Issuu on Google+

Distribuído com o Expresso. Venda interdita. DIRETOR

Paulo Neto

Semanário 20 a 26 de abril de 2012 Ano 11 N.º 527

1,00 Euro

SEMANÁRIO DA

REGIÃO DE VISEU Novo acordo ortográfico

| Telefone: 232 437 461

·

Rua Santa Isabel, Lote 3 R/C - EP - 3500-680 Repeses - Viseu ·

redacao@jornaldocentro.pt

·

www.jornaldocentro.pt |


Em 1983, quando surgiu o primeiro 205, não havia ninguém da minha idade que não desejasse ter um. Trinta anos após, este 208 despertou-me o mesmo sentimento. Mais ainda depois de um test-drive. Esteticamente ao sabor da mais competente modernidade, com um design fluido, num conjunto mais leve que o anterior modelo, com consumos ainda mais moderados, um interior de linhas e materiais muito agradáveis à vista e ao tacto, começa por nos surpreender com o pequeno diâmetro e formato do volante e com um tablier atraente, em materiais suaves, dotado de um monitor inteiramente táctil, de 7”, propiciador de útil informação. Os bancos dianteiros são acolhedores e envolventes e o espaço traseiro é adequado a três adultos. Também os 285 litros da mala são correctos. Em marcha, o motor progride sem hesitações, redondo e progressivo, dános a sensação que estes 68 cv são PSL (puro sangue lusitano), facto a que não é alheio o excelente binário de 160 Nm às 1750 rpm. A direcção, de assistência eléctrica, é suave e leve em cidade e muito sensitiva em estradas sinuosas, propiciando após breves quilómetros, uma sensação de real segurança e descontracção, muito

Paulo Neto

Um novo leão: o 208 Active 1.4Hdi

por culpa da excelente dinâmica proporcionada pelos competentes chassis e suspensão. Num teste misto, com principal incidência de cidade, a média de combustível gasto rondou os 4,5 litros aos 100, o que, em boa verdade e atendendo a que o veículo usado nos foi entregue com 7 quilómetros, permite adivinhar médias de consumo assaz frugais. Em suma, este utilitário da Peugeot apresenta-se como um digno continuador dos seus bem- sucedidos e antecedentes modelos, como exemplarmente demonstram os 13 milhões de exemplares vendidos

nestas três décadas. Com um ADN destes, difícil mesmo é não estar vocacionado para triunfar e parafrasear as palavras de Vincent Rambaud, DG da marca: “Com o 208, a Peugeot muda de época.” Post scriptum: não é despiciendo juntarmos ao “pack”o conceito ecológico, ao percebermos que este modelo integra 25%

de “materiais verdes”… A viatura ensaiada trazia como extras a pintura metalizada (cinzento Spirit), luzes diurnas de led, leitor CD no porta-luvas, pack arrumação e pack visibilidade. O preço de venda ao público, com estes extras e já com averbamento e legalização, é de 19.455,00€. Paulo Neto

O Futuro passa por aqui… futuras instalações Auto Martinauto, SA

Novas instalações da Auto Martinauto, SA, em construção em Fragosela de Cima – Viseu, junto ao nó de acesso à A25


Distribuído com o Expresso. Venda interdita.

UM JORNAL COMPLETO

Publicidade

pág. 02 pág. 06 pág. 08 pág. 10 pág. 14 pág. 15 pág. 17 pág. 24 pág. 27 pág. 28 pág. 30 pág. 32 pág. 34 pág. 35

DIRETOR

Paulo Neto

> PRAÇA PÚBLICA > ABERTURA > À CONVERSA > REGIÃO > EDUCAÇÃO > ECONOMIA > ESPECIAL > DESPORTO > EM FOCO > CULTURA > SAÚDE > CLASSIFICADOS > NECROLOGIA > CLUBE DO LEITOR

Semanário 20 a 26 de abril de 2012 Ano 11 N.º 527

1,00 Euro

SEMANÁRIO DA

REGIÃO DE VISEU Novo acordo ortográfico

| Telefone: 232 437 461

·

Rua Santa Isabel, Lote 3 R/C - EP - 3500-680 Repeses - Viseu ·

redacao@jornaldocentro.pt

·

www.jornaldocentro.pt |

Pelo novo Caminho de Santiago ∑ Mais uma dinâmica para o turismo do interior | páginas 6 e 7

Viseu

Castro Daire

Lamego

Peso da Régua

Vila Real Santa Marta de Penaguião

Chaves Vila Pouca de Aguiar

Santiago de Compostela


2

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

praçapública r

r

palavras

deles

E enquanto espeQualquer dia o país está afundado no ramos por qualquer coisa parecida com a mar” “Revolução dos Cravos”, temos é de pensar que há um 25 de Abril ainda por cumprir e muita coisa ainda resta para salvaguardar”

Opinião

Cátia Figueiredo

Opinião

totalidade do prazer não se esgota na viagem exterior mas na viagem espiritual interior e única...” (acerca dos Caminhos de Santiago)

Diamantino G. Silva Capitão de abril, em artigo de opinião no Jornal do Centro

Presidente da Câmara de Viseu Durante a conferência de imprensa de apresentação da 4ª edição da “Rota do Rancho e do Vinho do Dão”, na quartafeira, dia 18 de abril.

João Figueiredo Deputado do PSD, ao Jornal do Centro

Portugal Cada homem é uma raça. Mia Couto

Estudante de doutoramento em Psicologia, na UWM - Milwaukee - USA

restaurantes nem faz rancho, mas tenta animar a economia local com iniciativas como esta.”

Fernando Ruas

Fernando Sebastião Presidente do Instituto Politécnico de Viseu (cerimónia comemorativa do 18º aniversário da Escola Superior Agrária de Viseu do IPV, 18 de abril)

rA Câmara não tem r ...a

De onde venho? É a pergunta que sempre aparece quando abro a boca ou quando me vêem aqui por estas ruas. Nao sei como reconhecem (sem eu abrir a boca e mostrar sotaque) que não sou daqui dos Estados Unidos. És indiana? És mexicana? És russa? És grega? Então? (a lista pode continuar se não responder que sou Portuguesa, por isso quando chega ao “então” faço lá o jeito de responder ainda que goste que naveguem o mundo para tentar adivinhar). As respostas ao “sou Portuguesa” são várias: de Portugal já ouvi dizer que conhecem os vinhos, o futebol, Sintra (o sítio que encantou a maior parte dos desconhecidos com quem esbarrei por aqui) e o Mourinho. Já ouvi pessoas que sabem pormenores do 25 de Abril, que sabem dos Descobrimentos, de Fernão de Magalhães e das ilhas que temos (sim, as nossas

ilhas são tão exóticas aqui como deveriam ser para nós). Os meus pacientes pequeninos (dos 8 aos 12 anos) gostam que eu goze com o meu próprio sotaque e gostam que eu finja que eles me ensinam palavras. Os meus pacientes mais velhos olham para mim com uma curiosidade delicada que chega a ser enternecedora. Sorriem cada vez que finjo que preciso que me ensinem o que sentem por outras palavras. E aceitam a brincadeira de bom grado, porque todos temos um professor paciente dentro. Rejeitada? Posta de lado por vir de outro país? Nunca, pelo menos até agora. Posso estar de passagem mas nao sou posta na margem. Vim para aqui com uma razão e isso é suficiente para o povo mais proactivo que conheço. Se sonho, devo ir em frente e é isso que conta. Bem, continuando que não temos tempo para tangentes: gosto da abertura da América ao mundo. Ainda

que as fronteiras estejam a fechar-se cada vez mais e ainda que para se viver aqui tenha que se ser legal, gosto. Ainda que os jornais contem mais coisas nacionais e coisas relacionadas com coisas nacionais (americanas) sinto que há abertura. Gosto da curiosidade acerca de outras culturas que as pessoas que encontro na rua (as que conheci) têm. E gosto do orgulho que têm nas próprias raizes: conheço pessoas que se identificam como 1/16 irlandeses porque lá num dos ramos mais antigos da árvore geneológica houve um irlandês que embarcou para o Novo Mundo e deu origem aos trisavôs que os originaram. E haviam de ver o orgulho na fracção. Ser 1/16 irlandês é ser americano, porque toda a gente é 1/16 qualquer coisa e adoro isso. A minha família está por todo o lado e é 1/1 cidadã do mundo, por isso às tantas também sou 1/16 irlandesa e não sei. Sim, aterrei numa salada de cultu-

ras e as pessoas querem incluir-me. Todos me perguntam coisas do meu país, inclusivamente onde fica, que língua falo e se e é a mesma língua ros. Toque os Brasileiros. dos querem aprender português e tentam dizer os r’ss como eu tento falar alemão: ção mas com boa intenção dos. poucos resultados. na deiEsta semana me conta da quansoas tidade de pessoas onque metem congo versa comigo a. por ser de fora. Gosto de apre-u sentar o meu país a quem veenham nha. Por isso venham eles: sabedores ou não al é. Eu do que Portugal u país aprendo o meu todos os dias.

do custo de vida e a diminuição dos proventos. É a insuportabilidade do peso de um mundo feroz que não ajudei a construir. É não poder dar o meu contributo para melhorar a vida de todos nós. É lamentar quantos estão pior que eu e com eles ser solidária, apenas com o carinho e compreensão que me sobejam. É ler nos olhos dos meus pais o drama que vive a maioria dos portugueses. É ouvir todos os dias os embustes dos politiqueiros arrogantes que nos governam. É viver num país que tem Saúde para ricos e saúde para pobres. Que tem Justiça para ricos e justiça para pobres. Que tem Educação para ricos e educação para pobres.

Que tem Oportunidades para ricos e não tem oportunidades para pobres. Algum jovem como eu conhece o/a filho(a) de algum político da nossa idade desempregado(a)? Bom, esta semana foi cinzenta. Está frio. Voltou o inverno. Os corpos ressentem-no. O espírito manqueja. A moral escasseia. E eu estou para aqui a escrever este diário danado… Vou dar a volta dos tristes, passar pelo Rossio e cumprimentar os meus deambulantes companheiros reformados e acabar no IEFP onde convivo uma horita com os desempregados companheiros do infortúnio e sempre posso olhar para o quadro vazio das ofertas de emprego, na expectativa que ele se encha, um dia, de miríficos postits.

O Diário Danado…

A última edição do Jornal do Centro fala numa percentagem de desempregados de 17%. Este número frio, lido assim, não dirá nada à maioria das pessoas. A mim diz-me muito. Porque o integro. Marta Almeida E o que é ser uma jovem, adulta, marta92almeida@gmail.com sem meios próprios de subsistência, dependente de terceiros, pese embora com formação académica qualificada que a habilitaria para o desempenho competente de uma profissão? É não vislumbrar o dia de amanhã. Deitar-me todos os dias sem esperança no futuro. Acumular raiva e frustração. Contra um país avarento para os seus filhos e contra uma horda de políticos corruptos e incompetentes que nos deixaram desânimo em lugar de alento.

É viver um ócio insuportável e deprimente. É perder a postura altiva dos sonhadores. É olhar em volta e perceber, disfarçados, olhares de complacência comprometida, compreensão e impotência. É procurar, em cada dia, uma réstia de esperança no fundo da angústia. E, a ela agarrada, continuar em frente à procura. Enviar currículos que ninguém lê. Emails que são spam. Entregar currículos em que ninguém pega. Súplicas, quase, que são trivialidades para os demais receptores. É viver em casa – e quão feliz ainda eu sou por ter uma casa e um lar que me acolhe – apesar das agruras que o agregado familiar sente a cada dia que passa, com o aumento


OPINIÃO | PRAÇA PÚBLICA 3

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

números

estrelas

205

É a distância em quilómetros do Novo Caminho Português Interior de Santiago de Compostela, entre Viseu e Chaves. O trajeto até Santiago é de 385 quilómetros.

Importa-se de responder?

Após 17 anos de convívio anual, o grupo Barões da Sé assume-se como uma instituição de defesa do centro histórico de Viseu, programando um conjunto de ações para abordar plurais temáticas, culturais e outras.

A ESAV acaba de festejar 18 anos, ficando claro nas cerimónias de comemoração o projeto para o futuro da instituição, mais aberto para a sociedade.

Para mim, o dia 25 de Abril, representa o dia da liberdade, quando nos livrámos da política de Salazar.

Gonçalo Almeida

José Maria Pereira

13 anos

17 anos

O 25 de abril de 1974 foi um acontecimento muito importante na história de Portugal. Marca a passagem de um regime de ditatura para a democarcia. Pelo que, deve ser recordado com todo o respeito pelas gerações vindouras.

Para mim o 25 de Abril é o dia que representa a liberdade para todos os portugueses, pois acabou com a ditadura de Salazar e as torturas da PIDE. Para os jornalistas também foi importante. O Governo acabou com a censura e os jornais passaram a escrever livremente, acrescentando mais notícias. Hoje, não me imagino a viver sem liberdade para expor as minhas ideias. José Miguel Pereira

Sandra Rodrigues

12 anos

20 anos

Margarida Assis Aluna da ESEN

Rota do Rancho e do Vinho do Dão. Vinte e dois restaurantes da capital do distrito juntam-se para promover um dos pratos mais típicos de Viseu, criado no século XIX pelos militares do regimento de infantaria. Nesta IV edição, consegue chamar a si outro ex-libris, que é o vinho do Dão.

O que representa para ti o 25 de Abril? O 25 de Abril foi a libertação do povo português de um regime de ditadura e opressão.

Pionés/Punaise

Fernando Ruas Presidente da Câmara Municipal de VIseu

Paula Correia Presidente da Escola Superior Agrária de Viseu

Barões da Sé Viseu

Günter Grass - O que Deve Ser Dito

Günter Grass, Nobel da Literatura em 1999, publicou, no início deste mês, em vários jornais europeus, o poema Was Gesagt Werden Muss (O que Deve Ser Dito), gerador de aguda polémica. O texto afirma-se como uma quebra no silêncio hipócrita – uma passividade assaz activa, pelo que precipita, permitindo – do Ocidente perante a ameaça à paz mundial que têm consituido algumas acções do governo israelita, como a recente compra de um submarino “cuja especialidade é dirigir ogivas aniquiladoras / para onde não ficou provada / a existência de uma única bomba” (“se bem que se queira instituir o medo como prova”), o Irão. Grass condena o seu berço, a Alemanha, responsável pela venda desta embarcação bélica, rasgando cruamente as frouxas costuras que escondem o “estigma inapagável” relativo aos “crimes muito próprios” que ninguém consegue, na perspectiva

deste autor, deixar de associar àquele país. Ou seja, de acordo com o Nobel, os próprios alemães ainda não ultrapassaram o preconceito quanto a si mesmos, e, assim, orientam o seu comportamento de acordo com as opiniões que pode gerar e não com os seus resultados efectivos. Eis que surge – ó grandes iluminados! – a hipótese de retirar o prémio atribuído em 1999 a Günter Grass. O ridículo desta possibilidade é tão infinito que chega a ser difícil verbalizá-lo. Antes de mais, tratar-seia de uma violação crassa e manifesta de um direito sobejamente proclamado pela nossa excelentíssima sociedade ocidental, a liberdade de expressão. Além disso, seria algo incoerente, ilógico (idiota?)… A obra que foi meritória em 1999 não deixou de o ser em consequência de um poema escrito em 2012. Ainda que seja bárbaro, abjecto, repugnante, miserável…

Felizmente que a Academia Sueca, responsável pela atribuição do Prémio Nobel da Literatura, recusou este cenário (haja sensatez). Peter Englund, secretário da instituição, esclarece, para os mais distraídos, que Grass é Nobel “pelo seu mérito literário e apenas pelo mérito literário, como é o caso de todos os laureados”. Portanto, afastemo-nos dos julgamentos ideológicos; falamos de literatura… Ainda assim, e só porque desconcerta mais, Was Gesagt Werden Muss parece-me, efectivamente, O que Deve Ser Dito, parece-me, francamente, um brado (ou um rugido) pela “paz mundial já de si frágil” – “Só assim poderemos ajudar todos, / israelenses e palestinos, / mas também todos os seres humanos / que nessa região ocupada pela demência / vivem em conflito lado a lado, / odiando-se mutuamente, / e decididamente ajudar-nos também”.


4 PRAÇA PÚBLICA | OPINIÃO Editorial Diretor Paulo Neto, C.P. n.º TE-261 paulo.neto@jornaldocentro.pt

Redação (redaccao@jornaldocentro.pt)

Emília Amaral, C.P. n.º 3955 emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Gil Peres, C.P. n.º 7571 gil.peres@jornaldocentro.pt

Tiago Virgílio Pereira, T.P. n.º 1574 tiago.virgilio@jornaldocentro.pt

Paulo Neto Departamento Comercial comercial@jornaldocentro.pt

Diretor do Jornal do Centro paulo.neto@jornaldocentro.pt

Diretora: Catarina Fonte

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

“Chic a valer!” A comunicação social tem na sua designação a essência do seu serviço e conteúdo: partilhar colectivamente a informação. No sentido de transmitir aos seus leitores o máximo de informação possível, o JC, na sua específica periodicidade semanal, privilegia temáticas de âmbito do jornalismo de análise, opinião e investigação, nas plurais áreas de intervenção social regional, política, económica,

cultural, etc. Isto significa que e até por surgirmos uma vez por semana, não dedicamos muito empenho ao fait-divers nem aos eventos de ocorrência diária, rapidamente anacronizados. Há duas rubricas que carecem sempre de um maior e prévio trabalho de ponderação, de programação, de planificação e de agendamento: a “Abertura” e o “À Conversa”. De acordo com os nossos objecti-

vos editoriais, na contínua auscultação dos interesses dos nossos leitores e da opinião pública, em geral, visamos proporcionar destaque e enquadramento aos acontecimentos e pessoas abordadas. Lamentável é que os actores envolvidos ou enquadráveis nessa circunstância temática, por vezes, não o compreendam, ou algumas vezes, compreendendo-o sofrivelmente, numa unilateralidade desviante, fa-

catarina.fonte@jornaldocentro.pt

Ana Paula Duarte ana.duarte@jornaldocentro.pt

Departamento Gráfico

Canto Esquerdo

Marcos Rebelo

Uma espécie de guerra civil (2)

marcos.rebelo@jornaldocentro.pt

Serviços Administrativos Sabina Figueiredo sabina.figueiredo@jornaldocentro.pt

Impressão GRAFEDISPORT Impressão e Artes Gráficas, SA

Distribuição Vasp

Albino Matos Advogado

Tiragem média 6.000 exemplares por edição

Sede e Redação Rua Santa Isabel, Lote 3 R/C EP - 3500-680 Repeses, Viseu • Apartado 163 Telefone 232 437 461 Fax 232 431 225

E-mail redaccao@jornaldocentro.pt

Internet

Sigo com o tema do tal livro de ficção dedicado ao caos do trânsito, esta espécie de guerra civil entre automobilistas e peões. Para falar, por hoje, das causas de tal fenómeno social, e não só das causas, já agora, também das respectivas consequências. A sociologia ensina por certo – deve ensinar – como os factos sociais são complexos, não se explicando os mesmos, geralmente, por uma única causa, mas por várias, por um conjunto de circunstâncias que, actuando conjugadamente em certo sentido, convergem na produção de certa realidade, o facto, que constitui o objecto daquela ciência. É o caso do trânsito, da guerra do trânsito, que não tem uma causa, tem muitas, certamente. Desde logo, a

omissão da autoridade, a escandalosa ausência e passividade dos agentes da autoridade, da G.N.R . e de outras corporações com atribuições na matéria, P.S.P., polícias municipais, etc. Aqui há uns anos, quem circula que diga, via-se a polícia em acção (vamos dizer assim, polícia, em termos genéricos) a controlar o tráfego, fiscalizando e sancionando na hora as infracções. Agora, onde é que pára a polícia, que ninguém a vê, apesar de há muitos anos os sucessivos governos nos dizerem que... vão pôr os polícias nas ruas, tirá-los de esquadras e quartéis, furtá-los às tarefas de secretaria e a outras que podem ser atribuídas a outro tipo de agentes? Vamos então supor que a polícia estivesse presente na estrada, em vez de ausente, e actuasse perante as infrac-

ções, em lugar de ficar quieta: alguém duvida de que a situação seria completamente diferente? Isto dito, temos de tentar explicar as razões por seu turno da ausência da polícia e da sua passividade (sim, porque os factos sociais são complexos também neste sentido de que cada um deles é simultaneamente causa – de outro facto – e consequência ou efeito de um outro). A polícia, em suma, não se mostra na rua porquê? Convergem aqui duas razões, pelo menos, uma objectiva e outra subjectiva. Objectiva, digo, a existência de novas missões que leis recentes atribuíram a estas corporações, P.S.P. e G.N.R., sem discussão, sem ninguém dar por isso; é o caso, por exemplo, da investigação/instrução criminal que estava no conjunto

www.jornaldocentro.pt

Propriedade

Opinião

O Centro–Produção e Edição de Conteúdos, Lda. Contribuinte Nº 505 994 666 Capital Social 114.500 Euros Depósito Legal Nº 44 731 - 91 Título registado na ERC sob o nº 124 008 SHI SGPS SA

Gerência Pedro Santiago

Os artigos de opinião publicados no Jornal do Centro são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. • O Jornal reserva-se o direito de seleccionar e, eventualmente, reduzir os textos enviados para a secção “Cartas ao Director”.

Alexandre Azevedo Pinto Economista alexazevedopinto@sapo.pt

Pensar o quotidiano Semanário Sai às sextas-feiras Membro de:

Associação Portuguesa de Imprensa

A. Gomes União Portuguesa da Imprensa Regional

Professor de Filosofia

O futuro próximo do partido socialista em Viseu As eleições para a Comissão Política Concelhia do Partido Socialista em Viseu estão marcadas para o início do próximo mês de Junho. Duas candidaturas assumem-se para disputar essa liderança: a candidatura de Lúcia Silva, actual presidente, e a nova candidatura de Filipe Nunes. A primeira numa linha de continuidade e a segunda, de Filipe Nunes, claramente de ruptura face ao passado recente.

É público e notório o meu apoio à candidatura do Filipe Nunes. Façoo porque acredito que só dessa forma o Partido Socialista pode romper em definitivo com um passado de derrotas e desistências, omissões e conformismos nas suas lideranças locais, iniciando um novo ciclo capaz de ganhar a confiança dos cidadãos de Viseu e dessa forma poder ambicionar Ganhar a autarquia de Viseu - nas Eleições de 2013. Assumi-

o na minha adesão ao Partido Socialista no final de Julho do ano passado. Penso que este objectivo político deve ser uma prioridade absoluta na nova concelhia liderada por uma nova equipa, obviamente diferente da actual, capaz de dar ao Partido Socialista em Viseu uma dinâmica de vitória para 2013. Esta dinâmica só é possível com um projecto diferente daquele que nos conduziu até aqui, capaz de inovar, rompendo

IX. Boneco de palha 1. Tenho um amigo pugilista que detesta a sogra. Detesta-a tanto que pintou a cara dela nos sacos que tem de “bater” durante os treinos: dá-lhe murros, diz ele, até a partir toda. Agressividade à parte, este meu amigo é o exemplo acabado da falácia do boneco/homem de palha. 2. A origem da expressão boneco de palha compreende-se facilmente também a partir do exemplo

do meu amigo pugilista: não conseguindo “(a)bater” a sogra, “(a) bate” um… boneco. É o que fazem algumas pessoas quando atacam os argumentos de outras: criam um “boneco de palha” para lhe malhar; dito de outro modo, “inventam” uma posição fácil de refutar, que atribuem ao outro (mas que o outro não defendeu, embora possa “confundir-se” com o que o outro defendeu). O que se refuta, portan-

to, não é o argumento real do oponente, mas o argumento fictício: o argumento inicial é modificado, ou mesmo transformado em algo indefensável, para criar a ilusão de que foi rebatido. 3. Esta é uma falácia frequente no discurso político. Vejamos um exemplo recente, a propósito da polémica com a Parque Escolar. A Parque Escolar é uma empresa pública criada, em 2007, pelo Go-


OPINIÃO | PRAÇA PÚBLICA 5

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

çam o papel de gentinha medíocre. Papel por vezes tão bem desempenhado que a representação chega a parecer real. A vereadora do pelouro da Cultura da câmara de Viseu, que deve ser uma política assaz competente – de outro modo não estaria nesse lugar – parece, por vezes, esquecer-se do seu papel de servidora da “coisa pública”, paga com as contribuições dos munícipes, e talvez por uma questão de antipatia pelo JC, talvez por falta de auto confiança; talvez por não

ter o que dizer, ou outro qualquer transcendente motivo, recusa-se a falar sobre assuntos de interesse público e jornalístico decorrentes dos conteúdos funcionais do seu pelouro. Aconteceu nos dias 12 e 13 do corrente quando, após improfícuas tentativas para chegarmos à fala com a senhora vereadora, sempre defendida pela intransponível muralha das intermediárias, depois de muito instada, mandou dizer que o desiderato do Jornal do Centro

em destacar e fazer cobertura do evento “Caminhos de Santiago” só poderia ser considerado um dia destes, quando assim o entendesse e de acordo com opacas cronologias a bel-prazer determinadas. Senhora Vereadora: bem sabemos que Vª Exª não foi uma primeira escolha; mal sabemos quais as referências culturais relevantes que detém no seu CV para o desempenho do cargo que ocupa, mas, Senhora Vereadora, pelo

respeito que os munícipes lhe merecem, pelo valor que dá à comunicação social e pelo dever de informar, não se calce em tamanquinhas de tão alto coturno e seja… funcional, objectiva, informativa e conclusiva. E já agora, pragmática, cooperativa… e simples. Afinal, só queríamos ouvir a verdade factual directamente vertida de sua boca, para conferir maior rigor e isenção à notícia. Não precisa de nos recear.

do País confiada aos tribunais (M.P.) e que estes gradualmente foram descarregando nas polícias, até vir uma lei que culminou o processo. A partir desse ponto, é claro, passou a ter outras coisas que fazer, mas passou a ter igualmente pretexto ou justificação para não fazer aquilo que antes fazia. E como é tão mais cómodo ficar em casa do que sair à rua, gozar o ambiente ameno das instalações – aquecidas no Inverno, refrescadas no Verão – é certamente preferível a arrostar com as inclemências do tempo, e não só com o tempo, também com as chatices e contrariedades que arrasta o exercício das funções de autoridade e de controlo da conduta alheia. Há assim negligência da banda da polícia, podemos dizê-lo, há falta de zelo, há incompetência no cumprimento da missão de controlo do trânsito, e isso explica em parte

a ausência da polícia nas ruas, mas explica ainda a passividade dos agentes diante das infracções a que assistem, quando de todo não podem evitar dar duas voltas apressadas ao quarteirão, por pressão dos chefes ou exigência do regulamento. Vêem-se aos pares, pelas ruas, quando apeados, conversando um com o outro, olhando-se reciprocamente, a atenção focada de modo a não ser ferida por qualquer estímulo alheio, não vá dar-se o caso de ser preciso censurar algum cidadão ou sancionar algum transgressor, que isso só traz chatice e impopularidade. Um graduado que há tempos recomendava aos seus agentes alguma atenção ao controlo das infracções recebeu dos subordinados estranheza e incompreensão, a definir pelo grau zero a competência profissional (“Mas então a polícia não tem que ser simpática?”), confundindo simpatia e complacência face

ao delito e esquecendo, afinal, o mais importante, que a infracção representa sempre um dano social, a estradal e a outra, prejudicando a comunidade em geral, quer os outros condutores, quer sobretudo os peões, o que mais importa ao nosso assunto. Diga-se, em todo o caso, falando ainda das causas do fenómeno, que o mais importante não foi referido até agora e tem a ver, seja com um certo espírito anárquico que marca a índole nacional, seja com a falta de harmonia, de coerência e de coesão social, donde decorre que a sanção informal, essencial e indispensável em qualquer comunidade, na prática não funciona neste jardim da Europa à beira-mar plantado, para tomar o prolóquio do conselheiro de Parada de Gonta (Tomás Ribeiro, quem mais?). O verdadeiro problema estará aqui, no povo, não na polícia; porque a polícia muda-se (não é difícil),

o povo (não é fácil)... leva muito tempo. Pena que o espaço não dê para nos demorarmos nas consequências da... guerra civil do trânsito. Apontemos apenas. A desordem do trânsito como escola de anarquia: quem se habitua a desobedecer às normas rodoviárias está preparado para desobedecer às outras, quando a ocasião se puser. O dano social do caos estradal, quer para os condutores, em risco e lentidão, quer para os peões, pelos mesmos motivos, ademais de se verem espoliados dos seus direitos mais elementares, desde logo o de se deslocarem nos espaços a eles reservados. A considerar, também: a perda de autoridade por parte da polícia, a qual autoridade, como é sabido, é fácil de perder, mas custa muito a (re)conquistar. Exagero (verbo ‘exagerar’)? Não faz mal, isto é só ficção...

como passado, ganhando sociedade civil em Viseu e apresentando uma equipa forte e ganhadora à Autarquia em 2013. Já aqui o disse repetidamente: o modelo de desenvolvimento com que o Partido Social Democrata tem governado a autarquia ao longo destas mais de duas décadas está esgotado. O recente “debate” a que assistimos nas duas candidaturas à liderança do PSD em Viseu mostrou um vazio total de propostas para o Governo do Concelho nos próximos anos. Tam-

bém se percebe que para as atuais lideranças concelhias deste partido tem sido demasiado fácil eternizarem-se no poder da Praça da República muito por culpa das fracas lideranças do Partido Socialista e da incapacidade de se gerarem projetos alternativos sustentáveis, duráveis e ganhadores à sua esquerda. O PSD Viseu tem tido o trabalho facilitado dando-se ao luxo de nem sequer precisar de apresentar grandes ideias ou projetos para se ir eternizando no poder em Viseu. O recen-

te “debate” interno neste partido foi disso um bom exemplo. O Partido Socialista só pode Ganhar Viseu em 2013 se conseguir primeiro mudar o paradigma da oposição. O projeto da doutora Lúcia Silva pôde mostrar o que valia ao longo destes últimos dois anos. Deste período o balanço que faço é infelizmente muito negativo. Foi manifestamente um período quase sem oposição à governação do doutor Ruas e do PSD Viseu. Se continuasse assim

o PS Viseu não conseguiria nunca afirmar-se como uma alternativa ao estafado modelo de governação do PSD Viseu. Acredito, pois, que será possível gerar a mudança necessária no Partido Socialista em Viseu permitindo aos seus militantes, aos seus simpatizantes, e a todos os independentes que ao longo dos anos souberam dar o seu apoio ao PS eleger uma nova equipa capaz de lhes trazer as vitórias porque tanto têm sabido esperar.

verno de José Sócrates para requalificar as escolas públicas. Como se lê no seu sítio da web, “tem por objeto o planeamento, gestão, desenvolvimento e execução do programa de modernização da rede pública de escolas secundárias e outras afetas ao Ministério da Educação”. Ao longo da sua breve existência, a atividade da Parque Escolar tem sido sujeita a reparos pouco abonatórios (eu próprio, embora com conhecimento

factual restrito, não tenho dela a melhor imagem). Aos clamores antigos, juntam-se agora as críticas do atual Governo (sublinhando, por exemplo, uma derrapagem grande nos custos das obras) e os resultados de auditorias do Tribunal de Contas e da Inspeção-Geral das Finanças. Este tribunal refere, designadamente, a autorização de despesas e pagamentos ilegais (de 492 milhões de euros); o aluguer de monoblocos pré-fabricados por um valor consi-

deravelmente superior ao preço base; ilegalidades na adoção do concurso público urgente pela empresa e no fracionamento da despesa (sempre na ordem de vários milhões de euros)… Questionado sobre estes dados, o Partido Socialista, pela voz do seu secretário nacional, José Luís Carneiro, responde acusando o governo de tentar “desviar atenções de uma agenda neoliberal que pretende colocar em

causa a escola pública”. 4. Não sei se o Tribunal de Contas tem razão ou não; parece-me é claro que o PS “bate ao lado”: bate no boneco de palha (na agenda neoliberal do governo), em vez de bater onde deve, se é que deve (nos dados do Tribunal ou na sua fundamentação). Nota: pode concordar ou discordar deste texto no blogue O meu baú (http://omeubau.net/boneco-de-palhada-parque-escolar/)

Artigos de opinião redigidos sem observação do novo acordo ortográfico


Jornal do Centro

6

20 | abril | 2012

abertura

textos ∑ Emília Amaral fotos ∑ Nuno André Ferreira

Caminhos de Santiago Novo Trajeto∑ Percurso entre Viseu e Chaves visa ser um polo de desenvolvimento local Os 205 quilómetros do novo Caminho Interior de Santiago, que ligam Viseu à fronteira, em Chaves, vão ser inaugurados dia 24, com uma cerimónia marcada para o Rossio de Viseu. É a partir desta abertura internacional que os peregrinos podem começar a trilhar 385 quilómetros entre Farminhão (limite do concelho de Viseu) e a cidade espanhola de Santiago de Compostela. O projeto, que envolve os municípios de Viseu, Castro Daire, Lamego (distrito de Viseu), Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Vila Real, Chaves e Vila Pouca de Aguiar, visa atrair cerca de 50 mil turistas religiosos e de lazer. “Temos esperança que se transforme num polo de desenvolvimento, uma vez que este percurso vai atravessar zonas de interesse natural e patrimonial e irá trazer uma mais-valia para todas estas vilas e aldeias”, frisou o presidente do conselho de administração da Vitaguiar, empresa municipal de Vila Pouca de Aguiar que está a coordenar o projeto de implementação. A reativação do percurso entre Viseu e Chaves nasceu do consenso inter-regional, sobre a necessidade de recu-

perar e marcar os caminhos, mas dar igualmente um impulso turístico aos municípios abrangidos, tal como já acontece em outros países, nomeadamente em Espanha e França. Em termos religiosos, o Bispo de Viseu, D. Ilídio Leandro afirma, embora os Caminhos de Santiago tenham sido “sempre importantes para a igreja”, a recuperação deste caminho de Santiago “tem hoje um sentido mais profundo”, na medida em que, nos novos tempos quando a manifestação de fé já não passa só pela missa dominical, mas por outras ações, “a peregrinação reveste-se de uma maior importância”. “Fico contente por este caminho ter sido recuperado”, sublinhou. Um ano depois da assinatura do protocolo de dinamização, o projeto está no terreno. A recuperação foi feita tentando reutilizar ao máximo o trajeto original, no entanto, a equipa coordenadora admitiu nem sempre ter sido possível, devido a algumas partes terem desaparecido ou terem sido cortadas por novas vias de comunicação. Nesses casos, foram escolhidas alternativas o mais próximas possível ao percurso original, que constituíssem so-

luções viáveis para os peregrinos e pedestrianistas. Sem quaisquer apoios externos, os municípios utilizaram custos fixos de cada autarquia, para limpar e marcar os caminhos, criar uma plataforma na internet de apoio à preparação da viagem dos caminheiros, recuperar edifícios destinados a albergues, entre outras infraestruturas. A criação de albergues foi um ponto de ordem do projeto. Nesta altura estão já assinalados 10 casas de acolhimento, seis definitivas, com uma lotação entre 10 a 60 pessoas cada uma. A par da colaboração de vários organismos como as corporações de bombeiros e as dioceses, destaca-se neste novo trajeto, a recuperação de vários edifícios das antigas escolas primárias, hoje desativados e mesmo degradados em muitas localidades. O traçado tem ainda a utilização no sentido inverso, como caminho de peregrinação a Fátima. Manuel Marques chama-lhe um “caminho de dois sentidos”, em que o objetivo é atrair turistas religiosos e de lazer que queiram seguir para Santiago de Compostela, mas também os peregrinos que seguem para Fátima.

∑ A primeira peregrinação pelo novo Caminho Português Interior de Peregrinação Santiago arranca um dia depois da inauguração. A partir de 25 de abril, com saída de Farminhão (Viseu) e durante 11 dias, será cumprida uma jornada inaugural, por dia. A 5 de maio realiza-se a última jornada (11ª), entre Chaves e Verín/ A uma média de 20 quilómetros diários, os peregrinos terão à dis25 de Abril Espanha. posição vários albergues e outras infraestruturas que têm vindo a ser recuperadas no novo trajeto pedonal de Viseu a Santiago de Compostela.

Sinalização ∑ A sinalização do Caminho Português Interior de Santiago iniciou-se há cerca de 10 anos. Até aí guiavam-se pelas estrelas. Ainda hoje os peregrinos criticam a “sinalização deficiente” ao longo das jornadas portuguesas. Para identificar de forma simples os itinerários jacobeus é usada a seta amarela pintada em muros, paredes, pavi-

Curiosidades mentos, árvores e postes. E para possibilitar a indicação do Caminho no sentido oposto, nomeadamente para orientação dos peregrinos que de Santiago de Compostela se dirigem a Fátima, encontram-se também setas azuis que indicam o caminho de Fátima. Esta é uma das particularidades do novo caminho entre Viseu e Chaves.

∑ “Bom Caminho” é a saudação usada pelos peregrinos de Santiago de Compostela quando se cruzam com outras pessoas pelo caminho, sejam pedestrianistas ou não. ∑ O peregrino tem uma característica que o distingue de todos os outros. Desde que leve uma Vieira (concha) pendurada, todos sabe-

rão que se trata de um peregrino a Santiago de Compostela.

∑ A constituição da rota tem por base a publicação “Caminhos Portugueses de Peregrinação a Compostela-Itinerários Portugueses, do professor da Universidade Católica, Arlindo Cunha, especialista em teologia.


Jornal do Centro

CAMINHO PORTUGUÊS INTERIOR DE SANTIAGO | ABERTURA 7

20 | abril | 2012

Opinião 35,5 Km 36,6 Km

28,8 Km 15,3 Km 3,7 Km

22,9 Km

24,8 Km

DR

38,2 Km

Fernando Ruas

Fernando Carneiro

Francisco Lopes

Nuno Gonçalves

Presidente da Câmara de Viseu

Presidente da Câmara de Castro Daire

Presidente da Câmara de Lamego

Presidente da Câmara de Peso da Régua

Com infraestruturas de apoio fundamentais, este caminho português irá fomentar o fluxo de visitantes pelos diferentes Municípios que atravessa. Um caminho cheio de simbolismo religioso inserido numa região de belezas naturais singulares e que certamente valerá a pena percorrer.

É com satisfação que Lamego integra a nova rota, um percurso ao longo do qual os peregrinos poderão contemplar a beleza paisagística e arquitetónica de um concelho que tem dentro das suas fronteiras área classificada pela UNESCO como Património da Humanidade.

A abertura do Caminho Interior de Santiago é uma nova oportunidade de afirmação para Peso da Régua e para a região, num contexto de internacionalização de uma rota que passa a ser uma referência para os peregrinos do mundo.

É com particular regozijo que acolho este projeto, dinamizando uma importante antiga via de peregrinação rumo a Santiago de Compostela, na qual Viseu assume um papel relevante, enquanto local agregador de várias vias de comunicação que se ligavam e ligam atualmente.

Manuel Martins Presidente da Câmara de Vila Real

Francisco Ribeiro Presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião

Domingos Dias

João Batista

Presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar

Presidente da Câmara de Chaves

É um projeto inovador e integrador na perspetiva da promoção turística de uma região com enormes potencialidades. Vila Real partilha esta marca indelével, que vem inclusive ligar dois dos mais importantes santuários de culto cristãos da península ibérica e da europa: Fátima e Santiago de Compostela.

É um novo conceito de turismo. O projeto assume um papel preponderante, pois permite retomar uma tradição secular, lançando os peregrinos à descoberta das belas paisagens que as terras têm para oferecer, tendo por companhia a presença de monumentos e mostras quase desconhecidas de arte e de tradição.

Quando Vila Pouca de Aguiar se predispôs a coordenar um projeto turístico desta dimensão, fê-lo com a vontade de ter nos municípios envolvidos a aceitação de uma parceria que se veio a revelar profícua, sólida e eficiente. Anseio que contribua no caminho do desenvolvimento sustentado da nossa região.

Em boa hora se deu corpo a esta iniciativa. Agregam-se vontades e disponibilidades, avivam-se tradições, cumprem-se expectativas.Os cidadãos têm mais opções na ocupação do tempo livre e o território mais atratividade.

Troços Viseu

Lamego

Penaguião

Vila Pouca de Aguiar

no, S. Salvador, Coração de Jesus, Santa Maria, S. José, Abraveses, Campo, Lordosa e Calde.

nude; Almacave; Sande; Cambres; Valdigem

Miguel de Lobrigos; Sever; Cumieira

Peso da Régua

Vila Real

Castro Daire

Concelho marca o início da fase mais difícil do percurso citadino. Zona histórica,de onde será feita a ligação com o concelho limítrofe.

∑ Farminhão, S. Cipria-

∑ Moledo, Mões, Ribo-

lhos, Castro Daire, Moura Morta e Mezio

∑ Bigorne; Magueija; Pe-

∑ O edifício dos Paços do

∑ S. João de Lobrigos; S.

∑ Parada de Cunhos, São Dinis, São Pedro, Nossa Senhora da Conceição, Borbela, Escariz, Vilarinho de Samardã e São Tomé do Castelo.

∑ Telões, Soutelo de Aguiar, Vila Pouca de Aguiar, Bornes de Aguiar, Sabroso de Aguiar.

Chaves

∑ Oura; Vidago; Vilela do Tâmega;S.PedrodeAgostém; Samaiões; Madalena; Santa Maria Maior; Santa Cruz/ Trindade;OuteiroSeco;Vilela Seca; Vilarelho da Raia

Onde ficar Concelhos Viseu

Albergues -Farminhão (Associação de Solidariedade)

- Fontelo

- Almargem

Castro Daire

-Ribolhos (Antiga escola primária)

Lamego

-Bigorne (Junta de Freguesia de Bigorne) -Penude (Junta de Freguesia de Penude)

Peso da Régua Santa Marta de Penaguião

-Bertelo (antiga Escola Primária de Bertelo)

Vila Real

-Seminário Diocesano (Casa Diocesana de Vila Real)

Vila Pouca de Aguiar

-Albergue de Santiago/Parada de Aguiar

Chaves

-Bombeiros Voluntários de Vidalgo -Quartel do Exército

João Figueiredo Deputado do PSD eleito pelo círculo de Viseu/Peregrino de Santiago de Compostela desde 2009

Bom Caminho* H á mu ito que me acompanhava a vontade de percorrer a pé os Caminhos de Santiago. Na Páscoa de 2009 parti, sozinho, de Valença e caminhei os 120 quilómetros que me separavam do túmulo do Apóstolo. Essa experiência foi de tal forma enriquecedora que a repeti, uns meses mais tarde, na companhia de 19 alunos e três professoras. Dessa extraordinária vivência ficou a vontade de percorrer a totalidade dos cerca de 400 quilómetros que separam Tondela daquele santuário da Galiza. Esse desejo concretizou-se com a partida, na madrugada do dia 25 Julho de 2010 (dia de São Tiago e Ano Santo na Galiza, que só volta a acontecer em 2021) de um grupo de peregrinos que, 12 dias depois, estavam a dar um abraço ao Apóstolo Maior. Na ausência de um percurso devidamente sinalizado fomos percorrendo montes e vales até encontrarmos a primeira seta amarela bem próxima de Lourosa, Santa Maria da Feira. A sinalização do Caminho em direção a Chaves/Verin é um enorme passo no sentido da dinamização de um troço que, estou certo, passará a ser uma referência e uma preferência de todos aqueles que querem realizar a extraordinária experiência de peregrinar até Santiago de Compostela. O objetivo do Caminho não é, seguramente, andar o mais rápido possível mas sim apreciar a paisagem, conviver com os habitantes e desfrutar da

espiritualidade, tendo presente que a totalidade do prazer não se esgota na viagem exterior mas na viagem espiritual interior e única, cumprindo um dos preceitos desta rota de peregrinação que nos lembra: “ não passes pelo Caminho, deixa que o Caminho passe por ti”. Se é verdade que o Caminho faz-se caminhando, o sucesso deste percurso, ora sinalizado, será tanto mais conseguido quanto melhor se desenvolverem as estruturas de apoio (albergues, sítios de disponibilização de credenciais e locais de informação) potenciando desta forma o turismo e a economia local, ao mesmo tempo que são criadas condições para que possa ser alcançada, na plenitude, outra das máximas que acompanham os peregrinos: “é que andando ou pedalando, a Santiago vamos chegando …”. Depois de algum declínio ao longo da história, a peregrinação retoma, em novos moldes a sua importância e estou certo, os peregrinos vão recordar, mais tarde o albergue onde dormiram, o local onde almoçaram, a paisagem que apreciaram ou o monumento que visitaram. A par das memórias destes locais, estarão, estou certo, as memórias das pessoas que fomos conhecendo. O Caminho é o local ideal para reflexão, fazendo a ponte entre situações anteriores e decisões a tomar no futuro! Bom Caminho! *saudação usado por todos aqueles que se cruzam no Caminho de Santiago.


8 entrevista ∑ Tiago Virgílio Pereira fotos ∑ Paulo Neto

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

à conversa

O mecenas da Lapa do Lobo Carlos Cunha Torres, 56 anos, é o presidente do conselho de administração da Fundação Lapa do Lobo. Formado em Direito, mas a exercer a profissão de empresário, Carlos Torres decidiu recuperar casas em ruínas na Lapa do Lobo, em Nelas, e transformar o espaço num centro de cultura, formação e educação. Todas as atividades promovidas são gratuitas. O samaritano diz que ajudar o próximo e enriquecê-lo culturalmente é o prazer que retira do investimento realizado. isso fiz questão de comprar uma casa tradicional O substrato da Funda- da Beira Alta, na Lapa do ção Lapa do Lobo é uma Lobo. Estava num estado ideia, um sonho e um de total ruína e recupeprojeto. Ou seja, eu tenho rei-a para instalar o edifíuma ligação familiar a cio sede da fundação. esta aldeia, os meus avós O edifício da sede da fundaeram da Lapa do Lobo e ção o que comporta? a minha avó foi uma pesUma biblioteca e espasoa muito importante na minha vida, tinha um ca- ço cibernético, um aurinho muito especial por ditório com capacidade ela e foi aqui que ela mor- para 100 pessoas e doreu. Proprietária de uma tado de todos os meios casa muito bonita, onde audiovisuais para qualeu vinha sempre passar quer evento. Há ainda as férias quando era mi- um salão de exposições údo, e que, por circuns- e uma divisória dedicada tâncias várias, veio pa- à administração. Temos rar à minha pose. Decidi também um segundo esrecuperá-la e assim co- paço, que também resulmeçou a nascer um en- tou da recuperação de volvimento afetivo mui- uma casa em ruínas na to grande com esta aldeia, Lapa do Lobo onde funaté que surgiu a ideia de cionam outras atividacriar um projeto de ser- des. Um atelier de artes viço de causa pública, a para crianças, um curso de bordados, um curbase da fundação. so de renda de bilros, um Quais os objetivos? curso de artesanato, auA Fundação Lapa do las de iniciação musical Lobo é uma pessoa co- para miúdos, aulas de letiva de direito priva- guitarra clássica e aulas do, sem fins lucrativos, de violino. Todos estes cujos principais objetivos cursos são gratuitos e essão de natureza cultural, tão lotados. Há também formativa e educativa. aulas de ginástica para Um dos principais objeti- juniores e seniores, que vos é a atribuição de bol- são dadas numa coletivisas de estudo e/ou outras dade desportiva e cultuformas de apoio estudan- ral, também promovidas til. Neste momento, há pela fundação. cerca de 40 jovens que estão a estudar com o nosPara que públicos se dirige? so apoio, nos três níveis: E st at ut a r i a mente a licenciatura, mestrado e doutoramento. Criada área de abrangência da em 2007, outra das pre- Fundação Lapa do Lobo é ocupações da Fundação prioritariamente os conLapa do Lobo é a recupe- celhos de Nelas e Carreração do património ar- gal do Sal e depois, a Beiquitetónico civil da Bei- ra Alta em geral. O púra Alta, que eu considero blico-alvo é o da Lapa do riquíssimo e com algu- Lobo e zonas limítrofes. ma mágoa vou assistin- Todos os acontecimendo à sua destruição, por tos têm superado, e muiComo nasceu a Fundação Lapa do Lopo?

to, as nossas expetativas. Temos promov ido d iversos eventos com uma adesão imensa. No auditório Maria José Cunha não há fim-de-semana sem evento cultural. Todos os meses há sessões de cinema, numa parceria com o Cine Clube de Viseu. Ali, são feitos saraus de poesia, concertos de música tradicional, erudita e alternativa, lançamento de livros, conferências e workshops. O público é muito heterogéneo em termos etários e culturais. A maior parte da população da Lapa do Lobo não estaria habituada a este tipo de eventos mas habituou-se facilmente. Isto é a prova evidente de que no interior as pessoas também ligam à cultura, gostam e gastam cultura, é preciso é que tenham acesso. Temos tido muita adesão da classe docente, vêm muitos professores de vários agrupamentos o que tem sido muito curioso. Recuperámos o salão da Associação Desportiva e Cultural Lapense onde nada se passava, e hoje realizam-se espetáculos de teatro, concertos filarmónicos, de música tradicional portuguesa. Iniciámos um ciclo denominado “tradicionalidades”, em que se realizam 12 espetáculos à volta desta temática.

capacidade excedentária que tenho, do ponto de vista financeiro e da minha disponibilidade ao nível de tempo, e decidi ser nesta área que iria exercer esta apetência cultural, formativa e educativa. A nós custa-nos que haja pessoas com capacidades que queiram estudar e não tenham condição financeira. Nos últimos 30 anos, Portugal tem melhorado neste sentido, mas ainda há muitos estudantes que ficam pelo caminho porque não têm hipótese de prosseguir com os estudos. E isso sempre me impressionou, é uma alegria poder ajudar, hoje, cerca de 40 jovens. Nos países anglo-saxónicos, há pessoas que chegam a uma determinada fase da vida e têm mais tempo, têm maior capacidade financeira e põem-se ao serviço da comunidade. E os países latinos não estão habituados a isso, por isso é natural que as pessoas fiquem admiradas. A verdade é que estou numa fase da vida em que me está a dar muito gozo realizar este projeto, isto não é generosidade pura, eu tenho alguma coisa em troca, o grande gozo que isto me está a dar, a adesão das pessoas… Como sustenta a fundação?

A Fundação Lapa do Lobo vive de um fundo financeiro que eu e aminha família decidimos colocar ao seu serviço e que saiu da nossa esfera de titularidade para Porque faz isto? passar a ser da fundação, Sempre tive a propen- que vive desse fundo. A são humanista, mais do Fundação Lapa do Lobo que cientista e é para é apolítica, apartidária mim um gosto tudo o e independente, não deque seja cultura nas suas pendemos de ninguém. diversas vertentes. Tive Há alguma história que rea ideia de pôr ao serviço corde com mais carinho? da causa pública alguma


Jornal do Centro 20 | abril | 2012

CARLOS CUNHA TORRES | À CONVERSA 9

A primeira bolseira da Fundação Lapa do Lobo foi uma jovem que tirou Bioquímica, na Universidade de Coimbra, com notas a ltíssi mas. Fez Erasmus no Instituto Karolinska, em Estocolmo, e quando veio recebeu o convite para fazer o mestrado no mesmo instituto. Por não ter meios financeiros para o fazer, a mãe contatou a fundação, nós pagámos e a jovem terminou o mestrado com 20 valores. Neste momento está a fazer o doutoramento, já não é nossa bolseira, porque finalmente teve o reconhecimento do Estado Português e conseguiu uma bolsa da Fundação de Ciência e Tecnologia. Eu quero é destacar quão gratificante é, pois se não fosse a Fundação Lapa do Lobo provavelmente esta jovem de 23 anos, estava a dar aulas em Portugal, e ter-se-ia perdido todo este potencial. É este o meu retorno. E eu estou convicto que tudo o que está a acontecer na Lapa do Lobo vai contribuir para melhorar os índices de informação e de cultura das pessoas e sobretudo dos jovens e isso vai ter consequências futuras. Eu não quero que a fundação tenha um âmbito nacional, para isso tinha-a instalado em Lisboa ou no Porto, ela tem um âmbito regional e é aqui, pelos motivos afetivos que já referi, e por ser

aqui que com muito me- expressão cultural, cinema e o objetivo é sempre nos faço muito mais. chegar a mais. TrimesConsidera-se um mece- tralmente, a Fundação nas? emite a sua agenda cultural onde há propostas Sim. diversas de eventos. Quanto custou recuperar o edifício, sede da fundação?

Outro dos projetos é o Gap year, financiado integralmente pela fundação, como está a correr?

380 mil euros, incluinO gap year é um condo todos os equipamentos técnicos. Temos ainda ceito que ainda não se o espaço multifuncional. ouve falar muito em Portugal. Consiste em reaComo é que as pessoas sa- lizar uma viagem pelo bem que podem recorrer mundo, durante um ano, à fundação para adquirir depois de concluir o sebolsas de estudo? cundário e antes da enTemos essa informação trada no ensino supeno web site e, como es- rior. Passa por descobrir tamos num meio peque- o mundo. Houve um jono, a informação circula vem que se mostrou muifacilmente. Vamos apos- to interessado em realitar no suporte on-line e zar um gap year e nós vai surgir um site mais demos-lhe essa oportuativo, mais interativo e nidade. Contudo, por ser mais apelativo. As pes- o ano zero desta experisoas sabem também pe- ência, decidimos chamar los meios de divulgação outro jovem de Carregal e publicidade da funda- do Sal para o acompação, que chegou a todos nhar. Em troca pedimos os agrupamentos de es- recolha de imagens, decolas da zona. poimentos e descrição da experiência. E claro, Que projetos tem a funda- trabalho de voluntariado. ção para o futuro? Eles vão fazendo toda Nós vamos continuar esta descrição através nesta senda. No servi- de um blogue, que qualço educativo temos uma quer pessoa pode acomorientadora que promove panhar. Isto está a ter espetáculos lúdico peda- tanto sucesso, que a Fungógicos. O ano transato dação Lapa do Lobo depassaram por aqui cer- cidiu que todos os anos ca de 1300 crianças, este vai financiar o gap year ano vamos chegar a 2400, a dois jovens do conceporque nós é que vamos lho de Nelas e a dois de às escolas propor espetá- Carregal do Sal. Medianculos de teatro, oficinas te apresentação de cande expressões plásticas, didatura.


Jornal do Centro

10

20 | abril | 2012

região Más condições da EN16 geram críticas

António Tavares, presidente da Junta de Freguesia de Arcozelo das Maias, no concelho de Oliveira de Frades, criticou o mau estado do piso da Estrada Nacional (EN) número 16. Os reparos aumentaram de tom depois do acidente de viação, ocorrido na madrugada de domingo, e que resultou num morto. “Já enviámos vários ofícios à Estradas de Portugal sobre as más condição da estrada. O piso tem mais de 30 anos, está degradado e há curvas a necessitar de ser revistas, mas a verdade é que nada tem sido feito”, lamentou. O presidente disse ainda que a zona em que se deu o acidente, Ponte da Gaia, “acumula muita Publicidade

humidade e gelo, principalmente durante a noite, e, como tal, devia ter outro tipo de cuidados”. António Tavares garantiu que “há 17 quilómetros que necessitam de ser intervencionados”. Populares e automobilistas reforçaram os alertas do presidente e apelaram à colocação de “resguardos mais resistentes na zona da ponte”, a bem da “segurança de todos”. Rui Valério de Matos, de 41 anos, morreu depois de ter despistado o veículo em que seguia e caído de uma ponte, com cerca de 20 metros de altura. O excesso de velocidade é a causa apontada para o acidente. O antigo professor primário foi a enterrar na terça-feira, em Ribeiradio. TVP

Nuno André Ferreira

Nuno André Ferreira

PENUDE TEM NOVO LAR DE IDODOS

A Executivo de Fernando Ruas aprovou resultados de 2011

Câmara aprova contas com resultado positivo de 5 milhões Viseu ∑ Oposição socialista abstém-se alertando para a falta de emprego A Câmara Municipal de Viseu apresentou um resultado positivo de cinco milhões de euros, de acordo com as contas apresentadas na última reunião do executivo (12 de abril). O presidente da autarquia, Fernando Ruas referiu, estes cinco milhões de euros positivos, resultam de um exercício que teve como referência um orçamento de 70 milhões de euros , cuja execução se aproximou dos 80 por cento, com apenas 25 por cento global proveniente das transferências do Estado. “São das melhores senão as melhores”, sublinhou Fernando Ruas distinguindo os resultados das contas do ano passado, em mais de duas décadas à frente do município de Viseu. Os exemplos apontados pelo autarca social-democrata para estes resultados - que contrastam com o de 2010, em que o município registou um milhão de euros negativos - vão desde a “impressão de cópias” em folhas reaproveita-

das ao recurso “a empresas externas para executar obras” o que l iv ra a auta rqu i a de custos fixos com equipamentos. Para Fernando Ruas, foi ainda importante “a estratégia definida há alguns anos” em que, por via da entrega de obras a empresas externas, o município pôde não preencher o lugar de funcionários não qualificados que se reformaram. As contas foram aprovadas com a abstenção da oposição socialista. Os dois vereadores, Fernando Bexiga e Carlos Martins justif icam o seu voto ao reconhecerem em comunicado “o esforço desenvolvido

pelo executivo” e que as contas de 20011 da autarquia “revelam uma atenção especial ao nível da gestão de tesouraria, da solvabilidade do município e do equilíbrio financeiro”. “Contudo” os socialistas consideram que tais prioridades não devem “subalternizar” outras consideradas fundamentais: “Deverse-á apostar num concelho que, criando emprego e riqueza, aumente o seu valor acrescentado, atraia novos investimentos, requalificando o seu tecido económico e dê uma particular atenção á economia social”. Emília Amaral emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Fecho das empresas municipais

∑ Questionado sob a proposta do Governo em impor o fecho das empresas municipais que não tenham resultados positivos ao fim de um determinado período, o presidente da Câmara de Viseu defendeu que não pode ser uma regra rígida. “Não se pode impor este tipo de decisão para, por exemplo, empresas municipais que tenham por missão a área do transporte escolar, visto que estas não podem, pela sua natureza, dar lucro em quaisquer circunstâncias”, exemplificou.

O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares inaugurou o lar de idosos do centro Social e Paroquial de Penude, no concelho de Lamego. O novo investimento de 1,65 milhões de euros, dispõe de diversas valências dirigidas à comunidade envolvente, lar de idosos, centro de dia e serviço de apoio domiciliário. O objectivo é dar uma resposta adequada a algumas lacunas sociais que ainda subsistiam, nomeadamente ao nível do apoio à terceira idade. EA

FESTA DAS CAVACAS VOLTA EM RESENDE As Cavacas de Resende, doce genuíno e típico do concelho, voltam a ser servidas no próximo domingo, no pavilhão Multiusos de Caldas de Aregos, numa iniciativa da Câmara em conjunto com a Companhia das Águas, E.M., S. A. A Festa das Cavacas vai reunir mais de uma dezena de vendedores/ produtores que vão comercializar e promover o famoso doce tradicional, entre música popular e passeios turísticos no rio Douro. O evento tem início oficial às 11h00 com uma visita aos stands dos produtores de cavacas, de vinho, licores e compotas da região. Na ocasião vai ser inaugurada a exposição de fotografia: “Cavacas de Resende – muito mais que um doce!” e vai realizar-se uma prova de vinhos e licores acompanhados pelo doce tradicional. A animação musical ficará a cargo da Orquestra Big Band de S. Cipriano, Tuna do Externato D. Afonso Henriques e SEMBLANTE + Gabriela Pina. A animação de rua é assegurada pelo grupo “Espalha Animação”.


Jornal do Centro

12 REGIÃO | VISEU | VILA NOVA DE PAIVA

20 | abril | 2012

Opinião

O imposto, a sorte e a obrigação da Sra. Ministra

DR

Rui Coutinho

A Poeta viseense, Caetano Carrinho (direita na foto) foi o convidado especial do encontro deste ano

Barões da Sé de Viseu querem dar mais um passo Encontro ∑ Dezenas de antigos residentes do centro histórico voltaram a reunir Os Barões da Sé consideram que está na altura de “dar mais um passo” e assumirem-se como uma organização disposta a promover novas iniciativas em defesa do centro histórico de Viseu. O grupo, que se reúne todos os anos em Abril para recordar velhos tempos vividos no centro histórico de Viseu, juntou no sábado passado várias dezenas de amigos. Chegados à Fonte das Bicas depois de um jogo de futebol, trocam abraços, posam para a tradicional sessão fotográfica, jantam e de seguida passeiam pelo centro histórico com um olhar atento e crítico. “Encontram-se todos os anos no mesmo local e convivem como se fossem os miúdos de outrora, que povoaram com gritos, brincadeiras e tra-

quinices o perímetro em volta da Sé de Viseu”, lêse num comunicado assinado pelos próprios. Embora o espírito seja o de encarnar os tempos da adolescência por algumas horas, a iniciativa criou uma dimensão tal que leva os seus elementos a admitirem que do evento anual pode nascer um projeto mais alargado. Vítor Santos, um dos elementos dos Barões da Sé adiantou que o projeto de formar a associação não está esquecido, enquanto isso, o grupo vai organizar debates e tertúlias sobre o centro histórico de Viseu. Vítor Santos disse ainda que, a partir deste ano, o encontro anual vai ter um “convidado especial” para abordar um tema a definir. No sábado, o 17º Encontro con-

1995 Ano de criação do encontro Barões da Sé

tou com a presença do escritor e poeta, Caetano Carrinho, um alentejano radicado na cidade há várias décadas, que escreve sobre Viseu e os viseenses. Entre Os Barões da Sé que este ano se encontraram em Viseu, des-

taque ainda para Jorge “Deimais” Viegas. Este professor de inglês numa escola privada de Melbourne (Austrália), com 50 anos, diz que “não perde um encontro anual do grupo, sempre que pode vir a Portugal”. “Este ano apareceram Barões de todo o lado ao encontro que foi animado e a reflexão e discussão política sobre o centro histórico e a cidade, monopolizou a habitual tertúlia, reforçaram. Emília Amaral emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Barões da Sé

∑ O Nome surgiu em 1980 quando o jornal Notícias de Viseu chamou a um grupo de “putos” adolescentes de “Barões da Sé”, pelas patifarias que faziam no centro histórico e em outros pontos da cidade. Tomar banho nus no parque da cidade é a travessura mais conhecida.

Rádio Escuro comemora 26 anos a debater o contributo dos media A Rádio Escuro, em Vila Nova de Paiva comemora dia 27 deste mês, 26 anos de atividade. Para assinalar o aniversário pre-

parou para esse dia, às 18h00, uma conferência intitulada “O Contributo dos Média para o Desenvolvimento Regional”,

com Joaquim Vieira, presidente do Observatório da Imprensa, Luís Batista Martins, diretor do jornal “O Interior”, Pacheco

Pereira, analista dos media e comentador político e Sansão Coelho, professor no Instituto Superior Miguel Torga.

Foi recentemente criado um novo imposto que, embora recaia sobre a indústria alimentar, visa atingir o ramo da grande distribuição. Em tempos já tinha referido neste espaço a sua possível criação. Narrei a situação de estrangulamento que a distribuição impõe aos produtores, as negociações difíceis de concretizar, as ofertas a fazer para entrar nos mesmos e os prazos de pagamento que impõem. Estes ampliados períodos de pagamento (180 dias) redundaram numa epidemia que passou a grassar em Portugal, onde “ninguém paga a ning uém”, não há dinheiro em caixa. Recentemente a Jerónimo Martins, detentora do Pingo Doce e Recheio, numa medida de antecipação a um cenário que se começava a desenhar, anunciou a diminuição do prazo de apagamento para um mês. Talvez venham já tarde, mas é de louvar este incentivo. As grandes empresas de distribuição alimentar não quiseram, até à data, participar no esforço nacional que bateu à porta de todos nós, perderam capacidade de negociação e argumentação. Actualmente, as suas quedas em vendas ascendem a 20%-30%. Assim, fazer repercutir este aumento no consumidor só vai agravar a retracção. No entanto, conseguiram alargar o período de abertura durante todo o fim-de-semana. Neste caso “uma mão lava a outra e as duas lavam a cara”. O garrote que há anos aplicam aos produtores redundou num aperto da cilha que o governo lhes impôs. Importa perceber o motivo da sua criação.Este imposto permite, por um lado, f u ncion a r como u m fundo para as intempé-

Técnico Superior Escola Superior Agrária de Viseu rcoutinho@esav.ipv.pt

ries, e por outro, financiar o sistema produtivo e custear o controlo e a monitorização dos produtos de toda a fileira alimentar. Isto é, não há dinheiro para suportar estas situações actualmente. É fácil de constatar que a iniciativa da Sra. Ministra em tentar mediar o conf lito de interesses entre a produção e a distribuição não teve os resultados almejados. Assim, não vai pelo consenso, vai pela imposição. Perante um grave problema de chuva que escasseia e ainda nos assola, a Sra. Ministra, sem dinheiro disponível para as ajudas e após a recusa da U.E. em promover este apoio, voltou-se para a fé. Teve sorte, porque acabou por chover! Conjecturo agora apenas a possível a rg u mentação para uma recusa ao pedido de ajuda a invocar pela U.E , esperando estar equivocado. Provavelmente vão aludir que há que fazer ajustamentos às culturas, tendo em vista estas situações ou simpaticamente vão premiar o mérito do bom aluno. Prefiro que optem por este cenário. A criação deste modesto imposto, na minha opinião, peca apenas por extemporânea. Era previsível. Bastava olhar para a evolução económica do país. Neste momento, estou apenas curioso e cismado para ver qual vai ser a argúcia a utilizar para extorquir, sem grande alarido e no recato, uns ovos às empresas que operam nos sectores dos combustíveis e da electricidade. Será que os chineses e angolanos que compraram e se preparam para comprar “galinha gorda pagando algum dinheiro” deixam escapar alguns deles?


Jornal do Centro

VISEU | OLIVEIRA DE FRADES | S. PEDRO DO SUL | REGIÃO 13

20 | abril | 2012

DETIDO

Viseu. Durante o dia 16 a Polícia de Segurança Pública de Viseu, através dos elementos da Esquadra de Investigação Criminal, efetuou uma operação de prevenção ao consumo e tráfico de produto estupefaciente nas imediações de alguns estabelecimentos de ensino de Viseu, onde existem fenómenos relacionados com o consumo/pequeno tráfico de drogas. A operação culminou com a detenção de um cidadão, de 18 anos de idade, do sexo masculino Publicidade

por posse de haxixe. Dois jovens intercetados na posse de drogas proibidas por lei (haxixe ) e interceção de um cidadão sobre quem pendia um mandado de captura. O cidadão detido foi notificado para comparecer para 1º. interrogatório judicial, no Tribunal de Viseu, enquanto os indivíduos intercetados foram notificados para se apresentarem no Centro de Dissuasão de Toxicodependência (CDT) de Viseu, para organização do respetivo processo contraordenacional e eventual acompanhamento terapêutico. A droga apreendida dava para cerca de 35 doses individuais.

INCÊNDIO

Viseu. O Togas Bar situado na zona do Campus Politécnico de Viseu, f icou pa rcia lmente destruído devido a um incêndio registado durante a madrugada de terça, dia 17. O fogo pro-

vocou ainda danos menores nu m ca fé ex istente no rés-do-chão do mesmo edifício, segundo fonte dos bombeiros. O alarme foi dado pouco depois das 05h30, altura em que os estabelecimentos já se encontravam fechados. O bar, que funcionava numa cave, em Jugueiros, ficou com sinais de grande destruição em consequência das chamas, enquanto os danos no café resultaram do fumo e do combate às labaredas. No local estiveram as corporações dos bombeiros voluntários e os municipais de Viseu, com quatro veículos e nove homens.

CONDENAÇÃO

Oliveira de Frades. O Tribunal de Oliveira de Frades condenou sete pessoas pelo crime de lenocínio, num processo relacionado com o estabelecimento de diversão noturna “Karacol”, tendo o principal arguido sido

condenado a cinco anos e quatro meses de cadeia. Desde o final do ano passado que dez pessoas estavam a ser julgadas pelos crimes de lenocínio, auxílio à imigração ilegal, angariação de mão de obra ilegal e falsificação de documento, entre outros. O processo surgiu na sequência de ações de fiscalização realizadas pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ao “Karacol”, de António Brás, que foi condenado a cinco anos e quatro meses de prisão pelos crimes de lenocínio e auxílio à imigração ilegal.

DETIDO

Viseu. Um homem de 44 anos foi detido, na quarta-feira, na zona de Viseu, pela presumível prática de um crime continuado de abuso sexual de uma criança, filha da sua companheira, segundo a Polícia Judiciária (PJ). Os alegados abusos tePublicidade

rão durado cerca de dois anos, entre 2010 e os últimos meses, tendo hoje a vítima 14 anos. Empregado fabril e divorciado, o suspeito foi identificado e detido pela PJ, através da Diretoria do Centro, revelou a polícia em comunicado. “Para a prática destes atos, o suspeito aproveitou-se da proximidade que mantinha com a vítima, bem como do facto de esta trabalhar por turnos, deixando aqueles sozinhos na casa onde todos habitam”, adianta a nota. Como medidas de coação, fica obrigado a apresentações semanais às autoridades policiais da área da sua residência, tendo sido ainda “proibido de contactar a vítima e a sua companheira”. A casa onde moram as três pessoas, “na zona sul do distrito de Viseu”, pertence ao arguido, o que pode vir a dificultar a aplicação desta última medida de coação, admitiu a fonte.

DETIDO

Viseu/S. Pedro do Sul. Várias peças e imagens em bronze foram furtadas dos cemitérios de S. João de Lourosa, em Viseu, e de Sul, em S. Pedro do Sul, durante o fim de semana, segundo informações da GNR. O furto de peças em bronze e outros metais no cemitério de S. João de Lourosa teve lugar na madrugada de sexta-feira para sábado e na aldeia de Sul o mesmo sucedeu com várias imagens, essencialmente em bronze, na madrugada de sábado para domingo. Seg u ndo o por ta-voz do comando distrital de Viseu da GNR, tenentecoronel Paulo Fernandes, a guarda está no terreno a investigar estas ocorrências. O oficial enquadra as ocorrências na série de furtos direcionados para os metais não preciosos a que o distrito e o país têm assistido nos últimos meses, como o cobre dos cabos de telecomunicações.


Jornal do Centro

14

20 | abril | 2012

educação&formação IPV permuta terrenos para garantir invesimento na Quinta da Alagoa Aniversário ∑ Diretora da ESAV anunciou uma maior abertura da escola ao exterior nas comemorações do 18º aniversário O presidente do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), Fernando Sebastião anunciou na cerimónia comemorativa do 18º aniversário da Escola Superior Agrária (18 de Abril), que o IPV vai efetuar uma permuta de cerca de quatro hectares de terreno com o Lar Escola de Santo António, para garantir o investimento feito nos últimos anos, na Escola Superior Agrária (ESAV), situada na Quinta da Alagoa, junto ao Palácio do Gelo. As instalações e toda a atividade da ESAV funcionam atualmente em terrenos arrendados ao Lar Santo António. Há alguns anos, o IPV adquiriu um terreno de cerca de quatro hectares também ao lar/escola, para construir instalações de raiz para a ESAV, mas os cortes orçamentais impediram que o Governo viabilizasse a verba necessária para o investimento. Perante tal cenário, o presidente do IPV considera que a tro-

ca dos terrenos será a melhor maneira de “garantir o investimento” feito na última década, na Quinta da Alagoa. De acordo com Fernando Sebastião, o IPV já chegou a acordo com o Lar Santo António, resta luz verde da autarquia para incluir o projeto no novo Plano Diretor Municipal (PDM) e falta a aprovação necessária dos Ministérios da Educação e da Agricultura. A ESAV criada em 1994, começou a funcionar em instalações da Escola Superior de Tecnologia apenas com o curso de Engenharia das Indústrias Agroalimentares. Dezoito anos depois, disponibiliza seis cursos de especialização tecnológica, sete licenciaturas, três mestrados e uma pós-graduação, tendo já formado cerca de 1200 diplomados. A presidente da ESAV, Paula Correia adiantou que a escola tem hoje meios laboratoriais e condições para o “de-

senvolvimento de projetos de investigação, e de apoio à comunidade”. Para o futuro, Paula Correia defendeu a “criação de uma cultura de escola, competitiva, inovadora e participada”, para ser mais reconhecida. A responsável anunciou que no próximo ano, a ESAV vai trabalhar em dois eixos muito concretos, a promoção e valorização da escola e criação de valores, assentes num aumento do número de alunos, mas também no “aumento de parcerias com instituições públicas e privadas”, para fazer crescer a prestação de serviços ao exterior. Durante a cerimónia foram homenageados os antigos diretores da ESAV. Ao longo da tarde decorreu ainda uma conferência sobre “A importância do ensino agrário e perspetivas futuras”. Emília Amaral emilia.amaral@jornaldocentro.pt

A A cerimónia comemorativa do aniversário decorreu nas instalações da ESAV

Publicidade

Empreendedorismo A Associação de Desenvolvimento e Investigação de Viseu (ADIV) vai promover um curso de Empreendedorismo, com início previsto para 08 de maio. Ao longo de 30 horas, a iniciativa visa dar a conhecer os conceitos básicos de análise económi-

ca e financeira a potenciais empreendedores que não dominem esta área do conhecimento, abrindo assim caminho para que os possam compreender, aplicar e elaborar um projecto empreendedor. Inscrições decorrem até dia 30 deste mês.

Educação musical O Campus de Viseu do Instituto Piaget promove, nos dias 27 e 28 de abril, 4 e 5 de maio ações de formação sobre “ImaginAção em Educação Musical e Educação Especial — Partilhar conexões, projectos e Sinergias”.

A ação destina-se a profissionais de educação pré-escolar, do ensino básico e secundário, ensino vocacional da música e educação especial. O evento contará com a presença de Mário Nogueira, da FENPROF.


15

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

economia MACOVEX INAUGURA MEGA OUTLET

Tiago Virgílio Pereira

CAMPANHA “VAI ANDAR À RODA” JÁ OFERECEU 180 PRÉMIOS

A Conferência de imprensa de apresentação, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Viseu

A Macovex inaugurou um mega outlet de materiais de construção com 800 metros quadrados, no Parque Industrial de Coimbrões lote 83, em Viseu. O novo espaço está alinhado com a estratégia da empresa de inovação e dinamismo. E nasce através do melhoramento do outlet já existente. O outlet apresenta um espaço amplo de exposição de 800 metros quadrados, em que se destaca a maior quantidade e variedade de produtos. Aqui, surgem oportunidades únicas de negócio a preços reduzidos. A Macovex aposta na inovação e na diversificação de soluções para os seus clientes, e este espaço é mais um exemplo desta dinâmica. Publicidade

“Rota do Rancho e do Vinho do Dão” arranca no fim do mês 4ª edição∑ Rancho e vinho, dois produtos endógenos da região, “casam” a partir de agora Após três edições como “Rota do Rancho”, a iniciativa passa agora a denominar-se “Rota do Rancho e do Vinho do Dão”. A novidade foi dada durante a conferência de imprensa de apresentação da “nova rota”, que irá decorrer de 28 de abril a 1 de maio, em Viseu. “Casar estes dois produtos endógenos é uma boa ideia e podemos fazer dois em um”, disse Fernando Ruas, presidente da Câmara de Viseu. A este projeto, associaramse 22 restaurantes da cidade de Viriato, que vão ter como prato do dia a

iguaria criada numa casualidade pelos militares do Regimento de Infantaria de Viseu (RIV). A “Rota do Rancho e do Vinho do Dão” iniciar-seá com uma degustação do referido prato e com uma prova de Vinhos DOP Dão, no dia 27 de abril, no Solar do Vinho do Dão. O autarca lembrou também que “estas iniciativas que promovem produtos regionais são as mais duradoras e com mais reflexo na economia local”. A vereadora da cultura da Câmara Municipal de Viseu, Ana Paula Santana, destacou a ade-

são dos 22 restaurantes, num “ano económico difícil”. Segundo a responsável, cabe agora à Comissão Vitivinícola Regional do Dão “sensibilizar os restaurantes para criar as condições que permitam aos clientes perceber como os dois produtos combinam bem”. Durante os quatro dias da iniciativa, a animação de rua vai ser outro dos atrativos, bem como as animações nos restaurantes, no sentido de “tornar mais atrativa a refeição dos visitantes, em cada uma das estruturas”, disse Ana Paula Santana.

A Rota do Rancho e do Vinho do Dão é organizada pela Câmara de Viseu com o contributo da Associação Comercial de Viseu, o Regimento de Infantaria 14 e, a partir desta quarta edição, a Comissão Vitivinícola Regional do Dão. Em jeito de conclusão, Fernando Ruas, mostrou confiança na iniciativa e espera que seja “um sucesso”. De 28 de abril a 1 de maio, os viseenses podem degustar o “genuíno” Rancho à Moda de Viseu. Tiago Virgílio Pereira

A campanha que o Forum Viseu está a promover, até dia 29 de abril, continua a “rodar” a grande ritmo. Até ao momento, foram entregues 180 prémios e os valores mais ambicionados ainda estão em jogo. A decorrer até dia 29 de Abril, a campanha “Vai andar a Roda” do Forum Viseu, tem vários prémios para oferecer que podem ir até aos 1000 euros. Para participar, os visitantes só têm de efectuar compras superiores a 20 euros e dirigirem-se à praça da restauração, no piso 2, e carregar no botão da roda electrónica. Os prémios atribuídos podem ir até aos 1000 euros em MMM Gift Card que serão entregues de imediato ao vencedor, para que possa usufruir do seu presente em qualquer loja do centro comercial. O Forum Viseu já ofereceu até ao momento 180 prémios mas ainda há muito mais para dar.


Jornal do Centro

16 ECONOMIA | INVESTIR & AGIR

20 | abril | 2012

Clareza no Pensamento

Palácio do Gelo celebra aniversário com moda

(http://clarezanopensamento.blogspot.com)

Cristina Barroco Docente na Escola Superior de Tecnologia de Viseu cbarroco@estv.ipv.pt

Quatro anos∑ Paulo Futre, Luísa Beirão e José Fidalgo presentes nas comemorações O Palácio do Gelo Shopping vai organizar um desfile de moda, amanhã, dia 21, a partir das 21h30. O evento surge na sequência das celebrações do quarto aniversário do centro comercial em Viseu. A noite será de glamour e muitas supresas. Catarina Furtado, o “rosto” do shopping, vai apresentar o espetáculo. Luísa Beirão, José Fidalgo e Paulo Futre serão as grandes atrações da noite. Vão também desfilar manequins da Best Models. Katty Xiomara é a estilista con-

Publicidade

A Catarina Furtado apresenta o evento vidada, num desfile em que as coleções das lojas do centro comercial serão apresentadas. Portuguese Fashion News dará o mote para a apresentação das tendências de jovens criadores.

A atuação musical estará a cargo de Paulo Vintém. Assim, a festa contará com muitas caras conhecidas do público, pelo que, esperamse centenas de pessoas. O P a l ác io do G elo

Shopping foi inaugurado a 15 de abril de 2008, e revolucinou a cidade e o país pelas suas carateristícas únicas. O complexo i nclu i o maior hipermercado da região, o maior clube de desporto e bemestar do país, uma oferta completa em moda e serviços, seis salas de cinema equipadas com material digital de última geração e 3D comercial, o Bar do Gelo, uma praça de restauração e terraços exteriores com vista privilegiada sobre as Serras da Estrela e do Caramulo.

ESCOLA PROFISSIONAL MARIANA SEIXAS VENCE CONCURSO NACIONAL A Escola Profissional Mariana Seixas (EPMS), em Viseu, conquistou o primeiro lugar nacional no “Projeto Escola Eletrão 2012”, no escalão A, de entre mais de 500 escolas participantes de todo o país. O prémio foi entregue pela Secretária de Estado do Ensino Básico e Secundário, Isabel Leite, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, na Sessão Switch Off do “Projeto Escola Eletrão”. A EPMS conseguiu recolher cerca de 29 toneladas de resíduos elétricos e eletrónicos para reciclagem e contribuiu uma vez mais para um mundo mais limpo e mais verde. Com a conquista deste galardão a escola ganhou um projector, um computador, uma máquina fotográfica, um sistema hi-fi, um televisor LCD 32, um leitor multimédia, uma máquina de filmar, uma máquina de café, um pack de lâmpadas e um quadro interativo.

O que há de novo na Região Centro?

Agora que os dias são maiores e convidam a sair de casa, é útil saber as novidades turísticas que a Região Centro apresenta. Esta oferece-nos um calendário de eventos e sugestões de visitas que não pode deixar de aproveitar. Aqui f ica m a lg umas propostas… Entre 13 e 29 de abril, Viseu, recebe o 5º Festival de Música da Primavera. Este evento organizado pela Câmara Municipal de Viseu em parceria com o Conservatório de Música Dr. José Azeredo Perdigão vai encher de magia vários espaços na cidade… ande atento! A Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, em parceria com o ProjetoContrato Local de Desenvolvimento Social - “S. Pedro do Sul, o futuro é aqui”, o Bioparque e a Associação das Aldeias do Magaio, está a promover vários percursos pedestres, que se iniciaram a 15 de abril com o “Percurso da Cabra e do Lobo” e têm o final previsto para 11 de novembro com o “Percurso da Castanha e do Mel”. São 14 propostas, verdadeiramente irresistíveis! Se é apreciador da boa gastronomia da região, não pode ficar indiferente ao cartaz de festiva is do cabrito, aconselhamos a marcar já na agenda a 6ª Semana Gastronómica do Cabrito em Tondela de 8 a 10 de Junho. Entretanto e até lá, pode visitar um dos restau-

rantes aderentes à Rota do Cabrito: “Marte”, “O País”, “Nascer do Sol” ou “Varanda da Serra”, entre outros, situados no Caramulo, onde o cabrito assado no forno, o arroz de cabrito, a caldeirada de cabrito, o cabrito grelhado ou o ensopado de cabrito, fazem as delícias dos paladares mais exigentes. Descubra, ainda, os novos Guiasdo Leitão, do Bacalhau, dos Queijos… e deixe-se deliciar! Se quer v iver u m a experiência única, percorra o Caminho Português de Santiago e consulte o Calendário de Animação para 2012, com atividades previstas nos municípios de A n si ão, A lva i á zere , A lberga r ia-a-Vel h a , Águeda, Penela, Condeixa-a-Nova, Anadia, Coimbra e Mealhada. Siga as setas amarelas e... Bom Caminho! A última atividade está prevista para 23 de setembro. Não falte! Tudo i sto e mu ito mais, está disponível no site da Região Centro (http://www.turismodocentro.pt). Aqui poderá fazer o dowload do Guia Turístico YouGo Centropara o seu smartphone.E simplesmente… ir à descoberta… Não se esqueça de adquirir o Centro Card no posto de Turismo mais perto de si e encontrar os descontos que existem de novo na Região Centro…um destino… mil emoções…


especial

2 0 12 Moda&Tendências ências

Primavera/Verão 2012 • Roupa

• Calçado • Acessórios • Maquilhagem • Propostas • Lojas

Textos: Andreia Mota

Grafismo: Marcos Rebelo

Publicidade


2 012 18 especial Moda&Tendências ndências Beleza sem limites

Glamour, sofisticação e muita atitude: é o que nos trazem as propostas desta primavera – verão, em que a moda não tem fronteiras. Comecemos pelos must-have. Para as noites mais frescas, o trench-coat é

uma peça de eleição. Obrigatórias são também as saias. Plissadas, com pregas ou pinças, rodadas, curtas ou abaixo do joelho, assimétricas… a variedade é grande e abrange todos os gostos. Mas para que o resultado final não desiluda,

Jornal do Centro 20 | Abril | 2012

têm de ser conjugadas com uma parte de cima justa e clean. E para se sentir verdadeiramente feminina, deixe-se seduzir pelo brilho e pelas aplicações, indispensáveis nesta coleção. Lantejoulas, plumas, tachas, penas, vesti-

dos esvoaçantes ou inspirados nos anos 30, tons que fazem lembrar guloseimas, flores e rendas são algumas das opções certas e que a farão brilhar ainda mais. Inspire-se nas propostas que lhe trazemos!

Sabor a gelado

À flor da pele

Menta, cor de pêssego, violeta, verde água e rosa morango... Os tons gulosos dos gelados tão apetecíveis nos dias de maior calor chegaram ao vestuário e acessórios. A estes podemos juntar ainda as tonalidades pastel, que aparecem em saias rodadas, rendas e bordados. As cores que nos fazem lembrar a infância vieram para ficar e podem ser conjugadas com os florescentes. Verde, amarelo, rosa, laranja ou azul não importa, dado que as cores fortes também nos acompanham para todo o lado. O resultado é certo: vai arrasar!

Sensualidade à flor da pele. É o que se pretende com as peças em pele que saem novamente do armário, mas que nesta coleção ganham uma vida diferente através de cores vivas, por vezes florescentes. Não tenha medo de arriscar em tons como o fúchsia, o amarelo-limão ou o azulturquesa. Mais subtil, o marinho também é uma boa opção. É tudo uma questão de estilo!

2

4

2

1

1 3

3

5 6

7

8

4

5

6

1 Malote rosa-morango, Benetton - 73€, na Casa das Malas de Viseu 2 Mala de tecido estampado, Lollipops - 79€, na sapataria Stress 3 Polo, Hugo Boss - 89,95€, na Tavares 4 T-shirt basica, HaFu - 39,90€ e Saia HaFu - 47,99€, na loja Goodvibes 5 Vestido c/ oferta de cinto, Amarellolimon - 102,05€, na loja Goodvibes 6 Polo, Tempo - 37,37€, Calça, Bendorff - 42,96€, sapatilha, Merrell - 59,99€ e Mala, Timezone - 62€, na loja Goodvibes

7 Blusão, Gant - 205€, na Tavares 8 Relógio e Pulseiras, várias cores, na ourivesaria Domingos Publicidade

1 Sapatilha, Shulong - 39,60€, na loja Goodvibes 2 Sapatilha, Shulong - 42,24€, na loja Goodvibes 3 Clutch de pele com metal da Machine - 134€, na Casa das Malas de Viseu 4 Mala de pele gravada da Joseph Louis - 132€, na Casa das Malas de Viseu 5 Carteira, Tous - 295€, na Tavares 6 Carteira, Burberry - 1095€, na Tavares

Brilhe! O brilho é outra tendência incontornável e irá conferir ao seu visual um toque quente e de glamour. Como um raio de sol, é possível encontrar uma paleta de tons metálicos, que vão desde o dourado, ao prata, sem esquecer o cobre. Os bordados e os tricots com lurex também são uma tentação!

1 2 1 Mala com flores em tull preto/ prateado – 24,90€, na Casa das Malas de Viseu

2 Clutch cobre com corrente da Volum - 26€, na Casa das Malas de Viseu

3 Carteira verniz beje, DKNY - 109€, na sapataria Stress 4 Relógios metal amarelo, na ourivesaria Domingos

Publicidade

3

4


20

Jornal do Centro

2 012 especial Moda&Tendências ndências

20 | Abril | 2012

Como um jardim

Inspiração étnica

As flores chegaram e são presença obrigatória no guarda-roupa, podendo ser usadas em qualquer peça. Vestidos, saias, blusas ou calças vão ajudar a animar o seu dia. O estilo também diverge e vai desde a Pop Art ao romantismo, podendo ser associado a frutos e ramagens. Mas não se esqueça: se pretender ser como um verdadeiro jardim opte por um vestido; se remeter as flores para uma peça, conjugue-a com outra lisa e em tons suaves.

Os estampados gráficos, de inspiração étnica, trazemnos luz e cor. Estes padrões parecem vir diretamente do outro lado do oceano para nos saudar com tons quentes e um aspeto vibrante. Embora já pudessem ser apreciados em coleções anteriores, nesta estação invadiram mesmo as lojas e ganharam nova luminosidade: as mais ousadas podem optar por looks integrais, mas também resultam muito bem em acessórios e em conjuntos minimalistas. Os estampados incas ou maias assumem grande força, tal como os acabamentos tie-dye que nos remetem para o calor africano. A estes junta-se a aplicação de missangas ou lantejoulas, que dão o toque final cheio de glamour.

1

2

3 4

4 5

7

6

3 1 6 2

1 Conjunto de 3 peças com estampado florido da Gladiator - 65€, na Casa das Malas de Viseu 2 Soca estampada, Replay - 89€, na sapataria Stress 3 Sandalia rasa/cunha, Lollipops (69€/89€) + carteiras, Lollipops (89€/75€), na sapataria Stress 4 Vestido, Amy Gee - 54,90€ e Carteira C117 - 58€, nas lojas Amour 5 Vestido estampado flores, Amarillolimon - 98,75€ e Carteira Skunkfunk - 46€, na Goodvibes 6 Top, Decenio - 69,90€, na Tavares 7 Vestido estampado, Henry Cotton’s - 315€, na Tavares Publicidade

Publicidade

5

1 Carteira e Echarpe, Tous - (215€/53€), na Tavares 2 Vestido Skunkfunk - 70,55€, na Goodvibes 3 Top, Amarillolimon - 47€, na Goodvibes 4 T-shirt homem, Skunkfunk - 27,25€, na Goodvibes 5 Polo, Decenio - 59,90€, na Tavares 6 Vestido comprido (várias cores), HAFU - 52€, na Goodvibes


Jornal do Centro

2012 especial Moda&Tendências

20 | Abril | 2012

21

O poder da renda

O toque dos acessórios

A renda e o bordado inglês são muito femininos, chiques e sexy, podendo ser usados tanto de dia como de noite, desde que bem conjugados. Para sair, escolha looks mais exuberantes e arrojados, em que as transparências podem ser valorizadas. Durante o dia, impõe-se um visual romântico e as sobreposições. Arrisque, por exemplo, com um vestido comprido. O sucesso é garantido!

Cor, cor e mais cor! É o que se espera dos acessórios nesta estação, em que surgem reinventados, quase como uma obra de arte, na qual se privilegia a originalidade. Os tons fortes – laranja, verde, azul elétrico, fúchsia, amarelo-limão – são indispensáveis, tal como os pormenores dados pelas tachas, franjas, palhinhas ou os motivos étnicos. Os princípios são válidos tanto para os sapatos como para as carteiras, que tendem a ser mais pequenas e com texturas muito divertidas. Os colares e pulseiras são indispensáveis. Aproveite…

1

7

2

6

1

4

2

4

3 8

3 1 Mala bordada a laser, Monova - 39,50€, na Casa das Malas de Viseu 2 Sandália/Soca, tecido e renda, Coolway - 49€, na sapataria Stress 3 Botim basado, Fornarina - 179€, na sapataria Stress 4 Carteira em pele/tecido/renda, Lollipops - 98€, na sapataria Stress 5 Saia com bordado de renda, Amy Gee - 44,90€, T-shirt e Casaco, Amy Gee (24,90€/54,90), nas lojas Amour

6 Vestido bordado, HAFU - 45€, na Goodvibes 7 Blusa, Henry Cotton’s - 165€, na Tavares 8 Brincos de Viana prata dourada, na ourivesaria Domingos Publicidade

6 5 5

1 Mala em palhinha com gorgorão da Monova - 39.9€, na Casa das Malas de Viseu 2 Cinto largo em várias cores, BCB Bags - 9€ cada, na Casa das Malas de Viseu 3 Mala masculina várias cores, Skunkfunk - 72,90€, na Goodvibes 4 Sapatos, Strena - 139€ e Carteira, Fornarina - 85€, na Stress 5 Botim em várias cores, Exe - 89€, na Stress 6 Moucassins senhora (rosa, branco, vermelho) - 29,50€, sapato vela homem (azul) 32,50€ e babuche senhora (rosa/vermelho/amarelo limão) - 29,50€, na sapataria Domingos


22

Jornal do Centro

2 012 especial Moda&Tendências ndências

20 | Abril | 2012

Proteja a visão

Liberdade para os mais novos

Os óculos são uma peça incontornável do guarda-roupa, quer por uma questão estética, como no que diz respeito à saúde dos seus olhos. Esta primavera – verão não é exceção. O grande destaque vai para os modelos que conjugam massa colorida na parte de cima e aros em metal. O estilo surge como um mix entre os olhos de gato e o look característico dos anos 70.

A cor, o design e os estampados também estão “in” para os mais novos, cujas propostas de roupa se enchem de flores, riscas, bordados e uma paleta de tons que vão desde laranja, verde, o vermelho, amarelo sol, branco, creme, rosa e violeta, sem esquecer o azul da ganga. E porque os petizes precisam de liberdade de movimento, aparecem linhas soltas, algumas amplas, para permitir o máximo conforto, sobreposição de peças ligeiras, e pormenores tentadores que prometem tornar o vestuário mais fresco e colorido.

3

1

4

5

6 2

4

1 5

1 Gucci (3155/S) – 225€, na Internacional Óptica 2 Carrera Champion (ST) – 110€, na Internacional Óptica 3 Dior Havane – 291€, na Internacional Óptica 4 Ray-Ban Wayfarer (2140) – 122,50€, na Internacional Óptica 4 Ray-Ban Kids (9050/S) – 72€, na Internacional Óptica Publicidade

3

2

7 8 1 Vestido estampado flores, 3 Pommes - 39,90€ e Bolero, Dr. Kid - 19,58€, nas lojas Amour 2 Calça ganga, 3 Pommes - 24,90€, T-shirt, 3 Pommes - 19,90€ e Parka, 3 Pommes 44,90€, nas lojas Amour

3 Boné, Levi’s - 19,80€, Polo, 3 Pommes - 34,90€ e Calça, 3 Pommes - 44,90€, nas lojas Amour 4 Polo, calção e casaco, Gant - (40€/73€/96€), na Kids Up 5 Vestido, Pepe Jeans - 65€, na Kids Up 6 Top e Calças, Andy Warhol - (60€/75€), na Kids Up 7 Sapato menina cerimónia (18 a 37) - 32,50€, na sapataria Domingos 8 Sapato menino cerimónia (28 a 38) - 32,50€, na sapataria Domingos

Maquilhagem

Dê cor aos seus dias A cor que marcou a passerelle surge também na maquilhagem. Os rostos abandonam o aspecto pálido do Inverno e irradiam vida. Assim, hidrate bem a pele, esconda as imperfeições e não se esqueça do blush. Os lábios assumem várias variações de vermelho, quer em gloss como em batom. Dos alaranjados ao rosado são várias as possibilidades, que não excluem ainda o púrpura. As sobrancelhas querem-se bem penteadas e com um arco perfeito, como que a combinar com o eyeliner generoso dos olhos e as pestanas longas e volumosas. Nas sombras imperam o nude e os pastel, sem esquecer o verde menta, que dita a moda. Os tons metalizados também estão in. As unhas reflectem também as cores animadas da Primavera. Vermelho cereja, cor de pêssego, rosa… e o verde, que já não é apenas a imagem de marca dos movimentos ecologistas. E para as mais supersticiosas, nada melhor do que associar a cor das unhas a um amuleto com um poder mágico, que trará protecção. O amarelo ácido trará riqueza e afastará a inveja e as energias negativas; o lilás é sinónimo de saúde e paz interior; e o laranja representa alegria, sucesso e reconhecimento. Escolha o rosa se precisa de harmonia na sua vida sentimental e azul noite se necessita de criatividade e realização pessoal. A acabar o look perfeito, mergulhe de cabeça nas novas tendências e diga adeus ao secador. Cabelos molhados e ou meio secos são presença obrigatória, tal como o uso de gel. A franja também ainda não passou de moda. Deslumbre!


24

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

desporto Visto e Falado

AGENDA FIM-DE-SEMANA FUTEBOL II DIVISÃO NACIONAL - CENTRO

Vítor Santos vtr1967@gmail.com

29ª jornada - 22 Abr - 16h00

Coimbrões

-

Paredes

Gondomar

-

Sp. Espinho

Aliados Lordelo -

Operário

Tondela

-

S. J. Ver

-

Boavista

Angrense

-

Oliv. Bairro

Anadia

-

Amarante

Padroense

-

Cinfães

Futebol Cinfães

Madalena

III DIVISÃO NACIONAL SÉRIE B (MANUTENÇÃO

-

Alpendorada

Vila Meã

-

Sp. Lamego

Serzedelo

-

Leça

Gil Peres

5ª jornada - 22 Abr - 16h00 Sp. Mêda

III DIVISÃO NACIONAL SÉRIE C (SUBIDA)

A Forasteiros foram sempre mais perigosos no ataque

5ª jornada - 22 Abr - 16h00

III Divisão Nacional - Série C (Manutenção)

Avanca

-

Alba

Ac. Viseu

-

Sampedrense

Nogueirense

-

Bustelo

Oliveira de Frades afunda Canas Manutenção ∑ Canas de Senhorim ficou mais longe e o Oliveira de Frades mais perto

III DIVISÃO NACIONAL SÉRIE C (MANUTENÇÃO) 5ª jornada - 22 Abr - 16h00 Penalva C.

-

Oliv. Hospital

-

Valecambrense C.Senhorim

Oliv. Frades

-

Sanjoanense

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL DE VISEU DIVISÃO DE HONRA 27ª jornada - 22 Abr - 16h00 Lageosa Dão

-

Alvite

-

Silgueiros Molelos

Mortágua

-

Tarouquense

Paivense

-

Lamelas

Fornelos

-

Viseu Benfica

Castro Daire

-

Lusitano

Arguedeira

-

Vale Açores

Sátão

-

GD Parada

Publicidade

Passo importante do Oliveira de Frades rumo à manutenção, enquanto o Canas de Senhorim se afundou mais na classificação, depois do jogo entre as duas equipas na série C da III Divisão Nacional. Se o jogo era importante para o Oliveira de Frades, para o Canas era mesmo determinante, com a formação de João Bento apostada em conquistar pontos nesta fase derradeira do campeonato. Entrou melhor no jogo a equipa de Carlos Agostinho. Com outros argumentos, apresentou um futebol mais elaborado, mas

que pecava no último passe. Criava situações mas não finalizava. O golo de Semedo acabou por dar alguma justiça ao marcador, coroando um período em que os forasteiros estavam por cima no jogo. O Canas ia respondendo como podia, com muitas bolas diretas para Dédé, avançado possante emprestado pelo Académico de Viseu que deu sempre muito luta aos defesas contrários, mas sem que criasse lances de muito perigo. Foi mesmo o Oliveira de Frades, por Semedo, quem ainda na primeira parte

desperdiçou uma oportunidade flagrante, com o avançado isolado, “na cara” de Canário, a chutar em tudo menos na bola. O resultado no final dos primeiros 45 minutos ajustava-se ao que as equipas fizeram. No segundo tempo, o Oliveira de Frades continuou perigoso, mas com uma finalização desastrada, para desespero de Carlos Agostinho no banco. Canário fez um punhado de grandes defesas e foi mantendo o resultado na diferença mínima. Um resultado que fazia acreditar o Canas de Senhorim. A

equipa na segunda parte foi mais perigosa, principalmente nas bolas paradas, conseguindo criar situações de muito perigo. O jogo manteria essa tendência até final, com o Oliveira de Frades a segurar três preciosos pontos, que acabam por ser justos face ao que as equipas produziram ao longo da partida. O Oliveira de Frades acabou por ganhar bem, perante uma equipa que teve, em especial na segunda parte, uma atitude muito positiva no jogo e que poderia ter chegado ao empate. Gil Peres

Cartão FairPlay A equipa treinada por Flávio das Neves venceu o Paredes e praticamente garantiu a permanência na II Divisão, Série Centro, o que não era tarefa fácil. A equipa do norte do distrito de Viseu foi amealhando pontos ao longo da época que agora praticamente se traduzem no alcançar do objetivo da manutenção. Com o CD Tondela em primeiro e a permanência do Cinfães, Viseu vê os seus filiados a realizarem uma época desportiva que pode ser memorável, se a subida do Tondela e Ac.Viseu se concretizarem. FUTEBOL Sernancelhe

Cartão FairPlay Está de regresso ao principal escalão do futebol distrital o Sernancelhe. Quando falta ainda disputar uma jornada deste campeonato, a equipa orientada por Rui Santiago já garantiu a subida. Após alguns anos afastado do principal escalão do futebol viseense o Sernancelhe marcará, na próxima época, presença na Divisão de Honra da AF Viseu. Campeões. Parabéns. Pavilhão do Fontelo Requalificação

Cartão Amarelo Finalmente a requalificação do Pavilhão Gimnodesportivo do Fontelo vai avançar. É uma excelente notícia , face ao seu estado de degradação. Viseu vai ter finalmente uma Casa para o desporto digna desse nome. 850 mil euros é o investimento previsto. Já faltou mais…


VOLEIBOL | DESPORTO 25

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

Liga Inatel Voleibol - Fase dos Primeiros

Castro Daire entrou a ganhar frente ao Clube PT Associação Desportiva de Castro Daire e Clube PT Viseu defrontaramse na jornada de abertura da segunda fase da Liga de Voleibol do Inatel, a chamada Fase dos Primeiros. A vitória sorriu à formação da casa por 3 sets a 0. As duas equipas cheg a r a m a e st a f a s e d a competição depois de se terem apurado nas respectivas séries competitivas, com o Castro Daire a ter sido segundo na série B e o Clube PT segundo na série A. I P To m a r , e C e n tro Norton Matos, de Coi mbra , vencedores das duas séries, completam este grupo de quatro equipas. Publicidade

As duas primeiras seguem depois para a disputa da Fase Nacional. Para já, o Castro Daire está na luta, depois do triunfo frente ao Clube PT Viseu, enquanto os viseenses estão com as contas do apuramento mais complicadas depois de terem também perdido no jogo da segunda jornada frente ao Centro Norton de Matos (0 – 3), uma formação de grande qualidade, constituída por vá rios exjogadores da Académica de Coi mbra , e que é u m a da s pr i ncipa is candidatas à presença na Fase Nacional. Qua nto ao Castro Daire, adiou o jogo da segunda jornada frente ao IP Tomar. GP

REGIONAL VOLEIBOL PORTO

CARDES termina invicto

A A formação de cadetes femininos do CARDES

A Clube PT perdeu os dois primeiros jogos

O Cardes, de Barbeita, terminou invicto a primeira fase do Campeonato Regional do Porto em Voleibol, no escalão de Cadetes Femininos. A formação viseense fez o pleno ao vencer os oito jogos disputados, garantindo assima presença na próxima fase da competição. Na última jornada, o

Cardes recebeu, e venceu, a equipa do Penafiel por 3 sets a 0, com os parciais de 25 -19, 25 - 23 e 25 - 20. No registo imaculado da jovem equipa viseense ficam os números que refletem a superioridade exibida ao longo desta fase competitiva: oito jogos, oito vitórias, tendo cedido apenas quatro sets contra os 24 que ganhou. GP


26 DESPORTO | MODALIDADES

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

Campeonato de Offroad

Velhas contas para acertar em Mação

TODO O TERRENO

VI Passeio Serra de Leomil Vai decorrer no próximo domingo, dia 22 de abril, o VI Passeio TT Serra de Leomil, um dos maiores passeios mistos a nível nacional, e que conta com mais de três centenas de inscritos, entre motos e jipes. A prova, organizada pela secção motorizada do Clube Desportivo de Leomil, decorre entre as 9h00 e as 19h00, e faz parte do calendário nacional da modalidade. O percurso passa por vários locais da Serra de Leo-

mil, Serra da Lapa e ainda alguns troços em plena Região Demarcada do Douro, numa extensão total de 165 quilómetros, dos quais 70 são para a prova de quatro rodas e 95 quilómetros para a de motos. A pista competitiva está desenhada pelos concelhos de Moimenta da Beira, Tabuaço e Sernancelhe. Quanto aos participantes, há inscritos de todas as regiões do país, e também alguns estrangeiros de países como Suiça, França e Inglaterra. GP

VISEU

A Hugo Lopes (Peugeot 106) O Ca mpeonato de Offroad está este fim de semana de regresso para a segunda prova da temporada. Va i s e r n a P i s t a d a Boavista, em Mação, este sábado e domingo, com Hugo Lopes e Bernardo Maia, mais uma vez, entre os inscritos. Os jovens pilotos competem na Divisão 6, antigo Troféu Iniciação, onde correm pilotos com idades entre os 13 e os 15 anos.

Depois de Chorente, onde Hugo Lopes acabou por perder a prova “na secretaria”, acabando por ter que se contentar com o terceiro lugar, após lhe ter sido atribuída uma penalização de cinco segundos, o piloto viseense parte agora para Mação empenhado em mostrar que é um dos sérios candidatos a uma vitória no Campeonato. Hugo Lopes corre em Mação com o Peugeot 106 com que ter-

A Bernardo Maia (Toyota Starlet) minou a época passada, e com que já correu em Chorente. Q u a n to a B e r n a rd o Maia, que há dois anos se sagrou Campeão Nacional, e depois de uma época em 2011 praticamente para esquecer, procura em Mação confirmar as boas indicações que deixou na prova inaugural, onde acabou por vencer a corrida do Troféu Ernesto Gonçalves. B er n a rdo M a i a vol-

ta esta época a apostar na fiabilidade do Toyota Starlet com que há dois anos chegou ao título, mas a concorrência de Hugo Lopes e do campeão em título, Rafael Lobato, promete ser grande. Esta Divisão 6 será mesmo, face a um decréscimo do número de pilotos inscritos nas restantes divisões, a que mais promete animar o campeonato de Offroad esta temporada. GP

21º Jogos Desportivos começam a 28 de Abril No próximo dia 28 de Abril vai começar a 21ª edição dos Jogos Desportivos de Viseu. Este ano, vai decorrer até 14 de Julho e conta com um total de 28 modalidades, para todas as idades, com o Andebol de Praia como novidade na edição 2012. Mais uma vez a autarquia viseense avança para esta organização, em colaboração com as diversas

associações de modalidade, no que é um dos maiores eventos desportivos da zona Centro, principalmente pelo elevado número de participantes que movimenta, e que na época passada foi superior aos três mil. As inscrições estão abertas a clubes, associações e colectividades do concelho, mas também a atletas a nível individual.GP

TROFÉU CAM KART - CATEGORIA ANDORINHA

Rodrigo Correia lidera campeonato Rodrigo Correia, o jovem piloto de Lafões, lidera o Troféu CAM Kart na categoria Andorinha, depois do segundo lugar conquistado na segunda prova do campeonato, disputada no Kartódromo de Braga. Nesta competição destinada a pilotos de 7 e 8 anos, Rodrigo Correia não conseguiu repetir o triunfo da primeira prova do campeonato, mas a se-

gunda posição deu a possibilidade ao jovem piloto lafonense de se manter no topo da classificação. Rodrigo Correia começou por dominar os treinos, alcançando a Pole Position, mas na primeira manga, terminou na 2ª posição, para chegar depois ao triunfo na segunda manga. Na Final, Rodrigo Correia começou na frente, mas sempre muito pres-

sionado por Duarte Santos, piloto bem mais experiente e já repetente no troféu do Clube Automóvel do Minho. Na quinta volta deu-se a ultrapassagem e Rodrigo Correia terminou assim no segundo lugar. No final, o jovem piloto mostrou a sua satisfação: “Gostei imenso desta prova, mas o que eu queria mesmo era ter ganho. Bem tentei, li-

derei várias voltas, mas o Duarte foi um pouco mais forte, mas dei-lhe muita luta! Continuo à frente do troféu, e é isso que quero manter”, referiu-nos Rodrigo Correia, pouco depois de ter ido ao pódio. Com duas provas disputadas, o piloto lafonense, lidera a classificação do troféu com 120 pontos, seguido por Manuel Soares, com 114 pontos. GP/JB

A Jovem piloto continua a mostrar categoria


10 a 13 de Novembro Jornal do Centro 20 | abril | 2012

27

em foco FNAC Viseu assinalou quarto aniversário com “casa cheia”

Nos dois dias dedicados ao quarto aniversário, a afluência de público foi imensa. “Centenas de pessoas festejaram a existência da loja na cidade, quer durante as apresentações ao vivo dos Capitães de Areia, no dia 14, quer com os Uxu Kalhus, no dia 15”, disse Lúcia Simões, responsável pela comunicação e marketing. No domingo registou-se um acréscimo de participação no fórum Miúdos FNAC, em que cerca de 20 crianças acompanhadas pelos pais, participaram na oficina de leitura dedicada aos 100 anos de Jorge Amado. O aniversário FNAC Viseu fica ainda marcado pela abertura de mais uma secção, trata-se de uma área dedicada à música e à sua aprendizagem, com oferta de instrumentos musicais. “É objetivo da loja FNAC Viseu adequar continuamente a oferta aos interesses atuais dos seus clientes, estando prevista a criação de novas secções ainda este ano”, concluiu a responsável.

Dias em cheio no Politécnico de Viseu! Os Dias Abertos do Instituto Politécnico de Viseu (IPV) terminaram no dia 13 de abril. Mas as visitas vão continuar ao longo do ano letivo. Nesta nona edição, mais de 1.700 visitantes provenientes de 29 Escolas Secundárias, Profissionais e Básicas dos distritos de Coimbra, Guarda e Viseu, participaram no evento que tem como objetivo primordial proporcionar aos alunos do ensino básico (9º ano), secundário e profissional, eventuais candidatos ao ensino superior, professores e psicólogos, através da observação presencial, um conhecimento mais abrangente de todas as facetas do ensino superior público. Os jovens puderam presenciar aulas a decorrer, interagir com infraestruturas e equipamentos, experienciar práticas pedagógicas e técnicas relacionais, realizar experiências e análises laboratoriais, visitar exposições e participar em atividades lúdico-pedagógicas diversas. Uma jornada inesquecível para mais tarde recordar. Para o ano a aventura continua!

Jantar vínico no Solar do Vinho do Dão A Adega Cooperativa de Mangualde promoveu um jantar vínico no Solar do Vinho do Dão, em Viseu. Foram lançados novos vinhos, integrados numa noite cultural denominada “Vinum et musica laetificant cor”, com a participação especial do Grupo Musicando e Coral Lopes Morado.


28

culturas expos VILA NOVA DE PAIVA ∑ Auditório Municipal Carlos Paredes Até dia 30 de abril Exposição de banda desenhada “O 25 de abril visto por autores de banda desenhada”. ∑ Até dia 30 de abril Exposição de fotografia “VI Concurso Fotográfico National Geographic Portugal”. ∑ Até dia 30 de abril Exposição de ilustração “Como é que uma Galinha”, de Yara Kono, (Prémio Nacional Ilustração 2011). VISEU ∑ “Atendimento Único” na Câmara Municipal Até dia 11 de maio Exposição “Cerâmicas by Sara Conde”. MANGUALDE ∑ Biblioteca Municipal Até dia 30 de abril Exposição de pintura “Desempregobarrasemabrigo”, de Paula Veiga. NELAS ∑ Fundação Lapa do Lobo Até dia 28 de abril Exposição coletiva de arte contemporânea, “Acervo da Fundação”.

D Banda Velha União Sanjoanense em Vila Nova de Paiva

Sessões diárias às 13h40, 15h55, 18h10, 21h10, 23h25* Gone - 12 horas para viver (M12) (Digital) Sessões diárias às 11h00 (dom), 13h50 Amigos improváveis VP (M12) (Digital) Sessões diárias às 21h20,

20 | abril | 2012

o Auditório Municipal Carlos Paredes, em Vila Nova de Paiva, recebe, amanhã, pelas 21h00, o concerto de música com a Banda Velha União Sanjoanense. Trata-se do 4º concerto do Projecto Bandas em Concerto, promovido pela Direcção Regional de Cultura do Centro e que o município de Vila Nova de Paiva aderiu.

Arcas da memória

Destaque

Carta para uma amiga que está longe Querida amiga: Têm aindaojeitodascartasantigas,as minhas cartas, como esta carta escrita num começo de manhã de Páscoa, antes de partir Terras do Demo fora, rumo à terra onde nasci. Da janela da minha casa, alta, sobre o Poente, eu vejo ao longe o recorte do Caramulo onde sobem, por detrás, vindas do mar, nuvens brancas em voo, fantasmagoriasqueelascriamenos Boss AC abre as festividades, no domingo, dia 22. divertemcomosefossetempo de enredos de criança. Mais perto, dois tiros de pedra, diziam os antigos, manchas de pinheiral, pinheiros velhos onde as rolas já não cantam, quietos nesta manhã despida de aragem. Mais perto ainda um chão com oliveiViseu∑ Multiusos recebe artistas nacionais conceituados ras e entre elas a copa verArranca no domin- çamento para o cartaz Concertos de-escuro de uma laranjeiDia 22 - Boss AC go, dia 22 de abril, a fes- custou cerca de 100 mil ra onde refulge o ouro de laDia 23 – Quim Roscas e Zeca ranjas. Quietas também as ta da academia de Viseu. euros, “e está dentro dos Durante seis noites, mi- valores que a FAV tem Estacionâncio oliveiras, acalmia de ramos Dia 24 – Quim Barreiros lhares de estudantes vindo a praticar”. de uma clara cor de cinza Dia 25 - Kussondulola A organização está vão invadir o Pavilhão e prata e eu, quando as olho, Dia 26 – Diabo na Cruz Multiusos para celebrar “confiante” e espera que lembro-me sempre das oliveiDia 27 - Buraka Som Sistema ras que Van Gogh pintou nas a XXVIII Semana Aca- “durante a semana passem cerca de 15 mil pesdémica. campinas de Aix, mas essas O cartaz deste ano soas pelo Multiusos”. eu vejo-as sempre agitadas pePreço do bilhete diário: los ventos da Provença, essa tem como grandes atra- Cerca de duas mil por Trajados – Não trajados ções Boss AC, Quim cada dia. Beber com mágicaterradepresépiosede Não estudantes Roscas e Zeca Estacio- moderação para não romance onde eu gostava de Dia 22 - 5, 50 € – 6 € – 9 € nâncio e Buraka Som estragar a festa, é o deter nascido se não tivesse vinDia 23 - 5, 50 € – 6 € – 9 € Sistema. “Apostámos sejo da FAV, que para donasceràminhaterra.Daqui Dia 24 - 7, 50 € – 8 € – 10 € em bandas que estão a esta edição da SemaapoucoatravessareiasTerras Dia 25 - 6,50 € – 7 € – 9 € dar cartas no panora- na Académica de Viseu do Demo. A serra da Lapa coDia 26 - 7,50 € – 8 € – 10 € ma musical nacional e tem agendadas ações bre-se de urze em flor cor vioDia 27 - 9,50 € – 10 € – 12 € também em som alter- de sensibilização para leta, que eu sei, entremeios esnativo, no sentido de alertar os jovens sobre paçadosdeflorbrancadagiesagradarmos a todos os os perigos do consumo ta, que de Maio ainda tarda o Bilhete geral: estudantes”, disse José excessivo de álcool e de esplendor das maias amareEstudantes: 35 € Rocha, presidente da drogas. las nas margens da estrada. A Não estudantes: 45€ Federação Académica esta hora já por lá tocam sinos Tiago Virgílio Pereira de Viseu (FAV). O ordeigreja.Devemestarareben-

A

XXVIII Semana Académica está a chegar

roteiro cinemas VISEU FORUM VISEU Sessões diárias às 11h00 (dom.), 14h00, 16h15, 18h30 The Lorax VP (M4) (Digital)

Jornal do Centro

23h40* Florbela (M12) (Digital)

Sessões diárias às 14h50, 17h10, 19h30, 21h50, 00h30* Vergonha (M18) (Digital) Sessões diárias às 14h20, 16h40, 19h10, 21h40, 00h20* Fúria de Titãs (M12) (Digital) Sessões diárias às 16h25, 19h00, 21h30, 00h10* Amigos improváveis VO

(M12) (Digital) Sessões diárias às 14h10, 16h00, 18h50, 21h20, 00h00* Assim, assim (M12) (Digital) PALÁCIO DO GELO Sessões diárias às 21h30, 23h50* Fúria de Titãs (M12) (Digital) Sessões diárias às 11h00 (dom.), 13h50, 16h10, 18h30 Lorax VP (M4) (Digital)

Sessões diárias às 13h20, 18h40, 21h20, 00h05* Batalha naval (M12) (Digital)

Sessões diárias às 14h20, 17h25, 21h10, 00h15* Os jogos da fome (M12) (Digital)

Sessões diárias às 11h10 (dom.), 14h10, 16h40, 19h10 Espelho meu, espelho meu! há alguém mais gira do que eu? VP (M6) (Digital)

Sessões diárias às 13h10, 17h05, 21h0 Titanic (M12Q) (Digital 3D)

Sessões diárias às 21h40, 00h20* Espelho meu, espelho meu! há alguém mais gira do que eu? VO (M12) (Digital)

Sessões diárias às 13h30, 16h20, 19h05, 21h50, 00h35* American Pie: o reencontro (M16) (Digital)

Legenda: * sexta e sábado

Alberto Correia Antropólogo aierrocotrebla@gmail.com

tar os primeiros foguetes. O Compasso a sair. Lembro-me de tempos de menino. E dos textos que depois li de Aquilino. Sente-se ainda um sopro dearantigo.ChicoBrásjánão recolhequeijosnumacesta.Só moedas brancas que alguém ainda finca num gomo de laranja. O rapaz da caldeirinha, afogueado. Aleluia, diz ainda o senhor Padre. E a Cruz de prata enfeitada com um vermelho de camélia. E Glòrinhas que ajoelhou para beijar a Cruz e a silva de rosas vermelhas que lhe puseram no caixão. Digo eu que sei que morreu infeliz. E os netos de Glòrinhas que já nem voltam de França para ver a campa da avó. Também já ninguém sabe onde está a campa de Glòrinhas. E as ruasdaaldeia quase desertas. O senhor abade pode demorar mais um pouco na casa dos fregueses. Estãovelhosegostam de conversar. Se calhar para o ano já cá não estão, dizem eles. Ou então estarão no Lar. Os filhos, coitados, andam lá por longe. Dizem os pais, para os desculpar. Que sempre são filhos. O senhor abade prova o pão-de-ló e o vinho. O senhor Manecas, não sei se este ano vai ser ele, guarda as moedas num saquinho. E diz até para o ano. Se Deus quiser. Eu depois conto para dizer se foi mesmo assim. Um beijo.

Estreia da semana

Assim, assim– Cinco personagens cruzam-se numa esplanada dando início a uma viagem pelas suas vidas. “Assim Assim” é um filme sobre relações, sobre aquilo que queremos para nós e o que não conseguimos alcançar. Entre boas e más relações, amores e complicações, tudo pode acontecer.


D “A Casa do Pastor” apresentado em Viseu

Jornal do Centro 20 | abril | 2012

culturas

29

No âmbito dos projetos de promoção da leitura desenvolvidos pela autarquia de Viseu e associando-se às comemorações do Dia Mundial do Livro, a Biblioteca Municipal Dom Miguel da Silva apresenta hoje, dia 20, pelas 15h00, a mais recente obra literária de Olinda Beja, “A Casa do Pastor”.

Variedades

Destaque

Propostas Fnac

Há sábados assim… e a cultura acontece, por mãos de vários atores

“25 anos Zeca Afonso”, quarta-feira, dia 25, às 21h00 Raras vezes um tema musica l terá sido tão perturbador para um auditório como o foi a “Balada de Outono”, cantada por José Afonso no palco do Coliseu dos Recreios. O dia da liberdade é assinalado assim na Fnac, com a apresentação do disco “Ao vivo no coliseu”. “A Revolução de Abril no olhar de Carlos Gil”, documentário de Ivan Dias, Adelino Gomes e Daniel Gil, quinta-feira, dia 26, a partir das 21h00 Carlos Gil publicou textos e fotografias em inúmeros jornais estrangeiros, foi editor fotográfico, percorreu o mundo dos conflitos armados e guerras de guerrilha, expôs, publicou livros e ganhou prémios.

A.Viso.24.2 sob a batuta de Carlos Salvador fez o cinema acontecer dentro das vetustas e graníticas paredes do Museu Grão Vasco (MGV), numa parceria entre o Agrupamento de Escolas do Viso e esta instituição. E como? Sob a forma de uma residência artística, em 24 horas nonstop, com mais de duas dezenas de participantes, antigos alunos do Viso, dos 16 aos 22 anos que estavam ali para fazer o “seu filme”. E fizeram… Entretanto, na Empório, das 16h00 às 17h00, um showcase dos “Birds Are Indie”, congregou todos os intervenientes numa inspiradora hora musica l , i n ser ida n a participação aberta. Entre as 22h e as 23h, aberta ao público, decorreu uma sessão de curtas-metragens no MGV, com a projeção de a l g u n s f i l m e s n a presença dos respecti-

José Crúzio

Boss AC em “Encontro com o público”, segunda-feira, dia 23, às 18h30 A propósito do concerto de Boss AC na Semana Académica de Viseu, o músico desloca-se à Fnac Viseu para uma sessão de autógrafos e uma conversa informal com os fãs. O músico irá ainda falar do seu mais recente disco “AC Para os Amigos”. “

Atividades ∑ Realização de curtas metragens no Museu, showcase na Empório e atuação dos “Birds are Indie” no Capitão

Paulo Neto

Fórum Miudos, domingo, dia 22, pelas 11h30 “História de uma flor”, contada por Ana Raquel Alves. “Nas ruas havia flores vermelhas por toda a parte. No peito das mulheres, dos homens, nos olhos das crianças, nos canos silenciosos das espingardas”. O objetivo passa por explicar às crianças o que foi o 25 de abril de 1974.

vos realizadores: “Minerva” e “Fredd’ys house”, de Luís Belo, “Deus não quis”, de António Ferreira e “Aqui jaz a minha casa”, de Rui Pilão. Interação perfeita

entre a temática gerada e os objetivos pretendidos. Sobre o evento e o espaço em que decorreu, Patrícia Fernandes, uma das “residentes”, referiu

Paulo Neto

Concerto

“5º Festival de Música da Primavera de Viseu

Montebelo Viseu Hotel e Spa, hoje, dia 20, a partir das 21h30 - Concerto de piano do francês Gérard Parmentier, com a participação especial do violinista Eliseu da Silva. Nes-

te espetáculo, em estreia no festival, o público poderá lançar temas que o músico irá improvisar. Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu, amanhã, dia 21, pelas

21h30 - Orquestra de Sopros do Deca, da Universidade de Aveiro, sob direção de Luís dos Santos Cardoso. Teatro Viriato, domingo, dia 22, às 17h00 - 1ª

Publicidade

Música

Festival de metal de regresso a Mangualde

Falta pouco mais de uma semana para o heavy metal, o industrial e o doom invadirem Mangualde. A 18ª edição do Hardmetalfest realiza-se no dia 14 de Janeiro, no Centro Cultural de Santo André, a par-

que “a realização da residência dentro de um Museu ajudou imenso na criação de uma história e na construção do argumento, o que enriqueceu o resultado final”.

O professor Ca rlos Sa lvador, mentor do projeto, referiu estar “muito satisfeito com a forma como decorreu esta edição e ainda com a qualidade média dos filmes realizados”. Segundo o mesmo, “os apoios conseguidos permitiram mais ambição, nomeadamente o da Caixa Geral de Depósitos como parceiro premium do evento, mas o projeto ainda não está encerrado, porque é muito importante fazer, mas também mostrar o que se faz”. Assim, todas as curtas-metragens produzidas no fim-desemana cinéfilo, serão most radas em público, no fórum da FNAC Viseu, no dia 1 2 de maio. A noite culminou no Bar do Capitão (Nelson), que se encheu completamente para ouvir uma aplaudida actuação dos “Bird Are Indie”.

tir das 15h00. Muitas bandas nacionais de renome vão pisar o palco do festival com maior número de edições em Portugal. Os Bizarra Locomotiva serão os cabeça-de-cartaz. Taran-

tula, Heavenwood, Grog, For the Glory e Desire, são outros nomes “de peso” que vão animar os amantes do hardmetal. A noite terminará ao som dos alemães Witchburner. O preço dos bilhetes va-

ria entre os 10 e os 13 euros, e podem ser adquiridos, em Viseu, no bar Academia, no bar Ground Zero e na Rip Off Skate Shop. No Porto, na Piranha, e em Lisboa, no Carbono e no Xaranga. TVP

parte com Marko Topchii, conceituado guitarrista ucraniano. 2ª parte com Guitarrafonia, em que mais de 30 instrumentos se juntam numa orquestra de guitarras.

A Gérard Parmentier


Jornal do Centro

30

20 | abril | 2012

saúde Associação de Paralisia Cerebral celebra 30 anos A Associação de Paralisia Cerebral (APC) de Viseu celebra esta sexta-feira 30 anos com a “Festa do desporto”. O evento conta com diversas atividades ao longo do dia, entre elas uma prova de BTT, um passeio de bicicleta e uma caminhada, mas destaca-se também pela vertente social já que o objetivo do evento passa por adquirir material e equipamento desportivo e para-desportivo para os serviços da APC.

A presidente da direcção da APC Viseu, L e onor Na s c i m ento adianta que está prevista a participação de mais de 300 pessoas. Além das actividades agendadas está programado um almoço com um custo de inscrição de sete euros. A APC de Viseu, criada em 1982, é uma instituição particular de solidariedade social, vocacionada para a reabilitação e integração social de pessoas com deficiência.

A Unidade centralizará grande parte da cirurgia de ambulatório do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro

Hospital de Lamego atrasa abertura prevista para abril Inovação ∑ Primeiro projeto no país pensado de raíz sem o internamento tradicional O novo hospital d e Lamego sofreu alguns atrasos nos trabalhos de construção e já não vai entrar em funcionamente este mês de abril, como tinha sido anunciado. O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Trásos-Montes e Alto Douro (CHTMAD), Carlos Vaz, confirmou à Agência Lusa que a unidade hospitalar “está em fase de conclusão”, faltando terminar pequenas questões técnicas.

O responsável preferiu não se comprometer com uma data para a sua abertura. A obra está entregue à construtora Edifer, que foi assumida por um fundo de consolidação do setor da construção, depois de problemas financeiros e meses de salários em atraso aos trabalhadores. A unidade de Lamego representa um investimento de 42 milhões de euros. É considerado um projeto inovador, que tem como objetivo reduzir o impacto do

internamento na vida dos doentes e das suas famílias. Segundo Carlos Vaz, neste hospital ficará centralizada “grande parte da cirurgia de ambulatório de todo o CHTMAD”. A unidade irá ter 14 especialidades médicas e médico-cirúrgicas e três blocos operatórios para fazer cirurgias de ambulatório. Terá também um hospital de dia, urgência básica e 30 camas de cuidados continuados. Desde o início que o pro-

jeto mereceu muitas críticas, por prever apenas 30 camas para cuidados continuados e excluir o internamento tradicional (o primeiro hospital em Portugal). A nova unidade hospitalar vai assegurar a prestação de cuidados a cerca de cem mil habitantes dos dez concelhos do Douro Sul. No que respeita às áreas de cirurgia de ambulatório, dará resposta aos 375 mil habitantes que integram o CHTMAD. Emília Amaral/Lusa


Jornal do Centro

SAÚDE 31

20 | abril | 2012

SQUASH PARA O BEM-ESTAR

Opinião

Pedro Carvalho Gomes CMDV Supreme Smile

A boca funciona como um marcador de doenças! Os olhos são a janela da alma, mas a boca é a porta para a doença. Embora possa ser difícil fazer a ligação entre a perda dentária e um ataque cardíaco, o que se passa na nossa boca pode fazer prever muitas doenças. Dentro da boca existem vários tipos de bactérias, a maior parte coabitam sem provocar alterações na estrutura oral, no entanto existem outras que podem colonizar bolsas gengivais (espaço livre entre a gengiva e o dente) provocando inflamação e hemorragia gengival e a perda óssea que por sua vez pode levar à perda dentária sem dor. A doença periodontal (doença que afecta as estruturas de suporte do dente: gengiva, osso alveolar e ligamentos periodontais) possui cerca de 500 espécies de bactérias diferentes. Uma questão essencial que se prende neste aspecto é: “Porque é que a saúde oral pode afectar as várias patologias clínicas, como a patologia cardíaca?” As bactérias existentes na doença periodontal circulam livremente por todo o organismo, e nos pequenos vasos sanguíneos podem depositar-se libertando toxinas e substâncias inflamatórias que poderão levar a bloqueios vasculares. A perda dos dentes pode ser considerada como precursor de algumas doenças tais como: doença arterial coronária, endocardite bacteriana, pneumonia bacteriana, diabetes, doença renal e derrame cerebral. Por curiosidade, bactérias periodontais foram detectadas em estruturas orais bem como no líquido amniótico de mulheres que sofreram ameaça de parto prematuro, aborto e bebés de baixo peso à nascença. O mau hálito (mau cheiro da boca) pode ser indício de doenças respiratórias ou do trato digestivo. Não é só desagradável para as pessoas próximas de si, mas também pode ser uma pista para outras condições médicas.

Associação de profissionais de Desporto e Educação Física de Santa Comba Dão (APDEF) promove um workshop de iniciação ao squash, dia 25, entre as 14h30 e as 18h30, no pavilhão Gimnodesportivo. Com o encontro, a APDEF pretende divulgar o squash na região como modalidade de bem-estar físico e psicológico. O workshop va i ser orientado por Rui Cruz, professor da modalidade e número 6 do ranking nacional. Ao longo da sessão serão dados a conhecer os conceitos básicos da modalidade, como as regras, a pega, a técnica, os batimentos e a movimentação. As inscrições podem ser efetuadas através do número 966331996.

ERGOVISÃO PROMOVE RASTREIOS A Ergovisão está a promover no país a iniciativa “Abril é o mês da saúde”, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Saúde (7 de Abril. Conscientes de que só através da prevenção é possível detectar atempadamente uma série de patologias que podem conduzir à cegueira, a clínica promove série de rastreios gratuitos que estão ao dispor nas várias lojas da Ergovisão. No distrito de Viseu, a Ergovisão possui 11 lojas, duas na cidade de Viseu e ainda nos concelhos de Oliveira de Frades, Tondela, Mangualde, S. Pedro do Sul, Castro Daire, Sátão, Penalva do Castelo, Nelas, Santa Comba Dão e Mortágua.

CORRER PREVINE DEPRESSÃO Correr três vezes por semana é tão eficaz quanto antidepressivos. A descoberta é de uma equipa da Universidade Southwestern (EUA) que, pela primeira vez, conseguiu provar que exercícios aeróbicos praticados durante 30 minutos, em média três vezes por semana, diminuem até metade os sintomas de uma depressão moderada.

Viseu recebe encontro de topo da otorrinolaringologia Congresso∑ Mais de 550 especialistas reunidos durante quatro dias no Montebelo A Sociedade Portuguesa de Otorrinolaringologia e Cirurgia CérvicoFacial realiza em Viseu o seu 59º Congresso Nacional entre 28 de abril a 1 de maio. Integrado no encontro decorre ainda o Congresso Luso-espanhol de Otorrinolaringologia. “Temos trabalhado com muito empenho para que este congresso, coordenado pelos colegas Ezequiel Barros e Marques dos Santos, diretor do serviço de ORL do Centro Hospitalar Tondela-Viseu, EPE, vá de encontro às expectativas dos mais de 550 participantes, quer no âmbito científico quer no relacionamento interpessoal”, lêse num comunicado da organização. Para o encontro, a organização reuniu “um painel de convidados estrangeiros de reconhecido

A O Congresso luso-espanhol junta-se ao encontro nacional mérito científico, oriundos de França, Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Suíça, Espanha, Estados Unidos, Brasil, que parecem complementar bem, o vasto leque de convidados nacionais e espanhóis”. O diretor do Serviço

de Otorrinolaringologia do Hospital S. Teotónio. Marques dos Santos afirmou em entrevista ao Jornal do Centro, em novembro do ano passado, que é “um privilégio” para a região e para a classe “assumir pela primeira vez um

congresso desta dimensão”, e admitiu que a escolha de Viseu “é fruto” da imagem que a Otorrinolaringologia do Hospital S. Teotónio “tem passado a nível nacional”. Emília Amaral


Jornal do Centro

32

20 | abril | 2012

GUIA DE RESTAURANTES RESTAURANTES VISEU RESTAURANTE O MARTELO Especialidades Cabrito na Grelha, Bacalhau, Bife e Costeleta de Vitela. Folga Segunda-feira. Morada Rua da Liberdade, nº 35, Falorca, 3500-534 Silgueiros. Telefone 232 958 884. Observações Vinhos Curral da Burra e Cavalo de Pau. RESTAURANTE BEIRÃO Especialidades Bife à Padeiro, Posta de Vitela à Beirão, Bacalhau à Casa, Bacalhau à Beirão, Açorda de Marisco. Folga Segunda-feira (excepto Verão). Preço médio refeição 12,50 euros. Morada Alto do Caçador, EN 16, 3500 Viseu. Telefone 232 478 481 Observações Aberto desde 1970. RESTAURANTE TIA IVA Especialidades Bacalhau à Tia Iva, Bacalhau à Dom Afonso, Polvo à Lagareiro, Picanha. Folga Domingo. Preço médio refeição 15 euros. Morada Rua Silva Gaio, nº 16, 3500-203 Viseu Telefone 232 428 761. Observações Refeições económicas ao almoço (2ª a 6ª feira) – 6,5 euros. RESTAURANTE O VISO Especialidades Cozinha Caseira, Peixes Frescos, Grelhados no Carvão. Folga Sábado. Morada Alto do Viso, Lote 1 R/C Posterior, 3500-004 Viseu. Telefone 232 424 687. Observações Aceitamse reservas para grupos. CORTIÇO Especialidades Bacalhau Podre, Polvo Frito Tenrinho como Manteiga, Arroz de Carqueja, Cabrito Assado à Pastor, Rojões c/ Morcela como fazem nas Aldeias, Feijocas à maneira da criada do Sr. Abade. Folga Não tem. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Rua Augusto Hilário, nº 45, 3500-089 Viseu. Telefone 232 423 853 – 919 883 877. Observações Aceitam-se reservas; Take-way. RESTAURANTE CLUBE CAÇADORES Especialidades Polvo à Lagareiro, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito Churrasco, Javali na Brasa c/ Arroz de Feijão, Arroz de Perdiz c/ Míscaros, Tarte de Perdiz, Bifes de Veado na Brasa. Folga Quartafeira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Muna, Lordosa, 3515-775 Viseu. Telefone 232 450 401. Observações Reservas para grupos e outros eventos.

RESTAURANTE O CAMBALRO Especialidades Camarão, Francesinhas, Feijoada de Marisco. Folga Não tem. Morada Estrada da Ramalhosa, nº 14, Rio de Loba, 3500825 Viseu. Telefone 232 448 173. Observações Prato do dia - 5 euros. TORRE DI PIZZA Especialidades Pizzas, Massas, Carnes Grelhadas. Folga Não tem. Morada Avenida Cidade de Aveiro, Lote 16, 3510-720 Viseu. Telefone 232 429 181 – 965 446 688. Observações Tem também take-away. SOLAR DO VERDE GAIO Especialidades Rodízio à Brasileira, Mariscos, Peixe Fresco. Folga Terça-feira. Morada Mundão, 3500-564 Viseu. www.solardoverdegaio.pt Telefone 232 440 145 Fax 232 451 402. E-mail geral@ solardoverdegaio.pt Observações Salão de Dança – Clube do Solar – Sextas, Sábados até às 03.00 horas. Aceita Multibanco. RESTAURANTE SANTA LUZIA Especialidades Filetes Polvo c/ Migas, Filetes de Espada com Arroz de Espigos, Cabrito à Padeiro, Arroz de Galo de Cabidela, Perdiz c/ Castanhas. Folga Segunda-feira. Morada EN 2, Campo, 3510-515 Viseu. Telefone 232 459 325. Observações Quinzena da Lampreia e do Sável, de 17 de Fevereiro a 5 de Março. “Abertos há mais de 30 Anos”. PIAZZA DI ROMA Especialidades Cozinha Italiana (Pizzas, Massas, Carnes e Vinhos). Folga Domingo e segunda-feira ao almoço. Morada Rua da Prebenda, nº 37, 3500-173 Viseu Telefone 232 488 005. Observações Menu económico ao almoço. RESTAURANTE A BUDÊGA Especialidades Picanha à Posta, Cabrito na Brasa, Polvo à Lagareiro. Acompanhamentos: Batata na Brasa, Arroz de Feijão, Batata a Murro. Folga Domingo. Preço médio por refeição 12,50 euros. Morada Rua Direita, nº 3, Santiago, 3500-057 Viseu. Telefone 232 449 600. Observações Vinhos da Região e outros; Aberto até às 02.00 horas. EÇA DE QUEIRÓS Especialidades Francesinhas, Bifes, Pitas, Petiscos. Folga Não tem. Preço médio refeição 5,00 euros. Morada Rua Eça de Queirós, 10 Lt 12 - Viseu (Junto à Loja do Cidadão). Telefone 232 185 851. Observações Take-away.

COMPANHIA DA CERVEJA Especialidades Bifes c/ Molhos Variados, Francesinhas, Saladas Variadas, Petiscos e outras. Preço médio refeição 12 euros. Morada Quinta da Ramalhosa, Rio de Loba (Junto à Sub-Estação Eléctrica do Viso Norte), 3505-570 Viseu Telefone 232 184 637 - 918 680 845. Observações Cervejaria c/amplo espaço (120 lugares), exclusividade de cerveja em Viseu, fácil estacionamento, acesso gratuito à internet. RESTAURANTEPORTASDOSOL Especialidades Arroz de Pato com Pinhões, Catalana de Peixe e Carne, Carnes de Porco Preto, Carnes Grelhadas com Migas. Folga Domingo à noite e Segunda-feira. Morada Urbanização Vilabeira Repeses - Viseu. Telefone 232 431 792. Observações Refeições para grupos com marcação prévia. RESTAURANTE SAGA DOS SABORES Especialidades Cozinha Tradicional, Pastas e Pizzas, Grelhados, Forno a Lenha. Morada Quinta de Fora, Lote 9, 3505-500 Rio de Loba, Viseu Telefone 232 424 187 Observações Serviço Take-Away. O CANTINHO DO TITO Especialidades Cozinha Regional. Folga Domingo. Morada Rua Mário Pais da Costa, nº 10, Lote 10 R/C Dto., Abraveses, 3515174 Viseu. Telefone 232 187 231 – 962 850 771. RESTAURANTE AVENIDA Especialidades Cozinha Porguguesa e Grelhados. Folga Não tem. Morada Avenida Alberto Sampaio, nº9 - 3510-028. Telefone 232 468 448. Observações Restaurante, Casamentos, Baptizados. GREENS RESTAURANTE Especialidades Toda a variedade de prato. Folga Não tem. Preço médio refeição Desde 2,50 euros. Morada Fórum Viseu, 3500 Viseu. Observações www.greensrestaurante.com RESTAURANTE ROSSIO PARQUE Especialidades Posta à Viseu, Espetada de Alcatra ao Alho, Bacalhau à Casa, Massa c/ Bacalhau c/Ovos Escalfados, Corvina Grelhada; Acompanhamentos: Migas, Feijão Verde, Batata a Murro. Folga Domingo. Morada Rua Soar de Cima, nº 55 (Junto ao Jardim das Mães – Rossio), 3500211 Viseu. Telefone 232 422 085. Observações Refeições económicas (2ª a 6ª feira) – sopa, bebida, prato e sobremesa ou café – 6,50 euros.

RESTAURANTE CASA AROUQUESA Especialidades Bife Arouquês à Casa e Vitela Assada no Forno. Folga Domingo. Morada Urbanização Bela Vista, Lote 0, Repeses, Viseu. Telefone 232 416 174. Observações Tem a 3ª melhor carta de vinhos absoluta do país (Prémio atribuído a 31-102011 pela revista Vinhos) MAIONESE Especialidades Hamburguers, Saladas, Francesinhas, Tostas, Sandes Variadas. Folga Não tem. Preço médio refeição 4,50 euros. Morada Rua de Santo António, 59-B, 3500-693 Viseu (Junto à Estrada Nacional 2). Telefone 232 185 959. FORNO DA MIMI Especialidades Assados em Forno de Lenha, Grelhados e Recheados (Cabrito, Leitão, Bacalhau). Folga Não tem. Preço médio por refeição 14 euros. Morada Estrada Nacional 2, Vermum Campo, 3510-512 Viseu. Telefone 232 452 555. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. QUINTA DA MAGARENHA Especialidades Lombinho Pescada c/ Molho de Marisco, Cabrito à Padeiro, Nacos no Churrasco. Folga Domingo ao jantar e Segunda-feira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Nó 20 A25, Fragosela, 3505-577 Viseu. Telefone 232 479 106 – 232 471 109. Fax 232 479 422. Observações Parque; Serviço de Casamentos. CHURRASQUEIRARESTAURANTESTºANTÓNIO Especialidades Bacalhau à Lagareiro, Borreguinho na Brasa, Bacalhau à Brás, Açorda de Marisco, Açorda de Marisco, Arroz de Lampreia. Folga Quarta. Morada Largo Mouzinho de ALbuquerque (Largo Soldado Desconhecido). Telefone 232 436 894. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes, Festas. RODÍZIOREAL Especialidades Rodízio à Brasileira. Folga Não tem. Preço médio por refeição 19 euros. Morada Repeses, 3500-693 Viseu. Telefone 232 422 232. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. RESTAURANTE O POVIDAL Especialidades Arroz de Pato, Grelhados. Folga Domingo. Morada Bairro S. João da Carreira Lt9 1ª Fase, Viseu. Telefone 232 284421. Observações Jantares de grupo.

CHEF CHINA Especialidades comida chinesa. Folga Não tem. Morada Palácio do Gelo, Piso 3, 3500 Viseu. Observações www.chefchinarestaurante.com RESTAURANTE CACIMBO Especialidades Frango de Churrasco, Leitão à Bairrada. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua Alexandre Herculano, nº95, Viseu. Telefone 232 422 894 Observações Serviço Take-Away. RESTAURANTE PINHEIRÃO Especialidades Rodízio à Brasileira, Carnes e Peixes Grelhados. Folga Domingo à noite e Segunda. Sugestão do dia (Almoço): 6,50 euros almoço. Morada Urb. da Misericórdia, Lt A4, A5, Cabanões, Ranhados. Telefone 232 285 210 Observações Serviço de grupo e baptizados. SANTA GRELHA Especialidades Grelhados. Folga Não tem. Morada Palácio do Gelo, Piso 3, 3500 Viseu. Telefone 232 415 154. Observações www.santagrelha.com A DIFERENÇA DE SABORES Especialidades Frango de Churrasco com temperos especialidades, grelhados a carvão, polvo e bacalhau à lagareiro aos domingos, pizzas e muito mais.... Folga Não tem. Preço médio por refeição 6 euros. Telefone 232 478 130 Observações Entraga ao domicilio.

PENALVA DO CASTELO O TELHEIRO Especialidades Feijão de Espeto, Cabidela de Galinha, Arroz de Míscaros, Costelas em Vinha de Alhos. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Sangemil, Penalva do Castelo. Observações Sopa da Pedra ao fim-de-semana.

TONDELA RESTAURANTE BAR O PASSADIÇO Especialidades Cozinha Tradicional e Regional Portuguesa. Folga Domingo depois do almoço e Segunda-feira. Morada Largo Dr. Cândido de Figueiredo, nº 1, Lobão da Beira, 3460-201 Tondela. Telefone 232 823 089. Fax 232 823 090 Observações Noite de Fados todas as primeiras Sextas de cada mês.

SÃO PEDRO DO SUL RESTAURANTE O CAMPONÊS Especialidades Nacos de Vitela Grelhados c/ Arroz de Feijão, Vitela à Manhouce (Domingos e Feriados), Filetes de Polvo c/ Migas, Cabrito Grelhado c/ Arroz de Miúdos, Arroz de Vinha d´Alhos. Folga Quarta-feira. Preço médio por refeição 12 euros. Morada Praça da República, nº 15 (junto à Praça de Táxis), 3660 S. Pedro do Sul. Telefone 232 711 106 – 964 135 709.

OLIVEIRA DE FRADES OS LAFONENSES – CHURRASQUEIRA Especialidades Vitela à Lafões, Bacalhau à Lagareiro, Bacalhau à Casa, Bife de Vaca à Casa. Folga Sábado (excepto Verão). Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua D. Maria II, nº 2, 3680132 Oliveira de Frades. Telefone 232 762 259 – 965 118 803. Observações Leitão por encomenda.

NELAS RESTAURANTE QUINTA DO CASTELO Especialidades Bacalhau c/ Broa, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito à Padeiro, Entrecosto Vinha de Alhos c/ Arroz de Feijão. Folga Sábado (excepto p/ grupos c/ reserva prévia). Preço médio refeição 15 euros. Morada Quinta do Castelo, Zona Industrial de Nelas, 3520-095 Nelas. Telefone 232 944 642 – 963 055 906. Observações Prova de Vinhos “Quinta do Castelo”.

VOUZELA RESTAURANTE O REGALINHO Especialidades Grelhada Mista, Naco de Vitela na Brasa c/ Arroz de Feijão, Vitela e Cabrito no Forno, Migas de Bacalhau, Polvo e Bacalhau à Lagareiro. Folga Domingo. Preço médio refeição 10 euros. Morada Rua Teles Loureiro, nº 18 Vouzela. Telefone 232 771 220. Observações Sugestões do dia 7 euros. TABERNA DO LAVRADOR Especialidades Vitela à Lafões Feita no Forno de Lenha, Entrecosto com Migas, Cabrito Acompanhado c/ Arroz de Cabriteiro, Polvo Grelhado c/ batata a Murro. Folga 2ª Feira ao jantar e 3ª todo o dia. Preço médio refeição 12 euros. Morada Lugar da Igreja - Cambra - Vouzela. Telefone 232 778 111 917 463 656. Observações Jantares de Grupo.

ADVOGADOS / DIVERSOS ADVOGADOS VISEU

ANTÓNIO PEREIRA DO AIDO Morada Rua Formosa, nº 7 – 1º, 3500135 Viseu. Telefone 232 432 588 Fax 232 432 560 CARLA DE ALBUQUERQUE MENDES Morada Rua da Vitória, nº 7 – 1º, 3500-222 Viseu Telefone 232 458 029 Fax 232 458 029 Fax 966 860 580 MARIA DE FÁTIMA ALMEIDA Morada Av. Dr. Alexandre Alves nº 35. Piso 0, Fracção T - 3500-632 Viseu Telefone 232 425 142 Fax 232 425 648 JOÃO PAULO SOUSA M o r a d a Lg. Genera l Humber to Delgado, 14 – 2º, 3500-139 Viseu Telefone 232 422 666

ADELAIDE MODESTO Morada Av. Dr. António José de

Almeida, nº275 - 1º Esquerdo - 3510047 Viseu Telefone/Fax 232 468 295 JOÃO MARTINS Morada Rua D. António Alves Martins, nº 40 – 1º A, 3500-078 Viseu Telefone 232 432 497 Fax 232 432 498 ANA PAULA MADEIRA Morada Rua D. Francisco Alexandre Lobo, 59 – 1º DF, 3500-071 Viseu Telefone 232 426 664 Fax 232 426 664 Telemóvel 965 054 566 Email anapaula.madeira@sapo.pt MANUEL PACHECO Morada Rua Alves Martins, nº 10 – 1º, 3500-078 Viseu Telefones 232 426 917 / 232 423 587 - Fax 232 426 344

PAULO DE ALMEIDA LOPES Morada Quinta Del Rei, nº 10 - 3500401 Viseu Telefone/Fax 232 488 633 Email palopes-4765c@adv.oa.pt ARNALDO FIGUEIREDO E FIRMINO MENESES FERNANDES Morada Av. Alberto Sampaio, nº 135 – 1º, 3510-031 Viseu Telefone 232 431 522 Fax 232 431 522 Email a-figueiredo@iol.pt e firminof@iol.pt JOÃO NETO SANTOS Morada Rua Formosa, nº 20 – 2º, 3500-134 Viseu Telefone 232 426 753 FABS – SOCIEDADE DE ADVOGADOS – RENATO FERNANDES, JOÃO LUÍS ANTUNES, PAULO BENFEITO Morada Av. Infante D. Henrique, nº 18 – 2º, 3510-070 Viseu Telefone 232 424 100 Fax 232 423 495 Email fabs. advogados@netvisao.pt

CONCEIÇÃO NEVES E MICAELA FERREIRA – ADVOGADAS Morada Av. Dr. António José de Almeida, 264 – Forum Viseu [NOVAS I NS TA L AÇÕE S], 3510 - 0 43 Viseu Telefone 232 421 225 Fax 232 426 454 BRUNO DE SOUSA Esc. 1 Morada Rua D. António Alves Martins Nº 40 2ºE 3500-078 VISEU Telefone 232 104 513 Fax 232 441 333 Esc. 2 Morada Edifício Guilherme Pereira Roldão, Rua Vieira de Leiria N º14 2430 - 30 0 Ma r i n ha Gra nde Telefone 244 110 323 Fax 244 697 164 Tlm. 917 714 886 Áreas preferenciais Crime | Fiscal | Empresas MANUEL COVELO www.manuelcovelo-advogado.com Escritório: Urbanização Quinta da Magarenha-Rua da Vinha, Lte 4, 3505639 Viseu Telefone/Fax: 232425409 Telemóvel: 932803710 Email: mcovelo-5466c@adv.oa.pt

MANGUALDE JOSÉ ALMEIDA GONÇALVES Morada Rua Dr. Sebastião Alcântara, nº 7 – 1º B/2, 3530-206 Mangualde Telefone 232 613 415 Fax 232 613 415 Telemóvel 938 512 418 Email jose. almeida.goncalves-14291l@adv.oa.pt

NELAS JOSÉ BORGES DA SILVA, ISABEL CRISTINA GONÇALVES E ELIANA LOPES Morada Rua da Botica, nº 1, 1º Esq., 3520-041 Nelas Telefone 232 949 994 Fax 232 944 456 Email j.Borges. silva@mail.telepac.pt

Ligue 232 437 461 e faça parte desta lista

IMOBILIÁRIO VENDE-SE

Aluga-se T3 com lareira, aquecimento, cozinha mobilada, sala comum, despensa, varanda, quartos com guarda-roupa embutido, fácil estacionamento, junto à escola Viriato, a 5 minutos do Continente. T. 96 808 37 42 Casa antiga para restauro com cave, área coberta 131 m2 e 195 m2 de logradouro. Centro de Silgueiros. Contactos: 91 723 92 96 ou 96 230 94 54 T1+3 Centro Cidade c/110m2 área, lareira, arrumos, varandas, garagem. 75.000,00€ T. 917 921 823 T2 Dpx Centro Cidade c/180m2, cozinha mob. e equipada, lareira, arrumos. 103.000,00€ T. 914 824 384 T2 Repeses c/ aquec. central, cozinha equipada, arrumos, óptimo estado. 91.500,00€ T. 969 090 018


Jornal do Centro

CLASSIFICADOS 33

20 | abril | 2012

EMPREGO & FORMAÇÃO IEFP - Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. Av. Visconde Guedes Teixeira ,25 R/C - Apartado 96 - 5100-073 Lamego | Tel: 254 655 192

Mecânico de automóveis. Sernancelhe - Ref. 587801020

Cabeleireiro. Tabuaço - Ref. 587804534

Empregada doméstica - casas particulares. Armamar - Ref. 587802615

Ajudante de cozinha. Lamego Ref. 587805734

Cortador de carnes verdes. Armamar - Ref. 587804006 Cozinheiro. São João da Pesqueira - Ref. 587804259

Instalador AVAC (procede à instalação de equipamentos de aquecimento, ventilação e ar condicionado). Lamego - Ref. 587807507

Cozinheiro. Penedono - Ref. 587805796

Motorista de veículos pesados – passageiros. Lamego - Ref. 587807575

Montador de aparelhos elétricos e eletrónicos. Lamego - Ref. 587807505

Rececionista em geral com conhecimentos de línguas. Lamego - Ref. 587808517

CENTRO DE EMPREGO DE SÃO PEDRO DO SUL Rua do Querido, 108 – R/C Dto - 3660-500 São Pedro do Sul | Tel: 232 720 170 | e-mail: cte.spedrosul.drc@iefp.pt

Carpinteiro de Limpos Ref. 587770644 – tempo completo – São Pedro do Sul Serralheiro Civil - Ref. 587786300

– tempo completo – São Pedro do Sul Operador de Combustível Ref. 587804249 – tempo completo – Castro Daire

Empregada Doméstica – casas particulares - Ref. 587809172 – tempo completo – São Pedro do Sul

CENTRO DE EMPREGO DE TONDELA Praceta Dr. Teófilo da Cruz - 3460-589 Tondela | Tel: 232 819 320 | e-mail: cte.tondela@iefp.pt

Cortador de carnes Ref. 587792565 - Santa Comba Dão. Pretende cortador(a) de carnes verdes com experiencia.

Serralheiro civil Ref. 587801409 – Mortágua Pretende pessoa com experiencia de serralheiro.

Marceneiro Ref. 587800256 - Carregal do Sal Candidato c/ experiencia na área.

Podador Ref. 587802723 - Mortágua Pretende podador-escalador (poda em arvores altas) de preferência com experiência.

Encarregado de limpeza Ref. 587801226 - Mortágua Pretende encarregado (m/f) com experiencia para chefiar uma equipa de cantoneiros. Tem que possuir carta de ligeiros para conduzir viatura de transporte de pessoal.

Engenheiro civil Ref. 587804515 - Mortágua Inscrito na ordem dos engenheiros (é necessário reunir os requisitos para assinar alvará).

Ajudante de cozinha Ref. 587802587 - Mortágua Candidato c/experiência. Motosserrista Ref. 587802995 – Tondela Pretende-se candidato c/experiência. Empregada doméstica - casas particulares Ref. 587805942 - Santa Comba Dão. A tempo completo. Pretende-se candidato(a) para tarefas domésticas e tratamento de jardim, horta e animais que possa ficar interna durante a semana.

CENTRO DE EMPREGO DE VISEU Rua D. José da Cruz Moreira Pinto , Lote 6 - 3514-505 Viseu | Tel: 232 483 460 | e-mail: cte.viseu.drc@iefp.pt

Electromecânico Refª 587804332 - Tempo Completo - Nelas

Serralheiro Civil Refª 587808328 - Tempo Completo - Viseu

Electromecânico em Geral Refª 587804332 - Tempo Completo - Nelas

Cabeleireiro Refª 587804467 – Tempo Completo - Viseu

Empregado de Mesa Refª 587808444 - Tempo Completo – Viseu

Pasteleiro Refª 587808785 - Tempo Completo - Viseu

Canalizador Refª 587806172 - Tempo Completo - Viseu

Cortador de Carnes Verdes Refª 587808780 - Tempo Completo - Viseu

Escriturário em Geral Refª 587810340 - Tempo Completo - Mangualde

As ofertas de emprego divulgadas fazem parte da Base de Dados do Instituto do Emprego e Formação, IP. Para obter mais informações ou candidatar-se dirija-se ao Centro de Emprego indicado ou pesquise no portal http:// www.netemprego.gov.pt/ utilizando a referência (Ref.) associada a cada oferta de emprego. Alerta-se para a possibilidade de ocorrência de situações em que a oferta de emprego publicada já foi preenchida devido ao tempo que medeia a sua disponibilização ao Jornal do Centro e a sua publicação.

ZÉ DA PINHA

Vende Pinha (Sacos c/ mais de 50 pinhas) Entrega em casa junto ao grelhador e à lareira.

Terra para Vasos (Sacos 5Kg.) Aparas de madeira para lareira e grelhador. T. 967 644 571 zedapinha2011@gmail.com

ANGARIADOR DE ASSINATURAS Faça parte da equipa do Jornal do Centro. Ligue 232 437 461 ou envie CV para: publicidade@jornaldocentro.pt


Jornal do Centro

34 CLASSIFICADOS

20 | abril | 2012

INSTITUCIONAIS

NECROLOGIA Ilda de Jesus de Almeida, 92 anos, viúva. Natural e residente em São Joaninho, Castro Daire. O funeral realizou-se no dia 14 de Abril, pelas 9.30 horas, para o cemitério de São Joaninho.

Aurora Eufémia de Albuquerque, 85 anos, viúva. Natural de Pindo, Penalva do Castelo e residente em Ranhados, Viseu. O funeral realizou-se no dia 17 de Abril, pelas 16.00 horas, para o cemitério de Santiago.

José dos Santos Costa, 61 anos, casado. Natural e residente em São Joaninho, Castro Daire. O funeral realizou-se no dia 18 de Abril, pelas 10.30 horas, para o cemitério de São Joaninho.

Agência Funerária Abílio Viseu Tel. 232 437 542

Agência Funerária Amadeu Andrade & Filhos, Lda. Castro Daire Tel. 232 382 238

Zélia da Cruz, 92 anos, casada. Natural de Silgueiros e residente em Passos, Silgueiros. O funeral realizou-se no dia 5 de Abril, pelas 16.30 horas, para o cemitério de Silgueiros.

João da Silva, 88 anos, casado. Natural e residente em Meã, Parada de Ester, Castro Daire. O funeral realizou-se no dia 18 de Abril, pelas 15.00 horas, para o cemitério de Parada de Ester.

Maria Odete Rodrigues Nunes de Matos da Silva Pereira, 78 anos, casada. Natural de Moçambique e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 12 de Abril, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Mosteiro de Fráguas.

Agência Morgado Castro Daire Tel. 232 107 358

Fernando da Silva Figueiredo, 84 anos, casado. Natural de Silgueiros e residente em Bela Vista, Silgueiros. O funeral realizou-se no dia 13 de Abril, pelas 15.30 horas, para o cemitério de Silgueiros.

Arlindo Fernandes da Maia, 84 anos, casado. Natural e residente em Paços de Vilharigues, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 18 de Abril, pelas 17.30 horas, para o cemitério de Paço de Vilharigues. Otília Tavares Ribeiro da Silva, 89 anos, solteira. Natural e residente em Porcelhe, Arcozelo das Maias, Oliveira de Frades. O funeral realizou-se no dia 19 de Abril, pelas 17.30 horas, para o cemitério de Arcozelo das Maias. Agência Funerária Figueiredo & Filhos, Lda. Oliveira de Frades Tel. 232 761 252 Maria da Encarnação, 81 anos, casada. Natural e residente em Loumão, Queirã, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 9 de Abril, pelas 17.30 horas, para o cemitério de Queirã. Joaquina Cordália Loureiro, 88 anos, casada. Natural e residente em Fermontelos, Figueiredo de Alva, São Pedro do Sul. O funeral realizou-se no dia 11 de Abril, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Figueiredo de Alva. Maria Augusta, 83 anos, viúva. Natural e residente em Moçamedes, São Miguel do Mato, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 12 de Abril, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Moçamedes. Maria Silvina Pereira de Sousa, 73 anos, casada. Natural e residente em Real, Figueiredo das Donas, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 12 de Abril, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Figueiredo das Donas. Rui Manuel Valério de Matos, 40 anos, casado. Natural de Ribeiradio e residente em Oliveira de Frades. O funeral realizou-se no dia 17 de Abril, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Ribeiradio. Agência Funerária Loureiro de Lafões, Lda. S. Pedro do Sul Tel. 232 711 927

2ª Publicação

Maria Francisca Springer, 60 anos, divorciada. Natural do Brasil e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 14 de Abril, pelas 13.00 horas, para o crematório da Figueira da Foz. Maria Fernanda de Loureiro, 81 anos, viúva. Natural de Silgueiros e residente em Loureiro, Silgueiros. O funeral realizou-se no dia 19 de Abril, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Silgueiros. Agência Funerária Balula, Lda. Viseu Tel. 232 437 268 Fernando Francisco Ribeiro Porto, 52 anos, casado. Natural de Torres Vedras e residente em Queirela de Bodiosa. O funeral realizou-se no dia 12 de Abril, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Bodiosa. Luísa de Jesus Moreira Almeida, 93 anos, viúva. Natural de Sernancelhe e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 13 de Abril, pelas 11.00 horas, para o cemitério de São Salvador, Viseu. Cassilda Figueiredo Caessa Pereira, 89 anos, viúva. Natural e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 15 de Abril, pelas 15.00 horas, para o cemitério local. João Augusto, 78 anos, viúvo. Natural de São Pedro de France e residente em Figueiró, Viseu. O funeral realizou-se no dia 19 de Abril, pelas 18.00 horas, para o cemitério de São Cipriano. Agência Funerária de Figueiró Viseu Tel. 232 415 578 Virgínia de Jesus Gomes Ferreira, 79 anos, casada. Natural de Sátão e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 14 de Abril, pelas 16.00 horas, para o cemitério novo de Viseu. Elvira Cardoso de Almeida, 91 anos, viúva. Natural de Fail e residente em Paradinha. O funeral realizou-se no dia 15 de Abril, pelas 16.00 horas, para o cemitério de Paradinha.

Avelino Rodrigues Pereira, 54 anos. Natural de Reriz, Castro Daire e residente em Abraveses, Viseu. O funeral realizou-se no dia 13 de Abril para o cemitério novo de Viseu.

António Correia de Oliveira, 90 anos, viúvo. Natural e residente em São Salvador. O funeral realizou-se no dia 16 de Abril, pelas 17.30 horas, para o cemitério local.

Walter Rodrigues Esteves, 73 anos, casado. Natural de Coimbra e residente em Paraduça, Calde, Viseu. O funeral realizou-se no dia 17 de Abril para o cemitério de Póvoa de Calde.

Maria das Dores Lopes do Amaral, 85 anos, viúva. Natural de Povolide e residente em Nesperide. O funeral realizou-se no dia 19 de Abril, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Povolide.

Agência Horácio Carmo & Santos, Lda. Vilar do Monte, Viseu Tel. 232 911 251

Agência Funerária Decorativa Viseense, Lda. Viseu Tel. 232 423 131

(Jornal do Centro - N.º 527 de 20.04.2012)


Jornal do Centro 20 | abril | 2012

clubedoleitor

Jornal do Centro - Clube do Leitor, Rua Santa Isabel, Lote 3, R/C, EP, 3500-680 Repeses, Viseu. Ou então use o email: redacao@jornaldocentro.pt As cartas, fotos ou artigos remetidos a esta seção, incluindo as enviadas por e-mail, devem vir identificadas com o nome e contacto do autor. O semanário Jornal do Centro reserva-se o direito de selecionar e eventualmente reduzir os originais.

HÁ UM ANO

Opinião

Que havemos de fazer a esta revolução

EDIÇÃO 475 | 21 DE ABRIL DE 2011 Publicidade

Distribuído com o Expresso. Venda interdita.

DIRECTOR

Pedro Costa

pág. 02 pág. 06 pág. 08 pág. 09 pág. 13 pág. 15 pág. 16 pág. 18 pág. 20 pág. 21 pág. 22 pág. 23

> PRAÇA PÚBLICA > ABERTURA > À CONVERSA > REGIÃO > ECONOMIA > DESPORTO > CULTURAS > SAÚDE > RESTAURANTES > CLASSIFICADOS > NECROLOGIA > CLUBE DO LEITOR

Semanário 21 de Abril de 2011 Quinta-feira Ano 10 N.º 475

1,00 Euro

SEMANÁRIO DA

REGIÃO DE VISEU

·www.jornaldocentro.pt| Vasconcelos,Lt10,r/c.3500-187Viseu·redaccao@jornaldocentro.pt JoãodaCarreira,RuaDonaMariaGracindaTorres |Telefone:232437461·Fax:232431225·BairroS.

Operação Páscoa arranca hoje Condutor morre em despiste ao volante de camião de frangos, na EN 16 no lugar de “Volta Escura” em Vouzela

página 12

página 11

Tondela ACERT volta a movimentar a cidade com “Queima do Judas” este sábado

página 16

desportivo para todos ∑ Autarquias gastam 129 mil euros num projecto ∑ Câmaras de Tondela e Viseu são as que mais investem

Suplemento Saúde & Bem-estar B & em-e

6 ∑ Castro Daire deu este ano o pontapé de saída | página

ESTE SUPLEMENTO É PARTE SEMANÁRIO INTEGRANTE DO JORNAL DO CENTRO, EDIÇÃO 2011 DE 21 DE A BRIL DE 475

E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

.

sta r

Textos: Andreia Mota

Grafismo: Marcos Rebelo

José Alfredo

e Saúd

Manuel Rodrigues vice-presidente da Associação de Voluntários do Hospital S. Teotónio página 8

Nove concelhos do distrito de Viseu movimentam perto de oito mil atletas nos jogos desportivos

S. Pedro do Sul Cidade está sem piscinas municipais desde Agosto do ano passado

ento lem sup

À conversa “O médico trata da doença e o voluntário trata da alma” Nuno Ferreira

Publicidade

UM JORNAL COMPLETO

Nuno Ferreira

ra, trazendo-nos a esta “encruzilhada sem caminhos”, sem vermos ninguém capaz de nos dizer para onde fica o norte ou outro qualquer dos pontos carDiamantino Silva deais. E assim não é de Capitão de Abril admirar que se volte a falar na imperiosa necessidade de um novo 25 de Abril, esquecendo-se, quem tal evoca, que um tal feito, e naqueles moldes, jamais será possível, porque, e felizmente, já não temos uma Guerra Colonial, e o Exército, e as Forças Armadas, em geral, já não são o “Espelho da Nação». E enquanto esperamos por qualquer coisa parecida com a “Revolução dos Cravos”, temos é de pensar que há um 25 de Abril ainda por cumprir e muita coisa ainda resta para salvaguardar. E quando não se sabe bem que rumo seguir, talvez o melhor ainda seja voltar atrás para encontrar saídas a que na altura não ligámos ou, no mínimo, descobrir em que ponto nos enganámos ou nos deixámos enganar. E eu penso que nos enganámos logo quando, tanto civis como militares nos deixámos dividir (para alguém reinar) e, de refrega em refrega, desembocámos, para espanto de muitos, no chamado “Verão Quente”, a que uma coligação conjuntural de interesses pôs termo na Fonte Luminosa, ao decretar e proclamar: “Alto e para o baile, que a Revolução acabou!” Mas não acabou, não. Quer alguns queiram quer não, o 25de Abril ainda vai andando por aí, não como um conhecido político da nossa praça, mas resistindo e nunca desistindo de vir a cumprir-se no que tinha de mais fundamental. E. podem crer não são só palavras o que faz a legenda escolhida pela Associação 25de Abril para as comemorações deste ano : “Abril não desarma”, dizse ali, não devendo passar pela cabeça de ninguém que os capitães de Abril estão a pensar em Chaimites e G-3. Por vezes, é verdade, se nos descuidamos, cá por dentro só sentimos desalento e raiva a par de uma grande nostalgia de tempos de irrepetível beleza que ainda hoje não trocaríamos por nada. E lembramonos – nem de propósito – dum outro FMI do conhecido cantautor quando, em desespero, grita: «Ó mãe! Ó mãe! Ó mãe!...» e mais â frente repete o grito guerreiro: «De quem é o Carvalhal?...É nosso!», e aqui é impossível não sentirmos um irreprimível arrepio e uma lágrima traiçoeira a rolar do canto do olho. «Valeu a pena?», «Claro que valeu a pena», repetimos nós com o cantor. E, se de facto tivermos de voltar atrás, será para descobrir onde é que tomámos o caminho errado, para desenterrar novamente a esperança e dirigir a nossa marcha colectiva na direcção, e era uma boa direcção a que Abril nos apontava.

O JORNAL DO CENTRO ERROU

Publicidade

E aí está, quanto a mim, uma boa questão que até poderemos começar por abordar com três pequenas transcrições: - “A pessoa tem de se sujeitar ao que há”, dizia António Nunes Coelho – não sabem quem é, pois não? – Em conversa com o filho junto a uma lavandaria de Bruxelas (“Público, 9Mar12). Sim, quem vai querer saber destas histórias de desgraça extrema nos tortuosos caminhos da emigração para onde mais uma vez nos querem empurrar. - “Admira o ditador e diz que mais valia sete a comer uma sardinha que gente a passar fome como agora”, isto dito, assim, por um bombeiro de 35 anos, a propósito da anunciada marca de vinhos “Memórias de Salazar”, uma promoção da C.M. de Santa Comba Dão (“Público, 17Mar12). - “Deixar vir a mim os doentes é para Cristo ou para a Estátua da Liberdade. Nesta sociedade só há lugar para os melhores” (J. V. Malheiros, “Público, 13Mar12). E, na sequência, formular três admissíveis conclusões: - A crise que atravessamos (e ainda dizem que somos pessimistas…), não sendo uma invenção, está a ser politicamente muito bem (mal) aproveitada, levando as pessoas a situações de desespero e desgraça, e tratando de fazer das vítimas os culpados e dos culpados vítimas. - De quão difícil e morosa é a mudança das mentalidades, pesem todos os avanços tecnológicos e a globalização, e o 25 de Abril foi já lá vão 38anos. - E já que invocámos o 25 de Abril, e parafraseando o saudoso capitão Salgueiro Maia, tudo isto nos dá uma ideia do “estado a que isto chegou”, fruto, não se vê outra maneira, do mau uso da democracia restabelecida numa das mais lindas revoluções da Época Contemporânea. Dada como extinta toda e qualquer legitimidade revolucionária, os partidos do chamado “arco da governação”, aos quais os militares do MFA entregaram o poder e o povo foi confiando os destinos da Nação, bem cedo se engalfinharam (e por vezes conluiaram) na luta pelo poder e pela sua manutenção, ignorando, quando não mesmo desprezando a vontade popular manifestada com a única arma que lhe deixaram nas mãos, num jogo, que de excepção passou a regra, de clientelismos, compadrios e caciquismos, fazendo da demagogia a norma do discurso político e da corrupção uma parte integrante do sistema de governação. E, de degrau em degrau, com maior ou menor consciência, lá fomos descendo, descendo até ao quase completo descrédito da classe política e das instituições democráticas, numa clara e desgraçada constatação de que pouco ou nada aprendemos com o Regabofe do 2º quartel do nosso sec. XIX, nem com os desmandos da 1ª República. O que mais recentemente veio de fora juntar-se-lhe só serviu para potenciar a crise em que vivemos e que já não é de ago-

35

DEscreva-nos para:

∑ O voluntariado pode ser a resposta a muita coisa. (Manuel Rodrigues)

∑ Os trunfos de cada partido. ∑ Câmara de Viseu estuda novos horários dos bares. ∑ Skate Park e desportivo para deficientes no Fontelo.

∑ Câmara de Viseu corta a direito nas despesas. ∑ Dias abertos do IPV espera 1.300 alunos. ∑ “A arte e a pintura não existem em Viseu”. (Paulo Medeiros)

O Jornal do Centro publicou na edição passada, o seguinte título na capa: “Concelho de Viseu tem taxa de desemprego superior à média nacional; 17,1% contra 15%”. Contudo, desde 2011, o Instituto Nacional de Estatística só realiza este cálculo (da taxa de desemprego) por regiões e não apresenta dados por concelho ou distrito. O aumento de 17,1%, foi no número de inscritos no concelho de Viseu e não na taxa de desemprego. Aos visados, sobretudo a diretora do Centro de Emprego de Viseu, Marta Rodrigues, e aos leitores as nossas desculpas. O Jornal do Centro publicou na edição número 524, na rúbrica “palavras deles”, a frase: “Os estrangeiros ficam muito mal habituados com estas portuguesices [programação concluída que acaba por não acontecer por falta de financiamento]”. O que disse Paulo Ribeiro, diretor do Teatro Viriato, foi: “Os estrangeiros ficam muito mal impressionados quando cancelamos um evento de um mês para o outro”. Aos visados e aos leitores as nossas desculpas.

Publicidade

abril : concerto

1 PARTE II PARTE

Marko Topchii / Ucrânia GUITARROFONIA / Orquestra de Guitarras Um guitarrista ucraniano, premiado em vários concursos internacionais num concerto marcante da programação do Novo Ciclo ACERT. Uma segunda parte preenchida por um conceituado ensemble de guitarras nacional, sob a direção do Maestro Rogério Peixinho

sábado, 21 abril 2012 · auditório 1, 21:45

A ACERT É UMA ESTRUTURA ESTRUT FINANCIADA POR

APOIO


tempo: chuva fraca

JORNAL DO CENTRO 20 | ABRIL | 2012

Hoje, dia 20 de abril, chuva fraca. Temperatura máxima de 12 e mínima de 8ºC. Amanhã, 21 de abril, chuva fraca. Temperatura máxima de 15ºC e mínima de 9ºC. Domingo, 22 de Janeiro, chuva fraca durante o dia. Tempo limpo de noite. Temperatura máxima de 13ºC e mínima de 5ºC. Segunda, 23 de abril, pouco nublado. Temperatura máxima de 17ºC e mínima de 3ºC.

Impresso em papel que incorpora 30 por cento de fibra reciclada, com tinta ecológica de base vegetal

Olho de Gato

25 de Abril 1974-2012

Viseu

Assembleia extraordinária, 25 ∑ A Assembleia Municipal de Viseu promove a habitual reunião extraordinária comemorativa do 38º aniversário do 25 de Abril, às 11h00, no Regimento de Infantaria 14 (RI14). A sessão, este ano, é subordinada ao tema “O RIV no 25 de Abril e a sua sua missão no presente”, tendo como convidado o comandante do RI14.

∑ Publicação do 16º cromo VISEUPÉDIA, com a temática A Intervenção do RI 14 de Viseu no “Golpe das Caldas”, com a presença dos autores, o Coronel Diamantino Gertrudes da Silva (texto) e Nuno André Ferreira (imagem).

será moderado por Ana Oliveira.

S. Pedro do Sul

Exposição ∑ Até ao dia 30, está patente na Biblioteca Municipal D. Miguel da Silva a exposição bibliográfica “O 25 de Abril explicado às crianças”. Através de fotografias, textos e literatura infanto-juvenil, pretendese dar a conhecer os acontecimentos que tornaram a data histórica para Portugal. Debate, 25 ∑ Jaime Gralheiro, Acácio Pinto, Artur Osório e Teresa Adão são os participantes do debate “O que estava a fazer no dia 25 de Abril de 1974”?, marcado para as 17h00, na livraria Bertrand do Palácio d Gelo. O encontro do

Concerto, 25 ∑ A Câmara de S. Pedro do Sul assinala a efeméride com a organização de um espetáculo, às 21h00, no Cineteatro S. Pedro, com a participação do Grupo de Fados Senhora da Beira e a Estudantina Universitária de Viseu. De manhã, às 10h00, no Estádio da Pedreira, realiza-se o IX Encontro de Futebol Jovem Rui Caçador, organizado pelo FootLafões.

Santa Comba Dão

Hastear a Bandeira, 25 ∑ A Câmara de Santa Comba dá um destaque especial este ano espe es pe aao momento de hastear a bandeira. O Bispo da Diocese eestará presente na ceri ce rim m cerimónia, marcada para paras as 11h00, no Larg Largo do Município. A ceri cerimónia conta com a atuaç atuação da Fanfarra dos Bombe Bombeiros Voluntários. À 15h30 Às 15h3 decorre um conc concerto cer ertt na Casa da Cultura Cultura.

Lamego Lam m

Home Homenagem, 25/26 ∑ A Câmara de Lamego vai Lam homenager os atuais hom autarcas do e antigos an conce concelho, durante a cerimónia comemorativa cerimó do 38 an aniversário do 25 de

Passatempo

Abril, às 11h00. Esta é uma das várias iniciativas do programa comemrativo no concelho que arranca dia 24 e termina a 26, com a IV Assembleia Municipal do Futuro dedicada ao tema “Os perigos na internet”.

Moimenta da Beira

Evocação, 24/25 ∑ A Câmara Municipal de Moimenta da Beira dedica a efeméride a Zeca Afonso. Dia 24 haverá uma noite de fados no Auditório Municipal. O dia 25, todo dedicado a um dos maiores ícones da liberdade, termina com uma sessão solene na Assembleia Municipal, às 11h30

Resende

Concerto, 24/25 ∑ A Câmara Municipal promove o concerto “Abril no Feminino”, às 21h30, no Auditório Municipal. Esta será a primeira de uma série de iniciativas que terminam com a tradicional sessão solene, dia 25, às 11h30, nos Paços do Concelho.

Carregal do Sal

Aristides de Sousa Mandes, 25 ∑ O lançamento do livro “Aristides, o semeador de estrelas”, da autoria de Ana criz Luz, numa homenagem a Aristides de Sousa Mendes, marca este ano a cerimónia comemorativa do 25 de Abril, marcada para as 10h30, no Salão Nobre.

O Jornal do Centro oferece bilhetes duplos para a estreia da peça de comédia “Os 39 degraus”, no Teatro Ribeiro Conceição em Lamego, dia 20 de abril. Para ganhar um, ligue para o 232 437 461. Bilhetes limitados.

Publicidade

http://twitter.com/olhodegato http://joaquimalexandrerodrigues.blogspot.com

Os fálgaros Joaquim Alexandre Rodrigues joaquim.alexandre.rodrigues@netvisao.pt

Na semana passada, o director do Jornal do Centro deixou aqui descritas muitas iguarias. Reparei numa de Tabosa de Sernancelhe que nunca tinha ouvido falar: os “fálgaros imortalizados literariamente por Aquilino”, pães de azeite com queijo de cabra fresco no interior. Fiquei a saber que o bom gosto gastronómico de Aquilino Ribeiro não se ficava pelo, como ele dizia, “peixe mais saboroso de toda a fauna das águas, as trutas do Paiva”, mas também pelos fálgaros. Merece ser lembrada uma história de Aquilino ocorrida há cem anos quando ele vivia em Paris e abordou o editores Aillaud e Francisco Alves para o publicarem. Foi numa hora propícia, estavam eles a sair de um restaurante. Conta ele: «não há como vir a lamber o beiço dum almoço à francesa, regado com vinhos devidamente capitosos, um Sauterne, um velho Bordéus, para dispor-se à benignidade.» Assim aconteceu: os editores aceitaram de bom grado publicar Jardim das Tormentas e, ouro sobre azul, pagaram-lhe logo os direitos de autor — mil e quinhentos francos, uma fortuna em 1912. Um jornal do Rio de Janeiro, uns bons anos depois, perguntou a Aquilino se ele guardara aquela bagalhoça. Resposta, com o coração nas mãos, do mestre: «em Paris poupar dinheiro só eles, os franceses. Para mim e outros iguais a mim não só era ilusório como revelador de maus instintos. (…) Depois de uma pândega heliogaldesca com a troupe, alguém propôs que fôssemos até (...) um casino em que havia dancing, jogo (…) Gastei, gastei e, às 4 horas da madrugada, não me restava na algibeira com que mandar cantar um cego.” A entrevista, imperdível, inclui até uma “moral” para esta história e está transcrita nos boletins de Janeiro e Abril de 2011 da câmara de Moimenta da Beira. Fica, para acabar, uma reivindicação laboral ao meu director: quando vamos a Tabosa, Paulo Neto?


Compacto, leve, habitável e aerodinâmico. Assim é a nova estrela da Peugeot: o Peugeot 208 Mais pequeno por fora e mais espaçoso por dentro, o modelo surpreende pelo estilo e agilidade, além da significativa redução do peso, o que vai contribuir para uma condução mais económica. Controlo do consumo, redução das emissões de CO2, vantagens ao nível da segurança passiva e performances dinâmicas foram algumas das áreas que não foram esquecidas durante a construção do Peugeot 208, em que nada foi deixado ao acaso. A trave absorvedora dianteira em alumínio, ESP de nova geração de série, o dimensionamento do berço dianteiro e a insonorização do motor na origem são disso exemplo. O conforto é outro ponto fulcral. Como os encostos nos bancos dianteiros são mais compactos, os passageiros do banco de trás vão ter mais espaço (mais cinco cen-

tímetros para os joelhos comparativamente com o 207, que já era bem dotado a este nível). O condutor terá também a sua vida facilitada, com o lançamento do Park Assist (previsto para o final de 2012): quando localiza um lugar de estacionamento, este equipamento manobra a direcção de modo a estacionar automaticamente o automó-

vel. Tudo para que redescubra o prazer da condução! E para as viagens mais longas, nada melhor do que uma bagageira com uma capacidade reforçada: 311 litros abaixo da chapeleira e até 1152 litros com os bancos traseiros rebatidos (o que se consegue com um simples gesto).

Já o interior do painel de instrumentos é tratado de forma muito tecnológica, com mostradores analógicos que remetem para uma mecânica de precisão, um ecrã digital no qual a velocidade se encontra sempre claramente visível e jogos de retro iluminação que contribuem para a pureza e a elegância do conjunto. Quanto ao painel de bordo, o agrupamento de todos os comandos áudio no ecrã táctil permite uma importante redução do número de botões ou de comandos e contribui para um design puro e moderno. Sendo um modelo mais amigo do ambiente, o Peugeot 208 inclui 25 por cento de “materiais verdes” e aparece com um pára-choques traseiro inteiramente reciclado, o que constitui uma novidade mundial.

Motorizações disponíveis A par da nova estratégia de downsizing, que permite uma verdadeira ruptura em termos de consumo e de emissões de CO2, destaque também para a aposta num segmento de três cilindros, inaugurado com o 208. Assim o modelo está disponível nas versões: Gama 208 diesel: - 1.4 HDi FAP 50 kW (68 cv), 160 Nm, caixa manual de 5 velocidades; CO2: 98 g/km, - 1.4 e-HDi FAP 50 kW (68 cv), 160 Nm, caixa pilotada de 5 velocidades, Stop & Start; CO2: 87 g/km, - 1.6 e-HDi FAP 68 kW (92 cv), 230 Nm, caixa manual de 5 velocidades, Stop & Start; CO2: 98 g/km, - 1.6 e-HDi FAP 68 kW (92 cv), 230 Nm, caixa pilotada de 6 velocidades, Stop & Start; CO2: 98 g/km (1) - 1.6 e-HDi FAP 84 kW (115 cv), 270/285 (2) Nm, caixa manual de 6 velocidades, Stop & Start; CO2: 99 g/km

Paulo Neto

Gama 208 a gasolina: - 1.0 VTi 50 kW (68 cv); 95 Nm, caixa manual de 5 velocidades; 99 g/km (1) - 1.2 VTi 60 kW (82 cv); 118 Nm, caixa manual de 5 velocidades; 104 g/km (1) - 1.4 VTi 70 kW (95 cv); 136 Nm, caixa manual de 5 velocidades: 129 g/km - 1.6 VTi 88 kW (120 cv); 160 Nm, caixa manual de 5 velocidades: 134 g/km - 1.6 THP 115 kW (156 cv), 240/260 (2) Nm, caixa man. de 6 velocidades; CO2:135 g/km (1)

(1) Novos motores de 3 cilindros 1.0 e 1.2, versões 1.6 e-HDi de caixa pilotada e 1.6 THP disponíveis no Verão de 2012 (2) Valor com overboost



Jornal do Centro - Ed527