Issuu on Google+

ENVELOPAMENTO AUTORIZADO. Pode ser aberto pela ECT.

Revista de Conexão Missionária da JMM

REMETENTE: JUNTA DE MISSÕES MUNDIAIS DA CBB Rua Sergipe, 47 - Maracanã Rio de Janeiro - RJ - CEP.: 20271-310

ISSN 2317-5788

SIM 2014

Você em quarta dimensão ENTREVISTA

Pr. Paulo Pagaciov: uma nova Missão

ANO X - N°54 NOVEMBRO / DEZEMBRO 2013


A Colheita ISSN 2317-5788 Diretor Executivo

Pr. João Marcos B. Soares

Gerente de Comunicação e Marketing Pr. Davidson Freitas

Direção Criativa e Coordenação Editorial Jaci Madsen

3 4 5 7 10 11

Jornalista Responsável

13

Projeto Gráfico e Diagramação

Equipe de criação JMM

NOTÍCIAS DOS CAMPOS Bíblias para a Ásia Cuidando de quem cuida DIÁRIO DE BORDO No Egito, entre as catacumbas

Eliana Moura

Eliana Moura Marcia Pinheiro Willy Rangel

Bastidores de um time em campo

Artigo do Pr. Jarbas Ferreira

12

Equipe de Redação

IGREJAS QUE AMAM MISSÕES Entre no clima da Campanha 2014

Editora Assistente

Marcia Pinheiro (22582/DRT/RJ)

ESPAÇO DO ADOTANTE

ATÉ OS CONFINS Um panteão de culturas

14 16 18

Dia Batista de Oração Mundial Doe Esperança O sorriso de Missões Mundiais Entrevista com Pr. Paulo Pagaciov

21

PERFIL MISSIONÁRIO MOBILIZADOR Pr. Adriano Borges

Fotos: Arquivo JMM Tiragem: 166.000 exemplares Contato: redacao@jmm.org.br

23 24 25 26 27

Avaliação da Campanha 2013 DE PASTOR PARA PASTOR ESPAÇO RADICAL PEM Um pouco de luz Artigo de Raquel Lima

Rua José Higino, 416 / Prédio 21 Tijuca - Rio de Janeiro - RJ CEP 20510-412 jmm@jmm.org.br pam@jmm.org.br colabore@jmm.org.br Tel.: (21) 2122-1900 Fax: (21) 2122-1944 PAM: (21) 2122-1901 0800 709 1900

28 29 30 31 32

SIM, Todos Somos Vocacionados PEPE Espaço FM Agenda PALAVRA DO EXECUTIVO


2 EDITORIAL

ENTRE ASPAS

Doar esperança Mais uma vez, A COLHEITA está em suas mãos. Com ela, chega também uma grande responsabilidade: a da doação, que é o exercício central desta edição. Através destas páginas, podemos ter aquela boa conversa com a qual já nos acostumamos, falando sobre como conectar ainda mais nosso coração ao campo missionário, descobrindo o que Missões Mundiais e você têm feito juntos.

Frases ditas em momentos específicos que resumem um pouco do envolvimento do povo brasileiro com o que Deus está fazendo no mundo, para que o seu amor chegue a todos os lugares da Terra. A Bolívia tem um crescente número de estudantes estrangeiros no ensino superior – aproximadamente 25 mil – e queremos compartilhar Jesus com eles. Desejamos prepará-los para servirem com suas profissões onde estiverem, para que o Reino de Deus seja expandido em diferentes lugares. Américo Monje, missionário na Bolívia

Adotantes têm seu espaço, igrejas podem amar cada vez mais Missões, notícias dos campos podem ser parte da sua rotina. Além disso, cuidado está em cada linha desta edição. Com a campanha Doe Esperança, milhares de brasileiros puderam expressar carinho, afeto, respeito e amor por nossas crianças atendidas pelo PEPE (programa socioeducativo) e POPE (Programa de Odontologia Preventiva e Educativa). De uma extremidade a outra no mundo, até os confins, há pessoas comprometidas com a oração e com a doação daquilo que Deus lhes concedeu. O destaque desta edição é você. Sim! Você, leitor, que pode ver em cada ação de amor realizada pela JMM um pouco de si. Suas doações, orações, envolvimento e mobilização estão em cada história contada aqui. Saiba também sobre as primeiras novidades do SIM 2014, e confira uma reflexão que pode mudar a maneira como você celebrará o Natal este ano. Vamos receber 2014 juntos, repartindo o que somos e multiplicando relacionamentos. Desejo a você uma leitura “diferente”, que mexa com o seu coração.

Jaci Madsen

Realmente, não tem como não ver o poder de Deus naquele lugar! Só mesmo ele pode fazer isto conosco. Mesmo em tempos de dificuldade e de deserto em nossa vida, podemos sentir que o Senhor não nos abandona. Gisele Soler, missionária em Moçambique, onde realiza um ministério de capelania hospitalar na Cidade da Beira

O Natal é para ser celebrado entre todos os povos da Terra. Como celebrar o Natal no Brasil quando sabemos que milhões de pessoas no mundo nem sabem o significado desta data? Renato Reis, coordenador de Missões Mundiais para a Ásia

ERRATAS Por um erro de edição, na matéria “A Colheita é 10” (edição 53, págs. 16 e 17, setembro e outubro 2013), deixamos de citar o nome completo de Elias Werneck, que em 1981 era pastor da Igreja Batista XV de Novembro, no bairro carioca de Guadalupe, e que hoje está à frente da Primeira Igreja Batista em Jacarepaguá, também no Rio de Janeiro. A IB XV de Novembro foi a primeira igreja a adotar um casal missionário da JMM pelo PAM. O primeiro casal adotado financeiramente pela igreja foi o Pr. Antônio e Deolinda Galvão, na época missionários na Espanha Fica registrado aqui nosso pedido de desculpas e o reconhecimento ao pastor e às amadas igrejas, que fazem parte da história dos batistas brasileiros. Na edição 53 de A COLHEITA, a seção “Igrejas que Amam Missões” fez referência à Igreja Batista Vila Perseu como sendo do Estado do Amazonas, quando a amada igreja, na verdade, está em Campinas, no Estado de São Paulo. Também ocorreu uma troca de fotos e, na realidade, a que consta na nota “União e cooperação por Missões Mundiais” é a foto das crianças da IB Vila Perseu. Que a  igreja continue participando da Missão de Deus e do que ele está fazendo no mundo.


3

ESPAÇO DO ADOTANTE As histórias dos parceiros de Missões Mundiais são histórias de vida, fé e amor. A COLHEITA separou pra você, leitor, dois caminhos diferentes que se encontram no mesmo lugar: o da vocação para servir. Conheça a Anita e a Cristiane, e inspire-se num movimento pela vida!

Loja missionária O trabalho da Igreja Batista Estrela da Manhã, em sua primeira fase, teve início através de um pedido de culto do irmão Joaquim, que nessa ocasião se encontrava enfermo e impossibilitado de frequentar os cultos na PIB Ubatuba/SP. Esse irmão hoje está na glória junto a Cristo, mas sua esposa, a diaconisa Anita, segue com a bandeira do evangelho e, através de um projeto missionário, conseguiu alcançar várias pessoas para Jesus Cristo.

panos de pratos em estoque, além de outros artigos evangélicos que comercializa. Com o lucro, ela consegue manter 10 adoções missionárias e inúmeras ofertas de amor para as campanhas de Missões da Convenção Batista Brasileira.

Ela foi a um acampamento de promotores de Missões na cidade de Cubatão/SP, quando adotou um missionário de Missões Mundiais. Na volta para a igreja, sentiu mais forte a vontade de se envolver. Ela teve a ideia de fazer panos de pratos para revender. O dinheiro é investido na obra missionária. Após nove anos com este projeto, hoje nossa irmã tem cerca de 3.000

Aos 81 anos, a irmã Anita se sente feliz por ter sido exemplo para o seu filho, o empresário Wilson Alves da Silva. Este ano, foi inaugurada uma loja de Missões na cidade de Ubatuba, e o filho da irmã Anita fez parte deste sonho, adotando a loja missionária. Irmã Anita continua firme em seus crochês, bordados e no trabalho de vendas.

Algumas horas de história “Eu poderia passar horas e horas contando meu testemunho de fé, e como sou grata a Deus por receber notícias da JMM através da revista A COLHEITA. A edição de maio/junho (Especial Igreja Perseguida) foi a que mais me impressionou, comoveu e alegrou durante esse tempo como intercessora. Desde criança, senti no coração um chamado muito forte para Missões. Ainda não consegui correspondê-lo da maneira como sempre sonhei. Mas hoje, no exato momento em que escrevo este e-mail para a Redação da JMM, assumo novamente o compromisso de ofertar todos os meses para Missões, apesar de não ter uma renda certa. Passei no vestibular e estou cursando Psicologia. Estou muito feliz! Tenho o propósito muito sério de honrar ao Senhor, ajudando a todos quantos eu puder a encontrar respostas no amor de Deus.

SE NA SUA CASA CHEGA MAIS DE UM EXEMPLAR DE A COLHEITA, ESSE RECADO É PARA VOCÊ. Estamos atualizando nosso cadastro e precisamos de sua ajuda. Alguns mantenedores da JMM que adotam mais de um projeto missionário têm recebido mais de um exemplar de nossa revista em suas casas. Se isso tem acontecido com você, pedimos que entre em contato conosco.

Juntos, vamos utilizar melhor nossos recursos!

Agradeço pelo cuidado e atenção da JMM. Sei que Deus está com todos os colaboradores e missionários, e que somos capazes de cumprir com amor o que Ele colocou em nossas mãos.” Cristiane Cardoso - Via e-mail

ou

2730-6800


IGREJAS QUE AMAM MISSÕES Frutos que dão frutos

Escola Bíblica missionária O promotor voluntário de Missões da Igreja Batista Memorial de Olinda/PE, Edvaldo Gaião Dias, conta que, para encerrar a Campanha de Missões Mundiais 2013, a igreja promoveu uma EBD Missionária com uma feira. Cada uma das oito classes da Escola Bíblica Dominical representou uma determinada região do planeta. “Com esta ação, atingimos a maior oferta missionária de nossa igreja para Missões Mundiais até hoje! Glorificamos a Deus pelo envolvimento de toda a igreja, de nossa liderança, pastores, alunos e professores. Foi uma grande bênção!”, comenta o promotor. O sentimento missionário cresceu tanto que os pastores da igreja, Eminadabe Gaião e Anderson José, seguiram na caravana voluntária da JMM para o Leste Europeu. “Parabéns aos colaboradores da JMM pelos materiais e incentivo que nos dão para prosseguirmos avançando nos campos missionários”, conclui Edvaldo.

Ultrapassando o alvo! Com fé, amor e compromisso com o que Deus tem feito no mundo, a Congregação Batista em Jardim Palmira, no bairro da Palhada, em Nova Iguaçu/RJ, conseguiu ultrapassar o seu alvo para a Campanha de Missões Mundiais 2013, mesmo tendo apenas 15 membros na época da arrecadação das ofertas. O Pr. Jorge Luiz G. de Souza explica que foi um verdadeiro milagre: “Após orarmos por mais de um mês, a comissão da Campanha em nossa igreja foi formada. Três pessoas integravam esta equipe. Dentre elas, uma irmã de 66 anos, que nunca havia trabalhado como promotora de Missões, e um irmão recém convertido, de 70 anos”. Em abril, toda a congregação decidiu colocar diante de Deus seu alvo desafiador para Missões Mundiais. O pastor conta o resultado: “Para a honra do nosso Deus, terminamos a campanha em junho com o alvo ultrapassado. Alvo este que já foi enviado à JMM, por meio da Associação Batista Iguaçuana.”

“Nossa igreja tem apenas seis anos, mas muito amor pela obra missionária. Estamos na comunidade de São Lourenço, em Sumidouro/RJ, por iniciativa de alguns irmãos que, com um coração missionário, começaram o trabalho de estudos bíblicos e visitas. Hoje, somos 126 membros. Antes de começarmos a Campanha de Missões Mundiais, nossos líderes desafiaram a igreja a pensar em um alvo de fé, e assim foi feito. Neste tempo, tivemos a presença da missionária Gisele Soler, que está em Moçambique. Os testemunhos nos motivaram e demonstraram que podemos fazer mais. Os vídeos do DVD da Campanha foram compartilhados nos grupos de comunhão e estudos bíblicos que se reúnem durante a semana. Foi maravilhoso! Apesar de vivermos em um contexto rural e de a nossa igreja estar em obras, todos se envolveram na Campanha. Na noite de encerramento, além de alcançarmos o alvo proposto,

adotamos um missionário e ainda houve decisões por Cristo. A igreja estava em festa! Nesta Campanha, percebemos mais uma vez que, mais importante do que a construção do templo, mais do que olhar para as nossas necessidades, precisamos perceber e agir para que a necessidade da presença de Jesus seja suprida nos corações de milhares de pessoas em todo o mundo. Precisamos ser missionários pelo poder do Espírito Santo e confiar que o Senhor dará o crescimento.” Pr. Jaime Ortega Andrade Igreja Batista Boas Novas Sumidouro/RJ

O sonho de uma comunidade em missão “Há algum tempo, nossa igreja sentiu o desejo de ser mais missionária. Decidimos, então, começar uma mobilização. Pedimos a ajuda de um missionário mobilizador, o William Viel, mais conhecido como Curumim. Pelo menos uma vez por mês ele agenda um missionário para falar em nossa igreja sobre a obra missionária. Começamos também a promover a Festa das Nações, cujo principal objetivo é arrecadar fundos para Missões Mundiais. A primeira festa foi dentro da igreja. Nas edições seguintes, tivemos de fazê-la do lado de fora da igreja, devido ao grande número de pessoas participantes e de barracas. Recebemos ainda o Pr. Marcos Grava, coordenador do Programa Esportivo Missionário (PEM), que deu um grande impulso e motivação à igreja! Também realizamos um congresso Conexão Missionária, quando pudemos colher as

bênçãos de receber missionários e suas famílias em nossa igreja. Um dos resultados de toda esta mobilização é a decisão de uma de nossas jovens. Ela deseja participar do Programa Radical. Esperamos que seja a primeira de muitos outros jovens. Nós também ultrapassamos o alvo que estabelecemos para a Campanha 2013 da JMM, e tivemos a participação de vários membros como adotantes do Programa de Adoção Missionária (PAM). Sonho em ver nossa igreja como uma grande potência missionária para as nações. Estamos muito longe do ideal missionário que queremos ter, mas, com certeza, estamos caminhando para isso. Que Deus nos abençoe!” Pr. Claudinei Nascimento Igreja Batista Jardim Bom Retiro Sumaré/SP


Bastidores de um time em campo

C

om o tema Entre em Campo com Cristo, pelas Nações na mente e no coração, a equipe da Gerência de Comunicação e Marketing da JMM esteve durante quase todo o ano de 2013 envolvida na preparação de textos, vídeos, música, cartazes, revistas, site, além de diversos outros materiais que apoiem a compreensão, conexão e envolvimento das igrejas brasileiras com a Campanha de Missões Mundiais em 2014. Com este tema, acompanhando o ritmo da Copa do Mundo, Missões Mundiais quer evidenciar ações do trabalho realizado pelo Programa Esportivo Missionário (PEM), uma ferramenta estratégica para entrada do evangelho em países fechados.

Como o tema 2014 foi definido? Em uma conversa informal entre coordenadores de Missões Mundiais, a missionária Analzira Nascimento comentou: “Para o próximo ano, nosso tema poderia ser Entre em campo com a JMM”. Desta sugestão inicial até a definição final, tudo aconteceu muito rápido. Assim que soube da ideia, nosso diretor executivo, Pr. João Marcos B. Soares, aprovou e ainda deu um toque especial, complementando a frase, que se tornaria, então, nosso tema para 2014: Entre em Campo com Cristo, pelas Nações. Com o tema definido, o Pr. João Marcos escolheu também a divisa: “Todas as nações virão à tua presença e te adorarão”, em Apocalipse 15.4. Durante um dia dedicado a compartilhar com a equipe de Comunicação e Marketing sobre os sonhos para este tema, ele nos orientou sobre como deveríamos comunicar esta visão à igreja brasileira, e compartilhou: “Não fomos chamados para assistir da arquibancada, mas para entrar em campo com Cristo, pelas nações”.

Escrevendo, criando e gravando com Cristo, pelas nações Após a estruturação do planejamento anual, que incluiu as peças integrantes do kit promocional, a definição de campos a visitar, e a seleção de conteúdos para download no site, a equipe iniciou o processo criativo. Lado a lado, designers e publicitários pesquisaram e estudaram a melhor identidade visual para representar o tema, enquanto a equipe de Redação entrava em contato com pastores, missionários e parceiros da JMM que escreveriam histórias, mensagens, devocionais e artigos para todo o material impresso e online. Simultaneamente, reuniões entre nosso diretor executivo e representantes da Gerência de Missões ajudavam a definir roteiros e objetivos de visitas aos campos para registro de vídeos. Nossa Campanha estava ganhando vida e forma. E enquanto isso, você também fez parte de cada detalhe! Além de nos ajudar a planejar melhor quando respondeu a pesquisa sobre a Campanha 2013 (realizada online), sua oração, oferta, mensagens de ânimo e carinho pelo Facebook e por nossos e-mails, amizade, sugestão, parceria, mobilização e coração de servo nos trouxeram força. Sem o seu compromisso com Missões, não haveria Campanha!


Uma grande alegria criativa tomou conta da equipe, que se dedicou por meses seguidos à criação, redação e revisão de revistas, fichas, cartazes e tudo o mais que compõe o kit que chega à sua igreja, além dos materiais da internet. Um trabalho minucioso que demandou atenção, amor, cuidado e compromisso. Fazer parte desse momento que antecede uma enorme mobilização da igreja brasileira, em cada região deste país, possibilitando que mais pessoas conheçam e se envolvam com os desafios de Missões Mundiais, é alegria, privilégio e responsabilidade. É fé! Com esta convicção no coração, a equipe de Comunicação e Marketing esteve unida e proativamente envolvida com todo o processo criativo da Campanha 2014. Os bastidores da história da Campanha 2014 estão repletos de alegres memórias, horas de dedicação, viagens e histórias de vida que tocaram e tocam cada um que teve o privilégio de participar dessa construção. Antes de esta Campanha mudar a sua vida, acredite, ela já mudou a nossa. Como você, nós amamos Missões!

Por que um DVD? Nossas igrejas, pastores e líderes de Missões nos contaram (confira na página 23 os resultados da pesquisa que realizamos) que o DVD com vídeos de Missões Mundiais é a peça mais esperada do kit. Os vídeos têm relatos, histórias de vidas transformadas, desafios e metas que sonhamos alcançar. O trabalho de gravação, decupagem, seleção de imagens, gravação de voz, edição, escolha de trilhas, videografismos, pós-produção, tradução, gravação em Libras, entre tantas outras fases, leva cerca de seis meses, por isso, precisamos começar muito cedo a produzir. Neste ano, a visita para captação de imagens aconteceu em duas etapas. Na primeira, países da América (Cuba, Chile, Peru, Paraguai) receberam a nossa equipe e, na segunda, o Sul da Ásia foi o destino, lugar este que tem tocado o coração da liderança de Missões Mundiais. A carência de Cristo é imensa, e a JMM pretende investir na abertura de novas frentes ali, por isso, nos dedicamos a compartilhar isto com a igreja brasileira.

A escolha da música da Campanha Assim que a divisa da Campanha foi definida, a escolha da música foi, praticamente, uma consequência. “Rei das Nações”, composta por Jorge Rehder, falecido em 2009, e gravada pela Banda Vencedores por Cristo nos anos 1970, ganhou o nosso coração e dizia tudo o que queríamos expressar em 2014. Mais uma vez, o casal Leo e Vanessa Gomes preparou um arranjo especial, com a identidade de Missões Mundiais, e regravou a canção com uma proposta que mescla ritmos africanos à música de Rehder. No material da Campanha 2014, as igrejas receberão as duas versões da música. A da Banda Vencedores por Cristo, que chamaremos de versão clássica, e o arranjo de Leo e Vanessa, que chamaremos de versão oficial.

Neste breve passeio pelos bastidores, você pôde acompanhar um pouco do que temos feito em 2013 para que as igrejas entrem em campo com Cristo, pelas nações, em 2014. Junte-se a nós neste time. O vencedor deste jogo? Jesus Cristo! Em breve, sua igreja receberá o kit da Campanha 2014. Conheça o conteúdo das revistas, leia, utilize nossos cartazes, faça o download dos materiais no site e participe conosco desse grande movimento de mobilização por Missões Mundiais.


NOTÍCIAS DOs CAMPOs

7

F

ique por dentro do que acontece nos mais de 70 campos onde Missões Mundiais está. Saiba mais do que Deus tem feito no mundo através dos nossos missionários e através de você, nosso parceiro! Quando você entende a Missão de Deus, contribui, intercede e se envolve, mais pessoas são alcançadas pela paz, justiça, compaixão e amor do Pai. A salvação muda a vida de gente ao redor do mundo!

FRANÇA Força missionária para revitalizar igrejas

ITÁLIA Batistas comemoram 150 anos no país

O

trabalho batista na Itália começou em 1863, completando, em 2013, 150 anos. Para marcar essa data tão importante, a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) realizou um evento comemorativo, de 5 a 8 de setembro, em Roma. Todos os missionários de Missões Mundiais que atuam no país estiveram presentes. Na oportunidade, o gerente de Missões da JMM, Pr. Alexandre Peixoto, ofereceu à UCEBI uma placa comemorativa em nome de Missões Mundiais e da Convenção Batista Brasileira. O Pr Luiz Cláudio e a missionária Denise Marteletto, que em novembro completam nove meses naquele campo, agradeceram a oportunidade de fazer parte deste momento histórico. “É muito bom saber que não estamos sozinhos, mas que temos o apoio dos familiares, dos amigos, dos adotantes, das igrejas e da JMM”, agradeceu o pastor.

O

s missionários Alexandre e Anna Dias foram enviados ao sudeste da França para testemunhar o evangelho e atuar na revitalização de duas igrejas. Nos últimos tempos, a igreja europeia, que por muito tempo levou Cristo pelo mundo, tem perdido o vigor. O fluxo se inverteu: agora, são os europeus que pedem ajuda aos brasileiros para revitalizar a igreja de Cristo no Velho Continente. O casal mora na cidade de Nice e tem colaborado com a Igreja Batista em Menton, a 40 minutos de distância de carro. “Em Nice, todos nos receberam com carinho. As principais atividades na semana são ligadas ao culto de domingo, com estudos bíblicos, evangelização e reuniões de oração. A igreja também desenvolve um trabalho social que é bastante conhecido pelas pessoas”, conta o pastor. Um dos motivos de o missionário brasileiro ajudar em Menton é o fato de o atual pastor ter assumido um ministério na capital, Paris, e a igreja precisar ganhar vida e crescer. “A igreja em Menton precisa ser revitalizada, e a igreja em Nice necessita de novos encorajamentos. Nosso desafio é descobrir como poderemos ajudar de maneira mais efetiva, como missionários dos batistas brasileiros, na região sudeste da França”, diz o missionário.


8

NOTÍCIAS DOS CAMPOS

FILIPINAS

CHILE

País é desafio para missionários

Grupos de estudo

A

s Filipinas são um dos mais de 70 campos de Missões Mundiais. Ali estão o Pr. Fernando Félix Dias e sua esposa, Cristiane. Além de viver o amor de Deus nos relacionamentos com pessoas que não o conhecem, eles supervisionam o trabalho de missionários da terra no país asiático. Recentemente, o casal visitou regiões das Filipinas que ainda precisam ser alcançadas pelo Evangelho de Cristo, e percebeu o tamanho do desafio de evangelizar todo o país. Pr. Fernando e Cristiane estiveram nas três regiões das Filipinas: Luzon, Visayas e Mindanao. Os missionários vivem em Luzon, onde fica a capital filipina, Manila. “Em Visayas, a região central, visitamos Masbate, onde estivemos em alguns vilarejos com atuação de missionários da terra”, conta o Pr. Fernando. Os missionários também passaram por Mindanao, região de maioria islâmica e a mais pobre das Filipinas. “Ali, visitamos alguns vilarejos, cujo acesso é possível apenas de barco. O islamismo é dominante, pois cada vilarejo tem pelo menos uma mesquita. Por onde andamos, percebemos não só a carência do povo, mas também a grande necessidade espiritual”, relatou o Pr. Fernando.

SUDESTE DA ÁSIA Cristo nos relacionamentos Os missionários Igor e Letícia entraram em campo no Sudeste da Ásia para viver o amor de Deus e a paz de Cristo. Eles têm feito amizades com pessoas que querem conhecer mais do Senhor, porque o veem na vida deles. Igor conta que a amizade é uma oportunidade de testemunho: “Deus tem nos abençoado com alguns amigos. Já faz um ano ou mais que os conhecemos. Desde o início, eles sabem que somos servos de Jesus, pois nos perguntaram. Outros agora também estão interessados”. Igor e Letícia pedem à igreja brasileira para que ore por esse trabalho, pedindo a Deus que os livre de todo o mal e dê discernimento espiritual e proteção.

D

eus está no Chile. A missionária Marlene Tiede é grata ao Senhor por duas vidas que se entregaram por inteiro ao Deus da criação. Essas pessoas são participantes do grupo de estudos bíblicos que ela conduz. “Os homens da congregação estão jogando futebol duas vezes por mês para fortalecer a comunhão, fazer exercício, se divertirem e, também, para evangelização. Blas, irmão de uma jovem da congregação, nunca faltava aos jogos. Convidamos, e ele veio ao grupo. Nesse mesmo dia, Blas entregou sua vida a Cristo”, conta a missionária. Marlene Tiede explica que se mudou recentemente e resolveu começar outro grupo de estudo bíblico. Uma amiga trouxe outras três amigas, e o grupo se desenvolveu. Um dia, o jovem Alejandro foi convidado para participar. “Alejandro teve uma experiência muito especial com Deus na Colômbia. Um colega de trabalho o levou a uma igreja, e lá oraram por ele. O Senhor já o tinha preparado”, conta Marlene. “Quando conheci Alejandro, Deus falou ao meu coração, e logo soube de sua experiência com Deus. Foi então que apresentei Jesus, e Alejandro também entregou sua vida”, acrescenta a missionária. Através de Alejandro, outro grupo de estudo bíblico também começou. Esses grupos têm pessoas que ainda não entregaram suas vidas ao Senhor. “Ore pelos grupos de discipulado, para que mais gente participe. Ore também pelos novos convertidos”, pede a missionária Marlene.


9

NOTÍCIAS DOS CAMPOS

MOÇAMBIQUE O caminho da paz

N

ampula, norte de Moçambique. O amor de Deus se manifestou nesse lugar. Os missionários Antônio e Sirley Silva promoveram um movimento de evangelismo na cidade, com o tema O Caminho da Paz, mobilizando 30 jovens e um grupo de apoio entre os dias 21 de julho e 4 de agosto. Durante esses 15 dias, eles saíram às ruas para dar testemunhos, compartilhar estudos bíblicos, realizar cultos ao ar livre e uma Escola Bíblica de Férias. O que parecia ser tão simples - promover o bem - tornou-se uma verdadeira luta. O evento foi realizado durante o período do Ramadã, mês sagrado para o islamismo, por isso, muitos proibiram seus filhos de irem à igreja, já que grande parte das famílias dos participantes do evangelismo era muçulmana. Felizmente, o povo de Deus orou e todos os impedimentos foram superados. “Ficamos surpresos ao perceber que a ação de evangelismo aconteceria em pleno Ramadã. Porém, não desanimamos. Se Deus assim permitiu, sabíamos que era o melhor

momento para mostrar-lhes o amor de Cristo”, diz o Pr. Antônio. “Os muçulmanos viam todos do grupo de evangelismo como ‘as pessoas que não jejuam’, a quem consideram estranhas e incrédulas. Nossos irmãos sofreram vários tipos de ameaça, mas, por amor, mantiveram-se firmes”. Em uma das casas que visitaram, após sofrerem uma grande resistência, os jovens se mantiveram em oração até que a família decidiu recebê-los e, para a glória de Deus, decidiu também seguir a Cristo. Outras famílias tinham medo de abrir as portas de suas casas para os crentes e depois serem repreendidas pelos seus líderes islâmicos, mas abriram. Jovens de famílias muçulmanas também decidiram ir à igreja para serem discipulados. Nosso missionário ainda compartilha: “Estamos felizes porque conduzir uma pessoa ao Caminho da Paz é, sem dúvida, muito mais do que um dever; é redescobrir a razão pela qual somos chamados de cristãos”.

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Sonhos para São Tomé e Príncipe

O

s cultos na Igreja Batista Central em São Tomé e Príncipe recebem a cada dia mais gente! Isso quer dizer que o amor de Deus tem chegado à comunidade. Hoje, já são 60 pessoas. Uma grande vitória, se relembrarmos que no primeiro culto apenas sete pessoas participaram, incluindo os missionários Thales e Luciana Montes. Um dos sonhos desses missionários é ver a igreja consolidada, sendo capaz de se autossustentar, com uma liderança totalmente dependente de Deus e desafiada a impactar São Tomé com seu testemunho. Para alcançar este objetivo, todos os missionários estrangeiros atuantes no país se reúnem para almoçar uma vez por mês, compartilhar experiências e a Palavra de Deus. “É incrível, pois são no mínimo cinco nações diferentes representadas e diferentes denominações dividindo a mesa e sonhando com o Reino de Deus edificado em São Tomé e Príncipe”, diz Thales. Outro grande sonho dos missionários Thales e Luciana é, juntamente com outros missionários, estruturar um Instituto Bíblico em São Tomé: “Precisamos de um espaço para formar líderes dentro do próprio país. A ideia é inseri-los em sua cultura, motivando-os a servirem a Deus em sua terra”.

Quer conferir A COLHEITA antes de ela chegar em sua casa para saber como está o trabalho da JMM em todo o mundo? Acesse

www.acolheitaonline.org.br Todos os dias, você conectado com a rotina de Missões Mundiais.


M

ais de meio milhão de famílias asiáticas em um único país já receberam uma Bíblia através do projeto Bíblias para Ásia. Mesmo sob o risco de perseguição religiosa, missionários brasileiros e locais têm conseguido viver a Missão de Deus em um contexto extremamente fechado às coisas do Reino. A meta para 2014 é chegar à marca de 650 mil Bíblias distribuídas, alcançando outros dois importantes países da região.

Em números Em cinco anos, nossa equipe formada por três missionários brasileiros, três locais e dezenas de voluntários já distribuiu 500 mil bíblias em 20 Estados de um país no Sudeste da Ásia, treinou cerca de 2.000 líderes e levou o amor de Deus a cerca de dez minorias não alcançadas. Eles também conseguiram enviar aproximadamente 30 missionários locais a regiões não alcançadas, e neste ano plantaram duas comunidades cristãs entre povos não alcançados. São grandes vitórias que nossos missionários compartilham com você por dois principais motivos: agradecer a sua parceria e incentivá-lo para que continue junto nesta missão, participando e sendo fiel com suas orações e ofertas, e mobilizando outras igrejas e pessoas a assumirem o compromisso de levar Cristo a toda a Ásia.

já alcançou 500 mil famílias O grande continente Dos cerca de 3.800 povos não alcançados em todo o planeta, a maioria está na Ásia, continente que corresponde a quase 1/3 das terras emersas do globo e onde estão concentrados 2/3 da população mundial, que é de mais de 7 bilhões de pessoas. Um em cada cinco habitantes do mundo é chinês. Foi lá que nasceram as três maiores religiões do mundo: cristianismo, islamismo e hinduísmo. O cenário é de extrema pluralidade religiosa, crescimento de fundamentalismo religioso e conflitos étnicos acentuados. Desses fatores, derivam as dificuldades que desafiam as igrejas, agências missionárias e comunicadores transculturais. Para o Pr. Anand Jones, orientador estratégico pastoral da JMM na Ásia, apesar de pequena, a igreja de Cristo no continente asiático é uma comunidade de esperança para os milhares de pobres e vulneráveis na região. Na questão da recepção, ele acredita que os desafios

e dificuldades serão ultrapassados, na dependência da liderança do Espírito Santo. Segundo o missionário Lian Godoi, uma pesquisa informal feita por um dos nossos parceiros de campo aponta que a região ainda tem uma carência de 33 milhões de Bíblias. Na tentativa de preencher essa lacuna, o projeto pretende treinar 500 líderes, mobilizar outros 3 mil e investir nos povos não alcançados e não engajados.

Você e a Ásia Todo este trabalho requer muito esforço, não só dos missionários e da JMM, mas principalmente seu. É com você e com as pessoas que desejam ver Cristo no coração dos asiáticos que nós contamos. Vamos entrar nesse campo para mostrar que a salvação é para todos. De todos os cantos da Terra, todos têm o direito de vir a Cristo e beber da fonte de Água Viva (leia Romanos 3.29 e 30). por Marcia Pinheiro


ARTIGO

Cuida

Cuidando de quem

“Julguei, contudo, necessário enviar-vos Epafrodito, meu irmão e cooperador, e companheiro nas lutas, e vosso enviado para me socorrer nas minhas necessidades.” Fp 2.25

M

issionários são pessoas normais, comuns, em situações extraordinárias, fora do comum. Isto significa que as mesmas carências emocionais inerentes a todos os seres humanos estão presentes também no seu DNA. O serviço missionário fiel não exclui choques interiores, lutas diversas, alguns dilemas e a necessidade de reforço psicológico e espiritual (para mencionar apenas alguns).

colega. Como foi maravilhoso ouvir pela primeira vez a notícia de que o pastor de nossa igreja e uma equipe da diretoria da junta missionária no Brasil estava a caminho para nos trazer novas e encorajamento naquele momento. Paulo expressa em suas cartas - e nesta de Filipenses em particular - a importância de o missionário receber uma visita em carne e osso, com a qual ele possa partilhar suas alegrias, tristezas, desafios e renovar suas forças psíquicas para perseverar na Missão. O Espírito usou a igreja de Filipos para enviar Epafrodito que, permanecendo um tempo com o missionário, o acalentou e revigorou com o amor de Cristo fluindo da koinonia que une tantos os enviadores quanto os enviados.

Missionários têm por maior alvo viver uma existência que glorifique a Cristo mudando a realidade terrena e eterna de pessoas. Mas resultados tão maravilhosos não dependem somente de competência pessoal. Além disso, outros fatores envolvidos no ministério missionário contribuem a favor ou contra bons projetos e boas intenções. Circunstâncias difíceis de toda sorte, como o aprendizado de uma língua difícil, guerras étnicas, solidão “Missionários não são ou doenças, operam como fatores de oposição ao sucesso dos empreendi- gigantes, mas vasos de barro mentos mais bem elaborados de um em situações de maior pressão, coração que quer sinalizar o Reino.

Missionários não são gigantes, mas vasos de barro em situações de maior pressão, tanto mental quanto física e espiritual. Por isso, necessitam de apoio, carinho e exortação constantes. Uma vitanto mental quanto física sita ao campo tem um peso inigualável, pois traz o toque, o ombro, um sorriso, Lembro-me dos meus dias aflitivos na e espiritual.” um conselho e refrigério na alma. SusCidade da Beira, Moçambique, dutento financeiro, e-mails e comunicação rante a guerra e seca que assolavam o pelas redes sociais não podem abraçar, recolher lágripaís nos já distantes anos 1980. Faltava luz, a água era mas e possibilitar a ação curativa e fortalecedora do Esescassa, não tínhamos telefone ou e-mail... Em meio a tudo isso, estava a bênção de poder ajudar nossos ir- pírito Santo no encontro pessoal e íntimo entre aqueles que em parceria servem ao Mestre neste mundo. mãos moçambicanos, ainda que de forma humilde. As pressões eram enormes, em todos os sentidos. Uma hora, malária, em outra, um roubo ou a morte de um

Jarbas Ferreira Assessor da Gerência de Missões da JMM


DIÁRIO DE BORDO

E ntre asCatacumbas

J

á vi muita casa interessante e lugares inusitados... Mas famílias morando entre os mortos foi a primeira vez! Estávamos filmando no Egito e, numa manhã, fomos conhecer a Cidade dos Mortos, na periferia do Cairo. Caminhando, vimos uma jovem que varria a calçada em frente a um portão. De forma simpática, a missionária Ana a cumprimentou em árabe: As-Salamu Alaikum, que aportuguesando seria Salamaleque, “A paz esteja sobre vós”. A morena gentilmente respondeu, dizendo que ia pegar duas cadeiras. Ficamos sem jeito. Olhando discretamente pelo portão aberto, vimos roupas penduradas, sofás, mesa, um pequeno cômodo meio destelhado e, ao lado, as catacumbas. Ela morava dentro do cemitério. O que ela disse? Que nós caímos do céu para visitá-la. Avisamos a ela que estávamos com nossos amigos. Outro dia voltaríamos pra conversar. Caminhamos mais um pouco e encontramos nossa equipe, que conversava com uma família sentada num outro portão do cemitério, próximo dali. Aquele local impressionava. Várias famílias moravam ali; pessoas desempregadas, sem condições financeiras. Cumprimentamos a todos e nos sentamos numas cadeiras na calçada. Havia idosos, jovens e crianças. O senhor mais velho era o chefe da família e um dos líderes da mesquita local. Ele recitou para nós palavras do Alcorão, e nosso missionário pôde conversar também, falando do seu livro sagrado, citando a Bíblia. O lugar era tranquilo, mas eles não podiam sair de casa porque outras pessoas tentariam invadir aquele espaço. Era visível a tristeza e a

vergonha naquele senhor por não poder dar algo melhor para sua família. Sentamos junto àquelas mulheres, crianças e homens, ouvindo um pouco de sua sofrida história. Tomamos água e chá. Conversamos. Nos despedimos. Dias depois, compramos chás e biscoitos e voltamos para visitar aquela senhora que encontramos varrendo a calçada. Falamos com ela e suas duas crianças; o marido, mecânico de carros, chegou depois. Tiramos fotos com a família, conversamos, rimos e prosseguimos nosso trabalho de filmagem. Havia crianças em todo lugar. Solidárias na miséria, na falta de esperança, os olhinhos brilhantes, o sorriso fácil e as mãos estendidas desses pequenos egípcios eram iguais aos de milhares de outras crianças que vi pelo mundo. Imaginar que um país que encantou o mundo com suas belas uvas crescidas à beira do Nilo tem, hoje, milhares de suas crianças brincando, comendo e dormindo em meio ao cheiro dos mortos é assustador. Estávamos na maior necrópole do mundo. Continuamos a viagem, mas a missionária ficou ali, dando assistência, fazendo amizade, falando de Jesus para aquelas pessoas, quebrando aquele ciclo de miséria. Muita gente não tinha sequer eletricidade ou água encanada. Hoje, não temos obreiros brasileiros naquele país. Todos foram expulsos. Mas o que foi semeado se multiplica através das vidas que ficaram. Assim, eu posso sonhar que há esperança para aquelas crianças.

Nilcilene Figueira Equipe de Audiovisual da JMM


13

ATÉ OS CONFINS

Viagens de

Missões Mundiais Um panteão de culturas

A

Ásia é um panteão de culturas. Ao chegarmos ao aeroporto de Bangkok, pudemos perceber, de cara, a assombrosa aglomeração de pessoas dos mais diversos matizes étnicos. Nas ruas, os aromas se acentuam ao olfato na medida em que se caminha. A prostituição como profissão visível, explícita e até ocidentalmente sofisticada lado a lado com milhares de turistas óbvios, assusta. Moças bem jovens hipermaquiadas e acompanhadas por cinquentões ocidentais ou por travestis completam a cena.   Templos budistas e mesquitas aparecem amiúde. O comércio é marcado pelo estilo barraquinhas e shoppings bonitos, variando em sofisticação e convivendo juntos. Acha-se de tudo, ou quase tudo.  O missionário que me apresentava o lugar naquela noite quentíssima me falava das condições de vida das pessoas e dos grandes desafios e frustrações de seu ministério numa cidade gigante infestada de idolatria e relativismo ético. Sonhos de prover alguma estrutura para acolher mulheres egressas da prostituição após crerem em Cristo caminham lado a lado com a triste realidade de que, após certo tempo fora do meio, a mulher se lembra de que a vida no meretrício lhe rendia dezenas de vezes o montante que ela passou a receber fazendo bijuteria.   Num outro contexto, podem-se experimentar as luzes fortes da cidade com campos de arroz e plantações de chá ou café, como na Indonésia. Carros sofisticados, alguns inexistentes no Brasil, percorrem parelhas as ruas com vans coletivas, ônibus, táxis coloridos e motocicletas, nas quais incrivelmente até cinco pessoas podem andar.

Lixo por toda parte, cheiro de esgoto entupido e escarrar no chão são coisas comuns. Surpresas aparecem por toda a parte, como por exemplo, um templo evangélico grande em meio a todo burburinho cultural. Ásia, uma terra imensa, de contrastes, de cores, de culturas, imagens, sons, aromas e gostos; um território grandioso onde Jesus precisa aparecer mais na vida de seus habitantes. Muito mais que as quatro imensas estátuas de ídolos plantadas nos saguões do imponente aeroporto de Bangcoc. O Brasil tem um potencial enorme para testemunhar do amor daquele que há dois mil anos escolheu o Oriente Médio para se revelar ao mundo.  Em nossa visita à Ásia, no momento de dedicação de um projeto de nossos missionários, pude ver e sentir o quão fortalecedor e espiritualmente inspirador foi estar na terra que agora é a terra de alguns de nossos missionários. Ver o brilho nos olhos dos meus colegas da linha de frente foi, para nós e para eles, uma alegria. Tão somente quem vivenciou a vida missionária transcultural sabe o quão importante e eficaz pode e deve ser uma visita aos missionários. Visitar o campo é reescrever em espírito novo e incandescente os laços de compromisso e consagração a Cristo e de uns aos outros a fim de manter o fogo aceso. É fechar as brechas de dor e desânimo que sempre aparecem tentando forçar o missionário a desistir. Um cordão de três dobras é mais difícil de ser rompido (Ec 4.12). As três dobras são Cristo, o missionário no campo e os irmãos que, lá na retaguarda, se dispõem a manter a dobra intacta e forte. Fica mais difícil para os desafios e batalhas do campo desfazerem uma dobra como essa. Jarbas Ferreira Assessor da Gerência de Missões da JMM


14

Dia Batista de

Um coração que entende o "Pai Nosso" pede pelo outro. Pede para ser sinal do Reino. Pede mais pelo "nós" do que pelo eu. Faz da oração um serviço. Um coração que ora apenas por si mesmo não entendeu o que Deus está fazendo no mundo. Além de qualquer expectativa humana, a oração é um relacionamento, um serviço que apenas quem se entrega à reverência do "Pai nosso que está nos céus" pode experimentar. Orar é contar a nossa história a Deus, pedindo para que ele a use em benefício de outros.

Oracao Mundial

Q

uando oramos, estamos em contato direto com Deus, que nos ouve e nos faz sentir sua presença. Através da oração, podemos apresentar ao Senhor nossos pedidos e agradecimentos, tristezas e alegrias, e manifestar nosso amor por quem não tem a salvação em Jesus. E isso tem tudo a ver com Missões Mundiais. Durante todo o dia 4 de novembro, Dia Batista de Oração Mundial, una-se a milhões de pessoas em todo o planeta e ore por quem ainda não conhece o amor de Deus. Interceda por todos os nossos missionários, que dedicam suas vidas para levar a mensagem de Cristo.


15 Criado pelo Departamento Feminino da Aliança Batista Mundial, o Dia Batista de Oração Mundial acontece todos os anos, com uma programação especial. Em nosso país, a União Feminina Missionária Batista do Brasil (UFMBB) publica na edição do 4º trimestre da revista “Visão Missionária” a programação mundial para esta data. Em 2013, a programação foi preparada pela União Feminina Batista Europeia (EBWU, na sigla em inglês).

muito a Deus, pois a tragédia seria grande, mas ele nos livrou daquela dor e dano para o trabalho naquela região”. A missionária fica comovida ao lembrar como Deus responde as orações em tempos de tribulação.

Para a diretora executiva da UFMBB, Lucia Margarida P. Brito, o Dia Batista de Oração Mundial é uma data com total afinidade com Missões Mundiais. “Orando pelos campos, pelos missionários que estão atuando em vários países e pelos povos não alcançados, estamos atendendo ao anseio do nosso querido Pai”, diz ao se referir à fala de Jesus em Mateus 9.38: “Rogai, pois ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara”. “Além do infinito privilégio de falar diretamente com o Deus criador e soberano, temos a oportunidade de participar da obra missionária, que é a missão para a qual o Senhor nos designou”, acrescenta Lucia Margarida.

Ore pelos missionários da JMM “Quando oramos, o Senhor move os céus de maneira extraordinária. Louvo sempre a Deus por tantos irmãos que intercedem pela minha vida e pelo trabalho aqui no campo”, diz Cristiane Oliveira, missionária em Burkina Fasso. Cristiane está em Burkina Fasso desde 2008, e um de seus desafios é ajudar a formar, juntamente com a convenção batista do país africano, a União Feminina, organização diretamente envolvida com o Dia Batista de Oração Mundial. Testemunhos de orações atendidas não faltam. Cristiane compartilha um com A COLHEITA: “Certo dia, estava na aldeia do povo marka, onde não há energia elétrica. Era noite e decidimos acender uma fogueira. Como o carro estava próximo ao fogo, o Pr. Koné, aqui da cidade, me pediu para afastar o veículo. Quando comecei a andar com o carro, percebi que muitas pessoas começaram a gritar. Era o pequeno Ezequiel, de três anos, filho do Pr. Koné, que estava próximo ao carro e por um triz não foi esmagado. Nesse momento, tremi, gelei por dentro e agradeci

Cristiane com o pequeno Ezequiel no colo

“Algo que me impressiona é que, sempre nos períodos de dificuldades, recebo mensagens de irmãos que me dizem: ‘Orei por você tal dia’, e quando vou ver o dia, era realmente o momento em que estava precisando muito. Você ora daí, e Deus responde aqui em forma de milagre, livramento e renovação de forças, para que a cada dia a obra do Senhor avance e o nome dele seja glorificado”, conta Cristiane.

Ore conosco Missões Mundiais está sempre preparando materiais com motivos de oração e agradecimento a Deus para que você ore conosco. Seja através do Diário de Oração, dos livretos 10 Dias de Compromisso encartados em A Colheita ou sendo cadastrado no Programa de Intercessão Missionária (PIM), você se une a milhares de pessoas em um único propósito: orar por nossos missionários e pelos povos não alcançados. “Vale a pena participarmos e sentir que fazemos parte desse movimento para a salvação dos povos”, diz Lucia Margarida. Informe-se com a liderança da União Feminina da sua igreja e com o promotor voluntário de Missões sobre a programação do Dia Batista de Oração Mundial. Participe e ajude a divulgar. Que este seja um dia de joelhos dobrados e comunhão com o Senhor. por Willy Rangel


Neste Natal,

S

ucesso em 2012 com quase 2.000 participantes, a Campanha Doe Esperança está chegando ao fim de sua segunda edição. Centenas de pessoas já enviaram suas mensagens de carinho a crianças atendidas por projetos da JMM em El Salvador, África do Sul, Moçambique, Senegal, Cabo Verde e Sul da Ásia. Agora é a vez de colaborar com doações em dinheiro e produtos de higiene bucal. A ideia é fazer com que neste Natal nossos pequeninos experimentem mais do amor de Cristo. Pessoas de todo o Brasil e também de outros países* podem fazer suas doações financeiras até 31 de dezembro deste ano através da Central de Atendimento JMM e, assim, dividir o significado real de um Natal com Cristo com meninos e meninas atendidos pelos PEPE (programa socioeducativo) e POPE (Programa de Odontologia Preventiva e Educativa) de El Salvador (unidade Paraja Galán), África do Sul (unidade do Soweto), Senegal (unidade Mbour), Cabo Verde (unidade da Praia), Moçambique (unidades de Inçais, Messano e Chamba) e, ainda, para as meninas do projeto Jeevan Sach (Sul da Ásia). Para a coordenadora do PEPE Internacional, Terezinha Candieiro, o envolvimento das pessoas nesta ação missionária é de grande importância, pois favorece também a oportunidade das crianças terem acesso a serviços básicos tais como um local seguro para desenvolver as atividades préescolares, um banheiro adequado, materiais escolares para suas tarefas diárias e uma refeição digna uma vez ao dia, pelo menos. Ela lembra que Deus multiplicou os recursos arrecadados em 2012, suficientes para atender as unidades mais carentes do PEPE. “Em 2012, o Doe Esperança foi mais do que a doação de recursos financeiros; foi doação de amor, de carinho, de muitas mensagens enviadas a crianças de unidades do PEPE em Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Haiti e Paraguai. As crianças se sentiram amadas, valorizadas e perceberam o amor de Deus através dos gestos dos participantes da Campanha”, define Terezinha. Neste ano, o Doe Esperança foi além. A Campanha espera ser, também, ponte entre os brasileiros e as meninas atendidas pelo Jeevan Sach, assim como para as crianças do POPE (veja entrevista nas págs. 18 e 19).


10 motivos para você participar do

Doe Esperança

Sua mensagem poderá ser o único gesto de carinho que muitas crianças receberão neste Natal; Meninas recolhidas de áreas de prostituição no Sul da Ásia poderão ter um abrigo graças à sua doação; O Jeevan Sach precisa de mantenedores mensais; Sua doação ajudará a construir uma biblioteca infantil no PEPE Senegal; Presente em mais de 20 países, o PEPE deve avançar para Libéria, México e Venezuela; Várias unidades do PEPE precisam de mesas e cadeiras; O PEPE Cabo Verde está fechado por falta de materiais e mobiliários escolares; Crianças atendidas pelo POPE serão educadas a cuidar da higiene bucal, evitando uma série de doenças, a partir da doação de kits com escova e creme dentais, além de toalhinhas de mão; A ampliação do POPE permitirá que dentistas-missionários cheguem às famílias das crianças atendidas pelo programa com a mensagem de Jesus; É preciso avançar com o POPE na mesma proporção do PEPE. Os programas devem atuar em parceria. Terezinha Candieiro é grata a todos que têm ouvido o clamor destas crianças. Para ela, a providência do Pai se faz presente pelas mãos dos doadores comprometidos com o trabalho missionário no mundo.

www.doeesperanca.org.br *Para doações internacionais, preencha o formulário no site do Doe Esperança ou envie um e-mail para doeesperanca@jmm.org.br.

por Marcia Pinheiro

Faça a sua doação! Doações de escovas e pastas de dente até 30 de novembro Rua Sergipe, 47, Maracanã - CEP: 20.271-310 – Rio de Janeiro/RJ

Doações em dinheiro até 31 de dezembro 2122-1901 ou 2730-6800 (cidades com DDD 21) / 0800 709 1900 (demais localidades)

Mensagens até 30 de novembro Envie sua mensagem através dos canais doesperanca@jmm.org.br, facebook.com/MissoesMundiais ou pelo Twitter, com a hashtag #DoeEsperanca.


18

ENTREVISTA

O sorriso de

Missões M undiais Entrevista com Pr. Paulo Pagaciov

A

pós 12 anos como dentista-missionário em campo transcultural, o Pr. Paulo Pagaciov fala sobre seu novo desafio: agora, ele é o coordenador dos missionários da JMM na Europa. A Campanha Doe Esperança 2013 também é assunto desta pauta, já que o POPE (Programa de Odontologia Preventiva e Educativa), idealizado pelo pastor, passou a fazer parte deste movimento.

A Colheita: Ser coordenador é um grande desafio, e agora esta responsabilidade também faz parte da sua agenda. Qual a expectativa?

Pr. Paulo Pagaciov: Este é um novo e grande desafio que

Deus coloca em nosso caminho. Nunca imaginei que poderia ser coordenador de alguma região. Digo no plural, “nosso”, porque minha esposa, a missionária Teresa, está comigo também nesta nova etapa. Estamos no processo de adaptação, treinamento e conhecimento de missionários e desafios de cada campo. Temos um time muito especial e capacitado trabalhando na Europa. Queremos somar com eles!

A Colheita: Em quais campos missionários o senhor e sua esposa trabalharam na sua história com Missões Mundiais? Pr. Paulo Pagaciov: Saímos do Brasil em 2001. Nosso

primeiro campo foi Cabo Verde, na África Ocidental, e foi lá


19 que nasceu o POPE. O segundo campo foi o Paraguai, onde tivemos uma experiência muito boa com o POPE, atendendo a crianças do PEPE (programa socioeducativo). Em 2009 e 2010, tivemos um período de licença não remunerada da JMM para realizarmos pós-graduação em Capelania Hospitalar nos Estados Unidos. Voltamos ao Paraguai, onde permanecemos até o início de 2013.

A Colheita: Pelo segundo ano consecutivo, a JMM realiza a Campanha Doe Esperança. Neste ano, as crianças do POPE também serão beneficiadas. Conte pra gente, pastor: por que participar deste engajamento sociomissionário? Pr. Paulo Pagaciov: É uma

oportunidade maravilhosa para abençoar crianças tão necessitadas. Em relação ao POPE, será uma grande ajuda, pois muitas das crianças atendidas nunca tiveram uma escova de dentes. Algumas famílias têm uma “escova familiar”: todos usam a mesma. Estamos lutando para que em 2014 cada aluno do PEPE ao redor do mundo tenha o kit do POPE, que contém uma escova, um tubo de pasta de dentes e uma toalhinha.

A Colheita: Mesmo sendo o novo coordenador para a Europa, o POPE continuará a ser parte do seu trabalho também. Como o programa se desenvolverá nesta nova fase?

Pr. Paulo Pagaciov: Felizmente, minha esposa e eu trabalhamos juntos no POPE. Ela também

é dentista, psicóloga e conhece bem a dinâmica do PEPE. No Paraguai, atendíamos 100% das crianças do PEPE. Em 2012, foram cerca de 1.500 crianças atendidas. Como a parceria POPE-PEPE no Paraguai deu muito certo, sentimos o desafio: “onde houver um PEPE no mundo, o POPE estará junto”. Passamos de 1.500 para mais de 9.000 crianças atendidas em 20 países, até o momento. Para colocar esta nova fase em prática, estamos implementando algumas mudanças. Cada país tem sua própria dinâmica.

“Onde houver um PEPE no mundo, o POPE estará junto” A Colheita: Como projetos desenvolvidos com crianças colaboram para a sinalização do Reino de Deus no mundo? Pr. Paulo Pagaciov: As crianças

estão vulneráveis em todos os lugares devido ao contexto que a família vive hoje. Nos países desenvolvidos, os pais não têm tempo para criar seus filhos. Nos países pobres, as crianças estão abandonadas nas ruas. Quem está cuidando, transmitindo valores e educando as crianças hoje? Educadores ateus, traficantes, videogames, etc. Se não corrermos para salvar estas crianças, certamente o mal poderá chegar primeiro. Ao desenvolver

um projeto específico para elas, ajudamos em suas necessidades e também levamos o amor de Cristo a elas e às suas famílias. Um bom projeto abre muitas portas!

A Colheita: Quais as

principais necessidades do POPE atualmente?

Pr. Paulo Pagaciov: Com esta nova proposta, temos duas necessidades básicas: o kit odontológico e o nosso sonho: a chegada de dentistas ou higienistas voluntários que possam doar uma parte de suas férias para atender aos alunos do PEPE.

A Colheita: Qual o recado que

o senhor deixa para que todos participem do Doe Esperança?

Pr. Paulo Pagaciov: Neste final de ano, contamos com o envolvimento de muita gente no Doe Esperança, e a maior expressividade é das igrejas batistas brasileiras. Temos uma lista dos países onde a campanha está focada neste ano (veja matéria nas págs. 16 e 17). Imagine cada uma das nossas igrejas adotando um destes desafios? Quanta diferença fará na vida daquelas crianças! Ao olharmos para o futuro, como elas serão daqui a 10, 20 anos? É um investimento que proporcionará mudanças profundas no coração desses pequeninos e na sociedade da qual eles fazem parte. por Marcia Pinheiro


Nill Soares

(21) 98216-7960 (92) 9355-8686 / 8156-6363 @ nill.soares@jmm.org.br Tel.

SP

Alexander Maia Tel.

(65) 9973-0923 / (21) 97970-0008

@ alexander.maia@jmm.org.br

Tel.

(11) 98721-5170 / (21) 98055-1888

@ andrea.espiritosanto@jmm.org.br Tel.

(11) 96061-0421 / (21) 98055-5665

@ cintia.silva@jmm.org.br William Viel

RJ

ES

MG

MG

(41) 3027-2845 / 9185-8886 (41) 9216-1445 @ claudio.andrade@jmm.org.br

(85) 8538-3655 / 9645-0579 (85) 8190-1989 @ andre.barros@jmm.org.br Tel.

Adriano Borges Tel.

(87) 9636-6955 / (81) 8209-8718

@ adriano.borges@jmm.org.br Riedson Oliveira

(71) 8892-5753 / 9609-1311 (71) 9728-2858 @ riedson.filho@jmm.org.br Tel.

Tel. (19) 9775-3492 / 9419-8062 3201-2395 / (21) 97970-0200 @ william.viel@jmm.org.br

Cláudio Andrade Tel.

André Barros

Cíntia Santos da Silva SP

(61) 8115-5789 / (21) 98055-5577 @ henrique.davanso@jmm.org.br

(11) 98218-3782 (21) 98055-1819 @ alex.uemura@jmm.org.br Tel.

Andrea Espirito Santo

Henrique Davanso Tel.

Alex Uemura

MA PI/CE

(21) 97970-0222 / (91) 8146-2346 @ luiz.carvalho@jmm.org.br Tel.

SP

PA/AP AC/RO AM/RR TO/GO MT/MS MT PR SC/RS

Luiz Henrique Carvalho

PE/RN PB

(21) 98055-1818

@ adilson.santos@jmm.org.br

Os missionários mobilizadores promovem a obra de Missões Mundiais nos estados brasileiros. Seu objetivo é exercer o ministério de promoção e aproximação da JMM com igrejas, associações, convenções estaduais e vice-versa. Através deles, desejamos também ouvir os cristãos brasileiros para que possamos servir suas igrejas cada vez melhor.

AL/BA SE

Coordenador de Mobilização Tel. (11) 99949-9110

SP

Adilson Santos - SP

Daniel Silva Tel.

(31) 9433-2277 / (31) 9992-4172

@ daniel.silva@jmm.org.br Rene Toledo Tel.

(31) 3429-2020 / 8744-1239

@ rene.toledo@jmm.org.br Fábio Daniel

(27) 3323-1416 / 99924-2314 (21) 98055-5558 @ fabio.daniel@jmm.org.br Tel.

Antônio Galvão

(21) 3353-0175 99416-9272 / 98368-8000 @ antonio.galvao@jmm.org.br Tel.

RJ

Deivison Costa Tel.

(24) 98839-8100 / (24) 99981-9457

@ deivison.costa@jmm.org.br

RJ

Paulo Gonzaga

(21) 3901-7676 / 98055-1717 98195-6757 @ paulo.gonzaga@jmm.org.br Tel.

Sílvio Camilo

Atualizado em outubro de 2013

RJ RJ

(22) 98826-9484 / (22) 99735-1157

Tel.

Tiago Almeida

@ silvio.camilo@jmm.org.br

(21) 2205-4955 98107-3357 / 98055-1900 @ tiago.almeida@jmm.org.br Tel.


Do campo à

21

mobilização

Adriano Borges

Com uma bagagem de 11 anos como missionário em Pernambuco e pastor há 10, Adriano Borges, 46, usa toda a sua experiência para conectar as igrejas brasileiras com os campos transculturais. Foi em abril de 2012 que ele aceitou a responsabilidade de ser um missionário mobilizador da Junta de Missões Mundiais para os Estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Durante o período em que foi missionário no campo pernambucano, Adriano colocou sua vocação a serviço do Reino de Deus para plantar e revitalizar igrejas, sempre se envolvendo nas campanhas de mobilização e promoção missionária. Como presidente de associação de igrejas e também como voluntário, ele pôde ainda cooperar com o trabalho de equipes missionárias da International Mission Board (IMB, agência missionária americana parceira de Missões Mundiais) e de igrejas dos Estados Unidos em projetos desenvolvidos em Pernambuco. Após pastorear igrejas no agreste pernambucano e auxiliar outras interinamente, hoje o Pr. Adriano Borges se dedica integralmente à mobilização missionária. Dentro do desafio que é a distância entre os Estados em que atua, ele procura atender às igrejas apoiando seus pastores e promotores de missões durante as campanhas missionárias da JMM: agenda de visitas dos missionários às igrejas, participa de encontros de líderes e associações de igrejas e desenvolve relacionamento com os pastores e promotores de missões. Faz parte do seu dia a dia ainda a coordenação de acampamentos de promotores voluntários e de congressos Conexão Missionária em sua região. O novo trabalho mexeu um pouco na rotina do mobilizador.

Ele precisou se mudar do interior pernambucano para o Recife com sua esposa, Monica Roberta, deixando distantes os filhos Bruno e Laís, além dos netos Giovana e Miguel. Mas sempre que tem oportunidade, Adriano está perto de sua família! O sacrifício vale a pena. O mobilizador vê as igrejas atendendo ao chamado missionário nas mais diversas formas: “As igrejas participam enviando missionários aos campos, sustentando-os em oração e com suas ofertas. Mas tenho observado uma maior participação delas no apoio aos vocacionados. Muitos pastores também têm sido incentivados por suas convenções estaduais a participar de viagens missionárias como voluntários”.

Por que mobilizar? O mobilizador lembra que todos aqueles que têm a vida transformada por Cristo são convidados ao trabalho missionário através do que sabem e gostam de fazer. Segundo ele, é crescente o número de oportunidades para levantar mais intercessores, voluntários, mantenedores e missionários que dediquem seus dons, talentos, bens e vidas para levar Jesus, seu amor, sua compaixão e justiça a qualquer lugar do mundo.   por Marcia Pinheiro


10 Dias de Compromisso é uma série de pequenos guias devocionais e de oração que podem acompanhar você em qualquer época do ano. Encartados na revista A Colheita e disponíveis para download no site da JMM, cada livreto contém histórias do envolvimento de Missões Mundiais com gente como a gente. Inspirados por essas histórias, oramos e nos conectamos com as necessidades dos campos missionários.


CAMPANHA 2013

PESQUISA DE OPINIÃO

C

om o objetivo de se aproximar cada vez mais da igreja brasileira, a JMM está sempre buscando novas formas de interagir. Para isso, realizamos durante 20 dias uma pesquisa online sobre a Campanha 2013. O objetivo era saber como a JMM é percebida por seus parceiros e entender como ajudá-los a se envolver sempre mais com o trabalho que realizamos em todo o mundo. Estes resultados nos ajudarão no planejamento das próximas Campanhas. Os principais resultados dessa pesquisa você confere aqui, em A Colheita.

O material da Campanha 2013 em números

609

pessoas de todas as regiões do país participaram da pesquisa

40%

dos participantes eram pastores ou promotores voluntários de Missões

70%

deles acharam ótima a publicação de uma revista única da Campanha

70% dos participantes são de igrejas com até 300 membros

70%

50%

dos pastores disseram ter recebido e utilizado o suplemento com histórias missionárias para ilustração de sermões

50% das igrejas representadas na pesquisa participam da Campanha enviando uma oferta anual

das igrejas participam da Campanha adotando missionários ou projetos

De todos os materiais da Campanha, o DVD recebeu a maior nota nos quesitos apresentação e importância, além de ter sido a peça mais utilizada por pastores e promotores voluntários de Missões. O tema da Campanha 2013, “Testemunhe às Nações pelo Poder do Espírito”, foi considerado relevante, claro e de impacto para a maioria dos participantes da pesquisa.

Segundo os pastores e promotores de Missões que participaram da sondagem, 80% disseram ter acesso e ter utilizado a música oficial da Campanha 2013, “Poder para Testemunhar”, durante os cultos missionários.

Quer deixar seu recado sobre a Campanha? Escreva para colabore@jmm.org.br ou ligue para a nossa Central de Atendimento: 2122-1901 ou 2730-6800 (cidades com DDD 21) ou 0800-709-1900 (demais localidades) e envie sua mensagem para Missões Mundiais.


24

Que Natal E

stá chegando o Natal! O mundo se agita! É um grande evento. Presentes, festas, musicais, palavras bonitas, bichinhos no presépio. Chegam as promoções do tão esperado dia. Será que o Noel vai se lembrar de mim? Todos os anos isso se repete, em um dia certo na agenda. Nós, pastores, iniciamos um movimento da crítica ao assédio do comércio, declaramos nos púlpitos das igrejas um alerta geral ao não-consumismo e dizemos palavras e mais palavras sobre o verdadeiro sentido do Natal. Ao mesmo tempo, começamos a preparar nossas festividades: “Neste ano, o musical não pode falhar. Será o melhor que já apresentamos”. Vislumbramos um templo cheio de gente a prestigiar o quanto sabemos “fazer uma festa de Natal de verdade”. Lemos Lucas, sobre o nascimento do Messias, ficamos maravilhados com a “grande multidão do exército celestial” e nossos olhos brilham por promover a maior festa do ano para encerrá-lo com chave de ouro. Algo precisa nos intrigar em tudo isso! O mesmo Lucas que lemos antes também diz: “Lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor”. Que tipo de salvação anunciada é essa? À semelhança da cultura do dia especial no calendário, nós anunciamos o nascimento de Jesus esperando que as pessoas sensibilizadas acenem por recebê-la e, nos dias que se passam, sem foco no senhorio de Cristo, acabam por se acomodar descansando sobre o que receberam: a vida. Assim, somos instigados a olhar para o

de pastor para pastor

é esse?

Cristo que lança esperança no coração dos primeiros discípulos ao ouvirem dele: “Segue-me”. “Segue-me”. Quando observamos a autoridade do Mestre sobre os espíritos imundos; quando ele, com gestos diversos, promove curas; quando nos choca ao dar um novo significado ao amor dizendo: “ame os seus inimigos”; quando uma pecadora recebe mais atenção que os promotores do jantar; quando a fome é saciada; quando mais discípulos são enviados; quando as discriminações são quebradas; quando somos responsabilizados por vestir, saciar a fome e promover paz, enxergamos quem é Cristo. Vemos o que devemos ser a partir do momento em que entendemos o Natal. Que Natal é esse? Dia 25 de dezembro ou todos os dias do ano? Algo mais é preciso saltar à nossa frente com tudo isso! Palavras que lancem luz sobre intenções no nascimento do Messias. Preocupar-se com a ordem dada para prosseguir na Missão. Precisamos entender que o Cristo está menos interessado em resolver nossa vida e mais interessado em que olhemos para ele e façamos como ele fez. Devemos estar em Missão. Devemos participar do nascimento de Cristo todos os dias no coração da humanidade. Que façamos uso da autoridade que nos foi dada e repliquemos as mesmas atitudes daquele que nos salvou. Como líderes, temos a missão de gerar discípulos de Jesus menos interessados “no que ganhar” e mais interessados em novos nascimentos. Jaelson Guedes Pastor da Igreja Batista Redenção, em Goiânia/GO.


E

S

P

A

Ç

O

RADICAL e i t i Ha ia Ás

os novos desafios do Programa Radical

A

s turmas pioneiras dos projetos Radical Haiti e Radical Ásia seguiram para seus campos em setembro e outubro, respectivamente. Cada equipe tem 10 integrantes, um número bem sugestivo. O Programa Radical completou 10 anos em 2013.

O coordenador do programa, Pr. Fabiano Pereira, comenta o desafio de enviar as primeiras turmas ao Haiti e à Ásia:

“Nosso sentimento é de gratidão a Deus. Ele tem feito coisas especiais e novas, e nosso compromisso é o de obedecer. Ficamos felizes ao ver um grupo de 20 jovens seguindo para esses locais. Olhar para eles é acreditar em uma juventude que é comprometida com a vontade do Senhor, e isso emociona, não só a mim, mas a todos em Missões Mundiais.” A missão do Programa Radical se resume nas palavras de despedida do apóstolo Paulo aos líderes de Éfeso: Em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus (At 20.24), e seu objetivo é formar e enviar o jovem missionário para causar impacto nas comunidades, interagindo com os nacionais, através de suas vidas transformadas e moldadas segundo o caráter de Cristo. A filosofia do programa tem como base cinco pontos: caráter forjado por Cristo, vida e trabalho em equipe, flexibilidade, pró-atividade e serviço. No treinamento, ainda no Brasil, os Radicais aprenderam várias estratégias de trabalho. Agora, desenvolvem tudo isso por meio da experiência no campo, de acordo com as necessidades locais. Eles podem empreender novos projetos ou aperfeiçoar os que são coordenados por nossos missionários efetivos nas regiões em que atuam. Esses missionários são os responsáveis pela supervisão das equipes Radicais. por Marcia Pinheiro

Radical Haiti Os jovens dessa equipe sinalizam o Reino de Deus apoiando a reconstrução do país e desenvolvendo projetos sociomissionários. Os haitianos ainda sofrem as consequências do devastador terremoto que matou mais de 250 mil pessoas em 2010. Uma curiosidade sobre esta turma: ela se formou durante o SIM, evento que colocou a galera para pensar sobre vocação! O SIM aconteceu em 2012, em Sumaré/SP, numa parceria entre as Juntas de Missões Nacionais e Mundiais.

Radical Ásia Essa equipe tem a missão de sinalizar o Reino de Deus entre etnias ainda não alcançadas. A região é considerada pouco receptiva ao evangelho e requer cuidados especiais para levar Cristo à vida das pessoas, nos relacionamentos. Mas esses Radicais sabem que o mesmo Deus que os chamou é o que os fará cumprir a carreira. O treinamento ao qual foram submetidos no Brasil e a supervisão que recebem dos missionários efetivos no campo também garantem à equipe a confiança para cumprir a Missão. O Pr. Fabiano Pereira espera que essas equipes, assim como tem acontecido com as demais, possam compartilhar a vida de Jesus através do trabalho e da amizade, e que pessoas da terra sejam treinadas e capacitadas para dar continuidade aos projetos iniciados pelos Radicais. Jovens que já retornaram do Programa Radical têm visitado igrejas pelo Brasil para falar com outros jovens. A intenção é despertar pessoas a cumprir a missão para a qual foram convocadas por Deus. O processo seletivo para as próximas turmas do Radical Ásia e do Radical Haiti segue aberto. O treinamento está previsto para começar em março de 2014. Os interessados devem escrever para radical@jmm.org.br. por Marcia Pinheiro


26

PEM entre para este time

O

Programa Esportivo Missionário (PEM) bate um bolão em países como África do Sul, Chile e Espanha. Mas é em nações consideradas mais fechadas ao evangelho que ele se torna uma ferramenta poderosa para falar da salvação de Cristo. Atualmente, em três delas, há uma grande necessidade por treinadores e professores de futebol que dediquem sua vocação para entrar em campo. Esses países têm população majoritariamente islâmica, budista ou hinduísta. Neles, quase sempre política e religião se confundem.

Oriente Médio

Em um país desta região, o PEM desenvolve seu trabalho na Escola de Futebol Brazilian Sports Academy. Com campo de grama sintética, a escola tem hoje 95 alunos. A meta é chegar a 200 até o ano que vem. Para lá, são bem-vindos um treinador e também uma treinadora de futebol. A cultura local restringe o contato entre homens e mulheres, mas as meninas também precisam conhecer Jesus!

Tailândia Na Tailândia, apesar da maioria budista, não há sérias restrições para falar de Jesus. Em uma Escola de Futebol na capital, Bangcoc, o missionário Gladimir Fernandes desenvolve seu projeto esportivo com crianças. O trabalho poderá avançar com a participação de um treinador para auxiliá-lo.

Sul da Ásia É na capital do segundo maior país desse continente que dois treinadores de Missões Mundiais recebem mais de 120 alunos em uma Escola de Futebol. Eles têm planos para ampliar o atendimento e abrir unidades em outras cidades dessa nação de maioria hindu. Com a expansão do trabalho, nossos missionários do esporte precisarão de mais um treinador. Se você deseja construir uma cultura de paz e tolerância, transmitindo a vida, o exemplo e a salvação de Jesus através do esporte em um desses países, entre em campo com o PEM. Escreva para crh@jmm.org.br. Além de treinadores, as escolas de futebol do PEM também precisam de materiais esportivos e de literatura para discipulado. Faça sua doação para este programa que é show de bola. por Marcia Pinheiro


L uz

Um pouco de

O

mês de outubro tem uma simbologia especial para os povos do Sul da Ásia. Ele representa a vitória do bem contra o mal. O significado metafórico é o da iluminação da alma e da mente contra a ignorância humana. É a época em que se comemora o Divali, ou a Festa das Luzes, como é popularmente conhecido. Marca, também, o início de um novo ciclo, assim como o nosso Ano Novo.

As celebrações têm algumas características semelhantes à comemoração do nosso Natal. Familiares e amigos trocam presentes e ceiam pratos típicos. Os lares são iluminados com luzes festivas, recendem a incenso, enquanto fogos de artifício riscam os céus. O intuito é o de agradecer e continuar recebendo prosperidade, sabedoria, saúde, paz e riqueza dos deuses. Em 2013, a nossa equipe observou de perto os preparativos para o Festival, no mês de outubro. Durante 15 dias, estivemos no Sul da Ásia captando imagens para a Campanha de Missões Mundiais de 2014. Vivenciamos nesse tempo fortes experiências que nos impactaram, ainda mais, sobre a urgência de ganhar o segundo país mais populoso do mundo para Cristo. Percorrendo as ruas e cidades, ouvimos depoimentos marcantes de pessoas que seguem rigorosamente as tradições do hinduísmo por transmissão hereditária.

Muitas não sabiam descrever por que ou a quem realmente dedicavam culto. Por diversas vezes, nos deparamos com cenas surpreendentes de gente que vagava pelas ruas sem direção, em meio à miséria e flagelo humanos, como espectros sociais. Nesse curto tempo, acompanhamos as notícias locais. Templos desabaram matando mais de uma centena de hindus. Num outro extremo do país, um ciclone devastava vilarejos e inundava casas, desabrigando milhares de pessoas. Mas lá as catástrofes parecem não provocar mais efeito. O povo vive em permanente catarse. Missões Mundiais tem ampliado a sua atuação no Sul da Ásia com projetos e missionários que buscam apresentar a verdadeira Luz que liberta. Essa região está classificada entre os países que mais perseguem os cristãos no mundo, por isso, não deixe de orar e de se comprometer em fazer algo por esse povo. Espero que você sinta o que eu senti: vontade de me envolver cada vez mais. Vontade de falar da Luz que é a nossa Luz. Vontade de amar.

Raquel Lima Coordenadora do Setor de Audiovisual da JMM


VOCÊ EM QUATRO DIMENSÕES Como descobrir se o nosso projeto de vida está alinhado com o cumprimento da Missão de Deus no mundo? Descubra no SIM 2014. Você, em quatro dimensões. O evento acontecerá de 1 a 3 de maio de 2014, na PIB do Rio de Janeiro, que fica na Rua Frei Caneca, 525, Estácio, e é para todos que se perguntam: “O que eu estou fazendo nesse mundo?”.

E

m 2012, em Sumaré/SP, foram quatro dias de um envolvimento intenso com verdades que mudaram a vida de muita gente. Juntas, 1.500 pessoas pensaram sobre o sentido bíblico de vocação e chegaram a uma ideia: vocação não é algo apenas para pastores e missionários, mas para todos. Nossas perguntas continuam, e queremos andar mais um pouco com você para pensar o nosso estilo de vida nessa geração. A luta por encontrar respostas para as perguntas do século 21 não é só um esforço da igreja em relação a todo o mundo. É algo que, hoje, parte da igreja para a própria igreja: “Por que estamos aqui?”. Dizemos com bastante frequência: “Não estou no mundo a passeio; tenho uma missão”, e aprendemos que “Você sabe que tem uma vocação quando existe uma necessidade no mundo pela qual se sente responsável” (Ed René). Mas como temos nos encontrado, pessoalmente, com a missão de Deus para a nossa vida? Temos dito o “sim” de que tanto

falamos? Afinal: temos vivido a nossa vocação ou temos feito a escolha de deixar pra depois?

Chegou a hora de encarar a verdade! É o momento de descobrirmos juntos que Sim, Todos Somos Vocacionados, porém, se não somos o que Deus quer que sejamos ou se deixamos de fazer o que é a nossa missão, nós erramos. Não é simplesmente decidir ou não fazer. É uma questão de errar se não fizermos. O que estamos fazendo aqui? Apenas descobrimos uma carreira? Ou temos nela uma parte do quebra-cabeça que responde o porquê de nossa existência no mundo, glorificando a Deus, vivendo sob a sua autoridade? Se esperamos o domingo chegar para viver a nossa vocação, então não entendemos, ainda, qual é a nossa missão. por Eliana Moura

a gente se encontra lá! 2014

INSCRIÇÕES e INFORMAÇÕES em www.vocacao4D.com.br


29

PEPE

ados divulgados em 2012 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) mostram que 47% de todas as crianças fora da escola no mundo vivem em apenas 12 países. O 10º Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos, que reúne os números mais recentes sobre a educação no mundo, aponta que 28,4 milhões das cerca de 60 milhões de crianças longe da sala de aula vivem em 12 nações da África e da Ásia. Só a Nigéria tem 10,5 milhões de crianças sem estudar. O Paquistão vem em segundo lugar, com 5,1% crianças fora da sala de aula.

D

De olho nesses números, o PEPE, programa socioeducativo promovido por Missões Mundiais, mobiliza as igrejas brasileiras a apoiarem com compromisso a missão de mandar crianças às escolas, ensinando-lhes o amor de Deus. É um privilégio entrar em campo com as igrejas para testemunhar o amor de Jesus a crianças, contribuindo para o desenvolvimento pessoal e comunitário em 22 países. Este programa trabalha para fortalecer a autoconfiança e as habilidades de crianças na fase pré-escolar, através de atividades do currículo de educação infantil. O PEPE está baseado na fé cristã e alinhado à proposta da

Organização das Nações Unidas para atingir os objetivos de desenvolvimento do milênio.

Principais conquistas em 2013 Um dos principais objetivos neste ano foi fortalecer o desenvolvimento sustentável e aumentar o impacto missionário e social nas regiões e países onde o programa é desenvolvido. De acordo com as últimas estatísticas, cerca de 10 mil crianças foram atendidas e beneficiadas diariamente pelo programa nas comunidades, através de mais de 300 igrejas, sob a orientação de 40 coordenadores e mais de 700 missionários educadores servindo diretamente às crianças e suas famílias.

Desafios para 2014 A expansão para novos países e um novo continente, a Ásia, é um sonho que começa a ganhar traços de realidade. Com as orações e ofertas, espero ver novas unidades do PEPE no México, Guatemala, Venezuela, Nicarágua, Guiné Equatorial, Gâmbia, Libéria,

Chade, Etiópia e Timor-Leste em 2014. Outro desafio é a identificação de mais missionários que possam servir como coordenadores do programa em regiões como a África Central e o Norte da África, áreas de extrema pobreza e forte influência islâmica. O terceiro desafio é a distribuição do kit de materiais do PEPE em países de língua portuguesa, bem como a tradução e impressão de todos os manuais em espanhol, inglês e francês. Isso vai requerer investimentos em profissionais para diagramação e tradução, além de recursos para toda esta produção e impressão. A visão de servir a Jesus e aos pequeninos tem sido o diferencial estimulador para o prosseguimento desta missão. Ore, contribua e envolva-se com este ministério. Terezinha Candieiro Coordenadora do PEPE Internacional


Presente de NATAL Natal é tempo de confraternização, de estar com os amigos, irmãos, familiares. É tempo de relembrar o imenso amor de Deus por cada um de nós. Em uma verdadeira volta ao tempo em natais que passei nos campos missionários, relembro o primeiro ano em que cheguei com meus pais à Venezuela. Já havíamos passado cinco anos no Panamá. Eu tinha poucos amigos, porque nesse período meus pais mudaram três vezes de casa. As amizades ficavam distantes. Mas, na Venezuela, todos estavam ainda mais distantes. E como se isso não fosse suficiente, ainda morávamos num apartamento no 10º andar. Olhar pela janela fazia parecer que as pessoas estavam ainda mais distantes.

Lembro que, naquele período de Natal na Venezuela, meus pais saíram para comprar umas luzes coloridas. Eles queriam enfeitar uma pequena árvore de Natal. Eles voltaram tensos para casa, contando que foram seguidos e quase roubados em uma das muitas ruas escuras e desertas da cidade de Puerto Ordaz, onde morávamos. Graças a Deus, eles conseguiram despistar o ladrão e chegar em segurança. Como curtir o Natal assim? Deus sempre nos surpreende! Naquele momento, nosso contato na Venezuela era o Pr. Moises Martinez. Aquele bom homem costumava cuidar para que tudo estivesse bem conosco. Vendo que passaríamos o Natal sozinhos, ele decidiu nos convidar a estar com sua família.

espaço

fmsradicais.bligoo.com fmradicais@gmail.com facebook.com/fmradicais

30

fm

filhos de missionários

Este é um espaço dedicado aos filhos de missionários, conhecidos como FMs, e para os adotantes do PAM Kids e Teen.

Eu não estava muito animada para ir, mas... Que grata surpresa! Foi quando conheci a Vanessa, a filha do Pr. Moises. Ela tem a minha idade e foi minha primeira amiga na Venezuela. Natal também é tempo para fazer novas amizades. Hoje, minha família mora no Paraguai, a Vanessa continua na Venezuela, mas eu sempre converso com ela por mensagens de celular. Mesmo sendo o Natal uma data na qual devemos relembrar o nascimento de Jesus, que deveria receber os presentes, ele ouve nossas orações e nos dá presentes como o que ganhei naquele Natal: uma grande amiga. Dafne Soledad Márquez Monteiro Filha dos missionários Elbio e Adilene Márquez


31 Missões Mundiais compartilha com você alguns eventos relevantes que contribuirão para seu crescimento. Programe-se e participe!

NOVEMBRO

Para os dias 22 e 23 de janeiro de 2014, estão programados encontros das organizações executivas e auxiliares da Convenção Batista Brasileira.*

Mulheres cristãs latino-americanas se reunirão de 14 a 17 de novembro no Rafain Palace Hotel, em Foz do Iguaçu/PR, para o Congresso da União Feminina Missionária Batista da América Latina, evento realizado a cada cinco anos. O congresso terá como objetivo transmitir através de mensagens, estudos bíblicos e palestras o que Deus está fazendo no mundo através da atuação da mulher. Na programação haverá tempo para adoração, capacitação, confraternização e trocas de experiências com representantes da União Feminina de vários países. Informações e inscrições: www.ufmbb.org.br.

Associação de Diáconos Batistas do Brasil (ADBB) Data: 22/01 • Horário: 8h às 18h Local: Igreja Evangélica Batista de João Pessoa

JANEIRO

Associação dos Músicos Batistas do Brasil (AMBB) Data: 22 e 23/01 • Horário: 8h30 às 22h Local: Igreja Presbiteriana do Brasil em João Pessoa

Antes da Assembleia da Convenção Batista Brasileira, profissionais da área de educação cristã poderão participar do Congresso Nacional da Associação de Educadores Cristãos Batistas do Brasil (AECBB). O tema será “A integralidade do educador entre dois verbos: SER e FAZER”. A programação acontecerá na Primeira Igreja Batista de João Pessoa (Av. Getúlio Vargas, s/nº, Centro – João Pessoa/PB), das 8h30 às 21h30 (horário local).

Associação Nacional de Escolas Batistas (ANEB) Data: 22/01 • Horário: 14h às 18h Local: Primeira Igreja Batista de João Pessoa

14 a 17 – Congresso da União Feminina Missionária Batista da América Latina Foz do Iguaçu/PR

22 – Congresso Nacional da Associação de Educadores Cristãos Batistas do Brasil João Pessoa/PB

24 a 28 – 94ª Assembleia da Convenção Batista Brasileira João Pessoa/PB

Os batistas brasileiros se reúnem em João Pessoa de 24 a 28 de janeiro de 2014 para a 94ª Assembleia da Convenção Batista Brasileira (CBB). O tema para o próximo ano será “Família, o ideal de Deus para o ser humano”. A abertura acontece às 8h30 do dia 24 de janeiro. Durante a tradicional Noite Missionária, que acontecerá na segunda-feira, 27 de janeiro, a partir das 19h30, será apresentada a Campanha de Missões Mundiais 2014, com o tema: “Entre em Campo com Cristo, pelas Nações”. A 94ª Assembleia da CBB acontecerá no Espaço Gospel, na Av. Senador Ruy Carneiro, s/nº, Brisamar – João Pessoa/PB. Inscrições com desconto até 30 de novembro. Após esta data, inscrições até data do evento: assembleia.batistas.com.

União de Esposas de Pastores Batistas do Brasil (UEPBB) Data: 22/01 • Horário: 8h30 às 18h Local: Primeira Igreja Batista de João Pessoa Ordem dos Pastores Batistas do Brasil (OPBB) Data: 22 e 23/01• Horário: 8h30 às 22h Local: PIB João Pessoa

Juventude Batista Brasileira (JBB) Data: 22/01 • Horário: 18h30 União Feminina Missionária Batista do Brasil (UFMBB) Data: 23/01 • Horário: 8h às 22h Local: Espaço Gospel (segundo templo da Primeira Igreja Batista de João Pessoa) Associação de Educadores Cristãos Batistas do Brasil (AECBB) Data: 23/01 • Horário: 8h30 às 21h30 Local: Primeira Igreja Batista de João Pessoa Associação Brasileira de Instituições Batistas de Ensino Teológico (ABIBET) Data: 23/01 • Horário: 9h às 12h Local: Primeira Igreja Batista de João Pessoa União Missionária de Homens Batistas do Brasil (UMHBB) Data: 23/01 • Horário: 9h às 18h Local: Igreja Evangélica Batista de João Pessoa *informações extraídas de assembleia.batistas.com em outubro de 2013


32

PALAVRA DO EXECUTIVO

É hora

de sentir Depois de conhecer tantas notícias e desafios que chegaram até você através desta edição de A COLHEITA, é hora de sentir. Sentir a intensidade das diversas realidades que acontecem, nesse momento, em cada lugar da Terra. Sentir e orar. Envolver-se. Sob a graça do Pai, temos vivido grandes coisas em nome dele ao redor de todo o mundo. Um caminho de fé e sentimento de pertencimento. Precisamos abrir espaço para que, mais do que conhecer, você se sinta parte do que está acontecendo, se envolvendo com Missões Mundiais. A campanha Doe Esperança tem um lugar especial em meu coração. Quando estou no campo missionário, sou olhos, coração, ouvidos e abraços de cada adotante, de cada parceiro. Represento você. Vejo urgências, grandes necessidades que, acredite, se transformam em retratos permanentes na minha memória. Minha alegria é ter a oportunidade de ver esses retratos receberem um colorido especial com tantas expressões de amor que chegaram através do Doe Esperança. Obrigado, Senhor, pela igreja brasileira. Obrigado pelo coração de amor do nosso povo. Queremos estar próximos de você como você tem estado de nós. Vamos crescer como igreja que tem uma missão e que a cumpre em unidade, superando barreiras, tanto geográficas quanto entre nós mesmos. Sejamos um só. Sejamos o corpo. Estejamos juntos. Estejamos próximos. E, claro, eu não poderia deixar de dedicar a você, leitor e parceiro, o meu Feliz Natal. O meu sonho é que essa expressão signifique, no seu mais profundo compromisso com a verdade, o resgate da vida. A ressurreição de um vínculo com o Criador. A força do exemplo de alguém que nasceu e morreu para que entendêssemos como viver. A força de Cristo. O valor do amor. Espero estar ao seu lado em 2014, vendo cada nova conquista do corpo de Cristo acontecer quando nos entregarmos mais e mais à Missão de Deus. Entre em campo conosco. Entre em Campo com Cristo, pelas Nações.

Pr. João Marcos Barreto Soares Diretor Executivo da JMM


UM EVENTO PARA VOCÊ ENTENDER COMO UTILIZAR SUA VOCAÇÃO EM TODAS AS ÁREAS DA VIDA!

Inscrições e informações vocacao4d.com.br



A Colheita 54