Issuu on Google+


UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Aluna

Jéssica Barca de Oliveira

Supervisores

Paulo Ernesto Celestini Luiz Carlos Dotta

Orientador

Manoel Rodrigues Alves

SÃO CARLOS, OUTUBRO DE 2013.


SUMÁRIO ���������������������������������������������������������������������������������� 5 INTRODUÇÃO ����������������������������������������������������������������������������� 7 ATIVIDADES ������������������������������������������������������������������������������� 9 Localização das impressoras e scanners compartilhados___________________________11 Sala de Reuniões e Conferências da Congregação__________________________________12 Sala de Doutorandos e Pós-doutorandos___________________________________________17 Cálculo para Pintura dos Blocos do ICMC___________________________________________20 Adequação dos laboratórios ao novo Bloco do Campus 1_________________________21 Salas das Áreas Técnicas Administrativa/Pessoal (ATAd) e Acadêmica (ATAc) ������22 Mobiliário da Sala da Seção Técnica de Informática________________________________24 Museu da Computação ICMC_______________________________________________________26 Painel para Sala de Reuniões da Diretoria___________________________________________37 Vistoria de Acessibilidade do Campus 1____________________________________________38 Vistoria de Adequação á NR-35 (Trabalho em Altura)______________________________42 Sala da Seção Técnica de Informática e Copa no Campus 2________________________43 Recepção do Auditório e da Sala da Congregação no Bloco 4_____________________46 Projeto de Ocupação da área temática 2 do Campus 2_____________________________53 Espaço para a Exposição do Dinossauro____________________________________________64 Especificação do Projeto da Cantina do ICMC______________________________________68 Adequação da Sala 22-05 da Biblioteca_____________________________________________69 CONSIDERAÇÕES ������������������������������������������������������������������������ 71


O presente relatório descreve as atividades desenvolvidas para o cumprimento da disciplina IAU0701 “Estágio Supervisionado”, do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, campus de São Carlos. Tal disciplina objetiva a complementação da formação geral curricular, aproximando o aluno do ambiente relacionado à sua profissão por meio do estágio, com uma carga horário de 300 horas, que podem ser cumpridas em um semestre ao mínimo. O estágio supervisionado aqui relatado foi oferecido pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, da USP de São Carlos, entre o período de novembro de 2012 a outubro de 2013, sob supervisão dos funcionários Paulo Ernesto Celestini e Luiz Carlos Dotta, do ICMC/USP, e aprovação do docente Manoel Rodrigues Alves, do IAU/USP. Entre as atividades programadas para o estágio, foram desenvolvidos projetos de layout de salas de aulas e de outros espaços didáticos, desenho de mobiliário, projeto de prédios de ensino e pesquisa, levantamento e projeto de espaços de exposição de trabalhos, entre outras atividades cujas descrições constam neste relatório.

INTRODUÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

7


A seguinte parte do relatório contém as descrições das atividades realizadas durante o processo de estágio supervisionado, a fim de registrar aspectos técnicos e vivências adquiridas durante a experiência de trabalho. O objetivo desse relatório é registrar as atividades desenvolvidas, como foram realizadas, e qual foi o aprendizado que cada uma proporcionou, tanto no âmbito do conhecimento técnico e teórico sobre arquitetura e urbanismo, como também o convívio e relacionamento com as pessoas de outras áreas e com os grupos de trabalho. As atividades foram aqui organizadas por ordem da data de pedido, e apresentadas com os principais aspectos para entendimento do trabalho, como desenhos técnicos, vistas de maquete eletrônica, fotos, etc. Os trabalhos que exigiram maior atenção ou que se estenderam por maior tempo apresentam um material mais detalhado devido à complexidade do projeto, e grande parte destes projetos foram executados em parceria com a estagiária Jaqueline Santos Martins, também aluna do curso de arquitetura e urbanismo do IAU/USP.

ATIVIDADES | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

9


Localização das impressoras e scanners compartilhados Data do pedido: outubro de 2012. Duração do projeto: 1 semana. Público atendido: docentes do ICMC. Tendo em vista que o instituto possui impressoras compartilhadas entre os professores, foi necessário fazer um mapa de localização das máquinas em cada bloco, a fim de ter um documento para identificação e manutenção dessas máquinas. Este trabalho foi importante como primeiro contato com os arquivos do banco de dados do ICMC e sua maneira de armazenamento. Por meio de uma pasta compartilhada, os estagiários têm acesso aos arquivos dos projetos em andamento, e os trabalhos finalizados são transferidos para outra pasta de acordo com o ano do projeto. Foi possível perceber, no entanto, que não havia uma folha de desenho padronizada e os dsenhos das plantas dos edifícios estavam desatualizados. Dessa forma, o trabalho englobou a atualização de algumas plantas e a criação de um arquivo “base”, com carimbo padronizado e logo da USP, para a utilização em todos os trabalhos seguintes.

IMPRESSORAS | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

11


Sala de Reuniões e Conferências da Congregação Data do pedido: outubro de 2012. Duração do projeto: 2 meses. Local: Bloco 4, em frente à 4-124. Área: 155,65 m². Este trabalho se dividiu em duas partes, sendo a primeira a revisão de um layout para a sala da Congregação, no Bloco 4, que havia sido transferida para uma sala maior que a original, e portanto, receberia um novo mobiliário. Esse layout foi elaborado pelas estagiárias anteriores, considerando um melhor aproveitamento da sala a partir da utilização de patamares e da simetria do layout, para que a sala pudesse ser dividida em duas por meio de uma parede móvel. Dessa forma, além da revisão da disposição dos lugares, também foi feito o projeto do mobiliário, sendo esta a segunda parte do trabalho. Na sala, havia a necessidade de dois painéis de projeção (na ocasião em que a sala fosse dividida), bancadas para os usuários e mesas de apoio para café. O trabalho se concentrou no projeto da bancada, que teve um desenho especial nas laterais, para serem justapostas, e nos apoios (pés), para haver variação no número de cadeiras por bancada sem que seus pés fossem uma barreira para a movimentação dos usuários.

12

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | SALA DE REUNIÕES


SALA DE REUNIÕES | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP sala de reuniões_mobiliario_Jessica_V6.dwg

0.30

0.15

0.50

ESCALA 1:75

aparador/café

0.50

4.95

ESCALA 1:75

0.00

B 4.95

6.60

3.90

3.30

assento especial

painel de madeira fixa

MESA MÓDULO 2 móvel - 8 unidades

DETALHE TIPOS MESAS

MESA MÓDULO 1 fixo - 28 unidades

PLANTA BAIXA

SALA DE REUNIÕES

1,00

1,00

aparador/café

3.30

1,00

1,00

0.50

3.90

duas telas projeção

0.00

3.30

0.15

6.60

0.50

1,00

0.50

painel de madeira fixa

1,00

0.30

aparador/café

0.50

4.95

0.50

4-121

aparador/café

DETALHE DO MOBILIÁRIO

ICMC 4 - SALA DA CONGREGAÇÃO

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

4.95

parede móvel a ser construída

3.30

0.50 0.50

0.50 0.50

B'

1,00 1,00

0.50

ESTUDO


0,05

detalhe 1

Este trabalho exigiu uma dedicação 0,77 0,67

especial nas especificações do mobiliário, para que o desenho especial dos pés da bancada tivesse uma forte justificativa dian-

0,005 0,04

te dos questionamentos acerca do projeto. Por fim, a experiência foi enriquecida pela

1,50

0,04

0,05

0,05

0.036

0,05

0,01

das e a sala construída e utilizada.

0,04 0,01 0,01

possibilidade de ver as bancadas executa-

Instituto de Ciênc

ICMC 4 - SA DETALHE 1

DETALHE DO MO

DETALHE 2

ESCALA 1:5 detalhe 1

ESCALA 1:5 detalhe 2

0,05

detalhe

0,005 0,04

0,77 0,67

detalhe 1

1,50

0,04

0,05

VISTAS DA ME

0,05

0,05

detalhe 2

detalhe 1

0,05

0.036

0,01

0,04 0,01 0,01

ESCALA 1:10

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computa

ICMC 4 - SALA DA CONGREGAÇÃ DETALHE 1

0,005 0,04

0,77 0,67

ESCALA 1:5 detalhe 1

1,50

0,04

0,05

0,04 0,01 0,01

0,05

0,05

0.036

ESCALA 1:5 detalhe 2

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

1 - Exemplo do detalhamento realizado para a execução das bancadas.

ESTUDO

ICMC 4 - SALA DA CONGREGAÇÃO DETALHE 1

ESCALA 1:5 detalhe 1

DETALHE 2

ESCALA 1:5 detalhe 2

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP |

DETALHE DO MOBILIÁRIO

VISTAS DA MESA

ESCALA 1:10

0,01

DETALHE 2

DETALHE DO MOBILIÁRIO

2 - Imagens das bancadas construídas, mostrando o funcionamento da justaposição dos módulos (acima) e o apoio especial (abaixo).


SALA DE REUNIÕES | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP sala de reuniões_mobiliario_Jessica_V6.dwg

C

MESA MÓDULO 2 móvel - 8 unidades

ESCALA 1:75

DETALHE TIPOS MESAS

MESA MÓDULO 1 fixo - 28 unidades

CORTE CC'

ESCALA 1:50

ESCALA 1:50

DETALHE MESAS MÓDULO 1

D' D

C'

CORTE DD'

ESCALA 1:50

80 cm de altura, com pés tipo "L"

BASE

ICMC 4 - SALA DA CONGREGAÇÃO DETALHE DO MOBILIÁRIO

ESTUDO

50 cm de altura

SAIA

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

ESCALA 1:25

DETALHE CORTE DD'

detalhe folha 4

50 cm de altura

TAMPO


Sala de Doutorandos e Pós-doutorandos Data do pedido: novembro de 2012. Duração do projeto: 5 meses. Local: Bloco 4, sala 4-124. Área: 75 m². A sala 4-124 atualmente abriga a sala de reuniões que teve suas atividades transferidas para a sala de conferências da Congregação. Com isso, a sala 4-124 abrigará as salas de estudo para doutorandos e pós-doutorandos, com mesas para computadores e armários necessitando, assim, de um projeto para adequação de layout. Em um primeiro estudo, a proposta contemplava quatro salas de 8 lugares cada, sendo que uma das salas ficaria sem iluminação natural e, por isso, necessitava de uma divisória mais transparente. Nos estudos seguintes, atentou-se para as normas dos bombeiros e acessibilidade para rever a capacidade das salas e disposição do mobiliário, além da preocupação com a iluminação e ventilação natural em todas as salas. Por fim, optou-se por realizar a divisão da sala 4-124 em duas, cada uma com capacidade de 8 pessoas, mantendo um espaço de circulação confortável para os usuários, com ventilação e iluminação natural para ambas.

SALA DE DOUTORANDOS | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

17


No referido trabalho, a discussão central foi a divisão da sala e o conforto dos usuários, principalmente na questão da iluminação e ventilação natural, que nas primeiras propostas, não eram contemplados em todas as salas. A experiência de reformular propostas a partir da ponderação entre considerações recebidas e os princípios da arquitetura foi muito válida, reforçando a importância de uma discussão baseada em argumentos objetivos e desenhos claros.

3 - Esquemas de rota de fuga e circulação de cadeirante, para avaliar adequação às normas.

18

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | SALA DE DOUTORANDOS


SALA DE DOUTORADOS | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP salas de pós - novos estudos(V6)propostasfinais.dwg


4 - Exemplo do desenho de indicação de pintura da rua do estacionamento no Campus 1.

Cálculo para Pintura dos Blocos do ICMC Data do pedido: novembro de 2012. Duração do projeto: 1 mês cada etapa. Local: ICMC Campus 1 e Área 2 Campus 2. O referido trabalho consistiu na medição e cálculo de áreas para pintura dos prédios do ICMC no Campus 1 e, posteriormente, no Campus 2 e Área de estacionamento do Campus 1. No caso dos prédios do Campus 1, existia uma planilha de áreas de pintura e quantidades de material que necessitava de atualização, e que precisava ter em anexo as plantas dos blocos com indicações de pintura, que foram feitas a partir dos arquivos existentes no Banco de Dados. No caso dos prédios do Campus 2, foi realizado esse mesmo processo. Na mesma ocasião, foi necessário fazer um desenho de indicação de pintura da rua e estacionamento que ficam em frente ao prédio da biblioteca do ICMC. No caso da pintura dos prédios do campus 1, houve uma dificuldade de cotação das áreas devido à falta de desenhos das fachadas dos edifícios. O prédio do Campus 2, por ser mais atual, já possuia os desenhos em formato digital, o que tornou a cotação mais precisa.

20

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | CÁLCULO DE PINTURA PLANTA_terreo_campus2.dwg |


5 - Desenho da divisão dos espaços de acordo com os departamentos (lilás representa área comum).

Adequação dos laboratórios ao novo Bloco do Campus 1 Data do pedido: dezembro de 2012. Duração do projeto: 1 semana. Local: Campus 1, bloco novo, primeiro pavimento. Área: 450,40 m². Para ampliação do Bloco 4 do Campus 1, existe um projeto de um edfício modular, que a princípio foi pensado com uma determinada distribuição das salas, mas que precisou abrigar laboratórios maiores e, por isso, exigiu um projeto específico. O trabalho, portanto, foi realizar uma nova organização dos espaços, cujo programa contemplava laboratórios de aproximandamente 100m², salas de reunião e área comum de sanitários e convivência. Os laboratórios já possuiam seus mobiliários especificados, e por isso, eram necessário somente pisicioná-los em cada sala disponível. Não houve muitos estudos nesse trabalho, pois havia uma urgência em entregar uma resposta para os responsáveis dos laboratórios. As hachuras presentes no desenho acima correspondem às divisões de acordo com os departamentos.

LABORATÓRIOS | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP novas_propostas_LABINTEGRADO_LIFE_CAEd(V2).dwg

21


6 - Vista da sala proposta, feita com o uso dos softwares SketchUp e Kerkythea.

Salas das Áreas Técnicas Administrativa/Pessoal (ATAd) e Acadêmica (ATAc) Data do pedido: janeiro de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Público atendido: funcionários do ATAd e ATAc. Local: Bloco 3, Sala 3-001 e Bloco 4, Sala 4-006. Para as salas das áreas técnicas, houve a necessidade de aumentar a capacidade das salas para abrigar os novos funcionários (um em cada sala). Dessa forma, foi feito um levantamento dos usos de cada setor, analisandos os espaços de circulação e de atendimento ao público, disposição dos armários e de máquinas de impressora, scanner, café, etc. No caso da área acadêmica (a área administrativa/pessoal foi detalhada pela outra estagiária), foram feitas duas propostas, incluindo a sugestão de compra de uma bancada para apoio das impressoras e atendimento ao público (imagem acima). No entanto, não houve uma resposta das pessoas que solicitaram o trabalho depois que ele foi entregue. Este trabalho foi o primeiro em que foi possível utilizar os recursos da modelagem 3D (software SketchUp), como ferramenta de visualização dos espaços, que pode ser muito útil para esclarecer as pessoas sobre o projeto quando a planta não é suficientemente entendida.

22

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | ÁREA TÉCNICA


ÁREA TÉCNICA | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP AreaAcad_propostas(V2).dwg


7 - Exemplo do desenho de especificações do mobiliário solicitado.

Mobiliário da Sala da Seção Técnica de Informática Data do pedido: fevereiro de 2013. Duração do projeto: 2 semanas. Local: Bloco 1, sala 1-005. Área: 77,20 m². O trabalho consistiu na especificação e detalhamento do mobiliário necessário para a sala 1-005, usada pela Seção Técnica de Informática (STI) para manutenção e armazenamento de máquinas. As bancadas e armários precisavam ser mais resistentes ao peso das peças, o que precisava ser especificado no projeto, além de outras exigências. Assim que a solicitação foi feita, realizou-se uma medição da sala e, a partir de um estudo de mobiliário realizado por uma estagiária antiga, iniciou-se o desenho das bancadas e armários. Por ser um desenho voltado para o pedido de orçamento, não houve um detalhamento minucioso, mas os desenhos foram bem objetivos. Este trabalho teve um processo tranquilo no que se refere ao diálogo com os solicitantes, obtendo-se resposta positiva sobre o resultado.

24

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | MOBILIÁRIO


MOBILIÁRIO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Sala1005_Jessica(V2).dwg


8 - Planta com o projeto original feito pelas estagiárias anteriores, mostrando a bay-window.

exposição bay-window

pilares para sustentação em alvenaria ou metálicos

porta de correr

porta de correr 4-002 SALA EXPOSITIVA

4-004 SALA INTERATIVA

paineis presos por cabo de aço no chão e no teto com informações de peças ou sobre o museu

impressora estante

estante unidade de fita horizontal

estante

bancadas com monitores touchscreen para exercícios em grupo porta de correr

monitor touchscreen 100'' estante com prateleiras de altura variável

estante baixa de exposição

janela

PLANTA PAVIMENTO TÉRREO PROJETO ANTIGO ESCALA 1:75

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

PLANTA PAVIMENTO TÉRREO SITUAÇÃO ATUAL

PROJETO

ICMC BLOCO 3-4 MUSEU DA COMPUTAÇÃO

ESCALA 1:250

Museu da Computação ICMC Data do pedido: dezembro de 2012. Duração do projeto: 5 meses. Local: Bloco 4, salas 4-002 e 4-004 Área: 90 m². O projeto do Museu Interativo estava em aberto, havendo a necessidade de uma revisão e especificação do mobiliário para exposição do acervo. No projeto original, o partido do projeto era a criação de uma vitrine de exposição visível interna e externamente. Tal vitrine, chamada então de bay-window, devido seu desenho projetado para fora da sala, necessitava de especificação para as prateleiras de vidro nas quais se expõem as peças. A exigência das professoreas responsáveis pelo Museu foi a possibilidade de alteração das prateleiras para a variabilidade dos modos de exposição. Foi feito um levantamento do local e das peças do acervo, e constatamos que haveria um peso considerável na bay-window, pois se tratava de máquinas de cálculo antigas, feitas em ferro. O objetivo então foi pensar uma estrutura para as prateleiras que atendesse a necessidade de variabilidade e ao mesmo tempo fosse resistente ao peso das peças.

26

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | MUSEU desenhos_execucao_maio13.dwg


9- Vista da vitrine proposta, produzida com a combinação dos programas SketchUp e Kerkythea.

10 - Corte do corredor do bloco 4, vendo a estrutura da vitrine indepentende da estrutura do prédio.

Na revisão do projeto (planta na pág. 29), pensou-se uma estrutura destacada do prédio, para não sobrecarregar a laje existente com o peso das peças em exposição. Dessa forma, a estrutura se tornou uma caixa (imagem acima), que emoldura o espaço de exposição, da mesma forma que dá a sensação que o museu “transborda” para o corredor, devido ao recuo dos fechamentos laterais. Além disso, as entradas, que antes interrompiam a bay-window (ver projeto original ao lado), foram deslocadas, sendo a entrada do museu feito pelo jardim interno, deixando o museu mais atrativo.

MUSEU | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

27


11 - Vista da sala multimidia, produzida com a combinação dos programas SketchUp, Kerkythea e Photoshop.

Além da vitrine/bay-window, na parte interna do Museu existem prateleiras encostadas nas paredes ao fundo das duas salas, prateleiras centrais na primeira sala e mesas interativas na segunda. No projeto original, devido a existência da esquadria na segunda sala, as prateleiras eram baixas e havia a necessidade de fechamento por cortina para o uso da sala como espaço multimídia, com as mesas interativas e telas touchscreen. Propomos então, a retirada da esquadria para otimizar o espaço multimidia e, ao contrário do que foi sugerido em seguida (outra prateleira alta), mantemos algumas prateleiras baixas, para não haver excesso de informação na sala, além de liberar uma parede para telas e painéis. Como a intenção não era fechar o Museu em si, propomos a colocação de parede em vidro com a saída do Museu na lateral da sala, para não perder o contato com o jardim externo ao Museu e ainda criar uma ligação visual entre Museu e sua administração, futuramente alocada na sala lateral. Essa alteração da saída lateral do Museu e alteração da situação atual das salas ao lado da escada parte da necessidade de aumentar o espaço de circulação entre corredor e saída do edifício, que hoje não cumpre as normas (ver imagem na pág 26 com situação atual).

28

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | MUSEU


MUSEU | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP desenhos_execucao_maio13.dwg


12 - Vista das prateleiras internas, mostrando a face posterior com a chapa perfurada e os vidros apoiados.

No que se refere à estrutura das prateleiras e vitrine, a proposta foi feita a partir da nossa pesquisa de referências de estruturas e também a partir de consultas à especialistas em vidros e estrutura metálica. Considerando a necessidade de diversificar o posicionamento/quantidade de vidros, foi proposta uma estrutura que permite a desmontagem das bases dos vidros. Isso é possível devido a existência de uma placa dupla de chapa perfurada que fica ao fundo da estrutura, a qual recebe perfil rosqueados que sustentam os vidros. Para garantir a resistência da estrutura, as placas perfuradas ficam fixas em uma base de alvenaria e presas na parede da sala. No entanto, houve uma recusa dessa determinação, por não haver a possibilidade de retirar as estruturas da sala quando necessário, determinando a construção da estrutura com rodízios na base. Por existir a dúvida sobre a capacidade de carga da estrutura nas duas situações (fixa ou móvel), pensamos que seja importante considerar a execução de um protótipo das prateleiras, por se tratar de uma estrutura peculiar, específica do Museu, e portanto, passível de testes de viabilidade e resistência.

30

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | MUSEU


MUSEU | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP desenhos_execucao_maio13.dwg


13 - Vsta da vitrine/bay-window resultante do uso de SketchUp, Kerkythea e Photoshop. Abaixo está o detalhe dos montantes, o desenho consta no anexo.

No caso da vitrine/bay-window, essa variabilidade das prateleiras exigia uma estrutura mais rigida, pois não havia o apoio das paredes como no fundo da sala. Por isso, como foi dito anteriormente, foi proposta uma estrutura independente, com base em alvenaria, pilares e vigas metálicas, sendo ao final revestida de madeira laminada. Para a sustentação dos vidros internos, vários estudos foram realizados, sempre seguindo a idéia de utilizar montantes centrais sustentando vidros voltados para as duas faces da vitrine. O desenho ao lado mostra uma das proposta, que consiste em montantes com braços removíveis onde se apoioam os vidros, com aproximadamente 8x8mm de seção (imagem ao lado). Na opinião das professoras responsáveis, essa estrutura estava visualmente pesada, e sua repetição reforçaria isso, mostrando na ocasião uma vitrine de um museu em Londres como referência. Também foi consultado um especialista em estrutura metálica, que confirmou que esse tipo de estrutura é frágil, havendo a necessidade de usar mão francesa no lugar dos braços. Em seguida, foi proposto uma série de montantes metálicos com perfis que funcionam como mão francesa, para o apoio dos vidros (imagem pág. 35). Considerei inclusive que esses montantes fossem vinculados à um trilho embutido na base da estrutura, para que fosse posicionados conforme a necessidade da exposição, e armazenados próximo ao pilar (embutido no revestimento de madeira). Além dos montantes, consideramos a existência de cabos de aço para apoio de alguns vidros para sustentar peças mais leves e painéis informativos.

32

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | MUSEU


MUSEU | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP desenhos_execucao_maio13.dwg


A imagem ao lado mostra o início das obras para a reforma do Museu Interativo, que já teve as paredes das salas removidas e a base da vitrine iniciada. O projeto está agora sob a supervisão do engenheiro Airton Romero, do ICMC, que acompanhou o detalhamento do projeto executivo e seu detalhamento.

O projeto não foi totalmente concluído, sendo o detalhamento do mobiliário e a estrutura peculiar de cada prateleira objetos de maior estudo para uma etapa seguinte, pois considero de fundamental importância executar protótipos, a fim de avaliar o projeto e ainda servir como estudo para a melhor execução por parte dos profissionais relacionados. Mesmo com um estudo sobre a resistência das estruturas em questão, houve uma certa recusa das solicitantes do projeto, principalmente quanto ao uso de montantes na vitrine/bay-window, que passaram a cogitar o uso apenas dos cabos de aço. Na minha opinião, baseada nas pesquisas de referências para este trabalho, o uso de cabo de aço exige muito esforço para o nivelamento dos vidros, o que pode exigir um grande número de funcionários envolvidos em um tempo inviável, além de poder não atingir a resistência necessária. O Museu Interativo começou a ser construído ao final de setembro de 2013, possibilitando mais uma experiência de acompanhamento da execução de projeto. Ainda que não foi possível especificar alguns aspectos finais do projeto, todo o processo foi, sem dúvida, enriquecedor para minha formação e considero o resultado satisfatório como espaço de transmissão do conhecimento e da interação entre as pessoas. 14 - Vista do corredor para a vitrine do Museu, exemplificando uma possivel disposição dos montantes metálicos e de cabos de aço.

34

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP |


MUSEU | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP desenhos_execucao_maio13.dwg

.50

.50

.35

1.80

.35

estrutura bay-window

alumínio com pintura elestorstática

estrutura da vitrine

MDF laqueado cor vermelho

alvenaria com revestimento de MDF laqueado cor vermelho

base bay-window

ESCALA 1:30

MUSEU DA COMPUTAÇÃO

ICMC BLOCO 3-4

PROJETO

MONTAGEM ESTRUTURA TIPO 1

prateleiras de vidro

ferro com acabamento claro

braço tipo mão francesa

ferro com acabamento claro

estrutura da vitrine

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

alumínio com pintura eletrostática

estrutura vitrine

ESTRUTURA TIPO 1 ESCALA 1:40

.40

moldura em alumínio

prateleira de vidro

estrutura bay-window

MDF laqueado cor vermelho


15 - Vista da sala de Reuniões da Diretoria, resultante do uso do SketchUp, Kerkythea e Photoshop.

Painel para Sala de Reuniões da Diretoria Data do pedido: janeiro de 2013. Duração do projeto: 2 meses. Local: Sala 4-103, Bloco 4. Área: 21 m². O trabalho inicialmente foi fazer uma planta elétrica da Sala de Reuniões da Diretoria, já que houve a necessidade de alterar o cabeamento para a instalação de um equipamento de videoconferência. Apesar da falta de segurança em realizar essa planta específica, me foi informado que seria uma informação aderida ao pedido do serviço para o setor de compras do ICMC. Em seguida, o trabalho foi elaborar um suporte para o equipamento de videoconferência e televisão para a sala. Primeiramente, foi feito um levantamento da sala a fim de avaliar as possibilidades de estruturar tal suporte, uma vez que a parede onde seria instalado é de drywall. A princípio, cogitou-se instalar um suporte padrão de TV, fixo na laje do edifício. Nesse processo, nos envolvemos inclusive na montagem de um suporte, com ajuda dos funcionários do ICMC. Por fim, decidiu-se instalar um painel de madeira, apoiado na estrutura do drywall, que receberia o suporte das duas televisões e uma base para o aparelho de videoconferência. Para esse projeto, foi produzido apenas a imagem acima, com uma vista do painel proposto, sendo que a especificação ficou a cargo do profissional contratado, que inclusive fez alterações na proposta. A utilização da modelagem 3D foi sendo muito eficaz durante os trabalhos, e especificamente neste trabalho rendeu comentários positivos dos solicitantes.

DIRETORIA | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

37


Vistoria de Acessibilidade do Campus 1 Data do pedido: março de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Local: Campus 1, pavimentos térreos. A partir da necessidade de se fazer comprir uma lei que estabelece a promoção da acessibilidade dos edifícios de uso coletivo, o trabalho referido consistiu na vistoria dos prédios do ICMC no Campus 1, para avaliar o cumprimento das normas técnicas da ABNT, especificamente a NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. O trabalho foi realizado com o acompanhamento de uma funcionária da área técnica administrativa, com o objetivo de ter uma primeira avaliação nos edifícios do campus 1. O relatório entregue contém uma planilha de ocorrências de falta de cumprimento das normas (ao lado), acompanhada de um registro de imagens tiradas nos locais das ocorrências, indicadas em plantas. Este trabalho foi interessante como questionamento das possíves intervenções em edificações já construídas para garantir a acessibilidade. E o levantamento, que a princípio parecia simples, se mostrou complexo pois, se não houvesse o apoio das normas, como também a pesquisa em sites sobre acessibilidade (na maioria escritos por pessoas portadoras de necessidades especiais), muitas ocorrências passariam despercebidas, como por exemplo o nome dos edifícios se encontram acima da porta de entrada, quando deveriam estar em braile ao alcance das mãos.

38

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | ACESSIBILIDADE Implantacao_ICMC(V3).dwg


FOLHA

OCORRÊNCIA

LOCALIZAÇÃO

DESCRIÇÃO

REGISTRO

1

Percurso próximo de árvore, cujas raízes danificaram caminho, tornando-o irregular.

2

Acesso à área de lazer com desnível de 10 cm, sem rampas.

F 1/4

Percurso do estacionamento até bloco 5 Piso de concreto desgastado. 3

F 2/4 DET 1

Foto Nº 007

Piso podotátil desgastado.

Foto Nº 008

Corrimão de circulação sem placa de indicação em braile.

Foto Nº 009 Foto Nº 011 Foto Nº 012 Foto Nº 013

Percurso da entrada principal do edifício sem piso podotátil.

Foto Nº 014

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 015

7

Piso podotátil em frente ao elevador desgastado.

Foto Nº 016

8

Escadas de circulação sem adevisos de alerta.

Foto Nº 017

9

Nomes das salas de aula sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 018

6

F 1/4

11 12

ICMC Bloco 5

Percurso do Bloco 5 até Biblioteca Corrimão de circulação sem placa de indicação em braile. ICMC Percurso do Estacionamento até Bloco Piso de concreto com possíveis obstáculos e sem colocação de piso podotátil. 6

Foto Nº 019 Foto Nº 020

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 021

Piso podotátil no corredor de circulação interior com parte descolada.

Foto Nº 022

Corrimão de circulação sem placa de indicação em braile.

Foto Nº 023

Piso podotátil no início da rampa com material desgastado.

Foto Nº 024

Entrada do edifício sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 025

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 026

16

Corrimão de circulação na entrada do edifício sem placa de indicação em braile.

Foto Nº 027

17

Escadas de circulação sem adevisos de alerta.

13 14

ICMC Bloco 6 Percurso do Bloco 6 até a Biblioteca ICMC

15

F 3/4 DET 3

ICMC Bloco 1

Foto Nº 028 Foto Nº 029 Foto Nº 030

18

Porta de acesso ao elevador com puxador inadequado.

19

Porta do banheiro PNE com puxador inadequado.

Foto Nº 032

Altura da pia do banheiro maior que a adequada, sem inclinação indicada do espelho.

Foto Nº 033

Equipamentos de sabonete e papel-toalha instalados em altura maior que a adequada.

Foto Nº 034

21

Percurso do térreo livre sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 035

22

Equipamento de bebedouro não adaptado para PNE.

Foto Nº 036

23

Nome da "Sala 24 Horas" sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 037

24

Espaço inadequado para entrada e circulação de cadeirante na "Sala 24 Horas" do térreo.

Foto Nº 038

20

F 3/4 DET 4

Foto Nº 010

Porta de entrada posterior do edifício com uma das folhas travadas, deixando vão de passagem menor que o necessário.

10

F 1/4

Foto Nº 004

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

F 1/4

F 2/4 DET 2

Foto Nº 003

Foto Nº 006

Percurso da entrada posterior do edifício sem piso podotátil. 5

Foto Nº 002

Foto Nº 005

Obstáculo no percurso.

4

Foto Nº 001

25

Biblioteca ICMC

Porta de entrada e hall sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 031

Foto Nº 039 Foto Nº 040

26

Entrada da Biblioteca ICMC sem sinaização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 041

27

Percurso de passagem pelo detector de metais sem colocação de piso podotátil ou indicação em braile.

Foto Nº 042

28

Escada de circulação interna sem colocação de adesivo de alerta.

Foto Nº 043

F 1/4

29

Percurso da Biblioteca até estacionamento

F 1/4

30

Percurso da Biblioteca até Bloco 3

Rampa entre nível das vagas acessíveis até piso térreo da Biblioteca com inclinação aparentemente Foto Nº 044 acima do adequado. Foto Nº 045 Percurso entre edifícios sem colocação de piso podotátil ou barras com indicação em braile.

Foto Nº 046 Foto Nº 047

Corredor da Graduação com espaço de circulação menor que adequado, com mobiliário interferindo Foto Nº 048 no percurso.

31

32

F 4/4 DET 5

Porta de entrada posterior do edifício com uma das folhas travadas, deixando vão de passagem menor que o necessário.

Foto Nº 049

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 051

33

Corrimão de escada de circulação sem superfície arredondada.

34

Corredor de circulação entre blocos 3 e 4 sem colocação de piso podotátil.

35

ICMC Bloco 3

Corredor de circulação entre bloco 3 e gráfica sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 050 Foto Nº 052 Foto Nº 053 Foto Nº 054 Foto Nº 055 Foto Nº 056

36

Espaço inadequado para entrada e circulação de cadeirante nas salas de aula do térreo.

Foto Nº 057

37

Nomes das salas de aula sem sinaização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 058

38

Desnível entre pisos da área de lazer com valor inadequado.

Foto Nº 059 F 1/4

Foto Nº 061 39

F 1/4

40

Mobiliário da área de lazer com disposição inadequada para uso de PNE.

Foto Nº 062 Foto Nº 063

Percurso do bloco 3 para Jardim com obstáculos.

Foto Nº 064

Percurso do bloco 3 para Jardim com piso irregular sem colocação de piso podotátil ou barras.

Foto Nº 065

42

Entrada do bloco 4 pelo Jardim sem colocação de piso podotátil e nome do edifício em braile.

Foto Nº 066

43

Corrimão da escada de circulação sem superficíe arredondada e indicação em braile.

44

Piso do corredor de circulação (frente ao Museu) sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 069

45

Nome das salas sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 070

41

F 4/4 DET 5

Percurso entre Bloco 3 e Bloco 4 pelo Jardim

ICMC Bloco 4

Estrutura da escada principal (e mobiliário ao redor) com risco de obstáculo na circulação.

46 Corrimão da escada principal sem superfície arredondada.

F 1/4

Foto Nº 060

Foto Nº 067 Foto Nº 068

Foto Nº 071 Foto Nº 072 Foto Nº 073 Foto Nº 074 Foto Nº 075

47

Porta de entrada principal do bloco 4 sem colocação de piso podotátil.

48

Nome do edifício sem sinalização em braile, na área de alcance adequada.

Foto Nº 077

49

Área de circulação sem colocação de piso podotátil.

Foto Nº 078

50

Superfície de banco de concreto com risco de obstáculo.

Foto Nº 079

51 52

Percurso entre área externa do Bloco 4 Escada de circulação para estacionamento sem adesivo antiderrapante. e estacionamento. Corrimão de escada de circulação sem indicação em braile.

Foto Nº 076

| RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO USP Foto Nº|080

Pisos dos percursos de circulação sem colocação de piso podotátil ou barras.

Foto Nº 081

39


RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | ACESSIBILIDADE Implantacao_ICMC(V3).dwg


16 - Imagem retirada do Manual de Auxílio na Interpretação e Aplicação da Norma Regulamentadora NR 35 - Trabalhos Em Altura.

Vistoria de Adequação á NR-35 (Trabalho em Altura) Data do pedido: março de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Local: Campus 1, Bloco 6. No mesmo sentido de adequar os prédios do ICMC as normas de acessibilidade, também foi elaborado um trabalho de vistoria e proposta de adequação à NR 35 - Segurança de Trabalho em Altura, que consiste basicamente em adequar os edifícios com equipamentos nas fachadas e cobertura para a circulação dos trabalhadores em uma altura acima de 2 metros (imagem acima). O trabalho se iniciou com reuniões com a Prefeitura do Campus de São Carlos para conhecimento da NR-35 e dos procedimentos de adequação dos prédios do campus 1 e 2. Posteriormente, foi realizado a primeira vistoria sob a orientação da Prefeitura do Campus, no edifício do Auditório e CISC, na qual se obteve instruções para preparar um material que constaria no Relatório de Vistoria. O trabalho iniciado em março de 2013, foi posteriomente finalizado pelas estagiárias do curso de engenharia civil da EESC/USP. Uma dificuldade presente desde o começo do trabalho foi a falta dos desenhos de fachada em formato digital para a realização do relatório de vistoria. No decorrer do trabalho, acompanhei a busca pelos arquivos, que só terminou quando encontrou-se uma pasta com a maioria dos projetos dos prédios do ICMC, mas que não constam no Banco de Dados do Estágio, evidenciando, com isso, a necessidade de unificar e atualizar os arquivos digitais, tornando-os acessíveis aos interessados.

42

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | TRABALHO EM ALTURA


Sala da Seção Técnica de Informática e Copa no Campus 2 Data do pedido: abril de 2013. Duração do projeto: 2 meses. Local: Campus 2, Prédio da Engenharia da Computação. O trabalho aqui tratado se refere à adequação de duas salas do bloco novo do prédio da Engenharia da Computação no Campus 2, para instalação de mobiliário do STI e de uma copa no mesmo pavimento. Além disso, no primeiro pavimento, foi solicitado por um professor representante do departamento de computação que as salas pudessem ter divisórias móveis nas ocasiões em que houver uma turma muito grande para uma aula ministrada por um único professor. Esse trabalho foi realizado por outra estagiária, e na minha opinião não deveria ter a urgência que foi exigida, por necessitar de um maior estudo sobre a dinâmica desses espaços didáticos que são eventualmente subdivididos. No que se refere ao trabalho solicitado no térreo (STI e Copa), foi proposta uma disposição do mobiliário necessário na sala do STI, cujas especificações foram passadas por um funcionário do STI no Campus 2, bem como o reforço do piso da sala, para suportar uma carga de 1225Kg/ m². No caso da copa, além da especificação do mobiliário e dimensionamento de algumas peças, foi preciso fazer uma planta hidráulica indicando as adaptações da sala, sendo esta última planta feita sob orientação do Eng. Airton Romero, do ICMC.

SALA STI | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP pavimento_terreo(V3).dwg

43


RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | SALA STI pavimento_terreo(V3).dwg


Recepção do Auditório e da Sala da Congregação no Bloco 4 Data do pedido: abril de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Local: Bloco 4, corredor em frente à sala 4-124. Após a reforma da Sala da Congregação e juntamente da adequação do Auditório Professor Luís Fávaro, surgiu a necessidade de reforma do corredor de circulação entre essas duas salas, com troca do piso, especificação de mobiliário para recepção nos eventos das salas e colocação de forro, pois o aparelho de ar-condicionado estava exposto e provocava ruídos no local. A proposta consistiu na colocação de um forro rebaixado (na altura correspondente ao tamanho do aparelho de ar-condicionado), que, juntamente com o mobiliário apropriado, reforçou uma demarcação do espaço da Recepção. Para não prejudicar o funcionamento do exaustor, foi necessário instalar quadros perfurados para ventilação no forro, que também recebeu iluminação embutida, a qual especifiquei na planta elétrica (imagem pág. 49) com o apoio do Eng. Airton do ICMC. Além disso, foi proposta a instalação de painéis removíveis na parede onde havia quadros de força e rede, para dar uma unidade ao espaço da Recepção. Um dos tipos de painel foi feito de MDF 15mm da cor imbuia, posicionado nas laterais do espaço da Recepção, e o outro foi feito em MDF 15mm da cor branca. Para a especificação da instalação dos painéis, foi feito uma planta com seu posicionamento e quais seriam removíveis ou fixas.

46

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | RECEPÇÃO


RECEPÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Recepcao_auditorio(V3).dwg


RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP |

17 - Vista geral do espaço proposto para a Recepção, na versão final, que foi resultado do uso dos softwares de modelagem e renderização. Abaixo está um dos cortes com especificação de material e execução.


RECEPÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Recepcao_auditorio(V3).dwg


18 - Abaixo, o detalhamento das bancadas para apoio das atividade do Auditório e Sala de Conferências. Ao lado, uma demostração do processo de elaboração até a finalização do projeto.

Este trabalho foi o primeiro em que trabalhei sob a orientação do Eng. Airton, o que foi muito proveitoso, pois até então, nenhum projeto exigiu tal nível de desenvolvimento (projeto executivo), por ser tratarem de desenhos para processos do Instituto. Como houve um prazo curto para a construção do espaço da Recepção, trabalhamos sob grande pressão, tendo assim que lidar com uma organização do tempo de trabalho e uma divisão de tarefas, o que é muito importante no ambiente de trabalho.

50

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP |


RECEPÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Recepcao_auditorio(V3).dwg


Projeto de Ocupação da área temática 2 do Campus 2 Data do pedido: abril de 2013. Duração do projeto: 5 meses. Local: Campus 2, área temática 2. Área: aprox. 20.000 m². O trabalho aqui descrito refere-se ao projeto de Ocupação do Setor 2 do Campus 2, destinado ao ICMC, e onde será construídos os prédios dos departamentos da matemática e os do departamento da computação. Cada departamento forneceu um programa dos prédios com as estimativas de área necessária para os laboratórios, salas de docentes e outros espaços didáticos específicos, considerando uma projeção de 20 anos, aproximadamente. A área disponível para cada departamento foi fornecida pela Comissão de Implantação do Campus 2, juntamente com a proposta de implantação dos prédios. Dessa forma, a etapa seguinte foi elaborar o projetos destes prédios para a solicitação da construção, trabalho este atribuído às estagiárias, sob a coordenação da arquiteta Sônia Costardi, da Prefeitura do Campus de São Carlos e com a participação dos chefes de departamento na análise e crítica das propostas apresentadas. O projeto se iniciou com reuniões com a Arq. Sônia, para análise e reconhecimento da área e da implantação proposta pela Comissão. A partir disso, partimos para um estudo das áreas solicitadas e das disponíveis, para elaborar a primeira proposta de projeto dos edifícios. OCUPAÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

53


19 - Proposta enviada pela Comissão de Implantação do Campus 2, com 5 blocos de edifícios.

A proposta da Comissão (imagem acima) compreende 5 blocos de edifício em formato “H”, inseridos na malha virtual de módulo 11,70 x 21,60m. Analisando as áreas dos blocos, em comparação às solicitações dos programas dos departamentos (tabela ao lado), constatamos que não foi contemplada as áreas de uso comum (sanitários, serviços, circulação). Foi pedido então que as áreas comuns fossem acrescentadas num espaço entre os os blocos de cada departamento, em uma proporção que atendesse a demanda de todos os prédios. Após os estudos, foram feitas considerações sobre a primeira proposta de implantação. Partimos da constatação que o bloco “H” proposto não comporta o programa solicitado somado às áreas comuns necessárias em cada prédio. Além disso, a distância e recuos entre os blocos e um volume anexo seria inviável. Constatou-se que a proposta de edifícios isolados não é compatível com a dinâmica de trabalho dos departamentos, principalmente entre os da matemática, e entre os da computação. Feita as considerações, chegou-se na nova implantação (imagem pág. 57), que propõe dois edifícios, a partir da junção dos departamentos da computação e dos departamentos da matemática em dois blocos, mantendo o formato “H”, com a área central compartilhada, possibilitando uma otimização do prédio, dos recursos de construção, mobiliário e equipamentos. Foi proposto também a ligação entre eles por meio de uma passarela, facilitando a comunicação entre os usuários dos prédios. Ainda sobre a implantação, foi proposto a criação de um platô para cada bloco, de forma que haja menor movimentação do terreno da implantação (imagem pág. 56).

54

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | OCUPAÇÃO


PLANILHA SINTESE DOS PLANOS DE OCUPAÇÃO DOS DEPARTAMENTO PARA O CAMPUS 2 Previsão de Implantação

PADRÕES DEFINIDOS NAS REUNIÕES

Tipo de Ambiente Espaço para novos projetos - Área de Pesquisa e Desenvolvimento Laboratório de Análise Aplicada e Geométrica (Grupo Matemática) Laboratório de Apoio a Projetos Temáticos de alunos Laboratório de Aprendizado de Robôs Laboratório de Base de Dados e Imagens Laboratório de Computação Bioinspirada Laboratório de Educação Matemática Laboratório de Ensino de Matemática Laboratório de Estatística Laboratório de Estudos de Risco Laboratório de Formação de Professores Laboratório de Inteligência Computacional Laboratório Interdisciplinas de Fomração de Educadores Laboratório de Matemática Aplicada e Computação Científica Laboratório de Olimpíadas Laboratório de Otimização Laboratório de Pesquisa 1 Laboratório de Pesquisa 2 Laboratório de Pesquisa 3 Laboratório de Pesquisa 4 Laboratório de Pesquisa 5 Laboratório de Pesquisa 6 Laboratório de Pesquisa 7 Laboratório de Pesquisa 8 Laboratório de Pesquisa 9 Laboratório de Pesquisa 10 Laboratório de Propósito Geral Laboratório de Sistemas Complexos, Partículas e Controle Laboratório Visual e Geométrico Laboratório de Visualização, Imagens e Computação Gráfica Laboratório Intermídia Laboratório Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional 2

Laboratórios (30m cada)

30

Salas de aula pós-graduandos

Salas de docentes

20

Salas de uso temporário de docentos do Campus I Salas de pós-graduandos, pós-doutorandos e professores visitantes

Subáreas Temáticas Acervos Temáticos

APOIO

Administração do Departamento Administração ICMC

Área de Apoio - roteador, convivência, banheiro, escada, elevador, circulação

Recepção Serviços (STI, oficinas, etc.)

Sala de Convivência

Por andar - 30 Térreo - 60

Área de Estudo 24 hrs Sala de reunião e videoconferência

Sala de Seminários (Auditório) Salas de aula/ seminário/ defesas/ reuniões/ auditório 2 TOTAL (em m )

SCC

SMA

SME

SSC

2015

2015

2015

2013

PAVIMENTO

PAVIMENTO

PAVIMENTO

PAVIMENTO

330

Térreo

-

-

-

-

240

2º Andar

-

-

-

-

100

Sem indicação

-

-

150 300 500 300

1º Andar 4º Andar 2º Andar 4º Andar

Sem indicação Sem indicação -

150

Sem indicação

450 500

5º Andar 3º Andar

150 100 100 -

Sem indicação Sem indicação Sem indicação -

180 270 150 120 120 120 120 60 60 60 60 360 -

1º Andar -

-

1º Andar 1º Andar 1º Andar 1º Andar 1º Andar -

150 100 -

-

100 100 100 100 100 -

250

5º Andar

-

-

-

-

-

-

120 120 120 500 500 500 600 690 720 690 30 30 30 30 100 30 60 30 30 30 30 100 240 240 240 240 6.550

2º Andar 3º Andar 4º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 1º Andar 1º Andar Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar

-

-

200 200 200 240 120 50 80 80 40 60 -

1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 5º Andar 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 5º Andar -

-

-

180 50 250 250 250 250 250 250 50 200

1º Andar Térreo Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 5º Andar Térreo 1º Andar

-

-

200 50 100 100 100

Térreo Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar

180 SMA e SME - 180 SCC e SSC - 60

200

6.780

Térreo

Térreo Térreo Térreo 3º Andar 3º Andar 3º Andar 4º Andar 4º Andar 4º Andar 4º Andar 1º Andar -

-

-

-

-

200

Sem indicação

1200

Sem indicação

-

-

1340

Sem indicação

-

-

480 540 80 220 -

3º Andar 4º Andar 2º Andar 2º Andar -

-

-

-

-

200 240

Sem indicação Sem indicação

180 330 330 330 330 330 60 210 60 30 30 30 30 120

1º Andar Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar Térreo Térreo Térreo 1º Andar 2º Andar 3º Andar 4º Andar 1º Andar

180

2º Andar

-

-

120 60 6.000

2º Andar 4º Andar

160

4.190

Sem indicação

20 - Planilha de áreas solicitadas pelas departamentos para a Ocupação do Campus 2.

OCUPAÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Campus2_implantacao(V5)_enviadocomissao.dwg


21 - Propostas de corte e aterro do terreno, das quais optou-se em reunião pela segunda alternativa.

No que se refere ao volume “H”, desde os primeiros estudos pensou-se uma grande área central, com dimensões 15,0m x 14,40m x altura total do edifício, coberto (dependendo dos recursos disponíveis) com uma estrutura translúcida com possibilidade de ventilação natural (lanternim ou sheds), garantindo iluminação no miolo do edifício. Além disso, a área resultante se caracteriza por um espaço de convivência, de exposição de trabalhos científicos, mostras de livros e obras, além de um espaço verde no interior do volume. Conforme foi sendo elaborado o projeto, consultamos as normas dos bombeiros para verificar as adequações dos edifícios. Constatou-se que a distância mínima percorrida entre um extremo do prédio até uma escada enclausurada (para edifícios acima de 3 pavimentos) é de 40 metros, no caso do edifício possuir 2 saídas para o exterior. Por haver a necessidade de se obter áreas de laboratórios maiores e menos subdivididos pelas escadas, foi pensado uma disposição dos espaços de forma que os ambiente de uso comum se concentram na área central do edifício. Com isso, as laterais do volume ficam destinadas aos laboratórios e outras salas (docentes e administração), que podem ser ocupadas de diversas maneiras, uma vez que o corredor de circulação e acesso às salas é periférico. A seguir (pág. 58 e 59), tem-se as plantas dos pavimentos, mostrando a área adminstrativa do prédio no térreo, juntamente do auditório compartilhado e de laboratórios necessariamente térreos, enquanto o pavimento-tipo se divide em espaço para docentes (módulo mínimo de 17m²) e para laboratórios de pesquisa.

56

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | OCUPAÇÃO


OCUPAÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Campus2_implantacao(V5)_enviadocomissao.dwg


RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | OCUPAÇÃO Campus2_implantacao(V5)_enviadocomissao.dwg

portão

portão

área : 205 m² lotação: 70 pessoas

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

P2

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

P 39m

área : 51 m² lotação: 30 pessoas

SALA DE SEMINÁRIO (exemplo)

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

P 39m

ANFITEATRO

área: 287m² lotação: 238 pessoas

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

P2

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

ÁREA DE LABORATÓRIO DE PESQUISA (exemplo)

P 36m

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SAÍDA DE EMERGÊNCIA

SANITÁRIOS

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 25 m² lotação: 3 pessoas

ANTECÂMARA

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

P2

área: 826m² lotação (máxima): 300 pessoas

área : 15 m² lotação: ?

RECEPÇÃO

LAZER E EXPOSIÇÃO produção científica livros técnicos arte e esculturas mural e jardim

P2

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

ELEVADOR PAN.

área : 34 m² lotação: ?

CONVIVÊNCIA

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SAN PNE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

FOR.

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

área : 68 m² lotação: 7 pessoas

área : 25 m² lotação: 12 pessoas

SALA MULTIUSO

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 80 m² lotação: 50 pessoas

P 39m

SALA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS (exemplo)

P2

área : 93 m² lotação: 35 pessoas

P 38m

portão

portão

SALAS DE ESTUDO 24 HORAS

área : 17 m² lotação: 2 p

ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO

área : 60 m² lotação: 6 pessoas

SAÍDA DE EMERGÊNCIA

ADMINISTRAÇÃO ICMC

P1

área : 350 m² lotação: 140 pessoas

ÁREA DE LABORATÓRIO DE PESQUISA (exemplo)

SALA MULTIUSO

SALA DE DOCENTE

SERV.

DEPÓSITO

SANITÁRIOS

área : 68 m² lotação: 7 pessoas

FOR. SERV.

DEPÓSITO

SANITÁRIOS

ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO

ÁREA PARA LABORATÓRIOS DE PESQUISA

ACESSO AUDITÓRIO (principal)

área : 25 m² lotação: ?

FOYER

divisória móvel

área : 34 m² lotação: ?

CONVIVÊNCIA

SANITÁRIOS

SALA MULTIUSO

SALA DE DOCENTE

P1

área : 175 m² lotação: 70 pessoas

ÁREA DE LABORATÓRIO DE PESQUISA (exemplo)

COMPUTAÇÃO - PLANTA PAVIMENTO TÉRREO

ICMC CAMPUS 2

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

PAVIMENTO TIPO

PAVIMENTO TÉRREO

PROJETO


OCUPAÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Campus2_implantacao(V5)_enviadocomissao.dwg

P 39m

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

P 39m

área : 51 m² lotação: 30 pessoas

SALA DE SEMINÁRIO (exemplo)

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

P 39m

P 39m

área : 51 m² lotação: 30 pessoas

SALA DE SEMINÁRIO (exemplo)

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

SANITÁRIOS

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA MULTIUSO

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

SALA MULTIUSO

SANITÁRIOS

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 34 m² lotação: ?

CONVIVÊNCIA

ELEVADOR PAN.

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SAN PNE

área: 826m² lotação (máxima): 300 pessoas

área : 34 m² lotação: ?

CONVIVÊNCIA

SAN PNE

ÁREA PARA LABORATÓRIOS DE PESQUISA

área : 34 m² lotação: 1 pessoa

SALA DO STI

ELEVADOR PAN.

circulação

área: 826m² lotação (máxima): 300 pessoas

ÁREA PARA LABORATÓRIOS DE PESQUISA

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

FOR.

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SERV.

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA MULTIUSO

SANITÁRIOS

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

área : 42 m² lotação: 20 pessoas

SALA MULTIUSO

SALA DE DOCENTE

DEPÓSITO

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

FOR. SERV.

DEPÓSITO

SANITÁRIOS

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

circulação

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE área : 17 m² lotação: 2 p

área : 17 m² lotação: 2 p

SALA DE DOCENTE

SALA DE DOCENTE

área : 17 m² lotação: 2 p

área : 80 m² lotação: 50 pessoas

SALA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS (exemplo)

P 39m

área : 80 m² lotação: 50 pessoas

SALA DE ATIVIDADES ACADÊMICAS (exemplo)

P 39m

COMPUTAÇÃO - PLANTA PAVIMENTO TÉRREO

ICMC CAMPUS 2

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

TERCEIRO PAVIMENTO

PRIMEIRO PAVIMENTO

PROJETO


CONSIDERAÇÕES DA COMISSÃO ICMC-OCUPAÇÃO ÁREA 2

10867,10 m² soma 2 ed. 1137,24 m²/pav. 1036,18 m²/pav. 5686,20 m² total 5180,90 m² total RUA 02

2067,47 m²/pav. 10337,35 m² total

1767,72 m²/pav. 8838,60 m² total ESTACIONAMENTO

ESTAC.

ESTAC.

758,16 m²/pav. 1137,24 m²/pav. 3790,80 m² total 5686,20 m² total 9477,0 m² soma 2 ed.

- Maior benefício às atividades acadêmicas; - Otimização dos espaços de circulação, sanitários, acessibilidade e segurança; - Economia dos recursos investidos.

22 - Material produzido para justificativa da nova implantação, mostrando as áreas dos volumes nos dois casos.

No decorrer do projeto, em um momento avançado de detalhamento, obtivemos um posicionamento de recusa por parte da Comissão de Implantação sobre a nova proposta de implantação. Dessa forma, foi produzido um material gráfico, juntamente de um parecer por escrito, que defende a decisão de alteração da implantação, sob várias considerações, entre as quais a justificativa de que a proposta original não respeita recuos mínimos determinados nas Diretrizes Gerais de Projeto - anexo 1 - Implantação de Edifícios -, elaboradas pela então Coordenadoria do Espaço Físico da USP; a implantação original compremete a interação entre os departamentos, implicando numa multiplicidade de elementos de circulação – horizontal e vertical –, de áreas comuns de convivência e de serviços; consequentemente, onera os gastos com construção, mobiliários e equipamentos. O material preparado para justificar a nova proposta de implantação consistiu em um comparativo de áreas de cada proposta (acima), uma sobreposição das duas propostas (ao lado), a proposta de implantação em sua versão final (imagem pág. 62) e, por fim, um desenho que ilustra o desrespeito dos recuos mínimos (imagem pág. 63).

60

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | OCUPAÇÃO


02

tru

cons

OCUPAÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Campus2_implantacao(V5)_enviadocomissao.dwg

- Economia dos recursos investidos.

o

5 m²

,1 0491 ída 1

ESTAC.

sta ropo rea p do á e o d ntação tica, torn Con ra impla temá a M a p de ae Área licad o da ática Ap c o l B m ica Mate Estatíst

área

Áre

- Otimização dos espaços de circulação, sanitários, acessibilidade e segurança;

- Maior benefício às atividades acadêmicas;

ESTACIONAMENTO

o da

Bloc

Co a de

mpu

taçã

CONSIDERAÇÕES DA COMISSÃO ICMC-OCUPAÇÃO ÁREA 2

RUA

N

ESTAC.

AMPLIAÇÃO INSTALAÇÕES DE ENSINO


RUA 02

ESTACIONAMENTO

B - MATEMÁTICA (SME E SMA) 9.738²

RUA 02

ESTAC.

ESTAC.

23 - Última versão da implantação, a qual foi enviada para a Comissão de Implantação e previamente aceita.

No momento de elaboração deste relatório, estava sendo aguardado o envio do documento final em relação à análise da implantação, tendo-se uma informação preliminar: a nova implantação proposta (imagem ao lado) foi aceita pela Comissão de Implantação do Campus 2 que determinou a preservação dos pilotis, garatindo a ventilação livre do entorno, bem como a permeabilidade visual do ambiente. Um novo traçado de caminhos foi definido pela Comissão, respeitando o volume do prédio. Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

O projeto da ocupação, por sua escala e importância, exigiu dedicação exclusiva e se caracICMC CAMPUS 2 terizou por um trabalho completo, onde se trabalhou desde a avaliação das áreas solicitadas pelos COMPUTAÇÃO - PLANTA PAVIMENTO TÉRREO

departamentos e das áreas disponíveis na área e se chegou na especificação dos pavimentos de um dos edifícios propostos. Todo o processo foi acompanhado de muitos diálogos com os chefes dos departamentos da matemática e da computação, onde foi possível vivenciar a experiência de conciliar interesses diversos e traduzi-los em um projeto capaz de abrigar, confortável e racionamente, os futuros espaços de ensino e pesquisa. Vale ressaltar a valiosa orientação da Arq. Sônia Costardi, que transmitiu seu conhecimento em arquitetura com muita categoria e, tratando o assunto com uma contagiante tranquilidade, influenciou o processo deste e de outros trabalhos.

62

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP |


RU

2

RUA

02

RUA 02

ESTACIONAMENTO

RUA 02

ESTACIONAMENTO

A0

| RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP ESTAC.

ESTAC.

ESTAC.

AMPLIAÇÃO INSTALAÇÕES DE ENSINO

ESTAC.

AMPLIAÇÃO INSTALAÇÕES DE ENSINO

COMPUTAÇÃO - PLANTA PAVIMENTO TÉRREO

ICMC CAMPUS 2

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação


24 - Imagem da parte interna da exposição, com o dinossauro ao fundo. Pode-se ver uma parte da estrutura das tendas instaladas na lateral do edifício da Biblioteca. Fonte: www.dino.icmc.usp.br (acesso em out/2013).

Espaço para a Exposição do Dinossauro Data do pedido: julho de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Local: Bloco 2, pavimento térreo. Área: 281,5 m². Durante dois meses, o ICMC recebeu a Exposição “Cabeça Dinossauro: o novo titã brasileiro”, que trouxe réplicas de esqueleto de vários dinossauros. Tal exposição foi instalada no saguão do térreo da Biblioteca do ICMC. O trabalho aqui relatado consistiu na adequação do saguão para abrigo das peças, controle da circulação das pessoas e segurança do material em exposição. Por ter 4,30 metros de altura, a réplica do esqueleto do maior dinossauro - parte principal da exposição (imagem acima) - não pode ser exposta na parte coberta do edifício, que tem 3,30 metros de pé-direito. Dessa forma, foi determinada a instalação de tendas com um pé-direito de 4,50 metros, ao lado do saguão e acima do jardim da biblioteca. Além do fechamento das tendas, foi necessário especificar a instalação de lona nas laterais do saguão, para fechamento de todo o espaço de exposição.

64

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | EXPOSIÇÃO


EXPOSIÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Exposiçao2013_2.dwg

ESCALA 1:100

DETALHE 2 - DIMENSÕES DO OBJETO

cabo fixador

ESCALA 1:75

ESCALA 1:150

DETALHE 3 - DIMENSÕES DA TENDA

coluna de tubo quadrado 12x12 cm (altura 4,5 m)

EXPOSIÇÃO DO DINOSSAURO (Pav. Térreo)

ICMC BLOCO 2 - Biblioteca

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

DETALHE 1 - ÁREA DE EXPOSIÇÃO

cabo fixador

ESTUDO


0 Ø10

colocação de calha

Ø1

Ø1

00

00

50 x 50

50 x 50

Ø1

00

Ø100

colocação de rufo

calha interrompida

25 - DEtalhe da planta hidráulica produzida sob a orientaçãoDETALHE 5 - INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS do Eng. Airton Romero para determinar a captação de águasESCALA 1:75 pluviais das tendas instaladas.

Instituto O trabalho foi realizado com o acompanhamento do Eng. Airton Romero, e englobou o de Ciências Matem

posicionamento da estrutura das tendas, detreminando seu pé-direito especial (4,5 metros), além

ICMC BLOCO 2 - Bib

de especificar o fechamento do saguão e os acessos ao espaço da exposição. Por fim, foi feita a EXPOSIÇÃO DO DINOSSAUR planta hidráulica do local (acima), para determinar o escoamento das águas pluviais.

A princípio, foi considerado o uso de placas OSB para o fechamento do saguão do térreo. Para isso, desenvolvi uma planta com especificações da modulação das placas e quantidade necessária. No entanto, pela urgência com que o trabalho foi tratado, o fornecimento das placas atrasaria a montagem do espaço para recebimento das peças. Com isso, uma vez cogitada a utilização de lona no lugar nas placas, minha sugestão foi de executar a fixação dessas lonas primeiramente em uma moldura de madeira que, por sua vez, se fixaria na estrutura do prédio, evitando uma grande quantidade de furos na fachada do edifício. O desenho ao lado mostra a disposição das lonas e dos outros tipos de fechamento, além das quantidades de cada material. A exposição do dinossauro foi um trabalho interessante, por ser um espaço de evento que, assim como o trabalho do Museu Interativo, me atrai pela intenção desses lugares de transmissão de conhecimentos e interação entre diversas pessoas e objetos de períodos e lugares diversos. Minha queixa pessoal sobre este trabalho foi apenas não ter tido a oportunidade de colaborar com outros pontos além do projeto do espaço da exposição, como por exemplo a disposição das peças, a produção da identidade visual da exposição, entre outros trabalhos que fazem parte das funções do arquiteto.

66

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | EXPOSIÇÃO


EXPOSIÇÃO | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Exposiçao2013_2.dwg

PD 3,30 m

área de exposição

pedestal separador de fila com fita retrátil

área de exposição

PD 3,30 m

ICMC BLOCO 2 - Biblioteca EXPOSIÇÃO DO DINOSSAURO (Pav. Térreo)

ESTUDO

SARRAFOS (superior e inferior com ilhós) qtde: 26 unidades dimensões de acordo com desenho total: 35.5m

CAIBROS (laterais com ilhós) qtde: 23 unidades dimensões: 8 x 8 x 3,30m

LONA MÓVEL (fixada nos ilhós em estrutura de madeira) qtde : 13 unidades largura de acordo com o desenho altura: 3,30m

LONA DA TENDA (fixada na estrutura da tenda)

BANDEIRA OSB qtde. 3 dimensões: 1,18 x 1,60 m

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

ESCALA 1:125

DETALHE 6 - INSTALAÇÃO DE FECHAMENTOS

área de exposição

pedestal separador de fila com fita retrátil

PORTA DE ACESSO qtde. 3 dimensões: 2,10 x 1,60 m

placa osb

bandeira


26 - Exemplo do detalhamento realizado para a especificação do projeto da Cantina do ICMC.

Especificação do Projeto da Cantina do ICMC Data do pedido: setembro de 2013. Duração do projeto: 1 mês. Local: Campus 1, próximo ao Bloco 6. Área: 228,5 m². A cantina do ICMC, hoje alocada em um edifício entre os blocos 4 e 6, será transferida para um novo prédio, que será construído num local próximo, com uma estrutura mais adequada para as atividades específicas. O projeto foi realizado pelo escritório Apoara, e o Instituto se encarregou de especificar detalhes do projeto para a compra e contratação. Este trabalho foi realizado em parceira com as estagiárias do curso de engenharia civil da EESC/USP, e a mim coube o detalhamento e especificação da caixilharia presente no projeto e atualização da planta, das fachadas e da planilha quantitativa. Os desenhos produzidos foram incorporados no arquivos geral feitos pelas outras estagiárias da equipe.

68

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP | CANTINA


27 - Duas proposta de disposição do mobiliário para a sala, com os móveis especificados pela solicitante.























PROPOSTA 1 DETALHE PLANTA SALA 22-05 ESCALA 1:50

PROPOSTA 2 DETALHE PLANTA SALA 22-05 ESCALA 1:50

Adequação da Sala 22-05 da Biblioteca Data do pedido: setembro de 2013. Duração do projeto: 3 semanas. PLANTA SEGUNDO PAVIMENTO Local: Bloco 2, segundo pavimento

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

ESTUDO

ICMC BLOCO 2 - BIBLIOTECA ADEQUAÇÃO MOBILIÁRIO SALA 22-05

ESCALA 1:300

Área: 8 m². Este trabalho consistiu em dispor o mobiliário necessário para duas funcionárias da Biblioteca no ICMC, que trabalham na mesma função, e que foram transferidas para o segundo pavimento do edifício. A funcionária que solicitou o trabalho estava preocupada com a capacidade da sala 22-05 para abrigar as duas funcionárias, e se fosse possível, qual seria a melhor disposição do mobiliário. Considerando a existência de vidros em lados opostos da sala em questão, foram propostas duas alternativas, que dependiam da maneira com que as funcionárias trabalham. A primeira delas (esquerda) consistiu em inutilizar a porta lateral e manter as mesas opostas entre si. A segunda opção (direita) foi manter a utilização da porta lateral, mas com o prejuízo para uma das mesas, que ficou oposta a entrada da sala. A solicitante deu a resposta com aceitação da proposta 1, afirmando que as funcionárias fariam atendimento ao público, o que não é favorecido pela mesa oposta à entrada da sala. ADEQUAÇÃO SALA | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP Mobiliario_segundopav.dwg

69


Tendo em vista o objetivo do estágio de complementar a formação curricular e aproximar o aluno do seu ambiente profissional, é com satisfação que constato que o programa de estágio oferecido pelo ICMC foi muito completo. Baseio minha afirmação nas informações sobre outros estágios, que muitas vezes direcionam suas atividades para um único setor da profissão, enquanto que o estágio aqui realizado engloba projetos de arquitetura em diferentes escalas, projeto de mobiliário, de paisagismo, entre outros. Dessa forma, as atividades realizadas neste períodos proporcionaram experiências diversificadas, resultando em uma complementação curricular valiosa. As atividades desenvolvidas ao longo de um ano envolveu o trabalho em grupo, constituído quase sempre de pessoas de diferentes setores, com opiniões divergentes, mas que contribuiu para um compartilhamento de conhecimento, que certamente não se encontra na parte teórica da graduação. A vivência com diferentes pessoas foi muito rica e contribuiu para a formação de uma postura baseada na confiança sobre meu próprio conhecimento e, a partir disso, como devo explicitá-lo nos projetos. De fato, o processo de estágio revigora o ânimo pela profissão, que muitas vezes fica desgastado pelas atividades programadas da graduação, sem tirar sua importância, pois para se realizar um bom estágio foi preciso primeiro realizar uma boa graduação. O crescimento nessa etapa vai além da dimensão profissional, na minha opinião, sendo também de âmbito pessoal, pela formação de caráter e escolha de princípios guiadores das atitudes. Os princípios que tenho para mim como importantes, Respeito, Honestidade e Amizade, pude vivenciar aqui neste estágio.

CONSIDERAÇÕES | RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO | USP

71


aluna: jĂŠssica barca de oliveira sĂŁo carlos, outubro de 2013


Relatório de Atividades