__MAIN_TEXT__

Page 1

JORNALZEN ANO 12

AUTOCONHECIMENTO

DEZEMBRO/2016

Nº 142

BEM-ESTAR

www.jornalzen.com.br

CIDADANIA

CULTURA

SAÚDE

Divulgação

ZENTREVISTA

Sérgio Ceccato Pág. 3

á ia L Silv Mon

ESPÍRITO NATALINO Abertura da programação de Natal em Nova Odessa. Outras cidades da região de Campinas e São Paulo promovem, durante o mês, eventos com a figura de Papai Noel que reforçam a mensagem de paz e confraternização.

Viva Bem Pág. 12

CULTURAZEN Pág. 14

Silvia Lá Mon

ARTIGOS

Tempo de festa e de pensar na vida Pág. 2

Vícios: prejuízo na vida social e profissional

ZEN FESTIVAL

Confira registros do evento que movimentou a Estação Cultura, em Campinas Pág. 5

Pág. 7

JANAÍNA CAMPOS

Preparo para a longevidade

Constelação Familiar – a cura nas relações

Pág. 13

Pág. 9


2

JORNALZEN

Tempo de Natal Existe um conceito quâna possibilidade de salvatico segundo o qual a prinção através do perdão e cipal característica da terdo Amor Maior. Como preceira dimensão é o temcisamos disso, não é? po, e o homem vive no Parece que a maioria mundo em codepedêndos brasileiros está concia, criando mecanismos tando os dias para acapara identificar a sua pasbar o ano e ultimamensagem. Criou os dias, as te, mais do que nunca, horas e as datas com riparece urgente essa pautos para compreender e SILVIA LÁ MON sa de Natal. Acolher-se Diretora do JORNALZEN com a família, assistir decontrolar a realidade. Algumas datas nos resenhos com finais felimetem a sentimentos únicos, co- zes e, por fim, comemorar a enmo o nosso aniversário. Outras trada de um novo ano com a iluduas datas marcantes, que geram são de que se mudarmos de ano, emoções parecidas para toda a mudamos de vida. E, dessa forhumanidade, em todos os países ma, tocamos em frente. Impuldo mundo, são o Natal e a passa- sionados pelo facho de ilusão, gem de Ano Novo. reunimos força para cocriarmos É interessante notar como al- nossa nova realidade. gumas datas parecem que cheDesejo a todos um feliz Natal gam na hora certa! Quem nunca junto aos que amamos e um novo sentiu-se aliviado quando chega- ano de abundância e realizações. vam as férias de julho, na escola, quando a gente já não aguentava mais? Da mesma forma, o Natal chega no finalzinho do ano, quando parece que a esperança está Kie Kume morrendo, depois de tanta luta durante todos os meses passae modo muito simples, podemos dos... Então, surge a Luz de Natal, dizer que as empresas, ao fano fim do túnel, renovando nossa zerem o balanço do ano, procuram esperança, na promessa do nas- mostrar a seus acionistas ou procimento do Messias, que nos traz prietários se houve equilíbrio entre

LEITORZEN ZENTREVISTA Fiquei muito emocionada quando li minha entrevista no JORNALZEN (Novembro/2016). Nunca ninguém conseguiu escrever tão perfeitamente sobre a minha história, qual a minha missão de vida e porque acredito que um mundo de virtudes está logo ali. Sandra Vieira Sahd, Campinas JORNALZEN Que delícia é abrir o JORNALZEN. Os assuntos abordados acalmam e alegram os corações. Fazem um bem danado à alma. Lu Scomparin Dressano, Campinas RUBEM ALVES Dia 15 de setembro (2016), Rubem Alves faria 83 anos. Como alguém que nem convivi pode ter tanta significância na minha vida? A identificação é muito grande. A

DEZEMBRO/2016

perda é irreparável – é como um avô, tio ou mesmo um pai tivesse se ido. Alguém um dia disse: “viver é colecionar perdas”. Acho que também existem os ganhos, mas algumas perdas são devastadoras. Como alguém, através de palavras, podia nos espelhar tão bem o conteúdo de sua alma? Espero, ou seja, tenho a esperança que haja ou que venham a nascer mais pessoas com tamanha sensibilidade, capazes de produzir efeitos positivos nos outros seres a ponto de o sentirmos como alguém “próximo”. Como disse a psicanalista Carolina Scoz: “Sua presença perdemos para sempre, desde que ele foi embora, restaram-nos suas palavras a ressoar dentro de nós e seus ipês, consolo silencioso de sua ausência”. Como alguém pode ser tão forte? Influenciar tanta gente? Como alguém é tão presente, mesmo depois de ter deixado de “ser” ou melhor, “estar”. Antonio de Pádua Colosso, Itapira

Tempo de festa e de pensar na vida

D

JORNALZEN NOSSA MISSÃO:

Informar para Transformar DIRETORA Silvia Lá Mon EDITOR Jorge Ribeiro Neto JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508 TELEFONES Redação (19) 3324-6062 Comercial (19) 3044-1286 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br Circulação: Campinas Indaiatuba Valinhos Vinhedo Jaguariúna Holambra São Paulo (Avenida Paulista, Vila Madalena e Vila Mariana)

receitas e despesas e se houve lucro. Em meio às festas de final de ano – um período precioso de descanso, reflexão e convivência mais intensa em família –, devemos reservar algum tempo para pensar na vida e fazer um balanço do quanto conseguimos avançar em nossos projetos e na realização de nossos sonhos – o que fiz, onde acertei, onde errei, o que conquistei, o que preciso mudar. Também é hora de olhar com mais atenção para as pessoas que nos cercam, de nos preocupar mais com os outros, renovando relacionamentos, reconstruindo sonhos. Em um de seus muitos best-sellers, Think Big, Pense Grande, o autor japonês Ryuho Okawa recomenda que cada um dê uma boa olhada em si mesmo. “Para que nasci? O que vim fazer nesta vida? Olhe seus dons, sua personalidade, suas qualidades. Relembre o que fez e como viveu os anos que se passaram até o presente momento. A partir daí poderá descobrir a missão e vocação que se encontra nas profundezas de seu coração”, colocando-as a serviço da família, da comunidade, do país. “É muito difícil tentar dedicar a vida ao trabalho se você não sabe qual é sua vocação divina” diz Okawa em Trabalho e Amor, recém-lançado no Brasil. “Se um indivíduo sente o desejo de fazer um trabalho que beneficie o mundo, então não pode se dar ao luxo de ignorar as necessidades e exigên-

cias dos outros. O desejo de satisfazer os outros, o espírito de servir ao próximo são forças importantes que irão imbuir seu trabalho com a energia do amor. O amor pode ser encontrado na atenção aos detalhes e também na sabedoria de não perder de vista as necessidades dos outros.” Nosso balanço de vida deve começar pela família, onde nasce e se alimenta a verdadeira felicidade. Primeiramente, precisamos avaliar como estamos nos relacionando com as pessoas mais próximas de nós. Se estamos num casamento ou num relacionamento sério, é fundamental checar o que cada um está fazendo para solidificar esse amor. Há comportamentos que deveriam ser banidos, por estarem manchando e enfraquecendo a relação de fidelidade entre os dois. Quando há filhos, daí a responsabilidade com que se deve fazer esse balanço é ainda maior. Nossa missão como pais está sendo cumprida? Há acompanhamento, diálogo, convivência? No papel de filhos, também é importante avaliar como estamos nos relacionando com nossos pais. Nesta época de aceleradas mudanças, são mais frequentes os desentendimentos e mais difícil a convivência entre gerações. Por isso, é fundamental sermos mais compreensivos e tolerantes, sempre abertos ao diálogo. Dezembro é um mês muito oportuno para refletir sobre a dimensão do amor em nossa família. É hora de regar essa flor com gestos de carinho e, se for o caso, com pedidos de perdão. Nunca é tarde para recomeçar. Por conta dos vestibulares, também é um bom momento para muitos jovens avaliarem como anda

evoluindo sua formação, como foi a dedicação aos estudos durante o ano. É importante ter a consciência de que, além de buscar a formação acadêmica e profissional para o trabalho, é preciso se dedicar à construção do próprio caráter, necessário à realização da vocação divina que carregamos. Bons livros devem ser companheiros permanentes nessa caminhada. “Quanto mais a compreensão da pessoa se aprofunda, mais ela tem o desejo de aprender”, diz Ryuho Okawa, incentivando os jovens a desenvolverem todo o seu potencial humano. “Os jovens possuem muitas qualidades louváveis, mas penso que, de todas elas, a melhor é sua capacidade de idealizar. Essa capacidade permite ver as coisas de maneira mais positiva e faz com que a pessoa defina suas metas com possibilidades infinitas. Quando um jovem é incapaz de nutrir ideias, então podemos dizer que é uma pessoa velha, enquanto uma pessoa de 40, 50, ou mesmo 60 ou 70 anos, cujo espírito é ainda fresco e não perdeu seus ideais, pode ser considerada alguém que ainda tem a juventude nas mãos”, diz o autor em Trabalho e Amor. Que neste final de ano, nos empenhemos em refletir como anda nossa vida e sobre o que é preciso mudar, seja na família, nas relações pessoais, na escola ou no trabalho. Que o espírito do Natal aqueça nossos corações e renove nossas esperanças. Se não aproveitarmos nossa capacidade de criar ideais, esses ideais irão murchando dentro de nós. Boas festas! Kie Kume é gerente da IRH Press do Brasil, que publica os livros em português de Ryuho Okawa


DEZEMBRO/2016

P

assar por uma depressão suicida foi uma experiência decisiva na vida do campineiro Sérgio Roberto Ceccato Filho. Além do sucesso na busca pela cura da doença, esse processo de aprendizado resultou na técnica de autocontrole da consciência com base na física quântica, a Homeostase Quântica Informacional (HQI). Bacharel em direito e pesquisador em bioquântica, Sérgio explica que as doenças não são ligadas somente a questões emocionais. Elas também vêm de diversas fontes de informações, como a alimentação. Com a missão de ensinar que a cura emocional, mental e física é uma capacidade natural do ser humano, Sérgio criou em 2007 o Instituto Quantum. Hoje, o grupo conta com duas unidades e atividades internacionais de terapia, avaliação e pesquisa em HQI. A metodologia é difundida por meio de palestras e cursos em 118 cidades de 13 Estados, além de mais dez países, com uma média de 1.500 novos alunos por ano. Nesta entrevista ao JORNALZEN, o professor Sérgio Ceccato, 47, conta mais detalhes de sua trajetória pessoal e terapêutica. Como foi idealizada a técnica da Homeostase Quântica Informacional? Durante dois anos e meio manifestei uma depressão suicida com três tentativas. Em duas delas eu não sabia se estava vivo ou morto. Nessa busca, primeiramente o encontro do reiki me ajudou muito. Posteriormente, conheci o professor Pedro Makiyama. Aplicando os seus ensinamentos, consegui me curar da depressão. Depois da minha autocura, resolvi abrir um espaço em Campinas para que outras pessoas tivessem acesso a essas informações. Durante mais ou menos um ano e meio, o professor Pedro ministrou cursos e atendimentos no meu espaço. Posteriormente, com a autorização dele e de posse desse conhecimento, iniciei meu trabalho como terapeuta fazendo atendimentos e ministrando cursos. Nesse processo, onde entra a física quântica? Paralelamente ao trabalho como terapeuta, comecei fazer vários cursos de terapias complementares e integrativas. Percebi que seria possível estudar mais a fundo a autocura sob a ótica da física quântica. Tais estudos me permitiram demonstrar matematicamente o conceito da quantização da informação gerando os vários estados de manifestação desta, como consciência, energia e matéria. Também foi possível desenvolver o conceito dos códigos quantizadores, dos comandos quânticos, do conjunto de fatos que afetam cada sistema do corpo e a elaboração de novos comandos quânticos para que a autocura do emocional, mental e físico se manifestasse por meio do trabalho apenas informacional,

JORNALZEN

ZENTREVISTA|Sérgio Ceccato Filho

3

CONSCIÊNCIA DA CURA

Terapeuta bioquântico desenvolveu técnica de autocontrole da mente, das emoções e do corpo físico a partir de experiência pessoal com a depressão Silvia Lá Mon

“É necessário aprender como eliminar as informações que desequilibram a consciência” sem a necessidade de exercícios ou a ingestão de substâncias. Tudo isso culminou com a publicação de meu primeiro artigo, e o nascimento da metodologia da HQI. É possível controlar a mente, as emoções e o corpo físico? Segundo as teorias do It from Bit, de John Archibald Wheeler, e a Teoria Holoinformacional da Consciência, do professor Francisco Di Biase, tudo é informação. Tudo o que vivenciamos na matéria vem do nosso conjunto de informações, da nossa consciência. Portanto, é possível autocontrolar a mente, o emocional e o corpo físico, desde

que a pessoa entenda que, além de inserir ou gerar informais positivas, é necessário aprender como eliminar as informações que desequilibram a consciência. Somente assim eliminaremos as oscilações. O foco principal da HQI é a eliminação das informações que criam os problemas ou doenças, ou seja, a eliminação da causa e não do efeito. Como é sua experiência em relação a não consumir alimentos sólidos há alguns anos? Na minha pesquisa sobre a HQI, após desenvolver o autocontrole do emocional e do mental, faltava testar o autocontrole da matéria. Nes-

se momento resolvi testar a hipótese da transmutação biológica a baixas energias por meio dos comandos quânticos. Foram cinco anos de preparação retirando os alimentos não saudáveis e reduzindo a quantidade de alimentos. Posteriormente fiz o processo dos 21 dias e, a partir daí, resolvi me alimentar somente de suco de manga e sopa de abóbora uma vez ao dia. Após seis anos me alimentando desta forma, salvo momentos em que intoxiquei o corpo para avaliar as reações e aprender mais sobre o autocontrole e os comandos quânticos, comecei a ganhar peso. Ganhei dez quilos nos últimos três anos. Resolvi, então, nos últimos seis meses, restringir minha alimentação para somente suco de manga. Faço exames periodicamente para avaliar meu estado de saúde e, sempre que indicam algum problema, utilizo os comandos quânticos para resolver a questão. Em seguida, faço novos exames para comprovar a volta da homeostasia (estabilidade). Sugiro aos leitores pesquisarem sobre dieta com restrição calórica e longevidade. É necessário preparo e muita responsabilidade durante o processo. Em que medida a física quântica une ciência e espiritualidade? Este é um tema controverso entre os cientistas. Se compararmos as teorias do It from Bit e a Teoria Holoinformacional da Consciência, que afirmam que tudo é informação, com o ensinamento bíblico que diz que “no princípio era o Verbo” (João 1:1), fica evidente a união entre a ciência e a espiritualidade, pois verbo em grego significa palavra, ou seja, informação. Concordo com Einstein quando diz que “a ciência sem a religião é manca, e a religião sem a ciência é cega.” Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? A metodologia da HQI é uma grande oportunidade da humanidade mudar a consciência. Pessoas sem traumas, sem raivas, sem rejeições. Pessoas que manifestam o amor incondicional, a humildade, o amor próprio. Pessoas capazes de amar verdadeiramente. Pessoas autossuficientes, capazes de escolher conscientemente a possibilidade que sentem que devem vivenciar. Pessoas sem doenças, sem desequilíbrios. Pessoas vivenciado a paz interior o tempo todo. Meu sonho, ou seja, a minha observação: todos participando deste novo mundo.


4

JORNALZEN

Perdão Quantas vezes nos perguntamos por que o ser humano crê há tanto tempo em Deus, mas continua cruel, destrutivo e arrogante? Isso acontece porque o egoísmo e o orgulho dominam a mente humana e o amor ao próximo ainda não é praticado. Deus nos solicita o exercício incessante da tolerância e da fraternidade. Convoca-nos a sermos para o outro como o bom samaritano que, nas palavras do Cristo, foi movido de compaixão para com o homem caído. “Se não levantarmos o próximo, jamais sairemos do chão! Se não iluminarmos o caminho dos que nos cercam, jamais sairemos das trevas. Se não ajudarmos o próximo, não conseguiremos a evolução que nos aguarda” (As 5 Faces do Perdão – Rossandro Klinjey). Como disse São Francisco: “é dando que se recebe”. O ressentimento, a mágoa e o ódio só serão superados com a prática do perdão. O perdão é, inquestionavelmente, a mais bela expressão de caridade e amor ao próximo. Talvez por essa razão Jesus deixou-nos esse último recado enquanto carregava a cruz, e a multidão enfurecida açoitava-o gritando pela sua morte. “Reconciliai-vos o mais depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil”. (Mateus 5:25/26 - Lucas 12:58/59). Vemos aqui a lei de causa e efeito, que dá a cada um segundo seus atos. A prisão simboliza o tempo necessário para a retratação da consciência, o resgate.

O perdão é premissa de redenção, sem o que não se pode chegar a Deus. É um ato de autossuperação é a nobreza daJOÃO BATISTA SCALFI quele que se Vice-presidente do Educandário despojou de Deus e a Natureza (Indaiatuba) toda mágoa. A parábola que ora trazemos aos comentários nos alerta sobre a severidade da lei de causa e efeito, que nos cobra atitude no bem. E o bem que fizermos pelo perdão concedido agirá primeiro em nós, pacificando a consciência e nos elevando para mais altos voos. A prática dessa virtude libera o ser de todas as amarras que o prendem á retaguarda, permitindo-lhe seguir a caminhada livremente em busca de novos rumos. Inevitável é o efeito da lei de justiça e amor na obra de harmonização das consciências, a reconciliação com os nossos adversários enquanto é tempo. Compreendemos que o perdão das ofensas como também a reconciliação com os inimigos são recursos para a manutenção da paz interior. O coração do homem deverá ser sempre o altar, o santuário onde se ergue a Deus. Não há como chegar a Deus sem passar pelo próximo. É inconcebível buscarmos o Criador guardando em nossos corações ressentimentos e mágoas contra os nossos irmãos. Lembremos a necessidade dessa caridade, que Jesus priorizou em seus testemunhos, quando esteve entre nós. No momento último de sua vida, suas derradeiras palavras foram de perdão aos algozes, deixando nesse recado a inquestionável necessidade de reconciliarmo-nos com os adversários enquanto estivermos no caminho deles.

DEZEMBRO/2016

Receita com tahine Sésamo Real O tahine é um alimento de alto valor nutricional, rico em óleo de excelente qualidade, minerais e proteínas. Produzido a partir da moagem das sementes de gergelim, resulta em uma manteiga vegana 100% natural, livre de glúten e lactose. Podendo ser encontrada em sua forma tradicional e integral, é um ingrediente fácil de combinar e resulta em diversos pre-

parados doces e salgados. O tahine pode ser considerado um grande aliado nas dietas, pois tem grande quantidade de fibras que promovem maior saciedade quando ingeridos, além de ótimos na prevenção e tratamento da constipação intestinal. Por esse, e muitos outros benefícios, o tahine cada vez mais conquista adeptos da alimentação saudável.

MACARRÃO INTEGRAL AO MOLHO DE TAHINE Ingredientes * 500 g de macarrão espaguete integral * 200 g de tahine Sésamo Real * 6 dentes de alho ralado * 6 colheres (sopa) de azeite extra virgem * 6 colheres (sopa) de gergelim torrado Sésamo Real * 1 xícara (chá) de cheiroverde picado * 1 pimenta dedo-de-moça picada * 1 xícara (chá) de água Modo de preparo 1. Em uma panela cozinhe o macarrão com um fio de

Divulgação

azeite e uma pitada de sal; 2. Em outra panela, dourar o alho no azeite, acrescentar o tahine, a pimenta e, aos poucos, a água. O molho não pode ficar nem ralo nem grosso demais; 3. Escorrer o macarrão; 4. Colocar mais um fio de azeite sobre o molho de gergelim. Despejar sobre o macarrão o molho, o cheiro-verde e, por último, o gergelim torrado.


5

JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

ZEN FESTIVAL

Bia Lui

Bia Lui

Confira flagrantes da segunda edição do evento que movimentou a Estação Cultura, em Campinas, dia 13 de novembro, com adeptos das culturas holística e de paz Felipe Calicchio

João Pedro de Oliveira

Bia Lui

Bia Lui

Bia Lui

Bia Lui

Felipe Calicchio

Felipe Calicchio

Bia Lui

Amanda La Monica

Amanda La Monica

Bia Lui

Bia Lui

Confira mais fotos em www.facebook.com/zenfestivalbrasil


6

JORNALZEN

PANORAMA CINEMA E ADOÇÃO DE ANIMAIS

O espaço Matilha Cultural, no centro de São Paulo, exibe no dia 17 de dezembro, às 14 horas, o filme Pets – A Vida Secreta dos Bichos. No dia seguinte, haverá evento de adoção. As primeiras dez pessoas que adotarem animais ganharão kits com o DVD da animação e um presente para o seu pet. A entrada é aberta ao público, que pode levar seus cães. O endereço é Rua Rego Freitas, 542. Mais informações: (11) 3256-2636.

SHOW BENEFICENTE

Ainda sobre a Matilha Cultural, o espaço lançou campanha para arrecadar fundos aos seus projetos socioambientais. A primeira iniciativa será um show de MC Sombra e DJ KLJay, dia 20 de dezembro, das 19h à meia-noite. Os ingressos estão sendo vendidos antecipadamente, na sede do centro cultural. A renda será revertida para encontro e jantar de final de ano com moradores de rua. Mais informações: www.matilhacultural.com.br

DOAÇÕES ON-LINE

O Centro Infantil Boldrini usará lojas virtuais na internet para receber as contribuições da 10ª edição da campanha Dê uma mãozinha pro Boldrini. Os recursos serão aplicados na compra de medicamentos e materiais de uso hospitalar. As doações podem ser feitas até 31 de dezembro nos seguintes endereços: www.facebook.com/centro.infantil.boldrini ou www.tvb.com.br/boldrini. Mais informações: (19) 3787-5115.

CAMPANHA DA SOBRAPAR

O Hospital Sobrapar, em Campinas, lançou campanha para arrecadar fundos e aumentar o número de cirurgias de grande porte em crianças e adolescentes com anomalias craniofaciais. Os interessados podem doar 7 reais (ligando para 0500-1234007), 15 reais (0500-1234015) ou 30 reais (0500-1234030). A campanha vai até 31 de dezembro. Depois dessa data, as doações podem ser feitas por meio do site www.sobrapar.org.br

MODA E DESFILE DO BEM

A ONG Assistência à Saúde de Pacientes com Epilepsia (Aspe) está promovendo o 1º Concurso de Moda e Desfile “Fashion Purple Day”. O evento está marcado para 26 de março, dia mundial de combate à doença, em Campinas. Podem se inscrever, até 9 de janeiro, estudantes de ensino superior ou escola técnica na área de moda e interessados em apresentar projetos de cor roxa. Inscrições e mais informações: www.aspebrasil.org

DOAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA

O Centro Promocional Tia Ileide (CPTI), de Campinas, está promovendo campanha para manutenção das atividades socioeducativas com crianças e adolescentes assistidos pela entidade. Até 30 de dezembro, pessoas físicas e jurídicas podem destinar de 1 a 6% do Imposto de Renda por meio do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Mais informações: (19) 3781-8093 ou (19) 7803-4443.

LOJA DA ACESA CAPUAVA

A ONG Acesa Capuava montou sua primeira loja oficial, no Shopping Valinhos, com objetivo de obter renda para a entidade que se mantém com ajuda de colaboradores e doadores. O catálogo possui camisetas, itens de papelaria, aromatizantes e produtos feitos por voluntários. A entidade, que atende pessoas com autismo, está localizada na Fazenda Capuava, antigo lar do arquiteto, pintor e desenhista Flávio de Carvalho, em Valinhos.

DEZEMBRO/2016

Dr. Orestes Mazzariol Sexo pós-menopausa A saúde sexual é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um estado de saúde física, bem-estar emocional, mental e social relacionado à sexualidade, não apenas à ausência de disfunção ou enfermidade. Nos dias de hoje, a mulher passa um terço de sua vida depois da menopausa. A deficiência do hormônio estrogênio é conhecida por ser o principal mecanismo fisiopatológico subjacente aos sintomas da menopausa e às disfunções sexuais. Mas há efeitos sobre outros órgãos e tecidos – cérebro, pele, seios, músculos e esqueleto. Alguns pontos importantes devem ser considerados. A sexualidade é parte integrante da vida saudável. Não deveria abruptamente chegar ao fim com o início da menopausa. A satisfação com diferentes aspectos do sexo é fortemente associada à saúde geral

e à qualidade de vida. A disfunção sexual feminina na menopausa tem raízes em uma ampla gama de fatores. A menopausa, em si, representa um evento biológico precipitante. Discussões abertas considerando as diferenças culturais, sociais e crenças parecem ser as etapas mais críticas para uma gestão terapêutica eficaz da disfunção sexual feminina. Há uma tendência de supor que as mulheres perdem interesse no sexo após a menopausa, mas muitas mulheres de meia-idade declaram que o sexo é elemento extremamente importante em sua vida. Grande progresso tem sido feito ao longo dos últimos anos demonstrando que problemas sexuais começam antes ou depois do início da menopausa, e não simplesmente com a menopausa ou o aumento da idade.


7

JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

Bom trânsito para nós! Marks Pintija

Motoristas de fim de ano Chegamos a mais um dezembro e, como costume da sociedade atual, já é possível perceber as pessoas terem pressa em seus afazeres. É como se estivessem prestes a mudar de fase de um jogo. Desde sair de casa para o trabalho, os compromissos entre profissionais, até mesmo aquela procura por algo em lojas, resolver pendências nos bancos ou contratar a mão de obra que estava parada o ano inteiro. Tudo passa a ser feito na correria, porque literalmente não vai dar tempo. É aí que podemos refletir sobre o trânsito. As pessoas se deslocam de forma mais irracional para tentar resolver essas tarefas, deixam de calcular se será possível chegar a tempo ao destino e, ao perceberem essa dificuldade, mudam o comportamento e passam a ter enfrentamento de espaço, tudo pela necessidade de vencer a sua busca particular em resolver um mero assunto que só diz respeito a ela.

Vale refletir para não se fazer o mesmo, seja conduzindo um veículo ou mesmo a pé. O estresse por uma vaga de estacionamento, trafegar no máximo por uma ou duas quadras em quase dez minutos, certamente isso não vai melhorar sua vida, e pode afetar sua saúde mental. Essa relação pedestre x veículo não vai deixar de existir, e com ela os conflitos e esbarrões também não. Será que vale a pena aceitar isso? Procure racionalizar seus trajetos neste mês de dezembro, resolvendo mais assuntos em menos viagens, ou mesmo tente ser coletivo dividindo caronas com outros colegas. E claro, sem esquecer a possível viagem de férias. Aplique este mesmo conceito o máximo de tempo, porque afinal de contas, nada é mais importante que em janeiro dar as mãos a sua família e fazer um novo ano juntos e com serenidade. Marks Pintija é especialista e educador em trânsito

Papa Francisco Gostaria de indicar, para leitura, a carta encíclica do sumo pontífice Francisco, Laudato Si – Louvado Seja. Fala sobre o meio ambiente e a preocupação do papa com os destinos da natureza. Veja uma pequena amostra: “As previsões catastróficas já não se podem olhar com desprezo e ironia. Às próximas gerações, poderíamos deixar demasiadas ruínas, desertos e lixo. O ritmo de consumo, desperdício e alteração do meio ambiente superou de tal maneira as possibilidades do planeta, que o estilo de vida atual – por ser insustentável – só pode desembocar em catástrofes, como, aliás, já está acontecendo periodicamente em várias regiões. A atenuação dos efeitos do desequilíbrio atual depende do que fizermos, agora, sobretudo se pensarmos na responsabilidade que nos atribuirão aqueles que deverão suportar as piores consequências.” (pág. 97). Noutro momento (páginas 39 e 40), papa Francisco expressa: “Ao mesmo tempo cresce uma ecologia superficial ou aparente que consolida certo torpor e uma alegre irresponsabilidade. Como frequentemente acontece em épocas de crises profundas, que exigem decisões corajosas, somos tentados a pensar que aquilo que está

prestes a acontecer não é verdade. Se nos detivermos na superfície, para além de alguns CLÉLIO BERTI sinais visíveis Diretor da de poluição e Uni-Yôga Flamboyant degradação, parece que as coisas não estão assim tão graves e que o planeta poderia subsistir ainda por muito tempo nas condições atuais. Esse comportamento evasivo serve-nos para mantermos os nossos estilos de vida, de produção e consumo. É a forma como o ser humano se organiza para alimentar todos os vícios autodestrutivos: tenta não vê-los, luta para não reconhecê-los, adia as decisões importantes, age como se nada tivesse acontecido.” Perceba que as previsões catastróficas, antes, apenas propaladas por movimentos ecologistas radicais, estão na encíclica. Em resumo: podemos caminhar, alegremente, para o caos e catástrofe ou podemos fazer algo verdadeiro. As sementes que jogamos ao chão serão os frutos que colheremos. A encíclica permite uma reflexão profunda sobre o meio ambiente e, quiçá, propicie mudanças na vida cotidiana.

Vícios: prejuízo na vida social e profissional Mario Louzã

V

ício, seja ele químico (provocado por droga, álcool, tabaco e até medicamento) ou comportamental (jogo, compras, sexo ou internet), se caracteriza por uma compulsão, ou seja, um ato sem controle por parte da pessoa, muitas vezes percebido como um ato indesejado. O vício (ou dependência) apresenta três aspectos: o desejo intenso (“fissura” ou “craving”) pelo elemento do vício; a abstinência, com sintomas como ansiedade; agitação; irritabilidade devido à falta do elemento do vício; e tolerância, quando a pessoa precisa de doses cada vez mais altas (ou atos cada vez mais intensos ou frequentes) para obter a mesma sensação de prazer. A pessoa pode se viciar em algo quando, ao experimentar o e-

lemento (tomar uma droga, jogar), o cérebro ativa um circuito neuronal chamado “sistema de recompensa”. A estimulação repetitiva deste circuito retroalimenta o desejo de estimulá-lo, gerando o vício. Aspectos psicossociais e culturais podem influenciar o comportamento da pessoa viciada (dependente), perpetuando o círculo vicioso da dependência, seja química ou comportamental. Os princípios gerais do tratamento de vícios são parecidos. A primeira conduta é obter a “abstinência”, o que não é fácil, pois a síndrome de abstinência gera uma sensação de total desconforto pela falta do elemento. A vontade incontrolável de tê-lo novamente pode fazer com que ele o busque a qualquer custo, se não estiver 100% empenhado no tratamento.

Nos primeiros dias da privação, a pessoa pode se sentir ansiosa, inquieta, insone, depressiva e irritável. Se os sintomas de abstinência (química) forem muito intensos, é possível que o médico indique medicações para aliviar o mal-estar ou até mesmo uma internação em uma clínica especializada (que dará segurança ao dependente e apoio 24 horas por dia). O período mais difícil de abstinência dura

cerca de semanas, até que a pessoa esteja “desintoxicada”. Abordagens psicoterápicas são utilizadas para auxiliar o dependente a lidar com a ausência do elemento do vício. A psicoterapia pode ajudá-lo também a entender a origem do vício, como lidar com os fatores que podem ter gerado este problema e quais alternativas adotar para se livrar do vício. É importante que os familiares se envolvam com o tratamento, que participem das orientações e/ou que façam psicoterapia familiar, que ajudará a própria família a entender melhor o problema e a lidar com o dependente da forma mais acolhedora possível. Mario Louzã é médico psiquiatra, doutor em medicina pela Universidade de Würzburg (Alemanha) e membro filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo


JORNALZEN

8

A mensagem do coração Há milênios, um gransão espiritual. Cristo de mestre trouxe uma fala de amor, commensagem de amor e paixão, perdão e seus espiritualidade para os grandes ensinamenocidentais. Mensagem tos remetem ao deque já era conhecida senvolvimento do chae difundida pelos pocra do coração. vos do Oriente muito Passaram-se 2 mil tempo antes. anos e ainda a maioA mensagem de MÁRCIO ASSUMPÇÃO ria de nós tem dificulCristo é voltada inte- Professor de ioga e diretor dade em vivenciar os gralmente para o cora- do Instituto de Yogaterapia ensinamentos de um ção das pessoas e com grande mestre. Celeisso podemos fazer uma analo- bramos o Natal, mas será que gia com a teoria dos chacras que entendemos o significado desé difundida pelo yoga. sa celebração? Será que soOs chacras não são apenas mos capazes de pelo menos centros de energia, mas são ca- por uma noite, amarmos uns nais vitais evolutivos que fazem aos outros? Será que somos a comunicação entre as cama- capazes de perdoarmos ou das físicas e sutis do indivíduo. termos compaixão por nós Eles interferem nos aspectos mesmos e pelos outros? Será mentais, emocionais e energé- que estamos preparados para ticos de cada um de nós. ouvirmos nosso coração? SeComo uma flor que abre no rá que por um segundo podetempo certo, cada um de nós mos deixar nosso coração pupossui um nível de abertura ro como o de uma criança e relativo a determinado chacra. deixarmos nossos preconceiSegundo a teoria, existem mi- tos e diferenças de lado? lhares de centros de energia A maioria das pessoas renas camadas sutis do campo e- presadas em seu próprio egonergético e dentro deles exis- ísmo foge do amor natalino: tem sete grandes centros de- comem sem parar; bebem nominados mahachakras. até cair e muitas vezes usam A maioria das pessoas, por o momento de fim de ano estarem mais voltadas para o para despejarem nos outros cotidiano e para as dificuldades a sua amargura e desamor. materiais, acaba se conectando Natal é o nascimento de Jemais facilmente com a energia sus, o momento mais auspidos chacras inferiores, porém cioso para nós, ocidentais, possuem uma dificuldade imen- entramos em contato com o sa em acessar os superiores. chacra do coração. A mensagem de Cristo é toNão tenha medo de amar da voltada para o chacra car- e ser amado. O amor pode díaco, onde, segundo os yo- transformar a sua vida. Não gues, começa a abertura para perca essa oportunidade. o autoconhecimento e ascenFeliz Natal.

DEZEMBRO/2016

UNIVERSO DIGITAL

Amanda La Monica

Para ser destaque, saia do foco Passada esta última Black Friday, confirmei minha teoria de que para você estar em destaque precisa sair do foco do momento. Na sexta-feira de Black Friday, recebi e-mails com promoção de milhares de lugares, cada um com sua promoção especial. O que aconteceu? Era tanta informação que simplesmente não consegui abrir um sequer, fui apenas excluindo. Pode ser que ali no meio houvesse promoções que me interessariam, mas no meio de tantas outras, elas perderam a oportunidade. Já as empresas que fizeram promoção durante o mês de novembro todo ou na segunda-feira após a Black Friday venderam melhor. Suas promoções foram abertas pelos internautas, já que, provavelmente, só

havia o e-mail dessa empresa para analisar e comprar. Por exemplo, agora em dezembro, minha empresa promoverá o Digital December, um mês todo com descontos especiais em alguns serviços, para quem não gastou na Black Friday. Falo o mesmo sobre horários de pico e melhores dias para postagem de conteúdo, segundo os dados gerais dos usuários. Se todo mundo postar seu conteúdo ao mesmo tempo, seguindo os picos gerais de audiência, será tanta informação para o público que o efeito será contrário. Por isso, a minha dica de hoje é: encontre o pico de audiência de sua empresa através dos dados de navegação de seu site e de suas páginas nas mídias. Estes são os dados mais valiosos.


JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

Marcelo Sguassábia Nem queira saber o que acontece lá dentro A nossa sociedade secreta pode ser tudo, menos secreta. Paradoxalmente, só nos popularizamos a partir do momento em que alguém começou a inventar e a espalhar que tínhamos um rol infinito de segredos guardados a sete chaves. Ou seja, aquilo que presumivelmente calávamos é que fez com que caíssemos na boca do povo. A especulação sobre quem somos e o que fazemos não cessa. Falam de fantasiosos símbolos, adereços, elementos com significados ocultos. Dizem que o que se faz em nossa sede, dos rituais de iniciação (nem sabemos o que é isso) ao conselho magno sacerdotal (heim???), inclui derramamento de sangue e lágrimas, sacrifícios de animais em altares de marfim e até uma misteriosa escrita em código, da qual se tenta inutilmente desvendar a sintaxe. Com toda a sinceridade, é desconcertante e vexatório ter que revelar a esses bisbilhoteiros – gente que chega aqui em nossa sede arfando por revelações bombásticas e decifrações de enigmas – que não existe segredo algum naquilo que fazemos. E quanto mais afirmamos essa simples e cristalina verdade, mais esse povo pensa que estamos despistando e guar-

dando insondáveis mistérios somente para nós. Queremos apenas ajudar ao próximo, e essa missão de servir é vista pelos maledicentes como uma espécie de “falso propósito”, de conversa pra boi dormir. Se não cobramos nada de quem quer que seja, inventam que é porque somos tão ricos e não temos mais onde enfiar dinheiro. Se nos reunimos às quartas-feiras, às 7 da noite, começam a elocubrar significados cabalísticos e numerológicos, relacionando aritmeticamente o dia da semana ao horário: o 4 da quarta mais o 7 da noite é igual a 11, assim como 11 é a numeração da sede, da mesma fora que 11 lembra as duas palmeiras plantadas simetricamente em frente ao templo, de onde se deduz que o 11 do Palmeiras entrou no time por influência de alguém graúdo do templo, eleito por 11 encapuzados para cumprir um mandato de 11 anos, renováveis por mais 11. Enfim, chegamos à conclusão de que é inútil qualquer tentativa nossa de rebater tantas imbecilidades e calar a boca dos desocupados que as formulam. Até mesmo este texto será motivo para que criem uma maluca teoria da conspiração, na qual algumas palavras contidas nele formam uma mensagem ultrassigilosa, que só uns poucos eleitos saberão decifrar. Algo ligado ao fim do mundo ou coisa parecida. Tsc, tsc. Melhor parar por aqui. Marcelo Sguassábia é redator publicitário

Constelação Familiar – a cura nas relações JANAÍNA CAMPOS, psicoterapeuta sistêmica e consteladora

Muitas vezes queremos fazer uma mudança em nossa vida e por mais que nos esforcemos não conseguimos. Pode ser em relação a uma característica pessoal, um modo de ser ou até acontecimentos que se repetem. A dificuldade em mudar, fazer ou ser diferente pode ter raízes ancestrais. Nossa história começa antes mesmo do nascimento. A mãe, o pai, os familiares têm expectativas, medos e anseios relacionados às nossas vidas desde que estamos sendo gerados, algumas vezes antes mesmo da concepção. Quando somos bebês é uma questão de sobrevivência sermos amados – ou ao menos vistos – totalmente dependentes do cuidado de alguém. Essa necessidade continua existindo no decorrer de nossas vidas, consciente ou inconscientemente, mesmo quando já adultos. Nós buscamos o pertencimento repetindo as histórias de nossos ancestrais, mesmo que não tenhamos consciência delas. Recebemos de nossos antepassados uma memória que inclui padrões de comportamento, crenças e medos que foram válidos naquele contexto, mas tornam-se limitantes no presente. Por lealdade, carregamos hábitos que nos prejudicam e não fazemos a mudança em direção à alegria. Isso porque uma parte de nós sente que ultrapassar essa dor é uma ameaça para o nosso ser. A sensação é a de que, se mudarmos, deixamos de fazer parte do sistema e não vamos receber o amor. Assim, a origem da maior parte de nossos bloqueios e empecilhos tem a ver com o fluxo do amor. Esse fenômeno foi estudado por Bert Hellinger, que criou as Constelações Familiares. Trabalhando com casais e famílias ele percebeu que para o amor fluir no sistema existe uma ordem que se baseia em três leis: 1- todos têm o mesmo direito de pertencer ao sistema; 2- é preciso um equilíbrio entre dar e receber; e 3- a hierarquia de tempo deve ser respeitada – o fluxo acontece dos mais velhos para os mais novos. Na maior parte dos sistemas essa ordem foi violada de inúmeras formas. Isso faz com que os membros do sistema vivenciem a família como fonte de fraqueza, prisão e confusão. O que fazemos nas Constelações é trazer os membros da família representados no aqui/agora. Os elementos inconscientes vão sendo revelados: segredos e bloqueios que decorrem de sentimentos que ficaram congelados, não expressos por medo de não receber o amor. A verdade volta para o sistema e assim há uma liberação de cada pessoa envolvida no enredo. Trazemos a música como um recurso precioso para tirar a mente do comando e movimentar as emoções. A intenção é refazer as margens do rio, para que as águas do amor voltem a fluir com abundância, naturalmente. Quando curamos nossas relações com os antepassados o fluxo se restabelece e podemos receber de nossas raízes a força e a energia vital que nos pertence.

9


10

JORNALZEN

Quiropraxia para dores de cabeça Você tem muita dor de cabeça? Se sua resposta for sim, saiba que você não está sozinho. Pelo menos 63 milhões de brasileiros de todas as idades sofrem com dores de cabeça frequentes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca está entre as 20 doenças que mais prejudicam a vida saudável de suas vítimas quando se mede a quantidade de anos que ela incomoda. VITÓRIA LUMERTZ e ANDRÉ GATTI ALVES As dores de cabeça têm muitas causas, ou “gatilhos”. Estes podem incluir os alimentos, os estímulos ambientais (ruídos, luzes, stress, etc.) e/ou comportamento (insônia, exercício excessivo, preocupação) e fisiológicos como (os níveis de açúcar no sangue, oscilação hormonal, etc). Muitas das dores de cabeça são sinais de alerta causado por problemas físicos. Dentre os tipos de dores de cabeça, as mais comuns são: as cefaleias primarias (enxaqueca e tipo tensional) e as cefaleias secundárias (cefaleia cervicogênica). A enxaqueca apresenta-se com dor pulsátil e intensa que chega a causar náuseas e vômitos. Os sintomas costumam piorar com a claridade e o barulho. Normalmente a pessoa percebe que terá a dor antes da crise, ela vê manchas ou pontos luminosos e/ou sente cheiros diferentes. A causa da enxaqueca ainda não é bem definida, mas o que se conhece bem são fatores desencadeantes, que podem ser desde alimentos embutidos e bebidas alcoólicas, estresse e alterações hormonais. Já a cefaleia cervicogênica é um tipo bem mais comum, e sua causa é associada à má postura, tensão muscular e disfunções nas articulações da cervical (pescoço). Esses fatores causam estímulos dolorosos que são enviados ao cérebro e entendidos como “dor de cabeça”. Ela é, portanto, uma dor no pescoço, que é entendida pelo cérebro como uma dor “na cabeça”. Ela normalmente é menos intensa que a enxaqueca e “palpável”: é possível identificar (pegando ou pressionando) a área principal que dói e desencadeia a dor para outras áreas. Estudos mostram que a quiropraxia é uma opção de tratamento para dores de cabeça, é uma forma segura, não invasiva, para aliviar o sofrimento sem o uso de medicação. Como a quiropraxia trata disfunções neuromúsculo-esqueléticas, ela tem resultados muito bons no tratamento de dores de cabeça principalmente da cefaleia cervicogênica. Em muitos casos uma disfunção articular é a causa da tensão muscular que inicia os sintomas (não adiantando apenas alongar, massagear ou tomar medicamento), então é preciso agir na causa: é necessária a remoção da disfunção “subluxação vertebral” por meio do ajuste feito pelo quiropraxista. A melhora então ocorre de dentro para fora: com o movimento normal da articulação há a normalização do tônus muscular, o que permite uma melhor amplitude de movimento do pescoço e favorece uma boa postura, diminuindo sensações dolorosas. Pesquisas feitas por quiropraxistas e médicos demonstraram que os resultados obtidos com o tratamento feito pela quiropraxia são compatíveis com o de medicamentos usados no tratamento destas dores. Isso mesmo! É possível a melhora destes sintomas sem o uso de medicamentos! E lembre-se: a quiropraxia sempre vai cuidar do seu corpo como um todo para manter sua saúde em dia.

DEZEMBRO/2016

Padre Haroldo Feliz Natal num estábulo “Senhor, tu me examinas e me conheces, sabes quando me sento e quando me levanto. Penetras de longe meus pensamentos, distingues meu caminho e meu descanso, sabes todas as minhas trilhas. A palavra ainda não chegou à língua, e tu, Senhor, já a conheces todas.” (Sl 139, 1-4) Concede-me neste Natal tua graça, Jesus, em tua grande bondade. Que a sua graça e amor estejam comigo e trabalhem comigo (Sb 9, 10). Também permaneçam comigo até o fim. Dá-me a desejar e querer sempre o que é mais agradável e o que tu preferes. Que tua vontade seja a minha e que minha vontade siga sempre a tua e ela se acomode perfeitamente. Que seja uma coisa só para mim querer ou não querer. E que eu não possa querer nem recusar, a não ser o que queres ou recusas. José e Maria procuravam uma hospedagem em todo lugar e a certa altura, José se desesperou: “Veja”, exclamou. “Minha mulher está prestes a ter um filho!” O homem com quem ele falava olhou para Maria e percebeu que o bebê estava para nascer. “Sim”, disse ele. “Você precisa achar rapidamente um lugar. Minha hospedaria já está cheia, mas como necessita de um lugar com tanta urgência, pode ficar no estábulo. Lá, pelo menos estará abrigado e longe da multidão. Duvido que encontre outro lugar a tempo.” José agradeceu e se apressou para levar Maria até o estábulo.

Assim que a acomodou, José relaxou. Não estava contente por Maria ter o filho naquele lugar, naquela circunstância, mas não havia escolha. Foi uma longa noite. Quando o bebê nasceu, José ajudou Maria como pôde. Enfim, ele segurou o pequenino em seus braços e o entregou a Maria. Ela olhou para José com lágrimas nos olhos e disse: “Este é Jesus”. “Por trás e pela frente me envolves e pões sobre mim a tua mão. Para mim, tua sabedoria é grandiosa, alta demais, eu não a entendo. Para onde irei, longe do teu espírito? Para onde fugirei da tua presença? Se subo ao céu, lá estás, se desço ao abismo, aí te encontro. Se utilizo as asas da aurora para ir morar nos confins do mar, também lá tua mão me guia e segura tua mão direita.” (Sl 139, 5-10) Meditemos sobre a presença divina: O salmo acima citado melhor revela a onipresença. Deus fala: “Estou em todos os lugares, e não podes fugir de mim. Jamais penses que poderás colocar alguma distância entre mim e ti. Me encontrarás por toda a parte. Nunca sofrerás de solidão enquanto eu ocupar o primeiro lugar do teu coração. Graças a minha presença, podes te sentir em casa não importa onde estejas”. Deus, amor eterno em Jesus, também está numa manjedoura! Feliz Natal! Haroldo Rahm é presidente emérito do Instituto Padre Haroldo hrahmsj@yahoo.com


Consciência humana Amadeu R. Garrido de Paula

O

homem tem consciência, é dizer, percebe quais são os efeitos dos atos da humanidade e de seus próprios. É o que o distingue de seus companheiros do reino animal. No entanto, essa consciência, em geral, não aflora imediatamente ao limiar da psique. Muitos fatos negativos se sucedem e suas consequências são aceitas com banalidade. O mal, assim, persevera. É preciso que um evento de forte impacto, não raro, seja a chama que desperta a consciência. Assim aconteceu com o triste, dolorido para os brasileiros e mesmo para estrangeiros, acidente aeronáutico que envolveu o bravo time do Chapecoense e sua comitiva. Algo que, aparentemente, não se justifica ante um Deus benevolente, que nos fez para sermos felizes. Mas é preciso atentar aos dizeres do crucificado: “os desígnios de meu pai são inescrutáveis”. Com efeito, nossa vida está envolta numa camada cinzenta e misteriosa, que nos impede de compreender o sentido último do mundo e da vida. Daí a filosofia, a teologia, a psicologia. Talvez nossa juventude histórica ainda nos impeça de maior clarividência; talvez deva ser assim até o final dos tempos. O que há de certo é que não caminhamos como cegos. Deus nos concedeu o livre arbítrio, que é direito e responsabilidade. Direito de refletir e produzir coisas maravilhosas. Responsabilidade porque, se não refletimos, corremos o sério risco de sair perdedores. As forças naturais

11

JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

não perdoam agravos e respondem de modo implacável. O acidente que abalou o Brasil escancarou o lado humano. Esperemos que não seja um sentimento efêmero. Passamos por uma séria crise política e institucional, mas a turbulência subjacente entre o povo é produto de nuvens muito mais carregadas. As mortes no Brasil são banalizadas, principalmente nas “arenas” urbanas. Fiquemos no trânsito, para não abordar coisas piores, que produzem mortes diuturnas. São motociclistas que arriscam suas vidas, por irresponsabilidade ou pela avidez de entregar um papel, muitas vezes irrelevantes, em atividade cercada de cegas competições entre empresas. São ônibus que ralam pedestres, como se fossem pedras a serem afastadas do caminho. Que o lamentável exemplo fique como alerta de que o homem é animal social, que não sobrevive fora da sociedade. Todos executam suas funções e todos são interdependentes. Assim, a morte inesperada ou acidental de um ser humano desloca um dos pontos de equilíbrio da vida. Se o impacto dos chapecoenses sobre as consciências trouxer um mínimo de clarividência a nosso povo, poderemos dizer que as mortes não foram absolutamente vãs; devem ser choradas eternamente, até porque foram antinaturais e plenamente evitáveis, porém, no ainda desconhecido movimento cósmico, terão deixado uma terrível mensagem. Amadeu Roberto Garrido de Paula é advogado e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas

A MENTE FALA... “Conheça a ti mesmo” Esta é uma série na qual você, leitor, poderá participar ativamente enviando suas perguntas. A cada edição, uma pergunta será selecionada e respondida. Vamos começar? Como encontrar prazer em nosso trabalho, em nossa função diária? Com o passar do tempo, algumas pessoas sentem que o trabalho que escolheram para executar em uma fase da vida já não satisfaz mais. Como uma sensação de que o que se faz não gera mais ânimo, uma sensação de repetição, o famoso mais do mesmo. Em outros casos, a sensação é a de não valorização, aquele momento em que você sente que faz e ninguém reconhece seu real potencial ou capacidade. Outras vezes, a sensação é de que está tudo certo, mas poderia estar ainda melhor. O que dificilmente vemos é que por trás disso existe uma ânsia existencial de sermos recompensados por aquilo que somos. E ai que começam as dúvidas, já que o que somos muitas vezes não está claro, nem mesmo para nós. Sou mesmo competente? Sou capaz de absorver os novos desafios? Sou criativo o bastante? Sou um bom funcionário ou um bom em-

preendedor? Sei valorizar as pessoas que trabalham comi- FERNANDA PONZETO go? Sou ouvin- Coach de autoconfiança te para meus cli- pessoal e profissional entes? Sou cuidadoso com os processos que crio? Aceito as ordens que me entregam? Como alterar este ciclo? Se você está consciente de todas as suas competências positivas e a melhorar, começa, então, a compreender com mais clareza a sua fase atual e a construir um plano de vida pessoal e profissional com mais autenticidade. “Conheça a ti mesmo”, uma frase histórica estabelecida no templo de Delfos, e que vem provar a cada dia que só podemos encontrar satisfação naquilo que fazemos diante daquilo que realmente somos e valorizamos em nós. Participe da nossa coluna, enviando sua pergunta para atendimento@ellevari.com, inserindo no assunto: A Mente Fala. Ou entre em contato conosco e descubra como a metodologia exclusiva da Ellevari pode ajudar a transformar a sua vida pessoal e profissional. Até a próxima!


12

JORNALZEN

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-papo

P

ensei, ao escrever nosso último Bate-Papo de 2016, em passar para vocês muitas ideias gostosas para as ceias. E foi o que fiz! Você encontrará aqui receitas para todos os gostos. Para aqueles que não abrem mão de um crocante pernil, até para os que já estão num outro patamar e não comem mais carne vermelha. As sobremesas também estão bem variadas e têm até para os adeptos do novo estilo lowcarb. Ah, sem esquecer as castanhas portuguesas assadas, prática tão comum nos países europeus, que são vendidas nas ruas, anunciando as festas de final de ano e o rigoroso inverno. Espero que seu Natal seja um encontro familiar dos mais prazerosos. Calmo, feliz e alegre. E que 2017 seja um ano de muita saúde, que não falte trabalho e dinheiro e que você tenha grandes realizações em todos os setores da sua vida! Tim-tim!!

FORNO & FOGÃO ESPECIAL Castanha portuguesa assada (receita original de Portugal) Ingredientes: • 1 kg de castanha portuguesa • 1 colher (sopa) de sal grosso Modo de fazer: Preaqueça o forno a 200°C. Com uma faca afiada, dê um golpe nas cascas

das castanhas e deixe-as de molho em água, durante dez minutos. Num tabuleiro de forno, disponha as castanhas numa só camada, salpicando-as com o sal grosso. Leve as castanhas ao forno durante 30 minutos ou até as cascas se abrirem.

Lascas de tender ao catupiry Ingredientes: • 1 kg de tender cortado em lascas grandes (ou peru, bacalhau, frango) • 500 ml de leite quente • 2 colheres (sopa) de farinha de trigo • 2 colheres (sopa) de manteiga • 250 g de catupiry • 100 g de queijo parmesão ralado Modo de fazer: Num recipiente, colo-

que a manteiga para derreter e mexa rapidamente a farinha. Devagar incorpore o leite, mexendo para não empelotar. Deixe ferver e quando começar a engrossar, coloque o catupiry. Misture bem e acerte o sal. Em um refratário, coloque o tender em lascas e por cima derrame o creme. Polvilhe o queijo parmesão e leve ao forno alto (250°C) até gratinar.

DEZEMBRO/2016

Berinjela recheada com lentilha Ingredientes: • 3 berinjelas • 1 ½ xícara (chá) de lentilha cozida e temperada • Azeite a gosto • 2 dentes de alho amassados • 4 tomates maduros • Manjericão fresco • Sal e pimenta a gosto • ¾ xícara de tofupiry Modo de fazer: Lave e corte as berinjelas ao meio, no sentido do comprimento. Retire a polpa com a ajuda de uma colher, cortando-a depois em cubos. Reserve. Deixe as metades das berinjelas mergulhadas em água e sal. Doure o alho em três colheres de azeite. Refogue os cubos de berinjela até ficarem macios.

Adicione os tomates sem casca e sementes picados e alguns ramos de manjericão. Deixe cozinhar por uns 15 minutos ou até que fique um molho encorpado. Verifique o tempero e reserve. Retire as berinjelas da água lavando uma a uma e secando, em seguida, em papel toalha. Montagem: Preaqueça o forno a 200°C. Coloque a lentilha nas cavidades da berinjela. Salpique pimenta e regue com o azeite. Cubra com o molho e, por último, colheradas de tofupiry. Leve para assar coberto com papel alumínio por 30 a 40 minutos. Verifique se está macio, retire o papel alumínio e volte ao forno por mais dez minutos ou até gratinar.

Pernil com crosta de castanha de caju Ingredientes: • 1 pernil sem osso de 2 kg • 1 xícara (chá) de vinho branco seco • 4 dentes de alho • 1 cebola • 1 folha de louro + 1 ramo de alecrim fresco • 1 colher (sopa) de mostarda • Sal e pimenta a gosto • 50 g de margarina Crosta de castanha: • 1 xícara (chá) de castanha de caju • ½ xícara (chá) de mel Modo de fazer: Bata no liquidificador o vinho, alho, cebola, louro, alecrim e a mostarda. Coloque o pernil num recipiente

e regue com esse tempero batido. Tempere com sal e pimenta. Deixe a carne tomar gosto por umas três horas, virando-a de vez em quando. Numa forma refratária, coloque o pernil e regue com os temperos, espalhando margarina sobre a carne e cubra-a com papel alumínio. Leve ao forno preaquecido a 150°C por uma hora e quarenta minutos. Retire o papel e deixe no forno até dourar. Em seguida, espalhe a castanha misturada com o mel. Deixe mais uns dez minutos. Se quiser, enfeite com pêssegos em calda ou fatias de laranja antes de levar à mesa.

Christmas fruitcake (uma espécie de panetone da culinária americana) Ingredientes: • 350 ml de água fervente • 250 g de frutas cristalizadas • 2 colheres (sopa) de manteiga • 380 g de açúcar • 1 ovo • 1 colher (chá) de sal • 1 colher (chá) de baunilha • 1 colher (chá) de fermento em pó • 2 colheres (chá) de bicarbonato de sódio • ¼ colher (chá) de canela em pó • 350 g de farinha de trigo • 60 g de nozes (ou castanha-do-pará)

Modo de fazer: Misture as frutas e despeje a água fervente. Acrescente a manteiga e deixe esfriar. Adicione o açúcar, o sal, a baunilha e o ovo e reserve. À parte, misture a farinha, a canela, o fermento e o bicarbonato, peneirando todos juntos. Aos poucos, adicione a mistura de farinha à mistura anterior. Acrescente as nozes (ou as castanhas). Incorpore tudo e leve para assar em forma untada e enfarinhada, por uns 50 minutos.

Mousse de limão lowcarb Ingredientes: • 1 lata de creme de leite gelado e sem soro • 1 pote de iogurte grego (sem açúcar) • Suco de 4 limões • Adoçante de sucralose a gosto • Raspas de limão

Modo de fazer: Bata na batedeira todos os ingredientes por dois minutos. Despeje em potinhos, leve ao freezer por cinco minutos e sirva com as raspas do limão.


JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

Preparo para a longevidade Cristiane Peixoto

É

muito comum medirmos as coisas e as pessoas com a régua dos outros. Nesse sentido, frases como “minha mãe não fazia nenhum exercício, comia o que queria, e morreu lúcida aos 90 anos”, ou “agora não tenho tempo para fazer atividade física” fazem cada vez mais parte do vocabulário coletivo. Sim, afinal, hoje em dia, a tecnologia, a internet, os aplicativos furtivos e as inúmeras tarefas de toda mãe e pai que se atrevem a trabalhar ou todo profissional que se aventura a ser pai ou mãe criaram um cenário no qual rotinas de exercícios físicos não mais se encaixam. Mas, como era o estilo de vida dessa senhora que morreu lúcida aos 90 anos? Sem dúvida, tinha uma rotina muito mais ativa, sem tantos botões, tanta facilidade para deslocar-se sobre rodas, usar escadas rolantes, sem tanta coisa para fazer no computador ou com o pescoço torto a espiar um celular. A alimentação dessa senhora de 90 anos era muito melhor e o nível de estresse, bem inferior. Ela podia ser mãe ou profissional, dificilmente tinha que conciliar as duas tarefas. Com todo es-

se cenário, será mesmo que podemos esperar que a “genética” preveja o que podemos esperar do futuro em termos de saúde e qualidade de vida? Passamos uma vida inteira usando a ‘máquina’, sem oferecer-lhe o cuidado necessário para que tudo permaneça em bom estado. Com o passar do tempo, o corpo começa a dar sinais de que não está digerindo bem o nosso mau uso, até que surgem as doenças, lesões e a perda da funcionalidade. O balanço de uma vida não é favorável a um bom saldo: muito sofá, pouca água, muito carboidrato refinado, poucas verduras, muito açúcar, pouca proteína, muito eletrônico, pouca interação social, muito cansaço, pouca aventura...e quem leva a culpa é a idade! Evidências científicas têm associado cada vez mais as perdas funcionais ao estilo de vida. Então, não seria mais justo dizer que você está assim por causa da negligência? Já parou para se perguntar como seria se, em vez de usurpar seus recursos sem piedade, você tivesse cuidado, diariamente, da sua máquina? Cristiane Peixoto é mestre em Educação Física no Envelhecimento pela Universidade de São Paulo (USP)

13


14

JORNALZEN

CULTURAZEN

DEZEMBRO/2016 Divulgação

Amanda La Monica

Integrantes da entidade Sociedade Amigos da Vida que atuaram como voluntários na segunda edição do Zen Festival

Coral da Universidade Mackenzie apresentou em Campinas o musical Natal, um Grito de Paz com 350 vozes de igrejas e convidados de cidades da região Divulgação

Divulgação

Participantes e organizadores da 1ª Corrida e Caminhada da Acessibilidade, promovida em parceria com o projeto Pernas de Aluguel em prol da Casa da Criança Paralítica, que atende crianças e adolescentes em Campinas

Presépio feito com garrafas PET pela equipe da Ecobrinquedoteca do Parque, que funciona na unidade do Instituto Biológico em Campinas


DEZEMBRO/2016

JORNALZEN

MANDALA PARA PINTAR - SONIA SCALABRIN -

Recebemos colaborações para este espaço. Envie sua mandala para contato@jornalzen.com.br

PARA ASSINAR OU ANUNCIAR, LIGUE: (19) 3044-1286 / 99109-4566 OU ACESSE: www.jornalzen.com.br

15


16

JORNALZEN

DEZEMBRO/2016

Profile for JORNALZEN

Jornalzen Dezembro 2016  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há onze anos no mercado, circula e...

Jornalzen Dezembro 2016  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há onze anos no mercado, circula e...

Advertisement