Page 1

TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO 2019

INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS COM ALZHEIMER

JÉSSICA VIOLI PEDROZANI


RESUMO Com o aumento da população idosa, o Alzheimer, diagnosticado em pessoas de terceira idade, é um dos tipos de demências mais comum. Uma doença degenerativa e progressiva, que ainda não possui cura. Mas procuram encontrar tratamentos alternativos que retardam sua evolução, garantindo conforto e bem-estar. A família às vezes, por falta de tempo ou despreparo para lidar com as dificuldades que a doença apresenta, acredita que institucionalizar o idoso seja a melhor opção. Devido a isso, o projeto de Instituição de regime integral, tem como objetivo, a criação de um ambiente saudável, totalmente adaptado, que possa proporcionar de forma digna, uma melhor qualidade de vida para os indivíduos que irão habitar no local até o final de suas vidas. Com intenção de acabar com o preconceito de antigo asilo e garantir um local completamente diferenciado.

PALAVRAS-CHAVE: ALZHEIMER. INSTITUIÇÃO. PROJETO ARQUITETÔNICO.


ABSTRACT With the increase in the elderly population, Alzheimer's, diagnosed in the elderly, is a more common type of dementia. A degenerative and progressive disease that has no cure. But they seek to find alternative treatments that delay their evolution, guaranteeing comfort and well-being. Sometimes the family, due to lack of time or unpreparedness to deal with the difficulties that the disease presents, believes that institutionalizing the elderly is the best option. Due to this, the project of Institution of integral regime, has as objective, the creation of a healthy environment, totally adapted, that can provide of a dignified way, a better quality of life for the individuals that will inhabit in the place until the end of Your lives. With intent to end the prejudice of old asylum and certify a completely different place.

KEYWORDS: ALZHEIMER. INSTITUITION. ARHITECTURAL PROJECT.


INTRODUÇÃO Nota-se que a população idosa vem crescendo cada vez mais ao longo dos anos e segundo uma estimativa (IBGE, 2018) o Brasil, que atualmente apresenta uma proporção 9,2% (19,2 milhões) da população idosa, terá um grande aumento, podendo chegar a 25,5% (58,2 milhões) da população brasileira até 2060. Será o sexto país do mundo com maior população de idosos. Considerando idosos, aqueles que possuem sessenta anos ou mais, de acordo com a lei n°8.842 (BRASIL, 1994). Isso se deve em relação ao aumento da taxa de natalidade e também aos avanços que a medicina vem proporcionando. Logo, envolve uma grande preocupação em onde irá viver todas essas pessoas e como devem ser esses locais para que as mesmas consigam viver em ótimas condições de vida. Algumas demências são comuns neste quadro de idosos, e uma delas se trata da doença de Alzheimer, que envolve uma terminalidade. Mesmo a não aceitação de familiares, considera-se que essa doença em alguma fase está associada ao fim da vida, necessitando de atenção redobrada. Com isso aumenta a procura por instituições que possam desemprenhar tal tarefa (ABRAZ, 2016).

OBJETIVOS E JUSTIFICATIVAS A família do portador, muitas vezes não consegue dispor de um horário integral que esse tipo de doença exige e opta por leva-lo até uma Instituição. Pois além do despreparo ou falta de infraestrutura, a doença causa um grande desgaste físico e psicológico para aqueles que convivem diariamente. As Instituições de Longa Permanência de idosos (ILPI), tem como finalidade, prestar assistência diferenciada e proporcionar um espaço voltado a promover melhora no tratamento da doença. Com isso, esse trabalho tem como objetivo principal, desenvolver um espaço arquitetônico, como ILPI, na cidade de Marília (SP), considerando a importância de atender às necessidades desse público e garantir uma qualidade de vida melhor.


DEFINIÇÕES DOENÇA DE ALZHEIMER Existem inúmeras doenças das quais são consideradas da terceira idade. Uma delas é chamada de Alzheimer, que se encontra entre as principais demências, sendo a mais comum. Cerca de 60% a 70% da população idosa (OMS). A doença de Alzheimer, conhecida pelas siglas DA, foi descoberta pelo médico alemão chamado Alois Alzheimer, em 1906. O mesmo estabeleceu um diagnóstico em uma de suas pacientes que teve perda de memória durante anos. Após o falecimento dela, estudou seu cérebro e percebeu alterações no mesmo (ABRAZ,2016). Mais tarde, a Organização mundial da Saúde (OMS), tem relatado que a DA é uma doença crônica degenerativa progressiva e irreversível de aparecimento insidioso, que acarreta morte de neurônios e outros distúrbios cognitivos. Com isso, o portador tem sua memória destruída ao longo do tempo, além da perda de sua independência. A doença se divide em fases, conforme seu avanço, e após o aparecimento dos primeiros sintomas, estimula um tempo de vida do paciente, em média de três a vinte anos, desde os primeiros sintomas. (PASCALE, 2002). No decorrer do dia a dia, essas pessoas costumam apresentar vários transtornos emocionais e diferentes tipos de comportamento como, hiperatividade, agressividade, insônia, depressão e até alucinações. (SERENIKI; VITAL 2008)..

O DIAGNÓSTICO

Até atualmente não existem exames para diagnosticar a Doença de Alzheimer, o que se pode fazer através de especialistas como neurologistas e psiquiatras é um processo de eliminação de outras doenças que podem acarretar a falta de memória, resultando-se em 90% de certeza (HARTMANN; LUCCHESE, 2014). A certeza do diagnóstico só pode ser obtida através de um exame microscópico do tecido cerebral do paciente após seu falecimento. Antes disso, esse exame não é indicado, pois apresenta riscos ao indivíduo. Acredita-se que se caso a pessoa for diagnosticada no início, é possível diminuir o avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. (ABRAZ, 2016).


TRATAMENTOS DISPONÍVEIS ATUALMENTE Diferentes opiniões são impostas entre médicos e pesquisadores sobre os tratamentos que podem ajudar retardar a DA. Isso varia de acordo com a fase da doença, temperamento e disponibilidade do paciente. Segundo Abraz (2016), os tratamentos disponíveis para a doença de Alzheimer se dividem em armacológicos e não farmacológicos. O tratamento farmacológico é acessíve por meio de medicamentos que podem inibir a doença. Já o tratamento não farmacológico, segundo pesquisadores, é mediante atividades de estimulação cognitiva, social e física. Que quando combinadas, pode-se obter ótimos resultados. - Estimulação cognitiva: Utilizar o pensamento, memória e linguagem. Podendo ser atividades individuais ou em grupos, através de jogos. - Estimulação social: A ideia é estimular o contato e interação socialcom outras pessoas. Podem ser praticadas como atividades de lazer e culturais. Neste quadro, a presença da família também é essencial para o tratamento. - Estimulação física: Indica-se atividades leves e fisioterapia. Com ela, se obtém uma melhor coordenação motora, força muscular e lexibilidade.

Existia um pensamento antigo de que asilos são locais de abandono, só que as instituições existentes atualmente mostram ao contrário. “Os idosos são institucionalizados, ou seja, possuem um atendimento personalizado, com dieta individual e adequada e inúmeras atividades recreativas e sociais. E nos asilos públicos, onde se encaixa a maioria dos asilados, em que há deficiência de mão de obra, não possuem profissionais qualificados para a prestação de serviços, não há espaço como pátios ou jardins para deambulação dos idosos e realização de atividades recreativas para garantir o bem-estar e uma boa qualidade de vida aos idosos” (Tavares, 2008, p. 47). Por tanto, é interessante ressaltar, que idosos necessitam desempenhar atividades ao longo do dia, que fazem com que, mantém a mente ocupada, tornando-os produtivos e de certa maneira se relacionarem entre si. Em base nesse processo, o local pode proporcionar salas com trabalhos manuais, artesanato e também com jogos educativos, favorecendo a convivência juntos e evitando o isolamento.


INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS (ILPI) Pela Anvisa (2005), as ILPIs são: " Instituições governamentais ou não governamentais, de caráter residencial, destinada a domicilio coletivo de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, com ou sem suporte familiar, em condição de liberdade, dignidade e cidadania." Desenvolvida para idosos como um abrigo acolhedor de regime integral que tem como finalidade, auxiliar a continuar a desenvolver suas atividades diárias como de costume. Pode haver uma certa semelhança entre essas Instituições e casas de repousos ou asilos, porém, neste local é oferecido algo a mais que uma moradia, como cuidados reforçados, acessibilidade total e auxílios médicos, além de alimentação e medicamentos Groisman,1999). O local conforme as regras regulamentadas pela RDC In°283/2005 da Anvisa, deve atender à critérios mínimos e levar em consideração o grau de dependência, capacidade de locomoção e autocuidado.

De acordo com o Art. 48. do Estatuto do Idoso (2003), as entidades que proporcionam moradia integral para o idoso, como as ILPIS, devem promover aos requisitos, como: - Oferecer instalações físicas em condições adequadas, de higiene, salubridade e segurança. - Preservar os vínculos familiares - Atendimento personalizado e em pequenos grupos · - Manutenção do idoso - Participação do idoso nas atividades comunitárias, sendo interno ou externo - Oferecimento de ambiente de respeito e dignidade Nesse quadro, é interessante propor um ambiente acolhedor, direcionado exclusivamente para pessoas idosas que sofrem com a DA, onde as mesmas necessitam de instrumentos e mecanismos adaptados e totalmente acessíveis, levando em consideração a ergonomia e legislação. Dessa maneira, consegue oferecer todo suporte necessário para melhorar a qualidade de vida, diminuindo riscos e contribuindo para um envelhecimento saudável.


CONFORTO TÉRMICO

MATERIAIS E MÉTODOS

De acordo com Milani (2014), em uma pesquisa feita em instituições, foi apontado que um dos maiores problemas encontrados nesses locais era devido às temperaturas estarem acima da O AMBIENTE FÍSICO temperatura considerada de conforto. A temperatura do ambiente interno Um dos recursos adequados que podem contribuir para o tratamento da DA, depende muito do clima onde se localiza a instituição, podendo intercalar a troca de é o ambiente em que vive. ar e ventilação por meio de ventilação Propor um espaço que encarrega de natural. garantir segurança crucial, ajuda evitar As áreas e circulação como corredores acidentes que comprometem a saúde dos indivíduos e para os familiares que optam devem ser devidamente iluminados e seguir de acordo com o fluxo, porém, em por internação do mesmo, não há ambientes internos, área mínima de 0,90 preocupação. cm. De acordo com Marshall (1998), o Em mudanças de níveis, o uso de ambiente construído pode ter um maior rampas é mais aconselhável que escadas, impacto e influência em portadores de demência. E por não prover de estímulos para pessoas da terceira idade que apresentam dificuldades. adequados pode desencadear Pensar na orientação solar e combinar comportamentos indesejados, como janelas entre pequenas e grandes irritação, frustração e angústia, completa aberturas ajuda a não causar ventilação Coons (1992). exagerada ou proporcionar pouca Para um bom desenvolvimento do iluminação, além de tornar um amebiente paciente, o espaço necessita ter mais seguro. ambientes que possam proporcionar Outras medidas que podem ser sociabilidade, como também aqueles que garantem um momento de exclusividade. tomadas, seria utilizar cortinas nas janelas equilibrando a luminosidade e alta Para idosos que se encontram em temperatura. processo de exclusão social ou depressão, frequentar salas de atividades, ACÚSTICA halls e refeitórios ajuda o mesmo a interagir socialmente. Mas deve-se levar Conforme o avanço da idade, existe em conta que nem todos os pacientes devem estar o tempo todo em conjunto e uma perda auditiva maior. Sendo de e em momentos de irritabilidade o mesmo extrema importância precaver ainda mais problemas crônicos devido a isso idosos necessita de um local para relaxar e que permanecem em uma instituição, refletir, então quartos, salas de leitura e merecem um local tranquilo e distante de estar podem exercer perfeitamente a ruídos desagradáveis. função. Os quartos, onde os moradores precisam descansar, devem estar localizados longe de cozinha, salas de atividades e TV.


MOBILIÁRIO Para Coons (1991) todos os elementos do ambiente físico podem proporcionar algum impacto sobre o paciente. Por tanto, é importante que cada mobiliário siga suas dimensões correta, pois o mesmo interfere na postura do indivíduo. As cadeiras ou poltronas devem possuir altura correta, ser de encosto alto e conter braços laterais que garantem apoio. As mesas da área de refeição devem apresentar alturas ajustáveis com espaço livre para encaixe das cadeiras de roda, que está em cerca da altura de 87 cm em relação a altura média normal de 74 cm. (PASCALE, 2002). Os quartos devem abrigar no máximo quatro camas, com distância mínima de 0,80 cm entre elas, para assim o ambiente possuir maior circulação. E as mesmas seguir modelos hospitalares.

A mesma deve apresentar largura mínima de 1,50m, inclinação de até 8,33%, apresentar corrimãos e piso antiderrapante. A presença de barras de apoio em corredores, acessos, rampas e banheiros também são aconselháveis para ajudar a circular com segurança. Dotada de seção circular e diâmetro entre 3,50 e 4,50 cm, as barras de apoio de bacias sanitárias devem ser instaladas na parede lateral e seu comprimento deve ter no mínimo 0,80 cm e afastadas à 4 centímetros da parede.

RDC Nº 283

A Resolução de Diretoria Colegiada (RDC Nº 283, de 26 de setembro de 2005) por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), consiste em regularizar o funcionamento de ILPIs. - Nestes locais, baseia-se em impor: -Salas para atendimento por profissionais qualificados Portas devem possuir dimensões - Corredores principais dotados de barras mínimas de 0,80 x 2,10 e constituídas de de apoio nos dois lados e os demais em puxadores horizontais na maçaneta. apenas um lado Enquanto as janelas, devem ter peitoril - Acesso externo tendo 01 saída comum e mínimo de 1,10m. 01 saída de serviço - Dormitório para até 04 pessoas, com 5,50m² por cama, incluindo área para guarda de roupas e pertences - Banheiro com área mínima de 3,60m² e NBR 9050 sem qualquer desnível - Banheiros coletivos, separados por A NBR 9050 (2015) estabelece sexo, conter no mínimo um que seja padrões e medidas de mobilidades acessível à cadeirantes acessíveis no ambiente. Proporcionando - Salas para atividades coletivas de uma segurança na utilização do ambiente. 1,00m² por pessoa. A norma exige medidas mínimas para - Refeitório e salas de convivência, com livre circulação e manobra do usuário área mínima de 1m² por pessoa com cadeira de rodas. - Quando o terreno apresentar desníveis, - Rotação de 90°: 1,20 x 1,20 dotar por rampas . Locais também como - Rotação de 180°: 1,50 x 1,20 salas de apoio individual, meditação e - Rotação de 360°: círculo com diâmetro áreas de serviços para funcionários, são de 1,50 exigidos pela mesma.

LEGISLAÇÃO


RDC Nº 50 A RDC Nº 50 (21 de fevereiro de 2002). Apresenta sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos dos estabelecimentos assistenciais de meio à saúde. - Corredores de circulação de pacientes ambulantes, cadeirantes ou macas, devem ter a largura mínima de 2,00m² para os maiores de 11,00m² e 1,20m² para os demais - Todas as portas utilizadas para a passagem de camas e macas devem ter dimensões mínimas de 1,10m x 2,10 m - As portas de banheiros e sanitários de pacientes devem abrir para fora do ambiente - Em cozinhas, é obrigatória a existência de câmaras separadas · - O estacionamento junto às calçadas, deve ter guia rebaixada e caso possua até 100 vagas, 02 devem ser destinadas à deficientes.

LEITURA DE PROJETOS LAR DE IDOSOS PETER ROSEGGER Criado em 2014, na cidade de Graz, na Áustria. O projeto de cores neutras, tem o formato quadrado e possui dois pavimentos. Nota-se a existência de ripas, estrutura em madeira e grandes vãos com vidros que circunda o edifício, trazendo mais iluminação natural para os ambientes e vistas para o paisagismo. FIGURA 01 – AMBIENTE EXTERNO DO LAR DE IDOSOS PETER ROSEGGER

FONTE: HTTPS://WWW.ARCHDAILY.COM.BR FIGURA 02 – AMBIENTE EXTERNO DO LAR DE IDOSOS PETER ROSEGGER

FONTE: HTTPS://WWW.ARCHDAILY.COM.BR


Como referência para o projeto, serão utilizadas amplas aberturas com vidros, em áreas de lazer, e corredores dos dormitórios que darão visão para a área externa e isso também irá proporcionar a entrada de Iluminação nos cômodos, onde as mesmas poderão ser controladas através de cortinas, sem que pareça confinamento. Para mais segurança, os cuidadores permanecerão no mesmo bloco dos idosos já que a doença de Alzheimer exige ajuda na maior parte do tempo. ALZHEIMER’S RESPITE CENTRE, IRLANDA Criado no ano de 2009, em Dublin, por Níall Mclaughlin architects, o Alzheimer’s Respite Centre, é um local especializado em abrigar e cuidar temporariamente de idosos com doença de Alzheimer.

Como eferências desse projeto, a ILPI deverá seguir a ideia de corredores iluminados e largos para a passagem tranquila e ser dotados por corrimãos contínuos. O projeto apresenta um espaço tranquilo e acessível a essas pessoas. Com pé direito alto, o corredores são amplos e iluminados, equipados de corrimãos. E o fato das portas e paredes possuírem diferentes tonalidades, é muito importante no dia a dia do idoso, pois além de tornar o ambiente mais alegre e com personalidade, o mesmo consegue distinguir melhor cada ambiente. Figura 4 – Planta e setorização do Alzheimer’s Respite Centre

FIGURA 3 – FACHADA DO ALZHEIMER’S RESPITE CENTRE

Fonte: http://www.niallmclaughlin.com/projects lzheimers-respite-centre-dublin/

Fonte: Elaborado pela autora a partir do site http://www.niallmclaughlin.com/projects/a lzheimers-respite-centre-dublin/

Os setores dão acesso direto aos pátios e jardins, o que pode trazer uma sensação mais tranquila e prazerosa, além de ser espaço de lazer entre os moradores.


Hogeweyk, Holanda Projetado em Weesp na Holanda, em 2009, com a intenção de cuidar especialmente de idosos que sofrem de demência severa, como o Alzheimer. O local funciona como uma vila, onde os idosos podem frequentar lojas, supermercados e restaurantes. A ideia é de que o mesmo continue realizando suas tarefas diárias, porém, agora sob supervisão de profissionais, que se passam por atendentes, trabalhadores ou vizinhos. Desse modo, os idosos conseguem se incluir socialmente levando uma vida normal, sem parecer estar internado em um asilo. Figura 7 – Implantação do Hogeweyk

O térreo e o primeiro pavimento são destinados às 23 residências, que ficam todas voltadas para uma praça central, garantindo mais segurança. Cada residência abriga até 8 pessoas, onde o morador tem seu quarto separado, mas compartilham as mesmas áreas como cozinhas e salas. Há alguns pontos negativos como, edifício possuir mais de um pavimento e não abrigar mais elevadores, fazendo com que os idosos se desloquem pelas escadas. E os banheiros serem de uso compartilhado. Analisando a planta abaixo, e tendo como referência, a colocação dos dormitórios voltados para uma área verde separada das demais, com o intuito de um ambiente particular e tranquilo. E a questão de conter setores separados por blocos, incentiva o paciente a andar, para não perder suas mobilidades. Outro ponto importante, é a entrada ser realizada por apenas uma recepção, para controlar melhor o fluxo de moradores e visitantes. Figura 8 – Setorização do Hogeweyk

Fonte: https://hogeweyk.dementiavillage.com

Todos os ambientes foram devidamente pensados e adaptados para que os moradores possam ser livres e independentes. Os blocos se interligam entorno de praças e áreas verdes.

Fonte: Elaborado pela autora a partir do site https://hogeweyk.dementiavillage.com


LOCAL DE IMPLANTAÇÃO Para o projeto da ILPI, foi escolhida a cidade de Marília devido ao elevado número de idosos na região e mesmo com várias entidades filantrópicas não há nenhuma que seja voltada exclusivamente para cuidados especializados à portadores de Alzheimer. O município está no Centro-Oeste Paulista à 443km da capital de São Paulo. Com área territorial de 1.170,515 km² e uma estimativa de 237.130 habitantes (IBGE,2018). Entre os ano 1991 e 2010 a razão de dependência de Marilia passou de 55,53% para 41,34% e a taxa de envelhecimento teve um aumento de 5,86% para 9,52%. É importante que o local escolhido beneficie os idosos. De acordo com a Portaria nº 73 (2001), indica que o terreno seja plano ou apresente pouco desnível para que assim, possa evitar uso de escadas e rampas, priorizando a acessibilidade aos indivíduos. O primeiro terreno estudado, está localizado na Avenida Brigadeiro Eduardo Gomes, Zona Leste de Marília e pertence ao grupo ZR 2². À sua lateral esquerda está o Bosque Municipal Rangel Pietraroia, e fica à 400m do Aeroporto Estadual de Marília, o que fica em desvantagem, já que o propósito é escolher um local mais calmo para esses idosos.

Figura 9 – Terreno 01

Fonte: Elaborado pela autora a partir do Google Maps.

O segundo terreno, localiza-se na Rua Guilherme Scheffer Netto, no bairro Jardim Vista Alegre, Zona Sul de Marília e pertence ao grupo ZR 4 (Zona Residencial de interesse social). Porém, o terreno possui uma declividade acentuada, no qual desfavorece a construção de uma ILPI no local, pois dificultaria a circulação dos idosos. Figura 10 – Terreno 02

Fonte: Elaborado pela autora a partir do Google Maps.


O terreno escolhido, está situado na Avenida Luzia dos Santos Alves com a Rua Benedito Alves Delfino, no bairro Distrito Industrial, Zona Norte de Marília e pertence ao grupo ZI, onde é tolerado o uso E1. Com aproximadamente 9.750,00m², geometria retangular e com boa topografia, o que proporciona melhor a acessibilidade dos residentes. Figura 11 – Terreno do projeto

Fonte: Elaborado pela autora a partir do Google Maps.

A Lei de Zoneamento e Uso do solo da cidade de Maríli (Lei nº 4455, de 18 de junho de 1998), relata que o Município se divide em Zonas distintas conforme seu uso. Sendo ZI – Zona Industrual e E1 destinado para Uso Institucional.

LOCALIZAÇÃO E ENTORNO DO TERRENO Conforme estudos analisados, para um bom planejamento da ILPI, devem-se levar em consideração, fatores do entorno onde estará localizado o terreno. E o terreno escolhido é dotado de infraestrutura e vias pavimentadas. As vias que também dão acesso são, a Rua Sebastião Pereira e Av. Sigismundo Nunes de Oliveira. Apesar de Ficar em uma área onde predomina-se indústrias, em seu entorno, estão equipamentos de comércio e serviços, como: mercados, farmácias, padarias, posto de gasolina, ponto de taxi e pontos de ônibus, oferecendo facilidade de acesso. Á sua lateral esquerda, está um loteamento vazio. E o Pronto Atendimento 24h (UPA-Norte) está apenas à 1km de distância. Segundo a Lei de Zoneamento de Marília, o recuo frontal mínimo é de 5,0 metros e a Taxa de Ocupação permitida é de 80%. A escolha do terreno foi baseada devido sua dimensão em vista do programa de necessidades e prédimensionamento, apresentando pouca mudança de níveis em relação aos outros terrenos e apesar de estar próximo a local de eventos como o Nikkey, em seus lotes vizinhos não há construção.A maior concentração da população de Marília, está situada na Zona Norte e Zona Sul

Figura 12 – Tabela ZI

Fonte: LEI 4.455-98 Zoneamento e Uso do solo..


Figura 13 - Terreno escolhido e seu entorno

Fonte: Elaborado pela autora à partir do Google Maps Figura 14 - Planta esquemática das medidas do terreno

MATERIAIS E MÉTODOS PROGRAMA DE NECESSIDADES Com base nas informações obtidas a partir de documentos e projetos semelhantes, foram elaborados ambientes e suas respectivas áreas, conforme as recomendações legais para o dia a dia dos moradores, funcionários e visitantes do local. O projeto pode atender até 32 idosos e é separado por seis setores, para melhor ajudar o portador de Alzheimer conseguir distinguir cada um deles.

Fonte: Elaborado pela autora à partir do Google Earth


Tabela 01 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento

Tabela 04 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento

Tabela 02 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento Tabela 05 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento

Tabela 03 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento

Tabela 06 – Programa de Necessidades e Pré-Dimensionamento


Tabela 07 – Programa de Necessidades e PréDimensionamento

Setorização e Organograma

Fonte: Elaborado pela autora Figura 15- Organograma

Fonte: Elaborado pela autora FIgura 16- - Setorização

Fonte: Elaborado pela autora

A setorização mostra a inclusão dos espaços na implantação e sua organização. Tendo o norte do projeto, o lado leste que recebe o sol da manhã, foi destinado à face das janelas dos dormitórios que ficarão em um setor isolado, sendo assim um local mais tranquilo. Os setores ficarão em torno de um pátio externo onde será a circulação para as demais áreas. Os funcionários da parte administrativa poderão ter acesso à área de serviço e os que estarão nessa área, terão um acesso melhor par ecreação e lazer. O setor lazer será uma área isolada como a do dormitório, onde os idosos poderão relaxar e se exercitar com vista para o paisagismo. A entrada de serviço será pela lateral esquerda, enquanto a entrada principal se dará para a frente do terreno, onde idosos e visitantes que chegarem, poderão ter acesso ao setor administrativo e de saúde. Com base nas informações obtidas a partir de documentos e projetos semelhantes, foram elaborados ambientes e suas respectivas áreas, conforme as recomendações legais para o dia a dia dos moradores, funcionários e visitantes do local. O projeto pode atender até 32 idosos e é separado por seis setores, para melhor ajudar o portador de Alzheimer conseguir distinguir melhor cada ambiente.


Fluxograma A partir do Organograma, obtém-se o Fluxograma, onde estão a distribuição de cada ambiente. Figura 16 - Fluxograma

FIgura 16- - Setorização FIgura 16- - Setorização

Fonte: Elaborado pela autora


PARTIDO ARQUITETÔNICO E CONCEITOS A proposta é trazer um projeto diferente do que estamos acostumados, buscando uma preocupação com a segurança e bemestar dessas pessoas, através de fatores acessíveis, conforto ambiental e design dos espaços. A estrutura contará com alvenaria, vigas e pilares para sua sustentação. Os setores de Lazer e Área Recreativa ficarão voltados para a área externa, com o propósito de relaxar e estimular. Portanto, as fachadas terão enormes aberturas de vidro temperado laminado, possibilitando a entrada de iluminação e ventilação natural. Essas esquadrias devem ser de material de alumínio. Já a presença de cortinas será essencial para ajudar a diminuir a incidência sola quando necessário. No setor onde se localiza os dormitórios, os corredores longos e as portas irão apresentar apoios e corrimãos, fazendo com que permita uma maior segurança dos usuários. A vegetação é alguma das características que definem bem as áreas externas, pois serão cercadas pelo paisagismo. Isso não só possibilita deixar o ambiente visualmente mais bonito, como também ransmitir sensações boas quando se mantém o contato com a natureza. Além de espaço amplo e muita vegetação, o projeto abrange práticas sustentáveis como: a captação da agua da chuva através de pisos drenantes, e presença dos vidros que possibilitam a diminuição de gastos de energia.


CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho de graduação, tomou a arquitetura como base para proporcionar um recurso terapêutico, para idosos diagnosticados com doença de Alzheimer, perante o estado terminal dessa doença. Diante das pesquisas alcançadas, propor um local como ILPI para idosos portadores de Alzheimer, pode sim, influenciar positivamente em suas vidas. Em meio disso, o local deve ter ambientes estimulantes e profissionais especializados. A Instituição bem planejada, busca pela melhor localização para abordar o projeto. Calmo, sem muito fluxo de veículos, pouco desnível e com dimensões favoráveis. Também é importante, a disposição dos ambientes, circulações e materiais, que possam garantir total segurança aos moradores suprindo suas necessidades. Por tanto, o objetivo desse projeto é tratar e cuidar dos idosos com Alzheimer de maneira coeltiva, podendo associar a moradia com ambientes que estimulam a memória. promovendo o bem-estar social por meio da arquitetura


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT NBR 9050. Título. Disponível em: < https://www.ufpb.br/cia/contents/manuais/abnt-nbr9050-edicao2015.pdf>. Acesso em: 11 out. 2010. ABRAZ. Associação Brasileira de Alzheimer. Disponível em: < http://abraz.org.br/web//>. Acesso em: 03 mar. 2016. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Resolução de diretoria colegiada - rdc nº 283, de 26 de setembro de 2005. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_283_2005_C OMP.pdf/a38f2055-c23a-4eca-94ed-76fa43acb1df>. Acesso em: 27 set. 2005. COHEN, Uriel; WEISMANN, Gerald D. Holding on to home: designing environments for people with dementia. Maryland, USA: Johns Hopkins University Press, 1991 COONS, D. Specialized Dementia Care Units. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1992. FIGUEIRO, Mariana Gross. Lighting the way: a key to independence, 2001. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2014. GWYTHER, Lisa P. Care of AIzheimer's patients: a manual for nursing home staff. 1987. GROISMAN D. Asilos de velhos: passado e presente. Revista do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento, Porto Alegre, vol. 2, p. 67-87, 1999. Acesso em: 12 jan. 2016. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/RevEnvelhecer/article/view/5476/3111> .


HARTMANN, Dra. Ana; Lucchese, Dr. Fernando. Desembarcando o Alzheimer: um guia prático para familiares e cuidadores. Coleção L&PM E-books, outubro de 2012 IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.Disponível em:. < <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/age ncia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21837projecao-da-populacao-2018-numero-de-habitantes-do-pais-deve-pararde-crescer-em-2047>.Acesso em: 25 jul. 2018. LEI N 4455, DE 18 DE JUNHO DE 1998. Lei de Zoneamento e uso do solo. Disponível em: <https://sogi8.sogi.com.br/Arquivo/Modulo113.MRID109/Registro56728/d ocumento%201.pdf> Acesso em: 18 jun.1998. IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2ª Edição. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 2005. MARSHALL, M. Therapeutic buildings for people with dementia. In: JUDD S., MARSHALL M, PHIPPEN P. Design for dementia. London, UK: Journal of Dementia Care, p 11-14, 1998. MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCOIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Portaria MPAS/SEAS n 73, de 10 de maio de 2001. Normas de funcionamento de serviços de atenção ao idoso no Brasil. Brasília 2001 Disponível em: <www.saudeidoso.icict.fiocruz.br/pdf>. Acesso em: 19 ago.2014. OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. Disponível em: <www.datasus.gov.br/cid10/v2005/cid10.ht>. Acesso em: 2015


PASCALE, M. A. Ergonomia e Alzheimer: a contribuição dos fatores ambientais como recurso terapêutico nos cuidados de idosos portadores da demência do tipo Alzheimer. 2002. 120p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – UFSC, Florianópolis. Acesso em 2015. PRESIDENCIA DA REPUBLICA-Lei n 8.842. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8842.ht m>.Acesso em: 04 jan.1994. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Lei n 10.741, de 1º de outubro de 2003.. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741compilado.htm >. A cesso em: 01 out. 2003. SERENIKI, Adriana; VITAL, M. Aparecida B. Frazão. (2008). “A Doença de Alzheimer: Aspectos Fisiopatológicos e Farmacológicos.”, Rev Psiquiatr. Porto Alegre, RS, vol. 30, 1suppl, fevereiro, 2018. Tavares, V. L. A busca da excelência no atendimento em uma ILPI sob a perspectiva do sujeito residente. Dissertação de mestrado em Gerontologia. São Paulo, SP. PUC-SP, 2008.


Profile for Jéssica Pedrozani

Instituição de Longa Permanência para idosos com Alzheimer  

Instituição de Longa Permanência para idosos com Alzheimer  

Advertisement