__MAIN_TEXT__

Page 1

JORNALZEN ANO 12

AGOSTO/2016

AUTOCONHECIMENTO

Nº 138

BEM-ESTAR

www.jornalzen.com.br

CIDADANIA

CULTURA

SAÚDE

Divulgação

MAESTRO EM VALINHOS O maestro João Carlos Martins e a Orquestra Camerata Bachiana farão apresentação aberta ao público dia 13, na Fazenda Capuava, em Valinhos, às 10h30. A programação comemorativa ao Dia dos Pais também terá exposições dos artistas Antonio Peticov e Flávio de Carvalho.

Empreendedor Holístico Pág. 2

Viva Bem Pág. 12

ARTIGO

Florais de Bach – sintonizando na frequência da alma por Karina Ferrari Pág. 5

ZENTREVISTA Fabiane Hukuda - Pág. 3


2

JORNALZEN

Sonhos de criança Você se lembra o que do, decida segui-lo dadesejava ser ou fazer qui para frente. quando era criança? Agosto, ao seu gosPois bem, aí reside o to... Desfrute o que a segredo de nossa “lenvida em seu início já da pessoal”, já citada sabia de você, quando pelo escritor Paulo Coainda estava mais próelho. Recordar aquilo ximo(a) de Deus em que gostávamos de fasua inocência e purezer, de brincar, fazen- SILVIA LÁ MON za. Se perceber que do de conta que éra- Diretora do JORNALZEN está no caminho cermos adultos, é a chato, parabéns e siga em ve para sabermos nosso ver- frente. Se não, refaça os seus dadeiro propósito de vida; nos- planos. Inclua o sonho em seu so verdadeiro dom, que esque- cotidiano para animar sua alcemos ou deixamos adorme- ma a seguir em frente, mesmo cidos conforme crescemos e que seja esse sonho um hobentramos na roda viva do co- by ou uma pequena loucura. tidiano adulto. E siga em frente, abrindo-se Sugiro que cada um que para o novo que em nós enveacompanha meus artigos apro- lheceu. Quando chegar a priveite este final de ciclo inver- mavera, você estará pronto(a) nal, antes da chegada da pri- para desabrochar o mais vermavera, para parar alguns mi- dadeiro em você. nutos e recordar de si mesRecordei-me da minha “lenmo(a). Pense na sua criança, da pessoal” e estou começansinta seus desejos, ouça seus do a segui-la. Proponho que pensamentos, veja a sua bele- possamos compartilhar nossos za e acalente os seus medos. passos, nossas dificuldades e Tenho certeza de que sairá des- nossas descobertas. Mande um sa experiência bastante forta- e-mail ou compartilhe seus dons lecido(a) e, quem sabe, ao re- em nossa página no Facebook – cordar seu dom mais profun- facebook.com/jornalzen

JORNALZEN NOSSA MISSÃO:

Informar para Transformar DIRETORA Silvia Lá Mon EDITOR Jorge Ribeiro Neto JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508 TELEFONES Redação (19) 3324-6062 Comercial (19) 3044-1286 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br Circulação: Campinas Indaiatuba Valinhos Vinhedo Jaguariúna Holambra São Paulo (Avenida Paulista, Vila Madalena e Vila Mariana)

AGOSTO/2016

Uma salva de palmas Antonio de Pádua Colosso O mantra mais utilizado pelos orientais é Om Mani Padm Hum. Deste, o componente mais importante é o Om, que é conhecido como o “som do Universo”. Alguns filósofos orientais dizem que o som do Universo é “uma mão batendo palmas”. Uma só mão, não encontrando algo “material” para se chocar, fica impossível produzir som, assim não havendo choque ou atrito, o “som do Universo” é o Silêncio total. Mas, fico eu imaginando... E o som de duas mãos se chocando? Isso é conhecido como uma “salva de palmas”, lembrando que os romanos que voltavam para casa vitoriosos de suas batalhas eram recebidos pelos munícipes com uma “salva de palmas”, ou seja, uma bandeja de prata (salva) com flores (palmas). Em algum momento na história, uma “salva de palmas” passou a ser simbolizada por duas mãos (materiais) chocando-se e produzindo um som, simbolizando aprovação, “reconhecimento”. Segundo Freud, a primeira

necessidade do ser humano é “ser reconhecido”. Por isso as pessoas que recebem o “reconhecimento” (através das palmas) fletem o trono para frente em sinal de agradecimento. A necessidade de “ser reconhecido” é tão forte, o desejo egoico é tão poderoso que alguns sacrificam suas vidas em troca desse som. Interessante a relação de um atrito ou choque produzir tamanha necessidade. A mim, parece esse o caminho da extroversão, o lamber botas do que Winnicott chamava do “falso self”; “eu” sou o meu “ser”, não a minha “personalidade” (persona = máscara no teatro grego). Mas será por esse caminho que devo aplicar minha energia e meu escasso tempo de vida? Talvez possa ser o caminho inverso, o da introversão, aquele que Winnicott chamava de “verdadeiro self”, ou seja, somente vou encontrar meu “eu real” através do silêncio total, transcendendo a matéria, fundindo-me ao Universo. Antonio de Pádua Colosso é psicanalista

Empreendedor Holístico ANA PAULA TEIXEIRA – coachinganapaula@gmail.com

Rede social: um enigma? De um lado, os especialistas de negócios insistem em que uma presença na rede social é viável e valiosa; hoje em dia, até essencial. Por outro, o que a maioria oferece mesmo são conselhos escassos a respeito de como criar, mas não como sustentar uma presença na rede social que agrega valor real. Além do trabalhoso serviço de oferecer continuamente estratégias (e ofertas de serviços) empurrando a publicidade para do seu website/blog/fanpage, a luta incessante para entrar no ranking das primeiras páginas de pesquisa no Google traz sempre uma frustração pelos resultados mornos e vagarosos, assim como a sensação de derrota pelo investimento de tempo e dinheiro. No geral, é muito difícil encontrar um simples e prático “fazer e não fazer” das redes sociais para os negócios. Clara-

mente, não é aconselhável postar comentários negativos sobre seus clientes ou declarações políticas marginais no seu perfil do Facebook, assim como também “aquela” foto fazendo biquinho não ajuda em nada! Mas também tratar tudo como se fosse um marketing de brochura digital sem nenhum apelo aos aspectos sociais pertinentes das redes sociais pode atrapalhá-lo em atingir o pleno potencial da sua campanha. Há fortes evidências entre uma página sisuda, sem graça, sem alegria e uma que mancha a sua reputação por causa do apelo pedante – tudo sempre certinho. Para que tal equilíbrio exista, depende, em grande medida, do que você espera conseguir em termos de sua marca e como você se relaciona com o seu público. Aqui estão duas regras que permitem um avanço de sua marca sem perder toda a diversão da vida nos compartilhamentos da rede social:

1) Poste conteúdo útil e interessante.Você tem que dar a seus seguidores um motivo para segui-lo e compartilhar suas informações. Não é preciso muitos posts ou tweets de uma propaganda enganosa ou de conteúdo politicamente incorretos para fazer você e sua marca cair no esquecimento das redes sociais. Tudo o que você compartilha reflete sua personalidade e opinião. Pense duas vezes. É muito difícil obter o seu público de volta. 2) Envie mensagens com uma finalidade. Evite publicar material apenas por uma questão de colocar conteúdo e antes de postar, pergunte o que o post diz sobre você e sua marca. Nem tudo deve ser compartilhado. As coisas que você não postar também dizem ao mundo muito sobre você – talvez até muito mais do que as coisas que você compartilha. Ao seu sucesso!


AGOSTO/2016

S

eguir os passos do irmão viria a demonstrar-se uma decisão acertada da pequena Fabiane Mayumi Hukuda, então com 7 anos de idade. Ao começar a treinar judô num clube ao lado de sua casa, em São Vicente, no litoral paulista, chamou a atenção dos pais. A transferência para Santos, em busca de melhores condições de treinamento, foi questão de tempo. Desde então, uma série de medalhas e troféus a tornaram um dos principais nomes da história do judô feminino no Brasil. Nascida em 1981 na cidade de Registro, Fabiane tornou-se a primeira brasileira campeã mundial (em 2000, na Tunísia), tendo representado a seleção durante dez anos. Nos Jogos Olímpicos, foram duas participações: em Atenas (2004) e em Atlanta (1996), então com 14 anos. Em 2006, naturalizou-se austríaca e foi titular da seleção do país europeu até 2009. Obrigada a encerrar a carreira de judoca em razão de uma lesão nos ombros, Fabiane voltou ao Brasil e passou a trabalhar com massoterapia e técnicas da medicina chinesa, como acupuntura, reflexologia, shiatsu e auriculoterapia. Em maio, ela participou do curso de atualização e padronização de recursos terapêuticos manuais para os profissionais de massoterapia que representarão o Brasil na Olimpíada do Rio de Janeiro. Nesta entrevista ao JORNALZEN, Fabiane Hukuda fala mais sobre sua trajetória no esporte e aborda a relação entre judô e autoconhecimento. O que a levou a deixar a carreira de judoca e passar a se dedicar a terapias da medicina chinesa? Deixei de competir em 2009 devido a uma lesão nos ombros esquerdo e direito. Já não conseguia fazer mais nada sem dores. O caso era cirúrgico e eu ficaria pelo menos um ano fora dos tatames me recuperando. Foi então que decidi não operar e “pendurar” o quimono. Na época eu morava na Áustria e na equipe sempre recebíamos tratamento com massoterapia para recuperação de lesões e aliviar as dores. Foi quando retornei para o Brasil e decidi estudar massoterapia. Uma das técnicas que aprendi no curso foi a auriculoterapia chinesa. A partir dessa técnica, fui em busca da acupuntura. O que foi mais complicado nessa transição? O mais difícil foi decidir

3

JORNALZEN

ZENTREVISTA|Fabiane Hukuda

MÃOS DE OURO Nome histórico do judô feminino, brasileira passou a dedicar-se à massoterapia depois de encerrar a carreira e brilhar nos tatames

Divulgação

no judô é cair, para depois levantar e aprender a derrubar. Na vida pessoal é a mesma coisa. A gente aprende que quanto mais se dedica, quanto mais se prepara, as chances são maiores para vencer. O perder faz parte do processo para progredir. Se cair, levante e prossiga. Como o judô, enquanto filosofia, pode ser associado à espiritualidade? O judô, para mim, é uma filosofia de vida. É praticar diariamente a virtude moral e pode, sim, ser associado à espiritualidade, pois somos corpo, mente e espírito. Um dos princípios criados pelo fundador do judô, Jigoro Kano, é o seiryoku zen’yo (máxima eficácia com o mínimo de esforço do corpo e espírito). É saber utilizar sabiamente nossas energias no dia a dia para manter o corpo e a mente saudável. Particularmente, adota alguma prática voltada ao autoconhecimento? O praticante de judô sempre utiliza o mokusô, que é uma forma de meditação antes e depois do treino. Atualmente, além da meditação, faço aulas de surfe e bateria. Enquanto treinava, nunca tive a oportunidade e nem tempo para a prática de atividades extras. As aulas de surfe me fizeram vencer um pavor que eu tinha das ondas e do mar. É muita adrenalina, equilíbrio do corpo e da mente, tudo misturado. E a aula de bateria me estimula a pensar e, ao mesmo tempo, coordenar as mãos e o ritmo. Praticar uma atividade com prazer nos faz bem e nos toca a alma.

“A primeira coisa que se aprende quando entra no judô é cair, para depois levantar e saber derrubar. Na vida pessoal é a mesma coisa” qual rumo tomar profissionalmente. Me sentia um peixe fora d’água, completamente fora do mundo real do trabalho. Enquanto fui atleta, tentei arquitetura, artes, depois decoração de interiores. Quando parei de lutar, decidi que queria massoterapia. Estudei acupuntura, dei aulas de judô e parei. Em que momento você percebeu que teria um grande futuro no esporte? Desde que entrei no judô, já sonhava com a Olimpíada. Aos 14 anos, entrei na minha primeira seletiva nacional, para os

Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, em 96. Foram nove lutas em um dia e, mesmo sendo juvenil, garanti minha vaga na seleção brasileira sênior. Fui para Atlanta como reserva. A partir desse dia, minha vida mudou e vi que era real o meu sonho no esporte. Quais as lições dos momentos de superação nas glórias e dificuldades? O judô, particularmente, ensina muito. Tudo o que aprendi no tatame eu levei para minha vida pessoal. A primeira coisa que você aprende quando entra

Quais os benefícios do País como sede dos Jogos Olímpicos? São muitos. O investimento no esporte nacional de alto rendimento, o estímulo à prática esportiva entre as crianças e jovens, o legado das grandes obras dos complexos esportivos, o aumento do turismo e a popularização dos esportes menos conhecidos por meio da mídia. Como avalia a proposta de nosso jornal, voltada para iniciativas ligadas ao bem-estar e à qualidade de vida? Acho a proposta excelente. Sabemos que hoje está aumentando o número de pessoas que se preocupam e procuram informações mais aprofundadas sobre o bem-estar físico e emocional. Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? A paixão pela vida começa com a sua saúde. Cuide-se.


4

JORNALZEN

O ser humano O ser humano é organizado por complexos elementos que transcendem a uma análise superficial, exigindo seguro aprofundamento nos seus elementos constitutivos. De origem divina, em sua essência, desenvolveu a inteligência e o sentimento através de extraordinária viajem no tempo! Criado simples e ignorante, na condição de princípio inteligente, desenvolveu-se ao largo das centenas de milhões de anos, atravessando as diversas fases da cristalização, da sensibilidade vegetal, da percepção instintiva animal até alcançar a consciência e a inteligência humana, estagiando, momentaneamente, na experiência virtual, que lhe estava predeterminada, e que seguirá logrando conquistas mais grandios Do silêncio profundo, nos estágios primários aos sons grotescos das diversas espécies animais, conseguiu expressivo passo ao lograr a verbalização do pensamento, potencializando-se com a amplitude do conhecimento de que dispõe para expressar a beleza, as formas e a vida em todas as suas manifestações. Nesse período, desenvolveu as artes, a cultura, o pensamento filosófico, conduzindo a criatividade para descobrir os segredos ocultos na Natureza, ensaiando os passos com audácia no empirismo, logo depois no conhecimento dos princípios racionais através das experiências em momentosas pesquisas, ensaiando os gloriosos passos na direção da ciência. Graças a essas conquistas, alterou as paisagens terrenas, modificando as estruturas de algumas partes do planeta, tomando conhecimento dos fenômenos sísmicos e ambientais, atmosféricos e marítimos, podendo prever as ocorrências calamitosas, impossibilitado ainda de as impedir... Grandes níveis de aquisições foram alcançados no combate às enfermidades, especialmente aquelas de natureza pandêmica, tropicais, infectocontagiosas, algumas degenerativas, aos transtornos comportamentais e psíquicos, melhorando a longevidade do ser huma-

no com favoráveis condições de vida. Conseguiu penetrar nos quase insondáveis misté- JOÃO BATISTA SCALFI Vice-presidente do Educandário rios do macro Deus e a Natureza (Indaiatuba) e do microcosmo, solucionando graves questões que pairavam ameaçadoras sobre a existência humana. Embelezou o planeta através de edificações colossais, drenando pântanos, criando jardins e pomares em terras desérticas, construindo lares e santuários confortáveis, assim como hospitais, escolas e oficinas de trabalho. Graças à tecnologia, que também descobriu e aprimorou, produziu veículos que transitam em altas velocidades, cortando estradas terrestres e espaciais, oceânicas e submarinas, favorecendo a comunicação por intermédio de instrumentos de alta e eficiente precisão, que favorecem o conforto e dão alegria, proporcionando espetáculos de arte e de ciência ao alcance de milhões de indivíduos. Em face da sua natureza fragmentada, a agressividade ainda não pode ser controlada, mesmo depois dos valiosos recursos da educação e da instrução, do conhecimento e da lógica, da identificação de todos os recursos que tornaram a vida feliz e aprazível. Tem ainda predominância dos instintos em detrimento da razão, do egoísmo em relação ao altruísmo, da natureza animal em face da natureza espiritual. A fixação na vida material e nas falsas necessidades, desenvolveu ambições desmedidas, a princípio como básicas para a conservação da vida, mais tarde, porém, como recurso de poder para gozar, dando vazão à inferioridade moral não superada que o atrela às paixões primitivas. Apesar de todos os embates filosóficos, sociológicos e éticos, ainda não conseguiu evoluir moralmente. Fonte de pesquisa: Em Busca da Verdade (Divaldo Franco/Joanna de Ângelis)

AGOSTO/2016

UNIVERSO DIGITAL

Amanda La Monica

Marketing humanizado Você já recebeu um e-mail que começava dizendo “Olá, querido! Como vai?”, tinha certeza que era um amigo de longa data e era uma empresa enviando suas newsletters? Pois é. Esse é o movimento que chamo de marketing humanizado – a nova tendência de humanização das marcas. Algum tempo atrás, as empresas utilizavam mascotes para o público se identificar e criar afinidade com a marca. Hoje em dia, um bichinho acenando não é mais suficiente. Como público, precisamos saber que as empresas se importam com nossa audiência, nossa opinião, nossas críticas. Queremos fazer parte do dia a dia das mesmas. Com o relacionamento e a confiança creditada pelo público, com certeza a marca ganhará compradores fieis. Como empresa, sentimos a necessidade de aproximação

com nosso público. Queremos conversar com eles, personalizar nosso conteúdo para o que os agrada e sabemos que um layout padrão, como “Prezado, deixe seu comentário para apreciação da diretoria”, não vai ser interessante. Com tanta oferta, a empresa que se destaca é aquela que preza em criar relacionamento com seu público. Sem segundas intenções. Apenas conversando, levando sua opinião em consideração e entregando informações preciosas para mostrar para aquele lead que seu produto/serviço vale a pena ser adquirido. Uma empresa humanizada gera identificação com o “humano” consumidor. Identificação gera confiança e consumo. Uma das técnicas para aplicar isso em seu material é o inbound marketing, o qual já abordei na coluna. Não lembra? Acesse os artigos no meu site.


JORNALZEN

AGOSTO/2016

5

Florais de Bach – sintonizando na frequência da alma Karina Ferrari

F

lorais de Bach são essências energéticas extraídas de flores específicas descobertas pelo Dr. Edward Bach ao longo de sua trajetória de estudos e pesquisas que têm por objetivo transformar estados mentais e emocionais negativos em positivos. Legal, mas de fato, como isso acontece? Apesar de tantos estudos na área de humanas e terapias holísticas, tenho um pensamento bastante racional e sempre gostei de entender como de fato as coisas funcionam. Vou tentar explicar como é que nosso estado emocional e mental vai mudando com o uso dos florais e por que isso acontece. Para isso, é importante antes definirmos alguns termos: Alma: a alma é nossa parte imortal, o centro divino do nosso ser, nosso elo com o cosmos. Age, por exemplo, como nosso Eu Superior, nossa Intuição, nosso Médico Interior. É a alma que elabora nossa programação para a vida e nossos objetivos e metas. Personalidade: a personalidade é nossa parte mortal, nosso caráter, aquilo que representamos na terra. É ela que deve concretizar a nossa programação para a vida. Possui vários potenciais energéticos (virtudes) como por exemplo força de vontade, humildade, coragem, responsabilidade, objetividade. Agora, imagine que a personalidade se distancie da alma... o resultado é um grande desequilíbrio interno, é como tentarmos nadar contra a nossa própria correnteza. Por questões como a raiva, egoísmo, ganância e crueldade, vamos nos afastando da nossa alma, nossos objetivos de vida. E o resultado são os sentimentos de ansiedade, amargura, impaciência, indecisão, medo... e o resultado disso são as doenças físicas. E ainda bem que a doença existe! Como dizia o Dr. Bach: “A doença é apenas e tão somente corretiva. Ela não é vingativa nem cruel, mas é o meio adotado pela nossa Alma para nos mostrar os nossos erros, nos impedir de cometer erros ainda maiores, nos impedir de causar maiores danos e nos trazer de volta àquele caminho da Verdade e da Luz do qual nunca deveríamos ter nos afastado”. Enquanto houver sintonia en-

tre o Eu Superior e a Personalidade, vivemos em paz, com alegria, saúde e felicidade. A terapia floral de Bach é uma terapia vibracional. Cada flor possui uma vibração que é compatível a um estado emocional positivo. Então digamos que estou com muita raiva. Começo a me distanciar dos ditames da minha alma por conta desta raiva que chega e começa a me dominar. Neste momento eu me afastei da vibração do amor, da compreensão, da tolerância e perdão. Quando eu tomo a essência floral específica que possui a frequência desse amor, compreensão, tolerância e perdão, eu começo a preencher esse espaço que existe dentro de mim, mas que estava vazio. Não é mágica, é sintonia. Voltamos a sintonizar na frequência que já conhecíamos, mas da qual nos afastamos por questões da personalidade ter se distanciado da alma. Uma frase do Dr. Bach ilustra bem isso: “Devido às suas vibrações elevadas, certas flores, árvores e arbustos silvestres têm o poder de elevar nossas vibrações humanas e abrir os canais para ouvirmos as mensagens do nosso Eu Espiritual, inundar nossa natureza com a virtude específica de que precisamos e remover de nós a falha que está causando o sofrimento. Elas são capazes, tal como uma bela música ou algo gloriosamente enaltecedor que nos dá inspiração, de elevar nossa natureza e nos aproximar de nossa Alma; com isso, nos trazem a paz e aliviam nossos sofrimentos. Elas curam, não atacando a doença, mas inundando o nosso corpo com as belas vibrações do nosso Eu Superior, em cuja presença a enfermidade se dissolve como neve ao sol”. E como é maravilhoso voltar a vibrar nessa frequência tão verdadeiramente nossa! É claro que somos humanos, cometemos erros, falhamos, mas quando vibramos na frequência da nossa Alma sentimos que estamos onde deveríamos estar, é como o filho que retorna ao lar. E você, já tomou florais de Bach? Se ainda não conhece esse maravilhoso universo, eu o convido a conhecer e sentir! Karina Ferrari é psicoterapeuta e terapeuta holística, atuando com terapia floral de Bach, balanceamento muscular e reiki

Tahine: poderosa fonte de cálcio, proteínas e fibras O tahine é um alimento feito exclusivamente das sementes de gergelim moídas. A versão tradicional é produzida a partir das sementes descascadas e a integral, das sementes com a casca. A moagem resulta em uma deliciosa manteiga vegana, livre de glúten, lactose e 100% natural. Milenarmente conhecida e utilizada nas sofisticadas receitas do Mediterrâneo e do Médio Oriente, vem sendo cada vez mais difundida na culinária ocidental. Principalmente por ser de consistência cremosa, o tahine faz com que nosso organismo absorva toda a nutrição e funcionalidade que o gergelim oferece de forma completa, por isso o consumo do tahine por pessoas que se interessam por uma alimentação saudável aumenta a cada dia. Provavelmente você já provou o tahine em pratos como o famoso homus, misturado com a pasta do grão-de-bico, ou no baba ganoush, preparado com berinjela, receitas tradicionais das culinárias árabes, turcas ou libanesas. Tahine é muito versátil e pode ser consumido em receitas

doces ou salgadas, puro ou misturado com mel ou melado com frutas e granola; nos pães em substituição à manteiga; no recheio da esfiha de carne, mantendo a suculência e oferecendo maior conservação; pode ser ainda utilizado no preparo de molhos para saladas, peixes, sanduíches e cordeiro ou em vitaminas e shakes, para maior saciedade. O tahine é indicado por nutricionistas como fonte preciosa e eficaz para a absorção de cálcio, pois possui alta concentração deste mineral: 400 mg de cálcio em cada 100 g de tahine. Por isso é um aliado na prevenção e tratamento de doenças dos ossos e também para mulheres em período de amamentação. Além do cálcio, as 17 g de proteína em 100 g de tahine impulsionam o ganho de massa corporal e enriquecem as dietas vegetarianas ou veganas. É fonte de antioxidantes naturais, magnésio e fósforo. Possui alta concentração de fibras, o que auxilia o bom funcionamento do intestino. Desfrute dos benefícios deste poderoso alimento.


6

JORNALZEN

Dr. Orestes Mazzariol Envelhecer com qualidade Todos os debates e compromissos se assentam na compreensão de que saúde é, em última instância, qualidade de vida. Qualidade de vida é a percepção individual de sua posição na vida, no contexto cultural, seu sistema de valores que tem relação com seus objetivos de vida e expectativas, relação social e seu relacionamento com o ambiente. Assim, a promoção da saúde consiste em proporcionar à população as condições e requisitos necessários para melhorar e exercer controle sobre sua saúde, envolvendo “a paz, a educação, a moradia, a alimentação, a renda, um ecossistema estável, justiça social e equidade” (Carta de Ottawa, 1986). Na definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), qualidade de vida é a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto da cultura e sistemas de valores nos quais ele vive em relação aos seus objetivos, expectativas, padrões e preocupações. O envelhecimento é um pro-

cesso variável. O indivíduo se adapta às mudanças da vida com a idade. Isso não deve ser baseado em juízo de valores, senão estaríamos culpando e marginalizado as pessoas “sem sucesso” por problemas de saúde ou social, perpetuando a marginalização das pessoas mais vulneráveis. Em uma sociedade com poucos recursos, estender e aumentar a população idosa, e estender a vida sem qualidade é apropriado? O que é aumentar a expectativa de vida com deterioração cognitiva? Com a idade, temos grande chance de desenvolver um ou mais problemas, como falta de preparo físico, delírio, demência, abuso ao idoso, quedas, má nutrição, osteoporose, entre outros. A sociedade precisa começar a entender melhor o idoso e se preparar para o aumento crescente dessa população, inclusive uma discussão séria sobre reforma da Previdência. Todos somos iguais; não deve haver privilégios.

AGOSTO/2016

Agosto de 2016 Célio Pezza s romanos deram ao oitavo O mês do ano o nome de agosto, numa homenagem ao impe-

rador Augustus, um dos mais sanguinários da antiguidade. Os romanos não gostavam deste mês e acreditavam que um enorme dragão passeava pelos céus nesta época. Crendices à parte, o fato é que o mês de agosto tem sido marcado por tragédias contra a humanidade. No dia 24 de agosto de 1572, Catarina de Médici, por questões políticas e controle do trono, ordena a matança dos protestantes na França. Esta matança que teve início em Paris ficou conhecida como o Massacre de São Bartolomeu, e acabou com mais de 100 mil huguenotes. Contam que o rio Sena tinha tantos cadáveres que ninguém comeu seus peixes durante meses. No dia 1º de agosto de 1914 teve início a Primeira Guerra Mundial, com milhões de vítimas. Em agosto de 1939, a Alemanha decide invadir a Polônia, iniciando a Segunda Guerra Mundial em 1º de setembro. Em 2 de agosto de 1939, Albert Einstein escreveu uma carta ao então presidente americano Roosevelt, sobre a possibilidade de se criar uma bomba atômica, partindo de cadeia de reações nucleares em uma massa de urânio. Foi então criado um grupo de cientistas, militares e políticos, sob o nome de Projeto Manhattan, cujo objetivo era produzir a primeira bomba atômica. Em 6 de agosto de 1945, sob as

ordens do presidente americano Harry Truman, explode a primeira bomba atômica na cidade de Hiroshima. O capitão Robert Lewis, copiloto do avião que jogou a bomba, ao ver o resultado, disse: “Meu Deus! O que fizemos?” Três dias depois, em 9 de agosto, a segunda bomba é jogada em Nagasaki. As estimativas são de que morreram mais de 250 mil pessoas em Hiroshima e 150 mil em Nagasaki, somente na ocasião da explosão. Depois, com os efeitos da radiação, muito mais gente morreu, mas não se tem o número certo. Anos mais tarde, Albert Einstein lamentou sua carta recomendando a criação da bomba atômica e disse estar alarmado com a hipótese de uma nova guerra atômica, pois ela aniquilaria a Terra. O Brasil começa o mês de agosto de 2016 mergulhado em uma profunda crise econômica, política e moral. Por outro lado, vivemos um período de muitas revelações e transformações profundas, acreditamos, para melhor. Também teremos a votação final do impeachment de Dilma, a Olimpíada no Rio de Janeiro e, apesar de tantos problemas, talvez exista mesmo um enorme dragão passeando nos céus, como diziam os antigos romanos. Importante lembrar que o dragão representa a sabedoria, a energia do fogo, o poder indomável da natureza e a transformação. É aquele que destrói para reconstruir. Neste momento, precisamos dele e de tudo o que representa. Célio Pezza é escritor


AGOSTO/2016

JORNALZEN

7


8

JORNALZEN

Converse com seu corpo A comunicação é o eixo rados. Nosso corpo precifundamental na vida de sa de atenção. Quando todos os seres humanos. não o escutamos, podem Já diz o ditado:“quem não surgir dores e doenças. se comunica se trumbica”. Elas trazem a oportunidaExistem várias formas de de olharmos para dende comunicação, atratro e de fazermos mudanvés da fala, da escrita, dos ças positivas no processo gestos e até pelo olhar. de autoconhecimento. Geralmente nos atemos Comece a escutar o à comunicação externa MÁRCIO ASSUMPÇÃO seu corpo. Você é o seu fído nosso corpo, mas Professor de ioga e diretor gado, sua vesícula, seu cotemos dificuldade em do Instituto de Yogaterapia ração e seu intestino. Asreconhecer a comunicasim como você se expresção interna dele. sa pelos seus olhos, por que não poA maioria das pessoas reconhe- deria se expressar pelos seus rins? ce a importância de nos expressar As emoções positivas e negatiatravés dos órgãos dos sentidos, vas são manifestadas o tempo todo mas resiste sobre a visão de que o pelo corpo. Na via construtiva: a alenosso corpo também se expressa gria abre os pulmões; a compaixão internamente, por exemplo: quan- acalenta o coração; a benevolência do estamos tristes, nossos pulmões nutre o fígado; a coragem protege os expressam esse sentimento, fechan- rins; o desapego limpa os intestinos do-se e criando dificuldades na área e o afeto aumenta a imunidade. Na respiratória. Quando estamos raivo- via destrutiva: a raiva opila o fígado; sos, nosso fígado fica opilado e nos a indecisão congestiona a vesícula, o sentimos tensos e reativos. Quando medo paralisa os rins, a tristeza fecha estamos com medo, nossos rins e os pulmões, a mágoa congestiona o bexiga não param de funcionar e coração, a amargura bloqueia o pânhaja banheiro para desaguar. Quan- creas e assim por diante. do estamos contrariados, nosso A prática do yoga é uma exceestômago fica congestionado. Os lente oportunidade de “conversarórgãos sentem os impactos emo- mos com o corpo”. Na yogaterapia, cionais o tempo todo, é preciso au- durante a prática, conduzimos os toconhecimento para escutá-los. alunos para uma auto-observação, Já é reconhecida mundialmen- além da visão mecânica das postute a importância das boas emo- ras e dos alinhamentos, buscamos ções nos processos de cura. Em trazer o praticante para entender o muitos hospitais já são aplicadas que está acontecendo internamentécnicas que ajudam os pacientes te no seu corpo. Isso traz uma mua se recuperarem através da me- dança significativa na relação corpo ditação e do yoga. e mente do aluno. Quanto mais Para ampliar o acesso das pes- consideramos o valor dos nossos soas a esses atendimentos com- pensamentos e emoções em nossa plementares, temos de mudar o vida, mais nos tornarmos conscienparadigma de nos vermos apenas tes de que a mudança está em nosmecanicamente, como se fossemos sas mãos. Uma vida melhor depenpedaços separados de peças que se de de uma atitude mais construtiva encaixam. É preciso nos enxergar diante dos desafios cotidianos e de como seres quânticos que somos, uma mudança no estilo de vida que pois“corpo e mente”não estão sepa- promova saúde e bem-estar.

AGOSTO/2016

Agradecer para crescer Nathalie Favaron

T

odo momento é uma oportunidade incrível de revisarmos nossas crenças, relacionamentos, parcerias e carreiras. O que precisa ser resolvido ou trazido à tona muitas vezes aflora espontaneamente no dia a dia. Faça um balanço desses últimos meses… Olhe à sua volta… Perceba o que pode ter acontecido com você ou com seus amigos. Casamentos que pareciam indissolúveis foram questionados, a vocação intrínseca travou uma batalha com a carreira adotada, estruturas aparentemente rígidas foram desconstruídas para depois receberem uma nova forma mais leve e fluida. Reencontramos amigos antigos e nos despedimos de tantos outros. Pessoas antes desconhecidas tornaram-se importantes no dia a dia. Familiares partiram. Amores chegaram. Podemos tomar um tempo para listar uma série de eventos que têm feito deste ano um desafio e tanto. Mas prefiro e recomendo outra forma de analisar este momento. Agradecendo! Falo e repito para todos os meus clientes de terapia e coaching, que a gratidão é o fermento. Todos sabemos que é o fermento que faz crescer um bolo ou torta quando cozinhamos. E ficam lindos, fofinhos, redondos, destacando-se na forma. Quanto mais fer-

mento, mais ele cresce! Então, vamos aproveitar a sabedoria tácita sobre esta mágica do crescimento e vamos agradecer tudo que queremos fazer crescer mais, a partir de agora. Agradecer por mais um dia lindo de vida. Pela chuva que molha o jardim e pelo sol que seca as roupas brancas no varal. Agradecer pelo teto que acolhe nossa família. E por tudo que tem dentro dele. Há poucos séculos nem os reis e rainhas tinham banheiros nos seus castelos. Que maravilha termos hoje a chance de abrir a torneira e tomar um banho diariamente. Agradecer por todos os objetos que tornam a vida mais prática no dia a dia. O fogão que cozinha os alimentos, a geladeira que os mantém frescos, a cama que nos dá um descanso merecido todas as noites. Aos animais de estimação que todos os dias nos lembram que é possível amar incondicionalmente. Agradecer pelo trabalho que possibilita o dinheiro para as necessidades cotidianas. Agradecer por todas as pessoas que cruzaram nosso cami nho trazendo lições necessárias para nossa evolução. A cada relacionamento imperfeito ou incompleto. Que possamos seguir em frente com um doce sorriso nos lábios, o coração fofinho e cheio de gratidão! Nathalie Favaron é terapeuta e coach


JORNALZEN

AGOSTO/2016

Marcelo Sguassábia

Leitura de aura

Desvio de finalidade

JANAÍNA CAMPOS, psicoterapeuta sistêmica e consteladora

Viver em comunidade é viver com responsabilidade. Como nem todos pensam assim, abusos sempre acontecem. Mas chega uma hora em que é preciso colocar ordem na casa, para que prevaleça um mínimo de civilidade e observância a normas de boa e saudável convivência. E essa hora chegou para o nosso condomínio. Mais especificamente, refiro-me a irregularidades na utilização segura do playground, e à necessidade de estabelecermos a quem ele de fato se destina. Não é novidade para ninguém que o gira-gira existe para turbinar o efeito da bebida, por isso está estrategicamente instalado próximo ao lazer dos adultos. É insano permitir que crianças se aproximem dele. Se a força do equipamento em alta velocidade pode derrubar gente de noventa quilos, que ali espairece responsavelmente entre uma mão e outra de carteado no salão de festas, o que dizer de gurizinhos mais leves que um saco de arroz Tio João? O desastre é tão certo quanto as horas de choro que o sucedem. E, em ocorrendo acidente, os condôminos respondem juridicamente pelas despesas do hospital. Ou da funerária. Para evitar que menores de 21 se aproximem dos balanços, o subsíndico mandou instalar um engenhoso mecanismo de senha alfanumérica combinado com biometria de reconhecimento digital e leitura de íris. Qualquer tentativa de acesso indevido ao equipamento resultará, após três digitações incorretas da senha, no bloqueio do movimento pendular do balanço. Na eventualidade do infantiloide conseguir dar umas balançadas, em questão de segundos seu assento será ejeta-

do. De castigo, acabará no mínimo com um traumatismo craniano. Bem feito. Se os pais não corrigem, a comissão administrativa do prédio saberá fazê-lo. Esses pequenos mal-educados aprenderão na marra a evitar a traquinagem. Dizem que é “escorregador” o nome que a molecada dá ao escalador-fitness, adquirido para complementar a nossa já bem equipada academia de ginástica. Enquanto nós, adultos, utilizamos o aparelho para fortalecer as panturrilhas na subida da escadinha, os guris usam a escada para se jogarem aos berros na rampa metálica – o que é um contrassenso. Com essa brincadeira besta, impedem que as pessoas mais velhas utilizem o escalador para o fim que foi concebido: cuidar da forma física. Em relação à gaiola-labirinto, as reclamações são quase diárias. Tal qual selvagens micos, a meninada em algazarra usa o emaranhando metálico para exercitar os bíceps. Outro flagrante absurdo, pois a gaiola foi feita para secar roupas (facilitando a vida das nossas prendadas condôminas), ou para espionar com binóculos as banhistas do prédio ao lado (caso dos respeitáveis condôminos). Playground não é e nem nunca foi lugar de criança, mas a impressão que se tem é que a proibição exerce sobre elas um fascínio irresistível. A plaquinha “Proibida a entrada de menores”, afixada com destaque ao lado do par de gangorras, parece aguçar ainda mais os pestinhas. Medidas extremas, ainda em estudos, serão necessárias. Contamos com a compreensão e o apoio de todos. Marcelo Sguassábia é redator publicitário

Podemos ter consciência de quem somos, mas temos uma visão limitada de nós. A personalidade de uma pessoa é, em certa medida, fruto do condicionamento social, econômico, cultural e familiar. Mas isso não é tudo. Sabemos que há também os aspectos intrapsíquicos e os relacionados à nossa essência que acabam se perdendo no caminho da vida. A leitura de aura é uma ferramenta que traz à consciência a origem das nossas dores e limitações, auxiliando a limpar e modificar velhos modos de ser de forma rápida e profunda. A aura é o campo energético que envolve cada ser. É uma força energética evolutiva que reúne todas as nossas informações físicas e metafísicas, que sustenta a vida e caracteriza o ser humano. Acessando as informações que estão na aura é possível resgatar aspectos adormecidos do inconsciente para serem trabalhados com consciência. A leitura é uma ferramenta de cura que nos permite entrar em contato com a nossa verdade trazendo clareza para nossa mente, para o nosso coração, liberando bloqueios e energia estagnada. Na leitura de aura o terapeuta é um canal de revelação das dinâmicas energéticas que regem as relações e sentimentos. À medida que as informações vão sendo apresentadas, vão sendo automaticamente limpas (integradas na pessoa) pelo terapeuta. A leitura deixa nas mãos da pessoa um extraordinário conjunto de informações e traz a cura para as situações e problemas que foram selecionados pelo espírito para serem apresentados pelo terapeuta durante a leitura. É possível fazer a leitura geral ou sobre determinado assunto de sua vida, um relacionamento ou dificuldade específica. A leitura de aura atua como um catalisador bastante potente das situações que a pessoa não tinha coragem de enfrentar para resolver e que se poderiam arrastar por anos ou até a vida inteira. Também pode revelar vidas passadas ou memórias do inconsciente coletivo. Essas revelações têm como objetivo conhecer vidas que estejam associadas a padrões comportamentais no momento presente e que nos impedem de sermos mais felizes ou saudáveis. Você ouve o que precisa ouvir, e não o que quer ouvir. A Leitura pode ser feita sempre que a pessoa desejar. Lembrando que é uma ferramenta que traz mensagens para o momento presente, ou seja, podemos receber duas leituras na mesma semana ou mês, mas se o momento presente não mudou muito é possível que receba mensagens repetidas. A verdade é revelada com amor e a cura se dá pela compreensão e integração dos processos de nossa vida.

9


10

JORNALZEN

PANORAMA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

Alunos que cursam o ensino médio em escolas públicas poderão inscrever projetos para melhorias no dia a dia de suas comunidades no concurso “Respostas Para o Amanhã”. A premiação nacional tem como objetivo estimular e difundir práticas educativas para uma sociedade mais sustentável a partir de conceitos das ciências da natureza e da matemática. A inscrição pode ser feita até 29 de agosto no site www.respostasparaoamanha.com.br

CURSO GRATUITO SOBRE ONGs

Pela primeira vez, Campinas receberá o seminário itinerante sobre o Terceiro Setor da Rede Filantropia. Trata-se de uma série de palestras gratuitas paras gestores de organizações sociais, culturais e ambientais. O evento será no dia 12 de agosto, das 9h às 18h, no Colégio Sagrado Coração de Jesus. Entre os temas abordados estão captação de recursos, legislação e contabilidade. As vagas são limitadas. Inscrições e mais informações: www.dialogosocial.com.br

AULAS DE IOGA E MEDITAÇÃO

Durante todo o mês de agosto, a Arte de Viver, organização internacional presente em mais de 150 países, promoverá em Campinas aulas experimentais gratuitas do Happiness Program, programa que associa técnicas de respiração, ioga, meditação e conhecimentos sobre os mecanismos do corpo e da mente. As atividades acontecem às terças e quartas, das 20h às 21h30, na Rua Dr. Osvaldo Cruz, 300 (Guanabara). Mais informações: www.artedeviver.org.br

CAMPANHA DE ARRECADAÇÃO

O Centro Promocional Tia Ileide (CPTI), de Campinas, lançou campanha para arrecadar R$ 45 mil a fim de regularizar o sistema de proteção de incêndio das novas edificações da entidade social. As contribuições podem ser feitas até 6 de setembro por meio da plataforma de financiamento coletivo Kickante. O endereço é www.kickante.com.br/seja-o-heroi-da-historia-dessas-criancas. Mais informações: (19) 3781-8093 e (19) 7803-4443 ou www.cpti.org.br

RECOLOCAÇÃO PROFISSIONAL

O projeto “Gentileza – movimento a favor do outro” será promovida dia 16 de agosto, em Campinas, com entrada aberta ao público. O objetivo do workshop é fornecer orientação para as pessoas que buscam o primeiro emprego ou voltar ao mercado de trabalho. O evento ocorrerá das 13h às 19h, no Bonvenon Eventos (Avenida Lix da Cunha, 103 – Vila Industrial). É necessário fazer inscrição no site www.projetogentileza.wix.com/principal

HAMBÚRGUER DO BEM

O 28º McDia Feliz acontece no dia 27 de agosto nos McDonalds de 13 cidades, incluindo Campinas, Indaiatuba e Valinhos. A campanha beneficiará o Centro Infantil Boldrini e a Casa Ronald McDonald com a venda do sanduíche Big Mac (vendidos separadamente ou na promoção número 1), exceto impostos. O valor de cada tíquete é de 15,50 reais. Os interessados em antecipar a compra podem solicitar pelo e-mail comunica@boldrini.org.br ou pelo telefone (19) 3787-5115.

FEIJOADA DO BEM

A 14ª FeiGIOada Solidária, dia 27 de agosto, em Campinas, benefíciará quatro entidades assistenciais – Casa de Maria de Nazaré, Associação e Oficinas de Caridade Santa Rita de Cássia, Movimento Assistencial Espírita Maria Rosa e Associação Beneficente Irmã Dulce. O evento será realizado das 12h às 17h, no Giovannetti Cambuí (Rua Padre Vieira, 1.277). O segundo lote de convites estará à venda a partir do dia 16. Mais informações: (19) 3232-6747.

CONEXÃO CULTURAL EM INDAIATUBA

O Projeto Conexão Cultural Tigre estará em Indaiatuba entre 24 e 26 de agosto, no Parque Temático. Um caminhão adaptado que se transforma em palco terá, durante o dia, apresentações teatrais circenses. À noite serão exibidos os filmes Divertida Mente, Perdido em Marte e Jurassic Word – O mundo dos dinossauros. O Parque Temático fica na Avenida Fábio Roberto Barnabé (Jardim Monte Verde). A entrada é aberta ao público. Mais informações: www.facebook.com/culturasobrerodas

AGOSTO/2016

Bom trânsito para nós! Marks Pintija

Já acendeu seu farol baixo? Você que é motorista já deve ter ouvido esta pergunta muitas vezes nas últimas semanas, até porque o assunto é novo e até que surja uma nova e inesperada mudança na legislação de trânsito, será dela que teremos de acostumar. Essa exigência é decorrente de uma lei federal deste ano, que obriga a usar o farol baixo nas rodovias do País. Se você ler a tal lei, verá que ela é assim, simples, direta, poucas palavras. Mas quem a escreveu, creio eu, provavelmente não sabe muito sobre trânsito brasileiro. Ocorre que ao dizer rodovias, obrigou que os veículos acendessem o farol mesmo nas cidades, nos casos em que a rodovia corta o perímetro urbano. Então terá de usá-lo. Também não se atentou que a tecnologia veicular possui muitos modelos e padrões de iluminação, luzes antigas e modernas, como a de LED diurna, que acabou sendo aceita como se fosse farol baixo mas

que não vale se for a noite. Não posso deixar de citar aqui que existe um enorme equívoco em parte da imprensa que informa a exigência também nas estradas. Esta informação não é correta, pois segundo o Código de Trânsito, estrada é a via “rural” não pavimentada, ou seja, não tem asfalto. E a nova exigência só obriga nas rodovias, que são as pavimentadas. Ou seja, mais uma novidade a ser cumprida, mais uma possibilidade de ser fiscalizado e ter multa de trânsito a pagar, e mais uma avalanche de teorias conspiratórias te explicando que faz bem porque melhora a segurança viária, e de outro lado explicando os interesses de arrecadação por parte dos órgãos e fornecedores. Mas agora já sabe que está em vigor, que a multa é de 85 reais, e são 4 pontos na CNH. Marks Pintija é especialista e educador em trânsito


JORNALZEN

AGOSTO/2016

Padre Haroldo A escrava Certo rei muçulmano apaixonou-se por uma moça escrava e a transferiu para um dos quartos, dentro do palácio. Planejava fazer dela uma esposa, uma das muitas, mas a favorita. Misteriosamente, no entretanto, adoeceu-se a escrava bem no dia em que transferiu para o palácio... E a moça foi piorando, dia a dia, apesar dos remédios que tomava, os mais desconhecidos e os mais caros. Tudo inútil; a pobre coitadinha tinha a vida pendendo por um fio. Desesperado, o rei ofereceu a metade do reino a quem curasse a sua escrava; mas ninguém tentou curar uma doença que enfrentava os melhores doutores do país. Finalmente, um guru apareceu pedindo para ver, sozinho, a escrava. Depois de ter passado boa hora a sós com ela, foi falar com o rei que o esperava já com ansiedade. “Eu tenho, majestade, a cu-

ra certa para esta escrava enferma e é remédio tão certo e tão seguro, em seus efeitos, que, se não funcionar, eu ofereço minha cabeça para ser cortada. É remédio, porém, bem doloroso não para a moça escrava, certamente, mas sim, só para vossa majestade.” “Mencione esse remédio”, disse o rei, “e será logo dado à minha escrava, pouco importa seu preço e efeito em mim.” Olhando, então, o rei com compaixão, disse o guru: “A moça apaixonou-se por um dos empregados do palácio. Deixe-a casar-se e vossa majestade verá como será logo curada.” Ah, pobre rei que amava demais aquela escrava para deixar que ela partisse, demais para deixar que ela morresse. O rei deixou a sua escrava se casar. Com o tempo, o rei encontrou um novo amor. Assim é o amor. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.

11

Quando a morte surge Morreu a filha de uma saladora. Porém, uma vigrande amiga. A morte são ampla da realidade, ceifou a vida de uma mãe que inclui a família, bons e com duas crianças pesinceros amigos, atividaquenas, na faixa dos 10 de profissional enriqueceanos. Algo, aparentemendora, preocupação com o te, sem grande significapróximo e um propósito do foi a causa. Como diz de evolução pessoal que o velho ditado: “A morte contemple a espiritualidaCLÉLIO BERTI sempre apresenta uma de, permite suporte sóliDiretor da desculpa”. do para as desavenças. Uni-Yôga Flamboyant Como lidar com fataSe a natureza roubalidades assim? Quando o ciclo na- -me um filho, posso canalizar aquela tural é invertido e o pai enterra o energia para outras pessoas e amáfilho, as perguntas são inevitáveis. -las tanto como qualquer ser do meu Controlamos muito menos do que sangue. Mas, para que seja possível gostaríamos. tal façanha, precisamos de sonhos e Pessoas que alicerçam suas vidas propósitos além do ego. Vidas miem pilares variados conseguem su- núsculas e sonhos irrisórios deixamportar os trancos com mais sobrie- -nos vulneráveis. Porém uma visão dade. Se o significado da vida é ape- altruística verdadeira é uma chave nas os filhos ou família, em sentido mestra para continuar em frente, estrito, uma catástrofe dessa é avas- mesmo nos piores momentos.


12

JORNALZEN

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-papo - Papai, papai, que raça é aquele cachorro? - Não sei! - Você sabe sim... você sabe sim... Escutei esse diálogo, dia desses, entre meu vizinho e seu filho de uns 6 anos. Apesar da separação do casal, o pai fica muito com o filho, e a relação dos dois é admirável. Daniel, quando disse “você sabe sim”, embutia nessa frase todo o orgulho que sente pelo pai e seu tom de voz traduzia algo assim: “meu herói sabe tudo! Como não sabe a raça de um cachorro?! Você sabe, sim.” Ainda bem que ser pai hoje em dia é muito diferente do que há 40, 50 anos ou mais. Os pais são participativos em todos os sentidos. Assistem ao parto, trocam fraldas, levam e buscam na escola e dependendo do trabalho da mãe, quando ela chega a casa, pode encontrar o filho até de banho tomado e já dormindo. O modo de amar um filho mudou muito nessas últimas décadas. Mas só o modo de amar. Porque todo pai, à sua maneira, mesmo que de forma tosca, ama seu filho, inda que ele nunca tenha dado um banho ou assistido ao parto. Os tempos mudaram. A visão do homem sobre seu papel na família deixou de ser apenas o de provedor. Até porque, com a mulher trabalhando, quantas não ganham mais que seus maridos? Com isso, o pai pode desempenhar o papel que antes era só das mães, aproximando-o muito mais dos filhos. Bom para todos. Você que é pai, desta ou de outras gerações, que tenha um dia de alegrias. E você que é filho, de outras gerações, tenha a certeza que ele não teve culpa de nada. Como diz a propaganda da TV, deixe que ele tenha uma segunda chance com os netos.

Exercícios fazem bem à saúde Embora eu saiba disso, não me rendi ainda a eles! Se você também é desse grupo de sedentários, que acha que exercício não combina com você, todos os estudos dizem que os benefícios obtidos compensam, e muito, os esforços que eles exigem. Os exercícios aumentam a eficiência do coração e dos pul-

mões e torna os músculos mais fortes, melhoram a aparência física e a postura e aumenta a sensação de bem-estar. Dizem que a gente se sente mais relaxado, dormindo melhor e sabendo lidarcom as tensões do dia a dia de uma forma mais light. Quem se habilita a começar?!

AGOSTO/2016

FORNO & FOGÃO -Especial DocesPudim de ricota com calda de geleia Ingredientes: • 1 lata de leite condensado • a mesma medida de leite • 4 ovos • ½ kg de ricota fresca amassada • 1 colher (chá) de baunilha • 1 xícara (chá) de uva passa branca sem sementes • 1 vidro de geleia (amora, framboesa, morango, etc.) Modo de fazer: Numa tigela, misture bem o leite

Siricaia mineira Ingredientes: • ¾ xícara (chá) de uvas passas • 1 cálice de vinho licoroso • 5 pãezinhos francês cortados em fatias finas • 500 ml de leite • ¾ xícara (chá) de açúcar • 2 colheres (sopa) de manteiga amolecida • 2 ovos • 1 colher (chá) de fermento em pó • 1 colher (sopa) de farinha de trigo

condensado, as gemas, o leite, a ricota amassada e a baunilha. Bata as claras em neve firme e adicione à tigela delicadamente. Em seguida, as uvas passas. Envolva tudo devagar. Despeje em uma forma para pudim untada e leve ao forno médio por mais ou menos uma hora. Derreta a geleia em fogo brando. Espere o pudim esfriar, desenforme e cubra com a calda. Modo de fazer: Coloque as passas para macerar no vinho. Reserve. Regue as fatias de pão com o leite já misturado com o açúcar e deixe amolecer por uns 15 minutos. Depois, desfaça grosseiramente o pão com um garfo. Adicione a manteiga, os ovos, as passas com o vinho, o fermento, a farinha e misture bem. Coloque num refratário untado, polvilhe açúcar misturado com canela e asse em forno preaquecido até dourar. Pode ser servido quente.

Bolo de fubá com coco e goiabada Ingredientes (no liquidificador): • 3 ovos • 1 xícara (chá) de óleo • 1 vidro de leite de coco (200 ml) • 1 xícara (chá) de açúcar • 1 ½ xícara (chá) de farinha de trigo • 1 xícara (chá) de fubá • 1 colher (sopa) rasa de fermento em pó • 1 colher (chá) de erva-doce (se gostar)

Modo de fazer: Bata os ovos com o óleo e o leite de coco. Depois, junte o açúcar, a farinha e o fubá. Bata bem. Por último e sem bater, junte o fermento em pó (e a erva-doce). Coloque numa forma untada com manteiga e enfarinhada e asse em forno preaquecido. Desenforme morno e cubra com a goiabada amolecida (levar ao fogo com um pouco de água).

VASOS & JARDINS: Roseiras trepadeiras Elas não fazem parte das verdadeiras plantas trepadeiras. Embora possuam caules longos e flexíveis, são consideradas arbustos escandentes, pois, sem meios de fixação, logo se pendem sob o próprio peso, espalhando-se sobre o solo. Se presas de maneira adequada, porém, podem ser cultivadas em pérgulas, cercas ou paredes. Algumas florescem profusamente no início da primavera, outras têm floração intermitente, mais abundante no outono. Há vários tipos de roseiras trepadeiras, mas as mais numerosas são as híbridas descendentes de trepadeiras selvagens, relativamente resistentes às doenças e ao frio. Consulte uma loja especializada em flores e descubra a beleza de ter em casa uma roseira trepadeira.


AGOSTO/2016

JORNALZEN

São Paulo recebe atrações da Virada Sustentável neste mês Com centenas de atrações culturais e atividades gratuitas, a sexta edição da Virada Sustentável será realizada em São Paulo entre os dias 25 e 28 de agosto. Depois de passar por Porto Alegre e Manaus, a edição deste ano traz como principal eixo temático os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) – agenda mundial construída pela Organização das Nações Unidas (ONU) para definir novos rumos para o desenvolvimento humano nos próximos 15 anos.

Entre os destaques na capital paulista estão a programação no Parque Ibirapuera, com instalações, teatro e atividades lúdicas para adultos e crianças, além da terceira edição do “SP+Zen”, no Museu de Arte Moderna (MAM). O grupo Awaken Love promoverá sessão de meditação coletiva no topo do edifício Martinelli. Na Avenida Paulista e região haverá pedaladas com os grupos Bike Tour SP e Vá de Bike. Mais informações em www. viradasustentavel.com

13

INDICADOR TERAPÊUTICO


14

JORNALZEN

CULTURAZEN

AGOSTO/2016 Divulgação

Silvia Lá Mon

Amanda La Monica ministrou palestra sobre jovens empreendedores no Vortex Brasil, evento focado em desenvolvimento humano e educação promovido em Indaiatuba

O palestrante Alexandre Bernardo e Eliana Mattos, gerente regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) em Indaiatuba, no encerramento da nona edição da campanha do agasalho em parceria com o JORNALZEN e apoio da Celulose Irani. As cerca de mil peças de roupas arrecadadas foram enviadas para Tietê, escolhida por sorteio. Divulgação

Bernadete Mattos

Nádia de Castro durante palestra do workshop em qualidade de vida e meditação promovido pela Brahma Kumaris Campinas no Plenarinho da Câmara de Vereadores de Indaiatuba com apoio cultural do JORNALZEN

Integrantes do Conselho de Cultura de Indaiatuba, que teve a primeira reunião no dia 12 de julho, elegendo Nelson Polinário (de óculos) como seu presidente


AGOSTO/2016

JORNALZEN

AGENDAZEN

MANDALA PARA PINTAR - SONIA SCALABRIN CAMPINAS

CONSTELAÇÕES FAMILIARES 27/8, 8h30 às 13h – encontro mensal das Novas Constelações Familiares, com Cristina Florentino, no Espaço Padma (Rua de Lucas, 36 – Condomínio San Conrado – Sousas). Inscrições e mais informações: (19) 3255-4256 ou www.cristinaflorentino.com.br RELACIONAMENTOS 31/8, 19h – palestra “Por que é tão desafiador?”, com a psicóloga e facilitadora de pathwork Cristina Florentino, no Instituto Vida Bem Vinda (Rua Dr. Sampaio Ferraz, 697 – Cambuí). Contribuição: 20 reais. Inscrições e mais informações: (19) 3381-3391

INDAIATUBA

Recebemos colaborações para este espaço. Envie sua mandala para contato@jornalzen.com.br

BRAHMA KUMARIS 25/8, 19h30 – palestra “Estresse, ansiedade e compulsão: como aliviá-los no dia a dia” – no Plenarinho da Câmara Municipal (Rua Humaitá, 1.167 – Centro). Aberto ao público. Inscrições e mais informações: (19) 3241-7480 e (19) 99202-9763

15

EUBIOSE 27/8, 15h – palestra “As Leis Universais e os Princípios da Dinâmica”, com Iramar Rodrigues, na sede local da Sociedade Brasileira de Eubiose (Rua Madri, 72 – Jardim Europa). Aberto ao público. Mais informações: sbe.indaiatuba@gmail.com

SÃO PAULO CHÁ BENEFICENTE 22/8, 15h – evento em prol da Associação de Apoio à Criança com Câncer (AACC), no Terraço Itália (Avenida Ipiranga, 344 – República). Convites: 80 reais (na sede da AACC: Rua Borges Lagoa, 1.603 – Vila Clementino, ou por depósito). Mais informações: (11) 5084-5434 e (11) 5082-5434 ou www.aacc.org.br MEDITAÇÃO todas as quartas-feiras (15h30, 19h30 e 20h30) – prática na Sala (2º andar) da Fundação Lama Gangchen para a Cultura de Paz (Rua Apinajés, 1.861– Sumaré). Aberto ao público. Mais informações: (11) 3032-5573 Nando Federice

BENEFICENTE O Trio Titanium faz show em prol do Centro Infantil Boldrini dia 18 de agosto, às 21h no Teatro Sérgio Cardoso (Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista), em São Paulo. A apresentação faz parte da série Concerto pela Vida, promovida pelo Grupo de Combate ao Câncer (GCC). Mais informações: (11) 3288-0136


16

JORNALZEN

AGOSTO/2016

Profile for JORNALZEN

Jornalzen Agosto 2016  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há onze anos no mercado, circula e...

Jornalzen Agosto 2016  

Jornal mensal referência em terapias holísticas, saúde, cultura, educação, bem-estar e qualidade de vida. Há onze anos no mercado, circula e...

Advertisement