Issuu on Google+

Dez/2011 Ano I / Venda proibida

Seu melhor parceiro no campo e na cidade

Barbiero Agronegรณcios, 19 anos de mercado Pรกgina 2

Investir para crescer Pรกgina 1 Dez/2011 Ano I

Sementes Barbiero novidade do mercado Pรกgina 4

Uma empresa, um cliente e uma fidelidade incondicional Pรกgina 5

1


Editorial

N

Índice

Crescimento

unca a agricultu-

Investir para crescer

ra foi tão eficiente

Página 1

como está sendo

na atualidade. O Brasil tem pela frente um horizonte ainda mais positi-

Institucional Capa

vo do que os dias atuais

Barbiero Agronegócios 19 anos de mercado

para a produção agrícola. A evolução do agrone-

Página 2

gócio nacional colabora para oferecer trabalho e renda para milhões de

Inovação

brasileiros que estão no campo e outros milhões nas cidades e também

Vicente Roberto Barbiero Diretor Barbiero Agronegócios

para reforçar a fixação

Sementes Barbiero novidade do mercado Página 4

do homem no campo. A geração de riqueza que se vislumbra com essa nova etapa rural brasileira vai possibilitar que finalmente a renda chegue com mais força aos produtores rurais. Um time formado por milhares de corajosos trabalhadores que, aos poucos, vão lançando mão de novas tecnologias para tornar mais eficiente a produção agrícola. Um batalhão de pessoas que

“Com coragem, ousadia e trabalho duro que temos a imensa satisfação de lançar o 1º Informativo Barbiero Agronegócios”

faz inveja pela ousadia, pelo trabalho duro no campo contra todas as

Especial

Uma empresa, um cliente e uma fidelidadade incondicional Página 5

adversidades inerentes de quem trabalha com a terra, responsável

Mercado

cuária.

De Nonoai para o mundo

Com coragem, ousadia e trabalho

Página 6

hoje por 70% da produção agrope-

duro que temos a imensa satisfação de lançar o 1º Informativo Barbiero

Agronegócios, que tenta traduzir um pouco do que é a empresa, seu trabalho no ramo agrícola e pecuário, seus investimentos na região, as novidades, o trabalho realizado em 2011 e informações sobre o mercado do agronegócio, mantendo nosso cliente informado e criando um elo de relacionamento cada dia mais forte, por isso que trimestralmente, você estará recebendo um exemplar do Informativo Barbiero Agronegócios. Se crescemos como empresa, é porque temos parceiros fortes, que acreditam em nosso trabalho e crescem juntos aumentando a sua produtividade e rentabilidade.

Expediente Diretora editorial: Gabriela Mattes Reportagens: Jornalista Sandra Aparecida Zanatta Diagramação e Arte: Jenifer Mendes - Pixel Comunicação Integrada Diretora de Arte: Jenifer Mendes - Pixel Comunicação Integrada

2

Tecnologia

Barbiero Agronegócios X Agricultura de Precisão Página 7

Cereais de duplo propósito, fazem a diferença na produção bovinos de leite e corte. Página 7 Eventos Página 8 Impressão: Grafimax Editora e Gráfica Tiragem: 1.000 exemplares Periodicidade: Trimestral

Dez/2011 Ano I


Dez/2011 Ano I

3


Crescimento

Investir para crescer

É com esta visão que a empresa Barbiero Agronegócios amplia as suas unidades

D

esde 2009 a empresa Barbiero Agronegócios vem investindo pesado na ampliação e modernização das unidades de grãos. Mais de R$ 5 milhões já foram aplicados. Esta atitude demonstra que a empresa acredita cada vez mais no potencial do setor agrícola e nos seus parceiros. Com a construção da nova unidade em Nonoai, foram investidos R$3,5 milhões. A locali-

zação favorece o produtor na entrega dos grãos, diminuindo os custos de frete, favorecendo a região. Em Trindade do Sul a unidade está em fase de conclusão, onde R$ 1,3 milhão foi investido. Os clientes aguardam ansiosos pela conclusão da obra. Na unidade de Rio dos Índios foram investidos R$ 500 mil, as obras foram concluídas em janeiro deste ano. Unidade de recebimento de grãos de Rio dos Índios

Primeira unidade de recebimento de grãos implantada em Nonoai

De acordo com o empresário Vicente Barbiero, diretor executivo do Barbiero Agronegócios, se não houver a preocupação de crescer, direcionando ações e operações estratégicas em qualquer empreendimento, se pode sacramentar a falta de condições para continuar existindo e competindo em qualquer que seja o setor. “Investir na empresa significa oferecer condições para que ela esteja cada vez mais preparada para os novos desafios e aumento da concorrência no segmento, diferenciais no atendimento, inovações tecnológicas de produtos ou serviços, geram boas expectativas tanto para o empreendedor e a equipe de trabalho, quanto para os clientes”, conclui Barbiero. Os investimentos Os investimentos nas unidades foram realizados para obter agi-

lidade e maior volume no processo, nas operações de carga, descarga, secagem e armazenagem de grãos e insumos agrícolas. Foram instalados secadores que possuem capacidade de secagem de 120 toneladas por hora, crescendo exponencialmente, comparado às 30 toneladas por hora, realizadas anteriormente. Os tombadores, equipamentos utilizados na descarga dos veículos e os amostradores pneumáticos, vêem para contribuir na agilidade do processo e na segurança da amostragem, respectivamente. O volume de armazenagem de grãos e insumos foi ampliado, dessa maneira, aumentando o intervalo de tempo entre a entrada e a saída dos produtos, beneficiando os agricultores através da tranqüilidade sob a disponibilidade de entrega dos insumos para as suas lavouras.

Fase de conclusão unidade de grãos Trindade do Sul

Dez/2011 Ano I

1


Institucional

Barbiero Agronegócios, 19 anos no mercado A empresa se consolidou como uma das líderes em seu segmento na região do Alto Uruguai gaúcho

A

história da empresa em Nonoai-RS teve início em 1992, são portanto, 19 anos de mercado, nos quais a empresa procura ser referência regional no agronegócio, com competitividade e preço justo. Inovar sempre e primar pela qualidade de vida de seus clientes e colaboradores, com respeito e dedicação, faz parte da sua missão que se estende no cuidado com o meio ambiente. No decorrer destes anos, pesquisas, grandes investimentos e oportunidades foram criadas, com objetivo de fomentar a clientela e preparar a empresa para a exportação de seus produtos. Ser apontada pela segunda vez na revista Exame Pequenas e Médias Empresas, como uma das empresas que mais cresceram nos últimos anos no país, demonstra que o empenho e empreendedorismo de quem está a sua frente, vai além das relações comerciais e adquire um caráter absoluto de dedicação e valorização pessoal.

2

Oferecer aos clientes produtos e serviços de qualidade, aliados a um atendimento humano e de excelência, fazem do Barbiero Agronegócios o “Seu melhor parceiro no cam-

e Luis Barbiero, começaram as atividades com Casa de Pasto, um hotel de carroceiros, numa simples casa com bodega, como chamavam na época os bares de cachaça,

compraram a parte do irmão e começaram suas atividades comerciais no ramo de secos e molhados. Onze anos de árduo trabalho, até que em 1959, os filhos assumem

po e na cidade” e é por isso que a empresa hoje é sinônimo de sucesso, porque colhe exatamente o que semeia. Como tudo começou Em 1949, os irmãos gaúchos Júlio Ricardo Barbiero

também com vendas de secos e molhados na rodoviária municipal da linha Trindade, hoje município de Trindade do Sul - RS. Por volta de 1956, Julio Ricardo Barbiero e seus filhos

a liderança, surge então, a empresa Irmãos Barbiero e Cia Ltda, no segmento de tecidos e armarinhos em geral, compra e venda de produtos coloniais. Com trabalho sério e dedicação continuada, o Dez/2011 Ano I


Institucional

crescimento foi inevitável. Em 1962 adquirem o primeiro caminhão usado e novas ampliações, venda de tecidos e confecções, inauguração das filiais na linha Alto Recreio Ronda Alta/RS e Engenho Velho – Constantina/RS. Em 1969, um dos irmãos, Gentil Barbiero, se instalou em Porto Alegre, onde inaugurou uma filial na compra e venda de cereais. Neste contexto a empresa implanta outra unidade em Nonoai, sua primeira no município, adquirindo uma loja na rodoviária no segmento de agronegócios e ferragens, com a participação de 10 sócios.

Dez/2011 Nov/2011 Ano Ano II

Outros doze anos se passaram, o grupo acompanhou o processo de crescimento de Nonoai, ampliando seus serviços. Em 1972, separam a sociedade e instalaram um supermercado, Gentil Barbiero encerra as atividades em Porto Alegre e volta para trabalhar com os irmãos. Em 1984, as filiais de Engenho Velho e Ronda Alta são vendidas. A compra da parte de seis dos dez sócios acontece. Os que continuam inauguram novas empresas em outros segmentos: Supermercado Barbiero, Barbiero Materiais de Construção e Barbiero Agronegócios, Co-

mércio de Cereais e Insumos Agrícolas. A partir daí nasce o Grupo Empresarial Barbiero. Em 2006 o grupo inicia a atividade de transporte de cargas, com uma frota de oito caminhões. O Barbiero Agronegócios é uma empresa líder no mercado onde atua, isso comprova a qualidade dos serviços prestados e o comprometimento com seus clientes. Atua na compra e venda de cereais e insumos agrícolas, possui ampla instalação com toda linha de pet shop, medicamentos veterinários e atendimento personalizado. Atua em 14 municípios da região

norte do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, conta com quatro unidades de recebimento de grãos em Nonoai, Rio dos Índios e Trindade do Sul, possui uma equipe técnica composta por cinco engenheiros agrônomos e dez técnicos agrícolas. Trabalha com as melhores marcas, de sementes e insumos do mercado. A história do Grupo Barbiero é também a história do Barbiero Agronegócios, uma empresa que acredita no potencial e prioriza a satisfação de seus clientes.

3


Inovação

Sementes Barbiero, novidade de mercado

D

esde 2009 a empresa Barbiero Agronegócios volta com atenção seu olhar para o segmento pecuário. Ao entender o envolvimento, crescimento e o potencial da região na pecuária de corte e leite, trouxe novas opções de forragens, como o Trigo Duplo Propósito Tarumã e a aveia preta IAPAR 61. Com objetivo de oferecer o que há de melhor para seus clientes, a empresa iniciou o trabalho de produção de sementes fiscalizadas na região, facilitando as

informações e orientações de implantação e garantindo a qualidade da semente. A engenheira agrônoma Janete Taborda, responsável pelo projeto de produção de sementes e implantação dos campos, diz que, “as sementes de trigo DP BRS 277 e a aveia preta Agrozebu, produzidas pela empresa serão comercializadas em 2012. As duas cultivares foram destaques em produção de forragem no trabalho de pesquisa realizado pela engenheira na dis-

Equipe Barbiero

4

Produzir para oferecer o melhor, este é o propósito da empresa que se preocupa com os clientes

sertação de mestrado na Universidade de Passo Fundo (UPF), em 2008, quando foram avaliados 24 genótipos de cereais de inverno de duplo propósito. Na época o trigo BRS 277 era linhagem e se tornou comercial em 2010. De acordo com Janete, neste primeiro ano o volume produzido é pequeno, mas para os próximos anos o objetivo é ampliar a produção e a comercialização para outras regiões, inclusive para outros estados.

Dez/2011 Ano I


Especial

Uma empresa, um cliente e uma fidelidade incondicional É assim que Lindolfo Algayer Flores se declara, um cliente fiel ao Barbiero Agronegócios

C

om 74 anos e uma vitalidade de causar inveja a muitos, Lindolfo Algayer Flores, com auxílio do genro Rogério Piran e do neto Mateus Flores Piran, continua a cuidar da lavoura, com a mesma disposição de quando era mais jovem. Juntos cultivam 100 hectares de terra que proporcionam uma vida confortável a Lindolfo e a família, mas também de muito trabalho e dedicação, tudo com a orientação e assistência da equipe técnica da empresa Barbiero Agronegócios. O ponto forte da propriedade é o cultivo do milho e da soja, além destas cultivares, Lindolfo produz aveia e trigo, em pequena quantidade, segundo o agricultor por causa da localização da área que é baixa, com isso o trigo não se desenvolve direito. Há cinco anos Lindolfo se tornou cliente da empresa Barbiero Agronegócios e se mantém tão fiel, que mesmo com algumas dificuldades e custo mais e levados com o transporte dos grãos até a unidade de Nonoai, acredita que vale a pena esperar e aguarda ansioso que o silo da empresa em Trindade do Sul fique pronto para receber a produção. Esta fidelidade de Lindolfo à empresa se justifica com a satisfação no atendimento e a atenção dispensada a ele pela assistência técnica. “São gente boa, que nos dispensam grande atenção, não importa como estamos vestidos, se bem ou mal, se sujos de terra ou limpos, o atendimento é o mesmo em qualquer situação”, afirma o agricultor.

Dez/2011 Ano I

Para o produtor, a empresa merece nota 10, tanto no atendimento, quanto na assistência técnica e diz mais, “eu cresci junto com a empresa e através dela obtive maior produtividade e por consequência mais lucro”, ressalta. De acordo com Lindolfo, já recebeu por parte da equipe do Barbiero orientação, conselhos e opiniões, que o ajudaram muito nos negócios. É a tudo isto que o produtor atribui

para que futuramente meus netos tenham uma segurança”, expõe. Mateus com 10 anos é o aprendiz do pai e do avô, diz que sonha se formar em agronomia e que gosta muito de ajudar o avô na lavoura. “Amo muito meu avô estou aprendendo com ele e com meu pai, quero ser agricultor como eles”, ressalta o menino. Casado com Loreci Terezinha Silva Flores há 49 anos, pai de

cios é responsável em parte por este sucesso, a equipe se sente responsável pelos clientes, eles me consideram assim como eu os considero e colaboram com quem colabora com eles também”, diz. Este senhor honesto e humilde, com a pele queimada do sol e o seu grande chapéu de palha, demonstra uma calma sem igual, para alguém tão calejado pela vida. Junto com seu neto encon-

a satisfação de ter a empresa como parceira. Chegar até aqui, segundo Lindolfo, não foi fácil. “Sofremos várias quedas. O vendaval de 1983 levou tudo, deixando somente a terra e o acidente que vitimou meu filho Euclides com 24 anos”, conta o agricultor. Com muitos planos para o futuro, Lindolfo quer ampliar o capital. “Quero caprichar ainda mais

três filhos e avô de três netos, Lindolfo sonha comemorar as Bodas de Ouro com uma bonita festa. É à família que ele dedica todas as suas conquistas, todos os seus sonhos. Graças a Deus, ele considera ter alcançado o sucesso com tudo que construiu. “Dedico tudo isto principalmente ao meu filho falecido”, enfatiza. “A empresa Barbiero Agronegó-

tram nos rodeios, no tiro de laço, o lazer e a alegria de viver. Existem pessoas como o seu Lindolfo que nos dão uma grande lição de vida, que nos mostram que a dor não se apaga, mas que as feridas cicatrizam e que todas as dificuldades podem ser superadas. Estes são os clientes do Barbiero Agronegócios capazes de superar a si mesmos.

5


Mercado

De Nonoai para o mundo A empresa Barbiero Agronegócios entra no rool das exportadoras de grãos

A

frente da empresa desde a sua fundação Vicente Barbiero, descobriu no agronegócio a realização pessoal e profissional. Com a implantação do plantio direto percebeu o grande avanço na produtividade brasileira e se dedicou ainda mais. Durante todos estes anos muitos investimentos físicos e tecnológicos foram realizados, muitas decisões foram tomadas. Preparar a empresa para a exportação foi uma delas. Apontada pela segunda vez na revista Exame Pequenas e Médias Empresas, o empenho do empreendedor coloca o Barbiero Agronegócios entre as 250 empresas que mais cresceram nos últimos anos no país. Para conhecer o processo que levou a empresa a exportação acompanhe a entrevista com Vicente. Há quanto tempo a empresa exporta? Vicente: Após um importante período de organização e preparo da empresa para a exportação iniciamos esta nova etapa em 2010. Como começou? Vicente: Em função da sobra de trigo no mercado gaúcho, pela dificuldade de alocar no mercado consumidor do nordeste e devido aos altos custos de frete e tributos. Outro fato que nos impulsionou também foi a quebra na safra da Rússia no ano de 2010. Para quais países exporta? Vicente: Nossa primeira exportação foi para Singapura em 2010 e para o Egito e Emirados Árabes em 2011. Qual é o carro chefe da exportação da empresa? Vicente: É a soja, 70% do que comercializamos é destinado à exportação, porém não é de forma direta, é exportado por

6

meio de tradings, projeto brasileiro que promove a aproximação das micro, pequenas e médias empresas com empresas exportadoras, identificadas e qualificadas no Diretório Tradings do Brasil, desenvolvendo oportunidades de negócios internacionais entre as Tradings Companies, empresas comerciais exportadoras e compradores internacionais, por meio de eventos de promoção comercial internacional. Quais são os pontos positivos e negativos da exportação? Vicente: Entre os pontos positivos está a remuneração, que melhora significativamente. A burocracia na operação é um dos pontos negativos da exportação. Quais as diferenças do mercado brasileiro e do mercado exterior? Vicente: Na verdade não há diferença, o que existe é um número maior de opções para comercialização no mercado externo. Em que regiões do mundo estão as melhores oportunidades para a exportação de grãos? Vicente: As melhores oportunidades estão nos países com maior crescimento populacional e que possuem limitações na produção interna. O governo favorece o comércio exterior para o agronegócio? Vicente: Sim, em função da necessidade que o país tem de equilibrar a balança comercial o governo favorece as exportações. Quais são as estratégias adotas pela empresa para exportar seu produto? Vicente: Através da ampliação das unidades de recebimento

de grãos a empresa conseguiu gerar volumes significativos, o que favorece a participação no mercado exportador. Aliado a isso a qualidade dos produtos exigidos pelo mercado consumidor. Considera o agronegócio hoje a maior fonte de retorno do país? Vicente: Sim, o agronegócio é o principal responsável pelo equilíbrio da balança comercial do nosso país. Que avaliação faz sobre as políticas voltadas para o setor agrícola? Vicente: Existe uma necessidade urgente da implantação de um seguro agrícola que proteja o agricultor, não só os custos, mas sim a sua rentabilidade no exercício. Investimentos em ferrovias e hidrovias e a modernização nos portos brasileiros também são de suma importância. No que saem ganhando as empresas que exportam com relação as que não exportam? Vicente: Os exportadores geram maiores oportunidades aos seus clientes, ou seja, os produtores também saem ganhando. Qual é o processo para habilitar uma empresa à exportação? Vicente: Para uma empresa operar no mercado externo deverá estar devidamente registrada no órgão competente. O Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) da Receita

Federal regula para a prática de atividades relacionadas ao comércio exterior. O procedimento de habilitação pode ocorrer em quatro modalidades, a empresa Comércio de Cereais JRB Ltda optou pela modalidade ordinária obedecendo a Instrução Normativa da SRF nº650/06 e do Ato Declaratório Executivo Coana nº03/06, onde dentro das exigências, a empresa deve possuir todas as certidões negativas perante aos órgãos federais, estadual e municipal, bem como apresentar capacidade financeira de pagamento, e todas as declarações mensais exigidas pelos órgãos, além dos responsáveis pessoas físicas com todas as negativas competentes. Após o credenciamento a empresa deverá manter em dia suas certidões e habilitações. São necessárias muitas viagens para o exterior para formalizar as negociações? Vicente: No nosso caso não há necessidade, pois os negócios são realizados via tradings ou corretores. Está satisfeito com os resultados? Vicente: Estamos satisfeitos até o momento, mas a intenção é de crescer cada vez mais. Qual será o próximo passo da empresa com relação a exportação? Vicente: Nosso planejamento para o futuro é a ampliação da nossa área de atuação através da abertura de novas filiais.

Dez/2011 Ano I


Tecnologia

Barbiero Agronegócios X Agricultura de Precisão

A

empresa Barbiero agronegócios adquiriu em 2011, um caminhão espalhador de calcário, fertilizantes e sementes com taxa fixa. A partir de 2012, o caminhão estará equipado com sistema de taxa variável para a distribuição de fertilizantes. Com o desenvolvimento da Agricultura de Precisão essa tecnologia se tornou imprescindível, não apenas na correção e adubação, mas também no plantio e pulverização. Parte do princípio que cada pequena parte da lavoura receberá a

quantidade de produto/insumo que necessita e não mais na quantidade média de uma grande área como ocorre na agricultura convencional. A operação de correção de solo a taxa variável é realizada uma vez a cada 2 ou 3 anos ou pontualmente sempre que necessário. Ela implica em um significativo aporte de recursos até que todos os indicadores de fertilidade do solo estejam equilibrados. Já a adubação de manutenção ou reposição dos nutrientes extraídos da cultura anterior, é realizada de acordo com as características da próxima cultura a ser implantada. A agricultura de precisão vem sendo objeto de muitas pesquisas para o desenvol-

vimento de tecnologias que permitam aumentar a qualidade, precisão e simplicidade dos equipamentos e computadores de taxa variável. O conjunto é composto por GPS para localização, computador e software para “ler” a recomendação e gravar os dados da operação, sensores de monitoramento e motor eletro-hidráulico para o processo mecânico de variar a regulagem da máquina em tempo real. O processo inicia a partir de um mapa de recomendação de correção/adubação que é gerado a partir dos mapas de produtividade e fertilidade do solo. A empresa Barbiero não presta esse serviço, mas possui parceiros especializados em amostra-

gem de solo georreferenciada e confecção de mapas de fertilidade e recomendação. Inúmeras pesquisas já demonstraram que a correção a taxa variável produz vantagens econômicas já no curto prazo. Em média é possível obter uma redução de 2030% no custo de insumos como calcário, fósforo e potássio. A médio e longo prazo, a otimização dos insumos propiciada pela taxa variável resulta em homogeneidade da lavoura e aumento de produtividade. Cada vez mais a empresa Barbiero inova em tecnologias para aumentar a produtividade da região. Consulte nossos técnicos sobre esse serviço.

Cereais de duplo propósito, fazem a diferença na produção bovinos de leite e corte. Na Região Sul, especialmente

2002, seguindo-se BRS Umbu,

10 ciclos de pastejo para gado

ciclo maior de pastejo, como a

a região Norte do estado, além

BRS Guatambu e BRS Taru-

de leite. Com bovinos de corte

Iapar 61- e Agrozebu, oportu-

das pastagens anuais tradicio-

mã.

Em 2011/12 a cultivar

o gado pode permanecer, em

nizando maior rendimento de

nais de azevém, sendo a maior

BRS 277, está sendo lançada

anos frios como 2010, por até

forragem. Dentro de um plane-

parte de ressemeadura natu-

comercialmente,

oferecendo

cerca de 90 dias no pastejo e

jamento de alimentação anual,

ral e de aveia preta comum,

maior volume de massa de

ainda produzir grãos ou deixar

o mais importante é o produtor

dispõe-se hoje dos cereais de

forragem. Assim, pode-se co-

até 140 dias sem colher grãos.

realizar um bom planejamento

inverno de

lher a soja e, imediatamente,

Resultados de pesquisa e ava-

forrageiro, para que não ocor-

inicialmente

semear o trigo, de ciclo vege-

liação com produtores de leite

ra déficit de forragem no vazio

como pastagem e ainda pro-

tativo mais longo, propiciando

e corte, o trigo DP na alimen-

forrageiro outonal ou prima-

piciar colheita de grãos. Essas

cobertura de solo, ampliando

tação animal pode aumentar

veril, ou seja, em março/abril

forrageiras podem oportunizar

o tempo de desenvolvimento

a produção de leite em 20%

e setembro/outubro, onde as

pastejo de até 5 meses, do fim

de folhas e raízes, aumentan-

e em gado de corte pode che-

forragens de inverno ou verão

de outono ao início da prima-

do o potencial produtivo desse

gar a 1,6 kg de ganho de peso

estão em final de ciclo e as

vera.

cereal que mediante manejo

ao dia. Forragem de trigo DP

de inverno e verão ainda estão

O trigo é a principal alternati-

apropriado, é usado como pas-

é de elevado valor nutritivo,

sendo implantadas. O sucesso

va, podendo ser semeado em

tagem e retirando-se os ani-

sendo comparáveis à alfafa

da produção pecuária depende

abril, permitindo dois ciclos

mais no início do elongamento

em termos de proteína bruta e

de planejamento e inovação.

de pastejo, cerca de 60 dias

das plantas não compromete o

digestibilidade. A aveia preta

e permite a colheita de grãos

potencial produtivo de grãos,

comum tradicional vem sen-

do rebrote. A primeira cultivar

com uso somente para forra-

do substituída gradualmente

foi a BRS Figueira, lançada em

gem, o trigo proporciona até

novas cultivares, que tem um

(DP),

Duplo Propósito

servindo

Dez/2011 Ano I

Texto: Janete Taborda de Oliveira Eng.agron. Mestre em Agronomia – Pastagens Coordenadora técnica Barbiero Agronegócios

7


Eventos

Confira os eventos que a Barbiero agronegócios participa e promove para melhorar a qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos parceiros e clientes.

Treinamento a campo da equipe técnica Viagem do Gerente da Barbiero Agronegócios, Vicente Barbiero. Participação na Fam Progress Show 2011, maior feira agrícola dos Estados Unidos em Agosto de 2011

Treinamento sobre Nutrição de Plantas

Dia de Campo sobre Soja na área demonstrativa na Unidade de Recebimento de Grãos de Nonoai

Evento de Final de Ano 2010

8

trocar para Dia de Campo de Milho em Nonoai

Palestra com agricultores em Gramado dos Loureiros.

Palestra com agricultores em Trindade do Sul

Dez/2011 Ano I


Dez/2011 Ano I

9


Informativo barbiero agronegócios I