Issuu on Google+


A área da multimédia, esta cada vez mais a causar grande impacto no quotidiano dos nossos jovens. Esta área permite que possamos trabalhar com som, fotografia, vídeo, animação e texto. A Multimédia está cada vez mais desenvolvida tendo assim uma

A escola O nosso curso : Multimédia A Melhor PAP do ano letivo 2011/2012

Material Escolar Trabalho de alunos


A escola profissional do centro juvenil de Campanhã tende proporcionar aos seus alunos as melhores instalações.

A

escola profissional

Também tem um bar , onde

do centro juvenil de

todos os alunos, professores e

Campanhã

funcionários podem usufruir,

tende

proporcionar aos

seus alunos as melhores

para passarem bons momentos em grupo.

instalações de modo a que os alunos sejam prestigiados com um ensino . As salas deste estabelecimento de ensino estão devidamente equipadas com computadores, para proporcionar aos seus alunos aulas mais interactivas.

Para as aulas de Educação Física, há um pavilhão e todo o material necessário para as aulas práticas.


O Curso de multimédia foi o ultimo a abrir, mas ao longo do tempo cada vez há mais material para os alunos deste curso possam ter aulas mais práticas, tais como máquinas fotograficas , maquinas de filmar, tripés, captação de som, luzes entre muitos outros.

Com a ajuda de todos, aos poucos e poucos estamos a montar um estúdio e também uma sala com todos os equipamentos de captação de som , para uso de todos os alunos deste curso.


O Técnico de Multimédia é um

Editar conteúdos com vista à

profissional qualificado apto a

criação de soluções de comuni-

exercer profissões ligadas ao

cação (informativas e lúdicas);

desenho e produção digital de conteúdos multimédia e a desempenhar tarefas de carácter técnico e artístico com vista à

Integrar conteúdos utilizando ferramentas de autor;

criação de soluções interactivas de comunicação. As atividades desempenhadas

Programar aplicações multimédia;

por este técnico são : Conceber e desenvolver produtos multimédia interac-

Animar objectos para aplicações multimédia;

tivos; Desenhar conteúdos multiCaptar, digitalizar e tratar imagens, som e texto;

média.


Matriz Curricular Curso: Multimédia

Disciplinas

Carga Horária

Português

320

Língua Estrangeira I ou II

220

Área de Integração

220

Educação Física

140

Tecnologias da Informação e Comunicação

100

História da Cultura e das Artes

200

Matemática

200

Física

100

Sistemas de Informação

210

Design, Comunicação e Audiovisuais

350

Técnicas de Multimédia

480

Projecto e Produção Multimédia

140

Formação em Contexto de Trabalho

420

Total de Horas

* Duração 3 anos Diploma do Nível IV da CE e 12º Ano

3100


Se não fosses para multimédia, ias para que área?

Rui Vieira , um jovem promissor na área da multimédia.

Se não fosse para multimédia tinha seguido a área de electrónica ou algo do género. O que achaste do curso?

Nome : Rui Vieira

Achei o curso interessante, apesar de ser da primeira turma de multi-

Idade: 19

média que essa escola teve. Como

Região: Marco de Canaveses

tal eu e os meus colegas por vezes

O que te levou a ir para a

estava-mos limitados na realiza-

EPCJC e para o curso de multimédia ? Escolhi a epcjc pelo curso de multimédia e pelos bons acessos por transportes públicos, queria conhecer sítios novos e "fugir" da vida monótona da aldeia onde vivo. A epcjc parecia a melhor escolha na altura. Não muito longe, mas longe que chegue!

ção de certos projectos por falta de material adequado. Mas apesar de tudo senti que valeram a pena os três anos que passei aí a "passear os livros" como dizia o meu pai. O curso apesar de não ser difícil de terminar, por vezes era exigente e "roubava-nos" bastante tempo, o que apesar de na altura me parecer muito chato e me fartar de reclamar com os professores por causa disso, agora vejo que era algo muito bom. Ensinou-nos a lidar com prazos apertados e excesso de trabalho.


O que achaste da escola?

Como foi o teu percurso

“Gostei da boa relação que os profes-

ao longo os três anos na

sores e os funcionários têm com os

EPCJC?

alunos, parece uma grande família

“Entrei com a "pica" toda

aquilo ali dentro.”

no primeiro ano, aplicava-

Gostei da boa relação que os professores e os funcionários têm com os alunos, parece uma grande família aquilo ali dentro. de esforço comecei a des“Os professores são muito compreensivos e ajudam sempre no que podem, o que torna tudo muito funcional e acessível até aos alunos mais "baldas". Não gostei da falta de interesse da direcção da escola quanto ao bem estar dos alunos. Agem um bocado como se fossem presidentes da republica, intocáveis. Mas nada que não se suporte. Gostei da parte da psicologia, que ainda agora se interessam e tentam comunicar por email com os antigos alunos, para saberem como estes estão a lidar com o "mundo real" de trabalho. Ou desemprego.”

leixar-me aos pouquinhos. Estava atento nas aulas antes dos testes e ia-me chegando. Até que comecei a ter que fazer testes de recuperação por desleixo a mais e aí comecei a aplicar-me de novo, não muito, mas de maneira a que chegasse. Depois no 12º ano quando começamos a trabalhar nas PAP's resolvi dar o melhor que tinha para ver se subia a minha média. que estava mesmo muito fraca. “


Fui o primeiro a começar as gravações das curtas, na altura até fiquei um bocado chateado com o professor, porque ainda não tinham chegado as câmaras HD quando comecei e eu queria que o meu projecto ficasse perfeito. Depois, quando os vídeos em alta qualidade começaram a puxar demais pelos computadores e a dar algum trabalho aos meus colegas é que me apercebi de que não era assim tão importante a qualidade de vídeo, mas sim a qualidade da realização. Nos últimos dias, quando já tinha carta de condução, comecei a ir todos os dias para a escola trabalhar no projecto, pagava o gasóleo a meias com um colega e lá ia-mos. Fiz assim uns bons quilómetros durante duas semanas antes da grande apresentação. O que é certo é que valeu a pena o esforço.” Como surgiu a ideia do tema do tua PAP? “O tema da curta é uma metáfora para a vontade que eu tinha de ir embora daquela escola, acabar o curso e voltar para a aldeia. Foi só "pegar" nessa vontade toda e

transformá-la numa ideia mais interessante do que a realidade. Ou seja, o tema da minha curta relata o meu estado de espírito naquela altura, mas de uma forma exagerada. Depois foi só juntar a ideia do personagem fugir de bicicleta, que era outra coisa que eu adorava e juntar também um cenário perfeito. “ Tiveste dificuldades em realizar a tua curta? “Dificuldades só mesmo numa parte da curta em que tive que aplicar efeitos de vídeo que não tinha disponíveis no Adobe Premiere, aí tive que pedir ajuda a um professor de multimédia. A PAP exige é muito trabalho e dedicação, porque quando surgiam dificuldades havia sempre um professor pronto a ajudar.”


Foram na residência da escola, estação e ruas de Campanhã, o sanatório e ruas de Valongo.” O que sentis-te depois de saberes que tinhas tido a melhor PAP da escola ? “Eu nessa altura já estava feliz o suficiente, por saber que tinha acabado a escola e as preocupações. Mas quando soube dessa noComo correu a apresenta-

vidade fiquei mesmo orgulhoso de

ção? (da PAP)

mim próprio e do esforço todo que

“Estava nervoso e engasguei-

fiz.”

me um bocado no início da

Onde estagias-te ?

apresentação, mas acabei por

“Estagiei numa empresa chamada

me acalmar e tudo correu bem

GKM (Global Knowledge Manage-

depois. Tremi depois um bocado ment), na Boavista.” no fim mas foi de emoção, ao Foste sozinho? (estágio) receber aplausos do júri e do "público".” Que métodos/programas/ sítios utilizas-te na realização da curta? “Métodos de filmagem usei a filmagem subjectiva (não me lembro se é este o nome técnico), que é quando a câmara filma como se fosse o olhar do personagem. De programas usei muito o Adobe Premiere, o Audacity e também programas de para converter vídeo. Os locais das

“Sim.” Como correu? Gostas-te? “Eles davam-me muito trabalho por isso não gostava muito, mas sim, fiz lá amigos e aprendi mais algumas coisas interessantes sobre multimédia e webdesign. Foi



G-Magazine