Issuu on Google+

Jornal Oficial da AAUM DIRECTOR: Vasco Leão DISTRIBUIÇÃO GRATUITA 191 / ANO 9 / SÉRIE 4 TERÇA-FEIRA, 07.MAI.13

academico.rum.pt facebook.com/jornal.academico twitter.com/jornalacademico

campus Nova tuna feminina chega à UMinho

Página 06

local GNRation em modo ON

Página 03

desporto

cultura

Sinergia AAUM/ UMinho: O desporto como fado do triunfo’ Página 12 e 13

Para os The Glockenwise o futuro é tramado... Página 16


FICHA TÉCNICA

SEGUNDA PÁGINA

FICHA TÉCNICA // Jornal Oficial da Associação Académica da Universidade do Minho. // quarta-feira, 07 Maio 2013 / N191 / Ano 9 / Série 4 // DIRECÇÃO: Vasco Leão // EDIÇÃO: Daniel Vieira da Silva Chefes de redacção: Cláudia fernandes e Rita Magalhães // REDACÇÃO: Adriana Couto, Alexandre Vale, Ana filipa Gaspar, ana Pinheiro, Bárbara araújo, Bárbara martins, Bruno Fernandes, Cataraina Hilário, Catarina silva, Cátia Silva, césar carvalho, Cláudia Fernandes, Daniel mota, Dinis Gomes, Filipa Barros, Filipa Sousa Santos, Isabel Ramos, Joana Martins, Joana Videira, João Pereira, Marta Soares, Rita Magalhães e Vânia Barros // COLABORADORES: Elsa Moura, José Reis e ricardo carvalho GRAFISMO: gen // PAGINAÇÃO: Daniel Vieira da Silva // MORADA: Rua Francisco Machado Owen, 4710 Braga // E-MAIL: jornalacademico@rum.pt //TIRAGEM: 2000 exemplares // IMPRESSÃO: GráficaAmares // Depósito legal nº 341802/12

07.MAI.13 // ACADÉMICO

BARÓMETRO

EM ALTA

NO PONTO

EM BAIXO

Enterro da Gata Está aí a semana mais ansiada do ano para os estudantes da UM. A forma como tudo está pensado, a “absurda” quantidade de promoção dos cursos e suas “barraquinhas” nas redes sociais, deixam antever que os estudantes estão a dar tudo por tudo para uma semana inesquecível. Será um momento em que a crise, a austeridade, os exames e as aulas de manhã passam para segundo plano. Com moderação, a semana poderá ser inesquecível. Aproveitem!

Sp. Braga/AAUM É um momento histórico aquele que a equipa vive. Este fim de semana irá jogar, em Guimarães, a final four da Taça de Portugal. O Fabril, que no passado sábado venceu os “estudantes” por 6-2, será o adversário da meia final. Um jogo intenso que poderá levar o Sp.Braga/AAUM à tão desejada final. É este mais um feito numa época de sucessos e recordes da equipa comandada por Paulo Tavares. Importante dar os parabéns e dar um “empurrãozinho” de força!

Violência na Queima do Porto Ficou manchado o início das grandes festas académicas nacionais. Os estudantes não são isto nem devem ser alvos deste tipo de ações. O que se passou no Porto é algo muito difícil de perceber. Nesta altura, questiona-se tudo e mais alguma coisa. A segurança, a festa, as tradições. Isto foi um ato covarde, maléfico, sem precedentes, mas, acima de tudo, terrorista e que deve, urgentemente, ser exemplarmente condenado.

VENCEDORES DO CONCURSO UM AO QUADRADO: David Lourenço - 4º ano - Engenharia Civil

SEMANALMENTE O ACADÉMICO VAI DIVULGAR OS TRABALHOS VENCEDORES.


PÁGINA 03 // 07.MAI.13// ACADÉMICO

LOCAL

gnration em modo on Alexandre vale alexmvrocha@gmail.com

A semana passada ficou marcada pelo GNRation ON, um festival de criatividade que, como o nome indica, serviu para dar início às atividades culturais do espaço. De 30 de abril a 5 de maio, o GNRation, para marcar o seu “momento de ignição” e dar-se a conhecer, apresentou à cidade de Braga uma mostra cultural, com atividades divididas em três eixos: as artes, o digital e o empreendedorismo. Concertos, exposições e workshops ligados a áreas do design, da fotografia, do vídeo, entre outras áreas criativas, fizeram parte de uma das programações culturais mais ambiciosas que Braga recebeu. “O novo lugar de encontro de Braga consigo própria e com o mundo” A inauguração decorreu na manhã de 1 de maio, com uma intervenção por parte do presidente da Câmara de Braga, Mesquita Machado.

Este realçou o significado do projeto e elogiou a direção: “O GNRation pode ser uma boa ferramenta para a juventude poder aprender aqui novas coisas, criar os seus negócios e estou certo que vai ter um grande êxito. E vai ter um grande êxito porque tem pessoas que estão à frente, a orientar os destinos de GNRation, que têm um grande entusiasmo pelo projeto, a Ângela Ferreira e o Rui Dória”. Já Hugo Pires, presidente da Fundação Bracara Augusta, mentora do espaço, esclareceu o propósito desta infraestrutura: “Afinal o que é o GNRation? Perguntam-me se é um novo espaço cultural ou um lugar de acolhimento de associações juvenis, perguntam-me se é uma incubadora de empresas ou um espaço comercial e inovador, se é uma área de co-working ou um centro de formação e qualificação, se é uma sala de concertos ou uma residência para artistas em criação, se é um laboratório digital ou uma galeria de arte, se é um sítio para investigar ou para o lazer e entretenimento. O GNRation é tudo isto e muito mais. O GNRation é

a resposta aos problemas e desafios do século XXI”. O vereador salientou também a importância que este espaço pode assumir para os jovens de Braga: “O GNRation é o novo lugar de encontro de Braga consigo própria e com o mundo. O lugar onde os criadores encontrarão outros criadores e os seus públicos, onde as ideias encontrarão novas ideias, onde a inovação se transformará em negócios, onde se colaborará, experimentará, arriscará e onde se vai falhar, com certeza, e acertar também”.

Afluência notável nos concertos Os concertos de bandas como Dead Combo e Norberto Lobo e foram dos eventos que maior adesão registaram, entre aqueles que estavam programados. No primeiro dia, os bilhetes para o concerto gratuito, de entrada limitada, de Rhys Chatham, em conjunto com outras bandas de Braga, esgotaram perto das 16:00. A primeira impressão que o GNRation deixa junto dos bracarenses, para já, parece ser positiva. Juliana Vieira,

que se encontrava a assistir o concerto de Norberto Lobo, ficou com uma “boa impressão”, salientando as “boas condições” do espaço e o “bom potencial” que este transparece, e espera “que seja um bom ponto de encontro com as artes.” Resta esperar que o tempo passe e ver se o GNRation, um projeto sempre alvo de imensas críticas por parte da oposição e de acesos debates, irá cumprir os seus objetivos e promessas, e fazer de Braga um dos centros culturais mais relevantes do país. GNRation

PUB.


PÁGINA 04 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

CAMPUS

livro de papel funde-se ao digital num projecto da uminho catarina sousa silva catarinassilva92@gmail.com

O livro tradicional já pode fundir-se ao eletrónico, quebrando o seu carácter estático ao oferecer conteúdos dinâmicos e interativos. Na Universidade do Minho, o laboratório engageLab desenvolveu um projeto que permite fundir o livro físico ao livro eletrónico. Bridging Book é o nome da aplicação, que já foi exibida na maior conferência internacional na área da interação entre o Homem e o computador, a CHI 2013, em Paris. O sistema foi criado com um objetivo: desenvolver novos modelos de livros com componente digital. A aplicação permite que ao colocarmos um livro de papel junto a um dispositivo tablet ou smartphone, os seus conteúdos sejam sincronizados, acompanhando o folhear das páginas do livro. Neste sentido, torna-se possível DR

dispor de conteúdos interativos complementares ao carácter estático da página do livro em papel. Nelson Zagalo, professor envolvido na investigação, explicou a razão desta investigação: “Isto tem a ver com alguma tendência que as pessoas têm a deixar o livro para trás. E o que nós quisemos foi tentar manter, junto com o digital, o físico, numa tentativa de juntar os dois mundos”. “É como se conseguíssemos acrescentar uma nova camada de significados ao livro de papel, utilizando a interação, a animação e o som, que o iPad traz ao livro em papel, podemos alargar a sua capacidade de atração”, justificou o professor. Leitura interativa para crianças A aplicação é direcionada para as crianças, entre os 7 e os 9 anos, contudo Zagalo esclareceu que “não quer

DR

dizer que não se venha a alargar esse leque, numa fase em que se pense já comercializar o protótipo”. Ao promover o interesse simultâneo pelo ebook e pelo livro físico, pretende-se atrair os mais novos para a leitura. “Nós esperamos que, de certa forma, esta componente mais multimédia contribua

para estimular a leitura”, revelou Nelson Zagalo. De acordo com o professor, o objetivo é colmatar a falha que existia no mercado, no que toca ao insucesso da leitura em ambientes digitais e à quebra do interesse por conteúdos estáticos. “Por isso, o livro físico aqui ajuda a focar a mensagem e, ao mesmo tempo, o livro digital oferece a componente interativa que faltava”. O livro não necessita de ligação física ao dispositivo nem de nenhum tipo de eletrónica. “Os livros não têm que ser desenhados especificamente para funcionarem com a aplicação, porque os livros têm, em cada página, uma determinada quantidade de energia magnética, que pode ser reconhecida pelo iPad”, esclareceu Nelson Zagalo. Ou seja, a aplicação pode funcionar com qualquer livro, “mas tem de ser feito o trabalho digital do livro, um trabalho que é feito ao nível da edição”. Investigação reconhecida internacionalmente Depois de o projeto ter sido

aceite e muito bem recebido em Paris, numa conferência prestigiada na área da interação, segue-se Nova Iorque. “Nós vamos estar em junho em Nova Iorque, a apresentar também o projeto, mas desta vez vamos estar com pessoas da área da edição já a tentar perceber como é que poderíamos então avançar para uma componente comercial”, adiantou o investigador. Até ao final do ano, a aplicação poderá vir a estar disponível online. Esta fusão entre o livro tradicional e o ebook envolve os investigadores Ana Lúcia Pinton, Ana Carina Figueiredo, Pedro Branco, Eduarda Coquet, Ido Iurgel e Nelson Zagalo. A investigação foi desenvolvida no âmbito do projeto “EngageBook: touch, read and play”, criado pelo engageLab, um laboratório que cruza artes e tecnologia. Cofinanciado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo FEDER/COMPETE, este laboratório serve o Centro Algoritmi e o Centro de Estudos em Ciências da Comunicação (CECS) da UMinho.


CAMPUS PÁGINA 05 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

os media na voz da região CÁTIA SILVA catiaff_11@hotmail.com

A Universidade do Minho adere, pelo segundo ano consecutivo, à iniciativa “7 dias com os média”, um projeto nacional de sensibilização para o papel e lugar que os média tradicionais ocupam no quotidiano de todos nós. A iniciativa que no ano passado ocupava apenas um dia, foi este ano alargada para sete, decorrendo assim entre os dias 3 e 9 de maio. Dentro e fora da Universidade do Minho vão acontecer vários projetos apoiados por diversos meios audiovisuais: imprensa, televisão e rádio. A licenciatura e o

mestrado em Ciências da Comunicação (CC), bem como o mestrado em Comunicação, Cidadania e Educação são os envolvidos. Sara Pereira, docente da cadeira de Média, Públicos e Cidadania do 3º ano do curso de Ciências da Comunicação, propôs aos estudantes aderirem à iniciativa como “trabalho prático” da cadeira. Joana Quintas, aluna da licenciatura, juntamente com o seu grupo de trabalho organizou uma palestra no grupo de jovens de S. Tomé de Negrelos, no dia 25 de maio. “É uma espécie de palestra sobre o curso de Ciências da Comunicação e as suas áreas, em que aliamos

isso aos média. Além disso faremos um workshop onde os miúdos vão criar notícias, press releases, vão filmar e simular o que os média “fazem”, explica a aluna. Já João Gonçalves do mestrado em Ciências da Comunicação, com o apoio do Gaccum, criou um espaço de discussão e de debate online sobre os média, aberto à participação de todos, intitulado de Caixa de Comentários e alojado no wordpress. Para além disso, vai ainda decorrer um debate presencial na sala de atos do ICS, no dia 7 de maio, terça-feira, pelas 16 horas. Outra das iniciativas é uma parceria com o Diário do Minho. Os estudantes uni-

versitários e do ensino secundário são desafiados a escrever um texto sobre o papel dos média na atualidade, em que os sete melhores são publicados numa rúbrica do jornal, entre os dias 3 e 9 de maio. Na semana da iniciativa decorre uma crónica da autoria de bloggers, leitores e investigadores, que discutem e refletem a importância dos blogues na sociedade. Também a rádio se fez sentir nesta iniciativa. A Rádio Universitária do Minho permitiu que um dos grupos preparasse a emissão da tarde do dia 7 de maio. Nesta emissão especial vai haver espaço para alguns momentos: um debate so-

bre o futuro da rádio, uma reportagem sobre o papel da mesma e a atuação em direto de uma banda musical. Joana Teixeira, aluna de Ciências da Comunicação, e também ela protagonista de uma das iniciativas reconhece o valor desta atividade. “Ajuda a demonstrar ao público a importância que os média têm na nossa vida, o que leva estes a darem o devido valor aos meios de comunicação social”, explica a aluna. Também os estudantes Erasmus vão sensibilizar para o papel e o lugar que os média ocupam na nossa vida ao som da guitarra, na cantina de Gualtar, no dia 7 de maio.

esn minho elege nova direção e prepara-se para receber os primeiros voluntários europeus TUM mail@tum.pt

Realizaram-se a 2 de abril as eleições da Erasmus Student Network (ESN) Minho. A única lista candidata foi eleita por maioria. Desta constam 14 elementos da direção e mais de 17 colaboradores espalhados por vários cursos da Universidade do Minho. A secção da ESN Minho mantem a sua estrutura baseada numa divisão em dois núcleos: o de Braga e o de Guimarães, acompanhan-

do os polos constituintes da Universidade do Minho, com desdobramento dos departamentos em ambas as cidades, sempre que se justifique. Foi, igualmente, elaborado e aprovado um plano de atividades anual juntamente com os respetivos orçamentos para o ano de 2013, a incluir no plano de atividades da AAUM. Hélder Dias, presidente reeleito, em declarações ao ACADÉMICO, esclarece: “Uma das principais atividades para este mandato é a de que a ESN Minho

continuará a acompanhar voluntários enviados para o exterior e preparar-se-á para receber, pela primeira vez, voluntários de outros países. A secção está ainda a preparar ações de sensibilização junto dos jovens estudantes de escolas secundárias, assim como de estudantes da Universidade do Minho, para este tipo de projetos europeus. Por outro lado, a seção está a elaborar um projeto para o Programa Juventude em Ação com o intuito de se propor a acolher um evento deste âmbito na ESN Minho. Este

irá chamar-se “Erasmus + creativity! Social entrepreneuship and the generational approach” e irá incidir sobre os programas de estudos comunitários Erasmus enquanto ferramenta potencial de suporte laboral para os jovens europeus”. Recorde-se que a ESN está dividida em vários departamentos, nomeadamente: Tesouraria, Administração Interna, Património, Viagens, Secretariado, Despor-

to, Comunicação, Cultura, EVS, Recreativo e Pedagógico. A ESN é um órgão independente da AAUM e têm como principal objetivo auxiliar todos os estudantes estrangeiros na sua adaptação à realidade portuguesa e minhota , assim como promover oportunidades de intercâmbio para todos os estudantes da Universidade do Minho em projetos internacionais. PUB.


CAMPUS PÁGINA 06 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

nova tuna feminina chega à uminho Adriana couto drianascouto@gmail.com

Tun’ao Minho – Tuna Académica Feminina da Universidade do Minho, é o nome da nova tuna da academia minhota, que será formalmente apresentada esta quarta-feira, dia 8 de maio, no Largo dos Peões. O mais recente grupo cultural, acolhe cerca de 30 estudantes onde o destaque vai para a paixão pela música. As novas tunantes, juntaram-se em novembro mas só agora é que decidiram

começar as primeiras aparições públicas. Depois da atuação no XXXIV Colóquios de Relações Internacionais, a convite do Centro de Estudos do Curso de Relações Internacionais, a Tun’ao Minho lança-se num evento para toda a academia, que contará com a presença dos Bomboémia – Grupo de Percussão da Universidade do Minho, numa noite que promete casa cheia para se conhecer as primeiras músicas da nova tuna feminina. O espetáculo começará por volta das 22H30.

azeituna surpreende na sé adriana couto drianascouto@gmail.com

A Azeituna – Tuna de Ciências da Universidade do Minho, surpreendeu os seus seguidores com um espetáculo diferente do habitual realizado na Sé de Braga. Na passada terça-feira, dia 30 de abril, com cerca de 50 membros presentes e com uma Sé pintada de azul, os estudantes e bracarenses encheram um dos sítios mais emblemáticos da cidade de Braga, num espetáculo que contou com as participações especiais da Gatuna – Tuna Feminina da Universidade do Minho, da cantora Raquel Teixeira, pertencente ao grupo Origem Tradicional e Arrefole, dos escuteiros do Agrupamento 233, bem como de três músicos convidados. No dia em que terminava as comemorações do seu 20º aniversário, a Azeituna surpreendeu o público bracarense com um espetáculo pouco usual nas tunas académicas: um concerto na Sé de Braga, com um reportório repleto de músicas tocadas em cerimónias religiosas. As 21 músicas que compuseram o espetáculo, distribuídas por quatro te-

mas, “Origem”, “Matrimónio”, “Paz” e “Futuro”, são o resultado de duas décadas de variados espetáculos da Azeituna em cerimónias religiosas, tendo sido gravadas ao vivo e resultarão na edição de um CD, um dos objetivos traçados pelo grupo para as comemorações do seu 20º aniversário. Brevemente, será ainda lançada a autobiografia em livro da Azeituna. Para a organização, a explicação para este espetáculo não podia ser mais simples: “Começámos a tocar este tipo de música em casamentos dos primeiros Azeitunos. Sempre foram músicas alegres e como tal começamos a ganhar o prazer e o gosto de tocar este tipo de repertório. Pensámos, então, em gravar

um CD para que pudesse ficar registado e foi com essa ideia que a de proporcionarmos o espetáculo pouco habitual, que se realizou na Sé de Braga”. Com cerca de 2000 pessoas presentes no concerto, entre amigos, colegas, seguidores ou curiosos, o feedback por parte do público não podia ser mais positivo, estando representadas todas as faixas etárias. Mas a adesão ao espetáculo conseguiu surpreendeu a Azeituna: “Muito sinceramente estávamos à espera de uma Sé bem composta, mas não esperávamps presenciar a afluência que tivemos no espetáculo.” Num ano recheado dos mais variados eventos organizados pelo grupo, a organização destaca como sendo os mais memoráveis o “Espetáculo dos 20 anos”, as “Festas WAY” em parceria com a Braga 2012 – Capital Europeia da Juventude, o “Arraial Azeiteiro” ou o “XIX CELTA Rock”. Mas se o 20º aniversário chegou ao fim, as comemorações do 21º ano da Tuna de Ciências da Universidade do Minho, promete voltar a surpreender: “Costumamos dizer que a Azeituna não para,

sendo assim este ano não será diferente e novas iniciativas e muitas surpresas estão para vir. Relembramos também que este ano o CELTA atinge a sua 20ª edição e esperamos poder elevar ainda mais a fasquia que estabelecemos com o XIX CELTA Rock”. A noite terminaria já com a comemoração do 21º aniversário da Azeituna no Insólito Bar, fundada no dia 1 de maio de 1992.


PÁGINA 07 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

INQUÉRITO

qual a tua opinião acerca do ACADÉMICO? “Considero que o ACADÉMICO é um jornal importante para a Universidade do Minho, pelo facto de ser o jornal em papel mais próximo dos alunos, que retrata a realidade que eles vivenciam”, disse Rita Pereira. No entanto, a aluna referiu: “O jornal podia apostar mais na área do desporto. Tendo em conta o tamanho do jornal, mas também a variedade de modalidades praticadas na universidade, acho que era importante apostar em mais uma ou duas páginas dedicadas ao desporto, com entrevistas, perfis, reportagens”. Já no que toca à presença do jornal no mundo online, a estudante expôs: “Tal como acontece em muitos órgãos de comunicação social em Portugal, o online dos jornais acaba por ser uma extensão do impresso, em que só existe uma passagem do texto escrito em papel para a internet. Deste modo, acho que o ACADÉMICO podia apostar num site mais dinâmico, com infografias, reportagens online e até mesmo apostar mais em imagens, que penso que é algo que escassa no site“. rita pereira 1º ano // CIÊNCIAS COMUNICAÇÃO

paula amorim 1º ano// direito

Paula Amorim, estudante do primeiro ano de Direito, ao ser questionada sobre o que mais gostava de ler no jornal, respondeu: “O inquérito, pois gosto de ler as opiniões dos meus colegas relativamente a temas atuais, acho importante o “contacto” com os diferentes pontos de vista, que muitas vezes nos permitem olhar para as coisas de outra maneira. Também gosto do campus porque me permite manter-me atualizada.”. A aluna referiu também que gostava de ver no ACADÉMICO “assuntos do país no geral e acontecimentos internacionais” e acrescentou que “não faria mal ter partes mais lúdicas”. Paula, que considera o jornal em questão “muito interessante” e disse em tom sugestivo: “Infelizmente sei que a grande maioria das pessoas não lê o jornal académico, aliás, há quem nem esteja a par da sua existência, portanto acho que o jornal deveria arranjar uma forma de chamar mais leitores, encontrar uma maneira de despertar a atenção da comunidade académica.”

“Acho a existência deste e dos outros jornais dos alunos da Universidade do Minho essencial, porque permite a comunicação entre alunos de cursos diferentes, que de outra forma seria difícil, e, ao mesmo tempo, possibilita a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos para os alunos de CC”, disse Nuno Barbosa quando questionado sobre a sua opinião acerca do ACADÉMICO. Relativamente ao que falta no jornal, o estudante de Economia respondeu: “O jornal podia dar mais atenção à grande comunidade de start-ups que se tem vindo a desenvolver na região do Minho, dando um contributo na aproximação entre o mercado de trabalho e a comunidade académica. Falta também uma maior atenção ao trabalho das várias organizações de estudantes e à importância dos estudantes participarem nestas.”. Já no que toca à presença online do ACADÉMICO, Nuno disse: “tenho apenas a apontar que falta a possibilidade de comentar as notícias, porque isso permite que as pessoas se sintam mais envolvidas”. Nuno barbosa 1º ano // MESTRADO ECONOMIA

mateus de melo 2º ANO// MESTRADO CIÊNCIAS COMUNICAÇÃO

“Gosto das seções de notícias, que abrangem desde assuntos relacionados à vida académica, até as novidades de tecnologias e últimos acontecimentos internacionais. Acho excelente a disponibilização do formato em PDF para descarregar no site, entretanto acredito que a tiragem do jornal poderia ser maior. Poucas vezes tive o prazer de o ler na Universidade do Minho, pois não havia edições. Isso pode também ser uma questão de distribuição. Acredito que o jornal também poderia ter uma base de dados de leitores e enviar uma newsletter semanal para estes, através de e-mail, a dar conta das últimas notícias. Isso traria uma comunicação mais próxima com o público.”, disse Mateus de Melo ao ACADÉMICO. O aluno brasileiro referiu ainda: “ É um jornal bem completo e com um foco bem definido. Um excelente meio para nós, universitários, ficarmos a par das notícias relevantes da comunidade académica e temas relacionados, como desporto, cultura e política.”

BÁRBARA MARTINS bjamartins@hotmail.com

A última edição do ACADÉMICO, deste ano letivo, está quase aí. Sendo este o único semanário académico do país e feito para os alunos e por alunos, o feedback dos seus leitores é fundamental para o seu desenvolvimento. Assim, com o intuito de fazer uma retrospeção sobre o trabalho elaborado ao longo de todo este ano, o ACADÉMICO procurou, junto dos alunos, perceber quais são os assuntos que estes mais gostam de ler no jornal e o que lhes chama mais à atenção. Para além disso, solicitou também sugestões e opiniões na tentativa de compreender melhor o que é preciso melhorar na forma de trabalhar do jornal no próximo ano. Aqui, as vossas opiniões contam!


PÁGINA 08 // 07.MAI.13 //ACADÉMICO

primeiras jornadas de marketing assinalam saída dos primeiros marketeers minhotos

RITA MAGALHÃES ritasmaga@gmail.com

No próximo dia 24 de maio vão realizar-se as primeiras Jornadas de Marketing na Universidade do Minho, sendo este um projeto integrado na Unidade Curricular de Comunicação de Marketing. Este evento, organizado pelos alunos do 2º ano da Licenciatura em Marketing, vai dividir-se em dois momentos: na parte da manhã, entre as 9:30 e as 12:00, a atividade vai ser direcionada para os estudantes percebe-

rem as potencialidades do marketing; ao final da tarde, entre as 18:00 e as 20:00, vai realizar-se um debate de ideias, perspetivas e experiências sobre o papel multifacetado do profissional de marketing, entre empresários, académicos e público em geral. No ano em que é assinalado o fim do primeiro ciclo e a saída dos primeiros marketeers made in Universidade do Minho, “torna-se pertinente mostrar à comunidade académica, estudantil e empresarial, o que é o marketing e qual o papel do marketeer”, afirma, ao

ACADÉMICO, Sónia Coelho, uma das responsáveis do evento. Sónia Coelho explicou também que “esta é uma área de franco crescimento internacional mas ainda tímido a nível nacional e, por isso, as Primeiras Jornadas de Marketing podem trazer algumas respostas para empresários, free-lancers, industriais, jovens ou todos aqueles que não querem perder o comboio do futuro” Este atividade, orientada pela docente Beatriz Casais, destina-se a toda a comunidade académica, pois, segundo a organização, “o

marketing, neste momento, não é apenas para os marketeers, mas sim uma área transversal a muitas outras”. Assim sendo, estas jornadas são uma oportunidade para “posicionar o marketing no contexto atual em que se aprofunda os contextos numa lógica holística e do interesse de todos aqueles que não querem perder o comboio do progresso”, salientou Sónia Coelho ao nosso jornal. Para além do interesse em contar com alunos de toda a academia, a organização expressou o seu interesse em receber alunos de outras institui-

ções, alunos do secundário, profissionais e público em geral. A organização aguarda ainda algumas confirmações dos oradores que estarão presentes durante este evento e, por esse motivo, o programa só vai ser oficialmente publicado nos próximos dias. As Primeiras Jornadas de Marketing decorrem na Universidade do Minho e as inscrições são gratuitas, mas limitadas. Para os interessados, as inscrições são feitas através do site: ht t p://m k t u m in ho.w i x . com/mktuminho.


HÉLIO MORAIS Adriana Boiça Silva

Hélio Morais é o nome em destaque esta semana na Burning List. A força motriz por detrás de projetos como If Lucy Fell, Linda Martini ou Paus vem esta semana à Universitária para escolher e conversar sobre cinco temas da sua preferência. E digo força motriz porquê? Porque Hélio toca um instrumento que, na sua opinião, tem uma importância decisiva numa banda de rock n rol. A bateria. Ao que parece, os Europe foram os grandes responsáveis pela incursão de Hélio Morais pelo universo da música. músico confessa que se apaixonou pelo instrumento no momento em que viu o videoclip de The Final Countdown. Mas só aos 13 anos começou a tocar bateria numa igreja protestante perto do campo de futebol onde jogava. Um dos seus ídolos de juventude era Lars Ulrich, baterista dos Metallica. Os Linda Martini são um dos diversos projetos de Hélio Morais, que está ainda envolvidos com Paus e If Lucy Fell, que regressaram este ano após um período de paragem. Formados em 2003, os Linda Martini são um enérgico quarteto conhecido pelas suas intensas atuações ao vivo. Têm já dois álbuns de originais, sendo que o seu primeiro EP foi remasterizado por Niels Kinela, baixista dos irlandeses God is An Astronaut. O mais recente projeto de Hélio Morais resulta de uma parceria com Joaquim Albergaria, dos extintos Vicious 5. Os Paus são uma banda manifestamente experimental, cujos temas são criados de forma instintiva e que Hélio confessa que têm de aprender não para gravar no estúdio mas sim para tocar ao vivo. O álbum de estreia dos Paus é lançado a 24 de outubro. Segunda: Dead Combo - Anadamastor (Lisboa Mulata, 2011) “Acho que este tema ilustra bem o título do disco e o que são os Dead Combo. Por muito limitativo que o conceito musical deles (uma guitarra e um contrabaixo) possa parecer eles, disco após disco mostram que, de fato, não se esgota e eles conseg-

uem reinventar-se.” Terça: St. Vincent - Chloe in the afternoon (Strange Mercy, 2011) “Neste momento, ao contrário do que as pessoas possam pensar, as bandas mais pesadas que ouço são as minhas! Não costumo estar muito a par do que se passa na cena rock e as bandas que ouço continuam a ser aquelas que ouvia na década de 2000... Em relação à St. Vincent, ela toca com um feeling semelhante àquele com que qualquer elemento dos Linda Martini toca, ela é muito rock a tocar... vê-se que ela está a sentir a coisa. ” Quarta: Fleet Foxes - Montezuma (Helplessness Blues, 2011) “Existe um elemento de um banda que me inf luenciou muito - os Blood Brothers - que toca neste disco... ele é um excelente músico. Quando soube que ele tinha integrado a banda, fui ouvir o disco e percebe-se a sua presença na banda. As músicas têm partes mais experimentais e acho que eles têm a ganhar. Continuam com a dimensão mais pop e com uma componente melódica vocal incrível mas tem apontamentos também interessantes noutras áreas.” Quinta: Filho da Mãe - Não sei desenhar barcos, (Palácio, 2011) “Isto era o que o Rui [companheiro de Hélio Morais nos If Lucy Fell] deveria ter feito desde sempre (risos). Eu toco com ele desde 1994 e os primeiros concertos que dei foi com ele. Depois, por entre um hiato de 4 a 5 anos em que estivemos sem tocar juntos, o Rui começou a tocar guitarra portuguesa. É incrível como ele, sem qualquer espécie de escola de guitarra portuguesa, consegue tocar as coisas que toca! Aquilo que tu ouves na guitarra clássica ele já tinha lá na guitarra portuguesa.“

Sexta: Warpaint - Undertow (The Fool, 2011) “As Warpaint têm agora uma baterista que tem um groove incrível. Elas antes tinham um baterista que gravou o álbum anterior e não há comparação com as baterias deste novo álbum. Esta baterista é mil vezes melhor do que o outro baterista e acho que elas ganharam muito com isso.”


PÁGINA 11 // 07.MAI.13 //ACADÉMICO

bodyboard e surf na crista da onda universitária ana filipa gaspar afilipa.gaspar@hotmail.com

Após 18 edições, o Troféu Reitor da Universidade do Minho irá incluir pela primeira vez as modalidades de Surf e Bodyboard. Em meados de 2000, Bruno Vasconcelos, um dos atuais responsáveis técnicos da equipa “trouxe o Surf e o Bodyboard até à Universidade do Minho”. Ainda assim, foi apenas em 2007, com a inclusão das modalidades no Campeonato Nacional Universitário (CNU), que a equipa se oficializou. O grupo considera este o campeonato mais importante, onde visam levar o maior número de participantes e obter os melhores resultados possíveis. Foi na edição de 2012 do CNU, que a equipa de Surf e Bodyboard da Universidade do Minho (equipa da AAUM) alcançou os melhores resultados até então. Após 3 etapas, a primeira na praia da Cordoama (Sagres) e as duas últimas em Leça

da Palmeira, a equipa de Bodyboard sagrou-se vice-campeã nacional universitária e a equipa de Surf arrecadou o quinto lugar na classificaçãocoletiva. No entanto, este ano a Federação Académica de Desporto Universitário (FADU) reduziu o CNU a uma etapa apenas, a realizar nos dias 18 e 19 de maio na praia de Leça da Palmeira. “Como vice-campeões nacionais vamos tentar corresponder às espectativas que estão depositadas em nós e vamos lutar por um dos títulos que estão em disputa”, afirma Rui Rebelo, responsável técnico da equipa de Bodyboard. Os treinos são realizados o mais regularmente possível, utilizando-se uma carrinha cedida pelos Serviços de Ação Social da Universidade do Minho (SASUM) para transportar os atletas da academia até à praia mais próxima. A disponibilidade de transporte e o estado do mar são duas condicionantes, pelo que não existem dias ou horas fixas para os

treinos. João Pedro Almeida, aluno do 2º ano de Gestão, e membro da equipa desde o ano de ingresso na Universidade do Minho considera o espírito da equipa pró-ativo. Destaca assim, a organização de “Surf Trips” em diversas praias e a participação no máximo de competições possíveis. Admite ainda que às vezes é difícil conciliar o surf com os estudos, devido à peculiaridade deste desporto que só pode ser praticado quando um conjunto de variáveis assim o permite. Necessidade de chegar a outros públicos Bruno Vasconcelos e Rui Rebelo admitem a necessidade de fazer chegar aos alunos uma mensagem mais sólida, pois esta atividade é desconhecida por uma grande parte da comunidadeacadémica. Desta forma, pretende-se reforçar a visibilidade para o exterior. A publicidade, a aquisição de

patrocinadores e a parceria com outras escolas irão ser as ferramentas utilizadas pela equipa para combater o problema. Ainda assim, ambos os responsáveis consideram o apoio dos SASUM e da Associação Académicada Universidade do Minho fulcrais para a sobrevivência da equipa. Nos dias 4 e 5 de maio, a equipa da AAUM venceu o título coletivo do circuito universitário de Bodyboard e Surf em Peniche seguindo-se a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Superior Técnico de Lisboa, respetivamente.

A data da competição de surf e bodyboard do Troféu Reitor está ainda por definir, podendo variar entre os fins de semana de 25 e 26 de maio ou 1 e 2 de junho, dependendo das condições do mar. Qualquer membro da academia minhota, ou seja, alunos, ex-alunos, docentes, funcionários não-docentes e investigadores podem participar e inscrever-se nesta atividade que tem um custo de 5 euros por participante. Rui Rebelo, responsável pela organização do evento, expecta sucesso e aponta o número 30 como objetivo no que toca ao número de participantes.


PÁGINA 12 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

REPORTAGEM sinergia aaum/uminho: o desporto como fado do triunfo filipa santos sousa filipasantosousa@gmail.com

Todos nós sabemos, ou pelo menos já ouvimos falar dos benefícios da prática desportiva. Afinal médicos, professores de Educação Física e até os próprios média, um pouco por toda a parte, apregoam a boa ‘arte’ do desporto. Ainda assim, o sedentarismo é uma realidade que afeta muitos portugueses. Recentemente em entrevista ao ACADÉMICO, o presidente da Federação Académica do Desporto Universitário (FADU), Bru-

no Barracosa, afirmou que a taxa de prática desportiva no país é inferior a 5%. Neste ‘deserto’ desportivo português existem vários oásis, que se distinguem e fogem a léguas desses contornos murchos. Bem, talvez o termo deserto soe um pouco hiperbolizado, mas tendo em conta o valor da taxa, em cima referida, talvez não seja descabido, pelo menos não de todo. Mas, voltando ao que interessa; quem parece inserir-se nesta categoria de refrigério do desporto são os alunos da Universidade do Minho (UM). No ano letivo transa-

to, segundo o Podium 2012, da autoria do Departamento Desportivo e Cultural da UM a par da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM), estavam inscritos mais de 10 mil utentes nos complexos desportivos da academia. No ano passado, nos Campeonatos Nacionais Universitários (CNU’s) a UM conquistou 77 medalhas (17 de ouro, 29 de prata e 31 de bronze). Mas o louvor desportivo dos estudantes minhotos não se ficou por aí. No presente defeso, repetiram-se mais feitos memoráveis. Atente-se nos

FADU

Andebol da AAUMinho tem conquistado vitórias atrás de vitórias e é um dos casos de sucesso

A Gala do desporto serve, anualmente, para premiar aqueles que mais se destacam na academia minhota

seguintes dados: nos CNU’s de 2013, realizados na Beira Interior, a AAUM conquistou cinco medalhas de ouro (andebol, futebol 11, futsal masculino, voleibol e futsal feminino) e uma de bronze (basquetebol feminino); nos CNU’s de natação, que decorreram em Lisboa, a academia minhota arrecadou sete medalhas (quatro de ouro e três de bronze); no primeiro dia dos CNU’s individuais, que têm lugar em Guimarães (5 a 12 de maio), a UM acumulou para o seu mealheiro mais 20 conquistas (cinco na modalidade de karaté e 15 na de kick-

boxing). Falta mencionar ainda a recente vitória da AAUM, em Faro, na final dos CNU’s de futebol de 7 masculino, diante da equipa da Universidade do Porto. Qual a chave deste sucesso? O ACADÉMICO foi tentar perceber qual é o ‘segredo’ para o fenómeno desportivo bem-sucedido da academia minhota. De acordo com Carlos Videira: “Existe uma forte relação entre a direção da AAUM, através do seu Departamento Desportivo, e os Serviços de Ação Social da Universidade do Minho


PÁGINA 13 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

(SASUM), através do seu Departamento de Desporto e Cultura. Esse é um dos principais eixos do sucesso”. O presidente da AAUM conta também que ambas as entidades se reúnem semanalmente, com o intuito de “planear e avaliar a atividade desportiva universitária de uma forma regular, dentro das responsabilidades definidas no contrato” celebrado entre ambas. Entre as imputações atribuídas a cada um abarcam-se questões como: as instalações; o material; o financiamento; o enquadramento técnico; o apoio médico; as deslocações; o alojamento; a alimentação ou ainda, por exemplo, a responsabilidade institucional. Há, portanto, uma “supervisão técnica das atividades desportivas por parte dos SASUM e um acompanhamento permanente de dirigentes da AAUM ao longo de toda a competição

desportiva.”, reitera. Por sua vez, Nuno Valença considera que, “aliado à qualidade dos atletas que a AAUM dispõe, junta-se uma forte preparação e dedicação de todo o staff do Departamento de Desporto da Universidade do Minho, o que permite que a UM/ AAUM siga apenas e só, por um caminho de sucesso.” O jogador das equipas de futebol de 11 e de 7 acrescenta ainda que, “a Universidade do Minho possuiu condições mais do que suficientes para que todos os atletas possam melhorar a sua performance, e consequentemente melhorar as suas capacidades.” Para rematar, o estudante minhoto explica mesmo que o facto de a UM/AAUM disponibilizar “todos os meios que estão ao seu alcance para facilitar a vida dos seus atletas”, faz “toda a diferença no final das competições.”

O desporto como um pilar essencial A fatia orçamental destinada à prática desportiva pela AAUM, para este ano letivo, situa-se na ordem dos 250 mil euros. Quando questionado acerca do desporto ser ou não um pilar fulcral, a resposta de Carlos Videira é perentória: “Sim, a todos os níveis. Na vertente de competição, onde temos alcançado sucessivos recordes de medalhas a nível nacional. Mas também na vertente organizativa, sendo a AAUM/ UM reconhecida pela excelência dos campeonatos que organiza. Por fim, não esquecemos também a vertente do desporto recreativo de forma a promover hábitos de vida saudável.” De facto, a realização de provas desportivas universitárias de grande importância na Universidade do Minho não é novidade nenhuma.

Em 2011/2012, só a título de exemplo, decorreram os Campeonatos Europeus de taekwondo, os CNU’s e ainda o Campeonato Mundial Universitário (CMU) de xadrez. Para além disso, está prevista, já para 2014, a realização do CMU de andebol, o qual recorde-se é um dos pontos fortes no panorama desportivo da academia minhota. Ou esta equipa não se tivesse sagrado recentemente pentacampeã nacional, feito a que convém acrescentar, também, a conquista do 2º lugar a nível mundial, na prova que teve lugar em Blumenau (Brasil), no ano passado. “A Universidade do Minho mostrou a sua vontade em receber o Campeonato do Mundo de karaté em 2016”, revelou o presidente da FADU, Bruno Barracosa, numa entrevista concedida ao ACADÉMICO. O desporto é, assim, um as-

peto importante na saúde de toda a academia minhota. Apesar das razões, anteriormente referidas, não só os apoios das entidades UM/AAUM são cruciais para esta escalada rumo ao sucesso. Sem o esforço e empenho dos próprios atletas, que têm que conciliar estudos com treinos, nada disto seria possível. “É preciso muita dedicação para depois de um dia estudos/ trabalho, ainda ter vontade de treinar e chegar a casa e jantar quando todos os outros familiares já jantaram. É preciso vontade para enfrentar qualquer tipo de clima. É preciso muita força de vontade para superar lesões, castigos, mal estares”, conclui o jogador de futebol de 11 e de 7, Nuno Valença. O desporto é, assim, peça fundamental e de orgulho na academia minhota. E se todos seguíssemos este exemplo? Nuno Gonçalves

Bruno Barracosa deixa o cargo de presidente da FADU em outubro

Sucesso dentro do campo reflecte-se, também, nos eventos mundiais que organiza


TECNOLOGIA E INOV o regresso do primeiro site da internet DR

ana pinheiro anafilipapinheiro1@hotmail.com

O CERN, laboratório europeu de investigação nuclear, para celebrar o seu vigésimo aniversário, disponibilizou online o primeiro site do mundo. Esta versão de 1993 foi a mais antiga que conseguiram encontrar. Contém um conjunto de páginas que explica o que é a Web, incluindo notas históricas, uma página sobre as pessoas que estiveram envolvidas, vários detalhes técnicos e uma secção a explicar como poderiam os utilizadores ajudar a Web a crescer. Continha também um endereço de email para quem quisesse comunicar bugs encontrados. De acordo com o CERN, no

twittadas catarina hilário katarina-kosta@hotmail.com

O filme mais pequeno do mundo contado por átomos O filme não é o mais pequeno do mundo pela sua duração, mas sim devido aos protagonistas da história. A Boy and His Atom é uma história contada por átomos, as pequenas partículas invisíveis ao olho humano. A IBM é a responsável pelo projeto e recorreu a um microscópio especial, que op-

final de 1993, havia mais de 500 servidores Web e o tráfego das páginas representava 1% de todos os dados que circulavam na Internet. O CERN aproveitou o endereço original para lançar um site sobre a história da Web. Há 20 anos atrás o CERN disponibilizou ao mundo

a tecnologia inventada por Berners-Lee. Nos anos posteriores, especialmente com o impulso de sites e empresas, a Web massificou-se e tornou-se um mecanismo crucial na expansão e adoção da Internet em todo o mundo. Segundo James Gillie, di-

retor de comunicação do CERN, existem várias datas de aniversário da World Wide Web: A primeira é em março de 1989, quando o conhecido inventor da Web, entregou uma proposta para gestão de informação que traçava as bases do que podia vir a

ser a Web. A segunda data é por volta do Natal de 1990, quando Berners-Lee concretizou a proposta. Este concluiu o primeiro servidor, browser e páginas Web, usando um computador NeXT, criado pela empresa fundada por Steve Jobs.

era a uma temperatura de -268 graus Celsius, para visualizar todo o processo. A imagem foi ampliada 100 milhões de vezes, foi utilizada uma agulha para posicionar cada um dos átomos e foram precisas 250 fotografias para criar a animação.

nou os EUA como principal mercado mundial. Ao contrário da tendência que se verifica no resto do mundo, onde as vendas de portáteis são muito superiores às de PC, na China dividem-se em partes iguais. “A percentagem relativamente elevada das vendas de PC deve-se à enorme procura nas regiões rurais, que representam a maior parte dos 1,34 mil milhões de habitantes”, comentou Peter Lin, analista da IHS.

Google Street View, uma aplicação que, através do computador, permite viajar por quase todo o mundo. Em parceria com algumas entidades nacionais, a Google recolheu imagens panorâmicas que permitem o acesso aos principais monumentos e pontos turísticos portugueses. A partir de qualquer lugar do globo, é possível conhecer Portugal de uma ponta à outra.

Conhecer Portugal sem sair do sofá

Moda à distância de um clique

nos aparelhos móveis e pc’s, criada em 2009, que permite identificar a música que estamos a ouvir, prepara-se para lançar uma versão para o mundo da moda. “Já temos capacidade de identificar um produto num programa de televisão de forma a que, quando um utilizador usar o Shazam, possa descobrir a marca do vestido da apresentadora em apenas um clique», explicou o CEO da Shazam, Andrew Fisher, ao The Guardian. Ainda sem data de lançamento, é o fim da dúvida feminina: “onde é que ela comprou aquele vestido?”.

China compra mais computadores que EUA Em 2012, as vendas de portáteis de secretária (PC) atingiram as 69 milhões de unidades na China, mas 3 milhões do que nos EUA. Isto significa que, pela primeira vez, a China destro-

Portugal juntou-se à galerias do

A Shazam, uma das aplicações mais populares do momento


OVAÇÃO

PÁGINA 15 // 07.MAI.12 // ACADÉMICO

liftoff,

http://liftoff.aaum.pt/ facebook.com/aaum.liftoff

gabinete do empreendedor da AAUM

promove... Vale Empreendedorismo (+E) Sistema de Incentivos Qualificação de PME (QREN) Vale Simplificado O Vale Empreendedorismo (+E) destina-se exclusivamente a empresas criadas há menos de um ano e apoia projetos que visam a aquisição de serviços de consultoria, nomeadamente:

O Concurso lançado a 24 de Outubro de 2012 vai permanecer aberto em permanência até 13 de Novembro de 2013, repartido por 6 fases com datas limite para apresentação de candidaturas:

- Elaboração de planos de negócio;

Próximas Fases:

- Serviços para proteção e comercialização de direitos de propriedade intelectual e industrial; - Serviços na área da economia digital;

- Fase III - até 15-Mai-13 - Fase IV - até 15-Jul-13 - Fase V - até 13-Set-13 - Fase VI - 13-Nov-13

Projetos de Empreendedorismo Qualificado Sistema de Incentivos à Inovação O Sistema de Incentivos à Inovação apoia projetos de investimento de criação de empresas e atividades nos primeiros anos de desenvolvimento (até 3 anos), dotadas de recursos qualificados ou que desenvolvam atividades em setores com fortes dinâmicas de crescimento. A importância de criar condições favoráveis ao aumento das exportações justifica a orientação do investimento em favor das atividades transacionáveis e a consequente concentração dos esforços nos projetos das empresas portuguesas orientados para mercados internacionais. A par da dimensão Internacionalização este concurso abrange ainda as seguintes prioridades: - Criação de empresas em setores de alta/média tecnologia ou de forte intensidade de conhecimento ou de serviços qualificados com valor acrescentado em atividades turísticas; - Criação de empresas com potencial de crescimento, que valorizem a aplicação de resultados de anteriores projetos de I&DT na produção de novos bens ou serviços. - O Concurso lançado a 24 de Out. de 2012 vai permanecer aberto em permanência até 12 de Dez. de 2013, repartido por 4 fases com datas limite para apresentação de candidaturas: Próximas fases: - Fase IV - até 05-Set-13

> > 10 MAIO ‘13 Conferência “Emprego Bom e Já” Campus de Gualtar, em Braga

> 22 MAIO ‘13 Sessão de Apresentação “Building Global Innovators” Campus de Gualtar

> 29 MAIO ‘13 Startup Tour

> 30 MAIO ‘13 Sessão “Inteligência Emocional” Liftoff, Campus de Gualtar

> 04 JUNHO ‘13 Sessão “Lidar Eficazmente com os Conflitos Interpessoais” Liftoff, Campus de Gualtar

Ofertas de emprego Departamento Comercial - Assistente (M/F) - Braga

gip@aaum.pt www.aaum.pt/gip

Gabinete-de-Inserção-Profissional-da-AAUM

Perfil: - Elegibilidade para Estágio Profissional (condição preferencial; - Experiência em vendas e publicidade; - Persistência, Capacidade de Argumentação e Persuasão; - Dinamismo e Orientação para os objectivos; Oferta: - Vencimento base + Prémios

Estágio profissional em jornalismo/comunicação social - Braga (M/F)

Promotor Comercial - V.N. Famalicão/Guimarães

Outras ofertas:

Perfil: - Licenciatura em C. Comunicação/Com.Social/Jornalismo - Experiência/Orientação para o jornalismo radiofónico e audiovisual (preferencial) - Domínio de Premiere, Audition, Photoshop, After-Effects, InDesign, Final Cut - Criatividade e Rigor Oferta: Bolsa IEFP.

- Divulgação e apresentação de um produto; - Dinamização do stand de vendas; - Datas: 25, 26, 27 e 28 de Abril e 2, 3, 4 e 5 de Maio; - Horários: 5 horas (das 15h às 20.00h); Condições: - Integração em equipa jovem e dinâmica; - Contrato de trabalho;

- Licenciados/mestres (M/F) em Informática - Guimarães - Engenheiro-Formador Electrotécnico (M/F) Engenheiro (M/F) | Projectos de Melhoria

Candidaturas em: www.aaum.pt/gip


CULTURA para os the glockenwise o futuro é tramado... JOSÉ REIS jose.reis@rum.pt

“Leeches” é o nome do novo disco dos The Glockenwise. A banda de Barcelos regressa às edições com um som mais compacto, denso e maduro onde aborda a situação crítica do país na visão dos rapazes com pouco mais de 20 anos. Palavras de Nuno Rodrigues, vocalista do grupo. José Reis Há uma marca (entre muitas) que diferencia a música dos The Glockenwise dos restantes grupos: a duração dos temas. Cada uma das músicas presentes no novo “Leeches” mão tem mais que 2 minutos cada. “É toda a energia condensada em pouco tempo”, começa por

dizer Nuno Rodrigues, o vocalista da banda, quando a pergunta da curta duração dos temas se impõe. “Tentamos canalizar tudo para esse tempo. No fundo, tentamos respeitar a métrica do ‘verso-refrão’ de uma forma que não tornasse a música uma seca”, ri o músico, em conversa com o ACADÉMI-

CO. A banda edita o segundo disco de originais, “Leeches”, a 20 de maio pela Lovers and Lollypops. Um disco que, diz a banda, “pretende refletir a situação do país e que chama a atenção para as dificuldades que os jovens, como estes quatro, têm de lidar para entrar no mercado de trabalho”.

Banda atua em Braga O disco surge depois de alguns meses sem nada dizerem, em que aproveitaram para “dar concertos e experimentar algum material”. “Confessamos que também somos um pouco preguiçosos (risos). Mas no essencial demorou todo este tempo a ser editado porque houve elementos que estiveram fora de Portugal e outros que se dedicaram mais a alguns projetos musicais”, revela o vocalista da banda. Surge assim o novo disco, diferente do anterior, mas com elementos similares. “Diria que o género pelo qual somos conhecidos (o garage rock) continua lá, mas há algumas diferenças. O disco é composto por canções mehores, com melhor

composição e influenciadas pelos trabalhos anteriores”, revela Nuno Rodrigues, logo acrescentando que “algumas das canções não foram muito pensadas, algumas até surgiram no ensaio para outros temas”. O disco novo conta com a ajuda de Pedro Sousa nos saxofones de “Bad Weather” e João Vieira (X-Wife), Eduardo Maltez (L&L) e João Brandão (Estúdios Sá da Bandeira) foram os produtores de serviço neste novo disco que terá apresentações de norte a sul do país. “Estaremos em Braga, no Enterro da Gata, a 17 de maio”, avisa Nuno Rodrigues. Uma oportunidade para testar os novos temas ao vivo e animar as hostes para o nome da noite, Kaiser Chiefs.

SALA DE CINEMA

um romance ainda em busca de uma essência CÉSAR CARVALHO z5@sapo.pt

Depois de assistir a “To the Wonder” (título original), apetece repreender Malick e preveni-lo da espiral de redundância para o qual caminham os seus trabalhos. Um realizador que em 40 anos produziu 5 filmes, dos quais é difícil definir qual o melhor, entra agora numa agenda demasiado prolífera (com 3 filmes marcados para os próximos 3 anos), a adivinhar-se o erro crasso no qual Woody Allen cai todos os anos, o da banalidade. Intocável está, porém, o seu toque onírico nas mil referências a deus e à sua condição, na qual se faz poesia visual sem aparente esforço. O tema – amor – não é fácil de explicar e, portanto, muito menos é de fácil retrato. Malick ousa, num experimentalismo estranho

às suas raízes e mantendo o já conhecido desrespeito pela linearidade, sacrificar a construção das personagens em detrimento da significação do que elas transmitem. Por outras palavras, em “A Essência do Amor” não existem pessoas vivas, existem somente sombras que carregam uma mensagem que parece demasiado pesada para a fragilidade humana. Um casal que, no auge da sua relação, se muda de Paris para os EUA, onde surgem os problemas e se desencadeia a crise na relação. Tão simples assim, aquilo que deveria ser a história, é somente o mote para o realizador americano se debruçar sobre questões já exploradas em “A Árvore da Vida”. Aqui, sem quase haver diálogos (a expressividade mais nítida faz-se por narração, dividida pelos vários protagonistas), Malick

constrói uma mensagem, dentro de mensagens menores, tudo dentro do seu próprio cubículo abstrato. Sem apego por qualquer uma das personagens, o que se forma é a divagação extenuante, em incontáveis preces à figura do ‘divino’, dos vários narradores para lugar nenhum. E deus, como refere o padre interpretado por Bardem, nunca responde. A fotografia continua o maior triunfo do cinema de Malick. A sensibilidade com que nos aproxima de simples pormenores, com que capta a proximidade entre seres, como que dançando entre os corpos e extraísse deles o mais profundo, tem de ser repetidamente elogiado. O cineasta tem esta virtude inigualável, o de conseguir reproduzir num raio de sol, transpondo uma árvore florada, um pensamento tão puro como a natureza que venera – o panteísmo

que pauta os seus recentes apontamentos soam a um obsessão doentia que, inevitavelmente, resulta numa coletânea de ápices espirituais, dando a mordaz impressão que o realizador aproveitou as cenas apagadas de “A Árvore da Vida”. O filme, esse, não é mais que a condução despegada de uma relação com uns altos e baixos inexplicáveis, com o aparecimento de uma terceira pessoa que desaparece, levando a réstia de interesse que a narrativa poderia suscitar. O desarranjo na construção de algo que não se formou, uma

história, faz Malick cair pela primeira vez no carácter terreno do erro. E pela forma como ele se preocupa com as questões etéreas, não será fácil fazê-lo voltar, em plena saúde, à mestria das dissertações simples. A essência do amor Realizador: Terrence Malick Elenco: Olga Kurylenko, Ben Affleck, Rachel McAdams, Javier Bardem Nacionalidade: Americano Pontuação: 2/5


PÁGINA 17 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

RUM BOX TOP RUM - 18 / 2013

13 ALT-J - Breezeblocks

03 MAIO

14 DAFT PUNK - Get lucky 1 JUNIP - Your life your call 2 YEAH YEAH YEAHS Sacrilege 3 KNIFE, THE A tooth for an eye 4 ORLANDO SANTOS For real (electric mood) 5 DEAR TELEPHONE That violin lesson sucks 6 MIRALDO - The ancient days 7 NICK CAVE & THE BAD SEEDS - We no who u r 8 PALMA VIOLETS Best of friends 9 LITTLE FRIEND - Sunken low 10 DEERHUNTER Back to the middle

16 CAT POWER - Ruin 17 DEPECHE MODE - Heaven

MÚSICA

18 LUÍSA SOBRAL - Mom says 19 QUEENS OF THE STONE AGE - My god is the sun 20 LIARS No. 1 against the rush

POST-IT 06 abril > 10 maio PEIXE AVIÃO Avesso THE CHILD OF LOV Give Me THE FALL Sir William Wray

o mundo folk dos junip

Chamam-se Junip, são uma banda sueca formada por Elias Araya, Tobias Winterkorn e José González. No final do ano de 2005 lançaram o seu primeiro trabalho, o ep “Black Refuge”. Entretanto fizeram uma pausa para que Jozé González desse continuidade à sua

10 a 18 de Maio Enterro da Gata ‘13 Centro da cidade + Gatódromo + Arraial Minhoto

11 de Maio Aurea – Soul Notes Acústico Theatro Circo 11 de Maio Lado B – os sons da utopia Velha a Branca

GUIMARÃES

TEATRO 10 de Maio Vamos lá então perceber as mulheres São Mamede

MÚSICA 11 de Maio MAZGANI Common Ground CCVF

FAMALICÃO EXPOSIÇÃO 07 a 30 de Maio Retartos da biodiversidade do Parque - Exposição de fotografia Serviços Educativos do Parque da Devesa

LEITURA EM DIA

Para ouvir de segunda a sexta (9h30/14h30/17h45) na RUM ou em podcast: podcast.rum.pt Um espaço de António Ferreira e Sérgio Xavier.

CD RUM

ELISABETE APRESENTAÇÃO elisabete.apresentacao@rum.pt

BRAGA TEATRO 10 de Maio A Elegante Melancolia do Crespúsculo Thetaro Circo

15 ATOMS FOR PEACE Before your very eyes

11 FOXYGEN - No destruction 12 RHYE - The fall

AGENDA CULTURAL

carreira a solo. Por vezes as músicas de González e Junip podem-se confundir, embora o músico siga numa vertente mais acústica. Depois de um hiato de 5 anos, a setembro de 2010, a banda regressa com o disco “Fields”, trabalho muito aclamado pela crítica e pelo público, e que continha sucessos como o tema “Always”. No passado mês de dezembro

1 - Contos Capitais de vários autores - Parsifal. Uma pérola literária com as afinidades e imaginários que as grandes capitais/cidades provocam nos escritores. Uma nova editora a seguir com atenção. 2 - A Encíclica Escondida de Pio XI de Bernard Suchecky e Georges Passelecq - Piaget. Pio XI, 1938, a ascensão dos totalitarismos europeus e a encíclica Humani Generis Unitas, e “perceber” o porquê da frase “somos todos semitas”.

3 - O mistério do lago de Arnaldur Indridason - Porto Editora. O policial nórdico, neste caso, da fria e distante Islândia, o inspector Erlendur e a Guerra Fria, num excelente romance 4 - Correspondência (1952 – 1978) de Jorge Sena e António Ramos Rosa - Guimarães. A correspondência entre dois grandes escritores da Literatura Portuguesa do Séc.XX. 5 - O Tesouro de Manuel António Pina - Assírio e Alvim.

No país das pessoas tristes, sem liberdade de falar e decidir sobre o seu destino, Manuel António Pina deu-nos o seu último “tesouro” literário e o 25 de Abril. Obrigatório em todos os níveis de ensino, fica a recomendação.

a banda anunciou que regressaria aos discos ainda em 2013, e no passado mês de abril o álbum homónimo viu a luz do dia. Este novo trabalho já apresentou dois singles, “Line fo Fire” e

“You Life You Call” (que já foi um dos post-it da RUM), cujos vídeos perfazem uma espécie de curta-metragem pelas mãos de Mikel Cee Karlsson. As sonoridades dos Junip andam à volta do

folk rock, aliados à voz única de González. O cd rum vai dar a conhecer cinco temas deste novo trabalho. Para ouvir de 06 a 10 de maio na Rádio Universitária do Minho.

DR

DR


PÁGINA 18 // 07.MAI.13 // ACADÉMICO

DESPORTO cidade europeia do desporto com muita atividade em maio CLAUDIA FERNANDES alaufernandes@hotmail.com

maio é um mês preenchido na agenda de Cidade Europeia do Desporto, Guimarães 2013 (CED). Entre os dias 6 e 12, a AAUM organiza os Campeonatos Nacionais Universitários (CNU’s), em que cerca de mil desportistas irão disputar os torneios de atletismo, futvolei, karaté, taekwondo, kickboxing, bilhar, ténis, ténis de mesa, squash, xadrez, tiro com arco, pólo aquático, corfebol e floorbal. O campeão do mundo de vela adaptada em 2005, Bento Amaral, dá uma conferência motivacional, no dia 9, pelas 21h30, no pequeno Auditório do CCVF. Tetraplégico desde 1994, o desportista chegou ainda a bater o record do mundo oficioso de ski na neve adaptado. Nos dias 11 e 12, joga-se a final four da Taça de Portugal de futsal. SCBraga/AAUM, Fabril, Dramático e Sporting lutam pelo troféu. No dia 15, no âmbito dos

encontros de Desporto e Ciência, o convidado é Jaime Sampaio, professor e investigador da UTAD, que vai apresentar uma visão quase matemática do comportamento dos atletas que ajudam a explicar muito do que o que os adeptos veem como magia ou aselhice. Pela primeira vez na sua história, a cidade berço recebe, nos dias 17 e 18, uma prova do Campeonato de Portugal de ralis, o Rally Cidade de Guimarães/Targa Clube.

A prova engloba 10 etapas, num total de 86 quilómetros. No dia seguinte, segue o ciclo de cinema e desporto, na Plataforma das Artes, através de uma viagem pela vida do malogrado piloto de Fórmula 1, Ayrton Senna, com a passagem do documentário “Senna”. No dia 24, decorrerá um seminário destinado a gestores, técnicos de desporto, dirigentes, professores e estudantes, em que o tema se centra na maximização dos

resultados na gestão do Desporto. Este momento irá contar com a presença de Miguel Vaz (Sócio Gerente e Responsável pela Direção Financeira e Comercial do Kalorias), José Teixeira (Diretor de Operações na Solinca Health &Fitness Clubs), Rui Lança (Coach e Formador em Coaching e Liderança de Equipas e Projetos), entre outros. Nesse mesmo dia, Marinho de Sousa (Procurador da República e pai do tenista João

Sousa) junta-se a Neno (antigo guarda-redes internacional de futebol) em mais um debate impensável. A moderação estará a cargo de Pedro Chagas Freitas. No dia 25, a Federação Nacional de Karate Portugal e a Associação Juvenil de Karaté de Portugal e em parceria com a CED, organizam a maior aula de Karaté de sempre, que pretende juntar o maior número de pessoas ligadas à modalidade, não sendo necessário ser-se atleta.



ACADÉMICO 20