Page 16

Página 16

Convém ter opinião pelos seus atos; é fundamental ensinar estratégias alternativas de resolução de conflitos (tolerar, ouvir, dialogar, acompanhar); é indispensável trabalhar no sentido de aceitar a Por Cristina Matos Docente de Educação Especial

frustração. O professor do século XXI não está confinado à transmissão de conhecimentos, é um gestor da sala de aula, detentor de

INDISCIPLINA NA ESCOLA? STOP

um conjunto de competências relacionais e didáticas. Esta-

“Não se pode, falar em disciplina ou em indisciplina indepen-

belecer relações interpessoais positivas (disponibilidade

dentemente do contexto sócio histórico em que ocorre.”

para ouvir os alunos, ser afetuoso, inspirar confiança, abor-

Teresa Estrela (1992)

dar os problemas com calma…); estabelecer a ordem no início da aula; motivar e manter o interesse do grupo turma

A escola depara-se com uma problemática algo complexa, a indisciplina, e nela intervêm diversas variáveis. As tensões e desequilíbrios da sociedade envolvente (desigualdades económicas e sociais, conflito de gerações, crise de valores) são fatores da sociedade que se refletem na comunidade educativa. Com efeito, o conjunto de comportamentos escolares disruptivos (transgressão das normas escolares) prejudica as condições de aprendizagem, o ambiente do ensino, bem como o relacionamento das pessoas na escola. Neste contexto, pais e professores necessitam de intervir o mais precocemente possível. Apresentamos de seguida algumas estratégias educativas para evitar o aparecimento, ou ajudar a controlar condutas agressivas: - Estabelecer limites claros, isto é, definir quem é a autoridade. Se a autoridade for desempenhada com o significado de fazer crescer, estaremos a contribuir para garantir a segurança das crianças/alunos e a trabalhar no favorecimento da sua autoestima. - É necessário refletir para que serve a autoridade – para

recorrendo à monitorização do trabalho na aula, ao apoio para superarem dificuldades, ao trabalho de grupo ou de pares, à utilização de uma linguagem clara e acessível; manutenção de um ritmo de aula adequado o que implica minimizar tempos mortos, transições suaves entre atividades e instruções claras. As estratégias pedagógicas aqui descritas são apenas algumas, que poderão contribuir para a prevenção da indisciplina na sala de aula. A complexa gestão da vida na aula impõe procedimentos conjugados. Foi neste contexto que o Grupo de Educação Especial tomou a iniciativa de organizar atividades de intervenção/ação com o objetivo de prevenir comportamentos escolares disruptivos na nossa escola/sede. No ano letivo transato elaborámos e disponibilizamos um folheto informativo “Compreender e intervir na escola e na família”. Também se realizou a sessão de sensibilização para pais “Tenho um filho adolescente!”, a qual teve como oradoras as psicólogas da Câmara Municipal da Golegã, Dr.ª Sandra Leonardo e Dr.ª Fabiana Freire, que prontamente aderiram ao projeto.

corrigir, reforçar e sancionar (mas de forma adequada – para que um castigo seja eficaz, deve ser pontual, e não frequente e proporcional à conduta, devendo cumprir-se obrigatoriamente. Não deve ser contestado por outra pessoa da família ou por outro professor.). - Manter um adequado nível de coerência entre os pais. É importante que haja uma concordância entre a disciplina da casa e da escola; é necessário responsabilizar as crianças

(continua)

Jornal encontro Junho 2013  

Jornal encontro Junho 2013 Agrupamento de Escolas de Golegã Azinhaga e Pombalinho