Page 1

Caruaru, 1º de agosto de 2012

Ano 3

Edição 35

Encontro nacional de comunicadores em Aparecida

CRAS com atuação no Bairro Centenário Pag.05

Pastoral Familiar em favor da evangelização Pag.04


02 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

EDITORIAL

Frei William

PASCOM:

Três anos comunicando Ao longo destes três anos temos desenvolvido um trabalho de informação da paróquia do Coração Eucarístico, sem perder de vista os acontecimentos da nossa Diocese e até mesmo de outras partes do Brasil e do mundo. Tudo isto enfocando, principalmente, as notícias no âmbito da igreja católica. Procuramos levar aos nossos paroquianos as mais diversas notícias sobre os acontecimentos festivos, ações dos diversos grupos, movimentos, pastorais e entrevistas com autoridades eclesiásticas da nossa igreja e mesmo assuntos outros de interesse de toda comunidade. É uma tarefa, até certo ponto difícil, conciliarmos as nossas notícias, as notícias da diocese e de outros setores da Igreja, pois isto nos obrigou a ampliar o jornal levando a editar, mensalmente, um total de vinte páginas. A consequência mais direta desta importante decisão foi, sem dúvidas, os custos com a editoração. Os trabalhos jornalísticos não se prenderam apenas aos textos e entrevistas, fizemos uma cobertura fotográfica para todas as reportagens publicadas, certamente, procurando aplicar a melhor qualidade de imagem com os recursos disponíveis. Em paralelo a tudo isto, ainda publicamos as edições do jornal em nosso site, agora reformulado e com um novo layout, que permite a leitura do nosso informativo em todo o Brasil e em outras partes do mundo. www.pcoracaoeucaristico.com.br. Certamente que tudo isto não teria sido possível sem a colaboração dos fiéis engajados nos mais diversos setores de atividades da paróquia do Coração Eucarístico e de seus dirigentes. Esperamos que outras pessoas sigam esse exemplo de solidariedade. Mesmo com as dificuldades que se apresentam para a consecução da edição jornalística, não esmorecemos, procuramos seguir em frente e, da melhor forma que nos é possível, continuarmos na intenção de sempre oferecer aos nossos leitores, todos os acontecimentos da paróquia, da diocese e de outras partes do Brasil, sempre que forem do interesse comum. Estaremos abertos a sugestões que nos ajudem a melhorar, permanentemente, a qualidade da publicação do nosso informativo mensal. Agradecemos a leitura assídua dos paroquianos do seu Jornal Coração Eucarístico.

PASCOM

Coração Eucarístico

OPINIÃO

Jesus tem Palavras de vida eterna Depois da multiplicação dos pães, o povo começou a seguir Jesus porque via nele a possibilidade de encontrar alimento e curas com facilidade. Além do mais, Jesus falava para o coração e falava com autoridade. Muitos se dispuseram a entrar no caminho de Jesus e se tornaram discípulos e discípulas. Mas, tudo isso entrou em crise quando Jesus começou a dizer que estava oferecendo sua carne como comida e seu sangue como bebida. Quando ouviram isso, muitos discípulos abandonaram Jesus. Seguiam Jesus com os olhos do corpo, interessados naquilo que Jesus podia oferecer materialmente, mas o recusavam como Mestre, com alguém, cujas palavras são espírito e vida. Jesus veio ao mundo para fazer a vontade do Pai e, mesmo diante da crise de fé de alguns discípulos, mesmo vendo que muitos deixavam de segui-lo, Ele permanece firme e desafia seus Apóstolos: “vocês também querem ir embora?” Não se impressiona com a falta de fé, não se impressiona com o escândalo que seu ensinamento promove no meio do grupo. Nem mesmo suaviza seu ensinamento aos Apóstolos e aos discípulos que ficaram; ao contrário, confirma que ele é o Pão vivo descido do céu e que sua carne e seu sangue são realmente comida e bebida. Se isso escandalizava, dizia Jesus, o que dizer do grande escândalo da Cruz, o caminho necessário para ele subir até o Pai? Diferentemente de nós, que a todo momento medimos nossas audiência para avaliar se estamos ou não agradando, Jesus mede a presença dos discípulos pela fidelidade ao que ensina. Aqueles que ficaram, muito possivelmente, não entenderam muita coisa, mas creram e por isso continuaram com Jesus. Todo discípulo e discípula é chamado à fidelidade diante dos ensinamentos de Jesus. Hoje, membros de nossas famílias e conhecidos abandonaram nossa Igreja para entrar em outra Igreja ou, simplesmente, abandonaram a religião. Muitos deles voltam contando vantagens, falando maravilhas e, não poucos vezes, outros são tentados a abandonar a fé e a religião. Não estou dizendo que sejam ruins, mas sirvo-me do exemplo para demonstrar como muitas pessoas se deixam levar por alguma propaganda ou pela conversa de alguém. Pedro (Jo 6,60-69) toma a palavra e garante que ficará com Jesus, porque só ele tem Palavras de

Editor: Charles Cavalcanti Reportagem: Helmir Soares, Paula Duarte Edição Digital: Lyone Bione Redação: João Coutinho Revisão: Paula Duarte /DRT4578PE Diagramação: Socorro Polycarpo

vida eterna. É bem diferente daqueles que perderam a fidelidade à Igreja, na qual foram batizados, ou daqueles que deixaram tudo para seguir outros mestres, que falam diferente, que falam bonito, que cantam e empolgam com belas palavras. Tudo isso conduz muitos à infidelidade religiosa e ao próprio Jesus. Algumas encontram motivos para deixar a Igreja, dizendo que ficaram decepcionadas, que não foram bem acolhidos... É a mesma coisa: valorizam mais o sentimento que o seguimento de Jesus. Neste mês agosto, lembramos dos pais e parabenizando-os e incentivando-os a alimentarem-se a si mesmos e suas famílias com o pão da vida, com um pão que produz vida. Quando o cansaço aparecer, não fujam, mas busquem alento e forças no Senhor. Quando as inevitáveis discussões surgirem, não permita que continue em forma de raiva ou vingança, mas busquem a força do perdão. Quando propostas estranhas surgirem, iluminem-se na oração e no Evangelho, para que o discernimento seja sereno e acertado. De modo carinhoso, celebramos também neste mês de agosto o “Dia Nacional do Catequista”. A Igreja entende como resposta a um chamado de Deus quem se dedica a trabalhar gratuitamente pelo bem da comunidade. É um assunto muito ligado ao tema da fidelidade a Jesus Cristo. Todos sabem que não remuneramos quem se dedica a trabalhos comunitários nas pastorais, como por exemplo, na catequese, e em outras atividades da Igreja. Muitos ministros levam a comunhão aos doentes porque se sentem chamados por Deus a fazer isso. Catequistas dedicam horas e horas de seu tempo para transmitir a fé, para formar novos discípulos, testemunhando assim o Evangelho de modo vivo. Apesar da gratuidade, do chamado vocacional, continuamos humanos e sujeitos a desentendimentos. Em crises de trabalho comunitário, alguns deixam tudo porque se sentiram incompreendidos (muitos, de fato foram incompreendidos). Outros, mesmo sofrendo, colocam acima do sentimento a fidelidade do discípulo, a fidelidade a Jesus e ao Evangelho. A crise que aconteceu na comunidade dos discípulos de Jesus sirva-nos de exemplo, para que possamos ter a mesma atitude de Pedro: nós ficamos porque somente Jesus tem Palavras de vida eterna. Amém!

Endereço Jornal: Paróquia do Coração Eucarístico Praça Dom Vital, nº 289 - Divinópolis Caruaru/PE - Fone: 81 3721-3731 www.pcoracaoeucaristico.com.br e-mail: paroquia.jornal@gmail.com twitter.com/paroquiajornal jornalcaraçãoeucaristico Tiragem: 3.000 exemplares (distribuição gratuita)


Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 03

ATUALIDADE

Ir. Maristela Nalon

VIDA EM PLENITUDE A vida nos é dada para ser plena. Só vive plenamente quem ama e é amado. Para amar aos outros é preciso amar primeiro a si mesmo. (Mt 22, 39) o amor a si mesmo , na ótica de Jesus, longe de estar em torno de si e de ser atitude egoísta, é dedicar a si mesmo carinho, atenção e cuidado. Normalmente vamos em busca de consulta médica e remédios ao menor sintoma diferente ou dor que sentimos. E corremos o risco de ficar dependentes da medicina, por não darmos a devida atenção a nós mesmos. Dificilmente encontramos um clinico que durante a consulta, investigue profundamente a raiz do que o paciente sente. Limita-se a prescrever medicamentos. Assim que a pessoa vai entrando na sala de consulta, o médico já está com a receita carimbada, datada e assinada. Prestar atenção nos que sentimos e buscar as raízes é fundamental. Muitas vezes os sintomas de doenças e dores tem sua origem no cansaço das ocupações diárias; do muito trabalho e compromissos, das exigências das tarefas assumidas. É preciso dar conta, cumprir com perfeição o que assumimos; e isso gera cobranças implacáveis que nos são feitas por nós mesmos e pelos outros. Será que suas enxaquecas, dores musculares, hipertensão, diabetes, (só para dar alguns exemplos), não tem origem no corre diário, na falta de dedicar tempo a si mesmo; de levar a vida mais leve? A gente se mata, normalmente para satisfazer a vontade dos outros; e o que levamos da vida? Quais as marcas que deixo para as futuras gerações? Será que meus filhos e netos podem dizer: “Ele/a tinha tempo para mim, conversava comigo, era carinhosa/o; sabia ‘perder’ tempo com as pessoas e com coisas ‘menos importantes’ da vida? Nessas atitudes é que se revela o verdadeiro amor por nós mesmos para poder amar aos outros. Às vezes, aquilo que parece ‘superficial’ na nossa vida, como o lazer e o descanso, dedicar tempo para si mesmo; cuidar da saúde com alimentação saudável, exercícios, ingerir muita água, saber ouvir e respeitar a vida das pessoas, suas escolhas e decisões e até seus erros.... é isso mesmo que proporciona bem-estar e estado de espírito saudável. “Menta sã num corpo são” já dizia o filósofo grego, há muitos anos antes de Cristo. Como está o meu coração? É uma pergunta de precisamos fazer constantemente a nós mesmos, se quisermos realmente “amar o próximo como a nós mesmos” (e consequentemente ser amados pelo próximo....)

Helena Moura

“NÃO PERCA DE VISTA SEU PONTO DE PARTIDA!” Quem nos presenteou com tão sábio conselho? Quem, de forma tão concisa, nos alertou sobre o perigo da vaidade, que é mestra na arte de esconder, omitir, camuflar, exibir o que é falso, superficial, inconsistente! Não perder de vista o ponto de partida nos reporta às origens, sem constrangimento. Permiti-nos avaliarmos nossa trajetória, humildemente, mas nunca envergonhados do nosso começo. Sugere publicamente reconhecermos, por exemplo, o valor daquele pai, simples pedreiro, ou qual seja sua profissão que à custa de muitos esforços nos conduziu até onde estamos; sugere cultivar, carinhosamente, a lembrança da modesta morada onde passamos nossa infância; dos amigos com quem compartilhávamos nossa vida; sugere reconhecermos que, tanto quanto os mestres da faculdade onde estudamos, aquela professorinha e aquela catequista têm o mesmo valor, pois estiveram conosco no nosso ponto de partida, ajudando-nos, como nossa mãe, a darmos os primeiros passos sem os quais jamais conseguiríamos prosseguir. O ponto de partida é tão importante que sem ele nenhum atleta ultrapassará gloriosamente a faixa de chegada. É por isso que Santa Clara de Assis nos convida a não perdê-lo de vista. Tê-lo sempre em mente nos permite estabelecer uma comparação entre o ontem – que geralmente foi cheio de sacrifícios e renúncias – e o agora; nos ajuda a planejar o amanhã com firmeza, coragem e prudência; aproxima-nos de Deus, Princípio e Fim, Pai Criador, Salvador e Santificador. O ponto de partida indica o quanto temos para caminhar. Ninguém vê a reta final, mas tem consciência da extensão da caminhada. Jesus nos diz: “Quem põe a mão no

arado e olha para trás, não serve para o Reino de Deus”. (Lc 9, 62). O ponto de partida é o começo, sempre pequeno, porém nobre! É o nascimento biológico, é a primeira vez em tudo: por exemplo, na escola, simples alfabetizandos, cheios de dúvidas e dificuldades. Se nos voltarmos para aquela fase de nossa vida, compreenderemos melhor os que passam por esse estágio, seja na aprendizagem ou em qualquer outra situação, lembrados de que se hoje somos experientes, ontem de nada sabíamos. O Batismo é o ponto de partida do cristão. Com ele abrem-se os caminhos da vida cristã que deve ser percorrido na presença de Cristo. Como discípulos do Mestre, não percamos de vista esse marco fundamental que nos permitiu a adoção como filhos de Deus. Que trilha seguir? De que forma: lado a lado, passo a passo ou aos pulos, ignorando trajetos tortuosos, porém importantes no caminhar? Superando obstáculos ou pisoteando os outros para chegar primeiro? Se esqueço dos demais, achando que posso ir sozinho, já perdi de vista meu ponto de partida, que não é exclusivo. Quando parti, muitos partiram comigo. Que pena tantos ainda acreditarem, na ostentação, na aparência, no engrandecimento ilusório, provindo do relacionamento com pessoas rotuladas de “importantes” e “poderosas”, esquecidas de que seu ponto de partida, que é o essencial, iguala-se aos demais. Que Santa Clara de Assis (festejada no dia 11 de agosto) interceda por nós, para que nossa mente e nosso coração se abram cada vez mais à conscientização de que o ponto de partida de cada um é Deus, de onde viemos e para onde voltaremos.


04 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

PASTORAL

Pastoral Famíliar, uma atuação em favor da evangelização A Fotos Chales Cavalcanti

Pastoral Familiar atua na Paróquia Coração Eucarístico com um grupo de 30 agentes de pastorais, em sua maioria casais, com a participação de viúvas, solteiras e outras pessoas. Se interessa por toda e qualquer realidade familiar e da Igreja. É uma pastoral ampla, abrangente que age unida a outras pastorais. Tem portanto, uma atuação própria. É muito mais abrangente que movimentos familiares e os serviços à família. Contém tudo isso, mas é mais ampla. O objetivo central é a evangelização da família. A pastoral da família é uma ação organizada e planejada, que se realiza na igreja, por meio de agentes que atuam no grupo, capazes de oferecer os instrumentos necessários para a formação das famílias. Oferece orientações para a vivência familiar e leva a todos a importância do Sacramento do Matrimônio. Propõe a difusão da vida e do amor, como valores importantes da dignidade humana. Destina-se às famílias que já estão bem estruturadas, mas também as desestruturadas, para as quais a atuação da Pastoral é de sua necessidade. A Coordenadora da Pastoral Familiar da Paróquia Coração Eucarístico, Robervânia, enfatizou: ‘‘Atuamos na Pastoral Familiar realizando trabalhos de visitas às famílias procurando saber como estão estas famílias, percebendo também o envolvimento das famílias na Igreja. Buscamos saber se as crianças e adolescentes já receberam os sacramentos e incentivando o sacramento do matrimônio. Realizamos algumas atividades, entre elas, destacam-se o sopão que é distribuído às sextasfeiras, no bairro Centenário; Casamentos comunitários; Natal das famílias, entre outras mais atividades. Nossas reuniões acontecem uma vez por mês. Visitamos as famílias, todas às quartas-feiras. Atuamos em todas as comunidades de área de abrangência da paróquia’’.

Grupo da Pastoral Familiar da Paróquia

Para Célia Rejane, integrante da Pastoral Familiar, ‘‘O nosso maior objetivo é a evangelização das famílias. Atingir as famílias em suas necessidades e levá-las a viverem a cada dia os valores cristãos no cotidiano’’. A pastoral familiar age, basicamente, em alguns campos de atuação e compreende as fases da preparação para o Sacramento do Matrimônio, atividades que buscam atender as famílias nas comunidades, desenvolve ser viços de evangelização para casais, visitas as famílias, aconselhamento, temas relativos à defesa da vida. A equipe da Pastoral Familiar Paroquial está organizada também para auxiliar as Pastorais, Grupos e Movimentos que atuam diretamente com a família. A Pastoral Familiar é a ação que se realiza na Igreja e com participação de vários agentes de pastorais.

A Pastoral Familiar busca:

Robervânia, Coordenadora e seu esposo Almir

Célia Rejane, integrante da Pastoral Familiar

Rua Walfrido Nunes, 303 - Maurício de Nassau - Caruaru - PE PABX: 81 2103-3333 Fone: 81 3723-4444 Filial: IOC DIFUSORA. Emp. Difusora 7º andar - Sala 222 81 2103-9751www.ioccaruaru@uol.com.br

Evangelizar a família, sobre a família. Oferecer instrumentos necessários para a formação e promoção da família. Fornecer orientações para a vivência familiar. Levar a "Boa Nova" do Sacramento do Matrimônio, a todos os integrantes de uma família. Transformar a sociedade pela obra de evangelização humana e cristã. A Pastoral Familiar tem como objetivo trabalhar a Prevenção da Estrutura Familiar. Realiza um trabalho integrado com as outras Pastorais, grupos e movimentos da Igreja.


PASTORAL

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 05

O CRAS

Centro de Referência da Assistência Social

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social é um organismo do Ministério de Ação Social. Sempre está presente em áreas vulneráveis, ou seja, atua em famílias e pessoas que perderam os seus vínculos familiares ou que estão em extrema pobreza. O objetivo do CRAS é atender essas famílias e oferecer todo um acompanhamento e fazer com que pessoa integrada nos movimentos, cursos e atividades do CRAS, tenha melhor qualidade de vida. As famílias cadastradas recebem atendimento de uma equipe multidisciplinar, formada por assistentes sociais, psicólogos, agentes comunitários e arte-educadores. De acordo com Sônia Alten, Coordenadora do CRAS Centenário, a unidade do bairro Centenário conta com uma equipe formada por psicólogos, assistentes sociais, agentes social, cadastradores do Bolsa Família. É importante destacar que são oferecidos cursos, às famílias beneficiárias do Bolsa Família, através do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). O objetivo principal desse programa é expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) para a população brasileira. Para tanto, prevê uma série de subprogramas, projetos e ações de assistência técnica e financeira. Então, são oferecidos cursos de cabeleireiro, computação, corte e costura, administrador predial, gesseiro, padeiro, pedreiro e outros inúmeros cursos, com o intuído dos beneficiários conseguir melhores empregos e assim melhorar sua qualidade de vida. Esses cursos são oferecidos através da unidade do CRAS, onde as pessoas realizam a inscrição e recebem a formação nas unidades do Senac, Senai ou no Instituto de

Pernambuco. Os inscritos também recebem uma ajuda de custo no valor de oitenta reais para as despesas referente a transporte para a realização dos cursos. As famílias acompanhadas são cadastradas a partir da visita dos agentes do CRAS ou pela procura da própria família. Os agentes do CRAS a partir uma ficha de atendimento, acompanha as famílias e se é identificar na família algum caso mais grave é desenvolvido um plano de acompanhamento específico para a necessidade identificada, para assim acompanhar a evolução e crescimento na família acompanhada. “Eu posso, até citar um caso de uma família, sem citar nomes, na qual a mãe havia sido presa por tráfico de drogas e deixou a família com 11 crianças. A mais velha tinha 17 anos, então, nós ficamos acompanhando essa família. A seguir, conseguimos advogado, recorremos no Ministério público e essa pessoa saiu da unidade prisional. Enquanto, a mãe estava ausente da família, todos os dias, representantes do CRAS visitavam e davam assistência à família que a filha mais velha ficou cuidando. O assistente social, diariamente, acompanhava para saber se até as crianças haviam tomado banho, se tinham realizado as refeições. Semanalmente, essa família recebia cesta básica até a mãe ter novamente a liberdade. Ao sair da unidade prisional, essa mãe foi integrada no curso de crochê, tricô e pintura de pano de prato e agora está levando uma vida normal e ressalta que não quer saber de tráfico. Nessa família, percebemos que melhorou a situação de higiene’’, explicou, Sônia Alten. O CRAS está situado em área de maior incidência de vulnerabilidade social. Uma pessoa vulnerável é desprovida do necessário, de recursos essenciais para a manutenção da vida. Na área de atuação, percebe-se usuários envolvidos com drogas que perderam a autoestima diante da vida e estão em situação vulnerável em todos os aspectos. “Nós trabalhamos em rede com a participação de diversos setores da sociedade. São parceiros que contribuem com a realização de nossa missão. Em nossa área, nós temos, por exemplo, os PSF (Posto de saúde da família), as escolas, as igrejas evangélicas, associações, a Igreja Católica. Nesse sentido, menciono Frei William, um assistente social, e os frades capuchinhos, que atualmente, desenvolvem boa parceria cedendo a capela do centenário para o ensaio da banda da Polícia Militar. Com isso,

Nesse sentido, menciono Frei William, um assistente social, e os frades capuchinhos então, já são 60 crianças que estão envolvidas em atividades de inclusão social. Estão aprendendo, realizando novas descobertas, através da música. Então a Paróquia do Coração Eucarístico tem acolhido os pobres de uma forma diferente e contribuindo com o bem social. Ás vezes, um vizinho ou parente indicam os serviços oferecidos em nossa unidade. Nossa área de abrangência enfrenta muitos problemas, o tráfico de drogas é um dos maiores problemas enfrentados. Uma realidade que precisa de atenção para que a “maldição' do Crack” não se alastre em outras famílias. Muitos dos casos acompanhados sofre a influência da droga. São famílias que possuem seus chefes, envolvidos nessa situação, e, às vezes, deixam crianças e membros das famílias sem a assistência necessária para o pleno desenvolvimento social’’, finalizou Sônia Alten.

O CRAS do Bairro Centenário está localizado à Rua Maria Emília, 460, Bairro Centenário, em Caruaru, com área de abrangência compreendo o Bairro Centenário, São Francisco, Divinópolis e Nossa Senhora das Dores.O telefone para contato é (81) 3721-1611.


Foto arquivo da PRONEB

J.L. OLIVEIRA GALERIA - ME

ComĂŠrcio varejista de Quadros

Zeza

Molduras Imagens Vidros Espelhos

Rua Duque de Caxias, 139 Centro - Caruaru - PE

81 3721-5458


DICOCESE

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012- 07

Diocese de Caruaru celebrou Ordenação Diaconal de dois seminaristas

N

a Solenidade dos Apóstolos, Pedro e Paulo e vivenciando os cinquenta anos de criação do Seminário Nossa Senhora das Dores, a Diocese de Caruaru celebrou na noite da sexta, dia 29 junho, a Ordenação Diaconal de dois seminaristas, Emanuel Rodrigues e Augusto Fagnê, na Capela recém inaugurada do Seminário Interdiocesano Nossa Senhora das Dores. Padres, religiosas, religiosos, familiares e agentes de pastorais marcaram presença. Além, dos bispos Dom José Luiz Gomes de Vasconcelos, ex-reitor do Seminário e Dom Bernardino Marchió que presidiu a celebração eucarística e comemorava aniversário de Ordenação Sacerdotal e Episcopal. Após concluírem os estudos no Seminário Interdiocesano e vivência nas Comunidades e Paróquias nas quais realizaram os estágios pastorais os jovens seminaristas foram ordenados diáconos da Igreja. Ao final da Missa, os diáconos receberam os cumprimentos de toda a assembleia. “Vivenciando a Ordenação Diaconal posso dizer que é um momento singular em minha vida. É a concretização do sonho de Deus para mim. Entrei no Seminário com 18 anos e hoje com 26 anos posso perceber como Deus foi fiel, constante, amoroso e bondoso comigo. É uma data tão alegre que as palavras são insuficientes para expressar a dimensão do amor de Deus em minha vida. Que venha a Ordenação Presbiteral e a missão”, expressou, emocionado, o diácono Augusto Fagnê. Já o diácono, Emanuel Rodrigues, enfatizou: “Esse momento representa não somente para mim, mas para minha família e Igreja a conclusão de uma etapa formativa. Não é um ponto de chegada e sim partida. A partir de hoje, a missão aumenta a responsabilidade também. Além de pedir atenção no ministério recebido. Ser diácono é ser servidor do povo de Deus, nos mais pobres e mais simples. É para isso que estou aqui, para servir a Deus por meio dos mais pobres”.

Fotos Charles Cavalcanti

Emanuel recebendo a Ordenação Diaconal

Fagnê recebendo a Ordenação Diaconal

Dom Bernardino Marchió que celebrava 44 anos de Ordenação Sacerdotal e Episcopal ressaltou: “Celebrar esse momento significa que Deus se faz misericordioso comigo porque sempre me acompanhou nesses 44 anos de padre e 21 anos de bispo. Eu sou uma pessoa simples, nasci na zona rural de minha cidade, na Itália. Vivi numa família muito simples, mas muito católica, que me orientou para a Igreja e para as coisas de Deus. Eu posso afirmar que essa presença de Deus nunca me abandonou ao longo desses anos. Então, eu pude realizar muitas coisas, graças a Deus. Trabalhei na minha diocese, na Itália, trabalhei também 16 anos, em Palmares, enquanto, padre. A seguir, Deus me chamou para ser bispo da Diocese de Pesqueira, onde passei 12 anos e já faz quase 10 anos que estou na Diocese de Caruaru. Sempre acompanhando os trabalhos das comunidades do povo de Deus, sempre ajudado por tantos catequistas, missionários, missionárias, religiosas, religiosos e naturalmente pelos padres que me acompanharam sempre, além é claro do Seminário Nossa Senhora das Dores. Hoje celebrar o ministério da Ordem para dois diáconos, significa maturidade de uma Igreja que continua preparando seus servidores. Tudo isso é motivo de alegria e agradeço ao Senhor por tudo e também agradeço a toda a Diocese de Caruaru que sempre me acompanha”.


08 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

PASTORAL

Fotos Charles Cavalcanti

3º Encontro Nacional da Pascom em Aparecida-SP E

ntre os dias 19 a 22 de julho, aconteceu o 3º Encontro Nacional da Pascom, no Santuário Nacional em Aparecida-SP, com o tema “Identidade e Missão”, reunindo mais de 600 comunicadores católicos de todo o Brasil. Nossa Paróquia do Coração Eucarístico enviou dois comunicadores com o objetivo de aprimorar o trabalho realizado pela Pastoral da Comunicação e aperfeiçoar os conhecimentos e as atividades jornalísticas de evangelização através da comunicação. Na ocasião, houve ainda o lançamento do Hino e da Logo da Pascom Nacional. O evento contou com intensa programação desenvolvida pela coordenação da Pascom Nacional, conferências, mesas-redondas, oficinas, seminários, plenárias com abordagens de temáticas contemporâneas relacionadas às atividades desenvolvidas pelos comunicadores. Entre os assuntos discutidos, destacou-se: Comunicação e informação: Igreja e sociedade; Pascom: identidade e missão; Os sentidos da comunicação; Fundamentação teológica e Pastoral da Comunicação; O que é e como se organiza a Pastoral da Comunicação; Pascom e a pessoa digital: Possibilidades e contradições; Crimes na internet; Rede de informática da Igreja do Brasil; Planejamento e captação de recursos; A Pastoral de Comunicação no rádio; Pascom e Pastorais específicas. A conferência de abertura foi ministrada pelo Professor Jornalista e diretor internacional de Ciências Sociais da Universidade de Navarro, Carlos Alberto Dl Franco, abordando a temática: Comunicação e informação: Igreja e sociedade. Destacou a importância de profissionalismo,

Participantes do Encontro de Comunicação Palestrante Carlos Alberto Dl Franco

qualificação e investimento em formação para os comunicadores e aprimoramento da comunicação institucional da Igreja católica. Em seu discurso, enfatizou: “Há necessidade de investir seriamente em recursos humanos e profissionalismo. Os recursos humanos são as peças chaves de qualquer empresa. O principal fator de diferenciação é a qualificação das pessoas que desenvolvem a atividade. A diferença entre dois jornais, duas revistas, duas televisões, não é o suporte tecnológico, mas, o talento, o profissionalismo e a competência dos seus quadros. Por trás do sucesso dos jornais e revistas de prestígio existem anos e anos de investimentos em formação de pessoas. O tempo, o esforço e dinheiro gasto, em atrair, formar e aperfeiçoar os profissionais são investimentos. É preciso atrair, formar e investir constantemente. Uma boa homilia exige trabalho, cultura, estudo,

Pça Cel. Francisco dos Santos, 18 Centro - Caruaru/PE Fone/Fax: 81 3721.2939 / 9112.6939 E-mail.vaniacabeleireiros@hotmail.com

formação, e comunicação. É preciso investir na formação de bons assessores de comunicação para as dioceses. É necessário ter sacerdotes e leigos capazes de defender a doutrina da Igreja, apoiados nas mais modernas técnicas de comunicação. É imprescindível apoiar e fortalecer os jornais e revistas diocesanos, as emissoras de rádio e televisão católicas, mas é muito importante revigorar o profissionalismo nesses meios. A mensagem católica deve chegar aos destinatários com alta qualidade técnica e alta qualidade ética. Não podemos sucumbir ao amadorismo, precisamos trabalhar mais e melhor e conhecer bem o nosso mercado. Esse imenso mercado, formidável rebanho que nos faz ver como recado constante uma profunda carência de Deus. Uma boa comunicação institucional é aquela que sabe satisfazer os legítimos apelos desse mercado. E, a exemplo do papa, fazer apresentar uma proposta comprometedora, um cristianismo feito por paixão e generosidade.”.

Compromisso com o que faz


PASTORAL

Cacilda Medeiros, integ rante da Coordenação Nacional responsável pela realização do 3º Encontro Nacional da Pascom e excoordenadora de Comunicação do Regional NE 2, demonstrou a satisfação em integrar a Equipe de coordenação nacional e destacou a importância do evento. “Esse encontro é muito valioso. O Encontro nacional da PASCOM que estamos na terceira edição, começou do desejo dos coordenadores diocesanos da pastoral da comunicação durante o sexto Mutirão Brasileiro de Comunicação, realizado em Belém do Pará, onde os coordenadores diocesanos manifestaram o desejo de um encontro nacional, exclusivamente, da PASCOM. Até o ano passado, eu coordenava a PASCOM no Regional NE 2. Durante o 7º encontro brasileiro de Comunicação, a Ir. Élide Fogolari, no Rio de Janeiro-RJ, escolheu um grupo de seis pessoas para planejar e organizar o presente encontro nacional, eu estava entre essas pessoas. A partir de então, nós começamos a nos reunirmos para desenvolver a realização desse evento. Ainda, ano passado, tivemos reunião, em Brasília para planejar e desenvolver a logística do encontro. Iniciaram, então, os trabalhos. É importante ressaltar que todos os integrantes da coordenação nacional são de um estado diferente. A equipe possui integrantes de diversas regiões, entre elas, Nordeste e Sul. Começamos a trabalhar via internet e, enfim, concretizamos esse encontro. É trabalhoso, mas, gratificante ver tudo se concretizar”. A Irmã Helena Corazza, presidente da Signis Brasil, Associação Católica de Comunicação, ressaltou a importância da realização do 3º Encontro Nacional da Pascom. “Esses Encontros são articulações que vêm fortalecendo a Pastoral da Comunicação em nível nacional. Vejo que tem pessoas de todo o Brasil. Sempre com uma temática e articulações próprias, como foi muito bem dito pela Ir. Élide Fogolari, ao longo dos encontros, percebemos um aumento na participação dos comunicadores”. Em relação às dificuldades enfrentadas pelos comunicadores, mencionou: “Identificamos algumas dificuldades da Pastoral da Comunicação nas paróquias, dioceses e regionais, mas é, animador a gente ver 600 pessoas de todo o Brasil reunidas em Aparecida-SP. Isso reflete justamente a questão da identidade e missão da Igreja e da Comunicação na Igreja do Brasil. Os meios de comunicação são ‘meios’ que dão visibilidade. Assim são as tv’s, os jornais como o da sua paróquia. Essa é a nossa discussão, no mundo da

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 09

Cacilda Medeiros, Integrante da Coordenação Nacional do 3º Encontro de Comunicação

Irmã Helena Corazza, Presidente da Signis Brasil

cultura, então as comunidades precisam articular bem a sua comunicação. Hoje, nas comunidades, a liturgia, catequese e outras pastorais precisam trabalhar a comunicação e não somente a Pascom. Todos precisam qualificar a comunicação para podermos estabelecer relações, usando a linguagem de hoje, do mundo atual, de forma de que todos possam entender”. Sobre a importância da articulação católica nas dioceses que não possuem meios de comunicação, Ir. Helena Corazza, ressaltou: “É importante ter meios. A Igreja, no Brasil, tem muitos meios de comunicação, porém, é importante ocupar espaços em meios laicos. Eu já visitei muitas dioceses que não possuem meios próprios, entretanto, há uma presença em meios locais, como rádios, com programas, algumas vezes, por meios de patrocínios. Então, o importante é marcar presença e a Igreja ser notícia. Seja por meio de um programa na televisão, em entrevista, coluna no jornal da cidade ou nos jornal de bairro. É bom ter meios, mas, é importante marcar essa presença na comunicação laical. Às vezes, quando a gente tem, se acomoda nos próprios. Mas, a gente precisa ser fermento na massa, ou seja, nesses meios”. De acordo com a Ir. Helena Corazza, a atuação nas redes sociais é indispensável: “As redes sociais são hoje uma nova forma de relacionamento, comunicação e conteúdo. Quando a gente vê que a internet reúne texto, áudio e imagem, ela acaba sendo uma vitrine das diferentes mídias com outra lógica. Tudo tem que ser mais enxuto e breve, por que as pessoas param muito pouco, têm pouco tempo, mas, é muito importante marcar presença nas redes sociais. A juventude está muito presente, as crianças também e tantas outras pessoas. Hoje, todo mundo está entrando e tendo acesso as redes sociais, por que até parece que existir é estar presente nas redes sociais. Temos que marcar essa presença nos sites, facebook’s, twitter’s. É até espaço para convocar reuniões. Por que não usar a linguagem que as pessoas usam e entendem para atingir os objetivos na evangelização? Também fazer uma evangelização explícita. O Papa nas quatro últimas mensagens no dia Mundial das Comunicações fala sempre das redes sociais. Primeiro, da importância do jovem, depois, da necessidade do padre perceber o quanto é importante para o anúncio da Palavra e, assim seguindo, até por último falando que é importante ser autentico. Nas redes sociais é preciso ser verdadeiro, porque há possibilidade de simulação muito mais que em outros meios”.


10 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

ACONTECEU

Jovens da Paróquia receberam o Sacramento da Crisma Fotos Charles Cavalcanti

N

o domingo, 1º de julho, trinta jovens da Paróquia Coração Eucarístico, receberam o Sacramento da Crisma, confirmação do batismo. Dentro da celebração eucarística, das 9h, foi administrado o sacramento e presidida pelo bispo diocesano, Dom Bernardino Marchió e concelebrada pelo Frei William. Receberam a Crisma, jovens das seguintes comunidades, integrantes da Paróquia Coração Eucarístico, Normandia, Nova Caruaru e Santa Clara. A C a t e q u i s t a E d i l e u s a Po n t e s , Coordenadora de Catequese na Paróquia Coração Eucarístico, não escondia a alegria de acompanhar os jovens para o Sacramento da Crisma: É um momento muito importante na vida desses adolescentes que receberam o Espírito Santo, através do Sacramento da Crisma, que é a confirmação do batismo. Através desse sacramento receberam os dons do Espírito Santo. Eles, por livre e espontânea vontade, optaram pela vivência autêntica da fé e hoje confirmam o compromisso com a Igreja. No dia em que foram batizados, os pais, padrinhos e familiares assumiram o compromisso de alimentar a fé de cada um deles. Entretanto, hoje, eles estão confirmando a atuação na Igreja e prometendo continuar na Comunidade e satisfeitos com a fé. Já a Catequista, Socorro Amorim, mencionou: É dia de alegria, festa e louvor em nossa Igreja porque tantos jovens de nossa Paróquia receberam o sacramento da Crisma. Para nós, catequistas, é muito importante. Após dois anos de preparação e acompanhamento é possível perceber que eles perseveraram na fé. A Catequese é a base da religião e oferece os ensinamentos da fé. Celebrar esse sacramento nas festividades de Paulo e Pedro, eles que receberam os dons do Espírito Santo e contribuíram para a edificação da Igreja, incentiva os jovens a também contribuírem na edificação da Igreja. Os jovens estavam entusiasmados em receber o sacramento que os une a Igreja e à

Keila, Dom Dino e Frei William

Comunidade. Nesse sentido, o Acólico, Lucas, também crismado expressou: “nós que recebemos o sacramento da Confirmação, temos um compromisso maior com Deus. É nosso dever estarmos mais unidos a Igreja. Seguiremos a Deus, mantendo os compromissos assumidos na Comunidade”. A jovem, Aline Silva, concluiu: É uma etapa que concluímos. Logo, assumimos novas responsabilidades na Igreja. Afinal, temos uma aliança com Deus que se concretiza com a nossa participação na Comunidade. É dever de cristão buscar sempre mais estar unido a Deus. Frei William enfatizou: ”Hoje, celebramos o sacramento da Crisma em nossa paróquia, renovando assim o espírito fraterno e cristão, além da participação de tantos jovens em nossa comunidade. É renovação também do Espírito Santo em nossa Igreja. Com isso, manifestamos a alegria da Igreja que está se renovando a cada dia. O bonito da celebração é perceber essa

As catequistas

Crismandos renovando as promessas batismais


ACONTECEU

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 11

Jovens da Paróquia receberam o Sacramento da Crisma presença viva da Igreja que continua e permanece sempre atuante”. Dom Bernardino Marchió ressaltou a importância da decisão de cada jovem na vivência da fé. “Na camisa dos crismados estava escrito: ‘minha decisão’. O sacramento da Crisma é um momento de decisão, de alguém, maduro na fé, que se decide ser da Igreja e fiel a Jesus Cristo e ao Espírito Santo. Portanto, é muito bom para a Paróquia do Coração Eucarístico ter mais crismados, sobretudo, jovens que irão renovar a Igreja e trabalhar nas pastorais. Parabéns, então, aos catequistas, ao Frei William e a toda comunidade que vive com entusiasmo a sua fé.”

Dom Dino e crismandos

Endryo recebendo a unção

Lucas recebendo a unção

Frei William, Dom Dino e as catequistas


12 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

FRANCISCANISMO

Frei Salvio Romero, eremita capuchinho.

Capítulo Geral dos Frades Capuchinhos

Amizade entre São Francisco e a Senhora Jacoba

A partir do dia 19 deste mês de agosto até o dia 22 de setembro, em Roma, a Ordem dos Frades Menores Capuchinhos realizará mais um Capítulo Geral. Frades do mundo inteiro foram convocados para este evento durante o qual avaliaremos a caminhada de nossa Ordem nos últimos tempos para melhor planejarmos a nossa missão na Igreja e no mundo. Durante o capítulo também escolheremos o novo Ministro Geral que será aquele frade que estará à frente da nossa Ordem governando-a como sucessor de São Francisco. Desde os primeiros tempos, São Francisco reunia periodicamente os seus frades, espalhados pelo mundo afora, para um convívio fraterno mais intenso e para tomar decisões em conjunto. Essas reuniões fraternas são tradicionalmente denominadas de “Capítulos”. Os Capítulos podem ser Locais, Provinciais ou Gerais. O Capítulo Local é realizado por frades de um mesmo convento; os Capítulos Provinciais acontecem quando uma província se reúne principalmente para eleger seus superiores e o Capítulo Geral é realizado quando de todas as províncias do mundo são convocados frades para escolher o novo Ministro Geral ou tomar decisões referentes à totalidade da Ordem. Quem participa do Capítulo Geral? Para representar os mais de 10 mil capuchinhos espalhados pelo mundo, são convocados todos os superiores das províncias, viceprovíncias e custódias. Uma província que tem mais de cem membros envia mais um frade para representá-la. Além desses representantes o Ministro Geral ainda nomeia outros frades para o capítulo. Nossa Província será representada pelo nosso Ministro Provincial, Frei Francisco Barreto, e por mim que irei com ele para representar os frades brasileiros que não são clérigos. Contamos com vossas orações e preces.

Nos últimos meses falamos um pouco sobre a amizade de São Francisco para com Santa Clara e para com a eremita Praxedes. Desta vez, queremos tratar brevemente sobre a amizade do seráfico pai com a Senhora Jacoba, nobre viúva romana. Quando visitamos o sepulcro de São Francisco, podemos ver na mesma cripta o lugarzinho onde estão os restos mortais desta santa mulher tão dedicada ao Pobrezinho de Assis. No Tratado dos Milagres, o Frei Tomás de Celano nos oferece algumas informações sobre esta amiga do seráfico pai: “Jacoba de Settesogli, ilustre, seja por sua nobreza, seja por sua santidade, na cidade de Roma, merecera o privilégio de uma afeição toda particular da parte do santo” (3Celano 37,1). Estando gravemente enfermo, e sabendo que iria morrer em breve, o pai Francisco mandou escrever uma carta à Senhora Jacoba “comunicando-lhe que se apressasse, caso desejasse ver aquele a quem tanto amara, o exilado, que estava para retornar à sua pátria” (3Celano 37,3). Antes do mensageiro sair com a carta, chega uma comitiva com a Senhora Jacoba para visitar o santo. Ele se alegrou de tal forma que disse aos frades: “Bendito seja Deus, que nos enviou o nosso irmão, Senhora Jacoba! Abri as portas e introduzi-a, pois o decreto que proíbe a entrada de mulheres não vale para Frei Jacoba” (3Celano 37,8-9). Um detalhe importante é descrito por Celano: “Tudo quanto a carta pedia que fosse trazido para as exéquias do pai esta santa mulher o trouxera. Um pano cinza para cobrir o corpo

moribundo muitas velas, um sudário para cobrir o rosto, um travesseiro para a cabeça, e mesmo algumas iguarias de que o santo gostava. Tudo o que o espírito desse homem desejara Deus havia trazido” (3Celano 38,3). O biógrafo diz que a presença desta nobre senhora “deu mais força ao santo, e havia a esperança de que ele viveria ainda um pouco mais” (3Celano 38,6). Poucos dias depois morre o santo pai. A senhora Jacoba permaneceu até os últimos momentos ao lado do amigo querido. Frei Elias, o Vigário de São Francisco, entregou o corpo do santo para que a distinta senhora pudesse contemplar melhor aquele que se tornara imagem de Cristo aqui na terra. Disse-lhe o Frei Elias: “Eis aqui, toma nos braços, depois de morto, aquele a quem amaste quando vivo” (3Celano 39,1b). E Tomás de Celano afirma que ela, afastando o sudário, viu as cinco chagas de Cristo esculpidas na carne do bem-aventurado pai, e que esta contemplação trouxe-lhe grande consolação. São Boaventura nos conta que São Francisco, em certa ocasião, passando por Roma, deixou um cordeirinho aos cuidados da Senhora Jacoba, e que “o cordeiro, como se tivesse sido instruído pelo santo nas coisas espirituais, ligouse à senhora como companheiro inseparável quando ela ia à igreja, quando lá permanecia e quando retornava” (LM 8,7). Através destes relatos podemos enxergar um santo que não teve medo dos mais nobres sentimentos humanos. Já estando liberto dos apegos egoístas, pôde cultivar nobres amizades que alegraram seu espírito até mesmo nos seus últimos instantes.

Frei Salvio Romero, eremita capuchinho.

SHOWS PIROTÉCNICOS TRADIÇÃO E QUALIDADE EM FOGOS DE ARTIFICIOS Rua da Conceição, 42 – Centro - Caruaru – PE Fones (0xx81) 3721 6035 - 3722 6574

T O R I T A M A

Fone/Fax: (81) 3741-1333 / 3741-3228 / 9937-7678 e-mail: eticaltoritama@msn.com


ARTIGO

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 13

José Ronildo da Silva Comunidade Católica Manain

Queremos ser profetas de Deus! Os profetas foram pessoas que movidas pelo Espírito de Deus anunciaram o Plano de Deus e denunciaram tudo o que afastava os homens e mulheres de seu tempo da comunhão com Deus e com os irmãos. Eles acenderam tochas onde reinavam as trevas do pecado, da injustiça e opressão para que todos percebessem que um mundo novo, um mundo diferente, era possível. Por este motivo, foram perseguidos e muitos chegaram a ser mortos. A Palavra de Deus incomoda e provoca reações, desde conversão até repulsa e perseguição violenta. Jesus Cristo, nosso Senhor, é o Profeta por excelência. Ele vem ao encontro da humanidade para anunciar o Plano de Salvação do Pai e reconduzir homens e mulheres à comunhão. Suas palavras eram luz na escuridão, água viva para os sedentos, fogo que aqueciam. Porém, também incomodaram muitos que sabiam que a conversão mudaria o rumo de todas as coisas. E ele foi rejeitado, perseguido e morto. Mas, para a glória de Deus, ele ressuscitou e seu testemunho profético vive na Igreja e em todos aqueles que ouvem o chamado de ser profetas de Deus e respondem sim. A Igreja é essencialmente uma comunidade profética. Ela deve anunciar com a palavra e com o testemunho o Evangelho de Cristo, pois “ele é força de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Romanos 1,16). Uma Igreja sem profecia é um Igreja morta, incapaz de comunicar a vida. Os cristãos não podem se conformar com este mundo, adequar-se a ele, mas ser sal, luz e fermento do mundo novo que há de vir, anunciado pelo Senhor. Quando os seguidores de Cristo se acomodam e já não anunciam a Boa Notícia da Salvação, as trevas crescem na sociedade, nas famílias e em todos

Jesus Cristo, nosso Senhor, é o Profeta por excelência. os âmbitos da vida humana. Nós precisamos de uma Igreja cada vez mais profética. Uma Igreja corajosa para propor caminhos alternativos num mundo que se deixa levar pelo consumismo, pela busca desenfreada do prazer e por ideias de que o homem pode ser feliz sem Deus. A presença da Igreja lembra a todos: Deus está presente neste mundo, o mal não tem a última palavra e há esperança para a

C J

omercial

únior

Rua Tupy, 435 - Salgado - Caruaru - PE

humanidade. É por isso que quando a Igreja levanta sua voz na sociedade procura-se logo uma maneira de calá-la e sufocar sua palavra. Mas, o Evangelho de Cristo é a Luz da humanidade e não podemos colocar uma luz debaixo da cama, mas no alto para que ilumine a todos (Mateus 5,14-16). A Igreja não pode esconder o Evangelho, nem se deixar intimidar pelos gritos que tentam sufocar sua voz. A Igreja nunca deixará de ser profética. Podemos até ter um tempo de crise ou esfriamento. Porém, o Espírito Santo sempre suscitará profetas. Cada cristão, cada seguidor de Cristo, é chamado a ser profeta. Com a ousadia da palavra, com o testemunho corajoso, podemos fazer a diferença e acender luzes onde as trevas parecem imperar. O cristão que não é profeta é como o sal sem sabor ou uma luz colocada debaixo da cama. Para que serve? Para nada. É um cristão apagado, sem vida. Não faz a diferença. Neste mês vocacional, quando a Igreja fala-nos de chamado, Cristo nos convoca a todos, leigos, religiosos, sacerdotes: “Antes de formar você no ventre de sua mãe, eu o conhecia; antes que você fosse dado à luz, eu o consagrei, para fazer de você profeta das nações” (Jeremias 1,5). Não espere que os líderes na Igreja sejam profetas; seja você um profeta de Deus. Você será perseguido, pois todos aqueles que quiserem viver como seguidores de Cristo verdadeiramente o serão, porém ele estará com você, sustentará seu testemunho. Não pense na suas limitações nem se deixe abater pelas pressões, mas confie na Palavra de Deus: “Não tenha medo deles, pois eu estou com você para protegê-lo” (Jeremias 1,8).

Tudo em Material de Construção: Areia, Brita, Tijolos, Cimento, Ferro Material Elétrico e Hidráulico etc... Fone/Fax: 3722-3258 3725-9427


14- Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

ARTIGO

Prof. Dr. Frei Luiz Vieira, OFMCap.

O Princípio-justiça do Reino de Deus A Justiça do Reino de Deus a partir de Jesus, neste início do terceiro milênio, deve ser analisada com o binômio: injustiça-justiça. Para nós do Cristianismo, a Justiça parte da famosa regra de ouro pronunciada por Jesus no Sermão da Montanha: “Tudo aquilo, portanto, que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles, pois esta é a Lei e os Profetas” (Mt 7, 12). Para nós, essa regra de ouro é revelada por Deus. Esta regra de ouro se encontra em todas as grandes religiões do mundo como o Zoroastrismo, Judaismo, Confucionismo, Islamismo, Budismo e Hinduismo. Na Bíblia, depois da palavra DEUS, uma das palavras que mais aparece é JUSTIÇA. No sermão escatológico, Jesus afirma que tudo o que se fizer ao menor (o mais empobrecido, o mais excluído) é a Ele que se está fazendo (Mt 25, 40). Fazer justiça aos excluídos é uma ação para o próprio Cristo, pois há uma identificação quase ontológica entre o empobrecido e Jesus Cristo. Isso significa que o outro para Jesus é mais do que qualquer ser humano, mas é o empobrecido. Jesus ainda nos diz que se a nossa Justiça não ultrapassar a dos escribas e fariseus não entraremos no Reino dos Céus (Mt 5, 20). Cabe uma palavra profética da Igreja contra todas as injustiças. No mundo, sempre houve um abismo intransponível entre ricos e pobres. Há os novos epulões e lázaros da história, sejam eles pessoas, povos ou países. Quando João Paulo II, abrindo a conferência de Puebla, afirmou que “os pobres estão cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos à custa daqueles”, estava asseverando uma verdade profética que ainda perdura na atualidade. Jon Sobrino ao analisar esse abismo entre os ricos e pobres o faz mostrando que “um bebê nos Estados Unidos da América consome 420 vezes mais recursos em face de um bebê na Etiópia. Estudos mostram que o mundo dedica 2,200 milhões de dólares

por dia para produção da morte. Ou seja: o mundo consagra essa astronômica fortuna para promover caçadas onde o caçador e a presa são da mesma espécie, e onde mais êxito tem quem mais próximos mata. Nove dias de gastos militares bastariam para dar comida, escola e remédio à todas as crianças que não têm”. Essas realidades contraditórias deixam o verdadeiro seguidor de Jesus cheio de uma

...convém relembrar que as maiores e mais antigas de todas as injustiças são a fome e a falta de liberdade, ambas geradas pelas desigualdades sociais... indignação ética. No dizer de nosso autor hispano-salvadorenho, há um “pasmo perante o agravo comparativo” por que aumenta o abismo intransponível e paradoxal entre ricos e pobres. Não nos enganemos perante a realidade atual, com os discursos populistas, pois, há imensas injustiças clamando pela Justiça do Reino de Deus. Quem possui uma consciência crítica e

quem vive o mínimo de fé em Jesus Cristo não pode aceitar facilmente o resultado de determinados estudos feitos mesmo que sejam por institutos de valor irrefutável. Muitas vezes, depende do método utilizado para se obter um determinado resultado. Uma verdade é clarividente para quem possui boa consciência crítica: os ricos continuam cada vez mais ricos. Diante de todo esse “agravo comparativo” convém relembrar que as maiores e mais antigas de todas as injustiças são a fome e a falta de liberdade, ambas geradas pelas desigualdades sociais (grandes injustiças) porque são escassas as experiências e realidades de fraternidade evangélica. Cristo instituiu sua Igrejacomunidade como uma fraternidade para pregar o Evangelho do Reino de Deus. Os três grandes pilares da pós-modernidade provêm da própria revelação bíblica: igualdade, fraternidade e liberdade. Porque esses três valores utópicos foram trazidos na cultura ocidental não muito pelas Igrejas cristãs, isso não quer dizer que não sejam revelados. São realidades profundamente da revelação bíblica: igualdade (que não é igualitarismo) está no projeto ideário da vida cristã (Atos 2, 42-47), viver na unidade e diversidade dos carismas e serviços (1Cor 12, 4ss); fraternidade vivida e proposta pelo próprio Cristo: “vós todos sois irmãos” (Mt 23, 8-12) e a liberdade quando Paulo afirma que “foi para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5, 1). Portanto, podemos aceitar e refletir que toda a Justiça do Reino de Deus, origina-se na moral dos dez mandamentos, a partir dos quais emergem estes valores: igualdade, fraternidade e liberdade para que se tenham os frutos do Espírito Santo: o “amor, a alegria, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio” (Gl 5, 22-23).


Fotos Charles Cavalcanti


16 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

NACIONAL

A PALAVRA NAS COSTITUIÇÕES DA OFS 01. Na Bíblia Sagrada encontramos, desde o Primeiro Testamento, belas, fortes e exigentes exortações a respeito da Palavra de Deus, como luz, alimento e força em nossa caminhada: - Vede: ensinei-vos leis e ordenações, conforme o Senhor, meu Deus, me ordenou, a fim de as praticardes na terra que ides possuir. Observaias, praticai-as, porque isto vos tornará sábios e inteligentes aos olhos dos povos... (Dt 4,5-6b); - Vossa palavra é um facho que ilumina meus passos, uma luz em meu caminho... Vossas palavras são uma verdadeira luz, que dá sabedoria aos simples (Sl 118,105.129); - Vossa palavra constitui minha alegria e as delícias do meu coração, porque trago o vosso nome, ó Senhor, Deus dos exércitos! (Jr 15,16b); - Virão dias – oráculo do Senhor Javé – em que enviarei fome sobre a terra, não uma fome de pão, nem uma sede de água, mas (fome e sede) de ouvir a palavra do Senhor (Am 8,11); - As palavras que vos tenho dito são espírito e vida (Jo 6,63b); - E desde a infância conheces as Sagradas Escrituras e sabes que elas têm o condão de proporcionar a sabedoria que conduz à salvação, pela fé em Jesus Cristo. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça (2Tm 3,15-16). 02. Sejam as minhas castas delícias as tuas Escrituras, nem seja eu por elas enganado, nem por elas engane... Dá lugar às nossas meditações sobre os mistérios da tua Lei, e não a feches àqueles que batem; pois, não foi em vão que quiseste fossem escritos os densos segredos de tantas páginas... Louve-te eu por tudo que encontrar nos teus livros, e ouça a voz de louvor, e beba a Ti, e considere as maravilhas da tua Lei, desde o princípio, no qual fizeste o céu e

fervor com que ele recebeu do Papa a missão de pregar a penitência; Art. 40,2: Os candidatos sejam orientados para a leitura e para a meditação das Sagradas Escrituras, para o conhecimento da pessoa e dos escritos de São Francisco e para a espiritualidade franciscana, para o estudo da Regra e das Constituições; Art. 101,1: Os franciscanos seculares colaborem com os Bispos e sigam as suas orientações, enquanto moderadores do ministério da Palavra e da Liturgia e coordenadores das diversas formas de apostolado na Igreja particular.

a terra, até o reino perpétuo da tua Cidade Santa (Santo Agostinho, Confissões, 11,2). 03. Eis o que dizem as nossas Constituições: Art. 16,1: Em Maria, Mãe de Jesus, modelo na escuta da Palavra e na fidelidade à vocação, como também em Francisco, vemos realizadas todas as virtudes evangélicas; Art. 17,2: Os que são chamados a desempenhar a missão de catequistas, de dirigentes de comunidades eclesiais ou outros ministérios, bem como os ministros sagrados, façam próprio o amor de São Francisco pela Palavra de Deus, a sua fé nos que a anunciam e o grande

04. Colhemos dos escritos e das biografias do nosso pai espiritual São Francisco de Assis: - Bem-aventurado o religioso que não tem prazer e alegria a não ser nas palavras e obras do Senhor e com estas leva os homens, com satisfação e alegria, ao amor de Deus (Ad 20,12); - Mas, num certo dia, quando se lia na mesma igreja o Evangelho sobre como o Senhor enviara os discípulos a pregarem, estando presente o santo de Deus, como tivesse entendido de alguma forma as palavras do Evangelho, depois que se celebraram as solenidades da missa, ele suplicou humildemente ao sacerdote que lhe fosse explicado o Evang elho... Exultando imediatamente no espírito de Deus disse: ‘É isto que eu quero, é isto que procuro, é isto que eu desejo fazer do íntimo do coração’ (1C 22,1.3); - É bom ler os testemunhos das Escrituras, é bom buscar nelas o Senhor nosso Deus; mas eu próprio já hauri tanto das Escrituras para mim que é mais do que suficiente para quem medita e recorda. Não necessito de mais nada, filho, conheço o Cristo pobre e crucificado (2Cel 105,3-5).


PRONEB

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012- 17

Frei Francisco Barreto, OFMCap. Ministro Províncial

Compaixão: motivo para missão A motivação para missão A vida prática de Jesus nos oferece um modelo de missão não apenas quanto à totalidade, mas também quanto à motivação. Segundo Mateus 9,36, ao ver as multidões, Jesus “teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não tem pastor”. A compaixão era a sua motivação. Compaixão é uma palavra de origem grega usada em Lucas 10, 33 para referir-se a atitude do bom samaritano na parábola de Jesus – o samaritano que, ao ver o homem que havia sido atacado pelos ladrões no caminho de Jerusalém para Jericó, parou para ajudá-lo. Antes dele, um sacerdote viu o homem ferido e “passou por longe”. A mesma coisa fez um levita. Diferentemente, quando o samaritano o viu, “moveu-se de íntima compaixão” (v. 33) e cuidou dele diligentemente. A mesma palavra aparece também em Lucas 15,20, que afirma que, na parábola do filho pródigo ( ou melhor, dos dois filhos perdidos), quando o pai do filho que havia esbanjado a herança o viu voltando para casa, “se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-selhe ao pescoço e o beijou”. Nos evangelhos sinóticos, este termo grego, além das vezes em que aparece nas parábolas de Jesus, é usado para referir-se a uma das características de Jesus como Messias. É a compaixão do ungido de Deus ao ver a tristeza da mulher cujo filho morreu (Lc 7,13), ao ver os enfermos (Mt 14,14), os cegos (Mt 20,34), os leprosos (Mc 1,41), as multidões famintas e cansadas (Mt 15,32). O que provocou a compaixão de Jesus, segundo o texto de Mateus 9, foi ver as multidões “cansadas e desgarradas, como ovelhas que não tem pastor”. Esta última frase é um eco de Números 27,17, no momento em que Moisés pede a Deus que preveja para Israel um líder que ocupe seu lugar de modo que o povo de Deus não fique “como rebanho sem pastor”.

Sem compaixão não há missão Uma pergunta: será que as multidões no tempo

de Jesus precisavam de líderes? Elas tinham líderes, mas eles estavam concentrados em Jerusalém, desfrutando dos privilégios decorrentes da posição social, incluindo as luxuosas mansões e grandes propriedades. Enquanto isso, os campesinos da Galileia e da Judeia, por causa do tributo imperial e dos impostos do templo, perdiam as terras herdadas e se transformavam em dependentes de seus opressores. A situação descrita em Ezequiel 34 se repetia com líderes que, sem constrangimento, agiam com avareza, enquanto o povo morria de fome. Jesus não via as multidões como meras almas que precisavam salvar-se espiritualmente. Ele as via como pessoas oprimidas, abandonadas pelos seus líderes, vítimas da injustiça. E, ao vê-las, tinha compaixão delas. Sem compaixão não há missão; menos ainda a missão integral, que inclui a restauração das relações da pessoa com Deus, com o próximo e com a criação. Pode haver proselitismo e persuasão para mudar de religião ou unir-se a um culto, mas não a missão que tem como modelo a missão libertadora de Jesus Cristo. No mundo de hoje e na Palestina do primeiro século, há multidões que precisam de líderes compassivos e dispostos a serem servidores. Em todos os lugares e tempos é evidente a ausência de líderes moralmente íntegros que coloquem os interesses do povo acima dos próprios interesses. Em nossa sociedade há 'cachoeiras' de dominantes, constituídas por políticos, executivos, empresas ou comerciantes oportunistas, insensíveis às necessidades da maioria. Nessas circunstâncias é urgente que os que confessam e aqueles que fazem votos de fé em Jesus Cristo vejam as multidões “cansadas e desgarradas, como ovelhas que não tem pastor”. À medida que as olharmos com os olhos de Jesus, seremos movidos pela compaixão, e a missão torna-se uma presença para libertação total dos homens e mulheres. Anúncio acompanhado de gestos concretos de promoção da vida plena. (Os fundamentos desse artigo encontram-se em “O que é Missão Integral?” De René Padilla).

Retiro Provincial 2012

Aconteceu de 02 a 08 de julho na casa das Filhas de Santana, em Carpina-PE, o retiro anual dos frades capuchinhos da Província N. S. da Penha do NE do Brasil. O retiro tem como objetivo, fazer com que aquele que se propõe a retirar-se faça a experiência com esse Deus que é Amor e que vem ao seu encontro. Este ano sob a orientação do Frei Sinivaldo Tavares, OFM, os frades puderam rezar, meditar e refletir sobre a experiência de Deus feita por nosso Pai Seráfico São Francisco de Assis. Para melhor organização e aproveitamento do retiro os freis se dividiram em dois grupos, o primeiro aconteceu do dia 02 a 05, concluindo ao meio dia e o segundo grupo fez do dia 05 iniciando a noite e concluindo no dia 08. Durante o retiro houveram momentos marcantes como a celebração a Nossa Senhora, a celebração penitencial, além das celebrações Eucarísticas e os momentos de deserto onde os irmãos estiveram abertos para ouvir a Deus.


18- Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

MISSÃO

A

conteceu nos dias 13, 14 e 15 de julho a I Experiência Missionária Jovem em Camocim de São Félix. Estiveram presentes jovens de diversas paróquias de nossa diocese com o mesmo propósito: A evangelização. Nesses três dias os jovens puderam fazer uma experiência de Deus de uma forma nunca experimentada por eles. Os jovens saíram de suas casas, deixaram mãe, pai, irmãos, amigos e todos os confortos habituais para ir a um lugar que não conhecia, não sabia onde ficaria e de que maneira seriam hospedados. Mas em todos os momentos desta experiência confiaram na providência divina que nunca nos desampara. Muitas famílias os acolheram em suas casas e eram como se conhecessem a cada um há muitos anos. Eles sorriam e se alegravam ao receber os missionários em seu meio, e os jovens eram pra eles a presença viva do Cristo Jesus. As famílias com toda a simplicidade ofereciam tudo que tinham em suas casas, não só alimentação, mas o principal: a presença durante todo o tempo que permaneceram com elas; conversavam, falavam de suas dificuldades e esperanças, e os convidava a permanecerem firmes no serviço do Reino de Deus. Para Aline Santos, jovem da paróquia de Sant’Ana em Gravatá: “Ter a oportunidade de ser enviado para transmitir a palavra, e se deparar com ensinamentos de pessoas leigas, porém de uma fé indestrutível,ensina que tudo aquilo que sabemos é muito pouco diante da grandiosidade de Deus. Entramos nessa com toda garra e deixamos de lado o medo da primeira vez, e demos lugar a vontade do Espírito Santo, que realizou tantas obras nos corações das pessoas que nos acolheram e nos corações de cada jovem missionário que foi seguir a palavra de Deus que diz “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” Mt. 28,19 O s j ove n s f o r a m d iv i d i d o s n a s comunidades de zona rural e zona urbana.

Fotos Guga Feitoza

1ª EXPERIÊNCIA MISSIONÁRIA DIOCESANA COM A JUVENTUDE Fizeram visitas nas casas, famílias, Abrigo, encontro com jovens, via-sacra, enfim a missão proporcionou a todos momentos de partilhas de vida, muitas histórias... histórias de luta, de sofrimento, e, também, de fé na Providência Divina e muita esperança... Puderam perceber que há uma grande sede de Deus, muitas expectativas, mesmo naqueles que não freqüentam a Igreja de forma regular. Para os jovens de Camocim, esta também foi uma experiencia única, pois reacendeu neles a chama do amor de Cristo que estava acomodado no coração. Esta experiência missionária aquece os corações dos jovens Diocesanos que estão em preparação a experiência missionária que antecede a Jornada Mundial da Juventude que será em julho de 2013. Portanto, aproveito, ainda, para lançar um convite a quem se sentir disposto a se deixar ser conduzido pelos planos de Jesus: a vida em missão é para todos. Seja você, também, um missionário! E nós jovens, mostremos que a igreja é VIVA, JOVEM e MISSIONÁRIA!

www.paroquiacoracaoeucaristico.com.br paroquia.jornal@gmail.com

Guga Feitoza- JUFRA


SAÚDE

Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012 - 19

ISMAC – Instituto SOS Mão Criança oferecerá atendimento em Caruaru Em Recife, existe o ISMAC – Instituto SOS Mão Criança, entidade sem fins lucrativos, que tem por objetivo o atendimento e tratamento de crianças carentes com deformidades congênitas e adquiridas em membros superiores, dirigido pelo Prof. Dr. Mauri Cortez do hospital SOS mão Recife em parceria com a ONG francesa “La Chaine de l’ espoir” (a corrente da esperança) do Prof. Dr. Alain Gilbert e outros médicos europeus que vêm anualmente operar essas crianças em Recife, juntamente com outros médicos de Pernambuco no hospital SOS mão Recife. Eis alguns serviços oferecidos pelo ISMAC, na unidade em Recife, Assistência Médica Ambulatorial, Assistência Médica Cirúrgica, Curativos, Colocação de Gesso, Tratamento de Re a b i l i t a ç ã o - F i s i o t e r a p i a , E x a m e s Laboratoriais, Exames Cardiológicos (eletrocardiograma e parecer), Assistência Social, Assistência Psicológica, Atividades de Recreação, Oficinas Temáticas Familiares Em concordância com Dr. Mauri Cortez, Dr. Kleber Oliveira Barbosa, cirurgião da mão e microcirurgia reconstrutiva ortopedia e traumatologia irá coordenar um posto de captação e triagem de crianças portadoras de deformidades nas mãos neste mês de agosto

para a realização de cirurgia ainda este mês. É uma oportunidade oferecida para Caruaru e região, ou seja, crianças carentes terão um tratamento de primeiro mundo.

ENDEREÇOS PARA CONTATOS PRELIMINARES E TRIAGEM: 1) CARUARU - Av. Dr. Pedro Jordão, 333

Empresarial Difusora 12º. - Andar - SALA 719 Mauricio de Nassau - CEP: 55012 640 - Tel : (81) 3721.1390 2) CAMOCIM DE SÃO FÉLIX SEMOC - Rua João Pessoa, 76 Centro Camocim S. Félix PE - Tel: (81) 3743.1285 3) BELO JARDIM - CEM Rua Coronel Antonio Marinho, 36 - Boa vista CEP: 55150-000 Tel: (81) 3726.1117 4) GRAVATÁ - Av. 15 de novembro, 159 N. Sra. Das Graças - Gravatá PE - Tel : (81) 3533.3888 5) BEZERROS - Av. D Pedro II, 160 Centro Fone: (81) 3728.7409 Dr. KLEBER OLIVEIRA BARBOZA CIRURGIA DA MÃO E MICROCIRURGIA RECONSTRUTIVA ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

Brasil é o quarto país com mais homicídios de crianças e adolescentes O Brasil é o quarto país com o maior número de homicídios de crianças de adolescentes entre um e 19 anos de idade, atrás apenas El Salvador, Venezuela e Trinidade e Tobago, de acordo com o Mapa da Violência 2012 – Crianças e Adolescentes, lançado quarta-feira (18 de julho) pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino Americanos (Cebela). O número de homicídios nesta faixa etária aumentou 346% entre 1980 e 2010, tendo se tornado a principal causa de mortalidade de crianças e adolescentes no país, responsável por 11,5% do total das mortes nessas faixas etárias. A segunda causa de mortalidade mais recorrente são neoplasias ou tumores, que representam 7,8% dos óbitos, seguida por doenças do aparelho respiratório (6,6%). O período analisado corresponde ao tempo de vigência do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que completou 22 anos na última sexta-feira (13) e que traz diretrizes para prevenção da violência contra crianças. Apesar do aumento dos homicídios, especialistas avaliam que o documento tem sido bemsucedido e eficiente em proteger os mais jovens. "O ECA traz diretrizes para políticas públicas de segurança para as crianças. O que ocorre é que faltam programas de proteção e formação e orçamento do governo para atender à infância", avalia a coordenadora de Programas de Childhood Brasil, Gorete Vasconcelos. "O aumento dos crimes se deve a uma conjuntura maior de crescimento da violência como um todo." O gestor de relações institucionais da Pastoral da Criança, Clovis Boufleur, concorda. "A taxa de homicídios é maior conforme a desigualdade entre pobres e ricos é mais aprofundada, como na nossa sociedade", avalia. "E os que mais sofrem com as consequências da violência são exatamente as crianças e os adolescentes, porque eles são mais dependentes dos adultos." O estudo mostra que o número de homicídios começa a crescer a partir dos 12 anos até alcançar níveis considerados "inaceitáveis" pelo texto atingindo, aos 19 anos, o pico de 60,3 homicídios para cada 100 mil adolescentes. "São jovens que, quando crianças, foram vítimas de um processo de abandono das políticas públicas sociais, retomadas apenas nos últimos anos. Como resultado, têm pouca formação acadêmica e sofreram com o desemprego dos pais, por isso são mais vulneráveis", avalia Boufleur. Fonte: Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual

Dr. Kleber Oliveira Barboza CRM 9671 TEOT 7409 Ortopedia e Traumatologia Cirurgia da Mão e Microcirurgia Cirurgia dos Nervos Periféricos Av. Dr. Pedro Jordão, 33 Sala 719 12º andar - Maurício de Nassau Caruaru - PE CEP: 55012.640 81 3721.1390 (marcação 24 horas - 81 9402.7250) SOS Mão Recife - Tel: 81 3087.9595 klebercirurgiadamao@hotmail.com

Monserrate Laboratório de Análises Clínicas


20- Jornal Coração Eucarístico - 1º de agosto/2012

Programação da Pastoral Familiar para a semana da Família no mês de agosto A Pastoral Familiar estará comemorando a semana da família, tendo início no dia 12/08, com visitas às comunidades e encerrando com o 2º Ação Social, no dia 19 de agosto, em frente à Igreja do Convento, onde contaremos com:

ATENÇÃO I FEIJOADA DO EJC Encontro de Jovens do Cristo Você Com a Banda Inxiridos do Forró não Data: 02 de Setembro de 2012 (Domingo) A partir das 11 h pode Local: Quadra do Colégio Antenor Simões perder! Ingressos na secretaria da paróquia Custa apenas R$ 7,00

PARÓQUIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

18/ 08 Missa em ação de graças pelos 55 anos da Paróquia Coração Eucarístico de Jesus, às 19h30, na Igreja matriz ‘convento’. Após a missa haverá show com Pe. Braulio

Atendimentos Médicos Teste de Glicose Vacinação para crianças e Idosos Aplicação de Flúor Palestras: Bombeiros – Prevenção de acidentes COAS – Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e outros.

NO DIA 8 DE AGOSTO, ÀS 19H, TERÁ INÍCIO O TRÍDUO A SANTA CLARA, NA IGREJA DEDICADA A SANTA NO BAIRRO DIVINÓPOLIS, ENCERRANDO COM A FESTA DIA 11 ÀS 19h30.

INFORME

De 09 a 11 de agosto, a Família Franciscana do Brasil celebrará o congresso clariano, os 800 anos do carisma de Santa Clara de Assis, em Canindé-CE. O tema será: Santa Clara de Assis e de hoje caminho de unidade.

JUFRA A partir do dia 05 de agosto, a Jufra - Juventude Franciscana, começará com encontros da Mini-Jufra, em que crianças e adolescentes de 10 de 15 anos poderão participar, possibilitando assim conhecer um pouco do carisma Franciscano, se encantar e ser presença viva em nossa Comunidade.

ATENÇÃO Aos jovens que irão fazer o EJC, o primeiro pré-encontro acontecerá no dia 19 de Agosto (Domingo) às 15 h. Não faltem!

Capítulo Geral dos Frades Capuchinhos 2012 Acontecerá de 19 agosto a 23 de setembro, em Roma, o capítulo geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos. Participarão frades de várias partes do mundo. Refletirão sobre os temas: Constituições e Solidariedade de Pessoal. De nossa Província irão frei Francisco Barreto, Ministro Provincial e Frei Sálvio Romero, representando os irmãos capuchinhos do Brasil.

Dia 02 de agosto, às 19h30, na Igreja do convento haverá a Missa Solene da Porciúncula O perdão de Assis As pessoas que participam desta celebração recebem indulgência plenária.

Jornal Coração Eucarístico - Agosto 12  

Jornal Coração Eucarístico - Agosto 12