Issuu on Google+

Distribuição gratuita em Francisco Morato, Franco da Rocha, Caieiras, Perus, Jaraguá e Pirituba

22 de abril a 6 de maio de 2009 Ano 1 • nº 2

URBANO JORNAL

www.jornalurbano.com.br

Primeiro de Maio - festas e dicas para conseguir um trabalho. Pág. 7

Concorra a um relógio para presentear no Dia das Mães. Pág. 8

Mauricio Kubrusly e a mulher de 19 filhos. Pág. 2

“Caieiras e Franco são a bola da vez” Acesso fácil, boas estradas, clima agradável e a manutenção daquele clima bom de interior. Com olhos focados na região, imobiliárias e incorporadoras fazem lançamentos de condomínios em série para atrair moradores de São Paulo e bairros vizinhos. Novos empreendimentos - especialmente o megaprojeto da cons-

trutora Camargo Corrêa - devem mais do que duplicar a população da região em poucos anos. O Jornal Urbano falou com especialistas para ver até que ponto a expansão imobiliária pode ser benéfica para a região e quais cuidados devem ser tomados pelas incorporadoras para não transformar nossas áreas verdes em pó. Pág.5

Sebrae e Senac oferecem consultoria gratuita para empresas em Franco da Rocha Pág. 4

Saiba o que mudou no Imposto de Renda - e não perca a data da entrega! Pág. 4

Jornal Urbano estreia a série “Como eu escolhi minha profissão?” Pág.2

Vida de Motoboy

Um shopping só de sapatos para mulheres Pág. 8

Personagens de TV marcam lançamentos de brinquedos até o final do ano Pág. 4

Preconceito, acidentes, entregas inusitadas, chuva e sol no capacete. Vida de motoboy não é fácil! Conheça as histórias que o Jornal Urbano ouviu desses profissionais, como Sérgio (foto), que passam até 18 horas por dia em cima da moto. Pág 6

Virada Cultural em São Paulo mistura rock, brega e MPB em eventos gratuitos Pág. 3

Honda lança CG 150 Titan Mix, a primeira moto bicombustível do mundo Pág. 6

Catavento, novo Museu Interativo, Ensina História e Ciências para toda a família Pág. 3


2

22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

Editorial Antes de falar sobre esta edição do Jornal Urbano, queremos agradecer o imenso apoio que a primeira edição recebeu. Por cartas, emails e telefonemas, recebemos todo tipo de felicitações e elogios - além de sugestões de pautas, que são sempre muito bem-vindas! Agora, partindo para este número dois, vamos falar sobre o desenvolvimento da região. Apenas no trecho compreendido entre Pirituba e Francisco Morato, há quase um milhão de habitantes. Número esse, aliás, que deve crescer a olhos vistos nos próximos anos, dada a imensa expansão imobiliária da região. Sem ter para onde se expandir, a metrópole vira-se para nós. Somos a “menina dos olhos” dos empreendimentos imobiliários. Não precisamos ir longe - aposto que você já deu de cara com alguma placa anunciando um empreendimento imobiliário - para perceber que já somos parte de uma região em transformação, em franco crescimento. Mais habitantes significa mais procura por serviços, o que deve trazer, também, mais opções no comércio e na prestação de serviços. Também significa mais gente dividindo o mesmo espaço, o que pode levar a um aumento no trânsito ou nos índices de poluição. Por isso, esta edição do Jornal Urbano analisa até que ponto o custo-benefício desse crescimento será benéfico à população. Esperamos que você goste! Jornal Urbano

Entre em contato com o JU! Existem vários canais de comunicação entre você e o Jornal URBANO. Escolha o seu e fale conosco!

Maurício Kubrusly, o contador de histórias - Quantos filhos mesmo? - 19. - Mas nenhuma mulher pode ter 19 filhos! Estamos lá pros lados de Divinópolis, MG. - Meus pais eram muito pobres. Quando tinha 14 anos, eles me entregaram pra um homem. Agüentei dois anos e fugi. Mais tarde, se casou por escolha. E teve dois filhos. Sete anos depois o marido morreu. E foi aí que apareceu um outro, que poderia ser o pai dela. Mas ele já tinha 9 filhos. Se juntaram e ela assumiu os 9 filhos. Então, já eram 11. Só que ela teve mais 8. Ficou viúva e lembra, com carinho, da teimofoto: Arquivo Jornal Urbano sia do marido. - Ele sempre ia, com a charretinha, vender verduras e frutas no mercadinho. Um dia, quando virou a esquina, foi parado. E o guarda avisou que aquela rua era agora de mão única. O marido bateu pé: “uai!, vou por aqui, sô, o cavalo sabe o caminho sozinho”. Teimoso, sempre brigando com o guarda. Quando ele morreu, o mesmo cavalo levou o caixão e, claro, entrou na contramão. Mas o guarda tinha fechado todas as ruas, só pra que ele fizesse, pela última vez, o caminho preferido. E meus 19 filhos seguiram atrás da charretinha. Na contramão, claro.

Receba informações importantes direto no seu celular. Siga-nos em http://twitter.com/jornalurbano

Maurício Kubrusly é jornalista, escritor e colaborador do Jornal URBANO. Criou o programa de rádio Sr. Sucesso, trabalhou no Jornal da Tarde e atualmente faz o “Me Leva Brasil” no Fantástico da TV Globo.

SMS

Se você tiver alguma notícia para nos mandar, envie mensagem do seu celular para (11) 9910-3398. Observe os custos para envio de mensagens da sua operadora celular.

Se você souber de alguma história interessante, conte para a gente! Para isso, utilize qualquer um dos endereços ao lado - email, carta, mensagem via celular.

orkut

Vá em Comunidades e procure Jornal Urbano.

Como escolhi minha profissão...

email

contato@jornalurbano.com.br

Carta

Jornal Urbano Caixa Postal 715 - Caieiras-SP CEP 07700-000

Dirceu Siqueira, 44 anos dirceueletricista@yahoo.com.br Descobrir que dá para viver fazendo do que se gosta foi para Dirceu Siqueira uma revelação. Ele gostava do trabalho de eletricista desde criança já que em casa era o que mais via. Aprendeu a gostar e a fazer bem feito à custa de broncas que levava por trabalhos mal executados. Dirceu tem sua fórmula para o bom profissional: ele tem que ser atento, aprender com a experiência e os cursos, querer se aperfeiçoar – e isso inclui saber usar bem equipamentos. “O melhor da profissão é resolver os problemas e ter a sensação de dever cumprido. O Escreva para a gente sobre como você escolheu pior são os choques que sua profissão. Envie sua história para às vezes ainda acontecontato@jornalurbano.com.br cem”, brinca.

Eletricista

Ou você pode entregar sua mensagem para o distribuidor do jornal!

Anuncie no Jornal Urbano

s JORNAL URBANO PRECISA DE

VENDEDORES (AS) OFERECEMOS: - ajuda de custo - fixo por conta de comissão - premiação

Marcar entrevista pelo fone 4899-0557

4899-0557 A credibilidade e a seriedade que seu anúncio merece

Expediente O Jornal URBANO é uma publicação quinzenal com distribuição gratuita produzida pela Fischer & Zenza Editores Ltda. Tiragem comprovada na nota fiscal da gráfica: 10 mil exemplares. Redação Jornalista responsável: Tomas Fischer - MTB 12.134 Editora-chefe: Gisele Berto Repórter: Roniel Felipe Redação: s (11) 4899-0557 imprensa@jornalurbano.com.br

Comercial: publicidade@jornalurbano.com.br Caixa Postal 715 - CEP 07700-000 - Caieiras - SP Dúvidas, críticas e sugestões: contato@jornalurbano.com.br

Impressão: Além Da Arte (11)4226-7272 O conteúdo desde jornal pode ser reproduzido, desde que citado que pertence ao Jornal Urbano. Colunas e artigos publicados por terceiros não refletem necessariamente a opinião deste Jornal.


Divirta-se 3

22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

Museu Interativo mostra Ciências e História para toda a família público adolescente e adulto, as crianças não foram esquecidas, e aqueles que tem até sete anos de idade têm no Catavento um espaço com brinquedos e atividades lúdicas. Enfim, uma aventura rica, completa e de extremo bom gosto. SERVIÇO: Catavento Cultural e Educacional. Parque Dom Pedro II, centro, SP s3246-4100. Terça a domingo, 9h às 17h. Ingresso: R$ 6. Estudantes

com carteirinha, aposentados e idosos: R$ 3. Grupos de escolas públicas não pagam, mas precisam agendar a visita. A bilheteria fecha às 16h. Estacionamento: R$ 8, três horas). Visitas de escolas devem ser agendadas.

www. cataventocultural. org.br

Rock, MPB e brega em vários pontos de SP

fotos: Gil Tokio

Vinte quatro horas de cultura gratuita. Esse é o lema da Virada Cultural, festa organizada pela Prefeitura de São Paulo que acontece nos dias 2 e 3 de maio, (sábado e domingo) e com sucesso, chega à sua quinta edição. Começando às 18hs do sábado e encerrando no mesmo horário no domingo, a Virada terá cerca de 800 apresentações em 150 pontos do centro da capital. A programação variada que marcou as festas anteriores está de volta. Assim o paulistano fã de rock e música clássica poderá acompanhar, na São João, o resultado da dobradinha musical entre a Orquestra Sinfônica Municipal e Jon Lord, roqueiro ex-tecladista do Deep Purple. Tocam ainda no mesmo palco Marcelo Camelo, dos Los Hermanos e a cantora Maria Rita. O Largo do Arouche é o local para aqueles que curtem a música brega com a apresentações de cantores populares como Reginaldo Rossi, Odair José, Wando, Beto Barbosa e Benito di Paula.

Fotos: Gil Tokio

Depois dos museus interativos do Futebol e da Língua Portuguesa, chegou a vez daqueles que gostam de história e ciências ganhar o seu espaço cultural interativo. Batizado como Catavento e instalado no Palácio das Indústrias, antiga sede da prefeitura de São Paulo no Parque Dom Pedro II, o espaço de 14 mil metros quadrados é um passeio com diversão para toda a família. Logo nos primeiros passos, o visitante entra em uma sala que simula o ambiente da Lua. Daí em diante, para percorrer os quatro pavilhões que dividem o espaço que tem 250 instalações, são necessárias três horas. Durante o passeio é possível encontrar espelhos que deformam as imagens, gravar vídeos em um pequeno estúdio de TV, conhecer diversas espécies de peixes e borboletas e ainda escalar uma parede cheia de imagens de personagens famosos da história que, quando tocadas, acionam vídeos que contam a história de figuras como Napoleão e Ghandi, entre outros. Para quem gosta de videogame o Catavento possui jogos interativos baseados em temas polêmicos como como aborto e direitos dos homossexuais. Um outro destaque do museu é o hall alerta, uma sala especial que mostra o efeito nocivo das drogas no corpo humano. Mesmo lotado de atrações voltadas ao

Catavento traz ciências e história de maneira interativa

Grandes nomes do rock nacional dão o tom na Praça da República, que será cenário para shows do Camisa de Vênus, Nasi (Ira!) e Joelho de Porco. Os chegados num bom balanço não devem deixar de conferir os shows de artistas como Clube do Balanço, Trio Mocotó e Gafiera São Paulo, que prometem incendiar a avenida Cásper Líbero com o ritmo contagiante do samba-rock. A grande novidade deste ano é a inclusão do Teatro Municipal de São Paulo nos pontos de shows. Lá, se apresentarão nomes da MPB como Arrigo Barnabé, Egberto Gismonti, Tom Zé, Fafá de Belém, Beto Guedes, Francis Hime e Chico César. Uma outra boa nova é Palco “Toca Raul”, no qual artitas profissionais e amadores interpretarão os grandes sucessos do roqueiro cuja a morte completa 20 anos em 2009. Todas as atrações são gratuitas. Reúna sua família e amigos, escolha a atração que mais lhe agrada e boa diversão.

Veja mais em www.viradacultural.org

A diferença entre arte e cultura HELENA KATZ

Arte e cultura são sempre usadas como se uma fosse sinônimo da outra, mas elas não são. Cultura é muito mais abrangente, pois se refere a tudo aquilo que nós, humanos, pusemos no mundo, seja religião, ciência, culinária, moda, até todos os tipos de máquinas e seus produtos. A arte representa só um pequeno pedaço da cultura, mas seu alcance é enorme. Porque

a arte nos faz muito bem. Quando se ouve música ou se assiste dança, quando se olha um quadro, se lê um livro, se vai ao teatro – quem tem a oportunidade de fazer alguma dessas atividades, vivencia um tipo de momento especial na sua vida. O encontro com qualquer forma de arte parece estimular os nossos sentidos de uma maneira especial. Não

somente porque pode ser um encontro que nos emociona, mas também porque pode nos levar a pensar. Lembre-se que cada artista expressa, nas suas obras, a sua visão sobre o mundo. Conhecer a obra de um artista, então, é conhecer o seu pensamento, ou seja, é estabelecer uma conversa com o artista. A música popular é a mais presente das ar-

tes nas nossas vidas. A maioria de nós gosta de música, mas não de toda e qualquer mú-sica. Aquelas que não se parecem com as músicas que nos habituamos a escutar, ou dizemos que são chatas ou nem as reconhecemos como música. O exemplo da música nos ajuda a pensar nas outras artes. Se tivéssemos condição de ter, no nosso cotidiano, um contato permanen-

te com cada uma das artes, estaríamos muito familiarizados com cada uma delas e nem passaria pela nossa cabeça o medo de não entendê-las. Mas como não é isso o que ocorre, pois as artes não estão, por exemplo, na televisão e nem no rádio, fica aquela desconfiança de que a arte não é pra todo mundo. Mas a arte – qualquer forma de arte - pode nos

ajudar a viver melhor. Pode até mesmo nos fazer entender nossos aborrecimentos e preocupações. O que não podemos ter é medo de não entendê-la. Basta lembrar da música para saber que a única solução é querer começar a encontrar mais com ela. Helena Katz escreve sobre cultura, é professora universitária e colaboradora do Jornal Urbano.


4

22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

Seu dinheiro

Saiba o que mudou no Imposto de Renda e não perca a data da entrega FRANCISCO D’ORTO NETO Olá, contribuinte! Não esqueça de entregar o seu Imposto de Renda (IR) 2009, relativo ao exercício de 2008. O início da entrega das declarações foi no dia 2 de março e tem a data limite de 30 de abril. O horário passou das 20h para a meia noite desse dia! Fique atento, quem não entregar no prazo será penalizado. A Receita Federal é o órgão responsável pela divulgação de informações e pela distribuição de formulários (via internet e ou papel). É, também, responsável pelo recebimento das declarações, dos recolhimentos dos impostos e restituição do excesso de imposto pago antecipadamente. A Receita Federal fez algumas alterações para as declarações deste ano, dentre outras, chamamos a sua atenção para a mudança na correção dos valores na Tabela progressiva do IR, isto é importante porque altera significativamente tanto o valor que você eventualmente terá que pagar, pois reduzirá esse montante, ou a receber, pois será maior tendo em vista o ajuste de 4,5% nos fatores da tabela. Confira: Outras mudanças que merecem destaque são:

isento e não-tributável. - O limite para o desconto padrão é de R$ 12.194,86, esse valor somente poderá ser aplicado caso você prefira fazer a declaração no modelo simplificado. - O novo valor de desconto por dependente é R$ 1.655,88. - Nas despesas com educação, o limite é de R$ 2.592,92. - Pagamento de INSS de empregado doméstico, a dedução permitida é de R$ 651,40. - Para as despesas médicas não há limite de dedução.

Parcela a Deduzir do Imposto 0 R$ 2.471,06 R$ 6.585,93

Dicas: -Prefira preencher a declaração no seu computador e enviar por internet, além de ser mais fácil é mais seguro e gera um banco de dados para a declaração do ano seguinte. -Preste atenção na hora de colocar os dados bancários para o depósito da sua restituição. Caso haja algum erro, o depósito não será realizado e você somente irá descobrir se ligar para o banco de sua opção. Ninguém avisa que o seu dinheiro está lá te esperando! -Imprima uma cópia da sua declaração e guarde numa pasta por pelo menos 5 anos. Nunca se sabe quando irá precisar comprovar que você fez a declaração. O seguro morreu de velho!

- O abono de férias, que consta no informe da fonte pagadora, caso você esteja trabalhando com a sua carteira de trabalho assinada, deve ser declarado como rendimento

Francisco D’Orto Neto é economista e consultor de Empresas e colaborador do Jornal Urbano contato@jornalurbano.com.br

Base de Cálculo/ Renda Anual Até R$ 16.473,72 De R$ 16.473,73 a R$ 32.919 Acima de R$ 32.919

Alíquota % 0 15 27,5

Personagens da TV marcam lançamentos de brinquedos até o final do ano Apostando no embalo das estreias da TV e cinema ou no carisma de programas já consagrados, fabricantes de brinquedos mostram suas novidades na 26ª Abrin – maior evento de brinquedos da América Latina, que aconteceu na semana de 13 a 16 de abril, mostrou que a tendência em lançamentos este ano são os licenciamentos, ou seja, brinquedos de personagens de TV e quadrinhos devem invadir as lojas no Dia das Crianças e Natal. Segundo a Abrinq, entidade dos fabricantes nacionais de brinquedos, os produtos licenciados já representam 80% do mercado e são fundamentais para elevar as vendas.

fotos: divulgação

Sebrae e Senac dão consultoria a comerciantes de Franco da Rocha Os pequenos comerciantes de Franco da Rocha que quiserem saber se estão fazendo a coisa certa com o seu comércio podem se inscrever gratuitamente no programa Comércio Varejista. O programa é um convênio entre o Sebrae-SP e o Senac e deve atender cerca de 9 mil micro e pequenas empresas no Estado de SP, e é aberto a todas as empresas com CNPJ do comércio varejista, independente do setor que atuam. As empresas que se cadastrarem receberão a visita de consultores do Senac, que analisarão o ponto comercial, a vitrine, iluminação, limpeza, climatização, comunicação visual, acesso à loja, disposição e apresentação dos produtos, provadores (em lojas de roupa) e outros aspectos fundamentais para atrair o consumidor. Cada empresa receberá o levantamento (diagnóstico) individual para que o empresário possa melhorar

o visual de seu estabelecimento para atrair mais clientes. Para aplicar as soluções apresentadas, os empresários também contarão com consultorias individuais. Após a primeira fase do programa, os empresários poderão aderir à fase seguinte que tratará do Relacionamento com o Cliente; o público-alvo da empresa, atendimento e pós-venda. Já na terceira etapa, a capacitação dos empresários passará para as ferramentas de controle, como foco no estoque, fluxo de caixa e aspectos da área financeira, para melhoras a gestão do negócio. Os empresários interessados podem se inscrever no PAE, na Associação Comercial de Franco da Rocha ou pelo s48113282 ramal 803 com Massayuki ou Suzana. SERVIÇO: PAE – FRANCO DA ROCHA: Rua Coripheu de Azevedo Marques, 63, Centro. ACE - FRANCO: Rua Dr. Hamilton Prado, 232

Seus filhos

Seu filho sabe mesmo ler e escrever? ILANA KATZ

Vila Sésamo nos talheres da Dican

Veja alguns dos principais lançamentos: Oregon Scientific: linhas Barbie, Hot Wheels, Batman, Polly e Homem Ara-

Mundo Mágico da Barbie, da Oregon Scientific

Mônica e Magali adolescentes da Gulliver

nha, em laptops infantis e brinquedos eletrônicos para meninas e meninos a partir dos cinco anos. Gulliver: lançou uma linha de bonecas estilo “ fashion dolls” da Mônica Jovem, a versão adolescente da Turma da Mônica. Dican: a turma da Vila Sésamo em talheres, potes, copos, pratos e babadores. Long Jump: Charlie e Lola e Pocoyo, em pelúcias, bonecos e carrinhos. Milk Brinquedos: o gato Garfield virou bone-

co que fala. Buba Toys: um Garfield que dorme e ronca. Brink/Acalanto: a fada Sininho, uma boneca de 50 cm, com asas que brilham no escuro. Ki-Tok: boneco de pelúcia e vinil do Menino Maluquinho, do cartunista Ziraldo. Também uma panela em formato de capacete – marca registrada do personagem. Estrela: jogos com a Turma do Cocoricó, Looney Tunes, Turma da Mônica e Heróis Marvel.

Ter um caderno cheio de letras bem feitas, com toda a lição copiada, nem sempre quer dizer que a criança entende o que está escrito ali. Copiar o que o professor escreve na lousa é muito diferente de saber escrever, e mais diferente ainda de saber ler. Copiar é só desenhar as letras, não é o mesmo que saber o que elas querem dizer. Se você tiver dúvidas sobre a alfabetização do seu filho, peça para ele ler o que escreveu, ou alguma outra frase simples. Caso ele não consiga, converse com o professor dele, e se ainda assim a situação não melhorar, procure ajuda especializada. Há muitas clínicas que podem fazer uma avaliação da situação de aprendizagem do seu filho, e isso e muito im-

portante para que ele consiga aprender e se desenvolver. Ilana Katz é psicanalista e colaboradora do Jornal Urbano.

As prefeituras locais oferecem serviços de atendimento psicológico para pais que estejam em dúvidas a respeito do desempenho escolar dos filhos. Em Caieiras o responsável é o EDESP (Departamento de Educação Especializada). O telefone é 4442-7111. As cidades de Franco da Rocha e Francisco Morato também oferecem esse serviço. Os contatos são: Franco da Rocha: 4449-2950 e Francisco Morato: 4488-7979.

Mande suas dúvidas ou perguntas para o Jornal Urbano. Veja como na pág. 2


22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

Notícias Locais 5

Expansão Imobiliária Muda a Cara da Região Novos loteamentos, Condomínios e Apartamentos, para todos os bolsos e gostos, transformarão Caieiras e Franco da Rocha nos próximos anos

jovem, recém-casado, empresários”, diz Pavan que define a região como “Um bairro de São Paulo com clima diferenciado”. O empresário crê que a principal razão para a expansão da região são as estradas que facilitam o acesso à capital. “Saindo daqui você está perto de tudo. O transporte facilita”. Ele vê um novo perfil de morador, e novas atitudes nos moradores da região, que exigem serviços de qualidade, com reflexo no comércio e na profissionalização na prestação de serviços. Pavan vê grandes oportunidades na região e uma enorme quantidade de coisas novas que podem ser feitas. Com olhos em um público diferente do Villa Verde, a Adiplan aposta nos empreendimentos populares, com prestações que caibam no bolso da classe C/D, como o Portal

e querem sair do aluguel”, diz Jarbas Castilho, gerente de vendas da Adiplan. “Temos uma carência de oito milhões de moradias no Brasil, e aqui na região existe uma área livre muito grande, que já não existe em outros lugares. É natural que as incorporadoras comecem a fazer loteamentos”, afirma Castilho. O gerente acredita, também, que o fato das cidades estarem mais estruturadas

atraiu os investimentos. “Hoje você vê Francisco Morato, Franco da Rocha, Caieiras, estão muito mais bonitas e estruturadas do que há um tempo. Isso atrai compradores e, com isso, investidores”. Castilho afirma que a região vai ganhar muito com o desenvolvimento. “As vias de acesso estão melhorando, o transporte vai melhorar, o nível de exigência dos moradores está mais alto”.

fotos: Roniel Felipe

A construção do Rodoanel, facilitando o acesso à região, aliada à falta de espaços livres na cidade de São Paulo e outras cidades da Grande São Paulo, fez a indústria imobiliária voltar os olhos para a região compreendida entre Franco da Rocha e Caieiras. Diversos empreendimentos desembarcaram na região com os mais diferentes perfis e preços: Vila Verde I, II, III, Portal da Estação, Parque da Serra, Jardim Rubi, Portal das Alamedas, além de conjuntos de prédios populares na região. Mas o grande impacto na região será o empreendimento orquestrado pela Camargo Correa em terras da Melhoramentos, para 80 mil novos moradores, segundo a empresa (veja quadro). O crescimento da região começou anos atrás com empreendimentos como o Alpes de Caieiras, Nova Caieiras, Real Parque e Jardim dos Lagos. “É a bola da vez!” diz Guido Pavan, diretor da Pólo Empresarial Franco da Rocha, para definir o momento. Pavan sabe do que fala: sua incorporadora é responsável pelo empreendimento Residencial

Pavan: “Somos a bola da vez”

Villa Verde I, II e III, em Franco da Rocha. O Residencial Villa Verde começou a ser pensado há seis anos. “Nascemos como uma proposta para a classe média, que buscava um loteamento fechado. Nosso comprador é, em geral,

das Alamedas e o Portal da Estação, ambos em Franco da Rocha. “A maior parte do nosso público vem dos bairros que fazem divisa com a nossa região, como Pirituba, Freguesia do Ó. São pessoas que precisam pagar pouco

Caieiras hoje: a cara da cidade vai mudar em poucos anos

Uma Caieiras nova está nos planos da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI) que em um prazo de até 15 anos, pretende completar um empreendimento imobiliário para 80 mil novos moradores. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Caieiras tinha 81.163 habitantes em 2008. Só o projeto da Camargo Corrêa dobra a população de Caieiras. A área da Camargo Corrêa tem mais de cinco milhões de metros quadrados, dos quais 1,6 milhão serão de área construída. A idéia é separar as construções em “verticais”, com prédios de até quatro andares, e “horizontais”, com lotes. De acordo com o projeto ini-

cial, os apartamentos terão entre 60 m² e 120 m² e custarão entre R$ 70 mil e R$ 200 mil cada. O projeto não prevê um condomínio fechado, mas sim um bairro planejado, seguindo os moldes utilizados no empreendimento do Arquitetura de Morar, localizado no Jardim Sul, em São Paulo. O projeto será lançado em fases, a partir de 2010. O projeto ainda prevê áreas destinadas à criação de praças e parques públicos e a infraestrutura. O Jornal Urbano entrou em contato com a Camargo Corrêa que, de acordo com sua assessoria de imprensa, informou que não se pronuncia no momento sobre o assunto, pois o projeto encontra-se em fase de desenvolvimento.

Caieiras será irreconhecível em 2015 Clima, trânsito, segurança pública. Com o aumento populacional, a vida das cidades da região vai mudar. O Jornal Urbano foi atrás de especialistas que falaram sobre as possíveis mudanças pelas quais as cidades da região irão passar. O desenvolvimento comercial está entre os principais benefícios para os municípios. Mas as cidades precisam se preparar para comportar toda a gente que virá. O transporte deve ser um dos serviços que mais sentirá o impacto. Cidades com ruas estreitas e centro comercial com trânsito apertado, as cidades terão que sofrer transformações estruturais para comportar o novo fluxo de pessoas. Essa é a opinião do arquiteto e professsor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), Eduardo Nobre. “Nesses casos, o maior e mais perceptível problema é o transporte. Na área urbana, deve haver muito mais automóveis, o que causaria caos e transtorno caso o transporte público não seja bem resolvido”.

Castilho: loteamentos facilitados para a classe C

foto: assessoria de imprensa Prefeitura de Caieiras

DA REDAÇÃO

Metrô de superfície - Por falar em transporte público, os trens deverão sofrer modificações. Além da melhora e aperfeiçoamento das linhas de ônibus, a linha 7-Rubi da CPTM (Luz-Francisco Morato), está recebendo investimentos de R$ 1,3 bilhão na modernização de estações e trens e aquisição de 20 trens novos para transportar o novo público. Os planos da CPTM para a região incluem mudar o trem de hoje para um “metrô de superfície”, e o intervalo entre os trens será quatro a cinco minutos. Para o professor da FAU, o caso de Caieiras é talvez um caso mais raro já que a cidade dobrará de tamanho

com apenas um empreendimento. Com isso é possível que o centro se desloque para a nova área. “A infraestrutura urbana depende muito das exigências que o governo fará ao empreendedor”, lembra o professor. O tempo vai esquentar - As mudanças não se limitam ao trânsito. Segundo o metereologista André Madeira, da agência Climatempo, os cidadãos poderão sentir na pele os reflexos da nova fase. “A tendência é que a região se torne mais quente. Além disso, o desmatamento resulta em um nível menor de infiltração de água no solo, o que pode ocasionar enchentes”, alerta. Porém, ainda de acordo com o especialista em clima, a situação varia de região para região, e depende da consciência ambiental da construtora e da fiscalização do órgão público para que o desmatamento não seja maior do que o planejado. Impacto Ambiental - A diretora de gestão do conhecimento da organização S.O.S Mata Atlântica, Márcia Hirota, alerta para o impacto que o lançamento desses vários empreendimentos terá sobre a região. A ambientalista destaca que a região é pouco habitada também porque parte está inserida dentro do Parque Estadual da Cantareira. “O impacto será grande, isso é indiscutível”, afirma Hirota, pare la há formas de construir empreendimentos sustentáveis. “Ninguém é contra lançamentos imobiliários, mas há formas melhores de executá-los do que outras. Investir na educação ambiental, na coleta seletiva de lixo, em fontes alternativas de energia e no tratamento de esgoto, por exemplo, são medidas indispensáveis”, avalia a ambientalista.


6

22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

“Vida de motoboy não é opção; é falta de opção”

foto: Roniel Felipe

fotos: Roniel Felipe

Sérgio Luiz Salles, caieirense nessa vida por opção, estou levar fechada, ver as pessoas te não é opção; é falta de opção”. campanhas falando sobre como de 20 anos, sempre foi um apai- por obrigação, para pagar xingando, discriminando, a coisa O que mais incomoda Ro- motos e carros podem conviver no xonado por duas rodas. “Antes minhas contas”, diz o motoboy começa a ficar chata”, diz. “Bom bson é o preconceito. “Princi- trânsito, como faz para evitar que de ter habilitação eu trabalhava Raimundo Sérgio Martins Chaves, nessa profissão é chegar em palmente na Zona Sul de São os motoristas bebam, por exementregando refeições com casa inteiro, com plo, os motoboys se machubicicleta”, lembra. Há mesaúde”, completa. cariam muito menos”, diz nos de dois anos começou Nos 15 anos de Robson. na vida de motoboy. “Passo moto, Raimundo já De acordo com a Fecerca de 18h por dia em entregou de tudo. deração dos Moto-taxiscima da moto”, diz Sérgio. Mas nada supera tas e Motoboys do Brasil “Depois do expediente, ainum pedido no mínihá atualmente dois mida vou para São Paulo enmo estranho. “Uma lhões de motoboys circutregar pizzas”. vez entreguei banalando no Brasil. Sérgio é um dos motonas”, conta. Os motoboys estão boys que está na profissão Além do trânsito entre os profissionais que por opção. “Sou eletricista pesado, Raimundo apresentam um dos maioe pintor. Mas gosto mesmo fala sobre os riscos res índices de acidentes é de andar de moto”. de acidentes. “Uma de trabalho. Segundo esO preconceito ele já suvez tive um pneu timativas do presidente perou. “Nem ligo mais”, estourado na Dutra, do Sindicato dos Mendiz. “Só queria que as pesSérgio passa até 18h por dia em cima da moto a 110km/h”, conta. sageiros Motociclistas, soas pensassem que nem toAlém disso, RaimunCiclistas e Moto-taxistas dos são iguais. Existem ladrões de 42 anos, e quinze nas ruas. do já sofreu um assalto, em do Estado de São Paulo Robson fica incomodado com o preconceito que assaltam usando motos, Raimundo acredita que não que levaram a mercadoria (Sindimoto), Gilberto de mas não é porque eu ando de exista motoboy que goste mes- que transportava. “Mas tive sor- Paulo”, diz. “Quando você sobe Almeida, só na cidade de São moto que sou bandido”. mo da profissão. “É arriscado, te. Muitos amigos já perderam a em um elevador social, percebe Paulo morrem dois motoboys Acidentes no trânsito, a polui- ninguém dá valor, existe pre- moto, dinheiro...”, diz. que as pessoas queriam que ti- a cada 24 horas durante o exção e o preconceito são só alguns conceito. Quando você é novo, Apesar de estar há apenas vesse uma janelinha para pular pediente. “Só que esse númedos fatores que fazem a profissão ainda se sente bem na rua, o dois anos na profissão, o mo- do elevador, para não ficar ao ro aí são só dos motoboys que de motoboy ser de alto risco. risco é atraente. Depois de um toboy Robson Silvestre, de 27 seu lado. Deve ser por causa do morrem no local do acidente. “Não tem nada de bom na tempo, quando você começa anos, concorda com a frase do cheiro que os caminhões dei- Quando eles são encaminhados vida de motoboy. Não estou a conhecer o esquema da rua, veterano Raimundo. “Motoboy xam na gente”. aos pronto-socorros e morrem “Muita gente joga o carro na depois não entram nas estatísmaldade. Se o Governo fizesse ticas”, rebate Robson. Penélope Charmosa sob

duas rodas

É fácil saber quando se trata de uma mulher pilotando uma moto. O capacete e o baú corde-rosa podem ser vistos de longe. Há dois anos a ex-auxiliar técnica em enfermagem Gláucia Ramos da Silva trocou de profissão. “Eu viajava muito para cuidar de pessoas adoecidas. Então decidi comprar uma moto. Um dia me desencantei com a área da saúde e virei motogirl”, diz Gláucia. De olho no futuro, a santista de 31 anos de idade, ao lado de seu marido, também motofretista, percebeu que iria mais longe caso abrissem seu próprio negócio. “Eu não vejo preconceito por parte dos homens. Eles respeitam quando vêem um capacete ou uma jaqueta com detalhes rosa. Apesar de algumas vantagens por ser mulher, a motogirl não está livre dos acidentes. “Não Glaucia: “gosto da adrenalina e da sensação de liberdade” vou deixar a profissão. Gosto da adrenalina e da sensação de liberdade”, diz Gláucia.

Para começar na profissão - e algumas curiosidades... Quando você é contratado por uma empresa para trabalhar de motoboy, você deve receber um valor pelo “aluguel” da sua moto. Seguros são por sua conta. As motos mais utilizadas pelos motoboys são a Honda CGs 125 e 150cc e a Yamaha 125cc. Com um litro de gasolina a moto roda em média 30km. Uma moto nova custa em torno de R$ 5.000.

A média de um salário de motoboy fica entre R$ 1.300 e R$ 2.300 com registro CLT. O valor varia de acordo com a quantidade de quilômetros rodados no mês. Tirar habilitação para motocicleta custa em torno de R$ 583. Enquanto o seguro obrigatório para veículos não chega a R$ 100, o DPVAT de motocicleta custa R$ 254. Não é possível fazer seguro

para moto de motoboy. Para incrementar o orçamento, alguns motoboys realizam atividades extras, como entrega de pizzas, jornais e peças automotivas. Motoboys costumam correr e “costurar o trânsito” porque ganham por entregas. É isso o que garante o salário integral do motoboy no f inal do mês – e o faturamento das empresas de motofrete.

Honda lança primeira moto bicombustível A Honda lançou a primeira motocicleta flex do mundo. A CG 150 Titan Mix permite o uso da gasolina, do álcool ou da mistura álcool/gasolina. Disponível nas cores preta, vermelha, prata metálica e azul metálica, a CG 150 Titan Mix chega às concessionárias de todo o Brasil em três versões: KS, com partida a pedal; ES, com partida elétrica; e ESD, com partida elétrica e freio dianteiro a disco. A expectativa de venda da Honda para 2009 é de aproximadamente 164 mil unidades. O preço sugerido é de R$ 6.340 (modelo KS), R$ 6.890 (modelo ES) e R$ 7.290 (modelo ESD), com um ano de garantia, sem limite de quilometragem. Os valores não incluem custos de frete e seguro.

foto: Divulgação


22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

7

Procurando trabalho? Vá ao PAT! O programa Emprega São Paulo, iniciativa da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) orienta para vagas disponíveis no mercado. Há vagas em Telemarketing Ativo e Receptivo e em funções de nível técnico e superior, com habilidades especificas, como técnico em eletro-eletrônicos e técnico em TI. Qualquer trabalhador, empregado ou

“Saio daqui com esperança, embora hoje em dia só contratam quem tem segundo grau”, lamenta o segurança Genival S., que ao lado da esposa, também desempregada, Maria Pastora, foi ao PAT de Caieiras tentar a sorte. Para Janaína Lemes, psicóloga e analista de recursos humanos plena, da agência de empregos Nova RH, de Jundiaí, é ne-

Dicas da SERT Currículo: Escreva da forma que você sabe, sem usar palavras que não são do seu uso diário. Não se complique com palavras que não conhece. Inclua o essencial, não precisa colocar foto e nem números de documentos. Cursos: Fique de olho em anúncios de ofertas de emprego, mas enquanto você não consegue uma vaga o ideal é que você procure se aprimorar. Faça cursos, mesmo aqueles cursos rápidos de um dia, pelo menos vai adquirir algum conhecimento. Atualize-se sempre, leia bons jornais, revistas e livros, assim você adquire conhecimento. As chances de você conseguir um trabalho irão aumentar.

foto: Roniel Felipe

PRIMEIRO DE MAIO

Eventos marcam a data na região e em São Paulo

Especialistas dizem que vagas existem; só é preciso qualificação.

não, e com mais de 16 anos pode participar, é só preencher ficha no site do Emprega São Paulo (www.empregasaopaulo. sp.gov.br) ou pode se inscrever no Emprega São Paulo pelos PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador), em Caieiras, Franco da Rocha e Francisco Morato. Nos PAT também é possível dar entrada no segurodesemprego e emitir carteira de trabalho. SERVIÇO: Emprega São Paulo: www.empregasaopaulo.sp.gov.br

PAT Francisco Morato: s 4488-5589 PAT Franco da Rocha: s 4444-1444 PAT Caieiras: s 4899-0557 Atendimento Emprega São Paulo: s 0800 770 7378 de 2ª a 6ª feira, das 7h às 22h, e aos sábados das 7h às 13h.

cessário o candidato investir em cursos que aumentem seus conhecimentos. “É preciso o trabalhador se conscientizar. Existe o acesso à educação, mas não existe uma cultura de valorização ao emprego”, aponta. Por “valorização do emprego” entenda-se estudar, fazer cursos, ler e ficar atualizado com o que está acontecendo à sua volta e, principalmente, em relação às coisas da sua profissão.

A Força Sindical realiza, tradicionalmente no dia 1º de maio, a Festa do Trabalhador, na Praça Campo de Bagatelle, próximo ao Campo de Marte – zona norte de São Paulo. Muitos artistas são convidados, entre eles Daniel, Zezé di Camargo & Luciano, Bruno & Marrone e Jeito Moleque. As apresentações será das 7h às 20h. Este ano serão sorteados 20 carros 0km. Para concorrer aos prêmios basta retirar o seu cupom em um dos 60 pontos fixos de distribuição espa-

S E R V I Ç O S

D I V E R S O S

ELETRICISTA e hidráulica residencial. Orçamento sem compromisso. Atende toda a região. s 9893-0061, com Dirceu.

SEJA FELIZ - desvendo sua vida através do copo d’água s25152457 / 3462-1514 / 8285-0337.

PLANTAS E MUDAS, flores, cercas vivas, árvores nativas. Plantio e manut. p/ casas, escritórios e prédios. Av. Paulicéia 3465, Laranjeiras, Caieiras s 4899-5078.

PROFª DAS MAGIAS AFRICANAS traz seu amor c/ rap. Faz qq. trab. espiritual s2854-6138.

lhados pela capital, Grande São Paulo e na cidade de Santos. A programação completa e os endereços para retirada dos cupons estão no site do Jornal Urbano – www.jornalurbano.com.br No ano passado a festa recebeu mais de um milhão de pessoas. Neste ano a expectativa é que o mesmo número de pessoas participe do evento. Em Francisco Morato, a 7ª Festa do Trabalhador acontece em frente à Prefeitura, das 14h às 23h. Em Caieiras e Franco da Rocha o calendário de festividades não havia sido definido até o fechamento desta edição.


8 Feminina

22 de abril a 3 de maio de 2009 Jornal Urbano

Um Shopping Center só de sapatos! Megaloja próxima a Marginal tem mais de 250 mil opções de calçados femininos nadas estações. Por exemplo, botas que são comuns durante os dias frios, também podem ser encontradas sem dificuldades durante o verão. Bom para quem viaja ao exterior. O preço é outro atra-

tivo. Como as lojas são de fábrica – ainda assim pechinche – a compra acaba saindo mais em conta. “Este éo

primeiro shopping de calçados com este porte e esta infra-estrutura na cidade de São Paulo”, orgu-

lha-se Mário de Almeida Neto, ideali za dor do shopping. Ainda de acordo com Neto, que tem planos para expandir o negócio criando um espaço para eventos, desfiles e um Museu do Calçado, a mulher brasileira tem paixão especial por sapatos. “Aqui as mulheres possuem cerca de 30 modelos em seu guarda-roupa. E pesquisas apontam que a paulista consome

cerca de três vezes mais do que a média nacional”, ressalta. Em junho o Shopping irá inaugurar mais uma ala, com roupas e acessórios femininos. Maridódromo Apesar do ambiente não possuir sapatos masculinos, os acompanhantes terão a partir de maio o “maridódromo”: enquanto as mulheres se deliciam fazendo compras, os homens podem passar o tempo assistindo aos televisores sintonizados em canais de esporte e economia, ou ler revistas e jornais. SERVIÇO Empório do Calçado Rua Silva Airosa, 40, esquina da Av. Dr. Gastão Vidigal. De segunda a sábado das 10h às 21h. Aos domingos, apenas à tarde, das 13h às 19h. O shopping disponibiliza serviço de transporte para turistas. Mais informações no tel. (11) 3831-3934.

A Avon lança, em 22 de abril, a Gargantilha da Atitude. Todo o lucro com a venda do produto será direcionado para o Instituto Avon, que investe o valor em ações e projetos para diminuir os altos índices de violência doméstica contra a mulher no Brasil. No ano passado, a empresa lançou a Pulseira da Atitude, que vendeu 250 mil unidades e resultou em 1,5 milhão que foi destinado a um projeto coordenado pelo Unifem (Fundo de Desenvolvimento da ONU para a Mulher) que divulga a Lei Maria da Penha para profissionais do Direito e jovens do Ensino Médio. Aproximadamente um bilhão de mulheres no mundo sofre com a violência doméstica. No Brasil, a gargantilha custará R$ 10 e a pulseira, que ainda faz sucesso, R$ 5. Quem optar pela compra dos dois produtos ganha um desconto, pagando R$ 12,50 pelo conjunto. As vendas vão até julho. Mais informações no site www.falesemmedo.com.br

d

Para chegar: Vá de trem até a estação Lapa. Vá até a rua John Harrison, altura do nº 135 e tome o ônibus 8060-10 Vila Piauí. Desça na parada Major Paladino, na rua Silva Airosa, 106. Ande cerca de 50 metros até o Shopping.

Foto: divulgação

Vila Leopoldina, São Paulo, um verdadeiro jardim do éden para as mulheres. Na junção da Av. Dr. Gastão Vidigal com a Rua Silva Airosa fica o O Empório dos Calçados, um shopping center só de calçados femininos., com 30 lojas que desde o ano passado oferecem às compradoras mais 250 mil modelos diferentes, da sandália rasteirinha básica ao sapato de festa. Mulheres mais altas, e consequentemente com pés maiores, não foram esquecidas - no Empório há lojas que trabalham com tamanhos especiais que vão até o número 43. Um outro diferencial do shopping é que em qualquer parte do ano é possível encontrar calçados específicos de determi-

Avon lança Gargantilha contra a violência doméstica

Empório dos Calçados: mais de 250 mil pares de sapatos femininos

Promoção

Jornal URBANO

Dia das Mães

Demonstre todo o amor que você tem à sua mãe e concorra a um presente para você dar a ela no próximo dia 10 de maio.

Para isso, conte em até 15 linhas uma história sobre mãe. Pode ser engraçada, emocionante, um fato diferente. Concorrerão os textos enviados até o dia 28 de abril via correio ou email. Veja nossos endereços na página 2. No título do email ou no envelope escreva “Concurso Cultural Jornal Urbano - Dia das Mães”. O melhor texto, escolhido pela redação do Jornal Urbano, ganhará um lindo relógio despertador que projeta corações no teto e será publicado na edição do dia 2 de maio. O

regulamento

está

disponível no site www.jornalurbano.com.br Boa sorte!


Jornal Urbano 2