Issuu on Google+

ANUÁRIO 2009-2010

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 1


...

Indice 

Nota introdutória

p.

3

Efemérides

p.

4

Comemorações e Datas Festivas

p.

9

Visitas de Estudo

p. 20

Cantinho da História

p. 29

Cantinho Literário

p. 31

Figuras Geométricas

p. 39

Meios de Transporte

p. 41

Curiosidades

p. 43 2


...

Nota introdutória A nossa escola decidiu, este ano lectivo, enveredar pela criação de um anuário. A edição, que temos o prazer de vos apresentar, reporta-se ao ano lectivo 2009/2010. Numa altura em que urge preocuparmo-nos com o meio ambiente, decidimo-nos por uma edição digital, com vista à poupança de matérias-primas e por se mostrar mais aprazível às novas gerações. O presente Anuário pretende constituir-se como um meio de divulgação dos trabalhos produzidos pelos alunos do agrupamento bem como um álbum de recordações das actividades dos nossos alunos, que ocorreram ao longo deste ano lectivo. Terminamos com uma palavra de estímulo, agradecimento e apreço para todos aqueles que tornaram possível esta nova publicação e para os vencedores do concurso literário “Padre Donaciano de Abreu Freire”, que, de uma forma digna e enriquecedora, contribuíram para enaltecer a nossa escola.

Felicidade Peixoto 3


...

EfemĂŠrides

4


DA SEMENTE À PLANTA Os alunos da sala nº 1, do pré-escolar e do 2º ano, da Escola das Laceiras, realizaram, durante o 3º período, uma actividade em conjunto: a observação da germinação das sementes, o seu crescimento e a plantação no recreio da escola. Para ilustrar esta actividade realizámos o seu registo fotográfico.

Preparação da terra pelos alunos da pré para a colocar nos pneus.

Preparação das plantas já germinadas pelos alunos do 2º ano.

Os alunos do 2º ano colocam as plantas na terra.

Os alunos do 2º ano arranjam a terra para receber a próxima planta.

Os alunos da pré e do 2º ano regam as plantas.

Os alunos do pré-escolar colocam as sementes na terra. 5


Exercício de evacuação e assistência a feridos na EB1 de Canelas No dia 2 de Março, fez-se um exercício de treino sobre evacuação em caso de incêndio e assistência a feridos. Estiveram presentes alguns Bombeiros Voluntários de Estarreja, incluindo o respectivo comandante. Da Câmara Municipal de Estarreja, também vieram duas pessoas, sendo uma delas o Sr. Filipe Almeida, que nos preparou a nós, às professoras e auxiliares, para este exercício. A outra pessoa presente pertence à Protecção Civil. Os bombeiros trouxeram uma ambulância e um carro de combate a fogos. O exercício consistiu no seguinte: quando ouvimos o sinal de alarme, todos nós saímos do edifício de modo ordeiro e fomos ter ao “Ponto de Encontro” para ficarmos em segurança. Já neste local, um colega simulou uma queda e pudemos observar o trabalho dos bombeiros na assistência ao ferido desde os primeiros socorros até à ida para a ambulância. De seguida, os bombeiros explicaram como usar um extintor. Para pôr em prática essas informações, os bombeiros atearam fogo num grande recipiente e as auxiliares tiveram que apagá-lo com um extintor. Alguns dos alunos, devidamente equipados, assim como a coordenadora da escola, também fizeram esta experiência. Após esta situação, fomos observar o interior da ambulância, o carro de fogo e fizemos perguntas aos bombeiros para sabermos mais sobre estes veículos. No final, o Sr. Filipe fez o balanço do exercício e disse que tudo correu bem, excepto o tempo de evacuação que tem de ser menor. Nós achamos que este exercício foi muito útil para ficarmos preparados para estas situações. Propomos que para a próxima, se faça um exercício de treino em caso de sismo. Para terminar, aprendemos muito com a preparação deste exercício e com as acções deste dia. Texto Colectivo dos alunos do 3º e 4º anos da EB1 de Canelas

6


Fotos do exercício de evacuação

Assistência a feridos

Combate de incêndios com uso de extintor

7


JARDIM DE INFÂNCIA DE LACEIRAS – SALA 1 VISITA DA ENFERMEIRA AO NOSSO JARDIM No âmbito do projecto do nosso Departamento de Educação Pré Escolar, «Egas Moniz e o Prémio Nobel», convidámos uma Enfermeira para vir ao nosso Jardim falar sobre a saúde: higiene, aparelho respiratório, aparelho circulatório, aparelho digestivo e cérebro. Gostámos muito de ouvir a Enfermeira, aprendemos coisas novas e muito importantes! “Gostei de ver o filme do Super-herói, o Sabichão. A enfermeira mostrou. Ele salvava as pessoas que estavam doentes. Ela mostrou a cabeça do Zacarias. Vimos o cérebro. O cérebro está dentro da cabeça. A cabeça é dura, tem ossos. O cérebro serve para raciocinar. A enfermeira disse: “Para o cérebro raciocinar, precisamos de silêncio, temos de pensar e falar baixo”. O cérebro é que comanda os nossos movimentos. O nosso cérebro é pequenote. Cérebro começa por “C”. “ ―Também nos mostrou os dentes. Nós temos 20 dentes e depois quando crescermos ficamos com 32 dentes.” ―Mostrou-nos uma revista com um menino que tinha a língua de fora. A língua serve para ajudar a comer e tem umas coisas que servem para conhecer os sabores e os temperos para pôr na comida. A ponta da língua conhece o doce, o ácido e o salgado é de lado (até rima!) e o amargo é no meio.”

(Beatriz, Cátia, Daniela, David, Dinis M., Dinis S., Gabriel, Mafalda e Rui). A Educadora: Isabel Pires 26/04/2010

8


...

Comemoraçþes e datas festivas 9


HALLOWEEN nas Laceiras

10


A Festa de S.MARTINHO Na nossa freguesia, que é Salreu, o padroeiro é São Martinho e festeja-se no dia onze de Novembro. Nesse dia, nós fomos para o largo da Igreja vestidos à moda antiga, para vender alguns produtos, como era hábito noutros tempos aqui em Salreu. Vendemos diversos produtos: bolos, vinhos, fruta, arroz, chouriços, broas, castanhas, cabazes recheados de produtos hortícolas, etc. Os nossos pais, aqueles que puderam, foram connosco e compraram produtos. Também houve missa, procissão e música, esta da parte da tarde. Alguns dos nossos colegas da Pré e do primeiro ano foram na procissão, vestidos de S. Martinho e de outros santos da história da Igreja. Havia lá uma senhora que fazia objectos em barro, com uma roda de oleiro: vimo-la fazer taças, jarros, canecas… Foi uma maneira de conhecermos a olaria de outros tempos. Tirámos fotografias para que não nos esqueçamos do que vivemos neste dia. No final, regressámos à escola. Foi um dia muito divertido. Turma do terceiro ano da EB 1 de Laceira

s

11


O jardim-de-infância de vale de castanheiro na Feira de S. Martinho.

O jardim-de-infância de Vale de Castanheiro, participou pela primeira vez na Feira de S. Martinho, em Salreu no passado dia 11 de Novembro. Na sequência do convite feito pelas Educadoras do Jardim de Infância das Laceiras, para participar na Feira de S. Martinho, e após ter lançado o desafio aos pais, decidimos aceitar. Os pais contribuíram com os produtos para a feira e ajudaram a dinamizar as vendas. Ao envolver as gerações mais novas, estamos a preservar e a dar continuidade às tradições. Esta é também uma forma de aproximar a família a escola e a comunidade. As crianças gostaram muito de participar na Feira. O que as crianças disseram acerca da mesma: “ …gostei de estar vestida com aquelas roupas, e de chamar as pessoas para comprar.”

“ … gostei de vender.” “…o que eu mais gostei foi de gritar às pessoas para comprar o bolo de chocolate que a minha mãe fez”. “ …gostei porque o meu pai e a minha mãe vieram à Feira”. A educadora Isilda Ferreira 12


A Lenda de S. Martinho em quadras Era uma vez um soldado, Que a casa regressava,

S. Martinho desceu do cavalo

Debaixo de uma tempestade

E a sua capa despiu,

No seu cavalo cavalgava.

Cortou-a em dois pedaรงos, Que com o mendigo repartiu.

Na sua longa viagem, Encontrou um pobre mendigo,

Perante este acto generoso,

Que estava nu, cheio de frio

O pobre homem agradeceu,

E nรฃo tinha um abrigo.

E, quando S. Martinho partiu, Um lindo sol apareceu.

Ao ver o mendigo a tremer, S. Martinho resolveu parar E, quando chegou perto dele, Prometeu que o ia ajudar.

Quadras elaboradas pela Turma do 4ยบ B da Escola

13


A Lenda de S. Martinho em quadras Era uma vez um soldado,

Perante este acto generoso,

Que a casa regressava,

O pobre homem agradeceu,

Debaixo de uma tempestade

E, quando S. Martinho partiu,

No seu cavalo cavalgava.

Um lindo sol apareceu.

Na sua longa viagem,

Criação de uma história a partir dos parágrafos iniciais do livro Natal nas Asas do Arco-Íris, de Alice Cardoso.

Era uma vez uma cidade cinzenta. As casas, as ruas, as árvores e os rios eram cinzentos… Todo o céu que envolvia a cidade era cinzento… As pessoas vestiam-se com roupas em tons de cinzento e os seus rostos eram tristes e carrancudos. Andavam sempre agitadas, demasiado ocupadas e sem tempo para conversar, rir ou passear. Na vida destas pessoas faltava alegria e carinho, por isso a cidade era tão escura. Certo dia, quando o sol e a chuva faziam companhia um ao outro, apareceu um arco-íris radiante, que cobriu toda a cidade. Os seus habitantes ficaram surpreendidos, pois nunca tinham visto tantas cores juntas. Na rua, todos paravam para admirar aquela maravilha. Encantadas com o que estavam a ver, as pessoas começaram a pensar como poderiam tornar a cidade colorida. De repente, alguém se lembrou que poderiam ir até ao arco-íris recolher as suas cores. Pediram um avião emprestado e enviaram uma mensagem, através de uma pomba, ao senhor Bartolomeu, um mágico que habitava uma nuvem e gostava de ajudar as pessoas, pedindo-lhe para se encontrar com eles junto à quarta cor do arco-íris. Na hora marcada, encontraram-se no local combinado. O senhor Bartolomeu levou consigo uma caixa misteriosa, deixando toda a gente curiosa para saber o que estava lá dentro. Quando a abriu, espalharam-se pós brilhantes, de todas as cores, por todo o lado. Em seguida, o mágico retirou da caixa um aspirador muito especial, tão moderno que era capaz de sugar as cores do arco-íris. Quando regressaram à cidade, distribuíram pincéis e baldes de tinta por todos os habitantes, que começaram, imediatamente, a pintar tudo o que viam. Em pouco tempo toda a cidade ganhou cor. Os habitantes ficaram tão contentes, que resolveram celebrar e fizeram uma festa na rua principal, que enfeitaram com luzes, bolas e fitas de todas as cores. Naquela noite, apareceu o Pai Natal e todos ficaram muito felizes pois este foi o primeiro Natal em que estiveram rodeados de cor, alegria e amizade.

Encontrou um pobre mendigo, Que estava nu, cheio de frio E não tinha um abrigo. Ao ver o mendigo a tremer, S. Martinho resolveu parar E, quando chegou perto dele, Prometeu que o ia ajudar. S. Martinho desceu do cavalo E a sua capa despiu, Cortou-a em dois pedaços, Que com o mendigo repartiu.

Quadras elaboradas pela Turma do 4º B da Escola EB1 do Paço

Texto elaborado, colectivamente, pela turma do 4º B da Escola EB1 do Paço

14


A Dia Internacional do Deficiente

A Dia Internacional da Sida

15


Natal Natal na Inglaterra Diz-se que o Natal em Inglaterra se celebra há mais de mil anos. Hoje, é uma festa muito importante que envolve toda a gente: coros cantam indo de casa em casa, ouve-se música natalícia, tocam sinos e representam-se cenas da Natividade. A árvore de Natal não pode faltar e começou a ser colocada em todas as casas por volta do século XIX, juntamente com os ramos de azevinho e outras plantas verdes. Tudo fica decorado e iluminado. O frio e a neve compõem-se o cenário e fazem do Natal na Inglaterra uma alegre festividade. Uma das árvores de Natal mais famosos da Inglaterra encontra-se em Trafalgar

Square, uma das principais praças em Londres. A árvore é uma oferta anual do povo da Noruega. Durante a Segunda Guerra Mundial o rei Haakon teve de se exilar em Inglaterra quando a Alemanha ocupou o seu país (1939-1945). Em todos os anos que lá esteve, o exército norueguês transportou uma árvore da Noruega, correndo risco de vida para o rei poder celebrar o Natal com uma árvore do seu país natal. Desde então, a Noruega agradece a Inglaterra com o oferta de uma bela e grandiosa árvore que vem directamente da Noruega para enfeitar o Natal londrino. Os ingleses, por gostarem tanto do Natal, têm imensos livros, músicas e histórias, que se lêem, cantam, contam e ouvem nesta altura festiva. Ah! E as prendas? Os amigos trocam prendas doces e coloridas, pois claro! E as crianças que se portam bem contam com a visita do Pai Natal na noite de Natal. Este (Santa Claus - de Saint Nicholas / São Nicolau - ou Father Christmas) conta com ajudantes que trabalham todo o ano para preparar as prendas para os meninos que se portaram bem. O Santa Claus distribui num trenó puxado por oito renas, chamadas: Comet, Cupid, Vixen, Dancer, Prancer, Blitzen, Dasher e Donder. Sem elas a sua tarefa seria muito difícil. Merry Christmas…

16


Carnaval

Dia da Alimentação

O CARNAVAL O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou "carne vale" dando origem ao termo "Carnaval". Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com os seus costumes. A festa carnavalesca surgiu a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. O Brasil possui o maior bloco de CarTrabalho realizado naval do mundo, o Galo da MaMarcelo Garrido – 7ºB drugada.

por:

17


Dia da Alimentação Trabalhos realizados no âmbito do Dia Mundial da Alimentação. O que entendes por alimentação saudável? Uma alimentação saudável é comer bem e de forma equilibrada para garantir uma boa saúde. Consideras que fazes uma alimentação saudável? Porquê? Sim, porque faço uma alimentação variada e equilibrada. Respeitando uma alimentação saudável escreve a ementa para umas das principais refeições do dia: pequeno-almoço, almoço, lanche ou jantar. Pequeno-almoço: sumo de laranja natural e leite com cereais. Faz uma lista de alimentos, que consideres saudáveis. Legumes, vegetais, frutos, carne, ovos, leite, iogurtes, queijo, cereais, massas e pão. Escreve o nome de alimentos que, consideres prejudiciais à tua saúde. Batatas fritas, refrigerantes, salgadinhos e pastelaria industrial. Para seres uma pessoa saudável e viveres bem precisas de comer bem. No entanto há outras coisas que contribuem para esse bem -estar. Escreve uma delas ou mais. A prática regular de exercício físico, não fumar, não beber bebidas alcoólicas. Henrique (Turma C, 2.º ano)

O Mercadinho dos Alimentos No dia 16 de Outubro, celebra-se o dia Mundial da Alimentação. A nossa escola, fez um Mercado para comemorar esse dia importante para a nossa alimentação, que se destina a uma alimentação saudável. Vendemos muitos tipos de comidas saudáveis, como: legumes, batatas, favas, frutos, grão-de-bico, feijão verde, cebolas, animais (patos, galos e coelhos) … Eu estive a vender batatas com o meu grupo que era a Marta Isabel o José Pedro e o Fábio. O meu grupo teve mais ajuda, porque os meus amigos já tinham acabado de vender a broa. Os alunos do 1º ano foram os primeiros a ir embora para a escola. Já era hora de ir almoçar, nós fomos, mas o Bernardo a Nádia e o José Pedro ficaram no Mercadinho com a professora Paula, para quando nos chegássemos eles irem almoçar. De novo continuámos a vender. Já não havia quase clientes nenhuns, mas continuámos a vender. No período da tarde voltámos para a escola, para termos Arte e Ciências. Este dia foi muito especial para a minha vida. Adriana, Nº 15, Turma C, 3º ano, E.B.1 Terra do Monte 18


Dia da Alimentação

Gostei de vender feijões. Não conseguimos vender tudo. Eu gritava muito na feira para atrair pessoas. Bernardo (Turma C, 2.º ano)

Entrevista feita pelo aluno à mãe: Gostei muito do Mercado, porque tinha muitos legumes e frutos. Esses alimentos fazem parte de uma alimentação saudável.

Recolhe materiais sobre alimentação, em casa, e trá-los para a tua sala de aulas para a elaboração da Roda dos Alimentos.

Trabalho realizado pelos alunos da Turma C (2.º e 3.º anos 19


...

Visitas de estudo 20


A NOSSA VISITA AO “LUGAR DOS AFECTOS”

Foi no dia 26 de Janeiro, pela manhã, que a turma do 8.º C viajou até ao Lugar dos Afectos, situado na localidade de Eixo, em Aveiro. É um lugar constituído por um conjunto de oito casas, erguidas numa área com 3500m2, todas projectadas pela médica e escritora Graça Gonçalves. Foi um dia em que tudo correu muito bem, em que toda a turma esteve junta, divertindo-se. Vimos um lugar muito giro, colorido e que inspirava alegria; ouvimos histórias interessantes e reais.

O Lugar dos Afectos é um lugar com muito amor e carinho, onde aprendemos a exprimir os nossos sentimentos. Em cada casa, com o seu significado, encontrávamos uma letra para formar a palavra segredo, pois era mesmo um lugar com muitos segredos e cada um de nós tem o seu segredo. Eis alguns testemunhos e ideias do que vimos: “Um lugar especial para abrir a porta do coração”. “Aprendemos a gostar dos outros e a libertar amor e paz.” “Um lugar lindo onde podemos reflectir no que passou e no que nos espera. Nele aprendi a compreender mais os outros, a amar com mais intensidade e a valorizar as pessoas que temos à nossa volta.” “Uma visita para descobrir e viver sentimentos.” Esta casa mostrou-nos um coração imperfeito, porque nós também não somos perfeitos. A porta “sorri”, porque apesar dos problemas deve haver sempre esperança e tudo acaba por correr bem.

“Quando precisares de silêncio para pensar, lembra-te que em silêncio muitas pessoas pensam em ti.” Os alunos do 8.º C Prof. Elizabeth Marques

21


As crianças do JI Sª do Monte visitam a Cerciesta Nos dias 5 e 14 de Maio, as crianças do Jardim de Infância da Sª do Monte fizeram uma visita à Cerciesta. Esta visita teve como principal objectivo proporcionar às crianças a oportunidade de contactar com uma realidade bem diferente da sua. É nas relações e interacções com os outros, que a criança vai interiorizar, construindo referências que lhe permitam perceber o que está certo ou errado, os direitos e os deveres para consigo e para com os outros. A Educação Pré-Escolar tem um papel importante na educação para os valores espirituais, estéticos, morais e cívicos. possibilidade de interagir par a par com o outro que é diferente, mas também igual, foi extremamente enriquecedor para o crescimento do respeito, carinho, compreensão e solidariedade. As crianças aprenderam a conviver com a diferença, sem medos, rejeição ou preconceitos, e sobretudo, aprenderam a valorizar competências dos outros e as suas.

‖ Não se pode ter um lugar no mundo sem considerar o outro, valorizando o que ele é e o que ele pode ser.‖ ―Gostei de ver as pessoas diferentes, um Sr. tinha uma mão parada, vi cadeiras de rodas. O Sr. Paulo, que é cego, foi capaz de nos ensinar a fazer o tapete.‖ Rafael - 5 anos

―Gostei muito de ir à Cerciesta. Havia pessoas diferentes, algumas eram mais pequenas, outras falavam mal, outras eram doentes. A Sr.ª Carminda ensinou-me a trabalhar no tear. Temos que ajudar as pessoas doentes.‖ João Miguel – 6 anos

22


Visita de estudo do 8ano ao BIORIA

No passado dia 23 de Março, as turmas do 8.º ano, da Escola Padre Donaciano de Abreu Freire, realizaram uma visita de estudo ao Bioria, percurso de Salreu. Aqui tiveram oportunidade de observar um filme com imagens espectaculares da vida selvagem e das espécies que habitam os ecossistemas visitados. Depois, foi proposto observar e explorar a paisagem ao vivo! Fez-se um percurso pedestre entre as 9h30 e as 13 h, percorrendo vários km. Pelo caminho foram explicadas muitas coisas e os binóculos foram muito utilizados. Quando chegou a hora de almoço, todos tiveram oportunidade para descansar e divertirse, mas ainda antes de viajar até Cacia, para a segunda parte da visita, foram desenvolvidas algumas actividades práticas no campo, orientadas pela professora de Ciências Naturais. À tarde, continuando a dedicar o dia ao Ambiente, as turmas visitaram uma estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR). Aqui puderam ver as várias etapas de tratamento das águas provenientes de várias populações, por exemplo de Estarreja, e compreender o percurso que estas águas fazem até à sua libertação no mar. Assim terminou o dia com a Natureza…

Adriana Fonseca, 8.º A Prof. Elizabeth Marques 23


Visita à EMER Os alunos do 2º ano da Escola das Laceiras visitaram, no dia 17 de Dezembro, a Escola Municipal de Educação Rodoviária de Ílhavo. Tiveram uma aula teórica sobre os sinais e as regras de trânsito e uma aula prática onde aplicaram os conhecimentos adquiridos. Foi o máximo.

24


A visita à Assembleia da República No dia 12 de Maio, a junta de Freguesia de Canelas ofereceu uma visita de estudo à Assembleia da República aos alunos do 3º e 4º anos da escola da mesma freguesia. A acompanhar os alunos iam: a nossa professora, dois representantes dos pais, uma auxiliar e três elementos da Junta, incluindo o presidente da mesma. Quando lá chegámos, fomos recebidos por funcionários muito simpáticos desse estabelecimento. Um deles guiou-nos durante a visita. Ficámos a saber que a Assembleia da República está instalada no Palácio de S.Bento, antigo mosteiro que mais tarde, no século XIX, foi modificado e passou a chamar-se Palácio das Cortes, onde reunia o Parlamento. No seu interior existe um pátio com um jardim, a que se dá o nome de claustro. A entrada principal do Palácio é muito grande, o chão é de mármore e ainda tem o piso original, com mais de quatrocentos anos. Depois encontrámos uma escadaria enorme, onde vimos um candeeiro com 1191 kg! Tem dezasseis braços e cada um deles tem 9 lâmpadas. Este candeeiro é mesmo espectacular! No cimo da escadaria fica o andar nobre, onde fica a sala dos Passos Perdidos e a sala das sessões e, nesta, encontrámos algumas estátuas que representam entre outras: a Justiça, a Lei, a Temperança… É nesta sala que os deputados se reúnem para discutir e aprovar as leis do país. Esta assembleia é constituída por 230 deputados. Nesta sala estivemos sentados nos lugares dos deputados e o guia explicou-nos como é a ocupação dos lugares e o seu funcionamento. De seguida fizemos algumas perguntas. Da parte de trás do palácio, pode avistar-se a residência do Primeiro-ministro. No edifício da Assembleia também existe a sala do Senado, uma biblioteca, uma livraria e uma cantina. Durante a visita, vimos aspectos importantes do edifício como por exemplo: pinturas, esculturas, estátuas, bustos… Almoçámos por volta das 14h00 na cantina da Assembleia, juntamente com alguns deputados e colegas de outras escolas. No fim do almoço, regressámos à sala das sessões para assistir a parte de um debate, mas, desta vez, ficámos nas galerias. Nesse momento já estavam alguns deputados a discutir assuntos do país. Alguns deputados eram conhecidos da comunicação social. Um aspecto que nos impressionou foi que alguns deputados pareciam distraídos do debate e estavam a fazer outras coisas. Gostámos muito desta visita, porque só tínhamos visto a Assembleia na televisão e ver ao vivo é muito diferente e conseguimos ver e aprender mais coisas, o que foi muito interessante. Luísa Arteiro 4º ano e Daniel Afonso 3º ano. (texto revisto e corrigido colectivamente) Escola de Canelas (profª Luísa Bastos)

25


VISITA À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA – EB1 DE CANELAS

À porta da Assembleia

Deputados por um dia

26


Visita de Estudo ao Museu Marítimo de Ílhavo No dia 10/02/2010 os alunos do nono ano da Escola Padre Donaciano de Abreu Freire realizaram uma visita de estudo a Aveiro. Da parte da manhã, o tempo foi dedicado à “pesca do bacalhau”: começaram por visitar o Museu Marítimo de Ílhavo, onde puderam observar uma réplica do barco Faina Maior e ficaram a saber como era a vida dos pescadores daquele barco. Em seguida, o grupo visitou o navio Sto André e teve oportunidade de ficar a conhecer técnicas de pesca mais modernas e sofisticadas. Apesar do tempo invernoso que se fez sentir, a visita foi muito interessante e permitiu ficar a conhecer um pouco a vida dura dos homens do mar da nossa região. 9ºB

Entrada dos alunos no Sto André.

Visita de Estudo à Fábrica de Ciência Viva No dia 10/02/2010 os nonos anos da escola Padre Donaciano de Abreu Freire realizaram uma visita de estudo a Aveiro. Na parte da tarde foram à Fábrica de Ciência Viva. Os alunos na Fábrica começaram por visualizar dois filmes em 3D, um que simulava o crescimento celular e o outro que simulava uma viagem ao fundo do mar. Depois destes filmes os alunos realizaram várias actividades sobre acontecimentos físicos e mentais. Logo de seguida, realizaram a experiência “De grão a pão” na sala “A cozinha pode ser um laboratório”, onde através de leveduras, fermentos e mais alguns ingredientes fizeram pão, que mais tarde viriam a comer. Em seguida, passaram à actividade “Mãos na Massa”, onde no laboratório os alunos fizeram a extracção de ADN de um kiwi. Quando acabadas as experiências, os alunos dirigiram-se a pé até à estação de Aveiro rumo a Estarreja. 9ºA 27


28


...

Cantinho da hist贸ria 29


Implementação da 1ª República Portuguesa Devido ao tamanho grande dos trabalhos efectuados decidimos criar um documento externo ao anuário para cada um deles, colocando-os online também.. Aqui ficam os links:

Filipe V. Ramos—9A —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/1a_Rep.9A_Fili_V._Ramos.pdf Daniel, Domingos—9A —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/5_de_Out1910_9A_Daniel_Domingos.pdf Aracy—9B

—> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/A_implantacao_da_Republica_9B_Aracy.pdf

Diogo, Tiago—9A —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/Implan.Repub_9A_Diogo_Tiago.pdf Tânia Oliveira—9ºA —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/Implantacao_da_República-Tania_Oliveira_9A.pdf Rita Franco,- 9ºA —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/Implantacao_da_Republica_II_Rita_Franco_n1_9A.pdf Pedro Silva—9B —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/Queda_da_monarquia_e_implantacao_da_republica-Pedro_Silva_N11_9B.pdf Laurindo, Rui—9A —> http://www.eb23-abreu-freire.com/docs/publico/trab_alunos/CANTINHO_DA_HISTORIA/Revol_republic 9A_Laurindo_Rui.pdf

30


...

Cantinho Literรกrio 31


CANÇÃO/POEMA MÃE Mãe gosto de ti como ninguém Por ti vou muito além do além

És a minha fada do lar És uma mãe espectacular

És como a Floribella: divertida e bela És maravilhosa como a Cinderela

És valiosa como um diamante És graciosa e triunfante

És inteiramente ternura e emoção Irei guardar-te no meu coração

Mãe dou-te o meu coração Assim me despeço com esta canção

ANÓNIMO - 7ºB 32


Reconto em verso de O Gato e o Rato, de Luísa Ducla Soares Era uma vez uma velha Anafada e muito enfeitada Tinha um gato chamado Felício A quem não faltava nada. Um dia, o Felício viu um rato Do seu prato a comer, Deu um pulo para o apanhar E ele desatou a correr. Dias e dias a fio, O rato apareceu a gozar, Dizia: “És gato de sala E não sabes caçar.” Ao fugir do gato Felício, O rato tudo atirava ao chão, A dona ficou admirada Com tamanha confusão. A troça do rato traquina Deixou o gato desanimado, Não comia, nem dormia Passou um mau bocado. A dona levou-o ao veterinário

Para ver o que se passava Concluindo que um desgosto Era o que o atormentava. A dona, triste e a chorar, Um lenço do bolso tirou E qual não foi o seu espanto Quando um rato encontrou. Ao ver o rato atrevido, O gato desatou a correr, Os dois atravessaram a cidade E ao telhado foram ter. Escorregando pela chaminé, À sopa foram cair E só com a ajuda do rato O gato conseguiu sair. Depois desta bela atitude Ficaram amigos os dois E aquela bela sopa Foi muito elogiada depois. Alunos do 2º/ 4ºB da EB Padre Donaciano Abreu Freire Professora Filipa Ramos

33


Fraternidade é Rir e aprender, Amar e sofrer Trabalhar e ajudar. Enquanto estamos juntos, Reparamos que liberdade Não é mais do que Igualdade De todos os povos,

Poemas Alunos 6ºC

Andar a partilhar Depressa E devagar. Rafael, 6º C

34


Concurso Uma Aventura 2010 MATPOREM 3B. - Professora, dói-me a cabeça e sinto o corpo a tremer! – disse a Joana com um tom de voz que parecia cansada. A professora pediu ao Tiago que chamasse a auxiliar e que esta trouxesse o termómetro. - Achas que tens febre? -perguntou o Ruben. Joana encolheu os ombros. Os colegas olhavam para Joana e, esperavam ansiosamente pela chegada do termómetro. A auxiliar chegou e levou Joana para o átrio do primeiro piso da escola. Depois de se confirmar que Joana tinha febre, a professora procurou o contacto telefónico do Encarregado de Educação. Enquanto se fazia a ligação, a turma especulava sobre o motivo da febre da Joana. Lá fora chovia e fazia muito frio. O Rodrigo tossia e queixava-se de dores de garganta, à Rita doía-lhe a cabeça a turma estava melancólica. Somente a nossa amiga tartaruga, se passeava dentro do seu habitat artificial, sem demonstrar qualquer preocupação. O Rodrigo e a Rita foram para casa e a cada dia que passava, vários meninos ficavam doentes. Numa Terça-feira, a turma estava reduzida a cinco alunos e a professora começou a dar sinais de estar a ficar doente. Enquanto se dialogava sobre a origem da gripe, os possíveis focos de contágio e os cuidados a ter, o Henrique, levantou-se para ir à casa de banho e sem querer atirou ao chão a nossa amiga Tantártica. - Cuidado! -gritou o Tiago. -És mesmo distraído! Não tens cuidado nenhum! – resmungou a Ana. Apressadamente, os alunos levantaram-se em socorro da Tantártica que ficou virada ao contrário, por baixo da mesa. A professora observou-a - Será que está magoada? –perguntou o Ruben. - Não sei, vamos ver! – respondeu a professora, já com sinais de febre. O Flávio e os colegas pediram ajuda à auxiliar. Apanharam os pedaços do aquário e limparam o que tinha ficado molhado e sujo. Enquanto se preocupavam com a Tantártica, ouviram um barulho estrondoso. - A professora caiu! – disse em tom de voz aflito o Pedro. - Deixem-me ver! – acudiu a auxiliar A professora tinha desmaiado.

Para a professora, a voz dos alunos que a chamavam, parecia esvanecer-se no infinito. Olhou para o lado e viu a Tantártica a receber soro e a ser operada à pata direita. O veterinário aproximou-se e disse que a Tantártica tinha de ser isolada, porque lhe tinha sido diagnosticada uma estranha virose. - Professora, acorde! – pediam os alunos. Lentamente a professora abriu os olhos e olhou em redor, enquanto a auxiliar tentava que bebesse um golo de água. - O que me aconteceu? Porque estou no chão? – perguntou a professora. - A professora desmaiou! – respondeu prontamente a auxiliar. - Sente-se bem? Precisa de alguma coisa? – perguntaram em coro os alunos. - Não, estou bem! Mas, penso que estou com febre! A professora sentou-se um pouco a descansar, enquanto verificava se tinha febre. Foi então, que contou o seu sonho. Admirados com o sonho da professora e ao mesmo tempo preocupados, decidiram em conjunto, que a Tantártica fosse levada ao veterinário. Nos dois dias seguintes a turma não teve notícias da sua amiga, pois a professora também tinha ficado doente. Quando a professora regressou, vinha acompanhada de duas senhoras. Após alguns minutos de diálogo, a professora fez a chamada. Constatando que todos os alunos estavam presentes disse: - Estas senhoras vieram comigo, porque a Tantártica está muito doente. A doutora Beatriz vai-vos contar. A turma ouviu a explicação da médica. À medida que falava, os olhos das crianças ficavam tristes, porque afinal o sonho da professora tinha-se tornado realidade. A Tantártica era portadora e transmissora de um vírus que se propagava a todos os seres vivos que com ela contactassem directamente. De seguida, a enfermeira Ana entregou um folheto informativo sobre a doença e explicou aos alunos os procedimentos a adoptar, pois havia uma grande probabilidade de todos os alunos da turma serem portadores do vírus MATPOREM 3B. Na semana seguinte todos os alunos foram vacinados e a Tantártica voltou recuperada para a companhia dos seus fiéis amigos. Até teve direito a um novo aquário.

Texto colectivo 2º/3º Anos turma B

35


AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA—JARDIM DE INFÂNCIA DE LACEIRAS - SALREU - SALA 1

COMENTÁRIOS SOBRE A HISTÓRIA ―O PALHAÇO TRISTOLETO‖ BEATRIZ – Gostei da história.

GABRIEL – Gostei da história do palhacinho.

O palhacinho estava no circo e dava cambalhotas.

Primeiro o palhacinho estava triste e depois ele estava contente, porque encontrou uma palhacinha e fez cócegas na mão e nos pés do palhacinho.

Ele fazia rir as pessoas todas, mas ele não se ria e depois foi para a tenda e descalçou os sapatos, eram sapatões e depois encontrou uma palhacinha e depois a palhacinha fez cócegas nos pés do palhaço e depois o palhacinho já conseguia rir. Depois o palhacinho disse à palhacinha se ela queria ir trabalhar no circo com ele.

IARA – Gostei muito de ouvir e ver na internet a história do palhacinho e palhacinha. O palhacinho estava triste e depois estava feliz, porque o palhacinho estava descalço e a palhacinha fez coceguinhas nos pés do palhaço e ele riu-se e ficou feliz.

Depois o palhacinho disse um segredo à palhacinha “que eles iam ser namorados” e depois o palhacinho fez-lhe uma carta e lá na carta tinha um beijinho para a palhaci- MAFALDA – Gostei da história. O palhaço estava triste e não conseguia rir. Foi ao nha e depois pôs a carta na caixa do carteiro no dia dos namorados. circo e fazia rir toda a gente. Depois apareceu a palhacinha e depois o palhaço descalçou os sapatões (são uns sapatos grandes) e depois ela fez cócegas nos pés do DINIS MOUTELA – Gostei muito da história. palhacinho e depois ele riu muito. Ficaram namorados e deu uma carta de flores à O palhacinho gostou das cócegas. palhacinha. DINIS SIMÕES - Gostei da história do palhaço.

RODRIGO – Gostei da história do palhacinho. Ele estava triste.

O palhaço estava triste, porque não conseguia rir e depois um dia ele riu-se, porque A palhacinha fez cócegas nos pés do palhacinho, depois o palhacinho ficou contente. ele fez rir as pessoas no circo. RUI – Eu gostei da história do palhacinho. Um dia ele tirou o calçado, os sapatões e depois a palhaça fez coceguinhas nos pés O palhacinho estava a chorar, ele estava triste. Ele fazia rir as pessoas no circo mas do palhaço e o palhaço começou a rir-se. ele não se ria. Depois o palhaço pôs uma carta no correio que tinha um coração e um lábio que era Ele tirou os sapatões e ficou descalço. A palhacinha foi fazer cócegas nos pés do paum beijinho. A carta era para a namorada que era a palhaça e depois estava um lhaço e o palhaço ficou a rir. grande sol às riscas e era a palhaça a fazer coceguinhas ao palhaço. Depois o palhacinho deu à palhacinha flores e a palhacinha ficou contente. DANIELA – Gostei da história do palhacinho. TIAGO – Eu gostei da história do palhaço. O palhaço queria namorar com a palhaça. O palhacinho estava triste. A palhaça deu flores ao palhaço, não… o palhaço é que deu flores à palhaça, porque Ele tirou os sapatos. A palhacinha fez cócegas nos pés do palhaço e ele estava conele queria namorar com ela. tente e a rir. O palhaço tinha uns sapatões nos pés e depois descalçou-se, depois a palhaça fez Ele deu flores à palhacinha. Eu desenhei o circo. cócegas e o palhaço riu-se muito. 36


Amizade

Natal nas Asas do Arco Criação de uma história a partir dos parágrafos iniciais do livro Natal nas Asas do Arco-Íris, de Alice Cardoso.

O que será uma grande amizade -Um amor, um gostar de outra forma O nascer, o criar de uma enorme felicidade Que o tempo não estraga, não entorna.

Era uma vez uma cidade cinzenta. As casas, as ruas, as árvores e os rios eram cinzentos… Todo o céu que envolvia a cidade era cinzento… As pessoas vestiam-se com roupas em tons de cinzento e os seus rostos eram tristes e carrancudos. Andavam sempre agitadas, demasiado ocupadas e sem tempo para conversar, rir ou passear.

Saber em quem confiar Com quem podemos abrir o nosso cofre Alguém que o amanhã ajuda a ficar E sabe que por nós alguém sofre.

Na vida destas pessoas faltava alegria e carinho, por isso a cidade era tão escura. Certo dia, quando o sol e a chuva faziam companhia um ao outro, apareceu um arco-íris radiante, que cobriu toda a cidade. Os seus habitantes ficaram surpreendidos, pois nunca tinham visto tantas cores juntas. Na rua, todos paravam para admirar aquela maravilha. Encantadas com o que estavam a ver, as pessoas começaram a pensar como poderiam tornar a cidade colorida. De repente, alguém se lembrou que poderiam ir até ao arcoíris recolher as suas cores. Pediram um avião emprestado e enviaram uma mensagem, através de uma pomba, ao senhor Bartolomeu, um mágico que habitava uma nuvem e gostava de ajudar as pessoas, pedindo-lhe para se encontrar com eles junto à quarta cor do arco-íris. Na hora marcada, encontraram-se no local combinado. O senhor Bartolomeu levou consigo uma caixa misteriosa, deixando toda a gente curiosa para saber o que estava lá dentro. Quando a abriu, espalharam-se pós brilhantes, de todas as cores, por todo o lado. Em seguida, o mágico retirou da caixa um aspirador muito especial, tão moderno que era capaz de sugar as cores do arco-íris. Quando regressaram à cidade, distribuíram pincéis e baldes de tinta por todos os habitantes, que começaram, imediatamente, a pintar tudo o que viam. Em pouco tempo toda a cidade ganhou cor. Os habitantes ficaram tão contentes, que resolveram celebrar e fizeram uma festa na rua principal, que enfeitaram com luzes, bolas e fitas de todas as cores. Naquela noite, apareceu o Pai Natal e todos ficaram muito felizes pois este foi o primeiro Natal em que estiveram rodeados de cor, alegria e amizade.

Saber que alguém pensa em nós Que nos põe um pé quando caímos Que nos ajuda quando estamos sós -Tudo isto é algo que no coração sentimos. É o chamar por uma alegria, É o responder de uma grande felicidade Muito quente, doce e que muito nos obriga A criar um mundo com muita fraternidade. Uma amizade com tais medidas Terá sempre, mas sempre prioridade As simpatias jamais serão perdidas Enquanto houver vida há sempre amizade! Meu amigo Não é aquele que pensa como eu Mas sim aquele que pensa comigo. Emília Silva, 7ºC

Texto elaborado, colectivamente, pela turma do 4º B da Escola EB1 do Paço 37


38


...

Figuras GeomĂŠtricas 39


Figuras GeomĂŠtricas

40


...

Meios de Transporte 41


Meios de Transporte

42


...

Curiosidades

43


―Ciências nas mãos das crianças contextos Formal e Não-Formal‖

O TEMPO RIGOROSO Nos últimos tempos tem feito um tempo rigoroso. Tem chovido muito e tem feito muito frio. Este tempo tem várias consequências que são as seguintes:

Sabias que: A luz é uma forma de energia (radiação, claridade) que viaja em ondas e que é detectável pelo olho humano; A luz é uma radiação que se propaga em linha recta;

Na estrada: há muitos acidentes porque as estradas ficam inundadas, escorregadias e congelam. Há longas e demoradas filas de trânsito; Na saúde: gripes, constipações e hipotermia;

Existem dois tipos de luz: luz natural e luz artificial;

No emprego: as pessoas faltam por causa dos acidentes, da paralisação dos transportes e das doenças;

A luz natural é constituída pelas sete cores do arco-íris; A junção das sete cores do arco-íris forma a luz branca; A luz solar influencia o desenvolvimento, o comportamento e as relações dos seres-vivos;

No ambiente: o mar e os rios avançam para as casas, pessoas, árvores, carros, barcos, postes de electricidade, etc., provocando a sua destruição.

O sol ajuda a fixar a vitamina D; Não vemos os objectos no escuro, porque os nossos olhos não recebem luz; No escuro só vemos objectos luminosos ou iluminados; A luz não atravessa corpos opacos; A sombra forma-se quando um raio de luz incide sobre um corpo opaco; Os espelhos reflectem imagens na presença de luz; Pensa-se que a superfície da água inspirou o fabrico do primeiro espelho; Se posicionarmos dois espelhos planos, paralelamente e um objecto entre eles, a sua imagem reflecte-se infinitamente. Trabalho colectivo 2º/3º Anos turma B E.B.1 do Paço - Estarreja

Trabalho realizado por: Ana Moutela, Ana Vieira e Cláudia Pereira – 7ºB

44


O HAITI 7ºB O Haiti fica na América Central e faz parte das Caraí- gases no interior da Terra, principalmente metano. O movimento é causado pela libertação rápida de grandes quantibas. É um país muito pobre, 45% da sua população é anal- dades de energia sob a forma de ondas sísmicas. As Caraíbas são um conjunto de arquipélagos situado fabeta, a esperança média de vida é 60 anos, o rendimento entre a América do Norte e a América do Sul. per capita é muito baixo. Após vários regimes ditatoriais, hoje em dia o seu principal produto de exportação é o açúcar, além de outros produtos como banana, manga, milho, batata-doce, legumes, tubérculos e muito mais. A capital do Haiti é Port-au-Prince (Porto Príncipe). O Haiti foi alvo de mais um sismo. As consequências deste sismo foram as seguintes: as pessoas ficaram sem casas, sem transportes, sem alimentos, sem água, sem electricidade, sem os seus bens. Houve muitos mortos e feridos e as pessoas ficaram sem família. Houve violência por causa dos bandidos que roubaram as pessoas.

Saber mais: Sismo, também chamado de terramoto, é um fenómeno de vibração brusca e passageira da superfície da Terra, resultante de movimentos subterrâneos de placas rochosas, de actividade vulcânica, ou por deslocamentos (migração) de

Trabalho realizado por: Ana Moutela, Ana Vieira e Cláudia Pereira - 7ºB 45


Padre Donaciano de Abreu Freire O Patrono da Escola

Donaciano da Silva Bastos de Abreu Freire, “um dos maiores oradores sagrados portugueses do sécu- perto da única Escola Primária da vila, a Escola de Conde Ferreira, no coração geográfico da freguesia, lo XX”, no dizer de Filipe de Figueiredo (1985), é filho do concelho de Estarreja, tendo nascido em Pardi- entre a zona rural e a urbana. lhó no ano de 1889. Figura relevante do nosso país, durante a primeira metade do século XX, detentor de uma obra literária multifacetada – poesia, dramaturgia, crítica literária, jornalismo, epistolografia – o Em Outubro de 1923, para responder às necessidades prementes da população, abriu, então, as suas Padre Donaciano consumiu quase toda a sua vida na pastoreação da freguesia de Beduído. Não foi fácil a portas o Externato de Estarreja. sua carreira intelectual. Pelo contrário, foi acidentada e penosa, embora brilhante. Por isso, entendeu bem a necessidade de dotar, a terra que lhe foi confiada, dos meios necessários para a instrução e a educação dos jovens.

O Externato nasceu, cresceu e viveu durante oito anos, cumprindo a sua missão com honra e glória. Porém, rapidamente, se foi mostrando inadequado, por insuficiente, porquanto a ele recorriam alunos já não

apenas da freguesia e do concelho, mas de toda a região. Foi-se sentindo, portanto, necessário responder Concluiu o seu curso de Teologia. Todavia, como não possuía, ainda, idade para ser ordenado, continuará, aos apelos que chegavam de perto e de longe, nomeadamente o da criação de um internato e/ou semipor mais algum tempo, no seminário, como bibliotecário, circunstância que aproveitou para a leitura de internato, para acudir à saúde física e psíquica de muitos alunos. bons autores. Donaciano nunca foi homem de recusar desafios. Assim, em 1931, em parceria com outros ilustres, funda É ordenado sacerdote no ano de 1912, sendo parte dessa sua nova vida de sacerdócio passada no norte o Colégio D. Egas Moniz, com os cursos primário, liceal e comercial, para alunos internos, semi-internos e do país, onde também desempenha funções de professor num dos mais conceituados colégios do Porto, o externos, com secções masculina e feminina. O Colégio foi instalado, numa fase inicial, no palacete da Colégio Almeida Garrett.

família Leite, vivenda sumptuosa, na Praça de Estarreja (edifício depois transformado na Casa do Pessoal do Amoníaco Português, hoje Quimigal, e para onde está projectada a instalação da Biblioteca Municipal

Em 1920 é nomeado coadjutor do Bunheiro, para onde vem em estrita obediência ao Bispo. No ano se- de Estarreja). Mais tarde, dessas instalações primeiras passa para um edifício mandado construir, na guinte, é nomeado pároco, transitando para Estarreja em 1922, com 32 anos de idade. Com a experiência

década de sessenta, propositadamente para o efeito a que se destinava, pelo Dr. Ramos, o novo proprie-

pessoal que trazia consigo, como estudante, aluno da instrução primária em Pardilhó e Avanca, aluno do tário e director do colégio, edifício esse que, em período posterior, vem a ser adquirido para que nele seja ensino secundário em S. Fiel, na Beira Baixa, tão longe de sua casa e família, em clima serrano inóspito, instalada a Escola Secundária local. tão diferente do da beira-ria e da beira-mar, com a experiência pedagógica de Casais Novos e do Porto, nos colégios de S. Carlos e Almeida Garrett, chegou a Estarreja, viu, julgou e agiu.

Com o ano lectivo de 1985/86, assiste esse edifício a uma nova transformação, passando a ver nele funcionar a Escola Preparatória de Estarreja, a qual, a partir do dia dezoito de Abril de 1996, assume o nome

O Padre Donaciano era um homem extremamente sensível aos problemas dos outros e batia-se quanto oficial de Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos Padre Donaciano de Abreu Freire, homenageando, assim, o podia para os resolver. Doía-lhe a alma ao ver tantos jovens, inteligentes, bem dotados, interessados, grande percursor do ensino pós primário na região. não poderem prosseguir estudos, além da instrução primária, por falta de recursos materiais que lhes Em resultado do desajustamento progressivo do edifício à nova realidade escolar e ao número crescente de alunos, com o advento do ano 2000 efectiva-se o abandono dessas instalações escolares, em troca de outras construídas de raiz, na Arrotinha, continuando, todavia, o Padre Donaciano de Abreu FreiEm 1923, um ano após a sua chegada, na decorrência desse seu modo de ser, congregou esforços, reuniu re a dar-lhe o nome, o qual, desde o ano lectivo 1999/2000, não só designa a escola antes referida como, boas vontades, constituiu um corpo docente com a “prata da casa”, contratou pessoal administrativo, também, ainda que de forma não oficial, uma entidade mais vasta de espaços e de propósitos que é o arrendou um edifício, obteve o alvará e abriu o Externato de Estarreja, junto à capela de S. Gonçalo, Agrupamento Vertical de Escola de Estarreja. permitissem ir estudar para outras terras.

46


Anuário 2009/2010 da Escola EB23 Pe Donaciano de Abreu Freire - Estarreja