Page 1

em da pr co uni ee ve m nd rs pr ed id oj ad or et es ed os o de m s Re in uc po ho rta e ss ge m o AC AD ÉM IC O

campus

enterro da gata

“Capital da Juventude” foi tema de debate

Xutos e Pontapés são a primeira confirmação no cartaz de 2012

Página 04

Jornal Oficial da AAUM DIRECTOR: Vasco Leão DISTRIBUIÇÃO GRATUITA 165 / ANO 6 / SÉRIE 3 TERÇA-FEIRA, 27.MAR.12

academico.rum.pt facebook.com/jornal.academico twitter.com/jornalacademico

reportagem

inquérito

Aliar a moda à música a partir de braga

Sentes-te inseguro nas imediações da UMinho?

Página 06

Página 09


FICHA TÉCNICA 27.MAR.12 // ACADÉMICO

EM ALTA

NO PONTO

EM BAIXO

Empreendedorismo na UM Pelos exemplos que lemos nesta edição do ACADÉMICO, ganhamos alguma vontade de acreditar que o conhecimento e capacitação dos alunos do Minho dá azo a novos voos. O empreendedorismo está, realmente, na moda (não é chavão) e muitos são os casos de sucesso que saem das paredes das salas de aula da UMinho. Um excelente trabalho de casa que deve ser aproveitado pelo mercado. A qualidade está lá... E recomenda-se!!!

“Competição pela vida” Um projeto importante e essencial de forma a conscencializar os estudantes para as práticas saudáveis. Juntar os atletas de todo o país, que vão estar em Braga e Guimarães a disputar os Campeonatos Nacionais Universitários, a hábitos de vida saudáveis é uma iniciativa de louvar. Em tempos onde o número de dadores tem diminuido, o Minho tem aqui uma nova oportunidade de voltar a afirmar-se.

Estudo revela universitários sem dinheiro nem perspetivas futuras É apenas mais um estudo, vale o que vale, mas sinaliza, uma vez mais, aquilo que todos os outros sublinham... Os estudantes estão descrentes e sem dinheiro para, pelo menos, terminar a licenciatura. Uma triste realidade que vive no nosso país e que piora de ano para ano. Acredito na renovação de mentalidades porque penso que não é na transmissão de conhecimento que o país deve poupar, muito pelo contrário.

SEGUNDA PÁGINA

FICHA TÉCNICA // Jornal Oficial da Associação Académica da Universidade do Minho. // Terça-feira, 27 MARÇO 2012 / N165 / Ano 7 / Série 3 // DIRECÇÃO: Vasco Leão // EDIÇÃO: Daniel Vieira da Silva // REDACÇÃO: Adriana Couto, Alexandre Rocha, Ana Lopes, ana Pinheiro, Ângela Coelho, Bruno Fernandes, Carlos Rebelo, Cátia Alves, Cátia Silva, Daniel mota, Daniela Mendes, Eduarda Fernandes, Fabiana Oliveira, Filipa Barros, Filipa Sousa, Joana Neves, José Miguel Lopes, José mateus pinheiro, Mariana Flor, Maura Teixeira, Miguel Araújo, Neuza Alpuim, Sara Pestana, Sónia Silva e Vânia Barros // COLABORADORES: Elsa Moura, José Reis e Maria joão Pinto // GRAFISMO: gen // PAGINAÇÃO: Daniel Vieira da Silva // MORADA: Rua Francisco Machado Owen, 4710 Braga // E-MAIL: jornalacademico@rum.pt //TIRAGEM: 2000 exemplares // IMPRESSÃO: GráficaAmares

BARÓMETRO

REUNIÃO GERAL DE ALUNOS ORDINÁRIA - AAUM Pela presente convocatória, e de acordo com o disposto no art.º.º31º,n.º 3, dos Estatutos da Associação Académica da Universidade do Minho, a Mesa da Reunião Geral de Alunos convoca TODOS os alunos da Universidade do Minho para a Reunião Geral de Alunos Ordinária a ter lugar no Auditório B2, Complexo Pedagógico 2, em Gualtar – Braga, no próximo dia 28 de Março de 2012, pelas 15h00m, com a seguinte ordem de trabalhos: 1. Informações; 2. Aprovação da acta da reunião anterior; 3. Discussão e votação do relatório final de contas e actividades de 2011; 4. Discussão do plano de actividades e orçamento para 2012; 5. Outros assuntos. AAUM, 19 de Março de 2012 O Presidente da Mesa da RGA

N.B.: Atempadamente disponibilizar-se-á toda a documentação necessária aos trabalhos nos GAA.


PÁGINA 03 // 27.MAR.12// ACADÉMICO

LOCAL

pinto da costa enche auditório numa conferência sobre o perfil do criminoso de do Minho. Na passada quarta-feira, dia 21 de março, o conhecido médico legista e professor jubilado voltou à Escola de Direito, desta vez para dissertar sobre o tema “O Perfil do Criminoso”. Já vem sendo hábito a sua colaboração com a ELSA UMinho (European Law Students Association), conforme o mesmo referiu em declarações ao ACADÉMICO, sendo este o quarto ano em que leciona o curso extra-curricular de Medicina Legal aos alunos de Direito da Universidade do Minho.

Auditório repleto para ver mais uma conferência de José Pinto da Costa na Universidade do Minho. Desta feita o tema era: O perfil do criminoso

CÁTIA ALVES catia_gomes_alves@hotmail.com FILIPA BARROS pipasgoth11@live.com.pt

Auditório repleto de alunos, filas à entrada na tentativa de ocupar os poucos lugares que havia disponíveis nas escadas. Foram assim pas-

sados os últimos minutos que antecederam o início de mais uma conferência de José Pinto da Costa na Escola de Direito da Universida-

Sala cheia para ver fórmula de sucesso Num discurso não raras vezes espirituoso, todavia, repleto de ensinamentos, foram-se expondo diversas ideias, conceitos e técnicas, contadas histórias e traçado um perfil que não tem rosto. No final, o público, que entretanto se dividia entre a sala principal e uma sala adjacente (onde a conferência estava a ser transmitida em

direto devido à adesão em massa dos alunos), não arredou pé e o professor resolveu abrir mais um conjunto de diapositivos, lembrando o encore de um grande artista em concerto. Ao ACADÉMICO, o convidado confessou que não estava à espera de tamanha adesão. Também a diretora de seminários e conferências da ELSA, Daniela Guimarães, referiu que nunca esperou uma audiência tamanha, e que o mérito de tal conquista se devia ao professor, o verdadeiro chamariz da atividade, graças às suas capacidades de oratória e de entreter o público, falando de assuntos sérios com uma leveza louvável. Três horas passaram até que a conferência fosse dada por terminada, num clima de enorme satisfação. Este tipo de atividades extra-curriculares, promovidas pela ELSA Uminho, com a participação de José Pinto da Costa, foram já seguidas por outras faculdades de Direito do país. PUB.


LOCAL PÁGINA 04 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

CAMPUS

GACCUM promove workshops para estudantes RITA MAGALHÃES ritasmaga@gmail.com

O Departamento de Projetos do Grupo de Alunos de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho (GACCUM) organizou, na passada quarta-feira, as “Jornadas de Escrita Jornalística: Desporto, Economia e Ciência”. Esta atividade está inserida numa série de oito eventos relacionados com as três áreas do curso - Jornalismo e Informação,

Relações Públicas e Publicidade, Audiovisual e Multimédia - que visam oferecer aos alunos outras ferramentas para além do plano curricular. O principal objetivo destas formações é dar aos participantes “uma noção da realidade do mercado de trabalho” e proporcionar-lhes “o contacto com profissionais da área”, como explicou Ana Isabel Lopes, diretora do departamento. Para esta conferência foram convidados três profissio-

nais: de economia, Pedro Romano, do desporto, Eugénio Queirós, e da ciência, Silvio Mendes. Durante mais de duas horas os convidados partilharam experiências das suas carreiras, deram conselhos e responderam a perguntas e curiosidades dos estudantes. Eugénio Queirós, jornalista do Record, considera estas iniciativas extremamente importantes para ambas as partes: “por um lado os alunos têm a oportunidade de interagir connosco e, por

outro lado, nós, profissionais, ficamos a saber como funcionam e como pensam as novas gerações”. No seu discurso, o jornalista desportivo salientou a paixão que tem pelo futebol e relembrou que o mundo jornalístico é “um autêntico zoo humano”. Já Pedro Romano, que escreve para o Jornal de Negócios, é ex-aluno da Universidade do Minho e focou a importância deste tipo de atividades “por serem feitas por alunos e para alunos,

criando uma ligação próxima entre a UMinho e o mercado de trabalho”. Por seu lado, Silvio Mendes, que trabalha para a Associação Viver a Ciência e para a Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, realçou que, na área da ciência, “ainda há muita falta de comunicação e confiança entre cientistas e jornalistas”. As informações sobre as próximas atividades desenvolvidas pelo GACCUM vão estar disponíveis no sítio www.gaccum.pt

capital da juventude em debate CÁTIA SILVA catiaff_11@hotmail.com MAURA TEIXEIRA maura.cvt@gmail.com

No passado dia 21 de março, realizou-se o Seminário Connecting the Dots, um projeto oficial da Capital Europeia da Juventude (CEJ) em conjunto com a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM), nomeadamente através do Gabinete do empreendedor – Liftoff. Três foram os painéis ao longo do dia. Na parte da manhã, Pedro Gonçalves, CEO da Gen, Nuno Freitas, Co-Owner da Sketchpixel e Raquel Veloso, Diretora Geral “Nós e a Família”, falaram dos “Recursos Capitais e estratégias para o Sucesso”, numa conferência moderada por José Mendes, vice-reitor da Universidade do Minho. O painel II, intitulado “Jovens de Futuro”, contou com Ricardo Diniz, velejador solitário, e Fernando Alvim, radialista e apre-

sentador de televisão, como oradores. Hugo Pires, presidente da Fundação Bracara Augusta e responsável do CEJ, foi o moderador. Numa intervenção muito dinâmica, Ricardo Diniz começou por contar um pouco do caminho que percorreu até obter o sucesso. “A vida vai-se construindo aos pontinhos”, diz ele, que em 1998 saiu de Portugal com apenas 25 euros no bolso atrás do seu sonho. Hoje, Ricardo tem vários projetos em mão. Um deles é o “Portugal Ocean Race”, uma plataforma de comunicar Portugal através do mar, que é, segundo ele “algo fulcral para a economia Portuguesa”. Este aventureiro encontrou vários obstáculos no seu caminho, mas graças à sua ambição e persistência, conseguiu ultrapassá-los a todos. “Deliguem a televisão” e esqueçam o que de mau se passa no mundo, foi o conselho deixado. “Inovação”, “tecnologia” e “qualidade” foram as

Iniciativa conjunta Liftoff e CEJ palavras-chave dadas pelo orador para a obtenção de sucesso. Segundo Ricardo, o importante é seguirmos os nossos sonhos e termos tempo para estar com os nossos. “Não sou o melhor de Portugal nem do mundo, mas dou o meu máximo”, conclui. Alvim lembra histórias de uma vida ligada à rádio “Tudo o que fazemos tem de ter aquela coisa que nos diferencia”, referiu Fernando Alvim na sua intervenção. Ele, que começou aos 18 anos a caminhada para o seu sonho na rádio Nova Era, no Porto, mostrou que é preciso acreditar, inovar, e trabalhar muito para se

conseguir chegar onde queremos. Aos 24 anos tinha o objetivo de trabalhar na Rádio Comercial, onde começou por ser repórter de praia. A vontade era tanta que, mesmo não havendo dinheiro para lhe pagar, aceitou ficar a custo zero. Ao fim de seis meses, surgiu a oportunidade de participar num casting para a TVI, do qual saiu vencedor. Fernando Alvim, cheio de ideias e criatividade, aproveitou ainda para anunciar alguns dos seus projetos: organizar o 1.º Torneio de Golf para Nabos; o 1.º Jogo de Ténis às Escuras (em parceria com a TMN); criar um jornal desportivo gratuito. “Não podemos estar muito

colados ao passado. Quando se fala no pretérito perfeito, é porque algo está mal”, aconselha o radialista. No terceiro e último painel, subordinado ao tema “Sonhos da Juventude”, os oradores António Guimarães Rodrigues, Reitor da Universidade do Minho entre 2002 e 2009, João Pinto Costa, jurista e autor do livro/blogue “Mail de um louco” e Jorge Sequeira, Head Manager da Teambuilding, pautaram as suas intervenções pela inteligência, bom humor e perspicácia, numa conferência moderada pelo presidente da AAUM, Hélder Castro. Esta atividade dinamizada pelo Liftoff integra-se num conjunto de etapas do Connecting the dots, resultado de uma parceria com Braga 2012: Capital Europeia da Juventude. Esta sessão – “O Capital da Juventude” - contou com um auditório cheio e ficou marcada pelo bom humor e pelo espírito empreendedor dos oradores.


CAMPUS PÁGINA 05 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

cecri assume reconhecimento e qualidade dos colóquios CATARINA HILÁRIO katarina-kosta@hotmail.com

Nos passados dias 20 e 21 de março realizou-se a 33ª edição dos Colóquios de Relações Internacionais, organizados pelo Centro de Estudos do Curso de Relações Internacionais (CECRI). O local escolhido foi o auditório A1 do campus de Gualtar, em Braga, e o tema central foi “primavera Árabe: Quo Vadis?”. O principal objetivo dos colóquios era criar um debate entre especialistas da temática e a comunidade académica, analisar e discutir este fe-

nómeno e perceber quais as suas origens e influências no cenário politico, social e diplomático mundial. A sessão de abertura realizou-se com a presença de António Cunha, reitor da Uminho, seguida de dois dos quatros painéis previstos. No dia seguinte, realizaram-se mais dois painéis e uma sessão de encerramento, onde estiveram presentes Hélder Castro, presidente da AAUM, Fernando Alexandre, presidente do Conselho Pedagógico da EEG, Maria do Céu Pinto, diretora da licenciatura e mestrado em Relações In-

ternacionais e Gustavo Silva e Susana Afonso, representantes do Núcleo de Colóquios do CECRI.

Balanço positivo da edição deste ano Os participantes puderam ainda usufruir de uma exposição, no hall do CP1, sobre a história do CECRI, o núcleo de estudantes mais antigo da Uminho, dos Colóquios de RI e do lançamento de uma edição da Revista ZOOM sobre o tema dos colóquios. Carlos Alberto Videira, presidente do CECRI, fez, ao ACADÉMICO, o balanço

da iniciativa: “Entendo que estes colóquios decorreram da melhor forma e que o balanço só pode ser muito positivo. Recebemos um feedback muito bom, sendo que a presença do Sr. Reitor e da diretora do Instituto Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros na sessão de abertura também constitui um reconhecimento da importância deste evento, que tem crescido de ano para ano e é já uma referência na Universidade do Minho”. Já Gustavo Silva, coordenador do núcleo de colóquios, sublinhou: “Sempre tive-

mos expectativas elevadas em relação a este evento, pois trata-se da sua 33ª edição e de na sua história se ter afirmado como um evento de excelência quer pela organização do mesmo, quer pelas temáticas abordadas, quer pelos magníficos oradores que já visitaram a Universidade do Minho no âmbito desta iniciativa ligada às Relações Internacionais e política no geral”. Quanto à próxima edição o mesmo nada pode adiantar para já, mas não duvida que o CECRI irá continuar a elevar a fasquia e a qualidade do evento.

saúde envolve semana temática da aaum JOSÉ MATEUS PINHEIRO jose_pinheiropr@hotmail.com

É já esta semana que irá decorrer a primeira edição das Semanas Temáticas de Empreendedorismo da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM). O tema “Saúde” assumirá um papel central em duas tertúlias que decorrerão nos dias 27 e 30 de março, terça e quarta-feira respetivamente. Assim sendo, este evento encontra-se a cargo do Departamento de Saídas Profissionais e Empreendedorismo da AAUM, encabeçado atualmente por André Miranda, estudante de Medicina. Na primeira sessão debater-se-á “Gestão e Saúde: Sustentabilidade do Sistema

Nacional de Saúde (SNS)”, que terá enquanto orador o professor doutor Jorge Simões, presidente da Entidade Reguladora de Saúde. “Nos dias que correm o SNS encontra-se assombrado por uma dívida avultada, o que acaba por em causa a sua própria sustentabilidade”, analisa André Miranda. Mesmo assim, o dirigente associativo defende que este se trata de “um direito da população”, pelo que através desta palestra esperam “cativar estudantes da área da saúde, assim como discentes das vertentes socioeconómicas”, sublinha o ex-presidente do NENUM. Já na sexta-feira, decorrerá na Escola de Ciências da Saúde (ECS) uma abordagem à “Empregabilidade na

Saúde: Será a saída de Portugal a alternativa?”. Embora a ideia inicial envolvesse a junção de um membro da ordem dos Enfermeiros e outro da Ordem dos Médicos, como nos adianta André Miranda, acabou por se confirmar apenas a presença do Doutor Miguel Guimarães, presidente da Secção Regional Norte da Ordem dos Médicos. “Iremos abordar as vagas para Medicina, que se têm vindo a revelar escassas quando comparadas com o número de candidaturas”, sublinha o dirigente associativo, pretendendo-se demonstrar também que Medicina já não constitui um emprego certo, existindo “uma quantidade de licenciados que não arranja colocação uma

vez findada a licenciatura”,

sublinha o aluno.

PUB.


CAMPUS PÁGINA 06 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

aliar a moda à música a partir de braga melhor e a EarBox Wear já marca presença na internet numa loja online que recebe encomendas um pouco para todo o mundo mas para já, conquistar Portugal é o principal objetivo. “O primeiro CacheCool que vendemos, o cliente quando recebeu o produto, enviou mais dinheiro de forma a dar os parabéns pela ideia e projeto. O público começa a perceber que temos uma atenção especial quanto aos materiais utilizados e que não queremos ser apenas uma marca de roupa que dá música, mas também uma marca de roupa de luxo.”, contam Pedro e João.

ADRIANA COUTO drianascouto@gmail.com

E se tivesses oportunidade de dar à tua vida uma banda sonora que te acompanhasse nos mais variados momentos sem que interferisse com a tua segurança ou no convívio com os teus amigos? “Vários estudos dizem que o uso de headphones é perigoso, sobretudo nas passadeiras. Assim, o sistema áudio da EarBOX permite-nos ouvir o mundo que nos rodeia.”, afirmam os criadores do projeto. Sinónimo de inovação, o EarBox Wear alia as novas tecnologias à arte. Senão vejamos: o seu vestuário possui um sistema de áudio integrado, que passam por colunas colocadas estrategicamente no capuz das suas sweats ou ‘CacheCool’ criadas à base de cortiça que segundo os criadores, possui variadas vantagens como “a leveza, a acústica que este material nos oferece, a impermeabilidade e sobretudo porque é Português.” Finalistas do concurso de ideias de negócio da Universidade do Minho e vencedores do concurso “O Empreendedorismo está na Moda”, arriscar num panorama onde a crise toma conta de parte dos noticiários todos os dias, tornou-se em algo mais do que espírito de aventura. “Não tínhamos nada a perder. Se não éramos felizes com o que fazíamos e se encontrámos um negócio que nos faz feliz, então não havia razão para não avançar. Não acreditamos numa geração à ras-

Um percurso de altos, mas também de... Baixos

Juntar ao dia a dia, uma boa dose de música é a aposta ca, mas sim numa geração start-up.” Pedro Becken e João Oliveira são o rosto do projeto EarBox Wear que apareceu como uma lufada de ar fresco no mundo da moda, aliando a música ao design têxtil e gráfico alternativo. Segundo o par de amigos, “Sabíamos que este é um mercado agressivo e que para vingar era necessário criar algo único. Adoramos ouvir música mas não conseguíamos usar os tradicionais headphones e como ambos temos experiência na área, surgiu a possibilidade de integrar um sistema áudio no vestuário!”

A receção dos seus produtos por parte do público não poderia estar a correr

Mas nem sempre tudo foi um ‘mar de rosas’ para a jovem empresa. A equipa teve que enfrentar muitas críticas e negativismo por parte de muita gente “principalmente no início. Inicialmente reagíamos um pouco mal, mas com o tempo começámos a mos-

trar os nossos argumentos. Felizmente houve pessoas que nos criticaram de forma a podermos evoluir e mostrar que o nosso projeto era possível. Desde o início que a empresa Confeções Chouselas acreditou em nós, depois contactámos várias entidades aqui no Minho que nos pudessem financiar o projeto mas apenas os Invicta Angels, do Porto, acreditou em nós. Com eles, reestruturamos a empresa e acima de tudo recebemos uma formação ativa que nos fez crescer imenso como empresários. O negativismo é um problema sério do nosso país.” A EarBOX Wear promete não parar por aqui e novos produtos serão apresentados em breve. “A EarBOX está neste momento a planear a internacionalização e pretende evoluir nos têxteis tecnológicos. Queremos ter modelos únicos, tal como o nosso CacheCool e com uma utilidade tecnológica! Sempre ligados à música.” Um excelente exemplo de empreendedorismo jovem.

DR

Conceito quer afirmar-se no mercado nacional PUB.


CAMPUS PÁGINA 07 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

UNIVERSITÁRIO

estudo revela universitários pouco preparados e sem dinheiro para concluir estudos CARLA SERRA carla_serra_3cdpovoa@hotmail.com

Com a crise que se faz sentir no país não é de admirar que os estudantes sintam os seus efeitos. A Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) efetuou recentemente um estudo que comprovou que 58% dos estudantes universitários não se sentem preparados para o mundo do traba-

lho e que muitos temem ter de abandonar os estudos. O estudo, recentemente divulgado após o ENDA (Encontro Nacional de Direções Associativas), em Évora, foi baseado em respostas de quatro mil alunos num universo de 130 mil. Dos inquiridos, 1855 afirmaram passar dificuldades económicas, 1224 disseram temer abandonar o ensino superior por esse motivo. Por último, 1265 dos estudantes inquiridos revelaram que não recebem qualquer bolsa de ação social.

Uma das questões fulcrais prendia-se com o facto de se sentirem ou não preparados para enfrentar o mundo do trabalho. Perante a questão, cerca de 58% afirmaram que não se sentem preparados para “enfrentar” o mundo do emprego, contra os 42% que dizem estar. E revelam poucas perspetivas de futuro... Os estudantes foram ainda questionados sobre se a formação que estão a receber se ajusta às oportunidades de emprego em Portugal, ao

qual mais de metade dos inquiridos, cerca de 62%, responderam negativamente. No que diz respeito à possibilidade de emigrar quando terminado o curso, 2110 dos alunos responderam já ter considerado a hipótese de emigrar e 1743 dos mesmos que não consideram a possibilidade. Sérgio Martinho, presidente da AAUTAD, afirmou que o associativismo nacional está “muito preocupado” com os resultados do estudo, sendo que os mesmos serão enviados para outros órgãos do setor

para “terem a noção da realidade do ensino superior”. “Quase metade dos alunos que respondeu a estes inquéritos demonstra dificuldades económicas e isto preocupa-nos muito” uma vez que as dificuldades económicas podem desencadear outros problemas como a manutenção no ensino superior, comenta o presidente da AAUTAD. A necessidade de um maior apoio para os alunos com necessidades financeiras começa a crescer e a ser mais notória no nosso país.

as 100 melhores universidades do mundo MIGUEL ARAÚJO tmc_miguel@hotmail.com

Nenhuma universidade portuguesa faz parte das 100 instituições mais conceituadas no mundo, num ranking elaborado pela Times Higher Education (THE). Os EUA e a Grã-Bretanha lideram a lista. Foram entrevistados 17.554 académicos, de 149 países

diferentes, com o objetivo de saber quais as universidades que consideravam ter melhor reputação. O estudo revela que as norte-americanas Harvard e Massachussetts Intitute of Technology (MIT) ocupam os 1º e 2º lugares no ranking, com 100 e 87,2% de referências, respetivamente. Logo a seguir surge Cambridge, na Grã-Bretanha, com 80,2%.

As universidades Orientais, que começam a ter relevância neste tipo de estudos, surgem representadas pelo Japão, Singapura e China. As japonesas Tóquio e Quioto ocupam, respetivamente, os 8º e 20º lugares. A universidade de Singapura está em 23º lugar, enquanto que as academias chinesas de Tsinghua, Pequim e Hong Kong aparecem em 30º,

38º e 39º lugares, respetivamente. A suíça Swiss Federal Institute of Technology (ETH) é, excetuando as britânicas, a universidade europeia melhor conceituada, ocupando o 22º lugar (15% de referências). Em 42º surge a alemã Ludwig-Maximilians-Universität (8,4%). Segundo a THE este ranking ajuda as instituições a escolher alunos, pro-

fessores e parceiros e, por outro lado, ajuda também os alunos a escolher as melhores universidades à sua disposição. O inquérito foi feito a professores a exercer funções nas universidades há 16 anos ou mais, dos quais 44% habitam na América, 28% na Europa, 25% na Ásia, Pacífico e Médio-Oriente e 4% em África.

“É quase como ser dador por princípio” ÂNGELA COELHO angelacfcoleho@gmail.com

A Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) assinou na passada terça-feira, um protocolo de cooperação para a solidariedade, com a Federação Académica de Desporto Universitário (FADU) e o Instituto Português do Sangue (IPS). Este protocolo foi o ponto de partida para o projeto “Competição pela Vida”, que se iniciou com mais uma “Dádiva de Sangue”, no campus de Gualtar da Universidade do Minho

(UM), e se prolongará até ao final de 2012. A iniciativa tem um âmbito nacional, pois todas as associações académicas do país foram chamadas a contribuir para esta causa solidária, no último Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA), onde a AAUM levou a votação a moção “Competição pela Vida”, aprovada por 49 associações. Hélder Castro, presidente da AAUM, confessa que a associação académica recebeu a notícia da quebra das reservas de sangue com alguma

preocupação. Desta forma, “foi do interesse da AAUM trabalhar numa estratégia conjunta para contrariar essa situação e aumentar o número de dadores”, afirma Hélder Castro. “As associações académicas têm sempre como princípio esta responsabilidade social, deste modo é do interesse de todas promover as dádivas de sangue”, diz o presidente da AAUM. “É quase como ser dador por princípio”, conclui. Para além da assinatura do protocolo, foram ainda apresentadas as fases finais

dos Campeonatos Nacionais Universitários (CNU’s) 2012, que se irão realizar na UM de 14 a 22 de abril. A apresentação dos CNU’s decorre no âmbito das dádivas de sangue e surge numa ação conjunta com o IPS, que durante essa semana vai disponibilizar duas unidades móveis de recolha de

sangue nos campi da UM. Assim, todos os estudantes e atletas das várias universidades portuguesas serão chamados a contribuir para o aumento das reservas de sangue a nível nacional. No total foram registados 432 dadores de sangue e 102 recolhas de sangue para análise de medula.


PÁGINA 08 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

cursos ao raio-x Filomena Brás contabilidade

contabilistas, precisam-se! “Se todos tivessem um bocadinho de conhecimento de Contabilidade, provavelmente Portugal não estaria na crise que está” lénia rego leniarego@hotmail.com

O que é que se pode aprender com este curso? Aquilo que é fundamental na Contabilidade. Toda a gente deveria ter Contabilidade, para saber quais são as suas receitas e despesas, os compromissos que assumem e o seu agendamento. Se todos tivessem um bocadinho de conhecimento de Contabilidade, provavelmente Portugal não estaria na crise que está, porque teriam feito bem as contas. Acho que é uma licenciatura importante, pois qualquer instituição e organização, quer seja uma creche,

escola, hospital, loja ou consultório médico, precisa de prestar as suas contas e de saber como o fazer. Qualquer um de nós, no dia a dia, precisava de saber um pouco de Contabilidade. Claro. Enquanto professora choca-me ver reportagens sobre famílias com crédito mal parado, onde se nota que as pessoas não são capazes de fazer contas básicas como a soma das receitas que devem depois comparar com as despesas mensais, para verificar que o dinheiro não chega. Mas a Contabilidade não é só isto, se bem que este é o seu fundamento, permitir à instituição saber como estão as

suas finanças.

seus recursos financeiros.

Falando de saídas profissionais, o que é que o curso de Contabilidade possibilita?

Acha que é um curso que se recomenda?

Qualquer organização precisa de um contabilista, inserido ou não na própria organização. Os alunos podem ser técnicos oficiais de contas, revisores oficiais de contas, inspetores de finanças, auditores, contabilistas ou professores. Cada vez mais as organizações verificam a importância da Contabilidade. Se há alguns anos atrás não se falaria de um contabilista numa escola, hoje já há funcionários que “medem” o impacto das decisões da administração da escola, na gestão dos

A Universidade do Minho insere-se numa região de pequenas e médias empresas, onde o contabilista é o senhor que faz tudo, trata do processamento de salários, de entregar as declarações ao fisco, de dizer ao empresário que é preciso poupar aqui e investir ali. Nessa perspetiva, penso que sim, que é um curso com grandes potencialidades. Este curso é diferente dos outros que existem no país? A Universidade do Minho é a única do setor público a

fornecer uma licenciatura em Contabilidade, pois normalmente isto só acontece no ensino politécnico. Gostamos de dizer que damos um bocadinho do nosso contributo enquanto sistema universitário. Temos uma formação a três níveis: prático, teórico e tecnológico e queremos fazer essa abrangência. O nosso finalista deve fazer, mas saber como fazer. Tentamos incutir-lhe a componente prática, para que ele possa trabalhar em Portugal, Espanha, em qualquer país da União Europeia ou que utilize normas internacionais de Contabilidade, porque damos essa formação. E penso que isso é uma mais valia para os candidatos. PUB.


PÁGINA 09 // 27.MAR.12 //ACADÉMICO

INQUÉRITO

sentes-te inseguro nas imediações da universidade do minho? A estudante de Psicologia admite que só se sente insegura quando passa por sítios mais escuros ou onde não está mais ninguém. “Quando é à noite já é diferente, como existe pouca luminosidade, falta de segurança no campus e à sua volta, não me inspira muita confiança e sinto-me bem mais desprotegida do que durante o dia”, assegura. Na sua opinião, as medidas a adotar para evitar esta falta de segurança passam por “colocar mais iluminação do que a que existe neste momento, uma vez que a falta de luz facilita a criminalidade, os comportamentos duvidosos e apostar numa maior segurança/vigilância à noite, tanto no campus como nas ruas à sua volta”. A aluna refere ainda que por causa do clima de insegurança que se tem gerado não pode evitar o percurso que faz todos os dias mas, “claro que a atenção duplicou” e evita ao máximo andar sozinha, tentando andar sempre em grupo.”

CATARINA FERREIRA 2ºAno // PSICOLOGIA

FREDERICO TEIXEIRA 2º ANO// RELAÇÕES INTERNACIONAIS

O aluno de Relações Internacionais assume que não se sente inseguro nas imediações da Universidade do Minho. “Na parte dos complexos pedagógicos penso que não há problema, apesar das áreas como os parques de estacionamento, quando saímos às 18h, já são mais isoladas”. Em relação às possíveis medidas que podem ser impostas, o aluno entende: “penso que nas áreas mais isoladas deveria haver mais seguranças e à volta dos complexos pedagógicos”. Acrescenta ainda que à volta do campus, durante o dia na zona dos bares, não há problema algum. “À noite é que têm acontecido uns casos mais problemáticos como certas abordagens de pessoas na rua, entre outros, que podem merecer mais atenção”, acrescenta. Em relação às mudanças que esta situação poderá trazer à sua vida, Frederico assume: “Não vou alterar nenhuma rotina nem nenhum trajeto”.

O aluno relata que “a verdade é que se fala muito de insegurança no que toca às imediações da Universidade, mas o facto é que para além de histórias de violações e baleados não sinto qualquer alteração de há um ano para cá e continuo a sentir-me bastante seguro, tanto dentro como fora do campus.” Para evitar este clima de insegurança o aluno sugere “uma maior presença da PSP, assim como melhor qualidade na segurança, que era capaz de ajudar os alunos em geral a sentir-se melhor. Também acredito que a presença de algumas personagens nos parques de estacionamento e arredores não ajudam para um sentimento de segurança por parte dos alunos.” Em relação à mudança de hábitos devido a esta situação, o aluno diz ainda que continua a usar os mesmos caminhos, seja de noite ou de dia. “Não mudei muito os meus hábitos, seja nos dias em que saio à noite ou nos dias em que tenho de estudar até mais tarde na biblioteca. De qualquer modo continuo a fazer as mesmas coisas”, sublinha. NUNO VIANA 2º ANO // ECONOMIA

CATARINA LIMA 2º ANO//

ANA PINHEIRO

anafilipapinheiro1@hotmail.com

DIREITO

Com a academia assombrada por um clima de insegurança devido a alguns acontecimentos ocorridos nos últimos tempos, os estudantes estão alerta e pedem mais policiamento.

A estudante Catarina Lima, do curso de Direito, conta que, perante esta situação, não se sente insegura porque nunca passou por isso, assim como os seus amigos, por isso “a sensação de insegurança não é muita”. Quando questionada com o que se poderia fazer para reverter esta situação a aluna responde que “a medida passa essencialmente por mais policiamento. Como já houve uma tentativa de violação a uma rapariga dentro do campus, mas como o controlo das entradas na universidade é praticamente impossível, as medidas devem passar por mais segurança na Universidade”. Apesar de a aluna admitir que não se sente insegura dentro do campus, acha que vai começar a alterar os seus hábitos, declarando: “para já não alterei, mas vou começar a alterar de certeza, por causa das coisas que se têm passado nos últimos tempos.”

Os sucessivos casos de desacatos e assaltos dentro e fora do Campus têm preocupado de sobremaneira a comunidade académica, sendo necessárias medidas de segurança excecionais para que este ambiente de insegurança deixe de fazer parte do dia a dia da Universidade. O ACADÉMICO foi falar com alguns alunos, tentando saber quais as diferentes opiniões, os seus receios e como estão a pensar alterar os seus hábitos devido a esta preocupante situação.


PÁGINA 11 // 27.MAR.12 //ACADÉMICO

REPORTAGEM

jovens empreendedores da uminho com projectos de sucesso DR

EDUARDA FERNANDES duda71@live.com.pt neuza alpuim neuzalpuim@sapo.pt

O empreendedorismo não passa ao lado dos jovens da Universidade do Minho. No contexto de crise económica e financeira em que Portugal se encontra e numa altura em que as taxas de desemprego jovem atingem valores históricos, ser-se empreendedor é, para alguns jovens, uma alternativa. Roberto Machado, jovem de 23 anos e ex-aluno do Mestrado em Engenharia Informática, faz parte do leque de jovens empreendedores da Universidade do Minho (UM). O seu percursoacadémico conta com vários projetos próprios e em grupo. Em 2011, junta-

Group Buddies pretende ser mais um produto de sucesso saído da UM

mente com Miguel Palhas e Pedro Pereira, participou no Innovation Challenge e numa parceria com a agência da UM para a Energia e o Ambiente, com a ideia de uma aplicação Android que permitisse ao utilizador “denunciar” qualquer tipo de desperdício energético. Group Buddies Group Buddies é o seu mais recente projeto. Roberto Machado, Miguel Regedor, Pedro Pereira, André Santos, Luis Ferreira e Hugo Marinho são a equipa que dá corpo à Group Buddies, um negócio que surgiu inicialmente com o nome Simon, no âmbito de uma unidade curricular do 2º ano do mestrado em engenharia informática. A Group Buddies, em atividade desde

fevereiro de 2011, pretende oferecer ao mercado a solução para os problemas das pequenas organizações como os problemas de comunicação interna, como a comunicação digital entre colaboradores e problemas de comunicação externa, como a gestão de atividades,

a criação de uma imagem e presença online, assim como o fomento da comunicação com os associados e o público em geral. “A nossa ideia é agregar um conjunto de funcionalidades que existem de forma dispersa (...) em que as pessoas só com o log in conseguissem ter acesso a muita coisa e fazerem muita coisa dentro da sua própria organização” acrescenta Roberto, focando ainda a ideia de que a Group Buddies quer ser um parceiro ativo na atividade dos seus clientes. “Temos já uma boa carteira de clientes, bastantes contactos e um horizonte bastante promissor à nossa espera” afirma o ex-aluno, adiantando que se encontram a trabalhar numa plataforma renovada. O jovem de 23 anos expõe ter “um objetivo pessoal, que é até aos 25 anos ter criado seis projetos”. “Eu gosto mesmo disto que faço, gosto de ser empreendedor, não pelo sentido da palavra, nem para andar com a palavra atrás de mim,

O projeto da cerveja artesanal já deu que falar na Universidade do Minho

DR

mas pela pica que é andarmos aqui a batalhar contra o mundo” confessa Roberto. Quando questionado sobre a origem deste espirito empreendedor, brinca dizendo que foi “quase um negociante desde pequenino.” Para Francisco Pereira e Filipe Macieira, jovens proativos de 26 anos e doutorandos no Departamento de Engenharia Biológica da Uminho “é muito importante os empreendedores serem otimistas e serem ambiciosos, porque, se não forem, vão chegar a um ponto em que vão estagnar e pronto… nesse momento já não são empreendedores”. Francisco e Filipe são também exemplos de jovens empreendedores. FermentUM FermentUM é o atual projeto de negócio em que estão envolvidos. Este “surge baseado essencialmente num primeiro projeto de negócio que tem a ver com o lançamento de cervejas artesanais diferentes e, também,


ENTREVISTA PÁGINA 11 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

REPORTAGEM Filipe e Francisco querem continuar a ver crescer o seu projecto: FermentUM

DR

tem a ver com o facto de nós termos experienciado durante o nosso mestrado com o setor cervejeiro” refere Francisco. O projeto “Cerveja Artesanal do Minho” visa a introdução de cervejas especiais no mercado, com características muito particulares e cujo método artesanal de fabrico faz diferir da cerveja que habitualmente se pro-

duz e consome em Portugal. Pretende-se, no âmbito do projeto, implementar uma mini-fábrica para produção e comercialização de cerveja artesanal no interior de um bar com serviço de snacks introduzidos num edifício rústico com um espaço exterior único. Tem ainda como objetivo envolver pessoas de outros departamentos (Marketing, design…), “que-

conselhos “Devem arriscar, devem perseguir as suas próprias ideias, falar com pessoas, perguntar. Sempre que têm uma ideia, perguntem se as pessoas acham piada ou não acham. Testem as suas ideias. Ser empreendedor não é criar uma empresa, podemos ser empreendedores só a procurar o nosso trabalho e dentro

da empresa conseguirmos um trabalho”, aconselha Roberto. “É um bocado complicado, porque acredito que as coisas não devem ser forçadas. É preciso ter um bocadinho de sorte e não forçar muito, porque as coisas têm que se conciliar, a verdade é essa”, orienta Francisco.

remos envolver as pessoas da universidade para criar esta envolvência mais interessante à volta do projeto” destaca Francisco. Questionados sobre o local de alojamento do FermentUm, Francisco diz que o projeto segue em direção a Braga porque acham “que Braga é uma cidade que tem tudo para aceitar bem o conceito, pelo facto de ser uma cidade aberta a novas ideias, novos conceitos, o facto de ser uma cidade jovem.” “Quer pelo facto de o nosso público-alvo serem pessoas que querem experimentar novas coisas e acredito que a cidade de Braga seja uma boa aposta”, acrescentam. Satisfeitos, confessam: “as coisas estão a correr bem, estamos a aperceber-nos do impacto que isto está a ter nas pessoas, o facto de elas procurarem as cervejas diferentes e é isso que nos dá forças para continuarmos neste caminho, nesta direção do projeto.” Os jovens confessam que para além deste projeto de negócio têm outras ideias que querem começar a trabalhar, mais concretamente na área das leveduras, vinhos… “acreditamos que todo este dinamismo que anda aqui à volta e que se sente na UM é muito importante para isso acontecer.” “É preciso ter a ideia, é preciso ter vontade, muita vontade e trabalhar de borla nos primeiros tempos”, este é para Francisco e Filipe o perfil de um empreendedor.

apoios A opinião dos três jovens é partilhada quando questionados sobre os apoios que sentiram. O gabinete do empreendedor da Associação Académica da Universidade do Minho, o Liftoff, foi referido pelos jovens como um apoio importante neste processo. “Atualmente, tem-se avançado muito, principalmente na UM, com o gabinete do empreendedor, o Liftoff, que tem dado algumas palestras interessantes e que tem mostrado, no fundo, que aqui no Minho há empreendedores e pesso-

os alunos da universidade têm de perceber que não vai haver empregos para toda a gente, por isso há que tentar

as com vontade de criar o próprio negócio. Por isso achamos que estamos no bom caminho” conclui Filipe. Roberto refere, ainda, a importância da ajuda prestada pela TecMinho e pelos “nossos amigos e outras pessoas que estão sempre disponíveis para nos ajudar.” Ana Rita Ribeiro, técnica do Liftoff, confessa notar um acréscimo da procura do gabinete, referindo que crê que muitas pessoas começam a colocar a criação do seu próprio emprego como possível.

ver o que tu podes oferecer ao mercado e de que forma o teu trabalho pode ser aproveitado”, acrescenta Filipe.

DR

Situação atual vivida em Portugal Em relação à atual conjuntura, as opiniões caminham, de certa forma, no mesmo sentido. Para Robreto “é crucial neste momento que o país atravessa, criarmos os nossos próprios horizontes e ter uma visão bastante aberta do que é que há la fora”. “Cada vez mais com a crise, as pessoas e

Roberto Machado é mais um jovem que demonstra a sua vontade empreendedora


MOITA

JORGE O convidado desta semana da Burning List é Jorge Moita, designer português cujo trabalho é conhecido e reconhecido pelos quatro cantos do mundo. A sua principal criação é a La.Ga, uma mala produzida num material inovador e com um design vanguardista. Mas o seu percurso inclui passagens pela Dinamarca e por Itália, onde trabalhou para a Casa Benetton. Vamos então conhecer o percurso e as escolhas de Jorge Moita. Alentejano da raia, Jorge Moita trabalha desde 1998 em projetos de comunicação nas áreas do design e da moda. Foi fundador, juntamente com Daniela Pais, do Laboratório de Design de Moda krvkurva, sendo o seu diretor criativo. O seu trabalho, desenvolvido no âmbito deste laboratório mas não só, já foi galardoado com inúmeros prémios nacionais e internacionais, entre eles a Medalha de Ouro do Prémio Infante D. Henrique - The Duke of Edinbrough e o Young Creators for Europe Award. O trabalho de Jorge tem uma forte componente social, a que não é alheia a sua passagem pela Fabrica, Centro de Comunicação e Pesquisa do Grupo Benetton em Treviso, Itália. Assim, Jorge estabeleceu uma parceria com o Estabelecimento Prisional Feminino de Tires. O objetivo passava por aliar uma produção de qualidade e não convencional à preocupação de reabilitar a população reclusa. Segunda: R.E.M. - Drive (Automatic for the People, 1992) “Estamos neste momento a viver fim da banda que marcou muitos, entre eles a minha geração. Este é um dos temas que me marcou muito, na altura e que é sempre bom relembrar. Foi uma

banda que marcou pela postura em palco, nomeadamente do Michael Stipe, mas também muito trabalho de imagem, trabalho que ia para além da música.” Terça: Lykke Li - Sadness is a Blessing (Wounded Rhymes, 2011) “Curiosamente descobri, através de um amigo meu que entrevistou a Lykke Li, que ela chegou a viver no Alentejo, portanto foi minha conterrânea durante um período de tempo! Mas para além disso, é uma das minhas referências em termos de vozes femininas. Aprecio também a sua postura em palco - pelo que ouvi dizer houve uma passagem por Portugal impressionante a esse nível e penso que vai marcar também a sua época.” Quarta: Soundwalk - Puglia (Ulysses Syndrome, 2009) “O projeto Soundwalk é um conjunto de músicos muito interessante e o seu trabalho é apreciado sobretudo por um conjunto de “ascetas” ligados a uma espécie de “arquitetura” do som. Este Ulysses Syndrome é uma viagem sónica, como eles próprios descrevem, através do Mar Mediterrâneo, desde Troia até Ítaca. Para mim, todas aquelas sonoridades e todo aquele material que eles editaram são sons que me são familiares e que fazem parte da minha infância - transportam-nos imediatamente para aqueles lugares!” Quinta: Micro Audio Waves - Sunshine Sunlight (Zoetrope, 2009) “Este é um dos exemplos em que um coreógrafo

como o Rui Horta trabalha com uma banda como os Micro Audio Waves e acabam por ter um produto final completamente novo e inesperado. Eu já conhecia o trabalho dos Micro Audio Waves e, atualmente, tenho em mãos um trabalho em conjunto com a Cláudia Efe. Eles são um dos exemplos da criatividade atual que se pode exportar e ter eco em qualquer parte do mundo!“ Sexta: Buraka Som Sistema - Hangover (BaBaBa) (single, 2011) “Para mim, a música é uma daquelas coisas que vai sempre à frente e abre o caminho para toda a outra produção criativa. Hoje em dia, com toda a tecnologia a música é um link para um download e viaja muito rapidamente. Os Buraka Som Sistema são um bom exemplo disso, numa ligação dos ritmos mais africanos, que são miscigenados em Lisboa e enviados daí para todo o lado!”


TECNOLOGIA E INOV etc, cruzamos então essa informação e elementos e no fim tecemos o nosso relatório e o nosso parecer. Como é que é o dia a dia na GeoJustiça? Como é que as pessoas chegam à GeoJustiça? Temos sempre a porta aberta. As pessoas contactam-nos para tirar informações da empresa e tentamos perceber o problema de quem entra em contacto connosco e direcionamos os nossos serviços.

pessoas estão envolvidas no projeto? Somos as duas, uma historiadora , o Dr. Paulo, ligado à Universidade do Minho e o Dr. Domingues. Existe também um Conselho Científico que reúne professores universitários do Minho, Porto e Lisboa especialistas nas áreas que consideramos chave. Procuramos os mentores no país nestas áreas e com eles trocamos impressões.

DANIEL VIEIRA DA SILVA daniel.silva@rum.pt

Como tudo se processa na GeoJustiça? Sempre que nos chega um caso levantamos todos os requisitos ligados a esse problema. A partir deste levantamento dos requisitos todos, vamos selecionar a informação que nos dá algumas respostas. Portanto, recuámos aos anos 40, para nos dar uma resposta aérea,

Sentem um crescimento nos últimos tempos? Sim! Apesar de ser um cliente que necessita de ser conquistado e sentir confiança no serviço que está a adquirir. Sentimos que o nosso volume tem crescido e os nossos principais clientes são os advogados e autarquias. A tendência é para continuarem a crescer? Quantos

twittadas DIOGO LEMOS mcp.993@gmail.com

iPad ultrapassa os três milhões de vendas A Apple anunciou na passada terça-feira que o seu mais recente iPad atingiu os três milhões de unidades vendidas, após o seu lançamento no dia 16 de março. Entre as principais funcionalidades deste produto, destacamse o novo ecrã retina, um novo chip gráfico e uma câmara capaz de capturar fotos e vídeos

em HD 1080p... Tudo com mais autonomia, agora com 10 horas. O novo iPad estará disponível em lojas nacionais desde 23 de março em revendedores autorizados Apple em 24 outros países em todo o mundo. 80% das empresas não sabe gerir crises nas redes sociais Um estudo promovido pela InfiniteLatitude mostra que 80% dos departamentos de comunicação das empresas não definem procedimentos para lidar com crises nas redes sociais, apesar de estarem já prepara-

das para as mesmas situações nos media tradicionais. Apesar da importância dada aos media, a preparação continua insuficiente. A grande maioria dos departamentos de comunicação não tem estruturas de monitorização online, procedimentos de aprovação de posts ou mesmo colaboradores especializados. Windows 8 com lançamento previsto para outubro A nova versão do sistema operativo Windows poderá ser lançado em outubro, avança a

agência Bloomberg. Segundo esta agência, o novo Windows 8 será lançado pela Microsoft em outubro, tanto nas versões para PC como para Tablet. O novo sistema operativo deverá estar concluído no próximo verão e estará disponível numa primeira fase para equipamentos com processador Intel para PC e ARM no caso dos Tablets. A principal novidade deste sistema, além de poder ser utilizado em Tablets, será a interface Metro, disponível já no Windows Phone e na XBOX360.

Internet será quinta maior economia do mundo em 2016 Um estudo estima que em 2016 a internet estará em 5º lugar na tabela dos países do G20. À frente da Internet estarão os EUA, a China, o Japão e a Índia e imediatamente atrás a Alemanha. Analisando apenas as economias online do G20, a multinacional prevê que a Internet movimente 4.2 biliões de dólares (cerca de 3.2 biliões de euros). Este relatório aponta ainda a importância das redes sociais, que chegarão a 4 em cada 5 dos cibernautas mundiais.

PUB


OVAÇÃO

PÁGINA 15 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

liftoff,

gabinete do empreendedor da AAUM

noticia... > 28 MARÇO 12 Workshop “Transição para o Mercado de Trabalho”

> 11 ABRIL 12 Flash Talk Inova Têxtil Guimarães

> > 18 ABRIL 12 Workshop “Marketing Pessoal”

> 23 ABRIL 12 Workshop “Networking”

> 2 MAIO 12 Tertúlia “Quero um emprego”

Workshop “Transição para Flash Talk o Mercado de Trabalho” Irá decorrer entre as 18h00 e as 20h00 no Auditório 103 do Complexo Pedagógico 2, Campus de Gualtar, em Braga. Este workshop será dinamizado pelo Dr. Paulo Nóvoa e pela Dr.ª Sara Brandão (CEPSI Braga). Objectivos: - Desenvolver conhecimentos e atitudes de procura ativa de emprego, de forma a facilitar a sua integração no mercado de trabalho; - Fomentar o conhecimento e exploração das oportunidades de emprego; - Desenvolver competências de procura ativa de emprego e aplicação de técnicas eficazes. Conteúdos Programáticos: 1. Importância do autoconhecimento e da auto-ava-

liação: - Qual o seu potencial? Quais os seus objectivos de carreira? Quais as suas expectativas? - Analise dos pontos fortes e pontos fracos individuais (Análise SWOT) 2. Implementação prática na procura de emprego: - Como começar? - Atitudes e Comportamentos - Procurar Emprego: quando, como e porquê - Empreendedorismo A participação é gratuita, mediante inscrição. Aberta a participação à comunidade em geral. Inscrições em: www.liftoff.aaum.pt Mais informações em: gip@aaum.pt

concurso

Inova Têxtil Universidade do Minho Guimarães O LIFTOFF - Gabinete do Empreendedor da AAUM e o spin-off EDIT VALUE encontram-se a promover uma sessão de apresentação do Concurso “Inova Têxtil” na Universidade do Minho. Este concurso de âmbito nacional visa estimular e promover ideias, materiais, produtos, aplicações, serviços e conceitos de negócio novos e inovadores associados à fileira têxtil. Os destinatários são as pessoas singulares com mais de 18 anos e/ou organiza-

ções sediadas em Portugal. A iniciativa contará com as presenças de: - João Oliveira, promotor da empresa EarBox, projecto vencedor do concurso “O Empreendedorismo está na Moda!”; - Professor Doutor Fernando Ferreira enquanto Director do Centro de Ciência e Tecnologia Têxtil da Universidade do Minho; - Engenheiro Fernando Merino (Director do Departamento “Têxteis do Futuro”

do CITEVE - Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal) que fará uma apresentação do Concurso Inova Têxtil. O evento terá lugar no próximo dia 11 de Abril, pelas 15 horas, no Campus de Azurém da Universidade do Minho, em Guimarães. As inscrições para o Flash Talk são gratuitas mas sujeitas a inscrição. Mais informações e inscrições em: liftoff@aaum.pt

Ofertas de emprego by

Estágio de Curta Duração de Economia/Gestão para Guimarães Perfil: Formação na área de Economia/Gestão; Conhecimentos / Facilidade de conversação em Inglês, Francês e Espanhol. Oferta: Refeição.

Estágio de Curta Duração em Direito para Guimarães

Professor de Matemática (M/F) para Braga

Disponibilidade imediata. Outras ofertas disponíveis:

Perfil: Formação na área de Direito; Conhecimentos / Facilidade de conversação em Inglês, Francês e Espanhol.

Para explicações a alunos do Ensino Secundário, Centro de Estudos pretende recrutar Professor de Matemática (M/F).

- Operadores de Call Center para Braga (Part/Full Time);

Oferta: Refeição.

Perfil: Habilitações académicas ao nível da Licenciatura; Experiência profissional relevante para a função (factor valorizado);

- Engenheiro Estagiário (M/F) para Lisboa;

- Comerciais para Braga (Part/ Full Time);

- Informático (M/F) para Guimarães.


CULTURA “20 bandas, 20 DJ’s e 20 cartazistas numa noite” ALEXANDRE VALE alexandremvrocha19@live.com.pt

Inserido na programação da Capital Europeia da Cultura, decorreu no passado sábado, a terceira edição do 20XX20, organizado pela Lovers & LollyPops e a Revolve, no Instituto de Design de Guimarães. A noite foi de muita música, de muito movimento mas também de alguns percalços. A ideia que guia o evento é simples, mas ousada: promover uma noite agitada, onde as várias linguagens artísticas se expressam e se cruzam no mesmo espaço. São 20 bandas, 20 dj’s e 20 designers que marcam presença para mostrarem aquilo que valem e o que têm para dar a quem os vê. Os concertos decorrem a um ritmo de contrarrelógio, onde cada banda tem cerca de 15 minutos para atuar. Já os dj’s passam no máximo

até três músicas, enquanto numa sala de exposições estão afixados os cartazes do evento, elaborados por

vários designers. A edição deste ano concretizou por inteiro a ideia subjacente ao evento. Foram cerca

de cinco horas de um ritmo bastante acelerado e muito energético. Passava da uma da manhã (três horas depois do ínicio) e estava a entrada repleta de gente para assistir aos espetáculos. Dentro do recinto, à medida que as horas passavam, mais difícil se tornava circular entre tantos espectadores presentes. Os concertos foram, sem dúvida, os que registaram maior afluência do público. Tocaram desde nomes menos conhecidos até nomes com alguma projeção nacional, como Black Bombaim, The Glockenwise e The Shine, bandas que já marcaram presença em alguns festivais reputados. Cátia Laranjeira, que assistiu a grande parte dos concertos, achou boa “a ideia de só terem 15 minutos para tocar” o que faz com que “toquem as suas melhores músicas” e que as pessoas “fiquem a conhecê-las melhor”.

Já João Mendes salientou “ a energia musical que vem” de as bandas “serem desafiadas a tocarem num curto espaço de tempo”. O destaque tem que ir para The Shine, que com o seu kuduro progressivo, incendiaram a plateia e trouxeram gente para dançar no palco. Mas a noite não correu sem falhas. Houve atrasos nos concertos que não só tiraram ímpeto ao evento, como amputaram o tempo disponibilizado a algumas bandas. Houve também bandas que não tocaram, como Mr. Miagy, mas a falha que mais incomodou o público presente foi mesmo o fim repentino do concerto dos The Shine e de todo o evento em si. Este parece ter sido motivado pela mudança da hora, uma vez que o fim estava programado para as 4 da manhã, e, se tivesse decorrido normalmente, só acabaria às 6 da manhã.

e é através dela que as emoções ultrapassam o ecrã. ”The girl with the dragon tatoo”, nomeado pela academia para melhor cinematografia, melhor mistura de som, melhor atriz principal e vencedor do óscar de melhor edição é um filme que

poderá chocar os mais sensíveis pelas suas cenas de violência explícita e da condição mais obscura do ser humano. No entanto, são duas horas de tensão que conseguem manter o espectador curioso sobre o desfecho destas personagens.

SALA DE CINEMA

“the girl with the dragon tatoo” RAQUEL MOREIRA morgaide@gmail.com

“Os homens que odeiam as mulheres” ou mais conhecido por “The girl with the dragon tatoo” é um filme que estreou a 11 de janeiro em Portugal, realizado por David Fincher, conhecido por outras películas, como “A rede social” e “O Estranho Caso de Benjamin Button”. ”The girl with the dragon tattoo”, baseado no livro com o mesmo nome, é uma versão americana alternativa à versão finlandesa. Já não é novidade esta fórmula de pegar em sucessos estrangeiros e fazer outra

versão, exemplo de “The ring” ou “Ringu”. No entanto, enquanto a maior parte destas novas versões nunca chega a igualar a versão original, o mesmo não se pode dizer de “The girl with the dragon tatoo”, onde Fincher volta a provar o seu brilhantismo ao conseguir ser fiel à versão original sem nunca perder a tensão sentida em todo o filme. Se, por um lado, muitos ficaram desiludidos pela semelhança, quase shot a shot, à versão finlandesa, outros aclamam a capacidade de Fincher de conseguir recrear de maneira cinematograficamente apelativa e editar com um brilhantismo de aplaudir. Mikael Blomkvist (Daniel

Graig), é um repórter a quem lhe é confiada a tarefa de investigar um desaparecimento ocorrido há 40 anos. É ajudado por Lisbeth Salamander (Rooney Mara), uma hacker, tutelada pelo estado, que trabalha para uma empresa de investigação. A introdução, notoriamente longa, relembra-nos os filmes de 007, com gráficos disformes e pouco reveladores, que retratam Lisbeth como uma agente 007 no feminino. Esta personagem torna-se tão real ao longo do filme que nos leva a conectar com uma figura que inicialmente seria de esperar o contrário. A evolução desta marca o compasso do filme


PÁGINA 17 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

RUM BOX

AGENDA CULTURAL

TOP RUM - 12 / 2012

BRAGA

23 MARÇO

1 BLACK KEYS, THE Lonely boy

13 JANE’S ADDICTION Irresistible force 14 QUEENS OF THE STONE AGE - Outlaw blues

MÚSICA 30 de Março JP Simões + Márcia Salão Medieval da Reitoria da UM - Organização RUM/CEJ

15 SBTRKT - Wildfire 2 RAPARIGA ELÉCTRICA Tens de sair

16 VACCINES, THE Post break-up sex

31 de Março Anaquim Fnac Braga

3 SHINS, THE - Simple song 17 BEST YOUTH - Hang out 4 RODRIGO LEÃO O fio da vida 5 CHARLOTTE GAINSBOURG Terrible angels

18 M83 - Midnight city

20 KILLS, THE - Baby says

7 DJANGO DJANGO - Hail bop

POST-IT 26 março > 30 março

9 TOM WAITS Back in the crowd

Eu Sou Bolaño de Celina Manzoni (Clube do Autor); conjunto de ensaios, de leitura obrigatória, para conhecer o obra do escritor chileno.

HELLO ATLANTIC The Leaving Song

11 WE TRUST - Again

JULIA HOLTER In The Same Room

12 ADULTS, THE Nothing to lose

MIIKE SNOW The Wave

31 de Março Gala Drop CCVF

FAMALICÃO MÚSICA 31 de Março Luna Pena Casa das Artes

31 de Março Concerto de Canto e Piano Casa das Artes

O Livro de Areia de Jorge Luís Borges - Quetzal. Uma das obras fundamentais da tradição literária e de todos os tempos. Sublime.

Para ouvir de segunda a sexta (9h30/14h30/17h45) na RUM ou em podcast: podcast.rum.pt Um espaço de António Ferreira e Sérgio Xavier.

we have band ternion escaparates o segundo álbum, revelando uma projeto capaz de se impôr através das suas bem trabalhadas e atraentes canções. Navegando num universo bastante povoado, os We Have Band conseguiram afirmar a sua criatividade de forma decidida, resultando num sempre difícil segundo regresso. Não sendo um disco de temas poderosos, “Ternion” destaca-se pela profundidade melódica e alguma contenção, funcionando como um todo. É um grande passo para a banda, colocando-a na linha da frente da cena musical da atualidade.

Ouro do Inferno de Eric Frattini - Porto Editora. As relações proibidas entre o grande capital suíço, a igreja católica e o nazismo.

Frankenstein III - Morto e Vivo de Dean Koontz Bertrand. A conclusão da trilogia e, como é natural, o Bem vence o Mal. Grande leitura.

CD RUM

Os londrinos We Have Band estão de regresso aos discos e também aos concertos. Depois de terem passado em 2010 pelo palco after-hours de Paredes de Coura, esta semana atuam no Musicbox em Lisboa e na bagagem trazem o seu segundo álbum de originais “Ternion”. Após a edição em 2010 de “WHB”, o seu disco de estreia, poucos foram aqueles que acreditaram na sobrevivência da banda. No entanto, em finais de janeiro último, surge nos

MÚSICA 30 de Março ZEN São Mamede

LEITURA EM DIA

10 UTTER - The walking dead

ABEL DUARTE abel.duarte@rum.pt

GUIMARÃES

TEATRO 28 de Março Quartas dos atores – Teatro dos atores CCVF

19 METRONOMY - She wants

6 DEUS - Constant now

8 MARK LANEGAN BAND The gravedigger’s song

31 de Março Mafalda Arnauth + Marco Rodrigues Theatro Circo

TEATRO 27 a 30 de Março Último Acto Theatro Circo

DR


PÁGINA 18 // 27.MAR.12 // ACADÉMICO

DESPORTO estão aí os cnu’s CARLOS REBELO c.covasr@gmail.com

De 14 a 22 de abril as cidades de Braga e Guimarães vão receber as Fases Finais Concentradas dos Campeonatos Nacionais Universitários (CNU) 2011/12. Numa organização conjunta entre a Associação Académica da Universidade do Minho, Universidade do

Minho e Federação Académica do Desporto Universitário, estas fases finais irão contar com as modalidades de: Andebol F/M, Basquetebol F/M, Futsal F/M, Futebol 11 M, Rugby 7 M e Voleibol F/M. De relembrar que para estas modalidades houve torneios de apuramento com o objetivo de qualificar as melhores equipas das várias institui-

ções/universidades para o CNU respetivo de cada modalidade. O quadro seguinte apresenta a lista das várias equipas que estão apuradas diretamente para os CNU’s de cada modalidade (sombreado) e as equipas que ainda terão de fazer repescagem (a branco) ou seja, competir entre si para conseguirem as últimas vagas.

PUB.

“galos” abatem “guerreiros do minho” e estão na final da taça da liga MAURA TEIXEIRA maura.cvt@gmail.com

Na passada quinta-feira Gil Vicente e Sp. Braga bateram-se no Estádio Cidade de Bracelos. Este duelo de equipas minhotas, a contar para a Taça da Liga, teve os “galos” como vencedores, depois de derrotar o Braga por 4-2 (após grandes penalidades). Deste modo, e para surpresa de muitos, será o Gil Vicente o adversário do Benfica na final desta competição, a realizar-se dia 14, em Coimbra. No que diz respeito ao Campeonato Nacional, apenas se pode fazer referência ao jogo do Vitória de Guimarães, que venceu o Rio Ave por 1-0, uma vez que até fecho desta edição os jogos entre o Sp. Braga-Académica e Marítimo - Gil Vicente não se haviam ainda realizado. Este fim de semana realizou-se ainda a 20ª Jornada do

espaço

scbraga/aaum by DVS

Vitória muito importante dos bracarenses neste fim de semana. Os “estudantes” receberam e venceram o AMSAC por 4-2, num jogo que se revelava importante para ambas as equipas, adversários diretos na fuga à despromoção. O jogo até começou com um golo do AMSAC, mas ainda an-

Campeonato Nacional da 1ª Divisão de Hóquei em Patins que foi cheio de dissabores para as três equipas minhotas: o Óquei de Barcelos perdeu com o FC Porto (6-3), que continua no 1º lugar da classificação; a Juventude de Viana deslocou-se a Torres Vedras para defrontar o AE Física, num jogo do qual saiu derrotada (4-3) e o HC Braga foi derrotado pelo CD Paço Arcos por 4-2. No basquetebol as equipas minhotas tiveram sortes diferentes. Na jornada 20 da Liga Portuguesa de Basquetebol, o Vitória SC perdeu com o Ovarense por 82-74, já o Basquete de Barcelos derrotou o Lusitânia com um resultado bastante expressivo (78-55). Por fim, em jogo da fase final do Campeonato Nacional de Andebol, o ABC perdeu com o FC Porto por 26-27, um resultado muito contestado pela equipa do Minho. tes do intervalo, Nené igualou a partida e estabeleceu o resultado com que as equipas foram para o descanço. Na 2ª metade os pupilos de Pedro Palas entraram a pressionar alto e a estratégia surtiu efeito. Os bracarenses fizeram o 2-1, mas ainda assim, deixaram-se empatar pouco depois. Os últimos minutos foram eletrizantes e no pavilhão a ansiedade estava no ar. Ansiedade essa só tranqulizada no último minuto quando André Machado fez o 3-2. Os visitantes ainda tentaram igualar, mas em contra ataque, o mesmo André Machado bisou e colocou ponto final na discussão do resultado. O Sp.Braga/AAUM ultrapassa o AMSAC e sobe ao 11º lugar na tabela, com 16 pontos. Na próxima jornada os bracarenses deslocam-se ao Fundão.


Parlamento da Capital Europeia da Juventude aprova propostas contra o desemprego jovem e para combater o aumento da estabilidade económica e redução do défice dos países da União Europeia Encerrou no passado domingo o Parlamento da Capital Europeia da Juventude com o encerramento da Assembleia Geral. O Erasmian European Youth Parliament é uma iniciativa que fomenta a participação dos jovens entre os 14 e os 18 anos no desenvolvimento de políticas europeias. O objectivo é criar um espaço de debate sobre questões europeias, permitindo a apresentação de propostas que visem a resolução de algumas questões. O Presidente da Fundação Bracara Augusta, Hugo Pires, falou de uma “verdadeira semana de construção europeia e de trabalho conjunto. Hugo Pires salientou que esta semana os jovens aqui “partilharam espaços, ideias, contrastes, diferenças, cumplicidades, aliados, às vezes suspeições, e no final um entendimento”, fechando dizendo que “hoje, e mais que nunca, a Europa deve ser solidária, consistente e confiante.” A cerimónia de encerramento contou com a presença também do presidente da FNAJ, que falou do momento de crise que o país passa e a importância da participação jovem neste contexto. O Dr Vítor Dias, presidente regional do IPJ, mencionou a importância das políticas de juventude e o Dr Pompeu Martins, da Agência Nacional do Programa Juventude em Ação, que relembrou a importância dos fundos para a formação europeia. O Parlamento da Capital

Europeia da Juventude, aprovou duas propostas, entre as quais um conjunto de propostas para combater o desemprego, entre elas a continuação de estágios e aumento da flexibilidade laboral e outra para o aumento do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira para mil bilhões de euros e o acréscimo dos subsídios destinados a potenciar o turismo proveniente de países fora da União Europeia. Uma outra proposta aprovada relaciona-se com o aumento do acesso ao ensino superior. Na primeira moção apresentada incluiu propostas para o aumento da estabilidade económica e redução do défice da União Europeia. As resoluções, que foram aprovadas, incluem o aumento da capacidade de financiamento da ESFE para mil bilhões de euros, o aumento dos subsídios destinados ao aumento do turismo na União Europeia, proveniente dos Estados Unidos da América e países BRIC (Brasil, Rússia, India e China). A concessão de bolsas para fomentar as exportações para países não-europeus, o aumento em 2% dos impostos diretos sobre combustíveis fosseis e, por fim, a fusão das delegações de Bruxelas e Estrasburgo numa única sede em Bruxelas, com o objectivo de reduzir custos administrativos. Os argumentos apresentados pela comissão para o aumento da capacidade

de financiamento da ESFE relacionaram-se com a necessidade de estabilizar os mercados e assegurar aos investidores que, em caso de incumprimento dos países, o fundo ESFE assegura o pagamento do empréstimo. Por outro lado, o comité evidenciou que as exportações e o turismo são duas das principais fontes de crescimento económico dos países da União Europeia, motivo pelo qual se aprovaram os subsídios a estas duas economias. A segunda moção apresentada focou a necessidade de informatizar os registos médicos num único sistema europeu, acessível a médicos, enfermeiros e farmacêuticos. A Comissão dos Jovens para a saúde, comida, segurança e proteção ambiental defendeu que este sistema permitia o aumento da segurança e fiabilidade dos dados médicos, chegando mesmo a comparar o sistema apresentado com o sistema existente nas instituições bancárias. A existência de backups e a facilidade de acesso a estes registos foram duas das vantagens associadas à proposta, apesar desta proposta não ter sido aprovada. O Parlamento apresentou dúvidas quanto à fiabilidade do sistema, nomeadamente quanto à possibilidade de ataques informáticos. A redução da produção e consumo de carne bovina foi outra das propostas rejeitadas. O comité respon-

sável pela elaboração desta proposta defendeu que o consumo excessivo de carne bovina é prejudicial à saúde, principalmente devido aos elevados níveis de proteínas existentes na carne vermelha. A par deste motivo, o comité defendeu que a produção em massa de carne bovina é um dos principais responsáveis pelo aquecimento global. Para substituir o consumo de carne bovina o comité propôs igualmente a promoção de comida macrobiótica e geneticamente modificada. O comité considera que as opções são mais benéficas para a saúde e que permitem um maior acesso das populações carenciadas a uma dieta saudável. As razões apresentadas para a rejeição desta proposta relacionam-se com os custos económicos associados à sua aprovação. Economias como a Dinamarca dependem da produção e exportação de carne bovina e a diminuição da produção resultaria num aumento do preço no consumidor. O início da tarde ficou marcado por mais dois debates, que visavam a diminuição do desemprego dos trabalhadores com mais de 55 anos e um maior acesso ao ensino superior. No primeiro debate da tarde, foi sugerida a criação de quotas nas grandes empresas (com mais de 500 trabalhadores) para trabalhadores com mais de 55 anos, permitindo a sua reintegração no mercado de trabalho. Para o

comité responsável pela elaboração desta proposta, esta medida reduz os encargos do Estado com reformas e fomenta a criação de novos empregos. Esta proposta foi rejeitada porque o Parlamento acredita que, com a sua aprovação, as empresas passariam a contratar com base na idade em detrimento do mérito dos candidatos. Por outro lado, a existência desta quotas reduzia as vagas existentes para os recém-licenciados. A última proposta apresentada e aprovada defendeu a criação de medidas que facilitam o acesso ao ensino superior e a qualidade do ensino nas universidades europeias. As propostas apresentadas incluem a partilha de boas práticas entre as universidades europeias, o aumento das bolsas no ensino privado e a existência de quotas para bolseiros, a criação de parcerias entre universidades e empresas locais, bem como o aumento da cooperação entre universidades e escolas secundárias, de forma a aumentar a consciencialização sobre a importância do ensino superior. O EEYP foi um momento essencial de colaboração e construção europeia do projeto Braga 2012, com cerca de 150 alunos de 13 países europeus, estimulando o debate, o pensamento crítico e a criação de soluções por parte de uma nova geração de jovens líderes europeus.


16  

ess o enterro da gata inquérito “Capital da Juventude” foi tema de debate Aliar a moda à música a partir de braga Sentes-te inseguro nas ime...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you