Issuu on Google+


– Olá, meu caro. 2000 – 2010

João Henrique Vieira

2


Poema saudade. Sutil e voraz. Mergulho com novo corpo a um sentimento comum aos sonhos despertos. Fotografias de momentos gravados em fita cassete, sob a poeira do inconsciente. João traz em seu texto [rápido, feroz e puro], esperta lentidão de uma vontade de unir os instantes, passado e presente, numa só sensação descrita em verso livre e ébrio. Feito comer com os olhos, num só golpe. Texto de velhas e novas palavras, esguias como não poderiam deixar de ser, beleza singela, embriagando num só gole, o lirismo cotidiano de “Olá, meu caro” responde às necessidades viciantes de um trago de sonho e saudosismo pelo próprio momento da leitura e reflexão: banho de chuva, conversa de botequim, simples seguir. Desfrutemos, portanto, do aperitivo esbelto de elegante solidão presente (ou ausente). Vazio transbordando em João, meu caro. Isana Barbosa – revisora e pesquisadora literária

João Henrique Vieira

3


João Henrique Vieira

– Olá, meu caro. 2000 – 2010

Primeira edição 2012 Teresina – Piauí – Brasil

João Henrique Vieira

4


Copyright

2012 João Henrique de Sousa Vieira Ficha técnica Capa, foto e ilustração João Henrique Vieira Revisão Eduardo Oliveira e Isana Barbosa Revisão Final Isana Barbosa

Diagramação João Henrique Vieira e Yasmin de Albuquerque _________________________________________________ Vieira, João Henrique. Olá, Meu caro / João Henrique Vieira.___Teresina, 2012. 96 P. 1. Literatura piauiense – poesia. 2. Literatura brasileira. I Título.

Todos os poemas aqui reunidos são de autoria e publicados por João Henrique de Sousa Vieira. São proibidas a venda e veiculação deste conteúdo sem a devida autorização do autor.

Distribuição www.agbook.com.br

João Henrique Vieira

5


“O homem é do tamanho do seu sonho” [Fernando Pessoa]

João Henrique Vieira

6


Ao leitor

Gostaria de entregar este livro como se estivesse entregando a um amigo. Dizendo: – Olá, meu caro. Aqui está meu primeiro livro. É aquele do qual tanto lhe falei. Já muito postergado. Resolvi lançar. Aí está. Já não está apenas nas minhas gavetas. Tenha cuidado, leia com carinho, leia e releia. Que estes versos voltem à sua cabeça em algum momento. Depois empreste o livro para algum amigo, permita que tirem xérox, e, se lhe roubarem, vá lá, isso acontece. É até um bom sinal [não fosse meu, talvez eu lhe roubasse].

Boa leitura, caro leitor.

João Henrique Vieira

7


Dedicatória

Este livro é dedicado a tantas pessoas, que citálas, uma a uma, tornaria essa dedicatória demasiado extensa. Entretanto, é impossível não dedicá-lo a José Augusto Sampaio, Maykell Francis, Marsone Araujo, Daniel Ferreira, David Leão, Kleber Lima, Albert Piauí, Eduardo Oliveira, Guy Dhegaly, Iury Campelo, Joe Ferry, Samuel Brandão, Raquel Guedelha, Maria Aparecida, Patrícia Basquiat e Andrea Alves. Com saudade e orgulho, dedico ao escritor e amigo Luciano Almeida – e não há como dizer o quanto eu gostaria de entregar-lhe este livro. À minha mãe Lina Maria, sempre. À minha avó Benedita Clara e à Yasmin Albuquerque. Aos amigos que,

em

algum

momento,

leram,

escutaram

ou

motivaram algum poema desse livro. A você, meu caro leitor, que agora lê este livro entre tantos que já há por aí.

João Henrique Vieira

8


SUMÁRIO PREFÁCIO ________________________________________ 13 CAVIDADES _______________________________________ PRIVACIDADE ______________________________________ SEXO E SOLIDÃO A TRÊS _______________________________ AO PORTO ________________________________________ [...] ____________________________________________ A DESPEITO DE TUDO ________________________________ BRASÃO _________________________________________ PASSADAS DIÁRIAS __________________________________ UM BEIJO NO CU DO SHOW BUSINESS _____________________

18 21 24 27 28 31 33 34 38

RAZÃO CONSELHOS E OUTROS ABSURDOS ___ 40 SOLILÓQUIO ______________________________________ LÓGICA __________________________________________ SILENCIO GRITANTE _________________________________ ? ______________________________________________ MÍNIMAS ILUMINURAS _______________________________ CONSELHO AMOROSO ________________________________ LEMBRANÇA RUA AFORA ______________________________ ESCOMBRO _______________________________________ [...] ____________________________________________ CORPO COR E CHEIRO ________________________________ FEITO ANTIGAMENTE ________________________________ EXTEMPORÂNEO ___________________________________

41 43 46 48 53 55 57 59 61 62 64 67

João Henrique Vieira

9


REPOUSO SOBRE SAUDADES ____________________________ SONHO EMBRIAGADO ________________________________ BAÚ ____________________________________________ BARCOS DE PAPEL-POEMA _____________________________ DESMEDIDO ______________________________________ MEMÓRIA FOTOGRÁFICA ______________________________ NADA SOBRE O SENTIMENTO HUMANO ____________________

68 71 73 74 75 77 78

QUASE POESIA ___________________________________ 79 [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ PARADOXO VIRTUAL _________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ MÁ NOTÍCIA ______________________________________ [...] ____________________________________________ [...] ____________________________________________ PASSAR A LIMPO ___________________________________ EPIFANIA _________________________________________

80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95

João Henrique Vieira

10


Apresentação

Um livro. Ora, mais um livro. E para quê? Para quem? Que importância há? Se importância – ou mesmo a falta dessa – há, é tão somente para mim mesmo. Quem sabe para meia dúzia de amigos geniais que, talvez, deem algumas risadas ou caiam no desvão de uma saudade. Ou inflamem o peito com algum sentimento nobre e proclame algo, numa mesa de bar, num quarto sozinho, ou ao pé de suas amadas. Entre tantas opções na estante, mais um livro, ali entre um Bukowski, um Guinsberg, algo sobre Torquato, um Gullar, um Paulo Machado. Ou quiçá perto de um José Augusto Sampaio, ou Maykell Francis, Daniel Ferreira. Mais um livro. Que seja mesmo apenas mais um em minha parca e rebelde “biblioteca”, que às vezes é apenas um amontoado ao chão. Aqui se reúnem poemas de uma década intensa em minha vida e, creio, em minha geração. Cada poema aqui é uma importantíssima fotografia de pessoas de bem pouca fama. Ilustres desconhecidos que andam por madrugadas, que amanhecem ouvindo um blues a pintar paredes, ou que ao violão compõem obras belíssimas, e que este país será um pouco mais belo e digno se um dia de fato vier a conhecê-las. João Henrique Vieira

11


Têm estas páginas gritos e silêncios. Pressa e calma. Sabedoria e burrices juvenis. Tem beleza, quando possível, e verdades engraçadas – porém, verdades. Tem profecias ébrias, linhas tontas e caminhos tortos. Tem um grande quarto cheio de saudades. Saudade de uma rua que está escrita no peito. Tem aventuras na sala de estar do espírito que sempre luta. É obra viva e é obra de uma vida. Sem grande importância ao fato – apenas para mim mesmo –, a pretensão desta obra é imensa. Guardada, postergada, feito quem esconde um poema. Pois um poema é uma veia escancarada, é um riso e um grito – e a gente grita, ri e faz poemas para os amigos. Publicar é tirar as calças e dançar nu. Sem vergonha – não há o que esconder. Cheio de influências, de Manuel de Barros a Guinsberg, dos que pretenderam mudar a história aos que estão pouco se lixando para isso. Assim, preocupado e desbundado. Assim, feito quem nada quer e tudo busca, apresento estes versos. Feito um cumprimento alegre: Olá, meu caro, tome emprestado estes versos e passe-os adiante, pois há vida e caminho.

O autor

João Henrique Vieira

12


Prefácio

Olá, meu... Não vem de João, nem de Henrique, muito menos de Vieira. Quem o conhece de perto sabe (?) ou, ao menos, compreende o que move os versos de sua poesia. Sabe que seus poemas surgem das entrelinhas embutidas e, além de seu nome, nas entrelinhas inclusas e escusas da vida. Da cabeça à esquina, ao sexo, à internet, ao comportamento errôneo, ao que é dispensável, ao que é impercebível, tudo passa pelos versos de João Henrique Vieira, sem deixar dúvidas de que -Olá, meu caro já nasce sendo um marco aos poetas de nossa geração quase esquecida e desvalorizada. Como gosto de dizer, a nossa Geração Escárnio. Apesar de o autor do livro não gostar dessa minha definição, nós somos a geração que “ser poeta”, ou escrever poemas, nada mais é do que fazer algo bonitinho, meigo. Legal! Sua figura delicada, esguia e sempre sorridente disfarça a maestria de seu poema-prosa e sua visão peculiar sobre as coisas, seres e fatos. Já seus versos encravam afiadamente sua ideia sobre esse mundo que nos foi dado de presente por gerações anteriores. Enquanto uns batem palma, glorificando a pseudoJoão Henrique Vieira

13


liberdade-atual, o Poeta não perde tempo e nos mostra a verdadeira face, carapuça, que estamos envolvidos e envoltos à capa disfarçadamente heroica para a grande massa. O homem, o menino, o amigo, o poeta, o único que me visita aos domingos, tarda em seu primeiro livro (Aguardo o segundo. Não tarde.), pois sempre teve material para outros anteriores, mas não falha em seu conteúdo cheio de inventividade e originalidade neste livro de estreia. Quem não teve, ou não terá, a oportunidade de conhecer meu amigo e companheiro João Henrique Vieira, poderá desfrutar de todo engenho, modernidade e vanguarda de seus versos nas páginas a seguir. O mais importante: os versos são sem floreios, incrementos e artificialidades. Com orgulho ao peito, “boca cheia” e um pouco de inveja, pois também escrevo versos e muitas das ideias que poderiam ter sido escritas por mim foram antes captadas por ele no ar enquanto planavam já belas, que – Olá, meu caro, com certeza, é um livro de estreia para amar, ter inveja, odiar, ou até rasgar, queimar (caso seja incendiário). Porém, você não pode deixar de ler até seu último e derradeiro verso: “Oba! Escrevi um verso”. Boa leitura.

José Augusto Couto Sampaio Neto – Escritor João Henrique Vieira

14


João Henrique Vieira

– olá, meu caro. 2000 – 2010

João Henrique Vieira

15


Jo達o Henrique Vieira

16


Assistindo ao banquete alheio

Jo達o Henrique Vieira

17


Cavidades

Eu tenho uma cabeça redonda. Eu tenho uma cabeça redonda e duas orelhas Eu tenho uma cabeça redonda, duas orelhas e dois [

[olhos.

Eu tenho uma cabeça redonda, duas orelhas, [

[dois olhos e um nariz.

Eu tenho uma cabeça redonda, duas orelhas, [

[dois olhos, um nariz e uma boca.

Por isso eu penso e falo e creio subjetividades que [

[são a matéria concreta de minha cabeça

com todas essas cavidades. Tenho um corpo que teima em andar para o fim e minha cabeça, cheia de subjetividade, me faz eterno e infinito. Esta louca subjetividade – podem pensar em suas cabeças – é coisa de minha cabeça cheia de cavidades que [

[cheiram, que veem, que escutam, que falam. João Henrique Vieira

18


Estas subjetividades são o que está incrustado [

[nessas cavidades,

que fazem minha cabeça seguir sobre esse corpo. Eu tenho corpo e cabeça, sorriso e vergonha. Tenho preguiça na cara e fogo no corpo. Sou uma concretude que vaga na subjetividade de [

um espaço concreto e asfáltico.

Tenho língua e educação, corpo, prazer, pau e poesia. Obscenidades poéticas no vago do espaço que ocupa e subjetiva em delírio e contemplação a concretude do espaço subjetivo que se espreita entre os dentes do meio riso, e aos poucos invade a solidez de outra cabeça [

[que engana o corpo,

outro corpo com cabeça redonda, duas orelhas [

[dois olhos, um nariz e uma boca.

João Henrique Vieira

19


Corpo e cabeรงa cheia de cavidades que me absorvem sem aperceber-se. Corpo. Corpo cheio de cavidades prazerosas.

Joรฃo Henrique Vieira

20


Privacidade

O lugar mais seguro do mundo é o banheiro. Tanto faz ficar nu – eu gosto. Vejo eu mesmo e converso comigo – eu preso no espelho. – e aí, como vai a vida?* – de boa. Descobri que vou morrer, mas ainda tenho um monte de coisas a fazer. Mais pelos outros que por mim mesmo. Isso é foda, eu dou minha estadia no mundo pelo próprio mundo e ele nem me dá bom dia. O lugar mais sagrado do mundo é o banheiro. Pego no meu pau e nem parece escandaloso, canto do meu jeito e ninguém reprova. João Henrique Vieira

21


Meu lugar é o banheiro, e chega a ser eu mesmo – limpo ou sujo, dependendo do amigo que visita. Tenho estado de portas abertas para o mundo e perco a linha da estabilidade todas as vezes. Talvez me digam inteligente perdido ou arauto embriagado de uma geração por um triz. Já não tenho vergonha e canto do meu jeito, eu canto. Meu mundo vai ao banheiro meio imundo que [

[deixei.

O mundo que vocês não sabem é o que eu profetizo no banheiro. – dou conselhos maravilhosos ao mundo.

João Henrique Vieira

22


Meu banheiro às vezes cheira mal, às vezes está digno de uma trepada, com amor, ainda que às pressas. Queria todo o mundo cantando e dançando no [

[banheiro, os burocratas bêbados

e o estudante poeta. Todos desiludidos feito um disco de Belchior. _____________________________________________ *cumprimento do cineasta teresinense Alan Sampaio.

João Henrique Vieira

23


Sexo e solidão a três

Sob a luz do mesmo poste – embacenta como todas as noites, com lua ou sem [

[lua,

mais ou menos vida – que estava a luzir aquela esquina já há bastante [

[tempo,

encontraram-se na mesma hora não marcada, mas sempre pontual, Doidinho, Celinha e Lulu. Um drogado. Uma puta velha e viciada. Um viado metido a besta. Ao [

ver

Doidinho,

Celinha

abre

um

sorriso

[escrachado

e com um sonoro tapa na bunda, diz pra Lulu: – hoje eu vou trepar e me chapar. Ô coisa boa é [

[fuder doidona. Vem Doidinho, vem! João Henrique Vieira

24


Lulu esgueira-se e, de rabo-de-olho, diz: – dar praquele ali... Meu cu nem treme! Pau é pau, tudo igual, ficou duro, eu engulo, disse [

[às gargalhadas Celinha.

E fuma, lembrou-lhe Lulu. A puta não se conteve e soltou: – me desculpa, bicha, mas priquito é priquito. [

[Faz milagres!

Ao cabo de meio baseado, Doidinho enfiava a mão na bunda de Celinha, enquanto Lulu passava goma no baseado, de modo a lamber como se chupasse um pau. Doidinho olha e diz: – doido pra chupar um pau, né, Luluzinha? [

[Luis Augusto!

– vai tomar no cu fidirrapariga! Eu vou, mas tu não vai. Zomba-lhe Doidinho.

João Henrique Vieira

25


Celinha pega o baseado e põe um peito para fora [

[do decote.

Celinha. Doidinho. Noite. Lulu e o poste. Trepada na esquina. Sexo e solidão a três.

João Henrique Vieira

26


Ao porto

Isto a caminhar entre letras que se juntam num verso, torna-me refém. Minha mão trêmula tremula bandeira de navio abandonado, sob olhares de peixes sem lar. Na mansidão de um canto escuro. Linhas tortas amargam a tênue luz, que prende olhares perdidos num ponto vago. Pedras juntam-se no caminho para que alguém, sem luz, consiga ainda caminhar.

João Henrique Vieira

27


[...]

Ando e sorrio tanto, tanto quanto antes e mais do que há tempos. Ando e sorrio só, feito besta. Quem vê de longe pensa que é à toa e sorrio mais ainda. Ora homem adulto, ora garoto meio tonto, mas segue. Um passo é tão importante quanto tudo que se [

[carrega nele.

O que move o passo. O que move o próximo. – olha no espelho e faz cara de sério, quase ríspido, mas escorrega uma risada cínica e alegremente [

[sincera, João Henrique Vieira

28


torto e teso. – o riso é o avesso do tédio. – estar vivo é saber que algo move outro no [

[espaço.

O corpo é espaço que transita no espaço. O que move o diferente, o único. Estar vivo é único. – risos à toa não enfeitam festa, rsrsrs. Sorrio e risco, arrisco correr o risco de perder meu riso. Tempo, trânsito, espaço e ser. Corpos, espaços e corpos. Energia. Movimento. Corpo, João Henrique Vieira

29


espaรงo. O mesmo corpo no corpo do mesmo espaรงo.

Joรฃo Henrique Vieira

30


A despeito de tudo

Tudo é belo e insano. O medo de sair é loucura. O seguinte: – se eu alimento meu ego com meu próprio lirismo, como poderei levar o mundo tão a sério? Pessoas morrem e eu faço poesia. Pode valer alguma coisa, feito uma palavra, uma conversa. Sossego para cabeça doentia. – o mundo está delirando em febre. Tudo é escandaloso. Tudo é fantástico. O labirinto é sem portas. João Henrique Vieira

31


Sombra à bruxulenta luz. Memória falha. Labirinto – rua de casas coloridas e gente simpática – lúdico labirinto.

João Henrique Vieira

32


Brasão

Quero pedras. Vou quebrar janelas. Incomodar a festa. O bestial banquete ao ditador imposto. Quero pétalas para enfeitar o atalho, vestir corpos, cobrir leitos e sonhos. Dar à terra firme a maciez. Quero pedras e pétalas, rompendo muros, acalmando bravos. Trago pedras e pétalas. Espero a luta e descanso no amor. João Henrique Vieira

33


Passadas diárias

Vestir engolindo. Trânsito digerindo. Um cigarro no ponto de ônibus. Ferros, cadeiras e cabeças. Um itinerário de gentes e horários, romances e preocupações financeiras. Paradas e móveis, parada imóvel. Passeiam gentes pelo sinal. Peito aberto, passeio público, fonte seca, fronte, perfis. João Henrique Vieira

34


Fotografia lotada. Avenida Principal. Noite, pequenas trevas de um poste bruxulento. Luz, plástico. Um travestir na esquina empresta alegria, alergia, letargia e alegoria. Bêbados e copos. Corpos tortos e tontos. Um bêbado carrega a noite nos ombros e o padeiro não tarda a trazer o dia. Dia a dia. Mês, vai e vem de prestações, fim de mês. Trânsito diário de gente João Henrique Vieira

35


nas ruas, nos carros e uns nos outros. Rua nua, vestida. Calça, calçado e vestido. Terno unissex, moda de inúmeras gerações ao mesmo tempo. Sair de casa a pé, o passo apressado. Levar no bolso ao fim do dia uma identificação de [

[vida,

documentos de um passeante. Fim de noite, janela aberta a passar o filme de uma rua à [

[madrugada.

Cenas de nada por toda a rua em silêncio. Mal dormir à noite, João Henrique Vieira

36


adoçar o café com o próprio sono. Pelo ônibus, janelas d'auroras. De parada em parada o dia corre, se o acidente não atrasar ou relógio não adiantar o [

[tique-taque.

Passo a passo em ponto. Calça jeans, vestidos, gravatas e bonés. Transita a moda da cabeça aos pés por ruas, gentes, butiques e PFs de cinco reais. Seguimos transengolindo a vida às pressas.

João Henrique Vieira

37


Um beijo no cu do show business

Um anjo de pijama, bêbado. Uma obsessão maravilhosa. Um beijo no cu do show business. O pó barato – da cara e da noite. O cigarro doentio da quitanda. Um anjo de pijama, bêbado e poeta. Padre da nova linguagem poética, bêbada e [

[drogada,

irresponsavelmente fiel à história. Um anjo embriagado. A saudade é uma bruxulenta luz que não apaga e [

[mantém vivo.

Tudo está vivo e tudo é historia. Anjo barroco, romântico suicida. Poeta, tudo é historia. Meu pobre anjo, homem besta de pijama e bêbado. Acorda poeta anjo de bar barato, de cerveja [

[roubada e luxo abandonado.

– tu é o fausto da beleza na lama, poeta. João Henrique Vieira

38


Pedro poeta louco. Louco louco louco e anjo. Angelical simpatia de orgia barata e cotidiana. – lambe ela menina, e nem diz pro papai. Meu amigo anjo, te lembro na música e na chuva. Me faz rir e chorar. É por ti que acredito que tudo [

[cabe em minha mãos.

É a verdade sem feiúra. O tira-gosto do corpo. Meu anjo, meu amor, teu amor meu, amor, paixão. Teu amor tão meu porque sinto e beijo com os [

[olhos.

Poesia e outros cigarros sujos e belos. Com medo de escrever, sangro o papel. Sente torto torto torto e santo e bêbado. Anjo poeta engraçado, feito alegoria do cotidiano.

João Henrique Vieira

39


Raz達o conselhos e outros absurdos

Jo達o Henrique Vieira

40


Solilóquio

Mais uma vez eu e o pensamento, único e só, tentando me convencer, parecer verdadeiro. Eu com medo de acabar e feliz em seguir. – o amor é a lógica do absurdo. Eu sigo no caminho da idade e vou chegar onde sou. E mais uma vez estou só no pensamento. – e quantos estão pensando agora? Eu sigo porque seguir é o passo, João Henrique Vieira

41


o pulso e a imagem. – seguir é a lógica da jornada.

João Henrique Vieira

42


Lógica

Todo aquele que evidencia seu potencial por meio da ilógica é talvez poeta ou ninguém. Todo o ser e o vivo que no instante-instante segura a visão da luz e o suspiro do ar, é o que torna esse rápido transitar algo possivelmente único e mera eternidade espontânea. O que veste o corpo por dentro e dá o passo antes dos pés se elevarem é o ilógico que pontua o tempo, o tempo no espaço, o tempo no espaço de tempo. João Henrique Vieira

43


A brincadeira social da lógica. Absurda, obesa e apressada. A lógica absoluta reinando sobre a loucura dos [

[homens.

O brinquedo e a brincadeira. – a lógica. Oh, meu deus! A lógica. O medo medido no desaforo. No desabafo, a aventura. Todo o potencial para a ilógica, feito andar para trás e o fim começar de novo, assim feito delírio. Soberbo é o deus bêbado dos poetas. Sem deus, o poeta seria um bobo ou mesmo se deus não viesse tanto quando os [

[poetas estão bêbados,

não pensariam os poetas que deus está bêbado também. Isso é a ilógica das aparências.

João Henrique Vieira

44


– deus, cuidado com as companhias, não te mete [

[com poetas!

Bastante ilógico ver o pensamento esmolando manchete ou nem ao menos topar com essa velha demente a [

[comprar cosméticos numa loja de conveniência.

Tudo imerso na razão do pensamento poético que [

[nada tem a ver com a lógica,

e o poeta é um triste filho devedor do belo absurdo [

[normal*

que pisca e acena quando já foi. ______________________________________ *o normal em nada é, ou parece ser, lógico.

João Henrique Vieira

45


Silencio Gritante

O estilhaço de gritos meus contidos me explodem [

[em silêncio,

feito uma canção nos ouvidos de quem segue, a todo custo de seguir, sem saber dos custos da vida alheia, mas de suas [

[próprias dívidas,

a pagar-se pena a si mesmo, no degredo de[ [

[continuar.

Acima da escuridão, além da falta de caminho ou [

[direção

um caminho leva, os pés cavam e a terra anda [

[sob meus passos.

O riso é o desdobro da inconveniência e o risco é [

[aventura consciente.

Quem anda, quem dorme, quem grita, quem canta. E quem não grita? Quem joga versos numa bolsa e segue em frente. João Henrique Vieira

46


Quem escreve gritos pode me ouvir, quem silencia [

[não ouve nada.

Um estardalhaço silente me canta aos recônditos [

[de uma cabeça tonta.

A embriaguez é o resultado da chatice alheia [

[e meu riso não é vale transporte.

Árvore, homem, carros – máquinas, maquinaria [

[infinita.

Um corpo no espaço sobre um gigantesco pedaço [

[de terra,

pequeno pedaço no espaço, espaço em cima do [

[nada.

– quem segura o nada deste infinito universo? Meus gritos e meus versos guardados em mim [

[mesmo

são minha garantia de nada.

João Henrique Vieira

47


?

O que adianta o relógio ir ao largo? Que me vele o Renew da Avon levar as rugas, [

[se fica um cicatrício recado,

trecho de uma velha canção. O que me serve pensar que encontrei meu [

[caminho depois de tanto tempo,

que me valem as rimas e os discos raros que enfeitam minha poeira? De que me adianta abrir os ouvidos para um velho [

[sonho

numa embriaguez desiludida sem canção de [

[Belchior?

O que me trazem os tapas nas costas? Que serão daqueles sorrisos baratos – quase gratuitos? De que vale sonhar se as manchetes nos jornais [

[são muito mais perigosas. João Henrique Vieira

48


Para que cantar logo agora? No meio de tantas questões, eu me pergunto [

[abobalhado

se mais uma vez minto a mim mesmo, tentando não [

[me afogar num romantismo barato,

que me afoga já há tanto e ainda não me sorriu ternamente. As

sutis

levadas

sonoras

me

[

conduzem

[cambaleante

no meio de minha rua – lembrança pescada numa tarde em mim mesmo, que brincava há muito mais tempo que agora. Me valerá nas horas aguerridas do transitar uma viela de sentimentalismo jogado aos ventos? Me vale colorir a rua para melhor seguir, me vale molhar a garganta com doses ou molhar o corpo em chuva rala,

João Henrique Vieira

49


que é pura e vulgar saudade de minha própria [

[criança?

Me vale sorrir, sem saber a quem nem por quê? Não me salvam as glórias, nem me conduzem os conselhos. Eu sigo colorindo e sorrindo. Me salvo a cada dia, passo, nota e verso que intento ser. Quem sabe seguir fazendo perguntas ao vento. Exigindo às flores uma satisfação: João Henrique Vieira

50


– quem me deixou dormir em meio aos sonhos? Grito aos cascos e baganas que me devolvam uma certeza qualquer que perdi [

[numa noite anterior,

xingo vizinhos e mestres, deixo de abençoar minha mãe e nem mesmo me penteio. Que agora mesmo me digam o que vale o que [

[quer que seja.

Nem mesmo seus belos conselhos com beijos ardentes e promessas de que dividirás as receitas de bolo. Sem nada e um pouco de tudo me digam se vale? – perdido, eu penso que hoje é apenas pedaço de [

[história.

Mas é receio e excitação. João Henrique Vieira

51


Estou no caminho de onde saem e chegam tantos [

[outros.

Vago e vou. Então [

me

digam

algo

que

valha

o

meu

[contentamento bobo,

em meio ao tanto que ainda há?

João Henrique Vieira

52


Mínimas iluminuras

Vazio é quando alguém, sabe-se lá de quem, puxa [

[o que você já ia alcançar

e a solidão é uma senhora de cabelos brancos que acena e por vezes se demora a ir. O verso acena um breve colorido de borrar [

[poema.

Lembrança é uma menina pálida que nos toca o [

[ombro

chamando para os dias de ontem.

– pessoas extremamente belas têm direito a cantadas baratas. Se prazer é vendável eu não sei, mas não é de graça por certo. Por uma língua suada João Henrique Vieira

53


beija o verso uma lembrança sombreada. Se pudesse pintar um erro, outro acerto se erraria hoje. – é tudo uma questão de perspectiva. Segue-se procurando coisas pelo horizonte que [

[desenha.

João Henrique Vieira

54


Conselho amoroso

– Olha! Mas não tente ver com os olhos. Não deixe de tocar além das mãos. Pega o que é teu, e por ser teu, não espere que os outros vejam.

João Henrique Vieira

55


Jo達o Henrique Vieira

56


Lembrança rua afora

Sentado à minha porta, portão aberto, ouvindo música no celular, fumando, me vejo passar à madrugada de uma rua solerte e silente, cheio de alegrias caladas. Lembrança na memória das retinas. – isso a gente lembra com os olhos. O vigia levado pelos chapéu e facão que um dia ele os conduziu com bravura. Hoje apita uma lembrança do vigia – que leva o vigia – João Henrique Vieira

57


que carrega a noite aos apitos. Carcomidos sons na madruga. Minha rua que lembro com olhos madrugados.

Jo達o Henrique Vieira

58


Escombro

A saudade avança feito um batalhão. A vida que há se enche de lembranças e viver é um recortar e colar de instantes idos, no

instante presente que sufoca o

[

instante [próximo.

O batalhão avança cheio de fantasmas bêbados, fantasmas mortos e vivos, fantasmas de um mesmo homem que enfrenta o [

[próprio batalhão

numa guerra silenciosa que lhe risca o rosto. E quão mais longe for e mais longa for a jornada, maior a luta contra si mesmo, e o mundo e toda a gente não passa de figura pálida colada sobre o branco [

[da memória.

Na guerra de agora sobre o que já foi o homem junto ao próprio batalhão sangra e chora em silêncio, João Henrique Vieira

59


atravessando as fronteiras do vasto mundo que há [

[em si,

na trincheira de um quarto escuro – ou de um quarto claro que ofusca.

João Henrique Vieira

60


[...]

Sonhou frente aos deuses do cotidiano que o amor - se há é a saudade das pequenas brigas e birras e risos e caras feias. Como fosse a saudade um moinho a espremer carne e ossos deixasse escorrer sobre o papel estes versos [

[tristes,

feito gotas de lembranças trêmulas e suadas, gotejando sonhos num sono que não dorme.

João Henrique Vieira

61


Corpo cor e cheiro Te ver deitada, cansada de amor no repouso do gozo, me alegra e perturba. Teu corpo e tua cor. Tua cor é assim da tua cor. Teu corpo é assim do jeito do teu corpo. Não é cor de outros corpos, nem forma de outros [

[corpos.

É assim suave, se a cor deveras for suave, é assim, feito um desenho bom de olhar, não a perfeição, mas as formas do desenho. Teu corpo assim deitado é imagem de outros [

[quadros.

Por mim, eu te amaria até a última gota de força, só pra te ver deitada depois do amor. Tua cor é tua, com luz acessa ou na penumbra, é assim feito a cor do teu cheiro, só teu, João Henrique Vieira

62


como se outros cheiros não houvesse no mundo. Neste instante em que deita, com teu corpo e tua cor, teu cheiro é a atmosfera que fica entre nós. Eu um bobo a olhar teu corpo feito criança quando vai embora de um parque de [

[diversões, feliz olhando para trás.

Teu corpo que não está, às vezes, quando tu não está, surge ao fechar os olhos para ver na lembrança [

[teu corpo,

que vira para o lado e me olha, bobo. Teu corpo e tua cor e teu cheiro pesam em minha cama ainda que não deite aqui todas as noites. E meu corpo feito só um corpo, deita, vira, revira, tresvira e dorme. João Henrique Vieira

63


Feito antigamente

Queria poder sentar e beber uma cerveja com [

[minhas lembranças.

Ouviríamos nossas velhas músicas com antiga empolgação de velhos sonhos e muitos de nossos projetos já curtidos pelo tempo. Queria poder afagar minhas lembranças, pô-las para dormir. Poder brigar com minhas lembranças, fazer amor e casar com elas. Compraria uma casa para minhas lembranças – a geladeira teria a cor que desejasse minhas [

[saudades.

Queria olhar a rua e os vizinhos sentado ao lado de [

[minhas lembranças.

Olharíamos a cena e daríamos gargalhadas de [

[nossos vizinhos.

Iríamos a uma festa João Henrique Vieira

64


– dessas de antigamente – com nossas caras limpas de rugas, dentes claros e roupas de fotografia amarelada. Nos olhos ainda haveria aquele brilho que só na [ Queria

[saudade acende. dar

meu

primeiro

[

beijo

na

primeira

[lembrança que surgisse

– eu até casaria com minha primeira lembrança. Queria escrever cartas para minhas lembranças, remeter-lhes abraços. Conversaríamos muito e me confessaria às saudades. Brincaria na chuva e me abrigaria à sombra de lembrar. Eu e minhas lembranças seríamos uma coisa só. Minhas lembranças seriam ainda planos e não olharíamos para trás, nem teríamos cicatrizes.

João Henrique Vieira

65


Minhas lembranças mudariam o caminho e eu seguiria em frente, até que lembrar não fosse algo tão dolorido e eu pudesse juntar lembranças e planos numa [

[mesma mesa de bar

e beber até cair no amanhã, como fosse o primeiro dia.

João Henrique Vieira

66


Extemporâneo

Olho para além feito homem velho que espera vir a vida não [

[curtida.

Sento à mesa em silêncio, parece a conversa palavras a meio tom. Meu olhar triste não tem a graça nem o riso que guardam as[ [

[lembranças.

Estou atrás ou além do que não sei e me cansa o que já não sinto.

João Henrique Vieira

67


Repouso sobre saudades

Meu travesseiro é feito de saudades. Minha cabeça – que anda – repousa sobre lembranças: futebol de rua, amores de pêra-uva-maçã-salada-mista. Saudosismos que me agarram em vivas lembranças. O cheiro tem sempre as mesmas todas as cores. Flores na esquina. Como tu estavas? Pequenas gavetas guardam um amor saliente, cabelos, olhos, ruas e histórias. – O amigo que se foi eu guardei. O amor é sempre o mesmo João Henrique Vieira

68


com infinitos cabelos que minha lembrança deixa [

[balançar ao sabor dos ventos de ontem.

– solta os cabelos! Se fores à festa – que é uma lembrança – te espero com flores na noite de recordar. Brincar com passados e passantes. Malabarismo com ciclos vitais de tantos seres. Não entendo e eu menino a mim explico em lembrança viva do [

[meu sono.

Lembrança é a rua dos sonhos onde caminham bêbados, poetas e amantes, todos sob a mesma luz de um poste torto. Tênue luz que me cega João Henrique Vieira

69


– é que só as lembranças veem de olhos fechados. Lembrar é ver com olhos de ontem. – meu travesseiro é uma lembrança confortável.

João Henrique Vieira

70


Sonho embriagado

A luz da noite deitou-se sobre o dia e acordou [

[sonhos bêbados.

A elegância decrépita retomou o passo de um [

[bolero antigo

e a fantasia fechou os olhos para correr no vão do [

[pensamento,

no descampado da saudade. Derrete-se o gelo no amargo do trago tornando doce as dores que se embalam num [

[sonho repetido,

que a cada noite torna-se possível e que a luz do dia zomba, despreza, tornando risível o charme embriagado e a elegância ultrapassada. Mas a cada noite a luz falsa de botequim torna real [

[a fantasia bêbada

de uma velha dama de maquiagem borrada João Henrique Vieira

71


que senta, pede um drinque e com nobreza repassa o mesmo instante que hรก muito jรก se foi.

Joรฃo Henrique Vieira

72


Baú

Procurou uns versos antigos que falassem de dores velhas, de riso amarelado. Encontrou um monte de sombras e sobras do que [

[era

e não disse nada.

João Henrique Vieira

73


Barcos de papel-poema

Com tua ausência aprendi sorrir vazio. Obrigo-me a alegrias onde não te encontro. Não tenho o negro mar da noite dos teus olhos onde navegaram barcos de papel-poema. Céu de noites calmas. Escondida estrela. Bruxulentas luzes de caminhos bêbados. Senta ao banco alguém cansado. Dormem ao chão, poemas e jornais. Amores e noticias de passados tempos.

João Henrique Vieira

74


Desmedido

Hoje eu queria afagar todos os cães abandonados [

[nas ruas.

Apagar a luz dos postes e trazer à tona o sol. Nosso, o dia. Até chegar a noite e fazê-la nossa, inteira de suspiros cúmplices, cheiro vivo, gosto humano. Vívido, o toque. Hoje eu queria gritar até não ser ouvido, silenciar aos gritos do teu olho. Quando nada mais abarcar, me abrace e no corpo encontre força que embale um novo [

[passo.

Leve meu caminho João Henrique Vieira

75


e me faça abobalhado. Em verdade, eu beijo teu olho só pra ver o gosto. Silêncio! porque eu ouço tudo.

João Henrique Vieira

76


Memória fotográfica

Ler ouvindo Across the universe [Beatles]

Meu álbum de fotografia canta enquanto vejo que o mundo é um monte de [

[lembranças.

Meu mundo, minhas fotografias e meus perfumes, que aperto os olhos fechados para emergir de [

[sombras e sonhos,

é uma paisagem alaranjada, com árvore torta, umas pedras para se sentar e um horizonte para ver enquanto ouço uma canção que fala do meu inabalável mundo. É a paisagem que carrega minhas vistas por aí. É mundo que eu guardo em toda parte. João Henrique Vieira

77


Nada sobre o sentimento humano

Estranho são os cortes e o mapa de mim é um traçado de dores indelével e [

[tênue.

Em meu peito, decrépita toda a humanidade, a alheia, a minha eu guardo resistindo em gasto amor. Feito parido agora, me alheia e aturdia a confusão de falas e imagens. Tudo é novo e empoeirado. Na confusa cartografia dos desejos pego atalhos e abro caminhos. Sigo o retumbante farfalho e me abestalho frente a velhos descobrimentos.

João Henrique Vieira

78


Quase poesia

Jo達o Henrique Vieira

79


[...]

Infinito é olhar-se no espelho e não saber quem olhou primeiro.

João Henrique Vieira

80


[...]

A cor dos teus gritos coloriu meu quarto e o silĂŞncio fugiu envergonhado ao te ouvir sorrir.

JoĂŁo Henrique Vieira

81


[...]

A rotina engrossa nossa retina.

Jo達o Henrique Vieira

82


[...]

Poesia nua com riso cínico & cheiro de sexo. – abra as páginas meu amor, boa leitura!

João Henrique Vieira

83


[...]

Sem bode-expiatório, não há heróis.

João Henrique Vieira

84


[...]

Sutil e voraz, feito comer com os olhos.

Jo達o Henrique Vieira

85


[...]

O olhar, o passo, o toque. Mergulho no corpo.

Jo達o Henrique Vieira

86


[...]

O acaso ĂŠ sempre o mais oportunista.

JoĂŁo Henrique Vieira

87


Paradoxo virtual

Tava chorando, rsrsr.

Jo達o Henrique Vieira

88


[...]

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

E se do papel n達o se ouvir meu grito? ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh hhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh

Jo達o Henrique Vieira

89


[...]

No passeio público, a mão em passeio púbio.

João Henrique Vieira

90


Má notícia

A morte é uma surpresa desagradável.

João Henrique Vieira

91


[...]

O infinito é pequeno, o vazio transborda e o dicionário insiste em conceitos. – inefável é o que não se exprime em palavras.

João Henrique Vieira

92


[...]

Os melhores vizinhos s達o aqueles que n達o sabemos nem o nome.

Jo達o Henrique Vieira

93


Passar a limpo

Fui corrigir meu borr達o, borrei.

Jo達o Henrique Vieira

94


Epifania

Ôba! Escrevi um verso.

João Henrique Vieira

95


João Henrique Vieira Mocambinho, Teresina, Piauí, Brasil 2000-2010

2012

João Henrique Vieira

96


Sobre o autor

João Henrique Vieira é escritor, jornalista e produtor artístico. Formado em Comunicação Social UESPI. Autor de poemas, contos e crônicas. Escreve no blog pessoal "Entrebraes", desde 2006. Nascido e crescido em Teresina, Piauí – mais exatamente no bairro Mocambinho, de onde nascem memórias aqui reunidas – hoje reside em Belém, PA. A reunião desses textos é fruto de uma década de produção literária [2000 a 2010]. Teve poemas publicados na coletânea da Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Vol. 48 [RJ/2008] e revistas literárias “Trimera” [Teresina/20082010], e “Roda de Poesia” [Teresina/2008], além de premiações no projeto “Roda de Poesia&Tambores”, do escritor e pesquisador Élio Ferreira [Teresina].

João Henrique Vieira

97


Olá, meu caro e book ed final