Page 64

ENTRE LENÇÓIS POR ROBERTA SENDACZ

A bondage, uma técnica ligada ao tradicional sadomasoquismo, possui tarefa inexata nas artes e, naquela que escolhemos como exemplo deste texto, o cinema da francesa Catherine Breillat. Batizada de “suspensão”, serve para erguer os sentidos. Levá-los para cima e, numa radicalidade, derrubá-los para se aproximar de uma ligação de si consigo. Isso nos remete ao século 18. É a amarração da personagem com ela mesma, colocando-a assim em questão. As ataduras da bondage são feitas como instrumental para então atar a pessoa a si mesma. De forma a brotar esquisitices. Como protagonista da técnica bondage temos a personagem Marie, de Romance (1999), filme de Breillat, em que o sexo aparece como destruidor e transformador. “Marie está participando de uma jornada que a permite ser construída aos poucos”, analisa Robert Sklar, historiador americano especializado em história do cinema. O erotismo foi escalado para tal: ligar uma coisa na outra, com dor dentro e fora de si. A amarração externa ativa o atarse a si provocando como um sistema da física. Na história, uma professora disléxica é convidada a ir à casa do diretor de sua escola, que lhe propõe um tratamento meio esquisito. Uma espécie de galã do charme, ela começa a se derreter e entregar-se a ele. Não fazem sexo, o diretor não quer isso dela, porém pede para amarrá-la na forma da bondage. Aí faz brotar uma porção de sentimentos íntimos e fortes. A personagem dá uma choradinha, desnecessária para caracterizá-la, e depois passa. O desnudarse desse si consigo está relacionado com o fim da consciência racional. E assim, no desfalecer, pode haver um parentesco com o surrealismo e os sentimentos acontecendo lá na hora da novidade, no exemplo claro do filme. Ela passa por todos os sentimentos e os deixa aparecer. É possível olhar para a cena como sendo o retorno à animalidade. ROBERTA SENDACZ

62 J.P JULHO 2019

Ligar-se a si no terreno das ataduras. Um encontro com a beleza e a sujeira dentro do homem. Nossa personagem Marie retorna algumas vezes à casa do diretor. Numa das noites, aparece de vestido de festa e pede para atar-lhe com mais força que na sessão anterior. Ela se mostra total entregue às ataduras e até passa a dar menos importância para o seu namoradinho que não a quer como “mulher”. Não precisamos ir longe no si consigo. Não precisa ser apenas com sessões de bondage. Às vezes nos chegam informações curiosas que cintilam em nossa cabeça e pensamos: “Nossa, pensei nisso ontem”. “Nossa, essa música me faz pensar naquilo.” São encontros pulverizados de uma coisa com outra. Certa magia que tem a ver com esse si consigo, como confronto ou apaziguamento. Breillat sabe utilizar como ninguém o recurso do “voice-over”, que é dar voz ao pensamento não materializado pela fala. Nesses, estão as farpas do si consigo, o grande encontro ao qual temos de ouvir. De forma geral, a cineasta gosta muito do colocar para fora. E isso pode ser de forma a expandir a violência do personagem, da paixão não correspondida, do mal-entendido e do sexo devastador. Tudo aparece: estamos na pornografia.

é jornalista, mas se encontrou na filosofia. gosta de experimentar tudo com o que fica velado

FOTOS FERNANDO TORRES; GETTY IMAGES

Como a técnica da bondage pode revelar um erótico que vai muito além do sexo em si

Profile for Revista JP

REVISTA JOYCE PASCOWITCH 154  

Superlativa! Tem palavra melhor para descrever nossa capa do mês? @luisasonza é a cantora do momento e encarou as lentes de @pedrodimitrow p...

REVISTA JOYCE PASCOWITCH 154  

Superlativa! Tem palavra melhor para descrever nossa capa do mês? @luisasonza é a cantora do momento e encarou as lentes de @pedrodimitrow p...