Page 1


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 3


SUMÁRIO

EXPEDIENTE

REVISTA GENTE CIENTE A SERVIÇO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

FUNDADOR: José Luiz Gennari (Zelão) em memória DIREÇÃO: Maria Inês Gennari Guimarães DIREÇÃO COMERCIAL: José Roberto Guimarães EDIÇÃO: João Carlos Lage (MTb 47.175/SP) GENTE CIENTE COMUNICAÇÃO E EVENTOS LTDA. R. Dona Luísa de Gusmão, 555 Sala 5 Lagoa Office - Taquaral Campinas - SP Cep: 13.088-028

FALE CONOSCO:

(19) 3756-1110

CEL: (19) 99136-0622 (dep.comercial.) CEL: (19) 99945-5018 (jornalismo)

genteciente@gmail.com @ icmsforadoestado@hotmail.com

www.genteciente.com.br

5 PcD´s poderão registrar a sua condição na Cédula de Identidade. 15 Com 95cm de altura, moradora de Jundiaí compra e dirige seu 1º carro adaptado. 16 BPC não vai sofrer alterações com a Reforma da Previdência.

Divulgação/CPB

BRASIL VAI ENVIAR TRÊS ATLETAS AOS JOGOS PARALÍMPICOS DE INVERNO

30

ASSINE O GENTE CIENTE 12 MESES = R$ 100,00

P A R C E I R O S

n Beni Car (Honda) n Nippokar (Toyota) n Valec (Renault) n Auto Escola Shalon n UNIMED CAMPINAS n GM (Concessionárias - Interior) n Fiat Tempo n Ford Tempo n Volks Tempo n Grupo Andreta n Dra. Rosemary Antoniolli

n Vancar adaptações n Europa Motors Jeep n Europa Motors Mercedes n Adara GM n Land Rover n Germânica + Nipônica n Carlos Cunha n Jeep Dahruj n Nissan n Forwash n Abrinq

IMAGENS DO MÊS

Fotos: Gente Ciente

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM PARCEIRO DO GENTE CIENTE

ÁREAS DE ATUAÇÃO DO GENTE CIENTE RMC - Região Metropolitana de Campinas 20 CIDADES

Outras áreas

São João da Boa Vista + distribuição São José do Rio Pardo via Correios para assinantes n Rio Claro de todo o Brasil n Limeira

n Araras

n

Mogi Mirim n Mogi Guaçu n Piracicaba

n

n

WWW.FACEBOOK.COM/GENTECIENTE FEVEREIRO - 2018

CARNAVAL INCLUSIVO A cidade de Campinas realizou mais uma edição do Carnaval Inclusivo, promovido pela LIA (Lazer, Inclusão e Acessibilidade). O encontro aconteceu na Pedreira do Chapadão e reuniu dezenas de crianças, jovens e adultos especiais, além de pais, amigos, pro-

fessores e ativistas que lutam também pelo lazer da pessoa com deficiência na cidade. Na mesma oportunidade os foliões puderam conhecer o play-ground inclusivo instalado no local, fruto da luta de mães e ativistas que trabalham por mais lazer e inclusão.

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

03


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 7

Transcritor e revisor de braile serão profissões regulamentadas

P

rofissionais que elaboram textos ou revisam materiais em braile poderão ter suas profissões regulamentadas em breve. Projeto de Lei do Senado (PLS) 50/2017, em análise na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), define que a produção de textos para fins culturais, educacionais e comerciais deverá ter a participação obrigatória do transcritor e revisor de textos em braile. O texto também estabelece a formação obrigatória para a profissão: ter completado ao menos o ensino médio e possuir certificado de habilitação expedido por órgãos oficiais ou reconhecidos pelo Ministério da Educação; ou ter exercido a profissão de transcritor ou revisor por, pelo menos, três anos antes da promulgação da lei, desde

04

que aprovado em prova oficial de certificação. O autor do projeto, senador Paulo Paim (PT-RS), conta que, ao elaborar o Estatuto da Pessoa com Deficiência e trabalhar com profissionais em braile, viu a qualidade e a habilidade desses profissionais. Isso o motivou a elaborar o projeto para valorizar a profissão, que ainda não possui regulamentação. “A questão de revisor de toda produção em braile merece uma atenção especial e merece um estudo especial. Então esses profissionais se prepararam ao longo de suas vidas para atender às pessoas que são deficientes visuais e eles têm feito um trabalho magnífico. Por isso que achei mais do que justo entrar com um projeto para garantir de forma ofi-

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

cial que a profissão deles fosse valorizada com a regulamentação”, afirmou. CARGA HORÁRIA O projeto ainda determina que a carga horária diária do transcritor e do revisor de textos em braile seja de seis horas diárias e de 30 horas semanais, com intervalo de repouso de 10 minutos a cada 2 horas de trabalho. E cita que o empregador deve garantir a estrutura necessária para os profissionais, como acesso à internet, às normas técnicas e a dicionários e outras obras necessárias. A proposta está sob relatoria do senador Airton Sandoval (PMDB-SP), que emitiu parecer favorável, e será analisado em decisão terminativa pela CAS. “A qualidade do ensino e dos

Re

pr

od uç trabalhos em ão braille são fundamentais para a formação dos leitores com deficiência visual. É preciso motivar, principalmente as crianças, nessas condições, para que desenvolvam o interesse e o gosto pelos textos em braille, sem os quais a formação e a emancipação delas se dará de forma parcial. Vivemos um momento em que o avanço das novas tecnologias precisa ser explorado para a difusão desse sistema de leitura, evitando que as facilidades das difusões meramente sonoras substituam os conteúdos mais elaborados em braille”, disse o senador. (Fonte: Agência Senado)


BPC não sofrerá alterações com a Reforma da Previdência

Q

uem imaginava que as regras para ter acesso ao Benefício da Prestação Continuada (BPC) iriam ser modificadas, percebeu que o item não será inserido na reforma da Previdência. Por ser um tema polêmico, o governo Federal resolveu manter como está a legislação sobre o benefício, mesmo com as mudanças apresentadas no dia 7 de fevereiro. O BPC está previsto da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) e garante um salário mínimo mensal às pessoas com deficiência e aos idosos com idade a partir de 65 anos que não têm como se manter com os próprios recursos ou com ajuda da família. Segundo o especialista em finanças Marcos Melo, o resultado era esperado, já que não existia acordo para a inserção do BPC no texto da reforma. “De fato, não havia um consenso. Seria uma ideia difícil de ser votada, de ser alterada mesmo que não tivesse essa urgência de fazer algum ajuste na Previdência.”

Reprodução

Para ter acesso ao Benefício da Prestação Continuada, é necessário que a renda por pessoa do grupo familiar seja inferior a 1/4 do salário-mínimo, que atualmente equivale a R$ 234,25. O direito ao BPC não é vinculado à necessidade de ter contribuído ao INSS. A pessoa que o recebe não tem direito ao 13º salário e nem à pensão

por morte. É importante lembrar que o BPC não pode ser acumulado com outro benefício relacionado à Seguridade Social, como aposentadorias e pensões. A exceção é válida para benefícios de assistência médica, pensões especiais indenizatórias, além de remuneração proveniente de contrato de aprendizagem. MUDANÇAS No começo de fevereiro foi apresentada uma nova versão do texto da reforma. Entre as mudanças, está a inclusão de pensão integral para viúvos e viúvas de policiais mortos em combates. As regras para aposentadorias rurais e o BPC continuam as mesmas e não serão contempladas na reforma. Além, disso, o novo texto manteve a diminuição do tempo de contribuição de 25 para 15 anos para trabalhadores da iniciativa privada que desejam se aposentar com valor parcial. (Fonte: Jornal Dia a Dia)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

05


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 11

Deputada vai criar políticas Atendimento de autistas em de apoio às vítimas de AVC escolas é debatido em SP A Assembleia Legislativa de São Paulo discute proposta para criar uma política de apoio às vítimas de acidente vascular cerebral (AVC). O objetivo é promover campanhas educativas e elaborar cartilhas e material informativo com os sintomas, as formas de prevenção e tratamento destinados às vítimas e à população em geral. Para a deputada Celia Leão (PSDB), autora da medida, a criação de campanhas ajuda a conscientizar a população. “O AVC é a principal causa de morte em adultos no Brasil. Além disso, pessoas que sofreram com esse acidente muitas vezes são discriminadas, pois, na visão da sociedade, tornam-se improdutivas. É necessário reabilitálas e oferecer novas oportunidades, mesmo àquelas que possuem alguma limitação.”

06

Reprodução/Alesp

De acordo com os médicos, são três os principais fatores de risco: hipertensão, tabagismo e alcoolismo, sendo a hipertensão o principal agente. A gravidade do caso depende do local atingido e da extensão da lesão. Eles afirmam ainda que geralmente os hemorrágicos são mais graves, pois comprometem mais áreas. O projeto já obteve parecer favorável das comissões de Constituição, Justiça e Redação e de Saúde e aguarda votação em Plenário. (Fonte: Alesp)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

A continuidade dos serviços prestados aos estudantes com autismo pelas escolas especializadas foi tema de audiência pública na no mês de fevereiro, na Assembleia Legislativa de São Paulo. Pais de alunos, parlamentares, promotores, defensores, representantes de associações ligadas ao autismo e da Secretaria de Educação do Estado se reuniram na Assembleia Legislativa e discutiram as novas exigências da Pasta colocadas em edital publicado no início do ano. Com as mudanças, algumas escolas fecharam e alunos com autismo ficaram sem atendimento. O Estado de São Paulo possui 25 escolas especializadas em Transtorno do Espectro Autista (TEA). Segundo o porta-voz de 21 delas, Wilsinho Dias, algumas dessas instituições estão fechadas pelo vencimento do edital em dezembro. "Prometeram um novo texto

com melhorias. Depois de cinco anos congelado, seria revisto o valor pago pelo transporte", disse. A Secretaria do Estado da Educação informou que montou um grupo para dialogar com as escolas e resolver o impasse. "Os contratos destinados às escolas privadas seguem parâmetros que são observados por órgãos reguladores dos serviços contratados e prestados, como o Tribunal de Contas do Estado, por exemplo", diz o porta-voz da secretaria, Eduardo Mosna. O último edital foi publicado em 24 de janeiro de 2018, "o que já é um prejuízo para as escolas com o contrato vencido em dezembro", informou Wilsinho. Ele explicou que o texto não prevê o ajuste do transporte e estabelece atividades que estão fora da alçada do contrato social das escolas, como a alimentação. (Fonte: Alesp)


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

07


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 15

I

Alunos do Sesi de Corumbá criam nova bengala eletrônica

nventores do “Olho de Agamotto”, uma bengala eletrônica desenvolvida para guiar deficientes visuais por meio de sensores e georreferenciadores, os alunos da Escola do Sesi de Corumbá preparam-se para apresentar o projeto na 16ª edição da Febrace (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia), promovida desde 2003 pela USP (Universidade de São Paulo). Neste ano, o evento será realizado no campus da universidade, em São Paulo (SP), de 12 a 16 de março, quando serão anunciados os vencedores. Desde novembro do ano passado, às vésperas do encerramento do ano letivo, a equipe da escola que participará da feira cumpre um cronograma de estudos e reuniões para aprimorar o sistema, que foi construído com base em conceitos

08

de robótica, uma das disciplinas da grade regular das escolas do Sesi. “Além de pesquisas, consultorias com colaboradores e estudos teóricos, os alunos têm se encontrado com deficientes visuais, de forma a ajustar o protótipo às necessidades do público alvo da melhor forma possível”, explicou o coordenador da Escola do Sesi de Corumbá, Marcel Giordano Jeffery. De cara, os alunos entenderam por bem substituir a tecnologia Lego “EV3”, usada inicialmente no desenvolvimento do “Olho de Agamotto”, pelo dispositivo Arduino, um microcontrolador que proporciona ao sensor movimentos mais precisos e controláveis. “Estamos trabalhando para enriquecer o projeto tanto na programação quanto na estética. Esse é um projeto que está em constante

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

Reprodução

desenvolvimento porque se trata de uma tecnologia assistiva, que é qualquer forma de auxiliar pessoas com deficiência, e, por isso, precisa sempre ser aperfeiçoado. E estamos nos reunindo pelo menos duas vezes por semana para estudar e procurar formas de evoluir mais ainda o projeto”, afirmou a estudante Kiany Climaco Guerrero, que está na 2ª série do Ensino Médio. Com os testes a todo vapor, os alunos esperam tornar o “Olho de Agamotto” comerciali-

zável o mais breve possível, concluindo a premissa de colocar em prática o papel social e responsabilidade com o meio que os cerca ensinados nas aulas de robótica. “Ao optarmos por seguir usando o Arduino, adotamos uma tecnologia mais eficiente e com custos reduzidos, que fez o projeto evoluir muito no sentido de torna-lo mais acessível para um deficiente visual. Esperamos terminá-lo o mais breve possível para que ele possa ser utilizado pelas pessoas que precisam, porque além de ajudar muito, dará oportunidade para que elas vivam melhor em sociedade e de forma independente”, projetou o estudante Paulo Henrique Almeida da Silva, aluno da 1ª série do Ensino Médio. (Fonte: Diário Digital)


Instrumentos cirúrgicos podem espalhar a proteína do Alzheimer

U

m grupo de cientistas descobriu uma nova prova de que a proteína beta-amiloide, implicada no desenvolvimento da doença de Alzheimer, poderia ser transmitida a pacientes saudáveis através de materiais cirúrgicos, assegura um novo estudo publicado em fevereiro na revista Acta Neuropathologica. O médico Sebastian Brandner e a sua equipe investigaram os casos de oito pessoas com menos de 60 anos que desenvolveram hemorragias cerebrais associadas a uma angiopatia amiloide causada por esta mesma proteína. Ao rever os registros médicos, os cientistas descobriram que todos tinham sido submetidos a cirurgias cerebrais durante a sua adolescência ou infância por distintas razões.

Devido à curta idade dos pacientes e à falta de antecedentes familiares, os especialistas descartaram a possibilidade de que os depósitos da proteína se tivessem criado de forma natural e assinalaram que a razão mais provável é que a beta-amiloide tenha entrado no organismo através de instrumentos utilizados previamente para cirurgias em pessoas com a doença de Alzheimer. Esta hipótese baseou-se num caso de 1999 no qual dezenas de pacientes do Reino Unido foram infectados de forma semelhante com a doença Creutzfeldt-Jakob, um problema neurológico conhecido como a “doença da vaca louca”. Brandner sublinhou que a descoberta não significa que o Alzheimer se possa transmitir

Reprodução

da mesma forma, já que o cérebro dos pacientes com hemorragia cerebral não tinha outros defeitos que permitissem diagnosticar a doença. Por outro lado, é necessário muito tempo

para que a beta-amiloide se acumule no nosso corpo. No entanto, ele alertou por tratar-se de uma nova prova do potencial de transmissão da beta-amiloide. No ano passado, os cientistas conseguiram comprovar que a molécula se pode transmitir através de transfusões de sangue e sugeriram que a beta-amiloide poderia tratar-se de uma proteína patogénica com uma estrutura alterada. Por fim, a investigação propõe melhorar os procedimentos de esterilização depois de uma cirurgia cerebral em adultos ou a introdução de instrumentos de uso único. Os estudos em animais demonstraram que as proteínas amiloide resistem à ebulição e à exposição ao formaldeído. (fonte: ZAP/Portugal)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

09


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 19

10

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

11


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 23

Vaquinha online ajuda baterista amputado a conseguir próteses

J

ésus Alecrim, de 31 anos, leva a bateria sem ajuda para ensaios e shows. Monta e desmonta o instrumento. Afina, passa o som. Segue a rotina de um músico sem dificuldades, mas difere de outros bateristas por não ter as mãos e parte das duas pernas. Com menos de dois meses de vida, ele teve os membros amputados após ter uma infecção. Foi também em menos de dois meses que, por meio de uma campanha na internet, conseguiu reunir mais de R$ 70 mil para fazer a troca das próteses que usa nas pernas desde os 15 anos. A vaquinha virtual teve início em outubro, foi encerrada em dezembro e, desde o último final de semana, ele está usando as novas próteses. Profissional da área administrativa e baterista, Jésus Marcos Pinto de Alecrim nasceu em 20 de dezembro de 1986 sem complicações. Quatro dias depois do nascimento, manchas em seu corpo preocuparam a sua família, mas nada foi diagnosticado em sua cidade, Cape-

12

Reprodução

linha (MG). Ele foi levado para Belo Horizonte, onde médicos constataram que ele estava com infecção generalizada. "Não tinha dois meses de idade quando houve a necessidade de amputação das duas mãos e das duas pernas abaixo do joelho." Mesmo assim, Alecrim conta que cresceu recebendo o mesmo tratamento dos outros quatro irmãos. "Minha infância foi tranquila. Meus pais me deixavam à vontade e não me limi-

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

tavam." Na adolescência, dois de seus irmãos montaram uma banda chamada Perímetro Urbano para tocar pop rock nacional e internacional. Só que o grupo não tinha um baterista. "Comecei a ter curiosidade sobre o instrumento. Meus irmãos são autodidatas e não tinha tanta coisa na internet na época. Comecei ouvindo fita cassete e tentando acompanhar. Foi um processo longo para eu aprender a tocar, porque sempre tentei chegar ao melhor possível, querendo tocar como profissional. Eu mesmo criei as baquetas adaptadas", relembra. Couro, tubo de linha de costura, arruelas de aço estão entre os materiais que usou para criar o suporte que encaixa nos antebraços para colocar as baquetas. Ele passou menos de um ano no projeto com os irmãos, porém, não deixou de tocar agora, é baterista de uma banda chamada Seu Aurélio. "A gente toca pop rock. Gosto de Pink Floyd, Dire Straits, Jota Quest, U2, Biquini Cavadão, Charlie Brown Jr, Guilherme Arantes. Gosto de músicas boas." O músico conta que, por causa de sua independência, algumas pessoas não notam a falta dos membros. "Quando vou tocar, as pessoas nem sabem. Já aconteceu de eu passar o som e as pessoas verem depois que sou deficiente. Algumas nem acreditam que era eu que

estava tocando." Campanha As próteses que ele usava nas pernas foram obtidas com ajuda da família. "Até os 15 anos, andava de joelhos com o sapato virado para trás. Mas sempre tentei viver da melhor forma. Se a pessoa reclama demais, cria mais problemas." Embora evite se preocupar com as dificuldades, Alecrim percebeu que as próteses precisavam ser trocadas e se deparou com a situação de não ter condições de comprar novas. Foi quando uma rede de ajuda teve início. "Uma empresa chamada Estrela Filmes me presenteou com um documentário contando a minha história para eu tentar arrecadar fundos. Eu encaminhei para a Batera Clube (loja especializada no instrumento) para compartilhar." Um vídeo foi publicado na página do Facebook da loja no começo de novembro e teve quase 5 mil compartilhamentos. A mobilização no site Vakinha teve início em 23 de outubro com a meta de alcançar R$ 50 mil em doações e, no dia 7 de dezembro, Alecrim encerrou a campanha - ela estava prevista para acabar em 31 de janeiro. Ele arrecadou R$ 73.407,90. "Encerrei, porque já alcancei a meta. Vou usar o dinheiro para a manutenção da prótese, porque ela é muito cara e tem partes que precisam ser trocadas. Também para o tratamento, fisioterapia." Casado há dois anos e pai de um menino de 4 meses chamado Emanuel, Alecrim diz que o processo com a nova prótese foi em etapas. Primeiro, ele usou um modelo provisório e, depois, as definitivas. "Estou me adaptando, mas elas são muito diferentes, bem melhores. Mudou tudo, desde o pé até o encaixe. Estou fazendo fisioterapia para fortalecer as pernas. Foi uma mudança geral de vida. Pelas próteses e pela oportunidade de conhecer várias pessoas." (Fonte: Estadão Saúde)


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

13


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 27

Concurso: deficiência deve TRT-15 reduz jornada para ser provada só na posse pai cuidar de filho deficiente A exigência de compatibilidade entre a deficiência e as atribuições do cargo pretendido serve apenas como requisito de posse, não como pressuposto para caracterizar a deficiência. Assim, um candidato não pode ser excluído de um concurso antes de sua eventual admissão. A decisão é da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. O autor do recurso ao STJ foi excluído da lista de aprovados portadores de deficiência por força de laudo médico que registrou que ele não se enquadra como deficiente físico. O laudo diz que a sequela que possui não produz dificuldades para o desempenho de suas funções. Por unanimidade, o colegiado afastou o entendimento do laudo. Esclareceu que o tribunal de origem, que rejeitou os pedidos do autor, errou ao esta-

14

Reprodução

belecer condição não prevista na lei para dizer que a deficiência deve dificultar as funções do cargo. “Não obstante as conclusões de equipes multiprofissionais de concursos diversos não vinculem a administração, não se mostra razoável que o candidato seja considerado deficiente físico em vários concursos no país e não seja assim tido em um único certame”, afirmou o ministro Gurgel de Faria, relator. O candidato foi representado pelo advogado Rudi Meira Cassel, do Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados. “A desqualificação do impetrante como deficiente pela equipe multiprofissional constitui violação direta ao Decreto 3.298/99, pois se encontra contrária à lei e à jurisprudência pacífica dos tribunais”, disse. (Fonte: Conjur)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

A 11ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, com sede em Campinas (SP), determinou que um funcionário do Detran-SP tenha a jornada de trabalho reduzida em 50%, sem prejuízo salarial, para que ele cuide do filho com paralisia cerebral. O órgão ainda pode recorrer. O caso não tem precedentes no estado de São Paulo, informou a advogada Edemara Landim do Nascimento. Para conseguir vitória no processo, decisões de municípios pelo Brasil e decisões da União foram usadas para fundamentar o pedido à Justiça. "Não é comum. Nós já temos leis que regulamentam isso em âmbito nacional e em âmbito municipal, em algumas cidades. Em Caçapava temos leis que regulamentam isso, mas no estado não existe. Foi uma vitória e é inédito. Porque todas as

pessoas que têm filhos deficientes podem se beneficiar", afirma. O processo teve início em 2016 e a decisão em segunda instância, consolidada na publicação do acórdão em 26 de janeiro, foi um alívio para Marcio Fimiani Melli, de 43 anos. Concursado, ele trabalha como agente estadual de trânsito no Detran de Caçapava (SP) desde 2014 e tem a guarda do filho, Felipe, desde os 4 anos de idade. Atualmente, o jovem tem 21 anos e é dependente do pai. (Fonte: G1) Reprodução


PcD´s poderão registrar sua condição na cédula de identidade

A

Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou, no mês de fevereiro, o projeto de lei (PLS 346/2017) do senador Hélio José (Pros-DF), que permite às pessoas com deficiência o registro de sua condição na cédula e no documento nacional de identidade (DNI). Só quem realmente estiver interessado poderá inserir na carteira de identidade a informação “pessoa com deficiência”. O projeto também abre a possibilidade de se especificar o tipo de deficiência, sempre a critério do cidadão. A especificação deverá seguir o parâmetro de avaliação biopsicossocial estabelecido pelo Estatuto da Pessoa com Deficiência/Lei Brasileira de Inclusão – LBI (Lei nº 13.146/2015). O projeto estabelece ainda que a menção à deficiência na cédula de identidade terá fé pública. Mas resguarda a possibilidade de avaliação do cida-

Reprodução

dão para fins de obtenção de benefícios. As medidas contidas no projeto levarão 90 dias para entrar em vigor após sua transformação em lei. Ao justificar a proposta, Hélio José observou que a inserção desse registro na carteira de identidade (e futuramente no

DNI, criado pela Lei nº 13.444/2017) servirá como prova da condição da pessoa com deficiência perante entidades públicas e privadas. A intenção é evitar, conforme salientou, “a imposição de exigências extras e arbitrárias que dificultem à pessoa com deficiência o exercício

de seus direitos”. O relator, senador Romário (Pode-RJ), considerou a iniciativa meritória e sugeriu modificações na redação, para listar os tipos de deficiência a serem especificados no documento de identificação: física, auditiva, visual, mental ou intelectual. “É chegada a hora de estender à pessoa com deficiência o desembaraço de que gozam as pessoas ditas ‘normais’ na consecução de suas metas e na obtenção de seus direitos no dia a dia. A pronta comprovação da deficiência, em documento tão simples e de ágil apresentação como o são a cédula de identidade e o DNI, abrirá inúmeras portas às pessoas com deficiência, sedentas que estão de inclusão plena”, ressaltou o relator no parecer. O PLS 346/2017 agora segue para votação final na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). (Agência Câmara)

Vacina a partir de células-tronco barra expansão do câncer

U

ma vacina feita com células-tronco derivadas do próprio paciente pode se tornar mais uma poderosa arma dos médicos na luta contra o câncer. Experimento realizado por cientistas da Alemanha, Coreia do Sul e Holanda na Universidade de Stanford, nos EUA, com camundongos revelou que a técnica conseguiu barrar ou frear o desenvolvimento de tumores de mama, pulmão e pele nos animais, numa chamada “prova de conceito”, que mostrou seu potencial para o tratamento e o controle da doença no futuro. Células-tronco são capazes de se transformar em células de qualquer tecido do corpo e, para isso, se reproduzem muito rápido. Essa característica é compartilhada pelas células cancerosas, cuja reprodução des-

controlada forma os tumores sólidos. Assim, umas e outras também apresentam em sua superfície estruturas moleculares semelhantes, que podem provocar uma reação do sistema imunológico, conhecidas como “antígenos”. E foi justamente esse atributo que os cientistas liderados por Joseph C. Wu exploraram na vacina para “ensinar” o sistema imunológico a atacar as células cancerosas. Para tanto, eles primeiro coletaram células adultas, isto é, já diferenciadas, dos animais e as “forçaram” a regredir ao estágio de célulastronco similar ao de embriões, chamadas “células-tronco de pluripotência induzida” (iPSC, na sigla em inglês). Depois, os pesquisadores “desativaram” essas células com radiação,

Reprodução

impedindo que começassem a se reproduzir e se tornassem elas próprias um “câncer”, para, por fim, injetá-las nos animais. Ao todo, 75 camundongos receberam versões da vacina com as células-tronco de pluripotência induzida no experimento. Após quatro semanas, 70% deles exterminaram células tumorais de câncer de mama introduzidas em seus organismos, enquanto os 30% restantes desenvolveram tumores significativamente menores que os observados nos animais do grupo de controle, que não receberam a vacina. Posteriormente, os cientistas validaram o mesmo processo em novos experimentos com células de câncer de pulmão e pele. Segundo os pesquisadores,

o uso das células-tronco permitiu superar um dos principais obstáculos das imunoterapias contra o câncer: o número limitado de antígenos que pode ser “apresentado” ao sistema imunológico ao mesmo tempo de modo que ele reaja e passe a atacar as células tumorais. Nos experimentos, também testaram o uso conjugado na vacina de parte do DNA de bactérias conhecida como CpG, já declarada segura para uso humano em ensaios clínicos anteriores, para reforçar a reação do sistema imunológico na luta contra o câncer. (Fonte: O Tempo)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

15


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 31

Fotos: Gente Ciente

M

aria Colonheze de Macias, moradora de Jundiaí, aos 65 anos de idade conseguiu realizar seu grande sonho: comprar e dirigir o seu próprio automóvel. Com apenas 95 centímetros de altura, o sonho, que parecia uma coisa muito distante, tornou-se realidade graças ao esforço para superar todas as dificuldades e preconceitos pela qual ela passou durante a vida. E as dificuldades não foram poucas. Chegou até mesmo a morar na rua com o marido na década de 1990. “Sempre me disseram para esquecer essa bobagem de dirigir carro, pelo fato de ser anã e pobre”, lembra Maria Colonheze. Todavia, superados os obstáculos, após tirar a sua Carteira de Motorista Especial, o sonho de exercer o direito de ir e vir, com independência, tornou-se realidade no dia 2 de fevereiro, quando ela compareceu na Concessionária Chevrolet Luchini e saiu guiando o seu Spin, totalmente adaptado às suas limitações físicas. “Sempre tive este objetivo em minha vida. Muita gente dizia que eu não podia tirar CNH e muito menos dirigir, por ser anã, mas eu não quis nem saber disso. Acreditei sempre em Deus e em mim. O carro foi amor à primeira vista e agora eu quero é cair na estrada”, comemora a nova motorista especial. “Fiquei cinco meses fazendo o curso na auto-escola e passei 100%. Sempre em minhas orações eu dizia ‘o Senhor me dirige que eu dirijo o carro, nunca tive medo de nada”, frisou Maria Colonheze, casada há 28 anos com um homem de 1,75m de altura. Hoje ela trabalha fazendo pontas em programas humorísticos na TV.

A FORÇA DA SUPERAÇÃO ISENÇÃO DE IMPOSTOS Maria Colonheze fez uso do direito de adquirir o carro com isenção total de impostos, conforme determina a Lei. A compra do Chevrolet Spin saiu sem a cobrança do ICMS e IPI. A lei concede ainda o direito à isenção do IPVA, pelo fato do veículo ter o valor final de no máximo R$ 70 mil. Neste caso, com os benefícios, o valor final ficou em R$ 49.700,00, de acordo com gerente de vendas especiais da Luchini, Alexandre Dias. “O comércio de automóveis para pessoas com deficiência vem crescendo bastante nos últimos anos, graças às isenções de impostos. Em nossa loja, por exemplo, temos uma média de venda de 80 veículos por mês e com tendência de aumento este ano. Estamos totalmente preparados para este

Equipe da concessionária GM, da auto-escola e empresa de adptação celebram com a nova motorista

16

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

crescimento”, lembrou Dias. ADAPTAÇÃO O carro adquirido passou por total adaptação para ser conduzido por Maria Colonheze. A empresa responsável pelo trabalho foi a EF Adaptações que utiliza equipamentos da Adapta Auto, com sede em São Paulo. De acordo com Evandro Fernandes, diretor da empresa, foram adaptados o assoalho, o levantamento dos pedais e a colocação de almofadas especiais para uma condução segura do veículo. AUTO-ESCOLA Para tirar a CNH Especial, Maria Colonheze passou por treinamento na Auto-Escola CFC Pioneira, também de Jundiaí. De acordo com o instrutor Célio Okumura Fernandes,

Adptação especial para nanismo

foram necessárias adaptações exclusivas para o aprendizado da aluna. “Tudo para realizar o sonho da nossa motorista mais que especial”. A Concessionária Chevrolet Luchini fica na Rua Barão de Teffé, 700 – Bairro Anhangabaú – Jundiaí – SP. O telefone para contato é (11) 4836-9535.

Maria Colonheze e seu novo “carrão”


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

17


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 29

Garoto com malformação facial rara vira YOUTUBER de games

‘S

uperação” foi uma palavra que Iarley Bermudes, de 11 anos, precisou aprender cedo. Ele nasceu com uma malformação chamada lábio leporino, que atinge um em cada 650 bebês no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Mas, no caso de Iarley, a malformação é mais rara porque atingiu também as duas pálpebras. Na primeira cirurgia foram 189 pontos no rosto e, ao todo já são mais de dez intervenções entre correções e reconstruções plásticas. O acompanhamento médico é feito no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP (Centrinho), em Bauru (SP), com o apoio do Sistema Único de Saúde. Mas tudo isso não o impediu de seguir seu sonho. Apaixonado por games desde pequeno, Iarley, que nasceu em Vitória (ES), viu no hobby uma oportunidade para se destacar. Juntou o seu amor por videogames e seu jeito extrovertido e criou um canal no YouTube onde dá dicas e ensina outros jogadores alguns truques de seus jogos favoritos de Xbox (console da Microsoft). A mãe de Iarley, Christiany Bermudes, conta que o filho sempre gostou de falar em público. “Ele adora uma câmera, um microfone. Sempre gostou de fazer discursos. E a aparência nunca o incomodou em, absolutamente, nada”, afirma. O garoto conta que já rece-

18

Fotos: Reprodução

beu comentários nas suas redes sociais sobre sua malformação, mas que isso não lhe incomoda. RECONHECIMENTO O apoio dos “amigões”, como gosta de chamar seus inscritos, levou Iarley a lugares que ele jamais poderia imaginar. “Um dia eu recebi uma ligação. Era do pessoal da Microsoft Brasil e eles estavam convidando meu filho para participar de um dos maiores eventos de games da América Latina, o Brasil Games Show (BGS)”, conta Christiany. O garoto conta que ir até São Paulo e participar do evento era realizar um sonho. “Foi surreal! Fui convidado para entregar o troféu para o Phil Spencer, que é o chefe da empresa do Xbox”,

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

relata. Além disso, Iarley participou como repórter do programa da BGS. “Nem eu sabia que ele falava tão bem!”, diz a mãe. Iarley também dividiu o palco com Renato Voltarelli, diretor da Xbox Brasil. Os dois jogaram uma partida no console e Voltarelli nomeou o garoto como “parte da família Xbox”. O garoto já está confirmado para o próximo Brasil Games Show e admite estar muito ansioso. “Espero muito ver meus amigões de novo e poder participar do evento”, conta. ROTINA DE VIAGENS O acompanhamento do caso de Iarley é feito

no Centrinho de Bauru, portanto, uma vez a cada três meses, ele e a mãe viajam de Vitória até o interior paulista. Apesar de o tratamento receber o apoio do SUS, as viagens são bancadas pela própria Christiany. No entanto, a família é apaixonada pela cidade e tanto Iarley como a mãe afirmam que não pensariam duas vezes caso pudessem se mudar. “Eu amo muito aí [Bauru]. Já fui no aniversário da cidade e subi no palco... Se eu pudesse, me mudaria amanhã já”, conta o garoto. Para Christiany, além de cortar custos, a vantagem é ter o filho mais perto dos médicos. “É difícil porque se ele tem uma gripe, por exemplo, os médicos de Vitória não sabem o que fazer por conta da malformação”, conta. E, além das viagens para Bauru, os convites recebidos da Xbox não possuem nenhum tipo de auxílio. Mas, apesar de tudo, Christiany conta que, mesmo precisando fazer um esforço financeiro, tudo vale a pena. (Fonte: G1 Bauru e Marília)


EUA aprovam exame capaz de detectar microlesão cerebral Exame vai ajudar a determinar a necessidade de tomografia em pacientes com suspeita de concussão

O

s Estados Unidos autorizaram a venda de exames de sangue capaz de detectar com rapidez quando um paciente está com concussão, lesão cerebral microscópica que ocorre geralmente após traumas na cabeça. A nova opção vai reduzir a necessidade de tomografias, exames mais caros que emitem quantidade significativa de radiação, afirma o FDA, órgão americano similar à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Normalmente, quando um paciente bate a cabeça em um acidente, ele é submetido a um teste neurológico, seguido da tomografia. O exame é pedido para ver se há lesões no tecido cerebral. A vantagem do novo teste de sangue é que, se não forem detectadas lesões, a tomografia seria desnecessária. Isso seria uma vantagem em instituições que não possuem o aparelho, que é mais caro e demanda infraestrutura para ser utilizado. A apro-

Reprodução

vação do teste faz parte de um pacote de iniciativas do FDA que visam reduzir à exposição de radiação de pacientes em exames de imagem. Segundo a agência, os Estados Unidos tiveram 2.8 milhões de hospitalizações por

lesões cerebrais em 2013. No mesmo período, os traumas contribuíram para a morte de aproximadamente 50 mil pessoas. TESTE FICA PRONTO EM 4 HORAS O "Brain Trauma Indicator" (Indicador de Trauma Cerebral) avalia a ocorrência de uma concussão pela medição de níveis de proteína conhecidas como UCH-L1. Essas proteínas são liberadas na corrente sanguínea quando há uma lesão cerebral e o teste possui marcadores para procurar justamente essas estruturas. Segundo o FDA, é possível detectá-las em até 12 horas da lesão. Para a aprovação do exame, a agência americana avaliou estudo multicêntrico com 1947 pacientes que apresentavam suspeita de concussão. Os resultados do exame são liberados em 4 horas. (Fonte: G1 - Bem Estar)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

19


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 25

20

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018


A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo ampliou o repasse por aluno em 23%, conforme anunciado pelo governador Geraldo Alckmin em fevereiro. Em 2018, serão repassados R$107 milhões para 284 instituições conveniadas com o Estado. Em 2017, o valor pago por aluno era de R$ 3.500,00, com o atual recurso, esse investimento sobe para R$4.304,32 para os estudantes com deficiência intelectual. Já os alunos diagnosticados com autismo o repasse será de R$13.515,00, por estudante. Esse aumento ficará acima do estipulado pelo Ministério da Educação (MEC), que prevê o valor de R$4.273,85 por aluno/ano. Atualmente, a rede conta com 21.062 alunos conveniados que recebem verba da Secretaria da Educação como beneficiários da Educação Especial. Destes, 19.265 são

Reprodução

portadores de Deficiência Intelectual e 1.797 são autistas. As unidades da Apae conveniadas oferecem atendimento pedagógico e educacional para alunos com deficiência intelectual, múltipla e transtornos globais de desenvolvimento associados à deficiência intelectual e que necessitam de apoio permanente, assim como estudantes com o Transtorno do Espectro Autista. (Fonte: Secretaria de Educação de SP)

Supermercados poderão ter carrinhos adaptados em SP Um projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) determina que supermercados disponibilizem aos clientes carrinhos ajustados para ajudar os responsáveis por crianças deficientes ou com mobilidade reduzida durante as compras. O Projeto de Lei 582/2016 foi idealizado pelo deputado Jorge Wilson Xerife do Consumidor (PRB). "Para as crianças com deficiência ou mobilidade reduzida, isso representa a possibilidade de participar das atividades em família. Esses momentos são importantes para a formação emocional, principalmente dessas crianças que sofrem com necessidades especiais", explicou o parlamentar. Pela proposta, será obrigatória a adaptação de 5% dos carrinhos de compras de hipermercados, supermercados e estabelecimentos congêneres para que sejam acessíveis às

crianças com deficiência ou mobilidade reduzida. Os estabelecimentos terão o prazo de seis meses para adaptar-se ao disposto na lei. O projeto foi aprovado em Plenário no mês de dezembro de 2017, com texto substitutivo. Seguirá agora para aprovação da redação final pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação e posteriormente para a sanção do governador, antes de entrar em vigor. (Fonte: Alesp)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

Reprodução/Alesp

Educação paulista amplia repasse para as APAES

21


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 21

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL é o novo mecanismo de prevenir o câncer

I

nteligência artificial (IA) não é mais parte de uma visão utópica que lotou salas de cinema no século passado, com filmes como Exterminador do Futuro, Matrix e Blade Runner. Ela agora está em nossos bolsos, computadores e, cada vez mais, na forma que trabalhamos com a saúde. Graças ao seu desempenho no diagnóstico e tratamento do câncer, a IA está protagonizando uma verdadeira revolução – suas ferramentas são capazes de armazenar, processar e cruzar informações da literatura médica e do acompanhamento dos pacientes. Isso é evidenciado na colonoscopia, principal mecanismo de prevenção do câncer colorretal. Anualmente, esta neoplasia é responsável por mais de 35 mil diagnósticos no Brasil, de acordo com dados no Instituto Nacional do Câncer (INCA), contudo, com um rastreamento efetivo, seria possível evitar 60% desses casos. O uso da inteligência artificial permite aumentar a precisão e sensibilidade na detecção de adenoma, lesão benigna precursora de diversos cânceres do intestino grosso, mesmo que ainda muito pequenas. O objetivo de integrar esse nível de tecnologia ao exame é alcançar a taxa de 50% na identificação do adenoma, feito já relatado em estudos com populações em idade de rastreio rea-

22

lizados pela Universidade da Califórnia (EUA). “Atualmente, essa taxa varia entre 7% e 53% -- o ideal é igualar esse índice à prevalência. Com a inteligência artificial aplicável no combate ao câncer de cólon e reto, essa realidade é possível”, analisa o Dr. Tomazo Franzini, diretor da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED). Estudo apresentado no World Congress of Gastroenterology, no ano passado, indica que a tecnologia de rede neural convolucional, uma classe de rede neural artificial usada no processamento e análise de imagens digitais, foi capaz diferenciar imagens com e sem pólipos com 96% de precisão. Para chegar a tal conclusão, foram usadas 9 mil imagens de colonoscopia de rastreio. Esse sistema de machine learning pode analisar até 170 imagens por segundo, facilmente aplicado no vídeo ao vivo. “Precisamos chegar a taxas de detecção mais verdadeiras para, além de prevenir o câncer colorretal, também diminuirmos o risco do câncer de intervalo e a mortalidade pela doença. Por isso é fundamental, além da estruturação de um programa de screening de qualidade, a utilização de ferramentas modernas e mais eficazes – desta forma teremos maior segurança para médicos e pacientes”, afirma o especialista.

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

Reprodução

SUPORTE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE Tecnologia aliada à luta contra o câncer também impulsionou pesquisas japonesas, na Universidade de Showa. Por lá, foi desenvolvido um sistema de inteligência artificial capaz de detectar tumores de cólon e reto em estágio inicial com assertividade de 86%. Denominado EndoBRAIN, analisa as mudanças neoplásicas, ou seja, quando há crescimento anormal, acelerado ou descontrolado de tecidos ou células, fornecendo diagnóstico automático com o pressionar de um botão. Para chegar a esses resultados, foram compiladas mais de 30 mil imagens de células cancerígenas e pré-cancerígenas em um banco de dados que foi apresentado à IA para identificar as diferenças entre elas. O processo para identificar quais células se tornariam cancerígenas demorou menos de um segundo. “A detecção precoce é a chave para um tratamento preciso,

que prolongue a vida do paciente e que apresente chances reais de cura, que podem chegar a 90%. O rastreio assintomático, somado à qualidade do exame, é capaz de salvar vidas e evitar que mais pessoas morram graças a uma doença altamente curável, como é o câncer colorretal”, atesta Franzini. “Diferentes pesquisadores, nacionais e internacionais, já evidenciaram em seus trabalhos a redução de óbitos em virtude da doença: em geral, o percentual é de 14% a 18% com testes bianuais e de 33% quando feitos anualmente. Precisamos aliar essa tecnologia com alta capacidade de precisão ao trabalho de prevenção, diagnóstico precoce e tratamento assertivo. A IA está sendo desenvolvida para caminhar ao lado dos médicos e profissionais de saúde, fornecendo armas poderosas na luta contra o câncer”, conclui o especialista da SOBED. Em todos esses estudos, os softwares usados leem as informações registradas pelo banco de dados – a tecnologia para reconhecimento durante os procedimentos está em fase de desenvolvimento, com avanços promissores. Tomazo estima que em aproximadamente cinco a seis anos a utilização de inteligência artificial estará comprovada e disponível no mercado para os sistemas de saúde. (Fonte: RS Press)


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

23


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 17

SÍNDROME DE ASPERGER D

Uma luta diária contra a ignorância

arko Díaz, de 28 anos, sonha em ter um trabalho estável bem remunerado e formar uma família com sua companheira, Cristina Paredero, de 25. Seus projetos de vida não são muito diferentes dos da maioria dos jovens, mas para realizá-lo, além de demonstrar suas capacidades, ambos terão que lutar contra a ignorância dos demais e, por vezes, esconder sua personalidade. Os dois têm síndrome de Asperger, um transtorno de espectro autista (TEA), descoberto há apenas 70 anos e do qual não existem números oficiais na Espanha, mas que, de acordo com estudos da Europa Autismo, afeta uma em cada 100 pessoas. “Imagine o que é viver fingindo e evitando sua própria personalidade, com a intenção de ser normal”, explica Paredero. Foi o que aconteceu quando Díaz e ela decidiram viver juntos, há mais de dois anos, e começaram a procurar apartamento. “Éramos obrigados a fingir”, conta ela, sobre os encontros com os locadores das casas. A luta para conseguir um aluguel ficou para trás, agora são proprietários de uma casa, mas a batalha para conquistar a empatia

24

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

Reprodução

da sociedade continua dia após dia. “As pessoas na rua me olham de forma estranha porque reajo de maneira muito intensa quando vejo um cachorro, por exemplo. Não entendem”, diz Díaz, que na sequência diz um “sou assim” em tom resignado. A síndrome de Asperger compartilha com o autismo suas características mais representativas como a dificuldade na comunicação social e a falta de flexibilidade de pensamento e comportamento. A capacidade intelectual das pessoas com esse transtorno, entretanto, está dentro da média

e, algumas vezes, é até mesmo superior à do restante da população. “Não é uma deficiência visível, por isso às vezes se pensa que são simplesmente pessoas mal-educadas, inflexíveis e manipuladoras”, afirma Vidriales. A ignorância sobre a deficiência intelectual em toda a sua amplitude é, na opinião de Paredero e Díaz, o principal motivo do repúdio a que estão expostos. “Pensam que iremos perder o juízo e vamos, por exemplo, quebrar coisas”, afirma Paredero. Nada mais distante da realidade. As pessoas com transtornos autistas não só não são pessoas violentas como, muitas vezes, são vítimas dos outros. Quem afirma isso é Ruth Vidriales, diretora da Autismo Espanha, que diz que um em cada dois casos de assédio escolar pertence a uma criança com TEA. O desconhecimento que existe sobre o TEA em geral também dificulta a determinação do grau de deficiência dos que o sofrem e seu acesso às ajudas à dependência. Essas são duas das principais conclusões de organizações como a Autismo Espanha e Asperger Madrid. (Fonte: El País)


GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

25


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 13

Análise de sangue e urina poderá detectar autismo precocemente

U

ma equipe de cientistas baseada na universidade britânica de Warwick publicou, em fevereiro, um estudo no boletim Molecular Autism em que refere ter encontrado uma relação entre as doenças do espectro do autismo ao analisarem o sangue de crianças diagnosticadas com essas doenças. As proteínas do plasma sanguíneo dessas crianças apresentaram marcas de oxidação e alterações provocadas por açucares. “Esperamos que as análises revelem novos fatores causais. Com mais testes, poderemos revelar perfis específicos no sangue e na urina das ‘impressões digitais’ de compostos com modificações. Isto poderá ajudar-nos a melhorar o diagnóstico das doenças do espectro do autismo e descobrir novas causas”, afir-

mou a docente de Biologia Experimental, Naila Rabbani. Em 30% a 35% dos casos de autismo foram reportadas causas genéticas, enquanto o resto dos casos deverá estar ligado a uma combinação de fatores ambientais, mutações e variantes genéticas raras. A investigação será centralizada agora em mais grupos de crianças, para confirmar a fiabilidade dos diagnósticos e determinar se o teste consegue detetar precocemente as doenças, determinando como poderão evoluir e se os tratamento resultam. Na investigação participaram ainda a universidade de Birmingam, a de Bolonha, Itália, o Instituto de Ciências Neurológicas de Bolonha e a Fundação, Don Carlo Gnocchi. (Fonte: ZAP/Portugal)

Reprodução/Pixabay

www.autoescolashalon.com.br

26

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018


Governo paulista fará reunião Surdos unilaterais poderão ter sobre terminologia para PcD´s vagas de emprego em S.Paulo A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo realiza, neste ano, a 7ª Edição do Encontro Estadual de Gestores de Comunicação do Estado de São Paulo, com um diferencial: serão três reuniões técnicas voltadas a nichos específicos da área da Comunicação: profissionais de mídia (rádio, TV, impressa e digital); profissionais de publicidade e propaganda; e gestores públicos. A primeira reunião acontece em 25 de abril de 2018, das 10h às 12h, na sede da Secretaria, capital paulista. As reuniões são gratuitas e com número limitado (50 vagas). O objetivo é esclarecer aos profissionais dos diferentes segmentos de atuação que os termos “pessoas especiais”, “necessidades especiais”, “deficientes” e “portadores” já se tornaram obsoletos e são incorretos para designar pessoas com deficiência. O mundo mudou e

a legislação atual garante formas distintas para referenciálas em textos, títulos, chamadas e posts nos meios de comunicação. Desde 2012, o Encontro Estadual de Gestores de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo apresenta aos profissionais que atuam na área da Comunicação ou prestam atendimento a pessoas com deficiência, estudantes e gestores públicos e privados informações atualizadas sobre comunicação inclusiva. As próximas reuniões técnicas acontecem em 22 de maio (publicitários) e 26 de junho (gestores públicos). As inscrições podem ser feitas até o dia 10 de abril pelo email gecom@sedpcd.sp.gov.br ou pelo telefone (11) 5212-3701. A Secretaria fica na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564, portão 10, ao lado do metrô Barra Funda, em São Paulo. (Assessoria)

As pessoas diagnosticadas com audição unilateral poderão ter os mesmos direitos das pessoas com deficiência. É o que sugere o Projeto de Lei 1055/2015 aprovado no final de 2017 na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Atualmente a legislação só reconhece como deficiência a surdez bilateral, ou seja, dos dois ouvidos. Com a proposta, o individuo com perda auditiva parcial poderá concorrer a vagas de emprego reservadas para deficientes. A iniciativa é do deputado André Soares (DEM). "Não há razoabilidade em distinguir as duas, já que ambas proporcionam perda da captação da mensagem falada. A fala, nesses casos, só é perceptível quando a voz é proferida em tom muito alto. Por causa disso, a grande maioria dos sons da vida cotidiana não é perceptível", explicou.

Reprodução

Soares também esclarece que a medida busca eliminar os problemas encontrados pelo surdo unilateral na busca por emprego. "Essas pessoas encontram uma enorme restrição no mercado de trabalho. Nos concursos públicos, por exemplo, não são consideradas com deficiência, o que é um erro, pois apresentam limitações que dificultam o desempenho de qualquer atividade". Para tornar-se lei, o projeto precisa ser sancionado pelo governador Geraldo Alckmin. (Fonte: Alesp)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

27


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 9

Escolas privadas que oferecem bolsas para PcD´s poderão ter imposto reduzido

A

Câmara Federal analisa projeto que permite às escolas da rede de ensino privada deduzirem do Imposto de Renda devido o valor das bolsas de estudo oferecidas a pessoas com deficiência em idade escolar obrigatória (PL 8525/17). Conforme a proposta do deputado Aureo (SD-RJ) a dedução será limitada a 5% (cinco por cento) de seu faturamento bruto da instituição de ensino. O parlamentar destaca que apesar de a legislação prever a obrigatoriedade da matrícula da criança deficiente em idade escolar por parte da rede pública de ensino, a garantia de vaga, a distância e até mesmo a infraestrutura dos estabelecimentos de ensino são questões que serão sempre levadas em conta por seus familiares. Para Aureo diante da atual crise pela qual passam os governos em todos os seus níveis,

28

Reprodução

seria demais exigir altos investimentos em educação, uma vez que manutenção das atuais estruturas já andam no limite mínimo de seu custeio. “A iniciativa privada contribuir de alguma forma para o atendimento de clientela tão específica”, explicou.

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

TRAMITAÇÃO O projeto, que tramita conclusivamente, será analisado pelas comissões de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência; de Educação; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. (Fonte: Agência Câmara)

Lojas terão leitores de preços para cegos A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados aprovou proposta que obriga o comércio varejista – lojas e supermercados – a informar os preços usando recursos que permitam a leitura tátil ou a audição da informação da etiqueta. A intenção é tornar o comércio mais acessível para os deficientes visuais. O texto aprovado é o substitutivo da deputada Zenaide Maia (PR-RN) ao Projeto de Lei 7001/17, do deputado Cabo Sabino (PRCE). A versão original do texto obriga o comércio a dispor os preços em braile - sistema de leitura para cegos. Zenaide Maia, no entanto, argumentou que a lei precisa contemplar as mudanças tecnológicas no campo da acessibilidade. (Agência Câmara)


Cegueira na vida adulta pode ter relação direta com o diabetes

A

ssocie a correria do diaa-dia à falta de tempo, some ao consumo excessivo de alimentos calóricos e à ausência de atividade física. Essa é a combinação ideal para o aparecimento de doenças crônicas, como o diabetes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de diabéticos no mundo subiu de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014, sendo que apenas no Brasil, cerca de 14 milhões de pessoas já sofrem com a doença, segundo o International Diabetes Foundation. Embora muitos diabéticos estejam cientes de complicações como o pé diabético e as alterações na visão que o excesso de açúcar pode causar, essas sequelas ainda não são levadas tão a sério. De acordo com a pesquisa da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV) em parceria com a Bayer, quase metade dos brasileiros não sabem que a doença pode causar cegueira e 57% dos entrevistados que têm diabetes ou que têm familiares com a doença nunca ouviram falar sobre retinopatia diabética ou edema macular diabético. Também conhecido como

Reprodução/Pixabay

EMD, o edema macular diabético é uma complicação da retinopatia diabética (RD) e, assim como ela, é causada pelo descontrole de açúcar no sangue como resultado direto do diabetes. A doença provoca alterações nos vasos sanguíneos da retina e causa danos à visão. “No caso da EMD, as alterações são tão graves a ponto de ocorrer vazamentos de fluídos e proteínas dentro da mácula, região central da retina que é responsável por dar foco e nitidez às imagens”, explica o oftalmolo-

gista Dr. Arnaldo Bordon, representante da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo. O fluído na região da mácula causa visão embaçada, distorção de imagens e alterações na visão de cores. Além disso, quando não detectado rapidamente, pode causar perda grave de visão ou levar à cegueira total. “São muito importantes o acompanhamento dos níveis de açúcar e a realização do exame de mapeamento de retina, contando com a avaliação tanto do endocrinologista como do oftal-

mologista” adverte Dr. Arnaldo. Importante na detecção de problemas oculares no geral, o exame de mapeamento de retina – que estuda o fundo do olho – é essencial para diagnosticar a RD e a EMD. Infelizmente, quase 38% das pessoas que tem diabetes ou algum caso na família afirmaram na pesquisa da SBD que seus endocrinologistas nunca pediram o exame. Isso se torna especialmente preocupante, uma vez que metade dos entrevistados diagnosticados com problemas oftalmológicos em decorrência do diabetes receberam um diagnóstico tardio, quando os sintomas apresentados já eram graves. Para prevenir que o diabetes se desenvolva a ponto de afetar a qualidade da visão do paciente, seguir uma alimentação equilibrada e realizar exames regularmente são essenciais para manter os níveis de açúcar aceitáveis e controlados. Além disso, para ter uma vida saudável e evitar o surgimento do diabetes tipo 2 é necessário combater o sedentarismo e manter o corpo sempre ativo e o nível de gordura corporal mais baixo. (Fonte: Assessoria Bayer/Burson-Marsteller

Passe Livre poderá ser renovado pela internet Uma moderna ferramenta, adaptada aos principais padrões de acessibilidade na internet, vai proporcionar mais agilidade e conforto aos usuários do programa Passe Livre, que assegura às pessoas com deficiência e de baixa renda o direito de gratuidade no transporte rodoviário interestadual. O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação lançou um portal exclusivo para que a adesão e renovação do serviço possam ser feitas de forma totalmente online. Antes dessa nova funcionalidade, os atuais usuários e pessoas que têm direito à inclusão no programa, em vigor há cinco anos, só podiam solicitar

o cartão que dá acesso ao benefício mediante o envio de formulário e documentação pelos Correios. Entretanto, o serviço via correspondência será mantido. Outra novidade é que todo o andamento dos pedidos poderá ser acompanhado no site: portal.transportes.gov.br/passelivre. A proposta da ferramenta é oferecer uma navegação fácil e intuitiva, com soluções como leitor de tela para cegos e pessoas com deficiência visual parcial, além de tradutor de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) para deficientes auditivos. O layout também tem lin-

guagem simples, em tópicos e cores para identificar os menus de informação. QUEM TEM DIREITO? Pode solicitar a gratuidade, portadores de deficiência física, mental, auditiva, visual, múltipla, com ostomia ou doença renal crônica, e cuja renda média da família seja de até um salário mínimo por pessoa. Por mês, são emitidos cerca de 8 mil cartões do programa. O Passe Livre beneficia, atualmente, 200 mil brasileiros. Estimativas do cadastro de Benefício de Prestação Continuada, do Ministério da Previdência Social, indicam que o

potencial é de atender pelo menos 2,5 milhões de pessoas. LEGISLAÇÃO Por lei, toda empresa de transporte coletivo rodoviário interestadual é obrigada a reservar dois assentos por viagem, em veículo convencional. A exigência não vale para ônibus do tipo leito. Segundo o Ministério dos Transportes, o usuário que se sentir lesado pela empresa deve procurar um posto da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), no próprio terminal rodoviário, ou ligar para o 166 ou (61) 3329-9098. (Fonte: Assessoria Ministério)

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

29


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 5

Brasil irá aos Jogos Paralímpicos de Inverno com três atletas

P

ela segunda vez na história, o Brasil contará com representantes nos Jogos Paralímpicos de Inverno. Em PyeongChang, na Coreia do Sul, a paranaense Aline Rocha e o rondoniense Cristian Ribera, do esqui cross-country, e o paulista Andre Cintra, do snowboard, integrarão a delegação verde e amarela. A 12ª edição da competição começa no dia 9 de março, logo após o término da sua versão olímpica. A primeira participação do Brasil no evento havia sido em Sochi, na Rússia, em 2014. Na ocasião, o snowboarder Andre Cintra e Fernando Aranha, do esqui cross-country, debutaram na neve defendendo o país. Paranaense de Pinhão, Aline, de 26 anos, garantiu a classificação para a competição em dezembro do ano passado, na etapa canadense da Copa do Mundo de esqui cross-country, após completar duas provas (sprint e 5km) abaixo do índice exigido. Mais do que ser a primeira integrante feminina do Brasil na neve, Aline ainda faz parte do seleto grupo dos atletas com participações em Jogos Paralímpicos de Verão e de Inverno. No Rio 2016, disputou no atletismo os 1.500m, os 5.000m e a maratona na classe T54 (para cadeirantes). Companheiro de Aline no esqui cross-country, Cristian,

Divulgação/CPB

rondoniense de Cerejeiras, é fruto de uma parceira da Confederação Brasileira de Desportos na Neve (CBDN) com a Agitos Foundation, braço educacional do Comitê Paralímpico Internacional, com o objetivo de difundir e fomentar a prática do esporte no país. Há três anos, em 2015, em uma das etapas do projeto, o atleta de apenas 15 anos testou o sit ski (esqui adaptado para quem não tem mobilidade nos membros inferiores). Em dezembro do ano passado, competiu oficialmente pela primeira vez e, neste mês, na etapa da Copa do Mundo de Vuokatti, na Finlândia, alcançou a

melhor pontuação no esqui cross-country já registrada por brasileiros (48,19). Com os excelentes resultados na temporada, assegurou a vaga masculina que pertencia ao Brasil. Completa a delegação brasileira na Coreia o paulistano Andre Cintra, de 38 anos. O snowboarder leva o título de mais experiente do grupo, já que esteve em Sochi 2014. Na Rússia, terminou em 28º na disputa do snowboard cross. “É a segunda vez seguida que o Brasil enviará uma delegação para os Jogos Paralímpicos de Inverno e, agora, com uma mulher na equipe. É gratificante ver a evolução que estas

modalidades têm apresentado. Tenho certeza que os três representarão muito bem o nosso país na Coreia do Sul”, disse Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). "Estamos muito satisfeitos com o trabalho realizado desde nossa primeira participação. Vamos contar com a experiencia do André Cintra, teremos a juventude do Cristian Ribera e uma mulher, pela primeira vez, com Aline Rocha. No total, competiremos em dez provas contra quatro de Sochi. O objetivo é bater as marcas conquistadas há quatro anos na Rússia", explicou Stefano Arnhold, presidente da CBDN. Antes de desembarcarem em PyeongChang no dia 3 de março, Aline e Cristian fazem aclimatação em Livigno, na Itália. A dupla ficará por lá de 19 de fevereiro a 2 de março. Já Andre escolheu Aomori, no Japão, para o período de treinos pré-Jogos. Ele chegará à Ásia no dia 24 de fevereiro. No total, mais de 600 atletas disputarão medalhas em seis modalidades durante os dez dias dos Jogos Paralímpicos de Inverno de PyeongChang 2018. Além do snowboard e do esqui cross-country, estão no programa o biatlo, o esqui alpino, o curling em cadeira de rodas e o hóquei em trenó. (CPB)

CT Paralímpico terá campeonato de jovens de goalball Divulgação/CPB

30

GENTE CIENTE - FEVEREIRO 2018

Foi confirmado mais um evento internacional no caledário do goalball. O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, receberá o Campeonato de Jovens das Américas de Goalball IBSA 2018, de 20 a 26 de agosto. Os jogadores precisam ter no minimo 13 anos e no máximo 19 para participar das Seleções de jovens. Esta será a primeira edição da campetição continental. Na última edição do Campeonato Mundial de Jovens de Goalball,

que ocorreu na Hungria, em 2017, a Seleção Brasileira de jovens masculina ganhou a prata e a feminina, o bronze. Essa não será a primeira competição deste porte no CT Paralímpico. No ano passado, a instalação recebeu o Campeonato das Américas de Goalball IBSA 2017, em novembro, que é a versão adulta do torneio. A Seleção Brasileira masculina foi a campeã e a feminina, ficou com em segundo lugar, atrás das canadenses.


GC 233 FEV 2018_GC 166.QXD 27/02/2018 11:30 Page 1

Revista Gente Ciente - Fev 2018  

Revista Gente Ciente - Fev 2018

Revista Gente Ciente - Fev 2018  

Revista Gente Ciente - Fev 2018

Advertisement