Page 1


Carta aberta Olá, amigos, Espero que esta revista chegue em suas mãos em um momento de muito ânimo para estudar a Bíblia. Nes te trimestre, o tema é PARÁB OLAS VIVAS e, passearemos um por entr e as parábolas registradas nos Evangelhos, lembrando que todas foram proferidas pelo Mestre Jesus. É tão fantástico a forma como podemos cap turar tantos princípios de uma pequena história ilustrativa. Eu fico imp ressionadíssimo! Jesus conhecia seus ouvintes e o meio em que viviam, por isso, usava histórias do contexto daquela região e povo. Contudo, os princípios contidos em suas parábolas são eternos, nos alcança, incl usive, hoje, mais de dois mil anos após terem sido contadas. Já na DCC – Divisão de Crescimento Cristão – teremos, como de costume, três unidades onde serão abordad os os seguintes temas: 1 O significado da ressurreição de Jesus; 2 Família – Uma instituição divina; 3 Ética da corporalidade. Ainda que sua igreja não tenha um enc ontro para estudar a DCC, leia-os. Farão muito bem a você. Como você já percebeu, geralmente são temas diversos da nossa vida. Já pensou em utilizar como evangelização? Por exemplo, presentear um amigo ou ami ga com um desses textos. Mais uma vez quero lembrar que esta revista é feita por você e para você, por isso, não deixe de contribuir. Envie seus textos, suas fotos, seu testemunho de conversão, suas poesias ou o que você quiser compartilhar. Que Deus possa continuar abençoand o cada um de nós no decorrer deste trimestre e que sejamos sal da terr a e luz do Mundo dia após dia. 2o Trimestre – 2013

1


Expediente

Diålogo e ação ISSN 1984-8595 Literatura Batista Ano 81 – N° 326 – Abr.Maio.Jun. 2013

a destinada Diålogo e Ação aluno Ê uma revist ndo liçþes conte ), anos 17 a (12 es scent adole a estudos para a e nical Domi a Bíblic a Escol a para Crescimento União de adolescentes (Divisão de s matÊrias outra e os bíblic os temp passa o), Cristã scente nas adole do to imen cresc o ecem favor que åreas ntes difere mais

Publicação trimestral do giosa da Departamento de Educação Reli ileira Bras ta Convenção Batis CGC (MF): 33.531.732/0001-67 Endereço Caixa Postal, 39836130 Rio de Janeiro, RJ Tels.: (21) 2157-5557 7HOHJUiÀFR²%$7,67$6 P (OHWU{QLFR²OLWHUDWXUD#EDWLVWDVFR VFRP WLVWD ZED ²ZZ 6LWH Direção Geral Sócrates Oliveira de Souza Coordenação Editorial  6RODQJH&DUGRVRGH$EUHXG¡$OPHLGD (RP/16897) Redação Carlos Daniel Produção Editorial 6WXGLR$QXQFLDU

RWRVFRP

,PDJHQVZZZV[FKXHIUHHGLJLWDOSK

Nossa missĂŁo: “Viabilizar a cooperação entre as igrejas batistas no cumprimento da sua missĂŁo como comunidade localâ€?

2

3URGXomR*UiĂ€FD :LOO\$VVLV3URGXomR*UiĂ€FD Distribuição rial Ltda. EBD-1 Marketing e Consultoria Edito 7HOV  ‡ (PDLOSHGLGRV#HEGFRPEU Imagens utilizadas nesta edição: VFRP‡ZZZPRUJXHĂ€OHFRP ZZZV[FKX‡ZZZGLJLWDOIUHHSKRWR

Diålogo e Ação Aluno


RVFRP‡ZZZPRUJXHÀOHFRP

Sumårio Carta aber ta ........................................ ................................................................ ............................. 1 Expediente ........................................ ................................................................ ................................ 2 Soltando o verbo (carta dos leitores) ................................................................ ............................. 4 Geração relevante ................................ ................................................................ ............................ 7 $EHU WXUDGRWULPHVWUH²(%'  

EBD – Tema do trimestre: Paråbo

las vivas

(%'²'HĂ€QLQGRDVSDUiERODV   (%'²$VSDUiERODVGRUHLQR   (%'²$SDUiERODGRERPVDPDULWD QR  (%'²$SDUiERODGRSHUGmR   (%'²$SDUiERODGRIDULVHXHGRS XEOLFDQR  (%'²$SDUiERODGRVYLWLFXOWRUHV   (%'²$SDUiERODGRVHPHDGRU   (%'²$SDUiERODGDVGXDVFDVDV   (%'²$SDUiERODGRULFRLQVHQVDW R  (%'²$SDUiERODGRĂ€OKRSHUGLG R  (%'²$SDUiERODGRJUDQGHEDQTX HWH  (%'²$SDUiERODGRULFRH/i]DUR   (%'²$SDUiERODGDVGH]PRo DV  Entre as letras ................................ ................................................................ ............................... 60 $EHU WXUDGRWULPHVWUH²'&&  

DCC

8QLGDGH²2TXHVLJQLĂ€FDDUHVV XUUHLomRGH-HVXV Uma questĂŁo fundamental ................ ................................................................ ............. 62 O sentido da ressurreição de Jesus ................................................................ ............... 64 Implicaçþes da ressurreição de Jesu s ........................................................ ................... 66 Unidade 2 – FamĂ­lia, uma instituiç ĂŁo divina Valorização da famĂ­lia ........................ ................................................................ ............. 68 Relacionamento familiar ................ ................................................................ ................. 70 E quando nĂŁo existe famĂ­lia? ........ ................................................................ ................. 72 Metas para a famĂ­lia ........................ ................................................................ ............... 74 Unidade 3 – Ética da corporalidad e $VGXDVFDUDVGRSUD]HU VH[R    Par ou Ă­mpar? (jogos) ........................ ................................................................ ............. 78 'URJDVPDQWHQKDGLVWkQFLD   2EDQKRGHFRUSRHDOPD   Eu preciso ser separado ................ ................................................................ ................. 84 Letra e mĂşsica ................................ ................................................................ ............................... 86 Orar, esperar e agradecer ................ ................................................................ ............................. 87 No templo de Deus, e aĂ­... que rola? ................................................................ ............................ 89 $VSDUiERODV²7DEHOD   'LFDV²7HFQRORJLDHHYDQJHOLVPR   &DQWLQKRGR3RHWD    MissĂľes Mundiais ................................ ................................................................ 2o Trimestre – .......................... 2013 96

3


Soltando o verbo Querido adolescente 1HVWHHVSDoRYRFrWHPDFKDQFHGHGL]HUSDUDR%UDVLORTXHSHQVD$GROHVFHQ WHVFRPRYRFrLUmRUHรHWLUVREUHRTXHYRFrGL]HHPLWLUWDPEpPDVXDRSLQLmR

(QYLHVXDFDUWDSDUD&DL[D3RVWDOยฒ5LRGH-DQHLUR5RXVHXHPDLOSDUDOLWHUDWXUD#EDWLVWDVFRP

Olรก tudo bem? Aqui pessoal, eu enviei jรก uma poesia para vocรชs e foi publicad a, e Deus me DEHQoRRXPXLWRHWHPPHDEHQoRDGRWUHPHQGDPHQWH(HX ยฟ]RXWUDHHVWRX enviando, caso vocรชs possam publicar, agradeรงo muito. Desde jรก, muito obrigado. Abraรงos a todos ai. Abraรงos dos adolescentes da 1ยช Igreja Batista em Sรฃo Josรฉ de Ubรก, RJ. $SD]GH&ULVWR Josima Marinho, 17 anos PIB em Sรฃo Josรฉ de Ubรก - RJ Resposta: 2L-RVLPDPXLWR REULJDGRSRUPDLVXPDYH]FRPSDUWLOKDUF RPDJHQWHRTXH 'HXVWHPOKHGDGR4XHVXDSRHVLDSRVVDFRQVRODUDTXHOHVTXHSUHFLVDP GHFRQVRORHWDP EpPFRQIURQWDUDTXHOHVTXHSUHFLVDPGHFRQIURQWR 4XH'HXVVHMDJOR ULร€FDGRSRUPHLRGH VXDFDQHWD$EUDomRHFRQWLQXHQRVHQYLDQGRTXHFRQWLQXDUHPRVSXEOLF DQGR

4

Diรกlogo e Aรงรฃo Aluno


OlĂĄ, galera,

Oiii!

Meu nome ĂŠ Marcos e queria

Que o Senhor, o nosso Deus, sempre

muito que vocĂŞs publicassem essa

esteja conosco e que nĂłs possamos sem-

foto do nosso primeiro congresso

pre estar com ele. Sou da Igreja Batista

de adolecentes. Foi uma bênção

Viva (Natal, RN). Eu me chamo Lin-

HVVHFRQJUHVVRHÂżFDUtDPRVPXLWRV

demberg Dias e tenho 17 anos. NĂŁo sĂł

IHOL]HVVHYRFrVFRORFDVVHPQRVVD

eu, como todos os adolescentes da IBV

foto na revista!

ÂżFDUtDPRVEDVWDQWHIHOL]HVVHDQRVVD

Que Deus abençoe muito vocês!

foto, que tiramos na festinha surpresa

Marcos Fontinelli, 13 anos

TXH¿]HPRVSDUDRQRVVRSURIHVVRUGD EBD fosse publicada na próxima edição

Igreja Batista

da revista Diålogo e Ação. E eu, par-

Parque IndependĂŞncia

ticularmente, se o meu estudo (Orar, esperar e agradecer) tambÊm fosse publicado. Que Deus nos ABENÇOE. Lindemberg Dias, 17 anos Igreja Batista Viva – Natal, RN ‡)DFHERRN/LQGHPEHUJ'LDV ZZZIDFHERRNFRPOLQGHPEHUJGLDV

Resposta: Oi, Marcos, seu pedido Ê uma RUGHPSDUDQyV$IRWRHVWiVHQGRSXEOL cada. ParabÊns pela realização do priPHLUR FRQJUHVVR 4XH YHQKDP PXLWRV H muitos. Se quiser enviar um texto falando como foi, destacando os principais aconWHFLPHQWRV ÀTXH EHP j YRQWDGH 4XH você possa crescer em graça e sabedoria jVHPHOKDQoDGR0HVWUH-HVXV$EUDomR

Resposta: Olå, Lindemberg, obrigado SRUFRPSDUWLOKDUQmRVyVHXERPHVWXGR PDVWDPEpPDIRWRGDIHVWLQKD2UDomR espera e gratidão. Três atitudes para o FULVWmR4XHIDoDPSDUWHGRPHXHGRVHX dia a dia. Paz do Mestre em seu coração e tambÊm nos seus amigos adolescentes da Igreja Batista Viva. 2o Trimestre – 2013

5


Olรก, queridos amigos, Bom, estou enviando as fotos da galerinha da minha igreja que participou do FRQJUHVVRGRVDGROHVFHQWHVGD-8%$6(0GH0DFDpHTXHULDID]HUXPDVXUSUHVD SDUDHOHVFRPHVVDVIRWRVQDUHYLVWD6RPRVGDLJUHMD%DWLVWD(EHQp]HU3DVWRU-RVp Teixeira, Macaรฉ, RJ. Um abraรงo. $PDQGDยฑ,JUHMD%DWLVWD(EHQp]HU Macaรฉ, RJ

Resposta: $PDQGDTXHH[FHOHQWHVXUSUHVDSDUDRVDGROHVFHQWHV4XHPDLVSURIHVVRUHV SRVVDPVXUSUHHQGHUVHXVDOXQRVDVVLP3DUDEpQVSHODLQLFLDWLYDHGHPRQVWUDomRGHFDULQKR FRPHVVHVPHQLQRVHPHQLQDV$EUDomRSUDYRFrV

6

Diรกlogo e Aรงรฃo Aluno


Reflexão

Geração relevante 2Timóteo 2.4-6 AS NOVAS IDEOLOGIAS Escrevi um livro sobre o impacto das ideologias. Quando o comecei, tinha em mente ideais como socialismo, comunismo, fascismo, integralismo, trabalhismo, capitalismo. Tive dificuldades de terminá-lo por uma razão: das ideologias, sobrou uma: o capitalismo. Nele, em termos práticos, três valores são centrais. rA diversão. Tipificada por uma palavra: balada. rA fama. Vinda da exposição nos meios de comunicação, que nos transforma numa sociedade do espetáculo, sendo o futebol um deles. r O sucesso que deve ser buscado,  de preferência, sem esforço. Todo preço deve ser pago, não importa qual, como o demonstra a história de uma moça que participou de um programa de televisão cujo ápice era

a perda da sua virgindade com um estranho participante do programa. Um empresário da prostituição em São Paulo disse que ela se ofereceu a ele por 100 mil reais. Ela respondeu dizendo que ele quer fama. Há uma outra vida a ser vivida, além da diversão, da fama e do espetáculo. O serviço ao próximo é um deles. É salutar ver o crescimento do voluntariado fora do ambiente das igrejas. E também na igreja. É benéfico ver o empenho de pessoas por seus ideais profissionais. "O sucesso, que deve ser buscado, de preferência, sem esforço. Todo preço deve ser pago, não importa qual, como o demonstra a história de uma moça que participou de um programa de televisão cujo ápice era a perda da sua virgindade com um estranho participante do programa" 2o Trimestre – 2013 2o Trimestre – 2013

7 7


METà FORAS DA VIDA Em 2Timóteo 2.4-6, o apóstolo Paulo usa duas comparaçþes sobre ideais de vida cristã. Ele compara o cristão a um soldado, a um atleta e a um agricultor. Aprendemos com cada uma destas metåforas:

r 0T QSFHBEPSFT EF TVB ÊQPDB anunciavam um evangelho fåcil, cheio de bênçãos certas. Para eles, Deus entra na nossa vida para nos tornar ricos. r&OUSFPTQSFHBEPSFT NVJUPTGB ziam da fÊ um balcão de negócios, para interesses pessoais.

2Timóteo 2.4-6: 4 Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo Ê satisfazer àquele que o arregimentou. 5 Igualmente, o atleta não Ê coroado se não lutar segundo as normas.

r)BWJBQFSTFHVJĂ‰ĂˆPUBOUPQPQV lar quanto governamental. Seu mentor morreria como mĂĄrtir. Nosso contexto tem elementos prĂłximos. r"MHVOTTĂˆPUĂŽNJEPT0VUSPT OĂˆP

"Mesmo em tempo de paz,

6 O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a participar dos frutos. Com o soldado, aprendemos que devemos ser fiĂŠis a Deus. Com o atleta, que devemos ser disciplinados, se queremos vencer. Com o agricultor, que devemos ser persistentes em nosso trabalho. TimĂłteo vivia um contexto, que pode ser resumido assim: r 1FTTPBMNFOUF  FMF FSB UĂŽNJEP F mesmo um pouco assustado com o mundo.

8

Diålogo e Ação Aluno

os soldados são preparados para a guerra por meio de fadigas e privaçþes (...) 7XGRHVWiGH¿QLGRSDUD

que no suor da luta corpos e mentes estejam aptos para passar da sombra para a luz do sol, da luz do sol para o frio gelado, da túnica para couraça, do silêncio abafado para o grito de guerra, do repouso para o alarido da batalha"


,PDJHPZZZV[FKXB

"Com o soldado, aprendemos que devemos

VHUÂżpLVD'HXV&RPRDWOHWDTXHGHYHPRV ser disciplinados, se queremos vencer. Com o agricultor, que devemos ser persistentes em nosso trabalho"

r 0VWJNPT UBNCÊN QSFHBEPSFT de um evangelho fåcil e temos que conviver com mercadores da fÊ. r&OGSFOUBNPTVNUJQPEJGFSFOUF de perseguição, marcado por duas frentes: numa, o evangelho Ê visto como politicamente (ideologicamente) incorreto; na outra, muitos cristãos envergonham o evangelho por não viverem corretamente. Por uma razão e por outra, hå uma guerra contra a religião e contra o cristianismo em particular. O SOLDADO, ONTEM E HOJE. Detenhamo-nos na figura do

soldado: "Nenhum soldado em serviço se envolve em negĂłcios desta vida, porque o seu objetivo ĂŠ satisfazer Ă quele que o arregimentouâ€? (2TimĂłteo 2.4). Em outras palavras: nenhum militar em missĂŁo se envolve em outras atividades, porque seu objetivo ĂŠ satisfazer Ă quele que o arregimentou. No mundo romano, “o comandante reunia os homens que o conheciam, que o amavam, que confiavam nele e que o seguiam por todos os lugares. Foram esses homens que venceram as grandes batalhas para Romaâ€?. Por isso, um soldado nĂŁo podia casar durante seu tempo no exĂŠrcito.

99

o 2o2Trimestre – 2013 Trimestre – 2013


Escrevendo em 197, o escritor cristão Tertuliano anotou: “Nenhum soldado vai para a guerra coberto de luxo, nem marcha para a linha de batalha com o seu quarto de dormir, mas com barracas leves e apertadas, onde experimenta todo o tipo de austeridade, desconforto e mal-estar. Mesmo em tempo de paz, os soldados são preparados para a guerra por meio de fadigas e privações (...) Tudo está definido para que no suor da luta corpos e mentes estejam aptos para passar da sombra para a luz do sol, da luz do sol para o frio gelado, da túnica para couraça, do silêncio abafado para o grito de guerra, do repouso para o alarido da batalha (TERTULIANO. Mensagem aos mártires, 3.2.) Paulo nos quer mostrar que não somos chamados para sermos cristãos  apenas para usufruir a vida. Assim como acontece com o soldado, nosso objetivo não é conseguir algo para nós e algo para Deus, mas agradar ao nosso Senhor. Deve ficar claro para nós que é ótimo ter as coisas da vida, mas elas não são o objetivo da nossa vida. DESAFIOS PARA HOJE 1 Tenha um objetivo. O soldado em guerra tem um objetivo: ganhar a batalha para o seu general ou, em tempos de paz, cumprir a missão que recebeu. Saiba que alcancá-lo implica OBRIGATORIAMENTE sacrifíDiálogoe Ação e AçãoAluno Aluno 10 Diálogo 10

cio. As coisas fáceis são apenas coisas fáceis, não coisas que valham a pena. Isto vale para a vida em geral, para a vida profissional em particular e para a vida cristã em especial. Quem tem um objetivo faz diferença. Faz diferença quem é diferente. Como cristãos, nosso objetivo deve ser, em meio ao que estamos fazendo, não importa o que seja, é reproduzir em nós o caráter de Jesus Cristo. 2 6HMD ÀHO. O soldado não se desvia da sua tarefa. Não se desvie, cedendo ao desejo da diversão. Não se desvie, tomando o curso da fama. Não se desvie, seguindo a rota do sucesso. O que nos faz felizes não é o sucesso, mas a fidelidade. Não vá na onda. Seja fiel à sua família. Não vá atrás de propostas fáceis. Seja fiel ao seu ideal. Não se distraia. Seja fiel ao seu ideal profissional. Você é missionário onde está. Seja fiel a Deus. Não tenha outros deuses. 3 Faça todas as coisas de modo HVSHFLDO “O cristianismo não é uma maneira de fazer coisas especiais, mas uma maneira especial de fazer todas as coisas” (STEDMAN, Ray). Viva de modo a deixar um legado. Da perspectiva de Deus, um legado é participar dos propósitos de Deus no mundo.


Abertura do trimestre ParĂĄbolas vivas Objetivos: 1HVWHWULPHVWUHYDPRVHVWXGDUDVSDUiERODVFRQWLGDVQRV(YDQJHOKRVGH0DWHXVH Lucas que foram contadas por Jesus. ParĂĄbola ĂŠ uma forma de ilustrar um ensino moral ou religioso comparando-o com fatos da vida comum.

Estudos da EBD (%'²'HĂ€QLQGRDVSDUiERODV (%'²$VSDUiERODVGRUHLQR (%'²$SDUiERODGRERPVDPDULWDQR (%'²$SDUiERODGRSHUGmR (%'²$SDUiERODGRIDULVHXHGRSXEOLFDQR (%'²$SDUiERODGRVYLWLFXOWRUHV (%'²$SDUiERODGRVHPHDGRU (%'²$SDUiERODGDVGXDVFDVDV (%'²$SDUiERODGRULFRLQVHQVDWR (%'²$SDUiERODGRĂ€OKRSHUGLGR (%'²$SDUiERODGRJUDQGHEDQTXHWH (%'²$SDUiERODGRULFRH/i]DUR (%'²$SDUiERODGDVGH]PRoDV

Autor das liçþes $DXWRUDGDVOLo}HVGHVWHWULPHVWUHGD(VFROD%tEOLFD'RPLQLFDOpDLUPm0DUO\7DYDUHV 3LQKHLURGH6RX]DEDFKDUHOHP(GXFDomR5HOLJLRVDSHOR6HPLQiULR7HROyJLFR%HWHO no Rio de Janeiro. Missionåria dos batistas brasileiros pela JMN. É casada com o SDVWRU&OiXGLR-RVp)DULDVGH6RX]DHWHPGRLVÀOKRV0DWKHXVH7KDOLWD6XHO\

2o Trimestre – 2013

11


EBD 1 Definindo parĂĄbolas Marcos 4.10-12

t Gravura de James Tisso

7 de abril

Você jå teve a opor tunidade de ouvi r ilustraçþes durante alguma men saJHPTXHRSDVWRUSUHJRX"eLQWHUH VVDQWHQmRp"$VLOXVWUDo}HV QRV DMXGDP QRVID]HUFRPSUHHQGHUHJXDUGDUP HOKRURTXHHVWiVHQGRWUDQVPLWLGR  Jesus usou muitas paråbolas como recurso ilustrativo. Ele levou a men saJHPGHVDOYDomRDWRGRVFKDPDQG RVHXVRXYLQWHVDRDUUHSHQGLPHQWR HjIp Ele levava as pessoas a praticarem sua fÊ e, tambÊm, as exor tava a exer cerem DYLJLOkQFLD

Durante este trimestre estaremos estu dando sobre as parĂĄbolas de Jesus, TXHSRGHPVHUFKDPDGDVGHSDUi ERODVYLYDVSRUTXHHODVJHUDPDo} HV

Leituras diårias Segunda – Marcos 4.10-12 Terça – Marcos 4.26-29 Quarta – Juízes 9.8-20

12

Diålogo e Ação Aluno

Quinta – Isaías 5.1 6H[WD²6DPXHO Såbado – 1Reis 20.35-42 Domingo – 1Coríntios 2.11-13


'HÀQLQGRSDUiERODV Conforme o Dicionario Internacional de Teologia do Novo Testamento, paråbola Ê "um gênero literårio que, formalmente, consiste em uma história típica, tirada da realidade cotidiana do ouvinte e lhe oferece um exemplo de comportamento ao qual reage". Jesus as utilizava sempre, pois sabia que essa relação facilitaria o entendimento do povo. Mas Jesus não foi o único a usar a paråbola como mÊtodo de ensino, pois isso jå era comum no Antigo Testamento e na literatura judaica, como pode ser visto em Juízes 9.8-20 e Isaías 5.1. No Antigo Testamento, encontramos outros exemplos que, apesar de não fazerem referência ao título de paråbola, são tidos como tais em algumas versþes da Bíblia: paråbola de Natã (2Samuel 12.1-4); paråbola de Joabe (2Samuel 14.6); paråbola de um profeta (1Reis 20.35-42). Ao lê-las, em sua Bíblia, você observarå que o objetivo delas Ê comunicar a verdade da história e exortar o ouvinte mediante os comentårios impensados que saem de sua própria boca. O uso que Jesus faz das paråbolas no início de seu ministÊrio Ê patente no Novo Testamento. Ele usou amplamente o recurso de contar paråbolas e as usou em quase todos os seus discursos, mostrando que ele tinha preferência pela linguagem figurada, porque sabia da sua eficåcia.

Como são agrupadas as paråbolas de Jesus As paråbolas contadas por Jesus foram agrupadas em torno de vårios temas. O Dr. Pierson as agrupa da seguinte maneira: r$JODPFYQ×FNFTQFDJđDBNFOUF o caråter divino e seus atributos; r0JUPSFHJTUSBNBIJTUÓSJBEPSFJ no em sua era presente; r/PWFGBMBNEBSFTQPOTBCJMJEB de da mordomia; r4FJTSFHJTUSBNBCFMF[BEPQFS dão e do amor desinteressado; r þVBUSP USBUBN EB OFDFTTJEBEF permanente de vigilância; r 5SËT SFMBUBN B JNQPSUÄODJB EB conduta condizer com o ensino; r5SËTUSBUBNEBIVNJMEBEFFEB insistência na oração; r6NBGBMBEBIVNJMEBEFFNUP das as relaçþes com Deus. Muitas delas têm sido classificadas, hoje, de acordo com as liçþes morais que enfocaram. Contudo, não podemos deixar de lembrar que todas se referem ao 2o Trimestre – 2013

13


modo de vida que um judeu deveria ter e que Jesus ensina que praticar tais atos era realizar o seu reino e obedecer a Deus. Dos três Evangelhos Sinóticos, Mateus e Lucas são os que registram o maior número de parábolas. Marcos inclui apenas seis, e somente uma é peculiar ao seu Evangelho (Marcos 4.26-29).

va as parábolas porque era a forma mais fácil de fazer com que o povo entendesse sobre o reino de Deus e, também, por ser a forma mais próxima da realidade vivida pelo povo. Por isso, muitos afirmam hoje que o mistério do reino é a mensagem total e completa do evangelho.

O propósito das parábolas

Como discípulos de Jesus, precisamos ter fé e intimidade com o Senhor. Precisamos estudar a sua Palavra para entender os seus ensinamentos de forma correta. Devemos ser honestos e sinceros em nossa busca da verdade, pedindo ao Espírito Santo para nos revelar as coisas de Cristo (1Coríntios 2.11-13). É imprenscindível para aquele que se diz cristão compreender tais ensinamentos do Mestre Jesus. Querido adolescente, você tem compreendido os ensinamentos contidos na Bíblia? Caso você não esteja entendendo, não deixe de ir, neste trimestre, à EBD de sua igreja, pois as lições o ajudarão a entender e a colocar em prática os ensinamentos de Jesus.

Quando o Senhor Jesus apareceu entre os homens, como Mestre, usou a parábola como veículo para transmitir as verdades do reino de Deus. Sabedor de que os mestres judeus ilustravam suas doutrinas com auxílio das parábolas e comparações, Cristo adotou a parábola, esta antigs forma de ensino, e deu um novo sentido para a vida das pessoas de sua época, principalmente porque, por meio da parábola, ele proclamou as maravilhas divinas do seu reino. Com este método de ensino, ao se dirigiar às pessoas, Jesus tinha como objetivo convencê-las e gerar uma mudança em suas atitudes. Ele usa-

3DUDUHÁHWLU

Para o coração...

"Disse-lhes ainda: não percebeis esta parábola? Como pois entendereis todas as parábolas?" (Marcos 4.13)

14

Diálogo e Ação Aluno


EBD 2 As parĂĄbolas do reino Mateus 13.44-52

,PDJHPZZZV[FKXB

14 de abril

HQRYRXR 8PGRVSHUVRQDJHQVLPSRUWDQWHVGDKLVWyULDGDVDOYDomRp1Rp'HXVU YLYLDP KRPHQV SRFDRV DTXHODp H1Rp1 WHPSRG $GmRQR HLWRFRP SDFWRTXHWLQKDI Deus como agora, emos, as consequências desastrosas do pecado no mundo. Estudar ência. descend sua e NoÊ a o salvaçã usou de sua misericórdia para oferecer a três falam Em Mateus 13.44-52, Jesus conta três paråbolas numa só, mas as se enconque or semead do a paråbol da ão explicaç a , assunto mesmo sobre um os de discípul os casa, para tra no início do capítulo 13. Observe que, ao retornar mente, paciente Jesus, 39). (v. joio do a Jesus pedem explicaçþes sobre a paråbol WLQXDXVDQGR OKHVH[SOLFDGHRXWUDIRUPD(OHQmRPXGDDÀJXUDGHOLQJXDJHPFRQ dia a dia de do parte fazem que as paråbol outras conta vez desta mas a paråbola, seus discípulos. Vamos analiså-las.

Leituras diårias Segunda – Mateus 13.44 Terça – Mateus 13.45,46 Quarta – Mateus 13.47-50

Quinta – Mateus 13.51,52 Sexta – Atos 10 Såbado – Atos 16.14 Domingo – Mateus 6.33 2o Trimestre – 2013

15


Paråbola do tesouro HVFRQGLGR²0DWHXV Nesta narrativa, podemos ver um momento em que os discípulos e Jesus estão mais próximos. Mas como eles não entenderam a paråbola, proferida no início do capítulo 13 (a paråbola do semeador), Jesus se volta para assegurar aos seus discípulos a necessåria compreensão. Na paråbola do tesouro escondido, um homem encontrou o tesouro no campo por acaso; vendeu tudo o que tinha para, depois, comprå-lo. Ainda que jamais tenha sido procurado, o tesouro foi descoberto. A lei rabínica dizia que se um homem encontrasse frutas ou dinheiro perdidos seriam seus; logo, o homem que descobrisse um tesouro tinha o direito de ficar com ele.

"Nas trĂŞs parĂĄbolas Jesus mostra que precisava de cada um dos seus discĂ­pulos para levar o evangelho Ă s pessoas. Hoje, nĂłs ocupamos o lugar desses discĂ­pulos e devemos fazer o mesmo"

Você pode observar que o tesouro estava enterrado no campo e permaneceu oculto aos olhos de muitos, inclusive do seu propritårio. Jesus estava dizendo aos seus discípulos que o homem que enxerga o valor do reino (a vida com Deus) abre mão de tudo por ele, e tem direito ao reino dos cÊus, à salvação, ainda que, para adquiri-la, seja preciso renunciar a muitas coisas.

,PDJHPZZZV[FKX

B

Paråbola da pÊrola ²0DWHXV

16

Diålogo e Ação Aluno

É uma paråbola de fåcil compreensão. Jesus comparou a descoberta do reino de Deus pelo ser humano com a descoberta de uma pÊrola por um negociante. Este, quando se vê diante de um bem tão valioso, não pensa duas vezes; abre mão de todos os seus bens para possuí-la. Assim, o homem que se vê diante do reino de Deus deve renunciar a própria vida para tomar posse dele.


,PDJHPZZZV[FKXB

Como entre seus discĂ­pulos a maioria era pescador, Jesus conta a parĂĄbola da pescaria e mostra aos seus seguidores que VRPHQWH'HXVVDEHTXHPVHUiVDOYRHTXHPVHUiFRQGHQDGR diferente do que diziam alguns lĂ­deres do povo e os escribas

Observe que tanto o homem quanto o comerciante renunciaram ao que possuíam para adquirir o bem que acharam. A decisão mudou a vida deles. Ambos os casos tratam de algo precioso. Falam de um supremo bem, no caso, o reino de Deus. Jesus mostra em suas parábolas que o reino de Deus é o mais precioso tesouro, e que não há nada no mundo que possa superá-lo. Parábola dos peixes bons HUXLQV²0DWHXV Como entre seus discípulos a maioria era pescador, Jesus conta a parábola da pescaria e mostra aos seus seguidores que somente Deus sabe quem será

salvo e quem serå condenado, diferente do que diziam alguns líderes do povo e os escribas (v. 52). Nesta paråbola, Ê fåcil compreender o simbolismo existente: a) A rede representa a missão, a mensagem de Jesus; b) O mar representa o mundo onde as pessoas habitam; c) Os pescadores representam os cristãos; d) Os peixes representam todas as pessoas existentes no mundo, sejam boas ou ruins; e) Os anjos representam o que serå feito no dia em que todos forem avaliados diante de Deus e de seu Filho Jesus. 2o Trimestre – 2013

17


Gravura de James Tissot

$SHVFDPLODJURVD² Gravura de James Tissot

Nas três parábolas Jesus mostra que precisava de cada um dos seus discípulos para levar o evangelho às pessoas. Hoje, nós ocupamos o lugar desses discípulos e devemos fazer o mesmo. Observe que Jesus demonstra que não está fazendo nada sozinho, mas que necessita dos seus. Por isso, devemos pregar o evangelho a todas as criaturas (que na parábola são os peixes) porque todos merecem ouvir sobre este tesouro tão valioso. Entretanto, não podemos deixar de ressaltar que antes de começarmos a pescar é preciso conhecer o valor que Jesus representa para cada um de nós, como é demonstrado nas duas parábolas anteriores.

3DUDUHÁHWLU Querido adolescente, o reino de Deus deve estar em primeiro lugar em sua vida, conforme conta em Mateus 6.33. Se você ler em sua Bíblia a experiência de Cornélio (Atos 10) e de Lídia (Atos 16.14), você vai perceber que essas pessoas buscaram este tesouro. Vai perceber, também, que Jesus é a pérola preciosa que procuravam. Dedique-se ao máximo, com empenho e ousadia, vencendo todas as dificuldades, e somente na dependência de Deus, sabendo que o maior tesouro que existe no mundo e que o maior investimento que alguém pode fazer é aceitar Jesus como Senhor e Salvador de sua vida. Bom investimento!

Para o coração...

“Então os justos resplandecer reino de seu Pai ” (Mateus 13.43a)

18

Diálogo e Ação Aluno


EBD 3

A parĂĄbola do bom samaritano Lucas 10.25-37

21 de abril

SerĂĄ que, em algum momento de sua vida, quando vocĂŞ esteve prop enso a DMXGDUDOJXpPQmROKHYLHUDPjP HQWHSHUJXQWDVFRPR4XHPpHOH" 4XDODVXD IRUPDomR"2QGHPRUD"4XDODVXDU HOLJLmR"

Leituras diårias Segunda – Lucas 10.25-27 Terça – Lucas 10.28,29 Quarta – Lucas 10.30-32

Quinta – Lucas 10.33-35 Sexta – Lucas 10.36,37 Såbado – Marcos 12.33 Domingo – Levítico 19.13-18 2o Trimestre – 2013

19


4XHPpRPHXSUy[LPR" ²/XFDV Para que possamos entender a parábola do bom samaritano, é necessário lembrar a ocasião em que ela foi proferida. Ela buscava responder à pergunta de certo doutor da lei (Lucas 10.29). A profissão de um "doutor da lei" era ocupar-se com a lei mosaica. Ele tinha a função oficial de interpretar a lei e guiar o povo a colocá-la em prática na sua vida. Para este intérprete da lei, nem todo mundo podia ser seu próximo. Incomodava-o a possibilidade de ajudar certos tipos de pessoas como, por exemplo, inimigos do povo judeu, como os samaritanos. A ele não faltava apenas conhecimento, mas disposição em cumprir seu dever para colocar a lei em prática. Como resposta à sua pergunta, o Senhor Jesus contou a parábola do bom samaritano. $LQGLIHUHQoDKXPDQD ²/XFDV Encontrar, nos dias de hoje, cristãos dispostos a colocar em prática o amor fraternal é realmente uma tarefa para super-heróis. Mas é possível. Este é o objetivo principal da lição que Jesus nos ensina nesta parábola. Jesus conta que um viajante descia de Jerusalém para Jericó. Essa estrada não era segura aos viajantes. Era frequentada por ladrões e salteadores, que atacavam

20

Diálogo e Ação Aluno

"Encontrar, nos dias de hoje, cristãos dispostos a colocar em prática RDPRUIUDWHUQDOp realmente uma tarefa para super-heróis. 0DVpSRVVtYHO(VWH pRREMHWLYRSULQFLSDO da lição que Jesus nos ensina nesta parábola" comerciantes e viajantes solitários. Essa realidade é muito parecida com o que vemos em alguns locais no Brasil e no mundo. Na parábola, os assaltantes atacaram um viajante, feriram-no e o deixaram meio morto. Depois, fugiram levando tudo o que aquele homem possuía. Jesus insere personagens conhecidos de seus ouvintes na parábola. Passam pelo mesmo caminho um sacerdote e um escriba, um após o outro e, mesmo vendo aquele homem machucado, não o ajudaram. Pelo estilo de vida que diziam ter, esses dois líderes judeus deveriam ser os primeiros a demonstrar sua fé em Deus, agindo com amor e misericórdia para com aquele homem abandonado, praticando o que a lei dizia, mas não fizeram nada. Imagine você, na situação do viajante, ver dois líderes religiosos passarem e fingirem que não o veem. Que decepção! Pois é, foi isto que aconteceu com o viajante.


O verdadeiro amor fraternal ²/XFDV A esta altura da história de Jesus surge um samaritano. Na paråbola, Ê o terceiro homem a passar por aquela estrada. Seus ouvintes ficaram chocados. O povo samaritano era criticado e considerado pecador pelos judeus. Eles não faziam a mínima questão de ter comunhão com esse povo. PorÊm, Jesus utiliza esse personagem para ressaltar que o samaritano foi o único que deu assistência ao viajante ferido. Na paråbola, o samaritano vai atÊ o semimorto e, ao vê-lo, demonstra compaixão e lhe presta socorro råpido. Ele o conduz atÊ uma hospedaria para que lå ele receba o socorro de que

necessita. Como se não bastasse, Jesus afirma que aquele homem ainda passou a noite ali com o viajante, pagou todas as despesas e prometeu voltar e acertar as contas no final do tratamento, caso houvesse mais despesas. Jesus poderia ter colocado a ação de socorrer tendo sido realizada pelos líderes judeus, não Ê mesmo? Mas Jesus queria ensinar que todas as pessoas são dignas de ajudar e de serem ajudadas. Mesmo sabendo que os judeus não gostavam de samaritanos (na verdade, o sentimento era de ódio racial mesmo), ele insiste em fazer desse homem o personagem central da paråbola, pelo exercício da misercórdia e da compaixão para com o viajante desconhecido.

-HVXVHQVLQDQGRQRWHPSOR – Gravura de James Tissot

-HVXVLQVHUHSHUVRQDJHQVFRQKHFLGRVGHVHXVRXYLQWHVQDSDUiEROD 3DVVDPSHORPHVPRFDPLQKRXPVDFHUGRWHHXPHVFULEDXPDSyVR RXWURHPHVPRYHQGRDTXHOHKRPHPPDFKXFDGRQmRRDMXGDUDP 2o Trimestre – 2013

21


Siga o exemplo ²/XFDV Jesus, após concluir sua parábola, fez uma pergunta ao doutor da lei que o interrogara: "Qual dos três é o próximo?" O doutor da lei não podia dar outra resposta a não ser falar que era o samaritano (seu desafeto). Ao ouvir tal resposta, ainda que de modo disfarçado, pois o doutor da lei enfatizou apenas a ação do homem, sem dizer quem a fez, Jesus o ensina a praticar o mesmo. Com certeza, aquele doutor da lei ficou sem graça e com certa revolta, mas a verdade fora dita, os judeus precisavam amar a todos que estavam ao seu redor. 3DUDUHà HWLU O amor ensinado por Jesus deve ser praticado, mas ele envolve renúncia e sacrifício. Mesmo que não haja reconhecimento da pessoa a quem está sendo ajudada, o importante é obedecer aos ensinos de Jesus por meio desta parábola e colocá-los em prática. Todo cristão precisa estar disposto a manifestar amor e bondade a todos que se encontram em necessidade, sem se im-

"Hå muitas pessoas esperando a diferença em mim e em você para que possam nos imitar. Esta diferença pUHYHODGDQRQRVVR HVWLORGHYLGDTXHp

o resultado do amor GH'HXVHPQRVVRV coraçþes"

portar com sua raça, com seu passado, com sua posição em relação a nós. Afinal, este Ê o mandamento divino dado a nós (Marcos 12.33). Hå muitas pessoas esperando a diferença em mim e em você para que possam nos imitar. Esta diferença Ê revelada no nosso estilo de vida que Ê o resultado do amor de Deus em nossos coraçþes. Ainda hå tempo para mudarmos essa realidade e ela pode começar por você. Ame verdadeiramente o seu próximo.

Para o coração... " Amarås ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo" (Lucas 10.27)

22

Diålogo e Ação Aluno

7


Dialogo & Ação - II TRIM 13  

EBD JR II - II TRIM 2013

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you