Page 1

Ano 11 | Edição 29 Dezembro de 2013

Revista Corpo da Matéria | Curso de Jornalismo PUCPR

GEM de ca pa RTA po PO RE

igo de Lorenz dr i (6 Ro º

ovo 2013 ue N * ng a S

r

dor do Pr êm nce ve io P)

POR QUE TEMEMOS O ESCURO?

Quando o medo torna-se intenso e irracional, você pode sofrer de nictofobia. E isso também atinge os crescidos.


A campanha Se Liga no Livro é uma iniciativa da Lumen FM com a Rede Marista de Solidariedade para incentivar a leitura em Curitiba. Todos os dias na 99,5 você fica por dentro de projetos, iniciativas e diversas ações que incentivam a leitura na cidade, no Brasil e no mundo. E aos domingos, a união das linguagens da música e literatura no Se Liga na Letra, com o professor e poeta Marcelo Sandmann. Se você quiser participar da campanha, basta levar um livro até a sede da Lumen FM. Os livros doados serão distribuídos nas tubotecas de Curitiba.

Se Liga no Livro

Diariamente às 8h, 12h30, 18h30 e 21h.

Se Liga na Letra

Domingo às 18h30. Reprise às quartas-feiras, às 23h.

Apoio:

www.lumenfm.com.br/seliganolivro


Com crianças e jovens na promoção de um mundo com direitos.

A Rede Marista de Solidariedade atua na promoção e defesa dos direitos das infâncias e juventudes nas quatro áreas de trabalho do Grupo Marista. Com esse objetivo, realiza o atendimento contínuo a crianças, jovens e famílias por meio de projetos socioeducativos, desenvolve estratégias de incidência política e fomenta ações de educação para a solidariedade em todo o Grupo Marista. Conheça mais sobre a solidariedade no Grupo Marista. Você também faz parte desta história. Acesse solmarista.org.br


Revista Corpo da Matéria | Curso de Jornalismo PUCPR CORPO DA MATÉRIA Ano 11 - Edição 29 - Dezembro 2013 Revista Laboratório do Curso de Jornalismo PUCPR Pontifícia Universidade Católica do Paraná R. Imaculada Conceição, 1115 Prado Velho, Curitiba PR REITOR: Ir. Clemente Ivo Juliatto DECANA DA ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES: Eliane C. Francisco Maffezzolli COORDENADOR DO CURSO DE JORNALISMO: Julius Nunes COORDENADOR EDITORIAL: Julius Nunes COORDENADOR DE REDAÇÃO/JORNALISTA RESPONSÁVEL: Paulo Camargo (DRT-R 2569) COORDENADORA DE PROJETO GRÁFICO: Juliana P. Sousa EDITOR GRÁFICO: Felipe Giannini Raicoski

ALUNOS | 6o Período Jornalismo PUCPR Ailton Nunes Sirqueira, Bianca Luiza Thomé, Caio Henrique Rocha, Carolina Cachel, Cecília de Moura Santos, Felipe Martins Gonçalves, Flavio Darin Trindade, Francisco Inácio da Silva Mallmann, Harianna Andressa da Silva, Helena Bianchi Goes, Helena da Silva André Salgado, Hellen Rocha de Albuquerque, Heron Torquato Fermiano, Isabela Bandeira Saciotti, João Pedro Alves da Silva, Juliana Satie Oshima, Kamilla Martins Ferreira, Karen Mendonça Okuyama, Lais Capriotti, Laura Aguiar de Souza Nicolli Soares, Letícia da Rosa Costa, Leticia Ignácio Duarte, Marcio Morrison Kaviski Marcellino, Marcos Vinicius Garcia, Mayara Breda Duarte, Nivia Maria Kureke, Paula Alvares Bueno, Paulo Henrique Semicek, Pedro Henrique Domingues, Rafaela Bagolin Bez, Rodolfo Luis Kowalski, Rosana de Oliveira Moraes, Ruthielle Borsuk da Silva, Samara Tamazia Macedo, Vitor Hugo Santos, Ana Carolina Weber Vasconcelos, Camila Módena Vichoski, Daniela Hendler, Diana Soares Faria de Araújo, Diego Fernando Laska, Felipe Giannini Raicoski, Giancarlo da Silva Andreso, Guilherme Antonio Franco Zuchetti, Kauanna Batista Ferreira, Letícia Strivieri Souza Rodrigues Moreira, Liris Vidal Weinhardt, Luize Ribeiro de Souza, Mariana D Alberto El Fazary, Rafaela Gabardo, Raffaela Silvestre Porcote, Renan Martins Machado, Rodrigo de Lorenzi Oliveira, Shaiene Ramão dos Santos. Imagem de capa: Melvin Quaresma - 4oP Jornalismo.

sxc.hu

CAPA

06

POR QUE TEMEMOS O ESCURO

Quando o medo se torna intenso e irracional

04 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


EU ACEITO

11 QUERO SER BARBIE E KEN

14 O BEIJO DA PRIMEIRA VEZ UM POR TODOS, TODOS POR UM ENTRE AZUL E ROSA NÃO HÁ DIFERENÇA

24 O SEQUESTRO DE ACORDO COM A LEI

NOS BASTIDORES DA NOTÍCIA VIOLÊNCIA PRECOCE A CURITIBA QUE CEGOS ANGOLANOS CONSEGUEM ENXERGAR

LAZER ESPORTE

APRENDA A SE PREVENIR

28

36

70 SURFISTAS DE FIM DE SEMANA ALÉM DE GRANDES ONDAS, AS SURF TRIPS GARANTEM BELAS FOTOS

74 ROTA ALTERNATIVA

CULTURA

GALERIA TEIX: INCUBADORA DE IDEIAS

MODA

CIDADE POLÍTICA

TENDÊNCIA DO BEM

OS TIMBRES NATIVOS DE CURITIBA

PREFEITURA SE PREPARA PARA CURITIBA MAIS “VELHA”

SEM VOZ “CENSURA É INTERRUPÇÃO

AMOR: A DROGA QUE CURA

TEMPO PARA AS LETRAS

CURITIBA CORRE CONTRA O TEMPO PARA ORGANIZAR A COPA DO MUNDO

46

NOVAS FERRAMENTAS, TAMANHOS ANTIGOS VIDEOGAMES DIVERTEM, MAS TAMBÉM CURAM

78

CIDADE MODELO TEM DEFICIÊNCIAS

TAXISTA: PROFISSÃO PERIGO

UM NOVO HORIZONTE NA ERA DIGITAL

64 SAÚDE

MEDO EM DOSE DUPLA

QUANDO O DESEJO DE COMPRAR VIRA DOENÇA TECNOLOGIA SUBSTITUI BONECAS E CARRINHOS O NOVO HOJE SE TORNA VELHO E OBSOLETO AMANHÃ

60 TECNOLOGIA

COMPORTAMENTO

A INDÚSTRIA POR TRÁS DOS SONHOS

ECONOMIA

08

54

DE QUEM É A RUA? O CRIADOR DE MUNDOS O APERITIVO NÚMERO 1 DE CURITIBA

96 UM OUTRO CONCEITO DE CRIAÇÃO JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 05


sxc.hu

COMPORTAMENTO

POR QUE TEMEMOS O ESCURO?

Quando o medo torna-se intenso e irracional, você pode sofrer de nictofobia. E isso também atinge os crescidos

P r i mei

“ Mesmo durante o dia, se eu estiver no escuro, preciso sair correndo e encontrar uma luz, mínima que seja.” - Amanda Scandelari,

r

Rodrigo de Lorenzi

06 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

o

gar Lu


oão Pedro tem 10 anos. Quando ficou sabendo que daria uma entrevista, arregalou os olhos, sorriu e disse: “Ai, meu Deus! Vou ser entrevistado!”. Mas seu rosto mudou rapidamente quando falamos sobre o escuro. João Pedro tem medo de entrar em qualquer lugar que não tenha luz. Às vezes diz enxergar algumas sombras assustadoras em cômodos obscuros. Nessa hora, as paredes assumem formas esquisitas, barulhos são ouvidos do nada e alguma coisa embaixo da cama ou de dentro do armário pode sair. O medo do escuro é mais comum em crianças entre 4 e 6 anos, indo até os 9. Após essa idade, geralmente, o temor começa a desaparecer. Porém, algumas vezes não some e engana-se quem pensa que esse comportamento está restrito às crianças. Muitos adultos entram em pânico quando precisam lidar com a escuridão. Esse problema tem nome e não é muito bonito: nictofobia. Em 2001, uma pesquisa feita pela Gallup News Service revelou que 5% da população norte-americana tem medo do escuro. Desses, 5% são mulheres e 2% são homens, mas essa porcentagem pode ser muito maior se pensarmos que diversos adultos sofrem de insônia por causa do medo da escuridão e, por vergonha, não contam a ninguém. Para os especialistas, a origem desse terror do escuro pode estar ligada geneticamente aos nossos ancestrais, já que moravam em cavernas e, quando a noite caía, eles não conseguiam enxergar seus predadores, causando pavor em todos que temiam virar refeição para os animais. Enquanto o sentido de outras criaturas evoluiu ao longo do tempo para se adaptar à escuridão, o ser humano permanece relativamente indefeso quando não há luminosidade. Para a psicóloga Izabela Vicente de Oliveira, no escuro nós nos sentimos vulneráveis a perigos e ameaças e, dessa forma, o medo nos deixa em estado de alerta. “Enquanto o escuro é incerto, a luz tranquiliza. Além disso, culturalmente o escuro vem associado ao sobrenatural, ao imaginário que ameaça e, dependendo das crenças individuais ou de traumas passados, o medo pode se instalar”, exemplifica. Para o pai da psicanálise, Sigmund Freud, o medo está ligado à separação e ausência de nossas mães. Ele escreveu que “a saudade sentida na escuridão é convertida em medo do escuro”.

J

Fobia

Ter medo, como já foi dito, é natural. Porém, para alguns, isso pode gerar uma fobia quando a pessoa paralisa ou tem reações

incontroláveis, fazendo dela dependente das outras. O ilustrador Gabriel Ortolan tem 24 anos e se sente completamente vulnerável à escuridão. “À noite, basta algum barulho pra me deixar ansioso. Certa vez, me incomodei muito quando eu estava na aula de natação, faltou energia e o fundo da piscina escureceu, o que me deixou muito agoniado. Outra vez foi quando eu estava na sala da minha casa, a luz acabou e eu fiquei paralisado, suando frio e respirando fundo enquanto esperava a energia voltar ou alguém da minha família aparecer”, relata. Para a psicóloga, as crianças fantasiam em torno de fantasmas, monstros, bichos e esses pensamentos despertam o temor. Muitas vezes, um adulto com medo intenso de escuro traz desde sua infância esse sentimento. A estudante Amanda Scandelari é outro caso de fobia. “Isso me acompanha desde que eu me lembro e acontece em qualquer ocasião em que eu esteja no escuro, mesmo durante o dia. Eu preciso sair correndo e encontrar uma luz, mínima que seja.”, assume. Embora dormir com a luz acesa pareça ser a solução, estudos mostram que a escuridão é benéfica à saúde e evitá-la pode não ser uma boa ideia. A exposição prolongada à luz antes de dormir suprime a liberação de melatonina (hormônio responsável por regular o sono) e pode aumentar o risco de transtornos de humor, obesidade e distúrbios do sono. Amanda, por exemplo, quando sente medo, acaba sofrendo de sonambulismo. “Sempre que acaba a luz lá em casa no meio da noite e eu estou dormindo, entro no quarto da minha mãe correndo e só acordo quando estou na cama e ela me olhando com uma cara estranha. Esses dias eu levantei e pedi que matassem uma aranha. Enquanto procuravam, eu voltei a deitar. E, quando acordei, não lembrava de nada”, relata. Mas para quem sofre com esse problema, a psicóloga afirma que há tratamento. Quando o medo toma proporções incontroláveis, é necessário realizar uma intervenção psicológica a fim de que se possa descobrir o motivo do distúrbio. “Onde e por que ele ocupa esse lugar na subjetividade do paciente? O que mantém esse sentimento presente e com tamanha força? É a partir do conhecimento desses fatores que podemos traçar um plano de tratamento para o medo em questão”, orienta. Portanto, fique tranquilo! O medo é natural tanto em crianças quanto em adultos, mas vale se ajudar: antes de dormir, não assista a filmes de terror, não pense em coisas tenebrosas e, principalmente, tente enfrentar seu próprio medo. Afinal, quando você acordar, seu quarto estará com o mesmo aspecto de quando você foi dormir. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 07


COMPORTAMENTO

EU ACEITO A instituição do casamento, embora tenha se transformado através do tempo, ainda está em alta, mesmo com o grande número de divórcios Aline Valkiu, João Paulo N. Vieira e Raissa Melo

08 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


A

dentista Susimara Fernando Oliveira Kaufflus e o engenheiro da computação Fabiano Engler acabaram de se casar. No dia 10 de novembro de 2007, Fabiano e Susimara oficializaram o namoro e, seis anos mais tarde, selaram a união na mesma data. A cerimônia foi marcada com um ano de antecedência, e os noivos estão felizes com a concretização de um sonho. “Quando eu conheci a Susi, eu já sabia que era com ela que eu iria casar”, afirma Fabiano. Mesmo já morando juntos desde dezembro do ano passado, o casal não abriu mão de realizar a festa de matrimônio. Susimara, ou Susi, como ela prefere ser chamada, conta que o casamento é um grande sonho da família. “Minha mãe sempre sonhou em ver uma filha entrando na igreja com véu e grinalda”, diz a noiva. Fabiano também vê o casamento como um rito cultural, esperado pela sociedade, e também como uma cerimônia pública, na qual o casal assume diante de todos que quer construir família e tem valores cristãos. “Depois do casamento, a minha família principal vai ser a Susi e meus filhos. Ela depende de mim e eu dependo dela, nós temos que fazer dar certo.” Segunda a doutora em História Maria Cecília Barreto Amorim Pilla, professora da PUCPR, essas tradições do matrimônio, adotadas pelos noivos Susimara e Fabiano e por muitos outros, é resultado de um processo histórico. “A cor do vestido de noiva, por exemplo, vem do século XIX, quando a rainha Vitória usou pela primeira vez um vestido branco: é uma tradição ocidental e recente. Geralmente, o vestido de noiva era a melhor roupa que a mulher possuía. Antigamente, a cor branca significava a virgindade, hoje já não tem essa representação. Outras tradições vão sendo recriadas ao longo do tempo, e que até saem de moda. Hoje o casamento é uma grande indústria, até mesmo a prática de se fazer enxovais tem sido esquecida, no intuito de economizar para fazer a festa, que muitas vezes chegam a custar um o valor de um apartamento”, explica.

ATÉ QUE A MORTE OS SEPARE

Maria da Graça e Elias Alves Ferreira brindando os 50 anos de união.

A última pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que o número de divórcios aumentou 45,6% em um ano, entre 2011 e 2010. Na contramão da tendência atual, Elias Alves Ferreira, de 70 anos, e Maria da Graça Ferreira, 64, completaram, no último dia 3 de setembro, 50 anos de casados. Três dias mais tarde, os dois reuniram a família e os amigos para celebrar essa união, que se fortalece a cada dia. Maria conta que juntos enfrentaram vários problemas, mas que isso não foi motivo para desistir de uma vida a dois. “Tivemos vários momentos, difíceis principalmente nos primeiros cinco anos, mas superamos tudo, nunca pensamos em nos separar”, disse. Maria também comentou que renovar os votos de casamento foi mais emocionante, principalmente pela presença na cerimônia dos seis filhos e netos. “Nós nos casamos, eu tinha apenas 14 anos. Agora, vivi uma emoção diferente, até senti tremores de tanta felicidade”, completou. Ferreira conta que não se arrepende de nada e que faria tudo novamente. “Aquele momento foi muito emocionante. Se eu voltasse a ser jovem, faria tudo novamente”, diz. O aposentado comenta ainda que falta paciência entre as pessoas e, por isso, os casais se separam com tanta frequência. “Hoje vemos muitos casais que não se respeitam, trocam poucas palavras e já estão se divorciando. Antes, as pessoas não se separavam por pouca coisa, até mesmo para que um juiz assinasse o divórcio, o casal tinha que ter um motivo muito grande.” JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 09


O SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO O teólogo César Leandro Ribeiro explica que o casamento é um ritual de passagem justificado pela união em busca do complemento e a construção de uma família. Ele afirma que, nas últimas décadas, as pessoas começaram a buscar um companheiro, procurando a felicidade, porém com um curto período de conhecimento mútuo. Isso faz com que os casamentos durem menos por falta de compatibilidade ou até mesmo de afinidades. Ribeiro ainda explica que a Igreja Católica não reconhece os divórcios, porém anula casamentos conforme as condições da cerimônia e do casal. Uma comissão avalia os fatos e anula ou não uma união. “Um exemplo é um casamento em que um dos noivos se descobre homossexual. Nesses casos, a Igreja pode anular a união.” O teólogo também conta que hoje o conceito de família ficou mais flexível a partir do momento que dois indivíduos do mesmo sexo podem se relacionar e criar uma família. O catolicismo, contudo, não vê essas uniões como legítimas. “Algumas religiões deixam claro que o casamento é a união entre o homem e a mulher para que ambos possam procriar e fundar uma família, mas isso não impede que duas pessoas do mesmo sexo criem uma família”, comenta o teólogo. Para o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (AGBLT), Toni Reis,

Curitiba é a terceira capital do Brasil que mais realizou casamentos homoafetivos. 10 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

“ Me sinto mais cidadão. O ser humano, independente de sua orientação sexual, quer ser feliz e amado.” Toni Reis a legalização da união homoafetiva tem grande importância não só para ele, mas para muitas outras pessoas. “Sinto-me mais cidadão. O ser humano, independentemente de sua orientação sexual, quer ser feliz e amado. Para mim, estar com meu marido e meu filho é a melhor coisa do mundo. São momentos felizes e alegres; e agora ainda mais, com nossa cidadania garantida. Não queremos privilégios, queremos direitos iguais, nem menos, nem mais.”


A INDÚSTRIA POR TRÁS DOS SONHOS A instituição do casamento, embora tenha se transformado através do tempo, ainda está em alta, mesmo com o grande número de divórcios Aline Valkiu, João Paulo N. Vieira e Raissa Melo

número de matrimônios cresce consistentemente a cada ano no Brasil: a expectativa de faturamento do setor para 2014 é de R$ 16 bilhões, um aumento de 8% em relação a este ano, segundo pesquisas realizadas pela revista Inesquecível Casamento. Somente em 2012, o Brasil superou a marca de um milhão de casamentos, enquanto as expectativas para 2013, que sinalizavam para um total de 1,028 mi-lhão de cerimônias, até agosto já tinham sido superados. O número havia atingido um total de 1,031 milhão, apontou uma pesquisa realizada em setembro deste ano pela Associação dos Profissionais, Serviços para Casamento e Eventos Sociais (Abrafesta), em parceria com o Data Popular. De acordo com Noel Júnior, organizador da feira Salão de Casamentos e Eventos, o que move a indústria de casamentos é a vontade dos noivos de que a festa seja única, diferente das festas de familiares e amigos. “O setor que mais cresce nesse mercado é o da personalização. Vai desde lembranças até animações que contam a história do casal e são entregues junto ao convite para cada convidado, ou nas festas”, explica. As feiras e as exposições do setor são outros eventos que contribuem para alavancar o mercado de casamentos no Brasil. Segundo Noel Júnior, elas encurtam o caminho entre noivos e os fornecedores de produtos e serviços, oferecendo uma grande variedade de opções em um só lugar. “Para os casais, é muito importante a confiança. A maioria dos noivos contrata um serviço por indicação de pessoas que já se casaram. Nas feiras, é possível conhecer mais opções e comprovar a qualidade dos produtos”, afirma o Júnior.

O

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 11


COMPORTAMENTO

QUERO SER BARBIE E KEN Padrões estéticos impostos pelos meios de comunicação de massa fogem da realidade e geram angústia e frustração em quem não consegue segui-los Mariana D’Alberto El-Fazary sxc.hu

S

eja o que você quiser. No caso, linda, rica, magra, alta e loira. Pelo menos é o que garante a boneca mais famosa de todos os tempos, Barbie, com seu slogan “Be anything”. Ser bonita, ou melhor, linda, parece ser o passaporte ideal para poder viver em um mundo de sonhos, rodeada por amigos bonitos, namorado rico, casas luxuosas, fazendo inúmeras viagens e vestindo um guarda-roupa infinito. Mas o que a boneca Barbie tem a ver com a vida real? A jovem ucraniana Valeria Lukyanova ficou conhecida como a primeira Barbie humana. Valeria mantém um corpo magérrimo, que lembra a silhueta em miniatura da boneca. Ela tem longos cabelos loiros e usa uma maquiagem pesada, para que seu rosto de traços delicados se pareça ainda mais com o de Barbie. Além dela, 12 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

outras meninas têm seguido seu exemplo e vêm se transformando em verdadeiras bonecas humanas. Já o jovem norte-americano Justin Jedlica é o primeiro Ken humano. Ken, no mundo dos brinquedos, é o namorado da Barbie. Jedlica disse, em entrevista ao programa Domingo Espetacular, da Rede Record, que já realizou 117 cirurgias plásticas, e acredita ser mais barato fazê-las do que pagar por uma academia. Ele também mantém um site que presta consultoria de imagem, inclusive para pessoas que desejam realizar procedimentos estéticos cirúrgicos. Esses são apenas dois exemplos, entre tantos outros, das modificações que as pessoas vêm realizando no próprio corpo para parecerem perfeitas, ao menos para elas mesmas, e se enquadrarem no padrão de beleza atual. Segundo dados de uma pesquisa feita


sxc.hu

“No Instagram, mostrar-se malhada na academia é o novo ‘look do dia’. ” Tawany Marry, jornalista.

pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps), em parceria com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), o Brasil ocupa a terceira posição no ranking mundial em proporção de cirurgias plásticas por pessoa, com 4,6 procedimentos por mil habitantes. Em 2011, foram realizadas mais de 900 mil cirurgias no país. A cirurgia mais procurada foi a de lipoaspiração, seguida pelos implantes mamários. O padrão de beleza idealizado, tanto por homens quantos por mulheres, não foi sempre o mesmo, e vem mudando e se reciclando ao longo da história. Homens musculosos e definidos eram o ideal na Grécia Antiga. No Renascimento, eram as mulheres mais cheinhas as consideradas ideais. Já no Egito Antigo, era bonito ser fino e longilíneo, por exemplo. No século XX, marcado por diversas mudanças em todas as áreas, o padrão se modificou rapidamente ao longo dos anos, acompanhando a evolução do período que avançava com o cinema, a televisão, as revistas com fotos coloridas e a internet. Para o psicólogo e filósofo Guilherme Falcão, a quantidade existente de academias de ginástica e clínicas de estética atualmente e, a importância que se dá para os defiles de moda e concursos de beleza, refletem uma sociedade que cria, por meio da mídia, um corportamento obssessivo compulsivo pela estética do corpo humano. “Laboratórios que vendem cremes e os mais diversos produtos que são utilizados para tratamento de beleza arrecadam milhões de dólares. É o poder econômico determinando um padrão de beleza e não uma medicina saudável, para viver de bem com a vida”, diz. Falcão explica também que mulheres são ainda a maioria a se sentirem pressionadas para estarem dentro do padrão, mas que o número de homens vem crescendo assustadoramente. “Eu mesmo fui fazer uma consulta com um endocrinologista e ele insinuou que poderia fazer uma mudança grande na minha estética. Quando perguntou se eu não tinha pensado sobre isto, eu disse que estava muito bem e não precisava. Ele ficou frustrado! Eu fiquei pensando. Se ele disse isso a mim, um homem adulto, profissional da área de psicologia, imagina o que ele diz para todos e todas”, confidencia o psicólogo. A mídia certamente exerce uma grande influência em toda essa questão atual do padrão de beleza. São dezenas de revistas, sites e programas de moda, beleza e estilo e, como não poderia deixar de ser, propagandas que também veiculam muitas mensagens no sentido de se conquistar a beleza ideal. Embora, nos últimos tempos, as campanhas e veículos tenham começado a se voltar para um

discurso que pregue mais o respeito à individualidade e às características únicas de cada pessoa. Karla Dudas, jornalista e assessora de imprensa, acredita que apesar de ainda termos grandes exemplos de que o jornalismo dita uma cultura, tem-se aberto um espaço para questionamentos maiores. “Hoje, com as redes sociais e os movimentos feministas, por exemplo, qualquer marca que associa seus produtos apenas a mulheres perfeitas, é veementemente criticada. Acho que, hoje, os próprios assessores de imprensa, publicitários e relações públicas estão mais antenados nessa democratização do ideal de beleza – se é que ele existe – para garantir a sustentabilidade dos próprios clientes”, acredita. Já para a jornalista Tawany Marry, esse novo conceito de individualidade que vem sendo trabalhado pela mídia, não faz com que as pessoas o aceitem ou o achem interessante da noite para o dia. “Desde que eu leio revistas, na adolescência, lembro de o padrão de beleza ser da mulher magra, alta, branca e de olhos verdes”, relata. Além disso, não se pode esquecer que as redes sociais também contribuem para uma alienação. “No Instagram, mostrar-se ma-lhada na academia é o novo ‘look do dia’ ”, declara Tawany. Ainda assim, a profissional acredita que para reverter a situação da busca pela estética perfeita, a mídia deveria colocar mulheres mais parecidas com as da vida real. “A gente não se vê bonita da forma que somos, queremos ser igual ao que a gente se identifica, no caso, o que é mostrado pela mídia”, esclarece. Ela relata que como no Brasil as pessoas têm a cultura de mostrar mais o corpo, quando veem um look mais sério, comportado, geralmente não se identificam. “A moda agora no país é ser malhada como uma panicat”, afirma. Segundo o psicólogo Guilherme Falcão, a busca excessiva pela beleza pode acarretar em uma vida vazia, com medos e vergonhas. Essa busca seria na verdade uma fuga, que faz com que a pessoa se proteja por meio da estética, levando uma vida doentia. Para o professional, uma forma de se evitar isso seria crescer em um ambiente onde se é aceito, amado e compreendido. “Uma família que tem sentidos e valores na vida, evita que seus membros sejam vazios e consumistas”, ressalta. Estar infeliz consigo mesmo resulta em infelicidade com o próprio corpo, por mais bonito e dentro do padrão que ele seja. A Barbie parece estar sempre radiante porque seu sorriso é pintado em seu rosto plástico e, justamente por isso, permanece intacto. Mas se a boneca ganhasse vida, será que seria realmente feliz? JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 13


COMPORTAMENTO

Z E V A R I E M I R P A D O

J I E B O

De borboletas no estômago a mãos suadas, o primeiro beijo é mais importante do que você imagina Mariana D’Alberto El-Fazary Raffaela Silvestre Porcote Rodrigo de Lorenzi Oliveira

coração bate mais forte, as pernas tremem, as mãos suam e não se sabe o que fazer com elas. Afobação, nervosismo, borboletas na barriga, falta de ar e o medo de fazer alguma coisa errada. Esses são alguns sintomas do primeiro beijo. Ou sintomas das primeiras vezes. Juliana Aranha se apaixonou pela primeira vez aos 13 anos. Ela tinha uma amiga na escola com quem brigava o tempo todo. Nesse tempo, a amiga de Juliana precisou mudar de escola, mas, mesmo assim, as duas não perderam a amizade. Trocaram cartas por quase um ano. Em uma dessas cartas, Juliana assumiu: estava apaixonada pela amiga. A alegria veio com a resposta: a menina também estava apaixonada por ela. Até que, num desses dias que ficam marcados na memória, Juliana passou a tarde inteira com a amiga para assistirem a filmes. Juliana sabia que era o momento. O beijo aconteceria. Juliana, nervosa e apavorada, não sabia se sentia alegria ou se tremia. Na hora de ir embora, deu um abraço na amiga e perguntou quando poderiam se ver novamente. “Ela segurou minha mão, que estava suada e tremendo, e me beijou. Foi estranho, mas bom. Lembro de ter achado macio. Eu sentia meu coração explodindo. Depois que ela foi embora, eu fiquei encostada na porta sem conseguir me mexer, esperando o coração entrar no ritmo e tentando processar o que tinha acabado de acontecer. Passei as três horas seguintes escrevendo no meu diário. Depois, queimei as páginas com medo de que alguém lesse”, conta Juliana. Se para muitos o primeiro beijo é inesquecível, as estatísticas comprovam. Um estudo liderado por Sheril Kirshenbaum, investigadora da Universidade do Texas, concluiu que 90% das pessoas recordam-se do momento. A pesquisadora diz que o primeiro beijo pode ser muito poderoso, porque implica todos os sentidos: cheiro, sabor,

O

14 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


incluindo o toque. Uma enorme quantidade de informações são enviadas para os nossos corpos enquanto compartilhamos nossa compatilbilidade com a outra pessoa. O primeiro beijo de Ítalo Magalhães teve gosto de liberdade e medo. Ele tinha um amigo, mais velho e com estilo diferente. Certo dia, quando os dois saíram juntos, sentiu que alguma coisa estava diferente. Não demorou muito para que o amigo pedisse um beijo a Ítalo, mas ele resistiu de início. Não queria admitir a possibilidade de que beijaria um menino. Apenas caminharam juntos, mas o clima já era aquele que precedia um primeiro beijo: ansiedade. “A cada passo parecia que as pernas tremiam, que a barriga gelava e o ar começava a faltar. Quando, de repente, nós paramos, eu não sabia o que estava fazendo, mas com extrema naturalidade, o garoto se aproximou de mim. Fiquei estático, sem reação, não o empurrei, mas também não resisti. Quando o beijo aconteceu, tinha sabor de Halls preto”, conta Ítalo. A NORMATIZAÇÃO DO AMOR A vontade de experimentar o primeiro beijo, no entanto, muitas vezes é abafada pelo medo de expor os próprios desejos. Alguns chegam a adiar o momento por dificuldades em se aceitar, pressionados pela possibilidade de serem ridicularizados e também pela falta de uma educação que lhes orientasse a compreender sua própria sexualidade sem tabus. “Fui apaixonado por uma amiga, mas acredito que tenha sido um sentimento criado na minha cabeça por obrigação de gostar de uma menina. Sempre senti atração por garotos e só depois de me aceitar e ir a baladas gays, com novos amigos, é que eu me permiti ir atrás do que eu tinha vontade”, conta o psicólogo Thyago Ferrunes. Para a psicóloga Izabela Vicente, a sociedade encontra dificuldades em lidar com a homossexualidade devido a uma construção social, que normatiza a heterossexualidade e não aceita exceções. “Essa intolerância em relação à liberdade de escolha sexual está relacionada a uma cultura que valoriza o masculino em detrimento do feminino e à ênfase que se dá à importância e a necessidade biológica da heterossexualidade, que faz parte de uma estratégia social para a manutenção de uma ‘normalidade sexual’”, explica. O primeiro beijo é um ritual simbólico de amadurecimento sexual, ao marcar o momento em que a sexualidade começa a aflorar. Limites começam a ser testados, além do contato com os próprios desejos, que, antes, eram desconhecidos ou apenas imaginários. Segundo Izabela, a experiência do primeiro beijo homossexual pode ser considerada também como um momento de mudança no objeto de desejo ou de reafirmação do objeto já escolhido. Entretanto, a normatização do amor e suas expressões, que cria conceitos distorcidos sobre o que é certo e errado, gera uma

confusão na cabeça dos adolescentes para algo que deveria ser simples. Wagner Pereira Silva, ao tentar dar o primeiro beijo, escolheu um rapaz que se parecesse com uma menina, por, segundo ele, deixá-lo mais seguro, justamente pela dificuldade em aceitar a homossexualidade. “Foi estranho, mas menos do que meu beijo hétero. Não senti nada, mas tinha certeza que deveria tentar de novo”, completa. SOCIEDADE O ator Thiago Fragoso, que atualmente vive um personagem homossexual na novela das 21 horas da TV Globo, Amor à Vida, deu uma declaração falando sobre a questão do beijo gay na televisão. “A gente quer discutir essa nova família brasileira, conservadora em sua maioria, que evita ver um beijo gay agora. Não sei se é o caso de a gente mostrar”, afirmou o ator em entrevista ao site IG. Exatamente 60 anos após a exibição do primeiro beijo na boca na televisão brasileira, na novela Sua Vida Me Pertence, ocorreu o primeiro beijo gay em uma telenovela no país: em 2011, na novela do SBT, Amor e Revolução. A cena durou 40 segundos. O beijo aconteceu uma semana depois de o Supremo Tribunal Federal reconhecer a união estável homoafetiva no país. Claudia Guimarães, psicóloga especialista em sexualidade humana, explica que o beijo gay na televisão representa uma forma de a sociedade em geral aprender a conviver, tolerar e respeitar a diversidade sexual e de gênero. Ela fala que a história denuncia que a repulsa contra os gays se manifesta há muito tempo. “Na Idade Média, a homossexualidade era vista como pecado; na Idade Moderna, como crime; no final do século XVIII foi tratada como doença e, ainda hoje, há quem defenda que os gays devem ser tratados como portadores de uma patologia”, explica. A psicóloga observa que já há uma grande evolução com relação ao reconhecimento das relações homoafetivas, mas que ainda há, entre os homossexuais, um grande temor relacionado à reação de seus familiares e amigos. Isso faz com que eles freiem, de certa forma, a demonstração de seus sentimentos. Apesar dos rótulos e temores, o beijo, seja gay ou não, só faz bem a quem o pratica. Pesquisas apresentadas neste ano, durante o encontro anual da American Association for the Advancement of Science, em Chicago, nos Estados Unidos, comprovaram que o ato de beijar é um importante instrumento para a melhora da qualidade de vida, além de definir se há uma compatibilidade futura em um relacionamento que se inicia. Então, para quem está prestes a dar seu primeiro beijo, saiba que as borboletas no estômago fazem parte das muitas experiência inesquecíveis das primeiras vezes. Beijo na boca, no nariz, no olho ou no queixo, a demonstração de afeto é permitida e necessária. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 15


COMPORTAMENTO

Um por todos, todos por um Importar-se com o próprio bem-estar e o do próximo requer uma boa dose de coragem e ousadia Ana Carolina Weber, Diana Araújo, Juliana Oshima, Luize Souza e Líris Weinhardt

riar animais como galinhas, cabras e coelhos, cultivar hortaliças, fazer compostagem do lixo além de produzir pão e cerveja. Tudo isso em 350 metros quadrados de um terreno no bairro do Mossunguê, em Curitiba. O que para muitos pode parecer um desafio, é um prazer para três famílias e 13 voluntários da ONG Casa da Videira, espaço onde o grupo coloca a mão na terra e divide bons momentos que só o trabalho em equipe pode trazer. Juntos, eles alcançam resultados animadores: cerca de quatro toneladas por mês de lixo são recicladas e mais de uma tonelada de comida por ano é produzida. Mas a união desses homens e mulheres nada tem a ver com produtividade ou lucro. A paixão que move esses agricultores urbanos está ligada a estilo de vida. Questionamentos como “É possível produzir comida no contexto urbano?” e “Posso dar conta do meu lixo como meus avós faziam?” impulsionaram a decisão de fazer algo diferente. E há três anos essa ideia tem rendido bons frutos. Para Rene Eugenio Seifert, professor universitário e integrante da entidade há pouco mais de dois anos, tudo começou com o desejo de comer um pão de qualidade. Na época, Rene morava na Inglaterra e só encontrava o alimento envolto em saco plásti-

C

16 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

co, o que comprometia o sabor e a qualidade do produto. O incômodo com essa simples questão foi decisivo: comprou farinha, fermento e usou a receita da própria embalagem para produzir um pão. Daí em diante não parou. “Para Platão, na lógica de estratificação social, os acadêmicos se distanciavam muito dos artesãos. Mas meu caso é uma prova de que é possível ser um pesquisador e ainda assim fazer arte. Sigo técnicas de fermentação natural e utilizo farinha orgânica em minhas receitas. Por isso, produzir pão tornou-se para mim uma crítica ao filósofo. Decidi que meus dedos não poderiam ser meros apertadores de botão. E não são”, explica o professor. Mas o objetivo da atividade vai muito além do ato de por a mão na massa. “Hoje temos alimentos que não geram vida, nem sabedoria. Ficamos dependentes de uma indústria para nos alimentarmos. Perdemos o conhecimento e domínio sobre o processo de muitas coisas. Se precisamos de um remédio, temos que recorrer a uma farmácia. Não sabemos mais qual planta é eficaz no tratamento, mas nossos antepassados sabiam. Este é um mundo frágil e dependente”, afirma Rene.


Rene Eugenio Seifert

O professor Rene Seiferte seu filho, Oliver, colocam juntos a m達o na massa.

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 17


Rene Eugenio Seifert

Galinhas faziam parte da família do professor universitário. Do alimento, ele passou para a bebida e aproveitou os conhecimentos e as habilidades na cozinha para produzir também cerveja. E essa nova atividade trouxe ainda mais alegria para a vida do mestre. E não é por causa do álcool, mas porque todos esses processos exigem paciência, talento e, sobretudo, cooperação. “O discurso é que precisamos de mais indústrias, estradas e prédios para nos desenvolvermos. No entanto, nos últimos 50 anos, temos vivido altos índices de estresse, congestionamentos, doenças e poluição. E a cura para tudo isso tem nome: simplicidade. Devemos saber que é possível encontrar prazer nas pequenas coisas da vida. Queremos resgatar esse conceito e começamos pela nossa família”, conta. O professor, que já chegou a criar duas galinhas no apar-

18 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

tamento por oito meses, chama a atenção da vizinhança pelo seu estilo de vida nada convencional. Os animais de estimação, pouco comuns para o ambiente urbano, comiam todo o lixo orgânico produzido pela casa e ainda cediam ovos frescos para a família. Muitos vizinhos chegavam com restos de comida para alimentálas e outros traziam seus filhos para descobrir de onde vinha um ovo (algumas crianças realmente não conheciam esse processo da natureza). Mas as galinhas viraram motivo de controvérsia para alguns moradores do prédio. que juravam que as aves cantavam como galos durante a manhã. Por isso, o professor precisou se desfazer dos bichinhos, deixando-os na Casa da Videira. Mas, em breve, haverá outra tentativa: ele promete que as novas moradoras do seu lar serão adoráveis codornas. E o que parece ser loucura


para muitos, tem lógica de sobra para Rene. O professor universitário encontra na existência as razões para pensar diferente e ter disposição de ir contra a maré. “Por que eu faço tudo isso? Porque a vida é um privilégio. E o que a gente faz é só um resgate da vida. E isso vale muito mais do que a produtividade”, completa. A boa notícia é que não é preciso criar galinhas ou reciclar o próprio lixo para dar o primeiro passo em direção à mudança de hábitos. De acordo com o psicólogo Alisson Siqueira, a receita para uma vida mais leve começa de forma é simples. “Para se ter uma qualidade de vida melhor, não é preciso radicalizar ou querer estar longe de aparatos tecnológicos. É necessário pensar em ambientes que reduzam a quantidade de estímulos, como vem acontecendo com os projetos urbanísticos e, o mais importante de tudo, manter a convivência e o contato com as pessoas”, explica.

tudo está conectado, passei a enxergar a vida sob outra ótica e acreditar que nós precisamos de muito pouco para viver bem”, explica. Natural de Andradina, em São Paulo, Bárbara vive hoje em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Apesar de ser uma capital em desenvolvimento, a cidade segue o mesmo fluxo frenético de outras regiões. E, no mesmo ritmo acelerado, seguia a vida da jovem: acordar muito cedo, voltar muito tarde do trabalho, passar o dia todo no computador, ter pouco tempo livre, se render ao vício da tecnologia e esquecer os momentos de convívio com as pessoas. Segundo Siqueira, vivemos em um tempo em que a informação é o mais importante. “Dentro da sociedade moderna, na qual o tempo é restrito, você está interessado na informação e não nas pessoas. Nesses casos, temos uma falsa compreensão sobre o afeto. Um internauta digita em um bate-papo ‘te amo’, mas não consegue demonstrar esse sentimento. Assim, o que acontece é que nós visualizamos e verbalizamos aquilo que não vivenciamos. Por isso, as relações têm se transformado do contato para a transmissão de informação, apenas”, comenta o psicólogo. Para sair desse distanciamento e encontrar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, Bárbara passou a praticar ioga e a encontrar inspiração na área verde da região onde vive. “Como jornalista, preciso fazer uso das tecnologias. Tenho celular e computador. Mas tenho tentado, cada vez mais, utilizá-los apenas quando necessário. Em minhas horas livres, fujo dessa prisão tecnológica e busco o refúgio na natureza. Sou sortuda, moro próximo de dois lindos paraísos: Bonito e Pantanal. Quando há tempo, recomponho as energias nesses locais”, conta.

“ Em minhas horas livres, fujo dessa prisão tecnológica e busco o refúgio na natureza.” - Bárbara Ferragini

DESCONECTAR PARA CONECTAR A jornalista Bárbara Ferragini não conhece o terapeuta, mas já segue suas orientações à risca. Ela, assim como Rene, encontrou nos livros um princípio para as respostas diante de suas inquietações. “Comecei a questionar muito nosso estilo de vida ocidental e, por isso, busquei mais conhecimento, a fim de encontrar respostas para minhas crises existenciais. Mas, quando vamos estudar, começamos a entender que é um pensamento complexo, porque o homem está intimamente ligado à natureza. E quando entendi que

Arquivo Pessoal

Alimentação saudável faz parte da rotina da jornalista Bárbara Ferragini.

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 19


Fazer restrição de brinquedos por conta da cor ou do tipo pode prejudicar - muito uma criança Raffaela Porcote Rodrigo de Lorenzi

L

embro que, desde pequeno, eu queria bonecas. Obviamente, eu ganhava vários carrinhos com os quais eu pouco brincava. Uma vez, depois de ver que meus pais não me davam, eu pedi ao meu avô me comprar uma boneca. Ele foi dizer pra minha mãe: ‘Eu vou sair e comprar uma boneca pro André’ e ela: ‘Não, compra um carrinho’. No fim, meu avô não comprou nada. Depois de um tempo eu soube que parte disso se devia ao fato de que meu pai morria de medo que eu fosse gay. Depois de algumas conversas, um belo dia meu pai me comprou uma boneca. E, desde então, acho que tudo o que era proibido ficou um pouco menos proibido André Machado, 23 anos. A história de André tem um final feliz, mas nem todos os pais aceitam ver uma filha brincando de luta ou um filho brincando de casinha. Mas o que faz uma criança escolher entre um carrinho e uma boneca? Analise: o que você faria se o seu filho lhe pedisse uma boneca como presente de aniversário. Segundo Flavia Maria de Paula Soares, psicanalista com ênfase em Desenvolvimento Social e da Personalidade, professora do curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco, mestre em Psicologia Clínica e doutoranda em Biotecnologia aplicada à saúde da criança e do adolescente, a construção da diferenciação entre o que é de menino e de menina para a criança inicia-se aproximadamente aos 3 e 4 anos de idade. Essa especificação tem efeitos na escolha das roupas, cores e brinquedos. Entretanto, as características desse comportamento são trazidas pelos pais mesmo antes do nascimento. “Desde que ficam sabendo do sexo da criança na gestação, a diferenciação já acontece. As preferências são simbólicas e imaginariamente 20 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Morgue File Free

COMPORTAMENTO

ENTRE AZUL E ROSA NÃO HÁ DIFERENÇA


herdadas da família que, por sua vez, reproduz valores e tradições de determinada cultura e sociedade”, declara. Quem sai ganhando com isso é a indústria dos brinquedos, que entende e lucra com essa separação. Visitamos duas grandes lojas especializadas em produtos infantis, em Curitiba, e observamos como os brinquedos estão distribuídos: De um lado, prateleiras cheias de armas de plástico, ferramentas, luvas de boxe, bonecos, monstros e muitos carros. Do outro, rosa-choque brilhante com muitas panelas, ferros de passar, fogão e vassouras. A especialista esclarece que todas as sociedades têm referências sobre “coisas de homem e coisas de mulher”, mas alerta que, quando essa diferenciação vira discriminação, é hora de reavaliar o comportamento. “Não devem acontecer violência e imposição das formas de brincar ou uma desvalorização de um dos dois sexos no discurso e nos atos presenciados pela criança”, alerta.

O CASO KINDER Na Páscoa deste ano, o grupo Ferrero, fabricante do Kinder Ovo, lançou versões específicas do chocolate para meninas e meninos, o que gerou uma série de críticas nas redes sociais, acusando a empresa de sexismo (termo que se refere ao conjunto de ações e ideias que privilegiam entes de determinado gênero). “Kinder Ovo, além de caro, é sexista”, mostrava o post publicado na página do Facebook “Moça, você é machista” e compartilhado por mais de 500 internautas. Em comunicado oficial em sua página, a fabricante informou que a nova campanha do Kinder Ovo não foi desenvolvida pensando em fazer alguma diferença entre os gêneros. “Ela trata-se de uma linha nova de surpresas e de qualquer forma, continuamos produzindo brinquedos universais que são tanto para meninos quanto para meninas”, disse a empresa.

INCENTIVO Em uma sociedade patriarcal por formação, a distribuição de tarefas de forma igualitária, em que os homens se envolvem com atividades consideradas apenas femininas, como lavar roupa e louça, causa estranhamento. Por isso, meninos que desejam brincar de boneca, são vistos como um perigo, um alarme que ressoa: “Ele pode ser gay. Detenham-no”. O grande medo dos pais é que, ao incentivar essa igualdade, os filhos deixem de se enxergar não só com gênero, mas com a orientação sexual que gostariam que tivessem: a heterossexual. Para Priscila Pool, mãe de Matheus, de 3 anos, essa questão já tem resposta. “Posso ser preconceituosa, mas eu não gostaria de ter um filho ou uma filha homossexual.

Morgue File Free

Não sei se isso pode estar ligado a um simples brinquedo na infância, mas eu não gostaria que meu filho só se interessasse por bonecas”, afirma. Entretanto, crianças não fazem distinção entre brinquedos, enxergam como um estimulador de imaginação e o interesse é apenas brincar. A estudante de Pedagogia Flávia Silva acredita que os pais deveriam dar menos importância a essa distinção, pois, no futuro, criam-se adultos que não conseguem lidar bem com suas emoções. “Crianças pequenas não têm uma grande noção de ‘brinquedos de meninos e de meninas’, isso é colocado pelos pais. É importante e saudável que as crianças estejam em contato com o rosa e com o azul, com panelinhas e com os carrinhos, independente do sexo”. A pressão social é mais contundente sobre os meninos, que têm papel estático na sociedade, ao exigir que cumpram a função de mantenedor econômico do lar. “Mas as meninas não estão isentas desse mal. Afinal, é exigido que sejam delicadas, sensíveis e responsáveis com seus afazeres domésticos. Já os meninos recebem orientações para serem machões, agressivos e são reprimidos quando choram”, conclui Flávia Silva. Outra questão pouco percebida pelos pais é que, ao impedir que meninos brinquem com objetos atribuídos a meninas, formam adultos sexistas, que se eximem de responsabilidades que deveriam ser distribuídas entre todos, como cuidar dos filhos, manter a casa e cozinhar. Para Daniele Chaves, mãe de um menino, os pais precisam ter consciência de que são os maiores exemplos para os filhos e o sexismo deve ser combatido, antes de tudo, na própria rotina da família. “Meu marido cozinha e limpa. E as crianças nos usam como modelo. O mais importante é ter liberdade para usar a criatividade e se divertir, independente do brinquedo”, explica. Portanto, para os pais que ficam preocupados quando o filho pede uma Barbie ou a filha um carrinho, p o r e x e m p l o , u m aviso: brinquedos não têm gênero. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 21


Saúde Mental UNIICA.

Conteúdo interessante para quem é único: você. Hoje, no Saúde Mental Uniica, vamos falar sobre o Transtorno Bipolar: uma doença carac terizada pelas oscilações de humor, entre a euforia e a depressão, que faz com que seus portadores apresentem comportamento desproporcional aos fatos ou inadequado ao ambiente.

Saiba mais sobre o Transtorno Bipolar

www.uniica.com.br.

A diferença entre um comportamento considerado normal e o de um doente acontece na intensidade e na duração de cada humor já que, para o doente, estas mudanças são mais extremas e duradouras. A causa do problema pode variar de pessoa para pessoa, mas o estresse é considerado o principal desencadeador.


O QUE É? O Transtorno Afetivo Bipolar leva esse nome por causa da alternância de dois estados emocionais básicos: a alegria e a tristeza. Assim como acontece nas doenças físicas, que muitas vezes representam excesso ou falta de algum elemento normalmente presente no corpo, muitas doenças da mente também representam alterações para mais ou para menos de aspectos emocionais comuns. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DESTA DOENÇA? O transtorno bipolar é caracterizado pela alternância de fases de tristeza e alegria doentias, conhecidas respectivamente como depressão e mania. Em alguns casos, essas alternâncias podem ocorrer no mesmo dia ou na mesma hora. Por esse motivo, o diagnóstico destes casos nem sempre é fácil. QUAIS AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS? Mesmo quando o quadro clínico não é dos mais graves, a inconstância emocional torna difícil para a pessoa ter segurança de que, dentro de alguns meses, por exemplo, estará bem para cumprir um compromisso assumido. Perda da crítica ou capacidade de julgamento, dificuldades no relacionamento pessoal e profissional também são consequências comuns do portador da doença. EXIGE E EXISTE TRATAMENTO? COMO É? Hoje há uma série de tratamentos farmacológicos eficientes no tratamento da doença bipolar. O primeiro objetivo é impedir a alternância de fases, e conseguiu o retorno à vida familiar e profissional o mais breve possível. Além da eliminação dos altos e baixos, é importante cuidar dos possíveis danos que podem ter sido causados à autoimagem do paciente. Por esse motivo, em muitos casos o tratamento inclui o uso de medicações e também intervenções psicológicas. É NECESSÁRIA A INTERNAÇÃO? QUANDO? Em casos mais acentuados e graves, tanto no quadro da depressão como no da mania, não é raro a necessidade de afastar o paciente de seu meio. Nestas situações, quando é preciso proteger o paciente de si mesmo ou de outros, torna-se de extrema importância a internação. QUE MEDICAMENTOS SÃO USADOS? ELES VICIAM? Os medicamentos psicotrópicos utilizados em Psiquiatria no tratamento dos transtornos bipolares compreendem várias categorias, normalmente chamados de “estabilizadores do humor”. Nenhuma das medicações usadas se caracteriza por determinar dependência. É importante que todo tratamento medicamentoso seja feito da maneira certa, sempre sob supervisão médica.

41 3271 5854

41 3271 5855

Av. M a r e c h a l Fl o r i a n o Pe i xo t o, 2 . 5 0 9

Rebouças

Curitiba / PR

R e s p o n s á v e l Té c n i c o : D r . É l i o L u i z M a u e r . C R M 2 8 2 0 / P R

O Transtorno Bipolar


CIDADES

MEDO EM DOSE DUPLA Casos de assaltos seguidos de sequestrosrelâmpago se tornam mais comuns e deixam traumas profundos nas vítimas Harianna Stukio Leticia Duarte Rafaela Bez

S

e a sensação de insegurança não é incomum entre os habitantes das grandes cidades, devido aos altos índices de violência nesses centro urbanos, tente imaginar o que se passa pela cabeça de quem já sofreu algum tipo de sequestro. Uma e meia da manhã, em meados de 2005. Ao sair de um barzinho em Curitiba, a professora da rede estadual de ensino Fernanda de Lima Montes*, nascida em São João do Ivaí, interior do Paraná, paga sua conta e pede ao garçom para chamar um táxi. Chega a sua casa e, em frente ao portão, se depara com três homens, que modificariam a sua vida. É sequestrada, molestada e agredida em troca de cartões de crédito e de débito. “Acho que quem sofre, não supera isso nunca. Você aprende a lidar com isso, com o medo, mas não supera o trauma. Não tive escolhas. Precisava seguir em frente”, conta. Fernanda foi levada pelos sequestradores a Botiatuva, distrito de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. Com medo de ser estuprada e aflita por não saber o que iria acontecer, sua reação foi rezar. “Quando eles me abordaram, eu não reagi, não respondia o que eles queriam. Era a sensação de que aquilo não estava acontecendo. Ao me deixarem no meio do mato, pensei: ‘Meu Deus, aconteceu comigo!”. A impressão era de que seria enterrada viva, pois estava vendada e sem conhecimento de onde estava ou de quanto tempo havia transcorrido desde que foi abordada. Além do trauma emocional, Fernanda levou coronhadas na cabeça. Segundo a Polícia Civil do Estado do Paraná, sequestros como os de Fernanda são incomuns, mesmo que o objetivo da maioria dos sequestradores seja levar dinheiro e bens materiais. Na maioria dos casos, a vítima é forçada a entregar seu dinheiro ou retira-lo de um caixa eletrônico, mas dificilmente o criminoso mantém a vítima em seu poder por muito tempo ou a agride. “Eles conseguiram sacar os limites de saque de três contas que eu tinha e fizeram um empréstimo consignado pelo cartão. Um dos bancos não quis estornar o valor roubado. Tive de pagar”, conta. Em uma tarde ensolarada, em plena terça-feira, em um estacionamento de um shopping da capital paranaense, a arquiteta 24 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Eliane Mussio pretendia ir a uma loja para trocar um presente. Foi surpreendida por dois jovens, após sair de seu carro. “Eles apontaram uma arma para mim e me fizeram entrar no meu carro com eles.” Sem saber como reagir, Eliane fez tudo o que os jovens mandavam. Após rodar horas sob pressão e ameaças, eles perguntaram se ela tinha dinheiro, onde morava e se tinha outros carros. Eliane, sem raciocinar, contou-lhes seu endereço. “Eles ficaram perguntando o que eu tinha em casa, se tinha joias... Eu só lembrei de mentir e dizer para eles que eu tinha empregados em casa naquele horário.” Assim, ela os impediu de entrar. O terror psicológico se misturou ao medo e às ameaças. Os rapazes continuaram rodando a cidade, em busca de novas vítimas. “Passamos por carros policiais e não podia fazer nada. Eu me senti muito impotente.” Levaram apenas R$ 100, sua aliança e um cordão de ouro que ganhou do pai quando adolescente, mas Eliane tenta se recuperar desse trauma a cada dia. “Eles sabem meu endereço. Tenho medo que eles possam voltar aqui em casa”, diz. Há poucos sequestros que são registrados pela Polícia Civil no Paraná, mas dados que parecem insignificantes aos olhos da maioria representam aflição e trauma para as vítimas. A dona de casa e moradora de Cascavel (PR) Clênia de Mendonça sofre até hoje: não gosta que suas filhas saiam de casa à noite, com medo de que o mesmo aconteça com elas, evita sair sozinha no período noturno e tem receio de


Imagens: Rafaela Bez

andar pelas ruas de sua cidade a pé. No seu caso, os sequestradores queriam o seu carro. “Era pouco mais das 22 horas, quando parei em frente à casa de uma amiga. Não percebemos que havia pessoas nos observando a todo instante e, quando nos demos conta, três rapazes entraram no carro e apontaram uma arma pra nós duas.” Elas permaneceram uma noite em um casebre, no interior da cidade, até que conseguiram escapar e chamar a polícia.

TRATAMENTO Para psicólogos, o tratamento psicoterápico é o mais recomendado para casos de vítimas que sofrem com traumas póssequestro. “Esse tipo de abordagem visa a retirar da pessoa o trauma, de forma que possa acessar as memórias dos fatos sem perturbação, ou seja, para que possa enfrentar o medo ou aprender a conviver com ele sem sofrimento. Em alguns casos mais graves, é necessário o uso de medicamentos, desde que seja administrado paralelamente à psicoterapia”, explica a psicóloga Aline Zambon Tosetto. Ela explica, ainda, que o tratamento consiste no enfrentamento das situações que causam ansiedade, buscando olhar para os fatos a partir de novos ângulos. “Eu sofri muito. A dor que eu sinto é insuperável e, quando olho pessoas na rua, imagino o rosto de quem me sequestrou”, relata Jorge Miguel (ele prefere não revelar o sobrenome), de 22 anos, que foi sequestrado em 2012, na cidade de Paranaguá. Por causa do ocorrido, desenvolveu síndrome do pânico: imagina estar em um ambiente perigoso e de alto risco, tendo diversos tipos de reações, como suor frio, pavor de se relacionar com pessoas desconhecidas e pesadelos constantes durante o sono. “Nunca mais dormi direito, é impossível.”

“ Você aprende a lidar com isso, com o medo.” Rafaela Bez

- Fernanda Gomes

O trauma, a dor e a sensação de perseguição são sequelas marcantes em grande parte das pessoas que sofreram sequestro. Em uma pesquisa feita pelo Hospital de Clínicas de São Paulo, foi constatado que devido à pressão psicológica que a vítima sofre, 90% dos pacientes ficam com traumas, excesso de stress, sensação de perseguição ou crise do pânico ao longo da vida, vítima do que é chamado cientificamente de Transtorno de Stress PósTraumático. “A pessoa sente medo intenso de reviver a experiência perturbadora, seja através da lembrança ou na realidade, passando a evitar sentimentos, pensamentos e lugares que tragam recordações do trauma”, explica Aline. A psicóloga conclui que, em alguns casos, a ansiedade pode provocar uma espécie de colapso e gerar psicopatologias, como se a pessoa estivesse sempre indefesa, mantendo-se em estado de alerta diante da sensação de desamparo e perigo constante que, na maioria das vezes, pode ser imaginário e não real. *Nome alterado à pedido da vítima. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 25


O SEQUESTRO DE ACORDO COM A LEI Karen Okuyama Rafaela Bez

os últimos cinco anos, cerca de 25 sequestros aconteceram no Paraná. Destes, 13 apenas em Curitiba. Não parece ser um número muito elevado: “Só é considerado sequestro quando a pessoa, por algum motivo, fica com a liberdade cerceada por um longo período de tempo, o que na linguagem penal chamamos de cárcere privado. Ou seja, quando a vítima é mantida em cativeiro por alguma razão”, explica o delegado-chefe do Grupo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), Sivanei de Almeida Gomes.

N

Além desse tipo de sequestro, também há outro em que a pena é maior. “A extorsão mediante sequestro acontece quando a vítima é cerceada de seu direito de liberdade e é presa em cativeiro. Nesse caso, o causador do sequestro pede algo em troca da vítima como dinheiro, bens e automóveis. Assim, se descoberto, o sequestrador pode cumprir pena de roubo e sequestro”, ressalta Gomes. O grupo Tigre, que atua em todo o Paraná, é acionado por meio de Boletins de Ocorrência, que podem ser feitos em qualquer delegacia do estado, e após isso, dão início às investigações. Muito se confundem ao usar a expressão “sequestro-relâmpago”, para descrever a ação criminosa de quando a pessoa é abordada e os criminosos apenas restringem a vítima de sua liberdade por um curto período de tempo, querendo algo material em troca. “Na verdade, quando uma pessoa sofre esse tipo de agressão, que geralmente acontece quando está entrando em casa, saindo do banco ou de caixas eletrônicos e é obrigada a entregar seus bens, mas logo é solta, ela, segundo o Código Penal, não foi sequestrada, mas foi munida de sua liberdade por motivos de roubo. Isso chamamos de ‘roubo com retenção de vítima’”, explica Gomes. “O verdadeiro sequestro é algo muito mais elaborado, mais complicado”, conclui.

O delegado-chefe do Grupo Tigre, Sivanei de Almeida Gomes, explica a diferença entre sequestro e “sequestro-relâmpago” 26 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


APRENDA COMO SE PREVENIR Kamilla Ferreira

uritiba é considerada uma das capitais mais violentas do Brasil. O medo de ser a próxima vítima de assalto, sequestro e de outros tipos de violência, ronda as cabeças da maioria dos habitantes de uma grande metrópole. Muitas vezes, a insegurança e a falta de informações sobre como se comportar para que situações como essas não aconteçam faz com que a população evite realizar suas atividades. O policial militar do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e responsável pela negociação durante os sequestros, capitão Marco Antonio da Silva, autor do livro Prevenindo Crimes e Acidentes, deu algumas dicas de medidas simples e eficazes de segurança, que podem evitar um sequestro.

C

Negociador do Bope em casos de sequestro, capitão Marco Antonio da Silva, dá dicas de segurança

COMO EVITAR * Use caminhos alternativos e não permita que terceiros possam monitorar a sua rotina. Cerca de 70% das pessoas que já foram sequestradas perceberam, dias antes, pessoas estranhas rondando e monitorando o seu dia a dia. * Pesquise o histórico de pessoas que você possa vir a contratar para trabalhar em casa, como empregadas domésticas e motoristas. Em 90% dos casos de sequestros, são empregados que passam informações sobre a vítima.

EM CASO DE SEQUESTRO * Coopere, não seja teimoso com os sequestradores. * Se possível, procure memorizar as características do sequestrador, além de memorizar cheiros, sons e detalhes do cativeiro. * Não entre em pânico. * Elabore métodos para a contagem do tempo, pois assim a pessoa não perde a lucidez. * Não reaja. A sua vida vale mais do que qualquer bem material.

* Quando parar no sinaleiro, mantenha os vidros fechados. * Não pare o carro na rua para esperar alguém que vai ao banco, por exemplo. Esses lugares estão sujeitos a olheiros. * Ao descer do veículo, certifique-se de que todas as portas e janelas estão fechadas. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 27


CIDADES

NOS BASTIDORES DA NOTÍCIA

A sala de comunicação da Polícia Militar tem linha direta com o jornalismo policial produzido em Curitiba e região metropolitana Guilherme Zuchetti e Kauanna Batista Ferreira

28 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Ao lado da sala de comunicação do Quartel General da Polícia Militar, o sargento Orlei Lechiw trabalha atendendo telefonemas de toda Curitiba e região. Na chamada “sala da ronda”, sua principal função é oferecer em tempo real informações sobre as ocorrências aos repórteres do outro lado da linha, que procuram conferir dados e acrescentar detalhes às suas matérias. Uma tela de computador à sua frente fornece todos os dados inseridos no sistema pelos policiais em campo. A maioria dos problemas na madrugada, diz ele, são relacionados à perturbação de sossego. Esses, mais fatídicos, são logo descartados, dando espaço aos casos mais “interessantes” para os veículos de comunicação. “A ronda é um serviço essencial para nós da PM e para a mídia, pois nossa tarefa é adiantar as ocorrências do dia a dia para facilitar o serviço, eles ligam e ficam sabendo das ocorrências que temos em nosso sistema”, diz.


Lechiw permaneceu por sete anos nas ruas e há cinco trocou de função; agora divide o cargo com três colegas e precisa responder os questionamentos da imprensa sobre o que acontece na cidade. Mais do que isso: seu trabalho envolve defender o ponto de vista da corporação, cedendo informações concretas que não prejudiquem o andamento de investigações ou a própria polícia. Com o passar do tempo, o sargento já conhece o que interessa para cada repórter. Entre seus “clientes”, há os que buscam apenas informações sobre homicídios e crimes violentos e outros que precisam de dados em relação a furtos e assaltos, como as famosas saidinhas de banco. Os jornais e emissoras não são os únicos a procurar esse tipo de informação: cada vez mais, blogueiros e trabalhores de sindicatos solicitam os dados. Entre eles, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus (Sindimoc), que acompanha as ocorrências, como acidentes de trânsito e dentro dos veículos, através do sistema da PM. “Eles [o sindicato] estão sempre preocupados e interessados em saber como está a situação”, comenta. Geralmente, a informação chega ao repórter por meio de seus próprios contatos e depois são averiguadas junto à Polícia Militar. Na hora do aperto – quando a informação ainda não está disponível ou precisa de mais dados para ser repassada –, é preciso apelar para a cordialidade e para o coleguismo criado com os profissionais da imprensa. Lechiw argumenta que “nem sempre uma ocorrência que os jornalistas ficaram sabendo o policial já tem, ou é preciso aguardar mais informações quando o caso é grave”.

Marcelo Borges, repórter da RIC TV Record, chega a percorrer 300 quilômetros todas as noites em Curitiba e região metropolitana para gravar as matérias que serão exibidas no dia seguinte pela emissora. Apesar de usar pouco as informações da Polícia (ele liga no máximo uma vez a cada plantão), sua opinião é positiva quanto ao serviço prestado pela ronda. “A maior parte dos policiais é favorável ao nosso trabalho e gosta de divulgar as apreensões e outras ocorrências”, conta. Seu ritmo diário demanda sempre um telefone na mão e atenção para o que acontece na cidade. “Basicamente trabalho com fontes que ligam no meu celular ou mandam mensagens. E também fazemos rádio escuta”, relata. Entre as 23 horas e 4 da madrugada, as mais diversas situações podem ocorrer e é na rua que as pautas são criadas. Para aguentar as cenas violentas e a pressão, diz ele, é preciso “gostar muito e ter preparo para situações de extrema adversidade”. Borges acredita que a era do jornalismo policial, que buscava quase somente histórias sanguinolentas, está com os dias contados. Hoje, ele considera que realiza um trabalho voltado aos problemas sociais, produzindo reportagens sobre saúde pública e o tráfico de drogas, por exemplo. As histórias de violência que predominavam na década de 90 tomam menos espaço nos jornais e o espaço da ronda diminui cada vez mais, deixando a cargo do repórter a busca pelos fatos mais interessantes ao público. O jornalista acrescenta: “A ronda expõe as carências da sociedade. Enquanto a cidade dorme, estamos de plantão mostrando tudo que acontece”.

Lucas Dziedicz

O sargento Lechiw e outros oito policiais trabalham prestando assessoria para diversos veículos de comunicação, divulgando a ação da polícia. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 29


CIDADES

Shaiene Ramão

VIOLÊNCIA PRECOCE Quase 60 mil jovens brasileiros cumprem medida socioeducativa. Destes, 95% são homens e 5% são mulheres

30 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


les têm entre 12 e 17 anos. Poderiam estar estudando, se preparando para a faculdade, se profissionalizando. Ou brincando e aproveitando a adolescência, como qualquer outro jovem dessa idade, mas, na verdade, estão cumprindo medida socioeducativa e pagando pelos erros que cometeram. Os números divergem entre as diversas fontes, mas, de acordo com um levantamento da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, esta é a realidade de quase 60 mil jovens brasileiros. Os adolescentes em conflito com a lei, como são chamados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), são aqueles que cometem atos infracionais, desde pequenos furtos até homicídios. É o caso de Márcio Gabriel*, de 11 anos. Dependente de maconha e cocaína há dois anos, o menino conta que rouba frequentemente para sustentar o vício. Vive na rua, com outros adolescentes e diz que não sabe escrever porque foi expulso da escola, por ter roubado a professora. “Eu precisava sustentar meu vício, ué. Daí roubei R$ 20 e o celular dela. Ela descobriu e eu fui expulso. Daí, eu não fui mais à escola. E agora eu tô na rua”, conta. Gabriel não tem notícias dos pais desde que saiu de casa e dorme em uma casa de apoio, junto com outros meninos de rua. Já foi pego roubando, mas conseguiu fugir. De acordo com o Instituto Latino Americano das Nações Unidas, os vulneráveis são os adolescentes com baixo índice de escolaridade, que estão envolvidos com drogas e que vivem em famílias desestruturadas. Os dados sobre esses adolescentes são escassos e o acesso é dificultado pelos órgãos responsáveis. Tudo que se sabe sobre os adolescentes em conflito com a lei são resultados de pesquisas feitas com aqueles que já estão pagando por suas infrações. Entre eles, 8% não foram alfabetizados e a maioria parou de estudar aos 14 anos, entre a quinta e a sexta série. Por conta da falta de alfabetização e de empregos, os adolescentes são obrigados a procurar outras formas de sustento e, entre elas, está a vida infracional. A Região Sudeste é a que concentra a maior quantidade de adolescentes cumprindo medidas socioeducativas. São quase 30 mil. As regiões Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte completam a lista. Na Região Sul, são cerca de 13 mil jovens. Entre as medidas socioeducativas, a liberdade assistida é a mais aplicada. Nesta, o adolescente não precisa ficar recluso, mas é acompanhado pela

Giancarlo Andreso

E

Antonio Luiz* diz que já matou, mas que se arrepende pelo crime. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 31


Shaiene Ramão

Justiça. Cerca de 42% dos jovens em medida socioeducativas estão nessa situação. A prestação de serviços à comunidade vem em segundo lugar, sendo aplicada a 24,5% dos adolescentes. Em terceiro lugar, a internação, aplicada a 15,5% dos adolescentes, seguida pela semiliberdade, com 10%. A medida menos utilizada é a reparação de danos. Entretanto, os atos contra o patrimônio lideram a lista das infrações mais cometidas. Cerca de 62,5% dos adolescentes estão envolvidos com esses atos, sendo o roubo, (34,7%) e o furto (22%) as infrações mais recorrentes. Os crimes contra pessoas representam 13,6% dos atos infracionais. 32 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Antonio Luiz* não é mais um adolescente, mas sabe bem como é viver sob a mira da Justiça. Com 25 anos, o rapaz já tem seis passagens pela polícia. Dessas, duas foram cometidas na adolescência: homicídio e destruição de patrimônio público. “Eu matei porque ele me humilhou demais.”, explica ele. Morador de rua há poucas semanas, Luiz se diz arrependido dos crimes que cometeu e que aprendeu na cela o valor da liberdade. “Eu matei, fui preso e vi como é bom estar solto, né? Todo dia peço perdão a Deus pelo que eu fiz. Hoje eu sei o quanto é bom estar limpo.”, afirma. O ex detento fala que depois que saiu da prisão não conseguiu emprego e, por falta de dinheiro, escolheu as ruas como lar. E, nas


vias públicas, vê a dificuldade enfrentada pelos adolescentes que escolheram a vida do crime. “Eu tinha uma casa, mas os piás hoje saem de casa pra fazer o que fazem. E a maioria deles é tudo pela mesma coisa, tudo por droga. É difícil, a gente vê um adolescente assim a toda hora e, o que eu posso falar? Também já fui assim.”, ressalta. Aproximadamente 5% dos adolescentes que cumprem medidas em meio são mulheres. O que chama a atenção é que os atos infracionais mais cometidos pelas garotas são o Crime contra a Pessoa, como homicídio, aborto, lesão corporal e maus tratos, e os Crimes contra a Dignidade Sexual (antigo Crimes contra os Costumes), como atentado violento ao pudor, assédio sexual e corrupção de menores. As mulheres também “vencem” os homens nos delitos relacionados ao porte, uso e tráfico de drogas. Um estudo realizado em 2011 pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias do Conselho Nacional de Justiça revela também que faltam vagas no sistema de medidas socioeducativas. A maioria das unidades está superlotada. A pesquisa ainda mostra que quase 10% dessas casas registraram abuso sexual ou agressão física cometidas de adolescentes para adolescentes. Além disso, há registros da falta de atendimento jurídico, médico, dental e até psicológico a esses jovens.

Apesar do caráter pedagógico das medidas, ainda é muito alto o número de jovens que voltam à vida infracional depois de passarem por unidades de socioeducação. A falta de estrutura familiar, de alfabetização e de oportunidades fazem com que os números aumentem ano a ano. É importante ressaltar que a maioria dos dados apresentados se refere apenas àqueles jovens que já estão cumprindo suas medidas. Ou seja, difícil é mensurar onde o caos é maior, se é dentro ou fora das unidades de cuidado. Os governos municipais, estaduais e o governo federal têm buscado alternativas para melhorar a situação destes jovens, como o aprimoramento do ECA e a ampliação da Defensoria Pública, mas não há como negar que ainda falta muito. Investimentos na educação, na saúde e na segurança pública, por exemplo, poderiam evitar que milhares de crianças escolhessem a vida do crime como caminho a seguir. É dever da sociedade encarar esses dados como um problema de todos, para que as chances de se recuperar um adolescente da vida infracional e impedir que uma criança entre neste meio aumentem. É necessário que a sociedade mude a forma como enxerga os jovens e, quebrar o preconceito talvez seja um bom começo para a mudança. * Os sobrenomes foram preservados. Giancarlo Andreso

Márcio Gabriel, de 11 anos ,e seu amigo Oscar, de 10, fugiram de casa para sustentar o vício e cometer crimes JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 33


CIDADES

A CURITIBA QUE cegos ANGOLANOS conseguem enxergar Ariane Priori, Bruna Habinoski, Cecília Moura e Nivia Kureke Nivia Kureke

REVISTACDM CDM| JORNALISMO | JORNALISMOPUCPR PUCPR 3406| |REVISTA


U

ma vida de sensações, vivida de outro ponto de vista, porém muito feliz. É assim que Wilson Ganga Madeira, 26 anos, define ser a existência de quem não “enxerga”. Sim, não enxerga entre aspas, pois o que os olhos não veem, o coração e outras partes do corpo sentem, e muito. A história, a princípio, poderia parecer comum, uma das várias que existem na capital paranaense. Mas não: esta é diferente desde sua origem. Um grupo composto por 11 angolanos aterrissou em Curitiba no ano de 2001. Com deficiência visual, eles vieram ao Brasil graças a um programa do governo da Angola, que tem como intuito uma melhor estrutura para o aprendizado destes. O Instituto Paranaense de Cegos (IPC), referência nacional e internacional no tratamento de pessoas cegas ou com baixa visão, foi quem acolheu os angolanos, no primeiro momento. Dentro da instituição eles cumpriam com os objetivos da vinda para cá – aprender o braile e informática. O intercâmbio é a esperança para os que não veem de usufruir destes estudos para o crescimento pessoal e interação perante a sociedade. Wilson Ganga Madeira afirma que em Curitiba há muito mais recursos, condição e estrutura, possibilitando que o cego faça o que quiser, porém nem tudo é perfeito. “Apesar do aparato todo, aqui o cego é mais dependente dos familiares, é um cego que se diminui por ser cego. São um pouco revoltados, mal humorados e muito dependentes da família. Poderiam aproveitar mais a estrutura que têm aqui, estar na faculdade, por exemplo, mas eles não sabem fazer isso.” E finaliza, afirmando que os deficientes visuais da cidade estão muito acomodados na situação em que se encontram, sendo que poderiam fazer algo a mais para instruir as pessoas sobre esse mundo de quem não vê. “Saber aproveitar as oportunidades”: este é o lema de Ganga Madeira. O estrangeiro faz faculdade de Psicologia, vai à academia, apresenta um programa de web rádio, faz cursos de

inglês e massoterapia, treina futebol e ainda reserva tempo para a diversão, indo a baladas, barzinhos, cinema, parques e teatro. Mas antes de conseguir toda essa independência, alguns passos foram essenciais. Além dos aprendizados disponíveis no IPC, todos cumpridos com excelência, o grupo de angolanos passou pelo processo de alfabetização, em colégios estaduais e, aos poucos, foram se adaptando a capital. “O clima foi o que mais estranhei, aqui é muito frio. A alimentação, a língua, o jeito que falam o português, palavras que não conhecíamos, a cultura, os costumes. Mas com o passar do tempo acabamos gostando da cidade, construindo amizades e nos acostumando cada vez mais.”

Rotina diária Durante a semana, Wilson Madeira ocupa seus dias com exercícios e cursos. 8h - Wilson Madeira acorda. 9h - Vai para a academia 11h - Volta para casa e almoça 13h - Apresenta um programa na web rádio Universo Ceguense 14h - Tem curso de Inglês terças e quintas e de Massoterapia quartas e sextas 18h30 - Vai à faculdade No final de semana, como todo jovem, Madeira sempre sai para se divertir Aos sábados, às 10h, ele treina futebol e à noite costuma sair para baladas, cinemae peças de teatro. E “quando está calor, vou para o parque (...) levo uma vida normal, como qualquer outro”, conta Madeira. Você sabia? No futebol para cegos, é utilizada uma bola com guizos para que os deficientes visuais possam localizá-la. Além disso, durante a partida, nas laterais e linhas de fundo ficam algumas pessoas que enxergam para orientar os jogadores.

OCEANO ATLÂNTICO JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 35


CIDADE MODELO TEM DEFICIÊNCIAS Ariane Priori Bruna Habinoski Cecília Moura Nivia Kureke

M

esmo com toda estrutura para os deficientes visuais, Curitiba ainda fica devendo em muitos pontos. O principal deles é a acessibilidade. “Poucas são as calçadas que estão em boas condições. Há árvores caídas, buracos, telefones públicos no meio do caminho”, afirma Ganga Madeira. E o colega, Prudêncio Jefferson Tumbika, de 23 anos, estudante de Jornalismo, complementa: “As calçadas têm buracos, as li-nhas táteis têm objetos interferindo, e em muitas ruas os bueiros estão abertos”. E, em segundo lugar, os amigos classificam o preconceito como um grande fator negativo. “Ainda hoje, por falta de informação e co-nhecimento, acham que o cego é inútil, incapaz e fraco. Nós nos sentimos mal por isso, é uma discriminação. Um preconceito, não por maldade, mas porque falta informação sobre o cego. No ônibus as pessoas acham que nós precisamos sentar, mas não estamos com falta de saúde. Eles acham que o cego não tem capacidade de ficar em pé. Ele é cego, não é paralítico”, afirma Wilson Ganga Madeira, que cita mais um exemplo cotidiano: “Em bar-zinho, balada com os amigos, o garçom fala ‘Nossa você vai beber? Não, você não pode beber!’. Nós bebemos com a boca e não com o olho!”. Ganga Madeira perdeu a visão com 4 anos, depois de uma explosão de granada. Não teve grandes dificuldades, pois não se lembra. É como se tivesse nascido cego. O que sempre o chateou foi não conseguir estudar. “Lembro que sempre dizia para os meus pais que queria estudar, mas não podia porque era cego.” Já Prudêncio Jefferson Tumbika perdeu a visão um pouco mais tarde, aos 7 anos. “Não foi difícil me adaptar por ser criança, graças a Deus eu fiquei cego nessa época. Se fosse adulto, eu teria mais dificuldade. Vejo pessoas que ficaram cegas depois de adultas, e grande parte delas entrou em depressão. Quando se é adulto, você já tem sua vida.” Os amigos ainda deixam importantes lições, sobre a vida, dificuldades e vitórias. “Para mim, nunca foi difícil ser cego, não sei como seria se pudesse ver, não trocaria minha vida por outra para poder enxergar, o fato de ser cego me faz ser uma pessoa diferente, tem os lados ruins e os bons. Tenho os sentidos mais aguçados, imagino coisas por meio da voz. Essas habilidades que nós temos por ser cegos ajudam muito. Temos uma audição aguçada, olfato bom, eu sinto o cheiro de alguém ou de alguma coisa, e nunca mais esqueço”, diz Ganga Madeira. Já Prudêncio Jefferson Tumbika reafirma que a vida de quem não vê é normal. “Temos dificuldades. Porém, tentamos ser igual a todos. Não nos entregamos às dificuldades. Todos os dias acordamos querendo vencer, é uma vida de sempre ir em busca de conquistas, provando para as pessoas que você é capaz, é uma provação sempre. Ir além do que as pessoas enxergam”, finaliza. 36 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

“Não foi difícil me adaptar por ser criança. (...) Quando se é adulto, você já tem uma vida.”

Cegos comprovam dito popular: “Não há pior dificuldade que pouca vontade”.


Melvin Quaresma


CIDADES

Curitiba corre contra o tempo para organizar Copa do Mundo Obras de mobilidade urbana precisam ser concluídas até maio de 2014, a um mês do início do torneio Heron Torquato, João Pedro Alves, Marcio Kaviski, Marcos Garcia e Paulo Semicek

U

m jogo de Copa do Mundo envolve mais do que o estádio lotado e as seleções que disputam a partida. Para que os torcedores cheguem ao campo e consigam ficar na cidade durante o evento, a cidade-sede precisa estar preparada para receber um grande número de turistas, brasileiros e estrangeiros. Essa é a missão que Curitiba deve cumprir para realizar, pela segunda vez, o torneio em seus domínios. A expectativa da Secretaria Especial para Assuntos da Copa do Mundo é de que cerca de 160 mil turistas estrangeiros e 500 mil brasileiros venham para a capital do Paraná durante os meses de junho e julho de 2014. Além da rede hoteleira, que precisa aumentar de 18 mil para 20 mil leitos até o ano que vem, Curitiba está investindo em obras de mobilidade urbana, com o objetivo de facilitar o trânsito de turistas e moradores. No entanto, apenas para fevereiro de 2014, a quatro meses do início da Copa, é que está prevista a conclusão de todas as obras. No ritmo atual, o poder público terá de se apressar muito para cumprir o prazo. As principais obras de mobilidade urbana são financiadas pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal. São R$ 238 milhões para a reforma, ampliação e revitalização do trajeto entre o Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, e a região central de Curitiba, onde se encontra a Arena da Baixada, o estádio que receberá os jogos. Na Avenida das Torres, principal ligação entre o aeroporto e o Centro, estão sendo feitos um viaduto, uma trincheira e um novo sistema viário. Embora a trincheira esteja pronta desde outubro e o viaduto previsto para dezembro, o sistema ficará concluído apenas no mês de março de 2014. Até o momento, só 3% das obras estão concluídas. Outra situação que chama atenção é a do terminal rodoferroviário. O cronograma prevê a conclusão da reforma para novembro deste ano, mas somente 36% da obra está feita. Isso porque uma parte prevista inicialmente para ser reformada na verdade está sob tombamento histórico, e não pode ser alterada. O projeto alterado e reformado ainda está em processo de licitação. Entre os trabalhos mais adiantados, estão os que estão sendo realizados na Avenida Marechal Floriano Peixoto, que funciona como um via secundária entre o aeroporto e Curitiba. A revitalização já atingiu 60%, e a reforma do viaduto que liga a capital e São José dos Pinhais, região metropolitana, começou em julho, com previsão para ser finalizado em maio de 2014, um mês antes do início da Copa. A obra mais adiantada é a do Sistema Integrado de Mobilidade (SIM), 38 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

que basicamente é a colocação de câmeras e painéis nas principais ruas da cidade, gerando um monitoramento mais preciso do trânsito. Segundo a engenheira Zelinda Rosario, os atrasos não terão interferência na conclusão das obras, pois todas elas já estão encaminhadas e com os prazos definidos. “É óbvio que, às vezes, ocorrem alguns atrasos. Houve a necessidade de fazer mudanças em certas licitações, mas agora todas já estão resolvidas e caminhando para o seu objetivo, que é a conclusão”. Rosario, que faz parte da da Secretaria Municipal Extraordinária da Copa, cita ainda como exemplo uma empresa envolvida na obra da Linha Verde Sul, que também faz parte do PAC da Copa. “A empresa saiu fora, e teve de haver uma nova licitação”.

Os dias de jogo No dia 16 de junho de 2014, Curitiba voltará a receber um


Heron Torqquato

Entre o Aeroporto Internacional Afonso Pena e o Centro de Curitiba, praticamente todos os caminhos estão passando por reforma. jogo de Copa do Mundo, após 64 anos da partida entre Suécia x Paraguai, ocorrida no dia 28 de junho de 1950 e que terminou em empate: 2 a 2. Foi o último dos dois jogos realizados no Estádio Durival de Britto. Em 2014, será preciso subir a Rua Engenheiro Rebouças até o fim, para chegar à Arena da Baixada. Mas, dessa vez, os jogos da Copa exigirão uma operação maior e mais eficiente do poder público, para garantir total conforto e maior mobilidade para os torcedores que irão aos jogos. As obras do pacote principal do PAC, que envolvem as Avenidas Marechal e das Torres, rodoferroviária e a Linha Verde Sul, já estavam planejadas antes da escolha de Curitiba como cidade-sede, informa a Secretaria Municipal da Copa. Elas terão papel fundamental na tentativa de facilitar a mobilidade aos turisHeron Torqquato

tas que virão para os jogos. O visitante que sair do aeroporto deverá ter a Avenida das Torres como ligação, mas também a Marechal Floriano. Quem vier de ônibus, tem a vantagem de descer já no Centro de Curitiba, na rodoferroviária. Por fim, quem chegar de carro pelas estradas, terá dificuldades, dependendo de onde estiver vindo. Embora a BR-277 esteja em boas condições no sentido do litoral paranaense e duplicada na altura do município de Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, a BR-116 ainda tem trechos perigosos, próximos à capital, tanto para quem vem de Santa Catarina quanto para quem chega de São Paulo. Quando o turista desembarcar em Curitiba, certamente irá até o seu hotel. O especialista em gestão urbana da PUCPR Fábio Duarte ressalta que o fato de boa parte da rede hoteleira estar no Centro facilitará o trânsito de carros e pessoas. “Como a maioria dos hotéis está próxima do estádio, não é um grande problema, desde que os torcedores consigam chegar do aeroporto ao hotel. Uma vez que quase todos os hotéis estão a menos de três km do estádio, não haverá tanta demanda de transporte público para os jogos”. No entanto, Duarte alerta sobre o deslocamento de quem não estiver tão próximo da Arena. “O corredor viário para o aeroporto, por exemplo. Como o que fizeram foi exclusivamente acrescentar uma pista, e não melhorar o transporte público, poderá haver congestionamentos constantes”. O Comitê Gestor da Copa em Curitiba prevê que 70% dos torcedores cheguem de ônibus ao estádio, e somente 30% a pé.

Feriado pode melhorar o trânsito Uma das possíveis soluções para diminuir o trânsito durante os dias de jogo da Copa está em discussão na Câmara de Vereadores da cidade. Um projeto de lei tramita na Comissão Especial da Copa, presidida pelo vereador Paulo Rink (PPS). A ideia é que seja decretado feriado na cidade nos dias de jogo. A proposta gerou polêmica: de um lado, os comerciantes reclamam que perderão dinheiro sem os dias úteis, transformados em folga. Do outro lado, estãos as secretarias municipais da Copa e do Trânsito (Setran), que teriam o seu trabalho de gerenciar o JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 39


tráfego para o jogo, sem a movimentação cotidiana de um dia útil. A engenheira da Prefeitura de Curitiba Zelinda Rosario defende o feriado: “A diferença entre ser e não ser feriado é grande. Hoje, temos uma folga de capacidade do transporte público de 5 mil pessoas. Caso seja um dia útil, o sistema não vai absorver tanta gente. Com o feriado, é possível absorver todo o número de turistas e torcedores que virão à cidade. Além

da mobilidade urbana ficar mais fácil, com menos carros na rua”. A decisão sobre a aprovação ou não do projeto de lei ficou para dezembro, após o sorteio dos grupos da Copa do Mundo. O evento vai definir quais seleções virão a Curitiba. A capital vai receber quatro jogos durante o torneio. Heron Torquato

Caso Arena esteja lotada em todos os quatro jogos, o público total será aproximadamente 172 mil; cerca de 950% a mais do que na Vila Capanema, em 1950. Heron Torquato

Se forem aprovados pelos vereadores, feriados nos dias de jogos podem facilitar o trânsito na capital durante a Copa. Decisão sairá em dezembro. 40 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Comparativo entre as Copas do Mundo recebidas por Curitiba 1950 e 2014 com os 64 anos de distância, mundiais apresentaM uma série de mudanças

COPA DO MUNDO DE 1950 | ESTÁDIO DURIVAL BRITTO E SILVA Em 1950, havia três categorias de ingressos para os jogos na Vila: Cadeira coberta: Cr$ 120 Arquibancada: Cr$ 40 Geral: Cr$ 20 A arrecadação dos dois jogos em Curitiba foi de Cr$ 700 mil, inferior à meta de Cr$ 1 milhão acordada com a Fifa. Os Cr$ 300 mil restantes foram pagos pelo governo do estado A população curitibana na Copa de 1950 era estimada em 180 mil pessoas, enquanto a do Brasil era de quase 52 milhões

Curitiba foi uma das seis sub-sedes daquela Copa, e recebeu duas das 22 partidas disputadas: ESPANHA

3 x 1

EUA

SUÉCIA

2 x 2

PARAGUAI

COPA DO MUNDO DE 2014 | ESTÁDIO JOAQUIM AMÉRICO GUIMARÃES Em 2014, haverá quatro categorias de ingressos para os jogos na Arena: Categoria 1: R$ 350 Categoria 2: R$ 270 Categoria 3: R$ 180 Categoria 4: R$ 60 A população atual de Curitiba é estimada em 1 milhão e 800 mil pessoas. A do Brasil gira em torno de 191 milhões, também de acordo com o Censo 2010 Uma das 12 sub-sedes, Curitiba receberá quatro jogos da primeira fase da Copa. Os confrontos serão definidos em sorteio no dia 6 de dezembro na Costa do Sauípe, Bahia A Espanha, atual campeã do mundo,ainda não sabe onde jogará. Mas ja escolheu o CT do Caju (Centro de Treinamentodo CAP) como sua “casa” durante o mundial de 2014 JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 41


CIDADES

PREFEITURA SE PREPARA PARA CURITIBA MAIS “VELHA” De acordo com os cálculos do IBGE, o número de brasileiros vai crescer até 2042, a partir de quando o número de óbitos superará o de nascimentos. Caio Rocha e Ruth Borsuk

Divulgação/Prefeitura Municipal de Curitiba

Programa da prefeitura de Curitiba incentiva os idosos a praticarem exercícios físicos. envelhecimento é um processo natural do ser humano. Todos nós passaremos por essa fase durante a vida. Com o avanço da tecnologia e as descobertas da Medicina, a expectativa de vida do ser humano está maior e, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no censo de 2010, a população brasileira na faixa etária acima de 60 anos deve passar de 14,9 milhões (7,4% do total), em 2013, para 58,4 milhões (26,7% do total), em 2060. A expectativa de vida das mulheres ainda será superior: 84,4 anos contra 78,03 dos homens. A queda no número médio de filhos por mulher terá um impacto negativo sobre o crescimento da população brasileira e, somada com a redução da taxa de fecundidade, isso indica que o Brasil será mais “velho” daqui a alguns anos. Se o país vai quadruplicar o número de idosos no futuro, como a capital paranaense vai lidar com essa população? Alguns programas estão funcionando para atender esse público. As academias ao ar livre, por exemplo, são aparelhos instalados nos pontos estratégicos da cidade, que promovem a saúde, estimulando a prática de exercícios. Além disso, a Secretaria Municipal de Esporte, Lazer e Juventude (Smelj) desenvolve o Programa Idoso em Movimento, que tem praticamente o mesmo objetivo: 138 turmas são destinadas à terceira idade com

O

42 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

aulas de ginástica, hidroginástica, alongamentos, caminhadas e dança - modalidades adaptadas às características e necessidades desta faixa etária. Sônia Ferrarini, representante da Fundação de Ação Social (FAS), vinculada à prefeitura de Curitiba, afirmou que a governo municipal tem vários projetos em benefício do idoso, inclusive casas de recolhimento, que são chamadas de instituições de longa permanência, para aquele idoso que vive em situações de negligência ou abandono. A instituição, em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba, elabora reuniões com grupos de convivência que permitem o exercício da imaginação, memória, fantasia e novos olhares sobre o mundo a partir da leitura. Embora existam programas específicos para os idosos, muitos não têm conhecimento nem acesso. José Carlos é morador de rua e disse que vive assim pelos desentendimentos com os familiares. Ele relata que já foi procurar ajuda, mas que prefere dormir no chão do que encarar seu parentes de novo. “Fui lá na fundação uma vez, mas prefiro ficar sozinho na minha, vou lá só pra ter onde dormir quando chove muito”. O senhor de 65 anos não tem objetivo aparente e vaga pelas ruas, catando lixos e recebendo caridade das pessoas que se comovem com sua situação. “É difícil, já apanhei muito só por estar deitado no chão. Não desejo isso pra ninguém, mas eu sei o que estou fazendo”.


Na ativa Alguns idosos desistem, outros continuam batalhando e, apesar das dificuldades financeiras enfrentadas na idade mais avançada, seguem trabalhando ou voltam à ativa. É o caso do empresário Wilson Mulinari, de 74 anos, que apesar da aposentadoria, em 1992, continua trabalhando para garantir uma vida melhor. “Eu pagava 15 salários mínimos para o governo antes de me aposentar, agora recebo um salário e meio. Gosto de trabalhar. Se eu não trabalhar, como vou me manter ?”. Seu Wilson, como é apelidado carinhosamente pelos amigos, afirma ter um estilo de vida saudável e ativo. Ele representa um perfil do idoso que surge no Brasil. Esse idoso não é mais o provedor da família, se tornou independente e mora sozinho. Trabalha ou consegue se manter sem a ajuda de terceiros e está mais moderno, utilizando as inovações tecnológicas a seu favor. Em Curitiba, a construtora Tomasi, pensando nesse novo perfil, fez um projeto de flats. Nesses espaços destinados especificamente para os idosos, eles podem usufruir de serviços de lavanderia, médicos e lazer. Além disso, os moradores têm contato direto com os zeladores em casos de emergência. Nem sempre estar mais velho pode ser prazeroso. Muitos ainda sofrem com problemas emocionais. A depressão, por exemplo, é um estado comum entre os idosos. Segundo a psicóloga Aparecida Mariza Abud, isso pode gerar vários sintomas. “A depressão retira o ânimo, as possibilidades de desfrute dos prazeres da vida e é acompanhada de um estado de apatia e tristeza contínua. Além desses sintomas, é muito comum a invasão de pensamentos negativos, como ideias de culpa, de inutilidade e de desesperança e, nos casos mais graves, podem ocorrer dese-

“Velhice não pode ser sinônimo de depressão.” - Aparecida Abud, psicóloga jos suicidas.” Entretanto, para a especialista, a velhice não pode ser sinônimo de depressão. “Acredito que os responsáveis ou a comunidade devem buscar ajuda especializada ao perceberem um idoso muito quieto. Há equipes multidisciplinares nos segmentos tanto público como particular, que realizam trabalhos de diagnósticos e intervenções no sentido de propiciar aos idosos maior qualidade de vida e prazer nesta etapa da vida” Envelhecer será inevitável para todos, porém, para que esse processo seja mais digno e saudável, dois problemas precisam ser resolvidos. O primeiro é a negação desse fenômeno natural, que pode ser revertido pelo conhecimento e apoio familiar. O segundo são as iniciativas públicas . Os hospitais devem estar em melhores condições de funcionamento somado com a criação e divulgação de programas efetivos que busquem a interação e atividade física e emocional podem se tornar ferramentas fundamentais para que o envelhecimento não seja tão temido e que os idosos não caiam no esquecimento. Divulgação/Prefeitura Municipal de Curitiba

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA A PESSOA IDOSA, OFERECIDOS PELA FAS: Instituições de longa permanência - serviços conveniados para atendimento integral à pessoa idosa, que visam à promoção e proteção social, manutenção da saúde física e emocional, cuidados pessoais e o convívio sociofamiliar. > Casa de Repouso Recanto Feliz > Lar dos Idosos Recanto do Tarumã > Lar Iracy Dantas de Andrade > Asilo São Vicente de Paulo > Centro POP Resgate Social > Centro POP João Dorvalino Borba > Confederação Evangélica da Assistência Social > Casa dos Pobres São João Batista > Casa da Acolhida e do Regresso

Práticas esportivas trazem benefícios a saúde. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 43


CIDADES CIDADES

TAXISTA: PROFISSÃO PERIGO Todas as noites, pelo menos dois motoristas de táxi são assaltados em Curitiba e Região Metropolitana Aline Valkiu

H

á 16 anos na profissão, o taxista Luís Giovane Ribeiro sofreu três assaltos. Em uma dessas ocasiões, um homem que aguardava o carro em frente a uma delegacia no bairro Boqueirão, estava desesperado. Dizia que sua mãe estava passando mal e precisava ir para casa. No caminho o passageiro pediu que Ribeiro entrasse em uma rua para buscá-la, mas tudo era parte de uma mentira. A história foi apenas um artifício para que Ribeiro não desconfiasse de um assalto. Logo o ladrão mostrou a arma e pediu todo o dinheiro. Como era madrugada e a jornada de

trabalho estava apenas começando, o trabalhador tinha apenas R$ 36, suficiente para ser levado pelo assaltante. Histórias como essa se repetem todas as noites. Pelo menos dois taxistas são assaltados durante cada madrugada na capital paranaense. Esse número parece pequeno comparado aos mais de 1.550 trabalhadores que rodam noite adentro. Multiplicadas pelo número de dias do mês, essas ocorrências chegam a 60. Em um ano, esses dados podem somar mais de 730 assaltos. De acordo com o Sindicato dos Taxistas do Paraná (SindiAline Valkiu

Mais de 2.500 taxistas trabalham em Curitiba e região metropolitana e muitos correm o risco de serem assaltados de dia e à noite. 44 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Aline Valkiu

taxi-PR), mais de 2.500 taxistas trabalham em Curitiba e região metropolitana, desse número, 70% exercem a função no período noturno, horário quando há maior número de ocorrências. Não há uma estimativa de quantos taxistas já foram assaltados, pois na maioria dos casos, os motoristas não chegam a ir às delegacias para fazer o boletim de ocorrência. Segundo o representante do Sinditaxi-PR, Heins Schade, os crimes normalmente acontecem à noite e são praticados na sua grande maioria por usuários de drogas. “Eles sabem que o taxista tem dinheiro, muitas vezes pouco, mas que é o suficiente para comprar droga”, diz. Schade explica ainda que a única segurança que esses trabalhadores possuem, são os próprios colegas. Ao sofrer um assalto, o motorista se comunica com os outros taxistas e também a central; os que estão próximos ao local começam a procurar o assaltante. “Eles não classificam os passageiros, mesmo com desconfiança aceitam a corrida, e quando chegam ao destino, são surpreendidos com voz de assalto”. Odney Gonçalves, de 79 anos, trabalha como taxista há 35. Ele conta que foi assaltado seis vezes, na maioria das vezes, por homens entre 18 e 30 anos, de boa aparência. Uma das ocasiões em que Gonçalves passou por essa situação, o passageiro subiu no táxi no bairro Juvevê e pediu que o levasse até a região do Cabral. Chegando ao local, o rapaz o assaltou e fugiu. Em seguida o motorista comunicou a central pelo rádio, dando código de assalto, assim foi possível passar a informação para outros taxistas e também à polícia, que chegaram juntos ao local e conseguiram prender o assaltante. Naquela noite, Gonçalves teve sorte e conseguiu recuperar o dinheiro. Mas nem sempre tudo acaba bem. Em outro episódio vivido por Gonçalves, um homem entrou no táxi puxou conversa e, chegando ao local, ameaçou o trabalhador com uma faca e arrancou o rádio para o taxista não pedisse socorro. O motorista tentou reagir, prendendo uma das mãos do ladrão, mas não resolveu o problema. O criminoso pegou a carteira e outros objetos de valor e, não se dando por satisfeito, ameaçou o motorista de morte: o condutor do veículo pediu ao ladrão que não o matasse: “Não faça isso rapaz, você já pegou tudo que eu tinha, não precisa me matar”. O assaltante então fugiu, levando dinheiro e os documentos pessoais. Ele ainda fala com tristeza sobre a morte de um amigo, cujo nome preferiu omitir, que ocorreu há pouco tempo. O assassino que estava no centro de Curitiba, pediu que o levasse até o Bairro Alto. Chegando ao destino, roubou do motorista R$ 40 e o matou com um tiro na cabeça. O trabalhador tinha cinco filhos. “Somos uma classe desfavorecida em relação à segurança, a única coisa que recebemos são cobranças por parte de políticas públicas como, por exemplo, a URBS e guardas de trânsito”, relata. Arnaldo Lima Pinto tem 67 anos e 30 anos de profissão como taxista. Ele relata que, em uma das quatro vezes que foi assaltado, levou um tiro. Ao atender um chamado da central de taxistas, Lima Pinto não esperava passar pelos minutos mais tensos de sua vida. Um casal que aguardava o táxi estava planejando um assalto. Ele sem imaginar, no fim do percurso foi surpreendido com um revólver na cabeça. Sob ameaça, o trabalhador reagiu e levou um tiro no braço. Com o susto, o casal fugiu e não levou nada. “Reagi, pois teria sido pior, eles já estavam decididos a me matar”, explica a vítima.

O taxista Arnaldo Lima Pinto levou um tiro durante um assalto.

Lima Pinto ainda explica que muitos levam uma mulher para que não haja desconfiança. Mas, depois de ter passado por momentos difíceis, ele procura ter muito cuidado com passageiros, principalmente no período da noite. Durante a madrugada ao estar no ponto de táxi, procura ficar pelo lado de fora do carro, evitando levar pessoas que sejam suspeitas. “Infelizmente, não temos segurança, ao sair de casa sempre peço a Deus que me proteja e também aos meus colegas”, revela. Segundo o major Dorian Cavalheiro, da Polícia Militar, são feitas, periodicamente, operações onde se pede que os taxistas parem para que seja feita a revista. Porém, muitos reclamam que estão sendo prejudicados, pois os clientes acabam não gostando por atrasar o tempo da corrida. “Sempre paramos os táxis, porque muitas vezes quem está conduzindo o veículo é o ladrão”, explica o policial. Cavalheiro comenta que a falta de boletins de ocorrências registrados pelos taxistas dificulta o trabalho da polícia, pois para que se tenha um mapa de crimes contra os trabalhadores, é preciso conhecer os principais locais de assalto e as situações mais frequentes, dados que podem ser armazenados no banco de dados da PM e que facilitariam a realização de operações nas regiões de maior incidência desse tipo de crime. “O boletim de ocorrência é uma ferramenta importante, pois a partir dela podemos chegar ao local certo, sem ter que trabalhar de maneira aleatória atrapalhando os taxistas e também os usuários de táxi.”

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 45


POLÍTICA 46 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


POLÍTICA

I

magine ter uma informação que pode influenciar a realidade a sua volta. Algo capaz de revelar atos ilícitos do poder público e mudar a situação de milhões de pessoas. Após pesquisar, apurar, dissecar determinado assunto, chega-se à conclusão de que divulgá-lo é um dever. Entretanto, não é possível expor essa informação: ela não é do interesse de quem está no poder. Quem tentou ir contra a decisão, foi preso ou desapareceu. Sem ter o que divulgar, e até como forma de protesto, uma receita de bolo agora ocupa o espaço de uma reportagem de denúncia na capa de um jornal. Em 1985, a ditadura militar chegou ao fim no Brasil e, teoricamente, também a censura estaria dando seus últimos suspiros. Será? Apesar de não serem registrados mais casos de extrema violência como durante a ditadura militar, segundo a Associação Nacional de Jornais (ANJ), de março a agosto de 2013, foram registrados sete casos de censura judicial – em que um juiz proíbe a veiculação ou ordena a retirada de determinadas matérias, reportagens ou fotos de meios de comunicação. Grandes jornais como Folha de S. Paulo, O Estado de São Paulo e Zero Hora (e toda a rede RBS), e até blogs, como o do jornalista Ricardo Noblat, já foram acionados pela Justiça por conta da veiculação de matérias envolvendo políticos ou seus familiares. No Paraná, o caso de maior repercussão foi o da Gazeta do Povo, proibida de publicar reportagens sobre o agora ex-presidente do Tribunal de Justiça do estado, o desembargador Clayton Camargo.

“Talvez, hoje, a censura não seja tão explicita quanto foi no período da ditadura militar. Mas ela também pode se dar por outros meios”, diz Pedro Carrano, integrante da diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (Sindijor). Segundo ele, a “judicialização da comunicação” é algo que afeta não somente os grandes veículos, mas também os de menor circulação e os virtuais, que são administrados de forma alternativa com baixos recursos e muitas vezes recebem processos judiciais com valores muito acima de seu orçamento: entre R$ 30 mil ou R$50 mil. “Nós temos inúmeros blogueiros, comunicadores e jornalistas locais que hoje sofrem processo por terem veiculado determinada notícia”, diz Carrano.

De março a agosto de 2013, foram registrados sete casos de censura judicial contra a imprensa brasileira. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 47


Ailton Nunes

“Nós do sindicato vimos [o caso] como um ataque ao trabalho dos profissionais que pesquisaram e que fizeram sua reportagem.“ - Pedro Carrano, integrante da diretoria do Sindijor. Ailton Nunes

A jornalista Flávia Delgado acredita que os meios de comunicação independentes da internet, especialmente os da América Latina, se destacam por informarem assuntos que não são explorados pelos grande veículos.

48 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


No caso da Gazeta do Povo, o sindicato abriu espaço para envio de informações sobre as denúncias contra Camargo e divulgou as matérias censuradas em seu site e redes sociais – mesmo sob o risco de serem multados – no fim de agosto, recomendando aos profissionais que compartilhassem essas informações para evitar que uma nova censura ocorresse. “Nós do sindicato vimos [o caso] como um ataque ao trabalho dos profissionais que pesquisaram e que fizeram sua reportagem [...], que fizeram seu trabalho e não puderam divulgá-lo”, afirma Carrano. Mas a censura aos meios de comunicação não se restringe ao campo judiciário. O jornalista ainda cita outros dois tipos. Um deles é a mercadológica, quando os interesses empresariais influenciam na escolha e divulgação de determinados conteúdos, evitando a publicação de matérias que tragam algum impacto negativo às suas relações comerciais. Outro é o político, quando ocupantes desses cargos possuem poder ou até controlam os veículos de comunicação de sua região. Para a professora de Jornalismo da Faculdade do Povo (FAPSP) Flávia Delgado, que como profissional enfrentou censura nos veículos em que trabalhou no fim dos anos 90, esse problema ocorre de forma mais velada atualmente do que na época da ditadura militar. Ela acredita que os meios de comunicação independentes da internet, especialmente os da América Latina, se destacam por informarem assuntos que não são explorados pelos grandes veículos, mas que têm credibilidade por terem em sua equipe jornalistas que trabalharam na imprensa tradicional. Entre os meios digitais citados pela professora estão o Animal Político, do México, La Silla Vacia, da Colômbia, e o El Puercoespín, da Argentina.

Há ainda casos de censura mais graves, nos quais não há limites para se impedir que determinada informação seja pública. Duas organizações internacionais, Comitê para a Proteção de Jornalistas (The Committee to Protect Journalists – CPJ) e a Press Emblem Campaign (PEC) apontam que o Brasil está no 4.º lugar em assassinatos de jornalistas neste ano, ficando atrás somente de países em situação de guerra civil ou com histórico de terrorismo. Para o PEC, de janeiro a junho, 56 jornalistas foram mortos, principalmente no Paquistão (com dez óbitos), Síria (8) e Somália (5); enquanto para o CPJ, são 37 profissionais mortos com motivos confirmados, sendo em primeiro lugar a Síria (com 17), seguido pelo Egito (6), e em terceiro o Paquistão (4). A classificação da organização ainda indica onde esses profissionais atuavam: em coberturas de política, guerra, direitos humanos, crime, corrupção, cultura e negócios. A maioria em áreas onde o poder de uma informação pode ser considerado algo mais importante do que a própria vida humana. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 49


POLÍTICA

“CENSURA É INTERRUPÇÃO” Após maior jornal do Paraná viver censura, diretora de redação da Gazeta do Povo discute sobre o tema.

Helena Salgado

Helena Salgado e Samara Macedo m um mundo democrático, onde se prega a liberdade de expressão, torna-se contraditório proibir esse direito por meio de uma decisão judicial. No entanto, há pouco tempo provou-se que ainda existe censura, mesmo que disfarçada, voltada aos veículos de comunicação. Em julho deste ano, o hoje ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, o desembargador Clayton Camargo, entrou com um pedido de proibição de veiculação de quaisquer informações sobre as investigações das quais é alvo, entre elas, a de possível tráfico de influência em favor de seu filho, o ex-deputado estadual Fábio Camargo (PTB), empossado desde julho como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Paraná. O pedido formalmente expedido obrigou, na época, o jornal Gazeta do Povo a se privar de publicar matérias jornalísticas que atingissem “a honra, a boa fama e a respeitabilidade” de Clayton. Após a Gazeta apresentar reclamação sobre o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF), além da repercussão do assunto nos grandes jornais do país, o político desistiu da ação que gerou a censura ao diário paranaense. Esta, e outras denúncias, nas quais Camargo encontra-se envolvido, ainda tramitam na Justiça brasileira. Com exclusividade, a jornalista Maria Sandra Gonçalves, que atua na profissão há mais de 20 anos e já passou por jornais como a Folha de S. Paulo e, atualmente, ocupa o cargo de diretora de redação do jornal Gazeta do Povo, conversou com a CDM sobre o caso e a censura à imprensa que os meios de comunicação têm sofrido em pleno século XXI.

E

Como definir censura na comunicação em tempos de acesso virtual incontrolável?

A censura é sempre uma interrupção entre a produção de informação de interesse comum e o público que merece essa notícia de interesse. Apesar de a informação ser fartamente encontrada nos meios digitais, quando recebemos uma ordem judicial, como tem sido nos casos mais visados ultimamente nos jornais brasileiros, ela é ainda mais perversa, porque possui aval legal.

Qual a tendência para o futuro do jornalismo?

Como as informações são muito anônimas, ou fakes, é muito fácil você postar algo sem a devida checagem. O papel do jornalista e das empresas de comunicação, ganha cada vez mais importância porque ele provê informações checadas, cruzadas e confiáveis, o que ganha ainda mais valor em um mundo em que qualquer pessoa pode publicar informação. 50 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

“ O governo não esconde de ninguém o seu desejo de criar formas de controle social da mídia.” - Maria Sandra Gonçalves, diretora de redação da Gazeta do Povo

Você acredita em uma forma de controlar essas informações anônimas?

A comunicação social, que é feita com foco no interesse publico, precisa ainda mais de liberdade. Prefiro conviver com excessos de grupos anônimos, do que sofrer com mecanismo de censura prévia que pressupõe o bloqueio ao interesse da sociedade. Afinal de contas, a comunicação não é uma prerrogativa só dos jornalistas, e sim do ser humano.


“Queremos que o assunto chegue à instância máxima da Justiça brasileira (...), não para solucionar apenas o nosso caso, mas sim para evitar casos futuros.” A liberação irrestrita na comunicação pode favorecer a manipulação da verdade?

Eu acho que a manipulação da verdade sempre existiu. Ela é fruto da falta de escrúpulos, que não é uma invenção dos tempos modernos. O que acontece é que com mais acesso a informação, a manipulação foi ampliada. Acredito que o principal meio para combater é educar as pessoas e mostrar o valor que a informação bem checada e bem apurada possui. Os veículos que são realmente sérios, e que trabalham verdadeiramente em parceria com o seu público, saberão orientá-los.

Como separar o politicamente correto de uma censura evidente?

Em termos de controle social da mídia é efetivamente censura quando se parte de um ente externo, judicial. Um exemplo é o que a Gazeta do Povo sofreu recentemente por parte do Tribunal de Justiça do Paraná. Quando sou eu quem decide se a informação não está em linha com o interesse da sociedade, ou com as nossas metas editoriais, usamos critérios para balizar o que publicamos ou não. Isso é saudável e parte do que é o jornalismo. Você não pode noticiar qualquer coisa. Existem situações em que temos que ter coragem de contrariar o politicamente correto, e a maior parte, para não vivermos uma ditadura da maioria.

Como classificar a conduta jornalística de omitir fatos para evitar danos à reputação de terceiros ou mesmo do próprio veículo de comunicação? Não existe uma fórmula pronta. Não é porque alguém é filho de algum deputado corrupto que pode ser condenado. Nosso papel é cuidar do bem público. Não estamos aqui para arrasar a moral de ninguém! As atitudes são eternizadas, mas as pessoas são recuperáveis. Pode parecer difícil, mas não é tanto quando você tem os seus valores refinados com a linha editorial do jornal.

for partilhada aqui na redação, não é censura, é escolha editorial. Quem assina o jornal geralmente conhece a linha que ele segue. Não que o jornal não irá cobrir a visão oposta à sua. Pluralidade é um principio que devemos seguir, mas editorialmente vamos apontar todos os motivos porque defendemos um determinado ponto de vista.

No recente caso envolvendo o presidente do TJ, foi publicado que a Gazeta do Povo ficou impedida de comunicar aos leitores a existência da censura. Como o leitor pode perceber quando a informação está sendo restringida? Existe sim um risco grande de que o leitor não perceba, mas há a tendência de que ele seja muito solidário e, graças a Deus, não muito afeito à ideia de censura. Naquele momento não podíamos falar, e decisão judicial não se discute, se cumpre. Neste caso, em particular, outros veículos deram visibilidade à questão. A partir do momento em que foi permitido voltar a falar sobre o assunto, sentimos total apoio do nosso público.

Pode-se dizer que no Brasil, atualmente, existe uma censura?

O governo não esconde de ninguém o seu desejo de criar um mecanismo de controle social da mídia. Felizmente, esses projetos não prosperaram. Estamos sempre alertas, porque eles podem tramitar. A via judicial tem sido um caminho que os defensores da censura recorrem para calar os veículos de comunicação. Vivemos esta situação, um jornal de Pernambuco sofreu algo muito semelhante a nossa, mas partindo de um deputado, e o jornal O Estado de S. Paulo está, há anos, com uma censura envolvendo o filho do senador Jose Sarney, que nem faz mais sentido, pois a operação já acabou.

Qual o posicionamento da Gazeta do Povo frente à censura ocorrida?

Nos sentimos revoltados. Ficamos muito felizes que a censura tenha caído. Ele [Clayton Camargo] entrou com um pedido e iremos levar até o fim. Queremos que o assunto chegue à instância máxima da Justiça brasileira, que é o Supremo Tribunal Federal, não para solucionar apenas o nosso caso, mas sim para evitar casos futuros. Na prática, o censor acabou colocando mais luz sobre o assunto do que havia de início e os leitores acabaram sendo atraídos pelo tema. Com base em provas e evidências publicamos algumas matérias. Não por ser uma campanha persecutória contra a pessoa do ex-presidente do TJ, mas porque entendemos que o órgão máximo da Justiça do Paraná precisa ter visão compatível com um Estado que quer, e merece, se desenvolver.

O fato de não noticiar algo que fere a ideologia do veículo pode ser encarado pelo leitor como censura?

O leitor pode até chamar de censura, mas não é. Se a decisão JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 51


Sua energia vai ajudar Sua energia vai ajudar a SantaaCasa Santaa funcionar Casa a funcionar ainda melhor. ainda melhor.

Você pode doar para osVocê hospitais da Irmandade da SantadaCasa de Misericórdia pode doar para os hospitais Irmandade da Santapela Casa de Misericórdia

sua Conta de Luz. Escolha doarquanto e autorize débitodoar na sua fatura da sua quanto Conta devocê Luz.quer Escolha vocêo quer e autorize o débito na sua fatu

Copel. Ligue 0800 645Copel. 1800Ligue e peça0800 para645 incluir na suaa solidariedade conta. 1800a solidariedade e peça para incluir na sua con

www.doesantacasa.org.br www.doesantacasa.org.br


ECONOMIA

QUANDO O DESEJO DE COMPRAR VIRA DOENÇA O consumo exagerado pode ser uma forma de suprir carências, que resulta em endividamentos desnecessários Ariane Priori, Bianca Santos, Bruna Habinoski, Cecília Moura e Nivia Kureke BIANCA SANTOS

O consumidor da sociedade contemporânea é seduzido pela grande oferta de produtos, marcas e serviços presentes no mercado. ato de adquirir produtos e serviços que sejam necessários para a sobrevivência é uma das definições de consumismo. No entanto, na sociedade contemporânea, quando os gastos se voltam para produtos sem controle e necessidade, e comprar se torna um ato compulsivo, desvinculado de uma real necessidade, torna-se motivo para preocupação. “Hoje, vivemos em um tempo que você é o que você tem. O apelo pelo consumo é muito grande. Infelizmente, na sociedade contemporânea, o ter é mais importante do que o ser”, explica Leonardo F. de Araujo, psicólogo e psicoterapeuta. Como uma forma de suprir a baixa autoestima ou manifestação de vaidade exagerada, o comportamento consumista mostra sinais importantes, que indicam o desenvolvimento de uma doen-

O

54 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

ça cada vez mais presente nos indivíduos. “O endividamento, acúmulo de itens desnecessários e a necessidade incontrolável de ir às compras são os sinais mais relevantes que apontam o exagero”, afirma o psicólogo. O acesso fácil ao cartão de crédito e os grandes estímulos para consumir de maneira exagerada fizeram com que a auxiliar odontológica Sandra de Souza se endividasse. “Eu não tinha cartão de crédito e, de repente, eu estava usando três. Comecei a usá-los todos de uma vez, sem ter o dinheiro para pagar e, dessa forma, pagava apenas o valor mínimo das faturas. Só que essa situação vira uma bola de neve, e chegou um momento em que eu não conseguia pagar mais nenhum cartão”, desabafa. Após ficar com o nome sujo no Serasa por três meses, Sandra


conta que agora sabe se controlar. “Foi um aprendizado tão grande, que depois disso aprendi até a guardar dinheiro. De consumista obsessiva, hoje me considero uma pessoa muito controlada nos meus gastos”, ressalta. Para a assistente social Emiliana Gomes, a solidão é um dos fatores que a levam a consumir. “Sempre acho que estou precisando de algo novo. Mas compro por vaidade também e para compensar a solidão. Além disso, por ser solteira e não ter outros gastos acabo gastando tudo o que ganho”, diz. Diante de um mercado que oferece uma diversidade de produtos, com liquidações e promoções relâmpagos, como a sociedade pode evitar esse consumo desenfreado? Segundo o psicólogo Leonardo F. de Araujo, uma medida mais imediata é tentar se livrar dos cartões de crédito e do cheque especial. Outra alternativa é evitar ir a lojas e a shoppings, pois nesses lugares o apelo do consumo é muito grande. E, sem dúvida, o essencial é buscar a ajuda de um psicoterapeuta para desabafar e iniciar um tratamento”, recomenda.

“Vivemos em um tempo que você é o que você tem. O apelo pelo consumo é muito grande. Infelizmente, na sociedade contemporânea, o ter é mais importante do que o ser”Leonardo de Araújo, psicólogo

PODER DO MARKETING O indivíduo é fortemente induzido pelos meios de comunicação. “As propagandas influenciam diretamente os consumidores por meio de apelos emocionais e de informação. O conjunto de elementos comunicacionais (música, fotografia, pessoa) forma estímulos que vão de encontro aos desejos latentes do consumidor e, assim, acaba tendo impacto nas tomadas de decisões em relação ao consumo”, explica o professor de Marketing da PUCPR Elder Semprebom. Para a servidora pública Rayana Domingos, a publicidade tem um efeito significativo nas suas compras. “As propagandas criam novas necessidades nas pessoas. Elas fazem a gente acreditar que realmente está precisando daquilo que elas estão vendendo, e, por isso, acabamos consumindo”, diz. Todos os indivíduos são estimulados pela publicidade envolvida em torno dos mais diversos produtos, porém, o público jovem, segundo Semprebom, é o mais afetado. “Os jovens são os protagonistas das mudanças sociais e culturais e, desde sempre, também foram alvos da publicidade.” JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 55


O NOVO HOJE SE TORNA VELHO E OBSOLETO AMANHÃ consumo exagerado dos tempos modernos acaba por se transformar em um ciclo: o que é comprado hoje se torna lixo amanhã para dar espaço a outro produto. Nesse processo, o meio ambiente é que sofre as maiores consequências, já que grandes quantidades de resíduos são destinados a locais inadequados. Para o ambientalista Rodrigo Berté, o consumo tem a ver com a forma capitalista do mundo moderno. “As pessoas têm de se informar e evitar o desperdício, consumir o necessário e não a mais. Por um lado, temos o consumo exagerado por todas as classes sociais e, de outro, o consumidor, que antes não tinha recursos para

O

3 toneladas de lixo são retiradas diáriamente dos rios de Curitiba.

56 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

comprar e hoje pode comprar o que quiser. É difícil frear isso. Demanda grandes campanhas de sensibilização”, afirma Berté. E a mesma população que causa esse excesso acaba sofrendo as consequências, sejam elas a curto, médio ou longo prazo. “Se não há cuidado com o meio ambiente em todos os aspectos, o ser humano e a biodiversidade perecerão, não haverá perpetuação de todas as espécies pela ausência de qualidade ambiental. A curto prazo vemos os desastres e catástrofes acontecendo. A longo prazo, o efeito cumulativo desses fenômenos que cada vez mais estão presente na vida das pessoas no mundo inteiro, causará, como já vem provocando, fenômenos de migração social de populações

Se o ritmo acelerado de produção de lixo continuar, a montanha de entulho sobre a terra em 2050 deverá chegar a um trilhão e 500 bilhões de toneladas.


nas áreas afetadas e, consequentemente, degradação.” Curitiba, “a cidade sustentável”, como já foi reconhecida, precisa ir além de suas atuais preocupações com essas questões e amadurecer. “Criar alternativas de mobilidade urbana mais modernas, menos poluidoras e com menos custos. Parece que paramos um pouco no tempo. Ainda investimos em ônibus, dizendo que é o melhor transporte do mundo, tentando gerar uma imagem positiva. Em Madri, onde estou estudando, o transporte metroviário e as ciclovias funcionam muito bem. É um exemplo a ser seguido”, conta Berté.

O aterro sanitário do Estre, em Fazenda Rio Grande região metropolitana de Curitiba, recebe cerca de 2.800 toneladas de lixo por dia, o que representa mensalmente mais de 70 mil toneladas de lixo misturado.

O Rio Iguaçu é o segundo mais poluído do Brasil, perdendo apenas para o Tietê, em São Paulo.

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 57


ECONOMIA

tecnologia substitui bonecas e carrinHos A exposição excessiva à publicidade leva crianças ao consumo desenfreado, deixando-as expostas a impactos incalculáveis

S

e Maria Montessori visse a quantidade de crianças com características consumistas hoje em dia, entraria em desespero. Ainda mais se tomasse conhecimento dos seguintes números: 57% dos meninos e meninas têm televisores no quarto (dados do canal Discovery Kids); e 41,9% das crianças entre 10 e 14 anos tinham celular em 2011, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas, afinal, quem foi Maria Montessori? Italiana, nascida em 31 de agosto de 1871 e falecida em 6 de maio de 1952, ela foi educadora, além de médica, e desenvolveu um método de aprendizagem que é usado até hoje por escolas e famílias. O sistema Montessori visa ao desenvolvimen-to da criança a partir de estímulos externos. Os princípios fundamentais são a atividade, a individualidade e a liberdade. Para isso, é preciso que seja dado a ela somente o necessário. Mas o que o método Montessori tem a ver com o consumismo na infância? A resposta é simples. Na medida em que, segundo o seu sistema, apenas o essencial é oferecido à criança, uma família não precisa comprar milhares de presentes para ter certeza de que seu filho terá uma

Quarto Montessoriano a o, ça rian o corp o c t i a r s p o or dam pró aju es do hecer s o on elh mit Esp r os li de e c . e o a n c d i he nt huma con ar ide form

boa educação. Por ser uma das formas de impedir o consumo desenfreado, o método Montessori se opõe ao rumo que a sociedade está tomando. Segundo dados do instituto de pesquisa TNS/InterScience, as crianças influenciam em 80% das compras da família, sendo que 83% dos consumidores mirins são conquistados pela publicidade. As crianças estão cada vez mais expostas à publicidade. A psicóloga infantil Priscila Badotti salienta que o exagero pode influenciar na interação social e familiar, o que também acarreta alterações de comportamento. “As propagandas têm um impacto incalculável na vida de uma criança que está em período de formação psíquica”, explica. Para o professor da rede pública estadual Fernando Merolli de Sousa Bello, a valorização da situação econômica das pessoas é uma caracte-rística da sociedade moderna, e um dos motivos do consumismo exacerbado. “É um ciclo vicioso para se adquirir isso ou aquilo a todo o momento e, assim, encontrar escolares com tendência ao consumo é muito comum”, explica. Bello conta que nas escolas é comum ver meninas usando ma-

Colchão no chão e e oferec e liberda stimula o movim ento de e ind ependê ncia à criança

A barra auxilia no desenvolvimento do caminhar da criança

Móveis da altura da criança, estimula organização independente

Uma coberta dobrada ao lado da cama protege contra quedas e ajuda a descer do colchão sem cair

Um tapete emborrachado, ajuda a criança a desenvolver firmeza além de proteger contra o frio

58 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Cesta de tesouros com vários objetos que estimulem os sentidos de diferentes formas


quiagem, mas que o que toma maior espaço entre crianças e adolescentes é a tecnologia, chegando ao ponto de ser fácil encontrar uma criança com mais de um celular, por exemplo. “As crianças e jovens, como alvos frágeis e fáceis de serem atingidos, simplesmente copiam o que lhes apresentam, são induzidas a consumir a moda e os hábitos que são ditados hoje”, diz.

OBESIDADE INFANTIL

Segundo dados da Pesquisa de Orçamento Famíliar (POF), realizada em 2009, a cada três crianças entre 5 a 9 anos, uma está a cima do peso. As consequências dessa obesidade na infância acarreta o aparecimento mais frequente de casos de colesterol alto, diabetes tipo 2 e hipertensão, doenças antes consideradas exclusivas de adultos. Casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC) precoce também são provocados pela alimentação inadequada. Mas o que o consumo tem a ver com a obesidade infantil? Tudo! Os hábitos alimentares e as brincadeiras das crianças mudaram drasticamente. Antes, a variedade de alimentos industrializados era bem menor e as crianças, muito mais ativas. Além disso, com a falta de tempo, colocar um lanche industria-lizado na lancheira do seu filho é bem mais prático e rápido do que fazer algo natural e saudável. E a publicidade e o marketing não perdoam. Além de notarem que as crianças são o foco central dos núcleos familiares, os publicitários também apelam para a veiculação de personagens populares. No documentário “Criança – a Alma do Negócio”, é constatado que as os pequenos querem os produtos porque o seu personagem favorito está na embalagem, ou porque vão ganhar um brinde e não necessariamente porque querem comer determinado produto. Para a psicopedagoga Fernanda Cabral Bonatto, além do consumo ser relacionado a objetos ou brinquedos que despertam o interesse nas crianças, a falta de exercício físico também contribui para que a criança chegue à obesidade. “Hoje, o que as crianças mais consomem para o lazer são jogos eletrônicos, computadores, tablets e jogos de vídeogames. Esses produtos, somados a uma rotina de trabalho de ambos os pais, diminui a quantidade de tempo que as crianças dedicam à prática de atividades físicas”, explica. O estudante Kleber Henrique Cabrini Junior, de 11 anos, é um caso típico dessa “síndrome”. Ele esta acima do peso, passa a maior parte do tempo jogando videogame, ou no computador, e quase não pratica atividades físicas. Junior tem mais de 50 jogos (somados os de videogame e os de computador) e conta que salgadinhos e biscoitos são os acompanhamentos favoritos. “Eu tenho meu cofrinho para comprar meus jogos, mas sempre que peço para o meu pai, eu ganho”, conta. Para a mãe de Junior, Cintia Mara Correia de Souza, seu filho é influenciado a consumir por dois fatores: “As propagandas na internet e, principalmente, os colegas do colégio”. A variedade e a vontade das crianças de comprar é tão grande que muitos pais não conseguem dizer não. Por isso, a psicopedagoga Fernanda expõe a importância dos limites. “Se os pais derem tudo para seus filhos, há grandes chances dessa criança se tornar um adulto com baixo limiar de frustração e não saberá lidar com perdas, uma vez que, ao longo do seu desenvolvimento, ela não foi estimulada a se posicionar diante do fato de que o indivíduo se depara com dificuldades na vida”. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 59


TECNOLOGIA

UM NOVO HORIZONTE NA ERA DIGITAL O aumento da produção de smartphones influencia o consumo dos amantes de novas tecnologias Carolina Cachel Felipe Martins Flavio Darin

celular se tornou um companheiro indispensável para o cotidiano de milhares de pessoas, o que antes era considerado um artigo de luxo, hoje já é um acessório acessível a qualquer tipo de público. Segundo uma pesquisa realizada em 2012 pela empresa de consultoria da tecnologia Accenture, a tendência do consumidor moderno é comprar produtos que permitam acesso móvel à informação, tendo como produto principal os smartphones, que desempenham funções além dos celulares comuns. A procura por esse tipo de aparelho é tão grande que, no ano de 2012, a produção atingiu uma marca recorde, somando 700,1 milhões de smartphones produzidos, segundo a Strategy Analytics, que presta consultoria de mercado. Com a supervalorização do celulares surgiram os fãs aficionados por smartphones, que são aqueles consumidores que desejam ter sempre o mais avançado dos aparelhos, trocando constantemente de celular. Gustavo Magalhães, estudante de Jornalismo, ganhou seu primeiro telefone móvel aos 10 anos de idade, passando por 15 aparelhos diferentes até o atual. Agora com 20 anos, Gustavo gosta de sempre estar atualizado, “Troco de celular de ano em ano, principalmente pelos novos aparelhos lançados, que tem melhorias de sistema, velocidade e sempre um diferencial a mais.” Jaqueline Sanção, psicóloga, explica que esse consumo generalizado e exagerado é real, se configurando como um transtorno de comportamento denominado como a síndrome do comprador, “O consumismo sem controle é uma forma das pessoas preencherem um vazio dentro delas, buscando o prazer e a felicidade de maneira imediata [...] Através do celular da moda, a pessoa demonstra poder”, afirma Jaqueline. Alguns consumidores, assim como Gustavo, têm consciência de que a relação com o celular já virou de dependência, “Nos tornamos um refém sim dos celulares, mas eu não vejo mal algum nisso” diz o estudante. Por outro lado, há um grupo de pessoas conservadoras e desapegadas a excessos materiais, que não veem a necessidade de trocar de celular constantemente. Conrado Age, publicitário, é uma dessas pessoas que remam na contramão da maré. Sendo muito jovem, com apenas 22 anos, Conrado se destaca em meio ao seu grupo de amigos por não ter um celular de última geração por escolha própria. Ele acredita que o telefone virou um acessório de status social e de efeito isolador, “Hoje em dia todos estão num mesmo ambiente, conectados aos seus celulares e ninguém está realmente junto. Quanto mais avançado o celular é, mais isolado do mundo off-line seu dono fica”, afirma. Conrado, mesmo tendo esta resistência à tecnologia, admite

Bianca Thomé

O

60 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Várias marcas investem na fabricação de smartphones. que no mundo moderno é imprescindível possuir um celular, “Não preciso de um aparelho com milhões de aplicativos, mas sim, de um meio de comunicação portátil. Fazendo ligações, para mim está ótimo.” conta. Por outro lado, há um grupo de pessoas conservadoras e desapegadas a excessos materiais, que não veem a necessidade de trocar de celular constantemente. Conrado Age, publicitário, é uma dessas pessoas que remam na contramão da maré. Sendo muito jovem, com apenas 22 anos, Conrado se destaca em meio ao seu grupo de amigos por não ter um celular de última geração por escolha própria. Ele acredita que o celular virou um acessório de status social e de efeito isolador, “Hoje em dia todos estão num mesmo ambiente, conectados aos seus celulares e ninguém está realmente junto. Quanto mais avançado o celular é, mais isolado do mundo off-line seu dono fica”, afirma. Conrado, mesmo tendo esta resistência à tecnologia, admite que no mundo moderno é imprescindível possuir um celular, “Não preciso de um celular com milhões de aplicativos, mas sim, de um meio de comunicação portátil. Fazendo ligações, para mim está ótimo”, conta. O relacionamento entre celulares e humanos realmente é levado a sério por grande parte da população. Uma pesquisa realizada pela empresa de tecnologia Norton, neste ano, aponta que 50% dos usuários de smartphones dormem com seus aparelhos ao alcance de suas mãos. Além disso, outra pesquisa realizada pelo jornal britânico Daily Mail conta que um em cada oito adultos passa mais tempo usando o aparelho celular do que conversando pessoalmente com seus parceiros. A era do celular engloba todos os usuários conectados num mundo de convivência virtual, mas está os afastando cada vez mais do mundo off-line.


NOVAS FERRAMENTAS, TAMANHOS ANTIGOS Apple e Samsung aumentam seus smartphones e fazem lembrar o velho e famoso Tijolão Bianca Thomé e Pedro Domingues Quem nunca ouviu falar do ‘Celular Tijolão’? Pioneiro, o aparelho celular tinha apelido sugestivo e fez muito sucesso em meados dos anos 80, afinal, o status que quem tinha um celular era grande. Porém, o status que um Motorola Dyna TAC 8000x, primeiro celular comercial, tem hoje em dia é o de um celular nada portátil. A maioria dos celulares lançados na década de 80 pesavam em média 1 kg e mediam 30 cm. Com o passar dos anos, foi se criando a necessidade de estar em constante comunicação e o Tijolão passou a ser um acessório inconveniente. Com a necessidade criada, surgiram também as novas tecnologias. Se com o tempo o Tijolão ia se tornando obsoleto, a diminuição dos aparelhos e a tecnologia cada vez mais avançada utilizada neles, fazia com que o celular se tornasse mais presente na vida das pessoas. Com a chegada dos anos 2000, o que se via eram celulares cada vez menores, porém, muito mais tecnológicos. Se na década de 90 a grande novidade era poder mandar mensagens de texto (SMS), com a chegada do novo milênio, a tela colorida, a possibilidade de entrar na internet e até mesmo tirar fotos com um celular, faziam com que todos quisessem ter um. Se antes era status, o celular se tornava um acessório quase indispensável no dia a dia. Parecia então, que os celulares de menor porte teriam vida longa. Porém, o que se viu foi um efeito reverso. Com as novas tecnologias, a necessidade de uma tela maior era evidente. Afinal, qual a graça de poder assistir à televisão em meu celular se a tela é pequena? Com a tecnologia Touchscreen (sensível ao toque) se tornando uma sensação, as telas aumentavam ainda mais, e com elas, os celulares.

E os novos celulares tiveram uma grande aceitação. Com tecnologias extremamente avançadas, os aparelhos telefônicos mais pareciam computadores portáteis de menor porte. Porém, smartphones como o da Samsung, Galaxy S4 e o da Apple, Iphone 5 trazem de volta o inconveniente que o velho Tijolão apresentava há 30 anos atrás. Apesar de passarem longe dos 30 cm dos celulares da época, um Iphone 5, por exemplo, mede 12 cm, e dificilmente entra no bolso de uma calça feminina sem que fique com metade do aparelho para o lado de fora. O aumento do tamanho dos celulares faz pensar: será que estamos voltando ao famoso Tijolão? Guardada as devidas proporções, Apple e Samsung vão fazendo sucesso na linha do grande, mas muito bom. O primeiro celular comercial, o Dyna TAC 8000x, foi lançado em 1983 pela Motorola. Os aparelhos de primeira geração eram telefones com tecnologia analógica (AMPS, NMT etc.) e pouco lembram os de hoje. Eram grandes, pesados e nada portáteis. A maioria só funcionava plugada em carros. De acordo com a promotora de eventos Letícia Ribeiro, com um tamanho de tela maior, a digitação de mensagens e postagens em redes sociais fica mais rápida, por conta das teclas também serem maiores. Além disso, quanto maior o display, melhor é a visualização de vídeos e filmes, já que a qualidade e a definição também são maiores. O lado negativo é o tamanho, a promotora, que possui um Galaxy S3, afirma que o celular não é nada discreto. “Em algumas situações, tenho que carregar o aparelho nas mãos, já que fica difícil achar uma bolsa em que o telefone caiba.”.

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 61


TECNOLOGIA

VIDEOGAMES DIVERTEM, MAS TAMBÉM CURAM Projeto mostra sucesso na terapia que engloba, entre outros pontos, a utilização de Nintendo Wii Lais Capriotti, Letícia da Rosa, Letícia Moreira e Mayara Duarte.

ue os videogames divertem, não é novidade para ninguém. A novidade é que, agora, a função deles pode ser vista como muito além da diversão. A tecnologia pode auxiliar em quesitos essenciais à vida humana – como na saúde e na educação, por exemplo – e para diversas faixas etárias, ajudando desde crianças até idosos. De acordo com o Dr. Hipólito Carraro Júnior, coordenador médico da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Geral do Hospital VITA Curitiba, referência na chamada “gameterapia”, videogames podem beneficiar os mais diversos tratamentos. “No VITA utilizamos o Nintendo Wii. Ele pode ajudar na terapia com crianças no treinamento de equilíbrio, coordenação, controle de tronco, no trauma de membros superiores e inferiores, reabilitação pós-cirurgias ortopédicas, condicionamento cardiorrespiratório em cardíacos, ou pneumopatas (com doenças nos pulmões), até em pacientes neurológicos”, conta. “Além disso, tem a questão da autoestima, da alegria de realizar algo diferente e que traz vários benefícios para a reabilitação. Ele também permite a prática esportiva com a segurança da monitorização contínua na UTI”, explica. Juliana Librelato, fisioterapeuta da Profisio Assistência Fisioterápica, explica que o passo inicial do projeto é identificar qual o objetivo que quer ser obtido com a gameterapia. “Trabalhamos com vários jogos. Podemos ajudar no ganho de força muscular, na coordenação motora, no condicionamento cardiorrespiratório, no equilíbrio corporal. Tudo vai depender do nosso objetivo com o paciente. Assim que o objetivo é traçado, os jogos são escolhidos. Podemos fazer o paciente lutar boxe, jogar tênis, andar sobre uma corda bamba, fazer um circuito de corrida, relaxar com exercícios respiratórios”, diz.

Q

que a mudança na forma com que as pessoas começaram a ver a tecnologia possibilitou esse incremento. “Antigamente, o uso de videogames estava relacionado ao sedentarismo. Hoje, com essas tecnologias, já não é bem assim”, lembra. Mas, de acordo com a fisioterapeuta, os médicos não esperavam que a técnica fosse atingir todos os públicos. “Quando iniciamos essa terapia no hospital, tínhamos certeza que não conquistaríamos o público geriátrico, afinal, eles não tiveram um grande contato com o videogame na infância deles. E, no fim, foram os pacientes que mais nos surpreenderam. Quando é colocado o videogame a primeira vez, eles até fazem cara feia, mas depois que aprendem a jogar, não querem mais largar. Sentem-se até donos do equipamento e não querem que a gente tire do quarto. E com as crianças nem se fala. Só conseguimos tirar o videogame do quarto depois que elas dormem ou quando vão ao banho. A técnica foi muito bem aceita”, relata.

“Só conseguimos tirar o videogame do quarto depois que elas (crianças) dormem ou quando vão ao banho.”

Ideia

A ideia, inicialmente estudada no Canadá, veio ao Brasil após os estudos que mostravam o sucesso do Nintendo Wii em pacientes com sequelas de traumatismo raquimedular, acidente vascular encefálico e de doenças neurodegenerativas. As patologias eram atendidas ambulatorialmente no país norte-americano no ano de 2008. Desde então, o fisioterapeuta comenta 62 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

ALERTA

Mesmo que a utilização traga benefícios, os médicos alertam que ela não deve ser generalizada a todos os tratamentos. “Como se trata de movimentos, não podemos esquecer que pode causar lesões se utilizado em excesso, ou sem um acompanhamento, durante a realização dos movimentos, da mesma forma como outras atividades físicas ou práticas desportivas”, adverte Carraro. Os avanços tecnológicos vêm acontecendo de maneira extremamente acelerada, mas os médicos advertem que nenhuma técnica é válida sozinha. O tratamento do paciente é sempre um conjunto de técnicas associadas. A terapia sempre deve ser assistida por um profissional qualificado. “No caso da utilização do videogame, partimos do princípio de que estamos fazendo uma atividade física com um paciente, ou seja, ele encontra-se em constante monitorização, seja através de aparelhos, como acontece nas UTIs ou pela avaliação contínua do fisioterapeuta durante a terapia quando aplicada nas unidades de internação, onde não há monitorização contínua dos aparelhos. Portanto, nesses casos, não há malefício algum, só benefícios, desde que o paciente seja bem orientado”, aponta a fisioterapeuta Juliana.


Mesmo assim, para ambos a recompensa vale a pena. “Tivemos casos de reintegração de idosos na família. Quando a avózinha volta para casa jogando vídeogame com os netos!”, conta. Para a fisioterapeuta, “o melhor de tudo, é que a tecnologia traz todos esses benefícios e torna a terapia divertida, sem monotonias. Curar doenças talvez seja muita pretensão da nossa parte, mas que se pode melhorar e muito a qualidade de vida dos pacientes, isso já não há dúvidas”, aponta. Primeiramente, os pacientes são avaliados. Após a avaliação, traçamos o nosso objetivo durante o tratamento do paciente. Se ele tiver condições físicas, psicológicas e hemodinâmicas, a terapia é utilizada. No VITA, há uma estrutura é móvel, com um armário que abriga a televisão e o videogame com rodinhas, tendo a possibilidade de levá-lo a qualquer ponto do hospital. A terapia, quando levada à prática, é realizada tanto no ambiente hospitalar quanto no ambiente ambulatorial do hospital, uma parceria com a equipe da Profisio Assistência Fisioterápica.

EDUCAÇÃO

Na área de educação, é frequente encontrar o uso de e-boards (quadros interativos), computação e até mesmo videogames. Em Curitiba, a rede de escolas de inglês inFlux adotou o uso de Kinect – o sensor de movimentos compatível ao videogame Xbox 360 que, em diversos games, substitui o joystick. Na escola, o Kinect é utilizado como um suporte em atividades extras e faz sucesso em todas as idades. É o que conta Lívia Bueno Bacan, coordenadora pedagógica da inFlux. “Apesar de o videogame ser bastante atrativo para crianças e adolescentes, a oportunidade de praticar o inglês em um ambiente descontraído tem trazido cada vez mais adultos às atividades extras com o Kinect”, diz. Para a coordenadora pedagógica, a ideia é justamente essa – oferecer aos alunos um recurso tecnológico atrativo que oferecerá diversão e aprendizado ao mesmo tempo. “Jovens de hoje estão expostos ao inglês por meio dos videogames e aprendem muito com eles. Então a ideia é aliar uma ferramenta tão atrativa ao aprendizado, potencializando a quantidade de itens lexicais que eles podem aprender através dos jogos”, comenta. Entretanto, é importante ressaltar: tecnologia não faz milagres. Tanto na área de educação quanto de saúde, os recursos tecnológicos são apenas uma forma de apoio. Livia cita que a tecnologia é apenas um recurso, ela não faz o aluno aprender mais ou menos. “Utilizar este recurso para auxiliar o aprendizado é muito positivo, mas não é tudo”. E conclui: “A tecnologia não faz mágica”.

O joystick do Wii, diferente dos convencionais, permite movimentos livres.

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 63


SAÚDE

AMOR: A DROGA QUE CURA Não é só com dor que se rima amor. Relacionamentos podem beneficiar a saúde Rodolfo Kowalski e Ruth Borsuk Arquivo pessoal

: podóloga perdeu 37kg

do Nakaroto Josiane Cioli e Luiz Fernan conhecer o amor

64 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

O amor é mais do que uma ferida que dói e não se sente, uma dor que desatina sem doer. O amor, na verdade, pode ser exatamente o contrário disso, se tornando a cura. Afinal, para se ter saúde no corpo, é preciso tê-la na alma, e nada melhor para a saúde do que uma paixão correspondida, como comprovam pesquisas recentes. Mas, antes de qualquer coisa, o que é o amor? Segundo a neurociência, a “coisinha estúpida” que sentimos é uma invasão de dopamina que ativa os centros de recompensa do cérebro e produz prazer. Não à toa um estudo realizado pela Universidade Católica de Brasília apontou que homens com mais de 60 anos e solteiros têm risco de 61% a mais de morrerem do que os casados. Para as mulheres, as viúvas têm probabilidade 82% maior de morrerem e as solteiras 35%, se comparadas com as casadas ou em relacionamento estável. A mesma pesquisa de-monstrou Arquivo pessoal que, mesmo em pessoas m a i s

após

Beatriz Peccin, 19 anos: junto com o namoro, vie ram as mudanças de hábito


j o vens, ter um relacionamento estável leva homens e mulheres a adotar hábitos mais saudáveis, com a probabilidade de tabagismo entre pessoas solteiras do sexo masculino, sendo 16% maior. Quando estamos amando, o cérebro recebe mais sangue e melhora as suas atividades, que se tornam ainda mais intensas quando pensamos na pessoa amada. A oxitocina, o famoso “hormônio do amor”, melhora o desempenho esportivo, principalmente as atividades competitivas. Para completar, o amor e relacionamento estável diminuem o risco para o sistema cardiovascular. “Quando as pessoas estão em situação de bem-estar, estão em condições favoráveis, ou seja, em equilíbrio emocional, numa ‘fase boa’. Quando estão amando, a substância do prazer é liberada na corrente circulatória e até mesmo hipertensos e diabéticos conseguem manter os níveis de glicose controlados”, aponta o cardiologista Everton Dombeck, do Hospital Cardiológico Constantini. Quando estamos amando, explica o médico, alguns níveis de serotonina, um neurotransmissor que atua no cérebro, são liberados pelo organismo. Tal neurotransmissor regula o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade a dor, movimentos e as funções intelectuais. Por isso, quem ama sente menos stress e, até mesmo, menos

vontade de comer. Quando somos bons para os outros, somos ainda melhores para nós. Oito anos atrás, Josiane Cioli, uma podóloga de 47 anos, bebia, fumava, não se alimentava corretamente e ainda era sedentária. Foi quando conheceu Luiz Fernando Nakarato e conseguiu a “inspiração” necessária para mudar os hábitos e levar uma vida mais saudável. “Sou muito otimista e espirituosa. Precisava apenas de um estímulo pra tomar a decisão e parar com tudo que não me fazia bem. Foi aí que conheci meu companheiro, o Luiz. Me apaixonei por ele, que fez surgir essa luz”, conta Josiane, que desde o início do relacionamento perdeu 37 kg. “As mudanças que fiz me trouxeram mais consciência física, mental e espiritual. É ótimo perceber e sentir o quanto você tem valor, o quanto você tem força, o quanto você é capaz”, completa. Para a psicologia, o amor é um estado emocional diferente. Ao contrário do gostar, o amor inclui elementos de paixão, proximidade, fascinação, exclusividade, desejo sexual e uma preocupação intensa com o outro. Nem mesmo Sigmund Freud (18561939) resistiu à droga do amor, como comprova uma carta escrita em 19 de junho de 1882 pelo pai da psicanálise, na qual ele explica o que sente por Martha Bernays e a importância dela em sua vida. “A rapariga que eu receava cortejar e que veio para mim com elevada confiança, fazendo-me

crer em mim mesmo e me dando esperanças e energia para trabalhar, na altura que eu mais precisava.”, escreveu o austríaco. Segundo o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade (19021987), “eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade que se pe-trifica e nenhuma força jamais o resgata”. A estudante Beatriz Peccin, de 19 anos, foi também uma vítima do amor, que um dia chegou ao fim. Mas, mesmo com o rompimento, ficaram alguns bons hábitos adquiridos durante o relacionamento. “Eu mudei meus hábitos porque queria me sentir bem quando estava com meu ex-namorado”, conta. Hoje ela come frutas e corre todo fim de semana. “Nessa de ficar e depois acabar, eu aprendi a gostar mais de mim, porque, mesmo não dando certo, eu continuei fazendo quase tudo o que fazia quando estávamos juntos.”

s o m o s o Quand s, o r t u o s o bons para da somos ain os. n a r a p s e r melho JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 65


SAÚDE SAÚDE

Felipe Raicoski


Tendência do bem A adoção de cuidados preventivos contribui para o tratamento precoce do câncer de mama Daniela Hendler, Guilherme Zuchetti, Rafaela Gabardo e Renan Machado

A

palavra “tendência”, apesar dos inúmeros significados, tornou-se um dos principais jargões do universo da moda. Desfiles para cá, lançamentos acolá, anunciam o que vem por aí. Um vestido, uma saia plissada, um cachecol fino. Em geral, vestimentas sazonais. Porém, se colocada em outro contexto, “tendência” invade um assunto muito sério, de interesse e importância global. Nas rodas de conversa, desaparecem as divergências entre looks e todo mundo veste a mesma camisa: a da prevenção do câncer de mama. Em primeiro lugar, alguns dados alarmantes: segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), órgão do Ministério da Saúde, o câncer de mama foi responsável por 12.852 óbitos em 2010, sendo 147 homens e 12.705 mulheres. Eis a prova de que não apenas o clube da Luluzinha deve ficar

atento aos sinais e os cuidados por parte dos marmanjos devem ser reforçados. Em 2008, esse tipo de câncer ocupava a quinta posição em número de óbitos no ranking geral de tumores, responsável por 23% de todos os casos de câncer no mundo. O cenário não é favorável, já que a taxa de mortalidade por câncer de mama é ascendente. A ausência de sintomas recorrentes, característica de vários tipos de tumor, dificulta o controle desses níveis. Grande parte dos pacientes procura assistência médica apenas quando sente algum tipo de dor na região, estágio no qual, de forma geral, a doença se encontra em estágio avançado. De acordo com o médico Alderson Luiz Pacheco, cirurgião plástico, existem algumas ações cotidianas que contribuem na prevenção do câncer de mama.

“Regular a ingestão de carne vermelha e açúcares contribui para estar em dia com os cuidados básicos de prevenção.” - Alderson Pacheco

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 67


“Tal comportamento defensivo consiste na administração, por parte do indivíduo, dos cuidados com a sexualidade; no caso das mulheres, por exemplo, é importante evitar abuso de anovulatórios e de hormônios para reposição”, diz. Segundo o especialista, mu-lheres que praticam atividades físicas por aproximadamente 50 minutos, seis dias na semana, têm até 30% menos chances de ter câncer de mama. Outros fatores, c o m o

68 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

alimentação adequada, também ajudam na prevenção do câncer. “Regular a ingestão de carne vermelha e açúcares contribui para estar em dia com os cuidados básicos de prevenção”, diz. Para Pacheco, o maior erro é esperar por sintomas para procurar por um especialista, principalmente os pacientes que já passaram da faixa dos 40 anos. “Mulheres com mais de 50 anos, mesmo que não sintam nada de diferente em suas mamas, precisam fazer mamografia a cada dois anos. Aquelas com casos da doença na família, devem ter atenção redobrada”, alerta. Outubro Rosa O movimento popular internacionalmente conhecido como “Outubro Rosa” é o mês de mobilização no Brasil e em todo o mundo para a detecção precoce do câncer de mama. O movimento surgiu na Califórnia, nos Estados Unidos, em 1997, e espalhou-se pelo mundo todo, com o objetivo de conscientizar as mulheres sobre a importância do diagnóstico, logo no início, do câncer de mama, o que aumenta as chances de cura da doença. Em Curitiba, o movimento teve início no dia 3 do último mês. De acordo com a deputada estadual Mara Lima, autora da Lei 16935/2011, que tornou o Paraná pioneiro entre os estados brasileiros a adotar legislação específica de prevenção e combate ao câncer de mama, a iniciativa vem de encontro à importância do desenvolvimento de novas políticas públicas, que atendam às necessidades das mulheres do Estado. “Toda ajuda é bemvinda, principalmente para elaborarmos um calendário produtivo para a campanha Outubro Rosa”, afirma. Segundo Rosane Kopko, voluntária há seis anos na Rede Feminina de Combate ao Câncer, associação privada sem fins lucrativos, a promoção do Outubro Rosa no Brasil, é fundamental para a cultura da prevenção. “Anúncios, publicidade e caminhadas que promovemos são exemplos de ações que impactam diretamente na proliferação desses cuidados”, diz. Sob o slogan “Decida se cuidar em um minuto, faça os exames em um dia, salve sua vida”, a campanha busca ser um braço de incentivo a um cuidado tantas vezes esquecido. “Dados do INCA revelam que o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres e corresponde a 23% dos novos casos de câncer a cada


“Toda ajuda é bem-vinda, principalmente para elaborarmos um calendário produtivo para a campanha.” - Mara Lima

ano. Está aí a realidade. Infelizmente no Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, e isso é diretamente associado ao fato de a doença ser diagnosticada em estágio avançado”, afirma.

ALEP

Deputada Estadual, Mara Lima, autora da lei de prevenção ao câncer de mama. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 69


ESPORTE

sxc.hu

SURFISTAS DE FIM DE SEMANA Praticantes do esporte que vivem em Curitiba não abrem mão do contato com o mar e as ondas Camila Vichoski, Letícia Moreira e Lucas Ajuz

iver em Curitiba, longe da praia e da liberdade que o surfe proporciona, pode ser difícil para alguns praticantes do esporte. Cem quilômetros de distância os separam do oceano. Porém a paixão pelo esporte é maior do que um simples sentimento: ela se reflete no humor, nas atitudes e no comportamento dos surfistas. Rubens Fernando Viezzer, surfa desde os 10 anos de idade e confirma essas sensações. “Fico triste e com a sensação de que preciso de um banho de água salgada. Após o surfe, experimento um sentimento de leveza, muito pela adrenalina que o corpo produz com o exercício.”, diz. Essas sensações podem ser explicadas. Giovanni Breda, médico do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), especialista em Medicina Interna e surfista há 14 anos, explica a resposta do corpo humano: “A prática de esportes radicais estimula a liberação de substâncias como a adrenalina, noradrenalina e cortisol, preparando o corpo para a ação e causando uma sensação de bem-estar nos praticantes”, relata. Esse prazer não é gerado apenas pelos hormônios, mas também pelo incentivo e pelas metas que o próprio praticante estabelece para si. É o que explica Paulo Pinna Neto, nascido em Guaratuba, profissional de Educação Física e surfista desde os 16 anos. “Acredito que o esporte tem que vir a somar ao seu dia a dia. Ele tem que servir de motivação. Quando você não consegue um determinado objetivo,

V

tudo bem, o mais importante são os benefícios causados. Portanto, o esporte pode somar muito à saúde, quando encarado de maneira correta, pela pratica do exercício (que melhora o físico) e pela complementação do ser (mental)”, explica. O fato de Curitiba se encontrar a mais de 900 metros acima do nível do mar, não desencoraja os surfistas. Muito pelo contrário – na capital mais fria do país, há muitos praticantes, inclusive profissionais em nível internacional, que começaram nas ondas paranaenses. Entre os nomes mais populares do Brasil, Bruna Schimitz, representa o surfe profissional feminino paranaense. Ela nasceu no interior do Paraná, aprendeu a arte do surfe aos 9 anos e, no decorrer de sua carreira, ganhou diversos títulos internacionais. O estímulo para a prática do esporte vem da família, “quem me incentivou foram meu pai e meu irmão mais velho [Carlos Alberto Filho, surfista desde os 8 anos de idade]. Ganhei minha primeira prancha de fibra, uma fullget 5’’2’’ de bico arredondado. Amor à primeira vista!”, conta entusiasmado. Os amadores corajosos de fim de semana afirmam que a aventura vale a pena. Muito mais do que simplesmente se refletir em bem-estar, o esporte permite o contato com a natureza e amigos. Para Hugo Gallo, surfista desde de 1999, o melhor das viagens são o “contato e a interação com a natureza, além da adrenalina de descer umas morras (ondas

“A prática (...) estimula a liberação de substâncias como adrenalina, (...) causando uma sensação de bemestar.” - Giovanni Breda

70 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


grandes)”, diz. Para Fagner Breda de Lara, surfar junto com os “brothers” também faz tudo valer a pena. “O que eu mais curto no surfe é o companheirismo dos amigos dentro da água, com uma sensação de que nada mais importa no mundo”, confirma. Dessa maneira, o surfe se torna um estilo de vida. Não importa a profissão: de engenheiro a atleta, a “atitude surfe” conquista a todos. “Esse espírito é o mais legal. O surfe vai além de estar na água, mesmo sendo esse o principal motivador de tudo. É o valorizar as pequenas coisas, é dar risada da sua própria ‘vaca’ (queda da onda), se orgulhar por evoluir, se divertir com tudo...”, confirma Guilherme Breda, surfista desde os 19 anos de idade.

Sacrifícios

Toda a felicidade dos surfistas e a necessidade de estar cem contato com o mar pode deixar muitas mães e namoradas preocupadas em casa. Segundo Breda, o descontentamento, ao menos no início, é inevitável, mas aos poucos quem vive ao seu redor se acostuma com a ideia. “Uma vez que você começa a surfar é praticamente impossível evitar que essa cultura o absorva e consuma cada vez mais o seu tempo. Então, como não podia deixar de ser, essa ausência é sentida. O surfe também te leva a fazer algumas coisas que para os outros parecem loucuras, mas que para você é algo

plenamente natural”, diz. “Não há namorada no mundo que goste de acordar as 5h30 da manhã, nem mãe que não se preocupe com o fato do filho saindo de madrugada para fazer uma viagem de cinco horas. Então, esse descontentamento é totalmente compreensível, mas é temporário, porque eles sabem que a sua felicidade depende disso”, diz. Quanto à namorada, Guilherme afirma que a presença dela também faz parte do “ritual”.“A parceria fica ainda melhor quando ela é uma pessoa companheira que o acompanha quando pode. Afinal, não tem sensação melhor do que a de sair do mar de cabeça feita e encontrar a sua linda namorada o esperando na areia, feliz por saber que você está fazendo o que mais gosta”, diz. Para Neto, que nasceu em Guaratuba no litoral do Paraná, há mais naturalidade na situação. “Quando comecei a surfar, para os meus pais aquilo era uma coisa natural de quem mora na praia. Depois, com o casamento, minha esposa sempre foi muito compreensiva com as minhas necessidades de praticar o esporte. Com o tempo, eu também equilibrei meu tempo entre o surfe e a família” relata. Arquivo pessoal

Guilherme Breda surfando na Costa Rica, em 2012 JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 71


ALÉM DE GRANDES ONDAS, AS SURF TRIPS GARANTEM BELAS FOTOS Camila Vichoski, Letícia Moreira e Lucas Ajuz

A

s surf trips, no entanto, não se resumem apenas ao litoral do Paraná. Viagens nacionais a praias paradisíacas e internacionais para grandes “picos” (locais) de surfe são inevitáveis para os amantes do esporte. Entre os mais desejados, segundo Eduardo Fleck Rosa, sócio da Welcome Surf Trips, estão os internacionais - Costa Rica, Peru, El Salvador e Indonésia - e nacionais: Itacaré (BA) e Fernando de Noronha (PE). Geralmente, as trips são feitas em grupo, mais por questão de segurança e por dividir a experiência com os amigos. Mas viajar sozinho não é descartado. “Depende muito do destino: para as ilhas Mentawai, na Indonésia, por exemplo, é mais comum vendermos pacotes a grupos. Os outros destinos são mais procurados para viagens individuais” conta Eduardo Rosa.

Fotos: Arquivo pessoal

Carlos Alberto Filho na Indonésia, em 2012

Guilherme Breda na Costa Rica, em 2012 72 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Fernando de Noronha, 2010

Da esquerda para a direita: Giovanni Breda, Heitor Fortes Neto, Fagner de Lara e Guilherme Breda na Costa Rica, em 2012

Carlos Alberto Filho na Indonésia, em 2012

Costa Rica, 2012

Serviço: Welcome Surf Trips 55 (41) 3249-4416 55 (11) 9-8493-0233

contato@welcomesurftrips.com.br Atendimento de segunda a sexta das 09h30 às 18h. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 73


LAZER

ROTA ALTERNATIVA Um passeio sobre duas rodas rodeado de belas paisagens e desafios Lais Capriotti, Letícia da Rosa, Mayara Duarte e Natalia Concentino.

onhecer novas cidades, estar rodeado por natureza e praticar exercícios são motivações para quem opta por fazer trilhas de bicicleta. Mas essa atividade pode ser mais difícil do que parece: requer preparo físico, além de conhecimento da região. “Quando a pessoa resolve fazer uma trilha de bike, ela deve ter uma preparação adequada e estar acompanhada por um profissional de educação física. O primeiro passo é

C

se consultar com um médico e fazer exames cardiológicos, sempre de olho na pressão. O cuidado com lesões recentes também é importante, assim como ver se não há qualquer restrição física, principalmente nas articulações, o que é mais usado nesse tipo de exercício. Depois começam os treinamentos, aproximadamente três meses antes da data da trilha”, explica Diego Toti, professor de Educação Física. Gostar de pedalar e praticar esportes não é o único pré-requisito, mas ajuda na hora de começar a pensar em fazer trilhas. “Com a pessoa iniciando o treinamento, em um mês alguns já conseguem pedalar por 90 minutos, o que equivale a 30 km aproximadamente. O cuidado com o sono é de extrema importância, assim como com a alimentação. O que vale também para quem já faz trilhas e treina constantemente para manter seu preparo físico”, diz o especialista. Na parte da preparação física, Toti conta que há pontos de extrema importância como, por exemplo, os alongamentos, que devem ser diários, e os treinos, um hora por dia, de três a seis vezes por semana.

CUIDADOS “Prevenção é fundamental em uma jornada dessas. Levar ferramentas para o eventual conserto de bicicletas no meio do nada. Ter consciência sobre suas condições de saúde que podem impedir você de conseguir ter um bom desempenho. Ter pessoas preparadas que possam ajudar em um trecho difícil. Saber que essa viagem é cansativa para o corpo. São também necessárias roupas ‘reservas’, que forneçam calor e proteção da chuva”, recomenda Silveira. Conheça bem o trajeto, pois as distâncias parecem diferentes quando se está de carro e de bicicleta. “Essa viagem é desgastante, e como o objetivo não é arriscar a vida de ninguém , precisamos tomar essas precauções.”, explica Rinaldin. 74 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

ANTES DE PEDALAR No dia da trilha, faça um breve aquecimento, um alongamento e a atividade física propriamente dita. Após isso, faça o alongamento final. Tenha uma boa noite de sono: oito horas são suficientes. Um dia antes, coma alimen-


Augusto César Marins Machado, analista de projetos da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), conta que faz trilhas há mais ou menos dois anos, e que começou a pedalar fora do Brasil. “Comecei a andar de bike depois de uma viagem que fiz na Europa, porque em todas a cidades que eu visitei existia um ambiente propício para o ciclismo”, revela. A paixão pelo esporte aumentou quando o ciclista começou a participar, na capital paranaense, do Grupo Bike Curitiba. “Descobri a paixão pelas trilhas depois que comecei a andar com o Grupo Bike Curitiba, que eu ajudei a fundar” , comenta. O condicionamento físico, entretanto, é realmente necessário. “Qualquer tipo de trilha só é recomendável com a companhia de alguém experiente, que conheça bem a região. É importante saber se a trilha é segura ou não, e também é sempre necessário conferir a previsão do tempo”, explica.

ERROS

ir do centro de Curitiba até Morretes à noite. Saímos daqui umas 5 da tarde e fomos pela BR-277. Entraríamos na trilha da Inhãnha, que nos levaria até lá. Porém, antes de chegarmos à trilha, no meio da Serra do Mar, a câmara do pneu da bicicleta de um dos integrantes do grupo furou duas vezes. Trocamos a primeira vez, mas voltou a furar e tivemos que abortar a missão”, revela. Planejamento é fundamental. Para o estudante, além de faltarem suprimentos em sua bagagem, como chocolates e isotônicos, percebeu a ausência de algo fundamental para completar a trilha. “Não tinha preparo físico. Fazia muito tempo que não andava de bike e cansei muito”, diz. Após o ocorrido e passado o medo, Rinaldin aprendeu. “Bom, errei muitas coisas quando decidi ir: primeiro meu preparo físico, segundo minha bicicleta era um modelo muito ultrapassado, o que me forçava a fazer o dobro do esforço de quem tinha uma bicicleta moderna e equipada. Para piorar, no dia da trilha, eu acordei muito gripado”, admite. “Vendo tudo que passei, percebo que foi uma grande irresponsabilidade ter saído daquele jeito de casa.”

Felipe Rinaldin Silveira, estudante universitário de Engenharia Civil, conta que, devido à falta de preparação, passou por maus momentos. “Nosso objetivo era

tos mais calóricos, ricos em carboidratos e proteínas. “Durante a trilha, a pessoa deve se hidratar de 30 em 30 minutos aproximadamente, e ingerir proteínas. Chegando ao destino, o corpo vai perdendo a tensão do exercício e a pessoa deve se alimentar bem e descansar. Recomenda-se que volte à origem de carro”, alerta Diego Toti. Mas não se intimide: o esforço pode proporcionar momentos inesquecíveis. Augusto Machado relembra que as paisagens vistas no meio das trilhas são recompensadores e únicas. “Há cachoeiras muito bonitas na trilha de Matinhos”, diz. As fotos (veja na próxima página), falam por si só. De acordo com o segundo tenente Luiz Gustavo Pimenta, do Grupo de Operações de Socorro Tático do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado do Paraná (GOST),

há vários cuidados para se tomar antes e durante a trilha. Entre os cuidados que antecedem a trilha estão nos acessórios de segurança, além de alimentos e água, que devem ser suficientes para a duração da trilha. Além disso, é recomendado o uso de roupas adequadas para a pratica. Um objetivo de extrema importância para esse tipo de atividade é uma lanterna, recomenda Pimenta. Antes de começar a trilha, deve-se informar os familiares sobre a data do inicio da trilha, local e, principalmente, a previsão de retorno. É indicado que a trilha seja feita somente durante o dia, evitando horários após 18 horas. Qualquer tipo de trilha precisa ser feita em grupo, nunca ir sozinho. Em caso de acidente o corpo de bombeiro deve ser notificado. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 75


Arquivo pessoal

No meio da trilha, os ciclistas são surpreendidos por uma bela paisagem em Salto Paraty, no município de Matinhos

Augusto César Marins Machado (quarto da dir. para esq.) e seu grupo em trilha feita na represa de Piraquara, na região metropolitana de Curitiba 76 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


O QUE FAZER Os aventureiros de bike também precisam descansar e repor as energias. Boa alimentação e descanso adequado são recomendados aos ciclistas após os passeios nas trilhas. Ao chegar a Morretes, pelo Caminho do Itupava, você pode encontrar seus amigos que forem de trem e comer o típico barreado da região. A cidade oferece diversos restaurantes a preços acessíveis. O mais conhecido, e que também oferece frutos do mar, é o Empório do Largo. Já durante a tarde, o turista pode fazer um passeio de bóia-cross pelas águas do Rio Nhundíaquara. E, para passar a noite, é possível encontrar diversas pousadas em Morretes: Dona Laura Pousada, Pousada Itupava e Chácara Por do Sol são algumas das mais baratas na região. Quem fizer o caminho do Parque Nacional Saint Hilaire e chegar a Guaratuba, pode descansar o resto do dia nos hotéis da cidade, como Guaraflat e Guaramar Hotel, para depois curtir a noite agitada da região. As casas noturnas de Guaratuba são as principais atrações. O Café Curaçao e o Santo Canto são espaços de eventos que lotam de jovens e oferecem shows de diversos gêneros musicais. Já os atletas que forem pelo Parque Estadual do Pico Paraná chegarão a Campina Grande do Sul, onde poderão praticar esportes radicais. O maior atrativo da cidade é a escalada da maior montanha do sul do país, o Pico Paraná. A atividade pesqueira também é muito popular no local. Para dormir, o indicado é o Hotel Fazenda Mata Atlântica Aventura.

SERVIÇO Morretes Empório do Largo: R. Largo Dr. José Pereira, 152, (41) 3462-1190. www.emporiodolargo.com.br Dona Laura Pousada: R. Rômulo Pereira, 53, (41) 3462-1100 www.morretes.com.br/donalaura Pousada Itupava: R. Porto de Cima, s/n, (41) 3462-1925. www.itupava.com.br Chácara Por do Sol: Estrada da Ámerica, 1551, (41) 3462-1959. www.chacarapordosol.com.br Guaratuba Guaraflat: Av. Visconde do Rio Branco, 5.005, (41) 3442-6049. www.guaraflat.com.br Guaramar Hotel: Av. Visconde do Rio Branco, 2.800, (41) 3442-7508. www.guaramarhotel.com.br Café Curaçao: R. Sen. Xavier da Silva, 210. www.cafecuracao.com.br Santo Canto: R. XV de Novembro, 81. www.portobeachfun.com.br Campina Grande do Sul Hotel Fazenda Mata Atlântica Avennura: BR-116, Rodovia Regis Bittencourt, (41) 3873-1060. km 55, www.mataatlanticaaventura.com.br

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 77


CULTURA

TEMPO PARA AS LETRAS As Casas de Leitura se apresentam como espaços abrangentes e próximos, mas será que elas conseguem formar novos leitores? Francisco Mallmann, Laura Nicolli e Victor Hugo Fotos: Laura Nicolli

Mariana Auchewski, estudante de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e usuária da Casa de Leitura Augusto Stresser, no Parque São Lourenço.

M

ariana e Danielle dizem “é bem perto”. Embora não simultaneamente e nem no mesmo lugar. Uma está no bairro São Lourenço e a outra no Centro. O trajeto de Mariana é de apenas cinco quadras, e o de Danielle, menos de duas. Entre os pontos que as une, estão os ofícios de universitárias e amantes dos livros. Distantes, concordam sobre a proximidade entre suas casas e as Casas de Leitura. Cada uma frequenta a Casa de Leitura do seu bairro: Mariana Auchewski, estudante de Psicologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), empresta alguns livros na Casa de Leitura Augusto Stresser, no Parque São Lourenço, Danielle Campos, estudante de Artes Cênicas da Faculdade de Artes do Paraná (FAP), faz da Casa de Leitura Dario Veloso, no Largo da Ordem, um espaço de estudo e uma espécie de biblioteca particular. Assim como as duas, vários outros podem utilizar os 16 espaços de leitura espalhados pelos bairros de Curitiba. As unidades foram implantadas pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC) e possuem um acervo de literatura bastante grande: obras brasileiras, estrangeiras, tanto para o público adulto quanto para o infantojuvenil, são encontradas nas prateleiras. Além do acervo, que também contempla periódicos e alguns poucos materiais audiovi78 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

suais, existem atividades de leitura, como contação de histórias e rodas de leitura. Para Mariane Torres, coordenadora de Literatura da FCC, “esse tipo de atividade traz o publico mais para perto. Muitos acham que é difícil ler, mas numa leitura compartilhada, coletiva, as pessoas se interessam mais pela literatura. Nós levamos atividades a instituições que estão no entorno dessas casas, como escolas, projetos sociais, ONGs, equipamentos da Fundação de Ação Social (FAS)”, diz. Gilberto Carlos Pereira é agente de leitura na unidade Augusto Stresser e explica que a seleção das obras é toda feita pela

“Esse tipo de atividadade traz o público mais para perto.” - Mariane Torres, coordenadora de Literatura da FCC


O acervo das Casas de Leitura varia de acordo com a localização: algumas delas têm mais de 10 mil livros nas estantes. FCC, em um processo semelhante ao de uma curadoria. No espaço em que trabalha, são aproximadamente 4 mil exemplares para leitura local e empréstimo, que pode ser feito mediante o preenchimento de um cadastro bastante simples, que exige apenas um documento com foto e comprovante de residência. Cada usuário pode emprestar até dois livros por 14 dias. A procura pela casa, segundo Gilberto, é relativamente intensa. “Temos, diariamente, um público que varia entre dez e 15 pessoas. Mas, em eventos específicos, já recebemos até mais de 70 pessoas.”, diz ele. A abrangência e a eficácia dos espaços é um ponto que Mariana levanta “Acredito que o incentivo à leitura um ponto louvável do programa, mas me pergunto se as casas não são muito elitizadas. Não vejo um público grande aqui, a não ser em eventos pontuais.” Danielle acha que os espaços são feitos para um público restrito, “Quem eu vejo frequentar esse lugar são meus pares: universitários, pessoas envolvidas com arte e literatura. De maneira nenhuma, acho que são feitos para um grande público,

mais carente, que tenha esse lugar como um início no hábito da leitura”, conclui. Thiago Cassol Pinto é mestre em Literatura pela UFPR e avalia a efetivação do projeto como complexa. “Para se trabalhar o incentivo à leitura, há de se levar vários aspectos em consideração, desde a realidade dos participantes do projeto, tanto a dos mediadores quanto a dos que se beneficiam das atividades. A seleção dos textos e a proposta das dinâmicas. Conheço outras iniciativas que se propõem a esse tipo de trabalho, a familiarização de textos de literatura brasileira e letramento que acabam não obtendo resultados satisfatórios por conta de uma proposta e de uma dinamização fracas, ou talvez ingênuas, por darem pouca atenção à formação dos mediadores”, diz ele. Mesmo questionando o espaço, as meninas estão ali, sentadas confortavelmente nas poltronas da sala enquanto leem obras do escritor argentino Julio Cortázar e da brasileira Hilda Hilst, alheias ao tempo e aos compromissos. Se precisarem, estarão em casa em cinco minutos.

Danielle Campos lê Hilda Hilst no espaço da Fundação Cultural de Curitiba, no Largo da Ordem. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 79


Melvin Quaresma


CULTURA

OS TIMBRES NATIVOS DE CURITIBA

Conhecida por sua pluralidade cultural, a capital paranaense ainda peca na divulgação da música autoral. Projetos não faltam; o que falta é o interesse do público Helena Bianchi e Isabela Bandeira

S

egundo a reportagem “O Paraná que os brasileiros ignoram”, do jornalista Cristiano Castilho, publicada pela Gazeta do Povo em 8 de setembro de 2013, 96% da população brasileira não consegue citar artistas da música paranaense. Os dados são do instituto Paraná Pesquisas, que ouviu 2.550 pessoas maiores de 16 anos em 177 cidades de todas as regiões do Brasil entre 24 e 30 de junho de 2013. Igor Cordeiro, superintendente da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), afirma que os dados apresentados na pesquisa da Gazeta do Povo foram apenas um reflexo da falta de conhecimento do público em relação aos grupos musicais que nascem na cidade. “O que acontece é que nós não construímos os nossos mitos. Precisamos ver os nossos artistas nos outdoors. É preciso

ter camisetas, como tem de Paulo Leminski no Brasil inteiro, mas que o curitibano não tem”, afirma. No entanto, muitos músicos paranaenses com potencial para se tornarem “mitos” ainda não ganham destaque nacional. E isso se deve ao desinteresse do próprio público e ao interesse da mídia por grupos de determinados gêneros musicais. O veterano Walmor Góes, guitarrista da banda Maxixe Maxine, já tocou com renomados artistas curitibanos, como Ivo Rodrigues – da banda Blindagem –, Paulo Leminski, Paulo Chaves e Thadeu Wojciechowski. O músico já produziu álbuns graças à Lei do Incentivo e acredita que o público tem o direito de escolher a quais shows quer assistir. “Hoje tudo é muito burocrático, onde as autoridades Icaro Castilho

Banda Maxixe Machine: veteranos dos palcos curitibanos, que são pouco conhecidos fora do estado. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 81


Thaís Olinek

Banda curitibana Traditional Disorder tem como principal característica a combinação do skate com o hardcore. políticas e empresários esco-lhem o projeto artístico ao seu gosto e não de toda uma sociedade, que será custeado pela lei do incentivo”, diz “Antigamente, havia bandas boas e outras não tão prontas; hoje também é assim. Só que o acesso a novas manifestações música é muito mais fácil.” Partilha da mesma opinião o estudante de filosofia Danilo Borges da Silva. Ele é integrante de três bandas punk (Traditional Disorder, S.O.S. Chaos e Till Joey) e, normalmente, se apresenta em bares da cidade. Para ele, falta esforço por parte do público e da mídia em descobrir artistas além das fronteiras das duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro. “Esse fato se dá pela burocracia que o Estado, as secretarias de Cultura e outros órgãos fomentadores de cultura impõem para os artistas”. Luiz Cláudio de Oliveira, colunista musical do jornal Gazeta do Povo, acredita que o desconhecimento é normal em

“Precisamos ver os nossos artistas nos outdoors.” - Igor Cordeiro

82 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

uma pesquisa nacional que pega um extrato grande da sociedade. Para ele, aconteceria o mesmo se a pergunta abordasse artistas de outros estados. “A maioria da população não sabe que o Michel Teló é do Paraná, por exemplo, para citar só um nome de grande sucesso comercial, quanto mais se existe uma pessoa chamada Dalton Tre-visan ou Paulo Leminski, ou onde eles nasceram”, diz o jornalista. Oliveira afirma que publica informações sobre diversas bandas que surgem em Curitiba em sua coluna, “Acordes Locais”, mas que o próprio público não se interessa ou busca informações sobre esses grupos. “As pessoas são muito passivas, não assinam nenhum jornal local e só acompanham alguma notícia a res-peito dos artistas locais quando algum amigo posta no Facebook”, comenta. Considerando a opinião de artistas em relação ao “clubismo” de gêneros musicais e a burocracia que gira em torno de eventos culturais, Igor Cordeiro concorda que houve, sim, uma maior valorização de músicos de MPB e samba em relação a outros. No entanto, ele prevê mudanças no cenário musical curitibano, a partir da Corrente Cultural que aconteceu agora em novembro. Gêneros como heavy metal, hardcore, viola caipira e música eletrônica foram algumas das atrações previstas para o evento gratuito, contando com uma maior divulgação e produção auxiliados pela Fundação Cultural. Resta ao público se divertir e apreciar um bom timbre curitibano.


Galeria Teix: incubadora de ideias

Espaço curitibano trabalha para valorizar a arte local Hellen Rocha de Albuquerque inturas, esculturas, gravuras, ilustrações, grafite, tatuagem, literatura, música, design, fotografia, intervenções e performances. A arte se manifesta de tantas formas, e colocar todas em uma única casa não é tarefa fácil. No entanto, se mostra recompensadora, inovadora e única. Em Curitiba, a Galeria Teix é pioneira nessa empreitada, se tornando, portanto, uma incubadora de ideias, como é descrita por Jô Maciel. Sendo a galeria uma incubadora, Jô é uma espécie de “médica”, que cuida e administra o espaço, criado por ela. O que começou como estúdio de tatuagem em 2002, não se prende mais a uma única forma de manifestação. Ações relacionadas às artes aconteciam quase involuntariamente, e cresceram aos poucos, até 2011, quando o perfil da galeria se pluralizou oficialmente. A interação acontece de uma maneira muito espontânea, à medida em que são agregados novos parceiros, artistas, além dos próprios visitantes. A Galeria/Estúdio é um espaço onde há produção cultural, como também comercialização de serviços e produtos. Jô conta que o objetivo, desde o início, era formar público, por meio de uma programação de qualidade que desmistificasse a arte, oferecendo um local onde ela e o artista se encontrassem. “A proximidade é imprescindível, para que haja troca e permanência, aguçando a vontade de voltar e conferir um novo lançamento, ou ainda voltar e rever algo que já foi mostrado, mas que nessa outra visita torna-se uma nova experiência”, explica a curadora.

P

A curadora diz perceber a grande manifestação dos artistas locais em prol da valorização do que é produzido em Curitiba. Jô acredita que estamos no caminho certo, plantando para que no futuro haja o que colher. Exemplo disso são os diversos eventos que vêm acontecendo na capital paranaense, como a Bienal Internacional, o Festival de Teatro, o Festival de Música, a Corrente Cultural, eventos de gastronomia de todos os portes e a Semana do Design. “Tem muita coisa boa acontecendo, fora os espaços privados que se mantem com uma programação ininterrupta, e todas essas ações contam com a participação dos artistas locais , então jamais poderia dizer que não há valorização da produção artistica local”, declara a incentivadora da arte. Por não receber apoio financeiro de instituições governamentais, se caracterizando como um espaço autônomo e independente, são os artistas e o público que o mantêm em funcionamento. Apesar dos inevitáveis desafios de se manter uma proposta assim, Jô não se acanha com as adversidades: “A galeria é um objetivo de vida, pois pra mim ‘a arte não é um fim, é apenas um começo’. É uma das formas de contribuir para um mundo melhor. Aliar arte e trabalho é uma missão para a vida, assim como tornar nossa cidade mais habitável e humana, então arregaço as mangas e me divirto.” JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 83


CULTURA

DE QUEM É A RUA? A arte no espaço público desconstrói as hierarquias entre arte erudita e popular Francisco Mallmann Francisco Mallmann

Mural na XV de Novembro tem como inspiração o filme O Iluminado, de Stanley Kubrick 84 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Francisco Mallmann

As manifestações culturais no Largo da Ordem, região central de Curitiba, vão desde performances até intervenções urbanas .

“Provocar tensão entre o público e o passante.” - Ricardo Nolasco, diretor teatral

S

exta-feira, quatro da tarde, Rua XV de Novembro. Um transeunte contempla o grande mural. O mesmo afinco que emprega na análise do paredão é utilizado para dispensar minha primeira tentativa de contato. “Mas por que eu? Pede pra elas ali ó. Elas têm cara de quem quer falar”, disse, enquanto apontava para duas meninas sentadas nas escadas do Guairinha. Ele, cujo nome é Rubens Pereira, não queria dizer nada. “Eu estou só olhando, moço.” De fato, ele seria o mais discreto dos pedestres, que ninguém ousaria importunar, se não fosse o único que parou no meio da calçada para ver o edifício em frente. Não havia como competir com o colorido dos cabelos das meninas, com as tatuagens de um sujeito do outro lado da rua ou com tantos outros passantes.

A autenticidade de Rubens ficou, como descobri mais tarde, por conta de um hábito seu: parar para ver. Depois da insistência, se pôs a conversar. Essa rua faz parte do trajeto da volta do trabalho. É o caminho que faz, diariamente, desde o início do ano passado, quando foi morar ali por perto. Todo dia, analisa algum elemento da cidade que chame a sua atenção. No dia anterior, foram os fios elétricos: “Você já reparou como se embolam?”. Mas o grande paredão, que leva o rosto de Jack Nicholson, não havia ainda despertado o interesse dele. Impossível, ele é gigantesco! A explicação é a distração e o fato de gostar “dos detalhes, do que é pequeno e único”. Mas agora que reparou, pôde dizer com voz de perito que “é bem feiJORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 85


“Não há como tomar o espaço público buscando homogeneização.” - Danielle Campos, atriz to, é diferente. Não é rabisco como a maioria”. Logo depois, me mandou anotar que era funcionário público e não entendia nada disso: “Falo como alguém que anda na rua”. E é para “alguém que anda na rua”, assim como Rubens, que o muro em questão foi criado. O mural de Eduardo Melo, que fica no Edifício Inter Walter Sprengel, na Rua XV de Novembro, ao lado do teatro Guairinha, faz parte de um projeto chamado “Motion Layers”, que contempla a criação de murais públicos em edifícios da capital. São enormes paredões que ganham cor e público. O que antes era um lugar de passagem, agora se torna um espaço de apreciação de uma obra. De arte? Juliana Tonin, artista plástica e estudante de Artes Visuais na Faculdade de Artes do Paraná, diz que sim, e parte da ideia de que a arte de rua é um desdobramento de uma visão crítica sobre os espaços convencionais de arte. “Entra aí uma discussão sobre os espaços institucionalizados, como museus e galerias, onde só se enquadram artistas renomados pelo mercado, e também a discussão sobre quem diz o que é arte hoje em dia”, diz ela. Juliana vê em ações como a dos artistas envolvidos no “Motion Layers” algo que subverte o mercado “exclusivista e excludente” da arte. A arte de rua, segundo ela, é uma reação a esse mercado, que dá a todos o poder do prazer estético, e isso num local que usualmente é considerado um “não lugar”. “Essas discussões são contemporâneas e indicam um entendimento da cidade como processo e não como algo imutável”, diz fazendo um gesto circular com as mãos indicando um processo contínuo. O público, enquanto plateia, é abrangente e a definição de arte no espaço público também, segundo a artista plástica. Ela vê a apropriação da rua como um espaço democrático de fruição de arte, mas também entende que nem tudo o que acontece nesse ambiente deve ser considerado arte. “A princípio, entendo que é arte algo que foi pensado para provocar e/ou ser belo”, diz, mudando o tom e o ritmo da voz, para esclarecer que seu entendimento de belo “passa pelo kitsch, grotesco e outras possibilidades abertas na contemporaneidade”. Em relação ao público da arte de rua, Ricardo Nolasco, diretor teatral e performer, acredita que ele pode ser definido como “não programado”. “Por mais que se marque uma hora, sempre há a possibilidade do passante, do desavisado. Nesse sentido, a arte de rua dialoga com a cidade, com o transeunte, com o não programado. A arte de rua precisa entender esse espaço como di-

alético, como um lugar que possui tensões e está apto a transformar-se”, diz ele. Sobre a concepção da arte que se constitui com um espaço público, de passagem e de acesso abrangente, Nolasco acrescenta ao entendimento de espaço público a noção de espaço virtual, tão natural para os “habitantes do século XXI”, para enfatizar que essa é uma arte que não precisa de “autorização” assim como, teoricamente, a rede. No seu último trabalho, Wundebar, apresentado no Festival de Curitiba, feito parte na rua e parte no TUC (Teatro Universitário de Curitiba), ele colocava plateia numa área dominada por usuários de drogas e reconstituía o ambiente como cenário de sua peça antes de adentrar ao teatro. “Eu revelava ao público a cidade como uma cenografia para a cena porque queria criar este diálogo, brincar com a grande encenação para, a partir dela, fazer surgir as primeiras personagens. Provocar tensão entre o público que ali estava para ver uma peça num horário específico e o passante”, conclui. Trabalhar com o público desconhecido exige um preparo específico em todas as fases de concepção e elaboração do projeto artístico. Danielle Campos, atriz e performer, pesquisa performance, ready made e happening há mais de cinco anos e estuda a interação entre o público e a obra de arte. “Quando a obra de arte sai de espaços institucionalizados e toma a rua, precisa-se estar ciente que existe o acaso, o risco, o imprevisto, o acidente e uma maior interação”, diz ela. Não são elementos singulares da arte de rua, mas são, segundo Danielle, características que se potencializam e exigem um maior cuidado na idealização da ação artística. “Não há como tomar o espaço público, buscando homogeneização, e unidade de interpretação sobre sua obra, por exemplo. A arte de rua lida com os mais variados públicos: ela atinge o especializado, o leigo, não iniciado, o indiferente e até aquele que nem mesmo se considera público”, explica. O Rubens que não queria falar, definitivamente não se reconheceria no Rubens que gastou um bom tempo discorrendo sobre o mural. Ele não soube me dizer por que gostava tanto dele, assim como não identificou a origem da sua curiosidade sobre a arte urbana, que ele vê até mesmo nos postes. Independentemente do lugar em que habita nesse grande conjunto de públicos, o que ele tem para dizer sobre a arte espalhada a céu aberto pela cidade é que “Acho que se trata de uma necessidade. Não importa se gosta ou não. Já pensou se não tivesse uma corzinha?”. Já pensou?

“Entra aí uma discussão sobre quem diz o que é arte hoje.” - Juliana Tonin, artista plástica 86 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Francisco Mallmann

Mural de Rimon Guimar茫es na Casa Hoffmann, no centro hist贸rico da capital paranaense. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 87


CULTURA

Lui Zucherelli

O autorretrato de Lui, que tem na hachura um de seus métodos favoritos de criação. 88 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


O CRIADOR DE MUNDOS O ilustrador Lui Zuccherelli povoa seus trabalhos com seres e histórias que brotam de sua imaginação prodigiosa Felipe Raicoski

om seu inseparável companheiro, o sketch book, Lui Zucherelli viaja o mundo. Mas não exatamente o mundo real. “Eu gosto muito de ler, além de desenhar, claro.” Com um lápis na mão e uma ideia na cabeça, no melhor estilo Glauber Rocha, o ilustrador explora ao máximo seu gosto por leitura e pelo mundo imaginário, criando obras que têm personalidade. Essa, aliás, é a característica que ele sempre tenta impor a si próprio e a seu trabalho. “Há muito tempo decidi não copiar desenhos de ninguém. Acho que o que mais aprecio no trabalho de um artista é a personalidade.” Por medo de tornar-se repetitivo, o artista costuma variar seu repertório. Quadrinhos, contos, fantasias, preto e branco, são parte do cabedal do ilustrador que considera a inspiração a parte mais importante de seu processo artístico. Com apenas 16 anos, o artista já alça voos maiores, trabalhando como freelancer. A dificuldade em interpretar o texto e transformá-lo em imagem é destacada pelo jovem, que gosta de fazer os trabalhos, apesar de confessar não se divertir com eles.

C

Como você ingressou no mundo das artes? Vou acabar dando uma resposta clichê, mas verdadeira. Como eu nunca gostei de futebol, passei meus recreios fazendo outras coisas. Eu acho meio difícil responder isso, mas, simplificando bastante, pode-se dizer que sempre gostei de criar histórias e, quando eu era mais novo, gostava principalmente de criar “mundos” e seus habitantes, geralmente seres fantásticos (costumava chamá-los de “monstros”, mas não gostava dessa nomenclatura). E como a minha mente sempre foi muito pouco visual, precisava desenhá-los, para poder compreender o que estava visualizando. Outro fator foi que, após “criar” a história, precisava “narrá-la”, para isso utilizava dos quadrinhos.

“ Nunca fazia um ser individualmente, criava o bioma dele inteiro. Isso resultou em uma variedade de seres fantásticos.” - Lui Zucherelli

Qual a sua principal influência artística? Eu gosto muito de história em quadrinhos. Nesse gênero, meus artistas favoritos são o Laerte e o Moebius. Porém, falar sobre “influências artísticas” é mais complicado, pois há muito tempo decidi não copiar desenhos JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 89


de ninguém. Acho que o que mais aprecio no trabalho de um artista é a personalidade. Isso não quer dizer que não tenho influências, o que seria certamente uma mentira, se não um absurdo, mas trabalho para minimizá-las ao máximo.

um polvo gigante. Me diverti tanto desenhando que essa única ilustração virou três e, mesmo após o término do trabalho, continuei insistindo sobre o mesmo tema. No final viraram 13, só contando os de hachura. Desenhei tanto polvo que é, hoje, a coisa mais fácil de fazer.

Como funciona seu processo de criação? É basicamente 90 % “ter a ideia” e dez por cento “realizá-la”. Quando essa ideia não vem, faço algo totalmente sem significado (o que eu não gosto muito) ou repetido (um pouco “menos ruim” [sic]). Porém, se ela chega, costumo desenhar no tempo que me sobra. Não mantenho nenhuma rotina.

Você costuma desenhar diversos personagens fictícios, como o polvo. Você acredita que essa influência vem do gosto pelos livros? Talvez. Quando pequeno gostava muito de livros de fantasia mas não foi só isso. Eu gostava mesmo de criar. Nunca fazia um ser individualmente, criava o bioma dele inteiro. Isso resultou em uma variedade de seres fantásticos. Se eles se pareciam com dragões, é mais porque eu gostava de dinossauros. Se parecem com polvos, acho que já expliquei a razão [risos].

Uma das características mais marcantes em seus trabalhos é o preto e branco. Por que o gosto por essa forma de desenho? Eu trabalho em preto e branco porque me agrada. De vez em quando acho que o colorido distrai demais a visão. O escuro é consequência disso. Para se aumentar o contraste é necessário escurecer o desenho. Existem alguns temas e personagens recorrentes em sua arte. Em um de seus últimos trabalhos aparece o polvo. Por que este personagem é tão presente em sua obra? Acho que as formas dos polvos são muito boas para desenhar. Descobri isso há cerca de quatro anos. Eu fiz uma ilustração para um conto que havia escrito na escola (chamado “O Grande Lago”) e esse conto envolvia

90 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

Como você planeja dar sequência a sua carreira? O meu maior interesse são os quadrinhos e é o que eu pretendo fazer, mas não creio que eu vá estudar artes (não me atrai muito o curso). Pretendo me formar em outra coisa.

Lui Zucherelli


Lui Zucherelli

Na sua opinião, qual é a sua principal obra até agora? Realmente não saberia dizer. Fico em dúvida entre a adaptação em quadrinhos de um capítulo do Dom Quixote que fiz no ano passado ou as muitas ilustrações que fiz para O Grande Lago. Mas, se já tivesse pronto, algo mais completo do que algumas páginas e muitos rascunhos, provavelmente seria o projeto no qual estou agora, também uma história que escrevi e que estou desenhando em quadrinhos.

ou algo do gênero. Nos primeiros trabalhos foi difícil imaginar uma ilustração de um texto que não é meu (e que, às vezes, o assunto nunca me passou pela cabeça), mas acho que estou me acostumando. No final eu gosto. Não é divertido, mas eu gosto. Quais são as maiores dificuldades que você enxerga no universo da ilustração, como profissão? Ter uma ideia de desenho sobre um assunto que não me chamava atenção até receber a matéria. Como não gosto de simplesmente desenhar o que está escrito no texto costumo pedir o material completo para pensar em alguma piada, brincadeira ou em uma análise sobre o assunto, às vezes até uma crítica, mas tento evitá-las para diminuir a chance de confronto com o texto. Confira mais do trabalho de Lui Zuccherelli no blog http://luizuc.blogspot.com.br/ ou na sua página do Facebook https://www.facebook.com/luizuc.

Depois que passou a ilustrar como freelancer, qual a diferença que você sentiu na dinâmica de trabalho? Creio que o mais difícil é o fato de que, se eu não tiver uma ideia, não posso simplesmente fazer um polvo

Lui Zucherelli

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 91


CULTURA

Rogério Ferreira

Prato é preparado com carne moida de primeira, cebola e salsinha 92 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Fabio Wosniak Lucas Dziedicz Rogério Ferreira

O aperitivo número 1 de Curitiba De influência europeia, mas recriada na capital paranaense, a carne de onça espanta pelo nome e delicia com seu paladar

A

“cidade do “leite quente” talvez seja uma das únicas capitais do país que não tem uma riqueza gastronômica própria e tradicional da região. A miscigenação dos imigrantes, em sua maioria europeia, é o ponto-chave para essa suposta falta de identidade. Alemães, ucranianos, poloneses, italianos e por aí vai... É grande a lista dos povos que desembarcaram por aqui, trazendo na bagagem suas próprias culturas no paladar. Entre todos os pratos de cada país, um sobressaiu e é, de certa maneira, considerado o prato típico da cidade. E não é a polenta com o frango frito, servido no bairro de Santa Felicidade. E sim a carne de onça. “Esse é um prato que veio das terras frias, da Europa. Aqui era feito pela Sociedade Juventus, pelos alemães e ucranianos. Como sou descendente de ucranianos, era obrigação aprender a fazer o p ra to

que vem de uma bagagem familiar passada pela minha avó”, conta o proprietário da Gruta da Onça, Edgar Pochlopek. O bar, hoje localizado no bairro Parolin, teve no Alto da Rua XV a primeira sede e introduziu a carne com a intenção de oferecer à clientela um aperitivo rápido e saboroso. Posteriormente adotado pela cidade, era inicialmente dirigido a motoristas de uma companhia de ônibus estabelecida próxima ao restaurante. Todo turista que viaja para alguma cidade busca saber sobre as peculiaridades e curiosidades da região. O Paraná tem alguns pratos, como o barreado, a quirera com suã e o pinhão. Mas Curitiba adotou como sua a carne de onça. A curiosidade já começa pelo nome: é bom avisar que o felino predador, que está em extinção, não corre qualquer forma de perigo de ser caçado para se tornar um aperitivo.

Rogério Ferreira

JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 93


Rogério Ferreira

A falta de informação sobre o prato levava os clientes a acreditar que o petisco era feito da carne do felino

Na verdade, a iguaria é feita com carne bovina moída de primeira e temperos, como cebola e cebolinha, mas o assunto já foi caso de polícia. omo conta seu Dino, nome pelo qual é conhecido no Bar Stuart, considerado o mais antigo estabelecimento do gênero na cidade, com 109 anos de existência. O senhor, que já foi proprietário do restaurante no passado e hoje apenas trabalha no local, conta que quando introduziu o petisco, a falta de informação e o nome convidativo levavam as pessoas a acreditar que a carne era realmente de uma onça. “Uma mulher, certa vez, chegou

e disse: ‘Vou dar parte de vocês, como que pode matar onça pra fazer comida! Até explicar pra ela que não era isso...”, revela o agora garçom. A procura pelo prato atinge todos os paladares, de crianças a idosos. A curiosidade convida os clientes a experimentarem e é o diferencial para atrair a clientela a desfrutar o local e os outros pratos dos estabelecimentos. Custando em média R$ 10, o preço é outro aspecto convidativo, até porque comer uma “carne de onça” em troca de uma arara não é um mau negócio.

Rogério Ferreira 94 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR


Peculiaridades marcam dois pratos típicos do estado Peculiaridades marcam dois pratos típicos do estado

Não é só Curitiba que tem o direito de exibir pratos tipicamente surgidos no município, como a carne de onça, a quirera com suã, o testículo de boi e outros mais. O Paraná também tem essa honra e apresenta no Barreado e no Pinhão características curiosas que os tornam ainda mais especiais. O primeiro, à base de carne cozida, servido com arroz e farinha, preparado em uma panela de barro, estimula certa rivalidade entre duas cidades do litoral, onde é consumido há aproximadamente 200 anos. De origem portuguesa, o prato tem relação com o carnaval do século XVIII, pois era consumido pelos imigrantes como forma de se obter energia para a dança.

A disputa, no entanto, se dá pela autoria do prato. Morretes, Antonina e até mesmo um pedaço da cidade de Paranaguá “brigam” por tal fama. Isso acontece pela não especificação exata do local de origem do prato, pelos historiadores. De certa maneira, o pinhão também sofre do mesmo mal e, dessa vez, a “rixa” se dá com outro estado. A “Terra do Pinhão” divide o termo “típico” com os vizinhos de Santa Catarina. Por possuir a maior área de Araucárias (árvore cujas sementes são os pinhões) do Brasil, o Paraná torna-se o mais apropriado quando a intenção é conhecer o prato. Somente no Paraná podemos encontrar inúmeras receitas com o pinhão: aperitivos, bolos, panquecas, paçocas, pudins, sopas etc. Rogério Ferreira

Ingredientes 150 gramas de carne moída de primeira. 50 gramas de cebola 15 ml de azeite de oliva Sal e pimenta do reino a gosto Cebolinha verde picada Broa preta

Modo de preparo “Moemos uma carne de primeira, bem limpa, duas ou três vezes, a temperamos com cheiro verde e cebola”, É assim que Edgar, proprietário do Gruta da Onça, prepara cuidadosamente o carro-chefe de seu bar. Depois de moída aproximadamente três vezes, misture a carne com os demais ingredientes: cebola, azeite de oliva, pimenta, cebola, sal e pimenta. Adicione os temperos à carne e os coloque em uma fatia de broa preta. Cubra com cebolinha. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 95


MODA

UM OUTRO CONCEITO DE CRIAÇÃO

Símbolo da marca Reverenda.

Fugindo dos padrões das revistas, blogs e redes sociais, Nichole Biaggi Perez traz um novo olhar sobre as diferentes formas de expressão com as camisetas da Reverenda. Isabela Bandeira Saciotti Isabela Bandeira Saciotti

Nichole Perez, fundadora da Reverenda, um dos destaques do LABmoda.

F

ica o recado aos que pensam que o universo da moda se restringe apenas às tendências internacionais e aos caprichos de uma determinada elite: ela é muito mais do que um conceito visual. Trata-se de comportamento, de identificação. É o seu cartão de visitas. Resumidamente, moda é tudo. É o que diz a curitibana Nichole Biaggi Perez, de 20 anos, que produz camisetas para pessoas que buscam uma forma de expressão através de roupas confortáveis, bonitas e que não necessitem de muito brilho ou cores chamativas para que sejam notadas. Suas confecções são baseadas em uma visão de mundo particular, mas que chamam a atenção de pessoas com diferentes pontos de vista e que optam pela simplicidade como forma de expressão. Estilista dos sonhos? Não, Nichole é estudante de Moda e fundadora da marca Reverenda, um dos principais destaques do LABmoda deste ano. Quando pequena, Nichole mantinha seus croquis em um caderno de bolso, sonhando com o dia em que se tornaria uma estilista de renome. Mesmo acompanhando os pais na produção de confecções para uma loja, não sabia que existiam cursos para quem desejava entrar nesse mundo. Nem mesmo que pudesse se destacar em um mercado tão concorrido colocando a própria personalidade nas roupas que produzisse. Ela teve de convencer os 96 | REVISTA CDM | JORNALISMO PUCPR

pais de que não havia outro espaço em seu futuro profissional. “Na primeira vez que eu falei aos meus pais que queria fazer moda, a primeira reação deles foi ‘não’. Negativo. Me disseram que eu não teria um bom futuro. Tive que sentar e conversar com o meu pai, convencê-lo de que não havia possibilidade de cursar outra coisa, porque era isso o que eu gostava de fazer.”. Nichole começou a cursar Design de Moda na Universidade Positivo (UP), no ano de 2011. Tendo de driblar a vontade dos pais, a estudante ainda teve que lidar com o pensamento de que moda só se faz no exterior e que Curitiba, apesar de ser uma cidade grande, não dá oportunidades para quem deseja trabalhar na área. “Há muito preconceito em relação ao meu curso dentro da própria faculdade.”. Realmente, ser aprovada no curso de moda não é difícil. Não há tanta concorrência como em outros cursos e não há uma universidade pública que o ofereça gratuitamente. Só que, depois de você ser aprovada em Design de Moda, você deve dedicar 100% do seu tempo a isso”, conta. Um de seus maiores desafios foi o de ganhar destaque dentro da faculdade e do mercado, onde criatividade não é o suficiente. “São muitas as pessoas que trabalham com vestuário no mercado e, na realidade, você não necessita de um curso para trabalhar com isso. Você deve fazer uma coisa


Nichole Biaggi Perez

muito bem feita e muito criativa para se destacar.” Criatividade, Nichole tem de sobra. A estudante conta que tenta fugir o máximo de conceitos veiculados em blogs de moda e páginas em redes sociais que, segundo ela, trazem uma moda muito diferente do que se aprende na faculdade e que se vê nas ruas. “Moda tem muito mais a ver com o comportamento das pessoas, do que elas gostam”. Para ela, não se tratam de tendências internacionais ou de desfiles super elaborados e com conceitos que ninguém entende. Nichole acredita que moda é feita com simplicidade, conforto e personalidade. Foi assim que abriu a empresa Reverenda, em abril de 2013. A marca, que tem como principal característica o uso de estampas, foi fundada com a visão de que qualquer um pode usar a roupa que desejar, independentemente da situação, e que se sinta confortável com o que decidir vestir. “Isso tem tudo a ver comigo e eu nunca pensei que alguma coisa que me agradasse tanto pudesse se tornar o meu trabalho, que eu pudesse fazer roupas para que outras pessoas também usassem. Coloco muito da minha personalidade e das pessoas ao meu redor no que eu produzo.”

“Curitiba tem muita coisa boa para oferecer. Muitos bons cursos, muita gente legal envolvida nesse meio... Você não precisa sair da cidade para ver isso.” - Nichole Perez, estilista RELIGIÃO E COMPORTAMENTO COMO FOCO Além de trabalhar com conforto, simplicidade e estética, a Reverenda tem o comportamento como principal característica. Nichole apostou em um ponto que a maioria dos consumidores tem em comum e que segue à risca o conceito de sua marca: a religião. Para ela, religião abrange diversos pontos de vistas e diversas formas de expressão, o que deixa de estabelecer um limite muito grande de público. “Pensei em fazer coisas voltadas apenas ao catolicismo, só que o objetivo da empresa era atender todos os tipos de público, onde as pessoas pudessem encontrar alguma coisa que gostassem. Por isso abordei vários tipos de símbolos religiosos, de divindades, e criei a coleção pensando em estampas relacionadas às representações religiosas de todos os tipos.” O resultado foi melhor que o esperado. “Meus amigos, desde o católico mais fervoroso ao hippie, me procuraram e estão usando as camisetas da Reverenda. Religião não é uma coisa

A Reverenda trabalha, principalmente, com tendências comportamentais. que as pessoas demonstrem com tanta facilidade, ainda mais no Brasil. Foi um grande desafio ter que produzir camisetas simples, com símbolos religiosos e agradar esteticamente. Felizmente, o conceito foi entendido”, diz Nichole. A estudante participou da última edição do LABmoda, que aconteceu no mês de junho. Foi por meio de uma dica do diretor do evento e também seu professor, Junior Gabardo, que teve a oportunidade expor a primeira coleção da Reverenda. Com o desafio de ter de criar um desfile conceitual para uma marca básica, Nichole apostou em acessórios que pudessem representar a ideia sem ter que modificar suas confecções. De apaches coloridos à maxi colares, o desfile da Reverenda para o evento lhe rendeu uma boa procura e novos clientes, que se identificam cada vez mais com a proposta da marca. Nichole quer, também, continuar a produzir coisas para a Reverenda em Curitiba. A estudante diz que a cidade tem um grande potencial para se tornar um polo da Moda. Ela acredita que não é preciso ir para outros estados e países para que o trabalho de um bom estilista brasileiro seja reconhecido. Busca inspiração na própria cidade e diz que seu objetivo é fazer com que todos se sintam integrados. JORNALISMO PUCPR | REVISTA CDM | 97


No TECPUC o seu futuro começa desde o primeiro dia de aula. São várias opções de cursos, em diversas áreas do conhecimento, com duração de até dois anos. O TECPUC conta com a qualidade que só uma instituição como a PUCPR pode oferecer, dentro da estrutura mais moderna e completa do Paraná.

:: Administração :: Biotecnologia :: Contabilidade :: Enfermagem :: Eventos :: :: Informática para Internet :: Logística :: Mecânica :: Mecatrônica :: Nutrição e Dietética :: :: Petróleo e Gás :: Produção de Moda :: Publicidade :: Qualidade :: Química :: :: Radiologia :: Recursos Humanos :: Secretariado :: Segurança do Trabalho ::

Os cursos técnicos são voltados para os alunos que já concluíram o Ensino Médio, estão cursando o 2º ano (para cursos com duração de 24 meses) ou que estão cursando o 3º ano (para cursos com duração de 18 meses).

Início das aulas: 27 de janeiro.

www.tecpuc.com.br

[41] 3271-1395

REVISTA CDM IMPRESSA 29  

Revista Laboratório do Curso de Jornalismo da PUCPR - Ano 11 - Edição 29.