Issuu on Google+

Índice: 1 – Alimentos Transgênicos

21 e 22 – Noz

1 e 2 – Arroz

22 e 23 – pão

3 – Banana

23,24 e 25 – Soja

4 – Batata

25 e 26 – Tomate

5 – Bolo

26 e 27 - Uva

6 – Caqui 7 – Arroz 7 e 8 – Guaraná 9 – Jaca 9,10 e 11 – Kiwi 12 – Laranja 13 e 14 – Leite 14 – Lentilha 15 – Macarrão 16 – Maçã 17 – Mandioca 17 e 18 – Manga 18 e 19 – Maracujá 19 e 20 – Melancia 20 e 21 – Milho

Alimentos Transgênicos Os alimentos transgênicos são produtos da biotecnologia, que é uma ciência que, em termos gerais desenvolver produtos por meio de processos biológicos, como por exemplo, a alteração genética de espécies através da tecnologia do DNA recombinante.Esta alteração ocorre entre espécies diferentes presentes na natureza e como objetivo de melhorar as características do organismo em estudo. A soja e o milho são exemplos de alimentos geneticamente modificados que estão sendo comercializados no mundo e já existem outros, como mamão, o feijão e o cacau, que ainda estão em estudo. Porém a grande novidade é o arroz dourado, contendo betacaroteno-precursor da vitamina A- e o tomate rico em licopeno.

Arroz O arroz, cujo nome cientifico é Oryza Sativa, é o segundo alimento mais consumido no mundo e seu cultivo é tão antigo quanto a própria civilização, diversos autores acreditam que ele seja originário da Ásia e as primeiras culturas iniciadas há sete mil anos. Porém referência concreta aparece por volta de 2800 a.C. na China.

Da Ásia, seu provável berço,foi impondo a sua presença na Europa e no norte da África, e batizado como “aruz” na Espanha, para onde foi levado pelos árabes, no século XV. O arroz foi trazido pelos mouros no século VIII, inicialmente na península ibérica e após sete séculos já é a cultura mais difundida no norte da Itália. Nas Américas não há documentação segura sobre o inicio da cultura, porém há registros de culturas em 1694 nos EUA, no entanto, outros alegam que, antes de conheceremos portugueses, portanto antes de 1500, os tupis já colhiam em solo brasileiro, onde este vegetal havia vegetado espontaneamente. Na campanha de Canudos, o regente D. João introduziu o arroz na alimentação do exército. O arroz foi introduzido no Brasil pela Frota de Pedro Álvares Cabral, o arroz e presunto foram os últimos presentes deixados aos índios. Porém o cultivo do arroz para uso próprio só é relatado após 1530 na capitania de São Vicente e lavouras comerciais surgem em Pelotas, RS, no ano de 1904. Atualmente, o Rio Grande do Sul é responsável por 50% do arroz produzido no país, outros produtores são Mato Grosso segundo maior produtor, Santa Catarina, Tocantins, e Goiás. Brasil é o grande produtor mundial de arroz (11 milhões de toneladas) e o seu consumo é o terceiro mais elevado da America latina (entre 40 e 45 quilos por habitante). Já na era primitiva os japoneses traçavam a palha de arroz na confecção de tatamis. Existem pelo menos 9 variedades de arroz: Vermelho;Parborizado;Basmati;Tailândes;Selvagem;Japo nês;Ráris;Agulha;Integral.

Banana A banana é originária das línguas serra-leonesa e liberiana (costa ocidental da África), a qual foi simplesmente incorporada pelos portugueses à sua língua. Não se pode indicar com exatidão a origem da bananeira, pois ela se perde na mitologia grega e indiana. Atualmente admite-se que seja oriunda do Oriente, do sul da China ou da Indochina. Há referências da sua presença na Índia, na Malásia e nas Filipinas, onde tem sido cultivada há mais de 4.000 anos. A história registra a antigüidade da cultura. As sementes das bananeiras primitivas, que eram férteis, teriam tido 2 cm. Atualmente, em geral são estéreis e se apresentam como pequenos pontos escuros localizados no eixo central da fruta. Segundo Moreira (1999), as bananeiras existem no Brasil desde antes do seu descobrimento. Quando Cabral aqui chegou, encontrou os indígenas comendo in natura bananas de um cultivar muito digestivo que se supõe tratar-se do ‘Branca’ e outro, rico em amido, que precisava ser cozido antes do consumo, chamado de ‘Pacoba’ que deve ser o cultivar Pacova. A palavra pacoba, em guarani, significa banana. Com o decorrer do tempo, verificou-se que o ‘Branca’ predominava na região litorânea e o ‘Pacova’, na Amazônica.

Batata A batata é originária do Peru, onde fora cultivada desde eras imemoriais pelo povo inca, sendo chamada de "papa" na língua quíchua. Ainda em nossos dias, nos países andinos, produzem-se e se comercializam mais de 200 variedades diferentes de batatas. Recente pesquisa baseada no DNA comprovou que todas as variedades da batata descendem de uma única variedade de planta originária do sul do Peru. Esta mesma pesquisa evoca evidências arqueológicas de que o vegetal ali já era cultivado há 7.000 anos para efeitos de alimentação humana. Em 1570, a batata foi levada para a Espanha, de lá se disseminando para a Europa e depois para todo o mundo. Atualmente, a cultura mundial atinge a cifra de cerca de 300.000.000 toneladas/ano. A batata é rica em grãos de amido, armazenados nos amiloplastos.

Bolo O bolo muitas vezes é usado para comemorar aniversários, casamentos ou fazemos só para ter algo diferente no nosso cardápio. Podemos fazer diversos sabores de bolos cenoura,chocolate, limão e etc. O bolo é basicamente feito de massa. Colocamos farinha, geralmente doce e é cozida no forno. Fala-se que o bolo mais famoso do Brasil é o bolo Souza Leão, uma lenda na nossa doçaria. A primeira vez que ouvimos falar nele foi quando ele foi servido pela família Souza Leão que era dona de imensos canaviais ao imperador Pedro II e para sua mulher, Teresa Cristina, quando viajaram para Pernambuco. O casal comeu e ficaram satisfeitos. Esse bolo completou 140 anos. O ano 1800 foi considerado o auge da história dos bolos, quando foram criadas novas receitas para deixar ele cada vez melhor. E hoje em dia temos diversas maneiras de preparar ele de acordo com o gosto de cada um.

Caqui O caqui ou dióspiro é o fruto do caquizeiro ou diospireiro (Diospyros kaki, L.f.), uma árvore da família Ebenaceae. O nome Diospyros tem origem no grego dióspuron que significa alimento de Zeus. É originário da China, sendo muito popular no Japão. Sendo uma fruta de caldo, contém grandes quantidades de água em seu interior. Existem diversas variedades: A variedade vermelha, quando maduro, é muito doce e mole, precisa de muito cuidado no transporte para não amassar. A variedade conhecida como caqui-chocolate é de cor alaranjada e no interior tem riscas cor de chocolate, é mais duro e resistente, e não é tão doce quanto o vermelho. Tem poucas calorias (cerca de 80 a cada 100 g), e possui vitaminas A, B1, B2 e E, além de cálcio, ferro e proteínas. É muito cultivada na região sul do Brasil e no estado de São Paulo, pois dá-se bem em climas amenos e frios (subtropical e temperado).

Feijão O feijão é uma planta nativa da América do Sul e da América Central. Trata-se de uma planta rasteira que dá frutos uma única vez. Produz vagens de até 15 cm de comprimento, dentro das quais estão as sementes, ou seja, os grãos usados na alimentação. O feijão já era cultivado há 7.000 anos por tribos indígenas do México e do Peru. Inclusive nas tumbas destas civilizações havia panelas de barro decoradas com desenhos de homens e mulheres segurando milho em uma mão e feijão na outra. No outro lado do mundo, uma variedade de feijão foi encontrado em tumbas egípcias e há relatos de 2000 a.C que esta civilização considerava o feijão como o símbolo da vida. Aliás, eles tinham templos dedicados ao feijão e era um símbolo de adoração. A partir da América Central, a disseminação do cultivo do feijão pela América só se deu realmente nos séculos XV e XVI fomentada pelos espanhóis e ingleses. Na África e na Ásia, o cultivo do feijão foi introduzido pelos exploradores portugueses no começo do século XVII.

Guaraná

O Guaraná é um arbusto originário da Amazônia, encontrado no Brasil e Venezuela, cultivado principalmente no município de Maués-Am e na Bahia. Seu nome científico é Paullinia cupana e pertence a família Sapindaceae, catalogado no século XVIII pelo médico botânico alemão F. C. Paullini. Sua fruta possui uma substância parecida com a cafeína (guaraína) e devido a essa propriedade estimulante é usada para a fabricação de xaropes, barras, pós e refrigerantes. A fruta possui casca vermelha e quando madura deixa aparecer a polpa branca e suas sementes, assemelhando-se com olhos. Na região próxima ao município de Maués, onde é cultivada, os índios da nação saterê-mawé tem lendas sobre a origem da planta. Em Portugal, produzem-se refrigerantes de guaraná desde o final dos anos 90, sendo inicialmente importados do Brasil. O refrigerante de guaraná mais vendido do mundo é o Guaraná Antarctica, produzido desde abril de 1921 no Brasil. Outros nomes Uaraná, narana, guaranauva, guaranaina, guaraná cerebral, guaraná-da-amazônia

Jaca

A árvore originária da Índia e cultivada em todos os países tropicais do mundo. No Brasil e em grande parte da América tropical ocorre a incidência da Artocarpus Interglifolia, a jaqueira. Os frutos nascem diretamente do tronco e dos galhos mais grossos e chegam apesar até dez quilogramas e medir até quarenta centímetros de comprimento. Geralmente são consumidos no estado in na in natura , contudo são freqüentemente transformados em doces e geléias caseiras. Também podem ser consumida cozida.

Kiwi

O kiwi, quiuí ou quivi é um fruto comestível proveniente de algumas espécies do género Actinidia, e seus híbridos, originárias do sul da China. São plantas típicas de locais com clima temperado ou subtropical de montanha. As variedades de fruto mais amplamente comercializadas são produzidas por diversos cultivares da espécie Actinidia deliciosa e, em muito menor quantidade, por algumas variedades de Actinidia chinensis. O fruto possui polpa de coloração esverdeada e uma casca castanho-esverdeada a castanhoamarelada, coberta de uma espécie de micro-pêlos que lhe dão um aspecto fibroso e hirsuto. É considerado o fruto comercial com maior quantidade de vitamina C já identificado, além de ser particularmente rico em alguns oligoelementos, como o magnésio, o potássio e o ferro. Tanto a Actinidia deliciosa como a Actinidia chinensis são nativas do sul da China, tendo o kiwi sido declarado o Fruto Nacional da República Popular da China. Outras espécies de Actinidia são também nativas da China, com uma distribuição que se estende para leste até ao Japão e para norte e noroeste atá ao sueste da Sibéria. A cultura expandiu-se a partir da China nos primeiros anos do século XX quando sementes da planta foram levadas para a Nova Zelândia por Isabel Fraser, directora de um colégio feminino em Wanganui (o Wanganui Girls' College), que tinha estado de visita a escolas missionárias no sul da China. As sementes foram plantadas em 1906 por um viveirista de Wanganui, Alexander Allison, tendo produzido os primeiros frutos em 1910.

O cultivar mais comum, o Actinidia deliciosa 'Hayward', foi produzido por Hayward Wright em Avondale, Nova Zelândia, por volta de 1924. Era inicialmente cultivado apenas em pomares domésticos, mas a plantação comercial começou na década de 1940, sendo vendido com o nome de groselha chinesa (Chinese gooseberry). Hoje na Europa e nas Américas o produto é comercializado com o nome de kiwi, originalmente uma palavra maori que designa uma ave terrestre endémica na Nova Zelândia, usada como símbolo daquele país. A partir do nome groselha chinesa, em meados do século XX o fruto foi rebaptizado na Nova Zelândia, o primeiro país onde foi produzido comercialmente em larga escala, passando a designar-se por kiwi. As razões da mudança de nome prenderam-se com a procura de um nome comercial apelativo pelo seu exotismo e com a necessidade de evitar as altas tarifas então impostas pelos Estados Unidos da América às groselhas e aos melões (já que o nome inicialmente pretendido era melonette). A Itália é hoje o maior produtor mundial do fruto, seguida pela Nova Zelândia, Chile, França, Grécia, Japão e Estados Unidos da América. O kiwi é também produzido na China, a sua terra de origem, mas aquele país nunca conseguiu integrar a lista dos 10 maiores produtores mundiais. Na China, é cultivado principalmente na região montanhosa em torno do rio Yangtze. Outra região produtora é a província de Sichuan.

Laranja

Laranja é o fruto produzido pela Laranjeira.Uma árvore da família Rutaceae.A laranja é um fruto híbrido,criado na antiguidade a partir do cruzamento do pomelo com a tangerina.A laranja doce foi trazida da China para a Europa no século XVI pelos portugueses. Essa fruta terá surgido na Índia,embora seja por vezes referidos o Vietnam como país de origem.A fruta original é acida quando comparada com as variedades modernas. É incerto se a laranja ácida é a original,e pode dar-se o caso de não existirem verdadeiramente espécies selvagens. O cultivo da laranja é um negocio significativo, e uma importante parte das economias de vários países e regiões européias, entre as quais,Espanha,Itália,Romênia,e a região do Algarves em Portugal .Noutros continentes encontramos produção significativa na África do Sul,Angola,Zimbábue,nos estados da Florida e Califórnia dos EUA,na América do Sul principalmente na Argentina e no Brasil, e o distrito Riverina em Murray River na Austrália.

Leite O consumo humano do leite de origem animal começou há 11.000 anos com a domesticação do gado durante o chamado "ótimo climático". Este processo se deu em especial no Oriente Médio, impulsionando a Revolução Neolítica. O primeiro animal domesticado foi a vaca, e em seguida a cabra, aproximadamente na mesma época; finalmente a ovelha, entre 9000 e 8000 a.C.. Existem hipóteses, como a hipótese do genótipo poupador, que supõe uma mudança fundamental nos hábitos alimentares das populações de caçadorescoletores, que passaram a ingeri-lo esporadicamente, a fim de receber carboidratos. Esta mudança fez com que as populações euro-asiáticas se tornassem mais resistentes à diabetes tipo 2 e mais tolerantes à lactose, em comparação com outras populações humanas, que só mais recentemente conheceram os produtos derivados da pecuária. Contudo, esta hipótese não pode ser confirmada, inclusive por seu próprio autor. James V. Neel a refutou, alegando que as diferenças observadas nas populações poderiam ser atribuídas a outros fatores ambientais. Durante a Antiguidade e a Idade Média, o leite era muito difícil de se conservar e portanto era consumido fresco

ou em forma de queijo. Com o tempo, foram sendo desenvolvidos outros laticínios, como a manteiga. A Revolução Industrial na Europa, por volta de 1830, trouxe a possibilidade de transportar o leite fresco de zonas rurais às grandes cidades, graças a melhorias no sistema de transportes. Com o tempo, apareceram novos instrumentos na indústria de processamento do leite. Um dos mais conhecidos é o da pasteurização, sugerida para ser usada no leite em 1886 pelo químico microbiologista alemão Franz von Soxhlet. Estas inovações conseguiram que o leite ganhasse um aspecto mais saudável, tempos de conservação mais previsíveis e processamento mais higiênico.

Lentilha A lentilha é uma pequena planta trepadeira anual, da família das leguminosas, subfamília Faboideae. Essa erva de origem asiática é cultivada universalmente e possui folhas penadas, com folíolos minutos. Suas flores são papilionáceas, pequenas, alvacentas ou algo violáceas. Suas vagens (legumes) são curtas, com uma ou duas sementes discóides altamente nutritivas e muito apreciadas como alimento. Apresenta também largo uso ornamental em vasos, jardineiras ou em cercaduras de canteiros.

Macarrão Ninguém sabe ao certo a verdadeira origem do macarrão. Muitos povos afirmam serem os inventores desta deliciosa massa, mas a verdade é que seu surgimento é um grande mistério. Tão logo o homem se deu conta que podia moer certos tipos de cereais e que ao misturá-los com água podia obter uma massa que podia ser cozida ou assada, surgiu então o macarrão. Um dos pratos mais populares de todo o mundo moderno já fazia sucesso na antiguidade. Prova disso é a existência de relatos em textos antigos, até de assírios e babilônios, sobre a existência de uma pasta cozida à base de cereais e água, cuja data remonta a 2.500 a.C. O macarrão chegou no Brasil no final do século XIX, trazido pelas primeiras famílias de imigrantes italianos; O Macarrão faz parte do grupo dos alimentos energéticos. É recomendado que se consuma, diariamente, 60% do total calórico, que varia de 1800 a 2200 kcal, de alimentos ricos em carboidrato. O Macarrão ajuda a compor um cardápio completo com fibras, vitaminas e sais minerais.

Maçã

Com origem na Europa e Ásia é um fruto globoso ou deprimido com uma profunda depressão no ponto de inserção da haste que o prende aos ramos. De coloração vermelha ou verde podendo apresentar pequenas manchas esverdeadas ou amareladas. Surge de fevereiro a abril. Exige clima temperado para se desenvolver. Solo sílico-argiloso e profundo. As variedades mais cultivadas são: gala, golden delicious e fuji, que variam na textura e sabor da polpa. maçã é cosiderada a rainha das frutas européias Nas regiões temperadas, a macieira é cultivada há muitos milênios .Até os dias de hoje não se sabe, ao certo, quando e onde se originou a macieira, e qual ou quais foram as espécies silvestres que deram origem à maçã contemporânea, cujas variedades são atualmente conhecidas No Brasil, os primeiros cultivares que chegaram da Europa durante os anos 20, com o objetivo de se estabeleceram plantações comerciais, foram instalados no sul de Minas Gerais, na região de Maria da Fé. Ali, as macieiras se deram muito bem, em virtude da altitude e do clima que se aproxima ao das regiões temperadas.

Mandioca Foi cultivada por várias nações indígenas da América Latina que consumiam suas raízes, tendo sido exportada para outros pontos do planeta, principalmente para a África, onde constitui, em muitos casos, a base da dieta alimentar. No Brasil, o hábito de cultivo e consumo da raíz continua.

Manga A manga é fruta nativa da Ásia, mais precisamente da Índia, do sudeste do continente asiático e das ilhas circunvizinhas sendo, sem dúvida, um dos melhores e mais largamente aproveitados frutos de origem tropical. Apesar de ser cultivada em suas regiões de origem há mais de 4 mil anos, sua introdução em outras terras foi muito lenta: a viagem das mangas pelo mundo iniciou-se apenas com a descoberta das rotas comerciais marítimas entre a Europa e a Ásia, no início do século XVI. Foram os portugueses, mais uma vez, que fizeram esse trabalho, levando as mangas, primeiro, para as costas leste e oeste da África trazendo-a, depois, para a América. Apenas por volta de 1700, segundo Pimentel Gomes, o Brasil, ou melhor, a Bahia, recebeu as primeiras mudas

de mangueiras indianas. Dali, foram para o México no século XIX, de onde atingiram a região da Flórida. Os deliciosos e excelentes frutos das mangueiras são cultivados, atualmente, em todos os países da faixa tropical e equatorial do globo. No Brasil, a fruta foi amplamente disseminada. De acordo com Pio Corrêa, a mangueira foi a árvore asiática que melhor se adaptou ao clima brasileiro, produzindo inúmeras variedades, tornando-se quase obrigatória na paisagem do norte e do nordeste do país, e sendo facilmente encontrada em cultivo na Amazônia e nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Maracujá O maracujá é um fruto produzido pelas plantas do gênero Passiflora. Pertencente à família Passifloraceae, o maracujazeiro é originário da América Tropical e possui mais de 150 espécies. As espécies mais cultivadas são maracujá-amarelo, maracujá-roxo e o maracujá-doce. O maracujá-amarelo representa mais de 95% da produção no Brasil. O período de colheita do maracujá ocorre de seis a nove meses após o plantio. Pode ser consumido tanto em seu estado natural quanto em doces e sucos.

As propriedades calmantes presentes no maracujá devese às substâncias alcalóides e bioflavonóides que atuam deprimindo o sistema nervoso central. O maracujá possui alto valor nutritivo, como vitamina C, vitaminas do complexo B e sais minerais Historia do maracujá: pelos dados de sua história e quase nasceu com a nossa formação cultural, encontramos referências desde 1587. Nesta época já lhe chamavam de "erva que dá fruto". Contam que foi o índio o seu padrinho, ao batizá-lo de maracujá, significando "comida que vem da cuia".

Melancia Melancia é uma fruta rasteira, originária da África, é cultivada ou aparece quase espontaneamente em várias regiões do Brasil, geralmente em áreas secas e de solo arenoso. A planta é rasteira e anual, com folhas triangulares e trilobuladas e flores pequenas e amareladas, gerando um fruto arredondado ou alongado, de polpa vermelha, suculenta e doce, com alto teor de água (Cerca de 90%) e diâmetro variável entre 25 e 75cm. A casca é verde e lustrosa, com estrias de verdeescuro no sentido do comprimento.

Sua composição, além do alto teor de água, inclui açúcar, vitaminas do complexo B e sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro.

Milho

Hà milhões de anos o millho vem acompanhando o homem ao longo do tempo. O milho deve ter surgido em solo centro – americano hà aproximadamente 7000 anos. Devemos procurar – lhe a origem nos planaltos do México, onde, em tempos pré – colombianos, o precioso grão rapidamente se espalhou ao norte até a barra São Lourenço, ao sul até o Prata e à oeste até o Amazonas. Os Astecas, Maias e Incas, não só deles se alimentavam, mas tinham também uma relação de cunho religioso. Até o descobrimento da América, em 1492, ou europeus desconheciam por completo a existência do milho. Quando Cristóvão Colombo levou algumas sementes para a Europa , em 1493, causou grande sensação entre os botânicos. Linneus, em sua classificação de gênero e espécies, denominou – se de “ zea mays”, do grego”zeia” (grão,

cerea), e em homenagem a um dos principais povos da América, os maias. Hoje seu consumo abrange praticamente todas as partes do mundo. E não apenas como como alimentação. O milho serve também de matéria – prima para fabricação de inúmeros produtos como óleos, cremes vegetais, bebidas e, por incrível que possa parecer, ate o combustível. O milho(zea mays), parece ter – se desenvolvido de um gramíneo silvestre em diferentes culturas, lendas que explicam sua origem.

Noz Uma noz em botânica é um fruto seco com apenas uma semente (raramente duas) no qual a parede do ovário ou parte dela torna-se muito dura na maturidade. A maioria das nozes vem dos pistilos com ovários inferiores (veja flor) e não abrem na maturidade. Exemplos de nozes verdadeiras são os frutos dos carvalhos (bolotas), das avelaneiras, das faias, das castanheiras e das nogueiras. "Nozes" em culinária são uma categoria muito menos restritiva do que nozes na botânica, o termo que está sendo mal aplicado a muitas sementes que não são nozes verdadeiras. Qualquer semente grande, oleaginosa, encontrada dentro de um escudo e usada no alimento pode ser considerada como uma noz. Porque as nozes têm geralmente um índice elevado do óleo, são um alimento e uma fonte de energia altamente apreciada. Um grande número sementes são comestíveis por seres humanos e são usadas na arte culinária,

comidas cruas, germinadas ou torradas, como um aperitivo ou em doçaria, ou ainda espremidas para lhe extrair o óleo que é usado na culinária e em cosméticos. Nozes são uma fonte nutritiva e significativa para a vida selvagem. Isto é particularmente verdade em locais de clima temperado onde animais como gaios e esquilos armazenam bolotas e outras nozes durante o outono para se preparem para a falta de comida durante o inverno até a chegada da primavera.

Pão

O pão é um alimento que resulta do cozimento de uma massa feita com farinha de alguns cereais, principalmente trigo, água e sal. Seu uso na alimentação humana é muito antigo. Se originou há milhares de anos a.C., quando era feito com glandes de carvalho e faia trituradas, sendo depois lavado com água fervente para tirar o amargor. Em seguida, essa massa secava ao sol, e se faziam broas com farinha. As farinhas antes de servirem para fazer pão, eram usadas em sopas e mingaus. Posteriormente se passou a misturar nas

farinhas azeite doce, mel, mosto de uva, tâmaras esmagadas, ovos, formando-se bolos, que teriam precedido o pão propriamente dito. Esses bolos eram cozidos sobre pedras quentes ou sob cinzas. Esse mesmo método de assar continuou a acompanhar os primeiros pães. Foram os egípcios os primeiros que usaram os fornos, sendo atribuída a eles também a descoberta do acréscimo de líquido fermentado à massa do pão para torná-la leve e macia. No Egito, o pão era o alimento básico, amassado com os pés, e normalmente feito de cevada ou espelta, espécies de trigo de qualidade inferior. Os pães preparados com trigo de qualidade superior eram destinados apenas aos ricos. Os salários eram pagos com pão: um dia de trabalho valia três pães e dois cântaros de cerveja. Os judeus acreditarem que a fermentação era uma forma de putrefação e impureza , por isso não utilizavam fermentos. Na Europa o pão chegou através dos gregos. O pão romano era feito em casa, pelas mulheres, e posteriormente passou a ser fabricado em padarias públicas, nascendo os primeiros padeiros.

Soja A soja (Glycine max (L.) Merrill), espécie de grande importância econômica, teve como centro de origem o

continente asiático, mais precisamente a região correspondente à China Antiga. Há referências bibliográficas, segundo as quais, essa leguminosa constituía-se em base alimentar do povo chinês há mais de 5.000 anos. No entanto, diversos pesquisadores que estudaram a sua origem, histórico e difusão geográfica, concordam ao afirmarem que a mais antiga referência à soja consta do herbário PEN TS’ AO KANG MU como parte da obra “MATÉRIA MÉDICA” de autoria do Imperador SHEN NUNG, escrita em 2838 A.C. Nessa obra, foram descritas as plantas mais importantes para os chineses. Dentre elas, o arroz, o trigo, a cevada, o milheto e a soja eram considerados “os cinco grãos sagrados”, por serem essenciais à estabilidade da civilização chinesa (Marcos Filho, s/d; Bonato & Bonato, 1987). Segundo a tradição, SHEN NUNG era considerado o pai da Medicina e da Agricultura. Como o povo era nômade, ensinou-lhes as técnicas mais adequadas para a aração e semeadura. Dava o exemplo a seus súditos, semeando o arroz com suas próprias mãos, como parte do programa de importante solenidade. Aos príncipes da casa real cabia a honra de cultivar as outras quatro espécies sagradas. Durante séculos a soja permaneceu circunscrita ao Oriente, pois inexistia o intercâmbio com as civilizações ocidentais. Hymowitz (1970) considerou que a soja surgiu domesticada, durante o século XI

A.C., na China. Para esse autor, a região Central da China constituía-se no centro primário de origem genética da soja, com a espécie ancestral Glycine soja que, por mutações, originou a espécie Glycine max, que acompanhou a migração nômade por volta de 2000 A.C. em direção a região Leste da China (antiga Manchúria), referenciada como o centro secundário de origem genética da soja.

Tomate A maioria dos botânicos atribui a origem do cultivo e consumo (e mesmo a seleção genética) do tomate como alimento, à civilização inca do antigo Peru, o que deduzem por ainda persistir, naquela região, uma grande variedade de tomates selvagens e algumas espécies domesticadas (de cor verde) conhecidas apenas ali. Estes acreditam que o tomate da variedade Lycopersicum cerasiforme, que parece ser o ancestral da maioria das espécies comerciais atuais, tenha sido levado do Peru e introduzido pelos povos antigos na América Central, posto que foi encontrado amplamente cultivado no México. Outros estudiosos acreditam que o tomate seja originário da região do atual México, não apenas pelo nome

pertencer tipicamente à maioria das línguas locais (Náuatles), mas porque as cerâmicas incas não registraram o uso do tomate nos utensílios domésticos, como era costume. Os primeiros contestam tal objeção, pelo fato de que muitas outras frutas e alimentos dos incas também não foram representados nas cerâmicas.

Uva Originária do árido Cáucaso, na Ásia, a uva é uma das frutas mais antigas utilizadas na alimentação humana e a sua produção se espalha por todo o mundo. Sua origem vem de 6.000 AC. No Brasil o cultivo da videira começou em 1535, na Capitania de São Vicente trazida pelos portugueses. A imigração italiana em São Paulo e no Rio Grande do Sul no final do século XIX deu um grande impulso à cultura. O consumidor pode saborear uva o ano todo. Uma pesquisa sobre os hábitos de compra do consumidor de uva feita pela equipe do CQH da CEAGESP mostrou que os consumidores procuram a uva nas gôndolas e que a doçura da baga é a característica determinante da compra. A falta de confiabilidade da uva é o principal gargalo do produto. São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Pernambuco e Bahia são grandes produtores. As

melhores épocas de produção variam com as características climáticas de cada região. No Entreposto Terminal de São Paulo da CEAGESP predominam as uvas originárias do estado de São Paulo das regiões de Botucatu, Campinas, Itapetininga e Sorocaba, no período de novembro a março, e de Dracena e Jales de julho a novembro. O Estado do Paraná é o maior fornecedor nacional de julho a novembro, uma janela de mercado onde entram poucos fornecedores. O Nordeste do Brasil concentra a sua oferta de agosto a dezembro. A uva é uma das frutas mais exportadas e também uma das mais importadas pelo Brasil. Uvas chilenas, americanas, argentinas tem no Brasil um mercado cada vez maior. A Câmara Setorial de Frutas, órgão da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo apresenta as normas de Classificação da Uva (Vitis vinifera L.). A adoção dessas normas trará confiabilidade à comercialização, conferindo competitividade à uva, beneficiando toda a cadeia de produção.


A Origem dos Alimentos