Page 1

Publicidade

Distribuído com o Expresso. Venda interdita.

UM JORNAL COMPLETO

Publicidade

pág. 02 pág. 05 pág. 06 pág. 08 pág. 15 pág. 17 pág. 18 pág. 19 pág. 22 pág. 24 pág. 25 pág. 26 pág. 27

DIRECTOR

Pedro Costa

> PRAÇA PÚBLICA > ABERTURA > À CONVERSA > REGIÃO > NEGÓCIOS > DESPORTO > F. S. MATEUS > CULTURAS > SAÚDE > RESTAURANTES > CLASSIFICADOS > NECROLOGIA > CLUBE DO LEITOR

Semanário 17 de Setembro de 2010 Sexta-feira Ano 9 N.º 444

1,00 Euro (IVA 5% incluído)

SEMANÁRIO DA

REGIÃO DE VISEU

|Telefone:232437461·Fax:232431225·BairroS.JoãodaCarreira,RuaDonaMariaGracindaTorresVasconcelos,Lt10,r/c.3500-187Viseu·redaccao@jornaldocentro.pt·www.jornaldocentro.pt|

Tondela Mercedes e BMW vão ser clientes da Huf Portuguesa página 15

À Conversa Olímpio Coelho insiste numa sede para “Os Ribeirinhos”

Ensino Superior

Ninguém

Alves Martins: Escola de génios

∑ 35 alunos da secundária de Viseu tinham nota para entrar em medicina ∑ 27 escolheram o curso como primeira opção e entraram | página 8

página 6

quer tirar

Presidenciais Fernando Nobre arranca no distrito com a “volta a Portugal”

o curso de Engenharia

página 10

Culturas Nova coreografia de Paulo Ribeiro estreia no Viriato

de Madeiras em Viseu página 5

última

Suplemento FICTON e Especial Vá às compras Jornal do Centro

Publicidade

Publicidade

Circulação subterrênea marca centro da avenida Toponimia ∑ Artur Homem Ribeiro, Pertencente à Freguesia de São José, a Avenida Capitão Homem Ribeiro une o Campo de Viriato com o Bairro da Balsa e cruzase, nos seus cerca de um quilómetro e meio de extensão, com a rotunda Cibernética que dá início à Avenida da Europa. Devendo o seu nome ao Capitão Homem Ribeiro, natural de Canas de Senhorim, esta avenida vive, por estes dias, a animação contagiante da Feira de S. Mateus que se realiza no Campo de Viriato e onde estão localizadas várias

capitão do RI14, dá nome à avenida

casas comerciais sobejamente conhecidas, como a “velhinha” Escola de Condução Azevedo Pinto e o Café Paris. Restauração, agências bancárias e serviços de assistência e venda de automóveis são uma constante da avenida onde, não raramente, os carros estacionam em segunda fila, representando um ponto de passagem central de milhares de veículos diariamente, que utilizam e usufruem da construção do Túnel de Viriato, aberto ao público desde 2004.

A Avenida Capitão Homem Ribeiro

No centro da Avenida Capitão Homem Ribeiro situava-se, outrora, a Estação de Comboios de Viseu, que trazia à cidade diariamente centenas de pessoas. Desde que a estação foi desactivada e demolida, Viseu passou a ser a maior cidade da Europa sem linha de comboio, o que muito deixa insatisfeitos muitos comerciantes daquela zona, que beneficiavam da “vida” que antigamente o comboio trazia naturalmente.

José Lorena

A aven ida deve o seu nome ao Capitão Artur Homem Ribeiro, que nasceu em Canas de Senhorim em 1874 e morreu no dia 18 de Dezembro de 1914, filho de Teodoro Ribeiro de Campos e de Maria Gomes. Foi c o m a n d a n te da 9.ª Companhia do 3 .º Batalhão do Regimento de Infantaria 14 que, no decurso das campanhas de A ngola , n a Gra nde Guerra de 1914 /1918, pa ra onde esse Batalhão embarcou no dia 10 de Setembro de 1914, em Lisboa, morreu num duro combate travado em Naulila - Combate de Naulila - no Sul de Angola, contra forças alemãs muito superiores.

textos ∑ Raquel Rodrigues

ESTAÇÃO DE COMBOIOS DE VISEU

Foto Germano

SUPLEMENTO | FESTAS DO CONCELHO DE TO

17 | Setembro | 2010

2

vá às compras Av. Capitão Homem Ribeiro CAPITÃO ARTUR HOMEM RIBEIRO


2

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

praçapública palavras

deles

rSou uma pessoa de inclusão, estou aqui para unir os portugueses”

rO que quis fazer foi uma espécie de peça construída no seu todo, constante, em que está sempre a fervilhar alguma coisa”

rAqueles que eventualmente podem tratar mal a língua são aqueles que não têm tempo para ler”

rQuero tranquilizar as pessoas, o Centro de Restauro continua em Viseu. É um problema que está encerrado ”

José Junqueiro Fernando Nobre

Paulo Ribeiro

Candidato à Presidência da República (Conferência de imprensa em Viseu, 13 de Setembro)

Coreógrafo (Dão TV, 13 de Setembro)

ADN deste PSD

Bilhete Postal

Acácio Pinto Deputado do PS aspinto@ps.parlamento.pt

Com este PSD sabemos como as coisas começam mas nunca sabemos como acabam”

Opinião

Temos sido brindados com autênticas pérolas de coerência por alguns políticos do PSD em matéria de portagens. Apreciemos algumas narrativas: “O mínimo que se espera é que [socialistas] cerrem fileiras connosco na luta contra as portagens na A25 e A24”; “Ou pagam todos ou não paga nenhum”. A primeira é de Almeida Henriques (AH) e a segunda é de Miguel Relvas, respectivamente em 16 e 22 de Junho. Ambos são do PSD e, como se vê, muito “coerentes”! Agora, em 10 de Setembro, AH diz: “Nunca o escondemos, somos favoráveis ao princípio da universalidade e do utilizador pagador.”

Secretário de Estado da Administração Local (Conferência sobre a República em Moimenta da Beira, 13 de Setembro)

A “coerência” continua, como se percebe! Ou seja, quem exigiu o princípio da universalidade, como foi o PSD, veja-se agora a coerência ao acusar o Governo de responsável por este processo. Estamos conversados: Com este PSD sabemos como as coisas começam mas nunca sabemos como acabam. E começamos também a saber que o PSD começou a optar por disfarçar os aleijões das suas propostas de ataque aos mais desfavorecidos com “máscaras” que podem disfarçar mas não escondem a sua génese. Os ataques aos mais desfavorecidos (territórios e pessoas) estão no ADN deste PSD.

João Carlos Brigola Director do Instituto dos Museus e da Conservação (Cerimónia de tomada de posse do director do Museu Grão Vasco, 13 de Setembro)

O colapso do Estado Social está iminente*

João Carlos Figueiredo Deputado do PSD joao.figueiredo@psd.parlamento.pt

Nas últimas semanas os responsáveis do Partido Socialista lançaram-se ferozmente contra a proposta de revisão constitucional apresentada pelo PSD. Localmente, chegaram a usar de uma despropositada “histeria literária” onde tentam fazer passar a falsa mensagem de que o PSD quer acabar como Estado Social. Hipocrisia malévola. Numa semana em que ficámos a saber que 40% dos cuidados de saúde já são realizados por privados, em que a taxa de retenção no ensino secundário nos envergonha como país, agitar a bandeira do fim do dito “Estado Social” é confessar publicamente a sua falência e a sua inoperância. Os socialis-

tas nunca foram exemplo de coragem política. Refugiam-se no princípio de “dar tudo a todos” e com isso corremos sérios riscos de não conseguirmos disponibilizar recursos para aqueles que verdadeiramente precisam: os que pouco ou nada têm. Mas isso não preocupa os socialistas. Nunca foi sua prioridade tirar essas pessoas do seu estado de fragilidade social. Pelo contrário - sempre as usaram! - alimentam a sua situação de subsidio-dependência e assim garantem uma importante fatia de votos. *Declaração proferida esta 4ª feira pela Ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas. Se alguém tinha dúvidas…

Os socialistas nunca foram exemplo de coragem política. Refugiam-se no princípio de “dar tudo a todos”

O Nosso Vinho

Foi com enorme orgulho, alegria e esperança que tive oportunidade de visitar a última Feira do Vinho em Nelas, no coração do Dão, como gostam de dizer por lá. Com orgulho pela quantidade e qualidade das inúmeras marcas de vinhos, algumas delas a coleccionarem prémios e fama internacional. Vinhos produzidos em vinhas por onde passei momentos de trabalho e de ingénua aleHélder Amaral gria, como a Quinta de Lemos, em PasDeputado CDS-PP hamaral@cds.parlamento.pt sos de Silgueiros, a minha aldeia; vinha cujas uvas que serviam de lanche na ida ou regresso de uns mergulhos no rio Pavia, hoje está transformada numa das vinhas mais modernas da região. Alegria por ver que muitas adegas e cooperativas conseguem vencer o destino, mantendo o espírito cooperativo, com gestão cada vez mais profissional, onde o

critério da qualidade e racionalidade económicas é regra; de ver tantos homens e mulheres abraçarem com verdadeira paixão a arte de produzir vinhos com alma, de uma qualidade tão unânime como subjectiva. Parabéns, CVRD! Espero que vença as sempre prejudiciais influências políticas para se concentrar na defesa e divulgação de um dos melhores vinhos do Mundo. Quem, como eu, trabalhou a vinha, olha para o vinho como um elemento de coesão e identidade culturais. Nos dias de hoje, saber escolher, ou alimentar uma conversa sobre vinho, é matéria para especialistas; e a escolha do vinho passou a ser uma tarefa que define o sucesso ou fracasso de um almoço ou jantar. É certo que os vinhos estão menos ligados a uma região, e hoje espelham o

carácter do criador e menos a singularidade do local. O risco pode ser a menor diversidade, o que desperta a necessidade de saber mais da região de origem e do seu produtor. Confesso que senti um desconhecimento que incomoda, apesar de ter crescido rodeado pela cultura do vinho, de expressões populares de sabedoria simples mas verdadeiras como “só olham para o vinho que bebo, mas ninguém repara nas quedas que dou”, entre outras. Um reparo: o Vinho não está a ser o motor do que a lei considera património cultural - a “Gastronomia”. A Feira confirmou que o vinho continua de costas voltadas para o Queijo da Serra, para o pão e a doçaria regional; mas todos eles se complementam, todos eles são marcas de valor económico único na nossa

região. O Turismo, nas suas inúmeras vertentes, só tem a ganhar. Resta a esperança de, no futuro, ser possível provar um vinho ao mesmo tempo que se prova um queijo com um pão regional; de encontrar vinhos, licores e espumantes do Douro e Dão em todos os cantos do mundo; de saber que a fileira é geradora de mais riqueza. Estou certo que o futuro está salvaguardado: o mercado de vinhos em todo o mundo nunca esteve tão preparado para receber os nossos vinhos, hoje ao nível dos vinhos Argentinos, Californianos, italianos da Toscana, ou os Franceses de Bordeaux. O melhor dependerá do gosto de cada um. Para mim, é o que se bebe com a família ou amigos, e se for um bom Dão, como dizemos em Silgueiros, “prefiro que me faça mal a que se estrague”.


OPINIÃO | PRAÇA PÚBLICA 3

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

números

estrelas

400

A primeira Caminhada Solidária da Mulher Duriense juntou 400 participantes. O sucesso da iniciativa pode dar bons frutos a favor de uma causa: angariar fundos para a Liga Portuguesa Contra o Cancro. Os mil euros conseguidos revertem a favor do doente oncológico.

Importa-se de responder?

A Internacional Dance Teachers Association (IDTA) destacou a aluna Ana Lúcia Rodrigues, da Academia de Dança de Viseu, ao atribuir-lhe o Prémio Internacional de Dança 2009, na categoria de Jazz. É uma boa conquista para a dança nacional e para o mérito da região.

Duas vitórias no arranque da temporada deixam os adeptos do Académico de Viseu com “água na boca”. João Paulo Correia está a sair-se bem neste seu desafio como treinador principal do “seu” Académico. Assegurou a passagem à II Eliminatória da Taça de Portugal, o que ainda não tinha acontecido na presidência de António Albino, e começou a ganhar, fora de casa, para o campeonato. Promete.

O mundo é inseguro. Os hospitais são inseguros. A segurança é relativa. De um modo geral, no entanto, acho que sim, que as escolas são locais seguros.

Paraíba

João Paulo Rebelo

Pintor, professor

Gestor

É difícil considerar a escola um lugar seguro. Penso que o maior perigo actualmente não vem do exterior, mas do interior das escolas com fenómenos alarmantes como o “bullying”.

Presidente da Junta de Freguesia do Campo, em Viseu

Formador

emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Pelo meno as escolas da minha freguesia oferecem segurança. Só falo do que conheço e na Freguesia do Campo as escolas têm segurança.

António Marques

João Silveira

Emília Amaral

A Escola Secundária Alves Martins, antigo liceu de Viseu, com mais de 150 anos continua a somar pontos e a provar porque está classificada como uma das melhores escolas do país. Este ano, 27 alunos finalistas entraram em medicina nas várias faculdades do país, mas 35 tinham nota para ingressar no curso com média mais alta de entrada na universidade.

Acha que as escolas oferecem segurança aos alunos? Fruto da informação hoje correr a uma velocidade estonteante e, infelizmente, de um sensacionalismo cada vez mais vigente, somos bombardeados com notícias que podem dar a entender que as escolas não são locais seguros. Essa não é a minha opinião. Acho que as escolas são locais seguros onde, no entanto, podem acontecer algumas coisas más e daí ser necessária uma permanente atenção.

F editorial

Adelino Azevedo Pinto Presidente do conselho executivo da Escola Secundária Alves Martins/Viseu

João Paulo Correia Treinador do Académico de Viseu

Ana Lúcia Rodrigues Aluna da Academia de Dança de Viseu

O exercício de hipocrisia A discussão sobre a introdução de portagens nas auto-estradas que até agora se chamaram SCUT – Serviço sem Custo Para o utilizador, portanto, gratuitas para os automobilistas, não surgiu por acaso. Era público que a empresa Estradas de Portugal estava a entrar em colapso e que a decisão de introduzir portagens iria aliviar o risco de financiamento da empresa. Estava claro que, em tempo de crise, tudo o que está à mão do Governo serve para arrecadar mais umas verbas. A introdução de portagens em auto-estradas do Norte, em vias como a A24, entre Chaves e Viseu ou a na A25, entre Aveiro e Filar Formoso vai ter

consequências graves para as respectivas regiões. As alternativas são duvidosas quando as há, por a A25 não tem alternativa, o turismo de que estas zonas ainda vivem pode regredir com a menor afluência de turistas e, apesar da “discriminação positiva” até 2012 para os habitantes locais, é mais um peso para as empresas e mais uma despesa na carteira das pessoas, porque quem vai hoje de Viseu ao Porto sem pagar portagens será seguramente penalizado no futuro. Ao mesmo tempo que falta explicar bem os pormenores dessa “discriminação positiva”, os portugueses em geral perceberam que as portagens eram inevitáveis, e que em causa estava apenas uma questão

de pormenor de chips de matrícula. E todos os portugueses perceberam que se tratava de um dossier “cozinhado” entre Governo e o maior partido da oposição, o PSD. O arrastar do processo deveu-se a pormenores técnicos, a pressões das manifestações que sempre pesam para o Governo e pouco mais. Só que agora o presidente da Estradas de Portugal, Almerindo Marques gritou mais alto. Sendo assim, não faz sentido virem os socialistas e sociais-democratas sacudir a água do capote dizendo que a culpa é deste ou daquele. Tudo o que foi dito e escrito e vier a ser falado nesse tom de atirar de culpas, não passa de um puro exercício de hipocrisia.


4 PRAÇA PÚBLICA | OPINIÃO

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

Opinião Director Pedro Costa C.P. n.º 1464 pedro.costa@jornaldocentro.pt

Redacção (redaccao@jornaldocentro.pt) Emília Amaral, C.P. n.º 3955 emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Gil Peres, C.P. n.º 7571 gil.peres@jornaldocentro.pt

José Lorena jose.lorena@jornaldocentro.pt

Raquel Rodrigues raquel.rodrigues@jornaldocentro.pt

Departamento Comercial comercial@jornaldocentro.pt

José Junqueiro Secretário de Estado da Administração Local josejunqueiro53@gmail.com

Directora: Catarina Fonte catarina.fonte@jornaldocentro.pt

Ana Paula Duarte ana.duarte@jornaldocentro.pt

Departamento Gráfico Marcos Rebelo marcos.rebelo@jornaldocentro.pt

Projecto Gráfico defrank - Comunicação Editorial defrank@netcabo.pt

Serviços Administrativos Sabina Figueiredo sabina.figueiredo@jornaldocentro.pt

Impressão GRAFEDISPORT Impressão e Artes Gráficas, SA

Distribuição Vasp

Tiragem média 6.000 exemplares por edição

Sede e Redacção Bairro de S. João da Carreira Rua Dona Maria Gracinda Torres Vasconcelos, Lote 10 r/c 3500-187 Viseu Telefone 232 437 461 Fax 232 431 225

Temos hoje tudo o que não havia na ditadura: democracia, liberdade sindical, desenvolvimento, Solidariedade Social, Serviço Nacional de Saúde e Educação”

Celebrar a República em Soutosa No ano em que se celebra o Centenário da República, o Governo Civil de Viseu e a Câmara Municipal de Moimenta da Beira decidiram organizar, esta semana, uma homenagem a Aquilino Ribeiro e Acácio Gouveia nascidos, respectivamente, em 1885 e 1900, nas Terras do Demo. O próprio filho de Aquilino e Mário Soares foram os convidados para falarem daquelas duas personalidades, das suas vidas, das suas convicções e do seu empenhamento pela República e pela Democracia. A escolha não poderia ter sido melhor e a adesão de mais de 300 pessoas ao evento, em Soutosa, são a prova disso mesmo, sobretudo se disser que ficaram noite dentro, sem arredar pé, para participarem na palestra e no debate. As autarquias de Moimenta da Beira, Vila Nova de Paiva e Sernancelhe, mais uma vez com o envolvimento do Governo Civil de Viseu, souberam enquadrar a Fundação Aquilino Ribeiro naquilo que era fundamental: um projecto que preservasse a memória da literatura, da irreverên-

cia, da conquista da liberdade e da democracia. As palavras de todos, naquela noite, foram oportunas, mas, como era esperado, o testemunho de Mário Soares era aguardado com expectativa e não desiludiu. Com categoria pessoal, elegância e conhecimento, envolvido numa natural bonomia, Mário Soares transmitiu história e, principalmente, valores recorrendo a pequenas “estórias” ou episódios que caracterizam a atitude das pessoas perante a vida. E naquela noite, excluindo o período da ditadura, celebrou-se a República, porque, afinal, há razões, muitas razões para isso. Das trevas nasceram a liberdade e a democracia, os governos locais e centrais resultantes, sempre, da vontade popular. As alternativas ou alternâncias no poder têm-se sucedido, sempre que o povo assim o entende. Portugal é hoje um país moderno, presidiu à União Europeia por três vezes, deixou-lhe a Estratégia e o Tratado de Lisboa, com António Guterres e José Sócrates, respectivamente, acrescentou à

Europa, deu-lhe valores, funcionalidade e coesão. Temos hoje tudo o que não havia na ditadura: democracia, liberdade sindical, desenvolvimento, Solidariedade Social, Serviço Nacional de Saúde e Educação, entre outras conquistas fundamentais que nos eram devidas. E temos também prestígio, no desporto, na ciência, na música, na pintura, na literatura, e em tudo aquilo que a “Gala dos Talentos” na RTP nos deu a conhecer, pela quarta vez consecutiva: o exemplo de portuguesas e portuguesas reconhecidos em todo o mundo pelo seu génio e talento. Foi bom, por isso, celebrar a República em Soutosa.

E-mail redaccao@jornaldocentro.pt

Internet www.jornaldocentro.pt

Propriedade O Centro–Produção e Edição de Conteúdos, Lda. Contribuinte Nº 505 994 666 Capital Social 114.500 Euros Detentores de mais de 10 por cento do Capital: Sojormedia SGPS, SA Depósito Legal Nº 44 731 - 91 Título registado no ICS sob o nº 100 512

Opinião

Gerência Francisco Rebelo dos Santos, Ângela Gil e Pedro Costa

Departamento Financeiro Ângela Gil (Direcção), Catarina Branquinho, Celeste Pereira, Gabriela Alves, João Machado Patrícia Santos info@lenacomunicacao.pt

António Vilarigues anm_vilarigues@hotmail.com

Departamento de Marketing Patrícia Duarte (Direcção), Susana Santos (Coordenação), Catarina Fonseca e Catarina Silva marketing@lenacomunicacao.pt

Departamento de Recursos Humanos Nuno Silva (Direcção) e Sónia Vieira drh@lenacomunicacao.pt

Departamento de Sistemas de Informação Tiago Fidalgo (Direcção) e Hugo Monteiro dsi@lenacomunicacao.pt

Unidade de Projectos Lúcia Silva (Direcção) e Joana Baptista (Coordenação) projectos@lenacomunicacao.pt Os artigos de opinião publicados no Jornal do Centro são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. • O Jornal reserva-se o direito de seleccionar e, eventualmente, reduzir os textos enviados para a secção “Cartas ao Director”.

Semanário Sai às sextas-feiras Membro de: Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem

Associação Portuguesa de Imprensa União Portuguesa da Imprensa Regional

É vergonhoso esta tentativa de transformar os deputados nacionais numa espécie de marionetas europeias”

E não se pode defenestrá-los? A decisão do ECOFIN – Conselho dos Ministros das Finanças dos Estados membros – sobre a fiscalização dos orçamentos dos Estados por órgãos da União Europeia, é significativa da situação actual na Europa do capital. Ela é, antes de mais, um grave atentado à Soberania Nacional e uma evidente subversão da Constituição da República Portuguesa. Estamos perante uma nova realidade, diga Cavaco Silva o que disser. A análise dos orçamentos nacionais PRÉVIA à sua avaliação, escrutínio e decisão pelos parlamentos nacionais. É extremamente grave que tal abdicação dos direitos de Portugal, Estado independente e soberano, tenha sido perpetrada com cumplicidade activa e apoio do Governo português. Bem como do PSD e do CDS-PP. E, sublinhe-se, da esmagadora maioria dos analistas e comentadores de serviço. Esta decisão é também reveladora sobre quem efectivamente manda na União Europeia. E da sua dualidade de critérios.

Por um lado, centenas e centenas de milhares de milhões de euros para ajudar os banqueiros; os especuladores continuam com as mãos livres para os ganhos escandalosos; uma efectiva tributação das transacções financeiras continua adiada, com os paraísos fiscais a florescerem. Por outro, umas migalhas para os trabalhadores, com o chamado Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização (FEG) a demorar dez meses (!!!) a aprovar um apoio a desempregados. Este fundo criado em 2007 pela União Europeia para ajudar trabalhadores vítimas de despedimento colectivo provocado pela crise, só usou 140 milhões dos dois mil milhões de euros que tinha disponíveis (7%). Portugal, com 700 mil desempregados reais, recebeu 1,3 milhões, de DUAS (???) candidaturas já aprovadas por Bruxelas. É vergonhoso que esta tentativa de transformar os deputados nacionais numa espécie de marionetas europeias, receba o aplauso dos modernos Miguéis de Vasconcelos. É sabido o que aconteceu ao nobre português

vendido a Espanha: foi defenestrado. A Europa do capital foi longe, muito longe, na defesa dos grupos económicos e financeiros. E isso terá graves consequências para os povos da União Europeia. Daí a certeza de que as lutas dos trabalhadores e dos povos se vão intensificar. No próximo dia 29 de Setembro, em Lisboa e no Porto, a voz dos flagelados pelas consequências de uma crise que não provocaram, falará mais alto. Lá estaremos.


Jornal do Centro

5

17 | Setembro | 2010

abertura Engenharia de Madeiras sem candidatos

textos ∑ M textos ∑fotografia Emília Amaral ∑S fotografia ∑ Arquivo

conversas

“Não é um curso de dificuldade muito elevada”

Números ∑ 64% das vagas preenchidas no IPV. Educação Básica é o curso com mais colocados O curso de Engenharia de Madeiras, a funcionar na Escola Superior de Tecnologia (ESTV) do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), não teve qualquer candidato para preencher as 20 vagas disponibilizadas na primeira fase nacional de acesso ao Ensino Superior. Os dois únicos alunos inscritos surgem pelo regime especial (um maior de 23 anos e uma transferência). Esta realidade deixou os responsáveis da escola preocupados com o futuro do curso. A funcionar há 20 anos, Engenharia de Madeiras é único no país. Dispõe de um pavilhão próprio, disponibiliza investigação aos alunos através de pro-

tocolos com várias universidades estrangeiras e com o grupo Sonae. Sendo um caso isolado, obriga a um investimento de peso sobretudo pelos equipamentos disponibilizados aos alunos, mas tem um índice de empregabilidade elevado, não se conhecendo nenhum caso dos 300 ex-alunos, de desemprego. Mesmo assim, tem andado nos últimos anos no limiar de funcionamento, ao ponto de, este ano, não ter candidatos. Para o presidente do IPV, Fernando Sebastião “é uma contradição”, mas admite “aumentar a divulgação, nomeadamente no distrito e no norte do país”, onde há maiores investimentos

na área. Para os ex-alunos é preciso fazer mais do que isso. Rui Reste, natural de Aveiro, terminou o curso em 1995. Hoje é empresário de uma cadeia de supermercados, mas entrou no mercado de trabalho a laborar na área: “Exerci dois anos numa indústria de pavimentos em Albergaria e quando cheguei à empresa senti-me ignorante, senti lacunas, senti que precisava de mais alguma coisa”, desabafa. Rui Reste diz mais: sentiu “a falta de preparação prática” e sugere alterações “profundas no curriculum do curso”. Apesar das críticas, alguns dos licenciados estão hoje em cargos de chefia em empresas da

região ligadas à transformação da madeira. A ESTV tem vindo, nos últimos dias, a reflectir sobre a situação. O coordenador, Marcelo Oliveira, avança com um conjunto de razões (ver “conversas”) e admite alargar o ângulo de abrangência do curso para que seja viável nos próximos anos.

Colocações. Nas cinco escolas do IPV foram colocados 994 alunos na primeira fase de acesso ao Ensino Superior, ficando disponíveis 548 vagas para as segunda e terceira fases. Fernando Sebastião está “satisfeito com o número de colocados”, que corresponde a 64 por cento das vagas deste ano.

Instituto Politécnico de Viseu Estabelecimento / Curso

Como vê a falta de adesão dos alunos ao curso de engenharia de Madeiras? Tem a ver com várias situações. O facto de existirem politécnicos em todas as cidades levanta a questão do carácter regional. Estar localizado numa zona onde existe alguma indústria de mobiliário, mesmo não sendo a maior percentagem de indústria; o facto de haver um aumento de oferta em outros cursos de engenharia na própria instituição tem a ver com o próprio nome. Há um certo estigma por este curso ser menos conhecido. Vai mudar a partir de agora alguma coisa? Começámos a reforçar a divulgação, sobretudo dirigindo-nos ao público alvo

Marcelo Oliveira Director do curso de Engenharia de Madeiras

no secundário, mas também procurámos encontrar soluções no tecido industrial em que pessoas, estando no activo e tendo alguma ligação com a área das madeiras, possam enveredar pela licenciatura dentro da aposta do actual Governo na formação de activos. Por onde andam os 300 ex-alunos? Estão por todo o país e bastantes na área. O que guarda do curso? É interessante. Transmite-nos competências para tudo o que tenha a ver com a transformação da madeira. Tem aspectos mais delicados mas não é um curso de dificuldade muito elevada.

Instituto Politécnico de Viseu

Vagas

Colo-

Iniciais

cados

Nota Último Colocado

Sobran-

Estabelecimento / Curso

tes

Vagas

Colo-

Iniciais

cados

Nota Último Colocado

Sobrantes

IPV - ESEV

Comunicação Social

70

70

125,1

0

IPV - ESTGV

Marketing

42

42

115,0

0

IPV - ESEV

Educação Ambiental

30

18

97,0

12

IPV - ESTGV

Turismo

45

45

122,5

0

IPV - ESEV

Educação Social

60

60

116,2

0

IPV - ESTGV

Tecnologias e Design de Multimédia

45

44

104,2

1

IPV - ESEV

Artes Plásticas e Multimédia

30

30

127,1

0

IPV - ESAV

Ecologia e Paisagismo

25

4

113,9

21

IPV - ESEV

Animação Cultural

35

15

101,0

20

IPV - ESAV

Enfermagem Veterinária

45

45

128,4

0

IPV - ESEV

Desporto e Actividade Física

30

30

133,9

0

IPV - ESAV

Engenharia Agronómica

25

4

119,3

21

IPV - ESEV

Educação Básica

72

72

120,8

0

IPV - ESAV

Engenharia Alimentar

40

14

115,5

26

IPV - ESEV

Publicidade e Relações Públicas

70

70

117,9

0

IPV - ESAV

Engenharia Zootécnica

25

9

115,2

16

IPV - ESTGV

Contabilidade e Administração (regime nocturno)

75

17

108,5

58

IPV - ESTGL

Serviço Social (pós-laboral)

50

9

116,7

41

IPV - ESTGV

Engenharia Civil

50

29

104,2

21

IPV - ESTGL

Contabilidade e Auditoria (regime pós-laboral)

55

3

134,2

52

IPV - ESTGV

Engenharia de Madeiras

20

0

20

IPV - ESTGL

Contabilidade e Auditoria

25

3

98,6

22

IPV - ESTGV

Engenharia do Ambiente

45

21

24

IPV - ESTGL

Engenharia Informática e Telecomunicações

25

5

117,1

20 11

108,0

IPV - ESTGV

Engenharia e Gestão Industrial

35

14

110,1

21

IPV - ESTGL

Gestão e Informática

25

14

115,2

IPV - ESTGV

Engenharia Electrotécnica

55

15

105,4

40

IPV - ESTGL

Gestão Turística, Cultural e Patrimonial

25

17

120,0

8

IPV - ESTGV

Engenharia Informática

53

41

114,1

12

IPV - ESTGL

Informação Turística

20

5

123,0

15

IPV - ESTGV

Engenharia Mecânica

45

30

107,5

15

IPV - ESTGL

Serviço Social

30

30

131,6

0

IPV - ESTGV

Gestão de Empresas

65

65

114,8

0

IPV - ESTGL

Secretariado de Administração (regime nocturno)

55

3

119,1

52

Publicidade


6

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

à conversa “Gostávamos de mostrar à cidade o que foi conseguido em 44 anos”

Semanalmente, Semanalmente,“À “ÀConversa” Conversa”resulta resultade deum umtrabalho trabalhoconjunto conjuntodo do Jornal Jornaldo doCentro Centroeeda daRádio RádioNoar. Noar.Pode Podeser serouvida ouvidana naíntegra íntegrana naRádio Rádio Noar, Noar,esta estasexta-feira, sexta-feira,às às11hoo 11hooeeàsàs19h00, 19h00,eedomingo, domingo,àsàs12h00. 11h00. Versão Versãointegral integral eem versão www.jornaldocentro.pt áudio em www.jornaldocentro.pt

Entrevista ∑ António Figueiredo Emília Amaral Fotografia ∑ Emília Amaral

EEste ano assistiu-se à edição número 30 da Meia Maratona de Viseu. Cumpriram-se os objectivos?

Sem dúvida. Este objectivo foi traçado por mim. Recordo-me que, em 1980, num grupo de amigos que se encontravam no Fontelo para o treino, um dia alguém se lembrou de no domingo seguinte fazermos um almoço convívio, mas antes fazermos cerca de 20 quilómetros para no ano seguinte estarmos definitivamente na estrada. Alguns atletas foram questionados pela GNR na estrada e, estávamos nós a conviver, quando lá fui eu e o meu pai com os agentes para as instalações da GNR. Entretanto teve outros problemas com a colocação de publicidade a anunciar a Meia Maratona.

Sim. Desconhecia que, para aplicar uma placa numa rotunda, tinha que me dirigir à Câmara para obter a autorização. Quem participa habitualmente na Meia Maratona?

Ao longo dos anos a aposta foi sempre a quantidade. Daí, há quatro anos, colarmos à Meia Maratona de Viseu a caminhada e esse foi o salto qualitativo. Aliada à quantidade, a prova tem uma notoriedade conquistada, basta lembrar participações como a de Rosa Mota.

Olímpio Coelho. Dirigente do grupo desportivo “Os Ribeirinhos”, organiza a Meia Maratona Internacional de Viseu há 30 anos. A prova, uma das mais antigas da região, decorre todos os anos, em Setembro, integrada na programação desportiva da Feira de S. Mateus. Nos últimos anos junta-se uma caminhada. No passado dia 12, 350 atletas correram na prova e 700 caminharam pela saúde, pelo bem-estar e pelo convívio. Para o dirigente foi a última prova como organizador e explica porquê, ao longo da conversa, em que “desabafa” sobre o futuro do clube sem sede.

O orçamento para esta trigésima edição foi de dez mil euros. Ficou aquém. Recebemos um apoio directo da Expovis de 6.150 euros, tivemos um corte relativamente á edição de 2009. Tivemos que fazer uma ginástica muito grande, porque a maior fatia é cobrada pela PSP.

sultados dos femininos em que terminaram 16 atletas e em edições anteriores e tínhamos meia dúzia. Esta ideia de levar as pessoas a caminhar poderá fazer sair algum entusiasmo.

É uma crítica ou uma constatação?

Já foi anunciado publicamente. São os tais objectivos que traçamos na vida. Vamos encontrar um líder no grupo de trabalho, que vai contar com a minha disponibilidade.

Não se consegue viver sem esta situação. Não posso chegar ao pé dos escuteiros e dizer-lhes: vão fazer a cobertura desta rotunda, desta avenida ou desta rua. Qual é o valor pago à PSP?

Este ano paguei - tem que ser pago antecipadamente - cerca de 1700 euros. Ainda me falta pagar a conta da GNR. Ter 350 atletas na Meia Maratona e o dobro de pessoas na caminhada. É um fenómeno de popularidade?

É. Se sairmos ao domingo em qualquer entrada, deparamo-nos com dezenas de pessoas a andarem de bicicleta, e encontramos dezenas de pessoas a caminhar. Os Ribeirinhos foram ao encontro das pessoas?

O facto do percurso deste ano não ter sido homologado, tirou prestígio à prova?

Os cabeças de cartaz deixaram de aparecer porquê?

Nem de longe nem de perto os nossos valores [dos prémios] são parecidos com os do Porto ou de Lisboa.

Os atletas não olham para as próximas edições com desconfiança?

Para ter em Viseu uma celebridade africana...

Era impensável. Quanto custa hoje organizar a Meia Maratona?

O clube Os Ribeirinhos ainda existe?

Orgulhosamente existe. No papel.

E na prática. Temos cerca de 25 atletas a competir. Só organiza a Meia Maratona?

E as 24 Horas de Viseu. O Ribeirinhos estão em actividade. É um suporte para as pessoas se inscreverem.

Não. tem que passar pelo clube. Eles não vão participar no que quer que seja sem dar conhecimento ao clube.

Exactamente.

Não. Sendo um percurso alternativo... e não prejudica a prova nos próximos anos. A Comissão Nacional de Provas de Estrada e Corta Mato já nos comunicou para enviarmos a data da prova da 31ª edição.

Sim. Mas sem a insistência em trazer um cabeça de cartaz.

O Olímpio Coelho deixa de estar disponível para continuar com o projecto da Meia Maratona?

Foram alertados sobre isso. Tem alguma explicação para o aumento do número de mulheres a participar?

Estava a olhar para os re-

O clube Os Ribeirinhos tem outros projectos, nesta altura, na gaveta?

Isto vai falhando porque não temos um campo onde se possam debater ideias. Como está a situação da nova sede do clube?

Em 2006, nas comemorações dos 40 anos, na reunião que fizemos com o dr. Fernando Ruas [presidente da Câmara de Viseu] ele autorizou-nos a dizer que a prenda de aniversário era a sede para o grupo desportivo Os Ribeirinhos. O facto é que ainda não aconteceu. No ano passado foi-nos comunicado que brevemente a solução seria encontrada no centro histórico.

A sede do clube é nesta altura em casa do Olímpio Coelho?

É. É para onde vai tudo. Onde está o espólio do clube?

Está encaixotado e guardado. Durante muitos anos esteve em casa de um familiar, há quatro meses tivemos que procurar outra solução e está guardado num espaço de um amigo do clube. É desmotivante?

Muito. Gostávamos de mostrar à cidade o que foi conseguido nestes anos. Muitos troféus?

E dignos de serem vistos. Tenho inclusive um título de campeão nacional de um atleta nosso em juvenis, o Rui Dias , em que ofereceu ao clube a camisola, o calção e a medalha. Isso era digno de se mostrar. O centro histórico era o local ideal para a sede?

Fantástico. Se os colaboradores do dr. Fernando Ruas entenderem estas palavras, era o local exacto para ficarmos. Foi pré-candidato à Associação de Atletismo de Viseu, em 2005. Está mais disponível agora para voltar?

Nem pensar. Espero que seja encontrada uma solução, eu não estou disponível. A modalidade está em crise?

Está muito em crise. Hoje os miúdos têm muita oferta. Nem todas as modalidades estão em crise.

Eu acho que não. O que passa na televisão? O futebol, o basquete, o andebol, e o atletismo continua a ter poucos minutos na televisão. Para onde corre o Olímpio Coelho?

Não tenho momentos livres.


Jornal do Centro

8

17 | Setembro | 2010

região 35 alunos com média para se formarem em medicina Sucesso ∑ 27 alunos da Escola Secundária de Alves Martins vão estudar medicina, mas outros oito poderiam ter entrado Já lã vão mais de 150 anos que a actual Escola Secundária de Alves Martins, em Viseu, prepara jovens, com êxito, para estudos superiores. Nomes sonantes por ali têm passado, como os de Azeredo Perdigão, António de Oliveira Salazar ou, depois, Manuel Maria Carrilho. Mas nunca uma onda de sucesso escolar percorreu a escola como nos últimos anos. A provar a afirmação deixam-se os nomes de Diogo Miguel Lacerda e Joana Barata Garcia. São dois jovens de 17 e 18 anos, respectivamente, que conseguiram este ano as maiores médias do ensino secundário que alguma vez a escola viu. Diogo conseguiu reunir 19,8 valores na escala de 0 a 20, enquanto que Joana atingiu os 19,6. Os dois inscreveramse no curso de medicina. Diogo na Universidade de Lisboa e Joana na do Porto. As razões de ambos são diferentes, mas aproximam-se. Diogo e Joana juntam-se a um grupo de 35 estudantes da Escola Secundária de Alves Martins que, no final do ano lecti-

Publicidade

vo passado, conseguiram ter médias no Ensino Secundário suficientes para se inscreverem com sucesso no curso mais exigente em Portugal: Medicina, que actualmente só permite candidatos com mais de 18,3 valores de média. Chegar à perfeição e ultrapassar os mínimos foi o objectivo que os jovens perseguiram durante o percurso de anos a fio no ensino secundário. Diogo Lacerda disse ao Jornal do Centro que, embora não sentisse uma vocação directa para entrar em medicina, o que lhe agradava “eram algumas engenharias e também a medicina”. “Pensei no futuro e nas possibilidades que a medicina dá, mas não me inscrevi às escuras”, disse o jovem na passada quarta feira, pouco depois de se inscrever em Lisboa. Poucos minutos depois, no mesmo dia, Joana Garcia estava emocionada depois de se inscrever em medicina na Universidade do Porto. “Esta é a única profissão em que me vejo a trabalhar. Sempre quis saber mais e é esta profissão que quero exercer para sa-

A Diogo Lacerda (média de 19,8) e Joana Garcia (19,6), foram os melhores alunos da Secundária de Alves Martins tisfazer a minha vontade e ajudar as pessoas, principalmente”. A ajuda da família para que alcançassem os resultados fabulosos no secundário foi essencial. Tanto pais e mães, que ajudaram de forma “inesquecível” como os dois reconheceram, e também os irmãos (mais velhos) de ambos, que os motivaram e deram “balanço” para se interessarem pelos estudos. Foram os “exemplos” de

sucesso para ambos, uma vez que actualmente já estão formados e são os “heróis” dos dois. Diogo é de Sernancelhe. Viveu três anos num apartamento comprado pelos pais com outros jovens que alugaram quartos no imóvel. Joana é de Viseu e não considera que a proximidade à capital de distrito seja abonatória. E lá vão os dois para longe de casa. Não têm receitas fantásticas para o su-

cesso. Aplicaram-se mas, dizem, nunca deixaram de sair com amigos ou divertirem-se aos fins-desemana. Adelino Azevedo Pinto, director da Escola Secundária de Alves Martins só consegue explicar o sucesso dos melhores alunos da escola com: “bons alunos, bons professores, boas práticas pedagógicas e a tentativa de nos adaptarmos às exigências escolares e sociais”, diz.

Vouzela tem novo centro escolar Vouzela inicia o novo ano lectivo com a inauguração do Centro Escolar, uma infra-estrutura composta por um jardim-de-infância e uma escola do 1º Ciclo do Ensino Básico. Na cerimónia de inauguração, o presidente da Câmara, Telmo Antunes referiu que eram urgentes as obras de requalificação naquele estabelecimento de ensino. “Há mais de 30 anos que esta escola precisava de obras”.

O responsável da Alves Martins há muito que nota os sucessos dos alunos da escola. “Desde as Olimpíadas escolares aos sucessos dos jovens na entrada para as universidades que nos têm dados imensas alegrias. E tudo isto é o melhor que fazem por eles mesmos”, sublinha, com um nó na garganta de satisfação. José Lorena jose.lorena@jornaldocentro.pt

MESTRADO EM MARKETING RESEARCH A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu tem abertas as candidaturas para o mestrado em Marketing Research. Para a ESTG o curso vai “preencher uma lacuna de formação pós-graduada em estudos de mercado”, na região, considerando “um conhecimento fundamental para as decisões de gestão devidamente fundamentadas”. As matrículas terminam esta sexta-feira.


Jornal do Centro

VISEU | LAMEGO | REGIÃO 9

17 | Setembro | 2010

Centro de Conservação e Restauro permanece em Viseu

LAMEGO RECORDA FERNANDO AMARAL

No dia em que Sérgio Gorjão tomou posse como director do Museu Grão Vasco de Viseu (MGV), o Secretário de estado da cultura, Elísio Summavielle anunciou que o Centro de Conservação e Restauro vai continuar em Viseu, mantendo “os seus funcionários e localização”. O Centro de Conservação e Restauro está aberto em Viseu desde 1993. Há cerca de dois anos esteve na eminência de ser transferido para Vila Real, mas a mudança acabou por não se concretizar. Na tom ada de posse do novo director do Publicidade

MGV, João Carlos Brigola, director do Instituto dos Museus e Conservação, salientou que Sérgio Gorjão é “a pessoa certa no lugar certo”, ao mesmo tempo que apelidou o MGV de “um museu à escala nacional”, vontade também demonstrada pelo novo director, que disse ser urgente “rever a classificação de equipamento cultural regional para museu nacional, tendo em conta a quantidade dos bens classificados que possui e os visitantes que recebe anualmente”. Raquel Rodrigues raquel.rodrigues@jornaldocentro.pt

Raquel Rodrigues

Decisão∑ Secretário de Estado da Cultura tirou as dúvinas na tomada de posse do director do Grão Vasco

A Sérgio Gorjão é o novo rosto de um dos cinco principais museus nacionais Publicidade

O antigo presidente da Assembleia da República, Fernando Amaral, falecido em Janeiro de 2009, tem agora uma placa evocativa na sua terra natal, Lamego, na Rua dos Bancos, onde passou uma boa parte da sua vida, no seu escritório como advogado. A homenagem , da autoria da Câmara de Lamego, decorreu na terça-feira na presença do actual presidente da Assembleia da República, Jaime Gama.


Jornal do Centro

10 REGIÃO | VISEU

17 | Setembro | 2010

Fernando Nobre visita Viseu na “volta a Portugal” Emília Amaral

Pré-campanha∑ Candidato à presidência da República quer ouvir os portugueses

O tenente-general Amaral Vieira, comandante das Forças Terrestres entregou na sexta-feira, dia 10, no Regimento de Infantaria (RI) 14, em Viseu, o Estandarte Nacional ao contingente português que a partir do final de Setembro vai estar no teatro de operações do Afeganistão, onde integrará a International Security Assistance Force. Com um ciclo de aprontamento de três meses, a força da NATO, de 175 homens (89 graduados) passou as últimas três semanas em Viseu, a realizar mais uma acção de preparação, para uma missão de seis meses na região de Kabul, onde terá uma intervenção de ensino e de apoio às forças militares afegãs em diversas áreas. O contingente integra elementos da Marinha, da Força Aérea e do Exército, com uma forte participação da Brigada de Intervenção e do Regimento de Infantaria 14.

Publicidade

O candidato a Presidente da República, Fernando Nobre cumpriu dois dias de visita ao distrito de Viseu. Insistente numa candidatura “independente” e “isenta”, Fernando Nobre deu início também ao périplo “Volta a Portugal” que promete cumprir na fase de pré-campanha eleitoral para as eleições de Março de 2011. O candidato esteve na Feira Semanal de Viseu. à sua volta caiu uma chuva de críticas e queixas dos micro-empresários. Seguiu-se um passeio pelas ruas Direita e Formosa. Numa aposta nas feiras e mercados, Fernando Nobre visitou na segunda-

feira o mercado semanal de Tondela. “Sou uma pessoa de inclusão, estou aqui para unir os portugueses”, justificou o candidato durante uma conferência de imprensa no final do primeiro dia de visita a Viseu. Nobre falou do Serviço Nacional de Saúde, da revisão constitucional e do que considera ser um dos problemas “mais graves” do país, que é o desemprego em particular nos jovens: “A juventude considera-se traída, desalentada. A minha candidatura vai-se preocupar com eles [jovens], com os desempregados, com os idosos…”. P re o c upado com a

A Fernando Nobre passou dois dias no distrito desertificação do país e com as dificuldades financeiras das autarquias, o candidato reuniu com o presidente da Câmara de Viseu e presidente da As-

sociação Nacional de Municípios, Fernando Ruas e alertou para a necessidade de “saber gerir com rigor os fundos disponíveis até 2013”.


7

Jornal do Centro

REGIÃO 11

17 | Setembro | 2010

dias VIOLADOR

Viseu. Um homem de 24 anos foi detido em Viseu pela Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra acusado de ter violado uma jovem de 18 anos, na zona história de da cidade, próximo do centro comercial Académico, na tarde de sábado, dia 11. A rapariga estaria no local para, alegadamente comprar droga na companhia do namorado. Na zona referenciada para a transacção estavam três homens. De acordo com as informações disponíveis, dois deles terão segurado no namorado da jovem, enquanto o terceiro suspeito

terá consumado a violação. O detido é solteiro, trabalhador da construção civil, desempregado, tem antecedentes criminais relacionados com agressões físicas. De acordo com a polícia, o suspeito normalmente actua sozinho ameaçando as vítimas com uma navalha. A operação da PJ contou com a colaboração da PSP de Viseu.

ASSALTO

Viseu. Dois parques de estacionamento de caravanas e reboques dos feirantes que se encontram a trabalhar na Feira de S. Mateus foram assaltados na semana passada, durante a noite. Os assaltantes terão levado objectos no valor de mais de 50 mil euros. O parque situado na Quinta Agrária, onde se encontra um maior numero de caravanas terá sido o mais afectado. Os feirantes chegaram a parar as duas dezenas de carrosséis em sinal de protesto, enquanto não foi garantida mais segurança nos parques.

Afd_IPSS_J_CENTRO_255x168.ai Publicidade

1

9/2/10

5:18 PM

Comissão de Utentes promete endurecer luta Portagens∑ A25, A24 e A23 não são poupadas pela decisão do Governo A Comissão de Utentes Contra as Portagens nas auto-estradas A25 (Aveiro -Vilar Formoso), A 24 (Viseu - Chaves) e A23 (Guarda -Torres Novas) anunciou que vai avançar com outras formas de luta contra a implantação do sistema de pagamento imposto pela Governo. Francisco Almeida, portavoz da comissão adiantou que, além do abaixo-assinado que está em curso, vão promover buzinões, marchas lentas e cortes de estrada. A Comissão de Utentes insiste que não há alternativas às auto-estradas, por isso nunca podem ser portajadas.

A Portagens são introduzidas nas A25 e A 24 até Abril Culpas. O PSD e o PS atiram culpas por causa das portagens anunciadas para as antigas SCUT A25 e A24. O deputado social-democrata eleito por Viseu, Almeida Henriques

comentou que “Quem governa é o Partido Socialista”, por isso tem toda a responsabilidade na decisão. “O Partido Socialista e os dirigentes distritais têm que assumir respon-

sabilidades”, reforçou acrescentando que “havia metodologias mais aceitáveis e mais simples”. Uma posição contrariada pelo presidente da Federação de Viseu do PS, José Junqueiro. O também secretário de Estado da Administração Local lembrou que o critério do PS mantém-se, “só portagens para rendimentos per capita acima da média e onde houver alternativa” e o PSD “não aceitou. “O dr. Almeida Henriques abanou com a cabeça e com as orelhas, esteve de acordo e fazem a hipocrisia imaculada”, comentou. Emília Amaral com Rádio Noar


Jornal do Centro

12

17 | Setembro | 2010

vá às compras Av. Capitão Homem Ribeiro A aven ida deve o seu nome ao Capitão Artur Homem Ribeiro, que nasceu em Canas de Senhorim em 1874 e morreu no dia 18 de Dezembro de 1914, filho de Teodoro Ribeiro de Campos e de Maria Gomes. Foi c o m a n d a n te da 9.ª Companhia do 3 .º Batalhão do Regimento de Infantaria 14 que, no decurso das campanhas de A ngola , n a Gra nde Guerra de 1914 /1918, pa ra onde esse Batalhão embarcou no dia 10 de Setembro de 1914, em Lisboa, morreu num duro combate travado em Naulila - Combate de Naulila - no Sul de Angola, contra forças alemãs muito superiores. Publicidade

Circulação subterrênea marca centro da avenida Toponimia ∑ Artur Homem Ribeiro, capitão do RI14, dá nome à avenida Pertencente à Freguesia de São José, a Avenida Capitão Homem Ribeiro une o Campo de Viriato com o Bairro da Balsa e cruzase, nos seus cerca de um quilómetro e meio de extensão, com a rotunda Cibernética que dá início à Avenida da Europa. Devendo o seu nome ao Capitão Homem Ribeiro, natural de Canas de Senhorim, esta avenida vive, por estes dias, a animação contagiante da Feira de S. Mateus que se realiza no Campo de Viriato e onde estão localizadas várias

casas comerciais sobejamente conhecidas, como a “velhinha” Escola de Condução Azevedo Pinto e o Café Paris. Restauração, agências bancárias e serviços de assistência e venda de automóveis são uma constante da avenida onde, não raramente, os carros estacionam em segunda fila, representando um ponto de passagem central de milhares de veículos diariamente, que utilizam e usufruem da construção do Túnel de Viriato, aberto ao público desde 2004.

A Avenida Capitão Homem Ribeiro

ESTAÇÃO DE COMBOIOS DE VISEU

Foto Germano

CAPITÃO ARTUR HOMEM RIBEIRO

textos ∑ Raquel Rodrigues

No centro da Avenida Capitão Homem Ribeiro situava-se, outrora, a Estação de Comboios de Viseu, que trazia à cidade diariamente centenas de pessoas. Desde que a estação foi desactivada e demolida, Viseu passou a ser a maior cidade da Europa sem linha de comboio, o que muito deixa insatisfeitos muitos comerciantes daquela zona, que beneficiavam da “vida” que antigamente o comboio trazia naturalmente.


Jornal do Centro

AV. CAPITÃO HOMEM RIBEIRO | VÁ ÀS COMPRAS 13

17 | Setembro | 2010

Publicidade

curiosidades Túnel de Viriato: O Túnel de Viriato, aberto ao trânsito em 27 de Julho de 2004, está localizado sob a actual rotunda de Viriato. O túnel, com 21 metros de largura, desenvolve-se ao longo de 370 metros de comprimento, 240 dos quais subterrâneos. Com quatro faixas de rodagem e duas rampas de acesso de 65 metros cada, o túnel está equipado com os mais modernos sistemas de segurança, incluindo sistemas de ventilação e detecção de incêndios, vigilância com câmaras de vídeo, semáforos nas zonas de entrada e quatro postes ligados à Protecção civil. Estátua de Viriato: “Ao lado da Cava de Viriato, erguese a estátua de Viriato, o herói que a cidade de Viseu desta forma homenageia. O escultor Mariano Benliure, de nacionalidade espanhola, soube interpretar neste expressivo conjunto escultórico, a alma e o vigor do valente guerreiro, que personificou a luta contra o invasor romano e que Viseu adoptou como personagem do seu imaginário na construção da imponência da cidade”. Moinhos da Balsa: A recuperação dos moinhos da Balsa, no Rio Pavia, onde hoje está instalado o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Viseu integra a transformação que o Programa Polis está a permitir na zona ribeirinha da cidade, embelezando aquela zona e transformandoa num espaço de lazer e passeio disponível a toda a população. Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


TEATRO TIVOLI_LISBOA 11 OUT. 2010 • 9.15H

BOOSTING CREATIVITY AND INNOVATION IN ORGANIZATIONS

BOOSTING CREATIVITY AND INNOVATION IN ORGANIZATIONS Lyn Heward, directora de criação do Cirque du Soleil transporta-nos para os bastidores de um dos maiores espectáculos do mundo para explorar a natureza da criatividade e da inovação. Oradora de renome mundial, as suas emocionantes intervenções são repletas de conselhos práticos sobre: risk-taking; liderança; trabalho de equipa; desenvolvimento de produto; identificação e gestão de talento e; promoção de uma cultura empresarial forte e dinâmica. No contexto actual, a Happy Conference 2010 com Lyn Heward é uma conferência única e inspiradora sobre criatividade e inovação, factores críticos de sucesso do futuro.

Lyn Heward, Directora de Criação do Cirque

du Soleil

“Live passionately and create” HAPPY CONCEPT & GLOBAL MANAGEMENT

HAPPY SPONSORS

HAPPY ADVERTISING COMPANY

HAPPY PR AGENCY

HAPPY PARTNERS

HAPPY MEDIA PARTNERS

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES: TELEFONE 210 994 018 - 910 694 646 // info@winworld.pt // www.happyconference.org


Textos: Raquel Rodrigues / José Lorena Grafismo: Marcos Rebelo

SUPLEMENTO | FESTAS DO CONCELHO DE TONDELA_FICTON_15 | 19 SETEMBRO 2010

ESTE SUPLEMENTO É PARTE INTEGRANTE DO SEMANÁRIO JORNAL DO CENTRO, EDIÇÃO 444 DE 17 DE SETEMBRO DE 2010 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE.


PÁGINA

2

“Somos um dos pólos mais importantes de desenvolvimento da região” Que ponto de situação faz da realização da FICTON?

SUPLEMENTO | FESTAS DO CONCELHO DE TONDELA_FICTON_15 | 19 SETEMBRO 2010

A FICTON tem vindo a ter um grande incremento, sendo que cada vez há mais empresas e instituições a quererem estar presentes na Feira Industrial e Comercial de Tondela, o que prova que esta iniciativa é já um ponto alto para a região. Sabemos que se a feira acontecesse no mês de Agosto seguramente ter ia muito mais g e nte, m as e nte n d e m o s q u e ao fazê-la nesta altura estamos a criar nesta altura uma nova dinâmica e um novo centro de atenções para a cidade e todo o concelho. Do ponto de vista do investimento, este ano diminuímos custos, sobretudo nos artistas,

Quinta da Mata torna-se Parque Urbano de Tondela

A primeira fase está concluída e é um sucesso reconhecido: a ob ra mais emblemática e visível da Câmara Municipal de Tondela no início do século. Trata-se do novo Parque Urbano da cidade. Para quem visite ou tenha visitado o local este verão nada nota do passado; apenas vê, sente e cheira um local aprazível e com todos os condimentos para o lazer e usufruto dos mais elementares prazeres da natureza. Fica no meio da cidade, junto ao recinto da feira semanal. É a primeira de três fases de requalificação da antiga Q uinta da Mata. Quase uma centena de hectares a devolver à cidade e recriar um espaço de prazer para todos dentro de alguns anos, tal como começa a ser. I nicialmente fo ra m tratados

cerca de 25 hectares de mata a n t i g a. A l i fo r a m c r i a d a s zo nas de relva, um ba r pa norâmico e equipamentos mecânicos de lazer e lúdicos que não lembra m em lado nenhum na região. Até existe um aparelho s i m p l e s d e “s l i d e” q u e to d o s podem utilizar. E fala-se apenas da primeira fase do projecto. Uma segunda fase vai galgar terrenos da actual feira semanal. A autarquia procura alternativas agora para o espaço e já criou lugar para os comerciantes. Depois virá a terceira fase e uma inter venção total em quase uma centena de hectares. Tondela começa a ter agora um pulmão verde. E torna-se já um hábito passear e fruir de um espaço para muitos inusitado, mas natural, de prazer e paz.

e estamos a fa zer um bom investimento do ponto de vista da logística da feira, cr ia ndo condições para que as pessoas venham e se sintam bem, desempenhando um papel sobretudo de promoção, que nos parece muito impor tante para atrair pessoas ao nosso concelho, mostrando que somos um dos pólos mais importantes de desenvolvimento da região. Aqui estão sediadas impor tantes empresas, que marcam presença também na feira, que têm um volume de facturação anual muito grande e importante para o concelho e para o país. Por tudo isto, estou em condições de afirmar que a FICTON é já um ponto alto da actividade comercial, industrial, logística e festiva da nossa região.

“Uma revolução total em Tondela”

A Câmara Municipal de To n d e l a i n i c i o u e m 20 0 9 u m programa de recuperação do centro histórico da cidade, apelidada pelo presidente da autarquia, Carlos Mar ta, de “uma obra muito significativa” e “uma das mais emblemáticas” que se fizeram em Tondela. Este programa de recuperação surgiu de uma candidatura aos novos C entros de Regeneração Urbana do programa Mais Centro, que permite á autarquia a requalificação completa de toda a área envolvente ao centro histórico da cidade. Para Carlos Marta “isso vai permitir um investimento directo do município de uma verba de três milhões de euros”, que acontece em sintonia com outras empresas “que ta mbém estão a fazer importantes investimentos

por sua conta e risco”. Para além disso, a autarquia i n a u g u r a n o p róx i m o m ê s d e Dezembro um parque de estacionamento localizado por trás d o e d i f í c i o d a C â m a r a M u n icipal. Outro empreendimento incluído na regeneração urbana na cidade é a requalificação total do mercado municipal. “Vamos ficar com uma nova infraestrutura que vai permitir prestar u m melho r se r v iço à p op ulação”, refere o presidente que não esquece outro tipo de investimentos nesta candidatura e que têm a ver com a criação de um gabinete de projectos para recuperação de fachadas e com a animação, numa estreita parceria entre a autarquia e a ACERT, numa “revolução total em Tondela”. Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010


quia de Tondela, a presença do responsável ser ve de estímulo às empresas da região, tendo transmitido a Basílio Hor ta que “temos excelentes zonas industriais, acessibilidades e trabalhadores que podem per mitir t r a ze r m a i s e m p re s a s p a r a o

concelho”. A FICTON 2010 prolonga-se a té d o m i n g o e o c u p a to d o o espaço envolvente ao Pavilhão Municipal, tendo, este ano, o investimento com a animação sido reduzido em cerca de 50 mil euros. “Vamos fazer o mes-

mo que fizemos nos anos anteriores, mas com menos custos”, refere Carlos Mar ta, que diz esperar receber a presença de 30 mil visitantes num evento que tem a sua aposta nos sectores industrial e comercial de Tondela.

Objectivos da FICTON 2010 O cer tame visa valorizar e potenciar a realidade socioeconómica e cultural de Tondela e região envolvente, divulgando não só a sua dinâmica industrial, comercial e cultural, bem como o artesanato e as demais potencialidades patrimoniais, dando-o a conhecer e projectando-o para o exterior em intercâmbio com outras regiões.

E xpor o desenvolvimento concelhio, dedicando espaços próprios a entidades distintas, para que cada um possa demonstrar os seus projectos ou acções, ou os que pretendam vir a realizar.

números

56 Empresas mpresas e Instituições presentes na FICTON 2010

39 Artesãos participantes na Feira de Artes e Ofícios Tradicionais

18

Edições ões da FICTON FICT Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

Envolver a comunidade, ao proporcionar géneros de animação, dirigidos ao vários tipos de público, oferecendo-lhes momentos enriquecedores de cultura e animação.

23

Preser var e dinamizar vários espaços de exposição e centros de conhecimento, lazer e convívio.

200

Investimento na FICTON 2010

guesias repr Freguesias representadas na Feira das Freguesias

89 mil

Stands presentes prese na edição deste ano

30

mil

Visitantes esperados

3

SUPLEMENTO | FESTAS DO CONCELHO DE TONDELA_FICTON_15 | 19 SETEMBRO 2010

Inaugurada na quar ta-feira, a 18ª edição da Feira Industr ial e Comercial de Tondela contou com a presença do presidente da Agência para o Invest i m e n to e C o m é r c i o E x te r n o de Por tugal, Basílio Hor ta. Segundo o presidente da autar-

PÁGINA

200 mil euros para a FICTON 2010


PROGRAMA

PÁGINA

4

Dia 15 (Quarta-feira) 18h45 - Arruada pela Filarmónica Tondelense 19h00 - Jantar Oficial de Inauguração da FICTON 2010 (EB 1,2 de Tondela/Centro Escolar). 20h30 - Arruada pela Filarmónica Tondelense - Animação de Rua pelo Grupo Tribal 21h00 - Abertura Oficial da Feira, com a presença do Dr. Basílio Horta (Presidente da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal). 21h30 – Contrabandit (palco 2) 23h00 – RUI VELOSO (palco 1)

Igreja Matriz de Tondela 16h00 – Abertura dos Pavilhões (FICTON 2010, Artesanato e Feira das Freguesias) 16h30 – Sessão Solene: Cerimónia Oficial Evocativa do Feriado Municipal Entrega de Galardões Municipais. Auditório Municipal de Tondela 18h00 – Inauguração do Discurso Expositivo do Museu Municipal Terras de Besteiros. Museu Terras de Besteiros 21h30 – Sabor a Salsa (palco 2) 23h00 - PLATINUM ABBA (palco 1)

00h30 – Panorama (palco 2) 01h30 – Black Seed (palco 2) 00h30 – Encerramento dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias) 00h30 – Just Rockit (palco 2) 00h30 – Encerramento dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias)

00h30 – Malta (palco 2) 00h30 – Encerramento dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias)

SUPLEMENTO | FESTAS DO CONCELHO DE TONDELA_FICTON_15 | 19 SETEMBRO 2010

Dia 16 (Quinta-feira) Feriado 08h30 - Hastear da Bandeira nos Paços do Concelho de Tondela. 08h45 – Hastear da Bandeira no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Tondela. 09h00 – Romagem ao Cemitério 10h30 – Cortejo de Santa Eufémia (Início na Capela de Sta Eufémia) 11h00 – Missa Solene, seguida de procissão.

Dia 18 (Sábado) 16h00 - Abertura dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias) 19h00 – Festa do Frango (Espaço FICTON) - Animação musical com a Fanfarra kaustica 21h30 – Panorama (palco 2) 23h00 – RITA GUERRA (palco 1)

Dia 17 (Sexta-feira) 19h30 - Abertura dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias) 21h30 – Quinta do Paço (palco 2) 23h00 – EXPENSIVE SOUL (palco 1)

00h30 – Banda Índice (palco 2) 00h30 – Encerramento dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias)

Dia 19 (Domingo) 08h30 – IV Passeio de Cicloturismo “Freguesias no Pedal” 16h00 – Abertura dos Pavilhões (FICTON, Artesanato e Feira das Freguesias) 18h00 - Sessão de entrega de prémios aos melhores alunos das Escolas do 2º e 3º Ciclo, Secundárias e Profissional de Tondela. Momento Musical Auditório 1-Novo Ciclo / ACERT 21h30 – Final da II Edição do TOM de MÚSICA com apresentação de JOÃO MANZARRA (palco 1) 23h30 – SMOOTH ORQUESTRA (palco 1) Encerramento da FICTON 2010

Expositores Espaço Interior Turismo Centro de Portugal Tondelviva-Investimentos Urbanos S. A. Museu do Caramulo Vários C. R. L. Escola Profissional de Tondela Airv-Associação Empresarial da Região de Viseu Comunidade Intermunicipal Região Dão Lafões Hotel S. José Zon TV Cabo Foto Coimbra CMT Produtos Locais-Património Natural Adices Alberto Ribeiro Lda Prevoir Vie Remax Magistral Nova Lareira Movéis Ramalho Schoolhouse - Tondela Aprender Sempre Galsica Lda Jorge FiGueiredo Hélder e Luís Madeira, Lda Era Imobiliária Multiopticas Auto R. Areal Lda Oriflame Beira Jardins L. H. Saúde Mrw Foto Raf Macoteivas-Materiais de Construção Cantinho Das Flores (Nandufe/Molelos) Musifesta-Escola De Música (Frente) Musifesta-Instrumentos Musicais Controlvet e Nutroton Galerias Do Vimieiro-Vigavelha Blackmédia Tondizoo Rui Costa e Sousa & Irmão, S A Dão Sul-Quinta dos Grilos Casa ao Cubo Grupo Generg

Brose Luvas Microfibras Interexpressos Nutrofertil Labesfal, S.A. Urfic- IndúStria De Ferragens S. A. Huf Portuguesa Cespa Portugal S. A. Interecycling S. A. Avon Automotive Egiro - Scooters De Mobilidade Sinersol-Energias Alternativas Ass. de Mun. da Região do Planalto Beirão Tondelar

Donaanna - Município de Arganil Hiperdoces Casinha Dos Bordados - Artesanato Bouba Tall Conceição Durão Alda Judite Influênciarte-Loja e Atelier Artesanias do Ecuador Mor Pormenores - Atelier de Artes Decorativas Iris Isabel Rodrigues Rui Lopes Malagueta

Espaço Exterior Ospea/Adcv

Espaço das Freguesias Freguesia de Tondela

Lima.Xana Mulheres Agricultoras de Castelões Fernando Paz Art & Pau - Porto de Mós Isaura Brás, João Marques e António Coimbra Fausto Dinis Maria Sousa e António Marques Miminhos da Silvia Bordados de Castelo Branco Esmeralda Santos Assoc. de Apicultores da Serra do Caramulo Cartelinho Tanoaria Godinho Aacap-Associação dos Apicultores Wonatur Viver A Arte Carlosnazareth Soledade eIsaulindo Lopes Trapinhos Arty Faty Silvina Santos Teia do Gato Shop-Artesanato (Urbano) Arte Patrício A Loja Mestre André

Freguesias de S. João do Monte Freguesia de Campo de Besteiros Freguesia de Caparrosa Freguesia de Dardavaz Freguesia de Castelões Freguesia de Canas de Santa Maria Freguesia de S. Miguel do Outeiro Freguesia de Barreiro de Besteiros Freguesia de Santiago de Besteiros Freguesia de Parada de Gonta Freguesia de Molelos Freguesia de Vilar De Besteiros Freguesia de Lajeosa do Dão Freguesia de Mosteiro de Fráguas Freguesia de Tonda Freguesia de Guardão Freguesia de Nandufe Freguesia de Sabugosa Freguesia de Lobão da Beira Freguesia de Ferreirós do Dão Freguesia de Mouraz Freguesia de Vila Nova da Rainha Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010


15

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

negócios Certificados do Tesouro

Ilídio Silva Docente na Escola Superior de Tecnologia de Viseu isilva@estv.ipv.pt

Desde 1 de Julho deste ano que as famílias portuguesas dispõem de mais um produto financeiro onde poderão aplicar as suas poupanças: os Certificados do Tesouro (CT’s). Vejamos, muito sinteticamente, em que consiste esta nova aplicação financeira. O que são? Os CT’s constituem títulos de dívida pública, emitidos por um prazo de 10 anos e que procuram conciliar algumas vantagens de títulos de dívida pública já existentes. Como são emitidos? Os CT’s são emitidos com um valor nominal de 1 euro, apenas a favor de particulares, apresentando um mínimo de subscrição de 1.000 unidades (1.000 euros) e um máximo por titular de 1 milhão de euros. Onde podem ser adquiridos? Os CT’s podem ser adquiridos directamente nos balcões das entidades contratadas para o efeito pelo Instituto de Gestão do Crédito Público, nos balcões dos CTT e na internet através do AforroNet. Que rendimento conferem? A rendibilidade dos CT’s encontra-se indexada à rendibilidade de vá rios i nst r umentos de dívida pública, estando o capital i nvest ido ga ra nt ido pelo Estado. As taxas de juro são calculadas tendo em conta 3 períodos: no período inferior a 5 anos, o subscritor recebe anualmente a taxa em vigor na data da subscrição dos Bilhetes do Tesouro ou a Euribor a 12 meses;

no período de 5 anos ou mais, o subscritor recebe anualmente a taxa das Obrigações do Tesouro a 5 anos praticada na data da subscrição; se o subscritor mantiver os CT’s por 10 anos, será remunerado à taxa das Obrigações do Tesouro a 10 anos. Note-se que, ao cont rá r io do que acontecia nos Certificados de Aforro, os juros proporcionados pelos CT’s não são capitalizados. Quais as condições de resgate? Os CT’s permitem o resgate antecipado, na totalidade ou parcialmente, nas datas anuais de pagamento de juros. Contudo: caso o resgate ocorra fora dessas datas, o subscritor perde o direito à remuneração no período entre o último pagamento de juros e o resgate; apenas permitem o resgate 6 meses após a data da subscrição; e, em caso de resgate parcial, o número de unidades remanescente não poderá ser inferior ao número mínimo de unidades requerido numa subscrição nova (1.000 unidades). Será que constituem uma boa aplicação financeira? Os CT’s são interessantes para quem inve ste p or m a i s de 5 anos, principalmente se se pretende a lg uma liquidez e um risco bastante reduzido. No entanto, para prazos de aplicação inferiores a 5 anos, poderão encont ra r-se act ua l mente junto de instituições bancárias depósitos ou outras aplicações mais rentáveis.

A Huf Portuguesa, com sede em Tondela, vai ter dois novos grandes clientes, a BMW e a Mercedes. A informação foi confirmada no final de uma reunião, que decorreu na quarta-feira, nas instalações da empresa, durante uma visita do presidente Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Basílio Horta. “Com a aquisição da Ficcosa, começaram a negociar-se uma série de contra-

tos: vamos reforçar a nossa presença na Volkswagen e vamos ter novos clientes, a BMW e a Mercedes”, avançou o administrador da Huf Portuguesa, Jon Velasco. O volume dos investimentos ainda não está calculado, mas, na sua opinião, se o investimento for importante e o Governo português apoiar, será proveitoso para ambas as partes. Ainda em Tondela, Basílio Horta inaugurou a Ficton.

José Lorena

Mercedes e BMW novas clientes da Huf

Clareza no Pensamento (http://clarezanopensamento.blogspot.com)

A Basílio Horta, presidente da AICEP

foto legenda O centro comercial Forum Viseu comemorou cinco anos de actividade, na segunda-feira, dia 13. O espaço comercial integrado no centro da cidade abriu em 2005 apostado no “envolvimento com a comunidade local”, tendo apostado em iniciativas de solidariedade social e apoiado mais de 80 instituições da região. Cinco anos depois, na hora de celebrar o quinto aniversário, os seus responsáveis reforçaram a aposta e anunciaram novas iniciativas de forma a “dinamizar a vida do centro comercial”. O centro comercial, com 82 lojas, recebeu nos cinco anos cerca de 28 milhões de visitantes.

Novaibérica mostra novo Alhambra em Viseu A Novaibérica, concessionário Seat em Viseu, está este fim-de-semana de portas abertas para mostrar o novo Alhambra, o monovolume da marca. Esta sexta-feira, e também amanhã e domingo, o concessionário mostra um automóvel que promete algumas novidades tecnológicas importantes. Desde logo o sistema Easy Fold que numa viatura familiar como é o modelo Alhambra, faz com que os

bancos “desapareçam” no chão do veículo. O novo SEAT Alhambra tem lugar para sete pessoas e os bancos da segunda e terceira fila, e até o banco do passageiro, já não têm de ser retirados para ter mais espaço de arrumação. Uma entre outras novidades que poderão ser vistas neste fim-de-semana portas abertas na Novaibérica, em Viseu, no Parque Industrial de Coimbrões.

Publicidade


17

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

desporto Visto e Falado

II DIVISÃO NACIONAL

Vítor Santos vtr1967@gmail.com

Classificação

1ª jornada União Serra

0 1

Tondela

1ª - Tourizense

3

Pontos

.... 4º - Tondela

2ª jornada - 26 Set

Jogos Amizade Caros Costa

Tondela

-

3

Tourizense

III DIVISÃO NACIONAL

Cartão FairPlay Dois beirões são apontados como possíveis presidentes da FPF. Fernando Seara há muito ligado ao desporto é sempre um dos nomes lançados para ocupar este tipo de cargos. Carlos Marta tem uma vivência desportiva enorme, quer como praticante quer dirigente. Viseu ficará sempre engrandecido se uma destas personalidades vier a ser o nº 1 na hierarquia do futebol português. Migração Juvenil

Cartão Vermelho O inicio de um ano lectivo marca a partida de muitos jovens de Viseu. A fase final da formação desportiva é cortada pela necessidade de terem de prosseguir os estudos fora da Região. Numa idade em que a transição é feita em termos desportivos o afastamento provocado pela carreira académica deita por terra muito do trabalho de jovens e clubes. Lamentável Viseu ter ficado para trás no ensino universitário.

Penalva C. Cinfães L. Lourosa Sampedrense

0 3 3 1

0 1 1 1

Alba Avanca Oliv. Frades Fiães

2ª jornada - 26 Set Oliv. Frades

-

Penalva C.

Bustelo

-

Cinfães

Avanca

-

Sampedrense

0 2

Ac. Viseu

2ª jornada - 26 Set Ac. Viseu

A

-

3 3

Pontos

1 1 0

Classificação

1ª jornada - Série D Vigor Mocidade

1º- S.J. Ver 2º - Cinfães ... 5º - Sampedrense 8º - Penalva C. 10º Oliv. Frades

1º Monsanto ... 3º Ac. Viseu

3

Pontos

3

Águias Moradal

O Penalva do Castelo empatou sem golos com o Alba

Futebol

Arranque positivo nos Nacionais Tondela, Académico, Cinfães ∑ Vitória Penalva , Sampedrense ∑ Empate O. Frades ∑ Derrota Nada mau o balanço da primeira jornada nos nacionais de futebol da II e III divisões. Três vitórias, duas delas fora de casa - Tondela e Académico de Viseu - dois empates e uma derrota, o registo das seis equipas de Viseu que competem nestas divisões. Na II, série Centro, o Tondela foi a Santa Catarina da Serra vencer a União por 1 a 0. Um golo madrugador,

e solitário, de Gomes deu os três pontos ao Tondela. Começar com o pé direito numa época carregada de ambição. Isto antes de um duro teste que se antevê já na segunda jornada quando o Tondela receber no João Cardoso o Tourizense. Na III Divisão - Série C, o Cinfães venceu de forma convincente o Avanca, uma das equipas que se apreesenta com aspirações de

lutar pelos primeiros lugares. Já a Sampedrense, na estreia, empatou em casa a um golo com o Fiães. Quanto ao Oliveira de Frades, foi derrotado por 3 a 1 na deslocação à Lusitânia de Lourosa. Em Penalva, frente ao Alba, a formação de Carlos Agostinho não foi além de um empate sem golos, num jogo em que a equipa da casa teve sempre muita di-

ficuldade em ultrapassar a possante defesa dos forasteiros. Amilcar, na bancada, deve ter feito suspirar o técnico do Penalva. Na série D, entrou de pé direito o Académico de Viseu. Venceu no Vigor da Mocidade por 2 a 0 e deixa os adeptos com água na boca. Agora, segue-se a Taça de Portugal.

TAÇA DE PORTUGAL 2ª Eliminatória 19 Set - 15h00 Santa Clara

-

Oliv. Frades

Juventude Évora -

Ac. Viseu

Sampedrense

-

Vieira

Lagoa

-

Tondela

Odivelas

-

Cinfães

Alcochetense

-

P. Castelo

Gil Peres

Open de Ralis

Aspirações de Brites “furadas” em Gondomar Sortes diferentes para os dois pilotos de Viseu que competem no Desafio Modelstand do Campeonato Open de Ralis. Em Gondomar, antepenúltima prova do campeonato, Francisco Brites viu um furo tirar-lhe a hipótese de lutar pelo vitória entre os Peugeot 206 GTi.

“Foi um rali onde nos deparamos com muitas dificuldades. Na parte da manhã foi uma luta para manter o carro na estrada, não tinha frente. Apesar disso mantivemo-nos entre os primeiros. Arrisquei na parte da tarde e infelizmente quando estávamos na luta pela vitó-

ria, furamos e foi tudo por água abaixo”. Com o quarto lugar em Gondomar o piloto viseense mantém também o quarto lugar no troféu, logo atrás de Fabrício Lopes que voltou a ser regular em Gondomar terminando num excelente terceiro lugar. GP

Gil Peres

Fernando Seara Carlos Marta

Classificação

1ª jornada - Série C

Gil Peres

Cartão FairPlay Mais de um milhar de jovens participou este fim de semana nas Olimpíadas da Amizade – Carlos Costa, no Fontelo. O convívio entre jovens do distrito é sempre de realçar pela positiva e quando se permite que estes usufruam do melhor que a região tem em espaços desportivos ainda mais. Centena e meia de colectividades esteve presente numa sempre justa e merecida a um “Senhor” como foi Carlos Costa.

A Fabrício Lopes subiu ao pódio no Modelstand


Jornal do Centro Jor

18

17 | Setembro | 2010 17

especial

Feira de S. Mateus 2010

Recta final com muita música e desporto na Feira Cartaz ∑ Actuação dos Fingertips e Dia da Criança marcam útimos dias Chegados à recta final do mais extenso evento da cidade de Viseu, e a apenas cinco dias do seu encerramento, a Feira de S. Mateus dá continuidade a um cartaz repleto de música e desporto, envolvendo toda a comunidade numa iniciativa que tem a duração de 40 dias. Nesta última semana de feira destaca-se o dia dedicado às crianças, que apresenta um programa pensado para os mais pequenos, e que acontece já este domingo. A partir das 10h30 o recinto da Feira de S. Mateus é invadido por insufláveis, pintutas faciais e modelagem de balões. Já para a noite está marcado o espectáculo de patins, o musical “Cinderela”, ao

qual se segue a actuação, às 22h30, da Banda Soma e Segue. Na noite anterior, dia 18 de Setembro, o palco da Feira de S. Mateus enche-se de brilho para receber os Fingertips, uma banda natural de S. Pedro do Sul e que tem dado provas do seu talento nos mais variados palcos nacionais. A feira termina no dia 21, dia do município e feriado municipal, com um dia recheado de actividades. Às 10h00 a Igreja da Nossa Senhora da Conceição recebe a missa em honra de S. Mateus e à noite a feira é palco de um mini desfile de moda, ao qual se segue a actuação de Henrique de Matos.

Publicidade

!$ESPORTIVA6ISEENSE ,DA

Artigos para Desporto

,OJAS

Av. Alberto Sampaio, 59-61 Telef. 232 437 206 3510-030 VISEU

Publicidade

DESPORTIVA II Rua Direita, 98 Telef. 232 435 174 3500-115 VISEU

textos tex xttos to os os ∑ Raquel R Rodrigues

Programa Semanal

17 DE SETEMBRO 20h00 - 22º. Quadrangular de Basquetebol Feira de São Mateus 22h00 - Concerto de Música Gospel - Espectáculo de variedades da responsabilidade da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Viseu

18 DE SETEMBRO 14h00 - 5º. Torneio de Futsal Fem. da F. de S. Mateus 14h30 - XXVII Grande Prémio da Feira de São Mateus em Percurso de Caça – 50 Pratos 15h30 - Continuação do 22º. Quadrangular de Basquetebol Feira de São Mateus 16h00 - 18º. Torneio de Voleibol Feira de São 22h00 - Fingertips

19 DE SETEMBRO

A Fingertips em palco no último sábado de feira

Desporto para todos os gostos Enquanto que já hoje à noite o Pavilhão do Inatel recebe o 22º Quadrangular de Basquetebol, que se estende até domingo, o Pavilhão Desportivo Viriato abre as suas portas amanhã para o 5º Torneio de Futsal Feminino da Feira de S. Mateus. Publicidade

No domingo, é a vez dos “Minis” se encontrarem na Avenida da Europa, estando o Estádio do Fontelo preparado para receber os atletas do 48º Grande Prémio de Atletismo, ao qual se segue o I Torneio de Tiro aos Pratos a ter lugar no Clube de Caçadores.

DIA DA CRIANÇA 09h00 – Encontro de Viaturas MINI de Viseu 10h00 - XXVII Grande Largada Feira de São Mateus de Perdizes, Patos e Faizões - Atletismo: 48º. Grande Prémio da Feira de São Mateus - 7ª. Maratona de BTT Feira de São Mateus 14h30 - I Torneio de Tiro aos Pratos - Continuação do 18º. Torneio de Voleibol Feira de São Mateus PROGRAMA DO DIA DA CRIANÇA 10h30 – Gincana de Insufláveis, Pinturas Faciais, Modelagem de Balões 15h00 – Encerr. da Gincana c/ entrega de Prémios 21h30 – Cinderela – Musical em Patins 22h30 – Banda Soma e Segue

20 DE SETEMBRO 22h00 – Rancho Infantil e Juvenil Cravos e Rosa de Vila Meã

21 DE SETEMBRO Feriado Municipal – Dia do Município 10h00 – Missa em honra de São Mateus, seguida de procissão. 11h30 – S. Solene para comemorar o dia do Município 13h00 – Almoço de confraternização do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu 21h30 –X Encontro de Coros 20h30 – Mini Miss São Mateus 2010 - Desfile de moda nas classes etárias dos 3 aos 6 anos, dos 7 aos 9 anos e dos 10 aos 15 anos 22h00 - Henrique de Matos Publicidade


D “Todos à Praça” divulga cultura em Oliveira de Frades

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

culturas expos

No âmbito do projecto “Todos à Praça”, promovido pela autarquia de Oliveira de Frades, a Praça das Finanças recebe hoje, a partir das 22h00, o espectáculo de artes circenses “Jôglitron”, do Projecto Anagrama. Amanhã, às 18h00 e às 21h00, pode assistir-se ao espectáculo de animação de rua “Os Saloios” e às 22h00 actua o grupo musical “MojuBá”.

Arcas da memória

Destaque

VISEU ∑ InstitutoPortuguêsdaJuventude Até dia 30 de Setembro Exposição documental “Portugal em Monumentos”, de Rogério Malheiro.

Parábola das duas figueiras

∑ Museu Grão Vasco Até dia 21 de Novembro Exposição “Linguagem e Experiência - Obras da Colecção da Caixa Geral de Depósitos”. ∑ Câmara Municipal de Viseu Até dia 15 de Outubro Exposição de pintura “Viseu Cidade Monumental”, de Jorge Braga da Costa. LAMEGO ∑ Museu de Lamego Até dia 24 de Outubro Exposição de pintura “Máscaras Rituais do Douro e Trás-os-Montes”, de Balbina Mendes. SERNANCELHE ∑ Centro Municipal de Artes Até dia 30 de Setembro Exposição de restauro de antiguidades - as faces do processo, de António Cota. VILA NOVA DE PAIVA ∑ Auditório Municipal Até dia 30 de Setembro Exposição de esculturas “Vidro Soprado”, de António Mouro.

∑ Auditório Municipal Até dia 30 de Setembro Exposição de miniaturas de alfaias agrícolas em madeira, do Centro Social Paroquial de Lamosa. ∑ Auditório Municipal Até dia 30 de Setembro Exposição informativa “Aquilino Ribeiro nas Terras do Demo”, da Câmara Municipal de Vila Nova de Paiva.

A João Manzara é o apresentador do espectáculo, às 21h30, no palco 1

“Caça aos talentos” em Tondela Evento ∑ II Tom de Música fecha Ficton 2010, com 12 finalistas em palco A final da II edição do festival Tom de Música, organizado pela Câmara Municipal de Tondela, decorre este domingo, dia 18. O palco do evento é a Ficton e tem este ano o conhecido animador João Manzarra no papel de apresentador. A iniciativa caracteriza-se por ser um concurso de canções, constituído por várias semi-finais, em diversas freguesias do concelho e cuja final será sempre em Setembro nas festas da cidade. O objectivo do Tom de Música é divulgar as potencialidades de artistas e amadores de Tondela. O vice-presidente da Câmara, José António Jesus

adianta que o festival “é uma caça aos talentos”, na medida em que permite o aparecimento de novas vozes, com provas dadas no terreno, uma vez que, “algumas delas, já a concorrer a outros projectos e programas nacionais, nomeadamente ao Ídolos”. Para o autarca é ainda “uma fórmula de estímulo e um caminho para a auto-formação e para a formação de valores individuais”. A edição deste ano do Tom de Música teve um crescimento significativo em relação à participação de 2009. Nas três semifinais participaram mais de 40 concorrentes. Cada semi-final apurou quatro

roteiro cinemas

VISEU FORUM VISEU (LUSOMUNDO) Sessões diárias às 13h50, 16h20, 19h10, 21h40, 00h05 (6ª e Sáb.) O Aprendiz de Feiticeiro (M12) (Digital) Sessões diárias às 11h00 (Dom.), 15h00 Cães & Gatos 2 - A Vingança de Kitty Galore (M12) (Digital 3D) Sessões diárias às 13h40,

19

16h10, 18h40, 21h10, 23h40 (6ª e Sáb.) Jantar de Idiotas (M12) (Digital)

Sessões diárias às 17h05, 19h30, 21h50, 00h15 (6ª e Sáb.) Step Up 3 (M12) (Digital3D) Sessões diárias às 11h10 (Dom.), 14h30, 16h45, 19h00, 22h00, 00h20 (6ª e Sáb.) Resident Evil: Ressureição

(CB) (Digital3D)

Sessões diárias às 14h00, 16h30, 18h50, 21h05, 23h30 (6ª e Sáb.) O Último Voo do Flamingo (M12) (Digital) Sessões diárias às 14h40, 17h15, 19h20, 21h20, 23h50 (6ª e Sáb.) Marginais (CB) (Digital) PALÁCIO DO GELO

concorrentes e este domingo vão subir ao palco 12 artistas. Joana Mota, apresentadora das três semi-finais acredita que vai ser “um bom espectáculo” porque “os que vão à final são pessoas com grande talento, comk um gosto especial pela música e de grande qualidade, tendo ou não formação musical”. Da experiência que guarda, Joana Mota considera o Tom de Música um projecto que ao longo de duas edições “tem arrastado muita gente das 26 freguesias do concelho”. Emília Amaral emilia.amaral@jornaldocentro.pt

(LUSOMUNDO) Sessões diárias às 14h00, 17h00, 21h00, 00h00 (6ª e Sáb.) A Origem (M12) Sessões diárias às 13h50, 16h20, 18h50, 21h20, 23h40 (6ª e Sáb.) Os Mercenários (M16) Sessões diárias às 14h30, 16h50, 19h10, 21h50, 00h20 (6ª e Sáb.) Salt (M12) Sessões diárias às 11h00

Manhã de Domingo em meados de Setembro, o sol já alto na sua carreira sobre o Sul. Sobre a mesa da ligeira refeição desta manhã pousa a frescura de uma taça cheia de figos tão apetecíveis quanto aqueles que vemos pintados nas porcelanas azuis dos melhores intérpretes das “naturezas-mortas” que se guardam nos museus. Chegaram de véspera colhidos decerto para uma cesta de vime na figueira que o meu amigo Henrique Almeida tem ali, no seu quintal da Via Sacra, os braços dela alargados numa roda que vai de Nascente para o Poente, o sol do Outono bebido inteirinho pelas folhas largas da figueira. E eu lembro-me da parábola da “figueira estéril” de que fala S. Lucas (Lc. 13, 6.10), plantada sobre o cômoro de uma vinha nas margens de Jerusalém. Deviam ir sequiosos os discípulos e talvez o Messias numa qualquer tarde de caminho para a cidade quando olharam, desolados, aquela figueira de folhas amarelecidas e sem figos. Andava por ali o feitor da quinta e o Messias lhe disse, ao jeito da conversa feita, que a ser assim, há três anos sem fruto, melhor seria cortar a figueira. Mas o feitor era um homem bom e

(Dom.), 14h10, 17h30, 21h10, 00h10 (6ª e Sáb.) Karate Kid (M12) (Digital)

Alberto Correia Antropólogo aierrocotrebla@gmail.com

tolerante e disse a Jesus: Vou esperar mais um ano. Vou cuidar da figueira, vou deitar-lhe outro estrume e a figueira há-de dar fruto. Não sei se aquele feitor terá enviado, ao chegar de um Outono novo, uma boa cesta de figos a Jesus e seus discípulos quando os soube na cidade. Não sei. Talvez a figueira ainda lá esteja como outras, velhinhas, as do Jardim do Getsemani, ao lado das velhas oliveiras, sem que alguém se lembre do paciente labor do feitor bom e paciente de quem o livro santo não guardou o nome. Não sei o que o Messias diria da figueira do meu amigo se um dia ali passasse, por meados de Setembro, na meia manhã e o dono da figueira lhe estendesse, a ele aos discípulos, como a mim fez, a cesta aberta, carregadinha de figos de doçura extrema, sabendo a mel, meio molhados ainda do orvalho da manhã. Julgo que o Messias abençoaria a figueira para que desse frutos assim pelo tempo de mil anos como decerto ainda acontece com a figueira da parábola primeira.

Estreia da semana

Sessões diárias às 11h20 (Dom.), 13h40, 16h10, 19h00, 21h30, 00h30 (6ª e Sáb.) Step Up 3 (M12) (Digital3D) Sessões diárias às 13h30, 15h50, 18h10, 21h40, 23h50 (6ª e Sáb.) Resident Evil: Ressureição (CB) (Digital3D)

Resident Evil Ressureição-

Num mundo devastado por uma infecção viral, Alice continua a sua jornada em busca de sobreviventes. A sua batalha mortal atinge um novo patamar, mas Alice recebe a ajuda inesperada de uma velha amiga. Uma pista promete um local seguro para todos ficarem e vão para Los Angeles. Quando lá chegam descobrem que a cidade foi tomada por mortos-vivos.


D

20 CULTURAS

agenda cultural fnac

AO VIVO PEDRO QUEZADA DE SETEMBRO A SETEMBRO ∑ Sábado 18, às 16h30 De Setembro a Setembro marca a estreia a solo de Pedro Quezada. As canções permitem mergulhar num ambiente intimista, introspectivo e melancólico, que por vezes evoca a estética particular de artistas como David Sylvian ou Perry Blake. Com excepção do instrumental Corvus, da autoria de Paulo Evaristo, todos os temas foram compostos pelo músico do Porto. PROJECÇÃO TOY STORY 2 UM FILME PIXAR ∑ Domingo 19, às 21h00 Com os personagens favoritos de todos, aos quais se juntam Jessie a cowgirl, Stinky Pete o mineiro e Bullseye o cavalo, esta obra-prima da animação repleta de humor e fantásticas músicas é divertimento garantido para crianças e adultos! PROJECÇÃO GUARDA COSTAS DE SEGUNDA DE STEVEN BRILL

Publicidade

Jornal do Centro

Yoga Dinâmico em workshop

∑ Segunda 20, às 21h00 Drillbit Taylor é um azarado mercenário auto-intitulado especialista em artes marciais. Três desajeitados miúdos do secundário, desesperados por uma forma de se vingarem dos seus rivais pedem ajuda a dois violentos rapazes da escola, acabando por contratar os baratos serviços de protecção de Drillbit. PROJECÇÃO O CLUBE DO IMPERADOR DE MICHAEL HOFFMAN ∑ Terça 21, às 21h00 A vida de um professor integra-se na dos seus alunos... Um dos ensinamentos deste filme, onde Kevin Kline é um professor que pugna pela educação além fronteiras, muito mais para além dos programas curriculares. Sob os dogmas de filósofos e pensadores clássicos, estes alunos crescem, tornam-se homens melhores e mais bem preparados para a vida activa. PROJECÇÃO CLUBE DOS POETAS MORTOS DE PETER WEIR ∑ Quarta 22, às 21h00 Quando o carismático John Keating é admitido como novo professor de Inglês num colégio particular masculino, os seus métodos pouco convencionais vão revolucionar as tradicionais formas de ensino. Keating inspira os alunos a perseguir as paixões individuais e a tornar as suas vidas extraordinárias.

17 | Setembro | 2010

Promovido pela Companhia Paulo Ribeiro, realiza-se nos dias 20 e 21 de Setembro, entre as 19h00 e as 20h30, um workshop de Yoga Dinâmico, sob orientação de Isabel Lacerda Cabral. O Yoga Dinâmico é uma prática de yoga em contexto de dança, destinado a maiores de oito anos.

Destaque

Artes

Escultor José Rodrigues homenageado em Lamego

Arte Internacional em Vouzela

Plast&Cine∑ Programação cultural em torno da vida e obra do artista plástico O artista, escultor e desenhador José Rodrigues vai ser homenageado este fim-de-semana em Lamego, na segunda edição do “Plast&Cine”, um encontro multidisciplinar de artes organizado pela autarquia local em parceria com a Edições Cão Menor. O programa do encontro inclui, entre outras iniciativas, exposições com peças do autor do “Cubo”, um congresso dedicado a José Rodrigues, que conta com a presença do ex-presidente da República Mário Soares, da exministra da Cultura Isabel Pires de Lima, do escritor

A Mário Soares presente na “Plast&Cine” angolano Luandino Vieira (Prémio Camões 2006), e da presidente da Sociedade Portuguesa de Belas Artes, Emídia Nadal, e a anteestreia do documentário “José Rodrigues, Esculpindo Memórias”, que tem lugar amanhã, às 21h10.

Exposição. O Teatro Ribeiro da Conceição vai ser palco, durante os dois dias, de uma exposição antológica do autor, organizada segundo pressupostos temáticos e cronológicos. Raquel Rodrigues

Com o principal objectivo de estimular a aproximação entre culturas e despertar o desenvolvimento das capacidades artísticas dos jovens, a autarquia de Vouzela promove, entre os dias 18 e 25, a quarta edição da Bienal Internacional de Arte Jovem. Neste edição, cujo ponto alto é a realização de ateliers abertos, vão participar 21 alunos e professores vindos da China, Hungria, Índia, Rússia e Ucrânia, para além de quatro alunos e um professor da Escola Secundária de Vouzela.


CULTURAS 21

Jornal do Centro 17 | Setembro | 2010

viseu antigo OPINIÃO

“A inauguração do Centro Democrático” (XI) Humberto Liz

Transcrevo uma quarta parte da conferência da autoria do Doutor Bernardino Machado, pronunciada na sessão realizada no “Theatro Viriato” no dia 30 de Janeiro de 1905. Conferência (4) O charlatanismo dos nossos governantes vê-se manifestamente nos alardes que fazem do elixir da alliança ingleza. Por virtude d’ella, milagrosamente, Portugal não só restaurou já todas as suas forças, mas occupou mesmo, no concerto das nações, o logar que occupava na época gloriosa em que os nossos arrojados navegadores abriram á civilização o caminho das Indias (bravos). Dir-se-hia até, ouvindo-os, que não somos simplesmente os alliados da Inglaterra, mas

sim os seus conquistadores. A viagem dos reis a Londres chama-lhe camara de Lisboa, triumphal; e a folha officiosa do governo, entoando-lhe o seu hymno, declara-a mais gloriosa do que a missão dos nossos antigos guerreiros! Para a prova de que a alliança ingleza não passa d’um engodo, para prova de que não há de facto tal alliança, basta observar a insistência com que os seus pretendidos auctores procuram confirmal-a com actos que, aliás, são a sua própria negação, como ultimamente o tratado de arbiragem celebrado entre Inglaterra e Portugal, para todas as divergências que não envolvam interesses vitaes ou sejam casos d’honra ou de independência das duas nações. Nem que fosse preciso, havendo ellas uma allian-

ça, porque é claro que então essas divergências se dirimiriam amigavelmente. Celebram tratados d’arbitragem a Inglaterra com a França, a França com a Italia, a Suissa e os Estados Unidos com varias nações; mas, que conste, não os celebraram até agora, porque seria redundante, a França com a Russia, a Italia com a Allemanha, nações alliadas entre si. Alliança entre o governo inglez e o governo portuguez? Que pode haver de commum entre elles? E’ uma alliança valiosa mas que pode aliarse a um governo que tem sobre tudo por dogma o respeito de todas as crenças, um governo que acata e festeja servilmente todos os dogmas ainda os mais revoltantes para a razão e para o sentimento humano (muitas palmas). E’

uma alliança económica? Mas como hade alliar-se a um governo que cimenta fortemente a independencia da nação na sua liberdade financeira, um governo arruinado, falido, á mercê de todos os autocratas da finança mundial? (appoiados) E’ uma alliança politica? Mas como hade alliar-se a um governo exemplarmente liberal, que sustenta, sem mínima quebra, os direitos do habeas corpus, um governo despótico, arbitrário, o governo da lei de 13 de Fevereiro? (gritos: abaixo a lei de 13 de Fevereiro) Pode haver uma approximação politica entre a Inglaterra, a França e a Itália, Liberaes, podem até mutuar visitas os seus parlamentos. Mas quem não se riria até ás gargalhadas, se os nossos deputados tivessem a pretensão de vi-

sitar os deputados inglezes?! (risos e palmas). Eu bem sei que os nossos governantes, pela voz do chefe do estado, renderam homenagens á liberdade na Inglaterra e até em França se curvaram devotadamente perante a republica. Mas succede-lhes como aos selvagens que, nos centros da civilisação, trajam á ultima moda, e que chegando á terra natal, voltam á tanga (risos): assim que chegaram cá, voltaram ao regímen do poder pessoal. O seu primeiro acto de expiação devia ser a amnistia de Bartholomeu Constantino (grande ovação e vivas a Bartholomeu Constantino). Pois não os praticaram, mas até pleiteiam entre si a paternidade da lei acelerada que o condemnou (appoiados). Alliança militar? Como,

sem exercito nem marinha? Não basta o valor e o arrojo dos nossos militares, quando a dissipação dos governantes os deixa sem recursos, ao abandono, condemnados a perecer fatalmente, como outro dia, n’esse horrendo desastre Cunene. (appoiados e prolongados vivas ao exercito). Alliança não a pode haver hoje entre o nosso governo e o governo inglez; mas infelizmente, sob o actual regímen, o nosso povo trabalhador esmagado na sua industria sob o peso dos impostos, pode sequer esperar realisal-a com o povo inglez, sequer ao menos por um tratado de commercio?!... Para alcançarmos uma alliança que nos honre e nos preste, havemos de mudar primeiro instituições (muitas palmas e appoiados). (continua)

A IMPRENSA EM VIZEU

A Folha e as relações Estado-Igreja – II Paulo Bruno Alves paulobruno@iol.pt

Na sequência do artigo anterior, vamos continuar a apresentar algumas considerações que A Folha (1901-1911), o primeiro jornal diocesano de Viseu, fez relativamente às relações entre o Estado e a Igreja. Desde o fim da Monarquia que o Clero se sentia sem forças e há muito que vinha desfalecendo

e abandonando, prematuramente, o campo de batalha. As acusações de falta de intervenção do Clero português eram reais e a partir do regicídio, tudo ficou comprovado. Os clérigos portugueses sentiam-se desprotegidos e começaram a ser ainda mais atacados do que já eram. Um desses ata-

ques passava pela chamada «questão religiosa», assunto que A Folha analisou por diversas vezes e que afirmava, categoricamente, que: «(...) não a desejamos porque é sempre um mal». O jornal, como aliás toda a comunidade católica portuguesa, tinha consciência do perigo que era ver discutida a «questão religio-

sa». Este era um assunto muito delicado, qual árvore da qual brotavam muitas ramificações. A Igreja recusava falar de crise e afastava-se, continuamente, da discussão «(...) pois não concedia o valor atribuído à conflitualidade interna (...) e a sua hierarquia, não abdicava dos seus princípios conservadores, procura-

va uma revalorização do papel da igreja e da sua espiritualidade e mostrava-se esperançada na «conversão» do clero e dos católicos rebeldes». Já os republicanos e os liberais desejavam extinguir as forças mais conservadoras, de modo a liberalizar mais a Igreja. Quanto ao Estado, não desejava que esta matéria pertur-

basse a sua governação, uma vez que não aceitava ver-se rodeado de uma orientação teocrática. Para isso, permaneceria no velho Absolutismo. A Folha acreditava que o governo de João Franco não era « (...) jacobino, mas na vida politica não têem a coragem de ser coherentes e sacrificam á imposição dos sectarios».


Jornal do Centro

22

17 | Setembro | 2010

saúde A ministra da Saúde, Ana Jorge, anunciou esta semana que “dentro de semanas” será possível prescrever uma receita em unidose. “Uma receita em unidose ainda não é possível mas vai sê-lo dentro de semanas”, reforçou. A ministra acrescentou que a alteração se estende às farmácias hospitalares: “As farmácias de venda ao público nos hospitais estarão disponíveis para vender em unidose”.

EXAME DE SANGUE PODE DETECTAR ALZHEIMER Um exame de sangue simples pode ser capaz de diagnosticar a doença de Alzheimer. O anúncio é de investigadores dos EUA, numa descoberta que pode reforçar os mecanismos de detecção da doença. A doença, a forma de demência mais comum que existe, afecta pelo menos 26 milhões de pessoas a nível global.

Pulmonale quer apoiar doentes e famílias Associação ∑ Novo projecto lançado publicamente esta semana A Pulmonale – Associação de Luta Contra o Cancro do Pulmão, foi lançada publicamente na quarta-feira. Trata-se da primeira associação portuguesa dedicada ao apoio a todos os que directa ou indirectamente lidam com a doença oncológica. A Pulmonale visa ser uma associação para os doentes e pelos doentes com cancro do pulmão, “procurando combater o estigma que existe em torno desta doença e ajudar os que dela sofrem”. O cancro do pulmão é a quarta doença oncológica com maior taxa de incidência, depois do cancro da próstata, da mama e do cólon, sendo no entanto a

FRANCISCO CORTEZ VAZ MÉDICO ESPECIALISTA GINECOLOGIA-OBSTETRÍCIA DOENÇAS DA MAMA COLPOSCOPIA MESTRADO EM PATOLOGIA MAMÁRIA (Faculdade de Medicina da Universidade de Barcelona) CHEFE DE SERVIÇO HOSPITAL S. TEOTÓNIO - VISEU Consultas: Segunda a Quinta a partir das 14 horas

Rua D. António Alves Martins, 40-4ºE 3500-078 - Viseu • Tel/Fax: 232 441 127

Consultório:

DR

UNIDOSES PARA BREVE EM PORTUGAL

A Cancro do pulmão em quarto na taxa de incidência mais mortal. Em Portugal, os dados apontam para uma taxa de inci-

dência anual de 3500 novos casos de cancro do pulmão.

Medidas nos medicamentos baixaram despesa O “Novo Pacote do Medicamento”, em vigor desde Junho, permitiu que a taxa de aumento acumulado da despesa em medicamento voltasse a estar, em Julho, abaixo dos dois díg itos: 9 ,5 por cento. O “Novo Pacote do Medicamento” - refere o Ministério da Saúde - “veio contribuir para melhorar o acesso ao medicamento a quem dele necessita, em especial às pessoas com menos recursos económicos, tornar o sistema de comparticipação do Estado mais racional e eficiente e promover a generalização da utilização do medicamento genérico”. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde. Ana Jorge revelou também que a despesa com medicamento aumen-

tou, em Julho, em relação ao mês homólogo de 2009, 2,9 por cento. Ana Jorge acrescento u q u e , e m Ju n h o , quando entraram em vigor as primeiras medidas, a taxa de crescimento com a despesa em medicamento já tinha diminuído para metade em relação ao mês anterior. “Agora, com os dados do mês de Julho, esta diminuição passa para um terço. Isto é, de uma taxa de crescimento de 16,8 por cento em Maio, passámos para 7,7 por cento em Junho e 2,9 por cento em Julho”, acrescentou. A expectativa do Governo é continuar a baixar os encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e do utente com os medicamentos em ambulatório.


Jornal do Centro

SAÚDE 23

17 | Setembro | 2010

Na quarta-feira, dia 15 comemorou-se o Dia Mu ndia l do Li n foma , numa altura em que se ficou a saber que cerca de 89 por cento da população portuguesa desconhece a doença. O tumor maligno resu lta do cresci mento anormal de células do si stem a l i n fát ico. De acordo com a A sso ci aç ão Por t u g ue sa de Leucemias e Linfomas (APLL), anualmente surgem entre 1.500 e 1.700 novos casos desta doença, sendo considerada a quinta causa de morte relacionada com cancro nos homens e a sexta nas mulheres. Os sintomas do linfoma são pouco específicos, porque são comuns a um grande número de doenças, o que dificulta o diagnóstico inicial. O sintoma mais frequente é o aparecimento de um gânglio linfático aumentado de tamanho, que não causa dor e pode

DR

Linfoma é ainda um tumor desconhecido dos portugueses

A Dia Mundial do Linfoma comemora-se dia 15 estar localizado no pescoço, axilas ou virilhas. Outros sintomas que podem surgir são: suores intensos durante a noite, febre sem explicação, cansaço extremo e perda de peso inexplicável. O secretá r io de Estado da Saúde, Manuel Pizarro insiste, na importância da detecção precoce o que “faz toda

a diferença” e “é muito importante que as pessoas possam conhecer quais são os sintomas que permitem aventar a possibilidade de um linfoma”. Esta realidade alerta uma vez mais para a importância dos cuidados de saúde primários, para que as “pessoas tenham acesso fácil ao seu médico de família”.


Jornal do Centro

24 CLASSIFICADOS

17 | Setembro | 2010 RESTAURANTE O LEAL CONSSELHEIRO Chefe de Cozinha Zagallo. Folga Domingo à noite e Segunda-feira. Morada Quinta do Catavejo Lt. 44 Mundão, 3505-582 Viseu. Telefone 232 185 071. Observações 6ª a Domingo - Menu de degustação | 2ª a 5ª - Preço Fixo por pessoa. RESTAURANTE CACIMBO Especialidades Frango de Churrasco, Leitão à Bairrada. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua Alexandre Herculano, nº95, Viseu. Telefone 232 422 894 Observações Serviço Take-Away.

PENALVA DO CASTELO OTELHEIRO Especialidades Feijão de Espeto, Cabidela de Galinha, Arroz de Míscaros, Costelas em Vinha de Alhos. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Sangemil, Penalva do Castelo. Observações Sopa da Pedra ao fim-de-semana.

TONDELA

RESTAURANTES VISEU RESTAURANTE O MARTELO Especialidades Cabrito na Grelha, Bacalhau, Bife e Costeleta de Vitela. Folga Não tem. Morada Rua da Liberdade, nº 35, Falorca, 3500-534 Silgueiros. Telefone 232 958 884. Observações Vinhos Curral da Burra. RESTAURANTE BEIRÃO Especialidades Bife à Padeiro, Posta de Vitela à Beirão, Bacalhau à Casa, Bacalhau à Beirão, Açorda de Marisco. Folga Segunda-feira (excepto Verão). Preço médio refeição 12,50 euros. Morada Alto do Caçador, EN 16, 3500 Viseu. Telefone 232 478 481 Observações Aberto desde 1970. RESTAURANTE TIA IVA Especialidades Bacalhau à Tia Iva, Bacalhau à Dom Afonso, Polvo à Lagareiro, Picanha. Folga Domingo. Preço médio refeição 15 euros. Morada Rua Silva Gaio, nº 16, 3500-203 Viseu Telefone 232 428 761. Observações Refeições económicas ao almoço (2ª a 6ª feira) – 6,5 euros.

RESTAURANTE CLUBE CAÇADORES Especialidades Polvo à Lagareiro, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito Churrasco, Javali na Brasa c/ Arroz de Feijão, Arroz de Perdiz c/ Míscaros, Tarte de Perdiz, Bifes de Veado na Brasa. Folga Quarta-feira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Muna, Lordosa, 3515-775 Viseu. Telefone 232 450 401. Observações Reservas para grupos e outros eventos. SOLAR DO VERDE GAIO Especialidades Rodízio à Brasileira, Mariscos, Peixe Fresco. Folga Terça-feira. Morada Mundão, 3500-564 Viseu. www.solardoverdegaio.pt Telefone 232 440 145 Fax 232 451 402. E-mail geral@ solardoverdegaio.pt Observações Salão de Dança – Clube do Solar – Sextas, Sábados até às 03.00 horas. Aceita Multibanco. RESTAURANTE SANTA LUZIA Especialidades Filetes Polvo c/ Migas, Filetes de Espada com Arroz de Espigos, Cabrito à Padeiro, Arroz de Galo de Cabidela, Perdiz c/ Castanhas. Folga Segunda-feira. Morada EN 2, Campo, 3510-515 Viseu. Telefone 232 459 325. Observações Quinzena da Lampreia e do Sável, de 17 de Fevereiro a 5 de Março. “Abertos há mais de 30 Anos”.

RESTAURANTE O PERDIGUEIRO Especialidades Peixes Grelhados e ao Sal, Filetes de Polvo c/ Migas, Cabrito Assado à Padeiro. Folga Sábado. Morada Quinta do Galo, Lote B R/C Direito, 3500 Viseu. Telefone 232 461 805.Observações Aceita Multibanco.

PIAZZA DI ROMA Especialidades Cozinha Italiana (Pizzas, Massas, Carnes e Vinhos). Folga Domingo e segunda-feira ao almoço. Morada Rua da Prebenda, nº 37, 3500-173 Viseu Telefone 232 488 005. Observações Menu económico ao almoço.

RESTAURANTE PICANHA REAL Especialidades Rodízio de Picanha. Folga Domingo. Morada Bairro S. João da Carreira, Lote 1 R/C, Travassós de Cima, 3500-187 Viseu Telefone 232 186 386/7 - 917 038 215. Observações Refeições económicas ao almoço (2ª a 6ª feira).

RESTAURANTE A BUDÊGA Especialidades Picanha à Posta, Cabrito na Brasa, Polvo à Lagareiro. Acompanhamentos: Batata na Brasa, Arroz de Feijão, Batata a Murro. Folga Domingo. Preço médio por refeição 12,50 euros. Morada Rua Direita, nº 3, Santiago, 3500-057 Viseu. Telefone 232 449 600. Observações Vinhos da Região e outros; Aberto até às 02.00 horas.

RESTAURANTE O VISO Especialidades Cozinha Caseira, Peixes Frescos, Grelhados no Carvão. Folga Sábado. Morada Alto do Viso, Lote 1 R/C Posterior, 3500-004 Viseu. Telefone 232 424 687. Observações Aceitamse reservas para grupos. RESTAURANTE MAJOAL Especialidades Arroz de Pato, Bacalhau c/ Natas, Grelhados, Frango de Churrasco. Folga Segundafeira. Morada Avenida Capitão Silva Pereira, 3500-208 Viseu. Telefone: 232 431 891 - 964 043 709. CORTIÇO Especialidades Bacalhau Podre, Polvo Frito Tenrinho como Manteiga, Arroz de Carqueja, Cabrito Assado à Pastor, Rojões c/ Morcela como fazem nas Aldeias, Feijocas à maneira da criada do Sr. Abade. Folga Não tem. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Rua Augusto Hilário, nº 45, 3500-089 Viseu. Telefone 232 423 853 – 919 883 877. Observações Aceitam-se reservas; Takeway. RESTAURANTE O CAMBALRO Especialidades Camarão, Francesinhas, Feijoada de Marisco. Folga Não tem. Morada Estrada da Ramalhosa, nº 14, Rio de Loba, 3500825 Viseu. Telefone 232 448 173. Observações Prato do dia - 5 euros. RESTAURANTEPORTASDOSOL Especialidades Arroz de Pato com Pinhões, Catalana de Peixe e Carne, Carnes de Porco Preto, Carnes Grelhadas com Migas. Folga Domingo à noite e Segunda-feira. Morada Urbanização Vilabeira Repeses - Viseu. Telefone 232 431 792. Observações Refeições para grupos com marcação prévia. TORRE DI PIZZA Especialidades Pizzas, Massas, Carnes. Folga Segunda-feira. Morada Avenida Cidade de Aveiro, Lote 16, 3510-720 Viseu. Telefone 232 429 181 – 965 446 688. Observações Menu económico ao almoço – 4,90 euros.

COMPANHIA DA CERVEJA Especialidades Bifes c/ Molhos Variados, Francesinhas, Saladas Variadas, Petiscos. Folga Terçafeira. Preço médio refeição 8,50 euros. Morada Quinta da Ramalhosa, Rio de Loba (Junto à SubEstação Eléctrica do Viso Norte), 3505-570 Viseu Telefone 232 184 637 - 962 723 772. Observações Cervejaria c/amplo espaço (120 lugares), fácil estacionamento, acesso gratuito à internet. RESTAURANTE D. INÊS Especialidades Pratos económicos de Carne e Peixe. Folga Domingo. Preço médio refeição 5 euros. Morada Rua Serpa Pinto, nº 54, 3500 Viseu Telefone 232 428 837 – 232 184 900. QUINTA DO GALO CERVEJARIAS Especialidades Grelhados de Peixe e Carne. Folga Domingo. Morada Quinta do Galo, Lt3 | Bairro Stª Eugénia, Lt21, Viseu. Telefone 232 461 790 Observações Aberto até às 2h00. O CANTINHO DO TITO Especialidades Cozinha Tradicional, Petiscos. Folga Domingo. Morada Rua Mário Pais da Costa, nº 10, Lote 10 R/C Dto., Abraveses, 3515-174 Viseu. Telefone 232 187 231 – 962 850 771. RESTAURANTEBELOSCOMERES(ROYAL) Especialidades Restaurantes Marisqueiras. Folga Não tem. Morada Cabanões; Rua da Paz, nº 1, 3500 Viseu; Santiago. Telefone 232 460 712 – 232 468 448 – 967 223 234. Observações Casamentos, baptizados, convívios, grupos. TELHEIRO DO MILÉNIO QUINTA FONTINHA DA PEDRA Especialidades Grelhados c/ Churrasqueira na Sala, (Ao Domingo) Cabrito e Aba Assada em Forno de Lenha. Folga Sábados (excepto para casamentos, baptizados e outros eventos) e Domingos à noite. Morada Rua Principal, nº 49, Moure de Madalena, 3515016 Viseu. Telefone 232 452 955 – 965 148 341.

EÇA DE QUEIRÓS Especialidades Francesinhas, Bifes, Pitas, Petiscos. Folga Não tem. Preço médio refeição 5,00 euros. Morada Rua Eça de Queirós, 10 Lt 12 - Viseu (Junto à Loja do Cidadão). Telefone 232 185 851. Observações Take-away. GREENS RESTAURANTE Especialidades Toda a variedade de prato. Folga Não tem. Preço médio refeição Desde 2,50 euros. Morada Fórum Viseu, 3500 Viseu. Observações www.greensrestaurante.com MAIONESE Especialidades Hamburguers, Saladas, Francesinhas, Tostas, Sandes Variadas. Folga Não tem. Preço médio refeição 4,50 euros. Morada Rua de Santo António, 59-B, 3500-693 Viseu (Junto à Estrada Nacional 2). Telefone 232 185 959. RESTAURANTEROSSIOPARQUE Especialidades Medalhão de Vitela p/ duas pessoas 800g Pura Alcatra, Bacalhau à Casa, Massa c/ Bacalhau c/Ovos Escalfados, Corvina Grelhada; Acompanhamentos: Migas, Feijão Verde, Batata a Murro. Folga Sábado à Noite e Domingo. Morada Rua Soar de Cima, nº 55 (Junto ao Jardim das Mães – Rossio), 3500-211 Viseu. Telefone 232 422 085. Observações Refeições económicas (2ª a 6ª feira) – sopa, bebida, prato e sobremesa ou café – 6 euros. FORNODAMIMI Especialidades Assados em Forno de Lenha, Grelhados e Recheados (Cabrito, Leitão, Bacalhau). Folga Não tem. Preço médio por refeição 14 euros. Morada Estrada Nacional 2, Vermum Campo, 3510-512 Viseu. Telefone 232 452 555. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. QUINTADAMAGARENHA Especialidades Lombinho Pescada c/ Molho de Marisco, Cabrito à Padeiro, Nacos no Churrasco. Folga Domingo ao jantar e Segunda-feira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Nó 20 A25, Fragosela, 3505-577 Viseu. Telefone 232 479 106 – 232 471 109. Fax 232 479 422. Observações Parque; Serviço de Casamentos. CHURRASQUEIRARESTAURANTESTºANTÓNIO Especialidades Bacalhau à Lagareiro, Borreguinho na Brasa, Bacalhau à Brás, Açorda de Marisco, Açorda de Marisco, Arroz de Lampreia. Folga Quarta. Morada Largo Mouzinho de ALbuquerque (Largo Soldado Desconhecido). Telefone 232 436 894. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes, Festas. RODÍZIOREAL Especialidades Rodízio à Brasileira. Folga Não tem. Preço médio por refeição 19 euros. Morada Repeses, 3500-693 Viseu. Telefone 232 422 232. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. RESTAURANTEOPOVIDAL Especialidades Arroz de Pato, Grelhados. Folga Domingo. Morada Bairro S. João da Carreira Lt9 1ª Fase, Viseu. Telefone 232 284421. Observações Jantares de grupo. RESTAURANTEACOCHEIRA Especialidades Bacalhau Roto, Medalões c/ Arroz de Carqueija. Folga Domingo à noite. Morada Rua do Gonçalinho, 84, 3500-001 Viseu. Telefone 232 437 571. Observações Refeições económicas ao almoço durante a semana.

RESTAURANTE BAR O PASSADIÇO Especialidades Cozinha Tradicional e Regional Portuguesa. Folga Domingo depois do almoço e Segunda-feira. Morada Largo Dr. Cândido de Figueiredo, nº 1, Lobão da Beira, 3460-201 Tondela. Telefone 232 823 089. Fax 232 823 090 Observações Noite de Fados todas as primeiras Sextas de cada mês. RESTAURANTE PONTO DE ENCONTRO Especialidades Grelhada Mista do Oceanos, Grelhada à Ponto de Encontro, Bacalhau c/ Natas, Bife à Ponto de Encontro. Folga Sábado. Morada Avenida do Salgueiral, nº 3, Fojo, Molelos, 3460211 Tondela. Telefone 232 812 867. Observações Casamentos, Baptizados e outros eventos; Refeições económicas (Almoço – 2ª a 6ª feira) – 5 e 6 euros. RESTAURANTE SANTA MARIA Especialidades Cozido à Portuguesa, Picanha, Borrego Estufado, Bacalhau Santa Maria. Folga Quarta-Feira. Preço médio por refeição Desde 6,50 euros. Morada Avenida da Igreja, nº 989, Canas de Santa Maria, 3460-012 Tondela. Telefone 232 842 135. Observações Refeições económicas c/ tudo incluído – 6,50 euros; Refeições p/ fora – 5,50 euros. RESTAURANTE S. BARNABÉ Especialidades Chanfanas, Comida Italiana, Cozinha Tradicional, Arroz de Polvo c/ Gambas Morada Rua dos Bombeiros Voluntários, nº80 - 3460-572 Tondela Telemóvel 969 723 146. Observações Comida para fora. STAURANTE PRATO D’OURO Especialidades Cozinha Regional Morada EN 2, 1189 Adiça 3460-321 Tondela Telefone 232 816 537. Observações Refeições Económicas (2ª a 6ª feira), Refeições p/ fora.

SÃO PEDRO DO SUL RESTAURANTE QUINTA DO MARQUÊS Especialidades Bacalhau c/ Natas, Rojões à Beirão, Vitela à Lafões, Tiramisú. Folga Domingo (Dezembro a Junho). Preço médio por refeição 10 euros. Morada Galerias Quinta do Marquês, 2º Piso, Fracção Z (junto ao Pav. Desportivo Municipal e Piscinas), 3660 S. Pedro do Sul. Telefone 232 723 815. Observações Refeições económicas (2ª a 6ª feira). RESTAURANTE O CAMPONÊS Especialidades Nacos de Vitela Grelhados c/ Arroz de Feijão, Vitela à Manhouce (Domingos e Feriados), Filetes de Polvo c/ Migas, Cabrito Grelhado c/ Arroz de Miúdos, Arroz de Vinha d´Alhos. Folga Quarta-feira. Preço médio por refeição 12 euros. Morada Praça da República, nº 15 (junto à Praça de Táxis), 3660 S. Pedro do Sul. Telefone 232 711 106 – 964 135 709.

SANTA COMBA DÃO RESTAURANTE TÍPICO O PEDRO Especialidades Mariscos, Grelhados e Pratos Regionais. Paelha, Camarão À Pedro, Arroz de Marisco, Bacalhau Zé Pipo, Carne Porco Alentejana, Naco, Cabrito, Cabidela de Galo. Folga Não tem. Morada Rua Principal, nº 11 A, 3440465 São João de Areias. Telefone 232 891 577 – 964 262 750. Observações Casamentos, Baptizados, Grupos; Espaço Verde.

OLIVEIRA DE FRADES OS LAFONENSES – CHURRASQUEIRA Especialidades Vitela à Lafões, Bacalhau à Lagareiro, Bacalhau à Casa, Bife de Vaca à Casa. Folga Sábado (excepto Verão). Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua D. Maria II, nº 2, 3680-132 Oliveira de Frades. Telefone 232 762 259 – 965 118 803. Observações Leitão por encomenda.

NELAS RESTAURANTE QUINTA DO CASTELO Especialidades Bacalhau c/ Broa, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito à Padeiro, Entrecosto Vinha de Alhos c/ Arroz de Feijão. Folga Sábado (excepto p/ grupos c/ reserva prévia). Preço médio refeição 15 euros. Morada Quinta do Castelo, Zona Industrial de Nelas, 3520-095 Nelas. Telefone 232 944 642 – 963 055 906. Observações Prova de Vinhos “Quinta do Castelo”.

VOUZELA RESTAURANTE O REGALINHO Especialidades Grelhada Mista, Naco de Vitela na Brasa c/ Arroz de Feijão, Vitela e Cabrito no Forno, Migas de Bacalhau, Polvo e Bacalhau à Lagareiro. Folga Domingo. Preço médio refeição 10 euros. Morada Rua Teles Loureiro, nº 18 Vouzela. Telefone 232 771 220. Observações Sugestões do dia 7 euros. TABERNA DO LAVRADOR Especialidades Vitela à Lafões Feita no Forno de Lenha, Entrecosto com Migas, Cabrito Acompanhado c/ Arroz de Cabriteiro, Polvo Grelhado c/ batata a Murro. Folga 2ª Feira ao jantar e 3ª todo o dia. Preço médio refeição 12 euros. Morada Lugar da Igreja - Cambra - Vouzela. Telefone 232 778 111 917 463 656. Observações Jantares de Grupo. RESTAURANTE EIRA DA BICA Especialidades Vitela e Cabrito Assado no Forno e Grelhado. Folga 2ª Feira. Preço médio refeição 15 euros. Morada Casa da Bica - Touça - Paços de Vilharigues - Vouzela. Telefone 232 771 343. Observações Casamentos e Baptizado. www.eiradabica.com

FÁTIMA RESTAURANTE SANTA RITA Especialidades Bacalhau Espiritual, Bacalhau com camarão, Bacalhau Nove Ilhas, Bife de Atum, Alcatra, Linguiça do Pico, Secretos Porco Preto, Vitela. Folga Quarta-feira. Preço médio refeição 10 euros. Morada R. Rainha Santa Isabel, em frente ao Hotel Cinquentenário, 2495 Fátima. Telefone 249 098 041 / 919 822 288 Observações http:// santarita.no.comunidades.net; Aceita grupos, com a apresentação do Jornal do Centro 5% desconto no total da factura.

ADVOGADOS VISEU

ANTÓNIO PEREIRA DO AIDO Morada Rua Formosa, nº 7 – 1º, 3500135 Viseu. Telefone 232 432 588 Fax 232 432 560 CARLA DE ALBUQUERQUE MENDES Morada Rua da Vitória, nº 7 – 1º, 3500-222 Viseu Telefone 232 458 029 Fax 232 458 029 Fax 966 860 580 MARIA DE FÁTIMA ALMEIDA Morada Rua Miguel Bombarda, nº 37 – 1º Esq. Sala G, 3510-089 Viseu Telefone 232 425 142 Fax 232 425 648

ANTÓNIO M. MENDES Morada Rua Chão de Mestre, nº 48, 1º Dto., 3500-113 Viseu Telefone 232 100 626 Email antonio.m.mendes3715c@adv.oa.pt ARNALDO FIGUEIREDO E FIRMINO MENESES FERNANDES Morada Av. Alberto Sampaio, nº 135 – 1º, 3510-031 Viseu Telefone 232 431 522 Fax 232 431 522 Email a-figueiredo@iol.pt e firminof@iol.pt MARQUES GARCIA Morada Av. Dr. António José de Almeida, nº 218 – C.C.S. Mateus, 4º, sala 15, 3514-504 Viseu Telefone 232 426 830 Fax 232 426 830 Email marques.garcia-3403c@advogados. oa.pt FILIPE FIGUEIREDO Morada Rua Conselheiro Afonso de Melo, nº 31 – 5º, sala 502, 3510024 Viseu Telefone 232 441 235 Telemóvel 964 868 473 Email filipe.figueiredo-5153c@adv.oa.pt FABS – SOCIEDADE DE ADVOGADOS – RENATO FERNANDES, JOÃO LUÍS ANTUNES, PAULO BENFEITO Morada Av. Infante D. Henrique, nº 18 – 2º, 3510-070 Viseu Telefone 232 424 100 Fax 232 423 495 Email fabs.advogados@netvisao.pt JOÃO NETO SANTOS Morada Rua Formosa, nº 20 – 2º, 3500134 Viseu Telefone 232 426 753 CONCEIÇÃO NEVES E MICAELA FERREIRA – ADVOGADAS Morada Av. Dr. António José de Almeida, 264 – Forum Viseu [NOVAS I NS TA L AÇÕE S], 3510 - 0 43 Viseu Telefone 232 421 225 Fax 232 426 454 BRUNO DE SOUSA Esc. 1 Morada Rua D. António Alves Martins Nº 40 2ºE 3500-078 VISEU Telefone 232 104 513 Fax 232 441 333 Esc. 2 Morada Edifício Guilherme Pereira Roldão, Rua Vieira de Leiria N º14 2430 - 30 0 Ma r i n ha Gra nde Telefone 244 110 323 Fax 244 697 164 Tlm. 917 714 886 Áreas preferenciais Crime | Fiscal | Empresas

MANGUALDE

JOSÉ MIGUEL MARQUES Morada Rua 1º de Maio, nº 12 – 1º Dto., 3530-139 Mangualde Telefone 232 611 251 Fax 232 105 107 Telemóvel 966 762 816 Email jmiguelmarques4881c@adv.oa.pt JOSÉ ALMEIDA GONÇALVES Morada Rua Dr. Sebastião Alcântara, nº 7 – 1º B/2, 3530-206 Mangualde Telefone 232 613 415 Fax 232 613 415 Telemóvel 938 512 418 Email jose.almeida.goncalves-14291l@adv. oa.pt

NELAS

JOSÉ BORGES DA SILVA, ISABEL CRISTINA GONÇALVES E ELIANA LOPES Morada Rua da Botica, nº 1, 1º Esq., 3520-041 Nelas Telefone 232 949 994 Fax 232 944 456 Email j.Borges. silva@mail.telepac.pt

IMOBILIÁRIO VENDE-SE

CATARINA DE AZEVEDO

Morada Largo General Humberto

Delgado, nº 1 – 3º Dto. Sala D, 3500139 Viseu Telefone 232 435 465 Fax 232 435 465 Telemóvel 917 914 134 Email catarina-azevedo5275c@adv.oa.pt CARLA MARIA BERNARDES

Morada Rua Conselheiro Afonso de

Melo, nº 39 – 2º Dto., 3510-024 Viseu

Telefone 232 431 005

JOÃO PAULO SOUSA

Pizzaria óptima localização, bem equipada, excelente clientela. Bom preço. T. 919 318 355

Precisa-se de empregada (dos 29 aos 55 anos) para acompanhar um casal.

M o r a d a L g. Genera l Humber to

Delgado, 14 – 2º, 3500-139 Viseu Telefone 232 422 666

Contacto: 925 320 319

HERMÍNIO MODESTO Morada Av. Dr. António José de Almeida, nº275 - 1º Esquerdo - 3510047 Viseu Telefone/Fax 232 468 295 JOÃO MARTINS M o r a d a R ua D. A ntón io A lves Martins, nº 40 – 1º A, 3500-078 Viseu Telefone 232 432 497 Fax 232 432 498

Empresa de Viseu, procura Designer, full time, com o seguinte Perfil:

ANA PAULA MADEIRA Morada Rua D. Francisco Alexandre Lobo, 59 – 1º DF, 3500-071 Viseu Telefone 232 426 664 Fax 232 426 664 Telemóvel 965 054 566 Email anapaula.madeira@sapo.pt MANUEL PACHECO Morada Rua Alves Martins, nº 10 – 1º, 3500-078 Viseu Telefone 232 426 917 PAULO DE ALMEIDA LOPES Morada Travessa da Balsa, nº 21 3510-051 Viseu Telefone 232 432 209 Fax 232 432 208 Email palopes4765c@adv.oa.pt

DESIGNER

Responsável, pro-activo, capaz de trabalhar em grupo e sob pressão; Carta de Condução Domínio Informático: Office; Corel Draw; Photoshop; Freehand e Indesign. Contactos para envio de Curriculum Vitae: Email: designerviseu@gmail.com


Jornal do Centro

CLASSIFICADOS | INSTITUCIONAIS 25

17 | Setembro | 2010 Casa antiga p/ restauro c/ cave - área coberta 131m2 + 195m2 de logradouro, no centro de Silgueiros. T. 917 239 296 / 962 309 454

IMOBILIÁRIO ARRENDA-SE

Escritório no centro da cidade, 275€ T. 232 098 416 / 960 050 949

2 Escritórios com Wc, 300€. T. 232 098 416 / 960 050 949 Loja. 100 m2,2 frentes. Bem localizada.700,00€ T. 962 376 769 Andar Moradia(tipo T2). Cozinha C/ móveis e esquentador. 250,00€ (AMI 8117) T. 232 410 390

Moradia Isolada (centro cidade). 4 frentes,2 quartos,escritório. 3 W.c’s, varandas, lavandaria. aquecimento central. 500,00€(AMI 8117) T. 232 410 390

IMOBILIÁRIO

TRESPASSA-SE Café / Bar em Viseu. Casa feita com clientes. Boa zona de Viseu. Dá-se informações pelo tlm n.º 917 876 234 Restaurante. Excelente negócio. Óptima localização. Bom preço. (AMI 8117) T. 232 410 390

EMPREGO PRECISA-SE Crianças e jovens modelos fotográficos e passerelle. T. 915 363 552 / 967 248 682

Admite-se: EMPREGADOS/AS BALCÃO PARA

VISEU

´


Jornal do Centro

26 NECROLOGIA | INSTITUCIONAIS

17 | Setembro | 2010

1ª Publicação 1ª Publicação

Bernardino dos Anjos da Costa, 74 anos, casado. Natural de Viseu e residente em Paradinha. O funeral realizou-se no dia 7 de Setembro para o cemitério de Paradinha.

de Fráguas e residente na Fundação Mariana Seixas, em Viseu. O funeral realizou-se no dia 11 de Setembro, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Mosteiro de Fráguas.

José Caetano da Costa, 68 anos, casado. Natural e residente em S. Salvador. O funeral realizou-se no dia 9 de Setembro para o cemitério local.

Armindo Lourenço, 92 anos, viúvo. Natural de Fataunços e residente em Gumirães. O funeral realizou-se no dia 13 de Setembro, pelas 11.30 horas, para o cemitério de Queirã.

José Augusto da Silva Mendes, 56 anos, casado. Natural de Amarante e residente em Viseu. O funeral realizou-se no dia 14 de Setembro para o cemitério novo de Viseu.

Antónia de Jesus Soares Rodrigues, 81 anos, viúva. Natural e residente em Ranhados. O funeral realizou-se no dia 15 de Setembro, pelas 16.00 horas, para o cemitério velho de Ranhados.

Agência Funerária Balula, Lda. Viseu Tel. 232 437 268 Adelino de Almeida Correia, 81 anos, casado. Natural e residente em Povolide. O funeral realizou-se no dia 11 de Setembro, pelas 15.30 horas, para o cemitério local. Adriano de Nascimento, 80 anos, casado. Natural de Vila Nova de Foz Côa e residente em Vouzela. O funeral realizou-se no dia 11 de Setembro, pelas 16.00 horas, para o cemitério novo de Viseu. Maria Celeste Monteiro de Almeida, 81 anos, viúva. Natural de Mosteiro

Armando Martins, 86 anos, viúvo. Natural de S. Miguel de Vila Boa e residente na Fundação Mariana Seixas, em Viseu. O funeral realizou-se no dia 16 de Setembro, pelas 17.30 horas, para o cemitério de S. Pedro de France. Ana Isabel da Costa Pais, 27 anos, solteira. Natural de Orgens e residente em S. Martinho de Orgens. O funeral realizou-se no dia 16 de Setembro, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Orgens. Ag. Fun. Decorativa Viseense, Lda. Viseu Tel. 232 423 131

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010) 1ª Publicação

1ª Publicação

1ª Publicação

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)

2ª Publicação

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010) 1ª Publicação

1ª Publicação

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)

(Jornal do Centro - N.º 444 de 17.09.2010)


Jornal do Centro

clubedoleitor CARTA DA SEMANA

27

DEscreva-nos para:

17 | Setembro | 2010

Jornal do Centro - Clube do Leitor, Bairro S. João da Carreira, Rua Dona Maria Gracinda Torres Vasconcelos, Lt 10, r/c . 3500 -187 Viseu. Ou então use o email: redaccao@jornaldocentro.pt As cartas, fotos ou artigos remetidos a esta secção, incluindo as enviadas por e-mail, devem vir identificadas com o nome e contacto do autor. O semanário Jornal do Centro reserva-se o direito de seleccionar e eventualmente reduzir os originais. Não se devolvem os originais dos textos, nem fotos.

Mais acerca de Abel Varzim (resposta a uma réplica) As férias de Verão transformam várias situações e alteram muitas outras, conforme as circunstâncias. Ora o escrito do senhor Manuel Maria Azevedo Mourão ficou várias semanas sem ser lido por mim. O padre doutor empregou a palavra “Libertador” referindo-se aos trabalhadores da indústria como aos trabalhadores do campo. Mas a “escravidão” e “libertação”levar-nosia muito longe e o tempo escasseia. É melhor darmos a palavra ao próprio autor porque assim não haverá lugar para equívocos. Eis algumas lições que nos deixou: “Aprendei economia. Como educar os filhos. A criança e o direito a ser feliz.

Operário ergue a tua fronte! As enfermeiras nos hospitais - celibato forçado. A defesa do salário dos trabalhadores. A grande missão da classe operária. A tremenda injustiça de se legislar em favor da diminuição da natalidade. O sentido social das riquezas”. Referindo-se ao início da degradação da classe operária escreveu: “O capitalismo liberal reduziu o povo ao proletariado, com todas as misérias que o acompanha: Multidão de trabalhadores sem lar, sem pão, sem futuro. Mas tudo isto não é nada em comparação com outro crime maior e mais grave que o capitalismo liberal cometeu: a escravidão do espírito!”.

Lê-de a História do Século XIX, história económica e social do liberalismo, e vereis a escravização mais completa que existiu depois da escravatura. Por isso a sua maior preocupação era libertar o operário da sua alma de escravo. Alma de escravo tem-na aquele que só anda a “chicote”, que não trabalha senão sob o olhar vigilante do patrão. Alma de escravo tem-na aquele que, apanhandose a mandar nos outros, se faz seu carrasco, pior que o pior dos patrões. (...) Esta era a orientação clara de Abel Varzim. Não critica apenas os erros e a opressão da grande economia, do liberalismo capitalista, como orienta os deveres cívicos e morais dos trabalhado-

res numa metodologia clara e incisiva. Depois de os advertir (trabalhadores) a dedicarem os tempos de folga para ler, para estudar, para reflectir, a fim de se tomarem melhores profissionais e homens de bom nível social, termina de modo veemente: “Se assim não fizerem, muito mal irá para todos. Ou pensam os trabalhadores que é a berrar muito alto, a dizer mal dos patrões e do Governo se produz mais, se obtém melhor distribuição de riqueza, se prepara uma melhor sociedade em que todos ansiamos viver se obtém melhor distribuição de riqueza?” Mário Mendes Rosa

GENTE DA NOSSA TERRA > MARIA TERESA LENCASTRE DE MELLO, CONDESSA DE SANTAR CANTINHODOANIMAL | ADOPÇÕES

Raquel Rodrigues

Apaixonada e uma eterna defensora e apreciadora do vinho produzido na região do Dão, Maria Teresa Lencastre de Mello, Condessa de Santar, é a proprietária da conceituada e conhecida Casa de Santar, localizada naquela localidade do concelho de Nelas. Na família há 13 gerações, a Casa de Santar é um solar do século XVII e XVIII rodeado por jardins de sebes, buxos e labirintos de flores. Ao lado as adegas da sociedade, onde se produzem vinhos de elevada qualidade, numa estrutura com um peso histórico de 400 anos. Membro da Confraria do Vinho do Dão, Maria Teresa Lencastre de Mello foi recentemente homenageada pela Comissão Vitivinícola Regional do Dão, que não quis deixar passar em branco o papel disseminador que esta mulher tem assumido no que concerne a levar o nome do Dão alémfronteiras.

CANTINHO DOS ANIMAIS ABANDONADOS DE VISEU • RIO DE LOBA • 232 449 934

Fêmea podenga, com cerca de cinco meses. É uma cadela muito pequena, ideal para viver em apartamento. Está desparasitada e vacinada. Será esterilizada aos sete meses. Muito meiga e inteligente.

FOTO DA SEMANA

Esta rúbrica está aberta à participação dos leitores. Submeta a sua denúncia para redaccao@jornaldocentro.pt

Não basta a ministra Isabel Alçada colocar um vídeo no sítio da internet do Ministério da Educação a desejar as boas vindas ao novo ano lectivo e a recordar as regras básicas na escola e fora dela. É importante que, localmente, cada representante institucional o faça no terreno. Esta semana aconteceu em Viseu. Às 08h00, o governador Civil, Miguel Ginestal juntou-se ao comandante da GNR, Eduardo Seixas e a uma patrulha do Núcleo Escola Segura da Guarda Nacional Republicana, à porta da Escola EB 2, 3 do Viso a sensibilizar alunos e encarregados de educação para um “Regresso às aulas em segurança”. Distribuíram panfletos com regras e conselhos, e conservaram com os alunos durante uma hora. Alguns estão bem informados, mas outros comprovam que o trabalho no terreno tem que continuar a ser feito.

Fêmea, com cerca de três meses. É uma cadela de porte médio, vacinada e desparasitada. Será esterilizada aos sete meses. Muito meiga e a precisar urgentemente de dono.

Macho, com cerca de três meses. É um cão de porte médio, vacinado e desparasitado. Será castrado aos sete meses. Muito meigo e carinhoso, a precisar de muito amor.


tempo: chuva fraca

JORNAL DO CENTRO 17 | SETEMBRO | 2010

Hoje, dia 17 de Setembro, chuva fraca. Temperatura máxima de 23ºC e mínima de 13ºC. Amanhã, dia 18 de Setembro, chuva e possibilidade de trovoada. Temperatura máxima de 23ºC e mínima de 10ºC. Domingo, dia 19 de Setembro, possibilidade de trovoada. Temperatura máxima de 27ºC e mínima de 13ºC. Segunda, dia 20 de Setembro, chuva fraca. Temperatura máxima de 25ºC e mínima de 10ºC.

Impresso em papel que incorpora 30 por cento de fibra reciclada, com tinta ecológica de base vegetal

Olho de Gato

agenda

http://twitter.com/olhodegato

Sexta, 17 Viseu

Presidenciais (#1)

∑ Entrega de comparticipações financeiras no âmbito do programa Prohabit 2010, no Solar do Dão, às 15h30.

Joaquim Alexandre Rodrigues joaquim.alexandre.rodrigues@netvisao.pt

Sábado, 18 ∑ Percurso pela Rota da Laje (Ranhados), com concentração ás 16h30, no largo junto à igreja paroquial.

Dão TV

Viseu

A Oito cidades portuguesas proporcionam espectáculos únicos

Paulo Ribeiro com nova estreia no Viriato

∑ Inauguração da exposição “Linguagem e Experiência”, obras da colecção da Caixa Geral de depósitos, às 18h00, no Museu Grão Vasco.

Dança ∑ Paisagens... “onde o negro é cor” em palco sexta e sábado Em jeito de dedicatórias a oito cidades portuguesas, o coreografo Paulo Ribeiro criou “Paisagens … onde o negro é cor”. A estreia absoluta acontece esta sexta-feira e sábado no teatro Viriato, em Viseu percorrendo depois as restantes cidades. A nova criação do coreógrafo Paulo Ribeiro surge do projecto Dedicatórias, assente na ideia comum de homenagear cidades portuguesas através de solos coreográficos. “Oito cidades portuguesas e uma ideia comum: fazer uma dedicatória a cada um dos espaços urbanos a partir dos seus teatros ou de um dos seus espaços culturais, como forma de homenagear as cidades que inspiram os

∑ Encontro anual da Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Viseu, às 10h00. ∑ Montra Viva de Pintura Manual, no Palácio do Gelo, até domingo. A iniciativa promovida pela Vista Alegre Atlantis vai recriar um ambiente de um atelier da fábrica de Ilhavo. Seia

∑ Espectáculo de tangos argentinos “O Puro Tango”, às 21h45, na Casa da Cultura. Tondela

∑ Espectáculo de Rita Guerra, às 23h00, na Ficton.

Domingo, 19

constante, em que está sempre a fervilhar alguma coisa”. E porque “o solo aparece quando mais nada sobressai em palco”, demonstrando que todas as cidades têm o seu lado bom e belo, “cada espectáculo será único. Ao alterar o solo único, obriga a alterar um pouco a ordem do que está para trás”, acrescentou o coreografo. Comaconcepção,coreografia e direcção de Paulo Ribeiro “Paisagens… onde o negro é cor” conta com a interpretação de Eliana Campos, Leonor Keil, Rita Omar, Gonçalo Lobato, Peter Michael Dietz e Romulus Neagu. Emília Amaral

república viu a sua recandidatura muito facilitada quando Alegre e Louçã impuseram a tenaz do facto consumado a Sócrates e ao PS. Manuel Alegre não é nem carne nem peixe. Até já deixou cair uma das suas poucas bandeiras interessantes: a luta contra a corrupção e contra o conúbio entre a política e os negócios. 2. Na minha última intervenção política de fundo no PS, em 1 de Novembro de 2008, apresentei argumentos contra as candidaturas únicas que fazem da vida partidária um ritual albanês. É mau para o PS-Viseu João Azevedo ficar sozinho na corrida à liderança distrital. Mas Miguel Ginestal, o outro “delf im” de José Junqueiro, ficou sem condições para ir a jogo à distrital, depois de ter eucaliptado o PS-concelhio nas últimas eleições à câmara de Viseu. Resta aos militantes do PS esperarem que João Azevedo leve para a distrital a mesma boa qualidade do trabalho que está a fazer na câmara de Mangualde.

Passos Coelho passa o fim-de-semana em Viseu

Vouzela

∑ Inauguração do Parque Desportivo das Chãs, às 14h30.

Nuno Ferreira

Viseu

∑ 48º Grande Prémio de Atletismo Feira de S. Mateus, às 10h00, com partida do Estádio do Fontelo.

intérpretes a criar curtos solos”, destaca a apresentação do espectáculo. O resultado final é uma cartografia dançada sobre a identidade e a geografia sentimental dos oito espaços lusos: Viseu, Lisboa, Porto, Coimbra, Guimarães, Torres Novas, Torres Vedras, e Ponta Delgada (Açores). Paulo Ribeiro explicou durante o ensaio aberto à comunicação social, que, juntamente com os intérpretes, percorreram as oito cidades interiorizando dessa forma uma visão sobre os seus locais, evitando construir uma peça que fosse apenas um amontoado de solos: “O que quis fazer foi ter uma espécie de peça construída no seu todo,

1. O parlamento já não pode ser dissolvido este ano. Vamos ver o que vai acontecer no outono de 2011 quando se debater o orça mento de 201 2 . Para além do déf ice crónico do estado, na altura vai-se também ver se há por cá, ou não, um défice crónico de “cojones”. (Sarah Palin, esse exemplo de chá na política americana, tem os direitos de autor desta expressão). As próximas eleições em Portugal vão ser as presidenciais. Data provável: 23 de Janeiro. Faltam quatro meses. Cavaco Silva parece em boa forma, desdizendo os rumores acerca da sua condição de saúde. A condecoração que recebeu de Bento XVI pôs um penso na ferida aberta à direita com a promulgação do casamento gay. Fer n a ndo Nobre , um homem bom, talvez seja o único capaz de roubar alguns votos a Cavaco – o principal objectivo estratégico da esquerda na primeira volta. Só que, apesar de ter feito um mau mandato, o presidente da

Viseu, Lamego e São João das Pesqueira foram os concelhos escolhidos pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, para uma visita de dois dias ao distrito de Viseu. Mais uma vez com a área social em agenda no distrito, o líder do PSD começa o périplo com uma visita à Feira de São Mateus, no sábado, dia 18. No domingo, o dia ar-

ranca com uma visita ao Lar/Escola Santo António, que nesta altura recebe rapazes vítimas de exclusão social. Uma hora depois estará na Santa Casa da Misericórdia de Viseu, de onde partirá para um almoço com autarcas do distrito, em Lamego. Em São João da Pesqueiro, Passos Coelho tem previsto um encontro com

viticultores do Douro, certamente para levar consigo pormenores das vindimas deste ano, numa das regiões demarcadas mais importantes do país. De acordo com dirigentes locais do partido, o convívio com os viticultores prende-se com a importância que Passos Coelho quer dar à agricultura em todo o país. EA

Jornal do Centro - Ed444  

Jornal do Centro - Ed444