fazer numa viagem. A experiência de quem já participou de algum Cruzeiro Marítimo de curta ou de longa duração nacional ou

internacional resume-se numa frase proferida por muitos turistas: “Quem faz um Cruzeiro Marítimo SEMPRE fará o segundo e um terceiro”. Os Cruzeiros Temáticos conseguem reunir participantes das mais diversas regiões e dos mais variados interesses, e o serviço prestado ao turista é sempre de excelente qualidade. Na verdade, muitos se decidem por fazer Cruzeiros Marítimos diante das seguintes razões: proximidade dos atrativos, que sempre acontecem a bordo do navio; atividades de lazer e de recreação obedecendo a uma programação estabelecida e conduzida por profissionais especializados; qualidade do

atendimento e dos serviços prestados a bordo; possibilidade real de descanso sem sobressaltos; atividades esportivas à vontade com acompanhamento profissional; indicação de amigos, Network, Relationship e preços competitivos. A Via Brasília coloca-se à sua disposição na Consultoria em Turismo para todos os segmentos, inclusive para Cruzeiros Marítimos Nacionais e Internacionais. Acesse o nosso site www.viabrasilia.tur.br ou entre em contato direto conosco nos telefones (61)3202-2592 ou (61) 3202-2692. VIA BRASILIA Oniel e Cláuzia Neila


Águas Claras, Agosto de 2010

Coluna Iolb dental

Dicas para um sorriso perfeito

9

Iolb Dental

Av. Castanheiras, 820 - sala 303 - Big Center Fone: 3435-3050

Odontologia desportiva: unindo o esporte com seu sorriso Por Dra. Luciana A. C. Botelho e Dra. Michelle P. Sena

A

atividade física ganha a cada dia mais importância no nosso cotidiano. A busca por um corpo bonito e saudável preenche parques, ruas e academias com atletas amadores e profissionais. Seja na busca de uma melhora no desempenho esportivo, para manter a saúde ou simplesmente para se divertir. O esporte é uma atividade constante na vida da nossa população. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados para que a atividade física traga o máximo de benefício sem riscos de lesões ou comprometimento do desempenho. E não podemos esquecer a importância da saúde bucal na manutenção de um organismo saudável como um todo. A Odontologia Desportiva é a parte da odontologia ligada à Educação Física que lida com os cuidados bucais de atletas amadores e profissionais. Estudos comprovam que uma boa manutenção da saúde bucal influi de forma importante no desempenho das atividades esportivas. Para alcançar o máximo de seu rendimento físico, desportistas, atletas amadores e público em geral necessitam de um tratamento dentário diferenciado. Segundo dados divulgados pela National Youth Sports Foundation, cerca de cinco milhões de dentes são perdidos por ano em atividades esportivas. As modalidades de maior risco são as de contato ou de impacto. O rendimento esportivo pode diminuir devido a vários fatores, entre eles: Má oclusão - o que gera problemas de mastigação, podendo prejudi-

car a absorção dos nutrientes, assim como pode provocar desequilíbrios musculares e problemas na articulação têmporo-mandibular; Dor e desconforto - que são suficientes para prejudicar o desempenho e a concentração. Uma simples dor de dente pode fazer a diferença em um prova decisiva; Foco infeccioso na boca - o que representa o comprometimento da saúde dos dentes (um canal aberto significa 17% de queda no condicionamento segundo o NYSF) e/ou no periodonto (gengiva e tecidos de sustentação) e de outros órgãos do corpo, espalhandose através da corrente sanguínea, provocando risco para o coração, lesões nas articulações e dificuldade de recuperação em lesões musculares; Respiração bucal - o que representa um atleta que pode ter um rendimento físico 21% menor se comparado com um que respira pelo nariz segundo a mesma fonte; Hábitos viciosos (roer unhas, ranger dentes) - abrasão e desequilíbrio. É papel do cirurgião-dentista prevenir que o paciente desenvolva essas condições, ou em casos que a condição já esteja instalada, prover os meios de tratá-las. Diversos serviços são oferecidos com o objetivo de devolver ao paciente saúde, função e estética. Os tratamentos abrangem pacientes de todas as faixas etárias, desde crianças até integrantes da melhor idade. Vale salientar a atenção integral que se deve conferir a esses pacientes, promovendo uma atenção a todas as

estruturas orofaciais, como a Articulação Temporomandibular e músculos mastigatórios, e não somente as estruturas dentárias. Outra interface muito importante no que tange a temática Odontologia e esporte é a prevenção de traumas durante a realização de atividades esportivas de maior contato físico. A utilização de protetores bucais personalizados é imprescindível para proteger o sorriso. Estes dispositivos devem cobrir os dentes, protegendo-os contra traumatismos, cortes e outros danos na

boca durante a prática das mais variadas modalidades de esportes. Batidas, boladas e socos, por exemplo, podem fraturar dentes, desde pequenos pedaços até pedaços maiores, levando a extração dos mesmos. Muitas vezes o trauma pode não quebrar nenhuma estrutura, mas ele afeta a polpa do dente, que passa a sofrer de um processo degenerativo, indolor, que vai destruindo o dente internamente, e muitas vezes só é descoberto tarde demais, resultando em tratamento de canal e até mesmo extração.


10

Águas Claras, setembro de 2010

Malhar em dias quentes requer cuidados

Q

uem não deseja mostrar um corpo em forma no verão? Para alcançar tal exito, muitos recorrem as academias ou começam uma dura rotina de exercícios assim que veem o sol brilhar. Até aí nada demais, desde que essa mudança não venha acompanhada de exageros ou falta de cuidados, principalmente nos dias quentes. Abaixo, leia as recomendações do fisiologista do exercício da Unifesp (Universidade Federal Paulista), Paulo Roberto Correia, e do ortopedista Alexandre Podgaeti, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Coluna, para se exercitar sim, mas com saúde. Segundo Correia, o primeiro erro é achar que é mais fácil treinar no verão do que no inverno, por exemplo. - Normalmente no verão acontecem mais casos de desidratação e insolação, porque muita gente acha que é mais fácil treinar no verão. Mas isso é uma meia verdade. O calor pode até fazer com que a pessoa sedentária tenha mais vontade de fazer exercícios, porque você precisa de um aquecimento para começar. Mas, para quem já é esportista ou pratica, a história é

diferente, porque o calor leva a pessoa a uma fadiga precoce. O calor é prejudicial no desempenho principalmente nas atividades aeróbias, como prova de corrida de rua, maratona ou tênis. Aumento da temperatura prejudica desempenho Práticas esportivas em lugares fechados também podem ser um perigo em dias quentes, principalmente se o local não tiver boa refrigeração. Além de poder causar desidratação dos atletas, provavelmente o desempenho será ruim, segundo o fisiologista. O mesmo vale para as academias. Todas devem ter um sistema de ar-condicionado com uma temperatura agradável. - O aumento da temperatura prejudica o desempenho fisiológico. Quando você esquenta demais o corpo, você para de desempenhar bem o papel muscular. Quando você tem um aquecimento muito grande do corpo ele perde desempenho, diz Correia. Para fazer exercícios ao ar livre, é indicado se alimentar e hidratar pelo menos meia hora antes de treinar e beber bastante líquido antes, durante e depois do exercício. Para quem se exercita na praia, Correia dá outras orientações

como escolher roupas e acessórios de cores claras. A temperatura média ideal para se exercitar é entre 18 e 19ºC. - Se escolher roupa e boné escuro, por exemplo, não vai render nada. O sol, neste caso, traz benefícios à atividade física desde que respeite os horários de exposição solar quando a radiação solar é mais forte, no começo ou fim do dia. Porque você absorve o sol lateral, ou seja, tem mais atmosfera filtrando os raios solares. Avaliação médica específica evita problemas futuros Para quem pretende começar a se exercitar, o primeiro passo é fazer uma avaliação física, que as academias costumam solicitar. Mas, segundo o ortopedista Alexandre Podgaeti, a maior parte desta avaliações nem sempre aponta outros problemas de saúde que podem influenciar os treinos. - Normalmente as academias pedem a avaliação clínica, cardiológica e os testes de esforço, mas não pedem nada ao ortopedista. Quem tem problema de joelho ou de coluna vai começar a academia sem saber que precisa ser avaliada de outra maneira. Nestes casos específicos, Podga-

eti sugere fazer uma avaliação ortopédica antes de começar a rotina de exercícios, principalmente entre as pessoas que se queixam de dores. Exercícios como step, por exemplo, podem causar uma tendinite no joelho se feitos de forma errada em longo prazo. - Quem tem problema de joelho ou coluna, dependendo da faixa etária, pode ter restrições quanto ao tipo de exercício para não piorar sua situação. Mas isso não quer dizer que ela não pode se exercitar. Ela tem que saber que sofre do problema para fazer os exercícios mais adequados. Quem sofre ainda de problemas na região lombar como lordose, hiperlordose ou escoliose também pode evitar certos exercícios na academia. Abdominais, nestes casos, só com a perna flexionada para nunca fazer o movimento completo, sugere. - Abdominais servem para fortalecer e equilibrar a musculatura anterior e posterior da coluna, por isso podem ser feitos na prancha ou no colchonete, mas deve-se evitar os aparelhos de abdominal e a bola, principalmente para quem tem dor lombar. Fonte: Camila Neumam, do R7


11Águas Claras, setembro de 2010

11

Desânimo, depressão, pele seca e outros sintomas podem indicar problemas na tireoide

D

epressão, falta de concentração, pele seca, inchaço, ganho de peso, unha quebradiça são sintomas de diversas doenças. Porém, quando aparecem juntos, podem indicar problemas na tireoide, glândula localizada no pescoço, logo abaixo da saliência conhecida como pomo de adão ou do chamado "gogó". A tireoide produz dois hormônios, conhecidos como T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que são responsáveis pelo metabolismo do corpo, ou seja, regulam a forma como o organismo armazena e gasta energia. Uma das disfunções mais comuns da tireoide é o hipotireoidismo, que ocorre quando a tireoide fabrica os hormônios em quantidade insufi-

ciente e acaba deixando as funções do corpo mais lentas. Um dos maiores estudos realizados no Brasil pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, publicado em 2007, na revista Clinical Endocrinology, concluiu que 12,3% das mulheres brasileiras acima de 35 anos apresentam hipotireoidismo. Outro dado preocupante é o número de mulheres com hipotireoidismo não diagnosticadas - estimado em cerca de 5 milhões, de acordo com o IBGE. De olho em nódulos tireoidiano, durante a Semana Internacional da Tireoide, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Rio, participou de uma ação na Central do Brasil e verificou que metade dos pacientes avaliados já apresentava problemas re-

lativos à tireoide. Essas pessoas tinham o diagnóstico, mas estavam desinformadas em relação às causas, tratamentos e conseqüências. - Imaginávamos que daríamos à população apenas esclarecimentos, mas percebemos que a grande maioria delas já veio com um diagnóstico de problemas na tireoide e procuraram atendimento. Isso mostra que estão faltando endocrinologistas da rede pública e que o atendimento não está sendo adequado - afirmou a presidente da SBEM Rio, Vivian Ellinger. Segundo a Federação Internacional de Tireoide, os problemas na glândula são oito vezes mais comuns em

mulheres do que homens. De acordo com a presidente regional da SBEM, Vivian Ellinger, os problemas ligados à tireoide, geralmente, são de origem familiar. Portanto, não existe uma forma de evitar os transtornos causados pelo desequilíbrio no funcionamento dessa glândula. Por esse motivo, alerta a especialista, é preciso estar atento para os sintomas e fazer um diagnóstico correto e precoce dos distúrbios, a fim de evitar complicações. No site Mulher Sem Falta (www. mulhersemfalta.com.br), criado pela Sanofi-Aventis, é possível conhecer mais sobre os sintomas do hipotireoidismo e a importância do diagnóstico precoce.


12

Águas Claras, setembro de 2010

Padre Fábio de Melo Compositor, escritor e cantor Apresenta o programa Direção Espiritual na TV Canção Nova www.fabiodemelo.com.br

Alquimia da dor

É

tão fácil a gente cair na religião do mito – Jesus já nos alertava o tempo todo para o culto dos ídolos – e a idolatria é um dos principais problemas religiosos no mundo. Esse é um risco que todos nós corremos, quando a nossa admiração por alguém, ou por uma pessoa se torna essencial, colocada acima, em termos de importância do que aquele que a pessoa anuncia. Decepcione-se comigo, mas que a sua decepção comigo não seja uma decepção por Aquele a quem eu anuncio. Decepcionar com o humano, porque é frágil, tem sono, fica mal-humorado, tudo bem, mas não confunda a minha pessoa com Aquele a quem eu anuncio. Temos que viver uma religião que seja capaz de mexer com as estruturas da nossa consciência, a ponto de nos fazer acordar para tudo aquilo para o qual nós dormíamos e que não sabíamos que existia dentro de nós.Já estávamos inconscientes e acostumados com o nosso jeito ciumento de amar, jeito ciumento de possuir as pessoas, achando que isso era amor; eu já era desonesto nas pequenas coisas e

já estava acostumado. Até que um dia uma palavra profética varou as estruturas da minha vida e me incomodou. Uma palavra profética tem o poder de fazer algo, de acordar os surdos e aqueles que estão dormindo e que já não escutam mais nada, num sono letárgico, ou até mesmo num cumprimento de rituais inférteis que já não servem de nada para a nossa salvação. É disso que Jesus fala: “Não venha me dizer o que você fazia antes, não me importa o que você fazia. Importame o que você era. O que faz diferença para mim é o quanto a minha Palavra conseguiu transformar o seu coração a ponto de transformá-lo numa pessoa melhor”. De você olhar para trás e dizer: “Antes eu era assim, e pela força do Evangelho eu mudei” – todas as manifestações religiosas que você pode ter e viver. Você percebe que a sua vida não é mais a mesma, porque você mudou o seu jeito de pensar, modificou o seu jeito de ser. A religião que Jesus quer de nós é esta: que você fixe os olhos no céu, que você busque o céu. Quer saber o que vai lhe causar dor? Descubra

o processo de saber como educar. Nós somos capazes de seguir uma regra a partir do momento em que a conhecemos. O Deus que nós anunciamos não é uma ameaça. Se cada um de nós hoje tivesse a oportunidade de contar o que passamos, de escrever a nossa história, tudo o que tivemos de suor, sofrimento e sangue, não teria editora suficiente para tantos livros. Alegria é plantada na dor. Descubra as cicatrizes da sua alma, e saberemos o quanto você é feliz a partir delas. Nesse calvário, você tem duas opções: ou esquece o peso da cruz ou olha que tem um Cirineu do seu lado. Religião que só nos mostra a cruz é uma religião infértil, porque eu não sou filho do calvário, eu sou filho do Ressuscitado - e quem eu anúncio sempre é o Ressuscitado. Você não pode ficar parado no "calvário da sua vida" - todos nós passamos todos os dias por ele. Humanidade é isso, é trazer a luz do Ressuscitado para nós e ver que há muito para ser limpo em nós. O anúncio do Evangelho é para nós aprendermos que não temos que ficar com as nossas poeiras, e impurezas. Você acha que a gente vai ser santo sem sacrifício? Quando eu acendo uma vela com fé, eu acendo a fé dentro de mim também. A gente tem que fazer o sacrifício sim. Quando eu deixar de comer algo é para eu ser melhor.

Se a nossa religião não colocar um pouco de sorriso em nós não vai adiantar de nada. Eu sei das minhas lutas, mas estou satisfeito, porque eu não me prendo àquilo que eu não posso, mas sim àquele que me anima. A dor sinaliza que alguma coisa precisa ser cuidada. Nós queremos a ressurreição, mas não queremos o calvário. A dor é o preparo. A semente passa por todo um processo de crescimento, mas ela sabe que se não deixar de ser o que é, não atingirá seu objetivo. Não desista, está apertado, está achando que está difícil, mas a dor faz parte do processo. A sua dor não pode ser em vão. O que você faz com a sua dor? Faz um quadro? Faz música? A genialidade está em transformar a lata velha em ouro. Ou a dor me destrói, ou eu a transformo em processo de ressurreição. "Me bateu uma tragédia terrível!" Mas eu não paro. Vou buscar força, eu não posso mudar os fatos, mas posso mudar o jeito de ver através dos fatos. Na nossa vida espiritual é assim. Às vezes, a gente quer chegar sem ir. Não se chega a lugar nenhum sem dar o primeiro passo. Nossa vida é um desafio diário e não tem tréguas. É um "lapidar" constante, tirando tudo o que é excesso em nós. Não tem jeito de amar sem sofrer. Quem ama está o tempo todo querendo cuidar. Se eu não tivesse sofrido do jeito que eu sofri, se eu não tivesse amado do jeito que eu amei, eu não teria nada para contar a vocês.


Águas Claras, setembro de 2010

Chapada dos veadeiros sofre ameaça ambiental Gustavo Vieira O desafio de conservar/ para o site “o eco” www.oeco.com.br

O

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros a cerca de 250 kilômetros de Brasília foi estabelecido como patrimônio em 2001. É um bom exemplo das ameaças às quais os bens naturais estão sujeitos. A IUCN levou no dia 24 de julho um grupo de jornalistas à área protegida para discutir os desafios que ela enfrenta. O Cerrado da região norte do estado de Goiás inclui a nascente de muitos rios importantes para o país. Tocantins e Araguaia são os mais conhecidos. A lavoura de soja e a pecuária para exportação têm ocupado cada vez mais espaço na região que antes mantinha sua renda com a mineração de cristais e pedras preciosas de baixo refino. Sem indústrias próximas para agregar valor ao produto extraído, a atividade foi perdendo força para agropecuária e hoje só restam vestígios da mineração em lojas turísticas de cristais baratos e áreas de garimpo nas trilhas.

13


5

14

Águas Claras, setembro de 2010

A vida se faz nas marcas

V

ivemos numa época que não quer ser marcada. A maioria de nós tenta escapar das rugas, estas cicatrizes do rosto, de todas as formas – algumas delas bem violentas. Os sinais da idade, da vida vivida, são interpretados como algo alienígena, estranho a nós. Estão ali, mas não deveriam estar. É quase uma traição. Urge então apagá-las. É tamanho o nosso medo da velhice e da morte, que as marcas da vida vivida são decodificadas como feias, quase repugnantes. Tanto que estamos diante de uma novidade – as primeiras gerações de seres humanos envelhecendo e morrendo com os sinais não da idade, mas das cirurgias plásticas. Sim, porque estas também são cicatrizes. Não há jeito de morrer sem marcas porque não há como viver sem ser marcado pela vida. Mesmo os bebês, que por alguma razão morrem ao nascer, já trazem no corpo a marca fundadora – o corte do cordão umbilical que lhes arrancou de dentro da mãe. O

umbigo é nossa primeira cicatriz, aquela que nos unifica. Se a tecnologia conseguir inventar um ser humano sem marcas é porque desinventou o ser humano. Podemos talvez um dia apagar todas as marcas visíveis, tatuadas no corpo. Mas nunca haverá uma cirurgia capaz de eliminar as marcas da alma. E esta é também uma tentativa que temos empreendido com muito empenho. Por um excesso de psicologês, uma leitura transtornada do pensamento de Freud, passamos a achar que tudo é terrivelmente traumático. Qualquer contrariedade ou vivência não programada supostamente estigmatizaria nossos filhos e aniquilaria seu futuro. Qualquer derrapada no script de nossos dias nos assinala como catástrofe. Parece que viver se tornou uma experiência por demais traumática para quase todos – e, se assim é, a única solução seria não viver. Mas a questão não é o trauma – e sim o que cada um faz com ele. Em anos contando histórias de

Luciano Maia é publicitário, reverendo metodista e escreve no blog: http://reverendomaia.blogspot.com luciano@notoriall.com.br

pessoas – e também minha própria história –, percebo que as pessoas morrem e renascem muitas vezes numa vida só. Cada existência é uma sucessão de pequenas mortes e renascimentos desde este primeiro corte que nos separa de nossas mães e dá início à nossa existência como indivíduo. Fico só imaginando nesta época onde tudo vira trauma insuperável, o que aconteceria se as pessoas pudessem se lembrar dessa expulsão do paraíso uterino. Haveria uma legião de homens e mulheres incapazes de lidar com acontecimento tão terrível. Sem perceber que é só por ele, afinal, que começamos a viver. Até então, somos todos apenas uma continuidade, um apêndice, do corpo materno. É verdade que, compreendendo o trauma como algo que nos marca, que nos mata simbolicamente para que possamos renascer de outro jeito, nossa vida é cheia deles. O que questiono aqui é a crença de que não deveria ser assim, a ilusão de que é possível – e o pior, que é desejável – ter uma vida sem marcas no corpo e na alma. É claro que alguns acontecimentos são devastadores – e lutamos para que não voltem a se repetir com ninguém. Mas, mesmo nestes casos, me parece que a vida só é possível não apagando o que é inapagável, mas fazendo algo novo com esta marca. Transformando-a em algo que possa viver. Recentemente, causou grande polêmica o vídeo, onde Adolek Kohn, de 89 anos, “sobrevivente” do holo-

causto judeu, dança com sua filha e netos a música “I will survive” (“Eu sobreviverei”), de Gloria Gaynor, em campos de concentração como o de Auschwitz. Quem não tiver assistido, pode encontrá-lo facilmente na internet. Muita gente achou desrespeitoso com o sofrimento das vítimas do holocausto. A mim pareceu emocionante. Concordo com a filha, a artista australiana Jane Korman, quando diz: “Esta dança é um tributo à tenacidade do espírito humano e uma celebração da vida”. Poder dançar no palco em que quase foi assassinado – e onde milhões de pessoas foram exterminadas – é fazer algo vivo em vez de fazer algo mórbido. Especialmente poder dançar com a continuidade de você – na companhia de todos aqueles que quase não existiram, uma descendência inteira quase aniquilada pela morte de um. Afinal, ele dança sobre suas antigas e brutais lembranças amparado por uma nova memória, representada pelos seus descendentes, por aqueles que vão recordá-lo e produzir outras histórias e sentidos para a trama das gerações. É mais do que uma magistral vingança – é uma dança. Isso não significa que este (sobre)vivente tenha lidado melhor com seu trauma que todos os outros. Cada um encontra seu caminho – e a maioria dos caminhos não aparece no You Tube. Mas acho uma prepotência “ser contra” ou ridicularizar a tentativa de um outro de lidar com suas marcas, dar um novo sentido àquilo que o constitui. Transformar em algo mais que a dor o que era só dor. Pode não ser o seu caminho, mas isso não o impede de olhar para a saída encontrada pelo outro com o profundo respeito que ela merece.


Jornal Aguas Claras  

Edição 16- Jornal Águas Claras

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you