Page 1

Página

Jornal de Escola - Fundado em 1990 - Nº 14 - III Série - Abril/2011 Agrupamento de Escolas Mestre Martins Correia

Entrevista com o professor José Leote

Periodicidade: Trimestral (Período Lectivo)

Inauguração da Exposição «OLHARES SOBRE A OBRA DO MESTRE»

Professor da nossa Escola lidera projecto de sucesso O professor José Leote, professor de Educação Física na nossa Escola há cerca de 25 anos, é presidente do CLAC (Clube de Lazer, Aventura e Competição do Entroncamento) há muitos anos também, cerca de 18, mas foi um dos fundadores há 25 anos. O Mirante distingue anualmente personalidades nas diferentes áreas. Este ano o CLAC foi distinguido como personalidade do ano no âmbito do associativismo. (Página 5)

GABINETE DE APOIO E INFORMAÇÃO AO ALUNO (GIA) O GIA tem por objectivo disponibilizar um espaço que permite ao aluno partilhar assuntos que o preocupam (relações afectivas, conflitos com pais e professores, questões relacionadas com a sexualidade, drogas, etc). É garantida ao aluno a confidencialidade dos assuntos tratados. (Página 17)

No dia 16 de Março foi inaugurada em Lisboa na DRELVT (Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo) a exposição de trabalhos dos alunos do 1º, 2º e 3ºciclos das escolas da Golegã sobre a obra do Mestre Martins Correia, patrono da escola B. 2,3/S realizados no âmbito da comemoração do seu nascimento. Na inauguração da exposição estiveram presentes: um representante da Junta de Freguesia da Golegã, o Coordenador da Equipa de Apoio às Escolas, o Presidente e vários membros do Conselho Geral do Agrupamento, o Director e restantes membros da direcção, os professores dinamizadores da Oficina de Jornalismo e um aluno, a coordenadora da Oficina da Música e respectivos alunos, cinco alunos do 1º ciclo acompanhados pela respectiva professora, ....

Entrevista com o professor Martinho Branco

Martinho Branco é professor do 1º ciclo e ainda o homem dos sete ofícios



É professor do primeiro ciclo e

que ano está a dar? MB - Eu chamo-me Martinho Branco nome completo Martinho Júlio Cruz Branco sou professor do primeiro ciclo e estou a leccionar na escola E.B.1 da Golegã ou no ensino básico e estou a leccionar o 1º ano com 14 alunos e 4º ano com 4 alunos. (Página 3)

(Página 7)

Dias da Cultura Realizaram-se de 4 a 7 de Abril de 2011 os já tradicionais Dias da Cultura. Ao longo da semana desenvolveram-se 73 actividades (de acordo com o cronograma aprovado - considerando os casos em que a mesma actividade se destinava a públicos alvo diferentes). De todas estas actividades fazemos referência (ver páginas 16 e 17) apenas a algumas das actividades desenvolvidas. A redacção do Jornal não procedeu a nenhuma selecção prévia. Limitámo-nos a publicar o que nos foi encaminhado pelos respectivos dinamizadores.


Página 2

Ficha Técnica Coordenadores (Deste número)

Editorial

Uns e outros… A sociedade está dividida em duas classes: Uns e Outros.

Professores: Fernanda Silva Lurdes Marques Manuel André

Mas quem são uns e quem são outros?! Vejamos se consigo descortinar alguma coisa no meio de um emaranhado de palavras e falta de ideias. Ordem por favor. Vou tentar entender-me a mim próprio ou ao outro… A senhora Clotilde Feijoca, a dona da clínica veterinária, acompanhada pelo

Alunos: (Edição de Abril)

6º Ano -Turma A Cláudio Garcia Rafael Martinho Ruben Mendes

doutor Joaquim Beldroega e ainda pelo senhor responsável pelo talho da esquina riem, os três, emitindo sonoras gargalhadas. Sim no riso são iguais. Indivíduos ao mesmo nível na alegria. Não interessa quem ri. Se uns se outros. Afinal podem estar até todos loucos… O senhor presidente da comissão de honra a tal Comissão Nada Feito, o doutor Migalhas da Silva, caminhava pensativo, pelo passeio rigorosamente varri-

Reprodução Luís Farinha

do, … enquanto que o senhor que varria o passeio caminhava, cabisbaixo, agarrado à vassoura numa dança sem ritmo, harmonia ou nexo. Engana-se quem pense que outros não possam ser uns! Vejam o exemplo

Propriedade Agrupamento de Escolas Mestre Martins Correia

(Golegã, Azinhaga e Pombalinho)

daquele senhor além. Sim, o senhor que controla os lugares vagos naquela zona de estacionamento ainda não paga. Sim aquele senhor franzino de bigode fino e meio corcunda. Exactamente aquele senhor que cora por tudo e por

Sede: Escola Mestre Martins Correia Rua Luís de Camões - Apartado 40 2150 GOLEGÂ Telefone: 249 979 040 Fax: 249 979 045 E-mail: eebs.golega@telepac.pt Página Web: www.eps-golega.rcts.pt

nada qual individuo que transporta a alegria e o rubor de quem ingere com muita regularidade um copito de tinto. Por vezes branco. Não é que teve sorte o senhor Belarmino Pessoa?! Saiu-lhe a lotaria. Já não controla os lugares vagos naquela zona de estacionamento ainda não paga. Sim, claro, esse mesmo o senhor Belarmino Pessoa. Não sabiam que tinha nome? Tinha pois. Sempre teve só que não passava de uma pessoa igual a tantas outras. Agora até já passa por doutor. Vejam só a farpela nova. Ninguém acreditará que

Tiragem 50 exemplares

aquele senhor, desculpem o senhor Belarmino Pessoa tenha sido um controlador aéreo. Perdão, controlador de lugares vagos naquela zona de estacionamento ainda não paga …

Distribuição gratuita via e-mail

Perdoem-me a má escrita e a falta de criatividade. Uns têm queda para a escrita outros nem por isso. Uns têm os louros outros o trabalho. Uns aparentam doutorice outros não. Uns existem outros talvez não Uns têm nome outros por vezes parece que não E afinal quem sou eu? Um “um” ou um “outro”? Sou pessoa… Imaginem, até tenho rosto


Página 3

Entrevista com o professor Martinho Branco Martinho Branco é professor do 1º nós temos é que todos os alunos

no primeiro ciclo e depois trabalhei na

aprendam o máximo possível para

educação para adultos, tendo promovi-

serem adultos responsáveis, conscien-

do muitas actividades, como sejam

tes da sua função na sociedade e que

rádio, jornal, teatro… Eu tinha trabalha-

também saibam dar a resposta aos

do no jornal O Riachense em 1977,

problemas que surgem, na Matemática,

também tinha estado no teatro para

na Língua Portuguesa, na História e no

crianças e, por isso, quando fui para a

Estudo do Meio. Nós procuramos, mas

Chamusca trabalhar com os adultos,

não quer dizer que todos os dias consi-

decidi que também deveria contribuir

ciclo e ainda o homem dos sete ofí-

gamos o mesmo nível, mas todos os

para a sua educação e organizei um

cios

dias tentamos que isso aconteça.

jornal, Letras e Números. Era um jornal fotocopiado, ainda escrito à máquina,



É professor do primeiro ciclo e que ano está a dar?



Sabemos que é um homem dos sete ofícios: faz rádio, poesia,

MB - Eu chamo-me Martinho Branco

fotografia. Fale-nos um pouco

nome completo Martinho Júlio Cruz

das suas actividades, quando

Branco sou professor do primeiro ciclo

começou, como e porquê.

e estou a leccionar na escola E.B.1 da

MB - Nós temos que”ganhar o pão

Golegã ou no ensino básico e estou a

para a boca”e depois temos aqueles

leccionar o 1º ano com 14 alunos e 4º

espaços de tempos menos ocupados

ano com 4 alunos.

pela profissão, devemos ter algumas actividades nestes tempos para nos

 E como é dar aulas a dois anos diferentes? MB - Quando a turma é sossegada e pouco complicada é fácil. Também já dei os quatro anos juntos e há algumas vantagens, como por exemplo no primeiro ano ouvem as matérias dos mais velhos e estes relembram conteúdos dos anos anteriores. .

O

distrairmos um pouco. Estive em vários níveis de ensino, tive várias experiências, entre as quais ter ido para a Angola, onde trabalhei com jovens e com adultos que estudavam à noite.

depois recortava-se e colava-se. Teve o seu início como jornal apenas local, mas depois fizemos outro jornal que chegou ao ensino recorrente, era o jornal Páginas Recorrentes. Era um jornal com muitas páginas, pelo que, quase se transformou numa revista. Entretanto, o Presidente da Câmara da Chamusca perguntou-me se eu não queria participar na rádio da Chamusca. Na altura ainda era uma rádio pirata, pelo que decidi aderir “aos piratas”, isto é, à rádio Bonfim em 28 de Novembro de 1987.

Estive lá um ano e meio, tendo depois

 Qual era o programa?

regressado. Primeiro estive a trabalhar

MB - Palavras e Músicas. Era um programa que tratava de tudo e mais alguma coisa. Inicialmente era uma hora gravada e depois passou a ser em directo e a ter duas horas.Quando já

professor considera que faz

tinha alguma experiência comecei a ter

coisas inovadoras nas suas aulas?

convidados em estúdio, desde o mais

MB - Nós,

professores, diariamente

simples cidadão que não sabia ler nem

tentamos dar resposta às necessida-

escrever, mas com muitos conheci-

des do dia-a-dia. Nem todos os dias

mentos para nos transmitir até ao

conseguimos ser tão inovadores como

senhor Presidente da República ante-

gostaríamos, ou porque estamos mais

rior

cansados, ou por qualquer outra razão.

ainda por lá músicos como Rui Reini-

O professor tem de atingir o ponto cer-

nho, Rui Veloso… (caso queira seguir

to, dar a volta e motivar os alunos para

este programa, poderá fazê-lo ao sába-

Dr. Jorge Sampaio. Passaram

o trabalho, para estarem um pouco

do das 15h às 18h - 104.9FM).

com atenção, porque o objectivo maior

A intenção do programa era levar as

que

pessoas a participar.


Página 4

Entrevista com o professor Martinho Branco

Poesia

lMB - Escrever um “bom poetrix” é

Estar apaixonado é,

muito difícil. Em Portugal ainda só foi

Amar alguém e

publicado um ivro de Poetrix por um

Talvez ser amado,

autor da zona do Porto, Antero Montei-

E amar outrem.

ro. Goular Gomes está a preparar um

O amor,

livro 501 Poetrix Essenciais para Ler

Deixa loucos,

ao Amanhecer.

Com pavor de serem, Poucos.

(O Rafael - redactor deste jornal relembrou que, com a sua turma, já tinha participado nesse programa de rádio com poetrix)

 E o gosto pela fotografia, como é MB - Há uma ligação com o Poetrix. O gosto



A PAIXÃO

que surge? pela

fotografia

surgiu

na

Pode dizer-nos o que é o Poe-

sequência dos meus “rabiscos” porque

trix?

fotografar é desenhar com palavras.

MB - É um poema minimalista, isto é com o mínimo, tudo é permitido até se

Aproveitou ainda por nos contar a sua

pode inventar palavras É um terceto,

viagem a Lanzarote, terra onde viveu

com o máximo de 20 sílabas métricas,

Saramago tendo tido a oportunidade

distribuídas pelos três versos. Goular

de estar nos locais associados ao

Gomes, brasileiro, inspirou-se na cultu-

Nobel (deixou-nos com água na boca).

ra japonesa para o poetrix que hoje existe no mundo inteiro. O poetrix nasceu em 1999. Quando se entra no poetrix não se consegue sair… É um bichi-

A paixão é, Muitas florinhas Uma chama no coração, Um mundo de rosinhas.

Uma imagem de marca, Um sentimento patriarca. É o amor, Que se alcança com dor.

AMAR Amar, É ser feliz, E remar é, Tudo o que eu quis.

nho, é quase um vício. Existe um Movimento Internacional Poetrix. A criação do site permitiu o florescimento do movimento. Este grupo funciona como uma Oficina de

Amar é Um sentimento modesto, Ser poderoso e O coração em protesto.

Escrita.

Martinho Branco tem muitos poetrix publicados e prémios. Falou também de derivações do poetrix: do duplix (leitura horizontal) (dois poetrix, sendo o 2º a resposta ao 1º) e do triplix (implica uma terceira resposta) e, mais

O Amor O amor não é sonhado, Mas sim vivido. Ele é amado, Um sentimento querido.

tarde surgiu o multiplix. Explicou que respondeu a um poetrix de uma poetrista, fazendo um duplix e ganhou o prémio 2001. O poetrix era jantar a dois

Ser amado é bom, Mas amar é melhor, Isso é um dom.

e a minha resposta era olhos nos olhos.

Rodrigo Ferreira – 7º A


Página 5

Entrevista com o professor José Leote

Poesia

público jovem a aventura aparece

Sentimentos

associada a actividades relacionadas

De: Quem sou?

com a natureza, tais como a descida

Para: Quem serei?

dos três castelos (canoagem), a rota dos Templários (pedestrianismo) ou os

Uma carta escrita

trilhos do Almourol, na área do trail.

Um amor quente Ela tem o nome de Rita

 Que balanço faz deste tempo na

Nós temos paixão ardente

associação? JL - É muito positivo, o clube apresenta neste momento 750 praticantes, o que demonstra a sua vitalidade, deu oportunidade ao aparecimento de novas

Ela me adora Tem saia “pirilé” Gosta de tarte de amoras Com muito chantilly

modalidades desportivas, dinamizando

Professor da nossa Escola lidera projecto de sucesso

os espaços criados pela Câmara, como é o caso do ténis ou da natação. Consideramos que temos tido uma intervenção positiva na formação integral

O professor José Leote, professor de Educação Física na nossa Escola há cerca de 25 anos, é presidente do CLAC (Clube de Lazer, Aventura e Competição do Entroncamento) há muitos anos também, cerca de 18, mas

lidades nas diferentes áreas. Este ano

Cabelos finos como linho Para ela sou um rei Para mim ela é a minha rainha

dos jovens. Além disso consideramos também que é um clube transversal, abrangendo todas as idades, desde bebés a 86 anos (a pessoa mais velha) e também com uma forte participação

Pele de seda Olhos de diamante Cabelo de ouro Sou apenas um apaixonado amante

das mulheres. Não sou um cavaleiro

foi um dos fundadores há 25 anos. O Mirante distingue anualmente persona-

Assim nunca amei



Não uso uma arma pesada Sendo professor na escola há

Sou um simples padeiro

o CLAC foi distinguido como personali-

alguma ligação com o clube?

dade do ano no âmbito do associativis-

JL - Sim, por exemplo o clube fornece

mo.

mapas no âmbito das provas de orien-

Para ti corria o mundo

tação. Há alunos que na escola tomam

De qualquer perigo te salvara

contacto com modalidades vindo mais

Ia até ao fundo

tarde a praticá-las no CLAC.

E para casa te levava



Que actividades desenvolve o clube?

JL - O CLAC é um clube ecléctico, desenvolve actividades no âmbito da

 Como é que vê o futuro?

natação, atletismo, ténis, ginástica,

JL - O associativismo de um modo

orientação e hidroginástica.

geral está em crise, não estando assegurada a renovação dos dirigentes,

 Como explica o nome do clube? JL - O nome tem a ver com o facto de desenvolver e promover actividades no âmbito do lazer, como é o caso das caminhadas ou das corrridas de veteranos, mas também desenvolve actividade de competição, dirigidas a um

pelo que há que fomentar junto dos jovens o gosto pela iniciativa, empreendedorismo, o associativismo porque é a base da solução de muitos problemas locais e comunitários, não podemos estar sempre à espera qe apareça tudo feito, nós também podemos ser agentes de mudança.

Que tem uma apaixonada amada

Ricardo Carvalho 7ºA


Página 6

Convém ter opinião

Français

Aula sobre o voluntariado

Jour de Saint Valentin Messages faites par les élèves

Nesta aula de Área de Projecto a professora convidou a senhora Dona Maria São José para nos falar da sua vida enquanto voluntária. A aula foi interessante e barulhenta, houve várias chamadas

Si je pouvais vivre sans toi? Oui. Mais ce n’était pas la même chose! David, 7º B

de atenção mas todos nós continuámos a falar. Eu estive um pouco distraída e não participei muito, mas acho

Tu es le phare de ma vie! Tu es mon trésor! João Afonso , 7º C

que o tema é interessante e tem de ser mais abordado. Acho que a senhora se despediu de nós com uma má impressão da turma. Mariana Mota Nunes - 7ºA

Je t’aime avec tout mon coeur! Notre amour c’est une grande passion! Seulement toi me fais sourire! Sans toi, je n’existerais pas! Vanessa, 7º C

Je t’aime, je t’aime à la folie! Tomás, 8º B

Tu es mon rêve devenu realité. Mon amour, tu es ma vie! Joana Bessa, 8º B

Il n’y a pas de mots pour te dire que je t’aime! Je pense à toi! Tu es tout pour moi! J’adore tout en toi! Tu es ma lune Tu es ma mer Tu es mon soleil Tu es ma vie! Carolina Eugénio, 8º B

Reflexão sobre aula de voluntariado Nesta aula, tenho noção que estive interessada e que vou pensar em como ajudar pessoas. Sinto que disponibilizei um bom ambiente para o diálogo com a Sr. Dona Maria São José. Não dialoguei com a Sr. Dona Maria São José porque não tinha qualquer dúvida ou razão para intervir. Percebi o que é o voluntariado e que é algo bom que nos aju-

Je t’ Aime Mon amour Tu es inOubliable Les joUrs sans toi Sont tRistes Mariana, 8º B

da a conhecer pessoas novas. Mas, acho que a senhora saiu da sala de aula com uma má impressão de nós. Apesar de tudo achei a aula interessante. Mariana Guia – 7º A

Pour plus que j` essaie je ne réussis pas à être une minute sans penser à toi. Je t’aime. Tu es la fleur de mon jardin.


Página 7

«Olhares sobre a o obra do Mestre Martins Correia INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO «OLHARES SOBRE A OBRA DO MESTRE»

No dia 16 de Março foi inaugurada em Lisboa na DRELVT (Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo) a exposição de trabalhos dos alunos do 1º, 2. e 3.ºciclos das escolas da Golegã sobre a obra do Mestre Martins Correia, patrono da escola B. 2,3/S realizados no âmbito da comemoração do seu nascimento.

Na inauguração da exposição estiveram presentes: um representante da Junta de Freguesia da Golegã, o Coordenador da Equipa de Apoio às Escolas, o Presidente e vários membros do Conselho Geral do Agrupamento, o Director e restantes membros da direcção, os professores dinamizadores da Oficina de Jornalismo e um aluno, a coordenadora da Oficina da Música e respectivos alunos, cinco alunos do 1.º ciclo acompanhados pela respectiva professora, coordenadora de escola, coordenadora de departamento, vários professores e funcionários. A exposição foi inaugurada por uma representante do Director Regional de Educação onde esteve também presente a filha e a neta do Mestre. A inauguração foi uma cerimónia simples, mas plena de significado onde verificámos que no nosso agrupamento o ensino vai para além do estabelecido nos programas, procurando transmitir aos alunos uma dimensão global do saber, valorizando e preservando os valores locais e regionais. Durante a cerimónia falaram a representante do Director Regional da Educação, Dr.ª Ana Paula Monteiro, o Director do Agrupamento, professor Jorge Saldanha Mendes e a professora Lurdes Pires sobre a pessoa do Mestre. A visita à exposição foi explicada e orientada pela professora Elisabete Semedo. O aluno da Oficina de Jornalismo fez a apresentação da cerimónia. Os alunos do 4.º ano, coordenados pela professora Rosa Moreira leram uma breve biografia do Mestre e declamaram os poemas «Cavalo branco» e a «Bailarina» com uma pequena dramatização. De seguida o aluno Constantino Dykiy apresentou duas peças musicais com flauta transversal, trabalha

das no âmbito do ensino especializado da música (ensino articulado). A cerimónia terminou com a apresentação de três canções tradicionais portuguesas, pelo grupo de música tradicional portuguesa da Oficina da Música, coordenado pela professora Maria do Carmo. A montagem da exposição esteve a cargo das professoras de EVT Conceição Pereira e Cristina Rodrigues. Maria São João

Palavras proferidas pela professora Lurdes Pires ao Mestre: MESTRE Espero que me perdoes o tratamento por tu. Não leves a mal, não é falta de respeito, mas sentimos-te assim mais próximo. Também quando dirigimos uma prece ao Senhor sentimo-nos mais ouvidos com “Senhor ajuda-me a encontrar o caminho” do que com “Senhor ajudai-me a encontrar o caminho” ou “Senhor ajude-me a encontrar o caminho”. Julgamos que sabes, mas queremos dizer-te como nos orgulhamos de ti e te estamos gratos. És português, da Golegã. É verdade que cometemos o pecado da vaidade. Confessamos que quando recebemos alguém na nossa terra não conseguimos disfarçar o brilhozinho nos olhos quando o levamos ao Museu MC e não conseguimos, quando nos perguntam de onde somos, calar a frase (Continua na página seguinte)


Página 8

«Olhares sobre a o obra do Mestre Martins Correia “Da Golegã, a terra de Martins Correia”. O mesmo se passa com quem trabalha ou estuda na Escola da Golegã, não é possível dizer Escola MMC de modo indiferente. Ah é verdade a nossa Escola ficou com o teu nome! Seres o nosso patrono deixa-nos muito satisfeitos. Pensando nos significados da palavra patrono és protector, pois todos os dias aprendemos contigo e, para nós, quem nos ensina protege-nos; mas és também patrono naquele sentido mais científico, do professor que conduz um trabalho, já que a tua obra e tu, enquanto homem nos orientam. A palavra Mestre tem em ti toda a propriedade. Na verdade és para nós um Mestre, ou melhor, o Mestre, na medida em que és um exemplo, um modelo e nós somos teus discípulos. Fazes-nos lembrar o Mestre de O Nome da Rosa de Umberto Eco. Guilherme de Baskerville leva o seu discípulo, Adso, a reflectir, a questionar, ensinando-o a pensar. Também tu e a tua obra nos continuam a interpelar e sabes Mestre não sabemos quem mais admiramos, se o artista se o homem – estarão ex aequo. A tua generosidade e humildade mostram a tua grande estatura e não podemos deixar de apreciar o teu ar jovial, afável, de quem está a bem com tudo e todos. Lembras-te Mestre quando nos falaste, naquela conversa para o jornal Encontro, a propósito dos rapazes casapianos, da importância de os jovens aprenderem e desenvolverem as suas capacidades? Não podemos esquecer as tuas palavras e é por isso que tentamos levar este teu ensinamento por diante. Já te contámos o que foi feito o ano lectivo passado e agora aqui estamos na DREL com os trabalhos dos alunos, inspirados na tua obra. E não cuides que o nosso propósito é apenas homenagear-te. Também é, claro, mas é sobretudo porque ensinar, partilhar experiências artísticas, contactar com o belo, a arte torna os nossos alunos mais sábios, mais preparados, diferentes e mais felizes. Nós não somos os mesmos depois de apreciarmos a Vitória de Samotrácia, a Pietá ou a tua obra, Mestre. E como pertences àqueles Homens que, nas palavras de Camões, “se vão da lei da morte libertando” nós vemo-nos por aí. Obrigada Os teus discípulos. Inauguração da Exposição No dia 16 de Março foi inaugurada a exposição na DRELVT, em Lisboa, sobre o Mestre Martins Correia, com os trabalhos feitos pelos alunos do nosso agrupamento. Essa exposição comemorou o centenário do nascimento do Mestre, que nasceu no nosso concelho e é patrono da escola sede do Agrupamento de Escolas de Golegã, Azinhaga e Pombalinho. A minha escola foi convidada a estar presente e a minha turma preparou um momento cultural para apresentar nessa inauguração. Fui escolhido, com mais quatro colegas meus, para representar a nossa escola. Esses colegas foram: a Andreia, a Sofia, a Lara e o Vítor. Eu fiz a apresentação da nossa actuação e falei um pouco sobre a vida do Mestre. A Sofia leu o poema “O cavalo branco” com muita emoção, e em seguida a Andreia declamou a poesia “A bailarina” enquanto a Lara fazia uns passinhos de dança e o Vítor imitava o Mestre Martins Correia. No fim desta actuação vieram dar-nos os parabéns e disseram que gostaram muito. Elsa Martins Correia, filha do Mestre, também me foi dar os parabéns: O “número” correu-nos bem! Em seguida, uma professora leu uma carta para Mestre Martins Correia, em que falava de como ele era… Logo depois fomos ver a exposição e adorámos ver os nossos trabalhos expostos naquele local, em Lisboa. A actuação seguinte foi do Constantino que tocou flauta muito bem, e por fim, ouvimos o grupo de música tradicional da escola Mestre Martins Correia cantar e tocar algumas canções. Para concluir a visita, o professor Saldanha, director do nosso agrupamento encerrou a visita e recebemos o agradecimento de uma representante da DREL. Foi uma tarde muito agradável e muito interessante, gostámos muito! Finalmente regressámos à Golegã, ansiosos por contar tudo aos nossos colegas. Duarte Almeida - 4º ano


Página 9

Notícias Dia Internacional da Língua Materna No dia 21 de Fevereiro comemora-se o Dia Internacional da Língua Materna proclamado pela UNESCO em 17 de Novembro de 1999. A data, reconhecida formalmente pela Assembleia Geral das Nações Unidas, é comemorada desde Fevereiro de 2000 com o objectivo de promover a diversidade linguística e cultural e o plurilinguismo.

Para comemorarmos esta data, durante a aula de Português, tivemos um momento de “Partilha de Leituras”. Contámos com a presença de uma Encarregada de Educação que veio conversar connosco sobre a importância da língua, da comunicação, e partilhou connosco algumas leituras/alguns livros que mais a marcaram como História de Uma Gaivota e do Gato Que a Ensinou a Voar de Luís Sepúlveda e O Pianista de Wladyslaw Szpilman.

Os alunos do 12 º Ano

O Comércio Justo veio à Escola Este período a turma B do 7ºano decidiu trabalhar no projecto “Comércio Justo” no âmbito da disciplina de Área de Projecto, em articulação com a disciplina Educação Moral e Religiosa Católica. No dia 11 de Janeiro de 2011, durante a nossa aula de Área de Projecto, esteve presente Teresinha Tavares, responsável pelo Comércio Justo na Golegã, para nos ajudar a perceber em que consiste este projecto. Teresinha Tavares começou por falar um pouco do comércio justo e, de seguida, os alunos colocaram questões preparadas na aula anterior. Os alunos ficaram a saber muita coisa sobre o Comércio Justo, nomeadamente quando começou, os seus objectivos, quem teve a ideia, que produtos são comercializados… Foi muito interessante porque aprendemos bastante e além disso esta senhora viaja muito e já viveu muitas aventuras. Uma das várias histórias que nos contou foi que, várias vezes, viu em África crianças debaixo de uma árvore, com uma professora a terem aulas, porque em África, em muitos sítios, não há escola e, quando há, não têm condições como as nossas. No final alguns alunos compraram alguns produtos, sumos, chocolates, e quem comeu os chocolates ficou deliciado. André Moreira - Joana Duarte - Andrea Cordeiro - 7ºB


Página 10

Notícias Ida ao Teatro Virgínia - Filme do Desassossego

Os alunos do 12ºAno – Turma A “criaram” um blog!

No dia 18 de Fevereiro, no âmbito da disciplina de Português, assistimos ao Filme A

ideia nasceu numa das nossas

do Desassossego de João Botelho no Teatro Virgínia em Torres Novas. O filme é

aulas de Português com o incentivo da

uma adaptação do Livro do Desassossego de Bernardo Soares/Fernando Pessoa.

professora Fernanda Silva e, posterior-

Foi-nos primeiramente feita uma introdução e, no final, houve um debate sobre o fil-

mente, obteve a aprovação dos restan-

me, dinamizado pelo actor Pedro Lamares que interpreta a personagem de Fernan-

tes professores da turma. Iniciámos a

do Pessoa.

criação do blog nas aulas de Aplica-

Sinopse:

ções Informáticas, onde o continuámos

"Lisboa, hoje. Um quarto de uma casa na Rua

a desenvolver.

dos Douradores. Um homem inventa sonhos e –

estabelece teorias sobre eles. A própria matéria

é

dos sonhos torna-se física, palpável, visível. O

partilhar, com a toda a comunidade

próprio texto torna-se matéria na sua sonoridade

escolar, os projectos que iremos reali-

musical. E, diante dos nossos olhos, essa músi-

zar nas várias disciplinas ao longo des-

ca sentida nos ouvidos, no cérebro e no cora-

te ano lectivo.

ção, espalha-se pela rua onde vive, pela cidade

O

objectivo

deste

blog

www.12anogolega.blogspot.com

-

Os alunos do 12º A

que ele ama acima de tudo e pelo mundo inteiro. Filme desassossegado sobre fragmentos de um livro infinito e armadilhado, de uma fulgurância quase demente mas de genial claridade. O momento solar de criação de Fernando Pessoa. A solidão absoluta

Ler é partilhar

e perfeita do EU, sideral e sem remédio. Deus sou eu, também escreveu Bernardo

No dia 18 de Março, as turmas 9ªA e

Soares."

7ªC reuniram-se na sala 9 a fim de

Para quem estiver interessado em ver ou obter informações sobre o filme aqui fica o

realizarem a actividade da Partilha de

link:

Leitura, inserida na Semana da Leitura.

http://www.ardefilmes.org/filmedodesassossegopt.html

A turma do 9ªA leu um excerto da obra O Principezinho de Antoine de Saint Exupéry e a turma do 7ªC leu algumas cenas da obra O Principezinho do século XXI, já analisada nas aulas de Área de Projecto. Feito o balanço da actividade, concluímos que a mesma foi interessante e divertida, tendo contribuído para desenvolver o nosso gosto pela leitura. A Turma do 7º C

Os alunos do 12º A

Nós, alunos do 12º ano, andamos cheios de sorte! Não podemos reclamar com falta de visitas de estudo… porque reclamar é aquilo que fazemos melhor! No dia 11 de Março, foi-nos dada a oportunidade de visitar o Instituto Superior Técnico de Lisboa, no âmbito da disciplina de Matemática. Tivemos a oportunidade de assistir em palestras interessantes. Como alunos da área de Ciências, e futuros estudantes universitários foi uma visita vantajosa na medida em que alguns de nós poderão querer seguir alguma das áreas disponíveis no IST. No dia 16 de Março, tivemos uma outra visita, à Futurália na FIL em Lisboa. Para quem não sabe, a Futurália consiste numa exposição onde estão presentes várias faculdades que dão a conhecer aos futuros universitários os cursos que cada uma pode oferecer. Para além disso, tinha também outras alternativas, como por exemplo para os alunos que frequentam o Ensino Profissional. Foi uma visita bastante enriquecedora na medida em que pudemos esclarecer todas as nossas dúvidas e confirmar as nossas perspectivas futuras. Espera-nos agora uma terceira visita ao Instituto Politécnico de Tomar no dia 7 de Abril, que esperamos ser tão útil quanto as anteriores.

P.S.: Pode parecer que queremos passear em demasia, no entanto, uma visita de estudo à Universidade Nova de Lisboa ser-nos-á bastante proveitosa.


Página 11

Notícias Actividades de Final de 1º Período

Feira do Livro

Realizou-se na Escola B.2,3/S Mestre Martins Correia, no dia 17 de Dezembro, período da manhã, o Concurso de Canções de Natal. Esta actividade destinou-se aos alunos do 2º ciclo e aos alunos do 3º ciclo que frequentam a Oficina da Música. Contou com um elevado número de alunos participantes. As canções foram avaliadas por um júri que escolheu e premiou as melhores interpretações/apresentações. O júri integrou representantes dos alunos, dos pais e/ou encarregados de educação, do pessoal docente e não docente. Estiveram envolvidos os projectos: “Oficina da Música”Sessão

de

Abertura

do Concurso”,

“Solidariedade por

uma nova

África”,

Realizou-se a Feira do Livro do nosso Concelho, entre os dias 14 e 20 de Março, no espaço da Escola 2,3/S. Mestre Martins Correia – Golegã, entre as 10h00 e as 19h30. Esta actividade fez parte da Semana da Leitura do Agrupamento e pretendeu promover o gosto pelos livros e pela leitura.

“Solidariedade para com a terceira idade” e o grupo de Informática. Esta actividade contou ainda com a presença de alguns idosos da Santa Casa da Misericórdia da Golegã para assistirem à apresentação das várias canções de Natal. A mesma decorreu de forma bastante satisfatória. Os alunos mostraram-se entusiasmados, participativos. Oficina da Música: Actuação do Grupo de Música Tradicional Portuguesa Sessão de Abertura do Concurso de Canções de Natal

Projecto: Solidariedade por uma nova África

No mesmo dia, no período da tarde, decorreu a entrega de prémios relativos aos vencedores do Peddy Paper comemorativo da Implantação da República e relativos ao Concurso de canções de Natal. De seguida teve lugar o concerto de Música Hip Hop, na Sala de Convívio dos alunos da escola B. 2,3/S Mestre Martins Correia (bloco C), pelos alunos Diogo Lopes, Fabio Tomás, e Ana Filipa Inês, da turma CEF A e os alunos Mauro Ramos e Pedro Romão da turma CEF B. Esta actividade destinou-se à comunidade Escolar/Educativa. Contou com a assistência de um número bastante considerável de alunos dos vários ciclos de ensino. Concerto de Música Hip Hop

,


Página 12

Notícias Como nos podemos proteger das armadilhas das redes sociais

a comentários depreciativos sobre o

Com o crescente uso das tecnologias de informação na Educação, esta é uma área

chefe. "O trabalhador poderá incorrer

sensível na qual a Escola pode e deve intervir. Neste sentido a Equipa PTE convidou

numa violação do dever contratual de

a Policia Judiciária para vir fazer uma palestra sobre o tema.

urbanidade e probidade que lhe é

Esta polícia fez Deslocar ao Agrupamento uma equipe de dois inspectores no passa-

imposto", garante o advogado Manuel

do dia 04 de Abril, que sensibilizaram, e informaram os nossos alunos, sobre boas

Rocha Lopes. E Vicky Fernandes lem-

práticas e o usos seguro da Internet e Cibercrime, regulamentado pela Lei n.º

bra que "os recursos humanos das

109/2009.

empresas acedem às páginas pessoais

Neste contexto também publicado um artigo on-line por Cátia Simões e Sara Piteira

dos seus empregados e, por vezes,

Mota

http://economico.sapo.pt/noticias/como-se-pode-proteger-das-armadilhas-

podem utilizar alguns comentários para

das-redes-sociais_114767.html que considero interessante e que passo a transcrever.

fundamentar um processo disciplinar e

Boa navegação a todos.

até um despedimento". Também se

Como se pode proteger das armadilhas das redes sociais

deve ter em atenção o tipo de informa-

em

ção confidencial que partilha. Por muito que queira contar o que está a fazer no novo projecto da sua empresa, essa informação pode ser benéfica para a concorrência. 2. Informação privada como número de telefone ou morada Partilhar o número de telefone e a morada nas redes sociais abre a porta a perigos como o roubo de identidade ou assaltos. Se disser que vai de férias e tiver, anteriormente, partilhado a sua morada, está a dizer ao mundo que a Multiplicam-se os casos de despedimento pela utilização descuidada das redes

sua casa está vazia. O simples facto de

sociais e os riscos de uso abusivo dos dados pessoais.

partilhar o número de telefone permite

As redes sociais alteraram a relação entre utilizadores, a Internet e o resto do mundo.

que os ‘hackers' mais argutos consi-

O Facebook ou o Twitter são muitas vezes usados para partilhar dados sobre a vida

gam ter acesso à sua morada. "Os pais

pessoal dos utilizadores ou para "desabafos" relacionados com o local de trabalho.

devem aconselhar os filhos menores a

Mas a Internet é um local público e muitas vezes os comentários podem virar-se con-

não colocarem os números de telefone

tra quem os faz. Se não criticaria o seu empregador publicamente ou não divulgaria o

e morada ou a marcar encontros com

seu número de telefone a quem não conhece, por que razão o faz numa rede social.

pessoas que conheçam através das

"A regra fundamental é pôr o mínimo de dados pessoais ou quaisquer outros dados

redes sociais", lembra Vicky Fernan-

da vida privada, seja do próprio ou de outra pessoa, que podem vir a ser usados de

des.

forma incorrecta e com más intenções", explica Vicky Fernandes, especialista em eti-

3. Conversas pessoais

queta, ao Diário Económico. Apesar da informação a partilhar ser sempre "do foro

No Facebook existe a opção de men-

pessoal", é importante ter em atenção que a publicação de informações detalhadas

sagens privadas para partilhar informa-

sobre a vida pessoal ou hábitos de fim de semana pode levar a "verdadeiros riscos de

ção do foro íntimo do utilizador. Se

sérios crimes". Por isso mesmo, há limites relativamente à informação a partilhar, que

quiser comentar algum tema mais sen-

deve ser seleccionada com cuidado. O Diário Económico apresenta dez exemplos do

sível com um amigo não precisa de o

que não deve escrever nas redes sociais.

fazer no seu mural, da mesma forma

1. Comentários sobre o chefe ou o local de trabalho

como não o partilharia com um mega-

São vários os casos internacionais de funcionários despedidos por justa causa devido

fone no meio da rua.


Página 13

Notícias 4. Planos sociais

Comentários nas redes sociais que

Tal como as conversas privadas, os planos sociais podem ser combinados através de

deram origem a despedimento

mensagens privadas. Se quiser combinar um jantar com um amigo não precisa de o

Polícia despedido por criticar o seu

fazer para toda a gente ler. Ser excluído de planos sociais deixa algumas pessoas

trabalho no Facebook

com sentimento rejeição. Paralelamente, deve ter em atenção a "aceitação de pedidos

Um polícia britânico foi despedido por

de amizade de pessoas que não conhece ou conhece mal", lembraVicky Fernandes.

se ter queixado do seu trabalho no

5. Partilhar ‘sites'

Facebook, em Warwickshire, no Reino

Pode fazê-lo, mas fora do horário de expediente. Partilhar vídeos divertidos ou artigos

Unido. Segundo o "Daily Mail", Carl

insólitos mostram ao empregador que não está a ser tão produtivo como deveria.

Boulter escreveu que o seu trabalho

Além disso, se tiver todas as redes sociais interligadas, o que partilha no Facebook

era "uma porcaria" e que tinha de ir

aparece também no LinkedIn e os profissionais que tem nessa rede acedem. Por

vestir um "estúpido" colete à prova de

outro lado, não partilhe apenas a informação do seu ‘site' ou blogue, assim como não

bala para patrulhar zonas rurais. A polí-

deve usar as mensagens de Facebook para divulgar a sua empresa.

cia de Warwickshire considerou que o

6. Fotografias da família

agente

Por muita vontade que tenha de mostrar a toda a gente as últimas tropelias dos seus

"inapropriados". Esta semana, o recur-

filhos, deve pensar primeiro em quem tem como amigo na sua rede social. Só 40%

so que Boulter tinha colocado veio

dos utilizadores é que têm o acesso ao seu perfil restrito, por isso, se não está incluí-

negativo e desde Julho que ele está

do nesta estatística, o melhor é não partilhar imagens dos seus filhos. Ou aproveite as

sem trabalhar. "Estava deprimido nes-

opções de confidencialidade do Facebook e reserve o acesso desse álbum específico

sa altura", justificou o agente.

só à família e amigos mais próximos.

Conversa no Facebook acaba em

7. Informação financeira

três despedimentos

Contar os segredos do seu sucesso na bolsa de valores na rede ou o saldo da sua

Três funcionários da empresa francesa

conta bancária parece senso comum mas, na altura da crise económica e financeira

Alten foram despedidos, depois de uma

nos Estados Unidos, em 2009, era muito comum comentários sobre soluções financei-

conversa que tiveram no Facebook ter

ras ou casos particulares. E, tal como não deve partilhar a sua morada, também não

chegado ao conhecimento dos seus

deve gritar ao mundo que comprou um carro topo de gama, por exemplo, e depois

superiores através e um amigo, segun-

dizer que se vai ausentar de viagem para um destino longínquo.

do o "El País". Durante essa conversa,

8. A sua palavra-passe

um dos funcionários fez um comentário

Ainda há quem incorra no erro de partilhar a sua ‘password'. Mesmo revelá-la a um

irónico sobre a direcção da Alten, que

amigo para que ele tome conta da sua quinta no Farmville durante as férias pode ter

deu seguimento a mais críticas por

riscos. Tratando-se de casais, é cada vez mais comum a invasão do perfil do parceiro

parte de outros dois colegas. Como

por se conhecer a ‘password'. Proteja a sua privacidade. E tenha em atenção que a

justificação do despedimento, a Alten

palavra-passe das redes sociais deve ser diferente da que usa no seu ‘e-mail' pessoal

afirma que o comportamento dos três

e nos ‘sites' onde está inscrito.

funcionários é um incitamento à rebe-

9. Protecção dos dados privados

lião e representa desprezo contra ter-

As redes sociais têm por vezes falhas na protecção dos dados dos utilizadores e

ceiros.

outras vezes usam-nos sem a devida autorização. Quando se registar numa rede,

11 Mandamentos para se proteger

tenha atenção à alínea que pergunta se os seus dados podem ser utilizados pela rede. As redes sociais não podem utilizar dados privados dos utilizadores sem o conhecimento e o consentimento prévio dos mesmos. Algumas aplicações do Facebook pedem o acesso a dados pessoais o que, segundo um estudo da Universidade

fez

comentários

nas redes 1. Sempre que seja possível, torne o seu perfil privado; 2. Nunca divulgue dados pessoais

da Virgínia, não é necessário em 90% dos casos.

como, morada, número de telefo-

10. Nada que não queira ver partilhado

ne, ‘e-mail', local de emprego,

Lembre-se sempre: a Internet é um espaço público e tudo o que comenta e partilha

escola, localidade, excepto se a

fica acessível a todos. "Cada internauta deve estar bem consciente da sua exposição

conta for institucional;

e avaliar se ela é mesmo necessária e positiva", conclui Vicky Fernandes.

3. Nunca divulgue informações


Página 14

Notícias pessoais como dias em que vai de férias, dias em que se ausenta de férias ou por

que, portanto, produz bastante.

outros motivos 4. Tenha cuidado com as fotografias que publica; 5. Evite publicar fotos ou vídeos dos seus filhos; 6. Visite com frequência as contas dos seus filhos para verificar os amigos e as fotos que eles publicam; 7. Não aceite convites de amizade por tudo e por nada; 8. Tenha cuidado com ‘links' que recebe em mensagens nas redes sociais; 9. Tome atenção quando se associa a determinados grupos, pondere sempre as implicações que os conteúdos desses grupos possam ter; 10. Utilize as ferramentas de privacidade que as aplicações fornecem; 11. Evite fazer comentários sobre o seu empregador ou empresa em que trabalha, para evitar sanções de quaisquer tipos. Texto disponibilizado por Augusto Ramos

Entrevista a Teresinha Tavares A professora de Área Projecto propos-nos fazer um trabalho sobre o “Comércio Justo” . O nosso grupo de trabalho pensou em fazer uma entrevista à Sra. D. Teresinha, uma das pessoas que integra este projecto, e que veio a uma das nossas aulas falar sobre o “Comércio Justo”. Assim, e com este propósito, deslocámo-nos até à loja do Comércio Justo, situada na Rua D. Afonso Henriques, nesta vila de Golegã e, com muita disponibilidade, amabilidade e simpatia, da parte de Teresinha Tavares, obtivemos a disponibilidade de nos dar a entrevista que se segue. O que é o Comércio Justo? R: É uma modalidade de Comércio Internacional que visa a venda de produtos a preço justo com padrões ambientais e sociais nas cadeias produtivas. Em que país surgiu a ideia de se realizar o Comércio Justo? E em que ano? R: A ideia surgiu na Holanda, no ano de 1960.Mas só no ano de 1962 foi inaugurada a primeira loja. E em Portugal? R: Mais ou menos desde de 2005/2006. Quais os produtos que se podem adquirir nas lojas de Comércio Justo? R: Os produtos que se podem adquirir são: café do México e da Tanzânia, chás do Sri Lanka e do Quénia, cacau e chocolates do Gana e da Bolívia, cereais dos Andes e feijões da América Latina. Há ainda artesanato: bijutaria e têxtil de projectos de desenvolvimento no Nepal, cestaria produzida por cooperativas. Os produtos vendidos são biológicos? R: Os produtos vendidos são biológicos, pois não têm qualquer tipo de químicos. Qual o custo mínimo e máximo dos produtos? O custo mínimo dos produtos é 0,65 euros e o custo máximo é 7,15 euros. O Comércio Justo não é universal, nem todos os países têm as mesmas necessidades, produzem produtos para este tipo de Comércio…? R : Podemos dizer que o continente que africano tem mais muitas necessidades e

O Comércio Justo já conseguiu ajudar quantos países? Quais? R: O Comércio Justo já conseguiu ajudar: Na América – México, Bolívia, Equador, Brasil (sobretudo Amazónia), Colômbia, Paraguai, República Dominicana, etc. … Em África – Tanzânia, Gana, Argentina,.... Na Ásia – Sri Lanka, Nepal, Bangladesh, Tailândia, Filipinas, Timor, etc.Não há número certo de quantos países se consegue ajudar por ano, pois o número aumenta de ano para ano. Quantas lojas de Comércio Justo há em Portugal? R: Há quatro anos atrás em Portugal existiam sete lojas, mas já existem mais. Quais os princípios do Comércio Justo? R: Os princípios do Comércio Justo são: justiça, preço justo, solidariedade, desenvolvimento sustentável, respeito pelo meio ambiente, defesa dos mais desfavorecidos … O Comércio Justo é uma forma de levar as pessoas a pensarem um pouco mais nos outros do que em si próprias? R: Uma das finalidades na Europa é tornar as pessoas conscientes de que o comércio convencional é um comércio injusto, pois empobrece uns e enriquece outros. Quais os países que já conseguiram subir a sua qualidade com o Comércio Justo? R: Todos os que estão organizados. Quanto dinheiro se consegue angariar por ano na Golegã? R: À volta de mil euro

Carolina — Cláudia — Rita— 7º B

,


Página 15

Notícias Actuação do Grupo de Música Tradicional Portuguesa/JI da Golegã na Sessão de Abertura da Feira do Livro, no âmbito da Semana da Leitura No dia 14 de Março, no período da manhã, os alunos do Grupo de Música Tradicional Portuguesa, em articulação com os alunos do ensino Pré-escolar do Jardim de Infância da Golegã, realizaram a Sessão de Abertura da Feira do Livro, no âmbito da Semana da Leitura, com a entoação do Hino da Biblioteca Escolar. Esta actividade foi encerrada com a apresentação de algumas canções tradicionais portuguesas, pelo Grupo de Música Tradicional Portuguesa da Oficina da Música.

Actuação do Grupo de Música Tradicional Portuguesa: Sessão de Abertura da Inauguração da Exposição sobre o Mestre Martins Correia - “Olhares sobre o Mestre” No dia 16 de Março, o Grupo de Música Tradicional Portuguesa da Oficina da Música deslocou-se à Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo (DRELVT) para participar na Sessão de Abertura da Inauguração da Exposição “Olhares

Foi realizada uma Visita de Estudo

sobre a obra do Mestre Martins Correia”.

à Montra do Vidro e ao Centro

O Grupo encerrou as actividades com a apresentação de três canções tradicionais

Interpretativo da Batalha de Alju-

portuguesas acompanhadas com guitarras, bombo e triângulo. Os alunos mostraram-

barrota, no dia 24 de Março, com as

se interessados, participativos e assumiram um bom comportamento.

turmas A, B, C e D do 5º ano. Esta visita teve como objectivos desen-

No passado dia 4 de Março

volver nos alunos a capacidade de

foi efectuada uma visita

observação, de análise e de espírito

de estudo com os alunos das turmas C e D do 5º ano ao

Centro

de

Arte

crítico, promover o sentido criativo nos alunos e o convívio saudável entre todos. Na Montra do Vidro os alunos assisti-

Moderna da Fundação

ram a uma explicação por parte do

Calouste

empresário sobre a história da sua

Gulbenkian,

em Lisboa.

empresa. O mesmo explicou os consti-

Esta visita teve como objec-

tuintes do vidro, assim como todo o

tivos desenvolver nos alu-

processo da criação de peças em

nos a capacidade de obser-

vidro. O empresário exemplificou com

vação, de análise e de espíri-

uma das professoras como se cria uma

to crítico, promover o sentido

peça em vidro.

estético e o convívio saudá-

No Centro Interpretativo da Batalha de

vel entre todos.

Aljubarrota, instalado no Campo de

Através de uma visita guiada

São Jorge, onde se travou a Batalha de

os alunos observaram qua-

Aljubarrota, entre portugueses e caste-

dros, esculturas e uma insta-

lhanos, em 14 de Agosto de 1385, os

lação, cujo objectivo era o de

alunos visionaram um filme sobre esse

suscitar diferentes interpreta-

período da nossa história e visitaram

ções em função do “olhar” de

os espaços exteriores onde decorreu a

cada um.

batalha. Magda Santos


Página 16

Dias da Cultura Workshop de Flores de Papel “Aprende a fazer uma flor em papel” – dinamizada pela profªa Magda Santos

Dia do EVT (workshop de Joalharia e Flores de Papel - Ateliers...) Integrada nas actividades dos Dias da Cultura esteve aberto, a toda a comunidade, o Ateliê das Artes na sala 10 (Bloco B) no passado dia 5. Artistas, artesãos convidados e professores criaram um espaço diferente de aprendizagem nomeadamente no campo da

Pinturas Faciais (Dia das Artes Visuais)

pintura, joalharia, aplicações e alteração de peças de vestuário/acessórios e pirogravura em madeira. Alunos, pais/encarregados de educação, pessoal docente e não docente puderam participar criando ou apenas admirando os trabalhos em curso. Quer na sala 10, como pelo espaço do Bloco

La Pétanque

B, foram expostos trabalhos dos alunos e dos artistas presentes no ateliê. Os professores que dinamizaram estas actividades agradecem aos artistas e artesãos a presença e o prazer com que mostraram os seus trabalhos e as técnicas com que os desenvolvem.

Workshop de Joalharia “Cria a tua Jóia” – dinamizada pela profª Magda Santos

Dia das sopas


Página 17

Dias da Cultura Crêperie

“Afectividade e Escolhas”

de formação de jovens e apoio a pes-

Realizou-se no dia 5 de Abril, terça-

soas carenciadas de bairros desfavore-

feira, a iniciativa “Afectividade e

cidos da Capital.

Escolhas”, no âmbito da programação

Para mais informações pode também

dos Dias da Cultura da nossa Escola.

consultar http://www.misericordia.com.br/social/

A iniciativa constou de três sessões

Filipe Pedrosa

que tiveram como tema de fundo as questões relacionadas com a afectividade e sexualidade juvenis e a prevenção dos comportamentos de risco e

Rádio-Escola

dependências, dinamizada por uma equipa de formadores de jovens da CAM* e é da responsabilidade da disciplina de EMRC em articulação com o Projecto de Educação Sexual. As sessões decorreram dentro dos seguintes horários: Ginásio Antigo: 9:00 – 11:05 (turmas convidadas: 9ºB, CEF B) 11:30 – 13:30

Concurso de Soletração

(turmas convidadas: 9º A, 8ºA, 10º)

GABINETE DE APOIO E INFORMAÇÃO AO ALUNO (GIA) O GIA tem por objectivo disponibilizar um espaço que permite ao aluno partilhar assuntos que o preocupam (relações afectivas, conflitos com pais e professores, questões relacionadas com a sexualidade, drogas, etc). É garantida ao aluno a confidencialidade dos assuntos tratados. Quando as questões colocadas ultrapassam a competência da equipa do gabinete (professoras e psicóloga), os alunos serão encaminhados para os serviços competentes.

Sala 24 (Biblioteca): 14:45 – 16:15 (turmas convidadas: 8ºB, CEF A, 11º) * A Comunidade Aliança de Misericórdia (CAM) foi fundada em 2000 em S. Paulo, Brasil. Conta actualmente com mais

de

1000

colaboradores

(permanentes e voluntários) envolvidos em dezenas de acções de promoção da saúde, apoio a crianças e famílias carenciadas, acolhimento de jovens em risco, produção de conteúdos multimédia, espectáculos musicais e programas de Rádio e TV. Está presente em países como o Brasil, Itália, Bélgica e Polónia, contando com apoio para os seus projectos de empresas como a Pegeut, Holiday In, Dior, entre outras. Em Portugal, e a convite do Patriarcado de Lisboa, está presente desde 2007 e vem desenvolvendo iniciativas

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: O Gabinete de Apoio ao Aluno encontrar-se-á aberto às terças-feiras das 14 horas às 17 horas e 10 minutos e às quartas-feiras das 8 horas e 30 minutos às 11 horas e 50 minutos. LOCAL: Bloco D, 1º andar, gabinete anexo à sala 29. O aluno também pode colocar as suas dúvidas, questões ou obter mais informações através: E-mail: gia@eps-golega.rcts.pt; Página da Escola:www.eps-golega.rcts.pt Moodle da Escola: gap-m.ccems.pt A Equipa do GI


Página 18

Semana da Leitura

Noticias

Participar… Intervir…

APLICAÇÃO DO ACORDO ORTOGRÁFICO NAS ESCOLAS

Agir… Participar e Intervir… O Grupo de Educação Especial participou com os seus alunos nas atividades realizadas na Semana da Leitura. Foram atividades muito gratificantes: ouvir os colegas da turma a lerem histórias, lerem em pequenos grupos para os pais, ouvirem os familiares ler histórias para a turma, encontro com a escritora Rita Vilela, ouvi-la, fazer-lhe perguntas ou pedir-lhe um autógrafo, visitar a feira do livro realizada na nossa escola e dramatizar uma história com fantoches.

Solicitar um autógrafo

Agir…Com toda a motivação inerente à Semana da Leitura, houve necessidade de trabalhar um dos livros da escritora “ A boca que gritava demais”, assistiu-se a uma história com fantoches, depois recontou-se e imaginaram-se outras histórias engraçadas com as personagens

Leitura na sala de aula

Actividades de leitura e escrita a partir da história “ O Livro Activo”

Leitura na Biblioteca

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa será aplicado no sistema educativo e nas escolas portuguesas, em todas as disciplinas de todos os anos de escolaridade, a partir do início do ano lectivo de 2011/2012, em Setembro de 2011. Os manuais escolares utilizarão progressivamente a nova ortografia, seguindo o ritmo das novas adopções ou quando um manual já adoptado tenha de ser reimpresso durante o seu período de vigência. Assim, os novos manuais a adoptar para 2011/2012 já estarão de acordo com a nova ortografia, que, até 2014, será utilizada em todos os novos manuais adoptados. No Portal da Língua Portuguesa http://www.portaldalinguaportuguesa.org./ -, podem ser encontrados recursos auxiliares para a aplicação do acordo ortográfico. Em particular, neste portal encontram-se disponíveis o Vocabulário Ortográfico do Português e o Conversor Lince, que foram oficialmente adoptados pelo Governo. O texto da Resolução da Assembleia da República n.º 26/91, de 4 de Junho de 1991 e publicado no Diário da República, I Série A, de 23/08/91, contém não só as 21 bases do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, como também a explicação das alterações de estrutura e de conteúdo deste acordo em relação aos anteriores. In http://min-edu.pt (texto com supressões) Alterações consignadas no Acordo Ortográfico: Novas letras O alfabeto da nossa língua passa a ter oficialmente 26 letras, e não apenas 23, como sucedia até agora. Incluemse o <k> (capa), o <w> (duplo vê ou dâblio) e o <y> (ípsilon ou por i grego). Supressão das consoantes mudas <

Uma história bem divertida Encontro com a escritora Rita Vilela

c> > e <p> > (também designadas por consoantes não articuladas)


Página 19

Noticias Estas duas consoantes só deixarão de se escrever quando não são pronunciadas. Em palavras como facto e opção, continuaremos a grafar estas duas letras.

Formas monossilábicas do presente do indicativo do verbo “haver” regidas pela preposição “de”: hei de, hás de, há de, hão de.

cc – transacionar, lecionar cç – ação, seleção, reação ct – ato, atual, teto, projeto pc – percecionar, anticoncecional pç – adoção, conceção, pt – Egito, batismo

O hífen continua, no entanto, a empregar-se em: Palavras compostas por justaposição, estejam ou não ligadas por preposição ou qualquer outro elemento que designem espécies botânicas ou animais: águia-real cobra-capelo, amor-perfeito, feijão-frade, couve-flor, abóbora-menina; Em palavras compostas por justaposição cujos elementos conservam valor autónomo e equivalente e em que não se perdeu a noção de composição: guarda-redes, abre-latas, desporto-rei, marxismo-leninismo, palavra-passe, bebéproveta, homem-rã, navio-escola, café-concerto, lusoamericano, afro-asiático, político-cultural, técnico-científico; Na ênclise (grego égklisis, -eos, inclinação de terreno Gram. 1- Emprego de enclítica (ex.: há-de); 2- Junção enclítica; 3- Colocação do pronome átono depois do verbo (ex.: conjugá-lo) e na tmese (grego tmêsis, -eós, acçãoação de cortar, divisão - Gram. Figura pela qual se divide uma palavra metendo outra ou outras de permeio; a tmese é comum no futuro e no condicional dos verbos portugueses, ex.: empregá-lo-ei por *empregarei-o = MESÓCLISE): levá-lo, queixar-se, prepará-los-ei, dar-lhe-emos, dir-vo-lo-ei; Nas ligações de formas pronominais enclíticas ao advérbio eis (eis-me, ei-lo) e ainda nas combinações de formas pronominais do tipo no-lo, vo-las, quando em próclise (francês proclise - Gram. Emprego ou qualidade de palavra proclítica; Colocação do pronome átono antes do verbo - ex.: não o queria): quanto ao resultado o professor não no-lo-disse; Palavras cujo pseudoprefixo termina em vogal ou consoante igual à vogal ou consoante inicial da base (à excepção de co-, que se aglutina à base iniciada por o: cooperar): anticonstitucional, contra-almirante, micro-ondas, autoobservação, sobre-endividamento, mega-agrupamento, hiperresistente, super-rápido, inter-regional, sub-bibliotecário;

Emprego de maiúsculas e minúsculas Os meses e as estações do ano e os pontos cardeais deverão ser escritos em minúsculas (primavera, Janeiro, norte…); Poder-se-á usar maiúsculas ou minúsculas em títulos de livros, sem que a primeira palavra deixe de ser sempre iniciada por maiúscula (A Insustentável Leveza do Ser ou A insustentável leveza do ser); Também é permitida a dupla grafia em designações de sítios públicos e edifícios (Rua Fernando Pessoa ou rua Fernando Pessoa, Palácio da Ajuda ou palácio da Ajuda), em nomes de disciplinas ou campos do saber (História ou história, Português ou português) Acentuação gráfica No que respeita à acentuação gráfica, suprimem-se alguns acentos gráficos em palavras graves: crêem, lêem, vêem, dêem e derivados passam a creem, leem, veem, deem; pára, pêra, pêlo, pólo passam a para, pera, pelo, polo; As palavras graves acentuadas graficamente no ditongo <oi> abertos passam todas a ser escritas sem acento: estoico, asteroide, joia, heroico, introito; Elimina-se o acento gráfico sobre a vogal tónica grafada <u> precedida de <g> ou <q> e seguida de <e> (verbos adequar, arguir, e averiguar): adequem, argues, averigue; Emprego ou supressão do hífen O hífen elimina-se em: Por separação dos seus elementos, na maior parte das locuções: fim de semana, água de colónia, boca de incêndio, cartão de visita, casa de banho, cor de vinho; Por junção gráfica dos seus elementos ou compostos por justaposição em que se perdeu a noção de composição: mandachuva, bancarrota, girassol, madrepérola; Palavras derivadas por prefixação ou formadas por recomposição (com os chamados pseudoprefixos de origem grega ou latina) cujo prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e a base começa com r ou s, dobrando essa consoante: trissílabo, ultrarrápido, autorrádio, antirrugas, contrarrelógio, ;cosseno, semisselvagem, ultrassons, minissaiaPalavras cujo pseudoprefixo termina em vogal diferente da vogal inicial da base: extraescolar, autoestrada, autoavaliação, antiaéreo, coexistir, plurianual;

Palavras com pseudoprefixo e cuja base comece por <h> (exceptuando casos consagrados pelo uso, como coabitar, anábil, desumano, reabilitar): anti-higiénico, anti-herói, sobrehumano, sub-hepático, co-herdeiro, super-homem; Palavras cujos prefixos tenham acento próprio assinalado graficamente: pré-histórico, pré-aviso, pós-guerra, pósoperatório, pró-israelita, pró-americano; Palavras formadas com os prefixos vice- e ex- (com valor semântico de anterioridade ou cessamento): vice-rei, vicepresidente; Palavras formadas com elementos de valor adverbial, como aquém-, além- ou circum-: além-mar, aquém-fronteiras, circum-navegação; Palavras com prefixos ou pseudoprefixos cujas bases sejam empréstimos externos, siglas ou nomes próprios: antiaphartheid, anti-URSS, anti-facebook. Nota: Em caso de dúvidas, o recomendável é consultar um Vocabulário Ortográfico


Página 20

Notícias Escola B. 2,3/S Mestre Martins Correia da Golegã estabelece intercâmbio com a Escola E. B. 1 de Porto

NOTÍCIAS DO CONSELHO GERAL

Mosquito Decorrente da geminação entre os municípios da Golegã e da Cidade Velha (Cabo Verde), a nossa escola,

- No dia 17 de Dezembro de 2010: Realizou-se uma reunião do Conselho Geral, onde foram aprovados: a) O Projecto Educativo do Agrupamento de 2010/13; b) O Plano Anual de Actividades do Agrupamento para 2010/11;

por intermédio da turma C do 5º ano, vai estabelecer um intercâmbio com a Escola EBI de Porto Mosquito. Esta iniciativa visa promover a inter-relação de saberes de diferentes culturas e o

- No dia 16 de Fevereiro de 2011: Reuniu-se pela primeira vez a Comissão de Trabalho do CG para estudar a problemática da “Violência em Meio Escolar”, onde foram aprovados os inquéritos para recolha de dados sobre o tema, junto da comunidade escolar (alunos, pessoal docente e não docente e encarregados de educação);

conhecimento recíproco das culturas portuguesa e cabo-verdiana, com o intuito de promover solidariedade e relações de amizade entre ambos os povos, bem como a troca de experiências entre escolas, alunos e professo-

- No dia 14 de Março de 2011: O Presidente do Conselho Geral esteve presente na inauguração da Semana da Leitura e da Feira do Livro, organizadas pela Biblioteca Escolar em colaboração com a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia da Golegã, a Associação do Comércio, Indústria e Serviços (ACIS) da região e a Associação de Pais / Encarregados de Educação da Escola do 1º Ciclo da Golegã;

res envolvidos. No âmbito deste projecto, os alunos iniciaram já a recolha de informação sobre o arquipélago de Cabo Verde e o município de Cidade Velha nas vertentes

geográfica,

cultural,

educativa,

ambiental, histórica, gastronómica e a - No dia 16 de Março de 2011: O Presidente do Conselho Geral esteve presente na inauguração dos trabalhos dos alunos sobre a obra do Mestre Martins Correia, nas instalações da Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo, em Lisboa;

localidade da Golegã, nos mesmos domínios. Brevemente irá iniciar-se a troca de correspondência entre os alunos de ambos os municípios.

- Nos dias 19 e 26 de Março de 2011: O Presidente do Conselho Geral visitou o assistente operacional da Escola – Sede,

O 1OºAno/Turma A tem um blog!

Sr. António José Venâncio, nos hospitais de Abrantes e de Torres Novas, respecti-

A ideia nasceu numa aula de Portu-

vamente, na sequência da agressão de que foi vítima na noite de 18 para 19 de

guês e, posteriormente, o aluno João

Março, durante um assalto à escola;

Castelo decidiu “meter mãos à obra” criando

- No dia 30 de Março de 2011:

um

blog

-

https://

sites.google.com/site/especiedeblog

-

Realizou-se uma reunião ordinária do Conselho Geral, onde foi analisada a propos-

cujo objectivo é partilhar e divulgar os

ta de Orçamento do Agrupamento para 2011;

trabalhos desenvolvidos na disciplina

Golegã, 4 de Abril de 2011

de Português ao longo deste ano lecti-

O PRESIDENTE DO CONSELHO GERAL

vo. Serão ainda publicadas no blog

Prof. António D. R. Braz

notícias de interesse geral. A Profª de Português do 10º A Fernanda Silva


Página 21

Notícias SOLIDARIEDADE

Ajudar é bom!!!!

Ser solidário é

A turma do 7ªC decidiu desenvolver,

Ouvir os idosos

durante o segundo período, um Projec-

Ler-lhes um poema e

to de Solidariedade, o qual consistiu

Imaginar as suas vidas

em visitar e animar os idosos da Santa

Aprender e Inovar Com TIC

De solidão

Casa Da Misericórdia.

Amor é o que lhes falta

Assim, visitámos no dia 25 de Janeiro o

Rir é o que precisam

C.A.T.E.I. , no dia 1 de Fevereiro a

Isolados não podem estar

Santa Casa e no dia 8 de Fevereiro o

E

Centro de Férias .

Dar o nosso contributo para

As actividades que aí realizámos foram

Acabar com a solidão

cantar e tocar viola, com o intuito de

Da humanidade

animar e divertir os idosos. Também

A nossa Escola foi recentemente sele-

E ajudá-la a viver com dignidade

cantámos os parabéns e dialogámos

cionada para integrar um grupo de 100

com eles.

escolas, que participam na iniciativa

Consideramos que foi bastante positi-

“Aprender e Inovar com TIC”.

Ser amigo é

vo, porque os idosos participaram can-

Ajudar os outros nos Maus e bons momentos Iluminar a sua vida Garantir-lhes protecção Olhar mos por eles sempre e em todo o lado ÁREA DE PROJECTO – 7º C RUTE MIMOSO - JOANA LORENÇO

tando e aplaudindo, com muito entu-

Esta iniciativa tem como finalidade a

siasmo e com muita alegria.

promoção da utilização educativa das

Houve mesmo, no centro de férias, um

TIC, com vista à melhoria das aprendi-

idoso que elogiou a nossa atitude e nos

zagens dos alunos, através da rentabi-

convidou a estar presentes no seu dia

lização dos equipamentos disponíveis

do seu aniversário -2 de Abril-. Por ser

nas escolas.

sábado e não termos aulas, prometemos que estaríamos lá na terça-feira

A seleção das escolas foi feita tendo

seguinte, dia 5, durante a aula de Área-

em vista apoiar projectos inovadores

de-Projecto.

que promovam a utilização educativa

Como estamos na época da Páscoa

das TIC e privilegiem o seu uso no 1.º

resolvemos oferecer pequenos embru-

Ciclo do Ensino Básico, a utilização de

lhinhos contendo ovinhos de chocolate,

plataformas de gestão da aprendiza-

adquiridos com o dinheiro da venda de

gem pela comunidade educativa e a

crepes.

produção e partilha de recursos educaTurma do 7ºC

tivos

Página

do

concurso:

http://

erte.dgidc.min-edu.pt/comtic Ajudar é importante Mimar também, tenta Imaginar o mundo de outra forma e Zás, os teus problemas desaparecem A tua vida e o teu sorriso rejuvenescem, essa Dor transforma-se em amor Esquece os problemas e aprende a dar valor.


Página 22

J. I. do Pombalinho Vamos aprender a reciclar Depois da visita de estudo que fizemos

A “papa de papel” fica mesmo macia, até

Eis o resultado, bonitas folhas à espera

apetece brincar com ela.

da nossa Imaginação e criatividade.

Depois com ajuda de uma moldura com

Façam como nós, aprendam a reciclar por um mundo melhor. Os meninos e as meninas do Jardimde-infância de Pombalinho

à Quinta do Arrife cujo tema foi a “Arte do Ambiente”, ficámos interessados e começamos a trabalhar sobre a importância da preservação do meio ambiente. Chegados à Primavera, temos falado da importância das árvores para a vida no planeta e concluímos que gastamos muito papel. Assim, decidimos aprender a reciclar papel velho. Querem a receita?

arame moldamos a folha de papel e deiPrimeiro rasgamos papel usado, jornais

xamos escorrer um pouco.

ou revistas para um alguidar grande.

Desfile de Carnaval

De seguida, pomos água e deixamos que

Retiramos a moldura e colocamos a folha

o papel amoleça.

sobre um pano.

Com a ajuda de uma varinha mágica,

O desfile de Carnaval realizado no passado dia 4 integra-se nas actividades previstas no PAA e no Projecto Viagem no Tempo que tem vindo a ser desenvolvido na EB1 e, pontualmente, no JI de Golegã. Este projecto tem como objectivo, entre outros, estimular nos alunos o gosto e o interesse pelo estudo da História de Portugal. As actividades que se têm vindo a desenvolver, algumas com carácter lúdico, têm permitido cumprir o currículo e trabalhar em interdisciplinaridade articulando e relacionando as diversas áreas disciplinares e não disciplinares. O desfile de Carnaval surgiu assim como uma consequência do trabalho que se tem vindo a desenvolver, e não como um objectivo em si. Houve a preocupação que todos soubessem e sentissem que não houve bons nem maus, que na história todos tiveram o seu papel e que cada criança percebesse que personagem “encarnava” . Este trabalho vai ter continuidade até ao final do ano lectivo, tendo como ponto alto os Dias da Cultura. Penso ser de inteira justiça dei-

Agora, é só esperar que fiquem secas.

trituramos o papel.

xar aqui uma palavra de apreço aos pais e encarregados de educação pela forma como “abraçaram” este desafio. Sem a colaboração deles não teria sido possível concretizar o que tínhamos idealizado e o nosso desfile não teria, certamente, sido o mesmo. Devo registar também a colaboração da Câmara Municipal e da Associação Cultural Cantar Nosso cujo apoio agradecemos. Teresa Cruz


Página 23

Poesia

Sala Amarela - J. I. da Golegã

A Paixão A paixão ardente, O amor entre nós, O amor é quente E até cola a voz.

A Feira do Livro no nosso Agrupamento começou assim…..

Sessão de abertura com o nosso J.I. e os alunos da Oficina de música a cantarem o Hino da “Biblioteca EscoA Paixão Não é no espaço, Não é na nossa mão, Mas sim no coração.

lar” :

Cavaleiro do amor, Corre sem parar O seu esplendor, No amor a remar.

Visitámos a Feira, tinha livros muito interessantes. E…sobre os livros…

Amor na Escola, Parece que é cola. Amar até ao fim, A resposta é sim!

sabem o que as crianças da nossa sala pensam sobre os mesmos? Ora vejam:

Rodrigo Ferreira 7ºA



Os livros têm imagens;



E têm folhas;



E uma capa;



Contam-nos histórias;



Ensinam-nos o A B C;



EoAEIOU;



E os números também;



Ensinam-nos a fazer comida, bolos e doces;

“O melhor de mim” Qualidades e Defeitos

Sou caridosa mas um pouco teimosa Gosto de ajudar mas às vezes de embirrar Sou curiosa e algo amistosa Sei ouvir e às vezes intervir Sou simpática e algo carismática Às vezes sou bruta não consigo evitar Peço desculpa e não volto a tentar Sou algo corajosa mas por vezes medrosa Tenho defeitos e qualidades mas estas são as verdades Ana Mogas - 6ºA



Ensinam-nos coisas sobre a vida das pessoas e também dos animais;



É bom ouvir histórias lá em casa, antes de dormirmos…-



Também é bom ouvir uma canção quando vamos dormir!

Esta semana o livro e a leitura foram as principais personagens na nossa escola… Tarefa da semana no atelier de escrita para alunos e pais: Um livro é um companheiro que faz parte da minha vida. Um livro é um amigo mágico e maravilhoso. Se encontrarmos o livro certo e imaginarmos a situação podemos viver aventuras fantásticas. Se estimarmos os livros podemos aprender a viver melhor. Um livro faz - nos sonhar e aprender muito. Alguns Pais/ Encarregados de Educação deram a sua opinião. Para mim ler é… Um alimento para a alma. Através da leitura faço viagens aos meus sonhos e desejos. Muito importante, cria-se um bom hábito e também ajuda a pessoa a desinibirse. É construir um património para a vida que nunca iremos perder. Turma dos Patitos/ 3º e 4º ano


Página 24

Olá! Somos os meninos da Sala Verde do Jardim-de-infância de Golegã. Este ano, o nosso cortejo de Carnaval teve como tema: “Uma Viagem no Tempo”. Nós gostámos muito desta ideia e vestimo-nos a rigor.

No dia 28 de Março, a nossa turma foi ao Centro de Férias para Idosos levar um pou-

Fomos todos príncipes e princesas, até

co do nosso carinho. Levámos a representação da peça de teatro “Venda da Galega”

a nossa Educadora Tina e a Zélita, que

em que contámos as supostas origens da nossa terra, a Golegã.

é a nossa Assistente de Acção Educati-

Conta esta história que desde os primórdios da nacionalidade, a Golegã foi lugar de

va.

passagem, existindo aqui uma estalagem com serviço de muda de cavalos, perten-

Os nossos Pais gostaram muito e

cente a uma mulher da Galiza. A estalagem, apelidada de Venda da Galega, terá

alguns também foram vestidos como

dado o nome à Golegã.

nós.

Os idosos receberam-nos com a amabilidade que os caracteriza, tendo para nós uma

Na Praça do Café Central dançámos

surpresa: bolinho e sumo. Gostámos bastante desta actividade em que demos e

ao estilo da Época Medieval, o que

recebemos um pouco de alegria.

maravilhou todos os que assistiram ao nosso espectáculo. Prometemos realizar mais actividades na nossa querida Golegã, com cor, alegria e muito divertimento. Estamos todos de Parabéns!

O Grupo da Sala Verde Jardim de Infância de Golegã

Turma dos Papagaios de Papel, 3.º Ano - Professora Ana Gama

Jornal Encontro Abril 2011  

Jornal Encontro Abril 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you