Page 1

Sumário

ANO 2015 EDIÇÃO 01

1 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

2 ANO 2015 - Edição 01


Editorial Tem coisas que são planejadas e outras que simplesmente acontecem, obra do acaso ou não, conhecer o curioso mundo do design gráfico foi estilo romance-conquista, daqueles que você até acha interessante, mas não dá o braço a torcer, aos poucos vai chamando sua atenção e uma hora você se dá conta que tá ali presente e acaba te fazendo feliz, somando aos seus interesses e o que se gosta, sinto que foi assim essa historia e seu fruto. Conquista é a palavra que define o interesse pelo nosso leitor, cativar através das matérias, das editorias e todo o conteúdo. Iniciando com o Astro Catarina que conta a breve história de uma personalidade local e seu bem para aquela comunidade. Antenada às tendências e novidades, a revista mensal, terá a Querida Santa, uma cidade escolhida especialmente para você leitor conhecer um pouco mais sobre um pedacinho de Santa Catarina, sua a gastronomia, cultura, tradições e o que mais aquele local tem a oferecer. Garimpando é uma coluna antenada sobre os principais eventos, exposições, shows e festas que ocorrem no estado. Para completar, matérias fixas sobre comportamento, moda, arquitetura, entrevista e gastronomia. É assim que se resume a Revista Santa, um grande mix de conteúdo, interesses, entreterimento, belezas e muitas novidades. ANO 2015 - Edição 01

3


Sumário

Edição 01

03 06 07 08 14 z

4 ANO 2015 - Edição 01

Editorial Colaboradores Astro Catarina Comportamento Arquitetura


Sumário

18 Gastronomia 24 28 Moda Engtrevista 34 Garimpando 38 Cantinho do Leitor 39 Querida Santa

5 ANO 2015 - Edição 01


Colaboradores

Lara Lodi Virginiana, por sorte trocou a engenharia por Design, ama costurar, bala de goma, paçoca e café. Se diz feminista, apaixonada por moda, história, antropologia, seriados, livros, Frida Kahlo e MPB. Acredita que movimentos sociais são seus constantes aprendizados.

Jeová Régis 25 anos, natural de Florianópolis, aquariano e cursando a 6ª fase de Design. Adora música e filmes de terror, daqueles que quanto mais trash, melhor. Apaixonado por design e ilustrações.

Marcos Vinícius 23 anos de pura Florianópolis, adaptou-se a ilha ao longo do tempo, desenvolvendo guelras e muito amor por mar e natureza. Um natureba que curte tecnologia, tendências e nerdices, que junta todo conteúdo eclético e transforma-o em algo divertido.

Nathassia Aldana 24 anos, nascida no Amapá mas gaúcha de coração. Faz 5 anos que veio para a Ilha da Magia porque não aguentava mais o marasmo de sua cidade. Hoje se encontra na 8ª fase do curso de Design. Ama música, de quase todos os estilos.

Raquel Binotto Raquel, 24 anos, nascida em Santo Amaro da Imperatriz, infância no meio-oeste catarinense e há 4 anos em Florianópolis. É uma amante de história. Prefere centros urbanos à praia. Gosta de café e cervejas - não juntos porque ainda não provou.

6 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

“QUANDO VOCÊ TEM UM PEQUENO GESTO PARA FAZER O BEM PARA ALGUÉM, ISSO É CONTAGIANTE.”

D

epois de se conhecerem em uma igreja de Palhoça, na Grande Florianópolis, as histórias de João Victor e Tatiana Solonca passaram a ser escritas juntas. A mulher emagreceu 27 quilos e doou parte do fígado para o menino, de 4 anos, que lutava contra o câncer desde os 2. As cirurgias de transplante ocorreram no final de agosto e agora, em setembro, os dois se recuperam bem. Ela, recebeu alta do hospital. Ele, continua internado e deve sair da unidade de saúde nas próximas semanas.

Tatiana se dispôs a verificar a compatibilidade com o menino, após conhecer a história dele por meio da avó da criança. O sonho de Tatiana era ser mãe de vários filhos. Após diversas tentativas e cinco abortos espontâneos, ela teve Pedro, de 4 anos, a mesma idade de João Victor. “Então eu me senti grávida novamente. Filho é um pedacinho da gente batendo do lado de fora e o João vai ser exatamente isso”, refletiu ela antes da cirurgia. Tatiana ganhou não apenas um novo filho, mas um amigo que irá levar para a vida toda.

ANO 2015 - Edição 01

7


Sumário

“Lugares planejados dentro dos atuais conceitos de urbanização oferecem qualidade de vida, harmonizando arquitetura, sustentabilidade e espaços de convivência.” 8 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

C N

IDADES R I AT I VA S

as últimas décadas, a palavra criatividade ganhou destaque no cenário mundial. O conceito, que antes era entendido apenas para as artes, hoje é aplicado em diversos outros setores. Na era da informação e tecnologia, as ideias inovadoras e a capacidade de conseguir viabilizá-las trouxe outra lógica para o modelo econômico atual. A criatividade se desenvolve no ser humano a partir de estímulos e com as cidades não é diferente. Como locais de vivências, trocas de experiências e diversidade, os centros urbanos possuem ricos polos desse tipo de expressão. Assim como a economia, as cidades começam a ser repensadas nesse novo contexto. Desde o final do século XVII, com o início da Revolução Industrial, até as primeiras décadas do século XX, a ascensão das cidades industriais se deu ao mesmo tempo em que ocorria o seu processo de urbanização. Ao longo do tempo, transformaram-se conforme a lógica econômica se desenvolvia. Os habitantes dessas cidades tiveram um papel fundamental no seu desenvolvimento: foram eles quem, de fato, a construíram.

Ana Carla Fonseca Reis, economista e doutora em urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP), escreveu a sua primeira tese no Brasil sobre as Cidades Criativas. Em 2008, ela organizou, com a colaboração do pesquisador norte-americano Peter Kageyama, o primeiro estudo sistemático mundial sobre o mesmo tema. O livro digital chamado “Cidades Criativas – Perspectivas” reuniu a análise de 18 profissionais, de 13 países diferentes, como Taiwan, Noruega, África do Sul e Colômbia. A proposta era trazer olhares sobre lugares dos mais diversos portes, histórias e perfis socioeconômicos. A partir das análises abordadas no material, Ana definiu a cidade criativa em uma única frase: “aquela que se reinventa permanentemente”. Para a pesquisadora, esse conceito possui três pilares importantes. “O primeiro deles é a inovação. Elas são variadas e entendidas como novos produtos, serviços, processos e olhares com valor percebido, resolução de problemas e aproveitamento de oportunidades - de nanotecnologia a tecnologias sociais, do reaproveitamento de resíduos sólidos a tecnologias verdes.

9 ANO 2015 - Edição 01


Comportamento A segunda característica são as conexões - entre o público e o privado, entre as áreas da cidade, entre suas histórias e sua visão de futuro, entre ela e suas cidades vizinhas ou o resto do mundo. E, por fim, a cultura, em três principais dimensões: pela sua identidade simbólica que carrega consigo; seguinda pelo seu próprio impacto econômico, e, por fim, por ajudar a formar um ambiente propício à criatividade e a inovação”, explica a pesquisadora. De um modo abrangente, o conceito vinculado à cidade criativa vem sendo desenvolvido por alguns autores, sob aspectos que vão desde as pequenas propostas urbanas, como por exemplo um mobiliário urbano, até as grandes intervenções, que envolvem reocupação e revitalização de áreas urbanas degradadas. Se considerarmos estas perspectivas podemos dizer que uma cidade que contém algum ou vários desses elementos, é uma cidade criativa. As vantagens trazidas por essa integração são

inúmeras: aumento da produção cultural e artística na cidade; atração e retenção de talentos; promoção da diversidade social; aumento da oferta de empregos; aumento do potencial criativo das empresas; e atração de turistas, espaços naturais preservados, reestruturação de obras abandonadas etc. Dessa forma, contribui significativamente para a economia da cidade e qualidade de vida de seus cidadãos. Por ter foco em produção artística e cultural, a Cidade Criativa está intimamente ligada à economia criativa. Portanto, é extremamente necessário promover projetos relacionados à economia criativa e incentivar o empreendedorismo. Para a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, o significado de Cidades Criativas está diretamente relacionado ao funcionamento econômico e social de uma cidade. E é na cidade onde as pessoas desenvolvem suas atividades econômicas, sociais, culturais e também seu potencial criativo.

10 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

Novo conceito para a urbanização das cidades

Os conceitos de urbanização defendem a proposta de cidades feitas para acolher as pessoas e planejadas para promover a qualidade de vida de seus habi-tantes. Nesse cenário, um bairro ideal para que seus moradores vivam, trabalhem e desenvolvam atividades sociais dentro de sua vizinhança, diminuindo a necessidade de grandes deslocamentos e, consequentemente, do uso de veículos. Esse conceito desafia a repensar as cidades. A teoria mostra-se bastante funcional, mas uma das dúvidas recorrentes é a possibilidade de executá-la em lugares já formados. Para David Sim, Consultor de Criação na Gehl Architects, o conceito defendido por Jan Gehl é aplicável em todas as situações. “Espaços menores, que abrigam um ritmo mais lento de vida, são as referências para todas as cidades. Devemos usar a nossa criatividade para encontrar maneiras de trazer a escala humana a todos os lugares - até mesmo para uma metrópole. Tóquio, uma das cidades mais

populosas do mundo, é um grande exemplo disso. As pessoas desfrutam do prazer social e sensorial em quase toda parte da cidade”, ressalta David. Não é preciso radicalismo para atender aos objetivos pretendidos. David defende a adaptação do que já existe, respeitando a cultura e a condição de cada área. “Temos que começar entendendo os lugares que temos. Nós visitamos cada um para estudar de perto como funciona, quem está lá, quantas pessoas existem, como elas usam o espaço público, o que está funcionando e o que não está. Com base nesses estudos, fazemos recomendações específicas e estratégicas para melhorar o cenário. Não é apenas uma questão de encontrar soluções de engenharia que possam acomodar fisicamente determinados números, é reconhecer e acolher os fatores que nos dão qualidade para viver melhor diariamente”, explica o arquiteto.

ANO 2015 - Edição 01

11


Comportamento

P O R T LAND

uma cidade

sustentável e criativa

12

No início do século passado, o paisagista John Charles Olmsted desenvolveu um projeto para Portland, situada no estado de Oregon, nos EUA. Ele propôs a criação de áreas de convivência para a população com ambientes que associavam áreas verdes e construções. Anos depois, com o desenvolvimento da cidade, uma grande avenida, às margens do rio Willamette, foi substituída por um parque e, desde então, as políticas públicas adequam os interesses urbanos com a preservação do meio ambiente. Com o passar dos anos, os mais de dois milhões de habitantes de Portland desenvolveram soluções que a tornam sustentável. Por meio de seu planejamento urbanístico, a cidade se destaca por soluções no transporte urbano que respeitam o ambiente e pela inovação, desde sua arquitetura até os meios de lazer. Portland se destaca pela sustentabilidade e planejamento dos espaços urbanos, com ênfase para áreas verdes que são conservadas e fazem parte da paisagem da cidade. Grande parte da população utiliza a bicicleta como principal meio de transporte. Além disso, foram criados os projetos de carona solidária, que resultam em ótimos resultados, diminuindo significativamente o número de carros nas ruas. Há ainda um serviço de aluguel e veículos elétricos, com custo acessível e carros disponíveis em vários pontos da cidade. Portland considera, a partir da construção de pavilhões sustentáveis, reduzir as emissões de carbono em 80% até 2050. Já está em execução o desenvolvimento de um bairro composto somente por edifícios com o selo ambiental LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), que deve ser inalgurado nos próximos anos. ANO 2015 - Edição 01

BRASIL PARA TODOS: Referências brasileiras são elogiadas pela equipe de Gehl. “Muitas das ideias mais inovadoras para a vida da cidade sustentável vieram do Brasil. Curitiba é um exemplo para o mundo todo. Os brasileiros são extremamente sociáveis e abertos para esse estilo de se viver, talvez sejam as melhores pessoas do planeta para usar e desfrutar do espaço público”, afirma David. Não por acaso a capital paranaense foi citada por ele como uma cidade que se destaca por seu novo planejamento urbano, que inclui o aumento de ciclovias e conscientização das pessoas para o uso da bicicleta, espaços públicos renovados, mobilidade urbana e um viés de sustentabilidade que é exemplar. Realista, ele sabe que existem barreiras a serem vencidas no país. “Segurança é uma questão muito importante, mas a melhor maneira de garantir um ambiente seguro é ter a abundância da vida pública – com pessoas vivendo em torno de espaços compartilhados, que são muito mais eficazes do que os guardas de segurança, as cercas e câmeras”, sugere David.

PARA AS PESSOAS:

O livro do arquiteto dinamarquês Jan Gehl, que foi responsável pela transformação de Copenhagen, serviu como uma das inspirações para Cidade Pedra Branca. O autor estabelece desafios para o futuro da urbanização e utilização de espaços públicos analisando temas essenciais à qualidade de vida de uma cidade, além das possibilidades de expressão individual e coletiva.

PERSPECTIVAS:

Organizado pela economista e doutora em urbanismo Ana Carla Fonseca Reis, o livro reúne 18 autores de 13 países com diferentes visões sobre a transformação das cidades em lugares melhores para as pessoas. O livro serve como uma fonte com vasto repertório sobre Cidades Criativas, ajudando a entender como funciona esse processo que vem chamando atenção de todos com o passar do tempo.


Comportamento

13 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

O

14 ANO 2015 - Edição 01


Arquitetura

charme de reinventar “A REURBANIZAÇÃO DE PORTO MADERO TRANSFORMOU UM LUGAR DECADENTE E ABANDONADO EM UM DOS BAIRROS MAIS NOBRES DA CAPITAL DA ARGENTINA, PRESERVANDO A SUA ARQUITETURA HISTÓRICA.”

U

ma área ferroportuária desativada transformada na região mais moderna de Buenos Aires. O charme, a personalidade arquitetônica e a boêmia de Porto Madero, bairro da capital Argentina situado às margens do Rio da Prata, traçam uma infraestrutura contemporânea a partir da revitalização de construções antigas, formando um importante centro residencial, gastronômico e de negócios da cidade. Com ruas largas e espaços verdes públicos, a renovação urbanística de Porto Madero foi pensada para recuperar a relação entre as pessoas e o bairro: passear pelos calçadões a pé é uma surpreendente experiência entre o moderno e a história do local.

ANO 2015 - Edição 01

15


Arquitetura

O charme de reinventar A reurbanização de Porto Madero transformou um lugar decadente e abandonado em um dos bairros mais nobres da capital da Argentina, preservando sua arquitetura histórica. Uma área ferroportuária desativada transformada na região mais moderna de Buenos Aires. O charme, a personalidade arquitetônica e a boêmia de Porto Madero, bairro da capital Argentina situado às margens do Rio da Prata, traçam uma infraestrutura contemporânea a partir da revitalização de construções antigas, formando um importante centro residencial, gastronômico e de negócios da cidade. Com ruas largas e espaços verdes públicos, a renovação urbanística de Porto Madero foi pensada para recuperar a relação entre as pessoas e o bairro: passear pelos calçadões a pé é uma surpreendente experiência entre o moderno e a história do local.

Porto histórico

16

O nome do bairro, que fica na região leste da cidade, é uma homenagem ao engenheiro Eduardo Madero, responsável pelo projeto que levou à construção do porto em 1897. No início do século XX, foram construídos os galpões de tijolos vermelhos, que atualmente compõem o cenário do bairro. O cais resolveria problemas logísticos de descarregamento de navios, mas a estrutura logo se tornou obsoleta e não teve êxito por causa das embarcações cada vez maiores e a pouca profundidade do rio. Com a deterioração das instalações, entre 1911 e 1930 o projeto Puerto Novo substituiu o original idealizado por Madero, o que não evitou que o lugar ficasse abandonado por cinquenta anos. Em 1989, a Corporación Antiguo Puerto Madero SA delineou uma proposta com a intenção de recuperar a zona portuária, que incluía moradia, lazer e áreas públicas revitalizadas. O projeto de reurbanização, que contou com a intervenção do designer francês Phillippe Starck, dava novos ares aos velhos galpões, depósitos e moinhos, que deram lugar a bares, restaurantes e empresas modernas. As construções repaginaram o local e transformaram o antigo porto em um dos bairros mais nobres de Buenos Aires. As obras de reurbanização começaram em 1991 e foram concluídas em 1998. ANO 2015 - Edição 01


Arquitetura

Personalidade urbana O bairro é um espaço encantador em meio à atmosfera cosmopolita da capital Argentina. Avenidas amplas, calçadas largas, ruas arborizadas e os antigos guindastes e maquinários utilizados no cais formam o cenário urbano agradável de Porto Madero. O skyline foi redefinido para recuperar e aproximar o rio da vida do bairro. Arranha-céus, em sua maioria residenciais, emolduram a paisagem. Grandes calçadões foram construídos ao longo do dique, oferecendo uma área de convivência para as pessoas e favorecendo a circulação a pé para apreciar a arquitetura inspirada no estilo europeu. Entre a costa do Rio da Prata e Porto Madero está a Reserva Ecológica Costanera Sur, um dos maiores espaços verdes de Buenos Aires. Com 360 hectares de plantas nativas da região – pastagens, lagunas, salgueiros, acácias – a reserva está localizada em terrenos que foram abandonados e que serviriam para a expansão da área central do bairro, antes do projeto de revitalização do porto. Com visitação gratuita – que pode ser feita a pé ou de bicicleta – o espaço tem mirantes, pontos de observação e locais para descanso, além da fauna característica dos pampas. Ao caminhar pela orla, é possível observar algumas atrações que harmonizam com o clima de renovação do bairro. Um dos destaques é a Puente de La Mujer, que atravessa o canal e é considerada um dos cartões-

postais da cidade. A obra, projetada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, tem seu desenho inspirado em um casal dançando tango. Localizada no dique três, a ponte é um dos marcos arquitetônicos de Porto Madero. Ainda na beira do canal, quem passeia por ali pode conhecer um museu flutuante. A Fragata Sarmiento, declarada monumento histórico nacional em 1962, é uma embarcação que já serviu como navio-escola da marinha e atualmente é aberta para visitações diárias. Porto Madero reserva diversos outros encantos reinventados, como o Moinho Portenho, que produziu farinha até 1956 e hoje é um centro de arte; o Pabellón de las Artes, exposição de artes plásticas, e o Museu Fortabat, edifício projetado pelo arquiteto uruguaio Rafael Viñoly e que abriga cerca de 200 obras da arte argentina. As ruas de Porto Madero guardam ainda outra peculiaridade cativante. O bairro presta uma homenagem às mulheres, dando às suas vias nomes de famosas de diversas áreas, como das artes, da política e das ciências. A mais conhecida é a Avenida Alicia Moreau de Justo, que abriga os famosos prédios de tijolos vermelhos e concentra a área gastronômica da cidade. Um dos lugares mais visitados de Buenos Aires, a avenida pode ser cruzada de ponta a ponta a bordo de um moderno bondinho ou a pé, para desfrutar ainda mais da paisagem.

17 ANO 2015 - Edição 01


Querida Santa

TRE ZE TÍLI AS N 18

ão são apenas as colônias alemã e italiana que dominam o Sul do Brasil, um pedacinho da Áustria também tem seu espaço na serra catarinense. Uma cidade pequena, mas rica em detalhes que revelam sua tradição e costumes, assim é Treze Tílias (Dreizehnlinden), a cidade mais austríaca do Brasil que encanta por manter viva a sua cultura, preservando na arquitetura, culinária, escultura, dança e música a história dos antepassados. Fundada em 1933 e localizada no meio-oeste catarinense, a pequena Treze Tílias tem apenas cinco mil habitantes, sua população, cerca de 60% é formada por descendentes de imigrantes austríacos que preservam a cultura dos Alpes, ou seja, as casinhas em estilo alpino, os jardins bem-cuidados, as muitas placas escritas em alemão e até a presença da tília, uma árvore típica do Hemisfério Norte, nos muitos parques da cidade, um cenário tipicamente Europeu. ANO 2015 - Edição 01

“BASTA CHEGAR EM TREZE TÍLIAS PARA VIVENCIAR TODAS AS SUAS BELEZAS, TRADIÇÕES E COSTUMES. CONHEÇA UM PEDACINHO DA ÁUSTRIA NO BRASIL E SINTA-SE EM CASA.”


Sumário

19 ANO 2015 - Edição 01


Querida Santa

O Pequeno Tirol

20

Treze Tílias foi fundada em 13 de outubro de 1933, quando o então Ministro da Agricultura da Áustria, Andreas Thaler, trouxe para a região o primeiro grupo de imigrantes austríacos. Decidido a fazer um programa de colonização para contornar a grave crise econômica que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, encontrou aqui as terras apropriadas e fundou a “Colônia Austríaca Dreizehnlinden”. Vários grupos, na maioria originários do Estado do Tirol, na Áustria, juntaramse a estes pioneiros nos anos seguintes, formando na nova terra, uma próspera comunidade. O nome Dreizehnlinden, traduzido para o português “Treze Tílias”, foi escolhido pelo fundador da cidade, inspirado pelo poema “Die Dreizehnlinden”, de Wilhelm Weber. A Tília é uma árvore originária do hemisfério norte que, no entanto, foi aclamada podendo ser encontrada no município. Treze Tílias é conhecida como “O Tirol Brasileiro” devido aos valores culturais e artísticos que foram trazidos pelos imigrantes austríacos e cultivados por seus descendentes. Com eles veio também a arte da escultura em madeira, formando um polo artístico no Brasil e exterior. O artesanato em Treze Tilias também é bastante expressivo e pode ser encontrado nas casas comerciais. Além de vários pontos de visitação, a cidade dispõe de uma ampla infra-estrutura hoteleira e gastronômica, onde o visitante pode encontrar conforto, bom atendimento, apresentações folclóricas e culturais, presenteando os visitantes com uma experiência única de primeiro padrão. Os imigrantes austríacos mantinham-se unidos para preservar seus costumes e isto foi a marca primordial para a cultura do município. O idioma alemão, língua oficial da Áustria, é ainda utilizado com frequência entre os habitantes do município, além do português. O dialeto alemão do Tirol é preservado, assim como o dialeto alemão do Vorarlberg. A cultura tirolesa é preservada no dialeto, na arquitetura típica alpina da cidade, na culinária típica e nos grupos folclóricos de dança e canto que animam as festas do município. Tradições e costumes são preservados nas famílias e despertam o interesse de visitantes brasileiros e europeus. A arquitetura típica dos Alpes, o idioma, a gastronomia, a música, a cultura e o folclore tradicional, fazem de Treze Tílias uma típica cidade austríaca em território catarinense, onde todos são bem vindos para conhecer suas belezas e costumes. ANO 2015 - Edição 01


Querida Santa

“Treze Tílias faz parte da Rota da Amizade, que inclui sete municípios do oeste que oferecem uma série de eventos incentivando o turismo na região oeste catarinense.”

21 ANO 2015 - Edição 01


Querida Santa

O fundador Andreas Thaler nasce em 10 de setembro de 1883, na cidade de Wildschönau – Tirol, Áustria. Filhode agricultores estudou em uma escola franciscana na cidade de Hall. Tinha o dom político natural de falar e organizar. Em 1919 foi eleito Prefeito da cidade de Wildschönau. Em 1924, após substituir o Ministro da Agricultura atual da época por óbito, foi eleito oficialmente em 1926 para o cargo de Ministro da Agricultura da Áustria. Nos anos trinta, deixando uma Europa em dificuldades, Andreas Thaler decide imigrar para o sul do Brasil e funda a Colônia Dreizehnlinden. Quando o ministro Thaler foi buscar o primeiro grupo de imigrantes no porto do Rio de Janeiro, a terra escolhida por ele para ser o novo lar das famílias tirolesas ainda não tinha nome. Ao receber os conterrâneos com um saudoso “Willkommen”, Thaler disse que a localidade de Treze Tílias os esperava. Tília é uma árvore encontrada na Europa continental. Andreas faleceu em 1939.

A festa tradicional de Treze Tílias

22

Desde o primeiro ano da chegada dos imigrantes austríacos, sua tradição é mantida com grandes confraternizações. A festa conhecida por Tirolerfest, acontece todos os anos no mês de outubro, sempre próxima ao dia 13, aniversário do município. No início, as confraternizações eram de um ou dois dias, mas o evento foi crescendo, sendo atualmente nove dias de festa e assim tornando-se um destino bastante procurado por turistas do Brasil e do exterior. A programação desta festividade inclui: desfiles, apresentações de bandas, corais e grupos de danças folclóricos do município e também de outros locais. Um dos pontos altos da festa é representado pelo “Bierwagem”, do alemão “carro da cerveja”, no qual passeiam homens, mulheres e crianças devidamente trajadas tipicamente, tocando, cantando e distribuindo chope gratuitamente. No decorrer da festa, acontece, também,uma noite cultural denominada “Lustiger Tiroler Abend” (traduzido do alemão, “Uma Alegre Noite Tirolesa”), onde acontecem diversas apresentações folclóricas.

Museu Municipal Andreas Thaler O “Castelinho”, como é conhecido, foi construído em 1936 e inaugurado em 1937, por Andreas Thaler, com a finalidade de ser moradia de sua família, local onde permaneceu até 1969. No início da municipalização de Treze Tílias, uma sala foi utilizada como Prefeitura e sede administrativa. A antiga residência da família Thaler, teve sua construção inspirada na Escola de Agricultura de Rotholz, localizada na cidade de Schwaz. localizada na cidade de Schwaz, no Tirol Austríaco. Sua construção em forma de castelo deve-se ao fato de ser uma obra duradoura e um marco da colonização austríaca. A partir de 13 de outubro de 2002, o Castelinho passou a ser sede do Museu Andreas Thaler, que é aberto ao público até hoje. O museu municipal já foi tombado em âmbito municipal, conforme Lei nº 1.778/2013 e este ano recebeu sistema de monitoramento para ampliar a segurança de seu acervo. Atualmente, o museu municipal recebe um grande número de turistas. Nos últimos três meses, a média de visitações chegou a 530 pessoas, porém na temporada o museu recebe cerca de 700 visitantes por mês. O “Castelinho” é considerado referência na região do Oeste e no Estado de Santa Catarina.

Culturas

Cultura italiana: a comunidade de Linha Pinhal, a 10 km do centro do município, preserva a tradição italiana. Além da arquitetura típica, cantinas oferecem produtos coloniais para degustação e venda. O Grupo de Danças Italianas Volare é o destaque cultural. Cultura alemã: o Grupo de Danças Germânicas Westphalen representa a cultura alemã em Treze Tílias. Descendentes germânicos trouxeram as raízes da Igreja Evangélica Luterana, conhecida como a “Igreja de Cristo para Todos”, que foi fundada em Treze Tílias no ano de 1943. Dança tirolesa: As danças folclóricas austríacas, trazidas pelos imigrantes, são até hoje mantidas com originalidade através dos grupos que se apresentam em todo o Brasil e no exterior. São caracterizadas pelo sapateado e com trajes originais, fazendo dessa tradição uma das marcas de Treze Tílias.

ANO 2015 - Edição 01


Sumário

23 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

24 ANO 2015 - Edição 01


Gastronomia

A sobremesa mais gelada do mundo “No Brasil, a delícia ficou conhecida no século XIX.Como não havia como conservá-la gelado, a sobremesa só podia ser consumida logo após o seu preparo.”

S

orvete, ice cream, gelato, creme glacê... Mudam os nomes, mas a essência é a mesma, fazendo com que a sobremesa gelada seja igualmente apreciada em todo o mundo. E há muito tempo. Existem diferentes versões sobre o surgimento do sorvete, porém uma afirmação é certa: ele é muito mais antigo do que você imagina. A versão mais difundida é que ele tenha surgido na China, há mais de três mil anos, feito de uma mistura de polpa de frutas com neve e servida aos imperadores. Durante o Império Romano, há registros de que a sobremesa, com mistura congelada de sucos de frutas, mel e neve trazida dos Alpes, era servida nas festas do imperador Nero. A história conta que, quando o italiano Marco Polo voltou de sua famosa expedição ao Oriente, já no século XIII, trouxe consigo a receita com o leite adicionado aos ingredientes. Da Itália, o sorvete teria chegado à França no século XVII, com Catarina de Médici, que se casou com o rei francês Henrique II e levou chefs e suas receitas para lhe prepararem a delícia, restrita à nobreza. No início do século XVII, foram adicionados à sua composição os ovos e a nata, e desde então as pessoas passaram a saborear uma sobremesa muito parecida com o sorvete de hoje.

ANO 2015 - Edição 01

25


Sumário

“Quando chegou aos Estados Unidos, trazida pelos colonizadores ingleses, a guloisema encontrou o seu berço comercial.”

26 ANO 2015 - Edição 01


Gastronomia

Mão na massa Ao contrário do que muitos pensam, fabricar o sorvete não é uma tarefa fácil. A receita não se limita a misturar leite, frutas e colocá-la no congelador, embora tenha surgido exatamente dessa maneira. O processo conta com a medida de, no mínimo, 10% de gordura do leite e 6% de ingredientes sólidos lácteos não gordurosos. Essa quantidade de gordura láctea pode variar de 10 a 16%. Quanto mais gordura, melhor é o sabor e mais cremosa é a textura. Outra garantia da qualidade tem relação com a quantidade de ar no produto. Isso tem a ver com a natureza física do sorvete: ele é uma emulsão, ou seja, uma combinação de duas substâncias que em geral não se misturam. Uma substância fica dispersada na outra. As moléculas de gordura são suspensas em uma estrutura de água, açúcar e gelo com bolhas de ar. E é aí que está a grande diferença entre o ice cream e o renomado gelato italiano. No mundo, há um consenso de que os melhores sorvetes são os italianos. Isso acontece porque, enquanto os ice creams comuns possuem em média 50% de ar na composição, os gelatos não possuem mais que 30%. No Imperatriz Gourmet, essa especificação em particular recebeu muita atenção, durante o desenvolvimento da linha Gelato Gourmet. Na pesquisa por fornecedores de matéria-prima e de máquinas, as vencedoras foram as italianas. “O sorvete italiano é mais consistente, possui uma menor incorporação de ar na massa, por isso se torna mais saboroso. E o maquinário para esse tipo de sorvete também é específico, pois precisa produzi-lo na temperatura adequada para o sabor e consistência se mantenham como o esperado, além de permitir essa pequena incorporação de ar (em torno de 25%) enquando os sorvetes atualmente comercializados possuem de 70 a 80% de incorporação de ar”, explica a nutricionista do Imperatriz Gourmet, Janinne Zaleski. Para a escolha dos sabores, também foi feita uma pesquisa. Primeiro, observou-se quais os mais vendidos entre as linhas já comercializadas pelo mercado Imperatriz Gourmet, para que fossem mantidos, e a partir daí selecionaramse os sabores diferenciados, que por definição seriam a característica da linha Gelato Gourmet. O sorvete limeta, por exemplo, é de limão e leva pedaços da casca do fruto, além de uma calda feita especialmente para dar um sabor mais acentuado ao gelato. Os sabores de whisky, chocolate com avelã, cookies e kindere

foram criados pensando no público, pois remetem ao sorvete o gosto de alimentos e bebidas já conhecidos em outros produtos. “Todos eles foram testados e, após uma degustação, verificou-se quais seriam mais atraentes para o público, sempre buscando a variação da linha, entre sorvetes com base de leite, sorvetes com base de água e sorvetes de iogurte, muito em moda atualmente, os frozen iogurt”, explica Zaleski. Para atender às dietas com restrições de calorias, foram formulados sorvetes diets, sem o uso do açúcar. “A ideia de criar a linha surgiu pela demanda por sorvetes mais refinados, diferentes daquilo que se encontra atualmente em supermercados. O conceito do trabalhado foi de trazer para as estantes um sorvete artesanal, mais encorpado, característico de sorveterias, e não costumeiramente vendido em potes, como ocorre com outras marcas”, explica a nutricionista. Com 15 sabores que despertam a curiosidade do paladar, escolha o seu preferido e delicie-se.

ANO 2015 - Edição 01

27


Moda

O inverno é tempo de

MODERN “Para estar elegante nos dias frios, é possível fugir dos tons escuros e da simples sobreposição de blusas e casacos, com looks modernos e ousados.”

28

C

ada estação vem a preocupação: “O que será moda?”. O inverno é o momento do ano para ser mais elegante, mas é também quando surgem interrogações acerca do que usar. Com os tecidos pesados e as temperaturas mais baixas, as composições parecem ficar mais difíceis, mas a Revista Havan mostra que não há segredo. Estar na moda também implica em se conhecer, em encontrar caminhos para harmonizar particularidades como biotipo, conforto e ocasião. As peças mostradas em desfiles ou colocadas como tendência nem sempre vão ficar bem em quem as usa. O melhor a fazer é agregar um toque de tendência ao seu estilo, modificar e estilizar. “Os clientes estão cada vez mais informados e exigentes sobre moda.”

Para atender a expectativa desse público tão exigente, o departamento de compras busca as melhores peças das melhores coleções dos fornecedores”, revela Rosimeri C. Benvenutti, gerente de produto masculino e infantil da Havan. Lãs e tricôs, por exemplo, esquentam e nunca saem de moda. Então, aqui vai uma dica sempre válida: usar peças antigas junto com peças novas é uma boa solução, com mistura de tecidos e estilos para obter um visual único. É o que explica Rozze Angel, consultora de estilo e pesquisadora de tendências da Be Hype: “Em geral, não mudamos todo o guarda-roupa a cada troca de temporada, embora adoraríamos poder fazer isso. Por isso, é preciso incorporar alguns elementos de acordo com a época do ano”.

ANO 2015 - Edição 01


Sumário

IDADE

29 ANO 2015 - Edição 01


Moda

Destaques da estação Para a coleção de inverno 2012, os destaques são a alfaiataria com a forte presença dos casacos, capas e jaquetas, compondo looks com calças montarias e flares. Pela praticidade do dia-a-dia, a malharia também tem um espaço importante e é considerada uma peça-chave no guarda-roupa, principalmente para quem busca conforto. “Os clientes encontrarão produtos que vão desde os básicos casuais em malharia às peças sofisticadas em alfaiataria. Procuramos atender todos os públicos e estilos”, conta Carlos Eduardo Luciani, gerente de confecção feminina da Havan. O diferencial da Havan é oferecer o que há de melhor em diversidade. “Criamos as coleções em conjunto com nossos parceiros fornecedores depois de uma pesquisa de tendências. Só então filtramos o que acreditamos ser mais atrativo para nossos clientes”, explica Élen Pedrini, estilista da equipe da empresa. O inverno 2012 é o tempo da modernidade sem exageros. O preto reina como sempre, mas divide espaço com os tons de marrom (com variações até

o verde musgo), além de detalhes em metal. A carta de cores da Havan investe no color block, com corais, canard, petróleo, pink, violeta, royal e vermelho. “Os tons de pedras preciosas vão trazer o charme do rubi, esmeralda, safira, além de ouro e prata velho, cores que vão enfatizar a sofisticação nessa temporada”, descreve a estilista Élen Pedrini. Os profissionais da moda apostam nas estampas em cores fortes. “Elas com certeza vão criar um contraponto para a monotonia que o inverno pode trazer. Quem sabe usar, pode misturar padronagens diferentes. Mas pode optar por apenas um detalhe estampado”, recomenda a consultora Rozze. Os tecidos e acessórios metalizados ajudam a personalizar as roupas, calçados e acessórios, e a conseguir efeitos que valorizam qualquer produção. “Os metalizados serão a vedete da temporada, sem dúvida. Para quem não quer errar, a dica é apenas pontuar o look com o brilho do metal, seja dourado, prateado ou bronze”, indica.

30 ANO 2015 - Edição 01


Moda

Fi q u e AT E N TO ! Máquina Marrons, dourados, cobres, metalizados, azuis e lilases para os olhos. O azul aparece bastante em cílios e delineadores. Bocas em tons de vermelho e vinho convivem com tons nude. Toques de brilho com efeito vitrificado surgem para dar vida a nuances mais sóbrias, sempre buscando equilíbrio entre boca e olhos. Se um está em destaque, o outro fica suave.

Calçados

Botas são itens obrigatórios no inverno. Neste ano, as coleções trazem todos os estilos (montaria, country, ankle boots) com canos e saltos de todo tipo, mas as ankle boots são destaque. Espadrilles e Anabellas embarcam também no inverno com modelos mais fechados. Os scarpins ganham estilo, com cores e saltos metalizados que garantem muito sucesso. Para os homens, o clássico de sempre, com apelo maior para as botas. O toque de ousadia fica para saltos e detalhes que podem aparecer com efeitos de metal.

Esmalte

Os metalizados também aparecem nos esmaltes, seja em cores ou efeitos. Tons fechados que vão do azul cobalto ao preto noite, e do vermelho cabaré ao vinho tinto, encontram equilíbrio nos tons nude e dividem espaço com verdes militares e toda a gama de marrons. Entre os efeitos, destacam-se os de luz, através de materiais que lembram purpurina ou estilhaços de vidro, em sobreposições desse efeito em toda a unha ou apenas nas pontas (o chamado “ombrê”). ANO 2015 - Edição 01

31


Moda

Moda para todos Optar pelo fast fashion para reabastecer o guarda-roupa tem sido uma solução prática. “Se uma grande magazine souber como colocar seu estilo aliado a uma tendência, com preço mais acessível — uma de suas principais características —, acaba por oferecer, sim, excelentes peças na coleção”, explica Rozze. Ela conclui dizendo que essa é uma ótima alternativa para quem gosta de andar sempre com as novidades da temporada.

“Estamos em constante contato com o que o mundo da moda aponta, sempre de olho nos desfiles de Londres, Paris, Milão e Nova Iorque”, explica a estilista da Havan, Élen Pedrini.“ A preocupação da loja vai além da venda. Somos comprometidos em garantir que nossos clientes possam dispor do melhor por menos”, declara Carlos Eduardo Luciani, gerente de produtos femininos e lingerie da Havan. É a garantia de que a moda está sempre atualizada na loja.

32 ANO 2015 - Edição 01


Moda

ETERNITY: Explora o lado feminino. luxuoso e ousado da mulher, traduzindo através das falsas peles, trench coats, saias midi (com comprimento até a canela) rodadas, blusas golas laço, cores que vão desde o off white, nudes, e tons metalizados para a estação. Dando ao look modernidade e um toque vintage. Abrangendo toda mulheres de diversas faixas etárias.

METRÓPOLIS:

Esse é o resultado da mistura entre androgenia (influência do guarda-roupa masculino) minimalismo e oversize, aqui temos muitos blazers, camisas brancas, calças montarias, calças e jaquetas bikers, leggings de falso couro em tons de prata, bronze e dourado, blusas amplas. Calças Boyfriend renovadas com as pernas mais justas, jaquetas de falso couro, casacos e também capas.

WESTERN:

Já foi usado em outras coleções, mas sempre é muito bem recebido pelo público e tem uma beleza inexplicável e diferente. São marcados pelas estampas florais, xadrezes invernais e cashmeres. Explora os vários tons de marrons, verdes, pitadas de laranja e corais, além do tendencioso caramelo, calças flare e fit, saias longas, golas, coletes, calças e blazers de veludo. Este estilo engloba todos os estilos de mulheres, abrangendo diversos guardas-roupas, agrandando mulheres dos mais diversos estilos.

COLLEGE:

Este tema é um dos mais adorados pelo público teen. Enquadram-se jaquetas tipo universitárias, mini saias de pregas xadrez, blazers, suéteres e cardigans. As cores mais clássicas como marinho, vermelho e verde menta. Esta tendência ganha força total para a próxima estação, ganhando espaço no guarda roupa das jovens brasileiras.

33 ANO 2015 - Edição 01


Entrevista

Bahiana ARRETADA! “IVETE SANGALO, ADMIRADA POR SUAS MÚSICAS E POR SUA ENERGIA E ALEGRIA CONTAGIANTE.”

F

alar que Ivete Sangalo é uma das maiores artistas que o Brasil já produziu não é nenhum exagero. Nascida na Bahia, a cantora conquistou o País e, em 2010, alcançou um posto para poucas brasileiras: um show em Nova Iorque, nos Estados Unidos. Para sua grande legião de fãs, e mesmo para aqueles que não são apaixonados pelo tipo de música que ela faz, a cantora é vista como símbolo de sucesso profissional, saúde e alegria de viver. A cantora deu uma entrevista exclusiva para a nossa revista e contou de onde tira toda essa energia para conseguir aguentar essa maratona de shows, cuidar de sua família e seus filhos, além de dar dicas sobre bem-estar e saúde.

Confira o DVD do Show ao vivo Ivete Sangalo no Madson Square Gargen, em Nova Iorque!

35 ANO 2015 - Edição 01


Entrevista

Você é conhecida nacionalmente pela grande energia e astral em seu shows. Como você mantém essa energia? IVETE SANGALO: Olhe, o segredo não é nada difícil, uma boa risada já enche meu tanque! Procuro ser positiva com as adversidades, tanto no trabalho quando em casa. Você possue uma agenda de shows pelo Brasil inteiro e até no exterior. Como manter o equilíbrio e rotina de exercícios, viajando tanto?

IVETE SANGALO: Quando viajo mantenho uma rotina de exercícios físicos e uma boa alimentação. Não me destraio fácil, vissi. Tenho auxílio de um personal trainer.

Na época de Carnaval, podemos dizer que Ivete se transforma em uma atleta? IVETESANGALO: A rotina do Carnaval de Salvador é de atleta. São oito horas em cima do trio, com sol quente, cantando e dançando sem parar. A preparação começa muito tempo antes, com atividade física e preparação vocal especialmente para esse período do ano.

Vemos que você é uma usuária assidua do Twitter. Você acha que ele interferiu em algo com seus fãns? Como é ter esse relacionamento pela internet com eles?

IVETE SANGALO: É muito importante estar no Twitter perto dos fãs. Lá vejo os rostinhos, brinco, conto coisas sobre mim e também sei muito sobre eles. E quando chego ao show vejo todos eles me prestigiando e mandando toda a energia. É mais importante para eu estar pertinho deles, pode ter certeza.

Você fez um show em Nova Iorque nos Estados Unidos, onde gravou seu 1º DVD internacional. Como foi o show e a experiência para você?

36

IVETE SANGALO: Nos preparamos como manda o figurino. Foi uma noite de muita emoção. Um repertório re¬cheado de canções inéditas e momentos visuais que valeram a pena. Além das participações de grandes nomes da musica mundial. Foi um espetáculo único para minha carreira, estou feliz e realizada. ANO 2015 - Edição 01


Entrevista

Como você lida com o assédio de fãs e paparazzis? IVETE SANGALO: Tanto fãns quanto paparazzis são muito respeituosos comigo, nunca precisei dar uma “rodada” com eles (risadas). Eu sei que ali é trabalho deles, paro, converso e tiro fotos faço uma posinha porque não to morta.

Conte-nos um pouco sobre a como foi a maternidade, as mudanças as mudanças que vieram e como o universo conspirou. IVETE SANGALO: OXI se mudou! Mudança mais que maravilhosa diga-se de passagem. Marcelinho é minha luz sempre, meu parceiro! Eu só ficava meio ressabiada se ele entenderia minha rotina, mas ta tudo amor.

O que é qualidade de vida para você?

IVETE SANGALO: Felicidade, fé, perseverança. Essas três palavras me trouxeram a qualidade de vida que possuo hoje em dia e sou muito grata! Família é a base, me dando atenção, suporte e carinho. Gratidão define o que sinto hoje.

Qual seu conselho para todos que estão nos lendo e buscando a felicidade?

IVETE SANGALO: Uma coisa que mainha sempre me disse é que a felicidade ta nessa hora, nesse minuto, não no dia de amanhã, entende? É que só percebemos quando planejamos uma coisa pro futuro e ela não aconteceu. Essa coisa só acontecerá pelo seu esforço no hoje,no agora. A felicidade é aproveitar instantes pequenos e extrair o que há de melhor, do serviço, da família, de um sorriso, de um prato de arroz e feijão! O que você acha que é necessário para chegar ao ponto que você chegou, de tanto sucesso e admiração?

IVETE SANGALO: Não querendo me gabar, longe de mim, mas lutei muito para conquistar um espacinho no mercado artístico, principalmente voltado pro que eu amo, a musical. Sempre senti uma ligação com ela, e acho que tenho muito o que passar através dela, seja felicidade, energia ou amor. As pessoas me procuram, e eu tento retribuir o que elas querem da melhor maneira possível, levando alegria pra cada uma delas. ANO 2015 - Edição 01

37


Garimpando

Garimpando Eventos

Shows

ATENÇÃO DESIGNERS: A cidade de Florianópolis foi escolhida para sediar o maior evento de design do Brasil a V Bienal Brasileira de Design. Programação inclui exposições, seminários, workshops e palestras. O evento que começou em maio e termina dia 12 de julho, ainda tem muita coisa a oferecer a todo o público. Mais Informações: www.bienalbrasileiradedesign.com.br

FESTIVAL DE DANÇA:

Esta chegando mais uma edição do Festival de Dança de Joinvile. Os eventos que integram a programação do festival são: noite de abertura, cursos e oficinas, noite de fala, seminários de dança, palcos abertos, dança comunidade etc. O objetivo do 33º Festival de Dança de Joinville é promover a dança como expressão artística e contribuir para a difusão cultural e o desenvolvimento regional. Mais Informações: www.ifdj.com.br

FESTIVAL AMANHECER: Inspirados no “No a La Baja” do Uruguai, várias pessoas se organizaram no Rio de Janeiro para a campanha Amanhecer contra a Redução. Em Florianópolis, esta sendo organizado e trabalhado de modo voluntário e coletivo para construir o festival de cultura e arte contra o projeto de redução da maioridade penal.

38

Mais Informações: Facebook: amanhecercontraareducao

ANO 2015 - Edição 01

a l l i m d u L Florianópolis sexta, 10/07 23:00 Onde? Fields

MARIA GADÚ Joinville - sexta, 03/07/2015, às 21h00 Onde? Yelo Stage.

FALAMANSA Florianopolis - sábado, 04/07/2015, às 23h00 Onde? Fields ARMANDINHO Chapecó - sábado, 04/07/2015, às 23h00 Onde? 14 BisWWW

MC GUIMÉ Florianopolis - domingo, 12/07/2015, às 16h00 Onde? P12 - Parador Internacional


Sumário

Este espaço é reservado para você leitor. Seguindo o Instagram da revista poste sua foto usando a hashtag #revistasanta. Você poderá ser selecionado para aparecer nesta página. Siga o Instagram @revistasantasc, compartilhe sua foto e ajude a construir a nossa revista. 39 ANO 2015 - Edição 01


Sumário

40 ANO 2015 - Edição 01

Santa  
Santa  
Advertisement