Page 1


Morada: Rua D.João II, Lote 2331 A 2975-359 Quinta do Conde, Portugal Nº Telemóvel: 968649593 Email: joanaac.castelo@gmail.com Estudante da Universidade Lusíada de Lisboa, Portugal


2013

2012

2011

2009

2008

06 CONCURSO DE DESIGN CALENDRIER DE L’AVENT DE LA BIÈRE 99Designs, 2014

36


PROGRAMA DO PROJECTO Nesta unidade de trabalho, foi-nos pedido que projectassemos um hostel, apartamentos de luxo (de caracter temporário), uma galeria de arte e um espaço comercial para um lote da Avenida da Liberdade, Lisboa, que é um sitio muito delicado no que toca à sua importância histórica e localização perante uma das avenidas mais importantes de Lisboa.

O desafio consistiu primeiramente por criar estes 4 elementos num único lote e acima de tudo, sem destruir a lógica das fachadas da Avenidade da Liberdade.


07

SOLUÇÃO DO PROGRAMA Tal como a cidade de Lisboa, o projecto divide o programa em 3 partes: uma privada, outra publico/privada e uma inteiramente pública. Isto é, em vez de fazer um único volume que resolva o programa, esta solução cria 3 volumes individuais, que tratam de fazer a separação visual do programa: o volume mais aberto para o público com a galeria de arte no rés-do-chão e os pisos superiores com área comercial; um outro volume com 4 apartamentos de luxo de caracter temporário (elevados do chão); e por último, um outro volume com o hostel. Deste modo, existe uma leitura rápida quanto à funcionalidade de cada volume sem ter de se recorrer a sinais ou indicações. Não existe uma ligação fisica ou directa entre os volumes, no entanto, o hostel e os apartamentos de luxo partilham uma mesma promada de acesso de modo a aproveitar o pouco espaço que dispõem e respeitar as regras de segurança essenciais ao lugar. Cada volume tem um elevador de forma a possibilitar o acesso a pessoas de mobilidade reduzida.


09

GALERIA DE ARTE HOSTEL ÁREA COMERCIAL APARTAMENTOS DE LUXO


11

Volume Público/Privado:

GSLERIA DE ARTE HOSTEL ÁREA COMERCIAL APARTAMENTOS DE LUXO

É o volume mais alto e requer um maior nível de atenção. Tem 6 metros de largura e 18 metros de comprimento. É dedicado ao hostel, com os espaços mais públicos no rés-do-chão (cafetaria, recepção, lounge), tornando-se mais privado à medida que subimos de piso (piso1 para a administração e escritórios, 2º, 3º, 4º e 5º Piso para os quartos do hostel: duplos ou quadruplos). O acesso é feito por uma rampa pela Avenida da Liberdade. Existe um vagão (um buraco de vai desde a cobertura até ao 3ºPiso) que ajuda o edificio a respirar, tendo a conta o seu dimensionamento. Volume Privado :

Este volume eleva-se do chão e cria uma passagem entre a Avenida da Liberdade e a Rua do Salitre, o que confere a Este volume um caracter mais restricto e privado quando comparado aos outros dois. Contém 4 apartamentos de luxo, com a dimensão de 3metros de largura e 20 de comprimento, e um pé direito de 2,80metros.. O acesso é feito pela passagem criada com a elevação do volume. Não existem paredes nos apartamentos, para que não existam mais limitações para além das dimensões. Volume Público:

É o mais baixo dos volumes, com a galeria de arte no résdo-chão, ao nível da Rua do Salitre (rua menos Movimentada e mais discreta, paralela à Avenida da Liberdade),com acesso feito pela passagem criada pelo afastamento do volume com o edificio já existente. A área comercial começa na Avenida da Liberdade, pois é a rua mais movimentada e com o objectivo de atrair clientes à loja/s, sendo assim esta área toda do volume virada e aberta para a Avenida.


PROGRAMA DO PROJECTO Nesta unidade de trabalho, foi-nos pedido criar uma pousada para a Quinta da Ribafria em Sintra. É um lugar que infelizmente foi deixado ao abandono, mas que é urgente a recoperação da identidade do lugar que é bastante cativante. É um lugar onde domina o “Verde”. As árvores, a vegetação, os caminhos e até mesmo os edificios estão repletos de eras e ervas, devido ao longo período de abandono, negligência e falta de cuidado do lugar. É uma presença que marca fortemente o “romântico” do lugar.


13

SOLUÇÃO DO PROGRAMA A maneira como a Quinta da Ribafria foi projectada, deixa muitos vazios e espaços desaproveitados, sobretudo quando é fácil de observar que o espaço exterior é tão cativante e cheio de potencial, caindo em desprezo pela falta de algo que lhe confira a devida atenção. Existe um edificio do século XV, com uma torre, que deverá ser preservada a todo o custo. Para um sitio, deixado ao abandono, a resposta ao programa passa por conferir a verdadeira importancia à torre que existe no lugar, assim projectando uma pousada de torres. O conceito do projecto é uma linha de torres só com quartos, que seguem um muro existente no lugar perto do pomar, com um conjunto de serviços num volume enterrado, longe do contacto visual dos hospedes de modo a não obstruir todo o verde” do lugar. No edificio existente, com a torre do século XV, encontrar-se-ão os pontos mais públicos do programa, como um restaurante e salões de convivio ou baile. Estas torres de quartos com a torre do século XV, marcam um ritmo e dão-nos a ideia de que foram projectadas na mesma altura, quase dando o parecer de serem uma muralha de um castelo, que protégé o lugar.


14 O projecto parte do principio que o ponto mais importante a salientar do lugar são as torres de quartos. São as primeiras a serem avistadas ao entrar na Quinta da Ribafria, e serão os pontos de orientação do lugar. Só as pontes serão realmente visiveis, sendo todas as áreas de serviços e outros lazeres enterradas num volume que será igualmente o elo de ligação entre todas as torres . A torre ou torres, surgem como emergência para fugir ao verde dominante do lugar. As árvores protegem-nos da chuva e da paisagem, ou seja, é impossível ter uma prespectiva ampla do lugar com esta obstrução visual. É necessário ir à procura para perceber o lugar, e a torre, elemento vertical, consegue olhar por cima de toda esta vegetação, oferecendo aos hospedes o privilégio de admirar a paisagem sem a a barreira verde no campo visual.


As torres têm um quarto por piso e uma sala de estar no rés-do-chão, em contacto com o pomar que exite, sendo um espaço publico/privado só para hospedes. Os serviços que estão enterrados são: a piscina, o Spa, área de banquete e salas de reuniões. O acesso ao volume enterrado é feito pela recepção que faz a ligação através de rampas.

Floor 0

Piso 1 e 4

Em suma, o projecto parte da torre existe do século XV para as outras 5 torres de quartos. A torre principal, a já existente do século XV, é um marco histórico, por isso é onde serão criadas as áreas mais públicas e festivas, como os salões de restaurante (áreas mais publicas que podem ser usadas por pessoas que não estejam hospedadas na pousada. As outras torres segem esta, de tal forma que esta linha de torres dá a impressão de que existia uma muralha de castelo.

Piso 2 e 5

Piso 3 e 6

5 torres iguais de quartos, mas diferentes da torre do século XV para que haja uma leitura rápida de que estão relacionadas mas com funcionalidades diferentes.


DESENVOLVIMENTO DE UM QUARTO Dos 3 tipos de quartos que cada torre oferece, para um estudo mais aprofundado, escolheu-se o quarto com vista para o pomar (piso 3 e 6). O quarto tem 35metros ², com um elevador privado que tem entrada directa para o hall de entrada do quarto, e uma varanda que saindo da torre se projecta para a paisagem verde que abundantemente existe na Quinta da Ribafria. O quarto é dividido em três espaços: Hall de entrada, Zona de estar (com a cama, armário, tv e varanda) e casa de banho.

Existem duas portas moviveis que ajudam a perceber as separações fisicas do lugar e ainda a ideia de descobrir o quarto quando entrando neste pela primeira vez. Assim, supondo que as duas portas estão fechadas: depois de entrar no hall, abrimos a primeira porta para descobrir a cama e zona de estar, e de seguida ao abrir a segunda porta movivel, desobrimos a casa de banho (o sentido de descobrir o lugar, algo que marca muito a Quinta da Ribafria e assim é transportado para o próprio quarto).


O quarto ĂŠ desenvolvido em torno do elevador por ser o ponto mais fĂĄcil de trabalhar em todos os pisos, assim o elevador funciona como a constante nos quartos e os quartos a variĂĄvel (dependendo do piso e vista, o quarto altera o seu mecanismo).

17


PROGRAMA DO PROJECTO 1 – Nesta unidade de trabalho, o objectivo foi criar um edificio no meio de duas praças lisboetas muito importantes, com apartamentos, sem danificar a lógica da Baixa Pombalina. Assim, primeiramente, seria pedido projectar um Stand onde serião vendidos os apartamentos do edificio, e teria de dar a entender a sua intenção sem auxilio a sinais, e teria de ter um espaço para uma galeria com os projectos que foram a concurso para a projecção do edificio de apartamentos. 2- Em seguida, seria o edificio em si, que teria apartamentos, um restaurante de luxo e a antiga Pastelaria Suiça teria de ser conservada.

Stand

Apartamentos


19


21

SOLUÇÃO DO STAND A Baixa Pombalina é um importante ponto para a cidade de Lisboa. É um importante marco para a história da cidade quando ocorreu o terramoto de 1755, com enumeros marmotos e incendios que destruiram a zona por completo e levou à criação de um plano urbano com a implantação da “gaiola” como medida de prevenção nos edificios.

“Gaiola”

Um mecanismo muito simples e eficiente que previne os edificios de cairem totalmenteou mesmo propagarem fogo em caso de incêndio num deles. O Stand foi inspirado neste mecanismo, devido ao local para onde seria projectado e em memória deste grande feito arquitectónico e engenheiro.


22


SOLUÇÃO DO PROGRAMA

Um simples edificio que faz ligação directa às duas praças na Baixa Pombalina (Praça do Rossio e Praça da Figueira). A fachada virada para a Praça do Rossio segue a sua lógica, controlada e discreta.

Por outro lado, a fachada virada para a Praça da Figueira, contraria a lógica da praça, sendo mais dinamica, obtendo a sua forma com a ligação deste ponto a uma outra praça existente a Norte deste bloco.


DESENVOLVIMENTO DE UM APARTAMENTO O edificio consiste em dois tipos de apartamentos: Tipo 1 — Com entrada pelo primeiro piso e os quartos no segundo piso. Tipo 2 — Com entrada no segundo piso e quartos no primeiro piso. Tudo isto devido ao encaixe dos pisos oferecidos que tentam criar uma nova dinâmica à Praça da Figueira.


25

Para o desenvolvimento de um apartamento, optou-se pelo Tipo 1 para servir de exemplo. A entrada é feita pelo piso de baixo (onde se encontra a varanda, a cozinha, a sala de estar e uma instalação sanitária). No piso superior, existem 2 a 3 quartos com instalações sanitárias comuns ou privadas.


PROGRAMA DO PROJECTO Nesta unidade de trabalho, o objectivo era projectar uma torre na Baixa Pombalina de Lisboa, num lugar à nossa escolha. Não uma simples torre que cresce sem controlo ou despreocupada do que a rodeia, mas sim um modelador espacial. O desafio consiste primeiramente em criar um elemento que por si só já é arrogante, e torná-lo útil para a requalificação da cidade ou do lugar onde será projectado. A dificuldade não reside na criação da torre, mas no como poderá esta intervir no lugar, como poderá oferecer algo à cidade que já é um marco histórico, muito frágil e sensível à tradição e à população que ali reside.


27


SOLUÇÃO DO PROGRAMA A proposta final consiste numa série de direcções existentes no lugar que são projectadas na própria torre. Uma atenção especial às características do lugar, que não estão muito visiveis, mas que na torre se dão a conhecer. A torre divide-se em três partes: Recepção (ponto de comunicação com a cidade no rés-do-chão), Parte Privada ou Profissional (onde estão os escritórios e a parte mais restrita da torre), e uma Área de Lazer, Turismo e Relaxamento (parte mais pública da torre, que se encontra nos dois úlitmos pisos, oferecendo uma vista melhor e cativante da cidade e rio Tejo). A torre é o resultado de várias ligações fisicas ou visuais que existem neste ponto expecifico, sem mexer a torre um único centimetro em qualquer direcção.


29


PROGRAMA DO PROJECTO O principal objectivo era a criação de um Espaço para Estudantes de Culinária. O programa pede a projecção de uma Escola de Culinária, um Mercado (como apoio para a escola e para as pessoas que ali habitam Santos, Lisbon),e também uma Passagem Pedonal que superaria a diferença de cotas existente entre as ruas palalelas que limitam o lugar (uma diferença de cotas de quase 10 metros), e ainda, para facilitar o atravessamento destas duas ruas em vez de contronar os blocos habitacionais. O programa oferece aos estudantes e a jovens casais (que não precisam de estudar aqui) Apartamentos T0 e T1.


31


The public footpath is the market itself, more dynamic and rotates around the vending area, that is where we find the most appealing scents in an attempt of cativate the people attending the market. The freshly cut watermelon to give to prove to a customer, the smell of flowers by the dawn when everyone is still waking up, the smell of freshly baked bread at the bakery or fresh meat just exposed in the window with the butcher cutting it smoothly. This and others are what makes this point the center of the course, are what makes the market, the very own public route / footpath.


33

SOLUÇÃO DO PROGRAMA A escola de culinária é o volume mais alto e espaçoso, que se projecta para a Avenida 24 de Julho que é bastante movimentada, na tentativa de chamar atenção para o lugar.

O volume suspenso, contém os apartamentos T0 e T1 com acesso directo à escola (para os estudantes) e um acesso mais privado pelo volume oposto à escola para os casais que não pertencem à escola.


35


Um calendário de cervejas como prenda de Natal para ter debaixo da árvore e oferecer no lugar do típico calendário de chocolates, sendo destinado aos mais graúdos apreciadores de cerveja. Uma caixa com 24 cervejas com 0,344m de largura, 0,269m de profundidade e 0,53m de altura.

A concepção do design passa por uma espécie de sopa de letras e imagens que preenchem as faces laterais da caixa, uma face frontal com o calendário propriamente dito no qual se encontram


as aberturas para retirar as cervejas, uma face dianteira com partes informativas e uma face superior a desejar o Bom Natal com uma pequena etiqueta com o nome do remetente e receptor a quem se destina a prenda.


THANK YOU FOR YOUR CONSIDERATION

Arquitectura portfolio  
Advertisement