Issuu on Google+

Ainda nesta edição: 01 de Março de 2004

Edição 13 Idesagora: 1 Ano!

Saindo da tela

Primeiro aniversário do Idesagora: Saindo da tela e vai para o papel

O nosso informativo está comemorando, com essa edição, um ano de existência e para que essa data fique registrada e esteja presente, mesmo nos lares dos nossos alunos que não têm acesso à internet, essa edição também será impressa. Temos certeza de que todos sentirão orgulho ao saber que um dia fizeram parte dessa história,. A história do Idesagora, a história do Idesa, a nossa História. Aproveite cada página dessa edição, pois parodiando Chico Buarque de Hollanda, “Vai passar, por essas páginas, o Colégio Idesa e cada aluno e a velha cidade de Taubaté essa noite vai se arrepiar ao lembrar que com ele viveram nesse ano momentos imortais”.

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Entrevista com Benedita Matilde Alves de Almeida sobre o Projeto Esperança 1

Personagem do Mês: Esporte Clube Taubaté.

Alunos utilizam sala de informática para novas formas de ensino.

Professor Dr. Arnaldo Dal Pino Jr. fala sobre a importância do “pensar”

História

Esportes

Dom Murilo Krieger fala sobre “Programar a Santidade” (Página 3)

Os campeonatos: a grande expectativa para esse ano Há vários anos nossa escola participa de eventos esportivos que envolvem algumas escolas de nossa cidade, conseguindo um lugar de destaque na maioria deles. Para conquistar bons resultados, é realizado todo um processo de treinamento no qual os alunos aperfeiçoam suas habilidades, além de conseguirem conhecimentos que usarão por toda a vida. As turmas são divididas pelas categorias mirim, infantil e infanto e modalidades esportivas como basquete, handebol, vôlei e futsal. A maioria dos alunos já tem uma noção de futebol e vôlei, graças ao trabalho realizado pelos professores Sílvio, Fabrício, José Carlos,

Agenda

Confira o que vai acontecer de melhor em Taubaté no mês de Março! Show, peças teatrais, Oficinas e os provas no Idesafio 2004! Confira tudo isso na página X

Luciano, Leandro, Armando, Kelly e Silvana nas aulas de Educação Física, o que facilita o aproveitamento nos treinos. Mas mesmo aqueles que nunca tiveram contato com nenhuma modalidade esportiva podem participar, pois os professores procuram fazer um trabalho de base que possibilita o nivelamento dos alunos. É claro que o progresso não depende apenas do treinador, mas também dos alunos que deverão demonstrar interesse e dedicação.

EcoTurismo: Contra o Impacto Ambiental. (Página 3)

Para informarmos um pouco mais sobre os treinos conversamos com os professores e alguns alunos. Leia Mais na Página X

Bandeira de Taubaté O Museu Histórico Paulo Camilher Florençano Este mês o jornal Idesagora está comemorando o seu primeiro aniversário, fico feliz em participar do seu quadro de colunistas , e por isso quero parabenizar a todos que contribuem para levar este jornal mensalmente ao ar na Internet. Por este aniversário, fomos buscar no fundo do baú um exemplar do jornal escrito de 1936, que o Idesa imprimia naquela época. O jornal feito pela escola não é algo recente. Antigamente, era comum toda a escola ter o seu jornal, normalmente mensal, e isso não era privilégio de escolas particulares, pois as públicas também imprimiam seus jornais.

É no museu Paulo Camilher Florençano que está guardado todo o acervo histórico de nossa cidade. O Museu existe há quase 60 anos. Ele funcionou primeiramente onde é hoje a Radio Difusora, em um prédio que ali existia. Posteriormente, foi fechado devido as péssimas administrações públicas do passado, e muito de seus objetos foram desviados por pessoas que não tinham nenhuma relação com a história. Já em 1974, o prefeito Milton Peixoto reinaugurou o museu no andar superior do prédio do antigo Colégio Bom Conselho, hoje faculdade de Educação Física e Medicina. Leia mais na página X


Página 2

01 de Março de 2004

Editorial

Dr. Syllas E. Pucinelli

O informativo “Idesagora”, com esta edição, completa o seu primeiro ano de existência. O Colégio Idesa está comemorando, feliz e honrado, este aniversário. Na verdade, nestas tantas edições podemos oferecer um retrato fiel de suas atividades, as propostas pedagógicas, páginas culturais, sociais e de lazer, apresentar o corpo docente, informar dos testes que aqui exercitamos e defendemos e nos comunicar com tantos e tantos internautas, o que, final, é um incentivo a mais para intensificar esse trabalho. Em nossos editoriais passados, ora demos destaque a copa do mundo, ora apresentamos nossos setores de trabalho, ora tratamos de cidadania, da pátria, da família, de Deus, enfim, temas atuais e de grande relevância. Elegemos 2003 como o ano de combate à violência e ao uso indevido de drogas. Gostaríamos de ressaltar, em especial, o Editorial do mês de maio de 2002, em que o apresentamos apenas com a palavra: PAZ. Certamente a paz da alegria deste primeiro aniversário, sentirmos a frustração e a preocupação com os

dias de hoje, quando a guerra toma conta do nosso cotidiano, abrindo um abismo e caminhos que parecem intransponíveis para se chegar à PAZ sonhada e desejada por todos nós. Mas nada nos desviará dessa rota e os nossos trabalhos e propósitos seguirão avante, espelhados em exemplos consagrados pela história, como o deixado pelo lado negro americano. Martin Luther King, que sonhava em abolir dos dicionários ou, no mínimo, considerar obsoletas palavras como: guerra, bomba atômica, fome, discrimação; enfim, sonho que também sonhamos e que um dia, da luta de cada um, poderá se tornar realidade. Para tanto não, não esmoreceremos jamais, avante, país. O momento é oportuníssimo para cumprimentarmos todos que, de uma forma ou de outra, proporcionam e promovem as edições do “Idesagora”. Permitimo-nos cumprimentar em especial e muito agradecido o Dr. Maurício Ruv Lemes, professor de Física deste Colégio, idealizador e responsável pelo jornal, que nesta edição, vai às raízes e revelam dados pitorescos, culturais e importantíssimos deste quase já secular educandário.

IdesaOntem

Fachada do colégio Idesa na década de 40.

Agradecemos a colaboração dos ex-alunos que nos cederam a imagem que estamos publicando e convidamos a todos para uma grande visita ao passado enviando-nos suas fotos também.

Primeiro aniversário do Idesagora: Saindo da tela.

Fazer um simples jornalzinho escolar nunca foi o objetivo dos coordenadores do IdesAgora. O projeto era maior, mais dinâmico. Procurávamos um espaço para informar aos alunos, pais, professores e a todos que acessassem a página da escola, o que acontecia no colégio e no mundo com qualidade e acima de tudo com muito respeito aos leitores. Procurávamos informar para formar cidadãos.

Várias tentativas já haviam sido realizadas nesse sentido. A primeira delas foi em 1936, quando saiu o primeiro número do “Diocesano” Na década de 90, um novo jornal, também impresso, chegou às mãos dos alunos, mas todos tiveram uma vida curta, já que dependiam de impressão e da disponibilidade dos professores para sua realização.

O sucesso do idesAgora se deve ao trabalho de uma equipe que aos poucos foi se formando. Inicialmente, uma equipe pequena de alunos trabalhava como repórteres e redatores. Contávamos com estagiários de Informática o Thiago Comício, Thiago Barquette, Vitor e Luiz Felipe, mas a maioria das colunas eram feitas por colaboradores de grande prestígio e competência em suas áreas. O sonho, porém, era e continua sendo maior. Pretendemos cada vez mais fazer com que os colunistas desse informativo sejam alunos e ex-alunos que, ao saírem daqui encontram nessas páginas um ponto de apoio a seus trabalhos no mundo e mais ainda, tragam para a escola o resultado do alicerce aqui construídos. Isso já vem acontecendo, como por exemplo, o nosso colunista Vinícius Almeida de Oliveira que nos escreve de Portugal e em breve teremos um colunista nos EUA e outro na Itália. Temos também o Sérgio Luiz Lousada Jr que começou escrever a coluna de Astromania, e ainda continua, mas como estudante de graduação em engenharia Aero Espacial.

É muito bom recordar cada momento que essas 12 edições tiveram. Começando pela primeira capa, que apresentava o Projeto Esperança. Como não poderia deixar de ser, após um ano de trabalho comemoramos também o crescimento da participação dos alunos nesse empreendimento tão grandioso e humano. Depois disso a cada número encontramos um retrato da fase vivida na escola, Carnaval, Idesa Dance,Idesa Camping, passeio a Bienal e muitos outros, Matérias que foram elaboradas da noite para o dia, já que alguns eventos importantes aconteciam praticamente na hora do fechamento da edição. Para que esse trabalho fosse realizado, sempre a colaboração da coordenadora Cláudia foi imprescindível. Ela escreveu várias matérias de capa em prazos recordes.

É muito bom ver realmente tudo que desfilou nas passarelas do conhecimento que é o Colégio Idesa, mas temos certeza de que o nosso trabalho ainda tem muito a melhorar. O nosso compromisso será sempre buscar esse aprimoramento e para que isso aconteça precisamos cada vez mais das críticas e sugestões de nossos leitores em nosso canal aberto. Parabéns IdesAgora ! Você já apagou a primeira velinha! Como pais orgulhosos queremos ver essa cena por muito tempo se repetir e todos vocês que fazem parte dessa grande família estão convidados para a festa!


Página 3

01 de Março de 2004

A tecnologia e o Ensino

Arnaldo Dal Pino Jr

Estamos completando um ano de atividade. Quero dar meus parabéns à toda a equipe que com muita dedicação tem mantido o IDESAGORA no ar. Quero agradecer aos leitores que têm respondido assiduamente a nossas questões e também àqueles que têm aproveitado este nosso espaço de ciência e tecnologia para o EXERCÍCIO DO RACIOCÍNIO. Aqui, o nosso principal objetivo é alimentar nossas mentes com informações que sirvam para que exercitemos nosso cérebro. Há muito tempo atrás, H. Ford, o criador da linha de montagem automática que tornou o automóvel um bem acessível para a classe média americana, disse: “Pensar é o trabalho mais difícil que existe; é por isso tão poucas pessoas o realizam”. Tendo esta idéia em mente, acompanhe a descrição do seguinte experimento. Um grupo de cientistas colocou cinco macacos em uma jaula grande. Em seu centro, eles colocaram uma escada, e sobre ela um cacho de bananas. Quando um dos macacos subia a escada para pegar as bananas, os cientistas lançavam um forte jato de água fria sobre os outros macacos que permaneciam no chão. Após um certo tempo, quando um macaco começava a subir a escada, os demais – que já sabiam que receberiam o desagradável tratamento de água fria - o agrediam. Passado mais algum tempo, nenhum macaco ousava subir a

escada, apesar da tentação representada pelo cacho de bananas.

contrário dos macacos, saibam o motivo das coisas serem como são.

Então, os cientistas substituíram um dos 5 macacos. A primeira atitude do novo macaco foi subir a escada. Os demais rapidamente o retiraram e o surraram. Depois de algumas tentativas e igual número de surras, o novo integrante do grupo não mais tentava subir a escada.

A pergunta deste mês vai premiar aquele que descobrir o criador da seguinte frase: “É mais fácil desintegrar um átomo do que desintegrar um preconceito”.

Um segundo macaco foi substituído. Novamente, o macaco que foi integrado ao grupo, sem nada suspeitar tentou alcançar as bananas. Recebeu dos “colegas” o mesmo tratamento violento sendo que o primeiro macaco substituto colaborou animadamente na surra ao novato. Um terceiro foi trocado, depois o quarto e finalmente o quinto, não restando mais nenhum dos macacos originais. Os cientistas dispunham, então, de um grupo de cinco macacos que, apesar de nunca terem sofrido o tratamento de água fria, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se fosse possível perguntar a qualquer macaco porque batiam no macaco que tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: “Não sei, as coisas por aqui sempre foram assim”.

Olá amiguinhos, aqui estamos novamente falando sobre a natureza, que nos brinda com locais maravilhosos, para que possamos praticar nossas atividades ao ar livre, o famoso ecoturismo. Mas se o Meio Ambiente é degradado nossa qualidade de vida é seriamente comprometida, partindo deste principio achei oportuno falar sobre o Natureza X Guerra e suas consequências. Como todos nos sabemos a Guerra move o Mundo Capitalista. Muitos dos avanços tecnológicos estão intimamente ligados às pesquisas bélicas, exemplos disto são os plásticos, ligas de metal e veículos e aeronaves com computadores cada vez mais

O vencedor da coluna do Idesagora nº 12 foi o aluno: Rodolfo Golombieski - 3º Informática B. Sua resposta foi: Um bom exemplo de situação onde o homem imitou a natureza é o uso de câmaras de flutuação em submarinos. O problema no início das construções de submarinos era, principalmente, a difícil tarefa de manter uma estabilidade na condição de imergir e emergir nas águas do mar, e com a instalação dessas câmaras o problema foi resolvido. Seu funcionamento é semelhante ao das bexigas natatórias dos peixes, que têm a função de atuar como órgão flutuador, regulando a densidade do corpo do peixe e ajustando-se às grandes e pequenas profundidades do mar, mantendo equilíbrio e estabilidade como nos submarinos.

Esperamos que o IDESAGORA sirva como estímulo para vocês questionarem, e , ao

Impacto Ambiental

João H. Barquette

Bons pensamentos e até a próxima.

sofisticados que ajudam na segurança e dirigibilidade. Entretanto esses custos são excessivamente caros, e poderiam ser melhor direcionados.

O Worldwatch Institute*, estima que nas últimas décadas foram gastos cerca de 17 trilhões de dólares com guerras até o ano de 1992, ou seja 850 bilhões/ano ou 97 milhões/ hora ou 1,6 milhões/minuto, imagine este conflito no golfo com toda a tecnologia utilizada, o quanto náo está gastando!!!! Apesar de gerar muitos empregos, a indústria bélica mostra-se pouco eficiente como empregadora, para se ter uma idéia o mesmo milhão de dólares gastos na produção de mísseis tele guiados gera 9 mil empregos, já se fossem direcionados

a educação geraria 63 mil, sem todo o impacto ambiental gerado pela Guerra. Os custos Ambientais são altíssimos como exemplo o “agente laranja” utilizado pelos Estado Unidos no Vietnã, um herbicida desfolhante que destruiu 1,7 milhões de hectares de floresta nativa, desencadeando inúmeros problemas ambientais, até hoje a população sofre com a incidência de câncer,aborto e má formação fetal. Durante a guerra do golfo foram incendiados 613 poços de petróleo que queimaram 8 milhões de barris dia, emitindo 2 milhões de toneladas de co2 no ar, o grande vilão do efeito estufa, fora os danos físicos e psicológicos da população.Há também a poluição das águas, do ar e da terra com os restos deixados e gerados pelos produtos bélicos.

Vamos nos empenhar para que estas Guerras sejam de uma vez por todas abandonadas pelo planeta e que estes valiosos recursos sejam destinados ao seres Humanos e a esta natureza Maravilhosa que “DEUS” nos deu. Vocês, os jovens, são a geração chave, vocês serão os próximos governantes, vamos preservar nossos recursos para que nossas gerações futuras possam ver as maravilhas da natureza ao vivo, tomar banho de cachoeira, caminhar pelas florestas, nadar na praia e não em livros e CDs. Um grande abraço a vocês, geração do futuro.

Programar a Santidade P o d e r á p a r e c e r curioso o título dado a este artigo: “Programar a santidade”. “Estratégia de marketing?”, perguntarão Dom Murilo alguns. Na Krieger verdade, a expressão não é minha. Fui buscá-la numa carta que o Papa João Paulo II escreveu no começo deste século e milênio. Afirma ele que santo é o batizado que assume conscientemente seu batismo, procurando viver como filho de Deus e irmão de todos; que espalha o bem a seu redor; que sabe perdoar; que não vive em torno de si mesmo, mas de seu Senhor e de seus irmãos e irmãs. O dom de santidade é oferecido a cada batizado. Mas a esse dom está ligado um programa de vida: “Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (1Ts 4,3). Não se trata de uma proposta

para um pequeno grupo de fiéis: todos os cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à santidade. Pode-se mesmo programar a santidade? Não é ela fruto da ação de Deus na vida de uma pessoa? Sim, em Deus é que está a fonte da santidade. Mas ele conta com a colaboração de seus filhos. Ninguém se torna santo à força. O Batismo é um ingresso na santidade de Deus através da união com Cristo e da habitação do seu Espírito. Por isso, não teria sentido uma pessoa batizada contentar-se com uma vida medíocre e egoísta, ou com uma vida cristã superficial. Perguntar a alguém que está se preparando para o batismo: “Queres receber o Batismo?”, significa interrogá-lo: “Queres te fazer santo? Queres ser perfeito como o Pai celeste é perfeito?” (cf. NMI, 31) O ideal de perfeição não é apenas para algumas pessoas excepcionais. “Os caminhos da santidade são variados e apropriados à vocação de cada um... É hora de propor de novo a todos, com convicção, esta “medida alta” da vida cristã ordinária: toda

a vida eclesial e das famílias cristãs deve apontar nesta direção”. O Papa não deixa de considerar que os caminhos da santidade são pessoais, a exigir uma pedagogia da santidade, “capaz de se adaptar ao ritmo dos indivíduos; deverá integrar as riquezas da proposta lançada a todos com as formas tradicionais de ajuda pessoal e de grupo e as formas mais recentes oferecidas pelas associações e movimentos reconhecidos pela Igreja” (NMI, id.). Já que devemos “programar a santidade”, é preciso que tenhamos objetivos claros. “Quem não sabe aonde quer chegar, não chega a lugar nenhum”, dizem, há séculos, os chineses. No tempo de Jesus, um estudioso da Lei queria ter idéias claras sobre os caminhos mais importantes da vida. Por isso, lhe perguntou: “Qual é o primeiro de todos os mandamentos?” Vale a pena ler todo o texto do diálogo entre Jesus e esse israelita, pois ele se concentra naquilo que é fundamental em nossa vida – a santidade: Mc 12,28-34.

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com toda a tua força!... Amarás teu próximo como a ti mesmo”. Não estamos aqui diante de meras sugestões ou conselhos, mas de ordens. Sendo Deus quem é, é preciso aceitálo plenamente e ter comportamentos correspondentes a essa verdade. Não é possível amá-lo aceitando também outros deuses em nossa vida. Em outras palavras: não é possível servir a dois senhores. Tendo em vista a necessidade de programar a santidade, por onde você julga que poderá e deverá começar? Pois então, comece hoje, agora. “Quem sabe, faz a hora, não espera acontecer”.

Arnaldo Dal Pino Jr Mestre e doutor em Ciências pelo Instituto de Física da USP - 1983 e 1989. Cientista visitante do Massachussetts Institute of Technology (MIT) 1990-1992. Prof. Adjunto do ITA desde 1992. Vice-presidente da Associação Paulista de Professores de Física. Presidente da Olimpíada Paulista de Física - 2001. Pesquisador na área de aplicações de inteligência artificial em Física Atômica e Molecular. Dezenas de publicações em revistas científicas internacionais, mais de 200 citações por outros cientistas internacionais.


IdesAgora