Page 1

FREGUESIA

DE REAL

HISTÓRIA E

PATRIMÓNIO


FREGUESIA

DE REAL

HISTÓRIA E

PATRIMÓNIO


Coordenação: Pedro Pina Nóbrega Textos: Pedro Pina Nóbrega; Sónia Nobre Sanches e Carla Gomes Martins; Marta Lemos Oliveira, Tânia Vicente Abreu e Marisa de Matos Oliveira. Fotografias: Liberto Carvalho, Pedro Pina Nóbrega, José Gouveia e Sónia Nobre Sanches e Carla Gomes Martins. ISBN: 978-989-20-4106-3 Depósito Legal: 363342/13 Edição: Freguesia de Real – www.real-pct.net Impressão: Desigm, Comunicação & Publicidade Fotografia da capa de António Correia Nunes. 1ª Edição, 2014


O homem que conhece a história do seu torrão natal afeiçoa-se mais a este porque em cada momento evoca uma recordação: ora é de sentimentos que se compõe uma grande parte da nossa vida. José Leite de Vasconcellos

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

3


APRESENTAÇÃO A História de uma freguesia faz parte da sua própria identidade, sendo o património, cultural e natural, a materialização dessa identidade que urge preservar e divulgar. Aproveitando o trabalho realizado pelos membros da Assembleia de Freguesia no mandato 2005-2009, Pedro Nóbrega e Paulo Lemos, decidimos incorporá-lo no projecto “Viver mais e receber melhor, com Identidade e Memória”, financiado pelo Plano de Desenvolvimento Rural 2007-2013. Não se trata de um trabalho exaustivo, mas um apanhado de elementos recolhidos sobre a história da nossa freguesia até ao séc. XIX e sobre o nosso património. Fazendo parte deste projecto, decidimos juntar o texto sobre a fauna e a flora elaborado por Sónia Sanches e Carla Martins,Técnicas da Dão Flora, que serviu de base para a elaboração do Percurso Pedestre Trilho do Ryal. Por fim decidimos incorporar a recolha de orações, mezinhas e jogos tradicionais desenvolvida por Marta Lemos Oliveira, Tânia Vicente Abreu e Marisa de Matos Oliveira, nos projectos Ser Mais Real 2012 e Ler Mais, Ser Mais, ambos do programa de Ocupação dos Tempos Livres do Instituto Português do Desporto e Juventude. Tratando-se de um texto elaborado para um público alargado, tentouse utilizar uma linguagem simples, onde os termos mais complexos são explicitados no corpo de texto ou em notas de rodapé. No entanto, sendo uma obra que ficará disponível em bibliotecas e poderá ser um ponto de partida para trabalhos mais profundos, houve partes em que se foi mais exaustivo. Queremos aqui expressar o nosso Bem-Haja às diversas pessoas que ajudaram na elaboração deste trabalho, quer pessoas da nossa freguesia quer investigadores que forneceram informações, quer até funcionários dos vários arquivos que foram consultados e facilitaram o acesso aos documentos. Que este trabalho seja um pequeno contributo para a divulgação da nossa Freguesia e do seu património material e imaterial.

Real, 03 Março 2014 A Junta de Freguesia Pedro Nóbrega, Paulo Lemos e António Nunes FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

5


ÍNDICE

Geografia e História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Enquadramento Geográfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 A ocupação humana até à Idade Média . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Domínio islâmico (séc.VIII a X) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Após a “reconquista” cristã (XI-XIV). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 O primeiro censo do Reino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 A Acção da Inquisição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 A primeira descrição da freguesia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Reforma Administrativa do séc. XIX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Património Cultural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Sepulturas escavadas na rocha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Cruciformes e gravuras rupestres. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Igreja Paroquial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Capela da Ribeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Capela de S. Marcos ou de N.ª Sr.ª de Monteserrate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Quinta da Aveleira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Cruzes no caminho Ribeira-Cemitério. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Alminhas e Nichos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Cruzeiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Escola Primária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Ponte da Baralha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .53 Flora e Fauna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

7


Flora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Os Cogumelos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Fauna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Ordenação Heráldica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Bibliografia e Fontes Documentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Referências Bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Fontes Documentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75 Documentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77 Memórias da Nossa Gente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Orações . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Rezas e Benzeduras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Mezinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Jogos Tradicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

8

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


GEOGRAFIA E HISTÓRIA

Texto de Pedro Pina Nóbrega Junta de Freguesia de Real * Instituto de Estudos Medievais/FCSH-UNL Fotos do autor, excepto quando indicado FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

9


Enquadramento Geográfico Administrativamente pertence ao concelho de Penalva do Castelo, distrito de Viseu, NUT II de Dão Lafões. Confina a Norte e Este com a freguesia de Castelo de Penalva, a Sul com as freguesias de Freixiosa e de Quintela de Azurara, do concelho de Mangualde e a Oeste com a freguesia de Germil e a dita de Quintela de Azurara. Eclesiasticamente pertence ao arciprestado de Penalva do Castelo, zona pastoral do Alto Dão e diocese de Viseu. A sua área estende-se por 4,7 Km2 e é marcada pelo vale do rio Ludares a Sul e pela Serra deVila Mendo, mais conhecida por Serra de Real, a Norte. A altitude média da freguesia é de 475 metros acima do nível do mar, sendo os pontos mais baixos na Lameira, Ribeira, junto do Rio Lodares, com 440 metros acima do nível do mar, e o ponto mais alto junto ao alto da Serra de Real com 690 metros. A aldeia da Ribeira está a uma cota de cerca 450 metros, estando a sede de freguesia um pouco mais elevada, a 530 metros. O estrato geológico da freguesia divide-se entre os xistos e os granitos. A Nordeste e Este da aldeia de Real predominam os xistos biotitico-moscoviticos e metagrauvaques com intercalações de quartzitos finos e alguns filões de aplitopegmatito. A restante área da freguesia é marcada pela existência de granitos porfiroides de grão grosseiro. Nalgumas zonas encontram-se filões de feldspato que ainda é explorado. Outrora também se explorou volfrâmio e berilo, no auge da II Guerra Mundial e do pósguerra. Ainda hoje se encontram valas e minas que testemunham esta exploração. No vale do Ludares encontramos os aluviões e depósitos de fundo de vale formados durante o Holocénico.

Fig. 1 : Limites administrativos da freguesia FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

11


A ocupação humana até à Idade Média A presença humana mais antiga do nosso concelho data do Neolítico final (3000 a.C. – 3500 a.C.). Desta época ainda se conserva a Anta do Penedo do Com, em Esmolfe, que tem associado um abrigo na rocha. No concelho conservam-se, igualmente, vestígios da ocupação na Idade do Bronze Final e Ferro (1400 – 200 a.C.), como sejam o Castro da Paramuna, em Esmolfe, e o Castelo de Penalva, este último com ocupação comprovada até à Idade Média. Do período romano (séc.s I/IV d.C.) proliferam no nosso concelho diversos sítios de habitate e epígrafes (inscrições em pedras feitas durante o domínio romano, dedicadas aos mortos ou aos deuses) achadas isoladamente, sendo o sítio mais importante a Murqueira, que se localizava entre a vila de Penalva do Castelo e Fundo de Vila, hoje ocupada em parte pelo recinto da feira semanal. Aqui se localizaria um vicus, pequeno aglomerado populacional que poderíamos comparar às nossas pequenas vilas actuais. Desconhecemos até ao momento qualquer vestígio que comprove a ocupação humana na nossa freguesia antes da Idade Média (séc. XI/XII). No entanto, a localização da nossa freguesia conjugada com os solos férteis do vale do Ludares leva-nos a pensar que durante o domínio romano (séc. I a IV d.C.) se tenham aqui fixado populações, cujos vestígios não foram ainda detectados. De notar que o rio Ludares, surge no foral de Zurara (1109-1112), com o nome de Ryal, ver fig. 5. Ora, é mais comum que os rios tomem o nome de povoações do que o contrário. Assim, cremos que nesta data já existiria um povoamento em Real e que o mesmo pudesse já existir durante o domínio romano. Visto ser frequente na nossa região o povoamento se prolongar desde este período até à Idade Média, verificando-se a existência de materiais romanos associados a vestígios medievais, veja-se o exemplo da vizinha freguesia de Quintela de Azurara. Até aparecerem vestígios concretos da ocupação romana, como sejam fragmentos de telha grossa (tegulae), fragmentos de cerâmica comum ou até de inscrições em pedras (epígrafes) as nossas dúvidas Fig. 2: Anta do Penedo do Com, Esmolfe

12

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Domínio islâmico (séc. VIII a X) Se a primeira metade do primeiro milénio depois de Cristo foi marcada pela instalação dos romanos na Península Ibérica, a segunda metade foi-o, por sua vez, pela conquista dos Mouros, que se iniciou em 711. Sabemos que os mouros dominaram a fortificação de Castelo de Penalva, reconquistada por Fernando Magno cerca de 1058, no entanto, e mais uma vez, a falta de vestígios e de documentos não nos permite afirmar que os mouros se tenham instalado na nossa freguesia.

Fig. 3: Morro onde se implantou o Castelo de Penalva

Provavelmente, aqui continuaram a viver cristãos, mesmo que sob o domínio dos mouros, instalados em Castelo de Penalva, pois este povo invasor escolhia locais estratégicos para se instalar, sendo, por isso, o seu povoamento em menor escala do que no Sul de Portugal. Em Castelo de Penalva os vestígios arqueológicos evidenciam a presença do povo islâmico. Nas ruínas deste castelo foi encontrado um cabo de faca em osso semelhante a outros encontrados em Mértola e datáveis do séc. XII-XIII, altura em esta cidade ainda era dominada pelos islâmicos.

Fig. 4: Cabo de osso encontrado no Castelo de Penalva (Foto: José Gouveia)

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

13


Após a “reconquista” cristã (XI-XIV) Entre 1055, data da conquista do castelo de Seia, e 1068, data da conquista do Castelo de Coimbra, Fernando Magno fixa a linha de fronteira entre Cristãos e Mouros no rio Mondego. Começará agora o repovoamento de toda a região de Viseu pelos Cristãos, através de presúrias, da concessão de forais a várias terras e de propriedades a nobres e ordens religiosas. As presúrias eram títulos especiais a que eram concedidas aos nobres certas terras por eles conquistadas aos infiéis, durante a reconquista cristã e a formação territorial de Portugal. Os Forais eram os documentos pelos quais o Rei criava um concelho, regulava a sua administração, e se indicavam os seus limites e privilégios.

Fig. 5: Foral de Zurara, Onde surge a referência mais antiga a Real (1109-1112). Livro primeiro de doações, mercês e forais, PT/TT/CHR/B/001/0001 – Imagem cedida pelo ANTT

Como já referimos, a mais antiga referência documental onde surge o topónimo Real é no foral de Zurara (1109-1112), parte do actual concelho de Mangualde. Neste documento surge como nome dado ao actual Rio Ludares que fazia fronteira, grosso modo, entre as terras de Zurara e de Penalva. 14

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Sendo o rio Ludares a fronteira, terá a Ribeira nesta altura pertencido ao concelho de Zurara? Não cremos. Os limites que constam do foral são muito genéricos e nas Inquirições de 1258 surge a Ribeira em terras de Penalva, sem qualquer referência às terras de Zurara. Por outro lado, nada garante que a Ribeira nesta época se localizasse na margem esquerda do Rio Ludares. Poderia localizar-se na margem direita na zona dos Moinhos junto à actual ponte, sendo assim, o rio Ludares a efectiva fronteira entre as Terras de Zurara e de Penalva. No século XIII os reis desenvolveram um plano de repressão contra as usurpações dos senhores das terras. O sistema das confirmações de D. Afonso II, pelo qual confirmava os privilégios atribuídos pelos reis anteriores, foi acompanhado e seguido de sucessivas inquirições, que duraram até aos finais do séc. XIV, alcançando o auge com D. Dinis. As inquirições régias, que mais não eram do que inquéritos sobre a posse da terra e direitos de apresentação dos párocos nas igrejas paroquiais, serviram para a administração central ter um cadastro rigoroso de grande parte do País. Assim, o rei estabelecia com firmeza a sua autoridade, impedindo abusos e periodicamente interferindo a bem de uma justiça centralizada e de um sistema financeiro planificado. Em 1258, altura em que D. Afonso III ordenou a elaboração de Inquirições, a actual freguesia de Real era a terceira mais populosa com cerca de 6 fogos e 30 habitantes. Existiam em Real três propriedades de vilãos, pessoas que não eram nobres, e na Ribeira uma propriedade, por outro lado, são referidos oito indivíduos de Real e quatro da Ribeira. Uma das propriedades pertencia aos filhos de Soeiro Amarelo e ao Mosteiro de Maceira Dão, por testamento. Tratava-se de uma fogueira, casa de habitação com ou sem terras, e dela não pagavam nenhum foro ao Rei. Esta propriedade ficou isenta de pagar foro ao rei através de uma estratégia comum à época, o amádigo. O amádigo consistia na entrega de um filho segundo de um nobre a uma ama para esta o criar. Muitas vezes eram os agricultores que pediam para criar filhos de fidalgos para que as suas terras ficassem isentas de encargos e sobre a protecção do Senhor. Era uma forma de os pequenos agricultores sobreviverem aos pesados encargos e de os Fidalgos irem aumentando as suas propriedades e influência. Assim aconteceu com um filho de Soeiro Amarelo que foi entregue, no reinado de D. Sancho II, a Maria do Salvador, da Ribeira, para ser criado, ficando o Soeiro Amarelo com a parte que pertencia a Maria do Salvador e comprando a outra parte da fogueira que tinha sido de Pedro Pincoo. Outra propriedade era uma herdade em Real, foreira ao Rei, comprada por Martinho Gonçalves, cavaleiro, no reinado de D. Sancho II e que pertencia à fogueira FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

15


que tinha sido de Gentilia. Uma herdade na idade média não tinha o mesmo significado que tem hoje. Herdade era o conjunto de bens que se herdavam, e podiam ser parcelas contínuas ou dispersas de terreno. Esta propriedade tinha sido “confiscada” para o Rei pelo seu porteiro, o oficial da administração financeira e judiciária da época, sendo entregue a Estêvão Pires de Tavares que recebia dela ração de pão, ou seja a renda paga em cereal. Este Estêvão Pires era o Senhor das Terras de Tavares, que correspondiam grosso modo às freguesias de Chãs de Tavares, Travanca de Tavares, Várzea de Tavares, S. João da Fresta e Abrunhosa-aVelha. Existia ainda um casal que tinha sido de Maria Garcia que o deixou em testamento à Igreja de Castelo de Penalva, cujo pároco o deu depois a Fernando Remondes, escudeiro. Um casal era uma exploração agrícola familiar. Era constituída por terrenos aptos para a agricultura e pomares e por terrenos incultos, ou apenas pelos primeiros; assim como, pela morada do camponês e por vários anexos para o gado e para a arrecadação dos produtos e alfaias agrícolas. No século XV, a 20 de Agosto de 1433, o Cabido da Sé de Viseu recebeu um casal e moinhos por doação de Fernando Anes e sua mulher Branca Afonso. Fizeram a doação por os pais de Fernando Anes terem tido obrigações para com o Cabido e assim desobrigarem as suas almas. O Cabido tomou posse destas propriedades a 1 de Setembro seguinte, data em que foram declaradas as propriedades pelo respectivo caseiro. Pela descrição do caseiro podemos localizar as diversas propriedades junto ao rio Ludares, perto da ponte da Baralha, que já é referida nestes documentos (ver apêndice documental). Vários topónimos referidos nos documentos ainda hoje persistem: Chão de pereiros, carreira, fojo, pedras do ribeiro, várzea, moita do espadanal, vale, carvalhal, linhar, lameiro da lagea, eirós, linhares do santo, roda, leira longa, ervedal, outeiro, moinhos.

16

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


O primeiro censo do Reino Em 1527 realiza-se o primeiro censo da população de Portugal, denominado “Cadastro da População do Reino”, registando o concelho 712 moradores. O termo moradores corresponde a famílias. A freguesia da Matela não existia nem são referidas as aldeias que a compõem.

Freguesia Trancozelos Germil Mareco Vila Cova do Covelo Lusinde Real Antas Esmolfe Sezures Ínsua Pindo Castelo de Penalva TOTAL

Moradores 27 32 32 36 38 40 49 53 57 97 113 138 712

Quadro 1: Moradores do concelho de Penalva do Castelo em 1527

Segundo este Cadastro, o concelho de Penalva do Castelo tinha, ainda, duas sedes: a do Castelo onde estava a Igreja e um Paço do Concelho onde se faziam as audiências e a de Castendo, actual Penalva do Castelo, onde estava outro Paço do Concelho e se faziam as audiências de permeio. A freguesia de Real era a 7ª mais populosa. No lugar da Ribeira viviam 7 moradores e em Real 33 moradores, o que perfazia um total de 40 moradores. Das sedes de freguesia, a aldeia de Real era a terceira mais populosa a par das Antas, só ultrapassadas por Esmolfe, com 40 moradores, e Sezures, com 51 moradores. Real tinha mais moradores que Castendo, apenas com 29 moradores, e a Ribeira mais moradores que Castelo de Penalva, que apenas tinha 5.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

17


A Acção da Inquisição Os séculos XVI a XVIII foram marcados pela acção da Inquisição, instituída em Portugal no ano de 1536 pelo Papa Paulo III.Teve a sua primeira sede em Évora, onde estava a Corte, transferindo-se depois para Lisboa. Ao longo dos anos foram criados Tribunais em diversas cidades do Reino para uma melhor acção inquisitorial. O de Coimbra, cuja área de jurisdição abrangia a freguesia de Real, foi criado em 1541, tendo sido extinto seis anos mais tarde para ser depois restaurado em 1565. A Inquisição só viria a ser extinta formalmente em Portugal em 1821. No Arquivo Nacional da Torre do Tombo conservam-se inúmeros processos instruídos pelo Tribunal da Inquisição de Coimbra. Da nossa freguesia foram julgados pela Inquisição, pelo menos, quatro indivíduos em 1719 e 1725. Todos foram acusados de molinismo, doutrina de Miguel de Molinos que defendia a não resistência às tentações, condenando a mortificação e o arrependimento, admitindo acções torpes e lascivas feitas “com o coração em Deus”. Existiam na altura dois focos importantes desta doutrina, um em Viseu e outro em Castelo de Penalva, que se estendeu a Real, cujo cura dependia do abade do Castelo, bem como nos conventos femininos de Ferreira de Aves e do Tojal, no concelho de Sátão. Foram condenadas mais de uma dezena de mulheres solteiras, da paróquia de Castelo de Penalva, acusadas de se fingirem santas, com muitas visões, revelações e favores extraordinários a Deus, que defendiam ser lícitas as acções torpes feitas com bom fim, sendo guiadas pelo espirito, mesmo que com os seus confessores por serem obradas pelo fervor do espirito. A par destas mulheres foram também condenados padres de Castelo de Penalva e de Real que defendiam e praticavam os erros da mesma seita, procurando no confessionário e fora dele, desculpar as acções lascivas que faziam (cf. Tavares, 2002, vol. 1, p. 348-354). De todas as mulheres apenas uma era casada, Maria Lopes. Maria confessou inúmeras visões, incluindo descidas ao inferno, encontros com Jesus Cristo e revelações deste a ela. Os depoimentos de Maria expressam de diversas formas as conotações eróticas dos delírios místicos, estando estes via de regra relacionados ao erotismo praticado com os seus confessores, com os quais obtinha a consolação espiritual para as 'grandes ânsias' que sentia, 'abrazada' e 'banhada em agoa com o fogo do amor Divino', como descreve Lígia Bellini no seu estudo sobre esta temática (2001, p. 23) Maria Lopes, do Casal das Donas, era casada com um ferreiro, e bastante respeitada na comunidade, tida como santa, com a qual os padres da comunidade se aconselhavam e recomendavam às raparigas solteiras a se aconselharem com ela. 18

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


O primeiro a ser apresentado em 17 de Abril de 1719 foi António de Matos, pároco de Real, filho de António de Matos e Maria da Costa. Foi preso a 02 de Maio do mesmo ano, acusado de molinosismo. Foi presente no auto-de-fé de 16 de Junho de 1720, realizado na Igreja de S. Domingos em Lisboa, que contou com a presença do rei D. João V. Neste auto-de-fé, também foi presente o Pe. Manuel de Almeida de Azeredo, que tinha sido cura em Castelo de Penalva. O Auto de Fé era uma cerimónia pública na qual se fazia a demonstração pública da Fé, se apresentavam como exemplo as pessoas que, tendo andado transviadas dos verdadeiros caminhos da Fé, se haviam convertido, publicamente renunciavam os seus erros e, solenemente, eram readmitidas no seio da Igreja. Ao Pe. António Matos foi passado termos de segredo (compromisso por parte dos réus de que nada revelariam do que se tinha passado desde que tinham sido presos até à data de soltura) em 17 de Junho seguinte e de ida e penitências (documento que estipulava a saída do réu e as penas que tinha de cumprir) a 22 do mesmo mês. Ficou suspenso do exercício das suas ordens de sacerdote por dez anos e pelo mesmo período de tempo foi degredado para Angola. Na capa do processo há informações de que mais tarde teve o degredo comutado para o bispado de Elvas, mas continuaria a não poder entrar no bispado deViseu (03-12-1725). O outro processo diz respeito a duas irmãs, Branca e Maria da Costa, filhas de António da Costa e Eufémia Rodrigues e ambas solteiras. Foram presas a 4 de Maio de 1720, também acusadas de molinosismo, desculpando por boas, acções torpes que com o fim espiritual praticava, tendo por certo nam ser necessário confessalas, e que com as mesmas mais amava a Deos (Tavares, 2002, vol. 1, p. 352). Foi-lhes lida a sentença e presentes a Auto de Fé, que se realizou no Terreiro de S. Miguel, em Coimbra, a 7 de Julho do mesmo ano, sendo inquisidor-geral o cardeal D. Nuno da Cunha de Ataíde e Melo, e pregador o Pe. Dr. Francisco de Torres. No dia seguinte foi-lhes passado termo de soltura e segredo e no dia 18 do mesmo mês termo de ida e penitência. Foi-lhes dada a pena de cinco anos de degredo em Silves, no Algarve. For fim conhece-se o caso de Ana Maria, natural da nossa Freguesia, que foi presente no auto-de-fé, que se realizou a 19 de Abril de 1720 no convento de Ferreira de Aves, no concelho de Sátão. Foi condenada por fingir raptos e extasis, seguindo a seyta de Molino e outros Hereziarcas, uzando de acções torpes e dehonestas com o seu confessor, dizendo não era pecado as taes acções, mas sim muito do agrado de Deus, e por isso se não confessava dellas (Tavares, 2002, vol. 1, p. 358, nota 177)

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

19


A primeira descrição da freguesia Em 1758 o Pe. Luiz Cardoso levou a cabo, com o apoio régio e da Real Academia da História, a elaboração de um Dicionário Geográfico. Para tal enviou a todos os párocos um extenso questionário sobre as povoações, rios e serras. As respostas dos párocos encontram-se hoje na Torre do Tombo compiladas no fundo chamado Dicionário Geográfico, mais conhecido por Memórias Paroquiais. Tratase da mais antiga descrição da freguesia que se conhece. Nesta data a freguesia pertencia ao arciprestado de Penaverde, estando integrada no concelho de Penalva de que era donatário o Marquês de Penalva, ou seja, administrador do concelho em nome do Rei, recebendo por isso as rendas que lhe caberiam. O Pe. João do Amaral, cura da paróquia de Real, informava que Real tinha 66 fogos e 162 pessoas, e a Ribeira 22 fogos e 54 pessoas, perfazendo um total de 88 fogos e 216 pessoas. Real era a segunda freguesia com menos população logo seguida por Mareco (70 fogos e 180 pessoas).

Freguesia Mareco Real Trancozelos Germil Vila Cova do Covelo Lusinde Esmolfe Sezures Antas Ínsua Castelo de Penalva Pindo TOTAL

Fogos

Pessoas

70 88 65 90 96 92 107 117 188 255 391 311

180 216 224 270 280 280 368 371 570 700 1180 1194

1870

5833

Quadro 2: Fogos e População do concelho em 1758

O número de pessoas de Castelo de Penalva corresponde a pessoas com sacramento; o número de pessoas de Vila Cova do Covelo foi calculado pela multiplicação do número de fogos pelo número médio de moradores por fogo no concelho, ou seja por 3. 20

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


As freguesias mais populosas eram Pindo com 311 fogos e 1194 pessoas, Castelo de Penalva 391 fogos e 1180 pessoas de sacramento e Ínsua com 255 fogos e 700 pessoas. Em Real já existia a Irmandade das Almas agregada ao Santíssimo Sacramento, que estava erecta na Igreja Paroquial. Na Ribeira havia a capela de N.ª Sr.ª da Ouvida, que pertencia aos moradores. O pároco era apresentado pelo abade do Castelo de Penalva, que lhe pagava a renda de seis mil reis. Servia-se do correio da cidade da Guarda que passava por Quintela a caminho deViseu. Refere o mesmo pároco que na freguesia se cultivava principalmente milho, mas também, centeio, trigo, cevada, vinha, oliveiras, castanheiros e árvores de fruto. Tinha vários moinhos e um lagar de azeite, alguns moinhos, senão todos, e o lagar de azeite situavam-se junto do rio Ludares. O pároco refere duas serras, a de São Domingos, actual Serra de Vila Mendo mais conhecida por Serra de Real, e a do Fial, que em algumas partes eram cultivadas, sendo o fruto mais abundante o centeio. Havia nelas também criação de gado que recolhia ao povo e caça de coelhos e perdizes. Sobre o Rio Ludares diz que nascia em Furtado, no actual concelho de Fornos de Algodres, e que criava ruivacos e bordalos em pouca abundância que só se pescavam entre Abril e Junho. Na verdade, o rio Ludares passa na freguesia de Furtado, onde é conhecido por Ribeira de S. Domingos, mas nasce um pouco mais a montante na zona de Alagoas, já na freguesia de Cortiçô. Nas suas margens apenas se cultivava milho e algum trigo por estas serem pouco fertilizadas com as águas do rio; tinham alguns amieiros e salgueiros. Na nossa freguesia existiam duas pontes de pau, a da Baralha e uma na Ribeira. A Ponte da Baralha viria a ser substituída pela actual em 1866. Esta ponte permitia o acesso à Estrada Real que ligava Viseu à Guarda e passava por Quintela de Azurara e ia direito à Frexiosa e Chãs de Tavares.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

21


Reforma Administrativa do séc. XIX Ainda primeira metade do séc. XIX é iniciada a reforma da divisão administrativa do reino, com a extinção, fusão e criação de concelhos e freguesias. Esta situação irá arrastar-se por dezenas de anos, durante os quais são feitos vários inquéritos e consultas aos concelhos e freguesias sobre propostas de alterações a fazer. Em 1837, o administrador do concelho de Mangualde apresentava a seguinte proposta sobre a Ribeira: Ribeirinha, aldeia de 25 fogos, pertencente à freg.ª de Real, conc.º de Penalva do Castelo, a 5/4 de legua ao N.E. de Mang.de, está situada dentro do limite natural deste conc.º na margem esquerda do rio Lamegal: pede a razão e justiça que seja incorporada neste conc.º de Mangualde, reunindo-se à freguesia de Quintela, donde dista meio quarto de légua, visto estar dentro do limite deste concelho, que é o rio Lamegal. De facto, do actual concelho de Penalva do Castelo, apenas a Ribeira e Sandiães, esta da freguesia de Castelo de Penalva, ficam situadas na margem esquerda do rio Ludares. Curiosamente, o mesmo administrador não pede a inclusão da aldeia de Sandiães na freguesia de Chãs de Tavares ou Travanca de Tavares. Em 1862, era a vez da Câmara Municipal de Penalva do Castelo reforçar o parecer enviado à Câmara dos Deputados em 1859, no qual defendia uma alternativa que pugnava pela desanexação da Ribeira que deveria passar a fazer parte da freguesia de Quintela de Azurara e concelho de Mangualde, por estar mais perto desta e separada do resto do concelho pelo rio Ludares. Apesar disso, defendia que as povoações de Travanca de Tavares e de Vila Seca, que estão também na margem esquerda do rio Ludares, passassem a fazer parte do concelho de Penalva do Castelo, bem como a povoação de Darei, na margem esquerda do Rio Dão. Não teve efeito qualquer proposta. No último dia do ano de 1867 era publicado o decreto que extinguia o concelho de Penalva do Castelo, colocando a freguesia de Real no concelho de Mangualde e formada pelos territórios das paróquias de Real,Trancozelos, Germil, Freixiosa, Quintela de Azurara,Travanca de Tavares e Várzea de Tavares. Uma megafreguesia, à semelhança de outras criadas por este decreto, cuja sede ficou em Real. Esta reforma foi sol de pouca dura, caindo o governo, voltou tudo à situação anterior, não se tendo verificado na prática as consequências da extinção do concelho, por a Câmara Municipal se recusar a cumprir a decisão governamental. 22

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Reforma atrás de reforma o concelho de Penalva do Castelo foi sobrevivendo com as suas 12 freguesias, a da Matela só viria a ser criada no século seguinte. Já em 2013 viriam a ser extintas quatro das suas freguesias (Antas, Matela, Mareco e Vila Cova do Covelo) e subsituídas por duas novas freguesias (União das Freguesias de Antas e Matela e a União de Freguesias de Vila Cova do Covelo e Mareco).

Fig. 6: Actual divisão administrativa do concelho

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

23


PATRIMÓNIO CULTURAL

Texto de Pedro Pina Nóbrega Junta de Freguesia de Real * Instituto de Estudos Medievais/FCSH-UNL Fotos do autor, excepto quando indicado FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

25


26

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Sepulturas escavadas na rocha Um pouco por todo o concelho existem estes monumentos que são popularmente denominados de campas, campas dos mouros, túmulos entre outras denominações. Algumas sepulturas apresentam a demarcação da cabeça e dos ombros, outras também dos pés, e por isso são chamadas de antropomórficas, outras mais simples são rectangulares ou ovaladas. A maioria destas sepulturas surge-nos isoladas, sendo em menor número as que se encontram aos pares ou em grupos de três. As necrópoles, onde o número de sepulturas é elevado, são escassas, estando relacionadas com templos de fundação medieval, é o caso de Pindo e de Castelo de Penalva. Estes túmulos eram escavados na rocha e posteriormente cobertos por tampa de pedra ou por terra. A cabeceira da sepultura era normalmente orientada a Oeste. Uma das explicações apontada para esta orientação é a crença cristã de que Deus apareceria a Oriente no dia do Juízo Final. Na nossa freguesia as sepulturas de que temos conhecimento deverão datar dos séc.'s XI/XIII.

S. Marcos Sepultura antropomórfica de cabeceira rectangular que se encontra num pequeno afloramento granítico nas traseiras da capela de S. Marcos. Está orientada a Noroeste.

Quinta da Aveleira Na Quinta da Aveleira existem soterradas duas sepulturas escavadas na rocha de forma antropomórfica.

Nogueira Existe referência a duas sepulturas na Nogueira que pertenceu ao Tio Amadeu dos Quintais (Carvalho, 1995).

Fig. 7: Sepultura ao S. Marcos

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

27


Cruciformes e gravuras rupestres Sacralização, protecção mágica, cristianização, são as diversas vertentes que a marcação de cruciformes em espaços tão diferentes como fontes, fortificações, fornos de pão, moinhos, monólitos significativos na paisagem, telhados de habitações, ombreiras de porta e janela ou tão só a massa do pão quando se deixa a levedar (...) são os diferentes e possíveis significados de que a marcação de um cruciforme pode revestir.

(Balesteros, 2006, p. 17) Estão identificadas na nossa freguesia algumas pedras que apresentam gravadas diversas figuras, cujo significado não está claramente explícito. Algumas destas figuras em forma de cruz, os cruciformes, são comuns na nossa região e são normalmente atribuídos aos cristãos-novos, ou seja a judeus convertidos, que as usavam para manifestar a sua nova fé. Junto à fonte encontram-se duas pedras com letras e gravuras. Estas pedras encontravam-se numa parede da casa de José da Costa Ribeiro, na Tv. João de Castilho, que foi demolida.

Fig.s 8, 9, 10 e 11: Cruciformes que estavam na Casa de José Ribeiro (Fotos: Liberto Carvalho), e respectivos desenhos

A abreviatura IHS não constitui qualquer dúvida de interpretação, visto tratar-se de uma abreviatura cristã que ainda hoje se usa e que corresponde à expressão latina Iesus Hominum Salvator (Jesus Salvador dos Homens). O símbolo que levanta mais dúvidas é a forma triangular ou de meia-lua encimada por uma cruz. Há autores que defendem que o triângulo representa o monte Horeb onde Moisés recebeu as tábuas da Lei. Cremos que poderá significar, igualmente, o Calvário onde Jesus foi crucificado e não estar apenas relacionado 28

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


com a presença de cristãos-novos. Ainda no século passado se desenhava estes símbolos nas cangas dos bois, nas portas das adegas e lojas. Numa casa na R. Cónego Jaime, n.º 9, encontra-se uma pedra que tem gravada uma cruz sobre um meio círculo. Sobre a cruz uma meia elipse raiada e por baixo dois “olhos”.

Fig.s 12 e 13: Cruciforme da Casa na R. Cónego Jaime, 9, e respectivo desenho

Recentemente, durante as obras para o novo fontenário e lavadouro da Ribeira, foi identificada na parede lateral da casa n.º 2 da R. da Calçada uma pedra com uma gravura. Como nos informaram, a quando da construção desta casa foi dado valor a esta pedra e por isso foi incorporada na parede com a face gravada voltada para o exterior.

Fig.s 14 e 15: Gravura que está na Casa da R. da Calçada, e respectivo desenho.

Interpretamos esta gravura de quatro formas distintas: um carro de bois, um orante (figura humana com os braços erguidos em oração), um candelabro ou um cruciforme, dependendo da posição original que se desconhece. Em Penamacor foi identificada uma gravura semelhante na posição de cruciforme. Na chamada Casa de Roma e na casa pertencente a Ermelinda Abreu, na Rua Prof. Dr. Aguiar e Silva, também se encontram cruciformes. FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

29


Igreja Paroquial A fundação da paróquia de Real deverá datar do séc. XV ou XVI altura em que a população do país cresceu e forçosamente teve que haver uma reorganização das paróquias. Antes pertencia à paróquia de S. Pedro de Castelo de Penalva, à qual ficou anexa depois da sua criação. Em 1675 a paróquia de Real pertencia ao arciprestado de Penaverde e surge descrita na relação que o bispo D. João de Melo remeteu a Roma da seguinte forma: Igreja do Real, invocação de S. Paulo, curado anual, filial da Igreja do Castelo.Tem sacrário, dois colaterais, invocações de Nossa Senhora e de S. Sebastião. Pessoas maiores duzentas e setenta, menores quarenta. Ermida uma. Estava falta de ornamentos de que se mandou prover em Visitação. (cf. Alves, 1988) Em 1699 é elaborado novo relatório por ocasião da visita ad limina de D. Jerónimo Soares. Continuava a pertencer ao arciprestado de Penaverde e foi assim descrita: Igreja do Real, invocação de São Paulo, curado annual, filial da igreja do Castello, tem sacrário. Pessoas maiores 220, menores 40. Em 1758 a igreja paroquial tinha o altar-mor, dedicado a S. Paulo, e dois colaterais, um dedicado a N.ª Sr.ª do Rosário e outro a S. Sebastião. Ainda hoje se conservam na Igreja, não nos altares colaterais mas em duas peanhas, uma imagem de S. Sebastião e outra de N.ª Sr.ª do Rosário. Em 1856 o Pe. Francisco Pina erigiu em acto de gratidão um altar em honra de N.ª Sr.ª da Conceição, que se encontra na parede lateral esquerda. Em 1866, em cumprimento de uma portaria régia, foram-lhe arrolados os seguintes bens: 2 casas de forno em muito mau estado, avaliadas em 24 mil reis; 1 rossio, chamado da Senhora, no sítio da Pé Redonda, que andava arrendado por 8 alqueires de centeio, avaliado em 48 mil reis; 1 belga, ao Vale das Peras, que estava arrendada por 7 alqueires de centeio ou milho, e foi avaliada em 33 600 reis; 21 oliveiras, a maioria insignificantes, que foram avaliadas em 20 mil reis: 4 no adro da Igreja; 3 nos Castinçais; 1 no chão de Manuel Maia, de Esmolfe; 1 no chão de Maria Bernarda; 30

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


1 no caminho do Calvário; 1 na tapada de António Homem, de Linhares; 1 no Lameiro das Figueiras, da orfã de António de Albuquerque; 1 no Lagedo em terras de José Maria de Pina; 1 no caminho que vai para o fundo do povo, onde chamam João Gomes; 3 onde chamam ao Altoeiro, terras de herança de [...] de Carvalho; 1 onde chamam ao Altoeiro, terras de José Ventura; 2 na Quinta das Casas, herança de António de Carvalho Com a implementação do regime republicano em 1910 foi publicada a Lei de Separação do Estado e Igreja, que estipulava o arrolamento dos bens das paróquias. Os bens da nossa igreja paroquial foram inventariados a 31 de Julho de 1912. À data existiam as imagens de N.ª Sr.ª da Conceição, S. Paulo, Santa Ana, Menino Jesus e S. Sebastião, bem como dois cálices de prata e respectivas patenas, e um cálice de prata que servia de custódia. A N.ª Sr.ª da Conceição possuía um manto azul de seda, um colar de ouro e uma coroa de prata. O S. Sebastião, ainda deveria estar no altar lateral, pois não é referida a imagem do Sagrado Coração de Jesus, e tinha um nicho móvel, assim como um resplendor de prata. À N.ª Sr.ª do Rosário pertencia uma medalha de abrir, um fio de contas e um par de arrecadas tudo em ouro, que lhe deveriam ter sido ofertados por devotos. Nas laterais do Sacrário estavam duas pequenas imagens, uma de S. Paulo e outra de S. Pedro. Na sequência da Concordata entre a Santa Sé e o Estado Português de 1940, foi requerido o arrolamento dos bens do Benefício Paroquial. Foram assim arrolados a igreja paroquial com o seu torreão, sino e adro, a confrontar do Nascente com Maria Henriques, Norte estrada, Sul José Maria do Amaral Pereira e poente António Peralta Simões; e dezoito oliveiras situadas em diversos lugares de Real conhecidas por oliveiras do Santíssimo. Estes bens foram entregues pelo Estado à Fábrica da Igreja em 11 de Fevereiro de 1944. Em 1991 foram restaurados os altares e os caixotões do altar-mor pela firma Domingos C. de Carvalho, pelo valor de dois mil contos. Nesta data foram retiradas as imagens que estavam nas laterais do altar-mor em frente das pinturas e colocadas em peanhas compradas para o efeito. A fachada principal está voltada a Oeste, com embasamento saliente, rematada em empena contracurvada e recortada, pontuada por fragmentos de cornija, tendo cruz latina trifoliada no vértice, sobre plinto galbado. É rasgada por FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

31


portal em arco abatido, com fecho saliente, encimado por janelão em arco abatido, com moldura de cantaria saliente e com vitral decorado por símbolos eucarísticos (cálice e hóstia). No lado direito, a torre sineira de dois registos definidos por cornija, o inferior cego e o superior com quatro sineiras de volta perfeita, uma em cada face, surgindo sino apenas na face Oeste. A face Sul possui pequena janela rectilínea no registo inferior e a Este porta de verga recta, com acesso por escalinata de cantaria, com guarda-corpo metálico. Fachada lateral esquerda virada a Norte, cega, sendo marcada pelo corpo da sacristia, rasgado por porta de verga recta e moldura de cantaria saliente, protegido por porta de uma folha de madeira almofadada, situada na face Oeste.

Fig.16: Igreja Paroquial quando estava rebocada no exterior

Fachada lateral direita virada a Sul, com porta travessa de verga recta, encimada por óculo circular, com rosácea, uma janela rectilínea, protegida por grades, surgindo uma segunda no corpo da capela-mor, em capialço. Fachada posterior em empena cega, tendo, no corpo da sacristia, uma janela rectilínea gradeada. Interior com paredes rebocadas e pintadas de branco, com pavimento em madeira e corredor central em granito, excepto no sub-coro, em cimento. O portal axial está protegido por guarda-vento de madeira e vidro. Coro-alto com guarda de madeira. No lado do Evangelho, púlpito quadrangular, com guarda vazada de madeira 32

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


e nicho de grandes dimensões, com porta em vidro e moldura em madeira, constituindo uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, onde surge uma placa com a seguinte inscrição: "P. FRANCISCUS N / APINAINSIGNUM / GRATIO HOC SUIS / EREXIT EXPENSIS = A = 18L6" (Padre Francisco N.A. Pina em acção de graças erigiu isto a expensas suas. Ano de 1856). No lado da Epístola, arrecadação na base da torre e, junto a esta, a antiga pia baptismal. Arco cruzeiro de volta perfeita, em cantaria, flanqueado por retábulos colaterais em talha dourada, dedicados ao Sagrado Coração de Jesus e a Nossa Senhora de Fátima.

Fig. 17: Altar de N.ª Sr.ª da Conceição

Capela-mor com paredes rebocadas e pintadas de branco, percorridas por silhares de azulejo de padrão monocromo, azul sobre fundo branco, formando silhar, com pavimento em lajeado de granito e cobertura em falsa abóbada de berço de madeira, formando caixotões, pintados com imagens de santos, identificados por legendas. Retábulo-mor de talha dourada e pintada de verde e vermelho, de planta recta e três eixos definidos por quatro colunas coríntias, surgindo elementos fitomórficos nas estrias e tendo o terço inferior decorado por acantos, assentes em bases paralelepipédicas, duas de cada lado, e encimadas por friso de acantos e cornija, flanqueado por apainelados de volumosos acantos, que se prolongam em três arquivoltas, a interna torsa, e ornada por elementos vegetais, constituindo o remate. Ao centro, tribuna em arco de volta perfeita, com a boca rendilhada, interior com cobertura em caixotões de madeira pintada de azul e o fundo pintado FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

33


com elementos fitomórficos; possui trono expositivo de dois degraus, na base do qual se situa o sacrário, parcialmente embutido, com colunas torsas nos ângulos, que enquadram pequenos nichos nas ilhargas, sendo a porta ornada por um Cristo Redentor, rematada por frontão triangular. Os eixos laterais possuem apainelados rectangulares, pintados com São Pedro no lado do Evangelho e Santo António no oposto.

Fig. 18: Retábulo do altar-mor

Igreja muito alterada ao longo do tempo, de provável fundação maneirista, de que restarão a janela da capela-mor e a porta travessa, tendo sido a fachada principal modificada no final da centúria de setecentos, com a introdução de empena recortada e interrompida por fragmentos de cornija, e dos vãos em arco abatido. A torre pode ser antiga, mas as sineiras datam, certamente do séc. XIX. A fachada principal é falanqueada por cunhais apilastrados, encimados por pináculos piramidais. Sobre a porta travessa, foi rasgado um óculo circular, com rosácea metálica, certamente do séc. XIX. No interior, destaca-se a cobertura em caixotões, com temática hagiográfica e o retábulo-mor, de estrutura do barroco nacional, mas com elementos típicos do joanino, revelando-se um exemplar de transição, visível nas colunas, nas bases das mesmas e no volume dos acantos. A rodear o arco cruzeiro encontramos os dois altares colaterais, cujos retábulos são de talha dourada com elementos vegetalistas e aves de fénix. No do lado direito está a imagem de N.ª Sr.ª de Fátima e no do lado esquerdo a imagem do Sagrado Coração de Jesus. A imagem de N.ª Sr.ª de Fátima foi oferecida por D. Clotilde da Fonseca, tendo-se efectuado a entronização da imagem a 5 de Agosto de 1928, proferindo uma alocução João Maria Domingos, aluno de teologia. Do lado direito da capela-mor encontra-se a Sacristia, à qual também se tem acesso pelo exterior. 34

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Em 1911 saía desta igreja, após o Domingo de Páscoa, uma procissão à capela de Santa Bárbara, hoje mais conhecida por de Santo Amaro, no alto da Serra. Dizia o pároco da altura que era um costume antigo sair esta procissão de penitência da igreja da freguesia à capelinha de Santa Bárbara com o fim de pedir ao Deus Criador abundância de frutos na época de germinação, fecundação e desenvolvimento frutífero (Veiga, 2013, p. 238). A festa anual do padroeiro é celebrada a 25 de Janeiro, dia em que a Igreja Católica celebra a Conversão de S. Paulo. Nesta igreja encontra-se erecta a Irmandade das Almas que já em 1758 é referida pelo pároco.

Fig. 19: Igreja Paroquial com o aspecto actual (foto: Liberto Carvalho)

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

35


Capela da Ribeira Em 1675 na descrição enviada a Roma é referida uma ermida.Talvez seja a antiga capela que o pároco de 1758 refere na sua memória como sendo dedicada a N.ª Sr.ª da Ouvida e cuja responsabilidade pelo culto e conservação pertencia aos moradores. Não sabemos quando passou a ser designada por capela de St.ª Luzia, mas pelo menos há mais de 70 anos. A 16 de Janeiro de 1946, quando foi arrolada no seguimento da Concordata já referida, foi designada de Capela de St.ª Luzia. Nesta data foram arrolados os seguintes pertences: A capela com seu sino e adro onde estavam três oliveiras; Paramento completo branco e vermelho; Cálice de metal dourado; Campainha em cobre; Duas oliveiras no baldio da Lameira; Uma oliveira no caminho da fonte (hoje Rua do Penedão que dá acesso ao Chão da Fonte onde se localizou a primitiva fonte de chafurdo) Todos estes bens foram devolvidos à Fábrica da Igreja em 11 de Fevereiro de 1944.

Fig. 20: Fachada da antiga capela da Ribeira

A antiga Capela era de planta longitudinal simples, de massa horizontal e cobertura em telhado de duas águas. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por faixa pintada de cinza, rematadas em beirada. 36

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Fachada principal voltada a Oeste, em empena com cruz latina no vértice, surgindo, sobre o cunhal direito, sineira de cantaria, em arco de volta perfeita e rematada por cruz. Era rasgada por portal de verga recta, com moldura simples de cantaria, flanqueada por dois postigos, com grades internas em ferro. Fachada lateral esquerda virada a Norte, cega, sendo a oposta rasgada por porta travessa de verga recta e moldura simples, e por janela rectilínea a iluminar a zona do altar-mor. Fachada posterior em empena com cruz no vértice, cega. Interior com paredes rebocadas e pintadas de branco, com pavimentos em cimento e cobertura interior em falsa abóbada de berço de madeira. Na parede testeira, retábulo-mor de talha pintada de bege, branco e dourado, de planta recta e um eixo definido por duas colunas jónicas, assentes em plintos paralelepipédicos, com as faces pintadas, ostentando elementos geométricos, que suportavam fragmentos de friso e cornija, encimados por urnas floridas. Ao centro, nicho de perfil contracurvado, com o fundo pintado de azul e contendo mísula, flanqueado por dois painéis pintados, na base dos quais surgem mísulas onde estavam as imagens, protegidas por baldaquinos; a predela está pintada por dois santos em meio-corpo. Remate em espaldar curvo, com albarrada pintada e altar paralelepipédico, pintado de bege, com moldura dourada.

Fig. 21: Retábulo da antiga capela da Ribeira

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

37


No interior existia um ex-voto de Nossa Senhora da Ouvida, primitivo orago da Capela, em forma de quadro que se encontrava pendurado numa das paredes. Este quadro narrava a graça recebida por um devoto. No retábulo existia, igualmente, uma imagem de um Menino Jesus. No local da antiga capela foi erigido um pequeno monumento com uma vitrina onde foi colocada a antiga imagem de Santa Luzia.

Fig. 22 e 23: Imagem de Santa Luzia na antiga capela e depois de restaurada e colocada na vitrina

No final do séc. XX, a 6 de Fevereiro de 1999, devido à exiguidade e ao estado de degradação do edifício, decidiu-se a construção de uma nova capela no cimo da aldeia. Faziam parte da Comissão da Capela os Sr.s José Carlos Almeida, Inácio Saraiva Bernardo e Augusto Almeida. Foi benzida a 22 de Agosto de 2001, por D. António Monteiro, bispo de Viseu, sendo pároco o Pe. Delfim Dias Cardoso, e fazendo parte da Comissão da Capela os Sr.s Joaquim Domingos Salvador, António Silva Ferreira, João Fonseca e Rui Salvador. Na nova capela foi incorporada, apenas, a antiga cruz de granito do remate da fachada e a imagem de N.ª Sr.ª dos Remédios. Em 2008 foi adquirido um relógio, colocado na fachada, com mecanismo mecânico ligado a altifalantes. No interior simples encontram-se em peanhas as imagens de N.ª Sr.ª de 38

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Fátima, S. José, N.ª Sr.ª dos Remédios e de St.ª Luzia. Não tem retábulo, possuindo apenas um moderno sacrário raiado. A sacristia encontra-se no tardoz da capela. Celebra-se festa anual em honra de N.ª Srª dos Remédios no 1º mês de Agosto e em honra de St.ª Luzia, a 13 de Dezembro.

Fig. 24: Nova Capela da Ribeira (Foto: Liberto Carvalho)

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

39


Capela de S. Marcos ou de N.ª Sr.ª de Monteserrate Esta capela foi construída em 1881 por José Oliveira, continuando na posse da família que anualmente promove a festa no dia de S. Marcos, 25 de Abril. Fachada principal em empena, constituída por silhares de menores dimensões e mais irregulares, com friso truncado no vértice para receber cruz latina com hastes florenciadas, assentes em plinto parcialmente curvo; é rasgada por portal de verga recta e moldura saliente, em cantaria, protegido por porta de madeira de duas folhas almofadadas, estando encimado por lápide irregular com inscrição: "CAPELA DE JOZE R.O. 1881". O portal é flanqueado por dois pequenos postigos rectilíneos, com grade ao centro. As fachadas laterais são semelhantes com pequena fresta gradeada e com vidro simples, a iluminarem a zona do altar-mor. Fachada posterior cega, rematada em empena com friso pintado de branco. Interior com paredes em alvenaria de granito aparente, com as juntas preenchidas a cimento, com tecto de madeira em masseira, formando apainelados simples, com florões dourados nos ângulos, com pavimento em calçada irregular, formando elementos geométricos.

Fig. 25 e 26: Fachada da Capela de S. Marcos antes e depois do restauro (foto: Liberto Carvalho, fig. 25).

Na parede testeira, o retábulo-mor, assente em sotobanco de alvenaria de granito, ladeado por dois armários de apoio, também sobre base de alvenaria; é de talha pintada de branco e marmoreados fingidos, de planta recta e um eixo, definido por duas colunas de fuste liso e capitéis coríntios, rematadas por urnas floridas. Ao 40

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


centro, nicho de perfil contracurvado, com o fundo pintado de azul e moldura dourada, contendo mísula; está flanqueado por duas mísulas de madeira, encimadas por baldaquinos. A estrutura remata em cornija e espaldar de perfil curvo, ornado por enrolamentos de acantos, uma coroa e com um resplendor no topo. No nicho central encontra-se a imagem de N.ª Sr.ª de Montesserrate e nas mísulas laterais uma imagem de S. Pedro e outra de S. Marcos. Estas duas últimas imagens são de fabrico popular apresentando formas desproporcionadas, principalmente nas enormes mãos. Curiosamente a imagem de S. Marcos tem vestes clericais e como atributo o Touro, que é atributo de outro evangelista, S. Lucas, e não o leão, próprio deste santo.

Fig. 27 e 28: Retábulo da Capela de S. Marcos antes e depois do restauro (foto:Virgilio Ribeiro, fig. 27)

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

41


Quinta da Aveleira O mais antigo possuidor da Casa que conhecemos é Micaela de Melo Coutinho, que casou com José Pinto de Almeida, sem ter tido descendentes. Foi seu herdeiro o sobrinho-neto de seu marido José Carlos da Silva Pinto. José Carlos casou com Luísa de França e fixou residência em Real. Sucedeulhe o filho primogénito Miguel António da Silva Pinto. Miguel António da Silva Pinto nasceu a 22 de Abril de 1761 e foi sua herdeira a sobrinha Ana Augusta da Cunha Brandão Castelo Branco. Ana Augusta foi baptizada a 3 de Maio de 1786 em Real e casou com Pedro António de Castilho de Falcão de Mendonça, de Almendra, Vila Nova de Foz Côa. Pedro António foi Fidalgo da Casa Real, bacharel em Matemática, cadete do regimento de Cavalaria 11. Senhor dos vínculos dos Castilhos na Vermiosa, dos Távoras, ou Casa de Mata Lobos em Almendra. Deste casamento nasceu António Castilho de Falcão e Mendonça que sucederia a sua mãe na Casa de Real. António Castilho nasceu em Mangualde a 22 de Novembro de 1819, foi fidalgo da Casa Real, Senhor do Morgado dos Castilhos, em Vermiosa, e dos Távoras, em Almendra, onde foi, também, Senhor da Casa do Paço. Exerceu vários cargos políticos, sendo Presidente da Câmara de Penalva do Castelo em 1863, Procurador à Junta Geral do Reino em 1866 e deputado em 1868 e 1870. Casou com Maria do Patrocínio Coelho de Mendonça, de Real, a 10 de Janeiro de 1874, de quem tinha tido Márcia Augusta de Castilho, que assim legitimou, já antes tinha sido perfilhada por alvará régio, e lhe sucedeu à sua morte. Foi o primeiro titular do Viscondado de Almendra, com o qual foi agraciado por mercê de D. Luís dada por carta de 9 de Dezembro de 1870. O título não foi renovado na sua filha. Márcia Augusta nasceu em Real a 29 de Novembro de 1842 e casou em Lisboa a 30 de Setembro de 1871 com António Acácio Caldeira e Pina, Senhor da Casa Real e médico, tendo fixado residência em Arganil. Segundo consta, Márcia Augusta adoeceu gravemente e foi prometida ao primeiro médico que a curasse, que foi António Acácio. Para Arganil foi com ela Ana Augusta de Albuquerque e Castro, sua amiga e de quem o pai de Márcia foi tutor durante a menoridade.Tinha diversas propriedades em Real e nas redondezas e casou em Arganil. Do casamento de Márcia com António Acácio nasceu, em Almendra a 16 de Dezembro de 1879 ou 16 de Fevereiro de 1877, Ana Augusta de Castilho Falcão e Mendonça, que viveu na Casa de Real. Ana Augusta casou a 22 de Abril de 1895 com Júlio Girão de Faria de Morais Sarmento, natural de Rio de Moinhos, Sátão. Júlio Faria foi Bacharel em Direito, deputado, governador civil de Coimbra e Ministro da Justiça. Arreigado monárquico, integrou a Junta Governativa do Porto, em 1919, durante a Restauração da Monarquia do Norte, tendo sido preso pelas forças republicanas, 42

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


condenado mas gozou da amnistia de 1921. Foi 3º titular do Viscondado do Banho por Decreto de 7 de Maio de 1896. Deste casamento nasceu José Júlio Castilho de Morais Sarmento, que sucedeu no título de Visconde de Banho e na Casa de Rio de Moinhos; e João Castilho de Morais Sarmento, o único da vasta descendência nascido em Real e que sucedeu na Casa de Real. João Castilho foi presidente da Câmara Municipal de Penalva do Castelo, tendo casado com Maria Teresa Niel de Almeida Morais Sarmento.

Fig. 29: Entrada da Quinta da Aveleira

A casa, provavelmente do séc. XVIII, apresenta uma planta em L, composta por dois corpos rectangulares, formando entre os dois corpos um pátio interno, protegido por alto muro, rasgado por portal de aparato, de decoração tardobarroca. Evolui em dois pisos e é muito simples, rasgado, na fachada principal por vãos em arco abatido e emoldurados a cantaria, sendo, nas demais, rectilíneos. Encontra-se muito adulterada por amputações na fachada lateral esquerda, que levaram ao desaparecimento dos anexos agrícolas. Do conjunto, distingue-se a fachada principal, marcada por portão de aparato, de acesso ao pátio, em arco abatido e moldura recortada, com várias volutas e concheados; o pano de muro que o ladeia está rematado por moldura de perfil ondulado, interrompida por volutas. O corpo virado ao exterior, apresenta janelas em arco abatido e molduras salientes, rematadas, inferiormente, sobre avental. Sobre o corpo principal, surge FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

43


ampla chaminé, feita, provavelmente, no início do séc. 20, ostentando uma pedra de armas. As armas são as dos Castilho e dos Sarmento. As armas dos Castilho são um castelo rematado por uma flor-de-lis e ladeado por dois galgos coleirados levantados, afrontados e presos por cadeias às ameias do castelo. As armas dos Sarmento são treze besantes de ouro, postos 3,3,3,3 e 1. O timbre do brasão é uma águia em chefe com um bastão suspenso sobre o escudo.

Fig. 30: Antigo Lagar de Azeite transformado em fonte luminosa.

44

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Cruzes no caminho Ribeira-Cemitério

Fig. 31: Cruz do antigo caminho da Ribeira para o cemitério

Entre a Ribeira e o cemitério em Real existiam ao longo do caminho várias cruzes onde os cortejos fúnebres paravam para se rezar as orações. Ainda hoje se conserva uma dessas cruzes, outra existiu até recentemente (fig. 31) tendo desaparecido. Na década de 90 do século XX a Irmandade das Almas de Real decidiu reconstituir o caminho dos mortórios colocando cruzes à beira da actual estrada municipal 615 entre a Ribeira e o cemitério da freguesia.

Fig. 32: Cruz esculpida numa estela. Atrás uma cruz colocada na déc. 90 do séc. XX pela Irmandade das Almas FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

45


Alminhas e Nichos As Alminhas! O que são? Podemos dizer que as Alminhas são a materialização plástica de uma das mais singulares, fortes e duradouras manifestações da piedade cristã de raiz popular; a devoção às Almas do Purgatório. (Correia, 2002, p. 5)

Este culto popular tem as suas raízes na crença cristã da existência do Purgatório. Com a definição do dogma da existência do Purgatório no Concílio de Trento em 1563, esta devoção ganhou ainda mais força junto do povo cristão. A manifestação desta devoção materializou-se de diversas formas, quer através da criação de Irmandades das Almas erectas em Igrejas e Capelas, quer através da erecção de pequenos monumentos como as Alminhas, quer, ainda, através da Encomendação ou Amamentação das Almas na Quaresma, entre outras manifestações. As Alminhas assumem diversas formas, tanto podem ser simples blocos graníticos com uma cruz esculpida, ou um pouco mais trabalhadas com um nicho e uma inscrição em azulejo ou com uma caixinha de esmolas.

Alminhas ao “João Gomes”, R. Cónego Jaime As únicas alminhas que existem dentro de uma povoação, localizam-se ao “João Gomes”, junto da actual sede da Junta de Freguesia. É uma estela de remate semi-circular na parte superior. Numa das faces tem esculpidos em baixo relevo os contornos de uma cruz trifoliada.

Alminhas à Roda Num entroncamento à Roda, no caminho que sai do cemitério para a Fontedeira existem outras alminhas. Estas alminhas são mais trabalhadas apresentando uma cruz trilobada sobre um nicho, ambos em alto relevo. Por baixo uma cartela com uma flor de liz.

46

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Fig. 33: Alminhas ao João Gomes (Zangomes)

Fig. 34: Alminhas ao Maninho

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

47


Nicho do Santo António Na travessa com o mesmo nome, encrustado numa parede está um nicho com um dos santos mais populares de Portugal, o Santo António. O nicho tem a forma de uma concha, muito semelhante a outro existente em Quintela de Azurara dedicado ao mesmo santo. Na mesma parede, ao lado, encontra-se uma lápide com a data “1726”, que poderá estar relacionada com o nicho.

Fig. 35: Nicho de Santo António

48

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Cruzeiros Os cruzeiros são elementos que atestam a crença na religião cristã, símbolo das gentes e da maioria dos povos ocidentais, são testemunho da fé dos portugueses. Localizados em algumas praças, caminhos, no meio da povoação, nos cruzamentos de caminhos, ou nos planaltos, apresentam as mais variadas formas em distintos materiais regionais e com diferentes tipos. Na nossa freguesia existem dois cruzeiros, um em cada povoação, e um terceiro, mais recente, no alto da serra, todos eles em granito.

Cruzeiro de Real Localizado no centro da aldeia está assente em plataforma quadrangular de dois degraus escalonados, o superior com focinho saliente, onde assenta soco paralelepipédico, tendo na face principal, virada a Este, uma data inscrita "D. 1766". Sobre este, surge um plinto galbado, ornado nas faces Este e Oeste, com uma vieira limitada por duas meias canas que formam duas volutas na parte superior, rematado por tabuleiro saliente, onde surge a coluna de fuste estriado, encimado por anel e capitel subesférico, decorado por quatro vieiras inseridas em volutas; sobre este, surge uma cruz latina monolítica, de hastes cilíndricas e remates fuselados.

Fig. 36: Cruzeiro de Real

Cruzeiro da Ribeira Assente em plataforma quadrangular, onde surge um dado de faces lisas, encimado por plinto galbado, onde assenta uma cruz latina. O dado apresenta na face Norte um recorte onde estaria uma figura, talvez, alusiva às almas do purgatório. Recentemente, no âmbito das obras do Parque da Lameira, foi delimitado por um círculo de pedras de média dimensão. Localizado fora da aldeia, na Lameira junto ao caminho que seguia antigamente para Real. Fig. 37: Cruzeiro da Ribeira FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

49


Cruzeiro do Alto da Serra Apesar de este cruzeiro estar localizado na freguesia de Castelo de Penalva, segundo a actual versão da Carta Administrativa Oficial de Portugal, ele tem um significado especial para a freguesia de Real. Assim, decidimos incluí-lo neste trabalho. Está assente num afloramento granítico, consolidado com cimento, onde assenta uma cruz latina, formada por três elementos de cantaria, que criam as hastes da cruz, sem qualquer decoração. A história deste cruzeiro é-nos narrada pela correspondente de Real no jornal "O Penalvense" no n.º 109, Abr./Mai. de 1991: Todos vêem no alto da serra um cruzeiro mas talvez poucos saibam a sua história. Foi talvez há perto de 50 anos que lá foi colocado e custou a módica quantia de 400$00. José Violante, natural de Real onde viveu muitos anos sofria de doença crónica das vias urinárias, pelo que tinha de andar sempre algaliado. Como era caçador andava sempre por essas serras fora, um dia, esqueceu-se da algália e teve uma crise com dores muito fortes e sentiu-se tão mal que aflito e sem se pode arrastar, pediu a Deus que o aliviasse e o ajudasse a voltar para casa, em sinal de agradecimento ali naquele mesmo sítio colocaria um cruzeiro, e cumpriu a promessa. E lá está um sítio de onde se avista uma paisagem deslumbrante.

Fig. 38: Cruzeiro do Alto da Serra

50

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Escola Primária

Fig. 39: Fachada da Escola Primária (2006)

A Freguesia de Real, foi das últimas freguesias a dispor de Escola Primária. Antes os alunos tinhas que percorrer quilómetros até às escolas vizinhas, como a de Pejes, criada em 1858, para rapazes, numa casa cedida Francisco Correia Osório, de Vila Mendo, ou a do Casal das Donas, criada em 1873, para raparigas. Pouco antes da construção da nova escola também se deram as lições numa casa particular em Real. A antiga escola primária, do Plano dos Centenários, começou a ser construída em 1947 e foi inaugurada no ano seguinte. De duas salas de aula gémeas, do tipo Beira Alta - cantaria, seguindo o modelo Tipo Douro de Rogério de Azevedo, visível na solução decorativa do portal de acesso, com verga de granito assente em impostas salientes e silhares graníticos curvos na zona inferior. Edifício de planta rectangular simples, com duas salas de aula rectangulares, viradas a E., rasgadas por três amplos vãos, tendo, nos topos, vestíbulos, que acedem aos sanitários na fachada posterior, onde surgem os alpendres, suportados por pilares de granito. No interior, a sala de aula conserva o arranjo frontal, com iluminação dominante unilateral da esquerda e impossibilidade de visualizar o exterior em posição sentada, com quadro no topo e lareira para aquecimento. FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

51


Encontra-se desactivada desde 2006. No Recreio foi criado um Parque de Lazer, tendo sido reconstruido o muro de suporte com passeio e estacionamento à frente.

Fig. 40: Interior da Sala 1 quando ainda funcionava (2006)

52

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Ponte da Baralha

Fig. 41: Ponte da Baralha

Como referimos atrás, já em 1443 é referida a existência de uma ponte na Baralha. Sabe-se pelo pároco de 1758 que esta ponte seria de pau. Será em 1866 que a velha ponte de pau será substituída pela actual ponte de cantaria construída pela Câmara Municipal, como atesta a cartela na guarda nascente com a inscrição “O. M. 1866”. No Arquivo Histórico das Obras Públicas, em Lisboa, encontra-se um “Mappa Chorografico das estradas do districto de Viseu que devem ser melhoradas segundo o decreto de 26 de Julho de 1843”, datado de 12 de Outubro de 1856 e elaborado por Valentim José Correia. Por este mapa sabemos que uma das estradas, que saía de Viseu, entrava no concelho de Mangualde pela Ponte de Fagilde passando por Canedo do Chão, Passos, Quintela de Azurara, Corvaceira,Vila Cova de Tavares e passava a Ribeira da Canharda na zona de Alpaioques, em direcção ao concelho de Fornos de Algodres. A estrada deveria passar na zona da Quinta do Vilar, onde esteve a antiga lixeira, e dirigir-se para o Safail e Montenegro, o antigo caminho para a Freixiosa. Desta Estrada Real saia um ramal que servia as aldeias do concelho de Penalva do Castelo, localizadas na margem direita do Rio Ludares, Germil, Lamegal, FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

53


Abegões, Real, Casal das Donas, Pousadas, Marreco e Antas. Este ramal passava na antiga “canada”, onde até finais do século passado se viam as lages do pavimento, e passava o rio Ludares na Ponte da Baralha. Daqui uma via ia para Real e depois Abegões, Coucinheiro, Germil e Ponte do Cavalo; outra para Pousadas, passando ao fundo do Casal das Donas, Mareco, Santiago de Brilhe e Antas.

Fig. 42: Cartela na Guarda da Ponte da Baralha com a inscrição “o.m. / O.M. 1866”

54

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


FLORA E FAUNA

Texto e fotos de Sónia Nobre Sanches e Carla Gomes Martins Dão Flora – Associação de Produtores Florestais FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

55


Flora Portugal fica situado na região mediterrânica, uma das mais importantes para a biodiversidade à escala mundial. A flora da Freguesia de Real, não é excepção e é variada e rica. As espécies vegetais apresentam-se isoladas ou em manchas e funcionam com bio-indicadores do habitat que nos rodeia.A coexistência destes seres vivos compõe uma paisagem magnífica e atractiva, alterando os seus tons em consonância com as estações do ano. A paisagem agrícola presente na freguesia é bastante peculiar, resultante do acumular de trabalho de gerações de agricultores que foram construindo as suas pequenas leiras de terreno aptas a serem cultivadas. No que se prende com a ocupação florestal, a maior parte do território é ocupada por pinheiro bravo. A vegetação arbustiva (matos), mistura-se com o pinheiro bravo e o eucalipto, que nos últimos anos tem vindo a ganhar alguma expressão. Nos campos da freguesia, várias quercineas serpenteiam a paisagem como é o caso do carvalho-negral; carvalho-alvarinho, carvalho-americano e sobreiro. Iremos identificar as plantas com maior representatividade, que pulvilham as escostas e sarapintam o vale como é o caso das espécies florestais, frutícolas, arbustos e matos. O vulgo, "carvalho" é a designação mais comum para as arvores da ordem das Fagales, família das Fagáceas e género Quercus, sendo estas idenificadas muito facilmente pelo seu fruto, que é uma glande, também designada por bolota. Desta família destacamos as seguintes espécies: Sobreiro (Quercus suber L.) uma árvore folhosa, espontânea em Portugal. O sobreiro era chamado pelos romanos de “suber”, deste facto proveio a sua denominação científica em latim. É uma árvore de porte médio, possui uma copa ampla, em casos extremos pode atingir os 25m de altura. O tronco tem uma casca espessa e suberosa, as folhas são persistentes de forma oval e de cor verde-escura. Presente em todo o território continental, na freguesia de Real pode ser vista com mais frequência nas encostas mais soalheiras. Devido à sua capacidade de produzir cortiça abundantemente e permitir a subericultura, Portugal transformou-se no maior produtor de cortiça a nível mundial. É uma espécie protegida por Lei desde 2001 e em 2011 foi lhe atribuído o titulo de Árvore Nacional de Portugal. Fig. 43: Sobreiro junto de outros carvalhos FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

57


Car valho-alvarinho ou Carvalho-roble (Quercus robur L.) é uma árvore de folha caduca de copa ampla e regular, pode ultrapassar os 40m de altura. Em Portugal é espontâneo, observando-se facilmente pela freguesia juntamente com o Carvalho-negral. Pode chegar a ultrapassar o milhar de anos de vida. A madeira é muito dura, de grão Fig. 44: Carvalho Alvarinho fino e com anéis de crescimento muito bem demarcados, é bastante pesada e muito resistente à putrefacção.Tem tido usos tão diversos como elementos estruturais de edifícios, mobiliário e construção de frotas de pesca e de guerra. A sua utilização mais comum talvez seja a construção de tonéis para envelhecimento do vinho.

Carvalho-negral (Quercus pyrenaica Willd.) É uma árvore de folha caduca, que pode ultrapassar os 20m de altura. A copa é irregular arredondada, mais ou menos alongada.Tem grande capacidade regenerativa a partir da raiz pelo que forma manchas arbustivas muito densas e sombrias. As folhas são muito tomentosas (com pelos densos e acamados), sobretudo na página inferior. Durante o inverno muitas folhas secas permanecem agarradas à árvore. É espontâneo em Portugal, híbrida frequentemente com o Carvalho-alvarinho. Na freguesia de Real, podemos observar estas duas espécies juntas ou separadas. Em algumas zonas aparece na bordadura ou em pequenos tufos Fig. 45: Carvalho Negral no meio de pastagens uma vez que, quando as ervas começam a escassear, o homem corta algumas pernadas ou lançamentos da toiça ou da copa para dar alimento aos animais, considerando-o como um segundo pasto. A sua madeira é utilizada em tanoaria, marcenaria e em pavimentos, para a produção de carvão e em alguns locais aproveitada para lenha.

58

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Carvalho-americano (Quercus rubra L.) É uma árvore natural da Costa Leste da América do Norte, de folha caduca. Possui uma copa ampla e pode atingir os 25m de altura. Esta exótica é muito utilizada em novas plantações, situação que se verifica também na freguesia de Real. A sua madeira é considerada de alta qualidade.

Fig. 46: Carvalho Americano no Outono

Ainda na família das Fagáceas, género Castanea encontramos o castanheiro (Castanea sativa Miller). É uma árvore de folha caduca de grande porte, que pode atingir os 30m de altura e os 1500 anos de vida. Em Portugal é mais abundante no interior Norte e Centro do país, cujo fruto, a castanha, durante muitos anos formou juntamente com o trigo, cevada e centeio a base da alimentação. Hoje, a castanha está intimamente ligada às comemorações de São Martinho e ao magusto, sendo consumida durante o Outono, normalmente assada ou cozida. Apesar do declínio, devido aos problemas fitossanitários (a doença da tinta e o cancro), a castanha contribui muito positivamente para a balança das exportações portuguesas. A sua madeira tem inúmeras aplicações em cestaria, tonéis, mobiliário, construção para soalhos, portas e revestimentos.

Fig. 47: Castanheiro com Ouriços FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

59


Fig. 48: Frutos do medronheiro

O Medronheiro (Arbutus unedo L.) também conhecido pelos nomes de Érvodo, Ervedeiro, Ervado, Ervedo ou Êrvedo, que pertence à família das Ericáceas, é um arbusto ou pequena árvore, ornamental e frutífera, que pode atingir os 10m de altura, os seus frutos são comestíveis, bastante apreciados sobretudo no Sul de Portugal, onde são usados na produção de licores e aguardentes

destiladas do tipo licor de medronho. Aparece consociada às quercíneas. As folhas e casca do medronheiro contêm taninos que são utilizados para curtir as peles e na medicina popular, para curar as diarreias e as infecções urinárias. A sua madeira constitui um excelente combustível sendo também boa para tornear.

O Eucalipto (do grego, "bem coberto") é a designação vulgar das várias espécies vegetais do género Eucalyptus, que pertence à família das Mirtáceas, sendo o Eucalyptus globulus Labill, o mais comum e economicamente mais importante em Portugal. É uma árvore nativa da Oceânia, que está adaptado praticamente a todas as condições climáticas. Nas últimas décadas tem vindo a conquistar uma vasta área em Portugal, segundo os dados do VI Inventário Nacional Florestal (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas) o eucalipto é a espécie dominante que representa uma área de 812mil ha, tendo já ultrapassado a área referente ao sobreiro. É uma árvore de grande porte, que pode atingir os 70 - 80m de altura. A sua principal utilização é a produção de madeira para pasta celulósica. As suas flores são também muito procuradas pelas abelhas para produção de mel. As folhas de Eucalyptus globulus possuem um óleo essencial denominado cineol ou eucaliptol que tem propriedades balsâmicas e antissépticas e é empregue, na forma de infusão ou de rebuçados, contra bronquites e Fig. 49: Eucaliptos e pinheiros catarros. 60

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


O Pinheiro-bravo (Pinus pinaster Aiton), pertence à família das Pináceas. É uma árvore resinosa de grande porte, podendo atingir os 30-40m de altura, as folhas são agulhas de carácter persistente. Este pinheiro é um importantíssimo protagonista da silvicultura portuguesa, vegeta bem na grande maioria dos solos. Propaga-se por semente com muita facilidade, embora a larga maioria dos povoamentos seja obtida por plantação, devido aos incêndios florestais e aos problemas fitossanitários esta espécie tem vindo a diminuir a área de ocupação. Fazendo parte da história natural da Península Ibérica, com o objectivo principalmente de contenção das dunas litorais, a partir da década de 40 do século XX, a área de pinheiro-bravo foi fomentada através da expansão para regiões serranas do interior do país. As principais utilizações do Pinheiro-bravo são as madeiras para pranchas e aglomerados e a produção de resina. A resinagem durante os anos 70 teve um papel muito importante para os habitantes da freguesia de Real, no entanto esta prática foi se perdendo com a entrada da China no mercado da resina. A resina é um líquido viscoso Fig. 50: Pinheiro Bravo resinado que é excretado pelo pinheiro para selar e se proteger qualquer ferida.

O Pinheiro-manso (Pinus pinea L.), pertence à família das Pináceas. É uma árvore resinosa perenifolia, que pode atingir os 30m de altura, uma das suas características físicas é a copa arredondada, semelhante ao guarda-sol. A casca foi explorada durante muitos anos para a extracção de taninos utilizados na indústria de couros. Os frutos são de elevada importância económica e alimentar. É um pinheiro que também pode ser resinado. Os troncos produzem boas vigas muito utilizadas na construção e em caminhos-de-ferro, bem como na indústria naval. Tem ainda uma importante utilização na protecção de solos arenosos como seja na fixação de dunas, permitindo a utilização de solos de fracas condições. É também estimado como árvore ornamental pelo seu valor paisagístico e pela densa sombra. Fig. 51: Pinheiro manso jovem FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

61


Na Freguesia de Real, mas em menor escala podemos encontrar outras resinosas como é o caso do Pinheiro-insigne - Pinus radiata D. Don, o Pinheirode-casquinha – Pinus sylvestris L. e o Pinheiro-do-Oregon – Pseudotsuga menziesii (Mirb.) Franco. Junto às linhas e cursos de água encontramos várias espécieis florestais como é o caso dos amieiros, dos salgueiros e dos freixos. O amieiro (Alnus glutinosa Gaertn) da família das Betuláceas, é uma árvore de folha caduca que pode atingir uma altura máxima de 35m e raramente ultrapassa os 120 anos de idade. As folhas e o ritidoma são ricos em taninos. A madeira é polida e trabalhada com facilidade. Usado também para curtimento de peles. Foi uma das primeiras especies que se utilizaram no centro da Europa para fixar dunas; utiliza-se para formar barreiras corta-vento e, em simbiose com actinomicetos, faz a captura do azoto. Fig. 52: Amieiros junto a linha de água

O Freixo-comum (Fraxinus angustifolia Vahl) pertence à família das Oleáceas. É uma árvore de porte médio que pode atingir os 25m de altura. Aparece em bordaduras de terrenos frescos, como é o caso dos lameiros. Produz uma madeira de muito boa qualidade, por ser elástica e dura, é usada em mobiliário, utensílios de madeira, skis, escadas, etc. As extensas raízes dos Freixos são um excelente agente, pois evitam a erosão. No Fig. 53: Freixo passado, e ainda hoje em muitas zonas, o freixo servia para alimentar o gado com as suas folhas, sobretudo quando os pastos escasseavam. Na medicina popular as folhas e as sementes de freixo são utilizadas para curarem a gota e o reumatismo, enquanto que a casca combate a febre e auxilia a cicatrização de feridas. 62

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


O Salgueiro é o nome comum das plantas do Género Salix, da família das Salicáceas. O nome Salix parece proceder do celta e quereria dizer próximo da água. O salgueirobranco (Salix alba, L.) é usado como ornamental e na retenção de margens de ribeiras, dadas as suas raízes sustentadoras. Dos seus ramos Fig. 54: Salgueiro preparam-se os vimes, que tanta importância tiveram, tradicionalmente na cestaria e na produção de mobiliário artesanal. A casca do tronco pode ser usada para produção de aspirina.

A oliveira é conhecida cientificamente como Olea europaea L., pertence à família das Oleáceas, a mesma família que o freixo. São árvores baixas (podem atingir os 15m) de tronco retorcido e de folha persistente. A oliveira está muito associada ao Homem, que dela tira proveito cultivando-a para diversos usos e fins como alimentação, medicina, iluminação, religião,...O ramo de oliveira é utilizado como símbolo cristão pois a Bíblia refere que a pomba enviada por Noé trouxe um ramo de oliveira como anunciador da misericórdia divina. A madeira da oliveira é dura e compacta e tem veios muito finos, que serve de forma notável para a marcenaria e escultura. Há muitos anos que é usada para fazer pratos e travessas, mas igualmente maços de madeira. No entanto o principal produto da oliveira é a azeitona. Este fruto pode ser utilizado para consumo, necessitando de uma transformação para poder ser ingerido pelo homem, com caroço ou descaroçado, pode igualmente ser utilizado para extracção do azeite. As azeitonas são ainda muito apreciadas por alguns animais, nomeadamente pássaros (como por exemplo os tordos), raposas e coelhos, que delas se alimentam. As folhas também são usadas em chás medicinais e a lenha é boa para alimentação de lareiras.

Fig. 55: Olival FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

63


Existem outras árvores de aptidão agrícola que são cultivadas pelos habitantes de Real, das quais destacamos a aveleira – (Corylus avellana L.), nogueira – (Juglans regia L.), macieiras, pereiras e cerejeiras.

Fig. 56: Aveleira

Fig. 57: Nogueira

No estrato arbustivo, são várias as espécies presentes, que normalmente são designadas de matos. Os matos presentes são de vários tipos como giestais, tojais, urzais e sargaçais. A estrutura é variada desde baixos e abertos até altos e densos, a sustentabilidade dos matos depende em grande medida da sua exploração e da acção do Homem. Os solos ácidos da freguesia favorecem a presença de algumas das espécies arbustivas como é o caso das giestas, tojos, sargaços, urzes, rosmaninhos, arruda, tanchagens. Algumas destas espécies tem propriedades medicinais e condimentares. Muitas vezes recorre-se a este material para se fazerem as camas aos animais (ovelhas, cabras,..). Servem ainda de abrigo para a fauna.

Fig. 58: Matos em flor

64

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Herbáceas e arbustivas Nome Comum

Nome Científico

Nome Comum

Nome Científico

Abrotea-da-Primavera Abrunheiro-bravo Alecrim Alteia Arruda Azedas Azereiro Bela-luz Bolsa-de-pastor Camomila Cardo-mariano Colquico Dedaleira Dente-de-leão Diabelha Ericas Erva-de-São-João Espadana-dos-Montes Estevas e estevão Giesta-amarela

Asphldelus sp Prunus spinosa Rosmarinus officinalis Althaea officinalis Ruta graveolens Rumex acetosa Prunus lusitanica Thymus mastichina Capsella bursa-pastoris Chamomilla recutita Silybum marianum Colchicum autumnale Digitalis purpúrea Taraxacum officinale Plantago coronopus Calluna vulgaris e Erica tetralix Hypericum perforatum Gladiolus illyricus Cistus sp Cytisus scoparius

Gilbardeira Hera Jacinto-dos-Campos Loureiro Malva-redonda Margaridas Medronheiro Narciso Pé-de-lebre Perpetuas-das-areias Pilriteiro Rosmaninho Sargacinha Sargaço Silva Tanchagens Tojo Trevo-dos-prados Urtigão Verbasco

Ruscus aculeatus Hedera helix Hyacinthoides hispanica Laurus nobilis Malva neglecta Bellis perennis Arbutus unedo Narcissus triandrus Trifolium arvense Helichrysum stoechas Crataegus monogyna Lavandula stoechas Lithodora prostrata Halimium sp Rubus sp. Plantago sp. Ulex europaeus Trifolium pratense Urtica dioica Verbascum densiflorum

Nome Comum

Nome Científico

Nome Comum

Nome Científico

Abrunheiro-bravo Amieiro Australia Aveleira Azereiro Azevinho Betula Bordo Carvalho-americano Carvalho-negral Carvalho-roble Cedro-do-Buçaco Cerejeira Chorão Choupo-branco Choupo-negro Cipreste

Prunus spinosa Alnus glutinosa Acacia melanoxylon Corylus avellana Prunus lusitanica Ilex aquifolium Betula pubescens Acer negundus Quercus rubra Quercus pyrenaica Quercus robur Cupressus lusitanica Prunus avium Salix babylonica Populus alba Populus nigra Cupressus sempervirens

Eucaliptos Freixo Lodão Loureiro Mimosa Olaia Oliveira Pilriteiro Pinheiro-bravo Pinheiro-insigne Pinheiro-manso Pinheiro-de-casquinha Plátano Pseudotsuga Sabugueiro Salgueiro Sobreiro

Eucalyptus globulus e nitens Fraxinus angustifolia Celtis australis Laurus nobilis Acacia dealbata Cercis siliquastrum Olea europaea Crataegus monogyna Pinus pinaster Pinus radiata Pinus pinea Pinus sylvestris Acer pseudoplatanus Pseudotsuga menziezii Sambucus nigra Salix alba Quercus sube

Arbóreas

Os Cogumelos Os cogumelos, são fungos, que se apresentam sob várias formas e cores, frutificando pelos campos. Algumas espécies existentes são consumidos na culinária, para tal exige um grande conhecimento na recolha e identificação destas espécies, pois algumas espécies são tóxicos e algumas mesmo mortais. Das espécies comestíveis presentes, destacamos o Lactarius deliciosus, a Morchella esculenta, o Buletus edulis, o Cantharellus cibarius, o Macrolepiota procera e o Tricholoma equestre . FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

65


Fauna A diversidade da vegetação e das características do terreno, da freguesia de Real favorece habitats para uma grande variedade de fauna. A pastorícia é uma prática milenar que permitiu ao Homem a sua fixação. No vale de Ludares são vários os rebanhos que pastoreiam tranquilamente nas pastagens e nos lameiros, compostos por herbáceas da família das gramíneas e leguminosas.

Fig. 59: Ovelhas no pasto

Ao longo das ruas, caminhos e propriedades podemos encontrar-nos com os animais domésticos (cães, gatos, ovelhas, cabras e pombos), no entanto para observarmos a fauna selvagem, que nem sempre é de fácil visionamento, carece de sorte e da estação do ano e da hora do dia. Destacamos o esquilo-vermelho, o coelho-bravo, a raposa, o javali, a doninha, a cobra, o lagarto, o rato, o ouriçocacheiro como alguns dos animais presentes, para além dos vários tipos de insectos. Da família dos insectos destacamos as borboletas, que são pequenos seres, maravilhosos, dinâmicos, especializados e que proporcionam serviços consideráveis ao Homem, que muitas vezes nos brindam com voos acrobáticos de planta em planta, durante um percurso pedestre.

Fig. 60: Esquilo

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Fig. 61: Borboleta

67


As aves têm fascinado o Homem desde sempre pela capacidade de voar, tem-se adaptado a um determinado habitat, pelo que muitos pássaros servem de indicadores de um local. Algumas espécies vivem muito próximas das povoações, utilizando os beirais das casas para construirem os seus ninhos, por sua vez outras espécies preferem as árvores proporcionando-lhes refúgio e abrigo quer nos troncos quer nos ramos. Em voo ou pelos seus cânticos podemos observar, com a ajuda dos binóculos, alvéolo-branca, andorinha, carriça, cuco, gaio, melro, poupa, perdiz, picapau, pisco-de-peito-ruivo, rabirruivo, tordo e verdilhão.

Fig. 62: Ave da rapina

Fig. 63: Rabirruivo

Fig. 64: Pintasilgos

O Rio Ludares, afluente do Rio Dão percorre uma vasta área da freguesia de Real, que desagua na freguesia vizinha de Germil. O meio ribeirinho constitui uma singularidade ambiental e paisagística determinante nos espaços em que se desenvolve. A existência de um leito, provoca uma série de mudanças importantes nas condições ecológicas dos terrenos adjacentes, permitindo aos habitantes criarem as suas culturas junto ao Ludares. Neste habitat encontramos alguns répteis, peixes e aves. Destaca-se a rã, a salamandra, a cobra, o bordalo, o ruivaco, a enguia, o cuco, o verdilhão, o gaio e a garça.

Fig. 65: Rã

68

Fig. 66: Sapo

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Aves Nome Comum

Nome Científico

Nome Comum

Nome Científico

Abelharuco Águia-calçada Alvéola–branca Andorinha-das-chamines Andorinha-dos-beirais Andorinhão-pálido Calhandra Carriça Chapim-azul Chapim-real Coderniz Coruja-do-mato Corvo Cotovia-montesina Cuco-canoro Estorninho-malhado Falcão-peregrino Felosa-comum Felosa–poliglota Ferreirinha Gaio Galinha-de-agua Garça-real Gavião Gralha-preta

Merops apiaster Aquila pennata Motacilla alba Hirundo rustica Delichon urbicum Apus pallidus Melanocorypha calandra Troglodytes troglodytes Parus caeruleus Parus major Coturnix coturnix Strix aluco Corvus corax Galerida theklae Cuculus canorus Sturnus vulgaris Falco peregrinus Phylloscopus collybita Hippolais plyglotta Prunella modularis Garruus glandarius Gallinula chloropus Ardea cinerea Accipiter nisus Corvus corone

Guarda–rios Melro-preto Papa-figos Pardal-comum Pato-real Pega-rabudo Peneireiro-de-dorso-malhado Perdiz Picanço-real Pica-pau Pintassilgo Pisco-de peito-ruivo Pombo-domestico Pombo-torcaz Poupa Rabirruivo Rola-brava Rouxinol Tentilhão-comum Tordo-pinto Tordoveia Toutinegra-de-cabeça-preta Trepadeira-azul Verdilhão

Alcedo atthis Turdus merula Oriolus oriolus Passer domesticus Anãs platyrhynchos Pica pica Falco naumanni Alectoris rufa Lanius meridionalis Dendrocopus sp. Carduelis carduelis Erithacus rubecula Columba livia f. domestica Columba palumbus Upupa epops Phoenicurus ochruros Sterptopelia turtur Luscinia megarhynchos Fringilla coelebs Turdus philomelos Turdus viscivorus Sylvia melanocephala Sitta europea Carduelis chloris

Mamíferos Nome Comum

Nome Científico

Nome Comum

Nome Científico

Coelho-bravo Cabra Doninha Esquilo-vermelho Gato-bravo Gineta Javali Morcego-rato-grande

Oryctolagus cuniculus Capra aegagrus Mustela nivalis Sciurus vulgaris Felis silvestris Genetta genetta Sus scrofa Myotis myotis

Morcego-ferradura-pequeno Ouriço–cacheiro Raposa Ovelha Rato-do-campo Saca–rabo Texugo

Rhinolophus hipposideros Erinaceus europaeus Vulpes vulpes Ovis aries Apodemus sylvatcus Herpestes ichneumon Meles meles

Peixes e Répteis Nome Comum

Nome Científico

Nome Comum

Nome Científico

Rã-Ibérica Lagartixa-de-cauda-comprida Cobra-de-capuz Cobra-de-escada Cobra-rateira Rela-meridional Salamandra

Rana iberica Chioglossa lusitanica Macroprotodon cucullatus Rhinechia acalaria Malpolon monspessulanus Hyla meridionalis Salamandra salamandra

Sapo-comum Sapo-parteiro Tritão-ibérico Tritão-marmoreado Bordalo Ruivaco Enguia

Bufo bufo Alytes cisternasii Lissotriton boscai Triturus mamoratus Squalius alburnoides Chondrostoma oligolepis Anguilla anguilla

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

69


Ordenação Heráldica

Fig. 67: Brasão da Freguesia

Brasão: escudo de verde, coroa real fechada de ouro, forrada de vermelho, entre dois pinheiros de ouro, arrancados do mesmo e frutados de prata; campanha ondada de prata e azul. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: «REAL PENALVA do CASTELO». Bandeira: amarela. Cordão e borlas de ouro e verde. Haste e lança de ouro. Selo: nos termos da lei, com a legenda: «Freguesia de Real Penalva do Castelo». Publicada no Diário da República, 3ª Série, N.º 223 de 26 de Setembro de 2000.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

71


Bibliografia e Fontes Documentais Referências Bibliográficas

ALVES, Alexandre (1998) – Instrução e relação da catedral da cidade de Viseu e mais igrejas do Bispado para a Sagrada Congregação – A Diocese deViseu no tempo de D. João de Melo (1673-1684). Beira Alta.Viseu. 57:1-2, pp. 39-73. BALESTEROS, Carmen (2006) – Cruciformes; Mezuzot e Rasgos Longitudinais. In SARAIVA, António, Coord. Marcas mágico-religiosas no centro histórico. Guarda: Polis e Câmara Municipal da Guarda. BELLINI, Lígia (2001) – Extremos de Virtude: Relações de gênero, religiosidade e sexualidade em Portugal no Antigo Regime. In SARDENBERG, C. M. B., VANIN, I. M., ARAS, L.M.B. de, Fazendo Gênero na Historiografia Baiana. Salvador: NEIM/UFBA, pp. 13-26. BINGRE, P., et alli (coord.) (2007) - Guia de Campo - As árvores e arbustos de Portugal Continental. Lisboa: Jornal O Público, Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e Liga para a Protecção da Natureza. CARDOSO, António José de Figueiredo (1971) – Penalva do Castelo: subsídios para o estudo da evolução administrativa do Concelho. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina. CARVALHO, Liberto (1995) – Património Histórico Cultural. O Penalvense. Penalva do Castelo. Out. 1995, p. 2 CARVALHO, Liberto (1997) - Real: Que símbolos são estes?. Renascimento. Mangualde. 236, de 01-09-1997, p. 12. COLLAÇO, João Maria Tello de Magalhães (1929) – Cadastro da População do reino (1527): Actas das Comarcas Damtre Tejo e Odiana e da Beira. Lisboa: [s.n.], p. 163-4. CORREIA, Alberto (2002) - As Alminhas. Boletim Informativo do Núcleo de Estudos da População e Sociedade. Guimarães. 26, pp. 5-7 EUSÉBIO, Maria de Fátima dos Prazeres (2005) – A talha barroca na diocese de Viseu. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. (Dissertação de Doutoramento em História de Arte). FERNANDES, Paulo Celso Monteiro (2002) - Território, elites e governança : Penalva do Castelo em finais do Antigo Regime. Lisboa: s.n.. (Dissertação de Mestrado em Cultura e Formação Autárquica apresentada na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) LEITE, Fernando Barbosa Barros (1997) – Concelho de Penalva do Castelo: recolha bibliografica/contributo para uma monografia. Compil. de Paulo Celso FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

73


Monteiro Fernandes. Penalva do Castelo: Câmara Municipal de Penalva do Castelo. MARQUES, J. A. de M. (2000a) – Sepulturas escavadas na rocha da região de Viseu.Viseu: [s.n.] MARQUES, J.A. de M. (2000b) – Castelo de Penalva (Penalva do Castelo). In SENNA-MARTINEZ, J. C. de; PEDRO, I., eds. – Por Terras de Viriato: Arqueologia da região de Viseu. [s.l.]: Governo Civil do Distrito de Viseu e Museu Nacional de Arqueologia, p. 189. NÓBREGA, Pedro Pina (2007) - Sepulturas escavadas na rocha da freguesia de Quintela de Azurara. Beira Alta. Viseu. 66:3-4. P.M.H., Inq. = ACADEMIAE SCIENTIARVM OLISIPONENSIS (1891) Portugaliae monumenta historica: a saecvlo octavo post Christvm vsque ad qvintvmdecimvm..., Inquisitiones. Olisipone:Typis Academicis, 1: 4 e 5. PEDRO, Ivone (1995) – O Povoamento protohistórico na região de Viseu. Porto: [s.n.] (Tese de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto) SOBRAL, Pedro, PERPÉTUO, João, GOMES, Luís Filipe Coutinho (2001, d.l.) – A Anta do Penedo do Com: Um monumento funerário do Neolítico. [s.l.]: Câmara Municipal de Penalva do Castelo. TAVARES, Pedro Vilas Boas (2002) – Beatas, inquiridores e teólogos. Reacção portuguesa a Miguel de Molinos. Porto: [s.n.], 2 vols. (Tese de Doutoramento em Cultura Portuguesa apresentada à Universidade do Porto) VAZ, J. L. I. (1997) – A Civitas de Viseu: Espaço e Sociedade. Coimbra: Comissão de Coordenação da Região Centro (História regional e Local, 2). VEIGA, C. J. M. (2013) – Município de Penalva do Castelo, séc. XIX-XX. Penalva do Castelo: Câmara Municipal

74

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Fontes Documentais TT – Torre do Tombo Chancelaria de D. Afonso III Livro I, f. 36 Inquisição de Coimbra Processo 1625, António de Matos Processo 6412, Maria da Costa e Branca da Costa Processo 7135, João de Figueiredo Dicionário Geográfico vol. 31, n.º 22, fls. 105-112 Registo Geral de Mercês, D.Luís I, liv.23, fl.209v Arquivo Histórico do Ministério das Finanças Livros de Desamortização e Foros, Liv. 553 ADV – Arquivo Distrital deViseu Cabido: Documentos Avulsos Cx. 6, n.º 2, Governo Civil deViseu: Associações Cx. 0034, n.º 32, Cx. 0300, n.º 14, Cx. 0321, n.º 28, Cx. 0459, n.º 13, C x . 0526, n.º 09, Cx. 0583, n.º 19, Cx. 0608, n.º 17, Cx. 0685, n.º 16, Cx. 0775, n.º12, Cx. 0796, n.º 08, Cx. 0826, n.º 11, Cx. 0841, n.º 11, Cx. 0922, n.º 04, Cx.2228, n.º 05 Cx. 2236, n.º 01, Cx. 2257, n.º 22 e 23, Cx. 2258, n.º 01 Cx. 2294, n.º 07, Cx. 2306, n.º 06 Governo Civil deViseu: Coordenação da População Cx. 0231, n.º 24, Cx. 2801, n.º 52 ACMF – Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças Comissão Jurisdicional dos Bens Cultuais VIS/PDC/ARROL/009 - Real AHOP – Arquivo Histórico das Obras Públicas Comissão de Estatística e Cadastro do Reino, n.º 6. BMV – Biblioteca Municipal deViseu D. Miguel da Silva Livro dos Tresllados da Sé de Viseu, escrito por Jerónimo Costa e Manoel Henriques, 1703. Livro I, Documento 287, Folio 741v.º. Copia do Séc. XVIII

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

75


Documentos

Fig. 68: Memória Paroquial de Real, 1758, f. 1 Dicionário Geográfico de Portugal. PT/TT/MPRQ/31/22 – Imagem cedida pelo ANTT.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

77


1256 – Inquirição ordenada por D. Afonso III.

Respostas dadas sobre a actual freguesia de Real. Texto Original

Versão livre para portugês

Item, dixit quod Maria Salvatoris, de Ribeira, recepit in filium Suierium Amarelo; et modo ipse Suierius Amarelo habet, ex parte de ipsa Maria Salvatoris et de conpara, in Ribeira, unam hereditatem forariam Regis, de fogaria que fuit de Petro Pincoo; et modo filii de Suierio Amarelo et monasterium de Mazeira de testamento habent ipsam fogariam et nullum forum faciunt Regi. D. Johannis, de Crasto Furado, dixit similiter. Interrogatus de tempore, dixit: tempore Regis Sancii, fratris istius Regis. Martinus Vincencii, de Rial, dixit similiter. Johannes Petri, de Matade de Taavares, dixit similier. Donnus Sabastianus dixit similiter. D. Pelagii, de Quinteela de Zurara, dixit similiter. F. Pelagii, de Ribeira, juratus, dixit similiter. Item, dixit quod Martinus Gunsalvi, de Rial, miles, conparavit hereditatem forariam Regis, in Rial, de fogaria que fuit de Gentiilia. Interrogatus de tempore, dixit: tempore Regis Sancii, fratris istius Regis. Martinus Vincencii, de Rial, juratus, dixit similiter; et addit quod fuit ista hereditas filiata pro ad Regem per suum portarium, et Stephanus Petri, de Taavares, qui tenebat terram a Rege Sancio, filiavit ipsam hereditatem et levavit de ea rationem de pane. Donnus Stephanus, de Rial, dixit similiter. D. 78

O mesmo, disse que Maria Salvatoris, de Ribeira, recebeu como seu filho Suierius Amarelo; e deste modo Suierius Amarelo tem, por parte desta Maria Salvatoris e por compra, na Ribeira, uma herdade foreira ao Rei, da fogueira que foi de Petrus Pincoo; e assim os filhos de Suierius Amarelo e o Mosteiro de Santa Maria de Maceira Dão, por testamento, têm esta fogueira e nenhum foro fazem ao Rei. D. Johannis, de Castro Furado, disse o mesmo. Interrogado sobre o tempo, disse: no tempo do Rei Sancho, irmão deste Rei. Martinus Vincencii, de Real, disse o mesmo. Johannes Petri, de Matados, disse o mesmo. Donnus Sabastianus disse o mesmo. D. Pelagii, de Quintela de Azurara, disse o mesmo. F. Pelagii, de Ribeira, jurado, disse o mesmo. O mesmo, disse que Martinus Gunsalvi, de Real, cavaleiro, comprou uma herdade foreira ao Rei em Real, da fogueira que foi de Gentiilia. Interrogado sobre o tempo, disse: no tempo do Rei Sancho, irmão deste Rei. Martinus Vincencii, de Real, jurado disse o mesmo; e acrescentou que foi esta herdade tomada para o Rei pelo seu porteiro, e Stephanus Petri, de Tavares, que tem a terra pelo Rei Sancho, tomou esta herdade e recebe dela razão de pão. Donnus Stephanus, de Real, disse o mesmo. D. Andre, de Real, disse o

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Texto Original

Andre, de Rial, dixit similiter, sed nescit de tempore, et addit quod fuit filiata multociens pro foraria Regis. D. Johannis, de Crasto Furado, dixit similiter. De Rial. – Item, Donnus Stephanus, de Rial, juratus, dixit quod Maria Garsea testavit ecclesie de Penna Alba unum casale forarium regis in Rial. Bertolomeus, de Rial, juratus, dixit similiter; et addit quod prelatus ecclesie dedit eam Fernando Remondi, scutario. D.Andre dxit similiter. Johannes Dominici, de Matela de Susãa, juratus et interrogatus, dixit quod villa de Matela est una fogaria foraria Regis. Interrogatus de testamentis, dixit quod ecclesia habet testamentos, sicut superius est scriptum.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Versão livre para portugês

mesmo, mas não sabe o tempo, e acrescentou que foi tomada como foreira do Rei. D. Johannis, de Castro Furado, disse o mesmo. Sobre Real. – O mesmo, Donnus Stephanus, de Real, jurado, disse que Maria Garsea testou à igreja de Penalva um casal foreiro ao Rei em Real. Bertolomeus, de Real, jurado, disse o mesmo; e acrescentou que o prelado da igreja deu-a a Fernandus Remondi, escudeiro. D. Andre disse o mesmo. Johanes Dominici, de Matela de Susa, jurado e interrogado, disse que a vila de Matela é uma fogueira foreira ao Rei. Interrogado sobre os testamentos, disse que tem testamentos, como está escrito anteriormente.

79


1433, 20 de Agosto, em Casa de Fernando Annes, Viseu – Fernando Annes e Branca Affonso, sua mulher, doam um casal e seus moinhos, em Real (Penalva do Castelo), ao Cabido da Sé deViseu. BMV - Livro dos Tresllados da Sé de Viseu, escrito por Jerónimo Costa e Manoel Henriques, 1703. Livro I, Documento 287, Folio 741v.º. Copia do Séc. XVIII Traslado da doaçam que Fernando Annes e sua molher fizerao ao cabido no anno de 1433. Saibam quantos este instroemento de pura doacao virem, como no anno do nascimento de nosso Senhor Jesus Christo, de mil quatrocentos trinta e tres annos, vinte dias do mez de Agosto, na cidade de Vizeu, nas cazas de Fernando Annes do Arco, morador1 na dita cidade, em prezença de mim, Joam Lourenço, publico taballiam, por nosso senhor el-rey em essa mesma e seos termos, e das testemunhas que ao diante sam ezcriptas, estando ahi o dito Fernando Annes e Branca Affonso sua molher, pelas quaes foi dito que sentindo elles, estando e considerando em como Joam Pirez do outro e Maria Estevez sua molher moradores que foram na dita cidade já finados, padre e madre delle, dito Fernando Annes e sogra della dita Branca Affonso, eram obrigados a Sé da dita cidade em algumas couzas e que porem querendo elles dezencarregar as almas dos sobreditos e as consciências delles, dito Fernando Annes e sua molher, que porem eles faziam pura e irrevogável doacam deste dia para todo sempre antre os vivos, valledoira ao cabido da dita Se, por as almas das sobreditas de hum cazal e moinhos e suas pertenças que elles haviam no Real, terra de Pennalva, com todas suas entradas e sahidas e pertenzas novas e antigas, suas entradas e sahidas e pertenzas novas e antigas que ao dito cazal e moinhos pertencem, e de Direito pertencer devem assim como elles haviam e milhor sao dito cabido milhor poderem haver. E que porem queriam e outorgavam que o dito cabido por si, e por quem lhe aproguesse tomasse e podesse tomar posse do dito cazal e moinhos e fizesse tudo o que lhe aprouguesse, como de couza sua própria izenta do qual havia ao dito cabido por verdadeiro senhorio. E que para isto ser mais forte e firme e eztavel que renunciavam todolos direitos canónicos, civis, leys e ordenaçoens, foros, façanhas, costumes, gloriaz e oppinioenz de doutores que por outrem, em juízo nem fora delle. Outrossim diceram que queriam e outorgavam que posto que alguma ezcriptura parecesse contra esta doacom para haverem de obitar feitas ante nem dipoiz que nom valerem somente esta, a qual haviam por firme e hapta para sempre. E em testemunho dizto mandaram assim dar ezta2 doaçam ao dito cabido, que foi feita e outorgada dia, mez e era e lugar sobredita. 1 Digo Fernando Annes morador 2 Repete ezte.

80

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Testemunhas que a isto forom prezentes Joao Affonso vigario e Rodrigo Affonso conigos da dita Se e Affonso Pires, porteiro do cabido, moradores na dita cidade e outros. E eu Joao Lourenço taballiam sobredito que a izto tudo prezente fui e esta doacam por outorgamento dos sobreditos ezcrevi e aqui meu signal fiz que tal he [em lugar do signal publico]. Pagou vinte reis com outra tanta nota e caminho. E nam continha o dito instrumento mais do que fiz trasladar do proprio que fica no Archivo dezta Cathedral pertencente a Meza Capitullar aonde em tudo e por tudo a elle me reporto com o qual conferi e consertei ezte treslado e comigo hum official de Justiza abaixo assignado emVizeu aos dias do mez de de 1703. [assinatura Jeronimo Costa]. [assinatura Official de Justiça].

3 por pedra e telha digo 4 Será legaria?

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

81


1433, 19 de Setembro, em Real, Penalva do Castelo – Posse do casal de Real (Penalva do Castelo) por Rodrigo Annes, cónego da Sé de Viseu e abade da Igreja de Santiago, de Torre de Moncorvo. BMV - Livro dos Tresllados da Sé de Viseu, escrito por Jerónimo Costa e Manoel Henriques, 1703. Livro I, Documento 287, Folio 741v-743v. Copia do Séc. XVIII Trazlado do inztrumento de posse das fazendas de que se faz mençam a doacao retro feita no mez no anno de 1433. Saibam quantos este instrumento virem, como dezanove dias do mez de Setembro do anno da era do nascimento de nosso Senhor Jesus Christo, de mil quatrocentos e trinta e três annos, em Real, julgado de Pennalva, em prezença de mim Vazco Lourenço, taballiam pelo infante Dom Henrique em a dita terra e das teztemunhas que a diante som ezcriptas, estando hi Rodrigo Annes, coonigo na Se de Vizeu e abbade de Santiago da Torre de Mem Corvo. E logo pelo Rodrigo Annes foi amostrado hum inztrumento ezcripto em pergaminho que se amostrava ser feito por Joam Lourenço, publico taballiam por el rey na cidade deVizeu, em a qual se mostrava ser feito em a dita cidade nas moradas de Fernando Annes do Arco aos vinte dias do mez de Agosto, desta sobredita era e liam em elle por teztemunhas Joam Affonso coonigo e Rodrigo Affonso conigo, Affonso Pirez porteiro da dita Se e cabido, moradores na dita cidade e outros em o qual inztrumento era contheudo antre as outras couzas que Fernando Annes e Branca Affonso, sua molher, moradores na dita cidade, faziam para doacam dezte dia para tudo sempre antre os vivos valedoira ao cabido de Vizeu e Se da ditta cidade de um cazal e moinhos, com todas as suas pertenças que elles haviam em Real, terra de Pennalva, com todas suas entradas e sahidas e pertenças novas e antigas, que ao dito cazal pertencem de direito e pertencer devem assim como o elles haviao e milhor, se o dito cabido milhor podesse haver. E que porem queriam e outorgavam que o dito cabido, por si e por quem a elle prouguesse, tomasse e podesse tomar posse do dito cazal e moinhos e fizessem de tudo o que como de sua couza própria e izenta do qual havia ao dito cabido por verdadeiro senhorio e possuidor segundo que tudo izto e outras couzas milhor e mais cumpridamente no dito inztrumento, a mim mostrado como dito he. Logo o dito Rodrigo Annes por poder do dito inztrumento tomou posse do dito cazal e um pardieiro que o dito cazal havia, no dito logo do Real3 por pedra e terra e por vinhas do dito cazal e vides e por telha e que por estas couzas tomava posse de todalas herdades e moinhos e arvores e vinhas que o dito cazal havia e que negaria4 a Gonçalo Annes cazeiro do dito cazal que elle houvesse o dito cabido por 3 por pedra e telha digo 4 Será legaria?

82

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


verdadeiro senhorio e que nom respondesse nem acudisse a nenhuma outra pessoa com os frutos e foros e rendas do dito cazal, salvo ao dito cabido ou a seo certo recado. E que de tudo izto sobredito que pedia a mim hum inztrumento de posse que foi feito no dito logo, dia, mez, era sobredita. Testemunhas que a isto prezentes forom: Rodrigo Annes do Real e Gonçalo Annes do dito logo, JoamVazques do Real, Affonso Pirez, porteiro do dito cabido e outros. E eu,Vazco Lourenço, sobredito taballiam pelo dito senhor Infante na dita terra, que este inztrumento ezcrevi e meu signal fiz que tal he [em lugar do signal publico]. Pagou quinze reais com o registo. E nam continha o dito instrumento mais do que fiz trasladar do proprio que fica no Archivo dezta Cathedral pertencente a Meza Capitullar aonde em tudo e por tudo a elle me reporto com o qual conferi e consertei ezte treslado e comigo hum official de Justiza abaixo assignado emVizeu aos dias do mez de de 1703.

[assinatura Jeronimo Costa]. [assinatura Official de Justiça].

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

83


1433, 19 de Setembro, em Real, Penalva do Castelo – Declaração e demarcação dos bens do casal pertencente ao cabido da Sé de Viseu situado em Real (Penalva do Castelo), feita por Gonçalo Annes, seu caseiro, perante Rodrigo Annes, cónego da Sé deViseu e abade da Igreja de Santiago da Torre de Moncorvo. BMV - Livro dos Tresllados da Sé de Viseu, escrito por Jerónimo Costa e Manoel Henriques, 1703. Livro I, Documento 287, Folio 743v-. Copia do Séc. XVIII

Trazlado do inztrumento de declaraçao das fazendas atrás doadas feitas pelo cazeiro Gonçalo Annes no mesmo anno. Saibam quantos este inztrumento virem, como dezanove dias do mez de Setembro, Era do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo, de mil quatrocentos e trinta e tres annos, em Real, do julgado de Pennalva, em prezença de mim Vazco Lourenço, tabelliam pelo infante Dom Henrique em a dita terra, e das testemunhas que ao diante som ezcriptas, estando hi Rodrigo Annes conigo de Vizeu, abbade de Santiago Torre de Mem Corvo. Logo o dito Rodrigo Annes deo juramento dos Santos Evangelhos a Gonçalo Annes, morador no dito logo de Real, cazeiro de um cazal que hora da o cabido da cidade de Viseu, bem e direitamente e sem nenhum mal dicia que fosse dicesse e declarasse todalas couzas que o dito cazal ha no dito logo de Real e seo termo, convem a saber cazas e vinhas e herdades para o dito cabido poder haver seo direito e se as ditas herdades nom poderem alhear nem lapidar. E o dito Gonçalo Annes por o juramento que feito havia assim prometeo de dizer e declarar todo o que dello souber e por qualquer guiza que fosse de todalas couzas que ao dito cazal pertencem. Item primeiramente dice o dito Gonçalo Annes que estas eram as herdades que elle sabia que o dito cazal havia no dito logo de Real e seo termo que se ao diante seguem. Item huma lavoira do cham a de preiros que parte de hum cabo com Pedro Diz e da outra parte para o rio e da outra com Joam Pirez. Item huma leira que jaz a de pereiros de fonte para fundo dalem do rio e daquem que parte de duas partes com Valentim de Almeida e com Maria Annes do cazal. Item outra leira que jaz a ponte da do baralha e parte com Joam Pirez e da outra parte com Gonçalo Rodriguez, o loiro. Item outra leira que jaz a carreira que parte com Gonçalo Gonçalvez dos Abegoens e por caminho publico. Item outra leira ao fojo que parte com Joam Pirez e da outra parte com herdade que foi de Pedro Affonso clerigo e com caminho publico. Item uma leira jaz pedraz do ribeiro que parte com herdade que foi de Martim Affonso e de outra parte com Vasco Fernandes. Item outra leira a várzea a mouta do espadanal que parte com Martim Pirez e da outra parte com herdade que foi de Joam Dominguez e de Lourenço Dominguez. Item huma leira que jaz no dito logo da várzea que parte com Pedro Diz 84

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


e com o rio e da outra parte com herdade que foi do Joam Dominguez e Lourenço Dominguez. Item outra belga de cham ao valle de Pero Monteiro que parte com herdade com Gonçalo Martins de Valdigem e da outra parte com Joam da Fonte. Item outra leira as Pedras de Elvira Dominguez que parte com herdade que foi de Pedro Affonso clerigo. Item outra leira ao carvalhal que foi de Luiz Pirez e parte com o dito Gonçalo Annes e da outra parte com Estevam Gonçalvez e com Lourenço Martins. Item huma belga de lameira parte com o dito Gonçalo Annes e com o linhar que foi de Lourenço Dominguez. Item o lameiro da lagea com a horta que parte com eyrós de Joam Vazques. Item huma belga de cham aos Linhares do santo que parte de duas partes com Joam Pirez e da outra parte com Maria Lourenço. Item outra leira a lameira da roda que parte com eyrós de João Gonçalvez e da outra por caminho publico. Item outra leira no valle a pedra da sertaa que parte com Joam Annes da Ribeira de todalas partes. Item outra leira a de Pedro Moiro que parte com o dito Joam Annes e da outra com o dicto Gonçalo Annes. Item mais duas belgas de cham ao dito logo de Pero Moiro que parte de duas partes com o dito Gonçalo Annes. Item outra leira em riba de Pero Moiro que parte com o dito Joam Annes e com herdade do mosteiro de Villa Nova e vai ata porta do moinho. Item outra leira ao ribeiro do valle que parte com Vicente Annes da Fonte e com o dito ribeiro. Item mais duas leiras ao carvalhal da leira longa que parte com o dito Gonçalo Annes e com herdade de Pero Diz. Item maiz hum pardieiro que jaz ao dito logo de Real que parte com Gonçalo Martins de Valdigem e com a rua da dita aldeã. Item uma vinha velha que jaz no ervedal que parte com Joam Pirez de duas partes e com o caminho publico e vai inteztar em vinhas de Vasco Fernandes e de Clara Affonso. Item outra vinha no dito lugar do ervedal que parte com Vazco Leal e da outra parte com Rodrigo Airez. Item um bacelo ao outeiro que parte com Gonçalo Martins de Valdigem com o caminho puvico. Item outra belga no dito logo do ervedal que parte com Martim Pirez e da outra com Gonçalo Rodriguez. Item mais huns moinhos que o dito cazal há a de Pedro Moiro. A qual declaraçam e demarcacao assim feita por o dito Gonçalo Annes como sobredito he, o dito Rodrigo Annes conigo da dita Se em nome do dito cabido pedio assim dello ezte instrumento que foi feito no dito logo do Real, dezanove dias do mez de Setembro, da sobre dita era. Testemunhas que prezentes forom Gonçalo Lourenço do Real, Affonso Pirez porteiro do dito cabido e Fernando Annes de Valdigem e o dito Gonçalo Annes. E eu, Vazco Lourenço, sobredito taballiam, por o dito senhor infante em o dito julgado de Pennalva que este inztrumento ezcrevi e meu signal aqui fiz que tal he [em lugar de signal publico]. E nam continha o dito instrumento mais do que fiz trasladar do proprio que fica no Archivo dezta Cathedral pertencente a Meza Capitullar aonde em tudo e por FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

85


tudo a elle me reporto com o qual conferi e consertei ezte treslado e comigo hum official de Justiza abaixo assignado emVizeu aos dias do mez de de 1703. [assinatura Jeronimo Costa]. [assinatura Official de Justiça].

86

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


1758, Maio - Memória Paroquial de Real IAN/TT – Dicionário Geográfico, vol. 31, n.º 22, fls. 105-112. A itálico estão as questões enviadas aos párocos. Não consta da resposta do pároco de Real, incluímo-las para melhor compreensão das respostas. O que se procura saber dessa terra é o seguinte: venha tudo escrito em letra legível, e sem breves Ryspostas pertencentes ao lugar, e freguesia de Sam Paulo de Real anexa de Sam Pedro da Vila do Castelo de Penalva, segundo a ordem dos interrogatórios expedidos pela secretaria de estado de Sua Magestade Fidelissima. 1. Em que província fica? A que bispado, comarca, termo, e freguesia pertence? 1. Fica este lugar de Real na província da Beyra Alta, e pertence ao Bisppado e comarca da cidade deVizeu; tem termo chamado concelho de Penalva. 2. Se é d'el rei, ou de donatário, e quem o he ao presente? 2. Hé donatário: o qual de prezente hé, e de todo o concelho, o Marquês de Penalva. 3. Quantos vizinhos tem, o numero das pessoas? 3.Tem este lugar sesenta e seis fogos e cento e sesenta e duas pessoas. 4. Se está situada em campina, vale, ou monte; e que povoações se descobrem d'ela, e quanto dista? 4. Está situado este povo nas abas de huma serra chamada de Sam Domingos, da parte do Sul digo da parte do Norte, os lugares que se descobrem, da parte do sul, e poente sam Quintela, Cunha alta, e Freixiosa, que distam meya legoa. 5. Se tem termo seu: que lugares, ou aldeias comprehende: como se chamão: e quantos vizinhos tem? 5.Tem termo do concelho de Penalva comprehende só o lugar da Ribeyra, tem vinte e dous vesinhos, e por todos sam: outenta e outo vezinhos: e dusentos e desaseis pessoas de sacramento, de que se compõem esta freguesia. 6. Se a paróquia está fora do lugar, ou d'entro d'ele? E quantos lugares, ou aldeias tem a freguesia; e todas pelos seus nomes? 6. A paróquia está quasi mista ao mesmo lugar de Real e só tem mais o lugar da Ribeyra. 7. Qual é o seu = orago = quantos altares tem, e de que sanctos: quantas naves tem: se tem irmandades: quantas, e de que santos? 7. O seu orago hé o Apóstolo Sam Paulo, tem três altares, no mor está o mesmo Apóstolo, e dois coletrais, em hum dos quais está a imagem de Nossa Senhora do Rozário, e em outro a imagem de Sam Sebastiam: tem huma Irmandade das Almas agregada ao Santíssimo Sacramento. FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

87


8. Se o pároco é cura, vigário, ou reitor, ou prior, ou abade, e de que apresentação he, e que renda tem? 8. Tem Párocho anual aprezentado pelo Abbade do Castelo de Penalva. Rende seis mil réis, que dá o mesmo Abbade, e o mais hé o que os fregueses querem dar. 9. Se tem beneficiados: que renda tem: e quem as apresenta? 9. A este nada. 10. Se tem conventos, e de que religiosos, ou religiosas; e quais são os seus padroeiros? 10. Nem a este. 11. Se tem hospital: quem administra; e que renda tem? 11. Nem a este. 12. Se tem casa da misericórdia; e qual foi a sua origem, e que renda tem? E o que houver de notável em qualquer destas coisas? 12. Nem a este. 13. Se tem algumas ermidas, e de que sanctos; e se estão dentro ou fora do lugar, e a quem pertencem? 13.Tem huma capela de Nossa Senhora da Ouvida, no lugar da Ribeyra da mesma freguezia, pertencente ao mesmo lugar e moradores, e nam acode a ela romagem alguma. 14. Se acodem a elas romagem sempre, ou em alguns dias do ano, e quais são estes? 14. E a esta capela nam acode romagem alguma. 15. Quais são os fructos da terra, que os moradores recolhem em maior abundância? 15. Produz a terra senteyo, milho, trigo, e sevada, vinho, e azeite, e castanhas, e frutas, e os frutos que os moradores recolhem, em mayor abundancia he milho. 16. Se tem juiz ordinário da câmara; ou se está sujeita ao governo das justiças de outra terra, e qual é esta? 16. Tem doas sessões ordinarias e camera, e ouvidor de Donatario; e o Corregedor da Comarca de Vizeu, tem neles, e no concelho, a jurisdiçam, que elas lhes faculta. 17. Se he couto, cabeça de concelho, honra ou behetria? 17. A este nada. 18. Se ha memoria de que florescessem ou dela sahissem alguns homens insignes por virtude, letras ou armas? 18. Nem a este. 19. Se tem feira, e em que dias, e quantos dura, e se é franca ou captiva? 19. Nem a este. 20. Se tem correio, e em que dias da semana chega, e parte, e se o não tem de 88

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


que correio se serve, e quanto dista a terra aonde ele chega? 20. Nam tem correyo servesse do correyo da cidade da Goarda que passa por Quintela distancia de hum quarto de legoa para a cidade de Viseu, e torna para a Goarda. 21. Quanto dista da cidade capital do bispado; e quanto de Lisboa capital do reino? 21. A cidade de Vizeu, capital do Bisppado dista deste logar de Real tres legoas, e meya, e da de Lisboa capital do Reyno, dista sincoenta e huma e meya. 22. Se tem alguns privilegios, antiguidades; ou outras coisas dignas de memoria? 22. A este nada. 23. Se ha na terra, ou perto d'ela alguma fonte, ou lagoa celebre; e se as suas aguas tem alguma especial virtude? 23. Nem a este. 24. Se for porto de mar, descreva-se o sítio, que tem por arte, ou por natureza; as embarcações, que o frequentam, e que pode admitir? 24. Nem a este. 25. Se a terra for murada, diga-se a qualidade de seus muros se for praça de armas descreva-se a fortificação; se ha n'ela ou no seu districto algum castelo, ou torre antiga, e em que estado se acha ao presente? 25. Nem a este. 26. Se padeceu ruína no terramoto 1755, e em que: e se esta ja reparada? 26. Nem a este. 27. E tudo mais, que houver digno de memoria, de que não faça menção o presente Interrogatório. 27. Nem a este. Serra 2 – O que se procura saber d'essa serra é o seguinte: 1. Como se chama? 1.Tem huma da parte do Norte, que se chama de Sam Domingos, tem de comprimento huma legoa, e de largura meya: e da parte do Sul outra serra chamada monte do Fial. 2. Quantas leguas tem de comprimento, e quantas de largura; aonde principia, e acaba? 2. Este tem de comprimento legoa e meya e de largura meya. 3. Os nomes dos principais braços d'ela? 3. A este nada. 4. Que rios nascem d'entro do seu sítio; e algumas propriedades mais notáveis d'eles: as partes para onde correm; e onde fenecem?

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

89


4. Nem a este. 5. Que vilas e lugares estão assim na serra, como ao longo d'ela? 5. Ao longo da primeyra; está o lugar de Casal das Donas, este de Real, e ao longo da segunda chamdo monte do Fial esta o lugar de Sandias para a parte do nascente, e para a parte do Sul o lugar da Corvaceira. 6. Se ha no seu districto algumas fontes ou propriedades raras? 6. A este nada. 7. Se ha na serra minas de metaes, ou canteiras de pedras ou de outros materiais de estimação? 7. Nem a este. 8. De que plantas, ou hervas medicinais he a serra povoada e se cultiva em algumas partes; e de que genero de fructos he mais abundante? 8. Cultivamsse algumas partes, e os seus frutos da mayor abundancia he centeyo. 9. Se ha na serra alguns mosteiros, igrejas de romajem, ou imagens milagrosas? 9. A este nada. 10.A qualidade de seu temperamento? 10. He ordinario. 11. Se ha n'elas creações de gados, ou de outros animais, ou caça? 11 Há nelas creaçoes de gados, que se recolhem aos povos, e caça de coelhos e perdizes. 12. Se tem alguma lagoa, ou fojos notaveis? 12. A este nada. 13. E tudo o mais, que houver digno de memoria. 13. Nem a este. Rio 3 – O que se procura saber do rio dessa terra é o seguinte. 1. Como se chama assim o Rio, como o sítio onde nasce? 1. Por esta freguesia passa hum Rio, que nasce pobre aonde he o limite de Furtado da vila de Algodres deste Bysppado deViseu, distante duas legoas. 2. Se nasce logo caudaloso, e se corre todo o ano? 2. Nasce pobre, e nam corre alguns meses. 3. Que outros rios entrão nele, e em que Sítio? 3. A este nada. 4. Se he navegavel, e de que embarcações he capás? 4. Nam he navegavel. 5. Se he de curso arrebatado, ou quieto em toda a sua distancia, ou em alguma parte d'ela? 5. He de curso quieto. 90

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


6. Se corre de norte a sul; se de poente a nascente: se de sul ao norte, ou se nascente a poente? 6. Corre do nascente para o pente. 7. Se cria peixes; e de que especie são os que trás em maior abundância? 7. Cria peyxes, ruivacos, e bordalos, em pouca abundancia. 8. Se ha nele pescarias; e em que tempo do ano? 8. Nam há nela outras piscarias: e as dos ditos peyxes, hé só do mês de Abril até o de Junho. 9. Se as pescarias são livres, ou algum senhor particular em todo o rio, ou em alguma parte dele? 9. Sam livres. 10. Se se cultivão as suas margens; e se tem muito arvoredo de fructo, ou silvestre? 10. As suas margens cultivadas dam pam, milho, e algum trigo, mas pouco fertelisadas com as agoas dele. Tem algumas arvores sylvestres, como amieyros e salgueyros. 11. Se tem alguma virtude particular as suas aguas? 11. A este nada. 12. Se conserva sempre o mesmo nome, ou o começa a ter diferente em algumas partes; e como se chamão estas; ou se ha memoria, de que, em outro tempo, tivesse outro nome? 12. Até aqui só nome rio, daqui para o poente chamasse, o rio de Lodares, e entre Quintela e o lugar e freguesia de Germil, no qual se mete no rio Dam. 13. Se morre no mar, ou em outro rio, e como se chama este, e o sítio em que entra nele? 13. Morre no Rio Dam na freguesia de Germil. 14. Se tem alguma cachoeira, represa, levada, ou açudes, que lhe embarassem o ser navegável? 14. A este nada. 15. Se tem pontes de cantaria, ou de pau; quantas e em que sítio? 15. Tem ponte de pao na freguesia de Sam Joam e outra tambem de pao ao pe de Travana e tres de pao na freguesia do Castelo de Penalva, huma chamada de Donaro [?] e outra nesta mesma freguesia tambem de pao chamada de Baralha e outra tambem de pao no lugar da Ribeyra, e os mays te que o dito rio, ou ribeyra tem, até que se entre no rio Dam dara conta o padre cura de Germil. 16. Se tem moinhos, lagares de azeite, pizões, noras, ou outro algum engenho? 16.Tem moinhos, e hum lagar de azeyte, esta freguesia. 17. Se em algum tempo, ou no presente se tirou, ou tira ouro das suas areas? 17. A este nada.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

91


18. Se os povos usam livremente as suas aguas para a cultura dos campos, ou com alguma pensão? 18. Nem a este. 19. Quantas leguas tem o rio; e as povoações por onde passa desde o seu nascimento ate onde acaba? 19.Tem duas legoas e meya des que nasce the que morre. 20. E qualquer outra coisa notável, que não vá neste interrogatório. 20. A este nada. Eu o padre Joam de Amaral cura actual na igreja de Sam Paulo do lugar de Real concelho de Penalva, arciprestado de Penaverde Bispado de Viseu por ciencia particular e informações que tomei com pessoas fidedignas mandei escrever tudo o que acima vai lavrado em resposta aos sobre ditos interrogatórios; em firmesa do que me asignei: Real de Maio vinte e nove de setecentos e cincoenta e oito annos. (Assinado:) O Cura, JOAM D'AMARAL.

92

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


MEMÓRIAS DA NOSSA GENTE

Recolha efecuada por Marta de Lemos Oliveira, Tânia Vicente Abreu e Marisa de Matos Oliveira FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

93


Esta recolha foi efectuada no âmbito dos projectos Ser Mais Real 2012 e Ler Mais, Ser Mais, inseridos no programa Ocupação dos Tempos Livres do Instituto Português do Desporto e Juventude. Este trabalho só foi possível graças ao apoio, à colaboração e à confiança de muitas pessoas da freguesia que ajudaram a torna-lo realidade. Por isso, fazemos questão de registrar aqui os nossos sinceros agradecimentos às senhoras Laura da Silva, Lucinda da Costa, Maria Célia de Sousa Albuquerque Lemos, Emília de Sousa Albuquerque, Maria Fernanda da Costa Rebelo, Belmira Maria Batista, Maria do Carmo, Maria Adelaide Costa Pina Luís, Maria de Fátima de Sousa Lemos Oliveira, Maria Isabel Caetano de Matos Oliveira, Júlia de Pina Afonso Simões da Fonseca, Ruth Simões de Abrantes Violante, Laura de Almeida Fonseca, Maria Adélia do Rosário Caetano, Maria de Abrantes, Lídia Pais Ribeiro, Maria Júlia da Costa Nunes Pina, Gilberta Pacheco de Albuquerque e aos senhores, Manuel Nóbrega, António Simões da Fonseca, Manuel Martins Sarmento e Pedro Pina Nóbrega.

94

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Orações Oração do dia, ao acordar Com Deus me deito, com Deus me levanto. Eu entrego a minha alma ao Divino Espírito Santo

inclinação e má contrição, comigo não entre nem possa entrar. Pela providência Senhor, me há-de defender e livrar.Amén (Maria Adelaide Costa Pina Luís).

(Maria Fernanda da Costa Rebelo).

Oração para quando se abre a porta de manhã Bons olhos me vejam, Maus olhos não vejais, Caia tudo em vós O mal que a mim desejais (Laura de Almeida Fonseca).

Orações para quando se sai de casa Da minha casa vou sair, para a minha vida ir governar, tantos Anjos me acompanhem como de passos eu vou dar. Deus comigo e eu com Deus, Deus à minha frente e eu atrás, a Virgem Santíssima me defenda das astúcias de Satanás. Pai-Nosso, Avé-Maria e Salva Rainha (Laura da Silva).

Eu me entrego à luz e à Santa bela cruz e ao rei da Divindade e às três pessoas da Santíssima Trindade e ao Santíssimo Sacramento e às três relíquias que tem dentro e às três missas do Natal para que não me aconteça nenhum mal. Entrego-me à Virgem Nossa Senhora, ao Anjo da Guarda, às cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo que me livrem das astúcias de Satanás. Quem tem má FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Oração para o meio-dia ÓVirgem dos Céus sagrados, Mãe do nosso Redentor, Que, entre as mulheres, tens palma, Traz alegria à minha alma, Que geme cheia de dor; E vem depor nos meus lábios. Palavras de puro amor, Em nome do Deus dos mundos, E também do Filho Amado, Onde existe o sumo bem, Seja para sempre louvado. Nesta hora bendita.Amén (Emília de Sousa Albuquerque).

Oração para asTrindades A SantíssimaTrindade Me acompanhe toda a vida, Sempre ela me dê guarida, De mim tenha piedade. O Padre Eterno me ajude, O Filho a bênção me lance. O Espírito-Santo me alcance Protecção, honra e virtude. Nunca a soberba me inveje, Em vez do mal faça o bem. A SantíssimaTrindade, Me acompanhe sempre.Amén (Emília de Sousa Albuquerque).

95


Oração da noite, ao deitar Na minha caminha me vou deitar. Sete Anjinhos lá vou encontrar – três aos pés, quatro à cabeceira e Nossa Senhora na dianteira. Nossa Senhora me disse: - Dorme, dorme descansada, sem susto algum. Vou chamar o meu amado filho que te venha visitar antes do galo cantar. Já os galos cantam, já os anjos se levantam, já o Senhor subiu à cruz para sempre à mãe Jesus. Quatro cantinhos tem a casa, quatro velinhas estão a arder, quatro Anjinhos me acompanhem se eu esta noite morrer. Pai-Nosso e Avé-Maria

Intervenção, o favor que lhe pedimos: (Precise o seu pedido. Por exemplo: o seu estado físico e psíquico que o preocupa, sucesso no trabalho, a salvação da alma que lhe é querida..,) Fortifique-nos e console-nos, Assim como todos por quem Rogamos, de todos os tipos de Males espirituais e corporais, Deste mundo e do outro. Por Jesus Cristo Nosso Senhor.Amén

(Laura da Silva e Lucinda da Costa).

Pai Nosso Pequenino Pai Nosso pequenino quando Deus era menino, ponha o pé no seu altar, missa nova quer cantar. Jesus Cristo meu Padrinho dê-me a sua mão direita para fazer uma cruz bem feita. Cruz e muito, cruz e funto nunca o Diabo me encontre, nem de noite nem de dia nem à hora do meio dia. Já os galos pretos cantam, já os anjos se levantam. Já Jesus subiu à Cruz, com três cravos encravados, para sempre à mãe Jesus

Oração para a meia noite O Anjo da minha guarda, Nesta hora de terror, Me livre das más visões. Do diabo aterrador. Deus me ponha a alma em guarda. Dos perigos da tentação, De mim aparte os maus sonhos, E opressões do coração. Ó Anjo da minha guarda, Por mim pede àVirgem Mãe Que me preserve dos perigos, Enquanto for vivo. Amén (Emília de Sousa Albuquerque).

Oração ao Santo Remetente Santo Remetente, escolhido por Deus Para estar entre os santos no céu, Um dos principais benfeitores Dos que sofrem naTerra, Conceda-nos, através da sua poderosa

96

(Emília de Sousa Albuquerque).

(Maria Fernanda da Costa Rebelo).

Oração a Maria Nome de Maria que tão lindo é, salvai a minha alma que ela vossa é, ela há-de ser, salvai a minha alma quando eu morrer. Quando eu morrer, quando eu acabar, mandai a minha alma para um bom lugar. Para um bom lugar, para o Paraíso, salvai a meu dia de juízo. Dia de juízo lá na boa hora, mandai a minha alma para o reino da glória (Laura da Silva).

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Oração a Nossa Senhora da Conceição Senhora da Conceição, vós que disseste pela Vossa Santíssima boca quem pronunciasse o vosso Santíssimo nome 150 vezes ao dia de má morte não morreria, as penas do Inferno não tomaria, na hora da minha morte me apareceria, por isso vos vou rezar três Avé-Marias (Laura da Silva).

Oração de consagração a Nossa Senhora Ó Senhora minha, ó minha Mãe, eu me ofereço todo a Vós, e, em prova da minha devoção para convosco, vos consagro neste dia e para sempre, os meus olhos, os meus ouvidos, a minha boca, o meu coração e inteiramente todo o meu ser. E, porque assim sou todo vosso, ó incomparável Mãe, guardai-me e defendei-me como coisa e propriedade vossa. - Lembrai-vos que vos pertenço, terna Mãe, Senhora nossa. - Ah! Guardai-me e defendei-me como coisa própria vossa (Laura da Silva).

Oração ao poderoso Santo Expedito Meu Santo Expedito das causas justas e urgentes interceda por mim junto a Nosso Senhor Jesus Cristo. Socorra-me nesta hora de aflição e desespero, meu

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Santo Expedito.Vós que sois um Santo guerreiro, vós que sois o Santo dos aflitos,Vós que sois o Santo dos desesperados,Vós que sois o Santo das causas urgentes, proteja-me, Ajuda-me, Dê-me forças, coragem e serenidade. Atenda o meu pedido (fazer o pedido). Meu Santo Expedito! Ajuda-me a superar estas horas difíceis, proteja-me de todos que possam prejudicar-me, proteja a minha família, atenda o meu pedido com urgência. Devolva-me a paz e a tranquilidade, meu Santo Expedito! Serei grato pelo resto da minha vida louvareio seu nome a todos que têm fé. Muito Obrigado. Pai-Nosso e Avé-Maria e fazer o sinal da cruz (Maria Adélia do Rosário Caetano).

Oração dos Casais Obrigado, Senhor, pelo amor que nos une! Abençoai, Senhor este amor, para que seja, cada dia, mais novo e criativo! Novo para recomeçar sempre e com mais entusiasmo; novo para sustentarnos nas horas de crise e dificuldades; criativo, para estender a mão aos irmãos carentes. Novo e criativo, para ser fonte geradora de paz, de harmonia e de filhos de Deus, livres e conscientes. Abençoai, Senhor, todos os casais que confiam no amor e num mundo melhor. Amén (Emília de Sousa Albuquerque).

97


Oração de S. Francisco de Assis a Nossa Senhora Salve, ó Senhora santa, Rainha santíssima, Mãe de Deus, ó Maria, Que sois Virgem feita Igreja, Eleita pelo santíssimo Pai celestial, Que Vos consagrou por seu santíssimo e dilecto Filho E o Espírito Santo Paráclito! Em vós residiu e reside toda a plenitude da graça e todo o bem! Salve, ó palácio do Senhor! Salve, ó tabernáculo do Senhor! Salve, ó morada do Senhor! Salve, ó manto do Senhor! Salve, ó serva do Senhor! Salve, ó Mãe do Senhor, E salve vós todas, Ó santas virtudes derramadas, Pela graça e iluminação do Espírito Santo, Nos corações dos fiéis, Transformando-os de infiéis Em (servos) fiéis de Deus (Emília de Sousa Albuquerque).

Lembrai-Vos Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que têm recorrido à vossa protecção, implorando a vossa assistência e reclamando o vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, com igual confiança a Vós,Virgem, entre todas singular, como a Mãe recorro, de Vós me valho, e, gemendo sob o peso dos meus pecados, me prostro a vossos pés. Não

98

desprezeis as minhas súplicas mas dignai-vos ouvi-las propícia e alcançaime o que Vos rogo. Amén (Emília de Sousa Albuquerque).

Um Coração Semelhante Santa Maria, Mãe de Deus, Dá-me um coração de menino puro e transparente como uma fonte. Dá-me um coração simples que não saboreie a tristeza. Um coração generoso para entregar-se, e terno em compaixão. Um coração fiel e generoso que não esqueça nenhum benefício nem guarde rancor de qualquer mal. Dá-me um coração manso e humilde, que ame sem exigir ser amado, que se alegre desaparecendo em outro coração diante do teu Divino Filho. Um coração grande e invencível, que nenhuma ingratidão feche, que nenhuma indiferença canse, um coração atormentado pela glória, De Jesus Cristo, ferido pelo seu amor, com uma ferida que não cicatrize Senão no céu (Maria de Fátima de Sousa Lemos Oliveira).

Oração à Sagrada Família Senhor Jesus Cristo, vós restaurastes a família humana restabelecendo a primitiva unidade, vivendo com Maria, vossa Mãe e São José, o pai adoptivo, durante trinta anos em Nazaré. Afastai das nossas famílias os males que as ameaçam. Ajudai-nos a promover em todos os lares da nossa Pátria, os

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


sentimentos e os propósitos de união indissolúvel, amor generoso, fidelidade permanente e perseverança constante na vossa graça. Assim seja (Maria de Fátima de Sousa Lemos Oliveira).

Oração de defesa Valei-me espada divina Valei-me os braços da cruz, Valei-me meu Pai do Céu, e socorrei-me meu Coração de Jesus (Maria Adélia do Rosário Caetano).

Oração pelos Doentes Senhora e Mãe, ponde-vos à cabeceira De todos os enfermos do mundo: - daqueles que, a esta hora, já não têm conhecimento e vão morrer; - daqueles que entram em agonia; - daqueles que já abandonaram toda a esperança de cura; - daqueles que gritam e choram com dor; - daqueles a quem não é dado tratarse por falta de dinheiro; - daqueles que tanto desejavam andar e se vêem imobilizados; - daqueles que se deviam acautelar e repousar, mas que a miséria obriga a trabalhar; - daqueles que buscam em vão, sobre o leito, uma posição menos dolorosa; - daqueles que passam longas noites sem dormir; - daqueles que são torturados pelos sobressaltos da próxima desgraça da família; - daqueles que têm de renunciar aos mais belos projectos do futuro; - daqueles sobretudo, que não crêem numa vida melhor; - daqueles que maldizem e se revoltam contra Deus; - daqueles que ignoram que Jesus Cristo sofreu como eles, por seu amor (Emília de Sousa Albuquerque). FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

99


Rezas e Benzeduras Peçonha Recipiente; 9 gotas de água; 9 gotas de azeite; 9 pedras de sal e um raminho de erva-doce. Reza-se: Vindo Deus mais Mateus de uma fonte além mar. Disse Deus para Mateus: - Senhor, mate aquele bicho que tem o poder. - Com quê? - Água da fonte, brisa do monte, sal da marinha e censo do mar. Nota: Ao rezar molhar o raminho de erva doce no preparado (água, azeite e sal) e passar no local infectado (Rezar 9 vezes)

pedras do Inferno, tudo para casa do Diabo. Duas te puseram, três têm de te tirar que são as três pessoas da Santíssima Trindade que é Pai, Filho e Espírito Santo. Pai-Nosso Bons olhos me vejam, mal quebrados sejam. Contra bruxas e bruxedos, todo o mal que me desejas te caia a ti no regaço. Os meus olhos são de ferro, os teus são de aço, todo o mal que me desejas que te caia no regaço. (Laura Silva)

(Laura da Silva e Lucinda da Costa).

Água corrente e três pontinhas de silva. Reza-se: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Na serra do Blebrinho, além me mordia, além me comia. Perguntei à Virgem Maria o que é que se fazia...três gominhos de silva molhados em água fria. Pai-Nosso e Avé-Maria. (Rezar 3 vezes)

Corpo de Deus. Deus que vos gerou e Deus que vos criou, Deus vos acanhe a quem vos acanhou ou a quem vos mal olhou. Se for quebrante, mal de inveja ou mal olhado vá para o mar coalhado. Duas vos puseram, três vos têem de tirar que são as três pessoas da Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo. Fazer uma cruz e rezar três AvéMarias (Lucinda da Costa).

(Belmira Maria Batista).

Mau olhado Criatura de Deus. Deus te criou, Deus te gerou, Deus te desacanha, a quem te acanhou. Se foi olhado ou mal de inveja que te andem a deitar, vá tudo para as

100

Coloca-se dentro duma malga água e começa-se a dizer: Conforme é certo o Menino Jesus nascer em Belém assim seja servido a tirar o mal de inveja ou olhado que esta pessoa tem (diz- se o nome da

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


pessoa) com a graça de Deus para quem o deitou torne. Pai-Nosso e AvéMaria (Laura da Silva).

Nota: Depois põe-se dentro da mesma malga três ou mais brasas pequenas de uma fogueira. Se as brasas forem ao fundo é porque a pessoa tem quebrante se ficarem à superfície não.

Cortar o enguiço Num tacho com água a ferver deitam-se raminhos de urtigas e vaise mexendo e fazendo o sinal da cruz sobre a pessoa com o mal. Reza-se: Zangão, zangão, Zangão, zanguiço Eu te benzo, eu te piso Para que partas para longe, Para lá das águas do mar E te afogues ó enguiço E quem o anda a deitar Nota: Deve-se rezar 5 vezes durante 3 dias seguidos. A pessoa recupera confiança em si e deve acreditar que tudo pode conseguir na vida

vai rezar está com um novelo de linha e uma agulha na mão por cima do pé, ou mão a fazer de conta que está a coser. Reza-se: Eu te coso veia aberta. Se és torcida ou rendida em louvor de Santo Amaro ou de São Fortuoso volta veia ao teu encosto. Pai-Nosso, Avé-Maria e Salva Rainha (Lucinda da Costa).

Nota: Se a água entrar no copo a pessoa está com a mão, ou o pé aberto.

Acalmar a Trovoada Santa Bárbara bem dita que nos céus estás escrita com um raminho de água benta livra-nos Senhor desta tormenta (Laura da Silva).

Santa Bárbara Virgem se levantou e no seu livrinho de ouro pegou. O Senhor lhe perguntou: Para onde vais Bárbara? Vou juntar trovoadas que andam pelo mundo espalhadas. Pois Bárbara virgem, vai e junta-as para onde não haja pão, nem vinho, nem bafo de menino, nem galo a cantar, nem boi a urinar. Pela graça de Deus e da Virgem Maria, rezase um Pai-Nosso e uma Avé-Maria” (Laura da Silva).

(Gilberta Pacheco de Albuquerque).

Aberto Colocar um copo de alumínio dentro do recipiente de água a ferver. Colocar o pé, ou a mão perto do recipiente e a pessoa que

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Ouvi uma trovoada Acolhi-me a um trovisco Evoquei Santa Bárbara Acudiu-me Jesus Cristo (Laura da Silva).

101


Cabrita Dois paus de sabugueiro. Fazer uma cruz nos olhos. Cortar os paus enquanto se reza. Ramo verde melhorado na horta de Deus é plantado, se isto é cabrita ou unheiro, ou névoa ou pisqueira aqui corto e recorto neste pau de sabugueiro em louvor de Santa Luzia. Pai-Nosso e Avé-Maria (Rezar 9 vezes) (Lucinda da Costa).

Unheiro Vai-te pelo carreiro, Vai-te pelo tojeiro, Vai-te p' ró mar Vai-te afogar, Vai-te esconjurar, Deixa o dedo desta criatura Para poder caminhar e trabalhar E dormir e descansar E por este mundo andar. Em louvor da Virgem Maria, Pai-Nosso, Avé-Maria. Nota: fazer cruzes no ar com a mão direita sobre o dedo da pessoa infectada.

Reumatismo Eu te benzo, dor reumática, Nevralgias e ciática. Dores de toda a sorte. Deixai que Deus o conforte Em louvor dos três apóstolos: S. Pedro, S. Paulo e S.Tiago. Pai-Nosso, Avé-Maria.

102

Cobrão Arranjam-se umas palhas de alho e queimam-se reduzindo-as a cinza. Junta-se seguidamente o azeite. Untam-se os frunchos com o preparado durante dois dias. No primeiro dia unta-se de manhã e à noite, no segundo a qualquer hora. Não se pode lavar a parte do corpo doente e sempre que se lava deve vestir-se roupa lavada. Antes de se untar diz-se: Que tens tu? - Tenho um cobro - Aqui te corto, cabeça e rabo e o corpo todo. - Que tens tu? - Tenho um cobrão - Aqui te corto, cabeça , rabo e o coração (rezar 3 vezes).

Dentro de um tacho queimar umas cascas de alho. Às cinzas junta-se o azeite e depois unta-se a zona afectada pelo cobrão. Em seguida, dizia-se a seguinte reza, ao mesmo tempo que se "desenhavam" cruzes no ar sobre a zona, com uma faca: Eu te corto Cobro e cobrão Cabeça, rabo e coração Para que não cresças E não reverdeças E não juntes os pés com a cabeça

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Erisipela ou Zipela Pedro e Paulo vinham de Roma e Jesus Cristo encontraram. Jesus Cristo lhe perguntou: - De que mal morre a gente lá na sua terra? - Senhor, morre de mal, uzipela e bolha. - Volta atrás Pedro e Paulo com azeite curarás e três cruzes lhe farás. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amén. Santa sabida, três filhas tinha: uma ia no mato, outra cozia, outra em fogo ardia e pedia a Deus que reza-se três vezes ao dia. Pai-Nosso e Avé-Maria (Laura da Silva).

Pedro e Paulo foram a Roma. Encontraram Nossa Senhora que lhe perguntou: - Onde vão? Vamos curar uzipela que muita gente morre dela. - Ide e curai-a com sumo de oliva e pena de galinha. Por a graça de Deus e da Virgem Maria um Pai-Nosso e uma Avé-Maria (Laura da Silva).

Aumento das Almas (a pedir proteção divina principalmente na altura da Semana Santa) As obras de Deus escritas quem as aprendeu as sabe, são três pessoas distintas da Santíssima Trindade. Uma delas é tão bela que morreu e ressuscitou da sexta para o Domingo. Andou cá 40 dias depois de ressuscitar. Subiu ao céu com os anjos a FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

acompanhar. Quem me dera ir com ela, ai Jesus do meu coração, ai de mim que eu calei as culpas na confissão. Se eu me confessasse bem a Deus teria perdão. Anda cá ó alma minha, lembrate das minhas chagas que eu te levo à glória com as culpas perdoadas. Glória como a do céu não há outra semelhante. Mora lá Nossa Senhora com seu Divino amante. À porta das almas santas, bate Deus a toda a hora e as almas santas respondem: - Que quereis meu Deus? - Agora quero que deixes o mundo e venhas para a minha glória na companhia dos Anjos mais a Virgem Maria pelas almas do purgatório. PaiNosso e Avé-Maria.

Encontrar objectos perdidos Eu vos saúdo, glorioso Santo António, fiel protector dos que em vós esperam. Já que recebestes de Deus o poder especial de fazer achar os objectos perdidos, socorrei-me neste momento, a fim de que, mediante o vosso auxílio, eu encontre o objecto que procuro (dizer o objecto que perdeu). Alcançai-me, sobretudo, uma fé viva, uma esperança firme, uma caridade ardente e uma docilidade sempre pronta aos desejos de Deus. Que eu não me detenha apenas nas coisas deste mundo. Saiba valorizá-las e utilizá-las como algo que nos foi emprestado e lute sobretudo por aquelas coisas que ladrão nenhum pode nos arrebatar e nem iremos perder jamais. Assim seja (Maria de Abrantes). 103


Santo Antoninho se levantou, no seu carreirinho andou. No meio do carreiro Jesus Cristo encontrou. Jesus Cristo lhe perguntou: Onde vais tu António? - Eu irei contigo Senhor. - Tu Comigo não irás, na Terra ficarás. - Todas as coisas perdidas tu António guardarás! (Pedro Nóbrega que a ouviu à sua Tia Aurora Pina)

Talhar as aftas À meia-noite olhe pela janela à procura de uma luz ao fundo e diga nove vezes durante três dias o seguinte: Luzinha do Senhor de Além tira-me esta afta que a minha boca tem (Laura da Silva).

Espinha na garganta Homem bom, Mulher má, casa varrida, Estoira rota... Senhor São Brás disse a seu moço, que subisse, ou que descesse a espinha do pescoço. Pai-nosso e Avé- Maria.

Dor de Barriga Água fria não faça mal a esta barriga, nem de noite, nem de dia nem ao pino do meio dia, nem às de horas do dia, por aqui passou o filho da Virgem Maria perguntando o que faria, Painosso e Avé-Maria.

104

Contra as bebedeiras Este vinho, fruto da terra, Que por Deus foi consagrado Não se bebe exagerado Nem sozinho até cair. Com santa Bebiana ao lado O bom senso sempre existe Porque o homem não desiste De se querer emendar. Protege-me da tentação De muito vinho beber E eu para te agradecer. Te ofereço o coração. Pai-nosso e Avé- Maria.

Contra as comichões Sapo, sapão, aranha, aranhão Calda, caldeirinha eu te corto com esta cruzinha. Por aqui passou bicho ou pensamento Mas com este unguento tudo vai passar. Se te coçaste ontem, hoje te vais coçar Mas com este unguento e a benção de São Bento Isso vai sarar. Olha bem para esta cruzinha. Vê por onde ela vai passar E se nunca a sentires a comichão vai parar. Em louvor e honra da Virgem Maria Um Pai-Nosso e uma Salva Rainha.

Benzedura da herpes Herpes alvarinhas, negro, negrinho, negrão, negral, maldito, amaldiçoado, excomungado, eu te corto das pernas, eu te corto da cabeça, eu te corto do FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


rabo, eu te corto das conjunturas do corpo.Todas as linhas que tiveres no coração. Herpes hei-de cortar-te em louvor de Deus. Em louvor da honra da Virgem Maria, um Pai-Nosso e uma Avé-Maria (cinco vezes). Nota: Com uma faca fazer que se corta a herpes.

Hemorregias Eu te corto devagar, como se manteiga fosse cortar. Corto uma vez. Corto duas. Corto três até o teu sangue estancar. Chamo para ajudantes São Cosme e São Damião e se não conseguirem a hemorragia estancar vou chamar São Simão. E chamarei os santos que forem precisos para te atalhar o corrimento. Em louvor e honra de Nossa Senhora e do seu adorado Filho, um Pai-nosso e uma Ave-Maria para que seja nossa inteligência e nosso guia. Enquanto se diz esta benzedura, vão-se fazendo cruzes sobre a zona onde se dá a hemorragia. Claro que hoje os médicos estão por todo o lado e, as pessoas, é mais natural e mais seguro que recorram a eles.

Ciática Faca cortas pão, cortas carne. Cortas tudo o que quiserem cortar. Corta a ciática a esta pessoa que não pode esperar. Se és ciática ou ciético, maldita vai-te daqui! Eu te corto, eu te recorto, eu te atalho pelo nascente, pelo poente, pelo sagrado nascimento de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo e em louvor e honra da Virgem Maria. Pai-Nosso, Avé-Maria, Amén (Rezar 9 vezes).

Para cortar o ar A pessoa benze-se e diz: Faca cortas pão, cortas carne, cortas tudo o que quiseres e o que te fizerem cortar. Corta o ar a esta pessoa que ela não pode esperar. Eu te corto o ar da porta, Corto o ar da janela, Corto o ar do mar, Corto o ar do cemitério, Corto o ar da terra, Corto todos os maus ares do mundo Para que neste corpo não fique mal, nem dor Nem coisa que mal for. Pelas cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo, que foram Feitas pelo seu Divino amor, este corpo se torne a compor. Em louvor da honra da Virgem Maria, um Pai-Nosso e uma Avé-Maria (Maria do Carmo).

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

105


Lombrigas Aqueles três jovens cavaleiros a quem Deus deu o poder, que o deram a João e João o deu a mim para cortar estas lombrigas e que em água de desfizessem. Com esta cruz as ajudo a desfazer. (Fazer o sinal da cruz sobre o estômago da pessoa). Com esta cruz as ajudo a sair (repete o sinal da cruz). Onde nunca mais lombrigas hão-de vir (repete o sinal da cruz). Em louvor e honra da Virgem Maria, um Pai-Nosso e uma Avé-Maria.

Zona e Males venenosos Livre-nos Nossa Senhora dos nossos inimigos. Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo, Amén. Para curar a zona e males venenosos faz-se o sinal da cruz e diz-se: Se és sapo, eu te mato. Se és rã, eu te arrebento. Se és cobrío vai para p teu rio. Se és aranha aranhão, cobra ou cobrão, sapo sapão. Os males coxos desta criatura se vão, para que neste corpo não fique mal nem dor, nem coisa que mal for. Assim como as chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo foram feitas pelo seu divino amor, este corpo se torne a compor. Em louvor e honra da Virgem Maria, um Pai Nosso e uma Avé Maria. Reza-se nove vezes e nove dias e no fim diz-se sempre: Deus te fez, Deus te criou. Deus te tire todo o mal que no teu

106

corpo entrou. Se o mal não sai, acrescenta-se: meu Deus tende piedade desta pessoa, curai-a. Não me deixes ficar mal. Pai-Nosso e uma Avé-Maria.

Dor de Dente São Pedro subiu numa pedra chorando, Se reclamando duma forte dor de dente. Chegou nosso senhor Jesus Cristo e disse: Que tens Pedro? Senhor, uma forte dor de dente. É nada Pedro. Se é sangue, põe-te nas veia, assim como Jesus procurou sua Santa Ceia. Se és bicho, cairás e morrerás Em nome de Deus e da Virgem Maria. Se és flato, que se alaste. Se és reumatismo, de friagem ou de quentura, Jesus é quem cura. Em nome de Deus e da Virgem Maria.

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Mezinhas Fazer crescer a massa do pão Depois de meter o pão no forno e com a porta aberta diz-se: com a pá do forno faz-se uma cruz na porta e diz-se: “Cresça o pão no forno, a graça de Deus pelo mundo, vivam os lavradores e morram os malfeitores” ou “Nosso Senhor te abençoe e te ponha a sua divina virtude” (Laura da Silva).

Matar lombrigas Dar às crianças, uma vez por mês, leite fervido com um dente de alho ou tomar uma colher de azeite com açúcar (Maria de Abrantes).

Eliminar o treçolho (inflamação na pálpebra) Esfrega-se o dedo na palma da mão ou em água ardente e coloca-se o dedo em cima do treçolho (Maria Adélia do Rosário Caetano).

Matar piolhos Faz-se uma mistura de borralha (cinzas quentes) peneirada com petróleo ou laranja azeda. Mexe-se bem e esfrega-se a cabeça com esta pasta (Laura da Silva).

Acalmar a trovoada Lança-se no lume da lareira três raminhos de oliveira benzidos no Domingo de Ramos (Laura da Silva).

Enxaquecas Para aliviar dores de cabeça constantes, mastigar bem, todos os dias, um raminho de salsa. (Maria de Fátima de Sousa Lemos Oliveira).

Tosse e expectoração O xarope de cenoura caseiro ajuda a aliviar a tosse: depois de bem lavadas as cenouras devem ser cortadas às rodelas e colocadas num recipiente com açúcar. Deixa-se ficar 24 horas, para ficar um líquido, e toma-se às colheres, como um xarope (Laura da Silva).

Calos Colocar numa bacia uma parte de vinagre e duas partes de água quente. Pousar FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

107


os pés de molho durante mais ou menos 15 minutos. Os calos caem por si, basta puxá-los com a unha. Se depois de 15 minutos não saírem, juntar mais água quente e prolongar por mais outros 15 minutos (Laura da Silva).

Aftas Partir um alho aos bocadinhos e a parte mais húmida colocar na afta durante algum tempo, depois de uns dias com esse tratamento. Mastigar uma folha de alecrim durante sensivelmente três minutos. Desinfectar feridas Lavar a ferida com água. Cortar um alho ao meio e com uma das metades limpar o corte (Maria de Abrantes).

Dor de cabeça (Tensão pré-menstrual) Sumo de melão. Bater a polpa do melão com as sementes, coar e beber dois copos por dia. Chá de canela (Maria Célia de Sousa Albuquerque Lemos)

Queimaduras Colocar a parte afectada debaixo de água fria corrente. Depois, passar uma clara de ovo, levemente batida, só para que seja mais fácil de aplicar (Emília de Sousa Albuquerque).

Varicela Para atenuar a comichão, colocar um pouco de farinha de amido de milho (maizena) no banho (Maria de Abrantes).

Pontos negros Fazer uma mistura de mel com limão e colocá-la no rosto durante 15 minutos. Aplicar duas vezes por semana (Laura da Silva).

Borbulhas e comichão Esfregar a zona que o incomoda com vinagre (Laura da Silva).

108

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


Jogos Tradicionais Jogo das Pedrinhas Jogo praticado quase exclusivamente por raparigas, utilizando cinco pequenas pedrinhas arredondadas como material. Escolhe-se o local do jogo, que pode ser ao nível do chão, num degrau de escada, na soleira da porta, etc. Depois de estabelecida a ordem de saída, com os jogadores dispostos em círculo inicia-se o jogo; as cinco pedrinhas são lançadas ao chão de forma a ficarem o mais juntas possível. O jogador agarra uma pedrinha, lança-a ao ar e apanha-a sem a deixar cair. Entretanto teve que tirar do conjunto que está no chão uma pedra e apanhar, com a mesma mão, a que está em queda. Junta novamente as cinco pedrinhas e lança-as de novo ao chão. Repete a operação anterior, só que, quando lança a pedrinha ao ar, em vez de apanhar uma pedra terá de apanhar duas. Prossegue, até às cinco, caso consiga desenvolver as acções com êxito. Se falhar dá a vez a outro jogador. Quando voltar a jogar, recomeça na situação que tinha falhado. Após terminado o último lançamento, terá que pegar nas cinco pedras, lançá-las ao ar e tentar apanhá-las nas costas da mão. Ganhará quem conseguir ficar com o maior número de pedras nas costas da mão (Maria Adélia do Rosário Caetano e Maria Célia de Sousa Albuquerque Lemos).

Jogo da macaca O jogador que inicia a partida, coloca a sua malha na casa número 1 e começa a percorrer "ao pé cochinho" as casa 2 e 3; nas 4 e 5 põe simultaneamente os dois, mas em cada casa, na 6 põe de novo um só pé, nas 7 e 8 procede como nas casas 4 e 5, indo cair na 9 com os dois pés. Depois de ter descansado em 9, o competidor inicia o retorno até ao ponto de partida, tendo de apanhar a sua malha antes de passar a casa onde ela esteja. O jogador perde sempre que ponha o pé nos riscos ou a malha saia fora do traçado da macaca (Ruth Simões de Abrantes Violante).

Jogo do lencinho Mais de seis crianças colocam-se em roda, com as mãos atrás das costas. Uma outra criança, escolhida anteriormente, corre à volta e por fora da roda feita pelos colegas com um lenço na mão. O centro da roda é o local de castigo: o choco. Ninguém na roda pode olhar para trás, podendo apenas espreitar por entre as suas pernas quando o jogador com o lenço passa. Quando a criança que tem o lenço entender, deixa-o cair discretamente atrás de um dos companheiros da FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

109


roda e continua a correr. Se, entretanto, o colega da roda descobrir que o lenço está caído atrás de si apanha-o e tenta agarrar o outro que, continuando a correr, tenta alcançar o lugar que foi deixado vago na roda pelo primeiro. Se não o conseguir agarrar, continua o jogo, correndo à volta da roda e indo deixar o lenço atrás de outro. Se o conseguir agarrar, o que corria de lenço na mão vai de castigo para o choco, sendo a “pata choca”. No choco, tem de estar de cócoras. Pode acontecer que a criança da roda não repare que o lenço caiu atrás de si. Se assim acontecer, a que corre, depois de dar uma volta completa à roda, alcança o lenço no local onde o deixou cair (Laura da Silva).

Jogo do Ró-Ró Escolhe-se um determinado espaço para jogar. Depois escolhe-se uma pessoa para contar até determinado número. Enquanto essa pessoa conta de olhos fechados os outros vão-se esconder.A seguir, essa pessoa vai procurar os restantes jogadores. A primeira pessoa a ser encontrada é o próximo a ficar a contar; Se alguém que está escondido, conseguir chegar ao sítio onde se salva e disser: Salva todos!Volta a ser a mesma pessoa a contar (Júlia de Pina Afonso Simões da Fonseca, Maria Adelaide Costa Pina Luís e Manuel Martins Sarmento).

Jogo da cabra-cega A cabra-cega é um jogo em que um dos participantes, de olhos vendados, procura adivinhar e agarrar os outros.Aquele que for agarrado, passará a ficar com os olhos vendados. Neste jogo não há um número certo de jogadores e o material necessário é apenas uma venda para tapar os olhos da pessoa que faz de cabra-cega. O jogo começa com os jogadores a fazer uma roda há volta da cabra-cega que está de joelhos e, claro, de olhos tapados, entretanto começam a falar dizendo este discurso: - "Cabra-cega, donde vens?" - "Venho da serra." - "O que me trazes?" - "Trago bolinhos de canela." - "Dá-me um!" - "Não dou." Depois, começam todos a dizer "Gulosa, gulosa, gulosa,…" e a fugir, até que ela, ao apanhar alguém, terá de adivinhar quem é. Se assim for, essa pessoa passa a ser a 110

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


cabra-cega. Antes de começar a apanhar, dá três voltas sobre si mesma, enquanto fogem os jogadores cantando: "Cabra-cega! Cabra-cega! (Laura da Silva e Ruth Simões de Abrantes Violante)

Jogo do pião O cordel enrola-se à volta do pião, começando a enrolar da ponta até ao meio do pião, sobrando um bocado que chegue para pôr à volta da mão. Depois pega-se na pontinha do cordel e lança-se ao chão, com um movimento de pulso. O pião irá girar, devido à força e ao jeito com que se puxar repentinamente o cordel, imprimindo-lhe um movimento de rotação (Manuel Martins Sarmento e António Simões da Fonseca).

Jogo da bilharda Os jogadores dispostos de forma circular, separados de dois metros. Cada qual faz uma pequena poça junto de si, no qual assenta a extremidade do seu pau. Para determinar qual é o jogador que fica com a bilharda em primeiro lugar, um deles pega em todos os paus e na bilharda e atira-os, simultaneamente, por cima da cabeça para trás das costas, para longe. O dono do pau que fica mais próximo da bilharda é o primeiro a lançar. Então, após todos estarem preparados, isto é, com a extremidade do seu pau na sua poça, o que tiver a bilharda lança-a de forma que caia verticalmente no centro do círculo. Os outros podem bater-lhe e atirá-la para longe. Se isso acontecer, quem a lançou vai imediatamente busca-la e tenta metê-la numa das poças dos outros que, entretanto, têm que ir esburacar, obrigatoriamente, na poça de quem foi buscar a bilharda. Se o conseguir, fica o dono da poça. Se bater na bilharda e falhar fica ele com a bilharda (passa a ser ele a lançá-la ao ar). Se falharem duas ou mais vezes, fica com a bilharda o primeiro a levantar o pau da sua poça. Perde o jogador que ficar com a poça maior, pois é sinal que gastou muito tempo a ir buscar a bilharda (Ruth Simões de Abrantes Violante e Manuel Nóbrega).

Botão O jogo do botão consiste em, bater com um botão numa parede fazendo-o saltar. O adversário que jogar em seguida, vai procurar que o botão dele fique a menos de um palmo do outro concorrente. Se ficar a menos de um palmo ganha; se não ficar o outro ou outros concorrentes vão jogando sucessivamente até conseguirem aquela distância (Ruth Simões de Abrantes Violante). FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

111


Jogo da Pucarinha Era jogado na Quaresma e quase sempre por mulheres. Os materiais utilizados eram cântaros, cântaras e púcaros de barro, utilizados para ir à fonte, que se iam partindo durante o ano e eram assim guardados para se poder jogar a pucarinha nesta época religiosa. Poderia ser jogado em fila indiana, no meio da rua, ou em roda. Punham-se as raparigas em fila e iam atirando, de costas, a pucarinha, tentando a rapariga que estava atrás apanhá-la, e, por sua vez, atirá-la de igual modo à rapariga que a precedia e assim sucessivamente.Assim que a pucarinha era atirada, a rapariga que o fazia corria imediatamente para o fim da fila, não deixando assim que a pucarinha chegasse à última rapariga e esta não tivesse a quem atirar. Quem deixasse cair a pucarinha teria de fugir, e saía desta forma do jogo, para não ter que levar com os cacos, atirados por todas as raparigas. O jogo acabava quando restasse apenas uma rapariga em jogo, ou as pucarinhas acabassem (Laura da Silva e Ruth Simões de Abrantes Violante).

112

FREGUESIA DE REAL: HISTÓRIA E PATRIMÓNIO


MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR


FREGUESIA DE REAL

HISTÓRIA E PATRIMÓNIO

Freguesia de Real: História e Património  

Livro sobre a História e o Património da Freguesia de Real, Penalva do Castelo Pode encomendar em https://form.jotformeu.com/61066452988365

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you