Page 1

DESENHO URBANO: UM OLHAR SOBRE O TRÊS VENDAS


‘‘Primeiro vida, depois espaços, depois edifícios o contrário nunca funciona.’’ - Jan Gehl


FACULDADES ANHANGUERA DE PELOTAS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA DE URBANISMO I PROFESSORA LUANA DETONI PLANOS E PROJETOS DE DESENHO URBANO

ACADÊMICOS CLEVER LUZ, CRISTIANE CUNHA, FLÁVIA BARCELLOS, JOBIM PORTO E LUCAS BANDEIRA DEZ/2019


SUMÁRIO


06 08 09 10 11 13 14 15 16 18

APRESENTAÇÃO LEVANTAMENTO DE DADOS AMBIENTE NATURAL SISTEMA DE ARTICULAÇÃO PÚBLICA MODAIS MOTORIZADOS SISTEMA DE ARTICULAÇÃO PÚBLICA MODAIS NÃO MOTORIZADOS PARCELAMENTO DO SOLO PONTOS ATRATORES TIPOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES COMPONENTES PESSOAS

20 22 24 26 28

DIAGNÓSTICO PROGNÓSTICO ELABORAÇÃO DAS PROPOSTAS AVALIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO PROPOSTA TRÂNSITO

30

PROPOSTA ÁREAS VERDES

32 33

PROPOSTA ILUMINAÇÃO

34 35

CONCLUSÃO

PROPOSTA VIA LOCAL

REFERÊNCIAS


06 APRESENTAÇÃO Este caderno tem por objetivo mostrar o desenvolvimento de planos e projetos do desenho urbano am de humaniza-lo a área de estudos ilustrada na imagem abaixo. No primeiro momento o grupo foi ao local vericar a situação atual da área de estudo, e analisamos diversos aspectos tais como: Trânsito, calçadas, áreas verdes, iluminação e uso do solo. Analisamos conjuntamente as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças em síntese pensamos e acreditamos que um bom lugar deve ser humanizado. Os itens a seguir foram priorizados pelo grupo: Trânsito, calçadas, áreas verdes, iluminação e uso do solo. Uma das principais referências. “À vida é a arte do encontro, a cidade é o cenário desse encontro” Morais, v. Uma bibliograa muito importante para o desenvolvimento do nosso trabalho foram os livros de Gehl, Jan. O desenho urbano é uma maneira de ordenar a vida nas cidades por meio de alterações na disposição, aparência, funcionalidade e também a utilização dos espaços públicos. Dentro do documentário Urbanized,2011, Gary Hustwit, gostaríamos de destacar o plano da cidade de Curitiba que prioriza o transporte público. Copenhagen o transporte não motorizado. Veneza o deslocamento a pé, transportes alternativos.


07

TRÊS VENDAS A ÁREA DE ESTUDO ABRANGE O BAIRRO TRÊS VENDAS LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE PELOTAS - RS. PELOTAS

ÁREA DE ESTUDO SUB-BAIRROS AGRÍCOLA JARDIM COHAB LINDÓIA ITAMARATY LINDÓIA QUATRO DE AGOSTO SANTA TEREZINHA SANTOS DUMONT SILVEIRA TABLADA VILA PERES

0

750

1500m


LEVANTAMENTO DE DADOS


AMBIENTE NATURAL

09

ÁREAS VERDES: EXISTEM POUCAS ÁREAS VERDES, GRANDE PARTE DA VEGETAÇÃO ESTÁ INSERIDA EM LOTES DE USO.

RELEVO: PREDOMINA A ALTITUDE ENTRE 12m E 15m.

ÁGUAS: EXISTEM POUCAS DE USO NA ÁREA DE ESTUDO, A PRINCIPAL CORRENTE DE ÁGUA É O RIACHO SANTA BÁRBARA QUE PASSA PELA AVENIDA XXV DE JULHO.

LIMITE DA ÁREA DE ESTUDO ÁREAS VERDES 0

750

1500m

ÁGUAS


SISTEMA DE ARTICULAÇÃO PÚBLICA MODAIS MOTORIZADOS

10

AV. FERNANDO ÓSOR

IO

Assista o vídeo para ter uma percepção do trânsito desta área.

AV. SE

NA

DO

RS

ALG

AD

OF

ILH

O

É UMA ÁREA CARENTE DE MALHA DE VIAS, EM HORÁRIOS DE PICO HÁ GRANDES CONGESTIONAMENTO NO TRÂNSITO. O TRANSPORTE PÚBLICO NÃO TEM PRIORIDADE. APRESENTA GRANDE PARTE DE SUAS VIAS PAVIMENTADAS. PRINCIPAIS VIAS: AV. FERNANDO OSÓRIO; AV SENADOR SALGADO FILHO; AV XXV DE JULHO. PRINCIPAIS ACESSOS LIMITE DA ÁREA DE ESTUDO VIA ARTERIAL

0

750

1500m

VIA COLETORA VIA LOCAL


SISTEMA DE ARTICULAÇÃO PÚBLICA MODAIS NÃO MOTORIZADOS

11

AS CALÇADAS NÃO SÃO PADRONIZADAS EM GRANDE PARTE, A PADRONIZAÇÃO É VISTA APENAS EM VIAS DE MAIOR FLUXO.

É NOTÁVEL A FALTA DE INCENTIVO AO USO DA BICICLETA, AS CICLOFAIXAS E CICLOVIAS EXISTENTES SÃO PRECÁRIAS E INSUFICIENTES. LIMITE DA ÁREA DE ESTUDO CICLOVIA EXISTENTE 0

750

1500m

CICLOFAIXA EXISTENTE CALÇADAS


12

USO DO

SOLO

RESIDENCIAL

COMERCIAL

A ÁREA É PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL, COM UMA CONCENTRAÇÃO COMERCIAL EM VIAS DE GRANDE FLUXO, AS VIAS ARTERIAIS.

MISTO


PONTOS ATRATIVOS

13

SERVIÇOS PÚBLICOS

ENTRETERIMENTO

ALIMENTAÇÃO

SAÚDE

0

750

1500m

RELIGIOSO


14

TIPOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES

OS OLHOS DA RUA SÃO AS PESSOAS QUE, CONSCIENTE OU INCONSCIENTEMENTE, UTILIZAM O ESPAÇO PÚBLICO E/OU COSTUMAM CONTEMPLÁ-LOS DE SUAS CASAS, EXERCENDO UMA VIGILÂNCIA NATURAL SOBRE O QUE ALI ACONTECE.


15

DUAS ÁGUAS

PLATIBANDA

UMA ÁGUA

AS EDIFICAÇÕES MANTÉM DE FORMA GERAL RECUO COM JARDIM, ALGUMAS CENTRALIZADAS NO TERRENO, OUTRAS NO LIMITE LATERAL E TAMBÉM AOS FUNDOS, MAS PREDOMINA O RECUO.

GRANDE PARTE DAS EDIFICAÇÕES SÃO TÉRREAS E SE APRESENTAM COM CONFIGURAÇÕES BEM SIMILARES QUANTO AO SEU FLUXO DE PESSOAS, AMBIENTES E PLANO DE NECESSIDADES.


16

BANCOS

Av. Fernando Osó rio Praça do Colono

PARADAS DE ÔNIBUS

Rua Santa Clara

Av. Repú blica do Lıb ́ ano

Rua Sã o Paulo

Av. Repú blica do Lıb ́ ano

BRINQUEDOS GRANDE PARTE DOS BRINQUEDOS APENAS SÃO ENCONTRADOS EM ÁREAS MAIS NOBRES.


COMPONENTES URBANOS OS COMPONENTES SÃO INSUFICIENTES E NÃO APRESENTAM PADRONIZAÇÃO, GRANDE MAIORIA JÁ DEPREDADOS. A ÁREA POR TER POUCAS ÁREAS VERDES E PRAÇAS CONSEQUENTEMENTE SOFRE UMA CARÊNCIA DE MOBILIÁRIO URBANO COMO BANCOS, BRINQUEDOS E LIXEIRAS.

POSTES LIXEIRAS

17


PESSOAS


19

60.190

POPULAÇÃO ESTIMADA

10.082

DOMICÍLIOS (2010)

(2010)

NO QUE SE REFERE À SOCIEDADE QUE COMPÕE O BAIRRO, PARTE DE SEUS MORADORES SÃO PROVENIENTES DO ÊXODO RURAL. AGRICULTORES QUE SE DESLOCARAM DA ÁREA RURAL EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA NO MEIO URBANO. GRANDE PARTE DELES DESCENDENTES DE ALEMÃ E SE POMERANOS QUE SAÍRAM DAS REGIÕES DE TAPES, MONTE BONITO, CERRITO ALEGRE E ARROIO DO PADRE. A CULTURA DESTES IMIGRANTES AINDA É MUITO PRESENTE NOS BAIRROS MAIS ANTIGOS COMO SANTA TEREZINHA, PYCRESPO, SILVEIRA, LINDÓIA E VILA JACOB BROD. GRANDE PARTE DELES AINDA POSSUEM VÍNCULO COM A COLÔNIA. ALÉM DESSA POPULAÇÃO O BAIRRO TAMBÉM ABRIGOU UMA SOCIEDADE POBRE, RETIRADA DE ÁREAS DE RISCO QUE DERAM ORIGEM A NOVOS LOTEAMENTOS COMO PESTANO E GETÚLIO VARGAS.

COLETA DE LIXO

ÁGUA ENCANADA

ENERGIA ELÉTRICA


20

FORÇAS GABARITO DAS EDIFICAÇÕES

VIAS COLETORAS

VIAS ARTERIAIS RELEVO COMÉRCIO

FRAQUEZAS

DENSIDADE POPULACIONAL

INFRAESTRUTURA

ÁREAS VERDES

CALÇADAS

LAZER

IMPERMEABILIDADE MALHA URBANA

RIACHO MOBILIÁRIO URBANO


OPORTUNIDADES

AMEAÇAS

REVITALIZAÇÃO DO RIACHO DUPLICAÇÃO DA XXV DE JULHO

VERTICALIZAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES

NOVOS EMPREENDIMENTOS

ACIDENTES DE TRÂNSITO

ÁREAS VERDES TRANSPORTE PÚBLICO

CICLOVIAS ESPAÇOS DE LAZER

INSALUBRIDADE TERRENOS BALDIOS

DESVALORIZAÇÃO DE ÁREAS LOTEAMENTOS ISOLADOS

21


UM BOM LUGAR DEVE SER, TER...


DIVERSIDADE MUSEUS HISTÓRIA TRADIÇÃO LAZER

ESTABILIDADE HABITAÇÃO SEGURANÇA SUSTENTABILIDADE ILUMINAÇÃO

CULTURA

TRANQUILO

HUMANIZADO MOVIMENTO COMÉRCIO FLUXO VIAS ESPORTE CICLOVIAS

QUALIDADE ESPAÇO TECNOLOGIA ÁREAS VERDES MOBILIÁRIO URBANO CALÇADAS

23


24

HUMA NIZA DO

POR QUÊ?

O QUÊ? COMO? TRÂNSITO

CALÇADAS

DAR PRIORIDADE AO TRANSPORTE PÚBLICO E AOS CICLISTAS

REVITALIZAÇÃO DE CAMINHOS PÚBLICOS E PADRONIZAÇÃO DE ACORDO COM O TIPO DE VIA

ÁREAS VERDES

ARBORIZAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MOBILIÁRIO URBANO EM TERRENOS BALDIOS

ILUMINAÇÃO

INCENTIVAR FACHADAS ILUMINADAS, ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA PEDESTRES

USO DO SOLO

INCENTIVAR A DIVERSIDADE DO USO DO SOLO ATRAVÉS DE REDUÇÃO FISCAL

O TRANSPORTE INDIVIDUAL É INSUSTENTÁVEL E DEVE SER DESMOTIVADO

PASSEIOS DE BOA QUALIDADE INFLUENCIAM AS PESSOAS A CAMINHAREM MAIS

AS PESSOAS TENDEM A SE APROPRIAR DE ESPAÇOS REVITALIZADOS, SE TORNA UM PONTO NODAL CATALISADOR DA VIDA URBANA

BOA ILUMINAÇÃO GARATEM MELHOR SEGURANÇA

VALORIZA A ÁREA, AUMENTA O FLUXO DE PESSOAS E CONSEQUENTEMENTE A SEGURANÇA


FONTE: GUIA DE DESENHO DE TRÂNSITO DE UMA VIA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FUNCIONÁRIOS DE TRANSPORTE DE CIDADE, NACTO.


26

PRIORIDADES À CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO


27

LIMITE DA ÁREA DE ESTUDO ÁREAS VERDES - LONGO PRAZO ÁREAS VERDES - CURTO PRAZO TRÂNSITO - LONGO PRAZO ILUMINÇÃO - CURTO PRAZO ILUMINAÇÃO - MÉDIO PRAZO CALÇADAS - CURTO PRAZO CALÇADAS - MÉDIO PRAZO USO DO SOLO - MÉDIO PRAZO USO DO SOLO - LONGO PRAZO

0

750

1500m


28

PROPOSTA: TRÂNSITO

O principal objetivo desta proposta é tornar a via arterial, a Av. Fernando Osório, um local mais humano. Onde o ser transporte não motorizado tenha prioridade sobre o transporte motorizado e o transporte coletivo tenha prioridade sobre o transporte individual, conforme a diretriz da Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei n. 12.587/12). Devemos priorizar uma faixa da via em cada sentido dos uxos para um corredor de ônibus, que fará o transporte público mais rápido e mais eciente. Com pavimentação adequada para que os veículos de grande porte precisem de menos manutenção, consigam se deslocar mais rápido e possam se tornar mais baratos para o público. Também seria essencial, guarda corpos para a ciclovia para balizar e dar segurança para os usuários. Além disso, devemos ampliar as travessias acessíveis entre os passeios públicos, principalmente onde temos um grande uxo de pedestres. Outros fatores são importantes para a humanização destes, como a arborização e iluminação adequada. Com estas vegetações, além de projetar sombras nas calçadas, melhoramos a qualidade do ar e reduzimos drasticamente a poluição sonora dessa via de tráfego intenso. Porém é importante a iluminação adequada dessa área, para que não se torne sombria e insegura para os transeuntes. O grupo projetou postes com fontes de luz em duas alturas, uma geral e mais alta para o tráfego de veículos e outra mais baixa para iluminar os passeios públicos de ambos os lados da avenida. Acreditamos que com essas benfeitorias no transporte não motorizado e coletivo possibilitamos alternativas para os cidadãos se deslocarem. Sempre pensando no bem coletivo, social e ambiental.


LOCALIZAÇÃO

AV. FERNANDO OSÓRIO


30

PROPOSTA:

ÁREAS VERDES PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE MOBILIÁRIO URBANO EM ÁREA VERDE, PROMOVE A APROPRIAÇÃO DA POPULAÇÃO DE ÁREAS DE POTENCIAL.

LOCALIZAÇÃO: ESQUINA ENTRE AS RUAS DR. VICENTE RUSSOMANO E DR. RAMIS GALVÃO.


DEMOCRATIZAÇÃO DE TERRENO PRÓXIMO A UMA ESCOLA. LOCALIZAÇÃO: QUARTEIRÃO FORMADO PELAS RUAS BARÃO DE TRAMANDAHY, SÃO JOÃO, SÃO GERALDO E RAUL POMPÉIA.

Escola

ATUALMENTE

PROPOSTA


32

PROPOSTA: ILUMINAÇÃO

ESTA PROPOSTA CONSISTE EM OFERTAR UMA MELHOR ILUMINAÇÃO PUBLICA COM O USO DAS LÂMPADAS DE LED.

AS LÂMPADAS DE LED TÊM FACHOS DE LUZ MAIS FORTES, POTENTES E ABRANGENTES O QUE AUMENTA E POTENCIALIZA A ÁREA ILUMINADA, POSSUEM VIDA ÚTIL MAIOR E CONSOMEM MENOS ENERGIA, TRAZENDO ECONOMIA AOS COFRES PÚBLICOS.

COM A LUZ MAIS FORTES E ILUMINAÇÃO ABRANGENTE É CAPAZ DE INIBIR A AÇÃO DE CRIMINOSOS. COM VIAS MAIS ILUMINADAS, AS PESSOAS OCUPAM OS ESPAÇOS PÚBLICOS, VIVEM A CIDADE E GANHAM EM QUALIDADE DE VIDA.


33


34 Conclusão O primeiro passo para uma situação atual de uma área melhorar é começar a analisar o local, ver suas adversidades e potencialidades e então elaborar propostas de desenho que façam proveito destas condições, também devemos avaliar a implementação se é urgente ou não. Gostaríamos de citar o trabalho em grupo como condição motivadora, evidenciando o tempo como uma diculdade encontrada e agradecer ao demais grupos de estudo que contribuiram com os seus mapas temáticos da etapa de levantamento. Futuramente esperamos contribuir nos espaços públicos dessa região com o desenho urbano.


35

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS: GEHL, J. Cidades para Pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013. LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martin Fontes, 2011 JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000. HUSTWIT, Gary. Documentário “Urbanized”, 2011. LEGISLAÇÃO FEDERAL LEI Nº. 7.405, DE 12 DE NOVEMBRO DE 1985. LEI 9.503 / 97 – Código Brasileiro de Trânsito LEI Nº. 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Cartilha CREA 10/24/06 PM Page 80 DECRETO Nº. 5.296, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. ABNT NBR 9050 / 2004 – Norma de Acessibilidade LEGISLAÇÃO MUNICIPAL PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS/RS, PLANO DE MOBILIDADE URBANA, 2019. PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS/RS, CARTILHA CALÇADA LEGAL, 2019. Lei Nº. 5502 / setembro de 2008 - III Plano Diretor de Pelotas Lei Nº. 5628 / outubro de 2009 - Código de Obras- artigos 84 a 100 Lei Nº. 5639 / dezembro de 2009 - Aparato Publicitário Lei Nº. 5832 / setembro de 2011 - Código de Posturas


ELABORAÇÃO CLEVER LUZ CRISTIANE CUNHA FLÁVIA BARCELLOS JOBIM PORTO E LUCAS BANDEIRA

ORIENTAÇÃO PROFESSORA ARQ. LUANA DETONI

Profile for job.2026

DESENHO URBANO: UM OLHAR PARA O TRÊS VENDAS  

ATIVIDADE ACADÊMICA: CADERNO DE LEVANTAMENTO, ANÁLISE E PROPOSTAS SOBRE ÁREA DE ESTUDOS DESIGNADA TRÊS VENDAS NO MUNICÍPIO DE PELOTAS - RS.

DESENHO URBANO: UM OLHAR PARA O TRÊS VENDAS  

ATIVIDADE ACADÊMICA: CADERNO DE LEVANTAMENTO, ANÁLISE E PROPOSTAS SOBRE ÁREA DE ESTUDOS DESIGNADA TRÊS VENDAS NO MUNICÍPIO DE PELOTAS - RS.

Profile for job.2026
Advertisement