Page 1

http://go.to/jornalaguasclaras

EDIÇÃO 11 - FEVEREIRO DE 2010 ED

População reclama da falta de faixas de pedestres e sinalização precária. Página 3

Após 5 meses de espera, a nova ponte do parque foi construída. Página 4

Moradora de Águas Claras, Kilma Araújo, se emociona ao desfilar na Beija-flor de Nilópolis. Página 6 O passo a passo da operação Caixa de Pandora até a prisão de Arruda. Página 10 e 11 Algumas vias de Águas Claras ganham pardais e a segurança no trânsito fica um pouco melhor. Página 5 Você conhece o regimento interno do seu condomínio? Página 13


2

Águas Claras, fevereiro de 2010

EXPEDIENTE Editora-chefe: Alexandra Costa Maia Colaboradores: Neuman Guimarães Priscilla Peixoto Kelly Moreira Luciano Maia Diagramação: Romannessa Sanches Apoio: Renato Mendes (Notoriall) Águas Claras Shopping ASMAC Associação dos Moradores de Águas Claras Gráfica: F Câmara Gráfica e Editora Tiragem: 15.000 exemplares Periodicidade: Mensal Distribuição: Gratuita Fone: 3436-1425/ 8181-5856 E-mail: aguasclarasurgente@gmail.com Site: http://go.to/jornalaguasclaras Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores

EDITORIAL

Os males de Pandora Na mitologia grega, Pandora foi criada por Zeus, para ser mulher de Epimeteu. Junto com ela, Epimeteu recebeu de presente uma caixa onde estavam contidos todos os males físicos e espirituais do mundo, mas Epimeteu não sabia do conteúdo. Zeus o alertou para que não abrisse a caixa e a mantivesse protegida. Aproveitando-se de sua beleza, Pandora seduziu o marido que se descuidou da caixa e ela pôde abri-la para espiar o que tinha dentro. Naquele momento, ela acabou libertando várias doenças e sentimentos que atormentariam a existência do homem no mundo. Logo percebendo o erro que cometera, Pandora se apressou em fechar a caixa. Com isso, ela conseguiu preservar o único dom positivo que fora depositado naquele recipiente: a esperança. Dessa forma, o mito da Caixa de Pandora explica como o homem é capaz de manter-se perseverante mesmo quando as situações se mostram bastante adversas. O leitor deve estar se perguntando? O que ela quer dizer com isso? Que eu devo ter esperança num país de políticos honestos? De deputados que não escondem dinheiro público nas meias? Que a corrupção não termina em pizza ou em panetone? Talvez. Pode ser que seja isso, eu respondo. Mas se a esperança é a única coisa que resta de bom na caixa de Pandora. Que seja.

Mande suas sugestões e críticas para: aguasclarasurgente@gmail.com

ESPAÇO DO LEITOR Calçadas O GDF já pagou para as empreiteiras fazerem o calçamento em Águas Claras, mas as obras não foram concluídas. A parte que foi feita, em muitos trechos já foi destruído em menos de seis meses. Isso mostra a forma mal feita ou o péssimo material utilizado para a obra. Também a NOVACAP prometeu que, onde as calçadas fossem feitas, haveria um projeto de paisagismo. Entretanto, o que vemos é o abandono das obras, após seis meses, num flagrante

desrespeito com o cidadão e com os impostos que pagamos. José Júlio de Oliveira Associação dos Moradores de Águas Claras 50 anos

Conheça nosso novo site: http://go.to/jornalaguasclaras

denúncia está ultrapassando os limites dos gabinetes. Mesmo que seja por uma pessoa que já tenha seu nome bastante manchado pela justiça e que tenha seus próprios interesses nessa jogada. Espero ter ainda, a possibilidade de ver muitos escândalos como estes, pois em se tratando de Brasil, seria hipocrisia achar que o caso serve de lição. Quantas caixas de pandora não existem por aí? Eu diria que fomos “privilegiados” pelos deuses.

É triste ver que no ano de comemoração dos seus 50 anos, Brasília enfrenta uma crise política como esta. Com imagens vergonhosas da nossa política sendo exibidas no mundo inteiro. Mas, por outro lado, fico satisfeito em ver que a Augusto Joares Soares

Acesse o site do Jornal Águas Claras na internet e faça seus comentários: go.to/jornalaguasclaras ou issuu.com/jornalaguasclaras/ docs/edicaodomes Mande suas sugestões e críticas para: aguasclarasurgente@gmail.com


3

3

Águas Claras, fevereiro de 2010

Moradores reclamam da falta de faixas de pedestre Por Alexandra Maia enxergarem as faixas de tão apagadas. A reportagem mostrou a dificuldade dos moradores na tentativa de atravessar cruzamentos perigosos e confusos. Em entrevista, o presidente da Associação de Moradores, Jose Júlio de Oliveira lembrou sobre a promessa da administração feita aos moradores em janeiro do ano passado de que o problema seria resolvido. Após um ano de inauguração do novo sistema de trânsito, ainda não se tem a solução. A falta de sinalização já

Neste cruzamento da Rua Buriti com a Av. Castanheiras também não há faixa de pedestre

O assunto foi tema de uma das reportagens feitas pelo DF TV 1ª edição da rede Globo. O caso foi

registrado e moradores participaram indignados. Apenas 25 faixas de pedestres atendem a população local.

Placa de sinalização quase caindo no asfalto, prejudicando ainda mais o trânsito

Muitos reclamam do tempo que ficam aguardando para atravessarem as avenidas movimentadas de Águas

Claras. E as que existem estão em estado de calamidade. Quase não são vistas pelos motoristas que dizem não

provocou atropelamentos e sérios acidentes envolvendo motoristas e pedestres. Segundo o gerente de engenharia do DETRAN, Joel Rodrigues, já existe verba para a instalação de faixas e semáforos e as obras devem começar ainda este mês. No dia 04 de Fevereiro, a CEB estava no cruzamento da Avenida das Araucárias com a Avenida Pau Brasil, providenciando a troca de cabos dos semáforos para diminuir a ocorrência de defeitos.


4

Águas Claras, fevereiro de 2010

Priscilla Peixoto é colaboradora e jornalista

Podia ser melhor... Por Priscilla Peixoto O parque de Águas Claras, segundo moradores, podia ser melhorado e menos esquecido

Mudar é preciso

Estruturas novas, exemplo de arborização, inúmeras áreas de lazer para crianças, banheiros públicos e em bom estado. Infelizmente essa não é a situação atual do Parque de Águas Claras, local em que diversos moradores, de todas as idades, realizam suas atividades físicas e de lazer. Embora seja “um paraíso dentro de uma selva de pedras”, conforme afirma Carlos Roberto Ferraz, morador de Águas Claras e proprietário de um quiosque do parque, o local ainda necessita de melhorias e cuidados.

Um dos problemas mais comentados durante os últimos tempos foi a demora da construção de uma das pontes de acesso à área central do parque. A ponte, que liga a parte Norte a parte Sul, desabou em decorrência das fortes chuvas durante o mês de outubro do ano passado. Segundo a Administração Regional de Águas Claras, desde o desabamento, as Administrações do Parque e da cidade, procuraram atender o quanto antes o pedido dos moradores.

Apesar de já ter sido reconstruída, muitos moradores acreditam que o a demora foi um descaso com a população. “O único espaço público de lazer na cidade deveria ser tratado com mais carinho e competência”, desabafa José Julio, presidente da Associação dos Moradores de Águas Claras. Para Leonardo Gomes, morador da quadra 301, a Administração poderia ter mais autonomia para poder ser mais ágil no aspecto das obras relacionadas ao Parque.

Moradores como Leonardo Gomes e Francisca Oliveira, da quadra 105, acreditam que é necessário um maior investimento no ambiente. “Precisa melhorar em termos de banheiros destinados aos usuários, acrescentar um restaurante e quiosques”, comenta Francisca. Já para Leonardo, pai de Gabriel de 1 ano e 6 meses, o parque ainda é precário no quesito lazer infantil, não possuindo brinquedos e áreas adequadas para as crianças. “O ideal seria se nosso parque passasse a ser gerido pela Administração Regional, pois, assim, conseguiríamos exercer maior pressão e isso facilitaria o investimento dos empresários nesse precioso espaço, como forma de compensação ambiental”, afirma José Julio. Já o proprietário de um dos quiosques do Parque, Carlos Roberto Ferraz, acredita que o parque é ótimo, porém com falta de investimentos. “Não é preciso mudar nada, mas adicionar. A Administração através do IBRAM deveria conceder aos quiosques existentes uma autorização para realizarmos melhorias nas nossas instalações”, sugere. Acatando as reivindicações do público e indo atrás de melhorias para o local, o Parque Ecológico de Águas Claras pode seguir o exemplo de diversos Parques brasileiros, onde a beleza natural é notória e os seus usuários satisfeitos ao realizarem suas atividades.


5

Águas Claras, fevereiro de 2010

Fiscalização eletrônica Por Priscilla Peixoto A colocação de pardais em algumas vias da cidade diminuiu a correria dos carros

Para tentar amenizar o problema do excesso de velocidade no trânsito em Águas Claras, foram instalados pardais de 60km/h no começo da Avenida Araucárias, próximo ao Centro Comercial Bahamas e um outro próximo ao cruzamento da Avenida Araucárias com a Avenida Pau Brasil. Outros dois de 50km/h foram instalados no viaduto Buriti. Além

destes, outros estão em processo de instalação, em algumas vias já se nota as placas de sinalização de limite de velocidade. Águas Claras é uma cidade em contínua expansão e, por isso, o número de habitantes cresce e, consequentemente, o número de veículos circulando também. Tal fato aumenta a preocupação de todos com

relação à fluência do trânsito e, com a construção das vias de mão única, o aumento de carros trafegando em alta velocidade. No ano passado, a Associação dos Moradores de Águas Claras (ASMAC) reuniu os moradores da cidade com algumas autoridades governamentais, o DETRAN-DF, o secretário de segurança pública, entre outros. Nesta

reunião, os presentes reivindicaram assuntos relacionados ao trânsito, como, por exemplo, a falta de pardais, a diminuição de lombadas e melhorias na sinalização. Depois de várias reclamações e reuniões, os moradores notaram que as autoridades começaram a agir no cenário tráfego da cidade. Grande parte dos moradores achou interessante a colocação dos limites

de velocidade nas principais vias da cidade, pois acreditavam que a situação do trânsito se encontrava caótica, até mesmo sem lei. “De madrugada, o que mais tinha eram carros em alta velocidade, comprometendo a segurança no trânsito da cidade”, afirma a moradora Sandra Menezes. Além de aumentar a segurança, o instrumento pune àquele motorista que infringe o limite de velocidade, como afirma o presidente da ASMAC, José Julio, “defendo a colocação de pardais, uma vez que esse instrumento mexe diretamente no bolso do cidadão infrator”. A simples colocação de alguns pardais pode ter melhorado a segurança do trânsito em Águas Claras, mas segundo moradores, ainda não é suficiente, pois as vias da cidade carecem de uma maior e melhor sinalização. Isso afeta não somente quem mora na região, mas

também, motoristas de áreas próximas. É o caso de Nayane Silva, moradora da colônia Agrícola Samambaia, que tem de ir a Águas Claras com frequência e reclama da falta de sinalização dos pardais. “Acho a ideia muito boa, porém falta sinalização, já corri o risco de ser multada várias vezes”, desabafa. Já o morador da quadra 204, Carlos Mendes, acredita que é preciso uma maior verificação do local de instalação. “Os pardais são necessários, mas temos que ter critérios para a sua instalação, pois a sua função é de educar e não somente de multar, pois muitas vezes eles são armadilhas colocadas em locais que não podemos ver”, comenta. Dessa forma, as mudanças no trânsito em Águas Claras têm sido realizadas e poderão, caso exista um maior investimento, atender às expectativas dos inúmeros motoristas e pedestres que trafegam na região.


6

Águas Claras, fevereiro de 2010

Brasília na Sapucaí Por Alexandra Maia A Beija – Flor homenageou Brasília na Sapucaí, deixando os escândalos políticos de fora. A escola fez uma viagem pela história da capital. Com financiamento do governo Arruda, a escola de samba do Rio foi escolhida para contar a história da cidade na Avenida do Samba. Cerca de 3 milhões de reais foram desembolsados pelo Distrito Federal para que os 50 anos de Brasília fossem lembrados no carnaval de 2010. A prisão de Arruda e o escândalo do mensalão ficaram de fora da folia. Com o enredo "Brilhante ao sol do novo mundo, Brasília do sonho à realidade, a capital da esperança", a Beija – Flor de Nilópolis fez uma apresentação de 1 hora e 20 min, enfatizando a miscigenação do povo brasiliense. A escola caprichou nas cores para simbolizar o caldeirão de culturas que é Brasília. No carro abrealas trouxe a composição do calango, lagarto do cerrado que vive em altas temperaturas. A Corretora de Imóveis, Kilma Araújo,mora em Águas Claras e torce pela escola desde pequena e, pela segunda vez, participou do desfile. Segundo ela, o que a deixou mais emocionada foi o fato de ser brasiliense e participar de uma homenagem feita à sua cidade. “Foi maravilhoso, encontrei muita gente de Brasília na maior alegria” diz ela. Apesar de todo clima de corrupção em Brasília, Kilma diz não ter sentido o público hostil, “confesso que fiquei com um certo receio de participar. Com os acontecimentos do nosso governo achei que fossemos ser vaiados mas me surpreendi, foi lindo todos cantando e aplaudindo sem nenhuma rancor foi realmente um show.”

A Beija-Flor foi pra Avenida com bastante luxo em suas alegorias

A moradora de Águas Claras, Kilma Araújo, com a fantasia o revolucionário faraônico


7

Águas Claras, fevereiro de 2010

Quem é que vai pagar por isso?

Neuman Guimarães (Neuman de Oliveira Melo Guimarães) é colunista deste jornal e professor de Língua Portuguesa. neumanguimaraes@gmail.com

Por Neuman Guimarães

No rádio tocava uma música antiga do Lobão. O refrão, que dizia “quem é que vai pagar por isso?” me fez refletir sobre coisas antigas e atuais. Primeiro lembrei-me de ter ouvido alguma vez que ele havia feito esta música como uma brincadeira, mas as pessoas levaram-na a sério e ele resolveu não tocá-la por um tempo.

O que talvez o cantor não tenha percebido é que esta é uma indagação tão pertinente (antes e sempre) que não há como não levá-la a sério. As mudanças climáticas que temos acompanhado, estupefatos, fazem com que as pessoas procurem mais os culpados do que as soluções. E provavelmente achar os culpados seja

a primeira solução. Infelizmente, o número de responsáveis é bem maior que o de inocentes. É só pararmos para pensar: você, seus amigos, seus parentes, seus colegas de trabalho, enfim, quantos fazem coleta seletiva, não jogam lixo pela janela do carro, não fumam, preocupam-se com o óleo de cozinha... Culpamos as grandes indústrias irresponsáveis e algumas das grandes potências econômicas (e são realmente culpadas), mas retiramos de nossas costas os sacos de lixo e o peso de nossas consciências. E então assistimos indiferentes as chuvas irregulares e abundantes em algumas regiões e que causam transtorno e medo aos habitantes das pequenas e das grandes cidades. Muitas vezes não fazemos a nossa parte e cobramos de nossos governantes soluções para os alagamentos causados pelo nível pluvial exagerado para a época. Descobrimos, então, que a instabilidade não é apenas climática. A capital de nosso país, por exemplo, passa também por um

período nebuloso. Comprovamos que uma imagem vale mais que mil palavras; ou mais do que milhões... Nossos políticos estão tão preocupados em esconder dinheiro nas meias, bolsas e cuecas que já não podemos contar com eles para nos ajudar a lutar contra um problema tão grave. E assistimos, novamente estupefatos, a tempestades que assolam a nossa fé, aumentando a desilusão já tão evidente. Você, leitor, deve estar se perguntando se há alguma coesão neste texto; o que há em comum entre as mudanças climáticas e os escândalos políticos do Distrito Federal? É simples: os dois nos fazem perguntar quem é que vai pagar por isso.

Zilda Arns Vítima do terremoto no Haiti, ela fundou a Pastoral da Criança e trabalhou arduamente para diminuição da mortalidade infantil. Em fevereiro de 2002 falou sobre sua missão ao jornal O Pasquim. O Pasquim: A senhora acha que a Igreja pode achar um bom caminho no trabalho social? Zilda: Eu acredito que os problemas sociais vêm de duas áreas: uma é da família, que forma o tecido social humano. Todos entendem que realmente a pessoa tem muito do que foi na primeira infância. Nós temos que cuidar desse tecido social, porque não adianta só ‘ter’. Se ‘ter’ fosse suficiente, não haveria tanto desastre na classe média e na alta, onde não falta comida.

A outra área é a das políticas públicas. Eu creio que na área do tecido social a pastoral está fazendo um bom trabalho. Na área de políticas públicas, estamos vendo que podemos fazer também, mudando modelos de atenção. O Pasquim: Como é a estrutura burocrática da Pastoral? Onde é a base? Zilda: A base é em Curitiba. Funcionou no fundo da minha casa por 16 anos, onde era o consultório de pediatria. Eu comecei a trabalhar em casa, meus

filhos foram casando e aí começamos a ocupar os quartos. Quando Jaime Lerner entrou para a Prefeitura, a esposa dele me fez uma visita e eu disse que a minha casa estava muito pequena. Em um quarto tinha três escrivaninhas, com um telefonando, outro planejando. E eu não tinha condições de guardar material educativo, essas coisas. Aí ela arranjou o Lar das Meninas Hermínia Lupion, doado por um fazendeiro. Hoje nós estamos muito bem instalados, é um privilégio.


8

Águas Claras, fevereiro de 2010

Studio Lívia Lisboa amplia espaço no Green Park Por Alexandra Maia Já faz um tempo que os moradores de Águas Claras não precisam mais sair da cidade em busca de serviços de qualidade e conforto. Empresários locais superam as expectativas quando se trata de bom atendimento e relação com o cliente. Relação esta que se conquista com preços acessíveis e na oferta de novos produtos e serviços. Este é o caso do Studio Lívia Lisboa que há dois anos se destaca na linha de be-leza, oferecendo desde massagem relaxante à técnica de alongamento dos cabelos (mega hair). O espaço acaba de ser ampliado. São duas lojas: uma para depilação e estética corporal, e outra de dois andares, para os serviços de unha e cabelo. A ideia é proporcionar bem estar e garantir a satisfação total dos clientes. A proprietária Lívia Lisboa é especializada em corte e tratamento químico. Com a ajuda da sua mãe, Sônia, trabalha incansavelmente para manter o profissionalismo. Sempre se aperfeiçoando e buscando novidades, a equipe do Studio Lívia Lisboa trabalha com produtos reconhecidos no mercado como Lóreal e Redken. Uma das novidades é o Glam Meches da Redken, um serviço que permite descolorir alguns fios sem danificar os cabelos, já que o produto não contém amônia, explica Lívia. Na área da depilação, o Studio Lívia Lisboa, além da tradicional com cera também oferece a técnica de linha (egípcia) que segundo o profissional Adarlan Mar-tins trata-se de um tipo que não agride a pele. Segundo ele, o pelo é todo retirado uti-lizandose apenas uma linha de costura, ideal

para quem tem alergia aos tipos de cera que, normalmente são usadas nas depilações. “A linha também consegue ser mais eficaz, pois consegue retirar os pelos mais finos da pele, o que a cera nem sempre consegue”, completa Adarlan. Para as manchas na pele o tratamento no salão poderá ser feito com o produto Le Blanc. A utilização deste produto diminui manchas provenientes de problemas hormonais ou da exposição excessiva ao sol. O ideal é que sejam feitas de 10 a 15 aplica-ções do produto. O pacote SPA Redux tem sido a sensação do Studio Lívia Lisboa neste verão. As mulheres estão experimentando e gostando da aplicação de produtos na região do abdômen que reduz gordura e celulite usando técnicas de massagens com as mãos. Na primeira aplicação já é possível perceber a diferença. As unhas também podem ficar mais bonitas com a técnica de gel, ideal para quem tem unhas quebradiças ou costuma roê-las. Restaura e alonga, e diferente da unha postiça, uma camada do produto é aplicada sobre a unha da cliente. A manuten-ção é feita de 20 em 20 dias. Com tantas novidades, garantia de um bom atendimento e preços acessíveis não é preciso mesmo ir tão longe. Studio Lívia Lisboa Avenida das Castanheiras Rua 20/21 Norte - Lote 01/04 Loja 29 – Edifício Green Park Fone: (61) 3201-2791 www.livialisboa.com.br

Os produtos são os melhores do mercado para um atendimento de primeira

Um espaço mais arejado e com sofisticação para os clientes

A depilação egípcia é muito procurada no Studio Lívia Lisboa


9

Águas Claras, dezembro de 2009

Coluna Iolb dental

Dicas para um sorriso perfeito

Cuidados com a higiene bucal do bebê Por Dra. Luciana A. C. Botelho e Dra. Michelle P. Sena A saúde da boca começa no primeiro dia de vida. Leve seu filho ao IOLB e garanta a boa saúde dos dentes que ainda vão nascer. Está comprovado que a cárie dentária ataca menos as crianças que começam a cuidar da saúde bucal antes mesmo dos dentes nascerem. O IOLB cuida da Saúde bucal das crianças de 0 a 5 anos. E com a colaboração dos pais, os dentinhos do seu filho vão nascer e permanecer bonitos e saudáveis. O aleitamento materno é indiscutível em suas propriedades nutricionais e psicológicas. Mamando no peito, o bebê respira pelo nariz e é obrigado a morder, avançar e retrair a mandíbula. Isso propicia o correto desenvolvimento muscular e esquelético da face, possibilitando a obtenção de uma boa oclusão dentária. Se seu filho usa mamadeira deve-se tomar alguns cuidados até a retirada do hábito. Como o açúcar no leite principalmente durante à noite, pois o bebê acaba dormindo sem fazer a higienização. E todo processo de remoção de hábitos deve ser lento e gradativo. Antes de remover a mamadeira, é necessário ter certeza de que seu filho sabe e gosta de tomar líquidos no copo. Para isso, primeiramente substitua apenas uma das mamadeiras do dia pelo copo (geralmente, inicia-se pela mamadeira da tarde). Para facilitar o processo, pode-se usar os copos com tampa, também chamados de copos de transição. O hábito da mamadeira com açúcar e principalmente noturna pode causar a cárie de mamadeira é uma cárie de desenvolvimento rápido (aguda), que provoca dor e dificuldade de alimentação, podendo causar perda de peso e de estatura. Os pais devem sempre higienizar os dentinhos de seus filhos, mas sempre vem as dúvidas: como higienizar? E quando devo levar ao dentista pela primeira vez? A higienização no recém-nascido deve ser feita com uma gaze ou fralda de pano umedecida

em água limpa para remover os resíduos de leite. Com o nascimento dos primeiros dentes (por volta dos 6 meses), a fralda deve ser substituída por uma dedeira. Aos 18 meses, com o nascimento dos primeiros molares decíduos ou de leite, a higiene deverá ser realizada com uma escova dental infantil sem creme dental ou com um creme dental sem flúor. O creme dental fluoretado só deverá ser utilizado quando a criança souber cuspir completamente o seu excesso. O ideal é que a mãe faça uma consulta durante a gestação para receber as orientações necessárias para manter a correta saúde bucal do seu filho. Independentemente da consulta da gestação ter sido realizada, a primeira consulta do bebê deve ser por volta dos 6 meses, coincidindo com o nascimento do primeiro dente decíduo. Preferencialmente, a consulta deve ser realizada com o odontopediatra, pois é ele o profissional habilitado a fazer esse primeiro atendimento. A dentição decídua deve ser cuidada pelos pais com orientação de profissionais habilitados, pois ela exerce diversas funções importantes, como o desenvolvimento satisfatório no aparelho mastigatório e da fonação, uma vez que a perda de dente(s) em determinadas fases pode causar a dificuldades em pronunciar algumas palavras ou criar hábitos de interposição de língua. Dra. Luciana A. C. Botelho é especialista em prótese fixa, attendance no meeting de New York e atende no IOLB.Dra. Michelle P. Sena é especialista em prótese fixa e responsável técnica do IOLB Águas Claras.


10

Águas Claras, fevereiro de 2010

O passo a passo do escândalo Por Alexandra Maia Após várias manifestações nas ruas e pedidos do Ministério Público, finalmente foi decretada, no dia 11 de Fevereiro, a prisão de José Roberto Arruda. Há quatro meses foi descoberto o maior caso de corrupção do Distrito Federal. O escândalo envolvendo José Roberto Arruda ganhou projeção em todo país. Arruda já se preparava para se recandidatar, quando veio à tona a denuncia de Durval Barbosa. Desde então, as imagens de pessoas ligadas ao governo recebendo propina não param de ser exibidas nos telejornais. Vamos relembrar cada momento desde a descoberta do caso.

Dezembro de 2009 Polícia Civil já havia descoberto o envolvimento das empresas de informática

Antes de a operação ser revelada pela Polícia Federal, o envolvimento das empresas de informática já havia sido descoberto pela Polícia Civil. A Justiça chegou a autorizar mandados de busca e apreensão em pelo menos sete empresas de informática, inclusive a Linknet, prestadora de serviços do GDF. No dia 30 de abril do ano passado, foram apreendidos computadores e documentos nessas empresas. Mas a apuração não foi pra frente porque os delegados envolvidos Novembro de 2009 nas investigações foram afastados. Já na operação caixa de pandora o dono da Operação Caixa de Pandora empresa Linknet aparece nas gravações feitas por Durval Barbosa, reclamando Investigação da Polícia Federal chega ao GDF. Na residência oficial em do valor das propinas que seriam cobradas pelo GDF. Águas Claras, pessoas ligadas ao primeiro escalão do governo são convocadas pelo governador Arruda para uma reunião emergencial, visando discutir estratégias sobre o caso. Nomes como o do secretário de Educação, José Luiz Valente, o presidente da Câmara Legislativa, deputado Leonardo Prudente, a líder do governo, deputada Eurides Brito e do assessor de imprenssa Omésio Pontes são envolvidos. Na época a Polícia Federal apreendeu R$ 700 mil em dólares e euros com os investigados, mas não informou com quais. Ao todo, 150 agentes acompanhados de procuradores da República participaram da operação Caixa de Pandora.

Polícia Federal apreende computadores de deputados distritais e integrantes do GDF Mandados de busca e apreensão são cumpridos nos gabinetes e na casa de pelo menos quatro deputados distritais. Eurides Brito, Leonardo Prudente, Rogério Ulysses e Pedro do Ovo, suplente do deputado Aylton Gomes. Agentes da Polícia Federal saíram da Câmara Distrital com malotes de documentos. Também foram cumpridos mandados nos gabinetes de secretários de governo do DF: José Geraldo Maciel, chefe da Casa Civil; José Luiz Valente, secretário de Educação. Na residência oficial do governador, os agentes também recolheram documentos no escritório do chefe de gabinete do governador, Fábio Simão.

O pivô do escândalo Secretário de Relações Institucionais do governo, Durval Barbosa, fez parte do governo Roriz. Ele foi presidente da Codeplan e comandava contratos de informática por meio do Instituto Candango de Solidariedade, o ICS. Por causa de supostas fraudes, nesses contratos, Barbosa responde a cerca de 30 processos no Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT). Entre as acusações, o desvio de R$ 120 milhões da Codeplan. Sai Roriz, entra Arruda, e Durval Barbosa continua no governo. Com intuito de reduzir sua pena, participa das investigações filmando empresários alimentando o esquema com dinheiro para os integrantes do GDF. O milionário Paulo Octávio é citado nas gravações como um dos beneficiários.

À esquerda vídeo em que Arruda recebe propina , à direita Durval Barbosa

Três versões diferentes sobre o destino do dinheiro Arruda aparece em cena quatro dias após o escândalo ser divulgado. Não permitindo perguntas dos jornalistas, ele fala das imagens em que aparece recebendo maços de dinheiro de Durval Barbosa, R$ 50 mil. Segundo Arruda era para campanha eleitoral, mas a versão entrou em contradição com a que foi dada pelo corregedor-geral do DF, Roberto Giffoni. Segundo Giffoni o dinheiro era para compra de panetones e cestas básicas. Existe ainda a quarta versão de que fosse para pagar dívidas do próprio governador.

Manifestantes protestam na Câmara Legislativa Estudantes e donas de casa protestaram em frente à Câmara Legislativa e seguiram em passeata até o palácio do Buriti. Os participantes esconderam dinheiro na meia, em referência ao deputado distrital Leonardo Prudente, e simularam uma oração, como fez o deputado Júnior Brunelli ao agradecer o suposto dinheiro de propina. E ainda escreveram com velas palavras de ordem contra o governador José Roberto Arruda e o vice Paulo Octávio.


11

Águas Claras, fevereiro de 2010

Águas Claras, Novembro de 2009 11

Janeiro de 2010 Leonardo Prudente sai da Câmara Legislativa Prudente anunciou a sua saída do cargo de presidente da Câmara através de uma carta de apenas duas linhas. O deputado foi filmado no suposto esquema de propina, recebendo e guardando dinheiro nas meias. O Cabo Patrício assumiu o seu lugar como presidente interino até a eleição do novo presidente.

Denuncia de propina impede votação Estava tudo certo para a eleição do novo presidente da Câmara Legislativa, quando a reunião foi adiada após o deputado Cabo Patrício ler uma notícia publicada no blog de um jornalista dizendo que Arruda ofereceria R$ 4milhões para cada deputado que votasse contra o impeachment dele.

Fevereiro de 2010 Governo envolve-se em mais um escândalo Desta vez o escândalo envolveu o sobrinho e assessor de Arruda, Rodrigo Arantes. Ele tentou subornar Edson Sombra em troca da de uma declaração afirmando que os fatos da Operação Caixa de Pandora teriam sido “criados por Durval Barbosa” para prejudicar o governador Arruda. Tudo deveria ser confirmado em depoimento à Polícia Federal.

Ex- governadores José Roberto Arruda e Paulo Octavio

CPI da corrupção se reúne com apenas três integrantes As investigações seguem a passos lentos. De qualquer forma, alguns requerimentos foram apresentados. A CPI quer ouvir o jornalista Edson Sombra; Antônio Bento da Silva, preso por tentativa de suborno; o suplente de deputado Geraldo Naves; o ex-secretário chefe da Agência de Comunicação Social do GDF, Wellington Moraes; e Rodrigo Diniz Arantes, sobrinho e ex-secretário particular do governador Arruda.

STJ decide prender Arruda O Supremo Tribunal de Justiça decretou a prisão de Arruda por tentativa de suborno. Segundo o Supremo, Arruda estava atrapalhando as investigações da polícia Federal. Na tarde do dia 11, ele se entregou à Polícia. Paulo Otávio assume o governo, mas sua situação pra ele também é complicada. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, as investigações das operações Tucunaré e Tellus, que estavam paradas na Polícia Civil, chegaram às mãos da Polícia Federal e do Ministério Público. De acordo com a reportagem do jornal, a Operação Tellus apura cobrança de propina por servidores da Secretaria de Desenvolvimento Econômico. A pasta era comandada por Paulo Octávio. Assessores teriam sido gravados cobrando propina. Um deles teria falado em R$ 1,2 milhão. Já a Operação Tucunaré, apura um suposto esquema de distribuição de dinheiro que envolve empresas de fachada. O principal investigado pela Operação Tucunaré é o policial aposentado Marcelo Toledo, homem de confiança de Paulo Octávio.

O atual governador Wilson Lima

Sem apoio nenhum, é obrigado a renunciar. Na tarde do dia 23, foi lida a carta de renúncia de Paulo Otávio. Ele não suportou as pressões. Já estava sem apoio e já havia se desligado do partido para evitar a expulsão. Wilson Lima, aliado de Arruda, assumiu interinamente o governo.


12

Águas Claras, fevereiro de 2010

Uma ameaça ao paraíso Por Alexandra Maia

O ano começa com o aumento da falta de segurança em Águas Claras. Assalto a lojas, carros e a moradores que caminham nas ruas. Em menos de uma hora, dois estabelecimentos são alvos de bandidos à mão armada e menores de idade. Funcionários sentem medo de trabalhar.

Sargento Issac Lopes do PCS - 040 - Rua 13 Sul

Uma onda de assaltos ocorreu no início deste mês em Águas Claras, deixando preocupados lojistas, funcionários e moradores. O assunto esteve nas páginas dos jornais e levantou, mais uma vez, a polêmica sobre a falta de segurança na cidade. Foram quatro assaltos num período de 10 dias. A papelaria Risk localizada, na Rua 9 Sul, teve um prejuízo de R$1.500. Dois assaltantes se passaram por clientes e esperaram a oportunidade

para iniciar o assalto. Logo após a polícia foi chamada, mas não pôde atender ao chamado prontamente. Segundo os policiais, meia hora antes houve a ocorrência de um assalto à loja Total Utilidades, na Quadra 301. Nesta, o caso foi mais grave e uma atendente teve o pescoço apertado por um dos assaltantes que, segundo testemunhas, deveria ter entre 12 e 13 anos de idade. Nas ruas, a situação está se agravando. Constantemente, há

notebooks e dinheiro. O Sargento Isaac Lopes do posto policial 046, localizado na Avenida Araucárias, relata que tem ocorrido pequenos furtos nos interiores de veículos em estacionamentos. Segundo ele, “são três postos em Águas Claras, todos subordinados a delegacia no Pistão Sul, em Taguatinga. Ficam quatro policiais a noite e três durante o dia de plantão nos postos”. A falta de iluminação nas ruas, o aumento do comércio e a proximidade com a linha do metrô facilitam a ação dos bandidos que encontram em Águas Claras um lugar aprazível para o roubo. Um local onde a população está em busca de bem-estar, e na verdade vem encontrando pequenos transtornos na vida diária. É fato que soluções casos de pessoas abordadas por emergenciais tornam-se necessárias. No site da Associação de ladrões. Muitos reclamam da falta de policiamento e dizem que não vêem Moradores, a ASMAC, há relatos de policiais à paisana. A moradora Lúcia assaltos a vários pontos da cidade. Teles reclama da insegurança: “Sempre Segundo o Coronel Luiz Fonseca, do que passo pelo posto policial, próximo Comando de Policiamento do DF, “As à minha casa, eu o vejo vazio e isso me estatísticas não mostram uma variação tão alarmante nos casos de assalto. deixa bastante insegura”, diz ela. Os estandes de vendas das Mas houve um aumento, realmente. construtoras também são alvos dos Águas Claras precisava de uma unidade bandidos e os corretores passaram independente de policiamento, que a atender seus clientes de portas já está em construção, perto da trancadas. Já houve roubo de celulares, administração regional.”


13

Águas Claras, fevereiro de 2010

Regras de convivência nos condomínios Por Alexandra Maia

O regimento Interno de um condomínio apresenta uma série de normas para os moradores de um estabelecimento residencial. Ele expõe regulamentos na tentativa de organizar e garantir a boa convivência entre os habitantes de um espaço em comum. Cada condomínio é responsável pela elaboração do seu regimento de acordo com as particularidades dos indivíduos que moram nele. Alguns itens podem ser banidos, acrescentados, reformulados, mas uma coisa é certa: sem ele, fica difícil garantir uma boa qualidade de vida. Apesar de gerar polêmica, o regimento interno facilita não só a vida do síndico. A advogada Renata Teles explica “que as regras são fundamentais para zelar pela segurança

da pessoa física de cada condômino, dos membros de sua família e de seus bens móveis e imóveis”. “Muitos não conhecem as regras do seu próprio prédio, recebem o regulamento e ele fica guardado na gaveta sem ser lido ao menos uma vez”, é o que diz o síndico Carlos Lima. Ele conta que quase todas as questões internas são resolvidas com base nas normas condominiais. Segundo ele, os casos mais reincidentes são de moradores que utilizam a vaga de garagem de outro. “Muitos reclamam da vaga ser marcada, mas fazer o que? É convenção do condomínio”, diz ele. A multa pode ser usada como punição, mas a síndica Kátia Linhares prefere uma boa conversa: “Em certos

casos a diplomacia ajuda muito, mas nem sempre, há caso em que a multa é necessária”. A multa é determinada na convenção do condomínio ou no regimento interno e pode chegar a cinco vezes o valor da taxa de condomínio. Se o morador não achar procedente pode contestar e o síndico terá que discutir o assunto em Assembléia Geral e, se mesmo assim, não ficar satisfeito, poderá levar o caso à justiça. Animais domésticos costumam ser um grande problema para os administradores de condomínios. Existem prédios que aplicam multa ao dono, se o cão latir após determinada hora do dia. Na área de lazer de alguns edifícios, é proibida a circulação de animais e a multa pode chegar a um salário mínimo.

Se o condomínio não tiver um regimento, o síndico pode se basear na convenção do condomínio. “Caso o tema não esteja na convenção, ele pode proceder com a elaboração do regimento interno. O documento deve ser registrado no Cartório de Títulos e Documentos e respeitado por todos os moradores”. É o que explica o Diretor da Administradora de Condomínios Sindicon, Leonardo Miranda ao site Folha do Sindico. “Como cada condomínio tem suas especificidades, cada um deve ter um regimento próprio, adequado às necessidades dos seus moradores” acrescenta ele. Se você tem outras dúvidas sobre este tema ou deseja trazer novos assuntos para discutirmos nesta página, mande seu e-mail para aguasclarasurgente@gmail.com


14

Águas Claras, fevereiro de 2010

Mundo da Cindy Maltês

O Maltês é um cão pertencente ao grupo dos toys que é coberto da cabeça aos pés com uma manta de pêlo longo, liso e sedoso. Malteses adultos têm entre 1.4 até 4 kg. O pêlo é liso e sedoso, a cor é branca. O corpo é compacto com o comprimento igualando a altura. Seus narizes podem descorar e ficar cor de rosa ou marrom claro. Isso é muitas

vezes chamado de “nariz de inverno” morder se animais ou pessoas e, muitas vezes, volta para o preto de infringirem no seu território ou se são novo com uma exposição gradativa ao percebidos como uma ameaça. sol. Malteses podem ser bastante Primeiros dias do filhote: energéticos e são conhecidos pelos seus dentro ou fora de casa? ocasionais acessos de atividade física, correndo em volta com velocidade máxima com uma agilidade incrível; A adaptação de um filhote na mesmo assim, eles ainda servem bem nova casa requer muito cuidado e para habitantes de apartamentos. Se você leva uma vida pacata e quer um precaução. Algumas pessoas acreditam cão calmo que acompanhe o ritmo dos que, se deixarem o cachorrinho dormir donos, tenha um Maltês. Mas se você dentro de casa ou no quarto, ele ficará leva uma vida agitada e quer um cão que mal acostumado. Por isso, a maioria acompanhe o ritmo dos donos, tenha dos donos acaba defendendo a ideia um Maltês. É essa vantagem que a raça de que o cão deve ficar pelo resto da tem sobre as outras, pois é um cão que vida no mesmo cantinho. O problema se molda ao estilo do dono. Estes cães é que esse mito somado ao stress da inteligentes aprendem rápido, mas não mudança de ambiente só piora a vida são relativamente fáceis de treinar. Já do bicho. Ainda frágil e inseguro, que a raça foi criada especificamente ele pode desenvolver problemas de para cão de companhia, eles não ficam comportamento ou contrair uma bem se forem deixados sozinhos por doença, já que seu sistema imunológico ainda está baixo. Portanto, ao contrário longas horas. A raça tem a reputação de ser do que muita gente pensa, o ideal é bondosa. Eles são muito protetores não deixar o filhote do lado de fora, e dos seus donos e irão latir ou poderão sim permitir que ele durma junto com

você até adquirir confiança e perceber que a mãe não irá mais voltar. Como já falamos aqui, nas primeiras noites é normal o cão chorar. No entanto, evite ir até ele. Isso porque, se todas as vezes que o cachorrinho resmungar você atendê-lo, ele logo vai perceber que chorar é uma ótima forma de ganhar sua atenção e agirá assim sempre que se sentir carente. Fonte: www.caocidadao.com.br

Amiguinho do mÊs

Nome: Nico de Miguel Andrade Raça: Shih-Tzu Idade: 1 ano

curiosidade Mande a foto do seu cãozinho para o meu e-mail: mundocindy@gmail.com Ela pode aparecer nesta página e muitos verão como você cuida bem do seu amiguinho. Não se esqueça de dizer o seu nome e o nome dele ou dela. Obrigada pela sua participação. Cindy.

Um cachorro americano da raça Dogue Alemão foi oficialmente reconhecido pelo livro Guinness World Records, no último dia 15, como o mais alto cão do mundo de todos os tempos. Giant George tem quatro anos de vida, 1,09 metro de altura (medido entre as patas e os ombros) e pesa 111 quilos. Giant George, meu amigão dos EUA

Fonte: O Globo on line


Águas Claras, fevereiro de 2010

Carta de um sargento no Haiti

15 Luciano Maia é publicitário, reverendo metodista e escreve no blog: http://reverendomaia.blogspot.com luciano@notoriall.com.br

Por Luciano Maia Carta postada no blog de Luciano Maia.

"No Haiti, Deus prova mais uma vez que não existe.” Meu amigo, Presenciando a tragédia de perto, percebi que a maioria das pessoas esclarecidas com quem tive contato após o ocorrido nutria esse questionamento: "Deus existe?" O que me chamou a atenção foi que grande parte dessas pessoas é religiosa praticante - de vários matizes. Confesso que fiquei meio confuso a respeito de tais colocações. Sobretudo, porque não era isso que eu esperava ouvir. Por outro lado, poucas horas depois do terremoto, parte de minha Companhia deslocou-se para um dos pontos centrais devastados pelo terremoto. Como as ruas apertadas de Porto Príncipe estavam quase que totalmente obstruídas, fomos obrigados a realizar uma pernada de 3 km, a pé, carregando equipamentos, para chegarmos ao local determinado para o resgate. Durante o percurso, centenas de pessoas desabrigadas reuniam-se nas calçadas e nas margens das ruas para louvar a Deus, algumas cantavam em Creole (idioma oficial do Haiti), outras em inglês. A cena não sai da minha cabeça! Enquanto os ricos e os intelectuais questionam a existência de Deus, os miseráveis, os abandonados pela sorte, os que não têm bens materiais para cultivar, pediam a sua misericórdia. Oxalá! Sua expectativa de uma mudança na visão da elite brasileira em relação às nossas Forças Armadas se confirme, mas devo dizer que sou cético, não pessimista, quanto a isso. Diferentemente de alguns, que em nosso país nos hostilizam, aqui, o povo haitiano nos respeita, sente orgulho de trabalhar ao nosso lado e dizer que é nosso zami (amigo). Permita-me abster-me de entrar no mérito específico do caráter religioso de sua reflexão, não disponho de ferramentas cognitivas que me habilitem ampliá-la, mas não posso deixar de testemunhar que Deus tem estado presente o tempo todo e em todos os lugares. De qualquer maneira, o arrebatamento ocorrido aqui tem um propósito que foge à compreensão humana! Fraterno abraço, Leonardo.


Jornal Águas Claras  

Edição 11 do Jornal Águas Claras