Page 1

1


Disp. e Tradução: Rachael Revisora Inicial: Tina Revisora Final: Rachael Formatação: Rachael Logo/Arte: Dyllan

Maya Banks nos presenteia com um conto sobre o nascimento de Callie.

Revisoras Comentam...

Tina: Um livro curto, porém cheio de emoções. Maya nos presenteia com a descoberta de Holly que está grávida (Callie). Após todo o sofrimento tido em seu último parto, os pais Colter vão pirar ao saber que Holly está grávida novamente. Gosto do jeito que a Maya brinca com todos seus personagens, fazendo a história não ficar monótona e sendo um pouco engraçada. Bom divirtam-se lendo. Rachael: Achei o conto bem bonito e adorei ver o trio quando crianças kkk Vocês vão adorar viver esse momento especial junto com a Holly e todos os meninos!

44


Capítulo Um Alguns segredos não se destinavam para ser compartilhados imediatamente. Alguns foram feitos para ser mantido próximo e saboreado, apreciado com o conhecimento vertiginoso que algo maravilhoso estava acontecendo. Holly Colter observava da porta traseira enquanto seus maridos e filhos montavam no curral e desmontavam. Michael, o filho do meio, correu imediatamente para Holly, o rosto iluminado de excitação. “Mama,” ele berrou. “Adivinha o que encontramos?” Holly pegou o de seis anos de idade, em um abraço feroz e beijou o topo de sua cabeça. “O que você encontrou?” Dillon, o caçula, se encravou entre Michael e Holly e abraçou suas pernas. “Nós encontramos galpões de chifres de alces!” “Dillon! Eu estava dizendo a mamãe,” gritou Michael. Dillon sorriu e estendeu sua língua. Holly balançou a cabeça e empurrou-os para os lados dela ou uma briga iria acontecer. Seth se aproximou com Ethan, uma carranca de desaprovação em seu rosto enquanto inspecionava seus dois irmãos mais novos. Michael e Dillon trocaram olhares, e só assim, as suas lealdades, mais uma vez alinhadas enquanto conspiravam contra o seu irmão mais velho. Antes de Holly poder chamar a atenção ou repreender, Dillon e Michael se atiraram em direção a Seth. Seth soltou um grito de guerra quando ele caiu sob os dois meninos. Holly fechou os olhos e suspirou. Ethan riu quando a puxou para seus braços. “Eu não vou perguntar quanto você gostou do dia para si mesma.”

44


Ela abriu os olhos e inclinou a cabeça até receber seu beijo. Sorriu ao deixar os lábios permanecem sobre os dela. “Eu não vou mentir. Fiquei na cama até meio-dia. Só tomei banho e me vesti uma meia hora atrás.” Ethan gemeu. “Estou ciumento. Os moleques foram uma dor na bunda ao amanhecer.” Ela riu. “Eu os ouvi, apesar do fato de vocês tentarem realmente duros de tirar para fora do quarto antes que me acordassem. Eles estavam um pouco animados com sua viagem com os pais, esta manhã.” Ethan levantou a sobrancelha. “Um pouco? Eu não acho que eles dormiram a noite passada. Espero que eles irão falhar a qualquer momento.” Ela se aconchegou no lado de Ethan e assistiu em diversão como Ryan e Adam tentavam em vão separar os meninos. Adam finalmente balançou a cabeça, ergueu as mãos e se dirigiu para casa, deixando seus filhos na terra. “Você vai direto para a banheira quando entrar,” Holly falou. Ryan passou ao lado, um sorriso em seu rosto bonito. “Sim, senhora, mas só se você se juntar a mim.” Ela revirou os olhos. “Eu quis dizer a aqueles arruaceiros que você chama de seus filhos.” “Meus filhos? Inferno, não era minha ideia de ter tantos.” “Bem, não era minha,” Ethan contestou. “O que estamos discutindo?” Adam perguntou. “Seus filhos,” Ryan e Ethan disseram, ao mesmo tempo. Holly riu e foi para os braços de Adam. Ele a abraçou fortemente e deixou cair um beijo em sua testa. “Como diabos eu fui o culpado pelos pagãos?” Adam perguntou. “Bem, eu malditamente tenho certeza que não engravidei sozinha,” disse ela. “E nenhum de vocês estão reivindicando a responsabilidade.”

44


“Mamãe!” Seth gritou. “Faça Michael e Dillon me deixarem em paz!” Holly suspirou e empurrou passando por Adam, Ryan e Ethan. Ela caminhou até onde Seth estava lutando sob o peso de ambos Michael e Dillon, e Dillon estava gritando como uma fada enquanto estimulava Seth como um cavalo. “Será que você não conseguiu andar a cavalo o suficiente?” Ela perguntou, exasperada. “Dillon, saia do seu irmão. Quero vocês três no interior e na banheira agora.” Dillon se mexeu fora de Seth, e Seth e Michael, se levantaram olhando embaraçados em seus rostos. “Sim, senhora,” murmuravam à medida que se arrastavam para dentro de casa. Ela olhou para Adam, Ryan e Ethan enquanto observava os meninos que passavam por eles, mas seus risos seguiram para dentro. “Eu senti sua falta, mamãe,” Dillon disse quando ele passou os braços sujos em volta das pernas. Seu coração derreteu, ela se inclinou e beijou sua testa. “Eu senti sua falta também, seu pequeno encrenqueiro. Eu senti falta de todos vocês. Você se divertiu?” Ela então teve os três meninos tagarelas à velocidade da luz, como descreveram seus cavalos subindo as montanhas e para o planalto, onde seus pais caçavam alces. Eles desnudaram-se, e Dillon e Michael pularam para dentro da banheira enquanto Seth deu-lhes um olhar superior e se dirigiu para o chuveiro. “Apenas os bebês tomam banho em banheira,” Seth disse sarcasticamente. “Os homens tomam banho em chuveiros.” Michael ficou ofendido de imediato. “Mama toma banhos!” “Sim, mas ela é uma menina,” destacou Dillon. Holly reprimiu o riso. “Fiquem limpos e em roupas limpas. Nós vamos ter um jantar mais cedo esta noite.”

44


Ela não acrescentou que eles iriam comer mais cedo, porque os meninos iam desmaiar logo que terminassem seus jantares. Seria como agitar uma bandeira vermelha debaixo do nariz de um touro. Ela os deixou em seus banhos, e foi procurar seus maridos. “Ei, bebê,” Adam disse quando ela entrou na cozinha. Ele a puxou em seus braços e lhe deu um beijo longo e vagaroso. Ela suspirou e descansou a cabeça contra o peito. “Aproveitou o seu dia?” “Eu fiz, mas senti falta de todos vocês também. Estava muito quieto! Vocês tiveram um bom momento? Ligação de machos e tudo isso?” Adam riu. “Os meninos estavam tão animados que acho que eles usaram os cavalos com toda a sua energia nervosa.” Ethan entrou na cozinha e pegou uma cerveja na geladeira. “Quem está cozinhando hoje à noite?” “Eu pensei que eu iria,” Holly ofereceu. Adam empalideceu. Ethan estremeceu. Da porta veio, “Oh não.” Ela olhou para cima para ver Ryan olhando para ela com uma expressão horrorizada. “O quê?” Ela perguntou inocentemente. Adam estreitou os olhos, desconfiado. “Exatamente o que você estava pensando cozinhar?” Ela sorriu. “Pedir para viagem no Maebelle?” Ethan visivelmente relaxou. Ryan foi menos sutil. Ele suspirou de alívio exagerado e murmurou: “Graças a Deus.” Ela olhou para Ryan. “Eu não sou uma cozinheira ruim.” Ele levantou uma sobrancelha. Ethan riu. “Sim, você é, boneca, mas te amo mesmo assim. Nós estabelecemos nos últimos oito anos que cozinhar não é seu ponto forte.” “Eu faço bons sanduíches de queijo grelhado,” defendeu.

44


Quando os homens ainda olhavam para ela, ela disse, “Bem, os meninos gostam disso!” Adam puxou seu cabelo. “Bebê, eles comem qualquer coisa que não vai comê-los em primeiro lugar.” Ryan estremeceu. “Isso não é verdade.” Ela os olhou agressivamente. Ethan piscou e depois estendeu a mão beliscando seu nariz. “Não fique irritada, boneca. Você compensa sua falta de dotes culinários em outras áreas.” “Estou indo para a cidade buscar nosso jantar,” disse ela com um acesso de raiva. “Vocês três podem lutar com os meninos depois de seus banhos.” Adam franziu a testa, mas antes que ele pudesse falar Ethan o ultrapassou. “Vou ir junto com você.” Ela revirou os olhos, porque mesmo depois de oito anos, eles ainda eram proibitivamente protetores dela e de alguma forma não achava que ela poderia até mesmo dirigir para a cidade por si mesma. Ainda assim, estava feliz com a companhia. As estradas não eram ruins no verão, mas a rodovia a deixava nervosa. Os homens insistiram em comprar-lhe um carro de passeio SUV, porque eles não só a queriam segura, eles queriam que ela se sentisse segura. No inverno, ela nem sequer fazia o menor esforço por conduzir nas estradas. Ela estava mais do que feliz em deixar seus maridos pairar protetoramente sobre ela e envolvê-la em algodão. Ainda assim, ela tinha certeza de que poderia dirigir na neve e gelo, pois com três filhos, tinha que saber que poderia levá-los ao médico se alguma coisa acontecesse. Ela inclinou-se na ponta dos pés para beijar Ethan. “Você tem cinco minutos e depois eu vou.”

44


Ethan deu um tapa na bunda dela. “Rapariga insolente hoje. Certo, deixe-me pegar minha carteira e as chaves. Vou conferir com os arruaceiros.” Enquanto esperava por Ethan, ela encontrou sua bolsa e seus chinelos. Estava os calçando quando Seth arremessou no corredor e bateu em sua lateral. “Para, garoto.” Riu enquanto lutava por seu equilíbrio. Abraçou-o para ela e inalou o aroma de seu cabelo limpo. “Onde você vai com tanta pressa?” “Meu pai disse que você estava indo para a cidade. Posso ir? Por favor? Eu quero ver Lacey.” Holly sorriu e alisou o cabelo ainda úmido sobre sua testa. Lacey era a heroína de Seth sua madrinha. Se alguém lhe falasse há oito anos que a xerife magra seria madrinha de seu primogênito, ela teria rido. Mas, depois de Holly voltar, grávida e ainda assombrada pelo ataque a Ryan e seu sequestro, Lacey entrou e estendeu a única coisa que Holly mais necessitava. Amizade. Ela tinha se tornado uma amiga próxima da família Colter, e até mesmo Ryan amoleceu em sua direção assim que percebeu o quão protetora Lacey era com Holly — e seus filhos. Dois anos após Seth ter nascido, Lacey se casou com Dan England, um aposentado Olímpico de snowboarder1. E agora Lacey estava grávida de seu terceiro filho. As duas famílias passaram um bom tempo juntos e seus filhos eram grandes amigos. “Eu não vejo porque não,” disse Holly. “Vá perguntar a seus pais para se certificar que não tenham planos para você.” Seth correu de volta para a cozinha e um momento depois, Ryan saiu com Seth debaixo do braço. 1

É um esporte que, tal como o skate e o surfe, consiste em equilibrar-se sobre uma prancha, este, porém se faz na superfície nevosa das encostas de montanhas - como o esqui. A prancha usada deve ser proporcional ao corpo do praticante, ela devendo ter o comprimento do chão até a altura do nariz. A prancha é lisa e não há rodas ou ferros na sua parte inferior. Usa-se prendedores aos pés e as pontas dianteiras e traseiras da prancha são ligeiramente curvadas para cima. Uma vez que a neve dificulta o impulso da prancha com a ajuda dos pés a única maneira de praticá-lo é descendo as encostas de montanhas.

44


“Você disse a essa criança pequena que poderia ir com você para a cidade?” Holly sorriu na imagem de pai e filho. Ela nunca se cansou de ver seus filhos com seus pais. Seus filhos eram talvez os filhos mais queridos do mundo, sem falta de pessoas para incentivar e amá-los enquanto cresciam. Amor, ela descobriu, era a cura para muitos males. Amor de seus maridos por ela tinha salvado sua vida. “Eu fiz. Ele quer ver Lacey, então pensei que iria deixá-lo na Delegacia, enquanto Ethan e eu corremos para Maebelle para pegar o jantar.” “Seja bom para a sua mãe,” Ryan disse bagunçando o cabelo na cabeça de Seth limpo. Holly revirou os olhos. Ryan sempre dizia a mesma coisa, mas era os dois mais jovens malvados que mais necessitam da repreensão particular. Ethan chegou ao fundo do corredor, as chaves tilintando em sua mão. “Você está pronta?” Seth lutava fora do alcance de Ryan e correu para agarrar a mão de Holly. Ethan sorriu e desgrenhou os cabelos carinhosamente. “Sim, vamos lá,” disse Holly. “Estou com fome.”

***** Seth soltou o cinto de segurança e se inclinou ansiosamente enquanto Ethan puxava para dentro do estacionamento da Delegacia de Clyde. “Ela está aqui!” “Vou levá-lo e certificar-me que Lacey não está ocupada,” disse Ethan. Holly observava os dois desaparecerem no interior e, como esperado, Ethan voltou sozinho, alguns minutos depois.

44


“Eu não sei quem estava mais emocionado ao ver quem,” Ethan disse quando deslizou de volta para o caminhão. “Seth por ver Lacey ou Lacey por ver Seth.” Holly deu uma risadinha. “Ele ama estar na Delegacia de Polícia.” “Lacey já o está preparando para assumir seu posto de trabalho um dia.” Holly franziu o nariz. “Fico feliz por ter muitos mais anos, antes de abordar essa questão.” Ethan estacionou fora do Maebelle, e Holly correu para fazer seu pedido. Maebelle havia aberto seu restaurante minúsculo-num-buraco-da-parede alguns anos atrás, quando a indústria turística havia descoberto Clyde. Ela agora fazia mais negócio do que poderia lidar sozinha, mas se recusava a se expandir. Quando tinha acabado a comida, ela simplesmente fechava pelo dia. Sorte para Holly, Maebelle tinha um fraquinho pelos homens Colter, e a ideia deles passando fome não se sentia bem para ela. Tudo o que Holly tinha a fazer era chamar para dizer que estava indo buscar comida, e Maebelle preparava uma festa. Essa noite era frango frito com todos os complementos. Holly já podia ver os caras engolindo a comida com prazer orgástico. Holly foi para a cabine de comidas para viagem e sentou-se ao lado, à espera de Maebelle notá-la. Henry, filho de Maebelle, a viu primeiro, e seu rosto iluminou. “Sra. Colter! Mamãe tem o seu prontinho. Se você me der apenas um minuto, vou buscá-lo para você.” Holly sorriu. “Obrigado, Henry.” Maebelle acenou em sua direção, mas manteve-se no registro de receber pedidos e distribuindo jantares para viagem. Alguns momentos depois, Henry voltou com uma cesta enorme. “Vou levá-lo para o seu caminhão para você, Sra. Colter. É muito pesado para carregar.”

44


Holly acenou para algumas outras pessoas que conhecia quando ela e Henry saíram do restaurante. Era bom conhecer e ser conhecida na pequena cidade. Ela estava muito hesitante depois que voltou para os irmãos Colter naqueles anos atrás. Embora tivesse sido firme em seu compromisso, sempre se preocupava como seria a vida de todos eles e, especialmente, seus filhos. Oh, não era um mar de rosas. Eles tiveram a sua quota de ranhoso, julgador, cabeça de bagre, como Ryan chamou— Mas em geral a cidade tinha sido muito boa para eles. Holly soube o que evitar, e havia alguns poucos negócios que ela nunca entrou, mas era a sua perda. Havia muitas pessoas dispostas a fazer negócios com os Colter, e os Colter tinham uma memória boa para aqueles que os desprezavam. “Está um cheiro maravilhoso, Henry,” Ethan disse quando abriu a porta. “Diga a Maebelle, que agradecemos a sua comida e por ter segurado para nós. Parece que provavelmente vai acabar a comida antes que a fila termine.” “Fico feliz em fazê-lo, Sr. Colter. Dê o nosso melhor voto para seus irmãos.” “Irei fazer.” Holly deslizou de volta no caminhão, e voltou para o escritório de Lacey. Desta vez, entrou para buscar Seth. Ela queria ver como Lacey estava indo. Lacey era uma mulher obstinada e insistiu em trabalhar até que fosse forçada a ir em licença de maternidade. Um fato que não se sentia bem para seu marido, mas há muito tempo ele descobriu que discutir com Lacey era um exercício de futilidade. Quando Holly entrou, ela sufocou uma risada ao ver à sua frente. Seth estava sentado na mesa de Lacey, com Lacey demonstrando todas as partes de sua arma. Quando Lacey olhou para cima e viu Holly, ela sorriu. “Ei, Holly.” Lacey se levantou e Holly deu uma boa olhada em sua barriga saliente. Os irmãos Colter gostavam de brincar com Lacey e dizer que ela era um palito com um marshmallow

44


colado. Ela era todo ventre e não muito mais quando se tratava de suas gestações. Holly não sabia ao certo como o inferno, ela conseguia manter o equilíbrio. “Como vai você?” Holly perguntou quando apertou a outra mulher em um abraço. “Ótima. Cansada, mas bem.” “As coisas ficaram quietas ultimamente?” Lacey revirou os olhos. “Como calmo sempre são nesta cidade. A maioria das chamadas são de turistas imbecis que ficam em apuros. Os moradores não me dão muito problema. Acho que eles sentem pena de mim.” Ela olhou para Holly especulativamente enquanto voltaram para a mesa onde Seth sentou-se brincando com uma cartucheira de arma vazia. “Você está diferente. O que há de novo com você?” Holly corou e desviou o olhar, mas não antes de Lacey arquear uma sobrancelha. “Derrame,” ela exigiu. Holly suspirou e balançou a cabeça na direção de Seth. Os olhos de Lacey brilharam com curiosidade e, em seguida, ela pegou a mão de Seth. “Ei, homem pequeno. Preciso falar com sua mãe um minuto. Você sabe, conversa feminina. Por que não corre para fora e entra no caminhão com o seu pai?” Seth enrolou o nariz e fez um som de nojo. “Papai diz que conversa de garotas é chaaato.” “Que?” Lacey murmurou. Holly riu. “Todos eles?” As duas mulheres riram quando Seth correu para fora da estação. “Certo, o que está acontecendo com você?” Lacey exigiu. “Você parece... pateta.” “Pateta?” “Você olha toda mole e feliz.” Holly riu. “Eu sou feliz.”

44


Lacey deu-lhe um olhar de nojo. “Você tem aquele olhar em seus olhos. Como quando você está preste a explodir porque quer me dizer algo. Então derrame isso, antes de um de seus maridos chegue para transportá-la para casa.” Holly enrolou as mãos em punhos e deixou um pouco de sua bolha de emoção sair. “Estou grávida.” A boca de Lacey caiu aberta. Ela olhou para Holly por um longo momento, como se esperasse que dissesse que era uma piada. “Porra, você está falando sério?” Holly balançou a cabeça. Lacey afundou em sua cadeira. “Oh menino. Será que os caras já sabem?” “Huh uh.” “Oh merda.” Holly riu de novo. “Oh vamos lá, Lacey. Não vai ser tão ruim assim.” “Querida, vão cagar tijolos e você sabe disso.” “Laacceeyy. Você deveria ficar feliz por mim!” Lacey suspirou e saiu de sua cadeira. Ela deu a volta e jogou os braços ao redor de Holly e apertou apertado. “Você sabe que estou feliz por você. Sei o quanto você queria outro bebê. Mas também me preocupo com você, e sabe que seus homens vão estar fora de suas mentes depois do que você passou com Dillon.” Holly ficou com ela por um longo momento. “Eu sei. Mas vão ficar bem. Sei que eles vão. Adoram crianças. Se eu não tivesse tido tanta dificuldade com Dillon, tenho certeza que eles querem uma casa cheia.” “Quando você vai dizer a eles?” Holly afastou-se com uma careta. “Eu não sei. Em breve. Não posso manter um segredo para salvar minha vida.” Lacey sorriu para ela. “Não é isso. É uma maravilha que seus filhos vão ter uma surpresa no Natal.” Ela bateu seu próprio estômago e olhou pensativa para Holly. “Dan e eu decidimos que esta será a última.”

44


“Você tem certeza?” A boca de Lacey se contorceu em um sorriso triste. “Oh sim. Nunca imaginei ter um filho. Não acho que tinha um osso maternal no meu corpo. Incrível como encontrar o homem certo faz você pensar sobre casa e família de uma maneira que nunca fez antes. O engraçado foi, Dan não queria crianças também. Ou então ele pensou.” “Pelo menos você pode cozinhar,” Holly resmungou. “Falando nisso, se não sair daqui, a nossa comida vai estar completamente fria no momento em que chegar a casa, e os homens da família estão indo para me matar.” “Deixe-me saber como foi, tudo bem?” Holly apertou a mão de Lacey. “Farei. Cuide de si mesmo.” “Você também.” Holly saiu da delegacia e entrou no caminhão onde Seth e Ethan estavam resmungando sobre conversas de garotas. Ela revirou os olhos quando eles puxaram para fora da Delegacia. Senhor, ela amava os caras, mas seria bom ter uma menina para compensar parte da testosterona.

44


Capítulo Dois Jantares em torno da mesa da família sempre eram divertidos na casa dos Colter. Os adultos sentavam nas pontas e o meio e as crianças ficaram presos no meio para evitar as guerras inevitáveis na mesa do jantar. Normalmente iniciadas por Dillon. Holly muitas vezes olhava para o filho e perguntava se não tinha sido trocado no hospital. Mas desde que Dillon foi à única criança nascida em um centro médico, não havia meios. Ele era uma bola de fogo e assustadoramente inteligente para uma criança de cinco anos de idade. Não importava que os irmãos parecessem com os Colter, ela não poderia vir com uma explicação para a personalidade de Dillon. Mas ele também era seu filho, muito amoroso — quando não estava ameaçando incendiar a casa — e de todos os seus filhos, era o mais rápido querer um abraço e um aconchego da mãe. Graças a Deus ele não tinha esfriado para essa coisa de mãe ainda. Michael idolatrava seus pais. Não que todos eles não fizessem, mas desde que Seth passava muito de seu tempo com Lacey absorvendo todas as coisas relacionadas com a polícia, Michael imitou seus pais em todas as coisas. Mostrou uma aptidão notável para animais no início, e Adam jurou que o garoto se comunicava com os cavalos, porque eles faziam tudo o que ele queria. “A escola começa em uma semana,” Holly disse alegremente. Ela virou-se para Dillon. “Você está empolgado com o jardim de infância?” Dillon fez uma careta e balançou a cabeça, a boca cheia de frango. Ele parecia um pouco perturbado com as bochechas estufadas e as migalhas derramando de seus lábios. Do outro lado da mesa, Ryan trabalhou em manter o sorriso do rosto. “Estou animado!” Michael disse, com os olhos brilhantes. “Você será um grande aluno do primeiro este ano!” Holly exclamou.

44


Michael estufou o peito e olhou tão arrogante como seus pais. “E você, Seth?” Ryan perguntou. “Você está pronto para enfrentar o terceiro ano?” Seth apertou os lábios e deu-lhe um pensamento pesado. Finalmente, concordou, embora não parecesse muito entusiasmado com a ideia. Mas então ele se iluminou como se algo tivesse ocorrido a ele. “Posso ir à Delegacia ver Lacey, depois da escola? Poderia ficar com ela até Mama vir me pegar. Eu sou velho suficiente para andar este ano sozinho.” Holly franziu a testa e olhou para seus maridos. Adam sorriu com indulgência para seu filho mais velho. Ethan também usava um sorriso, mas Ryan, tendia por ser o mais super protetor de qualquer um deles — incluído Holly — fez uma careta. “Não gosto da ideia de você andando sozinho, até mesmo para a delegacia,” disse Ryan. “Mas pai, é apenas a dois quarteirões da escola,” Seth protestou. “Eu não sou um bebê!” Holly se aproximou e puxou-o para seu lado. “Mas você é o nosso bebê, e nós nos preocupamos. Eu me preocupo. Não é que você seja um bebê, mas não podemos controlar todo o resto do mundo. E se alguém tentar pegá-lo em seu caminho para Lacey?” Seth se afastou e deu-lhe um olhar paciente. “Eu jogo meu joelho nas bolas dele assim como Lacey diz para fazer, e então fujo.” A boca de Holly se abriu sobre o tempo que Ethan morreu de rir. Adam tentou o seu melhor olhar severo, mas desistiu e deixou cair a cabeça sobre a mesa. Mesmo a boca de Ryan se contraiu. A batalha sobre a possibilidade de cair na gargalhada ou repreender seu filho por sua linguagem acabou em cerca de dois segundos. Ela cobriu o rosto com as mãos e riu até que lágrimas escorriam pelo seu rosto. “Indo bem, idiota. Você fez Mama chorar,” Michael bufou.

44


“Lacey deu-lhe alguns bons conselhos, filho,” disse Ethan com uma cara perfeitamente reta. “No entanto, não acho que é uma boa ideia para você andar da escola para a Delegacia ainda. Prefiro que espere por sua mãe.” Seth suspirou. “Sim, senhor.” Holly apertou sua mão. “Nós vamos aparecer para vê-la depois da escola, às vezes. Prometo.” Ele sorriu e inclinou-se para ela, abraçando-a enquanto se aconchegava em seu peito. Holly olhou para seus dois outros filhos e seu peito apertou. Seu bebê estava começando o jardim de infância. Não parecia possível. Automaticamente, sua mão foi para o seu abdômen ainda plano e uma emoção trabalhou quente e elétrica através de suas veias. Era tudo o que podia fazer para não sorrir como um idiota ao pensar que outra criança crescia lá. Ela olhou para seu marido, sabendo que precisava dizer-lhes. Em breve. Mas se preocupava com suas reações. Queria que eles ficassem tão emocionados quanto ela, e, além disso, não queria que eles não ficassem doentes de preocupação ao longo dos sete próximos meses e meio. De alguma maneira, ela aliviaria facilitando o assunto. Ela estava de certa forma exagerando, e estava se preocupando demais. Odiava o jeito que ela sempre foi hiper sensível e emocional, quando estava grávida. Os homens sempre brincavam com ela que quando caminhava ela, soluçava hormônio. Ryan se levantou e começou a limpar os pratos, enquanto Adam anunciou que era hora dos rapazes dormirem. Assim começou um coro de gemidos e grunhidos. Holly beijou e deu boa noite aos filhos e os enviou com Ethan e Adam para serem colocados na cama. Mesmo sendo tão geniosos, tanto quanto brigavam, os três ainda dividiam um quarto, embora a cabana tivesse muitos quartos de sobra. Eles não mostraram qualquer interesse em ser separados ainda, e de fato, durante o verão, quando Adam tinha sugerido que eles se

44


separassem em seus próprios quartos, isso havia causado uma tempestade de lágrimas e protestos imediatos. Os pais encolheram os ombros e não trouxeram o assunto novamente. Depois de ajudar Ryan a limpar a mesa e carregar a máquina de lavar louça, Holly se aventurou na sala de estar. Ethan e Adam ainda estavam com os meninos e, provavelmente, falando docemente uma história antes de dormir, mas havia sempre o só mais uma. Ela riu da imagem, porque os meninos tinham seus pais solidamente envoltos em torno de seus dedos. Ela se acomodou no sofá e recostou-se, fechando os olhos. Embora não tivesse sido afetada pelo enjoo de manhã, como tinha com todas as suas outras gestações, era um osso cansado. Tinha matado a ela não se permitir tirar um cochilo pela última semana, mas se o fizesse, os caras pensariam imediatamente que ela estava doente ou algo terrível estava errado. Firmes mãos, amorosas agarraram seus ombros e começaram a massagear. Ela suspirou em felicidade e, em seguida, inclinou a cabeça para cima e abriu os olhos para ver Ryan em pé atrás do sofá. Ele se inclinou e beijou sua testa. “Você parece cansada.” Ela sorriu. “Eu estou. Nenhuma desculpa, realmente. Dormi nesta manhã, enquanto todos vocês levavam os meninos para fora. Dia preguiçoso, mas foi bom.” Ele caminhou ao redor do sofá e sentou-se, em seguida, estendeu os braços para ela. Ela enrolou em seu peito e estendeu seus pés, suspirando de contentamento. Alguns momentos mais tarde, Adam e Ethan entraram na sala e Holly olhou para cima. “Os meninos foram para a cama e estão bem?” Ethan levantou as pernas e deslizou por baixo, apoiando os pés no colo dele. “Eles estão todos acabados. Dillon já estava dormindo no momento em que a segunda história foi lida.”

44


Adam se acomodou em uma poltrona em frente ao sofá e colocou seus pés sobre a poltrona. “Eu devo estar ficando velho, porque juro que executaram vários círculos em volta de mim nestes dias.” Holly sorriu. Tanto quanto ela amava seus filhos e amava os dias agitados, os meninos corriam em todas as direções, ela sempre olhava para frente para as noites quando ela e seus maridos relaxavam na sala e falavam, gostando da companhia um do outro. Era a melhor parte do dia, um tempo para simplesmente amar e ser amada e refletir sobre as alegrias dos últimos oito anos juntos. Arranjos para dormir haviam sido um dos sacrifícios que tinha feito no início da vida das crianças. Cada um dos homens ainda mantinha seu próprio quarto, e colocaram as crianças no quarto maior no final do corredor que era utilizado para servir como de bagunça. Adam, Ethan e Ryan se revezaram olhando as crianças dormirem sozinhas, no caso de um deles acordar no meio da noite. Muitas vezes, os dois restantes iam dormir com Holly, mas nem sempre. Os homens gostavam de um tempo sozinho com Holly, e era algo que ela mesma valorizava. Tempo para se reconectar com eles individualmente. Não importava como era feito, todos eles conseguiam fazê-la sentir-se amada além da medida, e o que mais poderia pedir? “O que você está pensando, querida?” Adam perguntou. Ela olhou para ele com todo o amor em seu coração e sorriu. “Você. Nós. Todos nós.” A mão de Ethan acariciou acima e para baixo da perna, parando para apertar carinhosamente. “Nós ainda fazemos você feliz?” “Oh sim,” ela respirou. “Eu me sinto tão sortuda. Minha vida parece tão perfeita.” Ryan deslizou os dedos pelos cabelos e se curvou para beijar sua testa. “ Isto é como eu sinto.” Jogando a precaução para o vento, ela abordou o assunto que tinha tentado evitar uma semana inteira.

44


“Você... vocês pensam em ter outro bebê?” Ryan enrijeceu. A mão de Ethan acalmou na perna e Adam franziu a testa enquanto olhava para ela. “Nós já discutimos isso, bebê. Os meninos são suficientes. Mais do que suficiente. Não importa quantos filhos gostaríamos de ter tido, simplesmente não vale o risco para sua saúde.” A expressão de dor passou pelo rosto de Ethan. “Eu não quero nunca mais vê-la passar pelo que passou com Dillon.” Ryan não disse absolutamente nada. “Mas você já pensou sobre isso?” Ela insistiu. “Quero dizer, se tivesse uma escolha, se não houvesse outras considerações do que apenas a decisão de ter mais filhos, você gostaria disso?” “É ridículo jogar esse jogo,” disse Adam. “Existem considerações de risco, principalmente para você, assim, tanto quanto sei, o assunto está encerrado.” Holly piscou, surpresa. Sua reação irritou-a, mesmo que sua resposta não fosse justa. Ela estava fazendo perguntas estúpidas, à luz do fato de que ela já estava grávida, e abrir a porta para esse tipo de discussão era apenas... idiotice. Mas ao mesmo tempo, ela não gostou de como ele pareceu prestar julgamento e esperar o resto deles para aceitar isto. Será que o que Ethan e Ryan pensava contava? Não o que ela achava contava? Ela entendia que Adam estivesse preocupado. Ela conseguiu que a sua última gravidez assustasse o inferno fora dele. Mas não era justo forçar seus temores sobre o resto deles. Ela abriu e fechou a boca. Não valia a pena discutir sobre isso, principalmente quando o resultado já estava decidido. O hipotético não era hipotético mais, e agora ela só tinha de lidar com a realidade — e as suas reações quando soubessem a verdade. Ela sentiu o olhar de sondagem de Ethan, sabia que ele estava estudando-a atentamente, mas ela virou porque não queria que ele a visse ferida.

44


“Bebê, o que está acontecendo com você?” Adam perguntou baixinho. A preocupação estava gravada em sua testa. Ela balançou a cabeça e forçou-se a sorrir. A última coisa que queria era iniciar uma discussão e torná-los a se sentir mal. “Apenas pensando nisso de vez em quando.” Ryan puxou-a até que pudesse olhá-la no rosto. “Ouça-me, Holly. Você nos deu três filhos maravilhosos. Não podíamos pedir mais. A nossa família está completa. É perfeita como está. Nós nunca arriscaríamos você a ter outro filho.” A dor em seu peito cresceu. Eles não estavam completos. Nem sequer tinha palavras para explicar o conhecimento inegável que eles foram feitos para acolher outra criança em sua família. Ela sabia que, durante anos, tinha experimentado uma tristeza que nunca saiu com a ideia de que não teria mais filhos. Havia um. Só mais uma. Ela sempre soube, mesmo quando tomou precauções para evitar a gravidez. Mas seus filhos haviam encontrado um caminho. Ela não podia evitar isso a eles. Ela estava nervosa. Sabia que provavelmente não iria levá-lo bem no início, mas nunca tinha escondido qualquer coisa deles e não queria começar agora. Para os primeiros dias, ela abraçou o segredo para si, deliciando-se com o milagre de sua gravidez. Ela não tinha acreditado. Tinha feito três testes e, em seguida, riu e chorou quando todos eles mostraram o mesmo resultado. A testa de Ryan plissou, e ele olhou para ela com preocupação real. “Holly? O que há de errado?” “Estou grávida,” ela sussurrou.

44


Capítulo Três Ela esperava surpresa. Choque. Deixar cair sobre eles assim não era do jeito que ela queria fazê-lo em tudo. Esperava amaciá-los antes, fazê-los pensar sobre as alegrias de um novo bebê, e então os surpreenderia com a notícia. O que ela não esperava era o horror que atravessou o rosto de Ryan. Ou o palavrão afiado de Adam. Ou olhar estupefato de Ethan. Mas o pior era a suspeita que ela viu quando se virou para olhar para Adam. “Será que você planejou isso?” Adam perguntou com voz rouca. Sua boca abriu e ela se encolheu. Isso doeu. Ela podia lidar com o choque e até mesmo desânimo. Entendia isso era uma enorme bomba que ela deixou cair. Mas achar que tinha engravidado de propósito sem falar com eles? Ela olhou para Ethan e Ryan, mas não lhe deu qualquer sinal de que eles não deram a declaração de Adam qualquer crédito. Ela empurrou longe de Ryan, tropeçando enquanto recuava a partir do sofá. “Pô, Holly,” Ryan disse quando chegou para ela. Ela balançou a cabeça e estendeu a mão para defender. Quando Adam colocou sua mão sobre seu ombro, ela empurrou para longe e deu vários passos para trás de modo que estavam todos na sua visão. “Como você pode até mesmo pensar numa coisa dessas?” Ela exigiu. “Você honestamente acha que iria para algo tão dissimulado, quando sabia como você se sentia sobre eu estar grávida de novo? Droga estive doente de preocupação sobre como você reagiria, mas não porque eu tenha uma consciência culpada.” “Holly,” disse Ethan com uma voz suave.

44


Ela estendeu a mão e balançou a cabeça, não querendo ouvir os chavões no momento. Olhou para todos eles, chateada e furiosa, mas também magoada e confusa. “Se você estava tão condenado de preocupado com eu engravidar novamente, então deveria ter ido e cortado fora. É um inferno de muito mais fácil para um homem ter um processo permanente, que é para uma mulher,” ela retrucou. Adam passou a mão pelos cabelos e fechou os olhos. “Holly, você não pode esperar soltar isso em nós e reagirmos bem. Você nunca disse nada sobre nós fazermos vasectomia.” “Por que tinha que fazê-lo? Se você estava tão condenado de preocupado comigo ficar grávida, você falaria por conta própria. Então eu dificilmente poderia chocar vocês por ficar grávida e apresentá-lo com um fato consumado.” Ryan soprou o fôlego. “Maldita seja, Holly.” “Apenas não fale,” disse ela com uma voz quebrada. Ela se afastou as mãos estendidas enquanto falava. “Basta deixá-lo por enquanto. Não diga mais nada. Esta não foi à maneira que queria lhe dizer. Se dizemos algo mais, só irá para dissolver em uma amarga luta, e não vou deixar que nada estrague isso para mim. Estou feliz com esse bebê.” Ela colocou a mão sobre a barriga enquanto as lágrimas nadavam em sua visão. “Estou feliz.” Ela se virou e correu pelo corredor. Parou e cerrou os punhos em frustração. Finalmente, diminuiu quando chegou ao quarto dos meninos, porque não podia suportar a ideia de dormir em um dos outros quartos, e apesar deles estarem putos, conhecia os caras e não se arriscariam no quarto das crianças e o risco de acordá-los por cima. Apesar de sua virada, com o coração inchado e sua carranca aliviou quando olhou em seus bebês dormindo. Eles eram tão belos e perfeitos. Ela inclinou-se para escovar um beijo em cada uma de suas sobrancelhas antes de voltar para a cadeira de balanço que tinha tido desde que Seth nasceu. A madeira rangeu quando se acomodou no velho amigo. Muitas noites ela balançava com seus filhos enquanto os cuidava. Ela fechou os olhos e cruzou as mãos sobre sua barriga.

44


“Isso não significa nada, bebê,” ela sussurrou. “Eles estão chateados e com medo, mas não queriam dizer isso. Vão te amar tanto quanto sei, porque não podem fazer mais nada. Logo que o choque sumir, vão estar tão felizes em conhecê-lo.” Sabendo que ela falava a verdade tirou um pouco da mágoa que sentia. No calor do momento, muitas coisas poderiam ser ditas que não eram verdades, mas a ideia de que mesmo por um momento pensou que ela iria enganá-los e manipulá-los desta forma machucou à sua alma.

***** “Porra. Porra, Adam. Que diabos você estava pensando?” Ethan exigiu. Adam fechou os olhos. “Eu não estava pensando, certo? Estava muito ocupado pegando meu queixo do chão.” “Não remexa Adam sobre as brasas que você pensou por um momento fugaz por si mesmo,” disse Ryan. “Nós todos fodemos isto regiamente. Foi uma reação automática. Uma estupidez, uma reação errada maldita.” Ethan esfregou os olhos e beliscou a ponte do nariz entre o polegar e o indicador. “Grávida. Isso explica muita coisa. Ela tem estado diferente ultimamente. Sempre foi supersensível, quando está grávida. Sabia que algo estava errado com ela, mas pensei que ela estava tomando a partida de Dillon para escola difícil.” “Que diabos é que vamos fazer?” Adam perguntou com uma voz cansada. “Eu não queria que ela tivesse que passar por outra gravidez como a de Dillon. Não tenho certeza que ela é forte o suficiente. As coisas são diferentes agora. Os meninos estão na idade em que eles estão com tudo e já a esgotam em um bom dia, muito mais quando ela está grávida.”

44


“É inútil falar sobre isso,” disse Ethan. “Não é mais uma situação. Nós podemos dizer tudo o que nós queremos sobre isso que nós teríamos ou não teríamos querido, mas ela está grávida. Agora nós temos que lidar com isto.” Adam fechou os olhos e esfregou sua testa. “Ela está certa. Nós fizemos isto um grande negócio de não querer que ela engravidasse novamente, mas nunca tomamos medidas para garantir que não iria acontecer. Nós entregamos a ordem em alta, mas depois esperávamos que ela cuidasse disso. Isso não é exatamente certo.” “Bem inferno, Adam,” Ryan murmurou. “Quem diabos quer ser voluntários para obter as suas bolas cortadas?” Ethan e Adam estremeceram de acordo. “Isso é uma merda,” disse Ethan após um longo período de silêncio. “Nós a decepcionamos, e agora está chateada quando é óbvio que sua gravidez é algo que a deixa muito feliz.” “Ela sempre quis outra criança,” Ryan disse calmamente. “Estamos muito bem dizendo que não e nunca consideramos o seu sentimento sobre o assunto.” “Ela quase morreu,” colocou para fora Adam. “Não posso perdê-la. Eu não posso deixá-la tomar esse tipo de risco.” Ethan soltou uma respiração profunda. “É muito tarde, Adam. Não é sobre o que nós queremos que ela faça. Ela está grávida. Temos outro filho a caminho. Tudo o que podemos fazer é dar o melhor atendimento que pudermos e maldição fazer o melhor para que se torne mais fácil.” O rosto de Ryan se iluminou com um sorriso pateta. Ele afundou-se na borda do sofá e passou as duas mãos sobre as orelhas para trás do pescoço. “Outro bebê,” disse ele com admiração. Então, seu sorriso ficou ainda maior. Ele olhou para seus irmãos, seus olhos brilhando de alegria “Ela está grávida.”

44


“Eu quero estar feliz,” Adam disse com voz rouca. “Eu quero, Deus, mas estou morrendo de medo. Nossa família depende dela. Nós temos três meninos que precisam de sua mãe. Querendo outra criança quando o risco é tão alto que parece ser egoísta.” Ethan estava sóbrio. “Sim, eu entendo. Mas Adam, você não sabe se a mesma coisa vai acontecer novamente. Um médico nunca nos disse que ela não deve engravidar novamente. Você pegou o que aconteceu e colocou em sua mente que nunca quis passar por isso novamente, e tornou fato. Vamos levá-la ao médico e obter uma opinião de especialistas. Então o que precisamos fazer para ter certeza que ela tem a melhor gravidez e parto possíveis, nós vamos fazer.”

***** Ethan escorregou para o quarto dos meninos algumas horas mais tarde. Ele não havia conseguido dormir, e sabia que este era o lugar de Holly para recuar quando estava chateada ou necessitando o seu espaço. Ela disse uma vez que este quarto com os seus filhos a fez lembrar-se de tudo o que ela era mais grata e era difícil manter-se chateada quando olhava para seus filhos. Ele esperava que fosse o caso, porque ele e seus irmãos tinham pisado um grande tempo. Seu coração amoleceu quando viu-a inclinada na cadeira de balanço dormindo. Não parecia nada confortável, mas segurava na mão um cobertor do bebê. Suave, desgastado e desbotado. Era o cobertor de Seth, aquele que Adam havia o envolvido logo depois que ele nasceu. Holly tinha guardado todo esse tempo. Era uma lembrança especial para ela do primeiro nascimento, cercada por sua casa e os homens que a amavam. Por muito que os irmãos haviam ido contra Holly de nunca ter o bebê em casa de novo — o primeiro não tinha sido nada planejado, Michael — ela deu a luz na mesma sala onde 44


Seth tinha nascido. Ela entregou seu segundo filho nas mãos de Adam enquanto Ethan e Ryan a tinham segurado e ajudado. Dillon tinha nascido em Denver por causa das complicações na gravidez, e ela imediatamente após teve a hemorragia. Lá na alegria e alívio de seu terceiro filho nascer foi a realidade que Holly poderia morrer. E quase morreu. Ethan se inclinou e beijou-a suavemente na testa. Ele a amava mais agora do que há oito anos, e não tinha pensado que era possível. E sim, ela estar grávida assustou a vida fora dele, mas também estava cheio de admiração com a ideia de que sua família não estava completa. Ainda não. Outra criança nasceria e traria com ele ou ela, uma nova dimensão. Alguém que pudesse amar e ser amado. Ah, sim, havia espaço para mais na família Colter. O coração de Ethan inchou com a magnitude do anúncio de Holly. Ele aliviou seus braços por baixo dela e lentamente levantou-a para que ele não fosse acordá-la. Então a levou para fora do quarto dos meninos e pelo corredor até seu quarto. Depois de aconchega-la em sua cama, tirou a cueca e deslizou ao seu lado. Enquanto ele reunia em seus braços, sussurrou uma fervorosa oração que a gravidez fosse fácil e que ela tivesse o parto de forma segura. Não a leve de mim, Deus. Eu amo ela. Todos nós fazemos.

44


Capítulo Quatro Previsivelmente, quando Holly acordou na manhã seguinte, a náusea subiu dura e rápida em seu estômago. Ficou lá respirando pelo nariz e sacudindo a cabeça na ideia de que ela teria enjoos matinais agora, depois que disse a seus maridos, quando antes ela mal tinha mais do que passar episódios de um estômago inquieto. Poder de sugestão era uma coisa incrível. Ela puxou as cobertas para cima e percebeu que estava na cama de Ethan. Sorriu, percebendo que ele devia tê-la levado do quarto dos meninos ao seu durante a noite. Parte dela queria ficar na cama e evitar o confronto inevitável com os caras. A outra parte sabia que estava sendo estúpida e que eles precisavam expor isso para não arrastar para sempre. Nenhum deles era do tipo que permitia que um desacordo durasse mais de um dia. O resultado era que defendiam ferozmente, berravam e levantavam suas vozes, mas também era muito rápido e esquecido no momento seguinte. Ela não conseguia se lembrar de uma época em que a raiva havia sido abrigada entre eles por um período prolongado de tempo. O mais próximo que conseguia lembrar era o momento em que estava grávida de Seth e queria espancar todos eles com uma panela de cozinha por sua decisão de não fazer amor com ela. Por causa dela. Ela revirou os olhos para o absurdo dessa ideia. Os homens eram tão protetores, às vezes. E foi então que percebeu que eles estariam tão protetores desta vez também. Não era que tinha algum motivo anterior com ela para não querer que tivesse outra criança. Ela sabia disso. Ficou preso apenas em suas mentes que algo terrível aconteceria a ela se engravidasse novamente, e seria até ela para bater algum sentido em suas cabeças.

44


A parte em que eles achavam que ela realmente foi ao redor deles e engravidar propositadamente para contornar os seus desejos... Isso era um assunto completamente diferente, e ela estava indo para discuti-lo com eles, também. Antes que pudesse pensar em rolar para fora do conforto de sua cama, a porta se abriu e Dillon espiou com sua cabeça. “Mama? Você está acordada?” Holly sorriu. “Sim, querido. Estou acordada.” Dillon empurrou a porta abrindo mais e saiu em disparada, Michael em seus calcanhares. Ambos subiram na cama de cada lado e se aconchegaram em seus lados. “Os pais disseram para não acordá-la, mas nós não a acordamos, não é mamãe?” Michael disse. “Não, você não fez, e eu sempre quero me aconchegar em vocês. Mesmo se estou dormindo.” “Eu te amo,” Dillon disse quando ele passou os seus braços em volta dela. Holly derreteu e reuniu seus filhos apertado contra ela. Ela beijou a testa de Dillon e depois deu a Michael um beijo no topo da cabeça. “Eu também te amo, pequenino. Onde está Seth esta manhã?” “Ele está ajudando o papai sendo o cozinheiro do café da manhã.” Michael fez uma careta. “Eles não me deixaram ajudar, e queria fazer o seu favorito.” Holly deu uma risadinha. “Está bem querido, tudo bem. Eles nunca me deixaram ajudar.” “Sim, papai disse que você deixou a cozinha em chamas,” Dillon deixou escapar. Ela até não iria perguntar qual… “Estamos em missão para dizer-lhe para aconchegar-nos por cinco minutos e depois leva-la para comer,” Michael disse quando se enterrou ainda mais em seu lado. Dillon era geralmente o filho mais amoroso, mas Michael amava seus aconchegos também. Ela temia o dia em que ele crescesse e não quisesse tanto o carinho de sua mãe. Todos

44


os seus filhos eram carinhosos. Era difícil não ser quando crescia em uma casa onde estavam regados com tanto carinho por todos os lados. Ela fechou os olhos e desfrutou do calor e a alegria de ter seus filhos colados tão perto dela. Ela estava quase dormindo novamente quando Dillon agitou e enfiou a cabeça para cima. “Tem passado cinco minutos?” Ele puxou o braço dela. “Devemos ir, mãe. Eu não quero que você perca o café da manhã. Eles estão fazendo o seu favorito!” “Ok, ok,” disse ela, rindo enquanto a puxavam para fora da cama. “Deixe-me vestir.” Michael fez uma careta. “Mas você ainda está usando as mesmas roupas que tinha na noite passada.” Ela olhou para baixo com tristeza. “Exatamente por isso que preciso mudar. Por que vocês dois não vão em frente. Dê-me apenas alguns minutos para me limpar e vou estar fora. Prometo!” Eles saíram do seu quarto e bateram a porta com força suficiente para abalar toda a casa. Ela riu e foi para o banheiro. Depois de um banho apressado e colocar roupa limpa, ela deixou o cabelo molhado e foi para a cozinha. Todos os três homens estavam atrás do balcão fazendo várias tarefas e segurando três meninos com seus apelos para ‘ajudar’. Quando ela deslizou em um dos bancos atrás do bar, todos olharam para ela. Houve uma ligeira hesitação como aferir o seu humor e, provavelmente, pensavam no que diriam. Ela queria torná-lo fácil, porque isso não era algo que queria que os dividisse. Nunca. “Bom dia,” disse ela alegremente. “Os meninos disseram que vocês estavam fazendo o meu favorito.” Adam pareceu aliviado. Ryan colocou o copo que tinha derramado leite e deu um olhar sério em sua direção.

44


“Precisamos conversar,” disse ele calmamente. “Sobre um monte de coisas. Por agora só quero dizer que te amo. Depois do almoço nós vamos ter que conversar.” “O que você está falando?” Seth saltou. Ethan sorriu e agitou os cabelos. “Coisa de adultos.” Michael fez uma careta. “Estamos crescidos.” “É conversa feminina,” disse Holly, sabendo que iria transformar seus filhos fora mais rápido do que qualquer coisa. “Eeecccaaa,” exclamou Dillon. Seth olhou horrorizado. “Então por que os pais conversam sobre coisas femininas?” Adam riu. “Filho, com o tempo você vai entender que todo homem tem que ter uma conversa feminina com sua mulher se ele quer ou não. Sua sobrevivência depende de sua vontade de aceitá-lo com boa vontade.” Seth não parecia convencido, mas tampouco queria se envolver em algo tão nojento como conversa feminina. “Não se preocupe,” disse Holly levemente. “Assim que nós comemos, rapazes podem sair para brincar enquanto seus pais sofrem as indignidades da conversa feminina. Eles vão precisar de conforto para que vocês possam mais tarde soltar todos os peidos e arrotos juntos e reafirmar a ligação viril.” Os meninos riram e imediatamente começaram uma série de arrotos que iria danificar a pintura das paredes. Ethan colocou um prato de torradas na frente de Holly, juntamente com uma garrafa de xarope maple real. Não o material falso, mas o verdadeiro requintado importado de Vermont. Ethan pedia pela internet pelo menos uma vez por mês. Ela cavou com alegria e rezou para seu estômago não se rebelar. Os meninos atacaram seus pratos com entusiasmo e logo a cozinha estava cantarolando com os sons de brincadeira, risos e conversa típica da manhã.

44


No meio, Dillon e Michael entraram em uma briga sobre o açúcar em pó e o resultado foi uma nuvem de pó branco voando sobre suas cabeças como uma tempestade de neve. Ryan bateu a cabeça na mesa, e ele bateu-o repetidamente enquanto gemia. “Vocês dois estão indo ser a morte de todos nós.” “Lamentamos, papai,” disse Dillon solenemente. “Nós vamos limpá-lo. Prometemos.” Ryan suspirou e levantou-se, para recolher seu prato. “Vamos lá, vocês dois. A primeira coisa que vão fazer é limpar-se. Então pode vir limpar a mesa e o chão onde fizeram uma bagunça.” Quinze minutos depois, os meninos estavam impecáveis e os restos de sua confusão não eram mais visíveis. Correram pela sala de jantar gritando para Seth se apressar antes que fossem chamados para ajudar em algo mais. Seth se afastou da mesa, pegou o prato e, em seguida, deu a volta para onde Holly estava sentada. “Terminou, Mamãe? Posso pegar seu prato?” Oh, ela queria apertá-lo sem fôlego, mas deu-lhe o prato em vez e sorriu em agradecimentos. “Esse garoto vai ter meninas agarradas a seus braços e pernas,” ela murmurou enquanto se afastava. “Assemelha-se a mim,” Ethan se vangloriou. Holly começou a rir e Ethan atirou um olhar ofendido. Assim que a porta dos fundos fechou, Adam olhou para Holly. “Venha para a sala de estar conosco para que possamos conversar.” Ela balançou a cabeça e se levantou. Ryan enfiou a mão por cima do ombro e puxou-a em seus braços. Ele não disse nada, mas deslizou sua mão pelo seu lado e depois na barriga, espalmando seus dedos possessivamente sobre a área onde seu filho descansava. Ele beijou sua têmpora e, em seguida, a cutucou para a sala de estar. Assim que ela entrou, Ethan colocou vários travesseiros no sofá e guiou-a para tomar um assento.

44


Em seguida, ele apoiou os pés para cima. Era tudo o que podia fazer para não rir, mas eles estavam a falar a sério, assim como ela. Eles todos estavam à sua frente, pouco à vontade, os braços cruzados sobre o peito. “Holly, me desculpe,” disse Adam. “Estou sou tão maldito por ter te dito aquilo. Não há desculpa para o que te acusei.” Ela lambeu os lábios e olhou para ele com todo o amor em seu coração. “Eu sei disso, Adam.” “Você? Porque bebê, eu faria qualquer coisa no mundo para não machucá-la e sei que fiz isso quando disse aquela merda ontem à noite.” Ela olhou para as expressões torturadas de seus outros maridos e sorriu. “Eu deveria ter lidado de maneira diferente. Estava um pouco — certo muito — chocada quando descobri que estava grávida. E soube que não tomariam isto bem — nenhum de vocês. Devia ter vindo direto assim que soube assim nós podíamos lidar com isso juntos, mas estava sendo uma boba e queria aliviar a ideia de ter outro bebê. Pensei que se trouxesse casualmente diminuiria a sua reação, em seguida, talvez vocês começassem a pensar nisso, então quando eu disse que estava grávida não queria que viesse como um choque. Eu estava errada.” Ethan deu um passo adiante e, em seguida, se ajoelhou na frente dela. Ele tirou as mãos das suas e apertou antes de levar uma das mãos para beijar os dedos. “Não importa o que, não tínhamos o direito de dizer — ou pensar — mesmo por um minuto que você iria atrás de nossas costas e fazer algo de propósito. Foi estúpido da nossa parte, e gostaria muito de seu perdão.” “Oh, Ethan,” ela sussurrou. “Claro que eu te perdoo. Eu amo todos vocês tanto. Eu só quero...” “O que você quer?” Ryan perguntou sem rodeios. Ela olhou para cima e seus olhares conectaram. “Quero que você esteja tão feliz com esta criança como eu estou.”

44


Com isso, os três homens se aproximaram, aglomerando em volta dela. Adam e Ryan deslizaram no sofá ao lado dela, e ela foi abraçada em todas as direções, segurada, consolada e abraçada. “Estou tão feliz que poderia estourar,” Ethan admitiu. “Entrei no quarto dos meninos a noite e vi os quatro dormindo. E tudo que conseguia pensar era que tão perfeito tudo era, era a minha família ao meu redor, e só ia ficar melhor. Você pode imaginar como isso me faz sentir? Para saber a perfeição só se tornará mais... perfeito?” “Estou cagando de medo com o bebê. Não vou mentir, mas quando eu imagino você ficar grande e redonda com nosso bebê e como é linda quando está grávida, então imagino você segurando outro bebê em seu peito enquanto amamenta... bem, estou com Ethan. Eu não acho que as coisas poderiam ficar malditamente melhor, além de outra criança. Nunca me atrevi a imaginar,” disse Adam. Ryan a puxou para perto dele e apertou fortemente. “Estou feliz. Você me faz feliz.” Foi tudo o que disse, mas era tão tipicamente de Ryan que seu interior era como massa de vidraceiro. “Prometa-me que não vão surtar e ficarem pairando em cima de mim até passar os sete meses e meio,” disse ela. Seus olhares disseram que ela estava louca por chegar até esse pensamento imbecil em sua cabeça que com certeza o fariam. Ainda assim, ela tinha que tentar. “Eu vou estar bem. O parto de Dillon foi infeliz. Às vezes essas coisas acontecem, mas não há nada em minha história para sugerir que isso vá acontecer novamente. E se isso acontecer estamos melhores preparados desta vez. Vou ficar bem. Preciso que vocês acreditem nisso.” Adam a beijou longamente e vagarosamente. Quando se afastou, havia tal amor em seus olhos que as lágrimas brotaram dos olhos dela. “Temos uma surpresa para você,” disse ele. “Era algo que iríamos esperar até que os meninos estivessem na escola, mas queremos mostrar para você agora.”

44


Ela inclinou a cabeça e olhou para ele com perplexidade. “Você vai precisar de suas botas. É bem perto daqui. Se você for buscá-los, vou reunir os meninos e nós podemos estar em nosso caminho.” Olhou para Ethan e Ryan, mas apenas sorriu e selou seus lábios. Ela suspirou e segurou suas mãos para cima para que eles pudessem ajudá-la a sair do sofá. Ela adorava surpresas tanto quanto gostava de lhes dar, mas odiava a espera. Ela correu atrás de suas botas e em poucos instantes voltou para a sala onde o resto de sua família esperava. “Vamos lá! Vamos lá!” Dillon gritou. Ethan arrebanhou todos na direção da porta dos fundos. O final do sol de verão brilhava por entre as árvores que logo se transformou em ouro com a queda que se aproximava. Eles tomaram a trilha que descia a encosta de onde sua cabana estava. Ela franziu o cenho quando percebeu que eles estavam indo para uma parcela de terra que os Colters não possuíam. Era um prado de montanha bonita que estava firmemente escondido na propriedade Colter. Ao longo dos anos, os caras tinham comprado o terreno circundante a sua cabana, mas esta foi a única parte que não foram bem sucedidos na compra. Era também o preferido de Holly. Havia tanta paz à vista. Holly gostava de sentar-se acima do prado e olhar para baixo, onde o riacho estreito cortava o chão suavemente inclinado. A primeira coisa que notou foi que a cerca de arame farpado velho tinha ido para baixo a que dividia sua propriedade do prado. Ela odiava a coisa e sempre se preocupava com os meninos se machucarem, apesar de ter sido dito para ficarem longe do prado. O sinal de proibido ultrapassar também se foi.

44


Os homens pararam no limite da propriedade e se viraram para olhar para ela. Não entendendo o que estavam fazendo aqui fora, ela olhou ao redor, esperando algo, qualquer coisa, para sair e dar-lhe uma dica. “O que estamos fazendo aqui?” Ela finalmente perguntou. “Nós provavelmente não deveríamos estar tão perto da propriedade. Os proprietários são muito ranzinzas com as pessoas que vem as suas terras.” “Bem, que eles são,” Ethan disse com um sorriso. “Nos não temos boas vindas aos invasores.” Ela inclinou a cabeça, com certeza não tinha entendido. Ryan sorriu. “É nossa. Ou sua, na verdade. Nós a compramos para você.” Sua boca abriu. “Quer dizer que você os convenceu a vender?” Adam balançou a cabeça orgulhosamente. “O homem que era o dono faleceu e sua esposa concordou em vender. Tudo aconteceu no final da semana passada. Saímos daqui para derrubar a cerca e todas as placas. É oficialmente o seu.” Ela não conseguiu engolir todo o nó na garganta. “É lindo. É tão lindo. E é nossa.” “Podemos brincar aqui agora?” Michael perguntou. Ela sorriu e acenou com a cabeça. Ela poderia facilmente ver os meninos correndo ao longo do riacho, montados em seus cavalos, lutando e sendo apenas meninos. Era o complemento perfeito para a crescente difusão dos caras gerenciado. Ela saltou para o meio de seus maridos e fez uma garra para eles, olhando as mãos sobre os corpos duros, braços e peito. Eles riram e a reuniram enquanto eles circularam em torno dela e a abraçava tão ferozmente enquanto ela os abraçava. “Vai ser um ótimo lugar para ter um novo bebê,” ela disse a eles. “Tanta beleza para compartilhar. Podemos ver o pôr do sol da tarde e pegar o nascer do sol no período da manhã.” Seth lançou um olhar muito descontente. “Bebê? Você está tendo outro bebê, mamãe?” “Bebê?” Dillon gritou. “Bebê?”

44


Ethan agachou-se e puxou seus rapazes dentro e Adam caiu sobre um joelho e depois o outro ao lado deles, enquanto Ryan levava Holly para o seu lado. “Sua mãe está grávida, e nós vamos ter um novo membro para nossa família. Um irmão ou irmã em cerca de sete meses. O que vocês acham sobre isso?” Ethan perguntou. Michael torceu o nariz. “Nojento. Os bebês são... nojentos.” “Vai ficar tudo bem,” Seth disse sabiamente. “Contanto que não seja uma menina.”

44


Capítulo Cinco As férias de primavera dos meninos estavam quase no fim, e Adam, Ethan e Ryan tinham feito de tudo para manter os meninos entretidos e não cansar Holly. Não que ela não cuidasse dos meninos, mas estar grávida de oito meses e tentar manter o ritmo com três forças da natureza a deixava desgastada e inchada dos tornozelos. Mas agora os homens olhavam próximo à exaustão e assim Holly rindo disse-lhes que estava levando os meninos em um piquenique ao prado para que os pais pudessem obter uma pausa. Se ela tivesse que adivinhar, estaria de volta na cama, antes que ela e os meninos após ter saído cinco minutos da casa. Ela arrumou o almoço que Ethan tinha preparado e ouviu os meninos conversando animado. Seth e Michael ambos tinham luvas de beisebol e um taco e não podiam esperar para o treino de bater em campo aberto. Dillon fez uma careta e disse-lhes que baseball era para maricas. Ele jogava uma bola de futebol para cima e pegou enquanto observava Holly terminar de carregar a comida para o cesto de piquenique. “Ok, pessoal, vocês estão prontos para ir? Todo mundo tem tudo o que querem para brincar?” Todos balançaram a cabeça e estenderam seus brinquedos. “Você tem o seu livro, mamãe?” Seth perguntou. Ela sorriu. “Sim, obrigado por pensar em mim.” Ela colocou o último livro de Shelly Laurenston dentro da bolsa e não podia esperar para ler uma vez que todos os garotos estivessem brincando.

44


Depois de avisar para os homens que estavam dirigindo-se, Holly arrebanhou seus filhos fora de casa e no caminho em direção ao prado. A casa, provavelmente, suspirou de alívio. Era primavera, porém, e os meninos tinham mais do que sua quota de energia depois de ficar preso dentro de casa a maior parte do inverno. Neve ainda tampava as montanhas e os rios estavam mais cheios quando começou o degelo da primavera, mas ainda havia uma mordida do ar. Ela puxou o suéter apertado em torno dela e mostrou o caminho. Meia hora depois eles escolheram o local perfeito ao lado do riacho borbulhante, e se espalhou para fora do cobertor. Ela enxotou os meninos para brincar e estendeu ao seu lado, uma mão segurando a barriga saliente e a outra segurando o livro. Ela adorava as contrações suaves que apertava seu estômago. Preparação para o grande dia, o médico lhe tinha dito. Na outra semana, apesar de suas objeções, a família Colter toda iria fazer as malas e se mudar para Denver para as últimas semanas de sua gravidez. Não era a sua preferência, mas não estava disposta a discutir. Os homens tinham realmente sido grande durante a gravidez. Sim, pairavam como galinhas mães ansiosas, mas diminuíram no terror de que algo terrível estava para acontecer uma vez que tinha acontecido com o nascimento de Dillon. Ela desfrutava de seus últimos dias em casa com os meninos e depois olhava para frente com o tempo ela voltaria com outro bebê Colter. Perdida em seu livro, ela não estava focada em quão rítmica suave apertada estava em torno de seu abdômen. Quando os meninos vieram correndo, reclamando que estavam morrendo de fome, ela se mexeu e inclinou para cima. Quando ela fez, umidade escorreu da perna, encharcando sua calça.

44


Seus olhos arregalaram quando viu a mancha escura crescer. Oh diabo, não de novo. Ela fechou os olhos e teria jurado uma faixa azul se não fosse pelo fato de que três rapazes olhando para ela com olhos enormes. O nascimento de Seth tinha sido rápido. Fácil e rápido. Sem contrações dolorosas que conduz ao grande evento. Ela nem sabia que estava em trabalho de parto, até que fosse tarde demais. Mas depois de Michael? Inferno Santo, o garoto queria fazer a sua aparição memorável. Ela estava em trabalho de parto durante horas, cada contração como se alguém estivesse colocando fogo em suas entranhas. Dillon não tinha sido muito melhor e só foi preferível devido à velocidade alarmante em que nasceu. Ela simplesmente não tinha imaginado que iria progredir por meio de outro trabalho com a facilidade com tinha sido no nascimento de Seth. E certamente não um mês inteiro antes! “Mamãe, você está bem?” Seth perguntou ansiosamente. “Ela fez xixi em si mesma,” Dillon sussurrou para Michael. Seth socou ferozmente em Dillon. “Ela não fez!” Holly ergueu as mãos. “Meninos, por favor. Não vamos discutir. Preciso de vocês para me ajudar. Temos que voltar para casa o mais rápido possível, certo?” Com ajuda, ela ficou de pé, mas depois se precaveu sobre quando uma longa sensação de ardor a atormentou. Oh Deus, ela sabia o que era. Era inconfundível, o que significava que o bebê não ia esperar para ir a qualquer lugar para nascer. “O rádio,” ela rangeu para fora quando afundou no chão. Eles sempre carregavam rádios bidirecionais quando saiam da cabana, Adam insistiu nisso. “Chame seus pais pelo rádio. Diga-lhes para vir rapidamente.” Seth arrancou o rádio, mas não esperou. “Eu volto logo, mamãe. Vou buscá-los.” Ele saiu correndo tão rápido quanto suas pernas permitiam levá-lo, gritando no rádio por todo o caminho.

44


Holly estava de volta por um momento para reunir a sua respiração e sua força. Então ela sorriu. Parecia muito como se ela tivesse sua própria maneira depois de tudo. Dillon foi o único de seus filhos a nascer fora da montanha. De alguma forma, era apropriado que o novo bebê nascesse bem aqui neste prado. “Mama? Você está bem?” Michael perguntou ansiosamente. Ela sorriu. “Claro, querido. Eu vou ter um bebê. Isso é tudo.” Os olhos de Dillon saltaram. “Agora?” Ela assentiu com a cabeça. “Legal!” “Ajuda-me a tirar meus sapatos,” disse ela. “Então tenho que tirar essas calças molhadas.” Cada um dos meninos pegou um sapato e, em seguida, começaram a retirar suas meias. “Não, não as meias,” disse ela, lembrando como frio seus pés sempre ficaram no passado. Vários minutos se passaram e as contrações ficaram mais fortes. Ela respirava com cada um e apenas rezou para que pudesse se segurar até que um dos homens chegasse. “Eu acho que os ouvi,” Michael disse em uma voz animada. “Estão a cavalos!” Com certeza, o chão tremeu e vibrou debaixo dela quando os homens pararam os cavalo. Adam chegou primeiro e se curvou sobre ela. “Agora?” Ele perguntou gentilmente. Naquele momento ela o amava por não mostrar o pânico que sabia que ele devia estar sentindo. Estava um pouco assustada, mas em paz com a ideia de ter seu bebê aqui. Eles fizeram o parto de Seth e Michael. Eles certamente poderiam lidar com este bebê. Ela fez uma careta. “Perto. Tão perto como estava com Seth.”

44


Ele jurou suavemente e depois fez um gesto para Ethan e Ryan trazer o material que tinham levado com eles. “Chame um helicóptero,” disse Ryan em uma voz calma. “O bebê é prematuro e devem existir dificuldades, queremos ser capazes de levá-los rápido ao hospital.” Então ele se virou para Ethan. “Bem, você está pronto para fazer o parto de outro bebê?” Ethan se inclinou e apertou um beijo na testa de Holly. “Juro que estou começando a ser uma parteira regular.” Ela sorriu para ele e apertou sua mão, tão grata que eles pudessem brincar em um momento em que deviam estar perdendo suas mentes. “Os meninos,” ela sussurrou. “Não quero que eles se assustem.” “Ryan cuidou deles. Ele está levando-os de lado enquanto chama pelo helicóptero,” Ethan tranquilizou-a. “Tudo bem,” ela rangeu para fora, “porque o bebê está chegando agora.” Adam eficiente despiu-a de suas roupas, cobertores envoltos ao seu redor para mantêla aquecida e fez com que estivesse confortável. Sua cabeça balançava acima dos joelhos e ele sorriu tristemente para ela. “Sim, definitivamente chegando agora. Respire fundo, tome um descanso e em seguida, empurre com a contração seguinte. Um ou dois empurrões deve fazer o truque.” Com Ethan segurando os ombros e apoiando as costas, ela se inclinou para frente, respirou enorme, centrando seu foco e a calma desceu. Quando a contração começou, ela empurrou com toda sua força. “É isso aí, bebê. A cabeça está chegando. Certo! Cabeça está para fora. Dê-me um minuto. Descanse e não force, certo?” Ela ouviu o som de sucção quando Adam limpou as vias aéreas do bebê e, em seguida, o som doce da terra, quebrada pelo choro do filho ecoando pelo vale. “Mais um empurrão,” Adam disse animadamente.

44


Ryan e os meninos tinham a volta por trás de Adam, e os meninos olhavam com fascinação reverente quando Adam levantou o bebê em suas mãos. “Uma menina!” Adam exclamou. “Uma menina!” Ele olhou para Ethan e voltou-se para Ryan. “Temos uma filha!” Lágrimas corriam pelas bochechas de Holly enquanto observava Adam prender o cordão umbilical e com ternura envolveu o bebê em cobertores. Então entregou-lhe o bebê e ela teve sua primeira boa olhada em sua filha. Nublados olhos azuis olharam para Holly enquanto olhava para o rosto do seu bebê. O cabelo escuro, quase preto, um esfregão que estendia sobre sua cabeça. Holly deslizou a ponta do seu dedo na mão enrolada minúscula e foi instantaneamente e ferozmente no amor. “Ela parece um duende,” Dillon reclamou. Ryan deu uma risadinha, mas Holly podia ouvir o traço rouco de lágrimas em sua voz. Os homens caíram de joelhos e se juntaram em torno de Holly quando ela colocou o bebezinho ao seio. Seus filhos, para não ficar atrás, pairavam sobre os ombros dos pais e observavam fascinados como sua irmã foi acolhida para o mundo. “Ela é linda,” sussurrou Holly, tomada pela emoção. Ethan se inclinou para beijá-la. Seus lábios tremiam contra sua bochecha. “Assim como sua mãe.” “Como vamos chama-la?” Ryan perguntou. “Simplesmente presumi que só teríamos outro garoto. Nunca entendi por que Holly não queria descobrir o sexo antes do tempo.” “Callie,” disse Holly. Então, olhou para fora sobre a terra que era tão bonita que fez a sua dor. Ela olhou para sua família e experimentou uma onda de amor tão forte, queimando. “Callie Colter. Ela será a mais amada pequena menina que já nasceu.” “Então nós devemos chamar este de Prado da Callie,” Seth saltou. Adam piscou em surpresa. “Bem, eu vou ser condenado.” Holly olhou de volta para seus maridos e, em seguida, riram. “Prado da Callie,” Ryan concordou.

44


Ao longe o som de um helicóptero se aproximando perturbado a paz e o silêncio que havia descido sobre as montanhas. Adam levantou-se e, em seguida, abaixou-se para recolher cuidadosamente Holly e sua filha em seus braços. “Eu acho que ela está bem, apenas muito pequena”, disse ele com admiração, enquanto olhava para o pacote de armas de Holly. “Mas você ambos devem ir para o hospital e ser verificadas para ter certeza.” Ela levantou os lábios e beijou-lhe a mandíbula. Então, olhou para Ethan e Ryan e sorriu. Estava cansada, mas tão eufórica. “Obrigado.” Ethan inclinou a cabeça para o lado. “Por que boneca?” “Por nossa filha. Por me amar. Por fazê-lo e nos manter seguros. Ela nasceu exatamente onde precisava nascer. Vai crescer numa parte da terra em que teve sua primeira respiração.” Ethan e Ryan pairavam perto quando Adam segurou-a enquanto esperavam pelo helicóptero pousar no prado. Prado da Callie. E Holly estava certa. Nenhuma menina jamais será mais amada mais do que Callie Colter. Ela cresceria um espírito livre, mas sempre guiada pelo amor feroz de sua família e sua lealdade inabalável.

44

Profile for Jennifer

O Prado da Callie - Maya Banks  

Os Colters #1.5

O Prado da Callie - Maya Banks  

Os Colters #1.5

Advertisement