Page 1

R$ 14,90 Edição 01 Dezembro/2010

GESTALT

A psicologia da forma, presente no Mercadão.

BLITZ

Dê olho nas marcas dos comerciantes!

Como o Mercadão conquista você? Veja como alguns elementos da percepção visual, conseguem nos atrair através dos sentidos.


Nesta primeira edição da revista Nhammm! estamos abordandoo tema "Culinária de rua" e escolhemos o Mercado Municipal de São Paulo, vulgo "Mercadão", pois é um lugar onde reúne uma grande diversidade de produtos e alimentos de vários lugares do mundo e que se tornou um dos maiores pontos turíticos da cidade! Aqui vamos abordar como o design se mostra presente e interage com este universo do Mercadão. Esperamos que vocês aproveitem a leitura e nos ajudem dando algumas sugestões através do email:


MatĂŠria Symony de Souza Monteiro Fotos JĂŠssica Caires e Gabriela Casellato


O que mais encanta no Mercadão seria a forma como os produtos são expostos e a grande variedade de produtos com cores e aromas que surpreendem seus visitantes.

Filha de pai italiano e mãe portuguesa, Nancy Geraldi herdou a “Casa de Massas Nancy” e está a frente do negócio a quase 50 anos! Simpática e irreverente, Dona Nancy diz que seus clientes variam desde antigos até garndes restaurantes que apreciam suas massas. Ela se diz inconformada com a última reforma do Mercadão promovida pela prefeita da época, Marta Suplicy. Segundo ela, hoje, onde há um mezanino com algumas lanchonetes, antigamente era o local onde ela estocava seus produtos e com a reforma, ela teve que desapropriar, e que apenas estas lanchonetes é que faturam mais devido o Mercado ser um ponto turístico. Calma Dona Nancy!

Leonardo Chiapetta é dono do Empório Chiapetta um dos boxes mais antigos do Mercado Municipal. Tudo começou com a vinda de seu avô italiano para o Brasil, que constituiu uma família e abriu o empório com muito sacrifício. Sempre simpático e atenciosos, o Sr. Leonardo demonstra muito conhecimento e experiência, contando sobre a história do Mercadão e algumas curiosidades de alguns produtos que vende. Vale a pena ouvi-lo e experimentar o frozen iorgute ou frutas secas, que são muito apreciadas pelos clientes do empório!


Ouvir, cheirar, provar, olhar e tocar. É essa a mistura de sensações que você vai encontrar no Mercadão. Unindo as mais diferentes formas vindas das frutas exóticas e das variedades dos empórios, o Mercadão Municipal de São Paulo é um ótimo lugar para quem busca sensações diferentes. Você pode saborear as diversidades de produtos. A cada quarteirão um aroma diferente nos convida a observar as cores dos produtos e a forma como são organizados pelos comerciantes que sempre são gentis e atenciosos, fazendo com que o cliente se sinta confortável, pelo simples fato de poder sentir a textura do que esta comprando.


Texto Jéssica Caires

Você pode saborear as diversidades de produtos. A cada quarteirão um aroma diferente nos convida a observar as cores e as formas das frutas, verduras e todo o tipo de alimento. Os comerciantes são sempre gentis e atenciosos, covidando ao cliente a experimentar as texturas e os sabores daquilo que se esta comprando. Nossa percepção visual no Mercadão se torna muito ampla, já que a imensa quantidade de estímulos visuais consegue atingir os cinco sentidos que nós, seres humanos, possuúimos Esse inúmeros estímulos, como as cores e as formas, são segregados pelo nosso cérebro e fatores como equilibrio, clareza e harmonia são imprescindíveis para o proceesso de criação da imagem. Estes processos em que a arte se fundamenta da pregnância partem da pscicologia da forma, também conhecida como Gestalt.

Impressões - Jay Vaquer


Texto Jéssica Caires Fotos Gabriela Casselato e Luiz Lula.

Gestalt é uma teoria da psicologia iniciada no final do século XIX na Áustria e Alemanha que possibilitou o estudo da percepção. Segundo essa teoria, o que acontece no cérebro não é idêntico ao que acontece na retina. A hipótese da Gestalt, para explicar a origem dessas forças integradoras, é atribuir ao sistema nervoso central um dinamismo auto-regulador que, procurando uma estabilidade, tende a organizar as formas em grupos coerentes e unificados. Sendo assim o cérebro tem princípios operacionais próprios, com tendências auto-organizacionais dos estímulos recebidos pelos sentidos. Dentro do Mercadão há um bombardeio de cores e formas, porém segundo a teoria da Gestalt, só nos sentimos confortáveis pelo fato do nosso cérebro organizar as informações visuais que chegam nossa retina. Para entender melhor como nosso cérebro organiza estes estímulos mostraremos alguns exemplos das Leis da Gestalt nos processos perceptivos dos consumidores dentro do Mercadão:


Continuidade - a percepção de que existe um maior número de elementos no contexto.

Semelhança - dada através do

Profundidade - construída perceptivelmente pelo volume do objeto em contraste com falta de nitidez do fundo.

Figura/fundo - o objeto em primeiro

Proximidade - a ilusao de que

Proximidade - a ilusão de que

Semelhança - percepção de volume através do gradiente de textura e a irregularidade.

Figura/fundo - caracterizado

Unificação - através da cor e da forma dos objetos.

existe uma identidade visual dos produtos por estarem muito próximos e pelo formato triangular.

plano destaca-se sobre o fundo

gradiente de textura.

existe uma identidade visual dos produtos por estarem muito proximos

pelo objeto em primeiro plano e o contraste de nitidez entre um plano e outro.


1


Texto, fotos e ilustracoes por Jessica Caires Dentro do cotidiano urbano e acelerado em que vivemos, hoje as pessoas estão cada vez mais sem tempo para fazer alguma coisa que lhes deem prazer. O movimento do Slow Food veem justamente para resgatar um desses prazeres: A comida. Com os passar dos anos, São Paulo foi crescendo e as pessoas tiveram que se adaptar a este ritmo e assim todo o tradicionalismo existente em muitas famílias, foi se perdendo. As longas jornadas de trabalhos, trânsito caótico e a pressa das pessoas fizeram com o prazer de apreciar uma refeição saudável em família, fosse trocado por fast foods ou qualquer outra ‘besteirinha’ que fosse rápida o suficiente para as manter de pé. Comer se tornou somente uma necessidade fisiológica que precisava ser resolvida o mais rápido possível para que restasse algum tempo útil na agenda das pessoas que seguem o ritmo urbano. Pensando nisso, o movimento do Slow Food, tenta resgatar estes valores que foram perdidos, unindo as pessoas na mesa para apreciarem uma comida de qualidade. Bom, limpo e justo: é como o movimento acredita que deve ser o alimento. O alimento que comemos deve ter bom sabor; deve ser cultivado de maneira limpa, sem prejudicar nossa saúde, o meio ambiente ou os animais; e os produtores devem receber o que é justo pelo seu trabalho. Melhorar a qualidade da nossa alimentação e arranjar tempo para a saborear, é uma forma simples de tornar o nosso cotidiano mais prazeroso. Esta é a filosofia do Slow Food.

Caracol, simbolo do movimento que preza uma refeição vagarosa afim de aproveitar o prazer de comer bem.

O movimento ‘Slow Food’ valoriza a tradição e mantém o respeito por todas as fases de uma alimentação de qualidade.


s ende sica M s é J ação Ilustr


Esta publicação cultural foi impressa na Alpha Graphics. Capa impressa em papel Couché fosco 170 g/m² e o miolo em Couché fosco 115 g/m².


PRA

quem

tem fome de

CULTURA

Design Gráfico 2010/2 Projeto Interdisciplinar Design e Cultura

Revista Nhammm!  

Projeto acadêmico criado no 4º semestre. O objetivo era criar uma revista com a temática de gastronomia.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you