Issuu on Google+


01


Expediente

Editorial

Do sonho a realidade

Marcos Lázaro Diretor da revista 4

bikefit Rev i s t a

H

á muito tempo tinha o desejo de oferecer ao publico amante do ciclismo, uma revista que pudesse agregar valor ao esporte local. Sempre que folheava uma revista do meio, para minha insatisfação via que muitas das matérias se limitavam a região sul, mas precisamente ao eixo Rio - São Paulo. Os tempos mudaram, o esporte cresceu, o nordeste esta cada vez mais presente no cenário do ciclismo nacional com grandes competições. Resolvemos ousar e trazer ao mercado local a REVISTA BIKEFIT, um produto feito aqui, com a qualidade de publicações nacionais e que consegue mostrar o que existe de bom e moderno em produtos, competições e serviços do nosso estado. Divulgaremos eventos de âmbito regional, nacional e internacional, tudo associado ao esporte. Promovendo a interatividade e dando dicas para você se superar como atleta ou amante do ciclismo. Entramos com a cara e a coragem, contando primeiramente com a permissão de DEUS e com a colaboração de pessoas que desde o início nos deram força e acreditaram no nosso projeto. Começamos com o pé direito. A revista em pouco tempo será referência. Adiante você verá o motivo desta minha afirmação. Boa leitura!

Direção Geral Marcos Lázaro Karol Sampaio Edição Karol Sampaio Rogério Gomes Textos Waniffer Monteiro Arte e diagramação Jorge Emanuel Marketing e Publicidade Karol Sampaio Colaboradores Moreira Barreto, Lívia Andrade, Leandro Castro, Rafael Leitão, Wagner Commodaro, ECEC, Fetriece, FCICLOPI Fotografia Jorge Emanuel Gyovanny Silva Jornalista Responsável Rogério Gomes (Mtb860/04/66-CE) Tiragem 3 mil exemplares Impressão w w w . h a l l e y s a . c o m . b r

contato: marcos@halleysa.com.br

bikefit R ev ista

revistabikefit@gmail.com 85 3046.1365 / 8852.3735 / 8718.1566

"Posso todas as coisas naquele que me fortalece" Filipenses 4:13


Sumário

Fotografia: Jorge Emanuel 8ª Volta Ciclística de Fortaleza Atletas: Roberto Pinheiro Jadson Prudêncio Eriberto Medeiros

01


10 12 16 20 26 30 34 36 38

Copa Norte Nordeste MTB 1ª Etapa Ciclismo nos bairros Copa Nordeste de MTB 8ª Volta Ciclística de Fortaleza Bike nas Falésias

Corrida Ciclística e Rustica de Pacajus Desafio SESC

Prova FNC

Troféu Leonardo Silva

40 44 46 50 54 56 58 60 62 65

Pan-Americano de Ciclismo Triathlon Campeonato Brasileiro de Longa Distância Entrevista Jardel Silva Passeio Ciclo SESC RAAM - Preparação Cláudio Clarindo Bikefit - Ajuste Corpo e Bike Psicologia do Esporte Musculação e Ciclismo Nutrição Reposição Energética

Coluna do Ciclista


Click

8

bikefit Rev i s t a


Click

bikefit 9 Revista


MTB

Fotos: Márcia Cristina/Aldeia

Sobrou lama

Campeões da categoria Elite festejam titulo no pódio em Teresina

C

no Piauí

ampos, trilhas, muita lama e riachos pelo caminho. Esses foram apenas alguns dos desafios pelos quais 127 ciclistas passaram na Copa Norte e Nordeste de Mountain Bike, em José de Freitas, no Piauí. A navegação foi quesito essencial de atletas do estilo cross country contra-relógio. Uma prova bastante técnica com 50 km perigosos. Por isso, as providências de segurança foram tomadas. Esses perigos foram expostos antes da competição em um congresso que aconteceu na capital do Piauí, Teresina. 10 bikefit Rev i s t a

Mesmo assim, pequenos erros provocaram a desclassificação dos oito mais rápidos da prova. A maioria dos atletas completou o roteiro, enquanto outros entraram com um recurso contra os que

não concluíram o caminho e conseguiram a desclassificação dos adversários. Cearenses e piauienes foram os grandes vencedores do campeonato. Na categoria principal, a Elite, vitória do Piauí com o ciclista Emanuel de Jesus. O Ceará não ficou atrás já que subiu ao primeiro lugar do pódio quatro vezes das nove categorias que disputou. Os participantes da competição elogiaram bastante a organização da prova e também o nível técnico da disputa. Até porque o percurso exibiu bastante perícia dos atletas.


Festa cearense O Ceará foi campeão nas categorias Feminino, no Over-50, no Máster-A2 e também na Júnior. Na Over-50, o destaque ficou para os cinquentões, que fizeram 100% da prova, como foi o caso do atleta cearense de Maranguape, Joselito Moura, de 55 anos. “A disputa foi ótima. Uma prova como essa não existe. Foi tudo maravilhoso”, disse Joselito Moura. A boa participacão cearense só mostrou que os ciclistas locais estão vivendo um excelente momento em provas fora do Estado. Na categoria Elite, por exemplo, os cearenses asseguraram a terceira posição com Elionai Costa. A segunda colocação coube ao piauiense Thiago Aderrangel. “Temos que comemorar”, afirmou Elionai. A Copa Norte-Nordeste de Mountain Bike é um evento oficial da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) e Federação de Ciclismo do Piauí (FCICLOPI). A competição contou pontos para o para o Campeonato Brasileiro de Mountain Bike 2012.

As vencedoras da categoria Feminino recebem suas medalhas

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Copa Norte-Nordeste de Mountain Bike FEMININO 1º - Joana Elionora - CE 2º - Maria do Carmo Castro - PI 3º - Lidiana Alves - PI

MASTER-B1 1º - Ernani Castro - PI 2º - Luciano Uchôa - PI 3º - Eduardo Santana Silva - PA

SUB-30 1º - Juliano Márcio Rockenbach - MT 2º - Nilo Weber Veloso - PI 3º - Luís Macedo da Silva - PI

OVER-50 1º - Joselito Soares Moura - CE 2º - Rubens Santos Carvalho - PI 3º - Antonio Francisco - PI

MASTER-A2 1º - Vicente Deoclécio - CE 2º - José Carlos Sousa - PI 3º - Celso Henrique - PI

JÚNIOR 1º - Ailton de Oliveira - CE 2º - Rodrigo Fernandes - PI 3º - João Neto - PI

MASTER-B2 MASTER-A1 1º - José Arauto Fortes - Bikink - PI 1º - Marcos Vinicius Moraes - PI 2º - Francisco Correa - PI 2º - Felipe Mateus - CE 3º - Valdenei Mateus - PI

ELITE 1º - Emanuel Jesus - PI 2º - Thiago Aderrangel - PI 3º - Elionai Costa - CE bikefit 11 Revista


CICLISMO

Contra o

rel贸gio

01


FotoS: JORGE EMANUEL


P

ara dar início ao calendário esportivo da Escolinha de Ciclismo do Estado do Ceará (ECEC), a entidade realizou a 1ª etapa do Campeonato Estadual Ciclismo nos Bairros 2012, com uma prova de Contra Relógio Individual em um percurso de 1.000 metros. O evento foi realizado no último dia 18 de março, no município de Pacatuba (CE) e contou com a participação de 100 ciclistas dos diversos municípios cearenses. A primeira categoria a largar foi a Juvenil Masculino. Paulo Vitor da Silva Nunes, sagrou-se campeão. A segunda categoria a largar foi a categoria Elite Feminino. Jucileide Silva, de Quixeramobim (CE) foi a campeã da categoria. Seguindo na categoria Júnior Masculino, Felipe Gomes Santos foi campeão da prova. Ele fez o percurso com o tempo de 01min 16s 920. Além do título, Felipe foi o mais rápido de todas as categorias que disputaram a prova. Depois largou a categoria Master B, tendo Carlos Antônio Sousa “Maranhense” como campeão. Ele teve a maior diferença de tempo entre o 1º e 2º colocados. Na categoria Master C, Leonardo Sousa Silva, de Pacatuba, foi o campeão. Pela categoria Estreante, sagrou-se campeão o atleta Felipe Manoel, da cidade de São Gonçalo do Amarante (CE). Mas a categoria mais disputada foi a Balão, onde o atleta Antônio Carlos dos Santos conquistou a vitória com a menor diferença de tempo da competição. Ele chegou cinco segundos à frente do segundo colocado Manuel Pereira. Por fim, a categoria mais esperada do evento, a Elite Masculino, o grande campeão foi o já conhecido Gleiciano Sousa Silva “Dim”, que largou ao meio-dia e deu todo o gás para chegar à vitória. O atleta fez o percurso num tempo de 01min 20s 70. 14 bikefit Rev i s t a

Carlos Antonio “Maranhense” campeão da categoria Master B

Competição contou com o apoio de serviços médicos


CLASSIFICAÇÃO GERAL

1º Etapa do Campeonato Ciclismo nos Bairros 2012 CATEGORIA ELITE 1 Gleiciano Sousa Silva “Dim” 2 Vitor Afonso Paiva Uchoa 3 Francisco Adriano Fernandes 4 Leorne Rego 5 Chardles Reuton Fernandes

CATEGORIA JUNIOR 1 Felipe Gomes dos Santos 2 Mikael Gonzaga Mota 3Ricardo Paiva Fernandes 4 Lucas Andrade 5 Cleutione da Silva Duarte

CATEGORIA ESTREANTE 1 Felipe Manoel 2 Luiz David Maciel Dias 3 Francisco Nunes Dias 4 Francisco Sérgio Alves Girão 5 José Pereira da Costa

CATEGORIA FEMININO 1 Jucileide Silva 2 Maria do Socorro S. Lima 3 Cristiane Rodrigues de Freitas 4 Débora do Nascimento Machado 5 Gleidiane Pinto da Costa

CATEGORIA MASTER B 1 Carlos Antonio B. Sousa 2 Manuel Antonio da Costa 3 Antonio Fábio 4 Fernando Ricardo da Silva 5 Cleuni dos Santos Soares

CATEGORIA BALÃO 1 Antonio Marcos dos Santos 2 Manuel Pereira 3 José André Nunes de Lima 4 José Renato de Oliviera 5 Edson Pereira Soares

CATEGORIA JUVENIL 1 Paulo Vitor da Silva Nunes 2 Cleidson Pinto da Costa 3 Francisco Adizio de Oliveira Lopes 4 Gabriel dos Santos Araújo 5 Ronald Brasilino Pinto

CATEGORIA MASTER C 1 Leonardo Sousa Silva 2 Francisco Matias Lemos 3 Adail Nogueira da Rocha 4 José Gonçalves 5 Luiz Aildo Pinheiro


MTB

Copa Nordeste

de MTB

01


N

Fotos: bike adventure - crato/ce

os dias 21 e 22 de abril, foi realizado a V Copa Nordeste de Mountain Bike na cidade de Barbalha, no Ceara. Subidas, descidas e riachos fizeram parte do percurso. As provas foram disputadas em um circuito bastante seletivo que exigia muita técnica dos atletas. No total foram reunidos mais de 100 atletas de vários estados do Brasil. A competição foi dividida em duas baterias, no sábado (21), foram realizadas as provas da Super Master, enquanto no Domingo (22), foi a vez da Super Elite pedalar forte nas trilhas do Sitio Pinheiros. Durante a briga da elite masculina, principal categoria do evento, o cearense Diego de Almeida foi o primeiro a cruzar a linha de chegada e conquistou o titulo da competição. Em segundo lugar terminou o sergipano Almir Rodrigo, e na terceira posição outro cearense, Gilberto Irmao, completou o pódio. No feminino o estado do Ceará dominou o pódio com Joana Nobrega na primeira colocação. Entre os ciclistas mais experientes, o destaque ficou com o campeão da A atleta enfrentou subidas e descidas categoria Super Máster, José Lito. O atleta já foi campeão brasileiro de XCO em 2010 na categoria C1 e agora se prepara para o Campeonato Mundial, que será realizado no Brasil, em setembro. - As provas do nordeste estão evoluindo muito nos últimos tempos, estamos conseguindo realizar a nossa preparação dentro do nosso próprio estado, sem precisar viajar para pegar ritmo de competição. Estou treinando muito para disputar o Mundial Máster de MTB, e essas competições são fundamentais para aumentar o nosso nível – disse José. A V Copa Nordeste de MTB é uma realização da Federação Cearense de Ciclismo (FCC) e Grupo Eco Biker’s com supervisão da Confederação Brasileira de Ciclismo Riachos também fizeram parte do percurso (CBC). Fonte: CBC bikefit 17 Revista


CLASSIFICAÇÃO GERAL

Pedalando forte na trilha do Sítio Pinheiros

V Copa Nordeste de MTB 2012 Categoria Elite 1º Diego Almeida-CE 2ºAlmir Rodrigo - SE 3º Gilberto Irmão –CE 4º Tiago Emilio-CE 5º Junior Cabeção - CE    Categoria Junior 1º Ailton Moura-CE 2º Lucas Kelvin-CE 3º Jackson Wellington-PE 4º Gabriel Duarte – CE 5º Jose Jobson-CE   Categoria Sub 23 1º Jocleidson José –PE 2º Elionai Costa-CE 3º Edimilson Lima-SE 4º Jose Alenio Mota-CE 5º Kelvyn Cleber Silva - CE Categoria Sub 30 1º Evendro Maciel Vieira-CE 2º Gabriel Ferreira-PE 3º Francisco Casiano-CE 18 bikefit Rev i s t a

4º Rafael Jackson Teles-CE 5º Francisco Filho-CE  Categoria Master B1 1º Wallace Santos Brito – BA 2º Antonio Reginaldo-CE 3º Geraldo Feitosa-CE 4º Willamy Brito-CE 5º Jose Pereira-CE   Categoria Mater B2 1º Ricardo HSU –SE 2º Afonso Jose da Silva-CE 3º Carlos Alberto Pereira-CE 4º Antonio Sales Rios-CE 5º Lenilson Savio Sampaio –CE Categoria Master C1 1º Jose Eudes-CE 2.º Francisco de Lima-PI 3º Antonio de Sousa-CE   Categoria Master C2 1º Jose Lito-CE 2º Acacio Alves Leandro-CE

3º Francisco George-CE Categoria Feminino 1º Joana Nóbrega – CE 2º Viviane Brito - CE  Categoria Juvenil 1º Anderson Renato-PE   Categoria Master A1 1º Felipe Mateus-CE 2º Welitho Lima-PE 3º Denis Cleber-PE 4º Vanderley Calixta-CE 5º Leandro dos Santos-CE   Categoria Master A2 1º Marcio Pinheiros Fidelis-AL 2º Vicente Deoclécio-CE 3º Eduardo Accioly-CE 4º Thiago Araruna-CE 5º Leodenzar Pinheiro-CE   Categoria Infanto Juvenil 1º Vinicios Lemos-CE 2º Rafael Brasil-CE 3º Breno Cabral-CE


Ciclismo

01


Cear谩 na Elite Cearense Gleiciano Souza, o Dim, sobe no p贸dio na Volta de Fortaleza


Fotos: JORGE EMANUEL/ Gyovanny SILVA

Pelotão da categoria elite

N

o mês de aniversário de Fortaleza, uma das provas mais importantes do ciclismo cearense fez parte das comemorações. Celebrando os 286 anos da cidade, a 8ª Volta Ciclística de Fortaleza contou com a presença de atletas que competem em provas nacionais e internacionais. O grande circuito teve a extensão de 2.200 metros e para a categoria Elite foi estipulado uma prova de 1h mais 3 voltas. Desde a primeira volta, Roberto Pinheiro “Betinho” vencedor de etapas da volta do Uruguai e mais dois atletas, ambos de Sorocaba (SP), Eriberto Medeiros campeão do Tour do Brasil 2011 e Jadson Prudêncio, arrancaram deixando o restante do pelotão para trás. Pelotão esse nada fraco, nele estava nada mas nada menos que o já conhecido Francisco Chamorro, campeão da Copa America de Ciclismo 2012. A competição só foi decidida nos últimos metros com uma disputa emocionante. No final, nada de grande surpresas, o vencedor Betinho chegou seguido de perto pelo 22 bikefit Rev i s t a

segundo colocado Jadson e pelo terceiro Eriberto, os três ciclistas confirmaram o favoritismo conquistado desde o início da prova. Segundos depois chegaram juntos Chamorro e o cearense Gleiciano Sousa “Dim” para completar o pódio da categoria elite. Eles não foram os únicos que completaram o circuito, montado na avenida Parfisal

Barroso, no bairro São Gerardo. 360 atletas em mais seis categorias, além da Elite, participaram da Volta. Foram elas: Mountain Bike, Feminino, Juvenil, Júnior, Master B/C e Balão. A grande vencedora da prova feminina foi Sílvia Augusta da Silva, que ganhou com sobra das adversárias Deyse Santiago e Mirian Araújo, segunda e terceira colocadas. As comemorações das categorias Juvenil, Máster, Balão, Júnior e Mountain Bike ficaram por conta dos vencedores Paulo Victor da Silva, Edinaldson Noberto, Jactam da Silva Santos, Henrique de Assis e Tiago Emílio, respectivamente. Este ano a prova contou com uma premiação extra para o melhor cearense fora do pódio na categoria elite, e quem levou a melhor foi Junior Oliveira. Foram oferecidos aos cinco primeiros de cada categoria uma premiação em dinheiro e troféu. A premiação geral ultrapassou os R$ 15.000 e incluiu uma moto 0km. Todos os atletas receberão medalhas de participação e camisa do evento.

Ciclistas ganham velocidade na descida do túnel da Humberto Monte


imagens DA PROVA Campeão. O potiguar Roberto Pinheiro

foi o vencedor da categoria Elite. Ele faturou uma moto 0km como premiação da Volta Ciclística de Fortaleza 2012. Atualmente, Roberto Pinheiro compete pela equipe de Pindamonhagaba (SP).

Prestígio. O secretário do Esporte do Estado, Gony Arruda (C), esteve presente ao evento. Na foto, ele está ao lado do presidente da Escolinha de Ciclismo, Wilmar Tomaz (E), e de Marcos Lázaro, diretor da Revista Bikefit.

CLASSIFICAÇÃO GERAL

8ª Volta Ciclística de Fortaleza ELITE 1° Roberto Pinheiro (Betinho) 2° Jadson de A. Prudência 3° José de Eriberto M. R. Filho 4° Francisco Chamorro 5° Gleiciano de Sousa Silva (ECEC) JÚNIOR 1° Henrique de Assis da Silva 2° Isaac da Silva Lopes 3° Jocélio Mesquita 4° Jackson 5° Mikael da Silva BALÃO 1° Jactam da Silva Santos

2° Davi Vieira 3° Leorne Rego Souza 4°C Antônio Arlindo B. Sousa 5° Manoel Pereira de Souza JUVENIL 1° Paulo Victor da Silva 2° João Italo pinheiro Lima 3�� Joni Gabriel G.Ramos 4° Simon Henrique Silva 5° Francisco Adrio de Oliveira FEMININO 1° Silvia Augusta da Silva 2° Deyse Alves Santiago 3° Mirian Araújo de Alencar

4° Maria do socorro silva lima 5° Cristiane Rodrigues de Freitas MOUNTAIN BIKE (MTB) 1° Tiago Emilio 2° Vitor Afonso Paiva Uchoa 3° Valdésio Cariri de Souza 4° Manoel Pereira de Souza 5º Elison Alves (Pequeno) MASTER B/C 1° Edinaldson Noberto 2° Emanoel Antônio da Costa 3° Fernando Benevides 4° José Edson da Silva Júnior 5° Francisco Roberto de Oliveira bikefit 23 Revista


Festa para

Fortaleza

A

8ª Volta Ciclística de Fortaleza foi uma prova comemorativa pelos 286 anos da Capital cearense. O aniversário de Fortaleza foi festejado com a realização de vários eventos esportivos. E o ciclismo não poderia ficar de fora quando o assunto é homenagear a cidade, que cresce a cada dia em população e também em desenvolvimento. Mas a história de Fortaleza reserva muitas curiosidades. E tem muita gente que desconhece a origem da Capital do Ceará. O ano era 1649 quando os holandeses povoaram uma região litorânea do Brasil e construíram nela o Forte de Schoonenborch, às margens do rio Pajeú – onde hoje se encontra a 10ª Região Militar e a praça do Passeio Público. Expulsos pelos portugueses cinco anos depois, seu nome foi mudado para Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção. Mal sabiam 24 bikefit Rev i s t a

eles, que aquele seria o primeiro grande passo para a formação da bela cidade que hoje é capital do Ceará. A santa que entitulava a construção tornou-se símbolo maior de devoção do povoado que começara a ser formado a partir de então. Apenas no século seguinte, mais precisamente em 13 de abril de 1726, ao povoado foi dado o título de Vila de Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção, data na qual comemoramos o aniversário da cidade.

“Em 13 de abril de 1726, ao povoado foi dado o título de Vila de Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção” Mas até então, o título de cidade estava longe de ser alcançado para Fortaleza. Nessa época, o local era tão fraco economicamente

que dependia da Vila de Aracati. Situação que mudou no início do século XIX, com o fortalecimento do comércio de algodão para a Inglaterra, a vila alcançou o status de cidade. A cidade de Fortaleza hoje é considerada uma das maiores capitais do País. Depois de 796 anos, o município é apontado como o 5ª maior do Brasil, tendo mais de dois milhões de habitantes. E o crescimento não tem sido apenas no perfil econômico. Fortaleza também se destaca nos investimentos turísticos, culturais e esportivos. Nos últimos anos, a construção de novos equipamentos esportivos vai permetir que a cidade seja até uma das sedes da Copa do Mundo de 2014, diante da reforma e ampliação do estádio Castelão. Que os investimentos do Governo no setor também venham contemplar, num futuro próximo, outras modalidades.


MTB

Bike nas 01

FalĂŠsias


N

em o sol forte e nem a areia fofa atrapalharam o desempenho dos mais de 200 atletas que disputaram o Desafio das Falésias 2012. A terceira etapa do Circuito Ceará Adventure de Bike 2012 aconteceu no dia 06 de maio na cidade de Beberibe. Além de muita competição, as belas paisagens do nosso litoral proporcionaram uma motivação diferente para os ciclistas. A prova reuniu trechos de boa velocidade e outros com mais obstáculos, exigindo dos competidores boa técnica e preparo físico. A quilometragem mais baixa (28km para Turismo e 55km para Graduado) em relação à etapa anterior do Circuito não significou vida fácil para os atletas. Na categoria Turismo Masculino, a dupla Endurance III/ Los Hermanos teve problema com uma das bicicletas e abandonou a prova. Melhor para a dupla Clean Sound que chegou à frente. Disputa apertada mesmo ficou para a categoria Graduado Mista. A dupla Bike Ceará/ Endurance chegou em primeiro lugar com apenas 42 segundos de diferença para o Casal Extreme.

Fotos: JUNIOR ALVES

Disputa na Masters

Houve muito acirramento na disputa das categorias. Entre os ciclistas da categoria Masters, o destaque da competição ficou para a dupla Elemento X e Macaco Louco, que chegou entre os primeiros colocados. Este desafio marcou a metade da temporada do Mountain Bike cearense. Agora faltam duas etapas a serem realizadas: o Desafio dos Sertões e a Bike da Lua Cheia. bikefit 27 Revista


CLASSIFICAÇÃO GERAL

Desafío das Falésias TURISMO MASCULINO 1º Clean Sound TEMPO 1h25min47seg

GRADUADO MASCULINO 1º Bruttus/Roda Presa TEMPO 3h03min56seg

GRADUADO MASTER 1º Elemento X e Macaco Louco TEMPO 3h17min48seg

2º Trilha Nativa TEMPO 1h31min52seg

2º Severos TEMPO 3h07min27seg

2º AC/Bike Ceará TEMPO 3h18min28seg

3º Bike Ceará TEMPO 1h32min12seg

3º Equipe Roma TEMPO 3h10min00seg

3º Savana Bike Team TEMPO 3h23min35seg

TURISMO MISTA 1º Aos Trancos e Barrancos TEMPO 1h42min15seg

GRADUADO MISTA 1º Endurance Bike Ceará TEMPO 3h24min06seg

2º Mateus e Aninha TEMPO 1h46min39seg

2º Casal Extreme TEMPO 3h24min48seg

3º Bike Endurance TEMPO 2h58min31seg

3º Zona Alvo/Ciclone/M&M TEMPO 3h45min23seg

3º Tom e Jerry TEMPO 3h23min35seg

Hidratando o Esporte agua.dafonte@bol.com.br 28 bikefit Rev i s t a


01 Fotos: JORGE EMANUEL

Ciclismo


Ciclismo em

Pacajus


P

acajus, a cerca de 50km de Fortaleza, recebeu uma prova comemorativa ao Dia do Trabalhador no último dia 1º de Maio.A prova teve início às 8 horas na Avenida Pedro Filomeno, no Centro da cidade. Em sua programação, foi realizada a Corrida Rústica nas categorias Sub 14 e Sub 17 feminino/ masculino e Corrida Aberta. Ambas tiveram a participação de alunos das escolas da rede municipal de ensino e da população de Pacajus, que além de participar, também prestigiou o evento. Na modalidade Corrida Ciclística, o esporte de Pacajus teve a honra de contar com a presença de atletas nacionais como Roberto Pinheiro “Betinho” (Equipe de Pindamonhangaba-SP), e de filhos de Pacajus como Leandro, Benone e Dé (Equipe de Marília-SP), além de atletas de várias cidades dos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. Foram realizadas as categorias Balão Local somente com atletas de Pacajus, Sub 20 Aberto, Master e Speed Profissional (a Elite do Ciclismo nacional). Nesta última categoria, o campeão foi Roberto Pinheiro que também faturou a 8ª Volta Ciclística de Fortaleza, foi vice-campeão da Copa América e da Copa da República. Os atletas que subiram ao pódio em todas as categorias foram premiados com troféus, medalhas e dinheiro. O evento foi realizado pela Prefeitura Municipal de Pacajus, através da Secretaria de Esporte e Juventude, e o apoio da Secretaria da Cultura. Marcaram presença no evento, o prefeito da cidade, Auri Costa Araripe, o vereador José Rogério Matias, o Secretário de Esporte Ruans Muller Ranes Matias Figueiredo e o presidente das Federações de Esporte Radicais e de Aventura do Estado do Ceará, William Bicicross.

32 bikefit Rev i s t a


imagens DA PROVA

FotoS: JORGE EMANUEL FotoS: JORGE EMANUEL

Campeão. Natural de Pacajus o atleta Manuel da Costa foi o vencedor da categoria Balão. Ele faturou premiação em dinheiro e troféu.

Prestígio. O prefeito da cidade de Pacajus, Auri Costa

Araripe (C), esteve presente no evento. Na foto ele está ao lado do vereador José Rogério Matias (E), Marcos Lázaro, diretor da revista Bikefit, e logo atráz o Secretário de Esporte e Juventude Ruans Muller Ranes Matias Figueiredo.

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Corrida Ciclística de Pacajus SPEED ELITE 1º Roberto Pinheiro - Parnamirim-RN 2º Gleiciano Sousa - Fortaleza - CE 3º Jackson - Cascavel - CE 4º Vitor Afonso - Fortaleza - CE 5º Benoni da Costa - Pacajus-CE SUB 20 1 Vitor Afonso - Fortaleza-CE 2º Isaac da Silva - Fortaleza - CE

BALÃO LOCAL 3º Rodrigo Daunstin - Juazeiro - CE 4º Cleutione “Magrão”- Fortaleza - CE 1º Manuel da Costa - Pacajus - CE 2º Maninho - Pacajus - CE 5º Micael Gonzaga - Fortaleza - CE 3º Leandro - Pacajus - CE 4 Jackson - Pacajus - CE MASTER 5 Fernando - Pacajus - CE 1º Cleuni “Tôta” - Fortaleza - CE 2º Ednaldo - Cascavel - CE 3º Manuel da Costa - Pacajus- CE 4º Fernando - Mossoro - RN 5º Louro do Jóquei - Fotaleza- CE bikefit 33 Revista


MTB

Desafio SESC agita Iparana

A

6ª edição do Desfio SESC de Mountain Bike reuniu mais de 100 atletas de várias cidades do estado do Ceará em uma prova de alto nível. O evento aconteceu no dia 4 de março. A largada e chegada se deram no refúgio ecológico SESC de Iparana no município de Caucaia, à 15km de Fortaleza. Na categoria Elite, principal da competição, o ciclista Jardel Silva, atleta da equipe Barcellos Sports, sagrou-se campeão e subiu mais uma vez no pódio. Jardel Silva, também esteve no lugar mais alto da categoria Sub 30 do rally de bike do 34 bikefit Rev i s t a

Cerapió 2012. A segunda colocação ficou com o atleta Diego Almeida, que fez bonito superando todos os obstáculos do circuito. Gleiciano Sousa mais conhecido como “Dim”. O ciclista Vitor Afonso (Barcellos Sports) terminou em quarto colocado, enquanto o atleta Cleutione da Silva “Magrão”, atleta da ECEC , ficou na quinta colocação. Cleutione também garantiu o primeiro lugar na disputa da categoria Júnior. O ciclista Cleutione da Silva “Magrão”, que tem apenas 14 anos de idade, já é outra promessa do esporte no Ceará.

Trilha complicada Segundo o diretor da prova, Vilmar Tomaz, “a trilha estava muito radical e também muito técnica com um percurso só para bike que exigiu muita habilidade dos atletas”. A briga por melhores posições foi acirrada e chamou a atenção do público que prestigiou a competição. “É legal ver todos esses atletas competindo, isso motiva a juventude a sempre praticar esporte” disse Marcos Lázaro (Diretor Responsável Revista Bikefit) que apoiou e acompanhou o evento.


Entre os que disputaram a categoria Juvenil, a vitória foi de Paulo Vitor (ECEC). Entre as mu lheres, o domínio foi da atleta Samya Deyse (Zona Alvo), que não deu mole para as suas adversárias e faturou o título. Na categoria Master B/C, o destaque da prova ficou para o atleta Manuel da Costa (Simon Ciclo/ Pacajus). Na categoria Estreante, o campeão do Desafio SESC foi o ciclista Bruno Maciel (Instituto Pedalar). A competição distribuiu premiação de R$ 5 mil reais em dinheiro, além de troféus para os cinco primeiros colocados de cada categorias em disputa. O evento foi uma realização da Escolinha de Ciclismo do Estado do Ceará (ECEC), em parceria com o Serviço Social do Comércio (SESC).

Desafio SESC.

Trilha de MTB exigiu habilidade do atleta

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Desafio SESC de Mountain Bike CATEGORIA ELITE 1. Jardel Silva (Barcellos Sports) 2. Diego Almeida 3. Gleiciano Sousa “Dim” 4. Vitor Afonso (Barcellos Sports) 5. Cleutione da Silva (ECEC)

CATEGORIA JUVENIL 1. Paulo Victor (ECEC) 2. Gledson Pinto (ECEC) 3. Ronald César (ECEC) 4. Mikel da Silva (ECEC) 5. Caic Menezes (ECEC)

CATEGORIA MASTER B/C 1. Manuel da Costa (Simon Ciclo) 2. Leonardo Silva 3. Cleuni dos Santos “Tota” 4. Evaldo de Andrade (Madeireira Tupy) 5. Antonio Fábio (Simon Ciclo)

CATEGORIA FEMININO 1. Samya Deyse (Zona Alvo) 2. Jucileide Silva (Quixeramobim) 3. Leiliane Ferreira (ECEC) 4. Gerliane Ferreira 5. Elieide Cândido

CATEGORIA JUNIOR 1. Cleutione da Silva (ECEC) 2. Ricardo Paiva (ECEC) 3. Mikael da Silva (ECEC) 4. Isaac da Silva (ECEC) 5. Henrique Diassis (ECEC)

CATEGORIA ESTREANTE 1. Bruno Maciel (Instituto Pedalar) 2. Luiz David (ECEC) 3. Caio Magalhães 4. Alçan Severo (Madeireira Tupy) 5. Ulisses Mota (Single Track) bikefit 35 Revista


Ciclismo

Cearenses e potiguares dominam prova FNC Foto: DIVULGAÇÃO

Vencedores da prova comemoram no pódio durante a premiação

A

Federação Norte-Rio-Grandense de Ciclismo comemorou seu aniversário com grande competição da modalidade. A prova aconteceu no último dia 11 de abril com a participação de atletas de quatro estados do Nordeste. E s tiveram presentes atletas do Rio Grande do Norte, Paraíba e Ceará. 36 bikefit Rev i s t a

A prova foi realizada num circuito de rua montado na avenida Rio Branco, corredor cultural de Mossoró (RN). Disputas de alto nível entre todas as categorias levaram muita emoção para o público. Na categoria Elite Principal do ciclismo brasileiro, o paraibano Jefferson da Silva demonstrou estar em uma grande fase conquis-

tando a primeira colocação da prova. Em segundo lugar terminou o cearense Jardel Silva e em terceiro lugar Gleiciano Souza “Dim”, também do Ceará. Entre as mulheres, o destaque ficou para a vitória da ciclista Dilma Calixto, do Rio Grande do Norte, na Elite Feminino. Em segundo lugar, a cearense melhor colocada no ranking brasileiro Fernanda Raffs e, em terceiro, a ciclista Amanda Livia, do Rio Grande do Norte. Na disputa das demais categorias, o cearense Gleiciano Souza “Dim” subiu novamente ao pódio. Dessa vez, no lugar mais alto na categoria Mountain Bike; Ricardo Paiva também cearense brilhou na Juvenil; Vagno Jesus faturou o primeiro lugar na categoria Master A e, ainda de quebra, correu mais uma vez na categoria Elite e ficou em oitavo lugar. O experiente Vagner Comodoro esbanjou muita técnica durante a prova e conquistou a vitória na Máster B; e Fernando Arudas liderou na categoria Máster C. Foram premiados os três primeiros colocados de cada categoria. A prova foi uma realização da Federação Norte Rio Grandense de Ciclismo (FNC), com supervisão da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC).


CLASSIFICAÇÃO GERAL

Prova Ciclística de Aniversário da FNC MOUNTAIN BIKE 1º GLEICIANO SOUZA - CE 2º JOSE WILIAMS DE LIMA - RN 3º ALEXANDRE DANTAS – RN

ELITE FEMININO 1º DILMA CALIXTO - RN 2º FERNANDA STRASSER - CE 3º AMANDA LIVIA TOMAZ - RN

JUVENIL 1º RICARDO PAIVA - CE 2º MARCIO JOSE - RN 3º FRANCISCO GILDEVAN – RN

MASTER A 1º VAGNO JESUS MIRANDA - RN 2º ELIDSON BANDEIRA LIMA - CE 3º LAERCIO NUNES DE CARVALHO – RN

ELITE MASCULINO 1º JEFFERSON DA SILVA - PB 2º JARDEL SILVA - CE 3º GLEICIANO SOUZA - CE

MASTER B 1º WAGNER COMODORO - CE 2º REGINALDO VITURINO – RN 3º JOSÉ EDSON DA SILVA - RN

MASTER C 1º FERNANDO ANTONIO BENEVIDES - RN 2º JOÃO SANT’ANA VIEIRA - RN 3º ARMANDO NOBREGA - RN

CAMPUS NOVA VIDA

CAMPUS CUP ITAPAJÉ - CE

PROVA VALIDA PELO RANKING BRASILEIRO DE MOUNTAIN BIKE XCO 2012

CATEGORIAS: Elite Masc/ Fem Junior Sub 23/30 Master A1/A2 B1/B2 Master C1/C2 Local

PROVA VALIDA COMO ETAPA DO CEARENSE DE XCO 2012

Local: Campus Nova vida (itapajé-Ce) Inscrição: R$ 40,00 (inscrição + Kits ) Inicio das inscrições, 1 de junho CONTATO: JUNIOR (85)87255196/99858824 - GOIS:(85)96776564

Co-Patrocinador

SESC

Itajavé

Paeceiros Parceiros

Supervisão Bike

JR CIDADE 2000

G V A

01 - JULHO

MADEIREIRA

TUPY

GEO VIDROS A L U M I N I O

OTACICLO

J O Ã O C I C LO

bikefit 37 Revista


Ciclismo

E

m homenagem aos quarenta anos de vida esportiva do ciclista cearense Leonardo Silva, a Confederação Cearense realizou, no dia 12 de fevereiro, o Troféu Leonardo Silva, em competição válida pelo Ranking Brasileiro de Estrada. A competição foi realizada no Autódromo Internacional Virgílio Távora, no município de Eusébio, no Ceará. O grande circuito tem a extensão de três quilômetros por cada volta e para a categoria Elite foi estipulado uma prova de 1h40min mais 1 volta. O vencedor

38 bikefit Rev i s t a

foi o atleta Jardel Silva (Barcellos Sport Fortaleza), seguido de João Paulo (Barcellos Sport Fortaleza), segundo colocado, e Daniel Clemente (Mota Ciclo) em terceiro. Para a decisão da Elite Feminina, a Federação Cearense de Ciclismo estipulou um percurso de 1 hora mais 1 volta e a primeira ciclista a completar o percurso foi Samia Deyse (FCC / Zona alvo), com Fernanda Raffs (Big Gin) no segundo lugar e Joana Nóbrega (Endurance) em terceiro. Durante o evento também foram realizadas provas para as ca-

Foto: DIVULGAÇÃO/FCC

Troféu Leonardo Silva

tegorias Juvenil, Junior, Máster A1, Máster A2, Máster B1, Máster B2, Máster C1 e Máster C2. Foram premiados os três primeiros colocados de cada categoria. “A competição superou todas as expectativas. Foi um sucesso. Batemos recorde de inscritos – cerca de 130 ciclistas distribuídos em dez categorias – e estamos trabalhando e apostando nas categorias de base. O interesse da garotada pelo ciclismo já é visível, assim como o surgimento de novos atletas” comentou Eduardo Lopes, presidente da Federação Cearense de Ciclismo. Fonte CBC


CLASSIFICAÇÃO GERAL

Prova Ciclística Leonardo Silva ELITE MASCULINO 1º JARDEL SILVA - BARCELLOS SPORT FORTALEZA 2º JOAO PAULO MADEIRA BARCELLOS SPORT FORTALEZA 3º DANIEL CLEMENTE - MOTA CICLO

JUVENIL 1º RICARDO PAIVA INTITUTO PEDALAR/FCC/CIA

AVENTURA 3º ROBERIO MENDES / ASSOSIC

MASTER B2 1º JOSÉ PEDRO DE ARAUJO DOS MASTER A1 1º ELIDSON LIMA - MOTA CILO SANTOS 2º ELISON ALVES - MADEIREIRA 2º PAULO ROBERTO - SESPORT EUSÉBIO TUPY ELITE FEMININO 3º JOSÉ ANDRE - MADEIREIRA 3º FRANCISCO SOUSA LIMA 1º SAMIA DEYSE - ZONA ALVO TUPY MASTER C1 2º FERNANDA RAFFS - BIG GIN 1º ADAIL NOGUEIRA 3º JOANA NÓBREGA MASTER A2 ENDURANCE 4º WELLINGTON GARCIA GEO BARCELLOS SPORT FORTALEZA 2º CARLOS AUGUSTO LOBO VIDROS JÚNIOR 5º JOSÉ ROBERTO - BIKE CEARA BARCELLOS SPORT FORTALEZA 1º LUCAS ANDRADE 6º FRANCISCO MARCIO MASTER C2 MADEIREIRA TUPY MARQUISE 1º LEONARDO SILVA - FCC / CIA 2º LUCAS SILVA DE CASTRO DA AVENTURA ATHLON/FCC/CIA DA MASTER B1 AVENTURA 1º EDNALDSON PAIVA - SES- 2º EDSON LIMA DE ALMEIDA 3º JOSÉ ARLINDO NEVOA 3º RICARDO PAIVA - INSTITUTO PORT EUSÉBIO - PEDALAR/FCC 2º CARLOS ANTONIO - CIA DA

bikefit 39 Revista


TOUR

Foto: DIVULGAÇÃO

Brasil fatura seis medalhas

no Pan-Americano

S

eis medalhas e um recorde quebrado. Assim, o Brasil encerrou sua participação no Panamericano de Ciclismo. A competição aconteceu em Mar Del Plata, na Argentina, entre os dias 3 e 11 de março deste ano e reuniu as seleções mais fortes das Américas, como Estados Unidos, Venezuela, Canadá, Argentina, Colômbia e a

40 bikefit Rev i s t a

própria seleção brasileira. A seleção brasileira foi representada por 17 atletas que dividiram-se entre as provas de estrada e pista. Na prova de estrada, destaque para Gregolry Panizo, campeão panamericano em 2011, na Colômbia. “Apesar de estarmos no início da temporada, venho treinando forte desde o começo do

ano e pretendo defender esse título com muita garra. Mesmo que seja necessário trabalhar para outro brasileiro vencer’’, afirmou o campeão antes da competição. Panizo não conseguiu uma medalha individual como no ano anterior, mas outros atletas brasileiros sim. A primeira medalha brasileira foi de equipes, no velódromo “Julio


Polet”. Armando Camargo, Thiago Nardin, Gideoni Monteiro e Leandro Silva terminaram a prova em 4 minutos e 22 segundos, perdendo apenas para a equipe chilena que marcou 4 minutos e 16 segundos. A medalha de ouro veio na prova de perseguição individual junto a um recorde nacional. O recordista é o ciclista sergipano Gideoni Monteiro com o tempo de 4 minutos e 35 segundos. Mais de 3 segundos a frente do vice-campeão, o argentino Mauro Agostini. Marca

que ajuda o Brasil a ganhar pontos no ranking da União Ciclística Internacional (UCI) facilitando a entrada nos Jogos de Londres, que acontecerão ainda neste ano. ‘‘Não tenho como esconder tanta felicidade, estou muito satisfeito com esse resultado. Fui muito criticado após retornar da Itália para voltar a competir pelo Brasil e acredito que não existe resposta melhor do que uma vitória neste nível”, relatou Gideoni sobre o recorde batido e as críticas sofridas por ter trocado

a Itália pelo Brasil em 2011. Nas provas de pista, medalha de prata para os brasileiros Armando Camargo e Thiago Nardin na prova de Madison, perdendo apenas, mais uma vez, para os chilenos. E não parou por aí! Nas etapas de contrarelógio, Magno Prado conquistou a prata, com a marca de 50 minutos e 11 segundos. Nessa prova, Clemilda Fernandes conseguiu uma das duas medalhas brasileiras na elite feminina: um bronze. A outra medalhista foi Janildes Fernandes.

Medalhas no Pan-Americano

Ouro: Gideoni Monteiro

Perseguição Individual (pista)

Prata: Thiago Nardin / Armando Camargo Madison (pista) Magno Prado Contrarrelógio (estrada) Equipe brasileira Perseguição por Equipes (pista) Bronze: Janildes Fernandes Prova de estrada Clemilda Fernandes Contrarrelógio estrada

bikefit 41 Revista


TRIATHLON

Longa Distância

01

Fotos: FETRIECE/DIVULGAÇÃO

no Cumbuco


O

cenário não poderia ser mais estimulante: a bela praia do Cumbuco, no município de Caucaia. Esse foi o lugar escolhido pela FETRIECE (Federação de Triathlon do Estado do Ceará) para receber o Campeonato Brasileiro de Longa Distância. Prova considerada uma das principais do calendário anual da entidade. O Ceará recebeu mais de 200 triatletas de vários estados para a disputa no último dia 17 de março. Em etapa única, esta prova serviu de seletiva para o Campeonato Mundial de Longa Distância, o qual acontecerá na Espanha, em julho deste ano. Foi uma prova dificultada pelas condições adversas da praia do Cumbuco. Apesar das belezas naturais, o clima, o mar agitado e os ventos fortes a transformam em uma

das provas mais difíceis do país. Os campeões tiveram que vencer muito mais do que a distância (3km nadando, 80km pedalando e 20km correndo. “Essa prova é definitivamente uma das mais difíceis de Meio Ironman que eu conheço. Natação em um mar mexido como esse, ciclismo com vento fortíssimo e a corrida com calor e umidade alta. Tudo fica complicado. Estou muito feliz por conseguir defender meu título com êxito e garantir minha vaga pro Mundial no segundo semestre”, confirmou Vanessa Gianini de Santa Catarina campeã da elite feminina. Vanessa concluiu o percurso com o tempo de 4h31min49seg, sendo12 segundos a menos que a vice-campeã paulista, Silvia Fusco e 15 segundos e 56 décimos a frente

da terceira colocada Susana Festner, do Distrito Federal. Destaque também para a triatleta cearense Hedla Lopes. Na categoria feminino 50 a 54 a atleta ganhou de forma incontestável registrando o tempo de 4:59:35. Três hora a frente de Nilma Machado que completou a prova em 8:01:28

Prova Masculina A prova masculina foi considerada a mais acirrada. O triatleta Marcus Fernandes, de São Paulo, foi o grande campeão da prova, venceu com o tempo de 3h48min38seg. Apenas 6 segundos e 11 décimos a frente de Thiago Vinhal, de Santa Catarina, e a 7 segundos e 13 décimos do terceiro, o pentacampeão Guilherme Manocchio, também de Santa Catarina.

Premiação. Os triatletas vence-

dores em suas respectivas categorias receberam a premiação logo após a prova, ainda no hotel oficial do evento.

Ciclismo. A disputa do ciclismo

exigiu muito preparo físico dos triatletas, porque envolveu bastante desgaste durante a realização do Brasileiro de Longa Distância.

bikefit 43 Revista


Resultado

CLASSIFICAÇÃO GERAL

Campeonato Brasileiro de Triathlon de Longa Distância 2012 ELITE MASCULINA 1 Marcus Vinicius Fernandes - SP 2 Thiago Vinhal - SC 3 Guilherme Valenza Manocchio - SC 4 Felipe Oliveira Mamende - SC 5 Antonio Manssur Filho - SP

25 A 29 MASCULINO 1 Luan Pinho Ortiz - SP 2 Thiago Mohana de Carvalho - CE 3 Vinicius Alves Canhedo - DF 4 Hugo Amaral Horta Barbosa - RJ 5 Jonata José Freitas de Santana - PE

SUB 23 MASCULINO 1 João Martins Galvão - CE 2 Evilasio Oliveira Nascimento - CE 18 A 19 MASCULINO 1 Levi Xavier Viana - CE

30 A 34 MASCULINO 1 Marcelino de Miranda Pinto - CE 2 Lucas Leão da Silva - CE 3 Rafael Simões Falsarella - SP 4 Gilvan de Oliveira Gomes - SP 5 Felipe Dayrell Silvestre - CE

20 A 24 MASCULINO 1 Rafael Teixeira Arias - CE 2 Dynalmo Antonio de Souza - BA

35 A 39 MASCULINO 1 Gilberto Ferreira de Sampaio Jr - CE 2 Armando Abreu da Silva Neto - BA

44 bikefit Rev i s t a

3 Valderes Moraes de Almeida - PE 4 André Luiz Malandra A. da Silva - BA 5 Andre Dahbar - RJ 40 A 44 MASCULINO 1 Josemar Oliveira Alves - AL 2 Ivanil Mattos de Almeida - ES 3 Gervasio Dionisio da Silva - BA 4 Ricardo Veras Braga - CE 5 Carlos Henrique Falcão Freire - AL 45 A 49 MASCULINO 1 Manoel Albero Lopes Dias - BA 2 Andre Antonio da Silva Alcântara - SP 3 Ulisses Montenegro Pontes - CE 4 José Arruda Freitas Filho - CE 5 Carlos Marme Dias Alves - DF


Natação: Triatletas correm para o mar para a disputa da prova

35 A 39 FEMININO 1 Verônica Oliveira de Menezes - CE 2 Maria Claudia Lyra de Souza - BA 3 Karla Coelho de Miranda Freiras - PE

50 A 54 MASCULINO 1 Edgard Navarro Cunha - CE 2 Francisco de Medeiros Fernandes - RN 3 Ricardo Antonio Dalla Costa Ferraz - CE 4 Benedito Sérgio Espíndola Borges - CE 5 Marcus Antonio Stolze Franco - CE

3 Mariana Borges de Andrade - SC 4 Suzana Festner dos Santos - DF 5 Alessandra Rocio de Carvalho - SC

55 A 59 MASCULINO 1 Fernando Ferreira da Costa - RJ 2 Antonio Pessoa Picanço - PA

25 A 29 FEMININO 1 Priscilla Dias Dutra - DF 2 Karine Ximenes Monteiro - PB 3 Karolina Militão - CE

40 A 44 FEMININO 1 Claudia Daniel Guimarães Santana - BA 2 Nilma Machado - SP 3 Shirley Rocha Magalhães Caminha - CE 4 Ylse Yuri Shinzato Sas ai - AM 5 Vânia Regina de Souza Costa - PA

30 A 34 FEMININO 1 Andrea de Paula Joventino Quiroz - CE 2 Simone Maria Arruda -SP 3 Renata Andrade Almeida da Silva - BA 4 Carla Kerr Pontes Quinderé - CE

50 A 54 FEMININO 1 Hedla Eufrasia de Oliveira Lopes - CE 2 Lia da Costa Affonso - PA

60 A 64 MASCULINO 1 Jose de Almeida Pimentel Junior - DF ELITE FEMININA 1 Vanessa Paolieri Gianinni - SC 2 Silvia Helena Fusco - SP

20 A 24 FEMININO 1 Thays dos Santos - SP

bikefit 45 Revista


ENTREVISTA

Fase

promissora Cearense Jardel Silva sonha com novos tĂ­tulos

01


Q

Fotos: JORGE EMANUEL

uando ainda criança, o avô o incentivou no esporte. Jardel Silva nunca imaginou que poderia chegar tão longe pedalando. Heptacampeão cearense, tetracampeão nordestino, tetracampeão do Norte-Nordeste e tendo já integrado a seleção brasileira de ciclismo. São feitos que credenciam o ciclista a figurar entre uma das estrelas da modalidade em nível regional. O maior título veio neste ano quando venceu o Cerapió na comemoração de 25 anos do rally. Um título que entrou para a história de Jardel e do Ceará. Há 10 anos, ele não corria na modalidade Mountain Bike e foi a primeira vez que participou do Cerapió. Competição que em 25 anos nunca teve um campeão geral cearense. A revista Bikefit conversou com o ciclicta cearense sobre o último grande título, sua trajetória no esporte e ouviu lições de vida de um verdadeiro campeão. Bikefit - Após 4 dias de competição, qual a emoção de vencer uma competição longa e difícil como o cerapió? Jardel Silva - Na realidade, a emoção existe desde o início dos treinamentos, pois é totalmente compartilhada com todos que me apoiaram: Deus (presente em todos os momentos de minha vida), minha família, minha noiva Karine e sua família (que me incentivou e torceu muito por mim durante todo o evento), meus amigos do pedal (que me deram dicas), enfim... É inexplicável esta emoção.

O ciclista Jardel Silva vive um grande momento na sua carreira de atleta

o deslocamento que no terceiro dia chegamos na cidade de largada cerca de 21horas. Todo rally é difícil e muito prazeroso. BF - Quais as principais dificuldades que você teve durante essa competição?

JS - Toda a competição é difícil. Meus adversários todos são fortes, ninguém esta lá para brincar. A proBF - O que torna o rally Cerapió uma va é muito seria e como escutei da competição tão complicada de ser própria organização: “Quem não esdisputado? tiver apto, que seja sincero, nos devolvemos o dinheiro, mas não corJS - Parte do principio que é um ram risco!” rally e você nunca sabe o que vai encontrar pela frente. O calor que é BF - Quais os planos para esta temmuito forte, as distâncias das etapas, porada 2012 que ainda tem todo o

segundo semestre de provas? JS - Para mim é difícil dizer os planos, pois hoje em dia estou mais focado em meu trabalho, minha família e em meu casamento. Estou correndo meio que aleatório, dando descanso correto para meu corpo e treinando na medida do possível. BF - Quando começou, imaginou que chegaria tão longe pedalando? JS - Penso forte e alto, mas confesso que jamais pensei que poderia me tornar um grande ciclista, nunca tive medo de encarar provas e adversários. O que faço é o que aprendi desde cedo, respeitar meus adversários e a competição que estou participando. bikefit 47 Revista


BF - E como foi o início? Por que ser BF - Após vencer esse rally Cerapió ciclista? qual sua próxima meta?

PERFIL

JS - Não tenho como responder esta pergunta sem me emocionar, pois meu grande incentivador e tutor de toda essa minha carreira não esta mais conosco: meu avô. Ciclismo é um mundo, é viciante, é lindo é um prazer sem limites. Costumo dizer que quem conhece o ciclismo nunca mais larga. É vibrante, é show. Por isso que sou ciclista!

Nome: Jardel Silva Lima Moura Data de nascimento: 24/06/83 Peso: 71 kg Altura: 1,81m Quando começou a pedalar: Ao 8 anos com ajuda do avô Tempo de ciclismo: Compete há 16 anos. Principais conquistas: exintegrante da Seleção Brasileira de Ciclismo, Heptacampeão Cearense de Ciclismo, Tetracampeão Nordeste de Ciclismo, Tetracampeão NorteNordeste de Ciclismo, Campeão Cerapió 2012.

JS - Gostaria muito de participar do Campeonato Brasileiro de Ciclismo e Mountain Bike, além do Claro Brasil Ride. BF - Há ainda algum título que deseje ganhar?

JS - Na verdade todo ciclista deseja sempre ganhar um Campeonato Brasileiro. Também participar de BF - O que faz de um ciclista um ven- uma Olimpíada. E eu, como qualcedor? Algum diferencial? quer outro ciclista que começa a ganhar provas, não fico de fora desses JS - Os limites que procuramos sem- desejos. pre superá-los.

48 bikefit Rev i s t a


LAZER

01


Um dia de lazer

no Ciclo SESC

O

Dia do Trabalhor foi comemorado de maneira diferente em Fortaleza. Ciclistas amadores e profissionais ganharam ruas e avenidas da capital cearense em mais uma edição do Ciclo SESC do Ceará. A ideia foi reunir diversão, saúde e esporte num evento promovido pelo Serviço Social do Comércio (SESC). Esta foi a 17ª edição do passeio que serve para estimular a prática da atividade física e comemorar a data. O percurso do passeio teve a animação de um trio elétrico. O

trajeto foi de cerca de 20 quilômetros e todo acompanhado pelos agentes da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. O passeio contou com o apoio da Escolinha de Ciclismo do Ceará (ECEC). Os participantes receberam durante o evento vários serviços médicos e carros de apoio. O passeio partiu da unidade do SESC, na rua Clarindo de Queiroz, no Centro de Fortaleza. Os partici pantes percorreram ruas e avenidas como Humberto Castelo

Branco, Historiador Raimundo Girão, Beira Mar, Abolição, Rui Barbosa, Tenente Benévolo, Dom Manuel e Duque de Caxias. O Ciclo SESC teve a participação de mais de 3 mil ciclistas. Cada um teve a oportunidade de contribuir com 1kg de alimento não perecível. Além da inscrição, os participantes receberam da organização camiseta e boné do evento. Todos também participaram do sorteio de brindes, como duas bicicletas que foram entregues aos sorteados.

bikefit 51 Revista


Passeios O s passeios noturnos de bike já viraram moda em Fortaleza. Para quem gosta de pedalar, existem opções de circuitos todos os dias e com os mais variados roteiros. Além do bem-estar físico, é uma ótima pedida para fazer novos amigos. Hoje, os passeios ciclísticos chegam a reunir cerca de 200 e até 400 pessoas por noite durante os meses de alta estação. O bom é que as pessoas podem participar quando puderem. Não precisa inscrição antecipada. Só é necessário disposição para conhecer a cidade sobre duas rodas. Até quem não tem bicicleta pode participar. A maioria dos grupos oferece o serviço de aluguel da bike. O preço varia de R$ 10,00 a R$15,00. Iniciantes Se você é novato, nunca pedalou em grupos é bom começar com um passeio bem leve, procure pesquisar em que grupo entrar como é o ritmo e tamanho do percurso, pois alem de passeios existem grupos que se reúnem para treinamento de competições. Dica de Passeio Passeio (segunda e Quarta-feira). Saída às 20:00h da Rua Ana Bilhar, 1680 - Varjota . Informação fone: 85 3267-7425 Passeio (Terça e quinta-feira). Saída às 20:00h da Rua Costa Barros, 1706 – Aldeota.   Informação Fone: 85 3248-8304 Respeite sempre o guia (sempre tem um) e nunca o ultrapasse, mantenhase à direita. Vá, se enturme e logo fará novos amigos. Os passeios têm estilos, ritmos e turmas para todos os gostos procurem o seu e não deixe de pedalar! E em grupo é mais gostoso, mais seguro e mais divertido. 52 bikefit Rev i s t a

Notu

Os passeios passam por vários pontos da cidade


ur noS

P

ara quem gosta de treinar forte para competições, existem opções de circuitos todos os dias e em lugares bem variados como é o caso do grupo das tapioqueiras, Aeroporto Internacional Pinto Martins, Caucaia e outros. Mas lembrem-se esses grupos são para atletas com nível superior mais avançado. Já ouvi gente pensar em desistir, pois começou a pedalar em um desses, ai faltou perna, pulmão, ar e ficou desestimulado.   Dica de Treinamento Na Caucaia, toda quarta e sexta-feira, a turma se encontra na CE 090, a par-

Treinos FOTOS: JORGE EMANUEL

tir das 20:00h. Este na verdade é um treino puxado (bem puxado, muito puxado!), e se você não está acostumado a pedalar pelo menos 60km numa média de 40km/h, melhor treinar antes de aparecer. Outra dica que interessará a quem quer treinar ciclismo Speed e MTB: é a pista de acesso ao terminal de cargas do Aeroporto Internacional Pinto Martins, o circuito tem um percurso de 1,5 km bom para treinos em ritmo de competição, ou seja, pedalar forte. Há uma galera que treina lá faz algum tempo, toda terça e quinta-feira das 19h às 21h.

Lembrete Em todos os treinos e passeios use sempre capacete, a bike tem que estar em bom estado, com freios e câmbio em ordem. Não deixe de levar água e divirtam-se. bikefit 53 Revista


RAAM

Preparação

Brasileira Fotos: DIVULGAÇÃO

54 bikefit Rev i s t a

E

em ritmo de preparação, o ciclista santista Cláudio Clarindo prepara-se para a sua quarta participação na Race Across America com treinos árduos. Entre eles, pedalou 260km de Santos a Campos do Jordão. “Escolhi esse trajeto pois tem mais de 60 km de subidas entre as serras do percurso. Utilizo esse tipo de treino, pois na RAAM enfrento mai de 2 mil metros de ascensão, em montanhas que chegam a ter 40 km ininterruptos”, afirma Clarindo que no dia seguinte participou do Audax Randonneurs São Paulo, com mais uma pedalada de 200 km. Entre seus feitos, está o recorde sul-americano das 24 horas de ciclismo, quando pedalou 699km no Velódromo do Rio, conquistando a marca para o Brasil. Aos 34 anos de idade, Clarindo já tem larga experiência na RAAM. Foram três participações, sempre na solo (individual). Em 2007, ficou em décimo lugar, completando o desafio em 11 dias e 14 horas. Em 2009, a melhor atuação, com a sétima colocação, em 10 dias e 22 horas. No ano passado, o 11º lugar, em 10 dias e 15 horas no qual alcançou o recorde latino americano na 30ª edição da RAAM “A expectativa é estar entre os cinco primeiros. Mesmo melhorando meu tempo a cada edição, ainda não fiquei entre os cinco, pois a prova está cada vez mais acirrada. Esse ano quero baixar das dez horas, mas não é fácil”, afirma Clarindo,


que embarca para os Estados Unidos no dia 7 de junho. O RAAM é uma competição ciclística disputada anualmente no mês de junho que atravessa os Estados Unidos da Costa Oeste a Costa Leste. É uma das mais conhecidas e longas provas ciclísticas do mundo. Diferentemente do Tour de France e do Giro d’Italia, o Race Across America não se dá por etapas; é uma competição contínua, percorrendo cerca de 5 mil km. Em 1991, a revista americana Outside desenvolveu um critério para classificar as competições mais difíceis do mundo. Entre estes critérios, o AGONY INDEX servia para descrever o quanto os participantes sofriam durante a competição. A Race Across America foi a vencedora no quesito “agonia pura”. Acompanhe na próxima edição, matéria completa de Cláudio Clarindo e sua participação no RAAM.

A prova nos EUA é marcada pela exigência física para os ciclistas

bikefit 55 Revista


Bikefit

Ajuste corpo e bike Fotos: JORGE EMANUEL

Você conhece o que é Bike Fit? Bike fit é o ajuste da bicicleta para o ciclista. São verificadas as medidas anatômicas do ciclista, nível de flexibilidade e anos de experiência. Assim, podemos ajustar a posição de componentes como avanço, pedivela, guidão, clip ou o que for necessário para que o ciclista esteja na melhor posição para pedalar. “Depois da escolha da bike de acordo com seu objetivo e estatura( MTB, Speed ou Triathlon) é impor56 bikefit Rev i s t a

tante que se realize um Bike Fit para que possamos otimizar o conforto, segurança, desempenho e a aerodinâmica do ciclista “ fala Tobias Teixeira, especialista em Bike Fit. O Bike Fit oferece uma avaliação biomecânica de altíssima qualidade que além de corrigir sua postura e adequar sua bike ao seu corpo/condição física, potencializa seu rendimento aos de profissionais e amadores.

Após os ajustes necessários, um biker pode ter um aumento de performance de 20%. Quem pode fazer? É indicado para qualquer ciclista, seja para passeio, provas de MTB, provas de aventura, triatletas, e ciclistas de estrada. Profissionais e amadores podem se beneficiar bastante com o Bike fit. Para o iniciante é necessário também uma orientação para a compra correta da bike.


Como fazer um Bike Fit? 1- Logo no inicio o ciclista passa por uma anamsense bem detalhada para conhecer a histórico de sua bike, lesões, medidas e seu objetivo com o Bike fit. 2- Após a anamnese, o ciclista inicia uma pedalada em um ciclocimulador (com sua própria bike), assim avaliamos a maneira de pedalada e iniciamos com as orientações necessárias para as mudanças. 3- É realizada uma filmagem para visualizar o antes e o depois do Bike Fit, assim o cliente consegue entender melhor as orientações e mudanças. 4- Logo após o ajuste é marcado um retorno (normalmente após 15 dias) 5- Orientamos também para compra de assessórios para atender as necessidades do ciclista. Nosso objetivo com o Bike Fit é o CONFORTO, SEGURANÇA, DESEMPENHO E AERODINAMICA. Iniciamos o Bike Fit pelo ajuste do taco da sapatilha de acordo com o tipo de pisada do ciclista podendo assim fazer com que ele produza cada vez mais velocidade sem desperdiçar energia. O ajuste da altura e posição do selim também são ajustados para que possamos deixar o ciclista com mais eficiência na pedalada e evitar lesões ( principalmente nos joelhos). As medidas da parte da frente da bike ( guidão, avanço, clip) também são importantes para determinar o conforto, segurança e a aerodinâmica. Ao final do Bike Fit, temos todas nas medidas necessárias para atender na necessidade do ciclista em uma posição ideal. SERVIÇO Bike Fit: Rafael Leitão - 88532437 Tobias Teixeira - 96910304

bikefit 57 Revista


medicina

Psicologia

do esporte

A preparação psicológica para a prática esportiva (treinos e competições) Foto: DIVULGAÇÃO

58 bikefit Rev i s t a

Por Lívia Viana Psicóloga

N

ão é raro ouvirmos que o atleta não foi bem na competição porque estava ansioso demais, nervoso demais, ou que faltou concentração, faltou entrosamento com a equipe e muitas outras justificativas que recaem para o “lado psicológico”. Mas o que seria esse lado psicológico? Como podemos trabalhar para que o atleta melhore a atenção, a ansiedade, o stress, a concentração e assim melhorar o seu desempenho? É aqui que a Psicologia do Esporte trabalha, auxiliando o atleta nesse aperfeiçoamento, que pode ser fundamental em momentos decisivos. Nem sempre a equipe ou o atleta melhor preparado fisicamente é o que ganha a partida, muitas vezes o fator psicológico pode beneficiar àqueles que não eram os favoritos (quantas vezes essa história não se repetiu?). A Psicologia do esporte é uma área que vem crescendo a cada dia no Brasil, contribuindo com pesquisas, intervenções e auxiliando atletas de alto rendimento a melhorar seu desempenho. No entanto, o psicólogo que escolhe trabalhar no contexto esportivo não precisa se restringir ao esporte de alto rendimento, pode trabalhar também com atletas das categorias de base, com o desenvolvimento psicológico de crianças e adolescentes através do esporte, com o esporte de lazer, de


reabilitação, no terceiro setor, em escolas e clubes. Onde quer que tenha alguém movimentando o corpo e se relacionando uns com os outros existe a possibilidade do psicólogo atuar. Apesar dessa ampla área de atuação, é no esporte competitivo que o trabalho do psicólogo do esporte tem ganhado mais força. Quando se trata de esporte de alto rendimento, o atleta que faz o treinamento psicológico aliado aos outros treinamentos, técnico, tático e físico, tem encontrado bons resultados. É o refinamento procurado pelos atletas de ponta para melhorar a concentração, a confiança, a ansiedade, o estresse e outros fatores psicológicos que podem interferir no desempenho.

“O treino psicológico auxilia o atleta a se conhecer melhor e saber quais estratégias pode usar para melhorar sua concentração”

Notem que a psicologia do esporte não trabalha de forma pontual, apagando um incêndio ou com uma fórmula mágica a ser usada para se alcançar um bom resultado. O atleta de alto rendimento precisa dar atenção aos quatro pilares de preparação: física, técnica, tática e psicológica. Quanto melhor preparado ele estiver nessas quatro áreas, provavelmente melhor será o seu desempenho. O trabalho da Psicologia do esporte tem que ser contínuo e em longo prazo, pois assim como nenhum atleta atinge um bom nível físico, técnico e tático da noite para o dia, o preparo psicológico também precisa de treino, dedicação e disciplina para atingir um bom nível. O psicólogo deve entender do esporte que está atuando, conhecer as regras, saber os jargões, ou seja, conhecer o contexto como um todo

para assim fazer uma boa avaliação do atleta e da equipe e direcionar o seu trabalho aos interesses de todos. É importante que o psicólogo auxilie o atleta a entender o que ele precisa melhorar. Muitas vezes os atletas não sabem lidar com suas emoções e isso afeta o desempenho. É muito comum um atleta ter um bom rendimento durante o treino e nas competições não conseguir atingir um bom desempenho. O psicólogo pode atuar nessas situações com um planejamento estratégico que envolva uma rotina pré-competição relacionando tudo que o atleta deve fazer antes de cada competição e executando suasestratégias no treino. Estabelecer metas de curto, médio e longo prazo é fundamental, pois o atleta passa a saber onde quer chegar e qual caminho deve percorrer. O treino psicológico auxilia o atleta a se conhecer melhor e saber quais estratégias pode usar para melhorar sua concentração, trabalhar sua ansiedade ou diminuir seu nível de estresse. O autoconhecimento é fundamental, o atleta deve conhecer as suas emoções nos diferentes contextos em que ele se expõe. Conhecer as emoções não para controlá-las, mas para auxiliar os atletas a compreenderem o que fazer com elas, saber o que incomoda e o que pode afetar o seu desempenho é o primeiro passo para a mudança. Para Samulski (2002) quando uma pessoa é incapaz de lidar com as situações presentes no contexto esportivo, principalmente nos momentos pré-competitivos, podem ocorrer pensamentos negativos, minimização dos níveis de autoconfiança e aumento dos níveis de ansiedade, que podem levar, conseqüentemente, ao fracasso. Isso pode inibir o rendimento, sendo, portanto, essencial um maior esforço para compreensão das emoções no sen-

tido de permitir aos atletas responderem positivamente aos estímulos psicológicos que aparecerão nos treinamentos e competições. O fator crucial para determinar a qualidade do desempenho esportivo é a capacidade dos atletas em lidar com o estresse. Quanto mais o atleta for capaz de identificar as fontes de estresse em seu ambiente esportivo, provavelmente ele estará mais bem preparado para enfrentar situações de pressão emocional existentes na competição. Técnicas como visualização e o treino mental são usadas pelos psicólogos para auxiliar na melhora do desempenho. Resumidamente, seria imaginar-se realizando com sucesso um movimento ou uma habilidade técnica do seu esporte. A visualização ajuda na melhora do desempenho, na concentração, auxilia no aumento da energia ou no relaxamento, o que é essencial para o controle da ansiedade.

“Quanto mais o atleta for capaz de identificar as fontes de estresse em seu ambiente esportivo, ele estará mais bem preparado” O trabalho da Psicologia do esporte tem que ser visto como complementar aos outros treinamentos. Podemos atuar em outros contextos, como citado anteriormente, mas em qualquer ambiente a atuação será pautada na demanda dos atletas e vai necessitar de uma avaliação específica para cada situação. É necessário que o psicólogo se prepare para atuar no contexto esportivo e muitas vezes essa preparação é feita fora das faculdades, pois ainda são poucos os cursos de psicologia que oferecem uma disciplina específica no esporte. O trabalho do psicólogo que é pautado na responsabilidade com o atleta e no planejamento tende a dar resultados satisfatórios. bikefit 59 Revista


TREINO

Musculação

Por Márcio Linhares Távora

Estagiário de Educação Física FGF. Instrutor de Musculação Mart Academia

U

m treino de musculação bem orientado por um profissional de educação física só trará benefício para o aluno. A musculação é ideal para os momentos de força máxima e anaeróbica de exercício, não somente na pré-temporada, mas sim regularmente, durante todo o ano, para a fase de manutenção. O atleta terá uma melhora significativa na performance seguindo uma boa seção de alongamentos no pré e pós treino, evitando encurtamento dos músculos e fortalecendo os grupos musculares tanto inferiores com superiores. Lembrem-se do aquecimento e o relaxamento, pois é através deles que o músculo se pre60 bikefit Rev i s t a

e ciclismo. Por que fazer?

para para manter a mobilidade natural das articulações. O aquecimento aumenta a temperatura do corpo, movimenta a circulação do sangue em torno de 80% prós músculos e o prepara para a sua contração diminuindo o risco de lesões. Um músculo com amplitude reduzida diminui a capacidade de aproveitar as reservas elevadas de força. Portanto, sempre após um exercício de força, este mesmo grupo muscular deve ser submetido a um alongamento, não tão intenso como o do pré-treino evitando assim que algumas fibras musculares sejam rompidas com lesões. A musculação, além de todos os benefícios, irá ajudar a dimi-

Fotos: JORGE EMANUEL

nuir o percentual de gordura corporal, deixando o atleta em melhores condições. Se formos analisar o perfil físico, alimentação, treinamento e bicicletas dos atletas de endurance de alguns anos atrás, diríamos que eram o oposto dos atletas de hoje, acreditava-se que a musculação deixava o atleta pesado, diminuindo sua capacidade aeróbica. Estudos recentes demonstram que os treinos com pesos podem provocar uma melhora no sistema cardiovascular deixando o coração e os vasos sanguíneos bem mais preparado para treinos de longa ou curta duração. Antes de iniciar qualquer atividade física, procure um profissional capacitado para orienta-lo.


Grupo Inferior: Na região anterior da coxa temos o quadríceps que é composto por quatro músculos, vasto medial, vasto lateral, vasto intermediário e o reto femural. Este é o grupo muscular mais solicitado na pedalada, pois são responsáveis pela fase de aceleração. Também junto a esse fortalecimento, consequentemente as articulações em especifico a do joelho, que é do tipo dobradiça, ficara bem mais protegida a determinadas lesões e tendões e ligamentos trabalhando melhor.

Grupo Superior: A região lombar uma das que mais sofrem desconfortos deve ser feito um trabalho com alguns exercícios isométricos. Não podemos esquecer da musculatura das costas, bíceps e região abdominal, estes são responsáveis por sustentar o corpo sobre a bike para que este transfira toda a potência para os pedais. Trabalhando esses músculos que aparentemente não tem tanta ênfase você estará retardando a fadiga muscular e solicitando as fibras musculares de todo corpo que acabará retirando a sobrecarga presente nos outros músculos como o quadríceps.

bikefit 61 Revista


NUTRIÇÃO

Reposição

energética

Por Leandro Rodrigues de Castro

Formação: Nutricionista - Universidade de Fortaleza Pós-Graduação: Aperfeiçoamento em Nutrição e Exercício Físico - Universidade Estadual do Ceará

Utilização dos carboidratos antes, durante e depois do exercício físico

S

abe-se que os carboidratos são a principal fonte de energia para os exercícios aeróbicos e anaeróbicos, pois o corpo necessita de uma quantidade mínima de glicose circulando no sangue para a produção de energia apropriada durante a atividade. E a falta e/ou insuficiência durante a atividade física pode causar efeitos colaterais prejudiciais, incluindo a inabilidade e/ou a ineficiência do corpo humano em continuar o trabalho. O sistema irá, literalmente, “chegar ao limite”, como é conhecido quando a eficiência da contração do musculo durante a atividade requer uma quantidade mínima de carboidrato (glicose). ANTES DA ATIVIDADE FÍSICA Atividade de endurance Um consumo médio a elevado de carboidrato (200 a 350 gramas) dentro de 3 a 6 horas antes do exercício. Deve-se ter em mente de que se leva, aproximadamente, entre 3 a 4 horas para que o corpo absorva 100 gramas de carboidrato. Portanto, três horas antes de uma sessão de treinamento, o consumo de carboidrato deve ser limitado aproximadamente, 3 gramas/kg de 62 bikefit Rev i s t a

peso. Uma hora antes do exercício, DURANTE ATIVIDADE FÍSICA o consumo de carboidrato deve ser limitado a 50 gramas ou 1,1 gramas/ Atividade de endurance kg de peso. Para as atividades que duram mais de 90 minutos, sugere-se que o Treinamento de resistência Uma combinação de carboi- carboidrato seja consumido em uma dratos com proteínas é recomendada taxa de 30 a 60 gramas por hora duentre 1 e 2 horas antes do treinamen- rante toda a atividade. O carboidrato to, sendo 50 gramas de carboidrato e também pode ser consumido através 14 gramas de proteína. Por exemplo, de bebidas isotônicas em uma taxa barra energética e bebida isotônica. de 600 a 1,200 mililitros por hora.


CARBOIDRATOS (GRAMAS)

Alimento Pão Cereais Aveia Arroz (integral) Maçã Banana Laranja Uva Passa Batata (cozida) Batata (doce)

Porção 1 1/2 1/2 copo 1/2 copo 1 média 1 1 1/3 copo 1 grande 1 grande

Calorias 105 60 80 115 80 105 65 150 220 120

Carboidratos 15g 10g 15g 25g 20g 25g 15g 40g 50g 30g

Treinamento de resistência A quantidade exata de carboidratos durante o treino de resistência não foi estabelecida. Como na atividade de endurance, é seguro sugerir que a entrada de carboidratos sob a forma de bebidas isotônicas em uma taxa de 0,5L – 1,2L/h poderia ser benéfica para as sessões de treinamento que duram mais do que 90 minutos. DEPOIS DA ATIVIDADE FÍSICA Atividade de endurance e de resistência muscular (musculação) Uma combinação de carboidrato e proteína mais uma bebida deve ser consumida dentro de duas horas pós-atividade. Por exemplo, 50 gramas de carboidrato e de 10 a 15 gramas de proteína com líquido (bebidas isotônicas, barras energéticas, pão de grão integral com grão de bico, suco de maçã, iogurte sem gordura com nozes e frutas secas). bikefit 63 Revista


HIDRATAÇÃO O esporte de alto rendimento impõe a necessidade de um estudo minucioso sobre a influência do exercício nas respostas fisiológicas. São pequenos detalhes que poderão estabelecer a diferença de um campeão entre seus adversários. Neste contexto, tem-se conhecimento de que o exercício de longa duração pode provocar um quadro de desidratação, produzindo ainda alterações no equilíbrio eletrolítico. Para minimizar os problemas causados pelo calor, o atleta também deve realizar seus treinos em horários extremos do dia (até 10h e após 16h), buscando um maior conforto de temperatura. Deve-se dar preferência a roupas de cor clara, por reterem menos calor, e principalmente realizar uma hidratação correta e frequente durante o treinamento. Além disso, a reposição hídrica não deve ser realizada apenas nos momentos de sede, pois, irá repor apenas de metade a dois terços do líquido perdido. Cada treino sucessivo, sem que haja uma hidratação adequada, irá provocar no atleta um futuro déficit hídrico.

O consumo de líquidos por atletas em determinadas ocasiões é limitado pelos próprios treinadores, que chegam inclusive a propor estratégias de restrição hídrica. Está claro que, principalmente em provas ciclísticas, a perda de peso, depleção de glicogênio muscular e desidratação são fatores que limitam o desempenho e que estão relacionados com as ações de hidratação. Acompanhamento nutricional em condições de competição, em ciclistas, chega a registrar o consumo de líquidos variando entre 3,29±0,9L.d1 a 10,5L.d-1. Já em participantes de ultramaratona, o consumo registrado atingiu 19,4L. Não existe evidência que a restrição de líquidos durante o treinamento torne de alguma forma o atleta mais capaz de ajustar se ao trabalho subseqüente no calor. Um atleta bem hidratado funciona sempre num nível mais alto que outro que se exercita desidratado. A ingestão hídrica deve ser iniciada antes da prática esportiva, para que se comece o exercício bem hidratado. O American College of Sports Medicine recomenda que se tome de 400 a 600 ml, duas a três horas antes do exercício se iniciar.

Durante o exercício é indicado que se tome de 150 a 350 ml de líquidos, a intervalos de 15 a 20 minutos. Após o término do exercício é recomendável a ingestão de líquidos repositores, para que as perdas de alguns minerais sejam reparadas e que sejam fontes de carboidrato, para que se reponha o glicogênio muscular gasto durante o treino. Com o intuito de determinar o volume hídrico a ser reposto, é necessário que o atleta se pese antes e após os treinos. Para ajudar na hidratação os atletas utilizam mochilas de hidratação nos treinamentos e durante os campeonatos fazem a utilização de garrafinhas. Conclusão Para um bom equilíbrio corporal e uma boa performance, o indivíduo deve sempre buscar uma boa qualidade alimentar, treinamento regular, hidratação e um bom descanso. Cada pessoa possui características alimentares e físicas diferenciadas, deste modo diferenciando também seus planos alimentares. Sendo assim, gostaria de ressaltar que os mesmos devem sempre procurar profissionais formados para um bom acompanhamento.

64 bikefit Rev i s t a


PEDALANDO

Coluna

do ciclista Fotos: DIVULGAÇÃO

Por Wagner  Comodoro * Prof. Educação Física formado na Universidade Santa Cecília dos Bandeirantes- Santos/SP * Especialista na Motivação esportiva. * Atleta a 28 anos, no ciclismo em provas de pista e longa distancia, maratona, e triathlon, com participação em varias Seleções de ciclismo no Brasil e exterior. Sempre com muita dedicação e vontade de vencer em tudo o que faz.

bikefit 65 Revista


ca, vamos colocar essa vontade toda de vencer no pedal. TREINAMENTO FÍSICO Você já deve ter se perguntado “aonde quero chegar, onde estou, o que estou fazendo?” Quando você conseguir responder isso esta dando uma resposta a sua mente, exercitando ela para seguir com determinação a rotina diária dos treinos. ARMADILHA DA MENTE Seguir com determinação e fazer a analise de suas atividades, VOCÊ DEVER FAZER SEMPRE para não cair na ROTINA de seus treinos, se você só faz longão e esta voando baixo, talvez la na frente poderá cair na armadilha da mente, e ao invés de crescer , descer. Cair na ROTINA FAZENDO SEMPRE A MESMA COISA FUNCIONOU “Sucesso do treino físico com o mental” UMA VEZ, E PARA FUNCIONAR DE NOVO DEVE PERCEBER NOVOS FATORES COMO ncorajar atletas a perceberem para isso. UMA NOVA VISÃO DE TREINO Vontade, garra, determina- DEIXANDO SUA MENTE ABERa conquista de seus próprios sucessos não é sempre fácil. ção, e força são os ingredientes. UM TA E FORTALECIDA PARA ISSO, Fazer eles sentirem o desempenho EMPURRÃOZINHO nessa mistu- VAI GANHAR UMA NOVA FORra, é que faz a diferença. de seus treinos vencendo o limite. ÇA MENTAL PARA ATINGIR DE   NOVO O SUCESSO. É DESAFIADOR ATÉ PARA O DESEJO MAIS EXPERIENTE. O sucesso começa com o de- FAÇA SUAS PRÓPRIAS REGRAS Desenvolver o processo sejo que o dirige para alcançar seus mental e integrar ele ao treino essa é sonhos. Um exemplo Lance desejou Lembre-se que todos nos um dia a camisa amarela do Tour de somos individuais, temos de aliar  a a dica. Como fazer? O processo mental deve ser France, mas antes dele começar a lu- ciência dos treinamentos com os obintegrado com os treinos que mode- tar por ela, ele usou sua habilidade jetivos reais e uma boa pitada de colam seus músculos ganhando força, presente para alcançar seus sonhos. nhecimento pessoal para saber exajuntar isso a TÉCNICA DO CICLIS- Isso veio com o tempo de treino tamente qual o melhor caminho a se MO É QUE MELHORAM  suas ha- com muita vontade e dedicação. tomar para o seu sucesso no esporte. bilidades, E os guiam para a vitória. Ele conseguiu realizar seus sonhos. LEMBRE que pedala bem A mente nesse momento Você também consegue, tem tempo, quem treina o MÚSCULO E A pode ser fraca, o que não deve acon- treina todos os dias, tem material MENTE JUNTOS. OS DOIS SÃO tecer, a dor é um momento,  o suces- de primeira linha, suplementação, e PARCEIROS DA DOR. Você é caso é para sempre, ganhar FORÇA garra. paz e sabe disso, então te vejo na esEntão só falta por em prati trada. Bom treino. MENTAL esse é o segredo. E treinar

E

66 bikefit Rev i s t a


01


Revista Bikefit 01