Issuu on Google+

JORNALZEN ANO 9

JUNHO/2014

AUTOCONHECIMENTO

Nº 112

BEM-ESTAR

R$ 2,00

www.jornalzen.com.br

CIDADANIA

CULTURA

Reconexão e Cura Reconectiva é o tema da nova colunista do JORNALZEN, Heloisa Garbuglio (foto). Terapeuta certificada na técnica e atendendo em São Paulo, ela tem formação em terapia regressiva, hipnose, EMDR e constelações familiares. Pág. 12

Pág. 6

Pág. 10

TESOUROS DA VIDA

SAÚDE

NOVA COLUNISTA

MOMENTO DE REFLEXÃO CULTURA DE LETRAS

ZENTREVISTA

Murilo Martino Pág. 3

Pág. 10

LÍRICAS BULHUFAS

A coluna de Vicente Zago, na página 9

Pág. 12

Naturaltech vai até o dia 7 na Bienal do Ibirapuera Principal evento do setor na América Latina, a 10ª Naturaltech (Feira Internacional de Alimentação Saudável,

Produtos Naturais e Saúde) vai até o dia 7 de junho, das 11h às 19h, na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo.

O JORNALZEN participa do evento pela sexta vez consecutiva (Rua G/3). A entrada é aberta ao público. Divulgação

BEM NUTRIR Fórum discute orgânicos em SP Pág. 15 INFORME PUBLICITÁRIO

ARTE DA COPA Trabalho do designer gráfico campineiro Rogério Pedro, um dos 70 artistas escolhidos para painel de grafite de quatro quilômetros na Arena de Itaquera, em São Paulo, palco de abertura da Copa do Mundo, dia 12 de junho.

Tratamento com ibogaína é esperança no tratamento de usuários de álcool e drogas Pág. 11


2

Prudência A

quietemo-nos! Relembram os Instrutores Espirituais. A transição recomenda prudência. A Pátria do Cruzeiro, com a responsabilidade de representar a fraternidade na Terra, está diante dos olhos do mundo que, aproveitando a ocasião dos jogos, redescobre o Brasil. Colocamo-nos, nesse momento, à disposição dos benfeitores, para pedir as bênçãos para nossa gente, para nossa terra, para nosso torrão natal. E percebemos o cuidado dos Espíritos Nobres que representam os Pais da Pátria, para zelar pelo equilíbrio, pela prudência e pela ordem. Os benfeitores nos recomendam prudência. Aquietarmos antes de acelerarmos; paciência, antes que a preocupação maior; oração, antes que o receio. Os nossos Amigos Maiores pedem que nos habituemos nesses dias: amanhecer orando pela Pátria; durante o dia, mentalizar a paz na Pátria; ao adormecer, orar pelo equilibro da Pátria, porque o mundo espiritual nobre, certamente, cuidando de nós, cria as condições de defesa para que os acontecimentos ocorram com equilíbrio, para que a ordem não se deixe vencer pela desordem, para que a prudência nos conduza com equilíbrio à condução do processo das mudanças necessárias. Os irmãos infelizes, acostumados à balburdia, à desordem no mundo espiritual inferior, querem aproveitar, também, no seu trabalho organizado, chamar atenção do mundo, para desmoralizar o grande Programa de Jesus para o Brasil. Por isso, em nome deles, nós queremos pedir aos nossos companheiros o hábito da oração em favor da paz. Teremos, certamente, preocupações graves que devem esperar de nós e receber das nossas orações o testemunho do equilíbrio, para que as forças do mal não encontrem espaço também em nós. Os espíritas conhecedores desses acontecimentos, da ação dessas criaturas infelizes, nossos irmãos, devemos estar conscientes de que representamos elos da grande corrente da Bondade que protege o grande programa que o Cristo de Deus colocou nas mãos do povo brasileiro. Estejamos, pois, meus irmãos, atentos, não sejamos aqueles que multiplicam as más informações e notícias, mas asserenados, aquietados, nos liguemos aos benfeitores, nesse momento importante, para que possamos

JORNALZEN transmitir para o mundo inteiro a nossa gente tão boa, a expectativa de um ambiente de paz e de um povo ordeiro e generoso, mas sobretudo cristão. Orando juntos, estaremos ligando as forças vivas da Bondade, que emana do coração do nosso mestre, o Cristo de Deus, estaremos oferecendo aos nossos dirigentes encarnados, aqueles homens e mulheres que têm a incumbência de zelar pelo equilíbrio e pela orientação política, econômica, social do Brasil, para que os acontecimentos, que possam ocorrer, não perturbem a generalidade da Nação, e para que o programa do Cristo se faça maior do que os transtornos, e para que, de um modo geral, todos nós contribuamos para a paz. Mantenhamo-nos aquietados, confiantes, vigilantes e orando, entregando-nos às mãos santíssimas de Jesus de Nazaré. O Anjo Ismael, aqui, na Federação Espírita Brasileira, organizou programa de trabalho intenso, com os espíritos que representam os dirigentes espirituais do Brasil, para estabelecer nos pontos estratégicos, em Brasília, nas demais cidades importantes do País, as defesas geradas, necessárias para a vigilância e para que a ordem não se perturbe. Não tenhamos receios, confiemos atentos. Os momentos políticos que vive o planeta não têm como não refletir no Brasil, e representando o foco do mundo nesses dias é importante que estejamos aqui na nossa casa, oferecendo o melhor ambiente vibratório de beleza espiritual, para que o Anjo Ismael possa cumprir, com o apoio dos Espíritos Nobres, o programa de Jesus. Os momentos recomendam prudência, como dizíamos, e cuidado. Oremos meus irmãos e mantenhamo-nos em paz. Que Jesus abençoe a Pátria que amamos, que o Cristo de Deus ilumine as consciências das nossas autoridades, que os ambientes dos jogos sejam protegidos pelas forças da luz, e que a nossa certeza na condução dessas energias nobres faça de nós também instrumento da paz. Que o Cristo de Deus nos abençoe, abençoe a Federação Espírita Brasileira, abençoe o nosso país, e nos inclua no grande programa dos trabalhadores do Bem. Abraço-vos, fraternalmente, José do Patrocínio. [de gravação de psicofonia pelo médium João Pinto Rabelo, na reunião do Grupo de Assistência e Apoio aos Povos da África, na sede da Federação Espírita Brasileira (FEB), no dia 10 de maio de 2014]

JUNHO/2014

AGENDAZEN CAMPINAS CONSTELAÇÕES SISTÊMICAS 26/7, das 9h às 13h – workshop com Elizabeth Farias, no Espaço Cultural Castro Alves (Rua Castro Alves, 298 - Taquaral). Inscrições e mais informações: (19) 3324-9042 ou espacocastroalves@gmail.com MEDITAÇÃO 15/6, das 10h às 12h – prática de yoga nidra, com Silvia Lá Mon, no Espaço Cultural Castro Alves (Rua Castro Alves, 298 - Taquaral). Participação: 10 reais. Mais informações: (19) 3324-9042 ou espacocastroalves@gmail.com

PILATES 19, 20; 26 e 27/7 – cursos de treinamento funcional e avançado, na Oficina Zen (Rua Maria Umbelina Couto, 484 - Taquaral). Inscrições e mais informações (19) 3253-3568 ou www.oficinazenpilates.com.br

SÃO PAULO CONSTELAÇÕES FAMILIARES 28/6, das 9h às 13h – workshop beneficente, com Zaquie Meredith, na Igreja Ignácio de Loyola (Rua França Pinto, 115 - Vila Mariana). Contribuição: 30 reais + um cobertor. Inscrições e mais informações: zaquie@zaquie.com

INFORME PUBLICITÁRIO

‘PÉROLA NEGRA’ BUSCA PATROCÍNIO DE EMPRESAS PARA SEU FILME BIOGRÁFICO O livro autobiográfico Pérola Negra - História de um caminho vai virar filme. É a saga de uma mulher negra e pobre para vencer uma lesão cerebral, formar-se médica pela Unicamp e atender a população carente do Brasil. O projeto de produzir um documentário a respeito dessa história emblemática de luta acaba de ser aprovado pelo Ministério da Cultura. O orçamento original era de R$ 824 mil e foram aprovados R$ 569 mil, pelo artigo 18, o qual garante 100% de repasse do patrocínio para desconto nos impostos, pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura. Elaine Pereira da Silva, a Pérola Negra, já tem o cineasta que virá da Europa para dirigir o filme – Balufu Bakupa-Kanyinda – e a equipe de produção cinematográfica que será contratada assim que conseguir patrocínio de empresários. “Qualquer valor que a empresa se dignar a nos destinar será profundamente agradecido e muito bem utilizado por nossa equipe extremamente capaz de executar com qualidade este projeto-sonho”, ressalta Elaine. “Nossa intenção é levar este documentário para as Américas, Europa e África.” O sonho de Elaine é transformar Pérola Negra em documentário e, depois, em filme longa-metragem, além de fazer nova edição do livro. “Penso que conseguiria levar bem mais longe minha mensagem de lutar sempre, a despeito das dificuldades, sempre honestamente, com, sem ou apesar de tudo e todos.” Elaine já tem o roteiro para o documentário e está iniciando o do longa-metragem. “Estamos lutando, em busca de patrocínio para este projeto”, comenta. “A intenção de divulgar essa história em livro e nos filmes é justamente esta: animar as pessoas de quaisquer segmentos a lutar pelos seus sonhos – porque eles não envelhecem!” CONTATOS COM ELAINE: (19) 98361-2618 / doutoraelaine@draelaine.com Conheça a história no site www.draelaine.com

JORNALZEN NOSSA MISSÃO:

DIRETORA Silvia Lá Mon EDITOR Jorge Ribeiro Neto JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508

Informar para Transformar TELEFONES Redação (19) 3324-2158 Comercial (19) 3044-1286 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br

circulação: Campinas, Indaiatuba, Holambra, Hortolândia, Valinhos e Vinhedo; Vila Madalena (SP)


JUNHO/2014

M

urilo Martino vivenciou uma incansável busca pelo equilíbrio pessoal. A trajetória desse jornalista nascido em Itapetininga (SP) é a base do livro De Jornalista a Cidadão Universal, no qual relata momentos especiais que trouxeram lucidez para os conflitos que o rondavam. Murilo trabalhou em grandes veículos de imprensa, como Veja, Folha de S. Paulo e no grupo Exame. Hoje, aos 55 anos, tem sua própria empresa de comunicação. Desde criança, sentiu-se atraído pelas filosofias orientais e ocultistas. Em busca de entendimento para sua vida, procurou respostas em várias correntes do esoterismo. É terapeuta holístico, reikiano, alquimista e coordenador da escola iniciática Harmonia Alpha Cruz. Em entrevista ao JORNALZEN, Murilo Martino avalia que o estresse da sociedade moderna tem afastado o homem cada vez mais da natureza e dos sentimentos que verdadeiramente o fazem bem. “A simplicidade pode ser a chave para se reencontrar”, conclui.

JORNALZEN

3

ZENTREVISTA Murilo Martino

CIDADÃO UNIVERSAL Jornalista expõe em livro jornada na busca pelo autoconhecimento Henrique Godoy

O que o levou a escrever o livro? Como conto no prefácio, não tinha intenção de escrever um livro sobre minhas experiências. Fui motivado pelo incentivo de amigos que acompanharam minha jornada e que me fizeram compreender que o que vivi na trilha do autoconhecimento poderia servir de estímulo para outras pessoas. Minha intenção não é convencer as pessoas a seguirem a mesma trilha, mas mostrar que é possível encontrar o equilíbrio pessoal e ser senhor de si. As experiências do personagem Lucas são suas próprias experiências? Sim, são algumas experiências que vivi e que marcaram minha jornada na busca do autoconhecimento, de entender o significado da vida e ser feliz comigo. Escolhi criar um personagem para contar essa história porque não fui o único a viver o que conto no livro. Muitas pessoas passaram pelas mesmas experiências e muitas podem desejar passar. Assim essa história não é só minha e, criar um personagem, possibilita que as pessoas possam imaginar a sua própria experiência. Como se deu a descoberta de seu caminho para a paz interior? Fui convidado por uma amiga a fazer um curso de alquimia interior, em um lugar chamado Fundação Harmonia de Artes e Conhecimentos Transcendentais. No primeiro dia, durante um intervalo após algumas técnicas, sentei em um banco e fiquei olhando as montanhas e a natureza do lugar. Naquele instante despertou em mim a sensação de reencontro e tive a certeza de que ali estava o caminho que sempre busquei. Um caminho que não estava ligado a uma religião e que me convidava a pensar sobre a vida e os meus valores.

Como atingir um ponto de equilíbrio pessoal em uma profissão intrinsecamente estressante como o jornalismo? Não acredito que exista uma fórmula única, pois cada pessoa tem o seu ponto. As experiências que vivi e os ensinamentos que recebi mostraram que devemos viver no presente, de maneira afirmativa. Ninguém pode ter mais autoridade sobre nossa pessoa do que nós mesmos. As pessoas vivem muito no passado e no futuro, tentando consertar o que já foi ou cheio de expectativas sobre o que virá. O jornalista, pela característica da profissão, vive muito preso ao amanhã. Mas não é só o jornalista que sofre com o estresse. Vejo as pessoas em geral cada vez mais correndo contra o tempo, como se fosse possível vencê-lo. Isso gera insatisfação. A violência e o consumo característicos da sociedade moderna revelam a necessidade de resgatar o homem para a natureza e os sentimentos que verdadeiramente o fazem bem? A violência e a cultura do consumo exacerbado refletem a angústia que vivemos por nos afastarmos de nós. Somos agressivos com o próximo para chamar atenção de que não estamos bem e consumimos em demasia para tentar preencher o vazio que sentimos em nossas vidas. A natureza nos ensina muitas coisas, uma delas é que as diferenças não são divergências. Cada ser na natureza tem sua função e não existe competição. Ela também nos mostra que a beleza da vida está no simples e no comum. A natureza no ensina que a felicidade está dentro de nós.

O que o levou a se identificar com filosofias orientais e correntes do esoterismo? Desde minha infância gostava de ler e ouvir histórias sobre filosofias orientais. Chamava minha atenção as lutas marciais e sua disciplina. Adorava um seriado de televisão chamado Kung Fu, que mostrava a história de um homem que viveu dentro de um templo Shaolin recebendo ensinamen-

tos budistas. No seriado, o personagem vai em busca de seu pai, que significa nossas raízes. Esse programa marcou minha adolescência e despertou a vontade de compreender melhor o mundo. Passei a me interessar por oráculos e outros assuntos relacionados ao autoconhecimento e não parei mais de buscar. Conheci I Ching, vedanta, espiritismo, cabala, umbanda.

“Se formos os agentes das nossas mudanças, iremos descobrir que o homem nasceu para ser feliz”

Como avalia a proposta do JORNALZEN, voltada para a difusão de assuntos ligados ao autoconhecimento? Ao trazer para seus leitores temas relacionados ao autoconhecimento, o jornal exerce uma contribuição muito importante, mostrando diferentes caminhos para que eles possam enxergar aquele no qual encontrarão o seu equilíbrio pessoal. Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? Recebi muitos ensinamentos na trilha que decidi seguir. Cada um teve significado marcante, mas um foi o estopim para encontrar o equilíbrio. Aprendi que a única constante do universo é a mudança. Se formos os agentes das nossas mudanças, e não deixar isso na mão dos outros, iremos descobrir que o homem nasceu para ser feliz.


JORNALZEN

4

Silvia Lá Mon la.monica@terra.com.br – cronicasdesilamon.blogspot.com

A Lei do Caos e da Ordem Caos e ordem são conceitos de situações que a mente aceita ou não, conforme um determinado momento e que só se estabelecem com bases temporais. “Caos e ordem, no entendimento de vocês, significa desarmonia da energia ou alguma coisa que não está acomodada, que está num tempo de tribulação, no momento em que não se entende. E a ordem seria a acomodação dessa situação. Tudo isso é importante, porém lembremo-nos, mais uma vez, que se trata apenas de situações. Então: caos e ordem só se estabelecem com bases temporais. Num determinado ambiente, qualquer que seja, para um tipo de mente, ele pode estar em ordem e para outro tipo de mente, o mesmo ambiente pode estar em caos. Assim, caos e ordem só têm sentido quando relacionados à aceitação de um momento.” Essa lei vem bem a calhar com o momento em que estamos vivendo no Brasil. Estamos recebendo uma

Copa do Mundo e é ano de eleições para presidente, governadores, senadores e deputados, ou seja, os principais dirigentes do País. Neste momento temos assistido a todo tipo de greve, manifestação, revolta e outros sentimentos e atitudes bastante destrutivas em nosso país. Quero ressaltar que, independentemente de questões políticas ou partidárias, parece-nos que está havendo uma tendência da mente coletiva de estar mergulhada no caos, vivendo um tempo de tribulação. Observem que a Lei do Caos e da Ordem nos chama a atenção para o fato de que a ordem pode ser gerada a partir do momento em que a percepção da mente se direcionar a ela. Sugiro a leitura do artigo na página 2 desta edição, em que é ressaltada a importância de nos comportar com prudência, mente serena e positiva nestes tempos vindouros, a fim de que possamos eliminar o caos reinante e promovermos a ordem e o progresso neste nosso abençoado país. Paz profunda a todos.

JUNHO/2014

PANORAMA CONSUMO CONSCIENTE O Instituto Akatu lançou campanha on-line para mobilização de recursos de pessoas físicas. Qualquer pessoa pode contribuir financeiramente com projetos ligados ao consumo consciente. Os interessados devem acessar o site www.akatu.org.br/doacao. O doador pode colaborar com a manutenção do instituto e projetos estratégicos ou de aprendizagem. PRÊMIO DE SUSTENTABILIDADE A Câmara Brasil-Alemanha está com inscrições abertas para o Prêmio von Martius, que reconhece o mérito de empresas, do poder público e da sociedade civil que promovam iniciativas voltadas ao desenvolvimento sustentável. Os projetos podem ser enviados até 23 de junho (data de postagem). Mais informações: www.premiovonmartius.com.br HORTICULTURA SUSTENTÁVEL A Enel Cuore está convidando associações, ONGs, cooperativas e empresas sociais a apresentar projetos para a promoção da horticultura comunitária. As iniciativas devem ser destinadas a comunidades residenciais, centros comunitários e centros de reabilitação. As propostas podem ser apresentadas até o dia 7 de julho. Mais informações: www.enelcuore.org EDUCAÇÃO MUSICAL A Orquestra Praticatatum, projeto da associação de mesmo nome, está oferecendo vagas de cursos gratuitos para alunos iniciantes ou não, entre 12 a 17 anos, que queiram aprender a tocar saxofone, trompete, trombone, violino, viola e violoncelo. São 40 vagas, válidas para estudantes de São Paulo e Grande São Paulo. Mais informações: www.praticatatum.com.br INCENTIVO A ONG O projeto “Allegro”, do Centro Promocional Tia Ileide, de Campinas, está buscando a captação de recursos de empresas contribuintes do ICMS – que terão, em contrapartida, o nome citado em apresentações e materiais de divulgação. O projeto oferece acesso a equipamentos e atividades culturais a cerca de 200 crianças e adolescentes. Mais informações: (19) 3781-8093.


JUNHO/2014

JORNALZEN

5


JORNALZEN

6

MOMENTO DE REFLEXÃO JOÃO BATISTA SCALFI – scalfi@terra.com.br

Em busca da felicidade O ser humano está sempre buscando alternativas para uma vida melhor, o que é muito justo e faz parte do processo evolutivo. A ciência está avançando com novas descobertas que ajudam aliviar as nossas dores e cada vez mais vem aprimorando as técnicas com cirurgias menos invasivas. Deus permite que assim seja porque o corpo físico é o veículo que leva o homem a desenvolver valores morais e intelectuais e, estando saudável, facilita o acesso as novas informações. Por outro lado, a espiritualidade nos ensina que todas nossas dores físicas têm origem na alma, que recebe impulsos da mente através do pensamento, sentimento e emoções. A alma é a essência do nosso ser e é a fonte da vida. Quando estamos desequilibrados mentalmente, com emoções de raiva, ciúme, ambição, inveja, luxúria, etc., todas essas emoções afetarão o nosso sistema nervoso, causando depressão, intolerância, desânimo, apatia etc., que somatizam doenças físicas. Jesus recomendou-nos: previna-se das doenças e dos males com recursos próprios, ou seja, com uma vida saudável, aceitando com alegria no coração os acontecimentos de cada dia, que fazem parte de nossa evolução. “O maior restaurador de nossas forças é a consciência reta, que serena e acalma as emoções” (André Luiz). Se esses fatores forem administrados com equilíbrio, nos sentiremos fortalecidos e uma nova vida surge com sensação de felicidade. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um? Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, é a consciência tranquila e a fé no futuro. Aquele que se acha bem compenetrado de seu destino futuro não vê na vida corporal mais do que uma estação temporária, uma parada momentânea e facilmente se consola dos aborrecimentos passageiros de uma viagem que o levará para um mundo melhor! “As causas de nossos sofrimentos são os nossos desejos egoístas” (Buda)

JUNHO/2014

Pensamentos de

Padre Haroldo Ioga e coluna vertebral A coluna vertebral é muito sensível. Para não danificarmos sua estrutura e não sentirmos dores temos que observar nossa postura em todas as situações. A forma como nos levantamos (quando estamos deitados) da cama ou do chão (quando estamos praticando ioga, por exemplo) são muito importantes também. Não podemos deitar de barriga para cima e simplesmente levantar de frente. A coluna pode estar desalinhada. Se ela estiver desalinhada e levantarmos de frente ou fizermos qualquer movimento de ritmo deitados nessa posição podemos danificá-la, não sentindo dor nenhuma na hora mas provocando alguma doença ortopédica com o passar do tempo, desencadeando dores crônicas, ou podemos danificar nossa estrutura e sentir dores temporárias. Quando estamos deitados o ideal para nos levantarmos é virar de lado, apoiar a mão no chão (do braço que está em cima) e subir, encaixando as vértebras da coluna do cóccix para o pescoço. Não é nada demorado, é um movimento ao qual nos adaptamos rapidamente, tornando-se um hábito e que causa bem-estar, pois sentimos a

estrutura da coluna se encaixando e sentimos, consciente ou inconscientemente, que a coluna está sendo bem cuidada, ou seja, sentimos um ato de amor. As ásanas corretamente praticadas ajudam muito a coluna vertebral. Existia, num convento, uma noviça que se levantava todas as noites para comer o que havia na geladeira. Até que, um dia, a madre superiora, percebendo a falta dos alimentos, resolveu passar um susto na jovem. À noite, escondeu-se na cozinha, com a luz apagada, e quando a noviça foi procurar comida, a madre fez um barulho com os pés. A noviça, surpresa, perguntou: “Quem está aí?” A superiora, com voz grossa e diferente, respondeu: “Sou Satanás!” A noviça, nervosa, disse: “Ainda bem que é Satanás, porque se fosse a madre superiora eu estaria perdida” Não fiquemos perdidos abusando da nossa coluna vertebral. Haroldo Joseph Rahm é presidente de honra da Instituição Padre Haroldo, para pessoas com síndrome de dependência alcoólica e química, em Campinas. Telefone: (19) 3794-2500. hrahmsj@yahoo.com

EXCEPCIONALMENTE, A COLUNA DE KHRISTIAN PATERHAN NÃO ESTÁ SENDO PUBLICADA NESTA EDIÇÃO


JORNALZEN

JUNHO/2014

UROLOGIA

Manejo de gado

ORESTES MAZZARIOL JR.

Diagnóstico precoce A população brasileira em 2010 foi contabilizada em pouco mais de 190 milhões de habitantes, dos quais 49% são do sexo masculino. Desses, 56% são adultos, entre 20 e 59 anos. A saúde masculina passou, então, a ser discutida por uma serie de razões: elevada sobremortalidade, menor expectativa de vida e menor utilização dos serviços de saúde, especialmente os de atenção primária. Quando doentes, os homens são mais propensos a protelar a procura nos serviços de saúde, menosprezando sinais e sintomas. As patologias urológicas relacionadas com armazenamento e esvaziamento da bexiga afetam, e muito,

a qualidade de vida, principalmente após os 40 anos. O tratamento deve ser precoce para evitar alterações ultraestruturais irreversíveis na bexiga. As etiologias mais frequentes são bexiga hiperativa e o aumento benigno da próstata, além de infecção do trato urinário e câncer de bexiga. Não podemos deixar de mencionar o câncer de próstata. É de fundamental importância, portanto, a ida ao urologista para um diagnóstico precoce e esclarecer assuntos inerentes ao envelhecimento, com cuidados, tratamento e atitudes que possam melhoram a qualidade de vida, proporcionando um envelhecimento com vida sexual e disposição.

A psicologia entende que a emancipação pessoal individual se reflete no âmbito social. Por isso, ela também analisa os fenômenos psicológicos de uma sociedade. Nesse sentido, a atitude de vanglória do povo brasileiro, arrogando méritos ou potencial extraordinários ao Brasil e ao seu povo é uma expressão de um falso patriotismo ou ufanismo. Isto foi fato com os mais velhos que, nos tempos da Copa do Mundo dos anos 70, assimilaram um ufanismo incauto embalado pelo hino nacional, o hasteamento da bandeira e os versinhos patrióticos de “noventa milhões em ação, pra frente, Brasil, do meu coração (...) salve a seleção”, misturando governo e futebol em um carnaval fora de época. Hoje, os mais novos (mesmo gado sedado) fazem igual, sem bandeira e sem hino. Nada mudou, exceto que o governo arquitetador do desfocamento nacional se autoproclama democrático popular, ao invés de militar ditatorial.

7

O ponto é que não se constrói uma nação com futebol e gado. O patriotismo ve rd a d e i ro emerge da maturidade MIGUEL ANTONIO psicológica DE MELLO SILVA de pessoas Psicólogo (CRP 06/37737-2) que assimilaram valores capazes de fazer-lhes ter interesse genuíno pelo convívio em uma sociedade viável, assentada em valores duradouros, que requerem investimentos na forma de educação, saúde e segurança. O peso espiritual que resulta da alienação das pessoas, do oportunismo de muitos, da corrupção de alguns e do descaso com os compatriotas, torna-se mais sensível a cada dia que nos aproximamos da Copa. Infelizmente a conta a ser paga, material e espiritualmente, será imensa.

CONTATO: (19) 3213-4716 / 3213-6679 ou psicmello@gmail.com YOGA CRISTÃ A Instituição Padre Haroldo está recebendo inscrições para o Retiro de Yoga Cristã. Com orientação do padre Haroldo Rahm, o evento ocorrerá de 25 a 27 de julho e de 31

de outubro a 2 de novembro, no Centro Loyola, em Campinas. Reservas e mais informações pelos telefones (19) 3794-2528 e 3794-2509 ou pelo e-mail eventos@padreharoldo.org.br


10

JORNALZEN

CULTURAZEN

Comitiva de empresários de Indaiatuba no 9º Congresso da Micro e Pequena Indústria, promovido em São Paulo pela Fiesp e pelo Ciesp

JUNHO/2014 Fotos: Divulgação

Robert Chatwin, Sandra Ciocci, Maria Paula Fonseca e Antonia Maria Zogaeb no evento de lançamento do Natura+, projeto que insere a empresa de cosméticos no mercado de moda e decoração

Participantes do Passeio Integração da Mobilidade, parceria entre várias entidades que reuniu pedestres, motociclistas, ciclistas, cadeirantes e deficientes visuais em Indaiatuba


JORNALZEN

JUNHO/2014

MANDALA PARA PINTAR

- SONIA SCALABRIN -

Recebemos colaborações para este espaço. Envie sua mandala para jornalzen@terra.com.br

Recanto do Poeta Trajetória

(Geni Fuzato Dagnoni)

Escalo o morro inteiro, só folhagem, tal cúpula de um verde ao florescer. Folhas, ventos enlevados na filtragem do sol, brincam aqui de se esconder. Aranhas sorrateiras na ramagem, teias frouxas em seu transparecer, das sombras, olhos rijos de coragem, tirou fôlego meu ao conhecer. Perfume e paz da mata lá circundam. O espetáculo existe, é relaxante. Lá o frescor da brisa e o ar puro abundam. Vem, surge de repente na memória, que embala fusão verde fascinante, minha emoção conduz na trajetória.

Circunstancial

(Luno Volpato)

Nesta noite, teu corpo me interessa... Talvez, nele, eu encontre exaltação Pra amenizar tão brusca sensação: A dor que meu olhar ausente expressa. É bem assim que meu drama começa... Eu cri fosse real sua expressão. Transferi sem reserva o coração, Mas tudo não passou de vã promessa. Amamo-nos com toda intensidade. Havia um novo sonho em cada trecho... Depois: Uma traição, dor e saudade!... Amiga, tudo foi pela janela! Agora, só me resta este desfecho: Fazer amor contigo... e pensar nela!...

9


JORNALZEN

10

CULTURA DE LETRAS CRÔNICAS DE ARUÂNGUA – mceu.idt@terra.com.br

Em defesa da honra de quem? H

ouve tempos em que os “infiéis” muçulmanos eram aqueles que levavam a tecnologia e a matemática à península ibérica. A escrita e o conhecimento artístico ao ocidente. Então, com essa lição aprendida tão viva dentro de mim, pergunto-me se alguns dos muçulmanos contemporâneos sabem de suas origens gloriosas e se sentem algum remorso ou pudor pelos atos bárbaros que se cometem nos dias atuais em nome de certas facções religiosas. Esses “servos” (islamitas) – cuja palavra tem a ver com PAZ e cujo significado quer dizer: aquele que se submete a Deus – percebem a regressão civilizatória de que foram vitimados? É muito difícil crer que esses islamitas (não todos) que nos aterrorizam, sejam os legítimos descendentes daquele mesmo povo que tinha mulheres literatas no século 12 num momento em que a Europa atravessava a “idade das trevas”. Povo que entoou belas orações poéticas e cedo filosofou sobre as ondas vibratórias e criadoras do som sobre a materialização do universo invisível no visível? Pode pensar-se que esses sejam os herdeiros de tamanha sabedoria? Não! Não podem ser, nem pode confundir-se aqueles de outrora, com esses que hoje lançam mão de pedras contra sua própria carne, punindo até à morte, suas mulheres por “pecados” como amar o diferente, amar o amor, amar sem autorizações. A paixão é mesmo fatal em alguns países do oriente. E a rebeldia de pouca duração: só no Paquistão 869 mulheres foram assassinadas em crimes de honra em 2013. Em meio a um povo cujos fundamentos religiosos são tão parecidos com os cristãos e judaicos, milhares de mulheres são mortas todos os anos por desobediência a normas sociais locais e leis baseadas na interpretação “machista” do Alcorão, feita ao sabor e conveniência de seus líderes religiosos e políticos belicosos. Pasmem, mas as mulheres muçulmanas de hoje reivindicam coisas como a fidelidade aos textos sagrados e às palavras literais do Alcorão, quando sua escrita se refere à concertação,

cumplicidade, amor no matrimônio e de liberdade de escolha da mulher. É contra a jurisprudência islâmica atual que elas lutam, porque esta sim, fala de obediência absoluta da mulher ao marido, da autoridade masculina, do matrimônio sob a tutela forçada e de matrimônios arranjados sem o consentimento da mulher. No primeiro congresso internacional do feminismo islâmico, realizado em Barcelona em 2008, testemunhou-se a presença de mulheres militantes vindas do Senegal, do Paquistão, da Indonésia, do Irã para expressar o desespero coletivo das muçulmanas que estão sob a “charia” (lei islâmica) e sob os códigos familiares e locais que lhes infligem maus-tratos, uniões forçadas, poligamia, discriminação em relação ao acesso ao divórcio e à herança e toda uma série de abusos sobre seus corpos, aos quais não têm direito algum. Elas não têm direito sequer a tomar a pílula sem o consentimento de seus maridos. A religião, que não tolera relações sexuais fora do casamento, leva as mulheres a condenações e por causa disso, a abortos clandestinos que matam todo ano, 200 mil mulheres só na África. Enquanto isso os homens são livres para exercerem a poligamia. O feminismo muçulmano segue por variadas estratégias. Desde militantes moderadas a outras provocadoras ao ponto de pretenderem acabar com todos os tabus, exigindo o direito à livre escolha de um parceiro sexual ou de um marido, o direito a ter relações sexuais fora do casamento e o direito à homossexualidade. Mas manchetes dos jornais e mídias, no entanto, são ocupadas por notícias de mulheres que, numa condição social prejudicada e sem nenhuma voz ativa, rebelam-se, enfrentando em lutas particulares, perdidas à partida, a desigualdade sexual e social, com a única arma de que dispõem – a própria vida. Que ruído é esse, contido na mensagem religiosa que leva pais, irmãos e parentes a sentirem-se legitimados e autorizados, o suficiente, para arrancarem “a vida da vida” com apedrejamento e outras formas de morte com tortura? Por que no século 21 a vida ainda não é valiosa o bastante para que cessem essas vozes manipuladoras que anestesiam a consciência humana?

JUNHO/2014

Tesouros da Vida JULIANO SANCHES

O cinema e nossas projeções Ir ao shopping para assistir a blockbuster é um ritual que adoramos. Não se trata de uma pedagogia gratuita e involuntária. Em fuga ao discurso moralista das religiões, queremos celebrar a vida segundo a liturgia de panteões hollywoodianos, franceses, russos, alemães, italianos, iranianos, e de outras origens validadas social e culturalmente. O mundo apresentado, atualmente, tem a razão como senhora de si mesma, devido à herança deixada pela modernidade, com marcos como a máquina a vapor e as ferrovias. Para lidar com isso, o público quer viver em shows, teatros, bares e nas salas de cinema uma experiência peculiar, que liberte as forças inconscientes represadas. Para trazer à tona as commodities apreciadas pelo mapa do desejo – com referências inscritas psicanaliticamente na vida humana –, os gurus da indústria do entretenimento têm apostado em contrastes potentes, vendavais insistentes da mitologia popular pós-moderna, que deram vazão a uma abundante colheita de épicos nos últimos anos. Senhor dos Anéis, do neozelandês Peter Jackson, está entre os nomes mais cogitados. Soberbamente fabulacionais, as produções promovem uma dinâmica cultura de fãs, que busca gerar movimento e engajamento entre os apreciadores. Adoradores das sagas, muitos se

tornam filmmakers, denominados amadores, inseridos no sonho de contar histórias e, tal como presenciamos nas películas clássicas, fazer de vários pontos de sensações – que saltaram nas imagens mentais do produtor – um motivo em comum para propor interfaces com o cotidiano. Filmes nos levam a acrescentar matéria psíquica aos nossos olhares introspectivos, como nos casos de ausências, situações de falibilidade, culto à personalidade, dualidades, riscos e possibilidades prazerosas por parte dos âmbitos tecnológico e virtual. Os aspectos legais e políticos ganham abordagens progressistas ou não em decorrência de leituras propiciadas a partir dos roteiros em circulação. A busca por saber o próximo passo da sequência da franquia, credenciada pela profissionalização dos spoilers, atinge um patamar ímpar, em que surgem “infiltrados” em locações de hotéis, onde estão instalados os sets de filmagem, com a pretensão de obter detalhes técnicos e estéticos de determinadas tomadas e, por consequência, abastecer as mídias sociais, por meio dos grupos especializados e das respectivas lideranças comprometidas com a condução do diálogo propositivo. Na era das mutações, tudo é volátil, negociado e líquido. E o cinema reafirma isso. Juliano Sanches é jornalista


JUNHO/2014

JORNALZEN

11 INFORME PUBLICITÁRIO


JORNALZEN

12

Líricas Bulhufas MARCELO SGUASSÁBIA

Querido símbolo da terra Há mais podridão por trás da valorosa bandeira da República de Cargibeia do que seria razoável supor. – O algodão utilizado na confecção obrigatoriamente deve apresentar atestado da região de procedência, ser cultivado com defensivo e fertilizante homologados pelo governo e fornecido em fardos de dimensões e pesos absolutamente exatos, determinados por legislação específica. As exigências são tantas que a não conformidade acaba sendo a regra, fazendo com que milhões de arrobas de algodão sejam incineradas todos os meses pelos chamados “fiscais da bandeira”, por não atenderem às normas exigidas antes do processo de fiação e tecelagem do nosso símbolo maior. É quando um novo e gigantesco lote de algodão é adquirido, outra vez reprovado, incinerado e assim sucessivamente – numa verdadeira sangria aos estoques reguladores da commodity. – Quando prontas, um exército de mulheres passadeiras e dobradeiras é recrutado para acondicionar as bandeiras em contêineres oficiais adquiridos em licitação ilícita. Uma vez repletos, os contêineres seguem para um condomínio de galpões industriais, onde são estocados para suprimento conforme a demanda. Tais mulheres trabalham em regime de escravidão mas recebem gordos contracheques como servidoras estatutárias, dinheiro que por elas é forçosamente devolvido no ato do recebimento e em seguida desviado para utiliza-

ção como caixa de campanha. – Laudo microbiológico identificou traços de cocaína em 17 das 18 amostras de bandeiras recolhidas para análise, fato que sugere a utilização dos contêineres para armazenamento de outros e suspeitos produtos. – Os mastros das bandeiras, para uso em salas de aula nas escolas públicas, deveriam ser confeccionados em madeira de lei da reserva indígena de Caixipó. A madeira de lei, na verdade, é um tanto quanto fora da lei, pois é desviada para contrabando. Os mastros acabam sendo produzidos em resina barata, de baixa resistência e durabilidade. – Após instaladas, uma equipe volante executa os testes de desempenho por meio da USV - Unidade Simuladora de Vento, que nada mais é que um gigantesco ventilador de quatro metros de altura. Os técnicos da equipe desfraldam a bandeira, ligam a USV e analisam o comportamento da mesma tremulando, para aferir se causam o efeito cívico desejado. – Quando mingua a farra com o dinheiro público, um novo Estado da Federação é providencialmente criado. A bandeira ganha uma nova estrela, e todas atualmente em uso são recolhidas e destruídas em grandes máquinas retalhadoras – estas sim adquiridas conforme o figurino, para não dar bandeira Marcelo Sguassábia é redator publicitário

JUNHO/2014

Reconexão e Cura Reconectiva A Cura Reconectiva é estrutura por meio das uma proposta que nos linhas axiatonais nosso leva além das técnicas de DNA, permitindo acesso curas energéticas. Coneca uma rede atemporal de ta-nos à nossa essência, inteligência universal, com libertando e equilibrando diferentes níveis de vibranosso campo de energia, ção e freqüências de cura. desenvolvendo a autoAperfeiçoa a atividade do confiança e a autoestima, nosso corpo físico e menpotencializando maior tal, trazendo serenidade, clareza e criatividade por paz interior, concentração, HELOISA GARBUGLIO Terapeuta certificada meio da nossa percepção aumento de desempenho, The Reconnection instintiva e psíquica. intuições e inspirações. (Nível I, II, III) É indicada para o equiReconexão e a Cura líbrio natural de todas as Reconectiva são experiênaflições físicas, vícios, desequilíbrios cias de vida transformadoras, apoiaemocionais, mentais, lesões, pensa- das firmemente na física nuclear e mentos autodestrutivos, comporta- quântica. A ciência tem confirmado mentos de autosabotagem e quais- essas duas frequências de cura por quer outros desafios. Toda a cura é meio de evidências mensuradas em um retorno ao equilíbrio. É feita em laboratórios, hospitais e universidaapenas três sessões e atua na causa des. Não está ligada à fé, crenças ou do problema tratando o indivíduo a ritos religiosos. Possibilitam cura como um todo. Transcende nossa que transcendem às limitações de atual compreensão de cura. nossos preconceitos. Diabetes, fadiga Reconexão é o retorno à nossa crônica, câncer, epilepsia, artrite reuessência. Acelera o nosso processo matoide, paralisia cerebral, fibromialevolutivo e nos encaminha para a gia, depressão e muitas alterações realização do nosso propósito de mentais e emocionais podem se vida. Ativa a glândula pineal e re- beneficiar desse tratamento.


JUNHO/2014

JORNALZEN

INDICADOR TERAPÊUTICO

13

Decidir com o coração Na senda da vida precisamos fazer escolhas a todo o momento e é impossível escolhermos sempre o melhor. Muitas vezes erramos e através da experimentação é que aprendemos a fazer boas escolhas. Na tradição do yoga dizemos que é melhor escolher com o coração, pois ele jamais mente, sempre fala a verdade. Porém, para ouvir o coração é necessário estar maduro e desenvolver uma mente meditativa, ou seja, capaz de escutar a voz da “consciência”. Muitas pessoas pensam que estão decidindo com o coração, mas na verdade estão ouvindo os apelos do fígado (cheio de desejos), do estômago (repleto de ansiedade), do pâncreas (pressionado pelas críticas) e a maioria delas pelos apelos sexuais (cego de paixões). E ainda dizem: “Segui meu coração e só me estrepei”. Será? Na visão do yoga, seguir o coração é tomar decisões equilibradas que atendam o lado racional e emocional. Qualquer decisão que seja unilateral é incompleta e nos deixa

insatisfeitos. A meditação e as práticas de yoga, quando conduzidas corretamente, nos ensinam a ouvir a voz MÁRCIO ASSUMPÇÃO do coração e a Professor de ioga e diretor tomar decisões do Instituto de Yogaterapia maduras, baseadas no equilíbrio entre a razão e a emoção. É preciso ouvir os dois lados e buscar o “caminho do meio”, o que não é um exercício fácil, pois exige aprimoramento emocional. Como estamos vivendo um período de emergencial espiritual, está na hora de unirmos os dois hemisférios cerebrais e tomarmos decisões mais conscientes. Não dá para ficarmos alienados ao que está acontecendo em nossa volta. Antes de tomar uma decisão importante, fique alguns minutos em silêncio, reflita, medite e escute o seu coração. Ele jamais erra. Namaste.


JORNALZEN

14

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-Papo

O

utro dia, tive vontade de sentar na calçada em frente de casa e chorar. Tanto é que, para descarregar um pouco a avalanche de sentimentos, estou escrevendo para vocês com um mês de antecedência. Cheguei em casa no final do dia e, estarrecida, deparei com a árvore da casa vizinha, que tinha passado por uma poda feita pela prefeitura, que eu poderia traduzir como um quase assassinato. Não tenho certeza se essa árvore brotará novamente, tal foi a violência praticada. Um verdadeiro “massacre da serra elétrica”. E o pior: praticado por quem tem obrigação de cuidar da natureza na cidade de Indaiatuba. Dessa tarde em diante, comecei a percorrer as ruas com olhos mais atentos e vi vários desses absurdos. Como pode uma cidade tão linda, tão bem cuidada, ter esse tipo de atrocidade? Isso é um descaso das autoridades que não fiscalizam o trabalho dos funcionários? Quero, sinceramente, acreditar que seja falta de orientação, uma vez que parece que eles não sabem a diferença entre poda e matança. Também percebo que muitos arquitetos não incluem as árvores existentes no terreno quando fazem seus projetos. A primeira coisa é passar a máquina e nivelar o terreno e, com isso, vão junto árvores centenárias. Aliás, quando aconteceu aquele tornado por aqui, em 2005, o auditório de onde trabalho só não foi literalmente para o chão por causa do grande número de árvores que “seguraram” os fortes ventos. Será que ninguém pensa nisso? É incrível, também, como muitos indaiatubanos, principalmente os nascidos mesmo aqui, não dão o menor valor pela natureza. Há exceções, bem sei. Mas, para muitos, folha suja a calçada e entope as calhas. Isso acontece mesmo, mas seria a mesma coisa que não querer ter filhos porque precisa trocar as fraldas. Em Indaiatuba muitas pessoas adoram quintais “lajotados”, como dizem, e sobre eles alguns poucos vasos que não dão muito trabalho. Essa árvore que foi drasticamente podada fazia par com o meu chorão e ambas davam uma deliciosa sombra. A Beatriz, filha do casal de amigos Ana Maria e Gentil, que estuda no colégio aqui na esquina e que admirava todas as manhãs as duas árvores-irmãs, disse-me, indignada, que pessoas que não gostam de árvores não são pessoas boas. Sabe que ela pode ter razão... Ser humano, animais e plantas: todos fazem parte da mesma criação divina. E se não gostamos de gente, ou de bichos ou de árvores, será que estamos em harmonia mesmo com Deus? Fica a reflexão. Grande beijo!

FORNO & FOGÃO ESPECIAL - SEM AÇÚCAR

Pudim de leite com calda de amora Ingredientes: 2 ½ xícara (chá) de leite desnatado 1 xícara (chá) de leite em pó desnatado 4 ovos 3 colheres (sopa) de adoçante de uso culinário 1 colher (chá) de essência de baunilha Calda: ½ vidro (100 g) de geleia de amora diet ½ xícara (chá) de água 1 colher (chá) de suco de limão Modo de fazer: Pudim: preaqueça o forno (180° C). Bata todos os ingredientes no liquidificador. Despeje a mistura em uma forma com furo central, pequena, untada com margarina e leve para assar por aproximadamente uma hora. Deixe esfriar e leve à geladeira. Desenforme o pudim e cubra com a calda. Calda: junte todos os ingredientes numa panela pequena e leve ao fogo baixo, mexendo devagar, até a geleia se dissolver. Deixe esfriar e cubra o pudim. Dica: você pode usar outros sabores de geleia a seu gosto, mas sempre diet.

Abacaxi aromático Ingredientes: 6 fatias de abacaxi pérola 6 colheres (sopa) de suco de laranja 1 colher (café) de canela em pó 6 cravos-da-índia 2 colheres (sopa) de adoçante de uso culinário Modo de fazer: Preaqueça o forno (180° C). Arrume as fatias de abacaxi numa forma refratária. À parte, misture o suco de laranja, a canela, os cravos e o adoçante e regue as fatias do abacaxi. Leve ao forno para assar por aproximadamente 10 minutos, quando o abacaxi deverá estar corado e aromático. Dica: esta receita engana bem a vontade de comer doces.

JUNHO/2014

Que tal um bom chá para esquentar? Erva cidreira: usada como calmante, combate cólicas menstruais, má digestão de origem nervosa e insônia. Faz-se uma infusão com a medida padrão: uma colher de chá para cada xícara (chá) de água. Duas doses por dia são suficientes. Erva doce: facilita a digestão e os movimentos intestinais. Usada como relaxante na excitação nervosa e insônia. Age contra cólicas de recém-nascido. Infusão com uma colher (sopa) rasa das sementes para uma xícara (chá) de água fervente. Uma a duas xícaras por dia. Alecrim: as folhas e flores do alecrim são antirreumáticas e estimulam a circulação sanguínea, além de ativarem as funções pancreáticas. A infusão é feita com 1 a 2 colheres (chá) de folhas secas para uma xícara (chá) de água. Tomar no máximo duas xícaras por dia.

CONSERVAÇÃO DE COSMÉTICOS • Afaste-os de lugares quentes, úmidos e abafados, como os banheiros, pois podem proliferar germes. • Tampe-os bem, nunca deixando-os abertos. • Antes de usar cremes, lave bem as mãos e o ideal é sempre usar espátulas limpas e secas. • Se observar mudança de cor, cheiro ou consistência jogue o creme fora. Com isso você garante a qualidade e eficiência do produto e protege sua saúde.

Frio chegando: cuidados extras com seus animais Sei que me torno repetitiva, mas com o frio chegando todo cuidado é pouco quando se tem animais em casa. Isso vale para passarinhos ou papagaios em gaiolas, uma vez que eles não devem permanecer no quintal, desde muito cedo e nem até o final do dia. Já os cachorros devem ter casinhas bem resguardadas do frio e da chuva e também usar roupinhas de lã apropriadas para esta época do ano. Quanto aos gatos, que têm a natureza mais independente e por isso não aceitam roupinhas nem mesmo com as baixas temperaturas, procure mantê-los o máximo possível dentro de casa. E, é claro, todos devem estar vacinados (cães e gatos) para evitar as doenças típicas do inverno.


JORNALZEN

JUNHO/2014

BEM NUTRIR Fórum sobre orgânicos traz palestrantes internacionais Grandes nomes do mercado mundial de orgânicos estão confirmados para palestras gratuitas, com tradução simultânea, no auditório da 10ª Feira Internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia (Bio Brazil Fair), em São Paulo. Os palestrantes internacionais estarão no segundo dia do 10º Fórum Internacional de Agricultura Orgânica e Sustentável, 5 de junho, a partir das 14h. A abertura será com o painel “Mercado Mundial – Organic 3.0: tendência e análise do potencial do futuro de orgânicos”, ministrado por Andre Leu e Denise Godinho, respectivamente, presidente e diretora de comunicação da Federação Internacional de Agricultura Orgânica. A programação segue com Toshifumi Ayukawa, da Associação de Alimentos Orgânicos e Naturais do Japão, Dival Schmidt Filho, do Sebrae Nacional, e Arnoldo de Campos, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, com a palestra “Grandes Eventos: Oportunidades e legado para o setor orgânico”. Para falar do mercado internacional de

cosméticos naturais e orgânicos, foram convidados Julie Tyrell, diretora da associação internacional do gênero, e Alexandre Harkaly, do Instituto Biodinâmico (IBD). Fecha a 10ª edição do fórum o brasileiro Caue Suplicy, fundador da Wholesome Valley Foods, que conta o sucesso de sua empresa de banana passa nos Estados Unidos na apresentação Barnana – Banana passa conquista mercado americano, juntamente com Matthew Holmes, diretor da Associação de Comércio Orgânico do Canadá. Os palestrantes internacionais participam do Fórum a convite do Organics Brasil, projeto criado pelo Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil). Para participar, é necessário se inscrever no site da feira (www.biobrazilfair.com.br). As vagas são limitadas. A Bio Brasil Fair acontece de 4 a 7 de junho, paralelamente à 10ª Feira Internacional de Alimentação Saudável, Produtos Naturais e Saúde (Naturaltech), na Bienal do Ibirapuera.

Festival ensina receitas vegetarianas Atividade paralela da Naturaltech, o Festival da Cozinha Vegetariana proporciona aos visitantes da feira internacional dicas e pratos de um estilo de vida que vem crescendo no País: o vegetarianismo. Empresas, chefs e especialistas compartilham sua receitas e ensinam as maneiras para compensar um cotidiano sem produtos e ingredientes de origem animal, e como substituí-los sem que haja perda de nutrientes. Em sua sexta edição, o Festival de Cozinha Vegetariana, organi-

zado pela Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), começa no dia 4 de junho, primeiro dia da Naturaltech, às 13h. As apresentações duram uma hora cada e seguem ao dos quatro dias da feira. No dia 7 acontece o 7ª Seminário SVB – Vegetarianismo em Foco, que neste ano montou um painel para abordar como empresas que atendem o setor conseguiram aliar seu estilo de vida aos negócios e obter sucesso. A programação completa está no site www.naturaltech.com.br.

15

PONTOS DE VENDA DO JORNALZEN CAMPINAS BARÃO GERALDO BANCA CENTRAL - Avenida Santa Isabel, 20 BARÃO ERVAS - Avenida Santa Isabel, 506 IDEAL REFEIÇÕES - Rua Vital Brasil, 200 BOTAFOGO BANCA RODOVIÁRIA - Avenida Andrade Neves, 880 BOSQUE BANCA DO BOSQUE - Avenida Moraes Sales, 1.748 CAMBUÍ BANCA CAMBUÍ - Rua Cel. Quirino (ao lado Massa Pura) BANCA DA ALICE - Avenida Júlio de Mesquita, 500 BANCA DONA SINHÁ - Rua Cap. Francisco de Paula, s/n (Praça Adamina Del Soldato) BANCA MARIA MONTEIRO - Maria Monteiro, 1.201 BANCA RIVIERA - Rua Coronel Silva Teles, 37 BANCA SANTA CRUZ - Rua Santa Cruz, 176 BANCA SUPER PLÁ - Rua São Pedro, 285 CASTELO BANCA NAKAZONE - Avenida Andrade Neves (balão) CENTRO ALMAZEN - Rua Barreto Leme, 1.259 BANCA CAMÕES - Rua 11 de Agosto, 558 BANCA CONCEIÇÃO - Rua Conceição BANCA DO ALEMÃO - Rua General Osório, 986 BANCA DO MIRO - Avenida Campos Salles, 663 BANCA EVEREST - Av. Campos Sales (em frente nº 737) BANCA GUILHERME - Avenida Andrade Neves, 555 BANCA REAL DISNEY - Rua General Osório, 1.325 BANCA ROSÁRIO - Rua Barão de Jaguara esq. c/General Osório BANCA TANNO - Avenida Francisco Glicério, 1.580 CHÁCARA DA BARRA CENAPEC - Rua Mogi das Cruzes, 255

INDAIATUBA CENTRO BANCA CENTRAL - Praça Prudente de Moraes, Box 1 BANCA DA CIDA - Rua Humaitá, 708 BANCA RUTH - Rua Candelária, 1 REVISTARIA GAVIOLI - Praça Dom Pedro II, 187 CIDADE NOVA BANCA KENNEDY - Avenida Pres. Kennedy (Frutal Center) JARDIM CALIFÓRNIA BANCA DO JANUBA - Praça Renato Villanova VILA NOSSA SENHORA APARECIDA PANIFICADORA A-REAL - Rua Candelária, 1.828 SAÚDE NATURAL - Rua Candelária, 1.751 VILA VITÓRIA BANCA DO JAIR - Rua Humaitá esq. Av. Pres. Vargas * Avenida Pres. Vargas, 472 * Avenida Eng. Fábio Roberto Barnabé, 1.083 (Parque Ecológico)

CIDADE UNIVERSITÁRIA BANCA BARÃO - Avenida 2 - Atílio Martini, 50 FLAMBOYANT BANCA DO ISMAEL - Rua Mogi Guaçu (em frente à padaria Abelha Gulosa) GUANABARA BANCA DO DIRCEU - Rua Oliveira Cardoso, 62 BANCA ITAMARATI - Rua Eng. Cândido Gomide, 287 PARQUE IMPERADOR BANCA CARREFOUR - Rodovia Dom Pedro I PROENÇA BANCA DO ROBERTO - Av. Princesa D’Oeste, 994 SANTA GENEBRA BANCA SANTA GENEBRA Avenida Pamplona, s/nº SOUSAS AVIS RARA Rua Rei Salomão, 295 BANCA RICCO PANE Av. Antônio Carlos C. de Barros, 871 TAQUARAL BANCA DO EDUARDO - Rua Thomaz Alva Edson, 115 BANCA TAQUARAL - Rua Paula Bueno, 1.260 VILA ITAPURA BANCA SACRAMENTO - Rua Eng. Saturnino Brito, s/nº VILA JOÃO JORGE/JARDIM DAS OLIVEIRAS BANCA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS - Avenida Washington Luís, esq. com Rua Vitoriano dos Anjos VILA NOVA BANCA VILA NOVA - Av. Imperatriz Leopoldina, 100 VILA POMPEIA BANCA POMPEIA - Avenida Mirandópolis, 701 VILA SUÍÇA PADARIA SUÍÇA - Rua Pedro de Toledo, 1.855

HOLAMBRA ESPAÇO TERRA VIVA - Avenida Rota dos Imigrantes, 605

HORTOLÂNDIA BANCA MOTTA PAULISTÃO - Rua Luis Camilo de Camargo, 332 (estacionamento supermercado Paulistão) CIPAN - Rua Vanderlei de Costa Camargo, 223 (Remanso)

VALINHOS em todas as bancas da cidade

VINHEDO* Unidade I: Avenida dos Imigrantes, 575 (Jardim Itália) Unidade II: Estrada da Boiada, 2.845 (Nova Vinhedo) * e em todas as bancas da cidade


16

JORNALZEN

JUNHO/2014


Jornalzen Junho 2014