Page 1


Tradução: Brynne Revisão: Debby Formatação: Addicted’s Dezembro/2018


Sinopse Ela confessou todas as suas fantasias secretas para mim... e então ela descobriu quem eu sou.

Eu não tenho nenhum problema em levar as mulheres para a cama. Ou pressionar contra uma parede. Ou a ter no meu colo na traseira de um táxi. Afinal, eu sou um bilionário, CEO da minha própria empresa, bonito como o inferno... e um figurão. Sim, isso é um eufemismo.

Então, não sei exatamente por que passei o último mês conversando com uma mulher on-line, uma mulher que conheço apenas como SweetVixen.

Tudo o que sei é que seus e-mails me deixam louco. Eles são sujos como o inferno... e eles me fazem sentir coisas que eu não sentia há anos.

Mas quando finalmente nos encontramos, estamos ambos em choque. Porque acontece que a minha SweetVixen é na verdade a pequena Hannah Cole, uma redatora júnior do meu próprio departamento de marketing.

Ela está envergonhada. Ela diz que está errado. Mas, de alguma forma, conhecer as fantasias tortuosas que se escondem sob aqueles conjuntos de suéters inocentes me faz querer mais do que nunca - seja qual for o custo.

Felizmente, eu sou o chefe... e isso significa que sempre consigo o que quero

Bigshot Boss é um romance contemporâneo autônomo super fumegante - sem traição, sem cliffhangers, e um doce-lindo felizes para sempre. <3


A Serie


Capítulo Um

Hannah

Eu bato meus dentes, olhando para a tela do computador. Eu deveria estar escrevendo uma cópia de marketing para uma poltrona, delineando com detalhes requintados seus braços de mogno curvados, suas costas altas, o modo como suas características clássicas são todas tão diferentes de seu moderno tecido cinza. É uma cadeira linda, não há como negar isso, mas as palavras não estão chegando hoje. O que é lamentável, já que como redator júnior, todo o meu trabalho consiste em... bem, escrever uma cópia de marketing. Do tipo que requer palavras para vir Eu olho para a parede baixa do cubículo. Os outros escritores e editores da seção em nossa área do departamento de marketing estão todos trabalhando fixo. Eu posso ouvir seus teclados batendo enquanto eu apenas sento aqui, completamente vegetando. Ontem à noite, por outro lado... ontem à noite, as palavras voaram como água. Não, algo mais sexy que a água. Como calda de chocolate quente. Como cera derretida. Eu coro apenas lembrando a barragem de palavras sujas que fluíam da ponta dos meus dedos. Eu dou uma olhada rápida para ter certeza de que todo mundo ainda está


trabalhando duro e, em seguida, clico no meu e-mail pessoal, verificando se ele já respondeu. Nada. Droga. Seja paciente, digo a mim mesma. Ele sempre responde, mesmo que seja lento às vezes. E o mais importante, ele sempre faz valer a pena a espera. Só então, nossa chefe, Charlene, bate palmas em voz alta, tirando-me da minha doce antecipação. "Pessoal aproximem-se." Ninguém suspira audivelmente, mas o som doloroso de cadeiras lentamente sendo arrastadas das mesas diz tudo o que não precisamos. Hora de mais uma das conversas estimulantes de Charlene. "Pessoal," diz ela novamente, certificando-se de que ela tenha toda a nossa atenção. "É isso. Estamos agora oficialmente a menos de um mês longe do dia.” Dia. Se eu tiver que ouvir essa palavra mais uma vez, vou atirar em alguém. Possivelmente eu mesma. Olho para Sloane, minha única amiga de trabalho, e, como se estivesse lendo minha mente, ela revira os olhos e faz a mímica atirando na própria cabeça. Eu suprimo uma risadinha e tento me concentrar no que Charlene está dizendo. "Este não é apenas um dos catálogos em que estamos trabalhando," ela está dizendo, olhando para nós. "Esta é a nossa Vogue de setembro." Algumas pessoas mudam de lugar. Uma pessoa boceja dramaticamente. Ouvimos esse mesmo discurso pelo menos uma vez por semana nos últimos dois meses, então está começando a perder um pouco de sua eficácia. Charlene é a chefe da equipe de catálogos no departamento de marketing da Loft & Barn, uma empresa global de mobiliário doméstico. O que significa que somos seus subordinados, um fato que ela absolutamente adora.


“Para o próximo mês, espero sua total dedicação, comprometimento e profissionalismo. Use suas calças confortáveis,” acrescenta ela, tentando fazer uma piada. Ninguém ri. Jim, um dos editores da seção, levanta a mão. "Nós temos o resto das fotos ainda?" Esta é praticamente a única informação que tornaria esta reunião relevante. Charlene enfia o cabelo loiro branco atrás das orelhas. "Bem, ainda não, mas..." "E quanto à lista de produtos, pelo menos?" "Não, não como tal, mas..." Jim suspira e cruza os braços. “Eles nunca estiveram tão atrasados antes. O que está acontecendo? Li no Post que eles estão fechando algumas de suas lojas de varejo.” Há um murmúrio nervoso entre o nosso grupo. Jim é mais velho que a maioria de nós e trabalha aqui há mais tempo que qualquer um de nós, incluindo Charlene. De alguma forma, ele sempre parece saber o que está acontecendo por aqui, muito antes do resto de nós. "O fechamento de lojas não tem nada a ver com a gente," diz Charlene, mal mantendo a exasperação de sua voz. "É uma evolução natural à medida que mais negócios se movimentam on-line." Jim cruza os braços, ainda parecendo cético. “Então, nossos empregos estão seguros?” Jim claramente não vai deixar isso passar. "Claro que estão," ela bufa. "O catálogo é a pedra angular da nossa estratégia de marketing, como você sabe." Se Charlene tivesse que fazer camisetas personalizadas, elas diriam, sem dúvida, "Catálogos: a pedra angular da nossa estratégia de marketing." É o que ela mais gosta de nos dizer - acho que ela gosta do impulso do ego de comandar a equipe de alto perfil de marketing. Ela também não está totalmente errada. Fazemos três catálogos por ano e o catálogo de outono - aquele em que estamos trabalhando agora - era a maior peça de marketing


que fizemos. Tenho certeza de que devemos gastar metade do orçamento de marketing de todo o ano para imprimir e enviar as malditas coisas. Quero dizer, quem imprime os catálogos hoje em dia? Loft & Barn, é quem faz. "E de qualquer maneira," continua Charlene. “Trent e Luke convocaram uma reunião para amanhã especificamente para falar sobre o catálogo de outono. Todos estaremos subindo ao trigésimo andar para nos juntarmos a eles.” Eu não posso deixar de notar como ela alisa o cabelo quando ela pronuncia os nomes dos irmãos. Sloane e eu olhamos um para o outro, sorrindo. Charlene é uma mulher mais velha razoavelmente atraente, mas está solteira a vida toda, até onde sabemos, e é óbvio para praticamente todo o escritório que ela tem uma queda pelos fundadores da empresa, Trent e Luke Whittaker. "Bom, eu vou perguntar a eles então." Jim cruza os braços. Eu tenho que abafar uma risadinha. Isso vai fazê-la partir. Com certeza, Charlene parece chocada. “Você não fará tal coisa. Esta é uma reunião para eles nos fornecerem informações. Não incomodá-los com nossas queixas. Juro por Deus, se você fizer nosso departamento parecer ruim...” Jim revira os olhos, embora esteja claro que ele não tem intenção real de fazer uma pergunta na reunião. Todo mundo sabe que essas reuniões não são para a equipe. Eles são uma oportunidade exclusiva para os irmãos Whittaker lembrarem-nos de quem dirige essa empresa e para quem nós respondemos, não uma oportunidade para troca de informações reais. Nessas reuniões, seremos vistos e não ouvidos. Em outras palavras, elas são um completo desperdício de tempo. Bem, não é um desperdício completo. Os irmãos são alguns colírios muito gostosos. Mas é isso. Charlene parece ter terminado com seu discurso motivacional, então todos nós arrastamos nossas cadeiras de volta para nossas mesas. Sloane chama minha atenção novamente.


"Café?" Ela gesticula e dramaticamente com a mímica engolindo uma bebida invisível. Eu concordo. Eu dou mais uma espiada no meu e-mail, mas ainda sem resposta. Droga. Talvez ele não responda até hoje à noite. Às vezes ele fica ocupado no trabalho durante o dia e eu não ouço falar dele até tarde da noite.

Seja paciente, eu me lembro. Há uma cafeteria no saguão do nosso prédio, mas Sloane e eu decidimos ir lá fora e caminhar até o outro na rua. "Eu preciso de um pouco de ar fresco," diz ela com um suspiro. "Os discursos de Charlene estão fazendo todo esse escritório parecer velho." Eu rio e empurro a porta de vidro aberta. É julho agora, e a umidade de Chicago me atinge como uma parede de tijolos. Tanto para o ar fresco. Chegamos ao café e pedimos Americanos gelados e decidimos encontrar lugares para que não tivéssemos que voltar ao escritório ainda. "Aquilo que Jim estava falando... você acha que há alguma verdade nisso?" Eu pergunto. Eu não tenho que expandir o que estou me referindo. Sloane encolhe os ombros. "Bem, provavelmente é verdade que eles estão fechando algumas lojas. Eu não acho que vale a pena ficar perturbada sobre isso. Jim só gosta de ter algo para se estressar.” Eu soltei uma pequena bola de tensão que eu nem percebi que estava segurando. Eu absolutamente não posso perder este emprego - não com a minha irmã para apoiar. Mas mais do que isso, eu não quero perder isso. Depois de anos trabalhando no varejo, finalmente, entrar em um trabalho de marketing foi um sonho que se tornou realidade para mim. Eu sonhava em trabalhar em relações públicas para sempre - eu tinha ido à escola por alguns anos, até que nossos pais morreram e eu tive que desistir para ajudar a cuidar da minha irmã. Então, perder esse emprego é só... eu nem consigo pensar nisso.


Eu confio no julgamento de Sloane. Embora eu tenha trabalhado aqui desde o começo do ano, nos tornamos amigas rapidamente e ela tem sido ótima em me informar sobre as fofocas do escritório e as diferentes personalidades com quem trabalhamos. Além disso, ela é linda e hilária - eu posso ter uma garotinha minúscula apaixonada por ela. "Não acredito que ainda não temos as fotos," diz Sloane. “Deus, este verão vai sugar. Por que diabos eles estão demorando tanto?” Eu tomo um gole da minha bebida, saboreando a deliciosa frieza. Sloane já havia me avisado que a pior coisa sobre o catálogo de outono era que ele matava seu verão longas horas, ao longo do tempo, muitas conversas estimulantes de Charlene que não são tão vigorosas. Eu estava secretamente ansiosa por isso. “Talvez os irmãos estejam ocupados demais se admirando no espelho para fazer qualquer trabalho?” Ofereço. Sloane bufa. "Isso não me surpreenderia. Embora seja mais provável que eles estejam ocupados demais fodendo suas putas baratas que se empolgam com o quão quentes são para fazer qualquer trabalho.” "Ei, agora," eu brinco. “Eles são homens talentosos. Quem disse que eles não podem fazer as duas coisas?” Sloane sorri. "Bom ponto." Ela sorve seu café. "Então, qual você acha que é mais quente?" "Os irmãos?" Eu já posso sentir minhas bochechas ficando rosa. "Oh, eu não sei." "Vamos lá - não finja que você não pensou sobre isso. Pessoalmente, sou fã de Luke - pense no que ele poderia fazer com essas mãos.” Ela fecha os olhos e geme dramaticamente. "Isso é verdade," eu admito. Luke era o designer da dupla, e as pessoas diziam que ele ainda criava todos os protótipos da coleção à mão. Eu não sabia se isso era verdade ou não, mas ele certamente parecia ter participação - ele aparecia em reuniões


corporativas agitando camisas de flanela e Timberlands1, e ele tinha a elegância rústica de alguém que passava muito tempo ao ar livre. "Eu acho que Trent é muito fofo," eu finalmente admito, embora "fofo" seja o eufemismo do século. Há apenas algo sobre seus ternos caros - e a forma como seu corpo musculoso quase os rasga - isso faz totalmente por mim. "Muito fofo?" Sloane zomba, como se estivesse lendo meus pensamentos. "Isso é um eufemismo. O homem é sexo em uma vara.” Eu quase cuspi uma boca cheia de café. Eu amava como Sloane sempre dizia o que ela está pensando - às vezes eu gostaria de ser mais parecida com ela. A única vez que tenho esse tipo de confiança é quando estou on-line, me escondendo atrás de um nome de usuário. Então - oh, então eu sou a rainha da obscenidade. Falando nisso... Eu olho para o meu celular e suspiro quando vejo que ainda não tenho nenhum novo e-mail. Ele vai responder, eu me tranquilizo. Ele sempre responde. Sloane olha para o próprio telefone e suspira. "Eu acho que devemos voltar," diz ela com tristeza. Saímos juntas da cafeteria e voltamos para os escritórios da Loft & Barn, e me preparo para uma longa tarde com bloqueio criativo.

1

M arca de calçado


Capítulo Dois

Hannah

“Alguém em casa?" Largo minha bolsa na porta da frente e tiro meus sapatos. Eu mal sou uma pessoa de saltos e até esses saltinhos de baixo praticamente me matam depois de um longo dia de trabalho. "Onde mais eu estaria?" A voz de Ally vem da sala de estar, onde eu a encontro assistindo o canal HGTV. Eu me inclino e beijo o topo de sua cabeça. "Eu não sei, pensei que você poderia ter um encontro quente." Ally bufa. "Certo. Como isso vai acontecer.” "Bem, isso faz nós duas." Ally está esticada no sofá, então eu pego a poltrona em frente a ela. Sua cadeira de rodas fica ao lado do sofá para que ela possa alcançá-la facilmente quando quiser se levantar. "Como você está se sentindo hoje?"


Ela encolhe os ombros. "Bem." "Sim?" Eu provoco. Ela provavelmente não me diria a verdade de qualquer maneira, mas eu ainda tenho que perguntar. "Estou bem, Hannah." "Você almoçou?" "Sim." "O que você teve?" Eu odeio ter que cuidar da minha irmã mais velha dessa maneira, mas às vezes ela fica deprimida e deixa de cuidar de si mesma. Quando isso acontece, ela está em uma espiral descendente e fica mais difícil recuperá-la. Mais fácil arrancar o mal pela raiz. Ally suspira. "Um sanduíche de atum." Ela não tira os olhos da televisão. "Mesmo? Porque tenho certeza que usei a última lata de atum no outro dia quando fiz a caçarola.” Ela finalmente se vira para olhar para mim, seus olhos se estreitam. "Bem. Eu acho que foi um sanduíche de manteiga de amendoim e geleia.” Agora eu sei que ela está mentindo, mas ela está me encarando como se ela estivesse apenas me desafiando a questioná-la. Eu decido deixar ir desta vez - eu não quero outra luta. "Bem, eu vou fazer algumas massas para o jantar. Você quer um pouco? Podemos abrir aquela garrafa de vinho tinto.” "Certo. Tanto faz." Ela já voltou a olhar para a televisão e sei que não faz sentido continuar a conversa. Ally é mais velha do que eu dois anos, mas a, metade do tempo me sinto mais parecida com a mãe do que com a irmã. É difícil para mim, mas não posso reclamar - afinal, ela é a única com esclerose múltipla. Ela foi diagnosticada com esclerose múltipla há quase dez anos - por algum tempo, não pareceu afetá-la muito, mas há cerca de cinco anos ela começou a sentir


muita fraqueza nas pernas. Eventualmente, piorou ao ponto de precisar da cadeira para se locomover. Ela ainda tem força e mobilidade suficientes para entrar e sair da cadeira, e ainda pode mexer um pouco as pernas, mas sei que acha difícil não dar a volta como costumava fazer. Ela costumava ter um emprego, mas ela desistiu assim que começou a precisar da cadeira - ela foi uma Assistente Pessoal em um estúdio de televisão, e era muito exigente fisicamente. Hoje em dia ela não vê ninguém além de mim e ela não tem nenhum passatempo de verdade, exceto assistir a shows de decoração e fixar coisas que não podemos pagar em suas pesquisas no Pinterest. Ela foi realmente aquela que encontrou a vaga para o meu trabalho na Loft & Barn. Ela estava sempre em seu site, então ela notou quando eles postaram a vaga de marketing. Ela sabia que marketing era o meu sonho, mas, para ser sincera, acho que ela estava com um pouco de inveja por estar trabalhado para uma de suas companhias favoritas, então tento não falar muito sobre isso com ela. Eu coloquei uma panela de água para ferver para o macarrão e, em seguida, abro a garrafa de vinho e despejo dois copos. Eu trago para Ally e volto para a cozinha para começar o molho. No momento em que o jantar está pronto, eu termino meu primeiro copo de vinho e metade do outro. "Você quer comer na cozinha?" Eu pergunto a Ally. Ela sacode a cabeça. “Você pode simplesmente colocá-lo na mesa de café? Eu não estou realmente com fome agora." Eu percebi que ela realmente não tocou seu vinho também. Eu trago para ela uma tigela de macarrão e coloco na mesa na frente dela. "Tem certeza de que você está se sentindo bem?" Eu pergunto. "Estou bem, Hannah," diz ela com um suspiro. Então ela força um sorriso. “Eu aprecio a preocupação embora. Estou um pouco cansada.”


“Ok. Bem, me diga se alguma coisa mudar.” "Eu vou." Volto para a cozinha e tento não suspirar alto demais. Ally e eu temos um relacionamento complicado - como tantas irmãs tem - mas os papéis que foram obrigados a nós, tornaram isso ainda mais difícil. Eu como rapidamente e depois lavo a minha tigela e coloco as panelas de molho. Eu encho meu copo de vinho e depois de colocar minha cabeça na sala para ver Ally mais uma vez, eu finalmente me retiro para o meu quarto. Eu só tenho uma coisa em mente agora - checar meu email. Assim que fecho a porta, pego meu telefone e o desbloqueio. Para minha decepção, ainda não tenho nada de novo. Talvez seja isso - talvez ele finalmente tenha se cansado de apenas enviar e-mails. Eu sabia que isso acabaria acontecendo eventualmente. Um homem assim deve ter mulheres jogando-se nele o dia todo. Eu ainda não acreditava que ele deixava nossa correspondência por e-mail continuar enquanto durasse. Ele havia me enviado uma mensagem em um site chamado Lovemail, cerca de um mês atrás. Eu nem sei porque eu fiz um perfil lá - era principalmente para encontros. A grande maioria das pessoas nem usava fotos de seus rostos. Apenas selecionavam, umas partes do corpo. Era totalmente diferente de mim ir ao site, não importa postar uma foto e escrever uma pequena descrição. Mas depois de um excesso de copos de vinho uma noite e uma enorme sensação de solidão (e, tudo bem, tesão) lá estava eu, postando uma foto

picante do meu amplo decote e me descrevendo como uma sweet vixen2 para qualquer coisa.

2

Embora Vixen é o nome feminino de raposa, a palavra é usada como caracteristica de uma mulher que é ousada, sem vergonha e super sexy. No caso, o apelido dela pode ser traduzido como Doce Ousada ou docemente ousada


Que piada. E agora Mister Bigshot, obviamente, tinha visto através dele e passou para alguém que estava realmente pronta para qualquer coisa. Eu suspiro e me deito na cama. Bem, foi divertido enquanto durou. Mais que divertido, na verdade. Ele trouxe um lado meu que eu não sabia que existia - um lado muito, muito travesso. Um lado que fez minhas bochechas corarem e minha boceta ficar molhada. Um lado que, tenho que admitir, vou sentir muita falta. Mas isso é o melhor, eu acho - afinal, essa Hannah, a Hannah do Lovemail, não é real. A verdadeira Hannah é uma boa menina que cuida de sua irmã e namora garotos legais e faz sexo normal. Nada de errado com isso. Não que eu sequer namore garotos legais ou faça sexo normal hoje em dia. Eu não namorei ninguém desde Matt - e veja como isso terminou. Pensar em Matt me faz estremecer de vergonha, e percebo que terminar minha correspondência com o Mister Bigshot é definitivamente o melhor. Eu deveria apenas colocar todo esse negócio fora da minha mente completamente. Eu abro meu laptop e estou apenas passando tempo no Netflix quando meu telefone toca. Minha respiração pega quando eu alcanço, e então o calor inunda meu corpo enquanto eu vejo as palavras na minha tela:

"Você tem 1 nova mensagem no Lovemail."


Capítulo Três

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Você pode ajudar?

Eu sinto muito que este e-mail esteja chegando até você no final do dia. Eu queria escrever algo mais cedo, mas eu nem consegui ver sua última mensagem sem ter um pequeno... problema. Na verdade, não tão pequeno, se você sabe o que quero dizer. ;) Só tenho que agradecer (culpar?) Por isso, senhorita Vixen. Seus pais sabem que você tem uma boca assim? E onde você aprendeu sobre essas atividades safadas? Sinceramente, na verdade eu tive que falar com o Google sobre uma coisa que você mencionou, e tudo o que posso dizer é que vou ter que enviar ao departamento de TI uma garrafa de uísque muito cara, se eles olharem para o meu histórico de pesquisa. Na verdade, acho que talvez precise de um uísque muito caro.


Como foi seu dia hoje? Eu me pergunto se você pensou em mim tanto quanto eu pensava em você. Sentado em uma reunião com um cliente hoje eu me encontrei sonhando com sua boca. Aquela doce boca fodida. Eu imaginei você embaixo da mesa na minha frente, silenciosamente me pegando, me levando até sua boca. Agitando sua língua em volta do meu pau, lambendo minhas bolas. Eu aposto que você sabe o que está fazendo nesse departamento, não sabe? Aposto que você ama chupar pau. Pensar em você é a melhor distração. É ridículo o quanto eu aguardo seus e-mails. Sr. Bigshot

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Oh, eu posso ajudar

Bem, Sr. Bigshot. Sempre um prazer ouvir você. Um homem que não me importo de esperar. É muito desobediente da sua parte pensar em mim te chupando durante uma reunião com o cliente. Especialmente porque você já deveria saber que não há como você ficar quieto durante um evento como esse. O jeito que eu trabalharia seu pau com minha língua te deixaria ofegante. Essa é a garantia da Sweet Vixen (confie em mim). Confesso que passei muito tempo pensando em você hoje também. Na verdade, passei muito tempo pensando em cadeiras. (Não pergunte) Mas minha mente se recusou a focar - tudo em que eu conseguia pensar era você sentado naquela cadeira. Sorrindo tão sexy. Me chamando para vir até você. E então eu subindo no seu colo. Levantando minha saia, movendo minha calcinha para o lado. Deslizando para baixo


em seu pau duro. Montando você até nós dois gozarmos. Até vermos fogos de artifício. Fodendo você em uma cadeira de quatro mil dólares. Então este foi meu dia. Em poucas palavras.

- SWEET V.

DE: misterbigshot@lovemail.com To: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu preciso dessa cadeira.

Você está tentando me torturar? Estou pesquisando curas para bolas azuis agora. Eu nem estou brincando. Você está me forçando a resolver o problema com minhas próprias mãos, quando prefiro estar tomando você em minhas próprias mãos. Já faz um mês agora. Um mês de provocações e flertes e uma quantidade de amor próprio que me faz sentir como se eu tivesse treze anos de novo. Eu não gostei de ser adolescente, Sweet. Eu sou um homem. Um homem de sangue muito quente. Um homem que quer te foder até que você esqueça o seu próprio nome. Me encontre. Deixe-me fazer todas essas coisas para você de verdade. Eu até tenho a cadeira perfeita (veja anexo).


Capítulo Quatro

Hannah

Respirações profundas. Não enlouqueça, Hannah. Não. Enlouqueça. Eu tento beber meu suco de laranja. Ally está olhando para mim do outro lado da mesa do café da manhã como se eu tivesse perdido a cabeça, então não acho que estou fazendo um bom trabalho em manter minha loucura sob controle. "Você está bem?" Ela pergunta, sobrancelhas levantadas. "Mmhm," murmuro sem compromisso quando termino de beber meu suco. Eu não sei porque isso é uma surpresa. Claro que ele gostaria de se encontrar. Claro que ele queria. Como ele disse em seu e-mail, ele é um homem de sangue quente. Ele não ficará satisfeito com os e-mails para sempre. Para ser sincera, fiquei chocada por ele ter passado um mês inteiro. Eu tinha que ter recebido pelo menos trinta e-mails dele naquele tempo, e a maioria deles eram sujos, mas muitos deles eram doces também. Nós nos abrimos um para o outro. Nós falamos


sobre famílias, relacionamentos. Eu sabia sobre seus irmãos, sua ex-noiva. Ele sabia sobre o MS3 da minha irmã, a morte dos nossos pais. Claro, tem as coisas ruins também. Oh, há coisas ruins. Coisas que fazem minhas bochechas brilharem para lembrar. Eu escrevi coisas que eu nunca em mil anos seria capaz de dizer para alguém pessoalmente. E eu gosto de como isso me faz sentir livre. Como alguém que não seja a chata Hannah Cole. E nem me fale sobre as fotos que eu enviei a ele. Querido Deus. Eu dou uma mordida na minha torrada e tento engolir, mas ela fica na minha garganta. Eu não posso conhecê-lo. Eu não posso. Se eu fizer isso, ele verá o quão diferente o meu eu real é da pessoa que eu criei.

SweetVixen. Até o nome me faz morrer de rir. Eu poderia muito bem ter escolhido o LakerCheerleader para o quão verdadeiro ele é. "Você tem certeza de que está bem?" Ally pergunta novamente. "Você parece um pouco... febril." "Estou bem. Honestamente.” Eu rio para mostrar a ela o quão bem eu estou, mas isso soa alto e um pouco maníaco. Ally levanta as sobrancelhas novamente. Passamos um tempo juntas o suficiente para que ela saiba que estou mentindo - como sabia que ela estava mentindo sobre como ela estava se sentindo ontem - mas também nos conhecemos bem o suficiente para saber quando não pressionar. Este é um desses momentos. Pego nossos pratos da mesa e aperto seu braço enquanto caminho. "Eu voltarei depois do trabalho." "Claro que você vai," diz ela, sorrindo um pouco tristemente. “Onde mais você iria? Essa é a sua vida: trabalhar e aqui.” É a minha vez de levantar minhas sobrancelhas. Às vezes minha irmã é um pouco perspicaz.

3

Esclerose múltipla


"Amo você, Als," eu digo, sacudindo e pegando minha bolsa. "Também te amo, Hans," ela responde. Então, com um meio sorriso, ela acrescenta: "Seja boa."

Sloane me para antes que eu possa até chegar ao meu cubículo. "O que há de errado?" Ela me olha de cima a baixo. "Por que todo mundo fica me perguntando isso?" "Hmm, vamos ver. Poderia ser o brilho oh-tão-sexy de suor cobrindo seu rosto?” "Está quente." "Que tal o fato de você estar usando dois brincos diferentes?" Minhas mãos voam para os meus ouvidos. Merda. "Eu estava um pouco distraída esta manhã." "Eu vejo isso. Diga a mamãe o que está acontecendo.” Eu hesito. Eu não estou pronta para dar a Sloane todos os detalhes sangrentos da minha vida de fantasia online - mas, novamente, pode ser bom obter algum conselho objetivo. "Café mais tarde?" Eu sugiro. "Pode apostar." Passo o resto da manhã olhando para a mesma foto da cadeira que ele me enviou. Se eu achava que minha distração era ruim antes, hoje é quase intransponível. Tudo o


que posso pensar é no Mister Bigshot. Fodendo-o naquela cadeira do jeito que eu havia descrito para ele no meu e-mail. Acabou sendo uma manhã muito longa. Quando Sloane finalmente me dá o sinal, estou mais do que pronta para um café. E estou pronta para falar com alguém sobre o que está em minha mente. "Eu conheci esse cara on-line," eu deixo escapar assim que entramos no elevador. "Nada de errado com isso," diz ela, encolhendo os ombros. “Muitas pessoas se encontram online hoje em dia. Como ele é?" "Maravilhoso. Doce e encantador e muuuuito sexy.” "Ótimo. Então qual é o problema?" "Ele quer se encontrar." Sloane se vira para mim, boquiaberto. "Você ainda não o conheceu?" Ela sussurra. "Não." Nós saímos do elevador. Sloane liga o braço dela ao meu. "Oh querida. Essa é a regra fundamental do namoro on-line. Conheça o mais breve possível. Caso contrário, você se apega a uma pessoa que pode ou não ser real. Por que você acha que esses aplicativos de namoro são tão populares? sem sofrimento.” Ela faz uma pausa. "Você viu uma foto dele pelo menos, certo?" "Não do seu rosto," eu admito, em seguida, desvio o olhar, envergonhada. Sloane aperta seu coração com horror fingido. “Oh doce Jesus. Hannah, e se ele for um troll medonho?” Eu sacudo minha cabeça. Eu posso não ter visto seu rosto, mas ninguém com um corpo como esse poderia ser um troll. Aquele peito largo, aqueles abdominais esculpidos, as tatuagens sensuais, aquele pau grosso, reto e perfeito. Ah sim - eu vi

tudo. Bem, tudo exceto seu rosto. Mas não havia como qualquer parte do corpo desse homem ser nada além de perfeição.


"Eu não queria deixar isso passar por tanto tempo," imploro a Sloane enquanto esperamos na fila pelo nosso café. “Acabei de investir em nossas mensagens. Comecei a ansiar por elas, e então nenhum de nós mencionou um encontro, e simplesmente continuou assim.” "E agora você gosta dele." "Sim." "E você tem medo de conhecê-lo e ficar desapontada." "Sim." Eu não mencionei que estou com mais medo de que ele fique desapontado comigo. "Bem, só há uma coisa a fazer." "Não diga isso." “Você tem que conhecê-lo. Arranque o Band-Aid.” "E se eu gostar do Band-Aid?" "Que pena. Abra baby e deixe o ar entrar.” "Ainda estamos falando sobre encontro?" "Acho que sim." "Eu não tinha certeza." “Pare de tentar mudar de assunto. A coisa mais inteligente que você pode fazer agora é descobrir se esse cara é um fracassado ou não.” Eu mordo meu lábio. A fila de café é longa e ainda há pelo menos quatro pessoas à nossa frente. "Sloane?" Eu hesito, então apenas deixo escapar. "E se eu for a única que é uma fracassada?" Eu me odeio quase imediatamente por fazer a pergunta. Sloane e eu nos conhecemos há alguns meses, e já estou despejando inseguranças de uma vida inteira para ela. Muito bom, Hannah. Maneira de ganhar amigos e influenciar pessoas.


Mas Sloane apenas aperta meu braço. “Senhora, você não é um fracassada. Você é inteligente, engraçada e fofa. Qualquer cara teria sorte de ter você.” Suas palavras me dão um brilho quente momentâneo, até que eu me lembro o quão explícitos meus e-mails com o Mister Bigshot chegaram. Ele não está esperando inteligente, engraçada e fofa. Ele vai estar esperando... bem, uma sweet vixen. O que eu definitivamente não sou. O que eu vou fazer?


Capítulo Cinco

Hannah

Sloane e eu voltamos para o escritório a tempo para a reunião da equipe. Os escritórios da Loft & Barn não têm uma sala de reuniões grande o suficiente para todos na empresa, então as reuniões são transmitidas por videoconferência. Todo mês, eles rotacionam qual departamento consegue se reunir aos Whittakers na sala de reuniões real. Este mês, alegria das alegrias, é a vez do marketing. O nosso grupo está no andar de cima. Embora nós, plebeus, trabalhemos no décimo oitavo andar, os cargos executivos estão no trigésimo. São necessários três elevadores para levar todos nós para cima e, Charlene fica no saguão do décimo oitavo andar o tempo todo, dirigindo-nos como um ansioso controlador de tráfego aéreo. "Vamos, vamos!" Ela sussurra, fazendo um gesto de braço elaborado que eu tenho certeza que significa "cobras em um avião" em linguagem de sinais. Eu entro em um elevador com Sloane, Jim e algumas outras pessoas da nossa seção. Chegamos ao trigésimo andar e seguimos para a sala de reuniões. Ninguém fala. Ninguém gosta de ir pessoalmente a essas reuniões. Pelo menos quando você faz login


em vídeos, pode fazer algum trabalho ou navegar na Internet enquanto a reunião avança. Quando você está na sala de reuniões, você tem que parecer alerta e prestar atenção. Ah bem. Pelo menos significa ver os irmãos Whittaker de perto e pessoalmente. Há apenas lugares de pé na sala de reuniões, então eu encontro um lugar nos fundos, entre Jim e Sloane. Nós nos divertimos fazendo apostas em quantas vezes Charlene vai alisar seu cabelo durante esta reunião. Ela vai, é claro, bem na frente da sala, onde os irmãos não poderão sentir sua falta. Não demora muito para que o murmúrio na sala se acalme. Eu me esforço para ver acima das pessoas à minha frente. É isso… Ai sim. Ali está ele.

Trent Whittaker. Também conhecido como sexo em uma vara. O homem pode ser um tirano, mas o Senhor o abençoou bem em outros departamentos. Um e oitenta e alguma coisa e construído como um animal enjaulado. Ele preenchia um terno da maneira que a maioria dos homens só poderia sonhar em fazer. Cabelos escuros, olhos escuros, uma sombra de barba perpétua de seis horas que você só quer sentir esfregando entre a parte interna das coxas. Caramba. Talvez houvesse uma sweet vixen em mim ainda. Eu olho para longe quando Trent começa a falar, muito envergonhada agora para olhar para ele. Basta estar na mesma sala com ele é o suficiente para fazer minha calcinha sentir-se desconfortavelmente úmida. "Obrigado a todos por estarem aqui hoje." Sua voz profunda percorre a sala. "Para aqueles de vocês que não me conhecem, eu sou Trent Whittaker." Há uma risada educada na sala. Como se houvesse alguém aqui que não o conhecesse.


"Olá a todos vocês lá em vídeo conferência, e bem-vindos hoje à nossa equipe de marketing, que estão se juntando a nós aqui no trigésimo." A risada educada se transforma em aplausos educados. Tenho certeza de que metade das pessoas que estão sintonizando on-line já pararam de assistir, mas aqui na sala, sua presença está mantendo todo o meu corpo em total atenção. A luxúria está se enrolando dentro do meu intestino. Eu pisco algumas vezes, tentando apagar a imagem mental dele me jogando na mesa da sala de reuniões e me levando tão duro e rápido quanto ele quiser. Isso é loucura, eu acho, como um rubor cobre minha pele. Eu realmente preciso sair mais. "Meu irmão Luke me pediu para passar seus cumprimentos hoje." A voz de Trent é como manteiga, derretendo sobre nós. "Ele queria estar aqui, mas ele está ocupado com a nova coleção e... bem, nós não quereríamos interromper um gênio trabalhando arduamente, não é?" Todos riem educadamente de novo. Eu tento me distrair do rico timbre da voz profunda de Trent, olhando ao redor da sala. Eu percebo a onda de ternos cinza e pretos, o cabelo perfeitamente penteado. Até mesmo Charlene, que normalmente não se veste assim, está usando um blazer cor de carvão inteligente. Eu olho para o meu próprio vestido de verão amarelo, subitamente consciente de quão fora de lugar devo parecer. Eu envolvo meu cardigã branco mais apertado em volta de mim, feliz por estar no fundo da sala. "Estamos no bom caminho para a temporada, e Luke está na fase final de terminar as peças emblemáticas deste ano." Trent pisca um sorriso de mil megawatts. “Agora, eu sei que normalmente já teríamos as peças finalizadas até agora e vocês teria as fotos e o catálogo estaria bem encaminhado. Mas eu prometo a vocês que Luke e eu estamos trabalhando tanto quanto podemos para deixar tudo pronto para vocês.”


Ele faz uma pausa para tomar um gole de água de um copo colocado na mesa da sala de reuniões. Sua garganta balança quando ele engole uma vez, duas vezes, três vezes. Ninguém na sala respira uma palavra no silêncio. "Vai ser um par de meses ocupado," diz Trent finalmente, colocando o copo na mesa e olhando devagar pela sala. "Então, estou aqui para lhe pedir um pequeno favor. Nós precisamos de vocês. Nas próximas semanas, à medida que as fotos e, as listas de produtos começarem a chegar, precisamos que vocês façam um grande esforço. Toda a ajuda possível. Haverá algumas horas extras. Haverá alguns finais de semana. Mas se todos nós nos unirmos, podemos fazer esta coleção de outono - e, claro, o catálogo de outono - o melhor que a Loft & Barn já viu.” Ninguém se atreve a gemer alto, mas a temperatura na sala cai perceptivelmente. Eu puxo meu pequeno cardigã apertado em volta de mim. Então é disso que trata esta reunião. Nos preparando para trabalhar um monte de horas extras. Uma mão dispara na fileira da frente. Surpresa registra no rosto de Trent, embora apenas por um segundo. Ele é rápido o suficiente para engessar outro sorriso vencedor. "Uma pergunta. Sim?" "Vamos fazer horas extras para toda estas noites e trabalho de fim de semana?" Há uma mudança notável na sala. É a pergunta que todos na sala querem perguntar, mas não acredito que alguém tenha ousado fazer isso. Os olhos de Trent escurecem, de alguma forma o fazendo parecer ainda mais sexy e imponente. “Deixe-me virar isso e fazer uma pergunta. Você tem uma família?" "Sim." "Bom. Ótimo. E quando um de seus filhos está doente, você ganha horas extras para cuidar deles?” "Não." O homem na primeira fila que fez a pergunta cruza os braços. "Certo. Você cuida deles porque os ama.” "Mas isso não..."


“Aqui na Loft & Barn, somos uma família. Nós cuidamos um do outro. Você, eu, todos os nossos amigos em marketing e lá em terra de vídeo. Estamos juntos nessa. Cuidar um do outro.” O homem da frente esfrega o queixo nervosamente. "Mas essa é a coisa, ver, eu realmente tenho filhos e preciso..." Trent o interrompe. “Talvez você não esteja me entendendo. Este é um problema muito simples com uma solução muito simples. Ou você trabalha a hora extra ou encontra um novo emprego. O mesmo vale para todos os outros nesta sala.” Deus, ele é um idiota. No entanto, durante meio segundo, eu me pego desejando que o olhar fumegante fosse direcionado para mim. Olhos piscando, corpos queimando, corações batendo... Sloane se inclina. "Eu aposto que o cara na frente está desejando que ele tivesse mantido a boca fechada," ela sussurra para Jim e eu. Jim revira os olhos. "Da próxima vez que meu filho ficar doente, eu vou trazê-lo e deixá-lo vomitar por todo o terno de seis mil dólares de Trent Whittaker. Então veremos o quanto ele gosta da família.” Eu bufo. Alto. Oh Deus, muito alto. A sala fica quieta. Trent para de falar. “Há algum problema ai atrás? Qualquer coisa que alguém gostaria de compartilhar com o grupo?” Você poderia ter ouvido um alfinete cair naquela sala de reuniões. Meu estômago balança para frente e para trás, como se eu estivesse em um barco muito pequeno durante uma grande tempestade. Se as coisas piorarem, eu vou vomitar no terno de seis mil dólares de Trent.


Um minuto atrás eu queria sentir seus olhos em mim, em cima de mim, e agora estou apavorada quando esses mesmos olhos examinam a multidão. Eu tento manter meu olhar nivelado e não encontro seu olhar, mas não adianta. Eu sinto o exato segundo em que seus olhos pousam em mim. Minha pele começa a queimar. Minhas pernas tremem. Minha respiração fica irregular. Ele está tão concentrado em mim que é como se fôssemos as únicas duas pessoas na sala. No universo. Eu não posso deixar de olhar para ele. Eu posso sentir meus lábios abrirem. Meus mamilos ficam embaraçosamente duros e eu puxo meu cardigã de novo, desejando a Deus que eu fosse do tipo que usava camisas de botões e blazers formais. Nossos olhos ainda estão trancados, como se um raio de eletricidade estivesse nos conectando. Finalmente, Trent Whittaker fecha seu livro. Eu soltei um suspiro que nem percebi que estava segurando. "Certo, isso é tudo que temos tempo para hoje." Ele sai da sala sem olhar para trás. A mulher grisalha que reconheço como sua secretária corre atrás dele. As pessoas começam a sair da sala em silêncio. Todo mundo está insatisfeito com as horas extras, mas a verdadeira reclamação não começará até que tenhamos saído do trigésimo andar. Assim que a porta do elevador se fecha, Jim bate com o punho na cabeça. “Sem hora extra. Fins de semana e noites, tudo porque eu deveria amar essa empresa do jeito que eu amo meu filho doente.” Sloane dá um tapinha no braço dele. “Não se preocupe, amigo. Trent está bem ali nas trincheiras conosco. Escapando em seu terno de seis mil dólares.” Sarcasmo goteja de sua voz. Todos nós nos calamos quando a porta do elevador se abre novamente e vemos Charlene parada ali.


“Grande encontro, certo time? Realmente inspirador, como sempre. Vamos mostrar a Trent que podemos fazer desta a melhor temporada de sempre.” Ela bate as palmas das mãos, sorrindo. "Você sabe o que acontece com a coleção?" Jim pergunta. Sloane e eu ficamos atrás dele, não querendo perder isso se vai haver um espetáculo. “Bem, não como tal, não, mas os Whittakers estão muito ocupados, como você sabe. Tenho certeza de que eles estão apenas trabalhando para torná-lo ainda mais perfeito do que o habitual." Jim está balançando a cabeça. "Há algo acontecendo," ele diz sombriamente. "Eu não sei o que é, mas não é bom." "Bem, nós não vamos chegar a lugar algum com essa atitude, não é?" Charlene ressoa. "Você ouviu Trent - nós vamos fazer deste o melhor catálogo até agora." Eu tento não revirar os olhos. Como uma pessoa pode estar tão fora da realidade? Então, novamente, sou tão ruim quanto ela. Trent tinha basicamente ameaçado demitir todo o nosso grupo, e tudo que eu conseguia pensar era como seu peito rasgado deveria parecer embaixo daquele terno. Talvez eu esteja tão iludida quanto Charlene. Ou talvez eu realmente precise transar. Penso novamente em Mister Bigshot, em seu convite para me conhecer. Posso… ? Eu me volto para a minha mesa, perdida em pensamentos. Não consigo tirar os olhos escuros de Trent Whittaker da minha cabeça, mas tenho algo melhor. Eu tenho um Mister Bigshot. Eu puxo o aplicativo Lovemail antes que eu possa mudar de ideia. Afinal, eu mereço me divertir um pouco, não é?


Capítulo Seis

Trent

Fico olhando pela janela do meu escritório, me concentrando na vista panorâmica do horizonte da cidade e tentando não perder a cabeça. "O que você quer dizer com você não está vindo?" Eu aperto o copo de uísque que estou segurando, querendo não quebrar o copo. Silêncio do outro lado do telefone. “Luke. Nós concordamos que era importante fazer essa reunião juntos. As equipes precisam ver uma frente unida.” Outro longo silêncio. Estou prestes a perguntar se ele ainda está na linha quando ouço o ruído do viva-voz. "Estou trabalhando," diz ele. “Você está realmente trabalhando? Ou você está fazendo beicinho?” "Eu estou trabalhando." Ele parece genuinamente insultado, o que na verdade pode ser um bom sinal. “Achei que isso era mais importante que uma reunião.”


Eu suspiro. "É importante," eu admito. "Mas isso é tudo." "Sim, bem, eu não estou interessado em enfrentar essas pessoas e dizer-lhes porque ainda não temos uma coleção." "E de quem é a culpa?" Eu grito. “As pessoas estão ficando inquietas, Luke. Eles querem saber por que as fotos não estão prontas. O Google Shipping envia chamadas todos os dias de lojas e designers, imaginando quando eles poderão começar a fazer pedidos. Eu tenho uma equipe de marketing inteira sentada lá com os polegares para cima, só esperando por uma merda para colocar no catálogo. ” "Se você me deixasse projetar as coisas que eu quero projetar, talvez não estivéssemos nessa posição." Eu suspiro. Nós tivemos essa conversa tantas vezes agora que eu poderia praticamente ter isso sozinho. “Você sabe que temos que reduzi-lo, Luke. Simplificar. Não podemos competir com os Ikeas do mundo se você continuar fazendo essas peças ornamentadas que custam uma fortuna para produzir. Precisamos de barato e alegre - atrair publico. Essa é a direção que esta empresa precisa entrar. Já passamos por isso mil vezes.” "Sim, e eu ainda não concordo." "Você não precisa concordar. É por isso que eu sou o CEO e você é apenas...” "Apenas o que, Trent?" Sua voz está com raiva agora e eu percebo que eu não deveria ter dito isso. "Eu não quis dizer 'apenas' nada, Luke. Você é o designer e o criador chefe e eu respeito seu trabalho de forma incrível. Você sabe disso. Também sei que você pode enfrentar um desafio quando precisar - basta olhar para essa nova direção como um desafio a ser enfrentado.” Há silêncio do outro lado da linha. No que diz respeito a Luke, esta conversa acabou.


"Eu vou sair e ver você depois do trabalho, como é isso? Talvez possamos dar uma olhada no que você tem até agora.” Ainda sem resposta. "Tchau, Luke." Eu apertei o botão para desligar a chamada. Há dias em que ser o CEO é a última coisa que quero fazer. Hoje é um deles. Eu brevemente considero jogar tudo fora, tomando o rumo que nosso irmão Jace tinha e fugindo para Nova York para trabalhar como garçom. Ou talvez eu possa me mudar para a Califórnia e me tornar um instrutor de surfe. O fato de não ter ideia de como surfar parece irrelevante. Sempre quis aprender; a única coisa que me impedia era a falta de tempo livre, o que eu teria em abundância se assumisse a vida de um vagabundo de praia. Eu suspiro e bebo o resto do meu uísque. Quem estou enganando? Loft & Barn é a minha vida, meu bebê, meu maior orgulho. Eu passei toda a minha vida construindo Luke e eu a temos juntos. Ele é o lado criativo, sou o lado do negócio. Funcionou bem, pelo menos até agora. Pela primeira vez desde que abrimos nossas portas dez anos atrás, Luke e eu estamos em desacordo sobre a direção da empresa. E enquanto Luke começa a se esconder em sua oficina, eu consigo afastar os abutres que estão apenas esperando que nós fracassemos. Eu olho para o meu relógio. Merda, hora da maldita reunião. Eu não tenho ideia ainda do que vou dizer a eles. De alguma forma, eu tenho que convencê-los de que tudo está bem - e convencê-los no fato de que eles terão que trabalhar duas vezes mais duro assim que conseguirmos todo o produto, para que possamos, na verdade, terminar tudo a tempo. Eu sorrio para o fantasma do meu reflexo na janela. Este é um rosto que você pode confiar, não é? Eu sorrio mais largo, mais largo, mais largo, até que pareço um lobo prestes a devorar uma criança pequena.


"Sr. Whittaker?” Eu me viro e vejo Lottie, minha secretária. "Eles estão prontos para você na sala de conferências." "Eu estarei lá."

A sala já está completamente cheia. Eu espremo meu caminho passando por algumas pessoas, sorrindo e acenando, cumprimentando alguns que eu realmente conheço pelo nome. Eu não reconheço a maioria das pessoas na sala. Eu olho para a nota da reunião que Lottie carregou no meu tablet. O marketing estava na sala hoje, com todos os outros sintonizando por vídeo. Ótimo, cara a cara com os moradores das cavernas do catálogo. "Olá a todos, ótimo ver todos vocês." Eu coloco um sorriso no meu rosto. “Uau, grande energia na sala hoje. Para aqueles de vocês que não me conhecem, sou Trent Whittaker.” Eu abro o sorriso de dois watts e recebo algumas risadas dos idiotas residentes. Eu atravesso meu discurso. Luke queria estar aqui, mas ele está ocupado trabalhando. A coleção está indo muito bem, nada para se preocupar. A vida aqui é excitante - é tão excitante, na verdade, que todos vocês terão que trabalhar um monte de horas extras nas próximas semanas. Blá, blá, blá. Estou prestes a terminar quando algum idiota da primeira fila levantar a mão. Eu olho para Lottie - ninguém deve fazer perguntas nessas reuniões. Isso desperdiça tempo. Mas ela apenas encolhe os ombros e eu não posso ignorá-lo agora sem parecer um idiota.


"Sim, vá em frente." Eu memorizo seu rosto. Tenho certeza que ele trabalha na compra de mídia. Sem surpresa, ele pergunta sobre horas extras. Eu deveria saber que estava chegando, e me chutei por não tê-lo cortado quando tive a chance. Eu não posso dizer que eu o culpo por perguntar - se eu estivesse desse lado da mesa, seria a primeira coisa que eu gostaria de saber também. Exceto que agora estou do lado de cá, e não há como me comprometer com horas extras quando nem sei se vamos ter uma coleção neste ano. Então eu dou a ele uma olhada. Aquela que deixa a maioria das pessoas frias. "Deixe-me perguntar uma coisa," eu digo, inclinando-me para que ele possa sentir a minha presença. "Você tem uma família?" Eu dou o que eu acho que é um ótimo discurso, mas eu posso dizer que o cara da fila da frente não está comprando. E então eu ouço risadas do fundo da sala. Eu olho para cima, observando a multidão. Eu não sei exatamente de quem veio embora parecesse ser uma mulher. Eu olho para todos eles, tentando tirar um olhar de culpa de um deles, mas a maioria deles nem sequer me chama a atenção. Todos eles desviam o olhar e, enquanto eu examino a multidão, todos começam a se misturar. Ternos cinzas, ternos pretos, cabeças para baixo. Todos, exceto aquele doce pêssego nos fundos com o vestido amarelo. Eu faria um comentário sobre o traje adequado no local de trabalho, mas se esse vestido não está fazendo meu pau se contorcer. Ela não vai encontrar meus olhos, mas eu deixo o meu percorrer todo o seu corpo, observando seus cabelos castanhos na altura dos ombros, seus lábios carnudos, o jeito que seus seios mal são segurados por aquele pequeno vestido frágil. Droga. Se todo o marketing fosse assim, eu os colocaria aqui para todas as minhas reuniões.


Mas talvez eu apenas me contente com ela. Ela finalmente olha para cima e nossos olhos se bloqueiam. Uma corrente elétrica passa entre nós e eu tenho uma imagem súbita de estar sozinho na sala de conferências com ela, dobrando-a sobre a mesa e levantando aquele pequeno vestido. Aposto que ela tem uma bunda perfeita - apenas a quantidade certa de preenchimento para bater. "Certo." Fecho meu livro fechado. "Isso é tudo que temos tempo para hoje." Eu tenho que sair daqui antes que eu tenha um problema embaraçoso em minhas mãos. Eu volto para o meu escritório e penso em ter outro uísque. A bebida do dia é uma das grandes vantagens de ser o CEO. Exceto que eu tinha dito a Luke que eu iria a cidade para vê-lo, e planejei dirigir desde que meu motorista está tirando um merecido dia de folga. Sento-me à minha mesa com a intenção de fazer algum trabalho antes de encerrar o dia, mas quase automaticamente me vejo entrando no Lovemail. Ainda estou esperando por uma resposta da SweetVixen, mas não há nada lá. Uma pontada de decepção passa por mim. Eu tinha finalmente sugerido se encontrar - para ser honesto, eu não tenho idéia porque eu esperei tanto para fazê-lo. Eu conheci muitas mulheres neste site, mas normalmente trocamos apenas algumas mensagens e uma foto ou duas antes de nos encontrarmos. Essa foi a única maneira de fazer isso. Eu provavelmente poderia usar um dos aplicativos de namoro para torná-lo ainda mais eficiente, mas eu não sou um daqueles caras que se safam com mulheres sonsas. Eu gosto de saber que uma mulher pode amarrar duas frases antes de eu levá-la para a cama. Foi por isso que deixei meus emails com a SweetVixen continuar por tanto tempo. Aquela mulher pode fazer mais do que juntar uma frase. Seus e-mails são doces, sexy, sujos - tão fodidamente sujos. Eu odeio admitir isso, mas ela me tem no gancho. As mensagens que trocamos foram como um mês de preliminares prolongadas, e eu sei que isso vai tornar as coisas muito mais intensas quando finalmente fodermos. E não se engane, eu vou estar fodendo ela.


Porque já chega. Eu quero conhecê-la agora. Folheio o site por alguns minutos, olhando para outros perfis. Talvez eu deva começar a entrar em contato com outras mulheres, fazer a próxima na fila agora para economizar tempo. Eu clico em um perfil, uma loira gélida com seios enormes. Totalmente meu tipo usual. Olho para o ícone "mensagem," mas fecho a janela sem clicar. Talvez eu só espere mais um ou dois dias. Não há mal em ver como as coisas acontecem com a SweetVixen, afinal.


Capítulo Sete

Lovemail

De: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Você pode fazer isso ir embora?

Hoje foi um dia do inferno. Não, como o inferno do sétimo círculo, mas talvez o quinto nível, com o irado e o mal-humorado. Dica profissional de mim para você: nunca aceite um emprego com um psicopata de fronteira. Você tem alguma sugestão para alívio do estresse? ;)

DE: misterbigshot@lovemail.com


Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu sei maneiras de ajudar com isso

Eu definitivamente tenho algumas sugestões para isso. Eu sou, na verdade, um apaziguador profissional. Minha língua é coberta por algumas apólices de seguro de saúde. Mas lamento ouvir sobre o dia ruim e o chefe ruim. É por isso que gosto de trabalhar para mim. Não há psicopatas para enfrentar. É claro que o problema em ser seu próprio patrão é que você tem todas essas pessoas dependendo de você para seu sustento e buscando inspiração para você. Parece divertido, mas na realidade é muita pressão. Especialmente quando as coisas não estão indo bem. Claro, vem com suas vantagens. Ter um escritório de canto com vista para a cidade e uma enorme mesa de mogno que é perfeita para foder pequenas doces megeras é apenas uma das muitas.

MISTER B.

PS: Você já pensou em minha oferta?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Esse é o tipo de alívio do estresse que eu preciso


Humm interessante. Vou ligar para meu departamento de seguro de saĂşde amanhĂŁ para perguntar sobre nossa cobertura para sexo oral. Eu me pergunto o que a franquia diria sobre isso? SV PS: Sim, eu pensei sobre isso. E sim, eu vou te conhecer.


Capítulo Oito

Hannah

“Então esta noite é a grande noite?" Sloane se inclina sobre o meu cubículo, com um grande sorriso no rosto. "Você consegue manter a voz baixa?" Eu nem sequer estive no escritório há vinte minutos e ela já está me incomodando sobre o meu encontro com o Mister Bigshot. "O quê, você não quer que ninguém saiba que você tem um encontro hoje à noite?" "Sloane!" Eu imploro, olhando em volta para ver se alguém a ouviu. Jim olha para nós, mas depois olha para o lado, aparentemente desinteressado em nossas palhaçadas. “Vamos, quero detalhes! Tem sido uma vida desde que eu fui a um encontro. Eu preciso viver indiretamente.” "Eu não me importo de falar sobre isso, apenas não na frente de todo o escritório." Eu sou a mais nova da equipe e as pessoas ainda estão me conhecendo - a última coisa que eu quero fazer é desenvolver uma reputação como nada menos que séria. Apesar


do meu desgosto por Charlene, este é basicamente o trabalho dos meus sonhos e eu pretendo arrasar. Sloane bufa. "Bem. Café mais tarde, então.” Ela se inclina para olhar a hora no monitor do meu computador. "Nós vamos às dez horas em ponto. Eu preciso de cafeína e fofoca.” "Tudo bem," eu concordo, rindo. Tenho certeza que ela não me deixaria dizer não, mesmo se eu quisesse. Eu trabalho o mais diligentemente que posso para a próxima hora, mesmo que minha mente esteja tendo dificuldade em me concentrar nas palavras à minha frente. Meu estômago já está amarrado em antecipação a esta noite. Quando Sloane mostra a cabeça no meu cubículo de novo, sou realmente grata pela distração. "Vamos," ela diz, mas eu já estou pulando da minha cadeira. Assim que a porta do elevador se fecha atrás de nós, Sloane está em mim. "Você vai dormir com ele?" "Sloane!" Eu fico horrorizada, embora a idéia tenha definitivamente me ocorrido. Na verdade, foi a única coisa que passou pela minha cabeça nos últimos dias, desde que eu concordei com o encontro. Eu dormiria com ele? Ele iria querer uma vez que ele me conhecesse? "Vamos lá," diz Sloane, verificando seu reflexo na parede espelhada do elevador e enfiando uma mecha de cabelo loiro ondulado atrás da orelha. "Você é uma mulher moderna. Você está autorizado a fazer sexo no primeiro encontro." "Eu sei. Eu só... eu não quero decepcioná-lo.” “Psh. Os homens nunca ficam desapontados em conseguir fazer sexo.”

Ha. Se ela soubesse. "É só que eu acho que ele é provavelmente mais experiente do que eu." Eu hesito. "Eu só já estive com um cara," eu admito.


"O ex-namorado?" Sloane me ouviu falar dele algumas vezes. “Matt. Sim.” Eu respiro fundo. "Eu não acho que ele pensou que eu era muito boa nisso." Nós saímos. Sloane aperta os olhos, mas não sei se é para mim ou para a luz do sol forte. Nós duas puxamos nossos óculos de sol. “Bom em quê?” "Isso." Eu assobio a palavra, rezando para que ela não me faça dizer isso. Sloane para em ponto morto. “Oh doce Jesus. O que te faz pensar isso?" Eu hesito, mas finalmente cuspo. "Ele me disse." "Ele... o que?" Sloane balbuciou em descrença. Se eu não estivesse tão mortificada, poderia ser engraçado. Em vez disso, eu aceno pateticamente. "Foi parte da razão pela qual terminamos," eu sussurro. “Ele disse que eu não tinha imaginação. Sem paixão." É humilhante admitir. Quase tão humilhante quanto ouvir aquelas palavras saindo da boca de Matt... e isso quase me quebrou. Eu o conheci logo após sair da faculdade e ele parecia o cara perfeito. Muito doce e bonito o suficiente, e com um bom trabalho em finanças - exatamente o tipo de cara que eu sempre achei que meus pais esperavam que eu terminasse algum dia. Mas com o passar dos meses, ele parecia ficar cada vez mais irritado com as coisas que eu fazia. Ele reclamava do tempo que passei com Ally, as noites em que tive que trabalhar até tarde. Nós paramos de ir em encontros. Então paramos de fazer sexo. Então ele parou de ligar completamente. Quando finalmente consegui convencê-lo a encontrar-se comigo, ele me disse, impaciente, que eu o aborrecia e que ele nunca poderia amar alguém tão inerentemente chato. Eu chorei por um mês. E eventualmente eu tive que admitir que não era porque eu estava muito triste com Matt. (Ele era um pouco chato também, quando você chegava até ele). Eu chorei porque temi que ele estivesse certo. Que eu era fundamentalmente


entediante. Que eu não tinha paixão. Que eu nunca iria agitar um homem do jeito que outras mulheres poderiam. Sloane me entrega meu café. “Olha, querida. Relacionamentos levam duas pessoas para o trabalho e duas pessoas para o fracasso. Se você não é apaixonada, é porque ele não fez você se sentir apaixonada.” Fico feliz de ter meus óculos escuros para que ela não veja as lágrimas agradecidas em meus olhos. É bom finalmente contar a alguém sobre o Matt. Eu não sei se necessariamente acredito nela, mas é bom colocar isso no mundo. Pegar um pouco de ar. "Agora," Sloane diz, uma vez que estamos fora do café novamente. “Eu acho que você tem sorte de se livrar desse perdedor. Eu acho que o que você realmente precisa é voltar a ativa. E eu acho que o seu amante da internet é apenas o jeito de fazer isso.” Eu não posso deixar de rir. "Oh Deus, não o chame de amante da internet. Isso parece tão nojento.” "Bem. Seu namorado online? Seu pedaço de cyber? Oh, eu sei, seu barco dos sonhos digitais.” "Por favor, pare de falar." Sloane me dá uma cotovelada enquanto ri. "Eu sinto muito. Eu vou falar sério. E eu realmente acho que você deveria parar de se preocupar e apenas pegar o seu. Mesmo que não funcione a longo prazo com esse cara, será bom recuperar sua confiança.” "Talvez," eu permito, pensando em suas palavras. "Talvez." Eu posso fazer isso? Apenas deixar ir por uma noite? Não faço ideia, mas tenho a sensação de que vou descobrir, de uma forma ou de outra. Afinal, o Mister Bigshot não parece ser do tipo que aceita não como resposta.


Naquela noite, eu gasto uma quantidade ridícula de tempo me preparando. Nós tínhamos feito planos para nos encontrarmos no L'amour, um restaurante francês no lado leste. Eu visto cerca de oito roupas diferentes para Ally e, embora ela insista que cada uma está bem, eu ainda acabo mudando mais três vezes. Eu finalmente me acomodo em um simples vestido de bainha preta com um cinto de ouro fino. Lembrando minha conversa com Sloane, aproveito o tempo extra para raspar minhas pernas. Apenas no caso de. Eu não estou presumindo nada... mas apenas no caso. Depois de fazer a maquiagem e borrifar um perfume suave atrás das orelhas, me inclino para dar um beijo de despedida a Ally. "Tenha um tempo maravilhoso," diz ela. “Me escreva se você precisar de alguma coisa. E se você vai se atrasar.” Ela pisca e eu gemo. Por que todo mundo está supondo que eu vou cair na cama com esse cara? Eu pego um táxi para o restaurante, então não preciso viajar pelo trem nesses saltos, que são cerca de três centímetros mais altos do que qualquer coisa que já usei antes. Quando o motorista estaciona na frente do L'Amour, eu respiro fundo. O taxista está me observando no espelho retrovisor. "Posso te perguntar uma coisa?" Eu pergunto, antes de sair. “Claro.” "Eu pareço uma pessoa chata para você?" Ele revira os olhos. "Senhora, eu não sei. Eu dirijo um táxi.” "Certo," eu digo, envergonhada. Eu começo a sair do carro. "Ei," diz ele, inclinando-se. "Você tem pernas bonitas. Eu vou te dar isso.” Ele está sorrindo.


"Obrigado." Eu balancei minha cabeça quando saí do táxi. O que há de errado comigo? Este encontro entrou na minha cabeça de uma forma que está começando a me assustar. Eu quero dizer que o Mister Bigshot é apenas um pequeno jogo online, mas a verdade é que eu gosto de suas mensagens. Ele é doce e sexy e engraçado. E em um mundo perfeito, ele é alguém que eu poderia desenvolver sentimentos reais por ele. Mas só há uma maneira de descobrir com certeza. Eu respiro fundo e abro a pesada porta de madeira do restaurante. A anfitriã, uma linda mulher de pele escura em um vestido de cetim marfim, me dá um sorriso frio. "Tenho uma reserva. Sob o nome L.M.” Para Lovemail, ele me explicou. "Claro. Seu outro par já está aqui.”

Eu sugo minha respiração. Isso está realmente acontecendo. A recepcionista se vira e começa a voltar para o restaurante. Eu corro para segui-la. O

restaurante

é

escuro

e

abarrotado

e

meus

olhos

percorrem

a

sala

descontroladamente, tentando encontrar uma mesa com um único homem, tentando descobrir qual deles poderia ser ele. Então eu paro. Congelo. A recepcionista continua andando, mas não consigo mexer um músculo. O resto da sala parece desvanecer-se até que tudo que eu possa ouvir é o meu próprio batimento cardíaco, batendo nos meus ouvidos. E a única coisa que posso ver é ele. Mister Bigshot. Só que isso não é como eu o conheço. Eu o conheço como Trent Whittaker.


Capítulo Nove

Trent

Eu checo meu celular. Ainda nada de novo de Luke. Em vez disso, volto para o artigo no Post, o que apontou quantas lojas de varejo fechamos este ano e que especulava que a Loft & Barn iria registrar uma perda neste trimestre, pela primeira vez em nossos dez anos de história. Eu continuo voltando para a seção do artigo que fala sobre as 2.500 pessoas que trabalham em nossos trezentos locais de varejo, as duzentas pessoas que trabalham em nossas sedes aqui em Chicago. Penso em todas essas pessoas e em como os seus meios de subsistência dependem de mim e de Luke, para que essa empresa seja lucrativa. Eu nem sempre gosto das decisões que tenho que tomar, mas estou sempre pensando nas pessoas que trabalham comigo, no que posso fazer para garantir que seus empregos estejam seguros. Mesmo que isso signifique fazê-los trabalhar horas extras não remuneradas de vez em quando. Graças a Deus eu tenho esse encontro esta noite para me distrair. Finalmente, o encontro com a SweetVixen me dará uma boa desculpa para deixar tudo isso de lado por um tempo.


Eu olho através do meu armário, esperando que a inspiração atinja. O terno de Hugo Boss? O Armani. Ou devo ir mais casual com jeans e blazer? Qual ela gostaria mais? Eu quero me dar uma sacudida. Isto é ridículo. Desde quando me preocupo com qual das minhas roupas uma mulher vai gostar mais? Bem, eu sei a resposta para isso, não sei? Não desde Lara. Eu sacudo minha cabeça. Ela é a última pessoa que eu quero pensar hoje à noite. Esta noite é sobre finalmente começar a foder a mulher que está me provocando o mês todo. Nem mais nem menos. Então por que diabos estou me estressando sobre qual terno usar? Eu pego o elegante Calvin Klein preto e fecho a porta do armário. Quem está se estressando? Eu não estou estressando. Eu vou usar esse terno e vou ficar muito bem nele e isso é o fim. Ainda tenho tempo antes de sair, então pego uma cerveja na geladeira. Apenas para tirar a vantagem. Eu tomo um longo gole, amaldiçoando-me novamente por deixar essa troca de correspondência se arrastar pelo tempo que ela fez. Nunca mais. Eu vou ter essa SweetVixen fora do meu sistema e então voltar à minha vida programada: encontrar uma mulher gostosa online, uma que tem mais de duas células cerebrais para esfregar juntas, levá-la para jantar, levá-la para casa, nunca mais vê-la novamente. Esse sistema tem funcionado bem para mim nos últimos cinco anos, e não vejo razão para mudar as coisas agora. Eu examino o apartamento com um olhar crítico, tentando imaginar como isso seria para uma mulher. Nenhum pornô acidentalmente por aí? Não há restos de exnamoradas? Mas claro, o apartamento é impecável, graças a Agata, minha faxineira.


É também uma vitrine virtual da história da Loft & Barn. Eu tenho todas as melhores peças de Luke aqui - o chesterfield4 de couro espresso rico de três anos atrás, as mesas de ninhos de nozes do nosso segundo ano no negócio, a mesa de pedestal e as poltronas. A maioria dessas coisas não está mais disponíveis e seria considerada itens de colecionador. Eu provavelmente ganharia dez vezes o que originalmente vendíamos elas - ou eu poderia, se eu não estivesse tão ligado a elas. Tenho muito orgulho da empresa que Luke e eu construímos, e meu irmão é o homem mais visionário que conheço. Eu odeio que estou prejudicando sua visão, tomando a empresa nesta nova direção mais convencional. Eu termino minha cerveja e digo outra oração silenciosa que ele é capaz de reunir algo em breve. Nós temos que domina-lo com esta coleção. Eu já posso sentir a alegria de Lara em ser capaz de nos levar - e eu não vou deixar isso acontecer. A essa altura, estou mais do que pronto para sair de casa... e mais do que pronto para finalmente conhecer minha SweetVixen. Eu mando uma mensagem para Ted, meu motorista, e o avisei para trazer o carro, checar meu reflexo no espelho mais uma vez e depois pegar o elevador.

O L'amour está movimentado, como sempre está. É impossível conseguir reservas aqui, a menos que você seja eu - nesse caso, é apenas um pouco menos impossível. Eu queria fazer tudo hoje à noite - mais uma vez, algo que eu realmente não posso explicar. Eu sinto que tenho que impressionar SweetVixen. Você sabe, mostrar a ela

4

Sofá


que eu posso beber e jantar com ela, assim como qualquer homem, que eu sou mais do que apenas uma boca suja e um pau duro. Embora eu seja definitivamente ambas as coisas também. Cheguei um pouco cedo ao restaurante, então não me surpreendo ao descobrir que ela ainda não chegou lá. A recepcionista me mostra a minha mesa, e não me escapa o quanto ela contorce seus quadris na minha frente enquanto andamos pelo restaurante. Ela é muito atraente - pele escura e um vestido branco justo - e normalmente eu superaria isso, mas hoje não faz nada para me agitar. Há apenas uma mulher em mente agora. E uma mulher que eu quero no meu pau esta noite. Eu peço uma garrafa de Beaujolais e peço dois copos. SweetVixen mencionou uma vez que ela gostava de tintos frutados, então eu espero que ela goste desse. Eu percebo que eu ainda nem sei o nome real dela ainda. Eu me pergunto o que será - algo mundano e sexy, sem dúvida. Alexandra, talvez, ou Celeste. Francesca. Quando o vinho chega, provo uma amostra e, em seguida, faço com que o garçom me sirva um copo que eu saboreio lentamente enquanto espero. Eu pego meu telefone e começo a ler meus inúmeros e-mails enquanto tento matar o tempo até ela chegar lá. Eventualmente, fico preso no que estou fazendo e mal percebo quanto tempo passou. Estou passando pelos meus e-mails, marcando as coisas da minha lista de tarefas e depois paro. Eu não sei porque. Algo me faz olhar para cima. É quando eu a vejo. SweetVixen. Eu não sei como eu sei que é ela, mas tenho certeza que sei o meu próprio nome. Ela ainda não me notou, então eu a observo enquanto ela segue a recepcionista em direção à minha mesa.


Ela não se parece em nada com o que eu esperava - ou como o meu tipo usual. Eu costumo namorar loiras, altas e elegantes. Essa garota é baixa, mesmo com os saltos de doze centímetros que ela está usando. Ela é curvilínea e macia em todos os lugares certos, e ela tem cabelos castanhos escuros que estão puxados para trás do rosto. Ela é linda. Ela não é exótica ou mundana - não como Francesca ou Isabella que eu estava imaginando. Em vez disso, ela é linda do jeito que seu primeiro amor é lindo. Ela é a garota da casa ao lado, a namorada do colegial. Ela é a garota com quem você se casa. O pensamento me atinge como uma tonelada de tijolos e, eu tenho que balançar a cabeça. Quando eu olho para cima, ela está olhando para mim. Ela parou, talvez a três metros da minha mesa, e está olhando para mim com uma expressão tão horrorizada que quase dou risada. Isto é, até ela se virar e sair correndo do restaurante. Quer dizer, ela não consegue correr nesses saltos, mas ela anda no ritmo mais rápido que consegue. Eu tento levantar e ir atrás dela, mas as mesas estão tão juntas que quase caio no casal sentado ao meu lado. Eu tiro um pedido de desculpas, mas quando saio do restaurante, ela se foi. Eu estou lá fora, observando a rua movimentada, mas ela não está em lugar algum para ser vista. De alguma forma minha SweetVixen acabou de desaparecer.

Eu não vou para casa imediatamente. Em vez disso, fico e bebo a porra da garrafa de vinho de quinhentos dólares que pedi. Eu olho em volta do bar e penso em pegar outra mulher enquanto estou aqui, mas a verdade é que eu não quero outra mulher.


Eu quero ela. Vê-la esta noite apenas reforçou o quanto eu a quero. Ela não é a mulher que eu tenho imaginado, mas de alguma forma isso torna tudo ainda melhor. Para ser honesto, eu provavelmente não teria notado essa mulher se a tivesse visto na rua. Mas sabendo que ela escreveu aqueles e-mails desagradáveis... que ela tirou essas fotos... me deixou louco. Quando chego em casa, estou bêbado, irritado e com tesão. Uma tripla ameaça. Eu abro meu laptop com tanta força que a tela quase se solta, e então eu carrego o Lovemail. Eu procuro as mensagens dela e procuro por uma que tenha anexos de fotos. Eu acho um bom momento - não é surpreendente, quando há tantos para escolher. Esta é uma foto dela inclinada sobre uma cama, bunda nua de frente para a câmera. Eu posso apenas ver seus lábios cor-de-rosa da boceta espreitando entre suas coxas macias. Meu pau já está duro como uma pedra e estou com uma das mãos para desfazer meu zíper e soltá-lo. Eu aperto meu pau no meu punho e acaricio lentamente enquanto olho para a foto dela. Era uma foto quente para começar, e agora que vi o rosto que a acompanha, eu gosto ainda mais. Eu empurro meu pau lentamente enquanto leio a mensagem que ela enviou com esta foto. Tudo sobre deixar-me dobrá-la sobre a minha mesa e levá-la por trás. Doce Jesus Eu já posso imaginar o quão doce ela seria, os pequenos e suaves gemidos que ela faria. Meu pau pulsa no meu punho enquanto eu acaricio com mais força, mais rápido. Eu imagino deslizar em sua boceta apertada, o jeito que ela sentia ao meu redor. Tão quente. Tão molhada. Tão apertada. Tão perfeita. Eu olho para a foto dela de novo e imagino estalando aquelas bochechas macias, do jeito que elas ficam rosa brilhante debaixo da minha mão. O jeito que ela gritaria. O jeito que eu chegava ao redor e apertava seu clitóris. O jeito que ela apertava sua boceta ao meu redor ainda mais forte.


Meu punho está trabalhando furiosamente agora e leva apenas mais alguns golpes antes de eu estar batendo meus quadris e atirando cordas quentes de esperma direto na minha mesa. Estou chocado com o quanto há - parece que continua saindo de mim, onda após onda. Quando acaba, espero me sentir melhor, mas não sinto. Eu ainda me sinto frustrado. Eu não quero minha mão. Eu quero ela. Eu puxo a nossa mais recente sequência de correspondência e tiro uma mensagem para ela antes que eu possa mudar de ideia.


Capítulo Dez

Hannah

Oh Deus. Oh Deus. Oh Deus. Eu saio do restaurante o mais rápido que posso. Isso não pode estar acontecendo. Simplesmente não pode ser. Mister Bigshot é meu chefe. Chefe do meu chefe. Chefe do chefe do meu chefe. Assim que eu abro a porta do restaurante, vejo um táxi. Eu me lanço no banco de trás. "Vá!" Eu grito para o motorista. Ele olha no espelho retrovisor e percebo que é o mesmo homem que me deixou. Ele está mexendo com algo em seu telefone e olhando para mim com uma expressão confusa no rosto. "Eu não acabei de deixar você?" "Sim. Mas por favor, você pode dirigir? Eu preciso sair daqui." Ele liga o carro e inclina o boné. “Você conseguiu, senhora. Eu acho que as pernas não foram o suficiente?”


As pernas? Oh. Eu quase rio, mas é principalmente com delírio. Ele me disse que eu tinha pernas bonitas mais cedo. Penso na reação de Trent no restaurante, a maneira como ele balançou a cabeça horrorizado ao me ver. "Não, as pernas não foram o suficiente," murmuro. As lágrimas que estão se acumulando em meus olhos finalmente descem pelas minhas bochechas e eu me viro, observando as ruas de Chicago passarem enquanto ele dirige. Trent Whittaker. Quais são as possibilidades? Eu não sei se estou chateada porque estou humilhada com tudo o que escrevi para ele ou porque estou com medo de perder meu emprego. Provavelmente um pouco de ambos. Então, novamente, talvez eu esteja decepcionada por ter que desistir da fantasia do Mister Bigshot. Depois de todo o tempo que passei pensando nele no último mês, o soltar parece um pontapé nas costelas. Não me sinto melhor quando chegarmos ao meu apartamento. Na verdade, se alguma coisa, me sinto pior. Ele vai ficar com raiva quando perceber quem eu sou? Ele vai me demitir? Se eu fosse um CEO, não gostaria de ter um processo em potencial pendurado assim. Eu quero me livrar do risco o mais rápido possível. Sinto-me doente. A bílis afunda na minha garganta. Eu absolutamente não posso perder este emprego. Temos um pouco de seguro da morte de nossos pais, mas tudo isso cobre os medicamentos e os cuidados de Ally. Precisamos do meu salário para cobrir nosso aluguel e o resto de nossas despesas. Conseguir esse emprego na Loft & Barn, depois de anos trabalhando em empregos de varejo ruins, parecia um sonho se tornar realidade. Agora isso. Trent Whittaker. Eu balancei minha cabeça, rindo amargamente. Isso é tão típico. Pela primeira vez na minha vida, eu faço algo selvagem... algo não chato. E olha o que acontece?


É por isso que eu deveria me ater à minha pequena vida e não tentar fazer coisas que vão atrapalhá-la. Eu subo o elevador até o nosso apartamento, temendo encontrar Ally. Eu espero que ela já esteja na cama, mas quando eu verifico o tempo eu percebo que não é nem nove horas ainda. Então... improvável. Eu abro a porta silenciosamente e tento me arrastar em direção ao meu quarto, mas minha irmã é a rainha da audição supersônica. “Han? É você?” Eu ouço sua voz chamando da sala de estar. Eu respiro fundo e, em seguida, enfio a cabeça na esquina. "Sim, sou eu." Eu forço um sorriso. "Você está em casa cedo. Eu não esperava você por pelo menos mais algumas horas.” "Sim, bem." "Como foi?" Ela está sorrindo, seu rosto esperançoso. Eu percebi que ela estava quase tão animada com esse encontro quanto eu. "Blargh," eu digo. Eu caio no sofá a seus pés. "Foi meio que um fracasso." Eu me forço a rir como se não fosse grande coisa. Ela se ergue no sofá e silencia a televisão, embora Property Brothers esteja ligado e ela esteja obcecada com o programa. "O que aconteceu?" Ela exige. "Ele era um cachorro?" "Eu não sei," dou de ombros. "Ele não apareceu." "O que ?!" Sua voz sobe duas oitavas. "Você está brincando?!" Eu balancei minha cabeça tristemente. Estou quase impressionada com a facilidade com que a mentira saiu. "Não. Fiquei lá por algum tempo, mas... nada.” "Aquele bastardo," ela ferve. "Sim, ele definitivamente é um bastardo."


Esse foi talvez o ponto mais decepcionante disso tudo. Como Mister Bigshot - o homem sexy doce, engraçado, louco que eu estava me correspondendo por um mês seria Trent Whittaker? O idiota arrogante e mandão que administrava nossa empresa? Isso não fazia o menor sentido. "Ele mandou uma mensagem para você?" Ally está perguntando. "Talvez algo surgiu?" "Não." Eu balancei minha cabeça, mas uma onda de medo passou por mim - eu percebo que não tenho verificado minhas mensagens desde que eu corri para fora do restaurante. Oh Deus. Eu já poderia ser demitida. Eu poderia ter uma mensagem dele dizendo para não me incomodar em ir amanhã. Ele provavelmente já esteve em contato com seu advogado e nosso representante de RH. Um homem tão rico e bem sucedido não vai levar isso de ânimo leve. A menos que... o pensamento se insinue em minha consciência. A menos que ele não me reconhecesse. Penso na maneira como o seu olhar pousou em mim durante a reunião da empresa no outro dia. Aquele momento tinha sido gravado em minha alma, e eu tinha certeza que ele se lembraria disso - mas talvez eu esteja me iludindo. Talvez ele não tenha ideia de quem diabos eu sou. Isso seria... decepcionante, mas ainda preferível a ser demitida. Agora tudo o que posso pensar é em verificar minhas mensagens. Eu agarro a pequena bolsa preta que eu trouxe para o restaurante comigo, a que eu achava que parecia tão chique com meu pequeno vestido preto. "Eu acho que vou para a cama," eu digo para Ally, fingindo um bocejo. "Eu estou exausta." "Vamos - ainda é cedo. Nós poderíamos ter chocolate quente e assistir a um filme ou algo assim.”


Eu sacudo minha cabeça. "Isso é doce, Als, mas eu só quero dormir." "Eu não quero que você esteja deprimida lá," ela repreende, um pouco provocante. "Quem é esse cara, ele não vale a pena se sentir mal." Ha. Se ela soubesse. Mas em vez disso eu sorrio e acaricio sua panturrilha. "Eu prometo que não estou. Eu só estou cansada. Você acredita que eu realmente depilei minhas pernas esta noite? Que desperdício.” Eu rio e reviro os olhos. "Eu vou te ver de manhã." Eu me levanto e me forço a andar normalmente para o meu quarto. Quando estou dentro, fecho a porta e me inclino contra ela, respirando pesadamente. Eu entro no Lovemail, desesperada para ver o que, se alguma coisa, o Sr. Bigshot escreveu. Eu abro o aplicativo e vejo o ícone do envelope vermelho piscando. Minhas pernas começam a tremer.

"Você tem 1 nova mensagem do Lovemail."


Capítulo Onze

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: WTF5?

Eu te vi hoje a noite. Eu sei que foi você que saiu daquele restaurante. O que houve? Eu tenho sido chamado de muitas coisas na minha vida, mas feio não é uma delas. Então, por que o ato de desaparecer? Eu sei que você sente o que sinto. Esse calor entre nós. Eu te queria no segundo que te vi esta noite. Você estava tão linda pra caralho. Ah sim - eu queria tirar esse vestidinho preto de cima de você (deixar os sapatos, é claro) e te foder seis maneiras de lado, bem ali no restaurante, bem na frente de todos. Não sei o que aconteceu hoje à noite, mas prometo-lhe isto: Nós nos encontraremos novamente.

5

M ais que porra


E quando o fizermos, vou fazer com que você faça todas as coisas sujas que você me prometeu. Todas elas, Sweet Vixen. Você tem minha palavra.

AINDA O SEU, Mr. B


Capítulo Doze

Hannah

Na manhã seguinte, eu fujo para o escritório, tentando me esgueirar pela mesa de Sloane tão silenciosamente quanto tentei passar por Ally na noite passada. E funcionou igualmente também. Ela levanta a cabeça sobre a parede do cubículo. "Aí está você! Venha, eu estou morrendo de vontade de saber! Como foi?" Ela está sorrindo de um jeito que ilumina todo o seu rosto e eu quase ficaria tocada se não fosse pelo fato de que eu realmente não quero falar sobre isso. "Não foi," eu digo, continuando em frente a sua mesa e esperando que seja o fim de tudo. Mas ela já está em cima e me seguindo. "O que você quer dizer, não foi?" "Quero dizer, ele foi um não apareceu." Eu despejo minha bolsa na gaveta da minha mesa e aperto o botão para ligar o meu monitor. Sloane suspira. "Aquele bastardo!"


"Esse parece ser o sentimento comum, sim." “Ele te mandou uma mensagem? Se explicando?” Balanço a cabeça, embora já esteja me lembrando das palavras do senhor Bigshot Trent - Ele ainda me quer. Ele quer me encontrar. Ele quer que eu faça tudo que eu descrevi para ele. Eu engulo. Eu posso sentir minhas bochechas já corando. "O quê?" Sloane estuda meu rosto, seus olhos azuis perfurando dentro de mim. "O que você não está me dizendo?" Eu me forço a não rir. Há muito, eu não estou dizendo a ela. "Nada," eu digo em seu lugar. "Estou meio chateada, isso é tudo." Seu rosto suaviza. "Eu sei. Lamento que ele tenha acabado de ferrar. Eu não vou dizer que te avisei, mas... da próxima vez, sem mensagens por um mês antes do encontro, ok?” “Oh, confie em mim, aprendi minha lição.” Definitivamente, não haveria mais mensagens. Definitivamente. Certo? Quero dizer, provavelmente. Eu não respondi a sua mensagem de ontem à noite eu disse a mim mesma que não. Que eu deveria deixar essa coisa toda morrer. Eu normalmente não viraria fantasma com alguém - quero dizer, isso é apenas rude - mas neste caso, parece ser a maneira mais humana de lidar com a situação. Dessa forma, nem Trent nem eu temos que ter conversas estranhas. Além disso, você sabe, aquela coisa toda sobre não querer ser demitida. Eu caio em minha cadeira e mexo meu mouse até meu computador ganhar vida. "Alguma foto nova?" Pergunto, tentando mudar de assunto.


Sloane sacode a cabeça. "Nada." Ela revira os olhos. "Ainda não temos metade do conteúdo ainda. Nós normalmente temos tudo agora. Isso está ficando ridículo." "Sim, totalmente." Ela começa seu discurso habitual sobre todas as horas extras que vamos ter que trabalhar e eu estou feliz de tê-la fora e funcionando em um novo tópico. Quanto mais ela fala sobre o catálogo, menos ela vai perguntar sobre o meu encontro. Eventualmente, ela vagueia de volta para sua própria mesa - ainda reclamando - e eu viro para o meu computador, deixando escapar um grande suspiro. Sloane é a melhor no trabalho que eu poderia esperar, mas às vezes ela é um pouco perspicaz para seu próprio bem. Eu tenho que ser super cuidadosa para não deixar escapar o que realmente aconteceu na noite passada. Eu carrego meu e-mail de trabalho e rapidamente examino minhas mensagens. Nada importante - bom. Por alguma razão, eu ainda tinha esse medo mesquinho de ser chamado para o RH hoje. Mas acho que Trent ainda não percebeu quem eu sou. Eu suponho que eu deveria estar insultada sobre isso. Quero dizer, ele olhou diretamente para mim naquela reunião. Então, novamente, ele tem centenas de funcionários e eu sou apenas uma morena entre dezenas. Eu não me destaco exatamente. Se eu fosse uma linda loira como Sloane, as coisas poderiam ser diferentes, mas eu não sou. Era só eu Hannah, simples e baixinha. Eu solto outro suspiro e começo a trabalhar. Eu tenho reescrito a mesma descrição da cadeira por cerca de uma semana agora. Em parte porque eu realmente não tenho muito o que fazer, e em parte porque não consigo pensar naquela cadeira sem pensar nos meus e-mails para o Mister Bigshot. Fodendo-o naquela cadeira - foi o que eu disse a ele que queria fazer. Minhas bochechas ardem pela milésima vez, pensando em vergonha de todas as coisas que eu escrevi para ele. As fotos que eu enviei a ele... oh, Deus, as fotos. Elas podem realmente ser a pior parte. Quero dizer, você não podia ver meu rosto em


nenhuma delas, mas ainda assim - apenas sabendo que eu tinha enviado ao meu CEO o equivalente das fotos do pau era mortificante. Mas então eu penso novamente em seu email para mim ontem. Que ele ainda queria fazer todas essas coisas para mim. Na verdade, ele ia me obrigar a fazer todas essas coisas. O pensamento envia uma emoção sombria correndo por mim. Meu chefe é arrogante e grosseiro - mas droga, suas palavras me fazem tremer. O pensamento de Trent Whittaker me segurando de bruços em sua mesa enquanto ele bate seu pau em minha boceta apertada... O pensamento de dar a Trent Whittaker um boquete debaixo da mesa enquanto ele está com um cliente... O pensamento de Trent Whittaker caindo sobre mim na traseira de seu SUV... Eu me contorço no meu assento, em seguida, estendo o braço para abanar o rosto um pouco. Eu olho em volta para ver se alguém está me observando e acidentalmente pego o olho de Sloane. Ela franze a testa, olhando para mim com curiosidade. "Está quente aqui?" Eu finjo rir. Ela sacode a cabeça. "Não." "Deve ser só eu então!" Eu percebo que pareço um pouco maníaca, então eu cortei minhas perdas e apenas voltei para o meu computador. Recomponha-se, Hannah, eu me repreendo. Lembre-se de todas essas coisas sobre não querer ser demitida? Agir como uma maníaca no local de trabalho provavelmente não é um bom caminho se alguém quiser permanecer empregado com lucro. Só não consigo resistir a puxar meu telefone e clicar para abrir o aplicativo Lovemail mais uma vez. Eu examino seu e-mail novamente, e os mesmos sentimentos familiares de saudade me percorrem.


Como o Mister Bigshot pode ser o mesmo idiota que administra nossa empresa? E como é que a arrogância do seu último email apenas me faz querer ainda mais? Deus, como eu adoraria ser capaz de fazer tudo o que ele disse. Apenas me entregar a ele. Depois da minha experiência com Matt, posso imaginar que alguém como Trent estaria em outro nível. As coisas que ele poderia me fazer sentir... Claro, eu percebo com um sentimento ruim, se eu me entregasse a ele, ele perceberia o quão diferente de SweetVixen eu realmente sou. Que sou tímida e inexperiente quando não estou me escondendo atrás do computador. Que meu exnamorado uma vez adormeceu durante o sexo comigo. Ugh. Não. Eu tenho que acabar com isso. Agora. Eu respiro fundo e olho para o email dele uma última vez. Eu deveria responder. Só para que ele saiba que não posso fazer isso. Dizer-lhe para não me procurar, para não tentar descobrir quem eu sou. Ele vai respeitar isso, tenho certeza disso. Eu só queria ter certeza que queria que ele fosse. Eu dou uma última e profunda respiração, olho para o meu cubículo para ter certeza de que Sloane está ocupada em outro lugar, e então eu clico no botão de resposta vermelho brilhante.


Capítulo Treze

Lovemail

De: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Me desculpe

Sim. Você está certo, eu fui ao restaurante ontem à noite. Mas a visão de você sentado lá, tão sexy e delicioso, me fez perceber que não posso fazer isso. Você vai partir meu coração. Por favor, não tente me encontrar.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Essa não é a parte do seu corpo em que estou interessado


Foda-se isso, querida. Todos nós tivemos nossos corações partidos. Nenhum coração é necessário aqui, apenas a velha e boa porra antiquada.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Por favor

Você não pode continuar dizendo coisas assim para mim. Eu sou fraca e estou tentando ser forte.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu posso dizer por favor também

Eu quero você forte, quero você fraca. Eu quero todas as maneiras que eu posso ter você.


Eu estou dizendo por favor aqui, SweetVixen. Eu não imploro com muita frequência. Diga sim e posso prometer que depois de uma noite comigo, você será a única que está implorando.


Capítulo Quatorze

Trent

Eu ando de um lado para o outro no meu escritório. Quão cedo é cedo para abrir um uísque? Eu olho para o velho relógio de mogno que está pendurado na parede - outro dos desenhos de Luke. Aparentemente, não são nem dez horas, o que, suponho, tenho que admitir que é muito cedo para beber no dia. Embora se eu não tivesse essa reunião com o chefe de distribuição mais tarde, eu provavelmente iria mandar o dia se foder e ir para casa. Eu ainda não consigo tirar a noite passada da minha cabeça. SweetVixen - quem quer que ela seja - está arruinando minha vida. Mesmo depois de me masturbar duas vezes ontem à noite e mais uma vez esta manhã, ela ainda é tudo em que consigo pensar. Por que eu a quero tanto? Eu tenho mulheres praticamente caindo aos meus pés. Eu posso ir a qualquer bar nesta cidade e encontrar alguém mais do que disposta a cair na


cama comigo. Inferno, nem precisa ser uma cama. Metade delas estaria disposta a descer no banheiro do bar. Ou na parte de trás do meu carro. Eu poderia sair agora, às dez da manhã, e encontrar alguém para foder. O problema é que eu não quero nenhuma delas. Eu quero ela. E isso está me deixando louco. Eu verifico minhas mensagens do Lovemail novamente, mas eu ainda não tenho nada novo, não desde que eu fui contra o meu melhor julgamento e realmente disse por favor. E isso não é uma palavra que eu uso de ânimo leve. A temperatura do meu sangue aumenta em mais alguns graus enquanto olho para o ícone vazio de novas mensagens. Eu ainda não entendo porque ela correu. Quero dizer, sou um cara de boa aparência. Isso não é arrogante, é apenas a verdade. Os Whittakers têm bons genes. Eu, Luke e Jace todos se parecem com nosso pai, e ele estava impondo pra caralho. Mandíbula forte, nariz aristocrático, olhos castanhos profundos e cheios de alma. Bem, Jace tem os olhos azuis da mamãe, mas é a única maneira de diferirmos. Mesmo quando o pai morreu, apesar dos estragos do câncer, ele ainda era uma raposa prateada. Encantando as enfermeiras até o final. Era apenas o caminho do Whittaker. Então, por que diabos ela fugiu quando me viu? Não faz nenhum sentido. Eu percorro nossos e-mails. Um mês inteiro vale a pena. Havia muita conversa suja, mas havia muitas outras coisas lá também. Eu tinha dito a ela coisas que eu não tinha contado a ninguém antes - o quanto eu estava perdendo papai, o quanto eu me arrependia do desentendimento que Luke e eu tivemos com nosso irmão Jace, o quanto sentia falta dele desde que ele se mudara para Nova York. Eu até contei a ela sobre a Lara. Nem todos os detalhes sangrentos obviamente - até mesmo Luke não os conhecia. Eu pretendia levar essa história para o túmulo.


No entanto, eu disse parte para SweetVixen, pelo menos. Sobre como eu estava noivo e terminara, deixando-me com o coração partido e uma profunda desconfiança sobre casamento. Ela disse que entendia que tinha seu próprio coração partido. Algo sobre um cara que trabalhava em finanças, que soava como um idiota se você me perguntasse. Eu atualizo o aplicativo Lovemail. Ainda não há mensagens dela. Eu tinha eliminado aquele primeiro email na noite passada em um ataque de raiva, embriaguez e tesão - mas eu ainda queria dizer cada palavra. Ela pode estar me dizendo para não tentar encontrá-la, mas o jeito que ela me olhou na noite passada, com partes iguais de medo e desejo, me disse o contrário. É por isso que ainda tenho toda a intenção de encontrá-la. E quando eu fizer, vou torná-la minha. Ela me prometeu muitas coisas - muitas coisas deliciosas e sujas. Quando eu a vi ontem à noite... aquele doce rosto inocente, aquele corpo curvilíneo, aqueles lábios fodíveis... Eu só sabia que tinha que tê-la. Não sei exatamente como vou encontrá-la ainda, mas sou um homem de muitos meios. Eu vou encontrar uma maneira. De repente eu percebo algo. Eu tenho todo um maldito departamento de TI à minha disposição. Eu caio na minha cadeira e puxo o diretório da empresa. Eu não pretendo incomodar Lottie com isso - ela é muito parecida com uma tia para mim, e eu não quero exatamente uma tia sabendo o que eu estava aprontando - então eu mesmo encontrei o número deles e liguei. "Suporte de TI, Lena falando." Porra, é uma mulher. Claro que é. “Oi Lena. Aqui é Trent Whittaker falando.” Há um embaralhamento e depois uma queda do outro lado da linha. "Lena?"


"Desculpe, senhor." Ela soa sem fôlego. "Eu deixei cair o telefone por um segundo." Eu resisto à vontade de rir. "Tudo bem agora?" "Sim senhor. Com o que você… uh, com o que posso ajudá-lo?” "Você pode rastrear um email?" "Um email?" "Sim. Se eu tiver alguns e-mails, você pode rastrear de onde ou de quem eles foram enviados?” Eu a ouço roendo algo - seu próprio lábio, talvez. "Posso ser capaz. Depende de muitas coisas - o que o dispositivo era, se alguma criptografia foi usada. Nós provavelmente poderíamos pelo menos pegar o IP e descobrir a área geral de onde ele estava vindo.” "OK. Ótimo. Isso é ótimo. Eu vou te dizer o que vou fazer. Vou enviar-lhe algumas mensagens. Eu preciso que você - discretamente - veja o que você pode descobrir sobre quem os enviou.” "Certo. Quero dizer, sim senhor. Eu definitivamente posso fazer isso por você.” Eu posso ouvir a excitação nervosa em sua voz, como se isso fosse uma missão secreta do Missão Impossível. Ela provavelmente acha que vou enviar-lhe alguns emails de espião ou algo assim. “Obrigado, Lena. Para qual endereço devo enviá-los?” Ela me dá um endereço de e-mail e agradeço a ela e desligo o telefone. Eu vasculho meus e-mails, tentando encontrar algumas mensagens que não têm nada sujo nelas. Eles são poucos e distantes entre si, mas consigo encontrar alguns que não vão escandalizar a pobre Lena. Eu os envio para ela com uma nota pessoal de agradecimento. Depois de fazer isso, olho para o relógio e percebo que ainda tenho outros dez minutos antes do meu encontro com a distribuição. Eu já perdi o suficiente desta manhã, então usei esse tempo para enviar um e-mail rápido para Luke.


Eu tento manter meu tom leve - sem pressão, apenas checando para ver como os designs estão indo. Eu não sei porque me incomodo - nós já passamos por isso muitas vezes e ele sabe que estou esperando. Se ele tivesse feito algum progresso, eu teria ouvido falar dele agora. Assim que eu envio o email, Lottie bate na porta. Ela me entrega um caderno de anotações de plástico. “Para sua reunião com a distribuição. Eles têm dúvidas sobre a coleção.” "Não temos todos nós," murmuro. Lottie levanta as sobrancelhas, mas eu solto sua pergunta não formulada. "Eu farei o meu melhor," eu digo, saindo do meu escritório. "Mas tenho a sensação de que ninguém vai ser feliz comigo hoje."

No momento em que volto da reunião, estou limpo. Duas horas contando que ainda não sei quando a coleção estará pronta. Eles fariam uma pergunta, eu lhes daria minha resposta de estoque. Eles fariam outra pergunta, eu daria a mesma resposta. Eles me diziam o quanto eu estava fazendo o trabalho deles, eu lhes dava a mesma resposta. Depois de algum tempo, virou quase um pequeno jogo. Quantas vezes eu poderia dar a eles essa resposta antes que eles finalmente desistissem? Acontece que a resposta é: exatamente uma hora e cinquenta e três minutos. Eu poderia ter encerrado a reunião antes, mas na verdade começou a me entreter, e eu poderia usar algum entretenimento relacionado ao trabalho hoje em dia. Volto para o meu escritório e descubro que Lottie deixou meu almoço na minha mesa. Abençoe essa mulher.


Estou prestes a comer o sanduíche de carne enlatada da delicatessen na rua quando o telefone toca. Limpo minhas mãos no guardanapo e, em seguida, bato no botão do viva-voz. "Trent Whittaker". “Senhor Whittaker? É a Lena. Lena Yu? Da TI?" “Sim, Lena. Você já tem alguma coisa?” "Eu tenho." "Isso é ótimo." Cuspa, menina, eu quero dizer. "Bem, senhor, a, a mensagem está vindo de dentro da casa." "Eu sinto muito?" Sento-me em frente na minha cadeira, tentando entender o que ela está me dizendo. Lena tosse levemente. "Desculpa. Quero dizer, veio daqui. De nossos servidores.” Eu balancei minha cabeça, ainda não compreendendo bem. “O que isso significa, Lena? Em linguagem não tecnológica, por favor.” “Isso significa que quem enviou esses emails trabalha para a Loft & Barn.” Em suas palavras, tudo se encaixa no lugar. É como encontrar uma única peça do quebra-cabeça que está faltando e, de repente, poder ver toda a imagem. É por isso que a SweetVixen tinha corrido ontem à noite - ela me reconheceu. Sento-me para a frente na minha cadeira, animada agora. "Você pode descobrir de que departamento veio?" Eu quase posso ouvir Lena sorrindo do outro lado da linha. "Eu posso fazer melhor que isso. Eu posso te dizer exatamente quem mandou.”


Capítulo Quinze

Hannah

“Reúnan-se todo mundo." Charlene está em pé na frente de nossas mesas, batendo palmas para chamar nossa atenção. Todos nós arrastamos nossas cadeiras para o centro da sala para mais uma reunião. Quando ela está satisfeita que ela tem toda a nossa atenção, Charlene sorri beatificamente para nós. "Eu tenho uma notícia maravilhosa," ela anuncia. "Temos mais fotos." Milagre! Pela primeira vez, esta reunião pode não ser uma perda total de tempo. Eu realmente sinto uma pontada de excitação em talvez possivelmente começar a escrever sobre algo que não é sobre essas cadeiras estúpidas. "Temos tudo o que precisamos para a seção de decoração, por isso gostaria de ver isso concluído até o final da semana."


Decoração? É sério? O mobiliário suave é a secção mais fácil do catálogo - são apenas cortinas e almofadas e tapetes. Nem sequer é projetado pelos Whittakers; tudo é terceirizado. Portanto, este dificilmente é o cupê que Charlene está fazendo. Jim, como de costume, levanta a mão. "E as salas de estar?" "Ainda estamos esperando." "Quartos de dormir?" "Ainda esperando." Jim suspira. "Esses são os pilares do catálogo." "Eu estou ciente disso," Charlene bufa. "Tenho certeza de que Luke e Trent estão sob controle. Trent pessoalmente me garantiu que tudo está se encaixando.” Ela enfatiza a palavra “pessoalmente” e dá um tapinha no cabelo dela quando ela diz isso. Eu pego o olho de Sloane e nós duas sorrimos. Quando Charlene finalmente nos dispensa, Sloane agarra sua cadeira e voltamos para nossas mesas juntas. "Você acredita nisso? Eu preciso de uma bebida.” "Café?" Eu pergunto, mas ela balança a cabeça. “Algo mais forte. Tem vontade de sair depois do trabalho? Há um ótimo bar de martini na esquina.” Martinis com Sloane - isso soa exatamente como eu preciso agora. Eu sorrio agradecida para ela. “Eu adoraria isso. Eu só vou deixar minha irmã saber que vou me atrasar.” Volto para minha mesa e ligo meu computador novamente. Apenas um novo e-mail - eu olho rapidamente para o nome do remetente. Lottie Granger. Levo um segundo antes de perceber que Lottie Granger é a secretária de Trent Whittaker. Eu clico freneticamente no e-mail e percebo que é um convite da agenda. Tudo o que diz é "discussão."


E está marcado para hoje às quatro horas. O medo gelado preenche minhas veias. Não. Ok, talvez não seja o que eu penso. Talvez seja uma coisa de marketing; ele quer falar sobre o catálogo. Eu volto para a mesa de Sloane, tentando parecer indiferente. "Você sabe o que é aquela reunião de quatro horas com Trent Whittaker?" Sua testa franze. "Que reunião?" "Você não acabou de receber um convite de Lottie?" Ela olha para a tela do computador e balança a cabeça. "Não. Por que você recebeu?” O pânico corre através de mim. "Não," eu minto. Então percebo o quão estúpida é a mentira. "Bem, sim," eu admito. “Mas deve ser um erro. Eu vou perguntar a Charlene sobre isso.” "Ok." Sloane está olhando para mim com curiosidade novamente, então eu me forço a dar-lhe um sorriso antes de me virar e caminhar de volta para a minha mesa com as pernas trêmulas. Isso é um desastre. Eu não posso estar na mesma sala com Trent agora. E se ele me reconhecer? Ou pior... e se ele já descobriu quem eu sou e está me chamando para me demitir? Eu tento dizer a mim mesma que isso é impossível. Se ele não me reconheceu na noite passada, não tem como ele já saber quem eu sou. Não, tem que ser uma discussão relacionada ao trabalho. Não é? Talvez eu esteja exagerando. Só porque Sloane não recebeu o convite não significa que ninguém mais fez. Talvez Charlene também tenha recebido o convite. Eu olho para o escritório dela. A porta está aberta e ela está sentada em sua mesa, clicando em seu teclado.


Levanto-me e caminho até o escritório dela. Minhas pernas ainda estão tremendo e sinto outra onda de náusea quando bato na porta dela. Ela olha para mim. “Olá Hannah. O que posso fazer para você?" Eu me inclino contra o batente da porta. "Eu estava apenas pensando, uh..." Eu hesito, depois cuspo. "Você sabe alguma coisa sobre essa reunião das quatro horas com Trent Whittaker?" Seus olhos se estreitam e ela se inclina para frente, empurrando seus seios contra o teclado. “Que reunião?” Ela late. "Uh, eu não sei. Acabei de receber um convite para as 4 da tarde. Eu pensei que era algo a ver com o catálogo.” Charlene me olha com desconfiança. "Nós não temos uma reunião de catálogo hoje." Seu tom é nítido. "O que você fez?" "O que eu fiz?" "Sim," ela repete. "O que você fez? Ele não chamaria para o escritório dele se você não tivesse feito algo errado. Embora eu não saiba por que eu não seria notificada se um dos meus funcionários estivesse sendo disciplinado.” Agora não sei dizer se ela está chateada comigo ou com o Trent. "Eu não fiz nada!" Eu insisto. Eu obviamente não mencionei o fato de que eu basicamente escrevi pornô para o nosso CEO, embora agora isso seja tudo que eu possa pensar. "Vou ligar para Lottie," diz ela, levantando um dedo enquanto pega o telefone. "E resolver isso." Ela disca um número e eu espero enquanto ela explica a situação para a secretária de Trent. "Sim," ela está dizendo. "Entendo. Claro. Obrigado por me avisar." Meu estômago afunda mais e mais e a cada palavra. Isso não parece bom. Quando Charlene desliga o telefone, ela balança a cabeça.


"Lottie não sabia do que se tratava, mas ela disse que Trent insistiu que você participasse dessa reunião por conta própria." Agora ela está realmente olhando para mim com desconfiança. Eu posso sentir seu olhar ainda demorando em mim enquanto eu caminho devagar de volta para a minha mesa, e posso sentir seu olhar quando eu caio no meu lugar. Estou ficando sem opções aqui. Talvez eu possa ir para casa doente? Fingir um ataque cardíaco? Parar de forma proativa para que pelo menos eu não dê a ele a satisfação de me demitir? Mas mesmo que eu esteja com medo dessa reunião com quase todas as fibras do meu ser, há uma pequena parte de mim que está curiosa. Isso quer vê-lo. Que quer sentir esses lindos olhos intensos em mim novamente, mesmo que seja rapidamente seguido por ele me dizendo para arrumar minhas coisas. Faltando alguns minutos para as quatro, eu vou para o elevador. Eu levo minha bolsa comigo, apenas no caso de eu estar prestes a ser escoltada para fora do prédio. Posso mais uma vez sentir os olhos de Charlene em mim o tempo todo que espero pelo elevador. A subida até o trigésimo andar é a mais longa da minha vida. Minhas mãos estão suando, meus joelhos fracos. Eu pego um bala de hortelã apenas para me livrar do gosto azedo nervoso na minha boca. Quando as portas do elevador se abrem, saio nervosamente do elevador, certa de que todos neste andar sabem que eu não pertenço aqui. E eles estão certos. Eu nunca estive em lugar algum no trigésimo andar, exceto na sala de conferências principal, então, às cegas, percorro o corredor, procurando o escritório de Trent. É a Lottie que eu encontro primeiro. Ela está sentada atrás de uma grande mesa de mogno e delicadamente descascando uma laranja. Eu posso sentir o cheiro do doce cítrico amargo assim que me aproximo. "Oi. Eu sou a Hannah? Cole? Eu tenho uma reunião com Trent às quatro?” Eu odeio o quão infantil e nervosa minha voz soa, mas eu não posso evitar.


“Sim, senhorita Cole. Ele está esperando por você. Através daquela porta e depois é o escritório à esquerda.” "Obrigado." Eu abro a pesada porta de vidro fosco que ela apontou e deixo cair atrás de mim. Há dois escritórios aqui atrás, um em cada extremidade do corredor. Eu vejo o nome de Trent em um e o de Luke no outro. Eu me volto para o escritório de Trent. A porta está fechada e eu bato levemente. Eu digo uma oração de Ave Maria que talvez ele já tenha ido embora. Em vez disso, ouço sua voz profunda soar de dentro de seu escritório. "Entre." Eu abro essa segunda porta e entro. Eu o vejo imediatamente, sentado atrás de sua mesa, seu laptop aberto na frente dele. Ele olha para mim e uma sugestão de um sorriso torce o canto de seus lábios perfeitos. Parece estranhamente incongruente com a escuridão em seus olhos, com a maneira ardente como ele olha para mim. Deus, por que ele tem que ser tão lindo? Ele tirou o paletó e está usando apenas uma camisa branca e uma gravata listrada azul-marinho. Seus amplos músculos ameaçam arrebentar a camisa justa a qualquer momento. Eles ondulam quando ele coloca os cotovelos em cima da mesa e agarra os dedos juntos. O meio sorriso de Trent Whittaker se transforma em um sorriso completo quando ele me observa em pé, nervosa, em sua porta. "Olá SweetVixen," diz ele.


Capítulo Dezesseis

Trent

Eu não posso acreditar que finalmente a tenho na minha frente. SweetVixen. Também conhecida como Hannah Cole. Uma redatora novata no meu próprio departamento de marketing. Pelo menos eu sei que ela está qualificada para o trabalho dela - aquela mulher poderia vender água para um homem se afogando se ela quisesse. Ela parece tão bonita quanto na outra noite. Seu cabelo castanho está caído ao redor de seus ombros, e ela está usando outro daqueles vestidos, como o que ela estava usando na reunião da empresa no outro dia. Este é roxo, com algum tipo de pequenas aves da marinha impressas nele. Eu ainda não conseguia acreditar que não a havia reconhecido. Assim que Lena me contou que os e-mails vinham de alguém que trabalhava em marketing, percebi por que minha SweetVixen parecia tão familiar naquela noite no L'Amour. Pensar que ela esteve debaixo do meu nariz o tempo todo. Todo o tempo que desperdiçamos no email, quando eu poderia estar transando com ela no meu escritório o tempo todo. Bem, estou mais do que pronto para compensar o tempo perdido.


Ela ainda não disse nada e está pairando perto da porta do meu escritório como se ela pudesse fugir a qualquer momento. "Sente-se," digo a ela, mas ela não se move. "Como você sabia que era eu?" Ela finalmente pergunta. Eu noto o tremor em sua voz imediatamente. “Eu tinha que rastrear seu endereço IP. Eu não tinha ideia de que eles realmente seriam capazes de te encontrar tão facilmente. Para minha sorte, você usou um computador de trabalho por pelo menos um e-mail.” Eu quase posso ver as rodas girando atrás de seus olhos, no momento em que ela percebe que selou seu próprio destino. "Você vai me demitir?" O tremor em sua voz é pior agora. Ela está segurando a maçaneta como se fosse a única coisa que a segurava. "Não!" Eu digo com firmeza. "Deus, não." Ela solta o aperto na maçaneta e estou surpreso. Eu me sinto mal com o que ela tem se preocupado. "Não, Hannah," eu digo de novo, apreciando a sensação de seu nome em meus lábios e o jeito que seus olhos brilham quando eu digo isso. “Não é disso que se trata. Eu quero ver você de novo." “Não.” Sua resposta sai rápida, mais rápida do que eu gostaria. Não gosto que ela seja tão decisiva - pelo menos quando se trata de não me ver de novo. "Por que não?" Eu exijo. "Você é meu chefe." "E daí?" “Então eu sei que você não é idiota, Sr. Whittaker. Isso nunca funcionaria.” O som dela me chamando Sr. Whittaker faz um número em mim. Eu já posso sentir o sangue correndo para o meu pau e fico feliz de estar sentado atrás dessa enorme mesa para que ela não saiba o efeito que ela tem em mim. Eu tenho a estranha sensação de que ela não tem a menor idéia de como ela é sexy.


"Agora Hannah," eu digo a ela em seu lugar. "Você sabe que eu não estou falando sobre um relacionamento." "Então o que?" “Sente-se.” Eu pego o comando para ela e ela finalmente escuta, soltando a porta e dando passos hesitantes em direção à minha mesa. Ela se senta na cadeira em frente a mim. Agora que estamos de olho nos olhos, aproveito para finalmente admirar como ela é linda - seus lábios rosados perfeitos, os cílios escuros que envolvem seus profundos olhos cheios de alma, aquelas bochechas rosadas. Eu sempre fui para loiras platinadas, mas Hannah está me fazendo perceber o que eu estava perdendo todo esse tempo. Assim que ela se acomoda na cadeira, volto para o meu computador. Eu já tenho as mensagens prontas e começo a ler em voz alta para ela. “Tudo o que eu conseguia pensar hoje era você. Seu corpo incrível. Seu pau perfeito. A maneira como sentiria se você me dobrasse sobre sua mesa, rasgasse minha calcinha de lado, e empurrasse seu enorme pau todo dentro de mim. Sem preliminares, sem pretensão. Só você, tomando tudo o que você quer de mim. Eu já posso imaginar como seria ter você dentro de mim. O jeito que você me alongaria. Me preencheria. Satisfaria. O jeito que eu apertaria minha boceta ao redor do seu pau, para que eu ficasse bem e apertada para você.” Eu olho para ela e seu rosto é um tom de escarlate que eu nunca vi em uma pessoa antes. Mas há algo mais em seu rosto também - algo que conheço muito bem. É a aparência de luxúria nua. Os lábios se separaram, pupilas dilatadas, o peito arfando. Eu posso até ver o jeito que seus mamilos enrugam a frente de seu vestido. Ela me quer tanto quanto eu a quero. “O que você diz, Hannah? Há uma mesa aqui mesmo. Pronta para representar suas fantasias?” Em vez de responder, ela salta da cadeira. Fugindo ate a porta.


Ela é rápida, mas sou mais rápido. Eu chego à porta ao mesmo tempo que ela e a coloco contra ela antes que ela possa girar a maçaneta. Estou pressionado contra suas costas e sei que ela pode sentir minha ereção cavando em sua bunda, que ela agora sabe o efeito que seus e-mails - sua presença têm em mim. Eu varro o cabelo para o lado, expondo a parte de trás do seu pescoço. Eu roço meus lábios ao longo da pele lisa e gosto do jeito que ela treme debaixo de mim. Eu posso sentir sua respiração - inferno, eu posso ouvir sua respiração, em fôlego curto e afiado. Eu a beijo de novo e, em seguida, corro minha língua lentamente pelo seu pescoço, até chegar à beira desse pequeno cardigã que ela está usando. Eu movo minhas mãos para baixo sobre seus ombros e começo a empurrar o suéter para o lado para revelar seus ombros nus. Seus doces ombros nus. Eu deixei minha língua deslizar lá também, bem ao longo das alças de seu vestido. Ela ainda tem a mão na maçaneta. Ela poderia sair quando quisesse. Essa porta se abre para o corredor, então tudo o que ela tem que fazer é abri-la e ela pode sair do meu abraço. Eu a deixaria ir se ela fizesse isso. Eu respeitaria seus desejos. Mas ela não sai. E eu sei o que ela realmente quer, mesmo que ela não vá admitir isso para si mesma ainda. Eu viro ela de modo que ela esteja olhando para mim. Seus lábios rosados estão abertos e eu só posso pensar em devorá-los, mas me forço a ter um momento para estudar seu rosto novamente. Para memorizar este momento. Eu inclino a cabeça e então eu tomo sua boca com a minha. É tudo que imaginei que seria - suave, quente, erótico. Eu forço minha língua além de seus lábios, explorando sua boca, varrendo ao longo do lado de sua língua. Quando sinto os braços dela em minha cintura, puxo-a para mais perto. Ela pressiona seu pequeno corpo quente contra mim, se enterrando em mim. Meu pau


estica dentro da minha calça de terno. Tudo o que posso pensar é o e-mail que acabei de ler para ela, o que ela me escreveu há apenas alguns dias atrás. Deus, como eu quero tornar essas palavras uma realidade. Dobrá-la sobre a minha mesa e foder sua boceta apertada até que ela esteja gritando meu nome. Como se ela pudesse ler minha mente, Hannah de repente interrompe o beijo e se afasta. Ela olha para mim por um minuto, como se ela não entendesse o que aconteceu. Então ela chega atrás dela, apalpando ao redor até encontrar a maçaneta e abre a porta. Ela foi um segundo depois e eu estou sozinho no meu escritório - duro, excitado e frustrado mais uma vez.


Capítulo Dezessete

Hannah

O passeio de elevador é o mais longo da minha vida. Eu caio contra a parede espelhada e tento manter minha respiração sob controle. Isso realmente aconteceu? Eu realmente deixei ele me beijar desse jeito? E eu realmente acabei de beijá-lo de volta? Isto está errado. Deus, isso é tão errado. Ainda estando em seus braços - parecia incrível. Melhor que incrível. Parecia que tudo que eu imaginava estar com o Mister Bigshot seria como. Seus lábios eram incríveis... suas mãos... o jeito que eu podia sentir seu pau pressionando contra mim. Mas foi mais do que apenas seu corpo. Foi o jeito que ele me fez sentir. Como se eu fosse a mulher mais sexy do planeta. Como ele só tivesse olhos para mim. Que é louco. Trent Whittaker provavelmente tem mulheres jogando-se nele vinte e quatro por sete dias. Eu não sou nada no grande esquema das coisas. Apenas uma distração temporária para um homem que estava acostumado a conseguir o que quisesse.


A porta do elevador se abre e eu recuo para a segurança do décimo oitavo andar. Eu respiro um suspiro de alívio, mas é de curta duração. Charlene está esperando por mim. "Entre no meu escritório, por favor." Eu lentamente a sigo pelo andar até o escritório dela. Sloane chama minha atenção e levanta as sobrancelhas, mas eu apenas dou de ombros e balanço a cabeça. Eu sinto seus olhos em mim o tempo todo, até que eu estou no escritório de Charlene e ela fechou a porta atrás de nós. "Eu assumo desde que você está de volta aqui que você não foi demitida." "Não, eu não fui." Ela se inclina para frente, como se esperasse mais de uma resposta. "Bem," diz ela finalmente, bufando a palavra com impaciência. "O que ele queria?" Eu procuro por uma resposta. Eu não posso dizer exatamente a ela que o que ele queria era me dizer o quanto ele queria me dobrar sobre sua mesa e me foder. Eu não tenho certeza se isso daria certo para qualquer gerente, e dada a paixão não tão secreta de Charlene pelos irmãos, eu estou com medo de que ela tentasse arranhar meus olhos ou algo do tipo. "Nada," eu finalmente digo. Ótima resposta, Hannah. “Ele só queria falar sobre... cadeiras. Algumas coisas que ele queria incluíram na cópia.” Charlene franze os lábios. "Ele deveria estar falando comigo sobre isso." "Eu não posso evitar que ele pediu por mim," eu digo defensivamente. "O que eu deveria fazer, recusar a reunião?" "Não. Mas da próxima vez você diz a ele que você é meramente uma redatora novata e que sua gerente está feliz em discutir uma cópia ou qualquer outra coisa com ele.”


Qualquer coisa. Eu quase rio. Posso pensar em algumas coisas que Charlene provavelmente adoraria discutir com Trent. Se pelo menos ela soubesse exatamente do que nós realmente falamos... "Ok." Consigo manter uma cara séria para o resto da nossa reunião, e, quando ela está satisfeita que não há nada desagradável acontecendo, ela finalmente me dispensa. Sloane está na minha mesa às cinco horas em ponto. "Vamos," diz ela. Ela pega a bolsa que eu joguei na minha mesa e entrega para mim. "Vamos indo." "Onde estamos indo?" "Martinis, lembra?" Certo. Eu esqueci completamente disso. A testa de Sloane se enruga. "Você não está fugindo, não é? Não me diga que você está saindo, Hannah.” Ela coloca as mãos nos quadris. "Eu não estou fugindo," eu digo. “Apenas escorregou minha mente. Vamos lá." Afinal, talvez martinis com Sloane é exatamente o que eu preciso para tirar minha mente do Mister Bigshot.

Assim que nos instalamos em um estande no Bitter, Sloane nos manda dois dirty martinis. Eu nunca fui fã regular de martinis - eu só recebo o tipo que tem mais gosto de doces do que de álcool - mas hoje parece um dia tão bom quanto qualquer outro para começar a sair da minha zona de conforto. Afinal, o que aconteceu no trigésimo é inteiramente fora da minha zona de conforto.


Assim que tomamos nossas bebidas, Sloane inclina seu copo contra o meu e toma um longo gole. “Ok, senhorita. Derrame." "Derramar o quê?" Pergunto inocentemente enquanto tomo um gole do meu martini. Estou surpresa em descobrir que não é tão ruim assim. Eu tomo outro gole. Sloane está me olhando de novo. “O que Trent Whittaker queria falar com você? As pessoas não são chamadas para o escritório dele sem motivo algum, você sabe.” Eu coro, esperando que ela não possa dizer na luz fraca do bar. "Ele só queria falar sobre uma cópia para a seção de cadeiras do catálogo." “E ele te chamou? Apenas uma redatora aleatória? Para falar sobre o catálogo?” Eu posso dizer pela incredulidade em sua voz que ela não está comprando uma palavra disso. O que mais posso dizer a ela? Certamente não a verdade. Eu dou de ombros. "Eu não sei o que te dizer, Sloane. Foi o que aconteceu." Eu tomo outro gole do meu martini e percebo que já bebi metade dele. Melhor ir devagar. "Como ele sabia que você era a única que trabalhava em cadeiras agora?" Porque eu enviei a ele um email onde eu me descrevi fodendo com ele. Eu quase rio quando a resposta aparece na minha cabeça, mas me forço a manter uma cara séria. "Eu não sei. Honestamente. A coisa toda foi bizarra.” Eu nunca fui uma mentirosa muito boa, e Sloane é claramente experiente demais para minhas tentativas amadoras. Eu posso dizer que ela não acredita em mim, mas ela pode cutucar tudo o que ela quer - eu não vou mudar minha história. Não posso deixar ninguém no escritório saber o que aconteceu hoje. Mesmo se Trent não me demitir, as pessoas do meu departamento - especialmente Charlene - ficariam chateadas se descobrissem a verdade.


"De qualquer forma, vamos lá - estamos fora para bebidas. Eu não quero falar sobre trabalho," eu digo a ela. “Vamos falar sobre algo divertido. Você está vendo alguém agora?” Sloane relutantemente deixa a coisa de Trent Whittaker ir, e logo ela está me regalando com um conto digno de corar de transar com seu vizinho de cima. Eu só posso sacudir a cabeça e rir enquanto ela me conta a história - se eu fosse tão corajosa e confiante quanto Sloane, eu provavelmente nunca teria terminado no Lovemail em primeiro lugar. Pedimos outra rodada de dirty martinis duplos quando nossas primeiras bebidas se vão, e depois pedimos outra rodada depois disso. No momento em que estamos prontas para sair, eu estou bem bêbada. Sloane e eu dividimos um táxi, já que vivemos na mesma direção. Dou-lhe um abraço antes de sair do táxi. "O que é isso?" Ela pergunta surpresa. "Eu não sei," dou de ombros, um pouco envergonhada. "Eu não tenho muitas amigas. Isso foi divertido." Ela sorri, seus lábios vermelhos se curvando para cima. "Ei - sempre que você precisar de uma garota, eu estou aqui. É basicamente meu assunto favorito.” Nos despedimos e eu vou para o meu prédio. Quando chego ao apartamento, encontro Ally na sua cadeira na cozinha. Há o cheiro de alho assado e sementes de gergelim torradas. "Eu fiz comida chinesa," Ally anuncia. "Incrível," eu digo. Meu estômago ronca. "Estou faminta. Também um pouco bêbada.” Ally ri. "Eu percebi que você tinha saído. Eu acho que vai ser apenas água para você.” Ela cutuca um dos copos de vinho vazios para mim e eu tomo e encho-o sob a torneira. Eu bebo um copo com gratidão.


Nota para si: três martinis duplos em uma noite de trabalho são cerca de dois martinis duplos. Eu sirvo dois pratos de comida chinesa e Ally e eu nos sentamos na pequena mesa da nossa cozinha. É apenas grande o suficiente para duas, mas isso é bom para nós, já que praticamente nunca temos convidados. Eu dou uma mordida e deixo meus olhos revirarem na minha cabeça. "Isso é tão bom." "Eu encontrei a receita para o molho no Pinterest." "Definitivamente um achado." Nós comemos em silêncio por algum tempo. Não tenho intenção de contar a ela sobre Trent. Como, absolutamente nada. Mas eu não sei se são os martinis ou o fato de que ela está de bom humor e estamos comendo juntas como irmãs normais, mas de repente eu estou com vontade de contar tudo a ela. "Você se lembra da noite passada?" Ally me encara. “Claro que lembro da noite passada. Foi a menos de vinte e quatro horas atrás.” Eu ri. "Quero dizer, você se lembra da noite passada, como eu disse que meu encontro nunca apareceu?" "Sim?" "Eu meio que menti." "O que você quer dizer?" “Ele apareceu, mas… bem, descobri que ele era alguém que eu reconheci. Eu surtei e corri.” Agora o interesse de Ally é definitivamente despertado. Ela se inclina para frente em sua cadeira. "Quem era?" Ela pergunta sem fôlego.


"Meu chefe. Na verdade, nosso CEO.” Então eu estou contando tudo a ela, como ele conseguiu me localizar, como ele me ligou até o trigésimo andar, como ele me beijou em seu escritório. Eu não sei que tipo de reação eu estou esperando, mas Ally parece absolutamente horrorizada. "Você não pode vê-lo novamente," ela adverte. Hesito, mas depois dou uma mordida resignada de arroz. "Eu sei." “Estou falando sério, Hannah. O que aconteceria se você fosse demitida?” "Eu sei," eu digo novamente. "Não podemos pagar por este lugar sem o seu salário. O que faríamos se tivéssemos que nos mudar? Não é como se eu pudesse morar em qualquer lugar, minha cadeira não se encaixa bem nesses pequenos apartamentos, você sabe disso..." Ally está pirando agora e eu coloco minha mão sobre a dela para tentar acalmá-la. "Isso não vai acontecer, querida," eu asseguro a ela, mas parte de mim sabe que ela está cem por cento certa. O aluguel não é barato em Chicago e o nosso é ainda pior porque precisávamos de um lugar acessível para cadeira de rodas - tanto o prédio quanto a própria unidade. Isso não foi fácil de encontrar, e nós ainda tínhamos que fazer algumas acomodações neste lugar, como ter suportes instalados no banheiro para que ela pudesse entrar e sair da banheira ou do banheiro. Mudar apenas não era uma opção viável para nós - e seria impossível se eu perdesse minha renda. Eu preciso manter meu trabalho na Loft & Barn. Essa é a principal prioridade aqui. Como eu poderia me deixar esquecer disso? Termino meu jantar rapidamente depois disso e digo a Ally para deixar os pratos para que eu possa lavá-los. Ela vai até a sala e eu me sirvo outro copo de água. Eu carrego a máquina de lavar louça e depois vou para o meu quarto, fechando a porta atrás de mim.


Eu tomo um momento para recuperar o fôlego. Eu tenho que pegar minhas coisas juntos. Não mais Mister Bigshot e não mais Trent Whittaker. De volta a ser uma boa menina. Mas, mesmo quando penso nisso, já estou abrindo o aplicativo Lovemail. Apenas para checar. Só mais uma vez. Quando vejo o ícone da mensagem piscando em vermelho, respiro fundo. Eu tenho uma mensagem. Do Mister Bigshot.


Capítulo Dezoito

Lovemail De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Megera impertinente

Por que você está me torturando? Me beijou como se estivesse se afogando e depois corre? Não é muito bom. Agora, lembro-me de uma certa fantasia sobre uma sala de reuniões. Me encontre amanhã às 15h na sala 5B e eu vou te ajudar.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Chefe mau


Você vai me demitir se eu disser não?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Homem mau. OTIMO chefe.

Claro que não. Estou chocado por você precisar me perguntar isso.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Eu não faço mal.

Você vai me demitir se eu disser sim?

DE: misterbigshot@lovemail.com


Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Oh, mas você faz

Agora você está apenas falando loucura. Se você disser sim, talvez eu tenha que promovê-la.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Você não é nada além de problemas

Não acho que isso vá bem com Charlene.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Agora estou perdido

QUEM É CHARLENE?


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um…

MINHA CHEFE

DE:

misterbigshot@lovemail.com

Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu pensei que era seu chefe

Estou desenhando um espaço em branco. A loira que sempre cheira a pastrami?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: você é o chefe de todos

A PRIMEIRA E ÚNICA.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Bom ponto

EU VOU DEMITI-LA

DE:

sweetvixen@lovemail.com

Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: NÃO

Pare com isso. Não demita ninguém.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Este é o chefe falando, lembre-se


ENTÃO VOCÊ VAI ME ENCONTRAR.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: É esta negociação 101?

Vou pensar sobre isso. Mas só porque ainda estou um pouco bêbada agora e quando estou embriagada, sou propensa a más ideias. Pelo visto.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu gosto de pensar nisso como Negociação XXX.

Boa. Estarei esperando.

PS: Eu acho que gosto da Hannah bêbada.


Capítulo Dezenove

Hannah

Eu olho para o monitor do meu computador e percebo que estou completamente zoneada pelos últimos vinte minutos. Nós deveríamos estar terminando a seção de decoração, então eu tenho dezenas de fotos de almofadas abertas na minha tela, mas não consegui escrever uma única palavra até agora. Mister Bigshot - Trent Whittaker - ficou tudo dentro da minha cabeça e agora eu não consigo tirá-lo. Eu continuo correndo seu convite pela minha cabeça. Ele quer que eu o encontre na sala de reuniões. Às 3 da tarde. Mas ele não está falando sério, certo? Isso foi apenas conversa suja, uma provocação. No entanto, algo me diz que Trent não faz piada sobre esse tipo de coisa. Que ele nunca só fala. Que se eu fosse até lá às 3 da tarde - o que eu não vou, mas se eu fizesse isso - eu o encontraria sentado lá esperando por mim, exatamente como ele prometeu.


Esse pensamento por si só é suficiente para me deixar meio selvagem. Trent esperando por mim. Por mim. Eu não pude deixar de relembrar a maneira como ele me beijou em seu escritório, do jeito que eu podia sentir seu pau duro como pedra pressionando contra mim. Só de pensar nele - e isso - está me deixando molhada, e eu me contorço no meu lugar. A verdade é que eu quero ele. Deus me ajude, mas eu quero. Eu o queria desde a noite em que o vi no L'amour, e agora que tive um gosto, só quero mais dele. E é lisonjeiro pensar que ele também me quer. Eu não posso imaginar que eu seja como as mulheres que ele geralmente namora. Tenho certeza de que são todas mulheres poderosas e confiantes, com corpos perfeitos. Mulheres com experiência, que sabem agradar um homem. Deus. Trent ficará muito desapontado quando perceber como eu sou extremamente inexperiente. Eu sacudo minha cabeça. Por que eu estou pensando nisso? Eu não vou, então ele nunca vai descobrir nada sobre o quão bom... ou ruim... eu sou na cama. Fim da história. Eu vou encontrar Sloane e arrastá-la para um café. Eu mantenho a conversa leve e nós principalmente reclamamos do catálogo, mas é bom apenas conversar e pensar sobre algo, qualquer outra coisa. Quando voltamos ao escritório, estou me sentindo um pouco melhor. Eu posso fazer isso. Eu posso ser forte. Estou tirando ele da minha cabeça e esse é o fim da história. Claro, suponho que deveria contar isso a ele pessoalmente. Assim que a ideia entra em minha mente, eu me apego a ela. Eu definitivamente lhe devo uma explicação em pessoa. Afinal de contas, ontem à noite eu basicamente sugeri que iria aparecer. Seria rude da minha parte não explicar minha decisão.


Pouco antes das 15h, tranco meu computador e pego minha bolsa. "Só vou fazer uma missão rápida," digo a Sloane. "Caso alguém esteja procurando por mim." Ela já está pegando sua própria bolsa de sua mesa. "Eu vou com você. Eu poderia usar o ar fresco.” "Uh..." Merda. “Na verdade, estou saindo para fazer uma ligação telefônica. O médico da minha irmã quer falar comigo sobre alguma coisa.” O rosto de Sloane fica preocupado e eu imediatamente me sinto mal com a mentira. “Merda, desculpe. Espero que esteja tudo bem. Sinta-se livre para vir e conversar mais tarde, se quiser.” "Obrigado. Eu aprecio isso.” Idiota, idiota, idiota, eu penso comigo mesma enquanto ando até o elevador. Eu sou tão idiota, idiota, idiota. Mas meu estômago faz um flip-flop assim que estou sozinha no elevador. Eu não posso acreditar que estou prestes a ver o Trent.

Para dizer a ele que não posso vê-lo novamente, lembro a mim mesma, mas não tenho certeza se estou ouvindo. De repente me pergunto se isso é uma idéia terrível. Eu encontro a Sala de reunião 5B facilmente. É no trigésimo andar, em frente ao banco de elevadores. Tem uma parede inteira de janelas de frente para o corredor, mas as persianas estão fechadas e a porta está fechada. Trent já está lá? Eu deveria bater? Eu pairo fora da porta por um momento, minha mão descansando na maçaneta da porta, mas não a girando. Eu não ouço ninguém lá dentro. Talvez essa coisa toda seja apenas uma brincadeira elaborada, de repente eu penso. O pensamento envia uma onda de náusea através de mim. Mas é bastante crível certamente faz mais sentido do que a ideia de Trent Whittaker tentar me seduzir. Mas agora a necessidade de saber é muito grande. Eu respiro fundo e giro a maçaneta da porta, abrindo a porta.


E ai está ele. Trent Whittaker, sentado em uma das doze cadeiras executivas agrupadas em volta da mesa. Ele está trabalhando em um tablet, mas ele olha para cima quando ouve a porta. Seu rosto se abre em um sorriso quando ele me vê. Eu tenho um momento de hesitação - apenas um - e então eu entro na sala de reuniões e fecho a porta atrás de mim.


Capítulo Vinte

Hannah

A porta se fecha atrás de mim. Soa tão alto quanto um tiro na sala de reuniões silenciosa. Trent olha para mim e todos os pensamentos voam para fora da minha mente. Ele parece tão sexy sentado lá - relaxado, confiante, poderoso. Posso imaginá-lo exatamente assim durante as negociações nessa mesma sala de reuniões, e percebo que nunca iria querer enfrentar esse homem. O que eu estava pensando em vir aqui para tentar explicar isso para ele pessoalmente? Eu limpo minha garganta, mas não me aproximo. Eu fico na porta, do mesmo jeito que voltei em seu escritório no outro dia. Trent está me olhando com expectativa. Há um meio sorriso em seus lábios que está me deixando louca - como se ele soubesse o quão insegura eu estou me sentindo agora e ele está gostando de me ver se contorcer. Eu respiro fundo e tento me endurecer.


"Eu só vim dizer que não posso fazer isso," digo, todas as palavras caindo ao mesmo tempo. Seu sorriso se aprofunda. Ele se inclina para trás em sua cadeira e me olha de cima a baixo de um jeito que me faz tremer. "Então, quanto a isso: você não precisa fazer nada," diz ele. "O que você quer dizer?" Eu pergunto, cautelosa. De alguma forma eu não esperava que ele cedesse isso facilmente. Ele se inclina para trás em sua cadeira e cruza as mãos atrás da cabeça. "Deixe-me fazer tudo," diz ele. "Você não precisa fazer nada, como você diz. Apenas deixe-me convencer você.” Minhas pernas ameaçam ceder debaixo de mim, e estou feliz por ainda ter a porta para segurar. Eu não respondo, apenas olho para ele e tento engolir. "Hannah, vem." Todo o seu comportamento muda e ele gira em sua cadeira de modo que ele está de frente para mim. Seu tom não deixa espaço para discussão e eu me vejo subitamente atravessando a sala em direção a ele, minhas pernas movendo-se por vontade própria. Quando estou em pé na frente dele, ele estende a mão e coloca as mãos nos meus quadris. Eu mal tenho tempo para reagir ao seu toque antes de ele me levantar e me colocar na mesa na frente dele. Meu vestido sobe um pouco e posso sentir a superfície lisa e fria da mesa sob as costas das minhas coxas. Trent não se moveu; ele ainda está sentado naquela cadeira, agora posicionado bem na frente dos meus joelhos. Ele está olhando para mim com o sorriso mais deliciosamente sexy e percebo que estou completamente, cem por cento, acima da minha cabeça. Eu respiro fundo e tento acalmar meu coração acelerado quando Trent pega um dos meus tornozelos e o levanta por cima do ombro. Ele vira a cabeça de modo que ele está


de frente para a minha perna e, em seguida, ele planta um beijo no interior do meu tornozelo. É macio e suave e a repentina intimidade me faz ofegar. "O que você está…" Minha pergunta desaparece enquanto ele continua beijando minha perna, movendo-se lentamente para o interior da minha panturrilha, beijando o ponto sensível logo atrás do meu joelho, deixando seus lábios roçarem a parte interna da minha coxa. Conforme ele se move mais e mais para cima, minha perna fica cada vez mais tensa. Há uma dor, um desejo que corre direto da boca do meu estômago para o calor da minha boceta. "Trent," eu digo, surpresa com o quão sem fôlego e ao contrário de mim minha voz soa. "Eu sou muito bom no que faço, Hannah," diz ele, com os olhos brilhando. "Eu quero te mostrar o quão bom." Eu já posso sentir minha boceta umedecendo as palavras dele... e enquanto ele beija o caminho mais para cima da minha coxa, torna-se mais como um encharcamento. Se ele tocar minha calcinha, ele saberá imediatamente o quanto eu quero isso. Eu observo atentamente enquanto ele faz o seu caminho mais alto. Seus lábios contra a pele macia da parte interna da minha coxa estão me enlouquecendo, e quando ele usa a língua para fazer uma trilha molhada e preguiçosa eu não posso evitar - eu levanto minha bunda até a beira da mesa. Trent olha para mim e ri. "Estou apenas começando, querida. Seja paciente." Ele agarra minha outra perna e a coloca sobre o outro ombro e então começa todo o processo de novo, beijando seu caminho do meu tornozelo, passando pelo meu joelho, pela minha coxa. Com ambos os meus tornozelos sobre os ombros, isso me desequilibra e tenho que apoiar minhas mãos na mesa atrás de mim para manter o equilíbrio.


Quando ele beija todo o caminho até a minha coxa, Trent faz uma pausa. Ele puxa a cadeira um pouco mais perto e se inclina tão perto que eu posso sentir sua respiração quente contra o meu núcleo. "Você sabia que eu amo comer boceta, sweet?" Suas palavras são um ronco baixo entre as minhas pernas. Tudo o que posso fazer é olhar para ele e balançar a cabeça levemente. "Eu faço. Isso vai ser ainda mais divertido para mim do que para você. E acredite em mim, vai ser muito, muito divertido para você.” Sem aviso, ele chega e agarra minha calcinha. Ele puxa com tanta força que eu posso ouvi-la rasgar enquanto ela desliza para fora debaixo da minha bunda. Ele a tira de debaixo de mim e lentamente tira meus tornozelos de seus ombros um de cada vez para que ele possa remover minha calcinha completamente. Ele joga o tecido mole na mesa ao meu lado e puxa a cadeira de volta. Seu rosto está a apenas alguns centímetros da minha boceta nua agora. Eu quero esconder meu rosto, mas a maneira intensa com que ele está olhando para mim me deixa arrebatada para desviar o olhar. Parece que o homem está prestes a comer uma deliciosa refeição de sete pratos. Eu tremo de antecipação. Meu coração bate fora das paradas enquanto o vejo aproximar-se cada vez mais perto do meu núcleo. Trent desliza os braços sob as minhas coxas e, em seguida, envolve suas mãos sobre a parte superior das minhas pernas, usando sua força para separar minhas coxas, então estou completamente espalhada por ele. Ele me puxa para a frente para que minha bunda esteja bem na beirada da mesa. Polegadas longe do rosto dele. Meu clitóris está latejando, minha boceta está doendo. Eu preciso que ele me toque. Deus, eu preciso disso tão mal. "Trent," eu sussurro.


"Hannah," ele murmura de volta e, em seguida, ele está inclinado para a frente e tomando o mais suave e mais hesitante gosto de mim. Eu tremo ao sentir sua língua em mim. Tão suave e quente e molhada. Ele desliza levemente ao longo da minha fenda e passa suavemente nos meus lábios. Quando ele chega ao meu clitóris, ele roda o círculo mais requintadamente gentil ao redor dele. Meu corpo inteiro queima com luxúria. Eu o observo enquanto ele deixa sua língua dançar levemente sobre mim, e então eu noto uma sombra passar pela janela atrás dele. Oh Deus. Eu percebo o quão perto estamos do resto do escritório. Por um segundo ele me fez esquecer que estávamos em uma sala de reuniões - em frente aos elevadores, na verdade, onde qualquer um podia nos ouvir. Onde alguém poderia acidentalmente entrar e nos pegar. Embora esse pensamento me assuste, de alguma forma não faz nada para diminuir minha luxúria. A maneira como Trent está acariciando meu cume com a língua está fazendo todo pensamento racional voar direto para fora da minha cabeça. Tudo que eu quero é isso. Ele. Agora. Eu percebo que estou gemendo enquanto Trent trabalha minha boceta. Ele está segurando minhas coxas, mantendo-as separadas, e quando eu começo a tremer, ele aumenta a intensidade. Ele suga meu clitóris dentro de sua boca e a pressão me deixa louca. Minha boceta aperta e eu quero sentir algo dentro de mim tão mal, seu pau ou seus dedos ou sua língua. Como se ele pudesse ler minha mente, Trent solta meu clitóris e arrasta sua boca para baixo para circundar sua língua ao longo da minha entrada. Meus quadris balançam em direção a ele, mas ele me segura no lugar com seus braços musculosos. Ele enrijece a língua e passa pela minha entrada. Eu me contorço debaixo dele, mas seu aperto em mim é sólido. Ele passa a língua e minha boceta pulsa contra ele. Percebo que estou gemendo e penso novamente nas pessoas que devem estar passando no corredor do outro lado da janela. Não há nada que eu possa fazer sobre


isso - o que Trent está fazendo comigo é ativar uma parte primária de mim, uma parte que só quer gritar, xingar e gemer. O orgasmo está em mim antes que eu perceba que está chegando. Trent move toda a sua boca sobre a minha boceta, sacudindo a língua para trás e para frente sobre meu clitóris e, em seguida, está acontecendo, o prazer me atingindo tão forte e repentino quanto uma onda do mar. Eu tento ficar quieta, mas não posso ajudar os gemidos que estão escapando da minha garganta. Trent não desiste, mesmo quando ele pode me sentir tremendo embaixo dele. De fato, meu orgasmo apenas o estimula a trabalhar mais, me lambendo com uma energia frenética que impulsiona meu clímax mais e mais. No momento em que os tremores secundários desaparecem, todo o meu corpo se sente esgotado. Trent me dá um beijo final, seus lábios macios contra o meu clitóris e então ele se levanta e se inclina sobre mim. Eu sorrio para ele, ainda um pouco delirante. "Aquilo foi…" "Nós não terminamos," ele diz. Ele me empurra para a mesa de conferência para que eu possa sentir a superfície lisa sob minhas costas. Então ele me agarra pelos quadris e me puxa para mais perto dele, de modo que minha boceta molhada está esfregando contra a frente de suas calças de terno. Eu posso sentir sua ereção pressionando contra mim e oh Deus, de alguma forma me faz querer ainda mais, como se isso fosse possível. Ele mexe seus quadris contra mim e eu me pergunto vagamente se ele percebe que eu provavelmente estou ensopando suas calças. Trent desliza a mão entre nós e encontra minha boceta com os dedos. Sua mão em mim parece totalmente diferente da sua língua, mais áspera e mais dura, e eu me aproximo mais, querendo mais.


Ele se inclina sobre mim, descansando o outro braço na mesa ao meu lado. Seu peito está pressionado contra o meu e sua respiração é quente no meu rosto e seus olhos me perfuraram. "Eu não vou te foder hoje, sweet," diz ele. Sua voz é rouca de desejo. “Mesmo que eu queira e mesmo que eu saiba que você quer que eu faça. Mas eu quero que você tenha um gostinho do que vai parecer quando eu fizer.” Ele usa a mão que está entre nós para encontrar minha entrada e então ele empurra dois dedos rudemente dentro de mim. O choque me faz arquejar e balançar e sinto suas coxas pressionarem mais contra mim enquanto ele se inclina mais para dentro de mim. Eu me perco em seu rosto, em seu toque, enquanto ele me fode com os dedos e move seu corpo contra o meu. Ele se inclina para frente e roça seus lábios contra a minha pele. Eu finalmente alcanço, agarrando seu pescoço e puxando seu rosto para mais perto de mim, beijando-o com mais força. Eu separo meus lábios e, em seguida, encontro minha língua com a dele, deixando-os bater juntos da mesma forma que nossos corpos estão caindo juntos abaixo. Trent continua enfiando os dedos em mim e depois usa o polegar para acariciar meu clitóris. A sensação envia todo o meu corpo em um espasmo - meus músculos ficam tensos, minha mente em branco. Tudo o que posso fazer é segurar a nuca dele, focar seu rosto e dizer o nome dele várias vezes. "Trent, oh Deus, Trent, oh Deus, Trent!" Eu estou gritando até então, ou pelo menos eu acho que estou, e ele ainda está me fodendo, movendo o polegar sobre o meu clitóris, implacável e exigente, até que ele é levado cada coisa que eu tenho. Quando ele para, eu estou mole. Eu deito lá na mesa da sala de reuniões e não faço nada além de respirar e piscar. É como chegar à costa depois de estar no meio de um tsunami. Trent roça sua boca contra a minha mais uma vez, chupa meu lábio inferior brevemente entre os seus e depois se levanta. Ele ajeita a gravata. "Isso é um a menos," diz ele, com um brilho malicioso em seus olhos.


"Um a menos?" Meu cérebro ainda não é muito funcional. “Uma de suas fantasias a menos. Lembra? Eu estou te comendo na sala de conferências? Mas não se preocupe, Hannah. Temos muito mais para passar.” Com isso, ele pega minha calcinha da mesa, enfia no bolso e sai da sala de reuniões. Eu fiquei lá atordoada por mais um minuto, tentando descobrir o que diabos aconteceu. Então percebo que estou deitada na mesa da sala de conferências com minha boceta encharcada completamente exposta. Eu rapidamente saio da mesa e puxo meu vestido para baixo. Eu puxo um pequeno espelho compacto da minha bolsa e tento o meu melhor para arrumar o meu cabelo e fazer-me parecer apresentável. Eu posso ver silhuetas do lado de fora da janela enquanto as pessoas vagam pelo corredor. Oh Deus. Eu tento lembrar o quão alto eu estava - alguém me ouviu? Isso é mortificante. E ainda… uau. Mortificada ou não, o que Trent acabou de fazer para mim nesta sala é um dos livros dos recordes. Quero dizer... uau. Não há palavras. Há apenas a maneira como meu corpo se sente como um macarrão molhado, o modo como meu clitóris ainda vibra com a sensação. Quando me sinto meio humana novamente, respiro fundo e abro a porta. Há meia dúzia de pessoas esperando no corredor do lado de fora da porta, todas segurando laptops ou notebooks. "Terminou com a sala?" Uma mulher pergunta presunçosamente. "Nós reservamos para uma reunião." "Sim, desculpe," eu murmuro. Meu rosto está vermelho. Há quanto tempo eles estão aqui? Eu corro para o elevador o mais rápido que posso e não olho para eles enquanto entram na sala. Eu aperto o botão do elevador e faço uma silenciosa prece de


agradecimento quando chega logo antes que qualquer um deles possa descobrir a mancha úmida gigante que sem dúvida deixei na mesa de reuniões.


Capítulo Vinte e Um

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Morangos, sândalo, verão

Essas são as coisas que você gosta. Incrível porra.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Pare


Ou não pare. Eu não sei mais.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Não pense demais

Vamos. Eu não fiz um bom trabalho? Eu tenho dito que tenho uma língua muito talentosa.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Oh Deus

VOCÊ FEZ UM ÓTIMO TRABALHO.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :)

Foi o que pensei, dada a maneira como você gritou meu nome. Então, como você se divertiu e eu me diverti, não vejo razão para não seguirmos para o próximo item. Levar você hoje me deixou com tanta força e tesão. Eu acho que levou seis horas para minha ereção descer (eu estava pensando seriamente em ligar para o meu médico). Eu queria me masturbar tanto, mas eu não me permitia. Eu quero que você seja a única a cuidar de mim. Eu quero sentir aqueles seus doces lábios em volta do meu pau. Venha ao meu escritório amanhã às 15h45. Não se atrase.


Capítulo Vinte e Dois

Trent

Tudo o que posso pensar é Hannah. A noite toda, meu pau dói. Minhas bolas se agitam. Eu quero me masturbar tanto, especialmente quando eu imagino sua linda boceta, o jeito que ela se contorcia debaixo de mim, o jeito que ela choramingou como um gatinho quando eu a peguei com meus dedos. Jesus. Ela não tinha a mínima ideia do que ela fez comigo. Ela iria ver em breve embora. Eu não podia esperar para tê-la no meu escritório, para fazê-la cuidar desse problema que ela me causou. O pensamento de sua boca em mim já está enviando ondas de prazer antecipado através de mim. O dia passa no ritmo de um caracol. Estou distraído durante as reuniões, inútil no processo de tomada de decisões, e até me lembro de Lottie quando ela me diz que agora tenho uma teleconferência para conduzir durante o almoço. Eu sou como um homem obcecado. Possuído. De alguma forma eu consegui passar pelo resto da tarde, até por volta das três. Quando minha linha direta toca.


Eu atendo porque não há muitas pessoas que conhecem esse número. Principalmente família e alguns clientes VIP. "Olá?" "Olá estranho." Porra. É Lara "O que você quer?" Minha voz é brusca. Eu quero ela fora do telefone o mais rápido possível. Eu odeio falar com ela no melhor dos tempos, e eu odeio mais quando interrompe minhas deliciosas fantasias sobre Hannah. "Apenas ligando para conversar." "Certo." "Honestamente. Como você está?" "Eu estou ótimo, Lara. Muito obrigado por perguntar.” Deixei o sarcasmo escorrer alto e claro. Lara bufa do outro lado do telefone. "Eu só estou tentando ser legal, já que eu sei que você não vai gostar da verdadeira razão pela qual eu estou ligando." Eu me sento reto na minha cadeira. Como eu disse, eu nunca gosto de conversar com Lara, mas agora eu estava intrigado - e em guarda - sobre o que ela poderia querer. "Apenas cuspa." "Tudo bem." Ela bufa novamente. "A palavra na rua é que o Loft & Barn está em problemas." Uma fúria gelada enche minhas veias. "Problema?" Eu rio. "Isso é um absurdo." Lara ri de volta, mas o dela é um tilintar artisticamente praticado. “Vamos lá, Trent. Você sabe que eu vou descobrir. Eu sempre recebo a história.” Lara trabalha na Design Times, a maior e mais lida revista de estilo do país. Na verdade, foi ela quem primeiro ajudou a colocar o Loft & Barn no mapa. Foi como nos


conhecemos, na verdade, quando ela saiu para cobrir o nosso primeiro lançamento de produto. "Eu estou muito familiarizado com o comprimento que você vai, para obter uma história," eu digo amargamente, com os dentes cerrados. “Mas não há história aqui. Você está latindo na árvore errada, querida.” "Huh." Lara faz uma pausa e há um silêncio do outro lado da linha. Estou tentado a desligar, mas alguma coisa me faz manter o telefone pressionado no meu ouvido. "Isso é tão estranho," ela fala arrastadamente. “Porque no outro dia conheci a mulher mais doce - ela trabalha na indústria têxtil, você realmente a ama. De qualquer forma, ela me disse que a Loft & Barn cancelou, como eu não sei, metade dos pedidos de tecido para esta temporada. Isso não é estranho?” "Dificilmente," eu bufo. “Tecido, Lara? Esse é o seu ângulo?” Há um silêncio do outro lado da linha. "Quer pelo menos me dar uma citação sobre isso?" Ela finalmente cutuca. "Lara, eu não daria um colete salva-vidas se você estivesse se afogando em uma pilha de sua própria besteira." Eu desligo o telefone. Eu posso sentir o sangue correndo pelas minhas têmporas. Meu corpo inteiro palpita de raiva e irritação. Eu odeio falar com Lara. Tudo o que faz é me lembrar de como ela me tocou. Mas a pior parte de tudo isso? Ela está certa. A empresa está com problemas. Loft & Barn faz um trabalho incrível - eu ainda acredito nisso. Eu sempre vou acreditar nisso. Luke é um maldito visionário e suas peças são a melhor combinação de moda e clássico. E por mais tempo, isso foi o suficiente.


Agora, porém, está ficando cada vez mais difícil competir com as grandes lojas, com os Ikeas e os Wayfairs do mundo. O negócio de varejo está desacelerando e nosso negócio on-line não está acelerando o suficiente para compensar a diferença. A pior parte é que todo o sucesso da empresa está nos meus ombros. Luke não está interessado no lado comercial - tudo o que ele quer é projetar e construir móveis. Infelizmente, isso é parte do problema - suas peças personalizadas são difíceis, caras e demoradas para serem reproduzidas, o que significa que nossas margens de lucro diminuem. Ironicamente, quanto mais agradável a peça, menos nós a criamos. Nós expandimos em mobiliário simples - cortinas, tapetes, travesseiros e merda um par de anos atrás e que ajudou por um tempo. Essas coisas são baratas e fáceis de produzir em massa, além de ajudar a levar as pessoas às lojas. Mas o aumento temporário que eles nos deram está diminuindo, assim como nossas margens. Eu tentei falar com o Luke sobre redimensionar algumas das peças personalizadas, mas ele desliga toda vez que eu faço a atualização. Ele não acha que devemos baratear nossos negócios dessa maneira. Eu não discordo - mas ele não é o único que tem que olhar os nossos funcionários nos olhos nessas reuniões. Eles dependem da Loft & Barn para sua subsistência, e sabendo que quanto mais a empresa lutasse, mais pessoas teríamos que deixar ir não era exatamente um pensamento que eu gostava. Há uma batida na porta do meu escritório e isso me tira dos pensamentos negativos que estou vivendo. Eu olho para a hora: 3:45. Eu sorrio - na hora certa. "Entre," eu digo e vejo a porta se abrir lentamente. E aí está ela. Minha Hannah. Minha Sweet. "Entre," eu digo novamente, e ela entra totalmente no meu escritório e fecha a porta atrás dela. Boa menina. "Oi," diz ela, e sua voz é tão suave e hesitante que me faz querer pegá-la em meus braços e cobri-la com beijos. Eu amo como sua timidez está tão em desacordo com a pessoa suja que ela projeta online, a que eu conheço está enterrada em algum lugar. Falando de sua pessoa online...


Eu me viro para o meu monitor. Eu já tenho o e-mail, já que eu releio o dia todo. "Hoje tudo em que eu conseguia pensar era o seu pau," eu li. Eu olho para cima e vejo sua pele já ficando rosa. Eu escondo um sorriso e volto para a tela. “Eu pensei em me arrastar embaixo da sua mesa e te abrir e deixar seu pau duro e pesado derramar em minhas mãos. Eu pensei em acariciar seu pau, em provar você, em passar minha língua em torno de sua cabeça enorme.” Hannah está encostada na porta agora, e eu posso ver seu peito subindo e descendo enquanto ela respira. Ela está envergonhada, mas excitada. Isso a deixa impotente. Eu amo o efeito que tem sobre ela, a maneira como dilata suas pupilas, a maneira como ela cora em um tom de rosa que vai de suas bochechas até o peito, até onde o suave inchaço de seus seios é visível apenas por cima da borda do vestido. Eu já posso sentir meu pau começando a endurecer. "O que você acha?" Eu balanço minha cadeira ao redor. "Pronta para a próxima fantasia?" "Eu..." ela se afasta. Lambe os lábios dela. Engolindo. Eu levanto as sobrancelhas e, em seguida, assisto com espanto quando ela dá alguns passos hesitantes em minha direção. Essa é minha boa menina. Meu pau está ficando ainda mais duro quando ela se aproxima. Eu quero sentir suas mãos em mim, seus doces lábios. Quando ela está perto o suficiente eu estendo a mão e agarro a mão dela, puxando-a nos últimos dois passos para que ela fique entre os meus joelhos. "Eu pensei sobre isso por tanto tempo," digo a ela. Minha voz está rouca. É quase embaraçoso o efeito que ela está tendo em mim. E ela nem sequer me tocou ainda. "Eu sou..." ela faz uma pausa e depois lambe os lábios novamente. "Eu não tenho certeza do que estou fazendo." Não sei se ela quer dizer, em geral, ou bem neste momento.


"Não é ciência de foguetes, querida," digo a ela. “Apenas faça o que for bom para você.” Eu imagino que a resposta satisfará em ambos os casos. Ela respira fundo e acena e depois cai de joelhos na minha frente. Jesus. A visão dela ali, ajoelhada entre as minhas pernas, o cabelo castanho escuro solto em volta dos ombros, os lábios rosados abertos - já é o suficiente para fazer um homem adulto chorar. Quando ela estende a mão hesitante e esfrega minha protuberância através da calça do meu terno, quase me mata. "Foda-se." Minha cabeça recua e estou apenas fechando meus olhos quando o telefone toca. "Foda-se," eu digo novamente, mas desta vez por um motivo diferente. Olho para a tela de chamadas e vejo que é Lottie. Ela geralmente não sabe me interromper quando estou no meu escritório com alguém, então só posso assumir que é importante. "Eu sinto muito," eu digo a Hannah enquanto dou a ela o sinal de "um minuto." Eu pego o telefone. "O que?" Eu não consigo manter a pressão fora da minha voz e me sinto um pouco mal por um momento. Definitivamente, devo a Lottie uma garrafa de vinho ou algo assim depois dessa semana. "Sinto muito, Sr. Whittaker, mas Kenny Bradworth do shopping está aqui. Ele diz que tem um assunto urgente que não pode esperar.” Deus, caramba. Eu odeio Kenny para começar, mas eu o odeio ainda mais neste momento. Eu olho para a linda criatura situada entre meus joelhos e quero dizer a Lottie para dizer a ele para se foder imediatamente, mas se ele diz que o assunto é urgente, eu provavelmente preciso lidar com isso imediatamente. Apesar de todas as suas qualidades terríveis, ser propenso a exagerar não é uma delas. "Bem. Diga a ele para me dar dois minutos.” Isso deve dar a Hannah tempo para entrar no escritório de Luke. "Sim senhor."


Eu desligo o telefone e olho para Hannah, em seguida, levanto o queixo para que eu possa olhar em seus lindos olhos castanhos. "Eu sinto muito," eu digo. “Acho que isso deve levar apenas alguns minutos. Podemos reagendar ou você pode entrar no escritório de Luke até ele ir embora, se você quiser? Você decide." Hannah ainda está de joelhos na minha frente e eu posso ver seu rosto se contorcendo enquanto ela considera suas opções. Mas então, ela faz algo que me surpreende. Nós dois, eu acho. Ela olha para o espaço debaixo da minha mesa e levanta as sobrancelhas. "Essa não era uma das suas fantasias?" Ela murmura. Sua súbita audácia me assola e me excita ainda mais. "Você não precisa fazer nada que não queira, Hannah," asseguro-lhe. O que ela está sugerindo é... "Eu sei," ela sussurra, e então ela está rastejando debaixo da minha mesa bem quando Kenny Bradworth bate na porta.


Capítulo Vinte e Três

Hannah

Eu não sei o que aconteceu comigo. De alguma forma, no escritório de Trent, ajoelhada entre as pernas, vendo a protuberância que era claramente visível sob a calça do seu terno... aparentemente, isso me transformou em uma pessoa louca. Porque o que eu sugeri - o que eu estava prestes a fazer - era uma loucura. Mas desde que ele tinha feito essas coisas comigo na sala de conferências - aquelas coisas indescritíveis que ainda faziam minhas pernas tremerem sempre que eu me lembrava delas - eu só conseguia pensar em uma coisa. Seu pau. Eu precisava ver isso. Eu precisava tocá-lo, prová-lo. Eu tinha pensado sobre ele tantas vezes, tinha fantasiado sobre isso tantas vezes, que eu não poderia deixar isso acabar sem experimentá-lo apenas uma vez. E eu tinha certeza de que, se saísse do escritório agora, nunca mais voltaria.


Então, antes que meu senso comum possa assumir, eu me arrasto sob a mesa. Felizmente, é uma mesa enorme com um encosto alto, então não estou visível para Kenny Bradworth e há espaço suficiente para eu manobrar um pouco. Eu fico de joelhos, mas me inclino um pouco para a frente e Trent puxa a cadeira cuidadosamente para a minha frente. Ouço a porta se abrir e Trent e o outro homem se cumprimentam. Eu ouço o raspar da cadeira enquanto Kenny se senta em uma das cadeiras de hóspedes em frente à mesa de Trent. Eu percebo que estou prendendo a respiração e tento soltá-la o mais silenciosamente que posso. As pernas de Trent estão bem abertas embaixo da mesa e eu me inclino um pouco mais perto para ficar a centímetros do seu pau. Eu alcanço uma mão hesitante e lentamente deixo meus dedos roçarem contra ele. Trent se contorce um pouco na cadeira e eu puxo a mão para trás imediatamente. Talvez isso seja demais. Mas Trent puxa a cadeira um pouco mais para perto e inclina um pouco a pélvis, facilitando meu acesso. Eu não posso ajudar o sorriso perverso que cruza meus lábios. De alguma forma, saber o quanto ele quer isso - e como ele está vulnerável neste momento - está me excitando tanto quanto o que ele fez comigo na sala de conferência ontem. Eu estendo minha mão novamente e corro meus dedos ao longo do contorno de seu pau. Desta vez, estou um pouco mais firme e logo estou usando a palma da mão inteira para esfregá-lo nas calças dele. Eu posso ouvi-los falando - algo sobre o transporte no exterior. A voz de Trent soa um pouco mais rouca do que o normal, mas, por outro lado, ele ainda parece incrivelmente composto. Isso só me estimula mais. Eu levanto minha outra mão, me equilibrando em meus joelhos com meus braços em suas coxas, e encontro seu zíper. Eu puxo para baixo lentamente para que não faça nenhum som e então deixo minha mão passar pelo tecido.


Eu posso sentir o calor emanando dele. Eu encontro a fenda em sua cueca boxer e então eu deslizo minha mão além desse tecido também e então não há mais nada entre nós e eu envolvo minha mão em torno de seu pau finalmente. O pau de Trent se contorce assim que eu o toco ele faz um barulho estrangulado que ele rapidamente encobre com uma tosse. Eu mordo outro sorriso. Eu gosto de ter esse efeito sobre ele. Eu levanto suas bolas para fora da cueca para que eu possa ter acesso mais fácil a elas também. Seu pau é incrivelmente grosso e eu não posso sequer chegar perto de fechar meus dedos ao redor dele, mas eu o aperto tão bem quanto posso e movo minha mão lentamente para cima e para baixo do comprimento de seu eixo. Seus quadris balançam um pouco e ele os desloca mais alguns centímetros. Ele ainda mantém o final da conversa com Kenny. Enquanto eu acaricio seu pau enorme, eu tenho um momento de incredulidade. Eu não posso acreditar que estou fazendo isso – masturbando meu chefe debaixo de sua mesa enquanto ele se encontra com um cliente. Este é o material das fantasias literalmente. Era o tipo de coisa que Trent e eu descrevemos um ao outro, quando nunca acreditei que faríamos alguma delas. E agora aqui estava eu. Fazendo isso. Com ele. Mas de alguma forma, ao invés de me assustar, o pensamento me faz querer fazer ainda mais. Eu quero saboreá-lo. Eu inclino minha cabeça para frente e coloco minha língua para fora, hesitante. Eu agito a cabeça de seu pau levemente e ele se contorce em seu assento. Eu lambo ele novamente. Eu gosto do sabor salgado almiscarado de sua pele. Eu lambo meu caminho ao redor da cabeça, cobrindo-o com a minha saliva, certificando-me de que ele possa sentir minha língua quente em cima dele. Ele se contorce em seu assento novamente e eu posso sentir seus músculos da coxa enrijecerem sob meus antebraços.


Eu nunca senti que eu era muito boa em dar boquete - e eu tenho certeza que meu ex concordaria com essa avaliação - mas agora, eu sinto que qualquer coisa que eu faça vai enlouquecer Trent. Isso é uma sensação inebriante e poderosa. Eu aperto minha mão na base de seu pau e corro minha língua ao longo de toda a extensão do seu eixo, repetidamente, cobrindo todos os lados, e então eu me movo para baixo e faço a mesma coisa para suas bolas. Eu cubro o saco inteiro com a minha língua e então eu lentamente chupo uma de suas bolas na minha boca. Até suas bolas são enormes - apenas uma preenche minha boca completamente. Eu chupo por um momento antes de fazer o mesmo com a outra. Trent está se contorcendo de verdade agora, e eu imagino maldosamente o que seu convidado deve estar pensando. Quando termino com suas bolas, puxo seu pau para baixo um pouco e levo toda a cabeça para dentro da minha boca. Trent ofega e depois cobre com outra tosse, uma que se prolonga ainda mais quando eu o levo mais fundo na minha boca. Quando ele finalmente se mantém sob controle, ele retoma a conversa, mas eu posso ouvir a maneira como sua voz treme. Suas pernas estão tensas e tremendo. Eu movo minha cabeça para cima e para baixo pelo comprimento de seu eixo, o melhor que posso, dado os minúsculos apertos. Eu uso minha outra mão para puxar suavemente suas bolas, esfregando meu polegar sobre o local onde elas se conectam à base de seu pau. Com cada golpe da minha boca, cada reviravolta da minha língua, a emoção e o mal do que estamos fazendo me atingem. De novo e de novo. Isso é tão ruim. Está errado. É mortificante E ainda assim é tão gostoso. Eu me sinto como uma pessoa completamente diferente quando eu o levo em minha boca, enquanto sinto seu pau roçar a parte de trás da minha garganta. Isso me faz


querer fazer um trabalho ainda melhor, então eu o chupo forte e deixo a saliva cair sobre ele para que ele possa entrar e sair da minha boca melhor. "Eu não me importo," Trent está dizendo, e me pergunto se Kenny ouve o que eu faço - a maneira como sua voz é rouca e estrangulada. "Eu não estou assinando isso. Eu acho que é o fim dessa discussão.” "Tudo bem." Há um som de raspagem quando a cadeira se move novamente e percebo que o homem finalmente está saindo. "Mas eu não considero este assunto resolvido." "Eu considero isso... muito perto... de estar acabado." Trent praticamente deixa escapar as palavras. "E eu vou pedir para você sair agora." Há um resmungo geral do outro lado da mesa, mas finalmente ouço o som doce da porta do escritório abrindo e fechando novamente. "Oh, foda-se." Trent finalmente solta naquele exato segundo. Minha boca ainda está enrolada em volta dele e eu posso sentir seu gozo quente na minha boca. Isso me pega de surpresa, mas eu reajo instintivamente, engolindo em grandes goles gananciosos. Há mais do que eu esperava - apenas continua chegando, enchendo minha boca, e quanto mais eu engulo e chupo, mais parece haver. Trent tem as mãos no meu cabelo e ele está empurrando seus quadris contra mim, empurrando seu pau em minha boca quando ele goza. Ele está dizendo o meu nome uma e outra vez também, e me excita ouvi-lo dizer isso. Hannah nunca pareceu exatamente o nome de uma deusa, mas nos lábios de Trent, soa como o próprio sexo. Finalmente ele começa a desacelerar seus impulsos e as ondas de seu orgasmo morrem. Eu lentamente puxo minha boca dele, mas continuo correndo minha língua ao redor da ponta, querendo ter a última gota de seu prazer. Quando acabou, eu finalmente olho para ele. Eu me sinto tímida, de repente, a realidade do que acabamos de bater em mim como uma tonelada de tijolos. Mas Trent está olhando para mim com uma expressão suave, embora pareça quase tão aturdido quanto eu me sinto.


"Isso foi..." ele balança a cabeça. "Eu não tenho palavras." "Você?" Eu sorrio. "Você sempre parece ter palavras." "Eu sei." Ele balança a cabeça, rindo baixinho. "Eu acho que você chupou todos eles fora de mim." Ele racha um sorriso e eu mais uma vez me vejo corando. Engraçado como ele sempre parece ter esse efeito em mim. Ele estende a mão e me puxa para os meus pés e então ele está roçando seus lábios contra os meus. Por um momento, deixei meus braços enrolarem em torno de seu pescoço, deixando meu corpo apertar contra o dele. Mesmo com o orgasmo que ele teve, eu já posso sentir seu pau endurecendo contra a minha barriga enquanto nos beijamos. Eu me perco no momento. Seus lábios se movem contra os meus e quando ele passa a língua sobre eles eu não resisto. Eu deixei ele me beijar. Há uma paixão em seu beijo e uma ternura em seu toque que faz meus joelhos parecerem fracos. Parece um beijo de verdade. Por meio segundo em vermelho, até me permiti acreditar. Eu me deixei acreditar que a química que eu senti com o Mister Bigshot é algo real. Isso é mais do que apenas palavras em uma tela. Os braços de Trent em volta de mim parecem bons demais para serem verdade. Essa coisa toda parece boa demais para ser verdade. E eles não dizem sempre que, se algo parece bom demais para ser verdade, provavelmente é? Eu me forço a interromper o beijo. Eu me viro para que ele não consiga ver como é difícil para eu recuperar o fôlego. "Eu tenho que ir," eu digo a ele abruptamente. "Hannah?" Há confusão em sua voz. "Eu vou te ver por aí... ou algo assim." Então eu pego a maçaneta, abro a porta e saio de seu escritório o mais rápido que posso.


Capítulo Vinte e Quatro

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: "ou algo assim?"

Eu vou te ver por aí... ou algo assim? Isso simplesmente não é bom o suficiente. Quando posso te ver novamente?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com


Assunto: Bem

Nós trabalhamos no mesmo edifício. Você pode me ver quando quiser.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Ainda não é bom o suficiente

Quero dizer, quando posso te ver? (insira uma inflexão sexy.)

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Desculpa

EU NÃO SEI.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Huh

O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI, SWEET?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: O problema

O que está acontecendo aqui é que você é meu chefe.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Pfft


Eu fui seu chefe outro dia também e isso não nos parou. Não me diga que você está tendo dúvidas.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Ha

Oh, eu estou no meu quinto ou sexto pensamentos até agora.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Que tal isso?

Ok, bem, vamos voltar para uma versão em que isso funcionou melhor para mim. Houve uma versão em que você disse sim para sair comigo?


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Espertinho

Eu acho que foi a versão três, mas foi fortemente influenciada pela cerveja barata.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Por que agradeço

Perfeito. Então, vou pegar a versão três. Vou me certificar de que há cerveja barata lá.


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Certo

De alguma forma eu não consigo imaginar você bebendo cerveja barata.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: ??

POR QUE NÃO?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Sério?


Ummmmmm vamos ver, talvez porque você usa ternos que custam mais de seis meses de aluguel para mim?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Então você pode estar interessada em saber…

… Quando estávamos tentando fazer com que a Loft & Barn saísse do chão, Luke e eu costumávamos ir ao Freaky Freddy's Pool Hall toda semana para Sexta da cerveja barata.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Freddy??

Eu acabei de derramar café em mim.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Oh querida

Então você deve me deixar fazer isso para você.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Bem…

Só se você me levar ao Freaky Freddy's Pool Hall.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Fechado

Ă&#x2030; UM ENCONTRO.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: ??

Espere, mesmo?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: eu ganhei

Sim com certeza. Use algo sexy. ;)


Capítulo Vinte e Cinco

Hannah

Eu não posso acreditar que estou fazendo isso. Como diabos eu deixei Trent Whittaker me convencer a ir a um salão de sinuca com ele? Quero dizer - essas duas coisas são tão incongruentes. Eu estou começando a pensar que foi minha própria incredulidade que me fez dizer sim. O salão de festas do Freaky Freddy está em uma área da cidade na qual eu nunca estive antes. Trent se ofereceu para dirigir, mas eu não queria depender dele para um passeio, então pego um táxi. Quando estaciona em frente ao prédio, quase digo ao motorista para me levar para outro lugar. O prédio é antigo, com tinta bege descascada e um letreiro vermelho e verde desenhado à mão que diz apenas Freddy's Freaky. É um pequeno lugar de assassinato em série, para ser honesta. Eu me forço para fora do táxi e abro a porta de vidro empoeirada. Felizmente, o interior não é tão desonesto quanto eu estou esperando. O lugar é limpo e em vez dos veteranos que estou esperando, é mais movimentado com os hipsters. Mesmo que não seja o que eu esperava, ainda não consigo imaginar o Trent aqui.


Eu ando por aí, mas ainda não há sinal dele. Eu volto para a porta para esperar. Parece que eu espero para sempre, mas provavelmente é só nervosismo. Alguns minutos depois, vejo um enorme SUV preto estacionar em frente ao salão de bilhar. Eu sei instintivamente que é ele - ninguém neste bairro dirigiria um carro tão caro. Trent abre a porta de vidro e sorri quando me vê. O sorriso ilumina todo o seu rosto e sinto minhas pernas um pouco vacilantes. Eles só pioram quando ele se inclina e me beija. Não é um beijo intenso - apenas um beijo suave no lado da boca - mas de alguma forma a intimidade casual é ainda mais sedutora. Toda vez que eu o vejo, a dinâmica do nosso relacionamento parece mudar. "Me desculpe, estou atrasado," diz ele. "O trânsito foi terrível." Eu finalmente tenho um momento para observá-lo e eu tenho que admitir que a visão é bem espetacular. Ele trocou seu traje habitual por uma camisa pólo azulmarinho e um jeans escuros perfeitamente usados que provavelmente custam mais do que todo o meu guarda-roupa. Mas a maneira como eles se encaixam nele - sim, eu diria que valeram cada centavo. Eles abraçam suas coxas musculosas e se acomodam apenas baixo o suficiente em seus quadris que eu posso imaginar o seu corpo embaixo, a trilha do tesouro que leva a… Eu forço minha mente para fora dessa linha de pensamento e o sigo para o bar. Eu olho em volta enquanto ele paga por uma mesa, e quando ele finalmente se vira para mim, eu tenho que dizer a ele. "Tenho más notícias." "O quê?" Ele parece preocupado. "Eles não fazem mais cervejas baratas." Eu aponto para a placa sobre o bar. "Elas estão a dois cinquenta e nove." "Porra de inflação," ele amaldiçoa. Eu rio e ele sorri. "Tudo bem. Vamos esbanjar tudo hoje à noite e pegar uma jarra.” "E batatas fritas?"


"Tudo o que você quiser." "Uau," eu digo sem fôlego. "Eu nunca soube que namorar um CEO viria com tantas vantagens." “Fique comigo, querida. Você pode até pegar uma casquinha de sorvete depois.” "Eu prefiro ter outra coisa para lamber." As palavras saem da minha boca antes de eu perceber o que estou dizendo. Eu bato minha mão sobre a minha boca, mas Trent apenas ri e joga o braço em volta do meu ombro. "Isso definitivamente pode ser organizado também." O rubor das minhas bochechas se desvanece num calor confortável enquanto Trent pede um jarro no bar e vamos até uma mesa vazia no fundo da sala. Está escuro aqui atrás, exceto pela luz verde do globo sobre a mesa. Trent nos serve uma cerveja e nós brindamos nossos copos juntos e bebemos. Eu sinto outra onda de calor, mas eu não sei se é a cerveja ou o jeito que Trent está olhando para mim sobre a borda de seu copo. "Senhoras começam?" Trent pergunta finalmente, enquanto ele abaixa o copo e começa a arrumar as bolas da sinuca. "Claro," eu digo. "Eu sinto que tenho que avisá-lo embora - eu sou realmente terrível nisso." "Oh, eu não acredito nisso." Eu ri. "Você não precisa acreditar. Você vai descobrir com certeza em cerca de dois minutos.” Com certeza, eu começo e as bolas mal se espalham. "Isso foi... bom," diz Trent e eu ri novamente. "Eu te disse." “Você só precisa colocar alguma força nele. Aqui."


Ele vem para ficar atrás de mim e mesmo que seja clichê como o inferno, ainda envia um arrepio da minha cabeça aos meus dedos quando ele se inclina contra o meu corpo. "Segure assim," diz ele, enquanto ajusta meus braços e o jeito que estou segurando o taco. “Vamos, Hannah. Eu sei que você sabe como manusear um pedaço de vara.” Minhas bochechas coram. "Uma vara, eu posso segurar," eu digo. "São as bolas com as quais pareço estar tendo um problema." "Não, eu diria que você é bastante adepta de bolas também." Eu não sei o que dizer para isso, então eu apenas deixo ele me inclinar mais sobre a mesa e mexo um pouco a minha bunda, só para provocá-lo. "Ahem," diz ele, segurando a mão sobre a minha. “Agora, na sinuca, acho útil pensar em alguém que você realmente odeia.” "Alguém que eu odeio?" "Um ex geralmente é uma boa escolha, na minha experiência." Uma imagem de Matt aparece na minha cabeça. Eu quase rio quando penso no que ele diria se pudesse ver o que eu fiz com o Trent. Trent e eu ainda não fizemos sexo e ainda é o melhor sexo que eu já tive. "Tem alguém em mente?" Ele pergunta. Seu corpo ainda está pressionado contra o meu e é difícil continuar pensando em Matt quando posso sentir o começo da ereção de Trent me perfurando. "Sim." "Bom. Agora tudo o que você precisa fazer é imaginar que a bola branca seja o rosto dessa pessoa.” Eu tento imaginar o rosto de Matt na bola. "Agora acerte."


Eu empurro o taco na bola e pela primeira vez, há algum poder nela. Atinge as outras bolas, que ainda estão bem agrupadas em uma extremidade da mesa, e elas se espalham. A amarela vai para um dos bolsos laterais. "Eu fiz isso!" Eu me viro e enfrento Trent, que está sorrindo para mim. "Viu? Um pouco de ódio pode ser uma coisa poderosa.” Eu tomo um gole da minha cerveja e sorrio. "Eu gosto disso. Então, quem você imagina?” Trent não responde. Ele pega sua cerveja e toma um longo gole. "Desculpe," eu estremeço. "Eu esqueci. A ex-noiva.” Ele concorda. "A ex-noiva." Trent mencionara sua ex-noiva algumas vezes, mas nunca dissera exatamente o que havia acontecido entre eles. Eu estaria mentindo se dissesse que minha curiosidade não foi aguçada, mas a maneira como os olhos de Trent escurecem no bar já escuro me diz que é melhor eu mudar de assunto. "Então, onde você aprendeu a jogar sinuca?" Pergunto em seu lugar. "Faculdade," diz ele. Ele toma outro gole de sua cerveja e depois alinha uma tacada. “Luke e eu costumávamos jogar o tempo todo. Isso e pebolim. Ele acerta a tacada e encaçapa a bola vermelha no bolso de canto, em seguida, faz um gesto para eu dar uma volta. "Onde você foi para a escola novamente?" "Harvard" “Certo, acho que você mencionou isso uma vez. MBA?” Ele concorda. “Nós dois começamos lá, embora o Luke acabasse saindo no meio do caminho. Ele absolutamente odiava isso. Eu acho que ele ficaria feliz se ele nunca tivesse que ver outro número novamente em sua vida. A menos que seja uma medida.”


“Então vocês dividem o trabalho agora? Luke faz o material de design e você lida com o lado do negócio?” Ele concorda. “Deve ser bom para ele. Parece que você tem a ponta curta desse bastão.” "Eu não me importo," diz ele. “O negócio é como uma combinação de arte e ciência e, eu gosto que apele para duas partes diferentes de mim. Além disso, eu pareço melhor em um terno do que ele.” "Isso eu definitivamente concordaria." Nós terminamos o jogo e depois jogamos outro - embora chamá-lo de um jogo é um exagero. Principalmente nós apenas nos revezamos e Trent encaçapa a maioria das bolas. Eu tenho um pouco mais de força na minha tacada agora, mas elas ainda ficam selvagens como o inferno e eu tenho sorte de até mesmo acertar outra bola com a bola branca. Mas entre a conversa e a cerveja, acabo rindo mais do que fiz há anos. Eu nunca teria acreditado, mas acontece que Trent Whittaker é um encontro divertido. Quando o nosso jogo está terminado, estou um pouco tonta e me divertindo demais. Eu me inclino no peito de Trent. "Beije-me," digo a ele, me surpreendendo. Ele olha para mim, os cantos de sua boca torcendo em um sorriso. "Com prazer." Ele serpenteia os braços em volta da minha cintura e me puxa para ele. Eu tenho que ficar na ponta dos pés, mas quando ele encontra minha boca com a dele, é o paraíso. Seus lábios se movem suavemente contra os meus a princípio. É tão gentil e doce que me deixa tonta e me inclino ainda mais nele. Eu o beijo mais forte, abrindo minha boca para ele e girando minha língua ao redor dele. Eu quero provar cada parte dele. Eu quero sentir cada parte dele. Eu quero… Como se ele pudesse ler minha mente, Trent se afasta. Seus olhos estão encapuzados, sua respiração curta e rápida.


"Quer sair daqui?" Pergunta ele. Arrepios me picam os braços e um calor corre atravÊs de mim. "Com prazer."


Capítulo Vinte e Seis

Trent

Eu mando uma mensagem para Ted, meu motorista, e digo a ele para trazer o carro. Ele aparece em tempo recorde e eu seguro a porta traseira do SUV aberta para Hannah. "Você tem seu próprio motorista?" Ela sussurra, como se ele pudesse ouvi-la, mesmo que a partição esteja fechada e seja bastante à prova de som. Eu rio. "Sim. Isso te surpreende?” Ela balança a cabeça, parecendo confusa. "Nada me surpreende sobre você." Eu rio quando subo atrás dela. “Bem, então isso nos faz opostos. Porque até agora tudo me surpreendeu com você.” Ela se vira para mim quando eu fecho a porta atrás de mim e o carro se afasta do meio-fio. "O que isso significa?" "Isso significa que você me mantém na ponta dos pés." "Isso é uma coisa boa?" Ela parece suspeita e eu tenho que rir de novo.


“Sim, sweet, é uma coisa boa. Agora vem aqui.” Eu a puxo para o meu colo para que ela esteja de frente para mim e então eu continuo de onde paramos. Sua boca é tão foda e maravilhosa - e beijá-la me faz pensar em como seus lábios sentiram em volta do meu pau no outro dia. A memória sozinha me faz gemer em sua boca. Ela move as mãos para cima e enrola-as no meu cabelo, inclinando a cabeça para que ela possa me beijar ainda mais fundo. Eu corro minhas mãos sobre seu corpo e trago-as para seu peito, colocando seus seios cheios em minhas mãos. Isso a faz gemer dessa vez e quando ela inclina a cabeça para trás eu beijo o vazio macio de sua garganta. "Espere," eu digo a ela e paro de acariciar seus mamilos. "Trent," ela geme, o que me faz sorrir. "Só um segundo," digo a ela. Eu pego meu telefone e, em seguida, abro o aplicativo Lovemail e o e-mail que eu procuro. Eu começo a ler para ela. “Você já fez sexo em um carro? Eu adoraria fazer isso algum dia. Eu adoraria apenas rastejar para o seu colo, empurrar minha calcinha para o lado e deslizar para baixo em seu pau enquanto nós dirigimos por Lake Shore.” Eu olho para Hannah. Seus olhos estão arregalados, suas bochechas coradas. "Olha onde estamos, sweet." Eu pressiono o nariz contra o pescoço quando ela se vira para olhar pela janela. Eu sinto sua ingestão aguda de ar - embora eu não saiba se é porque ela acabou de perceber que estamos em Lake Shore agora, ou se é por causa do jeito que eu corro minha língua ao longo do buraco macio de sua garganta. Ela se vira para me olhar de novo. Seus olhos castanhos estão escuros de luxúria e seus lábios se abrem quando ela se inclina em minha direção novamente. Ela encontra minha boca e depois estamos nos beijando novamente. Ela coloca as mãos contra o meu peito e eu chego ao redor para segurar sua bunda, aninhando-a com mais força contra mim.


Ela se contorce no meu colo e eu sei que ela pode sentir o quanto meu pau está duro agora. Está puxando meu jeans e eu mudo para tentar me sentir confortável - mas isso não está acontecendo. Não há como se sentir confortável agora. Cada parte de mim está chamando por ela. "Eu não posso esperar para me enterrar em você," eu digo. Minhas palavras estão quase perdidas em sua boca, mas sei que ela as ouve, porque ela geme contra mim. Seus lábios estão se movendo em todo o meu rosto agora, me beijando em todos os lugares, e ela se move para frente e para trás no meu colo. Ela está usando outro desses malditos vestidos de verão - estou começando a pensar que devo enviar um bilhete de agradecimento para quem os fabrica - e empurro as coxas para que eu possa sentir sua pele macia. Seus joelhos estão em ambos os lados das minhas coxas e ela já está me montando, balançando os quadris para trás e para frente. Eu deslizo minha mão entre nossos corpos e pressiono meus dedos contra seu núcleo. "Foda-se, você já está tão molhada." Sua calcinha está absolutamente encharcada, e meus dedos vão embora úmidos. "Sim," ela sussurra, sem fôlego. "Você meio que tem esse efeito em mim." Eu sorrio. "Bem, você tem esse efeito em mim." Eu pego a mão dela e a pressiono contra a frente da minha calça jeans para que ela possa sentir o quanto meu pau está duro. Um sorriso lindo cruza seu rosto. "Eu quero você dentro de mim, Trent," diz ela. Sua voz é rouca. "Agora." "Porra, eu também quero isso, Hannah." Ela abaixa a outra mão e, em seguida, ela está usando as duas mãos para desfazer o meu botão e, em seguida, o meu zíper. Ela libera meu pau e depois engasga quando ele salta para frente, como se estivesse alcançando por conta própria. Ela envolve-o em seu pequeno punho apertado e o acaricia um par de vezes e eu tenho que morder meu lábio para não gozar apenas por toda a sua mão.


"Vamos lá, Hannah," eu gemo em seu cabelo. “Empurre sua calcinha para o lado como você queria. Deixe-me sentir sua doce boceta.” Ela mantém meu pau em uma mão, mas alcança com a outra mão e puxa de lado a virilha de sua calcinha. Ela move os quadris para frente um pouco para que ela esteja pressionada contra mim. Eu posso senti-la contra o comprimento do meu pau e, em seguida, ela começa a mover seus quadris, cobrindo-me em seus sucos. Ela tem um olhar de preciosa determinação em seu rosto. Eu jogo minha cabeça para trás e gemo - essa mulher não tem a menor ideia do quão sexy ela é. Eu deixei ela esfregar sua boceta contra mim mais algumas vezes, mas depois eu não aguento mais. "Eu preciso estar dentro de você," eu rosno. Eu a agarro pelos quadris e a levanto o suficiente para posicioná-la sobre o meu pau. Ela usa as mãos para me alinhar em sua entrada e então ela está afundando em mim e é como a coisa mais próxima do céu que eu já experimentei. Ela se move devagar porque ela é tão apertada e meu pau é tão grande, mas centímetro por centímetro determinada, ela me leva. Sua boca se abre mais e mais, com surpresa ou prazer, enquanto ela continua se afundando em mim, até que finalmente estou dentro de mim. "Oh meu Deus, Trent." Sua voz soa dolorida, mas não há nada de dor sobre a maneira como ela se inclina para frente e me beija. Não há nada de dor na maneira como ela começa a mexer seus quadris lentamente, moendo meu colo. Eu pego a frente do vestido dela e puxo para baixo para que eu possa ver seus peitos lindos. Ela tem um pequeno sutiã roxo rendado - o que de alguma forma parece apropriado - e eu o puxo para baixo também, expondo seus mamilos, que são rosados e enrugados. Eu me inclino para frente e pego um na minha boca, girando minha língua em torno dele e depois beliscando levemente. Ela grita e depois ri. Ela pressiona seu corpo mais


perto de mim e eu pego o outro mamilo na minha boca e faço a mesma coisa. Eles estão tão duros que são como pequenas borrachas de lápis e eu a atormento passando os dentes suavemente sobre eles. Ela ainda está movendo seus quadris contra mim. Eu não posso acreditar o quão apertada ela é. Mesmo que sua boceta esteja tão molhada que eu possa sentir seus sucos se acumulando entre nós, ainda é um ajuste apertado. Minhas bolas estão começando a doer e o que eu realmente quero fazer é virá-la e apenas bater nela, mas eu meio que gosto de tê-la no topo. Eu não acho que é uma posição natural para ela e eu gosto de vê-la apenas no limite de sua zona de conforto. "Vamos, Hannah," eu digo. “Você gosta de me foder? Me foda mais forte. Me use. Eu quero ver você se perder.” Ela morde o lábio mas não há hesitação desta vez. Sua mão desce entre nós e ela encontra seu clitóris e usa os dedos para acariciá-lo. "Isso é bom?" "Mmm," ela balança a cabeça. Ela começa a mover seus quadris um pouco mais rápido e depois fecha os olhos e joga a cabeça para trás. Eu agarro a parte de trás de sua cabeça e a puxo para frente. "Olhos abertos," digo a ela. "Eu quero que você olhe para mim quando você está me fodendo." Ela abre os olhos e eu me deixo cair neles, só por um segundo. Ela é tão incrivelmente linda, e a maneira como ela está olhando para mim agora, com uma vulnerabilidade tão nua, é apenas... foda-se. Sinto meu pau começar a doer e sei que meu orgasmo está próximo, mas tenho certeza de que ela chegue primeiro. "Você é tão apertada, Hannah. Você faz meu pau se sentir tão bem.”


Ela geme, mas não tira os olhos de mim. Ela está batendo os quadris ainda mais rápido agora, com tanta força que seus seios estão saltando. Ela ainda está tocando seu clitóris. Eu posso sentir sua boceta começar a apertar em torno de mim, e se eu pensei que ela se sentiu tensa antes, isso é apenas um outro nível. Eu sinto meus olhos começarem a rolar na minha cabeça, mas eu me forço a mantê-los em Hannah, da mesma forma que eu a instruí a fazer. Ela está mordendo o lábio inferior agora e ela está batendo forte contra mim e então sua boceta está tendo espasmos e sua boca está se abrindo em um oh. Ela nem consegue controlar meu nome desta vez - os sons que saem de sua boca são apenas uma série de gritos primitivos, construídos quando seu orgasmo a atravessa. Sua boceta está me apertando tão forte que eu não posso mais adiar. Eu agarro seus quadris e empurro nela algumas vezes. Eu ainda posso senti-la apertando e então minhas bolas se agitam e... "Oh foda-se, Hannah." Eu me empurro tanto que eu tenho medo de rasgar algo dentro dela, mas a boca dela se abre mais quando o orgasmo continua a bater nela. Meu abdômen se aperta e eu me levanto mais uma vez e então eu estou me juntando a ela na onda de prazer. Eu envolvo meus braços ao redor de sua cintura e a seguro, forçando-a com força para baixo sobre mim quando eu gozo, deixando cair carga após a carga de calor que vem dentro dela. Leva vários minutos para nós dois pararmos de tremer. Estou mole agora, mas ainda aninhado dentro dela e mesmo que meu colo esteja uma bagunça pegajosa agora, ainda parece certo de alguma forma. Como se eu ainda não estivesse pronto para sair. Eu alcanço a parte de trás de sua cabeça e a puxo para outro beijo. O frenezi anterior desapareceu e agora é surpreendentemente suave e doce. Seu peito ainda está levantando e sua respiração na minha boca vem em respiração suaves. Eu corro minhas mãos pelos cabelos dela e coço meus dedos levemente ao longo de seu couro cabeludo.


"Mmm," ela geme e se contorce no meu colo. Eu estou tão sensível que o leve movimento de balanço é o suficiente para me fazer engasgar, e então antes que eu perceba, o sangue está começando a se acumular no meu pau novamente. Hannah se ergue e levanta uma sobrancelha. "Mais uma vez, Trent?" Eu dou de ombros, sorrindo. "O que posso dizer? Há uma razão pela qual eles me chamam de Mister Bigshot.” Ela roça os lábios contra os meus e balança os quadris novamente. "Bem, há uma razão pela qual eles me chamam de SweetVixen." Nós dirigimos por aí por muito tempo naquela noite.


CapĂ­tulo Vinte e Sete

Lovemail

De: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: O que vem depois?

V EJA A LIN H A DE A SSUN TO.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Umâ&#x20AC;Ś


Você quer dizer como... onde isso está indo? ;)

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Oh merda

N ão! N ós concordamos apenas sexo, lembra?

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Estou provocando

É claro que eu me lembro. Embora ache divertido que você ficaria tão chocada com a pergunta.


D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: H umph

Eu só não quero que você tenha uma ideia errada sobre mim. O que eu quis dizer foi que trocamos muitos e-mails. M uitas fantasias. Então qual é a próxima?

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Tarde demais

Bem, tenho certeza que tenho exatamente a ideia certa sobre você. M as esta é uma pergunta divertida, eu vou te dar isso. Vamos ver. H á aquela sobre sexo em um banheiro de avião.


D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Vamos deixar isso como uma fantasia

N Ã O É O M A IS PRÁ TICO.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :(

V ERDA DE.

D E: sweetvixen@lovemail.com


Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Que tal…

H á aquele em que eu caio em você enquanto estamos dirigindo pela interestadual.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: H ummm

Eu gosto disso, mas temo que minha mãe me mate.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Uh…

Sua mãe tem... o que... haver com isso?


D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: N ão é tão estranho quanto parece

Ela se preocupa comigo dirigindo e mandando mensagens. Ela me fez jurar no túmulo de meu pai que eu nunca faria isso. Então eu não posso imaginar que ela ficaria feliz em dirigir e gozar.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Ainda é um pouco estranho

Isso é incrivelmente doce e incrivelmente perturbador.


D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Bem, então

É A SSIM QUE EU FA ÇO. :)

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Entãooo?

OK - DEVE H A VER OUTRA S.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com


Assunto: Oh!

Eu tenho isso. A cadeira.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: ??

A

CA DEIRA ?

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: ;)

A cadeira. / balanรงando as sobrancelhas.


D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: :O

Ohhhhh A quela cadeira

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Sorte suaâ&#x20AC;Ś

Eu tenho uma no meu escritĂłrio.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Realmente?


Você tem? Eu não me lembro de ver isso.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eu odeio ser o único a apontar isso

Bem, nas duas vezes em que você esteve no meu escritório, você ficou bastante distraída.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Verdade

Ponto justo. Eu não tenho certeza sobre o seu escritório. A última vez foi... imprudente.


D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: uma alternativa?

Bem, sou pessoalmente um grande fĂŁ desse sabor imprudente. M as eu entendo seu ponto. Eu tenho uma na minha cobertura tambĂŠm. A quela que te enviei a foto, que estava realmente no meu apartamento.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: muito cedo

Estou olhando sua foto agora. Parece um bom lugar. M as acho que pode ser muito cedo para eu ir ao seu apartamento.


D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Então…?

Então... o escritório então?

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: …

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma terceira alternativa


É isso ou vamos a uma das lojas de varejo da L & B... mas não posso dizer que isso daria uma boa impressão.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um, não

V OCÊ PROVA VELM EN TE ESTÁ CERTO SOBRE ISSO.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Isso nos traz de volta a…

É por isso que eles me fizeram o CEO. Eu tenho grande mente para o negócio. Então é meu escritório?


D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Talvez

Eu tenho que pensar sobre isso.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Deixe-me fazer isso fácil

O que há para pensar? Você. Eu. A cadeira. Vai ser mágico.


D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: você não está ajudando

Eu disse que vou pensar.

D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: N em você

Você está brincando comigo. Eu não gosto de brincar. A manhã às três.

D E: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: :P

OK tudo bem. :)


D E: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :D

BOA M EN IN A .


Capítulo Vinte e Oito

Hannah

Eu sento e olho para o meu laptop por um minuto, balançando a cabeça em silêncio. Como diabos ele tinha me convencido disso? O homem deveria ter sido um advogado. Ele ganharia todos os casos que tentasse. Eu abro a porta do meu quarto e saio para o apartamento e é como se eu estivesse saindo de uma névoa espessa. "Ei," diz Ally, olhando para cima do sofá onde ela está estacionada novamente. Ela mal olha para cima da TV. "Você já concordou em fazer alguma coisa e se perguntar o que diabos você estava pensando?" Ally sorri. "O que você fez?" Chego tão perto de contar a ela. Eu realmente faço. E então eu penso em como ela ficou chateada no outro dia - ela está tão preocupada em perder este apartamento. Eu


suponho que eu deveria estar também, mas quanto mais eu conheço Trent, mais certa eu sinto que ele não me demitiria por isso. Mesmo quando isso chegar ao fim, o que inevitavelmente acontecerá, acho que seremos capazes de lidar com isso de forma madura e sem má vontade. Mas o pensamento de acabar com isso literalmente me tira o fôlego por um segundo. Eu caio na cadeira em frente a Ally e tento fazer meu ritmo cardíaco voltar ao normal. "Você está bem?" Agora ela parece preocupada. "O que você concordou em fazer?" Eu balancei minha cabeça e tentei sorrir. “Oh, não é nada ruim. Apenas concordei em assumir essa nova tarefa no trabalho.” "Isso é ótimo," diz ela. "Se eles estão dando novas atribuições, eles devem gostar de você." "Sim," eu digo, me sentindo mal com a minha mentira. "Algo parecido." Ally está olhando para mim com expectativa, como se esperasse que eu elaborasse. "Ei, quer fazer algo neste fim de semana?" "Certo. Como o quê?" “Eu não sei - filme? Jantar? Nós devemos sair da casa.” Ally revira os olhos. "Você não precisa ficar me mimando." "Eu não estou te mimando, Als. Honestamente, estou fazendo isso tanto por mim quanto por você. O trabalho tem sido maluco ultimamente e eu poderia usar algum tempo com minha irmã. Isso é tão ruim?” Seu rosto suaviza. Eu sei que ela não pretende ser tão defensiva o tempo todo, mas as coisas são muito mais difíceis para ela agora do que costumavam ser. Às vezes eu acho que ela ainda não chegou a um acordo com o fato de que esta é sua vida agora. "Isso seria bom," diz ela finalmente. "Bom. É um encontro."


No dia seguinte no trabalho, Sloane me confronta antes que eu possa chegar à minha mesa. "Café hoje?" "Talvez," eu digo sem compromisso. "Eu tenho muito trabalho para fazer." "Nós não tomamos café há anos," ela diz com um beicinho. A verdade é que evitei sair com ela nas últimas duas semanas. Receio que ela saiba que algo está acontecendo comigo. Eu já sei o, quão perceptiva ela é, e a última coisa que eu preciso é que ela faça perguntas. Eu quero dizer a ela, eu só sei que não posso. Ninguém pode saber que estou dormindo com o chefe. Trent pode não me demitir, mas é suicídio profissional se alguém descobrir. Eu caio atrás da minha mesa, ligo meu computador e tento parecer ocupada. Como vou fazer isso até as 3 da tarde? Eu prometi a Charlene que eu lhe daria uma versão revisada da cópia da poltrona, então eu abri o documento em que estava trabalhando. Eu acabei longe, indiferente, mas a única coisa em minha mente é Trent. Seus olhos escuros e sonhadores. Seus lábios macios. Seus braços musculosos. Seu pau grosso e gordo. Eu me contorço na minha cadeira. Isso é tortura pura e simples. Deve ser ilegal. Na verdade, provavelmente está em alguns países. De alguma forma, no entanto, eu finalmente consegui terminar minha tarefa e mandei um e-mail para Charlene. Eu almoço sozinha e ando pelo quarteirão uma dúzia de vezes para tentar queimar parte dessa energia nervosa. Quando volto para o escritório, faço um pouco mais de trabalho e, finalmente, são quase três.


Eu faço o meu caminho discretamente até o elevador. Eu posso sentir os olhos de Sloane em mim, mas me recuso a encontrar o olhar dela. Eu odeio ter que mentir para ela - e para Ally - mas eu não sei mais o que fazer. Assim que a porta do elevador se fecha atrás de mim, eu a tirei da cabeça. Eu pego uma bala de menta, reaplico meu gloss e me preparo para ver o homem que está assombrando meus sonhos. Eu o encontro em seu escritório esperando por mim. Ele parece tão sexy quanto eu me lembro. Desta vez ele está vestindo um terno escuro cor de carvão e uma gravata marrom profunda que realça os olhos. "Oi," eu digo. De repente eu me sinto tímida. Ele de alguma forma tem esse efeito em mim, mesmo agora. Ele não diz nada, apenas acena com o queixo para algo atrás de mim. Eu me viro e vejo a cadeira. Minha respiração engata na minha garganta, mas eu forço um sorriso. "Hã. Você tem uma dessas cadeiras aqui.” Ele ri. "Você achou que eu estava mentindo?" "Não." "Bom." Ele atravessa a sala e cai na cadeira. Ele me dá um sorriso que me faz tremer e depois me chama para ele. Ao contrário das outras vezes em que estive em seu escritório, desta vez não hesito. Eu rastejo em seu colo e envolvo meus braços em volta do seu pescoço. Seus lábios são a droga que eu tenho desejado e assim que os sinto, meu corpo inteiro relaxa. Eu me derreto nele. Por mais tempo, nós apenas nos beijamos. Como adolescentes. Só me sinto mais selvagem e mais delirante do que naquela época, com aqueles desajeitados namorados do ensino médio.


Logo eu estou esfregando nele, apertando meus quadris contra os dele. Eu posso senti-lo ficando duro embaixo de mim e me excita imediatamente. Memórias da nossa noite no SUV voltam, e logo eu preciso sentir seu pênis dentro de mim novamente. Meu corpo anseia por isso. Minha boceta dói por isso. "Eu quero você," eu sussurro em seu ouvido. Ele faz um som que é algo entre um gemido e um rugido. Eu me abaixei para acariciar seu pau através de suas calças e ele beliscou de brincadeira no meu ouvido, me fazendo rir. Nenhum de nós está interessado em mais preliminares. Levanto apenas o tempo suficiente para arrastar minha calcinha para baixo e chutá-la para o lado, enquanto Trent tira a calça e puxa o pau para fora. Ele acaricia lentamente enquanto eu pairo sobre ele e então eu volto para seu colo. Eu me agarro a ele novamente e lentamente, oh tão devagar, afundo. Ele é tão grande que ele me alonga completamente - se ele fosse uma fração de polegada maior, eu não sei se poderia fazer isso, mas ele é o tamanho perfeito para me preencher. Eu mordo meu lábio com a dor lancinante - uma dor que é misturada com partes iguais de prazer - até que ele finalmente esteja completamente dentro de mim. "Você é tão apertada," ele sussurra, sua voz rouca. Suas palavras fazem minha boceta ter espasmo de prazer e ele geme novamente. Eu começo a mover meus quadris contra os dele, lentamente no começo. Eu só estou começando a pegar velocidade, gemendo em seu ouvido, quando...

Knock, knock. Porta do escritório. Trent leva um dedo aos lábios. "Ignore isso." Ele fala. Ele balança seus quadris contra mim novamente, mas eu estou congelada no lugar. "Sr. Whittaker?” Oh Deus. Aquela voz. É… "Sr. Whittaker? É Charlene do Marketing. Preciso falar com você sobre o catálogo.”


"ร‰ a minha chefe!" Eu assobio. Charlene comeรงa a girar a maรงaneta.


Capítulo Vinte e Nove

Hannah

Eu pulo do colo de Trent e ele apressadamente se recolhe em suas calças. Eu aliso meu vestido e tento manter minha respiração sob controle. Meu coração está acelerado e tenho certeza de que minha pele está cor-de-rosa. "Desculpe," ela está dizendo, quando ela abre a porta e entra no escritório de Trent. "Sua secretária não estava lá e é muito importante que eu fale com você..." Ela para quando ela me percebe parada ali. "Hannah." "Oi Charlene." "O que você está fazendo aqui?" Sua voz é tão fria quanto gelo. “Hannah estava aqui para discutir algumas cópias do catálogo comigo. Eu queria opinar sobre a nomeação de alguns dos novos tecidos e cores que usaremos nesta cadeira.”


Ele gesticula para a cadeira em que estávamos sentados e eu quase - quase - dou risada. É quando noto minha calcinha enrolada no chão ao lado da cadeira. Eu tento pegar o olhar de Trent, mas ele está muito ocupado olhando para Charlene. "Eu vejo," diz ela, porque não há muito mais que ela possa dizer a ele. Eu, por outro lado - eu ela lanças com os punhais mais gelados que eu já vi. "Nós estávamos terminando," eu asseguro a Charlene e olho para Trent. "Obrigado pelo seu tempo, o Sr. Whittaker." "Claro," ele diz educadamente. "Obrigado por sua contribuição mais valiosa." Saio de lá antes que qualquer um deles possa dizer mais alguma coisa e então corro para o elevador. Meu coração está ameaçando bater para fora do meu peito e mesmo quando estou de volta no décimo oitavo andar, eu nem começo a relaxar até que eu esteja sentada na minha mesa por uns bons dez minutos. Isso foi... Deus. Isso foi perto demais. Eu não posso acreditar que quase fomos pegos. O que eu estou fazendo? Ainda estou tremendo alguns minutos depois, quando as portas do elevador se abrem e Charlene sai. Seus olhos se concentram em mim imediatamente. Ela tem que andar na minha mesa de qualquer maneira para chegar ao seu escritório, então eu coloco minha cabeça para baixo e tento parecer ocupada, mas não funciona. "Eu gostaria de vê-la no meu escritório, por favor," ela sussurra enquanto passa. Levanto-me com as pernas trêmulas e a sigo pela sala até o escritório. Ela fecha a porta atrás de nós e gesticula para a cadeira de hóspedes em frente à sua mesa. Meu coração está na minha garganta. É isso. Eu vou ser demitida. Charlene se vira para o computador. "Eu gostaria de ler uma coisa para você," ela diz bruscamente. Me ler alguma coisa? Minha mente está correndo pelas possibilidades. Oh Deus. Nossas mensagens do Lovemail. De alguma forma, ela descobriu sobre eles.


Eu me preparo enquanto ela começa a ler.

“Os braços tonificados ondularão delicadamente sob as pontas dos seus dedos. A parte traseira firme o embalará por trás, pressionando-se contra você, amortecendo-o, perfeitamente firme e ao mesmo tempo suave. Afunde em sua felicidade, deixe acariciar toda a extensão do seu corpo... eu continuo?” Levei um segundo para perceber o que ela está lendo, mas depois eu finalmente descobri: é a cópia da cadeira que enviei hoje cedo. Minhas bochechas ficam vermelhas. Eu não percebi até ouvi-la ler em voz alta o quanto... bem, pornográfico parece. Charlene balança a cabeça. “Isso é basicamente erótico, Hannah. Não podemos publicar isso.” "Eu sinto Muito. Eu estava... tentando algo novo. Eu vou reescrever isso.” "Sim você irá. Quero uma nova cópia na minha caixa de entrada amanhã de manhã. Eu não me importo se você tem que ficar atrasada para terminar. "Eu entendo." Eu começo a levantar e ela não me impede, então eu solto um suspiro de alívio. Eu não posso acreditar que me esquivei dessa bala. Estou prestes a abrir a porta quando Charlene fala novamente. “Hannah?” "Sim?" Eu me viro relutantemente ao redor. "Se você passar por cima da minha cabeça com Trent Whittaker novamente, eu vou te demitir tão rápido que sua cabeça vai girar." Sua voz é gelada e não duvido que ela signifique negócios. "Sim senhora," eu digo, e então saio do escritório o mais rápido que posso. Quando volto à minha mesa, desabo na cadeira e coloco a cabeça na mesa. A superfície fria do laminado é boa para a minha pele quente. Isso é um desastre. Eu tenho que acabar com isso.


Eu pego meu telefone. Minhas mãos ainda estão tremendo. Eu olho para o aplicativo Lovemail e estou prestes a apagá-lo quando o telefone tocar na minha mão.

"Você tem 1 nova mensagem do Lovemail."


CapĂ­tulo Trinta

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Bem

Isso foi um desastre. (E mais do que um pouco frustrante, devo acrescentar.)

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Urgh


Foi pior para mim. (A parte do desastre, quero dizer.)

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :(

Eu te coloquei em apuros?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: re: :(

NĂŁo, eu me meti em apuros.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: re: :(

Então, talvez, ver um ao outro no trabalho seja uma má ideia.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: :P

VOCÊ ACHA?


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: re: :P

Bem. Bem, e quanto a isso - estou indo a cidade para visitar Luke neste final de semana, no sábado. Por que você não vem comigo? Você pode ver onde a linguiça é feita.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Linguiça? Sério?

Bem, por mais esquisito - e estranhamente delicioso - que pareça, tenho planos de sair com minha irmã neste fim de semana.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Linguiça metafórica, boba


TRAGA ELA JUNTO.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Eu gostaria

Há. Ela adoraria isso, mas não é tão simples assim.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: ?

POR QUE NÃO?

DE: sweetvixen@lovemail.com


Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Porque… razões

Eu acho que mencionei que ela tem MS. Ela está em uma cadeira de rodas.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Essas não são boas razões

Eu me lembro - mas tudo bem. Nós podemos fazer funcionar.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Realmente?


Ela precisa de algumas acomodações especiais - quero dizer, não muito, ela está muito acostumada com a cadeira, mas...

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Seriamente

Não se preocupe com isso. Eu vou cuidar de tudo.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Talvez

Ok - bem, deixe-me falar com ela. Nenhuma promessa embora.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :)

De você, eu vou até mesmo a promessa de uma promessa.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Você é de verdade?

… ISSO FOI TÃO BREGA.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Eles me chamam de sexy

Queijo e linguiรงa, baby. ร‰ assim que eu faรงo.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Esquisito

Estou me desligando agora.


Capítulo Trinta e Um

Hannah

Eu acho Ally, como sempre, estacionada no sofá. Ela está comendo algo de uma tigela de cerâmica marrom. "Eu fiz salada de frutas," diz ela. “Uma grande tigela. Na geladeira, se você quiser um pouco.” "Obrigado." Salada de frutas soa bem, na verdade. Eu não tenho muito apetite desde o que aconteceu no escritório de Trent. Eu vou pegar uma tigela e depois levo de volta para a sala de estar. "Então, você sabe como vamos sair no sábado?" Ally se vira para me olhar desconfiada. "Você está cancelando?" "Não! Não, não mesmo. Na verdade, tenho algo legal que podemos fazer.” "Oh?" "Como você gostaria de ir para o workshop Loft & Barn?" "O workshop?" Os olhos de Ally já estão brilhando.


"Sim. É onde Luke Whittaker projeta todos os móveis.” "Você está de brincadeira? Isso é tão legal!" "Certo?" Eu sabia que ela estaria nisso. “Como diabos você me conseguiu um convite? Isso é uma viagem da empresa?” "Não, na verdade, é... uh... um tour privado, eu acho que você poderia dizer." Os olhos de Ally se estreitam novamente. "O que você quer dizer?" "Lembra de que eu lhe contei sobre como eu estava enviando e-mail para esse cara e ele acabou sendo meu chefe? Bem, ainda estamos nos mantendo em contato. E ele nos convidou para sair no sábado para ver a loja. Apenas nós, ele e Luke.” Eu posso ver a guerra no rosto de Ally. Ela quer ficar chateada comigo por ainda estar em contato com Trent - mas ela também está desesperada para ir ao estúdio de Luke. "Quão profundo você esta?" Ela finalmente pergunta. "Não profundo em tudo!" Eu digo rapidamente. "Bem. Apenas um pouco profundo. Estamos dormindo juntos.” Eu admito. Eu odeio guardar segredos da minha irmã. "Hannah!" Ally parece horrorizada. "Ele é diferente do que eu pensava!" Eu digo a ela. "Honesto. Ele é realmente muito doce.” E sexy como o inferno, eu adiciono mentalmente. "Ele ainda pode te demitir se isso for para o sul." Eu sacudo meu veemente. "Ele não iria." Eu não mencionei que, mesmo que ele não o fizesse, Charlene definitivamente poderia. Não há necessidade de incomodá-la com esse pequeno detalhe. Ally está balançando a cabeça. "Eu não sei, Han. Você diz isso agora, mas dentro de algumas semanas, quando ele estiver mudando para o novo sabor do mês, o que você vai fazer?”


"Muito obrigado." Suas palavras me fazem sentir fisicamente doente. Ela estava certa? Trent ia ficar entediado em algumas semanas? "Eu sinto muito. Não é um comentário sobre você, estou apenas tentando ser realista. Como você realmente sabe que pode contar com esse cara?” Como eu sabia? Eu não sabia. Tudo que eu tinha era o jeito que eu me sentia quando estávamos juntos. O jeito que ele me beijou. O jeito que ele me fez rir. O jeito que eu o fiz rir. Isso tinha que contar para algo, não é? Eu balancei minha cabeça, tentando limpá-la. Isso era estúpido - não importava se ela estava certa ou não. Trent e eu tínhamos concordado que isso era apenas sexo - por isso, mesmo que fosse em decadência em algumas semanas, tudo bem. Nós nos separaríamos amigavelmente e isso seria isso. Era moleza, certo? Eu corto um pedaço de abacaxi com o garfo e mordo tão forte que meus dentes se encaixam. "Você quer ir ou não?" Pergunto a Ally. Eu não posso ajudar a irritação que se infiltra na minha voz. "Eu só tenho que deixá-lo saber de uma maneira ou de outra." Minha irmã me olha por um momento, depois me dá um meio sorriso. "Por favor. Claro que quero ir. Além disso, isso me dará a chance de conhecer esse cara. Certificar de que ele é bom o suficiente para você.” Eu não posso deixar de sorrir. "Eu acho que você vai gostar dele," eu asseguro a ela. "Eu vou ser o juiz disso," ela grita de volta, mas ela está sorrindo e eu sinto minha irritação rapidamente começar a se dissipar. Engraçado como as irmãs podem ter esse efeito em você.


Na manhã seguinte, eu consegui entrar no escritório sem me deparar com Charlene - ou Sloane - mas a minha sorte só dura até às dez horas, mais ou menos. Charlene emerge de seu escritório e bate palmas - sinal de que estamos todos reunidos no meio da sala. Eu puxo minha cadeira junto com todos os outros, mas eu tento ficar na parte de trás para que eu não esteja diretamente em sua linha de visão. Eu tinha enviado meu exemplar revisado ontem à noite antes de ir para casa, mas eu não tinha ouvido nada sobre ela sobre isso, e agora eu não queria fazer mais nada para chamar sua atenção para mim. "Ok, pessoal," ela treme, soando relativamente alegre, pelo menos. "As fotos e as listas de produtos estão começando a aparecer e isso significa que temos muito a fazer nas próximas semanas." Ela faz uma pausa e olha para nós dramaticamente. "Infelizmente, isso significa que vamos ter que trabalhar alguns fins de semana." Há um gemido coletivo na sala. Todos sabíamos que estava chegando, mas agora é real. “Dividirei a equipe para que todos tenham que trabalhar a cada segundo fim de semana, o que acho mais do que justo. Este fim de semana, teremos Jim, Hannah, Judy e Grant. O próximo fim de semana será Corbin, Sloane, Sakshi e Manny. Vamos rotacionar esse cronograma enquanto ele continuar viável, mas se precisarmos reavaliar, nós o faremos. Todo mundo está claro?” Há mais um resmungo na sala, mas é mais resignado desta vez. Eu não posso deixar de pegar o olho de Sloane - ela levanta as sobrancelhas e balança a cabeça. Nós duas notamos o fato de que Charlene não estava na lista. Voltamos para as nossas mesas e eu estou entrando no ritmo do meu trabalho quando alguém vem atrás de mim e gira minha cadeira ao redor. "Huh?" Eu luto quando meus fones de ouvido são arrancados das minhas orelhas e eu acidentalmente jogo meu mouse no chão.


Sloane está de pé na minha frente a bolsa pendurada no ombro e os óculos de sol na cabeça. "Estamos indo para o café," ela anuncia. "Isso é uma ordem." Eu ri. "Estou muito ocupada agora," eu tento dizer, mas ela já está pegando minha bolsa e meu telefone da minha mesa. “Não muito ocupada para café. Vamos." Não tenho escolha senão pular e segui-la. Essa é Sloane para você. Quando estamos fora do escritório, Sloane se vira para mim. "Ok, eu estou morrendo de vontade de saber. Por que você foi chamada no escritório de Charlene ontem?” Ah, então ela percebeu isso. Por um momento, penso em contar-lhe a verdade - tudo sobre Trent e sobre Charlene quase nos pegando. Mas então penso na reação de Ally e começo a adivinhar a mesma reação. Sloane realmente conhece Trent e eu sei que não teria escolha a não ser levá-la a sério se ela achasse que era uma má ideia - e, para ser sincera, eu simplesmente não quero ouvir isso. Eu já sei que é uma má ideia - eu não preciso de mais uma pessoa para me dizer. Em vez disso, digo a ela parte da verdade. “Eu escrevi uma descrição de uma cadeira para o catálogo e foi um pouco... pornográfico. Inadvertidamente,” acrescento apressadamente. Sloane para no meio da calçada e se vira para mim. "Espere. O que?" Eu rio e falo sobre a descrição que escrevi e quando chegamos ao café, ela se dobrou rindo. Ela tem que limpar as lágrimas dos olhos. "Essa é possivelmente a melhor coisa que ouvi desde que trabalho aqui," diz ela. “Você tem que me enviar essa cópia. Eu preciso ler esta obra-prima por mim mesma.”


Eu prometo a ela que vou e depois pegamos nossos cafés. Na verdade, parece que os velhos tempos, antes de eu começar a dormir com Trent e não ter que se preocupar em ver o que eu digo ao seu redor. "Ei Sloane?" Eu deslizo no assento em frente a ela no café. "Posso te pedir um favor?" "Claro." “Você acha que poderia trocar os finais de semana de trabalho comigo? Eu prometi a Ally que iríamos passar o dia juntas no sábado. Ela tem estado meio ruim ultimamente." Eu me sinto mal com a mentira, mas eu não quero cancelar com Trent, especialmente agora que eu consegui fazer Ally concordar. Sloane acena a mão dela. "Claro. Não é como se eu tivesse algo parecido com uma vida social agora. Nós só temos que ter certeza que Charlene está bem com isso.” Certo. Charlene. Tenho receio de perguntar a ela sobre a troca, mesmo que não haja motivo real para ela dizer não. Sloane e eu somos ambas redatoras, então não importa qual de nós esteja aqui. Pelo menos não deveria. Você nunca sabe com Charlene embora. Quando voltamos ao escritório, Sloane quer falar logo com ela, então vamos até o escritório dela juntos. "Oi Charlene," diz Sloane, batendo em sua porta. “Hannah e eu estávamos nos perguntando se estava tudo bem se trocássemos os finais de semana. Ela tem planos neste fim de semana.” Charlene olha para nós com desconfiança - ou, mais precisamente, ela olha para mim com desconfiança. Eu posso dizer que ela está tentando pensar em uma razão para dizer não, mas finalmente ela dá de ombros. "Bem. Mas eu não quero um monte de mudanças.” "Claro," Sloane diz alegremente. Assim que estamos fora do alcance do escritório de Charlene, ela se inclina e ri. "Ok, você tem que me mandar esta cópia da cadeira que


você estava falando, porque o que você escreveu claramente ofendeu Charlene até o frio coração dela." Eu rio e, quando chego à minha mesa, encontro a cópia da cadeira de ontem e a envio para Sloane. Eu posso dizer no momento em que ela lê, porque eu ouço suas gargalhadas vindo do outro lado da sala. Eu olho para trás e ela está abanando o rosto, rindo tanto que sua pele fica vermelha brilhante. Ela clica em algo no computador e caminha até a impressora. Então ela volta para a minha mesa, agitando o pedaço de papel. "Eu estou fixando isso no meu cubículo por toda a eternidade," ela anuncia. "Você poderia vender isso online como erótica." “Cadeira erótica?” "Ei, é a internet. Tenho certeza de que há um mercado para isso.” Eu balancei minha cabeça e voltei para a minha tela, mal conseguindo reprimir meu sorriso.


Capítulo Trinta e Dois

Trent

No sábado eu acordo cantarolando como um idiota de um filme da Disney. Como se eu estendesse meus braços, pequenos pássaros pousariam neles ou algo igualmente ridículo. E por quê? Porque eu posso passar o dia com uma das minhas funcionárias? E a irmã dela?

Não apenas uma das minhas empregadas, uma pequena voz na minha cabeça sussurra. Ela. Hannah. Eu ainda não sei o que é sobre ela, porque ela ficou debaixo da minha pele assim. Ela é fofa, sim. Linda mesmo. E a justaposição entre os e-mails sujos que ela me enviou e sua personalidade na vida real é excitante, com certeza. Mas é mais que isso. Há algo sobre o jeito que ela pode me colocar no meu lugar com uma respiração e depois entregar-se completamente para mim no próximo. Algo


sobre o jeito que ela me faz rir, o jeito que ela olha para sua irmã e suas amigas, o jeito que ela faz vestidos de verão parecerem sexy pra caramba. Porra. Eu olho para mim mesmo no espelho. "Você precisa esfriar seriamente, perdedor." Eu balancei minha cabeça. Não me lembro da última vez em que fiquei preso a uma mulher - mas Hannah é como uma droga e, eu só quero mais. Hannah tinha me dado o endereço do apartamento delas, então eu peguei o SUV modificado que aluguei para o dia e fui para lá. Nenhum motorista hoje. Eu gosto da viagem até a casa de Luke no centro, e será bom passar o tempo com Hannah e conhecer sua irmã. Quando chego ao apartamento delas, fico aliviado ao ver que é um belo prédio com um porteiro e uma entrada segura na frente. Eu odiaria pensar sobre elas morando sozinhas em uma vizinhança ou em um prédio ruim. Eu toquei a campainha e Hannah e, sua irmã descem. Hannah me apresenta a Ally. "É um prazer conhecê-la," eu digo, apertando a mão dela. "Você também," diz ela, mas há uma frieza em sua voz e ela me olha de cima a baixo como se estivesse avaliando um saco de repolhos podres. Eu só lhe dou meu sorriso mais encantador - eu estou acostumado com irmãs e melhores amigas que não são exatamente minhas fãs. Embora no caso de Ally, pelo menos eu posso dizer que ela não tem nenhum motivo real para se preocupar. Eu abro a porta traseira do SUV personalizado e apertei um botão, que abre uma rampa baixa na calçada em frente a nós. "Isso vai ficar bem?" Eu pergunto a Ally. Ela olha para Hannah e acena com relutância. "Obrigado," diz ela, e eu posso ver Hannah mordendo de volta um sorriso. Eu olho para ela e pisco e ela me dá um sorriso que é quase o suficiente para me fazer começar com o maldito zumbido novamente.


O lugar de Luke é cerca de uma hora fora da cidade e, em uma tarde de sábado, é uma boa viagem. A conversa é um pouco estranha no começo, mas Ally parece ser uma grande fã do Loft & Barn, então me vejo contando a elas como Luke e eu desenvolvemos o negócio. “Luke sempre foi bom com as mãos. Nosso pai estava em finanças, mas ele gostava de trabalhar madeira como hobby. Ele tentou ensinar a todos nós, mas Luke foi o único que pegou. Eu, por outro lado, sou terrível com minhas mãos.” Eu sinto Hannah olhar para mim e quando olho, ela levanta as sobrancelhas. Eu não posso segurar o sorriso que flui nos meus lábios. "E sobre o seu outro irmão?" Hannah pergunta. "Você nunca fala muito sobre ele." “Jace. Ele mora em Nova York.” Jace era um ponto dolorido na minha história - a única parte de administrar uma empresa da qual eu não me orgulhava. “Ele costumava trabalhar para a Loft & Barn também por algum tempo, mas… não era um ótimo ajuste. Nós não falamos muito mais. Eu acho que ele trabalha em um bar.” "E Luke," Ally pergunta. "Ele realmente ainda desenha todas as peças?" Eu concordo. “Todas as peças principais, sim. Projeta e constrói os protótipos. Quando nos expandimos para móveis, começamos a terceirizar essas coisas, mas o coração da coleção ainda é todo de Luke.” "Eu nem percebi isso até começar a trabalhar para você," diz Hannah. “Bem, Luke não é fã dos holofotes. Ele gosta de fazer a coisa dele.” “Tipo de artista torturado. Deixa comigo." Eu forço um sorriso. "Muito bem, sim." Eu não quero dizer a ela que a insistência de Luke em continuar sendo tão ativo estava nos impedindo. Não poderíamos produzir em massa seus projetos complexos com a mesma eficiência que poderíamos ter com uma linha mais simples, e parecia que a cada ano demorava mais e mais tempo - e custava mais e mais dinheiro - para


reunirmos a coleção. Luke se recusou a ver isso, mas ele não estava olhando para os números todos os dias. Chegamos em torno do lugar de Luke e eu levo o SUV até o caminho de um quilômetro de comprimento. Luke gosta de sua privacidade, mas este lugar é tão longe da trilha batida que parece voltar no tempo. Finalmente chegamos à casa - Luke mora em uma fazenda totalmente restaurada. Bem, mais uma propriedade, na verdade, é impressionante. Sua oficina é o que costumava ser um armazém de grãos. É enorme. Ele pode incluir uma coleção completa de temporada com espaço de sobra. Eu estive aqui centenas de vezes e ainda sinto um momento de espanto sempre que entro nesse espaço. Eu não posso esperar que Hannah e Ally vejam isso. Estou apenas ajudando Ally a sair do carro quando Luke sai pela porta da frente. Meu irmão e eu somos muito parecidos, exceto pelo nosso estilo. Enquanto eu prefiro ternos personalizados, Luke é muito mais em casa em jeans e flanelas. Mesmo nas poucas vezes em que tentei vesti-lo para reuniões de investidores ou festas de lançamento, ele lutou com unhas e dentes. Uma vez que ele apareceu em um jantar da indústria usando uma gravata de flanela xadrez, que ele cortou de uma de suas camisas - era sua forma de protestar quando eu disse a ele que ele absolutamente tinha que usar um terno. Essa foi a última vez que tentei vestir meu irmão. Hoje não é exceção. Ele sai da casa vestindo uma camiseta preta apertada e um jeans desgastado, relaxado ao longo das coxas, constantemente limpando suas mãos cobertas de serragem sobre elas. Mesmo que a minha roupa não seja muito diferente - polo preto e jeans - nós a usamos completamente diferente. Eu apresento Luke a Hannah - eu já o informei do fato de que eu estava namorando alguém que trabalhava para nós, e ele felizmente não parecia muito preocupado. "Prazer em conhecê-la," diz ele a Hannah, apertando a mão dela. "Eu ouvi muito sobre você." Hannah sorri e levanta as sobrancelhas para mim.


"Não muito," eu protesto, mas Luke apenas sorri e bate em minhas costas. Ele se vira para a irmã de Hannah. "Você deve ser Ally," diz ele. "Luke Whittaker." "Oh meu Deus." Ela aperta a mão dele. O rosto dela se ergue da mesma forma que a de Hannah quando ela está nervosa. "Isso é... uau, eu não posso acreditar que estou te conhecendo." Hannah ri e aperta o ombro da irmã de brincadeira. "Ally. Você absolutamente tem que acalmar-se.” "Sinto muito," ela diz para Hannah, rindo, e depois diz de novo para Luke. "Sou apenas uma grande fã." "Ei," diz Luke. "Não se desculpe. Você está me fazendo sentir como uma estrela do rock.” "Você meio que é, pelo menos para Ally," Hannah ri. A vibração é tão fácil e bem-humorada que eu não posso ajudar o sorriso que toma conta do meu rosto. Eu admito que fiquei um pouco nervoso em trazer todo mundo junto, mas até agora tudo bem. "Alguém quer um chá gelado?" Luke pergunta, e as duas meninas acenam. Ele entra em casa e reaparece alguns minutos depois com um jarro e uma bandeja de copos. Ele serve um pouco de chá e todos nós ficamos do lado de fora por um tempo, apreciando a vista dos campos abertos que cercam o lugar de Luke. Finalmente, meu irmão se vira para as garotas. "Bem, você não veio aqui para tomar meu chá gelado. Posso te mostrar o workshop?” Ally bate palmas e até Hannah parece animada. Nós todos começamos ir em direção ao celeiro, mas eu deixei Ally e Luke nos guiar e depois puxei Hannah para um abraço.


"Ei," eu digo, inclinando-me para beijá-la. Eu tenho vontade de fazer isso a manhã toda, mas eu não tinha certeza do que ela estava se sentindo confortável na frente de sua irmã. Agora, porém, ela me beija de volta, pressionando seus lábios contra os meus, deixando sua língua se enrolar com a minha. "Ei pra você," diz ela sem fôlego, quando finalmente nos separamos. "Isso está indo bem, certo?" Ela balança a cabeça, olhando para mim com os olhos de chocolate mais suaves. "Bom." Eu aperto a mão dela e vamos depois dos outros.


Capítulo Trinta e Três

Hannah

O celeiro, a oficina ou o que quer que você chame o lugar de Luke é incrível. O espaço é enorme, cavernoso, e os tetos devem ter seis metros de altura, com vigas de madeira entrecruzadas sobre nossas cabeças. Há mobília por toda parte, metade dela concluída e ferramentas elétricas que parecem mais do que capazes de cortar o braço se você não tiver cuidado. Eu olho para Ally. Ela está se adiantando rapidamente, tentando absorver tudo, pendurando nas palavras de Luke. Eu balancei minha cabeça e sorri. Eu não a vejo assim desde... bem, desde antes dela ter que conseguir a cadeira. Eu aperto a mão de Trent. "Obrigado por nos trazer aqui," eu digo. Ele sorri para mim. "O prazer é meu." Seguimos Luke enquanto ele mostra as diferentes peças em que ele está trabalhando - as cadeiras do wishbone, as mesas de centro ao vivo, as mesas de cabeceira de três gavetas. Trent aperta minha mão e pisca quando Luke nos mostra a poltrona grande


que ele inventou, mas, por outro lado, ele parece ficar mais agitado enquanto passamos pelo espaço. "Isso é incrível," eu digo a ele, tentando distraí-lo do que está incomodando. "Por que você não mostra mais essas coisas? Você poderia ter fotos do workshop no catálogo, mostrar os designs de Luke e todas essas coisas em andamento. As pessoas adorariam isso.” Trent sorri com firmeza, mas não responde. Nós todos paramos de andar quando Luke faz uma pausa na frente de uma enorme mesa de jantar. "Esta peça," diz ele com orgulho. "Esta peça vai ser o centro da coleção." É uma mesa de fazenda, grande o suficiente para acomodar confortavelmente dez, e a superfície superior é uma madeira cinza desgastada. As pernas de fuso, no entanto, são de ferro preto. "Eu tive que encontrar um ferreiro local para soldar estes para mim," diz ele com orgulho. “Mas eu amo o contraste entre o metal e a madeira. A brincadeira na estética da fazenda.’ Trent passa a mão pelo cabelo e solta o ar num bufo. “Um ferreiro? Sério, Luke? Eu pensei que nós conversamos sobre isso.” Luke dá de ombros e eu olho para trás e para frente entre eles. "Eu acho que é lindo," eu ofereço e Ally acena com a cabeça. "Esse não é o ponto," diz Trent. “O ponto é que não podemos arcar com metalúrgicos. Eu lhes disse que precisamos nos mover para manter a coleção mais acessível - para produzir e vender. Quanto você acha que teríamos que pagar por esse preço para obter lucro?” "Então, nós aumentamos mais o preço," diz Luke, com um encolher de ombros. "Certo. E então todo mundo vai para a Ikea e compra o Jorgenblorg - o que quer que seja porque são apenas 80 dólares.”


Ally e eu nos olhamos. "Talvez nós vamos apenas esperar lá fora," eu digo. Nós nos apressamos para a frente do celeiro. "Você sabe que a empresa está em apuros," ouço Trent dizer. “Nós não podemos mais pagar por seus caprichos de design. Eu não quero ter que começar a terceirizar essas coisas, mas eu vou, se for preciso.” Ally e eu saímos do celeiro e fechamos a porta atrás de nós. Eu dou-lhe um sorriso estranho. "Desculpa. Eu não tinha ideia de que as coisas estavam tão tensas.” "Não se preocupe. Ainda foi muito legal ver a oficina.” Nós esperamos fora por um tempo. Ainda podemos ouvir suas vozes elevadas, mas não exatamente o que elas estão dizendo. Eventualmente acabamos vagando pela propriedade, apenas para ter algo para fazer. Finalmente, vemos Trent aproximando-se do campo em nossa direção. Ele tem um sorriso estampado no rosto, mas eu o conheço bem o suficiente agora para saber que não é real. "Desculpe por isso," diz ele, tentando parecer casual. “Apenas um pequeno desentendimento comercial. Vem com o território.” "Não se preocupe com isso," eu digo, apertando sua mão. "Luke trouxe algum almoço se as senhoras estão com fome?" Ally e eu nos olhamos. "Certo." Nós voltamos para a casa. Luke já está levando comida para fora da casa e colocando-a em uma mesa de piquenique ao redor do lado. Trent se aproxima para ajudá-lo e, quando terminam, preparam um banquete completo - frango frito, salada de batata, pequenas espigas de milho. Nós todos sentamos na mesa de piquenique e Ally puxa a cadeira para cima desajeitadamente para o lado.


"Nunca há uma boa maneira de me sentar com isso," diz ela, desculpando-se. "Sinto muito," diz Luke, parecendo envergonhado. "Eu nem sequer pensei nisso. Você prefere comer lá dentro?” "Não, tudo bem." Trent olha para mim, como se para confirmação, mas eu sei que Ally odeia quando a tratam como bebê, então se ela diz que está bem, é a decisão dela. Eu aceno com a cabeça um pouco e Trent acena com a cabeça. Nós começamos a comer, e a comida está deliciosa, mas o silêncio gelado entre Luke e Trent se estende, e eu posso dizer que Ally não está muito confortável tentando comer na mesa de piquenique. Fico feliz quando finalmente é hora de sair. Nos despedimos e Trent leva Ally e eu de volta para a cidade. No apartamento, ele mantém a porta aberta enquanto Ally se move para dentro. Eu fico na calçada com ele por um minuto. "Você quer vir e tomar um café ou algo assim?" Eu pergunto. Eu me sinto um pouco estranha perguntando isso a ele, mas ele parece tão fora de si que eu me sinto ainda pior deixando ele ir para casa assim. Mas Trent balança a cabeça. "Estou meio cansado, na verdade." "OK. Claro.” Ele não parece cansado, mas eu já o conheço bem o suficiente para saber que não faz sentido discutir com ele. Ele se inclina e beija minha bochecha. "Eu falo com você em breve?" "Você sabe onde me encontrar." Eu o vejo dirigir no SUV e então eu abro a porta de vidro do prédio e me junto a Ally.


CapĂ­tulo Trinta e Quatro

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Urgh

Bem, isso nĂŁo foi exatamente como eu havia planejado.


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: ?

ESTÁ TUDO BEM?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Amor fraternal

Apenas negócios. Luke e eu temos ideias diferentes sobre o que precisamos fazer para manter a empresa lucrativa. Claro, ele não é aquele que tem que se sentar no orçamento e nas reuniões de RH.

DE: sweetvixen@lovemail.com


Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Ah

EU SINTO MUITO.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Meu mal.

Não é sua culpa. E de qualquer forma, eu deveria ser o único a pedir desculpas. Eu meio que arruinei o Passeio no sábado.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: amor fraternal.


Oh, não se desculpe. Ally não consegue parar de falar sobre isso. Tudo na boca dela é como “Loft & Barn é incrível… Trent e Luke são tão bons…” Haha.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Haha

Fico feliz que ela tenha se divertido - e que eu oficialmente tenha o selo de aprovação da Irmã. Eu ainda sinto que eu preciso fazer as pazes com você. Jantar esta semana?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Claro.

Isso seria legal. Onde você quer ir?


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :)

EU ESTAVA PENSANDO EM L'AMOUR?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Ha

Estamos prontos para tentar isso de novo?

DE: misterbigshot@lovemail.com


Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Yup

Acho que podemos fazer isso funcionar dessa vez. Sexta-feira?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: :)

Ă&#x2030; UM ENCONTRO.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: :)

Eu gosto do som disso.


Capítulo Trinta e Cinco

Trent

Ao contrário do nosso último encontro, no Freaky Freddy's Pool Hall, desta vez Hannah, na verdade, me deixa buscá-la em seu apartamento. Eu considero dirigir, mas eventualmente decido ter Ted me levando até lá. Não quero perder uma oportunidade para repetir o que aconteceu depois que fomos ao Freddy's naquela noite. Subo o apartamento para pegá-la e dou uma olhada quando ela atende a porta. "Você está... uau." Ela está usando um vestidinho preto e ela tem o cabelo preso em vez de cair sobre os ombros do jeito que ela normalmente usa. Ela mostra seu pescoço longo e elegante. "Reconhece o vestido?" Ela o alisa sobre seus deliciosos quadris. "Eu usei no nosso primeiro encontro." Eu penso novamente na noite no Freddy. “Eu pensei que você usava um vestido de verão naquela noite? Eu tenho uma lembrança muito vívida de quando você subiu no meu colo no banco de trás...”


"Shhh!" Hannah estala, olhando em volta para sua irmã, mas ela está rindo. “Não aquela noite. Nosso primeiro encontro real. Em L'Amour.” "Oh, você quer dizer o encontro em que você correu?" Ela sorri. "Talvez." "Eu tive grandes esperanças naquela noite," eu provoco. "Em vez disso, fiquei bêbado e me masturbei olhando suas fotos." "Trent!" Ela me dá um tapinha brincalhão no braço. "Eu vou apenas dizer adeus a Ally e depois podemos ir." Alguns minutos depois eu a tenho na parte de trás do SUV comigo. Eu mal posso manter minhas mãos longe dela. Seu vestido pode ser de bom gosto e elegante, mas no banco de trás do carro ele sobe, mostrando suas coxas brancas e cremosas, e tudo que posso fazer é pensar no que está entre elas. Tudo o que posso pensar é estar entre elas. Eu me inclino e acaricio seu pescoço e ela responde instantaneamente ao meu toque. Ela inclina a cabeça e encontra meus lábios com os dela. Ela é tão suave contra mim que eu quero empurrá-la para baixo nos assentos de couro e deslizar minha mão até o vestido. Como se ela pudesse ler minha mente, Hannah deixa suas coxas se abrirem e solta minha mão na parte superior de sua coxa. "Você está tentando me corromper?" Eu provoco. Ela morde o lábio bonitinho. "Talvez." "Está funcionando." Eu vou para outro beijo, mas a maneira como suas mãos estão espalhadas contra o meu peito me deixa louco. Eu corro minha mão até sua coxa, até que eu estou quase pressionada contra o calor dela. Quando ela choraminga, eu movo o resto do caminho, pressionando contra ela, e depois paro em surpresa. "Você não está usando calcinha, mocinha?" Suas bochechas em rubor e, ela balança a cabeça.


Eu movo minha mão contra ela brevemente. Ela já está encharcada e minha mão vem encharcada. Meu pau transborda dentro da minha calça, tão faminto por ela que não tem como voltar tão cedo. Pelo menos não até conseguir o que quer. "Isso não vai adiantar," eu digo. Minha voz está rouca de necessidade. Eu quero transar com ela agora - mas não no carro. "Você está pronto para uma mudança de planos?" Ela chupa o lábio. "O que você tem em mente?" Deslizo a partição de privacidade aberta apenas o suficiente para que Ted possa me ouvir. "Precisamos fazer uma parada diferente," digo a ele. "De volta para a cobertura, por favor." "Sim senhor." Eu deslizo a partição novamente e olho para Hannah. "Acha que está pronto para ver o meu lugar?"

Chegamos lá apenas vinte minutos depois, mas parece uma eternidade. Nós nos beijamos o tempo todo e no momento em que saímos do SUV, meu pau está desconfortavelmente duro e apertado em minhas calças. Atravessamos o saguão e pegamos o elevador até o quadragésimo andar. Eu dou uma olhada para Hannah quando ela entra no apartamento, mas ela nem se incomoda em olhar ao redor. Ela deixa sua bolsa cair no chão e envolve seus braços em volta do meu pescoço, pressionando seu corpinho quente contra o meu.


Meu pau se esforça ainda mais, e eu me inclino para beijá-la. Eu não me canso de beijá-la, o jeito que seus lábios se moldam aos meus, o jeito que a língua dela dança contra a minha. É como fazer sexo com nossas bocas. Os dedos de Hannah se movem para o meu peito e começam lentamente a desfazer meus botões. Eu posso senti-la escovar minha pele enquanto ela desce, puxando a camisa para fora da cintura da minha calça e, em seguida, deslizando lentamente para fora dos meus ombros. Quando finalmente está fora, ela engasga, traçando seus dedos ao redor das tatuagens que cobrem meu peito. "Eu as vi em suas fotos," ela sussurra, pressionando a palma da mão contra um dragão ao lado do meu torso. “Mas eu meio que me esqueci delas. Elas são tão... sexy.” Eu sorrio e levo seus dedos até meus lábios, beijando-os um por um. "Sim? Você gosta delas?” Eu as colecionava há algum tempo, desde que Luke e eu estávamos na faculdade. Elas estão apenas no meu peito, onde não podem ser vistas debaixo de um terno, e imagino que a maioria dos meus colegas de trabalho ficaria surpreso em saber que elas existem. Mas eu gosto de saber que elas estão lá - eu me sinto forte com elas, de alguma forma. "Eu as amo," diz ela. Ela inclina a cabeça e passa a língua pelas linhas de tinta. Eu gemo ao seu toque. Suas mãos e boca percorrem todo o meu peito, sentindo-me tão intensamente como se ela fosse cega. Quando ela está satisfeita, ela se move para a minha cintura e puxa o botão da minha calça. Meu pau se esforça para ela imediatamente, mas eu não faço nada para tocá-la, apenas deixo-a continuar sua exploração. Ela puxa meu zíper e empurra minha calça e cueca boxer sobre meus quadris. Meu pau salta para ela e ela ofega um pouco e depois ri. Eu tiro as calças para que eu esteja lá nu na frente dela. Ela olha para mim com fome e depois me puxa para outro beijo. Desta vez, com o corpo dela pressionado contra


mim, há apenas o vestido dela ainda separando meu pau dela, e a maneira como o tecido colante esfrega contra o meu pau furioso faz meus músculos ficarem tensos. "Eu preciso sentir você," digo a ela. Eu pego a bainha de seu vestido e ela obedientemente levanta os braços enquanto eu puxo para cima da cabeça dela. Ela está com um sutiã preto - mas sem calcinha, claro. Eu chego ao redor das costas dela com uma mão e faço um rápido trabalho do sutiã, deixando-o cair no chão ao lado de nós. "Isso foi... impressionante," ela ri. "Eu tenho tantos talentos escondidos," eu digo a ela, acariciando meus lábios contra sua orelha. "Apenas espere." "Trent?" Ela sussurra, mordendo o lábio inferior novamente. "Eu não quero ter que esperar." Suas palavras dirigem um raio de luxúria pelo meu corpo. "Bom," eu digo, pegando-a. "Nem eu." Eu a carrego assim para o quarto enquanto ela ri sem fôlego contra o meu ombro. Então eu a derrubo na minha cama king size. Apesar de tudo o que fizemos juntos, nunca a vi completamente despida e aproveito para admirar a beleza extraordinária de seu corpo. Eu sabia mais ou menos como ela seria, obviamente, e eu tinha visto fotos, mas há algo em vê-la de bruços na minha cama, toda aberta para mim, isso me desfaz completamente. "Você é realmente linda, você sabe." Minhas palavras pegam na minha garganta. “Pare.” "Não, é sério." Ela se vira de lado e enrola os joelhos contra o peito, subitamente tímida. "Ei." Eu ajoelho na cama na frente dela e cutuco gentilmente para que ela esteja deitada de costas novamente, e então eu me ajoelho sobre ela. Meu pau dói por ela, e estando tão perto de sua boceta agora, parte de mim só quer me empurrar nela, tomá-la agora mesmo.


Mas eu quero que ela saiba o quão, perfeita ela é. Eu começo com o rosto dela, beijando-a por toda parte - suas pálpebras, suas orelhas, o lado de seu nariz, a linha de sua mandíbula. Eu faço o meu caminho até o pescoço, beijando o oco de sua garganta e, em seguida, a curva de sua clavícula. Eu beijo meu caminho por seus braços e volto para o peito dela. Eu encontro seus seios com minha boca e os beijo também, roçando meus dentes em seus mamilos, que são pequenos picos perfeitos. Sua respiração está chegando em fôlegos curtos enquanto eu giro minha língua em torno de seus pequenos botões, massageando seus seios em minhas mãos. Por mais que eu adoraria ficar lá a noite toda, continuo trabalhando pelo seu corpo, beijando meu caminho ate o estômago, descendo pelos quadris, subindo e descendo por suas coxas. Eu beijo seus joelhos, seus tornozelos, o topo de seus pés. Quando eu cobri quase cada centímetro de seu corpo, eu abro as pernas dela e me ajoelho entre elas. Eu salvei o melhor para o final. Eu me inclino para ela, respirando o doce aroma de sua boceta. Há algo nela que eu acho completamente intoxicante, e me sinto quase tonto com a antecipação de saboreála novamente. Eu me preparo contra a cama e, em seguida, me inclino para frente ainda mais, até que posso alcançar minha língua para fora e agitar seu clitóris. Ela imediatamente fica ofegante e tensa, depois ri nervosamente. Eu olho para cima. "Se isso é engraçado, então eu estou fazendo algo errado," eu digo a ela e ela imediatamente continua, me observando com intensos olhos escuros. Eu volto entre suas pernas e tiro minha língua novamente. Seu clitóris já está duro e inchado, grande o suficiente para que eu pudesse chupar na minha boca se eu quisesse. Em vez disso, eu passo minha língua em volta dele algumas vezes e, em seguida, agito para ele novamente.


Hannah se contorce debaixo de mim e eu coloco minhas mãos em seus quadris, trancando-a no lugar abaixo de mim. Eu continuo sacudindo seu clitóris até sentir suas pernas começarem a tremer. Então eu recuo um pouco e lambo meu caminho mais abaixo em sua boceta. Eu passo meus dentes pelos lábios e lambo o vinco liso entre eles. Eu encontro a entrada dela e lambo ela lá também. Agora ela está realmente tremendo, embora com minhas mãos a segurando no lugar, ela não pode fazer muito mais. Eu encontro meu caminho de volta para o clitóris e a provoco mais um pouco. Ela está fazendo um barulho choroso agora, mais e mais, como uma gatinha fodida, e todo o seu corpo está tremendo. Eu estou dividido entre querer fazê-la gozar todo o meu rosto, ou querer finalmente me embainhar dentro dela. Eu decido deixá-la escolher. "Você quer que eu continue fazendo isso?" Eu digo, deixando minhas palavras fazer cócegas em seu clitóris. "Ou você quer que eu te foda agora?" Ela não responde, apenas geme novamente, em um tom mais alto, e sacode seus quadris para baixo mais perto do meu rosto. Eu sorrio. "Vou tomar isso como minha resposta. Gananciosos, não estamos?” Eu beijo seu clitóris e, em seguida, puxo seus lábios entre os meus dentes, correndo minha língua por todos eles. Então eu endureci minha língua novamente e agitei para trás e para frente sobre seu clitóris. Seu corpo começa a tremer ainda mais violentamente, e então suas mãos estão no meu cabelo. Ela empurra meu rosto para frente e mói seu corpo contra a minha boca. Eu trabalho minha língua com mais força, tentando torná-la tão boa para ela quanto é para mim. Quando eu chupo seu clitóris entre meus lábios novamente, sinto seu corpo tenso e, finalmente, arqueio. Seus quadris se dobram contra a minha boca enquanto seu clímax a leva. Eu mantenho seu clitóris firmemente entre os meus lábios, chupando e


sacudindo com a minha língua, enquanto seu corpo bate de novo e de novo. Finalmente, ela tem um arrepio final e silencioso. Eu libero meu aperto em seus quadris e tiro minha boca dela. Eu me inclino e beijo seu clitóris mais uma vez e ela estremece novamente. Sua respiração está chegando em lufadas enormes. Eu puxo meu caminho até seu corpo, até que estamos cara a cara novamente. Ela envolve seus braços em volta do meu pescoço. "Trent, isso foi... uau." Ela ainda não conseguiu recuperar o fôlego, mas ela me puxa para um beijo de qualquer maneira. Tenho certeza de que ela pode saborear seus sucos em cima de mim e eu me pergunto se ela acha isso tão sexy quanto eu. Nossos corpos estão pressionados juntos enquanto nos beijamos e então lentamente ela envolve suas pernas em volta dos meus quadris, me puxando para mais perto dela. Meu pau está quase certo em sua entrada agora. Eu não quero mais esperar. Como se ela soubesse exatamente o que eu quero, Hannah inclina os quadris para mim. "Foda-me, Trent," ela sussurra. "Pegue tudo." Eu não preciso de mais sugestões. Eu cutuco meu pau entre suas pernas e encontro sua entrada. Ela está encharcada, mas eu ainda levo meu tempo empurrando nela. Eu ainda estou com medo de machucá-la - ela é tão apertada. Ela mantém as pernas em volta dos meus quadris, e com cada centímetro que eu empurro para frente, ela me puxa para mais perto. Finalmente, estou completamente dentro dela. Seus braços ainda estão em volta do meu pescoço, e com suas coxas em volta da minha cintura, mal posso obter qualquer tração, mas de alguma forma isso fica mais quente. Eu me movo lentamente contra ela, querendo sentir cada centímetro dela ao redor do meu pau. "Porra, Hannah," eu sussurro em seu cabelo. “Sua boceta é tão boa. Tudo em você é fodidamente incrível.”


Eu me inclino e a beijo enquanto me movo lentamente contra ela, dentro dela. Estamos presos juntos em um ritmo primitivo e quanto mais eu me aproximo, mais eu empurro. Minha respiração está chegando em folegos curto e eu gemo quando sinto Hannah correr as unhas pelas minhas costas. "Goza dentro de mim, Trent," ela sussurra. Eu não preciso de mais convite do que isso. Eu finalmente deixo ir e a onda de prazer que tenho andado desde que ela colocou a minha mão em sua coxa no carro finalmente quebra. Ela passa por cima de mim e por um segundo eu sinto como se pudesse me afogar nela e nunca mais voltar. O orgasmo me rasga. Minhas bolas se agitam e meu pau empurra e então eu estou atirando onda após onda de sêmen dentro dela. Parece que continua vindo, muito depois do orgasmo ter terminado, só continua derramando até que literalmente não há mais nada em mim. Eu finalmente desmorono em cima dela e agora sou eu quem está rindo um pouco maniacamente. "Aquilo foi…" "Sim." Ela beija minha testa. "Uau." "Sim." Ficamos assim por um minuto, voltando à terra. Finalmente, quando consigo respirar de novo, olho em seus olhos castanhos escuros. "Tenho boas e más notícias," sussurro. "O quê?" Seu rosto fica preocupado. "Qual é a má notícia?" "Acho que perdemos nossa reserva no L'Amour." Ela ri. "Eu acho que você pode estar certo. Qual é a boa notícia?”


“Já que não precisamos mais estar em nenhum lugar, temos tempo para fazer isso de novo.” "Humm," diz ela, enquanto ela serpenteia a mão em volta do meu pescoço. "São boas noticias." Hannah pergunta se ela pode tomar banho primeiro, então eu arrumo para ela uma toalha e algumas coisas de banho. Estou meio tentado a me juntar a ela, mas cometi o erro de verificar meu telefone e vi que recebi um monte de chamadas perdidas de Luke. Assim que ouço a água correndo no banheiro, eu ligo de volta. "Eu terminei a coleção," diz ele, a título de saudação. "Isso é ótimo." "Oh, você diz isso agora." "Por quê? O que há de errado?" “Eu tomei seu conselho. É tudo o que você pode produzir em massa no mercado em massa. Você poderia arrumar essa merda se quisesse.” "Isso é ótimo." Alívio atravessa através de mim. Luke tem resistido a essa direção há meses, então fico feliz em ver que ele finalmente está a bordo. "Não é ótimo, Trent. É uma porra de bagunça.” "Tenho certeza que não é tão ruim assim." "Por que você não olha e depois me fala?" "Bem. Eu vou ver amanhã. Que tal isso?” "Tudo bem." Ele soa como se estivesse fazendo beicinho, o que eu tenho certeza que é apenas seu lado artístico saindo. Ele não gosta de ir contra a sua visão - e parte de mim odeia fazê-lo - mas ele não entende as realidades de competir nesta escala. Precisamos ser ágeis e essas mesas de ferro fundido não são ágeis. Eu ouço a água parar de correr no banheiro. "Eu vou te ver amanhã, então, ok?"


"Tudo bem," diz Luke novamente. “Mas Trent? Eu não estou fazendo outra coleção como essa. É besteira.” “Nós vamos falar sobre isso amanhã. Tchau Luke.” Eu desligo o telefone bem a tempo de ver Hannah sair do banheiro, envolta em nada além de uma toalha branca fofa. Eu vou para ela e a pego, levando-a, estilo bombeiro, de volta para a minha cama. É tudo que preciso para esquecer as preocupações sobre o futuro da empresa. Pelo menos por enquanto.


CapĂ­tulo Trinta e Seis

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma pergunta

Isso me faria parecer menos homem dizer que jĂĄ sinto sua falta?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Uma resposta


TALVEZ UM POUCO. ;)

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma justificativa

EntĂŁo eu nĂŁo devo ser muito homem porque sinto sua falta como um louco. Sua voz, seu cheiro, sua risada.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um esclarecimento

Minha bunda, meus seios, minha boca?


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma admissĂŁo

Esses tambĂŠm, obviamente.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um rolar de olhos

OBVIAMENTE.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Outra questão

O que você está fazendo na quinta à noite?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Outra resposta

Comendo um pote de sorvete e assistindo HGTV com minha irmã. Quero dizer, supondo que seja como a maioria das noites de quinta-feira.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Um acompanhate


Você gostaria de ir à festa de lançamento do Loft & Barn comigo?

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: uma resposta que é realmente uma questão

Mesmo? Estamos prontos para isso?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma admissão

Estou pronto. Você está?


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Uma preocupação

Acho que sim. Estou preocupada com Charlene.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: uma garantia

Oh, ela não vai estar lá. Este é apenas os executivos da empresa e as pessoas da indústria. Absolutamente não há gerentes de nível médio.


DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Uma aceitação

OK. Parece divertido. * Respiração profunda * Tenho certeza que eu não tenho nada para vestir para algo tão chique embora.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: uma oferta

Eu acho que posso te ajudar com isso.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Uma sobrancelha levantada


Você tem um vestido que eu posso pedir emprestado?

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Uma menina boba

Não, mas eu tenho um cartão de crédito que você pode usar. Amanhã. Depois do trabalho.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um decidido Não

Eu não posso deixar você fazer isso.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Um protesto

Por que não? Você sabe que eu posso pagar. E além disso, quero te mimar. Eu gosto de te ver feliz e você merece poder usar algo especial.

DE: sweetvixen@lovemail.com Para: misterbigshot@lovemail.com Assunto: Um relutante sim

OK. Dou o braço a torcer. Mas só porque eu realmente não tenho mais nada para vestir. Mas lembre-me de checar a minha bunda por ferraduras, porque eu sinceramente não tenho ideia de como tive a sorte de encontrar alguém como você.


DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: uma oferta

Eu ficaria mais do que feliz em ajudá-lo com esta inspeção de bunda. Embora eu tenha certeza de que não encontraremos ferraduras. Você não tem sorte, Hannah - simplesmente incrível.


Capítulo Trinta e Sete

Hannah

Eu nunca entendi essa expressão sobre flutuar no céu. Isto é, até eu conhecer o Trent. Agora pareço entender exatamente o que isso significa. Nós passamos a noite mais incrível juntos em sua cobertura - nada além de conversar, rir, comer comida para viagem e, sim, fodemos como coelhos. Foi perfeito - ou quase perfeito. Eu poderia dizer que ele estava distraído com alguma coisa - de vez em quando eu o pegava checando seu telefone. Ele disse que era apenas material de trabalho, então eu não fiz muitas perguntas. Eu sei do incidente no outro dia com Luke que tudo não é perfeito no mundo da Loft & Barn. Eu pisco algumas vezes e percebo que estou olhando para o monitor do meu computador há tanto tempo que ele entrou no modo de suspensão e agora está em preto. Mexo o mouse para acordá-lo e, em seguida, olho em volta para ter certeza de que ninguém mais tenha notado que eu estou sentada aqui sem fazer absolutamente nada.


Eu não consegui me concentrar o dia todo. Tudo o que quero fazer é sonhar com o homem do trigésimo - ou talvez simplesmente aparecer lá para visitá-lo. Se não fosse pelo meu medo mortal de ser pega por Charlene, eu provavelmente faria exatamente isso. É uma tortura saber que ele está tão próximo e que não posso tê-lo. Balanço a cabeça, pensando em como as coisas progrediram dessa maneira. Quem teria pensado naquela noite que eu o vi pela primeira vez no L'amour - a noite em que eu fiquei em pânico - que estaríamos aqui agora? O som de Charlene batendo palmas me tira do meu devaneio. "Reúnam-se, pessoas." Ela parece particularmente animada hoje e Sloane e eu trocamos um olhar quando puxamos nossas cadeiras. "Tenho excelentes notícias," diz Charlene. "Finalmente temos o resto das fotos. Todas as peças-chave que Luke Whittaker tem trabalhado duro." "Finalmente." Jim cruza os braços. "Eu suponho que isso significa mais trabalho de fim de semana." Charlene olha para ele. “Isso significa que trabalhamos até que o catálogo esteja pronto. Se você não consegue terminá-lo durante o horário normal de trabalho, então sim, isso significa mais trabalho nos fins de semana.” "Então talvez devêssemos começar em vez de sentar nesta reunião." Charlene quase diz alguma coisa, mas depois ela gesticula com um sorriso. "Claro. Por que vocês não voltam para suas mesas, olhem as fotos e podemos conversar sobre se você tem alguma pergunta ou preocupação específica. Você pode encontrar as fotos e a lista completa de produtos em nossa unidade compartilhada.” Todos nós arrastamos nossas cadeiras de volta para nossas mesas. Eu clico em abrir a pasta imediatamente, animada para ver todas as lindas peças de Luke do outro dia. Em vez disso, vejo... "Isso é uma piada?" Jim pergunta, clicando através das fotos. "Este material parece algo que você compraria em Walm."


Charlene o interrompe. "Esta é a coleção," ela diz. “Eu pessoalmente acho que é brilhante. É simples, é moderno, é…” "É madeira compensada." Eu não discordo de Jim. Eu não vejo as cadeiras do wishbone, a mesa de centro, a bela mesa da fazenda com as pernas de ferro... em vez disso são pequenas banquetas finas, uma mesa chata e uma mesa que eu provavelmente poderia construir se eu comprasse uma peça grande o suficiente de madeira. "Sinto muito," diz Charlene para Jim. "Eu não sabia que você tinha um diploma em design de interiores." "Eu não. Mas eu vi dez coleções de outono e nenhuma delas nunca foi assim. Eu sabia que havia algo acontecendo aqui; se Luke está delirando, é pior do que eu pensava.” Eu mordo meu lábio e penso no que ouvi quando saímos em sua oficina no outro dia. Trent parecia definitivamente preocupado com a produção em massa de peças originais de Luke. Ele queria que ele fizesse algo mais simples - e parece que ele ganhou esse argumento. Mas para que fim? Eu sacudo minha cabeça. Não é da minha conta como Trent e Luke administram a empresa. Enquanto eu ainda tiver um emprego, estou feliz.

Depois do trabalho, encontro Trent no café da rua, a que Sloane e eu normalmente vamos. Eu não ouso me encontrar com ele no escritório - eu tenho medo dessa ideia. Nós entramos no SUV e ele tem seu motorista nos levando para Mag Mile. Ele ainda está insistindo em me comprar um vestido e mesmo que eu me sinta um pouco


estranha sobre isso, eu acho que não há mal algum em tentar algumas coisas. Se eu encontrar um que eu realmente goste, vou comprar para mim. Mas assim que entramos na primeira loja, sei que não vou comprar nada aqui. Apenas respirar o ar custa mais do que eu gasto com o aluguel de um mês - ou pelo menos, a julgar pela maneira como as garotas da loja olham para mim. Eu relaxo um pouco quando Trent coloca um braço protetor em volta da minha cintura, mas então ele começa a puxar as coisas para fora do rack para mim. Tudo é tão chique - vestidos elegantes e dramáticos com decotes profundos ou costas abertas. Às vezes ambos. "Humm, eu não tenho certeza se algum deles está certo," eu digo sem compromisso, tentando engolir meus nervos. "Você não gosta deles?" Ele pergunta, surpreso. "Eu gosto deles," eu digo. "Eu só não acho que eu poderia usar algo assim." "Por que não?" Eu olho para ele como se ele fosse idiota. “Você me conhece? Eu sou toda vestidos de verão e cardigans. Não... seja qual for o material que isso é.” Eu toco um dos vestidos que ele está segurando. "Oh, Deus, isso é bom." O tecido é fino e macio e eu não consigo parar de acariciá-lo. "Sim," diz ele, sorrindo. "E será ainda melhor, prometo. Agora, me agrade e experimente alguns deles.” Ele entrega os vestidos para uma garota que está pairando perto de nós e me arrasta de volta para os vestiários. Quando estou com a porta fechada, pego um dos vestidos e examino. Não há como eu poder usar algo assim. Eu já sei disso. Mas talvez se Trent me ver nisso, ele vai perceber que estou certa. Eu tiro meu vestido apressadamente e agarro o vestido que ele escolheu para mim. É um ouro cintilante, da cor de uma coroa polida e algo que tenho certeza que nunca


usei na vida. Não tem como eu usar sutiã com isso, então eu tiro isso também. Eu puxo o vestido sobre a minha cabeça e me estico desajeitadamente para fechar o zíper. Eu pulo por um minuto ou dois antes de admitir que isso não está acontecendo. "Como está indo aí?" A voz de Trent vem de fora do vestiário. Há uma risada em sua voz e percebo que ele provavelmente me ouviu pulando. Um rubor colore minhas bochechas. "Eu não acho que é realmente eu," eu digo sem abrir a porta. "Deixe-me ver," diz ele. “…Não.” "Não?" Ele ri novamente. "Hannah, basta abrir a porta." "Tudo bem." Eu viro a fechadura e abro a porta. "Eu não posso fechar o zíper," eu murmuro. De repente eu me sinto muito tola, de pé aqui em um vestido que parece terrível para mim, com um homem que merece um encontro que pode realmente usar esse tipo de coisa. "Eu posso ajudá-la," diz ele. Ele vem e fica atrás de mim e eu o sinto lentamente puxar o zíper para cima. Seus dedos roçam contra minhas costas nuas, e isso envia um arrepio de luxúria pela minha espinha. Querido Deus, agora eu tenho que me preocupar em deixar um ponto úmido em um vestido que custa mais do que eu ganho em um mês. Ele puxa meu cabelo para trás e depois me vira para que eu esteja de frente para o espelho. "Como você pode me dizer que acha que isso não parece bom?" Eu olho no espelho com surpresa. Agora que o vestido está realmente com o zíper fechado, ele não parece tão ruim. Ele precisa ser ajustado, mas por outro lado ele abraça meus quadris e faz meu tronco parecer longo e elegante. A cor faz minha pele parecer fresca e rosada. Sem mencionar que faz meus seios parecerem fantásticos.


Eu aperto os lábios, tentando não sorrir. "Tudo bem, eu acho." Trent ri. Ele ainda está de pé atrás de mim e ele me chama a atenção no espelho. "Eu acho que é um pouco melhor do que bem." Ele beija a parte de trás do meu pescoço, fazendo-me tremer, e volto ao meu reflexo. Eu tenho que sacudir a cabeça porque é tão estranho me ver em algo assim, e especialmente com esse homem bonito atrás de mim. "Eu não entendo," digo a ele. “Este é o primeiro vestido que eu experimentei. Como você sabia que ficaria bem em mim?” Ele deixa seus dedos deslizarem pelos meus braços e então deslizar de volta pelos meus quadris. Ele me vira de modo que eu esteja de frente para ele. "Talvez porque você não se vê do jeito que eu vejo você." Ele se inclina para me beijar e, mesmo que eu o beije de volta, estou tão emocionada que tenho que piscar contra as lágrimas. Essa emoção rapidamente se transforma em outra coisa, no entanto, quando Trent deixa suas mãos mergulharem mais baixo, segurando minha bunda e puxando meu corpo para o dele. Eu me inclino para ele, aprofundando nosso beijo, e estou apenas deslizando minha mão sob a camisa dele quando a garota da loja bate na porta do vestiário. "Como está o vestido deu certo? Há mais alguma coisa que possamos conseguir?” Eu olho para Trent, com os olhos arregalados e levo um dedo aos meus lábios. "Estou bem. O vestido é bom. Obrigado." "Você pode colocá-lo no meu cartão," chama Trent. Meus olhos se arregalam ainda mais. Há uma pausa do lado de fora e, em seguida, "Certamente, senhor." Eu me dissolvo em risadinhas assim que ela se foi. "Você é mau," digo a ele. "Eu sou?" Ele diz, aninhando no meu pescoço. "Ou eu sou muito, muito bom?"


"Saia. Eu tenho que me trocar." "Bem." Depois que ele sai, tiro o vestido e coloco minhas roupas normais de volta. Elas parecem tão cafona em comparação agora, embora este seja um dos meus trajes favoritos. Ou pelo menos era. Eu aliso o tecido dourado do vestido mais uma vez antes de tirá-lo do camarim. Apesar dos meus protestos, Trent insiste em pagar pelo vestido. "Considere um obrigado por participar deste evento terrível comigo." "Bem, obrigada," digo, assim que saímos da loja e estou carregando a sacola de compras com meu vestido bem arrumado por dentro. "Mas tenho certeza que esse evento não pode ser tão ruim assim." "Oh, não, é realmente muito terrível," ele alegremente me garante. "Ótimo. Obrigado por não me dizer isso antes de eu concordar em ir.” Ele envolve o braço de brincadeira em volta do meu ombro. “Oops. Acho que você está presa agora.” "Então, o que você faz normalmente nesses eventos?" “Bajular, principalmente. Colocamos um monte de peças de assinatura da nova coleção em exibição e, em seguida, vários tipos de mídia e indústria andam por aí e nos dizem como ela é ótima. Essa é a esperança, de qualquer forma.” Ele parece um pouco pálido com isso. "Eu vi as fotos da nova coleção," eu digo timidamente. "É muito diferente do que o Luke estava nos mostrando no outro dia." "O que isso deveria significar?" "Nada! Só que é diferente.”


Trent passa a mão pelos cabelos e solta uma explosão de ar. "Sim é. As pessoas precisam evoluir, você sabe. Você não pode fazer a mesma coisa ano após ano. Temos que ser capazes de competir com as grandes empresas.” “Mas essas são realmente as empresas com as quais você deseja se alinhar? O que o Luke faz… é realmente fantástico.” Eu penso novamente na mesa da fazenda que ele nos mostrou. Trent para de andar e se vira para me encarar. "Quando você tiver um MBA, pode me dar conselhos sobre como administrar um negócio." Assim que as palavras saem da sua boca, ele para. "Eu sinto muito. Isso foi horrível. Eu valorizo a sua opinião. É só que… há muitos fatores complicadores nisso e eu realmente não quero entrar nisso agora.” "Eu entendo," eu digo. E eu sei. Mas isso não para a pontada de desconforto que sinto em meu peito enquanto andamos, e a sensação amarga que sinto quando tiro meu novo vestido no meu armário naquela noite.


Capítulo Trinta e Oito

Trent

Eu olho em volta da sala e não a vejo em lugar nenhum. Eu olho para o meu relógio. OK. É só um pouco depois das seis, então ela não está tão atrasada ainda. Ainda assim, eu deveria ter insistido em pegá-la. É melhor ela não pegar o trem. Eu faço meu caminho ao redor da sala, cumprimentando as pessoas e sorrindo educadamente para alguns outros que parecem familiares, mas cujos nomes eu não posso colocar. Eu vejo todas as mesmas pessoas nessas coisas todos os anos, mas para o máximo eu não posso me incomodar em lembrar seus nomes ou quem eles são. Eu odeio esse tipo de evento. Eu invejo o Luke por pular isso aqui. O evento está sendo realizado em uma antiga fábrica de doces que foi convertida em um desses modernos lofts abertos. Todos os anos tentamos encontrar um espaço inovador para realizar o lançamento e este ano a equipe se superou. O único problema é fazer com que a coleção pareça uma merda. Eu já sei que o burburinho não é bom. Normalmente eu recebo pessoas vindo até mim nessas coisas, bajulando todos os projetos de Luke e me dizendo que gênio ele é.


Desta vez, eles estão me evitando como a peste, e toda vez que eu olho ao redor da sala, parece que eu vejo pessoas trocando sussurros. Ninguém parece impressionado. Eu olho criticamente para as peças de Luke - nesse enorme espaço da moda elas parecem baratas e frágeis. Eu não sou um idiota - eu sei que não são ótimos designs. Eu sei que o Luke é capaz de fazer melhor. Inferno, as peças que ele nos mostrou naquele fim de semana eram o tipo de coisas que costumávamos ser conhecidos. Mas eu não posso vender aquelas peças. Essas eu posso vender.

Eu acho. Eu corro a mão levemente sobre a mesa que ele montou e recuo quando eu sinto uma lasca. Eu coloco um sorriso no rosto quando alguém tira uma foto, depois me viro para que eu possa arrancar o pequeno pedaço de madeira da palma da minha mão. Eu uso a oportunidade para também discretamente tomar mais alguns Tums6. Essa coisa toda está me deixando doente. Eu forcei Luke a levar a coleção nessa direção porque eu queria salvar os empregos das pessoas - mas se eu não posso vender essa linha, então o

que? Eu me viro de volta, outro sorriso de mil watts duro no meu rosto. Eu teria apenas que vender eu mesmo. Faça-os acreditar. Eu não tinha chegado tão longe no negócio porque eu fugi quando as coisas ficaram difíceis. Eu me preparo para enfrentar os repórteres e depois paro. Do outro lado da sala, eu a vejo. Hannah. Eu respiro um suspiro de alívio e um nível de tensão drena do meu corpo. Porra, ela está linda. Aquele vestido de ouro parecia perfeito para ela na loja, mas agora que tudo acabou - cabelo para trás, brincos de ouro pendurados, batom vermelho brilhante iluminando seu rosto - ela parece melhor que perfeita. Ela parece um anjo. Ela tem uma conversa profunda com um homem que está de costas para mim, mas quando ele se vira para apontar algo para ela, vislumbro seu rosto e percebo que é

6

A ntiácido


Kevin Hartley, um repórter do Post. O mesmo que parece inclinado a pintar Loft & Barn como um dinossauro, fadado à extinção. Eu não quero que Hannah tenha que falar com nenhum jornalista - e especialmente não este - e eu estou apenas atravessando a sala para afastá-la dele quando sinto uma mão no meu braço. Eu me viro e a bola de ácido que está se formando no meu estômago finalmente borbulha. Porra. "O que você quer?" "Eu vim para dizer parabéns pela nova coleção." Lara sorri, seus lábios esticando as linhas ao redor de sua boca. "Ótimo. Obrigado.” Começo a ir embora, mas ela me encurrala. "Direção interessante," diz ela, apontando para as peças atrás de nós. Eu nem olho para elas. Eu não preciso. Eu sei que elas são uma merda e eu sei que ela sabe que elas são uma merda. "Estamos expandindo a linha," digo a ela. "Tornando-a mais acessível e mais barata para o consumidor moderno." Estou dividido entre querer convencê-la sobre o valor da linha e a necessidade de atravessar a sala para tirar Hannah daquele abutre da mídia. Meus punhos estão enrolados ao meu lado e eu mudo de pé para pé. "Em outras palavras, você está ficando barato." “Diga o que você quiser, Lara. Em cinco anos, todas as casas na América do Norte terão pelo menos um pedaço de mobília Loft & Barn - provavelmente mais. Agora, se você me der licença.” Eu não dou a ela uma chance de dizer qualquer outra coisa. Hannah está jogando a cabeça para trás e rindo de algo que Kevin Hartley acabou de dizer e está fazendo meu sangue ferver. Assim que eu a alcanço, eu envolvo meu braço ao redor de sua cintura e a afasto dele, no meio da frase.


"Oi," ela diz, uma expressão assustada no rosto. "Estou tão feliz em ver você," eu digo. Eu pressiono meus lábios contra os dela em um beijo que é muito intenso para o público desse ambiente. Eu não posso ajudar - eu quero que todos nesta sala saibam que ela é minha. Quando eu tomo ar, ela tem uma expressão atordoada no rosto. Ela toca os lábios levemente e ri nervosamente. "Por que você estava falando com o editor do Post?" Eu exijo. "Você não disse nada sobre a Loft & Barn, não é?" "Aquele cara?" Ela gesticula de volta para ele. "Eu não sei quem ele é, ele só me encurralou quando eu cheguei. Ele me disse o quanto ele gostava do meu vestido." Certo. Claro que ele fez. Kevin Hartley pode ser um bastardo, mas ele não é um idiota. Eu me lembro de que Hannah também não é uma idiota - ela não teria dito nada menos que brilhando sobre a Loft & Barn, mesmo que ele a tivesse pressionado. "Quem era aquela mulher com quem você estava falando?" Ela diz isso casualmente, mas eu posso ver o jeito que os lábios dela diminuem um pouco. Eu suspiro. "Essa era Lara Bennington." "Sua ex." Não é uma pergunta. “A editora de estilo da Design Times.” "E a sua ex." "Sim, mas eu não gosto de pensar sobre essa parte." "Ela é linda." Ela mordisca o lábio inferior. "Comparado a você, ela é uma troll." Isso me dá um pequeno sorriso. Eu dou uma olhada ao redor da sala e vejo a mulher do site de notícias on-line Errant Design tentando chamar minha atenção. Merda.


"Eu infelizmente tenho que ir falar com alguém agora," eu digo a Hannah. “Posso pegar uma bebida para você no caminho de volta? Champanhe?" Ela olha ao redor e eu posso dizer que ela não quer que eu a deixe sozinha. Eu me inclino e beijo a ponta do nariz dela. "Eu vou apenas um momento, eu prometo." Eu a deixo parada lá, mesmo que eu não queira, e encontro Lilliana Ivanov. Ela tem um monte de perguntas vazias sobre a coleção e eu tento respondê-las da maneira mais educada possível, embora tudo que eu queira fazer é voltar para Hannah. Eventualmente eu consigo ignorá-la. Eu olho em volta, procurando por um dos garçons passando com bandejas de champanhe. Eu localizo um e faço contato visual, sinalizando que ele venha, mas antes que ele chegue eu sinto uma mão no meu braço. "Então, quem é a pequena prostituta em ouro?" Lara novamente. Cristo. Esta noite continua melhorando. "Não é da sua conta." "Ela é bonita. Jovem, mas fofa. Onde você a conheceu?" "Não é da sua conta," repito. Ela ri. Sua risada é nasal e estridente e não tenho ideia de como tolerei isso por três anos. "Isso significa que você não quer me dizer. Vamos ver - eu não a conheço da indústria. Então, eu vou adivinhar… ela trabalha para você?” Eu olho para ela, meu queixo trabalhando, e ela ri novamente. "Eu estou certa, não estou? Oh, Trent Ninguém nunca lhe disse para não cagar onde você come?” Deus, ela é grosseira. "Não é assim," eu digo, mesmo que eu não lhe deva nenhum tipo de explicação.


"Oh, você não precisa explicar nada para mim. Eu posso entender porque a jovem impressionável iria querer dormir com o chefe sexy. Eu suponho que ela é um pouco como eu, a esse respeito.” "Ela não é nada como você," eu cuspi fora. Só o pensamento é suficiente para me fazer sentir doente. "Mesmo? Então, por que ela está falando com Kevin Hartley? Ela certamente sabe como encantar as pessoas certas.” Eu olho e encontro Hannah mais uma vez trancada em uma conversa com ele. Que porra é essa? Desta vez ela parece estar ainda mais perto dele. Eu sinto como se a sala se movesse um pouco sob meus pés. De repente, Lara está passando a mão pelo meu braço. Eu empurro para longe e viro para olhar para ela. “Por que você está perdendo tempo com ela? Não há nada que ela possa fazer por você, Trent. Não como eu." "Ela me faz feliz." Minha garganta parece seca de repente. "Eu te fiz feliz uma vez." "Sim, e então eu descobri que você estava fodendo metade da cidade ao lado." “É assim que esse negócio funciona, Trent. Não seja tão ingênuo. Eu te ajudei, você me ajudou. Nós dois conseguimos o que queríamos. Eu posso fazer o mesmo por você novamente.” Eu quero cortá-la, mas suas últimas palavras me impedem. "Do que você está falando?" “Esta coleção é uma merda, Trent. Eu sei disso e você sabe disso e todas as pessoas nesta sala sabem disso. Mas se você fizer valer a pena, posso garantir que todos no país pensem que é a linha mais revolucionária desde a porra das cadeiras Eames.” Sua proposta me deixa doente. “Desculpe, Lara. Eu não estou interessado em-“


Ela me corta pressionando a boca contra a minha. Seus lábios duros parecem tão familiares... e horríveis. Não é nem um beijo. É como empurrar seus lábios contra um peixe morto. Eu a empurro de cima de mim... mas depois eu vejo. Hannah. De pé logo atrás de Lara. Olhando para mim com a expressão mais ferida em seu rosto. "Hannah..." Eu passo por Lara, desesperado para chegar até ela, para levá-la em meus braços e fazê-la perceber que ela não acabou de ver o que ela sem dúvida acha que viu. Mas eu não sou rápido o suficiente. Ela já está voando pela porta da frente do armazém.


Capítulo Trinta e Nove

Lovemail

De: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Por favor, pegue o telefone

Eu tentei ligar para você seis vezes agora e você não está atendendo. Por favor, atenda.

DE: misterbigshot@lovemail.com Para: sweetvixen@lovemail.com Assunto: Ok

Você ainda não está atendendo. Eu preferiria falar sobre isso pessoalmente, mas por enquanto vou dizer isso:


Você não viu o que achou que viu. Quero dizer, sim, a Lara me beijou. Mas aconteceu tão rápido. Eu estava apenas empurrando ela de cima de mim quando você nos viu. Eu sei que soa como uma desculpa, mas não é, eu juro. Eu me preocupo tanto com você, Hannah, e o pensamento de Lara arruinar o que temos está me fazendo sentir fisicamente doente.

AMOR, Trent


Capítulo Quarenta

Hannah

Eu subo dentro do táxi e fecho a porta atrás de mim e solto um suspiro trêmulo e soluçante. Eu dou as instruções do motorista para o nosso apartamento. Estamos apenas nos afastando quando vejo Trent irromper do prédio. Seus olhos encontram os meus por um momento, mas eu me forço a desviar o olhar, e então nós vamos embora. Lágrimas escorrem pelo meu rosto e eu as afasto com raiva. Eu não sei se estou mais chateada que isso aconteceu - ou chateada que eu me deixe chegar ao ponto em que isso me incomoda. Eu sempre soube que o Mister Bigshot e eu éramos temporários. Não é como se o CEO bilionário acabasse com a redatora júnior. É uma fantasia legal, mas não é a vida real. Mas de alguma forma eu me deixei levar pelo sonho. Trent era tão doce, tão atencioso - tão fodidamente sexy - que ele me fez esquecer quem e o que ele era. Quem e o que eu era.


Lara era exatamente o tipo de mulher com quem Trent deveria estar. Alta, loira, bonita, bem sucedida. Ela parecia completamente em casa naquela festa, e ela tinha totalmente possuído aquele vestido vermelho que ela estava usando. Eu nunca poderia fazer esse tipo de elegância legal. O táxi estaciona na frente do meu prédio e eu vou até o apartamento com os pés instáveis. Eu me sinto idiota nesse vestido dourado agora. Tudo o que eu quero fazer é passar por Ally, vestir meu pijama e ir para a cama. Claro, Ally, como de costume, está na sala de estar quando eu tento silenciosamente abrir a porta. "Você está em casa cedo," diz ela. Seus olhos se estreitam. "O que há de errado?" Eu coloquei minha mão sobre o meu estômago. O vestido é ridiculamente macio debaixo da minha mão. "Acho que comi camarão ruim," minto. Eu fiquei surpreendentemente boa em mentiras desde que comecei a ver Trent. O rosto de Ally fica preocupado. "Oh Deus. Isso não parece bom. Posso pegar alguma coisa para você?” "Não." Eu a aceno. "Eu estou indo só para ir para a cama. Espero que eu possa dormir com o pior disso.” "OK. Bem, apenas grite se você precisar de alguma coisa.” “Obrigada Als.” Vou direto para o meu quarto e começo a arrancar o vestido antes mesmo de fechar a porta. Eu enfio no fundo do armário onde eu não tenho que ver. Não parece nada além de um lembrete cruel do quanto eu me iludi nas últimas semanas. Eu coloco meu pijama - o mais feio e mais fino que eu possuo - e subo na cama, puxando as cobertas até o meu pescoço. Eu gostaria de poder fazer o que eu disse a Ally - dormir com o pior de tudo. Mas eu já sei que não há como o sono vir fácil esta noite.


De manhã eu estou com os olhos turvos e exaustos. Eu penso em ligar e falar que estou doente para o trabalho, mas eu decido que manter uma rotina pode ser bom para mim. Além disso, eu estaria mentindo se dissesse que não esperava secretamente que Trent tentasse me ver. Eu tinha ignorado sua mensagem na noite passada - e todas as suas ligações - mas no trabalho seria mais difícil evitá-lo. Entrando no escritório, imediatamente sei que algo está errado. Um silêncio cai sobre os cubículos enquanto eu ando até a minha mesa. Eu olho para Sloane, mas ela está com a cabeça curvada sobre o computador e não olha para cima quando eu passo. Estou quase na minha mesa quando Charlene sai do escritório dela. Sua expressão é mais fria do que nunca. "Entre no meu escritório." Ela não se incomoda com nenhuma delicadeza. Eu a sigo, embora minhas pernas estejam bambas. Eu já sei que isso não pode ser bom. Como, realmente não é bom. Charlene já está sentada atrás de sua mesa quando chego ao escritório e gesticula bruscamente para a cadeira de hóspedes em frente a ela. "Você achou que eu não descobriria?" Ela está torcendo uma caneta entre as mãos e eu posso ver o quão brancas são as juntas dela. "O que?" Eu já tenho uma sensação de que eu sei do que ela está falando, mas eu acho que vou me fazer de boba até que ela saia e diga. "Está em toda parte da mídia social da empresa," diz ela. Ela vira o monitor para que eu possa ver a foto. Sou eu, no vestido dourado, encostada em Trent. Seu braço está envolto em volta da minha cintura. Estamos ambos sorrindo; nós dois parecemos felizes. Vendo isso dói meu coração quase tanto quanto saber que Charlene já viu.


"Eu nunca esperei isso de você, Hannah," ela está dizendo. Ela está torcendo a caneta com mais força agora, e eu tenho a súbita ideia de que ela está imaginando que é o meu pescoço. "Mas tudo faz sentido agora." "Eu sinto muito, Charlene," eu digo. Eu não sei mais o que dizer. "Não foi... apenas aconteceu." "Você está demitida." As palavras são como um choque elétrico. "O que? Você não pode fazer isso.” Ela ri. “Oh, eu certamente posso - e eu vou. A segurança estará aqui para te acompanhar. Suas coisas serão embaladas e enviadas para você. E não espere que seu namorado para protegê-la a menos que ele queira o RH no seu rabo para o resto da eternidade.” Eu já estou me levantando da cadeira, tropeçando para trás em direção à porta. Eu não posso deixar a segurança me colocar para fora - eu não posso imaginar nada mais humilhante. "Eu sinto muito," eu digo mais uma vez. Eu abro a porta do escritório e volto para a área do cubículo. Desta vez eu consegui pegar o olho de Sloane, mas assim que ela me vê olhando para ela, ela olha para o outro lado. Ela parece chateada - chateada e magoada. Penso em todas as vezes que menti para ela nas últimas semanas, e a sensação doentia no estômago piora ainda mais. Eu apertei o botão para o elevador, mas parece levar uma eternidade para vir. Eu posso sentir os olhos de todos nas minhas costas. Sloane, e Jim, e Charlene, e todos os outros da nossa equipe, todas as pessoas que estavam começando a se sentirem como amigos. Eu não posso nem imaginar o que todos eles devem pensar de mim agora. Finalmente, depois do que parecem horas, as portas do elevador se abrem. Eu entro e clico no botão do andar térreo, mas parece que leva mais uma hora para as portas


fecharem. Sloane está olhando para mim novamente, e desta vez eu sou a única que olha para longe. Eu não quero que ela veja as lágrimas que estão caindo dos meus olhos. Ela provavelmente acha que eu estou recebendo exatamente o que eu mereço. Talvez ela esteja certa. Quando eu finalmente tropeço na rua da cidade, a luz do sol parece ofuscante. Eu tenho que segurar minhas mãos sobre meus olhos. Eu examino a rua em busca de um táxi e depois percebo que não tenho mais emprego. Não há mais esbanjar em táxis. Vou ter que pegar o metrô. Uma nova onda de lágrimas pica meus olhos. Eu não posso nem analisar tudo o que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas - Trent beijando Lara. Perdendo meu trabalho. Sloane odiava minhas entranhas. Isso é um desastre. E a pior parte é que eu deveria ter visto isso acontecer. Quero dizer, o que eu achei que ia acontecer? Eu me arrasto até o trem e lentamente caminho de volta para o meu apartamento. Em breve, vou ter que contar a Ally o que aconteceu, e então posso adicionar outro desastre ao cálculo da corrida - machucar minha irmã.

"Jesus, você me assustou!" Ally está em sua cadeira na cozinha, descarregando alguns pratos da lava-louças, quando eu abro a porta da frente do apartamento. “O que você está fazendo em casa? Você pode pegar isso?” Ela gesticula para a caneca de café que caiu de suas mãos quando ela se assustou. Eu pego a caneca e coloco no armário. Eu não quero responder a pergunta dela. Eu só quero mais um minuto fingindo não ser uma completa idiota.


Ally para de descarregar os pratos e está olhando para mim. A compreensão repentina cruza seu rosto. Ela cutuca a cadeira alguns metros mais perto de mim. "Você perdeu seu emprego, não é? Trent? Ele te demitiu?” “Não - quero dizer, sim. Mas não é assim. Não exatamente.” Eu caio na mesa da cozinha e toda a história vem caindo - a festa de lançamento com Trent, vendo-o beijar Lara, Charlene me demitindo hoje. Quando termino, ela fica quieta por um minuto. "Eu acho que você precisa de um copo de vinho." Eu estava me preparando mentalmente para o pior, então as palavras dela realmente me fazem rir. "São dez da manhã." Ela levanta as sobrancelhas. "Você realmente vai discutir comigo?" Eu ri novamente. "Ok, não." Ela vai até a geladeira e despeja um copo de vinho branco de uma garrafa aberta. Ela entrega para mim e depois dá de ombros e serve uma para ela também. "Então... você me odeia?" Eu pergunto, depois de tomar um gole fortificante de vinho. Ally parece surpresa. "Claro que não! Que pergunta estúpida.” "Mas nós conversamos sobre isso... sem a minha renda, não podemos pagar por este apartamento." "Bem, eu não posso dizer que não estou estressada sobre isso, mas vamos descobrir alguma coisa." Ela toma um gole de seu vinho. "Você acha que há uma chance de Trent lhe dar o seu emprego de volta?" Eu considero sua pergunta. Eu não tinha pensado nisso - ele sempre me prometeu que eu não perderia meu emprego por causa disso, mas nós dois havíamos deixado de incluir Charlene na equação. Obviamente, ele poderia facilmente passar por cima da


cabeça dela e me devolver o emprego - ou mesmo que não fosse esse, talvez houvesse outro lugar na empresa que ele pudesse me colocar. Charlene havia ameaçado a ação do RH, mas Trent tinha que estar acima disso, não é? Eu começo a me sentir quase esperançosa. Claro, isso significa ter de engolir tudo e pedir de volta ao homem o emprego - e ignorar o que eu vi ontem à noite na festa de lançamento. Eu olho para Ally. Mesmo que ela não tenha dito nada, eu posso ver o jeito que a testa dela já está começando a se enrugar de preocupação. Ela já teve tantos obstáculos - tenho que ter certeza de que minha ingenuidade não é uma delas.


Capítulo Quarenta e Um

Trent

Eu olho para o meu telefone pela sétima vez na última hora. Ainda não há resposta de Hannah. Eu já tinha ligado para ela uma dúzia de vezes desde a noite anterior e também tinha mandado mensagens algumas vezes. Eu até pensei em ir até o apartamento dela, mas achei que daria a ela uma chance de ter seus pensamentos juntos. Ela acabaria entendendo que aquele beijo - se é que você poderia chamá-lo assim - não significava nada. Menos que nada. Ela tem que entender. Eu nem consigo entender a ideia de que Lara possa ficar entre nós desse jeito. É errado em muitos níveis. Eu não vou deixar isso acontecer.


Eu olho mais uma vez para o meu celular. Nada ainda. Com um suspiro, decido começar a ler meus e-mails reais. Eu só olhei para Lovemail toda a manhã. Eu nem olhei para a cobertura do lançamento da noite passada. Então, novamente, eu não me importo exatamente em evitar isso. Parte de mim está temendo ler os comentários. Tenho certeza de que haverá pelo menos algumas novidades na nova coleção - Lara certamente será uma delas, especialmente depois que eu a descartei na noite passada depois que Hannah fugiu. Eu jogo meu telefone na mesa e abro meu laptop de trabalho. A primeira coisa que noto é que tenho um número excessivo de novos e-mails. Quero dizer, eu sempre recebo muitos e-mails, e sei que tenho evitado por quase 12 horas, mas ainda assim isso parece excessivo. Eu rapidamente escaneio através deles - toneladas de Alertas do Google, que eu esperava depois da noite passada. Mas milhares de e-mails de nomes que eu reconheço - repórteres com quem lidei, fornecedores com os quais lidamos, até mesmo uma tonelada de e-mails de pessoas dentro da empresa. Um monte de nosso chefe de RH, de nossa assessoria jurídica, de contabilidade. Eu começo a clicar primeiro nos e-mails pessoais. Meu estômago começa a afundar quando os leio - todos continuam falando sobre uma história, perguntando se é verdade, se tenho algum comentário. Eu mudo os e-mails pessoais para os Alertas do Google, mas há tanto barulho que não consigo encontrar o que estou procurando. Finalmente eu pulo para o Google, digito no Loft & Barn e clico em enter. Ali está, bem no topo, na seção de notícias.

“Loft & Barn Afundando?” Eu começo a folhear o artigo.


“Na noite passada, a Loft & Barn, a casa nacional de decoração da casa, estreou sua nova coleção de outono e seria uma gentileza chamar a recepção de morna. O estilista habitual e criativo do chefe Luke Whittaker não foi visto na nova coleção. Em vez disso, as peças representam o pior do consumismo moderno. Elas são baratas, sem inspiração e sem o básico chique sueco dos produtos da Ikea. Para dizer que eles estariam em casa em um escritório de advocacia de strip-tease é fazer um desserviço para despir advogados de shopping em todos os lugares. Fontes internas dizem que a nova direção da empresa é inteiramente trabalho do CEO Trent Whittaker, que vem pressionando a Loft & Barn para competir com produtores em massa e grandes players do mercado, como a Wayfair e a já mencionada Ikea. Mas o que esse irmão de Whittaker ignorou é a habilidade trazida à mesa pelo irmão Luke. Onde a empresa poderia ter se tornado de alta qualidade, comandando preços mais altos e mais prestígio, se não uma maior participação de mercado, o CEO levou a empresa em direção aos preços baratos e produtos de qualidade. Em conjunto com a recente decisão da empresa de reduzir as operações de varejo, esses movimentos sinalizam uma empresa desesperada para evitar a falência. De fato, essas mesmas fontes internas indicam que a empresa também está contemplando outras medidas de redução de despesas, incluindo possíveis demissões...” Continua assim, mas meus olhos se cruzam e se recusam a ler mais. Como diabos eles sabiam disso tudo? Eu esperava que alguns críticos fizessem a coleção - eu sabia que não era um ótimo trabalho, mas havia pessoas por aí que gostariam. Mas me acusar de forçar a mão de Luke... mencionar as demissões... Alguém lhes deu essa informação. Mas ninguém sabia muito sobre o nosso funcionamento interno, exceto eu e Luke. E Hannah, percebo com um começo. Já faz tanto tempo desde que confiei em uma mulher sobre minhas preocupações de negócios, que eu quase me esqueci das coisas que eu disse a ela em confiança.


E as coisas que ela ouviu, eu lembro, pensando no dia em que saímos para o Luke. Ela nos ouviu discutindo naquele dia. Eu dizendo a Luke para escalar a coleção de volta para algo que poderíamos extrair em menos tempo e por menos dinheiro. Volto para o artigo e rolo para cima, procurando pela assinatura. O pânico está correndo por mim. Eu silenciosamente rezo para que não seja Kevin Hartley. Qualquer um, menos Kevin Hartley. Mas aí está, em preto e branco: Artigo de Kevin Hartley. O cara que Hannah tinha conversado ontem à noite no lançamento. Eu não quero acreditar. Hannah sempre pareceu tão doce - eu pensei que ela seria a última pessoa a fazer algo assim. Quando Lara fez isso comigo, eu fui ferido - mas não totalmente chocado. Lara sempre foi uma intrigada, disposta a fazer o que fosse preciso para seguir em frente. Hannah simplesmente não era assim. Ou pelo menos ela não parecia assim. Eu penso na expressão em seu rosto quando ela viu Lara me beijar, a mágoa e a traição que tinham sido escritas tão claramente em suas feições. Talvez ela tenha visto isso como uma maneira de voltar para mim. Eu tinha que falar com ela. Eu clico para abrir o aplicativo Lovemail mais uma vez, mas sem surpresa, não tenho uma resposta dela. Eu penso em ligar para ela, mas sei que ela não vai atender. Eu tenho que forçá-la a falar comigo. Eu empurro minha cadeira para trás da minha mesa e me levanto. A mulher trabalha doze andares abaixo de mim... ela só vai ter que me encarar pessoalmente.


Quando chego ao décimo oitavo andar, passo através dele com um propósito - até perceber que não tenho ideia de onde Hannah está sentada. Paro em frente à mesa de uma menina loira cuja placa de identificação diz Sloane McAdam. "Você sabe onde Hannah Cole está sentada?" "Sr. Whittaker...” ela gagueja, olhando nervosamente em volta dela. Ela lambe os lábios. "Ela se senta bem ali, mas..." Eu olho para a mesa vazia que Sloane está apontando. Não há ninguém sentado lá, mas posso dizer imediatamente que é a mesa de Hannah - a caneca de café amarela com um pássaro de cerâmica no cabo, a coleção de canetas roxas, até mesmo uma foto dela e Ally presa ao tecido cinza do cubículo parede. "Mas o que?" Eu estalo. "Ela não está aqui." "Onde ela está? Doente?” Sinto meus nervos começarem a chiar de novo. Ela está realmente doente? Ou apenas fingir estar doente porque ela não quer admitir o que ela fez? "Um..." Sloane ainda está olhando em volta descontroladamente. “Talvez você deva conversar com nosso chefe. Charlene. Ela se senta ali.” "Tudo bem." Eu estalo. Obviamente não estou chegando a lugar nenhum com essa garota. Passo pela mesa vazia de Hannah e vou até o escritório de Charlene. Seu rosto se ilumina quando ela me vê, mas rapidamente achata quando vê a expressão no meu rosto. "Sr. Whittaker! Que prazer. O que posso fazer para você?" “Hannah Cole.”


“Oh. Sim.” Ela alisa o cabelo loiro e branqueado. Ela parece estar se preparando para alguma coisa. Finalmente ela respira fundo. "A senhora Cole não está mais empregado neste departamento. Independente do relacionamento dela com você, ela se mostrou desleal com essa equipe. Eu não posso trabalhar com um funcionário em quem não posso confiar, Sr. Whittaker. Espero que você honre minha decisão de dispensá-la.” Desleal a equipe… algo se transforma e racha dentro de mim. Talvez eu tenha interpretado mal a Hannah. Talvez ela fosse mais intrigante do que eu lhe dera crédito. Eu sabia que ela e Charlene tinham se intrometido antes, mas eu só tinha o lado da história de Hannah. E a dura verdade é que alguém deu a Kevin Hartley essa informação. Não fui eu, e não era o Luke. Que só deixou Hannah. "Obrigado, Charlene." Eu torço minha gravata uma vez. “Eu vou respeitar sua decisão. Tenha um bom dia." Eu saio do escritório. Eu posso sentir os olhos de todos em mim enquanto eu volto para o elevador. Eu hesitei apenas por um segundo na mesa de Hannah e, em seguida, estendi a mão e peguei uma de suas canetas roxas, enfiando-a no bolso do meu paletó. Eu olho para cima e vejo Sloane olhando para mim, seus olhos azuis arregalados. Eu olho para ela e ela rapidamente se volta para seu computador. Eu faço meu caminho de volta para o meu escritório e bato a porta, jogando a caneta roxa estúpida na minha mesa. Então é assim que termina... traído de novo, jogado como um idiota. Eu sinto as bordas do meu coração, as que tinham acabado de começar a amolecer, endurecer mais uma vez.


Capítulo Quarenta e Dois

Hannah

Leva-me cerca de cinquenta e dois anos para descobrir o que vestir para me encontrar com Trent. Tem que ser profissional, porque eu quero que ele me leve a sério, mas sexy o suficiente para que ele seja um pouco mais receptivo. Mas não muito sexy. Apenas um pouco sexy. Profissional e sexy e bonita e modesta. Eu passo pelo meu armário inteiro e decido que essa roupa mítica perfeita simplesmente não existe. Eu arremesso tudo na cama em desgosto. Ally aparece na porta do meu quarto assim que eu chego ao fundo do armário, para as coisas que eu não toquei em anos. Eu tiro uma velha fantasia de Halloween, uma roupa de patinação artística que usei alguns anos atrás. Eu levanto na minha frente. “Profissional e sexy?”


Ally balança a cabeça, lutando contra um sorriso. "Muitas penas." "Você provavelmente está certa." Eu o atiro na cama com o resto das minhas escolhas descartadas. Ally vem até a cama e começa a procurar nos rejeitados. "Você está nervosa?" Ela pergunta, sem olhar para mim. Eu hesito, mas depois dou de ombros. "Sim. Muito.” Nenhum ponto em mentir para minha irmã. Decidimos que eu teria que ir a Trent. Pedir meu emprego de volta, ou pelo menos um emprego. Nesse ponto, eu pegaria qualquer coisa - me dê um emprego na sala de correspondência ou algo assim - contanto que me desse um salário enquanto eu procurava outro emprego. Depois de tudo o que aconteceu, eu sabia que, de um jeito ou de outro, eu tinha que deixar o Loft & Barn - eu simplesmente não podia me dar ao luxo de fazer isso tão abruptamente. Eu estaria mentindo se dissesse que eu não esperava que pudéssemos resolver o resto também. Eu tinha lido a mensagem do Trent no Lovemail uma centena de vezes a insistência dele de que Lara o havia beijado, de que ele estava tentando afastá-la quando os vi. Eu quero acreditar nele - eu quero com todo meu coração. E eu tenho a ideia de que, se eu o vir pessoalmente, talvez eu possa ler melhor a situação. É por isso que eu preciso da roupa perfeita, uma que seja profissional, mas sexy, mas não muito ou pouco. "E sobre isso?" Ally pergunta, segurando uma saia lápis azul real. Eu comprei por capricho um dia, mas nunca me senti corajosa o suficiente para usá-lo. Eu tiro isso dela e seguro contra meus quadris. “Isso poderia funcionar. Que camisa?” “Hmmm.” Ally continua vasculhando as roupas que estão amontoadas na cama. Ela extrai algo branco e transparente.


"Que tal agora?" "Brilhante." É uma camisa de colarinho branco (profissional), mas feita de um tecido transparente (sexy). Eu vou usá-lo com uma blusa (profissional) com um decote profundo (sexy.) "Você é boa nisso," eu digo a minha irmã, tirando a blusa dela e segurando-a com a saia. Eu admiro o efeito no espelho e sim, é perfeito. "Ha. Bem, quando você está nessa coisa,” Ally diz, batendo na cadeira com a palma da mão, “Você acaba encarando muito as roupas das pessoas. Agora, você já descobriu o que vai dizer?” Eu respiro fundo. "Eu não sei. Eu espero que as palavras cheguem a mim quando eu o vir.” "Só não fique toda tonta quando você vê-lo," Ally adverte. Seus olhos verdes brilham. "Eu? Tonta?” Eu virei meus olhos para ela e ela fez um sorriso. “Vamos, Hannah. Isso é sério." "Eu sei que é." Suas palavras me trazem de volta para baixo. Eu tenho jogado todas as minhas preocupações para escolher a roupa perfeita - principalmente porque se eu me deixar pensar sobre o que estou fazendo, vou ficar em ruínas. A verdade é que estou com medo de vê-lo novamente. Estou com medo de não poder acreditar nele sobre a Lara. Estou com medo de ter que rastejar para o meu emprego de volta. Estou com medo de que ele não me dê isso. Eu tenho que tentar embora. E apesar de estar com medo, uma parte de mim não pode esperar para vê-lo. Eu tinha conseguido me apegar muito a ele nas últimas semanas - meses, se você contar o tempo que eu o conheço como Mister Bigshot - e a verdade é que eu sinto falta dele. Sinto falta do sorriso dele, do jeito que ele me faz rir. E sim, o jeito que ele me beija, o


jeito que ele pode fazer meus dedos enrolar, me faz gritar seu nome. Eu nunca tive isso na minha vida antes, e agora estou com medo de sair do meu alcance.

Eu pego o trem até o escritório. Quando chego lá, hesito, pairando do lado de fora das grandes portas de vidro. Eu olho através delas por um minuto, me preocupando, eu vou encontrar alguém que eu conheço - Charlene ou alguém da nossa equipe. Preocupada que eu vou vê-lo. Mas o saguão está quase deserto e eventualmente eu me forço a entrar. Os seguranças apenas acenam quando me vêem - acho que ninguém lhes disse que fui demitida. Eu ando de elevador até o trigésimo andar, e todo o percurso parece que eu deixei meu estômago no saguão. Eu só fico mais nervosa e mais tensa quando o elevador sobe. Quando as portas se abrem no trigésimo andar, decidi apertar o botão do térreo e descer as escadas e sair pela porta. A única coisa que me impede é que, quando chego ao trigésimo andar, há uma multidão de pessoas esperando para entrar no elevador. Eles se afastam para eu saltar e olham para mim com expectativa e eu encontro meus pés se movendo automaticamente, caminhando pelo corredor. Meus pés estão claramente mais confiantes do que eu. Enquanto faço meu caminho em direção ao escritório de Trent, meu coração bate no peito o tempo todo. Quando chego lá, encontro Lottie sentada em sua mesa, digitando em um ritmo furioso. Ela olha para cima quando me vê, embora seus dedos continuem se movendo.


"Olá Hannah," diz ela. Seu tom é legal e meus nervos pioram. Talvez esta seja uma má ideia. "Trent está?" Eu pergunto. "Sim," ela diz, mas é hesitante. "Eu não suponho que você tenha um compromisso?" Eu nunca precisei de um compromisso para vê-lo antes, mas eu não digo isso. Eu apenas balanço minha cabeça. "Eu estava esperando que ele tivesse apenas alguns minutos?" "Um momento por favor." Lottie pega o telefone e fala tão baixo que eu mal consigo ouvir o que ela está dizendo, mesmo estando a menos de dois metros de distância dela. Finalmente, ela coloca o telefone de volta no berço. "Ele vai ver você." "Obrigado." Eu respiro as palavras em um suspiro de alívio. Por um segundo, eu fiquei genuinamente com medo. Ele não ligou ou mandou mensagens desde ontem de manhã, e eu estava preocupada que eu tivesse cometido um erro em não voltar para ele mais cedo. Eu ando pela primeira porta e depois pelo corredor em direção ao seu escritório. A porta está fechada e eu bato levemente. Não há resposta e estou prestes a bater de novo quando ouço uma voz rouca: "Entre." Eu abro a porta lentamente. Ele está sentado atrás de sua mesa e imediatamente, estou com uma onda de sentimentos. Preocupação, medo, luxúria, afeto - o nome dele, está correndo no meu peito agora. A expressão em seu rosto parece tão complicada. Seus olhos se estreitam em mim e não consigo ler o que está escrito lá. "Oi," eu digo baixinho. Tentativamente. Eu entro em seu escritório e atravesso o chão em direção a sua mesa. Ele não se levanta ou diz qualquer coisa, então eu


escorrego na cadeira em frente a ele. Isso já não está indo como eu esperava e agora eu engulo um pedaço de ansiedade que está na minha garganta. "Eu fui demitida," eu deixo escapar. Trent une as mãos, estreitando ainda mais os olhos. "Eu ouvi." "Você ouviu?" De alguma forma isso me surpreende. Eu teria pensado que teria ouvido algo dele se ele já soubesse. Ele realmente ia deixar Charlene me demitir? Por sair com ele? “Eu ouço tudo, Hannah. Você deveria saber disso agora. Eu sou o CEO desta empresa e nada aqui acontece sem o meu conhecimento. Eu gostaria que essa fosse uma lição que você poderia ter aprendido antes.” Sua boca está fina, mas sua voz é grossa com raiva mal suprimida. Isso me atordoa por um segundo. "Do que você está falando?" Minha mente está acelerada. Ele sacode a cabeça. "Você sabe do que eu estou falando." "Eu sinceramente não sei, Trent. Eu vim aqui para pedir o meu emprego de volta.” As palavras parecem ainda mais humilhantes agora. Ele está olhando para mim como se eu fosse pior do que a lama no fundo do sapato dele. "O que está acontecendo?" Eu finalmente pergunto. Eu mordo as lágrimas que ameaçam cair. "Kevin Hartley," diz ele. "Hã? Quem?" “Do lançamento. O jornalista que vi você conversando.” “E ele? Eu te disse que ele acabou de perguntar sobre o meu vestido.” "E você não falou com ele depois disso? Talvez depois que você pensou que me viu beijando Lara?” Minha mente está correndo agora. O que no mundo ele está falando? "Não. Saí da festa imediatamente, depois que... isso aconteceu.”


Ele se inclina para trás em seu assento e cruza as mãos atrás da cabeça. Normalmente eu estaria salivando com a visão de seus músculos abdominais esticados assim, mas agora tudo o que posso pensar é como essa conversa parece ter ido de mal a pior. Trent estende a mão para apertar um botão em seu laptop e então ele começa a ler.

"Fontes internas dizem que a nova direção da empresa é inteiramente o trabalho do CEO Trent Whittaker..." Ele continua lendo, e quando o escopo completo do artigo me atinge, minha respiração fica presa na minha garganta. Eu sei imediatamente o quanto isso é ruim para Trent. Esse tipo de cobertura... eu balanço minha cabeça. Eu posso ver porque ele está chateado. Então eu percebo porque ele está me olhando do jeito que ele está. "Você não pode pensar que eu lhes dei isso." Meu medo é substituído por indignação. "Quem mais poderia ter sido, Hannah?" Penso na briga que ouvi no dia em que saímos na oficina de Luke. Luke, Trent, eu e Ally. Minha boca se fecha. Ele realmente acha que eu fiz isso. "Isso é o que eu pensei." A expressão em seu rosto é de satisfação presunçosa, como se alguma parte dele estivesse apreciando o pensamento de que eu poderia ter estragado tudo. Como se eu tivesse provado que ele estava certo sobre tudo o que ele pensava sobre as mulheres o tempo todo. Eu agarro os braços da cadeira, tão forte que meus dedos ficam brancos. Eu me forço a manter meu nível de voz. "Eu não acredito que você pensaria isso de mim." "Eu não posso acreditar que fiquei tanto tempo sem pensar." As lágrimas estão finalmente começando a espetar meus olhos, apesar dos meus melhores esforços para mantê-las. Eu fico sentada, atordoada, incapaz de falar ou me mexer. Eu não posso acreditar que isso está acontecendo. Eu sinto como se estivesse


vendo um castelo de areia ser invadido por uma enorme onda, e não há nada que eu possa fazer para salvá-lo. É o sentimento mais impotente do mundo. "Eu acho que você deveria ir," diz Trent. Sua voz é fria, mas quando olho para cima, seus olhos estão tristes. Ele realmente acredita que fiz isso. Ele realmente acredita que eu o traí. Eu me forço a me levantar, mesmo que minhas pernas pareçam tão fracas quanto pequenos palitos de fósforo. Eu tento pensar em algo inteligente e cortante para dizer, algo que vai fazê-lo perceber o erro que ele está cometendo, mas tudo que posso fazer é balançar a cabeça. "Adeus, Trent."


Capítulo Quarenta e Três

Lovemail

> Bem Vindo ao Lovemail! Você tem 0 novas mensagens.


Capítulo Quarenta e Quatro

Trent

Meu telefone toca e uma onda de adrenalina corre pelo meu peito. Toda vez que ele toca, toda vez que meu e-mail vibra, eu me pergunto se vai ser ela. Hannah. Eu nem sei se quero ouvir dela. Sua traição cortou como uma faca, mas meu coração traidor - para não mencionar meu pau - ainda pulsa com o simples pensamento dela. Eu olho para o meu telefone e amaldiçoo quando vejo que é apenas o Luke. Ele tem me ligado sem parar nos últimos dois dias, mas eu não recebi as ligações dele. Eu não sei exatamente por quê - eu acho que não quero ouvi-lo dizer que eu te avisei. Depois que a matéria no Post saiu, o resto das resenhas chegou, rápido e furioso, todos falando sobre a merda da nova coleção. Como eu era um péssimo CEO,


arrogante demais para o meu próprio bem, cego pelos lucros, algemando o gênio criativo do meu irmão às custas de alguns poucos dólares. Eu queria dar um soco em alguém. Kevin Hartley seria um bom lugar para começar, mas francamente eu poderia ir para qualquer pessoa agora. Estou tão irritado que apunhalei o botão de resposta no telefone, então vou ter alguém para amaldiçoar. "O quê?" Eu lato. "Ei." Luke parece surpreso - provavelmente não estava esperando que eu respondesse dessa vez. "O quê?" Eu lati novamente. "Eu estava ligando para saber como você está." “Como você acha que estou indo, Luke? Estou escolhendo uma porra de roupa, já que o Post já está planejando o funeral da Loft & Barn.” "Sobre isso..." Ele faz uma pausa, como se estivesse tentando escolher suas palavras com cuidado. Finalmente, ele apenas suspira. “Você quer vir para a casa? Acho que é hora de conversarmos seriamente sobre o negócio.” "Sim,, eu digo, passando minhas mãos pelo meu cabelo e suspirando. "Sim, você provavelmente está certo."

Algumas horas depois, estou no Luke. Eu saio do SUV e ele sai da oficina para me encontrar. Sua testa franze imediatamente. "Cara, você parece uma merda."


Eu soltei uma risada trêmula. “Sim, me fale sobre isso. Eu também me sinto uma merda.” "Isso é tudo por causa do material do Post?" Hesito e sacudo a cabeça. “É a Hannah também. Eu terminei com ela.” Luke parece genuinamente surpreso. "Por quê? O que aconteceu?" Eu respiro fundo. Este é o momento que mais temi. “Ela foi quem falou com Kevin Hartley. Ela ficou chateada depois de me ver beijando Lara, e acho que ela achou que era uma boa maneira de voltar para mim.” O rosto de Luke parece horrorizado, e eu não posso dizer que o culpo, mas as primeiras palavras de sua boca me pegam de surpresa. “Você beijou Lara? Lara Bennington? Lara que fodeu metade da cidade. Bennington? Você é doido?” Balanço a cabeça, tentando entender por que é isso que ele está pensando quando eu acabei de dizer a ele que Hannah colocou toda a nossa empresa em risco. "Não, não foi assim. Ela me beijou e eu a empurrei, mas Hannah teve a ideia errada, e foi apenas...” Eu respiro fundo. "Foda-se, tudo é uma bagunça." "Vamos lá," diz Luke. "Vamos entrar. Eu acho que você precisa de uma cerveja.” Eu sorrio agradecido. "Sim. Isso soa bem." Nós vamos para a cozinha, que é abençoada com ar condicionado, e Luke pega duas garrafas de Lakeport da geladeira. Ele torce as tampas e me entrega uma, e eu tomo um longo gole, sugando metade da garrafa em um gole desesperado. "Eu prefiro um uísque, mas isso bateu no lugar," eu digo, tilintando o gargalo da minha garrafa contra a dele. Luke se senta à mesa na minha frente. Ele está pegando o rótulo de sua garrafa, algo que ele normalmente só faz quando está nervoso. Eu o observo por um minuto sem


dizer nada, imaginando o que ele tem que ficar nervoso. O silêncio se estende entre nós como um abismo. Finalmente Luke olha para cima. "Há algo que eu tenho que te dizer e não há maneira fácil de dizer isso, então eu só vou dizer isso." Ele faz uma pausa e meu estômago aperta. "Eu sou o único que conversou com o The Post." As palavras pairam sobre a mesa como um gás tóxico. "O quê?" Meus dentes estão cerrados e minhas mãos apertam o gargalo da garrafa com tanta força que eu estou com medo de esmagar o vidro escuro. Luke tem a decência de parecer envergonhado. “Eu estava com raiva de você. Sobre como você estava tratando a coleção. Eu queria que você visse que você estava cometendo um erro.” Eu me levanto da mesa tão rápido que minha cadeira voa para trás atrás de mim. “Você sabe o que você fez? Você colocou todo o nosso negócio em risco. Tudo pelo que trabalhamos, Luke. Todos esses empregos, todas aquelas pessoas...” Eu paro quando o impacto total de tudo acontecendo me atinge. E tudo porque

Luke teve seu ego machucado? "Eu sinto muito," ele está dizendo. "Eu não achei que isso explodiria tanto. Eu pensei que seria algo que eles colocariam em uma barra lateral em sua análise da coleção - apenas, você sabe, uma menção de que não tinha sido minha decisão ir nessa direção de design.” Ele parece muito triste, mas eu não consigo ver além da minha raiva. O que Luke fez é apenas... "Eu não sei se posso perdoar isso," digo a ele. Luke parece que eu dei um soco nele. Eu estou feliz - quero machucá-lo. É inacreditável que ele teria feito isso... quase tão inacreditável quanto quando eu pensei que Hannah tinha feito isso.

Hannah. Seu nome é como um soco em minhas próprias entranhas.


Eu a havia acusado - tão inflexível - de fazer isso. Parecia incrivelmente fora do personagem para ela, e agora eu sei o porquê. Eu preciso falar com ela. Agora. "Onde você está indo?" Grita Luke, mas eu já saí pela porta da frente. Eu posso ouvi-lo chamando para mim enquanto eu faço o meu caminho para o SUV, mas vou ter que lidar com ele mais tarde. Agora eu tenho que encontrar Hannah. Eu tenho que fazer isso direito. Eu aperto suas informações de contato no meu telefone, mesmo quando eu estou ligando o carro, mas ele toca e toca e depois vai para o correio de voz. Eu continuo tentando a cada dois minutos enquanto volto para a cidade e, em vez de dirigir para casa, vou direto para o apartamento dela. Eu rapidamente estaciono o carro bem na frente de seu prédio e corro para a porta. Eu toquei a campainha da sua unidade uma vez, duas vezes, três vezes. Não há resposta. "Deus, droga!" Estou tão zangado e frustrado agora, não mencionando preocupado que eu possa ter estragado as coisas com Hannah. Eu não posso acreditar que não confiei nela quando ela me disse que não havia falado com Kevin Hartley. Acho que é outra coisa pela qual posso culpar Lara - fazendo-me pensar que todas as mulheres eram indignas de confiança. Isso não é uma desculpa, e sei que a Hannah tem todo o direito de não me perdoar pela maneira como eu agi. Eu só posso esperar que ela pudesse ver além da minha idiotice. Eu interfono para o seu apartamento de novo, mas ainda não há resposta. Eu dou alguns passos para trás, para a calçada movimentada, e olho para cima, tentando ver se posso advinhar sua janela. Eu nem sei de que lado do prédio ela está. Eu solto um gemido de frustração, mas assim que eu volto para o meu SUV eu vejo uma figura familiar descendo a rua.


"Ally!" Minha voz é alta e as pessoas ao meu redor pulam. Ally para de surpresa e então começa a se aproximar de mim novamente. Ela tem algumas sacolas de compras empilhadas na parte de trás da cadeira - eu posso ver as sacolas de compras aparecendo por cima do ombro. "Eu preciso ver Hannah," eu digo a ela assim que ela está perto. Ela sacode a cabeça. "Eu não acho que ela quer ver você." "Por favor. Eu fodi horrivelmente. Eu tenho que explicar isso para ela.” Ally faz uma pausa, parecendo me considerar. Eu tento parecer o mais doce possível, para que ela esqueça que eu sou o idiota que provavelmente quebrou o coração da irmã dela. Finalmente, ela balança a cabeça novamente. “Ela não está em casa agora. Ela está passando seu currículo para todos os lugares da cidade.” Ela diz isso como se fosse uma piada pessoal, o que eu suponho que seja. Eu quero dar um soco em alguma coisa, mas a última coisa que eu preciso é que Ally diga à irmã que eu tenho um temperamento forte. Em vez disso, enfio os punhos nos bolsos e tento parecer o tipo de cara que você quer que sua irmã perdoe. "Você pode dizer a ela que eu vim?" Eu digo. "Vou continuar a tentar falar com ela ao telefone, mas se você puder informá-la, preciso falar com ela, isso seria ótimo." "Claro," Ally diz, embora sua expressão não ceda nada, e eu não tenho idéia se ela realmente vai fazer isso ou não. "Obrigado," eu tento dizer graciosamente. Ela vai para a frente do apartamento e aperta o botão para abrir a porta. Ela espera um segundo, mas nada acontece. "Cristo," eu a ouço xingar baixinho. "Não é essa besteira de novo." Ela pega a maçaneta da porta e tenta abrir a pesada porta de vidro enquanto manobra a cadeira em torno dela, mas o ângulo é muito dificil. "Aqui," eu digo, correndo para ajudá-la. "Deixe-me fazer isso para você."


"Obrigada." Ela não parece satisfeita em precisar da minha ajuda, mas parece não ter escolha porque me deixa segurar a porta para ela. "Você precisa de alguma ajuda para subir?" Pergunto. Ally revira os olhos. "Eu sou perfeitamente capaz de me locomover por conta própria," ela retruca. "Estou farta de todas essas coisas que não acomodam minha cadeira. Como esta porta estúpida. É tão grande e pesada que quando o botão não funciona - o que é praticamente pelo menos uma vez por semana - eu mal posso fazer a maldita coisa se mexer.” Ela estica o pé e chuta fracamente na armação de aço da porta. Eu realmente não sei como responder, então eu apenas aceno. “Isso é uma merda. Não é algo sobre o qual eu tenha pensado muito antes, mas sim, não somos muito receptivos a pessoas com necessidades ou habilidade diferentes.” Eu faço uma anotação mental para ligar para a empresa de administração de propriedades e ver se há algo que eu possa fazer para pressioná-los a consertar a porra da porta - porra, eu pagaria eu mesmo se isso tornasse a vida um pouco mais fácil para Ally e Hannah. "Bem," diz Ally, claramente pronta para se livrar de mim. "Eu vou dizer a Hannah que você veio." "Obrigado, Ally," eu digo. "Eu agradeço."

Eu tento ligar para a Hannah meia dúzia mais vezes naquela noite, embora, claro, ela não responda. Eu até penso em enviar-lhe uma mensagem através do Lovemail, mas sinto que isso é algo que eu tenho que dizer a ela pessoalmente. Gastamos muito do nosso relacionamento correspondente por e-mail, mas já passamos disso agora. Eu


preciso ver o rosto dela. Eu preciso que ela olhe nos meus olhos quando eu pedir desculpas, para que ela saiba como eu realmente sinto muito. Nos próximos dias, Hannah está constantemente em minha mente. Eu sinto falta dela como um louco, mas também me sinto tremendamente culpado pela tensão que ela deve estar sentindo. Não posso acreditar que deixei Charlene demiti-la, que estava tão disposto a acreditar no pior sobre ela. Eu tenho que devolver o emprego dela - ou o inferno, um trabalho ainda melhor - o mais rápido possível. Eu ainda não ouvi de volta dela. Nenhum um pio. Ela deve estar furiosa comigo - e eu não posso dizer que a culpo. Eu não vou me deixar acreditar que acabou - tem que haver uma maneira de corrigir isso. Eu ainda não falei com o Luke também. Ainda estou furioso com ele, mas quanto mais eu me sento com a ideia, mais consigo entender por que ele fez isso. As críticas terríveis continuaram a entrar na coleção, e nossas vendas estão caindo a um ritmo alarmante. A maioria de nossas lojas de distribuidores terceirizados de sempre está reduzindo seus pedidos, e as únicas pessoas que parecem interessadas na nova direção eram os grandes varejistas que prosperam em movimentos de alto volume a preços baixíssimos. Nós não construímos o Loft & Barn na empresa, é apenas para vender agora. Eu sacudo minha cabeça. Como eu consegui ver tudo tão errado? Hannah, Luke, Loft & Barn - Eu estraguei tudo. E tudo porque achei que tinha todas as respostas. Porque achei que era infalível. Porque eu pensei que era tão grande. Fico olhando pela janela da minha cobertura, observando Lake Shore e pensando no primeiro encontro real que eu fiz com Hannah, dirigindo por Lake Shore no meu SUV, puxando-a para o meu colo, afundando em sua linda boceta molhada. Deus, parece que foi há uma vida inteira. O céu está escuro agora, mas a cidade ainda é iluminada por milhares de luzes, as janelas de arranha-céus e carros, luzes de rua e luzes de parada e vitrines.


Eu pressiono minha testa no vidro da minha própria janela enquanto olho para a cidade. Eu me pergunto o que Hannah está fazendo agora? Ela está em casa? Assistindo televisão com Ally? Bebendo vinho e reclamando sobre o idiota que eu sou? Eu penso em Ally novamente e me pergunto se eles já consertaram a porta da frente do prédio deles. Eu ainda não liguei para a empresa de administração de imóveis, mas lembro-me de fazer isso amanhã. É o mínimo que posso fazer por eles neste momento. Eu imagino Ally tentando entrar no apartamento, lutando com aquela porta enorme, e sinto outra pontada de culpa pelo estresse que estou colocando nas duas. Lembro-me de levá-las para o lugar de Luke naquele dia, como elas estavam felizes em ver a oficina de Luke. Foi o dia perfeito, realmente, até que eu perdi a paciência com Luke sobre a coleção. E claro, Ally não sendo capaz de se sentar à mesa de piquenique conosco. Minha mente começa a se agitar. Levanto-me e ando pela sala de estar. Talvez haja uma maneira... uma maneira de consertar tudo. Coisas com a Hannah e com Luke e as coisas com a Loft & Barn. Uma maneira de fazer tudo certo, de uma vez por todas.


Capítulo Quarenta e Cinco

Hannah

Eu adiciono a garrafa vazia de vinho na pilha que está se acumulando na porta da frente, onde elas estão esperando para serem levadas para as lixeiras de reciclagem do prédio. Eu não saí do apartamento em quatro dias agora, exceto uma vez para ir à bodega na esquina para estocar bolsas de pizza congeladas e mais vinho. Ally tem sido a única a nos manter no caminho certo, na verdade chegando ao supermercado e certificandose de que eu comia pelo menos uma porção de vegetais por dia. Eu sou grata por sua atenção, mas é apenas outra maneira de me sentir culpada por dificultar a vida dela.


Volto para a cozinha e começo a puxar coisas para fora do armário - farinha, açúcar, fermento em pó, baunilha. Até agora, assar é a única coisa que me mantém saudável, mas Ally e eu não conseguimos acompanhar a quantidade que estou fazendo. Na verdade, eu dei alguns cupcakes para uns dos nossos vizinhos ontem à noite, mas eles olharam para mim como se eu estivesse secretamente tentando envenená-los. Ally entra e percebe o que estou fazendo. "Sem mais cupcakes," ela pede. "Eu não dormi em dois dias graças aos altos do açúcar." "Eu sinto muito," eu dou de ombros, abrindo um ovo e deixando-o deslizar na tigela. "Eu preciso de algo para tirar minha mente de todas essas coisas." "Então você ainda não falou com ele?" "Não. E eu não vou.” Ally morde o lábio e empurra a cadeira para mais perto. "Você sabe, ele pareceu realmente se desculpar quando esteve aqui no outro dia." "Bem, isso é o Trent. Ele pode fazer você pensar o que ele quiser.” Afinal, ele me fez

pensar que ele estava se apaixonando por mim, eu acho amargamente. Eu ainda não conseguia acreditar em como tudo estava fodido. Nós ficamos tão felizes até algumas semanas atrás. Na verdade, eu estava começando a pensar que isso poderia ser algo real. Que esta poderia ser a pessoa com quem eu queria passar o resto da minha vida. E então a festa de lançamento aconteceu. E então, de alguma forma, ele estava beijando sua ex, eu estava sem emprego, a Loft & Barn estava supostamente à beira da falência, e Trent estava me acusando de levar a roupa suja da empresa para o Post. Seria quase ridículo se não doesse tanto. Eu agito a massa mais ou menos, depois coloco um pouco de abacaxi em lata para variar. Ei, cupcakes de abacaxi são basicamente uma porção de frutas, certo?


Ally puxa a cadeira para a mesa e abre um caderno que ela estava trabalhando mais cedo. "Eu não sei se este é o melhor momento para falar com você sobre isso," diz ela hesitante. "Mas talvez não haja bons momentos, então..." "Apenas me diga," eu digo, mais bruscamente do que quero dizer. Eu paro minha agitação e viro para ela. "Eu sinto muito. Está bem?" "Bem, eu tenho trabalhado na matemática." Ela morde o lábio e olha para o caderno. “Se continuarmos gastando como atualmente, podemos fazer isso por cerca de três meses em nossas economias. Se reduzirmos significativamente as despesas diversas, cortar o cabo e talvez o telefone fixo, baixar para um telefone celular compartilhado, provavelmente poderíamos fazer cerca de seis.” Eu volto para a massa, mexendo distraidamente. Meu estômago está se torcendo em nós. "É isso aí?" "Sim." "Droga." Lágrimas começam a picar meus olhos. "Eu sinto muito," eu digo. “Eu estraguei tudo. Você deve me odiar.” "Eu não te odeio," diz Ally imediatamente. “Foi a melhor ideia dormir com seu chefe? Talvez não. Mas você tem trabalhado tanto por tanto tempo - você desistiu de tanto para me ajudar. Eu não culpo você por querer seguir seu coração pela primeira vez. Eu só queria que tivesse funcionado melhor.” Eu dou uma risada amarga. "Sim eu também." Começo a despejar a massa nas forma de bolinhos forradas, enquanto Ally e eu discutimos outras medidas de economia de custos. Espero que não chegue a isso tenho experiência suficiente no varejo e espero realmente conseguir algo nas próximas semanas -, mas é bom ter um plano, no entanto. E é bom estar trabalhando com a Ally, como um time.


Eu só estou colocando as forminhas de muffin no forno quando a campainha toca. Ally e eu nos olhamos. "Você está esperando alguém?" Eu pergunto a ela. Ela levanta as sobrancelhas. "Quem eu estaria esperando?" Ela diz sarcasticamente. "Você está?" "O mesmo," eu digo, igualmente sarcasticamente. “Você se importa de cuidar disso? Vou enxaguar essas tigelas.” "Claro." Ela vai até a porta e aperta o botão do intercomunicador. É tão alto que eu posso ouvi-lo crepitar mesmo na cozinha. "Alô," diz Ally, no alto-falante. "É Trent." Mesmo através do interfone, a voz é inconfundível. Meu estômago faz um salto triplo. "Hannah está aí?" Ally olha para mim com os olhos arregalados. "Devo deixá-lo entrar?" "Não!" Eu balancei minha cabeça freneticamente. Ela se volta para o interfone. "Ela não está aqui agora, Trent, desculpe." Há uma pausa e depois outro estalo. “Você deixou o interfone ligado. Ouvi você perguntar se você deveria me deixar subir.” Ally me olha de novo, uma risada nervosa escapando de seus lábios. Eu lanço minhas mãos para cima. "Bem. Eu vou dizer a ele pessoalmente que eu não quero falar com ele.” Há outro estalido. "Eu também ouvi isso," diz Trent. Em vez de responder, Ally apenas bate a campainha, que destranca a porta no andar de baixo. Um par de minutos muito curtos depois, há uma batida na porta do nosso apartamento.


A essa altura meu estômago se transformou em uma confusão de nós. Ally vai para o quarto dela para nos dar um pouco de privacidade, eu respiro fundo e abro a porta da frente. Eu respiro fracamente assim que o vejo. Ele parece tão bonito quanto sempre. Ele deve ter vindo do trabalho porque está usando um terno preto, uma camisa branca e uma gravata vermelha listrada. Sua presença na minha porta faz minhas pernas parecerem fracas, e há uma parte pequena e fraca de mim que quer simplesmente me jogar em seus braços e deixá-lo beijar toda essa angústia. Seu rosto se ilumina assim que ele me vê, mas não esconde o fato de que os olhos dele têm círculos escuros ao redor deles, e as linhas vincam os lados da boca. Para ser perfeitamente honesta, ele parece tão mal quanto me sinto. O pensamento me faz sentir estranhamente satisfeita e, triste como o inferno. "O que você quer?" Eu pergunto, dobrando meus braços. Eu me recuso a deixar meu coração mole tirar o melhor de mim. Eu preciso ser forte. "Eu tenho tentado ligar para você." "Eu sei." “Eu queria me desculpar. Por tudo isso. Por Lara, por não acreditar em você sobre a coisa do Post, por deixar você perder o emprego depois que eu prometi que você não iria.” "Essa é uma longa lista de coisas, Trent. Por que eu deveria te perdoar por qualquer um deles?” É tão difícil ficar na frente dele, mas eu me forço a fazer isso. Eu me forço a ficar forte, mesmo que o calor do seu corpo em frente a mim esteja me fazendo sentir vacilante. É incrível que eu posso continuar respirando quando ele está por perto, porque ele parece apenas queimar todo o oxigênio na sala. "Porque eu sou um idiota," diz ele, com um meio sorriso. "Mas pelo menos eu sei disso?"


Eu acho que estou sorrindo um pouco, apesar de tudo. Eu não quero ficar encantada com ele. Eu não. Mas ele torna isso tão difícil. "Você não precisa acreditar em mim," diz ele. "Mas eu vim para lhe dar isso." Ele puxa um notecard liso fora do bolso do paletó e entrega para mim. "O que é isso?" Eu não faço qualquer movimento para tirar isso dele. "É um convite," diz ele. "Pegue." Meu coração está martelando na minha garganta enquanto eu lentamente desdobro meus braços e estendo a mão para pegar o cartão que ele está segurando. Nossos dedos brevemente tocam e um choque de partes iguais de luxúria e mágoa percorre através de mim. Eu me ocupo olhando para o convite, para que eu não tenha que olhar para ele. Eu li o texto em confusão. “Uma festa de lançamento? Você já teve o lançamento do Loft & Barn para esta temporada.” "Estamos tendo outro." "Por quê?" "Só venha e você vai ver." Eu seguro o convite com cuidado, como se pudesse virar pó nas minhas mãos. Trent vê minha hesitação. "Você não precisa ser meu encontro nem nada. Apenas venha. E traga Ally. Há algo que eu quero que ela veja também.” Agora eu olho em interesse. Algo que ele quer que Ally veja? "Ah, vejo, agora você está intrigada." Trent sorri, e a visão disso faz meu coração vibrar novamente. "Ok," eu admito. "Estou um pouco intrigada." "Bom. Isso significa que você tem mais chances de vir, certo?”


"Vou pensar sobre isso." "Bom. Mas não pense muito, ok? Vá com seu coração neste.” Com isso, ele se inclina e deixa seus lábios encostarem contra os meus. Estou surpresa demais para afastá-lo e, em vez disso, deixo seus lábios ali, suaves contra mim, tão perfeitos e certos e confusos e complicados. Ele se afasta antes que eu possa decidir se quero ou não afastá-lo. Ele desaparece pelo corredor em direção ao elevador e eu fico lá na porta, tocando meus lábios e me perguntando o que diabos eu vou fazer agora.


Capítulo Quarenta e Seis

Hannah

“Tem certeza de que quer ir?" Ally está segurando sua bolsa e olhando para mim nervosamente. "Claro." "É só que... parece que você pode vomitar." Na verdade, eu meio que sinto que posso vomitar. Mas depois que Trent apareceu no nosso apartamento no outro dia com um convite para uma segunda festa de lançamento da Loft & Barn, minha curiosidade havia me dominado. Eu tinha que saber o que ele estava fazendo. Além disso, assim que contei a Ally sobre o convite, vi o modo como seus olhos se iluminaram. Já estraguei tudo para nós duas, acho que o mínimo que posso fazer é deixar que ela se divirta assistindo a uma festa real da Loft & Barn.


É por isso que estamos atualmente esperando em nossa sala de estar, olhando pela janela para o carro que Trent organizou para nos pegar. Eu não sei qual é o código de vestimenta, mas me recuso a usar esse vestido de ouro novamente. Desta vez eu estou usando um dos meus vestidos, um vestido roxo profundo que mostra minhas curvas. Eu normalmente acho um pouco sexy demais para uso regular, mas há uma parte de mim que quer fazer Trent comer seu coração esta noite. Eu quero que ele veja o que está perdendo. Eu não sei se vai funcionar - ou se eu realmente quero isso - mas me faz sentir melhor saber que eu pareço bem. "Bem, podemos apenas ir por um tempo," digo a Ally, forçando um sorriso. "Se for terrível, podemos sair." "Certo. E provavelmente vai ser terrível,” diz ela com uma risada. "Oh, quase definitivamente." Eu sorrio. "Como poderia ser qualquer coisa, mas?" Eu olho pela janela. “Merda, o carro está aqui. Eu acho que é isso.” A onda de náusea passa por mim novamente. "Não é tarde demais para mudar de ideia," diz Ally, oferecendo-me um último refugo para sair. Eu sacudo minha cabeça. "Foi tarde demais no dia em que cliquei pela primeira vez no estúpido perfil de Lovemail do Mister Bigshot." Ally parece confusa, mas eu apenas conecto meu braço com o dela e vamos até o elevador. Quando saímos do prédio e o motorista de Trent, Ted, nos cumprimenta. "Senhorita," diz ele, balançando a cabeça brevemente. Eu coro, lembrando do tempo que ele nos levou até Lake Shore enquanto Trent e eu fodemos no banco de trás. Eu realmente espero que a partição de privacidade seja tão à prova de som quanto o Trent afirmou. Ted ajuda Ally a entrar no carro. Não é o utilitário esportivo de sempre da Trent, mas um modificado semelhante ao que ele nos levou para a casa de Luke na última


vez, com uma rampa para cadeira de rodas. Bem, vou dar uma coisa ao homem - ele certamente pensa nas acomodações de Ally. Meu coração dá outra leve dor quando eu subo no carro ao lado dela. A festa é toda a saída na casa de Luke, que é a primeira vez para a Loft & Barn. De acordo com Ally, que seguiu suas mídias sociais religiosamente, esta é a primeira vez que Luke convidou a mídia para ver o workshop, e isso está criando um grande burburinho no mundo do design. A viagem até o lugar do Luke leva um pouco mais de uma hora - o tráfego é pesado e nos leva a ficar para fora dos limites da cidade. Ally e eu estamos quietas no banco de trás, ambas perdidas em nossos próprios pensamentos. O que eu vou dizer quando vir Trent de novo? Ele pediu desculpas por tudo, tecnicamente, mas como eu sei que posso realmente confiar nele? Eu quero que isso seja real para ele - tão real quanto tinha começado a sentir por mim. Eu não quero ser apenas a estúpida redatora júnior, ingenuamente trepando com o chefe. Eu olho pela janela enquanto a cidade se vira para os subúrbios e se voltam para os campos, e então finalmente estamos parando em frente à casa de Luke. Eu não estou mais perto de uma resposta. "Uau, está lotado!" Ally respira. Ela está certa - há centenas de carros, alinhados na entrada de carros de quase um quilômetro e alguns até estacionados na parte mais baixa do gramado. "Eu vou deixá-la mais perto da casa, senhorita," diz Ted por cima do ombro. "Obrigada." Eu estava com medo de empurrar a cadeira de Ally naquela longa entrada. Ted caminha lentamente até a casa, cercando carros e grupos de frequentadores de festas. "Oh meu Deus, lá está Sloane!" Eu pego a mão de Ally e aponto para a loira inconfundível no vestido azul, de pé no gramado de Luke, bebendo uma taça de


champanhe. Eu sinto uma onda de alívio ao pensar em ter uma amiga para conversar, até eu perceber que ela provavelmente ainda está chateada comigo. "Sua amiga do trabalho?" "Sim. O que ela está fazendo aqui? Eu achei que essas festas eram apenas para os caras das indústrias.” Ally dá de ombros, e nós duas continuamos examinando a multidão. Finalmente, Ted estaciona o carro e sai, deixando-me sair e depois ajudando Ally com a cadeira. Ele desaparece com o carro e então estamos sozinhas lá, em uma multidão de centenas. "Isso é loucura," Ally respira, olhando em volta e absorvendo tudo. "Realmente é." A multidão tem que ser pelo menos o dobro, provavelmente o triplo, da quantidade de pessoas que estavam na última festa de lançamento. A vibe toda é diferente também - aquela era muito mais formal e profissional, enquanto as pessoas realmente parecem estar se divertindo aqui. Há pessoas segurando jarros de vidro de algo parecido com limonada, e há música country saindo de alto-falantes que estão em algum lugar fora da vista. É mais como um piquenique gigante do que uma festa corporativa chique. Agora estou duplamente feliz por não ter usado o vestido dourado. Nós vagamos pela multidão. Perdi a visão de Sloane, mas há muitas outras pessoas que conheço no escritório. Não, Charlene, graças a Deus. Há um monte de móveis no gramado, incluindo cadeiras Adirondack com costas altas e ornadas, poltronas sexy e grandes mesas de piquenique octogonais em ricos bosques escuros. Ninguém está sentado em nenhum deles, mas as pessoas estão reunidas em torno delas conversando. Eu paro no meu caminho, agarrando o braço de Ally. "Eu sei o que é isso," eu digo, olhando em volta para as peças. "Esta é a nova coleção." "Oh meu Deus, você está certa."


Nós nos aproximamos, e com certeza, há pequenas placas ao lado de cada peça com descrições. Eu estou apenas me inclinando para ler o cartão na cadeira Adirondack quando eu sinto isso. Uma presença. Um calor. Trent. Eu giro ao redor. Meu coração já está zumbindo, flutuando como um beija-flor preso. "Oi," diz ele. Seus olhos castanhos brilham. "Oi." Minha voz é pouco mais do que um sussurro, mas de alguma forma eu sei que ele pode me ouvir, mesmo com o zumbido da multidão ao nosso redor. "Estou feliz que você veio," diz ele. Seu sorriso é quente e seu rosto parece... relaxado. Feliz. Embora haja uma nota de hesitação enquanto ele tenta ler minha expressão. "Eu também," eu digo finalmente, e ele relaxa ainda mais. "Então." Ele olha em volta, apontando para as peças espalhadas pelo gramado. "O que você acha?" "Eu acho fantástico." "Primeira coleção ao ar livre da Loft & Barn." “Eu absolutamente amo isso. Luke se superou.” "Acredite ou não, eu tive uma mãozinha nisso." "Você fez?" "Sim. Bem, eu meio que tive que compensar pela última vez - você sabe, quando eu praticamente destruí nossa marca. Vamos, quero te mostrar uma coisa. Traga Ally também.” Eu olho para Ally e dou de ombros em confusão, mas nós duas seguimos Trent até uma das mesas de piquenique octogonais.


"Isso é para você," diz ele para Ally. "Verifique isso - completamente ajustável." Ele levanta o assento em um dos lados e a coisa toda sai. Ele remove outra seção e depois se dobra sob o canto da mesa - fazendo uma abertura perfeita, grande o suficiente para caber uma cadeira de rodas. Ally olha para mim, seus olhos brilhando. Ela está rindo e chorando ao mesmo tempo. "Isso é... você fez isso por mim?" Ele balança a cabeça, um pouco envergonhado agora. "Sim. Para você, para sua irmã, para toda a empresa. Percebi que estava tentando nos destacar pelas razões erradas - e que talvez a melhor maneira de conquistar nossa fatia do mercado fosse criar algo que realmente trouxesse valor à vida das pessoas.” Ally estende a mão e aperta minha mão, e quando eu olho para baixo, vejo as lágrimas em seus olhos. Eu pisco de volta uma par da minha própria. Trent está sorrindo hesitante, como se ainda não tivesse certeza de como vou responder. Ele parece tão bonito, parado ali no sol do início da noite, e seu rosto parece tão aberto e esperançoso, que não tenho escolha senão jogar meus braços em volta do pescoço dele. "É lindo," digo a ele. "A mesa e o sentimento." Nós nos abraçamos por um longo tempo, e a sensação de seu corpo rígido pressionado contra mim me faz sentir fraca nos joelhos novamente. Ele sente tão familiar, tão quente, tão seguro. E a protuberância que está crescendo entre nós, o amortecimento entre minhas próprias pernas, também é familiar, só que não é quente e segura, mas deliciosa e perigosa. Eu tenho que me forçar a me afastar. "Obrigado por nos convidar," eu digo educadamente. "Foi muito gentil da sua parte."


Eu começo a me afastar, mas Trent estende a mão e agarra a minha mão. "Jante comigo." Não é uma pergunta, mas um comando, e embora eu queira ser forte e dizer não, posso me sentir desconcertada. Não ajuda que Ally esteja olhando para mim como se eu estivesse louca por tentar me afastar do homem que construiu para ela uma maldita mesa de piquenique. O rosto de Trent está implorando, mas, como de costume, é rápido se transformar em um sorriso. "No L'Amour?" Ele cutuca. "Vamos lá - talvez nós finalmente vamos conseguir desta vez. A terceira vez é um charme, certo? Não é isso que eles dizem?” "Eles dizem isso," murmuro, incapaz de manter a sugestão de um sorriso do meu próprio rosto. Mesmo que Trent me machucou, ele está claramente tentando acertar as coisas, e o mínimo que posso fazer é deixá-lo. "Certo," eu digo finalmente, para o deleite de Ally, que praticamente bate palmas de alegria. Trent parece muito feliz também, porque o sorriso arrogante se derrete em um sorriso genuíno. "Ótimo. Isso é ótimo, Hannah. Obrigado." Trent tem que ir falar com um par de repórteres, então Ally e eu nos despedimos e encontramos a mesa de bebidas. Nós nos ajudamos a pegar mini-jarras de vidros recheadas com limonada e mordiscar sanduíches de pepino. Eu só estou pensando que devemos sair quando Luke chega. "Você conseguiu!" Ele diz, me dando um abraço e depois se inclinando para abraçar Ally também. "O que você acha?" "É fantástico," Ally diz, antes que eu possa dizer uma palavra. Luke sorri. “Eu acho que vocês inspiraram Trent. Eu não sei o que você fez, mas eu sou aquele que deveria estar te agradecendo. Loft & Barn está finalmente de volta.” "Oh, nós não fizemos nada," eu digo, envergonhada.


"Eu não teria tanta certeza disso, Hannah," diz Luke com um sorriso gentil. “Eu acho que você fez alguma coisa. Eu conheço Trent há muito tempo - bem, toda a nossa vida, se você quer ser específica - e eu nunca o vi assim antes. Nunca." Eu engulo um pedaço de algo que é parte medo e parte esperança. Mas o Luke não terminou. “Trent sempre foi... bem, meio que um idiota, se estamos sendo honestos. Mas ultimamente ele tem pensado mais fora de si mesmo. Essa coleção toda? Isso não teria acontecido há um ano. Eu acho que ele finalmente está pronto.” Um nó está se formando na minha garganta. "Pronto para o quê?" Eu pergunto, minha voz mal acima de um sussurro. Luke não responde embora. Ele apenas sorri magnanimamente e acena para Ally e eu, e então se afasta. Eu não consigo olhar para a minha irmã, mas sinto que ela me cutuca na coxa. "Você tem que dar a ele outra chance, Hannah." Não há espaço para discussão em sua voz, e eu me encontro assentindo lentamente. Ela é minha irmã mais velha, afinal. "Sim," eu digo baixinho. "Eu acho que eu tenho."


Capítulo Quarenta e Sete

Hannah

Na quinta-feira, encontro o Trent no L'Amour. Há uma recepcionista diferente trabalhando desta vez, e eu me sinto como uma pessoa diferente também, enquanto eu a sigo através do restaurante até a pequena mesa de canto onde Trent está sentado. Quão nervosa eu estava na primeira vez que vim aqui, sabendo que estava prestes a conhecer o Mister Bigshot. E fiquei chocada ao ver Trent Whittaker sentado lá. Ainda me lembro do jeito que eu saí daqui, cambaleando em meus sapatos, entrando em um táxi e chorando o caminho todo para casa.


Desta vez ainda estou nervosa, mas por razões completamente diferentes. Eu sei que Trent me pediu para vir aqui para que ele possa se desculpar, mas eu ainda não sei o que vou dizer. Eu estava pronta para dar uma chance real? Ele estava? Ele se levanta assim que me vê se aproximar da mesa, parecendo quente como o inferno em um terno cinza escuro. Ele não tem gravata desta vez, e o colarinho da camisa está desabotoado, revelando uma pequena V de seu peito musculoso. Eu posso distinguir apenas algumas linhas fracas da tinta azul que cobre seus peitorais. "Você está linda," diz ele, beijando-me suavemente ao lado da boca. Estou usando o mesmo vestido preto que usei nas duas vezes em que tentamos vir para L'Amour e Trent sorri quando percebe isso. "Ei, você disse que a terceira vez é um charme, certo?" "Espero que sim," diz ele. Seu sorriso se estende por seu rosto, mostrando os dentes perfeitos. “Espero que você não se importe, tomei a liberdade de nos pedir uma garrafa de Beaujolais. Eu tomei na primeira vez que estive aqui, e acho que você vai gostar.” "Isso é adorável, obrigado," eu digo, deslizando para o assento em frente a ele. O restaurante está lotado, mas estamos escondidos em um canto tranquilo. Trent me serve um copo do vinho tinto claro que já está na mesa. Eu tomo um gole ele estava certo, é delicioso. "Então, a nova coleção parece estar indo bem," digo, para quebrar o silêncio. A cobertura foi ininterrupta - em parte porque era tão incomum que uma empresa fizesse uma reviravolta antes que a coleção caísse, e em parte porque os críticos estavam devorando a nova linha externa. Trent acena com a cabeça. "Sim, acho que é seguro dizer que é um grande sucesso. Luke fez um trabalho fantástico.” "Não foi só o Luke," eu lembro a ele. "O que você fez... por mim, por Ally - bem, ninguém nunca fez nada assim para nós antes." Um pequeno sorriso cruza seus lábios. "O que posso dizer, você me inspira."


Um arrepio percorre-me. Eu não acho que eu já tenha inspirado alguém antes - na verdade, passei muito tempo pensando que nunca iria. E aqui está o homem mais bonito, sexy e bem-sucedido que eu já conheci me dizendo que isso é o que eu fiz para ele. Eu tomo um gole de vinho, apenas para acalmar meus nervos. "O que você está fazendo com a primeira coleção, aquela que você descartou?" “Bem, felizmente fomos capazes de interromper a produção antes que muita coisa fosse feita. Mas nós estamos doando tudo o que foi criado - não é o mobiliário mais bonito do mundo, mas é funcional, então organizamos para que ele seja destinado a um projeto de moradia comunitária. E nos comprometemos a fazer o acompanhamento com uma doação igual da nova linha, quando ela estiver pronta. Achei que alguém poderia se beneficiar do meu erro.” "Isso é muito gentil de sua parte," eu digo, honestamente. "Sim, bem." Eu olho para ele surpresa. "Você está corando, Sr. Whittaker?" Trent sorri. "Continue me chamando de Sr. Whittaker e eu vou fazer mais do que corar." Um calor pulsa através de mim, e eu estou de volta no momento, para este homem lindo sentado do outro lado da mesa. Nós somos interrompidos pela chegada do garçom, que veio receber nossos pedidos. Ainda não tivemos tempo de olhar para o cardápio, então Trent apenas pede que ele nos traga qualquer que seja sua especialidade. "Eu não posso acreditar que finalmente chegamos aqui," eu admito, olhando ao redor do restaurante uma vez que o garçom deixou a nossa mesa. "Eu sei. Eu não posso acreditar que nós chegamos aqui também.”A voz de Trent é séria, e ao invés de olhar ao redor do restaurante, ele está olhando diretamente para mim.


"Trent," eu digo, respirando fundo. Eu tenho que dizer isso antes de perder a coragem. "Realmente me machucou que você não confiou em mim. Eu nunca teria...” "Você está certa," ele interrompe. Eu paro fria. "Eu estou?" Eu não esperava exatamente que ele cedesse tão facilmente, mas Trent já está assentindo. "Você está absolutamente certa. Eu deveria ter confiado em você. Eu deveria ter acreditado em você quando você disse que não foi você que foi ao Post. É só que... bem, eu não estou acostumado a confiar em pessoas. Digamos que a confiança não te leva muito longe no mundo dos negócios.” "Sim, bem, isso é crucial nos relacionamentos," eu indico, tomando um longo gole e drenando o resto do meu vinho. "Eu sei. É por isso que fiz uma lista.” "Uma lista?" Eu enruguei meu nariz em confusão. Que tipo de lista ele fez? Parece que não vou receber uma resposta imediatamente. Nossa comida chega, e o pato ao vinho na nossa frente parece tão delicioso que nós dois comemos. "Mmm," eu digo, engolindo minha primeira garfada. "Vale a pena esperar." Comemos em relativo silêncio, parando apenas de vez em quando para reclamar do quanto a comida é boa. Não é até os nossos pratos serem removidos que eu trago o assunto de novo. "Então... uma lista?" Trent sorri e alcança algo aos pés dele. Quando ele se senta, ele tira um tablet da pasta. Ele bate um par de vezes antes de olhar de novo para mim. "É uma lista de todas as coisas que eu nunca contei a ninguém antes. Coisas que ninguém conhece além de mim... e agora você. Para que você possa ver o quanto eu confio em você. Vou precisar de algo mais forte que o vinho para isso.” Ele larga o tablet por um segundo e ergue a mão para chamar a atenção do garçom. Quando ele chega à nossa mesa, Trent pede um uísque duplo, puro. Balanço a cabeça


quando o garçom se vira para mim, querendo que ele vá embora para que eu possa ouvir o que Trent tem a dizer. No entanto, ele não começa até o garçom voltar com sua bebida. Em seguida, ele enche meu copo de vinho e toma um longo e, profundo gole fortificante do uísque. Ele abaixa o copo e pega o tablet novamente, finalmente pronto. "Quando eu tinha sete anos, usei o barbeador elétrico do meu pai para tirar todo o cabelo das costas do nosso cão da Pomerânia." Suas palavras me pegam com tanta surpresa que quase espirro vinho pelo nariz. "Você fez o que?" "Eu não acabei. Eu a depilei e depois disse aos meus pais que Luke fez isso. Até hoje minha mãe ainda o culpa pelo infame dia do Mullet7 do Sparky.” Eu coloquei minha mão na frente da minha boca e ri. Eu posso apenas imaginar o quão fofo Luke e Trent eram quando eram meninos. "Luke sabe que foi você?" Ele sacode a cabeça. "Ele tem suas suspeitas, tenho certeza." "Bem, seu segredo está seguro comigo." "Eu sei que está. Porque confio em você.” Ele enfatiza a palavra confiança e me lembro do objetivo desse pequeno exercício. "Ok, este próximo não é bonito," continua ele. “Quando eu tinha dezesseis anos, pedi a uma garota para ir ao baile comigo, mas eu a larguei no meio da noite para me encontrar com outra garota.” "Oh, Trent." Eu balancei minha cabeça. "Eu sei. Eu era um idiota. Um idiota estúpido, adolescente e com tesão. Eu me senti mal sobre isso depois. O segredo do acompanhamento é que enviei flores anônimas para ela há cinco anos - imaginei que poderia aguentar um pouco o meu carma. Ela estava felizmente casada com dois filhos até então, no entanto.” 7

Corte de cabelo


Eu ri. “Você enviou uma mulher casada flores anônimas? Espero que o marido dela tenha entendido.” Seu rosto empalidece. "Oh Deus. Eu nunca pensei nisso. Acho que meu carma ainda precisa de algum trabalho.” Ele balança a cabeça e se volta para o seu tablet. Ele limpa a garganta. "Demitir meu irmão é um dos maiores arrependimentos que tenho." “Seu irmão… Jace? Aquele que mora em Nova York?” Ele concorda. "Sim. Ele costumava trabalhar para nós, e ele estragou tudo. Grande momento. Mas eu ainda não deveria ter demitido ele - ou eu deveria ter encontrado uma maneira melhor de fazer isso. Ele é da família e família merece melhor.” Trent toma outro gole de uísque quando eu torço meu guardanapo. É estranho vê-lo tão vulnerável - mas isso me lembra de todos os e-mails que usamos para trocar, todas as formas que compartilhamos nossas almas antes mesmo de nos conhecermos. Eu sempre soube que esse lado de Trent estava em algum lugar. Ele apenas manteve enterrado a maior parte do tempo. "Esta próxima coisa é algo que eu jurei que eu levaria para o túmulo comigo," diz Trent, voltando-se para o seu tablet. Eu posso vê-lo se endurecendo, a maneira como ele coloca seus ombros e endurece sua mandíbula. "Você sabe que Lara e eu terminamos porque ela estava me traindo," ele começa. “Mas o que ninguém mais sabe é que eu realmente a peguei. Eu tive que passar pelo nosso apartamento no meio do dia para pegar algo que eu tinha esquecido, e eu a peguei na cama com o editor do Design Times. A revista onde ela trabalha agora.” Eu bato minha mão na minha boca. "Isso é horrível." Seu rosto é sombrio. "Isso foi. Eles nem pararam de foder. Ainda me lembro disso. Ela estava em cima dele, e ela apenas se virou para olhar para mim, com o pau dele ainda dentro dela, e me pediu para fechar a porta. Quando eu não fiz, ela revirou os olhos e disse: ‘Vamos lá, querido. É apenas negócios.’ Apenas negócios. Você acredita nisso?”


Sua expressão é tão dolorosa que tenho que atravessar a mesa e segurar sua mão. "Isso é…. ela é apenas… Que ser humano horrível.” "Ela era. É por isso que você tem que entender que aquele beijo que você viu não era eu. Foi assim que Lara acha que você deveria fazer negócios. Ela não se importa com quem ela usa ou com quem ela se machuca no processo. Me deixa doente." Eu finalmente acredito nele. Vê-los beijar aquela noite na festa de lançamento tinha me arrasado, mas sempre pareceu tão fora do personagem para Trent que eu me vi duvidando do que tinha visto. Agora eu sei que meu instinto estava certo. Trent pode fingir ser um bad boy, mas no fundo, ele realmente é um dos mocinhos - ele definitivamente provou isso esta noite. Eu ainda estou segurando a mão de Trent na mesa. Com a outra, ele está segurando o tablet, mas agora ele o coloca na mesa ao lado de seu copo. Ele alcança sua mão agora livre sobre a mesa para segurá-la sobre a minha. "Eu só tenho mais uma coisa," diz ele. "Mais uma coisa para lhe dizer." Sua voz está rouca agora, pegando em sua garganta. Eu olho para o rosto dele. Seu lindo rosto. Seus olhos são claros e confiantes e seu sorriso é suave. Eu sinto uma vibração no meu estômago e me pergunto se esse sentimento nunca vai embora. Eu prendo minha respiração esperando por ele falar. Trent respira fundo. "Eu te amo, Hannah." A agitação surge em um tufão, uma onda de calor que me cobre como água. Minha respiração sai em um whoosh e Trent ri. "Você está sorrindo. Isso deve ser bom, certo?” "Eu estou?" Eu toco minhas bochechas e, com certeza, elas estão amontoadas em um sorriso largo e bobo. "Eu acho que estou," eu rio. “Então espero que seja um bom sinal. Olha, Hannah, sei que fiz tudo errado. Eu sei que você estaria bem dentro do seu direito de me dizer para ir embora e ir embora agora mesmo. Mas tudo o que estou pedindo é uma chance. Você me faz querer ser


uma pessoa melhor, e espero que, se ficar por muito tempo, eu possa provar isso para você.” Suas palavras estão me fazendo derreter em uma pequena piscina na cadeira de jantar coberta de seda. Trent é tudo que eu sempre sonhei, e então algumas mais, e as palavras que ele está dizendo para mim agora estão me atingindo bem na parte mais suave do meu coração, a parte que, por tanto tempo, eu tentei fingir que não existir. "Eu também te amo." "Você faz?" Os olhos de Trent se iluminam, seu sorriso se aprofundando. "Claro que eu faço." Nós olhamos um para o outro do outro lado da mesa por um minuto, uma conexão sem palavras se aprofundando entre nós. Nossas mãos ainda estão ligadas, e a sensação de seus dedos entre os meus parece como toda a segurança que eu sempre precisei. Eu sei agora que Trent nunca vai me machucar, que ele fará tudo o que puder para cuidar de mim. "O que você acha de nós saímos daqui?" Ele diz finalmente. "Eu diria que gostaria muito disso."


Capítulo Quarenta e Oito

Hannah

Alguns minutos depois, estamos em frente ao L'Amour, esperando que Ted chegue com o SUV. Trent ainda está segurando minha mão - na verdade, ele não soltou o tempo todo, não quando ele estava mandando mensagens para o motorista ou quando estava pagando a conta. Agora ele me vira e pressiona minhas costas contra o tijolo frio do prédio. "Eu realmente quero beijar você," diz ele, sua voz rouca. "Mas eu vou esperar até estarmos no carro. Porque uma vez que eu comece a beijar você, não vou parar.” Tudo o que posso fazer é concordar com a cabeça. Nossos rostos estão a poucos centímetros um do outro, e eu posso sentir sua respiração quente na minha pele. Meus lábios se separam e eu os lambo involuntariamente, fazendo Trent gemer.


"Você está tentando me torturar?" Ele sorri. "Isso parece um pouco como tortura, não é?" Eu sussurro, meus lábios ainda tão perto dos dele. “Realmente sim. Onde está esse maldito carro? Eu vou ter que despedir o Ted.” Eu dou risada. "Não demita o Ted, por favor." Ele sorri. "Oh, não se preocupe, eu realmente não vou. Ele sabe quase tanto sobre mim quanto você. Eu tenho medo que Ted e eu vamos envelhecer juntos.” Eu rio de novo, mas paro quando vejo o carro preto estacionar na frente do restaurante. "Eu acho que nosso carro está aqui." Trent suspira. “Obrigado porra. Porque se eu tivesse que esperar mais um minuto para te beijar - bem, vamos apenas dizer que provavelmente nunca seremos bemvindos de volta a L'Amour.” Trent segura a porta de trás do SUV aberto para mim e eu entro, ciente de que provavelmente estou mostrando minha calcinha para ele quando faço. Percebo que a partição de privacidade já está fechada quando Trent se acomoda ao meu lado e fecha a porta. Ele está em mim antes mesmo de o carro sair do estacionamento. Sua mão desliza pela minha bochecha e vira meu rosto para o dele. Ele olha nos meus olhos por um momento - um longo momento, um momento que diz tudo - e então ele está me beijando. É tão bom beijá-lo novamente que eu me derreto contra ele instantaneamente. Seus lábios são ásperos e frenéticos, e sua língua explode pelos meus lábios, forçando minha cabeça para trás contra o assento de couro enquanto ele acaricia o interior da minha boca com a língua. Suas mãos vão para o meu cabelo, soltando minhas mechas da pequena torção que eu fiz. Quando meu cabelo cai ao redor dos meus ombros, ele agarra-o em seu punho, puxando. Um pequeno gemido escapa dos meus lábios e Trent ri.


“Não há como ser legal agora, querida. Isso virá mais tarde, quando voltarmos ao meu apartamento. Agora eu vou te foder do jeito que o Mister Bigshot queria foder a SweetVixen. Duro, rápido e tão bom que dói. Você quer isso?” Eu gemo novamente. "Isso não é uma resposta, Sweet." "Sim. Sim, Trent.” Ele envolve seus braços em volta da minha cintura e me puxa para ele. Eu posso sentir o calor do seu corpo contra mim e deixo minhas mãos se espalharem contra seu peito enquanto tento recuperar o fôlego. Meus dedos vagam desajeitadamente pelos botões de sua camisa enquanto tento abri-los. Eu preciso ver seu corpo bonito e duro como uma rocha. Quando seu peito está exposto eu corro meus dedos sobre ele novamente, acariciando as bordas de sua tinta, roçando seus mamilos com minhas unhas, tirando um gemido do fundo de seu peito. Mas Trent não está com disposição para provocações. Ele puxa meus quadris novamente, me puxando ainda mais para perto dele e, em seguida, me empurrando para baixo, de modo que minhas costas estão contra o assento de couro. Ele se ajoelha sobre mim e pega seu cinto, abrindo-o apressadamente e, em seguida, empurrando as calças para baixo sobre os quadris para libertar seu pau. Ele avança ansiosamente, tão grande e duro e magnífico como eu me lembrava. Ele envolve seu punho em torno dele e acaricia, me olhando com tal luxúria e adoração que me faz contorcer. "Levante o seu vestido," diz ele. Minhas mãos se movem instantaneamente para a bainha do meu vestido e então eu estou empurrando-o sobre as minhas coxas. Ele olha para a tira de renda preta que estou usando. "Bonita," ele reconhece. "Mas ela está no meu caminho. Tire."


Sem fôlego eu empurro as bordas da tanga para baixo sobre meus quadris. Trent se estende e eu levanto meu traseiro enquanto ele as arranca. "Isso é melhor," diz ele, deixando cair no chão. "Abra suas pernas." Eu mantenho uma perna no banco, joelho inclinado, mas deixo meu outro pé cair no chão, espalhando minhas pernas o máximo que posso para que minha boceta fique completamente exposta a ele. Eu já estou molhada, eu sei, e meu coração lateja em antecipação enquanto ele olha para mim. "Toque-se," diz ele. "Trent..." Eu mordo meu lábio. Minha pele está em chamas, tanto com luxúria quanto embaraço. "Faça." Ele ainda está segurando seu pau, acariciando-o mais rápido agora, com mais necessidade, e o desejo ardente em seus olhos é todo o que eu preciso. Eu deixo minha mão descer e separo minha fenda. Meus dedos deslizam facilmente pelas minhas dobras e eu uso meu dedo médio para fazer círculos suaves ao redor do meu clitóris roliço. Eu ainda estou mordendo meu lábio, mais forte agora, como eu me agrado. "Use sua outra mão também," ordena Trent. Sua voz é rouca na parte de trás do carro. "Eu quero que você se foda com os dedos." Desta vez eu não protesto. A maneira como ele está olhando para mim é tão quente, e minha buceta está apertando em torno de nada, ansiando por algo para segurar. Eu deixei minha outra mão correr lentamente pelo meu corpo, passando pelos meus seios primeiro e então finalmente mergulhando abaixo da minha cintura. Eu inclino minha mão e mergulho dois dedos tão fundo dentro de mim quanto eu posso. "Oh Deus," eu gemo, arqueando meus quadris. Trent ainda está me observando atentamente enquanto eu uso uma mão para esfregar meu clitóris e a outra para me penetrar. "Oh Deus," eu gemo novamente, minha respiração ficando forte e rápida.


"Porra, você é tão sexy," diz ele. Suas pupilas estão dilatadas agora, seu pênis totalmente ingurgitado e pingando pré-sêmen. "Isso é bom?" Eu concordo. "Seria ainda melhor se fosse o seu pau em vez dos meus dedos." Trent geme e se inclina sobre mim. Seu rosto está perto do meu agora, e ele arrasta sua língua em meus lábios. Ele ainda está segurando seu pau em seu punho e ele esfrega sobre minha buceta para que meus sucos se misturem com os dele. Quando ele esfrega a cabeça do seu pau sobre o meu clitóris, eu tremo. "Por favor, Trent," eu sussurro. Ele sorri e, em seguida, ajusta seu pau para que ele esteja na minha entrada. Meu corpo já está apertando em antecipação, querendo puxá-lo profundamente dentro de mim. Ele desliza de maneira devastadora, meticulosamente lenta. Cada centímetro se sente como partes iguais de tortura e felicidade. Minha respiração está chegando em respirações curtas, mas Trent mantém-se firme acima de mim e continua seu lento impulso para frente. Com cada centímetro ele me alonga mais, e com cada centímetro meu corpo se aproxima mais do clímax. Quando ele finalmente está dentro de mim, ele para. Suas mãos ainda estão do lado do meu rosto, descansando seu peso sobre os cotovelos de cada lado de mim, e ele se inclina para me beijar novamente. Eu devoro seus lábios. Meu corpo está tremendo, apenas segurando ele dentro de mim. "Eu te amo," ele diz novamente. Suas palavras são pouco mais que uma respiração contra meus lábios. "Eu também te amo," eu respiro. Meu peito está doendo e minha pélvis está apertada e percebo que estou prestes a gozar. Eu só tenho tempo suficiente para agarrar seus quadris, segurando-o no lugar enquanto meus quadris arqueiam e balançam. Eu grito seu nome enquanto meu corpo balança gozando.


Trent parece espantado e excitado, mas ele se mantém firme enquanto eu aperto em torno dele. Quando a onda finalmente passa, eu solto meu aperto em seus quadris e suspiro. "Isso foi realmente muito gostoso," diz ele, roçando os lábios na minha testa. "Sim." Eu olho em seus profundos olhos castanhos, os olhos que eu acho que eu quero gastar para sempre olhando. "Mas eu ainda realmente quero que você me foda." Ele sorri. "Com prazer." Trent começa a mexer os quadris, gentilmente a princípio, mas depois com maior urgência. Logo ele está batendo o pau dentro e fora da minha boceta apertada e estou me sentindo com um segundo orgasmo. Suas mãos fazem o seu caminho no meu cabelo novamente, puxando apenas com força o suficiente para enviar arrepios no meu pescoço. Eu sinto seu pau tenso e duro dentro de mim, e eu aperto minha boceta mais apertada ao redor dele, querendo que ele prove o mesmo prazer que eu tive anteriormente. Leva apenas alguns segundos antes de sua respiração pegar e ele bater seus quadris, uma, duas, três vezes, derramando tudo em mim. A sensação é suficiente para me empurrar pela borda pela segunda vez. Eu agarro seus quadris novamente, forçando-o tão fundo dentro de mim quanto eu posso levá-lo, e então meus quadris balançam debaixo dele. Eu mordo seu ombro para não gritar novamente. Quando eu finalmente paro de tremer, eu olho para ele. O olhar em seu rosto é de puro prazer, e ele morde meu lábio inferior. "Aquilo foi…" "Sim," eu digo novamente. Eu traço a linha de uma das tatuagens que alinham seu peito. "Eu estava pensando em algo que você disse no restaurante." "Oh?" Ele levanta as sobrancelhas.


"Sim. Você disse que fez tudo errado quando estávamos namorando. Mas...” Eu paro, sorrindo para ele. "Sim?" Ele ainda parece curioso. "Eu diria que você fez algumas coisas direito. Na verdade, eu diria que você fez algumas coisas muito, muito bem.” Trent ri, descansando todo o seu peso em cima de mim enquanto me beija novamente. "Estou feliz que você pense assim," diz ele. "Porque eu poderia passar a vida inteira fazendo isso." "Eu também." Ficamos ali por um minuto, recuperando o fôlego e tentando voltar para a terra. Eu me vejo pensando em algo que Sloane disse uma vez, quando eu estava contando sobre Matt, o ex que disse que eu era chata e sem paixão.

Se você não era apaixonada, porque ele não fez você se sentir apaixonada, ela disse. Eu realmente não acreditei nela na época, mas agora, ver quem eu sou, quem eu posso ser, com Trent, me faz perceber que ela estava certa. Porque Trent me faz sentir como se eu praticamente vazasse paixão. Ainda melhor, ele me faz sentir como se eu pudesse ser todas as partes diferentes de mim mesma. Que eu posso ser sexy e doce. Que eu posso ser SweetVixen e Hannah Cole. Afinal, talvez elas fossem a mesma pessoa o tempo todo. Eu me enrolo no braço de Trent e olho pela janela enquanto dirigimos. Um sorriso cruza meu rosto quando vejo que estamos descendo a Lake Shore Drive novamente. Assim como da última vez. E assim como a fantasia. Eu aperto a mão de Trent e suspiro alegremente.


Capítulo Quarenta e Nove

Lovemail

Olá Mister Bigshot: Você excluiu sua conta com sucesso. Lamentamos ver você ir! Desejando-lhe o melhor em todos os seus esforços românticos, Equipe Lovemail


Epílogo

Hannah Seis meses depois

Olho ao redor do escritório e puxo nervosamente a camisa azul-clara que estou usando. Ainda parece estranho estar aqui - afinal, isso costumava ser o escritório de Charlene. Quando Trent me ofereceu esse emprego pela primeira vez, resisti. Claro, era o emprego dos meus sonhos, mas não parecia certo aceitar o trabalho dessa maneira. Mas Trent insistiu. Ele transferiu Charlene e Jim para a gerência de varejo - manuseando cartazes e displays em todas as lojas de varejo, o que significava que quase nunca estavam no escritório e, quando estavam, não estavam nem perto da área do catálogo. Além disso, Trent disse que queria ter a minha ideia de mostrar mais do trabalho nos bastidores do catálogo - fotos e histórias da oficina, planos e imagens de progresso


das peças em que Luke estava trabalhando. Realmente vende a ideia da Loft & Barn como uma empresa de móveis artesanais, como forma de distingui-la de seus concorrentes. Desde que foi minha ideia começar, Trent disse que não confiava em ninguém para dar vida à visão. Eu finalmente aceitei, mas apenas sob a condição de não me reportar diretamente a ele. Isso pareceu uma má ideia para o nosso relacionamento, assim como para a minha carreira. Em vez disso, eu me reporto a Richard Carrier, o principal estrategista de marketing de longa data. Ele é tão veterano que o fato de eu estar em um relacionamento com o chefe não o perturba e ele não tem escrúpulos em me chamar a atenção quando estou fazendo algo estúpido. O que é realmente o que eu queria quero aprender enquanto estou aqui. Eventualmente, eu mudarei para uma nova empresa - algo que dará a Trent e eu mais separação - mas, por enquanto, vou aproveitar tudo que puder dessa oportunidade. Há uma batida na porta do meu escritório. "Ei!" Eu digo com alívio quando Sloane aparece. "Já é hora do café?" Ela sorri. “Querido Deus, sim. Estou morrendo. Eu tenho uma pergunta rápida sobre a nova seção primeiro.” "Claro, pegue um assento." Sloane senta e conversamos sobre o plano para a seção externa do catálogo. Com Jim fora, eu precisava de um novo editor de seção e Sloane era a escolha óbvia. Nós felizmente fomos capazes de consertar as coisas depois que eu contei tudo sobre Trent. Quando ela percebeu que estávamos realmente apaixonados - e que eu não estava apenas fodendo com o chefe para sair na frente - ela me perdoou por ficar longe dela. Se alguma coisa, nossa amizade ficou mais profunda nos últimos seis meses. Depois que terminamos de conversar, Sloane e eu saímos para o nosso café habitual. "Algum plano de diversão para este fim de semana?" Ela pergunta, tomando seu americano gelado.


"Trent está me levando para jantar," eu digo a ela quando eu quebro um pedaço de bolinho de banana. "L'Amour," acrescento. Ela levanta as sobrancelhas. "L'Amour? Esse é o seu lugar especial, não é?” "Sim." "Gostaria de saber se ele está planejando algo especial?" Eu dou de ombros desconfortavelmente. "Provavelmente só vai me pedir para morar com ele novamente." Nós estávamos falando sobre isso há meses, mas eu ainda estava o afastando. Eu não estava pronta para deixar Ally sozinha ainda. E mesmo que nunca tenhamos adorado nosso prédio de apartamentos, ultimamente eles vêm fazendo todos os tipos de atualizações - consertaram a porta da frente para que o botão de pressão nunca pare de funcionar e recentemente acrescentaram um porteiro 24 horas, que torna as coisas mais seguras e fáceis para Ally quando ela está indo e vindo. O estranho é que cada uma dessas melhorias parece vir depois de Trent e eu termos uma de nossas discussões sobre como eu ainda não estou pronta para sair. "Eu não sei," diz Sloane com uma risada. "Meu palpite é que, se Trent está levando você para o L'Amour, é para algo especial." "Vamos ver," eu digo. Tenho certeza que é apenas sobre o apartamento.


Trent

Eu olho em volta do restaurante enquanto espero Hannah, e não posso deixar de pensar nas outras vezes em que esperei por ela aqui, e nos momentos em que nem sequer chegamos aqui. Naquela primeira noite - quando eu era Mister Bigshot e ela era SweetVixen. A noite ela me viu e correu tão rápido quanto um cervo assustado. A segunda vez que tentamos vir aqui, quando não chegamos ao restaurante. Nós acabamos de volta na minha cobertura - que reconhecidamente era melhor do que qualquer coisa que poderíamos ter comido aqui. A última vez que vimos aqui foi a noite em que eu disse a Hannah que a amava. Na noite em que concordamos em dar a essa relação uma tentativa honesta. Uma decisão que agradeci a Deus por todos os dias. Eu olho para cima a tempo de vê-la correndo pelo restaurante. "Me desculpe, estou atrasada," ela respira. Ela parece radiante em um vestido cor de rubi que abraça uma curva, e há um rubor nas bochechas que combinam com o vestido quase perfeitamente. Eu penso em enlatar toda a noite e apenas levá-la de volta para casa comigo, mas então eu sinto o peso da pequena caixa no meu bolso e sei que tenho que fazer isso. Agora. Eu não quero passar outro dia sem um compromisso real, sem saber que ela será minha para sempre.


Levanto-me e beijo-a levemente na bochecha, depois puxo a cadeira para ela. Ela desliza para ela com uma risada ofegante. "Você não é um cavalheiro hoje à noite," diz ela com um sorriso. "Ei," eu digo, fingindo ser apagado. "Não sou sempre?" Ela sorri e ilumina meu coração. "Sim, eu suponho que você é." Eu quero esperar até a sobremesa para fazer isso, mas é tortura passar por nossos outros pratos. Hannah mantém um fluxo constante de conversa, principalmente sobre o trabalho, e tenho certeza de que ela está se perguntando por que estou tão quieto. E porque eu pareço estar suando muito. Quando eles finalmente tiram a última refeição, o garçom chega com o nosso creme

brûlées e uma garrafa de champanhe que eu pedi anteriormente. Eu espero impacientemente quando ele abre a garrafa e serve dois copos borbulhantes. Hannah parece confusa, olhando do garçom para mim para o champanhe e de volta. "Você pediu isso?" Eu concordo. "Eu pensei que você gostaria de algo um pouco especial." "Qual é a ocasião?" Ela pega o copo e segura para mim para tilintar, mas eu não faço nenhum movimento para pegar o meu copo. A confusão no rosto dela se aprofunda e ela coloca o copo de volta sem tomar um gole. "Hannah," eu começo, e então eu respiro fundo. É isso. “Você se lembra da primeira vez que tentamos nos encontrar aqui? Nosso primeiro encontro - bem, o encontro que não foi?” Ela levanta as sobrancelhas e balança a cabeça, e eu continuo. “Eu vi você chegando do outro lado do restaurante e eu admito, fiquei um pouco surpreso. Você não parecia com as mulheres que eu normalmente namorava, mas sua beleza saudável de alguma forma me derrubou na minha bunda. E eu tive o


pensamento mais estranho.” Eu respiro fundo. "Eu pensei, esse é o tipo de garota com quem você se casa." Hannah respira fundo. Eu sorrio e enfio a mão no bolso, tirando a pequena e inconfundível caixa de veludo preto. Hannah bate a mão sobre a boca enquanto eu me ajoelho. Todo mundo no restaurante está olhando para nós, mas eu só tenho olhos para ela - minha beleza doce e sexy. “Eu quero fazer isso, Hannah. Eu quero casar com aquela garota. Sério. Você vai me fazer a honra de concordar em ser minha esposa?” “Oh, Deus, sim. Sim, Trent.” Ela praticamente cai da cadeira em meus braços enquanto todos no restaurante aplaudem, e então nossos lábios estão se unindo, repetidamente, excitados demais para beijar adequadamente. Quando ela finalmente se afasta, ela está rindo e chorando e eu pego a mão dela e coloco o anel no dedo delicado dela. "É um ajuste perfeito," ela anuncia, olhando para o diamante que eu escolhi. "E é lindo, Trent. Eu não podia imaginar um anel mais perfeito.” "E eu não podia imaginar uma mulher mais perfeita," digo a ela honestamente, e então ela está chorando de novo. Eu inclino sua cabeça para cima e beijo seus lábios de verdade desta vez, suave e lenta e profunda. "Haverá mais disso depois," digo a ela suavemente, e ela ri. Ela toma um gole de champanhe. "Sloane não vai acreditar nisso," ela diz, ainda rindo. "Ela adivinhou que você estava fazendo algo quando eu disse a ela que você estava me levando para L'Amour." Eu sorrio timidamente. "Bem, Sloane pode ter sabido um pouco mais do que ela estava deixando saber." "O que você quer dizer?" "Eu fiz ela e Ally pensar no anel quando eu estava tentando escolher."


O queixo de Hannah cai. “Você quer dizer que Ally também sabia?! Eu vou matála.” Eu ri. "Não segure isso contra elas. Eu as fiz jurar sigilo, afinal de contas.” Ela sorri. "Bem," diz ela, tomando outro gole de champanhe. "Eu suponho que valeu a pena." "Sim, realmente valeu."

Tudo valeu a pena - a cada minuto. Tudo valeu a pena acabar aqui, sentado em frente à mulher mais perfeita do mundo. Minha SweetVixen.

Fim


Sobre a Autora

Cat Carmine é meio tímida, muitas vezes boba e perpetuamente sarcástica. Ela é sempre a primeira na fila para a sobremesa, e a primeira a ir para a cama à noite (mas é porque ela geralmente tem um romance fumegante esperando na mesa de cabeceira). Ela tem uma queda por garotos maus sensuais (especialmente aqueles com um lado doce) e heroínas fortes e doces (especialmente as que têm um lado sarcástico). Ela mora com seu próprio bad boy sexy (não tão) e um cocker spaniel muito mimado e muito velho. Comunique-se a qualquer hora - Cat adora ouvir de leitores!

Profile for Jé

Bigshot Boss- Cat Carmine  

Bigshot Boss- Cat Carmine  

Advertisement