Page 1


TRADUÇÃO: MEL DUSK REVISÃO INCIAL: SARA J REVISÃO FINAL: VITÓRIA & RENATA LEITURA FINAL: GÉ QUEEN FORMATAÇÃO: MEL DUSK


Ele estava fora dos limites. Proibido. Eu não deveria me apaixonar por ele ... Kyler era a melhor amigo do meu namorado. Eu nunca olhei para ele como algo mais do que um amigo também, mas tudo mudou quando Beau me enganou. Uma noite inesperada, um momento de verdade e aquela linha imaginária entre amizade e amantes foi atravessada. Segredos foram compartilhados. Desejos cumpridos. Não há como voltar agora. Nossas vidas foram mudadas para sempre ...


Ă€s vezes as melhores coisas da vida sĂŁo aquelas que acontece quando menos esperamos.


Ashlynn Eu nunca me esforcei por nada, tudo que eu sempre quis ou poderia ter esperado foi colocado diante de mim. Enquanto crescia, meus pais fizeram tudo que podiam para me dar o melhor. A casa perfeita, a cena perfeita, cheio de todas as coisas incríveis que qualquer criança poderia querer. É estranho que honestamente nenhuma dessas coisas fosse realmente o que me fazia feliz? Não me entenda mal, elas eram legais, mas eram as coisas mais simples que eu mais amava. Um dia na piscina com minha mãe ou uma noite de filmes antigos com meu pai - aqueles momentos eram os momentos que ficavam. Não o carro de fantasia que eu dirigia ou o armário cheio de roupas de grife. Era o amor dos meus pais e a proximidade que eu adorava. Eu me lembro de quando era mais jovem, antes do sucesso dos meus pais, nós achávamos as maneiras mais loucas de nos divertir, e era perfeito na minha opinião. Fazendo bolos com minha mãe ou dando longas caminhadas com meu pai, essas eram as lembranças que eu gostava.


Mas com o passar dos anos, o tempo deles comigo tornou-se mais limitado. Agora eles mostraram seu amor de diferentes formas. As datas importantes que eles perderam e a decepção que essas ações causaram foram amortecidas por uma roupa nova, ou uma peça de joia chique. Às vezes eu desejava que pudéssemos voltar aos dias em que vivíamos na pequena casa com um quintal ainda menor e vivemos aquela vida. Nós estávamos mais perto então, antes que nosso tempo fosse preenchido com nada além de eventos sociais e aquelas viagens exóticas que minha mãe faria para capturar sua próxima foto premiada. Meu pai é um magnata imobiliário, um dos agentes mais bemsucedidos da Califórnia. Ok, ele é mais do que um agente, ele é dono da maior empresa na área de Santa Barbara com sete outros locais em todo o estado. Ele é todo sobre o trabalho, tudo sobre o sucesso, que às vezes eu acho que ele esquece que ele tem uma família. Minha mãe é igualmente bem-sucedida e igualmente absorvida por sua carreira. Ela é uma incrível fotógrafa que viaja pelo mundo capturando as mais belas imagens. Ela filma para algumas das principais revistas, bem como empresas de publicidade em todo os EUA. Ela tem um olho incrível para encontrar a beleza em praticamente qualquer coisa. Tenho orgulho dos meus pais e até onde eles chegaram. Mas também sinto falta deles.


Eles começaram em uma casa decadente em San Diego, ambos com grandes sonhos e grandes esperanças. A maioria não tem a chance de viver esses sonhos, mas meus pais sim. Muito trabalho duro e dedicação os levaram a uma das casas mais extravagantes da nossa região. Eu acho que não sou a típica garota rica. Eu prefiro o básico. Me dê roupas confortáveis, um cobertor macio e filmes antigos e eu ficaria feliz. Eu não precisava de toda a badalação, eu só quero a calma. Mas eu sou uma Prescott, o que significava que eu deveria estar usando marcas de renome, participando de todas as boas festas, e brilhando tão brilhante quanto meus pais fazem. Eu tenho dificuldade com isso, mas eu faço o meu melhor para fazer o papel deles. Eu desejei que, uma vez, nós três pudéssemos compartilhar um dia juntos como família, um dia cheio do simples prazer da companhia um do outro. Passamos tempo juntos, se é que você pode chamar assim. Foi principalmente de passagem quando estava se preparando para sair correndo pela porta enquanto outro estava parando antes do próximo evento acontecer. Eu nem me lembro da última vez que compartilhamos uma refeição juntos. A vida de rico às vezes é uma vida solitária.


Eu acho que é por isso que eu sempre pareço procurar o tipo errado de atenção. Eu tenho o mau hábito de cair aos pés dos homens que jogam bem o jogo. Um jogo que levava a eles me cobrindo com atenção até que eles consigam o que querem e então eles vão embora. Era quase como se os idiotas arrogantes do mundo tivessem uma maneira de me encontrar. Eu me inclinei mais para os homens arrogantes com atitude. Os confiantes me deram aquela corrente incontrolável de desejo, a necessidade de saber mais, sentir mais e ter mais. Eu queria esse tipo épico de amor que deixa você se sentindo impotente para pará-lo. Aquele inegável puxão sempre na presença um do outro como se nada mais importasse além de vocês dois. O tipo de amor que conquistaria os piores medos, superaria os momentos mais difíceis e se tornaria mais forte a cada dia que passasse. Eu não me importava com as posses que possuíamos, o tamanho da casa em que morávamos, eu só queria ser feliz com o amor que compartilhamos. Eu moraria em um apartamento de um quarto na parte mais degradada da cidade, se significasse compartilhar isso com um homem que achava que eu era seu mundo. Cheguei a acreditar, porém, que no departamento dos homens eu estava destinada ao fracasso, uma longa fila de ninguéns que me dava esperança, apenas para esmagá-la.


"Bem aí, não se mexa." Eu congelei, me sentindo quase robótica, e minha mãe riu. "Eu não quis dizer não respirar, Ashlynn." "Você disse não se mexa". Eu ri através das palavras, tentando não mudar minha expressão facial no processo. "Bem, agora você só parece estar com dor." Eu soltei uma respiração profunda e permiti que meus braços e pernas relaxassem. Pendurando minha cabeça, eu trouxe minhas mãos para o meu rosto e cobri minha boca para esconder minha diversão. Minha mãe estava sempre me usando como sua musa, me forçando a posar durante um belo pôr do sol ou nascer do sol. Ela adorava capturar a maneira como a luz refletia no oceano ou brilhava em nossa piscina. Criando a silhueta perfeita. Ok, tudo bem, então não era de todo ruim. Eu tinha sido destaque em algumas revistas ao longo dos anos, por isso tinha suas vantagens. Nossa casa estava cheia de algumas das fotos mais hipnotizantes e misturadas. Às vezes parecia surreal quando eu olhava para elas, vendo-me capturada em seu mundo. Momentos como esses que aprendi a valorizar e amar.


Era raro que ela e eu ficássemos juntas para rir e sermos tolas. Minha mãe estava em casa e nós duas estávamos dividindo uma noite juntas, como se acontecesse tão raramente que quando eu tinha a chance de passar o dia com ela, eu não me importava se estava cheia de ser fotografada em diferentes cenários. “Apenas seja natural e pare de se preocupar se você tem a mão no ângulo perfeito ou o cabelo no lugar perfeito. ” Minha mãe reposicionou sua câmera, fazendo-me mais uma vez ficar de pé e respirar fundo. Assim que a tolice desapareceu, virei meu rosto para o sol poente e permiti que um olhar solene assumisse o controle. "Bonita." Sua segurança sempre me fez sentir como uma criança novamente. Não importava que eu fosse agora uma mulher de vinte e dois anos, sempre amei seus elogios. Minha mãe é uma beleza e a maioria diz que não deveria estar escondida atrás de uma câmera. Eu concordei, ela era de tirar o fôlego, mas ela também estava onde queria estar, segurando a criatividade de cada fotografia em suas mãos. "Absolutamente impressionante", ela acrescentou, fazendo uma calma abater-se sobre mim. "Concordo." Olhei de volta para minha mãe para ver Beau descendo os degraus atrás dela. Ele se inclinou e deu um beijo na bochecha da minha mãe antes de cair ao lado dela. "Não vá distrair minha modelo agora."


Ela cutucou seu ombro com o seu próprio antes de olhar de volta para mim. "Mais algumas fotos, querida, então eu vou deixar esse homem bonito roubar você enquanto eu vou editar." Beau recostou-se, com um sorriso satisfeito cobrindo os lábios enquanto observava enquanto minha mãe tirava mais algumas fotos. Abaixando a câmera, ela me ofereceu um sorriso próprio. "Acho que consegui o que preciso." Ela parecia tonta, quase como uma criança recebendo um novo brinquedo. "Eu não posso esperar para editá-las e submetê-las." Apenas o sorriso dela fez com que posar valesse a pena. Para mim, nunca foi sobre a foto, foi sobre a pequena janela de tempo que passamos juntas. Ela me deu um beijo e saiu correndo em direção a casa no momento em que Beau começou a se mover na minha direção. "Minha garota vai estar em outra revista?" Ele não me deu a chance de responder antes de enganchar o braço em volta da minha cintura e puxar meu corpo para o dele. Eu soltei um grito surpreso quando ele se aproximou e começou a pressionar beijos no meu queixo e em meus lábios. "Eu senti sua falta", ele sussurrou contra o meu pescoço antes de morder seu caminho para cima.


"Você é o único que esteve “ tão ocupado ultimamente”." Eu tentei manter o foco, mas quando ele me beijou do jeito dele, foi quase impossível. Com o horário de trabalho e a reunião com os clientes, parecia que raramente tínhamos tempo um para o outro. O pai de Beau era um advogado com grande clientela. Beau estava em treinamento para se tornar o próximo sucesso de Lambert. Quando ele não estava na aula, ele era a sombra de seu pai, sendo moldado no que seu pai quer que ele seja. Às vezes eu me sentia horrível por ele, porque sabia que ele odiava isso, ou pelo menos era o que ele dizia. Mas ele, assim como eu, não queria desapontar seus pais, mesmo que seu pai fosse o maior idiota de Santa Bárbara. Eu juro, eu penso que o idiota arrogante sente que o mundo lhe devia tudo. Beau encostou a testa na minha e respirou fundo. "Acho que devemos fugir juntos." Notei o sorriso puxando o canto da boca e não pude deixar de sorrir também. Isso era algo que fazíamos frequentemente quando sentíamos que a vida era demais. “Em algum lugar distante, onde ninguém pode nos encontrar. Onde somos apenas nós dois, sem exigências ou expectativas. Alguma ilha exótica, talvez, onde podemos viver da fruta que cresce nas árvores e eu vou caçar. Podemos construir uma casa na árvore maluca que se expande por toda uma grande árvore e outra”. “Me lembra daquele filme, Swiss Family Robinson.”


Beau finalmente abriu os olhos e olhou para mim com uma sobrancelha torta. "Suíço o quê?" “Um filme antigo dos anos 60, sobre uma família naufragada a caminho da Nova Guiné. Eles constroem esta grande casa na árvore e vivem na ilha. Inventam engenhocas que lhes permitam ter água corrente. Ele ainda olhou para mim com uma expressão estranha no rosto. "É um ótimo filme." "Você é tão estranha às vezes." Eu estreitei meus olhos para ele enquanto ele continuava a olhar para mim como se eu tivesse perdido a cabeça. "Você sempre assiste aqueles filmes antigos que estão em preto e branco." "Este não é em preto e branco, você sabe. "Mas ainda é velho." Ele inclinou a cabeça para o lado, me desafiando a negar isso. "Tudo bem, é velho", eu disse. Ele sorriu, parecendo satisfeito consigo mesmo. "Mas ainda é incrível." "Tudo o que você diz, Ash." Ele se inclinou e me deu um beijo doce, fazendo-me esquecer sua provocação. Beau e eu estamos juntos por quase um ano. Ele era doce na maioria das ocasiões, mas também tinha um lado arrogante. Foi o que me atraiu para ele em primeiro lugar - sua confiança e sua arrogância. Só agora, às vezes, me pegava imaginando como


poderia ter considerado sua arrogância atraente. Ele, como eu, veio do dinheiro. A diferença era que ele amava isso. Ele amava o hype, carros velozes e festas selvagens. Ele sempre quis mais, o que me preocupou. Era como se não importasse que ele tivesse que se esforçar mais. Isso me fez pensar se ele seria feliz com as pequenas coisas da vida. Como eu, por exemplo: eu seria o suficiente para segurá-lo para sempre? "Todo mundo está saindo mais tarde hoje à noite." Eu tentei segurar o suspiro irritado que borbulhou dentro de mim. "Pensei que poderíamos ir um pouco, talvez nos misturar." “Você não se cansa de beber e ir a clubes? Não seria melhor apenas ficar em casa sozinhos? "Soa bem." Ele deu um passo atrás para poder olhar para mim mais facilmente. Uma faísca de esperança me atingiu que, por uma vez, talvez pudesse ser apenas nós dois. "Mas podemos ficar sozinhos depois." Essa esperança desapareceu rapidamente. “Todos os nossos amigos estarão lá e depois de trabalhar a semana toda, eu gosto de deixar ir. É relaxante." Essa era a mesma coisa de sempre, sua desculpa para tudo. "Então vamos voltar para a minha casa e terminar a noite juntos." Eu apenas balancei a cabeça, porque não adiantava discutir. No final, ainda iríamos e eu me sentiria derrotada e exausta por tentar


persuadi-lo. Eu mencionei que Beau nunca aceita a palavra não? Não estava nem no seu vocabulário. Ele era teimoso e dedicado a conseguir o que quisesse, quando quisesse. Cada vez que eu tentava convencê-lo de que deveríamos ficar, isso só nos levava a discutir. Então ele ainda me arrastava para qualquer lugar que ele estivesse desesperado para ir e continuaria a me ignorar a noite toda, porque não conseguia se livrar de sua irritação comigo. Ou isso, ou ele me arrastaria por aí fazendo o seu melhor para me forçar a me divertir. Não tenho certeza de qual cenário era pior. Eu há muito tempo parei de tentar convencê-lo de que havia outras coisas na vida mais importantes do que aparições públicas cheias de arrogância induzida pelo álcool. "Posso pegar alguns minutos para tomar banho e me refrescar?" Eu tentei dar a volta nele, ele me segurou mais apertado. "Depende." Ele lambeu o lábio inferior enquanto me examinava. "Eu vou me juntar a você?" "Minha mãe está em casa." "Você poderia pegar roupas e poderíamos voltar para o meu lugar." Era tentador, mas eu sabia que não seria tão romântico quanto estava passando na minha cabeça. Nós não ficaríamos fazendo amor ao invés de sairmos em algum lugar lotado com um bando de idiotas. Seria um estrondo rápido no chuveiro e então eu


estaria correndo para me arrumar porque perderíamos tempo. Era uma estrada que eu tinha sido levada para baixo com frequência. "Nós temos mais tarde para isso, certo?" Ele assentiu em resposta, embora eu pudesse dizer que ele ainda não estava completamente feliz com a minha escolha. "Então eu vou me apressar por agora e mais tarde talvez eu deixe você lavar minhas costas." "OK." Ele me beijou mais uma vez e naquele momento percebi o quão desconectada eu me sentia dele. "Mas use algo que será fácil para eu tirar mais tarde". Eu ofereci um sorriso forçado antes de me soltar de seu aperto. "Dê-me vinte minutos." Eu pisei ao redor dele, mas ele continuou a segurar minha mão quando se virou para mim. Ele olhou para mim por alguns segundos silenciosos, oferecendo aquele sorriso sincero e gentil que me lembrou o homem pelo qual eu me apaixonei. "Eu te amo." Ele descansou sua testa na minha e eu permiti que meus olhos se fechassem, deixando minha mente voltar a um tempo em que estar comigo parecia o suficiente para ele. "E eu te amo. “ Eu fiz, eu só não tinha certeza se era mais o suficiente.


"Eu sei que sou difícil." Meus pensamentos exatamente, mas tentei esconder isso enquanto ele continuava. "Eu sei que posso ser um idiota, mas eu preciso que você saiba que eu te adoro, Ashlynn." Aquele momento, ali mesmo, era um dos seus mais doces. É o que ele era. Sempre que comecei a questionar o que tínhamos e se era real, ele me cegou com uma carga de doçura, deixando-me sem fôlego e apenas mais confusa. “Através de toda a merda que meu pai joga em mim, e o inferno dos meus longos dias, eu tenho que esperar por você. É a melhor parte de tudo, sabendo que um dia estarei onde quero estar, cuidando de você como você merece”. “Você sabe que eu ficaria feliz mesmo com a menor das coisas se fosse com você que eu estivesse compartilhando. Eu não preciso de posses e itens extravagantes, Beau”. "Eu sei." Ele ficou mais alto e usou a mão para empurrar para trás uma mecha de cabelo que pendia perto dos meus olhos. "Mas isso ainda não me impede de querer ter todas essas coisas." É aí que nós diferimos. Eu só queria nós, não me importava com mais nada. Porque no final do dia não era sobre se meus lençóis eram feitos de cetim e seda ou simplesmente algodão. Era tudo sobre o homem deitado ao meu lado que importava. Eu queria ser capaz de sorrir e rir, porque o homem que eu escolhi para compartilhar minha vida me fez sentir que não havia


nada mais importante do que o amor que compartilhamos. Eu queria algo sรณlido, algo inquebrรกvel. Eu queria uma eternidade, nรฃo apenas por enquanto.


"Eu amo isto." Hayley levantou a borda da minha saia como se a estivesse inspecionando de perto e eu afastei a mão dela. "Você se importa de não mostrar a todos aqui minha calcinha?" Eu olhei em volta esperando que ninguém estivesse olhando e encontrei Kyler encostado no final do bar a poucos metros de distância, um largo sorriso em seus lábios. "Ótimo", eu murmurei enquanto olhava para o chão. "O melhor amigo de Beau acabou de ter um frontal completo." Ok, então não completo, mas a minha metade inferior. "Oh, por favor, como se ele não tivesse visto antes." Hayley recuperou minha atenção. "Eu não costumo mostrar a Kyler minha calcinha." Ela riu. "Talvez você deva." Eu estreitei meus olhos para ela. “Vamos, como você não soubesse que o homem está ótimo. Garoto malvado, mestre das motos de rua e sexy como a fo ... Cobri a boca com a mão e ela se afastou para sair do meu alcance. “Não se atreva a fingir que você não vê isso também. Aquele homem é gostoso. Beau chamou-o de menino bonito de Hollywood, embora eu o vejo mais do que um rosto bonito. Ele também era


doce. Claro que ele estava em um comercial ou dois e recebia ofertas o tempo todo por mais, mas ele não era do tipo glamour. Ele preferia ser o único a assistir aos filmes em vez de estrelar neles. Ele nunca gostou muito da atenção. "Ok, bem, eu vou deixar passar, mas você não está mostrando mais do que você faria em um maiô", acrescentou Hayley, trazendo-me de volta à nossa conversa anterior. "Não é o ponto." Eu olhei na direção de Kyler mais uma vez para encontrá-lo conversando com uma garota loira e aproveitei a oportunidade para realmente olhar para ele. Hayley estava certa, mas eu já sabia disso antes que ela mencionasse isso. Kyler era atraente, alto, em forma, cabelos escuros e os olhos castanhos profundos, tão quentes e gentis. Eu balancei minha cabeça para clarear meus pensamentos porque eles não eram nenhum que eu deveria estar tendo sobre o melhor amigo do meu namorado. "De qualquer forma..." Hayley pegou minha saia novamente. “Onde você conseguiu este vestido? Eu amo isso." Dei de ombros. "Quem sabe? Mamãe pegou durante uma de suas muitas excursões. "Que vida", ela suspirou quando ela inclinou a cabeça para trás e fechou os olhos. “Sua mãe é meu ídolo. Beleza e talento, viajando pelo mundo para todos esses lugares incríveis e compartilhando


suas visões com o mundo. O que eu não daria para viver uma vida assim. “A vida livre”, acrescentou Kristen, outra amiga minha que estava ao lado de Hayley com um olhar sonhador em seus olhos. “O que eu não entendo é por que você não viaja com ela? Você sabe que ela deixaria você. "Eu tenho trabalho e tenho Beau." Assim que eu disse o nome dele, procurei-o na multidão e o encontrei perto da pista de dança. “Você não tem que trabalhar, você sabe disso. Seu fundo de investimento só vai levar você e seus filhos pela vida sem se preocupar. Mas eu entendo, você quer se sustentar. Mas Beau… ”Kristen parou por um momento enquanto olhava em sua direção. "Ele não deveria te segurar de volta." "Ele parece que não teria nenhum problema em se divertir na sua ausência." Eu olhei para longe de Beau para lançar um olhar na direção de Hayley, só que ela não recuou. "Eu não sei porque você desperdiça seu tempo em um cara como ele de qualquer maneira." "Hayley", eu disse em aviso. Eu mencionei que minhas melhores amigas não eram fãs de Beau? Isso tendia a tornar as coisas um pouco estranhas às vezes. “Ele leva você para que ele possa ignorá-la setenta e cinco por cento da noite enquanto ele se mistura e bebe. Então, quando ele


finalmente decide que está satisfeito, ele reconhece você ou o que quer que seja. Isso não faz sentido." Eu olhei de volta em sua direção, não respondendo a ela. Eu queria discutir, mas como eu poderia argumentar com a verdade? Ele ficou no meio de uma multidão, misturado com homens e mulheres. Era óbvio para mim que ele estava flertando com as duas mulheres que estavam mais próximas porque eu reconheci seus movimentos. Eles eram os mesmos que ele usou em mim quando nos conhecemos. Ele estava se atrapalhando com um colar que estava em volta do pescoço de uma garota, inclinando-se para ver mais de perto. Eu podia ver seus lábios se movendo enquanto ele falava com ela. Quando ele levantou o olhar para olhá-la, ele não recuou, o que os fez extremamente próximos, muito próximos, na verdade. A garota colocou a mão sobre a dele e eles apenas olharam um para o outro, como se trocassem alguma mensagem silenciosa. Eu desviei o olhar, porque honestamente eu não conseguia aguentar muito mais, apenas para trancar meus olhos com Kyler, que aparentemente havia observado a coisa toda se desdobrando também. O olhar que ele me deu só fez meu estômago se sentir ainda mais vazio do que já estava. Olhos amolecidos, a boca frouxa, com pouca ou nenhuma expressão, apenas uma linha de desaprovação. Pena. Eu odiava esse olhar.


"Desculpe-me?" Eu passei por meus amigos e atravessei o bar em direção a Beau. Quando eu estava a poucos metros, ele olhou para cima, surpresa em seu rosto. Sim, filho da puta, eu ainda estou aqui. "Hey

querida",

ele

indiferente.

que

eu

não

fiquei

impressionada, considerando que a garota loira permaneceu colada ao seu lado e sua mão estava descansando em seu estômago, baixa e perto de seu quadril. Eu entrei entre eles, encarando ele apenas com o olho e empurrei a mão dela usando meu corpo. Eu a ouvi murmurar algo que soou muito como “puta”, mas me recusei a reconhecê-la. Ela não vale o meu tempo. A parte triste sobre isso era que eu não tinha certeza se ele também valia, mas lá estava eu, perseguindo a ideia na minha cabeça de que poderíamos ser alguma coisa. Como deixar ir seria como desperdiçar o último ano da minha vida. Beau estendeu a mão para mim e usei minha própria mão para afastá-lo. "O que está errado?" "Estou indo embora." Ele teve a coragem de parecer confuso com a minha resposta. “Não é como se você tivesse notado que eu estava aqui de qualquer maneira. Você pode pegar uma carona com Kyler, ou quem quer que seja”, eu disse, olhando por cima do ombro para a garota, “mas estou decolando”. Eu dei a ele um último olhar


irritado antes de tentar me afastar, mas ele agarrou meu braço. A pressão de seu aperto fez meu pulso doer. “Solte, Beau” eu disse, as palavras lentas quando olhei para ele, esperando que houvesse alguma parte lógica dele alerta sob o idiota induzido pelo álcool que eu estava enfrentando agora. Isso não era como ele e, francamente, ele estava me machucando. "O que você tem?" O que comigo? Ele estava falando sério? Eu estava pensando que talvez devesse ter saído sem dizer uma palavra para ele. Eu estava totalmente ciente do público que se formou. Hayley e Kristen se juntaram a nós e estavam olhando para Beau. Eu não queria uma cena, e pude ver que isso estava aumentando rapidamente. Em uma tentativa de salvar a situação, voltei a encará-lo e tentei manter a calma. "Eu estou indo para casa." Seus olhos se estreitaram enquanto eu tentava permanecer calma. "Conversaremos amanhã." Quando puxei meu braço para longe, ele apenas segurou mais forte, o que provocou um grito meu. "Por que diabos você tem que fazer isso toda vez?" Sua pergunta me surpreendeu. Eu não fiz nada. Ele era argumentativo e arrogante; foi quem ele se tornou quando bebeu. Foi uma das muitas razões pelas quais eu preferiria ignorar as festas e encontros com amigos. "Tudo o que eu estou


tentando fazer é me divertir e você tem que segurar isso contra mim todo maldito tempo." "Vamos lá, cara." Kyler se adiantou. "Apenas deixe ir." Eu dei-lhe um olhar agradecido, mas sua tentativa não fez nada para acalmar Beau. Ele tinha essa visão distorcida em sua cabeça que o fazia se sentir como se eu estivesse fazendo algo errado. "Fique fora disso, menino bonito." Ele empurrou Kyler para fora do caminho e de repente me senti culpada por ele vir em meu socorro. A comparação de tamanho entre os dois era à mesma. Ambos eram altos, largos e confiantes. "Eu não acho que esta é uma conversa que vocês dois deveriam estar compartilhando na frente de uma multidão." Kyler não conhecia seu melhor amigo? Beau amava uma multidão; ele prosperou em atenção. "Você precisa deixá-la ir." Eu ouvi o aviso na voz de Kyler e isso me deu arrepios. Era um lado dele que eu não tinha visto antes. Havia um aviso silencioso em seus olhos enquanto continuava a olhar para Beau. Mas Beau não recuou; Em vez disso, ele se inclinou um pouco mais perto de seu melhor amigo, sorrindo. “Agora não é hora de você correr em seu socorro. Você está sempre tentando ser o herói. Ela não é sua para salvar, ou esqueceu que ela é minha namorada e não sua?”


Um silêncio constrangedor passou entre os dois, e de repente me vi confusa em toda a cena. Kyler se afastou segurando as mãos no ar, como se estivesse se rendendo, mas eu podia ver a irritação em seus olhos. Foi à última coisa que ele queria fazer, mas acho que todos nós entendemos que sua necessidade de garantir minha segurança estava apenas agitando a situação ainda mais. Aproveitando a oportunidade para pegar Beau desprevenido, eu puxei minha mão da dele e me afastei. Eu não esperei que ele começasse a vomitar antes de me mover pela multidão que se formou ao nosso redor e em direção à entrada da frente do clube. Era quase como se eu tivesse visão de túnel e a única coisa que eu podia ver era a minha saída. Meu nome estava sendo chamado por algum lugar distante, apenas eu o ignorei. Eu senti como se o quarto estivesse se fechando ao meu redor e eu só queria ir embora. O clique de saltos no asfalto não me impediu quando praticamente corri em direção ao carro de Hayley. Eu sabia que ela estava atrás de mim. Os faróis de seu carro piscaram quando ela apertou o botão de destravar seu chaveiro. Na minha decisão de sair, eu negligenciava lembrar que Beau era quem dirigia. Eu contornei a frente do BMW de Hayley e alcancei o lado do passageiro assim que ela abriu a porta. Meu nome ecoou pelo


estacionamento e olhei para cima a tempo de ver Beau, seguido por Kyler, descendo os degraus da frente do clube. "Ele é tão idiota", Hayley anunciou livremente pouco antes de subir dentro de seu carro, eu seguindo de perto para trás. "Eu sei." Deixando escapar uma respiração profunda, eu apertei meu cinto de segurança e ignorei os homens que se aproximavam. "Apenas dirija, por favor." Quando ela se afastou, arrisquei um último olhar e vi Beau cambalear parar a frente pouco antes de Kyler estender a mão para pegá-lo. Ele ficará bem. Eu disse a mim mesma isso mais e mais enquanto Hayley dirigia em direção a minha casa. Mesmo que eu estivesse brava com ele, eu ainda me importava. Ele nem sempre foi essa versão de si mesmo. Quando estávamos sozinhos, sem o estresse do mundo, ele era doce, atencioso mesmo. Ele me permitiu ver o cara que ele escondeu da maioria das pessoas e eu amava aquele cara. Foi aquele cara que me fez cair; esta versão, aquela de hoje à noite, era a que eu odiava. O carro estava silencioso e, francamente, eu estava feliz por ela não sentir a necessidade de refazer a noite. Fiquei feliz por não ter sido preenchido com "eu avisei" ou "por que você se incomoda". O silêncio era o que eu precisava.


Esgueirando-me para dentro, com medo de acordar minha mãe ou meu pai, subi no chuveiro, deixando a água quente praticamente queimar meu corpo. O calor parecia incrível, pois acalmava apenas uma pequena parte do estresse da noite. Depois de me enxugar e vestir uma camiseta, me arrastei para a cama e puxei as cobertas para cima de mim. A luz do meu telefone piscou, indicando que eu tinha uma mensagem não lida, uma que escolhi ignorar. Imaginei que fosse de Beau e, nesse momento, não desejava ouvir suas desculpas. Eu só queria esquecer as poucas horas anteriores e salvar o drama iminente para outro dia.


Kyler: Você chegou em casa em segurança? Essa foi à mensagem que me aguardava. Mas não era do homem a qual deveria ter vindo, o homem que deveria se sentir mal por suas ações e ficou preocupado comigo e com minha segurança. Foi de Kyler.

Kyler: Estou um pouco preocupado com você.

Isso foi quinze minutos depois que a primeira mensagem ficou sem resposta.

Kyler: Acabei de ouvir da Hayley que ela te deixou em segurança. Me desculpe, ele foi tão idiota. Tenho certeza que ele vai se sentir mal com isso amanhã.


Kyler estava sempre se desculpando por Beau. Ele tentaria acertar as coisas, tentaria acalmar o fogo que queimava, mas não era responsabilidade dele. Ele foi gentil comigo, tentando me fazer sorrir mesmo depois que seu amigo foi um idiota. Tantas vezes foi Kyler quem ficou ao meu lado quando deveria ter sido Beau. Deixei meu telefone na minha cama, deixando os textos sem resposta enquanto eu saía de debaixo dos meus lençóis. Deslizando meus pés em chinelos, saí do meu quarto e comecei a andar em direção à cozinha. Quanto mais perto eu ficava, mais as vozes cresciam, e não demorava muito para descobrir a quem um certo tom rude pertencia. Irritação instantaneamente me atingiu quando eu dobrei a esquina e parei na porta, cruzando os braços sobre o peito. Beau parecia uma merda, pura merda para ser exato. Ele sentouse no bar, seu cabelo bagunçado, e ele ainda usava as mesmas roupas que tinha na noite passada. Mesmo da distância que tinha entre nós, eu podia ver seus olhos vermelhos. "O que você está fazendo aqui?" Eu nem percebi que minha mãe estava no lado oposto da ilha no centro da nossa grande cozinha. "Ashlynn." Eu podia ouvir a preocupação e talvez um pouco de aviso em sua voz. “Mãe, com todo o respeito, você não tem ideia do que aconteceu. Você pode pensar que sabe, ou pelo menos você ouviu a versão


dele, mas posso garantir que ele deixou de fora informações vitais que comprovem o quão grande isso é.” Eu não precisava dela correndo ao resgate dele. “Na verdade,” ela contornou a ilha e fez uma pausa no final, “ele me disse que foi horrível e desrespeitoso com você. Eu também compartilhei com ele que essas coisas não acontecerão em relação à minha filha. Eu só acho que você deveria ouvi-lo antes de sair. Você, como seu pai, é rápida em julgar.” Eu me senti presa. Isso me deixou louca por nossas mães serem amigas. Ok, elas eram melhores amigas, o que significava que minha mãe achava que Beau era o par perfeito para mim. Isso também significava que ele tinha um passe livre, ou uma grande variedade de passes livres em seus olhos. Ela achava que conhecia o homem que ele era, mas ela só conhecia o lado que ele permitia que ela visse. "Eu vou deixar vocês dois para conversarem." Ela deu um tapinha no ombro de Beau quando passou por ele e me ofereceu um sorriso. Foi forçado e, por sua vez, dei-lhe o mesmo. Eu não senti nada, mas feliz no momento. Correndo para minha mãe, conseguir o que ele sentia era o seu "interior", só me enfurecia mais. "Eu sinto muito." Sua voz soava como um sussurro doloroso no silêncio da sala. "Eu sou um idiota."


"Você está sempre arrependido." Eu senti que isso era tudo o que fazíamos mais. Nosso relacionamento havia se tornado nada mais do que um longo período de desculpas. "Você nunca se cansa de pedir desculpas o tempo todo?" "Sim." Ele nem hesitou. Eu permaneci no lugar quando ele se levantou do banquinho e deu alguns passos em minha direção. "Eu deveria ter te escutado ontem à noite e escolhido uma noite só com você." “Bem, eu teria odiado fazer você resolver. Porque todos nós sabemos que não me comparo a uma noite de bebedeira e a garotas pendurados em você como se você fosse algum tipo de deus. Vadia, sim, talvez, mas eu tinha direito após a maneira como ele se comportou. "Com você eu nunca vou me acomodar, Ash." Fechei meus olhos quando ele começou a se mover para mim ainda mais. Eu sabia onde estávamos indo com isso; era o mesmo todas às vezes. “Você é mais do que eu mereço, eu sei disso, todo mundo sabe disso. Fui idiota ontem à noite e você é a única mulher que eu quero.” Sua mão segurou o lado do meu rosto e eu mantive meus olhos fechados. De repente, eu desejei estar de volta na cama ainda dormindo.


"Não há mais festas, não mais noites no clube." Esse comentário me fez abrir os olhos. "Terminei. De agora em diante, somos apenas nós. Eu preciso parar de sabotar o que temos aqui. Porque o que temos é a melhor coisa da minha vida.” "Eu não posso continuar fazendo isso com você." Seu polegar pressionou contra meus lábios em uma tentativa de me acalmar. "Eu sei." Ele se largou, trazendo-se o nível dos olhos comigo. “Eu não quero mais fazer isso, quero fazer as coisas direito. Eu quero consertar todos os erros que fiz e tornar isso mais forte. Faça-nos mais fortes. A determinação em seus olhos era convincente. "Por favor. Deixe-me consertar isso.” Eu podia sentir as lágrimas se formando e eu não tinha certeza se era devido ao cansaço que sentia por essa situação recorrente em que parecíamos estar presos ou algo mais. Eu me peguei imaginando se valeria a pena lutar pelo que tivemos. Eu amava Beau, não me entenda mal, mas quando era o suficiente? "Eu te amo, Ash." Ele se inclinou e apertou os lábios nos meus e aquela agitação que eu tinha quando ele me beijava assumiu. Essa onda de adrenalina quando ele me segurou perto, mesmo que por pouco tempo, me fez esquecer que não éramos perfeitos. Mas o amor não é perfeito; Eu só não tinha certeza se o que tínhamos valia todo esse estresse e mágoa também.


"Eu sinto muito." Ele falou as palavras contra meus lábios e eu juro que senti seu próprio tremor. Ele parecia quase desesperado, em pânico, talvez. “Eu nunca quis que nada da noite passada acontecesse. Lamento a noite inteira, queria poder mudar isso. Eu não conseguia afastar a sensação de que isso estava relacionado a mais do que apenas a nossa luta. Náusea encheu meu estômago quando eu deixei ele me abraçar. "Por favor, me diga que vamos ficar bem." "O que aconteceu depois que eu saí?" Ele me apertou mais forte. "Nada." Ele respirou fundo. “Eu peguei uma carona para casa com Laken e Bryce. Cai em seu sofá e esta manhã Bryce me deixou para pegar meu carro. Eu tentei me inclinar para trás para poder olhar para ele, só que ele não me deixou. Ele estava me segurando com força, como se estivesse com medo de me deixar ir. "Por que eu sinto que há mais que você não está me dizendo?" "Se você me conta pairando sobre o banheiro por duas horas pagando por todas as escolhas estúpidas que eu fiz, então sim, havia mais." Ele finalmente me soltou e eu olhei para ele, pesando a expressão em seu rosto. “Isso é tudo, querida. Eu queria vir até você depois que eu ficasse sóbrio, mas decidi que era melhor eu dar um pouco de tempo a nós dois.”


“Então você aparece aqui antes das nove da manhã seguinte? E usa minha mãe como sua.” Ele sorriu e eu não consegui me impedir de fazer o mesmo. "Você tem sorte de eu não ter aparecido às cinco." Ele encolheu os ombros. “Quanto a sua mãe, não a subestime. Aquela mulher me deu um inferno de uma palestra sobre o que é e o que não é aceitável em relação a sua filha.” "Quem sabe?" Eu disse com um encolher de ombros quando imaginei minha doce mãe sobre Beau. Isso me fez sorrir. "Ela é um pouco assustadora quando ela está chateada", acrescentou ele, seus olhos se arregalaram um pouco, o que só desencadeou uma risada dos meus lábios. "Então você me perdoa?" Ele deslizou a mão ao redor da minha nuca, segurando-me no lugar. "Eu estou trabalhando nisso." Eu pressionei minha mão no centro do peito dele e ele fechou os olhos por apenas uma fração de segundo, como se estivesse lutando contra alguma coisa. Eu ainda não tinha certeza do que. "As coisas vão mudar, Ashlynn, isso é uma promessa." Eu queria acreditar nele, mas uma parte de mim ainda questionava tudo sobre nós. Minha cabeça estava me dizendo para deixar ir e seguir em frente. Que era hora de aceitar que o que tínhamos não era tão bom quanto eu esperava.


Mas então eu olhei para ele, analisei seu lindo rosto, e me permiti lembrar do homem que ele era quando nos conhecemos. Ele era adorável, doce e gentil. Ele me tratou como uma princesa, como se eu fosse o centro do mundo dele. Em algum lugar ao longo do caminho, ele mudou e acho que perdemos a noção das pessoas que uma vez fomos. Eu só não tinha certeza se poderíamos voltar àquele lugar. "Você pode trabalhar em me perdoar enquanto você me deixa deitar na cama ao seu lado e te abraçar?" Quando Beau deu um beijo na minha testa, soltou um suspiro lento e firme. "Estou exausto e honestamente, a única coisa que quero fazer é dormir com você em meus braços." Mesmo que por dentro eu estivesse questionando tudo o que éramos, eu não pude deixar de sentir como se ele estivesse fazendo exatamente isso, me permitindo vislumbrar o Beau que eu amava. Talvez eu ganhasse alguma perspectiva e decidisse que seguir em frente era realmente o que eu queria. "Você precisa tomar banho primeiro." "Você vai se juntar a mim?" Eu podia senti-lo sorrir contra a minha testa e eu empurrei contra seu peito para ganhar algum espaço. "Devagar", eu disse a ele. "Eu não decidi totalmente se eu perdoo você ainda." Dizendo a ele que eu não tinha certeza de onde eu


queria ir a partir daqui era algo que eu segurei por agora. Não valia a longa conversa que provavelmente levaria a uma discussão. Eu estava muito cansada para discutir os detalhes do nosso futuro, se tivéssemos um. Eu me virei e comecei a caminhar de volta para o meu quarto. Eu podia ouvir o arrastar de seus pés enquanto ele corria atrás de mim, fazendo o seu melhor para me convencer a reconsiderar. Quando ele percebeu que eu não tinha intenção de me mexer, ele cedeu e tomou banho rapidamente antes de subir na cama ao meu lado. Mais uma vez a luz brilhou no meu celular, mas em vez de ler a mensagem eu me enrolei em direção ao corpo de Beau e deixei-o fazer exatamente como ele pediu. Ele me segurou perto, seus lábios pressionados ao lado do meu pescoço, seu corpo praticamente cobrindo o meu. Deitei perfeitamente imóvel, concentrando-me em nada além do som de sua respiração, e quando soube que ele estava dormindo, fechei meus próprios olhos e desapareci.


Eu acordei com o som do meu celular vibrando contra a superfície dura do meu chão de ladrilhos. Mais e mais, tocou, e assim como eu presumi que tivesse ido para o correio de voz, ele parou por apenas um minuto antes de tocar de novo. Estendendo a mão para o meu lado, encontrei a cama vazia onde Beau estivera há apenas algumas horas. Imediatamente, olhei ao redor do meu quarto procurando por ele, apenas para o encontrar vazio. Meu telefone quebrou o silêncio mais uma vez e eu corri da minha cama. Buscando sua localização, encontrei-a no chão entre a mesinha de cabeceira e a cama. A essa altura, outra ligação foi para o correio de voz e eu vi na minha tela seis chamadas perdidas e alguns textos não lidos de Hayley. Eu pretendia chamá-la de volta, porque mesmo para Hayley isso era um pouco excessivo, mas mais uma vez ela escolheu me ligar. Quando eu respondi, ela nem sequer me deu a chance de dizer uma palavra antes de falar. "Por favor, responda a sua porta?"


"Bem, olá para você também." Hayley é um pouco dramática, ela sempre foi. Ela é uma garota do vale, com o cabelo loiro, olhos azuis e atitude de “Oh meu Deus”. Ela pode ser um pouco demais às vezes, mas dessa vez havia algo diferente em sua voz. "É importante, Ash." Eu não gostei do tom dela. Estava faltando aquela tagarela com a

vibe estou com sorte que ela sempre

carregava. "Por favor." "Tudo bem", eu disse enquanto já estava me movendo pela casa em direção à porta da frente. "Estou chegando." Quando abri a porta, pude ver seus olhos avermelhados e meu estômago

ficou

tenso.

"Você

está

bem?"

Eu

perguntei,

completamente preocupada quando eu pisei para o lado e fiz sinal para ela entrar. "Estou bem." Ela olhou ao redor da sala de estar, uma expressão confusa cobrindo seu rosto. "É só que eu, uh" Ela parecia perdida e era alarmante. "Ei." Eu estendi a mão e toquei seu braço. Só então suas lágrimas começam a cair mais pesadas. Eu dei um passo à frente e imediatamente a peguei em meus braços, balançando-a de um lado para o outro. "Você está começando a me assustar um pouco." Mais como muito.


Levou um minuto para se recompor, mas quando o fez, recuou e criou algum espaço entre nós. "Ash, eu não queria ser aquela que deveria te dizer isso." "Dizer o que?" Se ela não me dissesse logo, eu iria sacudi-la dela. Uma pessoa só poderia ter tanto suspense antes de ser abatida. “É sobre o Beau. Ele, ah ...“ Ela novamente respirou profundamente. Eu poderia dizer que ela estava lutando em algum tipo de batalha interna. "Ele o quê?" "Ele dormiu com Noelle", ela deixou escapar, mais alto do que eu acho que ela pretendia, e isso me fez tremer em reação à maneira como sua voz ecoou por toda a sala de estar. “Ontem à noite depois que você saiu. Acabei de descobrir esta manhã. Todo mundo está falando sobre isso.” "Quem é Noelle?" Eu tentei manter a calma, como se ela realmente importasse. “A garota com quem ele estava conversando ontem à noite, aquela com o colar que ele estava admirando.” Ela respirou fundo novamente. "Kyler e ele entraram depois que saímos, Beau virou para ele primeiro, então Kyler o socou de volta."


Eu dei alguns passos para trás e usei a moldura da porta em arco para me segurar. Kyler e Beau lutando, ele traindo, tudo estava afundando devagar. “Bryce saiu e Laken acabou levando Kyler para casa antes que as coisas saíssem do controle.” "Como você sabe que Beau dormiu com essa garota?" Eu queria acreditar que era apenas um boato. Eu estava me agarrando a palhas, eu sei. No fundo acho que já sabia que era verdade. Senti que algo estava errado esta manhã quando ele apareceu, mas acho que queria ter certeza de que minhas inseguranças tivessem alguma prova sólida. “Kristen foi inflexível em ficar no clube. Troy a queria lá e todos nós sabemos como ela tem uma coisa por ele, então eu fui para casa depois, em vez de voltar para buscá-la. “Então Kristen os viu juntos?” "Junto com todos os outros que estavam lá." Eu me senti tonta. "Como?" Minha garganta parecia que eu estava tentando engolir um punhado de agulhas. "Eles só ..." Eu não conseguia pronunciar as palavras, elas estavam alojadas na minha garganta. "Eles estavam um sobre o outro perto do bar, depois foram para rua."


"Eles só fizeram isso em campo aberto?" “Em seu carro, como se alguém que passasse não importasse.” Tudo o que eu pude fazer foi acenar com a cabeça. Eu não tinha palavras. Meu coração estava partindo devagar. Uma dor agonizante estava aumentando, e embora eu tenha tentado lutar contra isso, ela assumiu. "Ele estava aqui esta manhã." Eu estava falando mais para mim do que para ela, como se estivesse tentando descobrir o que ele esperava conseguir com isso. “Ele disse todas as coisas certas, me fazendo sentir que talvez tivéssemos uma chance de fazer as coisas certas. Ele disse que queria que as coisas fossem diferentes, que ele terminou com as festas e bebedeiras. Mas é o que ele faz. Ele brinca com as pessoas, usando seu charme para sair dos buracos em que se encontra.” Eu finalmente olhei para ela, assim que a primeira lágrima deslizou pela minha bochecha. "Eu acho que sabia que ele não estava me dizendo a verdade, eu senti isso." Eu coloquei minha mão sobre o meu coração como se a pressão pudesse de alguma forma acalmar a dor. “Mas em vez de empurrá-lo e exigir a verdade, optei por fazer o que sempre faço. Eu acreditei que ele sentia muito e que ele era verdadeiro. Eu deixei ele brincar comigo.” Mais lágrimas caíram. "Eu sou uma idiota."


"Não." Ela colocou uma mão em cada um dos meus antebraços e me olhou nos olhos. “Ele é o idiota. Ele nunca mereceu você.

***

Eu sentei no pátio dos fundos, olhando para o pôr do sol. Lembrei-me de ontem de manhã quando minha mãe e eu nos sentamos neste mesmo lugar. Um tempo antes de tudo desmoronar. Eu queria voltar para lá, para aquele lugar onde as coisas eram alegres e divertidas. Mas em vez disso eu sentei aqui, tentando segurar tudo junto. Meu pai chegou em casa algumas horas atrás, e quando ele me encontrou sentada na sala de estar olhando para longe, completamente alheia à sua presença, correu na minha direção. Meus olhos inchados das minhas lágrimas e meu cabelo uma bagunça das minhas mãos passando através dele só fez sua preocupação crescer. Foi uma das poucas vezes em que o vi em estado de pânico. Mais lágrimas caíram enquanto eu revisitava a noite inteira antes. Da minha mãe e eu compartilhando mais uma sessão de fotos, para a festa e tudo o que se seguiu. Com cada palavra que eu falava eu assisti o homem que eu sempre conheci como calmo e controlado se transformar em cheio de raiva e ódio. Seus olhos se estreitaram, sua mandíbula flexionou e sua mão agarrou o braço da


cadeira ao meu lado tão apertado que os nós dos dedos ficaram brancos. Ele queria matar Beau. Ele queria dirigir para seu condomínio e arrastá-lo pelo pescoço. Estas foram as palavras que meu doce pai falou. O pobre desgraçado pagaria, ele insistiu. E mais uma vez fiquei surpresa com sua raiva. Eu sentei em silêncio enquanto ele andava de um lado para o outro. Deixei-o rasgar o homem que eu amava, porque naquele momento também odiava Beau. Todas as coisas que meu pai disse eram as coisas que eu queria fazer também. A necessidade de fazer Beau se sentir tão perdido quanto eu achava que era insuportável. O que me levou ao presente - sentada do lado de fora, esperando que Beau aparecesse. Se ele conseguisse sobreviver ao meu pai, teria a chance de resgatar meu coração ferido. Eu sugeri fortemente que meu pai me desse o meu tempo antes que ele batesse no bastardo arrependido até uma polegada de sua vida. Suas palavras, não minhas. Não liguei para Beau porque sabia que, no momento em que ouvisse sua voz, não conseguiria conter todas as coisas que tinha a dizer. Ele não merecia o caminho mais fácil; ele iria ficar cara a cara. Eu queria ver o olhar em seus olhos quando ele tentasse sair dessa. Um simples texto era tudo o que ele tinha.


Eu: Venha por volta das oito.

Eu estava tão perdida em pensar que quando eu ouvi gritos eu pulei de surpresa. Girando ao redor da poltrona, vi meu pai segurando Beau pelo pescoço, pressionando-o contra as janelas de vidro maciço que cobriam a parte de trás de nossa casa. "Oh meu Deus", eu gritei quando eu pulei e comecei a correr em direção à casa. Os sons de raiva podiam ser ouvidos no segundo em que a porta se abriu. "Eu deveria quebrar o seu nariz", meu pai disse com raiva. "Eu confiei em você com ela, seu pedaço de merda inútil." "Papai, não." Ele nem sequer olhou para mim, só continuou a olhar para o homem que uma vez pensei que poderia ser meu tudo. "Por favor." Eu dei uma última tentativa. Eu observei os ombros do meu pai caírem na derrota e ele relutantemente tirou a mão do pescoço de Beau. Eu podia ver a luta dentro do meu pai para permanecer à distância. Foi algo que eu nunca

tinha

testemunhado

antes.

Ele

era

um

homem

completamente diferente. Naquele instante eu tinha me esquecido de Beau enquanto observava o tormento que grassava dentro do meu pai. Isso foi até ele falar, lembrando-me de sua presença.


"O que diabos está acontecendo?" A essa altura, chorei muitas lágrimas sobre Beau, mais pelo menos por enquanto, essas lágrimas foram substituídas pela minha própria raiva. A necessidade de atacar e machucá-lo como se ele tivesse me machucado. "Não jogue jogos." Eu fiquei de pé, me recusando a deixar seu charme me perturbar. "Eles podem ter trabalhado antes, mas eles não vão funcionar agora." "Esclareça. “ Ele estendeu a mão para mim e eu dei de ombros. Realização o atingiu. “Eu desperdicei um ano da minha vida com você.” Desperdicei tanta energia, para quê? "Eu te amo." Ele inclinou a cabeça para o lado, abaixando a voz. "Você me ama, isso não é um desperdício." Eu ri. Eu não sei porque, porque nada sobre a situação era engraçado. Eu acho que isso estava relacionado com o quão patética foi sua tentativa de me aplacar. “Você apareceu aqui esta manhã porque se sentiu culpado pelo que fez. Foi o seu jeito doentio de se sentir melhor por ser um porco tão sem coração.” Seu olhar mudou para algo por cima do meu ombro e eu segui seu olhar para encontrar minha mãe ao lado de


meu pai. Ela podia ver a tensão saindo do meu pai e a preocupação gravada em seus traços. Em vez de acalmar suas preocupações, voltei minha atenção para Beau. Eu tive que tirar isso. Eu só queria que ele fosse embora, mas não antes de eu dizer o que eu precisava. "Podemos falar sobre isso em particular?" Eu ri. Deus, eu devo ter parecido uma pessoa louca, só que não me importei. "O que há de errado, você não quer que sua mãe descubra que seu filho é um idiota traidor?" Eu ouvi minha mãe suspirar. "Oops", eu dei de ombros, "parece que é tarde demais para isso. Você sabe que ela descobrirá agora.” "Isso foi um erro." “Você apareceu na minha casa, falando sobre como eu sou para você, sobre me amar e querer apenas a mim, mas foi tudo sobre tentar se proteger. Menos de oito horas antes daquela exibição triste você estava fazendo sexo com outra mulher. Em seu carro, à vista de todos, para qualquer um próximo à vista.” Na verdade, ele teve a audácia de parecer chateado e, por uma fração de segundo, uma pequena parte de mim acreditou que ele poderia ter se arrependido. Só essa parte pequena desapareceu rapidamente. "Espero que ela valha a pena."


"Não." Ele estendeu a mão para mim. Eu deixei ele segurar minha mão e me puxar contra ele. Eu permiti que ele me segurasse perto uma última vez. Por todos os bons momentos que compartilhamos, deixo que ele tenha isso. Não porque eu lhe devia alguma coisa, mas foi o encerramento que eu precisava para terminar este capítulo da minha vida. Rotule como uma lição de vida, eu acho. "Eu te amo, Ash", ele sussurrou perto da minha orelha e eu fechei os olhos, respirando fundo. Eu teria mentido se dissesse que não sentiria falta disso. Eu sentiria falta das vezes que ele me segurou e me fez sentir que o que tínhamos era real. "Nós podemos passar por isso." Depois de uma última respiração profunda, recuei e olhei para Beau. “Nós não podemos, porque eu valho mais do que o que você me deu. Eu nunca me perdoaria se me decidisse por um homem que não me colocasse em primeiro.” "Você é a primeira." "Se essa mentira faz você se sentir melhor sobre o que você fez, então continue dizendo a si mesmo, mas eu sei que é diferente." Eu empurrei suas mãos para longe quando ele fez uma última tentativa para chegar e me afastei, deixando-o de pé na sala de estar com meus pais. Eu não me importava mais se meu pai o


pulverizasse. Ou talvez fosse minha mĂŁe, considerando que ela estava olhando para ele com uma quantidade igual de Ăłdio. Eu estava feita, nĂłs terminamos.


Seis semanas depois

Cavando meus dedos na areia, eu olhei para o sol brilhante acima e aproveitei o calor no meu rosto. O calor da tarde fez meu celular se sentir pegajoso pela transpiração que se formou no meu ouvido. "Você não está pronta para voltar para casa ainda?" Eu ri da saudade na voz de Hayley. "Porque? Você sente minha falta?" "Hum, sim." Sua voz se elevou. "Tem sido para sempre." "Já faz seis dias." “Sim, mas o tempo antes disso era onze e o tempo antes disso era oito. Se você os combinar todos juntos, já faz tempo demais”. Eu sorri e peguei meu coquetel na pequena mesa ao meu lado. Levantando-o para os meus lábios, eu tomei um pequeno gole e segurei o gemido satisfeito que ondulou através de mim. Paradise Beach em Fiji é linda, e quando minha mãe se ofereceu para me deixar acompanhar durante uma sessão de fotos pela


terceira vez consecutiva, eu não hesitei por um minuto. Agora eu estava no paraíso e não queria ir embora. "A essa hora, amanhã, estarei de volta à Califórnia e você não precisará mais sentir minha falta." Até mesmo dizer essas palavras me deixou triste. Sim, sentia falta dos meus amigos e da minha vida, mas voltar para Santa Bárbara significava encarar Beau e todos os outros que sabiam o que ele havia feito. "Você ouviu mais alguma coisa dele?" "Não no último par de dias." Eu estava feliz que ele estava finalmente entendendo a dica. Quando eu disse que acabou, eu quis dizer que acabou. Eu não queria pensar no que aconteceria quando voltasse para casa. Pelo menos aqui eu tive milhares de milhas que me separaram da humilhação. A ideia de que todos possam estar falando sobre o que ele fez me fez sentir nauseada. “Eu não o vi ultimamente. Ele não vem quando todos nós nos reunimos.” "Eu tenho mais um dia de drama sem Beau antes de ser forçada a encarar isso novamente." Eu não queria pensar em nada disso até que precisei. "Vamos falar sobre qualquer coisa, menos ele." Hayley e eu conversamos por mais uma hora enquanto eu olhava para fora, observando minha mãe fazer sua mágica. Modelos lindos, exóticos, posavam na água ao longo das praias arenosas, e ver isso me dava um sentimento eufórico por dentro. O


desejo profundo de ser livre me fez lamentar o último ano da minha vida, o tempo que eu perdi com um homem que não era capaz do tipo de amor que eu desejava. Foi tudo uma fantasia, eu tentava colocar Beau nesse papel. Ele era fraco, não apenas à tentação de uma garota disposta durante um período de turbulência, mas em todos os aspectos de sua vida. Isso me fez arrepender de viver em minha pequena bolha quando havia tanta oportunidade de viver. Eu tinha mantido a possibilidade de que Beau e eu pudéssemos voltar àquele lugar que já fomos. Mas a verdade era que eu estava apaixonada pela versão anterior dele, e esse cara tinha ido embora.

***

Mais tarde naquela

noite, enquanto

minha mãe e eu

compartilhamos nossa última refeição juntas no convés fora de nossa suíte, eu ouvia as ondas e os sons da ilha ao nosso redor e me sentia em paz. "O que você pensa sobre isso?" Voltei minha atenção para minha mãe, que estava sentada do outro lado da mesa com um olhar preocupado no rosto. "Você não falou muito sobre o que aconteceu."


“Porque não há muito a dizer. Beau não é o homem que eu achava que ele era e acho que posso dizer com segurança que ele também não é quem você achava que ele era.” Quando ela concordou, eu continuei. “Eu perdi quase um ano com um cara que achei que poderia um dia ser meu para sempre. Eu sinceramente acho que fiquei tão cega pela ideia dele que ignorei todos os sinais ao longo do caminho. Naquela época ele flertava abertamente com outras mulheres, ou cancelava no último minuto como se eu fosse algo que pudesse esperar. "Eu me sinto parcialmente culpada." “O que, porque você e Collette são amigas? Porque vocês dois queriam nos ver juntos? Ela encolheu os ombros enquanto pegava a comida ainda em seu prato. “Você não me fez ficar com ele, mãe, na verdade você não me forçou a sair no primeiro encontro com ele. Nada disso está em você.” Eu poderia dizer que ela queria discutir, mas não foi culpa dela. "Eu estou humilhada, não vou mentir", eu continuei, não permitindo que ela colocasse a culpa em si mesma. “Mas eu também não fiz isso, ele fez. Ele escolheu dormir com aquela garota. Acho que poderia me considerar sortuda por ter acontecido agora, em vez de cinco anos depois que nos casamos e com uma criança.” Eu tentei esclarecer tudo, mas eu poderia dizer que ainda havia culpa pesando sobre ela.


"Eu quero conseguir meu próprio lugar." Ok, então talvez eu não devesse ter jogado isso nela, mas a ideia estava rolando em minha mente por semanas, meses até. Nesse momento, acho que precisava de uma distração da conversa atual. "O que?" Eu ri de sua expressão chocada. Seus olhos estavam arregalados, sua boca escancarada enquanto ela olhava para mim. "Você age como eu tivesse acabado de dizer que eu quero mudar meu nome e fazer uma tatuagem de corpo inteiro." Ela solta um hmmph. “Bem, você poderia muito bem ter dito isso. De onde veio isso de qualquer maneira? Ela estava falando sério? “Tenho vinte e dois anos, mãe, acho que já passou da hora de morar sozinha.” "Por que, quando você já tem a casa para si mesma?" Era verdade, nossa casa era enorme. “Você tem todo o lado esquerdo e a única coisa que você compartilha é a cozinha. Você até tem sua própria entrada se quiser usá-la. "Novamente, não é o ponto." Minha mãe era difícil. Ela era exigente e raramente não conseguia o que queria. Meu pai a tinha estragado por muito tempo, e ela poderia lutar um inferno se fosse necessário. Aparentemente, ela sentiu que esse era um desses momentos.


"Eu simplesmente não gosto da ideia." Ela recostou-se na cadeira, cruzando os braços quase desafiadora. Eu balancei a cabeça e ri, apenas para tê-la arqueando sua sobrancelha em questão. "Está na hora." Era muito além. O silêncio passou entre nós enquanto ela continuava a me observar, como se isso sozinho mudasse minha mente. “E a casa de hóspedes?” Eu deveria saber que ela faria a planta "Você não pode simplesmente se mudar para lá?" "Não." Direto para a frente e direto ao ponto. "Por que não?" "Porque, mãe, ainda é você e papai pagando e é hora de eu crescer." Ela não via assim, mas eu já via fazia algum tempo. "E se nós permitirmos que você pague aluguel?" Tudo bem, ela queria continuar com isso. "Você iria?" Eu podia ver a incerteza em seus olhos, e eu já sabia minha resposta, mas novamente ela continuou a insistir em tornar isso mais difícil do que precisava ser. "Nós poderíamos conversar com seu pai." Eu arqueei minha testa para ela e ela sorriu. Ela sabia tão bem quanto eu que meu pai não me permitia pagar aluguel para nossa casa de hóspedes. Ele era ainda mais difícil do que ela.


“Eu só gosto de saber que eu vou você estar lá para cuidar de tudo. Seu pai gosta de ter você lá também.” "Eu raramente vejo o papai." Eu raramente vi qualquer um deles, mas esse não era o ponto. Eu queria o meu próprio espaço para fazer o que eu quisesse. Foi apenas o simples fato de que eu era uma jovem adulta ainda morando na casa dos meus pais e eu queria mais. "Você o vê o tempo todo, você trabalha para ele." Como se isso fizesse diferença. "Qual é outro ponto que eu gostaria de mencionar." Sua expressão se transformou quase instantaneamente. Eu sabia que uma discussão estava se formando. Sara Prescott era pequena, mas cheia de fogo. "O que, você agora está crescida demais para trabalhar para o seu pai?" Então talvez eu não devesse ter pulado nisso enquanto estava presa com ela em uma ilha que eu não poderia escapar. "Eu só acho que talvez eu deva encontrar outra coisa." Eu olhei para longe dela quando continuei porque aqueles olhos estreitos e desagradados eram difíceis de encarar. “As pessoas ao redor de seu escritório já olham para mim como a princesa que consegue tudo o que quer. A mimada garota rica que...


Ela me cortou antes que eu pudesse dizer mais alguma coisa. "Eles não olham." "Eles fazem e estão certos." Ela não ouvia as coisas que eu ouvia diariamente pelos corredores, os sussurros abafados daqueles ao meu redor. “Se eu fosse outra universitária recém-formada de vinte e dois anos, eu não teria o cargo que tenho. Eu recebo mais do que alguns daqueles que estão lá há anos. Até eu vejo a injustiça nisso.” "Não tire isso do seu pai", ela praticamente implorou, o que me surpreendeu. Outro momento de silêncio tomou conta de nós. Ela olhou da mesa antes de nós para mim mais uma vez e eu pude ver um olhar de tristeza em seus olhos. Isso puxou algo dentro de mim. "Sabemos que não somos os melhores pais." "Mamãe." Eu deslizei para frente na minha cadeira e estendi minha mão para a dela. "Me deixe terminar." Eu balancei a cabeça, dando a ela a oportunidade de continuar com o que quer que fosse que parecia incomodá-la. “Nós estivemos fora a maior parte da sua vida, trabalhando longas horas e saindo da cidade com frequência para garantir o que temos. Perdemos muito da sua vida, muitos dos seus marcos. Tempo que nunca podemos recuperar, memórias que nunca podemos recriar.”


Eu praticamente podia ver a mágoa que as palavras dela traziam para ela. “Você pode não acreditar, mas ter você no escritório com ele, trabalhando lado a lado com ele, faz com que ele sinta que está compensando todas as vezes que ele sente falta. Isso pode não estar certo, pode não ser o caminho para construir um relacionamento com você, algo que ele sente que perdeu. Mas eu vi o olhar em seus olhos quando ele fala sobre um arquivo que vocês dois fecharam juntos. Ou quando você vai com ele em exibições, e quando você visita possíveis clientes lado a lado, ele brilha com orgulho, Ashlynn. Você quer se mudar, bem, você quer pagar aluguel na casa de hóspedes, tudo bem, você quer sua independência, eu entendo isso, eu entendo tudo. Mas por favor, não tire isso dele.” Seus olhos brilhavam com lágrimas não derramadas que só conseguiram acionar as minhas. Ela estava certa. Nós nunca tínhamos realmente chegado tão perto enquanto eu crescia. Isso desapareceu uma vez que seus negócios decolaram e as demandas cresceram. Mas se a traição de Beau havia conseguido uma coisa boa, era que eu me sentia mais próxima de ambos do que antes. "OK." Ela enxugou uma lágrima que rolou ao longo de sua bochecha esquerda enquanto continuava a me observar. “Eu vou ficar trabalhando para o papai. Mas eu não vou mudar de ideia sobre sair.”


"Para a casa de hóspedes?" A esperança em sua voz me fez rir. “Como locatária.” Ela assentiu com a cabeça feliz e meu sorriso ficou mais largo. Eu sabia que convencer meu pai seria ainda mais difícil do que minha mãe. Mas no momento eu aceito alegremente o pequeno pedaço da minha nova independência. Mais tarde eu faria tudo isso novamente com o Sr. Prescott, orgulhoso e verdadeiro e mais tolo do que minha mãe e eu.


"Eu não posso acreditar que ele realmente concordou com isso." Hayley se aproximou do meu lado e olhou para a colina que levava aos fundos da casa dos meus pais. Uma piscina no terreno e uma grande extensão de terra separavam o meu novo local do deles. Não era exatamente o que eu tinha planejado quando disse que queria sair, mas estava perto o suficiente. "Quando minha mãe e eu nos juntamos contra ele, ele cedeu muito facilmente." Uma casa de hóspedes de dois quartos, um banheiro e meio, piso plano aberto com minha própria garagem. Foi mais do que eu planejei; Eu estava pensando em um pequeno apartamento com talvez uma pequena varanda ou algo próximo. "O que você vai fazer com todo esse espaço?" Eu me virei e olhei para a casa vazia, sem móveis, sem enfeites em qualquer lugar, e sorri para as possibilidades. "Eu vou fazer dele meu." "O que você tem em mente?" Havia um brilho nos olhos dela.


"Pintar, pintura colorida brilhante." Eu podia ver isso agora; Adoro cores. Meus pais eram mais pretos, brancos e de aço inoxidável. “Guardei praticamente todos os centavos que fiz desde que comecei a trabalhar para o meu pai e esta é a minha chance de gastá-lo.” Eles querem contratar um decorador de interiores e eu desenhei a linha. Isso é tudo eu e meu. Eu quero fazer isso sozinha. "Eu digo que recrutamos alguns caras para pintar." Hayley já estava pegando seu telefone. Estendendo a mão, coloquei minha mão sobre a dela para impedi-la. "Não, nós podemos fazer isso." "Nós podemos o quê?" O olhar de terror em seu rosto era demais. "Sério, podemos com certeza fazer isso." "Eu não posso pintar." Ela balançou a cabeça, os olhos ainda arregalados e incrédulos. “Eu e o trabalho manual não se misturam. Honestamente, poderíamos encontrar dois caras que fariam isso em um dia. Nós poderíamos sentar, saborear mojitos e admirar a vista. Talvez gritar coisas como "um pouco para a esquerda" ou "você perdeu um lugar". Eu me afastei dela por apenas um segundo enquanto olhava ao redor do grande espaço. Ela estava certa, havia muitas paredes brancas e altos tetos abobadados que seriam difíceis de alcançar.


Meu palpite era que, no final, uma de nós acabaria caindo de uma escada ou jogando um galão de tinta no chão. "Lá." Eu me virei para ela a tempo de vê-la enfiar o celular de volta no bolso. "Lá?" Eu repeti a palavra dela. "O que você fez?" Eu sabia que não gostaria da resposta dela. "Recrutando?" Encolhendo os ombros como se não fosse grande coisa, ela atravessou a sala para a grande cozinha. Abrindo a geladeira, ela tirou uma garrafa de água e desatarraxou a tampa. Quando ela percebeu que eu estava olhando para ela, ela arqueou uma sobrancelha para mim. "O que?" Meu coração disparou e eu esperava mais do que qualquer coisa que ela não pedisse ... "Kyler e Quinton vão usar esta noite para pintar e tudo o que temos que fazer é fornecer cerveja e pizza." E ai estava. Ela fez exatamente o que eu esperava que ela não fizesse. Eu abaixei minha cabeça e cobri meu rosto. “Kyler é o melhor amigo de Beau, mas ele também é seu amigo. Você não pode evitar todos com um link direto para aquele idiota ou você nunca mais verá seus amigos.” Ela tomou um gole e depois


colocou a tampa de volta na garrafa de água. Além disso, Beau se foi. "Foi?" "Sim." Ela tirou o celular do bolso depois que ele soou de uma mensagem recebida e eu esperei que ela continuasse. Ela bateu, ela esperou, ela bateu novamente na tela e eu fiquei levemente irritada. "Hayley?" "Ele está em Charleston", disse ela sem levantar os olhos do telefone. "Aparentemente, depois que tudo desmoronou com vocês dois e ele não estava se recompondo, seu pai o mandou para o escritório em Charleston para limpar a cabeça." Não sei por que a ideia de seu pai despachá-lo significava alguma coisa para mim, mas me entristecia, realmente, porque eu sabia que o relacionamento que eles tinham era difícil. "Você nunca vai adivinhar quem saiu daqui há alguns dias para ir visitá-lo também." Ela levantou a cabeça quando ela zombou das palavras sarcasticamente e seus olhos se conectaram com os meus. "Noelle". Eu já sabia que estava certa, mas quando Hayley assentiu senti que tinha sido chutada no estômago. "Bom para eles." Recusei-me a admitir que ele se movendo tão rapidamente ainda me machucava um pouco. Mas não deveria ter me surpreendido,


não de verdade. Nem mesmo duas semanas atrás ele estava me mandando mensagens sobre o quanto ele me amava e como ele sentia muito por me machucar. Agora lá estava ele, do outro lado do mundo, com a vagabunda com quem dormia enquanto ainda estávamos juntos. Tudo me deixou doente. Não, eu não estava sentada esperando por ele na esperança de que as coisas pudessem ser diferentes, mas eu acho que eu pensei que talvez ele levaria algum tempo para resolver antes de pular em outra aventura sem sentido. "Ele não vale a pena." Era quase como se ela pudesse ler meus pensamentos. É uma das razões pelas quais eu amava tanto Hayley. Ela podia ser uma garota super-dramática e afetada, com medo de se sujar ou até suar, mas sempre esteve do meu lado. Mesmo que ela não concordasse com as decisões que eu tomei ou com quem eu escolhi amar, ela nunca se afastou de ser a minha número um. Eu sempre pude confiar nela e, por sua vez, fazia o mesmo por ela. Ela é o queijo do meu macarrão. "Eu sei", eu concordei, "e é por isso que esta noite nós estamos tendo uma festa de pintura." Eu ainda não tinha certeza se concordava cem por cento com o evento, mas eu faria o meu melhor para deixar de lado o sentimento de inquietação do lado de dentro. Eu andei em direção à porta da frente, totalmente pretendendo dirigir até a loja de ferragens mais próxima e pegar tinta quando


ouvi seus pés batendo contra o chão de mármore sob seus pés descalços. "A festa de pintura, você quer dizer que nós festejamos e eles pintam, certo?" Quando não respondi ao pânico em sua voz, só ficou mais intenso. "Ashlynn." Cheguei à porta e a abri. “Hey Ash, foi o que você quis dizer. Certo?" Mais uma vez eu não respondi. Era muito divertido esperar. “Os caras estão pintando e estamos observando. Estamos concordando com isso.” Ela ainda seguia logo atrás de mim. “Como agora você deveria dizer 'sim, Hayley, é exatamente o que eu quis dizer com isso'”. Assim que cheguei ao meu carro, olhei para trás e a vi parada a poucos metros de distância, parecendo completamente derrotada e aterrorizada. Ela estava implorando para mim, um olhar de desespero em seu rosto. "Você é horrível." Seus ombros caíram. "Isso não foi engraçado." "Eu não sei sobre isso, eu senti o humor nisso." Escalando dentro do meu carro, esperei que ela corresse de volta para dentro e pegasse seus sapatos antes de voltar correndo para fora. Uma vez que ela estava em segurança, comecei a rir. Claro que ela me deu um olhar irritado, o que só me fez rir mais. Honestamente era culpa dela; ela não deveria ter feito isso tão fácil.


***

Eu admito que estava nervosa. Mesmo antes dos caras aparecerem, meu estômago estava em nós. Eram amigos de Beau e, sim, éramos cordiais e conversávamos, mas a verdade é que foi por nossa ligação através de Beau. Eu me preocupava que as coisas ficassem estranhas e terminássemos em um silêncio mortal enquanto os caras pintavam, enquanto Hayley e eu nos sentávamos do outro lado da sala. Mas isso não foi nem perto do que aconteceu. Havia tanto riso e descontração que meu estômago doía. Quinton e Kyler brincaram e se provocaram tanto que Hayley e eu passamos a maior parte da nossa noite totalmente entretidas e divertidas. Foi bom rir. "Você escolheu essa cor?" A pergunta de Quinton chamou minha atenção. "Porque eu tenho que admitir que estou surpreso." "Por quê?" "Eu teria imaginado vermelho, ou até mesmo um tom de merda bronzeado, ou talvez até um amarelo." Eu enruguei meu nariz em cada uma de suas sugestões e isso o fez rir. “Eu sei, meus


pensamentos exatamente. Quando soube que íamos pintar, imaginei que estaríamos nos afogando em rosa e roxo feminino. "Eu não tenho doze anos." Ele examinou meu corpo antes de encontrar meus olhos mais uma vez. "Oh, acredite em mim, eu sei que você não tem doze anos." Minhas bochechas aqueceram em sua insinuação escondida. "Cuidado", disse Kyler em aviso e eu ri de sua necessidade de me proteger. Isso era Kyler, sempre vindo em meu socorro mesmo quando eu não precisava dele. Era como um herói, síndrome do irmão mais velho. "O que? Ela é uma mulher... A maneira como ele disse "mulher" me fez rir, e Hayley riu ao meu lado. Kyler deu a Quinton mais um olhar de advertência, que estendeu as mãos em sinal de rendição. "Tudo bem, droga, eu estava apenas dizendo que esse tom de azul não é o que eu esperava estar pintando nas paredes, é tudo." Eu olhei em volta da minha sala de estar, me sentindo bem com a minha decisão. Um tom empoeirado de azul, não muito brilhante, sutil mesmo. "Quem sabe? Talvez eu jogue um pouco de amarelo aqui e ali. Quando ouvi Quinton gemer em protesto, sorri. Esta noite foi uma boa ideia, e me vi feliz que minha melhor amiga era tão agressiva.


Uma vez que as paredes da sala de estar foram terminadas, eles também eliminaram a área de jantar e cozinha. A única razão pela qual eles pararam foi porque ficamos sem tinta. Quando a bagunça estava toda limpa, eles se juntaram a nós no centro da minha sala de estar e devoraram quase duas pizzas. A cerveja estava fluindo, a risada continuou, e pela primeira vez desde que Beau me enganou, senti como se um peso não estivesse pressionando meu peito. "Você sabe se você precisar de alguma coisa, tudo que você precisa fazer é me ligar." Kyler sentou à minha esquerda, encostando na mesma parede. Quinton e Hayley sentaram-se à nossa frente em uma conversa acalorada sobre chuveiros em academias públicas. Eles perderam a minha atenção há muito tempo quando o debate começou a desviar-se para um território pervertido. As palavras de Kyler estavam pesando em mim e eu me virei para ele para oferecer um sorriso. "Obrigada, mas isso seria um pouco estranho, você não acha?" O silêncio tomou conta de nós por um momento antes de começar a pegar o rótulo de sua cerveja. “Eu não acho que seja estranho. Você está dizendo que não podemos ser amigos? ”. "Não, é só..." "Beau". Eu recuei quando Kyler disse seu nome.


Rapidamente tentei recuperar e esconder minha reação. “Isso apenas torna as coisas um pouco difíceis. Ele é seu melhor amigo. ” "Não significa que não podemos ser amigos também." Isso era verdade, eu só não tinha certeza de como algo assim funcionaria. Kyler e Beau eram ambos mais velhos, por quatro anos. Eles cresceram um com o outro, e quando eles não estavam brigando sobre algo estúpido, eles eram tão próximos quanto irmãos. Eu só não tinha certeza de como uma amizade comigo se encaixaria no meio de tudo isso. "Ele estava errado pelo que fez, todos nós sabemos disso." Olhei para o meu colo, porque o contato visual não era mais algo que eu pudesse suportar. “Ele teve uma grande coisa com você e ele jogou tudo fora para o que? Uma garota fácil que em um mês vai estar pendurada em torno um cara novo. Então Beau terá que aceitar que o que ele desistiu foi a melhor coisa que ele já fez. Eu olhei para os olhos bondosos de Kyler. Ele sempre foi aquele cara, aquele a quem as garotas se reuniam. Ele tinha a capacidade de fazer você se sentir segura e protegida com apenas um simples olhar. Ele era gentil, mas eu o vi ficar todo alfa em minutos quando necessário também. Ele era uma mistura de salgado e doce, embrulhado em um pacote que era fácil para os olhos. "Obrigada." As palavras eram mais de um sussurro.


“Não precisa me agradecer por falar a verdade, Ash. Acho que todos sabemos que Beau nunca encontrará outra garota tão incrível quanto você. Nós apenas nos encaramos por alguns segundos, quase em transe. Isso foi até o riso de Hayley penetrar a névoa e eu rapidamente desviei o olhar do intenso olhar de Kyler. Eu ignorei o jeito que meu coração estava acelerado e o suor das minhas mãos. Respirando devagar, concentrei-me em Quinton e Hayley, optando por ignorar Kyler me observando em minha visão periférica. Em vez disso, concentrei-me no óbvio jogo de flertar entre os dois na minha frente. Depois de alguns minutos, meus nervos começaram a se acalmar e todos nós caímos em uma fase confortável de quatro amigos compartilhando uma noite divertida juntos e nada mais.


Kyler "Você viu ela?" Beau perguntou, mas antes que eu pudesse responder, ele seguiu em frente. “Ouvi dizer que ela voltou de sua última viagem, mas tenho receio de estender a mão. Ela não respondeu minhas mensagens antes, então eu não tenho certeza se ela iria agora também.” "Você honestamente acha que ela faria?" Eu sentei no meu sofá com meu controle em uma mão e meu telefone na outra. "Porra, cara, eu estraguei tudo, mas estou tentando fazer as coisas certas. “ “Tentar fazer as coisas certas não consiste em você morar em Charleston com a garota que você traiu Ashlynn em primeiro lugar.” "Eu a mandei fazer as malas", ele me assegurou. “Antes ou depois de uma última rodada com ela?” Beau pode ser meu melhor amigo, mas o idiota não merecia Ashlynn. Ela era boa demais para os jogos dele; Eu sempre pensei assim. Eu ainda estava perdido sobre como um homem poderia


trair, quanto mais em uma mulher como ela. Mesmo depois de toda a merda que ele fez, ela ainda estava ao lado dele. Ela era leal. Então ele foi e jogou tudo fora, para quê? "Eu nem sequer a deixei entrar." Beau voltou minha atenção para nossa conversa. "Eu não pedi a ela para aparecer aqui, ela fez essa merda por conta própria." Houve uma longa pausa entre nós antes de ele falar de novo. “Eu sei que eu estraguei tudo, mas falei sério quando disse que a amo. Então, se você a ver, você pode apenas dizer a ela que eu sinto falta dela e que eu não me importo com o tempo que leve, eu vou fazer as coisas direito?” Eu queria dizer a ele para deixá-la sozinha, mas não consegui. Não era o meu lugar. "Sim." Concordar me fez sentir como se estivesse traindo ela. Ontem à noite ela estava feliz, rindo de Quinton e eu. Não me lembro de um momento durante o relacionamento entre Beau e ela que eu vi esse tipo de alegria em seus olhos. Acho que sabia no segundo que a palavra saiu dos meus lábios que eu não estaria transmitindo a mensagem de Beau. Eu não seria esse cara, aquele que jogou esse maldito jogo do ensino médio. Eu me senti culpado por dizer a Beau que eu não a tinha visto, mas me recusei a entrar em contato com Ashlynn. "Estou trabalhando para voltar para casa."


A ideia de ele estar aqui novamente deixou uma sensação amarga no meu estômago que eu deveria ter me sentido culpado, só que não estava. "Sim", eu tentei parecer feliz, "isso é bom".

***

"Bem, bem, se não é o cara que tem uma queda pela minha garota." Peguei o café do barista só para me virar e ficar cara a cara com Hayley. "Do que você está falando?" Ela se inclinou mais perto, abaixando a voz. “Você não precisa brincar de idiota comigo. Eu podia ver no momento em que você e Quinton apareceram na casa de Ashlynn. O jeito que você a olhou, o jeito que você sorria quando ela ria, era realmente doce.” "Alguém já te disse que você é louca?" Ela encolheu os ombros como se ouvir isso não fosse novidade para ela. "Não se preocupe, seu segredo está a salvo comigo, mas só para você saber", ela passou por mim em direção ao balcão, "Eu sou o Team Kyler."


Eu olhei para a parte de trás de sua cabeça, me perguntando do que diabos ela estava falando. A garota era exaustiva às vezes. Com certeza ela não estava tão longe, eu tinha uma queda por Ashlynn. Mas essa coisa nunca poderia ser mais do que um desejo oculto. Um cara nunca ia atrás da ex do seu melhor amigo; simplesmente não era certo.


Ashlynn "Eu tenho uma reunião em uma hora e eu preciso receber esses documentos entregues ao meio-dia." Eu podia ver a frustração na expressão do meu pai quando ele enfiou arquivo após arquivo em sua pasta. "Eu não sei onde Maureen está, mas ela deve estar presente também." Coloquei minha mão sobre a dele e ele levantou o olhar para encontrar o meu. "Maureen está na sala de conferências revisando os números da reunião uma última vez antes de vocês dois saírem." Uma

sensação

de

alívio tomou conta

dele

e

ele

sorriu

conscientemente. "Se você me der a papelada, eu mesma entregarei para você no centro da cidade." Eu planejava encontrar Hayley e Kristen para o almoço, então estaria a caminho. "Eles precisam ser entregues a Mason Miller no quinto andar do edifício McKenzie." Ele disse isso olhando para mim com preocupação. "Miller, Wright e Lambert Associates." Meu estômago se apertou. "Eu vou ter Victor para levá-los." Ele escorregou a mão debaixo da minha e pegou o telefone.


"Não." Ele olhou para mim com um olhar perplexo. "Eu posso levá-los." Beau não estaria lá, e se eu tivesse sorte, eu não estaria com o pai dele também. Ele era um homem muito parecido com meu próprio pai, sempre ocupado e raramente acessível. “Eu não vou evitar pessoas. Eu não fiz nada e não há razão para me esconder. Ele concordou com a cabeça. "Então me dê os documentos e pare de tentar me proteger." O orgulho encheu seus olhos quando ele alcançou dentro de sua pasta e tirou um grande envelope pardo. “Tudo bem, mas só para você saber, eu sempre tentarei te proteger de qualquer coisa que possa lhe trazer tristeza. É o trabalho de um pai.” Ele não entregou o envelope para mim imediatamente, mas em vez disso andou ao redor do lado de sua mesa e me deu um abraço. "Aproveite o seu almoço com as meninas e eu vou ver você esta tarde." Com um beijo na minha testa, ele recuou, oferecendo o envelope e eu o peguei de bom grado. Depois de um rápido adeus, peguei minhas coisas da minha mesa e fui para os elevadores. Todo o caminho até o estacionamento e a viagem em direção ao meu destino meu coração disparou. Kenneth Lambert era intimidador, o que sempre me fez sentir um pouco triste por Beau


quando

estávamos

juntos.

Seu

pai

não

era

um

homem

compreensivo; ele nunca foi. Beau faria todo o possível para agradá-lo, só para ficar aquém de cada vez. Foi triste, na verdade, um jovem à procura de aceitação de um pai e nunca alcançar esse objetivo. Eu acho que é de onde Beau tirou a necessidade constante de mais, o sentimento insatisfeito que permaneceu dentro dele com tudo o que ele fez. Eu não estava dando desculpas para ele, porque no final ele teve uma escolha, mas acho que seu pai desempenhou um papel enorme no homem que Beau acabou sendo. Quando cheguei ao edifício McKenzie, a subida do elevador até o quinto andar era como um destino iminente, como se eu estivesse entrando em um prédio em chamas sem meios de fuga. Eu tinha formado um plano - encontrar o Sr. Miller, jogar os papéis para ele, oferecer um rápido "obrigada e tenha um ótimo dia" e então correr como o inferno em direção à saída mais próxima. Não olhe ao redor, evite todas as chances de contato visual ou conversa amigável. Procure segurança. Então as portas se abriram, eu saí e lá estava ele. Kenneth. Pai do Beau.


Frente e centro, como de modo algum eu poderia evitá-lo agora. Especialmente desde que ele estava olhando diretamente para mim. "Ashlynn." Ele começou a andar em minha direção e eu congelei. Eu não tinha certeza se estava respirando. Tudo parou. Instantaneamente ele estendeu a mão e colocou a mão no meu ombro. "Eu tenho pretendido te encontrar." Suas palavras me surpreenderam. "A mim?" Eu resmunguei e limpei minha garganta rapidamente tentando esconder o nervosismo dentro dela. "Talvez pudéssemos entrar no meu escritório." Ele não esperou que eu respondesse, mas começou a me levar para o grande escritório no canto. Uma vez lá dentro, lembrei da última vez que estive aqui. Beau estava trabalhando até tarde e eu o surpreendi com o jantar. Foi só ele e eu; seu pai estava fora da cidade visitando um de seus outros locais. Beau mais uma vez tentava impressionar seu pai ficando tarde e trabalhando. Nós tínhamos compartilhado o jantar na pequena mesa de conferência no canto esquerdo do escritório, antes que ele me levasse para a mesma mesa e começasse a devorar-me para a sobremesa. "Por favor sente-se." Kenneth estendeu a mão, apontando para a cadeira que estava em frente à sua mesa.


"Realmente, eu tenho planos." Eu tentei encontrar uma maneira rápida de sair da situação, mas ele não parecia se importar. "Esses planos podem esperar." Com licença? Quem diabos ele achava que ele era assim mesmo? "Isso é mais importante do que qualquer outra coisa que você possa ter." Sua arrogância estava ficando debaixo da minha pele. Ele poderia intimidar seu filho ou seus empregados, mas ele não iria me intimidar. Eu não lhe devia absolutamente nada. “Posso garantir que meus planos têm precedência sobre o que vocês acham que é tão importante aqui. Preciso te lembrar, eu não trabalho para você.” Ele olhou para mim, um olhar condescendente em seus olhos. "Eu nunca pensei que a ideia de você e Beau era um ajuste muito bom." Eu segurei forte, ombros ao quadrado, e meu olhar se trancou com o dele. Eu não permitiria que esse homem, e usei essa palavra com hesitação para me intimidar. "Ele tem muito potencial para fazer isso neste mundo e alguém como você iria apenas atrasá-lo." "Alguém como eu?" "Sim, alguém tão carente, tão grudento." Eu quase ri de sua percepção de mim. Ele não tinha ideia de quem eu era, ele


simplesmente me deu um tapa com um rótulo que ele achava adequado. “Fico feliz por ele ter percebido isso antes que fosse tarde demais. Agora talvez ele trabalhe mais para se tornar o homem que eu sei que ele pode ser se ele se dedicar ao que é importante na vida.” Dei um passo à frente, sentindo-me de repente livre para dizer o que estava rolando em minha mente sem consequências. Ele obviamente pensou que eu iria me esconder e fugir. "Com todo o respeito, senhor", eu zombei da palavra, porque eu honestamente não queria nada mais do que chamá-lo de idiota. “Se você abrir os olhos e perceber que Beau trabalha para tentar agradar a você, talvez ele esteja mais atento àqueles que ele destrói ao longo do caminho. Você está apenas forçando-o a ser exatamente o homem que você é hoje, e de onde estou sentada, acho que essa é a maior vergonha de todas. Ele não tem uma chance neste mundo se ele se tornar um idiota como você. Ele não mostrou sinais de surpresa enquanto eu continuava a vomitar todas as minhas frustrações sobre ele. “Você é um idiota arrogante que pensa que me conhece, mas posso garantir que você não tem ideia de quem eu sou. Se eu fosse você, eu estaria olhando para o pano de fundo da prostituta cavadora de ouro com quem ele escolheu dormir no banco de trás de seu carro no meio de um estacionamento e pare de


focar muito sua atenção em mim. Para um homem de negócios experiente, você realmente não tem ideia, não é?” Em vez de continuar aquela conversa ridícula, eu me virei nos calcanhares e saí de seu escritório, não me importando mais com o que ele ou qualquer outra pessoa tinha a dizer. Quando passei pela recepcionista, joguei o envelope que levava para a mesa e ela olhou para mim, surpresa. "Se você pudesse ter certeza de que o Sr. Miller receba isso, seria apreciado." Com o propósito, mudei-me para o elevador, apertei o botão e instantaneamente a porta se abriu. Eu suspirei de alívio quando entrei e me virei a tempo de ver o próprio Sr. Prick aparecer. O pensamento de lançá-lo me bateu, mas em vez disso eu sorri brilhantemente e ofereci uma pequena onda assim que as portas se fecharam. Mate-os com gentileza, minha mãe sempre dizia. Eu mesma teria preferido a gentileza e segui direto para a matança. Uma vez no nível principal do edifício McKenzie, eu vasculhei minha bolsa em busca do meu telefone enquanto me movia pelo saguão. Discando o número de Hayley, levantei o telefone ao ouvido assim que saí. "Onde está você?" Não olá, não o que está acontecendo.


"Estou a caminho, tive uma corrida com Prick Lambert e agora estou precisando desesperadamente de uma bebida." Eu sabia que era o meio do dia, mas não faria mal. O problema seria parar depois de um. “Beau está de volta? "Não." Eu dobrei a esquina e vi meu carro estacionado a poucos metros de distância. “O pai dele é um idiota e eu explico depois.” "Preciso ligar para o meu pai e prendê-lo?" Eu ri. O pai de Hayley era o chefe de polícia e ela estava sempre ameaçando que ele criasse alguma acusação falsa contra aqueles que ela achava que nos prejudicavam de alguma forma. "Não, mas colocando um pouco de laxante em seu café antes de um grande caso, pode ser divertido." Ela riu e eu me juntei a ela. Eu disse "Adeus", abaixei meu telefone e pulei de surpresa quando alguém falou ao meu lado. "Eu deveria estar consciente de aceitar café que eu não faço eu mesmo?" Eu me virei e me inclinei contra o lado do meu carro, minha mão pressionada sobre o meu coração acelerado. "Oh meu deus, Kyler." Eu empurrei contra seu peito e ele deu um passo para trás, rindo. "Você me assustou."


"Desculpa." Ele avançou mais uma vez. "Eu acabei de ouvi-la ameaçando algum pobre bastardo com laxantes e eu queria ter certeza que eu não era o seu alvo." "Você está seguro", eu assegurei a ele. "Mas eu não chamaria Kenneth Lambert de pobre coitado, talvez apenas um bastardo." As sobrancelhas de Kyler enrugaram quando ele franziu o rosto em preocupação. "O que aconteceu?" Acenei minha mão como se não dissesse nada, e ele me parou envolvendo seus dedos em volta do meu pulso. Um abraço gentil, mas muito eficaz. "Conte-me." "Ele acabou de me encurralar em seu escritório quando eu parei para deixar os papéis para um dos advogados." Eu pensei que seria uma explicação boa o suficiente, mas eu deveria saber que ele insistentemente perguntaria por mais. "Ele era um idiota, eu era uma puta, então é mesmo." "Eu dificilmente chamaria um idiota arrogante dizendo merda que ele não precisava dizer para uma mulher inocente." "Talvez eu não fosse inocente." Dei de ombros e um sorriso puxou seus lábios. "O que?" “Você não é do tipo que vai atirando para um confronto. Então, acho que é seguro assumir que ele começou tudo o que aconteceu.”


Quando eu não discuti, ele continuou: "Então eu preciso ir conversar com ele?" "Não." Kyler estava sempre correndo para o resgate. "Está bem. Eu cuidei de tudo e agora acabou.” Mesmo que eu disse as palavras que eu poderia dizer, na sua opinião, não acabou. Algo me dizia se eu concordava ou não, Kyler falaria sua parte em meu nome. "Estou atrasada para encontrar Hayley." Uma mudança de assunto era o que precisávamos. "Ainda temos algumas pinturas para terminar também." “Vou entrar em contato com você assim que tiver o resto. Eu não tive a chance de chegar à loja de ferragens.” Eu tinha a pintura por alguns dias agora. Eu realmente planejei tentar o resto sozinha. "Ou eu vou parar na loja e comprar eu mesmo, e então te surpreender com mais pizza e cerveja." "Eu vou te ligar." Eu acho que ele sabia que eu não faria porque ele balançou a cabeça quando ele deu um passo para trás e me permitiu entrar no meu carro. Kyler permaneceu de pé ao lado da estrada, enquanto eu dirigia em direção ao restaurante.


Kyler

"Prescott?" “Sim, PRESCOTT, Ashlynn.” Eu repeti para o balconista enquanto eu olhava ao redor da loja de ferragens ocupada. Eu ainda estava vibrando com irritação depois do meu intercâmbio com Kenneth. Nunca me importei muito com o homem, e depois do que aconteceu entre ele e Ashlynn, tive a oportunidade de expressar isso. "E você quer dois galões da Costa Catalina?" Voltando-me para o cara jovem atrás do balcão, eu arqueei minha sobrancelha em curiosidade. "Uh, eu acho que se esse é o tom de azul que ela comprou cerca de uma semana ou mais atrás." Eu vejo como o cara examinou o que estava na tela antes dele. “Parece que ela comprou quatro litros no terceiro e depois voltou no quinto para comprar mais dois litros.” "Você tem certeza?"


"Sim, diz aqui mesmo." Ele bateu na tela com o dedo. “Um total de seis galões de U13-07P, que é Catalina Coast.” Eu balancei a cabeça, embora minha mente ainda estivesse tentando lembrar da nossa conversa anterior. Pode ser confuso, inferno, tudo ficou confuso depois que eu saí do escritório de Kenneth nem quinze minutos depois que Ashlynn se afastou do meio-fio. Eu me virei, fui direto para o seu escritório, entrei, disse o meu monologo, e saí antes de me ver preso por jogar a porra arrogante das janelas do quinto andar em seu escritório. Eu posso ter dito isso para ele também, pouco antes de sair, apertando minhas mãos ao lado do corpo para evitar socá-lo. O que também poderia explicar a grande quantidade de mensagens de texto e correios de voz que me aguardavam de Beau. Tenho certeza de que o pai dele ligou para ele no minuto em que saí. E agora eles tiveram horas para ensopar nas palavras que deixei para trás. Mas mesmo com tudo isso rolando na minha cabeça, eu me lembrava dela dizendo que ela pegaria a tinta. Ela não disse que já tinha conseguido isso. "Ok, bem, eu devo ter entendido mal ela então." Saindo da loja direto para o meu carro, eu destranquei as portas e deslizei para dentro. O cheiro de pizza bateu no meu nariz imediatamente. Com um pacote de doze cervejas na tábua do


assoalho e duas pizzas no banco do passageiro da frente, liguei meu carro e dirigi direto para o seu lugar. Aparentemente, uma certa pessoa estava evitando minha ajuda, mas eu me recusei a deixá-la me superar. Não havia nada de errado em sermos amigos. Eu sempre tive um lugar especial para Ashlynn, mesmo antes de Beau entrar e decidir ignorar o interesse que eu tinha nela. Mas esse era Beau; ele sentiu que tinha direito ao que quisesse sem questionar. Eu nunca pensei que ele merecesse ela. Ela era muito doce e nada como as garotas normais que ele namorou. Ele e eu éramos amigos desde a infância, indo para todas as mesmas escolas, com as mesmas crianças. Até na faculdade nós nos acomodamos juntos. Durante todos esses anos eu assisti as muitas garotas que entraram e saíram de sua vida e nenhuma vez namorou alguém como Ashlynn. Ele foi mais para o rápido e fácil, sem cérebro, ou pelo menos aqueles que agiam como se não tivessem nenhum. Ele evitou complicado. Então nós aparecemos em uma festa para uma garota que ele conhecia, com um público mais jovem de mulheres e lá estava ela. Ainda me lembro da cor do biquíni dela naquele dia e do tipo de cerveja que ela segurava na mão. Eu fui atraído para ela instantaneamente. Aparentemente alguém percebeu esse fato


rapidamente, e antes que eu tivesse a chance de fazer um movimento, ele entrou e a oportunidade se foi. Mais tarde, descobri que eles já se conheciam por meio de uma conexão através de suas mães e, até então, nunca demonstrara interesse. Era a ameaça que talvez eu chegasse primeiro a ela que o desencadeou a ir atrás dela. Acho que ainda sentia essa ligação com ela, embora agora fosse diferente. Tinha que ser. Ela era a ex do meu melhor amigo e não poderia ser mais do que amizade. Os caras simplesmente não faziam esse tipo de merda para um amigo. Pelo menos eu não fiz. Mesmo que o babaca passasse todo o relacionamento cego para o que ele realmente tinha. Ele nunca a tratou direito e isso me irritou mais do que qualquer coisa. Subindo a colina em direção à casa de seus pais, entrei no caminho e segui o longo garfo estreito que desviou para a esquerda em direção ao seu lugar. Quando notei o carro dela estacionado em frente à garagem, meu coração disparou. Talvez eu aparecendo sem ligar não fosse a melhor ideia, mas eu estava lá, então que diabos. Levantei o pacote de doze com uma mão e coloquei as caixas de pizza na outra, usando meu quadril para fechar a porta do carro.


Comecei a andar pela calçada e nem tive a chance de bater antes que a porta da frente se abrisse e ela enchesse o espaço. Lá estava ela, jeans tão curtos que o material de seus bolsos ficava no fundo. Um top rosa, apertado e revelador, e seus cabelos loiros empilhados em cima de sua cabeça. Tinta da cor de suas paredes manchando sua bochecha e braço e salpicado as roupas que ela usava. "Pensei que você disse que ligaria." Foi a primeira coisa que surgiu em minha mente. Ok, então eu menti. A primeira coisa foi foda, ela é linda, mas dizer isso em voz alta não era uma opção. Ela encolheu os ombros, ainda não dizendo nada enquanto olhava a pizza e a cerveja. "O que você diz que me deixa entrar e eu vou ignorar o fato de que você mentiu para mim mais cedo quando você disse que não tinha a tinta ainda?" Ela olhou para longe de mim e eu percebi que ela estava tentando pensar em algo para dizer. "Nós podemos ser amigos, Ash." Quando ela olhou de volta para mim, eu continuei: "O erro dele não deve significar o fim da nossa amizade também".


"Você poderia nos chamar de amigos?" Sua pergunta me surpreendeu. "Porque eu não consigo lembrar de uma vez que você e eu saímos ou conversamos que não giram em torno de Beau." "Isso não é verdade." Era quase verdade, mas isso era porque Beau não gostava dela comigo sem ele. Não posso dizer que o culpo; se ela fosse minha eu a teria mantido para mim mesma também, mas isso teria sido mais porque eu não queria perder um momento com ela e não porque não confiava nela. Aparentemente, ele não estava seguro o suficiente para confiar que nada iria acontecer. Que ironia, considerando que ele é quem enganou no final. “Lembra quando você e Kristen tinham um pneu furado e eu vim ajudar a mudar isso?” "Isso é porque Kristen tinha uma coisa por você." "Mas eu vim para você." Ela pareceu surpresa com minhas palavras e, francamente, eu também. Amigos, repeti na minha cabeça. "Porque eu era namorada de Beau." Eu deveria ter negado, mas a menção de Beau me lembrou que eu não poderia bater na ex do meu melhor amigo. "Independentemente do motivo, eu vim para você, e você pode fingir que não somos amigos, mas posso garantir que eu considero você uma amiga." Eu levantei a pizza e a cerveja. “Então você vai deixar seu amigo entrar para que ele possa ajudar a pintar? Porque


pelo que parece, você está claramente falhando. Eu apontei para a blusa dela e seu olhar seguiu. "Ei." Ela fingiu estar ofendida. "Baby, eu acho que você tem mais em seu cabelo e em seu rosto do que em suas paredes." Ela estreitou os olhos e, depois de um segundo, afastou-se e permitiu que eu entrasse. Quando ela se moveu em volta de mim depois de fechar a porta, eu fiz o meu melhor para não olhar para a bunda dela, mas era como um imã de merda. Eu imediatamente me lembrei de todas as vezes que eu a admirava quando ela não estava olhando. Ok, verdade, Hayley estava certa, eu tinha uma queda pela ex do meu melhor amigo. Como uma porra de coceira você não pode chegar a um tipo de paixão, uma que não importa o quanto você tente ignorá-lo, só cresce mais intensamente. Eu tive que me perguntar por que eu estava deixando a tentação me torturar. Ela olhou para trás por cima do ombro e aquele sorriso dela me atingiu como uma parede de tijolos. Então eu sabia por que porque toda a tortura no mundo valia apenas um sorriso de Ashlynn.

***


O riso dela era contagiante enquanto ecoava pela casa ainda vazia. A única mobília que ela tinha era uma pequena mesa de café na sala de estar e alguns travesseiros jogados no chão para se sentar. O quarto dela segurava a cama e a cômoda, mas o resto da casa continuava vazio. Nós tínhamos terminado há muito tempo a pintura, e mesmo que meu corpo doesse da tensão do movimento contínuo do rolo para cima e para baixo, eu nunca me senti mais relaxado. "Como eu deveria saber que meus pais estavam nus mergulhando?" Lágrimas rolaram sobre suas bochechas enquanto ela ria, segurando em seu estômago. O álcool começou a nos atingir, ela definitivamente mais do que eu. “Eu caminhei até o lado da piscina, mergulhei na água e comecei a nadar para o lado oposto. Quando eu cheguei para respirar lá, os dois estavam cobrindo suas coisas e me encarando em estado de choque. Horror, talvez tenha sido horror.” "Sim, tenho certeza que é o que era." "Então me bateu." Seus olhos se arregalaram enquanto ela animadamente continuou, “meus pais estavam nus. O que provavelmente significava que eles estavam ... Ela nem terminou de dizer isso, apenas arregalou os olhos um pouco mais como se para enfatizar o evento real e assentiu.


"Eles estavam fazendo isso", eu terminei para ela e ela abaixou a cabeça e riu. "Sim, isso." Ela gemeu e seu corpo tremeu de rir. "Eu odeio quebrar isso para você, Ash, mas os adultos fazem ... isso." “Oh meu deus, Kyler, eu sei. Mas nenhuma criança nunca, e eu quero dizer quer pegar seus pais no ato.” Desta vez eu ri. Ela era tão fofa quando estava zumbindo. “Eu não conseguia olhá-los diretamente nos olhos por mais de uma semana e esqueça nadar na piscina. Para mim era como lixo tóxico ou algo do tipo, o pensamento do que estava na {gua.” Ela estremeceu e fingiu estar amordaçada e minha risada cresceu. Ela, claro, tomou como se eu estivesse zombando dela, e tudo bem, talvez eu estivesse, então ela jogou um travesseiro na minha direção. Eu me esquivei do caminho no último minuto e seus olhos se arregalaram como se ela pudesse ler minha mente. Sem pensar duas vezes, mergulhei para ela e prendi-a ao redor da cintura, rolando meu corpo e puxando o dela junto comigo. Ela estava rindo, e eu fiquei momentaneamente congelado enquanto olhava para ela pairando acima de mim, nossos corpos firmemente pressionados juntos, seu cabelo selvagem e louco ao nosso redor. A cena inteira fez meu coração disparar com excitação e meu corpo reagiu à sua proximidade.


Levou um momento para perceber a posição em que estávamos e quando ela notou também ficou rígida. Eu não tinha certeza do que meu pensamento inicial foi quando fiz esse movimento, mas a única coisa que eu conseguia pensar era beijá-la. Sua respiração rasa, misturada com seus olhos azuis que perfuravam os meus, tornou ainda mais difícil resistir a essa tentação. Eu estava perdendo a batalha, e quanto mais eu olhava para ela, mais difícil ficava. Talvez fosse o álcool... ok, quem eu estava enganando? Era ela, toda ela, mas eu cedi. Estendendo a mão, eu coloquei seu rosto em minha palma e levantei meus lábios para encontrar os dela. Suave no início como eu pesava sua reação. Por um momento eu senti como se ela estivesse se afastando, então ela relaxou contra mim e a ponta da sua língua rolou ao longo da costura dos meus lábios. Então acabou, não lutei mais. Eu deslizei minha mão ainda mais ao redor para segurar a parte de trás do seu pescoço enquanto a segurei firmemente contra mim. O beijo se aprofundou quando eu usei minha língua para demonstrar o que eu imaginava fazer em outras partes de seu doce corpo. Virando, coloquei seu corpo debaixo do meu sem quebrar o nosso beijo. Suas pernas se separaram e me posicionei entre elas enquanto me movia contra ela, lenta e provocantemente. Quando ela choramingou, meu pau saltou ansiosamente atrás do zíper do


meu jeans. Pelo gemido que escapou dela, eu sabia que ela também sentia, e isso só me levou mais. Beijá-la era melhor do que eu imaginava. A maneira como suas mãos se moviam ao longo dos meus lados e ao longo da minha parte inferior das costas me fez querer senti-las sem a barreira da minha camisa bloqueando seu toque. O corpo dela debaixo do meu, o jeito que ela se encaixava quase perfeitamente, fez aquela culpa que eu poderia ter sentido por uma fração de segundo desaparecer. Eu não podia negar que queria isso. Eu não podia fingir que não tinha pensado neste momento mais de uma dúzia de vezes. Eu estaria mentindo se dissesse isso. Meu telefone começou a tocar e ela tentou mover a cabeça em direção ao som, mas eu segui seus movimentos e me recusei a deixá-la ir. Provando sua boca profunda e vigorosamente, eu chupei sua língua e puxei ainda outro gemido dela. Meu corpo zumbiu com o desejo que eu sentia por ela por mais de um ano e me levou a continuar. Porra, eu a queria, mais do que queria minha próxima respiração. O toque parou, só para começar de novo, e fiquei irritado com a interrupção.

Ashlynn

tomou

minha

hesitação

como

sua


oportunidade de romper e internamente me castiguei por minha hesitação. "Alguém está realmente tentando falar com você." Suas palavras estavam ofegantes. Eu olhei para ela, ainda sem mostrar sinais de atender o telefone tocando. Eu não queria nada mais do que beijar seus lábios inchados mais uma vez, mas quanto mais nos sentávamos olhando um para o outro, mais rápido a oportunidade se desvanecia. Olhei para a minha esquerda e vi meu telefone no chão ao nosso lado, de frente para onde a tela estava visível. O nome de Beau iluminou a tela quando ele tocou mais uma vez. A realidade atingiu, e eu olhei de volta para Ashlynn, que ainda estava debaixo de mim. Ela também estava olhando para o meu telefone, com a cabeça ligeiramente levantada para uma visão melhor. Um olhar de vergonha cobriu seu rosto e fez meu estômago apertar com desconforto. Nosso momento passou enquanto ela se movia embaixo de mim e eu me levantei para deixá-la livre. Estendendo a mão para silenciar o meu telefone, abaixei a campainha e permaneci no lugar enquanto observava Ash se movimentar pela sala, pegando caixas de pizza e garrafas vazias. Ela estava obviamente tentando me evitar e a situação que acabara de acontecer entre nós.


"Deixa-me ajudar." Eu fiquei de pé e ela me dispensou, sem dizer uma palavra enquanto se movia em direção a sua cozinha. Eu apertei meu telefone na minha mão, chateado que Beau teve que escolher esse momento para começar a me chamar. Minha adrenalina estava bombeando, e mesmo que ela tentasse me descartar, eu a ajudei a limpar de qualquer maneira. Meu problema era que não importava o quanto eu tentasse fazer com que ela olhasse para mim, ela encontrou uma maneira de evitá-lo. Ela desviou os olhos de todas as chances possíveis, e cada vez a tensão entre nós ficava ainda mais espessa. "Eu acho que deveria ir", eu disse, embora fosse a última coisa que eu queria fazer. A pior parte foi quando ela concordou com a cabeça. Foi como um chute no saco quando eu já estava no chão. "OK." Ela permaneceu na cozinha fazendo coisas sem sentido como um modo de distração. Eu mudei para o lado assistindo, esperando, e esperando que ela me parasse enquanto eu juntava minhas coisas e me movia para a porta da frente. Só que ela não o fez e, no momento em que pisei fora, fiquei ainda mais irritado que as coisas se desfizessem. Como se o idiota soubesse que eu estava mentalmente xingando, ele ligou novamente. Andando em direção ao meu carro, eu joguei o telefone


no banco do passageiro, liguei o carro e atendi a ligação usando o Bluetooth. "O que?" "Que porra você estava pensando?" Eu sabia o que ele estava se referindo e de repente eu estava lutando por uma briga. "Eu estava pensando que o maldito idiota não tinha direito de encurralar Ashlynn." Ele tentou interromper, mas eu não permiti. “Eu estava pensando que você é o filho da puta que estragou tudo e traiu a garota perfeita. Ela já foi o suficiente fodida em sua vida que ela com certeza não precisava desse saco de merda para adicionar problemas.” "Você disse ao meu pai que ia jogá-lo fora da porra da janela do escritório dele se ele olhasse na direção dela de novo." "Assim?" Eu não estava brincando também. "Ele é um advogado." "Eu não dou a mínima." Era tudo o que ele tinha a dizer sobre essa situação? “Se qualquer coisa você deveria estar fodidamente chateado, ele foi para ela. Afinal, você é quem a ama ou isso já desapareceu? Sua puta de dois dólares fodeu a memória da mulher que você passou quase um ano sem pensar?” "Você sempre teve um problema em colocar o nariz no meu negócio, Hollywood." Arrogante. "Isso não tem nada a ver com você."


"Tem tudo a ver comigo quando ele vem para ela." "Então, você tem alguma participação imaginária na minha namorada?" "Ex-namorada", eu o corrigi e ele riu. "Fique longe de Ashlynn." Seu aviso atingiu uma nova rodada completa de emoções dentro de mim. “Você pode pensar que sabe o que eu estou passando, você pode pensar que tem tudo planejado, mas você não sabe nada. Eu amo Ash e eu vou pegá-la de volta. Você só precisa ficar fora do meu caminho.” Eu ri de suas palavras idiotas. “Você realmente acha que ela vai recebê-lo de volta em sua vida depois que você escolheu alguma vadia sobre ela? Ela vale mais que isso. "O que, e você pode dar a ela?" Eu olhei para a porta da frente de Ashlynn e sorri. Eu não queria nada mais do que dizer a ele que sim. Eu queria dizer a ele que ele perdeu a porra de sua chance em algo grande, e desde que ele era burro demais para ver o que ele tinha eu estava levando, mas eu congelei, de repente me lembrando do jeito que ela se afastou de mim depois de ver seu nome na tela. "Isso foi o que eu pensei." A ligação terminou antes que eu pudesse dizer mais e por um momento permaneci em sua garagem.


Parte de mim pensou que eu deveria aceitar que Ashlynn estava fora dos limites para mim, mas outra parte me fez acreditar que essa era a minha chance de mostrar a ela que ela havia escolhido o cara errado.


Ashlynn

"Eu beijei Kyler," eu soltei as palavras sem sequer olhar para cima do meu Kindle. "Ou talvez ele me beijou." Eu não tive que fazer contato visual com Hayley para saber que ela estava olhando para mim, provavelmente usando o olhar vertiginoso que ela costumava ter em seu rosto quando há fofocas para contar. Nós sentamos à beira da piscina no meu quintal, um jarro de mojitos sentados na mesa entre nós, ambas segurando Kindles, mas nenhuma de nós realmente lendo. "Eu dormi com Quinton." Foi então que olhei para cima e, como esperava, ela sorria de orelha a orelha, quase dançando na espreguiçadeira. "Tudo bem, eu fiz isso mais de uma vez." Mais uma vez, eu não disse nada. Eu estaria mentindo se dissesse que fiquei chocada. A maneira como os dois flertaram e provocaram um ao outro na noite em que os caras estavam pintando, eu acho que eu esperava ter essa


conversa com ela em um ponto ou outro. "Tem sido mais de dezoito vezes." Eu enruguei minhas sobrancelhas em confusão enquanto tentava contar os dias em minha cabeça. "Sim, eu estou totalmente ciente do fato de que não faz dezoito dias desde que estávamos todos aqui, mas eu não posso me ajudar." Ela arregalou os olhos e estava praticamente brilhando. "Ele é uma máquina e quem sou eu para impedi-lo?" Ela encolheu os ombros e depois se virou, reposicionando as pernas sobre o lado da cadeira para me encarar. "E é realmente muito bom." "Mas dezoito vezes?" Ela assentiu enquanto mordia o lábio. "Teria sido dezenove vezes se eu não tivesse feito planos para estar aqui com você hoje." Ri da minha melhor amiga que, por mais tempo, jurou que desistira dos homens. Todas eram criaturas terríveis colocadas na terra apenas para aterrorizar as mulheres - sua visão, não a minha. Aparentemente essa raia terminara. “Então me conte mais sobre esse beijo.” Quando olhei para longe dela e voltei para o meu Kindle, lembrei-me de ter deixado escapar apenas alguns momentos atrás. “Não, eu não esqueci essa parte dessa conversa, então fale. Eu sou a Equipe Kyler todo o caminho. Esse homem é bom e doce para começar.”


"Equipe Kyler?" Ela assentiu com entusiasmo. "Esse homem tem isso para você e já faz algum tempo." "Do que você está falando?" Eu olhei para ela em confusão. "Ele não tem." "Ele tem", ela respondeu, acenando com a mão indiferente em minha direção, "mas mais sobre este beijo." "Não foi nada realmente." "Se não fosse nada, você não teria sentido a necessidade de levantá-lo, então ..." "Ele apareceu com cerveja e pizza depois que eu menti para ele e disse a ele que eu não tinha conseguido a tinta restante que eu precisava para terminar a casa." Era sua vez de olhar para mim com uma expressão confusa e eu sabia que ela estava prestes a me perguntar por que eu menti. "Não pergunte." Foi minha tentativa de permanecer distante dele e ignorar minha atração. Ele saiu pela culatra e não houve necessidade de refazer. A tentativa de evitar uma situação que mais tarde me deixaria confusa era o que eu não queria. "De qualquer forma nós rimos, bebemos, pintamos e foi realmente uma noite divertida."


"Parece que sim." Ela abanou as sobrancelhas sugestivamente. "Foi apenas um beijo, e então", lembrando o que aconteceu em seguida fez meu estômago doer, "Beau ligou para ele." "Bunda." Meus pensamentos exatamente. "Acabou rápido depois disso e depois ficou estranho." "Você se fechou com ele, não é?" Eu soltei uma respiração lenta e irritada, assentindo enquanto fazia isso. "Eu gostaria de saber isso ontem à noite, ou até mais cedo esta manhã." "Por quê?" Eu pergunto, e em vez de responder, ela olhou para a minha garagem assim que ouvi uma porta se fechar, seguida por uma segunda e meu coração parecia estar afundando. "Você os convidou, não é?" "Talllllllvez." O que significava sim, especialmente quando ela arrastou a palavra do jeito que ela fez. Ela estava tão longe de ser inocente. "Nós não somos mais amigas", eu sussurrei e ela sorriu largamente. "Seja como for, você sentiria minha falta."


Eu pulei ao som da voz alta e proeminente de Quinton enquanto ecoava pelo meu quintal. “Boa tarde, senhoras bonitas, a melhor parte do seu dia acabou de chegar.” Quinton era um ano mais novo que Kyler e Beau, mas todos saíam juntos e jogavam em todos os mesmos esportes enquanto cresciam. Lembrei-me de nosso ano de calouro Hayley e eu costumava sentar e idolatrar os caras mais velhos e até mesmo aqueles que foram para a faculdade. Eles sempre foram tão orgulhosos e triunfantes. Nunca naquela época eu achava que sairia com um deles, muito menos sair com um segundo. Eram esses caras, que pareciam tão arrogantes e intocáveis. Quando chegaram à beira da piscina, eu olhei para cima e encontrei Kyler me observando hesitante. Um par de calções de banho pendia baixo de seus quadris, exibindo aquele doce mergulho em cada lado que levava a baixo, por assim dizer. Eu sempre tive um ponto doce para aquela parte de um homem, aquele forte e proeminente "V" na cintura de um homem que parecia estar apontando diretamente para seu pênis. Acima disso, com um conjunto de abdominais que você podia sentir sob seus dedos mesmo antes de ficarem tensos e flexionados, minhas entranhas se apertaram com ansiedade. Kyler tinha todas essas coisas, o peito definido, os braços e ombros perfeitos. Eu admito, eu tinha notado antes, eu sempre fingi que não. Mas depois de ontem à noite, tocando nesses mesmos


lugares, senti-me diferente, senti-me atraída por ele de certa forma. Não importava quantas vezes eu dissesse a mim mesma que não era nada, definitivamente era algo. "Você não sabia disso, sabia?" Eu olhei para cima quando ele falou, percebendo que eu estava olhando um pouco demais. Se ele notou, ele não reagiu e eu estava agradecida. "Não", sorri, "mas tudo bem." "Você tem certeza?" Ele sentou-se na espreguiçadeira em que Hayley estivera sentada momentos atrás. Ela já havia escapado e estava cobrindo Quinton como uma segunda pele. Mas em sua defesa, ele estava segurando sua bunda e usando isso como alavanca para segurar seu corpo com segurança para o seu próprio, por isso era um esforço igual. "Você está tendo flashbacks?" Mais uma vez descobri que estava encarando, só que desta vez em Hayley e seu recém-encontrado amante. Eu me mexi na minha espreguiçadeira e apertei os olhos quando olhei de volta para Kyler. "O que?" Um sorriso puxou o canto de seus lábios. "Seus pais na piscina." Ele inclinou a cabeça ligeiramente, empurrando-a para Quinton e Hayley. "Eles estão dando flashbacks?"


“Isso é grosseiro e um uso extremamente injusto de informações confidenciais. Eu estava bêbada quando compartilhei isso com você.” Ele riu. “Agora você quer usá-lo para me torturar. Isso é apenas frio.” Nós nos encaramos por um momento. Houve uma estranha troca de algo profundo e intrigante que passou entre nós. Algo que parecia escondido sob todos os sorrisos, risadas e piadas de paquera. Nenhum de nós mencionou o beijo ou os beijos que compartilhamos. Para ser sincera, não tinha certeza se queria; talvez fosse mais fácil se esquecido. Giz tudo até um momento de fraqueza. "O que é isso?" ele perguntou enquanto pegava meu mojito e o segurava debaixo do nariz. "É um mojito." Observando-o cheirar me fez sorrir. Movendo o copo longe de seu nariz, ele apertou os olhos quando ele inclinou o copo de lado a lado, cuidadosamente inspecionandoo. "Isso é uma fatia de morango?" Eu assenti. "Ok então, o que diabos são essas coisas verdes?" Ele ainda estava olhando para o vidro, o nariz enrugado no que parecia ser desgosto. "Folhas de menta."


Foi definitivamente desgosto, mas não o impediu de levantar a taça aos lábios e tomar um gole. Quando a língua dele escapou para pegar a gota no lábio inferior, descobri que meu estômago estava apertado. Eu me lembrei instantaneamente do que sua língua parecia contra a minha, como seus lábios se moviam com tanta habilidade, me provando e me provocando. "Isso não é tão ruim quanto eu pensei que seria." Pisquei algumas vezes para limpar a névoa que encheu minha mente e desviei o olhar dele antes que ele pudesse ver a luxúria que eu era mais do que positiva em meus olhos. "É a nossa bebida de assinatura quando passamos um dia na piscina", expliquei, mas ainda mantive meus olhos longe dos dele. Tinha que ser solidão. Foi a única explicação para o que eu estava sentindo. Um grito agudo cortou o ar e eu olhei para a piscina bem a tempo de ver Quinton e Hayley aterrissarem na água com um barulho alto. Ela veio cuspindo por ar, acenando com as mãos em busca de Quinton. "Seu idiota." Ela balançou os braços em sua direção e tudo o que ele pôde fazer foi rir. Então, de repente, eles estavam enrolados um no outro, ele a prendeu na parede lateral da piscina, o corpo dele


segurando-a no lugar. Eu enruguei meu nariz quando me lembrei do comentário anterior de Kyler. "Eu sabia", ele sussurrou ao meu lado, "flashbacks". Eu golpeei meu braço em sua direção e conectei com seu ombro. "Isso é tão nojento." "É como pornografia de ódio." Agora ele tinha toda a minha atenção. "O que? Não me diga que você nunca assistiu pornô. Quando não respondi, ele riu. "Uma garota secreta e safada." "Quem disse que é um segredo?" Ele sorriu, e eu poderia dizer que ele queria dizer mais, mas ele se conteve. Talvez fosse o medo de as coisas chegarem ao ponto em que estavam na noite passada, eu não tinha certeza; Eu só sabia que flertar com Kyler tinha se tornado muito fácil.


Kyler "Você planeja me fazer nadar sozinha?" Continuei a me inclinar para trás contra as escadas que levavam à água. Minhas pernas se estenderam diante de mim e meu corpo recostou-se, meus braços segurando o peso da parte superior do meu corpo. O sol havia se posto há muito tempo e Quinton e Hayley tinham fugido para algum lugar sozinhos. Isso deixou Ashlynn e eu sozinhos. Nós dois tínhamos bebido demais, o que parecia diminuir as inibições de todos, mas a essa altura eu não me importava mais. Eu sabia que estava brincando com fogo. Eu sabia que perseguir Ashlynn provavelmente explodiria na minha cara, mas eu não conseguia me conter. "Nós temos essa grande piscina." Eu fiz a varredura sobre a grande piscina com a banheira de hidromassagem antes de voltar meu olhar para o dela. "E você está toda o caminho até lá." "Eu não quero nadar." "Nós não temos que nadar."


Cada um de nós se encarou por um momento, então ela se levantou e, no que eu descreveria como uma maneira sedutora, soltou a toalha que estava em volta de sua cintura. Caiu no chão, juntando-se a seus pés quando ela passou por cima dela. Eu não estava bêbado demais para esquecer que ela era ex de Beau e eu não deveria estar perseguindo ela, mas eu estava bêbado o suficiente para não dar a mínima para as consequências. Beau escolhera o caminho que ele tomara e só se culparia pelo modo como tudo aconteceu. "Eu acho que prefiro entrar na banheira de hidromassagem." Ashlynn atravessou o pátio e, quando se arrastou para a água, não senti falta do jeito que ela arqueou a bunda um pouco mais do que o necessário. Estava quase em câmera lenta quando ela se sentou e permitiu que a água cobrisse seu corpo. Ela me lançou um sorriso sexy, que fez meu pulso acelerar. "Você planeja me fazer ficar aqui sozinha?" Ela lançou minha pergunta anterior de volta para mim, me fazendo rir com diversão. Embora eu quisesse pular e correr na direção dela, segurei a calma. Lentamente me levantei da minha posição atual e saí da piscina. Ela me observou, nunca tirando os olhos de mim enquanto eu me movia em direção à banheira de hidromassagem. Quanto mais perto eu chegava, mais rápido meu coração disparava.


As luzes sob a água davam uma aparência brilhante e não faziam nada para esconder seu doce corpo sob a água. Os laços que seguravam seu traje de banho juntos em cada quadril, bem como entre seus seios, flutuavam na água. Eu imaginava desatá-los várias vezes desde que cheguei mais de seis horas antes e estava fazendo a mesma coisa novamente. Era uma fantasia imparável que eu repetia, aproveitando cada vez que isso acontecia em minha mente. Meu corpo roçou o dela quando me sentei ao lado dela em vez de cruzar. Talvez eu deveria ter ido para o mais seguro dos dois, mas eu era um tomador de risco. Eu levantei meu braço e coloquei atrás dela, quase gemendo quando ela deslizou para mais perto. Ashlynn colocou a palma da mão contra a minha parte inferior do estômago, fazendo com que o meu abdome fosse involuntariamente tenso, e ela sorriu para mim. "Eu amo isso." Seus olhos se fecharam por um momento enquanto ela mordeu o lábio inferior. "O que?" Quando ela abriu os olhos eu vi que eles estavam injetados, e eu sabia que neste momento ela provavelmente estava dizendo coisas que ela normalmente não diria devido ao álcool, mas eu aceitei. "Estes." Ela moveu a mão para cima e para baixo no meu estômago e em um ponto seu dedo deslizou um pouco abaixo do cós do meu short. "Ondulações e mergulhos."


Eu ri da explicação dela. "Ondulações e mergulhos, hein?" "Sim." Ela inclinou a cabeça para trás e olhou para mim. "Eu notei seu corpo, talvez eu não devesse ter prestado atenção, mas eu fiz." Seus lábios estavam a poucos centímetros dos meus e eu poderia tê-la puxado para mim, mas optei por esperar. Eu queria que ela continuasse falando, eu queria saber que ela também pensava nas coisas que eu tinha desde a primeira vez que a vi. "Eu sempre me perguntei como isso se sentiria sob minhas mãos." Ela disse isso enquanto arrastava a mão para cima do meu peito. “Ou estes, ”ela adicionou, assim como sua palma começou a descer mais uma vez sobre o meu abdômen e para o meu quadril direito. Quando ela continuou a explorar e parou logo acima do cós do meu short, eu juro que prendi a respiração. "Talvez eu não devesse estar dizendo essas coisas." "Você deve." Ela riu quando eu praticamente ofeguei as palavras. Minhas mãos tremiam e minhas pernas tremiam enquanto sua mão permanecia espalhada sobre o meu estômago. "Eu só acho que dizendo essas coisas estou pedindo por problemas."


Ela começou a afastar a mão, mas eu coloquei a minha sobre a dela. "Eu não tenho medo de problemas e adoro sentir você me tocando." A confissão pareceu relaxá-la ligeiramente. "Eu não quero que você pare." Eu levantei meu braço por trás de sua cabeça e alcancei debaixo da água, enganchando-a pela cintura. Em um movimento que até me surpreendeu, consegui puxar seu corpo para o meu, em seguida, levantei-a para o meu colo. Ela assistiu o tempo todo, sem dizer nada, nem uma vez brigando ou tentando se afastar. No momento em que ela estava contra mim, me abraçando, eu a puxei um pouco mais apertado e olhei em seus lindos olhos azuis. "Eu sempre tive uma coisa por você, Ashlynn." Seus olhos se arregalaram de surpresa. “Desde a primeira vez que te vi. Eu era muito idiota para dizer qualquer coisa. Eu passei o ano passado lamentando esse movimento mais do que eu já me arrependi de qualquer outra coisa na minha vida. ” Eu queria dizer mais, mas em vez disso me calei. Levando mais daquela noite, aquela em que vi essa linda garota me encarando pela primeira vez, significava uma possível chance de mencionar Beau também. A última coisa que eu queria era que ele estragasse essa noite também. Isso era sobre nós, e eu não tinha certeza de onde isso levaria, mas eu tinha que saber.


Amanhã eu me sentiria culpado, mas esta noite eu só queria senti-la. Eu queria compartilhar isso com ela e poderíamos nos preocupar com o resto mais tarde. "Você é tão bonita." "Isso é apenas o álcool falando." Eu imediatamente balancei a cabeça e ela desviou os olhos. "Não fique com vergonha de mim agora." Eu inclinei a cabeça dela com meu dedo sob o queixo e seus olhos encontraram os meus mais uma vez. "Não é o álcool", eu sussurrei quando cheguei mais perto, levemente roçando meus lábios nos dela. Provocando-a um pouco antes de se afastar novamente, nunca beijando seus lábios macios. Foi gratificante vê-la correr atrás de mim um pouco em busca do beijo que ela quase me deu. "Eu quero você, Ashlynn, eu sempre quis." Aquelas palavras provocaram algo dentro dela, algo com fome e quase desesperado. Ela se inclinou, tomando minha boca em um beijo aquecido quando ela mudou seus quadris, esfregando sua pélvis na minha. Um gemido escapou de mim, o que só pareceu levá-la mais. Segurei seus quadris, empurrei minha dureza contra ela e juntos começamos a balançar. A fina camada de roupa molhada que nos separava fazia pouco para esconder os efeitos que esse momento


íntimo tinha em ambos os nossos corpos. Eu sonhei com aquele momento, ela em meus braços, seu corpo pressionado contra o meu. Me chame de idiota, mas eu me apaixonei pela namorada do meu melhor amigo, e apesar de ter tentado passar por ela, no ano passado, só ficou mais forte. Não havia nada que nos parasse, ninguém aqui para interromper. Eu propositalmente desliguei meu telefone horas atrás e agora só havia nós. "Ashlynn." Seu nome caiu dos meus lábios quando ela começou a bombear seus quadris, acelerando seus movimentos, quase imitando o jeito que ela se movia se eu realmente estivesse dentro dela. Eu propositadamente deslizei minha mão sobre sua coxa, e quando ela não mostrou nenhum sinal de hesitação, nenhum sinal de medo, eu me aproximei. Eu tracei o lado de seu biquíni com o polegar e deslizei para baixo da bainha para senti-la contra mim. Suave e nua, eu me movi através dela com facilidade e quase perdi quando senti sua escorregadela contra o meu polegar. "Droga." Eu empurrei dentro dela apenas o suficiente para provocar antes de puxar de volta mais uma vez. Seu gemido causou um sorriso em meus lábios. Porra, isso foi um som doce.


"Quer isto?" Eu perguntei quando levantei minha pélvis e empurrei meu pau duro contra ela. Ela assentiu, mas não foi o suficiente; Eu precisava das palavras. "Você me quer, Ashlynn?" Mais uma vez ela assentiu enquanto continuava a se mover contra mim. "Diga-me com palavras, linda." "Sim", ela ofegou, "eu quero isso, eu quero você". Quando ela disse as palavras, ela chegou entre nós e deslizou a mão por baixo do cós do meu short. Ela não perdeu tempo agarrando meu pau e começou a acariciar-me. Naquela ação, perdi meus pensamentos enquanto lutava contra a vontade de ir. Porra, sua mão ao meu redor era quase demais. Seu doce e gentil toque misturado com o jeito que seus quadris continuaram a se movimentar fez minha cabeça girar. Em um movimento rápido eu puxei a corda em seu quadril, fazendo com que seu maiô caísse e ela levantou apenas o suficiente para permitir que eu empurrasse de volta um pouco mais. Ela estava agora totalmente exposta e esfregando sua doce boceta contra mim, nua e convidativa. Pensei em perguntar-lhe mais uma vez se isso era realmente o que ela queria, mas ela respondeu à pergunta não formulada, elevando-se acima de mim apenas o suficiente para colocar meu pau contra ela. Prendendo a respiração em antecipação, olhei para baixo entre nós, enquanto ela lentamente afundou em mim.


E naquele momento eu estava perdido, mal conseguindo respirar. Seu gemido, misturado com o meu, ecoou na escuridão. Luxúria e fome assumiram o controle quando começamos a nos mover juntos como se isso fosse algo que fizemos um milhão de vezes. Ela se sentiu incrível, mais do que incrível. "Tão bom, baby." Eu pressionei minha palma nas costas dela, segurando-a com segurança enquanto eu empurrava para cima nela, profundamente. Ela soltou um gemido baixo e gutural e inclinou a cabeça para trás, a boca se abrindo. "Perfeito", eu sussurrei enquanto observava o prazer em suas feições. Aos meus olhos, ela era a perfeição do caralho, a forma mais pura. Ashlynn era uma pessoa tão linda, tanto por dentro quanto por fora. Suas unhas cravaram na carne dos meus ombros quando ela me agarrou com mais força. Levantando meus quadris, continuei a me mover dentro dela, observando o modo como seus olhos reviravam com cada impulso. "Sim", ela sussurrou mais e mais quando ela mudou comigo. Nós estávamos em perfeito uníssonos juntos, e o orgasmo iminente fez


meu estômago ficar tenso. Eu podia sentir sua doçura apertando ao meu redor, tornando muito mais difícil para eu me segurar. Quando ela veio, ela ofegou meu nome e eu soltei, dirigindo-me duro e profundo. Ela engasgou e eu agarrei seus quadris, segurando-a contra mim enquanto eu a enchia. Não tenho certeza de quanto tempo passou, mas permanecemos pressionados juntos, ambos respirando fundo atrás do outro. Quando a névoa desapareceu e a percepção do que aconteceu começou a nos atingir, nos separamos com cuidado e quase imediatamente pude ver a pergunta em seus olhos. "Eu, uh" Ela olhou em volta como se estivesse em busca de alguma coisa. De repente ela agarrou a parte de baixo do biquíni que estava flutuando ao lado dela e deslizou de cima de mim com pressa. "Ei." Estendendo a mão, coloquei minha mão sobre a dela, mas ela nem sequer olhou em minha direção. "Você está bem?" "Sim, eu só ..." Ela preocupou seus lábios enquanto lutava para amarrar seu biquíni em seus quadris através da água. "Sinto muito, eu não sei o que aconteceu comigo." "Eu sei o que veio aconteceu entre nós dois." Ela me deu um olhar conhecedor, então percebi como minhas palavras podem ter sido interpretadas. “O que eu quis dizer foi que


eu estava pensando que eu queria você, eu queria te abraçar e sentir você. Isso foi incrível, Ash, e eu não estou dizendo isso. Quero dizer." "Não é disso que estou falando." Suas palavras foram interrompidas por um grito alto seguido por um uivo ainda mais alto. Nós dois olhamos para cima bem a tempo de ver tanto Quinton quanto Hayley descendo o longo e escuro caminho que levava da casa de Ash para a banheira de hidromassagem. Em uma corrida louca, eu me enfiei de novo dentro da minha bermuda e Ashlynn se afastou ainda mais de mim antes de virar a esquina. "Eu estou congelando." Hayley foi a primeira a se juntar a nós, seguida de perto por Q. Eles estavam completamente inconscientes do que quase interromperam, e eu olhei para Ashlynn para vê-la olhando para a água. Eu não gostei do olhar no rosto dela. Era quase como se ela se arrependesse do que acabara de acontecer. Quando ela olhou para cima para me encontrar olhando para ela, ela ofereceu o sorriso mais fraco que eu já vi em seu lindo rosto, e foda se não fizesse minhas mãos se contorcerem para alcançá-la e puxá-la para perto.


Ashlynn Eu tinha passado a maior parte da minha noite, doente de preocupação, minha mente correndo enquanto tentava calcular as coisas em minha mente. Como eu pude ser tão estupida? Sexo desprotegido no calor do momento com um cara que na realidade poderia ser nada mais que um amigo. Beau e eu nunca fomos tão descuidados, nem sequer uma vez. Mas me jogue em uma banheira de água quente com Kyler e me pegue em mojitos, e eu estou subindo para dar uma volta sem pensar duas vezes. Um inacreditável, eu não consigo tirar isso da cabeça, mas o ponto é que era desprotegido. Minha cabeça estava latejando com uma dor de cabeça de estresse, e talvez o álcool também. Mas não foi essa dor que notei primeiro. Pode ter sido completamente imprudente, mas não podia esquecer o que sentia quando ele me tocava, as palavras que ele pronunciava ainda eram muito pronunciadas em minha mente. Se eu fechasse meus olhos, ainda podia senti-lo e ouvir cada palavra que ele falava.


Eu nunca me senti tão conectada e tão poderosa. Mesmo que minha mente estivesse nebulosa, eu estava muito presente durante cada momento que compartilhamos. Foi cru e um dos momentos mais intensos que eu já senti. Mas agora eu estava apavorada. Percebi o que tinha feito e congelei com medo do fato de não termos usado nada para nos proteger. Só antes que eu pudesse explicar isso a ele, Hayley e Quinton reapareceram. Kyler ficou quieto depois disso, e antes que eu percebesse, eles estavam indo embora e eu estava sem tempo. Mas isso não mudou o fato de que ele e eu precisávamos desesperadamente de uma conversa. "Por que você parece tão perplexa na primeira hora da manhã?" Olhei para a esquerda para encontrar Hayley na cama ao meu lado. "Você está se sentindo doente de muitos mojitos?" "Sim, deve ser isso." Eu manteria minha bagunça para mim mesma por agora. "Bem, é melhor você se animar, buttercup, porque temos planos." Ela saiu da cama e deixou o quarto praticamente pulando. "Planos?" Eu gritei atrás dela, só que ela não disse nada em troca. "Olá?" Quando percebi que ela estava perdida para mim e minha confusão, eu subi da cama e agarrei minha cabeça quando ela


começou a pulsar. Gemendo um pouco, eu me movi para frente, meu ombro saltando para fora do batente da porta enquanto eu julgava mal a abertura e corri do quarto. Imaginando que a parte inferior do pequeno programador de defeitos mais uma vez me preparou para passar outro dia com Kyler, eu entrei na cozinha para encontrá-la já cavando na minha geladeira. "Que planos?" Ela pulou em reação ao som da minha voz e no processo bateu a cabeça contra o topo da geladeira. "Filho de uma-" Virando-se para me encarar, ela olhou e gargalhada saiu dos meus lábios. "Desculpa." Eu pressionei meus lábios juntos, lutando contra minhas risadinhas. “Nós fizemos planos com Kristen e Myra para ir às compras.” Ela estremeceu, esfregando o espaço em sua cabeça. "Eu acho que tenho uma concussão." "Você não." Rainha do drama como sempre. "E se eu não quiser ir às compras?" "Você não sabe que eu não tenho uma concussão." Ela estreitou os olhos como se me desafiasse a discutir. Eu permaneci em silêncio, porque francamente não valia a pena. “Eu vou estourar um


pouco de Motrin, você precisa tomar um banho porque você parece uma merda e pegar algo fofo. Quer você goste ou não, vamos fazer compras. Você precisa decorar esse lugar para parecer que alguém mora aqui. ” Olhei em volta para o espaço aberto e não pude nem por um segundo dizer que discordei. Ainda estava tão vazio. O som da campainha disparou um gemido desagradável de mim e eu imaginei duas mulheres excitadas demais do lado de fora que também me davam a mínima para ser tão deprimente. "E aqui estão elas." Hayley pulou ao meu redor ainda segurando a mão dela na cabeça dela. Ela parecia ridícula, e mesmo com a preocupação ainda persistente em minha mente, não pude deixar de sorrir. Isso foi até que ela abriu a porta e meu coração sentiu como se estivesse caindo aos meus pés. "Oi." Beau estava do outro lado, segurando flores na mão. Ele estava vestido com uma calça jeans justa e uma camiseta esticada que parecia muito esticada pelos músculos por baixo. Como se a presença dele por si só não fosse forte o bastante, ver Kyler parado perto dele a poucos metros de distância tornava tudo muito pior. "Parece que eu perdi algumas coisas enquanto estava fora."


Suas palavras causaram um pânico dentro de mim, e não sei por que, mas minhas mãos tremiam ao meu lado. Kyler levantou as mãos e segurou não um, mas dois cafés Starbucks. "Eu estava apenas explicando para Beau que eu estava aqui para ver minha garota." Tentei não reagir porque, francamente, estava preocupado com o que estava prestes a acontecer. Não havia como Beau aceitar o que acontecera entre Kyler e eu sem explodir. "Eu nunca teria colocado vocês dois juntos." Beau riu quando olhou por cima do ombro para Kyler. "Mas, boa sorte com isso, cara." Kyler passou por ele e, ao entrar, passou o braço pelos ombros de Hayley e puxou-a para perto. Quando ele acariciou seu cabelo e sussurrou algo perto de sua orelha, meu coração literalmente doeu em meu peito. Eu assisti enquanto ela relutantemente olhava para mim antes de cuidadosamente tomar o café dele e levá-lo aos seus lábios, tomando-o lentamente. "Mm, meu favorito." A cena toda foi surreal, vendo minha melhor amiga se agarrar ao homem que, menos de doze horas atrás, eu transava com uma banheira de hidromassagem. "Só pensei em parar e trazer um café para você." Kyler falou com Hayley, mas olhou por cima da cabeça para mim. "Eu acho que senti sua falta."


Eu podia sentir a luta em sua expressão. Hayley ainda não tinha ideia do que estava acontecendo, ou talvez ela soubesse. Eu ainda não tinha certeza do que Kyler havia dito a ela. "Cinza." Eu desviei o olhar intenso de Kyler para encontrar Beau olhando para mim com uma expressão curiosa. Eu ainda não sabia ao certo por que estávamos jogando esse jogo, o jogo “nada aconteceu entre nós, estou com a Hayley”. "Você acha que podemos conversar por um minuto?" Beau parecia quase esperançoso. "Por que ela iria querer falar com você?" Hayley latiu enquanto tentava se afastar de Kyler, apenas ele a segurou com mais força. Eu sabia que era um ato, mas eu odiava que ela estivesse em seus braços. Eu podia ouvir Beau e Hayley indo e voltando, mas para ser honesta, eu não poderia dizer uma palavra de que nenhum deles realmente falou. Eu estava totalmente concentrada na maneira como Kyler esfregava suavemente as costas de Hayley e a dor que isso causava no meu peito. "Escute, por que não descolamos e deixamos eles falarem?" Eu me concentrei em Kyler, sentindo como se ele tivesse me chutado no estômago. "Eles precisam descobrir o que está acontecendo entre eles sem nós aqui pairando."


"Você está fodidamente louco?" Hayley estava com raiva quando ela empurrou contra o peito dele. “Eles não têm nada para falar. Você de todas as pessoas deve perceber que ela está acima de sua piada de um relacionamento.” "Como Kyler saberia alguma coisa sobre Ashlynn ou o jeito que ela e eu nos sentimos?" Beau entrou mais na casa e notei o aperto de morte que ele tinha nas flores em suas mãos. Eles estavam curvados em um ângulo estranho, os caules quase se dividiam em dois. "Eu pensei que Kyler estava com você?" Hayley se recuperou com uma rápida recuperação. “Sim, imbecil, e estar comigo me dá a primeira coisa em meus comentários. Então, quando eu estou reclamando sobre o que você é um idiota e como você traiu a minha melhor amiga como se fosse tão fácil, ele consegue ouvir todos esses discursos. ” "Saia." Todos se viraram e finalmente pararam de se concentrar um no outro. "Apenas saia." “Você ouviu isso? Ela disse para ir embora, Beau.” Hayley cruzou os braços sobre o peito, parecendo satisfeita com o resultado. "Todos vocês." Ela ficou congelada, um olhar chocado cobrindo seus traços. "Eu só preciso ficar sozinha." "E a nossa viagem de compras?"


Eu nem sequer tomei o tempo para responder quando me virei e comecei a caminhar em direção ao meu quarto. Esta manhã eu realmente me permiti acreditar que Kyler era um cara doce. Ele era diferente. Mas ele não era, ele era um covarde.

***

"Você vai me dizer o que está acontecendo com você e Kyler?" Hayley sentou-se na beira da minha cama, mas eu não olhei para ela. Em vez disso, concentrei-me na televisão. “Tudo o que sei é que Kyler aparece anunciando que ele e eu somos um casal. Então ele está sussurrando algumas besteiras no meu ouvido sobre este não ser o momento de contar a Beau. Então eu pergunto novamente, o que está acontecendo entre vocês dois que Beau não precisa saber?” Hayley durou dez minutos antes de voltar, exigindo saber o que estava acontecendo. Sua persistência era irritante. "Nada." "Desde quando você e eu mentimos uma para a outra?" Eu rolei de costas e olhei para ela. "Você é impossível e intrometida." Meu comentário não fez nada para perturbá-la. "Tudo bem, algo aconteceu."


"Algo como em?" "Eu preciso soletrar para você?" "Sim", ela assentiu, "em detalhes explícitos". "Bem." Eu empurrei meu corpo para fora da cama e deslizei para trás, descansando contra a cabeceira da cama. “Antes que você e Quinton decidissem se juntar a nós na banheira de hidromassagem, ele e eu...” "Você e ele o quê?" “Oh meu deus, você está falando sério? Você não é tão densa. "Eu só quero ouvir você dizer isso." Ela encolheu os ombros, esperando por mim para responder. “Nós fizemos sexo. Você está feliz agora?" “Estou extremamente feliz. Eu já te disse que eu era o Equipe Kyler. Tirando os sapatos, ela subiu mais na cama. "O que eu quero saber é o que aconteceu depois disso?" "Essa é a coisa, nada." Eu disse com um encolher de ombros. “Vocês dois apareceram, então ele e eu ficamos em silêncio. Nós não conversamos depois disso e ele foi embora. Eu estava passando por isso em minha mente me perguntando as mesmas coisas. “Então ele aparece aqui hoje ao mesmo tempo que Beau, que eu nem sabia que estava de volta ainda. Kyler decide jogar este


estranho jogo de quem está namorando quem, e então você sabe o resto. ” "Os dois saíram daqui depois de uma conversa acalorada na calçada." "Quão aquecida?" - Eu ouvi Beau dizer-lhe que, se ele descobrisse diferente, a merda ia explodir. Então Kyler lhe garantiu que não havia nada? "Não houve nada o que?" Ela deu de ombros, parecendo confusa. "Isso eu não sei, porque eu não ouvi o começo da conversa ou o fim, eu só tenho pedaços e pedaços."

***

"Eu podia ver o arrependimento em seus olhos, Ashlynn." Sentei-me em silêncio enquanto o ouvia dizer como ele achava que eu me sentia, irritada com cada palavra porque achava que ele era diferente. “Eu apareci para te dizer que eu deveria ter parado as coisas. Estávamos bebendo, e se você estivesse em seu juízo perfeito, não teríamos passado por isso. "Isso é tão nobre de você, Kyler."


"Vamos, Ash, você sabe que estou certo." Eu comecei a rir. “O que eu sei é que acordei pensando em você, por vários motivos. Nenhuma dessas razões lamentei o que aconteceu ”. O silêncio foi tudo o que ouvi e me vi esperando que ele estivesse se sentindo um completo idiota. “Mas vou facilitar isso para você, vamos categorizar aquela noite como um erro de bêbado. Você pode continuar vivendo sua vida como nunca aconteceu e eu farei o mesmo. ” Eu nem sequer tentei ouvir o que mais ele tinha a dizer antes de desligar.


Kyler "Kyler, entre aqui." Cheguei a um ponto insuportável do lado de fora do escritório do meu pai. Dando um passo para trás, eu espiei dentro da porta aberta e encontrei-o sentado em sua cadeira com dois homens sentados em frente a ele. "Senhores, conheçam meu filho." Ele estendeu a mão para mim, fazendo-me sinal para entrar mais. “Esse garoto aqui é um gênio quando se trata de carros, motos e mecânica. Dê-lhe qualquer carro lá fora e ele vai ter aquela coisa ronronando. Eu sempre achei que ele seria um piloto de corridas com a maneira como ele lida com o volante, mas ele preferiu seguir meus passos. ” "Onde mais posso testar um carro e moto diferentes todos os dias do mês?" Os homens riram e meu pai se juntou a eles. Stanley Harrington, o dono de não uma, não duas, mas dez concessionárias automotivas diferentes em todo o estado da Califórnia, era meu pai. Ele tinha todo tipo de veículo que você poderia imaginar em pelo menos um de seus locais. Havia a concessionária Chevy em Los Angeles, a concessionária Ford em


San Diego, e depois as várias lojas da BMW e da Mercedes que se estendiam de um extremo ao outro do estado. Ele também tinha dois locais que transportavam motocicletas da Ducati Sports; Este local em Santa Bárbara era um deles. Nós amamos nossos veículos, e eu realmente amei nossas motocicletas. Foi uma corrida comum que meu pai e eu compartilhamos. Pura adrenalina, a necessidade de velocidade e o poder do motor de aceleração, tudo isso era como nossa própria forma de crack. Nada era melhor que essa corrida - ok, então havia uma coisa melhor. Até a minha noite com Ashlynn eu nunca pensei que qualquer coisa me faria sentir o mesmo tipo de emoção de subir no meu Ducati Super Sport e voar pelas colinas perto do pôr do sol. Bela paisagem com o vento assobiando foi a sensação mais incrível. Mas uma noite com ela e eu sabia que estava errado. A lembrança de suas últimas palavras me atingiu e meu estômago ficou tenso. Eu pensei que tinha visto arrependimento, eu pensei em tornar mais fácil e dar a ela uma saída. Agora eu apenas senti que a única chance que eu tive com ela se foi porque eu tive que ir com o meu ego em estado de alerta e agora eu estava apoiado em uma merda de canto. “Esses são os homens por trás das motos que você tanto ama.”


Cada um deles se levantou e apertou minha mão um por um. "Bem, eu agradeço", e eu fiz. Desde o dia em que tirei minha licença de motocicleta, fiquei viciado. "Gostaríamos de discutir uma oportunidade com você", o mais velho, mais alto dos dois anunciou como ele fez sinal para eu tomar um assento ao lado deles. Pelo sorriso no rosto do meu pai, presumi que ele já sabia o que queriam discutir. “Gostaríamos de usar este local para lançar nossa nova campanha. As colinas de Santa Bárbara parecem o lugar perfeito para destacar a velocidade e o manuseio de nossa nova linha. ” "Você não precisa da nossa permissão para filmar em Santa Barbara." O homem mais velho riu e olhou entre mim e meu pai. "Não, filho, mas eu preciso da sua permissão para atirar em você naquela moto." Eu fiquei momentaneamente sem palavras. "Espera." Eu sei que eu tive que ter um olhar confuso pra caralho no meu rosto. "Você quer me ter em um comercial?" "Não apenas um comercial, Kyler, mas uma campanha, cartazes, cartazes, tudo isso."


“Alguns pequenos papéis em alguns comerciais não me dão direito a esse tipo de acordo. Você quer alguém maior, mais conhecido em seu comercial, acredite em mim. “Não, nós teríamos que discordar. Você é um homem que ama suas motos e que mostra a maneira como você anda. Você pode não ser um profissional, mas você monta como um. Saí sentindo-me intrigado com a aventura que tinha sido apresentada diante de mim, animado para ser oferecido a chance de ser filmado fazendo algo que eu realmente amava. Eu encontrei a primeira pessoa que eu queria compartilhar a notícia com Ashlynn. Antes do meu movimento idiota de ligar para ela e tentar explicar minhas ações, ela e eu havíamos desenvolvido uma amizade, pelo menos é o que pensei. Uma amizade que mudou para algo mais real rápido, mas mais uma vez eu estraguei tudo. Subindo na minha moto, eu chutei de volta o suporte e acionei o motor, incapaz de controlar o sorriso que cobria meus lábios. Eu amava esse som. Eu andei pelas estradas sinuosas que levavam ao meu condomínio, escondido nas colinas. Eu amei a localização porque deu a vista mais incrível de Santa Barbara. Tomei o caminho mais longo para casa, simplesmente aproveitando o passeio, me permitindo imaginar compartilhar meu amor pelo passeio com o mundo. Eu só não tinha certeza se a parte da fama era eu.


Tinha sido algo que eu tinha experimentado em um pequeno sentido quando cresci, mas nunca foi algo que eu realmente me achasse gostando. Hollywood era algo que muitos amigos me chamavam de piada, uma que Beau havia começado, mas aquela vida não era para mim. Quando dobrei a esquina e voltei a minha direção, meu estômago parecia ter despencado. Lá na minha garagem, encostado ao lado do seu Beamer, estava Beau, com os braços cruzados sobre o peito, uma expressão de irritação no rosto. Lentamente eu parei e chutei o suporte antes de desligar a moto e tirar o capacete. "Hey", disse ele, empurrando o carro e se movendo em minha direção. Eu totalmente esperava que ele me socasse, então quando ele jogou o braço por cima do meu ombro e me puxou para um abraço fraternal, fiquei chocado. “Eu acho que você e eu precisamos conversar. Merda ficou um pouco desconfortável no outro dia e eu quero me desculpar. "Pedir desculpas por quê?" “Por pensar que algo está acontecendo entre você e Ash. Eu deveria ter sabido melhor. Essa foi a minha chance de esclarecer isso entre nós, contar a verdade, só que não. “Você é um amigo leal, Ky, você sempre foi. Eu acho que não sei como aceitar que pode não haver nada que eu possa fazer para recuperá-la.


Eu balancei a cabeça, esperando que este fosse seu jeito de concordar em deixar ir. “Eu terminei as coisas cedo em Charlotte para poder voltar aqui. Meu pai teve uma verdadeira mudança de atitude depois que esse cara que eu conheço ameaçou bater em sua bunda e jogá-lo para fora de uma janela do quinto andar. ” Eu não conseguia me impedir de rir disso. Merda idiota merecia isso. “Eu sei que cometi erros, enormes. Não só com Ashlynn, mas também com você. Quando ele disse o nome dela, eu me senti territorial, como se ele não tivesse o direito de sequer falar o nome dela. “Noelle foi um erro, um épico. Eu amo Ash. Suas palavras fizeram meu estômago se sentir azedo. “Eu vou reconquistá-la, tenho que fazer. Ela é para mim, Kyler. Eu não sei o que eu estava pensando, mas com todas as pressões do meu pai e trabalho eu realmente estraguei as coisas. Eu não sei como vou conseguir que ela me perdoe, mas eu tenho que fazer. Eu tenho que provar a ela que eu a amo e que, se ela me der apenas mais uma chance, nunca mais vou machucá-la. Parte de mim queria dizer a ele para dar o fora e que ela era minha. Então havia aquele pedaço de mim que duvidava de tudo o que Ashlynn e eu tínhamos ou poderíamos ter tido se eu tivesse acabado de manter minha maldita boca fechada.


"Você pode me ajudar a recuperá-la?" Sua pergunta me pegou desprevenido, e o que eu faço como reação? Eu balancei a cabeça, como uma foda idiota que tinha perdido completamente a cabeça. “Eu sabia que podia contar com você. Você sempre foi uma boa pessoa, sabe, não importa o que, você esteve no meu canto. Naquele momento, a culpa me atingiu e eu me senti como um completo idiota. Eu precisava falar com Ashlynn. Eu só precisava de alguns minutos com ela para descobrir se ela achava que poderíamos ser alguma coisa. Eu queria saber se valeria a pena desperdiçar vinte anos de amizade. Se ela dissesse a palavra, se ela concordasse que havia algo que valesse a pena construir entre nós, então eu faria. Eu contaria a ele sobre ela e lidaria com as consequências. Eu só não queria que nenhum dos retrocessos seguisse seu caminho; ela não precisava mais de Beau ou da merda de seu pai. Eu levaria tudo. Tudo o que ela tinha que fazer era dizer a palavra.


Ashlynn "Você tem certeza que está bem com isso?" Minha mãe perguntou enquanto caminhava em direção à porta da frente. "Você sabe o quão horrível ele pode ser quando não está se sentindo bem." "Eu posso ouvir você, você sabe", meu pai gritou de sua posição no sofá e eu ri. "Eu o peguei", asseguro-lhe quando ela começa a hesitar. "Você tem um jantar e se você não se apressar, vai se atrasar." "Me sinto culpado." Ela olhou por cima do meu ombro em direção ao meu pai e eu a cutuquei ainda mais. "Tudo bem, eu estou indo." Assim que ela saiu, fechei e tranquei a porta e fui ver meu pai. Ele tinha sido atingido por um problema no estômago que o derrubou em sua bunda. Foi o segundo dia consecutivo. Aparentemente, não havia nada que os médicos pudessem lhe dar; O único conselho era deixá-lo seguir seu curso. Meu pai não é um homem paciente.


Ele também é uma pessoa miserável e mal-humorada quando está doente; Na maioria das vezes, você luta contra o desejo de sufocá-lo. "Posso pegar alguma coisa para você?" Eu me inclinei sobre o encosto do sofá, e ele me deu um olhar que me deixou na beira da risada, aquele olhar irritado que ele tem quando está preso fazendo algo que não quer fazer. "Você pode me pegar minha pasta." "Você

pode

esquecer."

Ele

praticamente

rosnou

em

aborrecimento. "Você é como sua mãe." Eu o ignorei enquanto me movia em direção à cozinha onde eu tinha todo o meu trabalho espalhado na bancada à minha frente. Havia contratos e documentos que precisavam ser arquivados na companhia do título, bem como no tribunal. Com meu laptop aberto, comecei a ler os e-mails do escritório, tanto do meu pai quanto do meu. Se ele não conseguisse fazer as coisas, o mínimo que eu poderia fazer era ajudá-lo com as coisas que eu era capaz de lidar. Meu telefone tocou e quando vi o nome dele na tela, pensei em enviá-lo para o correio de voz. Beau era implacável, e parte de mim se sentiu mal por evitá-lo, mas depois eu me lembrei do que realmente causou nosso rompimento e ficaria chateado de novo.


Peguei o telefone e disse "Olá" em um tom abafado para que meu pai não ouvisse. "Eu sei que você me odeia." Essa foi a sua linha de abertura. Eu não discuti. “Mas eu realmente sinto muito. Eu sei que não mereço um minuto do seu tempo, mas é isso que estou pedindo. Por favor." Eu abaixei minha cabeça, ainda não respondendo, porque francamente eu não tinha ideia de como as coisas ficaram tão complicadas. “Em um determinado momento estávamos bem juntos. Você me amou, eu nunca parei de amar você. “O amor não é definido dormindo com outra pessoa, Beau. Se você se importa com alguém, realmente se importa profundamente, então como você pode fazer o que fez? ” "Eu sei que não é desculpa, mas eu estava além do limite." Ele estava certo, isso não era desculpa. "Depois que você saiu, Kyler e eu entramos." Fechei meus olhos e lutei contra as emoções que me atingiram quando ouvi o nome de Kyler. “Eu estava chateado, bebi mais e sei que deveria ter parado. A realidade me atingiu no momento em que fiquei sóbrio e Ashlynn, eu juro para você, se estivesse sóbrio, nunca teria passado por isso. Eu podia ouvir as emoções em sua voz. “Eu te amo, você é a única pessoa que até me amou por mim. Você não precisava que eu fosse mais, você estava feliz com quem eu era.


Uma lágrima escapou e rolou ao longo da minha bochecha esquerda. "Almoço, um café mesmo, apenas quinze minutos."

***

Eu acordei com uma cócega irritante na minha bochecha e quando fui dar um tapa, ouvi uma risadinha. Muito lentamente eu abri um olho para encontrar minha mãe pairando sobre mim, parecendo que ela acabou de sair de uma revista de moda. Cabelo e maquiagem perfeitos, uma roupa de matar e um sorriso. "Bom Dia?" Eu estendi minhas pernas e meus pés estavam pendurados na beira do sofá. "Como está o papai?" "Ele está de pé, tomando banho e pronto para enfrentar o mundo." Eu arqueei minha testa para ela e ela deu de ombros. "Mesmo que ele ainda se sinta uma merda, você sabe que ele não vai admitir isso." "Que horas são?" "Sete."


"Eu vou me atrasar." Eu caí de volta no sofá e gemi. “Bem, acho que é uma coisa boa você conhecer o chefe. Apenas diga a ele que você precisava cuidar de uma pessoa doente muito irritada e que ele não deveria culpá-la. "Eu te escuto." A voz profunda do meu pai encheu a sala. Minha mãe ficou alta quando eu levantei a cabeça e nós dois olhamos para o homem bonito parado no limiar da sala de estar. "Esteja no escritório às nove." Ele levantou a sobrancelha, esperando por mim para concordar e quando eu balancei a cabeça, ele sorriu antes de se mover em direção à porta da frente. "Adeus, linda." "Adeus, bonito", minha mãe disse em troca. Foi um gesto que eles compartilhavam com frequência. Eu adorava isso, mesmo depois de todos os anos em que eles estavam juntos, eles ainda se amavam e expressavam isso.

***

Eu corri pela calçada, fazendo o meu melhor para reorganizar os arquivos na minha pasta depois de uma longa reunião com clientes em potencial. Meu pai e eu tínhamos tido a tarefa de encontrar o local perfeito para os senhores e senhores Sanderson, de Nova York, que procuravam a próxima expansão em sua cadeia de


joalherias, a joalheria top de linha em que a maioria das mulheres babava. Eu tinha algumas das suas coisas e poderia garantir isso. Absolutamente lindo, de tirar o fôlego mesmo. Eu estava animada com a tarefa que meu pai tinha dado para mim. Nossa reunião terminou há mais de uma hora, mas eu permaneci ao redor do Nico's, um bistrô italiano, e vasculhei um local após o outro, alinhando as exibições. Eu iria sozinha e os estreitaria, antes de levar os Sandersons através daqueles com o maior potencial. Eu já estava atrasada para o meu tempo combinado para ver Beau, mas minha mente não estava nada além da tarefa que tinha em mãos. Concordei em encontrar Beau fora do meu escritório, ou no escritório do meu pai, devo dizer, para um café. Eu não tinha intenção de ser mais do que permitir o fechamento que ele precisava. Não havia nenhuma maneira que eu pudesse levá-lo de volta, não depois do que ele tinha feito. Eu só esperava que finalmente fosse capaz de fazê-lo entender isso. Quando eu pisei na calçada, na esquina de Baker e Milford, olhei para cima e encontrei Kyler em pé do lado de fora da porta da frente do escritório do meu pai. Ele usava uma jaqueta esportiva sobre uma camisa desabotoada com um par de jeans que o ajustavam à perfeição. Suas mechas escuras foram lançadas naquele olhar sexy e áspero e isso fez meus joelhos ficarem fracos. Ele fez meus joelhos fracos.


Quando ele olhou para cima e notou que eu estava me aproximando, ele girou nos calcanhares e correu em minha direção com um propósito. "Nós precisamos conversar." As palavras correram para fora de sua boca e um olhar sério cobriu suas feições. "Você está bem?" "Sim", ele respirou, "é apenas" Ele não teve a chance de terminar a frase. Seus olhos se arregalaram quando ele olhou por cima do meu ombro e imediatamente deu um passo para trás. Eu estendi a mão, coloquei a palma da mão contra o peito dele, o mesmo lugar que eu havia tocado várias vezes durante a nossa noite aquecida à beira da piscina e ele ficou tenso. "O que temos aqui?" Eu deixei cair a minha mão e girei, apenas para ficar cara a cara com Beau. Ele usava aquele tom de azul que eu sempre amei nele. Azul Royal, com um blazer escuro por cima. O blazer estava desabotoado e seu cinto, o cinto que eu o levara para o aniversário dele, estava exposto. Por um momento, fiquei sem fala enquanto olhava para ele. Não porque eu sentisse a falta dele, ou mesmo ainda tivesse sentimentos por ele que não estavam resolvidos, era que Kyler pensaria que isso era mais do que era.


"O que você está fazendo aqui?" Beau estava olhando diretamente para Kyler e meu estômago começou a virar. "Só vim perguntar a Ashlynn onde eu deveria levar Hayley para o aniversário dela." Então voltamos a isso. "Você?" Foi a vez dele de segurar dois cafés. "Encontrar Ash para tomar café", ele sorriu, "e conversar". "Bem, não me deixe parar vocês dois." Eu me virei rapidamente para encarar Kyler e vi uma expressão de desapontamento no rosto dele. “Obrigado por tudo, Ashlynn.” Ele começou a se afastar e eu fui incapaz de me conter. Eu chamei por ele só que ele não parou. Meus ombros caíram quando de repente me senti derrotada. "Há algo acontecendo entre vocês dois, não é?" Eu ouvi a percepção na voz de Beau, mas não me virei para encará-lo, ainda não. "Não há ele e Hayley, não é?" "Não, não há." A confissão foi boa. Era um segredo que eu ainda não sabia por que estávamos nos mantendo em primeiro lugar. Quando senti Beau tocar minha parte inferior das costas, me virei e ele se inclinou, pressionando rapidamente seus lábios nos meus. Por um momento, fiquei chocada, completamente levada pelo movimento. De repente, ele me bateu e eu empurrei de volta,


fazendo com que ele deixasse ir sem lutar. "O que você está fazendo?" Ele levantou a mão e correu-a pelo cabelo. Ainda equilibrando a bandeja que continha ambos os nossos cafés em uma mão, ele ficou frustrado. "Eu voltei para você", disse ele enquanto agarrava a parte de trás do seu pescoço. Ele ainda não estava olhando para mim, mas sim no chão entre nós. - Eu senti sua falta, Ash, então caramba. Passei todas as noites em Charlotte pensando em você, tentando descobrir como eu poderia fazer isso direito. Eu estraguei tudo, eu sei disso. Eu sou um idiota, porque joguei algo incrível. Mas ele? Foi então o seu olhar fixo no meu. Ele olhou para mim com tanta intensidade que me deu arrepios. Lá estávamos nós no meio da calçada, pessoas passando por nós, mas naquele momento só havia nós. “Ele é meu melhor amigo, Ashlynn. Baby, por favor, me diga que isso não está acontecendo. "Não me chame assim." "Então vocês dois estão juntos e esse tempo todo ele está mentindo para mim?"


"Nós não estamos juntos." Eu me vi olhando na direção que Kyler andava, quase desejando que eu o visse voltando, só que ele não estava. "Mas você estava?" Em vez de respondê-lo, voltei na direção de onde vim originalmente em busca do meu carro. Eu tive que sair de lá, eu precisava ficar sozinha.


Kyler Eu mal tinha o controle para segurar meu telefone. O que eu realmente queria fazer era esmagá-lo contra o chão depois do que acabei de testemunhar. Ashlynn realmente estava fodidamente dando aquele idiota mesmo em um momento do seu tempo? Eu acho que tenho a minha resposta. Eu queria saber se ela achava que o que havia acontecido entre nós valia a pena confessar a Beau e ela respondeu. Sem eu mesmo dizer as palavras, ela me assegurou que eram apenas duas pessoas deixando ir e dando em luxúria e nada mais. Então, por que eu não poderia simplesmente aceitar isso? Quanto mais eu me sentava na minha sala de estar ponderando sobre os eventos não apenas na outra noite, mas todo o caminho de volta para a primeira interação que tivemos sem Beau pairando sobre nós, eu não podia me deixar acreditar que não havia algo lá . Foi por isso que pulei na minha motocicleta e dirigi até a casa dela. Ela não estava lá, mas eu não estava saindo, então em vez disso eu sentei no chão perto da porta da frente dela e esperei.


O som de um carro se aproximando chamou minha atenção, levantei-me e segui em frente com um propósito. O carro de Ashlynn desacelerou até parar ao lado da minha motocicleta e eu mal esperei que a porta do carro dela abrisse antes de me mover em direção a ela. "O que você quer-" Eu não dei a ela a oportunidade de terminar antes de agarrar a parte de trás do seu pescoço e pressionar seu corpo contra o lado de seu carro. Eu usei meu próprio quadro para segurá-la no lugar, e pouco antes de beijá-la, vi seus olhos se arregalarem de surpresa. Um gemido escapou dela e eu achei que isso me levou. Eu sabia que ela sentia alguma coisa. Eu estava tão perdido em nosso beijo, o jeito que suas mãos circulavam minha cintura enquanto ela me segurava mais apertado que eu não tive a oportunidade de ver isso chegando. Algo impactou o lado da minha cabeça e eu tropecei de lado, me apoiando no lado do carro de Ashlynn. Eu ouvi o meu nome fracamente quando balancei a cabeça para limpar a névoa. "Você não podia esperar para entrar e brincar de herói, poderia?" Eu olhei para cima para ver Beau parado entre mim e Ashlynn, fervendo de raiva. “Você estava sempre tentando bancar o mártir


quando se tratava de mim e de Ashlynn. Procurando por todas as chances que você poderia ter para saltar e ser o cara legal. "Bem, alguém tinha que ser o cara legal." Eu me levantei e dei um passo em direção a ele, fechando a distância entre nós. “Porque todos nós sabemos que você não tem a capacidade de ser o bom rapaz. Muito ocupado, focado em todas as outras garotas além daquelas que deveriam ter realmente importado. Minhas palavras só pareciam enfurecê-lo ainda mais, mas a essa altura eu não me importava mais. Estava fora, ele me viu beijandoa. Então, mesmo que ela não quisesse que isso fosse mais longe do que tinha, o dano já estava feito. Beau agarrou minha camisa e nem sequer recuei. Em vez disso, eu ri. "Você quer me bater?" "Sim", ele zombou. "Então faça isso, mas isso não vai mudar o fato de que você estragou tudo e eu me mudei." "Você planejou isso." Ele segurou minha camisa com mais força e ouvi o tecido rasgar. "Sim, Beau, eu planejei você fodendo uma garota quando você tinha uma linda em casa esperando."


Eu deveria saber que estava chegando, mas tudo aconteceu tão rápido. Seu punho colidiu com meu queixo e instantaneamente eu provei sangue. Mas desta vez eu não apenas dei de ombros. Juntos em uma confusão de socos nós caímos no chão e ele me rolou, me prendendo no chão. "Pare com isso!" Ashlynn e o desespero em sua voz me fizeram procurar por ela. "Por favor, apenas pare." Beau nem sequer a reconheceu, apenas continuou a lançar um balanço após o outro. A maioria de seus socos foram bloqueados, mas mesmo aqueles que se conectaram não fizeram nada para me perturbar. A primeira oportunidade que tive eu o empurrei de cima de mim e ele rolou de costas. Eu praticamente me arrastei para ela e vi as lágrimas. "Ashlynn." Eu estendi a mão para ela e ela olhou além de mim, seus olhos se arregalando. Quando segui seu olhar, vi Beau vindo em minha direção. Eu fiquei bem a tempo de agarrá-lo pelo pescoço dele e batê-lo contra o carro de Ash. "Suficiente." As palavras eram mais um grunhido. "Você não vê o que estamos fazendo com ela?" Ele olhou para ela da melhor maneira que podia, considerando que eu ainda tinha um aperto de morte em seu pescoço. Eu


esperava ver remorso ou mesmo um pouco de hesitação, mas não havia nada. O bastardo não podia ver além do seu ódio por eu notar a dor que estávamos causando a Ashlynn. Isso me irritou tanto, porque ele nunca a viu. Nunca verdadeiramente. Beau sempre foi tão cego por suas próprias necessidades que ele nunca a colocou antes. Ela merecia mais do que isso. "Olhe para ela." Eu agarrei mais e ele soltou um gemido de dor. Quando ele fez o que eu disse a ele, eu lentamente vi a raiva desaparecer e reconhecimento assumir. Eu soltei ele e ele instantaneamente se virou para ela. Quando ele passou os braços em volta dela, eu admito que doeu. A última coisa que eu queria ver de novo era ela em seus braços. A pior parte disso era que ela não lutou contra ele; ela aceitou seu conforto. Seus olhos foram espremidos com força e seus lábios pressionados firmemente em uma linha reta, como se ela estivesse lutando contra suas emoções. Quanto mais tempo ele a segurava, mais minhas mãos tremiam. Eu queria ser aquele cara, o que ela precisava. Eu queria segurá-la e confortá-la. Lentamente eu observei enquanto ela estava mais alta e deu um passo atrás de Beau.


"Eu preciso de vocês dois para sair." Ela não olharia para nenhum de nós. “Vocês dois acham que isso é algum tipo de jogo, mas não é. Cada um de vocês acha que você é mais digno do que o outro, mas posso assegurar-lhes que, neste momento, não quero nenhum de vocês. Eu só quero que vocês vão, os dois. Quando ela lentamente começou a caminhar em direção a sua casa, em uma última tentativa de salvar os nós que eu pensei que poderíamos ser eu estendi a mão e toquei seu quadril. Ela parou por um momento e naquele momento eu tive um pequeno raio de esperança. Mas essa esperança desapareceu quando ela se afastou e deixou eu e Beau em pé no meio da entrada da garagem. "Você acha que ganhou?" Eu ri para mim mesmo, me perguntando como eu poderia ter sido amigo desse idiota por tanto tempo. "Não." Eu puxei minhas chaves do meu bolso. "Nós dois definitivamente perdemos." Fui até a minha motocicleta e subi, chutando o carrinho. "Isso não acabou." Colocando a chave na ignição, olhei para ele. “Você e eu, acabamos, porque francamente eu não dou a mínima para nós. A única coisa que me interessa é aquela mulher lá dentro. Eu aponto para a casa dela. “Ela pode estar zangada agora, magoada até, mas para mim há esperança. Eu não quebrei seu coração e depois pisei nele. Você fez isso."


"Fique longe dela." Eu queria rir de sua ameaça pretendida. "Isso eu não vou fazer." Virei a chave e ignorei o modo como ele se aproximou de mim. Eu não estava me importando com o que ele pensava; isso não importava mais. A única coisa que importava para mim agora era encontrar uma maneira de voltar àquele lugar onde Ashlynn e eu fomos uma vez, antes que Beau voltasse para a cidade e virasse tudo de cabeça para baixo.

***

"Você vai fazer isso?" Eu deixei cair a fritura com a qual eu estava brincando nos últimos cinco minutos no prato e me recostei na cadeira. Quinton sentou-se à minha frente devorando seu segundo hambúrguer. “Eles vão deixar você ficar com a moto, cara, por nada. Também pode ser a sua chance de fazer sucesso. ” "Eu não quero fazer isso grande."


Desde a briga com Beau na frente de Ashlynn na semana passada, eu não tinha sido capaz de pensar em outra coisa. O olhar em seu rosto e as lágrimas em seus olhos estavam me comendo. "Você já ouviu falar dela?" Como se Quinton pudesse ler minha mente, olhei para cima e simplesmente balancei a cabeça em resposta. "Talvez ela só precise de um pouco de tempo." "Você não viu o rosto dela." "Não, eu posso não ter, mas o seu está fodido." Quando eu olhei para ele, ele riu. “Falando sério, Hayley está ficando na casa dela.” Ele quase parecia triste com isso. "O que significa que eu não vi muito a minha garota." Ele era como um bebê fazendo beicinho. “Eu realmente fodi, mas na época minha cabeça estava estragada. Inferno, eu pensei que ela estava voltando com ele, encontrando-o para o café. Eu saí, puto, e então aquela merda saiu pela culatra. Se eu soubesse que as coisas acabariam assim, eu teria acabado de confessar em primeiro lugar. ” "Por que você não fez?" Eu olhei do meu prato para ele enquanto as razões refletiam em minha mente. “Eu pensei que estava fazendo o que era melhor. Eu não queria que ela estivesse lá quando eu confessei que eu tinha caído para a ex dele. Eu percebi que ela não precisava dessa merda. No final, não importou e tudo ainda explodiu. ”


O telefone de Quinton soou e ele enfiou a mão no bolso para pegar o celular. Enquanto lia a mensagem, um sorriso se espalhou por seus lábios e ele rapidamente digitou algo em troca. "Parece que minha sorte está mudando." "Significa?" "Hayley está vindo hoje à noite." Ele colocou o telefone no tampo da mesa e pegou o hambúrguer novamente. “Aparentemente, Ashlynn tem algum tipo de gripe e ela não quer que Hayley pegue. Então minha garota é toda minha. "Como está Ash?" Ele encolheu os ombros. “Ela acabou de dizer que está se sentindo como o inferno e perdeu o trabalho hoje. Aparentemente seu pai estava doente, então alguns outros ao redor do escritório entenderam. Agora Ash pensa que talvez ela tenha pegado a mesma coisa. Eu balancei a cabeça, embora na minha cabeça eu estivesse pensando em todos os tipos de maneiras que eu poderia chegar até ela. Entregar sopa, entregar flores, algo, qualquer coisa realmente. Não gostei da ideia dela estar doente e sozinha. Eu também não gostava da ideia de Beau ficar sabendo que ela não estava se sentindo bem e usar isso como uma desculpa para tentar se aproximar. Pelo menos com Hayley, eu sabia que Beau não chegaria nem perto dela. Aquela garota o odiava com paixão.


Eu acho que ela sempre soube que Ashlynn era boa demais para ele.


Ashlynn

"De quem são as flores?" Eu não olhei para cima quando levantei a torrada da torradeira, porque eu honestamente não queria ver sua decepção. "Beau" Ela soltou um som que eu tinha certeza que deveria representar o desgosto que sentia. “Ele é ridículo. Ele não entende que vocês dois acabaram? “Eu acho que ele sente como se ele parasse de tentar, então Kyler ganha. Mas ninguém está ganhando porque não é um concurso”. "O que você sente?" Eu não senti vontade de falar sobre eles, isso era certo. Então eu fiz a coisa mais fácil que consegui pensar. Eu eliminei os dois da conversa tomando um caminho completamente diferente. "Eu me sinto irritada, irritada e enjoada." Eu olhei para o exato momento em que ela sorriu, sabendo que era minha tentativa de ignorar a situação. Caminhei em direção ao


meu quarto, com uma torrada em uma mão e uma garrafa de refrigerante de gengibre na outra, esperando tirar a oportunidade dela de procurar mais do que minha explicação idiota. Rastejando em minha cama, coloquei os dois itens na mesinha de cabeceira e me enrolei de lado embaixo das cobertas, procurando o abrigo dos cobertores. De alguma forma, esconder-se na cama tornava mais fácil ignorar o mundo exterior. Isso foi até a melhor amiga que continuava a pairar entrou no quarto e interrompeu meu consolo. "Você tem certeza que vai ficar bem se eu sair?" Eu olhei para a porta e encontrei Hayley encostada na armação. "Porque eu posso ficar, não é um problema." "Eu estou bem, realmente." Eu estava tão longe de estar bem, mas precisava ficar sozinha. O que eu tinha que fazer não podia ser feito se eu a tivesse vigiando, pronta para me dar uma bronca por meus erros idiotas. Eu não precisava de ninguém me dizendo o que eu já sabia. Eu fui imprudente. Eu fiz uma escolha descuidada que pode ter levado a algumas consequências muito sérias. "Você promete ligar ou mandar mensagem se precisar de alguma coisa?" Eu balancei a cabeça em concordância. "E eu quero dizer qualquer coisa."


"Eu entendi, Hayley." Eu forcei um sorriso. “Eu prometo que ligarei se precisar de você, agora vá em frente. Quinton provavelmente está saltando das paredes agora. "Ele me mandou uma mensagem quatro vezes." Eu achava que Hayley estava curtindo secretamente a tortura do pobre rapaz. "Aproveite sua noite." Ela me observou de perto, e eu forcei um sorriso, eu esperava que ela estivesse bem. "Eu só preciso dormir isso, é tudo." "Eu te abraçaria, mas ..." "Eu sei." Ela me deu um beijo e eu esperei em silêncio para ouvir a porta da frente fechar. No momento em que ouvi o clique, escorreguei devagar da cama e olhei pela janela lateral bem a tempo de ver as lanternas traseiras do conversível vermelho de Hayley enquanto ela se afastava da casa. Minha ansiedade anterior foi agora substituída por medo quando me sentei ao lado da cama e demorei alguns minutos para respirar. Meu estômago revirou quando meus nervos ameaçaram assumir, só que eu não permiti. Eu não pude. Mais uma respiração profunda e eu lentamente a soltei antes de me levantar e me mover em direção à minha penteadeira. Mais uma


vez eu parei, mas apenas por alguns segundos, em seguida, abri a gaveta de cima. Lá, logo abaixo da minha calcinha, estava o saco plástico contendo o item que comprei hoje mais cedo. Eu sabia que esse teste seria a única coisa que decidia meu futuro, e isso me apavorava. Senti-me tonta e enjoada quando segurei a bolsa na mão e fui em direção ao banheiro. Um quase ataque de pânico e um deslizamento derrotado de encostar na parede e cair no chão mais tarde, eu me vi na porta do meu banheiro em lágrimas. "Ashlynn?" Eu pulei ao som da voz de Hayley e rapidamente tentei esconder o teste na minha mão. Só que eu cheguei tarde demais. Ela entrou em vista e pelo olhar de realização em seu rosto, eu sabia que ela já tinha visto. "O que está acontecendo?" Meus ombros caíram e eu abaixei a cabeça enquanto olhava para o chão. Eu não conseguia olhar diretamente para ela, estava com vergonha. "Ash, fale comigo." Ela se sentou no chão antes de mim, e quando ela estendeu a mão, ela colocou a mão na minha e, em seguida, virou-a lentamente. O teste de gravidez que eu fiz estava em exibição, assim como os resultados, olhando para nós duas. "Você está grávida."


Ouvi-la dizer em voz alta apenas provocou mais lágrimas a cair e eu balancei a cabeça. “Eu não sei o que vou fazer. Como eu pude ser tão estupida?" "Você não está sozinha nisso, ele estava lá também, Ash." "Não." "Sim." Ela não me dá a chance de me apoiar em um canto. “Eu sei que você está com raiva de Kyler, acredite em mim, eu entendo. Você tem todo o direito de estar, mas talvez você deva falar com ele. Porque, quer você goste ou não, vocês dois estão amarrados juntos agora. "Eu só preciso de um tempo", eu disse a ela. "Por favor, não diga nada a ninguém." Virando o corpo, ela colocou as costas na parede ao lado da porta e se inclinou para mais perto. “Eu estou do seu lado, Ashlynn, sempre. E agora estou do lado do seu bebê também. Eu abaixei minha cabeça novamente, lutando contra as lágrimas enquanto meu coração corria no meu peito. Estou grávida. Eu disse as palavras de novo na minha cabeça, ainda sem saber como isso tudo me fazia sentir. Não era a hora certa, mas não podia mudar.


"O que você está fazendo aqui de qualquer maneira?" Eu finalmente perguntei, precisando de uma mudança de assunto. "Eu pensei que você estava indo para Quinton para a noite?" "Eu fui." Ela permitiu que sua cabeça repousasse contra a parede atrás dela e olhou para mim. "Mas eu esqueci minha bolsa." "Ele está esperando por você, você deveria ir." "Não é uma chance." Estendendo a mão novamente, ela pegou minha mão na dela. “Eu estou exatamente onde eu vou ficar esta noite. Minha garota precisa de mim, mesmo que ela tente se convencer de que não precisa. Eu sei a verdade." "Ela faz." Eu nem tentei negar isso. “Ela me pegou. É uma noite de cinema pesado. "Isso parece quase perfeito." Inclinando-se ainda mais, ela deitou a cabeça no meu ombro. Ficará tudo bem. Tem que ficar.

***

Minhas mãos tremiam e as cerrei ao meu lado, assim que passei pelas portas da Harrington Motors. Como se eu fosse carne fresca jogada em um tanque de tubarões, todos os vendedores zonearam e começaram a se mover na minha direção.


Talvez aparecer no trabalho de Kyler não fosse a melhor opção, mas eu queria um território neutro. Eu não estava aqui para nos falar, eu estava aqui para contar a ele sobre o bebê. "Como posso ajudá-la?" Olhei para a esquerda para ver um homem baixo e calvo, sorrindo como se fosse seu próximo pagamento. Eu odiava dar a notícia a ele - eu não estava lá para comprar um carro ou uma bicicleta. "Eu estava esperando falar com Kyler Harrington, por favor." A ansiedade que estava em seu rosto há apenas alguns momentos desapareceu um pouco. "Você é amiga de Kyler?" "Sim. Ele está por perto? "Ele está realmente fora da cidade." De repente, eu estava me sentindo desapontada. “Ele saiu até sexta-feira, possivelmente mais. Depende se ele aceitar o acordo. "O acordo?" “Sendo sua amiga, eu teria assumido que ele compartilharia a notícia de sua oportunidade com você.” Sorrindo para o homem, porque francamente ele estava sendo um idiota, eu assenti. "Claro. Eu só não sabia que ele estaria saindo tão cedo. Eu não tinha certeza se ele podia sentir a minha hesitação. “Eu achei que seria bom surpreendê-lo com uma visita, mas vou ligar para ele. Obrigada."


O cara sorriu como se soubesse que eu estava mentindo e eu fiz o meu melhor para não lhe dar nenhuma indicação de que ele estava certo. Andando em direção ao meu carro com pressa, eu entrei e comecei a procurar meu celular na minha bolsa. Depois do segundo toque, Hayley atendeu. "Ei mamãe, como você está se sentindo?" "A sério?" “Não fique com a calcinha toda amarrada em um nó, pelo amor de Deus. Estou no meu carro dirigindo sozinha. Ela ainda era a única pessoa que sabia, e eu queria continuar assim por enquanto. Pelo menos até eu descobrir as coisas. "Então você falou com ele?" "Ele se foi." "Como em", ela parou por um momento, "fora para almoçar?" "Não." Eu entrei no meu carro e saí do estacionamento, dirigindo de volta para o escritório. “O cara acabou de dizer algo sobre uma grande oportunidade e que ele havia saído da cidade. Ele vai embora até sexta-feira, talvez até mais. Quinton disse alguma coisa? "Nós não costumamos falar sobre Kyler." Sim, eles não falam sobre nada, normalmente. Foi mais físico do que qualquer outra coisa. Eu juro que os dois eram como coelhos.


"Você pode perguntar a ele?" "Estou indo encontrá-lo agora." Seu telefone apitou com uma chamada recebida. “Na verdade é ele. Eu estou atrasada, então ele provavelmente está ligando para reclamar disso. "Me ligue de volta." Terminamos a ligação e eu esperei impacientemente por sua ligação de retorno. Uma hora antes, saí do escritório com a intenção de contar a Kyler sobre o bebê. Eu não tinha certeza de como ele reagiria, mas queria que ele soubesse. Quando entrei no estacionamento perto do escritório do meu pai, não pude deixar de pensar em correr. Que oportunidade? E a notícia de uma criança impediria essa chance?


Kyler

"Queremos saber o que você pensa, como se comporta, se há algo que você mudaria." Eu deslizei minha palma ao longo do corpo elegante. Prata de titânio, detalhes em preto, linda porra. "Esta moto faz parte do acordo." Eu olhei para o homem que eu conhecia

agora

como

Gunther

Monroe,

CEO

da

Ducati

Manufacturer em Bolonha, Itália, para onde eles me levaram e desde então me trataram como uma espécie de rei. Tudo ainda me surpreendeu completamente. Eu era um garoto da Califórnia que sempre teve amor por motocicletas. Eu não era um grande nome que lhes traria o hype que eles queriam para esta campanha. "Mas este é apenas um item do contrato que queremos apresentar." "Isso por si só é alucinante", confessei enquanto continuava a admirar a máquina diante de mim. Eu andava em cem motocicletas diferentes, todas vendidas pelo meu pai nas concessionárias dele, mas nunca uma tão linda quanto a que estava à minha frente.


"Por que não levamos isso para cima?" Gunther colocou a mão no meu ombro e ofereceu um apertão apertado. "Podemos rever o contrato, você pode fazer perguntas e, em seguida, pode levar essa motocicleta para dar uma volta." "Não podemos simplesmente pular para o último item da lista?" Eu disse as palavras em voz alta sem querer e os homens ao meu redor riram. Eu sabia que não estaria assinando nenhum contrato neste momento, não sem o advogado do meu pai ignorando as expectativas primeiro. Eu era mais jovem, mas não jovem o suficiente para acreditar que não havia coisas que seriam esperadas de mim. Coisas que posso não concordar. Haveria negociações; Eu sabia. Mas, naquele dia, eu passaria por toda a reunião que eu precisasse. Eu jogaria o jogo se isso significasse que no final do dia eu estava pedalando por Bolonha naquela linda moto. Um último deslize da minha mão sobre o tanque da linda máquina e me virei para encarar os homens e assenti. "Vamos conversar."

***


"Você conseguiu uma cópia do contrato para Miles?" Inclinei-me para frente, colocando meus cotovelos sobre a mesa enquanto olhava pela grande janela diante de mim. Eu tinha sido colocado em uma suíte no Hotel Aemilia e a vista era incrível. Eu me encontrei desejando que as coisas fossem diferentes com Ashlynn, e que ela estivesse lá comigo. Eu estava dando espaço a ela porque, honestamente, eu odiava saber que ela estava se estressando por qualquer coisa, muito menos pela merda que eu e Beau havíamos causado. Eu só esperava que ele estivesse fazendo o mesmo. "Eu fiz." Meu pai recuperou minha atenção. “Ele disse que é um grande negócio. Eu sei que ele tinha algumas preocupações sobre alguns pequenos pontos, mas nada importante”. Mais uma vez me perdi no ambiente ao observar o jovem casal a apenas algumas mesas de distância. Eles estavam curtindo o jantar do hotel e compartilhando sua sobremesa um com o outro. A coisa toda me fez arrepender ainda mais como as coisas aconteceram com Ashlynn. "Ele vai estar lá no domingo." Eu desviei o olhar do casal e me concentrei nas palavras do meu pai mais uma vez. "Segunda-feira de manhã todos vocês vão se sentar e negociar." "Parece bom."


"Filho, você está bem?" Sua voz era muito menor agora e gravada com preocupação. "Você soa ... fora." "Só cansado." E solitário. Eu deixei essa parte fora. "Você vai dormir um pouco esta noite, e eu vou dizer a sua mãe que você está tendo o tempo de sua vida e você nunca pode voltar." Ele riu para si mesmo. "Você diz a ela isso e ela vai estar no primeiro vôo para arrastar minha bunda de volta para casa." Eu não estava orgulhoso demais para admitir que eu era um menino da mamãe. Não do tipo que ainda tem ela lavando minha roupa e fazendo minhas refeições, mas ela foi a minha pessoa quando a merda ficou difícil. Foi ela quem me manteve equilibrado e honesto. Eu não mencionei o que aconteceu entre Ashlynn e eu, e depois entre mim e Beau. Acho que fiquei envergonhado, de certa forma, por não ter feito as coisas de maneira diferente. "Por que eu não apenas digo a ela que você sente falta de casa, e não pode esperar para voltar?" "Sim." Eu me inclinei para trás e enfiei a mão no bolso para pegar meu cartão. "Vamos tomar esse caminho." "Tem certeza de que você está bem?" Fiz sinal para a garçonete, levantando levemente a mão no ar. "Eu estou bem, pai, só preciso de uma soneca é tudo."


Eu precisava de muito mais do que isso. Nós dissemos nosso adeus e depois que a garçonete levou minha conta assinada, eu deixei o restaurante. Só que em vez de me virar para os elevadores, caminhei em direção às portas da frente. Eu não estava cansado, inferno, eu estava bem acordado. Se eu tivesse escolhido voltar para o meu quarto, a única coisa que acabaria fazendo era me torturar por horas e repetir cada momento das últimas semanas. Andando pelas ruas de Bolonha, admirando a história da cidade, a beleza que ela realizou foi o que eu escolhi. Piazza Maggiore, a Fonte de Netuno, até as Torres de Bolonha, eram todas muito bonitas. Eu sempre disse que um dia viajaria pelo mundo, veria todas as maravilhas, mas nunca imaginei que estaria sozinho. Acho que imaginei a mulher que amei ao meu lado para compartilhar a experiência comigo. “Primeira vez em Bolonha?” Olhei para a esquerda e vi uma mulher parada olhando para as estruturas medievais. Alta, não tão alta quanto o meu quadro de um e noventa e três, mas quase um e oitenta com certeza. Longos cabelos escuros, tanto tempo que soprava a brisa leve e pousou sobre o ombro quando ela levantou a mão para enfiá-la atrás da orelha. Quando ela olhou para mim e seus olhos se encontraram, eu estava quase perdido instantaneamente.


Seus olhos eram de um tom tão incrível de verde. "Eu sou Aurora e você?" Percebi que estava olhando e desviei o olhar, apenas para ouvi-la rir. "Kyler" Eu finalmente consegui encontrar minhas palavras quando olhei para ela. “Para responder à sua pergunta, sim, esta é a minha primeira vez em Bolonha.” "É uma cidade linda." "Sim." E mais uma vez eu estava olhando. Eu admito que Aurora era linda, exótica até, mas ainda assim, a comparação entre ela e Ashlynn era como noite e dia. Eu soube então que eu só me colocaria para uma vida de desapontamento quando cedi à tentação e senti Ashlynn contra mim. Provando seus lábios, sentindo seu toque, era algo que eu sabia que nunca seria capaz de apagar da minha memória, não importa o quanto eu tentasse. "Você está aqui na cidade a negócios ou a prazer?" Eu estava completamente ciente do jeito que ela permitia que seus olhos vagassem por mim quando ela disse a palavra "prazer". Eu sou um homem e sim, isso fez meu pulso disparar um pouco. "Negócios." Ela fez um som tsk. “Nunca se deve focar apenas nos negócios. Isso tende a tornar a vida totalmente muito chata”. Ela então olhou


em volta como se estivesse em busca de alguma coisa. "Então você está aqui sozinho?" Eu não tinha certeza se ela estava flertando ou o que, mas isso só me dava a sensação de que eu estava de algum modo traindo a mulher que eu não tinha mesmo. Eu balancei a cabeça, esperando para ver onde esta conversa nos levaria. "Uma cidade bonita, um homem bonito, parece um desperdício fazer você passar o tempo aqui sozinho." Inclinando a cabeça para o lado, ela olhou para mim mais uma vez e um sorriso se estendeu sobre os lábios. "Mas há alguém, não há?" "Houve." Eu olhei para longe de seus olhos intensos e de volta para as Torres à frente. "Só não tenho certeza que existe mais." Por um momento ficamos em silêncio, com cerca de 30 centímetros de espaço entre nós, a brisa soprando o perfume delicado em minha direção. Mais uma vez me vi comparando o aroma ao de Ashlynn. "O amor nunca é fácil." Ela tinha esse direito. “Então, meu novo amigo, como você gostaria de tomar um café comigo? Eu conheço o lugar perfeito. Quando hesitei, ela riu. “É só café, e ter um amigo na cidade seria melhor do que passar a viagem inteira sozinho. Não seria?


"Claro", eu concordei quando virei completamente e estendi a mão para a esquerda. Aurora levantou a própria mão e agarrou a minha, puxando para a direita. "Boa tentativa, mas é assim."


Ashlynn Eu estava no banheiro do escritório, minhas mãos segurando o balcão diante de mim enquanto eu tentava respirar na próxima rodada de náusea. Minha garganta queimava da quantidade de vezes que vomitei nos últimos quinze minutos e minha cabeça estava latejando. Um profundo fôlego após o outro, neste momento, era tudo o que eu podia fazer na tentativa de manter a calma. Eu tinha passado a manhã tentando passar por reuniões e era uma tortura. Suor em minha testa, meu estômago revirando, era demais. Mas mesmo isso não se compara ao que a página do Facebook da Kyler fez comigo. Não foi nem mesmo a foto que ele colocou, foram aqueles em que ele foi marcado. Ele estava há alguns dias que estava na Itália, em Bolonha, para ser exata. Ele estava sendo presenteado com a oportunidade de uma vida. O rosto de uma nova linha de motos esportivas sendo lançado ainda este ano e eles o queriam. Eu não podia dizer que o culpava porque ele tinha a habilidade de chamar a atenção. Foi a mulher nas fotos que mostrou continuamente em sua companhia


que

fez

meu

estômago

arfar.

Ela

era

linda,

como

em

impressionantemente impressionante. A pior parte disso tudo era que ele parecia feliz. Havia alguns deles andando pela cidade ou deitados à beira da piscina. Havia até mesmo um casal onde ele estava dormindo em uma cama, seu corpo enrolado em torno de um travesseiro quando ele apertou-a perto. Minha mente vagou para os piores lugares possíveis e só fez meu coração doer um pouco mais. Levantando a cabeça, olhei para o meu reflexo no espelho e me vi comparando o que vi olhando para a mulher nas fotos. A porta do banheiro se abriu e eu olhei, esperando ver outra mulher do escritório entrando, mas ao invés disso, só vi a mão de um homem estendida através da abertura. Ele permaneceu imóvel na porta e eu continuei a ficar no mesmo lugar, imaginando o que diabos estava acontecendo. "Ashlynn?" Era meu pai e, de repente, meu coração começou a correr de novo. “Não é realmente apropriado para mim entrar no banheiro feminino, mas fui informado de que você está aqui sozinha. Isso está correto? Eu ri, não sei por que, mas foi a reação que passou por mim. "Vou tomar isso como um sim."


Antes que eu tivesse a chance de responder, ele enfiou a cabeça para dentro e novamente eu ri, só que desta vez mais difícil. “Esse é um som bem-vindo comparado ao que eu ouvi apenas alguns momentos atr{s.” Ele entrou, permitindo que a porta se fechasse atrás dele. "Você está bem?" "Estou bem." Eu já podia ver pelo olhar em seu rosto que ele suspeitava que eu estivesse mentindo. "Talvez não esteja bem, mas melhor." Quando ele chegou a mim, ele descansou seu quadril contra a pia e eu me virei, encostando-me contra a bancada. "Na semana passada eu assumi que você ainda estava lutando contra a gripe que estava por aí." Eu abaixei meu queixo e olhei para o chão. "Parece ter afetado todos no escritório, mas hoje ouvindo você pela porta ..." ele fez uma pausa, como se esperasse que eu terminasse a frase só que eu não fiz. Em vez disso, encontreime desejando que ele simplesmente esquecesse o que ouvia. Sem chance. "Agora, eu não sou um especialista, mas eu me lembro em um ponto, sua mãe soando quase o mesmo." Eu engoli em seco, e a reação na minha garganta pareceu ecoar pelo banheiro silencioso. "Eu também percebo que há certas coisas que uma filha pode não se sentir confortável em compartilhar com seu pai."


Se eu pensasse que meu pulso estava acelerado e minhas palmas estavam suadas mais cedo, não tinha nada do jeito que eu sentia então. "Realmente, papai, eu estou" "Tudo bem, eu sei." De repente me senti culpada. “Eu, no entanto, acho que você deveria tirar o resto do dia de folga. Assistir um dos filmes mais antigos que você gosta, enrolar na cama e tomar o resto do dia fácil. "Filmes mais antigos". Eu dei a ele um olhar questionador. “Sei que talvez não tenha prestado muita atenção ao que deveria enquanto você crescia, mas lembro-me de algumas coisas. Seu amor por filmes antigos é algo que você e eu compartilhamos. ” Ele se inclinou, deu um beijo na minha testa e de repente eu me senti como uma menininha novamente. Uma menina que perdeu todos esses momentos enquanto crescia. Quando ele recuou e começou a se mover em direção à porta, não sei o que me possuiu, mas eu chamei a atenção dele. No momento em que ele se virou eu desmoronei. Eu não me importo com quantos anos uma mulher tem, quão independente ela deseja ser, quando um pai leva sua filha em seu forte abraço, você é uma criança inocente de novo.


"Nós vamos passar por isso", ele me assegurou enquanto me segurava perto. "Não importa o que, nós vamos passar por isso." Eu não tinha certeza se ele sabia exatamente o que estava acontecendo, mas eu tinha certeza que ele tinha a ideia geral. Eu sabia que ele queria dizer isso também; eles ficariam ao meu lado. Mas a única pessoa que eu queria estava em outro país, com outra mulher, e essa era a parte mais difícil de todas. Eu nunca tive a chance ainda de dizer a ele que ele seria pai. Chamá-lo para compartilhar as notícias de alguma forma me pareceu errado. Eu queria ver seu rosto, ouvir sua reação. Se estou sendo honesta, eu só queria que ele ficasse me segurando, como meu pai fez, e me dizendo que estaríamos bem.

***

"Você tem cerca de sete semanas." O médico removeu a varinha de dentro de mim, mas não fez nada para aliviar o desconforto. Nada como estar deitada em uma cama, suas pernas em estribos quando você está bem espalhada. Como se estivesse lendo minha mente, ele pressionou meus joelhos e aplicou pressão suficiente para indicar que eu poderia deslizar para trás.


Uma vez sentada, com um cobertor de papel de algum tipo sobre o meu colo, uma pequena quantidade do desconforto desapareceu. "Tudo parece bem, o batimento cardíaco é forte." Ele se virou para o balcão ao seu lado. Ele tirou uma tira de papel e estendeu para mim: “Aqui está a sua primeira fotografia. Isso coloca você em uma data de nascimento em 12 de maio. Eu podia ouvi-lo falando, mas focada nas fotos que eu segurava. Imagens em preto e branco que mais pareciam uma bolha no centro do papel. "Eu tive as enfermeiras coletar algumas informações sobre o que fazer e o que não fazer durante a gravidez, assim como vitaminas suficientes para você passar as próximas quatro semanas." Eu olhei para cima quando percebi que ele estava estendendo a mão para eu sacudir. "Parabéns, Srta. Prescott, e gostaria de vê-la novamente no mês que vem." "Obrigada." Eu ofereci a ele minha mão e ele deu um aperto firme antes de sair do quarto e me deixar sozinha com meus pensamentos. Eu vou ser mãe. Não havia mais como negar, nem como ignorar isso. Lá estava meu bebê.


Lรกgrimas se acumularam em meus olhos enquanto eu continuava a focar na imagem diante de mim.


Kyler "É um negócio, então." Quinton olhou para mim com os olhos arregalados. "Quando você está fazendo isso." "Assinamos o contrato na segunda-feira." "Santo inferno, cara, você vai ser um superstar." Ele me deu um tapinha nas costas e eu ri. “Eu dificilmente chamaria estar em um comercial e ter algumas fotos de uma super estrela. Durante noventa por cento do comercial eu vou ter um capacete. Essa foi a parte que me fez questionar a coisa toda desde o começo. Eu não queria ser tratado de forma diferente. "Seja como for, cara, todos nós saberemos que é você." "Eu estou fazendo isso principalmente pela moto." Era verdade, porque isso em si fazia valer a pena. "É uma porra de beleza, cara." Até mesmo o pensamento de que estava na minha garagem me dava arrepios. Eu juntei minha bolsa de ginástica e joguei por cima do meu ombro enquanto me movia em direção à saída. Eu estava de volta à


Califórnia há menos de vinte e quatro horas e ainda achava um desafio funcionar. Quando eu queria dormir, era hora de levantar e vice-versa. A única razão pela qual eu voltei foi pegar algumas coisas e satisfazer minha mãe que, como meu pai disse, estava quase em pânico quando percebeu que eu estaria fazendo um acordo que me fizesse passar a maior parte do meu tempo em outro país. Eu empurrei a porta da frente e olhei para o sol. "Quando você está programado para começar?" Quinton se aproximou e jogou a bolsa no porta-malas do meu carro ao lado do meu. "Programado para voltar à Itália a primeira coisa amanhã." Eu fechei o porta-malas e apertei minhas chaves na minha mão. “Eu saio às seis da manhã, depois duas semanas antes de ter alguns dias de folga novamente. Eu vou estar fora por cerca de um mês ou dois enquanto a filmagem acontece. Depois disso, será esporádico, há um cronograma inteiro de horários e locais ”. "Você nunca vai me contar sobre essa mulher que está em toda a sua página no Facebook?" Eu parei perto da porta do motorista e olhei por cima do carro para ele. "Porque o seu feed está cheio de fotos de você e dela, e maldição, irmão, deixe-me dizer, você trabalha rápido." "O que você quer dizer com trabalhar rápido?"


Meu estômago deu um nó em desconforto. "Fotos de vocês dois ao lado da piscina, em seu hotel, ou talvez fosse o quarto dela, quem sabe." Ele abanou as sobrancelhas. "Eu pensei que você estaria pendurado em Ash para sempre depois do que aconteceu, mas então eu vi aquelas fotos" "Nada aconteceu." "Tudo bem", ele riu, "se você diz." "Eu digo isso." Eu cliquei no botão de desbloqueio no meu chaveiro. "Aurora e eu somos apenas amigos, nada mais." "Aurora, hein?" A maneira como ele disse o nome dela só aumentou a tensão no meu intestino. "O que você está fazendo perseguindo meu feed, afinal?" "Não olhe para mim, quero dizer que você é meio que meu ídolo depois do acordo que você acabou de marcar, mas foi Hayley quem me contou." "E por que sua garota está perseguindo minha página?" Coloquei a chave na ignição. "Você deve estar preocupado que ela sente a necessidade de verificar-se em mim e minha vida." Quando ele não disse nada, eu olhei para encontrá-lo, evitando contato visual. Então isso me atingiu. "Era Ashlynn, não era?"


Ele simplesmente assentiu e eu abaixei a cabeça em derrota. Ela deve pensar a mesma coisa que Quinton fez. "Então elas acham que eu fui para a Itália e fiquei com uma garota aleatória?" Ele apenas deu de ombros em resposta. "É isso que elas dizem?" “Foi mais como 'Você acredita no idiota? Ele é quase tão mau quanto Beau. '” Isso doeu. “Mas eu vim em sua defesa e disse a Hayley que foi Ashlynn quem te afastou. Eu disse a ela que se você quisesse ficar com uma mulher linda na Itália, era da sua conta. "Mais uma vez, não houve nenhuma ligação." Quinton encolheu os ombros. "Tudo bem, mas como eu disse, se você quisesse-" "Eu não fiz." Sem outra palavra, coloquei minha bolsa no carro e deslizei, fazendo com que meus pneus gritassem um pouco. Eu terminei com essa merda, feito com os malditos jogos. Ashlynn pode não querer falar comigo, mas ela vai ouvir. Foi ela quem quis que eu saísse, ela disse isso. Eu só estava fazendo o que ela pediu, e nada disso, nem um momento de merda, foi fácil. "Onde está Hayley agora?" Eu perguntei enquanto dirigia na direção oposta do meu lugar. "Não a vejo desde a noite passada."


Eu apontei para seu colo e seu próprio olhar seguiu essa direção. "Ligue para ela", eu dirigi. “Descubra onde eu posso encontrar Ashlynn sem realmente dizer a Hayley que eu sou o único a pedir. Tenho a sensação de que ela me colocou no mesmo nível de Beau, e se isso for verdade, Hayley, com certeza, não vai permitir que eu fique perto de Ashlynn. "Então você vai me meter em problemas com a minha garota?" "Ligue." Naquele momento eu não dava a mínima, e isso pode ter sido um movimento idiota da minha parte, mas eu precisava da ajuda dele.

***

Sua risada foi a primeira coisa que ouvi e me vi parando perto da cerca apenas para ouvir. Fechei os olhos, imaginando a maneira como a cabeça dela se inclinou para trás, a maneira como a boca dela se abriu, e aquela covinha na bochecha esquerda se tornou mais perceptível. Eu pensei nessas coisas muitas vezes durante meu tempo longe. Uma semana levou a outra e, antes que eu percebesse, três semanas se passaram. Três semanas sem vê-la, conversando com ela, ainda


aqui eu ainda estava sentindo as mesmas coisas que senti quando saí, só que agora acho que elas eram ainda mais fortes. "Isso é bom, não é?" Meus olhos se abriram e involuntariamente meu corpo se moveu para frente por conta própria enquanto eu olhava através da abertura na cerca. Beau estava perto da beira da piscina, usando calções de banho e nada mais. Ele estava olhando para algo à esquerda e, nesse ângulo, a única coisa que eu podia ver eram dois pés descalços. "Isso deveria ser eu relaxando perto da piscina, sozinha." "Sim, mas admita, me ter aqui é muito mais divertido." Apenas o som de sua voz irritou meus nervos. Levou tudo que eu tinha para ficar onde estava, quando a única coisa que eu queria fazer era quebrar o nariz dele. Eu deveria ter sabido que ele voltaria, em vez de lhe dar espaço. "Estar sozinho é superestimado." "É realmente pacífico", acrescentou Ashlynn. "É", Beau concordou, e seu tom de flerte me fez estremecer. "Eu quis dizer que ficar sozinha era pacífica". Minhas mãos tremiam quando eu agarrei minhas chaves mais apertadas.


"Nós costumávamos ser bons juntos, Ashlynn." Eu me movi para a esquerda, totalmente pretendendo afogar sua porra na piscina até que eu ouvi sua resposta. “Nós estávamos sim. Mas você entende que nunca mais seremos nós, não é? Houve uma pausa, um silêncio passageiro que me fez esperar. - Você e eu tivemos a nossa chance, Beau, mas acho que sabia muito antes de você fazer o que fez que não era para ser. "Eu acho que poderia ter nos consertado, se eu não tivesse ..." “Não adianta jogar o que é, acabou. Essa parte de nós acabou de qualquer maneira, mas amigos são bons”. "Amigos." Desprezo escorria de sua voz quando ele repetiu a palavra. “Você estaria me colocando nessa categoria se o que aconteceu entre você e Kyler não tivesse acontecido?” Com a menção do meu nome, ouvi o suficiente. Pisando em torno do lado da cerca, vi Beau olhar na direção do meu movimento e suas costas endureceram instantaneamente. Eu olhei direto para ele, sem saber da reação de Ashlynn à minha presença. "Bem, se não é o próprio Mr. Hollywood", ele zombou. "Aqueles grandes deuses italianos deixaram você ir para uma visita, eu vejo." "Algo parecido." "Onde está sua nova garota?" Ele sorriu. "Você já a jogou de lado também?"


Ele queria que eu mordesse e acreditasse que eu queria, mas isso não era entre ele e eu. Eu escolhi ignorar seus comentários e procurei Ashlynn, que estava sentada quase congelada na espreguiçadeira. Eu notei que ela estava usando shorts e uma camiseta, e foi então que percebi que a pequena festa de natação que eu imaginava que eles tinham não era o que estava acontecendo. "Oi Ash." Eu quase podia sentir minha raiva derreter quando ela ofereceu um sorriso. Não foi tão cheio de bater na sua bunda sorriso, mas era um sorriso, no entanto. "Eu pensei que você estava na Itália?" "Eu fui." Eu andei em direção a ela. "Eu vou." Desapontamento encheu seus olhos e ela olhou para baixo em direção ao seu colo. "Eu vou embora amanhã, mas esperava poder conversar." "Clássico", disse Beau, e tanto Ashlynn quanto eu olhamos em sua direção. Um olhar presunçoso estava em seu rosto enquanto ele estava lá com os braços cruzados sobre o peito. "Por que você está aqui, afinal?" Eu perguntei, sentindo-me mais uma vez vibrar com irritação. "Isso não tem nada a ver com você." "Nada a ver comigo." Ele abaixou as mãos e as fechou ao seu lado. “Ela era minha garota e você dormiu com ela. Você era meu melhor amigo e sabia como eu me sentia, como me arrependi de ter feito o que tinha feito, mas você ainda foi atrás dela.


Não foi assim que eu planejei esse dia. No entanto, aqui estava ele me desafiando e algo dentro de mim estalou. "Eu fui atrás dela?" Minha voz ecoou pelo espaço enquanto eu me movia em direção a Beau. “E quando você se aproximou dela pela primeira vez, huh? De volta àquela festa que levou ao seu relacionamento. Você só foi atrás dela depois que expressei interesse. Então, quem é o babaca, Beau? Quem é o idiota que nem levou a sério a nossa amizade? Ele olhou para mim, sem dizer nada em resposta. "Exatamente", eu disse uma vez que estava a poucos metros dele. “Eu a vi, lembro-me de dizer a você o quão linda eu achava que ela era. Eu virei minha cabeça por cinco minutos e a próxima coisa que eu sei é que você está do outro lado do jardim, batendo na mesma garota que eu acabei de dizer a você que chamou minha atenção. "Você deveria ter se movido mais rápido." "Você deveria ter segurado com mais força." "Pare." Eu olhei para trás por cima do meu ombro para ver Ashlynn de pé com um olhar irritado em seu rosto. “Chega, vocês dois. Eu não sou algum prêmio para ser ganho depois de uma batalha. Que diabos está errado com vocês dois?


Ela começou a se mover em direção ao caminho que levava à sua casa e eu me virei com todas as intenções de atrasá-la. Beau agarrou meu braço e, sem aviso, eu me virei para encará-lo e segurei-o pelo pescoço. "Solte." "Deixa a em paz." Ele estremeceu as palavras quando eu apertei um pouco mais apertado. "Você não a merece." "Nenhum de nós faz." Eu empurrei contra ele, liberando meu aperto e ele tropeçou para trás. Eu saí correndo, ganhando Ashlynn quando ela chegou à porta dos fundos. "Por favor, Ash." "Eu não posso fazer isso com vocês dois, eu simplesmente não posso." Ela se virou para mim e eu congelei, vendo novas lágrimas manchando seu rosto. “Eu costumava pensar que você era tão diferente, Kyler. Você era o cara legal, aquele que a maioria das garotas sonharia em ser notado. Você foi a combinação perfeita de tudo de bom, com um garotinho maltratado. ” Senti meu ritmo cardíaco aumentar em sua explicação do que ela pensava de mim. “Você sempre foi tão doce, e eu admito que gostei quando você ficou ao meu lado, sempre lá para tentar proteger mais. Gostei muito mais do que tinha direito.


Eu engoli a espessura da minha garganta enquanto ela continuava. “Tudo desmoronou no momento em que dormimos juntos, e isso é parcialmente minha culpa. Deveríamos ter permanecido apenas amigos. Suas palavras arderam. "Você precisa ir para a Itália, aproveitar esta oportunidade que lhe foi dada e deixar de lado o que quer que seja." "Eu não quero deixar isso pra lá." “Pelo que vi você já tem, então por que isso? Porque agora? É porque ela está lá e eu estou aqui? Suas perguntas me confundiram. "Você seguiu em frente, então, por favor, apenas deixe ir." "É sobre Aurora?" Eu vi Ashlynn recuar quando mencionei a garota que eu conheci. "Não é o que você pensa." "Não importa o que eu acho", disse ela em resposta rápida. "Você não me deve nada." “Eu a conheci enquanto vagava pelas ruas da Itália, me sentindo perdido sobre o que aconteceu entre nós. Eu estava fodidamente miserável, Ashlynn, estando tão longe de você, sendo incapaz de consertar a merda que se desfez. Ela desviou o olhar e eu sabia que ela não acreditava em mim. “Você quer saber sobre o que conversamos toda vez que compartilhamos um jantar ou uma caminhada? Inferno, todo


maldito tempo estávamos juntos. Ela ainda não olhou para mim. "Você." Ela olhou para mim, seus olhos nublados com lágrimas não derramadas. “Ela me ouviu falar sobre a garota que eu não consigo tirar da minha cabeça. A mulher que eu vejo toda vez que eu fecho meus olhos. Eu podia ouvir Beau se aproximando de trás de mim, mas eu não dava a mínima. Minha mente estava correndo, minha adrenalina estava bombeando, e eu senti como se estivesse desmoronando nas costuras. “Você pensaria que ela teria se cansado de ouvir sobre aquela mulher perfeita, mas em vez disso ela escutou. Ela me disse que se meu coração estivesse com aquela mulher, então eu deveria fazer o que fosse necessário para garantir que ela entendesse o quanto ela significa para mim. ” Eu senti como se estivesse batendo minha cabeça contra uma parede de tijolos. "Você me disse para ir." Eu queria estender a mão e enxugar a lágrima que havia caído e estava deslizando por sua bochecha. “Então eu fui, mas não porque eu queria. Eu pensei que estava te dando o que você precisava. Eu pensei que estava dando tempo a você.


Ashlynn Eu sentei em uma cabine, pegando a franja na toalha de mesa que estava pendurada sobre a mesa. Meu estômago revirou enquanto eu tentava ensaiar as palavras que eu queria dizer em minha mente. Cada vez acabei esquecendo, só para recomeçar e acabar voltando no mesmo lugar. Perdida. Eu passei as últimas horas refletindo sobre onde eu estava e como cheguei lá. Mas eu sabia que não importava o quanto eu choramingasse e reclamei, não importa quantas lágrimas eu derramasse, isso não mudaria o resultado. Eu ia ser mãe e Kyler ia ser pai. Ele merecia saber, mesmo que a ideia de vê-lo me fizesse sentir náuseas. Porque a verdade era que mesmo que eu tentasse me convencer de que a nossa noite juntos não era nada especial, eu sabia diferente. "Ashlynn." Eu pulei em reação ao som de sua voz e no processo puxei a toalha de mesa, derrubando minha água. Felizmente, estava apenas meio cheio e Kyler resgatou antes que estivesse completamente vazio.


"Merda", eu murmurei enquanto eu me punia por estar tão tensa. "Está bem." Kyler levantou a mão no ar, sinalizando a garçonete. "Foi minha culpa por assustar você." Pensei em dizer a ele que era eu e meus nervos, mas ao invés disso, observei como Kyler ajudava a garçonete a recolher a toalha de mesa molhada, e então a ajudei a secar a mesa antes de tomar um canto para ajudar a espalhar a nova. Ele agradeceu por sua ajuda, e quando ela se afastou, ele se sentou em frente a mim, parecendo quase tão nervoso quanto eu me sentia. "Estou feliz que você ligou." Ele colocou a palma da mão contra a mesa e bateu os dedos como se sentisse a necessidade de mantê-los ocupados. "Eu tenho saudade de você." "Você não deveria sentir falta de alguém com quem você compartilha uma noite", eu disse livremente, ainda tentando empurrar o que tinha acontecido. Ele não mais se absteve de me tocar quando sua mão pousou sobre a minha. Eu não me afastei. Foi realmente reconfortante, embora meu coração estivesse gritando por eu sair dessa névoa. "Isso não é o que era." Ele se inclinou para mais perto e olhou diretamente nos meus olhos. “Eu quis dizer tudo o que eu disse para você. Tudo o que compartilhamos foi muito mais que uma noite. ”


Eu olhei para as nossas mãos unidas, assim como Kyler ligou seus dedos aos meus. “Eu nunca deveria ter interpretado isso como nada para Beau, eu deveria estar na linha de frente desde o começo. Eu acho que eu apenas senti que eu queria protegê-la da reação que eu sabia que viria quando ele descobrisse. Nós dois sabemos como ele é quando não consegue o que quer. De alguma forma, seu melhor amigo dizendo que ele se apaixonou por sua ex-namorada no meio da sua sala de estar, ou mesmo na calçada perto de uma rua movimentada não soou como a opção mais lógica. ” "Eu não pedi aqui para recapitular as coisas que não deveríamos ou deveríamos ter dito." Eu engoli o nó se formando na minha garganta. "Não é importante-" "Isto é." Eu assisti em confusão quando Kyler se levantou e se moveu ao redor da mesa. Ele sentou no espaço ao meu lado. “Eu estraguei tudo, Ash. Eu deveria ter dito a ele que havia algo entre nós. Eu não deveria ter dado a mínima para o que ele tinha a dizer, porque você estava certa, nós não lhe devíamos uma explicação. Eu respirei fundo enquanto me preparava para dizer a ele o que eu vim aqui para dizer. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele começou de novo. "Eu fiz parecer que o que nós compartilhamos não era nada, mas a verdade é," ele deslizou para perto e colocou o dedo sob o meu queixo, aplicando cuidadosamente a pressão para que eu o encarasse, "era tudo."


Eu tentei desviar o olhar e ele me parou. "Sinto muito, Ashlynn." "Estou grávida." As palavras voaram para fora de mim com pressa. “Eu não queria te contar pelo telefone, não parecia certo. Isso não foi planejado, mas... As palavras foram perdidas quando seus lábios pressionaram os meus. "É por isso que você estava doente?" Eu assenti. "Nós estamos grávidos?" Eu balancei a cabeça novamente enquanto esperava que ele surtasse, pânico ou qualquer outra coisa. Mas a única reação que ele expressou foi um sorriso maior do que qualquer outro que eu tivesse visto dele. "Eu não estou lhe dizendo isso porque eu espero qualquer coisa, eu apenas senti que você deveria saber." "Você pode não esperar nada", seu polegar arrastou ao longo do meu lábio inferior, "mas eu estou aqui. Para tudo." Eu balancei a cabeça e ele segurou minha mandíbula, uma mão de cada lado, me segurando ainda. "Sim", disse ele com convicção. Quando ele abaixou uma mão e colocou sobre meu estômago, eu juro por um momento que eu esqueci de respirar. "Todos os três estão juntos nisso."


"Eu não vou negar que você faça parte da vida de seu filho." Eu olhei para ele antes de desviar o olhar novamente. Eu não conseguia tirar o olhar de medo em seus olhos. "Onde isso nos deixa, Ash?" Eu tomei uma respiração profunda após a outra, sentindo meu coração doer com uma dor tão intensa que eu senti como se fosse desmaiar. "Você vai voltar para a Itália", eu sussurrei, concentrando-se em minhas mãos enquanto eu as torcia nervosamente. “Você vai arrebentar fazendo este comercial e tudo mais que isso implica. E vou ficar aqui fazendo o que venho fazendo todos os dias desde que descobri que estava grávida. "E o que é isso?" Foi então que eu olhei para ele. "Tomar um dia de cada vez." "E se isso não for o suficiente para mim?" A voz de Kyler rachou de emoção. "Tem que ser." Eu precisava de tempo para descobrir o que eu queria. Isso pode parecer egoísta, mas eu sabia que era o que eu precisava. Não era mais apenas sobre ele e eu, haveria um dia uma criança envolvida. Eu tinha que fazer isso direito, porque até então eu estava fazendo tudo errado.


***

Dizer a meus pais que estava grávida era quase tão estressante quanto contar a Kyler. Eu senti como se tivesse dezesseis anos de novo e entregar uma grande rodada de decepção para as duas pessoas que eu nunca quis decepcionar. Saí

do

restaurante

me

sentindo

esgotada

depois

que

compartilhei a notícia com ele e agora lá estava eu me perguntando o que eles pensariam quando eu compartilhei que sua filha solteira foi derrubada por um cara que ela não estava nem em um relacionamento. Foi minha culpa, eu sabia, mas era melhor do que mergulhar de cabeça e ter tudo explodir na minha cara. Não havia garantia de onde esse trabalho na Itália o levaria, que tipo de estilo de vida seria desencadear. Eu tive que manter meu coração seguro. Meu pai foi o primeiro a falar. “Seu silêncio está apenas nos deixando preocupados, Ashlynn. Você se importa de nos dizer o que está acontecendo antes de assumirmos o pior? "Depende do que você sente que o pior pode ser." Eu vi o jeito que ele inclinou a cabeça apenas um pouco, obviamente descontente com o meu comportamento ilusório. "Ashlynn." O aviso na voz da minha mãe soou claro.


"Que tal, eu estraguei tudo." Eu olhei entre minha mãe e meu pai. "Eu fui descuidada e agora estou grávida." Meu pai não pareceu surpreso quando ele se inclinou para trás e relaxou contra o sofá atrás dele. Eu esperava um olhar triste em ambos os rostos, mas minha mãe sorriu largamente. Dizer que fiquei chocada é um eufemismo. "Ele sabe?” minha mãe perguntou e eu continuei a olhar para ela sem expressão. "Eu diria que isso está relacionado com a conversa acalorada que eu vi ocorrendo mais cedo na piscina entre dois homens." Eu apenas assenti. "Então, novamente eu vou perguntar, ele sabe?" "Eu disse a Kyler mais cedo hoje à noite." Minha mãe assentiu e pude visivelmente ver os ombros do meu pai caírem de alívio. "O que?" Ele perguntou quando minha mãe lhe deu um olhar curioso. "Estou feliz que ela não tenha dito que Beau era o pai." "Papai." “Estou apenas brincando, querida, mas fico feliz em saber que é o Kyler. Ele e o pai dele são homens de pé e eu sei que ele fará a coisa certa por você e este bebê. ”


"Nós não estamos juntos." Ambos me olharam com surpresa. “Nós poderíamos ser, mas eu acho que só preciso de um tempo para isso acontecer. Ele tem esse acordo na Itália e eu não posso competir com isso agora. ” "Não há competição", meu pai disse com firmeza e eu assenti. "Você e esta criança vêm antes de mais nada." Eu esperava que sim, mas não havia garantia de que este acordo não levaria a mais e eu vi o que esse tipo de vida fazia para relacionamentos.


Kyler "Um bebê." Olhei através da mesa para Aurora enquanto ela balançava a cabeça, com um sorriso. "Isso é bom, não?" "Seria melhor se ela basicamente não me dissesse que ela e eu não éramos nós." Ela franziu a testa em confusão. "Eu saí da Califórnia sem saber o que vai acontecer depois de terminar aqui." "Então ela precisa de tempo?" "Ela sempre precisa de tempo." Aurora riu quando ela estendeu a mão e colocou a mão sobre a minha. “As mulheres estão cheias de dúvidas e medos. Em nossas mentes, estamos sempre olhando para o pior cenário e permitindo que ele atinja nossas mentes. ” Agora eu era o único confuso. “Ela precisa saber que você está com ela agora por todas as razões certas e não simplesmente porque você é um bom homem. Você tem que mostrar a ela que o que você sente por ela é real e não uma obrigação de fazer a coisa certa”. "Eu disse a ela que eu a queria antes mesmo de saber sobre o bebê."


"Sim." Aurora assentiu enquanto se recostava mais uma vez em sua cadeira. "Mas agora você está aqui e por quanto tempo?" "Quatro semanas, seis talvez." "Isso é muito tempo nos olhos de uma menina que está carregando seu filho." Ainda era difícil acreditar que Ashlynn estava grávida e que eu seria pai. “São seis semanas agora, mas depois disso será mais. Você me disse que todo este acordo poderia ser de meses, e não nos esqueçamos dos eventos promocionais que se seguem. Fama, festas ... Ela encolheu os ombros. "Isso não sou eu", eu disse. "Eu não quero essa vida." "Então por que você aceitou o acordo?" "Honestamente?" Quando ela acenou com a cabeça eu era o único inclinado para a frente. "Eu queria a maldita motocicleta livre e clara." Isso a fez rir. "É uma moto bonita." Eu sorri de volta, embora por dentro eu senti como se estivesse desmoronando. Eu queria pegar o primeiro avião que podia e voltar para a Califórnia. Eu queria ficar lá e forçar Ashlynn a aceitar que as coisas que eu senti foram desenvolvidas muito antes de eu saber que ela estava carregando meu bebê. Esse fato apenas selou o acordo. Ela era minha, ela só precisava aceitar isso também.


"Não pode levar um bebê em uma motocicleta, no entanto." Aurora recuperou minha atenção e encolheu os ombros com um olhar satisfeito quando percebeu que eu não tinha nada a dizer em troca. Então isso me atingiu. "Não, talvez não, mas eu garanto que meu filho vai ser o garoto mais legal na escola quando ele subir na motocicleta e todas as garotas virarem a cabeça na direção dele." "Poderia ser uma menina", disse ela, enquanto levantava o copo de vinho aos lábios, tentando esconder seu sorriso. "Eu pensei que você era minha amiga?" "Eu sou", ela abaixou o copo, "é por isso que estou estourando sua bolha." Ela se levantou e colocou a bolsa por cima do ombro enquanto se inclinava para beijar minha bochecha. É um gesto que ela me ofereceu com frequência. “Ligue para sua garota e verifique ela. Mesmo que ela não responda, Kyler, deixe uma mensagem longa para ela. Aurora saiu sem outra palavra. Ela estava certa, ter um amigo na cidade era muito melhor do que estar sozinho. Em pouco tempo ela se tornou uma grande parte da minha vida.

***


O telefone tocou pela terceira vez e com cada um senti meu coração afundar. Era na hora do almoço na Califórnia, no domingo não menos, então imaginei que alcançá-la seria fácil. Eu estava prestes a perder a esperança quando alguém pegou do outro lado. "Olá?" "Oi Hayley." Sentei-me no final da cama e descansei meus cotovelos sobre os joelhos, segurando o telefone firmemente no meu ouvido. "Ashlynn está por perto?" "Bem, se não é o cara que bateu na minha amiga e pulou a cidade, inferno, você pulou o país." Hayley era vocal, como em tudo o que estava em sua mente ela diria sem pensar duas vezes. "Hayley, escute, eu—" "Eu só estou brincando com você", ela me interrompeu e pelo tom de sua voz eu quase podia vê-la sorrindo. "Como eu te disse há muito tempo atrás, eu sou Equipe Kyler." "Obrigado", eu disse com uma risada. “Agora eu admito, quando eu pensei que você estava na Itália se conectando com alguma mulher tipo deusa que eu odiava você. Como se eu quisesse castrar você e ver você sangrar. Eu segurei meu riso porque eu tinha a sensação de que ela não teria apreciado isso. “Mas acho que uma parte de mim sabia que você não faria isso. Lembrei-me do jeito que você olhou para Ashlynn quando


você não acha que alguém não estava te observando. Alguém que olha para uma mulher assim não vai deixar passar sem lutar. Estou feliz que ela tenha entendido. "Então você vai lutar, certo?" "Sim, Hayley." Meu sorriso aumentou. "Eu vou lutar." "Bom, é melhor você lutar mesmo." Quinton tinha as mãos cheias com essa mulher, com certeza. Eu quase senti pena do cara. “Então eu posso falar com ela?” "Ela está dormindo." Eu ouvi o barulho do outro lado do telefone. “Aceite meu pedido.” "O que?" "Olhe para o seu telefone, Kyler." Eu a imaginei revirando os olhos daquela maneira quando ela estava irritada. Eu fiz o que ela pediu e puxei meu telefone para longe do meu ouvido. Um pedido de vídeo estava esperando e eu aceitei enquanto assistia a tela. Então a tela se iluminou e lá na minha tela estava Ashlynn, dormindo profundamente. Ela estava enrolada de lado, o travesseiro perto, o cabelo preso no rosto, no que parecia ser uma enorme bagunça. "Ela teve uma manhã difícil." Ouvi a voz de Hayley, mas ainda podia ver Ash na tela.


"Manhã difícil?" Eu deslizei para fora da cama e usei o colchão atrás de mim para descansar minhas costas contra. "Como foi difícil?" "Ela não está muito bem com a doença da manhã", disse Hayley suavemente e eu assumi que era por medo de acordar Ashlynn. “Nós tivemos que levá-la ao pronto-socorro e deixá-la reidratada. Tem sido ruim, Kyler, como cubos de gelo e picolés a fazem vomitar também. A culpa me atingiu com força porque eu deveria estar lá com ela, mesmo que ela me dissesse para ir. "Ela só dormiu por cerca de uma hora, mas se você quiser que eu a acorde, eu posso." "Não", eu a interrompi, "deixe-a dormir." Houve um silêncio que se instalou enquanto eu a observava dormir. Eu queria estender a mão para ela e empurrar para trás o cabelo que caíra perto do olho dela. Eu queria sentir sua pele macia sob a ponta do meu dedo e fazer tudo que pudesse para confortála. "Eu posso ver uma tristeza em seus olhos quando ela fala sobre como ela deixou as coisas entre vocês dois." Hayley falou de novo e esse vazio no meu peito se intensificou. "Eu só acho que talvez ela esteja com medo de te segurar e você a odeie por isso mais tarde."


"Isso é ridículo." Eu soltei a respiração profunda que eu estava segurando. "Mas eu entendo." O silêncio tomou conta de nós mais uma vez e eu me concentrei em Ashlynn, o jeito que ela estava deitada com a mão escondida em segurança sob sua bochecha. Deus, ela era tão linda que literalmente doía estar tão longe dela e ser incapaz de segurá-la. Eu posso ter tido apenas aquela noite com ela, mas naquela noite foi o suficiente para me assegurar que ela era tudo que eu queria. "Vou dizer a ela que você ligou", acrescentou Hayley. "Talvez ela possa ligar de volta mais tarde." "A qualquer hora, não importa, e você pode me fazer um favor?" "Certo." Respirei fundo, agradecido por pelo menos ter Hayley ao meu lado. “Você pode dizer a ela que eu não vou a lugar nenhum? Mesmo que esteja a milhares de quilômetros de distância agora, não será para sempre. Diga a ela que vou voltar e que vou esperar por ela o tempo que for necessário. Quando ela não respondeu imediatamente, entrei em pânico. "Hayley?" "Sim", ela finalmente falou. “Eu direi a ela. Tchau Kyler. Eu assisti a tela por mais alguns segundos antes que a ligação terminasse e eu fiquei sentindo como se eu tivesse o vento


nocauteado para fora de mim. Essa distância entre nós era bastante difícil, mas saber que ela estava sofrendo, sabendo que ela sentia que tinha que me poupar dessa experiência, só tornava isso muito mais difícil.


Ashlynn "Deixe-me ajudá-la a voltar para a cama." Eu olhei para cima do meu lugar no chão do meu banheiro para ver Hayley se movendo em minha direção. Acordei no sofá há uns trinta minutos e, a partir do momento em que meus pés caíram no chão, corri para o banheiro. Meu estômago ficou tenso e eu me levantei quando me ajoelhei diante do vaso sanitário e mais uma vez esvaziei o conteúdo do meu estômago. Foi no momento em que começou a doer. Minha garganta estava em carne viva, meu peito doía. Na verdade, todos os músculos do meu corpo doíam. "Eu não acho que posso fazer isso", eu murmurei quando olhei para a minha esquerda para vê-la olhando para mim com o rosto gravado em preocupação. Eu não tinha certeza do que estava me referindo, talvez a ideia da gravidez ou ser mãe. Ou talvez fosse o fato de que eu estava além de exausta e meu corpo parecia tão fraco. "Você está cansada, Ashlynn, vamos levá-la para a cama e tentar manter algumas lascas de gelo." Eu balancei a cabeça enquanto me


abaixei para a telha fria do chão do banheiro e pressionei minha bochecha na superfície calmante. "Ash," Hayley sussurrou quando ela se ajoelhou ao meu lado e afastou o cabelo do meu rosto. "Você está meio que me enlouquecendo." "Estou bem", eu disse, fazendo o meu melhor para acreditar em minhas palavras. Eu não tinha escolha, se queria que isso acontecesse ou não. "Eu ficarei bem." Acho que disse isso mais para meu próprio benefício do que para acalmar Hayley. "Eu realmente fiz uma bagunça das coisas, não fiz?" Quando ela não respondeu imediatamente, olhei para minha melhor amiga, que ainda permanecia ajoelhada ao meu lado. Eu observei enquanto ela lentamente se sentou no chão e estendeu a mão para afastar o cabelo do meu rosto. "Ele estava aqui e em vez de eu dizer a ele que eu não queria nada mais do que ele ficar ao meu lado com isso, eu apenas o afastei." O vazio dentro de mim não era apenas devido à quantidade excessiva de palpitação. Eu sabia muito disso. Fechei os olhos e me concentrei em respirar, fazendo o meu melhor para me acalmar. "Ele ligou." Abri os olhos e observei-a por alguns segundos, pensando que talvez a tivesse ouvido errado. "Enquanto você estava dormindo, ele ligou e conversamos por um tempo."


"Sobre o que?" "Você." Um sorriso puxou o canto de seus lábios. "Eu sei que você acha que estragou tudo, mas posso garantir que ele não está indo embora." "Eu não quero que ele perca esta chance, ele merece." "E você merece ser feliz." Ela estendeu a mão e fez sinal para eu colocar a minha na dela. "Então vamos para a cama e começar a fazer isso acontecer." Eu coloquei minha mão na dela, de repente sentindo todo tipo de bobagem por ter uma amiga tão incrível. Essa bagunça não era dela, mas lá estava ela, ao meu lado. Ela tinha estado lá através da mudança do meu humor, durante o dia e a maior parte da noite enquanto eu vomitava, e mesmo quando adormeci nos momentos mais estranhos, ela ficou. "Eu te amo, Hayley," eu disse a ela enquanto ela me ajudava a entrar na minha cama e me colocava como a rainha educada que ela era. "Eu não sei o que faria sem você." Uma vez que as cobertas foram colocadas ao meu redor, ela sentou ao meu lado e me deu os olhares mais sérios. “Você nunca terá que descobrir, Ash, porque eu também te amo. Eu estou aqui, eu te disse isso, não importa o que aconteça.


Fechei os olhos e lentamente respirei um após o outro. Não demorou muito tempo para ceder ao esgotamento que senti e a escuridão tomou conta.

***

"Você perdeu mais quatro quilos, Ashlynn." Eu mergulhei a cabeça e olhei para o meu colo, evitando o olhar direto que meu obstetra me deu. “E foram dois quilos antes disso. Neste momento você está pesando menos do que você fez na sua primeira visita. ” "Eu não consigo manter nada." Eu tentei, acredite em mim, tentei, mas o mero pensamento de mastigar qualquer coisa e engolir me deu a sensação mais nauseante. “O B6 não parece estar ajudando sozinho, então eu gostaria de tentar uma combinação disso e uma medicação de balcão chamada doxilamina. Um efeito colateral disso é que você pode ficar sonolenta, por isso não é recomendável dirigir. Estou preocupado com a sua perda de peso, Ashlynn. Se não conseguirmos controlar isso, receio estar recomendando a entrada no hospital. Meu estômago ficou tenso, só que desta vez não tinha nada relacionado com a doença em curso que eu sentia. Eu só queria


estar em casa na minha própria cama, não em algum hospital obsoleto enquanto enfermeiras e médicos me cutucavam. "Vou tentar o que puder para conseguir isso sob controle." Eu só queria ser capaz de segurar um pedaço de torrada e um ginger ale. Aquilo foi pedir demais? "Eu quero vê-la novamente desta vez na próxima semana." O Dr. Mitchell se levantou e cruzou os braços sobre o peito. Para um homem de meia-idade, ele era muito bonito, uma leve penugem no queixo, tingido de cinza que parecia se destacar contra a cor mais escura de sua barba. - A menos que você continue com essa incapacidade de manter até mesmo a menor das refeições. Eu gostaria que você coma pequenas refeições ao longo do dia. Biscoitos, torradas, mas fique longe de gordura e amido. Comidas ácidas também permaneçam brandas por enquanto. "OK." Comecei a escorregar da mesa e ele estendeu a mão para oferecer sua mão. "E descanse." Ele me deu aquele olhar paternal que eu tinha visto do meu próprio pai com frequência. Seus olhos se estreitaram, suas sobrancelhas se franziram, lábios franzidos. Não me restou outra opção senão concordar. Eu comeria a comida mais suave se isso significasse que eu seria capaz de me nutrir e a meu bebê. Essa coisa toda estava me drenando fisicamente e emocionalmente.


Depois que fiz o check-out, encontrei Hayley na sala de espera e entreguei-lhe o papel. "Doxy o que?" "Doxylamine". Eu pronunciei a medicação apenas porque ouvi o médico dizer isso alguns minutos antes. Caso contrário, eu também estaria com a língua presa. “Ele gostaria que eu levasse isso com o B6 e comesse pequenas refeições leves durante o dia. Coma um pouco e depois espere algumas horas antes de tentar novamente. "Isso soa gostoso", ela murmurou enquanto caminhávamos para fora, e eu olhei para trás por cima do meu ombro, dando-lhe um olhar que eu tenho certeza que expressei o quão feliz eu estava por comer papelão. "Eu não posso esperar até que eu possa comer uma pilha enorme de Doritos ou chips de cheddar e creme azedo sem jogá-los dez minutos depois." "Ou um hambúrguer de Larry", disse Hayley e soou mais como um gemido. "Com batatas fritas com queijo," acrescentei e me arrependi quase instantaneamente. Aparentemente pequena pepita não concordou e eu me encontrei praticamente ofegante quando eu fiz o meu melhor para manter a náusea na baía. Um zumbido familiar soou da minha bolsa quando nos aproximamos do carro de Hayley e eu parei para tirar o celular da minha bolsa. Meu coração disparou quando vi o nome de Kyler na


tela. O sentimento nauseante anterior foi substituído por um dos nervos e eu não vou mentir - excitação também. Rapidamente passei o dedo pela tela. "Olá." "Você e o bebê estão bem?" Eu estava um pouco confusa com a pergunta dele. "Um sim." Eu olhei através do capô do carro para Hayley, vendo seu nariz enrugado quando ela me deu aquele olhar curioso dela. "Eu estou bem." Quinton disse que Hayley tinha que levar você ao médico hoje. E ontem ela me disse que eles tinham você no pronto-socorro no início do dia. Eu podia ouvir o som da música tocando no fundo e era quase como se ele estivesse segurando a mão dele ao telefone. Ele ficaria mais alto quando ele falasse, mas depois ficaria abafado logo depois. "Nada disso parece que você está bem, Ash", acrescentou ele, e eu virei para o lado para descansar meu quadril contra o parachoque do carro. "O que o médico disse?" "Apenas a doença matinal típica", eu joguei fora como nada. Por que ele se preocupa? "Isso é tudo. Eu só preciso tomar uma medicação para náusea e comer refeições menores é tudo ”. "Kyler, eles estão prontos para você." Eu ouvi a voz de um homem pouco antes de ele cobrir o telefone mais uma vez. Desta


vez eu ouço sua voz abafada enquanto ele fala com quem estava perto dele. "Hayley está com você agora?" ele perguntou. O aumento repentino no tom de sua voz me pegou desprevenida, fazendo meu corpo sacudir em reação. "Sim." "Eu tenho que ir, mas vou ligar quando terminar esta sessão." Fechei os olhos, deixando minha mente imaginar algumas filmagens extravagantes, algum lugar mágico na cidade. As luzes ao redor dele, os belos edifícios da cidade à distância enquanto ele posava para a câmera. Eu já tinha visto fotos suficientes que minha mãe fez para saber o que acontece. Então minha mente foi para as mulheres que provavelmente também fizeram parte daquela sessão e meu coração afundou. "Eu sei que você me disse para ir, Ashlynn, mas nada disso parece certo." Eu engoli as emoções causando um aperto na minha garganta. "Eu deveria estar aí com você." "Você está onde deveria estar, Kyler." Na minha cabeça eu estava gritando não, eu preciso de você aqui comigo. "Esta é uma chance única na vida e você merece isso." “Estar com você, compartilhando a experiência de nosso filho com você, é uma chance única na vida. Nada disso significa nada


para mim, Ashlynn. Eu fechei meus olhos com força. "Se eu não fosse obrigado por contrato, eu me afastaria agora, porque enquanto você pode não querer ouvir isso, querida, o único lugar que eu quero estar agora é com você." Tentando esconder o arrepio na minha respiração, afastei o telefone da minha boca. “Passei os últimos dois meses sentindo sua falta como um louco. Ficar longe não foi fácil, Ash. "Acredite em mim quando digo que neste momento você não está perdendo nada de glamoroso." Eu tentei fazê-lo rir, mas só encontrei silêncio. "Eu me tornei muito familiarizada com as linhas de argamassa no meu piso de cerâmica no banheiro." "Eu vou voltar para casa em algumas semanas." "Kyl-" "Argumente comigo tudo o que você quer", ele me interrompeu, "mas não vai mudar nada. Você quer me afastar, vá em frente, mas deixe-me assegurar-lhe que sou teimoso, então, no final, vou vencer. Isso me fez sorrir. "Eu sei o que você pensa", acrescentou. "Ah sim, e o que eu estaria pensando?"


"Que eu quero você porque eu sinto que é a coisa certa a fazer." Senti-me naquele momento como se tivesse mordido muito mais do que podia engolir. A sensação de que eu não conseguia respirar me atingiu de uma só vez. "Mas há algo que você precisa saber." Eu não perguntei a ele porque eu estava com medo de falar. Honestamente, eu não tinha certeza se poderia tentar. "Eu queria você muito antes de ficar grávida." Ouvi-lo dizer que me fez sorrir. “Eu queria você desde o primeiro momento em que te vi, mas em vez de ir até você, sentei-me e permiti que outra pessoa se mudasse para a garota que eu queria. Eu não vou cometer esse erro novamente. Houve alguns segundos de silêncio antes que ele continuasse. “O fato de você estar carregando meu filho apenas cimenta o que eu já sabia. Nós pertencemos juntos, Ashlynn. Fechei meus olhos com força, tentando lutar contra as lágrimas que começaram a turvar minha visão. "Vou esperar o tempo que for necessário para você descobrir isso, mas posso prometer uma coisa a você, não vou me afastar." Senti Hayley subir ao meu lado quando ela estendeu a mão e colocou a mão no meu ombro, e eu abri meus olhos, permitindo apenas as lágrimas que eu estava desesperadamente tentando lutar para cair livremente.


"Eu só quero a chance de provar a você que eu posso ser o cara para você, e o pai que nosso filho merece." Novamente houve um anúncio alto que filtrou através de seu final da linha. Um que eu não conseguia entender, mas sabia que isso significava que essa conversa estava chegando ao fim. "Eu tenho que ir, Ash." "OK." A palavra caiu dos meus lábios em um sussurro. "Eu quis dizer o que eu disse, querida." Eu quase podia imaginálo sorrindo daquele jeito confiante que ele tinha. "Eu não estou indo embora disso."


Kyler As últimas duas semanas foram uma cena louca atrás da outra, de jantares a sessões de fotos, a passeios pelas ruas de Bolonha na minha nova moto. Essa foi a minha parte favorita; Isso me deu tempo para pensar. Hora de imaginar meu futuro e o que ele realizou. Era sempre o mesmo - Ashlynn ao meu lado. Conversamos várias vezes, mas na maioria das vezes eram conversas curtas. Eu checando ela e o bebê, ou ela perguntando sobre o meu dia, mas no final de cada conversa eu sempre asseguraria a ela sobre a mesma coisa. Eu queria isso, queria uma vida com ela e nosso filho. "Então você está embalado?" Eu me virei para encontrar Aurora em pé na entrada do quarto da suíte em que eu estava morando. Na verdade, era mais como meu próprio pequeno apartamento. Eu lhe dera um cartão-chave há algum tempo quando tinha esquecido minha carteira depois de correr para uma sessão de fotos e não tive tempo de correr de volta


para o hotel para buscá-la. Eu apenas nunca aproveitei o tempo para recuperá-lo. A relação que Aurora e eu tínhamos formado era quase como um tipo irmão-irmã. Eu pensei que poderia honestamente dizer que ela era uma das minhas melhores amigas. A mulher era linda e não estou falando apenas da aparência dela. Quero dizer sim, ela era linda, mas eu não a via assim e ela sabia disso. Ela respeitava o que eu sentia por Ashlynn e nunca tentou me afastar disso. Eu respeitava Aurora. Ela tinha uma alma incrível e eu realmente acreditava que se Ashlynn e ela se conhecessem, Ash a amaria também. "Terra para Kyler", acrescentou ela com uma risada. “Você já embarcou naquele avião para a Califórnia ou planeja se despedir primeiro?” Ofereci-lhe um olhar conhecedor enquanto colocava a última das minhas camisas na minha mala antes de atravessar a sala em direção a ela. "Pare de fazer beicinho, esquisito", eu disse quando passei meus braços em torno dela e a puxei para perto. "Você é tão carente". Eu podia sentir seu corpo tremer quando a risada derramou de seus lábios.


“Por favor, estou feliz que estou dando um tempo de babá do seu traseiro. Você é o necessitado, nunca pensei que os homens pudessem ser tão flácidos e dramatizados. É como ter uma irmã por perto. "Espertinha." Eu levantei minha mão e comecei a fazer-lhe cocegas, só que ela se afastou rapidamente. "Estou falando sério, me faz agradecer por ser filha única." Eu podia ver o humor dançando em seus olhos. Aurora sentiria minha falta se ela admitisse ou não. Isso me fez pensar no que aconteceria quando eu realmente saísse para sempre. Eu sabia que o que quer que acontecesse, eu queria permanecer em contato. "Você está pronto para esse passeio para o aeroporto?" "Sim." Eu estava mais do que pronto. Por duas semanas eu estava contando os dias. Eu não podia esperar para ver Ashlynn e deixar todas as merdas que aconteceram no passado. Tudo o que importava era agora e que ela me permitia provar o quanto eu queria estar em sua vida e a de nosso filho. Ainda me surpreendia que eu fosse ser pai. Eu ainda tinha que contar aos meus pais, porque não era algo que eu quisesse fazer na noite anterior à minha partida para voltar para a Itália. Eu também não queria que eles soubessem que as coisas entre Ashlynn e eu estavam tão estragadas.


Eu esperava que talvez Ashlynn e eu pudéssemos contar a eles juntos, depois que ela percebesse que tudo que eu disse ainda estava de pé. Eu faria as coisas funcionarem entre nós, porque eu não conseguia pensar em mais nada que eu quisesse mais.

***

Dezoito horas e meia no total em vôo e eu finalmente estava de volta à Califórnia. Eu nunca estive mais feliz em sentir um chão sólido debaixo dos meus pés. Recolhendo minha bagagem, comecei a andar pelo corredor e olhei para cima a tempo de ver minha mãe aparecer. Ela não deixou que o fato de eu ser um homem adulto e que nós estivéssemos em público a impedisse de correr em direção a mim como um foguete. Seus braços se levantaram para que ela pudesse colocar uma mão em cada uma das minhas bochechas enquanto sorria para mim. "Eu senti falta desse rosto mais do que eu poderia realmente explicar." Olhei em volta, imaginando quantas pessoas estavam olhando para nós como se eu estivesse sendo atacado por uma senhora louca. "Eu estava prestes a telefonar para o grandalhão italiano e dar-lhe um pedaço da minha mente por manter o meu filho longe por tanto tempo."


"Tenho certeza que Gunther teria se divertido com isso, mãe." Eu ri quando passei meus braços em volta dela e dei-lhe o abraço que eu sabia que ela aceitaria com grande ansiedade. Quando estávamos do lado de fora e dentro do Porsche Cayman que meu pai comprou para o aniversário dela, me inclinei para trás e segurei firme. Minha mãe é um pouco assustadora ao volante e sempre me fez pensar se era meu pai que eu realmente tenho a minha necessidade de velocidade. Ela tomou os cantos como uma motorista de carro da Indy e quando a maioria das pessoas estava desacelerando, ela estava pressionando o pedal do acelerador no chão. Um passeio com ela sempre me dava do modo tenso que eu me preparava com medo. "Então eu ouvi um pequeno rumor", disse ela, sem sequer olhar para mim enquanto continuava a dirigir. "Os rumores não são nada além de problemas." "Parece que o problema está cercando este como a peste." Notei o sorriso no rosto dela enquanto ela fazia o possível para mantê-lo escondido. "Seu pai recebeu uma ligação interessante de Kenneth Lambert há alguns dias." Porra, meu coração sentiu como se estivesse em meu peito. “Houve rumores de que nosso filho fosse um homem violento e que precisávamos cuidar dessa situação antes que ele resolvesse as coisas por conta própria ”.


"Apenas violento em relação a ele." Foi um murmúrio, mas ela me ouviu quando arqueou a sobrancelha com curiosidade. "E Beau." "Mente limpando as coisas para mim?" "Algo me diz que você já sabe exatamente o que eu disse e por que eu disse isso." Ela não negou que soubesse. “Eu também posso supor que o rumor não está relacionado aos eventos que ocorreram no escritório de Kenneth ou entre Beau e eu depois.” Novamente ela continuou dirigindo, olhando para frente, apenas esperando que eu continuasse. "Eu só posso adivinhar que você sabe tudo agora e que eu estou planejando contar a você com Ashlynn ao meu lado é inútil." "Então é verdade?" "Qual parte?" Eu a observei quando seus lábios se inclinaram para cima e ela riu. “Que meu filho vai ser pai?” "Sim", eu disse, incapaz de me impedir de sorrir também. Eu disse isso repetidamente na minha cabeça desde o momento em que descobri. Ainda assim eu não conseguia acreditar. Eu ia ser o pai de alguém.


"As coisas estão um pouco rochosas entre Ashlynn e eu", confessei, e pelo olhar não surpreso no rosto dela foi confirmado que ela já sabia disso. "É por isso que você veio para casa para consertar as coisas." Foi mais uma afirmação do que uma pergunta. "Tenho certeza que vou tentar." "Eu tenho esse pressentimento de que as coisas vão dar certo como você espera." Eu não insisti por respostas porque não tinha certeza se queria. Minha mãe poderia ser agressiva e um pouco intrometida às vezes. Eu tive esse mau pressentimento de que ela tinha tomado as coisas para tentar consertar as coisas para mim enquanto eu estava fora e isso, bem, me preocupava.


Ashlynn Saí do escritório do meu pai e fui em direção ao menor no final do corredor que eu vinha usando como meu ultimamente. Era o mais próximo do banheiro, e com meu estômago imprevisível, eu realmente não podia me arriscar a estar muito longe. Eu estava vasculhando os papéis que queria finalizar antes do nosso encerramento, amanhã à tarde, quando olhei para cima e meu passo vacilou. Lá, encostado na moldura da porta do meu escritório, estava Kyler, ou pelo menos eu pensei que fosse. Serei honesta por um segundo, imaginei se estava começando a imaginar coisas em meu estado exaurido e desnutrido. Nós dois permanecemos congelados, eu olhando para ele, ele olhando para mim, mas nenhum de nós falou. Eu imaginei que o olhar no meu rosto era muito diferente do sorriso de conhecimento dele, pois eu ainda não conseguia acreditar que ele estava realmente lá. "Oi." Ele empurrou a parede e deu um passo em minha direção. Foi então que meu ritmo cardíaco aumentou e eu continuei a olhar para ele quando ele se aproximou de mim. Segurei os papéis na minha mão um pouco mais apertados quando ele parou na minha


frente. Aqueles lindos olhos que eu pensava muitas vezes nas últimas semanas me encaravam, tão genuínos e gentis. Ele levantou a mão e no exato segundo em que seus dedos roçaram minha mandíbula, senti meu corpo inclinado em direção ao seu toque. Meus olhos se fecharam e eu respirei fundo, fazendo o meu melhor para permanecer de pé. "Oi", eu sussurrei, percebendo então que eu ainda não tinha respondido. Ele riu baixinho e meus olhos encontraram os dele mais uma vez. Lá estava ele, diante de mim, vestindo um par de jeans que o ajustavam à perfeição, abraçando-o em todos os lugares certos e pendurado baixo em seus quadris. A camisa que ele usava era um tom de verde que só parecia dar aos seus olhos uma aparência de aqua. "Estou realmente esperando que o seu silêncio não seja por causa da decepção." Eu balancei minha cabeça quando levantei minha própria mão e toquei a dele que ainda suavemente tocou minha mandíbula. "Eu senti sua falta, Ashlynn, muito." Nós só conversamos algumas vezes nas últimas semanas, mas a cada vez era sempre a mesma coisa. Eu não vou a lugar nenhum e vou lutar por isso, lutar por você. E lá estava ele.


"Eu estraguei aquela primeira noite que te vi." Ele deu outro passo em minha direção. “Eu deveria ter dito alguma coisa, eu deveria ter impedido Beau de ir atrás de você. Deveria ter sido nós. Ele colocou a mão no meu quadril e se aproximou de onde nossos peitos estavam agora a apenas alguns centímetros de distância. “Eu perdi minha chance então, mas não posso deixar isso acontecer novamente, Ash. Eu te amo." Eu ofeguei, rapidamente fechando minha boca para esconder minha reação. “Eu estive apaixonado por você, sempre aquele cara esperando nos bastidores para confortá-la quando ele não o fez. Pronto para protegê-la quando ele deveria ter sido o único a fazê-lo. Era a verdade, Kyler era sempre aquele cara, tornando as coisas melhores mesmo quando eles sentiam que estavam desmoronando. “Eu não quero perder minha chance com você novamente. Eu quero te fazer feliz, Ashlynn, porque eu sei que posso. Eu também sabia, mas o medo ainda permanecia em minha mente. "Você sabe o quão difícil tem sido sentar-se à margem assistindo você com o cara errado, e sendo forçado a apenas aceitá-lo?" Meu coração martelou no meu peito tão rapidamente que estendi a mão para a parede ao meu lado para me manter de pé e lutar contra o sentimento instável que isso me dava.


“Sinto muito, mas não posso mais ser esse cara. Eu preciso de você, Ash, ”ele confessou e eu olhei de volta para ele, avaliando seu compromisso com o que poderíamos ser. "Eu quero você e quero esse bebê também." Ele cuidadosamente deslizou a mão que ele tinha apoiado no meu quadril e colocou sobre o espaço que continha nosso filho e foi então que meus joelhos ficaram fracos. Lágrimas encheram meus olhos e eu os fechei, tentando combatê-los. "Eu preciso de você também." A confissão deixou meus lábios antes que eu tivesse a chance de pará-lo. Kyler se inclinou e pressionou sua testa contra a minha enquanto nos levantávamos assim, completamente alheios ao escritório embaralhado ao nosso redor. Honestamente, naquele momento, não me importava com quem estava assistindo; Foi a primeira vez em semanas que senti aquela calma. “Voltei para consertar as coisas”, acrescentou, e foi então que me lembrei de seus negócios inacabados na Itália. Como se ele pudesse quase ler meus pensamentos, ele se abaixou apenas o suficiente para se aproximar de mim. “Eu sairia do acordo da Ducati em um piscar de olhos se eu não tivesse assinado esse contrato. Eu nunca fui da fama, Ashlynn, você sabe disso. Eu só quero você. Mas o que tenho que fazer na Itália está quase no fim. Então volto aqui para filmar o comercial.


"Aqui?" Ele ficou em pé mais uma vez e minha cabeça inclinou para trás para olhar para ele. Um sorriso que fez meu coração palpitar tomou seus lábios quando ele estendeu a mão e pegou minhas duas mãos nas dele. "Sim, aqui", ele respondeu. "Sempre foi a intenção de filmar o comercial aqui em Santa Barbara." Percebi que sabia muito pouco sobre esse acordo que ele aceitou. "Eu tenho vivido na Itália cumprindo os outros compromissos", ele continuou a explicar, fazendo minha mente correr. “Fotos tiradas, preparações de campanha. Mas isso está quase pronto, então estou de volta aqui para sempre. "Para sempre?" Eu era como um papagaio, repetindo frases de uma a duas palavras que ele usava. Ele riu e eu só me senti ainda mais tola. "Além das aparições ocasionais que eu terei que assistir que estavam em contrato, eu terminarei." "Eu acho que eu pensei que ..." "Eu sei o que você pensou", ele me interrompeu novamente com o mesmo sorriso arrogante que eu tinha visto compartilhar muitas vezes antes. "Mas você estava errada." Eu ofereci-lhe um olhar brincalhão e ele riu.


"Então, o que você acha de começar de novo?" Eu dei a ele um olhar confuso enquanto puxei uma mão do seu peito e apontei para o meu estômago. "Eu acho que é um pouco tarde para isso." Minha respiração engatou quando ele colocou a mão livre sobre o meu estômago e esfregou levemente. Um olhar de espanto estava em seu rosto quando ele olhou para o mesmo lugar que sua mão estava. “Nunca é tarde demais para começar de novo. Acho que merecemos uma ficha limpa. Fiquei tão impressionada com a maneira como ele ainda se concentrava no meu estômago como se tivesse a chave para tudo. "Eu nunca quis mais nada." Não tenho certeza se esse comentário foi feito para eu ouvir, mas ouvi claramente. "Nem eu", eu confessei, então ele olhou de volta nos meus olhos e uma aceitação silenciosa passou entre nós. Eu queria ele do meu lado; Eu só precisava saber que ele estava fazendo isso porque ele queria e não porque ele sentia que precisava.


Kyler

“De onde veio tudo isso?” Eu perguntei enquanto pegava todos os itens de bebê ainda na embalagem. Um carseat, fraldas e toalhetes, inferno, havia até mesmo uma caixa de berço. "Sua mãe." Eu olhei de volta por cima do meu ombro para ela com uma sobrancelha arqueada e um sorriso esticado sobre o rosto. "Minha mãe fez tudo isso?" Ela assentiu e novamente eu examinei os itens. "Ela disse que sabia, mas nunca disse nada sobre isso." "Foi entregue há alguns dias depois que eu encontrei com ela enquanto almoçava com a Hayley no Franco's." Mais uma vez algo que minha mãe nunca mencionou. Ela se aproximou e ofereceu um abraço. Mas antes que ela se afastasse, ela me garantiu que seu neto seria mimado. "Oh, isso é certo?" "Sim." Eu adorei ver Ashlynn sorrir tão brilhantemente. "Ela também me disse que sabia que seu filho seria um pai incrível".


Lá estava outra vez, aquela dor profunda no meu peito quando pensei em ser pai. Ouvir que minha mãe disse essas coisas a Ash, mesmo sem saber as especificidades do que acontecera entre nós, só fez o orgulho me sentir ainda mais forte. Eu tinha dois dos pais mais solidários e atenciosos que alguém poderia pedir. Eles eram a razão pela qual eu seria bom nisso; Eu lhes devia tudo. "Eu acho que ela estava animada." Eu ri, incapaz de esconder a reação. "Eu diria que você está certa." "Eu sei que isso é tudo uma surpresa", acrescentou Ashlynn, e eu virei completamente para encará-la. A maneira como ela brincava nervosamente com as mãos, torcendo-as uma e outra vez, era algo que eu não gostava muito. "Um choque é mais parecido com isso." "Eu chamaria isso de presente." Ela parecia um pouco surpresa com a minha descrição. “Quero dizer sim, não foi planejado, mas eu não iria por um segundo chamar nosso filho de um erro. Seja agora ou daqui a cinco anos, está aqui agora e eu não poderia estar mais feliz. Nós não somos crianças, Ash, somos adultos e, como eu disse antes, amo você. A maneira como o peito dela subiu e desceu em uma respiração profunda me disse que isso ainda a surpreendeu. “E eu também sei que amo esse bebê, porque é uma parte de nós. Uma criança criada a partir de uma noite que eu nunca vou esquecer.”


"Por que você é tão bom para mim?" O que me irritou é que ela pensou que de alguma forma eu a amava era algo que ela não merecia. Ela não tinha ideia do quão incrível ela era, ela nunca teve. Todas aquelas vezes eu assisti ela sentar nos bastidores enquanto Beau era a vida da festa. Ela sorriu quando estimulada ou riu quando sentiu que era a hora certa, mas ela nunca realmente se envolveu. Era sempre sobre ele e o que ele precisava. Isso nunca mais aconteceria, contanto que eu pudesse evitar. "Eu sou bom para você porque você faz isso tão fácil." Eu me mudei, colocando minhas mãos em seus quadris, e puxei-a para mais perto de mim, seu peito pressionado firmemente contra o meu. Eu olhei para aqueles lindos olhos azuis dela enquanto ela inclinava a cabeça e me observava. “Este sou eu, amando você. Não há agenda oculta, apenas o presente de você e nosso filho é tudo o que eu preciso em troca. Ela eclipsou os olhos e seu lábio inferior tremeu. "Eu gostaria que tivesse sido você que eu aceitei o primeiro encontro de todo esse tempo atrás." Ela não abriu os olhos, apenas continuou a falar. "Eu tenho um pressentimento que se tivesse sido você, eu teria caído duro e rápido." "Eu caí, Ash, talvez seja errado, mas Beau se aproximando de você nunca me impediu de querer você."


Ela se inclinou e encostou a cabeça no meu peito, respirando fundo. "Eu gostaria de poder voltar no ano passado." "Nós temos o agora", eu assegurei a ela. Eu não queria continuar vivendo no passado, eu estava pronto para seguir em frente. "Sim, sim", acrescentou Ashlynn, levantando a cabeça e olhando para mim mais uma vez. "Estou pronta para saber como é ser sua, Kyler." Porra, eu nunca tinha ouvido nada mais doce. Eu segurei sua mandíbula e me movi, pressionando meus lábios nos dela e ela aceitou sem uma pausa. Ela nunca mais estaria sem mim; Eu faria o que fosse preciso para segurá-la. Nossa vida estava apenas começando e eu prometi bater na bunda dela com o amor que eu tinha guardado para ela. "É melhor você segurar firme, querida", eu murmurei contra seus lábios. "Porque eu estou prestes a levá-la para um inferno de um passeio."

***

"Ok, baby, eu tenho ..." Kyler entrou no quarto vestindo apenas um par de shorts pendurado baixo em seus quadris. Recém banhado, o cabelo dele ainda estava molhado e em todas as


direções. Ele segurava um pequeno recipiente em cada mão enquanto olhava os rótulos de perto. "Estrada rochosa e massa de biscoito." Ele arqueou uma sobrancelha. "Qual é que a minha namorada está com humor?" Sua namorada Deus eu amo ouvi-lo dizer isso. "Não podemos apenas ter os dois?" Por um momento ele olhou de uma caixa para a outra antes de voltar seu olhar para mim. "Inferno sim nós podemos." Ele sorriu, entrando na sala e sentou na cama ao meu lado. Kyler tirou cada tampa e as colocou na mesa de cabeceira ao nosso lado antes de pegar a colher e pegar um pouco de cada tipo de sorvete. Quando ele a segurou na minha frente eu me inclinei e lentamente coloquei a cremosa delicadeza na minha boca. Em nenhum momento tirei meus olhos dele. Seu foco foi estabelecido em minha boca e eu tentei não sorrir quando suas narinas chamejaram enquanto eu lambia a colher, puxando minha boca de volta mais uma vez. "Mm", eu gemi, super explorando a bondade mais uma vez, amando a ascensão que estava causando nele. "Bom?" "Tão bom", eu assegurei a ele quando realizei uma pequena dança da vitória quando notei o jeito que ele engoliu em seco e se


moveu para onde ele estava sentado. "Você quer algum?" Foi uma pergunta carregada; Eu estava totalmente ciente disso. "Eu definitivamente quero um pouco." Eu não senti falta da contração de seus lábios quando seus olhos percorreram meu rosto, ao longo do meu pescoço e parou no meu peito. “Você está oferecendo? "Estou desejando, na verdade." Seu olhar se conectou comigo mais uma vez e a comunicação passou entre nós que fez o calor subir em meu pescoço e rosto. De repente, senti muito mais quente. "Não seria certo negar à minha garota algo que ela deseja." Eu achei que eu amava esse lado do Kyler. Aquele que estava confiante e assumiu o comando. Isso me excitou mais do que eu pensei que algo assim faria. Eu sinceramente acho que estava mais relacionado ao homem do que as ações em si. Meu batimento cardíaco aumentou quando ele girou para a esquerda para colocar os dois recipientes ao lado das tampas da mesa de cabeceira antes de voltar a me encarar mais uma vez. Eu permaneci congelada, fascinada por seus movimentos. A maneira como seus músculos se flexionavam quando ele empurrava para cima, apoiando o peso de seu corpo com os braços.


Ele se moveu sobre mim enquanto eu me deitava contra os travesseiros atrás de mim, meu olhar examinando seu peito e voltando para cima. A cor de seus olhos só parecia mais brilhante na iluminação do quarto. Quando ele segurou meu queixo, inclinei-me em seu toque, perdendo-me no conforto que proporcionava. "Eu me sinto segura com você." "Você está segura comigo", seus lábios deslizaram sobre os meus, "e eu prometo que você sempre será." A maneira como ele disse isso com tanta convicção, não havia como eu não acreditar que ele faria o que fosse necessário para cumprir essa promessa. "Eu amo você, Kyler." Eu senti seu corpo relaxar sobre o meu. "Já é hora de você perceber isso." Ele pressionou seus lábios nos meus mais uma vez e eu senti seu sorriso. Eu não pude deixar de encontrar o humor em sua arrogância. "Agora me beije." Eu separei minhas pernas, permitindo que ele se encaixasse com segurança entre meus quadris enquanto eu envolvia minhas pernas e em torno de sua cintura. Meus shorts finos não fizeram nada para reprimir a sensação de sua ereção contra mim e eu mudei meus quadris, arrastando um gemido para fora dele. Era como se esse mesmo movimento fosse acionado e seus beijos ficassem famintos. "É tão fácil se perder em você." Seu sussurro aquecido se espalhou na minha bochecha enquanto suas mãos percorriam meus


quadris e deslizavam sob a bainha da minha camisa. "Como eu perco a cabeça com um simples toque." "Eu sei." Oh meu deus eu sei. Eu senti que todas as terminações nervosas do meu corpo estavam alertas e exigindo mais. Por favor, apenas mais. "É quase como se eu não pudesse me controlar." Sua voz era tão rouca e quase tensa. “Como um vício que não posso acalmar. Eu não posso pará-lo. "Não" Eu agarrei seu lado e puxei seu corpo para mais perto do meu. "Eu preciso ser gentil com você, querida." "Estou grávida, Kyler, isso não significa que eu sou feita de vidro." Ele rosnou, segurando meu quadril com mais força enquanto enterrava o rosto no meu pescoço. "Eu nunca precisei de nada mais do que eu preciso de você." "Então me leve." Ele empurrou seus quadris para frente e eu gemi enquanto arqueava minhas costas, movendo meus próprios quadris para perseguir o prazer. De repente, minha camisa foi levantada sobre a minha cabeça e meus punhos seguraram firmemente em uma das mãos de Kyler. Então ele estava em mim, tocando-me, saboreando-


me, sua língua passando rapidamente contra o meu mamilo pouco antes dele morder suavemente e puxar. "Você gosta disso." Não foi uma pergunta; ele sabia que eu sabia. O jeito que eu estava me contorcendo embaixo dele, era a única confirmação que ele precisava.


Kyler Eu queria deixar ir, me perder no momento, mas eu queria fazer isso durar também. Eu senti como se tivesse esperado a vida inteira para sentir Ashlynn novamente. Eu passei semana após semana lembrando como era estar dentro dela. Sentir o corpo dela tomar o que ela precisava. Foi pura tortura ter apenas um sabor e ser negado depois. Lá estávamos nós juntos de novo e me lembrei de como me sentia tão perdido em prazer que quase esqueci meu próprio nome. Porra, ela se sentiu incrível. "Sim", suspirou Ashlynn quando eu empurrei para ela profundamente. "Deus sim." Eu nunca ansiava tanto pelo prazer do outro. Saber que era eu fazendo-a se sentir tão bem me fazia sentir poderoso. "Deixe ir, Ash", eu sussurrei perto de seu ouvido antes de me afastar para que eu pudesse ver o olhar em seu rosto no momento em que ela atingiu seu pico. Foi foda viciante. No segundo em que seu corpo ficou tenso ao meu redor, apertando a vida do meu pau,


ela mordeu o lábio e seu aperto nas minhas costas só aumentou ainda mais. "É isso", eu a encorajei. "Tão bom, baby, tão bom." Eu segurei o máximo que pude, mas quando seu corpo começou a relaxar contra o meu eu soltei, derramando dentro dela, gemendo seu nome. "Ashlynn." Uma respiração profunda após a outra nós compartilhamos quando ficamos conectados e abraçados. Esse momento entre nós que eu conheci era um que eu nunca esqueceria. Eu tinha a sensação de que tudo o que eu compartilhava com Ashlynn, fosse grande ou pequeno, seria gravado para sempre na minha memória. Eu rolei para o lado, tomando seu corpo com o meu enquanto a abraçava. A sala ficou em silêncio, preenchida apenas com a respiração dela e a minha. "Estou exausta", ela murmurou enquanto eu sorria. "Durma." Ashlynn segurou meu lado, como se ela estivesse preocupada que eu estava saindo dela. "Eu não vou a lugar nenhum, querida, eu prometo a você." E eu quis dizer isso, não havia nada que eu quisesse mais do que segurá-la perto. Eu permaneci ao lado dela, muito tempo depois que ela caiu em um sono profundo, seu corpo totalmente relaxado contra o meu enquanto ela levemente roncava.


Estendendo a mão, pressionei a palma da mão no estômago dela e fechei os olhos. Era inacreditável para mim ainda que ela segurasse meu filho dentro dela. De repente me senti como o rei do mundo e a vontade de bater no meu peito me atingiu. Eu era responsável por um humano vivo, um crescendo dentro dessa linda mulher. Tudo me fez sentir tão poderoso.

***

"Bem, olá, bonito." Eu me virei com o café na mão para enfrentar Hayley, que estava do lado de dentro da porta da frente. Ela tinha um sorriso no rosto enquanto me examinava da cabeça aos pés. Eu estava perto do balcão, ovos mexidos em uma panela e panquecas cozinhando em outra. "Bom dia", eu ofereci com um sorriso enquanto eu me virava para continuar a cozinhar, pensando de repente que talvez eu devesse ter me vestido, mas acho que era tarde demais para isso. Eu estava apenas agradecido por ter puxado minha cueca pelo menos antes de sair do quarto. "Um homem que pode cozinhar é tão sexy." "Oh sim", eu disse sem me virar para encará-la. “Quinton cozinha?”


"Esse homem pode fazer uma tigela média de cereais." Eu ri da resposta dela. "Então, onde está mamãe urso?" Ela perguntou, finalmente, subindo para o meu lado. "Ela está na cama", eu respondi enquanto eu peguei a panqueca e mudei para o prato aquecido. "Eu pensei em fazer seu café da manhã antes de acordá-la." "Vamos apenas esperar que ela possa segurar isso." Foi o meu pensamento também, mas eu tive que tentar. Eu notei sua perda de peso. Eu posso ter apenas segurado ela em meus braços uma vez antes da noite passada, mas eu memorizei as curvas de seu corpo no último ano e eu sabia a diferença. "Ela ficou melhor?" "Sim." Ela me deu um aceno de cabeça. “O médico dela deu a medicação para isso, mas há momentos em que ainda a atinge. Foi tão ruim antes, até os picolés a deixaram doente. Eu já sabia disso, mas ouvi-lo novamente só me fez sentir mal novamente por não estar aqui com ela. "Então, quando você volta para a Itália?" "Amanhã

à

instantaneamente

tarde." com

Senti o

meu

estômago

pensamento

de

tenso

deixar

quase

Ashlynn


novamente. "Estamos prontos para começar a filmar o comercial no próximo mês no dia 9". "Então você vai embora até então?" "Espero que não." A pior parte foi que eu ainda não tinha ideia de quanto mais eu tinha que encerrar em Bolonha. Honestamente, eu nem deveria ter ido embora agora, mas depois de praticamente implorar por uma pequena pausa, aqui estava eu. O não saber o que estava ou não estava acontecendo com Ashlynn estava ficando muito perturbador. "O que você acha que são as chances de fazê-la voltar comigo?" Hayley apenas arqueou a sobrancelha enquanto franzia o canto da boca para cima. “Sim, foi o que eu pensei. "Algo cheira tão bem aqui." Eu olhei para trás por cima do meu ombro para ver Ashlynn entrar na cozinha vestindo uma blusa, a mesma que eu tirei dela na noite passada, e um par de calções de menino. Ela derrapou até parar quando encontrou Hayley parada ali e seus olhos se voltaram para mim. Eu assisti quando ela me olhou da cabeça aos pés e, em seguida, cruzou os braços sobre o peito. "Ei, em minha defesa, você é a única que lhe deu uma chave." O sorriso de Hayley se alargou. "Eu sou inocente nessa coisa toda", eu assegurei a ela, fazendo o meu melhor para esconder o meu sorriso. "Eu estava aqui cozinhando o café da manhã, e ela veio, agindo quase como se morasse aqui ou algo assim." Dei de ombros, o que só fez Ashlynn arquear a sobrancelha.


"Bem, se eu soubesse que seria saudada assim, eu estaria aqui mais cedo." Hayley deu um pequeno suspiro enquanto examinava meu corpo. Foi realmente gratificante vê-la se levantar de Ashlynn. - Devo aparecer na sua casa ou no Quinton e fazer com que ele cozinhe o café da manhã em sua cueca? Ashlynn provocou Hayley, e lá fiquei com uma espátula na mão, observando a cena se desenrolar. "Continue." Hayley deu de ombros como se não se importasse nem um pouco. "Eu não penso assim", acrescentei meus dois centavos, mas nenhuma delas parecia lembrar que eu estava lá. "Espera." Hayley ergueu uma mão enquanto alcançava o bolso de trás com a outra. Ela puxou o telefone e segurou-o diante dela. "Eu poderia ligar para ele agora, poderíamos ter uma festa do pijama." Ela balançou os quadris de um lado para o outro, agindo como se a ideia a excitasse. "Ele tem esse par vermelho que ele usa que mostra cada pequena ondulação e protuberância ..." "De jeito nenhum." Desta vez eu falei mais alto, ganhando atenção de ambas. "Desligue o telefone, mulher", eu disse, apontando a espátula para Hayley. "Vá em frente, faça isso." Eu mexi os utensílios antes dela e ela lentamente baixou o telefone. "E você ..." Eu movi minha mão na direção de Ashlynn e a encontrei sorrindo inocentemente.


"O que?" "Você sabe o que?" Se Hayley não estivesse a poucos metros de distância, eu a teria pressionado contra a parede em segundos, apagando completamente os últimos cinco minutos de sua mente. "Não haverá outro homem cozinhando nada em suas cuecas além de mim." Nós compartilhamos um olhar silencioso e eu pude ver o sorriso brincando em seus lábios. "E sobre nu?" Hayley fingiu sussurrar e o sorriso de Ashlynn se transformou em um sorriso completo. Abri a boca para falar apenas para calar mais uma vez quando as duas começaram a rir. Percebi então que as duas tinham mudado completamente o interruptor e girado isso ao meu redor. "Espertinhas",

eu

murmurei,

voltando

para

o

fogão

e

derramando mais massa na panela. "Adicione algumas lascas de chocolate ao meu", disse Hayley, mas eu permaneci onde estava, sem me virar para encarar qualquer uma delas. Eu não queria que elas testemunhassem o sorriso nos meus lábios. Eu tive que jogar legal. Esses duas eram problemas.


Ashlynn

"Como vão as coisas entre você e Kyler?" Eu abaixei meu chá gelado para a mesa que nos separava e dei a Hayley um pequeno encolher de ombros. "Elas estão indo." Em troca, ela só me ofereceu um olhar irritado, arqueando a sobrancelha e acenando com a mão diante dela, indicando que precisava de mais informações. "O que, você perguntou como elas estavam indo?" "Sim eu fiz." Ela se inclinou para frente, apoiando os cotovelos no tampo da mesa. "Eu esperava muito mais do que essa explicação fraca." Eu sorri, lembrando das coisas que ele me disse na manhã em que eu o deixei no aeroporto. “Ele quer começar de novo, as coisas estão fora do rumo e acho que as coisas não foram tratadas da melhor forma. Mas eu me sinto bem quando estou com ele, Hayley, eu sempre estou. Eu penso de volta agora e lembro de todas as


vezes que ele era o cara que estava lá por mim. Entretanto, era mais um ombro para se apoiar, mas ainda assim ele estava lá. "Equipe Kyler." Sorrindo largamente, Hayley murmurou as palavras, mas eu as ouvi claramente. "Eu não sabia que havia equipes." "Definitivamente havia equipes e Kyler esteve na liderança o tempo todo, tanto quanto eu estou preocupada." O jeito que ela disse isso me fez rir. Aquele levantamento de suas sobrancelhas enquanto seus olhos se arregalaram apenas uma pequena quantidade, como se dissesse, como você poderia não saber disso? "Alguém te disse que você é insana?" Ridículo, ao mar e mais algumas outras palavras vieram à mente também, mas parei por aí. "Tanto faz." Ela me dispensou, recostando-se na cadeira mais uma vez e olhando ao redor do pequeno café onde nos encontramos para o almoço, antes de voltar sua atenção para mim. “Eu só sei uma coisa boa quando vejo isso. Você e Kyler são uma coisa boa. "E você sabe disso?" “Porque esse cara tem te olhado de longe por muito tempo, e mesmo assim ele lidou com você delicadamente. Eu sempre tive inveja de como ele é cuidadoso com você, como algum cavaleiro protetor protegendo a garota do perigo. Eu era a única pessoa que


nunca notou que ele tinha algo por mim? "Ele é um cara legal, Ashlynn, e acho que é hora de você ter um bom rapaz para variar." Ele é mais do que apenas um bom sujeito. "Eu sei também, que Kyler vai fazer um pai incrível." Eu estava prestes a responder quando ouvi uma voz familiar romper a nossa conversa. "Você está grávida?" Tanto Hayley quanto eu nos viramos para o lado e ficamos cara a cara com Beau. Ele estava com seu pai e outro cavalheiro que eu nunca conheci. Kenneth tinha uma expressão presunçosa no rosto, o nariz torcido em desgosto como se eu fosse um pedaço de lixo. "Você está?" Beau perguntou novamente, lembrando-me da pergunta que eu ainda tinha que responder. "Sim." Não havia razão para eu negar, afinal, ele e eu não estávamos juntos. Eu imediatamente vi a tristeza em seus olhos e parte de mim sentiu sua dor, mesmo que ele tivesse me machucado. Eu conhecia o lado bom de Beau e nunca quis oferecer essa dor em troca. "Kyler?" Eu apenas balancei a cabeça e ele imediatamente olhou para longe de mim. Eu estava prestes a dizer algo quando ele se virou e foi embora, deixando-me sozinha com o pai e o homem ao seu lado. Eu olhei para os olhos penetrantes de Kenneth e observei seu olhar se


estreitar. "Confirmação de que você é a prostituta que sempre achei que fosse." Eu senti como se ele tivesse me esbofeteado. "Estou feliz que seja Kyler que ficou com você pelo resto de sua vida e não meu filho." Ouvi uma cadeira deslizar pelo chão e Hayley se adiantou. "Você está sujo, não é bom bastardo." Eu corri para fora da minha cadeira e usei meu corpo para proteger minha amiga de fogo. O olhar em seu rosto escorria de vingança. "Isso não é fofo?" Kenneth riu e o homem ao lado dele apenas sorriu, como se nós duas estivéssemos abaixo deles. - Não creio que a Sra. Lambert pensaria que suas ações com sua secretária eram muito fofas - acrescentou Hayley, e vi a determinação de Kenneth vacilar por apenas um segundo antes que ele se recuperasse rapidamente. “Ou as noites que você passa no Hamilton Inn com sua série de prostitutas. Qual é o nome da sua favorita? Ela fez uma pausa, levantando o dedo aos lábios como se estivesse pensando nisso. "Mel. Sim, é isso. Seria uma pena se sua esposa descobrisse o que você realmente estava fazendo, ou devo dizer quem você está fazendo? O dinheiro do papai dela não paga por muitas das coisas que você possui? Naquele momento eu me senti impressionada com minha melhor amiga.


"Seria uma pena se ela te deixasse e tomasse tudo, só te deixando com aqueles ratos fedorentos que você fode ao lado." Ela franziu o lábio e eu não poderia ter parado meu sorriso se tivesse tentado. Apenas uma pequena nota, eu não tentei nem um pouco. Foi como foder o natal. Kenneth saiu como uma criança desprezada e eu me virei completamente para encarar Hayley. "Eu acho que estou apaixonada por você", eu disse enquanto segurava os antebraços dela, e o que ela fazia? Ela mostrou aquele sorriso de conhecimento. “Eu sei disso, hum, sou maravilhosa e viciante. Mas estou tão feliz por você finalmente ter aceitado isso. Ela realmente deu um tapinha no meu braço como se dissesse que está tudo bem. Sua confiança não fez absolutamente nada para desencadear uma reação em mim, porque ela correu em meu socorro e eu a adorei por isso. Ela podia se vangloriar de tudo que ela queria.

***

Eu estava saindo do chuveiro quando ouvi meu telefone tocar no quarto ao lado. Eram apenas quinze para as seis da manhã e eu já sabia quem era antes mesmo de olhar para a tela. Eu senti aquela


onda de excitação correr através de mim enquanto eu me movia pelo banheiro e para o meu quarto em busca do meu telefone. “Eu costumava odiar as manhãs, mas agora estou ansiosa por elas.” Era verdade, porque agora elas recebiam uma ligação de um homem que parecia tornar tudo muito melhor. "Bela manhã." Fechei os olhos e jurei que podia praticamente imaginar aquele sorriso sexy dele. “Eu odeio tirar o entusiasmo dessa ligação, mas você quer me contar sobre os eventos que aconteceram com Kenneth mais cedo?” Meu estômago parecia ter caído. "Não foi nada, realmente." Eu tentei fingir confiança, mas até eu ouvi isso vacilar dentro da minha voz. "Isso não é o que eu ouvi." A tensão aumentou no meu peito, fazendo minha garganta secar. “Então me diga o que aconteceu, e não deixe nada de fora ou tente adoçar isso. Eu posso garantir que eu já conheço o básico. ” "Como você já ouviu falar sobre isso?" "Eu vou te dar três palpites", acrescentou ele, e senti a irritação agora entrelaçando sua voz. "Mas minha aposta é que você só precisa de um."


Kyler

"Você está ligando para se vangloriar?" Eu pendurei minha cabeça e segurei minha nuca, tentando massagear um pouco da tensão dentro de mim desde o momento em que desliguei o telefone com Ashlynn. Eu tinha um desejo incontrolável de reservar o próximo vôo para a Califórnia para ser fiel à promessa que fizera alguns meses atrás - de jogar Kenneth fodendo Lambert pela janela do seu escritório. "Não só você ficou com a minha garota enquanto eu estava fora da cidade, mas você também a engravidou." "Ela não era sua garota, Beau, nós dois sabemos disso", eu finalmente respondi. “Mas se isso faz você se sentir melhor, então tudo bem, diga o que você precisa. Mas enquanto você está sentando para trás sentindo pena de si mesmo, você precisa dizer ao seu pai para voltar atrás. "Acho que nós dois sabemos que não posso dizer nada a esse homem." Beau nunca teve coragem de enfrentar seu pai. Ele era todo "sim senhor" e "quando".


"Tudo bem, então eu vou fazer isso quando eu voltar na próxima semana, mas é melhor você dizer adeus ao papai, porque eu vou arrancar sua cabeça doida pelos ombros dele." Tanto para aliviar a tensão. “Ele está mexendo com Ashlynn e meu filho. Cara, isso significa que ele está brincando comigo. Se você não tem coragem de dizer aquele pedaço de merda para ficar bem longe dela, então eu vou fazer isso sozinho. Eu terminei a ligação e lutei contra o desejo de jogar o telefone contra a parede. Eu não sei o que eu esperava ganhar com essa ligação, mas isso só conseguiu acertar minha raiva. "Aww, o que aconteceu, a maquiadora esqueceu de arrancar as sobrancelhas?" Normalmente Aurora poderia aliviar o estresse do meu dia, mas não isso. Nada poderia fazer isso parecer melhor. Eu estava na Itália quando queria voltar a Cali com Ash. "Agora não." Minhas mãos ainda tremiam quando eu agarrei meu telefone mais apertado. "Eu acho que alguém poderia usar uma bebida", ela enfiou a mão na frente do meu rosto e mexeu suas unhas pintadas de rosa, "e eu acho que talvez você pudesse usar uma também." Eu olhei para cima e arqueei minha testa. "O que?" ela disse com um encolher de ombros.


"O que, a sua massagista ficou um pouco aventureira de novo?" "Não." Ela puxou a mão para trás e cruzou os braços sobre o peito. “É por isso que estou irritada. Aurora inclinou a cabeça e projetou o queixo enquanto fingia fazer beicinho. "Vamos pegar essa bebida para você." Eu me levantei da cadeira e envolvi meu braço em volta dos seus ombros enquanto a puxava ao meu lado. Ela estava certa, eu precisava de uma, ou talvez dez. Eu senti como se fosse explodir com irritação. Dentro de uma hora eu estava contando tudo sobre o telefonema que recebi de Quinton. Ele pensou que eu deveria saber que Kenneth foi a Ashlynn e ele estava certo, eu precisava saber. O bastardo queria mexer com o que era meu, então eu iria mexer com a vida dele também. Eu posso ter contratado um investigador particular para acompanhar o sr. Arrogant Prick por uma semana e então anonimamente mandar as fotos dele com suas prostitutas para sua esposa. Eu teria que comprar algo para a Hayley para recompensála por essa informação. Seu pai sendo chefe de polícia tinha suas vantagens; o homem conhecia todos na cidade. Aurora e eu tínhamos compartilhado mais de quatro drinques cada e estávamos nos sentindo muito bem quando meu telefone tocou. Ela estendeu a mão para ele e quando ela olhou para a tela, ela sorriu. "Você a rotulou como Linda em seu telefone?"


"Sim." Eu estendi a mão para pegá-lo dela. "Isso é tão brega." Eu me inclinei ainda mais, levantando minha bunda do banco e puxei-o de suas mãos quando comecei a tocar na tela. "Hey querida", eu disse enquanto estendi o telefone diante de mim. Porra amava essa tela de chat de vídeo. "Oi." Olhei para o lindo rosto dela e notei que ela estava olhando para longe da tela. “Eu te interrompi?” "Claro que não, eu só estou tomando uma bebida." Ela olhou para cima mais uma vez e depois desviou o olhar rapidamente. "Por que você não olha para mim?" "Porque eu não posso ver você." Ashlynn deu de ombros. "Eu só posso ver o seu encontro." Apertei os olhos e olhei para o canto na tela menor, e, embora estivesse escuro, pude ver Aurora olhando para algo perto do bar. Eu apertei o botão para girar a câmera e então meu próprio rosto apareceu. "Nós estávamos apenas tomando uma bebida." "Por que você não me liga depois?" Ela parecia chateada, e a ideia de que ela pensava que isso era mais do que dois amigos sentados em um bar juntos fez meu estômago doer.


Levantei-me da cadeira e, antes que percebesse, estava saindo do bar em direção ao saguão do hotel e encontrei um lugar tranquilo para conversar. "Não há nada acontecendo aqui, mas dois amigos tomando uma bebida." Eu olhei para a tela, sentindo meu coração disparar enquanto implorava silenciosamente para ela olhar para mim. "Vocês dois fazem isso com frequência?" Eu poderia ter mentido para ela. Eu poderia ter escolhido dizer todas as coisas que eu sabia que facilitariam sua mente, mas honestamente, eu não tinha vontade de mentir para ela. Eu queria que ela entendesse o relacionamento entre Aurora e eu. "Nós fazemos." Eu vi instantaneamente. Aquele olhar frouxo no rosto dela quando seus lábios se viraram para baixo, formando uma carranca. Mesmo assim, eu a encontrei tão bonita. “Eu nunca realmente falei com você sobre Aurora, e deveria ter nos explicado melhor para você. Te falei sobre nossa amizade. "Eu não sei se quero saber." Ashlynn tentou esconder sua reação, mas eu podia ver seu lábio tremendo. "Não é mesmo assim, querida, nunca fomos mais do que amigos." Eu odiava vê-la questionar meu compromisso com ela. Mesmo quando não estávamos juntos, nunca me perdi uma vez. "É


só você, Ashlynn, desde o momento em que você me permitiu beijar você." Ela pareceu surpresa com essa confissão. “Não vou negar que ela é atraente, mas não a vejo como mais do que uma amiga. Sim, chegamos perto do meu tempo aqui, mas é como ter uma irmãzinha chata. E ela não sente mais nada por mim do que amizade também. Ela assentiu, embora eu não tenha comprado por um segundo que fosse genuíno. "Venha aqui para a Itália." Ash levantou a cabeça e seus olhos se encontraram nos meus. "Disseram-me hoje que temos uma semana para terminar aqui e quero compartilhar esse lugar com você." "Eu não-" Eu decidi, naquele momento, não deixá-la falar dessa maneira. “Eu quero você aqui, é lindo, e não consigo pensar em mais ninguém com quem prefiro compartilhar isso do que você. Além disso, você pode conhecer Aurora e ver por si mesma que não há nada mais do que uma amizade ao longo da vida que se desenvolveu entre nós ”.

***


"Devo ficar longe por um dia ou dois?" Aurora perguntou quando ela se sentou na cama ao meu lado. "Quero dizer, eu sei que ela está um pouco desconfiada disso." Ela fez um sinal entre nós. “E a última coisa que quero fazer é lhe dar mais dúvidas.” "Eu quero levá-la para jantar e quero que você se junte a nós." Eu permaneci debaixo das cobertas, ainda limpando o sono dos meus olhos. "Você acha que é uma boa ideia?" "Não há nada aqui." Foi a minha vez de me mover entre nós dois. "Se evitarmos um ao outro, isso só vai nos fazer parecer culpados e não há absolutamente nada para se sentir culpado." "Se você tem certeza." Aurora me deu aquele olhar pontudo como se ela estivesse me dando uma última chance de recuar. "Sete horas em Bitone", eu disse enquanto olhava de volta. "Eu já fiz reservas para três." Eu parei enquanto compartilhamos nossos poucos segundos de silêncio, ambos continuando a segurar o olhar do outro. "Tudo bem," Aurora respondeu. "Mas se a qualquer momento ela se sentir desconfortável, eu estou fora de lá."


Eu sorri. "OK. Mas depois que ela conhecer você e vê que nós somos o que eu disse a ela que somos, então ela vai amar você também.


Ashlynn

Eu ainda não tinha certeza se estar aqui era uma boa ideia, mas era tarde demais para adivinhar. Respirei fundo enquanto me movia pelo corredor em direção à esteira de bagagens. Meu coração disparou com antecipação e medo. Eu não queria ser essa garota. Aquele que estava com ciúmes do namorado ter um relacionamento com outra mulher. Mas foi difícil, pelo menos nessa situação. Kyler estava na Itália em uma linda cidade com uma linda mulher. Eles estavam compartilhando jantares e bebidas juntos, noite após noite. Tudo fez meu estômago ficar inquieto. Eu assisti à frente enquanto eu caminhava em direção à frente do aeroporto e no instante em que vi Kyler me senti ansiosa e o desejo de correr para ele me atingiu. Essa necessidade de tê-lo envolver seus braços em volta de mim e pressionar seus lábios nos meus era tão avassaladora. Ele empurrou a parede quando começou a se mover em minha direção, e a cada passo ele pegava meu coração como se corresse


mais rápido. "Eu acho que você fica mais bonita a cada vez que eu vejo você." Ele passou o braço em volta da minha cintura e se abaixou apenas o suficiente para trazer seu rosto mais perto do meu. "Eu estava com saudade de você." "Eu também senti sua falta." Ele pressionou seus lábios nos meus e de repente eu senti aquela tensão dentro de mim aliviar. Eu não me lembro de sentir isso dependente do toque de outra pessoa. Kyler era um conforto para mim apenas por estar perto dele, e isso era incrível e aterrorizante. "Estou feliz que você veio." Eu me inclinei para trás, olhando em seus olhos hipnotizantes. "Como se você realmente me desse uma escolha." Ele ameaçou que sua mãe me pegasse e me levasse ao aeroporto. "Eu queria ver minha garota." Ele deslizou o nariz sobre o meu. "Preciso de você aqui." "Eu também." Eu não estava mentindo. Apenas estando em sua presença pelo pouco tempo que eu já estava lá, eu me sentia melhor do que em dias. Ele me beijou mais uma vez, este muito mais aquecido do que o anterior, e senti meus dedos enrolarem-se contra ele. Sua camisa se agrupou no meu aperto e eu choraminguei quando senti sua língua exigir a entrada. Aquela onda lenta, a maneira como ele provou


eroticamente meus lábios e sugou minha língua, tudo fez meus joelhos parecerem fracos. "Nós poderíamos ficar aqui a manhã toda", ele sussurrou contra meus lábios, roubando outro beijo. "Ou podemos voltar para o meu lugar e continuar lá." "Vamos", eu choraminguei quando ele mordeu meu lábio inferior e puxou. "Meu lugar é?" Ele ligou nossos dedos e me puxou para a entrada da frente. Ele olhou para trás por cima do ombro e senti o calor subir em minhas bochechas quando sua língua se projetou para correr ao longo de seu lábio inferior, quase como se ele ainda estivesse procurando o gosto que eu deixei lá. A viagem até o hotel foi abastecida com energia sexual. Eu juro que estava rolando de nós dois em ondas enormes. Ele colocou a mão na minha coxa e de vez em quando ele movia os dedos para trás e para a frente, criando apenas o atrito suficiente para que eu encontrasse minhas pernas continuando a se separar mais e mais. Uma vez fora do táxi e dentro do lobby foi quase como se estivéssemos em uma corrida para chegar ao elevador. Com o cartão na mão, ele praticamente me arrastou pelo corredor, e quando a porta estava aberta, descobri que estávamos um no outro antes que a porta se fechasse atrás de nós. Todas as mãos, como nossas roupas foram desfiadas pedaço por pedaço.


Ele me virou para ficar de frente para a cama, e quando eu estava diante dele, vestindo absolutamente nada, ele começou a rastrear beijos sobre meus ombros e pescoço. Estendendo a mão para segurar meus seios, ele beliscou meus mamilos e eu caí contra seu peito. “Você me deixa louco de necessidade. Deus, eu conhecia o sentimento, meu corpo parecia estar em chamas. Lentamente Kyler começou a andar em direção à cama, movendo meu corpo junto com o dele, e quando chegou ao fim, ele recuou. Sua palma contra a parte inferior das costas, ele sussurrou perto do meu ouvido. “Rasteje na cama e fique de quatro”. A excitação selvagem correu por mim quando eu fiz o que ele pediu. "Porra." Eu ouvi a fome em sua voz. "Bunda perfeita," ele disse enquanto se movia atrás de mim e segurava minha bunda. "Tão fodidamente perfeita." Ele deu um aperto suave antes de pressionar sua ereção contra o meu traseiro. Eu me vi empurrando de volta contra ele, fazendo um gemido profundo rasgar de seus lábios. Eu olhei para trás por cima do meu ombro para encontrá-lo segurando seu pênis e avançando para deslizá-lo sobre a minha bunda e entre as minhas pernas. Mordi meu lábio inferior, arqueando minha bunda e abrindo mais para ele. "Porra, você parece tão intoxicante assim." Eu adorava ouvir seu desejo por mim, era pesado em sua voz.


Senti-o me separar antes de me mover lentamente para dentro, e não mais escondi o prazer que ele infligia dentro de mim. "Kyler, sim", eu gemi. "Sente-se bem, baby?" "Tão bom", eu assegurei a ele quando empurrei de volta contra ele. Eu precisava que ele se movesse, eu precisava que ele desistisse e cedesse ao que eu sabia que ambos precisávamos. "Por favor", eu implorei e foi o suficiente. Ele soltou, apertando meus quadris com força e começou a se mover. Eu não conseguia falar, inferno, eu nem tinha certeza se estava respirando. Foi incrível e eu me inclinei para frente, arqueando minha bunda para cima e peguei tudo o que ele deu. Nada jamais se pareceu tão bem. Nada.

***

Sentei-me do outro lado da mesa da mulher que passara dia após dia com Kyler. Eu os assisti interagir e sorri quando senti que era necessário, mas se eu estava sendo honesta, não ouvi nada que eles estivessem realmente dizendo um para o outro. Não, em vez disso eu observei o jeito que ela olhava para ele, e ele, por sua vez,


olhava para ela. Eu observei seus olhos e sua linguagem corporal. Eu procurava desesperadamente algo que confirmasse a inveja que eu sentia ser justificada, mas não encontrei nada. Observar os dois era quase como ver Hayley e eu através dos olhos de outra pessoa. Eles discutiam um com o outro como se conhecessem a vida inteira, mas não havia absolutamente nenhum ângulo de flerte para isso. "Eu não sei como você está com ele", disse Aurora. “Ele canta junto com o tema de cada programa de televisão e imediatamente eu quero colocar algodão nos meus ouvidos. O homem não pode levar uma música. "Não posso dizer que eu já ouvi ele realmente cantar em voz alta, mas ele cantarolou suavemente perto do meu ouvido e não foi tão ruim assim." Dei de ombros e ela arqueou a sobrancelha. "Isso é porque o homem adora você e qualquer coisa que ele faz você vai achar incrível." Foi a minha vez de dar de ombros, porque honestamente ela não estava mentindo. Eu achei tudo sobre Kyler atraente. "Não deixe que ela te engane, querida." Kyler se inclinou, e embora ele não estivesse tentando sussurrar, ainda parecia tão íntimo. "Eu não apenas adoro você, eu estou apaixonada por você."


Quando virei a cabeça para olhá-lo, nossos lábios pairavam a apenas alguns centímetros de distância. Aquele lento sorriso confiante que eu encontrei só me fez querer mais cada vez que eu vi isso cobrir seus lábios. Fui eu que me mudei para roubar um beijo e ele sorriu contra meus lábios. "Estou tão feliz por você estar aqui", ele me assegurou e eu não podia negar o fato de que eu estava feliz por estar aqui. Ele estava certo, eu precisava desse tempo com ele. Eu precisava vê-lo sob essa luz, onde ele esteve por semanas, vivendo e trabalhando. Mais tarde, depois que o jantar terminou e Aurora e nós nos separamos, Kyler me levou para passear. As luzes da noite não eram nada como a cidade de Santa Bárbara; eles eram muito mais sutis. Eles eram excelentes. Minha mão segurou firme na dele, ele me mostrou alguns dos lugares que ele tinha amado, compartilhando histórias de sessões e conferências que ele participou. Por algumas horas vivi a vida que ele tinha através dos olhos. Eu vi a emoção em seus olhos e tudo isso só me fez amar mais esse homem. Kyler tinha sido entregue a oportunidade de uma vida. Uma chance de colocar seu futuro em movimento, mas ele não queria tudo, não para sempre. Foi por enquanto, uma chance de dizer que


ele experimentou isso. A parte mais incrível foi que ele queria apenas a mim, porque eu era o suficiente. E isso dizia um milhão de palavras não ditas, e meu coração se apaixonou por esse homem de novo.


Kyler Nós estávamos de volta na Califórnia há quase três semanas. O comercial estava em pleno andamento e na maioria das noites eu me encontrava exausto do dia. Mas havia uma coisa que eu nunca fui para a cama sem fazer, e isso era para dizer a Ashlynn o quanto eu a amava e como eu mal podia esperar para segurar nosso filho. A ideia de ser pai estava se tornando mais real a cada semana que passava. O pequeno solavanco que começara a se formar na garota que eu amava confirmava isso. Era real, tão real, e eu me encontrei querendo avançar para levá-lo aqui mais rápido. A doença da manhã havia desaparecido há muito tempo e não havia nada melhor do que assistir a Ashlynn ser capaz de comer um cheeseburger duplo, batatas fritas grandes e um shake como um campeão. Ela ainda estava magra, toda a colisão - aquela pequena e doce colisão em sua cintura, mas nesse ritmo, ela poderia realmente começar a colocar o peso que perdera e depois um pouco. Saí do set cedo, parei no café que Ashlynn amava e peguei o sanduíche de presunto e peru com batatas fritas. Eu queria surpreendê-la com o almoço e liguei para a frente para ter certeza


de que seu pai faria o que pudesse para mantê-la em volta do escritório até que eu cheguei lá. Eu andei pela Avenida Belmont, perdido em meus pensamentos, quando ouvi meu nome sendo chamado. Olhando para trás por cima do ombro, encontrei Beau correndo em minha direção pelo lado oposto da estrada. Imediatamente me preparei para algum tipo de confronto, pois parecia que era tudo o que acontecia entre nós desde o momento em que ele descobriu sobre Ash e eu. Fiquei surpreso quando ele parou na minha frente, apenas a poucos metros de distância e estendeu a mão para mim. Eu dei a ele um olhar que eu esperava que não transmitisse o meu o que diabos pensava, mas por sua profunda risada eu sabia que tinha falhado. “Eu sei”, ele disse, “isso me surpreende também”. Eu hesitei, porque vamos encarar, essa merda era a última coisa que eu esperava. Quando eu lentamente movi a minha mão para encontrá-lo, eu meio que esperava que ele me envolvesse, ou pior. Quando ele segurou minha mão e deu um aperto firme, uma grande parte de mim sentiu-se aliviado que talvez essa merda estivesse finalmente atrás de nós. Eu nunca esperei que fôssemos amigos; Eu sabia que o navio tinha navegado, mas ser cordial seria bom.


Nós vivíamos na mesma cidade, tivemos muitos dos mesmos amigos, correndo um para o outro sem querer bater o inferno fora do outro seria uma boa mudança. "Então, eu saí da empresa." Eu sabia que meus olhos se arregalaram em choque. “Recentemente veio à atenção da minha mãe que meu pai tem um vício em chamar meninas. Você não saberia nada sobre isso agora, iria? Um sorriso puxou o canto de sua boca, mas eu simplesmente balancei a cabeça em resposta. "Minha mãe decidiu que ela teve o suficiente de Kenneth Lambert e meu avô assumiu a partir daí." Beau sacudiu a cabeça com uma risada. Até agora eu nunca soube o quanto meu avô desprezava meu pai. É realmente muito gratificante ver meu pai rastejar e ainda chegar de mãos vazias. ” "Seu pai é um pau pomposo." "Concordo." Mais uma vez ele assentiu. “Vou trabalhar para o meu avô em Los Angeles. Acho que vai ser bom sair de baixo da asa do meu pai. Ele estava me transformando nele e acho que nós dois sabemos que ser como ele estava apenas me preparando para o desastre. "Um novo começo." "Sim." Ele parou como se estivesse imerso em pensamentos. "Tudo o que eu sempre quis foi mais." Ele então olhou de volta para


mim, seu olhar travando com o meu. "Eu era burro demais para perceber que o que eu já tinha era tudo, e agora se foi." Eu sabia que ele estava se referindo a Ashlynn e pela primeira vez eu entendi de onde ele estava vindo. Eu podia me relacionar apenas o pensamento de não tê-la como minha era quase incapacitante. "Cuide dela, Kyler." Naquele momento eu tive um vislumbre do Beau que eu conheci toda a minha vida, o cara bom que eu já tive orgulho de chamar meu melhor amigo. "Eu vou." "Sim, eu sei que você vai." Ele recuou e afundou o queixo em um aceno de cabeça. "Você é um cara legal, Kyler, você sempre foi." Antes que eu tivesse a chance de responder, ele se virou e começou a andar de volta para o outro lado da rua, pouco antes de desaparecer na esquina.

***

"Posso olhar agora?"


"Não." Eu sorri enquanto andava atrás de Ashlynn, minhas mãos colocadas sobre os olhos dela e eu a levei para o quarto. "Só um pouco mais." "Apresse-se já." Eu sabia que ela estava tentando parecer irritada, mas senti o humor entrelaçado em seu gemido. "Você continua sendo agressiva e eu vou ser forçado a fazer você esperar ainda mais." "Você nunca pode me fazer esperar, Kyler, nós dois sabemos disso." Pequena bunda inteligente tinha um ponto. "Mas se você sente a necessidade de tentar, então ..." Ela deixou a sentença morrer enquanto ela empurrava sua bunda para trás contra o meu pau e eu podia me sentir crescendo quase imediatamente. "Ok, você pode dar uma chance, mas no final eu acho que você vai perder." "Consegui você, eu sempre estou ganhando." "Espertinho", ela acrescentou com um sorriso e eu sabia que poderia ser brega quando eu disse coisas assim que fez a minha garota se sentir bem. "Mas eficaz." "Ok, fique aqui", eu dirigi e ela franziu os lábios, o que só me fez rir. “Quero dizer, não tente mexer com essa coisa em seus olhos.” "Então por que você não tira isso já?" Fiquei diante dela, olhando para ela, observando suas linhas de expressão se aprofundarem em sua testa ou o jeito que seu nariz se


enruga em confusão e eu senti isso tão fundo no meu peito que foi como se por um momento eu não conseguisse respirar. Eu estava tão apaixonado por essa mulher, tudo nela me fez sentir como se eu fosse o homem mais sortudo do mundo. Inclinei-me mais perto e pressionei meus lábios nos dela, sentindo o corpo dela se sacudir de surpresa pouco antes de ela se acomodar no beijo. Sua mão envolveu a parte de trás do meu pescoço enquanto as pontas dos dedos brincavam com o meu cabelo na base. "Eu te amo tanto", eu assegurei a ela antes de roubar outro beijo. "Ninguém faz meu coração disparar e meu corpo doer como você faz." Estendendo a mão, comecei a desamarrar o lenço ao redor dos olhos, e quando o puxei para longe, observei-a piscar algumas vezes como se quisesse clarear sua visão. Então ela começou a escanear a sala e eu saí do caminho para que ela pudesse ver tudo. "Quando você fez isso?" Ela perguntou com lágrimas recentes não derramadas em seus olhos. "Está perfeito." Eu estendi a mão e peguei sua mão na minha enquanto entrelaçava meus dedos nos dela. “Eu peguei a chave de Hayley e vim aqui durante o dia enquanto você estava no trabalho. Então, à noite, eu te ocupei o suficiente para que você não notasse a mudança. Quando ela olhou para mim eu balancei minhas sobrancelhas e a fiz rir.


"Eu só pensei que você estava excitado com tesão", disse ela com um encolher de ombros. "Bem, isso sim, mas vamos lá, a comida?" "Sim", ela sorriu, "o jantar na cozinha a cada noite foi um pouco surpreendente." "Tive que esconder o cheiro de tinta de alguma forma." Seu olhar voltou para o quarto enquanto ela olhava em volta de uma parede para a outra. "Eu fui com uma cor neutra porque decidimos pela surpresa." "É realmente perfeito." Ela repetiu suas palavras anteriores. Decidir não descobrir se estávamos tendo um menino ou uma menina era divertido, pelo menos para nós. Todos os demais continuavam pressionando, porque era mais fácil fazer compras do que eles disseram. Mas para nós foi emocionante não saber. Seria um momento que nós dois compartilharíamos quando nos encontrássemos com nosso filho. "Eu ia pegar o berço e as coisas, mas eu queria fazer isso juntos." Eu ainda a observava enquanto ela se movia pela sala agora, olhando atentamente para as paredes, passando a mão pela borda. Na metade do caminho havia uma cor acinzentada e, ao redor do centro, uma borda grossa com ursinhos de pelúcia, girafas e uma variedade de outros animais. Havia tantas cores dentro dessa


fronteira que era quase impossível não tirar as cores para um menino ou uma menina. Foi por isso que o escolhi, e a vendedora continuou dizendo que também era adorável e nova, o que ajudou no processo de tomada de decisão. Quando Ashlynn se virou e olhou para mim com o sorriso mais doce em seu rosto que doía dentro do meu peito. O mesmo de sempre, quando ela olhava para mim como se eu fosse sua pessoa mais favorita. "Como eu tive tanta sorte?" Quando ela disse isso, fiquei completamente quieto, esperando que ela atravessasse a sala em minha direção. A camiseta apertada que ela usava realmente mostrava seu estômago e minhas mãos coçavam para tocá-lo. Ela era fodidamente linda antes de levar meu filho, mas havia algo diferente em vê-la agora. Era como algum tipo de propriedade maluca, alguma natureza possessiva que crescia dentro de mim a cada dia. "Você é tão bom para mim", ela sussurrou quando ela se aproximou na minha frente, colocando as mãos no meu peito. “E eu sei que sem dúvida você vai ser tão bom para o nosso bebê. Eu balancei a cabeça, porque diabos sim eu era, os dois eram e sempre seriam meu mundo. "Obrigada por ser um cara tão incrível."


Quando ela começou a se esticar para cima em busca dos meus lábios, eu a encontrei no meio do caminho e aceitei o beijo que ela ofereceu. Foi um beijo que senti em todas as células do meu corpo. O jeito que ela segurou em mim, me segurando perto. A maneira gentil com que ela moveu os lábios nos meus antes de passar suavemente sobre a minha parte inferior com a língua. Ashlynn era viciante, mais do que qualquer outra coisa que eu já sentira e amava. Ela era melhor que a moto perfeita, na estrada mais ventosa no dia mais ensolarado do caralho.


Ashlynn "Eu posso pedir a Kyler para ajudar a levar as coisas", assegurei a minha mãe, só que ela não estava entendo. A minúscula mulher estava determinada a juntar cada item que compramos em nossa pequena maratona de compras que tínhamos acabado de pegar e levar cada bolsa para dentro. É claro que se eu tivesse tentado ajudar, ela me espantaria e me mandaria comer alguma coisa. Isso me fez rir, considerando que tínhamos acabado de almoçar. Então, em vez disso, segurei a porta enquanto ela fazia uma viagem atrás da outra até que tudo estava empilhado no centro do meu vestíbulo. "Acho que compramos demais", eu disse enquanto observava o estrago. "Absurdo." Ela encolheu os ombros, passando por cima dos sacos e indo para o lado oposto e andando por aí. “Não existe muita coisa quando se trata de minha filha e meu neto.” Eu vi o jeito que seus olhos se iluminaram quando ela disse neto.


"Eu não posso esperar para filmar este anjinho em todos os ângulos retos, com as configurações perfeitas." "Então eu não sou mais necessária como sua musa?" Ela sorriu enquanto lentamente se transformou em um sorriso completo. “Oh sim você é, querida, você e esse doce pequeno bebê. Estou tão animada por ter vocês dois diante da câmera na mais bela foto de mãe e filho. ” Ela era como uma criança no Natal, toda tonta e excitada. Eu peguei o movimento sobre o ombro esquerdo da minha mãe e olhei para cima para encontrar meu pai saindo com um olhar perplexo no rosto. "Eu pensei ter ouvido vocês duas." Ele não parou, só continuou a se mover em direção à geladeira pouco antes de abrir e pegar duas águas. "Tudo certo?" minha mãe perguntou com um olhar curioso no rosto. Eu tinha me movido ao redor da pilha e me juntado a ela enquanto nós duas estávamos lado a lado observando meu pai. "Oh sim", ele acenou com a mão, dando um aceno hesitante, "tudo está ótimo." Novamente ele se moveu pelo corredor em direção ao berçário, sem nos dar uma segunda olhada, o que nós duas achamos intrigante. "Algo não está certo." Eu me encontrei assentindo de


acordo com minha mãe porque algo definitivamente não estava certo. Começamos a nos mover na direção em que meu pai tinha ido e, pouco antes de chegar à porta, ambas paramos em silêncio, ouvindo Kyler e meu pai. "Diz que havia quatro deles", Kyler parecia intrigado, "mas eu procurei nesta pilha três vezes e definitivamente não há quatro." "Precisamos de quatro?" "Sim, Bill." Eu olhei para minha mãe no exato momento em que ela olhou para mim. "Há quatro cantos, então precisamos de quatro pernas." Cobri minha boca para esconder meu risinho e o peito de minha mãe saltou com sua própria risada. "Não podemos construir um berço com apenas três pernas", Kyler nunca havia parecido mais perdido antes. Sua voz era baixa e eu quase podia imaginar o olhar derrotado em seu rosto. Eu escolhi esse momento para dar um passo à frente e entrar na abertura da porta do quarto. Lá no chão estavam Kyler e meu pai, ambos olhando em volta para o conjunto de peças espalhadas no chão entre eles. "Talvez devêssemos ter contratado alguém para colocar isso junto para nós."


Os dois se viraram e me deram um olhar que eu só poderia descrever como choque. "Nós ficaríamos bem se tivéssemos todas as partes", Kyler me assegurou enquanto ele endireitou os ombros e sentou-se mais alto. “Eu não me importo com quem você é, se você não tem todas as partes, você não pode colocar isso junto. Então, contratar alguém não vai mudar o fato de que não podemos ... Ele fez uma pausa quando me inclinei e ergui a perna misteriosamente perdida que eles estavam procurando. Estava escondido atrás da caixa que eles jogaram para o lado. Eu segurei na minha frente e inclinei de um lado para o outro. "Você quer dizer essa parte?" Tanto meu pai quanto Kyler apenas olharam, mudando o olhar de mim para a perna que eu segurava com as duas mãos. "Como eu disse, talvez devêssemos ter contratado alguém." Dei de ombros, os homens estreitaram os olhos para mim e minha mãe começou a rir ao meu lado. "Eu vou ligar para o Quinton." “Ashlynn,” Kyler disse em alerta quando eu me movi da porta em direção ao corredor ainda carregando a perna de madeira. "Por que diabos você chamaria Quinton?" Ele perguntou enquanto seguia atrás, ganhando em mim rapidamente. "Porque ele comprou duas estantes de livros e uma mesa para Hayley e as colocou juntas sozinho", eu disse quando cheguei ao


balcão da cozinha e comecei a vasculhar minha bolsa. "Eu tenho certeza que um berço e trocador seria uma brisa para ele." "Largue o telefone", disse ele enquanto eu levantava da minha bolsa. "Quero dizer." "É assim mesmo?" Ele simplesmente assentiu com a cabeça. "E se eu não fizer?" "Eu vou espancá-la mais tarde." Os olhos de Kyler se estreitaram como se me desafiasse a desafiá-lo. "E se eu quiser que você me espanque?" Antes que eu tivesse tempo de preparar, ele estava ao redor do balcão e colocou minhas costas na geladeira. Eu ainda segurava a perna do berço em uma mão e meu celular na outra. "Eu não preciso de ajuda para construir a cama do meu filho", disse ele com os lábios tão perto dos meus que eu podia sentir seu hálito quente soprar sobre o meu rosto. "Mas baby, se você quer que eu dê palmadas em você, tudo que você precisa fazer é perguntar." Foi então que seus lábios cobriram os meus e ele me beijou ao ponto que eu perdi minha linha de pensamento. Só então a parte e meu telefone foram removidos das minhas mãos e ele recuou. "Obrigado, querida." Ele ofereceu uma piscadela antes de se virar e voltar para o quarto em que meus pais ainda estavam esperando.


"Oh, ele ĂŠ bom", eu sussurrei para mim mesma enquanto deixei meu corpo cair contra a geladeira e fiz o meu melhor para recuperar algum controle.


Kyler

"Como você está se sentindo, Ashlynn?" minha mãe perguntou quando se sentou à mesa em frente a Ash. Nós estávamos comendo na pequena área de jantar apenas fora da cozinha, uma vez que era apenas os três de nós, e esta tabela parecia mais íntima e nos permitiu conversar mais fácil. Eu realmente amei esses momentos com meus pais, observandoos com Ashlynn, a maneira como eles sorriam e riam junto com ela, era a melhor sensação. "Eu me sinto bem, na verdade." Ashlynn colocou seu copo no tampo da mesa. “Eu notei que minhas costas estão ficando um pouco mais doloridas no final do dia. Além disso, meus pés incham, o que é uma coisa nova”. “Eu me lembro quando estava grávida de Kyler, minhas mãos inchavam e meus dedos pareciam mais salsichas.” Ashlynn riu quando minha mãe levantou a mão e mexeu os dedos. "Mas tudo vale a pena", ela acrescentou enquanto olhava para mim com um sorriso. “Eu vou e volto com o que eu espero que


vocês dois tenham. Um dia, acho que seria ótimo ter uma neta, uma para mimar com vestidos bonitinhos e laços de cabelo. Então eu imagino um garotinho com os olhos de Kyler e sua cor de cabelo e acho que isso também seria incrível”. "Eu acho que quero um menino", Ashlynn disse, me surpreendendo. Acho que pensei que ela gostaria que uma filha fizesse todas as coisas que minha mãe acabou de mencionar. “Bem, seja qual for esse pequeno milagre, sempre há tempo para mais bebês.” Eu arqueei minha testa para minha mãe e ela apenas ignorou meu olhar curioso. "Eu imagino vocês dois com uma casa cheia um dia." "Um", eu disse antes de olhar para Ashlynn para descobrir que ela parecia um pouco desapontada com a minha declaração. "O que, você quer mais?" Com um encolher de ombros, ela se concentrou em seu prato em vez de olhar para mim. "Ashlynn?" Quando ela olhou de volta para mim, estendi a mão e coloquei minha mão sobre a dela. "Você quer mais filhos?" "Não é importante agora." Ela examinou a área ao nosso redor e percebi que poderia não ser algo que ela queria discutir com meus pais, mas era tarde demais. Minha curiosidade foi despertada. "É importante", assegurei-lhe, recuperando toda a sua atenção.


"Eu acho que só esperava que eu tivesse pelo menos dois", disse ela, quase baixo demais para ouvir. “Quando cresci, costumava desejar um irmão ou uma irmã”. Por um momento nós apenas continuamos a olhar um para o outro antes de um lento sorriso se espalhar sobre meus lábios. "Bem, então, parece que vamos passar por tudo isso novamente quando dermos a esse um irmão." Eu acho que eu apenas assumi porque ela tinha tido um início tão difícil que ela não teria nenhuma intenção de repetir isso. Eu acho que estava errado. O resto do jantar estava cheio de risadas e pode ter havido uma menção de uma ou duas horas de casamento, mas eu não dei nenhuma atenção a isso. Minha mãe poderia ser um pouco agressiva, mas eu senti que não havia pressa para isso agora. Eu me vi no futuro casado com Ashlynn? Inferno sim eu fiz, mas esse tempo viria.

***

Eu entrei no chuveiro atrás dela e estendi a mão para substituir as mãos que massageavam o sabão em seu cabelo com o meu. Ela


sorriu como eu suspeitava que ela já soubesse que eu me juntei a ela. Tanto para tentar ser astuto. "Isso é tão bom", ela gemeu e eu senti meu pau pular no som. O cara tinha uma mente própria quando se tratava dessa mulher; ele amava um pouco Ashlynn. Não ajudou quando ela fez aqueles pequenos gemidos sexy, era como combustível para um incêndio. "Incline a cabeça para trás", eu dirigi, e quando ela fez, eu continuei a mover meus dedos pelos cabelos enquanto o sabonete escorria pelo seu corpo. Eu tentei não me concentrar muito na sensação erótica do momento, mas vamos, eu sou um cara. Um cara que amava sua garota e cada coisa sobre ela. Seus seios cobertos de espuma, seus mamilos duros e implorando para serem tocados. Não mais capaz de resistir à tentação, aproximei-me e senti os picos empurrarem contra o meu peito. Ela engasgou e eu sabia que era porque eles eram tão sensíveis. Ela era como uma grande bola de terminações nervosas, o que me fez pensar que tê-la grávida e necessitada era uma coisa boa. "A que horas as garotas estão te pegando?" Eu mudei meu corpo e sorri quando sua boca se abriu quando meu peito esfregou contra seus mamilos. "Onze." A palavra caiu de seus lábios em um sussurro ofegante. Ela estava saindo para almoçar com Hayley e algumas outras amigas e depois elas iriam fazer pedicure.


"Então, temos cerca de uma hora antes de aparecerem." Eu mergulhei e beijei seus lábios antes de me afastar e me certificar de esfregar meu peito contra o dela no caminho. A essa altura eu sabia que não estava jogando de maneira justa e não me sentia nem um pouco mal com isso. Quando ela assentiu em resposta à minha pergunta, pouco antes de morder o lábio inferior, eu sabia que tinha ela. "Vire-se", eu sussurrei e seus olhos finalmente abriram quando seu olhar se fixou no meu. "Segure a alça e separe suas pernas." Um sorriso sábio se espalhou por seus lábios enquanto ela lentamente e cuidadosamente se virou enquanto eu dirigia. Quando ela se inclinou para frente, arqueando sua bunda perfeitamente para eu entrar atrás dela, eu acho que rosquei pra caralho. "Tão sexy", eu disse enquanto corria minha mão sobre sua bunda e depois em torno de seu quadril. "Você seriamente tem uma bunda doce, Ashlynn." Eu estava perdido por um momento até que sua risada me puxou de volta. “O que, baby? Você sabe o que isso aqui faz comigo. "Tal homem de bunda", ela arrulhou e eu me aproximei, pressionando o meu pau agora duro contra ela. "Só sua bunda, querida", eu assegurei a ela quando cheguei entre nós e me posicionei em sua abertura. Quando eu empurrei para frente, deslizando lentamente dentro de seu calor, ela gemeu e me


inclinei mais perto. “Cada coisa sobre você me deixa fraco, querida. Você é tudo para mim, Ashlynn, e você sempre será. O banheiro se encheu com os sons de nossos corpos batendo juntos e os gemidos do nosso prazer. Aquele grunhido gutural profundo que me atingiu toda vez que a senti tensa ao meu redor, naquele momento em que se tornou demais e eu cheguei tão forte que meus dedos dos pés se enrolaram. Ela fez isso comigo, ela fez minha cabeça girar e meu coração bateu tão forte que foi quase doloroso às vezes. Quando nós dois estávamos saciados e ofegantes, eu puxei seu corpo de volta para o meu enquanto meu peito pressionava firmemente em suas costas e apenas a segurava lá. Um braço foi enrolado com segurança em seu peito segurando-a com segurança, o outro sobre seu quadril, minha mão se estendeu sobre sua barriga. Fechei os olhos quando percebi que naquele exato segundo eu segurava meu mundo em minhas mãos.


Epílogo

Ashlynn

"Eu deveria estar preocupada que você pareça um pouco pálido?" Eu olhei para Kyler quando ele sentou ao lado da minha cama de hospital. "Porque parece que você pode vomitar, ou desmaiar, talvez ambos."


"Eu deveria estar preocupado que você não está mostrando sinais de dor, mesmo que o monitor continue mostrando que as coisas estão acontecendo e que, na verdade, deveriam estar causando dor?" "São as drogas", eu disse com um encolher de ombros. "Elas são muito, muito boas." Ouvi a porta se abrir e Hayley enfiou a cabeça para dentro, Quinton logo atrás dela. "Porra, eu pensei que nós entraríamos em alguma ação." Eu dei a ele um olhar confuso antes de desviar o olhar para Kyler e depois de volta para Quinton. "Venha, você sabe." Ele ampliou sua postura e se agachou como um jogador de futebol que, é claro, só me confundiu ainda mais. "Suas pernas para cima nos estribos, sua cabeça toda encharcada de suor enquanto você empurra." "Sempre que as pernas dela estiverem nos estribos, sua bunda não estará nem perto desta sala." Kyler zoneava em Quinton com esse teste, olhar confiante que ele fica quando ele está falando sério. Seus olhos se estreitaram, seus lábios pressionados em uma linha apertada. "É o milagre da vida, Ky."


"É também a minha menina realizando esse milagre com uma parte de seu corpo que é apenas para mim, com exceção do seu médico." Eu tentei não rir quando os dois tiveram um debate sobre minha vagina. "Então, como eu disse, você não estará vendo esse milagre." "Você tira toda a diversão de tudo." Quinton realmente parecia estar fazendo beicinho, o que, na verdade, me fez rir. Hayley avançou e se inclinou, me oferecendo um abraço. "Como você está se sentindo, mamãe?" "Estou bem, nervosa talvez." Ela se afastou e me ofereceu um sorriso tranquilizador. "Muito animada embora." "Eu não posso esperar para conhecer esse garoto." Ela estendeu a mão e pegou minha mão, oferecendo um aperto. “Menino ou menina, esse bebezinho vai ser tão amado e tão mimado. A sala de espera lá fora é tão cheia de tantas pessoas que estão antecipando a chegada desta pequena joia que é quase como um pequeno exército. ” "Eu só quero ser uma boa mãe." De repente eu estava me sentindo excessivamente emocional e era quase impossível segurar as lágrimas que começaram a encher meus olhos. “Em poucas horas, tudo muda. Não é mais apenas sobre mim e Kyler porque seremos responsáveis por um bebezinho que vai confiar em nós


para tudo”. Eu respirei fundo. "Estou com tanto medo que vou atrapalhar." "Você não vai", ela me assegurou, só que não fez nada para acalmar esse medo. "Não, ela não vai." Desta vez foi Kyler quem disse as palavras enquanto se aproximava da minha cabeceira. "Você quer saber por quê?" Eu assenti. "Porque vamos fazer isso juntos e não vamos deixar o outro falhar". E foi quando as lágrimas caíram, quando ele se inclinou e pressionou seus lábios na minha testa. "Temos esse bebê", ele sussurrou, "só você e eu".

***

Kyler

Eu só consigo lembrar algumas vezes na minha vida em que chorei. Claro que houve momentos em que senti aquela dor profunda no meu peito, senti que minha vida tinha acabado. Aqueles momentos em que eu não conseguia respirar, mas nenhum desses momentos comparado a isso.


Eu me lembraria desse momento todo dia que se seguia e lembraria essa dor dentro de mim, porque era um amor tão profundo, um que era incapacitante. Eu tive um filho. Um filho de quatro quilos e noventa, um menino lindo que foi o maior presente que eu já recebi. Eu soube naquele momento que nada se compara ao que eu senti vendo Ashlynn segurar nosso filho perto de seu peito enquanto olhava em seus olhos curiosos. "Ele é tão pequeno", Ashlynn disse em um sussurro rouco. "Eu não posso acreditar que ele está aqui e ele é nosso." Ela estava maravilhada, muito parecida comigo mesmo. Era quase inacreditável que ela e eu criássemos essa pequena pessoa perfeita, alguém que poderia crescer para ser o que quisesse. "Ele está aqui há quase cinco horas, querida, e ainda não lhe demos um nome." "Eu quero nomeá-lo Kyler." Ashlynn olhou para mim e de repente eu fiquei sem fala. "Eu quero que ele seja como o pai dele, amoroso e compassivo." Seu lábio inferior tremeu. "Eu não consigo pensar em outro nome que se adapte a ele mais do que o nome de seu pai." Sentei-me na beira da cama, colocando o braço atrás do pescoço e juntos olhamos para o nosso filho. Ou então ela pensou que era tudo que eu estava assistindo, mas eu assisti os dois. Meu mundo


inteiro estava neste único quarto. Essa percepção foi tão esmagadora, eu estava exultante. Não havia como descrever as coisas que eu estava sentindo, sem palavras, nada. Era muito grande, muito mágico, muito mudando a vida. "Eu te amo muito." Ashlynn olhou para mim e eu não pude resistir ao impulso de beijá-la. "E nós vamos balançar essa coisa de pais, querida, isso é uma promessa." "Eu também te amo, Kyler, e não tenho mais dúvidas de que juntos faremos tudo certo." Porra em linha reta nós faríamos.

FIM


AS MENINAS ENCANTADAS, você é tudo incrível. O apoio contínuo que você me mostra é algo que nunca poderei expressar o quanto isso significa para mim. Obrigado a todos por compartilhar meu trabalho e por serem apenas vocês. Você é o maior grupo de mulheres. Obrigada, Lydia, porque você é uma verdadeira amiga e motivadora, sempre me fazendo rir e sorrir. Somos uma equipe incrível e sua amizade significa o mundo. Obrigado por ser uma das minhas maiores cheerleaders. Equipe Beta, você sabe quem você é. Muito obrigada a todos por participarem desta jornada comigo. Seu feedback e palavras encorajadoras ao longo do caminho fizeram com que essa história fosse muito importante. Sem todos vocês, seria o que é agora. Para meu marido e filhos, obrigado por ser a melhor parte dos meus dias. Por me tolerar quando me perco no mundo da ficção e entender que às vezes o jantar pode ser um pouco tarde. Jayden e Tayler, não importa quantos livros eu escreva, vocês dois sempre serão minhas melhores criações.


Meus leitores, sou sempre tão humilde pelo seu apoio. Essas mensagens aleatórias que recebi depois de ler meus livros, seja algo grande ou pequeno, eu realmente os amo. Ouvir o que você pensa, aos meus olhos, é uma das melhores coisas sobre lançar um novo livro. Eu nunca estou ocupado demais para você.


CA Harms é como qualquer outro leitor viciado. Ela gosta de finais felizes e histórias de amor do HEA. Ela nem sempre foi uma amante do romance e uma vez foi viciada em um bom mistério. Recentemente, ela assumiu um novo gosto e agora é um viciado em romance. Ela mora em Illinois e gosta de passar tempo com o marido de 14 anos e dois filhos. Você sempre vai encontrá-la com seu Kindle ou Paperback na mão, pois é o seu passe favorito.

Profile for Jé

Kyler - C A Harms  

Kyler - C A Harms  

Advertisement