Page 1

LECO

omen

J U L H O

D E

2 0 1 2

E D I Ç Ã O

5 3

APPACDM de Matosinhos

Tempo de Balanço

É responsabilidade social da APPACDM de Matosinhos a partilha da cultura organizacional , assumindo assim o nosso com-

A chegar ao término mandato, que

promisso na comunidade. Assim, nesta edição damos a conhe-

deste

cer a Missão, Visão, Valores e Estratégias da nossa Instituição.

eis

chega

o

tempo de balanço.

Põe-te a Mexer… na Páscoa No dia 5 de abril o nosso Centro enO Educador Social Lécio Ferreira explica o trabalho que desenvolve na APPACDM de Matosinhos em torno do Núcleo de Investigação em Artes Performativas esclarecendo os seus princípios orientadores e os objetivos. Página 6

Horta Pedagógica No âmbito do Plano de Ação 2012 da Comissão Social de Freguesia de S. Mamede, no passado dia 30 de maio, a APPACDM de Matosinhos e a Associação de Solidariedade Social da Urbanização do Seixo (ASSUS), iniciaram a atividade conjunta “Horta Pedagógica” que se revelou um sucesso. Página 7

cheu-se

de

luz,

cor, alegria e … crianças a correr! Foi mesmo toda a gente a mexer para a Páscoa viver !! Página 8

Jardim Sensorial A Educadora Social Ana Sousa clarifica em que consiste, quais os objetivos e benefícios da atividade “Jardim Sensorial” que desenvolve na APPACDM de Matosinhos com a população com maior dependência, sendo a mesma baseada na estimulação sensorial. Página 10

Campeonato do Mundo de Atletismo de S. Down No passado mês de maio, realizou-se o 2º Campeonato do Mundo de Atletismo S. Down IAADS nos Açores. A nossa atleta Elsa Taborda representou uma vez mais as cores de Portugal neste evento tendo arrecadado 4 medalhas, uma de ouro, duas de prata e uma de bronze. Os nossos Parabéns para a “nossa” menina. Página 14

Passeios de Final de Ano Nesta edição conheça os locais elegidos para a realização dos Passeios de Final de Ano e saiba como os mesmos foram um sucesso. Páginas 12/13


omen PÁGINA

2

Nesta Edição NESTA EDIÇÃO APPACDM de Matosinhos

3

Editorial

4

Notícias

6

O que se faz por aqui

12

Desporto

14

Momento Flash & Doces & Doces

16

APPACDM DE MATOSINHOS

CONTATOS Rua Dr. Leonardo Coimbra

Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental

4465- 189 S. Mamede Infesta Tel: 229012492 / 229012467 Fax: 229023277

FICHA TÉCNICA Propriedade: Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental Diretora: Olívia Assunção Montagem: Ana Sousa Colaboradores: Olívia Assunção, Marta Quesado, Ana Maria Pereira, José Fial, Cátia Alves, Bruno Pereira, Tiago Faria, Ana Sousa, Lécio Ferreira, Maria José Varela, Maria José Santos, Susana Guedes, Alice Gomes, Fernando Pedro Rodrigues, Ivan Magalhães, Isabel Pereira, Joel Magalhães e Nuno Azevedo.

LECO


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

APPACDM de Matosinhos No âmbito da Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade - EQUASS Assurance (European Quality in Social Services), nível 1, está definida a Missão, Visão, Valores e Estratégias da APPACDM de Matosinhos. Este tem sido um trabalho conjunto de todos os colaboradores da instituição. A partilha da cultura organizacional orienta a prática de todos. A politica de qualidade implementada abrange a satisfação de necessidades e expetativas legitimas das partes interessadas, a melhoria contínua dos serviços, o controlo dos procedimentos e a sustentabilidade da instituição. É responsabilidade social da APPACDM de Matosinhos a partilha da cultura organizacional , assumindo assim o nosso compromisso na comunidade.

MISSÃO Promover a qualidade de vida e inclusão social do cidadão com deficiência mental e/ou em situação de risco, bem como suas famílias.

VISÃO Ser uma organização de referência no concelho na resposta ao cidadão com deficiência mental e/ou em situação de risco, bem como suas famílias.

VALORES Integridade: respeita os deveres e os direitos de todas as partes interessadas e as regras organizacionais de conduta. Rigor: toma decisões com base em factos e executa tarefas e registos conforme definido nos procedimentos. Confidencialidade: restringe o conhecimento de dados dos clientes às pessoas que deles necessitam para o exercício do conteúdo funcional do cargo. Privacidade: respeita espaços e tempos afetos à fruição dos utentes. Criatividade: otimiza e/ou cria serviços e processos inovadores na organização usando métodos mais eficazes de gestão. Flexibilidade: valoriza pontos de vista distintos, acolhe a mudança e responsabilidade sem criar barreiras adaptando o trabalho a novas realidades de forma mais eficaz.

ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS  Implementar sistema de qualidade – EQUASS, nível 1, Certificação dos Serviços Sociais;  Definir, uniformizar e melhorar procedimentos internos;  Implementar sistema de formação profissional;  Incrementar e reforçar ações de aproximação e parceria ativa com os agentes e entidades da comunidade;  Criar departamento de Marketing Social;  Crescer inovando de forma sustentável;  Ampliar conceitos sinergéticos visando a produtividade;  Promover a participação das famílias e outras partes interessadas.

3


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

Editorial Tempo de Balanço da qualidade, que ficará concluído

Como sabem, tomamos posse em

dentro de um ano, tão importante e

janeiro de 2010. Haverá de novo

determinante para o nosso percurso

eleições em outubro deste ano.

de vida institucional; iniciaremos já Como iniciar a reflexão em torno do

em setembro a formação profissio-

que têm sido estes dois anos e meio

nal modular certificada, para todos

a gerir os destinos da APPACDM de

os nossos trabalhadores, com mais

Matosinhos? Penso que o nosso le-

de 11.000 horas de formação. Como

ma desde o início, está muito bem

sabem, tanto a certificação da quali-

retratado na expressão de Eduardo gico e jurídico para as nossas famí- dade como a formação profissional Prado Coelho, ilustre pensador : “… lias.

foram totalmente financiadas pelo

não esperemos acender uma vela a

POPH. Renegociamos contratos de fornecitodos os santos, a ver se nos manmentos, alteramos fornecimentos/ Encetamos acordos e parcerias com dam um messias”. É com trabalho, fornecedores, garantindo sempre a universidades, escolas e institutos com muito trabalho, que se consesuperiores, com escolas secundárias, gue acreditar que todos nós temos qualidade ao mais baixo custo. vontades a bem da Instituição, irre-

Apoiamos os nossos colaboradores

infantários e com edilidades locais.

O envolvimento do tecido social, primíveis, é com trabalho, muito na “reestruturação”, processo embledos cidadãos é determinante para trabalho que vai crescendo em nós a mático desta direção, criando salas uma Instituição com o cariz da nosfé inabalável de que o futuro pode com população heterogénea, respeisa. Promovemos estágios curriculaser melhor e terá de ser sempre metando sempre a individualidade, os res e profissionais para largas dezelhor, afinal a nossa missão nunca interesses, as necessidades e as apenas de estudantes/trabalhadores e o estará terminada. tências dos nossos utentes; foram já resultado tem sido extraordinário. vários os parceiros e instituições que Conseguimos aumentar a coesão, o Incrementamos de forma muito clara envolvimento dos nossos trabalha- nos contataram para esclarecimentos as relações com o IEFP (instituto de sobre esta nova forma de funcionadores, fundamentais para o processo emprego e formação profissional), mento. Cremos que muito em breve, de mudança; delineamos-lhes camique nos tem respondido positivapara além da APPACDM de Matosinhos, traçando estratégias. Tornamente através dos seus programas de nhos, outras instituições aceitarão a mos a prestação de serviços, de cuiapoio ao trabalho/formação. nossa “reestruturação” nas suas prádados, mais eficaz, moderna e proticas. dutiva. Criamos serviços de apoio psicoló-

Iniciamos o processo de certificação

4


omen PÁGINA

5

Editorial Ativamos as relações com o volun-

sido sinalizados. E os resultados são que há ainda um percurso largo a

de Matosinhos, projeto muito positivos pois podemos já fazer na consolidação do projeto constatar uma séria melhoria da que mereceu a aprovação dos nosV.E.M., da Câmara Municipal, e qualidade de vida destas pessoas. sos associados. Assim, sejamos nós temos neste momento na Instituição merecedores da vossa confiança e três voluntários encaminhados pelo Reavaliamos de forma exaustiva o estaremos disponíveis para prossereferido projeto. Conseguimos afirpercurso de cada utente, nas suas guir o projeto por mais um mandato; mar a nossa Instituição junto de competências, necessidades e inteideia, que concretizaremos com entidades que agora nos apoiam resses e redefinimos para cada um o pormenor já em setembro. através de donativos, quer em mate- plano de atividades mais adequado. riais e equipamentos, quer em nuElaboramos os planos individuais Mais do que a exigência de melhomerário. dos nossos utentes porque só assim rias, é necessário haver uma comtariado

Participamos em festivais, exposições, eventos sociais e seminários e

Com o apoio de: organizamos workshops e palestras

é possível adequar a intervenção. A preensão dos problemas e acompadinâmica da própria vida, o envelhe- nhamento regular e consistente por cimento dos nossos utentes, o seu parte de todos. Deixo aqui o meu

onde o conhecimento técnico e a bem estar, impuseram que muitas e profundas mudanças ocorressem na experiência dos nossos colaboradointervenção diária. Monitorizamos res foram vivamente aplaudidos. de forma permanente as alterações

profundo desejo para que todas as famílias participem mais na vida da Instituição, que nos ajudem com as suas ideias, com as suas críticas

Investimos nas terapias, na reabilita- ocorridas e avaliamos periodica- desde que estas sejam construtivas e ção física e biopsicossocial,

tão mente os resultados. Criamos uma que produzam âmbitos interessantes

necessárias para os nossos utentes, cultura

organizacional,

alterando e profícuos de discussão. Afinal esta

aumentando o número de horas para procedimentos, regras e métodos, Casa, esta maravilhosa Casa é de a prática de fisioterapia, terapia ocu- pois só assim é possível caminhar- todos. pacional em sala, admitimos dois mos todos na mesma direção e atineducadores sociais que trabalham girmos os resultados esperados. em âmbitos de atuação diferentes e muito específicos e uma psicomotricista pois a educação física já não

Outros aspetos mereciam aqui um balanço isento e desapaixonado,

respondia às reais necessidades dos mas porque há trabalho que foi feito mas que para já é invisível, fica a utentes com maiores limitações. avaliação entregue ao julgamento Alargamos substancialmente a prática da natação, incluindo ao mesmo futuro dos nossos pais. Apesar do tempo utentes que nunca haviam balanço ser positivo, entendemos

LECO

Olívia Assunção (Presidente)


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

Notícias Núcleo de Investigação em Artes Performativas Data: Março de 2012 O que me interessa não é como as pessoas se movem, mas sim o que as move. (1) Pina Bausch, 2002

Isoladamente, a palavra performance remete-nos para o desempenho que uma ou várias pessoas manifestam no desenvolvimento de uma determinada ação. Quando a conjugamos no contexto das artes, o conceito alarga-se para uma forma de expressão artística que se estabelece entre uma pessoa, ou grupo, e um público. Assim, as várias expressões de dança, de teatro e de música são alguns exemplos de artes performativas. O Núcleo de Investigação em Artes Performativas (NIAP) da APPACDM de Matosinhos surge portanto com o intuito de trabalhar estas diferentes expressões artísticas, de forma regular e sistematizada, junto da sua população. Tendo como base a dança e o movimento, as expressões teatrais, a música e os ritmos, as marionetas e os fantoches, entre outros, pretende-se, num contexto de proximidade, sensibilizar, formar, investigar e encorajar o desenvolvimento de competências artísticas dos utentes. Para atender melhor à diversidade da população, os utentes sinalizados integram duas vezes por semana pequenos grupos não competitivos com objetivos específicos. Alguns destes grupos têm caraterísticas terapêutico-educativas, onde se privilegia a importância social do grupo e o carácter lúdico do movimento e dos jogos teatrais. Outros grupos têm caraterísticas educativo-artísticas, onde a par da formação pretende-se também a preparação e criação de peças com valor artístico. Dada a parca investigação que existe sobre as artes performativas na deficiência, o NIAP pretende ainda contribuir para a ampliação deste saber através da produção e organização de material escrito e audiovisual, assim como na estreita colaboração com outros projetos nacionais e internacionais nesta mesma área.

(1)

Bailarina e coreógrafa. Figura marcante no desenvolvimento da dança-teatro na segunda metade do séc. XX.

Lécio Ferreira (Educador Social)

6


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

Notícias Dia da Árvore Data: 21 de Março de 2012 No dia 21 de março comemorou-se na nossa instituição mais um “Dia da Árvore”. Este ano contamos com a presença das alunas do Curso Técnico de Apoio à Infância da Escola do Padrão da Légua. Fomos presenteados com a peça de teatro “O TIO LOBO”. De manhã, plantamos flores da época oferecidas pelo pelouro do ambiente da Câmara Municipal de Matosinhos, lançamos balões coloridos com quadras alusivas à natureza sobre e o que devemos fazer para a proteger. Às alunas da Escola do Padrão da Légua e à Câmara Municipal de Matosinhos, os nossos sinceros agradecimentos. Ana Maria Pereira (Professora)

Data: 30 de Maio de 2012

Horta Pedagógica

O Plano de Ação 2012 da Comissão Social de Freguesia de S. Mamede de Infesta contempla a realização de atividades de caráter intergeracional nas diferentes instituições que integram esta Comissão. No âmbito desta ação, a APPACDM de Matosinhos e a Associação de Solidariedade Social da Urbanização do Seixo (ASSUS) iniciaram uma atividade conjunta denominada Horta Pedagógica. A nossa horta recentemente remodelada apresenta-se agora como um espaço aprazível de cultivo e de aprendizagem onde se desenvolve a atividade de agropecuária presentemente partilhada com 25 crianças do Jardim de Infância da ASSUS que, uma vez por semana plantam, semeiam, regam e exploram a horta em conjunto com os nossos jovens/adultos do Centro de Atividades Ocupacionais. Esta atividade iniciou-se no dia 30 de maio e, tal como esperado, foi um sucesso. A partilha de espaços, de vivências e conhecimentos facilitam e aperfeiçoam o diálogo e a participação social para além de estimularem a sensibilidade, o respeito mútuo, a capacidade de lidar com as diferenças e a aptidão de perceber semelhanças nos interesses. As atividades intergeracionais não se resumem à Horta Pedagógica. O Centro de Apoio à Terceira Idade (CATI) de S. Mamede de Infesta e a ASSUS participaram também na Festa dos Santos Populares que se realizou no dia 29 de junho, no Centro Dr. Leonardo Coimbra. Marta Quesado Paulos (Assistente Social/Gabinete de Gestão Integrada)

7


omen PÁGINA

8

Notícias Põe-te a Mexer… na Páscoa Data: 5 de Abril de 2012 No dia 5 de abril o nosso Centro encheu-se de luz, cor, alegria e … crianças a correr! Foi mesmo toda a gente a mexer!!! A atividade “Põe-te a mexer… na Páscoa” foi um verdadeiro sucesso. Os nossos clientes participaram, cheios de entusiasmo, em conjunto com os filhos/sobrinhos dos nossos funcionários nas atividades que a equipa preparou. Se para uns foi a oportunidade de conviver e

Com o apoio de:

jogar com pessoas sem deficiência, para essas foi a oportunidade de conhecerem pessoas verdadeiramente especiais, com sorrisos e olhares a que é impossível ficar indiferente! Foi um dia muito divertido, não faltaram jogos, pinturas, massagens, “histórias no jardim” e claro a “mítica” caça ao ovo! Entre algumas pistas trocadas e um ou outro ovo “desviado” o importante é que foram

momentos inesquecíveis. Um obrigada do tamanho do mundo a toda a equipa de colegas que dinamizaram as várias atividades, aos profissionais das salas que colaboraram e se empenharam em tornar este dia especial, às crianças e jovens convidados que vieram participar nesta experiência e partilhar a sua alegria e energia contagiantes e finalmente, aos nossos clientes, a todos, porque à sua maneira, cada um se portou como “gente grande”! É para e por eles que tudo isto vale a pena! Cátia Alves (Psicomotricista)

LECO


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

Notícias Dia das Danças de Salão Data: 6 de Junho de 2012 Para além da atividade física, proporcionar aos nossos utentes momentos de puro lazer é também um dos nossos objetivos. E foi assim que no dia 6 de junho lá tivemos o “Dia das Danças de Salão” . A atividade decorreu no nosso ginásio, com a participação dos nossos profissionais bem como da Professora Marta Carneiro, cujos ensinamentos em pura aula de dança, queremos já agradecer. Sabíamos que a alegria e satisfação dos nossos utentes seria uma inevitabilidade, mas o seu regozijo excedeu todas as expetativas. Certamente que voltaremos a organizar mais um dia esplendido como este. Tiago Faria (Professor de Educação Física)

Agradecimento Agradecemos à escola secundária do Padrão da Légua e aos alunos da Turma Técnico de Apoio à Infância que durante alguns meses estagiaram na APPACDM de Matosinhos, o ato solidário que tiveram para com a nossa instituição. Estes alunos organizaram eventos para angariação de fundos para a nossa instituição. Muito Obrigada a Todos. Olívia Assunção (Presidente)

9


omen

PÁGINA

10

Notícias Jardim Sensorial Data: Junho de 2012 É através dos sentidos que conseguimos interio- poderem visualizar e interagir com diferentes espaços e rizar inúmeras informações e, desta forma, entender o pessoas poderá melhorar significativamente a sua qualidamundo que nos rodeia. Por isso mesmo, quando estes de de vida. falham ocorre uma perturbação na perceção e interação

A proposta concretiza-se através da exploração

com o mundo. Daí que seja fundamental proporcionar dos cinco sentidos que possuímos, isto é, o tato, o paladar, experiências a todos os indivíduos que lhes possibilitem o olfato, a visão e a audição tendo por base o contato com explorar os seus sentidos e, consequentemente, compreen- as várias texturas das folhas das plantas, com o sabor de der melhor a realidade em que estão integrados.

chás feitos a partir de plantas cultivadas, com o cheiro de várias plantas aromáticas, com a visão de diferentes e

Estimulação Sensorial refere-se ao processo pelo exuberantes cores de flores e com a audição dos pássaros qual o cérebro organiza as informações, de modo a dar uma resposta adaptativa adequada, organizando assim as

a cantar. Espero que a atividade “Jardim Sensorial” que

sensações do próprio corpo e do ambiente de forma a ser proponho se torne uma mais-valia para a APPACDM de possível o uso eficiente do mesmo no ambiente. (Regina

Matosinhos mas, acima de tudo, que permita efetivamente

Freitas).

uma melhor qualidade de vida das pessoas com deficiência, de forma a possibilitar-lhes a promoção da sua autoe-

É nesta linha de pensamento que surge a propos- stima, da sua valorização pessoal e da integração social ta de realizar uma atividade denominada de “Jardim Sen- através das novas experiências que vão vivenciar. sorial” que será desenvolvida com a população com maior

Ana Sousa

dependência. O seu principal suporte é a estimulação sen-

(Educadora Social)

sorial a partir da natureza, ou seja, a partir dos espaços verdes como jardins e hortas do Centro Dr. Leonardo Coimbra. Neste sentido, acredito que poderão emergir bastantes benefícios para os participantes, na medida em que, muitas vezes, são efetivamente escassos e insuficientes os estímulos sensoriais a que estão sujeitos, ou, por outro lado, não são realmente explorados todos os sentidos. Assim, considero que o facto de estarmos a proporcionar novas experiências a estes indivíduos, estarem a experimentar sensações diferentes, estarem a contatar com a natureza na sua mais exuberante expressão, bem como

LECO


omen

PÁGINA

11

Notícias Mão de Dança Encontros para pensar as Artes Performativas e a Deficiência Data: Junho de 2012 Dancers today can do anything; the technique is phenomenal. Martha Graham É habitual ouvirmos a expressão (dar um) “pé de dança” quando se quer notar o ato de dançar, o que em certa medida pressupõe desde logo, ou induz, uma forma de ver e praticar a dança. Esta seria portanto indissociável do “pé” (ou dos pés), uma vez que se assume aqui o seu destaque incontornável no movimento dançado. Mas poderá esta conceção representar integralmente a natureza da dança? Se, como Pina Bausch referiu, “uma carícia pode ser um movimento de dança”, então tal ponto de partida não nos é suficiente, nem inteiramente justo. Foi este inconformismo que nos levou a problematizar a recorrente expressão “pé de dança” e sugerir uma outra, e apenas uma outra, possibilidade: “mão de dança”. Assim, e com esta reformulação, damos nome aos Encontros (bimestrais) sobre artes performativas e deficiência que o Núcleo de Investigação em Artes Performativas (NIAP) da APPACDM de Matosinhos propõe para debater e desenvolver experiências com este tema. Cada Encontro terá um convidado e um mote sensível à inquietação: artes performativas e deficiência – que relação? Que caminhos? Que possibilidades? Eis portanto o âmago da proposta e o que nos move. Sejam todos bem-vindos. Tema da 1ª mesa redonda que teve lugar dia 12 de julho: Dança Inclusiva: alguns pressupostos, algumas experiências (com Lécio Ferreira) Data do próximo encontro: Setembro de 2012 (dia a definir) Dirigido a: Pais e associados da APPACDM; Psicólogos, Educadores; Psicomotricistas; auxiliares de ação educativa; profissionais e amadores das artes performativas; todas as pessoas, com e sem deficiência, interessadas no tema. Local: Auditório da APPACDM de Matosinhos – Rua Dr. Leonardo Coimbra s/nº 4465-189

Lécio Ferreira (Educador Social)

LECO


omen

PÁGINA

12

O que se faz por aqui Data: 25 de Abril de 2012

A Revolução do 25 de Abril

No dia 25 de abril de 1974 ocorreu a conhecida ainda pelo Estado aqueles que menos “Revolução dos Cravos”.

apoios têm e para quem o país não

Esta data marca a mudança do regime imposto para um olha mesmo em momentos de vitória. Sabemos que o regime democrático que tem como principal princípio a contato com a comunidade permite um maior conheciLiberdade Para Todos. Depois do 25 de abril as pessoas mento de todos nós e uma partilha de vivências que só passam a ter liberdade de expressão, de escolha, de voto... nos enriquece e nos torna a todos, todos os dias, melhores No entanto, ainda hoje há pessoas que descriminam e são pessoas. preconceituosas com a deficiência, sendo que continu- Liberdade é assumir a Diferença. Atrevam-se a olhar para amos a ser “escondidos” em espaços que mesmo estando nós, a sorrirem connosco, a compreenderem que mesmo no meio da multidão, continuamos isolados. Isto é senti- diferentes somos tão pessoas e tão especiais como vós. do quando saímos à rua atra- Seremos esquecidos porque não podemos votar? Porque vés dos olhares das pessoas, não podem contar com o nosso apoio, com o nosso voto? dos seus comentários e até É dever de todos nós mudar isto e navegar, em conjunto, do seu afastamento quando na direção da verdadeira Liberdade. pura e genuinamente nos

Alice, Fernando, Ivan, Isabel, Joel e Nuno

tentamos aproximar. Somos

(CAO da Senhora da Hora)

Quinta de Santo Inácio No dia 5 de junho de 2012 realizou-se o passeio final de ano à Quinta Santo Inácio do CAO B, sendo que saímos da Instituição por volta das 10 horas. Neste passeio participaram os clientes do grupo B, E e G, os profissionais dos mesmos e ainda três estagiárias, a Joana, a Sofia e a Flávia, que se encontravam a colaborar com estes grupos no seu estágio curricular. Chegamos à quinta por volta das 11 horas da manhã. Assistimos a um belo espetáculo de aves e, de seguida, demos um passeio pela quinta, onde usufruímos de um agradável contato com a Natureza. Vimos várias espécies de animais incluindo os repteis. Depois deste delicioso passeio já as nossas barriguinhas pediam um bom prato de comida. Por volta das 13 horas fomos almoçar ao restaurante da quinta. A ementa foi salada russa com atum, creme de cenoura e a sobremesa foi um gelado. Claro que para os nossos clientes a sobremesa foi a parte que mais gostaram no almoço. Descansamos um pouco após o almoço e, como o tempo já escasseava e começou a chover, regressamos ao Centro por volta das 15h e 30 minutos para lancharmos. Foi um passeio muito agradável e que os nossos clientes adoraram. LECO

Susana Guedes (AEACD)


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

O que se faz por aqui Quinta da Torre A manhã cinzenta não foi suficiente para desencorajar o CAO A, que no dia 12 de junho de 2012 se preparava para partir rumo ao Marco de Canaveses à descoberta da Quinta da Torre. Mais curva menos curva, ora subida, ora descida lá chegamos à bela Quinta da Torre. Depois de recebidos pelo Dr. André fomos fazer um percurso onde contatamos com as plantas, árvores de fruto (só limoeiros presentes no local desde 1950) e vários animais, por exemplo perús, pavões, patos, entre outros. Houve tempo para amassar o pão e pintar pequenos vasos. O almoço foi ótimo e a sobremesa muito colorida com pêssegos e cerejas. Não faltou o gelado aos clientes e o café aos profissionais. Tudo muito bom. Mas o tempo é escasso e tivemos de regressar bem dispostos e confiantes em um dia lá voltar. Até Breve! Maria José Santos (Monitora)

Os Nossos Voluntários O voluntariado pressupõe uma atividade inerente ao exercício de cidadania. De forma livre, desinteressada e responsável, os voluntários prestam um serviço não remunerado mas muito reconhecido pela APPACDM de Matosinhos. O protocolo de parceria entre a APPACDM de Matosinhos e a Câmara Municipal de Matosinhos, no âmbito do projeto VOLUNTARIADO EM MATOSINHOS – VEM, deu-nos a conhecer três voluntários, que têm dispensado parte do seu tempo para desenvolver as ações de voluntariado na e para a nossa Instituição. Devidamente enquadrados os voluntários exercem as suas atividades no âmbito do apoio direto aos clientes e condução de viaturas da Instituição. Para além destes três voluntários, contamos ainda com o apoio semanal da Sr.ª D. Manuela Gomes que após o seu percurso profissional na nossa Instituição, propôs há cerca de um ano e meio dar continuidade ao exercício das suas funções de forma livre e gratuita. Deixamos aqui o nosso profundo agradecimento aos nossos quatro voluntários. Marta Quesado Paulos (Assistente Social/Gabinete de Gestão Integrada

LECO

13


omen

PÁGINA

14

Desporto Campeonato do Mundo de Atletismo de S. Down No passado mês de maio,

Atletismo S. Down - IAADS .

entre o dia 17 e 20 reali-

Em 2013 teremos o Europeu em

zou-se o 2º Campeonato

Roma e em 2014 o Mundial na

do Mundo de Atletismo

África do Sul onde esperemos

S. Down - IAADS em

repetir tamanhos feitos e conti-

Angra do Heroísmo, ilha

nuar com esta classificação, es-

terceira, nos Açores, que contou com a participação

perando desde já que a Elsa Ta-

de 13 países.

borda continue com bons resulta-

De realçar que o evento caraterizou-se pelo elevado nível organizacional e competitivo onde ficou de-

dos desportivos e seja de novo selecionada.

monstrada, a excelente capacidade que os portugueses

A toda a delegação portuguesa que participou no 2º

têm em ser anfitriões de grandes eventos desportivos.

Campeonato do Mundo Atletismo Síndrome Down, nos

A nossa atleta Elsa Taborda representou uma vez

Açores, atletas, treinadores, dirigentes e acompanhantes,

mais as cores de Portugal neste evento, integrando a

quero deixar aqui as minhas felicitações pelo sucesso

comitiva portuguesa com mais 23 concorrentes de

que alcançaram. Como profissional de Educação Física e

instituições e/ou clubes do país.

Desporto, tenho a certeza que é fruto de um árduo e lon-

Os resultados da equipa portuguesa foram bastante satisfatórios, uma vez que Portugal se consagrou

go trabalho, pois só assim é possível alcançar os resultados desejáveis e obtidos.

Campeão do Mundo de Atletismo S. Down por equi-

Não podia deixar de felicitar uma atleta muito especial

pas, ao conseguir 30 medalhas ( 9 de ouro, 12 de pra-

para mim, Elsa Taborda, por ter representado Portugal da

ta e 9 de bronze).

melhor forma, demonstrando que o trabalho realizado na

A Elsa Taborda contribuiu para este resultado, pois

instituição, nas aulas de Educação Física, Natação e em

arrecadou 4 medalhas nas seguintes provas:

especial na UATL tem vindo a dar os seus frutos. A ti,

Estafeta 4X400 M. - 1º Lugar - Medalha de Ouro

minha querida, os meus sinceros PARABÉNS e que con-

Recorde do Mundo

tinues à procura do teu ideal desportivo.

800 M. - 2º Lugar - Medalha de Prata Estafeta 4X100 M. - 3º Lugar - Medalha de Bronze 2ª Lugar - Medalha de Prata - Na prova de qualificação para a final dos 400 M. A nossa vencedora participou também noutros concursos, classificando-se em 4º lugar, respetivamente na final dos 200 M e 400 M , além de ter sido a responsável pela leitura da “nota de abertura” e “encerramento” deste Campeonato do Mundo de

José Fial (Professor)


omen

EDIÇÃO

53

PÁGINA

Desporto Mega Aula de Hidroginástica No passado dia 31 de maio realizamos mais uma mega aula de hidroginástica. Estas aulas já se tinham realizado no ano transato só que de uma forma menos abrangente, ou seja, mais interna, só para os nossos utentes. O objetivo deste ano era realizar as mesmas aulas para os nossos utentes mas permitir que o evento tivesse um impacto maior e que fosse aberto à comunidade em geral para permitir um contato dos nossos utentes com a mesma como forma de combater a exclusão social e promover a inclusão. Como acontece normalmente antes deste tipo de atividades, os utentes demonstraram vontade em participar, pois gostam bastante de integrar estas propostas e é muito gratificante para nós perceber que contribuímos a um nível emocional além de educativo. Foi importante também saber que a MatosinhoSport divulgou a nossa atividade através do Facebook, o que demonstra que a atividade era importante e fazia sentido realizá-la nos moldes em que estava estruturada, pois através desta ferramenta muitos mais indivíduos tiveram conhecimento da mesma. Depois de terminadas estas aulas, foi-me possível conversar com todos os intervenientes e, na minha opinião, correu muito bem. Não ocorreu qualquer tipo de problema estrutural e para isso muito contribuíram as pessoas que comigo estiverem durante toda a organização possibilitando que tudo isto fosse um sucesso. Relativamente aos utentes que frequentam a piscina e realizaram aula conjunta com os nossos utentes, deu para perceber através de algumas conversas que são necessárias mais atividades deste género e que ficaram bastante sensibilizados e agradados com o comportamento, carinho, afeto e alegria dos nossos utentes. Neste seguimento deixo desde já um bem-haja à APPACDM de Matosinhos por todo o apoio que nos facultou, desde a cedência de recursos humanos assim como material; e à MatosinhosSport pela cedência do espaço e toda a abertura demonstrada; um agradecimento também à Prof. Patrícia pela disponibilidade para realizar as aulas, o que facilitou a realização das mesmas sem qualquer tipo de incidência, pois é de salientar que estas decorreram em conjunto com os outros aderentes da piscina. Para concluir espero que estas aulas se voltem a repetir mas com outro tipo de envergadura, ou seja, com a participação de mais pessoas, de forma a mostrar a grande capacidade organizativa da APPACDM de Matosinhos. Bruno Pereira (Professor de Natação)

LECO

15


omen

PÁGINA

16

Momento Flash Quanto vale este sorriso? Mais uma terça-feira a começar e com as 8h30 a dar lá vai o Pedro para a piscina trabalhar. Quanto vale este sorriso? Quanto valem estes momentos? Nunca ninguém diria Que o Pedro submergia. Para todos uma surpresa Mais doce que uma boa sobremesa! Quanto vale este sorriso? Quanto valem estes momentos? .

Foi uma aposta ganha, ainda bem que a fizemos. É que esta alegria contagia, e quase parece magia.

Cátia Alves (Psicomotricista)

Doces & Doces Queques de Cenoura Ingredientes:

Modo de Preparação

500g cenouras cozidas

Coza as cenouras, esprema-as e passe-as pela vari-

400g de açúcar

nha. Acrescente o açúcar e os ovos inteiros e me-

4 ovos inteiros

xa. Deite a farinha, o coco, a raspa da laranja e,

1 colher de chá de fermento

por fim o fermento. Bata bem.

4, 5 colheres de sopa de fari-

Deite o preparado em forminhas untadas e leve a

nha

cozer no forno pré-aquecido a 180ºC durante aproximadamente 30 minutos.

4, 5 colheres de sopa de coco

Quando estiver cozido, desenforme e coloque em forminhas de papel frisado. De

ralado

seguida, polvilhe com o coco ralado.

Raspa de 3 laranjas Forminhas de papel frisado

LECO

Bom Apetite !!!

Maria José Varela (Monitora)

Leco nº 53  

Leco nº 53

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you