Issuu on Google+

TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio. 1


A posição temporária de Lucy Delacourt não é muito o emprego dos seus sonhos mas paga as contas. O ponto forte do seu dia é andar no elevador de manhã com um bonito estranho. Alto, moreno e sexy como o inferno, Lucy sabe que ele está fora da sua realidade, mas uma garota pode olhar, certo? Tudo muda o dia em que o estranho a seduz. Completamente fora da sua natureza, ela se rende sem lutar, mas não tem idéia que seus atos devassos com um homem, cujo nome ela não sabe vai mudar sua vida para sempre. Porque o estranho sexy não é outro senão Jeremiah Hamilton, bilionário CEO das Industrias Hamilton, e uma prova não é bastante o suficiente para satisfazer as suas necessidade. Enquanto o bilionário puxa Lucy mais fundo em seu mundo de grandes apostas de negócios e aquisições cruéis, ele exige nada menos do que sua completa rendição. Mas, mesmo enquanto inimigos buscam vingança mortal contra ele, ela vai descobrir que sua maior ameaça é estar se apaixonando por seu chefe ferozmente vigiado ... e ceder as suas próprias mais escuras necessidades.

2


TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio PARTE 1: O encontro 3


Com a sorte em baixo, a posição temporária de Lucy Delacourt não é exatamente o emprego dos seus sonhos mas paga as suas contas ... mal. O ponto forte do seu dia é andar no elevador de manhã: ela sempre acerta seu horário para ver o belo estranho a cada dia. Ele é o combustível para suas fantasias, fora da sua realidade, mas uma garota pode olhar, certo? Tudo muda, no entanto, o dia em que o belo estranho seduz uma Lucy atordoada, primeiro no elevador depois novamente no estacionamento depois do trabalho. Completamente fora da sua natureza, ela cede sem lutar, mas não tem idéia que seus atos devassos com um homem, cujo nome ela não sabe, iniciará uma cadeia sensual de eventos que mudará para sempre sua vida. Porque o estranho sexy não é outro senão Jeremiah Hamilton, bilionário CEO das Indústrias Hamilton e o gosto de uma pequena amostra picante não é o suficiente para satisfazer as suas necessidades. O bilionário tem grandes planos para o seu temperamento voluntarioso, planos que não têm nada a ver com arquivar papeladas...

4


Capítulo 1

Recentemente o ponto alto dos meus dias de trabalho era quando eu via o lindo estranho todas as manhãs. Corri pelo saguão em direção aos elevadores tão rápido quanto meus saltos e decoro permitia, passando por escadas e equipes de serviço que trabalhavam no edifício velho em arcaicos sistemas elétricos. O estranho de cabelo escuro era como um relógio, chegava ao elevador às 08h20min da manhã todos os dias, e esta manhã não foi exceção. Eu disputei o meu lugar através da multidão até que eu estava perto, mas não tão visivelmente assim do estranho e olhei para a porta do elevador enquanto fingia ignorá-lo. Não era um jogo, embora às vezes parecesse assim. Homens daquela beleza sempre ficaram vários degraus fora da minha esfera de alcance e até agora como uma adulta isso não havia mudado. Não significava que uma garota não poderia sonhar. As portas se abriram e eu me movi com a pequena multidão no elevador,

certificando-me

que

meu

andar

tivesse

sido

pressionado. O antigo edifício - ou "histórico", como alguns gostavam de dizer - estava no meio de uma completa reforma. Tudo estava sendo atualizado, para um visual mais moderno, mas até agora ele ainda tinha estilos de elevadores mais antigos. Menor e mais lento do que os estilos atuais, a caixa de metal, no entanto, fazia o seu trabalho levando até os andares 5


acima. Eu reposicionei a grande mochila no meu braço, deslizando um olhar para o lado e busquei seus olhos. Será que ele sabe que eu o observo? Enrubescendo, voltei-me para frente e o elevador se abriu para deixar outra série de pessoas nos seus andares. Minha parada era ainda 11 andares acima onde trabalho como temporária nas Indústrias Hamilton. A empresa abrangia a maioria dos andares superiores, mas o meu pequeno escritório estava escondido em um canto esquecido perto do meio. Eu amava o seu corte limpo, visual adequado e o homem moreno estava sempre impecavelmente vestido de terno e gravata que provavelmente custavam mais do que eu ganhava em um mês. Tudo sobre ele gritava alta sociedade, longe da minha capacidade, mas que nunca impediu de incluí-lo em minha vida de fantasia. O belo estranho era parte dos meus sonhos, o rosto que eu via quando eu fechava os meus olhos na cama. Como eu não tinha nada entre as minhas pernas, sem carregar baterias por mais de um ano, minhas fantasias foram ficando muito mais pervertidas. Eu levei um momento para pensar sobre elas agora e um leve sorriso se espalhou no meu rosto. Não demorou muito para ir, mas a imagem em minha mente de ser empurrada contra uma parede e devastada ... Oh Yeah...

6


Os passageiros continuaram a desembarcar e, enquanto a porta do elevador fechava, eu saí do meu devaneio quando eu percebi que, pela primeira vez, eu estava realmente sozinha com o estranho moreno. Limpando a garganta nervosamente, eu alisei a saia lápis com a mão livre enquanto o antigo elevador recomeçou sua corrida até o meu trabalho. Respira, Lucy, apenas respira. Desejos enrolaram meu ventre, alimentados pelo pensamento de todos os tipos de coisas impertinentes em elevadores. Gostaria de saber se este tem câmeras... Ouvi um suave sussurro atrás de mim, então um braço forte apareceu ao meu lado e apertou um botão vermelho no painel. Imediatamente o chão do elevador parou e antes que eu pudesse dizer qualquer coisa ambos os braços apareceram ao lado da minha cabeça e uma voz baixa ao lado de minha orelha murmurou, "Eu vejo você neste elevador todo dia de manhã. Está fazendo, eu sinto isto?” Chocada em silêncio, eu só podia piscar com olhos arregalados e confusos. Devo me beliscar? Isto está realmente acontecendo? O metal frio contra meus repentinos mamilos duros e sensíveis provocou um gemido ofegante enquanto eu era pressionada contra as portas do elevador por um corpo duro atrás de mim. "O que?" eu comecei, imediatamente esquecendo o que eu ia dizer quando eu senti seu comprimento duro contra meu 7


quadril. "Eu posso sentir o cheiro da sua excitação", ele rosnou, aquela voz sexy baixa fazendo meu estômago apertar. "Cada manhã que você entra nesse elevador eu posso sentir o cheiro da sua necessidade." Uma mão desceu e entrelaçou a minha enquanto ele baixou a cabeça em direção ao meu pescoço. "Qual é o seu nome?" Minha mente deu um branco por um momento, esquecendo a mais simples das respostas. Oh Deus, que a voz é puro sexo, pensei descontroladamente, levantando as mãos para me preparar contra a superfície dura à frente. A voz era baixa e tinha uma cadência que eu não poderia explicar, e meu peito cresceu apertado com a necessidade. "Lucy", eu finalmente consegui, meu cérebro em curto circuito. "Lucy", repetiu ele, e eu esvaziei uma respiração instável ao ouvir meu nome, dita com aquela voz extremamente sexy. "Eu preciso ver se você tem um gosto tão bom quanto o cheiro." Não houve pedido de permissão em sua voz apenas uma exigência implacável, e eu virei minha cabeça de lado para lhe permitir o acesso. Seus lábios deslizaram sobre a pele macia atrás da minha orelha, a língua fora para me tocar, seus dentes beliscaram o lóbulo e eu gemi, apertando-me contra ele. Ele mexeu o quadril e minha respiração acelerou, ofegante carente uma estacada no silêncio.

8


"Deus você é tão quente." Sua mão escorregou para o lado do meu corpo, no meu quadril e desceu na minha coxa até que encontrou a barra da minha saia. Sua mão, então refez seus passos de volta, roçando levemente através da pele suave da minha coxa, puxando o material da minha saia para cima em direção aos meus quadris. Sem pensar, eu abrir as pernas para dar a ele acesso e ofeguei alto enquanto dedos deslizaram ao longo do lado de fora da minha calcinha encharcada, pressionando contra o meu núcleo dolorido. Isso está realmente acontecendo? Meu corpo sacudiu, preso entre as portas de metal e o corpo quente atrás de mim. Era como se cada fantasia que eu tive, estivesse sendo jogada para fora em pessoa, e eu era incapaz de parar a minha reação condicionada. Seus dedos pulsavam, deslizando no meu clitóris com freqüência crescente, e meus quadris se moveram com vontade própria, desejando mais do seu toque. Eu gritei quando seus dentes se afundaram em meu ombro, então seus dedos deslizaram sob o algodão fino de rendas e acariciaram minha pele molhada, empurrando profundamente abrindo de uma forma que me fez gemer alto dentro do elevador. "Venha para mim", ele murmurou baixo com voz de Vin Diesel, lábios e dentes correndo ao longo da linha exposta do meu pescoço e ombro. Seus dedos empurraram profundamente para dentro, o polegar percorrendo minha genital rígida e, com 9


um grito estrangulado eu cheguei. Minha testa descansou contra o aço duro da porta, enquanto eu estremecia, de repente desossada. Abaixo do painel numerado a minha direita, um telefone tocou. Eu endureci em estado de choque, os tons estridentes cortando a névoa escura. A luxúria deu lugar a mortificação e eu empurrei contra a porta para libertar-me. O estranho moreno recuou, permitindo-me espaço, apertando o botão vermelho novamente. Eu rapidamente arrumei minha roupa enquanto o elevador prosseguiu de volta ao eixo, alguns segundos depois, o telefone parou de tocar. "Seu gosto é ainda melhor do que eu imaginava." Virei-me impotente perante essa voz, para vê-lo lambendo os dedos. O olhar que ele me deu deixou meus joelhos fracos, mas o telefone tocando tinha me feito acordar e eu me atrapalhei cegamente para os botões dos andares, apertando todos os botões ao meu alcance. Isto parecia apenas diverti-lo, mas quando as portas se abriram para um corredor vazio dois andares abaixo do meu, eu tropecei para fora. Não tinha ninguém à vista neste andar, para meu alívio – Eu não estava certa se eu poderia ter mais atenção naquele momento. Um rápido assobio atrás de mim me chamou a atenção e me virei para ver o estranho pegar minha mochila e segurá-la para mim. Ela tinha deslizado para fora dos meus braços, esquecida

10


no chão, enquanto nós estávamos ... Eu limpei minha garganta e peguei-a com a máxima dignidade que eu podia. Ele sorriu, a simples expressão mudando no seu rosto inteiro. Eu olhei, muda estupefata com seu absoluto deslumbramento, enquanto ele piscou para mim. "Eu vou te ver novamente", ele disse, enquanto as portas do elevador fechavam, me mantendo temporariamente paralisada no andar inferior. Eu tomei uma profunda respiração e me atrapalhei com a minha roupa, ajeitando minha blusa na cintura com dedos trêmulos. Minha calcinha era uma causa perdida. Eu teria uma mancha na minha saia o dia todo se eu continuasse a usá-las. Focando nisso e não no constrangimento crescendo por minhas ações, eu procurei e encontrei um banheiro ao lado do elevador para me limpar. Poucos minutos depois, limpa, mas vulnerável, sem minha roupa íntima, eu cheguei às escadas e subi dois lances até meu andar. O hall até meu local estava lotado com as chegadas de última hora e eu cheguei ao meu escritório, sem quaisquer problemas. Eu estava um minuto atrasada de acordo com o relógio do computador, mas ninguém pareceu se importar quando eu comecei a trabalhar, afogando-me nas minhas tarefas para tentar esquecer a minha chocante exibição anterior.

11


Capítulo 2

O dia passou em uma confusão. Não importa o quanto eu tentei me focar no meu trabalho, eu não podia me concentrar. Foi necessário dobrar, triplicar, em seguida verificar o meu trabalho para me certificar que tinha feito a coisa certa. As atribuições temporárias de entrada de dados que me foram passadas eram tediosas e vazias, mas mesmo assim eu tentei terminá-las. Minha mente voltava para o elevador, o belo estranho e o primeiro orgasmo semi-público que eu já tive, e quando voltava aos trilhos eu não conseguia lembrar que linha eu estava no computador. Isto é tão diferente para mim. Eu sempre fui uma criatura sexual, mas nunca do tipo que sabia o que fazer com isso. Os meninos nunca me pediam para sair, eu não era convidada para festas ou algo semelhante, mesmo na faculdade. Os poucos namorados que eu tive, se eles poderiam ser chamados assim, não duraram muito tempo. Minha vida até o momento

foi

chata,

principalmente

por

necessidade

-

empréstimos universitários não pagavam a si próprios, e viver perto da cidade fazia as coisas ainda mais apertadas - mas eu não poderia encontrar muita relação com a maioria dos homens. Eles queriam ir a festas, eu queria ler, estavam em “Sports Illustrated”, eu estava em “National Geographic”.

12


Namoro, apesar de ser a menor das minhas preocupações no momento, definitivamente não era um ponto forte. Apesar das minhas tentativas para esquecer toda a situação no elevador, na hora do almoço eu queria desesperadamente meu vibrador e um rápido chute no traseiro. Minhas ações e respostas instantâneas para o estranho eram problemáticas, não importava a minha vida de fantasia. Isso não poderia acontecer novamente, não importava o quanto eu queria uma repetição. Eu precisava deste trabalho, não importa o quão monótono era, e eu não podia permitir mais alguma distração. Mas o meu trabalho não exige muito o poder do cérebro para começar, e eu continuei lembrando como seus lábios eram macios, e como os dentes atravessaram a pele do meu pescoço causando arrepios na espinha. Suas mãos grandes tinham realizado uma dupla promessa de força e ternura e meu corpo se recusava a esquecer isso. Foi um longo dia. Mal

conseguindo

atingir

a

minha

cota

de

processos

arquivados, acabou o dia. Eu considerei pegar as escadas para descer os 14 andares, mas finalmente optei pelo elevador certificando-me

“Livre

de

Estranho”.

Eu

cortei

pelo

estacionamento subterrâneo enquanto a maior parte da multidão se dirigiu para os táxis na frente do prédio. Poucas pessoas

eram

capazes

de

estacionar

sob

o

edifício,

certamente não uma nova temporária mesmo que tivesse um 13


carro, mas era uma rota muito mais rápida à estação de metrô duas ruas atrás do prédio e ninguém me disse que atravessar pelo estacionamento estava fora dos limites. Eu desci o único lance de escadas e saí para o ar frio da tarde na garagem subterrânea. O guincho de pneus vinha de algum lugar no complexo de vários níveis, mas eu não vi mais ninguém, apenas uma fila de carros. Esfregando os braços, a rajada de vento prometia temperaturas frias, assim que o sol se pusesse, eu virei em direção à guarita, desejando que eu tivesse trazido algo para colocar sobre meus braços. Era final da primavera, mas a temperatura tinha esfriado ao longo dos últimos dias e eu não estava vestida adequadamente. Alguém agarrou meu braço e me empurrou para o escuro ao meu lado. Antes que eu pudesse fazer qualquer som uma mão cobriu a minha boca, e eu fui arrastada de volta para uma pequena alcova meio escondida no recuo da garagem reservada para motocicletas. Lutei, mas os braços que me prendem eram implacáveis, como ferro no meu corpo. "Eu disse que eu iria vê-la em breve." A voz era familiar e profunda, e eu a reconheci imediatamente. Ela tinha percorrido minha cabeça o dia todo em fantasias que eu tentei, em vão, esquecer. Assim que eu ouvi a sua voz uma onda de alívio tomou conta de mim, seguida rapidamente por uma confusa raiva. Por que diabos eu posso confiar nele? Frustrada por minha própria 14


estupidez aparente, eu pisei mais forte que eu pude sobre o peito do pé da perna do estranho. Ele resmungou, mas não me soltou, ao invés disto, me girou e me pressionou contra a parede de concreto frio. Seu corpo moldado às minhas costas, suas mãos segurando meus pulsos contra o concreto. "Você pode lutar", ele murmurou, passando os lábios ao longo da parte de trás do meu ouvido. "Eu gosto disso." Seu despedimento casual me incomodou. Eu joguei minha cabeça para trás tentando bater na cara dele, mas ele se esquivou do caminho com uma risada. Outra tentativa de pisar nos seus pés foi frustrada quando sua perna enrolou entre as minhas, prendendo-as no lugar. Os dedos ao redor do meu pulso, mais suaves do que algemas de ferro, mas não menos firmes, atearam fogo em minha pele sem me dar qualquer espaço para me movimentar. "Deixe-me ir ou eu vou gritar," eu disse em uma voz uniforme, tentando virar a cabeça para pegar seu olho. Isto me frustrou como o inferno, pois eu não estava nem com medo, nem tão irritada quanto eu sabia que eu deveria estar, o homem estava novamente levando os errados sentimentos para a situação. Eu tinha que ser um cérebro danificado se eu pensava que eu poderia confiar no homem quando eu nem sabia o seu nome! Ele correu seu rosto ao longo das linhas do meu cabelo, deu uma respiração profunda fazendo um estrondo apreciativo no fundo da sua garganta. 15


"Eu não pude parar de pensar em você o dia todo", ele murmurou, não reconhecendo minha ameaça. Seus polegares fizeram círculos leves em meus pulsos e meu corpo apertou com o movimento quase terno. "A rapidez com que me respondeu, seu cheiro, seu gosto." Eu engoli, tentando ignorar a agitação súbita na minha barriga. Não, eu pensei desesperadamente, eu não posso ser ativada por isto. A visão dele pairando sobre mim, no entanto, seu corpo duro quente pressionando contra o meu traseiro, estavam fazendo minha cabeça girar e enrolando meus membros em dor. Droga... "Deixe-me ir," eu disse entre os dentes, tentando ignorar reações adversas do meu corpo. "Isso é errado, eu não quero..." Ele pousou um beijo suave na pele atrás da minha orelha enquanto eu parava, um forte contraste com o aperto inquebrável que detinha em meus pulsos. Minha respiração ficou presa na minha garganta quando lábios e dentes deslizaram para baixo do meu pescoço enquanto seus quadris rolavam

contra

minha

bunda,

seu

comprimento

duro

deslizando ao longo da abertura do meu traseiro. "Eu nunca iria tomar uma mulher que não me quer ", ele murmurou, movendo-se para sussurrar no meu outro ouvido. "Diga “não” de novo e eu vou deixá-la sozinha para sempre." Ele correu os lábios para o lado da minha garganta, dando 16


uma mordida gentil no meu ombro enquanto esperava pela minha resposta. Até agora eu estava tremendo, mas não por qualquer tipo de medo ou angústia. Quando uma de suas mãos deixou meu pulso e deslizou ao longo da parte inferior do meu braço não me mexi, deleitando-me com as sensações que seu toque produzia no meu corpo. Sua mão se moveu até a parte de trás da minha coxa debaixo da minha saia, unhas arranhando a pele, e um dedo escorregou entre a abertura firme de meu traseiro. Ele deu um grunhido, apertando a minha bunda com as duas mãos e espalhando nas bochechas, em seguida, pressionando com a dura saliência ainda presa atrás de suas calças. Um gemido escapou da minha boca enquanto eu arqueava meus quadris para trás, usando a parede como alavanca para chegar mais perto. Suas mãos deixaram meu traseiro e me virou para encará-lo. Eu tive um leve vislumbre do close-up de um rosto familiar bonito de olhos verdes, em seguida, seus lábios se chocaram contra os meus no mais quente beijo da minha vida. Eu respondi, arqueando para mais perto nivelando contra seu corpo. Movi minhas mãos para seu tronco, deslizando sob o paletó contra a camisa de seda, mas ele segurou minhas mãos e estendeu-as no alto acima da minha cabeça. A perna entre as minhas coxas me puxou mais para cima e eu aterrei meus quadris, esfregando contra o concreto rígido. Gemidos 17


escaparam dos meus lábios quando ele moveu sua boca para baixo, sugando e mordiscando a pele sensível do meu pescoço. "Eu quero sentir sua boca em mim", ele murmurou, deslizando seus lábios até meu pescoço e na linha da mandíbula. "Eu quero ver você de joelhos, a sua boca perfeita ao redor do meu pau ... " Desta vez, quando eu tentei me libertar ele não me impediu, ao invés disto recuou para me estabelecer nos meus pés. Minhas mãos foram imediatamente à sua cintura, deslizando para baixo no zíper. Ele estendeu a mão para me ajudar, enquanto ele puxou seu membro livre para fora das calças eu me afundei em meus calcanhares e suguei a ponta com a minha língua. Seu gosto era bom, e a respiração profunda acima me disse que ele gostava do que eu estava fazendo. Sua necessidade era minha própria - Eu senti uma nova onda de calor entre minhas pernas quando eu movi minha cabeça para frente, sugando a cabeça com mais profundidade. "Deus!" Seu corpo estremeceu com a exclamação e, de repente, mais ousada, eu passei a mão em torno da base grossa e puxei mais para dentro da minha boca. Minha língua rolou ao longo da base e sugou a ponta, então eu comecei a movimentar minha cabeça sobre a espessura do membro.

18


Seus quadris se movimentaram, empurrando no tempo da minha boca; uma mão veio para descansar atrás da minha cabeça, puxando insistentemente, mas eu controlei o ritmo. Eu desfiz o botão da calça e alcancei dentro, colocando suas bolas na mão livre. Ele balançou em cima de mim, pau a mostra para sua apreciação, em seguida, as duas mãos cavaram no meu crânio, me puxando para mais perto e silenciosamente exigindo mais, mais profundo. Desta vez, agradeci, liberando a base e puxando-o mais profundo que eu podia, movimentando minha cabeça e língua. Minha mão livre desceu entre as minhas pernas, deslizando através das minhas dobras molhadas e pressionando contra o núcleo pulsante. "Você está se tocando?" Eu o ouvi ranger acima de mim. O impulso em minha boca ficou mais frenético enquanto eu acelerava minhas próprias ministrações, o comprimento duro na minha boca abafando meus próprios gritos. O estranho era silencioso, na maior parte, mas alguns gemidos ele deixou escapar, enquanto eu girava minha língua ou massageava a ponta com a parte de trás da minha garganta, era gratificante de ouvir. Parte do meu cérebro, uma parte muito pequena, estava me perguntando o que diabos eu estava fazendo, mas eu me desliguei. Eu fiquei muito tempo sem que ninguém me notasse, até meus colegas de trabalho me ignoravam. Assim um 19


homem com esta beleza me notar, deixa para lá qualquer maneira de abordagem, sendo uma sensação inebriante. Eu não me permito perguntar porque ele me escolheu ou o que iria acontecer - agora eu só queria sentir. Dedos cavaram meu couro cabeludo e meu próprio orgasmo correu para me encontrar, até que suas bolas contraíram, perto de seu próprio final. Mãos me empurraram, minhas costas bateram contra a parede de concreto, e eu fui desativada com a surpresa do estouro. O homem diante de mim se abaixou e seus braços rodearam meu tronco, eu fui levantada no ar e empurrada de volta contra a parede, um corpo duro se estabelecendo entre as minhas pernas. Virei meus olhos assustados para o belo rosto do estranho, agora a apenas alguns centímetros do meu, então eu senti seu membro sondar minha entrada. Ele empurrou para dentro e eu soltei um grito intenso de prazer. Músculos que não viam a ação por muito tempo foram esticados, os meus próprios sulcos dando-lhe uma fácil entrada. Seus lábios esmagaram os meus, para engolir meus gritos enquanto ele me batia de volta na parede. O orgasmo que eu estava induzindo com meus dedos dispararam para fora com a fricção e alongamento e moagem. Meu grito foi abafado pelos lábios do estranho quando eu vim mais forte, ondas de prazer rolando pelo meu corpo. Beijei-o violentamente, mordendo os seus lábios e minhas unhas 20


arranhando abaixo nos braços do casaco de seu terno. Minha resposta trouxe uma selvageria semelhante nele e ele bateu dentro de mim, liberando minha boca e cravando em meu ombro com os dentes. Meus gritos, mais fracos agora, após o orgasmo, ainda ecoavam fora das paredes da pequena alcova. Ele ofegou contra a minha pele, em seguida, ele puxou para fora e veio no chão debaixo de mim, a mão livre esfregando o último do seu orgasmo. Entalada entre seu corpo quente e o concreto duro, eu finalmente notei o frio da pedra gelada e o som de carros dentro do complexo fazendo o seu caminho em direção a saída. O frio contra minhas coxas molhadas serviu como um alerta para o que eu tinha permitido que acontecesse; Eu pressionada debilmente contra os ombros rígidos, meu corpo ainda mole pelo orgasmo. O estranho se afastou, ainda apoiando meu peso com as mãos grandes debaixo da minha bunda, então lentamente baixou-me para o chão. Eu vacilei nos meus calcanhares, segurando o seu braço de apoio antes de abrir distância. A enormidade do que eu tinha acabado de fazer - de novo - deixou minha mente atordoada. Comecei a tremer apenas parcialmente do frio, em seguida, caiu como algo quente e pesado estendido sobre os meus ombros. Olhei para cima brevemente para o estranho sem o casaco agora, mas era incapaz de pronunciar qualquer palavra de agradecimento. Ele ajudou a prendê-lo em mim quando eu puxei o casaco vestindo lentamente sobre meus 21


braços. Apesar de não ser uma jaqueta de frio, manteve-me quente de seu corpo e cortou o pior do frio ajudando imensamente. "Deixe-me levá-la para casa." O momento em que ouvi as palavras eu balancei a cabeça, afastando-me dele. Meu corpo em chamas pela vergonha e eu não conseguia mais olhar para ele. "Eu preciso pegar o trem", eu murmurei. Um dedo tocou meu queixo e levantou a minha cabeça até que eu estava olhando para aquele rosto bonito. Seu rosto estava impassível, mas eu podia ver a preocupação em seus belos olhos verdes. "Por favor", disse ele em voz baixa. Meu corpo ainda respondeu ao seu toque, eu queria colocar minha bochecha contra a pele áspera de sua mão. Lágrimas brotaram nos meus olhos para o sentimento tolo - eu estava realmente tão desesperada? - Eu dei um passo para trás de novo, escapando do seu contato. Limpando minha garganta e esforçando-me para não agir como uma besta afetada, olhei para seus olhos. "Eu preciso pegar o trem." Mantendo a cabeça erguida, mesmo que a vergonha me fizesse querer correr para longe e me esconder, eu comecei a me distanciar, então vacilei. "Seu casaco,"

eu

murmurei

e

comecei

tirar

dos

ombros.

Ele levantou a mão para me impedir. 22


"Mantenha-o." Um sorriso confuso cintilou em seus lábios e parecia por um momento que eu tinha toda a sua atenção ... e aprovação. "Você precisa mais do que eu agora." O ar estava frio e eu sabia que eu parecia uma bagunça, o casaco pendurado em mim, mas naquele momento eu precisava me cobrir. Murmurando meus agradecimentos eu andei rapidamente para fora da alcova e me dirigi para a saída. Eu levantei uma mão trêmula para a minha cabeça, o meu cabelo estava solto, mas parecia estar em ordem. Eu precisava encontrar um espelho rapidamente, pois eu tinha certeza que eu estava um pavor. Eu ouvi o som de um carro aproximar atrás de mim e parar. Contra meu melhor julgamento olhei para trás para ver um chofer de uma longa limusine preta abrir a porta do passageiro, e o belo estranho mergulhou para dentro. Eu fiquei ali, olhando como uma idiota, enquanto o motorista fechou a porta, em seguida, afastou para a saída. As janelas do carro eram coloridas e eu não pude ver dentro quando ele passou por mim e eu vi como minha suposta carona passou pelos guardas e saiu para o alto tráfego lá fora. Quem no mundo era esse homem? Eu me perguntei, e então desliguei essa linha de pensamento e saí da garagem vazia. Eu parei em um café e me tranquei dentro do banheiro para me limpar. Quinze minutos depois eu saí de volta, minha mochila pendurada pela correia ao longo de um braço nu e o 23


casaco vestido sobre o saco. Eu peguei o trem mais tarde do que o habitual, mas a maior parte desse tempo foi uma nĂŠvoa, meu cĂŠrebro repetindo o pensamento uma vez e outra. O que diabos eu estava fazendo?

24


Capítulo 3

Na manhã seguinte, cheguei ao trabalho meia hora mais cedo e certifiquei-me que o elevador que peguei não continha o estranho. Nervosa que alguém pudesse comentar sobre minhas ações no dia anterior, foi um alívio ser ignorada como de costume, pelas pessoas ao meu redor. O edifício a essa hora continha uma fração de seus habituais ocupantes, mas eu corri para minha mesa para evitar conflitos indesejados com um certo indivíduo de olhos verdes. Eu passei a maior parte da minha tarde e noite me questionando se devia ou não ir para o trabalho na manhã seguinte. A total imprudência e estupidez das minhas ações me assombraram durante toda a noite, fazendo-me ir tão longe como questionar a minha sanidade. Isto não é o que eu sou. Eu nunca tinha sido tão imprudente sobre minhas ações e uma libido desesperada não era resposta suficiente para mim. Eu comecei uma busca de oportunidades de trabalho, algo que eu poderia recorrer se a minha situação presente azedasse, mas o mercado estava tão difícil como nunca. A metade do meu sensato cérebro exigiu que eu saísse e deixasse este trabalho, mas a parte lógica manter, pois eu precisava do dinheiro. O aluguel do meu pequeno estúdio de apartamento estava chegando e eu não tinha outras opções no momento, a menos que eu quisesse viver nas ruas. 25


Oh Lucy, o quão fundo você caiu. Depois que eu cheguei a minha mesa gastei o tempo trabalhando e evitei ligar o computador, pois eu não queria a minha chegada antecipada notada pela administração. Meus colegas de trabalho chegaram, conversando entre si enquanto passavam pelo meu cubículo, mas eu fiquei no meu cantinho a maioria do dia, feliz por ser ignorada. O dia passou sem intercorrências até quase quatro horas da tarde, quando a minha chefe enfiou a cabeça ao redor das paredes da minha mesa. "Siga-me, por favor, Srta. Delacourt". A presença da minha gerente me assustou. Eu a via quase todos os dias, mas depois da minha entrevista inicial, ela tinha todo tempo, mas ignorou a minha presença no escritório. Agora que ela escolheu falar comigo, fez meu mundo girar e meu estômago torcer em nós. Seu tom não admitia discussão, todavia, e com rapidez, "Sim Sra.Crabtree," e com uma breve pausa para me recompor eu me levantei com as pernas trêmulas e segui atrás dela. Ela contornou a porta do seu escritório e caminhou para fora da porta da nossa seção para a sala do lado de fora. Eu segui atrás dela em silêncio, com medo de perguntar sobre que seria, temendo descobrir que todo o edifício sabia sobre minhas escapadas sexuais no dia anterior. Eu não poderia pensar em nenhuma outra razão para ter sido chamada, e eu

26


duvido

que

eles

tenham

me

tirado

da

minha

seção

simplesmente para me demitir. Nós subimos silenciosamente no elevador mais quatro andares. Minha gerente não falou mais nenhuma vez comigo e foi impossível de ler - não que eu tentei muito, com medo do que eu iria descobrir. O momento em que as portas do elevador se abriram, no entanto, eu sabia que estava em um mundo totalmente diferente. Foram-se os corredores estreitos sem vida: o elevador se abriu em uma passagem larga forrada com painéis de madeira escura que tinha o nome da empresa "Hamilton" em letras garrafais em toda a parede. A entrada larga levou em direção a uma recepção no começo de uma grande sala aberta. Portas de escritório cobriam as paredes e duas grandes salas envidraçadas de conferência em ambos os cantos da grande área. Havia uma sensação de mundo antigo requintado sobre tudo, madeiras escuras e destaques em ouro misturados com iluminação moderna e obras de arte. "Sr. Hamilton está nos esperando ", minha chefe disse para a senhora na recepção, que assentiu com a cabeça e pegou um telefone quando nós passamos. Eu tropecei com suas palavras, as minhas pernas de repente se recusavam a funcionar. Por que estamos na seção corporativa do prédio? Eu nunca li sobre a empresa, era um emprego temporário; destinado a ser apenas um bico de curto prazo, mas eu sabia que não era qualquer tipo de andar de 27


negócio. Tem uma sensação Donald Trump, mais um lugar de recepção que um escritório. Não havia nenhum motivo, de qualquer modo, que eles me mandassem aqui se sabiam o que eu tinha feito. Confusão e agitação continuavam a subir enquanto seguia atrás da minha supervisora em uma cautelosa distância. Ela dirigiu-se para um dos escritórios e bateu antes de colocar a cabeça dentro. "Sr. Hamilton vai vê-la agora", disse ela, apontando para eu ir entrar. Eu fiquei ali, olhando em silêncio para a minha gerente por um momento, depois movi lentamente em direção à porta. Eu deu-lhe um último olhar confuso enquanto eu entrava, então cheguei a um impasse dentro enquanto um horror renovado tomou conta de mim. Oh não, não, não, não ... "Obrigado Agatha, isso é tudo por agora." Balançando a cabeça uma vez, a minha supervisora puxou a porta fechando ao meu lado, enquanto eu permanecia horrorizada, dentro do grande escritório. Minha boca trabalhou silenciosamente enquanto eu olhava para a figura familiar sentada atrás da mesa. Meus olhos caíram para a placa de identificação na mesa. "Jeremiah Hamilton," eu disse, o corpo entorpecido pelo choque. O homem de cabelo escuro atrás da mesa levantou os olhos frios para me avaliar. "Srta. Delacourt ", disse ele em resposta,

28


apontando para uma cadeira na frente de sua mesa. "Por favor, sente-se." Meu coração acelerou quando ouvi sua voz, confirmando meus piores medos. Incapaz de falar, movi em direção à cadeira que ele me apontou, movimentos espasmódicos e hesitantes, e sentei. Ele me ignorou, correndo algo em seu tablet na sua mão. Enquanto estávamos sentados, em um tenso silêncio, olhei ao redor do escritório grande. Janelas cobriam a parede atrás da mesa e CEO do teto ao chão, dando uma visão panorâmica das ruas abaixo. A mesa era uma madeira escura e resistente, coberta escassamente com um computador portátil, a placa de identificação, e um berço de Newton, as esferas de aço imóvel. A cadeira que me sentei, era de pelúcia e grossa com rodízios embaixo, tornando fácil para se movimentar. "Srta. Lucille Delacourt ", disse o estranho, assustando-me. Jeremiah Hamilton, eu me lembrei, ainda incapaz de obter meu cérebro em torno da minha situação atual. "Atualmente, uma funcionária temporária de dados indicada pela agência de empregos Soluções de Gestão Executiva, contratada um mês atrás por Agatha Crabtree. Correto até agora?" Com meu aceno espasmódico, continuou ele. "Eu vejo que você usou seu passaporte como identificação." Ele olhou para mim. "Passaporte?" Era difícil falar com a repentina boca seca, mas eu ainda tentei. 29


"Eu sempre o carrego comigo." Uma sobrancelha levantada e a expressão sondando na expectativa por mais informações, mas eu só encolhi os ombros, as palavras não saiam. Houve um momento de silêncio antes de voltar a falar. "Cresceu no interior de Nova York, frequentou três anos a Universidade de Cornell antes de largar. Trabalhos braçais desde então e se mudou para a cidade há três meses. Por que você desistiu? " Suas palavras passaram por cima de mim, era a pausa que me fez olhar para seu rosto expectante. "O que?" Eu perguntei, perdendo completamente a questão. "Por que", ele repetiu, "Você largou a faculdade, Srta. Delacourt?" Seu tom exigiu uma resposta, mas era complicado e pessoal, trazendo à tona lembranças que eu ainda lidava quase três anos mais tarde. A pergunta era uma invasão da minha privacidade e eu sabia que legalmente não tinha que responder, mas eu encontrei meus lábios se movendo de qualquer modo. "Meus pais morreram." Houve uma longa pausa desta vez enquanto eu olhava para as minhas mãos, tentando não chorar - uma tarefa difícil, dada a situação estressante que eu fui me meter. Será que eles se envergonhariam de onde estou agora? Eu perguntei, engolindo as lágrimas. Eles haviam sacrificado tanto para me deixar seguir em frente, mais do que eu não tinha descoberto mesmo 30


após as suas mortes e eu fui forçada a viver com as suas escolhas. "Eu sinto muito pela sua perda", disse Jeremiah depois de um longo momento de silêncio enquanto eu lutava para recuperar minha compostura. Ele limpou a garganta e eu espiei para vêlo acomodar-se em sua cadeira. "O que trouxe você para baixo na cidade de Jersey? " Eu pensei detectar uma nota de preocupação em sua voz, mas ainda não podia voltar a olhar para ele. Embora a questão fosse pessoal e nada de trabalho, eu ainda respondi. "Eu perdi a casa da minha família e tive que me mudar, uma velha amiga da faculdade disse que eu poderia morar com ela. " "Eu entendo". Jeremiah coçou o queixo por um momento, em seguida, sentou-se novamente em sua cadeira. "Você sabe por que eu pedi para você vir, Srta. Delacourt? " Foi a pergunta que eu temia e não poderia responder. Engolindo, eu levantei minha cabeça para encontrar seus olhos verdes, mas a minha coragem me faltou. "Não?", eu respondi, mais uma pergunta do que uma resposta. Ele abriu a boca para dizer alguma coisa, fez uma pausa, depois tentou de novo. "Deixe-me dizer como o seu dia teria sido hoje antes da nossa reunião. "Ele cruzou os braços sobre a mesa antes de continuar. "Você teria trabalhado até meia hora antes do fechamento, quando a Sra. Crabtree a teria chamado em seu escritório. Ela teria explicado que o seu 31


contrato de trabalho temporário foi rescindido e hoje era o seu último dia. Você receberia o seu último cheque de pagamento e escoltada para fora do edifício. " Pela segunda vez naquela manhã, o fundo abriu debaixo dos meus pés. "Você está me demitindo?" Eu perguntei em voz fraca, incapaz de acreditar em minhas próprias palavras. A raiva borbulhava com a injustiça da vida. "Isto por que ... " Jeremiah levantou a mão para parar as minhas palavras e balançou a cabeça. "A decisão sobre as demissões tem sido planejada por uma semana agora, já não precisa da maioria dos

temporários

em

seu

departamento."

Seus

olhos

estreitaram quando ele acrescentou, mais para si mesmo: "Eu assinei a diretiva no início desta semana antes de saber quem você era." "Ninguém está contratando agora", eu sussurrei, esquecendo que minha procura por outro emprego era para ser secreta. Não há razão para esconder isso agora. A raiva era difícil de sustentar quando eu percebi que teria que enfrentar outro golpe depois de tantos recentemente na minha vida. "Eu olhei para o seu arquivo e você fez um bom trabalho", Jeremiah continuou enquanto eu olhava, entorpecida, no topo da sua mesa. "Gostaríamos de te dar uma excelente recomendação para quaisquer dúvidas futuras de trabalho."

32


Com a perda das palavras, incapaz de pensar o que dizer, eu olhei para cima e fitei em CEO. "Por que você para me dizer isso? "eu murmurei. "Por que me trazer até aqui?" "Porque eu tenho outra oferta para você, um trabalho se você estiver interessada. Eu estou precisando de uma assistente pessoal. " Pisquei várias vezes, tomada de surpresa pela oferta. Olhei para o rosto dele, mas era como granito, eu não poderia dizer nada do que ele estava pensando. A suspeita enrolando na minha barriga quando eu perguntei, "Que tipo de assistência pessoal?

"

"Tudo que eu quero." Eu tomei uma respiração profunda com as palavras, minha mente me levou para todos os lugares dentro dessa frase. Ele não poderia dizer, certamente ele não está insinuando o que eu penso. Mas algo em seus olhos, apesar do comportamento empresarial relaxado, subentendia que era exatamente o que eu estava imaginando. Seu olhar prometeu todos os tipos de coisas más - ou talvez fosse a minha mente tentando fazer minhas fantasias em realidade. Eu precisava ter certeza. "Sobre ontem, quando nós, hum ... " Jeremiah se inclinou para frente e apoiou o queixo forte em seus dedos. "Sim", ele disse simplesmente, uma única palavra respondendo todas as minhas perguntas.

33


Tentei me indignar com a proposta, tentei encontrar uma forma de protestar e manter algum vestígio de dignidade, mas eu era muito prática. Agora eu precisava desesperadamente de um trabalho e aqui estava uma oferta, e eu não podia me dar ao luxo de deixá-la passar sem saber quando eu poderia ter outra. Isso não significava, no entanto, que eu estava simplesmente dizendo que sim. "O que você está oferecendo?" Eu exigi, levantando meu queixo e esperando que ele não visse o enrubescimento que percorreu meu corpo. Eu não posso acreditar que estou realmente considerando isto! Um lento sorriso saiu no canto de sua boca. "Benefícios, um aumento de salário e todas as despesas de viagem pagas." Ele escreveu algo em um post-it uma pequena nota e passou-o para mim. "Isso deve ser suficiente para um salário inicial. " A soma da nota me fez desmaiar - eu poderia ter meus empréstimos estudantis pagos em apenas alguns meses, e ter mais do que dinheiro suficiente para voltar para a faculdade dentro de um ano. Meu queixo não funcionaria enquanto eu buscava as palavras, incapaz de pensar no que dizer. É uma oportunidade, parte de mim insistiu enquanto outra parte, a que geralmente soava como a dos meus pais, gritava para eu Correr! Fiquei em silêncio por um momento, ponderando

34


minhas opções, em seguida, dei um suspiro. "Eu quero isto por escrito." Algo me dizia que não tinha sido a resposta que ele esperava, ele inclinou a cabeça para o lado e seus olhos enrugaram, o único sinal que eu vi de humor. Esse lindo rosto permaneceu de forma estóica enquanto ele assentiu. "Muito bem," ele disse, "mas primeiro eu preciso entrevistá-la ainda mais para esta posição." Ele se inclinou para frente e acomodou o queixo com os dedos juntos. "Levante-se, curvese e coloque os cotovelos sobre a mesa.

35


Capítulo 4

Eu congelei, a frase anterior TUDO QUE EU QUERO ecoando na minha cabeça. Depois de um momento tenso onde eu guerreei comigo mesma e perdida, eu me levantei e fui até a mesa, inclinando-me para colocar os meus cotovelos ao longo da borda da madeira escura. Nervosa, eu assisti Jeremiah enquanto ele se levantou e deu a volta na mesa. "Fique assim até eu dizer para você se mover novamente. Quantas palavras você pode digitar em um minuto? " A pergunta me surpreendeu, mas eu estava me perfurando ultimamente sobre questões para procura de emprego e sabia a resposta. "Oitenta". "Quais são seus pontos fortes e fracos?" Ele

desapareceu

atrás

de

mim,

quebrando

minha

concentração. Eu poderia virar a cabeça para vê-lo, mas mantive meu olhar sobre a mesa enquanto eu respondi a pergunta de entrevista de recolocação. "A atenção ao detalhe, dedicação e obter um trabalho concretizado não importando o que. " Uma risada veio atrás de mim com a resposta obviamente ensaiada. "Onde você se vê em cinco anos? "

36


Eu comecei a responder, mas surpreendida silenciei quando uma mão deslizou para cima da minha coxa, esgueirando-se por baixo da minha saia e sobre minha bunda antes de se afastar. Engoli em seco, a respiração irregular, mas ainda consegui responder. "Terminar a faculdade de direito de preferência, ou estar em um emprego que eu amo." Isso me fez pegar um "Hum", mas ao contrário silenciou. Minha pulsação aumentou e eu fechei meus olhos, tentando me manter sob controle. Era exatamente como no elevador - um toque e eu estava perdida, meu corpo desejando seu contato. "O que você consideraria seu emprego dos sonhos?" Dedos deslizaram entre as minhas coxas, correndo ao longo do algodão fino da minha calcinha, e um gemido escapou da minha boca. Meus quadris pressionaram para baixo em busca de mais contato, porém mais uma vez a mão desapareceu e eu mordi de volta um gemido. A trégua permitiu reunir meus pensamentos para responder, embora fosse difícil. "Algum lugar onde eu fosse importante e auxiliasse pessoas". "Boa resposta", ele murmurou, a mão estava de volta pressionando a carne macia entre as minhas pernas, me transformando em uma confusão se contorcendo. Minhas palmas sobre a mesa, as unhas cavando na madeira fria enquanto eu senti uma onda de calor na minha barriga. Uma 37


mão alisou minhas costas e para baixo no quadril enquanto os dedos continuaram a provocar e me atormentar. Eu mantive meus braços trêmulos na mesa enquanto algo duro pressionou contra o meu traseiro. Os dedos finalmente se moviam sob a calcinha e pressionaram dentro de mim, deslizando facilmente ao longo da dobras molhadas. Engasguei com outro grito, tentando e fracassando para o silêncio. "Meu escritório é a prova de som e a porta está trancada," ele murmurou, respondendo a uma pergunta que eu não tinha pensado em perguntar. Dedos penetraram dentro de mim, fazendo meu corpo tremer. "Antes de ir mais longe, no entanto, precisamos nos livrar delas. " As calcinhas de fino algodão que eu usava foram puxadas para baixo das minhas pernas e sem questionar saí delas enquanto caiam no chão. O sapato pressionava contra o interior do pé, alargando

a

minha

posição

enquanto

seus

quadris

empurraram contra meu traseiro. Os dedos entre as pernas nunca deixou a sua exploração, a minha respiração estava agitada enquanto Jeremiah levantou a saia para enrolar na minha cintura, sua saliência empurrando contra meu traseiro. O polegar, que tinha previamente massageado o sulco duro entre as minhas pernas, deslizou de volta para minha abertura traseira. Eu avancei em estado de choque, a mesa e os seus quadris me mantendo prisioneira enquanto o polegar estava facilitado em torno do furo apertado. A idéia de um homem 38


estar interessado lá atrás nunca tinha me ocorrido; eu não era tão ingênua ao ponto de ser ignorante da idéia, mas nunca tinha acontecido antes. Pensando, no entanto, na dificuldade provada enquanto ele continuava a manipular meu corpo até eu estar tremendo com a necessidade. Lábios pressionados contra o meu pescoço. "Eventualmente," ele ronronou naquela voz profunda, a palavra uma promessa, enquanto ele acariciou a abertura mais uma vez, em seguida, mudou o polegar de volta para o meu clitóris. Até agora quase cada respiração era um gemido quando eu inclinei meus quadris para cima, precisando desesperadamente de ser preenchida. Seus dedos provocantes e atormentados, mas nunca me deixando cair em orgasmo. Alguma coisa mudou atrás de mim, Jeremiah abaixou seu corpo ao longo do meu traseiro nu, então dentes arranhavam a pele sobre uma nádega enquanto as mãos espalhavam minhas bochechas. Antes que eu pudesse compreender o que estava por vir eu senti pela primeira vez na minha vida uma língua contra o meu lugar mais íntimo, lambendo o vinco em seguida empurrando dentro da minha suplicante abertura. Eu avancei contra a mesa com outro grito, e não pude parar de dar outro enquanto ele controlava as respostas do meu corpo com a língua e os dedos. A sensação estranha e exótica, diferente de tudo que eu já tinha experimentado antes em minhas atividades limitadas, empurrou-me para a borda. Eu vim alto, 39


minhas unhas arranhando contra a superfície dura da mesa e meu corpo sacudia incontrolavelmente. Eu coloquei minha cabeça em minhas mãos enquanto ouvi o barulho da embalagem do preservativo, em seguida, um momento depois, o comprimento duro de seu pênis deslizou entre minhas nádegas. Os dedos foram retirados apenas para serem substituídos por uma presença grossa que forçou seu caminho dentro da minha abertura apertada. Eu gemi de novo quando ele empurrou para dentro, um braço forte alcançando o redor da minha cintura e me puxando forte contra seu corpo. Ele me apertava contra a mesa enquanto ele deslizava para fora e depois para dentro, alongando e eletrizando a pele macia. Ainda na onda do meu orgasmo, seus movimentos me deixaram ofegante e frenética, empurrando de volta contra ele descontroladamente. "Porra, você é tão quente", ele murmurou no meu ouvido quando ele empurrou duro, ganhando outro grito de mim. Eu me preparei contra a borda da madeira escura enquanto ele bateu em mim, suas estocadas balançando meu corpo inteiro. Uma mão subiu para o meu pescoço, inclinando minha cabeça para trás contra seu ombro e parcialmente restringindo minha respiração, mas não impediu os soprosos gemidos eu dei quando outra onda tomou conta de mim e do meu corpo estremecendo pela segunda vez em muitos minutos.

40


Minha cabeça caiu para o lado e dentes roçaram meu pescoço, correndo ao longo da linha do meu ombro, enquanto a mão afastou o material da minha blusa. O toque suave dos lábios em toda a minha pele era um contraste direto com as fortes bombadas de seus quadris, mas eu me alegrava com a experiência, permitindo que ele definisse e controlasse o ritmo. Dois orgasmos deixaram meu corpo mole, esgotado a partir da experiência, mas Jeremiah me segurou facilmente em braços fortes. Eu arqueei novamente contra ele apesar da minha pele estar quase demasiadamente sensível para suas estocadas, o enorme prazer. Como antes, os dentes se afundaram em meu ombro, enquanto ele estremeceu, seus golpes duros quase me levantando do chão. Ele soltou um áspero gemido e com uma última estocada, ele balançou contra meu traseiro, vindo dentro de mim. A mão no meu pescoço relaxou e o sangue correu para a minha cabeça novamente, deixando-me tonta. Ele me deitou cuidadosamente em cima da mesa, descansando seu corpo duro em cima de mim enquanto ambos lutavam para recuperar o fôlego. Depois de um momento ele tirou e se afastou, deixando-me sozinha contra a madeira fria. Demorou um momento antes de tornar finalmente ciente de como eu estava exposta, mas eu ainda

demorei

mais

um

minuto

pegando

minha 41


respiração antes de abaixar minha saia. Eu estava molhada o suficiente para que sentada na cadeira, manchasse a minha saia, assim eu cambaleei em meu salto alto, usando a mesa como apoio. "Isso

termina

esta

entrevista.

A

propósito,

você

está

contratada." Ainda respirando com dificuldade, eu virei minha cabeça para olhar Jeremiah Hamilton em pé em um pequeno café bar em um lado do escritório. Seu terno e calças estavam de volta no lugar, tão impecável como se simplesmente nada tivesse acontecido. O olhar em seu rosto estava investigativo e curioso, mas eu não podia dizer o que ele pensava em descobrir. Eu tentei sentir vergonha, raiva, indignação com as minhas ações devassas e dele aproveitando-se da minha situação, mas tudo que eu podia apresentar era um esgotamento profundo e uma sensação de segurança. Estou ferrada. Uma mão no meu cotovelo virou-me suavemente, e um copo de água foi pressionado em minhas mãos. "Vá se limpar e se preparar ", disse Jeremiah enquanto eu tomei um gole do líquido frio, sua voz suave quando eu ainda ouvi. "Eu vou fazer arranjos e podemos sair assim que você voltar. " Meu cérebro não estava funcionando em todos os cilindros, então eu pensei que talvez eu tivesse perdido alguma coisa. "Arranjos para quê? " 42


"Você disse que carregava o seu passaporte com você?" Eu pisquei, de volta confusa. Uma pergunta estranha. "Hum, sim, eu carrego?" Ele acenou com a cabeça como se aquilo respondesse tudo. "Perfeito. Então você vai vir comigo hoje e pode servir como minha acompanhante. " Eu tomei um gole de água, ainda perplexa com a direção da conversa. "Sua acompanhante onde? " "Paris. Saímos em uma hora.”

43


TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio PARTE 2: O contrato 44


Seduzida então coagida a um trabalho como "assistente pessoal", Lucy Delacourt tem tudo, mas assinou seu corpo para o CEO Jeremiah Hamilton, prometendo fazer Tudo Que Ele Quer. Agora ela é a “Presa de Paris” e determinada a resistir a ele e ao mundo cravejado de diamantes dos ultra-ricos. Jeremiah não está interessado em forçar Lucy a obedecer um simples contrato. Ele sabe exatamente o que quer: rendição completa da sua nova assistente. Um homem acostumado a obter seu próprio caminho, Jeremiah não hesita em fazer o que for preciso para abalar sua assistente e, Lucy descobre para seu horror, que o preço que tem que pagar pode ser algo que ela secretamente anseia .

45


Capítulo 5

As Limusines eram mais espaçosas do que eu poderia me lembrar. Claro, a última vez que eu estive dentro de uma foi no baile de formatura e estava abarrotada com amigos e seus pares. Eu dei uma olhada no belo homem perto de mim no banco de trás da limusine. Ele me ignorava naquele momento, focado no tablet em seu colo e me deixando com meus próprios aparatos. Minha bolsa de couro estava em meu colo e eu a apertei com força..., ainda pensando nos acontecimentos do dia. Eu realmente estava indo para Paris? Os últimos dois dias têm sido uma loucura. Duas vezes no trabalho eu fui seduzida pelo belo estranho que eu via todas as manhãs: primeiro em um elevador publico, depois mais tarde na garagem. Meu comportamento sem vergonha e fora dos padrões, me deixou em dúvida sobre a minha própria sanidade, mas eu recebi o choque da minha vida à uma hora atrás quando eu descobri que o mesmo moreno perigoso era um bilionário. Pior ainda, ele era meu chefe. Jeremiah

Hamilton,

CEO

das

Indústrias

Hamilton,

um

conglomerado multinacional que rivalizaria com qualquer coisa que Trump produzisse, sentado perto de mim na escuridão da limusine. Eu não o tinha reconhecido, nunca imaginei quem ele era quando eu pegava aquele elevador. Aquele pensamento 46


era embaraçoso. Embora ele não tivesse um programa de televisão ou seu nome estampado em capas de revistas que eu de fato lia, ainda assim, deveria saber como o CEO da empresa para a qual eu trabalhava era. Agora parecia que eu estava indo para o aeroporto voar com ele para Paris. Como sua assistente pessoal. Com um contrato, próximo a vir, com as estipulações que giravam em torno da frase “tudo que ele quer”. No que se refere ao ranking dos “Muitos Piores Dias” este estava no top 5. Definitivamente um empate para o primeiro dos “Muitos Dias Incompreensíveis”. A hora do rush em Manhattan era o mesmo emaranhado de pedestres e veículos e eu não prestava muita atenção a nossa rota, presa em meus pensamentos. Muito cedo, no entanto, eu percebi o tráfego diminuindo e o carro passando por aviões que estavam atrás de um muro alto. Olhando para fora da janela, eu vi com alguma surpresa a placa do Aeroporto de Teterboro. O aeroporto de Nova Jersey era menor que o de Nova York, e mesmo eu nunca ter voado a partir dali, sabia que ele oferecia voos privados para os ricos e influentes. Bom, eu acho que hoje somos nós. O pensamento enviou arrepios em minha coluna e eu tremi esfregando meus braços. Oh Deus, onde eu estava me enfiando? “Você tem certeza que eu não vou precisar de roupas?” eu perguntei pela terceira vez enquanto alcançávamos o terminal. 47


Eu não tive permissão de trazer nada além do que já estava comigo no escritório – exatamente o que estava na minha bolsa - e não tinha nada além das roupas que eu usei para ir trabalhar e ainda estava usando. A saia e a blusa estavam limpas, mas não o bastante para nenhum tipo de viagem que precisasse cruzar o oceano. “Elas

serão

providenciadas

para

você”

Jeremiah

me

assegurou. “Seu contrato cobre tudo isso”. Era a mesma resposta que eu recebia toda a vez que eu perguntava sobre essa viagem surpresa. Nesta parte, meu contrato seria maior que Tolstoy. O pensamento irreverente não ajudou a acalmar meus nervos. Eu ainda não tinha assinado nada. Eu ainda podia sair, procurar um novo emprego. A minha repentina imagem virando hambúrgueres como meio de ganhar a vida, fez um tremor percorrer em meu corpo, e uma onda de tristeza correu sobre mim. É assim que eu terminarei? Poderá ser esta a minha última chance? Eu dei uma olhada e vi Jeremiah me observando. Era como se ele pudesse ler minha mente, mas não havia emoções em seu rosto estóico. Frustrada, incapaz por tê-lo deixado ver minha indecisão, eu cerrei minha mandíbula e me recusei a deixar seu olhar primeiro. A porta se abriu terminando nosso concurso de encarar. Eu segurei minha bolsa, passei por ele, mas pensei ter notado um traço de humor enquanto eu passava. Então ele gosta de 48


conflito, eu pensava enquanto nós nos apressávamos no prédio. Bom, porque eu não vou rastejar e implorar por respeito. Uma imagem surgiu na minha cabeça, de mim mesma, ajoelhada em sua frente olhando para cima em seu belo rosto e senti uma agitação em minha barriga. Awn, droga! A velocidade com que passamos pela segurança era uma nova experiência. A parte mais difícil do processo foi um segurança olhando em minha bolsa, encontrando minha roupa intima de ontem eu tinha esquecido e ainda se encontrava ali. Todo meu corpo se aqueceu para aquela descoberta, mas os seguranças permaneceram profissionais. Uma vez que o segurança nos liberou, seguimos pela pequena sala de espera e nos dirigimos para a pista para o nosso aguardado voo. Longo e elegante, mas ainda assim bem menor do que qualquer outro que eu tenha voado antes, não era nada como jatos comerciais que eu tivesse visto. Não havia jeito de eu voar nisso; garotas normais como eu nunca viram o interior desses a não ser que elas fossem aeromoças ou pilotos. O elegante interior me surpreendeu, com assentos de couro duas vezes maior que qualquer coisa que eu tenha visto em avião. O piloto permitiu que tomássemos nossos assentos antes de fechar a porta e voltar à cabine. Impressionada pelo que me rodeava eu comecei a mexer em todos os botões e implementos que tinha no meu assento. Tinha até mesmo um 49


telefone embaixo de um dos descansos de braço largos, o que eu achei divertido. Um fino tablet apareceu sobre a mesa que eu desdobrei, o mesmo que eu vi Jeremiah usando mais cedo. Assustada, eu olhei Jeremiah sentado em um assento próximo. “O que é isso?” Eu falei meu divertimento anterior escurecido. “Eu elaborei seu contrato no caminho para cá.” Quando eu hesitei, ele se inclinou e captou meu olhar. “Você sabia que isso aconteceria.” “Não

brinca.”

A

resposta

sarcástica

desmentia

meu

nervosismo. Eu estava assinando uma coisa que tiraria minha vida de mim? “Um carro levará você para casa se desejar ir embora.” Ele tirou uma caneta de prata do bolso de sua jaqueta e estava me entregando. “A escolha é sua.” Eu arranquei a caneta de sua mão, apertando ela contra minha mão para não entregar que estava tremendo. Recostando-me no assento, eu peguei o tablet e li todo o acordo. A parte de não divulgação era uma realidade e fez meus lábios se virarem em um sorriso cínico. É claro que ele não queria que eu falasse para o mundo. Tudo que eu precisasse seria providenciado, mas eu perderia tudo que me foi dado caso eu quebrasse algum dos termos do contrato. Blá blá blá.

50


Eu me adaptei a decifrar a linguagem jurídica durante a faculdade, mas ele escreveu um contrato bem simples. Perto do final eu parei em uma estipulação que nós não havíamos discutido. “Cinquenta mil dólares?” Eu gritei olhando para ele surpresa. Ele concordou. “Se você continuar sendo minha funcionária em seis meses, tem direito a receber um bônus,” citando contrato quase literalmente. “Isso, junto com qualquer pagamento

semanal,

não

serão

tirados

de

você

se

eventualmente você rescindir o contrato.” Então mesmo que eu desistisse, ainda teria alguma coisa disto. Vendo isto escrito, ajudou minha cabeça a perceber esta escolha absurda. O contrato, embora fosse vago sobre meus específicos deveres, dava uma ideia profissional a toda à situação e me fez sentir menos puta. Quem sabe, talvez este seja um contrato padrão entre ricos e famosos. De qualquer modo, eu dificilmente saberia. Sim, eu hesitei. Eu ainda posso ir embora, eu pensava olhando a caneta em minha mão. Eu posso terminar esta brincadeira boba, pegar um taxi até meu apartamento... ...e depois o que? A responsabilidade de pagar o aluguel estava chegando e minha colega de quarto, uma antiga amiga da faculdade, que me deu uma chance quando eu não tinha opções, não era capaz de pagar sozinha. O seguro desemprego levava muito tempo, a ideia de procurar outro emprego era assustadora, e 51


havia uma boa chance de não encontrar nada. A ideia de viver em um abrigo fez meu sangue gelar e o desamparo da minha situação começou a me oprimir. No rosto de Jeremiah não havia piedade enquanto ele me observava pacientemente. Ele deixou bastante claro o que este contrato implicava – em minha ‘entrevista’ eu estava espalhada em sua mesa enquanto ele tomava liberdades com meu corpo que me deixaram uma bagunça de gemidos e confusões ofegantes. A memória me fazia querer me encolher e esconder; eu nunca fui esse tipo de garota, e ainda um estranho me seduziu não uma vez, mas três vezes no curto espaço de 24 horas. Eu não tenho outra escolha. Eu li o contrato duas vezes, a enormidade do meu caminho pesando sobre mim, então com dedos trêmulos eu assinei meu nome na linha indicada e devolvi o tablet. Jeremiah o pegou e desligou. Imediatamente os motores do avião se ligaram e eu me assegurei que meu cinto de segurança estar fechado. Eu me agarrei no braço do assento e tentei ignorar meu medo de voar e do homem sentado na minha frente. “Você não gosta de voar?” Eu mantive meus olhos fechados e fingi estar dormindo enquanto os motores se ligavam e nos impulsionavam em direção à pista. O processo era suave, e não tão barulhento 52


como eu imaginei para um avião tão pequeno, mas minha respiração foi difícil até estarmos no ar. Nós estávamos recém subindo quando Jeremiah tirou seu cinto e seguiu para a área principal atrás de mim. Eu mantive meus olhos para frente, determinada a ignorar sua presença, até que uma mão carregando um copo de um líquido transparente apareceu diante de mim. “Eu não bebo,” eu disse. “Nem mesmo água?” Eu não achei sua brincadeira charmosa, mas tirei o copo de sua mão e murmurei um agradecimento. “Há comida no bar se você precisar de algo mais substancial.” “Eu não estou com fome, obrigada.” Meu estomago escolheu aquele momento para rugir alto, expondo minha mentira. “Certo, talvez com um pouco.” Seus lábios se comprimiram, e eu tinha a impressão de que ele estava tentando esconder um sorriso. “Você realmente não tinha ideia de quem eu era, não é mesmo?” De repente eu não estava com humor para conversar, eu soltei um suspiro e encolhi os ombros. “Aparentemente você não é tão popular quanto você acha.” Ele achou meu sarcasmo engraçado. “E o quão popular eu sou?” Contorcendo-me em meu assento, eu vi o divertimento em seus olhos. Ele parece tão duro até que você olha em seus olhos. Eles eram os mais bonitos verdes que eu poderia me 53


lembrar ter visto em um homem, vibrantes contra a pele morena e o cabelo preto. Percebendo que eu o estava encarando, limpei minha garganta e lutei para achar uma resposta a sua pergunta. Eu perdi qualquer resposta espirituosa e encolhi os ombros, tomando um gole da minha água. Eu ignorei sua risada. “Você deve querer dar uma descansada” ele disse, “será um longo voo”. Enquanto ele foi para a parte traseira do avião, eu fiquei no meu assento, inclinando-me para trás e me aconchegando no grande assento. Infelizmente, meu estômago, agora consciente de que havia alimentos nas proximidades, não me deu descanso. Eu consegui parar talvez meia hora, ocupando-me com vários dispositivos em torno de mim, antes de finalmente levantar e me dirigir à parte traseira para ver o que tinha disponível. Quando eu passei pelo meu chefe, ele estava sentado em um dos largos assentos, um copo com um liquido escuro em sua mão. Eu podia sentir seus olhos em mim enquanto me dirigia à pequena cozinha e me servia de um copo de suco de laranja antes de dar uma olhada no que havia de comida disponível. Peguei um sanduíche de frango com ingredientes que parecia mais como um ótimo jantar e comi lá mesmo. O homem me deixava nervosa; Eu não conseguia confiar em mim mesma quando estava perto dele. Sempre que ele estava 54


perto eu ficava imaginando cenas eróticas que eu tinha lido em romances e via em minhas fantasias. Tinha ido tudo bem enquanto ele era um estranho no elevador que eu via uma vez por dia. Agora eu precisava tirar ele da minha cabeça, mas era mais fácil falar do que fazer, ele tinha se tornado uma fixação proeminente em minha vida de fantasia e meu corpo não deixava esquecê-lo. Mesmo na minha atual situação de desespero eu não conseguia parar as minhas reações em sua presença, as mesmas reações que me fizeram entrar nesta bagunça em primeiro lugar. Pegando uma garrafa de água, me virei para sair da cozinha e dei uma parada brusca quando vi que ele estava parado na entrada. Ele se moveu em minha direção, eu dei um passo para trás e bati na bancada. “Eu, hum,” eu comecei a gaguejar, “Eu devo voltar ao meu assento...��� Seus dedos brincavam com um botão em sua camisa. “Você poderia me ajudar com isso?” ele perguntou, mostrando sua camisa e ignorando minha declaração. “Parece que esta presa.” Eu dei um suspiro de incredulidade. Era sério? Suas palavras vieram como uma cantada ruim, quase absurda dada à situação, mas outra fala, que eu escutei mais cedo naquela tarde surgiu em minha cabeça. Tudo que eu quero. Eu bufei então agora eu estou vestindo ele também? Isso não era o que pensava que eu faria ao assinar aquele contrato, 55


mas com um pequeno xingamento eu peguei o botão. Seus dedos encostaram-se nos meus, e eu tentei ignorar eles, junto com o aperto em minha barriga. Surpreendentemente, o botão estava realmente preso, mas levou apenas alguns segundos para desfazer. Eu soltei a sua camisa quando terminei, deixando o botão aberto, mas ele pegou minhas mãos antes que eu pudesse me afastar. “Você poderia checar os outros?” Eu olhei em seus olhos e depois rapidamente para baixo de novo. Isso é estúpido, eu pensei. Tentando sentir raiva enquanto minhas mãos eram colocadas de volta na camisa. Eu deveria ser uma advogada, alguém que ajuda os menos afortunados; não foi para isto que adquiri enormes empréstimos da faculdade, para ser uma gloriosa costureira... Jeremiah me encarava, eu tentei fortemente ignorar seu olhar – mais fácil falar do que fazer. Dando a ele um breve olhar que era quase um desafio da minha parte, eu comecei a desabotoar sua camisa. O material era fino mas forte, não era seda, mas algo tão caro e parecido quanto. Eu não consegui terminar o terceiro botão antes que minhas mãos começassem a tremer, não de medo, mas pela proximidade. Não demorou até eu perceber que ele não usava nada embaixo de sua camisa a não ser sua pele. Quanto mais botões eu abria, mais de seu tórax era revelado. Uma pele bronzeada contra sua camisa branca que se recusava a ficar fechada por si só. Ele 56


deu um passo mais para perto, ameaçadoramente próximo de mim e todo o meu corpo começou a tremer. Ai meu Deus. Minha vida até aquele momento não envolveu muitos homens de fora da família e alguns amigos de estudo. Ensino médio, depois faculdade, tinha sido sempre sobre estudos, livros e estudos

sempre

me

interessaram

mais

do

que

ter

relacionamentos com o sexo oposto – mesmo se eles estivessem interessados. A vida depois que meus pais morreram tem sido uma confusão, não havia tempo pra fazer mais nada além de trabalhar em diversos empregos e me preocupar com meu futuro. Se houve alguém interessado eu não percebi. Mas definitivamente eu percebi o homem parado na minha frente agora. Lutando contra a enorme vontade de tocar sua pele suave embaixo dos meus dedos era uma batalha perdida. Ele

deu

um

pequeno

passo

para

o

lado

e

eu

inconscientemente me movi também, virando lentamente com ele, enquanto ele tirava a camisa e jogava em cima de uma cadeira do nosso lado. Sem fôlego, meus olhos percorriam seu corpo, com a camisa que antes cobria, em seguida a vibração em minha barriga ficou cheia de faíscas quando seus dedos deslizaram até meus braços. Eu nem percebi que estávamos nos movendo, tão presa que estava a sua proximidade e seu toque, até minhas costas baterem contra alguma coisa dura – uma parede. Minhas mãos se apertaram contra os firmes 57


músculos de seu abdômen enquanto eu olhava para cima e o vi me olhando com uma intensidade que deixou meus joelhos fracos. Qualquer pensamento de resistência que eu pudesse ter enquanto ele pressionava seu corpo contra o meu, se foi. Ele baixou seu rosto e tomou meus lábios. O que começou suave, apenas um toque de nossos lábios se transformou rapidamente em algo muito mais apaixonado. Perdida contra seu ataque, eu gemi dentro de sua boca e passei minhas unhas em seu corpo tenso, respondendo ao seu beijo com um fogo que eu não sabia que tinha. Meu toque serviu apenas para inflamá-lo enquanto ele pressionava mais perto, sua língua saindo para brevemente lamber meu lábio e provocar minha boca aberta. Suas mãos largas exploravam meu corpo, se acomodando em minha cintura, com seus dedos se afundando em meus quadris e na minha bunda, me puxando para mais perto contra sua enorme figura. Minhas mãos foram para seu pescoço, se emaranhando em seu cabelo preto e grosso, tão desesperada por seu toque quanto ele parecia estar pelo meu. Uma perna estava firmemente presa entre minhas pernas, e eu ofegava enquanto partes do meu corpo que estavam sendo pressionadas, estavam inchadas e implorando por mais. As mãos que estavam agarrando meus quadris se apertaram e eu fui de repente levantada, pressionada contra a parede e suportada apenas por seu corpo e seu aperto. Minhas pernas 58


estavam enroladas ao redor de sua cintura enquanto seus lábios deixaram os meus, seus dentes passando pela pele suave da minha garganta e ele pressionou seus quadris contra mim. Um pequeno choro escapou da minha garganta, em seguida seus dentes morderam meu ombro através da minha blusa e ele mexeu seus quadris de novo. Minhas mãos se atrapalharam em busca de seu rosto, trazendo ele de volta. Eu o beijei de novo, fazendo pequenos gemidos dentro de sua boca enquanto ele continuava a se esfregar contra mim. Minha saia estava quase levantada em minha cintura e seus dedos rastejaram até o alto de minhas pernas, pressionando contra a fina barreira de minha calcinha, em direção ao meu núcleo dolorido. Eu gemi, mordendo seus lábios e levantando meus quadris em direção a sua mão, desesperada por mais. “Talvez você possa ajudar com os botões da minha calça, também?” As palavras baixas me deram um momento para processar, e eu consegui sair da névoa de luxúria. Eu parei o beijo, percebendo que eu quase permiti que acontecesse – de novo – e olhei em seus olhos. O calor e a necessidade em seus olhos ainda fez meu interior derreter, mas quando eu sai meio enfraquecida de seus ombros, ele se afastou, me largando gentilmente no chão. Minha saia estava bagunçada em meus

59


quadris, muito para o meu desgosto e eu apressei em arrumála enquanto me afastava para longe de seu alcance. “Você deve descansar, é um longo voo até Paris.” Eu olhei para ele. Ele estava parado lá parecendo bem o suficiente para comer, tão confortável nu como se ele estivesse em um de seus ternos caros. Por que eu estou fugindo dele novamente? Princípios. Morais. Ah sim. Droga! Dando a ele um aceno idiota, eu forcei-me a virar e voltar ao meu assento. Pegando um travesseiro, eu sentei em minha poltrona e reclinei. Eu não pensei que seria capaz de dormir, mas consegui finalmente dormir um sono agitado enquanto o sol passou pelo horizonte, o brilho laranja se extinguindo pela terra.

Em um determinado momento eu acordei e vi apenas escuridão pela janela. Alguém – Jeremiah? - não apenas me cobriu com um cobertor, mas também prendeu as pontas em torno do meu corpo. Eu franzi a testa, certamente ele não estava lá quando eu sentei, e olhei atrás de meu assento para ver Jeremiah dormindo em outro assento próximo... Sua camisa estava abotoada de novo, seu paletó estava colocado em uma poltrona próxima a ele. Ele tomava mais espaço no assento que eu, portanto não poderia estar com o

60


cobertor preso ao seu redor como eu, mas parecia estar confortável em sua poltrona reclinada. O sono tinha suavizado seu rosto, sempre tão duro, ele parecia diferente, mais jovem, mais relaxado dessa maneira. Eu gostaria de poder odiá-lo, eu pensei, mas não havia raiva em meus pensamentos. O homem naquele assento tinha me chantageado para assinar um contrato que permitia a ele quaisquer liberdades que ele quisesse ter, mas apesar de tudo havia momentos de quase ternura. Ele nunca fez nada que eu não quisesse, eu pensei, apertando o cobertor ao meu redor. Eu imagino qual seria o homem real: o CEO duro que me entrevistou enquanto eu estava esparramada em sua mesa, ou o homem que me cobriu com um cobertor. Eu decidi adiar aquela conversa para outro dia, a exaustão fazia meus olhos pesados. Bocejando baixinho, eu puxei o cobertor até o meu queixo, me aconcheguei na poltrona confortável e voltei ao meu sono.

61


Capítulo 6 “Você tem que pegar alguma coisa?” Considerando que não fui permitida a trazer nada... “Não.” O homem checou meu passaporte de novo, depois me entregou de volta seguindo para a próxima pessoa enquanto eu passava pela mesa. Letras em negrito em diversas línguas escritas em uma placa me disseram onde estava e eu parei e encarei. Eu realmente estava na França. Jeremiah permaneceu perto e, assim que eu recebi as informações, ele colocou uma mão na parte baixa das minhas costas e me conduziu através das poucas pessoas. Eu vi uma linha de pessoas esperando por recém-chegados enquanto saíamos do terminal principal. Ele me levou para um canto onde havia um homem careca com um cavanhaque loiro encostado na parede. Assim que nos viu, ele se dirigiu a nós, “Lucy este é Ethan meu chefe de segurança. Ele a levará para o hotel”. Nós trocamos um aperto de mãos, mas sua atenção superficial deixou claro que ele tinha outras prioridades. “Celeste ainda está aqui.” A voz de Ethan tinha um leve sotaque do sul, leve, mas dava para notar. “Ela não partirá pelas próximas três horas”. Jeremiah concordou. “Perfeito. Assegure-se que a Srta. Delacourt chegue ao hotel.” 62


“E você?” eu perguntei enquanto ele começava a se afastar. “Eu tenho que lidar com os oportunistas.” Para Ethan ele adicionou, “Tente não ser vistos.” Eu o vi sair pelas portas de vidro. Era isso? Eu pensei confusa. Estou sendo entregue ao motorista e tenho que sair secretamente daqui? Ocorreu que eu deveria estar feliz por não estar mais na sua presença, mas de repente, sozinha com um estranho, num país estrangeiro, eu percebi que sentia falta do estóico homem. “Ok, vamos lá.” Eu segui Ethan silenciosamente, dando umas olhadas em direção ao meu chefe. Enquanto Jeremiah saia, eu vi uma confusão do lado de fora e diversas pessoas se dirigiram a ele. Flashes de câmeras e os barulhos indistintos de vozes que vieram até mim enquanto saíamos. “Do que se trata isso?” eu perguntei, lutando para acompanhar os passos largos de Ethan. “Paparazzi.” Ethan segurou a porta para mim enquanto saiamos dos terminais, longe da multidão. "Sua participação no baile de gala neste fim de semana é de conhecimento publico, o suficiente para ganhar a cobertura da imprensa.” Baile de Gala? Entrei na parte de trás da SUV que estava a nossa espera na calçada. Outro homem, que deveria estar a nossa espera ao volante, saiu do veiculo para que Ethan pudesse tomar seu lugar e nós seguimos. “Ele ficará bem?” eu 63


perguntei através do espelho retrovisor, para o enxame de repórteres. Ethan bufou. “Isso não é nada, e ele fez isso para desviar atenção, então poderíamos sair sem ser incomodados. Ele não ficará muito atrás de nós.” De fato, eu vi ele se mover através da multidão enquanto a limusine parava e eu dei um suspiro de alivio. Eu nunca poderia fazer aquilo. Eu pensei agradecida por não ter que passar por ali. O pensamento de todas aquelas câmeras em minha cara, me seguindo por todo o lugar... Eu tremi só de pensar nisso. Um monte de questões surgiram em minha cabeça, mas o homem que dirigia não parecia o tipo de pessoa que falava muito. Eu as mantive para mim mesma, aproveitando minha primeira visão real de Paris. Eu prometi aos meus pais enquanto estava no ensino médio que, quando eu me formasse e me tornasse uma advogada, nós iríamos vir até aqui. Aquele desejo nunca se realizou, suas mortes em meu primeiro ano na faculdade tinham descarrilado minha vida, me forçando a seguir um caminho radicalmente diferente do que eu sempre imaginei - mas o meu amor pela cidade permaneceu. Os brilhos da Torre Eiffel pelos prédios me fizeram sorrir, alguns dos estresses dos últimos dias sendo esquecidos.

64


Quando nós finalmente paramos, um valet do hotel abriu a porta para mim e meu queixo caiu enquanto eu olhava em choque para o hotel. “Nós vamos ficar aqui?” Eu não obtive resposta e francamente eu não esperava por uma, a pergunta era de qualquer forma, retórica. Eu olhei o magnífico Paris Ritz, achando incompreensível que eu dormiria ali. Outro estabelecimento parisiense que eu só vi na internet e em revistas; as fotos não faziam justiça à estrutura. Enquanto não era tão grande quanto eu achava, era muito imponente do jeito que eu sempre imaginei e eu estava me coçando para ver por dentro. Uma ruiva em um fino corte feito para ela, se dirigiu a nós, seus saltos estalando contra o piso de madeira. Ela parecia feliz em ver Ethan, mas parou quando me viu. O grande motorista deu um beijo em sua mão, um gesto romântico que parecia estranho com seu comportamento rude. “Celeste, esta é Lucy Delacourt, a nova assistente pessoal do Sr. Hamilton.” A confusão em seu rosto havia sido desfeita, mas ela ainda parecia surpresa pela novidade. “Encantada em te conhecer.” Ela disse com um sorriso caloroso, estendendo sua mão para eu cumprimentá-la. “Eu sou Celeste Taylor, a cabeça das operações das Indústrias Hamilton.” Seu aperto de mão foi firme e objetivo, seu sorriso foi um alivio bem-vindo para o

65


estoicismo que eu tinha visto até agora. “Fazia um tempo que Remi não tinha uma assistente pessoal.” Remi? “Sim, bem eu sou nova.” Era difícil dizer o quanto eu poderia falar, então decidi deixar as coisas no nível profissional. “Eu fui contratada ontem à tarde.” As sobrancelhas de Celeste quase alcançaram a linha de seu cabelo. “Bem, certamente ele agiu rápido dessa vez.” Seu olhar se suavizou, “Isso tudo deve ser estranho para você”. Esse pequeno gesto de genuína simpatia quase me fez chorar. Eu gostaria de agradecê-la, mas consegui me segurar de jogar meus braços ao redor de seus ombros, ao invés disso eu engoli minha gratidão de volta. “Ontem eu era apenas uma funcionária temporária, levando um dia de cada vez. Agora, bem eu” apontei para o hotel ao meu redor. “É um pouco opressivo.” “Sim, eu imagino.” Ela olhou em direção ao carro. “Você trouxe alguma bagagem?” “Uh...” Eu não conseguia imaginar como explicar aquele pequeno detalhe. Quem atravessa o oceano sem trazer nenhuma

roupa

ou

bagagem

para

a

viagem?

Eu

aparentemente, mas não sabia o que dizer sem trazer temas embaraçosos à tona. Celeste virou sua cabeça para o lado diante do meu inconfortável silêncio, estreitando seus olhos.

66


Ela deu um passo para trás, me examinando da cabeça aos pés, depois assentiu. “Ah eu vejo por que,” ela disse com um sorriso conhecedor. Eu dei uma olhada em minhas roupas, não entendendo o que ela queria dizer. Elas ainda estavam limpas, apesar de um pouco amassadas pela viagem e dormir no avião. “Por que, o que tem de errado com o que eu estou vestindo?” Celeste deu uma risada, “Oh, não é com minha opinião que você deve se preocupar,” ela disse, balançando sua cabeça e rindo. “Se Remi não gosta de alguma coisa, ele fará tudo que estiver em seu poder para mudar isso. Ele é um rolo compressor, acostumado a conseguir as coisas do seu jeito. Você não precisa dizer nada, eu já posso ver o que aconteceu com você.” Ela se dirigiu para a porta do hotel. “Venha para dentro, está frio aqui fora.” Eu a segui, enquanto Ethan ficou para fora na calçada, atendendo uma chamada no seu celular. “Quando você conheceu Sr. Hamilton?” eu perguntei. Celeste me deu um olhar divertido quando usei um jeito formal para tratar o homem. “Nós fomos à faculdade juntos anos atrás, apesar de ter me mudado para o oeste quase imediatamente após a formatura. Divorciei, me mudei de volta para começar tudo de novo, não conseguia achar nada. Quase perdi as esperanças, então Remi me achou.” Ela encolheu os ombros. “Eu comecei como gerente e depois, quando ele 67


reestruturou toda a companhia depois que seu pai morreu, eu tive que fazer uma escolha: ou aceitava a posição de COO ou seria demitida. Como eu disse,” ela acrescentou, rolando seus olhos para mim, “um rolo compressor.” “Soa familiar.” Os empregados do hotel abriam as portas e eu olhei maravilhada ao redor da entrada. “Este lugar é muito melhor do que eu imaginava.” “Espere até ver as suítes.” Ela olhou seu relógio. “Meu avião vai partir daqui a 3 horas, quer que te mostre as coisas por aqui?” Quando eu sorri para ela, ela pegou meu braço. “Você precisa ver a piscina primeiro. Sempre me deixa sem fôlego.” O passeio foi rápido, mas completo e me deixou um pouco tonta. O que eu fiz para merecer isso? Eu ficava imaginando, olhando para aquela opulência incrível. Por que eu estou aqui? Isso é compensação do destino depois desses últimos 4 anos horríveis? Será que tudo vai ir embora tão rápido como a minha vida anterior? “Eu preciso ir. Até mesmo voos privados tem uma agenda para manter.” Eu mal conhecia a mulher, mas me senti triste em vê-la partir. Eu achei os últimos dois dias agitados e estressantes, e a presença de Celeste era como um bálsamo bem vindo. Estendendo minha mão, eu disse “Tenha um vôo seguro”.

68


Ela pegou minha mão com um aperto forte, depois se aproximou. “Olha, seja legal com Jeremiah, ok? Ele pode ser um idiota, mas ele tem um grande coração para aqueles com quem ele se preocupa ou decide cuidar.” Suas palavras me assustaram. Seja legal com ele? “Ele é meu chefe,” eu disse formalmente, não muito certa de como responder sem soar petulante. “Eu devo respeitá-lo.” Ela começou a balançar a cabeça, parou para pensar e então concordou arrependida. “Isso é suficiente o bastante, eu acho.” Se aproximando, Celeste acrescentou em uma voz baixa, “faz dois anos que ele teve uma assistente pessoal; a última humm, saiu em maus termos. Como sua assistente, de qualquer maneira você seguirá ele em funções, e servirá como sua acompanhante. A imprensa está habituada a estes arranjos e deixará você em paz, mas tenha cuidado é inevitável que você receba um pouco de atenção”. Ele trata a todas como eu? Surpreendeu-me quando ela mencionou sua assistente anterior me deixar irritada. Eu me lembrei de repente, da enorme quantidade de paparazzi fora do aeroporto e fiquei gelada. De repente esta é uma ideia muito ruim. Depois de novo, quando eu teria pensado nesta situação toda, apenas um estranho golpe do destino? “Ah falando no diabo.” Eu me virei e vi a figura alta de Jeremiah entrando no hotel. Ele tinha uma pequena caixa embrulhada embaixo do braço e 69


parou para falar privadamente com Ethan. Eles tinham uma vibração parecida que eu achei interessante, e mencionei isso a Celeste. “Bem, ambos estiveram no exercito juntos, talvez seja isso.” “Exercito?” Eu nunca o imaginei sendo soldado. Parece que eu tinha muito a aprender sobre o homem que agora estava me empregando. Celeste concordou, “eles eram ambos do Exército Rangers até o pai de Remi morrer e deixar ele responsável pelos negócios da família. Negócios complicados, estes. Eu cheguei logo depois e ajudei em campo antes de tudo explodir”. Eu queria perguntar mais, mas os homens estavam vindo em nossa direção e o momento foi perdido. Celeste sorriu e deu um passo a frente, pegando a mão de Jeremiah. “Parece que eu não sou mais necessária nesta pequena reunião hoje à noite.” Jeremiah levantou a mão de Celeste para dar um beijinho antes de deixá-la ir, mas ao lado dele eu vi Ethan recuar para aquele gesto. A ruiva deu um passo para o lado, depois olhou para o homem alto careca ao seu lado. “Pronto para ir, amor?” Eu pisquei surpresa, primeiro pelas suas palavras, depois de novo enquanto eu via a impassível face de Ethan se suavizar com um sorriso.

70


Celeste me acenou e eles foram embora, a mão do homem grande, nas costas da COO. Só depois eu percebi o anel dourado na mão esquerda de Ethan. “Eles já estão há quase um ano casados.” Ao meu olhar assustado, Jeremiah levantou uma sobrancelha. “Sua pergunta estava estampada em seu rosto.” Eu abaixei minha cabeça ao seu tom sarcástico, limpando minha garganta. “E agora?” Eu perguntei dando uma última olhada no casal que estava saindo. O stress retornou enquanto eu não tinha ideia do que ele queria. “Celeste te mostrou o hotel?” “Um pouco, sim.” Eu não podia parar o sorriso que surgiu no meu rosto. “Ele é absolutamente incrível, fotos nunca fizeram justiça.” Ele deu uma risada divertida. “Espere até ver os quartos.”

71


Capítulo 7

Eu afundei na água quente, segurando os lados da grande banheira de porcelana para não afundar. Montanhas de bolhas de espumas faziam cócegas no meu nariz enquanto eu me sentava numa posição confortável, e eu sorria, soprando essas bolhas enquanto elas dançavam no ar. A banheira profunda era surpreendentemente confortável e eu me ajeitei nela, dando um suspiro de alivio e brincando com as bolhas de água com meus dedos dos pés. Jeremiah me mandou subir para o quarto, dizendo que tinha que cuidar de algumas coisas antes de se juntar a mim. Eu segui um rapaz que trabalhava no hotel que me mostraria o quarto e, quando ele abriu a porta, a visão me deixou sem palavras. O interior da suíte era o mais incrível, espalhafatoso que eu já tinha visto, com seus espelhos dourados e pinturas, painéis brancos aparadas com candelabros de ouro, cristal e luzes, molduras cheias de rococó e filigrana ao longo de cada canto e um painel aberto. Tapeçarias cobriam as paredes, e cada pedaço do quarto gritava Olhe para mim, eu sou caro, batendo na cabeça com sua elegância exagerada e design escabroso e extravagante. Eu simplesmente adorei. Enquanto o recepcionista do hotel estava me mostrando ao redor, eu mal escutava, muito ocupada explorando por mim 72


mesma. A suíte incluía diversas salas de estar ao lado do quarto com móveis que pareciam muito caros, mas nem um pouco confortáveis. Toda recreação que eu poderia pensar, e várias que eu nunca teria considerado, foram fornecidas gratuitamente. Eu pensava que tivesse morrido e ido para o céu quando vi o banheiro com seus tetos altos e espelhos, tampos de mesa e pisos em mármore, e uma banheira quase tão grande como uma Jacuzzi, localizada no meio. O recepcionista só teve tempo de me apontar o armário com toalhas de linho e roupões antes de dispensá-lo o mais educadamente possível e me jogar num banho de espuma. Eu escolhi uma fragrância de lavanda da seleção de óleos para banho antes de tirar minhas roupas de trabalho, pegar um roupão e fechar a porta. Eu me permiti aproveitar o calor e o cheiro doce da água por um tempo, antes de tomar o banho de verdade. Usando meus dedos dos pés para não desperdiçar água quente e apertar o botão da banheira, mantive a água aquecida enquanto eu esfregava minha pele. Eu levei meu tempo, mas minhas mãos finalmente enrugadas me convenceram a deixar a banheira, as bolhas agora eram apenas uma fina camada em cima da água. Entrando no roupão e enrolando meus cabelos em uma toalha, dei uma olhada nas bancadas e gavetas para ver se achava outros

tesouros

escondidos

no

banheiro.

Três

batidas

73


cortantes contra a porta trancada me fizeram pular de surpresa. “Gostaria de ver você aqui fora.” A voz profunda de Jeremiah que atravessou a grossa porta de madeira, suas palavras um comando, que esperava ser obedecido. Eu congelei, a tensão que eu tentei levar mais cedo estava de volta agora com força total. Uma rápida olhada em volta me fez perceber com profundo horror que eu não tinha roupas além do roupão e da toalha; eu as deixei na cadeira do quarto agora ocupado pelo meu chefe. Respirando fundo eu dei uma olhada em mim mesma no espelho. Meu rosto estava limpo de toda a maquiagem, brilhante e limpo, mas nu sem meu usual rímel. Embaixo da toalha enrolado desordenadamente na minha cabeça, meu cabelo estava uma bagunça e ainda muito molhado para pentear. Eu não posso deixar ele me ver desse jeito; ele vai me expulsar do hotel! Eu tirei rapidamente a toalha da minha cabeça e gritei “Só um minuto” para ele não achar que eu o estava ignorando. Por que você se preocupa com o que ele pensa, o lado racional do meu cérebro tentou perguntar enquanto eu me atrapalhava com meu

cabelo

molhado

e

tentava

suavizar

as

minhas

sobrancelhas que precisavam desesperadamente de uma pinça.Você não quer ficar longe dele, de qualquer maneira?

74


Talvez, mas pelo menos eu quero parecer decente quando eu for embora. Desembaraçando meu cabelo longo, tentando dar alguma ordem e ajeitando meu roupão certifiquei que o cinto estava bem amarrado, eu andei para a porta. Parando um pouco eu dei uma olhada no espelho – sério você nunca foi tão vaidosa! – antes de abrir a porta e sair. Jeremiah estava do outro lado do quarto ao lado de um carrinho de prata pequeno com pratos com tampas. O aroma suave da comida chegou ao meu nariz, me deixando com água na boca. Ele me olhou enquanto eu me aproximava seus olhos parando em meu roupão e cabelos molhados. “Como foi seu banho? Estava bom?” Eu resisti à vontade de esguichar, encolhendo um ombro. “Não é exatamente o que eu estou habituada.” Seu olhar fixo me incomodou como se tivesse me pegado em uma mentira, e levou muito autocontrole para eu ficar quieta. Ele se virou para puxar o carrinho ao lado da mesa e de repente eu não conseguia respirar de novo. Pare de permitir que ele te deixe desse jeito. Minhas reações a ele eram estúpidas, mas eu não poderia deixar de me sentir ameaçada, como se ele estivesse sutilmente me perseguindo. “Eu tenho algo para você.”

75


Isso ganhou minha atenção. “Café da manhã?” Eu perguntei meus olhos recaindo nos pratos ao lado dele. Minha barriga retumbou em antecipação. “Daqui a um momento, talvez.” Ele se endireitou e olhando direto em meus olhos disse: “Tire o roupão e venha aqui”. Tudo dentro de mim gelou. Eu abracei o roupão mais apertado em volta de mim tentando impedir o inevitável. “Por quê?” Ele não disse nada, e eu olhei para cima e vi que ele estava me observando. Não havia emoções em seu olhar e até onde ele sabia, eu deveria tirar o roupão e ir até ele simplesmente por que ele disse. Porque eu assinei um documento dizendo que eu deveria fazer o que ele mandasse, algo que eu fiz só porque ele não me deu outra escolha. Os ornamentos brilhantes ao redor não conseguiram disfarçar o que eram: uma gaiola, projetada para manter-me fora do equilíbrio e à sua mercê. Finalmente, finalmente eu fiquei furiosa. “Por que eu? Por que tudo isso?” Eu apontei ao redor do quarto. Ele inclinou a cabeça, “Por que não você?” Ele estava devolvendo minhas perguntas, aquilo me deixou puta. “Eu não era nada na sua vida, apenas um par de mãos para digitar e depois ser jogada na rua quando não fosse mais necessária. Então porque eu estou aqui?”

76


Seus lábios se tornaram uma linha fina, mas ele não disse nada. Atravessando o quarto até a mesa larga de mármore, ele pegou uma garrafa de cristal e se serviu de um copo com um liquido âmbar. “Minha carreira consiste em procurar por potencial,” ele disse girando o líquido enquanto me olhava sereno. “É meu trabalho encontrar empresas que eu posso comprar ou patrocinar, consertar, depois vender para obter lucros.” “Então o que eu sou? Um projeto?” Um pequeno movimento de sua cabeça confirmou minhas suspeitas. “Você era ambiciosa, inteligente quando era estudante, acostumada com certo tipo de vida. A vida lhe deu uma mão cruel, te deixou mais pra baixo do que você poderia imaginar.” Ele me desejou saúde com o copo antes de tomar um gole. “Você nunca iria dispensar a chance de se restabelecer, custe o que custasse.” “Então me de um emprego.” Eu falei, o sarcasmo escapando da minha língua. “Você não precisa me tirar a dignidade, me fazer... o elevador, a garagem—“ O barulho do copo batendo na bandeja me deixou em choque alem da minha raiva. “Você pegava aquele elevador todas as manhãs,” Jeremiah disse em uma voz baixa, olhando para a garrafa de cristal, “me dando aqueles olhares, chegando perto,

77


mas não tão perto.” Seus olhos encontraram os meus, e eu tive que respirar com força pelo fogo que eu vi ali. “Eu conhecia seu cheiro, sabia quando aquela necessidade atravessava você, Aqueles pequenos sorrisos, sem saber o que se passava pela sua cabeça...” Minha respiração ficou presa quando ele parou os dedos apertando a parte superior do vidro, seus dedos brancos com a tensão. Eu não acredito em você. “Eu não sou ninguém,” eu disse minhas próprias palavras enfiando adagas em meu coração. Sua mão que estava livre se apertou com o punho enquanto seu maxilar ficou cerrado, depois seu corpo relaxou. Ele se dirigiu a mim, e eu dei um passo para trás tentando em vão me agarrar a um último resquício de raiva que eu ainda possuía como um escudo. Estar tão perto dele era intimidante, meu coração batendo no meu peito enquanto eu olhava para o lado, incapaz de ser mais forte. Um dedo levantou meu queixo e eu o estava encarando. Seu rosto estava implacável como sempre, mas sua voz era mais suave enquanto ele repetia seu pedido anterior. Exigiu: “Tire seu roupão”. As palavras ecoaram através do meu corpo, sua proximidade fazia coisas estranhas com a minha mente e eu me encontrei desatando o cinto do roupão. O material macio saiu dos meus braços e foi parar no chão, caindo nos meus pés. Totalmente 78


exposta para ele pela primeira vez, eu fechei meus olhos contra sua análise cuidadosa, uma lágrima escapando entre meus cílios. Quando ele colocou seus braços ao meu redor, eu endureci, mas suas mãos pararam em meus ombros, enquanto ele me virava. “Olhe uma coisa,” ele disse, e quando eu não abri meus olhos imediatamente ele repetiu “Olhe.” Um espelho largo e oval estava parado na minha frente e eu me encolhi para o meu reflexo. “O que você vê?” ele perguntou. Barrigas e coxas flácidas, quadris grandes, peitos que precisam de um sutiã para ficar bons. “Eu.” Eu sempre fui minha própria pior crítica. Eu o vi franzir o cenho no espelho, depois ele virou o rosto para analisar meu reflexo. “Eu vejo um rosto lindo,” ele começou, passando um dedo na minha bochecha e em meu pescoço. “Pele macia, as curvas certas.” Ele se aproximou mais perto ao lado da minha cabeça e respirou fundo. “Você cheira bem o bastante para ser comida.” Ele acrescentou suas palavras quase um rugido. Eu perdi meu fôlego, suas palavras fizeram minha barriga apertar, Uma mão grande cobriu meu peito, dedos beliscando um mamilo, e dessa vez eu engasguei bem alto. Sua mão apertava meu ombro enquanto a mão que estava em meu peito descia, passando pela minha barriga e deixava um rastro 79


de fogo no caminho. “Tão linda.” Ele murmurou e minha cabeça caiu em seu ombro enquanto sua mão passava pelo meu quadril, seus dedos afundando em minha pele. Eu o olhava no espelho, as batidas do meu coração altas em meus ouvidos, enquanto sua mão descia mais, não muito apenas para sentir a forma. De repente ele se afastou e me deixou ali confusa e desequilibrada. “Não se mexa.” Ele disse, sua voz cortante e eu congelei. Minha obediência instintiva me perturbou, mas eu fiquei parada enquanto Jeremiah pegou a caixa que eu vi ele carregando mais cedo na entrada do hotel e ele me alcançou. “Eu estava guardando isto para mais tarde, mas agora é uma hora melhor.” Desconfiada eu peguei o pacote e abri, tirando o papel que o cobria. Meus olhos se arregalaram enquanto eu corria um dedo ao longo de um par de meias calças e sob as tiras de cetim havia um bustiê de puro branco. Sem palavras eu olhei para o meu chefe e de volta para o conteúdo da caixa, sem muita certeza de como responder. Jeremiah pegou a caixa das minhas mãos gentilmente quando eu não fiz nada por vários segundos. “Se vire.” Eu fiz o que ele mandou, ele tirou os artigos minúsculos da caixa e então, para minha surpresa maior começou a me vestir.

80


Primeiro o bustiê branco, que ele fechou nas minhas costas; cobriu meus seios e barriga com laços que caiam até minhas coxas. Eu entrei nas minúsculas calcinhas e depois na cinta liga que se unia aos laços do bustiê. Havia algo incrivelmente sensual sobre todo assunto apesar de como profissional ele se mostrou. Eu nunca na minha vida vesti uma lingerie como esta, certamente nunca para um homem e, era uma experiência interessante. Eu sou muito pálida para usar branco, uma parte cínica de mim pensou, mas eu mantive essa observação para mim mesma. Quando ele terminou me pegou pelos ombros e me virou de novo até que eu estivesse de novo de frente para o espelho. “Agora o que você vê?” ele perguntou, chegando perto do meu ouvido. Eu pisquei. Wow! Então é isso que você ganha quando veste lingerie super cara. O tecido branco conseguiu esconder o que eu sempre odiei e acentuar o que eu nunca imaginei que eu tivesse.

Minhas

mãos

correram

até

minha

cintura

modestamente afinada pelas cordas ao longo da minha espinha, e sobre meus quadris passando os dedos nas tiras de cetim e pelas minhas pernas para as meias. Todo o conjunto não era excessivamente restritivo, mas firme o suficiente para puxar as partes para cima e empurrar certas partes também – especificamente meu peito, o que eu nunca considerei exatamente impressionante. 81


Com uma boa aparência agora eu pensei, passando meus dedos pelos firmes topos de cada peito. De repente me lembrei de que ele tinha feito uma pergunta, eu limpei minha garganta para responder, mas não sabia o que dizer. Eu prendi meu olhar com o dele no espelho e ele assentiu, obviamente vendo minha resposta ali. “Bom que nós vemos olho no olho,” ele murmurou passando suas mãos em meus braços e ombros. “Agora que já resolvemos isso...” Uma mão torceu meu cabelo e minha cabeça foi virada de volta. Eu dei um pequeno grito, minha mão cobrindo a sua em surpresa enquanto eu olhei para ele. Seu rosto ficou frio como granito, seus olhos verdes intensos, mas sua voz era macia como seda. “Eu não gosto que me contradigam. Quando eu digo para você fazer alguma coisa, eu espero que você faça imediatamente ou senão haverá consequências.” A mão em meu cabelo apertou mais forte. “Fique de joelhos.

82


Capítulo 8

Eu me ajoelhei rapidamente até o chão, a pressão adicional da mão na minha cabeça me forçava a ficar de joelhos. A cinta liga contra a parte de trás das minhas coxas e bunda estava apertando, um sentimento de interesse, mas ainda meio eclipsado pelo desconforto causado pelo aperto da mão em meu cabelo. Minha cabeça estava inclinada trás e eu olhava enquanto Jeremiah me examinava de cima abaixo. “Você gosta disso não é mesmo?” ele murmurou. Deus sim! Aquela parte traidora da minha alma estava em chamas de novo, se revelando mesmo em forçada submissão enquanto eu pensava no que eu tinha me metido. Sua mão largou meu cabelo e passou pela minha bochecha. “Você esta tão linda de joelhos. Eu estou duro só de pensar em sua boca no meu pau.” Eu tremi ao ouvir as palavras brutas, vendo como seus dedos deslizaram sobre a protuberância em suas calças apenas alguns centímetros do meu rosto. Virando minha cabeça para o lado, eu vi nosso reflexo no largo espelho. Nós não estávamos fazendo nada – ainda – mas do jeito que ele estava parado lá, queixo levantado e seu corpo reto enquanto eu ajoelhada aos seus pés... Eu estava derretendo por dentro, ajeitando minhas pernas para ficar pronta para ter ele. Eu ansiava por seu toque

83


e fui contra sua mão como uma gata e como recompensa ele passou seu dedo pela minha testa. “Eu sonhei com você de joelhos, sua linda boca me chupando.” Um dedo passou pela minha testa de novo ajeitando meu cabelo molhado. “Você gostaria de me ajudar a gozar, gatinha?” "Sim", eu respirei, então grunhi em choque quando ele agarrou meu cabelo de novo. “Sim, o que?” “Sim...” Eu quebrei a cabeça para dar uma resposta apropriada. “Senhor?” Ele fez um som de aprovação, depois suas mãos me largaram, começou a abrir suas calças e ele se libertou. “Eu não vou prometer ser gentil,” ele falou com uma voz áspera pela necessidade “porque eu tenho pensado muito nisso, mas eu prometo terminar qualquer coisa que eu começar.”

Eu

passei

meus

dedos

em

torno

de

seu

comprimento duro, deslizando minha mão até a base, em seguida, voltando experimentalmente. Ele empurrou seus quadris então eu fiz isso de novo antes de me inclinar para frente e passar minha língua sobre a cabeça. Eu segui o cume, até o eixo antes de chupar ele em minha boca, rolando a cabeça com a minha língua. Enfiei minha mão até a base, passando a ponta bulbosa com a minha língua

84


para chupar a ponta macia, em seguida, tirei minha mão de cima e puxei-o mais profundo. Ele descansou suas mãos na minha cabeça, não me forçando a nada, mas me lembrando de sua presença. Eu empurrei minha cabeça sobre ele, minha mão acariciando seu eixo enquanto eu o colocava mais fundo. Os sons vindos acima de mim – grunhidos baixos e respirações truncadas – eram gratificantes de se ouvir. Eu posso fazer ele perder o controle, eu pensei e a ideia me deu motivação para dobrar meus esforços. Quando eu achei que conseguiria controlar meus movimentos, eu liberei a base do seu pau e coloquei o máximo que eu conseguia. Um grito sufocado veio de cima, suas unhas afundando em meu crânio. A espessura da cabeça do seu pau estava fazendo cócegas na parte de trás da minha garganta me forçando a retirá-lo ou me engasgaria. Segurando com força na base, eu comecei meus esforços de novo, mas as mãos em cada lado da minha cabeça me puxaram, seus quadris penetrando em minha boca quente. “Mãos nas costas.” As palavras eram uma ordem dura. Eu parei um momento antes de reclamar, torcendo os braços atrás de mim e cerrando meus pulsos. Eu rezei para ele ser gentil comigo. Eu deveria ter melhor conhecimento.

85


Sua primeira estocada atingiu a parte de trás da minha garganta e meus olhos se encheram de água imediatamente. “Mãos para trás.” Ele latiu de novo quando eu instintivamente as coloquei pra frente, “ou eu não te darei escolha e as amarrarei.” Levei cada grama de força de vontade que possuía, mas eu forcei minhas mãos para trás, entrelaçando meus dedos e segurando lá pela minha querida vida. Ele repetiu a estocada, desta vez não tão fundo me deixando espaço para respirar. Ele continuou assim empurrando a si mesmo para dentro e para fora da minha boca e eu lentamente comecei a me acostumar com o movimento. De fato muito em breve eu comecei a me acostumar com seu tempo o bastante para improvisar. Eu pressionei a minha língua contra a base do seu pau; Sua imersão cresceu lentamente me permitindo mais espaço para manobrar e brincar. Os pequenos sons vindos de cima – um pouco de gemidos e sua respiração soando difícil – era extremamente sexy, e um bom indicativo de que eu estava fazendo a coisa certa. Quando eu passei a minha língua na ponta do seu pau formando uma vedação e sugando-o profundamente, o engasgo que eu ouvi fez os cantos da minha boca subirem em um sorriso. Seus dedos se prenderam no meu crânio, dirigindo minha cabeça bem fundo enquanto ele deu uma estocada bem fundo em minha boca. Em todo momento, que eu me sentia 86


engasgando ou com dificuldade de respirar, ele diminuía o ritmo e o agradeci o melhor que eu pude. Dei uma olhada para o lado e nos vi no espelho, e a necessidade crua que eu vi no seu rosto – Eu estou fazendo isso – era um afrodisíaco poderoso. O palpitar entre minhas pernas aumentou e minha pequena calcinha não era páreo para o liquido que corria entre elas. Eu precisava dele dentro de mim logo ou isto vai ser demais. Aparentemente ele pensava o mesmo, porque ele se retirou da minha boca e deu um passo para trás, minha saliva brilhava no membro esticado no meu rosto. “Se levante.” Não tendo certeza do que ele queria dizer, se poderia mover minhas mãos, eu tentei me ajeitar até ficar de pé, as mãos ainda presas em minhas costas. Havia aprovação em seu rosto, mas ele pegou a parte de trás do meu pescoço, seu aperto firme, mas não muito, e me levou até uma mesa de mármore com uma base larga de madeira. “Se deite em cima da mesa e agarre os lados até eu dizer que você pode largar.” A mesa parecia bastante firme, mas a pedra devia estar fria e eu não estava usando muita coisa. De algum lugar dentro da minha alma uma pequena voz gritou Você ainda pode dizer não, ainda não é muito tarde. E depois o que? Ele tinha me dito não muito tempo atrás no estacionamento que ele nunca tinha pegado uma mulher contra sua vontade. 87


“Apenas diga não e eu deixarei você em paz para sempre.” Ele tinha me dito e eu acreditava nele. Eu poderia dizer não e sair por aquela porta. Ele poderia me mandar de volta para os Estados Unidos, ou não. Não importava, eu poderia ir até a embaixada dos Estados Unidos eu conseguiria voltar de qualquer maneira. Eu sabia como sobreviver – os dois últimos anos me ensinaram isso pelo menos. Tudo que eu tinha que fazer era dizer não. Eu olhei no espelho e encontrei os olhos de Jeremiah, Havia uma resposta ali que eu não quis reconhecer até agora. Meu corpo sabia o que eu queria e eu vi o mesmo entendimento nos olhos de Jeremiah. Quem eu estava enganando? A menina refletida de volta para mim em lingerie branca, apoiada por um homem bonito e os ambientes luxuosos, me desafiou a dizer não ... E eu tomei minha decisão. Meu corpo estava impregnado de desejo, eu me inclinei e agarrei as pontas da mesa firmemente, aliviada quando ela não se moveu. A mão de Jeremiah deixou meu pescoço, traçando minhas costas até minha bunda, dando uma apertada. “Abra suas pernas.” Eu fiz o que ele disse, e suas mãos baixaram mais, seguindo a linha da calcinha entre a minha bunda. Eu tremi enquanto seus dedos acariciavam a calcinha fina e eu embaixo dela, e virei meus quadris para ter mais contato. 88


“Você toma anticoncepcional?” A pergunta inesperada me tirou da névoa de luxuria por um momento e eu disse que sim. Menstruação irregular, mais do que qualquer tipo de vida sexual, era o motivo de ainda tomar os remédios. Eu realmente nunca precisei deles por nenhuma outra razão. Como premio por minha resposta seus dedos escorregaram por dentro da fita da calcinha, pressionando contra minha pele molhada e eu gemi. Ele circulou a minha entrada com dedos ágeis, e depois em direção ao ponto rígido que vibrava com cada batida do meu coração. Minha respiração vinha em arquejos, mas ele não seguiu adiante, sua mão apenas explorando. “Você gostaria que eu te fizesse gozar, gatinha?” Eu concordei vigorosamente, seus dedos fazendo minha respiração ficar presa. Uma risada veio atrás de mim e seus lábios pressionaram a parte de baixo das minhas costas, um pouco abaixo do meu bustiê. “Você tem que trabalhar para isso, você esta disposta a fazer isso?” Antes que eu pudesse responder qualquer coisa, seu dedo escorregou de volta para dentro e pressionou firme contra a entrada da minha bunda. Eu avancei em estado de choque, mas a mesa impediu qualquer fuga da invasão estranha. Eu tremia enquanto sua mão acariciava minhas duas entradas - a

89


sensação estranha era um mistério que o meu corpo não conseguia descobrir. "Muitas mulheres gostam de se divertir aqui", Jeremiah murmurou atrás de mim, com os dedos continuando a suas explorações superficiais. “Algumas na verdade até preferem. Pois o proibido as deixa mais excitadas.” Ele se aproximou seu corpo moldando o meu. “Alguns homens também preferem esta entrada, por ser mais apertada e um tabu é mais para deixar excitado do que o próprio sexo.” Seus lábios estavam atrás da minha orelha quando ele adicionou, “Adivinha que tipo de homem eu sou?” Eu gemi desesperadamente, presa entre o mármore frio da mesa

e

seu

corpo

quente.

Seus

dedos

continuaram

trabalhando no cerne duro entre minhas dobras fazendo meus quadris irem pra frente e respirações em arquejo escaparem de meus lábios. As duas sensações de uma só vez tornaram difícil diferenciar qual me excitava mais e o polegar esfregava sobre ambos e eu desejava mais. As confusões era difíceis de serem sustentadas, enquanto as sensações ameaçavam me dominar por completo. Então quando Jeremiah empurrou seu dedo para dentro, alargando os músculos apertados de um modo eu nunca tinha considerado isso algo sexy, eu gemi e empurrei meus quadris contra sua mão.

90


Sua risada era profunda e sexy, me deixando feliz e fazendo minha pele formigar. Aqueles dedos redobraram seu ritmo encontrando lugares dentro de mim que deixaram meu corpo tremendo e se apressando contra ele, meus gemidos altos e descarados. “Você é muito gostosa.” Ele cochichou em minha orelha, passando seus quadris em minha bunda. Ainda nu da cintura para baixo ele empurrou seu pau duro entre minhas coxas ao lado de sua mão antes de repetir o movimento. O interior de minhas pernas estava muito molhado e o giro de seus quadris contra minha bunda era muito sexy. Eu estava segurando com tanta força os cantos da mesa de mármore que minhas juntas estavam brancas, meus gritos eram longos lamentos, as sensações e a crescente urgência faziam meu corpo tenso em antecipação. “Você vai gozar quando eu disser e só quando eu disser.” Eu gemia, mas dessa vez em protesto e sua mão foi embora. A repentina ausência foi como um balde de água gelada – uma interrupção não desejada, sem dúvida uma punição pela minha reclamação. Para minha alegria, de qualquer maneira, o espaço foi rapidamente preenchido por outra mexida de seus quadris enquanto ele deslizava seu eixo rígido e empurrava entre minhas coxas e uma mão veio e prendeu meu pescoço. Ele não empurrou para dentro, apenas deslizou para o interior molhado. 91


“Por favor,” eu gemi empurrando meus quadris para dar um melhor acesso. “Por favor, o que?” Sua voz tinha algo de divertimento apesar de que não podia ver seu rosto, mas desta vez eu tinha certeza de saber a resposta. “Por favor, senhor.” “O que você gostaria, gatinha? Você me quer dentro de você, este seu lindo rabo aberto para que eu possa meter bem fundo? Eu devo te levar bem forte, forçar você a gozar com meu pau pulsando bem fundo?” Aquela voz rica e grave tão próxima do meu ouvido poderia derreter pedras. Ele deslizou seu pau duro entre minhas pernas, e tudo correu de volta; eu estava tão perto, não demoraria muito... Eu senti a cabeça do seu pau naquela parte dolorida ao mesmo tempo em que suas mãos abriam minha bunda, os dedos passavam ao longo da minha pele enrugada. Ele empurrou ambas as aberturas ao mesmo tempo e eu quase chorei, a pressão e o alargamento foram um alivio bem-vindo. Ele gastou pouco tempo, seus quadris estavam em um ritmo constante enquanto seus dedos trabalhavam no meu rabo. Em questão de minuto eu estava gemendo com cada estocada, meus gritos ecoando na mesa de mármore e no quarto cheio de ornamentos. Enquanto suas estocadas ficavam mais fortes, 92


batendo no alto das minhas coxas repetidamente contra a ponta do mármore, eu olhei no enorme espelho em cima da cômoda de mogno na minha frente. Deu-me uma visão clara do homem atrás de mim e, apesar de ter ouvido bem pouco dele, eu vi a necessidade crua em seu rosto, Sua boca aberta com suspiros suaves, seus longos braços alcançando meu pescoço que estava tenso contra a camisa branca. O espartilho abaixo do bustiê com tiras e laços brancos era muito sensual, impossível de acreditar que era meu corpo refletido no espelho. Muito rápido de qualquer maneira tudo virou sensação, a construção de uma explosão que eu estava buscando

desesperadamente

e

rezado

estava

quase

chegando. Ele estava enfiando em mim, cada estocada me empurrando contra a mesa que apesar de todas as batidas continuava parada. Eu gemi meu orgasmo correndo em mim. “Por favor, eu não consigo parar. Senhor, por favor!” A mão entre nossos corpos desapareceu e Jeremiah aumentou suas penetrações, enfiando com força dentro de mim. Seus dedos estavam apertando a parte de trás do meu pescoço, gritos da garganta e gemidos guturais vindos de atrás, enquanto seus dedos passeavam na minha frente, descendo até o interior que pulsava entre minhas pernas. “Goze então, eu quero sentir a reação de seu corpo ao redor de mim.” Não havia uma maneira que eu pudesse parar a mim mesma. Meu orgasmo flutuou por mim como uma onda de luz. Eu gritei 93


minhas mãos apertando a mesa, meu corpo tremendo. As estocadas de Jeremiah acertavam lugares dentro de mim que faziam as ondas continuarem, mas depois eu ouvi um grito gutural e rouco e ele continuou a penetrar apenas mais algumas vezes. Eu fiquei lá deitada por um tempo, gemendo e agradecida pela superfície gelada do mármore beneficiar o meu corpo muito quente. Jeremiah descansou sua testa contra meu ombro e nós ficamos desse jeito por um tempo lutando para acalmar nossa respiração. Finalmente ele saiu de dentro de mim passando uma mão em minha espinha e dando um passo para trás. “Você pode largar a mesa agora.” Mais fácil falar que fazer. Minhas mãos estavam rígidas e com dificuldades para se soltarem e, enquanto eu inclinei na vertical, flexionei meus dedos para voltar a sensibilidade. Encostada na mesa para me equilibrar eu me dei um tempo para recuperar meu fôlego enquanto Jeremiah ajeitava suas roupas, depois se sentou em uma cadeira próxima. Ele pegou uma pequena sacola de papel com um nome todo cheio de frescuras que eu não reconheci e o colocou gentilmente na mesa

ao

meu

lado.

Chegando

mais

perto

ele

surpreendentemente me deu um leve beijo em minha testa e me conduziu gentilmente ao banheiro. “Vá se limpar e coloque isso. Mantenha a lingerie por baixo, eu quero saber que você esta usando isso.” 94


Minhas pernas pareciam gelatina, mas eu peguei a sacola e cambaleei até o banheiro me lembrando de pegar minha bolsa antes de me trancar lá dentro. Colocando a sacola e a bolsa no chão em frente a pia com espelho, eu encarei meu reflexo no espelho. Meu cabelo loiro estava uma bagunça, ainda molhado do banho, mas o cabelo despenteado parecia combinar com o resto da minha roupa. Eu passei minhas mãos pelo tecido rígido, me virando eu podia ver as fitas do corselete atravessando minhas costas. Eu nunca usei uma lingerie tão fina antes – inferno – eu nunca usei lingerie propriamente dita fixei para o reflexo da minha parte inferior abaixo da geringonça de renda branca, as fitas mal cobrindo a pequena calcinha que não foram uma proteção muito boa... Eu estava bonita. Era um novo conceito para mim e eu admirei meu reflexo no espelho. Então eu ponderei. Eu não vou terminar com esta farsa, não é mesmo? Qualquer jogo que Jeremiah Hamilton estivesse jogando já tinha ido longe demais, eu me permiti muita libertinagem para continuar a bancar a inocente nesse jogo. Então isso me faz o que? Uma bem paga assistente pessoal ou uma prostituta glorificada? Essa questão me perturbou e eu tentei bloquear ela da minha mente. Levando alguns minutos para me limpar, eu descartei a calcinha minúscula antes de ver o que havia dentro da sacola que ele havia me dado. Uma calça moderna, uma blusa de 95


seda simples e um par de sapatilhas vermelhas eram a parte que se referia a roupas enquanto uma escova e itens de toalete completavam o fundo da sacola. As roupas até onde eu podia dizer eram do meu tamanho apesar de saber que a minha figura curvilínea não era exatamente uma norma na Europa. Ele obviamente fez antes, por saber exatamente o que era preciso. Eu não preocupei em analisar esse pensamento e porque ele me deixou irritada, pois me trouxe questões que eu não iria analisar agora, então os guardei e me apressei para me fazer apresentável. Vinte minutos depois eu saí com todas as roupas e limpa, para o ver esperando ao lado da mesa com os pratos com tampas que eu havia visto antes. Eles tinham uma pequena seleção de frutas e crepes com creme batido em um prato de metal gelado, olhando para o relógio eu vi que ainda era de manhã e agradeci por ter conseguido dormir no avião. “Quais são os planos para hoje?” eu perguntei lembrando que Ethan mencionou alguma coisa sobre um baile de gala. Ele pegou minha mão e a beijou e depois comeu algumas uvas. “Coma enquanto você pode” ele disse me olhando colocar as frutas em cima do crepe. “Hoje seu trabalho realmente começa.”

96


TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio PARTE 3: O segredo 97


A vida brilhante dos ultra-ricos é enorme, e mais do que um pouco traiçoeira. Servindo como uma acompanhante para um baile de gala de caridade em Paris, França, anteriormente a temporária Lucy Delacourt deve aprender a navegar nas águas turbulentas em que seu chefe bilionário Jeremiah Hamilton nada. Mais fácil falar do que fazer - Jeremiah mantém segredos, incluindo um profundo traço possessivo que aparece quando Lucy é apresentada a seu enigmático irmão, Lucas. Capturada na sua pequena guerra famíliar, é a própria descoberta pessoal de Lucy que ela pode estar construindo uma ligação com seu rígido chefe, que realmente quebra seu mundo. Mas alguns segredos guardados pelos homens Hamilton são mais perigosos do que outros, e Lucy pode ter tropeçado em uma armadilha destinada a outros com consequências potencialmente mortais

98


Capítulo 9

Paris era tão deslumbrante à noite como à luz do dia, mas eu estava nervosa demais para perceber. Eu alisei o vestido caro com as minhas mãos, observando através das janelas da limusine enquanto a cidade passava. A agitação na minha barriga, naquele momento, tinha mais a ver com o medo no que eu estava me metendo do que com o homem sentado ao meu lado, uma mão grande mantendo um aperto possessivo na minha coxa. Apenas 48 horas atrás eu estava lutando para sobreviver, preocupando-me com a falta de moradia, tendo apenas um salário. Agora estou usando um vestido e sapatos que custam três meses de meu salário anterior, e no caminho para uma festa de gala beneficente ao lado de um dos homens mais ricos do mundo, essa pessoa que parecia anos-luz de distância. Eu me belisquei para ver se eu estava sonhando, mas depois de fazer isso todos estes dias, eu tinha certeza que era real. "Você parece nervosa." As suaves palavras pronunciadas me fizeram engolir. Eu olhei para a mão na minha perna, assistindo um polegar grosso acariciar preguiçosamente o material, mas não conseguia levantar meu olhar ainda mais. "Eu estou aterrorizada" eu

99


admiti, mas não poderia dizer mais com minhas emoções confusas e todos os pensamentos em minha cabeça. Jeremiah fez um murmúrio reconhecendo a minha resposta e caiu de costas em silêncio. A Torre Eiffel brilhava no horizonte escuro, uma luz brilhante sobre a cidade ainda tumultuada, mas mesmo aquela visão não poderia abalar-me do meu marasmo atual. "Que lugar você mais gostaria de visitar na França?" A pergunta me surpreendeu. Olhei para cima para vê-lo olhando para mim, olhos verdes pensativos. "Desculpe-me?", eu perguntei. Jeremiah apontou para a janela na cidade passando. "A maioria das pessoas querem ver a Torre Eiffel, ou visitar as vinícolas, ou qualquer outra atividade. O que você gostaria de fazer? " Eu não considerei a questão relevante para este momento em especial, mas eu sabia a resposta de qualquer maneira. Eu sabia desde a infância. "Ver as praias da Normandia". Ele piscou lentamente, e eu tive a impressão que eu tinha conseguido surpreendê-lo neste momento. "Sério?" Sorri para a questão confusa em seus olhos. "Meu pai sempre amou materiais sobre a segunda Guerra Mundial e eu cresci

100


assistindo filmes e documentários, qualquer coisa sobre isso. Acho que isto contagiou" Eu me encontrei falando sobre meu pai dolorosamente, mas estranhamente catártica. Eu tinha evitado pensar sobre os meus pais por quase três anos, mas agora as lembranças me faziam sorrir e relaxar. "Ele adorava assistir maratonas de documentários de guerra no The History Channel durante os aniversários de eventos militares. Minha mãe sempre dizia que era um desperdício aqueles fins de semana, mas deixava-o ter seus shows. Ele tinha em nosso manto uma imagem dele em Utah Beach, muito antes de eu nascer, posando ao lado de alguns dos destroços velhos ainda na areia. " Olhei para cima para vê-lo me olhando com uma expressão estranha, quase ansioso. Seu rosto fechou imediatamente, estabelecendo-se em sua máscara normal, neutro, deixandome a refletir sobre o que exatamente eu tinha visto. Por que um bilionário invejaria um pouco a minha vida sofrida? A mão no meu joelho subiu na minha perna e em torno de meu quadril. Então, de repente ele me arrastou lateralmente até que eu sentei cara a cara com meu chefe. Engoli com o olhar penetrante que ele me deu enquanto seus dedos empurraram uma mecha artisticamente enrolada de cabelo loiro do meu pescoço. "Você está linda hoje à noite." Aquela voz profunda ressoou através de mim, colocando meu corpo em chamas. Eu corei e lancei meus olhos para o lado, 101


apenas para que ele tomasse meu queixo e puxasse a cabeça para trás para que eu novamente o encarasse. Seus olhos procuraram meu rosto, em seguida, sua mão seguiu, levemente traçando a borda da minha linha da testa e maxilar. "Eu vou ser invejado por todos os homens de lá." Engoli em seco, a respiração falhando na minha garganta com o seu olhar apaixonado. A mão atrás de mim mergulhada mais abaixo, colocando no meu traseiro através do tecido verde com seus dedos e olhos explorando o meu corpo para o decote do vestido. Suspirei, o corpo cedendo à sua tácita demanda, deleitando do momento. O dia tinha voado como um sonho louco, impossível. Meu chefe me levou a algumas das lojas mais elegantes (e mais caras!) na cidade para procurar um vestido. Fomos a três lojas antes de encontramos o que eu achava que seria o vestido perfeito, aparentemente Jeremiah pensava assim também, porque ele comprou logo quando saí do vestiário. O vestido verde sem mangas me fez sentir sexy, acentuando minhas curvas de uma maneira que eu nunca imaginei ser possível. Depois, ele me levou a um salão de beleza para o resto da transformação. Atendentes utilizaram um aerógrafo para aplicar a maquiagem, algo que eu nunca tinha experimentado antes. Embora eu tivesse gostado de ver o processo, eles negaram-me o espelho de parede, e ele me encarou de longe durante todo o 102


processo. Em seguida, no entanto, eles giraram minha cadeira e, mesmo embora eu realmente nunca tivesse ligado muito para

maquiagem,

o

resultado

me

impressionou.

Eles

iluminaram meu cabelo loiro de vários tons, e a make-up fez minha pele parecer impecável. A mão nas minhas costas subiu para o meu pescoço, segurando apertado. Ele me puxou para perto no que eu pensava que seria um beijo, mas ele parou no caminho. "“Digame”, disse ele, sua outra mão deslizando abaixo da alta fenda do lado do vestido “ você já está molhada para mim?" Sempre. Engoli em seco, o coração acelerado enquanto seus dedos se arrastaram em direção a minha coxa. Ele pegou a parte superior da minha coxa, no topo da minha meia e em seguida, novamente em direção ao ápice das minhas pernas. O vestido verde escuro necessitava uma lingerie diferente do par branco que Jeremiah tinha me presenteado naquela manhã. Ele tinha escolhido o conjunto para sair, então, quando voltamos para o quarto de hotel no final da tarde, tinha insistido em despir-me da minha roupa e vestir-me na lingerie nova. A coisa toda foi incrivelmente erótica, mas Jeremiah não fez nenhuma exigência minha, apesar de eu ter notado a ereção nas suas calças. Sua aprovação, no entanto, aqueceu outras partes em mim; me senti bem ao ser vista como desejável. A memória em si me fez mais quente, e eu dei um gemido ofegante, abrindo as pernas para seu toque questionador. 103


Seus

dedos

deslizaram

ao

longo

da

minha

calcinha,

pressionando contra mim sem estar realmente tocando, e eu estremeci. Ouvi sua risada profunda quando ele fez isso de novo, então levantou o queixo para beijar a minha testa. "Parece que vamos ter que esperar", ele murmurou, e eu dei um miado de decepção quando ele me segurou novamente com firmeza ao lado dele. "Hoje à noite, no entanto, você é minha." A promessa em sua voz me fez tremer em antecipação. Viramos na rua, indo em direção a um edifício bem iluminado. Uma multidão de pessoas rodeava a entrada, e eu fiquei tensa novamente. Jeremiah apertou minha perna, e eu me esforcei para relaxar, pegar minha bolsa ao lado dos meus pés. O carro moveu para a entrada do prédio e reduziu para parar, então eu ouvi o motorista sair. Hora do show, pensei, as mãos torcendo minha bolsa. Embora não tivesse muitas pessoas o quanto eu temia - alguns já haviam entrado no prédio - mais do que suficientes permaneceram para fazer meu coração disparar. A porta se abriu, e Jeremiah saiu primeiro, estendendo a mão enquanto eu deslizei em direção a porta do carro. Luzes piscavam quando eu saí, muito consciente do vestido colado e saltos altos. O braço de Jeremiah era sólido quando ele me guiou sem esforço através da linha de pessoas, dando-me firmeza aos meus passos. Enquanto eu descobria como andar em 104


saltos, a atenção que recebemos fez-me sentir como uma idiota desastrada. Eu me concentrei em não cair e não cometer nenhuma gafe e dei um suspiro de alívio quando chegamos à entrada e as câmeras e imprensa balbuciando diluiu-se. Jeremiah

tinha

me

dado

pouca

informação

-

talvez

deliberadamente - com relação à gala. Eu sabia apenas que aconteceria no Porto de Versailles e beneficiaria os carentes. A simples quantidade de pessoas já presentes, e da forma como eles se moviam, me deu a impressão de que não havia chegado nem perto do início das festividades. Uma rápida espiada na agenda de eventos pressionada em minhas mãos confirmou minha suspeita, e também que havia muito mais acontecendo do que o que eu vi. Fazendo uma varredura dos eventos programados, eu apontei para um nome. "Você não me disse que era um convidado de honra." Jeremiah levantou um ombro em despedimento casual enquanto ele nos guiou para a área central. A banda de música clássica tocava ao fundo próxima ao palco, e algumas pessoas varriam através da pista de dança, mas a maioria se juntou em grupos espalhados por todo o salão. "Ah, meu amigo, eu estou feliz que você pôde fazer parte do nosso sarau." Um homem pequeno calvo deu um passo até nós e segurou a mão de Jeremiah em um aperto de mão vigoroso. Ele estava vestindo um smoking completo com

105


gravata borboleta, e tinha um forte sotaque francês. "Eu acredito que você acabou de chegar?" "Olá Gaspard", disse Jeremiah na forma de saudação, um pequeno sorriso brincando em seus lábios. Sua aprovação parecia genuína, ele obviamente tinha um apreço pelo francês. "Obrigado pela honra do convite." Gaspard riu. "Sempre modesto, quando tantas vezes é você quem financia esses pequenos empreendimentos." Eu pisquei e inclinei um olhar para o meu chefe. Ele parecia impassível com o elogio, e eu percebi que era provavelmente a verdade. Eu não sabia que ele doava para a caridade. Na verdade, havia muita coisa que eu não sabia sobre o homem que estava ao meu lado, e minha própria ignorância estava começando a me frustrar. "Quem é a sua adorável acompanhante esta noite?" Gaspard perguntou, chamando minha atenção de volta para a apresentação. "Posso apresentar senhorita Lucille Delacourt, minha mais nova assistente. Gaspard Montrose é o homem responsável por todo este evento." "Enchanté, mademoiselle." Gaspard pegou minha mão e depositou um leve beijo nos nós dos meus dedos. Senti a mão de Jeremiah nas minhas costas apertar, os dedos cavando no tecido do meu vestido.

106


"Enchantée, monsieur", eu o cumprimentei em troca, então fiz um gesto para a grande sala. "Cette salle est merveilleuse." (Este lugar parece maravilhoso). Gaspard se iluminou. "Ah, vous mais parlez un français!" (Ah, você fala francês!) "A peine, je suis née au Québec avant de déménager à Nova York." (Só um pouco, eu nasci em Quebec e mudei para Nova York). "Ah, franco-canadense". Gaspard sorriu para mim, obviamente satisfeito,

e

eu

voltei

a

sorrir.

"Bem-vinda

a

Paris,

mademoiselle." Eu podia sentir o peso do olhar de Jeremiah, mas o ignorei, a digitalização da programação. O livreto listava diversas apresentações de caridade durante o dia, mas ele estava usando o tempo para a noite, deixando apenas o jantar e as cerimônias finais. "Ah, antes de ir, Jeremiah, há uma coisa que você deve saber." Gaspard se inclinou perto do homem mais alto, e disse em voz baixa: "Lucas está aqui esta noite." Jeremiah endureceu, e quando olhei o seu rosto era como pedra. Gaspard olhou desculposo sobre a notícia. "Eu não sei como ele recebeu um convite, mas foi legítimo e ele foi autorizado a participar. " Ocupei-me com o meu vestido, curiosa para saber sobre quem eles estavam falando, mas tentei não parecer intrometida. A 107


mandíbula de Jeremiah cerrou-se, assinalando um músculo em sua bochecha, então seu rosto suavizou. "Obrigado Gaspard pela notícia." O francês concordou com a cabeça, e virou-se para outro casal chegando. Agora que não estávamos mais na frente da imprensa, eu me senti muito mais confortável para andar normalmente, mas ainda tinha que trabalhar para acompanhar Jeremiah. Seus passos largos nos levou para o salão, e eu podia sentir o peso repentino dos olhos sobre nós. "Você nunca me disse que falava francês." Eu esperava um comentário no meu intercâmbio com Gaspard e, apesar da nervosa vibração na minha barriga, consegui um pequeno sorriso de triunfo. "Você nunca perguntou." Minha resposta foi atrevida, mas eu olhei para cima para vê-lo contemplando-me, com um olhar confuso em seu rosto. "Assim, durante a entrevista, quando você disse que tinha passaportes ..." Eu balancei a cabeça. "Eu tenho dois: um canadense e outro americano." Mais uma vez eu vi a aprovação em seu rosto, e isso me aqueceu até a ponta dos meus dedos. Eu tinha um sentimento surpreendente dele, era tanto uma proposição difícil e arriscada, mas desta vez eu saí incólume. Eu senti os olhos vendo o nosso movimento por meio da sala, mas ninguém se aproximou de nós, o que eu achei estranho. 108


Jeremiah parecia saber exatamente para onde estava indo, e eu tentei acompanhar. Nosso ritmo não permitia muito tempo para alguém se aproximar, e eu me perguntava o que era tão importante. Infelizmente, não me foi dada a oportunidade de descobrir. Paramos perto da pista de dança, cercada por grupos conversando e rindo entre si. Ele pegou a minha mão, a mesma que Gaspard teve apenas momentos antes, e deu um beijo suave em meus dedos. Ao contrário do francês, no entanto, este enviou um formigamento pelo meu corpo, seus olhos capturaram os meus, e eu sabia que ele estava ciente da minha reação. "Eu preciso falar com alguém em particular", ele murmurou, sua voz quase inaudível acima do ruído ambiente. "Eu não vou levar mais do que um minuto, fique aqui até eu voltar." Então, sem mais uma palavra, ele virou-se e foi embora, desaparecendo através da multidão de convidados.

109


Capítulo 10

Quando estava na quinta série, eu recebi o meu primeiro e último, papel fundamental em uma peça da escola. Eu pratiquei minhas linhas em casa e com os outros alunos, até que eu as conhecia de trás para frente. Mesmo os ensaios gerais no grande ginásio foram sem incidentes, assegurandome das críticas. Eu estava orgulhosa de ter a minha parte, pequena

mas

crucial,

certa

até

a

noite

do

primeiro

desempenho. Diante de um ginásio cheio de estranhos, eu congelei, minhas linhas desaparecendo da minha cabeça, incapaz de me mover ou falar como se sentisse uma onda de condenação. De repente, sozinha naquela sala de exposição grande, num país estrangeiro sem conhecer outra alma, eu senti o mesmo terror congelando e me transformar em pedra. O salão bonito, com os seus convidados bem vestidos e a atmosfera de alta classe, assumiu uma qualidade quase que sinistra agora e eu fiquei com meus próprios recursos. A programação amarrotava em minhas mãos enquanto eu emergia, tentando decidir para onde ir. Ficar parada como Jeremiah disse não era uma opção, eu precisava sair daqueles súbitos encontrões de corpos da mesma forma que eu precisava sair daquele mesmo estado de tantos anos atrás. "Lucy Delacourt?" 110


Ouvir meu nome assustou-me dos meus pensamentos turbulentos. Olhando em volta para ver quem havia falado, eu vi uma mulher de cabelos escuros em um longo vestido amarelo aproximar-se de mim. Ela parecia familiar, então um sorriso surpreso inclinou meus lábios quando eu a reconheci. "Cherise?" "Oh meu Deus, é você!" A pequena menina bateu palmas de alegria, sorrindo para mim. "Eu pensei ter visto você chegar através das portas, mas não poderia ter certeza até que eu cheguei mais perto." Ainda espantada ao ver alguém que eu realmente conhecia, eu joguei o decoro ao vento e puxei-a em um abraço rápido. Cherise tinha dividido quarto comigo pelos nossos dois primeiros anos da faculdade Cornell e, enquanto nós não víamos muito uma da outra durante as aulas - ela era pré-med e eu era pré-lei - nós ainda saímos no fim de semana com os outros estudantes. Eu não questionei que providência a trouxe aqui, apenas agradeci quem estava olhando por mim para um rosto familiar. "O que você está fazendo aqui?" Exclamei quando nos separamos. "Estou aqui com David na verdade." O sorriso dela se ampliou em grande orgulho. "Nós ajudamos uma clínica abaixo em Bornéu e ele está aqui tentando levantar doações. "

111


"Vocês dois finalmente se casaram?" Quando ela acenou com a cabeça eu apenas sorri. Cherise e Davi tinham sido namorados do ensino médio, quando eu os conheci na faculdade. Ambos tinham grandes sonhos de salvar o mundo, e eles pareciam estar a caminho. "Então você é médica agora?" "Não, eu na verdade estive ligada aos negócios quando David entrou na escola de medicina. Funcionou bem uma vez que eu agora o ajudo a executar o lado de negócios de toda a operação. Vou estar em campo com ele de qualquer maneira, por isso funciona muito bem para mim!" Cherise trouxe com ela a alegria, otimismo contagiante para o qual seus amigos sempre se deleitavam. Seu prazer em me ver evidentemente levantou meu humor sombrio de momentos antes, e eu finalmente relaxei. A morena borbulhante tinha um olhar travesso em seus olhos. "Então diga de uma vez: era realmente Jeremiah Hamilton com você na porta? " Eu corei com a pergunta. Não há razão para isto, eu adverti a mim mesma. "Ele é meu chefe," eu respondi, encolhendo os ombros como se não fosse nada. "Então vocês dois estão ...?" "Não", respondi, balançando a cabeça enfaticamente. "Eu sou sua nova assistente pessoal, eu apenas descobri que significa que tenho de acompanhá-lo para estas funções. Isto é tudo muito recente, no entanto." Eu não menti, mas ainda me sentia 112


mal deixando o tudo mais, especialmente quando eu vi em Cherise o desapontamento com a notícia. "Você não seria uma advogada?", ela perguntou, parecendo confusa. A pergunta era uma ferida no local, mas não era algo que ela teve conhecimento. Quando meus pais morreram, estávamos ambas juniores na faculdade e raramente nos víamos. Eu cortei os laços com a maioria dos meus conhecidos da faculdade, enquanto eu tentava acertar minha vida. "Não deu certo", disse eu então, num esforço para mudar de assunto eu olhei para trás dela. "Onde está o David?" "Fora no meio da multidão, misturando-se com as pessoas ricas e tentando obter mais doações. Nossa apresentação não rendeu uma quantia suficiente, então ele está tentando conseguir mais alguns patrocinadores." Ela revirou os olhos. "Ele é muito melhor nisso do que eu. É difícil caminhar até um estranho e apenas pedir dinheiro. " "Engraçado",

uma

voz

com

forte

sotaque

disse

nas

proximidades, "pois é isso o que vejo na minha frente." Eu olhei para ver uma mulher alta, magra loira ao meu lado, olhando para Cherise com superioridade presunçosa. Eu não tinha ideia de quanto tempo ela estava ali de pé, mas quando o rosto de Cherise caiu, minhas mãos rolaram-se em punho. "Desculpe-me", eu disse sem rodeios, indignada com o tratamento para com a minha amiga, "Quem é você?" 113


Ela virou o olhar frio para mim, os olhos azuis me dando uma olhada rápida mais uma vez. "Eu sou Anya Petrovski. Eu entendo que você e a nova assistente pessoal do Sr. Hamilton." Ela estudou as unhas. "É uma posição com a qual eu estou bem familiarizada". A mulher não ofereceu a mão dela, e eu não teria tomado de qualquer maneira. Eu não gostei da ênfase que ela deu a palavra "posição", nem apreciei o seu sorriso malicioso. Aborrecida por ter o meu "relacionamento comercial" com o meu chefe ridicularizado por essa mulher, eu usei a minha raiva como um escudo. "Se você me der licença, Sra. Petrovski, eu já estava falando com ..." "Você vai descobrir que quando você trabalha para os homens ricos, as pessoas vão se aproximar de você apenas egoisticamente para o contato." Anya deu a Cherise um olhar condescendente. "Você deve se proteger até mesmo contra essas tentativas desajeitadas." Ao meu lado, Cherise endureceu ante o insulto velado. "Esta é uma função da caridade, se você não percebeu", retruquei, vindo em defesa de Cherise. "Se ela quer que eu a ajude aumentar a quantia de dinheiro, então é a minha escolha fazer isso. " Anya ergueu um ombro. "O local só legitima as insignificantes tentativas implorando".

114


Meu corpo todo ficou tenso pela afronta, e eu estava pronta para dar o fora na arrogante mulher loira quando Cherise se afastou de nós. "Se vocês duas me derem licença," ela disse com firmeza: "Eu preciso voltar para o meu marido. " Quando ela se virou para sair peguei o braço dela. "Cherise ..." "Lucy está tudo bem, eu estou feliz de ver você, mas ..." A pequena menina deu na arrogante beleza Russa uma encarada esplendorosa ”Quando você terminar seus assuntos com essa mulher, venha nos encontrar", disse ela antes de sair, de cabeça erguida. "Por que você fez isso?" Eu disse, sondando a bela mulher loira. "Ela era uma amiga." Anya deu de ombros, mas seus olhos frios pareceram se divertir com a minha raiva. "Ela não significa nada para mim. Eu só fui enviada para buscar você." Minhas mãos apertaram de novo. Cercada por estranhos, e em um ambiente estranho, eu não queria chamar qualquer atenção indevida sobre mim mesma. Mas achei isto difícil. O fato da minha luta obviamente divertiu a mulher e eu decidi manter a calma, pelo menos do lado de fora, ainda mais difícil. "Por quem?" Seu sorriso malicioso aumentou. "O meu patrão". Mordi minha bochecha para não dizer as primeiras palavras que me vieram à mente. "Por favor, diga ao seu patrão que estou indisposta para o resto da noite." 115


"Eu realmente devo insistir." Anya ligou seu braço ao meu e me conduziu ao redor. "Sr. Hamilton não aprecia atraso." "O que?" Suas palavras me surpreenderam em choque, fazendo-me dar alguns passos antes de cavar em meus calcanhares. "Jeremiah a enviou?" Ela indicou com um movimento do queixo, e eu girei a cabeça para ver o perfil de Jeremiah entre os convidados. Ele enviou esta harpia para me buscar? Meus lábios franziram com o aborrecimento enquanto eu relutantemente me permiti ser conduzida pela multidão, detesto fazer uma cena, mas realmente queria me livrar do alcance da hipócrita mulher loira. Várias figuras militares estavam ao redor do nosso destino, os uniformes em tons de verde escuro, mas dispostos decorados de forma diferente para denotar fileiras diferentes. À medida que me aproximava, percebi que eu tinha cometido um erro mortal, mas infelizmente não havia nenhuma maneira de me livrar agora. Uma cabeça familiar estrangeira escura virou em nossa direção e uns olhos frios azuis-verdes brilharam quando viram a nossa aproximação. Penteado para trás, cabelos longos emolduravam um rosto bonito, mas familiar, dividido por uma pequena cicatriz branca através de seu nariz e bochecha. Vestido de preto e segurando um copo de vinho livremente através de seus dedos, o rosto familiar tinha o controle legal ao qual tinha me acostumado. Em que eu fui me meter? 116


"Senhores, desculpem-me, por favor. Podemos discutir nosso negócio amanhã ainda mais." Mesmo a sua voz soou semelhante, mas ele tinha um cinismo, muito diferente do rígido controle de Jeremiah. A expressão despreocupada do estranho quando ele me deu uma rápida olhada me desconsertou, como me acostumei com o estoicismo, eu associei com o rosto familiar. "E quem é que temos aqui?" Perguntou ele, levantando minha mão aos lábios. A maneira como ele beijou meus dedos foi diferente de Gaspard anteriormente. Considerando que do velho francês tinha sido galanteador, este foi mais pessoal do eu que gostaria. Seus olhos tinham os meus, e os seus lábios demoraram um pouco mais de tempo, e apesar das minhas melhores intenções, senti uma vibração na minha barriga. Irritada comigo mesma pela forma como reagi, puxei rapidamente minha mão, e o divertimento brilhou em seus olhos. "Esta é Lucy Delacourt, a nova assistente de Jeremiah". A voz com sotaque de Anya, estava no mesmo tom sarcástico de antes, mas seu comportamento parecia deferente. Ela se aproximou dele, e segurou firme no seu braço - quase possessivamente. “Apresento-lhe Lucas Hamilton, o verdadeiro herdeiro dos negócios Hamilton." Eu não deixei de perceber o ar de soberba em sua declaração, e Lucas não negou a alegação. 117


Portanto, este era o Lucas que Gaspard alertou sobre, mais cedo? Eu fiz uma careta entre as duas pessoas suntuosas. A natureza predatória do seu olhar fez parte de mim querer fugir, mas eu fiquei, cruzando meus braços em vez disso. Uma semente de raiva ardia em minha barriga ao ser lançada a este conhecimento, sem ter tido nenhuma advertência anterior. Lucas ignorou a mulher linda pendurada em seu braço, inclinando a cabeça para o lado me estudando. "Você parece tensa, amor", disse ele, dirigindo-se a mim com uma voz suave. "Eu não quero uma mulher bonita como você decepcionada com a minha presença." Ao lado dele, Anya ficou tensa e, o olhar furioso que ela me deu dizia tudo quanto ao seu ciúme. Embora tenha sido bom vê-la descer do seu pedestal, eu não tinha vontade de continuar esta conversa. Algo me dizia que eu estava muito fora da minha alçada aqui. Quando isto veio, de qualquer forma, eu duvidava que conseguiria ir em frente. "Eu pensei que você fosse outra pessoa", eu disse com firmeza, sem me importar em mencionar que eu fui arrastada para vê-lo. "Se vocês me derem licença..." Eu dei um passo atrás para sair e a banda atrás de mim começou a tocar uma melodia nova, uma música animada e vários casais andaram para a pista de dança. Lucas deu um passo adiante, livrando-se do aperto de Anya em seu braço.

118


"Gostaria de dançar?", Perguntou ele, estendendo a mão para mim. Anya avançou, tendo obviamente algo a dizer sobre a oferta. Um olhar penetrante em sua direção pelo homem diante de mim, no entanto, a parou e ela se manteve fervendo no lugar olhando para mim. Por que eu sou subitamente a bandida? Eu me perguntava, irritada com o jogo inteiro. “Não, eu sinto muito,” eu disse duramente, tentando manter a minha postura, “mas eu realmente preciso encontrar o meu ...” "Realmente, eu devo insistir." Antes que eu percebesse ele tinha uma mão na minha cintura, e foi me conduzindo pelo salão.

Eu

relutei

imediatamente,

cavando

em

meus

calcanhares. Por que todos estão insistindo que eu faça o que eles querem esta noite? Eu pensei, borbulhando aborrecimento para a superfície. "Estamos bastante visíveis aqui", ele murmurou, inclinando- se para perto. "Você não quer causar uma cena agora, não é?" Eu hesitei ciente, de repente, dos estranhos ao nosso redor e aquela hesitação lhe deu todo o tempo que ele precisou. Ele me levou no salão em seus braços e antes que eu pudesse pensar em dizer não novamente, nos deslizamos na pista de dança tão suave como uma seda. Eu tentei me afastar, mas o seu quase aperto não me permitiu nenhuma fuga. "Deixe-me ir," eu disse, minha raiva crescente sangrando em minha voz.

119


"E arruinar uma oportunidade perfeitamente normal de dançar com uma mulher bonita? Acho que não." Ele parecia divertido com a minha resistência, eu dançava duramente em seus braços, mas o meu desanimo não o intimidou nem um pouco. Ele me puxou para perto de seu corpo rígido, braços como ferro; meus pés mal tocavam o chão, meu peso suportado quase que inteiramente por seus braços. "Eu pareço ter começado com o pé errado. Diga-me o porquê: eu cheiro mal?” O comentário absurdo me pegou de surpresa, e eu lutava para não me divertir. Involuntariamente, eu respirava seu cheiro: picante e doce como canela, e eu não poderia dizer se era colônia ou sua fragrância natural. Irritada com a minha reação, repliquei, "Eu não aprecio ver meus amigos serem rebaixados, e ser arrastada para encontrar alguém sob falsos pretextos." Lucas inclinou a cabeça para o lado, reconhecendo meus contundentes comentários. "Anya pode ser tempestuosa, na verdade, faz parte de seu charme. Talvez nós possamos começar de novo: eu sou Lucas Hamilton e você é ... " Eu fiz uma carranca em seu colarinho, recusando-me a encontrar seus olhos em desafio. "Você já sabe quem eu sou." Um dedo embaixo do meu queixo levantou o meu olhar. "Mas eu gostaria de ouvir de seus lábios," ele disse suavemente, varrendo-me em um arco grande do outro lado da pista de dança. Borboletas explodiram em meu estômago, e minha 120


mandíbula se apertou.

Foda-se meu corpo e suas reações

bobas. Suas mãos estavam em brasa contra a minha pele, olhos como ímãs. Assim como seu irmão. Lembrando-me que Jeremiah detinha um certo grau de controle sobre mim - eu não precisava de outro homem me fazendo fraca nos joelhos e perdendo toda a força de vontade. Um era mais do que suficiente. "O que você quer?" Eu repeti com firmeza. Ao invés de decepção com suas seduções sendo ignoradas, seu olhar despertou com renovado interesse e nenhum pouco de diversão. "Além de uma dança com uma mulher bonita?" Ele encolheu os ombros. "Provocar ciúmes em meu irmão atolado na lama." Eu apertei os lábios, um aperto no estomago. Pelo menos ele está finalmente sendo honesto. Eu acho. "Eu não estou interessada em jogar jogos, Sr. Hamilton." Lutei um pouco com seu aperto, disputando com um casal vizinho. "Eu prefiro não fazer “uma cena ", mas se você não vai me deixar ..." "E se eu respondesse quaisquer perguntas que você possa ter sobre o meu irmão?" No meu olhar assustado, Lucas deu um sorriso irônico que quase pareceu genuíno. "Meu irmão é daqueles

que

mantém

seus

segredos

trancados."

Ele

balançou-me mais perto, sua boca mergulhando perto do meu ouvido. "Não há algumas coisas sobre seu chefe que você esteja morrendo de vontade de saber?"

121


Eu aterrei meu calcanhar na ponta de seus sapatos de bico fino. Lucas fez uma careta e se afastou, mas não me largou, continuando a rodar comigo no chão de madeira. Aquele sorriso irritante surgiu no canto enquanto eu franzi o cenho. Ele sabia que me tinha. Eu estava curiosa. Havia tanta coisa que eu não sabia sobre o meu novo empregador, e isto me mantinha fora de equilíbrio. A forma como Jeremiah me observava, seus penetrantes olhos através da minha mente, eu sentia constantemente como se ele pudesse ler meus pensamentos. A ideia de saber alguma coisa, qualquer coisa, sobre ele que poderia derrubar as escalas vertiginosas em meu favor, era tão tentadora como a água para um homem morrendo de sede. Ainda assim, eu não apreciava o sorriso no rosto de Lucas. "Anya trabalhou para o Sr. Hamilton? Hum," eu gaguejei, "o outro. Meu chefe. " Seu sorriso preguiçoso cresceu. "Ela foi a sua última assistente pessoal", falou lentamente, olhos me observando como um falcão. Eu lutava em vão para não demonstrar minha reação. Essa harpia? O que ele viu nela? Eu não percebi que eu tinha dito as palavras em voz alta até que Lucas jogou sua cabeça para trás e riu. O som me assustou, e eu corei. Traçamos alguns olhares dos casais em torno de nós, mas a dança continuou. "Ela não foi sempre assim", disse ele, entrelaçando humor na sua voz. "Na 122


verdade, ela costumava ser uma garota muito doce, muito parecida com você. " "O que aconteceu, então?" Eu perguntei, determinada a não cair em mais de suas falas. Ele ergueu um ombro. "Eu a seduzi longe dele, em seguida, transformei-a em minha espiã. Quando ele descobriu e a demitiu, ela veio trabalhar para mim. " A arrogância em sua voz era de um descaramento amargo, e eu tentei novamente me libertar. Surpreendentemente, ele me soltou, girando-me debaixo do seu braço antes de nos colocar de

volta

à

nossa

posição

anterior.

Ele

permaneceu

impenetrável ao meu brilho, mas eu ainda tinha a sua atenção. "Próxima pergunta?" Eu estava dançando com uma cobra, mas eu não podia ver nenhuma maneira de sair no momento. Uma rápida olhada no salão não mostrou nenhum pilar de alívio vindo em meu auxílio, então eu segui em frente. "O que quer dizer Anya sobre o "legítimo herdeiro” do negócio? Você e Jeremiah são irmãos, certo?" "Ah, direto ao coração das coisas". Ele girou-me de novo, olhos azul-esverdeados profundos no pensamento. "Até onde você sabe?" "A versão da Wikipédia. Ele era militar, saiu e assumiu a empresa, teve um começo difícil. "

123


Lucas baixou a cabeça. "Um resumo decente, mas carente de pertinentes detalhes. Diga-me, como foi a sua relação com seu pai enquanto crescia? " Minha boca apertou, e eu procurei seu rosto para quaisquer segundas intenções, mas a questão parecia genuína, porém mais

pessoal

do

que

eu

gostaria.

"Boa",

eu

disse

cautelosamente, "Por quê?" "A nossa não foi". A anterior expressão jovial de Lucas ficou sombria. "Rufus Hamilton era impossível de se agradar, especialmente se você era de alguma forma relacionado a ele. É claro, nós não percebemos isso até que fôssemos muito mais velhos e suas exigências já tinham deformado nossas sensibilidades. Eu vou dar-lhe a versão curta: Eu percorri o caminho que esperavam de mim, assumir os negócios da família, enquanto Remi se rebelou da única maneira que ele sabia e se juntou ao exército sem o consentimento do meu pai. Foi a única vez que ele conseguiu frustrar os planos do nosso pai, e o êxito corroeu o velho." Ele fez uma pausa, e o silêncio na conversa esticou-se. "Obviamente algo aconteceu", eu disse, solicitando mais informações. Lucas bufou, seu olhar distante e cínico novamente. "É. O velho morreu." Ele olhou para mim, e seus lábios apertaram; outro giro, eu percebi que foi como ele se deu um tempo para pensar. "Rufus realmente não pôde cronometrar isto melhor se 124


ele tivesse tentado; um ataque cardíaco o levou no meio de uma reunião do conselho, e somente dias antes de Jeremiah ter sido chamado de volta a se alistar. Eu fiquei surpreso quando ele apareceu na leitura do testamento, mas mais chocado quando o nosso querido pai deixou a maior parte das suas propriedades para seu filho mais jovem Jeremiah.” A fúria controlada nos olhos de Lucas enquanto ele falava guerreou com o desprezo que torceu em seus lábios. Ele estava olhando ao longe novamente, perdido em memórias que ele obviamente não gostava. "Jeremiah tem tudo incluindo a maioria das ações da empresa, com a estipulação de que, se ele se recusasse a assumir, toda a empresa seria liquidada e dispersa. Isto significaria a perda de milhares de empregos, e do colapso de uma infraestrutura cuidadosamente construída durante décadas, tudo para voltar para o filho que conseguiu passar a perna nele.” A insensibilidade de todo o assunto confundia a minha mente. "Então deixar a Jeremiah toda a empresa significou um castigo?" Eu perguntei. Senti um arrepio, enquanto a minha voz sacudiu Lucas de suas memórias. A expressão escura desapareceu, e foi substituída pelo divertimento presunçoso eu comecei a entender que aquilo era uma máscara. "Nosso querido Remi sempre foi zeloso com o homem comum", comentou Lucas, girando espirituosamente em torno da pista de dança. "É por isso que 125


ele se juntou ao Exército, você sabe, ele queria ajudar os outros. Assim, quando o executor leu o testamento, advogados e membros do conselho cercaram Remi e o impressionaram com a gravidade da situação, quantas vidas ele arruinaria se ele recusasse, etc, etc. Dar o privilégio ao meu irmãozinho de ser o herói, a sua escolha foi óbvia." "E você?" Eu perguntei, genuinamente curiosa. Se Lucas disse a verdade em tudo, então seu pai o tinha traído para fora da sua herança, não por culpa própria. Enquanto isto não apagou todo meu desagrado para o homem, fez colocar isto em perspectiva. "Eu sobrevivi." Seu olhar viajou por cima do meu ombro, e um sorriso malicioso curvou seus lábios quando a canção terminou. "Não significa que eu não goste de ter os meus pedaços de diversão quando eles aparecem no caminho." Eu comprimi quando ele me movimentou, um braço curvando minhas costas, depois se inclinou sobre mim até ficar horizontal com o chão. Agarrando seus ombros, olhei com os olhos arregalados em seu rosto bonito a poucos centímetros do meu. "Vamos dar a eles um show, não vamos?", Ele murmurou, então trouxe seus lábios para baixo nos meus. Eu endureci, os dedos cavando em seu terno escuro. Sua boca tomou proveito do meu choque, língua e dentes brincando com meu lábio inferior. O beijo foi breve e, enquanto ainda trazia borboletas ao meu estômago, consegui manter meu juízo 126


sobre mim. Quando ele me puxou de pé, meu braço já estava em movimento. Minha mão estalou ao longo de sua bochecha, dando impulso a bofetada com força. O golpe surpreendeu a nós dois - eu não podia acreditar que eu tivesse feito isto e, aparentemente, nem ele poderia. Eu vi a surpresa aberta em seu olhar, e talvez um punhado de respeito entrou em seus olhos quando ele me soltou. "O que está acontecendo aqui?"

127


Capítulo 11

Dei um suspiro de alívio com a voz familiar de Jeremiah, mas o olhar em seu rosto quando eu virei não era nem um pouco reconfortante. Tentei me mover em sua direção, mas Lucas agarrou minha mão apertando, me arrastando um pouco. “Irmão”, sua voz ressoou estranhamente alta agora que a banda havia concluído sua canção. “É como uma fantasia ter você aqui. Ansioso para se juntar a mim e a minha companheira adorável para uma bebida?" Eu tentei novamente soltar minha mão de seu aperto, mas Lucas segurou firme. Virando meu olhar apologético a Jeremiah, eu fiquei decepcionada com o olhar acusatório que recebi em troca. Por que isto é repentinamente minha culpa? Eu pensei, borbulhando com indignação. Você me deixou a cuidar de mim mesma! O

confronto

atraiu

a

atenção

proximidades.

Olhos

curiosos

dos

participantes

assistiram

o

drama

nas se

desenrolar, mas ninguém moveu um músculo para intervir ... deixando-me presa no meio. Os dois homens pareciam mais decididos um ao outro do que a mim, embora nenhum dos dois houvesse me libertado. Lucas ainda segurou a minha mão e Jeremiah bloqueou meu caminho de fuga. Juntos era mais fácil notar a diferença entre os dois do que separados, e eu não podia acreditar que tinha confundido um com o outro. Jeremiah 128


parecia um touro enjaulado, curvado e pronto para carregar; sua máscara impassível tinha deslizado, seus olhos agora em chamas. Em contraste, o mais magro e um pouco mais baixo Lucas relaxou sobre os calcanhares, com um sorriso condescendente em seu rosto. Houve um malicioso brilho nos seus olhos, ele estava obviamente bem consciente de estar insultando seu irmão mais novo. "O que você está fazendo aqui?" Jeremiah praticamente grunhiu, os olhos revezando entre o rosto do irmão e as nossas mãos ainda entrelaçadas. "Talvez eu queira ajudar os menos afortunados, ou visitar o meu irmão perdido há muito tempo. Afinal de contas, nosso último encontro foi tão dramático." "Você roubou 30 milhões de dólares!" Lucas balançou a mão no ar. "Então, me disseram", comentou alegremente, em seguida, olhou para mim. "Venha minha querida, as bebidas são por minha conta." Ele me puxou para frente a um passo resistente e, em seguida, Jeremiah entrou no caminho, bloqueando a fuga do irmão. "Eu poderia fazer você ser preso em dois minutos", sua voz ressoou baixo, tênue o suficiente para que apenas aqueles próximos pudessem ouvir as palavras. "Mesmo na França, eles não hesitariam em extraditá-lo, Loki. "

129


"Ah, o irmãozinho esteve me verificando!" Lucas sorriu e abriu os braços bem abertos, mas havia um brilho zombeteiro em seus olhos. "Você realmente sente minha falta." A sequência da conversa entre os dois irmãos foi difícil, causando-me mais frustração. Os dois homens pareciam ter se esquecido de mim, e quaisquer que fossem os problemas entre eles, estavam sendo jogados diante daqueles ao nosso redor. Ao longo da borda da pista de dança eu vi Anya nos observando, com um sorriso triunfante no rosto duro e me perguntei, se ela tinha sido a responsável por apontar a minha localização nos braços de Lucas para o meu chefe. Ao meu lado, Jeremiah parecia crescer mais, sua expressão escurecendo. "Se você não fosse meu irmão ... " "Você o quê? Bateria em mim até extrair minha polpa? Arruinaria a minha vida?" O insulto em sua voz era evidente, alto o suficiente para ser ouvido pelos espectadores. "Tarde demais, alguém já fez isso por você. Oh, espere, não, foi você mesmo." Jeremiah deu um pequeno passo para frente, e seu irmão se manteve firme. "Loki ..." "Basta!" Minha voz quebrou como um chicote, a palavra perfurando a tensão. Os dois homens começaram, então viraram seus olhares furiosos sobre mim. Eu estava muito irritada para recuar de qualquer forma e, olhei primeiro em Lucas, 130


levantando minha mão presa para quase a altura do olho. "Deixe-me. Ir. " Houve um perceptível suave relaxamento de seu aperto, e eu peguei minha mão de volta, afastando-me. Jeremiah pegou meu braço e eu me esquivei dele também, para sua surpresa. "Não", eu disse, olhando para ele. Ele ameaçou de volta, claramente não gostando meu súbito desafio. "Srta. Delacourt", ele começou, mas eu balancei a cabeça, encontrando sua expressão furiosa com a minha. "Você me deixou a cuidar de mim mesma, e isso é o que eu exatamente pretendo fazer." Eu dei um olhar para Lucas, que estava me observando com diversão, em seguida, voltei a Jeremiah. "Parece que vocês dois tem algumas coisas para discutir, assim vou deixá-los sozinhos." Meu

chefe

claramente

não

aprovava

a

minha

súbita

independência, mas naquele momento, eu não poderia ter me importado menos. Eu senti o peso dos vários olhares curiosos, mas endureci minha espinha e caminhei para longe. Os olhares estupefatos dos dois homens acompanharam minha saída, eu podia sentir seus olhares queimando buracos em minhas costas. Infelizmente, eu não estava com nenhuma vontade de apreciar a duvidosa vitória. Eu sem dúvida, pagaria mais tarde. Poucas mulheres usavam vestidos amarelos, por isso, não demorou muito tempo para localizar Cherise. Ela

131


olhou surpresa com minha presença, mas antes que ela pudesse me cumprimentar eu falei. "Eu quero ajudá-la." David estava ao seu lado e ele olhou para mim. "Lucy", ele disse com surpresa, e eu percebi que Cherise não tinha dito ainda que tinha me visto. "Diga-me tudo o que puder sobre o funcionamento do seu negócio." Fogo queimava as minhas veias, eu não me sentia viva assim há anos. "Eu vou conseguir o seu financiamento."

***

Quando estava na faculdade, um dos meus professores uma vez mencionou de passagem, que eu seria uma boa lobista. Embora nunca tivesse sido o meu objetivo, eu reconheci a precisão de sua observação. Eu me encontrei levando os encargos e problemas dos outros mais facilmente do que lidando com os meus próprios, eu nunca tive problemas em me aproximar de estranhos em benefício de outros. Anos se passaram desde que eu fiz algo parecido com isto, mas a minha frustração precisava de uma saída e eu me joguei em campanhas por meus amigos. Durante a hora seguinte, eu encantei e persuadi da minha maneira através das multidões, explicando quando era necessário e fazendo tudo que podia para ajudá-los. O 132


processo foi surpreendentemente simples – a própria natureza do evento já havia preparado os participantes para assinar cheques, e eu só tinha que convencê-los porque uma pequena clínica em Bornéu merecia suas generosidades. Eu desenterrei cada enferrujada habilidade social que eu já tinha aprendido, e passava pelo grupo reunido, enviando-os para David e Cherise antes de seguir para o próximo possível doador. Embora eu sempre me sentisse mais confortável como uma invisível, do que como uma borboleta social, eu joguei toda a cautela ao vento e de alguma forma consegui fazer as pessoas me ouvirem. Eu peguei as olhadas de Jeremiah no meio da multidão, e podia sentir o peso de seu olhar, mas eu o ignorei o melhor que pude. Mais fácil falar do que fazer - mesmo à distância o homem tinha a incrível capacidade de me deixar fora de equilíbrio. Ainda assim, eu continuei a minha cruzada, e ele não fez nenhuma abordagem, dando-me espaço - pelo qual eu fiquei agradecida. Nem Lucas nem Anya fizeram outro aparecimento, o que também me agradou. Após uma hora passando de um grupo para outro, Cherise se aproximou de mim e me puxou para o lado. Sorrindo de orelha a orelha, seu corpo todo vibrando com emoção, ela disse, "eu não acredito, mas nós fizemos quase cem mil até agora! "

133


Meu queixo caiu, e eu tive que parar e dar-lhe um grande abraço. "Isso será o suficiente para ajudar vocês por um tempo? " "Suficiente?" Ela olhou incrédula. "Nós poderíamos viver vários anos com isto na nossa atual localização - e não pedir dos moradores um centavo. Oh, obrigada!" Cherise não parecia se preocupar com o decoro também, porque ela jogou os braços em volta de mim em um abraço rápido, mas feroz. "Você é incrível! " "Eu tenho que concordar com essa avaliação." Engolindo, me virei para ver Jeremiah parado atrás de mim, nos olhando com uma curiosa expressão. Ele só tinha olhos para mim e, quando Cherise me liberou de seu abraço ele estendeu uma mão. "Posso ter a honra de uma dança?" Minha boca trabalhou em silêncio, e eu olhei para Cherise. Seu sorriso tinha um olhar conhecedor sobre isto e, quando eu hesitei, ela praticamente me empurrou para os braços do meu chefe. "O homem pediu para você dançar ", disse ela, com os olhos brilhando. "Eu penso que nós podemos lidar com isto a partir daqui." Não tendo mais uma desculpa, eu olhei para a mão oferecida de Jeremiah. Ele havia solicitado, não exigido, e ele parecia contente em me esperar. Olhando em seus olhos verdes, eu percebi que já o tinha perdoado há algum tempo por me 134


abandonar, mas eu não senti que ele deveria sair dessa na boa. "Você não vai me deixar sozinha na pista de dança, vai?" Eu provoquei, pegando sua mão. Em vez do aborrecimento eu temia que eu veria, Jeremiah parecia quase divertido pela minha pergunta. "Prometo não deixar você fora da minha vista para o resto da noite." Uma promessa em seu tom enviou calafrios em toda a minha pele enquanto ele me levou para o centro do salão. Seu toque era leve quando ele juntou-me em seus braços na pista de dança, um contraste com o rígido controle do seu irmão mais cedo. "Peço desculpas por meu comportamento hoje à noite", ele murmurou. Minhas sobrancelhas se ergueram. Ele pediu desculpas? Para mim? "Desculpas aceitas," eu respondi, em seguida soltei uma rápida respiração. "Sua família é um pouco disfuncional, eu vejo?" Um sorriso irônico surgiu no canto da sua boca, mas ele não respondeu à pergunta. "Vocês dois estavam conversando mais cedo", disse ele em vez disso, a pergunta em sua voz. "Ele respondeu algumas das minhas perguntas sobre você." Quando ele ficou tenso, corri para explicar. "Ele disse que seu pai, essencialmente, te forçou a assumir a empresa. Isso é verdade? " 135


"Essencialmente," ele finalmente disse, depois de uma longa pausa, mas não deu mais detalhes. "Celeste disse que você esteve no Exército Ranger", eu disse depois de um momento de silêncio. Seus lábios afinaram, mas eu insisti. "Como foi?" "A melhor coisa que eu já fiz na minha vida." Ele entrou em silêncio de novo, mas eu percebi que ele estava pensando. "Originalmente, o militarismo foi concebido apenas como uma maneira de ficar longe da minha família, especificamente do meu pai. Uma vez que eu entrei, porém, eu amei todos os aspectos sobre isso. Eu teria seguido carreira, se...” Se a escolha não tivesse sido roubada de você. Tão amarga quanto tinha sido entre os dois irmãos mais cedo, eu sabia que Lucas disse a verdade. A nobreza própria de Jeremiah o tinha forçado a deixar para trás uma vida que ele amava para salvar a empresa de sua família e todas as vidas daqueles ligados a ela. Inclinei-me e coloquei minha cabeça em seu ombro, ele enrijeceu em meus braços, e eu me perguntei brevemente se eu seria afastada, então seu corpo relaxou e ele me puxou para mais perto. Ele cheirava divinamente, como chocolate e cerejas, a pele do seu pescoço estava perto o suficiente que eu só tinha que virar a cabeça para ver se o gosto era tão bom quanto o cheiro... Forçadamente me lembrando de que eu estava em uma sala cheia de pessoas, muita das quais provavelmente nos olhava, 136


eu levantei a cabeça de seu ombro, mas não me afastei. Jeremiah, de algum modo, deve ter lido as minhas intenções, ele pressionou contra mim, uma pequena protuberância cutucando minha barriga. Uma maçante dor encheu minha barriga, meu corpo formigando dos meus calcanhares até as pontas dos dedos, e eu engoli um pequeno suspiro. Sua reação a mim agiu como uma droga por si só, um poderoso afrodisíaco que me fez querer puxá-lo em algum lugar privado para fazer coisas ruins. Eu vi o mesmo desejo refletido em seus olhos quando os nossos olhares se encontraram, seu aperto em minha parte inferior das costas aumentou, me puxando para mais perto esfregando contra o duro eixo e eu senti uma onda de calor entre as minhas coxas. Alguém bateu em um microfone, em seguida, uma voz familiar francesa veio ao longo dos alto-falantes. "Nós gostaríamos de aproveitar a oportunidade para agradecer a alguns membros da nossa plateia por suas contribuições esta noite. " "Eu acho que eles querem dizer você," eu murmurei. Havia definitivamente olhares sobre nós quando a banda terminou a canção, mas Jeremiah não me soltou por mais alguns segundos. Finalmente ele se afastou, mas não a soltou, levantando minha mão aos lábios. Engoli em seco, o coração saltando uma batida. Celeste tinha me dito que a imprensa e o público em geral acreditavam que ele só tinha suas assistentes 137


como acompanhantes platônicas, mas seria difícil convencer todos os espectadores disso esta noite. Caramba, eu estava ficando confusa, muitos sinais misturados quicando ao redor da minha cabeça. Um dia de cada vez, eu pensei quando ele soltou minha mão e dirigiu-se para a frente da multidão reunida. Isto poderia acabar num instante e eu estaria de volta em uma porcaria de apartamento em Jersey. Mesmo com todo o poder ele que exercia em nosso relacionamento, negócios e pessoal, sabia que eu poderia ir embora a qualquer momento. Embora talvez não seja um negócio justo, a opção me deu algum terreno estável na minha vida repentinamente virada de cabeça para baixo, mas o pensamento fez meu coração doer. Jeremiah não era do tipo de jogos, mas às vezes ele era difícil de ler. "Você está pensando demais, minha querida." Eu comecei enrijecer o corpo com a voz de Lucas a centímetros da minha orelha. "Vá embora", eu murmurei, não tirando os olhos de Jeremiah. Ele continuou caminhando para Gaspard, que começou a fazer um discurso introdutório em francês, e eu estava nervosa sobre o que Jeremiah poderia fazer se visse Lucas ao meu lado. "Tudo a seu tempo. Eu só pensei que parece rude partir sem me despedir de uma bela dama. " Eu bufei em descrença. "Vá incomodar Anya, eu tenho certeza que ela está acostumada com isto agora", eu respondi, 138


cuidando para manter minha voz baixa, e ouvi uma risada baixa em troca. A maioria dos convidados estava nos ignorando, e por isso eu estava agradecida. "Se você quiser se voltar para o seu irmão," Eu assobiei em baixa voz, "deixe-me fora disso." "Oh, mas é muito mais divertido desta forma." Dedos roçaram meu quadril, e eu imediatamente chicoteei para fora, chutando para trás com meu calcanhar, atingindo sua canela. A mão desapareceu rapidamente, e eu tive um momento de triunfo, até que o ouvi sorrindo novamente. Jeremiah havia tomado o palco, então e eu rezei para ele não olhar em nossa direção. "Você vai me trazer problemas ", eu disse. "Oh, você provavelmente vai gostar", Lucas praticamente ronronou, e eu atirei-lhe um olhar sombrio. Um sorriso malicioso de satisfação apareceu em seus lábios enquanto ele me olhava com interesse descarado. Revirei os olhos, determinada a ignorá-lo, e me voltei para o palco... só para ter o olhar intenso de Jeremiah mantendo-me no lugar. Oh merda. "Oh querida, parece que ele avistou nosso pequeno tête-àtête". Dedos roçaram o cabelo atrás do meu pescoço, e eu encolhi de lado. "Eu me pergunto o que está passando em sua mente agora."

139


Julgando pela expressão em seu rosto, o meu patrão e outrora amante não estava se divertindo, e eu me achei num dilema. Minha mão enrolada em punho, mas sabia que fazer alguma coisa a esta altura só me traria a atenção indesejada e ainda divertiria a cobra no meu ombro. Jeremiah continuou a olhar em nossa direção e, Lucas enquanto não mais me tocava, parecia determinado a ficar mais perto quanto ele pudesse administrar. Eu só podia imaginar o que estava se passando na mente de Jeremiah. No palco, Gaspard foi parcialmente para o resgate. Notando a falta de atenção de seu convidado e minha situação atual, o francês bateu um braço sobre os ombros do bilionário e conseguiu distrair rapidamente Jeremiah. Dei um suspiro de alívio, um peso momentaneamente suspenso. Os dois homens apertaram as mãos para as câmeras, sinalizando o fim do segmento. "Ah, é minha deixa para sair." Lucas se inclinou para perto, seu peito arranhando meus ombros, e plantou um beijo rápido na minha bochecha. Eu me afastei, mas sabia a partir da nuvem cobrindo o rosto de Jeremiah que ele tinha visto. "Au revoir, chéri", Lucas murmurou antes de desaparecer, me deixando sozinha para enfrentar o touro avançando. Era inútil tentar defender minha causa, então eu fiquei silenciosa quando Jeremiah veio ao meu lado. "Vamos." 140


Seu tom de voz baixa não admitia discussão, sua mão em minhas costas me guiou sem esforço através da multidão. Eu me virei para ver que Gaspard já detinha a atenção do público, poucos incomodados observando nossa fuga, o que me fez agradecida. Nossa saída do grande salão me deu o alívio que eu estava desejando. Eu não tinha mais que me preocupar se eu tropeçasse ou fosse tola na frente de uma multidão. A euforia anterior de ajudar Cherise e David tinha desaparecido, e eu senti o esgotamento beliscando as bordas da minha consciência. Jeremiah fixou seu olhar de pedra nas portas que davam para fora do prédio, e eu tive a impressão de que ele deliberadamente me ignorou. Isso me deixou nervosa porque eu não sabia o que aquilo finalmente significava. O relaxamento

que

tínhamos

compartilhado

enquanto

dançávamos desapareceu, então eu fiquei quieta, prometendo enviar

um

cumprimentos

e-mail aos

da meus

minha

despedida

amigos,

assim

e que

melhores tivesse

oportunidade. A limusine estava esperando do lado de fora da saída principal. Nós evitamos os poucos remanescentes paparazzi, e subimos no interior do veículo escuro, o motorista fechou a porta atrás de nós. Tomei a borda do banco de um lado do veículo a frente de Jeremiah quando o carro deu a saída, voltando para o hotel.

141


Eu assisti nervosamente quando ele fechou a divisória de vidro escuro entre nós e o motorista. Olhei para frente encoberta do automóvel longo e, num momento de descuido meu, ele moveu-se, empurrando-me repentinamente de volta para o banco comprido. Rangendo surpresa, eu apertei meus lábios forte quando ele se ergueu sobre mim, uma mão em meu ombro direito me mantendo pressionada contra o assento de couro. Seus olhos percorriam meu tronco, em seguida subiram para o meu rosto, e eu engoli das chamas que eu vi em seus olhos. "Abra suas pernas para mim." Meus lábios se abriram em choque. A respiração tornou-se difícil, pois ele deslizou sua mão livre para baixo do lado do meu corpo, passando a palma ao longo do material fino. O vestido se separou ao longo da fenda alta e seus dedos deslizaram por baixo, acariciando minha coxa. "Sobre seu irmão," eu disse com voz trêmula, um súbito nervosismo me deixando desesperada em me explicar, "não aconteceu nada, eu pensei que ele era você e ..." "Não." Fiquei em silêncio com a palavra. Jeremiah fez uma pausa, corpo tenso. "Eu não quero ouvir sobre o meu irmão novamente esta noite. Por favor ", acrescentou ele, a voz entre os dentes. Quando eu balancei minha cabeça demonstrando

142


compreensão

ele

relaxou

meu

cabelo.

"Agora,

onde

estávamos?" Sua palma deslizou entre os meus joelhos, espreitando-os separados em incrementos, enquanto ele abria caminho acima nas minhas pernas. Minha respiração ficou presa, barriga apertando, enquanto seus dedos puxaram a cinta-liga ao longo da minha coxa, alisando debaixo dela e ao redor de meus quadris.

Minhas

pernas

pressionaram-se

juntas

involuntariamente, e sua mão parou. "Abra suas pernas." As palavras me envolveram, uma rede de sensualidade, e eu engoli. Meu corpo já tinha começado a vibrar, a respiração vinda em saltos. Parte de mim quase temia o que ele faria em mim - não que eu esperasse nada doloroso ou humilhante, mas que eu perderia todo o controle do meu corpo. Talvez esse fosse o ponto. Com um suspiro trêmulo, eu forcei os músculos das minhas coxas para relaxar e deixei meus joelhos desmoronarem. "Mais". Engolindo novamente eu obedeci, abrindo-me para ele. Ele se deslocou em cima de mim, tirando a mão do meu ombro para se preparar contra o sofá. Engoli em seco quando senti um dedo pressionando pela linha fina da calcinha contra meu clitóris, e arqueei o corpo para o contato. Ele agarrou meu cabelo, me segurando firme enquanto a mão esfregava e provocava. Minha respiração veio em suspiros estremecendo 143


conforme ele se inclinava sobre mim, seu rosto pressionado perto. "Você é minha", ele murmurou, com os olhos em chamas. Ele acelerou suas ministrações até que eu estava gemendo, a pressão no meu cabelo aumentou. "Eu quero ouvir você dizer." "Eu sou sua." Eu lutei para falar as palavras, meu corpo tremia e pulsava como um batimento cardíaco. Olhos fechados vibrando, todo o meu ser focado nas sensações provocadas por suas mãos. A dor entre minhas pernas abertas; Saí dos meus saltos para a tração, inclinando meus quadris em direção à sua mão. "Mais uma vez". "Eu sou sua, senhor." Ele puxou meu cabelo mais forte, e meus olhos se esbugalharam,

minha

respiração

ofegante.

Seus

olhos

procuraram os meus, porque eu não sabia dizer, mas eu não conseguia pensar em esconder nada. Tudo que eu queria era ele, e eu tentei deixá-lo ver o meu desespero. As paredes da minha

abertura

pulsante,

exigindo

atenção,

e

eu

silenciosamente implorei por mais. Seu aperto no meu cabelo diminuiu, e ele mudou de novo, seu olhar não mais tão intenso, mas ainda exigente. "Eu quero ver você gozar", ele murmurou, abaixando o rosto perto do meu. As palavras me fizeram derreter, sua voz profunda surgindo através meu corpo. Os dedos ágeis lá embaixo mudaram sem 144


esforço sob a calcinha, e eu gemia alto quando eles caíram através dos meus grandes lábios e acariciaram minha abertura em choro. O carro balançou ligeiramente abaixo de mim, lembrando-me onde eu estava, mas seu movimento só aumentou as sensações. Um dedo grosso mergulhado dentro, enquanto passava seu polegar no meu clitóris doído, gemidos forçados e ofegantes saíram de mim. "Somente eu estou autorizado a fazer isso." Jeremiah acentuou suas palavras provocando um ponto dentro de mim com precisão; meus quadris pularam da cadeira, e eu gemi. "Nenhum outro homem toca em você a não ser que seja mediante a minha permissão. Está claro?" Eu engasguei com a minha resposta, ondas de prazer percorrendo meu corpo. Eu estava subindo rapidamente em direção a um orgasmo, e não conseguia pensar direito. A mão no meu cabelo apertou, e eu consegui responder, "S-Sim". "Eu não posso te ouvir." Eu gritei, as sensações quase demais. "Sim! Por favor, senhor!" "Olhos em mim". Tranquei olhares com ele, e o poder do seu olhar me prendeu ao assento. Seu polegar friccionava forte enquanto seu dedo me fisgava dentro, esfregando minha abertura com a precisão de um especialista. "Agora, goze," ele disse, e com um gemido eu alegremente mergulhei fora do limite. Estremecendo o corpo descontroladamente, eu agarrei 145


forte o paletó dele, tudo em mim explodindo. A última gota de força fugiu do meu corpo, e eu derreti no couro embaixo de mim, tentando em vão recuperar a respiração. Jeremiah liberou meu cabelo, e sentou-se em sua cadeira, deixando-me deitada ao longo do banco. Eu consegui fechar minhas pernas, mas não podia fazer mais nada; impulsos ainda me balançavam e minhas pernas pareciam geleia. O carro diminuiu a velocidade e virou, me pressionando contra o assento, e eu acordei quando uma mão pousou no meu joelho. Engolindo, eu olhei pela janela fumê para ver a fachada brilhante do nosso hotel que pairava acima.

146


Capítulo 12

Fizemos a curta viagem até nossa suíte em silêncio, embora a tensão que estava no ar era densa o suficiente para cortar com uma faca. Eu mal tinha chutado meus saltos desconfortáveis, desfrutando da liberdade de mexer os dedos dos pés, quando um braço grosso serpenteou em volta da minha cintura. Ele pressionou seu corpo duro em mim, prendendo-me contra a parede, uma coxa grossa encravando-se entre as minhas pernas e, antes que eu soubesse o que estava acontecendo, a boca de Jeremiah cobriu a minha em um beijo ardente. Ainda me recuperando do passeio de limusine, eu envolvi meus braços em torno de seu pescoço, os dedos cavando através de seu cabelo espesso enquanto eu gemia contra seus lábios. Mãos em concha na minha bunda, ele me levantou alto, e mais uma vez me prendeu firmemente entre seu corpo e a parede, eu agarrei seus ombros para me equilibrar, mas ele me segurou firme, baixando a cabeça para correr os lábios e os dentes no meu pescoço. Ele correu as mãos pelas minhas coxas, em seguida, envolvi minhas pernas em torno de sua cintura, eu gemi quando senti sua ereção prensando dura contra o meu já latejante clitóris. "Minha", ele murmurou, o ronco baixo movendo através de mim como uma inundação. Capturando ambos os meus pulsos numa mão grande, ele os prendeu acima da minha cabeça 147


enquanto seus lábios encontraram os meus novamente, sugando e mordiscando. Sua mão livre amassou a carne macia do meu peito, manuseando o mamilo, e eu empurrei em seu toque. Sua necessidade e paixão descarada igualmente me puseram em chamas. Eu gemia contra sua boca, arqueando meu corpo contra o dele, tentando desesperadamente chegar mais perto. Ele revirou os quadris, pressionando-os contra mim, e eu dei um pequeno grito. Seus dentes brincaram com a minha orelha e se arrastaram para o lado da minha garganta, e eu estava perdida para tudo. Tardiamente, percebi que estávamos nos movendo, mas isso não diminuiu até que o mundo se inclinou e aterrissei de costas na cama enorme. Jeremiah não perdeu tempo para me cobrir, ele não parecia se importar com o vestido caro, deslizando uma mão asperamente na frente. O fervor de sua paixão me fez mais quente, eu queria, precisava de mais. Eu tentei tocálo, mas ele agarrou meus pulsos novamente, segurando-os ao lado de minha cabeça enquanto ele chupou e mordiscou meu pescoço. "Vire-se". Eu rapidamente obedeci, e senti o zíper do vestido deslizar pelas minhas costas e sobre a minha bunda. Ele retirou a camada da minha pele, em seguida, arrastou seus lábios para baixo ao longo da minha espinha. Eu me arqueei como uma 148


gata, desesperada pelo toque macio, e ouvi o tilintar de seu cinto. Animada pelo som e o que representava, eu empurrei minha bunda para esfregar contra sua virilha e, para minha imensa

satisfação,

ouvi

sua

respiração

pequena

se

desenhando. Mãos em volta dos meus pulsos novamente, puxando-os para cima em direção a cabeceira da cama. Senti o frio do couro envolto em torno deles quando Jeremiah habilmente fixou-me às grades de bronze com o cinto, efetivamente prendendo-me. Assim, fixada, ele começou a remover meu vestido, eu levantei meus quadris para ajudar quando ele retirou o material do meu corpo antes de jogá-lo no chão ao lado da cama alta. Suas mãos amassavam minhas nádegas enquanto ele se movia atrás de mim, abrangendo as minhas pernas. Eu levantei-me para cima dos meus joelhos, desesperada por mais contato. A posição me deixou exposta e seu grunhido de aprovação me fez estremecer. Sua mão espalmada na parte superior das minhas costas, pressionando meu peito contra o colchão, então ele inclinou-se sobre mim e seus lábios arrastaram ao longo da minha espinha. Minhas exalações estavam ofegantes rajadas, mãos agarrando as restrições de couro firmemente. Seus dentes rasparam sobre a pele esticada de minha bunda, e eu não conseguia parar o gemido que forçava sua passagem através dos meus lábios. Meu corpo tremia, querendo mais, 149


mas Jeremiah tomou seu tempo. Suas mãos acariciavam meus quadris, amassando os globos da minha bunda, então seus polegares desceram ao longo da fenda da minha bunda em direção a minha entrada úmida. Eu avancei quando ele separou a carne macia, minha frenética ofegante destacava-se na suíte tranquila. Ele assoprou sobre mim, uma dica do que estava por vir, em seguida, os lábios e a língua quente infalivelmente encontraram a minha abertura latejante. Eu ajoelhei, o meu clamor saltando fora da parede atrás da cama, quando ele passou a língua ao longo do anel apertado antes de empurrar ainda mais. Uma mão acariciou através dos meus grandes lábios e meu corpo todo tremia incontrolavelmente. Ele ficou lá por um tempo enquanto eu gemia e me debatia. "Por favor", implorei repetidamente, embora para o que eu não sabia. Talvez me libertar da deliciosa tortura, talvez mais. Provavelmente ambos. Sua única resposta foi rir e continuar o ataque de prazer. Quando ele finalmente inseriu um dedo, eu pressionei contra ele, desesperada por mais. Ele controlou tudo, mas onde ele esfregou dentro só serviu para aumentar a sensação. Fluidos passaram pelas minhas coxas, e eu estava quase chorando com a intensidade implacável. Ele se afastou de repente, torceu-me ao redor e então eu estava deitada de costas. Olhei para um rosto selvagem 150


quando ele forçou os joelhos afastados, enrolando um braço sob um joelho, então deslizou sua dura ereção dentro de mim com um golpe certo. Eu arqueei meu corpo e fechei os olhos, a respiração gaguejando em minha garganta com a invasão repentina. O cinto manteve meus braços contidos enquanto ele me bateu na cama, não permitindo nenhum recuo em relação a sua paixão. "Olhe para mim." Abri os olhos e olhei para o seu rosto, bonito, intenso. Uma mão serpenteou o meu corpo, enrolando-se em minha garganta enquanto o rosto pairava perto, em close. Seus quadris se mantiveram empurrando, e os flashes contínuos de prazer me deixaram com dificuldade para pensar. "Diga meu nome." "Jeremiah", eu respirei, esfreguei meus seios contra seu corpo. Por trás da lingerie verde, meus mamilos doíam por seu toque. Eu desenhei a minha perna livre até a sua cintura, torcendo-a através do seu corpo e tranquei meu tornozelo atrás das suas costas. Seus olhos se arregalaram, e o empurrão ficou mais forte. "Diga isso de novo!" "Jeremiah!" Eu gritava desesperadamente, a palavra quase um soluço. "Por favor!" A mão em torno de minha garganta apertada, não o suficiente para me sufocar, mas o suficiente para causar uma pressão na 151


minha cabeça. Sua mão firme em meu peito, empurrando o material rígido de lado e amassando o tecido, beliscando o mamilo entre seus dedos. Meus quadris caíram em um ritmo, movendo-se com ele, nossos impulsos me levando mais e mais, quase lá, mas não o bastante... A mão de Jeremiah apertou novamente, comprimindo minha respiração o suficiente para que ele atravessasse a névoa de luxúria. Meus olhos atiraram para os seus olhos verdes apaixonados, e eu li a mesma necessidade percorrendo pelas minhas veias. Deixei me levar por estas sensações, confiando nele até que meus pulmões começaram a queimar. Em seguida, ele soltou minha garganta e empurrou duro, mexendo no meu mamilo. A súbita onda de respiração e o sangue fluindo através de meu corpo me dominaram, e com um grito e um arrepio eu vim pela segunda vez naquela noite. Eu debatia por baixo dele, torcendo o cinto de couro acima da minha cabeça e aproveitando a onda de prazer. Eu não tinha certeza de quanto tempo demorou para liquidar o meu cérebro de volta para o presente, mas eventualmente, eu voltei para mim e vi que Jeremiah ainda pairava sobre de mim. Seus olhos registrando todas as minhas reações, uma mão traçou o lado do meu rosto no primeiro contato terno que pude honestamente lembrar. Um polegar correu meus lábios, e eu abri a minha boca, arrastando para dentro e puxando-o com meus dentes. Foi então, quando eu vi o fogo respondendo em 152


seus olhos, nisso eu percebi que ele ainda estava duro dentro de mim. Ele alcançou em cima de mim e soltou o cinto, desenrolando-o dos meus pulsos. Meus dedos mínimos estavam dormentes e meus pulsos doíam, mas eu não me importava. Mantendo o meu olhar sobre o seu, eu ergui e o empurrei em um ombro, virando-o para deitar na cama. Para minha surpresa, ele me permitiu fazer assim, e eu o segui até que estava agachada sobre seu corpo grande. Ele derramou sua jaqueta e calça em algum momento, mas ainda tinha sua camisa branca com apenas os dois primeiros botões desfeitos. Eu montei seus quadris, sentindo sua dureza pressionando contra minha bunda e desabotoei um por um os botões que restavam. Eu nunca tinha visto ele nu e, apesar da languidez fazendo meus membros pesados, eu estava ansiosa para pesquisar seu corpo como ele tinha feito comigo. Eu podia sentir seu escrutínio, mas ele não fez nada para me impedir quando eu tirei a camisa branca e passei a mão ao longo de seu torso rígido. Não havia um grama de gordura sob a pele, linhas de músculo se destacaram em exposição proeminente, pele cor de oliva e pequenos mamilos escuros. No entanto, as cicatrizes manchavam a perfeição: uma estrela irregular branca pequena num ombro e linhas menores em todo o seu peito e barriga. Alisei minha mão sobre elas, uma por uma e o vi recuar, mas de novo, ele não me impediu. 153


Meu. O pensamento possessivo me surpreendeu. Eu deslizava meus dedos até a linha de seu abdômen, através de seus peitorais, em seguida, inclinei-me para estudar seu rosto. Ele me olhou impassível enquanto eu tracei a curva de seu rosto, para baixo, um queixo forte com a pele que, mesmo limpa e barbeada, ainda tinha uma picada de lixa leve.

Realmente

muito bonito. Escavando sua mandíbula, eu me alavanquei usando seu ombro, depois baixei meus quadris em seu membro duro enquanto eu me inclinei em direção a seu rosto. Uma grande mão fixou-se em meu ombro, e eu só parei a centímetros de seus lábios. O olhar em seus olhos era difícil de ler, um desejo guardado que eu não entendi. Sua mão impediu de me dobrar para baixo, mas nada parou meus quadris que continuaram sua viagem para baixo, tendo ele dentro de mim. Jeremiah engoliu sua garganta se movendo, eu ondulava meus quadris, puxando para cima, em seguida pressionando-o mais profundo, e ele soltou um suspiro gaguejando. A mão no meu ombro afrouxou, e eu continuei para baixo, pressionando minha boca contra seu pescoço, em seguida à direita na direção da cicatriz em forma de estrela em seu peito enquanto eu rolei meus quadris novamente. Eu segui o tecido branco com meus lábios, desenhando um dedo sobre um mamilo pequeno e escuro. Aproximando o olhar foi que eu notei que ela era maior do que eu pensava, a pele ao redor não era tão descolorida, mas ainda enrugada do 154


trauma passado. Olhei para cima para vê-lo olhando para mim com aquele olhar incompreensível; seus lábios estavam completamente abertos, e eu queria desesperadamente sentir o seu gosto. Erguendo-me sobre ele de novo, eu tracei meus dedos novamente para o lado do seu rosto. "Você é tão bonito", eu respirei, meus olhos passeando em seu rosto. O desejo em seus olhos se aprofundou enquanto meus olhos caíram novamente na sua boca, então ele levantou uma mão para enredar no meu cabelo, e trouxe meu rosto para ele. Nossos lábios se enfrentaram em uma fome súbita, sua outra mão cavada em meu quadril quando eu montei-o com força, com as mãos acariciando seu torso. Em algum lugar ao nosso lado um celular vibrou, uma distração persistente. "Soa como alguém que realmente quer falar com você ", sussurrei, sorrindo para o seu belo rosto. "Eles podem ligar mais tarde", ele rosnou, em seguida, empurrou seus quadris para cima, pressionando sua dureza dentro de mim. Engoli em seco, todos os pensamentos da chamada voaram da minha cabeça. Ele me rolou sobre minhas costas, seus dentes encontrando meu pescoço, ele me martelou no colchão. Segurei-o com as minhas coxas, gemendo, enquanto ele se enfiou em mim de novo e de novo. Minhas unhas cravaram em seus ombros, usando seu corpo duro para alavancar conforme eu encontrava seus golpes com os meus próprios. Ele puxou meu cabelo, colocando minha 155


cabeça para trás para olhar seu rosto. A necessidade desesperada brilhava através de seus olhos e eu senti um momento de triunfo quando ele grunhiu, surgindo dentro de mim uma última vez enquanto ele gozou. Eu fechei meus olhos e segurei seu corpo estremecendo. Seu peso em cima de mim me segurou fixa e eu suspirei de contentamento. "Eu..." Te amo. Meus olhos se abriram com o pensamento espontâneo. Horrorizada com o que eu estava prestes a dizer, eu encarei o teto enquanto Jeremiah ainda se agitava em meus braços, finalmente saindo de mim e levantando-se junto à cama. Engoli em seco, repentinamente sem fôlego - Eu realmente tinha estado a ponto de dizer isso? Silenciosamente eu me mudei para o outro lado da cama e, em seguida, fugi para o banheiro passando pelo corredor ligado ao quarto principal. Fechando a porta atrás de mim, eu encarei meu reflexo no espelho, ainda horrorizada com os meus próprios processos de pensamento. Conheço o homem, o que, há dois dias? Certamente não o suficiente para declarar qualquer tipo de afeto. No entanto, essas três palavras quase saíram o que me abalou. Minhas mãos tremiam quando liguei a água quente na pia e peguei um pano

para

limpar-me.

Eu

nunca

tinha

tido

qualquer 156


relacionamento real, onde "as palavras" foram trocadas. Mesmo ainda adolescente, eu tinha sido muito pragmática para dizê-las em referência a qualquer um além dos familiares. O fato de que eu estive prestes a deixá-las escorregar para fora da minha boca, causou mais do que um pouco de angústia. É bobagem pensar nisso tão cedo, eu me aconselhei, então lembrei o que meu pai sempre disse: que ele tinha se apaixonado pela minha mãe no momento em que a viu. Eu engoli com a memória; meu pai tinha sido o romântico da família, minha mãe o parceiro mais prático. Eu tinha puxado a minha mãe, eu sempre fui mais inclinada a olhar antes de saltar, mas toda esta situação era um território estranho. Veio o som de alguém batendo na porta, assustando-me fora do meu devaneio. Colocando a minha cabeça para fora da porta, eu ouvi novamente vindo da entrada da suíte. Contente pela distração, eu agarrei um roupão do gancho nas proximidades. Deslizando sobre meu corpo, eu me vesti para atender a porta, olhando através do olho mágico. Um funcionário do hotel uniformizado ficou ali, segurando algo em suas mãos que eu não podia decifrar. Curiosa, abri a porta um pouquinho. "Sim?" O homem fez uma pequena reverência. "Um presente para o Sr. Hamilton e convidada", disse ele em perfeito inglês, apresentando uma garrafa e duas taças de champanhe. 157


Minhas sobrancelhas subiram e, não sabendo mais o que fazer, peguei das mãos do funcionário. Ele fez outra reverência, então recuou um passo quando fechei a porta. Virei para a suíte, fiz uma pausa, em seguida abri a porta novamente. "Eu lhe devo alguma coisa por ..." O homem já tinha desaparecido, de qualquer forma, assim com o encolher de ombros, eu empurrei e fechei a porta novamente, levando a garrafa e copos para o quarto. Jeremiah estava esparramado numa cadeira alta, franzindo a testa para o telefone na mão. Quando ele me viu, no entanto, sua expressão suavizou e, para minha surpresa, um pequeno sorriso em seus lábios se formou. Meu coração pulou uma batida, ele era tão bonito, era difícil acreditar que ele era todo meu. Por agora. Eu fiz uma careta com o pensamento pessimista; a realidade sempre se introduzindo aos piores momentos. Ele estendeu a mão. "Venha aqui". Quando eu peguei sua mão, ele disse: "Ajoelhe-se". Fiz o que ele disse sem pensar, abaixando-me no chão. Sua mão acariciou meu cabelo quando me acomodei de joelhos. Uma parte de mim se perguntava porque eu lhe obedecia tão facilmente, eu não era uma feminista, mas eu tinha o meu orgulho. De alguma forma, porém, permitindo a ele o controle 158


me dava um sentimento de paz que eu não sentia há muito tempo. Eu estava tão sobrecarregada com a minha vida que, de certa forma, isto tudo era como se eu estivesse num período de férias. Ver a aprovação em seus olhos também fazia valer à pena, embora o lado prático de mim se recusasse a mergulhar muito fundo o porquê. "Quem foi que ligou?" Eu perguntei. "Ninguém importante, ou eles teriam deixado uma mensagem", respondeu ele, em seguida fez um gesto para o que eu tinha nas mãos. "O que é isso?" "Um presente, aparentemente." Ele estendeu a mão e pegou a garrafa e copos. "Champanhe bom", ele disse, examinando a garrafa. "Deve ser de um dos patronos desta noite." Eu olhei para a garrafa, perguntando como ele sabia que era uma boa safra. "Eu nunca bebi champanhe. " Jeremiah me deu um olhar surpreendido. "Nunca?" Eu balancei a cabeça. "Eu só bebi cidra espumante quando era jovem e quando eu fiquei velha o suficiente nunca fui convidada a ocasiões em que serviam champanhe. " "Bem, então". Tomando as taças e a garrafa na mão, ele me ajudou a levantar então me conduziu com uma mão nas minhas costas em direção a cozinha da suíte. "Pelo menos o gosto do seu primeiro vai ser de uma garrafa cara". 159


Eu assisti com diversão quando ele desenrolou a gaiola de arame em torno da cortiça, em seguida, apontou-o para a parede quando ele tirou a rolha. Tomando as duas taças, as encheu logo abaixo da metade antes de me entregar uma. "Beba". O líquido amarelo pálido borbulhava no vidro, olhando assim não era diferente da cidra que eu tinha convivido na infância e adolescência. Curiosa, eu tomei um gole, então franzi o nariz com o amargor, o líquido fazendo bolhas na minha língua. Um segundo gole me fez desvalorizar a bebida cara. "Ugh, eu não sirvo para ser uma exuberante." Jeremiah riu, e o som me assustou. Ele parecia mais relaxado e aberto, e pela minha vida, eu não conseguia entender o que havia acontecido. O olhar que ele me deu de diversão quase juvenil fez meu coração fazer flip flops. Será que o homem percebe o quão lindo ele é quando olha para uma garota assim? "Talvez o gosto seja uma novidade." Ele rodou o líquido levemente no vidro, mas continuou a observar-me. Eu corei à sua leitura, em seguida chutei-me por dentro. Tome alguma iniciativa menina, eu me repreendi. "Alguma vez você já tomou bebida derramada no corpo de alguém?" Era a sua vez de olhar assustado, suas sobrancelhas quase alcançando seu couro cabeludo. "E você?" Ele rebateu e 160


pareceu surpreso quando eu balancei a cabeça. Diversão iluminou seu rosto e eu o olhei maravilhada; seu humor se transformou quase em brincalhão, não completamente, o homem taciturno e dominador que eu tinha visto até então. O desafio em seus olhos, porém, agitou a rebelde em mim porque encontrei em seu olhar uma peculiaridade como minha própria. Segurando seu olhar, eu inclinei minha cabeça para trás e derrubei o copo sobre o meu peito, espirrando líquido para o roupão e para baixo entre meus seios. Minha ousadia teve o efeito desejado. Os olhos de Jeremiah escureceram e ele estendeu a mão, me puxando de volta em seus braços. "Você é muito provocadora", ele disse, arrancando o copo da minha mão e baixando seus lábios no meu pescoço. Minha barriga apertou e eu vacilei, mas tentei não pensar muito sobre isso. Os lábios de Jeremiah percorreram meu pescoço para a cobertura líquida, cara, nos meus seios, mas quando meu estômago torceu pela segunda vez, eu dei um pequeno suspiro, o meu corpo curvando para frente. A diversão desapareceu do rosto de Jeremiah quando ele me puxou de pé. "O que há de errado?" Sua voz rouca exigiu uma resposta, mas eu não tinha nada para dar. "Não estou me sentindo bem," eu gerenciei, tropecei em direção a pia da cozinha. Eu mal conseguia caminhar até lá 161


antes de vomitar, descarregando o conteúdo escasso do meu estômago

para

a

pia.

Minhas

pernas

estavam

se

transformando em uma geleia e eu estava tendo dificuldade em me manter em pé, mesmo me segurando contra a bancada de mármore. Eu ouvi o som de vidro quebrando atrás de mim e olhei para ver uma mancha escura na parede, os resquícios da taça de champanhe e seu conteúdo à deriva no chão. Jeremiah pegou um telefone próximo enquanto eu vomitava novamente. "Eu preciso de um médico para esta suíte imediatamente", ele gritou, em seguida minhas pernas cederam, e ele deixou cair o telefone sobre o balcão para me pegar conforme eu caía. "Lucy, fique comigo." Meu estômago saltou, apertando e torcendo e eu gritei. Uma mão alisou meus repentinos cabelos úmidos em volta do meu rosto enquanto eu estremecia, gemendo, não mais no controle do meu corpo. Senti ser deitada no chão, e uma silhueta borrada de Jeremiah veio através do meu campo de visão. "Eu preciso de um médico agora!" Um som apressado encheu meus ouvidos; a voz de Jeremiah estava entorpecida, como se estivesse através da água, mas eu podia ouvir a nota desesperada em suas palavras. Então meu corpo se enrijeceu, músculos contraindo quase dolorosamente, e o mundo ficou escuro.

162


TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio PARTE 4: O resgate 163


Quando Lucy Delacourt assinou um contrato com Jeremiah Hamilton, ela não tinha idéia de que ela seria vítima de uma tentativa de assassinato contra o bilionário. Mal sobrevivendo ao envenenado de champanhe, ela é levada para uma propriedade à beira-mar nos Hamptons que é fortificada como Fort Knox. Segurança, no entanto, tem um preço - mesmo que ela descubra mais sobre seu enigmático chefe, a sua recusa a deixá-la a par da investigação confunde uma Lucy ainda em recuperação. Para complicar, os membros da família procuram separálos, forçando sua relação tênue ao ponto de ruptura. Ao mesmo tempo, uma ameaça mortal se esconde no fundo ... esperando para atacar.

164


Capítulo 13

Eu tinha oito anos a primeira vez que eu tive gripe. Foi bastante ruim, tive que ser levada às pressas para o hospital. Embora não consiga me lembrar muito, lembro nitidamente das dores, dores que meu corpo lutava para livrar-se do último vestígio da horrível doença. Acordando naquele quarto de hospital eu senti algo parecido, como acordar de um sonho doloroso. Com os olhos ainda fechados, virei minha cabeça para o lado, o simples movimento me deixando tonta e enjoada. Ao meu gemido, houve uma comoção ao meu lado então uma voz estranhamente familiar de um homem disse, "Chame o médico." Por que aquela voz era familiar? Quem... Pensar fazia minha cabeça doer, então eu desisti por um tempo, tentando manter assim tanto quanto possível. Depois de um momento a náusea diminuiu e eu deixei abrir um olho, depois o outro. Eu estava em uma sala bem iluminada, as luzes fluorescentes brilhantes acima como facas no meu crânio. Pensei que, por enquanto, era melhor manter os meus olhos fechados, e ouvi várias pessoas entrando no quarto. "Srta. Delacourt, meu nome é Dr.Montague. Vou precisar que você abra seus olhos." "Dói," eu resmunguei minha língua colando no teto da boca seca. Eu tentei abrir os meus olhos novamente e foi um pouco 165


melhor desta vez. O quarto e os seus ocupantes estavam difusos; a figura alta ao lado da minha cama se inclinou para perto e iluminou uma luz em meus olhos. Eu me encolhi, mas a dor de antes já estava cedendo e ele só fez algumas varreduras antes de afastar o alfinete de luz. "Como você se sente?" “Como se eu tivesse sido atingida por um ônibus." O médico falava um inglês muito bom, mas eu podia ouvir o leve sotaque francês em suas palavras. "Eu ainda estou em Paris?" "Oui, você foi trazida para cá logo após seu pequeno incidente." "Onde está Jeremiah?" Eu me esforcei para me mover na posição vertical, ignorando a explosão na minha cabeça e a mão de restrição do médico. "Ele está bem?" "Ele está em coordenação com as autoridades francesas para investigar o que aconteceu," afirmou uma voz diferente. "Discretamente". Levei um momento para reconhecer a figura familiar ao lado da cama. Eu mal enxergava a cabeça careca de Ethan através da visão embaçada. "Então ele não foi...?" "Não, ele não foi envenenado", ele respondeu, corretamente adivinhando minha pergunta não dita, e eu soltei uma respiração que eu estava segurando. "Ele tem ido a vários canais para tentar encontrar o culpado. Enviei uma mensagem

166


que você está acordada, ele deve estar aqui a qualquer momento." Ouvindo que Jeremiah estava bem e a caminho, tirou um fardo do meu peito. O médico me entregou um copo de água enquanto eu olhei de relance para o relógio e, em seguida, a janela escura. "Quanto tempo eu estive fora?" "Três dias", Ethan respondeu e eu tossi na água que eu tinha engolido. O grande homem se deslocou. "Nós não saberíamos onde isto teria acabado. Sorte sua, Jeremiah tem algum treinamento médico." "Quase morri?" Minhas palavras eram um sussurro e eu achei difícil de dizer, apertava a idéia. "Oficialmente, sim. Duas vezes." O médico tomou meu copo e colocou na mesa ao meu lado e eu finalmente vi com clareza. "Se não fosse pela insistência do Sr. Hamilton não estaríamos tendo essa conversa." Eu olhei minhas mãos por um longo momento, as emoções todas misturadas juntas em minha cabeça. "Estou cansada", murmurei deslizando para baixo da cama. "Antes de dormir," disse Ethan, caminhando em minha direção, "eu realmente gostaria lhe fazer algumas perguntas sobre o homem que trouxe a garrafa para o seu quarto.” Tudo em mim ficou gelado. "Você acha foi ele quem...?" "Isso é o que estamos tentando descobrir".

167


A voz familiar fez meu coração saltar. Jeremiah entrou na sala e ficou no pé da cama antes de olhar para o médico. "Como ela está?" "Acordada o que é um bom sinal. Gostaria de mantê-la pelo menos mais um dia em observação." Jeremiah assentiu com a cabeça para o médico, que retornou o

gesto

e

saiu

silenciosamente

do

quarto.

O

medo

estabeleceu-se em mim como um cobertor opressivo e busquei às cegas a mão de Jeremiah quando ele tomou o local vazio ao meu lado, não importando quem visse a ação. Alguém tentou me matar. O pensamento todo fez meu coração acelerar. "O que você lembra sobre o homem que entregou o champanhe?" Ethan perguntou quando eu agarrei a mão de Jeremiah. "Ele era comum," eu disse, então estremeci na frase. Jeito de ser inútil. "Ele era branco, vestido como um funcionário do hotel, e tinha o cabelo médio castanho e olhos castanhos, eu acho." "Cor do cabelo e dos olhos podem ser alterados," Jeremiah interrompeu. "Quanto a características faciais? Cicatrizes ou manchas?" O pensamento fez minha cabeça doer e fechei os olhos, tentando retratar o breve vislumbre que tive do seu rosto. "Ele tinha um tipo de olhos profundos, lábios finos e era alguns 168


centímetros mais alto do que eu. Hum, eu acho que ele tinha uma verruga em sua têmpora esquerda e uma cicatriz no queixo, mas não sei o quanto disso era maquiagem." Os olhares de Jeremiah e Ethan se encontraram brevemente e meu coração afundou. Eu provavelmente apenas descrevi a metade do país "O que ele pareceu?" Ethan perguntou finalmente, depois de rabiscar anotações em um pequeno bloco de notas. "Ele falava inglês muito bem; Eu pensei que ele parecia um americano." Eu bati minha mão sobre o colchão em frustração. "Eu não sei. Ele parecia um empregado de hotel normal e eu não acho que olhei muito." Um pensamento me ocorreu. "E as câmeras de segurança? Deve ter algo lá." Ambos os homens balançaram a cabeça. "Nós já assistimos," disse Jeremiah. "Quem quer que seja sabia exatamente onde apontavam mesmo as câmeras escondidas; não conseguimos pegar uma filmagem do rosto." Eu afundei na cama. "Existe alguma coisa que eu posso fazer para ajudar?" O telefone de Jeremiah tocou, e ele puxou para verificar a tela. "Preciso Atender isso", disse ele, puxando sua mão livre de meu alcance. "Ethan, veja se você pode encontrar um artista para desenhar o que ela se lembra. Eu estarei de volta." As lágrimas brotaram nos meus olhos enquanto eu o vi sair do quarto. Menina boba, eu me repreendi piscando duro, ele ainda 169


tem que fazer seu trabalho. Ainda assim doía vê-lo ir; havia segurança com sua presença o que eu não sentia com um simples guarda-costas. "Você sabe, esse negócio todo bateu muito duramente nele". Eu olhei Ethan, limpando meus olhos vazando. O careca não estava olhando para mim, demasiadamente ocupado digitando em seu telefone, mas eu ainda podia sentir a sua atenção. "O que você quer dizer?" Ele não respondeu por um momento, com atenção em seu telefone, então o fixou em seu cinto e olhou para mim. "Quanto tempo faz vocês dois se conhecem um ao outro?" A pergunta senti como um interrogatório e eu franzi a testa. "Alguns dias, por que?" Ethan grunhiu. "Ele arrancou todos os batentes tentando descobrir quem fez isso. Eu não o vejo motivado assim a um longo tempo; mesmo a última vez que alguém tentou matá-lo ele não ficou tão obcecado pelas respostas." Minha boca caiu aberta. "O quê?" Eu disse quase um sussurro de voz. Ethan deu de ombros, como se não fosse nada. "Um homem como Jeremiah, levando em conta o negócio arriscado que ele faz, recebe um monte de ameaças de todos os lugares. Foi apenas depois que ele concordou em patrocinar a minha empresa que alguém tentou matá-lo fora do seu edifício." Ethan bufou. "Jeremiah já tinha quebrado o pulso do homem e 170


tomado a arma no momento em que cheguei perto. Acontece que o pistoleiro não era mesmo a pessoa em pele, ele tinha sido contratado para fazer o trabalho sujo". "O que aconteceu em seguida?" Perguntei quando Ethan se distraiu, olhando seu telefone novamente. "Nada. O patrão me disse para descobrir quem estava por trás daquilo e deixá-lo a par, então peguei um avião para Dubai. Não parecia nem um pouco preocupado." Ethan olhou para mim. "Talvez seja porque você se machucou em seu lugar. De qualquer forma, Celeste assumiu as operações de negócios enquanto ele se concentra no presente assassino e tenta manter a imprensa de fora." "Assim, a pessoa no telefone...?" "Foi provavelmente um dos seus contatos. Se ele não quis que nós escutássemos, provavelmente era algum que eu não aprovo. De qualquer forma, ele tem ido ao extremo com isto." Jeremiah escolheu aquele momento para voltar para dentro, guardando seu telefone no bolso. Eu tive o primeiro vislumbre fora da porta e vi dois homens vestidos com terno preto em ambos os lados da entrada antes que a porta fosse fechada novamente. Até mesmo postou guardas na entrada. Quantos problemas nós estamos metidos? "Tenho os rapazes procurando por um artista agora", disse Ethan. "Espero que possamos conseguir alguém aqui dentro das próximas horas.” 171


"Bom". Jeremiah moveu-se para minha cama e depois franziu a testa para baixo em mim. "Você deve descansar." "Quem era no telefone?" Perguntei sem rodeios. Quando seus olhos se estreitaram, claramente irritado com a pergunta, eu persisti. "Se tem algo a ver comigo, então eu deveria saber. Quem tentou nos matar?" Jeremiah olhou para Ethan, mas o grande especialista em segurança teve seus olhos de volta em seu telefone, ignorando deliberadamente a nossa conversa. "Eu não tenho certeza ainda," Jeremiah finalmente disse. "Eu dei a descrição que você forneceu, e eles estão esperan��osos. Agora, descansar." Meu corpo exigia que eu seguisse a ordem – mas eu ainda lutava para me manter acordada. "Você não vai sair?" Eu perguntei, empurrando-me mais profundo sob os lençóis. Seus olhos suavizaram um pouco. "Eu vou estar nas proximidades," ele prometeu e, com suas palavras finalmente fechei os olhos, deixando o meu cansaço me oprimir.

***

Eu fiquei no hospital por mais três dias em observação. O médico parecia otimista sobre minha recuperação, mas eu me sentia mais fraca do que um bebê. Precisando de ajuda para fazer coisas simples como uma caminhada, revelou-se frustrante e eu estava determinada a fazê-lo sozinha. No 172


entanto, depois que eu escorreguei e quase caí tentando ir ao banheiro, Jeremiah ordenou que eu tivesse ajuda disponível constante, seja por enfermeiros ou por guarda-costas. A

maioria

dos

meus

dias

eu

passei

dormindo,

mas

rapidamente tornou-se tedioso ficar na cama do hospital. Quando eu mencionei isso para Ethan, o guarda-costas sempre presente no meu quarto, um novo tablet ainda na caixa, apareceu logo depois ao lado da minha cama. O aparelho me deu algo para fazer com meu tempo livre e eu passei a maior parte pesquisando meu novo chefe. Eu brinquei anteriormente que eu sabia a versão da Wikipédia de sua vida e, começa assim como também o resto do mundo. Havia artigos dele que mencionaram seu tempo no Exército de Ranger, falou sobre seu trabalho de caridade e entrou em detalhes sobre suas aventuras nos negócios, mas eu já sabia de tudo isso. A mídia lançou palavras como "misterioso" e "enigmático" quando eles o descreveram, e as palavras pareceram apropriadas dada a falta de qualquer informação em profundidade por quase todos os canais. Artigos sobre a mudança corporativa após a morte de seu pai foram da mesma forma superficiais, principalmente analisando previsões aonde a empresa iria sob nova gestão, se um homem que tinha a mínima educação de negócios poderia realmente assumir pelo magnata Rufus Hamilton e assim por diante.

173


Pelo quarto dia da minha estadia eu estava andando sozinha novamente, no exato momento de deixar o hospital. Nossa saída parecia um filme de espionagem: eu fui levada escondida

para

a

garagem

pelos

guarda-costas

e

cuidadosamente instalada em uma limusine que presumi nos levaria para o aeroporto. Jeremiah vigiava tudo, nunca deixando o meu lado, mantendo um aperto possessivo ao redor dos meus ombros, enquanto nos dirigíamos para fora da garagem. Eu cochilei durante a maior parte da viagem, usando o ombro de Jeremiah como travesseiro. Acordei depois de uma quantidade indeterminada de tempo mais tarde para ver que não estávamos mais na cidade, mas não pensei nada sobre isto, voltando a cabeça para dormir até que o carro finalmente parou. Jeremiah deslocou-se debaixo de mim e eu levantei a minha cabeça, sonolenta olhando pela janela. Isso não é definitivamente o aeroporto, pensei, esfregando os olhos. "Onde nós estamos?" Jeremiah não respondeu a pergunta, simplesmente ficou na beira da porta que foi aberta do lado de fora. "Venha descobrir," disse ele, tomando meu braço para me ajudar a sair do carro. Imediatamente, eu não reconheci a estrutura. Nas proximidades tinha o som fraco de água e um monumento que parecia vagamente familiar.

174


Vários homens em ternos escuros estavam espalhados ao redor da área e um homem negro veio correndo até nós. "O lugar está seguro, Senhor," ele disse e, enquanto Jeremiah assentiu com a cabeça, finalmente percebi onde eu estava. "Você me trouxe para a praia de Utah," eu sussurrei em atordoada surpresa. Eu só tinha mencionado o local uma vez a Jeremiah e tinha certeza que ele tinha esquecido a nossa conversa, então esta era a prova ele tinha me ouvido. O vento vindo da água era frio, refrigerando o ar já gelado do inverno; o céu estava nublado e parecia que ele poderia cuspir neve a qualquer momento. Olhando em torno de um lugar que eu só tinha visto em fotos online, eu me encontrei inexplicavelmente dilacerada. Jeremiah tirou sua jaqueta e a escorregou ao redor de meus ombros quando eu tremi. "Você falou que este era um lugar que você queria visitar." Ele parecia nervoso e desconfortável, e eu me perguntei se eram pelas minhas lágrimas. "Eles têm o centro para visitantes com seus próprios artefatos de praia, mas podemos ir para baixo na água se você estiver bem para isto." Sua voz era rude e sua atitude curta, mas eu não me importei. A felicidade me impregnou com a visão de um lugar que eu sempre sonhei em visitar, e eu deslizei minha na sua mão. Jeremiah endureceu e eu o vi engolir, então seus dedos

175


relaxaram nos meus. "Você me ajuda a me vestir?" Eu perguntei, me entocando profundamente dentro de seu casaco. Seu olhar suavizou quando ele olhou para baixo em mim, então ele levou minha mão aos seus lábios. "Eu ficaria honrado."

176


Capítulo 14

Não ficamos na praia de Utah o tanto quanto eu gostaria. Jeremiah nunca deixou meu lado enquanto o puxei de uma exposição para outra. Senti enfraquecer após menos de uma hora e então pedi para descer para as praias, antes que eu me desvanecesse completamente. Ele me obrigou a encurtar a viagem depois que eu tropecei duas vezes e comecei a tremer incontrolavelmente apesar de múltiplas camadas de roupas que eu usava. Jeremiah me prometeu que eu voltaria quando eu não estivesse tão doente ou não fosse tão frio, e eu acreditei nele. Dormi quase a viagem inteira de avião de volta para Nova York, acordando apenas quando aterrissamos no aeroporto. Fiel a sua palavra, Jeremiah nunca deixou meu lado quando movemos rapidamente pela segurança do aeroporto para a aguardada limusine o que levou por coisas desconhecidas, pelo menos para mim. Descansei minha cabeça no ombro de Jeremiah enquanto sua mão se movimentou para o interior da minha coxa, segurando firme. Não havia nada abertamente sexual, mas eu podia sentir a posse de sua aderência e não me importava com nada. Quando eu vi as lindas casas através das janelas de limusine, eu levantei minha cabeça para admirar o cenário de passagem. A luz solar parcial a partir do dia nublado refletia 177


fora da água nas proximidades, e passamos por uma marina com grandes veleiros e mais alguns iates. "Onde estamos indo?" Finalmente perguntei. "O loft de Manhattan é muito público para manter seguro. Minha casa de família em Hamptons permite muito mais segurança até chegarmos ao fundo dessa confusão." Jeremiah rosnou a última parte de sua resposta e engoliu, lembrando o que estava em jogo. Voltando minha atenção para as casas de passagem - não, mansões ou propriedades era o melhor termo - eu tentei não pensar sobre o quão estranho tornou-se minha vida. Poucos dos palácios pelos quais passamos tinham quaisquer semelhanças entre si, além dos tamanhos, todas as casas e propriedades eram grandiosas. Eu nunca tinha ido a esta região de Long Island, ou qualquer uma das regiões mais ricas de Nova York, mas tinha ouvido e descrito através de amigos e visto as fotos na TV e Internet. Ao longo da costa tinham cais que levavam às águas com áreas de entretenimento que mais parecia um parque, com verdes gramados e mesas bem cuidados. Apesar da óbvia riqueza na área, muitas das mais antigas propriedades ao longo da costa tinham um aspecto caseiro passando uma idéia de luz e felicidade – tão diferente da cidade grande a apenas duas horas de distância. A propriedade que nossa limusine se dirigiu, no entanto, não era menor e ainda mais ameaçadora do que seus vizinhos. O 178


pequeno exército de guardas no portão que nos fez abaixar a janela não me fazia sentir nada melhor, mas Jeremiah parecia contente com a segurança. "É sempre assim?" Eu perguntei quando os enormes portões começaram a abrir. "Eu pedi a Ethan para trazer não só pessoas essenciais de sua empresa de segurança para cuidar das instalações. A maioria deles são ex-soldados então sabem ao que estarem atentos". "Oh," eu disse fracamente, insegura de como responder. Ele tem um exército. "Isso é, hum, grande." A entrada de automóveis não era longa, mas estava alinhada com sebes e árvores que ocultou a propriedade. O carro virou para a direita eu perdi o fôlego com a vista. Minha família era de classe média alta, nossa casa era boa se não enorme. Por isso o fato da casa em que cresci, e foi perdida para o banco após a morte de meus pais, caber em menos da metade desta me fez perder o fôlego. Eu podia perceber o olhar de Jeremiah em mim e senti que devia dizer algo, mas eu não conseguia pensar o que. A casa me lembrava de um castelo inglês, todas as pedras pesadas e Hera. A área era bloqueada dos vizinhos por árvores e vegetações, mas as áreas estendidas passando pela casa para baixo ao redor da costa, incluindo várias estruturas,

apesar

de

enormes,

não

correspondiam

à

grandiosidade da casa. Um carro caro vermelho já estava estacionado perto da entrada principal e ao meu lado eu ouvi Jeremiah dar um 179


suspiro irritado. A limusine parou atrás do carro e, enquanto nosso motorista movimentou-se para abrir a porta, eu vi uma mulher loira e magra saltar para fora do outro veículo. "Quem é aquela?" Eu perguntei. "Família". A palavra resmungada guardou uma riqueza de significados, mas Jeremiah já foi saindo do carro antes que eu pudesse pedir mais detalhes. Ajudou-me a sair do veículo enquanto a mulher loira caminhou em nossa direção. Ela era mais velha do que eu tinha pensado inicialmente, embora fosse difícil dizer sua idade exata; seus lábios pareciam muito cheios e a pele do seu rosto parecia artificialmente apertada e esticada. Apenas a pele semi-solta em seu pescoço e clavícula proeminentes, cortesia de uma estrutura super fina, entregou sua maturidade. "Querido, é tão bom ver você." A mulher abriu seus braços e abraçou Jeremiah, que não devolveu a gentileza. "Os homens da frente disseram que você estava a caminho, então esperei. Você acredita que eles não permitiram a entrada dos Dashwoods? Eles estavam tão ansiosos por um tour nas propriedades." "Os Dashwoods não estão na lista de convidados aprovados." A voz de Jeremiah foi educada, mas tensa como se ele estivesse controlando seu temperamento. "O que você está fazendo aqui?"

180


A recepção fria não pareceu afetar a mulher em nada. "Eu disse a você querido, eu daria apenas um breve tour da propriedade aos Dashwoods. Eles estavam aguardando ansiosos por isto e acho que você feriu seus sentimentos, mantendo-os afastados. Talvez agora, podemos chamá-los de volta?" Minha presença ainda não tinha sido notada, o que foi um alívio. A mulher estava vestida com esmero em uma blusa sob medida e saia que combinava perfeitamente com seus sapatos e uma pequena bolsa. Eu, por outro lado, usava uma roupa enrugada e amassada pela viagem e tinha perdido peso suficiente no hospital que elas caiam na minha estrutura. Eu não me importei como eu me parecia até este momento, e eu tentei me manter o mais invisível possível, uma habilidade que eu tinha passado a vida toda aperfeiçoando. Jeremiah suspirou com a declaração da mulher. "Essa não é mais sua casa." O argumento parecia velho, e a mulher deu de ombros. "Bobagem querido, eu ainda estou autorizada a visitar o antigo lugar de vez em quando." Seu olhar voltou-se para mim, na minha aparência abatida e gasta da viagem, com seus olhos gelados. "Realmente Jeremiah, Você deve manter seu casinhos do lado de fora da casa da família. O que será se a imprensa a ver?"

181


Meu queixo caiu aberto com suas palavras e minhas mãos enrolaram em punhos a indignação espalhou através do meu corpo. Eu fiquei tão irritada que minha mente não conseguia pensar em nada para dizer que não fosse xingar ou não lidaria com algum tipo de briga física. Essa vaca! Até Jeremiah estava implicitamente irritado, um passo à frente e parcialmente entre nós duas enquanto eu me preparava para soltar fogos. "Já é o suficiente mãe," ele cortou. Eu olhei entre os dois incrédula. Esta harpia é sua mãe? A mulher fungou irritada, revirando os olhos em repreensão. "Bem, então?" ela perguntou depois de uma pausa para respirar com uma carranca. "Você não vai nós apresentar?" Jeremiah parecia ter mordido um limão, mas seus modos prevaleceram mesmo ele não gostando. "Essa é Srta Lucille Delacourt, minha nova assistente. Lucy, esta é minha mãe Georgia Hamilton." "De novo com esta farsa?" A condescendência no tom de sua mãe era palpável. Jeremiah não pareceu inclinado a insistir neste ponto, mas fiquei de repente sem medo de dar a mulher um pedaço da minha mente. Eu abri minha boca para defender-me, a mulher na nossa frente revirou os olhos, então a inspiração me bateu e eu postei um sorriso no rosto. "Olá," eu disse docemente em francês, com imposição sobre o falso encanto. "Você deve

182


saber que seus lábios e seios parecem terem sido feitos pelo mesmo médico, exceto que ele os colocou do avesso" Geórgia piscou, obviamente surpresa. "Ah, você é da França?" Meu sorriso aumentou quando eu percebi que ela não tinha idéia do que eu estava dizendo. "Eu posso ver por que ambos seus filhos têm problemas," jorrei gesticulando em direção ao seu correspondente semblante imaculado. "É um milagre que você ainda tenha permissão de vir aqui se é isto que ele tem que aturar a cada visita." "Lucy estará nos ajudando com os segmentos franceses dos negócios," Jeremiah interrompeu sem problemas enquanto os olhos de sua mãe estreitaram suspeitos. Ele me deu uma olhada, mas eu não conseguia tirar o sorriso de auto-satisfação do meu rosto. "Eu contratei tradutores há muito tempo e preciso de alguém em casa que fala fluentemente". Eu dei a Jeremiah um olhar interrogativo, mas ele escolheu este momento para me ignorar. Ele falava sério, ou essa era outra estratégia para inviabilizar a sua mãe? "Ah, bem." Geórgia alisando suas roupas já impecáveis com mãos finas. "Eu ainda acho que você tinha uma sintonia total com aquela menina russa, Anya. Foi uma vergonha deixá-la ir." Ela

deu

de

ombros,

aparentemente

alheia

ao

descontentamento de seu filho com a mudança de tópico. "Prazer em conhecê-la minha cara. Talvez nós pudéssemos, almoçar?" 183


Nem pensar. Eu rangi meus dentes, de alguma forma, mantendo o sorriso no lugar enquanto Jeremiah envolveu seu braço no meu. "Se você nos desculpar, eu devo mostrar Lucy seu quarto." "Não vai chamar os Dashwoods primeiro e pedir desculpas? Eles ficaram bastante ofendidos por ficarem fora." "Bom dia, mãe." Jeremiah me conduziu em direção a porta, não interessado em ficar com a mulher mais do que eu estava. Houve um som frustrado atrás de nós, então eu ouvi a porta do carro bater, enquanto entramos nas portas enormes de madeira para dentro da construção. Quando eu pisei dentro de casa eu não sabia ao certo o que esperar. As paredes eram revestidas com painéis de madeira e as esparsas peças do mobiliário eram similarmente escuras, mas os tetos altos e paredes pálidas evitaram que atmosfera fosse demasiadamente sisuda. Havia grandes escadas em caracol em ambos os lados da entrada sendo a luz transmitida de uma clarabóia acima e a abertura beneficiava a varanda que rodeava toda a casa. Após as escadas e através de uma abertura havia uma cozinha ampla com armários de madeira escuras e uma grande ilha no centro. A sala foi decorada com uma televisão grande, facilmente mais alta do que Jeremiah ao longo da parede distante. A parede do fundo foi quase inteiramente forrada com vidro, levando para um grande pátio com vista para o oceano. 184


A vista levou minha respiração, mas do meu lado Jeremiah rosnou em aborrecimento. "Por que esse vidro está claro?" ele disse, segurando meu braço para me impedir de entrar na sala. "Desculpe Senhor," disse um dos homens atrás de nós, "sua mãe pediu desta forma." "Esta não é mais a casa da minha mãe. Gire-o." Um segundo depois, a vista para o oceano desapareceu, o vidro

enevoou-se

repentinamente.

Surpreendida

com

a

mudança fiquei tensa, mas Jeremiah nem se incomodou e me levou para o quarto. "Vidro inteligente", disse, respondendo a minha pergunta silenciosa. "Usa eletricidade para fazer as janelas opacas. Eu instalei em toda a casa para ter privacidade." Eu nunca tinha visto nada parecido antes. Enquanto eu perdia a visão, as luzes espalhadas pelas paredes iluminaram o lugar. Em frente à sala de TV tinha uma sala de jantar com uma gigante mesa de jantar e cadeiras; ao lado da mesa tinha uma lareira com um grande manto. A parede alta acima dela estava vazia e eu me perguntava o que era pendurado lá. "Mais alguma coisa, Senhor?" Ethan perguntou, e quando Jeremiah sacudiu sua cabeça o segurança desvaneceu-se em direção a porta da frente, deixando nós dois sozinhos. "É bonito aqui," eu respirei, olhando para Jeremiah. "Este lugar que você cresceu?"

185


"Um dos lugares." Jeremiah entrou na cozinha enquanto eu olhava ao redor do living aberto. "Eu quero saber, o que você falou para minha mãe?" ele perguntou depois de um momento. Eu sorri para a pergunta. "Fiz algumas observações afiadas, nada mais," eu respondi dando-lhe um olhar divertido. Quando ele não retornou meu sorriso, apenas balançou a cabeça em resposta, meu prazer diminuiu. "Eu juro que não disse nada tão rude," eu adicionei mais sobriamente sem querer ofendê-lo. Afinal, ela era sua mãe. "Está com fome?" ele perguntou. Eu pensei por um momento e, em seguida, balancei minha cabeça. "Você cozinha? Com um lugar como este, eu acho que você teria seu próprio chef.” "Meus pais empregaram um chef quando eu estava crescendo, mas eu achei um desperdício." Ele verificou dentro da geladeira e da despensa grunhindo em aprovação, em seguida, olhou para mim. "Como você se sente?" Eu bocejei e estiquei-me. "Cansada". Eu dormi muito no avião, mas ainda não pareceu o suficiente. Assistindo Jeremiah e pensando sobre cama, no entanto, fez um arrepio percorrer meu corpo que não tinha nada a ver com o veneno. Humm, talvez eu não esteja tão cansada quanto eu pensava. Ele tinha mudado o terno e vestido algo mais normal em algum momento durante o vôo e, agora, usava um par de jeans caros e uma camisa de botão branca. Esta foi a primeira vez que o vi 186


assim, a mudança foi um choque, mas bem agradável; a maneira como seu corpo preenchia o jeans deu água na boca e minhas mãos coçavam para tocar. "Deixe eu te mostrar então seu quarto." Ele colocou a mão nas minhas costas e me escoltou para fora da sala em direção a escada. Inclinei-me contra seu corpo enquanto fomos subindo as escadas, enrolando meu braço em torno da sua cintura. O senti rígido sob o meu toque, sem resposta, e eu olhei para cima para vê-lo olhando para frente, com uma carranca aprofundando sua fronte. Confusa, puxei minha mão para trás e

fiquei

desapontada

ao

vê-lo

relaxar.

O

que

está

acontecendo? Eu me perguntava, perplexa com a sua reação. Eu pensei que tinha finalmente começado a entendê-lo, mas agora ele era de novo um estranho. O quarto que ele me levou era maior que qualquer padrão, com uma cama king-size e anexo o banheiro. Todas as janelas tinham a mesma opacidade e eu percebi que era o mesmo vidro inteligente, eu tinha visto anteriormente. O quarto mesmo enorme, não se encaixava com o que eu imaginava o quarto master

pareceria, muito maior que um quarto grande de

convidado. Estava na ponta da minha língua perguntar qual seria meu status durante a minha estadia, mas enquanto ele me ajeitou na cama algo me disse que eu iria dormir sozinha. Espontaneamente, peguei sua mão e trouxe a meus lábios, impondo um beijo na junta grossa. 187


Ele enrijeceu ao meu toque, congelando por um momento; Eu pensei ter visto um flash de anseio em seu rosto, mas se aconteceu o momento foi fugaz. Puxando a mão do meu alcance, ele pressionou-me de volta para a cama. "Você precisa de descanso," ele murmurou. Eu preciso de você. O pensamento fez minha boca fechar em decepção. Ele pareceu relutante em me tocar, o que machucava mais do que eu pensava, mas eu estava cansada. Talvez esta seja a sua forma de ter certeza que eu vou dormir? Tomei uma respiração profunda para relaxar, me aconcheguei debaixo das cobertas e fechei os olhos, esperando que minhas preocupações sobre as ações de Jeremiah não iriam me manter acordada. Enquanto as expulsava, meu corpo precisou de mais descanso e antes mesmo de Jeremiah sair do quarto eu já estava fora como uma luz.

188


Capítulo 15

O sol brilhava através da janela próxima, quando eu acordei novamente, sentindo-me mais renovada do que eu estava desde o meu encontro desastroso com o champanhe envenenado. Eu me estiquei debaixo das cobertas antes de puxá-las

de

lado

e

ficar

de

no

tapete.

Percebi

imediatamente que os vidros das duas janelas do quarto estavam embaçados; Eu não tinha imaginado que toda a casa era desta forma. No final da minha cama, uma toalha e um roupão, bem como uma elegante mala cinza que assumi eram meus, mas meu estômago roncou, lembrando-me que eu tinha rejeitado uma refeição antes de dormir. Eu decidir ignorar um banho agora, descendo as escadas na esperança de encontrar Jeremiah. Infelizmente foi Ethan que estava sentado no pé da escada, em cima de uma banqueta que parecia fora de lugar na porta da entrada. Ele levantou enquanto fiz o meu caminho para o piso inferior. "Bom dia". "Bom dia", respondi com cautela. Sem ter certeza do que fazer, eu fiz o caminho ao redor dele me dirigindo para a cozinha, mas não vi Jeremiah lá também. A luz do sol aparecia através do vidro nublado e eu franzi a testa. "Que horas são?" Eu perguntei. Ethan olhou para seu relógio. "São, oh- nove e meia." 189


Eu pisquei para ele surpresa. "Espere, é 09h30min da manhã?" Com seu assentimento eu perguntei incrédula, "quanto tempo eu estive dormindo?" "Cerca de dezesseis horas." Não é de admirar que eu me sentia bem. Soprei uma respiração rápida e olhei dentro da geladeira. "Onde está Jeremiah?" "Ele está perseguindo algumas possíveis pistas. Deixou o complexo há cerca de duas horas." Eu olhei de relance, colocando uma caixa de leite no balcão. "Ele deixou você responsável por mim, então?" No aceno de Ethan, engoli minha decepção e me dirigi para a despensa. Não seja boba, ele provavelmente não queria acordá-la quando saiu. Em conjunto com o afastamento do dia anterior, no entanto, eu estava confusa sobre as coisas. Eu queria desesperadamente alguém para me abraçar e dizer que estava tudo bem. Exceto que não estava tudo bem, um fato eu estava tendo dificuldade em chegar a um acordo. Um problema por vez Lucy, eu disse a mim mesma, abrindo a porta da despensa. Poucos minutos depois eu estava mastigando alguns biscoitos de amuletos da sorte que eu encontrei, olhando para meu novo guarda-costas lendo uma revista de armas. Ele pareceu estar me ignorando, mas de vez em quando, eu o via colocar o microfone em seu ouvido e sabia que ele estava conectado 190


com os homens lá fora. Eu o assisti por alguns minutos, em seguida, apontei a minha colher em sua direção. "Sua esposa me disse que você e Jeremiah estiveram juntos no Exército Rangers." Ethan resmungou, não olhando para cima da revista. Outro homem de poucas palavras, pensei, lembrando o primeiro passeio de limusine na França e o quanto ele tinha sido silencioso também. Tentando outra tática gesticulei em direção a parte inferior do seu corpo. "Como você machucou a perna?" "A missão foi árdua." "Você estava com Jeremiah?" "Não, isso aconteceu depois que ele saiu." "Por que ele saiu?" "Pai morreu." Obter respostas do Careca foi como puxar com os dentes, mas ele estava falando então eu persisti. "O que Jeremiah foi nos Rangers?" "Franco atirador". Minhas sobrancelhas dispararam. Realmente. Eu digeri aquela informação por um minuto, mastigando os cereais, então perguntei, "O que aconteceu quando ele saiu?" O grande homem ficou quieto por um momento; Eu igualei seu silêncio por um momento, esperando ele colocar para fora, e finalmente respondeu. "Caiu fora um monte de gente."

191


Meu queixo parou de funcionar, e eu engoli minha comida. "Por quê?" "Ele saiu. Encontraram uma brecha ou exerceu uma pressão sobre as pessoas certas para obter uma descarga completa. A maioria das pessoas pensava que ele estava se vendendo, abandonando seu posto. É difícil tornar-se um dos Ranger, e ele simplesmente desistiu." "O que você achou?" Ethan olhou para mim. "Fiz minha opinião suficientemente bem conhecida por ele." "Então, você também não gostou da idéia?" Eu perguntei, achando que foi o que ele quis dizer. Ele engatou um ombro, olhos de volta na revista. "Ele desistiu de uma vida que muitos sonharam ter, abandonando o seu pelotão. Sim, eu tive alguns pensamentos sobre o assunto." "Então, como você se tornou seu chefe de segurança?" Ethan suspirou e deixou a revista no balcão, então virou para me olhar. Apesar da sua carranca ele estava respondendo minhas perguntas, então eu tentei não me sentir culpada por minha persistência. "Depois que eu tive meu acidente, Jeremiah apareceu no hospital. Ofereceu-me um emprego, se o exército não me quisesse mais. Disse para ele ir se ferrar e ele saiu. Eis que, alguns meses depois eu recebi meus papéis de dispensa e Jeremiah apareceu mais uma vez, oferecendo-

192


me uma chance do negócio que costumávamos falar em começar quando nos afastássemos.” "Seu negócio de segurança?" Ethan assentiu com a cabeça. "Jeremiah financiou os custos iniciais, mas espero comprar sua parte em breve." "Por que deixar a parceria? Por que vocês dois não continuam juntos?" Ethan deu de ombros. "Ele tem maiores peixes para fritar e eu prefiro ter o negócio por minha conta." Isso parecia concluir sobre o assunto, mas ainda fiquei curiosa "Como Jeremiah era naquela época?" "Jovem". Ao meu olhar engraçado, um leve sorriso contraiu o canto da boca do homem. "Ele sentia a constante necessidade de provar a si mesmo que era capaz" Ethan continuou pensando. "Ele sempre quis estar à frente de tudo, então foi uma surpresa quando estabeleceu-se como franco-atirador. Eu acho que o ajudei a aprimorar sua paciência." Ethan virou sua cabeça para o lado. "Ele não era do tipo de festas, mas sabia como relaxar. Desde a morte do pai, porém, eu não acho que ele se dá muito tempo para fazer isso." Nem lento e nem preguiçoso. Eu estava tendo minhas perguntas respondidas assim poderia perguntar o que mais estava em minha mente. "Quanto a Anya? Como eles vieram juntos?"

193


Seus olhos estreitaram e ele olhou duro em mim. Eu mastiguei outro bocado de cereais, tentando o meu melhor para parecer inocente. "Eu provavelmente não deveria estar te dizendo isso," ele murmurou. Apenas

mastiguei

minha

comida,

dando-lhe

um

olhar

expectante. Levou um minuto, mas ele finalmente revirou seus olhos e respondeu. "Jeremiah tinham algum grande negócio russo acontecendo e ele precisava de alguém para traduzir, tanto para comunicação verbal como escrita. Anya encaixava e se tornou sua nova assistente pessoal, mudando a anterior para uma posição de gestão." "Assim eles foram..." Um casal? Eu não poderia dizer sem rodeios e não tinha certeza quanto o grande guarda-costas sabia sobre o meu relacionamento com meu chefe. Eu corei com seu olhar de sondagem, pegando e despejando mais cereais, mesmo já estando cheio. "Sua relação pessoal nunca foi da minha conta. Eu poderia dizer que ela carregou uma tocha, mas ele era impossível de ler. De qualquer maneira, quando ele descobriu que ela revelava segredos a seu irmão, Jeremiah a dispensou. Isso foi provavelmente cerca de três anos atrás." "Como ela era?" Eu não podia segurar e perguntava. "Jovem. Ingênua. 'Fresco da fazenda', como a minha avó diria. Inteligente e fluente em duas línguas. Jeremiah realmente a

194


encontrou na Rússia e a trouxe para cá, mas quando ele a chutou, ela ficou por sua conta própria." Pobre Anya. Apesar da arrogância da mulher loira, me senti mal agora pela pobre menina deslocada. Talvez ela teve o que merecia, mas foi no entanto, duro. "Quanto a Lucas? Por que Jeremiah o chama de Loki?" Ethan se deslocou, seu rosto se transformou em uma carranca. "Loki é a safra podre na árvore de família, e isto diz alguma coisa. Puta desperdício de tempo se você me perguntar." A súbita veemência na voz do guarda-costas careca me surpreendeu. Uau, diga-me como você realmente se sente. "O que aconteceu entre ele e Jeremiah?" Eu perguntei, me perguntando se eu tinha empurrado a minha sorte, trazendo à tona o assunto volátil. "Além de Loki se tornar tudo o que Jeremiah e eu lutamos contra?" Ethan rosnou. "Seus problemas com Jeremiah aconteceram antes que eu deixasse o militarismo, mas a pouca merda roubou U$30 milhões da empresa quando Jeremiah

assumiu,

em

seguida,

fugiu

para

lugares

desconhecidos." Eu soltei uma respiração. Isso é um monte de dinheiro. "O que ele fez com o dinheiro?" "Inferno se eu sei, provavelmente começou a comprar armas." No meu olhar chocado, Ethan assentiu. "Ele é um traficante de

195


armas, faz seu dinheiro vendendo armas aos países que querem explodir outros." Minha colher caiu em minha taça enquanto eu olhava, pasma, o grande homem. A expressão estrondosa de Ethan era intimidante e ele parecia que queria dizer mais, mas quando ele viu meu choque sua mandíbula apertou. "Eu não deveria ter dito nada," ele murmurou, agarrando a revista novamente. "Estes não eram meus segredos para contar." Meu cérebro enquanto isso teve um tempo difícil, envolvendose em torno de fatos. Eu dancei com... um traficante de armas? Olhos azuis-verdes sarcásticos apareceram novamente em minha imaginação, o rosto familiar e bonito, marcado por uma cicatriz em uma bochecha. Onde eu fui me meter? Houve um clique enquanto a porta da frente abria e Ethan ficou em pé, surpreendendo-me. Ele relaxou quase imediatamente, e um segundo depois Jeremiah caminhou através da porta de entrada e foi para a cozinha. Eu sorri, aliviada em vê-lo, mas minha felicidade reduziu quando ele mal me deu um piscar de olhos. "Alguma sorte"? Ethan perguntou. Jeremiah sacudiu sua cabeça, os lábios afinaram. "Eu fiz inquéritos," ele disse. "Eu devo saber no dia seguinte ou depois." Ethan franziu a testa, mas assentiu com a cabeça. "Eu estarei lá fora então se você precisar de mim." 196


Ethan caminhou para fora da sala. "Você parece cansado," eu disse, inclinando minha cabeça para o lado. "Eu vou ficar bem." Jeremiah respirou, em seguida olhou para mim. "Como você está?" "Melhor". Eu gesticulava na tigela vazia na minha frente. "Voltou meu apetite" Ele balançou a cabeça e, em seguida, seu olhar fixou em minhas roupas amarrotadas. "Deixei-lhe algumas roupas e suprimentos de banho aos pés da sua cama." "Eu vi isso, obrigada. Eu estava indo para chuveiro depois do café da manhã." Eu tremi, de repente nervosa - eu tinha pouca experiência com sedução direta - em seguida, olhei para ele por meio de meus cílios. "Quer se juntar a mim?" Ele ficou rígido, mãos ondulando ao longo da borda da bancada. Eu vi o fogo em seus olhos, depois para minha surpresa, ele sacudiu a cabeça. "Eu tenho coisas que eu preciso cuidar antes do fim da manhã." Eu não tinha esperado sua negação e, mesmo sabendo que ele tinha todo o direito de dizer não, a rejeição doeu. Ele está ocupado, alguém está tentando nos matar e mais ele tem um grande negócio para administrar. "Deixe-me ajudar você lá de cima." Sua mão enrolou em meu braço, mas cravei em meus calcanhares. "O que você descobriu até agora?" Eu perguntei, olhando para ele. Jeremiah franziu seus lábios, olhando irritado 197


- se era pelo meu desafio ou a situação em geral, eu não poderia dizer. Dane-se se eu deixá-lo me ver chorar, eu pensei furiosamente, olhando desafiadoramente em seus olhos. "Nada ainda," ele disse, puxando meu braço. "Deixe-me levar você lá em cima.” Eu puxei meu braço de seu aperto. "Obrigada, eu posso me virar sozinha" eu disse com toda a dignidade que eu poderia reunir. Sua súbita rejeição, combinada com a dispensa da noite anterior, me deixou irritada e determinado a fazer sem sua ajuda. Eu mal tinha subido um degrau das escadas quando Jeremiah me agarrou e me levou em seus braços. Eu gemi em seu pescoço, franzindo a testa quando ele levou-me em seu colo. "Eu poderia ter feito isso, você sabe," eu disse tentando não soar carrancuda. "Você é minha responsabilidade", disse ele, subindo as escadas de dois em dois degraus. Ah, eu sou uma "responsabilidade" agora. Eu bufei. "Você certamente sabe como fazer uma garota se sentir bem." "Não importa, contanto que você esteja segura." Revirei os olhos, mas apertei meus braços em volta do seu pescoço. Enquanto ele não era o tipo mais romântico, rara às vezes, eu me sentia mais segura com ele. "Talvez mais tarde, você pode me levar para um passeio nos jardins?" Eu disse quando nós atingimos o topo da escadaria. "Eu adoraria dar um mergulho na água." 198


Jeremiah sacudiu a cabeça. "Até descobrir o que está acontecendo, você deve ficar dentro da casa." Meu queixo caiu. "Eu estou sob prisão domiciliar?" "Existem muitos lugares acessíveis fora destas paredes longe do alcance. Até eu descobrir uma maneira de atenuar esses riscos, você ficará dentro destas paredes." Seu tom quebrou qualquer argumento, o que me fez automaticamente querer me rebelar. No entanto, tentei ver seu ponto de vista. Ele costumava ser um franco-atirador, assim ele sabia tudo sobre perigos de longas distâncias e enquanto o pensamento de alguém assistindo minhas ações através de um escopo foi desconcertante, e mais do que um pouco assustador a perspectiva de ficar trancada. "Se eu usasse um colete à prova de balas?" Eu perguntei. "Talvez um capacete de Kevlar? Eles ainda fabricam?" Meu pedido fez soar o que poderia ter sido uma pequena risada. Ele me pôs para baixo na porta do meu quarto e gentilmente me direcionou para o interior. "Vá para o chuveiro. A casa é sua, mas não saia." Ele escovou um errante fio de cabelo loiro atrás da minha orelha, os dedos ao longo do meu queixo. "Eu preciso de você segura, isso é tudo que importa neste momento." Eu tentei inclinar meu rosto em sua mão, desejando sua carícia mas ele afastou sua mão e recuou. Dando-me um aceno lacônico, ele se virou e me deixou em pé na porta, 199


desaparecendo silenciosamente. Isso não faz sentido, eu queria gritar para ele, você ainda é a pessoa que o assassino está atrás. O banho foi rápido e pouco fez para me acalmar. Eu coloquei o roupão em mim, envolvendo minha cabeça em uma toalha e me dirigi para baixo novamente, só para encontrar outro grande guarda na base da escada. Eu não esperava estranhos dentro da casa e pressionei o roupão firmemente em mim enquanto seu olhar voltou para cima. "Onde está o Jeremiah?" Eu perguntei. "Ele tinha negócios fora madame. Nós estaremos aqui se precisar de alguma coisa." Eu engoli, assenti com a cabeça firme então fugi para cima para colocar uma roupa.

200


Capítulo 16

Depois de três dias na linda mansão, eu estava ficando louca. Havia muitas coisas que uma garota poderia fazer dentro e, mesmo a casa sendo grande, eu tinha esgotado seus mistérios. Bem, tanto quanto alguém poderia fazer apenas com sua curiosidade e a internet. Nenhum dos quartos tinha sido barrado para mim e eu encontrei vários artefatos interessantes pela casa. Um quarto na parte de trás da casa guardava grandes imagens de diversas pessoas mais velhas, um dos quais eu reconheci, das minhas buscas na Internet, como Rufus Hamilton. Isto resolveu o mistério do que estava pendurado acima da lareira na grande sala de jantar, mas de qualquer forma, pouco fez para ajudar a afastar o tédio. Eu assisti televisão, naveguei pela internet e tentei me manter tão ocupada o quanto permitiria a prisão domiciliar. Eu estava ligadíssima em tudo o que acontecia ao meu redor, sempre esperando algum bandido armado ou assassino irrompendo pela porta e era desgastante. Pior ainda, ninguém me dizia sobre qualquer progresso e se algo estava sendo feito. Jeremiah estava em casa com menos freqüência e os guardacostas não estavam falando, então eu estava sozinha por mim mesma. Os ressentimentos eventualmente se estabeleciam e achei pequenas formas de me rebelar, ainda que apenas em minha cabeça. 201


Havia uma janela de um banheiro que não estava impedida ou embaçada, com visão do lado da casa através de uma paisagem bem cuidada. Eu tomei todos os meus banhos lá, todas as manhãs espreitava para fora, sentindo-me boba pela emoção que o pequeno desafio me deu. A janela tinha vista para fora em direção ao oceano, contra a parte traseira da propriedade, com uma garagem de barcos situado perto da beira da água, ligada a um longo cais. Geralmente havia um guarda à vista, e um caminhão de jardinagem com um pequeno grupo de trabalhadores vinha todos os dias para certificar de que o jardim permanecesse lindo. Eu desejava descer para a água, talvez mergulhar meus dedos fora no cais, mas invariavelmente me lembrava das palavras de Jeremiah sobre atiradores a longa distância e fechava a janela com medo. Esta emoção, mais do que qualquer coisa, me mantinha presa dentro da casa e só acrescentou o meu ressentimento. No quarto dia do meu cativeiro, ouvi a voz de Jeremiah vindo do grande escritório no segundo andar. A determinação borbulhou através de mim e eu espreitei, empurrando a porta aberta sem bater. A mulher de cabelos vermelhos sentada em frente à mesa grande se virou para olhar para mim e minhas sobrancelhas dispararam quando reconheci Celeste, a diretora de operações das indústrias Hamilton. Ela parecia surpresa de me ver também e olhou entre mim e seu chefe sentado atrás da mesa. 202


"Posso ajudá-la?" A voz de Jeremiah foi rude quando ele se dirigiu a mim, mas seu olhar na minha roupa mostrou desaprovação. Ambos ajudaram a consolidar a minha intenção e eu levantei meu queixo com coragem. "Eu gostaria de saber quando eu posso ir embora." Eu queria perguntar sobre o inquérito, mas a presença de Celeste me impediu. Ela foi a primeira mulher que eu vi na propriedade, desde que eu conheci a mãe de Jeremiah. Sua confusão, se pela minha presença ou a situação em mãos, foi um bálsamo bem-vindo - pelo menos eu não era a única incerta ao que estava acontecendo nesta casa. "Podemos falar mais tarde, Srta. Delacourt. " O celular em sua mesa vibrou e ele o agarrou, ficando de pé. "Senhoras um momento", disse ele, caminhando em torno de nós e para fora da porta. Eu fiquei lá pasma no espaço que ele tinha acabado de ocupar. "Você tem alguma idéia do que está acontecendo?" Celeste soou indignada, uma emoção que eu compartilhei, mas eu só pude dar de ombros e balançar a cabeça. "O que você sabe?" Eu perguntei, tentando avaliar seu conhecimento. "Nada, exceto que Ethan não me deixa fora da sua vista." A ruiva jogou suas mãos para cima com frustração. "Ele estabeleceu um aparato de segurança constante em mim, mas não me diz o porquê. Jeremiah me deixou responsável por

203


tudo também, e eu estou lutando para acompanhar.” Ela virou um olhar frustrado para mim. "Você esteve aqui o tempo todo?" Eu confirmei com a cabeça. "Ele não quer nem que eu saia de casa." Os olhos na ruiva estreitaram-se astutamente. "Você sabe alguma coisa sobre o que está acontecendo? Eu juro, eu odeio quando Ethan e Jeremiah dão um de macho alfa tudo isso me deixa louca." "Não é brincadeira." Eu bufei. "Um hora ele é superprotetor e, em seguida, é simplesmente rude." Suas palavras confirmaram minha suspeita de que ela não sabia sobre o envenenamento, mas eu não tinha certeza o quanto revelar. A tentação de dizer tudo era enorme, mesmo que fosse só para ter alguém ao meu lado. Infelizmente, a oportunidade foi perdida quando Jeremiah pisou atrás através da porta, seguido de perto por Ethan. "Remi, me diga o que está acontecendo," exigiu Celeste. "Eu estou respondendo a todos os tipos de pedidos de reuniões e compromissos para você e não tenho nada a dizer a essas pessoas." "Você precisa de ajuda para fazer seu trabalho?" A voz de Jeremiah ficou fria, jogando sua cabeça para o lado enquanto ele olhou para a ruiva. "Deveria eu reatribuir algumas de suas funções a outros funcionários?" O orgulho guerreou na cara da outra mulher. Claramente a idéia da delegação não a agradou. "Você tem o resto da 204


semana, então eu preciso de respostas", ela finalmente disse, apontando para o bilionário estóico. O aceno de Jeremiah pareceu acalmá-la e Celeste se virou para sair. Ela esquivou do braço de Ethan em seu ombro, mas o grande homem não pareceu se incomodar, pairando sobre ela quando eles deixaram o escritório. A porta clicou fechando então eu virei para encarar Jeremiah só para vê-lo já me observando. Ele era tão difícil de se ler como sempre, tomei uma respiração profunda, dei a volta em torno da mesa e parei ao lado dele. "Por favor, me diga o que está acontecendo com a investigação." Eu não tive a intenção que o meu pedido soasse como um apelo. Celeste tinha sido mais direta em sua demanda por informação e parte de mim queria que eu fosse como ela. No entanto, eu vi um amolecimento fraco nos olhos de Jeremiah, e uma grande mão estendeu para escovar um fio de cabelo do meu rosto. Minha respiração ficou presa com o seu toque em meu queixo, passando para meu pescoço, logo abaixo do queixo. Imediatamente eu derreti, pressionando contra o seu toque. Só para ver ela ser retirada. Desequilibrada, eu coloquei uma mão sobre a mesa quando Jeremiah recuou seus olhos momentaneamente

cobertos.

minha

responsabilidade

mantê-la segura" disse ele, a voz fria enquanto ele voltou para sua mesa. 205


A raiva se espalhou em mim. "Eu posso sair por essas portas e você não pode me impedir." Essa afirmação teve finalmente sua

total

atenção.

Jeremiah

olhou

para

mim,

rosto

tempestuoso, mas recusei-me a recuar. "Você me fez mais do que uma prisioneira nesta casa, e eu estou cansada disto." "Você assinou um contrato afirmando que você faria o eu dissesse" ele rosnou, fronte feroz. "Você não vai deixar esta casa." Foi-se o estóico CEO; Eu tinha atiçado duramente e a besta tinha criado sua cabeça. Eu dei um passo para trás e ele seguiu, então endureci minha espinha e olhei para ele. "Esse contrato também afirmou que eu poderia terminar o meu "emprego" a qualquer momento. Se você não me deixar a par do que está acontecendo, eu vou desistir e caminhar para fora dos portões lá em baixo." Argumento feito, eu me virei para sair do escritório. Eu não tinha tomado mais do que um passo, no entanto, quando o quarto girou e de repente eu fui empurrada contra uma parede. O impacto não doeu, mas ele me assustou e eu olhei para cima com os olhos arregalados, para o rosto de Jeremiah. Ele cresceu em mim, o aperto em meus braços como o aço, mas a explosão pareceu que acalmou alguma coisa dentro dele. O fogo ainda queimava no fundo de seus olhos no entanto, enquanto ele acariciava o meu rosto. "Eu tenho tentado resistir a você", ele murmurou, os olhos seguindo seus dedos em 206


minha pele. "Estar perto de mim é tóxico, e você foi pega nisto. A coisa certa seria esquecer você, colocar em algum lugar longe de mim ..." Meu coração derreteu. Não me deixe, por favor. Eu pensei, não me importando em olhar muito profundo em meu súbito inchaço de emoção. Quando o polegar deslizou ao longo de meus lábios, eu alcancei e o levei entre os dentes, correndo minha língua ao longo da pele dura. Ele respirou fundo, seu aperto no meu braço aumentou, e a sua maçã de Adão agitou enquanto ele engoliu. Meu olhar caiu para a sua boca, as memórias de seus lábios e língua no meu corpo fazendo minha respiração gaguejar. "Eu não sou um cavalheiro", ele rosnou, os olhos traçando as linhas do meu rosto. Sua mão abaixou em direção dos meus peitos, mas ele apertou seu punho em vez disso, parando antes de me tocar. "Eu olho para você e tudo que vejo é como facilmente eu posso quebrá-la. Você quase morreu uma vez por minha causa e..." Eu puxei meus braços para longe de seu punho e, para minha surpresa, ele me soltou. Os olhos de Jeremiah nublaram e percebi que ele achou que eu o estava rejeitando, mas antes que ele se afastasse eu segurei seu rosto em concha com minhas mãos. "Quer saber o que eu vejo?" Eu disse baixinho, olhando em seus olhos. Meu coração torceu pelo desejo que eu li lá. "Eu vejo um homem irritante, bonito, que teve cada 207


sonho que ele ousou imaginar rasgado em pedaços pela vida. Eu não quero nada mais do que fazer o melhor, mas está além da minha capacidade." Acariciei sua bochecha com um polegar, então cheguei para baixo e trouxe seus dedos para os meus lábios. "Eu prometi dar tudo que você quer e eu quis isso," eu continuei, levantando sua mão dos meus lábios antes de deixá-la descansar abaixo no meu pescoço. "Acredite em mim, eu sou mais forte do que pareço" Jeremiah engoliu, olhando para a grande mão que se envolveu em torno da minha garganta. Ele ajustou sua aderência superior e eu inclinei a cabeça para trás, não quebrando o contato visual. Eu mantive minhas mãos em meus lados desta vez enquanto ele estudava os contrastes entre suas mãos e a pele pálida macia da minha garganta. Quando ele finalmente levantou o olhos famintos nos meus, um fogo aceso respondeu dentro de minha barriga. "Leve-me Senhor," murmurei e literalmente vi em seus olhos o momento que minhas palavras finalmente quebraram a última de sua resistência. Sem dizer nada, ele me carregou em seus braços e me levou para fora do escritório, mantendo o silêncio do corredor para o quarto grande nas proximidades. Ele me abaixou ao lado da cama, então fechou e trancou a porta atrás de nós. Eu assisti silenciosamente aguardando o seu comando, quando ele se virou para mim. "Remova sua roupa e ajoelhe-se ao lado da cama." 208


O alívio percorreu pelo meu corpo, deixando-me tonta e excitada. Minha mente lembrou a primeira vez que ouvi sua voz, o comando e o poder que ressoou em cada palavra. Ele poderia estar lendo o dicionário e eu ia ficar molhada, mas quando seus olhos me olhavam como eles faziam agora, eu positivamente queimava. Mantendo o seu olhar, eu lentamente desabotoei a camisa que eu usava, deslizando em meus ombros para cair como uma pilha atrás de mim. Minhas calças foram as próximas, o tecido solto reunindo em torno dos meus pés enquanto eu pisava ao lado fora delas. Jeremiah me deu uma olhada rápida, depois sacudiu a cabeça quando abaixei no chão. "Todas as suas roupas." Meu batimento cardíaco acelerou mas eu o obedeci, alcançando atrás de mim e desabotoando o meu sutiã. Eu puxei as alças nos meus ombros, as mãos tremendo quando eu expus meus seios ao seu olhar. Um líquido quente desenrolou na minha barriga; Eu quase pude sentir seus olhos acariciando meu corpo, que respondeu ao seu óbvio desejo, tremendo com a necessidade. O ar fresco através dos meus mamilos duros fez minha respiração parar enquanto tirava a aba fina do tecido dos meus seios e deixava cair no chão ao lado da camisa descartada. Engolindo em seco, juntei meus dedos através do topo da minha calcinha e deslizei nas minhas coxas.

209


Jeremiah fez um barulho apreciativo quando o meu traseiro subiu no ar depois que eu continuei o movimento, quase tocando o chão com os dedos antes de sair do material fino. Quando eu endireitei ele estava me observando, a aprovação em seus olhos causou um choque glorioso no meu sistema. "Tão bonita", ele murmurou e eu corei com prazer. Ele se moveu sobre a mesa da cabeceira, alcançando a parte de trás da mobília de madeira e pegou um saco de papel preto de aparência cara com alças. Não havia nada escrito do lado para indicar o que estava dentro e eu olhei curiosa enquanto ele deixou sobre a mesinha. "Mãos e joelhos na cama." Meus olhos se arregalaram, a respiração alcançando a minha garganta. A posição iria me expor completamente a ele, deixando-me à sua mercê. A nudez, principalmente na presença de outro, ainda era um conceito novo para mim, mas o olhar de Jeremiah não tolerava argumentos. Com os membros rígidos, subi na cama alta, mas me mantive de frente para ele. O pensamento de expor as minhas partes mais íntimas para sua livre leitura ainda era demasiado - meu corpo inteiro corou só de pensar nisso - mas ele parecia satisfeito com o que viu. Ele sacudiu o saco. "Gostaria de adivinhar o que tem dentro?" O conteúdo tinha um som contínuo, mas minha mente apagou. "Lingerie"? Eu arrisquei mesmo sabendo que era muito mais que isso. 210


Jeremiah sorriu, uma pequena peculiaridade dos lábios que fez meu interior se contorcer. Ele realmente é lindo, eu pensei quando ele chegou com o saco e começou a puxar fora os itens. "Estes foram comprados com você em minha mente", disse ele, colocando um por um sobre a cabeceira. Meu cérebro se recusou a compreender o que eu estava vendo inicialmente até que ele puxou as algemas de couro e colocou ao lado na cama. Eu olhei o couro preto por alguns instantes e, em seguida, para os itens de plásticos espalhados na parte superior

do

suporte

de

madeira.

Meu

Deus...

Minha

experiência sexual era limitada, mas enquanto eu não podia nomear a maioria dos itens dispostos na minha frente, eu tinha um pressentimento sobre como seriam usadas. Jeremiah pegou um item de plástico escuro fino, um pequeno recipiente de lubrificante e, em seguida, movimentou-se em torno da cama atrás de mim. "Os olhos para frente," ele ordenou quando virei a metade para mantê-lo à vista. Tremendo de incerteza, olhei para frente novamente. Não sabendo o que iria acontecer me deixou apreensiva, mas parte de mim estava sem fôlego em antecipação. Desde que eu tinha conhecido Jeremiah eu tinha visto e experimentado coisas além dos meus sonhos, e algo me disse que isso não seria diferente. Eu pulei quando sua mão repousou na minha traseira e ouvi o ruído baixo de seu riso. Tão sexy.

211


"Você é tão linda," ele murmurou mãos acariciaram as minhas pernas e então se voltou até o interior das minhas coxas. "Eu gosto de ter você em minha mercê como agora". Dedos longos pressionaram contra minhas dobras, deslizando sobre minha entrada latejante, e avancei para frente surpresa. Outra mão agarrou meu quadril, equilibrando-me enquanto os dedos continuaram a deslizar para baixo e ao redor de uma forma que me deixou ofegante. Um dedo mergulhou dentro, pressionando em torno das paredes apertadas da minha abertura e um alto gemido escapou de meus lábios. Jeremiah

riu

novamente

e,

em

seguida,

seu

polegar

movimentou para meu outro furo, acariciando a entrada. Ele havia tocado lá antes, então eu meio que esperava por isto, mas a onda de calor que eu senti quando ele pressionou contra a pequena tira de pele entre as duas aberturas me chocou. A pressão fazia muito bem por si própria, não necessariamente juntamente com qualquer outro toque. O polegar de Jeremiah circundou o pequeno buraco enrugado antes de empurrar dentro e eu gemi novamente, confusa com a minha resposta, mas não menos ligada. O dedo longo desapareceu e, em seguida, algo obtuso e duro tomou o seu lugar, pressionando firmemente dentro. Eu choraminguei quando ele estendeu, movendo lentamente, mas inexoravelmente mais profundo em meu corpo. Houve muito pouca dor quando Jeremiah fez movimentos com incrementos 212


pequenos, mas a pressão criada pelo objeto era estranha. Pareceu uma eternidade antes do objeto finalmente parar a tensão desconfortável, mas não dolorosa. Eu dei uma rápida olhada para trás e o vi admirando seus trabalhos manuais. Ele me viu olhando e um canto da sua boca levantou um pouco, ele acenou com um dedo para eu virar novamente. "Você nunca fez isso antes, fez?" Com a agitação vigorosa da minha cabeça, ele riu. "Eu provoquei você antes, mas eu estava só esperando chegar em você e nesta doce bunda." Minha respiração veio ofegante quando ele espalhou as bochechas do meu traseiro. Eu tremi a incerteza guerreando com o desejo. A sensação de meus fluidos descendo pela minha coxa nua fez meu corpo corar em constrangimento, mas ouvi Jeremiah respirar profundamente. "Deus, a maneira como você cheira," ele rosnou, dedos cavando na pele dos meus quadris. Este foi todo o aviso que eu tive quando seu rosto mergulhou até meu núcleo exposto, boca e língua se movendo através das dobras sensíveis. Liberando

um

grito

abafado,

tombei

para

frente,

mal

conseguindo equilibrar os meus cotovelos na borda do colchão. Eu não tinha para onde ir: cair para frente e fora da cama ou empurrar para trás e naquela boca incrível. As mãos de Jeremiah em minhas coxas me deram pouca margem de manobra, de qualquer forma, segurei firme enquanto lábios e língua e - oh Deus! - os dentes sugavam e mordiscavam a 213


carne sensível. Uma mão ergueu uma coxa trêmula, então dedos pressionaram dentro da minha entrada, acariciando todos os lugares deixando-me uma tremenda bagunça. O plug deslocou da minha bunda, com um pequeno solavanco, e eu fiquei tensa com a estranha sensação. Era estranho o suficiente para ser sentido acima do prazer, mas não prejudicava a experiência. A segunda vez que ele se mudou eu percebi os movimentos foram deliberadas, quando Jeremiah girou o plug forte, mas os dedos movendo-se dentro de mim e a língua, mordiscando na minha coxa interna me impediu de perceber muito mais. O colchão abaixo de mim subiu quando Jeremiah levantou e se movimentou para o meu lado da cama. Eu fiquei lá ofegante nos meus joelhos e cotovelos e tentando acalmar meu corpo trêmulo. Sua mão acariciou minha cabeça, em seguida, para baixo de minhas costas e notei o volume duro em sua calça na minha frente. Com a mente ainda nebulosa eu estendi a mão massageando

a

ponta

através

do

pano,

sentindo

o

comprimento e circunferência de seu membro. Jeremiah estremeceu com meu contato, mas não se mexeu, suas mãos dançavam ao longo da minha espinha, então eu fiquei mais ousada. Desabotoei suas calças e levei para baixo o zíper, então alcancei dentro e o puxei para fora. Suas unhas cravaram nas minhas costas, enquanto me inclinei e coloquei minha língua levemente sobre a ponta bulbosa. 214


Jeremiah gemeu e foi todo o incentivo que eu precisava; Eu me inclinei para frente, tanto quanto a cama permitia e o chupei em minha boca. O ângulo não me permitia muito espaço para manobrar, mas eu fiz o meu melhor, chupando a cabeça e correndo minha língua em toda a rígida extensão. As mãos de Jeremiah voltaram à minha cabeça, os dedos grossos agarrados no meu cabelo. Eu corri os dedos entre as suas pernas, segurando e massageando as bolas pesadas e foi com satisfação que ouvi outra ingestão acentuada da respiração de Jeremiah acima. Parte de mim ficou horrorizada por meu comportamento arbitrário, mas naquele momento, era impossível querer qualquer outra coisa. Meu corpo ainda queimava pelo seu toque; cada movimento me lembrou do objeto ainda dentro de mim, alongando meu corpo para aceitá-lo. Meu núcleo doía desesperado por contato, e eu serpenteei minha mão livre entre minhas pernas, apoiando-me em meu cotovelo. Jeremiah recuou seu membro deixando minha boca com um leve estouro, em seguida ele deu um tapa forte no meu traseiro. A palmada machucou e eu me encolhi em surpresa, pausando todo o movimento. "Será que eu lhe dei permissão?" Insegura como responder, eu levei minha mão para frente novamente, mas Jeremiah levantou minha cabeça, assim ficamos olho no olho. "Você estava prestes a se tocar?"

215


O controle total em suas palavras, seu olhar um pedido implacável por uma resposta, fez meu corpo apertar com a necessidade.

"Sim

senhor,"

eu

sussurrei,

sabendo

instintivamente que mentir não seria bom. Ele assentiu, reconhecendo a minha resposta. "Será que eu lhe dei permissão?" "Não, Senhor," eu sussurrei. Um delicioso pavor fluiu através do meu corpo enquanto ele assentiu com a cabeça e lançou o meu rosto, então movimentou na parte de trás da cama. Sua mão deslizou em meu traseiro, passando de novo levemente sobre o plug como para lembrar-me de sua presença. "O que devo fazer com alguém que me desobedece?" Dedos deslizaram sobre a carne quente ainda sofrendo com a palmada, como para me ajudar com a resposta, mas eu não podia falar. Dizer a ele para me espancar, estava além do meu poder, mas a idéia era uma tara poderosa e surpreendente. Eu não estava com dor - mesmo o leve espanco estava fora da minha zona de conforto - mas de alguma forma a idéia de ser punida me fez contorcer em antecipação. Dois dos itens sobre a pequena mesa ao lado da cama era uma pá e um chicote de camurça

com

uma

alça

trançada

que

parecia

surpreendentemente macio. O couro preto e vermelho contrastava de uma forma que chamou minha atenção - era quase bonito, um parecer bobo, talvez dado a sua utilização como um chicote. Quando a mão de Jeremiah pairava sobre a 216


pá, fiquei tensa então relaxei quando estabeleceu os dedos em torno do chicote pequeno. "Você gosta do açoite?" ele murmurou, leve diversão em suas palavras. Enrubescendo, desviei o olhar apenas para ele levantar meu queixo e o encarar. "Não quero ver você envergonhada por ser curiosa." Ele acariciou minha bochecha com um polegar. "Eu sei que você é uma inocente e eu vou ser gentil, mas meu objetivo é agradá-la e para isso precisarei da sua ajuda. Então me diga, à visão do açoite te excita?" Eu assenti, mas Jeremiah sacudiu a cabeça. "Eu preciso ouvir de você." Concordar verbalmente era difícil. Eu engoli tomando uma respiração profunda, antes de sussurrar, "Sim, Senhor.” "Bom". Ele pegou o açoite e agarrou em seu braço. As tiras de couro deram um estalo alto contra sua carne e eu fiquei tensa. Onde estou me metendo? "Feche os olhos." Eu fiz o que ele me disse, meu coração acelerou quando uma venda estabeleceu-se em meus olhos. Um tremor de repente apreensivo, que ainda segurei quando Jeremiah mudou-se para trás ao redor da cama atrás de mim. O desejo de arrancar a tira fina de pano dos meus olhos era forte, mas imaginei que o castigo para duas desobediências consecutivas seria muito pior do que uma simples flagelação. Ouvir a si mesmo, eu

217


pensei, isso é absurdo! Por que você permite que este homem toque em você assim, muito menos espancarO primeiro estalar do couro contra meu traseiro teve pouca força, mas ainda assim conseguiu me surpreender. A segunda chicotada um pouco mais forte e chegou mais perto ao meu sensível ápice. Eu apertei meus músculos, tentando proteger minhas partes expostas da ferramenta. "Mantenha seus joelhos separados." Oh, por favor ! A vontade de resistir cresceu, mas eu levei para baixo, determinada a ver através disso. Relaxar meu corpo revelou-se mais difícil, mas eu forcei meus músculos para afrouxar, colocando minhas mãos em punhos para aliviar alguma tensão. O objeto de dentro de mim já não parecia mais intrusivo, ou talvez eu estava começando a me acostumar com ele lá. De qualquer forma, toda a experiência foi se provando excessiva para ter de uma só vez. Duas estaladas a mais do chicote e, quando outra atravessou em toda a sensível carne exposta, eu uivei. Havia uma dor pungente, mas eu não vi nenhum dano, o que me permitiu suportar as três próximas chibatadas. No momento em que a última caiu, eu estava ofegante, meu traseiro e coxas pungentes. Jeremiah não pareceu muito inclinado a recuar e eu sabia que minha pele iria mostrar marcas de couro. Uma mão alisou ao longo da minha pele macia, traçando as linhas marcadas com um toque macio. "Ver minha marca em 218


você me agrada." Ele pousou um beijo em minhas costas. "Eu tenho outra surpresa para você." Então eu esperei sem ter certeza o que estava por vir, então senti algo fino envolver o redor de meus quadris. Um pedaço pequeno, mas firme que eu presumi seria plástico aninhado contra o tenra pele entre minhas coxas, mantido firmemente no lugar por correias em torno de meus quadris. Quando de repente começou a vibrar, eu engasguei. "Eu pensei que você poderia gostar isso", disse Jeremiah, deslizando uma mão para baixo da minha coxa úmida. "Este serve apenas para seu clitóris; Eu tenho um maior que estimula tudo de uma vez, mas iria ficar no caminho do que estou pensando em seguida." Ele segurou meus quadris firmemente enquanto eu resistia e tremia, fagulhas de prazer voando pelo meu corpo. "Deus, você é tão sexy." A cama afundou abaixo de mim mas eu mal notei, muito tomada pelas sensações rolando através do meu corpo. Quando algo cutucou contra minha abertura, desfazendo as dobras sem pedir permissão, eu empurrei de volta com um gemido. A venda deixou algo mais para eu me focar o prazer e eu precisava dele dentro de mim. Jeremiah mantinha pressionando seu comprimento duro dentro de minha entrada apertada. Com ele me preenchendo notei novamente a sensação plug anal, o objeto estranho criando pressão contra minhas paredes internas. 219


"Deus!" Jeremiah inclinou-se para baixo sobre mim, seu tronco nu - Quando ele tirou suas roupas? – me pressionando contra o colchão, enquanto ele empurrou duro e rápido. Saudei os golpes poderosos, uma pressão muito diferente crescendo dentro de mim e exigindo libertação. Gemidos escaparam dos meus lábios e minhas mãos agarraram as capas, me segurando firme enquanto Jeremiah batia em mim por trás. Ele empurrou meus joelhos mais abertos, mudando o ângulo e emergindo algo dentro do meu corpo que me deixou uma bagunça ofegante. "Po-por favor," eu gaguejei, a palavra mais a

lamentar

do

que

a

palavra.

O

orgasmo

que

tão

desesperadamente precisava estava perto, só levaria o impulso certo para... Os lábios pressionavam contra meus ombros, a língua mergulhando para provar a pele. Sua mão alcançou e pressionou o pequeno vibrador duramente contra meu núcleo. "Quero sentir você vindo," ele murmurou, sua voz grave com paixão, e atingi o ápice com um grito alto, explodindo com a sensação do corpo. O orgasmo tomou a pouca energia que eu tinha mantido e eu coloquei minha testa em minhas mãos, ofegante. Tardiamente senti Jeremiah sair, então ouvi o som de um invólucro de preservativo. Ele finalmente tirou o plug e, antes que eu pudesse entender o que ele queria fazer senti a ponta de sua ereção contra o anel apertado do meu ânus, 220


delicadamente buscando a entrada. Eu me contorci, de repente incerta, enquanto eu tremia com as réplicas do meu orgasmo. Os

dedos

de

Jeremiah

mergulharam

minhas

laterais,

deslizando através da carne macia de meus seios e para baixo ao longo dos meus quadris. "Eu sonhei como seu rabo sentiria ao redor do meu pau," ele murmurou, atrás de mim, colocando um beijo no meu ombro. "Comprometo-me tornar isto prazeroso, por favor...” A necessidade crua em sua voz causou uma curiosidade correspondente dentro de mim, e eu cedi quando ele empurrou através da barreira do anel apertado. Na escuridão através da venda, havia apenas a sensação. A respiração pesada de Jeremiah correspondia a minha própria, e o seu óbvio prazer derivado deste pequeno tabu tocou um fogo correspondente ainda em chamas dentro de mim. Não havia nenhuma dor, apenas uma pressão estranha e nova, mas quando ele deu um pequeno giro nos seus quadris, a súbita sensação me fez pressionar de volta contra ele, com mãos ondulando ao redor da borda da cama. Jeremiah mantinha seus sólidos braços em ambos os lados do meu corpo, impedindo de me esmagar. Eu estendi a mão às cegas, coloquei minha mão sobre a sua e ele atou nossos dedos enquanto suas estocadas aumentavam. Seu prazer era o meu objetivo, mas eu me encontrei também em nossas ações, as sensações da estranhas fundindo com o prazer 221


anterior. Suas mãos apertaram em torno da minha e ele grunhiu, a testa caiu para minhas costas enquanto ele estremeceu e veio silenciosamente. Havia uma imensa satisfação em dar a um homem tão poderoso este tipo de liberação. Eu desejava poder ver seu rosto, pensei quando ele sentou, saindo cautelosamente do meu corpo. Eu fiquei onde estava por um momento, curtindo a glória, recolhida lateralmente sobre o colchão. Partes de mim estavam deliciosamente doloridas, especialmente quando me movimentei, mas eu enfim espreguicei contente. "Foi incrível", eu respirei, fechando meus olhos e colocando minha cabeça contra os travesseiros. Foi?"Jeremiah soou divertido pela minha colocação. Ainda coberta pela venda eu ouvi, mas não pude ver, um curioso ruído de um tilintar, então eu fui virada na cama e meus braços esticados acima da minha cabeça. Antes que eu pudesse protestar, algemas grossas cercaram meus pulsos e com um click estava presa na cabeceira da cama. Minha boca caiu aberta em estado de choque e, em seguida, Jeremiah levantou um olho dos meus olhos vendados. Meu olhar apenas parecia diverti-lo. "Você ameaçou me deixar antes", disse ele, deixando a venda de encaixe de volta no lugar. "Isto irá mantêla aqui onde eu possa protegê-la. Neste meio tempo, porém, eu posso pensar em algumas maneiras que nós podemos tirar vantagem disso. "Preocupada em descobrir?" 222


Capítulo 17

A tarde caiu no crepúsculo, depois a noite e Jeremiah mostrouse excepcionalmente atencioso. Quando ele finalmente libertou meus punhos das algemas, eu não tentei fugir, capturada pela tempestade sensual que ele criou e não queria deixar morrer. O bilionário se mostrou quase insaciável, e eu tinha pouca escolha, mas estava à altura do desafio. Quatro vezes aquela noite ele me acordou com a intenção do delicioso tormento e quatro vezes eu caí depois, exausta. A quinta vez fui eu quem acordou primeiro, tomando previamente meu tempo para vê-lo enquanto ele dormia. No sono ele relaxou, seu rosto delineado pela luz que passava através da janela opaca. Eu tracei um pequeno toque ao longo de uma sobrancelha, parando somente quando ele mexeu. Tão lindo, e todo meu. Por agora. Como um homem igual a ele me notou foi além da minha compreensão e ainda aqui ele estava deitado, uma festa para meus olhos errantes. As cobertas macias cobriam apenas seu estômago e bebi a vista de seu belo corpo, marcado apenas pelas pequenas linhas brancas das cicatrizes pouco visíveis na luz baixa. Vendo imaginei o que ele deve ter passado para obtê-las, fazendo meu coração apertar-se dolorosamente. O conhecimento sobre sua vida militar era uma coisa, mas essas cicatrizes eram uma prova para o fato que ele lutou e foi ferido, 223


um lembrete para sempre das missões em que passou e o perigo que ele deve ter visto. Eu tracei a linha esparsa de cabelos descendo abaixo do seu abdômen e vi com satisfação, o lençol em cima de sua barriga levantar à medida que ele ficou duro novamente. Deslizei para baixo da cama, em seguida, puxei os lençóis com cuidado sobre a minha cabeça, baixando minha cabeça sobre seu corpo, lambendo a ponta pesada antes de desenhá-lo em minha boca. Os quadris de Jeremiah se elevaram, pressionando para cima em direção à minha boca. Encorajada, eu coloquei minha mão ao longo da base e tracei para cima, em seguida, segui para baixo com a minha boca. Ele ficou mais duro e eu sorri, balançando a minha cabeça sobre ele. Quaisquer inibições eu tive antes, foram jogadas para fora da janela, pelo menos por esta noite. Uma mão se enfiou dentro do meu cabelo e ouvi um gemido baixo acima de mim. Coloquei minhas mãos sobre suas coxas para alavancar, enquanto o tomava mais profundamente sentindo aumentar em minha boca. Então suas mãos livres me puxaram, segurando os meus ombros e virando-me para o lado até que eu estava deitada de costas com Jeremiah acima. Ele olhou para baixo para mim, qualquer vestígio de sono apagado do seu belo rosto. Eu podia sentir a necessidade desesperada em seus movimentos quando ele abriu minhas 224


pernas com um joelho, introduzindo profundamente com pequeno preâmbulo. Jogando a minha cabeça para trás com um suspiro, eu segurava em suas costas, unhas cavando fundo, enquanto ele se mudava ao longo e dentro de mim. Os músculos ainda doloridos da noite protestaram, mas eu não me importei; Eu envolvi minhas pernas em torno de sua cintura e implorei por mais quando ele empurrou duro dentro de mim. Sua boca caiu para baixo sobre a minha, com toda a paixão e sem delicadeza,

e

ergui

para

encontrá-lo,

meus

braços

entrelaçando ao redor do seu pescoço. Nosso acoplamento neste momento foi curto e rápido, mas o orgasmo que nos atingiu finalmente nos atraiu para o sono. Quando eu finalmente acordei, o sol estava alto no céu e eu estava sozinha na cama. Eu me estiquei arqueando as costas e percebendo as algemas de couro ainda ligadas a cabeceira da cama. A visão me fez sorrir, um lembrete do que aconteceu poucas horas antes. Definitivamente havia algum desconforto das estripulias da noite anterior e caminhei para o banheiro, tomando um banho quente e dando ao meu corpo dolorido a chance de ensaboar. Eu levei um tempo me preparando, permitindo a mim um pouco de mimos e usando o tempo extra para deixar que a água lavasse algumas dores e machucados. Minha barriga foi finalmente aquela que ditou era hora de descer, então sequei e me vesti, prendendo rapidamente meu 225


cabelo para cima em um grampo de plástico antes de sair. Eu ouvi vozes no andar de baixo e, curiosa, fui ver quem poderia ser o novo hóspede. Não havia ninguém na porta da entrada na base da escada, assim rumei em direção à cozinha, fazendo um trajeto mais curto para a geladeira. "Tomei a liberdade de olhar você lá cima, Srta Delacourt" Quase deixei cair o leite da minha mão com a voz inesperada, girando para enfrentar a mulher que tinha falado. "Sra. Hamilton," eu disse, sua análise fria me fazendo sentir como se eu tivesse sido pega roubando. "Eu não sabia que você estava aqui." Seus lábios achataram em uma linha dura quando ela me olhou de cima a baixo. "As mulheres de sua classe econômica têm uma tendência de se jogar em cima do meu filho. Ele geralmente tem a presença de espírito, no entanto, para ver através das suas artimanhas." Ela cheirou com escárnio. "Você não é assim tão bonita; pelo menos sua assistente anterior tinha o que ir para ela no início. Diga-me, você tem alguma coisa com ele?" Meu queixo funcionou, mas eu não sabia o que dizer. "Desculpe-me?" A mulher mais velha revirou os olhos. "Não vejo razão por que meu filho se relacionaria com você. Ambos os pais mortos, classe média. Você pode saber francês, mas não tem

226


nenhuma das credenciais para executar qualquer tipo de negócio. Ele te deixou grávida?" A pergunta descarada chocou-me sem palavras. A raiva se acumulou dentro de mim, mas eu poderia fazer pouco sob seu olhar condescendente do que mover meu queixo firmemente. A frieza em seu olhar me ofendeu em todos os níveis, mas eu não

poderia

começar

a

colocar

meus

pensamentos

desordenados em palavras. Minhas mãos enrolaram em punhos – eu não queria nada mais do que tirar o sorriso largo de seu rosto hipócrita – mas uma vida de boas maneiras me manteve enraizada no lugar. "Não estou grávida," finalmente consegui rebater, mas a resposta não começou a articular o que passava na minha mente. "Ah, então é somente uma comida por fora." A senhora desdenhou, balançando sua cabeça em descrença. "E pensar que ele lhe traria para casa da família. Srta. Delacourt, se você tem

qualquer

senso

ou

classe,

deixaria

esta

casa

imediatamente. Levando em conta o tipo de garota que você é, no entanto, eu provavelmente não deveria prender minha respiração." "Basta, mãe." Fiquei um instante de jogar o jarro de leite na cara da mulher hipócrita e, enquanto a presença de Jeremiah não aliviou esse desejo ele conseguiu distrair Geórgia. O rosto da senhora retornou em uma expressão agradável enquanto seu filho 227


caminhava através da porta da entrada, mas nem Jeremiah, nem eu fomos enganados. "Você disse que estava saindo," ele falou com uma voz fria que parecia bater na mulher idosa. "Ah eu vou querido, mas eu vi sua linda assistente e parei para conversar." 'Adorável assistente' meu rabo! Minha mão tinha esmagado todo plástico do recipiente de leite. Eu queria gritar minha frustração para a mulher odiosa, mas tudo o que eu poderia fazer naquele momento era ficar no lugar, agitada e tentando não chorar por frustração. "Por favor, saia mãe." O tom de Jeremiah foi firme mas cansado. “Antes que eu tenha que barrar você de entrar permanentemente". Ela balançou para ele. "Oh querido, você não faria isso. Fiz você crescer nesta casa, é tanto minha quanto sua. Além disso, você sabe que eu só quero o que é melhor para você, porque eu te amo." A declaração me fez respirar em descrença, mas um olhar cansado na expressão de Jeremiah me disse que este era um velho argumento. "Você tem qualquer tipo de respeito pelo seu filho?" Eu perguntei. Geórgia me atirou um olhar sarcástico. "Fique fora disso," ela retrucou, "você não tem idéia...” Eu bati o recipiente do leite no balcão de mármore, o plástico fazendo um barulho de estalo quando amassou. "Seu filho 228


possui esta casa e permite que você visite para o seu prazer, mas ainda assim você passa por cima dele, como se ele ainda fosse uma criança. Eu sei com o que se parecem bons pais, e você não merece sua simples lealdade." O rosto da Geórgia se contorceu em um rosnado. "Sua putinha" ela murmurou, virando para mim e levantando uma mão como se fosse me bater. Então Jeremiah estava lá, sua mão em torno do pulso de sua mãe, mantendo-a parada. Eu mantive meu queixo elevado, a indignação queimava em minha barriga, encontrando o olhar da odiosa mulher. “Eu não vou deixar você insultar meus convidados em minha casa," disse Jeremiah, voz baixa e com raiva, suas palavras capturaram novamente a atenção de sua mãe. "André", ele chamou, e um jovem guarda trotou no cômodo. Só assim Jeremiah soltou seu aperto no braço da mulher. "Por favor, escolte minha mãe até seu carro e certifique-se de que ela saia do complexo com segurança. Informe a portaria que, de agora em diante, só será permitido a sua permanência no jardim com minha aprovação.” "Mantenha as mãos longe de mim," Geórgia desviou quando o jovem guarda-costas tentou pegar seu braço. "Sua aprovação? Jeremiah seja razoável isso é bobagem." Seu filho, no entanto, permaneceu silencioso quando ela foi escoltada, protestando em voz alta fora da cozinha. Ouvi a porta da frente se abrir e fechar, em seguida, o silêncio reinou pela casa. 229


Eu soltei um suspiro. "Sinto muito por repreender sua mãe", murmurei erguendo o jarro de leite na minha mão. A base tinha um grande amassado no plástico, mas felizmente nada foi quebrado. "Ela pode ser difícil." Sua resposta foi simples, mas com uma riqueza de significado. "Ainda assim, ela é sua mãe," eu continuei. "Provavelmente não era de minha conta dizer qualquer coisa." O constrangimento não era como eu esperava passar a manhã, mas a presença da matriarca tinha azedado tudo. Perdendo o apetite, eu voltei a colocar o leite na geladeira depois segui Jeremiah para fora cozinha. "Você já descobriu alguma coisa?" "Nada", A resposta foi curta e, franzindo a testa eu fui mais fundo. "Ethan mencionou que você tinha algumas outras fontes, eles tem alguma ... " Jeremiah rodeou em mim. "O que foi que ele disse?" Eu pisquei surpresa com sua mudança de humor, “Nada” Eu respondi rapidamente então a frustração cresceu "O exato mesmo nada que você. Não sei nada sobre a investigação exceto que quase morri e agora eu estou presa aqui.” Os lábios de Jeremiah franziram. "Estamos lidando com isto." "Lidando com o que? Ninguém vai falar comigo!"

230


Ele passou uma mão pelo seu cabelo, tomando uma respiração profunda. "Eu prometo a você," ele disse em voz baixa, "Vamos descobrir quem tentou te envenenar. Uma vez que a ameaça for neutralizada, você está livre para sair." Apontei para a entrada nas proximidades. "Você sai por aquela porta todo dia, mas me faz ficar dentro?" "Droga Lucy!" Por uma fração de segundos parecia que ele estava prestes a explodir, uma selvageria em seus olhos que eu nunca tinha visto antes. A visão me chocou, mas tão rapidamente como aconteceu, a emoção desapareceu; os portões se fecharam sobre suas características e mais uma vez estava o estóico CEO que eu conhecia. Pensei que conhecia, mudei assustada pelo que tinha visto. "Eu prometi cuidar de você." Sua voz baixa era a mesma e calma como o normal. "Só peço que você não faça mais perguntas para sua própria proteção. Quando for seguro, você pode sair." A derrota floresceu em mim, me fazendo querer arrancar pedaços do meu cabelo. Vi Jeremiah virar as costas para mim e marchar para fora, fechando a porta da frente levemente atrás dele. Com os dedos rígidos, corri minha mão pelo meu cabelo, inquietante o prendedor caiu no chão, mas eu não poderia me importar menos naquele momento. A frustração foi esmagadora. Eu tentei tomar respirações profundas, mas nada ajudou o sentimento repentino de raiva 231


com a situação; Esta casa era a minha prisão e Jeremiah tornou-se meu guardião. O vidro opaco da janela podia também ter sido barras; a tecnologia me mantendo presa dentro era tão certa como ferro ou qualquer outro metal. Eu não tinha visto do exterior desde que chegamos, exceto através daquela janela de banheiro minúsculo e, o pensamento absurdo de que eu podia ficar presa assim para sempre me impulsionou por toda a sala de estar e para trás na parede de janelas e a porta que levava para fora. O identificador para a porta que dava para o pátio foi legal no meu aperto. Antes que eu pudesse refletir comigo sobre minhas ações, eu virei o botão e abri a porta, espreitando sobre a paisagem e o mar menos de poucos metros da parte traseira da construção... Somente para fechá-la imediatamente, oprimida pelo medo do que podia ser uma emboscada para mim. Um soluço tomou meu corpo e eu coloquei uma mão sobre minha boca para abafar outros. Pare de ser tão tola, eu me aconselhei. Jeremiah faz isso todos os dias, assim você também pode. O estresse da minha situação tinha finalmente me atingido, mesmo assim,

tomei várias respirações

profundas, estremecimentos antes que eu pudesse obter um controle sobre mim mesma novamente. Eu preciso sair daqui ou eu vou enlouquecer, isso é tudo que existe.

232


Eu estava tão certa de que iriam soar alarmes quando eu abri a

porta,

mas

ninguém

correu

para

me

verificar

nem quaisquer sirenes dispararam. Tão seguro. Um pouco mais tranquilia, eu abri a porta novamente e olhei para fora. Sem guarda-costas visíveis a porta estava numa rota direta para a água e a casa de barcos que eu tinha visto todos os dias através da janela de pequeno porte do segundo andar. A propriedade era alinhada com árvores altas, obscurecendo a visão dos vizinhos do composto. O frio do inverno do meio-dia gelava o ar, e não havia barcos visíveis no oceano a frente de mim. Meu aperto de morte na maçaneta da porta, no entanto, não estava conseguindo me levar em qualquer lugar. Agora ou nunca. Formando um aço em mim, caminhei para fora da porta e fiz meu caminho descendo as escadas do pátio em direção à casa de barcos, marcha irregular e nervosa. Olhei para trás e vi que eu tinha esquecido de fechar a porta da sala, mas sabia que se eu voltasse eu não iria encontrar a coragem para sair de novo. Parecia incrível estar fora novamente e, naquele momento, eu não me importava se os guardas me vissem. O ancoradouro foi ainda mais interessante de perto. O que eu tinha pensado que era apenas um barracão era, na verdade, um edifício de dois andares, seguindo o contorno do litoral com o menor piso saindo para um cais que estendia sobre a água. 233


O piso superior era ao nível do solo; escadas levavam para baixo até onde os barcos eram mantidos sob o que parecia ser um pequeno living. A construção do ancoradouro era diferente do que da casa, muito mais velha e desgastada, dando-lhe uma sensação de robustez a elegante mansão não dispunha. Eu mal tinha chegado à construção, quando um alarme tocou de algum lugar dentro do complexo. Meu coração saltou uma batida e corri os últimos degraus para a garagem de barcos, à procura de uma entrada. Olhando para trás, eu vi três guardas correndo em direção a mansão eu tinha acabado de sair, dividindo-se e desaparecendo ao redor dos cantos. Eles estavam procurando por mim, ou por um intruso? A idéia que o assassino poderia estar no jardim paralisou a minha mente, e me chutei mentalmente por minha imprudente revolta. Estúpida, estúpida! O que diabos você estava pensando? Uma verificação rápida na casa de barcos revelou uma entrada nas proximidades e corri em direção a ela, buscando um algum lugar seguro para me esconder. A porta estava destrancada e empurrei para dentro, fechando rapidamente depois de mim. Eu coloquei minha cabeça sobre a madeira, observando através da janela, enquanto mais guardas apareceram ao redor da porta aberta, que eu tinha acabado de deixar na mansão. Eu vou estar em sérios problemas, eu pensei, de repente culpada. 234


Do canto dos meus olhos eu vi algo se mover, e antes que eu pudesse reagir, uma mão cobriu minha boca. Eu gritei, ou tentava de qualquer maneira, enquanto eu era arrastada para trás da janela por braços fortes. Chutei uma cadeira de vime e uma lâmpada em minhas lutas, mas meu agressor não me libertou. Chutei para trás, mas meu ataque fraco foi habilmente evitado. Oh Deus, eu pensei miseravelmente, o desespero abateu sobre mim, estou prestes a morrer, não estou? Jeremiah, me desculpe... "Que encanto encontrar você em um lugar como este," disse uma voz jovial, atrás de mim. "Eu realmente estava esperando que da próxima vez que nos víssemos seria sob circunstâncias melhores." Minha luta cessou quando eu reconheci a voz. "Você realmente

precisa

aprender

algumas

novas

manobras

defensivas," meu agressor continuou, "Você é fácil de prever, depois de um tempo. Agora, por favor, não grite minha querida, eu prefiro que pessoas erradas não identifiquem nossa localização." A mão ao redor da minha boca levantou e eu fiquei muda, não tinha certeza o que pensar. Seu aperto em meus braços aumentou atrás de mim, não desviando um centímetro. "Estou prestes a morrer?" Sussurrei, com o coração na minha garganta.

235


"Isso tudo depende da rapidez com que meu irmão mais novo chegue." Uma mão suave subiu meu tronco para segurar meu pescoço, prendendo-me contra seu corpo. "Preocupada para fazer qualquer aposta?"

236


TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionário PARTE 5: A traição 237


A compreensão de Lucy do enigmático Jeremiah Hamilton cresceu profundamente, e agora ela se encontra desejando não apenas o toque do seu pecado, mas seu guardado coração. Mas felizes para sempre pode estar mais longe do que nunca, porque Jeremiah está sendo perseguido por um assassino conhecido como o Arcanjo ... um assassino que em nada vai parar para derrubar o bilionário . Mas, apesar do perigo fechar-se sobre eles, sua maior ameaça é o seu próprio desejo de se entregar completamente a Jeremiah - corpo, coração e alma.

238


Capítulo 18

Eu tremia em seus braços, procurando por uma arma. No passado, a casa de barcos tinha sido ocupada. O s

móveis,

muitos deles meio escondido por folhas, se espalhavam pelo chão. Em algum ponto, no entanto, o espaço tinha sido convertido em um armazenamento, e inúmeros itens estavam espalhados na sala empoeirada, incluindo vários que foram amarrados aos tetos altos. No entanto, não havia nada por perto para eu usar. "É você quem está tentando matar Jeremiah?" Eu perguntei, tentando ganhar tempo. Lucas riu, o

riso sacudindo nós dois. "Enquanto

eu

provavelmente tenho a melhor razão do que a maioria para desejar uma coisa dessas, temo que eu não seja quem você procura". Confusa, eu inclinei minha cabeça para trás para olhar para ele. Lucas era menor do que seu estúpido irmão, de modo que minha cabeça estava em cima de seu ombro, mas seu aperto era como ferro. O olhar do homem era plácido, e seus lábios se curvaram em um sorriso na minha leitura. "Surpresa? Eu posso não gostar do meu irmão, mas eu não estou interessado em sua morte. Na verdade, eu tenho feito tudo que está em meu poder para evitar isso." "Então por que você está aqui?" 239


Ele riu novamente, em seguida, mergulhou os lábios perto do meu ouvido. "Talvez eu senti sua falta." Borboletas explodiram em meu estômago. "Mentiroso", eu murmurei. Sabendo que ele não ia me matar me fez de repente perceber a intimidade de nossa posição, e a traição do meu corpo me irritou. "Com certeza." Sua resposta atrevida me fez revirar os olhos. "Ou talvez eu saiba quem você está procurando." Eu virei para olhar para ele. "Você sabe quem está atrás de Jeremiah?" "Talvez", ele repetiu, sua ampliação no sorriso. Meus lábios franziram em aborrecimento. Homem irritante. "Eles vão nos encontrar em breve", eu disse, olhando para fora da janela. "Você deveria me deixar ir", adverti, "as pessoas podem ter a idéia errada." "Se eu conheço meu irmão mais novo, eles já sabem exatamente onde estamos." Ele apontou para o teto. "Há mais do que provavelmente uma câmera ou três nas vigas em cima de nós, observando cada movimento nosso." Lucas beijou meu rosto e eu me encolhi surpresa. "Devemos dar-lhes um show?" Irritada com a sua insinuação, lutei de novo mas fui dominada rapidamente. "Se você tinha a informação, por que não veio pela porta da frente como um homem sensato? Por que tudo isso se escondendo e fugindo?"

240


"É mais interessante desta forma. Meu irmão pode ser anal sobre a sua segurança; é divertido mostrar como é fácil de driblar" Ele deu de ombros "Além disso, seria mais provável meu irmão chamar as autoridades que me deixar entrar e ouvir o que tenho a dizer." "Como se ele não fosse fazer isso agora de qualquer jeito", eu murmurei, e Lucas deu uma pequena risada. As placas sob nossos pés começaram a tremer, e o baque pesado de botas batendo contra as placas de fora da casa de barcos abalou a estrutura antiga. Lucas apenas ajustou sua aderência, arrastando-me entre ele e a porta de entrada. "Hora do show", ele respondeu, aparentemente despreocupado, quando a porta da casa de barcos caiu aberta. Guardas entraram e nos cercaram e meu coração pulou em uma batida enquanto armas foram apontadas para nós. No entanto, eu não vi Jeremiah entre eles, e um caco de decepção foi lançado em meu coração. Lucas apenas soltou um suspiro. "Parece que Jeremiah não está mais lutando por suas próprias batalhas", o contrabandista de armas acrescentou. O ruído característico do clique de uma arma sendo engatilhada

era

facilmente

reconhecível,

especialmente

quando ele veio diretamente atrás de nós. Lucas rapidamente deixou-me ir ao som, levantando as mãos enquanto eu corri

241


longe para ver uma arma sendo apontada contra a cabeça do homem sarcástico. "Dê-me uma razão para que eu não deva te matar." Havia morte na voz quando Jeremiah apareceu atrás de Lucas, seus olhos brilhando com uma selvageria que me tirou o fôlego. A óbvia diferença de altura entre os dois homens nunca tinha sido tão aparente; Jeremiah parecia torre sobre seu irmão mais velho, os músculos de seu braço abaulando contra a camisa social que ele usava. A arma preta estava direcionada na têmpora de Lucas, as juntas de Jeremiah ao redor do punho estavam brancas com a tensão. Eu olhei entre os dois homens. Certamente Jeremiah não faria... Não seu próprio irmão... Lucas congelou, mãos para cima em ambos os lados de sua cabeça. "Lealdade familiar?", Respondeu Lucas levemente, suas palavras tranquilas desmentindo a tensão que vi em seu rosto. A partir do som de sua voz, ele poderia ter falado sobre o tempo, mas os olhos fixos em mim eram sombrios. "Não é bom o suficiente." Jeremiah pressionou a arma mais forte contra a têmpora de seu irmão e Lucas fechou os olhos. "Não!" Eu soltei, coração acelerado. Eu me movi até que eu estivesse ao lado dos dois homens. "Ele veio para nos ajudar, Jeremiah. Ele sabe quem está atrás de você, não o mate!" O bilionário não olhou para mim, mas eu vi o tremor da arma contra a cabeça de Lucas. Os guarda-costas perto da porta 242


baixaram as suas próprias armas, mas não se mexeram para ajudar, deixando os irmãos sozinhos. Minha garganta de repente ficou paralisada, aterrorizada com o que eu estava prestes a testemunhar, em seguida, Jeremiah baixou a arma. Ele agarrou o braço de Lucas e torceu-o pelas suas costas e, só então os guarda-costas entraram

"Leve-o para a casa",

disse Jeremiah, voz baixa e firme. Os guarda-costas pegaram Lucas de Jeremiah, colocando um par de algemas em torno de seus pulsos. O irmão mais velho não lutou, aparentemente satisfeito da maneira que as coisas estavam indo, mas os guardas ainda ficaram agrupados ao redor dele como se ele fosse perigoso. Movi para segui-los, quando de repente uma mão agarrou meu braço, me trazendo até breve. "Não tão rápido", eu ouvi Jeremiah rosnar. Eu pensei que eu já tivesse visto ele com raiva antes, mas eu nunca o vi desta forma. Havia fúria real em seus olhos, dirigidos a mim, e eu sabia que eu tinha realmente feito uma bobagem. "Jeremiah", eu disse, tentando me desculpar, só para me encurtar quando eu vi a mão livre virar um punho. "Você sabe o que eu fiz para te proteger?" Foi-se o controle total que eu sempre vi, em seu lugar estava uma ferocidade que parecia estranha em seu rosto. Quando eu tentei mudar, a mão em meu braço apertou e eu fiquei tensa, parando todo o movimento.

243


"A menina não sabia que eu estava aqui", disse Lucas através da sala. Seu olhar extasiado assistia intensamente nosso confronto. Percebi que os guardas também estavam nos observando, parando na porta, mas novamente não fizeram nenhum movimento para ajudar. "Eu disse para levá-lo para casa!" Jeremiah rugiu, e eu assisti com decepção enquanto os guardas o arrastavam para fora da porta e encaminharam para a casa, deixando-me sozinha com Jeremiah. Tentei manter a calma, mesmo com o calor que eu sentia dele era esmagador. Quando a porta se fechou ele afrouxou meu braço, mas quando eu me afastei, ele seguiu meu recuo me perseguindo pela sala. Meu quadril finalmente colidiu contra uma mesa, então eu bati em uma parede com nenhum outro meio de fuga. Ele se elevou sobre mim, punhos cerrados ao seu lado e eu tentei acalmar os receios bruscos do meu peito. "Jeremiah, eu estou..." "Você percebe o quanto você está em perigo?" As mãos de Jeremiah foram fechando em punhos, mas seus braços permaneceram ao seu lado. A carranca torceu o rosto, mas ele não moveu um músculo para me tocar. "Por que você saiu de casa?" "Porque o assassino está atrás de você, não de mim?" Eu não quis que a declaração fosse uma pergunta e, a partir da expressão no rosto de Jeremiah foi, de qualquer maneira, a 244


resposta

errada.

"Olha,

eu

realmente

sinto...”

Eu

fui

rapidamente presa à parede e as mãos sobre meus ombros me pressionaram contra a madeira. Rangendo surpresa, eu girei os olhos arregalados em Jeremiah e o vi piscar, um pequeno cenho franzindo a testa. A raiva, no entanto, ainda estava em sua voz, quando ele disse, "Você viu seu rosto no hotel. Você tem alguma idéia do que isso significa para um homem que vive sua vida nas sombras?" Eu sinto muito, eu queria dizer, mas o olhar sombrio de Jeremiah sufocou minha coragem de falar. As mãos sobre meus ombros tremiam, o belo rosto de Jeremiah se contorcendo em sua luta pelo controle. Ele abaixou a cabeça, e para minha surpresa colocou sua testa contra a minha. "Você poderia ter morrido", ele murmurou, as palavras perfurando meu coração. "Eu tenho feito tudo que posso para mantê-la segura, deixei pessoas e eu jurei que nunca contataria de novo, tudo por você. Por que você deixou a casa?" Com o coração torcido, eu levantei a minha mão para o seu rosto, mas ele levantou a cabeça, virando o olhar desconfiado de mim. "Você sabia que meu irmão estava aqui?" Eu recuei, picada pela acusação. "É claro que eu não sabia." A frustração borbulhou em seu olhar incrédulo. "Eu não sei nada sobre o que está acontecendo, graças a você", eu respondi olhando para ele. Eu dei um tapa de frustração no seu peito, o 245


pequeno movimento o fazendo recuar. "Como eu poderia sequer obter uma informação como esta sob vigilância constante? Você me trancou naquela casa, os guardas vigiam cada movimento meu. Você não me diz qualquer coisa que você está fazendo, me dá palestra sobre estar em segurança sem me dizer nada, e espera que eu vá mansamente com tudo isto – "“Maldição”, rugiu Jeremiah alertando-me para silenciar “Eu não posso ter sua morte em minhas mãos! " O desespero selvagem apareceu em sua face e suas mãos deixaram meus ombros emoldurando meu rosto, sem tocar minha pele. "Eu prometi que iria mantê-la segura, então você sai e faz algo assim." Eu assisti maravilhada enquanto uma miríade de emoções reproduziu em seu rosto. Apesar de aprender a ler a linguagem corporal normalmente sutil e expressões limitadas, a súbita paixão em seu rosto me deixou muda. Sua própria batalha para o controle era óbvia; ele estendeu a mão para acariciar meu pescoço, depois parou como se tivesse medo de tocar em mim. "Minha família destrói estranhos qualquer um que chegar muito perto; Já vi isso acontecer com a minha mãe, Anya, e inúmeros outros" Ele engoliu em seco. "Talvez eu não mereça a felicidade, mas você sim, e eu fazer você obter." Um dedo acariciou minha bochecha. "Eu não sou um bom homem", ele murmurou, 246


olhando para a mão em punho perto do meu peito. "Eu nunca deveria ter te metido nisso. Eu quase matei você, e agora eu preciso te ver segura.” A dor em seus olhos, revelando emoções que sempre foram mantidas guardadas dentro, fez lágrimas aparecerem em meus olhos. Eu tentei tocar seu rosto novamente, mas ele agarrou meu pulso, segurando ao lado da minha cabeça. "Você não pode fazer isso de novo", ele moeu fora. "Nós não sabemos quem está atrás de nós ou o que significa que ele tem disponível para chegar perto." Meu coração se quebrou em um milhão de pedaços pequenos. Tremendo, procurei uma forma de mostrar o meu remorso. "Sinto muito por ter deixado a casa." "Desculpa não é bom o suficien ..." Jeremiah respondeu com raiva, mas depois parou quando eu me abaixei de joelhos. Ele soltou o meu pulso e deu um passo para trás, tudo se foi enquanto ele olhava para mim. "O que você está fazendo?", Ele finalmente disse. Eu nunca me senti tão impotente em minha vida, ali sentada a seus pés. Eu não tinha idéia de como ele reagiria, mas de alguma forma eu sabia que ele precisava estar no controle, as emoções o percorrendo fortemente para processar. "O pedido de perdão." Engoli em seco, então acrescentei, "Sr". A selvageria restante em seu rosto drenou, mas ele ainda hesitou. Olhei para seus pés, já não tinha mais coragem de 247


olhar seu rosto. Ele ainda usava a calça social cara, mas em vez dos sapatos que eu tinha me acostumado, ele usava um par de botas pretas robustas. Gostaria de saber se elas eram as mesmas que ele usou enquanto estava no Exército, mas não senti que era o momento certo para perguntar. O silêncio se estendeu, me deixando nervosa. Eu fiquei onde estava, rezando que eu não tivesse feito o movimento errado. Meu maior medo era a sua rejeição, por isso um alívio passou por mim quando ele finalmente disse: "Erga-se e levante as mãos sobre a sua cabeça." Engolindo de novo, eu fiz o que ele mandou meus olhos se movendo em direção ao teto. Uma linha de corda pendia em um grande rolo de pano em cima de mim, provavelmente de um veleiro antigo, e meu coração pulou uma batida quando Jeremiah envolveu a corda em torno de meus pulsos. "Fique quieta", disse ele, em seguida olhou ao redor até que ele encontrou um pequeno pedaço de pano por perto. Ele sacudiu uma vez para remover detritos, o som me faz saltar, em seguida o amarrou ao redor da minha cabeça para cobrir meus olhos. O mundo tornou-se escuro e, quando ele apertou a corda acima e me elevou na ponta dos pés, eu dei um pequeno suspiro. "Então, você quer ser punida." Eu choraminguei, coração acelerado, mas não neguei a sua pergunta.

Apesar

das

pesadas

botas,

ele

foi 248


surpreendentemente silencioso em seus pés, eu lancei a minha cabeça em torno cegamente, tentando encontrá-lo, em seguida comecei a senti sua respiração no meu pescoço. "O que deve ser?", Ele murmurou, deslizando os dedos ao longo do meu braço levantado. "Eu deveria bater em você por sua desobediência? Chicoteá-la? Que tipo de punição seria ensinar a não cortejar a morte?" Minha boca trabalhou silenciosamente, mas eu não respondi. De qualquer forma, dado o seu estado atual, eu duvido que ele seria gentil comigo nesta situação. Lembrei-me do chicote que ele usou em mim a noite anterior e, apesar da atual situação, senti como resposta um calor desenrolar na minha barriga. Agora não é hora para isso! "Talvez uma forma diferente de punição seja necessária." Sua mão deixou meu braço e desabotoou minha calça com dedos ágeis. Elas caíram para os meus pés enquanto ele pegou uma perna atrás do joelho, levantando-a alto e para o lado até que eu estava equilibrando em um pé, segurando a corda em torno de meus pulsos como apoio. Meu rosto corou, imaginado como eu pareceria exposta desta forma. Todas as calcinhas que eu tinha eram do tipo sexy, algo que eu secretamente aprecio, mas

que

fazem

momentos

inesperados

como

estes

embaraçosos. Um dedo deslizou sob minha calcinha e surpresa empurrei contra. "Você está molhada", disse ele, seu tom de uma forma 249


que eu não podia decifrar o que estava pensando e desejei ver seu rosto. Ele soltou minha perna, em seguida enfiou os polegares ao redor da banda da minha calcinha e deslizou-as para os meus tornozelos. Meu rosto queimou quando ele desfez os botões da minha camisa, deixando aberta para revelar o meu tronco. Mãos ásperas contornaram a borda do meu sutiã, então deslizou por baixo do tecido fino enquanto ele falou. "Talvez grampos nos mamilos, podem ser dolorosos. Será punição suficiente por você arriscar sua vida? " Dedos rodearam meus mamilos e eu fiquei tensa esperando pela dor, mas ele só os acariciou um pouco, deixando em seguida o sutiã deslocado e os meus seios expostos. A decepção perversa sacudiu em mim e eu abafei um suspiro. Eu não gosto de dor, eu pensei, mas a confissão parecia fraca, mesmo em minha mente. A corda se ergueu novamente, até que apenas as pontas dos meus dedos raspassem no chão. Os músculos esticaram em meus braços e os pulsos queimavam, mas eu prendi meus lábios e me mantive em silêncio. Eu pensei ter ouvido o sons de passos atrás de mim enquanto uma outra mão alisou meu traseiro. "Deveria pegá-la pelo ânus? Você pareceu ter gostado ontem, mas despreparado pode ser muito doloroso. É punição suficiente por ter brincado longe demais e por em risco sua vida?"

250


Uma mão rachou contra um lado da minha bunda e eu encolhi, o movimento me balançou ao redor. Eu desloquei pelo golpe, minha calcinha caiu no chão enquanto Jeremiah desapareceu novamente, mas eu não podia parar o giro lento da corda. Outra palmada atravessou a mesma bunda e me fez girar mais rápido, a bunda queimando. "Devo usar o cinto em você?", Ele perguntou, a voz forte de novo. O som de uma fivela sendo solta veio perto de perto. "Será que fará mantê-la de quaisquer tentativas mais imprudentes como esta? Responda-me! " "Sinto muito", eu respondi sinceramente sentindo as palavras e não apenas por causa das suas ameaças. Lembrei-me do desespero em seu rosto, a perda de controle quando eu estava em perigo e minha garganta apertou. "Eu sinto muito." "Você sente muito, o que?" "Sinto muito, senhor." "Você está se desculpando por quê?" Machucar você. A dor em seu rosto, a raiva quando ele enfrentou seu irmão, a onda de emoção, foi o que mais me arrependi. Eu sabia, entretanto, que não era a resposta que ele queria. "Por desobedecer você e me colocar em risco." No último minuto, eu mal me lembrei de adicionar, "Sr". Mãos agarraram meus quadris e me puxaram para a frente contra um corpo duro, seus joelhos movimentaram entre os meus joelhos. Pega de surpresa, eu instintivamente abri as 251


pernas e fui puxada até ser transportada pelos quadris. Eu senti um momento de sondagem contra o meu núcleo nu, então ele mergulhou dentro e eu ofeguei. "Eu prometo a você", ele rosnou, pontuando cada palavra com um impulso de seus quadris, "Você vai sentir cada uma dessas punições se você fizer isso de novo." Eu apertei minhas pernas em volta dele quando uma mão grande se mudou para minha volta, segurando-me parada enquanto ele bateu em mim. O poder absoluto de cada facada profunda saltou-me para o ar, havia um pouco de dor, mas porque o meu corpo estava se preparando para uma punição muito mais dura, cada terminação nervosa estava viva e em chamas. Suas mãos caíram para minha bunda, apertando e dividindo-as para um acesso mais profundo, e eu explodi. O orgasmo me pegou de surpresa, meu corpo resistindo e torcendo enquanto ele continuou seu ataque. Nossos movimentos haviam desalojado o pano sobre os olhos e, ofegante olhei para baixo para ver Jeremiah me olhando, seu rosto tenso pelo seu próprio desejo. A fome primitiva em seus olhos parecia mais do que apenas sexual, e seu olhar esfaqueado no meu coração. Eu queria beijá-lo, acariciar seu rosto bonito, mas as amarras me seguravam no alto, impedindo-me de dar-lhe algum conforto. Talvez este seja o meu castigo, eu imaginei, sentindo a perda profundamente no meu intestino. Como estranhamente apropriado. Então ele 252


estremeceu embaixo de mim e o momento passou, e nós dois levamos um tempo para voltar daquela estonteante elevação. Segurando firmemente contra seu corpo, ele estendeu a mão e sem esforço desfez o nó dos meus pulsos. Senti meus membros desossados quando ele me pós sobre os meus pés. Eu vacilei, os pés descalços raspando contra o piso de madeira. Seu aperto era suave, tão diferente de apenas alguns momentos antes, quando tudo tinha sido rápido e áspero, mas tão logo eu fiquei firme ele me soltou e se afastou. "Vista suas roupas e eu vou levar você de volta para a casa." Jeremiah se afastou antes que eu pudesse dar uma boa olhada em seu rosto; a decepção agitou a minha barriga no desprezo sutil, mas eu deixei de lado, vestindo rapidamente e seguindo atrás ele. Ele tinha se movido para uma parede mais distante e quando me aproximei, ele puxou um tapete fino que cobria um par de anéis em uma porta e puxou abrindo um alçapão no chão. As dobradiças não fizeram nenhum barulho quando a escotilha se abriu. "Isso vai nos levar para a casa." Eu olhei de olhos arregalados para baixo na escuridão. Íngremes escadas de concreto levavam para dentro da passagem subterrânea, e um vento frio úmido soprava em algum lugar na outra extremidade. "É seguro?" "Isto é como eu vim aqui sem ser visto. É mais seguro do que ir para fora, pelo menos até descobrir quem está por trás de tudo isso." 253


Eu ainda empaquei. "Por que você tem um alçapão para a casa de barcos?" Os lábios de Jeremiah diluíram, mas ele respondeu: "Houve incidentes

em

minha

infância

que

exigiram...

medidas

adicionais. Meu pai era um homem paranóico, mas em alguns casos ele tinha um bom motivo para ter medo. A casa tem uma sala de pânico e esta saída em caso de uma emergência, mas nunca tivemos que usar desde que ele morreu. "Ele estendeu a mão. "Vamos, Lucy,” ele disse, sua voz mais suave do que antes,” Vamos levar você para a casa." Eu timidamente tomei sua mão, ainda não estava convencida se era uma boa idéia, mas mesmo assim dei o primeiro passo para dentro do corredor escuro.

254


Capítulo 19

Eu descobri rapidamente que eu não gosto de passagens secretas. Havia pouca luz ao longo do túnel estreito. Passamos por várias lâmpadas espaçadas a vários metros de distância, mas apenas duas funcionavam ao longo de todo o corredor. A luz principal veio de um aplicativo lanterna do telefone, refletindo devidamente no chão da madeira lisa. Eu mantive um aperto firme na parte de trás da camisa de Jeremiah para não escorregar nas tábuas apodrecidas. A proximidade da passagem com o oceano deixava tudo coberto de umidade; Eu não me atrevia a tocar nas paredes brilhantes na luz baixa. O túnel era mais quente que o solo acima, mas úmido, uma enjoativa escuridão que eu estava desesperada para escapar. Parecia durar para sempre, as paredes diminuíam cada vez mais estreitas. No momento em que eu estava me preparando para empurrar Jeremiah de lado e fugir o resto do caminho, chegamos a uma parada e a luz brilhou em um alçapão acima. Jeremiah empurrou um anel de metal torcido, mas a porta não se moveu. Ele forçou mais duas vezes e finalmente cedeu, fazendo um barulho com o rompimento da madeira. Não havia muita luz fluindo da nova sala, mas definitivamente, mais do que no túnel escuro o que foi um alívio bem-vindo. 255


"Suba", ele disse, e eu notei uma escada de metal contra a parede oposta. Senti o pedaço frio dos degraus em minhas mãos enquanto eu escalei a curta distância para a nova sala. Havia uma diferença marcante na temperatura e umidade do ambiente, quando eu percebi que estava de volta dentro da casa. Eu tive apenas um momento para reconhecer a despensa da cozinha, as prateleiras forradas com latas e produtos embalados, antes que a porta fosse arrancada. Cega pela luz repentina, eu dei um grito de surpresa e levantei as mãos em sinal de rendição quando três armas foram apontadas para meu rosto. "Abaixem", veio a ordem de Jeremiah de baixo. Após um momento de hesitação, as armas foram abaixadas e eu me sentei no chão, meus pés ainda dentro do buraco. Os guardas recuaram quando Jeremiah saltou da abertura úmida. Eu deslizei de lado para dar espaço, não confiando em minhas pernas feito geléia após o susto, mas Jeremiah levantou-me sem esforço para os meus pés e me escoltou para fora do quarto minúsculo. A sala de estar e a cozinha estavam cheias de pessoas, principalmente guardas, assim Lucas se destacou entre o grupo. Ele estava acompanhado por dois homens e quando eu fiquei à vista, ele me deu uma rápida olhada. Eu pensei ter

256


visualizado um breve alívio em seu rosto antes que a máscara sorridente estivesse de volta no lugar. Jeremiah fixou seu irmão com um olhar, caminhando em direção ao homem menor. "Se você não me disser o que você -” "Arcanjo". Jeremiah fez uma pausa. "O que é o Arcanjo?" "Arcanjo não é um que, mas um quem." Lucas se mexeu desconfortavelmente, um olhar petulante no rosto. "Não podemos tirar as algemas?", Perguntou ele, sacudindo a corrente fina. "Meus

pobres ombros não podem aguentar

muito -" "Lucas," Jeremiah rosnou, cortando seu irmão e ignorando o pedido, “Quem é Arcanjo?" "Um assassino e um muito bom nisso. Caro também. "Ele revirou os olhos. "Ao contrário do que você pode pensar, eu não era a pessoa para contratar os seus serviços; Eu até tentei avisá-lo assim que eu ouvi sobre a armadilha." "Quando?" Jeremiah perguntou abruptamente. "Na noite do baile de gala de caridade na França. Eu tentei ligar para o seu celular, mas não houve resposta." Lucas serpenteou

uma

olhada

em

mim,

uma

pontada

de

arrependimento em seus olhos. "Eu deveria ter deixado uma mensagem,

mas

em

vez

disso,

decidi

contatar

você

257


pessoalmente. No momento em que cheguei a seu quarto, no entanto, já era tarde demais." Jeremiah falou primeiro, sua voz desconfiada. "A ligação era de um número bloqueado". "Perigos da profissão." Os lábios de Lucas subiram em um sorriso que não chegou a atingir os olhos. Eu tive a impressão de que o sorriso era uma resposta automática, uma máscara profissional muito usada, porque algo cintilou em seus olhos e o sorriso desapareceu. "Eu decidi entrar em contato com você diretamente, mas eu cheguei apenas um minuto atrasado da equipe médica enviada para o seu quarto. Eu vi você furioso e sabia que algo tinha acontecido." Um fragmento da informação que chamou a atenção de Jeremiah. "Você estava lá?" Lucas assentiu sombriamente. "Eu sabia que você não iria acreditar em mim se eu me aproximasse então não quis causar uma cena - no estado em que você se encontrava, você teria me estrangulado - então eu me afastei." Lucas sorrateiramente lançou um olhar para mim. "Peço desculpas por não ter sido mais rápido." "Eu estou viva." No momento em o perdão veio, as palavras eram uma expressão irrisória de gratidão, mas vi outro lampejo de alívio em seu rosto. Minha mente estava tendo problemas para equacionar este homem com sua escolhida carreira, eu

258


não podia ver Lucas como um traficante de armas. Eu acho que até mesmo bandidos podem ter um coração. "E quanto ao Arcanjo?" A pergunta de Jeremiah recuperou a atenção de Lucas. "Ele é novo

no

circuito

profissional,

mas

está

trabalhando

rapidamente sua ascensão. Eu sei de pelo menos 20 alvos confirmados, mas estou certo de que há dezenas de outros. O homem é um mestre do disfarce e usa todas as ferramentas necessárias para o trabalho. Ele é bom o suficiente para não deixar evidências, até mesmo para hackear câmeras de vigilância. "Ele empurrou o queixo para mim. "Ela é a única pessoa que viu o rosto dele e vive para contar o conto." Fiquei gelada. "Então ele realmente está atrás de mim agora, também?" Eu sussurrei. A sala de repente girou e me agarrei a uma bancada perto de apoio. Uma carranca cintilou no rosto de Lucas e ele deu um passo para mim, mas Jeremiah já estava lá, passando um braço em volta dos meus ombros e me puxando para perto como apoio. Eu apreciei o gesto muito necessário e dei a Jeremiah um sorriso, ao mesmo tempo Lucas foi detido novamente, os guardas de cada lado segurando seus braços. "Quem o contratou?" Jeremiah perguntou, com os olhos em mim e não no seu irmão. "Não importa, apenas que o assassino está vindo atrás de você." 259


A resposta chamou a total atenção de Jeremiah. "Você não sabe, ou você não vai me dizer?" O tom mortal na voz do bilionário me estremeceu, mas Lucas simplesmente deu de ombros, como se ouvisse ameaças semelhantes todos os dias. Talvez ele faça em seu tipo de trabalho, pensei enquanto Lucas respondeu: "Podemos nos preocupar com isso após o fato." "Podemos nos preocupar com isso agora. O que você está escondendo, Loki?” A consternação cintilou no rosto de Lucas, no uso de seu outro nome. "Eu gostaria que você não me chamasse assim", disse ele, a máscara jovial caindo por um momento. "Por que não?" Jeremiah atirou de volta. "É o seu nome, não é?" "Esse nome foi dado a mim, eu não o criei." A indecisão guerreava em seu rosto, como se quisesse dizer mais, explicar o que ele queria dizer e Ethan escolheu esse momento para entrar na sala. Se o guarda-costas careca notava ou se preocupava com a crescente tensão na sala, ele não deu nenhuma indicação. "Temos um visitante." Os lábios de Jeremiah afinaram com a interrupção. "Quem é?", Perguntou. Ethan olhou para Lucas. "Anya Petrovski." Eu estava olhando para Lucas quando Ethan falou, assim vi o espasmo de raiva em seu rosto. Ele me viu olhando e tentou 260


encobri-lo, mas seus olhos ainda ardiam com emoção. Assim como seu irmão, pensei. Está tudo nos olhos. "Não há necessidade de envolvê-la", disse Lucas, sua voz suave e de desprezo. Se eu não tivesse me acostumado a ler a expressão estóica de Jeremiah, eu poderia ter sido levada pelas suas palavras. "Ela provavelmente está aqui para defender o meu caso para você, o que é totalmente desnecessário." Olhei para Jeremiah e vi estudando seu irmão com os olhos estreitos. "Será que ela sabe alguma coisa sobre isso?" Lucas bufou. "Definitivamente não, além do fato de que eu vim aqui para te avisar." Ele soava irreverente e indiferente, mas Jeremiah parecia não convencido. Ele se virou para Ethan e disse: "Deixe seu carro do lado de fora do portão. Revistem totalmente ela e o seu carro, depois a traga para a casa." Ethan assentiu com a cabeça e sussurrou instruções a um guarda por perto que desapareceu da sala. Por mais de um segundo, os lábios de Lucas franziram e seus olhos brilharam, depois a máscara jovial caiu de volta no lugar. "Eu faço um drama no amor", disse ele, os lábios transformando-se em um sorriso apertado. "Qual é o significado disto?" Ressoou uma voz de mulher a partir da porta de entrada, seus tons estridentes quicando na

261


madeira e na pedra. O sorriso de Lucas congelou, os olhos arregalaram enquanto sua cabeça se voltou para a voz. Jeremiah olhou para Ethan, com a mandíbula apertada em aborrecimento. "Por que ela não se foi?" Ele exigiu. "Ela ainda não tinha deixado o portão quando ordenou o bloqueio", disse Ethan, no momento em que Geórgia Hamilton entrou na sala. Ela estava acompanhada por mais dois guardas que desapareceram pela porta da frente, o dever de escolta cumprido. A senhora fixou os olhos em Jeremiah e marchou em linha reta até ele com raiva. "Qual é o significado disso?", Ela retrucou, olhando para o seu filho. "Você me joga fora da minha própria casa, envia sua força policial para escoltar-me fora da propriedade, em seguida, me força a voltar quando eu obviamente, não queria?" Ela pegou uma respiração instável, cobrindo a boca com os dedos da sua mão. "Você não tem nenhuma preocupação com meus sentimentos?" O desempenho exagerado foi sublime, mas devido a minha experiência com a mulher, eu não poderia desenterrar qualquer simpatia por seu sofrimento imaginário. Nem aparentemente poderia Jeremiah, que respondeu friamente: "Fique tranqüila mãe, você vai embora desta casa o mais rápido que nós pudermos conduzir."

262


O aborrecimento torceu seu nariz por pouco tempo, então o derramamento de lágrimas começou. "Como você pode sonhar em me manter longe da minha..." "Bem, olá mamãe. Você sentiu minha falta?" As palavras sarcásticas de Lucas pararam a senhora na metade do discurso inflamado. Claramente chocada, ela se virou para olhar seu filho mais velho, que estava olhando para ela a partir do centro da sala. "O que ele está fazendo aqui?" Ela

exigiu,

todos

os

vestígios

da

sua

dor

anterior

desapareceram em um instante. "Adorei ver você, também." Desapareceu a indiferença profissional que Lucas tinha mantido durante toda a conversa com Jeremiah. O sarcasmo agora atou tudo, a zombaria amarga em seu rosto inclinou em direção à mulher magra que tinha acabado de entrar na sala. A cicatriz em seu rosto se destacou enquanto a pele ao seu redor escureceu pela raiva reprimida. Geórgia olhou como se tivesse chupado um limão enquanto ela virou para Jeremiah. "Não ouve nada do que ele diz," ela cuspiu. "Ele não é nada, mas um mentiroso e um trapaceiro." Lucas jogou a cabeça para trás e soltou uma risada, então se inclinou em direção a sua mãe, com um sorriso zombeteiro no rosto. "Aprendi com o melhor. Herdado de ambos os lados, na verdade."

263


Intrigada com a troca eu olhei para Jeremiah para alguns esclarecimentos, mas ele também parecia confuso. "O que está acontecendo?" Ele exigiu. "Nada," Geórgia cuspiu, então ergueu o queixo e os ombros. "Eu gostaria de sair agora quando o significado família parece muito pouco nesta casa." "Ah não, Mãe. Por favor. Fique." O sarcasmo gotejava em cada palavra de Lucas, mas a mulher simplesmente cruzou os braços sem olhar para seu filho mais velho. Um sorriso cruel apertou o rosto de Lucas, mas o olhar ferido em seus olhos não combinava muito com a expressão. "Você não gostaria de saber o que aconteceu com aqueles 30 milhões de dólares eu fui acusado de roubar?" Lucas perguntou. "Certamente a curiosidade vem corroendo você para saber como eu gastei isso." Geórgia se encolheu ainda que levemente, o pequeno sinal mais que um momentâneo aperto de seus lábios. "Eu não preciso ouvir isso, não é da minha conta", disse ela, farejando com desdém e girando em direção à porta de entrada “Quando o seu pequeno argumento acabar, eu vou estar no meu carro." "Parem ela." A ordem de Jeremiah foi imediatamente seguida quando os dois guardas ao lado da porta formaram uma fileira bloqueando a saída. Geórgia gritou em indignação, mas Jeremiah ignorou, sua atenção voltada para o irmão. "Eu não gosto de segredos", disse ele, em voz baixa. 264


"Você ajudou a perpetuar um por quase oito anos até hoje." Lucas nunca parou de olhar sua mãe, mesmo quando ela se recusou a devolver o gesto. Seus olhos eram de um caldeirão de emoções, piscando e mudando tão rápido que era difícil decifrar algo em particular. "Vamos, Mãe, eu devo dizer a ele ou você gostaria de fazer as honras?" Dando um gemido irritado que soava infantil, vindo da senhora, Geórgia virou as costas para seu filho mais velho. De repente, percebendo que ela tinha uma plateia observando cada movimento seu, ela suavizou as características e acenou com a mão alegremente. "Eu não sei sobre que você está falando", disse ela, revirando os olhos. "Agora, se me dão licença..." Os olhos Lucas se estreitaram no semblante, então ele se virou para Jeremiah. "Alguma vez você já se perguntou de onde a mãe consegue obter todo dinheiro?" A pergunta pareceu assustar Jeremiah. Ele deu a seu irmão um olhar longo e duro antes de se virar para observar para sua mãe. Segui seu olhar e me perguntei se ele estava pensando a mesma coisa que eu. Geórgia Hamilton não era uma atriz muito boa, ela evitou os olhos de qualquer um, a cabeça olhando de uma saída para outra, como se pensando qual lhe daria fuga mais rápido. Finalmente, ela encontrou o olhar de Jeremiah e revirou os olhos. "Vamos lá, você realmente não acredita nele, não é?" Ela ralhou.

265


"Acreditar em que?" Jeremiah olhou entre seus familiares, a confusão misturando com aborrecimento. Nem seu irmão nem sua mãe pareciam inclinados a fazer mais do que olhar um para o outro, então ele levantou a voz e perguntou de novo: "Eu não vou acreditar em que?" Um telefone celular tocou, o som agudo penetrando a atmosfera concisa. Ethan derreteu para fora da sala, enquanto a resposta à pergunta de Jeremiah me atingiu como uma tonelada de tijolos. Oh, meu Deus. ”Foi sua mãe quem roubou o dinheiro." Eu não tive a intenção de vocalizar os meus pensamentos, era apenas uma teoria, mas as palavras eletrizaram o público. "Isso é um absurdo!" Ela grunhiu. Geórgia fixou o olhar em mim, o rosto se contorcendo de raiva. Foi uma visão estranha de se ver, como muito do seu rosto estava amortecido por injeções de Botox, sua quase tranqüila aparência não correspondia à raiva evidente em seus olhos. "O que você sabe de qualquer modo? Você é apenas uma rameira que meu filho trouxe para casa." "Não foi como você também começou a vida?" Lucas praticamente berrou enquanto minhas mãos enrolaram em punhos. "O pai não a encontrou em uma casa de show em Vegas? Por favor, Mãe, projetando seus problemas nela, não vai perdoar seus próprios pecados."

266


Um espasmo de dor atravessou o rosto da senhora com a recordação, o que ela tentou e não conseguiu esconder. "Eu não preciso ouvir isso", ela repetiu com amargura, mas muito do fogo tinha saído com as palavras. Ela se virou, só para ter Lucas bloqueando seu caminho e prendendo seu braço. Apesar das algemas em torno de seus pulsos, ele a segurou firme. "Sabe o que você fez comigo, mãe?", Ele murmurou quando ela se virou e o olhou. Ele se aproximou, seus olhares se fecharam e nenhum parecia disposto a ceder primeiro. "Você sabe a que sua mentira me reduziu?" Eu olhei para eles, ainda chocada com minha própria revelação, em seguida olhei para Jeremiah. Ele estava imóvel como eu já tinha visto, e era difícil dizer o que ele estava pensando. Parte de mim queria saber mais sobre Geórgia Será que ela foi realmente uma dançarina em Vegas? - Mas agora definitivamente não era o momento para perguntas. Há muito sobre esta família que eu não sei. "Não me culpe pelo que você escolheu se tornar" Geórgia replicou, olhando para seu filho mais velho. "Tudo o que me aconteceu comigo foi por minha escolha?" Mesmo de vários metros de distância eu vi o seu corpo tremer quando ele soltou o braço da sua mãe, suas mãos enrolando em punhos. "Tudo o que eu fui, tudo o que eu tinha, estava preso nesta empresa. Isso tudo foi me tirado, então, fui 267


acusado de roubar 30 milhões de dólares e eu tomei a única opção disponível para mim que não incluía um tempo na prisão." "Vender armas pelo maior lance?" Jeremiah exclamou em voz áspera. "Esse foi o seu único recurso?" Lucas piscou pela interrupção, em seguida se afastou de Geórgia. Ele parecia abalado, seus olhos vazios quando ele olhou para seu irmão. "Isto não começou desta forma. Eu precisava sair do país e um homem que eu considerava um amigo, precisava de um negociador habilidoso para mediar uma transação com uma carga. Eu não sabia até que eu estava no ar em que consistia a "Carga" ou eu juro, eu mesmo teria caminhado para a cadeia." Geórgia bufou. "E você quer jogar a culpa sobre mim?" "Assume alguma responsabilidade pelo que você causou," eu disse, incapaz de me conter mais. Cada rosto na sala tinha vários graus de nojo e espanto com o comportamento e palavras da senhora, mas ninguém estava disposto a falar. Ela revirou os olhos e inspecionou as unhas casualmente. "A razão não importa. Ele é o que fez de si mesmo – eu não sou a pessoa que deve viver com a vergonha." Eu gaguejei, incapaz de controlar a minha própria raiva. "Ele é seu filho," eu exclamei. "Ambos são os seus filhos! Você não se importa com eles, de qualquer forma?"

268


"É claro que eu os amo," Geórgia grunhiu, dando-me um olhar altivo. "Mantenha a sua opinião fora de assuntos que não lhe dizem respeito." Eu queria estrangular a cadela hipócrita, mas com suas palavras o rosto de Lucas fechou. "Você está certa mãe.", disse ele, seu queixo voltando. Eu reconheci o momento em que sua máscara familiar voltou ao lugar. Ele deu à mulher um sorriso de boca fechada, mesmo quando ela o ignorou. "Cada um de nós tem que viver com os nossos próprios erros, não é?" Jeremiah finalmente deu um passo adiante. Eu coloquei minha mão em seu braço e o senti tremer, o emocional trancado profundamente surgiu. Sua atenção estava voltada para Lucas, que visivelmente se retirou da conversa, fechando-se atrás de uma parede familiar de simpatia. "Irmão..." "Você sabe que a nossa mãe está negociando uma biografia sobre a dinastia da família Hamilton com várias editoras?" Lucas disse, interrompendo seu irmão. A cor súbita nas bochechas de Geórgia demonstrava a sua raiva, mas ele continuou. "Um olhar profundo da dinâmica da nossa família, desde o nosso querido pai que partiu até o atual líder dos negócios da família. Ela é, certamente, a heroína enclausurada neste conto de drama, riqueza e espionagem corporativa. É de conhecimento que as propostas para o livro eram de quase sete números, antes do último editor pular fora." Ao olhar 269


chocado de Geórgia, Lucas balançou os dedos. "Você não é a única com contatos na indústria dispostos a ajudar você a estragar mais alguém." "O que você está falando? Isso é um absurdo..." "E", continuou Lucas, o seu sorriso mal-assombrado alargou, “ela também está vendendo acessos para o filho bilionário. Se um empresário não pode obter uma audiência com o Diretor Presidente, ele ou ela pode ser um 'convidado' improvisado na casa da família, convenientemente arranjado para circular entre o novo líder da família. Tudo por um preço justo, é claro. " "Isso vindo de um homem que vende armas a ditadores e a escória da terra para usarem contra pessoas inocentes?" A cor nas bochechas de Geórgia aumentou quando ela olhou para seu filho mais velho. "Como você ousa atirar pedras, jorrando essa carga de mentiras, após o que você fez?" "Pelo menos eu não escondo o que eu sou", Lucas murmurou, repetindo a postura arrogante de sua mãe. Geórgia encarou Jeremiah. "Diga-me que não acreditou neste disparate", ela exigiu, com as mãos nos quadris. O olhar de Jeremiah, porém, foi dirigido a seu irmão, ignorando completamente a sua mãe. Lucas não recuou ao olhar de sondagem. "Você pode provar isso?" Jeremiah finalmente perguntou.

270


"Eu posso", respondeu Lucas enquanto sua mãe bufou com afronta indignada. "Você tem a sua palavra contra a minha." Geórgia deu a Jeremiah um olhar decepcionado cuja sinceridade, tendo em vista suas explosões anteriores, tocou vazio. Será que ela sequer percebe como ela parece para todos? Eu me perguntava. Julgando pela forma como ela ignorou os guardas e os outros ocupantes da sala, eu duvidava muito. A mulher parecia trancada dentro de seu próprio pequeno mundo, as opiniões dos outros não importava. Que maneira horrível de viver sua vida. Jeremiah se adiantou até que ele estava de pé na frente da sua mãe. Ele se inclinou para frente e, enquanto eu não podia ver seu rosto eu vi Geórgia recuar. "Eu juro, Mãe, se o que ele diz é verdade, eu vou..." "Você vai o quê?" Ela o desafiou de volta. "Expulsar-me? Cortar a mim? Você realmente acha que é o primeiro macho Hamilton a me fazer essas ameaças? "Geórgia bufou. "Como você acha que eu fiquei casada com seu pai durante todos esses anos? Boa aparência e charme? Não, eu sempre tive algo sobre ele - era a única segurança que eu tinha." Ela encontrou o olhar de Jeremiah com o seu, mas a cor tinha drenado de seu rosto, deixando apenas os cosméticos para lhe dar qualquer cor. "Eu sabia que o velho bastardo não ia me deixar um centavo quando ele partisse, mas como é que eu ia 271


saber que ele iria tão cedo? Você dois pensavam que eu não era muito diferente do que seu pai e, talvez agora, esta é a verdade mas eu sabia que certamente a única pessoa que eu poderia contar era comigo mesma." "Então você me jogou sob o ônibus." A declaração de Lucas não era bem uma pergunta, mas era óbvio que ele queria respostas. Geórgia empalideceu, como se o impacto de suas ações só então lhe ocorreu. Sua boca se moveu em silêncio por um momento. "Eu não imaginava que isto iria tão longe", ela finalmente disse, a voz baixa. Ela brincava nervosamente com sua bolsa, pegando um tubo de batom e um espelho pequeno, mas suas mãos tremiam demais para aplicar uma nova camada. "Aquele seu pai bastardo não me deixou uma moeda de dez centavos, na verdade, ele conseguiu amarrar tudo que eu pensei que eu secretamente guardava na herança de Jeremiah. Eu sabia que não havia nenhuma chance dos meus filhos cuidarem de mim. Não pensem que eu não notei como você agem comigo ", acrescentou com um aparte a Jeremiah. "Barrando da minha própria casa, agindo como se eu fosse uma criança. Você é tão mau como o seu pai, supondo que eu não posso cuidar de mim mesma." A acusação sacudiu Jeremiah, mas a Geórgia continuou. "Tudo aconteceu muito rápido. Eu dei um jeito de encontrar o testamento

e

ler

o

suficiente,

antes

dos

advogados 272


descobrirem que eu estava ferrada. Mais de trinta anos que eu estive com aquele bastardo, cuidando dos seus filhos, negligenciado suas infidelidades, o meu papel como a esposa Brilhante e obediente, e ele não me deixou nada. Eu ajudei a executar algumas comissões não essenciais, aquele Rufus achou perfeito para a minha falta distinta de qualquer talento útil. Cada um conseguiu somar uma certa quantidade de fundos e combinados igualou pouco mais de 30 milhões de dólares." Ela ergueu o queixo. "Então eu peguei." "E me deixou levar a culpa?" Lucas exigiu. "Eu não pensei nisso muito a frente", ela retrucou. "Eu sabia que estava com o tempo contado então gastei o melhor que eu pude. Acontece que foi mais difícil de conseguir o dinheiro do que eu pensava, pelo menos sem atrair muita atenção. No momento em que eu descobri que você era o principal suspeito - eu não me preocupei em participar da investigação por razões óbvias - você já tinha fugido do país e eu ainda tinha um montante de dinheiro sobrando. Então, eu guardei." Lucas colocou as mãos sobre o coração. "Eu sinto por você, eu realmente sinto." "Pare de bobagem, Lucas. Eu errei, pura e simplesmente." Ela se virou para Jeremiah. "E agora?" "Sim, Jeremiah," Lucas acrescentou. "O que você vai fazer sobre estes novos acontecimentos?"

273


O CEO não parecia em condições de falar, ainda obviamente surpreso com o rumo dos acontecimentos. Eu não tinha conselho a dar, apenas apertei com mais força seu braço em apoio silencioso. Que escolha horrível, pensei, uma torrencial compaixão através de mim quando Jeremiah olhou sua mãe, batendo o pé impaciente, para Lucas, que ficou em silêncio com as sobrancelhas levantadas e, obviamente, esperava uma resposta imediata. Em seguida, a porta da frente se abriu e uma voz familiar de mulher gritou: "Lucas!" Todas as cabeças se voltaram em direção ao som e, um momento depois, uma descabelada Anya Petrovski tropeçou pela porta da entrada, escoltada por um guarda grande. Foi-se a roupa da moda a bola da vez, muito pouco de maquiagem cobria seu rosto, e as roupas elegantes estavam amassadas e desordenadas como se tivesse acabado de jogar de forma aleatória. Seu cabelo estava preso em um rabo de cavalo, enquanto a sua beleza natural ainda era tão clara como o dia, seus traços estavam menos severos fazendo parecer mais jovem e mais vulnerável. Seus olhos rapidamente esquadrinharam a sala e foi óbvio o momento em que ela encontrou Lucas que era tudo que interessava a ela. Lucas, no entanto, olhou a menina friamente. "Eu falei para você ficar longe de mim", disse ele, a voz desprovida de emoção. 274


Sua reação com a mulher me surpreendeu, mas Anya suportou o seu desprezo. Ela ficou balbuciando em russo, costas rígidas e rosto estóico, mas as lágrimas tinham juntado em seus olhos com a rejeição gelada de Lucas. A beleza russa se moveu até ele que ergueu a mão para afastá-la. "Eu sinto muito," Anya finalmente gemeu em Inglês, com os olhos assombrados. "Eu disse que nunca mais queria vê-la novamente", Lucas rosnou. Seu olhar era terrível de se ver - nesse instante, ele parecia e soava muito com seu irmão e Anya fraquejou de volta. Esta não era a mulher arrogante e chata que eu conheci antes, o desespero e a dor em seus tons sangraram, mesmo que o significado exato permaneceu um mistério. Troquei um olhar com Jeremiah, que parecia tão perplexo quanto eu. O que está acontecendo? Lucas apontou para Jeremiah. "Ele é quem você deve estar implorando por perdão", disse ele voz sombria, mas Anya continuou falando com ele em russo. Ela continuava usando a cruz ortodoxa eu lembrei pendurada em seu pescoço no baile de gala em Paris, articulando com um Lucas rosto de pedra sem sucesso. "Por que ela está aqui?" Jeremiah finalmente perguntou. Com suas palavras Anya ficou em silêncio de repente e, parecia se retirar em si mesma, olhando para o chão e torcendo as mãos. Lucas deu a loira russa um olhar de desprezo. "Você estava desejando saber antes quem contratou o assassino para 275


matĂĄ-lo?" Lucas apontou o polegar para a beleza encolhendo, dando a seu irmĂŁo um sorriso apertado. "Surpresa".

276


Capítulo 20

No começo eu não entendi o que ele quis dizer. A sala inteira ficou em silêncio por um momento, então Jeremiah estalou os dedos e apontou para Anya. Imediatamente os dois homens que a haviam escoltado para dentro da casa agarraram um braço cada, segurando-a firmemente no lugar. Somente assim significativamente Lucas se afundou e eu engasguei com a revelação. "Anya contratou o assassino." As palavras resumindo meu próprio entendimento confuso da situação, veio de Jeremiah. A incredulidade penetrou em sua voz, quando ele repetiu isso como uma pergunta. "Anya contratou o assassino?" "Nunca atravesse um russo", Lucas respondeu, revirando os olhos e suspirando. "Parece que a verdade do ditado se estende além da minha profissão atual." "Eu fiz isso por você", a loira disse para Lucas, lutando para libertar-se das garras dos guardas. "Eu pensei que era isso que você queria!" "O que eu queria?" Lucas zombou de Anya. "Você fez isso por si mesmo, não tente colocar a culpa em minhas costas." Anya olhou os guarda-costas ao seu redor, mas continuou falando para Lucas. "Você disse que o odiava, que você desejava -" "Eu nunca quis vê-lo morto", Lucas rugiu, e Anya se encolheu. 277


"Você sempre fala sobre ele", ela insistiu. Ela escorregou em russo por um segundo e depois se conteve. "Quando você está bêbado, sempre fala como você deseja voltar para casa..." "E matar o meu irmão vai trazer meu lugar de volta?" Lucas soltou um riso. "Anya, você não é uma mulher estúpida, tudo evidencia ao contrário nesta situação aparte. Olhe para mim!" Ele abriu os braços. "Milhares de pessoas são mortas pelas minhas mãos. O meu dedo talvez não estava no gatilho mas eu forneci as balas, as armas. Estou coberto de sangue- como posso voltar para casa depois do que eu fiz, o que permite que isso aconteça?" O queixo de Anya tremia como o meu próprio coração apertado da dor óbvia do homem. Ela cantarolou baixinho alguma coisa em sua língua nativa e estendeu a mão para Lucas, mas ele afastou sua mão. "Não fique se achando, minha querida." Sua fúria fria cortou o ar, concebido apenas para infligir dor. "Eu nunca te amei. Por que teria alguma afeição por uma ferramenta inteligente?" O sangue drenou do rosto de Anya quando ela ficou boquiaberta com Lucas em descrença. "Você disse..." Ele acenou com a mão no ar, revirando os olhos. "As palavras significam pouco, você deve saber disso. Sua utilidade, bem como a minha paciência acabou. Eu já não preciso do seu drama." Lucas a olhou friamente, em seguida, fez um

278


movimento de enxotar com a mão. "Você pode ir embora agora." Uau. Eu assisti a cena, mas incerta do que pensar. Por mais que eu detestei a mulher, quando a conheci na França, meu coração foi para ela agora...que era bobagem, dado ao fato que ela tinha feito muito para nos machucar. Mas, naquele momento, eu tinha dificuldade em acreditar que a mulher faria uma coisa dessas. Anya se alinhou na posição vertical em cópia perfeita da sua pose anterior, mas a devastação em seus olhos era terrível, a espinha dorsal de aço e atitude que a sustentava foram quebradas por suas palavras. Uma única lágrima fez seu caminho para baixo no rosto de marfim. "Eu te dou tudo", ela sussurrou entrecortada com um forte sotaque. Os dedos que ela segurava a cruz ornamentada em torno de seu pescoço estavam pálidos e trêmulos. "Eu me transformei em tudo que você precisa, fiz coisas que envergonharam a mim e a minha família, tudo por seu amor. Agora você me diz que foi uma mentira?" Lembrei de Ethan me dizendo que Anya era uma garota simples do campo quando Jeremiah a contratou para ajudar nas traduções russas. Olhando para ela agora, eu não vi a arrogante, beleza condescendente da festa, mas uma jovem jogada em um mundo contra o qual ela não tinha defesas. O jeito que ela segurava o colar, um símbolo da religião a que, 279


obviamente ela ainda se agarrava, fez meu coração doer por ela. Isto é para onde eu estou indo? "Nós homens Hamilton corrompemos tudo que tocamos." Lucas olhou com piedade para Anya. Ele me de uma olhada antes de continuar. "Você foi pega na mira e isto foi infeliz." "Isto não é como deveria acontecer", ela sussurrou. "Ele disse que isso era o que você queria, que ..." Ela parou, mas no silêncio morto carregado por suas palavras na sala. "Quem disse?" Lucas e Jeremiah, replicaram ecoando um do outro. Naquele

momento,

várias

coisas

aconteceram

simultaneamente. Todas as luzes se apagaram na grande sala, causando estranhas sombras da luz silenciada e fluindo através da janela. Eu tive tempo para perceber que o vidro que revestia o fundo da sala, que tinha ficado opaco nos últimos dias, já não escondia a sua vista para o oceano atrás da casa, então estourou. Houve um pequeno estalo e Anya tombou para frente no chão, um olhar atordoado no rosto. Então, de repente eu fui agarrada e jogada de lado na cozinha, pressionado atrás da alta ilha de mármore com tampo por um corpo pesado. Algo assobiou atrás da minha cabeça, o canto do ar com a sua proximidade. Eu dei um grito assustado quando um pote de farinha sobre o balcão atrás de mim explodiu. A sala irrompeu em movimento enquanto pessoas se moviam para se proteger. Guardas mergulharam em direção a cozinha 280


ou no saguão da entrada, se acumulando através da passagem estreita. Houve um outro estouro e um jovem guarda tropeçou, caindo imóvel no chão. Ele foi arrastado pela porta por seus companheiros, desaparecendo da minha vista. "O

que

está

acontecendo?"

Eu

perguntei,

o

coração

ameaçando rasgar do meu peito. "Franco atirador". Oh Deus. Eu tremia contra Jeremiah, que me puxou com força contra seu corpo. Eu ouvi um barulho alto no interior da ilha e saltei, mas nenhuma bala saiu do nosso lado. Ao nosso lado um guarda irrompeu de sua posição junto à porta e se dirigiu para nós. Outra estalo soou e ele se virou, caindo sem graça em meia volta dentro do nosso ponto de cobertura. A surpresa e o medo brilharam brevemente em seus olhos antes do seu rosto ficar frouxa, e a realização doentia eu só iria assistir alguém morrer era quase demais para suportar. "Respira", Jeremiah ordenou, e deixei escapar o ar que eu não percebi que tinha mantido preso. Ele empurrou de lado e verificou o pulso no pescoço do guarda, em seguida, pegou o pequeno microfone de orelha. "Ethan, o relatório". "Alguém sabotou o sistema elétrico, incluindo os geradores de luz." Voz de Ethan era baixa e fraca, mas eu estava perto o suficiente de Jeremiah para ouvir. "Nós estamos trabalhando para resolver isso agora. Qual é a situação aí?"

281


"Um atirador de elite nos mantém presos na cozinha," Jeremiah grunhiu. "Nós precisamos daqueles vidros de volta como cobertura para sair." Houve uma pausa, então, “Roger aqui. Randy diz que ETA vai ligar a energia em dois minutos. " Jeremiah amaldiçoou, deixando o microfone em seu colo. "Dois minutos", ele repetiu, e eu assenti. "Poderia ser de qualquer forma para sempre." "Visitar você é sempre um prazer, irmão." A voz de Lucas era leve e a cabeça de Jeremiah virou para olhar, mas o homem da cicatriz não estava nem olhando para nós. Toda a sua atenção estava em Anya, ainda deitada de bruços no meio do chão, apertando sua barriga sangrando e gemendo baixinho. Lucas tinha de alguma forma conseguido derrubar a espessa mesa de café e uma cadeira como cobertura, mas também não lhe proporcionou muita proteção. Anya moveu um braço em direção a ele, soluçando baixinho enquanto a outra mão segurava o ferimento de bala na barriga. "Eu estou chegando, baby." Lucas fez um movimento rápido de entrar e sair com a cabeça, espreitando muito brevemente e, um instante depois uma bala abriu um buraco na parede atrás dele. Ele xingou então se lançou e agarrou um travesseiro nas proximidades. "Isso realmente seria mais fácil sem as algemas, irmão", ele gritou.

282


Jeremiah vasculhou os bolsos e jogou um chaveiro pequeno através da sala pousando atrás da mesa de café. "O que você está fazendo?", Ele perguntou. "Provavelmente

tentando

me

matar",

respondeu

Lucas,

rapidamente revelando seus punhos. Ele fez uma pausa para respirar fundo, e olhou para Jeremiah. "Deseje-me sorte", acrescentou, em seguida jogou o travesseiro de lado para a área aberta ao lado dele. Ele explodiu, fazendo pedaços do recheio voar por toda parte, mas Lucas já estava em movimento,

agarrando

Anya

e

puxando-a

para

seu

esconderijo. Outro estalo através da janela e Lucas assobiou, mas ele estava de volta atrás da sua barreira e conseguiu puxar Anya com ele atrás da longa mesa. Duas balas em rápida sucessão atingiram a mesa de madeira que Lucas se escondeu com forte impacto, mas também não pareceu passar por ela. Cuidando para ficar escondido, Lucas se moveu para inspecionar a ferida no estômago de Anya. A partir do olhar sombrio no rosto, eu poderia dizer que foi ruim. Anya soluçou suavemente, com uma mão flutuando acima da sua barriga, enquanto a outra mão segurava firme o braço de Lucas. Na entrada, os gritos de Geórgia atingiram níveis verdadeiramente líricos. "Mãe, fique quieta!" Jeremiah gritou e imediatamente os gritos pararam. Eu me perguntei se era medo por sua vida ou a de 283


seus filhos que faziam a mulher histérica, mas certamente não era o momento de pensar nisso. "Fique

comigo,

Anya,"

Lucas

murmurou,

removendo

cuidadosamente sua camisa e pressionando-a sobre a ferida. "Eu sinto muito," Anya sussurrou, a mão sangrenta vibrando fracamente através do ar. As lágrimas rastrearam o lado do seu rosto em seu cabelo, e a desolação em seus olhos era de quebrar o coração. "Eu deveria saber, eu nunca quis..." "Shh, não fala. Você vai ficar bem." A mentira era óbvia, mesmo a esta distância eu podia ver a quantidade de sangue jorrando da ferida e aumentando a palidez no rosto da mulher russa. "Eu nunca deveria ter ouvido ele, eu só queria que você fosse feliz..." "Você vai ficar bem," Lucas rangeu, mas a realidade da situação

era

cada

vez

mais

evidente

em

seu

olhar

desesperado. Suas mãos deixaram a camisa encharcada de sangue contra a sua barriga para tocar seu rosto. "Quem lhe disse para fazer isso? Preciso de um nome, Anya, fique aqui comigo." Ela não lhe respondeu enquanto sua respiração ficou ofegante. Seu corpo crescia fraco, a mão livre caindo para o peito. "Eu lhe dei tudo", ela sussurrou, irregulares ofegantes exalações. "Não se esqueça de mim." "Anya", disse Lucas, alisando o cabelo para trás, "fica comigo. Ei, você nunca me levou na pequena cidade de onde você 284


veio. Qual era seu nome?" Anya, no entanto, não parecia ouvir sua pergunta, seu rosto pálido se tornando fraco. "Tudo", ela repetiu, os olhos olhando para o nada. Sua mão escorregou da cruz ortodoxa abaixo de seu pescoço, e ela tomou uma forte respiração. "Eu vendi minha alma..." O rosto de Lucas contorceu. "Anya, fica comigo. Anya ...” Mas ela se foi. A respiração de Lucas saiu em um soluço irregular, então ele bateu no piso de cerâmica com o punho sangrento e soltou uma série de palavrões. Uma bala bateu na madeira atrás dele, mas ele não se abalou. Ele parecia irritado mas as máscaras foram embora e eu vi a profunda derrota em suas marcadas feições. Morto o corpo pálido de Anya parecia tão pequeno e jovem. Eu nunca quis ver a mulher morta, mesmo quando eu tinha visto o seu pior. Sabendo sobre a menina, o que ela tinha sido antes, depois vê-la chorando no chão tinha apagado meus residuais sentimentos ruins pela mulher. Suas últimas palavras foram um soco no estômago, e eu só podia imaginar que foi pior para Lucas. Talvez ele merecesse. O pensamento foi cruel, mas eu não pude evitar, queria saber o que ele pediu para a menina russa fazer em seu benefício, manipulando seus óbvios sentimentos

por

ele

não

importando

se

eles

eram

correspondidos. Será que o amor significa tão pouco para esta família? 285


As luzes da cozinha acenderam quando a eletricidade foi ligada novamente, mas o vidro que reveste a parte de trás da casa permaneceu claro. "Voltem o vidro de segurança" Jeremiah rosnou, segurando-me firmemente contra ele. Um segundo mais tarde, alguém apertou o botão e o vidro embaçado voltou o oceano desaparecendo de vista. O atirador, no entanto, não terminou; balas continuaram a aparecer através do vidro embaçado, principalmente centralizado ao redor de Lucas e na localização de Anya. Aparentemente, o atirador não gostou de ter sido feito de bobo. "Vá", disse Jeremiah suavemente, empurrando os meus pés e impulsionando-me para a porta de entrada a menos de dez metros de distância. Ele me protegeu com seu corpo enquanto corríamos a curta distância para a relativa segurança do saguão principal da casa. Lucas veio também não muito tempo atrás

de

nós,

com

as

mãos

sangrentas

penduradas

rigidamente ao seu lado. Geórgia estava na extremidade do saguão com um guarda segurando-a no lugar. A expressão frenética em seu rosto derreteu quando seus dois filhos vieram através da porta, mas ela empalideceu quando viu o sangue em Lucas. Arrancando o braço do aperto do guarda, ela se moveu para seu filho mais velho, a mandíbula se mexendo em choque impotente, apenas para que ele levantasse a mão para detê-la.

286


"Não é a meu", disse ele. Não havia nenhuma emoção em sua voz. A morte de Anya deve ter queimado isto para fora dele, pelo menos neste momento. A incerteza marcou o rosto da senhora, claramente se debatendo o que fazer. Eu me perguntava o que ela faria, talvez tentar consertar o relacionamento com um abraço, mas sua personalidade venceu. Seu queixo subiu enquanto a máscara de arrogância desceu firme, e me ocorreu que toda a família escondia partes de si mesmo do mundo, como se demonstrar qualquer emoção verdadeira permitisse que outras pessoas usassem isto contra eles. E certamente foi isso o que aconteceu no passado. Ethan entrou pela porta da frente, seguido por outro guarda com um telefone celular no ouvido. "Nós conseguimos o gerador de volta, mas vai demorar um pouco para consertar a bagunça com as redes de força principais", disse ele. "Há três feridos do lado de fora, a emergência médica está a caminho." "Temos baixas aqui também, com pelo menos um morto. Obtenha todos os feridos no andar de cima e coordene para garantir que todos tenham a atenção." Jeremiah colocou uma mão em cada um dos meus ombros, em seguida, empurroume para Ethan. "Cuide dela e do meu irmão, não há tempo a perder." "Senhor?" 287


"Nós precisamos encontrar o atirador agora antes que ele desapareça de novo." Ele olhou para mim. "Fique com Ethan; faça tudo o que ele te disser." Eu tive que me esforçar para soltar seu braço. O desejo de tentar trazê-lo de volta para a segurança da casa era forte, mas de alguma forma eu sabia que não iria impedi-lo. Ele precisava disso, estar de volta nas trincheiras caçando o bandido. Que ele era o alvo final não importava a Jeremiah, eu podia ver isso em seus olhos. Então, ao invés de protestar, eu engoli meus medos e disse: "Prometa-me que vai ficar seguro”. O seu comportamente suavizou com minhas palavras, seja de alivio ou outra coisa. Ele beijou o topo da minha cabeça enquanto os guardas feridos foram trazidos para dentro. “Eu voltarei

para você, eu prometo", ele murmurou, então saiu

porta afora. "Levem-os para cima," Ethan ordenou, e os demais guardas levaram os feridos escada acima. "Ótimo," Lucas murmurou, olhando fixamente para o chão, "Eu tenho o Capitão América como minha babá. Que demais " Ethan se virou na minha frente, seu punho explodiu no rosto de Lucas, o enviando ao chão em segundos. "Eu queria fazer isso há anos", disse Ethan baixinho. Fiquei olhando para o homem da cicatriz com desânimo. "Você realmente precisava fazer isso?", eu perguntei, movendo-me

288


para frente para ver se Lucas estava bem. "Ele não era uma ameaça..." Uma mão contornou minha cabeça, colocando um pano em minha boca. Assustada, lutei abrindo minha boca para gritar, mas apenas consegui respirar um aroma adocicado. Quase imediatamente a sala girou, e eu ouvi Ethan murmurar suavemente, "Eu sinto muito por isso", minhas pernas foram cedendo e logo eu estava caída ao chão. Ouvi muito esta frase esta noite, foi o meu último pensamento antes de perder a consciência

***

Meu sonho foi estranho: eu não poderia dizer, mesmo dentro do contexto da fantasia inconsciente, se eu estava voando ou caindo pelos ares. Nuvens me cercando, o chão longe como eu só tinha visto de dentro de um avião. Algo estava em meus braços, talvez a razão da minha queda, mas eu não estava com medo. O chão foi se aproximando cada vez mais, mas eu me sentia totalmente satisfeita, embora eu não tivesse ideia do por que. A real sensação de alguém vasculhando meus bolsos arrancou-me de meus sonhos. Uma vertigem súbita fez a minha cabeça nadar, estava sonhando ainda talvez, até que percebi que estávamos nos 289


movendo e eu estava deitado de lado. Minhas mãos estavam amarradas a frente de meu corpo, meus pés também estavam presos de forma similar, e eu estava largada no banco de trás de um carro desconhecido. Quando eu tentei sentar, também descobri que estava amarrada pelo cinto de segurança, as tiras grossas puxandome de volta para o couro aquecido. Um

homem

estava

sentado

no

banco

do

motorista,

trabalhando com um telefone na sua mão grossa. Imaginando que ele não sabia que eu estava acordada, examinei o ambiente piscando para afastar a sonolência. Tudo estava coberto de couro preto texturizado, do tipo caro e cheirava a novo, mas o carro em si era desconhecido para mim. O banco traseiro era estreito, com pouco espaço para as pernas - eu estava enrolada para não bater dos lados - então eu imaginei que era algum tipo de carro esportivo. O ronco de um motor acostumado a percorrer altas velocidades confirmou minhas suspeitas, mas não me deu maiores detalhes. Eu me virei para olhar através da janela o céu nublado lá fora. O couro rangeu debaixo de mim atraindo a atenção do motorista, e meu coração falhou por um momento quando vi o rosto tão familiar. “Ethan”? Ele se virou, encarando a estrada. Jogou o celular no banco do passageiro e eu percebi que o celular era meu, o que Jeremiah havia me dado após eu ter quebrado o meu em Paris. 290


“A garota esta acordada?” Meus olhos se arregalaram quando ouvi a outra voz. Eu olhei para o lugar do passageiro a minha frente, mas ninguém mais estava no carro. A voz não tinha vindo de qualquer outra direção, e Ethan não pareceu surpreso embora seu maxilar se contraiu. “O efeito do sedativo terminou antes do esperado” Ethan respondeu. Sua voz era grave, brava, como se ele não quisesse responder. Meu celular explodiu em sons a minha frente, surpreendendo Ethan. “O que é isto?” disse a voz sem corpo, com um aborrecimento notável em seu tom oleoso. “É o telefone da garota” Ethan o pegou olhando para tela. “É Jeremiah”, ele completou sem emoções. Meu coração acelerou com a menção de seu nome. O Peito apertado mordi meus lábios tentando impedir o choro. “Atenda,” a voz ordenou. “Coloque no viva voz.” Ethan atendeu a ligação e então colocou o telefone em seu colo. Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa eu exclamei, “Jeremiah!” “Lucy. Onde você está?” O frio da minha alma se derreteu com o som de sua voz. Ele soava forte e seguro, e eu desesperadamente precisava desta segurança. “Estou no banco traseiro de um carro,” eu respondi, odiando o desespero em minha voz que mostrava minha ânsia 291


de sair deste lugar. “Em um carro esportivo todo de couro preto. Eu não consigo ver nada, a não ser o céu nublado pela janela. Estou com Ethan.” Eu parei, sem ter certeza de como anunciar meu sequestro. Meus olhos encontraram o olhar pétreo de Ethan, em seguida, o grande homem suspirou. "Eu sinto muito por isso, Jeremiah". “Ethan?” ele rosnou . Talvez se eu conseguisse ver seu rosto eu poderia decifrar a emoção que ouvi pendendo naquela única palavra, surpresa, raiva, traição, desapontamento, mas agora havia apenas a palavra e a necessidade de uma resposta por trás dela. “Eles pegaram Celeste”. Um profundo pesar atravessou a voz do grande homem e pude ver sua boca se fechar. Jeremiah vociferou. “Quando”? “Eu não sei, mas eu recebi a ligação enquanto você estava discutindo com sua família. Você sabe que eu faria qualquer coisa para protegê-la.” “Então você armou isto”? Até mesmo pelo telefone, a raiva na voz de Jeremiah explodiu pelo ambiente. “Você deixou três homens morrer por causa...” “Não”, Ethan explodiu, “isto não fui eu. Eu não sabia de nada até receber a ligação e as luzes apagaram antes de sair do telefone. Eu te juro por qualquer honra que ainda tenho que não tenho participação alguma neste ataque”.

292


“Você pede confiança após ter raptado minha” Jeremiah parou, então perguntou. “Onde você está indo”? “Fazer a troca”. “Maldição, Ethan!” “Você faria o mesmo por ela, não tente negar.” Ethan olhou para mim, então deu uma risada fria. “Isto tudo parece com Kosovo”. Houve uma pausa no outro lado da linha, então Jeremiah vociferou novamente, “Maldição, Ethan...” “Quanto isto acabar, não culpe a Celeste. Eu decidi tudo sozinho.” Ethan pegou o telefone. “Estou desligando agora. Adeus Jeremiah”. “Ethan, espere...” Ethan desligou, olhando fixamente o telefone em sua mão. “Jogue o telefone pela janela.” Eu olhei a voz ordinária que vinha do lado da minha cabeça enquanto Ethan fez o que lhe foi mandado, abaixando o vidro do carro e jogando fora o celular. Eu olhei para o lado da minha cabeça e percebi que a voz vinha dos auto falantes de dentro do carro. Parte de mim estava aliviada por não ter outra pessoa dentro do carro, mas eu tinha uma sensação que conheceria o dono desta outra voz em breve. “O que aconteceu em Kosovo?” A voz perguntou, puxando conversa. 293


“Um informante nos traiu,” Ethan respondeu sua voz neutra. “Nós não percebemos até que de fato nosso alvo sequestrou a esposa e família do homem, então ele nos entregou para salvá-los”. “Todos sobreviveram”? “Não”, veio a resposta cortada. “Pena, embora um final apropriado para o crime dele. Traição realmente é o pior dos pecados, você não acha?” Os dedos de Ethan no volante estavam brancos de tanto que ele os apertava com tensão, mas ele não respondeu a obvia provocação. “O que você fará com a garota”? Ethan perguntou, após uma breve pausa. “Matá-la, depois matar seu amigo quando ele vier salvá-la.” Eu

gemi

e

fechei

meus

olhos

com

força,

lágrimas

transbordando por meus cílios. Quando os abri novamente, vi Ethan me encarando pelo retrovisor. “E se eu não levá-la até você?” “Eu matarei sua preciosa esposa. Humm, eventualmente. Ela é uma beleza, se você gosta de ruivas como esta.” As mãos de Ethan torceram sobre o volante. “Seu filho da puta...” Houve uma agitação na outra extremidade da linha, em seguida, uma mulher gritou de dor. Celeste. Ethan desviou o carro com o som, gritando: "Pare!"

294


Os

gritos

pararam,

mas

os

soluços

ao

fundo

eram

angustiantes. “Se você não quiser mais marcas em sua mulher”, A voz declarou, não mais divertida, “você não irá mais me ofender. Está claro?” “Como cristal”, Ethan rosnou, mas seu perfil era de um desespero sombrio. Meu coração estava batendo forte, ameaçando sair de meu peito. Minha respiração estava instável e rápida. “Ethan, por favor”, eu sussurei, minha garganta se contraindo com o pensamento que estava por vir. Eu não quero morrer! “Cale a boca dela”, o assassino disse. Eu me contorci desesperada para me libertar, Ethan agarrou um pano branco no banco de passageiros e veio com seu braço em minha direção. Seus longos braços acharam meu rosto com facilidade, mas eu lutei, segurando minha respiração e me torcendo para onde pudesse contra os cintos de segurança tentando me soltar. Ethan teve paciência de Jó, manchas começaram a dançar ao longo de meus olhos enquanto eu rapidamente esgotava meu estoque de oxigênio. Eu solucei um suspiro, o doce aroma da drogra descendo para meus pulmões, segundos depois eu cai na incosciência. Desta vez, não houve sonhos.

295


Capítulo 21

Não sei por quanto tempo fiquei desacordada desta vez, mas o aumento do balanço e salto do carro me tirou do sono induzido por drogas. Só fiquei totalmente consciente quando paramos, a súbita falta de movimento me acordando bruscamente. Houve o barulho de uma porta se abrindo, e o clique de um banco, então minhas pernas foram agarradas. Involuntariamente eu lutei, mas meus esforços foram fracos e ineficazes enquanto eu era puxada para fora do veículo e jogada sobre um ombro. Um ar frio me atingiu e eu imediatamente comecei a tremer, as roupas finas que eu usava não eram apropriadas para o frio do inverno. “Você pode ficar de pé?” A voz de Ethan ressoou próxima. Meu estomâgo se embrulhou, nausea ameaçando se apoderar de mim, mas consegui falar um fraco “Sim”. O mundo girou novamente, mas Ethan foi gentil, me colocando de pé ao lado do carro. Eu cambaleiei, colocando uma mão no carro esportivo para me segurar e me forcei a olhar ao redor. Gaivotas gritavam acima de nós, gritos lamentosos cortando o ar. O oceano pulsava ritimicamente perto, mas eu não consegeguia ver a margem dele de onde eu estava por causa da neblina que cercava a água. Prédios industriais alinhados por toda rodovia a beira-mar, nos bloqueando. A rua em frente ao mar era estreita e nebulosa, a neblina serpenteava sobre o 296


asfalto irregular, e vi outro carro a poucas centenas de metros apontantando ameaçadoramente para nós. “ Aquele é...?” Percebi algo com o canto dos olhos e me virei para ver uma arma nas mãos de Ethan. Minha respiração se acelerou, mas ele pegou meu olhar e balançou a cabeça de leve, mantendo a arma apontada para o chão e escondida atrás de meu corpo. “Onde está minha esposa?” ele gritou para o assassino que estava obviamente ouvindo tudo do carro. Então a porta do carro abriu, confirmando meus medos. Uma figura magra com o cabelo bem vermelho cambaleou para fora do carro enquanto a porta se fechava atrás dela. “Ethan”? Celeste chamou, sua voz fraca por causa da distância. “Estou aqui Celeste,” ele respondeu, e eu pude ouvir a tensão abandonar o corpo dele enquanto a cabeça de Celeste se movia em nossa direção. Ela cambaleou até nós, e eu pude ver que ela estava vendada e tinha as mãos algemadas atrás do corpo. “Espere que ela o alcance”, o assassino disse, a sua voz gordurosa através dos auto falantes do carro fazendo minhas mãos se fecharem. Eu mordi meus lábios e um barulho veio atrás de mim, sem dúvida era Ethan preparando sua arma. Meu queixo tremia e eu cerrei os dentes, determinada a ser forte. Ah, mas é tão difícil. “Talvez agora seja uma boa hora para dizer que sua esposa está usando uma bomba”? 297


Eu ouvi um rápido suspiro e um aperto de Ethan em meu braço amarrado. O tom satisfeito na voz do assassino se intensificou enquanto ele continuava, “Se você estava considerando algum ato heróico, a primeira vitima deste confronto será sua amada esposa. Então, por favor, largue esta arma que você esta segurando atrás da Srta. Delacourt ou meu dedo pode ficar um pouco...nervoso”. Ethan imediatamente levantou suas mãos no ar, mostrando a arma que ele segurava, então a jogou dentro do carro. “Quase lá querida”, ele disse para a ruiva. Meu coração doeu por ela, que estava tropeçando vendada em direção ao seu marido, capaz apenas de usar o som da voz dele para se movimentar. Ela quase caiu duas vezes, uma situação perigosa já que suas mãos estavam amarradas atrás de suas costas, mas ela conseguiu se segurar nas duas vezes. “Com que rapidez você acha que pode levar sua esposa para fora de alcance?” Uma superioridade velada escorria pelos alto falantes do carro. “Vamos jogar: A bomba em sua esposa é disparada por sinal de rádio ou por celular? Você tem uma chance. E não tente usar o carro para escapar, ele pode também estar programado para explodir”. Uma risada negra veio dos auto falantes. “Quanto longe você precisa ir para garantir a segurança dela se tudo isto azedar, ou se eu decidir ser um verdadeiro filho da puta”?

298


Ethan rosnou, o corpo dele vibrou com o som, mas a voz dele era forte e segura enquanto ele continuava a chamar sua esposa. Os gritos dela em resposta eram cheios de medo e quando ela se aproximou Ethan deu um passo ao meu lado e a pegou em seus braços. Eu vi uma marca vermelha no alto de sua bochecha e o que parecia ser uma queimadura em um ombro, mas apesar disto ela parecia bem. O soluço alto da ruiva rasgou a tensão do ar e o homem careca a esmagou contra seu corpo, beijando o topo de sua cabeça por um longo momento antes de puxar a venda dos seus olhos e pegá-la em seus braços. Eu soube o momento que Celeste me viu, pois ela engasgou. “O que Lucy está fazendo aqui?” Ela exigiu, a voz subitamente forte. Os olhos dela se voltaram para as algemas em meus punhos e ela olhou profundo para seu marido o medo dando lugar a confusão. “Meu dedo está ficando nervoso com este botão,” a voz impaciente do assassino soou através dos alto falantes, e um horror fluiu pelo rosto da ruiva. “Não”, Celeste deixou escapar, “você não pode deixá-la aqui”. Quando Ethan não respondeu e apenas se virou em direção a um beco próximo, os protestos de Celeste se elevaram e ela lutou em seus braços. A pequena mulher não tinha escolha, suas mãos estavam algemadas em suas costas e não havia chances de Ethan soltá-la. Assisti-os desaparecendo à distância, com grandes passos dele os levando rapidamente 299


para longe. Uma dormência se apoderou de mim quando percebi que eu estava bem e verdadeiramente sozinha, e mais que prestes a morrer. Como minha vida chegou a este ponto? Do outro lado, a porta do motorista se abriu e um homem desdobrou-se

para

fora

do

carro.

Ele

estava

vestido

casualmente, com uma fina jaqueta de couro para proteger ar gelado que vinha da água. As suas calças balançavam preguiçosamente na brisa enquanto ele caminhava em minha direção, o barulho de seus passos cada vez mais alto. Ele usava óculos de sol de armação pequena, apesar da pouca luz, que servia bem em seu rosto. Uma parte do meu cérebro percebeu que ele era quase bonito, mas de uma forma suave, o “cara legal” que você realmente nunca nota. Dados os acontecimentos deste dia, eu duvido que algum dia esquecerei o rosto deste homem se eu sobreviver a isto. Eu fiquei paralisada enquanto ele se aproximava, inclinandome contra o carro para apoio. Minhas pernas estavam moles, ameaçando entrar em colapso por causa do medo, mas eu o encarei e tentei imitar o olhar impassível de Jeremiah. Uma façanha, especialmente quando ele parou perto o suficiente para me tocar. Ele me examinou silenciosamente e eu encontrei seu olhar, minha respiração se acelerou, mas eu não estava disposta a recuar. “É raro eu encontrar algum de meus alvos pessoalmente,” ele disse,

finalmente,

arqueando

uma

sobrancelha.

“Claro, 300


também é raro que eles me vejam e vivam para contar. Verdade seja dita, Eu prefiro desta forma, ver o rosto da pessoa em seus momentos finais.” Ele riu, o som desprovido de qualquer alegria. “Claro, você nunca foi um alvo até ter sobrevivido ao meu veneno. Garota esperta.” O sorriso falso de seu rosto não chegou até seus olhos e me fez tremer. Os olhos dele estavam mortos, piscinas negras que não tinham nada por baixo. Eu fiz um esforço para me manter controlada, apertei meus lábios firmemente para que não emitisse som algum. Eu estava determinada a não implorar, a perspectiva de morrer me deixou fraca e eu me segurei no espelho do carro para não cair. “Não que eu não aprecie nosso tempo junto...” ele olhou para o relógio, “mas nós temos menos de dez minutos até a cavalaria chegar. Seis, se eles possuírem algum tipo de rastreamento físico em algum de vocês que eu não saiba. Estas fábricas são um labirinto, difícil de atravessar até mesmo com um mapa.” O assassino alcançou suas costas e puxou uma arma preta, acariciando o tambor com a mão livre sem tirar os olhos de mim. Ele me viu observando e encolheu os ombros. “Foi um duro golpe para meu ego profissional quando vocês dois sobreviveram a minha tentativa de envenenamento. Não será uma tática que eu usarei de novo, mas mesmo assim, eu preciso corrigir meus erros.”

301


Eu

mantive

meus

olhos

no

outro

homem,

tentando

desesperadamente controlar minha respiração. Uma dúzia de possibilidades de fuga passaram por minha cabeça: lutar, fugir, mergulhar na água. Em todos os cenários, no entanto, eu perdia. Perdia feio. A confiança tranquila em seu rosto me disse tudo que eu precisava saber, que suas habilidades em perseguir uma presa era muito maior do que as minhas habilidades em fuga, especialmente neste lugar. Uma grande dormência se alastrou pelo meu corpo enquanto eu o observava preparar a sua arma. Então é isso? Estou terminando como isca para atrair Jeremiah a sua morte? Um tubo estreito apareceu em uma das mãos do homem e ele casualmente o ligou ao final do cano de sua arma, girando-o até encaixar no lugar. Ele inclinou a cabeça para um lado e me estudou. "Você é muito corajosa", comentou ele. "A maioria dos alvos estaria implorando por suas vidas agora mesmo." Eu faria isso se eu achasse que com isso eu conseguiria alguma coisa. O vento levantava da água, ondas quebravam nos suportes de madeira abaixo de nós, balançando o chão debaixo dos meus pés. Meu próprio tremor cessou com a realização dormente de que eu estava prestes a morrer. “Eu prefiro o cara-a-cara como agora", continuou ele, "mas a maioria das pessoas fogem e eu tenho que matá-las pelas costas. Algo chato que, quase tira a dignidade e o prazer." Ele 302


ergueu a arma no nivel do meu rosto. "Não se preocupe, minha querida, você vai ver a seu amado bilionário novamente brev..." Algo passou assoviando por meu ouvido e fez o assassino girar, caindo ao chão. Olhei para baixo em silêncio enquanto ele se debatia a meus pés, grunhindo de dor obviamente e segurando o ombro, então o senso comum me inundou de volta como uma vingança. Girei para começar a fugir, mas não tinha dado um passo ainda quando uma mão agarrou meu tornozelo e eu cai. Eu consegui me segurar,

esfolei meus

joelhos pela primeira vez desde minha infância, mas era imensamente grata por Ethan ter amarrado minhas mãos para frente. Eu guinchei quando meu cabelo foi agarrado e fui puxada para trás para cima do assassino até que eu estivesse totalmente deitada em cima dele. "Aquele filho da puta," murmurou o assassino, e eu não sabia o que ele estava falando, até que um pequeno dispositivo apareceu em sua mão. O dispositivo tinha dois pequenos botões, um azul e um vermelho, e parecia muito com a chave eletrônica

de

um

carro.

Eu

percebi,

horrorizada,

que

provavelmente era o dispositivo para detonar a bomba de Celeste. “Não!" Eu agarrei a mão dele, lutando para pegar o controle. Algo obviamente deu errado - Ethan o tinha traído, ou a cavalaria chegou mais cedo por conta própria, mas isso não importava, eu não podia permitir que ele pressionasse o botão. 303


Tudo o que eu podia ver era a expressão de pânico de Celeste quando ela me viu, ela gritou para que não me deixassem enquanto Ethan a carregava para longe, e eu não poderia nem pensar em deixá-la morrer. Não sem lutar. O assassino não esperava por minha resistência, e eu quase arranco o aparelho da sua mão antes que ele revide. Um de seus braços estava inutilizado, sangue jorrava de um grande ferimento no ombro do homem. Então, entre o braço ferido dele e minhas mãos algemadas, estavamos quase empatados. Eu também percebi rapidamente que ele estava me usando como escudo contra o novo atirador e, que não queria comprometer isso, mas ele ainda deu a volta com uma das pernas em minha cintura e me empurrou para baixo, tentando arrancar o controle do meu alcance. Um momento de triunfo passou por mim quando peguei o pequeno dispositivo de plástico de sua mão, mas antes que eu pudesse jogá-lo na água nas proximidades, uma cotovelada explodiu na lateral do meu rosto. A dor explodiu através da minha cabeça e, atordoada, eu hesitei por muito tempo e sua mão estava novamente sobre a minha, tentando arrancar o controle dos meus dedos. Meus ouvidos estavam zunindo, tentei aguentar isto, mas outra cotovelada, desta vez em meu peito, expulsou todo o ar para fora dos meus pulmões. Atordoada, eu lutei para respirar e vacilei tempo suficiente para ele arrancar o controle da minha mão. A raiva e o triunfo 304


contorceram o rosto dele, e eu observei impotente ele apertar o botão vermelho. Nada aconteceu. Ele piscou, então olhou para os controles. Seu dedo deslizou novamente sobre o botão vermelho, mas o que quer que ele estivesse esperando claramente não se materializou, sua expressão nada disse. "Bem, foda-se", disse ele, ombros cairam em sinal de derrota. Eu joguei minha cabeça para trás, batendo minha cabeça contra o nariz e a boca dele. O impacto me deixou zonza novamente, mas os braços dele se afrouxaram e eu rolei para o lado. Nossos olhos se encontraram enquanto seu braço bom se erguia e apontava a arma em minha direção. Então a parte de trás da cabeça dele explodiu, e ele caiu de volta no asfalto. Com o corpo tremendo, eu lutava para respirar, mas não conseguia desviar meus olhos da cena macabra. Um ataque de nervos ameaçando, soluços teimando em escapar de meus lábios enquanto em me levantava, o peito doendo onde a cotovelada havia sido acertada. As lágrimas, no entanto, não vieram; uma dormência generalizada tomou conta de mim e tudo que eu podia fazer era olhar para o rosto mutilado do assassino, o buraco no seu crânio, e ... a bagunça que era a parte de trás de sua cabeça. Eu acho que vou ficar doente.

305


Eu não sei por quanto tempo eu fiquei ali sentada, olhando para a poça de sangue a minha frente, até que eu ouvi pneus de carro se aproximando da nossa localização. Dormente demais para mudar a minha cabeça eu, no entanto, vi sedans escuros e SUVs chegando e nos rodeando na estreita estrada. As pessoas saíram dos veículos, rodeando a cena e vestidos com os uniformes familiares escuros que eu tinha visto por quase uma semana agora. Nenhuma das pessoas de Jeremiah se aproximou de mim, embora um homem gentilmente pegou o controle remoto que tinha deslizado das mãos do assassino quando ele foi baleado. Por mais que eu quisesse dizer alguma coisa, dizer-lhes o que era aquilo, eu não conseguia tirar meu olhar do rosto do assassino, a expressão do homem espantado congelada em minha mente. Um som estranho no ar se aproximou, e eu finalmente virei minha cabeça para ver um helicóptero aparecer através da névoa sobre a água. Um homem alto estava sobre uma das lateriais, e à medida que se aproximava da terra, ele saltou, aterrissando sem esforço e correu diretamente até mim. O rifle longo pendurado em seus ombros balançava com seu andar galopante e, quando ele chegou perto de mim, ele caiu de joelhos

e imediatamente

me

pegou

em

seus

braços.

Meu corpo tremia de forma incontrolável e feroz, e um soluço explodiu por entre meus lábios quando eu finalmente deixei fluir as emoções que eu havia mantido trancafiadas dentro de 306


mim. Eu me agarrei a Jeremiah quando ele me ergueu gentilmente, mantendo-me pressionada firmemente contra seu corpo, nos levando para dentro de um dos SUVs que estava aguardando. A volta para casa foi tranquila, eu era eternamente grata por isto. Jeremiah me manteve em seu colo, com as mãos acariciando minhas costas e braços em um padrão rítmico, o que ajudou a me acalmar. Não houve ordens em seu toque; talvez apenas um possessivo toque de proteção, mas eu precisava desesperadamente desta forma de segurança. A dormência desapareceu logo, mas eu estava cansada demais para chorar ou gritar. Tudo que eu queria era me encolher em um quarto escuro, a uma distância segura da sociedade, e tentar esquecer as últimas horas. Meu cérebro, porém, me fez reviver cenas horríveis: o guarda morrendo na minha frente na casa, os momentos finais de Anya, os lamentos de Celeste enquanto ela foi carregada para uma segurança que me foi negada, a cabeça do assassino explodindo em uma mancha de sangue. Quando eu encontrei uma gota do que eu achava ser sangue em uma de minhas mangas, enquanto estava na SUV com Jeremiah, eu quase enlouqueci tentando retirar as roupas contaminadas. Apenas a voz profunda de Jeremiah, suas mãos duras habilmente retirando as camadas ofensivas de mim, que me impediram de cair na histeria em que eu tanto queria entrar. 307


Qualquer esperança de solidão, no entanto, foi frustrada quando vi os veículos que cobriam a frente da mansão, formas e

uniformes

desconhecidos

guardando

a

entrada.

Eu

choraminguei quando a porta do carro de Jeremiah abriu, não querendo estar no meio de mais um circo, queria apenas me agarrar em seu pescoço enquanto ele me carregava para fora do veículo. Seus lábios roçaram meu ouvido, sua respiração aquecendo minha pele quando ele perguntou: "Você consegue andar sozinha? " A vontade de responder que não, para ficar em segurança com ele o maior tempo possível, foi uma forte tentação. Eu concordei, no entanto, uma faísca de independência incitandome a tomar o controle de mim mesma. Jeremiah continuou me segurando

por

mais

alguns

segundos,

enquanto

caminhávamos no meio da multidão desconhecida, então ele gentilmente me colocou em pé uma vez que estavamos na entrada da mansão. Eu vacilei por um momento, mantendo as minhas mãos apertadas sobre o braço dele, mas ele não parece se importar. "Quem são essas pessoas?" Eu disse finalmente, limpando a garganta. Minha voz soou grave para os meus próprios ouvidos, provavelmente devido ao meu choro mais cedo. "Eles são funcionários do governo, estão aqui para levar o meu irmão em custódia."

308


Os Lábios de Jeremiah formavam uma linha fina e eu não poderia dizer se ele aprovava isto ou não, mas a idéia de Lucas ir para a cadeia era desanimadora. No lobby, o homem da cicatriz estava olhando para um saco com um corpo dentro que estava ao seu lado, um olhar cansado em seu rosto. O olhar de Lucas seguiu o corpo quando dois homens em uniformes de coronel ergueram e levaram o corpo para fora, então ele olhou para mim. Uma onda de alívio brilhou em seus olhos. "Estou feliz que você está segura, minha cara", disse ele, me dando um pequeno aceno de cabeça. "Já existem muitas baixas neste desastre." "Obrigada por sua ajuda", eu respondi, suspirando. "Eu gostaria que não tivesse que terminar assim para você." “Foi o risco que eu corri em vir aqui”. Lucas deu de ombros, um lado de sua boca se elevou em um sorriso. "Eu aprecio sua preocupação, no entanto. É ... delicado. " Eu fiz uma careta, tentando determinar se a declaração era um elogio ou um insulto, e meu dilema pareceu diverti-lo. "Adeus, dama ideal", ele disse enquanto agentes de terno o puxavam para fora da casa. "Espero encontrá-la novamente em breve." Jeremiah dá um passo para o lado, bloqueando a passagem da porta. "Irmão", ele começou, mas Lucas sacudiu a cabeça. "Não faça isso. Se você está se desculpando ou me condenando, eu não quero ouvir. A verdade está lá fora e 309


agora cada um de nós vivemos com nossas próprias conseqüências. " Os irmãos olharam um para o outro por um momento, dois tipo de perfis contra a luz fraca da rua. Finalmente, Jeremiah saiu do caminho, e Lucas foi levado em silêncio para o veículo que o estava aguardando. Eu observava, desapontada, enquanto o carro com ele e os demais oficiais partia em direção ao portão principal. Jeremiah olhou ao redor. "Onde está a minha mãe?", Ele perguntou

a

um

dos

guardas

que

estava

próximo.

"Os oficiais pegaram o depoimento dela, em seguida, disseram que ela estava livre para partir, senhor." Os lábios do CEO se contraíram muito rapidamente, e ele suspirou. Eu fiz uma careta, eu esperava mais da odiosa mulher, mas eu imaginei que os hábitos de uma vida eram difíceis de mudar. Eu coloquei a mão de maneira reconfortante no braço de Jeremiah, então fiquei tensa quando reconheci outra figura familiar caminhando em nossa direção. Ethan tinha um olhar atento em seu rosto, mas para minha surpresa, ele não estava usando algemas. Celeste não estava com ele, e mesmo eu querendo muito saber se ela estava bem, eu me mantive em silêncio. "Eu estou feliz que você esteja bem", disse o careca para mim. Eu me aproximei de Jeremiah, a suspeita e a desconfiança ecoavam pelo meu cérebro. Apesar de saber porque ele me 310


seqüestrou, da situação impossível em que ele tinha sido colocado, eu não conseguia perdoar suas ações. Vê-lo agora só trouxe de volta lembranças de um pano sobre minha boca, do aroma enjoativo do sedativo infiltrando na minha garganta, e do horror em vê-lo me abandonar para meu terrível destino. "Obrigado", disse Jeremiah do meu lado, seu braço me puxando mais perto dele e me apertando contra seu corpo. Seu corpo permaneceu rígido ao se dirigir ao guarda costa. “Isso poderia ter terminado de uma maneira muito diferente sem a sua ajuda." Ethan assentiu. "Eu consegui encontrar um grande freezer dentro de um dos prédios. Isto manteve qualquer sinal afastado o tempo suficiente para que eu pudesse desarmar a bomba que estava em Celeste." Seu olhar se voltou para mim. "Eu ouvi que tenho que te agradecer pelo tempo extra. " Confusa,

olhei

para

Jeremiah.

Ele

ajudou?

Como?

"Referênica a Kosovo", disse Jeremiah, respondendo a minha pergunta silenciosa. "O nosso informante naquela missão levou-nos para uma armadilha, que nos deixou com vários homens mortos. No entanto, ele colocou novas coordenadas em seu celular para que pudéssemos completar a missão de qualquer maneira". Seu olhar poderoso não se desviou do guarda-costas careca. "Estou feliz que o resultado foi melhor desta vez."

311


Ethan encolheu os ombros, mas seus olhos estremeceram. "Celeste não está feliz com a forma como eu lidei com a situação”. Ele olhou para mim. "Ter deixado você para trás com o assassino poderá custar meu casamento ". Parte de mim queria desesperadamente confortá-lo - eu vi o quanto ele adorava sua esposa - mas eu não consegui pronunciar uma palavra sequer.

Era tudo muito recente,

muitas lembranças ruins e sensações que eu precisava trabalhar antes de poder me sentir confortável perto deste homem. Acho que ele percebeu, pois o arrependimento estava gravado em seu rosto. "Eu gostaria de ter visto outra saída", disse ele, os olhos em mim. Antes que eu pudesse reagir, Jeremiah se adiantou. Seu braço já estava se movendo e seu punho acertando a mandíbula de Ethan com um estalo enjoativo. O careca cambaleou, caindo no chão, Jeremiah o levantou. "Você está demitido". Um protesto ficou engasgado em minha garganta enquanto eu olhava os dois homens. Uma conversa silenciosa se passou entre eles, então Ethan assentiu. "Eu esperava pior”. Jeremiah estedeu a mão e ajudou a Ethan a se erguer. "Você ainda tem o meu respeito, mas não posso confiar em você novamente". Ele se afastou. "Pegue suas coisas no barracão e esteja fora de minha propriedade em meia hora, finalizaremos nossos negócios mais tarde ".

312


Ethan assentiu com sobriedade e então se virou para mim. "Gostaria que você soubesse que eu sinto muito pela forma como agi". "Sua esposa foi sequestrada," eu respondi, surpreendendo-me. "Você fez o que você pensou que tinha que fazer, e conseguiu alertar a cavalaria para me resgatar". Eu me esforcei tentando encontrar as palavras certas para continuar, ainda estava em conflito com os acontecimentos do dia. Eu estava realmente perdoando este homem? "Espero que você e Celeste possam resolver as coisas", terminei sem convicção, incapaz e sem vontade de absolvê-lo ainda. Sua presença ainda me deixava nervosa, e eu me aproximei ainda mais de Jeremiah. Ethan viu o movimento e uma onde de tristeza atravessou seus olhos. "Tome conta dele", ele me disse, a declaração uma surpresa, depois virou-se e caminhou para a porta. Olhei Jeremiah que estava encarando a porta de entrada pela qual seu velho amigo tinha acabado de sair. Ele deve ter sentido o meu olhar, porque ele virou a cabeça para olhar para mim. Meus lábios se separaram, fiquei impressionada mais uma vez com o quanto ele era lindo, ele levantou a mão para acariciar meu rosto. Sua grande mão escorregou e segurou a minha, e ele deu um beijo suave na palma da minha mão que enviou faíscas para todo meu corpo. Sem pensar, eu joguei meus braços ao redor de seu corpo e enterrei minha cabeça

313


em seu peito, matando os soluços que ameaçavam se formar. Estou segura. E eu sabia que, sem sombra de dúvida, eu estava irrevogavelmente, loucamente apaixonada por este homem. A emoção explodiu através de mim, me deixando tonta ao perceber que eu estava de ponta-a-cabeça por este homem turrão, porém amável que eu conheci a pouco tempo atrás. Mesmo o lado lógico do meu cérebro, a parte que mais protestara contra esta sensação tão boba antes, estava acordando silenciososamente. O braço de Jeremiah envolveu meus ombros e ele beijou o topo da minha cabeça, quando outro guarda entrou pela porta. Espiei apenas para ver que o jovem parecia nervoso. "Hum, senhor ..." "Sim,

Andrews?"

Jeremiah

respondeu,

mantendo-me

firmemente aperdata contra seu corpo. Andrews

engoliu,

parecendo

relutante

em

falar.

"Os

funcionários do governo chegaram apenas agora no portão", ele finalmente disse, colocando as mãos atrás das costas e ficando mais reto. A postura militar parecia dar lhe mais confiança.

"Eles

estão

aqui

para

pegar

seu

irmão".

Eu pisquei, confusa, em seguida, olhei para Jeremiah. Seu rosto ficou branco por um momento, e então ele começou a amaldiçoar. Abaixando a cabeça contra o corpo de Jeremiah, eu escondi 314


meu sorriso pela forma que Lucas enganou a todos e fiquei maravilhada com os acontecimentos do dia.

315


Capítulo 22

As amarras em torno dos meus pulsos estavam bem apertadas, o couro frio me segurando. As amarras eram flexíveis, projetadas para não causar qualquer irritação, mas eu já as estava usando por toda noite e parte da manhã. Havia um pequeno desconforto, mas eu estava muito absorta em outras sensações para realmente perceber. A luz entrava através de pequenas brechas nas cortinas pesadas, mas o quarto se mantinha escuro e isolado, o refúgio perfeito para o que nós estavámos fazendo. Os lábios de Jeremiah viajaram pela minha espinha, os dentes passeando por minha pele nua enquanto ele se movia para trás de meu corpo. Seus dedos deslizaram sobre meu quadril, pressionando meus seios contra o colchão. Segurei minha respiração quando seu joelho deslizou entre as minhas pernas, e eu senti seu mebro duro na minha coxa. Uma mão alisou meu cabelo para um lado, enquanto choviam beijos do meu pescoço até minha orelha, dentes puxando delicadamente meu lóbulo. Meu quadril subiu em uma súplica silenciosa, ele beliscou minha orelha, atendendo minha súplica, deslizando facilmente dentro de mim. Eu suspirei, meus olhos fechados vibrando. Já haviamos feito amor de maneira frenética e apaixonada antes, mas agora, horas mais tarde, estavamos relaxados e foi muito mais fácil 316


nos divertir. Jeremiah insistiu para que eu ficasse amarrada à cabeceira, sujeita a todos os seus desejos e, em nenhum momento me ocorreu negar aquela ordem. Sua autoridade e dominação ajudou afugentar as más recordações, eu estava segura, segura em suas mãos, estava focando naquilo que me permitia denfrutar o prazer daquele momento. Ele procurou por algo, seu quadril se movendo veemente para dentro e para fora de mim com pequenas mais fortes estocadas, em seguida, ouvi o clique do pequeno vibrador que eu usava ligando novamente. Soltei uma respiração ofegante seu braço deslizando sob a minha cintura, me colocando de joelhos. Unhas deslizaram ao longo de minhas costas suas investidas cada vez mais fortes, agarrei a cabeceira da cama para apoio adicional. "Tão bonita", ele murmurou, as mãos acariciando minhas costas até meu traseiro. "Tudo em você é um tesão." Mordi o lábio, suas palavras um bálsamo para a minha alma, empurrei minhas costas contra ele pedindo mais. Ele então me penetrou, roubando um suspiro estrangulado de meus lábios. Dedos cravados na pele de um quadril, dando apoio enquanto empurrava repetidamente dentro de mim, nossa transa não mais um assunto de lazer. Eu abracei a cabeceira de madeira, desavergonhada dos gemidos e gritos que eram arrancados de minha

garganta.

O

vibrador

pequeno,

perfeitamente

posicionado de modo a não interferir ao acesso dele, enviava 317


ondas através de meu corpo e com cada impulso me enviava para vários orgasmos, um atrás do outro. Outros brinquedos estavam na mesa ao lado da cama: açoites, penas, vibradores, e vários itens que eu não tinha certeza do que chamar, mas Jeremiah não estava interessado em brincar, os brinquedos não foram usados, exceto as algemas e o vibrador, os quais eram mais do que o suficiente, em minha opinião. Eu estava usada e dolorida, mas tão insaciável quanto o homem dentro de mim. Seus impulsos tornaram-se mais instavéis, um sinal claro de que ele estava perto de gozar. Meu corpo cansado, se preparando para outro orgasmo. Senti sua respiração ao longo do meu pescoço, a barba áspera em seu queixo raspando ao longo de meu ombro. Sua mão serpenteou entre as minhas pernas e empurrou o pequeno vibrador para perto de meu corpo, em frente ao centro latejante de prazer dentro de minhas dobras, e com um gemido estrangulado eu gozei mais uma vez. Cada pedaço de tensão drenada do meu corpo, minha testa caindo em meus braços enquanto meu corpo tremia, a pele formigando a partir do excesso de êxtase que eu tive durante a noite. Jeremiah desabou em cima de mim, seu peso foi bem vindo me pressionando mais para junto do colchão. Eu não me importei, grata pelo seu toque. Finalmente, ele se mexeu e 318


soltou as algemas, libertando meus pulsos. Eu me virei até ficar de costas, olhando assim para seu musculoso tronco. Meus pulsos doíam, mas eu não me importava, eu corri minhas mãos ao longo de seu abdomem e braços definidos. e. Ele me bebeu com seus olhos, o olhar me acariciando como a seda. Por trás de seus olhos, vi o anseio profundo, provas da necessidade escondida. E o amor floresceu em meu coração. Eu puxei seus ombros, puxando-o para baixo, para cima de mim, e ele veio de bom grado, ficando sobre todo o meu corpo para que eu pudesse envolver meus braços em torno dele. Seu calor e corpo rígido fizeram minha alma cantar e eu fechei meus olhos enquanto acariciava suas costas. Ficar livre das algemas, no entanto, fez a minha cabeça livre para pensar, e mesmo que eu não quisesse me deter em certos eventos eles ainda rondaram minha mente. Muita coisa aconteceu nos últimos dois dias, mas o mais preocupante

foi

a

investigação

sobre

Jeremiah.

Os

funcionários do governo que vieram pegar Lucas não gostaram de ouvir que ele tinha escapado, e eles também não ficaram nada felizes em saber do drama adicional do seqüestro que aconteceu no mesmo dia. As acusações de que ele permitiu que seu irmão escapasse foram pequenas em comparação com a tempestade criada pelos corpos mortos. A utilização do helicóptero de Jeremiah sobre áreas públicas, ironicamente, foi 319


o que manteve seus advogados mais ocupados. Nós tínhamos, pelo menos neste momento, sido absolvidos das mortes tanto na propriedade quanto ao longo do canal, mas a violação do espaço aéreo restrito ainda pode ser o suficiente para colocar Jeremiah na prisão. As indústrias Hamilton também sofreram um duro golpe quando Celeste decidiu deixar seu cargo de COO após seu seqüestro. Jeremiah não falou sobre isso e eu não me intrometi, mas eu ouvi o suficiente da sua conversa ao telefone para determinar que ela não gostou de ser mantida no escuro e colocada em perigo, mesmo que indiretamente. O status do relacionamento da ruiva com o seu marido ainda era um mistério, mas eu esperava que ela o perdoassee. Tempo e espaço tinham me dado uma perspectiva: Ethan tinha estado entre a cruz e a espada, e ele escolheu salvar a única coisa que ele amava. Eu odiava pensar no que eu faria em uma situação semelhante. No que eu considerava um toque cômico do destino, eu estava finalmente realizando muitas das funções de uma assistente pessoal para Jeremiah, atendendo telefonemas e mensagens e ajudando com as atividades do dia-a-dia. Surpreendeu-me o quanto eu gostava do trabalho em ritmo acelerado, Jeremiah redirecionou suas chamadas para mim e eu ajudei a agendar seu dia e acompanhar o que cada coisa precisava. Para ser honesta, ele me jogou nas profundezas, afundar ou nadar, mas 320


eu precisava da distração e acho que ele sabia disso. Sempre que eu diminuia o ritmo ou terminava minhas tarefas, nos momentos em que eu tinha um tempo livre para deixar meu cérebro pensar em algo além do trabalho, invariavelmente uma imagem ou uma memória do que me perturbou apareciam em minha mente: a ferida aberta do assassino, o corpo de Anya naquele saco, o cano alongado da arma do assassino. Eu só me permiti uma vez a verrgoha de chorar, mas a cada dia que passa as memórias se tornaram mais fáceis de suportar. O trabalho, pelo menos, permitiu que meu cérebro ficasse desconectado das coisas desagradáveis. Uma mão deslizou sob minha cabeça, levantando-a de sua posição enterrada em seu peito. Jeremiah olhou para mim, os olhos procurando os meus. Ele traçou o contorno do meu rosto, seus dedos irradiando calor enquanto ele seguia o contorno do meu rosto para baixo ao longo da minha mandíbula e pescoço. Sua carícia embalou meus pensamentos e eu fechei os olhos, entregando-me mais a este simples prazer. "Você está pensando demais", ele murmurou, seu peito rosnando com as palavras. "Agora, eu só quero que você sinta”. Eu dei um suspiro e abri os meus olhos, os meus pensamentos me puxando para fora do momento.

321


"Estamos seguros?” Eu perguntei, empurrando meu rosto em sua mão e beijando uma junta. "Você sabe de quem Anya estava falando, quem era a pessoa que a convenceu a contratar o assassino? " Foi uma discussão que já tinhamos tido, e eu sabia que Jeremiah estava bem ciente da ameaça contínua em algum lugar lá fora. As últimas palavras de Anya antes do atirador começar a disparar, tinham mencionando um homem que ela nunca falou o nome, era uma nuvem escura no nosso horizonte. Eu podia sentir isso lançando uma sombra sobre mim, mas mais preocupada por Jeremiah. Ele não parecia estar tão decidido a encontrar a misteriosa figura como ele estava em me manter amarrada à cama. Eu lembrei da minha conversa anterior com Ethan no hospital, onde o ex-guardacostas falou sobre como o CEO consistentemente descartava todos os tipos de perigo. Jeremiah já tinha rejeitado sua mãe como suspeita, apesar da nova informação e do fato de que ela fugiu sem dizer uma palavra. Sua indiferença para com a ameaça potencial me incomodou, e eu não poderia dizer se ele estava fazendo isso por confiança ou se estava fazendo isso para meu benefício - eu esperava que fosse o último. "Nós iremos descobrir”, respondeu ele, beijando minha testa. "Eu vou mantê-la segura, eu prometo." Para um argumento familiar, uma resposta familiar. Sua paciência foi frustrante, especialmente porque eu queria 322


respostas agora. Faz apenas alguns dias, eu me adverti. Você não pode esperar resultados imediatos em um caso sem pistas. Ainda assim, eu odiava ficar às margens, incapaz de ajudar de alguma forma significativa. Eu o empurrei insistentemente em um ombro, e Jeremiah rolou para o lado e deitou de costas, puxando-me junto fazendo com que eu ficasse deitada em cima do seu corpo, abraçando sua cintura. Cansada como eu estava, me ergui, olhando para seu rosto bonito. Ele me observou também, o fogo nele extinto, por agora, o seu rosto tão aberto quanto eu jamais tinha visto. Suas mãos alisaram meus seios, em seguida, para descansar em meus quadris enquanto ele esperava por mim. O meu corpo cantou com a imagem que vi. Uma menina poderia viver para sempre e não se cansar disto. Eu tracei as linhas de seus músculos, então me inclinei para que meus seios ficassem pressionados contra o peito dele. Rocei meus lábios nos dele dando um beijo suave, dei-lhe um meio sorriso e sussurrei, "Eu te amo". "Não." Meu mundo parou. Por um instante pensei que estava caindo, mas nada mudou. Sentei-me em linha reta, a confusão correndo através de mim enquanto eu olhava para a expressão de pedra do homem que estava embaixo de mim. Minha boca trabalhou, tentando pensar em algo para dizer, mas era como se meu cérebro estivesse desligado. As mãos de Jeremiah 323


contornaram minha cintura e, como se eu não pesasse nada, ele me levantou e colocou do seu lado, depois se sentou, balançando os pés fora da cama. Eu pisquei, o significado do que tinha acontecido começando a me acometer, ele se levantou e pegou sua roupa. Eu olhei para a cama, tentando desesperadamente manter minha respiração estável. Estúpida, muito, muito estúpida. Meus punhos enrolaram em torno da fronha enquanto eu segurava minha emoção, tentando ver o estoicismo que eu sempre tinha visto em seu rosto. "Por quê?" Eu perguntei, incapaz de pensar em qualquer outra pergunta. Havia uma pequena falha na minha voz no final da palavra, mas eu forcei meus olhos, agradecida que eu ainda não tinha derramado uma lágrima. Ele me ignorou por vários segundos, rapidamente abotoando a camisa, em seguida, puxando as calças sem olhar para mim. Finalmente, ele se virou para me encarar, seu rosto tão fechado e sem emoção, como eu já tinha visto. A mudança drástica de apenas um minuto atrás era como uma sentença de morte em meu coração. Ele deve ter visto a aflição em meu rosto, porque ele se sentou na cama ao meu lado. "Eu não acho que ... ", ele começou, depois parou um momento pensando. "Eu prefiro manter qualquer menção do amor fora de nossa relação para um futuro previsível. " 324


"Por quê?" Eu repeti, com mais força desta vez. Eu estava lentamente quebrando por dentro e, me manter calma estava cada vez mais difíci, mas eu precisava de uma resposta. Jeremiah me estudou, um exame clínico que era desprovido de qualquer ternura que eu tinha experimentado em suas mãos desde nosso encontro. "Vamos pensar sobre isto logicamente," ele finalmente disse. "Você me conhece há cerca de duas semanas. É tempo suficiente para construir qualquer tipo de ligação emocional?" Ele estava sendo racional, expressando argumentos eu tinha usado quando a palavra amor surgiu na minha cabeça pela primeira vez, e parte de mim ainda concordava com ele. Mas cada palavra que ele pronunciou, fez as rachaduras do meu coração aumentarem, ampliando e multiplicando e indo fundo muito rápido. "Eu não estou pedindo para você dizer o mesmo:" Eu finalmente consegui dizer, mas as palavras rasgaram minha alma. "Talvez não", ele respondeu, "mas ..." Ele segurou meu rosto, e eu vacilei. "Por que estragar o que temos com sentimentos como este? " A dor floresceu, mas eu mantive meu rosto firme. Eu aprendi com o melhor, afinal de contas. Quando cheguei perto dele para tocá-lo ele se levantou, talvez um pouco rápido demais, e se afastou. Agarrando seu telefone, ele acrescentou: "Agora que você foi descartada nas investigações preliminares, você 325


está livre para fazer qualquer coisa. Com a presença da polícia, eu acho que estamos a salvo de qualquer ataque por enquanto. Um dos guardas podem conduzir e acompanhá-la onde quiser, basta ficar em contato nos informando seu paradeiro ". Uma dor surda se espalhou pelo meu corpo enquanto ele atravessava o quarto em direção a porta. Lá, ele fez uma pausa, olhando para a maçaneta bronze da porta. Eu pensei por um momento que ele iria volta e conversar comigo de novo, talvez se explicar ainda mais, mas ele simplesmente virou a maçaneta e saiu. O trinco fechando em sinal do que estava terminando, a dormência tomando meu coração. Vagamente, sai da cama e fui me vestir com roupas ainda espalhadas pelo quarto sentindo todas aquelas emoções. Arrumar no banheiro era quase como uma reflexão tardia, uma manobra para postergar a minha saída para o mundo, mas quando eu finalmente sai do quarto para o resto da casa, só o silêncio me cumprimentou. Desde o dia que eu cheguei na mansão, a casa e propriedade sempre estiveram repletas de pessoas, geralmente guardas ou outros funcionários. Agora que o perigo tinha passado, eles foram movidos para suas funções regulares, a fome súbita de almas da casa ecoou no vazio doloroso dentro de mim. Eu caminhei descendo as escadas, desviando a cozinha completamente. Comida não era algo que eu queria no 326


momento; na verdade muito pouco eu queria naquele momento, então eu fui até a porta e olhei para fora. O ar era frio, quase amargamente. O clima mais ameno que tivemos por um tempo tinha se transformado em inverno. Flocos de neve pontilhados no chão, mas eu não me importei que meu nariz começasse imediatamente a pinicar por conta do vento gelado. Uma limusine preta parou bem em frente às grandes portas, liberando uma nuvem de vapor no ar gelado. Eu não poderia imaginar que era para Jeremiah. Com certeza, ele já teria partido, já tinham se passado vários minutos desde que ele saiu. Ele tinha sugerido antes que eu poderia deixar a propriedade. Ele chamou esta limusine era pra mim? Eu fiquei longe de locais públicos, permanecendo em casa sem nem deixar a propriedade, mesmo após a tentativa de sequestro. Estava consciente de que ainda havia alguém lá fora apontando para nós, que estava disposto a usar os outros para fazer seu trabalho sujo. Naquele momento, no entanto, olhando para a limusine, eu já não me importava - estar baleada no coração não poderia me machucar mais do que isso. Deixei a casa e entrei no carro, abrindo a porta e deslizando para dentro. O interior estava quente, uma diferença marcante do ar exterior, e na parte da frente do carro eu vi a cabeça escura do motorista. "Para onde, Srta. Delacourt?", questionou. "Para longe daqui", eu murmurei distraidamente. 327


Percebendo a distância que o som precisava atravessar, eu me preparei para repetir mais alto minha resposta, mas o carro arracou, em direção aos portoes. Eu não me incomodei de olhar pela janela, em vez disso eu só olhava para as minhas mãos, imersa em pensamentos. E se Jeremiah estivesse certo? E se meus sentimentos fossem mesmo prematuros, se fosse muito cedo para serem considerados genuínos? Era razoável que Jeremiah não quisesse sabotar um relacionamento agindo muito cedo, ainda existiam muitas variáveis desconhecidas na equação. Pelo menos, foi assim que o lado racional de meu cérebro viu esta situação, um homem como Jeremiah deve ter problemas em acelerar as coisas. A limusine parou brevemente no portão, e os guardas rapidamente nos deixaram passar. Olhei para trás, observando os grandes portões de perto novamente, tentando ignorar o aperto em meu peito. E realmente, com apenas uma parte do nosso relacionamento ele teve problema. Uma palavra tão boba. Amor. Eu vi como ele olhava para mim, o jeito que ele me tocava e me segurava. Realmente, Lucy, eu pensei, você realmente precisa de declarações de amor? "Amor" é apenas uma palavra. Certo? Um soluço brotou de dentro, surpreendendo-me com a profundidade repentina da emoção. Minha mão se apressou 328


em cobrir minha boca, determinada em manter em meu interior a tristeza inexplicável, mas eu não podia parar as respirações trémulas ou as lágrimas que de repente apareceram e corriam pelo meu rosto. É apenas uma palavra, eu pensei de novo, mas a dor não parava. Eu sabia o que era o amor, eu tinha crescido em uma casa onde ele fluía livremente. Não deveria eu ter uma idéia melhor do que Jeremiah de como era este sentimento? "Está tudo bem aí atrás, senhora?" "Está tudo meio nebuloso hoje", eu respondi, minha voz grave. Então, por um instante, tudo que eu estava sentindo era demais. "Tive meu coração partido hoje," eu admiti, “mas eu estou tentando superar isto. " "Ah", respondeu o motorista. "Bem, meu irmão sempre foi um idiota." Eu estava vasculhando minha bolsa procurando um lenço de papel quando o significado das palavras deste homem me atingiram. Levantei minha cabeça, a tristeza e o desgosto momentaneamente esquecidos, enquanto eu olhava para a parte de trás da cabeça do motorista através da pequena partição. Um chapéu cobria sua cabeça, e o espelho foi colocado de uma forma que tornava impossível ver seu rosto. "Lucas?" "Em carne e osso." Ele tirou o chapéu, deixando a mostra seu cabelo escuro. Quando ele se virou para me olhar, eu vi que 329


ele usava algum tipo de maquiagem, supostamente para passar pelos guardas. Sua pele estava clara, o nariz parecia maior do que eu lembrava, mas a cicatriz proeminente em sua bochecha revelou sua identidade mais do que qualquer outra coisa. Ele me olhou rapidamente. "Você está horrível." Suas palavras picaram o restante de meu orgulho feminino e eu endireitei-me, olhando para ele através das lágrimas. Concentrar-me no assunto em questão era muito mais fácil do que a montanha-russa emocional. "O que você está fazendo?" Eu perguntei, lutando por bravura. Lucas encolheu um ombro. "Aparentemente, eu estou sequestrando você. Eu pensei que você de todas as pessoas reconheceria este fato. " Eu olhei para ele por um momento espantada, então gemi alto. Afundando no banco, eu inclinei minha cabeça

para trás

contra o couro, de repente muito cansada para lutar. Lucas me observava pelo espelho retrovisor, mas eu não me importava, tudo que eu queria era não pensar, não lembrar da minha última conversa com Jeremiah. "Deixe-me adivinhar: você disse ao meu irmão a temida palavra com A, não é?" Eu não me incomodei em responder à sua pergunta, em vez disto fitei o teto da limusine. Dois seqüestros em uma semana, sou uma garota muito popular. O pensamento não me deu

330


muita diversão, no entanto. Eu só queria ficar sozinha para lamber minhas feridas em paz. Lucas não pareceu nem um pouco intimidado por meu silêncio. "Meu irmão é um idiota", continuou ele. "A qualquer minuto ele vai perceber o que fez e ... " O pequeno telefone do painel tocou de repente, me assustando. Lucas riu. "Provalmente é ele agora. " Olhei para o telefone, destruida. Pensando no rosto bonito e frio que eu tinha visto momentos atrás, fez o meu coração já partido sangrar ainda mais. Por quê? Eu queria gritar. Isso era mais do que um ego ferido. Sinceramente, precisava de uma resposta. Nenhum dos últimos vinte minutos fez qualquer sentido. Lucas estendeu a mão e apertou um botão em seu painel. O toque parou no mesmo instante, e eu dei ao homem de cabelos escuros, um olhar assustado, mas dúbio. "Não se preocupe, ma chérie", ele me provavelmente

descobriu

o

acalmou. "Agora meu irmão motorista

drogado

e

está

mobilizando as tropas, por assim dizer." Sem palavras, vi ele nos levar para outra área de estacionamento parando ao lado de uma limusine branca. Um motorista estava ao lado da porta da frente, um homem de aparência assustadora com grande óculos de sol e tatuagens em todos os nós dos dedos. Lucas saiu do carro e caminhou

331


até a porta de trás, abriu-a e colocando a cabeça dentro do carro me disse. "Você vem?" Minha

boca

trabalhou

silenciosamente,

ainda

tentando

entender o que estava acontecendo. "Por quê?" Eu perguntei por fim. Foi a mesma pergunta que eu tinha feito a Jeremiah e ela segurava dentro de mim as mesmas dúvidas e ansiedades. "Talvez eu precise de sua ajuda com alguma coisa", o homem de cabelos escuros disse, "ou possivelmente é porque eu finalmente descobri a fraqueza de meu irmão". Então, seu olhar se suavizou enquanto eu me pressionei contra o banco. "Ou talvez eu queira ajudá-la. Eu sabia o que iria acontecer no momento em que coloquei os olhos em você". Simpatia fluiu de sua voz. "Meu irmão guarda tudo dentro de si, enquanto você usa o seu coração na manga para que o mundo possa ver. Jeremiah rejeitou você quando você mencionou o amor. Levando em conta que é em nossa mãe e pai que ele provavelmente compara esta palavra, a sua resposta é tão surpreendente?" "Foi isto que aconteceu com Anya?" Eu perguntei, olhando em seus olhos. "Ele entregou ela a você da mesma maneira?" Lucas empalideceu, a pergunta inesperada o abalando. "Não é bem assim", ele conseguiu dizer, lutando para se recompor novamente. "Eles nunca tiveram nada mais do que uma relação comercial, mas acho que Anya queria algo mais profundo. Ele fez minha sedução ser mais fácil ... mas o chega 332


de meu passado. Diga-me: Você já disse não para meu irmão?" Eu corei, olhando para ele, mas a súbita verdade de suas palavras me atingiu como um caminhão. Lucas deve ter visto a minha revelação, porque ele continuou, "Jeremiah está acostumado a ter tudo do jeito que ele quer, e ele manipula os outros de qualquer maneira que puder para atingir seus próprios objetivos. Uma habilidade importante nos negócios, talvez não tão importante em um relacionamento, a emoção da caça é o que faz a aquisição final ser muito mais doce. Quão difícil foi para meu irmão caçar você? " Com suas palavras afundando em meu coração, Lucas fez sinal ao redor do interior da nossa limusine. "Este carro está sendo rastreado. Se ficarmos aqui por muito mais tempo ele vai nos encontrar. Depois que ele estiver aqui, você vai ser dele novamente para fazer o que ele quer. Onde está o desafio nisso? " Engoli em seco, o coração ainda sangrando como uma dor fria impregnada em mim. Lucas ofereceu-me sua mão. O olhar em seu rosto era travesso, mas eu vi piedade e um desejo familiar em seus olhos. "Vamos fazê-lo correr atrás de nós, não vamos?"

Aguardem a continuação... 333


Anything He Wants. Copyright © 2012 by Sara Fawkes. All rights reserved.

Sobre o autor Sara Fawkes sempre amou contos . Aqueles que tem escrito desde que ela era uma menina (e tem a casa feita de livros da pré-escola para provar isso), ela adora criar histórias e personagens e bagunças interessantes para eles entrarem. E para o cara bonito sempre ficar com a garota no final. Uma ávida viajante e motociclista de aventura, seu emprego dos sonhos inclui a venda de tudo e deixar a civilização para ver o mundo em duas rodas, escrevendo em cafés em cada país que visitar, e vivendo de sua escrita. Neste momento, porém, ela vive na Califórnia com seu zoológico de animais de estimação e, quando não está escrevendo, gosta de reconstruir motos antigas / carros e praticar seu violino. Você pode encontrá-la on-line em http://sarawriteserotica.wordpress.com falando o que quer que atinja sua fantasia.

334


O que você quiser