Page 1

Caruaru, 1º de dezembro de 2012

Ano 4

Edição 39

Festa de N. Sra. das Graças na Nova Caruaru Págs. 10 e11

1ª Eucaristia na Igreja do Convento

Casamento comunitário da Paróquia

Págs. 18 e 19

Pág. 7


02 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

OPINIÃO

EDITORIAL

Advento e Natal.

Frei William

A chegada do messias é aguardada com muitas esperanças. É tempo de alegria, é tempo de espera e, sobretudo, tempo de preparação, é assim que nós cristãos definimos o Advento. Comemoramos o Advento nos quatro domingos que antecedem ao Natal. É nesse período que tem início o que chamamos de ano litúrgico e se estende até a festa de Cristo Rei do Universo no mês de novembro do ano seguinte. Quando chega o final do ano, nasce em nós a expectativa para a comemoração da encarnação do filho de Deus, o Cristo, se tornando humano como nós. É preciso viver com a consciência maior, o tempo do advento. Através de Lucas o Senhor já nos dizia: “Bemaventurados aqueles servos a quem o Senhor, quando vier, os encontre vigilantes; em verdade vos afirmo que ele há de cingir-se, dar-lhes lugar à mesa e, aproximando-se, os servirá" (Lc 12.37). Encontramos, naturalmente, neste tempo de alegria que nos chega antecipada, diversos aspectos diferentes que servem para exprimir nossos sentimentos esperançosos. Para nós que nos consideramos filhos de Deus, pela sua encarnação, essa alegria que se acende em nossos corações, é, sem dúvidas e, primeiramente, o nascimento do Senhor Jesus. Está cristalino para o povo de Deus, que o Natal é a festa da luz, da alegria e da esperança. O Advento é o tempo de preparação de todo aquele que carrega em sua fé, a vinda do Deus vivo e que nos traz o plano de salvação. Preparemos as nossas crianças para esta festa magna da cristandade. Façamos nossos próprios autos de natal com a participação delas. Estimulemos a criatividade de nossos filhos para o conhecimento da alegria natalina vivenciando, com eles, os contos de natal, as missas e todos os atos cristãos que sejam apresentados em sua paróquia. O jornal Coração Eucarístico vem desejar a todos os seus leitores e, especialmente, àqueles que frequentam a paróquia do Coração Eucarístico, um Natal verdadeiramente de paz onde a solidariedade seja o ponto marcante em todos os corações. FELIZ NATAL!

PASCOM

Coração Eucarístico

Cultivar a esperança cristã No início do novo Ano Litúrgico, a Palavra nos conduz a fortalecer-nos espiritualmente, cultivando a esperança cristã em nossas vidas, para que mentalidades que nos tornam indiferentes a Deus não tomem conta de nossos corações e de nossas mentes. A questão da indiferença é algo crucial em nossos dias, porque existe um verdadeiro bombardeio de informações que, de tanto barulho que fazem ao nosso redor, nos impedem de pensar sobre o que ouvimos, quanto mais refletir e avaliar consequências imediatas ou distantes em nossas vidas. Advento como que nos coloca com os pés no chão, pedindo que tomemos distância de tudo que nos influencia, seja pela publicidade, seja em novelas, para nos perguntar: onde vamos chegar? Esse é o primeiro passo da vigilância: parar para refletir antes que as catástrofes nos destruam espiritualmente e nos impeçam de ir ao encontro do Senhor que vem. Hoje, vivemos num contexto social semelhante ao de Jeremias e de Jesus, com a promoção de aspirações e desejos que alimentam a mentalidade consumista. As grandes catástrofes que podem levar a perder a esperança, nos dias atuais, não estão localizadas no horizonte astronômico, mas do pensamento, de ideologias, filosofias e mentalidades que enfraquecem a fé e destroem a expectativa da 2ª vinda de Jesus. São aspirações altas, inalcançáveis para a maior parte do povo. Em decorrência, resta o sentimento de frustração e de impotência diante daquilo que a mentalidade econômica de nossos dias propõe como ideal de vida. As estradas, na atual conjuntura mundial, se condicionam em ter ou não ter dinheiro. Jovens dedicam suas juventudes para ganhar e produzir dinheiro. Milhares de jovens, impossibilitados ou barrados desse caminho, anestesiam suas frustrações em comilanças, bebedeiras, drogas, violência. A esperança do mundo é um risco porque abre estradas para uns poucos e empurra muitos para caminhos de morte. Muitos se revoltam e se alimentam no ódio na agressividade violenta de crimes e assaltos. A pior de todas as catástrofes é a destruição da alma humana, como

Editor: Charles Cavalcanti Reportagem: Paula Duarte Edição Digital: Lyone Bione Redação: João Coutinho Revisão: Paula Duarte /DRT4578PE Diagramação: Socorro Polycarpo

dizia Jesus noutra ocasião: “tenham medo daqueles que podem destruir a alma” (Mt 10,28). A partilha na Mesa Eucarística, a adoração sincera diante do Senhor vivo e presente na Eucaristia, indicam um caminho novo para a sociedade que vivemos: o valor da vida e do viver na serenidade e na paz que produz esperança em nossos corações e em nossas comunidades. É preciso caminhar ao encontro de Cristo, para que fortalecidos pelo alimento espiritual, possamos cultivar em nós a esperança de viver eternamente com Deus, na plenitude da vida. Como fazer isso? Eis a grande questão. O primeiro passo consiste em fortalecer a esperança cristã dentro de cada um de nós e que sempre está unida à fé e à caridade. A virtude da esperança cristã não nos tira do mundo e nem nos torna impassíveis diante de tudo que acontece ao nosso redor, ao contrário, acende novas luzes que iluminam a vida de modo diferente, que dão sentido à vida e ao viver de modo diferente. A Palavra de Deus em Jeremias propõe cultivar a justiça, que consiste em valorizar a dignidade da vida pela vida e não pela produção econômica, “Naqueles dias, naquele tempo, farei brotar de Davi a semente da justiça, que fará valer a lei e a justiça na terra”. Jr33, 15. Jesus, no Evangelho, é bem prático nas orientações: diante de sinais destruidores é preciso erguer a cabeça e não se deixar levar pelo medo, não se entregar e nem cultivar vícios, orar sem cessar, ou seja, fazer da oração um caminho de constante intimidade com Deus. O Advento nos coloca diante de um novo tempo, convidando-nos a crer que o Evangelho pode desestruturar mentalidades que agridem a vida, pode acordar os sonhos de paz e de fraternidade pode ser a luz que ilumina o caminho de cada homem e mulher, desde que se disponham a construir estradas, no terreno de sua existência, que conduzam ao encontro de Deus. Que Deus nos conceda a graça de jamais perder a esperança em suas promessas, e que o Senhor aumente nossa fé, para que a mesma se torne oblação em nossas vidas e que o Natal seja um momento de profundo encontro com a presença divina, em Jesus. Amem.

Endereço Jornal: Paróquia do Coração Eucarístico Praça Dom Vital, nº 289 - Divinópolis Caruaru/PE - Fone: 81 3721-3731 www.pcoracaoeucaristico.com.br e-mail: paroquia.jornal@gmail.com twitter.com/paroquiajornal jornalcaraçãoeucaristico Tiragem: 3.000 exemplares (distribuição gratuita)


ATUALIDADE

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 03

Helena Moura

EIS QUE EU VENHO EM BREVE (Ap 22, 7a) Quem tem alguém distante sabe o quanto conforta, anima e inquieta receber um aviso assim: brevemente estarei aí. Imediatamente se quer saber quando acontecerá essa chegada. Mesmo sem haver um tempo determinado começam os preparativos que incluem anúncio, reformas, aquisições, busca de perfeição, tudo voltado para o ilustre visitante. E é assim que deve ser. Quem espera alguém entra num estado de ansiedade benéfica que o impulsiona a sair da inércia e trabalhar incansavelmente, considerando válido todo esforço envidado. As mães, quando esperam seus filhos, demonstram claramente este vigor. Os incômodos naturais da gravidez não representam obstáculos que venham impedir a preparação para o dia do feliz acontecimento. E tudo isso é feito de forma harmoniosa e conjunta com as atividades do dia a dia. Recorro ao exemplo das mães para refletir sobre o anúncio do Senhor: “Eis que eu venho em breve”. Certeza de uma vinda cujo tempo não sabemos. “Quanto àquele dia e hora, ninguém

sabe, nem os anjos do céu nem o Filho, mas somente o Pai”. (Mc 13, 32) Como nos encontrará o Senhor? Esperando sentados ou ocupados na vinha atentos à chegada do dono? “É preciso vigiar e ficar de prontidão”, não como estátuas, imóveis e mortas, mas vivos e ativos curtindo a espera com coragem e confiança. Quem recebe um visitante oferece-lhe o que tem de melhor. Cada um de nós tem o coração e as ações para oferecer a Jesus. Repetimos tantas vezes que a maldade e a violência estão desenfreadas, mas o que fazemos para que haja uma modificação? Se verdadeiramente cremos na vinda de Jesus, façamos reformas interiores, libertemo-nos do egoísmo que não deixa o outro saborear um gostinho de céu, já agora; esforcemo-nos para que os entulhos que nós mesmos colocamos em nosso caminho (intrigas, mesquinhez, mentiras, ganância, indiferença, etc) sejam removidos dando lugar à caridade, ao amor, ao bem. Lutemos pelas possíveis melhorias nas quais acreditamos, ocupemo-nos do anúncio

dessa vinda, não apenas com palavras, mas com testemunho que leve o outro a cultivar a esperança. Esses sim são os ramos verdes da figueira (que é cada um de nós) onde brotam as folhas, dando sinal de “mudança de estação”, ou seja, transformação pessoal, conversão, vida nova, mundo novo. Como é bom fazer a contagem regressiva à espera da festa. Vivamos plenamente, alegres e confiantes aguardando a vinda do Senhor, sem nos descuidarmos dos preparativos para esse momento. Reformemos os cômodos do nosso interior, alargando as portas do coração por onde passarão os necessitados, os doentes, os carentes de pão e de justiça, e façamos da nossa vida uma oferenda de amor e gratidão a Deus, que nos cumula de bênçãos porque ama a todos com infinito amor. “Eis que eu venho em breve”. Que a vinda do Senhor seja para todos nós um dia de festa.

INSTITUTO SOS MÃO CRIANÇA PROMOVEU 19ª MISSÃO HUMANITÁRIA O último dia da triagem médica para a 19ª Missão Humanitária foi marcado pela superlotação da casa. Na sexta feira, 02 de novembro, feriado de Finados, centenas de pessoas vieram ao Instituto SOS Mão Criança, na tentativa de realizar uma cirurgia com a equipe médica local e os médicos franceses Jean David Werthel, Jean Kani e Philippe Valenti. Segundo a coordenadora executiva do ISMC, Gabriela Santana, essa foi uma das missões de maior repercussão e trouxe pessoas à procura de tratamento. “As pessoas estão conhecendo o trabalho do instituto e isso tem atraído muita gente”. Uma delas foi o senhor Nilson Souza. Ele trouxe o filho, Renato Souza, 3, com a esperança de corrigir uma paralisia do plexo braquial, adquirida na hora

do parto. “Quero muito que ele faça a cirurgia, estou na expectativa de que tudo dê certo, é um esforço que vale a pena”, declarou, referindo-se a grande quantidade de pessoas presentes. Quem também estava otimista era Dona Josenilda Silva, mãe de Rafael Santos, 2, a família veio de Petrolândia, sertão pernambucano, para separar os dedinhos do menino que tem sindactilia. Sobre o mutirão, o Dr. Rui Ferreira, coordenador da 19ª Missão, detalhou: “Vamos operar 40 crianças neste final de semana, vieram três médicos franceses, uma médica colombiana e uma equatoriana”. O médico falou ainda que a próxima missão está prevista para março, no período da Semana Santa. É importante lembrar que o instituto vai continuar operando, durante todo o ano, as crianças que não

forem beneficiadas nesta missão. No consultório, a equipe analisa cuidadosamente cada caso. Nesta Missão, foram selecionados apenas os de malformações congênitas no membro superior, paralisia de plexo braquial e sequelas de acidentes. A 19ª Missão Humanitária do Instituto SOS Mão Criança seguiu nos dias 3 e 4 de novembro. Os interessados que desejarem atendimento, após essa missão, devem ligar para o número (81) 3217-2500, e agendar uma triagem social para comprovar baixa renda. Serviço: Cirurgias Gratuitas Instituto SOS Mão Criança Rua Joaquim de Brito, 228, Boa Vista, Recife-PE Telefone: (81) 3217 2500


04 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

PASTORAL

Pastoral da Criança realizou Assembleia Diocesana A

conteceu de 16 a 18 de novembro, no Recanto Tabor, situado no sítio Lagoa do Paulista a Assembleia Anual Diocesana da Pastoral da Criança, envolvendo a participação dos coordenadores paroquiais da Pastoral, os quais entusiasmados com os trabalhos realizados avaliaram a caminhada desenvolvida no ano de 2012 e planejaram as atividades para o ano de 2013. A assembleia encerrou-se no domingo (18), com a confraternização dos coordenadores paroquiais e momentos de espiritualidade e lazer. Trocar experiências, avaliar as ações, partilhar desafios, alegrias, oportunidades e conquistas, apresentar propostas de ações para melhorias, eis os principais elementos da pauta do encontro. Em clima de partilha, os coordenadores tiveram a possibilidade de mostrar a realidade de cada paróquia onde atuam. Com isso, os coordenadores puderam, coletivamente, desenvolver um plano de ação para solução das problemáticas identificadas em suas paróquias. A explanação e partilha de cada participante servia de experiência para os demais e assim unidos sentiam-se fortalecidos no enfretamento dos desafios. Do mesmo modo, os indicadores e as conquistas os animaram ainda mais, no desempenho dos trabalhos. Houve o agendamento das ações e planejamento dos trabalhos a serem realizados no próximo ano, sobretudo das capacitações com as temáticas: comunicador popular, brinquedista, saúde bucal e hanseníase. Essas capacitações são importantes porque oferecem aos líderes a formação necessária para o desempenho da missão a eles confiada. O trabalho da Pastoral da Criança desenvolvido pelos coordenadores e líderes, nas comunidades e paróquias, é bastante desafiador,

Coordenadores da Pastoral da Criança avaliando e programando o próximo ano

busca oferecer melhores condições de vida e dignidade para as crianças e suas famílias, em maioria, vítimas de problemas sociais. O encontro contou com um momento de espiritualidade assessorado pelo diácono Marcos Vasconcelos. A seguir, finalizaram a programação do Encontrão dos líderes a ser realizado no Santuário da Graça, no próximo dia 09 de dezembro de 2012. Para este evento, os coordenadores paroquiais irão convocar e motivar a participação de todos os líderes e grupo de apoio, uma vez que contará com a presença de Ir. Vera Lúcia, Coordenadora Nacional da Pastoral da Criança, além da Coordenação Diocesana, Estadual e de Núcleo.

Rua Walfrido Nunes, 303 - Maurício de Nassau - Caruaru - PE PABX: 81 2103-3333 Fone: 81 3723-4444 Filial: IOC DIFUSORA. Emp. Difusora 7º andar - Sala 222 81 2103-9751www.ioccaruaru@uol.com.br

Confraternização de Natal da Pastoral


PASTORAL

Cristina de Paula, Coordenadora Diocesana da Pastoral da Criança, avaliou a assembleia e destacou: “Durante o ano, realizamos as capacitações, assembleias e reuniões mensais. Neste encontro, apesar da ausência de alguns coordenadores paroquiais, avaliamos os trabalhos e planejamos o próximo ano. Em seguida, informaremos aos coordenadores ausentes sobre as temáticas desenvolvidas. Contamos com a presença de Emanuela Caetano, Coordenadora de Núcleo, e Agenaldo Lessa, o coordenador estadual da Pastoral da Criança, o qual apresentou as novidades e mudanças em nível nacional. Emanuela orientou sobre o envio de FAB’s, Celebração da Vida e procedimentos de avaliação das comunidades e atividades dos líderes. Tivemos a participação de capacitadores de brinquedistas, guia do líder e missão e gestão. A missão está relacionada à atividade de coordenar e animar, já a gestão, refere-se aos trabalhos burocráticos e o acompanhamento da ação pastoral. Identificamos a presença de novos coordenadores paroquiais, para os quais vamos oferecer a capacitação necessária para o desempenho da missão de cada um. Avaliando a realidade diocesana, percebemos a inexistência, ou melhor a atuação ineficiente da Pastoral da Criança em algumas paróquias, como é o caso da Paróquia do Monte Carmelo. Isso é preocupante, uma vez, que o Salgado é o bairro mais populoso da cidade, local também onde percebe-se famílias em situação de extrema pobreza e de risco. Conseguimos reativar a Pastoral da Criança nas paróquias de Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora Aparecida em Bonito e em Saíre na Paróquia São Miguel Arcanjo. Vamos reativar nas Paróquias de São José em Chã Grande e Nossa Senhora do Ó, em Altinho. Por fim, destaco que os coordenadores desenvolvem um bonito trabalho nas paróquias, dedicando tempo no cuidado das crianças necessitadas. Motivam os líderes a organização e planejamento na

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 05

adjfalçsjfçlaskdjfçlaksjfçal

adjfalçsjfçlaskdjfçlaksjfçal

adjfalçsjfçlaskdjfçlaksjfçal

adjfalçsjfçlaskdjfçlaksjfçal

adjfalçsjfçlaskdjfçlaksjfçal

pastoral”. O Coordenador Estadual, Agenaldo Lessa, participou da Assembleia e apresentou novidades, em nível nacional, relacionadas à forma de acompanhar as crianças e pesagem, ou seja, o dia da celebração da vida. Anunciou ainda que a Pastoral da

Criança celebrará 30 anos de criação e atuação nacional. Para marcar esta data significativa será realizado na cidade de Aparecida – SP um Congresso Nacional de 27 de julho a 02 de agosto, no qual será abordado temáticas relacionadas à realidade da criança.


PASTORAL

06 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de novembro/2012

Rosilda Santos

DEUS NO MEIO DE NÓS Mais um Natal está chegando. A glória de Deus na fragilidade de uma criança. É um tempo de festas bonitas, mas toda festa precisa ser bem preparada. Este tempo de preparação, na liturgia da Igreja é chamado de “Advento”, que quer dizer: tempo de espera, de preparação, de chegada. Celebrar o Mistério Pascal no seu início – Advento “O ano litúrgico é o desdobramento dos diversos aspectos do único mistério pascal, isto vale muito particularmente para o ciclo das festas em torno do mistério da encarnação (anunciação, natal, epifania) que comemoram o começo da nossa salvação e nos comunicam as primícias do mistério da Páscoa” (Cat. 1171). Ciclo do Natal – No ciclo do Natal, fazemos memória da manifestação do Senhor Jesus em sua encarnação e em nossa história atual, enquanto aguardamos sua nova vinda. O ciclo do Natal engloba: • As festas do Natal. • O tempo do Natal Advento – tempo de espera, de preparação e de chegada. Quatro domingos preparando a vinda de Cristo. Nas duas primeiras semanas do Advento, vigilantes esperamos a vinda gloriosa do Cristo Salvador e nas duas últimas, lembrando a espera dos profetas e de Maria, preparamos mais especialmente o seu nascimento em Belém. Sugestões para as celebrações A cor violácea no altar, na mesa as Palavra e nas vestes litúrgicas - lembra-nos uma espera ansiosa, diferente do tempo quaresmal, marcada pelo roxo da penitência. 1. A coroa do Advento – feita com ramos verdes, fitas coloridas e quatro velas que a cada domingo vão sendo acesas, lembrando o costume judaico de celebrar a vinda da luz na humanidade dispersa pelos quatro pontos cardeais. “É preciso está sempre prontos e com lâmpadas acesas”! 2. Em cada domingo se acende uma vela que poderá ser trazida na procissão de entrada ou na aclamação ao Evangelho. 3. Trazer a Bíblia ou Lecionário em procissão, enfeitá-la, incensá-la, apresentá-la à comunidade ou

outro gesto semelhante. 4. A resposta às preces poderá ser cantada, assim como os cantos devem ser escolhidos expressando o desejo do coração de ver sinais de vida e de libertação. 5. Durante o tempo do Advento omite-se o canto do glória, ficando reservado para o tempo do Natal. Tempo de Natal De tempo de Natal fazem parte: Natividade, Sagrada Família, a Oitava de Natal com Maria Mãe de Deus – Epifania e o Batismo de Jesus. Celebramos neste tempo a “Páscoa do Natal”, que começa com a Vigília do Natal, no dia 24/12, e se prolonga até janeiro com a festa do Batismo do Senhor. Sugestões para as celebrações 1. A cor branca amarela, no altar, na mesa da Palavra e nas vestes litúrgicas, dão às festas natalinas uma tonalidade pascal. 2. O Presépio, a bandeira da paz..., lembram as expressões populares dos reizados e do pastoril. 3. O incenso que os magos ofereceram pode ser retomado como sinal de comunhão com outras religiões indígenas e africanas. 4. A música e o canto, também devem trazer as características próprias do mistério do Natal. Que estas sugestões possam despertar em nossos corações sentimentos adormecidos vividos com alegria e fé, para fortalecer a nossa convicção de que, no tempo do Natal, chegará àquele que é Caminho, Verdade e Vida (Jo 14, 6). Paz e Bem! ENTÃO CHEGOU MAIS UM NATAL Ao se aproximar mais um Natal, no qual a comunidade cristã celebra o nascimento de Jesus Cristo, aproveitamos o momento para desejar aos leitores, colaboradores e toda comunidade do Coração Eucarístico, que o espírito de bondade desta época, uma as pessoas em busca de amor e da caridade traduzido em paz para todos. Feliz Natal para todos nós

Comunidade da Juriti se mobiliza para construir sua Capela

Charles Cavalcanti

A comunidade da vila Juriti em Caruaru vem se mobilizando em regime de mutirão para construção de sua Capela. Realizando reuniões com o pároco frei William Almeida e com frei Francisco Barros para viabilizarem a construção do templo.Dentre as maiores dificuldades era a doação de um terreno, que foi conseguida através da generosidade da Sra. Rosilene Oliveira depois, conseguir os matérias para construção e a mão de obra especializada. O Projeto é do Arquiteto Pe. Silvano Onofre que o doou. O dinheiro para aquisição dos materiais está sendo conseguidos com a realização de bingos e doações de pessoas da comunidade. A surpresa a nossa equipe de reportagem, ficou pela participação das senhoras e jovens da comunidade, trabalhando duro em regime de mutirão carregando baldes com material para o aterro do terreno além de seus esposos e filhos com os carros de mão.

J.L. OLIVEIRA GALERIA - ME

Comércio varejista de Quadros

Zeza

Molduras Imagens Vidros Espelhos

Rua Duque de Caxias, 139 Centro - Caruaru - PE

81 3721-5458


PASTORAL

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012- 07

Pastoral Familiar promoveu

Casamento Comunitário O

dia 16 foi dia de festa e realização para a Pastoral Familiar na Paróquia do Convento, por ocasião da 8ª Edição do Casamento Comunitário, iniciativa da Pastoral Familiar e envolveu a participação da equipe composta por 30 pessoas. Ao todo dezoito casais oficializaram a união com direito a todos os ritos tradicionais numa cerimônia na Igreja do Convento. A solenidade teve início às 20h presidida pelo Frei Willian e concelebrada pelo Frei Sonival Marinho. Os familiares e convidados dos casais participaram e prestigiaram esse evento tão marcante para os noivos. O casamento comunitário é promoção da Pastoral Familiar, a Coordenadora Robervânia Costa enfatizou que pelo 8º ano consecutivo o

grupo realiza esse serviço que atende a uma demanda social. É uma iniciativa que consolida os valores da família e possibilita laços de união e amor mais fortes. Era visível a satisfação dos noivos que realizaram o sonho de oficializar o matrimônio. A Paróquia Coração Eucarístico através da Pastoral Familiar realiza atividades e ações com o intuito de fortalecer sempre mais os laços familiares, uma vez que a família é a base da sociedade. O objetivo do Casamento Comunitário é fortalecer os vínculos familiares e proporcionar a realização do sonho dos casais em busca do sacramento do matrimônio. Os casais foram preparados pela equipe da pastoral familiar durante alguns encontros de preparação.


08 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

DIOCESE

Campanha para a Evangelização 2012 A Igreja Católica está realizando uma Campanha do tamanho do Brasil! A Campanha para a Evangelização é uma iniciativa da CNBB que acontece todos os anos durante o tempo do Advento, com o objetivo de despertar o compromisso com a evangelização e a solidariedade de todos os católicos no sustento da atividade pastoral da Igreja. Neste ano a Campanha tem como lema: "Eu vi e dou testemunho: Ele é o Filho de Deus" (Jo 1,34). A Campanha da Evangelização vai iniciar no Domingo de Cristo Rei e segue até o 3º domingo do Advento, de 25 de novembro a 16 de dezembro de 2012, período em que meditamos sobre a encarnação do Verbo de Deus. Neste tempo, associamos o nascimento de Jesus com a missão permanente da Igreja que é evangelizar. O trabalho evangelizador é uma exigência da graça que recebemos no Batismo. A Igreja, com esta campanha, convida todos os fiéis a participarem na sua obra evangelizadora, seja pela oração, seja pela sua oferta material para garantir os recursos necessários à manutenção das estruturas e projetos de evangelização. A nossa Diocese de Caruaru, graças à generosidade dos seus diocesanos, dos membros das Pastorais, Comunidades e Movimentos, nunca deixou de cumprir a sua missão evangelizadora, nestas terras do Agreste Pernambucano. Mas não podemos nos deter unicamente naquilo que já foi feito é necessário avançar, cada vez mais, no caminho do discipulado. Por isso, o valor arrecadado nesta campanha será destinado à continuação da ampliação do Seminário Nossa Senhora das Dores e da reforma do Centro Diocesano de Pastoral, locais onde são formados muitos dos nossos evangelizadores que proclamam a FÉ no nome de Jesus. A Campanha para a Evangelização, deste

ano, procura despertar em todos os cristãos a consciência de que somos corresponsáveis na formação dos seminaristas, futuros sacerdotes da nossa Igreja, e, ao mesmo tempo, de todos os ministros leigos que testemunham a presença de Deus no mundo. Desta feita, para que possamos favorecer uma boa formação para nossos

agentes pastorais, é indispensável, além de muita oração e empenho, uma infraestrutura que possibilite a realização de encontros, reuniões, congressos, assembleias, que exigem, além de prédios e equipamentos adequados, pessoas dedicadas nessas atividades. Por fim, confiando na providência divina e na colaboração de todo o Povo de Deus, no terceiro domingo do Advento, 16 de dezembro, ajude a sua diocese a dar cores e formas ao Seminário e ao Centro Pastoral, espaços onde se formam ministros leigos e consagrados para a missão. No ANO DA FÉ, colabore com a sua Igreja! Sem. Alexsandro Jorge


DIOCESE

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 09

Festa das Famílias no Seminário

Nossa Senhora das Dores Por: Paula Duarte.

III Encontro de coordenadores e zeladores da OVS

O Seminário Nossa Senhora das Dores acolheu, dia 18 de novembro, os familiares dos seminaristas para realização da festa das famílias, conforme acontece a cada ano. A Equipe formadora preparou uma programação especial de convivência com a finalidade de conhecer um pouco mais a realidade familiar dos seminaristas estreitando laços entre famílias e Seminário, construindo assim, relações fraternas. Os familiares dos seminaristas estavam bastante satisfeitos com a oportunidade de participar do encontro. Era visível a satisfação e o prazer de estar no Seminário. Na ocasião, muitos pais puderam conhecer o Seminário, casa onde seus filhos são preparados para o sacerdócio, também oportunidade dos seminaristas entre si conhecerem ainda mais os familiares de seus colegas.

Por: Paula Duarte

Campanha para a evangelização 2012

A

Por: Paula Duarte

conteceu o III Encontro Diocesano de coordenadores e zeladores da OVS, dia 18 de novembro, no Centro Diocesano de Pastoral promovido pela Obra das Vocações Sacerdotais da Diocese de Caruaru. Deste importante evento, participaram os agentes de pastoral atuantes na OVS, os quais contribuem na divulgação da cultura e dimensão vocacional na Igreja. A realização do encontro possibilitou a troca de experiências, partilha de conhecimentos, avaliação das atividades realizadas ao longo do ano e momentos de formação, elemento necessário para atuação dos leigos que realizam o trabalho da OVS em suas paróquias e comunidades. A OVS, coordenada pelo Diácono Emanuel Rodrigues, contribui com a formação dos seminaristas, através da oração e contribuição financeira, e visa promover na diocese, uma cultura vocacional nos diversos grupos, pastorais, movimentos, comunidades e ministérios existentes, para que possam vivenciar em seu carisma uma dimensão vocacional. A Coordenação Diocesana da OVS desenvolveu uma vasta programação para acolher os zeladores e coordenadores. Apresentação de vídeo sobre o Seminário, explanação do Diácono Emanuel ressaltando a importância e atuação da OVS, trabalhos em grupos, plenária, orientações gerais com o seminarista Alexsandro Jorge e entrega de material de divulgação da OVS, além de realização de avaliação e novas propostas de ação motivaram e entusiasmaram os membros da OVS. A culminância do encontro aconteceu com missa solene presidida pelo bispo diocesano, Dom Bernardino Marchió e concelebrada pelo Pe. José Ademilton, Reitor do Seminário Interdiocesano Nossa Senhora das Dores. Durante a concelebração eucarística o bispo lançou a Campanha para a Evangelização 2012, com o lema: "Eu vi e dou testemunho: Ele é o Filho de Deus" (Jo 1,34). A Campanha da Evangelização vai iniciar no dia 25 de novembro, Domingo de Cristo Rei e segue até dia 16 de dezembro, 3º domingo do Advento, data da coleta Nacional da CNBB para a evangelização. Emanuel Rodrigues enfatizou: “A participação foi satisfatória. No final do ano fazemos esse recolhimento de informações, de trabalhos, de alegrias e perspectivas para o ano vindouro. Podemos ouvir a voz dos zeladores e coordenadores da OVS, suas alegrias, tristezas e esperanças, e realizamos uma bonita confraternização”.

No Seminário Interdiocesano Nossa Senhora das Dores, o Bispo Diocesano, Dom Bernardino Marchió, em celebração eucarística, na manhã do domingo, 18 de novembro, lançou a Campanha para a Evangelização 2012, com o lema: "Eu vi e dou testemunho: Ele é o Filho de Deus" (Jo 1,34). A missa solene encerrava a realização de dois encontros, o III Encontro de Coordenadores e Zeladores da OVS e a Festa das Famílias dos seminaristas. A Campanha para a Evangelização, promovida pela CNBB, é realizada todos os anos durante o tempo do Advento, com a finalidade de despertar o compromisso com a evangelização e a solidariedade de todos os católicos no sustento da atividade pastoral da Igreja. Será iniciada no dia 25 de novembro, ‘Domingo de Cristo Rei’ e segue até o dia 16 de dezembro, 3º domingo do Advento. Através dessa Campanha os fieis são convidados a participar da obra evangelizadora, seja pela oração, seja pela sua oferta material para garantir os recursos necessários à manutenção das estruturas e projetos de evangelização. Diante disso, o valor arrecadado será direcionado à continuação da ampliação do Seminário Nossa Senhora das Dores e da reforma do Centro Diocesano de Pastoral. É importante destacar que todos os cristãos são chamados e corresponsáveis na formação dos seminaristas, futuros sacerdotes da Igreja, e, ao mesmo tempo, de todos os ministros leigos que buscam testemunhar a sua fé. Portanto, para favorecer a eficiente formação para os agentes pastorais, é importante, uma infraestrutura que possibilite a realização de encontros, reuniões, e congressos. Por tudo isso, no dia 16 de dezembro, todos os católicos são convidados a oferecer sua contribuição e assim colaborar com a ampliação do Seminário e do Centro Pastoral, espaços onde se formam leigos e consagrados. Dom Dino mencionou: “A CNBB organiza todos os anos esse evento e conta com a colaboração de todos os católicos do Brasil para as suas atividades de evangelização. Então a Campanha para a Evangelização quer mostrar que Jesus Cristo é o Salvador, o Filho de Deus que veio ao mundo. Em Caruaru vamos pedir a colaboração dos fieis da Diocese para a reforma do Centro de Pastoral e Seminário que precisa de reforma porque todos os anos cresce o número de seminaristas.”


10 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

ACONTECEU

ACONTECEU

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 11

Festa de Nossa Senhora das Graças, Nova Caruaru A

“Maria, humana como nós” eis a temática da Festa de Nossa das Graças celebrada na Comunidade Nossa Senhora das Graças, no Bairro Nova Caruaru, de 22 a 25 de novembro, reunindo inúmeros fieis e famílias para festejar a padroeira da comunidade. O Tríduo preparatório aconteceu de 22 a 24 de novembro envolvendo a participação da Pastoral da Criança, Encontro de Casais com Cristo, Grupos Marianos, Pastoral do Dízimo e comunidades integrantes da Paróquia do Convento. O domingo, 25 de novembro, considerado o dia especial das festividades de Nossa Senhora das Graças, estava repleto de momentos devocionais iniciando com a solene procissão percorrendo as principais avenidas do bairro, em seguida celebração eucarística presidida pelo Frei William Almeida, animada pelo coral GAF, Grupo de Amigos Fieis. As famílias da comunidade marcaram presença em todos os dias da festa, de modo especial, no domingo, quando desde o início da tarde, os fieis começaram a chegar à Igreja e prestar suas homenagens e manifestar a devoção popular a Nossa Senhora das Graças. Crianças, jovens, adultos e idosos alegres expressavam a fé e refletiam a temática da festa. A senhora Maria José, uma das fundadoras da Comunidade, recordou: “Começamos no ano de 1988, rezando as novenas de Natal nas famílias, depois, percebemos a necessidade de darmos passos mais firmes, começamos a nos organizar e em pouco tempo começamos os trabalhos de construção da Igreja. Até hoje, buscamos dar continuidade no cuidado com a Casa do Senhor”. Já Kátia Marques mencionou: “Acompanhamos a tradição da Festa de Nossa Senhora das Graças em nossa Comunidade. Muitas pessoas alcançam graças por intercessão da Virgem Maria. É bonito ver a multidão que acompanha a procissão. Mostra que muitos devotos alcançaram graças por intercessão da Virgem Maria. Noto que a cada ano, novas pessoas participam dos festejos, provando assim que através da fé podemos enfrentar os problemas e dificuldades de nossa vida”. A senhora Maria das Dores, 'Dorinha', ressaltou: “A participação em nossa festa deveria ser ainda maior, se observamos a abrangência de nosso bairro, inclusive o engajamento nas pastorais e grupos poderia aumentar. O envolvimento nas ações pastorais é de extrema importância. Cada cristão é convidado a exercer a missão na Igreja”. Dorinha desenvolve um trabalho social na comunidade Morada Nova. Toda quarta-feira distribui o sopão para famílias carentes do bairro, além de uma feira básica uma vez por mês com donativos arrecadados na comunidade. Por isso, conta com a disponibilidade e colaboração das pessoas

dispostas a contribuir com essa ação social. Solange Florêncio destacou: “Eu morei na Nova Caruaru durante 10 anos, há 4 anos mudei de bairro, mas continuo atuando participando da comunidade. Sinto-me acolhida. Tenho grande devoção a Mãe das Graças, alcancei muitas graças. Tenho boas amizades no bairro. Através do exemplo de Maria, busco a cada viver a proposta do evangelho no dia-a-dia”. A devoção a Mãe das Graças do bairro Nova Caruaru é bastante antiga e torna-se evidente através da intensa participação de devotos e famílias da Comunidade. Os agentes de pastoral, entusiasmados contribuíram para a realização dessa festa, evento relevante para os católicos da Nova Caruaru. Em todos os dias, houve recitação do terço, missas e momentos de convivência para os membros da comunidade.

Kátia Marques e Solange Florêncio

Rejane Moreira e Paula Duarte


12 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

FRANCISCANISMO

Frei Salvio Romero, eremita capuchinho.

FRANCISCO, O CANTOR DE DEUS A beleza do canto, da poesia e da música em geral teve um lugar significativo na vida do nosso pai São Francisco. Ele se tornou o trovador de Deus, o cantor das criaturas e o poeta apaixonado pela dama pobreza. Nos momentos luminosos e nos sombrios, nas horas de dor e de alegria ele nunca desistiu de fazer de sua vida um jubiloso canto ao seu Criador. Antes da conversão, o jovem Francisco já demonstrava predileção pelo canto. A Legenda dos Três Companheiros afirma que ele era “aficionado aos divertimentos e aos cânticos” (LTC 2,3). Esta mesma obra nos oferece uma cena que ilustra muito bem como deveria ser a vida secular deste jovem: “Mandou que se preparasse um suntuoso banquete, como muitas vezes o fizera. Quando já refeitos, saíram da casa e os companheiros todos juntos o precediam, indo pela cidade a cantar” (LTC 7,2-3). Ao dar-se a sua conversão, ele não abandonou seu gosto pelo canto. Pelo contrário, nova inspiração nasceu do seu encontro com o Cristo e seu Evangelho. Tomás de Celano após nos contar como se deu o rompimento de Francisco com o seu pai, Pedro de Bernardone, apresenta-nos um santo que gostava de cantar: “Vestido agora com andrajos aquele que outrora usava escarlate, ao caminhar por um bosque e cantar os louvores ao Senhor em língua francesa, de repente ladrões caíram sobre ele” (1Celano 16,1). Este mesmo autor nos diz que, depois de ter sofrido algumas agressões por parte desses salteadores, São Francisco “alegrando-se com grande júbilo, começou a cantar em alta voz pelos bosques louvores ao Criador de todas as coisas” (1Celano16,4). Durante toda a sua vida, especialmente em momentos de grande exultação, o santo de Assis se exprimia através do canto. Um detalhe registrado por todos os seus principais biógrafos se refere ao idioma utilizado por São Francisco nestes momentos: “Quando fervia dentro dele a mais suave melodia do espírito, ele a expressava exteriormente em língua francesa” (2Celano 127,2). E como se não bastasse o próprio canto, ele acrescentava o instrumento e a dança: “De vez em

quando, como vi com meus próprios olhos, ele colhia do chão um pedaço de pau e, colocando-o sobre o braço esquerdo, mantinha um pequeno arco curvado por um fio na mão direita, puxando-o sobre o pedaço de pau como sobre um violino e, apresentando para isto movimentos próprios, cantava em francês cânticos sobre o Senhor. Frequentemente, todas estas danças terminavam em lágrimas, e este júbilo se convertia em compaixão para com a paixão de Cristo” (2Celano 127,3-4). Quem não se lembra daquela noite santa de Gréccio, quando o santo com seus frades e demais fiéis entoaram cânticos ao Menino de Belém? Descreve o biógrafo: “O bosque faz ressoar as vozes, (...) os irmãos cantam, rendendo os devidos louvores ao Senhor, e toda a noite dança de júbilo. O santo de Deus está de pé diante do presépio, cheio de suspiros, (...) e com voz sonora canta o

São Francisco também via no canto um meio para levar a mensagem de Cristo ao mundo. Evangelho. E a voz dele, de fato, era uma voz forte, voz doce, voz clara e voz sonora, a convidar todos aos mais altos prêmios” (1Celano 85-86). O canto e a música não só estavam presentes nos momentos de júbilo e exultação de nosso pai São Francisco. Nos momentos sombrios e dolorosos, também encontramos um santo que se deixa iluminar pelo canto que brota de seu coração. Quando esteve muito doente dos olhos, fazendo um tratamento em Rieti, pediu um favor a um de seus frades: “Eu gostaria, portanto, irmão, que trouxesses em segredo uma cítara de empréstimo, com a qual, fazendo algum canto honesto, desses algum alívio ao irmão corpo cheio de dores” (2Celano 126). Como o referido irmão não achou conveniente voltar a utilizar o instrumento que tocava antes de sua conversão, na noite seguinte o santo ouviu misteriosamente uma melodia vinda

daquele instrumento: “Já que não pude ouvir as cítaras dos homens, ouvi uma cítara mais suave” (2Celano 126,10). Não esqueçamos que foi numa noite de terríveis tormentos, já cego e muito doente, que este santo compôs o seu mais belo cântico, chamado por ele de “Cântico do Irmão Sol”. São Francisco também via no canto um meio para levar a mensagem de Cristo ao mundo. Na Compilação de Assis se afirma que, após compor o Cântico do Irmão Sol, o santo desejou enviar Frei Pacífico, excelente músico, com alguns frades a ir pelo mundo a pregar e louvar a Deus. Primeiro falariam ao povo e depois cantariam os louvores de Deus. No final o pregador deveria dizer ao povo: “Somos os jograis do Senhor” (CA 83,27). O canto, que sempre fora seu companheiro, esteve com ele até ao derradeiro instante de sua vida terrena. Tomás de Celano nos conta que, sabendo da proximidade da irmã morte, o seráfico pai: “chamou a si dois irmãos e filhos seus prediletos, ordenando-lhes que cantassem em alta voz e na exultação do espírito os Louvores ao Senhor pela morte próxima” (1Celano 109). Nos seus últimos dias, São Francisco se preparou para a morte entoando salmos e outros louvores a Deus. Portanto, aprendamos também nós, em toda e qualquer situação, a elevar a Deus um hino de louvor e gratidão. Que o nosso canto transborde de um coração cada vez mais purificado, iluminado e unido a Deus que é Pai e Filho e Espírito Santo.

ENCONTRÃO DE MEDITANTES No dia 04 de novembro, no Convento dos Capuchinhos, a Escola Franciscana de Meditação (EFRAM) promoveu mais um encontro de oração e formação espiritual para seus membros. Participaram deste evento 108 meditantes, vindos de nove grupos da cidade de Caruaru e da escola de Catende. O tema estudado neste encontrão foi: Seguir a Cristo em fraternidade e minoridade .

SHOWS PIROTÉCNICOS TRADIÇÃO E QUALIDADE EM FOGOS DE ARTIFICIOS Rua da Conceição, 42 – Centro - Caruaru – PE Fones (0xx81) 3721 6035 - 3722 6574

T O R I T A M A

Fone/Fax: (81) 3741-1333 / 3741-3228 / 9937-7678 e-mail: eticaltoritama@msn.com


ARTIGO

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 13

José Ronildo da Silva Comunidade Católica Manain

Assumindo nosso Batismo A porta de entrada na Igreja é o sacramento do Batismo. A fé em Jesus Cristo e o Batismo nos fazem cristãos, discípulos de Jesus (Marcos 16,16). É por isso que aqueles que ainda não são batizados devem procurar um sacerdote ou um catequista da sua paróquia para receber esta graça e selar o seu compromisso com Cristo e com os irmãos. A Igreja nos ensina que este sacramento nos faz participantes do sacerdócio de Cristo e da sua missão profética e real (Catecismo da Igreja Católica 1268). Isto significa que todos os batizados participam da única missão de Cristo confiada à Igreja. Nós devemos anunciar o Evangelho e denunciar todo mal (Lucas 4,1719), cooperar com a construção do Reino de Deus, Reino de paz e justiça que já está no meio de nós (Mateus 6,33) e oferecer a nossa própria vida ao Senhor e aos irmãos como um sacrifício de louvor a Deus por meio de Jesus Cristo (Romanos 12,1). Durante muito tempo acreditou-se que a missão de Cristo e da Igreja era reservada aos membros da hierarquia – bispos, padres, diáconos – mas é um grande engano pensar assim. A missão de Cristo é a missão de todo o Povo de Deus, de toda a Igreja. Os membros da hierarquia prestam ao Povo de Deus um grande e essencial serviço, exercendo o pastoreio à semelhança de Cristo, o Bom Pastor, e celebrando os sacramentos, especialmente a Eucaristia. Contudo, eles não são toda a Igreja, mas apenas parte dela. No início da pregação do Evangelho todos os batizados assumiam sua responsabilidade no anúncio do Evangelho e na construção do Reino de Deus. Hoje é urgente que todo Povo de Deus desperte e assuma sua missão, especialmente nestes tempos de Nova

Porém, se você deseja verdadeiramente assumir s eu Batismo, saia do comodismo e junte-se a um grupo, movimento ou pastoral da Igreja para servir os irmãos. Evangelização. Quando os cristãos assumem seu Batismo, eles dão à Igreja uma contribuição fundamental, edificando-a por meio dos carismas (= dons que o Espírito Santo nos dá), carismas que os tornam capazes a exercer funções na Comunidade (Concílio Vaticano II, Lumen Gentium 12). Caro leitor, você está assumindo seu Batismo ou ainda permanece acomodado na sua fé? Talvez você se pergunte: “Mas como posso assumir realmente o meu Batismo?” Em primeiro lugar, buscando uma vida de comunhão com Deus, por meio da oração, da meditação da Palavra e da vivência dos sacramentos, mas também procurando viver uma vida coerente com o Evangelho, e com palavras e atitudes dar testemunho no seu

SEMEAR MUDAS DE HORTALIÇAS

ambiente familiar, profissional, e também entre os amigos, de que leva a sério os ensinamentos de Cristo. Entretanto, ainda há algo mais que você pode fazer. Hoje vivemos uma cultura forte de individualismo e as pessoas não querem assumir compromissos, responsabilidades. Porém, se você deseja verdadeiramente assumir seu Batismo, saia do comodismo e junte-se a um grupo, movimento ou pastoral da Igreja para servir os irmãos. Procure o padre da sua paróquia e se coloque a disposição para algum serviço na comunidade. Quando fazemos isso, estamos dando sinais claros de conversão e de engajamento na missão de Cristo. Colabore na edificação da sua comunidade de fé, pois você também é Igreja, você também é Povo de Deus!

Fazenda Canto Alegre Sapucarana - Bezerros -PE 81 - 9937 - 8804


14- Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

ARTIGO

Prof. Dr. Frei Luiz Vieira, OFMCap.

Jesus Cristo: Luz Salvífica e Universal! O documento do Vaticano II chamado Lumen Gentium inicia afirmando duas grandes verdades sobre Jesus Cristo. A primeira é que Jesus Cristo é a “Luz dos povos” (LG 1). Por isso, o Concílio congregado pelo Espírito Santo deseja ardentemente cumprir o mandato de Cristo de anunciar o Evangelho a toda criatura (Mc 16,15) bem como iluminar todos os seres humanos com a “Luz de Cristo” que resplandece na Igreja para que todos possam chegar à Salvação (LG 1). A partir da afirmação de que Jesus Cristo é a “Luz dos povos” e de todo o gênero humano, compreende-se a universalidade de Jesus Cristo. Esta afirmação dogmática é uma retomada do grande Mistério de Cristo, pois já Mateus quando escreve seu Evangelho, bem no início, começa com essa ideia de que Jesus Cristo é o Salvador universal (Mt 2, 1-12). A segunda grande verdade é que Jesus Cristo é a “imagem de Deus invisível” (Cl 1,15). A Lumen Gentium fala do grande plano de amor da Trindade eterna que é a criação, - posteriormente, por causa do pecado -, a salvação, santificação e glorificação. A Trindade eterna quis elevar à participação de sua vida divina os seres humanos e mesmo estando-os caídos em Adão, não os abandonou, ofereceu-lhes a salvação mediante seu Filho eterno enviado para salvar a todos que nele crerem como salvador, pois Ele“é a imagem do Deus invisível, gerado antes de toda criatura” (Cl 1,15). Esta é a Cristologia do primado de Cristo elaborada na Carta aos Colossenses. Ela reflete a realidade da encarnação de “Logos” (Dabar=Palavra divina) eterno como plano livre e amoroso da parte da Trindade eterna. Aqui a encarnação faz parte do libérrimo desígnio da Trindade eterna que em diálogo eterno resolveu por que podia, queria e era conveniente enviar o Filho eterno para levar à plenitude a criação como

afirma Paulo: “quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho nascido de mulher, nascido sob a Lei, para resgatar os que estavam sob a Lei, a fim de que recebêssemos a adoção filial. E porque sois filhos, enviou Deus aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama Abbá, Pai. De modo que, já não és escravo, mas filho. E se és filho, és também herdeiro, graças a Deus” (Gl 4, 4-7). Assim, o Filho eterno ao se encarnar trouxe como consequência a salvação. Se a criação é obra da Trindade eterna, do Pai por mediação do Filho e no Espírito Santo, também a salvação é ação trinitária mediante o Filho encarnado, pois se diz: “Tudo foi por ele criado, no céu e na terra: o visível e o invisível, [...]. Tudo foi criado por ele e para ele, ele é anterior a tudo, e nele tudo tem a própria consistência. Nele, Deus decidiu que

residisse a plenitude; que por meio dele tudo fosse reconciliado consigo, fazendo as pazes pelo sangue da cruz entre as criaturas da terra e as do céu” (Cl 1, 16-20). Esta Cristologia foi desenvolvida pelo teólogo franciscano, o beato João Duns Scotus, como a Cristologia do primado do amor de Cristo, a qual se pode correlacioná-la com a Soteriologia de Santo Anselmo do primado da Justiça da satisfação. Enquanto para Anselmo a encarnação tem como objetivo necessário a Salvação, pois se não houvesse pecado, Cristo não haveria se encarnado; para Duns Scotus, o objetivo necessário da encarnação é chegar à plenitude da criação por uma ação livre e amorosa da Trindade eterna. A partir desta concepção pode-se concluir que Duns Scotus põe o acento na encarnação, pois havendo ou não pecado, Cristo teria se encarnado. A Cristologia de Scotus e a Soteriologia de Anselmo se complementam e não se contradizem nem se excluem. Duns Scotus acentua a Cristologia com a encarnação enquanto Santo Anselmo destaca a Soteriologia e por isso a encarnação possui como destinação específica, o único e necessário sacrifício Cristo na cruz para salvar o gênero humano do pecado. Se Anselmo prima pela Justiça divina para chegar à Misericórdia do próprio Deus; Duns Scotus prioriza a Misericórdia divina para aportar à Justiça de Deus para com salvação da humanidade, e esta, no tempo de encarnação, encontrava-se decaída. Oferece-se assim uma conciliação entre dois pólos – Cristologia e Soteriologia - abrindo diálogo entre os cristãos de todas as igrejas cristãs e das diferentes religiões. Com a encarnação, dá-se a “cristificação” em toda a criação manifestando-se a universalidade de Cristo nela e com a “quênosis” do Filho de Deus na cruz, torna-se manifesto a universalidade salvífica de Cristo.


REGIONAL

Jornal Coração Eucarístico - 1º de novembro/2012 - 15

PROFISSÃO RELIGIOSA DOS NOVIÇOS CAPUCHINHOS No dia 25 de novembro, na cidade de Bom Conselho – PE, foi celebrada a Profissão Religiosa dos noviços capuchinhos da Província de Pernambuco (PRONEB) e da Bahia (PROBASE). A celebração eucarística, presidida pelo Frei Rubival Cabral Britto, provincial da Bahia, foi realizada na capela do Colégio de Nossa Senhora do Bom Conselho, às 10 horas da manhã. Após a proclamação do Evangelho, os cinco noviços da PRONEB emitiram seus primeiros votos diante do ministro provincial, F r e i F r a n c i s c o B a r r e t o, iniciando, assim, uma nova etapa de formação religiosa em suas vidas. Em seguida, o provincial da Bahia recebeu os votos de um noviço, pertencente àquela c i r c u n s c r i ç ã o. E s t a va m presentes muitos frades capuchinhos, irmãs franciscanas, além dos familiares e convidados dos jovens noviços. Após a solene liturgia, todos se dirigiram ao Convento São Fidélis para o almoço e confraternização. Os fiéis desta Paróquia do Coração Eucarístico de Jesus se alegram de forma especial, porque dentre aqueles noviços que se consagraram a Deus como religiosos capuchinhos, um deles é filho desta comunidade eclesial, o Frei Wa l t e r B e n í c i o, a q u e m parabenizamos e desejamos perseverança neste caminho evangélico-franciscano.


16 - Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

ARTIGO

Fotos Renata Gabrielle

A CRUZ NAS CONSTITUIÇÕES DA OFS

Nós vos adoramos..., porque pela vossa santa Cruz remistes o mundo. Vitória, tu reinarás! Ó Cruz, tu nos salvarás! Bendita e louvada seja... E nós também na terra louvamos a santa Cruz!

01.

A cruz é uma realidade que perpassa a Bíblia Sagrada, alcançando a sua expressão máxima em o Novo Testamento. Podemos até mesmo falar de uma “teologia da Cruz”, sobretudo a partir dos escritos de São Paulo. O tradicional “pelo sinal da santa cruz”, que nos recorda o mistério pascal (morte e ressurreição do Senhor), e nem sempre feito com a devida unção, nos fala de que, por ele, nós somos “tocados” pelo amor da Trindade e que nada em nós fica excluído desse amor. As festas litúrgicas nestes dias celebradas – Exaltação da Santa Cruz, Nossa Senhora das Dores, Impressão das Chagas de São Francisco – dão um sentido maior à nossa reflexão. Eis alguns sugestivos textos bíblicos: - Se alguém quiser vir comigo, renuncie-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me (Mt 16,24b); - Como Moisés levantou a serpente no

deserto (cf. Nm 21,4-9), assim deve ser levantado o filho do homem (Jo 3,14); - Que toda a casa de Israel saiba, portanto, com a maior certeza de que este Jesus, que vós crucificastes, Deus o constituiu Senhor e Cristo (At2,36); - Mas eis aqui uma prova de amor brilhante de Deus por nós: quando ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós (Rm 5,8); - Quanto a mim, não pretendo, jamais, gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo (Gl 5,14); - E, sendo exteriormente conhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz (Fl 2,8); - Em vez de gozo que se lhe oferecera, ele suportou a cruz e está sentado à direita do trono de Deus (Hb 12,2).

02. As Constituições da OFS assim nos falam: - Art. 10: ‘Cristo pobre e crucificado’, vencedor da morte e ressuscitado, máxima manifestação do amor de Deus ao homem, é o ‘livro’ no qual os irmãos, à imitação de Francisco, aprendem o porquê e o como viver, amar e sofrer. Nele descobrem o valor das contradições pela causa da Justiça e o sentido

das dificuldades e das cruzes da vida de cada dia. Com Ele, podem aceitar a vontade do Pai, mesmo nas circunstâncias difíceis, e viver o espírito franciscano de paz, no repúdio de toda doutrina contrária à dignidade do homem.

03.

Nas Fontes Franciscanas e Clarianas encontram-se dezenas de passagens sobre a cruz e seus significados. Vejamos algumas: - Pois, num dia, enquanto rezava assim isolado e estava, devido ao excessivo fervor, todo absorto em Deus, apareceu-lhe o Cristo Jesus, pregado na cruz. À vista dele, sua alma se liquefez e a memória da paixão de Cristo ficou tão profundamente impressa no íntimo do coração dele que, a partir daquela hora, quando lhe vinha à mente a crucifixão de Cristo, mal podia conter-se exteriormente das lágrimas e gemidos, como ele próprio contou mais tarde familiarmente, quando se aproximava do fim (LM 1,5,7-8). - E como não percebesse nada dela com inteligência clara e como a novidade dessa visão se apoderasse do coração dele, começaram a aparecer-lhe nas mãos e nos pés os sinais dos cravos, à semelhança do homem crucificado que pouco antes vira acima dele (Estigmas – M. Alverne: 1Cel 94,7).


PRONEB

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012- 17

Frei Francisco Barreto, OFMCap. Ministro Províncial

BATISMO, MAIOR PROFISSÃO DE FÉ PÚBLICA A consciência é o órgão mediante o qual Deus fala individualmente ao coração de cada pessoa. Na consciência reside a radical dignidade do homem e sua inviolabilidade. Ele está em contato com o mistério absoluto, sacrossanto. Na consciência o homem pode ser manipulado sutil e inconscientemente e por isso ela deve ser crítica para discernir a voz de Deus no meio do vozerio de todos os tempos. Há uma tendência corriqueira que instiga uma fugo do mundo para ficar com paz de consciência. Aqui é o contrário, a consciência como lugar do encontro com Deus exige uma presença crítica no meio do barulho do mundo, exatamente para discernir a voz de Deus. Se o homem deve seguir a voz interior de sua consciência porque é a voz de Deus, deve também seguir a voz de Deus que fala desde fora dele, por meio da comunidade de fé, a Igreja. Antes de mais nada, e definitivamente, Deus falou aos homens em Jesus Cristo. Ele era a Palavra de Deus que fez morada no meio de nós (Jo 1,14). Quem falava com Cristo dialogava com Deus (Jo 14,8). Cristo é o sacramento do Pai. Depois da Ascensão, da subida de Jesus ao Pai, esta função de sacramento reveladora e explicitadora de Deus passou para Igreja. Esta, portanto, tem no mundo o compromisso de testemunhar Deus praticando a justiça, a solidariedade e pregando o amor. Revelando Deus promovendo a fraternidade. Todo homem que ouve a Palavra de Deus e segue com sinceridade sua consciência é um cristão, porém, latente, anônimo. Isto é, alguém que interiormente sabe que existe princípios

éticos e que deve segui-los. Este homem está sendo chamado a professar e testemunhar Deus publicamente dando forma concreta e comunitária à sua adesão a Deus. A explicitação fundamental de fé para nós cristãos, é o Batismo. A raiz fundamental da fé está aí, neste reconhecimento interior, na consciência de que o bem deve ser feito. A Igreja surge exatamente com a missão de acolher as manifestações explícitas de cada pessoa que se sinta chamada a Testemunhar Deus. Duas coisas importantes que devemos considerar: primeiro, a fé exige que haja a Igreja como espaço público para sua vivência; a fé exige uma ética e um conjunto de doutrinas para sua sustentação através dos tempos. Segunda, não é a doutrina, o dogma, a autoridade que

17 A 20 de dezembro

XI CAPÍTULO PROVINCIAL

conduz à fé, como normalmente ouvimos dizer. Cumpra a lei, obedeça e você será salvo, isso é farisaísmo e Jesus condenou. A salvação está em fazer a caridade, praticar o amor e estes valores estão dentro do homem antes mesmo que ele os explicite publicamente. O cristão explícito, público é por vocação, católico. Isto é, contempla toda realidade, mesmo a mais distante e diferente como revelação de Deus e de Cristo. A vivência coerente desta visão implica um homem novo, aberto a novidade cotidiana de Deus. Um homem do Reino futuro que se opõe aos reinos presentes que se absolutizam. Tipo reino político, ideológico, até mesmo reino do absolutismo religioso, e reino do cientificismo. Um BATIZADO.

Tema: Identidade, senso de pertença e liderança Local: Convento dos Capuchinhos de Caruaru-PE


18- Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

PASTORAL

Primeira Eucaristia no Convento

A

Igreja do Convento esteve em festa, no domingo 25 de novembro com a realização da Primeira Eucaristia de 37 crianças da Comunidade. Ao longo de dois anos as crianças participaram de encontros catequéticos em preparação para a Primeira Eucaristia, um dos momentos mais marcantes na vida dessas crianças. Pela primeira vez participaram do Banquete Eucarístico e são convidadas a serem assíduas na participação das missas e atividades da comunidade, buscando assim perseverarem na fé e vivência religiosa. As crianças estavam felizes com a participação no sacramento da eucaristia. Os pais, familiares e amigos compareceram a matriz do Convento para prestigiar esse significativo evento para as crianças da Comunidade. As catequistas do Convento, Edileusa, Iracilda, Zilda, Maria Aciole e Sevi, comprometidas com a educação de fé buscam exercer a missão de transmitir a fé através de encontros catequéticos em preparação para os sacramentos, de modo especial os da iniciação cristã, ou seja, batismo, eucaristia e crisma. A educação de

fé não se encerra com a culminância dos sacramentos, pelo contrário, compreende toda a existência humana, uma vez que todos os momentos são oportunidades de evangelização e aprendizado de fé.

Pça Cel. Francisco dos Santos, 18 Centro - Caruaru/PE Fone/Fax: 81 3721.2939 / 9112.6939 E-mail.vaniacabeleireiros@hotmail.com

Compromisso com o que faz


PASTORAL

Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012 - 19

A c a t e q u i s t a E d i l e u z a Po n t e s, Coordenadora da Catequese, com a realização da Primeira Eucaristia espera que os catequizandos estejam motivados a expressar a cada dia a fé a atuem na comunidade, através da Catequese de Perseverança. “Sinto-me feliz com tantas crianças recebendo Jesus na eucaristia. Percebo que estão se preparando para o verdadeiro caminho de fé. Ao participar do banquete eucarístico, temos a certeza de que nossas crianças poderão enfrentar com mais segurança e coragem as dificuldades e desafios da vida, na certeza de que Jesus é presença vida no coração de cada uma”. Os pais e familiares são convocados a contribuir com a continuidade da educação de fé dos catequizandos, já que a família é a primeira responsável pela formação de fé de seus membros. Se a família motiva seus membros para a vivência autentica e atuante de fé, com certeza as crianças e jovens, motivados pelo testemunho familiar serão cristãos atuantes e comprometidos com a construção do Reino. Edileusa Pontes deixou um recado aos pais: “Os pais são os primeiros catequistas, por isso, devem colaborar incansavelmente para não deixar apagar a chama da fé no coração de seus filhos. Nós, catequistas, demos a nossa contribuição, plantando a semente da fé e juntamente com a família e toda comunidade precisamos fazê-la germinar. A Primeira Eucaristia não é o final, porém, início da caminhada. Outras etapas precisam ser percorridas. Para isso, o incentivo e motivação dos pais são fundamentais. As crianças escolheram por opção própria par ticiparem dos encontros e nesta celebração puderam renovar as promessas do batismo e se comprometeram em viver a fé no cotidiano da vida. Tudo isso, me alegra bastante e confirma a certeza de que a catequese é a missão confiada por Deus a cada uma de nós, catequistas”. Os catequizandos participaram de homenagem e coroação a Nossa Senhora. Também nesse mês foi realizada Primeira Eucaristia nas Comunidades do Bairro Centenário e em Carapotós.

Dr. Kleber Oliveira Barboza CRM 9671 TEOT 7409 Ortopedia e Traumatologia Cirurgia da Mão e Microcirurgia Cirurgia dos Nervos Periféricos Av. Dr. Pedro Jordão, 33 Sala 719 12º andar - Maurício de Nassau Caruaru - PE CEP: 55012.640 81 3721.1390 (marcação 24 horas - 81 9402.7250) SOS Mão Recife - Tel: 81 3087.9595 klebercirurgiadamao@hotmail.com


20- Jornal Coração Eucarístico - 1º de dezembro/2012

Carta do frei William Almeida a todas às famílias católicas das comunidades rurais e urbanas da Paróquia Coração Eucarístico de Jesus. Senhores paroquianos, recebam os nossos missionários com alegria, eles estão em Missão Evangelizadora! Tenho pedido a Deus que continue derramando bênçãos sobre nossa paróquia. Quero muito visitar cada lar para abençoar as famílias. Até que isso seja possível, a tarefa de visitar as casas está a cargo de missionários voluntários de nossa comunidade. Eles precisam apenas anotar os nomes de todas as pessoas adultas que são batizadas na Igreja Católica. Os missionários serão os representantes da paróquia junto às famílias e serão chamados de zeladores. Na última semana de cada mês, eles voltarão para trazer mensagens, convites para festas e informações sobre a vida da Igreja. Eles ainda poderão promover encontros e formar grupos para leitura da bíblia. Estou enviando um livro como presente da paróquia para cada família. Peço que todos o leiam até o fim. Na contra capa há um quadro com os dias e horários dos principais eventos da comunidade. Passamos a viver mais felizes, a partir do momento em que entendemos o quanto é importante ser membro ativo da igreja onde fomos batizados. Faço um pedido especial: não deixem jamais de frequentar a Igreja Católica que está mais perto da sua casa. A falta do dízimo é um problema muito sério, mais a ausência das pessoas que foram batizadas é um problema infinitamente mais grave. Vou continuar pedindo bênçãos para nossas famílias, e muita saúde para todos nós. Missa da bênção aos novos dizimistas: A próxima missa que for celebrada em cada comunidade de nossa paróquia será a missa da benção aos novos dizimistas. Convide seus amigos e parentes a participar como os senhores. Façam este bem a eles! Continuem todos com Deus e até breve!

Frei William Oliveira de Almeida

Frei Miguel de Anadia Venham celebrar com o ‘’santo confessor’’ seus 60 anos de vida religiosa no dia 25 de dezembro ‐ Dia de Natal ‐ às 19h30 na Igreja do Convento

INFORME

Celebrações de Natal no Convento

Missa do Galo dia 24 às 20h Missa de Ano Novo Dia 31 às 20h Festa de Nossa Senhora das Graças Padroeira da Normandia e Contendas

De 06 a 09 de Dezembro “Assim como a Mãe das Graças nos façamos servos de Deus”

Programação Dia 06-12 QUINTA-FEIRA (ABERTURA) 06:00 H : Oficio de Nossa Senhora com girândola 19:00 H: Hasteamento da bandeira 19: 30: Celebração Eucarística Celebrante: Frei Willian Almeida Coral: Vozes do Senhor Dia 07-12 SEXTA-FEIRA 19: 30: Celebração da palavra Celebrante: Frei Francisco Barros Dia 08-12 SÁBADO 19: 30: Celebração Eucarística Celebrante: Frei Dimas Marleno Dia 09-12 DOMINGO (ENCERRAMENTO) 09:00 H: Procissão saindo da casa de Sr. Luiz e Dona Ivanete 10:00 H: Celebração Eucarística Celebrante: Frei Willian Almeida HAVERÁ QUERMESSE TODAS AS NOITES

Agradeço a Frei Damião a graça alcançada por sua intercessão a Deus, pela recuperação da saúde de minha filha Renata Torres de Lira, sem a intervenção cirúrgica. Maria do Rosário Torres de Lira Caruaru, 20 de novembro de 2012

É tempo de Natal

Jornal Coração Eucarístico  

Edição de Dezenbro de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you