Issuu on Google+

Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA NS Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD 5 - “Redes de informação e comunicação” 2011/2012 OBJETIVOS: - Entende as utilizações das comunicações rádio em diversos contextos. PROPOSTA DE TRABALHO 2

Os formadores: Carlos Carvalho / Margarida Cambóias

Pág | 1

PARTE I


Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA NS Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD 5 - “Redes de informação e comunicação” 2011/2012 QUESTÕES:

PARTE II Televisão digital Televisão consiste, de acordo com a Lei n.º 27/2007, de 30 de julho, na ''transmissão, codificada ou não, de imagens não permanentes, com ou sem som, através de uma rede de comunicações eletrónicas, destinada à receção em simultâneo pelo público em geral''. Ao longo de várias décadas tal transmissão, através do espaço (radiodifusão terrestre e satélite) e, mais recentemente, de redes mistas de fibra ótica e cabo coaxial, assentou em tecnologia analógica.

Os formadores: Carlos Carvalho / Margarida Cambóias

Pág | 2

A inovação e o desenvolvimento vieram porém proporcionar meios mais eficazes para o registo, armazenamento e processamento de sinais elétricos, bem como a possibilidade da sua transmissão sob


Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA NS Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD 5 - “Redes de informação e comunicação” 2011/2012 forma digital em vez de analógica. O conjunto de sons e imagens captados por uma câmara de televisão, incluindo os dados associados, são deste modo convertidos numa sequência de bits, que por sua vez é transmitida aos recetores, os quais, através de uma set top box externa ou já integrando tal funcionalidade, efetuam a conversão desses bits em sons e imagens. Televisão digital é a designação que designa a tecnologia que permite a transmissão digital do sinal de televisão, oferecendo consideravelmente melhor qualidade - dada, entre outras, a maior imunidade a perturbações na imagem - e proporcionando espaço para mais canais de televisão, bem como outras potencialidades. A transmissão digital substitui com vantagem a transmissão analógica, nos vários tipos de suportes, tais como cabo, satélite e radiodifusão terrestre. Neste contexto, e de acordo com o preconizado ao nível comunitário, a radiodifusão analógica terrestre sistema atualmente usado pela maioria dos lares portugueses - deverá cessar até 2012, o que requer que os vários Estados-Membros criem condições para que estejam antecipadamente disponíveis alternativas para o acesso a serviços de televisão pela generalidade das respetivas populações nacionais. A substituição de radiodifusão analógica por um sistema baseado em técnicas digitais apresenta grandes vantagens em termos de eficiência de utilização do espectro e de capacidade de transmissão, a qual pode ser canalizada para a disponibilização de outro tipo de serviços de comunicações eletrónicas ou para incremento da própria oferta de televisão (ao nível do número de programas), reforço da qualidade da mesma (por exemplo, televisão de alta definição) e introdução de novas funcionalidades, nomeadamente no âmbito da mobilidade e da interatividade. A televisão torna-se, assim, uma porta aberta para a multiplicação de ofertas, muito para além dos serviços convencionais, respondendo, por esta via, ao desenvolvimento da sociedade da informação e possibilitando uma maior escolha para o consumidor e fomentando a concorrência. Entendida a televisão digital e a sua implementação em Portugal como uma matéria de natureza transversal, com impacto em diversos domínios e de particular complexidade, foi constituída, no seio da ANACOM, em junho de 2004, uma Unidade de Missão para a Televisão Digital (UM-TD). Esta Unidade tem como objetivo criar condições tendentes à eliminação de eventuais obstáculos ao efetivo desenvolvimento e massificação da televisão digital em Portugal - e consequente migração/ desativação dos atuais sistemas analógicos - de uma forma sustentada e equilibrada, minimizando possíveis assimetrias e maximizando os benefícios de todos os agentes económicos, consumidores em particular, assentando numa oferta diversificada (ao nível de serviços, plataformas tecnológicas de acesso e equipamentos), de qualidade, comportável e acessível à generalidade da população. http://www.anacom.pt/

Os formadores: Carlos Carvalho / Margarida Cambóias

Pág | 3

Com base no texto e de pesquisa na página da ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações (http://www.anacom.pt/), ou outras páginas WEB, responda às seguintes questões:


Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA NS Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD 5 - “Redes de informação e comunicação” 2011/2012

1. Explicite a noção de televisão digital. A televisão digital usa um modo de modulação e compreensão digital, para enviar vídeo, áudio e sinais de dados aos aparelhos compatíveis com a tecnologia, proporcionando assim transmissão e receção de maior quantidade de conteúdo por uma mesa frequência podendo obter imagens de alta qualidade.

2. Explique o que é a TDT e como funciona. TDT – Televisão Digital Terrestre – é uma nova tecnologia de teledifusão terrestre em sinal digital, que também funciona através de antenas e que irá substituir a atual teledifusão analógica terrestre. Os sons e imagens dos diferentes canais televisivos são digitalizados, codificados e difundidos através do ar pelos centros emissores, este sinal é posteriormente recebido, por intermédio das antenas individuais ou coletivas dos edifícios, e convertido novamente no som e imagem de cada canal televisivo pelos descodificadores TDT, instalados nas casas.

3. Esclareça os motivos da inserção, em Portugal, da televisão digital. Um dos motivos para a inserção da Televisão Digital Terrestre em Portugal, é que esta permite uma utilização mais eficiente do especto radioeléctrico.

4. Suponha que tem como função informar a população sobre a Televisão Digital Terrestre. Para tal, elabore um folheto no Publisher, esclarecendo as características que considera mais importantes (ex.: a quem se destina, encargos, subsídio de aquisição de equipamentos, etc.)

PARTE I 1. As formas que comunicação rádio que utilizo diariamente são o próprio radio, o telefone e a televisão. 2. Ondas eletromagnéticas são ondas que se formam a partir da combinação dos campos magnético e elétrico que se propagam no espaço transportando energia.

3. As ondas rádio utilizam-se não só na radiofusão mas também em telegrafia sem fios, telefones,

Os formadores: Carlos Carvalho / Margarida Cambóias

Pág | 4

televisão, radar, sistemas de navegação e comunicação espacial.


Escola Secundária D. Inês de Castro – Alcobaça Curso de Educação e Formação de Adultos – EFA NS Sociedade, Tecnologia e Ciência UFCD 5 - “Redes de informação e comunicação” 2011/2012 4. As características físicas do ar originam pequenas variações do movimento ondulatório na atmosfera, que provocam erros nas comunicações, como por exemplo o radar e não só, as tempestades e as perturbações elétricas provocam fenómenos anormais na propagação das ondas de rádio.

5. Nos sistemas normais de radiocomunicação existem dois componentes básicos: o transmissor e o recetor.

Os formadores: Carlos Carvalho / Margarida Cambóias

Pág | 5

6. Comunicações transmitidas em FM e AM podem ser: a televisão, o micro-ondas, rádio e raio-X.


Proposta de trabalho nº2 Joao Santos