Issuu on Google+

Distribuído com o Expresso. Venda interdita.

Nesta edição Suplemento Emprego e Formação e Suplemento Wall Street Institute

UM JORNAL COMPLETO pág. 02 pág. 06 pág. 08 pág. 10 pág. 15 pág. 17 pág. 18 pág. 20 pág. 22 pág. 24 pág. 26 pág. 27

WALL STREET INSTITUTE WAL Rodrigues Textos: Raquel Rebelo Grafismo: Marcos

ento suplem ego

Empr ação 2010 e Form gias Tecnolo as e Sistem ção ma de Infor E DO

.

INTEGRANT ENTE O É PARTE SEPARADAM

ESTE SUPLEMENT SER VENDIDO E NÃO

PODE

SEMANÁRIO

JORNAL

AIO DE

, EDIÇÃO

ENTRO DO C

428 DE

28 DE M

2010

ANIV A NIV IVERSÁRIO A Aprende pre rren en

r inglês de forma natural

O n nos osso o obje b j e c ti tivo i vo é q que ue o a luno a p re nda inglês inglê ês d O m é t o d o Wa l l S t definitivamente e fin fi n itt ivva v a m e n te e d de reet Institute tem e uma forma natural. s i d o casa, no trabalho Para o co constantemente melhorado, conseguir o n s e g u irr o Wall W alll Street ou em qualquer outro Stree Institute ofe combinando os - recursos humanos lugar rece a aos o s al alunos alu unos c cur u r ssos e técnicos para desenvol- via Internet, tendo sempre a componente o s per so sonalizados, ho rários flexíveis, huver as capacidades mana para o acompanhar. fle e x ívv e iss , u uma m a apre ma aprendizagem de comunicação dos e ndiza Com esta opção o de forma nos logo alu- aluno aprende progre progressiva e sss iv va e d a par tir do primeiro de e a acordo c o rd inglês onde e quando d o com o os seus objec- e quiser, tivos, sseguindo acompanhamento contínuo dia. A avaliação 24 horas por dia, sete eg u in egu n d o o seu u próp próprio p rio ri dias por semana. ritmo de apren- e que é dado pela dizagem adaptando-o quipa Wa ll S tre et O Wall Street Institute ad d a p ta tan an n d o -o o às suas Institute são outros s uas necessidades, também trabalha com n dos empresas, tendo sem perda factores que permitem da de a aulas u la as e c programas especiais, com o m gara uma evolução sólida. garantia de resulonde tados. O Wall Stre et Institute elas podem optar pela fo pe r mite ao aluno a possibilidade de fazer pany” (nas suas próprias r m a ç ã o “ i n c o m par te do seu curso instalações) ou no em centro Wall Street ESTE SUPLEMENTO É PARTE Institute.

Av. Dr. António José

INTEGRANTE DO SEMANÁRIO

Almeida, 52 R/C 3510-042

JORNAL DO CENTRO, EDIÇÃO

Viseu • Telefone: 232

428 DE 28 DE MAIO DE 2010

480 120 • Email: viseu@wsi.pt

E NÃO PODE SER VENDIDO

DIRECTOR

Pedro Costa

> PRAÇA PÚBLICA > ABERTURA > À CONVERSA > REGIÃO > NEGÓCIOS > DESPORTO > CULTURAS > SAÚDE > RESTAURANTES > CLASSIFICADOS > NECROLOGIA > CLUBE DO LEITOR

Semanário 28 de Maio de 2010 Sexta-feira Ano 9 N.º 428

1,00 Euro (IVA 5% incluído)

SEMANÁRIO DA

REGIÃO DE VISEU

SEPARADAMENTE

.

• www.wallstreetinstitute.p t

|Telefone: l f 232437461·Fax:232431225·BairroS.JoãodaCarreira,RuaDonaMariaGracindaTorresVasconcelos,Lt10,r/c.3500-187Viseu·redaccao@jornaldocentro.pt·www.jornaldocentro.pt|

“As pessoas têm que justificar o subsídio [de desemprego] e de certa forma merecê-lo” Fernando Mateus e Carlos Martins, do Instituto Piaget à conversa sobre a Expo-Oportunidades | páginas 8

Inovação Jardim das Sementinhas cria primeira horta pedagógica no Centro página 16

Nuno Ferreira

À conversa

Viseu tem mães cada vez mais jovens a abandonar os filhos ∑ Em vésperas do Dia Mundial da Criança, o Jornal do Centro dá a conhecer o único Centro de Acolhimento Temporário de bebés e crianças em risco do distrito

IP3 Estradas de Portugal admite novo sistema SOS só a partir de 2011

| páginas 6 e 7

página 10

Área Projecto Alunos da Alves Martins criam veículo eléctrico de apoio à mobilidade

Aguinaldo Desportivo de Tondela contrata reforço de peso para a próxima época

Publicidade

página 17

Nuno Ferreira

página 13


2

Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

praçapública palavras

deles

rÉ preciso ensinar rO presidente da a população a gerir o Câmara de Viseu demonstrou a sua dinheiro”” satisfação pela nova postura política do principal partido da oposição em Viseu [PS]” Liliana Pereira Estagiária do Curso de Educação Social a desenvolver um trabalho de investigação na Freguesia de Ranhados, Viseu (Apresentação da Semana Cultural e Solidária de ranhados,21 de Maio)

O escalracho

Lúcia Silva Presidente da Comissão Política Concelhia de Viseu do PS, durante a apresentação de cumprimentos ao presidente da Câmara, Fernando Ruas (Diário de Viseu, 24 de Maio)

Deputado do PS aspinto@ps.parlamento.pt

Só lhes interessa a devassa privada, os julgamentos populares, o ataque ao bom nome, a inquisição”

Porfírio Carvalho Funcionário e vereador (PS) na Câmara Municipal de Oliveira de Frades, a propósito de ter sido suspenso por três meses, por afirmações proferidas durante a campanha autárquica (Diário de Viseu, 26 de Maio)

Bilhete Postal

Acácio Pinto

Quando eu era jovem a erva daninha mais temida pelos agricultores da minha aldeia era o escalracho, pela capacidade de enraizamento e propagação de todos os seus “braços”. Eles bem sabiam que courela com escalracho não dava “pão”. Assistimos, também, hoje, a políticos da oposição que utilizam a técnica do escalracho. Tentam a todo o transe lançar rizomas e nódulos (qual escalracho!) donde saem raízes que visam multiplicar a propagação de ataques de carácter e de violações dos mais elementares direitos à palavra e à privacidade das pessoas. Não querem saber das garantias legais e constitucio-

rEsta decisão é rEstou farto desta palhaçada” falta de cultura democrática, de quem não sabe que o 25 de Abril já foi há muitos anos”

nais, nem de mais nada que não seja alastrar os seus instintos rasteiros às conversas privadas que só em matéria de processo criminal podem ser utilizadas. Não lhes interessa a separação de poderes, entre os tribunais e a política, nem os limites das Comissões de Inquérito. Só lhes interessa a devassa privada, os julgamentos populares, o ataque ao bom nome, a inquisição. O PS sempre se bateu e baterá pelo cumprimento das garantias constitucionais. Os deputados e as Comissões não estão acima da Constituição. Mota Amaral também assim o entendeu e decidiu! Em consciência e por convicção!

Carlos Agostinho Treinador do Sport Clube Penalva do Castelo, que teceu fortes críticas à arbitragem e admitiu abandonar o futebol no final da época (www.Jornaldocentro.pt, 24 de Maio)

Proximidade dirigida

João Carlos Figueiredo Deputado do PSD joao.figueiredo@psd.parlamento.pt

Os socialistas da nossa região têm usado a “bandeira” dos investimentos de proximidade como algo inovador. Este tipo de investimentos têm sido concretizados – e bem! - por todos os governos. O PSD nunca se opôs, aliás, contribui, e muito, para sua concretização. Existem inúmeros exemplos desse empenho na região. O que começa, verdadeiramente, a dar nas vistas é onde e como esses investimentos são concretizados: invariavelmente junto de entidades ou interesses ligados ao Partido Socialista. Paralelamente, os actuais governantes estão a fazer “marcação cerrada” a determinadas camadas da população, através da cria-

ção de equipas constituídas por elementos recrutados ao arrepio das mais elementares regras de admissão nos serviços públicos. Os Gabinetes de Inserção Profissional, as Equipas de Acompanhamento dos beneficiários de RSI, o Gabinete do Agricultor (porquê na Câmara de Mangualde? Mais uma coincidência! …) têm como finalidade acompanhar a atribuição de subsídios. Alimentar a clientela partidária e manter uma teia que lhes possibilita “controlar” uma fatia importante do eleitorado, não deveria constar das suas funções. Proximidade, no léxico e prática socialista, é sinónimo de parcialidade. O que além de injusto é deplorável.

Proximidade, no léxico e prática socialista, é sinónimo de parcialidade”


OPINIÃO | PRAÇA PÚBLICA 3

Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

números

estrelas

2700 No sábado, a Câmara de Viseu promoveu o passeio anual para idosos do concelho. 2700 idosos viajaram em 57 autocarros até à Quinta da Malafaia, em Viana do Castelo. No próximo sábado o passeio repete-se com o mesmo número de pessoas.

Importa-se de responder?

Grupo de alunos do 12º ano da Escola Secundária Alves Martins, de Viseu

Fernando Figueiredo Presidente da UDACA

Alexandre Vaz Presidente da Câmara Municipal de Sátão

A A Câmara Municipal de Sátão assinou um protocolo com o Plano Nacional de Leitura que visa aumentar os níveis de leitura do concelho. Uma aposta que deve ser seguida por várias razões, partindo do princípio que os países mais ricos com níveis de produtividade altos são os que têm maiores índices de leitura, e o contrário também se verifica.

A disciplina Área de Projecto tem permitido a várias escolas do país, desenvolverem projectos inéditos e que podem servir de exemplo no mercado de trabalho. O projecto destes estudantes, da criação de um carro eléctrico, pensado para diminuir os problemas de mobilidade nas cidades, é mais um bom exemplo.

Com a assinatura de um protocolo de cooperação com a Escola Superior de Educação de Viseu, para os alunos de design participarem em novas ideias, a União Demarcada das Adegas Cooperativas do Dão - UDACA entrou no rumo que há muito se desenha para o crescimento da região. O trabalho em rede será meio caminho andado.

Era capaz de criar a sua própria empresa? Sim, porque tenho um espírito empreendedor, gosto de me sentir realizado e de ter algo meu, algo que pudesse gerir e que fosse o reflexo da minha imagem. Trabalhar por conta de outrem é trabalhar tendo em conta as premissas de outra pessoa. na minha opinião, ter empresa própria, para além de estimulante, seria algo que me daria muito prazer, pois sentir-me-ia como alguém que deixou um legado.

Era, apesar de nesta altura ser um pouco arriscado. Teria que ser uma situação muito bem pensada e analisada, mas que fosse de acordo com o mercado. Claro que possíveis apoios seriam uma motivação extra e uma grande ajuda para o início de todo o projecto

António Ferrão

Selby Ramos

Professor

Estudante

Tendo em conta a situação difícil que o país atravessa, penso que é cada vez mais complicado abrir uma empresa por conta própria. No entanto, penso que se houver organização a empresa pode ter sucesso.De qualquer forma, sou a favor do emprendedorismo mas penso que o Governo devia apoiar mais as pequenas e médias empresas.

Sim era capaz, porque além de confiar nas minhas capacidades tenho facilidade em trabalhar em grupo, o que poderia ser benéfico. Para além disso, sou uma pessoa criativa. Outros requisitos viriam na medida em que me dedicasse como empresária.

Carlos Lopes Vigilante

Alice da Luz Estudante

Fazer acontecer F editorial

Pedro Costa Director | pedro.costa@jornaldocentro.pt

Viseu, como o País, vive momentos difíceis. O flagelo do desemprego não é nesta região tão grave quanto noutras. Pelo menos por enquanto, mas o espectro de despedimentos em massa, em grandes unidades industriais, está sempre presente. Em abono da verdade, são poucas as famílias que não têm algum elemento desempregado, ou em risco de ficar sem emprego num futuro não muito distante. Viseu é uma região de excelência pelo capacidade empreendedora dos seus agentes económicos e muito, também, fruto das estratégias e do poder político autárquico, em muitos concelhos um verdadeiro motor de desenvolvimento local e factor de atracção de avultados investimentos externos. Viseu é também uma região de excelência pela diversidade do seu tecido empresarial, ancorado em indústrias de ponta, em áreas tão distantes como as energias renováveis e automóvel. Os pontos de

atracção turística e a elevada qualidade da oferta hoteleira, as termas, o sector dos vinhos, a área dos transportes e até do moderno comércio ancorado em centros comerciais complementam uma realidade que por vezes, vezes de mais, quem todos os dias a vive não sente nem valoriza. Contudo, nenhuma organização – privada ou pública - está imune à conjuntura adversa em que estamos mergulhados. Vivem-se tempos que o País e as empresas precisam como nunca de quem saiba “fazer acontecer” e não apenas propor, teorizar, recordar, aconselhar... ou, pior ainda, de quem se limita a, de dedo em riste, apontar o que vai mal ou vaticinar o pior dos mundos... É por isso que merece sempre aplauso quem “faz acontecer”. É por isso que aqui se aplaude a iniciativa Expo Oportunidades, um evento que chama à primeira página da actualidade as oportunidades de emprego e de formação, no Multiusos de

Viseu. O mérito de “fazer acontecer” esta iniciativa é partilhado por várias instituições, sendo por isso ainda mais relevante sublinhar o exemplo de que a cooperação, a capacidade de se trabalhar em rede, é hoje uma das fórmulas mais válidas para se assegurar o futuro. Pela nossa parte, coincidentemente com este evento, editamos um especial onde apresentamos ofertas e oportunidades nas áreas do emprego e da formação. É também assim que este semanário, que existe pelos leitores, fruto da recente parceria com o Expresso chega agora, aos sábados, a todo o distrito de Viseu, directamente às mãos da maior e mais qualificada audiência de leitores e decisores. Na certeza de que juntos, Jornal do Centro, leitores e anunciantes, continuamos a “fazer acontecer” um semanário cada vez mais robustecido e interveniente na sociedade.


4 PRAÇA PÚBLICA | OPINIÃO

Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

Opinião

Valeu Mota Amaral…

Director Pedro Costa C.P. n.º 1464 pedro.costa@jornaldocentro.pt

Redacção (redaccao@jornaldocentro.pt) Emília Amaral, C.P. n.º 3955 emilia.amaral@jornaldocentro.pt

Gil Peres, C.P. n.º 7571 gil.peres@jornaldocentro.pt

José Lorena jose.lorena@jornaldocentro.pt

Raquel Rodrigues raquel.rodrigues@jornaldocentro.pt

Vanina Dias (estagiária)

Departamento Comercial comercial@jornaldocentro.pt

José Junqueiro Secretário de Estado da Administração Local josejunqueiro53@gmail.com

Directora: Catarina Fonte catarina.fonte@jornaldocentro.pt

Ana Paula Duarte ana.duarte@jornaldocentro.pt

Departamento Gráfico Marcos Rebelo marcos.rebelo@jornaldocentro.pt

Projecto Gráfico defrank - Comunicação Editorial defrank@netcabo.pt

Serviços Administrativos Sabina Figueiredo sabina.figueiredo@jornaldocentro.pt

Impressão GRAFEDISPORT Impressão e Artes Gráficas, SA

Distribuição Vasp

Tiragem média 6.000 exemplares por edição

Sede e Redacção Bairro de S. João da Carreira Rua Dona Maria Gracinda Torres Vasconcelos, Lote 10 r/c 3500-187 Viseu Telefone 232 437 461 Fax 232 431 225

todos eles, incluindo Pacheco Pereira, tiveram origem nas esquerdas revolucionárias e radicais e há coisa que o tempo não mata”

E-mail redaccao@jornaldocentro.pt

Internet www.jornaldocentro.pt

Propriedade

Quando a Inquisição veio para Portugal, em século e hora infelizes, os portugueses conheceram um novo paradigma na administração da justiça e no conceito do que era ou não pecado mortal. O divino e sobrenatural dominavam as normas de conduta, a liberdade de pensamento e controlavam a própria ciência, os cientistas, leia-se. E, neste contexto, lá estendiam as vítimas nas máquinas de tortura de modo a obterem pela dor a confissão de actos que nunca tinham praticados…e depois a morte! Séculos ma is ta rde, a Inquisição religiosa foi substituída por uma espécie de Inquisição política. O comunismo de leste, o fascismo ocidental, com epicentro na Alemanha, ou o seu derivado português com o Estado Novo, são exemplos vivos na nossa memória. Nesse tempo, escreviamse cartas anónimas, processo sempre seguido pela PIDE – faziam-se denúncias de factos que nunca existiram, apreendiam-se livros e tentou-se aprisionar o pensamento. E, para muitos milhões, em todo o mundo, a morte foi o epí-

logo dessa longuíssima tragédia. E a lição não foi lá grande coisa, porque nos nossos dias assistimos à limpeza étnica nos Balcãs e outros desmandos que ferem as regras mais elementares dos direitos humanos e os valores de uma sociedade culta e humanista. E nos nossos dias assistimos ao mesmo espectáculo na maioria das comissões parlamentares de inquérito. Esta última, a do caso PT/ TVI (qual caso??), é muito reveladora desse comportamento doentio. O Relator do BE, João Semedo, começou os trabalhos dizendo que já sabia quais seriam as conclusões, mesmo antes de ouvir quem quer que fosse. Depois veio a novela das escutas. Foram parar à Comissão de Inquérito. Para além desta última personagem, só uma outra, Pacheco Pereira – arrastando o próprio PSD e o partido comunista é que quiseram, “escutar” as gravações que o tribunal tinha desconsiderado. Acontece que todos eles, incluindo Pacheco Pereira, tiveram origem nas esquer-

das revolucionárias e radicais e há coisa que o tempo não mata: a escuta, a carta anónima, o meter a mão no proibido, a devassa, a insinuação, o atentado ao carácter e ao bom nome…é um lixo que se agarra à alma e que se transmite à pele. Valeu Mota Amaral, dirigente nacional do PSD, Presidente da Comissão de Inquérito, para exigir decência em nome dos valores e do bom nome das pessoas, da separação do poder político do poder dos tribunais, e para pôr fim a essa obstinação doentia em atentar contra o carácter do Primeiro Ministro José Sócrates. Penso que Mota Amaral proporcionou a “pedrada no charco”, mas estou igualmente convencido de que o eleitorado deu uma outra ao tributar a esta e outras pseudo comissões de inquérito o maior descrédito de sempre! Valeu Mota Amaral…

O Centro–Produção e Edição de Conteúdos, Lda. Contribuinte Nº 505 994 666 Capital Social 114.500 Euros Detentores de mais de 10 por cento do Capital: Sojormedia SGPS, SA Depósito Legal Nº 44 731 - 91 Título registado no ICS sob o nº 100 512

Gerência Francisco Rebelo dos Santos, Ângela Gil e Pedro Costa

Opinião

Departamento Financeiro Ângela Gil (Direcção), Catarina Branquinho, Celeste Pereira, Gabriela Alves, João Machado Patrícia Santos info@lenacomunicacao.pt

Departamento de Marketing Patrícia Duarte (Direcção), Susana Santos (Coordenação), Catarina Fonseca e Catarina Silva marketing@lenacomunicacao.pt

Departamento de Recursos Humanos

António Vilarigues anm_vilarigues@hotmail.com

Nuno Silva (Direcção) e Sónia Vieira drh@lenacomunicacao.pt

Departamento de Sistemas de Informação Tiago Fidalgo (Direcção) e Hugo Monteiro dsi@lenacomunicacao.pt

Unidade de Projectos Lúcia Silva (Direcção) e Joana Baptista (Coordenação) projectos@lenacomunicacao.pt Os artigos de opinião publicados no Jornal do Centro são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. • O Jornal reserva-se o direito de seleccionar e, eventualmente, reduzir os textos enviados para a secção “Cartas ao Director”.

Semanário Sai às sextas-feiras Membro de: Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem

Associação Portuguesa de Imprensa União Portuguesa da Imprensa Regional

não venham depois apresentar a factura do regabofe do BPP, do BPN e do BCP aos mesmos do costume”

Não somos o país do “come e cala” Há quem pense que devem ser os trabalhadores e o povo a pagar a crise. Crise, em relação à qual, sublinhe-se, não têm qualquer responsabilidade. As direcções do PS e do PPD/PSD, José Sócrates e Pedro Passos Coelho, querem fazer deste país, um país do “come e cala”. Um Portugal onde o povo estivesse disposto a aceitar tudo, resignado, sem protesto, sem luta e sem esperança. Em 2008 o défice estava em 2,8 por cento e hoje está em 9,3 por cento. Porque é que aumentou tão rapidamente o défice do Estado? Será que o Estado resolveu aumentar exponencialmente as despesas nos serviços públicos? Será que os trabalhadores da Função Pública foram substancialmente aumentados? Será que houve uma política audaciosa de investimento? Não. A realidade foi que o

Estado e a banca pública tiveram de ir em socorro do sistema financeiro. Na altura o PCP advertiu: não venham depois apresentar a factura do regabofe do BPP, do BPN e do BCP aos mesmos do costume. Contraíram a economia, caiu o PIB, cortaram as receitas, aumentou o desemprego, aumentaram os gastos com a subida do desemprego e com as ajudas aos banqueiros. E, cereja em cima do bolo, mantiveram-se as célebres derrapagens das contas públicas. Porque será que agora já ninguém fala no BCP, no BPP e no BPN, nem nas dificuldades de outros Bancos no auge da crise financeira? Sejamos claros: os défices públicos aumentaram não pelos desmandos do sector público, mas sim pelos desmandos do sector privado, designadamente do sector financeiro. O mundo não mudou nos últimos quinze dias. A realida-

de é que temos uma governação ao sabor das circunstâncias. E um poder político que assume ser um instrumento nas mãos dos grandes monopólios financeiros, dos grandes grupos económicos e dos interesses das grandes potências europeias. Quanto engano, quanta falsidade, quanta mentira estava patente no discurso das promessas de um mundo melhor dos partidos que têm estado no governo em todos estes anos. Por isso estaremos sábado, dia 29, em Lisboa, a demonstrar que não nos calamos!


Jornal do Centro

6

28 | Maio | 2010

abertura

textos ∑ Emília Amaral fotos ∑ Nuno Ferreira

Dia Mundial da Criança ∑ O Jornal do Centro foi conhecer por dentro o Centro de Acolhimento Temporário para bebés e crianças em risco Enquanto o almoço não chega, o Zé, a Maria, o João, o Manuel (nomes fictícios), galreiam no refeitório, deitados em maxi-coses acomodadas no chão. No mesmo espaço, dois irmãos gémeos e o colega do lado trocam olhares, separados pelos parques de bebés. Outro companheiro de cinco anos acaba de chegar do dentista e está um pouco sisudo, mas a câmara fotográfica provoca-lhe um sorriso. O mais novo da instituição dorme o sono profundo de um bebé de um mês. Os restantes do grupo de 22 saíram para a escola ou para o infantário. É um dia normal no Centro de Acolhimento Temporário para bebés e crianças em risco da Santa Casa da Misericórdia de Viseu. São 10h00, o portão principal da instituição está fechado a cadeado, como sempre, para segurança da casa, mas lá dentro a manhã segue a rotina. O Centro de Acolhimento Temporário (CAT) responde aos 24 concelhos do distrito, há cerca de 10 anos, e acolhe crianças e bebés que, por motivos vários, são retiradas aos pais biológicos. O Dia Mundial da Criança, celebrado a 1 de Junho, foi criado com o objectivo de proteger as crianças do mundo. Por isso, esta será a melhor data para contar a história de uma casa comandada

por 13 mulheres que têm como lema “Um por todos e todos por um”. Numa residência antiga, paredes-meias com o Lar Viscondessa de São Caetano, também propriedade da Santa Casa, crescem hoje 22 crianças desde que nascem, até aos sete anos. Estão no limite. “A maior parte deles vou buscá-los à maternidade. Tenho que me sentir mãe deles, porque sou humana”, confessa a directora do CAT, Paula Meneses. Um simulacro recente feito às instalações do CAT deu conta que o edifício “devia ser deitado abaixo” para dar lugar a uma nova estrutura, sobretudo para dar condições às crianças com deficiência. Mas as adaptações são do melhor que se pode encontrar. A sala de actividades é o maior compartimento da instituição. A meio da manhã não tem crianças, mas tem muitos brinquedos e nas paredes há vestígios de actividades constantes. Na dispensa que faz de sapateira da casa estão dezenas de pares de sapatos devidamente organizados. No andar debaixo encontram-se os quartos duplos dos mais velhos, os quartos berçários e outras divisórias, como o refeitório decorado por um grupo de alunos de artes da Escola Secundária Alves Martins, com o grande slogan “Era uma

Vez a Nossa História…”. “É a história de cada criança que entra na instituição. O castelo imaginário (pintado numa outra parede) é a vida imaginária de cada uma”, explica a directora. Cada quarto tem uma fotografia de quem lá dorme e na porta o nome pendurado “para que os voluntários se apercebam rapidamente onde é o quarto da criança e, se a criança se sentir mal, não haver confusão”. Nas paredes essencialmente azuis e rosas, há quadros pintados pelos meninos e bonecos de pano que “dão um ar fresco” diz Paula Meneses. Como a maioria das crianças, os mais crescidos levantam-se de manhã, vestem-se, escovam os dentes, tomam o pequeno almoço e são levados à escola. Os do 1º Ciclo à Escola da Ribeira ou ao ATL e os outros aos infantários da Misericórdia. Os bebés ficam e há ainda meninos com

deficiências grandes, desde paralisia cerebral profunda a espinha bífida. Mas, numa família dita normal, não há 22 crianças à mesa, para dar a sopa ou o biberão. Estão ali juntas porque são crianças em risco e foram retiradas à mãe e ao pai, pela Segurança Social ou pelas comissões de protecção de crianças em risco, por estes não terem condições que lhes permitam viver em família. “Trabalhamos de forma triangular e eu estou como a mãe, entre aspas, que acolhe a vaga para aquela criança”, esclarece Paula Meneses. Para a técnica são “crianças especiais que, se tiverem oportunidade, estão ao nível das outras crianças”, mas na verdade muitas delas herdaram cefaleias graves de mães alcoólicas, toxicodependentes ou muito jovens com um quadro familiar de miséria. Processo. O CAT dá a

possibilidade de que as crianças acolhidas permaneçam até seis meses em processo de reabilitação, antes de entraram num decurso de adopção. “A prioridade é reabilitar a família e tentar ao máximo colocar a criança na família biológica, se a reabilitação for de todo inviável, o último grito é a adopção”, reforça Paula Meneses, ao lembrar que o sucesso é de 50 por cento. Ao longo dos seis meses, os pais vão com regularidade à instituição para “uma pedagogia exaustiva de recuperação”, em que aprendem princípios, regras e a saber tratar dos filhos: “por vezes, dou sugestões para o casal se dar bem, porque é importante”. São pais comovidos quando estão perto dos filhos, umas vezes críticos com as instituições, outras vezes agradecidos. Depois, há os que raramente visitam os filhos. “Para mim é mais doloroso trabalhar com os pais do

que com as crianças, remata Paula Meneses. No processo de adopção, Paula Meneses adianta satisfeita que chegou ao fim o tempo em que se “entregava a criança numa sala” da Segurança Social e se virava as costas, quer a criança chorasse ou não, hoje, o casal é monitorizado durante duas semanas dentro da instituição e só depois a criança segue a sua vida. As 22 crianças do CAT hão-de um dia ter uma família dita normal, mas haverá as que acabam por ser largadas sozinhas. No Centro de Acolhimento Temporário luta-se para lhes dar autonomia até que um dia a vida lhes sorria. Paula Meneses receia pela sociedade que temos, muito virada para o juízo de valor, mas tenta sempre passar a mensagem: “O que é importante é transformar o negativo no positivo. Teremos melhores crianças, com outras competências e com outra maturidade”.

Equipa

∑ A directora, Paula Meneses, com o turno da manhã. Ao todo trabalham 13 funcionárias no Centro de Apoio Temporário para crianças em risco de Viseu, em dois turnos. A directora acumula o cargo de técnica de serviço social, há um psicólogo a 20 por cento na instituição e uma educadora. “Somos uma equipa”, acrescenta Paula Meneses, que lamenta serem apenas mulheres. A instituição conta ainda com um grupo de 12 voluntários que acompanha a equipa há quatro anos e faz a complementariedade sobretudo “nas horas de maior stress”. Para a directora foi uma luta conquistada.


Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA | REPORTAGEM “FILHOS DE MUITAS MÃES” | ABERTURA 7

Tem a palavra

“Há mães cada vez mais jovens a largarem as suas crianças” ∑ Paula Meneses, natural de Coimbra está há seis anos a dirigir o Centro de Acolhimento Temporário. Trabalha por “paixão” e , por isso, tem muitas conquistas e preocupações. O “alcoolismo grave em Viseu”, é uma preocupação.

Paula Meneses Directora do Centro de Acolhimento Temporário de bebés e crianças em risco de Viseu

1.

Sinto um misto de tristeza e de felicidade. De tristeza porque percebo que há mães cada vez mais jovens a largarem as suas crianças, por outro lado, percebo que posso estar a salvar uma criança. Sinto a tristeza de não se trabalhar mais com as famílias no terreno. Se trago um bebé com uma série de deficiências e procuro dar tudo de mim para que esse bebé evolua, quer tenha patologias ou não, seria importante que uma equipa trabalhasse os pais no terreno, para, quando a criança regressasse aos pais, estivessem ao mesmo nível. O que acontece é que nós damos tudo e depois os pais continuam exactamente no mesmo nível de quando lhe foi retirada a criança.

2.

Reconhece que falta fazer esse trabalho no terreno?

Reconheço, e com uma equipa multidisciPublicidade

plinar. Há muitos técnicos, mas, muitas vezes, não estão direccionados para aquilo que é essencial. Porque é que há reincidências? Exactamente porque as famílias não ganharam competências e é natural que o seu bebé, quando regressa a casa, caia num marasmo muito grande.

O que sente quando vai buscar uma criança à maternidade?

3.

4.

sabilidade. Tenho a certeza que se o Governo e a sociedade se empenhassem e ajudassem estas mães, elas não recorriam ao aborto e, portanto, essa é a via fácil para atingir o seu fim e perceber que foram abandonadas.

5.

O que mais a preocupa no distrito de Viseu?

Há dois anos, fiz uma estatística com duas estagiárias e concluiu-se que há, tanto em Viseu, como nas zonas de periferia, um índice de alcoolismo grave e, portanto, é complicado trabalhar com estes pais.

Há cada vez mais crianças institucionalizadas?

Sim. A vida é difícil, os pais estão no desemprego e é complicado assumirem a responsabilidade de pais. Não sou apoiante do aborto, a Lei protege o suficiente para que não possamos ter muitas jovens a abortar sem respon-

6.

É difícil a adopção para crianças deficientes?

É difícil. Devia haver uma mensagem positiva, uma cultura em Portugal, com um outro olhar para as crianças deficientes, porque ensinam-nos muito, sobretudo a sermos melhores pessoas e a termos mais maturidade em relação à vida.

Sente a necessidade de um homem na casa?

Sinto. O problema é que as escolas de serviço social lançaram para o mercado de trabalho mais mulheres. É muito importante esse misto. Quando as crianças saem para a adopção, a tendência das meninas é olhar de forma enviesada para o masculino.


8

Jornal do Centro

à conversa

Entrevista ∑ António Figueiredo e Emília Amaral Fotografia ∑ Nuno Ferreira

28 | Maio | 2010

Semanalmente, “À Conversa” resulta de um trabalho conjunto do Jornal do Centro e da Rádio Noar. Esta conversa pode ser ouvida na íntegra na Rádio Noar, esta sexta-feira, às 11hoo e às 19h00, e domingo, às 11h00. Versão integral em www.jornaldocentro.pt

“Há quase uma atitude profissionalizante do conceito de subsídio-dependência” visam só soluções para os desempregados. O que vai ser a “Praça de Oportunidades” a decorrer no evento?

Fernando Mateus: É um espaço informal em que vai decorrer um conjunto de actividades de partilha por parte das entidades: teatro, musica, animação, uma acção de gerontologia com os idosos, fitness, no fundo, actividades que pretendem também levar para lá as pessoas. Quantas ofertas de emprego vão estar disponíveis na feira?

Carlos Martins: Ao nível dos centros de emprego e formação, teremos cerca de 2000 ofertas, para além das empresas que irão fazer a recolha de currículos e entrevistas, para uma primeira selecção que também vão oferecer alguns empregos.

Apresentar novos caminhos para procurar emprego e estimular o espírito de empreendedorismo nos jovens da região Centro são alguns dos objectivos da Expo-Oportunidades, uma mostra de emprego e formação que decorre até 30 de Maio, no pavilhão Multiusos. Esta 4ª edição é co-organizada por um conjunto de instituições, mas foi o Instituto Piaget o promotor, há quatro anos, a partir de uma ideia da associação de estudantes. Carlos Martins e Fernando Mateus, do Instituto Piaget, conversam sobre os três dias de Expo-Oportunidades. Como surgiu a ideia de fazer a Expo-Oportunidades?

Carlos Martins: Surgiu de uma ideia da Associação de Estudantes do ISEIT – Instituto Universitário (Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares do Campus de Viseu do Instituto Piaget), foi logo acarinhada e desenvolvida, levando à criação da primeira edição (2007). Ao longo destas edições fomos consolidando o evento, alargando-o a vários temáticas, sob o lema “Partilhar Soluções”, sempre no sentido de haver oferta de emprego, oferta de formação profissional, oportunidades de negócio. A ideia surgiu dos estudantes porque queriam procurar emprego e não sabiam

aonde?

Fernando Mateus: É importante dizer que desde a primeira hora esteve o Instituto de Emprego e Formação Profissional, portanto, um órgão do Estado, e também a Direcção Regional de Educação do Centro (DREC) e o Conselho Empresarial do Centro (CEC). Desde a primeira edição que não foi um evento só do Instituto Piaget. Quem tinha a responsabilidade de promover estas iniciativas?

Fernando Mateus: É o eterno bónus de passar a bola ou não. E porque não começarmos nós primeiro e chamarmos os outros? Foi uma pouco nessa linha que começámos.

Porque é que só na 4ª edição aparecem as restantes instituições de ensino superior de Viseu?

Fernando Mateus: Quando somos pequenos, calçamos o 24 e quando começamos a crescer vamos até ao 36 ou ao 42. E este pé foi consolidado com a entrada de outras entidades. Ou começa a esbater-se a desconfiança entre as entidades de ensino superior em Viseu?

Carlos Martins: Pelo trabalho que temos em rede, achámos que Viseu, tendo três instituições de ensino superior, deveriam trabalhar em conjunto, em prol da cidade. Podemos alargar futuramente essa parceria a outras actividades. O que se pretende com o

lema “Partilhar Soluções”?

Fernando Mateus: No mesmo espaço podemos dar oportunidade às pessoas de conhecerem percursos de formação, percursos de empregabilidade, percursos de voluntariado. Este ano em particular, temos, por exemplo, a Assistência Médica Internacional (AMI), o Instituto Universitário em termos de voluntariado. A Expo-Oportunidades não é só para desempregados?

Fernando Mateus: De todo. É uma primeira mensagem que gostávamos de partilhar. É um evento que visa partilhar alguma boa energia positiva em que, naquele espaço vão estar diversas oportunidades e soluções que não visam só o primeiro emprego, não

São ofertas reais, ou são empregos criados para serem apresentados na feira?

Carlos Martins: São ofertas efectivas de emprego ali apresentadas, em que o público pode consultar e fazer um concurso junto das empresas. Quando se diz e se escreve que há muitos empregos que ficam desertos, o que pensam?

Fernando Mateus: Pensamos que é uma questão de atitude. Sentimos que há quase uma atitude profissionalizante do conceito de subsídio-dependência. Infelizmente sentimos isso nos vários trilhos que temos andado, desde logo o conceito de formação: “eu frequento uma acção de formação se for paga”. É muito difícil conseguirmos inverter esta tendência, tanto é que, ao longo das edições da Expo-Oportunidades tivemos muito poucos de-

sempregados a visitar a feira. Dizemos isto com algum infortúnio, mas perguntamos: o que podemos fazer mais? Essa é uma dimensão que nos entristece como sociedade. Se fizermos um périplo por Viseu vemos a quantidade de lojas que dizem: “precisa-se de colaborador”. Qual é o grande problema?

Fernando Mateus: Tendo dois caminhos, a tendência é para manter o que tenho garantido (subsídio de desemprego), só que, o garantido não é garantido e esta é a grande alteração do paradigma, não deixar como adquirido o que foi adquirido em termos de subsídio, cada vez mais, as pessoas têm que justificar o subsídio, tem que de certa forma merecê-lo. A participação em eventos como a ExpoOportunidades é um pouco para agitar uma decisão de mudança. Que diferenças há este ano com novas entidades coorganizadoras?

Fernando Mateus: Nomeadamente as conferências, que vão realizar-se no Hotel Montebelo, da competência da Associação Empresarial da Região de Viseu (AIRV), entre outras actividades que têm a co-participação de colegas. A Expo-Oportunidades, agora com várias entidades, pode ser o primeiro passo para um trabalho em rede?

Carlos Martins: Esperemos que seja o primeiro passo para uma partilha de experiências de ensino superior, que poderá passar por uma partilha também na área da investigação. Devemos trabalhar juntos em prol de Viseu e desenvolvermos o ensino superior para a região. Todos temos a ganhar com isso.


Jornal do Centro

10

28 | Maio | 2010

região A cidade de S. Pedro do Sul foi criada no dia 12 de Junho de 2009. A autarquia da mais jovem cidade do distrito de Viseu preparou um mês de comemorações, que começam já este sábado. Vão haver actividades variadas, com destaque para os espectáculos musicais, que levarão grandes nomes da música popular a S. Pedro do Sul. Para este fim-de-semana, o início oficial do “Mês da Cidade” (o programa começa a 29 de Maio e termina a 29 de Junho) vai realizar-se uma Feira Romana, nome dado a um evento que recordará as feiras antigas e medievais. O local escolhido foi o largo e as vias das traseiras do edifício da Câmara Municipal à Publicidade

Rua Direita da Cidade. Denominado por Ilha das Letras, tem início na próxima segunda-feira, dia 31 de Maio, um variado programa cultural, juvenil e musical num dos mais aprazíveis locais da cidade: o Lenteiro do Rio (a confluência entre os rios Vouga e Sul). Desde tertúlias diurnas e nocturnas de leitura e poesia, até ao convívio com crianças das escolas, passando pelos mais notáveis nomes da música popular do concelho, vários serão os motivos de interesse na Ilha das Letras, que termina a 13 de Junho. No dia a seguir é iniciada a Vertente Lúdica, designação para um extenso programa que terá lugar

no Largo do Município, e que se prolonga até 29 de Junho, o último dia das comemorações. Grupos de baile, cantores e formações do concelho vão dar luz, cor e som à praça mais nobre da cidade. Mas os momentos mais altos do programa vão para o 12 de Junho, o dia da cidade, com um grande arraial de Santo António, no Solar da Lapa, com o grupo de Jorge Manuel. Mas outros nomes vão aparecer. Desde Isabel Silvestre, Roberto Leal, a Sérgio Lucas (o sampedrense vencedor dos Ídolos de 2004, que apresenta o seu último álbum), os espectáculos vão acontecer quase todos os dias na nova e engalanada cidade. JL

Nuno Ferreira

Um mês para comemorar um ano de cidade

A PCP quer postos SOS a funcionar no IP3 para evitar acidentes

Postos SOS do IP3 não funcionam Segurança∑ Estradas de Portugal vai rever sistema em 2011 A empresa concessionária das estradas portuguesas, Estradas de Portugal (EP), admitiu que só a partir de 2011 venha a ser estudada uma solução para garantir um sistema de aviso e socorro no IP3, uma das vias com mais acidentes graves em Portugal. A EP considerou “obsoleto” o actual sistema de postos SOS - que não funcionam ao longo de toda a estrada. Essa foi a justificação dada pela empresa para o facto de considerar “dispensável” um esforço de manutenção dos postos de aviso e socorro existentes. A EP chegou mesmo a admitir que, enquanto não existir um novo sistema de avisos no IP3, poderão assumir grande importância os condutores que circulem com telemóveis e que avisem os meios de socorro em

caso de acidente. Quem despoletou esta situação foi o PCP de Viseu que, recentemente, protestou pelo facto de estarem desligados os referidos postos de SOS ao longo da estrada. Já depois da reacção da EP, o Grupo Parlamentar dos comunistas na Assembleia da República apresentou no início desta semana um requerimento ao Ministério das Obras Públicas e Transportes, onde manifestam preocupação por não estar a funcionar o SOS no IP3. Em declarações ao Jornal do Centro, o responsável pelo PCP em Viseu, João Abreu, disse que “não se entende” a posição da EP, ao admitir que os postos SOS estão desligados e “nada fazer” para que a segurança exista naquela estrada entre Viseu e Coimbra.

“É um problema de segurança dos cidadãos”, consideram os comunistas viseenses, que querem saber “quem tomou a irresponsável decisão” de manter desligado o sistema de aviso SOS do IP3. Por outro lado, o PCP exige saber “quem assume a responsabilidade pelos eventuais danos para pessoas e bens” por estar desligado o referido sistema. Os comunistas querem ainda que as entidades públicas que tutelam a via, e até mesmo o governador civil de Viseu, possam explicar porque é que não se liga o actual sistema SOS, até que venha a ser encontrada uma solução futura mais moderna e adaptada à segurança da via. José Lorena jose.lorena@jornaldocentro.pt


12 REGIÃO | VISEU | SANTA COMBA DÃO | VILA NOVA DE PAIVA

Explosão em fábrica de pirotecnia O presidente da Associação Nacional de Empresas de Produtos Explosivos (ANEPE), António Rodrigues, reclamou uma revisão global da legislação que regulamenta o sector da pirotecnia. António Rodrigues, em declarações à Rádio Noar de Viseu adiantou que já pediu essa revisão ao ministro da AdPublicidade

ministração Interna.. As declarações de António Rodrigues surgem no seguimento da explosão, no sábado, dia 22, numa fábrica de pirotecnia, no Almargem em Viseu, que provocou dois mortos. “O sector vive alguns momentos de indefinição há uns anos a esta parte, porque temos um regula-

mento de licenciamento de estabelecimentos que, se calhar, obriga ao cumprimento de coisas que são quase impossíveis de cumprir e haverá algum défice em termos daquilo que deveriam ter os estabelecimentos”, adiantou. A explosão de sábado ocorreu cerca das 9h00. O dono da empresa, An-

tónio Pinto Silva, 57 anos, e Albino de Jesus, 56 auxiliar na fábrica, estavam a compactar cartuxos num paiol quando se deu o rebentamento e tiveram morte imediata. Na mesma fábrica tinha já ocorrido um acidente semelhante há quatro anos. Na altura, morreu um dos filhos do proprietário.

7

Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

dias

PROSTITUIÇÃO

Viseu. Três mulheres foram detidas pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em Viseu, por permanência ilegal no país e outras duas constituídas arguidas por crimes de auxílio à imigração ilegal e lenocínio para a prática de prostituição. De acordo com o SEF, o grupo dedicava-se à exploração sexual de mulheres em apartamentos da cidade. O SEF acrescenta que “foram executados três mandados judiciais para realização de buscas a domicílios de suspeitos” bem como diligências para recolha de prova de “angariação de mulheres em situação ilegal, em Portugal e no estrangeiro”. Alem das detenções e de serem constituídas arguidas duas, uma de nacionalidade portuguesa e outra estrangeira, o SEF procedeu à recolha de prova documental, destacando-se vários “comprovativos de transferências, depósitos bancários, numerário e demais documentação relacionada com os ilícitos sob investigação”.

ASSALTO

Santa Comba Dão. Três homens encapuçados assaltaram uma ourivesaria em Santa Comba Dão com recurso a uma arma de fogo, na terça-feira, dia 25. De acordo com informação da GNR de Viseu, os indivíduos entraram no estabelecimento de cara tapada, usaram da violência e roubaram diversos objectos em ouro e relógios, no valor de mais de

100 mil euros. Os assaltantes faziam-se acompanhar de uma viatura, na qual se puseram imediatamente em fuga. O relações públicas da GNR de Viseu, Major Paulo Fernandes adiantou que o caso foi entregue à Polícia Judiciária “uma vez que foi usada violência”. “Estamos a falar de cidadãos que foram manietados com recursos a alguma violência”, reforçou. EA

ASSALTO

Vila Nova de Paiva. O supermercado Mini Preço, localizado no centro de Vila Nova de Paiva foi assaltado na segunda-feira, dia 24. No interior das instalações, os criminosos terão furtado o pouco dinheiro existente nas caixas registadoras, antes de se colocarem em fuga. A Guarda Nacional Republicana esteve no local, a recolher provas e indícios para apurar a identidade dos ladrões.

IDOSOMORTO

Viseu. Um reformado da GNR, de 70 anos, esteve três dias morto em sua casa, em Repeses. O homem cuidava da mulher e de uma cunhada, ambas com graves problemas de saúde. A mulher, devido à falta de comida e medicamentos, também veio a falecer, no dia seguinte a ele ser encontrado. As duas mulheres estavam sem comer há três dias. O caso foi descoberto por uma equipa da Confraria Santa Eulália que dava apoio social à família.


Jornal do Centro

13

28 | Maio | 2010

PJ TEM EQUIPA ESPECIAL À PROCURA DA JOVEM DE LAMEGO

Alunos da Escola Alves Martins criam veículo eléctrico futurista

Publicidade

so “Desafio E” do Ministério da Educação, em que a proposta é imaginarem e construírem um veículo eléctrico do futuro. ”Este projecto reflecte toda a nossa preocupação e ambição para dar um passo na mobilidade sustentável. Permite a utilização versátil e incide na preocupação com a aerodinâmica, tem um baixo nível de consumo, permitindo assim caminhar de outra forma para a mobilidade sustentável”, afirma Ricardo Delgado. O carro de quatro lugares, tem uma tipologia citadina de médio curso, um tempo de carga de cinco horas e meia e uma velo-

cidade de 120 quilómetros por hora. “O carro foi criado a partir de várias tecnologias convencionais, com motor de combustão, peças em movimento, uma plataforma do BMWZ4, um power drive, um motor, um variador eléctrico de velocidade, com baterias e todo o sistema de transmissão associado à caixa de velocidade” acrescenta o estudante. Entre as particularidades do veículo está o facto de os acessórios funcionarem através da energia proporcionada por um painel solar que existe na viatura. O projecto “Gota Eléctrica” foi desenvolvido em três fases. A maqueta vai

DR

Seis alunos do 12º ano de ciências e tecnologias, da Escola Secundária Alves Martins de Viseu estão a desenvolver o projecto de um carro eléctrico que pretendem venha a ser uma nova solução para o problema da mobilidade nas cidades. “Temos como objectivo final redigir a ficha técnica de um veículo eléctrico futurista”, descrevem. O projecto dos estudantes “Gota Eléctrica” surge da escolha do tema para a disciplina de Área de Projecto, onde são desafiados a desenvolverem um trabalho que resulte num projecto concreto. Para tal, concorreram ao concur-

DR

Preocupação∑ Estudantes preocuparam-se em criar um projecto que ajuda à mobilidade nas cidades

A “Gota Eléctrica” é o nome do trabalho de seis alunos ser entregue no final deste mês e o projecto apresentado à comunidade estudantil dentro de duas

semanas. Vanina Dias Estagiária

A Polícia Judiciária (PJ) constituiu uma equipa especial para investigar o caso da jovem de Lamego desaparecida há 26 dias. O director da PJ do Porto juntou oito inspectores e um inspector chefe, que vão dedicar-se em exclusivo à investigação. À hora do fecho do Jornal do Centro (noite de quarta-feira) Carina Ferreira, de 21 anos, continuava desaparecida desde o dia 1 de Maio quando saiu de casa para ir a uma festa na Régua. Apesar da ausência de sinais, não havendo carro, movimentos de contas bancárias, nem telefonemas, a PJ não fecha o dossiê de Carina.


Jornal do Centro

14

28 | Maio | 2010

Vouzela lança “Alameda (com)Vida”

A Câmara Municipal de Vouzela realiza até Julho, aos domingos, o programa “Alameda (com)Vida”.

O evento pretende dinamizar a Alameda D. Duarte de Almeida e promover o trabalho dos grupos de cantares, ranchos folclóricos e filarmónicas do concelho. Este domingo, dia 30, às 17h00 decorre um espectáculo com o Grupo de Cantares de Fataunços e o Grupo de Cantares das Póvoas.

Um abraço entre jovens em Mangualde Os a lunos da turma do 6º D da Escola Gomes Eanes de Azurara de Mangualde e a APPACDM de Viseu uniram-se em torno de um projecto inédito e vão realizar o espectáculo “Encontra a Música!”, para assinalar o Dia Mundial da CrianPublicidade

ça, 1 de Junho, às 20h30 no Auditório do Centro Paroquial. Sessenta elementos, 20 alunos da turma, 20 da APPACDM e 21 voluntários prometem uma noite musical diferente, em que as receitas revertem para a APPACDM.

Suspenso funcionário da câmara Oliveira de Frades∑Técnico punido por afirmações em campanha Porfírio Carvalho, técnico superior da autarquia de Oliveira de Frades e vereador da oposição socialista, foi punido com 180 dias de suspensão, sem direito a salário, por palavras ditas durante a campanha eleitoral, em que era candidato à câmara pelo PS. As afirmações feitas, segundo o presidente da câmara de Oliveira de Frades, Luís Vasconcelos (PSD), de que “a água que a autarquia manda analisar não é a água que corre nas condutas, mas sim água comprada em garrafões”, resultaram num processo disciplina instaurado ao técnico da autarquia, tendo sido esta

A Porfírio Carvalho foi candidato pelo PS nas autárquicas semana conhecida a deliberação. “Nós achamos que é uma situação gravíssima, aliás está tudo no Ministério Público”, adianta o presidente. Porfírio Carvalho não quis prestar declarações gravadas à Rádio Noar,

mas confirma que está de baixa médica e, quando for notificado, vai recorrer da deliberação, aprovada na última reunião do executivo municipal. Emília Amaral/Rádio Noar

CONCELHIA DO PS APRESENTA-SE A FERNANDO RUAS A presidente do Partido Socialista de Viseu, Lúcia Silva foi apresentar cumprimentos ao presidente da Câmara, Fernando Ruas e chamou à medida “uma nova forma de fazer política”. Lúcia Silva deu con h e c i m e n to a Fe r nando Ruas de algumas “preocupações e anseios” dos viseenses, nomeadamente a área do apoio social, as obras do parque da cidade que continua fechado e a situação da Estrada Nacional 229 que liga Viseu a Sátão. “É de realçar a postura dialogante, construtiva e empenhada, quer da concelhia do PS, quer do dr. Fernando Ruas”, escreveu Lúcia Silva num comunicado enviado à comunicação social. EA


Textos: Raquel Rodrigues Grafismo: Marcos Rebelo

o t n e m e l sup

Emprego 0 1 0 2 o ã ç a m e For Tecnologias e Sistemas o ã ç a m r o f n I e d

ÃO 428 DE TRO, EDIÇ L DO CEN IO JORNA SEMANÁR DO TE GRAN RTE INTE ENTO É PA MENTE. ESTE SUPLEM SEPARADA VENDIDO R SE DE E NÃO PO

28 DE MAIO

DE 2010


SUPLEMENTO

Jornal do Centro

II

EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

28 | Maio | 2010

Está a decorrer até ao dia 30, a 4ª edição da Expo-Oportunidades, no pavilhão Multiusos, em Viseu. O evento promove o empreendedorismo no Centro e visa a partilha de soluções de emprego e formação para a região, dando a conhecer oportunidades de negócio, tendo disponíveis, nesta edição, cerca de 2000 ofertas de emprego. A mostra deste ano, com 50 entidades presentes, conta duplicar o número de participantes para dez mil entradas e distingue-se por uma união entre entidades organizativas. A organização do Instituto Piaget de Viseu, em conjunto com a delegação regional do Centro do Instituto de Emprego e Formação Profissional, a DREC e a AIRV, tem pela primeira vez a participação das outras duas instituições de ensino superior da cidade, o Instituto Politécnico e a Universidade Católica, assim como do Conselho Empresarial do Centro (CEC). “No mesmo espaço podemos dar oportunidade Publicidade

Nuno Ferreira

MOIMENTA OPORTUNA Expo-Oportunidades regressa ao Multiusos com uma edição mais forte Feira alerta

às pessoas de conhecerem percursos de formação, percursos de empregabilidade, percursos de voluntariado. Este ano em particular, temos, por exemplo, a Assistência Médica Internacional (AMI), o Instituto Universitário em termos de voluntariado”, afirma Fernando Mateus, do Instituto Piaget, numa entrevista ao Jornal do Centro (ver à Conversa nesta edição). A partilha da organização da Expo-Oportunidades permite à feira ter este ano um conjunto de novas actividades associadas. O Hotel Montebelo vai receber três conferências organizadas pela Associação Empresarial da Região de Viseu (AIRV). Esta sexta-feira, às 17h30, decorre uma

conferência sobre “Cidades e o seu Desenvolvimento” com antigo ministro das Finanças, Hernâni Lopes, o presidente da Câmara de Viseu, Fernando Ruas e o secretário de Estado da Administração Local, José Junqueiro. No sábado, ás 15h00, realiza-se a conferência sobre “Internacionalização, Desenvolvimento e a sua Internacionalização na Economia” com Lino Fernandes, Alfredo Simões e Álvaro Nascimento. No mesmo dia, às 17h30 será abordada a temática “Empreendedorismo e a Gestão de Talento” com o empresário Jorge Martins, Fátima Carioca e o presidente da AIRV, João Cotta. Durante os três dias, no pavilhão Multiusos decorre

ainda um conjunto de seminários temáticos. Mas há uma outra novidade: a “Praça de Oportunidades”. Fernando Mateus explica que “é um espaço informal onde vai decorrer um conjunto de actividades de partilha por parte das entidades: teatro, música, animação, uma acção de gerontologia com os idosos, fitness, no fundo, actividades que pretendem também levar para lá as pessoas”. A edição deste ano da Expo-Oportunidades que abrir a porta à investigação, uma área que se pretende dinamizar em próximas edições. “Todos temos unidades de investigação, mas estão muito isoladasO que pretendemos é unir a investigação existente nas três instituições [Piaget, IPV e Universidade Católica] e mostrar ao exterior que em Viseu também se faz investigação, não é só nos grandes pólos”, explica Carlos Martins da organização. Emília Amaral

Publicidade

A Matemática que faz sentido! Abertas inscrições para o Verão.

Tal como num ginásio se desenvolve o corpo, no MATHNASIUM desenvolve-se o raciocínio.

para a importância da formação

O Centro Novas Oport u n i d a d e s d o Ag r u p amento de Escolas de Moimenta da Beira realiza mais uma edição, a segunda, da Moimenta Oportuna - Feira de Educação, Formação, Qualificação e Emprego, numa iniciativa que se iniciou ontem e que anima a vila até amanhã. Para este ano a organização conta com a presença de 38 stands de exposição, destacandose a presença em peso das vá r ias instituições de ensino superior da re g i ã o e d e vá r i a s e scolas profissionais que v ê e m n e s t a fe i r a u m a opor tunidade imperdível de porem em prática a sua formação. De acordo com Alzira Gomes, coordenadora do Centro Novas Oportunidades, a Moimenta Oportuna tem como principal objectivo “alertar jovens e Publicidade

Aproveita as férias do Verão, para… … RECUPERAR as bases matemáticas, … APERFEIÇOAR as competências, …PREPARAR o próximo ano lectivo, … APRENDER a gostar de Matemática, … JOGOS de raciocínio e lógica. R. Dr. Alexandre Lucena e Vale Viseu (junto à Escola E.B. Grão Vasco) 964 044 149 - 232 449 178 www.mathnasium.pt

menos jovens para a importância da formação e até da criação das suas próprias empresas”. Pa r a i s s o, d u r a nte o dia de amanhã, o recinto da feira será readaptado para receber empresas locais com produtos da região, iniciativa que conta com a organização da autarquia local. O dia de ontem ficou marcado pelo tema das “Novas Oportunidades” e hoje a área em destaque é a “Saúde”, com a realização, entre outros, de uma palestra dedicada á “Promoção da Saúde em Meio Escolar”. Com presença confirmada na Moimenta Oportuna estão os Bombeiros Voluntários da vila, que d e s e nvo l ve m a l g u m as actividades demonstrativas como o uso de extintores, e a Guarda Nacional Republicana, com demonstração de meios.


SUPLEMENTO EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Jornal do Centro

IV

28 | Maio | 2010

Escola Superior de Educação traz centenas a Viseu I n st a l a d a p rov is o r i amente no velho edifício da antiga Escola do Mag i s té r i o P r i m á r i o, c o m apenas 7 professores e 50 alunos, distribuídos por seis cursos, a Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV) tornou-se a primeira unidade orgânica de um Instituto Superior Politécnico a entrar em funcionamento no país, em 1988. O Pólo de Lamego, criado em 1987 numa perspectiva de descentralização e de regionalização capilar, veio redimensionar a instituição, levando à zona norte do distrito a presença e as vantagens do ensino superior. Para o ano lectivo que

A ESEV foi a primeira unidade orgânica de um Politécnico no país”

se avizinha, a ESEV tem disponíveis várias opções de formação, que concedem aos seus alunos o nível de Licenciatura e de Mestrado. No que diz respeito a Licenciaturas, disponíveis estão os cursos de

Publicidade

C o m u n i c a ç ã o S o c i a l, E d u c a ç ã o A m b i e n t a l, Educação Social, Ar tes Plásticas e Multimédia, Animação Cultural, Desporto e Actividade Física, Educação Básica e Publicidade e Relações Públicas. No que diz respeito à formação de Mestrados, a ESE V tem disponíveis para o próximo ano lectivo o curso de Animação Ar tística, Ar te e M u ltimédia, Edu cação Pré-Escolar, Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico, Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável, Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico, Ensino da Educação Visual e Tecnológica no

10/11

Cursos 1.º Ciclo Licenciatura 9054 . Comunicação Social Pré Requisito . Grupo D Acesso, uma das seguintes provas: 04 Economia . 11 História . 18 Português

9082 . Educação Ambiental Acesso, uma das seguintes provas: 04 Economia . 09 Geografia . 18 Português

9084 . Educação Social Acesso, uma das seguintes provas: 02 Biologia e Geologia . 11 História . 18 Português

9347 . Artes Plásticas e Multimédia Pré Requisito . Grupo F Acesso, uma das seguintes provas: 03 Desenho . 12 História da Cultura e das Artes . 18 Português

9466 . Animação Cultural Acesso, uma das seguintes provas: 12 História da Cultura e das Artes . 11 História . 18 Português

9850 . Desporto e Actividade Física Acesso, uma das seguintes provas: 02 Biologia e Geologia . 16 Matemática . 18 Português

9853 . Educação Básica Acesso, uma das seguintes provas: 02 Biologia e Geologia . 10 Geometria Descritiva . 11 História 15 Literatura Portuguesa . 16 Matemática . 18 Português

9930 . Publicidade e Relações Públicas ISPV - Esc ol a Su

i or per

ucação de Vi s de Ed eu

Acesso, uma das seguintes provas: 09 Geografia . 11 História . 18 Português

Ensino Básico e Comunicação e Marketing. A ESE V é uma unidade orgânica do Instituto

Politécnico de Viseu, que constitui o pólo principal e público do ensino superior em Viseu, trazen-

do, a cada ano, centenas de alunos que procuram uma for mação de nível superior,

10/11

Cursos 2.º Ciclo Mestrado Animação Artística

Desenvolver competências, conhecimentos científicos e técnicos de nível aprofundado, bem como desenvolver capacidades e atitudes de análise crítica, de inovação e de investigação aplicadas no domínio da formação de animadores no contexto artístico.

Arte e Multimédia * Aprofundar saberes teóricos e práticos fundamentais para a intervenção e investigação nas áreas da arte e multimédia e para sedimentar a transdisciplinaridade necessária a uma prática profissional competente.

Educação Pré-escolar* Desenvolver conhecimentos e capacidades de compreensão adequados à obtenção do grau de mestre, conferindo habilitação profissional para a Educação Pré-escolar.

Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico Desenvolver conhecimentos e capacidades de compreensão adequados à obtenção do grau de mestre, conferindo habilitação profissional para a docência no 1º.CEB.

Ensino do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico* Conferir habilitação para a docência em todas as áreas do 1.º CEB em Língua Portuguesa, Matemática, História e Geografia de Portugal e Ciências da Natureza do 2.º CEB.

Educação Pré-escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico* Desenvolver conhecimentos e capacidades de compreensão adequados à obtenção do grau de mestre, conferindo habilitação profissional para a docência na Educação Pré-escolar e no 1.º CEB.

Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável* Formar especialistas que promovam a Educação Ambiental para a sustentabilidade em contextos profissionais diferenciados, conducente à equidade entre países e à resolução de desafios sociais, económicos, ambientais e institucionais do presente e do futuro.

Ensino de Inglês e Francês no Ensino Básico* Construir conhecimentos profissionalizantes na área do ensino de línguas estrangeiras no Ensino Básico.Construir um quadro ético adequado à figura profissional de professor de línguas.

Ensino de Educação Visual e Tecnológica no Ensino Básico* Desenvolver conhecimentos e capacidades de compreensão adequados à obtenção do grau de mestre, em Educação Escolar e Ensino Básico com habilitação profissional para a docência da Educação Visual e Tecnológica.

Comunicação e Marketing* Desenvolver competências de planeamento de projectos, adaptando saberes, competências e novos instrumentos ao universo transdisciplinar do Marketing e da Comunicação.

* Submeter a candidatura no portal da ESEV (www.esev.ipv.pt) Prazo limite para a submissão das candidaturas: 1.ª Fase: 09.07.2010 2.ª Fase: 13.09.2010


SUPLEMENTO EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Jornal do Centro

VI

28 | Maio | 2010

ESCOLA PROFISSIONAL MARIANA SEIXAS

“As escolas profissionais têm um papel muito importante na sociedade” Criada em 1999, a Escola Profissional Mariana Seixas nasceu pela mão da fundação com o mesm o n o m e. S i t u a d a e m Ranhados, esta escola Publicidade

tem, neste ano lectivo 27 turmas, num total de 570 alunos. P re s t a n d o fo r m a ç ã o profissional, que dá equivalência ao décimo se-

gundo ano, e com cursos de educação e formação, equivalendo ao nono ano de escolaridade, a Escola Profissional Mariana Seixas aposta numa forma-

ção científica e técnica, disponibilizando um conjunto alargado de cursos, dos quais se destacam Técnico de Multimédia, o mais procurado pelos jo-

EPMS: formação “que assenta na valorização do saber fazer”

vens, e Técnico de Energias Renováveis. Com sede em Viseu e com um pólo em Castro Daire, a escola tem tentado dar resposta às solicitações do mercado, apostando na formação “que assenta na valorização do saber fazer”, afirma Rui Santos, director da instituição, lembrando que “a primeira vocação das escolas p rof issionais é formar técnicos”, relegando para segundo

lugar o papel do ensino superior no futuro de um aluno que se forma numa instituição deste género. Desenvolvendo acções inovadoras e em contacto p e r m a n e n te c o m a comunidade, os alunos d a Esc o l a P rof i s s i o n a l Mariana Seixas têm tornado possível a transmissão em directo de várias iniciativas da cidade, tal como acontece com a inauguração da ExpoOportunidades, que este fim-de-semana anima o Pav i l h ã o M u l t i u s o s d e Viseu. Lembrando que nos dias que correm “nenhuma formação é sinónimo de emprego”, Rui Santos relembra o importante papel que as escolas profissionais têm “para fazer ava n ç a r a so cie dade”, na medida em que permite uma inserção com sucesso no mercado de trabalho.

v EPMS de Viseu foi criada em 1999

v Pólo de Castro Daire da EPMS


WALL STREET INSTITUTE

ANIVERSÁRIO Aprender inglês de forma natural O no s s o obje c tivo é que o a luno a p re nda inglês definitivamente de uma forma natural. Para o conseguir o Wall Street Institute ofe rece aos alunos cur sos per sonalizados, ho r��rios flexíveis, uma aprendizagem de forma progressiva e de acordo com os seus objectivos, seguindo o seu próprio ritmo de aprendizagem adaptando-o às suas necessidades, sem perda de aulas e com garantia de resultados.

O m é t o d o Wa l l S t r e e t I n s t i t u t e t e m s i d o constantemente melhorado, combinando os recursos humanos e técnicos para desenvolver as capacidades de comunicação dos alunos logo a par tir do primeiro dia. A avaliação e acompanhamento contínuo que é dado pela e quipa Wa ll Stre et Institute são outros dos factores que permitem uma evolução sólida. O Wall Stre et Institute p e r mite ao aluno a possibilidade de fazer par te do seu curso em

casa, no trabalho ou em qualquer outro lugar via Internet, tendo sempre a componente humana para o acompanhar. Com esta opção o aluno aprende inglês onde e quando quiser, 24 horas por dia, sete dias por semana. O Wall Street Institute também trabalha com empresas, tendo programas especiais, onde elas podem optar pela formação “in company” (nas suas próprias instalações) ou no centro Wall Street Institute.

ESTE SUPLEMENTO É PARTE INTEGRANTE DO SEMANÁRIO JORNAL DO CENTRO, EDIÇÃO 428 DE 28 DE MAIO DE 2010 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE.

Av. Dr. António José Almeida, 52 R/C 3510-042 Viseu • Telefone: 232 480 120 • Email: viseu@wsi.pt • www.wallstreetinstitute.pt


página

2 Jornal do Centro

ANIVERSÁRIO

Direcção

28 | Maio | 2010

“Temos muita confiança naquilo que fazemos” Temos muita confiança naquilo que fazemos. Num mundo constantemente em mudança no qual vivemos, é na criação de valor e de riqueza pessoal que nos vamos apoiar para podermos transmitir todos os conhecimentos às pessoas que nos procuram, tentando valo-

rizá-las nas suas capacidades, nomeadamente na apreensão da Língua Inglesa. É neste momento fundamental para toda a população, o enriquecimento pessoal pela via da formação, porque será na mais-valia da for mação que cada um de nós conseguirá dar

resposta aos desafios de futuro. Para tal, o Inglês é uma aposta que todos nós devemos fazer para não ficarmos para trás neste processo de globalização. Saber Inglês, bem como ter outro tipo de formação, é pois, hoje em dia, uma condição mais do que necessária para ter su-

cesso na vida activa. Cada vez mais o mercado procura pessoas com um leque de formação mais abrangente. O Wall S treet Institu te em Viseu tem vindo nesta década a promover estes valores, com confiança e com pensamento no futuro.

Amaro Magalhães Director Geral do Wall Street Institute Viseu

Quem é quem

Dora FFerreira D i Directora do Wall Street Institute Viseu

Ana R A Ramos Directora Pedagógica do Wall Street Institute Viseu

IIsabel b l Carvalho C lh Assessora Didáctica

Catarina C t i Sousa S Teacher / Personal Tutor

LLucy FFerreira i Personal Tutor

Lúcia Lú i Melo M l Teacher

Olí i A Olívia Amarall Teacher

Sandra S d Canelas C l Recepcionist

Sara Fernandes S F d Personal Tutor


página

3 Jornal do Centro

ANIVERSÁRIO

28 | Maio | 2010

Docente

“Os nossos alunos saem da nossa escola a saber comunicar em Inglês”

Ana Ramos Directora Pedagógica do Wall Street Institute Viseu

Como Directora Pedagógica desta escola, com uma experiência de 5 anos neste método de ensino, posso dizer que este é um método eficaz e motivante para qualquer pessoa que queira fazer a aprendizagem da Língua Inglesa. É eficaz, porque o aluno aprende logo desde o primeiro dia, tem objectivos a curto e a longo prazo a atingir, que com a ajuda da nossa equipa vão atingindo e sendo congratulados por tal, acabando por se tornar motivante. Para que não baste, o nosso nível de exigência é elevado, já que os nossos alunos necessitam de uma média superior a 70% para que possam prosseguir com os seus objectivos, alcan-

çando-os passo a passo, ao seu ritmo e sem perda de aulas. Para além de todo o processo de avaliação, tentamos fazer com que os nossos alunos transportem todo o conhecimento adquirido para uma situação o mais parecida com a realidade, através das nossas Complementary Classes e Social Activities, as quais têm também como objectivo a confraternização entre alunos e entre professor e aluno. O nosso corpo docente é licenciado no ensino da Língua Inglesa, é constantemente avaliado e treinado para que, cada vez mais e melhor, possamos tornar visível a excelência do nosso método de ensino.

Os conteúdos programáticos dos nossos cursos têm tido ao longo dos anos como base as mesmas linhas do Conselho da Europa. Ao longo de 30 anos, os nossos programas têm vindo a ser constantemente melhorados e cada vez mais adaptados às necessidades de cada um, sempre com o objectivo único de munir os nossos alunos de capacidade comunicativa na Língua Inglesa, passível de ser aplicada em qualquer país de expressão Inglesa. Somos também por isso uma entidade acreditada pela DGERT. Os nossos certificados finais têm a representação gráfica dessa mesma instituição.

Os nossos alunos saem da nossa escola efectivamente a saber comunicar em Inglês, e voltam mais tarde para nos contar as suas experiências e como a aprendizagem da Língua Inglesa connosco lhes mudou a vida. Para mim e para todo o meu corpo docente, no qual me integro orgulhosamente, essa é a maior compensação que podemos ter.

ry Classes

v Complementa

v Encounter

v Wall Street Institute

Staff

v Speaking

v Wall Street Institu

te Viseu

Centre


feedback 1

O método do Wall Street Institute é inovador e flexível. Em que medida considera que o método de ensino se adapta a si?

4 Jornal do Centro

ANIVERSÁRIO

2

Sente que já progrediu durante o seu curso?

1

Maria de Fátima Loureiro Professora de Música

página

28 | Maio | 2010

3

2

Foi feito para mim. De outro modo serme-ia praticamente impossível frequentar. Com horários estruturados e sem flexibilidade não poderia mesmo ter feito o curso, o que muito me desgostaria. Acho mesmo que é um dos pontos fortes do Wall Street Institute, entre outros.

Indiscutivelmente, considero que o método com o “Role-Play” é uma óptima forma de treinar a linguagem. Em certa medida, considero que o falar é um dos principais problemas em qualquer aprendizagem de uma segunda língua. Daí que acho este um método fantástico para ajudar à resolução desse problema.

1

2

Obviamente que só este método de ensino se adaptaria a mim, dado o âmbito da minha disponibilidade ser diminuta. Sou funcionária pública, com pouca disponibilidade horária. Eu só poderia frequentar um curso pós-laboral.

1

3

Sem dúvida. É um ambiente descontraído mas de grande rigor no que ao conhecimento diz respeito. O aluno é incentivado à aprendizagem de uma maneira natural mas com compromisso. Eu aprecio a forma, o método e as pessoas com quem tenho o privilégio de lidar no Wall Street Institute.

3

Sem dúvida! Pois é no âmbito da aprendizagem que nos conscencializamos dos nossos limites.

Creio que há uma adequação directa às necessidades do aluno. No que concerne ao método, há que relevar as Complementary Classes, nas quais há uma conversação em grupo onde se pratica a oralidade. Mesmo que seja insuficiente o inglês por nós (alunos) praticado, este é sempre aproveitado e completado pelo professor.

2

3

Manuela M l M Moutinho ti h Funcionária Pública

É inovador porque utiliza as novas tecnologias da comunicação e da informação e é flexível porque se adapta ao nosso ritmo e ao horário que nos convém.

Considera o ambiente da escola propício à aprendizagem da Língua Inglesa?

Evidentemente que sim, apesar do pouco tempo que tenho disponível.

Sim, julgo-o adequado, tem boas instalações, bons equipamentos e professores competentes e motivadores.

José Manuel Oliveira Engenheiro Civil

1

Marco Varela Director Técnico & Qualidade

Este método está perfeitamente adaptado face à pouca disponibilidade de tempo que possuo. Antes de ter iniciado este curso analisei outras escolas e seus métodos de ensino, no entanto nenhum era compatível. Foi então que decidi optar pelo Wall Street Institute e pelo seu método E-Learning, onde a qualquer hora, qualquer lugar posso realizar as minhas aulas, os exercícios através do “English Anytime”.

2

Iniciei o curso em Julho de 2008, desde então o progresso tem sido exponencial. Hoje, sinto que efectivamente tudo se tornou mais fácil pois com a globalização dos negócios, a barreira linguística não poderá ser de forma alguma condicionante para o desenvolvimento das relações comerciais.

3

Penso que o “laboratório” possui as condições básicas necessárias à execução das aulas de multimédia, dotado de meios informáticos relativamente recentes e devidamente equipados.As aulas presencias ou de grupo são leccionadas em ambiente descontraído entre professor-aluno e demais colegas, sempre com uma base temática e de participação colectiva o que na prática simplifica a integração de todos.


Jornal do Centro

VII

28 | Maio | 2010

SUPLEMENTO EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Tondela dá “novas oportunidades” a cidadãos com deficiência O Centro Novas Oportunidades da Escola Profissional de Tondela assinou, este mês, um protocolo com o pólo de Viseu da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM), que visa a qualificação e integração de pessoas com deficiência e incapacidade, dotando-as de competências formativas. A ideia surgiu da Escola Profissional de Tondela, numa acção que visa divulgar as “Novas Oportunidades”, uma valência com cada vez mais importância na região. Iniciado no passado dia 20 de Abril, este proPublicidade

tocolo permite a formação de 13 formandos da APPACDM, que obterão, em cerca de meio ano, a equivalência ao nono ano de escolaridade. De acordo com Mar ta Rosa, coordenadora do Centro Novas Oportunidades de Tondela, a assinatura deste protocolo constitui “um desafio”, uma vez que pela primeira vez o centro se encontra a trabalhar com público com necessidades e d u c a t i va s e s p e c i a i s, mas, refere, é um trabalho “muito gratificante”. Com possibilidades reais de empregabilidade, estes 13 alunos debatem-se, na sua forma-

O desafio de trabalhar com um público com necessidades educativas especiais”

ção, em áreas tão distintas como as Tecnologias de Informação e Comunicação, Cidadania e Empregabilidade, Matemática para a vida e Linguagem e Comunicação.


SUPLEMENTO

Jornal do Centro

VIII

EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

28 | Maio | 2010

E-learning: uma nova ferramenta da formação O e-learning é um método de aprendizagem que se caracteriza pela u t i l i z a ç ã o d a I n te r n et, a p l i c a n d o o p ote n c i a l das tecnologias de infor mação e comunica-

ção ao desenvolvimento da ap rendiz agem e da formação. É u m p r o c e s s o p e rsonalizado, que permite uma maior flexibilidade temporal e espacial,

uma vez que formador e aluno não se encontram fisicamente, estando ligados através de rede. Desta forma, é através da Internet que são transmitidos os conteú-

dos educativos. Este método de ensino permite ao aluno aprender ao seu ritmo, desenvolvendo as competências individuais que necessita, no menor tempo

possível, exigindo motivação para obter e reter conhecimentos e aptência pelas tecnologias de informação e comunicação. Afir mando-se como

u m a a l te r n a t i va p e d ag ó g i c a e m e x p a n s ã o, o e-learning é já utilizado por diversas instituiç õ e s c o m o fe r r a m e n ta ou meio para formar pessoas.

∑ Ausência de relação humana formador/ aluno ∑ Exige conhecimentos tecnológicos ∑ Reduzida confiança neste tipo de estratégias educativas ∑ Custos elevados dos cursos e do material ∑ Exige a utilização de um computador ligado à Internet

∑ Inovação em processos de formação ∑ Redução e racionalização de recursos ∑ Flexibilidade de ensino e aprendizagem ∑ Auto-formação Flexibilidade temporal ∑ ∑ Distribuição rápida de conteúdos ∑ Ritmo personalizado

Desvantagens

Vantagens

Publicidade

Publicidade


SUPLEMENTO EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Jornal do Centro

X

28 | Maio | 2010

Escola Profissional de Vouzela com grande percentagem de empregabilidade Comemorando este ano 19 anos da sua criação, a Escola Profissional de Vouzela serve um vasto número de concelhos do distrito de Viseu e vá r ios co ncelhos do distrito de Aveiro. Com um crescimento a c e nt u a d o n o q u e d i z respeito ao número de alunos, a escola conta este ano lectivo com cerca de 230 alunos, registando um incremento de mais de 100 por cento no número de formandos. De acordo com José Lino, director da Escola Profissional de Vouzela, “o objectivo não é formar alunos para o ensino superior, mas sim qualificá-

Cursos com uma taxa de 100% de inserção no mercado de trabalho”

los e prepará-los para a inserção no mercado do trabalho”, desenvolvendo para isso um trabalho de

pesquisa e adequação dos cursos disponíveis para leccionar. Disponibilizando cursos de nível dois, três, quatro e cursos de Educação e Formação para Adultos, destaque para o Curso Técnico de Restauração, pela sua elevada adesão. Como conta José Lino, os vários cursos disponíveis na escola são “cursos com muita empregabilidade, que garantem aos alunos saídas profissionais, com uma ta xa de 10 0 por cento de inserção no mercado de trabalho. Q u e s t i o n a d o a c e rc a do papel das escolas

profissionais na formação da população portuguesa, o director atribui “extrema importância, na

medida em que vai garantir o desenvolvimento d a s e m p r e s a s c o m mão-de-obra qualifica-

da, para que as mesmas possam competir com outras do mercado Europeu.”

ROAD LEARNING

PROGRAMA GESTUS

Carrinha leva ensino profissional às escolas da região

Comerciantes de Viseu vão ter formação

Viseu foi a cidade do país escolhida para inaugurar uma iniciativa que visa sensibilizar a popul a ç ã o e s t u d a nti l e d o cente para a impor tância da aposta no ensino profissionalizante. A acção, que decorreu sob a forma de um road lea r ning, – u m ve ículo personalizado para nos intervalos de várias escolas secundárias e profissionais da região centro realizar uma acção de esclarecimento e informação – passou, durante o mês de Maio, por Aveiro,

A Associação dos Comerciantes do Distrito de Viseu (ACDV) está a ultimar um projecto de formação profissional para empresários comerciais. A iniciativa integra-se no programa Gestos, recentemente firmado entre as associações de comerciantes dos distritos de Viseu, Vila Real e Bragança. De acordo com o líde r da ACDV, G u a l te r Mirandês, a for mação que está a ser preparada para os comerciantes de Viseu é um dos p ro j e c to s d o r efe r i d o programa, tais como o vitrinismo, promoções temáticas, os car tões de desconto e turismo, entre outros. As acções de formaç ã o s e r ã o a d a pt a d a s aos comercia ntes em domínios como a informática, aprendizagem de línguas ou gestão de stocks. As sessões decorre-

Coimbra, Leiria, Castelo Branco e Guarda. Em Viseu a iniciativa marcou presença na Es c o l a S e c u n d á r i a d e Viriato, Escola Profissional Mariana Seixas, Escola Profissional de Carvalhais e Escola Secundária Alves Martins, envolvendo cerca de 300 alunos, numa acção informativa sobre as mais-valias dos cursos de especialização tecnológica e do seu elevado potencial de empregabilidade. Desenvolvida pela Novotecna (Associação

para o Desenvolvimento Te cnológico da Região Centro), esta iniciativa concluiu, através de inquéritos realizados aos estudantes, que os mesmos, quando questionados sobre a penetração que entendem ter o ensino tecnológico e profissional em termos de empregabilidade no mercado de trabalho, a grande maioria referia números abaixo dos 40 por cento, sendo que a realidade demonstra uma taxa média acima dos 90 por cento.

rão em horário pós-laboral nas instalações da ACDV, na rua da Paz. Para informar os potenciais for ma ndos, a associação vai convidar os comerciantes em meados de Junho para

uma sessão em que serão dados a conhecer os objectivos e a própria iniciativa. Os cursos deverão realizar-se durante o próximo Verão. José Lorena


Jornal do Centro

XI

28 | Maio | 2010

SUPLEMENTO EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CENTRO DE RECRUTAMENTO DE VISEU

AMBIFORMED

Uma alternativa de futuro

Um vasto leque de serviços ao seu dispor

Ingressar ou seguir a vida militar é cada vez mais uma opção em termos de formação dos jovens, permitindo aos mesmos usufruir de um contrato de trabalho seguro, que pode alargar-se até aos seis anos. Para seguir a vida militar, os candidatos devem ter pelo menos 18 anos e o nono ano de escolaridade concluído. Depois de prestarem provas de selecção e classificação, médicas, físicas e psíquicas - os jovens cumprem a chamada “recruta”, finda a qual fazem o seu “Juramento de Bandeira”. Com um ordenado, na categoria de praças, que ronda os 60 0 euros, a vida militar tem-se torna-

Com instalações em Oliveira de Frades, e desenvolvendo a sua actividade um pouco por toda a região, a empresa Ambiformed – Ambiente, Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho, Lda, foi constituída em 2005. Tendo iniciado a sua actividade na prestação d e s e r v i ç o s ex te r n o s de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho e Implementação do Sistema HACCP, a Ambiformed alargou, ao longo dos anos, o seu leque de ser viços, passando a disponibilizar todos os seus clientes e público em geral acções de formação certificada. Em Julho de 20 06 a empresa passou a ser

Publicidade

do numa opção cada vez mais a ter em conta. O Tenente-coronel Rui Esteves, Chefe do Centro de Recrutamento de Viseu, refere que, no ano que passou, este mesmo centro recebeu um número recorde de candidaturas (cerca de 860), o que “é esclarecedor do papel que o exército pode ter junto dos jovens e na sua formação.” Fazendo um trabalho de

divulgação junto de centros de emprego da região e de várias escolas, o Centro de Recrutamento de Viseu debate-se com a falta de meios, nomeadamente viaturas, para que possa desenvolver um trabalho mais abrangente, pois tem à sua responsabilidade uma área que engloba 40 concelhos dos distritos de Viseu, Aveiro, Guarda e Castelo Branco.

uma entidade acreditada para ministrar acções de formação profissional certificada, pelo agora DGERT, conhecendo este ser viço um elevado crescimento, a partir da referida data, tendo inclusive alguns cursos homologados, como é o caso do Curso Técnico Superior de Higiene e Segurança do Trabalho e do Curso de For-

mação Pedagógica Inicial de Formadores. D e s e nvo l ve n d o fo rmação financiada e não financiada, a Ambiformed desenvolve desde o ano da sua constituição, serviços na área do ambiente, coordenação de segurança em obra, comercialização de produtos, e elaboração de planos de emergência.


Jornal do Centro

SUPLEMENTO

28 | Maio | 2010

EMPREGO E FORMAÇÃO 2010 TECNOLOGIAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

ESCOLA PROFISSIONAL DE CARVALHAIS

“Por uma formação integral; por um emprego efectivo”

Servindo a vasta área de Lafões, a Escola Profissional de Carvalhais existe em São Pedro do Sul desde 1991 e, desde essa data, que o número de alunos tem crescido substancialmente. Mesmo com a oferta diferenciada que existe actualmente, a Escola Profissional de Carvalhais tem no presente ano lectivo 233 alunos, que usufruem de “um conjunto de apoios diversificados”, explica José Tavares, director pedagógico da escola. Para além do transporte, alimentação e materiais didácticos, é preocupação fundamental da direcção da instituição o bem-estar dos alunos, nomeadamente através da disponibilização de uma residência de estudantes com capacidade para noventa alunos. Com um total de onze cursos disponíveis, ent r e e l e s Té c n i c o d e Termalismo, Técnico de Informática de Gestão, Técnico de Multimédia, Animador Sociocultural e Técnico de Restauração, a Escola Profissional de Carvalhais tem à disposição dos alunos salas multimédia e de audiovisuais, laboratórios, biblioteca, salas de informática, um restaurante pedagógico e sala de espectáculos, entre ou-

tros, permitindo-lhes “uma plena aprendizagem, em contextos diferenciados, proporcionando-lhes um efectivo desenvolvimento e desempenho de competências práticas”, refere o director. Com o mercado de trabalho em vista, os alunos da Escola Profissional de Carvalhais têm a oportunidade de realizar estágios em mais de sessenta empresas e entidades da região e de índole nacional. Para além disso, a escola tem uma relação privilegiada com várias instituições de ensino superior, tais como a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Universidade da Beira Interior, Universidade de Aveiro, instituto Politécnico da Guarda e Instituto Piaget, o que permite à escola consolidar conhecimentos e competências e proporcionar aos alunos uma “formação prática, tecnológica e científica, reconhecida pela comunidade e pelo tecido empresarial local e regional”, sendo que cerca de oitenta por cento dos estudantes que provêm da escola encontram emprego facilmente, como faz questão de salientar José Tavares. A Escola Profissional de Carvalhais conta ainda com um corpo docente estável

e com uma larga experiência no ensino profissional, tendo igualmente estabelecido protocolos com a Universidade de Trás-osMontes e Alto Douro, no sentido da contratação de professores universitários daquela instituição, que ministram algumas das disciplinas práticas dos cursos de Técnico de Termalismo e de Técnico de Informática de Gestão. Neste momento, uma das apostas da Escola Profissional de Carvalhais tem sido a de privilegiar a formação em contexto de trabalho de âmbito internacional, nomeadamente em Espanha, França e Itália, permitindo aos seus formandos um conhecimento mais vasto de realidades e de contextos profissionais. “Mas a formação dos alunos não se limita ao contexto de sala de aula”, refere o director, lembrando a complementaridade existente através da promoção de um conjunto de actividades extra-curriculares, que lhes permite simultaneamente um complemento formativo de índole técnica, bem como uma formação permanente para a cidadania, no âmbito de princípios e valores fundamentais para uma sociedade mais justa e mais humana.


15

Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

negócios UDACA assina acordo com ESEV A União das Adegas Cooperativas da Região do Dão (UDACA) assinou um protocolo de cooperação com a Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV). O documento tem por objectivo que os alunos da área de Design, Artes Gráficas e Relações Públicas participem num concurso de novas ideias para a União. A partir de Setembro, os alunos da ESEV poderão participar num concurso destinado à elaboração de uma campanha de imagem para dois novos produtos vínicos da UDACA. Entretanto, e também para celebrar a passagem dos 44 anos da União, foram lançados recentemente dois novos vinhos Publicidade

de marcas já existentes naquele organismo. Tratamse de colheitas de 2008 dos vinhos “Irreverente” e “Adro da Sé” Reserva. Segundo o enólogo da UDACA, Carlos Silva, o primeiro dos vinhos referidos destina-se sobretudo aos jovens e a novos consumidores. Já o “Adro da Sé” Reserva “é um vinho clássico, não deixando de ter um toque de modernidade”, disse. A UDACA aproveitou o aniversário para apresentar a sua nova unidade de engarrafamento. Trata-se de equipamento que permite o cumprimento das regras de qualidade e produtividade, exigidas pelo processo de certificação daquela empresa.

Lamego e Tarouca à conquista da Alemanha Baga do Sabugueiro∑ Norte de Viseu exporta o fruto há 40 anos Uma delegação das autarquias de Lamego e Tarouca, da Cooperativa Agrícola Régiefrutas, acompanhados pelo governador civil de Viseu, Miguel Ginestal, deslocou-se no passado fimde-semana à cidade de Hamburgo, na Alemanha, para reforçar o volume de exportação da baga de sabugueiro para aquele país. Em causa está a produção de baga de sabugueiro no Vale do Varosa, principalmente nos dois concelhos referidos.

A comitiva portuguesa realizou contactos com o grupo alemão Dolher, líder europeu em matéria de concentrados para a indústria alimentar. Recorde-se que o grupo alemão importa baga de sabugueiro do norte do distrito de Viseu há cerca de 40 anos. A qualidade daquele pequeno fruto na região é apreciada pelos alemães devido às condições climatéricas da zona, particularmente o calor que permite a sua maturação e colheita nos meses de

Agosto e Setembro. Desde o início deste ano que os agricultores da região do Távora/Varosa têm à disposição uma nova unidade - a Régiefrutas - de transformação de baga de sabugueiro. O investimento ultrapassou os três milhões de euros e inclui uma moderna rede de frio que permite aos agricultores processar e armazenar a baga em condições adequadas à exportação. A Régiefrutas situa-se na freguesia de Dalvares,

em Tarouca. A criação deste organismo teve por objectivo dar um novo impulso ao sector agrícola. Para além da baga de sabugueiro, a cooperativa tem ainda um plano mais amplo de desenvolvimento estratégico da região, nomeadamente o reforço da exportação de baga e de outros produtos agrícolas. As autarquias de Tabuaço e Moimenta da Beira vão aderir ao projecto em breve. José Lorena jose.lorena@jornaldocentro.pt


Jornal do Centro

16 NEGÓCIOS | INVESTIR & AGIR

28 | Maio | 2010

REDE DE GINÁSIOS VIVAFIT CRESCE 16 %

Clareza no Pensamento (http://clarezanopensamento.blogspot.com)

PME e Internacionalização

O lider português em ginásios Vivafit cresceu 16 por cento nos primeiros quatro meses do ano, face a 2009, ao atingir uma facturação de seis milhões e 500 mil euros. A rede nacional de ginásios agrega 112 espaços em todo o país, prevendo para 2010 a abertura de 12 novos ginásios em Portugal e espanha. Em Viseu, o Vivafit fica na Rua Mestre António Nelas, em Marzovelos.

António José Figueiredo Docente na Escola Superior de Tecnologia de Viseu

O tema da internacionalização das PME, há muito considerado de relevância para o país, tem vindo, nestes tempos de crise, a ganhar preponderância acrescida. A importância deste tipo de organizações, não só pelo que representam actualmente, mas também enquanto potencial de contribuição líquida para o reforço futuro da economia é incontornável. A própria produção científica centrada no fenómeno da internacionalização, outrora escassa sobre as empresas de menor dimensão, tem vindo a intensificar-se a um ritmo só comparável ao do aprofundamento do fenómeno da internacionalização ele próprio. Um dos temas que tem vindo a merecer crescente atenção na investigação do fenómeno da internacionalização no seio das PME é, sem dúvida, o das INV (International New Ventures), ou seja, das “empresas que, desde a sua formação, pretendem obter uma significativa vantagem competitiva a partir da utilização de recursos e da venda dos seus produtos em vários países”. A este conceito vêm ainda juntar-se o de BG (Born Global) e o de Micromultinacionais, colocando-se em evidência que as PME, pese embora a sua inferior dimensão (face às grandes compaPublicidade

nhias) e a menor disponibilidade de recursos, são organizações perfeitamente presentes no tabuleiro do xadrez económico internacional. Este fenómeno parece ainda “encaixar” na perfeição nas teses dos economistas que advogam que os ganhos de competitividade da nossa economia estão muito associados, não só à forma como as actuais empresas deverão desenvolver as suas actividades no contexto dos seus negócios, mas também, e porventura ainda mais, à reestruturação sectorial da própria economia. Ou seja, da emergência de novos negócios mais atractivos, com superiores produtividades e, por consequência, com superiores posições competitivas no panorama internacional. Por tudo isto, aspectos como o reforço de uma oferta formativa consentânea com as exigências desta dinâmica, a criação de verdadeiros centros de incubação de empresas, o lançamento de concursos de inovação e empreendedorismo numa base regular, o apoio a projectos de parceria entre centros de saber e empresas, entre outros, se no passado sempre fizeram o maior sentido, nos dias de hoje “correm o risco” de se tornar imprescindíveis.

CONFRARIA CRIADA PARA PROMOVER PÃO DO SABUGUEIRO

A O Jardim das Sementinhas nasce de um investimento de 800 mil euros

Creche proporciona às crianças contacto com agricultura Horta pedagógica∑ Crianças aprendem a cultivar os alimentos A ideia é simples: permitir que as crianças possam estar em contacto permanente com a natureza e com a terra. É isso que em breve pode acontecer, com a abertura de uma nova infra-estrutura na cidade de Viseu. O Ja rd i m da s Se mentinhas, para além de creche, infantário, ATL e de prestar apoio domiciliário, pretende desenvolver todas as valências que possam transmitir às crianças o sentimento de “regresso

foto legenda A AU T O - S U E C O (Coimbra) fez, na quartafeira, uma pré-apresentação do novo Mitsubishi ASX. O fim-de-semana de portas abertas está marcado para os dias 19 e 20 de Junho.

à terra”, conforme explica a proprietária, Emília Amaral. Com inauguração prevista para o próximo mês de Julho, e a funcionar em pleno no início do ano lectivo, o Jardim das Sementinhas parte de um investimento totalmente privado e que ronda os 800 mil euros, contando com os mais modernos equipamentos e reservando um espaço exterior de proximidade com a natureza. A horta pedagógica

será cultivada e cuidada pelas crianças, contando ainda com a presença de várias árvores de grande porte. “Cada criança terá umas galochas para ir à horta”, sem medo de sujar as mãos, experienciando o contacto directo com a agricultura, numa altura em que “as gerações mais novas não sabem de onde vêm os alimentos”, conclui. Raquel Rodrigues raquel.rodrigues@jornaldocentro.pt

Vai ser apresentada esta sexta-feira a Confraria do Pão do Sabugueiro, destinada a promover o pão típico da Serra da Estrela. Incentivar o cultivo do centeio nas encostas da serra, é outro dos propósitos da confraria A apresentação da confraria decorre num jantar de apresentação da quarta mostra gastronómica marcada para 1 de Junho, no Sabugueiro. O evento, que envolve onze restaurantes da aldeia turística, lança um desafio: “vá à Serra ver a selecção de futebol e almoce ou jante no Sabugueiro”. O pão do Sabugueiro já é hoje vendido nas grandes superfícies comerciais de todo o país, através de uma empresa que começou a laborar no Sabugueiro, mas que actualmente está instalada em Seia, tendo-se especializado no produto típico da Serra da Estrela.

MOIMENTA DA BEIRA PROMOVE PRODUTOS LOCAIS EM FEIRA V i n t e e x p o s i to r e s , artesãos e colectividades do concelho de Moimenta da Beira promovem os seus produtos, esta sextafeira e sábado, na primeira edição da Feira das Maias, a decorrer no recinto da Escola Secundária. Estes produtores distinguem-se pela aposta na criação de produtos manufacturados, utilizando recursos endógenos existentes no concelho.


Jornal do Centro

17

28 | Maio | 2010

desporto Visto e Falado

Futebol

Tondela ganha corrida por Aguinaldo

Vítor Santos vtr1967@gmail.com

Mais um reforço de peso para o Tondela. Depois de Tomé, um dos mais promissores jogadores da região, que alinhava no Académico de Viseu, o Tondela assegurou Aguinaldo, um avançado angolando, de 21 anos, que deu nas vistas no Tourizense . É um jogador muito forte fisicamente, que impressiona pela velocidade e rapidez de execução. Aguinaldo era um jogador muito cobiçado durante este defeso, tendo mesmo sido dado como certo no Operário dos Açores. O jogador acabaria, no entanto, por optar pelo Tondela. Aguinaldo quer esta temporada uma equi-

Jogos Desportivos

Cartão FairPlay Estão em força pelo Distrito. O número de modalidades a aumentar é um sinal bastante positivo. Às crianças e jovens devem dar-se oportunidades de praticarem outros desportos quando não está em causa a competição. A formação especializada é feita ao longo do ano e estes Jogos são um complemento, ou deviam ser, a essa prática. Parabéns.

A Avançado angolano (à direita) tem 21 anos e marcou 6 golos pelo Tourizense

Futebol

Académico de Viseu vai arrumando a casa

Gil Peres

Balsa Nova

Cartão Vermelho A equipa sénior de futsal do Balsa Nova desceu aos distritais. Desde o inicio da época o destino do clube ficou traçado. No entanto louve-se o esforço de recuperação e organização que está a ser feito no clube. Na rápida ascensão do clube foram cometidos vários erros e os actuais responsáveis estão a trabalhar no sentido de não deixarem desaparecer a modalidade no clube. Força.

Gil Peres

A Casal de regresso

Renovações e contratações em marcha no Académico de Viseu. A direcção, e a nova equipa técnica, liderada por João Paulo Correia, arrumam a casa para a próxima época. Com uma mais que previsível redução de orçamento, contratar bom e barato é uma das prioridades. Garantida a continuidade da grande maioria do plantel, com a excepção já conhecida

de Tomé - foi para o Tondela - e de Ruben, Rui Marcos e Guima que também deverão sair, Casal - um regresso - Mauro (ex-Praiense), e Luís Vouzela, como avançámos na edição online, são reforços. Jogadores experientes para dar consistência à equipa. Mais complicado o regresso de Sérgio. O Académico quer, mas o jogador ainda não aceitou a proposta. GP

Futebol

III Divisão Nacional não acaba em 2011 A Assembleia Geral Extraordinária da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) aprovou, no passado sábado, a manutenção do actual sistema competitivo do Campeonato Nacional da III Divisão. As associações acabam assim por voltar atrás na decisão que havia sido tomada em Janeiro passado sobre alterações dos quadros competitivos do fute-

bol não profissional, e onde se previa que, a partir de 2011/2012, seria “extinta” a III Divisão, e se manteria apenas a II Nacional. A aposta passava por campeonatos regionais mais competitivos, e em que os campeões de cada associação disputariam depois um poul de apuramento para a II Divisão. Depois de sábado passado, fica tudo na mesma. GP

III Divisão Nacional

Fornos espreita subida, Penalva mais longe Tudo em aberto para Fornos de Algodres e Penalva do Castelo na luta pela subida à II Divisão Nacional. A matemática assim o diz, mas as hipóteses não serão iguais para as duas equipas. Apesar de estarem as duas dependentes de resultados de terceiros, ainda assim, são maiores

as probabilidades para o Fornos. Entra para a última jornada a pensar numa vitória em Anadia, frente a um adversário já em descompressão, depois de ter assegurado a subida, e à espera que o Gândara, com quem tem igualde pontual, mas desvantagem no confronto directo, possa

perder no Pombal, onde há ainda uma equipa com hipóteses de subir, se vencer. Já o Penalva, recebe o Avanca. Precisa vencer e esperar por um “milagre”. Cesarense e Candal não podem pontuar, ou a subida fica um sonho adiado. GP

Gil Peres

Cartão FairPlay O Sport Clube de Penalva do Castelo chega à última jornada com possibilidades de subir de divisão. Está dependente de outros resultados mas não deixa de ser mais uma boa época da equipa treinada por Carlos Agostinho, mesmo contra tantas adversidades. Nos últimos anos tem sido a mais regular e estável do futebol distrital. Um bom exemplo.

pa com ambições de subida e o projecto do Tondela ter-lhe-á dado mais garantias que uma ida para os Açores. Filipe Moreira vai assim vendo formada a equipa, sendo previsivel que nos próximos dias outros jogadores possam ser conhecidos como reforços do Tondela. Consumada a saída de Carlos André para o Chipre, a direcção do Tondela procura um substituto à altura, sendo garantido que o plantel será reforçado apenas em locais chave e por jogadores que possam ser uma mais valia.

Gil Peres

Reforço ∑ Ex-Tourizense chegou a ser dado como jogador do Operário dos Açores

Penalva do Castelo

A Fornos de Algodres venceu Mangualde (3-1)


D S. Pedro do Sul recebe peça “O Grunhir dos Porcos”

18

culturas expos

SÁTÃO ∑ Biblioteca Municipal Até dia 19 de Junho Exposição de pintura, de João Lopes. VILA NOVA DE PAIVA ∑ Auditório Municipal Até dia 31 de Maio Exposição de esculturas “Pure Essential”, de Carlos Costa. SERNANCELHE ∑ Centro Municipal de Artes Até dia 31 de Maio Exposição de pintura “A arte do chá”, de Maria Cristina Lopes Marques. SANTA COMBA DÃO ∑ Casa da Cultura Até dia 31 de Agosto Exposição “Arte e Vida... Vida e Arte”. MORTÁGUA ∑ Centro de Animação Cultural Até dia 15 de Junho Exposição “Sentir a Terra Mortágua Republicana”.

Arcas da memória

Destaque

Os gambozinos. A irónica actualidade de uma história

Alberto Correia Antropólogo aierrocotrebla@gmail.com

A :A Catedral e o Museu Grão Vasco são alguns dos locais onde decorrem os concertos

I Festival Piaget dá música à cidade durante seis dias Evento alargado ∑ Festival integra concertos e seminários Dez músicos vão estar juntos em Viseu a partir de hoje, dia 28 e até 2 de Junho, para participarem no I Festival de Música Instituto Piaget, com a coordenação da licenciatura e do mestrado em Música do Campus Universitário. A Sé Catedral, o Museu Grão Vasco, o Campus Universitário do Piaget, a FNAC no Palácio do Gelo e o Mercado 2 de Maio, são alguns dos espaços emblemáticos escolhidos para a realização de diversos concertos, ao longo dos seis dias de actividade musical intensa. O Festival é “destinado tanto a amantes de música como a alunos e profissionais”, adianta a organização, que pretendeu dar ao evento um conceito mais

alargado e, além dos concertos, preparou seminários, conferências e masterclasses na área dos metais, piano, guitarra e música de câmara. Destaca-se o dia 29, com um conjunto de seminários sobre investigação em música e as bandas filarmónicas em Portugal. Entrada livre. O Museu Grão Vasco recebe dois concertos de guitarra com Augusto Pacheco, esta sexta-feira, ás 19h00, e André Madeira, dia 31, às 19h00. Ao piano pode ouvir-se Fiametta Facchino, domingo, às 18h00, no Hotel Montebelo, e Paulo Oliveira, dia 2 de Junho, às 12h30, no Campus do Piaget. A Orquestra de Metais Piaget dá um concerto de Música de Câma-

roteiro cinemas

VISEU FORUM VISEU (LUSOMUNDO) Sessões diárias às 11h00 (Dom.), 13h50 Como Treinares o Teu Dragão (M6) (Digital 3D)

(M12)

(M16)

Sessões diárias às 11h20 (Dom.), 15h00, 18h00, 21h00, 00h00 (6ª,Sáb e Quar.) Homem de Ferro 2 (M12)

Sessões diárias às 11h30 (Dom.), 14h40, 17h15, 21h40, 00h35 (6ª,Sáb e Quar.) Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo (M12) (Digital)

Sessões diárias às 16h10, 18h30,21h10,23h30 (6ª e Sáb e Qua) Street Dance (CB) (Digital3D)

Sessões diárias às 14h30, 17h30, 21h15, 00h15 (6ª Sábe Qua.) Robin Hood (M12) (Digital)

PALÁCIO DO GELO (LUSOMUNDO) Sessões diárias às 13h30, 15h40, 17h50, 20h00, 22h10, 00h35 (6ª, Sáb. e Qua) Espião nas Horas Vagas (M12

Sessões diárias às 14h10, 16h35, 19h00, 21h30, 23h50 (6ª,Sáb. e Qua.) Juntos ao Luar

28 | Maio | 2010

O Teatro Experimental de Fataunços leva,hoje a partir das 21h30, ao Cine-Teatro S.Pedro a peça “O Grunhir dos Porcos”. Este evento dá continuidade às ofertas culturais do concelho e enquadra-se na programação mensal que a Câmara Municipal de S.Pedro do Sul prepara para aquela sala de espectáculos.

VISEU ∑ Seminário Maior Até dia 31 de Julho Exposição “Os Brilhos do Invisível. A Arte na realização sacerdotal”.

∑ IPJ Até dia 15 de Junho Exposição evocativa de Aquilino Ribeiro, da Direcção Regional da Cultura do Norte.

Jornal do Centro

Sessões diárias às 14h00, 16h20, 18h50, 22h00, 00h25 (6ª,Sáb Qua.) Eu Amo-te Phillip Morris

Sessões diárias às 21h20, 00h20 (6ª,Sáb. e Qua.)

ra, domingo, às 21h00, no Mercado 2 de Maio. Com música de câmara participam também a Orquestra de Trompetes do Piaget, dia 31, às 21h00 e Ensemble de Metais Piaget, dia 1 de Junho, às 21h00, ambos no Mercado 2 de Maio. A Catedral recebe um concerto de música de câmara da Orquestra de Câmara do Piaget, dia 2, ás 21h00 e às 22h00, a Concertina está no Palácio do Gelo. Henrique Portovedo é o autor de um espectáculo multimédiamusical, agendado para a Fnac, dia 31, às 21h00. Estão ainda agendados concertos didácticos no Campus Universitário para os dias 1 e 2 de Junho. Emília Amaral emilia.amaral@jornaldocentro.pt

O Livro de Eli (M16Q) Sessões diárias às 13h20, 18h45,23h50 (6ª, Sáb. e Qua) Ex-Mulher Procura-se (M12) Sessões diárias às 14h10, 17h15, 21h00, 00h10 (6ª Sáb. e Qua.) Robin Hood (M12) (Digital) Sessões diárias às 11h00 (Dom.), 14h20, 16h20, 18h20 A Ilha de Impy (M6)

Já não é fácil enganar os laparotos de província, como diria Aquilino Ribeiro, com esse ingénuo convite para uma divertida caçada aos gambozinos numas destas quentes noites enluaradas de Verão. Já ninguém acredita, parece, nesses míticos seres que habitam essa quinta dimensão do imaginário popular povoando margens de ribeiros no abrigo das luras de onde se esquivam, nas horas altas da lua, guardados pelo solene vozear das rãs, dos sapos, dos grilos e dos ralos e de outra bicharada de tardo adormecer. Aquilino Ribeiro, os quinze anos feitos, aprendiz de Filosofia em Viseu, caiu na teia armada, como ele diz, por um mariola de tonsura e seus lacaios, mas aguentou bem a cilada em que caiu e acabou por sair com honra da marosca de que faz saboroso relato nesse livro de confissão que se diz “Um Escritor Confessa-se” e que ele já não pôde ter

Sessões diárias às 16h00,21h30 Polícia Sem Lei (M16)

levado bem ao fim. Nas margens do Pavia onde no tempo de Aquilino se cultivavam milharais já não há quem invente lendas, quem tema assombrações, quem celebre em poesia a pequena alma da ribeira. Não importa. De memória temos sempre, quase ao jeito de um mito, as Cavalhadas, temos a esquisita história das estranhas feiticeiras que nos conta Manuel Botelho Pereira e a história da mudança da cidade narrada por João de Paiva e as barcas navegando nos poemas, leves como elas, de José Madeira, o registo fotográf ico de Germano ou esse mais antigo, tão singular, de Almeida Moreira, com um filme de amador. Não temos, agora, quem nos venha seduzir para ir caçar os inimagináveis gambozinos. Mas há sempre quem nos leve, noutras horas, nem sabemos bem para onde, dando falsos nomes aos falsos gambozinos. E nós lá vamos!...

Estreia da semana

Sessões diárias às 11h10 (Dom.), 14h00, 16h40, 21h20,00h00 (6ª Sáb. e Qua.) Princípe da Pérsia: AS Areias do Tempo (M12) (Digital) Sessões diárias às 13h50, 16h10, 18h30, 21h10,23h40 (6ª Sáb. e Qua.) Segredos á medida (M12)

Street Dance- De forma a vencer um concurso de street dance, uma equipa vê-se forçada a ensaiar com bailarinos da Escola Real de Bailado, por troca com a utilização do espaço para treinarem. As diferenças não vão ser só de estilo.


Jornal do Centro 28 | Maio | 2010

DLamego recebe música clássica

O Teatro Ribeiro da Conceição de Lamego recebe, amanhã, a partir das 21h30 o Ensemble de Sopros da Banda Sinfónica Portuguesa. A banda faz um recuo na história e apresenta o que de mais sublime se escreveu para conjuntos de sopros no séc. XIX

Teatro

Festa da Primavera dá “cores” à serra de Montemuro Vão ser quatro dias de festa na serra. Outra vez. A segunda. É mais uma Festa da Primavera, que o Teatro do Montemuro volta a organizar em Campo Benfeito. De amanhã a terça-feira, em parceria com a Câmara Municipal de Castro Daire, vão acontecer quatro espectáculos a não perder. Nos dois primeiros dias tudo acontece no espaço Montemuro, em Campo Benfeito: primeiro um “ensaio aberto” para cima de adolescentes, com o ballettea-

A Montemuro com espectáculos para todos tro “Na Minha Parede Escarlate - Retratos”. Depois, no domingo à tarde (16h00), um original concerto de Mário Rui Silva com uma retrospectiva de música angolana do século XX.

Em Castro Daire, no auditório municipal, acontecem “O Escurial” do Art’Imagem e, no dia 1, terça-feira, a peça de teatro “Papões”. A entrada é gratuita em todos os espectáculos.

Teatro

Projecto Escolas 2010 chega ao palco esta semana Cinquenta jovens das Escolas Básica Gomes Teixeira de Armamar e Secundária/3 Dr. Flávio Pinto Resende, de Cinfães, exploraram durante cinco meses, as áreas do teatro e do movimento, num processo criativo, com o encenador Graeme Pulleyn (Cinfães) e a actriz Margarida Gonçalves (Armamar) e estão agora a apresentar as suas

performances. Trata-se de mais um projecto com a comunidade do Teatro Viriato. O Projecto Escolas 2010, dirigido ao público escolar, tem como objectivo alargar o acesso de outros concelhos do distrito aos projectos artísticos desenvolvidos pelo Teatro. “No Dia em que a Escola Dançava” é a ultima per-

formance apresentada esta sexta-feira, dia 28, em Armamar. Às 14h00, na Praça da República. “Em Armamar, na Escola Básica Gomes Teixeira, a actriz Margarida Gonçalves cooperou na organização de uma revolução com os alunos, centrada no movimento, no ritmo e na música”, descreve o Teatro Viriato em comunicado.

agenda cultural fnac

CICLO MUNDIAL DE FUTEBOL PROJECÇÃO PLANETA RONALDO DOCUMENTÁRIO SIC ∑ Sexta 28 Maio 21h00 Durante 8 meses os repórteres da SIC acompanharam, em Manchester, o dia-a-dia do vicecampeão da Europa de futebol, campeão inglês e considerado o melhor jogador e melhor jogador jovem da liga mais competitiva do mundo: a liga inglesa. Alex Fergunson, Luíz Felipe Scolari, Marcelo Lippi, Luís Figo e José Mourinho são apenas alguns dos depoimentos exclusivos nesta grande reportagem onde se trilham caminhos do passado, da infância pobre do jovem prodígio ao sucesso repentino. LANÇAMENTO DE LIVRO

MANUAL DE CUIDADOS CIRÚRGICOS DEFINITIVOS EM TRAUMA UM LIVRO DE KENNETH D. BOFFARD Sábado 29 Maio 17h00 O tratamento de traumatismos graves é extremamente complexo e desafiante. A rapidez de decisão e eficácia nas manobras necessárias podem salvar vidas. O procura auxiliar o cirurgião a manter elevado o nível de competências necessárias. FÓRUM MIÚDOS EXPRESSÕES ARTÍSTICAS, OFICINAS DO GIRA SOL POR ANA BENTO, HELEN AINSWORTH, JOSÉ CORDEIRO E PATRÍCIA FONTÃO ∑ Domingo 30 Maio 11h30 Aos domingos de manhã o Fórum Miúdos é palco onde giram actividades artísticas para miúdos e graúdos. Histórias divertidas, músicas para cantar, magias que encantam, brincadeiras e objectos para experimentar são algumas das surpresas que o Gira Sol Azul tem para apresentar!. AO VIVO LUFA LUFA

FOLEDAD ∑ Domingo 30Maio 17h00 Lufa Lufa é um projecto de música instrumental para concertina e percussão com 5 anos de existência, que acaba de lançar o seu primeiro álbum Foledad, um repertório de temas originais que percorre distintas linguagens musicais, com uma forte componente visual e cénica, transportando o espectador para paisagens imaginárias. AO VIVO HENRIQUE PORTOVEDO SOUND OF SHADOWS - I FESTIVAL DE MÚSICA E ARTES DO INSTITUTO PIAGET ∑ Segunda 31 Maio 21h00 Henrique Portovedo apresenta o seu mais recente espectáculo intitulado Sound of Shadows. A exploração de paisagens sonoras provenientes de ambientes e vivências urbanas no quotidiano do século XXI assume-se como raiz desta produção. Este concerto insere-se no I Festival de Música e Artes do Instituto Piaget que decorrerá de 28 de Maio a 2 de Junho de 2010, numa organização da responsabilidade do ISEIT/VISEU - Instituto Universitário de Viseu

CULTURAS


Jornal do Centro

20

28 | Maio | 2010

saúde Unidade de Saúde Familiar de S. Pedro do Sul encerra em Junho A falta de médicos na Unidade de Saúde Familiar (USF) de S. Pedro do Sul ditou o encerramento, já em Junho, daquela estrutura. De acordo com os responsáveis pela saúde no concelho, os utentes que até aqui estava m inscritos na USF serão transferidos para o Centro de Saúde da cidade. Quem já comentou o encerramento da USF foi o presidente da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, António Carlos Figueiredo. Em declarações ao Jornal do Centro,

o autarca considerou que a referida unidade para os utentes é como o melhoral, nem faz bem nem faz mal. O ser atendido na USF ou no centro de saúde é rigorosamente a mesma coisa. O que me preocupa é se os utentes têm ou não médico de Família”, disse. Para Mercedes Figueiredo, directora do Agrupamento de Centros de Saúde de Dão Lafões, a falta de médicos está na origem do encerramento da USF. ”A Unidade era formada por cinco médicos. Dois

profissionais pediram a reforma antecipada e um terceiro pediu transferência para a unidade de saúde personalizada”, explicou, acrescentando que “não se consegue dar resposta às necessidades do ficheiro só com três elementos médicos”. A responsável reconhece a dificuldade em encontrar médicos substitutos: “No meu agrupamento não tenho médicos que possam ir para lá. Fora deste, todos os outros agrupamentos estão com falta de recur-

sos. Há agora um concurso e, mesmo assim, não sei se conseguirei ter algum médico novo no agrupamento”. Com o fecho da da USF, os médicos e utentes vão ser transferidos para o antigo Centro de Saúde de São Pedro do Sul. Mercedes Figueiredo ga ra nte que “ n ão h á preocupações” com este processo, pois todos os utentes se manterão com médico de família. “Há clínicos que têm ficheiros pequenos e podem absorver os utentes da USF”, esclarece.

DR

Transferência ∑ Falta de médicos leva a fecho da USF e utentes passam para o Centro de Saúde

A O Centro de Saúde vai absorver os doentes da USF

USF Viseu-Cidade promove caminhada A Unidade de Saúde Familiar Viseu-Cidade vai promover no próximo domingo uma caminhada na zona da Cava de Viriato. Trata-se de uma iniciativa que pretende reunir os utentes, assim como familiares e amigos, de uma das maiores USF da cidade. Segundo os responsáveis da Unidade ViseuCidade, a caminhada tem também por objectivo celebrar o términus de uma acção de formação realizada recentemente com um grupo de utentes daquele organismo. A USF pretende ainda chamar a atenção para a importância do excício físico e de uma alimentação saudável e regrada para a promoção da saúde. Os organizadores querem também centrar a atenção dos participantes para a Cava de Viriato como monumento histórico nacional e de grande importância para a cidade. O restauro de que foi alvo, com uma

A A caminhada percorre toda a Cava de Viriato intervenção assinada pelo arquitecto Gonçalo Byrne, será observada pelos caminhantes, que farão todo o percurso na zona onde recentemente foi aplicado o projecto Polis de Viseu. Os participantes na iniciativa terão um pacote oferecido pelos organizadores e composto por uma t-shirt, água, barritas de cereais, uma peça de fruta, caneta e bloco de apontamentos, distribuídos num saco reutili-

zavel. O percurso inicia-se na Feira Semanal de Viseu e termina neste mesmo local. Ainda no âmbito do Mês do Coração, onde também se integra a caminhada, realizou-se ontem na extensão de saúde de Lordosa um rastreio de factores de risco cardiovascular. Manter hábitos saudáveis para o diaa-dia da população foi o objectivo desta acção.


Jornal do Centro

SAÚDE 21

28 | Maio | 2010

PSD questiona Governo sobre “revolta” em Penedono Transporte de doentes∑ Deputados e autarquia descontentes com mudança administrativa Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Viseu questionaram o Governo, em particular o Ministério da Saúde, sobre a situação do transporte de doentes de Penedono, depois deste concelho ter sido transferido há cerca de um ano da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro para a congénere do Norte. A situação, de acordo com os deputados social-democratas, “está a levantar problemas administrativos graves que urge resolver”. Depois de terem contactado o presidente da Câmara de Penedono, Carlos Esteves, que lhes manifestou o desagrado da população e dos bombeiros locais (a

quem são devidas verbas de transporte de doentes), os parlamentares do PSD deram conta que as credenciais passadas aos utentes estão a ser devolvidas pela ARS do Norte, uma vez que foram emitidas pela ARS do Centro. O desagrado da autarquia e dos utentes fica a dever-se ao facto de estar a ser indicada a deslocação destes para o Hospital de Vila Real, em vez do de Viseu, como até aqui acontecia. “É nosso entendimento que custará menos ao Estado suportar as despesas de transporte de Penedono para Viseu do que para Vila Real, quer pela distância, quer pelos transportes disponíveis”, consideram os deputa-

Veja todas as farmácias de serviço do distrito de Viseu em www.jornaldocentro.pt

A Utentes de Penedono estão descontentes dos social-democratas. Por outro lado, é apontada ainda uma situação de “prejuízo que urge resolver” e se relaciona com o pagamento das dívidas de transporte de doentes aos Bombeiros Voluntários de Penedo-

no. Os deputados do PSD querem ser informados sobre a maneira como o Ministério da Saúde pretende resolver ambas as situações, que têm a ver com a actual organização administrativa do Ministério da Saúde.

FRANCISCO CORTEZ VAZ MÉDICO ESPECIALISTA GINECOLOGIA-OBSTETRÍCIA DOENÇAS DA MAMA COLPOSCOPIA MESTRADO EM PATOLOGIA MAMÁRIA (Faculdade de Medicina da Universidade de Barcelona) CHEFE DE SERVIÇO HOSPITAL S. TEOTÓNIO - VISEU Consultas: Segunda a Quinta a partir das 14 horas

Rua D. António Alves Martins, 40-4ºE 3500-078 - Viseu • Tel/Fax: 232 441 127

Consultório:

RuaFreiJoaquimdeSta.RosaViterbo, lote95,lojaD JUGUEIROS Viseu (prédio novo amarelo e vermelho) (prédionovoamareloevermelho)

Tel:925610740

geral@reflexokorporal.pt www.reflexokorporal.pt

Adquira as suas sessões de FOTODEPILAÇÃO com

Válido entre os dias 1 e 5 de Junho Fotodepilação(unisexo) Fotorejuvenescimento TratamentodoAcne Depilação

Manicure /Pedicure UnhasdeGel/VernizGel Extensão/Permanente& TintadePestanas

Massagens:Relaxamento/Anticelulítica /Reafirmante MassagensTerapêuticas:TuiNa/Reflexologia Podal / Shiatsu /ComBambus Agoratambém: DrenagemLinfáticaManual


Jornal do Centro

22 CLASSIFICADOS

28 | Maio | 2010 RESTAURANTE O LEAL CONSSELHEIRO Chefe de Cozinha Zagallo. Folga Domingo à noite e Segunda-feira. Morada Quinta do Catavejo Lt. 44 Mundão, 3505-582 Viseu. Telefone 232 185 071. Observações 6ª a Domingo - Menu de degustação | 2ª a 5ª - Preço Fixo por pessoa. RESTAURANTE CACIMBO Especialidades Frango de Churrasco, Leitão à Bairrada. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua Alexandre Herculano, nº95, Viseu. Telefone 232 422 894 Observações Serviço Take-Away.

PENALVA DO CASTELO OTELHEIRO Especialidades Feijão de Espeto, Cabidela de Galinha, Arroz de Míscaros, Costelas em Vinha de Alhos. Folga Não tem. Preço médio por refeição 10 euros. Morada Sangemil, Penalva do Castelo. Observações Sopa da Pedra ao fim-de-semana.

TONDELA

RESTAURANTES VISEU RESTAURANTE O MARTELO Especialidades Cabrito na Grelha, Bacalhau, Bife e Costeleta de Vitela. Folga Não tem. Morada Rua da Liberdade, nº 35, Falorca, 3500-534 Silgueiros. Telefone 232 958 884. Observações Vinhos Curral da Burra. RESTAURANTE BEIRÃO Especialidades Bife à Padeiro, Posta de Vitela à Beirão, Bacalhau à Casa, Bacalhau à Beirão, Açorda de Marisco. Folga Segunda-feira (excepto Verão). Preço médio refeição 12,50 euros. Morada Alto do Caçador, EN 16, 3500 Viseu. Telefone 232 478 481 Observações Aberto desde 1970. RESTAURANTE TIA IVA Especialidades Bacalhau à Tia Iva, Bacalhau à Dom Afonso, Polvo à Lagareiro, Picanha. Folga Domingo. Preço médio refeição 15 euros. Morada Rua Silva Gaio, nº 16, 3500-203 Viseu Telefone 232 428 761. Observações Refeições económicas ao almoço (2ª a 6ª feira) – 6,5 euros.

RESTAURANTE CLUBE CAÇADORES Especialidades Polvo à Lagareiro, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito Churrasco, Javali na Brasa c/ Arroz de Feijão, Arroz de Perdiz c/ Míscaros, Tarte de Perdiz, Bifes de Veado na Brasa. Folga Quarta-feira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Muna, Lordosa, 3515-775 Viseu. Telefone 232 450 401. Observações Reservas para grupos e outros eventos. SOLAR DO VERDE GAIO Especialidades Rodízio à Brasileira, Mariscos, Peixe Fresco. Folga Terça-feira. Morada Mundão, 3500-564 Viseu. www.solardoverdegaio.pt Telefone 232 440 145 Fax 232 451 402. E-mail geral@ solardoverdegaio.pt Observações Salão de Dança – Clube do Solar – Sextas, Sábados até às 03.00 horas. Aceita Multibanco. RESTAURANTE SANTA LUZIA Especialidades Filetes Polvo c/ Migas, Filetes de Espada com Arroz de Espigos, Cabrito à Padeiro, Arroz de Galo de Cabidela, Perdiz c/ Castanhas. Folga Segunda-feira. Morada EN 2, Campo, 3510-515 Viseu. Telefone 232 459 325. Observações Quinzena da Lampreia e do Sável, de 17 de Fevereiro a 5 de Março. “Abertos há mais de 30 Anos”.

RESTAURANTE O PERDIGUEIRO Especialidades Peixes Grelhados e ao Sal, Filetes de Polvo c/ Migas, Cabrito Assado à Padeiro. Folga Sábado. Morada Quinta do Galo, Lote B R/C Direito, 3500 Viseu. Telefone 232 461 805.Observações Aceita Multibanco.

PIAZZA DI ROMA Especialidades Cozinha Italiana (Pizzas, Massas, Carnes e Vinhos). Folga Domingo e segunda-feira ao almoço. Morada Rua da Prebenda, nº 37, 3500-173 Viseu Telefone 232 488 005. Observações Menu económico ao almoço.

RESTAURANTE PICANHA REAL Especialidades Rodízio de Picanha. Folga Domingo. Morada Bairro S. João da Carreira, Lote 1 R/C, Travassós de Cima, 3500-187 Viseu Telefone 232 186 386/7 - 917 038 215. Observações Refeições económicas ao almoço (2ª a 6ª feira).

RESTAURANTE A BUDÊGA Especialidades Picanha à Posta, Cabrito na Brasa, Polvo à Lagareiro. Acompanhamentos: Batata na Brasa, Arroz de Feijão, Batata a Murro. Folga Domingo. Preço médio por refeição 12,50 euros. Morada Rua Direita, nº 3, Santiago, 3500-057 Viseu. Telefone 232 449 600. Observações Vinhos da Região e outros; Aberto até às 02.00 horas.

RESTAURANTE O VISO Especialidades Cozinha Caseira, Peixes Frescos, Grelhados no Carvão. Folga Sábado. Morada Alto do Viso, Lote 1 R/C Posterior, 3500-004 Viseu. Telefone 232 424 687. Observações Aceitamse reservas para grupos. RESTAURANTE MAJOAL Especialidades Arroz de Pato, Bacalhau c/ Natas, Grelhados, Frango de Churrasco. Folga Segundafeira. Morada Avenida Capitão Silva Pereira, 3500-208 Viseu. Telefone: 232 431 891 - 964 043 709. CORTIÇO Especialidades Bacalhau Podre, Polvo Frito Tenrinho como Manteiga, Arroz de Carqueja, Cabrito Assado à Pastor, Rojões c/ Morcela como fazem nas Aldeias, Feijocas à maneira da criada do Sr. Abade. Folga Não tem. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Rua Augusto Hilário, nº 45, 3500-089 Viseu. Telefone 232 423 853 – 919 883 877. Observações Aceitam-se reservas; Takeway. RESTAURANTE O CAMBALRO Especialidades Camarão, Francesinhas, Feijoada de Marisco. Folga Não tem. Morada Estrada da Ramalhosa, nº 14, Rio de Loba, 3500825 Viseu. Telefone 232 448 173. Observações Prato do dia - 5 euros. RESTAURANTE O LARGO DA PREBENDA Especialidades Pratos Tradicionais. Folga Segunda-feira. Morada Largo da Prebenda, 37/45, 3500-172 Viseu. Telefone 232 435 366 - 964 233 844. Observações Aos domingos pratos tradicionais (Bacalhau Podre, Cabritinho Assado no Forno, etc...). TORRE DI PIZZA Especialidades Pizzas, Massas, Carnes. Folga Segunda-feira. Morada Avenida Cidade de Aveiro, Lote 16, 3510-720 Viseu. Telefone 232 429 181 – 965 446 688. Observações Menu económico ao almoço – 4,90 euros.

COMPANHIA DA CERVEJA Especialidades Bifes c/ Molhos Variados, Francesinhas, Saladas Variadas, Petiscos. Folga Terçafeira. Preço médio refeição 8,50 euros. Morada Quinta da Ramalhosa, Rio de Loba (Junto à SubEstação Eléctrica do Viso Norte), 3505-570 Viseu Telefone 232 184 637 - 962 723 772. Observações Cervejaria c/amplo espaço (120 lugares), fácil estacionamento, acesso gratuito à internet. RESTAURANTE D. INÊS Especialidades Pratos económicos de Carne e Peixe. Folga Domingo. Preço médio refeição 5 euros. Morada Rua Serpa Pinto, nº 54, 3500 Viseu Telefone 232 428 837 – 232 184 900. QUINTA DO GALO CERVEJARIAS Especialidades Grelhados de Peixe e Carne. Folga Domingo. Morada Quinta do Galo, Lt3 | Bairro Stª Eugénia, Lt21, Viseu. Telefone 232 461 790 Observações Aberto até às 2h00. O CANTINHO DO TITO Especialidades Cozinha Tradicional, Petiscos. Folga Domingo. Morada Rua Mário Pais da Costa, nº 10, Lote 10 R/C Dto., Abraveses, 3515-174 Viseu. Telefone 232 187 231 – 962 850 771. RESTAURANTEBELOSCOMERES(ROYAL) Especialidades Restaurantes Marisqueiras. Folga Não tem. Morada Cabanões; Rua da Paz, nº 1, 3500 Viseu; Santiago. Telefone 232 460 712 – 232 468 448 – 967 223 234. Observações Casamentos, baptizados, convívios, grupos. TELHEIRO DO MILÉNIO QUINTA FONTINHA DA PEDRA Especialidades Grelhados c/ Churrasqueira na Sala, (Ao Domingo) Cabrito e Aba Assada em Forno de Lenha. Folga Sábados (excepto para casamentos, baptizados e outros eventos) e Domingos à noite. Morada Rua Principal, nº 49, Moure de Madalena, 3515016 Viseu. Telefone 232 452 955 – 965 148 341.

EÇA DE QUEIRÓS Especialidades Francesinhas, Bifes, Pitas, Petiscos. Folga Não tem. Preço médio refeição 5,00 euros. Morada Rua Eça de Queirós, 10 Lt 12 - Viseu (Junto à Loja do Cidadão). Telefone 232 185 851. Observações Take-away. GREENS RESTAURANTE Especialidades Toda a variedade de prato. Folga Não tem. Preço médio refeição Desde 2,50 euros. Morada Fórum Viseu, 3500 Viseu. Observações www.greensrestaurante.com MAIONESE Especialidades Hamburguers, Saladas, Francesinhas, Tostas, Sandes Variadas. Folga Não tem. Preço médio refeição 4,50 euros. Morada Rua de Santo António, 59-B, 3500-693 Viseu (Junto à Estrada Nacional 2). Telefone 232 185 959. RESTAURANTEROSSIOPARQUE Especialidades Medalhão de Vitela p/ duas pessoas 800g Pura Alcatra, Bacalhau à Casa, Massa c/ Bacalhau c/Ovos Escalfados, Corvina Grelhada; Acompanhamentos: Migas, Feijão Verde, Batata a Murro. Folga Sábado à Noite e Domingo. Morada Rua Soar de Cima, nº 55 (Junto ao Jardim das Mães – Rossio), 3500-211 Viseu. Telefone 232 422 085. Observações Refeições económicas (2ª a 6ª feira) – sopa, bebida, prato e sobremesa ou café – 6 euros. FORNODAMIMI Especialidades Assados em Forno de Lenha, Grelhados e Recheados (Cabrito, Leitão, Bacalhau). Folga Não tem. Preço médio por refeição 14 euros. Morada Estrada Nacional 2, Vermum Campo, 3510-512 Viseu. Telefone 232 452 555. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. QUINTADAMAGARENHA Especialidades Lombinho Pescada c/ Molho de Marisco, Cabrito à Padeiro, Nacos no Churrasco. Folga Domingo ao jantar e Segunda-feira. Preço médio por refeição 15 euros. Morada Nó 20 A25, Fragosela, 3505-577 Viseu. Telefone 232 479 106 – 232 471 109. Fax 232 479 422. Observações Parque; Serviço de Casamentos. RESTAURANTEIBÉRICO Especialidades Grelhados, Francesinhas, Bacalhau à Ibérico, Grelhada Mista, Vários Petiscos. Folga Não tem. Morada Quinta de Dentro, Lote 79, R/C Dto., 3505-496 Rio de Loba, Viseu. Telefone 232 449 743 – 919 908 984. Observações Refeições económicas; Comida para fora. RODÍZIOREAL Especialidades Rodízio à Brasileira. Folga Não tem. Preço médio por refeição 19 euros. Morada Repeses, 3500-693 Viseu. Telefone 232 422 232. Observações Casamentos, Baptizados, Banquetes; Restaurante Certificado. RESTAURANTEOPOVIDAL Especialidades Arroz de Pato, Grelhados. Folga Domingo. Morada Bairro S. João da Carreira Lt9 1ª Fase, Viseu. Telefone 232 087 776. Observações Jantares de grupo. RESTAURANTEACOCHEIRA Especialidades Bacalhau Roto, Medalões c/ Arroz de Carqueija. Folga Domingo à noite. Morada Rua do Gonçalinho, 84, 3500-001 Viseu. Telefone 232 437 571. Observações Refeições económicas ao almoço durante a semana. RESTAURANTEPORTASDOSOL Especialidades Arroz de Pato com Pinhões, Catalana de Peixe e Carne, Carnes de Porco Preto, Carnes Grelhadas com Migas. Folga Domingo à noite e Segunda-feira. Morada Urbanização Vilabeira Repeses - Viseu. Telefone 232 431 792. Observações Refeições para grupos com marcação prévia.

RESTAURANTE BAR O PASSADIÇO Especialidades Cozinha Tradicional e Regional Portuguesa. Folga Domingo depois do almoço e Segunda-feira. Morada Largo Dr. Cândido de Figueiredo, nº 1, Lobão da Beira, 3460-201 Tondela. Telefone 232 823 089. Fax 232 823 090 Observações Noite de Fados todas as primeiras Sextas de cada mês. RESTAURANTE PONTO DE ENCONTRO Especialidades Grelhada Mista do Oceanos, Grelhada à Ponto de Encontro, Bacalhau c/ Natas, Bife à Ponto de Encontro. Folga Sábado. Morada Avenida do Salgueiral, nº 3, Fojo, Molelos, 3460211 Tondela. Telefone 232 812 867. Observações Casamentos, Baptizados e outros eventos; Refeições económicas (Almoço – 2ª a 6ª feira) – 5 e 6 euros. RESTAURANTE SANTA MARIA Especialidades Cozido à Portuguesa, Picanha, Borrego Estufado, Bacalhau Santa Maria. Folga Quarta-Feira. Preço médio por refeição Desde 6,50 euros. Morada Avenida da Igreja, nº 989, Canas de Santa Maria, 3460-012 Tondela. Telefone 232 842 135. Observações Refeições económicas c/ tudo incluído – 6,50 euros; Refeições p/ fora – 5,50 euros. RESTAURANTE S. BARNABÉ Especialidades Chanfanas, Comida Italiana, Cozinha Tradicional, Arroz de Polvo c/ Gambas Morada Rua dos Bombeiros Voluntários, nº80 - 3460-572 Tondela Telemóvel 969 723 146. Observações Comida para fora. STAURANTE PRATO D’OURO Especialidades Cozinha Regional Morada EN 2, 1189 Adiça 3460-321 Tondela Telefone 232 816 537. Observações Refeições Económicas (2ª a 6ª feira), Refeições p/ fora.

SÃO PEDRO DO SUL RESTAURANTE QUINTA DO MARQUÊS Especialidades Bacalhau c/ Natas, Rojões à Beirão, Vitela à Lafões, Tiramisú. Folga Domingo (Dezembro a Junho). Preço médio por refeição 10 euros. Morada Galerias Quinta do Marquês, 2º Piso, Fracção Z (junto ao Pav. Desportivo Municipal e Piscinas), 3660 S. Pedro do Sul. Telefone 232 723 815. Observações Refeições económicas (2ª a 6ª feira). RESTAURANTE O CAMPONÊS Especialidades Nacos de Vitela Grelhados c/ Arroz de Feijão, Vitela à Manhouce (Domingos e Feriados), Filetes de Polvo c/ Migas, Cabrito Grelhado c/ Arroz de Miúdos, Arroz de Vinha d´Alhos. Folga Quarta-feira. Preço médio por refeição 12 euros. Morada Praça da República, nº 15 (junto à Praça de Táxis), 3660 S. Pedro do Sul. Telefone 232 711 106 – 964 135 709.

SANTA COMBA DÃO RESTAURANTE TÍPICO O PEDRO Especialidades Mariscos, Grelhados e Pratos Regionais. Paelha, Camarão À Pedro, Arroz de Marisco, Bacalhau Zé Pipo, Carne Porco Alentejana, Naco, Cabrito, Cabidela de Galo. Folga Não tem. Morada Rua Principal, nº 11 A, 3440465 São João de Areias. Telefone 232 891 577 – 964 262 750. Observações Casamentos, Baptizados, Grupos; Espaço Verde.

OLIVEIRA DE FRADES OS LAFONENSES – CHURRASQUEIRA Especialidades Vitela à Lafões, Bacalhau à Lagareiro, Bacalhau à Casa, Bife de Vaca à Casa. Folga Sábado (excepto Verão). Preço médio por refeição 10 euros. Morada Rua D. Maria II, nº 2, 3680-132 Oliveira de Frades. Telefone 232 762 259 – 965 118 803. Observações Leitão por encomenda.

NELAS RESTAURANTE QUINTA DO CASTELO Especialidades Bacalhau c/ Broa, Bacalhau à Lagareiro, Cabrito à Padeiro, Entrecosto Vinha de Alhos c/ Arroz de Feijão. Folga Sábado (excepto p/ grupos c/ reserva prévia). Preço médio refeição 15 euros. Morada Quinta do Castelo, Zona Industrial de Nelas, 3520-095 Nelas. Telefone 232 944 642 – 963 055 906. Observações Prova de Vinhos “Quinta do Castelo”.

VOUZELA RESTAURANTE O REGALINHO Especialidades Grelhada Mista, Naco de Vitela na Brasa c/ Arroz de Feijão, Vitela e Cabrito no Forno, Migas de Bacalhau, Polvo e Bacalhau à Lagareiro. Folga Domingo. Preço médio refeição 10 euros. Morada Rua Teles Loureiro, nº 18 Vouzela. Telefone 232 771 220. Observações Sugestões do dia 7 euros. TABERNA DO LAVRADOR Especialidades Vitela à Lafões Feita no Forno de Lenha, Entrecosto com Migas, Cabrito Acompanhado c/ Arroz de Cabriteiro, Polvo Grelhado c/ batata a Murro. Folga 2ª Feira ao jantar e 3ª todo o dia. Preço médio refeição 12 euros. Morada Lugar da Igreja - Cambra - Vouzela. Telefone 232 778 111 917 463 656. Observações Jantares de Grupo. RESTAURANTE EIRA DA BICA Especialidades Vitela e Cabrito Assado no Forno e Grelhado. Folga 2ª Feira. Preço médio refeição 15 euros. Morada Casa da Bica - Touça - Paços de Vilharigues - Vouzela. Telefone 232 771 343. Observações Casamentos e Baptizado. www.eiradabica.com

FÁTIMA RESTAURANTE SANTA RITA Especialidades Bacalhau Espiritual, Bacalhau com camarão, Bacalhau Nove Ilhas, Bife de Atum, Alcatra, Linguiça do Pico, Secretos Porco Preto, Vitela. Folga Quarta-feira. Preço médio refeição 10 euros. Morada R. Rainha Santa Isabel, em frente ao Hotel Cinquentenário, 2495 Fátima. Telefone 249 098 041 / 919 822 288 Observações http:// santarita.no.comunidades.net; Aceita grupos, com a apresentação do Jornal do Centro 5% desconto no total da factura.

ADVOGADOS VISEU

ANTÓNIO PEREIRA DO AIDO Morada Rua Formosa, nº 7 – 1º, 3500135 Viseu. Telefone 232 432 588 Fax 232 432 560 CARLA DE ALBUQUERQUE MENDES Morada Rua da Vitória, nº 7 – 1º, 3500-222 Viseu Telefone 232 458 029 Fax 232 458 029 Fax 966 860 580 MARIA DE FÁTIMA ALMEIDA Morada Rua Miguel Bombarda, nº 37 – 1º Esq. Sala G, 3510-089 Viseu Telefone 232 425 142 Fax 232 425 648

ANTÓNIO M. MENDES Morada Rua Chão de Mestre, nº 48, 1º Dto., 3500-113 Viseu Telefone 232 100 626 Email antonio.m.mendes3715c@adv.oa.pt ARNALDO FIGUEIREDO E FIRMINO MENESES FERNANDES Morada Av. Alberto Sampaio, nº 135 – 1º, 3510-031 Viseu Telefone 232 431 522 Fax 232 431 522 Email a-figueiredo@iol.pt e firminof@iol.pt MARQUES GARCIA Morada Av. Dr. António José de Almeida, nº 218 – C.C.S. Mateus, 4º, sala 15, 3514-504 Viseu Telefone 232 426 830 Fax 232 426 830 Email marques.garcia-3403c@advogados. oa.pt FILIPE FIGUEIREDO Morada Rua Conselheiro Afonso de Melo, nº 31 – 5º, sala 502, 3510024 Viseu Telefone 232 441 235 Telemóvel 964 868 473 Email filipe.figueiredo-5153c@adv.oa.pt FABS – SOCIEDADE DE ADVOGADOS – RENATO FERNANDES, JOÃO LUÍS ANTUNES, PAULO BENFEITO Morada Av. Infante D. Henrique, nº 18 – 2º, 3510-070 Viseu Telefone 232 424 100 Fax 232 423 495 Email fabs.advogados@netvisao.pt JOÃO NETO SANTOS Morada Rua Formosa, nº 20 – 2º, 3500134 Viseu Telefone 232 426 753 CONCEIÇÃO NEVES E MICAELA FERREIRA – ADVOGADAS Morada Av. Dr. António José de Almeida, 264 – Forum Viseu [NOVAS I NS TA L AÇÕE S], 3510 - 0 43 Viseu Telefone 232 421 225 Fax 232 426 454 ELISABETE MENDONÇA

Morada Rua Nunes de carvalho, nº 39 – 1º, sala 3, 3500-163 Viseu Telefone 232 471 284 Fax 232 471 284 Email

elisabetemendonca-5907c@adv.oa.pt

BRUNO DE SOUSA Esc. 1 Morada Rua D. António Alves Martins Nº 40 2ºE 3500-078 VISEU Telefone 232 104 513 Fax 232 441 333 Esc. 2 Morada Edifício Guilherme Pereira Roldão, Rua Vieira de Leiria N º14 2430 - 30 0 Ma r i n ha Gra nde Telefone 244 110 323 Fax 244 697 164 Tlm. 917 714 886 Áreas preferenciais Crime | Fiscal | Empresas

MANGUALDE

JOSÉ MIGUEL MARQUES Morada Rua 1º de Maio, nº 12 – 1º Dto., 3530-139 Mangualde Telefone 232 611 251 Fax 232 105 107 Telemóvel 966 762 816 Email jmiguelmarques4881c@adv.oa.pt JOSÉ ALMEIDA GONÇALVES Morada Rua Dr. Sebastião Alcântara, nº 7 – 1º B/2, 3530-206 Mangualde Telefone 232 613 415 Fax 232 613 415 Telemóvel 938 512 418 Email jose.almeida.goncalves-14291l@adv. oa.pt

NELAS

Morada Largo General Humberto

JOSÉ BORGES DA SILVA, ISABEL CRISTINA GONÇALVES E ELIANA LOPES Morada Rua da Botica, nº 1, 1º Esq., 3520-041 Nelas Telefone 232 949 994 Fax 232 944 456 Email j.Borges. silva@mail.telepac.pt

CARLA MARIA BERNARDES

JOSÉ BORGES DA SILVA, ISABEL CRISTINA GONÇALVES E ELIANA LOPES Morada Rua da Botica, nº 1, 1º Esq., 3520-041 Nelas Telefone 232 949 994 Fax 232 944 456 Email j.Borges. silva@mail.telepac.pt

CATARINA DE AZEVEDO

Delgado, nº 1 – 3º Dto. Sala D, 3500139 Viseu Telefone 232 435 465 Fax 232 435 465 Telemóvel 917 914 134 Email catarina-azevedo5275c@adv.oa.pt Morada Rua Conselheiro Afonso de

Melo, nº 39 – 2º Dto., 3510-024 Viseu

Telefone 232 431 005

JOÃO PAULO SOUSA

M o r a d a L g. Genera l Humber to

Delgado, 14 – 2º, 3500-139 Viseu Telefone 232 422 666 HERMÍNIO MODESTO Morada Av. Dr. António José de Almeida, nº275 - 1º Esquerdo - 3510047 Viseu Telefone/Fax 232 468 295 JOÃO MARTINS M o r a d a R ua D. A ntón io A lves Martins, nº 40 – 1º A, 3500-078 Viseu Telefone 232 432 497 Fax 232 432 498 ANA PAULA MADEIRA Morada Rua D. Francisco Alexandre Lobo, 59 – 1º DF, 3500-071 Viseu Telefone 232 426 664 Fax 232 426 664 Telemóvel 965 054 566 Email anapaula.madeira@sapo.pt MANUEL PACHECO Morada Rua Alves Martins, nº 10 – 1º, 3500-078 Viseu Telefone 232 426 917 PAULO DE ALMEIDA LOPES Morada Travessa da Balsa, nº 21 3510-051 Viseu Telefone 232 432 209 Fax 232 432 208 Email palopes4765c@adv.oa.pt

ÂNGELO MENDES MOURA Morada Av. Visconde Guedes Teixeira, 29 – 1º, 5100-073 Lamego Telefone 254 612 402 FERNANDO AMARAL Morada Rua dos Bancos, 5100-115 Lamego Telefone 254 612 274/ 254 600 223 Fax 254 600 229

IMOBILIÁRIO VENDE-SE Casa em Pedra em Oliveira do Hospital. Bom preço. T. 966 130 251 Moradia Geminada – A 5 min. do Centro Nova!. Com 2 quartos + 2 suites, roupeiros embutidos, 2 wc´s completos, 2 wc´s privativos + 2 serviços, cozinha c/ copa e lareira. Aquecimento central e som ambiente. Garagem fechada e terreno com área de 1.050 m2. T. 926 340 312 ou 919 255 516


Jornal do Centro

24 CLASSIFICADOS Moradia Banda – Zona de Gumirães Muito bom estado! C/ 4 quartos, 4

28 | Maio | 2010

IMOBILIÁRIO

IMOBILIÁRIO

com móveis, despensa, 2 lareiras,

ARRENDA-SE

TRESPASSA-SE

pré-instalação de ar condicionado e

Escritório no centro da cidade, 275€ T. 232 098 416 / 960 050 949 2 Escritórios com Wc, 300€. T. 232 098 416 / 960 050 949

Bar/Pub. Óptima localização.

Garagem e quintal. 140.000,00€. T 964 160 608 Moradia Isolada – Pertinho da Cidade Tipologia T3, 3 wc´s, roupeiros embu-

Loja. 100 m2,2 frentes. Bem localizada. 700,00€ T. 962 376 769

tidos, escritório, cozinha equipada, despensa. Aquecimento central a gasóleo e a lenha, arrumos, lavandaria, garagem fechada p 4 carros, quintal com área de

Escritorio. Junto ao tribunal. 250,00€(AMI 8117) T. 232 410 390

Moradia p/ reconstrução – Zona de Fragosela. Moradia toda em pedra para recuperar, com área coberta de 150 m2 e área descoberta de 70 m2. 50.000,00€ T. 964 160 608

Loja. 140 m2 350,00€(AMI 8117) T. 232 410 390 Loja. Garagem com ligação interior Boa localização 900,00€(AMI 8117) T. 232 410 390

T. 917 610 594 / 967 266 608

Boa clientela. Bonita Decoração.

Toyota Corolla 1.4 vvti,5P,ABS,Ar cond,

Bom negócio. (AMI 8117)

2001/11, bom negócio

T. 232 410 390

T. 917 610 594

Snack-Bar/Cervejaria. (Centro)

Vendo vários automóveis clássicos,

Boa oportunidade.

originais e em bom estado.

60.000,00€ (AMI 8117)

T. 917 610 594

T. 232 410390

800 m2. Bom preço. T. 926 340 312 ou 919 255 516.

tipo de automoveis,bons,com ou sem avaria.Desloco-me.

wc´s, 4 roupeiros embutidos, cozinha

painéis solares. Churrasqueira e forno.

Compro a dinheiro,qualquer

AUTOMÓVEIS

EMPREGO PROCURA

VENDE-SE

Senhora c/ carta de condução e refe-

VW Caddy 2.0 SDI Extra Comercial,

rências, ½ idade, procura trabalho de

2005, 170.000Km - 8.000€

manhã, interior casas ou outro.

T. 964 034 940

T. 232 188 179

Rede de Supermercados da Zona Centro, pretende admitir Chefe de Loja. Dá-se preferência a experiência profissional ou engenharia agroalimentar. Enviar CV para redesupermercados@gmail.com

Lay_CamiSM_255x340.indd 1

5/17/10 4:49 PM


Jornal do Centro

26 NECROLOGIA | INSTITUCIONAIS Manuel Pereira dos Santos, 73 anos, casado. Natural e residente em Lumiares, Armamar. O funeral realizou-se no dia 20 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Lumiares. Maria Rosa da Conceição Silva, 70 anos, casada. Natural e residente em Arícera, Armamar. O funeral realizou-se no dia 22 de Maio, pelas 15.30 horas, para o cemitério de Arícera. Maria de Lurdes, 84 anos, viúva. Natural e residente em Cimbres, Armamar. O funeral realizou-se no dia 26 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Cimbres. Agência Funerária Igreja Armamar Tel. 254 855 231 Alfredo da Costa, 92 anos, viúvo. Natural e residente em Gozende, Castro Daire. O funeral realizou-se no dia 22 de Maio, pelas 15.00 horas, para o cemitério de Gozende. Maria Emília, 83 anos, viúva. Natural e residente em Gralheira, Cinfães. O funeral realizou-se no dia 22 de Maio, pelas 19.00 horas, para o cemitério de Gralheira. Maria da Graça de Almeida, 84 anos. Natural de Pinheiro e residente em Castro Daire. O funeral realizou-se no dia 26 de Maio, pelas 17.30 horas, para o cemitério de Castro Daire. Ag. Fun. Amadeu Andrade & Filhos, Lda. Castro Daire Tel. 232 382 238 Maximina de Resende, 82 anos, viúva. Natural e residente em Vila, Parada de Ester. O funeral realizou-se no dia 25 de Maio, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Laboncinho. Maria Ondina Cardoso, 93 anos, viúva. Natural e residente em Codeçais, Ermida. O funeral realizou-se no dia 25 de Maio, pelas 19.00 horas, para o cemitério de Codeçais. Agência Morgado Castro Daire Tel. 232 107 358 Sérgio Manuel Casais de Almeida e Costa, 59 anos, casado. Natural e residente em Certosa, Campia, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 25 de Maio, pelas 17.30 horas, para o cemitério de Campia. Custódio Almeida Rato, 88 anos, casado. Natural e residente em Sernadinha, Manhouce. O funeral realizou-se no dia 25 de Maio, pelas 16.00 horas, para o cemitério de Manhouce. Ag. Funerária Figueiredo & Filhos, Lda. Oliveira de Frades Tel. 232 761 252 Joaquim Saraiva Marques, 75 anos, casado. Natural e residente em Queirã, Vouzela. O funeral realizou-se no dia 21 de Maio, pelas 10.00 horas, para o cemitério de Queirã. A nacleto Fer na ndes Ma rques, 84 anos, casado. Natural e residente em Moçamedes, S. Miguel do Mato. O

funeral realizou-se no dia 22 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Moçamedes. Ag. Funerária Loureiro de Lafões, Lda. S. Pedro do Sul Tel. 232 711 927

1 Publicação 2ª Publicação

José da Silva Funina, 67 anos, divorciado. Natural de Tarouca e residente em Gondomar, Tarouca. O funeral realizouse no dia 24 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Esporões. Maria Belarmina Vieira da Costa Maurício, 39 anos, casada. Natural de Tarouca e residente em Cistelo, Tarouca. O funeral realizou-se no dia 26 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Esporões. Ag. Funerária Maria O. Borges Duarte Tarouca Tel. 254 679 721 Porfíria Encarnação Batista, 94 anos, viúva. Natural e residente em Pindelo de Silgueiros. O funeral realizou-se no dia 20 de Maio, pelas 16.30 horas, para o cemitério de Silgueiros. Cândida Estaca Martins de Oliveira, 68 anos, casada. Natural e residente em Pindelo de Silgueiros. O funeral realizouse no dia 25 de Maio, pelas 16.30 horas, para o cemitério de Silgueiros. Agência Funerária Balula, Lda. Viseu Tel. 232 437 268 Luís Lopes Novo, 78 anos, casado. Natural e residente em Fragosela, Viseu. O funeral realizou-se no dia 23 de Maio, pelas 18.30 horas, para o cemitério de Fragosela. Agência Funerária D. Duarte Viseu Tel. 232 421 952 Maria Rosa da Silva, 97 anos, viúva. Natural de S. Martinho das Moitas e residente no Lar Fundação Mariana Seixas, em Viseu. O funeral realizou-se no dia 22 de Maio, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Sequeires, S. Pedro do Sul. Maria Augusta da Silva, 87 anos, solteira. Natural e residente em Vale de Cambra. O funeral realizou-se no dia 23 de Maio, pelas 16.00 horas, para o cemitério local. António Costa Lopes, 88 anos, casado. Natural de Abraveses e residente em Santiago. O funeral realizou-se no dia 23 de Maio, pelas 16.30 horas, para o cemitério novo de Viseu. Manuel Lourenço Cabral, 77 anos, casado. Natural de Povolide e residente em Vilar de Ordem, Povolide. O funeral realizou-se no dia 26 de Maio, pelas 18.00 horas, para o cemitério de Povolide. Adelino de Jesus Lopes, 69 anos, casado. Natural de Abraveses e residente em Santarinho. O funeral realizou-se no dia 27 de Maio, pelas 17.00 horas, para o cemitério de Vildemoinhos. Ag. Funerária Decorativa Viseense, Lda. Viseu Tel. 232 423 131

AGRADECIMENTO

Exm.º Sr. Anacleto Fernandes Marques Sua esposa, filhos e demais família, na impossibilidade de o fazerem pessoalmente vem por este meio agradecer a todos aqueles que tão carinhosamente, acompanharam o seu ente querido à sua última morada, bem como a todos os que de alguma forma manifestaram o seu pesar. Aproveitamos para informar que a missa do 7º dia realiza-se hoje, às 20h00 na Igreja de Moçamedes. Estamos muito sensibilizados e gratos pelo carinho e apreço manifestado. A todos o nosso bem haja.

28 | Maio | 2010

(Jornal do Centro - N.º 428 de 28.05.2010)

(Jornal do Centro - N.º 428 de 28.05.2010)


Jornal do Centro

clubedoleitor CARTA DA SEMANA

27

DEscreva-nos para:

28 | Maio | 2010

Jornal do Centro - Clube do Leitor, Bairro S. João da Carreira, Rua Dona Maria Gracinda Torres Vasconcelos, Lt 10, r/c . 3500 -187 Viseu. Ou então use o email: redaccao@jornaldocentro.pt As cartas, fotos ou artigos remetidos a esta secção, incluindo as enviadas por e-mail, devem vir identificadas com o nome e contacto do autor. O semanário Jornal do Centro reserva-se o direito de seleccionar e eventualmente reduzir os originais. Não se devolvem os originais dos textos, nem fotos.

A morte anunciada da reivindicação da universidade pública para Viseu – um apelo à revolta Os senhores deputados do Partido Socialista por Viseu anunciaram, com pompa e circunstância, a decisão de deixar cair a reivindicação da universidade pública para Viseu. Esta notícia não pode deixar de revoltar todos os viseenses. Revolta tanto maior quanto o argumento utilizado só pode significar que se quer passar um atestado de estupidez: deixa-se cair a reivindicação da universidade pública para proteger os estabelecimentos de ensino superior já existentes, que têm vindo a perder alunos nos últimos anos. Ora, os senhores deputados por

Viseu do PS só podem achar-nos todos burros e que estamos dispostos a comer toda a palha que nos querem deitar. Nós, que julgávamos que todos os estabelecimentos de ensino superior, e não apenas os de Viseu, estavam a perder alunos. Nós que não ouvimos os deputados do PS de Aveiro, quando o chefe ainda recentemente ali criou mais um curso de medicina, dizer: “não queremos cá o curso de Medicina para proteger os outros cursos da universidade de Aveiro”. Nós que não assistimos aos deputados da Covilhã dizerem o mesmo, quando o Governo do PS para ali decidiu levar o curso de

medicina, mais uma vez em detrimento de Viseu. Nós que não ouvimos os deputados por Braga rejeitar o curso de medicina que também ali foi criado, para proteger os outros cursos que já ali existiam. E não consta que com a criação daqueles novos cursos, aquelas universidades tenham visto os outros cursos prejudicados ou perder importância. Pelo contrário. Vemos o desenvolvimento que Aveiro tem tido desde que, nos anos 70, ali começou a funcionar a Universidade. Vemos o crescimento que Braga tem tido, muito à custa do ensino superior, o mesmo acontecendo com a Covilhã. E conti-

GENTE DA NOSSA TERRA > ISABEL SILVESTRE, CANTORA

Leitor identificado

CANTINHODOANIMAL | ADOPÇÕES A “professora” Isabel, como é conhecida em Manhouce, a aldeia de S. Pedro do Sul que a viu nascer, dispensa qualquer tipo de apresentação em Portugal. Foi professora do ensino primário, mas há muito que ocupa um lugar ímpar na música de tradição popular. A sua participação no Grupo de Cantares de Manhouce deu a conhecer uma das pérolas do folclore local a todo o país e aos quatro cantos do mundo. Isabel Silvestre aproveitou a voz límpida e marcante para aceitar desafios como os que teve com os músicos Rão Kyao e Rui Reininho, dos GNR. Quem não tem no ouvido a “Pronúncia do Norte”. Actualmente, Isabel Silvestre está à procura de novas experiências e sensações musicais. Prepara um projecto com crianças, com o qual vai certamente voltar a entrar na memória da música portuguesa. JL

José Lorena

nuamos a ver Viseu ficar para trás. (…) Os senhores deputados do PS por Viseu não sabem, ninguém lhes ensinou, que foram eleitos para representar as populações junto do poder. Não o contrário. Os senhores deputados do PS por Viseu, ao decidirem deixar cair a velha aspiração de toda uma região, demonstram que são meras caixas de ressonância do partido a que pertencem, representando os ditames do partido junto das populações, quando a missão para que foram eleitos era justamente a oposta. [...]

CANTINHO DOS ANIMAIS ABANDONADOS DE VISEU • RIO DE LOBA • 232 449 934

Esta fêmea tem cerca de 2 anos e está vacinada, esterilizada e desparasitada. De porte médio, esta cadela é muito meiga, ideal para companhia.

FOTO-DENÚNCIA Rua Ponte de Pau, acesso ao Rio Pavia (Viseu, junto ao centro comercial Forum). O corrimão de protecção da escadaria que dá acesso ao rio não está terminado e, um dia destes, podem acontecer ali um acidente. Era bom que os autores destes projectos quando os estão a criar pensassem também nestes pormenores importantes.

Com cerca de 1 ano, esta cadela está desparasitada, vacinada e esterilizada. Ideal para viver em apartamento e com um feitio muito meigo, esta fêmea é de porte médio.

Leitor identificado Esta fêmea tem cerca de 10 meses e é uma cadela muito activa e brincalhona. De porte médio, está vacinada, desparasitada e esterilizada. Esta rubrica está aberta à participação dos leitores. Submeta a sua denúncia para redaccao@jornaldocentro.pt


tempo: sol

JORNAL DO CENTRO 28 | MAIO | 2010 Impresso em papel que incorpora 30 por cento de fibra reciclada, com tinta ecológica de base vegetal

agenda

Sexta, 28 Viseu

∑ O Centro de Recrutamento de Viseu comemora mais um aniversário, a partir das 11h30, nas suas instalações na Rua Direita. Viseu

∑ A Associação Comercial do Distrito de Viseu comemora o Dia do Comerciante/2010 e inaugura a sua sede requalificada e ampliada na Rua da Paz, às 20h00. Viseu

∑ Rastreio “Coração saudável”, a partir das 10h00, no Rossio, integrado na Semana da Freguesia de Coração de Jesus. Aguiar da Beira

∑ A XIII Feira Medieval de Moimenta da beira, é inaugurada às 14h00, no Largo do Monumento.

Sábado, 29 Tondela

∑ Jantar de Campeões, organizado pela Casa do Benfica de Tondela, às 19h00. Às 18h00 tomam posse os novos corpos sociais . Publicidade

Dois dias “cheios” de cereja em Resende

Olho de Gato

http://twitter.com/olhodegato

Festas e bolos Joaquim Alexandre Rodrigues joaquim.alexandre.rodrigues@netvisao.pt

Festival∑ A 9ª edição do Festival da Cereja começa amanhã Mais de uma centena de produtores e vendedores de cereja são esperados a partir de amanhã no largo municipal de Resende para a 9ª edição do Festival da Cereja. O fruto primaveril é marca daquela região duriense do distrito de Viseu e já atrai milhares de pessoas vindas de vários pontos do país. Se a cereja é rainha no 9º Festival de Resende, não deixarão de ser atraí-

dos visitantes por outros motivos. O programa das festas, à noite, certamente que levará muitos à vila e sede do concelho. Por outro lado, o cortejo temático “Histórias de Encantar na Terra das Cerejas”, ao início da tarde de domingo, será capaz de atrair ainda mais pessoas pela surpresa que vai representar junto dos mais pequenos e não só. A operadora ferroviária

CP e a rodoviária Joalto, associaram-se ao evento e realizam viagens especiais para quem queira ir a Resende este fim-de-semana. E até há que descobrir o que alunos da escola Dom Egas Moniz inventaram à base de cereja, num projecto nacional para o empreendedorismo. A não perder, tudo o que acontece em Resende este fim-desemana.

Semana social em Ranhados A Junta de Freguesia de Ranhados e as estagiárias do curso de Educação Social promovem a partir desta sexta-feira a Semana Cultural e Solidária de Ranhados. O objectivo da iniciativa é angariar dinheiro, através das iniciativas programadas, para ajudar famílias carenciadas do concelho. O grupo de futuras técnicas de Educação Social fez um levantamento das carências sociais da freguesia e concluiu que Ranhados tem famílias “numerosas” com “muita carência” sobretudo de bens essenciais. “Há pessoas que nos pedem leite porque não têm dinhei-

Arquivo JC

Hoje, dia 28 de Maio, sol. Temperatura máxima de 19ºC e mínima de 11ºC. Amanhã, dia 29 de Maio, sol. Temperatura máxima de 21ºC e mínima de 11ºC. Domingo, dia 30 de Maio, sol. Temperatura máxima de 23ºC e mínima de 13ºC. Segunda, dia 31 de Maio, parcialmente nublado. Temperatura máxima de 25ºC e mínima de 15ºC.

A A abertura oficial decorre às 20h30 na Lage de Ranhados ro para comprar o leite e isso é chocante”, afirmou Liliana Pereira durante a apresentação da iniciativa. Para as alunas é possível melhorar esta realidade, ensinando a população a “gerir o dinheiro”, mas também com mais apoio das empresas locais. “As

empresas maiores não ajudam em nada, nem num cabaz de Natal”, desabafou Liliana Pereira Os três dias de actividades repartem-se pelo desporto, espectáculos, almoço-convívio, uma caminhada (dia 29, 15h00), entre outras acções. EA

1. Em 30 de Novembro de 2001, o ministro da economia da Argentina, Domingo Cavallo, decretou o “corralito”, o congelamento das contas bancárias, o que fez alastrar o descontentamento a todo o país. Multidões manifestaram-se batendo em panelas – protesto a que se chamou “cacerolazo”. Houve pilhagens e mortes. Cavallo foi o alvo de todas as fúrias. Nas manifestações havia sempre muitas pessoas com a máscara do ministro, máscara que na altura se vendia na Argentina tão bem como agora se vende a vuvuzela na Covilhã. A 19 de Dezembro foi decretado o estado de sítio. Mal o presidente acabou de o anunciar, milhares de argentinos pegaram nas caçarolas e arrancaram para as ruas. Um dos alvos foi a casa do ministro que foi cercada. Conta-se que Domingo Cavallo conseguiu fugir de casa sem ser molestado pela multidão porque levava posta uma das populares máscaras de si próprio. Lembrei-me desta

história ao ouvir esta semana Vítor Constâncio nas televisões a falar de cortes nos salários. Falava, falava, e eu via Constâncio com a sua máscara posta - a máscara “Vítor-Constâncionão-acerta-uma”. 2. Uma criatura de mãos ágeis apropria-se de uns gravadores que não são seus mas – atenção! – isso não é roubo, isso é “acção directa”. Durante quatro dias os aparelhos ficam na posse da criatura que, depois, os entrega num tribunal mas – atenção! - isso não é arrependimento, isso é “providência cautelar”. Passaram três semanas e o tribunal não devolve os gravadores aos legítimos donos mas – atenção! - isso não é “receptação”, é a justiça portuguesa a funcionar. 3. É claro que é preciso urgentemente escrutínio democrático e oposição à câmara de Viseu. Mas, pelos modos, tem que se dar mais um tempo à nova concelhia do PS para continuar com as suas “festas e bolos”.


Jornal do Centro - Ed428