Page 1

JORNALZEN ANO 8

JULHO/2012

AUTOCONHECIMENTO

nº 89

SAÚDE

R$ 1,50

CULTURA

www.jornalzen.com.br

BEM-ESTAR

CIDADANIA Silvia Lá Mon

ASTROLOGIA DA ALMA Pág. 6

ARTIGOS

Tempo de mudar. Sim, mas para quê? Pág. 5

Pensamentos de

A busca espiritual

Padre Haroldo

Pág. 14

Pág. 7

Constelações sistêmicas: por que ajuda as famílias e indivíduos

Viva Bem Pág. 18

Pág. 16

VIDA & SEXUALIDADE

Nutrição funcional restabelece equilíbrio do organismo

Pág. 12

Pág. 19

ZENTREVISTA Swami Santatmananda Fotos: Amanda La Monica

CAMPANHA DO AGASALHO A campanha do agasalho promovida pela Diretoria Regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) em Indaiatuba em parceria com o JORNALZEN terminou no dia 28 com palestra do consultor motivacional Alexandre Bernardo (esq.). Mais de 3.800 peças foram arrecadadas pelas 23 empresas participantes. Metade do material foi destinado à Federação das Entidades Assistenciais de Indaiatuba (Feai) e a outra metade ao Lar Frederico Ozanam, de Salto. A campanha teve apoio da subseção local da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Silvia Lá Mon

CULTURAZEN Pág. 10

RETIRO URBANO NO ÍSVARA Um fim de semana dedicado a estudos e práticas de Yoga LEIA MAIS NA PÁGINA 13


JORNALZEN

2

JORNALZEN

DIRETORA Silvia Lá Mon

nossa missão: Informar para Transformar

CAMPINAS BARÃO GERALDO BANCA CENTRAL - Avenida Santa Isabel, 20 BANCA DO LÉO - Avenida Romeu Tórtima, 283 BARÃO ERVAS - Avenida Santa Isabel, 506 ESPAÇO CAFÉ - Rua Christina Giordano Miguel, 250 ESPAÇO UNGAMBIKKULA Av. Santa Isabel, 1.834 IDEAL REFEIÇÕES - Rua Vital Brasil, 200 NATURALMENTE - Av. Albino J. B. de Oliveira, 1.905

CIDADE UNIVERSITÁRIA BANCA BARÃO - Avenida 2 - Atílio Martini, 50 BANCA CIDADE UNIVERSITÁRIA - Rua Ruberley Boareto da Silva, 1.015

BOSQUE BANCA DO BOSQUE - Avenida Moraes Sales, 1.748

GUANABARA BANCA DO DIRCEU - Rua Oliveira Cardoso, 62 BANCA ITAMARATI - Rua Eng. Cândido Gomide, 287

CASTELO BANCA AKAMINE - Rua Barbosa de Andrade (esquina c/ padaria Pão do Castelo) BANCA NAKAZONE - Avenida Andrade Neves (balão) CENTRO ALMAZEN - Rua Barreto Leme, 1.259 BANCA ANCHIETA - Rua Barreto Leme, 1.425 BANCA CONCEIÇÃO - Rua Conceição BANCA DO ALEMÃO - Rua General Osório, 986 BANCA REAL DISNEY - Rua General Osório, 1.325 BANCA TANNO - Avenida Francisco Glicério, 1.580 CASULO ALIMENTOS - Rua Luzitana, 1.433 - loja 2 CHÁCARA DA BARRA CENAPEC - Rua Mogi das Cruzes, 255

FLAMBOYANT BANCA DO ISMAEL - Rua Mogi Guaçu (em frente à padaria Abelha Gulosa)

IGUATEMI LIVRARIA CULTURA (Shopping Iguatemi) PROENÇA BANCA DO ROBERTO - Av. Princesa D’Oeste, 994 SANTA GENEBRA BANCA SANTA GENEBRA Avenida Pamplona, s/nº SOUSAS AVIS RARA Rua Rei Salomão, 295 BANCA RICCO PANE Avenida Antônio Carlos Couto de Barros, 871 TAQUARAL BANCA DO EDUARDO - Rua Thomaz Alva Edson, 115 BANCA TAQUARAL - Rua Paula Bueno, 1.260 VILA ITAPURA BANCA SACRAMENTO - Rua Eng. Saturnino Brito, s/nº VILA NOVA BANCA VILA NOVA - Av. Imperatriz Leopoldina, 100

INDAIATUBA

AMPARO

CENTRO BANCA RUTH - Rua Candelária, 1 BRUMAT - Rua 11 de Junho, 711 CINE CAFÉ - Shopping Jaraguá (Rua Humaitá, 773)

BANCA COMENDADOR - Rua Com. Guimarães,s/nº CASA DO NATURALISTA - Largo do Rosário, 131 (Centro)

ITAICI PADARIA NOVA GALERIA - Avenida Coronel Antonio Estanislau do Amaral, 1.257 JARDIM CALIFÓRNIA BANCA DO JANUBA - Praça Renato Villanova JARDIM DOM BOSCO BANCA ANA PAULA - Avenida Conceição, 51 JARDIM MORADA DO SOL GIANINI PADARIA - Avenida Ário Barnabé, 247 PARQUE BOA ESPERANÇA BANCA LIBERDADE - Avenida Visc. de Indaiatuba, 352 VILA NOSSA SENHORA APARECIDA PANIFICADORA A-REAL - Rua Candelária, 1.828 SAÚDE NATURAL - Rua Candelária, 1.751 VILA VITÓRIA BANCA DO JAIR - Rua Humaitá esq. Av. Pres. Vargas PADARIA GIANINI - Avenida Presidente Vargas, 472

EDITOR Jorge Ribeiro Neto

JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508

circulação: Campinas, Indaiatuba, Amparo, Holambra, Jaguariúna, Valinhos e Vinhedo

PONTOS DE VENDA DO JORNALZEN

CAMBUÍ BANCA CAMBUÍ - Rua Cel. Quirino (ao lado da padaria Massa Pura) BANCA DONA SINHÁ - Rua Cap. Francisco de Paula BANCA MARIA MONTEIRO - Maria Monteiro, 1.201 BANCA RIVIERA - Rua Coronel Silva Teles, 37 BANCA SANTA CRUZ - Rua Santa Cruz, 176 BUONA SALUTE - Rua General Osório, 1.761

JULHO/2012

HOLAMBRA ESPAÇO CULTURAL TERRA VIVA - Avenida Rota dos Bandeirantes, 605

AGENDAZEN CAMPINAS BENEFICENTE 29/7, a partir das 11h – almoço em prol do GAPC – Grupo de Assistência aos Portadores de Câncer, no Hotel-Fazenda Solar das Andorinhas. Participação especial: cantora Lyra. Mais informações: (19) 3045-6451 CONSTELAÇÃO FAMILIAR 21/7, às 8h30 – workshop com Antonio Carlos Dornellas de Abreu (Toni), no IPEC - Instituto de Pesquisa e Estudo da Consciência (Rua Monte Azul, 85 - Chácara da Barra). Mais informações: (19) 3252-1565, ipec-transpessoal.com.br ou ipec.campinas@terra.com.br

CICLO DE PALESTRAS Professor Carlos Mazzei * 12/7, às 19h – “Lei de Recorrência” * 19/7, às 19h – “Os três fatores de revolução da consciência” * 26/7, às 19h – “A era de Aquário” Local: Cenapec/Biblioteca Adir Gigliotti (Rua Mogi das Cruzes, 255 Chácara de Barra). Mais informações: (19) 3294-7801 e 2121-3633

CURSO “TOTEM - OS ANIMAIS DE PODER” facilitador: xamã Samuel Souza de Paula 15 DE JULHO, DAS 10h ÀS 15h Local: Vale do Sol e Vale da Lua (Rua Guatemala, 600 - Jd. Nova Europa)

JAGUARIÚNA* NATU ERVAS - Rua Cândido Bueno, 885 (Centro) * e em todas as bancas da cidade

VALINHOS em todas as bancas da cidade

Redação: (19) 3324-2158 Comercial: (19) 3324-2159 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br

Mais informações: (19) 9310-3150, com Mailda maildassato@bol.com www.projetoreligare.com.br Venha comemorar o aniversário de 3 anos do Vale do Sol e Vale da Lua - filial Campinas

FLORAIS DE BACH 14 e 15/7 – curso Nível I, com Patrícia Regina Alves, no CEAC – Centro de Educação e Autoconhecimento de Campinas (Taquaral). Mais informações: (19) 3308-5224 ou 8188-1205 MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL 25/7, às 19h30 – palestra inicial de curso, com os professores Renoe Valério e Elisa de Lima, no Cenapec/Biblioteca Adir Gigliotti (Rua Mogi das Cruzes, 255 - Chácara da Barra). Inscrições e mais informações: (19) 3294-7801 e 21213633 ou meditacaosaopaulo.com.br

MOVIMENTO MUNDIAL DE PAZ E DE MUDANÇA PARA O SINCRONÁRIO DE 13 LUAS convida a participar da celebração pela Paz e pelo Perdão Universal Dias 22/7(9h às 17h) e 25/7 (8h às 11h), no Parque Ecológico Mons. Emílio José Salim (Rod. Heitor Penteado, Km 3,5)

Mais informações: pan.campinas@gmail.com RETIRO 27 a 29/7 – Retiro Santíssima Trindade, com Padre Haroldo, no Centro de Convenções Loyola (Rua Dr. João Quirino do Nascimento, 1.601 - Jardim Boa Esperança). Reservas e mais informações: (19) 3794-2500, 3794-2509 e 37942528 ou eventos@padreharoldo.org.br

INDAIATUBA BENEFICENTE 14/7, a partir das 17h – “Arraiá Julino” na ABID – Associação Beneficente Irmã Dulce (Rua Adhemar de Barros, 759 Cidade Nova). Aberto ao público. Mais informações: (19) 3834-8851

VINHEDO* DUE MONDY - Rua Eduardo Ferragut, 145 (Jardim Itália) EMPÓRIO JF - Avenida dos Imigrantes, 575 (Jardim Itália) LIVRARIA NOBEL - Avenida Benedito Storani, 111 * e em todas as bancas da cidade

VILA SUÍÇA PADARIA SUÍÇA - Rua Pedro de Toledo, 1.855

CARO LEITOR: caso não encontre o JORNALZEN, ligue: (19) 3324-2159

LEITORZEN Agradecimento O Grupo de Assistência aos Portadores de Câncer (GAPC) agradece a toda a equipe do JORNALZEN pela matéria publicada na edição do mês de junho/2012. Parabéns pelo troféu “Staff de Ouro”. Sei que toda a equipe trabalha com

amor e dedicação e esse prêmio só vem mostrar o que todos já sabemos, que o trabalho de vocês é muito importante e gratificante. Desejo que o JORNALZEN possa levar esse conhecimento a um número cada vez maior de pessoas. Maria Edna Santos Chaves, GAPC/Campinas


JULHO/2012

O

que leva um engenheiro químico especializado em tecnologia da informação, que trabalhou para a Microsoft e conheceu Bill Gates, a se tornar um monge? A trajetória desse indiano nascido em família tradicional é reveladora de uma busca espiritual bem-sucedida. Aos 36 anos, o swami Santatmananda reside em Rishikesh, pequena cidade aos pés do Himalaia e ao norte do Nepal onde ministra aulas nas quais une a sabedoria ancestral com exemplos lúcidos e relevantes para a vida moderna. Pela primeira vez no Brasil, para cursos no Instituto Ísvara, em Campinas, Santatmananda recebeu o JORNALZEN para entrevista exclusiva. Como você descobriu sua vocação espiritual? Nascer em uma família tradicional indiana é uma grande bênção, pois desde a infância entrei em contato com a tradição. Era uma criança como qualquer outra e nem pensava que poderia me ligar na espiritualidade. Um dia encontrei um monge de renome, de uma tradição de milhares de anos, que queria selecionar uma pessoa para ser seu sucessor. Fui com a minha família e me sentei na frente dele. Não sei o que ele viu em mim, mas me convidou para participar com ele. Eu não quis e fui embora. Em outra ocasião, fui novamente com a minha família para vê-lo e ele disse: “Você vai estudar bastante e vai se dar muito bem”. Não entendi o que ele havia dito e segui com a minha vida. Em outra ocasião, quando estava com mais ou menos 15 anos, minha mãe estava fazendo um curso com um monge chamado Paramarthananda. Eu não entendia porque havia milhares de pessoas ouvindo ele falar, mas comecei a prestar atenção no que ele dizia. Foi uma aula maravilhosa, que acendeu uma fagulha dentro de mim. Continuei a participar das aulas mais frequentemente. Meus pensamentos começaram a mudar e comecei a mudar os planos para a minha vida. E quando resolveu largar tudo para se tornar um monge? Quando terminei o colegial fui falar ao swami que eu queria me tornar um monge. Nessa época eu estava com 18 anos. Ele falou que eu deveria estudar e me formar em algo. Fui para uma boa universidade e fiz engenharia química. Comecei a trabalhar com software e tecnologia da informação. Gostava dessa área e me tornei um programador. A companhia para a qual trabalhava, ligada à Microsoft, me mandou para outros países. Viajei e conheci Cingapura, Malásia, Tailândia e Estados Unidos. Trabalhava numa pequena empresa para me manter enquanto estudava com Paramarthananda, que, para minha graça, me deu aula individualmente,

JORNALZEN

3

ZENTREVISTA Swami Santatmananda

VOCAÇÃO ESPIRITUAL Monge indiano renunciou ao mundo para se dedicar a ensinar como obter serenidade emocional e viver de forma mais plena Silvia Lá Mon

po (risos). As pessoas daqui parecem com os indianos. São solícitas e abertas para coisas novas. Também é agradável ver diversas raças, essa multiculturalidade. São as pessoas que fazem o país. O Brasil vai ser a Índia no futuro, com relação à espiritualidade. E posso afirmar que vou retornar em setembro.

“O autoconhecimento é a solução para o problema constante do ser humano em busca da felicidade” o que fez somente com seis pessoas em todo o mundo. Estudei com mais alguns eruditos e depois de uns 12 anos estudando, o swami me falou: “agora chega de estudar, está na hora de começar a ensinar”. E comecei a ensinar no sul da Índia, como leigo, antes de fazer os votos de monge. Em 2009, fiz meus votos e Paramarthananda me colocou no ashram de Rishikesh. O que significa ser um swami? O swami está dentro de cada pessoa que se compromete na busca de autoconhecimento. Uma pessoa se torna swami ou para comprometer toda sua vida em função da busca do conhecimento de si mesmo ou porque já tem esse conhecimento e a sociedade o torna um swami. Poderia dizer que todas as pessoas são um swami, mas elas não conhecem a si mesmas.

O autoconhecimento é a única solução para o problema constante do ser humano em busca da felicidade. Aquele que conhece o verdadeiro eu e que entende isso é um swami. É a primeira vez que veio ao Brasil? Sim. Andrês [referindo-se a Andrês De Nuccio, diretor do Instituto Ísvara] todos os anos leva um grupo de pessoas para visitar o meu ashram. Fomos fazendo contato e fui convidado para vir fazer estes cursos em sua escola. Depois de vir até aqui, entendi e apreciei o trabalho que desenvolve aqui, que considero um yoga de valor, pois yoga é um modo de viver e só se torna completo se associado à busca do autoconhecimento. Caso contrário, exercita-se somente o corpo como numa academia. Quanto ao Brasil, devia ter conhecido há muito tem-

Um dos temas abordados em seus cursos é sobre as verdades para uma vida bem-sucedida. Como conseguir isso? Quando uma pessoa ama fazer o que é preciso ser feito ela é uma pessoa de sucesso. A maioria das pessoas quer fazer aquilo que gosta. Sempre há um conflito entre o que tem de ser feito e o que é gostoso de se fazer. Se o que gosta e o que deve ser feito são exatamente a mesma coisa, eu diria que ela é uma pessoa de sucesso. Para conseguir esse resultado, ela tem de viver toda uma vida e construí-la dessa forma. Às vezes gostamos de alguma coisa, mas por uma série de motivos trabalhamos com outra. Podemos escolher e mudar isso. Não há escolha de não cumprir com o que deve ser feito. Não deve haver conflito com relação ao fato de ter de cumprir com o nosso dever. Resumindo: devo amar fazer aquilo que deve ser feito. Como avalia a proposta editorial do JORNALZEN? A informação atinge as pessoas apenas através de algum meio. Esse meio, no caso o jornal, dá a informação para as pessoas sobre o que está acontecendo a respeito dos fatos e realidades da vida. Se existe um jornal que tem como função passar notícias sobre qualidade de vida, sobre ioga, filosofia, meditação, por que as pessoas não iriam ler uma coisa como essa? Desejo que todos os paulistas possam ler este jornal. Que ele cresça e entre em todos os lares. Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? As pessoas deveriam viver uma vida significativa. Questionar-se sobre o porquê de estar aqui, qual o propósito da vida. Perguntar-se: quem é Deus e qual é a minha relação com Ele? A busca deveria ser nessa direção. Todos queremos viver felizes e para isso devemos sempre buscar o desenvolvimento espiritual.


JORNALZEN

4

JULHO/2012 INFORME PUBLICITÁRIO

MOMENTO DE REFLEXÃO JOÃO BATISTA SCALFI - scalfi@terra.com.br

Controlando as emoções Embora os estudiosos do comportamento humano apresentem causas diversas, o fato é que a maioria das pessoas vive intrigada consigo mesma. Ninguém consegue viver bem com seus semelhantes se não estiver de bem consigo mesmo. As pessoas de temperamento forte estão constantemente irritadas. E o pior é que elas mesmas não sabem o porquê, embora sejam conscientes de que são portadoras desse mal. Por outro lado, percebe-se que há também muitos indivíduos que vivem sem a menor consciência dos males que se aninham nas entranhas da alma. É uma questão de hábito. E, quando tentam controlar-se, têm a impressão de que vão adoecer – e às vezes adoecem

mesmo –, porque a carga de emoção negativa é muito pesada. Está provado que as emoções negativas podem nos fazer muito mal. Acabam prejudicando as nossas estruturas físicas e psíquicas, levandonos a desequilíbrios de toda ordem. Nesse sentido, os antigos romanos diziam: mente sã, corpo são! Exatamente porque existe uma inter-relação perfeita entre o espírito e o corpo. Desse modo, facilmente se percebe que a ira, o medo, o ressentimento, o sentimento de culpa, a ansiedade, a depressão e a solidão são os nossos mais cruéis inimigos. São emoções que podem, a longo ou médio prazo, destruir-nos. Daí, podem surgir enfermidades de todos os gêneros, tanto as conhecidas como doenças fantasmas. Envolvidos neste deplorável esta-

PANORAMA

do de espírito, as criaturas sentemse naturalmente inclinadas a se intrigarem com elas próprias e com o mundo todo. Não é difícil perceber que cada criatura reage de forma diferente diante dos problemas. A solução indicada pelos psicólogos não resolve os problemas íntimos de ninguém, se não houver vontade própria para mudar as atitudes. A indicação está na vontade interior de mudança na forma de pensamento. Precisamos ter serenidade e reflexão no sentido de autoajuda. Também é bom lembrar, que o desabafo emocional, em pequenas doses, bem administrado, sem abusos, descarrega as energias represadas. Sempre com prudência e moderação. So-

mos seres humanos em vias de progresso intelectual, moral e espiritual e a paciência é o melhor remédio. Todo ser humano é o único responsável por tudo quanto acontece em sua vida. O nosso pensamento cria a vida que procuramos, através de reflexos de nós mesmos, gerando a força que tudo move, criando e transformando, refazendo o nosso novo dia. Somos o reflexo das imagens que projetamos. Tudo gira em torno de nós mesmos. A vontade é mola propulsora que nos leva na direção das mudanças que almejamos. Fonte de pesquisa: Viva bem sem depressão (Severino Barbosa); Pensamento e Vida (Emmanuel/Francisco Xavier)

Tesouros da Vida JULIANO SANCHES

RECONHECIMENTO A professora Miriam Regina Xavier de Barros, da escola de ioga Maha Devi, de Campinas, teve seu trabalho sobre mudrás terapêuticos escolhido entre os três melhores em simpósio internacional na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em São Paulo. No evento foram apresentados estudos sobre a aplicabilidade das medicinas tradicionais e práticas contemplativas, como meditação e ioga, na área da saúde.

SÍNDROME DE DOWN O Centro de Convenções da Unicamp sediará, de 1º a 4 de agosto, o 3º Fórum Internacional Síndrome de Down. O evento terá palestrantes nacionais e internacionais, que tratarão de temas como o papel da família, educação inclusiva, saúde mental e envelhecimento, além de questões ligadas a acessibilidade, políticas públicas e legislação. Mais informações:(19) 3289-2818 ou fsdown.org.br .

VOLUNTÁRIOS PARA FESTAS A Sorri Campinas, que capacita e encaminha pessoas com deficiência para o mercado de trabalho, está convidando voluntários para colaborarem nas barracas da instituição na temporada de festas juninas e julinas, que vai até 28 de julho. A ONG busca cerca de 50 voluntários para a organização das barracas, atendimento e montagem dos lanches. O contato para colaborar como voluntário ou doações é (19) 3243-0926.

PALESTRAS SOBRE INTERCÂMBIO A multinacional sueca Cultural Care, especializada em programa de intercâmbio de trabalho e estudo nos Estados Unidos, fará palestras informativas em Campinas explicando os passos necessários para a realização de intercâmbio. No mês de julho, as palestras serão dadas na Rua Maria Monteiro, 212 (Cambuí) nos dias 12 e 24, às 19h, e no dia 21, às 10h. A presença deve ser confirmada pelo fone 0800-7079353.

TÍQUETES DO McDIA FELIZ As empresas interessadas em adquirir antecipadamente tíquetes do McDia Feliz podem entrar em contato com Cristina Pereira pelo telefone (19) 37875115 ou pelo e-mail crispereira@boldrini.org.br. A campanha que beneficiará o Centro Infantil Boldrini (no projeto do Instituto de Pesquisa do Câncer) e a Casa Ronald McDonald está marcada para o dia 25 de agosto em 26 lojas do McDonald’s na região de Campinas.

Anestesiar ou elaborar? Inventamos necessidades para compensarmos nossas questões emocionais, tornamo-nos reféns de embalagens e modos de vida, que não são os nossos. Tudo para quê? Para nada. O que a pessoa deve se ocupar em elaborar é a existência, que a envolve. Ater-se às dores e sofrimentos inerentes à vida. A quebra das máscaras é um exercício, que aproxima a pessoa de quem ela é. Ser refém dos instintos é uma instância, que busca compensações, através da coisificação das relações sociais, em favor da supressão de carências, recalques, emoções mal elaboradas. O deslocamento rumo à solução de curto prazo é o que amplia o sofrimento humano. Só quando é constatado o problema, sem tentar colocá-lo numa garrafa ou numa bandeja de fast food, é que a elaboração começa a gerar sentidos outros, catalisadores de experiências existenciais. Se uma pessoa está amarrada a uma corda, e não admite o que ocorre, apenas aumenta as chances de apodrecer, totalmente jun-

to, àquilo que a sufoca. Como se projetasse no objetivo a permissão para ser cúmplice, confessor e testemunha de uma experiência de sofrimento. Não há pílula mágica disponível na internet, a não ser nas construções da fantasia pessoal. O que substitui a pílula mágica é a diminuição do envolvimento com necessidades, que foram criadas por outrem. Seguir um estereótipo, criado por uma indústria de necessidades, faz as pessoas se afastarem das chances de resolverem seus próprios problemas. Não há válvulas de escape eficientes, externas à pessoa. O que pode ser feito é conhecer mais as subjetividades das válvulas de escape interiores, através do relacionamento com as próprias emoções. As promessas são problemas sérios para as pessoas. A crença em promessas, baseadas em necessidades e carências, só prolonga o mal-estar. Juliano Sanches é jornalista e palestrante casadojulianosanches.blogspot.com julianoluis@ig.com.br


JORNALZEN

JULHO/2012

Silvia Lá Mon Uma festa para a paz Uma das atividades das quais tenho muito orgulho e prazer em participar é junto ao conselho gestor da Unipaz-Campinas, à qual estou vinculada desde 2008. A Universidade Holística Internacional foi criada em 1987 pelo psicólogo Pierre Weil (1924-2008) com o propósito de difundir a cultura de paz. Hoje, o reitor é o também querido Roberto Crema (psicólogo, antropólogo e mestre em Ciências Humanas e Sociais), que viveu os três últimos anos na França. De volta ao Brasil, ele estará na primeira semana de agosto em São Paulo para um seminário abrindo a temporada de eventos que antecedem o 3º Festival Mundial da Paz (mais informações: www.unipazsp.org.br). É Roberto Crema que nos convida a evocar e irradiar o Mantra da Paz do 3º Festpaz, às 17h de cada dia – e a todo momento que nosso coração solicitar. Eis o mantra: “Que a Chama da Paz ilumine, aqueça e habite o coração de toda a humanidade”. E o recado de Roberto Crema: “Queridas, queridos, no tempo numinoso e desafiador que estamos atravessando é sempre uma bênção ter um mantra impulsionador na mente e nos lábios. Sobretudo quando realizado no espírito da doação e do serviço, com a consciência da pluralidade dos seus sentidos, sempre inesgotáveis.”

Que a Chama: da Essência, Fogueira do Tupã, sarça ardente do deserto, fogo da kundalini, labaredas pentecostais... da Paz: Shalom, shalem, de uma inteireza possível, do processo, do bom combate, de uma plenitude parcialmente lograda, que sempre nos convoca ao passo seguinte... ilumine: função solar da razão analítica, da lucidez, da efetividade, princípio masculino... aqueça: função solar do calor sintético, da ternura, da afetividade, princípio feminino... e habite: qualidade da Presença, da visão, da escuta e do alinhamento com a eternidade do Instante... o coração: fecundo leito nupcial, inteligência da Aliança e do Pontifex, onde o infra-humano e o supra-humano se abraçam, bodas alquímicas da Integração... de toda: inclusividade fraterna, a Família Humana de todos os Universos... a humanidade: húmus, humildade, Gaia vibrante, Espaço onde o Mistério pode se sorver, orar e sorrir”. Finalizo afirmando que acredito verdadeiramente que os pensamentos conjuntos da humanidade resultam na consolidação de nossa realidade presente. Paz profunda a todos. la.monica@terra.com.br cronicasdesilamon.blogspot.com

5

Tempo de mudar. Sim, mas para quê? Adoniran Possan

E

stamos acostumados a ouvir ou mesmo falar que fulano ou beltrano precisa mudar o seu jeito de ser ou de fazer as coisas. – Precisa mudar de vida, dizemos. Nós também, quando examinamos nossa consciência, vemos o quanto poderíamos viver melhor e ser mais felizes se fôssemos diferentes ou se mudássemos nosso jeito de viver. É possível mudar? – É possível meu filho mudar, começar a fazer as coisas de um modo diferente? – É possível eu mudar, recomeçar, refazer meu relacionamento, meu casamento, meu trabalho, ...? A mudança é um fenômeno natural, o tempo muda, as estações do ano mudam, nossos corpos mudam. Tudo está inserido num grande universo de mudanças. A mudança também é um fenômeno cultural, o que somos hoje é fruto de inúmeras mudanças pelas quais passamos ao longo de nossas vidas. Mais que em qualquer outra época da história humana e do planeta, nosso mundo passa por mudanças avassaladoras, muitas irreversíveis. O tempo é cada vez mais instantâneo e a solidez da vida, de nossas ações e do nosso cotidiano se dissolve em passes de mágica. Nossa era é, certamente, a era das mudanças. Isso, para o nosso bem e para o nosso mal, pois, se vivemos num mundo rico e cheio de novos mundos, não há tempo para a acomodação de energia, valores, projetos e relacionamentos pessoais, em meio a tantas ofertas e responsabilidades que nos são ofereci-

das. Falta-nos tempo e referências que nos façam conscientizar do emprego que fazemos dessas mesmas energias em nossos projetos e relacionamentos. Criamos um mundo mais livre que zela pela individualidade e crescimento pessoais, mas nos envolvemos cada vez mais na avalanche dos afazeres do cotidiano desse mesmo mundo que nos faz mais livres. Complexificamos nosso dia a dia ao assumirmos as várias possibilidades que nos são oferecidas dentro desse universo de múltiplas escolhas e desafios. É dentro desse universo cultural que temos que pensar o papel e as consequências das mudanças em nossas vidas. Nem toda mudança é necessariamente negativa e nem necessariamente, positiva. Seja por contingências da vida ou por escolha, elas acontecem, podendo nos acorrentar ou libertar. A questão, portanto, é como nos relacionamos com elas, como as compreendemos e como as inserimos em nosso universo pessoal e social, para que não nos tornemos reféns dessas mudanças e possamos assim manter a originalidade dos nossos projetos e das nossas metas pessoais. Assim, qualquer que seja sua natureza, a mudança deve ser sempre vista e analisada dentro das condições e necessidades dos indivíduos e grupos sociais, para que os mesmos possam ser atores e não fantoches das transformações. Adoniran Possan é terapeuta psicodramatista adoniranpossan@yahoo.com.br


JORNALZEN

6

JULHO/2012 INFORME PUBLICITÁRIO

PORTAL SAGRADO DARCY CIAMPA HERAS - darcylch@gmail.com

O caminho da espiritualidade O caminho da espiritualidade nem sempre é fácil. Muitas vezes requer mudanças de atitudes, de paradigmas, mudanças drásticas das quais não temos muita escolha. Não existe nesta caminhada zona de conforto, acomodação, não existe aquela sensação de realização total, não existe fim do caminho mesmo porque, isso é mera ilusão. Tudo muda, são etapas, ciclos... É uma espiral ascendente. É difícil? Acredito que mudar não é fácil para ninguém, porém temos que nos conscientizar que nos momentos mais críticos, nunca estamos sós, na verdade, é quan-

do mais recebemos ajuda, apesar de muitas vezes nem sequer tomar consciência do fato! Somente quando olhamos para trás é que compreendemos o plano divino, percebemos a ajuda e o amparo recebidos... É maravilhoso. Numa dessas fases de transição, durante minha meditação, recebi uma mensagem que me tocou muito:

Tua companhia de jornada é o vento, a tua própria essência. Quem é você? Peregrino companheiro da mesma jornada? A força está no teu corpo, mas a vontade no teu coração, A luz que se reflete nos teus olhos é a luz que te guia e conduz. Vai caminhante, teu caminho é longo,

Não te esqueças porém que nunca a luz é tão forte Como quando saímos da escuridão. Tudo faz parte do todo. Não existe o certo e o errado. Tudo é manifestação da mesma Essência Divina. E quando chegares ao teu destino, Olha para trás e vê como ficou florido o teu caminho, Já não é mais seco e sem vida, Pois você passou por lá!

Oh! Caminhante, por onde tens deixado as tuas pegadas? No teu livre caminhar, por onde tens passado? Nessa tua viagem incansável, por onde te detivestes?

ASTROLOGIA DA ALMA RICARDO GEORGINI - ricardogeorgini@yahoo.com.br

Câncer: a morada da alma O mantra espiritual de Câncer é: “Eu construo uma casa iluminada e nela habito.” Uma casa é um abrigo, um ponto de apoio no mundo e uma base de operações. Para estar em meio ao mundo material, a alma (o puro ser ou pura consciência) também precisa de uma casa ou habitação, um suporte material. Por isso a alma constrói para si três instrumentos: um veículo mental (nossa mente), um veículo emocional (que costumamos chamar de coração) e um veículo físico (nosso corpo). Esses três constituem a nossa personalidade, que é verdadeiramente a morada da alma. Nesse processo de adotar uma forma mental, uma forma emocional e uma forma física, sempre existe limitação. A consciência fica limitada pe-

O caminho nem sempre é fácil, Tuas pegadas ficam marcadas no solo seco, sobre a terra vermelha. Porém algo te dá forças para continuar, para seguir até o próximo nascer do sol.

la forma. Em si mesma, a alma é pura potência e plenitude de possibilidades. Mas ao habitar uma mente, um coração e um corpo, apenas algumas capacidades e qualidades da alma conseguem se manifestar. Por outro lado, a forma permite que a alma participe da vida coletiva no mundo, se manifeste em alguma medida e expresse pelo menos algumas de suas qualidades. Manifestação e limitação andam juntas; sem limitação não há manifestação. Isso é algo que todos devemos aprender. Quando não abrimos mão de fazer tudo, acabamos não fazendo nada. A chave é saber fazer alguma coisa. Mas além dessa limitação inevitável, comumente ficamos ainda mais limitados porque nos identificamos demasiadamente com a nossa própria

personalidade. Achamos que somos só mente, emoções e corpo; não sabemos que somos a consciência interna que habita esses três veículos. A alma é transcendência e poder transformador, mas quando não estamos em sintonia com essa nossa essência, acabamos nos cristalizando e nos restringindo a certos modos de pensar, sentir e agir. Então expressamos sempre apenas as mesmas qualidades, e deixamos de expressar tantas e tantas outras possíveis. Conhecer a si mesmo como alma é estar aberto para a autotransformação e a expressão cada vez maior dos próprios potenciais. Quando sabemos que somos a consciência interna, plena de possibilidades, compreendemos que podemos e devemos aperfeiçoar nossa mente, coração e corpo, para que sejam melhores veículos para a alma, expressando mais e mais das suas qualidades. Esse autoaperfeiçoamento acontece através do próprio pensar, sentir e agir, pois cada ato nosso sempre contribui para a continua

reconstrução da nossa personalidade. Todo ato de pensamento, por exemplo, contribui para reconstruir a nossa mente, reforçando uma ou outra qualidade, dependendo do que for pensado. Através da reflexão sobre as qualidades da alma (como amor, sabedoria, boa vontade e alegria), podemos impregnar mais e mais a nossa mente com tais qualidades, até que, com o tempo, se tornem o nosso modo normal e espontâneo de expressão mental. A nossa personalidade é hoje aquilo que fizemos dela até agora, e podemos torná-la o que quer que escolhamos. Basta orientar o nosso pensar, sentir e agir na direção escolhida, e a transformação inevitavelmente acontecerá com o tempo, seja longo ou curto. Podemos desenvolver quaisquer habilidades e aprender qualquer coisa. Tudo o que é possível está dentro de nós como semente. E cada dia é uma preciosa oportunidade para fazermos desabrochar o potencial de nossa alma, revelando toda a sua beleza, luz e amor.


JORNALZEN

JULHO/2012

Pensamentos de

Padre Haroldo Mudando o coração Era uma vez um marmoreiro que diariamente subia a montanha para cortar e colher pedras. Era pobre, porém alegre e sempre cantava enquanto trabalhava. Não queria mais nada do mundo. Vivia muito feliz. Um dia, um rico convidou-o para trabalhar em sua mansão. Vendo a magnificência da mansão ele desejou um palácio para ele mesmo, “se fosse rico”. Chegando em casa, uma voz faloulhe: “Ganhou o que queria, doravante viverá numa mansão”. Parou de cortar pedras e passou a viver confortavelmente como rico. Em outro dia ele viu o príncipe passar numa magnífica carruagem. Desejou-a e ganhou. Viajando depois, ficou quente demais na carruagem: “Quero ser como o sol!” E começou a brilhar. Mandou raios a todo universo. Por algum tempo tudo deu certo, porém num dia de chuva os seus raios foram bloqueados por nuvens pretas. Passou a ser uma bela nuvem. Tanta água chegou ao chão que ele tornou-se um rio. A sua felicidade parou quando uma grande pedra bloqueou o seu curso. Ele resmungou: “Uma mera pedra é mais poderosa do que eu? Eu quero ser uma

pedra”. Não ficou contente por muito tempo porque de repente ouviu barulhos de batidas nos seus pés. Ele olhou para baixo e viu um pequeno homem cortando pedaços de pedra de seus pés. “Que é isto?” – ele gritou. “Uma criatura pode ser mais poderosa que uma grande pedra como eu? Quero ser um homem” – ele concluiu. Encontrou-se novamente o marmoreiro subindo a montanha para cortar pedras com suor e trabalho, porém também com uma canção de alegria no seu coração, pois estava feliz de ser o que era e por viver com o que ele tinha. Ele pensou: “Nada é tão bom como parece antes que ganhamos!” O marmoreiro era como o rei que se queixou que o chão machucava seus pés e mandou que todo o campo fosse coberto com couro. O seu conselheiro falou: “Majestade, a sua idéia não é boa. Por que gastar tanto dinheiro? Poderia cortar dois pedaços de couro e proteger os seus pés.” O rei acatou e a ideia dos sapatos nasceu. Os inteligentes sabem que para fazer um mundo melhor não é necessário mudar o mundo. Não tem valor qualquer mudança no mundo se não existir mudanças no coração. Devemos colocar nossa inteligência antes de nossas vontades. Haroldo Joseph Rahm é fundador da Instituição Padre Haroldo, para pessoas com síndrome de dependência alcoólica e química, em Campinas. Telefone: (19) 3794-2500. hrahmsj@yahoo.com

Prevenção de acidentes domiciliares para idosos

7 INFORME PUBLICITÁRIO

Aqui vão alguns itens imda cama; acesso livre portantes que devem ser sem degraus do quarto observados a fim de preao banheiro; tapetes ou venir acidentes domiciliapassadeiras com proteres com idosos: ção antiderrapante denBANHEIRO – Banheira tro do quarto. ou box com piso ou tapePISOS – Entradas sem te antiderrapante; ambidesnível, degrau ou caente bem iluminado; chupacho com mais de três veiro ou banheira com centímetros; tapetes de Alessandra Dalan barras de apoio ou corrientrada, limpa-pés ou Fisioterapeuta mãos; torneiras no box passadeiras bem presos ou banheira de fácil alao chão; todos os tapecance e manuseio. tes com material antiderrapante por COZINHA – Armários e utensílios baixo; ótimo estado de conservade fácil alcance e manuseio; esca- ção, sem desníveis; superfícies dos da com pés aderentes e corrimão degraus firmes e seguras; pisos para alcançar locais mais altos; limpos sem uso de produtos que os itens mais pesados guardados nas deixam brilhantes e escorregadios. prateleiras mais altas e os mais le- ESCADAS – Devem estar em bom ves nas mais baixas; torneiras de estado de conservação; altura enfácil manuseio com apenas uma- tre os espelhos menor que 18,5 cendas mãos; líquidos inflamáveis co- tímetros; profundidade dos pisos mo querosene, solventes, gasolina menores que 25 centímetros; defora da cozinha. graus com superfície firme e seguQUARTO – Interruptor de luz locali- ra; corrimãos em pelo menos um dos zado logo na porta do quarto; aba- lados e montados não muito juntos jur ao lado da cama com fácil aces- à parede; interruptores de luz próxiso ao interruptor; telefone ao lado mos do primeiro e do último degrau.


8

JORNALZEN

JULHO/2012


JULHO/2012

JORNALZEN

9 INFORME PUBLICITÁRIO

Paz e sustentabilidade O projeto humano susenvolver-me com atitutentável está relacionades possivelmente desdo com a cultura da trutíveis. paz. Gosto de pensá-la Nesse patamar de pelo ângulo individual. A consciência pensarei no base da paz está no outro com a mesma leser. Se o ser humano veza e cuidado que tedesenvolve-se e atinge nho comigo. Aí entendeestados criativos de remos o conceito de consciência, não se amar ao próximo como Clélio Berti permitirá atos violentos a si mesmo. O terceiro da Unidade Flamboyant da quer seja no âmbito da Diretor não será apenas a espéUniversidade de Yôga (Uni-Yôga) vida privada, quer seja, cie humana, mas também entre nações. os animais, os vegetais e o ambiQuando conquistamos percep- ente. Nessa via, se o volume de gás ções ainda mais sutis, pensamos carbônico aumenta na atmosfera, no trato de outros seres seme- o primeiro prejudicado serei eu lhantes, nos animais, nas plantas mesmo. Portanto, será nefasto. e no universo como um todo. Se A profunda paz arraigada é a tenho profundo amor próprio e garantia de ambiente saudável por elevada autoestima, zelarei pela longos períodos. Conquistar essa minha integridade e não desejarei leveza urge.


JORNALZEN

10

CULTURAZEN

JULHO/2012 Reprodução

Silvia Lá Mon

Amanda La Monica

A palestrante Salete Pimentel (esq.) com Clélio Berti ministra palestra sobre o marido Jackson e amigos após o evento “Alta Performance Emocional” do dia 22 na livraria Nobel em Vinhedo na Livraria Saraiva do Iguatemi Divulgação

Murilo Bertoldo, Eliana Mattos, Janete Siqueira (Feai), Silvia Lá Mon e o palestrante Alexandre Bernardo no encerramento da sétima campanha do agasalho promovida em parceria pelo Ciesp-Indaiatuba e o JORNALZEN Participantes de retiro do Instituto de Yogaterapia no Mosteiro São Bento, em Vinhedo Silvia Lá Mon

Silvia Lá Mon Amanda La Monica

Fabiola Haik, psicóloga do IPEC, durante palestra sobre o sistema imunológico na visão da aromatologia

Joaquim Prado, da loja Naturalmente, cuja nutricionista palestrou na feira de livros do Espaço Ungambikkula

Silvia Lá Mon e Ana Clara de Mello ladeiam o artista Marco Santiago, com exposição no Círculo Militar

Silvia Lá Mon

Ozeni Lucas no vernissage de sua mostra de mandalas no centro cultural do clube campineiro


JORNALZEN

JULHO/2012

MANDALA PARA PINTAR

- OZENI LUCAS -

11

Recanto do Poeta Caçada aos patos

Projeto Arte do Bem traz RPM para show dia 20 em Jaguariúna A banda RPM sobe ao palco da Red Eventos, em Jaguariúna, no dia 20 de julho, às 23 horas. Ela será acompanhada pela Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para show inédito promovido pelo Projeto Arte do Bem. O grupo de pop rock nacional foi o escolhido pelo público de Campi-

nas e da região em enquete pela internet. A renda será revertida para a construção do novo centro de pesquisa do Centro Infantil Boldrini. O ingresso podem ser adquiridos no site www.ingressorapido.com.br. Pontos de venda e mais informações pelo telefone (19) 3867-7000 ou no portal www.projetoartedobem.com.br.

Mas, como este Juca é mentiroso! Ouçam o que ele disse, em tom jocoso, portando uma quantidade de patos de boa qualidade. Foram logo perguntando. - Foi caçar, Juca? Ao que de pronto foi falando, do êxito da grande caçada. - É um negócio misterioso; quando morreu meu velho cão, o precioso. Aquele que corria e mostrava o lugar em que a caça abatida estava. Eu fiquei aborrecido, da sua pele fiz uma sacola. O fato é que, o acontecido, mantém o precioso na minha cachola, nas minhas caçadas. Vejam só, que coisa engraçada... A cada ave que derrubo, a sacola balança. Assim eu descubro, o lugar exato, pela sacola indicado, onde foi cair o pato, baleado. Geni Fuzato Dagnoni

Poeta ou alquimista? Quem me daria uma pista? Realidade? Magia? Ambos, pois eu diria! Em verdade os dois, Ora antes... ou depois... Inspirando puro ar... Em tu’alma a “transmutar”... Transformando dia pós dia, Seu ar puro em poesia... Fazendo de cada poeta... Oficina de alquimia.... Ah, que alegria! Juliana Perna


JORNALZEN

12

VIDA & SEXUALIDADE SANDRA SEPULVEDA

Mitos sexuais Um dos fatores que dificulta o caminho saudável da sexualidade são as informações errôneas que circulam na família, na sociedade e na cultura e que, por um processo de repetição e reforço se transformam em mitos. O mito não é apenas uma ideia. É uma crença consolidada que se supõe real e, justamente por isto, exerce uma grande força individual e coletiva na formulação dos conceitos, julgamentos, normas e condutas. Os mitos podem ter diversas origens desde superstições, preconceitos, interpretações equivocadas, formulações científicas ultrapassadas, até estratégias ideológicas. Aparecem de forma escrachada ou subliminar em todos os nossos contextos informativos e formativos. Eles fazem parte do dia a dia e desmistificá-los é preciso, embora trabalhoso. Deve-se buscar recursos científicos, provas materiais e dados de realidade que demonstrem a não veracidade e, ainda, provar que estas fontes de dados são fidedignas. Mitos sexuais nos prejudicam criando falsas expectativas em relação à atividade sexual, podendo levar a disfunções sexuais ou problemas de ordem relacional. Um dos mais danosos: “Ninguém precisa aprender a fazer sexo”. Esta crença cria ansiedade, insatisfações no desempenho sexual e deturpações na autoimagem, já que impede a posição de descoberta e de aprendiz, de si mesmo, do outro e da relação estabelecida. Abaixo, alguns mitos que, talvez, ainda acredite: · Homossexualidade é doença. · Sexo bom é aquele que é espontâneo, sem planejamento, sem conversa. · Um homem está sempre interessado e pronto para o sexo. · O relacionamento sexual é centrado em uma ereção perfeita. · Tamanho do pênis é prerrogativa de satisfação sexual. · Se um homem perde a ereção é porque perdeu o desejo pela parceira. · É função, só do homem, de satisfazer a mulher. · Masturbação faz aparecer espinhas no rosto. · As mulheres nunca pressionam os homens para fazer sexo. · Toda mulher sangra na primeira relação sexual. · A mulher não pode ter relação sexual quando está menstruada. · Ter relação sexual durante a gravidez prejudica o feto. · A menopausa acaba com o apetite sexual. · Com a idade o relacionamento sexual perde importância. · Usar duas camisinhas (preservativo masculino) protege mais do que uma. A educação sexual mistificada ou desmistificada está em todo lugar, desde antes de termos condições de compreensão e raciocínio para avaliar se aquilo é ou não adequado e útil. Mas hoje isso já foi conscientizado e se sabe que não é porque um dado circula em vários meios de comunicação, está em vários sites da internet que, necessariamente, ele é verdadeiro. Concluindo, informações que geram conhecimento dos elementos da vida sexual são importantes para mantê-la saudável e satisfatória. Aprenda a aprender de fontes seguras e tenha claro de que ainda existe muito a ser estudado e descoberto, a começar por si próprio! Sandra F. Sepulveda (CRP – 06/83606) é psicóloga sandra.sepulveda@terra.com.br

JULHO/2012

Expoflora tem ingresso com desconto até dia 3 de agosto As vendas do terceiro lote de ingressos promocionais – com desconto de 34% (a 20 reais) – para a Expoflora 2012, em Holambra, ocorrerão entre 16 de julho e 3 de agosto. A comercialização do segundo lote, a 15 reais o ingresso, termina no dia 13 de julho. Os ingressos promocionais são limitados a 5 mil unidades por dia ou até que se esgote o lote. Nas bilheterias os ingressos serão vendidos a 30 reais. A promoção é válida apenas para grupos de no mínimo 20 pessoas nas compras feitas por meio da central de reservas. O contato pode ser feito pelo telefone (19) 3802-1499 e pelo e-mail reservas@expoflora.com.br.

O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. A 31ª edição da Expoflora terá início dia 30 de agosto e vai até 23 de setembro, de quinta-feira a domingo, das 9h às 19h, na saída 140 da Rodovia Campinas-Mogi Mirim (SP-340). Com o passar dos anos, a Expoflora se transformou na maior manifestação cultural da imigração holandesa – por meio de danças típicas, culinária, artesanato e da música – e na maior festa de flores e plantas da América Latina. O objetivo principal é resgatar aspectos culturais e sociais da comunidade de Holambra. Mais informações: www.expoflora.com.br.


JULHO/2012

JORNALZEN

13 INFORME PUBLICITÁRIO

FengShui: fácil e de custo baixo Hoje vou tentar responder as dúvidas de muitas pessoas. Uma análise de FengShui custa pouco. As etapas são as seguintes:

Miguel Mello Consultor de feng shui

COLETA DE DADOS: IMÓVEL E OCUPANTES

MAPEAMENTO FengShui

VISITA AO TERRENO / IMÓVEL

USO DA BÚSSOLA LUOPAN

RELATÓRIO E ORIENTAÇÃO

VISITE O MEU SITE: www.fengshuiverdadeiro.blogspot.com


JORNALZEN

14

A busca espiritual Aline Ferreira de Napole

É

inevitável: a vida do ser humano sempre acabará culminando num processo de busca espiritual. Tão logo cria condições, ele sente e sabe que a criatura não faz sentido sem o criador. Portanto, passe o tempo que passar o ser humano fatalmente acabará um dia se voltando para a face do seu Deus-criador. É e sempre será assim até o final dos tempos. Uma existência sem a perspectiva divina se torna vazia, se torna obscura. Afora os seres que vivem nas sombras porque gosta, quem é que viverá bem as portas de tão suntuoso abismo? Quem é que nunca procurou saber o real sentido da existência? Os ainda tolhidos na própria ilusão, talvez, não se deem conta, mas todo aquele com o mínimo de discernimento sabe que é impossível fugir de nossa busca espiritual, que é a busca de Deus. Os nossos dias, como podem notar, pedem urgência. Basta um pouco de sensibilidade e as pessoas poderão ouvir o chamado que está ecoando nos quatro cantos do planeta. Esse é o momento tão esperado de outrora. A hora é agora de pôr em prática o que há tanto tempo desejávamos. Aos filhos deste tempo é dada a oportunidade de co-

lher os frutos que foram tão duramente cultivados no solo da existência humana ao longo tempo. Que a consciência dos processos que se passaram até aqui, jamais se perca, pois sem isso já não será possível manter nossa lucidez e o homem fatalmente correrá o risco de perder-se novamente na própria ilusão. Que tal como só não poderá ser erradicada, a não ser pela própria iluminação interior. A todos que desejarem poderão alcançar a Luz, tal qual seja o desejo do vosso coração. “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade” Aline Ferreira de Napole é escritora e pesquisadora espiritualista

JULHO/2012 INFORME PUBLICITÁRIO

Assistência centrada na mulher na hora do parto: um novo paradigma Engravidar, gestar, palonge dela nas primeirir, amamentar; são toras horas após o nascidos momentos que famento, se ela quer ou zem parte do ciclo natunão cortar o períneo, ral da perpetuação da raspar os pelos pubiaespécie. São eles monos, fazer lavagem inmentos de grande aletestinal, ficar em jejum. gria, intimidade, espeE se os profissiorança que vivenciamos nais da equipe chadentro da naturalidade massem ela pelo nodo processo. Nós, mume e não de ‘mãeziDorothe Kolkena lheres, sabemos como nha’; e se ela pudesse Terapeuta-acupunturista, doula e educadora perinatal engravidar, como levar se movimentar livreuma gestação para mente? Ou seja, se frente, como parir e como ama- devolvêssemos à mulher o protamentar. Isso está dentro de nós gonismo do próprio processo fisiodesde o começo dos tempos, faz lógico? Se mudássemos a atenparte do nosso DNA feminino. ção durante o parto do atendente É estranho, portanto, observar para a mulher, se conseguísseque mais que metade das mulhe- mos enxergar o que aquela mures brasileiras parecem sofrer de lher realmente precisa, se tratásalgum problema que as faz incapa- semos ela com respeito, com digzes de colocar seus filhos no mun- nidade, se fizéssemos ela corresdo da forma que a natureza deter- ponsável pelo processo; será que minou. A outra metade precisa de ela não voltaria a ser capaz? muita ajuda para parir, em forma A Organização Mundial da Saúde inúmeras intervenções. Mais de recomenda uma taxa de cesaestranho ainda é que esta incapaci- riana de até 15%, isso é um condade e/ou dificuldade parece cres- senso mundial. No Brasil passacer conforme a situação financeira mos dos 50%, no setor privado a melhora e ela começa a fazer uso taxa sobe para mais de 80%. de convênios médicos. Talvez tenhamos que olhar meNão era um processo fisiológico? lhor para a mulher! Centrar a atenE se deixássemos a mulher es- ção nela de verdade! colher? Escolher a posição para parir, escolher quem ela quer perto de- O Grupo Samaúma de Parto Humala durante o processo, escolher o nizado oferece reuniões de orientalugar do parto, escolher o profissio- ção a casais grávidos na primeira e nal que vai atender este parto; se terceira terça-feira do mês, das 20h ela quer ou não que o bebê fique às 21h30, no Instituto Sattva.


JORNALZEN

JULHO/2012

15 INFORME PUBLICITÁRIO

Líricas Bulhufas MARCELO SGUASSÁBIA

O cessar das sessões Fiz análise durante um certo tempo, por motivo que não vem ao caso expor aqui. Esse certo tempo na verdade não chegou a três meses, o suficiente para que eu me desse alta – embora estivesse pior que no início das sessões. Bem pior, descrente da panaceia freudiana e de mim mesmo, me achando um caso perdido. Era uma sessão semanal, às sextas e após o trabalho. Rua tranquila, lugar gostoso, consultório aconchegante. A iluminação indireta, só um abajur com uma lâmpada fraquinha. Sentia-me confortável com o chenile do divã e com a perspectiva de 50 longos minutos para um trato nos miolos. O único problema era justamente esse – os tais 50 minutos cravados eram longos demais. O que para os outros pacientes passava voando, para mim parecia todo o período paleozoico. O analista seguia a linha ortodoxa, freudiano até a medula. E como todo discípulo empedernido do velho Sigmund, se agarrava aos sonhos, lapsos e associações livres pra ir formando o quebra-cabeças. Nesse caso, o monta-cabeças. Mas o fato é que o homem não abria a boca. Se havia uma análise em curso naquelas quatro paredes só ele sabia, porque absolutamente não compartilhava com a outra parte interessada. Com receio de perguntar, eu também ficava quieto. Tenho relativa facilidade de não pensar em nada, quando me é possível desfrutar dessa bênção. Tanto que no começo achava bom ficar ali, como um acéfalo, os olhos pregados no teto. Só que tudo tem limite. O tempo passando, o taxímetro correndo e eu olhando aqueles certificados todos na parede. As letras góticas com o nome do doutor. A diferença de desenho do D de um diploma para o D de outro. Um em tinta dourada, outro em nanquim, o de graduação de 1972, o de especialização de 1977, o de mestrado de 1979... Tomei a iniciativa: - O senhor não vai dizer nada? - Quem tem de falar é você. - Mas vou falar o quê? - A ideia é dizer o que primeiro vier à mente. Dizer que eu estava pensando

na letra gótica do diploma era demais. Ou de menos. Mas era a verdade, caramba. Eu pagando uma senhora grana para ficar viajando nas firulas e arabescos de um diploma. Fechava os olhos e nada. Do nada branco passava para um nada negro e sem saída. E o analista impassível, virado de costas pra mim, cruzando e descruzando as pernas. Aquele silêncio era uma goteira dentro da solitária, uma furadeira de impacto me perfurando os tímpanos. Outro pensamento recorrente, mas inconfessável naquelas circunstâncias: o que ele, analista, estaria pensando? Conjectura sobre o meu silêncio? Fica ali, caraminholando, empenhado em me livrar de minhas neuroses, ou não vê a hora de dar o tempo regulamentar pra pegar seu cineminha? Me dei conta de que, além de estar pensando no que estava pensando, estava começando a pensar no que o analista estava pensando de mim. Racionalizava o processo, filtrava, censurava, estragava tudo. E assim foi, não sei quantas vezes. Os brancos eram cada vez maiores. Vinte, trinta, quarenta minutos sem falar nada. O último deve ter durado uns quarenta e sete, porque logo depois ele me mandou embora. Se bem me lembro, os três minutos finais foram mais ou menos assim: - Fala alguma coisa, doutor. Não aguento mais esse silêncio. Pela enésima vez, ele argumentou: - A ideia é dizer o que primeiro vier à mente. - Estava pensando na música que tocava no rádio enquanto vinha pra cá. - E você gosta dessa música? - Detesto. - Certo. Que mais? - Sei lá... o que me ocorre agora é que vou ter que comer um hambúrguer pra matar a fome quando sair daqui. - Hum. Sei, sei. E sentenciou, depois de longa pausa: - Talvez o que você encontre aqui não lhe soe bem aos ouvidos, nem lhe caia bem no estômago. Acertou na mosca. Pra mim bastava, meus fantasmas não eram tão assustadores assim. Encontraria formas mais econômicas de praticar meditação. - Seus 50 minutos acabaram. Até sexta que vem. - Até, doutor. Tá lá me esperando, desde 1992. Marcelo Sguassábia é redator publicitário www.consoantesreticentes.blogspot.com

A mente meditativa A meditação não é apenas uma prática e sim um estilo de vida. Para começar a meditar é necessário desenvolver uma mente meditativa. Inicie observando que o momento presente é o único tempo do qual se pode agir. O passado já passou e o futuro ainda acontecerá. Quando a mente está no passado ou no futuro, ela fica desatenta e distraída para a realidade. Mas quando a mente está no presente existe a possibilidade de desenvolver o foco, a atenção e a concentração. Estar presente é o primeiro passo para a meditação. Outro passo para ter uma mente meditativa é buscar o autoconhecimento, pois uma pessoa que está muito identificada com suas emoções e pensamentos dificilmente conseguirá meditar. Por exemplo, “eu posso sentir medo”, mas “ eu não sou o medo”, ele é apenas um sentimento que estou sentindo num determinado tempo/espaço e isso vale

para todas as sensações do corpo e da mente. O autoconhecimento traz a sabedoria de lidar com os Márcio Assumpção próprios limi- Professor de ioga e diretor tes e senti- do Instituto de Yogaterapia mentos. Outra etapa para ter uma mente meditativa é viver uma vida com valores. Viver sem valores é viver no vazio. Para ter uma mente tranquila é preciso estar com o coração tranquilo e isso só é possível quando se diminui o rancor, a mágoa, a falta de ética, a raiva e todos os sentimentos mesquinhos que deixam a mente perturbada e o coração pesado. O resultado de uma mente concentrada, que busca o autoconhecimento e desenvolve valores se chama meditação.


JORNALZEN

16

JULHO/2012

Constelações sistêmicas: por que ajuda as famílias e indivíduos Zaquie C Meredith

Prezada Zaquie, constelei com você no final de 2010 e desde então minha vida, em relação ao problema de relacionamento com meu pai, melhorou muito. Posso dizer inclusive que nunca tive uma relação tão boa e tão honesta com meu pai!” “Zaquie, apreciei e a parabenizo pela maneira como abordou cada caso apresentado. O cuidado em não alienar a preciosa liberdade para evoluir e aprender, mostrando que todos nós somos mantidos em nosso campo familiar pessoal e individual num nível determinado e que faz crescer a nossa disposição para ser feliz, escolher livremente, para fazer durar os relacionamentos agradáveis, a saúde, o bem-estar e também as doenças.” “ ‘As constelações familiares nos ensinam que nossa família é a nossa sina. Entretanto não estamos irremediavelmente presos a essa sina e podemos alcançar a cura’, nos ensina B. Hellinger. Necessário compreender os mecanismos desse processo. Estou iniciando o processo. Grata, Zaquie, pela oportunidade.”

É impressionante ouvir ou ler os depoimentos sobre a cura de conflitos familiares ou organizacionais com as constelações. Por que isso? Simplesmente porque essa é a primeira terapia em que a família é tratada eficientemente, sem ter que estar presente, e onde também envolve a física quântica. Bert foi agraciado pelos deuses ao descobrir que pessoas estranhas à família poderiam sentir o mesmo sentimento que os próprios membros da família têm. Com isso, aquilo que estava oculto acaba vindo à tona e esclarecendo mal-entendidos e colocando ordem na família. Veja o que ele, o criador das constelações, diz: “A família dá a vida ao indivíduo. Os sistemas familiares têm uma força tão grande, vínculos tão profundos – graças à família, ele nasce no seio de um determinado povo, numa determinada região e é vinculado a determinado destinos e tem que arcar com eles... A folha, por exemplo, é construída como a árvore inteira. Cada folha é diferente, entretanto, segue a mesma ordem. A ordem dessa família repete-se nessa constelação. Assim como a família verdadeira está presente nessa constelação, a solu-

ção encontrada para a família que a representa também afeta a família de verdade, mesmo que esta não saiba sobre a primeira. As constelações repercutem dentro da família, mesmo que não se sabia nada sobre elas. São conexões misteriosas. (Constelações Familiares, Bert Hellinger) Pertencendo. Essa é a primeira ordem fantástica das constelações. Cada pessoa tem o seu lugar, cada família, cada membro da família tem o seu lugar e, ao saber disso, já é em si mesmo um fator liberador. Com isso seguimos as nossas vidas, com essa certeza interna de pertencer. Muitos não sentem isso. E muitos antepassados também não sentiam isso. E daí a constelação vem para colocar tudo em ordem. O Direito de Pertencer. Quando as pessoas que não se sentem pertencendo montam suas constelações e muito é revelado, e talvez haja uma identificação com alguém lá atrás que também não se sentia parte do todo. Emaranhados, problemas, conflitos, mal-entendimentos trazem a verdade à tona nas constelações. Nelas, refazemos a trama familiar de uma forma em que os sentimentos, as emoções seguem uma ordem – a Or-

dem Familiar, ou seja, aquilo que Bert Hellinger chama de Ordens do Amor. E tudo isso é também ensinado nos nossos cursos. Seguimos uma ordem e não somente as emoções, embora os emaranhamentos sejam revelados justamente por causa das emoções, mas com a Ordem a família entra num fluxo maravilhoso. Uma hierarquia que dá certo pois quando você a respeita, tudo flui. As ordens do amor, que são, o direito de pertencer, a hierarquia que se observa, quem veio primeiro e quem veio depois, tudo isso é ensinado nossos cursos. Quando alguém monta uma constelação transmite uma imagem espacial do que ocorre na família. Somente quando os vínculos familiares são reconhecidos a responsabilidade é vista com clareza e compartilhada entre todos. Não é a família que provoca as doenças, diz Bert, mas a profundidade dos vínculos e a necessidade de compensação. Zaquie C Meredith é socióloga, psicoterapeuta, consteladora da primeira formação no Brasil INSCRIÇÕES: zaquie@zaquie.com MAIS INFORMAÇÕES: www.zaquie.com


JULHO/2012

JORNALZEN

INDICADOR TERAPÊUTICO

17


JORNALZEN

18

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-papo N

oite dessas, assistindo ao Marília Gabriela Entrevista no canal a cabo GNT, vi a desenvoltura do cantor e ator Fiuk, filho de Fábio Jr. Muito jovem, começando agora a carreira, diria até que ainda meio bobinho com tanto sucesso, mas em momento algum me pareceu deslumbrado e se achando o rei da cocada preta. Porém durante a entrevista me lembrei do alerta que dei para minha filha, há 20 anos, quando ela entrava na adolescência: os conceitos e preconceitos da sociedade continuam tão moralistas quanto na minha adolescência. Vinte anos depois, a sociedade continua a mesma. Diria que 50 anos depois a sociedade continua a mesma, o que é bem mais grave. E quem me fez ver isso foi esse quase menino, com todas as suas ideias em relação à vida, às mulheres, aos relacionamentos. Disse ele que uma menina não deve ir para a cama no primeiro encontro. Senti que Marília Gabriela deve ter feito um esforço enorme para esconder a cara de espanto, vindo de uma pessoa tão jovem e filho de quem é. E ele acrescentou ainda, que sempre fala para os amigos, que relacionamento que começa assim não dá em nada. Claro que não vou discutir aqui se ele está certo ou errado. Até porque, exatamente por ser filho de quem é, com certeza não quer repetir o modelo. Mas fiquei pensando nesses relacionamentos baseados fundamentalmente em sexo. Conheço alguns. Será que persistem anos e anos? Conheço casais que em comum, tem apenas o sexo. Será que basta? Não creio. Hoje vivemos uma época em que se alardeia muito, o que se deve ser na cama. Livros, filmes, novelas, artigos em revistas, são muitas as dicas para se dar bem nessa área. Porém, ainda são poucas as publicações que ensinam como ter companheirismo, este sim, para mim, fundamental para um bom relacionamento. E o estranho nisso tudo é que, enquanto garotos como Fiuk reprovam uma mulher ir para a cama no primeiro encontro, mais e mais se enaltece na mídia essa glamorização da sensualidade. E aí os homens se cobram desempenhos cada vez mais atléticos, começando inclusive a tomar Viagra antes dos 30 anos. E as mulheres – coitadas – se não forem afrodites 24 horas, serão jogadas para escanteio. Realmente, é difícil entender... Beijos!

JULHO/2012

FORNO & FOGÃO - FÉRIAS -

Hoje as nossas receitas serão fáceis de fazer, uma vez que julho é época de férias escolares e o certo é todo mundo descansar. E também porque quando criança e adolescente estão em casa, come-se em dobro, não é mesmo?

Torta enroladinha

Torta de temperos

Ingredientes da massa: - 4 xícaras (chá) de farinha de trigo - 2 colheres (sopa) de óleo - 2 colheres (sopa) de margarina - 1 colher (sopa) de fermento em pó - 3 ovos - sal, pimenta, cheiro verde e cebola ralada a gosto - 1 pires de queijo ralado - 1 colher (sopa) de massa de tomate

Ingredientes: - 6 tomates sem sementes - 1 cebola grande - 1 maço de salsinha - 100 g de azeitonas

Modo de fazer: Misture todos os ingredientes até desprender das mãos. Deixe descansar por meia hora. Recheio: refogue 300 g de carne moída com temperos a seu gosto e acrescente pedacinhos de mussarela, tomate, azeitonas, cheiro verde, cebola e ovos cozidos. Abra a massa, coloque o recheio e enrole como rocambole. Passe gema por cima e leve ao forno para assar.

VOCÊ TEM PAPAGAIO? Sempre aqui damos dicas para cães e gatos. Mas, pelo menos em Indaiatuba, conheço muita gente que tem papagaio, aquela ave falante e inteligente, que repete tudo que lhe é ensinado. O cardápio diário dessa ave deve ser bem variado. Ele inclui uma mistura de sementes compradas em lojas de animais, uma fruta tropical, que pode ser banana ou goiaba e um legume, como a cenoura. Não esqueça da água. Quem tem papagaio sabe que ele tem mania de beliscar o dia todo, por isso os alimentos precisam estar à disposição e serem repostos sempre que necessário. Aliás, cuidado com gaiola cheia de restos de comida e jamais dê ao papagaio alimentos ricos em gordura e açúcar.

Pica-se muito bem esses quatro ingredientes, colocando em seguida numa tigela grande e acrescentando: - 1 pires de queijo ralado - 10 colheres (sopa) de farinha de trigo - 1 colher (sopa) de fermento em pó - 3 gemas - 1 copo de óleo - sal e pimenta a gosto Mistura tudo muito bem e juntase as claras em neve. Leve para assar em assadeira untada e enfarinhada.

Não corte o café da manhã Tem gente que vai trabalhar, para a ginástica ou caminhada, com um simples cafezinho, achando que assim vai emagrecer mais rápido. Se você começa suas atividades do dia sem nada no estômago, o organismo é obrigado a consumir suas reservas de gordura. Você pode até achar ótimo, mas acontece que, numa espécie de mecanismo de defesa antidesnutrição, a queima desses depósitos de gordura provoca mal-estar, desânimo, fraqueza, irritação e dor de cabeça. Assim, o rendimento físico e mental fica bastante prejudicado (sem falar no mau humor!). E o sacrifício não adianta muito: na hora do almoço você vai estar com tanta fome que acaba esquecendo a dieta. Por isso lembre-se que a primeira refeição é fundamental.


JORNALZEN

JULHO/2012

19

BEM NUTRIR Nutrição funcional restabelece o equilíbrio e bem-estar do organismo Natália Baraldi Cunha

P

ara manter em harmonia os trilhões de células que formam os tecidos e os órgãos compondo os aparelhos e sistemas do organismo humano, precisa-se fundamentalmente de uma nutrição saudável. Porém, a realidade é outra. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, cerca de 80% das doenças mais graves têm como causa a má alimentação ou os hábitos alimentares atuais. Neste sentido, a falta de nutrientes, que varia de pessoa para pessoa, gera um desequilíbrio entre as células sobrecarregando o sistema imunológico que desencadeia doenças crônicas. Essa deficiência, por sua vez, pode gerar uma série de patologias, como: obesidade, depressão, fibromialgia, artrite reumatoide, síndrome do pânico, osteoporose, diabetes, distúrbios de comportamento e hiperatividade infantil, desordens estéticas – acne, queda de cabelo, unhas fracas e quebradiças, celulites, pele ressecada, alteração na performance física, entre outros. Diante disso, a nutrição funcional busca reverter este quadro, rastreando os sintomas, sinais e características de cada paciente, atra-

vés da carência ou excesso de determinados nutrientes. Para tanto, a nutrição funcional, baseia-se em alguns princípios básicos, entre eles: Individualidade bioquímica: A interação da genética, da alimentação e dos elementos ambientais, entre eles, toxinas, poluentes, estresse mental e atividade física, de cada pessoa, irão modular os genes determinando quais se expressam melhor, ou não. Esse princípio irá nortear a terapia nutricional, que deverá sempre levar em consideração as necessidades individuais, bem como os sinais e sintomas apresentados.

Tratamento centrado no paciente: O tratamento é direcionado ao paciente e não à doença. É mais importante saber que paciente tem a doença, do que saber que doença o paciente tem. O indivíduo é abordado como um todo, um conjunto de sistemas que se inter-relacionam e que sofrem influências de fatores ambientais, emocionais, alimentares, história individual de patologias e uso de medicamentos, hábitos de vida e atividade física, por exemplo. Equilíbrio nutricional e biodisponibilidade de nutrientes: Torna-se importante a oferta de nutrientes em

quantidades adequadas e em equilíbrio com todos os outros (sem competições), para que haja otimização da sua absorção e aproveitamento pelas células. Inter-relações em teia de fatores fisiológicos: Todas as funções do corpo estão interligadas. A nutrição funcional busca compreender os desequilíbrios que estão nas bases do desenvolvimento das doenças, corrigindo a causa, ao invés de tratar somente os sintomas genéricos. Hoje sabemos, por exemplo, que disfunções imunológicas podem promover doenças cardiovasculares, que desequilíbrios nutricionais provocam alterações hormonais, e que exposições ambientais podem desencadear síndromes neurológicas, como a doença de Parkinson. O tratamento com a nutrição funcional é contraindicado para aqueles que não estão dispostos e abertos às mudanças no seu estilo de vida, principalmente com relação à alteração alimentar, pois utiliza-se de alimentos (em alguns casos suplementos alimentares) de acordo com a necessidade do paciente. Natália Baraldi Cunha é nutricionista formada pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), pós-graduanda em Nutrição Clínica Funcional pelo Instituto VP e mestranda pela Faculdade de Medicina de Botucatu.


20

JORNALZEN

JULHO/2012

Profile for Webmaster JornalZen

Jornalzen Julho 2012  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há sete anos no mercado, circula e...

Jornalzen Julho 2012  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há sete anos no mercado, circula e...