Page 1

JORNALZEN ANO 9

FEVEREIRO/2014

AUTOCONHECIMENTO

Nº 108

R$ 2,00

BEM-ESTAR

www.jornalzen.com.br

CIDADANIA

CULTURA

SAÚDE

Amanda La Monica

JORNALZEN estará na 10ª Naturaltech

MOMENTO DE REFLEXÃO

Pelo sexto ano consecutivo, o JORNALZEN estará participando da Feira Internacional de Alimentação Saudável, Produtos Naturais e Saúde (Naturaltech), que terá sua décima edição de 4 a 7 de junho, na Bienal do Parque Ibirapuera, em São Paulo. Com entrada aberta ao público, o evento é considerado o principal do gênero na América Latina. Em 2013, a feira teve 22 mil visitantes nacionais e internacionais.

SAÚDE EM PROSA

ZENTREVISTA

José Flávio Audi

Pág. 6

Pág. 3

Pág. 8

CULTURA DE LETRAS Pág. 12

Pensamentos de

ARTIGOS

Padr e Har oldo Padre Haroldo Pág. 7

Viva Bem Pág. 18

A coluna de Vicente Zago, na página 11

A psicologia transpessoal e a doutrina espírita

Cosméticos sustentáveis e socialmente justos

Pág. 2

Pág. 13

Lincoln Franco

BEM NUTRIR

Benefícios dos alimentos embalados a vácuo Pág. 19

CAUSA ANIMAL Cerca de 2.600 pessoas participaram de uma caminhada contra maus-tratos aos animais, dia 19 de janeiro, em Indaiatuba. Em sua terceira edição, o evento é organizado anualmente por protetores de animais do município.


2

JORNALZEN

A psicologia transpessoal e a doutrina espírita Mani Alvarez

H

á alguns anos a pesquisadora Dora Incontri defendeu uma tese de doutorado na USP demonstrando o importante papel da pedagogia espírita para a mudança de paradigma que vem sendo anunciada. Em sua tese ela comenta a grande reação de rejeição e não-reconhecimento sofrida por Allan Kardec, quando publicou em Paris, no ano de 1857, O Livro dos Espíritos. Embora bastante lido e comentado por escritores e filósofos da época, Kardec sofreu o ostracismo tão comum aos que estão além de seu tempo. Ainda sentimos essa rejeição quando, em pleno século 21, somos obrigados a conviver com o não reconhecimento da abordagem transpessoal na psicologia. Alegando que não existe comprovação científica dos fenômenos que ocorrem durante os estados de expansão da consciência, são ignoradas o grande número de teses que já foram publicadas em universidades do País, e fazem vistas largas às pesquisas que são realizadas em outros países, onde a transpessoal é aplicada em empresas e hospitais, além de fazer parte do currículo de diversas universidades americanas. Como um pano de fundo para todo esse cenário, estudiosos de vanguarda expressam essa atitude através de argumentos irônicos e céticos. Questiona-se a pretensão humana à verdade, à espiritualidade, ao poder do pensamento. Desde o existencialismo, sistema filosófico que nega qualquer essência no sujeito, o humanismo entrou em descrédito. Hoje, a elite intelectual se envergonha de expressar esperança e fé. Predomina uma espécie de medo de abrir a alma e a ironia torna-se a arma mais poderosa contra aquilo que emerge do coração. Não negamos a importância da ci-

ência, mas sim, a impostura do cientificismo como uma ideologia niilista positivista e materialista. Além disso, falsa, porque a ideia de Deus foi substituída por outros valores, como a competitividade, o capital, o lucro, o individualismo, a objetividade, etc. Só mais tarde, em 1962, com o livro de Thomas Kuhn, A Estrutura das Revoluções Científicas, começou uma crítica consistente ao positivismo científico. Na física e na biologia surgem descobertas que contestam essa visão de objetividade da ciência, trazendo de novo para o centro o sujeito e sua consciência. Mas, em que pesem todas essas mudanças no cenário do conhecimento, as mentes ainda são regidas pelos valores do velho paradigma e talvez muitas gerações ainda sejam necessárias para que uma verdadeira mudança seja percebida. Se no século passado foi a doutrina espírita que fez sua aparição, questionando os pressupostos enferrujados de uma visão de mundo onde não havia lugar para o espírito, no século 20 foi a psicologia transpessoal, apontando para realidades superiores desveladas por outros planos da consciência. Se antes havia as mesas dançantes, agora temos a parapsicologia, as viagens astrais, os estados de expansão da consciência, as regressões de memória, a respiração holotrópica, apontando para outras realidades possíveis. A espiritualidade não é mais uma questão de crença ou fé, mas torna-se cada vez mais uma aliada para as explorações da ciência em busca da verdade. As sombras da Idade Média e seu obscurantismo ainda cobrem o mundo. Ontem foi Kardec, hoje são os “transpessoais”... mas a busca continua. Mani Alvarez é diretora do Centro LatinoAmericano de Saúde Integral (Clasi)

FEVEREIRO/2014

AGENDAZEN CAMPINAS ASTROLOGIA PSICOLÓGICA 1 a partir de 15/2 (básico); a partir de 22/2 (regular) – cursos no CEAP-Centro de Estudos de Astrologia Psicológica (Rua Cabo Oscar Rossin, 72 - Sousas). Mais informações: (19) 3258-8342 ou contato@astrologiaceap.com.br ASTROLOGIA PSICOLÓGICA 2 21/2, às 19h30 – palestra “Planetas e Deuses Interiores”, com Daniel Nunes, no espaço Céu Aberto (Rua Edward Vita de Godoy, 828 - Barão Geraldo). Contribuição: 20 reais. Mais informações: (19) 3308-6351 BRAHMA KUMARIS 16/2, às 18h30 – palestra “Escolha com calma e mude seu karma”, com José Luiz Mecatti, na sede de Campinas da BK (Rua Monte Aprazível, 387 - Chácara da Barra). Aberto ao público. Mais informações: (19) 3241-7480 DANÇAS CIRCULARES 23/2, das 10h às 12h – intervenção urbana pela cultura de paz, no antigo restaurante do Parque Ecológico (Rodovia Heitor Penteado). Mais informações: mairanydancacircular@gmail.com PASSE ESPIRITUAL a partir de 12/2 (quartas-feiras, das 19h30 às 21h30) – curso coordenado por Leo Ferrari e Rosana Lucino, no GELF – Grupo Espiritualista Luz e Fraternidade (Rua Prof. Heitor Mayer, 63 - Vila Itapura). Aberto ao público. Mais informações: (19) 3397-9937 PSICOLOGIA TRANSPESSOAL a partir de 22/2 – curso de pós-graduação lato sensu “Psicoterapia Integrativa da Memória e Consciência (PIMC)”, no IPEC - Instituto de Pesquisa e Estudo da Consciência (Rua Monte Azul, 85 - Chácara da Barra). Mais informações: (19) 3252-1565 ou www.ipec-transpessoal.com.br

RENASCIMENTO 25 e 27/2, às 19h – palestra de anúncio do curso vivencial sobre a técnica terapêutica, na Sala Zen (Rua Gil Vicente, 43 - Parque Taquaral). Aberto ao público. Mais informações: (19) 98177-1400 e 3579-12284 ou salazenhoasca@gmail.com TERAPIAS EGÍPCIO-ESSÊNIAS 12/2, das 19h30 às 21h – palestra com Angelo Antoni (Itália), no Espaço Eccorretto (Rua José Ferreira de Camargo, 15 - Nova Campinas). Contribuição: a partir de 10 reais. Mais informações: mairanydancacircular@gmail.com

INDAIATUBA AUTOCONHECIMENTO 18/2 – palestra de apresentação do curso, com Eduardo Adonis Suzigan (Instituto de Cultura Holística), no Corpo e Alma Espaço Terapêutico (Rua Alberto Santos Dumont, 974 -Cidade Nova). Mais informações: (19) 33180367 e 99182-5545

SÃO PAULO FÍSICA QUÂNTICA 7/3, às 19h30 – palestra “Homeostase Quântica da Essência (Autocontrole)”, com o terapeuta Sérgio Roberto Ceccato Filho, na Avenida Senador Casemiro da Rocha, 222 (Mirandópolis), próx. Metrô Santa Cruz. Aberto ao público. Levar 1 kg de alimento não perecível. Inscrições e mais informações: (19) 2512-6831, (19) 99219-4632 ou contato@institutoquantum.com.br HOMEOPATIA 26/2, às 19h – palestra “Homeopatia ou Fitoterapia?”, no Instituto Avalon (Avenida Liberdade, 702 - Liberdade). Aberto ao público. Vagas antecipadas. Inscrições e mais informações: (11) 3341 -6010 ou cursos@institutoavalon.com.br

INFORMAÇÕES PARA ESTA SEÇÃO: contato@jornalzen.com.br

JORNALZEN NOSSA MISSÃO: Informar para Transformar DIRETORA Silvia Lá Mon EDITOR Jorge Ribeiro Neto JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508

TELEFONES Redação (19) 3324-2158 Comercial (19) 3044-1286 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br

circulação: Campinas, Indaiatuba, Holambra, Hortolândia, Valinhos e Vinhedo; Vila Madalena (SP)


FEVEREIRO/2014

E

m 1981, ano em que começaram a nascer as primeiras crianças índigo, José Flávio Audi veio ao mundo. Nascido em Campinas, passou a infância e adolescência em Itapira. Desde criança, ouvia as pessoas falando que gostava de desenhar. Audi sempre gostou de pintar, principalmente desenhos abstratos. Contestador do conteúdo curricular da escola, nunca foi bom aluno. Tendo passado a frequentar um clube ao lado de uma clínica psiquiátrica, conversava com os pacientes por meio da tela que separava um lugar do outro, enquanto os amigos jogavam bola. Aquele mundo diferente o intrigou a ponto de levá-lo a estudar psicologia, em que pese a dúvida entre esse curso e o de artes plásticas. Prevaleceu a orientação da mãe, de que poderia continuar pintando, mas se fizesse artes plásticas, nunca poderia ser um psicólogo. Formado, chegou a trabalhar na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Embora avalie que os conhecimentos acadêmicos agregaram muito em sua vida, chegou um momento em que Audi sentiu que precisava dar vazão à sua arte. Encontrou nas mandalas e no spray uma forma de expressão e terapia. Em 2010, resolveu viajar para Austrália, e não parou mais, como conta nesta entrevista exclusiva ao JORNALZEN. Podemos encontrar suas mandalas desenhadas em vários pontos da cidade de Campinas. Elas passaram a ser sua marca registrada. Como você começou a pintá-las? Comecei a fazer mandalas com papel e caneta. Sempre começava do centro e ia criando as formas. Estava com 25 anos, em 2006, quando comecei a observar algumas pinturas e achei interessante a sucessão de traços e os diversos círculos que se formam. Comecei a inventar as minhas e nunca mais parei. Acho que mandalas existem em todas as culturas. Elas surgiram ao mesmo tempo em lugares diferentes. Vejo isso como uma necessidade do homem imitar a natureza. Penso que isso seja o melhor que eu tenho dentro de mim para expor às pessoas, pois as mandalas emitem uma energia positiva através de suas formas e cores. Para mim, fazer as mandalas é terapêutico. É a minha maneira de me expressar. Porque você escolheu a grafitagem para expressar sua arte? Quando tinha 6 anos, ia para São Paulo com a minha mãe e ficava fascinado com as pichações. Me perguntava porque as pessoas subiam nos prédios para pichar. Ficava copiando aquelas letras e passei a entender o que elas significam. Um dia, cheguei em casa e meu pai me levou para comprar um spray e deixou eu escrever numa área de luz que tínhamos em casa. A partir daquele dia, descobri que era isso que eu queria da minha vida. Adorei ver a tinta sair de acordo com o

JORNALZEN

3

ZENTREVISTA José Flávio Audi

EXPRESSÃO TERAPÊUTICA Psicólogo encontrou na pintura de mandalas usando spray um prazeroso meio de vida e de mostrar sua arte ao mundo Amanda La Monica

do grafite, dessa cultura hip-hop, etc., apesar de ter respeito por isso. Vejo a pichação como se fosse um grito. Você desenvolveu um estilo próprio e está deixando sua marca pelo mundo, não é? Sim. E assim posso marcar o tempo também. Vejo alguns trabalhos que fiz na Austrália e sei que foi em 2010. Estou participando de um projeto na periferia de Itapira, onde estão fazendo uma praça de skate e outros esportes. Fui contratado para fazer a decoração do local com a população. Um dos motivos pelos quais deixei a psicologia para segundo plano é porque ela é uma ciência invisível. Um psicólogo que tem 20 anos de profissão, onde está o que ele fez? Se você pergunta para um engenheiro, ele vai te mostrar as construções que fez. Achava que, para marcar minha existência, precisava de uma manifestação física, e a minha arte está por aí. Você recebe manifestações das pessoas que observam suas mandalas na rua? Recebo todos os dias, pelo Facebook. Outro dia, um motoboy me disse que eu não tinha noção do quanto para ele era importante e fazia bem ver minhas mandalas na correria dele do dia a dia. Isso é muito gratificante, mas mesmo que não tivesse isso, continuaria fazendo. Não me importo muito com elogios ou críticas. Faço porque gosto e o resultado vem normalmente. gesto que eu fazia. Sempre fui fascinado em ver a tinta sair da caneta e do spray. Não busco reconhecimento financeiro ou da mídia, mas quando a gente busca a nossa essência e vive de acordo com ela, esse reconhecimento acaba acontecendo naturalmente. Na adolescência, comprei umas latinhas e desenhava em alguns terrenos baldios. Mas esse jogo de tintas importadas e profissionais só

fui saber que existia depois que fui fazer um curso de artes em São Paulo e meu professor falou que havia esses sprays para vender na Galeria do Rock. Comprei várias cores e comecei pintando o muro da minha casa. Meu pai viu e gostou, e não parei mais. Aonde vou, levo minha mala de sprays. Se ficar sem pintar, começo a ficar nervoso. Na verdade, não consigo enquadrar minha arte dentro do movimento

“Quando a gente busca nossa essência e vive de acordo com ela, o reconhecimento acaba acontecendo naturalmente”

O que você acha da proposta do JORNALZEN? O jornal mostra um outro jeito de ver a vida, além do comum. Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? Penso na minha própria história. Se você seguir sua intuição, por mais diferente que possa parecer, e transformar isso em algo que sinta prazer, para mim é o segredo da vida. Por exemplo: eu não preciso de férias nesse meu trabalho. Se tiver férias é que vou ficar mal. Acho que todo mundo tem um potencial para desenvolver. Mas como a gente vive numa sociedade em que os bens de consumo são mais importantes do que seguir o próprio sonho, as pessoas acabam trocando os sonhos pelas compras. Com o tempo, desenvolvem um vazio existencial e adoecem.


JORNALZEN

4

Silvia Lá Mon la.monica@terra.com.br – cronicasdesilamon.blogspot.com

A Lei da Realidade Nesta edição, exponho aqui trechos importantes dessa Lei e dispenso meus comentários. A realidade só existe individualizada no espaço mental de quem a formou e não tem dimensão. “Não existe um consenso relacionado à realidade. Em primeiro lugar, a realidade é apenas um conceito na mente de quem a formou. Muitos dos seres que formam a realidade têm um poder grande de convencimento e passam este conceito pelas gerações, que a entendem como algo real. Uma coisa, por ser material, não significa que seja real, no sentido de existir. A Lei dos Protótipos (artigo anterior)diz que sempre há uma busca por uma forma para se materializar uma energia. Nenhum tipo de energia emitida, e isso compreende ideias e sentimentos, deixará de se finalizar numa forma. Conseguem compreender inicialmente o conceito de que vocês são energia? Conseguem compreender que o corpo físico e

todas as coisas que consideram como físicas são formas de energia? Conseguem compreender que estas formas de energia lhes parecem mais densas, reais e objetivas do que, por exemplo, a energia elétrica, ou sonora? O que difere a forma de energia que tem este nome, ‘sofá’, da forma de energia que tem o nome de ‘música’? Qual é a diferença entre uma e outra, senão a vibração? Por que imaginam que uma seja real e a outra seja incorpórea? Um objeto sólido é energia, tanto quanto os raios luminosos, tanto quanto as vibrações sonoras, tanto quanto partículas que nunca seriam nem vistas nem ouvidas, tanto quanto um pensamento, tanto quanto um sentimento. Assim, e por tudo isso, a realidade só pode ser fixada como conceito de realidade, se tiver uma base de criação dentro da mente do indivíduo que possibilite que ela seja compreendida como realidade. A realidade não é um consenso; é um conceito individual, que não tem dimensão.”

FEVEREIRO/2014

PANORAMA ARRECADAÇÃO DE LIVROS O Instituto GPA e a Fundação Via Varejo realizam até o dia 7 de março campanha de arrecadação de livros. A ação acontece em todas as lojas Pão de Açúcar, Extra, Assaí, Ponto Frio e Casas Bahia, além das sedes do GPA. Os livros recebidos serão entregues a cerca de 700 instituições em cidades onde o Grupo Pão de Açúcar mantém lojas. Os livros – novos ou usados, em bom estado – podem ser deixados nas urnas próximas aos caixas. CURSO DE LÍNGUA CHINESA O Instituto Confúcio abriu inscrições para cursos de língua chinesa na Capital. As aulas terão início no dia 15 de fevereiro, na sede do instituto, no campus da Unesp (Rua Dom Luís Lasanha, 400), no Ipiranga. Para cada turma fechada, 10% das vagas são gratuitas para alunos de escolas públicas municipais com idade entre 12 e 17 anos. As inscrições podem ser feitas pelo site www.institutoconfucio.com.br ou pelo telefone (11) 2066-5950. CARNAVAL SUSTENTÁVEL A organização do Carnaval 2014 no distrito de Sousas, em Campinas, está arrecadando sacolas plásticas para construir duas baianas de oito metros de altura para a decoração da festa. Além das sacolas, as bonecas serão compostas por isopor, massa corrida e galões de água. As doações devem ser entregues até o dia 15 de fevereiro na subprefeitura de Sousas (Praça São Sebastião, 32). O carnaval acontecerá de 1º a 4 de março, das 16h às 20h, na Praça Beira Rio. BLOCO “AS CAIXEIROSAS” As Caixeirosas, tradicional bloco de rua de Barão Geraldo (Campinas) que visa resgatar a tradição carnavalesca, em especial às crianças, informa que sairá dia 1º de março, das 16h às 19h, na Praça do Coco. Nos dias 2 e 4, o grupo fará matinês no Almanaque Café, das 17h às 19h. Os ensaios aos domingos, das 15h às 18h, no Centro Cultural Casarão, são abertos e gratuitos. Mais informações: (19) 3289-2081 ou 99109-9596. ORIENTAÇÃO TEATRAL O Projeto Ademar Guerra – programa da Secretaria Estadual da Cultura gerenciado pela Poiesis Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura – selecionará até 80 grupos teatrais do Estado (exceto Capital) interessados em receber orientação artística. As inscrições estão abertas até o dia 26 de fevereiro. As instruções para os candidatos estão disponíveis no site www.oficinasculturais.org.br/projeto-ademar.


FEVEREIRO/2014

JORNALZEN

5


JORNALZEN

6

MOMENTO DE REFLEXÃO

FEVEREIRO/2014

Khristian Paterhan

JOÃO BATISTA SCALFI – scalfi@terra.com.br

Introdução ao eneagrama (2)

A confiança Dentre os fatores psicológicos que contribuem para o bem-estar dos seres humanos, a confiança é de fundamental importância. Quando não há confiança, problemas diversos afetam o íntimo das pessoas, que transformam-se em conflitos perturbadores. A confiança é bênção que proporciona saúde e paz, fazendo com que a produção de endorfina contribua para a harmonia orgânica geral e a ausência de dores. A formação cultural e muitas vezes relacionamentos não saudáveis, instala no psiquismo a desconfiança onde o medo e a perda gera uma insegurança que atormenta a pessoa. A vida, no entanto, propõe que a confiança seja um recurso valioso, indispensável para tornar longa e saudável a existência, coroando-a de harmonia e de júbilos. A criança que se entrega aos cuidados da mãe em totalidade é o mais belo exemplo inconsciente de confiança, preparando-a para uma existência estável e saudável. O que complica o ser humano é o meio em que convive e as informações recebidas que embutem medo e desconfiança. Tudo na vida ocorre de maneira automática em forma de cofiança. Ao submeter-se a um complexo tratamento cirúrgico, o paciente é induzido a confiar na equipe médica! Todos os indivíduos interdependem-se, porque necessitam um do outro. Numa análise profunda da Lei de Amor preconizada por Jesus, a confiança desempenha função relevante, por fazer-se indispensável na vivência em grupo. Não descuide de cultivar a confiança na vida, nos valores éticos que te são propostos na caminhada evolutiva. Ninguém evolui sem a experiência dos riscos e tentativas com erros e acertos. Confia nas bênçãos do Criador, que espera o teu processo de evolução e avanço em Paz. Confia em ti e na tua essência que tudo pode e sabe. Que a luz vibre em teu ser com a força do Grande Amor Universal. fonte: Rejubila-te em Deus (Divaldo/Joanna De Ângelis)

Gurdjieff afirmava que existiu, num remoto passado, um “Grande Conhecimento”, do qual faziam parte todas as ciências, artes e filosofias e de cuja existência pouco ficou registrado na história escrita da humanidade. O eneagrama, segundo ele, fazia parte desse “Grande Conhecimento” que unificava todas as coisas. Devo advertir que o eneagrama não está atrelado a qualquer “tradição mística” nem é “propriedade” de qualquer escola ou instituição conhecida na atualidade. Sua natureza em termos de exatidão e objetividade é única, e já se tem realizado estudos, teses e pesquisas empíricas, algumas das quais disponíveis na internet. Nas últimas décadas, o trabalho de Gurdjieffsofreu ataques de setores interessados em provocar o “esquecimento” da sua obra, assim como em diminuir sua importância especialmente no que se refere aos seus conhecimentos sobre eneagrama. Um desses setores tentou – e ainda tentaprovar que Gurdjieff não teria ensinado as aplicações psicológicas do eneagrama. Porém, uma análise mais fria e serena da sua obra pode demonstrar que ele não somente conhecia suas aplicações psicológicas profundamente, como também as utilizava para explicar outros fenômenos universais com total maestria, como o demonstra no seu livro Relatos de Belzebu a seu neto, obra já traduzida para o português. É importante advertir também que ninguém pode se atribuir a “invenção” do eneagrama como ferramenta de desenvolvimento humano. Do mesmo modo que dizemos que Pitágoras

“criou” seu famoso teorema e ficamos muito tranquilos sem perceber que estamos demonstrando uma tremenda ignorância, já que ele não criou esse teorema, apenas o “herdou” de pessoas que sabiam e o tinham conservado (dados sobre esse teorema existem na China muito antes de Pitágoras existir), assim também acontece com o eneagrama cujos verdadeiros criadores são desconhecidos, calculando-se que exista, segundo o pesquisador J.G. Bennet, há uns 4.500 anos ou mais. Pela mesma razão, é importante cuidar para que esse “patrimônio” científico-cultural da humanidade não seja “propriedade intelectual” de ninguém e sim um meio de desenvolvimento e unificação das ciências, artes e filosofias. Não posso deixar de mencionar o Dr. Claudio Naranjo, cuja contribuição e descrição dos Nove Eneatipos foi fundamental e foi a partir de seu notável trabalho e das descobertas de Ichazo, no início dos anos 70, no meu país, Chile, que muitos outros pesquisadores e estudiosos do comportamento humano, eu incluído, iniciaríamos importantes e valiosos estudos sobre o tema eneagrama, um tema que está longe de ser esgotado quando se compreende que esse símbolo milenar supera os limites de uma simples tipologia psicológica. Quem desejar conhecer e praticar a filosofia de vida ensinada por Gurdjieff e contida no eneagrama pode entrar em contato com a Escola de Eneagrama Khristian Paterhan C. – www.escolaeneagrama.com.br – e/ou pesquisar sobre outros grupos de trabalho de Quarto Caminho no Brasil.


JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

Pensamentos de

Padre Haroldo Ioga como grupo de apoio Os grupos de ioga reúnem pessoas em busca de ajuda para si mesmas e para os seus compartilhando experiências, informações e instruções. Assim, elas não se sentem sozinhas e têm um ambIente propício para juntas com uma comunidade irmã encontrar novos caminhos. “Portanto, quando fores apresentar tua oferenda no altar, se ali te lembrares de que teu irmão tem algo contra ti, deixa tua oferenda ali, diante do altar, e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; depois vem apresentar tua oferenda” (Mt 5, 23-24). Senhor, ficamos orando e vigiando para não cair em tentação; seremos perseverantes nos Teus ensinamentos. Dá-me a Tua Paz. As razões principais para o abuso de álcool e dos toxicômanos são a curiosidade, os amigos, as situações difíceis e o prazer.

Existem três tipos de droga: as depressivas, como o álcool; as estimulantes, como a cocaína e o crack; e as perturbadoras, como a maconha. Em ordem descendente, as formas de ajuda são: espiritualidade (religião formal), a família, a ajuda dos amigos, palestras e, infelizmente, a escola em último lugar porque os professores não estão educados nesse assunto. A ioga ajuda as famílias dos alcoólatras e drogados fomando grupos saudáveis, com união e valores corretos. As redes sociais que podemos usar são as comunidades terapêuticas, religião, escolas, amigos do trabalho e do governo (Caps). Reze por mim; rezo para você. Haroldo Joseph Rahm é fundador da Instituição Padre Haroldo, para pessoas com síndrome de dependência alcoólica e química, em Campinas. Telefone: (19) 3794-2500. hrahmsj@yahoo.com

108 – o número sagrado Comemorando a edição 108 da escala numérica, que do JORNALZEN, achei inteem seus aspectos positiressante abordar este núvos representa o final de mero sagrado da cultura véum ciclo, a transformação dica (berço do yoga). e a dedicação em prol dos São várias referências interesses coletivos. dentro da tradição hindu No yoga, existe também sobre ele, vejamos alguo ritual de 108 Surya Namas: o terço indiano (jamaskar, que consiste na prápamala) tem 108 contas; tica da saudação ao Sol por deve-se entoar um man108 vezes para produzir MÁRCIO ASSUMPÇÃO tra 108 vezes, pois seuma purificação profunda. Professor de ioga e diretor do Instituto de Yogaterapia gundo os iogues, é o temNa mitologia védica conpo que se leva para entrar ta-se que Krishna tocava sua num estado meditativo. flauta para 108 gopis (sacerdotisas). O raio do Sol é 108 vezes maior que Enfim, são tantas referências soo raio da Terra; também existem 12 bre este número, mas acho que o constelações principais (Rashis) e 9 mais importante é a reflexão sobre corpos celestes (Navagrahas) próxi- o quanto as antigas tradições têm mos à Terra, e eles têm influência direta muito a nos ensinar. Que o número na vida humana e na astrologia. Multi- 108 traga para o JORNALZEN e para plicando 12 x 9, o resultado é 108. os leitores ainda mais sabedoria, Na numerologia, somando 1+0+ compaixão, generosidade e inspira8 temos o número 9, o mais elevado ção para mais um ciclo. Namaste!

7


JORNALZEN

8

SAÚDE EM PROSA ELOÍSA PIMENTEL – dra.eloisa@saudechai.com.br

Entre alimentos e atitudes... Este calor que vivenciamos nos últimos dias pode ser uma referência a um futuro próximo, previsto e anunciado, devido à ação negativa do ser humano no planeta. Alerta já! Racionamento de água, nosso bem mais precioso, e multa aos lavadores de calçada. Em tempo!? Como mudar? Não será comprando mais ar-condicionado ou carros enormes que poluem ainda mais... Falemos de saúde... É bem conhecida a relação da alimentação e alguns hábitos com a prevenção de doenças, porém parece ser também devidamente esquecida por nossa civilização ocidental. Vamos prosear um pouco sobre isso? Noventa e três por cento dos casos de câncer de pulmão, laringe, boca e lábios poderiam ser evitados se as pessoas simplesmente não fumassem mais. Se motoristas fizessem uma regulagem periódica do motor em seus veículos, seria muito menor a exposição ao benzopireno, ou melhor ainda se procurassem adquirir motores ecológicos. Outro grande fator produtor de câncer, e me perdoem os que amam um churrasco, mas vale lembrar que o seu churrasco pode se tornar tão perigoso quanto os gases de escapamento dos carros. O calor do fogo derrete a gordura escondida na carne e, ao cair na carne, essa gordura é queimada, volta a subir em forma de fumaça e impregna o churrasco que você vai comer. A fumaça da gordura queimada consiste em grande parte de benzopireno. Aliás, em uma lista de recomendações para a prevenção do câncer, o Hospital John Hopkins condena a carne como sendo produtora de um ambiente ácido e de muitas toxinas, o que favorece o desenvolvimento de células malignas. Alguns tipos de câncer podem ser evitados com uma dieta rica em verduras e frutas fibrosas, e pobre em gorduras e carnes animais. A pessoa de tipo sanguíneo A é ainda mais suscetível à alimentação com carnes animais. Sugiro também que se limite o uso de sal, dando preferência à mistura de ervas como tempero. Pode-se utilizar pequenas quantidades de peixe de escamas, comprovadamente fresco, ou de frango “caipira”, como acompanhamento ocasional. Na dieta preventiva do câncer e de alergias, o leite de vaca (e derivados) também deve ser eliminado, pois gera mucosidade, contribuindo para problemas respiratórios e alergias. As proteínas do leite são difíceis de digerir e muitas pessoas reagem a elas como se fossem corpos estranhos, provocando uma reação excessiva no sistema imunitário. Recomendo o “leite” de soja (orgânica e não transgênica) ou outro “leite” vegetal (arroz, amêndoas, espelta e outros). A pecuária também é um grande fator de poluição e do consumo de água no planeta. Recomendo o uso de temperos como a salsinha, o tomilho, o manjericão, a hortelã, o orégano, a manjerona e o alecrim, que são antioxidantes e, segundo estudos, têm capacidade de bloquear a angiogênese (formação de novos vasos sanguíneos) de maneira tão eficiente que conseguem reduzir a proliferação de células cancerosas. Vamos providenciar mudanças no estilo de vida, cuidando do equilíbrio na alimentação, praticando exercícios físicos diariamente e cultivando virtudes e uma atitude mental positiva, sem esquecer da missão de cuidar da Mãe Terra, nossa casa e doadora de Vida! Afinal, entre alimentos e atitudes está a saúde.

FEVEREIRO/2014


FEVEREIRO/2014

JORNALZEN

9

Bexiga hiperativa Não é uma doença, mas um conjunto de sintomas caracterizado por urgência e aumento da frequência miccional, com ou sem perda urinária, ocorrendo na ausência de fatores metabólicos ou patológicos locais. A urgência semanifesta por um “repentino forte desejo de urinar”. A bexiga hiperativa afeta cerca de 16% das pessoas; mais de 50 milhões no mundo. A prevalência aumenta com a idade, com leve predomínio nas mulheres, e impacto importante na qualidade de vida, muitas vezes obrigando o paciente a usar forros ou fraldas. O diagnóstico é feito pelos sintomas clínicos e exame de urina com cultura para excluir qualquer processo infeccioso associado, diário miccional e medida do volume urinário residual pós-miccional. Exame

urodinâmico e cistoscopia não estão indicados para pacientes não complexos. O tratamento é baseado ORESTES MAZZARIOL JR. Urologista em reeducação miccional, treinamento vesical, treinamento da musculatura pélvica, restrição na ingestão de líquidos, e com medicamentos chamados antimuscarinicos – deve-se ter muita atenção nos efeitos adversos destes. Em raríssimos casos pode ser tentado tratamento cirúrgico. Devemos acrescentar vida aos anos, e não anos à vida. O diagnóstico e tratamento da bexiga hiperativa é um fator importante para a qualidade de vida dos pacientes.


10

JORNALZEN

FEVEREIRO/2014 Luis Roberto Moraes

CULTURAZEN Silvia Lá Mon

Participantes da palestra de Robert Broughton no Espaço Cultural Castro Alves Silvia Lá Mon

Ato solene pelo Dia Mundial de Combate à Intolerância Religiosa, no dia 21 de janeiro, promovido pela Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial (Cepir), da Prefeitura de Campinas, para a disseminação de uma cultura de paz, da justiça e do respeito às diferentes crenças religiosas e convicções filosóficas Renato Casacio, Phelipe Agnelli e Diogo Camargo, o trio Karanam, durante apresentação musical (satsanga), dia 17, no Instituto de Yoga Clássico de Campinas


JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

MANDALA PARA PINTAR

- SONIA SCALABRIN -

Recebemos colaborações para este espaço. Envie sua mandala para jornalzen@terra.com.br

Recanto do Poeta Luciana Apago a luz, na noite insone e fria. E penso nela... Linda! Longe... Penso!... Sou lágrima, saudades – lhe pertenço! E aumenta meu dilema e nostalgia. Aos poucos, do horizonte salta o dia E a aurora banha em luz, o orbe imenso... Meu corpo dolorido, lasso, tenso, Sem dormir apascenta a alma vazia. Espero – a!... Com certeza, ela virá! Anseio este momento, o ser se inflama Co’as palavras de amor que ela dirá. Em minha crença há um rastro de ilusão... Talvez, não há ninguém em minha cama, Mas, nunca, está vazio meu coração!...

Luno Volpato

Gaivotas Aves riscam o espaço milenário. Asas em leques, no ar a vibrar vão. São gaivotas num show extraordinário, ao sumirem se fundem na amplidão. Uma gaivota e a pedra, que cenário da natureza e observa a agitação. Há vida à sua volta, ela ao contrário, foi do bando do qual fez união. Hoje o peso da idade, sem poder desfrutar liberdade, só desalento. Asas débeis, ser só, irá viver? Insistir por quê? Teimar sempre sem fim. Ela já rasgou o céu, lá solta ao vento. Intricada visão de um triste fim.

Geni Fuzato Dagnoni

11


JORNALZEN

12

CULTURA DE LETRAS CRÔNICAS DE ARUÂNGUA – mceu.idt@terra.com.br

Um estranho casal

E

ra 21 de novembro, dia em que todos os assalariados recebiam a primeira parcela de seus 13º salários. Entrei no banco para fazer uma transferência eletrônica que não poderia passar daquele dia. A fila estava imensa. Pelo menos, não fui barrada na porta giratória. O guarda estava de bom humor ou reconheceu-me, não sei... Pacientemente, dirigi-me ao final da fila e, de pé, tentei distrair-me para fazer o tempo passar mais rápido. Gosto de observar as pessoas, em lugares públicos onde se juntam todas as classes sociais, com seus trejeitos e costumes. Por isso, dei uma olhada ao meu redor e fiz um reconhecimento superficial dos meus semelhantes. Como é costume no Brasil, muitas pessoas vão ao banco, malvestidas ou de chinelos e com camiseta furada, para não chamar a atenção, principalmente quando vão fazer grandes retiradas ou grandes depósitos. Nunca se sabe onde está o inimigo perscrutando. Havia muitas pessoas ali que estavam aparentando ter menos do

que realmente teriam. E chamou-me a atenção um casal estranho. Ela, já bem adulta, trajava um uniforme de uma empresa muito conhecida em nossa cidade. Ele era mais novo e fazia o tipo garotão. Boné com viseira para trás, bermudas coloridas e tênis esportivos. Ela, ereta na fila, e ele, atrás dela, encostado, com o braço passado pelos ombros dela e a mão caída acima do busto dela. Vez em quando acariciava o ombro dela e novamente deixava cair a mão, boba, acima do decote do busto. Não contente com isso, agarrava-a pelo pescoço, rudemente, e beijava-a, mas sem carinho. Era muito mais um ato de posse público do que um beijo de amor entre apaixonados. Não que não pudesse ser meio constrangedor ver dois apaixonados num beijo, tipo desentupidor de pia, numa fila de banco. É constrangedor e, dependendo do casal, nojento também. Mas não era esse o caso. A moça estava incomodada com aquele assédio por parte do seu consorte. Atrás de mim, na fila, estava uma senhora japonesa, que já me havia feito diversas perguntas sobre o funcionamento de

pagamentos bancários. Percebi que ela também estava chateada com o que estava vendo. Não contente com a cena que produzia, qual não foi meu espanto quando o garotão mais uma vez apertou os ombros da amada e levou a mão boba ao peito dela, em público, na fila do banco. Arrisquei, falando com a japonesa: “Tem homem que não sabe ser macho com elegância, não é?”. Ela soltou uma risadinha com a mão na boca e baixinho, como é costume das japonesas tradicionais, então me apoiou: “Que horror! Será que porque é moleque? Ela parece que não está gostando disso!”. Voltei à carga: “Tem mulher que acha que só ela tem um macho em casa!”, rindo e fofocando baixinho ainda com a japonesa. Ele continuava com seus gestos grosseiros e, por um instante, percebi que a pele da companheira ficava corada e adivinhei em seus olhos uma maré alta, mas ela não reagiu. Na realida-

FEVEREIRO/2014

de, aquela cena me transmitia uma violência muda e terrível. Lembreime de quando trabalhei numa concessionária de veículos e conheci uma moça trabalhadora e inteligente que caiu nas garras de um traficante. Ele viciou-a em drogas. Fazia o que queria dela. Ela tornouse um objeto, seu rosto e seu corpo se transformaram em poucos meses. Sentia a mesma imensa tristeza por aquela mulher, na fila do banco. Por perceber o quanto a incomodava o assédio e grosseiria do seu companheiro. Tinha certeza, em meu íntimo, que ela tinha um pavor imenso dele. Aquele jovem homem com instintos descontrolados quem sabe tinha uma vida pregressa duvidosa. Virei-me para a japonesa e acrescentei: “Às vezes é melhor não ter homem do que ter um desses!”. Ela perguntou-me, curiosa: “Será que ela é feliz?”. Atalhei: “Vai saber...”.


JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

Tesouros da Vida JULIANO SANCHES

Nossas histórias estão no ar Ouço The Cure, Plainsong... Caminho pelas memórias e tempos que escapam ao cotidiano. Sei que somos estrelas, imanentes, presentes em um plano existencial muito mais complexo do que podemos sugerir. As faces que vestimos não são traduções do tempo, mas, sim, vestígios arqueológicos de uma sociedade em mutação, produtora de estéticas caóticas, e que elegeu David Bowie e outros ícones como fontes de inspiração para subverter o jogo gasto do cotidiano. O filme Matrix, produzido pelos irmãos Wachowski, parece estar amalgamado entre as cortinas da vida atual. Somos convencidos de que existe um buraco negro a consumir os padrões recorrentes de tecnologia, informação, vida, organização da sociedade. Em dimensões paralelas, há inúmeras fontes de imagens e sons, que estão para além da arquitetura mais solicitada pela internet. Quais as perspectivas que devem ser postas em holofotes, diante de circuitos de simulação tão proeminentes? A espetacularização atinge o conjunto de camadas sociais, o que faz pensar que a realidade criada aperfeiçoa regularmente os dispositivos de produção de ordem social e, con-

sequentemente, de conformação. Viajar pelo universo nos fascina, sobretudo a convicção de que é possível ir para além, sem definições claras acerca de tal afirmação. No pântano digital, em que tudo flui de modo escorregadio, ficam pensamentos sobre o vir-aser das sensações. A fuga à uniformização é a saída. Agora, eu estou à beira do rio, ouço animais, e o som da água me encanta. É muito divertido mudar de cenas, assim como se troca de roupas. O sentido segue sob a plataforma de se apropriar dos panoramas circundantes, e fazer deles uma atmosfera de afetos e percepções. Fumaças encobrem o que está à frente. De repente, nem mesmo os sons e imagens conseguem se aproximar. Um silêncio inenarrável ganha poder. Identidades são consumidas. Confunde-se personalidade e natureza, como se a sinergia cósmica fosse a nota musical tocada. Sob o pano de fundo de universos que saltam à mente, queremos nos aproximar cada vez mais desses caminhos alternativos, que levam a novas reflexões e inspirações. Não buscamos um porto, mas, sim, novos mares para navegar.

Juliano Sanches é jornalista

13

Desejo O nove de copas é a carta do desejo. Os desejos constroem realidades que escolhemos para nós e nos impelem na superação de obstáculos rumo à vitória. As vitórias nos alegram, nos envaidecem um pouco, mas é preciso cautela para não se gabar demais do próprio sucesso, sob o risco de se fechar para os outros ou despertar a inveja alheia, semente do ressentimento, do amor distorcido e da manipulação emocional. Um ego inflado só enxerga o próprio valor, mas não consegue ver o ponto de vista de mais ninguém. No mundo do trabalho, é comum Reprodução

aquele tipo de pessoa que, por recalcado sentimento de inadequação pessoal, desviou o foco da pessoalidade imatura para o MIGUEL ANTONIO do exercício DE MELLO SILVA prof issional e, compen- Psicólogo (CRP 06/37737-2) satoriamente, exalta em si competências profissionais que não possui. São pessoas que fingem estar abertas a sugestões e opiniões e mantem um verniz de educação que não resiste à proximidade. Não possuindo amigos verdadeiros (no fundo são iracundas, incontrariáveis e agressivas) vivem iludidas com uma autoimagem de perfeição, buscando manipular a percepção que os outros têm dela. Não raro, por estarem armadas contra eventuais críticas, tais pessoas se sentem perseguidas pelas pessoas do trabalho. Uma coisa é o lado saudável da alegria dos desejos realizados através de esforços exitosos: a pessoa se sente igual a um gato que acabou de abocanhar um salmão. Coisa muito diferente é querer que enxerguem um salmão onde, na verdade, há uma mera sardinha miúda. A psicoterapia dilui autoenganos e permite que as pessoas vejam as coisas com os seus reais tamanhos porque a percepção do tamanho das coisas é mediada pela ótica pela qual a pessoa se vê.

CONTATO: (19) 3213-4716 / 3213-6679 ou psicmello@gmail.com

Cosméticos sustentáveis e socialmente justos Daniela Pinto Duarte

P

esquisa realizada pelo Instituto Akatu-Ethos 2010 mostra que a fatia de consumidores conscientes permanece em 5% da população. Entretanto, houve crescimento (de 25% para 37%) do segmento mais distante do consumo consciente, o grupo chamado de “indiferente”. Outro desafio, segundo a pesquisa, é traduzir o termo sustentabilidade para o dia a dia dos brasileiros – 56% dizem que nunca ouviram falar. Por outro lado, de acordo com dados da Abihpec (Associação Brasileira de Produtos de Higiene e Beleza) em 2007, o Brasil é o terceiro no mundo no consumo de cosméticos. Esses dados demonstram a necessidade de se adotar ações visando estimular práticas conscientes de consumo e produção. Para os 56% da população que diz nunca ouvir falar no termo sustentabilidade, eis aqui a pergunta que não quer calar: em que medida as empresas estão buscando di-

vulgar seus produtos e serviços ao investir para desenvolver comportamentos de consumo mais consciente? Na tentativa de responder a esse questionamento, medidas como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, o Plano para Produção e Consumo Sustentáveis e a Política Nacional sobre Mudanças do Clima são ações positivas e concretas que visam minimizar as emissões de gás carbônico e lixo durante a cadeia de produção. Além das políticas públicas, os consumidores devem cobrar soluções tecnológicas inovadoras das empresas para o desenvolvimento de cosméticos mais saudáveis, sustentáveis e socialmente justos. O aumento contínuo do consumo de cosméticos convencionais feitos com embalagens provenientes de materiais não biodegradáveis ou com liberação de substâncias tóxicas ao solo provoca o aumento da formação de xenobióticos (bioacumulação) no solo e no corpo humano. Garrafas plásticas de água em em-

balagens PET podem conter quantidades substanciais de produtos químicos que imitam ou alteram o hormônio estrógeno. A pesquisa foi realizada por cientistas da Johann Wolfgang Goethe University, em Frankfurt. Diversas pesquisas anteriores já haviam demonstrado os riscos à saúde das embalagens feitas com policarbonato, mas essa pesquisa avaliou um plástico diferente e amplamente utilizado para vasilhames de água e refrigerante. Analisando formulações de cosméticos convencionais, verificamos que trazem em sua composição molecular componentes potencialmente prejudiciais à saúde. Um exemplo é o formaldeído, um agente sabidamente cancerígeno e proibido para uso em cosméticos em algumas partes do mundo. No Brasil, ainda pode ser utilizado como conservante. Em se tratando de processos de produção cosmética, é importante ressaltar que em um processo sustentável é necessário ter em mente as se-

guintes premissas básicas: reciclar, reduzir, reutilizar, economizar e formular com ingredientes que não formem xenobióticos e que sejam plenamente compatíveis com a nossa pele. Sustentabilidade significa equilíbrio entre consumo, produção, comércio justo, equidade social, saúde (mental, física e espiritual) e o meio ambiente. Para que haja a formação de uma rede de produtos socialmente justos, saudáveis, economicamente viáveis e ecologicamente corretos, é necessário que as empresas tenham propostas e ações concretas e não apenas discursos teóricos com conceitos sofisticados e apelos mercadológicos. Só assim os 56% da população brasileira que nunca ouviram falar da tal “sustentabilidade” perceberão que o caminho mais curto para a felicidade é o consumo consciente com respeito à saúde, ao meio ambiente e à inclusão social. Daniela Pinto Duarte, farmacêutica especialista em cosmetologia clínica e ar tesã, é diretorapresidente da empresa Natureza Brasil


14

JORNALZEN

FEVEREIRO/2014


JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

Líricas Bulhufas MARCELO SGUASSÁBIA

Memorabília americana Paletó à bolonhesa Sim, é certo que até hoje se discute de onde e de quem partiram os disparos. O que não se discute é o fato de que é mesmo de JFK a carne moída respingada nos ombros do motorista que conduzia o presidente pelas ruas de Dallas. Mais de 50 anos depois, o sangue de Kennedy permanece tão reconhecível geneticamente no paletó quanto o esperma de Clinton no vestido daquela mocinha, frequentadora assídua do salão oval. Perambulando pelo mundo com o laudo de DNA debaixo do braço, o filho do dono da relíquia promete para breve o lançamento de um blazer styled by Stella McCartney, com estampas reproduzindo fielmente as manchas de miolo espatifado do modelo original. Estima-se que pelo menos um em cada quatro cidadãos americanos deverá abrir espaço em seu closet para a nova peça, que já nasce cult e objeto de desejo até mesmo entre os não apreciadores de molho à bolonhesa – caso do vegetariano pai da estilista. Após o desfile de apresentação da novidade prêt-à-porter para convidados, autoridades e imprensa internacional, o histórico paletó será leiloado, com lance mínimo presumido de 3 milhões e 600 mil dólares. O citado lance inicial só perde para as pantufas utilizadas por Abraham Lincoln na Guerra Civil Americana, bordadas artesanalmente com motivos cherokees, item arrematado por um magnata saudita de identidade até o momento desconhecida.

Módulo lunar de papel alumínio O homem esteve, de fato, na Lua? Definitivamente, não. Em www.afraude doseculo.com.br os crédulos de plantão irão encontrar evidências contundentes do maior embuste de que se tem notícia, que por décadas vem logrando toda a humanidade. Mas a verdade vai aos poucos aparecendo, não por bombásticas revelações, mas graças a pequenas peças de quebra-cabeças que, coletadas aqui e ali, vão formando o nada edificante quadro dessa falcatrua histórica. Veja o caso de Thelonious W. J. Donaldson. Residente no Colorado e funcionário aposentado da agência espacial norte-americana, Thelonious guarda na garagem de sua casa, junto a um velho cortador de grama John Deere e a um feixe de tacos de golfe, exatos 465 cilindros de papelão – desses onde são enrolados papel alumínio. Afirma Donaldson que esse entulho acumulado tem valor documental incalculável, pois as folhas que os envolviam confeccionaram o módulo lunar da Missão Apolo 11. Segundo testemunhos de funcionários da própria Nasa na época, e que preferem não ser identificados, o trabalho era feito por três pessoas. Uma ia desenrolando o papel alumínio dos rolinhos, outra ia desamassando imperfeições na superfície e uma terceira afixava com fita adesiva as folhas metálicas no suposto módulo. Um procedimento tão cientificamente embasado quanto a montagem de alegorias na Marquês de Sapucaí. Marcelo Sguassábia é redator publicitário

15

Descubra sua beleza natural Há milhares de anos a mequando mal resolvido ou dicina chinesa busca propouco elaborado, inicia o mover o equilíbrio do ser processo de desorganizavivo. Nesse processo de ção celular, gerando o enaprendizado que inclui cuvelhecimento e déficit orras, bem-estar físico e emogânico, afetando a beleza cional, a beleza é o fator natural do indivíduo. Sabe-se que há tempos final desse processo. a busca pela beleza física Quando estamos feliestá rompendo paradigmas zes, a beleza transborda sociais. Portanto, vale lemnum sorriso, seus olhos KAREN PIRES OLIVEIRA Fisioterapeuta brar que esse preço pela bebrilham, sua pele ilumina, e acupunturista leza precisa ser harmonioso seus cabelos ficam sedopara que permaneça junto sos, suas unhas estão fortes, seu odor tem um perfume suave, à saúde dos órgãos e das vísceras coseu paladar se torna refinado, suas nectados com o externo manifestado. Quando se faz acupuntura estética, palavras saem com amorosidade. Diante de tanta beleza que trans- estamos relacionando o interno e o excende no físico, sugiro que pensem terno. A manifestação da beleza ocorre onde e o que está bloqueando essa logo, pois promove a cura interna. manifestação. Dicas: 1- Pressionar um ponto no Após suas reflexões sobre as pos- meio da sobrancelha bilateral para síveis rugas, manchas, espinhas, fla- erguer o olhar, por três segundos cidez, sobrepeso, celulite, olheiras, diariamente. 2- Pressionar um ponptoses faciais, mamárias e abdomi- to bilateral na maçã do rosto em uma nais. Observem que antes dessas es- cavidade logo abaixo do olho por cintruturas se manifestarem, houve co segundos, entre 7 e 9 da manhã. um desequilíbrio emocional, um trau- Melhora a função do estômago e da ma, ou um episódio marcante que, expressão facial diariamente.


16

Vítimas de si mesmos Alguma vez ficou muito triste com seu parceiro, pais, funcionário, patrão, filhos? Sentiu-se excluído, rejeitado, criticado ou maltratado? Comparou-se com outras pessoas? Vive orando e pedindo aos antepassados, que ajudem a superar as dificuldades? Então você vai descobrir que está no papel de vítima, que vestiu a roupa e está vivenciando a história. Já lhe ocorreu que ao fazer a escolha de nascer no planeta Terra, uma história foi escrita, com personagens, lugares e situações? Você escolheu seus pais e um personagem para vivenciar uma história, com a intenção de aprendizado e reforma íntima. Ao nascer você esquece isso, e ao crescer começa a culpar os outros por suas dificuldades. Esquece que desceu à Terra para trabalhar suas inferioridades, e que as pessoas colocadas em seu caminho são os gatilhos que disparam essas inferioridades, e os lugares e situações são armadilhas para envolvê-los nas inferioridades. Perceba que nossos pais, avós, tios, irmãos que desencarnaram há algum tempo recebem a incumbência de nos salvar de nós mesmos. Prometemos orações, fazemos oferendas, choramos e quantas vezes esses nossos irmãos espirituais já retornaram à Terra e continuam recebendo pedidos e desculpas? Percebe que você está entregando a sua responsabilidade na mão de outros? A maioria das pessoas culpa seus pais ou companheiros, com raiva, e apon-

JORNALZEN

tam o outro pelas suas dificuldades. A falsa realidade é tão perfeita que nos enganamos no processo de vitimização. MYRIAM BARALDI A realidaPsicanalista e de vivida é aromaterapeuta uma ilusão necessária, para aprender a enxergar no outro um gatilho do que é preciso melhorar espiritualmente. A reencarnação serve para viver diversas vidas, com a finalidade de aprendizado e elevação espiritual. Muitas doenças estão vinculadas a outras vidas e, através das regressões às vidas passadas e estudo pela psicoterapia reencarnacionista, podemos acessar os momentos traumáticos e realizar o desligamento, sempre como auxiliares dos mentores espirituais. Vestir uma roupa e repetir o padrão de personalidade é estabelecer algo crônico, e por esse motivo necessário estudar e desligar aos poucos o que não serve mais. Minha sugestão: escreva uma lista de suas dificuldades emocionais. Faça a ligação com pessoas e lugares, e descubra se isso existe dentro da alma ou realmente outras pessoas tem culpa? Lembre-se que o Universo organiza tudo perfeitamente e agradeça a cada pessoa por apontar sua impaciência, raiva, tristeza, complexo de inferioridade, ansiedade, etc. Utilize uma gota de óleo essencial de lavanda no travesseiro. Boas descobertas.

FEVEREIRO/2014


FEVEREIRO/2014

JORNALZEN

INDICADOR TERAPÊUTICO

17


JORNALZEN

18

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-Papo

A

cabaram com meu horizonte. Não, não é uma frase metafórica. Do fundo do meu quintal sempre avistei plenamente o céu azul ou estrelado. Também mais ao longe conseguia ver a estradinha que vai para Monte Mor e boa parte do Parque Ecológico aqui em Indaiatuba. Há alguns poucos meses começaram a erguer um prédio, a um quarteirão de casa, e dia a dia acompanho sua evolução. Confesso que nunca pensei que isso pudesse acontecer assim tão perto. Isso porque as casas não são tão velhas que precisassem ser derrubadas. Além disso, a maioria dos proprietários é gente que está no bairro há muitos e muitos anos. Mas aconteceu. O local é nobre, praticamente às margens do Parque Ecológico, e a febre imobiliária não iria perder o investimento. Talvez você me ache uma boba, uma pessoa que ainda tinha alguma ilusão com Indaiatuba, em relação a se brecar um pouco esse crescimento desenfreado. Talvez eu seja mesmo. Talvez tenha necessidade de me iludir, para continuar dizendo que moro numa bucólica cidade do interior. O fato é que toda manhã me sinto tão passada, tão chateada, sabendo que minha privacidade, que tanto preservo, foi para o espaço. Meus gatos estão bem assustados por causa das conversas dos operários, das coisas que caem e fazem barulho, e da própria movimentação não muito longe. Janelas estão sendo construídas voltadas para cá. Não poderei mais sair à vontade no meu quintal. Coincidência ou não, esta semana escutava um CD do Tom Jobim e ao ouvir a famosa Carta ao Tom, de Vinicius e Toquinho - Rua Nascimento Silva, 107 / Você ensinando pra Elizete / As canções de Canção do amor demais - lembra-se?, prestei atenção à paródia que Tom fez em cima da música, por causa da grande explosão imobiliária que aconteceu no Rio, na década de 1970. Acredito que alguns se lembrem que existiu um famoso construtor naquela época, chamado Sérgio Dourado, e o que mais se via eram “espigões” com o nome da sua construtora. Tom, que da janela via o Cristo Redentor, escreveu: Rua Nascimento Silva, 107 Eu saio correndo do pivete Tentando alcançar o elevador. Minha janela não passa de um quadrado A gente só vê Sérgio Dourado Onde antes se via o Redentor. É meu amigo só resta uma certeza É preciso acabar com a natureza É melhor lotear o nosso amor. Toda cidade precisa de progresso. Mas acho que para Indaiatuba, já chega. Loteamentos nascem um atrás do outro. Recentemente, na abertura de mais um, cascavéis invadiram o quintal de um conhecido, picando-o. Animais silvestres saem das matas que são derrubadas e ficam totalmente perdidos. “Espigões” competem em altura. A cidade, que já é quente por natureza, vai ficar muito mais abafada. Visionário foi o Odair, um amigo, que há uns 15 anos me disse que ninguém segurava mais Indaiatuba. Que pena que suas previsões estão dando certo... “Eu quero uma casa no campo. Do tamanho ideal, pau a pique e sapé...”

FEVEREIRO/2014

CASINHA DO CACHORRO NO SOL Já escrevi sobre isso, mas preciso escrever de novo. Com esse calor absurdo que tem feito, como as pessoas que têm cachorro não percebem que a casinha dele não pode permanecer no sol? Fico imaginando quantos graus deve fazer ali dentro... Será que é tão difícil se colocar no lugar dele?

AINDA SOBRE A NATUREZA... Li esta semana que pesquisadores americanos chamam a atenção para a preservação e plantio de árvores de grande porte. A pesquisa aponta que, ao contrário do que já se pensou sobre esse tema, essas árvores têm a capacidade de absorver maiores quantidades de dióxido de carbono da atmosfera, mesmo quando já mais velhas, do que as árvores menores e mais jovens. (boletim informativo da CBC Ambiental)

FORNO & FOGÃO Bolo de maçã com especiarias Ingredientes: 3 maçãs picadas ½ xícara (chá) de nozes ½ xícara (chá) de uvas passas 1 xícara (chá) de açúcar mascavo 2 xícaras (chá) de farinha de trigo 4 colheres (sopa) de óleo vegetal 1 xícara (chá) de água 1 pitada de noz moscada 3 cravos-da-índia 1 colher (sobremesa) de canela em pó 1 colher (sopa) de fermento em pó 1 colher (sopa) de vinagre branco

Modo de fazer: Bata no liquidificador meia xícara da água com duas maças picadas e os cravos. Coe e reserve. Bata no liquidificador a outra meia xícara de água com as nozes. Reserve. Em um recipiente misture os líquidos, acrescente o óleo, o açúcar mascavo e a farinha aos poucos. Depois acrescente a noz moscada e a outra maçã picada, as uvas passas e por último o fermento em pó e o vinagre. Misture mais um pouco e leve para assar numa forma com furo central, untada e enfarinhada, por mais ou menos 40 minutos.

Torta de arroz com legumes Ingredientes: 2 xícaras (chá) de arroz cozido 1 ½ xícara (chá) de farinha de trigo 1 cenoura cortada em cubinhos 1 lata de milho verde escorrido 1 lata de ervilha escorrida 1 ovo 3 colheres (sopa) de cheiro verde picado 1 copo de requeijão 100 g de queijo parmesão ralado 1 colher (sobremesa) de fermento em pó Sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de fazer: Preaqueça o forno à temperatura média de 180º. Numa tigela grande, coloque todos os ingredientes e misture bem. Unte e enfarinhe uma forma redonda com 22 cm de diâmetro e despeje a massa. Alise com as costas de uma colher até ficar uniforme. Leve ao forno para assar até dourar (mais ou menos uns 30 minutos).


JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

BEM NUTRIR Benefícios dos alimentos embalados a vácuo Danielle Franco Rodrigues

H

oje, sabemos que a correria do dia a dia nos impede de preparar refeições muito elaboradas todos os dias. A solução encontrada por alguns é armazenar os alimentos para toda a semana, ou pelo menos para alguns dias. Mas, no âmbito nutricional, essa prática deve ser vista com certa cautela. Uma vez que o alimento está armazenado em contato com o ar, ele começa a perder o sabor, textura e aparência. Frutas como a banana e a maçã mostram rapidamente os sinais da oxidação pela coloração marrom que elas adquirem minutos após exposição sem a casca. Essa reação afeta todos os alimentos frescos mesmo que visivelmente isso não seja óbvio, pois os efeitos da oxidação também eliminam as propriedades antioxidantes das vitaminas. A embalagem a vácuo remove quase todo o ar presente no invólucro dos alimentos. Isso retarda a proliferação de micro-organismos vivos, responsáveis pela putrefação, além de evitar o contato do oxigênio, diminuindo, e quase inibindo, a oxidação. Uma vez que o ar é removido de dentro da embalagem, ela precisa ser selada com segurança para evitar que o ar retorne para o interior da mesma. Com a crescente ênfase dada ao incremento dos óleos naturais nas nossas dietas, a maioria das pessoas está tentando consumir mais peixes, os quais são ricos em EPA (óleo eicosapentanóico) e previnem doenças cardiovasculares. Esses óleos, se não forem embalados a vácuo, deterioram-se e tornam-se viscosos mais rápido do que outros tipos de alimentos. Hoje sabemos que é possível man-

ter sob refrigeração uma carne de peixe bem embalada por até dois dias ou dois meses se for congelada. Mas se for mantida embalada pelo processo a vácuo, ela poderá ser conservada sob refrigeração por quatro ou seis dias ou por até dois meses se for congelada. E se for cozida a vapor dentro da própria embalagem pode ser armazenada em temperatura ambiente sem perder o sabor, as propriedades nutricionais e a textura original por até um ano. Mesmo congelados os alimentos apresentam perda de textura e sabor além da oxidação, desidratação e ao lento crescimento das bactérias, as quais causam a “queima” através do congelamento. Já quando embalados a vácuo, os alimentos não sofrem esse tipo de deterioração, dentro ou fora do freezer. Manter os cereais crocantes e frescos é realmente um problema, principalmente se são comprados em uma quantidade grande. Isso ocorre porque alimentos desidratados absorvem a umidade existente no ar, a menos que sejam mantidos em recipientes próprios, sem existência de ar. A embalagem a vácuo desses tipos de alimentos é altamente recomendada para preservar a textura naturalmente crocante. Conclui-se que a embalagem a vácuo confere aos alimentos maior textura, sabor, cor e ainda mantém o frescor, se comparada a outros tipos de embalagens. Um ponto a ser lembrado é que a técnica faz com que os alimentos tenham uma perda mínima de seus nutrientes. É mais ou menos como manter todo o sabor de produtos fresquinhos aliados à praticidade, sobrando mais tempo para você e sua família. Danielle Franco Rodrigues é nutricionista

19

PONTOS DE VENDA DO JORNALZEN CAMPINAS BARÃO GERALDO BANCA CENTRAL - Avenida Santa Isabel, 20 BARÃO ERVAS - Avenida Santa Isabel, 506 IDEAL REFEIÇÕES - Rua Vital Brasil, 200 BOTAFOGO BANCA RODOVIÁRIA - Avenida Andrade Neves, 880 BOSQUE BANCA DO BOSQUE - Avenida Moraes Sales, 1.748 CAMBUÍ BANCA CAMBUÍ - Rua Cel. Quirino (ao lado Massa Pura) BANCA DA ALICE - Avenida Júlio de Mesquita, 500 BANCA DONA SINHÁ - Rua Cap. Francisco de Paula, s/n (Praça Adamina Del Soldato) BANCA MARIA MONTEIRO - Maria Monteiro, 1.201 BANCA RIVIERA - Rua Coronel Silva Teles, 37 BANCA SANTA CRUZ - Rua Santa Cruz, 176 BANCA SUPER PLÁ - Rua São Pedro, 285 CASTELO BANCA NAKAZONE - Avenida Andrade Neves (balão) CENTRO ALMAZEN - Rua Barreto Leme, 1.259 BANCA CAMÕES - Rua 11 de Agosto, 558 BANCA CONCEIÇÃO - Rua Conceição BANCA DO ALEMÃO - Rua General Osório, 986 BANCA DO MIRO - Avenida Campos Salles, 663 BANCA EVEREST - Avenida Campos Sales (em frente nº 737) BANCA REAL DISNEY - Rua General Osório, 1.325 BANCA ROSÁRIO - Rua Barão de Jaguara esq. c/General Osório BANCA TANNO - Avenida Francisco Glicério, 1.580 CHÁCARA DA BARRA CENAPEC - Rua Mogi das Cruzes, 255

INDAIATUBA

CIDADE UNIVERSITÁRIA BANCA BARÃO - Avenida 2 - Atílio Martini, 50 FLAMBOYANT BANCA DO ISMAEL - Rua Mogi Guaçu (em frente à padaria Abelha Gulosa) GUANABARA BANCA DO DIRCEU - Rua Oliveira Cardoso, 62 BANCA ITAMARATI - Rua Eng. Cândido Gomide, 287 IGUATEMI LIVRARIA CULTURA (Shopping Iguatemi) PARQUE IMPERADOR BANCA CARREFOUR - Rodovia Dom Pedro I PROENÇA BANCA DO ROBERTO - Av. Princesa D’Oeste, 994 SANTA GENEBRA BANCA SANTA GENEBRA Avenida Pamplona, s/nº SOUSAS AVIS RARA Rua Rei Salomão, 295 BANCA RICCO PANE Avenida Antônio Carlos Couto de Barros, 871 TAQUARAL BANCA DO EDUARDO - Rua Thomaz Alva Edson, 115 BANCA TAQUARAL - Rua Paula Bueno, 1.260 VILA ITAPURA BANCA SACRAMENTO - Rua Eng. Saturnino Brito, s/nº VILA NOVA BANCA VILA NOVA - Av. Imperatriz Leopoldina, 100

HOLAMBRA

CENTRO BANCA RUTH - Rua Candelária, 1 CINE CAFÉ - Shopping Jaraguá (Rua Humaitá, 773)

ESPAÇO TERRA VIVA - Avenida Rota dos Imigrantes, 605

JARDIM CALIFÓRNIA BANCA DO JANUBA - Praça Renato Villanova

BANCA MOTTA PAULISTÃO - Rua Luis Camilo de Camargo, 332 (estacionamento supermercado Paulistão)

VILA NOSSA SENHORA APARECIDA PANIFICADORA A-REAL - Rua Candelária, 1.828 SAÚDE NATURAL - Rua Candelária, 1.751 VILA VITÓRIA BANCA DO JAIR - Rua Humaitá esq. Av. Pres. Vargas PADARIA GIANINI - Avenida Presidente Vargas, 472 VILA SUÍÇA PADARIA SUÍÇA - Rua Pedro de Toledo, 1.855

HORTOLÂNDIA

VALINHOS em todas as bancas da cidade

VINHEDO* EMPÓRIO JF - Avenida dos Imigrantes, 575 (Jardim Itália) LIVRARIA NOBEL - Avenida Benedito Storani, 111 * e em todas as bancas da cidade


20

JORNALZEN

FEVEREIRO/2014

Profile for Webmaster JornalZen

Jornalzen Fevereiro 2014  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há nove anos no mercado, circula e...

Jornalzen Fevereiro 2014  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há nove anos no mercado, circula e...